O fim anunciado do mito de D. Sebastião?

  • 0 Respostas
  • 2481 Visualizações
*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3554
  • Recebeu: 29 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +10/-5
O fim anunciado do mito de D. Sebastião?
« em: Abril 12, 2007, 12:37:04 pm »
Citar
Durante anos a fio, o povo ansiou o seu regresso, depositando no ressurgimento da figura pouco máscula, invariavelmente entre as brumas, a resposta para as dificuldades do presente. Mais de quatro séculos volvidos, o mito sebastiânico pode, finalmente, ser desmentido pela ciência. Basta para tal que as pretensões de uma equipa de dois investigadores portugueses e espanhóis - que defendem a abertura do túmulo de D. Sebastião, no Mosteiro dos Jerónimos, e respectivo estudo das ossadas - sejam aprovadas pelo Ministério da Cultura. O caso não é pacífico e a ministra Isabel Pires de Lima tem um semelhante entre mãos terá que decidir se autoriza a análise dos restos mortais de D. Afonso Henriques. O IPPAR é contra.

A sustentar a tese de que D. Sebastião faleceu em pleno combate, na batalha de Alcácer Quibir, encontra-se uma investigação desenvolvida nos últimos três anos por Carlos d'Abreu e Emílio Rivas Calvo, que será publicada no próximo mês pela revista cultural "Praça velha", da Câmara da Guarda. No estudo, a equipa garante ter encontrado no Archivo General de Simancas, em Espanha, documentos comprovativos da morte do soberano, entre os quais a acta da entrega do cadáver em Ceuta, datada de 10 de Dezembro de 1578, e uma breve nota do embaixador do Rei Filipe II a confirmar a chegada do cadáver a Marrocos. O outro manuscrito a que os autores da investigação tiveram acesso consiste numa carta do cardeal-rei D. Henrique a Filipe II a agradecer "tudo o que Filipe II fez em relação à recuperação do corpo".

Embora tenham duvidado, numa primeira instância, da autenticidade dos documentos, os investigadores viram os serviços do arquivo de Simancas confirmarem a sua validade e esperam agora que as análises de ADN do corpo do rei e dos seus antepassados permitam "acabar com o mito sebastiânico".

"Se hoje a ciência nos dá essa possibilidade, por que razão havemos de continuar a alimentar o mito?", defende o investigador residente na Guarda, crítico quanto à "negligência" dos historiadores que até à data se debruçaram sobre o assunto, "por não se esforçarem em dissipar as dúvidas que ainda hoje persistem".

Abreu alude também a "uma estratégia, montada por parte não sei de quem, no sentido de sonegar a informação contida nestes documentos que, por serem conhecidos por alguns historiadores, mesmo que poucos, não são por isso inéditos".

"Sem interesse nenhum"

A possibilidade da abertura do túmulo não reúne consenso, nem mesmo entre os historiadores. Contactado pelo JN, José Hermano Saraiva acredita que a análise das ossadas é "uma diligência desnecessária e sem utilidade nenhuma". O mistério criado em redor da morte de D. Sebastião não resiste a uma análise cuidada da documentação existente, "que aponta num sentido claro os seus restos mortais encontram-se nos Jerónimos".

Para o conhecido apresentador, nem mesmo a extinção do mito sebastiânico é, hoje, uma questão de relevo "Já ninguém espera o D. Sebastião. O mito morreu há muito. Basta ver que, no concurso 'Os grandes portugueses', o seu nome não figurou sequer na centena de finalistas".

