Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo

  • 350 Respostas
  • 56796 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10667
  • Recebeu: 360 vez(es)
  • Enviou: 224 vez(es)
  • +58/-38
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #330 em: Fevereiro 21, 2019, 11:38:49 am »
OCDE tem dúvidas sobre "viabilidade" do novo aeroporto





A viabilidade económica do futuro novo aeroporto de Lisboa no longo prazo levanta dúvidas à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE). No estudo económico sobre Portugal (Economic Survey of Portugal 2019), divulgado nesta semana, a OCDE diz claramente que é preciso acautelar o impacto deste tipo de projetos de valor elevado no futuro financeiro do país.

Embora o governo do PS garanta que o novo aeroporto não vai custar dinheiro aos contribuintes (será todo financiado pela empresa concessionária, a francesa Vinci), a OCDE tem as suas dúvidas, pois além do contrato de concessão ser muito longo (50 anos), há infraestruturas públicas (como estradas, acessos, etc.) que vão ter de ser construídas para que o projeto faça globalmente sentido.

"O aeroporto de Lisboa está a funcionar perto da capacidade total e existem planos para construir um segundo aeroporto internacional no Montijo, a 20 milhas [cerca de 32 quilómetros] de Lisboa por estrada", diz a OCDE. No entanto, alerta que, "para ser eficaz, o novo aeroporto vai precisar de ser complementado por ligações de transporte que efetivamente o conectem à cidade".

A OCDE observa que "os aeroportos portugueses são operados ao abrigo de um contrato de concessão de 50 anos com uma empresa privada [Vinci]" pelo que "a viabilidade da expansão da capacidade do aeroporto de Lisboa ou a capacidade do governo para induzir melhorias de eficiência nesse projeto também deve ser exaustivamente investigadas".

Mais. A organização recomenda ao governo que o investimento público "dê prioridade aos projetos com maiores retorno económico e social no longo prazo".

"As decisões de investimento público devem ser tomadas no contexto de uma visão estratégica nacional de longo prazo que aborde as necessidades de infraestruturas, como satisfazer essas necessidades e deve identificar as entidades responsáveis", pede a OCDE.

Primeira fase: 1,3 mil milhões. Segunda fase: mais 507 milhões

No início de janeiro, o governo anunciou um "investimento por parte da ANA/Vinci superior a 1,3 mil milhões de euros, para financiar a primeira fase da solução (até dez anos) do novo aeroporto, que inclui 520 milhões de euros para o Montijo, 650 milhões de euros para o Aeroporto Humberto Delgado e cerca de 160 milhões de euros para a Força Aérea e acessibilidades".

No entanto, ainda não se sabe se o aeroporto vai mesmo para a frente no Montijo, pois precisa ainda de passar nas avaliações de impacto ambiental.

Se o projeto Montijo for adiante, e depois da sua conclusão, o governo prevê investimentos adicionais de 507 milhões no aeroporto Humberto Delgado (Portela, Lisboa) e 200 milhões em outros aeroportos do país (Porto, Faro, etc.), entre 2022 e 2030.

Segundo o ministério que tutela este projeto, "esses 507 milhões de euros dizem respeito a obras de fundo no Aeroporto Humberto Delgado, na Portela, mas só devem ocorrer depois de o aeroporto do Montijo abrir". A obra implicará ainda a desativação da pista secundária da Portela.

Tal como a primeira fase (até 2022, valor 1,3 mil milhões de euros), a segunda fase da expansão do aeroporto de Lisboa (Portela +1) vale os referidos 507 milhões de euros, sendo o valor suportado pela ANA - Aeroportos de Portugal (Vinci), empresa que foi privatizada em 2012, no tempo da troika e do governo PSD-CDS.


