Novo CEMGFA

  • 8 Respostas
  • 3245 Visualizações
*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
Novo CEMGFA
« em: Novembro 17, 2006, 12:50:18 pm »
Uma nota da presidência da Republica acaba de anunciar a nomeação de Valença Pinto a CEMGFA. Tomada de posse dia 5 de Dezembro.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4143
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Dezembro 05, 2006, 12:23:14 pm »
Citar
Defesa: Cavaco defende "compromisso do País" com FA em tempo de mudanças

Lisboa, 05 Dez (Lusa) - O Presidente da República, Cavaco Silva, defend eu hoje um "compromisso do País" e do Estado com as Forças Armadas e para o "nor mal funcionamento" da instituição, numa fase em que esta atravessa uma fase de " transformações profundas".

        "A perenidade das Forças Armadas, a sua natureza e dimensão institucion al, transversal aos vários sectores do Estado, requerem um compromisso do País q ue permita o eficaz cumprimento das missões que lhes são cometidas. Os diversos  órgãos de soberania devem convergir esforços neste sentido, garantindo o efectiv o apoio à acção de comando das chefias e as condições requeridas para o normal f uncionamento das Forças Armadas", disse, ao conferir posse a Valença Pinto como  Chefe de Estado-Maior das Forças Armadas (CEMGFA).

        Na cerimónia, o Chefe de Estado lembrou o "tempo de mudança e de transf ormações profundas" em que Valença Pinto sucede a Mendes Cabeçadas no mais alto  cargo da hierarquia militar, motivado, entre outras causas, pela "crescente inte rnacionalização das questões de segurança e defesa" e pelos compromissos assumid os junto de organizações internacionais a que Portugal pertence.

        Cavaco Silva lembrou ainda, no plano interno, as "transformações e refo rmas" impostas pelo "esforço de modernização do País" de que a instituição milit ar "é parte activa" - nomeadamente no que se refere ao "acesso às novas tecnolog ias e aos saberes e competências da Sociedade de Informação" - e a convergência  necessária entre Exército, Marinha e Força Aérea.

        "Se, ao nível de cada Ramo, há que prosseguir o esforço de racionalizaç ão, aperfeiçoamento e adequação de recursos e estruturas, privilegiando a eficác ia das respectivas componentes operacionais, existe também um considerável poten cial para a reforma no âmbito do emprego conjunto das Forças Armadas e do melhor aproveitamento dos recursos e estruturas que lhes são comuns", vincou.
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2198
  • Recebeu: 58 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +16/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #2 em: Dezembro 05, 2006, 03:44:35 pm »
Citar


Nome: Luís Vasco Valença Pinto
Posto: General
Inicio de Comando: 2003
e-Mail de contacto: ceme@mail.exercito.pt
Resenha Biográfica:
O General Luís Vasco Valença Pinto nasceu em Lisboa, tem 60 anos de idade e 43 anos de serviço. Foi promovido ao actual posto em 6 de Agosto de 2003, data em que assumiu as funções de Chefe do Estado-Maior do Exército.

Está habilitado com o Curso de Engenharia Militar da Academia Militar, com o Curso de Promoção a Capitão da Escola Prática de Engenharia e com o Curso Geral de Comando e Estado-Maior e o Curso Superior de Comando e Direcção, ambos do Instituto de Altos Estudos Militares. Possui ainda outros cursos, nomeadamente: o Curso de Defesa NATO do Colégio de Defesa da NATO; o Curso de Técnica de Estado-Maior do Instituto de Altos Estudos Militares; o ACE Staff Officer’s Orientation Course, o NATO Staff Officer’s NBC Course e o NATO Officer’s Chemical and Biological Course da Escola da NATO (SHAPE); o NBC Officer’s Course do Reino Unido e o Curso de Minas e Armadilhas da Escola Prática de Engenharia.

Ao longo da sua carreira prestou serviço em diversas Unidades e Estabelecimentos do Exército, nomeadamente na Escola Prática de Engenharia (EPE), no Estado-Maior do Exército (EME) e no Instituto de Altos Estudos Militares (IAEM). Na EPE desempenhou funções como Comandante de Companhia, Instrutor, Director da Instrução, 2º Comandante e Comandante. No EME exerceu por quatro vezes a função de Adjunto no Estado-Maior Pessoal do General Chefe do Estado-Maior do Exército e prestou igualmente serviço como Adjunto na 3ª Repartição (Organização e Operações). Por duas vezes exerceu funções docentes no IAEM, nomeadamente nas áreas da Estratégia e da Geopolítica e Geostratégia.

Entre 1990 e 1993 desempenhou funções como Conselheiro Militar na Delegação Portuguesa junto da NATO e, por acumulação, na Delegação Portuguesa junto da UEO, tendo também tido responsabilidades como Representante Nacional em Grupos e Comissões do âmbito da NATO, da UEO, do Eurogrupo, do Independent European Programme Group (IEPG) e da Cooperação Política Europeia.

Entre 1997 e Setembro de 2000, desempenhou as funções de Representante Militar Nacional junto do Quartel-General do Alto Comando Aliado da Europa (SHAPE). No período de Setembro de 2000 a Abril de 2001 foi Director do Instituto da Defesa Nacional. Desempenhou as funções de Quartel-Mestre General (Comandante da Logística do Exército) de Abril de 2001 a Agosto de 2003.

