Notícias (Exércitos/Sistemas de Armas)

  • 872 Respostas
  • 220891 Visualizações
*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #30 em: Maio 16, 2004, 09:28:28 pm »
Zeus: Os EUA têm no Iraque e Afeganistão alguns Hummer com canhão laser para destruir minas, bombas armadilhadas e granadas defeituosas.
Tem um alcance de 300 m e pode disparar 2.000 vezes por día.

 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #31 em: Maio 16, 2004, 10:39:59 pm »
Um novo "brinquedo" dos americanos: torre de controlo remoto estabilizada com camara térmica:

Citar
Yet another weapon in development was sent to Iraq and proved reliable enough to go into production immediately. This one was CROWS (Common Remotely Operated Weapon Station), which is a turret mount for various weapons (.50 caliber, 7.62mm and 5.56mm machine-guns or 40mm automatic grenade launcher.) The CROWS system contains daylight and thermal sights, a laser range finder, electric motors to move the weapon in any direction, and electronics that allow the weapon operator, inside a hummer or Stryker (or any vehicle that can support the mounting hardware and several hundred pounds of weight) to see what's in front of the gun barrel, put a target into crosshairs and fire accurately at up to a thousand meters. CROWS was originally scheduled to enter service in 2006. But it has been doing so well in testing, that four systems were sent to Iraq and mounted on armored hummers. After six weeks of use, the four CROWS systems had suffered no failures, performed as they were designed to and the troops using them didn't want to give them up. Typically, weapons in a hummer turret leave the gunner very exposed to enemy fire. This is not the case the CROWS. In addition, the day sight has telescopic capabilities, as does the thermal sight (for use at night and misty weather.) With CROWS, the gunner is safer, and so is the convoy he is with, because the CROWS sights allow the gunner to see farther, and fire more accurately. CROWS has a stabilizer and software that does all the calculations to make the most accurate shots with whatever weapon is mounted, even if the vehicle is moving. CROWS is going into production ahead of schedule because of the successful operational tests
 

*

[PT]HKFlash

  • Membro
  • *
  • 183
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #32 em: Maio 17, 2004, 02:56:11 pm »
Hahaha!

Aqueles Iraquianos pensavam que bastava mandar uns RPGs, meter umas bombas na estrada etc mas agora os "americanos contra-atacam!" :lol:
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-11
(sem assunto)
« Responder #33 em: Maio 17, 2004, 10:35:00 pm »
Army running out of ammo, seeks bullets from foreigners
BLOOMBERG NEWS


The U.S. Army said it will seek bullets from commercial and foreign producers because its biggest ammunition supplier, Alliant Techsystems Inc., can't keep up with demand.

"The hope is to get it from the U.S., but worldwide suppliers are out there that provide this and it might not be totally available in the U.S.," said Lieutenant Colonel Matthew Butler, Army product manager for small- and medium-caliber ammunition.

Edina, Minnesota-based Alliant Friday said demand is rising to its highest level since the Vietnam War.

To make up for the shortage, the Army recently awarded contracts to state-owned Israel Military Industries Ltd. and Olin Corp.'s Winchester unit, each for 70 million rounds, Butler said in a telephone interview. He said he couldn't disclose the value of the contracts.

The Army wants to buy about 1.4 billion bullets this year and have the capacity for 2 billion rounds a year, Butler said. That is more than Alliant can make, and there are few other companies that can make military ammunition on such a large scale. The Army plans to seek a company able to coordinate production of as much as 500 million rounds by a number of smaller producers, Butler said.

"The strategy now going forward is to go through an integrator or someone who brings all that worldwide capacity together for us," said Butler, 41. "I don't think there is anyone out there who could do it and make U.S. ammo."

The Army on May 18 will meet with as many as 18 ammunition makers in Rock Island, Ill., to seek an integrator. That contract, the value of which hasn't been determined, will be awarded between December and April, Butler said.

Besides Israel Military and Winchester, another potential supplier is Montreal-based SNC-Lavalin Group Inc., Butler said. He wouldn't say which companies will attend. Danielle St. Pierre, spokeswoman for SNC's ammunition unit, said she couldn't immediately comment.

Alliant will make 1.2 billion bullets this year, up 20 percent from last year, and plans to add capacity for another 300 million rounds, Chief Executive Officer Daniel Murphy said Friday during a conference call. The Army will seek the balance from other suppliers, Butler said.

The U.S.-led coalition in Iraq is struggling to control rising violence that in April alone killed more U.S. soldiers than during last year's war, which lasted about six weeks. With U.S. troops engaged abroad, live-fire training exercises to boost preparedness have also increased demand, Butler said.

