7 de Setembro de 2016 - 194 anos de Independência do Brasil

  • 32 Respostas
  • 20485 Visualizações
*

Paisano

  • Especialista
  • ****
  • 905
  • Recebeu: 6 vez(es)
  • +1/-0
    • http://defesabrasil.com/forum
Re: 7 de Setembro de 2014 - 192 anos de Independência do Bra
« Responder #30 em: Setembro 08, 2014, 12:06:27 am »
Recordando a Batalha de Pirajá – 8 de novembro de 1822

Fonte: http://www.bv2dejulho.ba.gov.br/portal/ ... iraja.html

Citar
A data de hoje, 8 de novembro, não pode ser esquecida pelos baianos, porque lembra grande e decisivo lance na sequência das lutas pela conquista da independência da Bahia e, por extensão, do Brasil. Foi nesse dia, em 1822, que o exército brasileiro impediu as forças invasoras portuguesas de conquistarem o restante da Bahia, na sua ambição de permanecerem colonizadores do Brasil.  

A organização do exército em Pirajá contou com forças oriundas de Cachoeira, comandadas pelo coronel Rodrigo Antonio Falcão Brandão; de S. Francisco, comandadas pelo alferes Francisco de Faria Dultra; uma legião de caçadores comandada pelo tenente ajudante Alexandre Gomes de Argolo Ferrão, do qual fazia parte o alferes Pedro Jácome Dória, que morreu na luta; “o corpo dos Henrique Dias”, comandado pelo major Manoel Gonçalves da Silva”. Teve ainda uma companhia de cavalaria denominada de Guerrilha Imperial, composta de voluntários que ficaram conhecidos como os encourados do Pedrão, porque tais soldados se vestiam com roupas de couro, e foram comandados pelo Frei José Maria Brayner, que depois veio a ser vigário de Itaparica. Um outro “corpo” foi organizado sob o comando do major José Antônio da Silva Castro. Registram-se também a existência de um batalhão de libertos, formado por ordem de Labatut, de escravos de cor pertencentes a diversos engenhos. A estes batalhões organizados na província juntaram-se outros, procedentes de outras partes do país. Do Rio de Janeiro, veio o general Labatut, enviado por D. Pedro para intimar Madeira de Melo a sair da capital e voltar para Lisboa. Este comandante dividiu o exército em duas brigadas: a da esquerda, comandada pelo coronel Felisberto Gomes Caldeira, ocupou Itapuã; e a da direita, comandada pelo major José de Barros Falcão de Lacerda, com o batalhão vindo de Pernambuco, ocupou desde a estrada de Itapuã até o Cabrito.

Brás do Amaral explica a importância de Pirajá por sua posição estratégica entre a península e o centro. O alto de Pirajá, por onde passava a estrada das Boiadas, tinha “de um lado terras onduladas, cobertas de matas e onde nas baixas, entre as colinas, não faltam brejos e alagadiços, e do outro a encosta que leva ao mar, isto é, às praias de Itacaranha, Periperi, etc.” Quem aí desembarcava tinha de subir para alcançar a estrada. “Chegando ao cimo e ficando assegurada toda ela, não só fica o exército que a possuir em situação dominante sobre a enseada de Itapajipe, como em estado de garantir a entrada de muitos víveres frescos e gados na cidade.” (AMARAL, 1923, p. 284)

Foi em 8 de novembro de 1822 que, afinal, deu-se a famosa batalha de Pirajá, marco nas lutas pela independência do Brasil, conquistada em terras baianas. No sítio do Cabrito, milhares de homens enfrentaram e venceram o exército português, que estava devidamente preparado para evitar o avanço do exército libertador sobre a cidade. Foi nessa batalha que ocorreu o episódio do corneteiro Luiz Lopes, a quem se atribui o impulso involuntário dado ao exército para continuar a luta, contrariando a ordem do comandante de tocar a retirada.

Nessa batalha, morreram o alferes Pedro Jácome Dória e o capitão de artilharia Ciprinano Justino de Siqueira, nomes que fazem parte da galeria de heróis da história do “Dois de Julho”. Quanto ao número exato de feridos e mortos, na batalha de Pirajá, nunca se pôde apurar ao certo, porque os dados variam conforme os interesses de cada parte conflitante. Do lado português, Madeira de Melo e a imprensa portuguesa diminuíam o número de suas baixas para menos de 100, entre mortos, feridos e desaparecidos, enquanto do lado brasileiro dava-se como certo um número superior a 300. Ladislau Titara lamenta o fato, em seu poema:

