Notícias (Exércitos/Sistemas de Armas)

  • 890 Respostas
  • 234772 Visualizações
*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #75 em: Junho 20, 2004, 11:47:03 am »
Que... porcaria de uniforme é aquele???
Para uso geral?

Se querem que vos diga, o "nosso" DPM velho de 20 anos deve ser mais eficaz que aquele padrão, que pretende ser bom para todo o lado e acaba por ser mediocre em todos eles!
A mim não me convence. Ao menos o dos Marines tem como cor predominante o castanho.
Velcro??????

Prefiro o uniforme de combate americano do Vietnam que é bem confortável (podia ser mais resistente mas...). Se tivesse a camuflagem dos Marines melhor ainda.
Vistas bem as coisas preferiria o DPM.
Ou o lagarto.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #76 em: Junho 26, 2004, 11:18:22 pm »
Citar
Little Birds: Boeing's Cavalry Rides To MDHI's Rescue - Sort Of

Boeing and MD Helicopter employees have been told the companies will team to compete for the Army's armed reconnaissance requirement.

The pair will offer a version of the Mission Enhanced Little Bird (MELB) design, based on the MH-6 helicopter, orignally developed by Hughes Helicopter.

MDHI took over the rights to the design when they purchased Boeing's civil helicopter line some years ago.

Speculation the pair would work together has risen since the Army said it would consider a new design in the wake of the Comanche decision. But nothing seemed to happen.

To some the deal was the cavalry arriving. MDHI has been in reported financial cash flow difficulties for some time. Their new partner is reportedly still owed some $10-million from unpaid debt on the purchase price of the Boeing line.

No further details of the arrangement - first reported on rotorhub.com several months ago- were given.

Army officials, however, have made no secret of their preference for increasing numbers of MH-6s MLEBs - which currently fly with the 160th SOAR.

The aircraft have proven dependable and effective, despite their advancing years, flying with many modifications, including an advanced cockpit designed to 160th's own specs.

The agreement - an outline teaming arrangement - does not, of course, mean immediate salvation for MDHI. But it will help.

The Army will likely run a competition, and procurement could still be years away given the persistent bureaucratic tone to Army aviation procurement.

But best bet is that MDHI will now survive its difficulties.

Boeing - obviously - would not pitch such an important deal - 360-odd aircraft are involved - with a  prime partner that might go out of business during the procurement decisionmaking process.

The text follows:

'Boeing and MDHI have entered into an arrangement that will allow the two companies to compete for the US Army's upcoming Armed Reconnaissance Helicopter Program.

'On Wednesday, June 16, in Mesa, Ariz., corporate leaders signed a teaming agreement allowing the companies to utilize their respective and complementary capabilities to pursue new business.

'Additional details will be provided as they become available.'
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #77 em: Junho 26, 2004, 11:22:56 pm »
Citar
Australian Army to Retire Vietnam-Era Huey Gunship

The Army will tomorrow officially retire the UH-1H Iroquois helicopter gunship, commonly called the 'Huey', a capability originally developed for the RAAF during the Vietnam War.

Part of the ceremony will be a flypast of a Heavy Fire Team (three by UH-1H Huey Bushranger gunships) over Brisbane from 1pm to 1:30pm on Saturday 26 June.   It will be accompanied by another Huey flown by the current Chief of Air Force, Air Marshal Angus Houston.

The helicopters will then touch down at Gallipoli Barracks Enoggera for a media conference attended by the Minister Assisting the Minister for Defence, the Hon Mal Brough, Chief of the Defence Force, General Peter Cosgrove, Chief of Army, Lieutenant General Peter Leahy and Chief of Air Force, Air Marshal Angus Houston.

WHAT: Farewell of Bushranger Helicopter Gunship capability and another significant announcement by the Assistant Defence Minister, Mal Brough.

WHERE: Duncan Ovals, Gallipoli Barracks, Lloyd Street, Enoggera.

WHEN: Saturday 26 June at 1:30pm.

Interested media should be at the Lloyd Street entrance to Gallipoli Barracks at 1pm for escort to the conference.

* Historical file vision of the Huey Bushranger gunships in action in Vietnam will be available from Channel 7 on Saturday morning.

* In-flight vision taken by Defence cameramen from the chase helicopter during the flypast will be available from Channel 7 after 2:30pm Saturday.

Note:
The Iroquois helicopters entered service with the Royal Australian Air Force and were operated by the RAAF until 1986  when all battlefield helicopters were handed over to the Army.