"It's a surprise they are using so much ordnance over there," said Philip Finnegan, an analyst for the Teal Group consultancy in Fairfax, Virginia. "No one would have expected this a few months ago."
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7486
  • Recebeu: 359 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +87/-190
(sem assunto)
« Responder #34 em: Maio 17, 2004, 10:46:26 pm »
Se é assim com o 5.56 imaginem com a 25mm programável.
Há que começar pelo básico!
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #35 em: Maio 18, 2004, 12:44:07 pm »
Citar
The U.S. Army has ordered eleven more Shadow 200 RQ-7A Tactical UAV (Unmanned Aerial Vehicle) systems for $8.8 million each. Each system includes four UAVs, two ground control stations, a launcher and communications equipment needed to control the UAV in the air and guide it in for landing. Each UAV weighs 327 pounds and can carry 56 pounds of equipment (usually a day or night vision camera and a transmitter). The UAV is eleven feet long and has a wingspan of 12.75 feet. It can fly as high as 15,000 feet (out of range of small arms). The Shadow has a range of about 50 kilometers and can stay in the air for up to six hours. The army is equipping each combat brigade with a shadow system, to provide the brigade with its own aerial reconnaissance capability. The Shadow has been in use for several years, and the troops are pleased with the ease of use and the quality of the video they get from it. The Shadow has been very reliable, with UAVs being available for use 95 percent of the time.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #36 em: Maio 18, 2004, 12:54:45 pm »
Citar
SOCOM (Special Operations Command) has been using dune buggies and other small off road vehicles for decades. But this category of vehicles has been growing of late and SOCOM has decided to ask the manufacturers to come up with proposals for two militarized ATVs (All Terrain Vehicles). One would be a 4x4 vehicle with a 900 pound payload and not weigh more than 1,950 pounds. This would be used by Special Forces and commandoes in the field. Top speed must be 88 kilometers an hour on a flat surface (72 when carrying a full load.) Range on internal fuel (on a flat surface) must be 160 kilometers. This assumes an average mission of 3.7 hours, covering 51 kilometers. It is assumed that the ATV would spend, on average 10 percent on of it’s travel on good roads, 20 percent on secondary roads, 65 percent cross country and less than five percent in a shot up (and rubble strewn) urban area. SOCOM wants a multi-fuel engine (common in military vehicles these days.) The 6x6 vehicle must be able to haul 1200 pounds and not weigh more than 2,300 pounds. Range on internal fuel (on a flat surface) must be 80 kilometers.

Both vehicles must be able a 60 degree slope (going up and coming down). The vehicles must have a roll over bar (similar to one used on a successful Israeli military ATV.) Both vehicles must be able to convert to tracks for travel in snow or very marshy terrain. SOCOM expects to buy up to 700 of each vehicle.

These military ATVs are developing the same way the HYMMWV (hummer) came about. Engineers at the jeep division of American Motors (that eventually became AM General) had been brainstorming new ideas for an improved "jeep" class vehicles ever since World War II. The 1970s was also a time when the concept of cross country vehicles for the masses was taking hold. So when the army came to AM General with the HMMWV proposal, it was not a bolt out of the blue. Army officers and vehicle engineers had been discussing new vehicle ideas for decades. In that sense, the HMMWV was evolutionary, not revolutionary (although a lot of ideas finally found their way into a production vehicle only with the actual design of the hummer.)

The army didn't go to AM General with a detailed spec for the HMMWV, but asked AM (and the automotive industry in general) to come up with a new tactical vehicle that was more mobile, and could carry more stuff, than the current tactical vehicles (Jeep, 3/4 ton truck, Gamma-Goat and others.) The army issued an RFP (Request For Proposal) and got two competing designs. AM Generals effort won hands down. The RFP approach is pretty typical. The armed forces does not try to design stuff, and the specs in the RFP are often kept pretty loose in order to let the contractors to use their imaginations.

 

*

[PT]HKFlash

  • Membro
  • *
  • 183
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #37 em: Maio 19, 2004, 12:09:18 pm »
Fabio G. :

Penso que você deveria enviar uma menssagem privada a um moderador/administrador a pedir para tornar estes tópicos em tópicos inamoveis :wink:

Não sei como funcionam os comandos dos moderadores/administradores por isso não lhe garanto que estes coloquem os tópicos de outros utilizadores "Inamóveis" mas penso que valeria a pena tentar! :wink:

Os meus sinceros cumprimentos,
Flash
 

*

emarques

  • Especialista
  • ****
  • 1178
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #38 em: Maio 19, 2004, 02:35:45 pm »
A palavra é "inamovível", acho.

De resto, concordo. Os tópicos de notícias podiam ser colados.
Ai que eco que há aqui!
Que eco é?
É o eco que há cá.
Há cá eco, é?!
Há cá eco, há.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #39 em: Maio 20, 2004, 01:08:31 pm »
Citar
Exercício “HIDRA 04” - O EXÉRCITO NO COMBATE À AMEAÇA TERRORISTA

No quadro geral da preparação e treino da Força Operacional do Exército decorreu desde 03 de Maio até 12 de Maio de 2004 o Exercício “Hidra 04”, orientado para áreas específicas de interesse estratégico em Território Nacional, tendo como cenário a contenção e resposta a novas formas de ameaça.