:arrow: https://www.dn.pt/edicao-do-dia/21-fev-2019/interior/ocde-tem-duvidas-sobre-viabilidade-do-novo-aeroporto-10599509.html?fbclid=IwAR2zV_oGiPaEA92Exc_M6dq6pA2IHSPZLJ3bdvFv37S3zqukhlWsk4goyVA
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 2227
  • Recebeu: 1016 vez(es)
  • Enviou: 529 vez(es)
  • +255/-81
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #331 em: Abril 02, 2019, 11:09:51 am »
Verdade de La Palice ou mais umas boas toneladas de pressão para cima dos técnicos que se encontram a concluir o estudo? ::)

Citar
António Costa: Única alternativa ao Montijo é “construção de aeroporto de raiz”
O primeiro-ministro assegura que não existe plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Montijo e lamenta que há dez anos não se tenha avançado com Alcochete.

Negócios jng@negocios.pt
30 de março de 2019 às 11:25

O primeiro-ministro António Costa garante que o Governo não tem um plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Aeroporto do Montijo. Nesse caso, defende, a única alternativa será a construção de um aeroporto de raiz. Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o chefe do Executivo lamentou que, há dez anos, não se tenha optado pela construção de um aeroporto em Alcochete, que teria sido, na sua opinião, a "melhor solução"."Entendo que há dez anos deveria ter sido feito aquilo que era a melhor solução que era a construção de um aeroporto de raiz em Alcochete. Não foi feito. Na altura entendeu-se que os números que demonstravam a necessidade de um novo aeroporto eram números megalómanos", afirmou.

Lembrando que, hoje, a solução "mais rápida e de menor custo" é a do Montijo, o primeiro-ministro insiste que não "não existe um plano B" caso o estudo de impacto ambiental seja desfavorável." Eu já tenho dito, com toda a clareza, que não há plano B", reiterou."O plano B é simples: é construir um aeroporto de raiz porque todas as outras soluções alternativas, de Alverca, de Sintra, todas aquelas já foram estudadas, são sempre piores do que as outras. Enfim, o estudo de impacto ambiental, vamos aguardar a sua apresentação e depois a sua avaliação. Há uma coisa que é certa. No sítio onde já há um aeroporto seguramente haverá um impacto ambiental menor do que ir construir um de raiz onde não há nenhum aeroporto", concluiu.

https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/antonio-costa-unica-alternativa-ao-montijo-e-construcao-de-aeroporto-de-raiz?fbclid=IwAR1Pp3PziGhXdPYAelNQAUGFSEcgarEvSHGCBRmLdZhgE4zYiLbfVpDSYRQ
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3266
  • Recebeu: 1448 vez(es)
  • Enviou: 559 vez(es)
  • +214/-9
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #332 em: Abril 02, 2019, 11:25:05 am »
Verdade de La Palice ou mais umas boas toneladas de pressão para cima dos técnicos que se encontram a concluir o estudo? ::)

Citar
António Costa: Única alternativa ao Montijo é “construção de aeroporto de raiz”
O primeiro-ministro assegura que não existe plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Montijo e lamenta que há dez anos não se tenha avançado com Alcochete.

Negócios jng@negocios.pt
30 de março de 2019 às 11:25

O primeiro-ministro António Costa garante que o Governo não tem um plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Aeroporto do Montijo. Nesse caso, defende, a única alternativa será a construção de um aeroporto de raiz. Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o chefe do Executivo lamentou que, há dez anos, não se tenha optado pela construção de um aeroporto em Alcochete, que teria sido, na sua opinião, a "melhor solução"."Entendo que há dez anos deveria ter sido feito aquilo que era a melhor solução que era a construção de um aeroporto de raiz em Alcochete. Não foi feito. Na altura entendeu-se que os números que demonstravam a necessidade de um novo aeroporto eram números megalómanos", afirmou.

