Guerra Fria II

  • 70 Respostas
  • 24075 Visualizações
*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2127
  • +0/-0
Guerra Fria II
« em: Agosto 02, 2006, 10:48:02 am »
Citar
Cold War II started in 1999 with NATO's expansion into Eastern Europe
 
In 2004 7 more countries: Bulgaria, Estonia, Latvia, Lithuania, Romania, Slovakia and Slovenia joined NATO. NATO was now at the borders of the Russian Federation. As the new members were being welcomed into NATO, other countries were being "encouraged" to apply. This encouragement usually takes the form of encouraging civil unrest and if possible revolution in the target country, with the aim of installing a pro-American leadership. According to Guardian these colour revolutions are directly supported by the Western governments.

Georgia was thus encouraged and got its revolution. Then Ukraine which houses the Russian Black Sea fleet at Crimea was encouraged. The same encouragement is being given to various countries bordering Russia. There are talks of Georgia and even Azerbaijan joining NATO. All this expansion has required Russia to reassess its relationship with the West in general and NATO in particular.

To start with Russia has started to strengthen its army by increasing its defence budget. For example in 2005 Russia's defense budget increased by 27,6% and again this year by 22% (taking inflation into account, these numbers will be lower). The share of the Russian defence budget that goes to purchase of new equipment this year is around - 70% (164 billion Rubles), up from 60% in 2005. Russia is modernising its armed forces in a hurry. In 2004 only 14.2% of its defence budget went for procurement of equipment. In 2006 that share went up to 70%. New and better equipment, along with a smaller and more professional army is going to give Russia better ability to protect its interest in the region and internationally.

On the international arena, Russia has tried to strengthen its position by joining forces with China through the Shanghai five. This grouping was created in 1996 to address the "deepening military trust at the border regions" and included Russia, China, Kazakhstan, Kyrgyzstan and Tajikistan. In 2001 the group admitted Uzbekistan as the new member and then signed the Declaration of Shanghai Cooperation Organization (SCO).In the same year Russia and China signed the Treaty of Good-Neighbourliness and Friendly Cooperation. In 2002 the official charter of SCO was signed by all members. In 2004 Mongolia was admitted as an observer and in 2005 Iran, India and Pakistan received their observer status.

SCO is evolving from a regional economic and security cooperation to something else. If the observer states were to actually join the SCO, it could become one of the most powerful organisations in the world. Russia and Iran combined would have more energy reserve and production capacity than any other nations on Earth. Population wise, the organisation would represent the over 2 billion people. Economically they would have the energy resources of Russia, Iran and caucuses plus the manufacturing might of the Chinese and burgeoning service industries of India. With the Russian space/military industrial complex behind them they would become a formidable world power.

To counter this US has tried to bring India into its camp. The US , despite all its declared goal of stopping the spread of nuclear weapons, welcomed India into the nuclear club. US even offered to help India with its "civilian" nuclear technology. But Indians have taken a wait and see attitude. They are very concerned with their future energy supplies, and being close to both Russia and China, don't want to side with a group unless they are absolutely sure that that group will win. Another problem is the Indian internal politics. Will the majority of Indians accept the US lead in international affairs?

This week, the US House International Relations Committee (HIRC) added a markup (i.e., amendment) to the Bush administration's proposal – HR 4794, which is supposed to allow India to receive US nuclear technology. This amendment requires India's "full and active participation in United States efforts to dissuade, isolate, and, if necessary, sanction and contain Iran for its efforts to acquire weapons of mass destruction, including a nuclear weapons capability (including the capability to enrich or process nuclear materials), and the means to deliver weapons of mass destruction. "This is the beginning of US pressure on India to follow US foreign policy. How much is India willing to oblige is something that only Indian parliament can answer. Eventually India has three choices: stay neutral, join SCO, or join the American camp.