Este Exercício teve como objectivo testar e avaliar as capacidades do Exército, articuláveis com as forças de segurança e outros serviços ligados à protecção civil, bem como a actualização de planos de contingência orientados para a protecção de bens estratégicos localizados em diversas partes do espaço terrestre nacional.

O Exercício compreendeu três fases cobrindo a prevenção, a acção contra-terrorista e a gestão de consequências no quadro de uma diversidade de missões que o Exército tem capacidade para executar.

No dia 11 de Maio de 2004 decorreu, em Tancos, no Comando das Tropas Aerotransportadas, o Distinguished Visitors Day “DVD” do exercício, que contou com a presença de S.Exa o Ministro de Estado e da Defesa Nacional, Dr. Paulo Portas, que foi recebido por S. Exa. o Chefe do Estado-Maior do Exército, General Luís Valença Pinto e pelo Exmo. Comandante Operacional das Forças Terrestres, Tenente-General Ferreira do Amaral.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #40 em: Maio 21, 2004, 10:07:35 pm »
Citar
Too Much Simulator Time Puts Pilots Off Attack Birds

On a day dedicated to showing off Thales' simulation capabilities to the press, one of our hosts admitted that some of the best pilot recruits are deciding to fly utility helicopters because a career in attack birds involves too much simulator time. They joined up to fly real helicopters, not simulators, he said.

 

Meanwhile, the British Army Air Corps has found a way to mix simulators and real aircraft. Rotorhub has learned that they have just completed a successful exercise in which Apache crews in simulators at Middle Wallop could see a real WAH-64 airborne over Salisbury Plain. It wasn't part of a recruitment drive, but it might help.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #41 em: Maio 21, 2004, 11:12:37 pm »
Citar
US Army transfers 40 UH-1s to US Air Force

FORT RUCKER, Ala. --- The Army transferred six of 40 UH-1 Iroquois helicopters to the Air Force May 6 in a ceremony at Lowe Army Heliport for use in the Rotary Wing Qualification Course, which the Air Force uses to train its helicopter pilots.  
 
The Air Force students begin flying either T-37 Tweets or T-6A Texan IIs, both fixed-wing aircraft, at several Air Force bases and then come to Fort Rucker for their rotary-wing training with the Huey.  
 
The reason we stayed with the Hueys is because theyre tough, theyre durable and they are the perfect transition from a T-6A or a T-37. We move on to the MH-53 Pave Low, which is 45,000 pounds, or the MH-60K Black Hawk, which is 23,000 pounds or so, and we have M-model Hueys as well, said Air Force Maj. Larry Walker, program manager for undergraduate helicopter training at Randolph Air Force Base, Texas.  
 
There are two phases of training during RWQC, which the Air Force calls blocks. Each block is three months long, and the first block is the initial contact phase.  
 
Block I, the initial phase, is where they basically learn how to fly emergency procedures, transition and they (learn) helicopter instruments, said Walker. In Block II, students learn how to perform missions using low-level navigation, low-level flying, load operations and to fly using night-vision devices in formation.  
 
Before the transfer of the Hueys, the first phase of training was done using Army regulations. The students would then have to switch to Air Force regulations during Phase II. Now the students will be taught using Air Force regulations, or instructions, throughout RWQC.  
 
The Army is transferring a total of 40 Hueys to the Air Force. The goal is to transfer six per month until Oct. 1, which was the deadline given to Fort Rucker by the Department of the Army, according to Col. Howard Killian, chief, Aviation Center Logistics Command.  
 
According to Walker, the Air Force will use 24 of the Hueys for training at Fort Rucker. Sixteen of the aircraft will be used for spare parts, and 12 of those 16 will be used to start a Huey 2 line.  
 
I think (were saying goodbye to the Hueys) with a bit of nostalgia, to say the least, but (we have to) to facilitate the rest of the modernization and transformation planning, said Killian. The quicker we can facilitate this moving to the Air Force, the quicker were going to get things like the Light Utility Helicopter.  
 
Killian said the Hueys took a lot of time, money and personnel to keep them operational. Therefore, the transfer will also save the Army money. What Hueys the Air Force does not take, the Army will have destroyed, he said.  
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #42 em: Maio 23, 2004, 07:11:21 pm »
FAM del Mundo

Citar
Novos veiculos de comando e controlo para o Exército britânico.

O Ministério da Defesa do Reino Unido assinou um contrato com a empresa Alvis para o futuro veiculo de comando e controlo (FCLV - Future Command and Laison Vehicle). O contrato é no valor de 14M de libras e prevê a compra de 401 veiculos Alvis Vickers MLV e uma opção para mais 400. A Alvis assinou um subcontrato com a Iveco SpA como sucontratista para os veiculos.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #43 em: Maio 23, 2004, 07:50:48 pm »
Entrevista do CEME ao Expresso

I Parte

Citar
General VALENÇA PINTO e a reforma das Forças Armadas
«Vamos transformar o Exército»
Alterar tamanho

António Pedro Ferreira

«Caminha-se para uma força de reacção rápida do Exército. Se houver uma portuguesa, o Exército estará pronto a entrar»

É UM homem de raciocínio rápido e cauteloso. Não é fácil apanhá-lo desprevenido. Dispôs-se a falar sobre tudo - a sua querida reestruturação do Exército, o desafio da profissionalização, os problemas com os equipamentos. Em entrevista ao EXPRESSO, o general Valença Pinto, chefe do Estado-Maior do Exército, disse que não «passava mensagens». Mas disse o que quis, como quis.