Lembrando que, hoje, a solução "mais rápida e de menor custo" é a do Montijo, o primeiro-ministro insiste que não "não existe um plano B" caso o estudo de impacto ambiental seja desfavorável." Eu já tenho dito, com toda a clareza, que não há plano B", reiterou."O plano B é simples: é construir um aeroporto de raiz porque todas as outras soluções alternativas, de Alverca, de Sintra, todas aquelas já foram estudadas, são sempre piores do que as outras. Enfim, o estudo de impacto ambiental, vamos aguardar a sua apresentação e depois a sua avaliação. Há uma coisa que é certa. No sítio onde já há um aeroporto seguramente haverá um impacto ambiental menor do que ir construir um de raiz onde não há nenhum aeroporto", concluiu.

https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/antonio-costa-unica-alternativa-ao-montijo-e-construcao-de-aeroporto-de-raiz?fbclid=IwAR1Pp3PziGhXdPYAelNQAUGFSEcgarEvSHGCBRmLdZhgE4zYiLbfVpDSYRQ

Mau, então sempre há um plano B, ou não ??

Se o PM diz se o estudo do impacte ambiental for desfavorável a construção do aeroporto do Montijo não avança, o plano B é fazer um aeroporto de raiz, isso quer dizer o quê ??
Que afinal havia e há plano B, ou estou a ver mal a coisa ?

Abraços
 

*

raphael

  • Especialista
  • ****
  • 1170
  • Recebeu: 170 vez(es)
  • Enviou: 151 vez(es)
  • +24/-2
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #333 em: Abril 02, 2019, 11:42:18 am »
Para mim significa que está mandar a brita para cima do PSD...e que se as coisas descambarem a culpa é do PSD...

E que avançarão para Alcochete com os atrasos que daí advirão.

Discurso com tons eleitoralistas mas credível ao ponto Alcochete ser a solução a adoptar ambientalmente...está o estudo todo feito, mas não me admira que precisem de novo estudo...em 10 anos o ecossistema mudou.
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

asalves

  • Membro
  • *
  • 280
  • Recebeu: 90 vez(es)
  • Enviou: 34 vez(es)
  • +11/-5
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #334 em: Abril 02, 2019, 05:03:09 pm »
Verdade de La Palice ou mais umas boas toneladas de pressão para cima dos técnicos que se encontram a concluir o estudo? ::)

Citar
António Costa: Única alternativa ao Montijo é “construção de aeroporto de raiz”
O primeiro-ministro assegura que não existe plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Montijo e lamenta que há dez anos não se tenha avançado com Alcochete.

Negócios jng@negocios.pt
30 de março de 2019 às 11:25

O primeiro-ministro António Costa garante que o Governo não tem um plano B caso o estudo de impacto ambiental inviabilize a solução do Aeroporto do Montijo. Nesse caso, defende, a única alternativa será a construção de um aeroporto de raiz. Em entrevista à TSF e ao Dinheiro Vivo, o chefe do Executivo lamentou que, há dez anos, não se tenha optado pela construção de um aeroporto em Alcochete, que teria sido, na sua opinião, a "melhor solução"."Entendo que há dez anos deveria ter sido feito aquilo que era a melhor solução que era a construção de um aeroporto de raiz em Alcochete. Não foi feito. Na altura entendeu-se que os números que demonstravam a necessidade de um novo aeroporto eram números megalómanos", afirmou.

Lembrando que, hoje, a solução "mais rápida e de menor custo" é a do Montijo, o primeiro-ministro insiste que não "não existe um plano B" caso o estudo de impacto ambiental seja desfavorável." Eu já tenho dito, com toda a clareza, que não há plano B", reiterou."O plano B é simples: é construir um aeroporto de raiz porque todas as outras soluções alternativas, de Alverca, de Sintra, todas aquelas já foram estudadas, são sempre piores do que as outras. Enfim, o estudo de impacto ambiental, vamos aguardar a sua apresentação e depois a sua avaliação. Há uma coisa que é certa. No sítio onde já há um aeroporto seguramente haverá um impacto ambiental menor do que ir construir um de raiz onde não há nenhum aeroporto", concluiu.

https://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/antonio-costa-unica-alternativa-ao-montijo-e-construcao-de-aeroporto-de-raiz?fbclid=IwAR1Pp3PziGhXdPYAelNQAUGFSEcgarEvSHGCBRmLdZhgE4zYiLbfVpDSYRQ

Gostava de saber como é que o Sr. Ministro sabe que a melhor opção agora é o montijo? Existe algum estudo que diga tal coisa? Comparando as 2 soluções?