Conclusion

The cold war II started in 1999 by expansion of NATO into the Eastern Europe. The George Bush's actions since then have pushed Russia and China together. America's invasion of Iraq, placing of troops in Caucasus, expansion of NATO into the Baltic area and now the Iranian crises have convinced both China and Russia that America's grand strategy is to contain both nations and ultimately (if possible) to create another colour revolution in their countries as well.

America having reached the Baltic border of Russia is trying to reach its central border through Ukraine. Ukraine is and will be the main focus of attention for some time to come. The Russia 's only warm water naval base is in Crimea ( Ukraine ). Losing that base will deal a heavy blow to the Russian navy's ability to operate in the region.

Another area of contention is the Caucasus. US having successfully brought Georgia into its camp is focusing on other small nations in the region. Control of oil in this region and the pipelines going through it, is of vital importance to the US . Kazakhstan and Azerbaijan, having substantial reserves of oil, are going to be the battle grounds for the opposing sides. Kazakhstan is particularly important since it borders both China and Russia and is the main launching pad for nearly all of the Russian space vehicles.

Iran is yet another major concern. An unfriendly Iran can assist the Americans in creating tremendous problems for the Russians in their southern republics. Iran is the key to the Persian Gulf and can act as a buffer against the American advance from Iraq and Afghanistan towards the Russian southern borders. Iran and Russia combined sit on 42% of the world's natural gas reserves. Together they can create a very powerful energy cartel. It is doubtful then, to assume that Russia will in future go along with US plans for a regime change in Iran.

What will happen in the future is determined by the new American President, and not President Bush. The current administration has turned a friendly Russia into a strategic threat. The Neocons by looking hard for perceived threats have created an environment in which many nations, Russia included, do not feel safe. The continued American advance into the Russian backyard and its attempt in reducing Russian power has triggered a resurgence of nationalism in Russia. Russia will strive to strengthen its military. By all likelihood, Russia and China will create the world second centre of power opposing US hegemony. If Iran and a few other nations join in, we will see a powerful alliance in the East that will not be so easy to contain.

Abbas Bakhtiar

Dr. Abbas Bakhtiar lives in Norway. He is a consultant and a contributing writer for many online journals. He's a former associate professor of Nordland University, Norway.
http://english.pravda.ru/opinion/column ... cold_war-0
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3582
  • Recebeu: 23 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +3/-0
2ª Guerra Fria?
« Responder #1 em: Fevereiro 11, 2007, 03:00:39 pm »
Presidente russo critica política externa dos EUA

Citar
O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, criticou ontem, em termos inequívocos, a política externa dos Estados Unidos, responsabilizando estes "por acções unilaterais e ilegítimas, que não resolveram um único problema internacional".

O Presidente russo falava na 43.ª Conferência sobre Políticas de Segurança, em Munique, este ano consagrada às "Crises globais - responsabilidades globais", onde pronunciou a principal intervenção do dia. Putin dedicou a maior parte da sua alocução a desmontar a política externa americana, criticando também o alargamento da Aliança Atlântica e o recurso à força - "o que só deve suceder em último recurso, e sob os auspícios das Nações Unidas".

Exprimindo-se em russo, Putin afirmou viver-se hoje "num mundo unipolar". Esta realidade, disse, "não significa senão uma coisa: um centro de poder, um centro de decisão agindo como senhor absoluto, um soberano incontestável, que acabará por desabar de dentro para fora. Isto nada tem a ver com democracia". "Um Estado, os EUA" - acusou o dirigente russo - "ultrapassa, de todas as formas, as suas fronteiras", o que origina uma situação de insegurança e incerteza "em que o direito internacional deixou de ter utilidade".

No diagnóstico de Putin, a actual conjuntura favorece "a corrida aos armamentos" e a proliferação nuclear. Não referindo expressamente os conflitos do Iraque e do Afeganistão, onde os EUA estão envolvidos, Putin teve palavras de apreço directo para George W. Bush. "O Presidente dos EUA, que é meu amigo, tem sido criticado por tudo e por nada, mas é uma pessoa honesta. Ele diz que Rússia e EUA nunca voltarão a ser inimigos, e eu concordo com ele", sublinhou o líder russo.

