EDP: Notícias

  • 80 Respostas
  • 26193 Visualizações
*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1703
  • Recebeu: 187 vez(es)
  • Enviou: 433 vez(es)
  • +7/-1
Re: EDP: Notícias
« Responder #75 em: Julho 03, 2017, 08:55:04 pm »
Já resta muito pouco das empresas estratégicas em mãos nacionais ou do estado!!!!
Gastamos milhares de milhões a criar e sustentar monopólios para agora os estar a dar de mão beijada. ::)

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1325
  • Recebeu: 373 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +122/-13
Re: EDP: Notícias
« Responder #76 em: Julho 03, 2017, 09:07:07 pm »
Já resta muito pouco das empresas estratégicas em mãos nacionais ou do estado!!!!
Gastamos milhares de milhões a criar e sustentar monopólios para agora os estar a dar de mão beijada. ::)

Cumprimentos,

Nós somos muito caridosos. Sem nunca termos definido que empresas são estratégicas para o país e que nunca serão alienáveis, privatizamos tudo até chegarmos ao cúmulo do SIRESP que supostamente tem toda a informação estratégica de emergência, PSP, GNR, etc, geridas por privados!!!!!

Pagamos subsídios às energias renováveis para exportarem para Espanha subsidiadas pelo nosso próprio bolso! Somos tão caridosos!!!!

Entretanto a empresa espanhola desmente que esteja em conversações com a EDP!!!!!!!!
« Última modificação: Julho 03, 2017, 09:32:39 pm por Viajante »
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1325
  • Recebeu: 373 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +122/-13
Re: EDP: Notícias
« Responder #77 em: Setembro 25, 2017, 10:12:46 am »
Instituto da Água alertou: alargamento da concessão de barragens à EDP não fazia “qualquer sentido”

Ministério do Ambiente ignorou parecer do Instituto da Água sobre contrato de subconcessão de exploração de centrais hidroelétricas sem concurso público. Caso está a ser analisado em Bruxelas.



Em novembro de 2006, cerca de seis meses antes da entrada em vigor do novo decreto–lei sobre o regime de utilização dos recursos hídricos, o extinto Instituto da Água (INAG) enviou ao então ministro do Ambiente, Francisco Nunes Correia, um parecer onde deixava claro que as propostas de alteração feitas pelo Ministério da Economia e Inovação (MEI) ao projeto de diploma eram “totalmente descabidas” e não faziam “qualquer sentido”, avança o Público. “Constata-se que as propostas de alteração remetidas pelo MEI violam frontal e grosseiramente o disposto numa Lei de Bases [a Lei da Água]”, referia o parecer, citado pelo jornal.

Uma das violações mais grosseiras era, de acordo com o INAG, a introdução de pontos que permitiam alargar o contrato com a EDP para explorar 27 centrais hidroelétricas, sem qualquer concurso público, através de uma subconcessão de direitos de utilização dos recursos por parte da REN. Além disso, do Instituto da Água alertou também para o facto de a subconcessão não estar legalmente prevista e contrariar a resolução de 2005 do Conselho de Ministros sobre a estratégia nacional de estímulo à concorrência na área da energia. Mas em vão.

O decreto-lei entrou em vigor a 31 de maio de 2007 sem ter em conta o parecer do INAG e com as alterações feitas pelo Ministério de Manuel Pinho. A assinatura do contrato aconteceu a 8 de março de 2008, um sábado, apenas dez meses depois de o diploma ter entrado em vigor e apesar de este prever um prazo de até dois anos, de acordo com o Público. Pelo prolongamento do prazo, a EDP, então presidida por António Mexia, pagou ao Estado um valor adicional de 759 milhões de euros (uma parte desse dinheiro acabou por serviu para travar o aumento do preço da eletricidade, mas também beneficiou o défice público).