É que senão é mais uma aldrabice do Sr. PM
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 2227
  • Recebeu: 1016 vez(es)
  • Enviou: 529 vez(es)
  • +255/-81
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #335 em: Abril 06, 2019, 03:58:49 pm »
Aquilo que há muito se sabe e a ANA tenta esconder.

Citar
Água ‘mete-se’ no estudo do aeroporto
06.04.2019 às 0h00

Traçado de vias de acesso ao aeroporto do Montijo está localizado sobre captações de água para consumo humano

Carla Tomás

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) do projetado aeroporto do Montijo detetou um novo obstáculo: as vias de acesso atravessam zonas de proteção de captações de água de um aquífero que abastece as populações do Montijo e de Alcochete. De acordo com a lei, o terreno delimitado tem de ser “mantido limpo de quaisquer produtos ou líquidos que possam provocar infiltração de substâncias indesejáveis para a qualidade da água captada”, o que impede, por exemplo, a passagem de camiões de combustível.

A descoberta obrigou a novas análises e à ponderação de alternativas que podem, segundo fonte próxima do processo, atrasar a entrega do EIA “uma semana”. Para ultrapassar o obstáculo estão a ser analisadas três hipóteses: a relocalização das captações de água; a alteração do traçado de acesso ao aeroporto; ou a revisão das zonas de proteção. A ANA confirma ter conhecimento da questão “há muito” e diz que “as alternativas estão a ser estudadas e serão apresentadas em devido tempo”, mas mantém a previsão de entrega do EIA “até ao final da segunda semana de abril”.

Os impactos que o novo aeroporto terá na avifauna continuam a ser uma das preocupações dos ambientalistas e não só. “Com aviões a levantar e a aterrar de sete em sete minutos, este aeroporto vai afetar de forma drástica a Reserva Natural do Estuário do Tejo”, afirma o deputado do BE Pedro Soares. O presidente da Comissão Parlamentar de Ambiente visitou esta semana a área, classificada como a mais importante zona húmida do país. Por ali passam mais de 200 mil aves por ano em rota migratória. Para Pedro Soares, “é um crime afastar dali as aves e colocar em causa um sistema ecológico prioritário, em função de interesses económicos”.

https://expresso.pt/sociedade/2019-04-05-Agua-mete-se-no-estudo-do-aeroporto-1?fbclid=IwAR0yd_HDJdnJIvSdyrVymetetmNVjhFTFwrPrb1Y5lP4U_wCu7tR4lOd4Oc#gs.3zhh4g
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: tenente

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3266
  • Recebeu: 1448 vez(es)
  • Enviou: 559 vez(es)
  • +214/-9
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #336 em: Abril 06, 2019, 04:10:41 pm »
Aquilo que há muito se sabe e a ANA tenta esconder.

Citar
Água ‘mete-se’ no estudo do aeroporto
06.04.2019 às 0h00

Traçado de vias de acesso ao aeroporto do Montijo está localizado sobre captações de água para consumo humano

Carla Tomás

O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) do projetado aeroporto do Montijo detetou um novo obstáculo: as vias de acesso atravessam zonas de proteção de captações de água de um aquífero que abastece as populações do Montijo e de Alcochete. De acordo com a lei, o terreno delimitado tem de ser “mantido limpo de quaisquer produtos ou líquidos que possam provocar infiltração de substâncias indesejáveis para a qualidade da água captada”, o que impede, por exemplo, a passagem de camiões de combustível.