* com agência Lusa
JN

Citar
Dois historiadores desvendam mito da morte do Rei D. Sebastião
Os investigadores Carlos d‘Abreu, residente na Guarda e Emilio Rivas Calvo, de Salamanca, Espanha), tiveram acesso a documentos que provam que o Rei D. Sebastião tombou no campo da batalha de Alcácer Quibir (Marrocos), em 1578, e que o seu corpo foi resgatado e transferido para Ceuta, onde permaneceu até ser trasladado para Portugal.
O resultado da investigação, que será publicado no próximo número da Revista Cultural Praça Velha, editada pela Câmara Municipal da Guarda, leva os historiadores a defenderem, no seguimento da posição assumida por outros estudiosos, a abertura do túmulo de D. Sebastião e à análise das suas ossadas pelo método do ADN.
A batalha de Alcácer Quibir foi travada no dia 4 de Agosto de 1578 em Marrocos, tendo o exército português sofrido uma grande derrota frente aos mouros, que culminou com a morte do Rei D. Sebastião.
De acordo com o investigador Carlos d‘Abreu, a História refere, pelos relatos de Jerónimo de Mendonça, cronista de “A Jornada de África”, que “ninguém viu morrer o rei”, daí que tenha sido criado em Portugal um mito em torno do monarca. “A historiografia criou o mito sebastiânico, em como ele, não terá morrido no campo de batalha, que antes, desonrado pela derrota, terá partido e andado a vaguear por aí”, afirmou ao Jornal A Guarda.
Com a investigação iniciada em 2003, quando estava casualmente de férias em Ceuta, o historiador garante que D. Sebastião “morreu e o seu corpo foi resgatado do local da batalha”. Conta que durante o processo de investigação, realizada em colaboração com o investigador espanhol de Salamanca, encontrou documentos relacionados com a entrega do corpo do monarca português, no Archivo General de Simancas (Espanha). “A primeira reacção que tive foi que, eventualmente, os documentos não fossem verdadeiros”, conta, mas a sua autenticidade foi garantida pelos serviços do Arquivo.
Os historiadores tiveram acesso a vária documentação relacionada com o processo pós-morte do monarca que tombou na Batalha de Alcácer Quibir, sendo de destacar três deles: a acta da entrega do seu corpo em Ceuta (datada de 10 de Dezembro de 1578, que relata a recepção do corpo e a sua depositação na igreja do Mosteiro da Santíssima Trindade); uma comunicação (emitida no dia seguinte) do embaixador do Rei Filipe II, a confirmar a chegada do cadáver a Ceuta; e um terceiro documento, uma carta do cardeal-rei D. Henrique a Filipe II onde “agradece tudo o que Filipe II fez em relação à recuperação do corpo”.
Carlos d´Abreu refere ainda que o corpo do monarca esteve em Ceuta até 1582, quando o rei Filipe I de Portugal “fez trasladar o corpo de D. Sebastião para Portugal e tumulou-o, bem como à sua família, no Mosteiro dos Jerónimos”.

Investigadores defendem abertura do túmulo e estudo das ossadas de D. Sebastião

Os dois investigadores defendem agora, à semelhança de outros, que o túmulo de D. Sebastião “seja aberto e se realizem análises de ADN do corpo do Rei e dos seus antepassados que também ali se encontram sepultados”. “Comungamos desta opinião porque achamos que a ciência deve ser posta ao serviço da verdade. Sendo eu um visitante do Mosteiro dos Jerónimos, sabia que existia lá um túmulo de D. Sebastião, mas não lhe dava importância porque a ideia que a historiografia transmitia era que o túmulo estava vazio, que era simbólico”, refere Carlos d`Abreu.
“Acho que isso deve ser feito. Se hoje a ciência nos dá essa possibilidade, por que razão, havemos de continuar a alimentar o mito? A quem serve hoje o mito?”, questiona.
No entender de Carlos d´Abreu, os historiadores que se têm debruçado sobre o estudo de D. Sebastião “foram negligentes, porque não se esforçaram por dissipar essas dúvidas que ainda hoje persistem”. “Dá a sensação que houve uma estratégia, montada por parte não sei de quem, no sentido de sonegar a informação contida nestes documentos que, por serem conhecidos por alguns historiadores, mesmo que poucos, não são por isso inéditos”, afirma ao Jornal A Guarda.


Fonte
Potius mori quam foedari
 

 

Mito, Operação Cassange, Angola 1961 - Uso de napalm pela FAP

Iniciado por P_Mateus

Respostas: 0
Visualizações: 1102
Última mensagem Março 23, 2016, 02:31:48 pm
por P_Mateus
Mito - Uso de Napalm na Operação Cassange, Angola, 1961

Iniciado por P_Mateus

Respostas: 7
Visualizações: 3132
Última mensagem Agosto 31, 2012, 04:13:21 pm
por P_Mateus
Onde está o elmo de D.Sebastião?

Iniciado por Carlos Rendel

Respostas: 1
Visualizações: 1233
Última mensagem Junho 01, 2011, 01:25:24 am
por TOMSK
D. Sebastião morto em batalha?

Iniciado por komet

Respostas: 8
Visualizações: 3310
Última mensagem Janeiro 22, 2009, 05:51:33 pm
por Granadeiro
Elmo de batalha de Dom Sebastião

Iniciado por Duarte

Respostas: 2
Visualizações: 1550
Última mensagem Janeiro 02, 2018, 05:39:13 pm
por Luso