EXPRESSO - O Exército acaba de realizar em Tancos o seu primeiro exercício de operações de preparação para a luta anti-terrorista. É uma coisa nova?

VALENÇA PINTO -Não inteiramente nova, mas nos tempos recentes tem alguns aspectos de ineditismo. Logo a seguir ao 11 de Setembro, o Estado português entendeu ver como é que funcionava o seu aparelho constitucional e o seu normativo legal nesta matéria da estratégia e combate anti-terrorista. Logo nessa altura a Procuradoria-Geral da república emitiu um parecer que, em síntese, diz que as Forças Armadas existem para a ameaça externa - e a ameaça terrorista é uma ameaça externa, ainda que se possa manifestar dentro de espaço nacional. Consequentemente é perfeitamente pertinente, legítimo e necessário que as FA tenham esse tipo de intervenção interna, em que, no fundo, estão a responder a uma ameaça externa. Depois disso, o Conceito Estratégico de Defesa Nacional e, mais recentemente, o Conceito Estratégico Militar traduziram de uma forma mais arrumada, do ponto de vista político e doutrinário, quais são as competências actividades e atribuições das FA nessa área. Por outro lado, há a realidade - o ambiente estratégico de hoje contém essa questão grave e difícil da ameaça terrorista.

EXP. -Existe uma preparação real do Exército para a acção anti-terrorista?

V.P. - Este exercício durou dez dias, do qual apenas um foi público. A ideia do Exército foi mostrar publicamente algumas das capacidades que tem, designadamente as que nos parecem mais articuláveis com as forças de segurança e os outros serviços ligados à protecção civil, como a própria Protecção Civil, o INEM etc. Exercitámos, em Tancos, alguns aspectos ligados à regulação da circulação e ao controlo de acessos, à defesa aérea de baixa altitude num aeródromo, num aeroporto , à nossa capacidade de inactivação de engenhos explosivos, convencionais ou improvisados. E exercitámos algumas das nossas capacidades em matéria de defesa nuclear, biológica e química, sendo que, por exemplo, a componente de descontaminação é hoje única no país. Finalmente, exercitámos o hospital cirúrgico móvel, uma estrutura muito complexa de apoio sanitário, que o país já projectou algumas vezes em missões de apoio à paz, com grande sucesso e vantagem para as populações.

EXP. -A data escolhida para o exercício tem alguma coisa a ver com o Euro 2004?

V.P. - O exercício estava previsto para 2005, mas depois aconteceu o 11 de Março aqui bem perto de nós e isso fez-nos pensar. Ponderámos a vantagem de vermos como estávamos nesta área e, por acordo com o escalão político, resolvemos antecipá-lo para a primeira oportunidade possível. Um exercício com a envergadura que este teve não se organiza do pé para a mão e a sua realização fala bem pela saúde operacional do Exército.

EXP. -A anunciada reestruturação do Exército e da sua força operacional em que ponto está?

V.P. - Avança, e se não avançar a força operacional, não tem sentido avançar mais nada. As FA existem para terem força, não para se autocontemplarem e autoconsumirem. Esquematicamente, o modelo de exército que foi pensado e que a minha directiva de 2003 procura traduzir assenta na força operacional do exército como referência, numa estrutura de comando e numa estrutura de base. Nesta fase, já definimos o modelo fundamental — que é a sua força operacional e a sua estrutura de comando, incluindo a modificação, no sentido de maior simplificação, das relações de comando. No que se refere à estrutura de base, em primeiro lugar, ela é instrumental em relação ao modelo. Espero ter um primeiro desenho razoavelmente consolidado em Junho e terminado em Setembro.

EXP. -O desenho?

V.P. - O projecto para a estrutura de base. Foi uma escolha que assumi deliberadamente, a de incidir a nossa preocupação no modelo e não no instrumento. A minha directiva apontava para 35 linhas de acção, tarefas que foram associadas a um prazo limite. Todos eles estão a ser cumpridos. A conclusão geral dos trabalhos devia ser em Dezembro, acho que a teremos em Outubro. O que já concluímos deste processo teve a maior adesão do almirante Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas e do escalão político, o ministro da Defesa e o Secretário-de-Estado. Desde os anos 50, é a quinta mudança fundamental do Exército. Gostava de saber se há muitas organizações, designadamente no sector público, que em 50 anos mudem cinco vezes de uma forma profunda e que façam acompanhar estas mudanças, embora implicitamente, de um verdadeiro benchmarking externo.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #44 em: Maio 23, 2004, 07:57:03 pm »
II Parte
Citar
EXP. -E qual é a tradução real dessa reforma profunda

V.P. - Melhores forças, que é o nosso objectivo. Vamos transformar a força operacional permanente do Exército numa força mais pesada, para conflitos de maior intensidade, numa força média para conflitos de média intensidade (e ambivalente, isto é, para uns e para outros)- e uma força mais ligeira projectável, de uma forma muito expedita e com excelentes capacidades, complementáveis com capacidades tecnicamente muito diferenciadas.