A descoberta obrigou a novas análises e à ponderação de alternativas que podem, segundo fonte próxima do processo, atrasar a entrega do EIA “uma semana”. Para ultrapassar o obstáculo estão a ser analisadas três hipóteses: a relocalização das captações de água; a alteração do traçado de acesso ao aeroporto; ou a revisão das zonas de proteção. A ANA confirma ter conhecimento da questão “há muito” e diz que “as alternativas estão a ser estudadas e serão apresentadas em devido tempo”, mas mantém a previsão de entrega do EIA “até ao final da segunda semana de abril”.

Os impactos que o novo aeroporto terá na avifauna continuam a ser uma das preocupações dos ambientalistas e não só. “Com aviões a levantar e a aterrar de sete em sete minutos, este aeroporto vai afetar de forma drástica a Reserva Natural do Estuário do Tejo”, afirma o deputado do BE Pedro Soares. O presidente da Comissão Parlamentar de Ambiente visitou esta semana a área, classificada como a mais importante zona húmida do país. Por ali passam mais de 200 mil aves por ano em rota migratória. Para Pedro Soares, “é um crime afastar dali as aves e colocar em causa um sistema ecológico prioritário, em função de interesses económicos”.

https://expresso.pt/sociedade/2019-04-05-Agua-mete-se-no-estudo-do-aeroporto-1?fbclid=IwAR0yd_HDJdnJIvSdyrVymetetmNVjhFTFwrPrb1Y5lP4U_wCu7tR4lOd4Oc#gs.3zhh4g

mais do mesmo, mais do mesmo, cambada de trafulhas e incompetentes !!!!

Abraços
 

*

raphael

  • Especialista
  • ****
  • 1170
  • Recebeu: 170 vez(es)
  • Enviou: 151 vez(es)
  • +24/-2
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #337 em: Abril 06, 2019, 04:25:00 pm »
Está tudo contra o Montijo é certo...até os birdstrikes comuns com aeronaves militares têm sido empolados...

Mas captações de água de aquíferos??? desvia-se a captação...protege-se o aquifero...mais betão menos betão...blinda-se o aquifero...
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

asalves

  • Membro
  • *
  • 280
  • Recebeu: 90 vez(es)
  • Enviou: 34 vez(es)
  • +11/-5
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #338 em: Abril 08, 2019, 10:54:45 am »
Eu acho que a se a construção do aeroporto do montijo se for para a frente vai ser um dos ponto mais altos da incompetência e fácil permeabilização dos políticos por interesses e com questões a roçar na corrupção. Com tanta mediatização que houve, estudos e gente a falar que a solução não chega sequer a ser uma solução, e mesmo assim o governo insiste. Só governo e a ANA é que estão a favor desta solução que para mim já está demonstrada há muito que não vai funcionar ou vai-se enterrar muito dinheiro naquilo.

Tem de haver qualquer coisa (talvez €) para continuarem a insistir nesta solução. Existindo Alcochete onde mais de metade dos problemas do Montijo não existem porque motivo se insiste no Montijo?

É que não estou a falar em construir um Aeroporto completo em Alcochete façam um portela +1 mas em Alcochete, daqui a 15/20 anos logos se aumenta a capacidade de Alcochete para um grande aeroporto internacional
 

*

raphael

  • Especialista
  • ****
  • 1170
  • Recebeu: 170 vez(es)
  • Enviou: 151 vez(es)
  • +24/-2
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #339 em: Abril 08, 2019, 01:54:34 pm »
Eu acho que a se a construção do aeroporto do montijo se for para a frente vai ser um dos ponto mais altos da incompetência e fácil permeabilização dos políticos por interesses e com questões a roçar na corrupção. Com tanta mediatização que houve, estudos e gente a falar que a solução não chega sequer a ser uma solução, e mesmo assim o governo insiste. Só governo e a ANA é que estão a favor desta solução que para mim já está demonstrada há muito que não vai funcionar ou vai-se enterrar muito dinheiro naquilo.