Putin falava perante cerca de 250 participantes na conferência, entre os quais se incluíam o alto representante europeu para a Política Externa e Segurança Comum, Javier Solana, o secretário-geral da NATO, Jaap de Hoop Scheffer, o secretário da Defesa americano, Robert Gates, e mais de 40 ministros da Defesa e dos Negócios Estrangeiros, além de especialistas em questões de segurança e política internacional.

O líder do Kremlin pronunciou-se ainda contra a instalação de um sistema de mísseis americanos na Europa Central, contra uma solução para o Kosovo que não contemple, em paralelo, interesses sérvios e albaneses (ver também pág. 13), e o que classificou, sem mais detalhes, como a instrumentalização da OSCE.

A intervenção do Presidente russo, que participou pela primeira vez na conferência, foi considerada "provocadora", pelo senador americano Joseph Lieberman, e "errada" e até "intimidatória" pelo senador e possível candidato presidencial John McCain, presentes em Munique. Já o secretário da Defesa, Robert Gates, limitou-se a considerá-las "muito francas e interessantes". Hoop Scheffer, secretário-geral da NATO, também visada nas palavras de Putin, classificou como "decepcionantes", "pouco produtivas" e "desligadas da realidade" as considerações do estadista russo.

A conferência foi inaugurada pela chanceler Angela Merkel que, na presença do principal negociador iraniano para o nuclear, Ali Larijani, avisou que este país deve renunciar à vertente militar do seu programa nuclear ou enfrentar a "determinação" da comunidade internacional. Merkel pronunciou-se sobre as questões da actualidade, realçando, entre outros, as alterações climáticas.

A conferência surgiu em 1962 por iniciativa de um editor alemão, Ewald von Kleist, sendo actualmente organizada por Horst Teltschik, antigo conselheiro de política externa e de segurança do chanceler Helmut Kohl.
 DN


«Uma Guerra Fria já foi suficiente», responde Gates a Putin

Citar
O secretário norte-americano de Defesa, Robert Gates, disse este domingo na Alemanha que «uma Guerra Fria já foi suficiente», em resposta aos ataques do presidente russo Vladimir Putin no sábado contra o papel dos EUA no mundo.
A afirmação do sucessor de Donald Rumsfeld foi feita durante a 43ª Conferência sobre Segurança em Munique, quando anunciou que Putin e o seu colega russo Serguei Ivanov, com quem se reuniu na quinta-feira em Sevilha (Espanha), o convidaram esta semana para viajar a Moscovo, na Rússia.

Putin fez no sábado um duro discurso contra os EUA, criticando a sua vontade de dominação durante a Conferência de Segurança, ao qual a Casa Branca reagiu expressando «surpresa e decepção».

O líder russo considerou que a intervenção norte-americana foi pior para o Iraque que a ditadura de Saddam Hussein, em uma entrevista à al-Jazeera, cujo texto foi publicado no sábado pela página oficial do Kremlin na Internet.

Diario Digital
Potius mori quam foedari
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3582
  • Recebeu: 23 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +3/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Fevereiro 11, 2007, 03:07:54 pm »
Discurso de VLADIMIR PUTIN em Munique.
Potius mori quam foedari
 

*

p_shadow

  • Perito
  • **
  • 467
  • +0/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #3 em: Fevereiro 12, 2007, 04:38:10 am »
Não acredito que esta "pressão" não tenha a ver com a questão energética, uma tentativa de criar "fricção" nas relações EUA-Europa e certamente na relação entre antigos e novos/futuros estados da UE.


Cumptos
A realidade não alimenta fóruns....
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4080
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Fevereiro 12, 2007, 02:47:14 pm »
Guerra Fria? Na Rússia parece tudo bem quentinho  :shock:

Citar
Rússia: Soldados obrigados a prostituir-se por oficiais

Moscovo, 12 Fev (Lusa) - Os oficiais russos obrigam os recrutas a prostituir-se, contando-se entre os clientes generais do ministério do Interior e do Serviço Federal de Segurança (FSB, ex- KGB), denunciou hoje uma organização de defesa dos interesses dos soldados russos.