The gunships were operated by No 9 Squadron, RAAF, commanded at one stage by (now) Air Marshal Houston.

For further information:  Paul Lineham, Defence Public Affairs, 0408 972 329
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #78 em: Junho 26, 2004, 11:26:54 pm »
Citar
Tenth US Army AH-64D Apache Longbow Battalion Certified Combat-Ready

ST. LOUIS, June 18, 2004 – The U.S. Army's tenth AH-64D Apache Longbow attack helicopter battalion has been certified combat-ready after completing extensive training in its Boeing [NYSE: BA] helicopters at Fort Hood, Texas.

The 2nd Battalion, 6th Cavalry Brigade, based in Illesheim, Germany, completed eight months of training with the AH-64D Apache Longbow helicopters built at the Boeing Mesa, Ariz., plant.

To qualify, the men and women of the battalion, known as the Fighting Sixth, completed a series of comprehensive classroom, flight and field exercises. Soldiers underwent a rigorous field examination, three live-fire exercises and completed approximately 3,200 flight-hours during the training program.

The unit fought in Operation Iraqi Freedom in 2003 as an AH-64A Apache battalion. Upon their return, the helicopters were returned to Mesa where they were remanufactured into next-generation AH-64D Apache Longbows The U.S. Army is modernizing AH-64A Apaches into next-generation AH-64D Apache Longbow helicopters that link a wide range of avionics, electronics and weapons into one fully-integrated weapons system. Boeing was awarded a contract in September 2000 valued at $2.3billion over five years to complete the remanufacture of aircraft.

In addition to the U.S. Army, a total of 11 nations worldwide have selected the Apache for their defense forces.

A unit of The Boeing Company, Boeing Integrated Defense Systems is one of the world’s largest space and defense businesses. Headquartered in St. Louis, Boeing Integrated Defense Systems is a $27 billion business. It provides systems solutions to its global military, government and commercial customers. It is a leading provider of intelligence, surveillance and reconnaissance; the world's largest military aircraft manufacturer; the world’s largest satellite manufacturer and a leading provider of space-based communications; the primary systems integrator for U.S. missile defense; NASA’s largest contractor; and a global leader in launch services.

Source: Boeing
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #79 em: Junho 30, 2004, 12:53:46 pm »
Citar
25 de junho de 2004
Iniciadas entregas de morteiros brasileiros de 120mm
Já foi entregue ao Exército Brasileiro o primeiro lote de 20 unidades do Morteiro pesado 120 M2 Raiado (Mtr P 120 M2 R), primeiro produto desenvolvido pelo sistema de Ciência e Tecnologia da Força Terrestre e fabricado em estabelecimento fabril do Exército, no caso o Arsenal de Guerra do Rio de Janeiro (AGR). Devido ao seu manejo simples, o morteiro em questão permite rápida entrada e saída de posição. Além das operações comuns, pode ser empregado também em áreas de selva ou de montanha, bem como no escalão de assalto de operações aeroterrestres.

Segurança e Defesa
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #80 em: Junho 30, 2004, 12:58:34 pm »
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #81 em: Junho 30, 2004, 02:09:50 pm »
Ainda quanto aos novos uniformes americanos:
É com agrado e muita tristeza também que verifico que alguns comentários que fiz sobre o tema têm razão de ser...
Os americanos andam mesmo loucos!

de: http://www.sftt.org/cgi-bin/csNews/csNe ... 0215569523

"06-21-2004

Ranger Dad Sounds Off



My Ranger son just filled me in on the new BDU's that the Army will be issuing in the upcoming year. I'm not addressing the digital camo, but the Army's brainless idea to incorporate velcro with these uniforms.

With the new uniforms rank insignia and division patches will be attached to the uniform with velcro instead of being sewn onto the uniform. In lieu of buttons, velcro closure tabs and zippers are also part of the new uniforms. Has someone lost their minds?

How many grunts will be KIA because a division patch catches on something in the dark and is ripped off the uniform with the unmistakable sound of velcro being removed? Having walked through Elephant Grass, and vine choked jungle I can assure you that anything attached to our fatigues with velcro would have gotten us KIA damned quick. I can just see old SFC Pryor, my platoon sergeant at Nha Trang kicking our asses if we had worn anything that made noise on our uniforms!

I addition, the new t - shirts are going to be 100% polyester. My God, how many guys will fall from heat stroke wearing these garments?

Maybe it's time the Army recycled some of us over the age of 50 who remember what it was like to be at deaths door if you gave away your position. At least we could tell these dumb asses what will help keep our grunts alive. Hell, what's wrong with the old style rip stop or poplin fatigues we wore? New doesn't always mean improved.