Segundo o Público, o caso, que é um dos temas centrais na investigação por corrupção dos contratos da EDP, está também a ser analisado pela Comissão Europeia, que quer saber se o negócio cumpriu as regras europeias de contratação pública.

http://observador.pt/2017/09/25/instituto-da-agua-alertou-alargamento-da-concessao-de-barragens-a-edp-nao-fazia-qualquer-sentido/#comment-post-2278562-1679441
 

*

Menacho

  • Investigador
  • *****
  • 2818
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 60 vez(es)
  • +6/-50
Re: EDP: Notícias
« Responder #78 em: Novembro 24, 2017, 01:50:21 pm »
El Gobierno portugués se niega a una fusión entre EDP y la espanhola Gas Natural Fenosa

https://okdiario.com/economia/empresas/2017/11/23/gobierno-portugal-cierra-puerta-fusion-gas-natural-fenosa-edp-1545204

Cumprimentos
 

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1325
  • Recebeu: 373 vez(es)
  • Enviou: 186 vez(es)
  • +122/-13
Re: EDP: Notícias
« Responder #79 em: Maio 12, 2018, 12:23:05 am »
Chineses lançam OPA à EDP com prémio de 4,82% e avaliam eléctrica em 11,9 mil milhões

Os accionistas chineses, que controlam actualmente mais de 28% da EDP, lançaram uma OPA sobre a eléctrica oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros. Um prémio de 4,82% face ao valor de fecho da empresa esta sexta-feira.



A China Three Gorges (CTG) lançou uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a EDP, oferecendo uma contrapartida de 3,26 euros por acção, o que representa um prémio de 4,82% face ao valor de fecho das acções da eléctrica esta sexta-feira, 11 de Maio.

O valor oferecido avalia a empresa liderada por António Mexia em 11,9 mil milhões de euros. Esta oferta é "geral e voluntária" pode-se ler no documento divulgado na CMVM. O Millennium Investment Banking, banco de investimento do BCP, é a instituição financeira responsável pela oferta.

A CTG destaca que a sua oferta representa um prémio de cerca de "10,8% em relação ao preço médio ponderado das acções" da EDP nos seis meses posteriores a esta sexta-feira: 2,94 euros por acção. Ao mesmo tempo, destaca que a sua oferta representa um prémio de cerca de "17,9% em relação ao preço médio ponderado ajustado das acções" nos seis meses anteriores a esta sexta-feira: 2,77 euros por acção.

A CTG destaca que a OPA será concluída com sucesso se passar a controlar 50% mais uma acção da EDP após a conclusão da operação."A eficácia da oferta estará sujeita, até ao termo do período da oferta, à aquisição por parte da oferente, no âmbito da oferta, de um número de acções que, acrescidas às ações detidas pela oferente ou por sociedades que estejam com esta em relação de domínio ou de grupo representem, pelo menos, 50% dos direitos de voto mais 1 direito de voto na sociedade visada".

A empresa chinesa destaca que o lançamento desta oferta está sujeito "à alteração dos estatutos da sociedade visada, ainda que condicionada ao sucesso da oferta, de forma a remover qualquer limite à contagem de votos emitidos por um só accionista, quer em nome próprio, quer actuando em nome de outro accionista". Recorde-se que a EDP tem limitados os direitos de votos a 25% do capital.

A companhia garante que, caso a oferta termine com a CTG a controlar mais de 90% da EDP, não pretende retirar a empresa de bolsa. "No caso de, em resultado da oferta, as acções detidas em conjunto pela oferente e por quaisquer pessoas ou entidades relacionadas com a oferente, (...) excederem 90% dos direitos de voto correspondentes ao capital social da sociedade visada, a oferente não pretende requererà CMVM a perda da qualidade de sociedade aberta".

Entretanto, a CTG também lançou uma OPA sobre a EDP Renováveis (controlada em 83% pelo grupo EDP), oferecendo 7,33 euros por cada acção, um valor abaixo da cotação de fecho desta sexta-feira (7,845 euros).



OPA sujeita a autorizações regulatórias e governamentais em Portugal e lá fora

Segundo a anúncio preliminar esta oferta está dependente de autorizações regulatórias nacionais e internacionais. Em Portugal, da Autoridade da Concorrência mas também do Executivo de António Costa: "Confirmação por parte do Governo de Portugal de que não irá opor-se à oferta tal como delineada no presente anúncio (e, por consequência, de que não irá opor-se ao lançamento da potencial oferta pública obrigatória de aquisição sobre as acções representativas do capital social da sociedade espanhola EDP Renováveis".

O Governo já declarou que não se vai opor à OPA com o primeiro-ministro a declarar: "Não temos nenhuma reserva a opor". Ainda antes da oferta ser oficial, António Costa lembrou que "as coisas têm corrido bem em Portugal" e os chineses "têm sido bons investidores", citando os exemplos da REN, EDP e "outros sectores".