      A co-presidente da organização "Mães dos Soldados de Petersburgo", Ella Poliakova, anunciou ter recebido uma carta de um soldado a denunciar os maus-tratos e torturas a que são sujeitos no quartel.

      "Além de choques eléctricos e espancamentos com bancos metálicos, os soldados mais velhos extorquiam dinheiro aos novatos. Se não tivessem dinheiro, tinham de ir pedir esmola para a cidade. Se trouxessem pouco dinheiro, era-lhes proposto um meio mais simples: a prostituição masculina", escreve o soldado de um dos quartéis de São Petersburgo.

      "O comando das tropas do Ministério do Interior e a Procuradoria Militar estavam ao corrente do que se passava nesse quartel", comentou a propósito Ruslan Linkov, defensor dos direitos humanos que luta contra a "praxe" nas forças armadas.

      Entre os clientes dos soldados-prostitutos havia altos comandos desse quartel e até generais das tropas do Ministério do Interior e funcionários do FSB. "Trata-se de um verdadeiro negócio, organizado durante muitos anos", disse.

      Ella Poliakova confirmou as denúncias: "tudo está muito bem organizado. Há clientes especiais, coronéis do FSB, generais na reserva".

      "Alguns soldados desse quartel regressam à vida civil com doenças como a SIDA e a hepatite C", concluiu Poliakova.

      Os defensores dos direitos humanos chamaram a atenção para o facto de alguns soldados deste quartel de São Petersburgo terem desaparecido.

      Um deles, Roman Zaitsev, desapareceu no Verão passado, depois de ter sido obrigado a prostituir-se.

      Valentina Melnikova, presidente do Comité das Mães dos Soldados da Rússia, denunciou a envergadura da prostituição nas forças armadas, sublinhando que isso não só tem lugar em São Petersburgo, mas noutras cidades russas.

      "Vão ao quartel Nº 83420, que fica na Rua Liussinovskaia em Moscovo. Há muito que tem uma fama muito má. Principalmente depois das nove da noite. Verão como estacionam carros para levar soldados", declarou Melnikova.

      Victor Ozerov, presidente do Comité para a Defesa e a Segurança do Conselho da Federação (Senado) da Rússia, considerou que "a publicação de semelhantes factos chocantes nas forças armadas contribui para a solução do problema", acrescentando "não conseguir compreender como é que os oficiais podem tirar lucros de semelhantes situações".

      Raras foram as situações de violação de soldados que chegaram ao conhecimento da opinião pública.

      Em 2005, um oficial de um quartel de Tcheliabinski foi condenado a pena suspensa por ter violado um recruta. Em Krasnoiarsk, um capitão das tropas especiais foi condenado a seis anos de prisão por "abuso de poder" e "homossexualismo com emprego de violência".

      Porém, não houve nenhum processo judicial sobre prostituição dos soldados.

      Há dois anos atrás, o Ministério da Defesa da Rússia anunciou oficialmente que "nas Forças Armadas da Rússia praticamente não existem relações sexuais".

      Maksim Parchin, principal especialista desse ministério para os problemas da SIDA, afirmou que "os comandantes impedem a manifestação de violência sexual sobre os soldados".
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5580
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +3/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #5 em: Fevereiro 20, 2007, 01:12:33 am »
Citar
Rússia ameaça abandonar tratado INF
Militares afirmam ter capacidade para reactivar fabrico de mísseis
19.02.2007

Segundo a agência noticiosa russa (RIA Novosti) as forças nucleares estratégicas da Rússia estão prontas para abandonar o tratado INF de limitação de mísseis de curto e médio alcance, que a antiga União Soviética negociou com os Estados Unidos no final dos anos 80 e que foi assinado em 1991. [1]

Segundo um general russo, a Rússia poderá abandonar unilateralmente aquele tratado, se achar que tal abandono é vantajoso para o país, ou que é necessário.