I am becoming more concerned with my son surviving an Army that seems to be trying to get its soldiers killed than I am the enemy that's shooting at them.

Ranger Dad"
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

emarques

  • Especialista
  • ****
  • 1178
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #82 em: Junho 30, 2004, 02:40:37 pm »
Em defesa do velcro, acho que existe uma versão militar em que a separação é silenciosa... Quanto ao poliester, Já lhe dou razão.
Ai que eco que há aqui!
Que eco é?
É o eco que há cá.
Há cá eco, é?!
Há cá eco, há.
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #83 em: Junho 30, 2004, 05:21:50 pm »
Quanto às alterações à LPM:

Onde diabo se vê alterações não ser na desistência mais que esperada da "opção para mais um", o truque do hesitante??
Cá para mim essa é mais um daqueles anúncios para mostrar presença e não obras. Andor com o Portinhas!
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #84 em: Julho 02, 2004, 11:32:48 am »
Segurança e Defesa

Citar
30 de junho de 2004
Finlândia encomenda mais blindados CV90
As Forças de Defesa da Finlândia encomendaram à Patria Hägglunds mais um lote de veículos de combate de infantaria CV9030, no valor aproximado de 120 milhões de Euros. A encomenda inicial foi de 57 exemplares, 28 dos quais já foram entregues; as entregas dos 45 que compõem o novo lote serão feitas ao longo de 2006 e 2007.
A Patria Hägglunds OY, contratada principal, é de propriedade da Alvis Hägglunds e da Patria. A primeira é responsável pela integração de sistemas e produção do chassis, enquanto a segunda ficará com a produção das torres e fará a montagem final dos veículos na Finlândia
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #85 em: Julho 02, 2004, 11:34:29 am »
Segurança e Defesa

Citar
Alemães e israelenses cooperam em modernização de Leopards
A Reinmetall Defence Electronics GmbH e a MBT Missile Division da IAI assinaram um acordo para o oferecimento conjunto de um kit de modernização para carros de combate Leopard 1 e 2, utilizando o míssil guiado a laser LAHAT, lançado a partir do canhão das viaturas. A utilização do LAHAT aumentaria o alcance eficaz dos carros para mais de 6.000m, conferindo capacidade de ataque de precisão a alvos blindados nessa distância.

Abaixo O míssil LAHAT sendo disparado e, no detalhe, prestes a atingir o alvo (Fotos: IAI).

 

*

tsahal

  • Perito
  • **
  • 580
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #86 em: Julho 02, 2004, 10:23:30 pm »
Fabio G, gostas mesmo de ler os artigos da Seguranca & Defesa.
Costumas ler os artigos da revista ou apenas os do site?

Cumprimentos
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #87 em: Julho 02, 2004, 10:32:41 pm »
Apenas do site.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #88 em: Julho 08, 2004, 07:14:45 pm »
DD

Citar
Tropas portuguesas na Bósnia vão ser rendidas

A partir do próximo dia 15, as forças portuguesas de manutenção de paz em missão na Bósnia-Herzegovina, no âmbito da NATO, começarão a ser rendidas por um novo batalhão.



O 2º Batalhão de Infantaria Mecanizado da Brigada Mecanizada Independente (2ºBIMec/BMI) das Forças Armadas Portuguesas desloca-se para a Bósnia-Herzegovina de forma faseada nos dias 15, 21 e 27 deste mês, avança esta quinta-feira em comunicado o Estado-Maior General das Forças Armadas.
Esta força vai render o 3º Batalhão de Infantaria Pára-quedista da Brigada Aerotransportada Independente (3ºBIPara/BAI), que desde Janeiro se encontra em missão nos Balcãs.

As tropas portuguesas encontram-se integradas nas Forças de paz da NATO, a Stabilization Force (SFOR).

O batalhão que parte a partir de quinta-feira é composto por 289 militares, dos quais 276 integram o Batalhão português e 13 fazem parte do Multinational Battle Group (MNBG).

Esta rendição é faseada de forma a manter no terreno uma força capaz de dar continuidade às tarefas atribuídas ao batalhão português a actuar em Doboj, a Norte da Bósnia- Herzegovina).