EXP. -O novo tipo de forças prevê o fim de algumas unidades, como a dos paraquedistas?

V.P. - Toda a concepção das nossas forças visa produzir boa força militar - completa, treinada, motivada - de acordo com as categorizações que internacionalmente estão acordadas para esse efeito. Ninguém vai acabar com forças páraquedistas ou com comandos. Em primeiro lugar, porque não há no Exército forças de grupos, há forças do Exército, e o que é preciso é que se relacionem de uma forma convergente. Nunca esteve na cabeça do Exército algo que se afastasse de um modelo de modularização, no sentido de que algumas unidades não detivessem em permanência todas as suas valências, mas houvesse uma ‘pool’ das valências mais complexas tecnicamente para poderem ser empregues. É o modelo dos países ricos que, por maioria de razão, tem de ser o modelo de um país como Portugal. O que o Exército garante é que quando empregar uma unidade de manobra, um batalhão de infantaria, por exemplo, eles estarão apoiados pelos elementos de apoio de combate e de apoio de serviços que sejam precisos. Aliás, essa é a tendência doutrinária com que nos confrontamos. As operações de apoio à paz já começaram desde 1998 ou 1999 a sugerir isso, ainda em torno da ideia do batalhão, hoje está em cima da mesa, concretamente na União europeia, um conceito que vai mais longe neste aspecto. É nesse sentido que estamos a trabalhar. O Exército não está a inventar nada, mas não está com certeza agarrado a modelos do passado. A força operacional do Exército corresponde a mais de 50% dos efectivos.

EXP. -Caminha-se no sentido de uma força de reacção rápida portuguesa?

V.P. - Caminha-se para uma força de reacção rápida do Exército e, se houver uma força de reacção rápida portuguesa, o Exército estará sempre absolutamente pronto para entrar nela. O Exército está inteiramente aberto ao aprofundamento da dimensão conjunta das FA, com a reserva de que não aceita perder qualidade por essa razão. A qualidade que existe na Marinha, no Exército, na Força Aérea é um património nacional e não se deve desbaratar.

EXP. -O que é que significa perder qualidade?

V.P. - Podia haver um modelo conjunto que fosse mau.

EXP. -E quanto ao comando conjunto? Desde o Verão que se fala de um estudo a ser feito sobre o assunto...

V.P. - Seguramente não pelo Exército. Repito que_ a força de reacção rápida caracteriza-se pela sua flexibilidade de actuação, por uma multiplicidade de actuações funcionais... e isso exige ligeireza. É assim em todo o lado. Não estamos a inventar nada, estamos apenas a valorizar, e muito, a expressão operacional das nossas unidades especiais e especializadas. Alguns países chamaram a este tipo de unidades forças especiais e especializadas. Não confundir com 'Multinational specialized units', porque isso está muito ligado aos carabinieri, gendarmerie, Guarda Republicana. É no domínio puramente militar. Este é o modelo que está em cima da mesa e é uma valorização fantástica da capacidade de projecção portuguesa.

EXP. -Quando estará constituída essa força??

V.P. - Temos de contar com o reequipamento. Deverá estar completa e com altíssimo grau de prontidão em Janeiro de 2008. Mas a partir de Janeiro de 2005, partes dela vão progressivamente entrando nesse mesmo grau de prontidão, que é o máximo. Em termos de Exército, maior prontidão do que dez dias... Temos sempre forças de escalão mais baixo prontas e, se for preciso projectar uma subunidade, faço-o — é só o tempo de os homens se vestirem e irem para o aeroporto.

EXP. -O que significa que, se se mantiverem esses prazos, Portugal poderá, a partir de 2007, participar na força operacional da UE?

V.P. - O Exército está a fazer um esforço muito grande mesmo nesta circunstância - que ainda é a de aguardarmos o desenvolvimento dos principais programas de reequipamento, cuja demora é normal — não há aqui nenhuma mensagem subliminar. Estamos no ‘timing’ previsto para desde já entrar no exercício das ‘Nato Response Forces’ (Forças de Reacção Rápida da NATO), o que é um grande desafio.

EXP. -Portugal tem forças prontas para partificar na NRF?