Tem de haver qualquer coisa (talvez €) para continuarem a insistir nesta solução. Existindo Alcochete onde mais de metade dos problemas do Montijo não existem porque motivo se insiste no Montijo?

É que não estou a falar em construir um Aeroporto completo em Alcochete façam um portela +1 mas em Alcochete, daqui a 15/20 anos logos se aumenta a capacidade de Alcochete para um grande aeroporto internacional

Essa é a próxima...

Porque a ideia futura é só Alcochete e terminar a Portela pela especulação imobiliária daqueles terrenos em Lisboa.
O problema é que vão vislumbrar isso assim que o Montijo arrancar.
Tudo vai depender e muito se conseguirem protelar o Montijo até depois das eleições.

Se o dono da cadeira mudar ou tiver de ter outras parcerias a coisa pode mudar de rumo.
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

Daniel

  • Especialista
  • ****
  • 1185
  • Recebeu: 36 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +50/-392
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #340 em: Abril 11, 2019, 05:16:48 pm »
Aeroporto em Alverca seria "grave atentado” ambiental e “desastre” financeiro, diz Governo
https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/aeroporto-em-alverca-seria-grave-atentado-ambiental-e-desastre-financeiro-diz-governo

Citar

Alberto Souto Miranda lembra, em comunicado, que “o país discutiu durante anos” e o Governo estudou o “necessário” e “decidiu fundadamente” a solução que passa pela transformação da base aérea do Montijo, sendo que o avanço das obras “só está dependente” da aprovação pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) que “deve ser entregue” na sexta-feira.

A APA “deve pronunciar-se até outubro, no prazo legal, se não o conseguir fazer antes”, assinala o governante, segundo o qual “no Montijo o impacto ambiental será muito mitigado” e “será um aeroporto facilmente acessível por via rodoviária, fluvial e ferroviária e será um dia o grande aeroporto de Lisboa”.

“Todos esperamos que a ANA, SA possa começar as obras até ao final do ano”, sublinha.

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, defendeu na terça-feira que o aeroporto complementar ao de Lisboa deve ficar situado em Alverca e não no Montijo, apontando para “ganhos ambientais e socioeconómicos” para sustentar a posição.

“Não há nenhuma razão que torne o Montijo preferível do que esta solução óbvia que é Alverca. Alverca é a solução mais lógica e racional”, afirmou o líder da Aliança.

Para Alberto Miranda, “a ideia de Santana Lopes de localizar o novo Aeroporto em Alverca, nem é uma ideia nova, nem é uma ideia boa”, mas sim “uma ideia antiga” que “foi sempre má”.
“O Governo não está disponível para brincar à localização de aeroportos, nem para aterrar várias centenas de hectares no Rio Tejo. É um fogacho de campanha eleitoral inconsequente”, critica.

Segundo o secretário de Estado, “como a pista de Alverca conflitua com a pista do aeroporto Humberto Delgado em termos de normas de navegação aérea, Santana Lopes quer construir uma nova pista em Alverca, no meio do rio Tejo”.

“Ambientalmente seria um grave atentado. Financeiramente seria um desastre. E a capacidade de expansão desse aeroporto penderia da nossa vontade em ir aterrando o rio Tejo”, destaca.

A ANA e o Estado assinaram em 08 de janeiro o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, que prevê um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 e inclui a extensão da atual estrutura Humberto Delgado (em Lisboa) e a transformação da base aérea do Montijo.

Em 04 de janeiro, o então ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou que serão cumpridas integralmente as eventuais medidas de mitigação que venham a ser definidas pelo estudo de impacto ambiental para o aeroporto complementar do Montijo.

O primeiro-ministro, António Costa, também já disse que apenas se aguarda o EIA para ser "irreversível" a solução aeroportuária Portela + Montijo, considerando haver consenso nacional sobre o projeto.