08-07-2004 13:17:08
 

*

Nautilus

  • Membro
  • *
  • 119
  • +0/-0
Nato tem nova plataforma tecnológica
« Responder #89 em: Julho 09, 2004, 12:11:22 am »
Nato tem nova plataforma tecnológica

Semana Informatica nº 702 de 2 a 8 de Junho de 2004

O sistema de vigilância e reconhecimento terrestre (AGS) pode representar 30 milhões de euros para a participação portuguesa

O consórcio TIPS foi o seleccionado pela Nato para desenvolver e pôr a funcionar o sistema AGS (Sistema de Vigilância e Reconhecimento Terrestre). No nosso país, a Indra Sistemas Portugal integra o consórcio TIPS, sendo de referir que a participação portuguesa é assegurada por um grupo de empresas liderado pela Edisoft, cuja actividade poderá gerar receitas superiores a 30 milhões de euros. Por seu lado, a Indra estima que a sua participação no projecto gere receitas entre os 300 e os 350 milhões de euros.

   
 
A nível internacional, e além da Indra, o consórcio integra também a Empresa Europeia de Defesa Aeronáutica e Espacial (EADS), a italiana Galileo Avionica, a General Dynamics do Canadá, a norte-americana Northrop Grumman e a francesa Thales. Segundo está previsto, o programa estender-se-á até 2012 e entrará em vigor após a assinatura do contrato, prevista para a Primavera de 2005.

O AGS é um programa da Nato que tem como objectivo o desenvolvimento de um sistema para a vigilância de um ou vários campos de batalha terrestre e baseia-se numa série de centros de comando e controlo, situados em plataformas aéreas a partir das quais se dirigem as operações de terra, assim como uma série de estações terrestres de controlo (Base Operacional Central, MOB) e estações aerotransportadas avançadas próximas do terreno de operações.

Este conjunto de sistemas, baseado numa frota mista de plataformas aéreas, tipo avião comercial Airbus A-321 e veículos aéreos não tripulados (HALE) de grande autonomia e voo a grande altitude, inclui sensores que permitem obter informação sobre o terreno e os sistemas de comando e controlo (redes de comunicação e processamento da informação que permitem o seu envio e a sua concentração para apresentação aos altos comandos e estudo das instruções pertinentes).

O sensor principal é um radar de abertura sintética, de tecnologia muito avançada, capaz de detectar e identificar movimentos de veículos e tropas em áreas congestionadas, a muito longa distância. Este radar irá desenvolver-se num programa paralelo, denominado Radar Cooperativo Transatlântico (TCAR), no qual participa também a Indra e outras quatro empresas que pertencem ao TIPS.

O valor do programa na sua fase de desenvolvimento, produção e entrada em serviço ainda se encontra em fase final de negociação, embora as estimativas permitam estabelecê-lo entre os 3 mil milhões e os 5 mil milhões de euros, de acordo com o alcance que na altura seja definido pela Nato.

O consórcio industrial TIPS é integrado por empresas de referência nas diferentes tecnologias e equipamentos necessários para desenvolver o sistema AGS, uma ferramenta básica enquadrada nos objectivos de vigilância, reconhecimento e segurança da Nato.

No caso da Indra, a sua entrada no consórcio é consequência da sua projecção internacional ao nível da tecnologia de sensores e sistemas de comando e controlo e das suas capacidades na integração de sistemas complexos e críticos, áreas em que se concretizará a sua participação industrial no projecto. As seis empresas líderes que integram o consórcio prevêem trabalhar com cerca de 80 companhias subcontratadas dos 26 países que integram a Nato.
"Que o país deixe de ter medo!"
Humberto Delgado

Cumprimentos
Nautilus
 

 

MusMilElvas - Pesquisa de Informação para estas Armas

Iniciado por jambarreto

Respostas: 5
Visualizações: 3094
Última mensagem Fevereiro 05, 2008, 02:04:42 pm
por Falcão Tango (G.E.P.A)
Armas de Fogo Ligeiras e seus Acessórios

Iniciado por Leão_Marinho

Respostas: 2187
Visualizações: 352817
Última mensagem Junho 12, 2019, 11:58:35 am
por HSMW
4 Regras Universais de Segurança com armas de Fogo

Iniciado por ACADO

Respostas: 213
Visualizações: 30403
Última mensagem Abril 24, 2011, 06:33:55 am
por ACADO
Armas ligeiras: Modus Operandi

Iniciado por ACADO

Respostas: 176
Visualizações: 32249
Última mensagem Agosto 08, 2009, 04:47:05 pm
por foxtrotvictor
Novas armas da Ceska Zbrojovka

Iniciado por ACADO

Respostas: 67
Visualizações: 22112
Última mensagem Setembro 07, 2009, 10:14:09 pm
por ACADO