As afirmações russas, são o maior aviso até hoje, relativamente às intenções americanas de instalar nos países da Europa de Leste, sistemas de radar de aviso aéreo antecipado, que dão aos Estados Unidos uma considerável vantagem táctica, perante qualquer ataque, ao poderem determinar o lançamento de vários tipos de mísseis com maior antecedência.

Entre os países onde poderão vir a ser instalados os mísseis, estão a República Checa e a Polónia, sendo o argumento utilizado, o da defesa contra eventuais ameaças por parte do Irão e da Coreia do Norte.

Os russos, estão especialmente irritados com o facto de os americanos estarem a instalar os seus sistemas de defesa em países que à pouco tempo eram considerados como fazendo parte do anel defensivo da antiga União Soviética.
«Este tipo de sistema, pode colocar em causa a segurança nacional da Rússia, e se a República Checa e a Polónia insistirem em instalar aqueles sistemas, isso fará deles alvos directos dos mísseis russos» adiantaram as mesmas fontes.

Foi também afirmado que a Rússia dispõe da capacidade necessária para, no caso de ser julgado necessário, voltar a produzir os mísseis nucleares de médio e curto alcance.

Na Europa de Leste, as tradicionais inimizades entre Rússia e Polónia, que têm raízes históricas que vão até à Idade Média, levam inevitavelmente a que quer a Polónia quer a República Checa tenham já confirmado que estão na disposição de autorizar a instalação dos radares se os Estados Unidos estiverem interessados.

Na passada semana, o presidente russo, Vladimir Putin, produziu declarações fortemente criticas da política externa americana, o que fez com que o Secretário da Defesa americano fizesse comentários humorísticos, sobre a Guerra Fria.


[1] O tratado INF eliminou mísseis balísticos lançados do solo, com um alcance entre 500 e 5500 Km. O tratado eliminou 846 mísseis americanos e 1846 mísseis soviéticos.
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2215
  • Recebeu: 42 vez(es)
  • Enviou: 108 vez(es)
  • +9/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #6 em: Fevereiro 21, 2007, 06:18:30 am »
A raiz destas recentes posturas e declarações por parte da Rússia está num relatório publicado há relativamente pouco tempo pelos investigadores Keir Lieber e Daryl Press no «Foreign Affairs» que fez soar os alarmes em Moscovo.

Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.

As conclusões desse modelo levaram à conclusão de que um ataque de surpresa teria uma boa probabilidade de destruir todas as bases de bombardeiros, de submarinos e de mísseis balísticos intercontinentais.

Os mesmos autores sublinharam que esse estudo não significa que esse tal primeiro ataque seja provável, mas a Rússia já não vai poder contar com a dissuasão nuclear.

E afirmam mesmo que a não ser que alguma coisa se inverta rapidamente a vulnerabilidade russa não vai parar e aumentar.

Tendo a Rússia novamente aspirações de ser um centro global de poder, mas não tendo o seu PIB acompanhado essa aspiração, ao contrário do que acontece com a China ou os EUA, aquilo que lhe resta é o seu potencial nuclear, que só é comparável ao dos EUA.

É precisamente por isto que a Rússia reage desta forma. Esse estudo pôs em causa o seu último reduto de afirmação global. A partir desse momento tudo aquilo que os norte-americanos fizerem em relação ao nuclear, será visto à luz desse mesmo relatório.
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

Yosy

  • Especialista
  • ****
  • 1105
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Fevereiro 21, 2007, 08:19:31 pm »
Citação de: "Jorge Pereira"


Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.


Esse tipo de simulações são muito giras mas valem o que valem - o que é muito pouco. Não se fiem nessas coisas!
 

*

Spectral

  • Investigador
  • *****
  • 1451
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Fevereiro 21, 2007, 09:21:03 pm »
Citar
A raiz destas recentes posturas e declarações por parte da Rússia está num relatório publicado há relativamente pouco tempo pelos investigadores Keir Lieber e Daryl Press no «Foreign Affairs» que fez soar os alarmes em Moscovo.