Lá fora, a CTG pretende obter aprovações da Comissão Europeia. Também na Europa, a companhia espera obter autorização por parte do presidente do Departamento de Regulação Energética da Polónia. Em França, obter uma "decisão escrita" pelo ministro da Economia e das Finanças francês "confirmando que a oferta não está sujeita a aprovação de acordo com os regulamentos de investimento estrangeiro francês". Na Roménia, "autorizaçáo para o prosseguimento da oferta por parte do conselho supremo de Defesa Nacional da Roménia (CSDNR)".

Já nos Estados Unidos, o maior mercado da EDP Renováveis, a CTG espera obter a aprovação pela Comissão de Investimento Estrangeiro dos Estados Unidos (CFIUS), a "emissão de uma ordem final por parte da Comissão Federal Reguladora de Energia dos EUA (FERC)".

No Brasil, a não oposição à oferta tanto por parte do Conselho Administrativo da Defesa Econômica do Brasil (CADE), ou a não oposição à oferta por parte da Agência Nacional de Energia Eléctrica Brasileira (ANEEL).

No Canadá, a não rejeição ou não oposição do Departamento de Concorrência Federal do Canadá (FCB), da Divisão de Análise de Investimentos do Canadá, sob a tutela do Governo canadiano, do Operador do Sistema Eléctrico Independente Canadiano (IESO).

Em Espanha, autorizações por parte das autoridades portuárias de Avilés e de Gijón para proceder à "alteração indirecta da estrutura de controlo da Hidroelectrica del Cantabrico", isto é, a EDP ESpanha.

China tem vindo a reforçar posição na EDP

O Estado chinês tem vindo a reforçar a sua posição na EDP. A CNIC comprou quase 2% da eléctrica no final de 2017, passando a deter quase 5%. Com 28,25% do capital imputados à República Popular, Pequim ficou assim mais perto da meta de 33,33% em que é obrigada a lançar uma OPA.

A notícia do lançamento da OPA tinha sido avançada pelo Expresso minutos antes do fecho da bolsa nacional. As acções da EDP, que chegaram a cair mais de 3% ao longo da sessão, a reflectir os resultados do primeiro trimestre, que não apresentaram supresas, foram recuperando valor ao longo do dia e fecharam a subir 0,75% para 3,11 euros.

O jornal Expresso revelava que o Governo de António Costa não vai colocar entraves à operação. Mas existe a possibilidade do próprio conselho de administração da EDP vir a classificar esta OPA como hostil, de acordo com a mesma publicação.

A EDP tem sido namorada nos últimos meses por várias eléctricas europeias como a italiana Enel, a espanhola Gas Natural Fenosa ou a francesa Engie. A confirmar-se, o movimento de Pequim pode surgir como uma forma de antecipar, e travar, a investida de outras empresas na EDP.

O presidente da eléctrica, António Mexia, veio recentemente a público avisar que a empresa está bem sem um grande accionista a controlar a maioria do capital. "Estamos a controlar o nosso destino. Não preciso de mais ninguém para controlar o nosso destino, precisamos apenas da confiança dos nossos accionistas, parceiros, colaboradores e clientes", disse António Mexia em entrevista ao Negócios no início de Abril. O gestor tem vindo a negar ao longo dos últimos meses que existam conversações com outras empresas com visto a uma fusão.

EDP namorada por franceses, espanhóis e italianos

Um dos interesses mais recorrentes, a julgar pelas notícias que têm saído em Portugal e Espanha, é o da Gas Natural Fenosa. O presidente da Gas Natural Fenosa, Isidre Fainé esteve inclusivamente em Lisboa, pelo menos duas vezes, para discutir o interesse da eléctrica espanhola na EDP.

Já a imprensa espanhola deu conta do interesse da italiana Enel - dona da espanhola Endesa - na EDP. Sobre esta eventual operação, o presidente da Endesa Portugal, Nuno Ribeiro da Silva, destacou que a entrada da Enel na EDP iria levantar muitas questões regulatórias pois tanto a eléctrica portuguesa como a Endesa operam nos mercados de Portugal e Espanha.