“É para sentir, que de uma ação tão brilhante para a Bahia, e todo o Brasil, não exista, ao menos, uma ordem do dia do general do exército, onde se visse mais aproximadamente, quando não fosse ao certo, o número, e nomes dos que pereceram neste combate, onde pela nossa parte sucumbiram também alguns índios: mas o certo é que a perda do inimigo foi desmarcada, pois apesar de logo enterrarem muitos dos mortos, inda assim ficaram no campo em oito horas de fogo, só desde o largo de Pirajá pela esquerda, té ao Bate-folha 53 mortos, inclusos 2 sargentos, constando por notícias fidedignas que o total dos mortos excederam a 130, e os feridos montaram a 200 e tantos, inclusive 3 oficiais, sendo um destes o alferes Salazar do 4o de Infantaria, ferido no pé direito. Das Tropas de Linha de todo o exército baiano só morreram no campo um soldado de caçadores do Rio, 2 de Pernambuco, e 7 da Bahia, além dos dois bravos oficiais também baianos; e ficaram feridas 13 praças de 1ª Linha. Das milícias e paisanos, os feridos chegaram a 15, contusos poucos, e alguns mortos”. (Paraguassu, canto II, nota e, p. 95-6).

“Só pela estrada do Bate-folha até a Cruz do largo da Igreja de Pirajá, contaram-se 53 mortos da tropa lusitana, e um sargento, que achou-se ferido, e enterrado té a cintura nos pântanos do Dendezeiro; além de muitas sepulturas, que pelo lado do Cabrito foram triplicado número, além dos mortos também achados, inclusive alguns inferiores.” (Idem, canto II, nota 1, p. 80).

No entanto, é a certeza da existência desses mortos e feridos que confere maior importância ao fato histórico e uma dimensão heróica que inspira os poetas, os quais, possuídos do amor da pátria, permitem-se explorar o passado honroso dos antecedentes que fecundaram com o próprio sangue o chão da terra em que plantaram a Liberdade. Ao recordá-los, em 1879, o redator de um jornal de Nazaré assim se expressa: “As ossadas que alvejam nos invictos campos de Pirajá, parece que reencarnam-se e redivivem, trazendo os nossos heróis antepassados até nós para receberem em suas frontes os lauréis, as coroas cívicas, imurchecíveis de libertadores da pátria, fato esse histórico e o mais brilhante que teve o seu complemento nessa data memorável, e que é sem sombra de dúvida o apanágio de glória da heróica província da Bahia, a pátria de Moema, dileta primogênita de Cabral.” (Dous de Julho, 28 de junho 1879).

A vitória de Pirajá fez aumentar o entusiasmo dos baianos pela luta, crescendo assim o número dos que juntaram-se às forças combatentes. A vitória ainda demoraria a concluir-se, em 2 de julho de 1823, mas a metade do caminho para recuperar a capital já estava conquistado.

Como se tornou de praxe, todas as datas significativas da campanha da independência da Bahia tiveram numerosas representações poéticas. A batalha de Pirajá foi uma das mais cantadas em verso, e, igualmente, tomada como pretexto para protestos e reflexões de ordem política e social, no decorrer dos anos que se seguiram à conquista da independência. Na mostra seguinte, podem-se constatar tanto a celebração dos fatos heróicos como o questionamento de suas conseqüências.  

BIBLIOGRAFIA
 
AMARAL, Braz do. História da Independência na Bahia. Bahia: Imprensa Oficial, 1923.

TITARA. Ladislau dos Santos. Paraguassu: epopéia da Independência na Bahia. Bahia: Tip. do Diário, 1835-1837.
As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros. Leva-as no coração. (Dom Hélder Câmara)
_________________
Volta Redonda
_________________
 

*

Paisano

  • Especialista
  • ****
  • 905
  • Recebeu: 6 vez(es)
  • +1/-0
    • http://defesabrasil.com/forum
Re: 7 de Setembro de 2014 - 192 anos de Independência do Bra
« Responder #31 em: Setembro 08, 2014, 12:20:45 am »
Conheça a história do Corneteiro Lopes

Fonte: http://www.tribunadabahia.com.br/2013/0 ... eiro-lopes

Citar
O conflito ficou conhecido como a Batalha de Pirajá e teve um papel decisivo na Guerra pela Independência da Bahia, pois assegurou a continuidade do cerco à cidade de Salvador, que estava sob o domínio das tropas portuguesas.

Foram mais de 4 horas de combate. O exército português era mais numeroso, além de melhor treinado e equipado. A vitória lusitana era dada como certa. Tanto o era que, diante da iminente derrota, o Comandante Barros Falcão ordenou o recuo das tropas brasileiras.