Estes investigadores usaram um programa informático que permite simular um ataque nuclear dos Estados Unidos à Rússia, extrapolando a situação dos arsenais para o fim da década.

As conclusões desse modelo levaram à conclusão de que um ataque de surpresa teria uma boa probabilidade de destruir todas as bases de bombardeiros, de submarinos e de mísseis balísticos intercontinentais.


Basta um SSBN a operar no alto mar que consiga escapar da detecção e destruição para o ataque retaliatório ser lançado ... Ou um dos lançadores móveis ... Existem tantas possibilidades que nem vale a pena ir pelo caminho de a dimensão actual ( e vocação!) da USAF ser claramente insuficiente para tal missão.

Scare tactics..
I hope that you accept Nature as It is - absurd.

R.P. Feynman
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3582
  • Recebeu: 23 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +3/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Março 12, 2007, 11:46:12 pm »
NATO alerta que mísseis dos EUA podem dividir aliados
Citar
O secretário-geral da NATO, Jaap de Hoop Scheffer, advertiu que o sistema anti-míssil projectado pelos Estados Unidos pode dividir a aliança entre os que seriam protegidos pelo programa e os que ficariam de fora, noticia hoje o jornal Financial Times.
«Quando se trata de defesa anti-míssil, não deve existir uma primeira divisão e uma segunda divisão dentro da NATO», afirmou De Hoop Scheffer ao jornal. «Para mim, a indivisibilidade da segurança é o princípio norteador», disse.

Muitos aliados da NATO receiam o sistema dos EUA, previsto para ser instalado na Polónia e na República Checa para abater mísseis eventualmente disparados por países que Washington trata como «nocivos», como o Irão e a Coreia do Norte.

Fontes da NATO disseram ao Financial Times que o programa dos EUA iria proteger quase toda a Europa, mas não o sudeste, que precisaria de uma defesa extra contra mísseis de curto alcance, devido à sua proximidade com o Irão.

O secretário-geral da NATO disse ainda ao jornal que o programa norte-americano poderia ser complementado com os planos já existentes da NATO de colocar em operação até 2010 um sistema de defesa contra mísseis em campos de batalha.

«Já estamos a avançar no desenvolvimento de sistemas para proteger forças enviadas, ao contrário de centros populacionais e territórios», disse De Hoop Scheffer.

O holandês deixou claro que, na sua opinião, a Europa está realmente ameaçada por mísseis de determinados países.

«Há todas as razões para crer nisso, devido aos testes norte-coreanos de mísseis, à capacidade iraniana e às coisas que os iranianos andam a dizer», declarou ao FT.

Em conferência de imprensa sexta-feira, durante a cimeira da União Europeia em Bruxelas, o presidente francês, Jacques Chirac, alertou que o sistema dos EUA poderia reabrir divisões na Europa.

A República Checa rejeitou na semana passada críticas relativas à sua possível parceria com os EUA no projecto, depois de o Luxemburgo ter alertado para a possibilidade de tal provocar tensões com a Rússia.

O Reino Unido já manifestou interesse em participar no sistema norte-americano.

12-03-2007 14:43:09


DD
Potius mori quam foedari
 

*

TOMKAT

  • Investigador
  • *****
  • 1217
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Maio 11, 2007, 03:06:03 am »
Citar
Reino Unido: Força Aérea britânica interceptou dois aviões miltares russos

Londres, 10 Mai (Lusa) - A Real Força Aérea britânica (RAF) revelou ter interceptado dois aviões militares russos que observavam exercícios da Marinha Real, comparando este incidente a uma reminiscência da Guerra Fria.

Um porta-voz da RAF não precisou quando ocorreu o incidente e indicou que não tinha havido contacto entre os aparelhos russos e britânicos.

Dois Tornados F-3 britânicos descolaram da base de Leuchars perto de Fife (Leste da Escócia) depois de aparecerem nos ecrãs de radar britânicos os aparelhos russos, dois Bers Foxtrot.