A francesa Engie foi a última empresa a entrar na corrida à EDP. A imprensa francesa avançou em Abril que a eléctrica gaulesa analisou a entrada no capital da EDP, mas a EDP desmentiu qualquer operação.



http://www.jornaldenegocios.pt/mercados/detalhe/chineses-lancam-opa-a-edp-com-premio-de-482-e-avaliam-electrica-em-119-mil-milhoes?ref=DestaquesTopo

Mais uma enorme borrada do actual e anteriores governos!
Vamos oferecer a maior empresa eléctrica nacional ao estado Chinês!!!!! Que para além de produzir energia eléctrica, via EDP, também a transporta até cada subestação do país, via REN e para cúmulo financiada pelo BCP que só por acaso também tem como maiores accionistas os chineses!!!!!!!
Eu não sei se no governo sabem fazer contas, já nem falo no plano estratégico, os Chineses se nos portarmos "mal".... cortam-nos a luz! Queremos electrificar um pólo industrial porque é fundamental..... espera, vamos pedir autorização ao governo chinês!!!!!!
Se fossem inteligentes e não gulosos, ao menos controlavam a totalidade da REN, assim pelo menos desligávamos as fichas da EDP e escolhíamos outro fornecedor!!!!!!
Também estou curioso para ver o que os americanos vão fazer, uma vez que metade de todos os activos da EDP Renováveis fica precisamente em solo americano!!!!!!
« Última modificação: Maio 12, 2018, 12:26:15 am por Viajante »
 

*

Daniel

  • Especialista
  • ****
  • 1191
  • Recebeu: 40 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +52/-538
Re: EDP: Notícias
« Responder #80 em: Janeiro 11, 2019, 04:17:53 pm »
Auditoria a barragens da EDP revela desvios de centenas de milhões
https://eco.sapo.pt/2019/01/11/auditoria-a-barragens-da-edp-revela-desvios-de-centenas-de-milhoes/

Citar
EY descreve conjunto de situações de deficiente controlo na construção de várias barragens, como a de Baixo Sabor, Ribeiradio Ermida e Foz Tua que implicaram desvios de centenas de milhões de euros. Uma auditoria pedida pela própria EDP revelou falhas, desvios e incumprimentos na construção das suas barragens. A notícia é avançada pelo Expresso, nesta sexta-feira, que enumera a adjudicação direta de trabalhos a mais, a utilização de fatores não divulgados nos concursos, pagamento de prémios aos construtores mesmo depois de falharem prazo ou a não aplicação de multas contratualmente previstas, entre o conjunto de situações identificadas pela auditoria realizada pela consultora EY.O jornal dá conta que essa auditoria foi realizada no final de 2017 a pedido da elétrica liderada por António Mexia, mas foi mantida “dentro da gaveta” desde que foram divulgadas as suas conclusões.

De acordo com o documento a que o Expresso teve agora acesso, o trabalho da EY descreve um conjunto de situações de deficiente controlo, por parte da EDP, dos projetos de construção de várias barragens, como a de Baixo Sabor, Ribeiradio Ermida e Foz Tua. Que implicaram desvios de custos, face aos inicialmente projetados, de centenas de milhões de euros.

Contactada pelo jornal, a EDP assumiu já ter começado a corrigir as falhas identificadas naquela auditoria. “A generalidade das situações identificadas no relatório de auditoria da EY eram já do conhecimento da equipa de gestão, na sequência de auditorias internas, e reporta-se ao período em que decorreu a construção, tendo sido definidas ações de melhoria dos procedimentos nesse mesmo período”, especifica a elétrica.

A empresa disse ainda que, “em 2018, a EDP decidiu contratar a EY para prestar apoio na implementação de algumas oportunidades de melhoria identificadas no seu trabalho de 2017 e reforço dos controlos, estando os referidos trabalhos já concluídos”.
A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

 

Estaleiros Navais de Viana do Castelo: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 11
Visualizações: 4458
Última mensagem Maio 13, 2008, 10:27:57 am
por P44
Espírito Santo Turismo: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 0
Visualizações: 1145
Última mensagem Julho 29, 2006, 03:28:00 pm
por Marauder
Sonae Indústria: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 4
Visualizações: 1388
Última mensagem Julho 29, 2006, 09:33:44 am
por Marauder
Jerónimo Martins: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 1
Visualizações: 1283
Última mensagem Junho 27, 2006, 03:39:14 pm
por Marauder
Sonae Sierra: Notícias

Iniciado por Marauder

Respostas: 4
Visualizações: 1802
Última mensagem Julho 18, 2006, 08:42:56 pm
por Marauder