Mas eis que, em vez do toque de “recuar”, o corneteiro Luís Lopes deu o sinal de “cavalaria avançar” e, em seguida, o de “degolar”. E quem acabou partindo em retirada foram as tropas lusitanas, imaginando que os brasileiros tinham recebido reforços.

Cavalaria brasileira não havia mesmo. Mas a história (ou seria estória) do tal corneteiro é colocada em dúvida, tanto pela ausência de documentos históricos que comprovem a sua existência, como pelo fato de o episódio soar como lendário.

Na obra Memórias Históricas e Políticas da Bahia, o historiador Inácio Acioli de Cerqueira e Silva apresenta a explicação da vitória brasileira na Batalha de Pirajá como decorrente de um toque errado de corneta.

Já o barão do Rio Branco, nas Efemérides brasileiras, ao registrar e comentar o conflito, não menciona a participação do corneteiro Lopes, embora conhecesse o texto de Acioli.

Brás do Amaral, em História da independência na Bahia, obra escrita no ano em que se comemorou o centenário do 2 de Julho, conta o mesmo que Acioli já havia dito.

Pedro Calmon, ao tratar das lutas da independência, na obra História do Brasil, nada fala sobre a intervenção providencial do corneteiro, que era português, mas integrava o exército brasileiro.

O historiador Cid Teixeira afirma que prefere acreditar no testemunho presencial de Ladislau dos Santos Titara, que, além de ser o autor do Hino ao Dois de Julho, era soldado, lutou na batalha e disse que ouviu o toque de “avançar cavalaria”.

Um outro testemunho, o Alexandre Gomes de Argolo Ferrão, o Barão de Cajaíba, atesta o feito do corneteiro Luís Lopes. Ele era comandante da Legião de Caçadores da Bahia, uma das unidades que participaram do combate de Pirajá.

Cajaíba foi quem acompanhou D. Pedro II, numa visita que este fez ao campo histórico de São Bartolomeu de Pirajá, em 9 de outubro de 1859. O imperador registrou, em seu diário, que o barão lhe contou que os brasileiros ganharam a batalha graças a "um corneta trânsfuga português que descompunha, por meio de toques, o exército lusitano, e neste dia, tocando a retirada, fez com que avançassem os lusitanos para debandarem para o lado do campo de Cabrito e da cidade, logo que ouviram os vivas dados a meu pai, pelo major de Pernambuco Santiago; os tiros de uma pequena peça assestada ao lado direito da igreja, para quem segue para o Cabrito e o toque de degola da cavalaria que deu o tal corneta, quando apenas havia trezentos brasileiros, sobre que se dirigiam quatro colunas lusitanas, tendo por todos quatro mil homens, uma parte da cidade, outra ao lado do Cabrito, outra de Itapoã e outra em direção à praia próxima que chegou ao desembarque, quando as outras já se debandavam”.

Algumas linhas adiante, o monarca escreveu no diário: "todas estas informações são do Cajaíba, e só posso afirmar que as ouvi" .

Em 2003, o episódio do Corneteiro Lopes, se tornou tema de um curta-metragem de 20 minutos, em película, dirigido pelo cineasta baiano Lázaro Faria.
As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros. Leva-as no coração. (Dom Hélder Câmara)
_________________
Volta Redonda
_________________
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: nelson38899

*

Paisano

  • Especialista
  • ****
  • 905
  • Recebeu: 6 vez(es)
  • +1/-0
    • http://defesabrasil.com/forum
As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros. Leva-as no coração. (Dom Hélder Câmara)
_________________
Volta Redonda
_________________
 

 

Movimento "Fundir Portugal" quer anexar Portugal ao Brasil

Iniciado por Sertorio

Respostas: 7
Visualizações: 4351
Última mensagem Março 19, 2012, 06:29:36 pm
por cromwell
Futebol de Portugal torna-se exemplo para o Brasil

Iniciado por Paisano

Respostas: 0
Visualizações: 1227
Última mensagem Outubro 16, 2004, 07:53:49 pm
por Paisano
Erros ortográficos na publicidade dão multa em cidade Brasil

Iniciado por Marauder

Respostas: 5
Visualizações: 4930
Última mensagem Fevereiro 28, 2006, 11:52:59 am
por Marauder
Português acusado no Brasil de espionagem empresarial

Iniciado por Fábio G.

Respostas: 1
Visualizações: 2000
Última mensagem Agosto 04, 2004, 11:34:19 am
por Fábio G.
Maior acidente aéreo de sempre no Brasil

Iniciado por Jorge Pereira

Respostas: 10
Visualizações: 4553
Última mensagem Setembro 10, 2007, 06:27:55 pm
por André