V.P. - Já temos forças neste momento em NRF. Elas também são importantes como um guia auxiliar a certificar as forças do ponto de vista da Aliança Atlântica. Portugal não pode correr o risco de oferecer uma força que depois não passe na certificação. Na NRF, estamos no segundo ciclo — há pelo menos seis, que se referem a semestres. Não houve condições para participar no primeiro ciclo (cada um tem seis meses), de resto tinha um carácter experimental e não foi grave não participar. Mas estamos a participar na NRF 2 e está decidida a participação na NRF 3 e 4. Em vias de decisão está a participação nas números cinco e seis, que são as últimas, que ainda estão em planeamento. Aí esperamos poder intervir com subunidades de escalão batalhão com elevadíssimo grau de prontidão. Isto traduz o benefício desta transformação de modelo que gera muito mais sinergias funcionais. Paralelamente, vamos conseguir dar melhor tradução ao compromisso que o país assumiu em matéria de "headline goal".

EXP. -Portugal terá a responsabilidade de gerar forças da NATO muito proximamente...

V.P. - A responsabilidade de activação da NRF 5 (segundo semestre de 2005) será do Joint Headquarters Lisbon. Tal como a NRF 6 será da responsabilidade do comando de reacção rápida da Aliança (ARC) e penso que é do maior interesse do país poder entrar aí com uma forca de reacção rápida de escalão batalhão.

EXP. -O Exército português tem capacidade para actuar em três teatros de operações distintos...

V.P. - Com forças de escalão batalhão. Ou, num teatro, com forças de escalão brigada. Exclui-se a intervenção de unidades mais pequeninas, as tais unidades muito especializadas.

EXP. -Neste momento, Portugal tem forças destacadas na Bósnia e em Timor, no seu grande grosso. Estas regressam agora. E depois, vão para o Iraque, Afeganistão?

V.P. - O Exército nunca escolheu o seu destino em termos de empenhamento operacional, vai para onde o país entender que é preciso que vá. E espero que o faça nas melhores condições. Neste momento, temos de reconhecer que há algumas limitações. A maior é que eu não consigo projectar para o Pólo Note ou para o Pólo Sul mais do que 40 homens, porque só temo 40 capacidades individuais de combate em condições árcticas. Fora isso, o país pode seguramente contar com o seu Exército.

EXP. -E ele estaria pronto a ir para o Iraque, se fosse essa a decisão política?

V.P. - Está sempre pronto. A decisão não é minha e eu não faço essas perguntas. Posso participar no processo decisório, e acho que devo até porque há uma dimensão técnica, que é importante considerar - não é só empregar as forças, mas sustentá-las e há aqui parâmetros complexos. Não falo objectivamente de cenários hipotéticos e, para qualquer cenário, o Exército naturalmente que precisa de algum tempo de preparação. Mas não muito. Há cenários onde o tempo de preparação mais complexo é o da preparação sanitária. Por exemplo, para Timor, é preciso preparar as pessoas sanitariamente para o dengue, a encefalite japonesa. etc. O Exército tem hoje graus de prontidão que lhe permitem reagir.

EXP. -O ex-chefe do contingente da GNR no Iraque disse uma vez que gostaria muito de lá estar com o Exército...

V.P. - Todos os portugueses gostam de estar com o Exercito. Nós ainda não sabemos como vamos ficar em termos de estrutura de base. Não é crível que o dispositivo se mantenha como está. O que me chegou de todas as localidades onde há guarnições do Exército, foi um coro dizendo que a relação entre o Exército, a população e as autoridades é a melhor. O Exército é um elemento estruturador e identificador da sociedade portuguesa, tem-no sido historicamente e continua a sê-lo. Mesmo nas intervenções que o Exército não rejeita e para as quais o Exército não se organiza. Por exemplo, o Exército não se dimensiona para abrir aceiros nas florestas, mas, tendo essa capacidade, faz e têmo-lo feito. Os aceiros são aquelas vias que funcionam como corta-fogos e para permitir o acesso de carros de bombeiros se for preciso. Este ano, pela primeira vez, estamos a abrir aceiros desde 19 de Abril e até 30 de Junho. Planeámos a carteira de encomendas tentativamente para 250 Km, que depois ampliámos para 280-290. Dados de 7 de Maio mostram que já abrimos 150 quilómetros. Para a semana, vamos começar a montar uma grande ponte do Exército em Santo Tirso. É preciso, por que não havemos de o fazer? No ano passado, o Exército empenhou mais de 12 mil na luta contra os incêndios. E este ano, a partir de 31 de Maio, vamos ter as nossas melhores unidades a fazer o patrulhamento de florestas. Desde os anos noventa que o Exército faz patrulha de florestas, mas agora assumimos que vamos para lá, montamos o nosso 'quartel' de campanha e as nossas tropas vão ter uma presença dissuasora. Apostamos muito nisso.

EXP. -Profissionalização. A 20 de Maio, é a última incorporação do serviço efectivo normal (SEN). O que vai mudar no Exército?