Em 11 de janeiro, António Costa admitiu que "não há plano B" para a construção de um novo aeroporto complementar de Lisboa caso o estudo de impacto ambiental chumbe a localização no Montijo e voltou a garantir que "não haverá aeroporto no Montijo" se o estudo de impacte ambiental não o permitir.

Em 08 de março, a associação ambientalista Zero anunciou que tinha interposto uma ação judicial contra a APA, para que seja efetuada uma Avaliação Ambiental Estratégica ao novo aeroporto do Montijo.

A Vida é um teste e uma incumbência de  confiança.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3266
  • Recebeu: 1448 vez(es)
  • Enviou: 559 vez(es)
  • +214/-9
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #341 em: Abril 11, 2019, 07:36:45 pm »
Aeroporto em Alverca seria "grave atentado” ambiental e “desastre” financeiro, diz Governo
https://24.sapo.pt/atualidade/artigos/aeroporto-em-alverca-seria-grave-atentado-ambiental-e-desastre-financeiro-diz-governo

Citar

Alberto Souto Miranda lembra, em comunicado, que “o país discutiu durante anos” e o Governo estudou o “necessário” e “decidiu fundadamente” a solução que passa pela transformação da base aérea do Montijo, sendo que o avanço das obras “só está dependente” da aprovação pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) do Estudo de Impacto Ambiental (EIA) que “deve ser entregue” na sexta-feira.

A APA “deve pronunciar-se até outubro, no prazo legal, se não o conseguir fazer antes”, assinala o governante, segundo o qual “no Montijo o impacto ambiental será muito mitigado” e “será um aeroporto facilmente acessível por via rodoviária, fluvial e ferroviária e será um dia o grande aeroporto de Lisboa”.

“Todos esperamos que a ANA, SA possa começar as obras até ao final do ano”, sublinha.

O presidente da Aliança, Pedro Santana Lopes, defendeu na terça-feira que o aeroporto complementar ao de Lisboa deve ficar situado em Alverca e não no Montijo, apontando para “ganhos ambientais e socioeconómicos” para sustentar a posição.

“Não há nenhuma razão que torne o Montijo preferível do que esta solução óbvia que é Alverca. Alverca é a solução mais lógica e racional”, afirmou o líder da Aliança.

Para Alberto Miranda, “a ideia de Santana Lopes de localizar o novo Aeroporto em Alverca, nem é uma ideia nova, nem é uma ideia boa”, mas sim “uma ideia antiga” que “foi sempre má”.
“O Governo não está disponível para brincar à localização de aeroportos, nem para aterrar várias centenas de hectares no Rio Tejo. É um fogacho de campanha eleitoral inconsequente”, critica.

Segundo o secretário de Estado, “como a pista de Alverca conflitua com a pista do aeroporto Humberto Delgado em termos de normas de navegação aérea, Santana Lopes quer construir uma nova pista em Alverca, no meio do rio Tejo”.

“Ambientalmente seria um grave atentado. Financeiramente seria um desastre. E a capacidade de expansão desse aeroporto penderia da nossa vontade em ir aterrando o rio Tejo”, destaca.

A ANA e o Estado assinaram em 08 de janeiro o acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa, que prevê um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028 e inclui a extensão da atual estrutura Humberto Delgado (em Lisboa) e a transformação da base aérea do Montijo.

Em 04 de janeiro, o então ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, assegurou que serão cumpridas integralmente as eventuais medidas de mitigação que venham a ser definidas pelo estudo de impacto ambiental para o aeroporto complementar do Montijo.

O primeiro-ministro, António Costa, também já disse que apenas se aguarda o EIA para ser "irreversível" a solução aeroportuária Portela + Montijo, considerando haver consenso nacional sobre o projeto.