Os aparelhos russos encontravam-se então por cima das Hébridas, no Atlântico, na zona marítima internacional.

Manobras marítimas que envolvem 14 países tiveram lugar nesta zona do Atlântico entre 22 de Abril e 03 de Maio.

"Aparentemente os russos acharam que valia a pena vir ver o que nós estaríamos a preparar e provavelmente tirar fotos", observou um porta-voz da RAF.

"Isto lembra a Guerra Fria, quando eles tinham o hábito de voar regularmente e deitar uma visita de olhos ao limite do espaço aéreo britânico para testar os nossos tempos de reacção", acrescentou.

"Normalmente damos a conhecer a nossa presença acompanhando o seu voo e eles partem tranquilamente. O incidente durou provavelmente 15 a 20 minutos", explicou.

TM.

Lusa/Fim


Citar
Rússia: Chefe de estado-maior russo acha que tratado FCE está em grande perigo

 Bruxelas, 11 Mai (Lusa) - O chefe de estado-maior do Exército russo declarou quinta-feira, em Bruxelas, que o Tratado sobre as Forças Convencionais na Europa (FCE), suspenso no final de Abril pelo seu país, está, de facto, ameaçado de morte.

"Hoje, posso dizer que o tratado está à beira de sucumbir", disse à imprensa no final de uma reunião com os seus colegas dos 26 países da NATO, disse o general Iouri Balouievski, acrescentando: "Mas não é o que a Rússia queria".

A 03 de Maio, o vice-primeiro ministro russo Sergue´ Ivanov disse que a Rússia ia deixar de informar os Aliados sobre os movimentos das suas tropas depois de o presidente russo, Vladimir Putin, ter posto em causa o tratado a 26 de Abril, por considerar que a NATO não o respeita.

Segundo o coronel Brett Boudreau, porta-voz da Comissão Militar da Aliança, o oficial russo "não especificou" as medidas que poderão traduzir, no concreto, a intenção russa de suspender a aplicação do Tratado, e depois, caso não haja progressos, de abandoná-lo.

Por seu lado, os chefes de estado-maior dos países da Aliança, reafirmaram que o Tratado continua a ser "uma pedra angular" do desanuviamento na Europa.

O general Balouievski assacou a responsabilidade desta situação aos ocidentais, que, "contrariamente à Rússia" não ratificaram a versão revista do Tratado.

O Tratado FCE, assinado em 1990, entrou em vigor em 1992.

Marcando o fim da Guerra Fria, enquadrou a redução e um limite das forças armadas e dos equipamentos clássicos dos dois Blocos, prevendo medidas de confiança (anúncio de grandes manobras) e de transparência (inspecções recíprocas).

Devido ao desaparecimento da URSS e do Pacto de Varsóvia, foi "adaptado" em Istambul em 1999. A Rússia ratificou esta nova versão mas não os países da NATO, determinados a que antes as tropas russas se retirem totalmente da Geórgia e da Moldávia, duas antigas repúblicas soviéticas.

Balouievski reiterou ainda quinta-feira, em Bruxelas, a incompreensão de Moscovo pelo projecto norte-americano de instalar um escudo antimíssil na Europa de Leste para fazer face a uma ameaça balística do Irão considerada exagerada pela Rússia.

"Estamos em presença de uma sobre-avaliação pelos americanos do potencial iraniano e das suas perspectivas", declarou o general à imprensa, qualificando de "inflamadas" as discussões que acabara de ter com os seus colegas da NATO na sede da Aliança Atlântica em Bruxelas.

De acordo com o oficial russo, o Irão dispõe actualmente apenas de um míssil, testado em Janeiro de 2001, com um alcance máximo de 1.700 quilómetros o que reduz a carga militar útil de 500 quilogramas para cerca de 200.

Este género de engenho, afirmou, constitui uma ameaça para Israel mas não para a Europa e menos ainda para os Estados Unidos.