V.P. - Há pelos menos duas coisas que não mudam: o Exército continuará a incorporar portugueses e não abdicará dos seus valores institucionais e patrióticos e nacionais, porque são definidoras e uma identificação e de uma estruturação da sociedade e do Estado portugueses. Para preparar a profissionalização, a primeira coisa que fizemos foi assumir o óbvio: que às 0h de 20 de Novembro de 2004, termina a conscrição em Portugal. A mentalidade tem de mudar. Agilizámos muito o processo de recrutamento; aumentámos o número de incorporações. No modelo anterior, havia muita espera entre o oferecimento, a candidatura e a incorporação e, no meio desse processo, havia umas perdas em linha. Passámos a ir à procura dos jovens, em vez de estar à espera que eles viessem ter connosco, passámos a uma postura mais empenhada e pró-activa. Depois, fizemos coisas aqui dentro. Multiplicámos os turnos de incorporação. Este ano, entre tropa geral e pára-quedistas, temos tido uma média de uma incorporação por mês. O que significa que alguém que se ofereça não espera mais do que um mês para ser incorporado, sendo que nesse mês é objecto de provas de classificação e selecção, inspecções médicas rigorosas, etc.

EXP. -E quantos candidatos já incorporou?

V.P. - No dia 8, o Exército passou a ter, em praças contratadas, 11 mil. Juntamente com os oficiais e sargentos, estamos na ordem dos 13 mil contratados no Exército. Entretanto, fizemos há cerca de 15 dias uma acção articulada com o Instituto de Emprego e Formação Profissional, de que ressaltou a candidatura de cerca de 1600 jovens, o que nos levou a antecipar a próxima incorporação para 31 de Maio. E já há mais uma centenas de oferecidos desde então, que só serão incorporados posteriormente. Por outro lado, vamos redescentralizar a incorporação e a instrução. O Exército não acredita em modelos centralizados e burocráticos de recrutamento e de formação de contingentes. A 31 de Maio, penso que estaremos muito preto dos 12 mil — e ainda amos inorporar os do serviço efectivo normal na próxima semana. Saliento que não entrarão conscritos nas zonas militares dos Açores e da Madeira, porque já não é preciso.

EXP. -Lamenta o fim do Serviço Militar Obirgatório (SMO)?

V.P. - Verifico.

EXP. -Mas não lamenta...

V.P. - Não adianta ter estados de alma. Não é o Exército que faz a lei e nós também verificamos que esta é uma tendência das sociedades. A única coisa que me permito dizer, do ponto de vista da minha responsabilidade institucional, é que o debate sobre o serviço militar obrigatório (ou não) deixou de ser um debate puro na mesma altura em que foi introduzida a modalidade dos quatro meses.

EXP. -Com o fim do SMO, o país, de certa maneira, perde o retrato da sua juventude?

V.P. - Sem dúvida. Não está na mão do Exército, mas o Exército, porque ele tem tido essa responsabilidade principal tem feito sentir que, a partir do fim do serviço de conscrição, deixam de estar disponíveis no país indicadores que nos parecem muito importantes do ponto de vista da escolaridade, situação laboral, saúde, etc. Mas as nossas estruturas estão inteiramente disponíveis, se assim for entendido, para manter este tipo de actividade, inclusivamente com padrões que venham de fora. Continuaremos a fazer esse trabalho em relação aos que continuarem a vir, mas são uma amostra muito reduzida da sociedade portuguesa.

EXP. -Não lhe parece curioso que, quando Portugal adopta finalmente o regime integral de profissionalização, o faça no momento em que ela começa a conhecer os seus limites, nomeadamente à luz do que está a acontecer nos Estados Unidos, que colocam a hipótese de voltar à conscrição?

V.P. - Cada país tem o seu percurso. O modelo de serviço militar apenas define a natureza do instrumento. Não é o elemento estruturante do sistema de forças. Não se pode definir o modelo de serviço militar sem atender à realidade da sociedade portuguesa em todos os aspectos (sociológicos, políticos) e aos cenários e condições previsíveis de emprego. Estaremos atentos ao que vem de fora, mas a decisão tem de ser portuguesa.

EXP. -A afluência de candidatos tem também a ver com a crise económica e o desemprego?

V.P. - Não sei se é, ou não mas, se for, é óptimo que também por essa via se combata essa dificuldade social. Não encontro aí nenhuma mácula para o que tem vindo a ser o resultado positivo deste processo. Toda a gente procura uma profissão para não ficar desempregado, não é? Por que é que isso só é mau para os militares, e não, por exemplo, para a Polícia, ou a Guarda Republicana? Nos Açores e na Madeira, por exemplo, as taxas de desemprego são bastante mais baixas e a afluência é permanente...

EXP. -Qual é a percentagem actual de voluntários e contratados?

V.P. - Temos 24 mil militares, contas redondas. Os voluntários e contratados perfazem 58%, os do quadro permanente 38% e os do SEN 11%.

EXP. -E quanto às mulheres?