Em 11 de janeiro, António Costa admitiu que "não há plano B" para a construção de um novo aeroporto complementar de Lisboa caso o estudo de impacto ambiental chumbe a localização no Montijo e voltou a garantir que "não haverá aeroporto no Montijo" se o estudo de impacte ambiental não o permitir.

Em 08 de março, a associação ambientalista Zero anunciou que tinha interposto uma ação judicial contra a APA, para que seja efetuada uma Avaliação Ambiental Estratégica ao novo aeroporto do Montijo.


Como nós andamos, agora também já os especialistas iluminados, pensam em Alverca, Santo Deus !! ::)
Porque não se faz uma  " pistinha " na avenida de Berlim, se calhar até dava jeito, fica tão pertinho do Aeroporto de Lisboa ??? :bang:

Abraços
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 6676
  • Recebeu: 250 vez(es)
  • Enviou: 181 vez(es)
  • +84/-0
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #342 em: Abril 11, 2019, 08:34:35 pm »
Isso de Alverca é um mero "sound bite"   do Santana para que se fale do seu partido... Ninguém com dois palmos de testa leva isso a sério...
 

*

Charlie Jaguar

  • Investigador
  • *****
  • 2227
  • Recebeu: 1016 vez(es)
  • Enviou: 529 vez(es)
  • +255/-81
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #343 em: Abril 12, 2019, 07:52:46 am »
Isso de Alverca é um mero "sound bite"   do Santana para que se fale do seu partido... Ninguém com dois palmos de testa leva isso a sério...

É mais um soundbyte do Santana e das suas (e seus) santanetes. Ainda em 2005, nas vésperas das eleições legislativas, apareceu de surpresa em Monte Real com a ideia peregrina de abrir a base ao tráfego civil sem que a FAP tivesse sido alertada para esse facto com antecedência ou mesmo sequer consultada quanto a isso. E mais grave foi nessa altura pois a dita personagem era Primeiro-Ministro.
Saudações Aeronáuticas,
Charlie Jaguar

         "PER ASPERA AD ASTRA"
               (Por Caminhos Árduos, Até Às Estrelas)
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3266
  • Recebeu: 1448 vez(es)
  • Enviou: 559 vez(es)
  • +214/-9
Re: Desactivação da Base aérea nº 6 do Montijo
« Responder #344 em: Abril 12, 2019, 08:02:22 am »
Isso de Alverca é um mero "sound bite"   do Santana para que se fale do seu partido... Ninguém com dois palmos de testa leva isso a sério...

è um sound bite de uma pessoa que é ignorante até dizer basta !
Se o Montijo é o que é então alverca ainda é melhor com a pista no enfiamento da 03 de lisboa, sem espaço por onde crescer e construído em cima de uma zona populacional, só mesmo alguém muito ignorante para propor uma merda dessas !!!

Abraços
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo, MATRA

 

Petição: TROPAS PÁRA-QUEDISTAS, PARA A FORÇA AÉREA!

Iniciado por paraquedista

Respostas: 3
Visualizações: 3019
Última mensagem Março 11, 2016, 07:53:23 pm
por paraquedista
Qual as prioridades para a Força Aérea entre 2011-2020 ?

Iniciado por dc

Respostas: 38
Visualizações: 9915
Última mensagem Novembro 15, 2010, 02:34:53 pm
por bokaido
CDS propõe 12 anos de serviço para pilotos da Força Aérea

Iniciado por Marauder

Respostas: 19
Visualizações: 8644
Última mensagem Setembro 12, 2007, 02:40:44 am
por raphael
Açores: radares de defesa aérea a partir de 2011

Iniciado por pmdavila

Respostas: 18
Visualizações: 9047
Última mensagem Maio 20, 2008, 04:09:50 pm
por Lancero
Força Aérea Portuguesa no V Festival Aéreo de Vigo

Iniciado por bucanero

Respostas: 8
Visualizações: 5121
Última mensagem Julho 30, 2008, 06:15:06 pm
por bucanero