"Mesmo a China, levou mais de duas décadas para se dotar de um míssil intercontinental (mais de 5.000 quilómetros de alcance)", notou, remetendo para o horizonte de 2030 a eventual ameaça de o Irão possuir no seu arsenal um míssil balístico de longo alcance.

Em Moscovo, o chefe da Força Aérea russa, Vladimir Mikhailov, foi destituído quinta-feira do cargo, no meio de uma profunda campanha de renovação do Exército lançada pelo novo ministro da Defesa, o civil Anatoli Serdiukov.

O general Mikhailov, de 63 anos, exercia o cargo desde Janeiro de 2002 e era o mais antigo das altas patentes do Exército russo, informaram fontes militares às agências russas.

TM.

Lusa/Fim


Os russos estão lentamente a retomar os seus naturais tiques de superpotência.
Fartos de serem relegados para segundo plano na cena internacional, e em risco de serem definitivamente ultrapassados por alguma potência emergente, para além do evidente renascer do nacionalismo russo, definitivamente passaram á fase do confronto ... de estratégias.

Acabaram-se as concordatas russo-americanas, segundo a lei de sua "santidade" tio Sam.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 262
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Maio 11, 2007, 11:18:40 am »
De facto o incindente com os Bear's russos relembra os velhos tempos da guerra fria. Mas falando a verdade, acho que talvez nos meios militares, de um lado como do outro, deve haver alguma saudade destas picardias.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

Yosy

  • Especialista
  • ****
  • 1105
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Maio 11, 2007, 07:42:18 pm »
Citação de: "MERLIN"
De facto o incindente com os Bear's russos relembra os velhos tempos da guerra fria. Mas falando a verdade, acho que talvez nos meios militares, de um lado como do outro, deve haver alguma saudade destas picardias.
Cumptos


Deve haver não, há! Muito boa gente que a Guerra Fria de volta, quer os grandes contratos de armamento de volta; os generais querem outra vez os velhos exercícios NATO de promoção, etc.

A vida na Guerra Fria era mais "fácil" para certas pessoas. Agora se querem mesmo avançar têm que trabalhar para isso.
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 2778
  • Recebeu: 41 vez(es)
  • Enviou: 3 vez(es)
  • +10/-12
(sem assunto)
« Responder #13 em: Maio 12, 2007, 12:41:22 am »
c34x
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

*

p_shadow

  • Perito
  • **
  • 467
  • +0/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #14 em: Maio 12, 2007, 06:00:52 am »
Citação de: "Yosy"
Muito boa gente que a Guerra Fria de volta, quer os grandes contratos de armamento de volta; os generais querem outra vez os velhos exercícios NATO de promoção, etc.

A vida na Guerra Fria era mais "fácil" para certas pessoas. Agora se querem mesmo avançar têm que trabalhar para isso.


Onde é que o Yosy tem andado nos ultimos 20 anos?!  :D


Cumptos
A realidade não alimenta fóruns....
 

 

"A Guerra" - RTP1

Iniciado por LanceroQuadro Livros-Revistas-Filmes-Documentários

Respostas: 41
Visualizações: 17682
Última mensagem Abril 26, 2008, 01:23:32 pm
por lurker
A guerra com o Iraque foi um "erro estratégico"

Iniciado por Tiger22Quadro Conflitos do Presente

Respostas: 7
Visualizações: 3645
Última mensagem Maio 04, 2004, 03:16:28 pm
por Guilherme
"Memórias da Guerra - 1961-1974"

Iniciado por LanceroQuadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 11
Visualizações: 33644
Última mensagem Junho 15, 2007, 04:28:40 pm
por Lancero
Guerra Colonial: Fotos dos "gun trucks"

Iniciado por sprint1050Quadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 0
Visualizações: 3163
Última mensagem Agosto 17, 2008, 02:35:53 pm
por sprint1050
"Portugal em tempo de guerra" - CONTEX/PHIBEX

Iniciado por Ricardo NunesQuadro Armadas/Sistemas de Armas

Respostas: 4
Visualizações: 3977
Última mensagem Setembro 26, 2004, 12:00:40 am
por Fábio G.