V.P. - Praticamente sem excepção, está tudo aberto às mulheres, por uma razão que tem a ver com o problema da igualdade de oportunidades. Mas tem de se ser realista. Por exemplo, as operações especiais (às quais elas ainda não têm acesso, tal como aos comandos) têm um tipo de actuação que impõe determinadas regras, até de vida, que neste momento ainda não temos condições para enquadrar mulheres. A percentagem actualmente anda nos 11-12%, mas quando deixarmos de ter conscritos, que são todos homens, essa taxa vai aumentar e aproximar-se dos 15%, o que é altíssimo para a NATO e muitíssimo alto para a região sul da Europa. Com um excelente desempenho...

EXP. -Se a 31 de Maio, pensa atingir os 12 mil voluntários contratados, significa que atinge, pelo menos o patamar mínimo proposto?

V.P. - Significa que o Exército conseguirá manter a funcionar o seu sistema de forças sem descaracterização, não que consiga ter a funcionar plenamente, como é desejável e necessário, o seu sistema de forças. Consegue manter a estrutura, mas de forma não integral. Os efectivos não são um objectivo do Exército, e muito menos um objectivo estrutural. Isso são as forças, que se traduzem por necessidades de vária ordem, incluindo recursos humanos. Não vamos parar nos 12 mil e dizer que ganhámos a guerra, nem nos 13 ou 14 mil. O nosso sistema de forças exigirá mais e nós sabemos quantos é que, mais ou menos, exigirá. Tem havido alguma confusão, porque tem-se dito 12 mil contratados e não é verdade: 12 mil praças contratados. Porque nós temos mais dois mil oficiais sargentos e só não temos mais porque não precisamos.

EXP. -E quanto às infra-estruturas, já saiu a lei?

V.P. - Não. Está nas Grandes Opções do Plano para o ano de 2004. O Exército fez o seu trabalho de casa, dizendo o que precisava e como é que achava que era susceptível de ser financiado. Fê-lo no reconhecimento das dificuldades financeiras e económicas gerais do país e, a partir daí, o assunto passou para o escalão do Ministério da Defesa. É importante que, quando tivermos uma visão mais ajustada da estrutura de base, revisitemos esse trabalho, que foi entregue ainda em Março de 2003, não é mudar drasticamente, mas para o ajustar ao novo figurino. Entretanto, saíu uma lei-quadro do que possa ser um ‘project finance’ no Estado e que abre para leis sectoriais. Tem havido um grande trabalho para rever os mecanismos de valorização patrimonial do que sejam os activos do Exército. Penso que são etapas preparatórias fundamentais para termos uma boa lei de programação das infra-estruturas militares que, seguramente, definirá um programa de dez anos. Não pode ser menos.

EXP. -O Exército tem uma ideia clara das unidades que vai deixar, manter, ou agrupar?

V.P. - Não, o Exército fez um trabalho dessa natureza que entregámos no ano passado e que agora precisamos de ajustar. Em matéria de estrutura de base, em que se inclui, com grande relevo, o dispositivo, não está tomada nenhuma decisão, mas sê-lo-ão.

EXP. -Mas isso não é fundamental para a modernização das infra-estruturas necessárias para a profissionalização?

V.P. - Por isso vamos rever o trbalho. O que fizemos em 2003 foi dizer que o Exército tem necessidade de requalificação de infra-estruturas desta dimensão, desta dimensão financeira e também técnica, e isto é possível de resolver financeiramente, ou parece-nos possível de resolver financeiramente, por esta via. Agora temos de voltar a verificar tudo, ajustar às necessidades, rever as possibilidades de financiamento... Mas não compete ao Exército dizer como é financiada a requalificação das suas infra-estruturas, apenas fazer sentir que é indispensável requalificar as suas infra-estruturas. A última vez que o país fez quartéis foi nos anos cinquenta, com excepção do quartel da Póvoa e de Alcochete, que foi uma troca directa com o que havia em Beirolas, onde depois se fez a Expo. Dentro dos apertadíssimos limites de capacidade de intervenção financeira que temos, até com muita iniciativa local das unidades, vamos procurando minorar e atenuar as dificuldades e limitações que existem.
 

 

MusMilElvas - Pesquisa de Informação para estas Armas

Iniciado por jambarreto

Respostas: 5
Visualizações: 2961
Última mensagem Fevereiro 05, 2008, 02:04:42 pm
por Falcão Tango (G.E.P.A)
Armas de Fogo Ligeiras e seus Acessórios

Iniciado por Leão_Marinho

Respostas: 2185
Visualizações: 332446
Última mensagem Maio 11, 2019, 10:22:32 pm
por Luso
4 Regras Universais de Segurança com armas de Fogo

Iniciado por ACADO

Respostas: 213
Visualizações: 28583
Última mensagem Abril 24, 2011, 06:33:55 am
por ACADO
Armas ligeiras: Modus Operandi

Iniciado por ACADO

Respostas: 176
Visualizações: 30904
Última mensagem Agosto 08, 2009, 04:47:05 pm
por foxtrotvictor
Novas armas da Ceska Zbrojovka

Iniciado por ACADO

Respostas: 67
Visualizações: 21474
Última mensagem Setembro 07, 2009, 10:14:09 pm
por ACADO