Cumpriu duas comissões de serviço na Região Militar de Angola. A primeira como Subalterno na Companhia de Engenharia (CEng) 3336 e no Agrupamento de Engenharia de Angola. Na segunda foi Comandante da CEng 9145 e, posteriormente, Chefe da Secção de Operações do Agrupamento de Engenharia de Angola.

Da sua folha de serviços constam 19 louvores, 3 concedidos pelo Ministro da Defesa Nacional, 1 concedido pelo General Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas, 7 concedidos pelo General Chefe do Estado-Maior do Exército, 1 concedido pelo Alto Comissário e Comandante Chefe das Forças Armadas em Angola, 5 concedidos por Tenentes-Generais e 2 por outras Entidades Militares, além de várias condecorações de que se destacam a Grã-Cruz da Ordem Militar de Avis, 5 Medalhas de Ouro de Serviços Distintos, 2 Medalhas de Prata de Serviços Distintos, as Medalhas de Mérito Militar de 1ª, 2ª e 3ª classes e as Medalhas de Ouro e de Prata de Comportamento Exemplar.

É autor de numerosos estudos e artigos de opinião sobre Segurança e Defesa, publicados em vários órgãos da especialidade, mantendo sobre essa temática uma actividade de conferencista, em Portugal e no estrangeiro, em institutos e escolas ligadas à Segurança, Defesa e Forças Armadas, assim como em diversas universidades e organizações de índole social. Tem também, com regularidade, apresentado comunicações em colóquios, seminários e simpósios.

É sócio efectivo da "Revista Militar" e membro dos Conselhos Consultivos das revistas "Nação e Defesa" e “Relações Internacionais”.

É casado com Maria de Lourdes Lima de Carvalho Valença Pinto. Têm 2 filhos (1971 e 1973), uma filha (1976) e dois netos.

Fonte



Sinto uma especial empatia pelo novo CEMGFA. Parece-me decidido, dinâmico e esclarecido em relação às necessidades das Forças Armadas.

Desejo-lhe sorte General  :Soldado2: e que não nos desiluda. Portugal Precisa e Merece!
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

*

typhonman

  • Investigador
  • *****
  • 3046
  • Recebeu: 127 vez(es)
  • Enviou: 11 vez(es)
  • +128/-32
(sem assunto)
« Responder #3 em: Dezembro 05, 2006, 05:06:37 pm »
Acho que tem perfil. :wink:
Artigo 308º

Traição à Pátria

Quem, por meio de violência, ameaça de violência, usurpação ou abuso de funções de soberania:

a) Tentar separar da Mãe-Pátria, ou entregar a país estrangeiro ou submeter à soberania estrangeira, todo o território português ou parte dele
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1439
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Dezembro 05, 2006, 06:43:24 pm »
Espero que sim porque as forcas armadas estao num estado lamentavel.
Cumprimentos
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3552
  • Recebeu: 29 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +10/-5
(sem assunto)
« Responder #5 em: Dezembro 05, 2006, 08:55:27 pm »
Se vem para pôr na ordem os "sindicalistas" militares e fazer cumprir as regras militares, tem todo o meu apoio e admiração, se não for essa a sua intenção acho que é mais um a ocupar o lugar.
Potius mori quam foedari
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4143
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Abril 24, 2007, 06:11:12 pm »
Citar
Defesa: Conselho Superior de Defesa Nacional reúne-se sexta-feira

Lisboa, 24 Abr (Lusa) - O Presidente da República, Cavaco Silva, convocou h oje para sexta-feira uma reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) , anunciou o Palácio de Belém.

   A Presidência da República não anunciou a ordem de trabalhos da reunião, pr esidida por Cavaco Silva, que por inerência é Comandante Supremo das Forças Arm adas.

   Esta reunião realiza-se na mesma semana em que foi recebido, no Palácio de  Belém, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), general Val ença Pinto, num encontro sobre o qual não foi prestada qualquer informação.

   A última reunião do CSDN foi a 09 de Janeiro e serviu para confirmar a nome ação dos novos vice-chefes dos Estados-Maiores do Exército, tenente-general Fia lho da Rosa, e da Força Aérea, tenente-general Freitas de Castro Leal.

   Estas nomeações foram motivadas pelas substituições, em Dezembro de 2006, d o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas Almirante Mendes Cabeçadas p elo general Valença Pinto, e das mudanças dos Chefes do Estado-Maior do Exércit o (CEME) e da Força Aérea (CEMFA).

   Em Dezembro, para CEME, cargo até então ocupado por Valença Pinto, foi nome ado o general Pinto Ramalho e o general Taveira Martins foi substituído pelo ge neral Luís Araújo como CEMFA.

   Constitucionalmente, o Conselho Superior de Defesa Nacional, presidido pelo Chefe de Estado, "é o órgão específico de consulta para os assuntos relativos  à defesa nacional e à organização, funcionamento e disciplina das Forças Armada s".

   O CSDN integra, entre outros, os ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeir a, Negócios Estrangeiros, Luís Amado, e Administração Interna, António Costa, a lém de deputados, o presidente da comissão parlamentar de Defesa, os chefes mil itares e presidentes dos Governos regionais dos Açores e da Madeira, entre outr as personalidades.
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4143
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Abril 24, 2007, 08:57:10 pm »
^^^

Citar
Defesa: Justiça militar em análise no Conselho Superior de Defesa Nacional

Lisboa, 24 Abr (Lusa) - A justiça militar é um dos temas a ser discutido na reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) marcada para sexta-feir a pelo Presidente da República, disse à Agência Lusa fonte parlamentar.

   A polémica em torno da disciplina militar surgiu em Fevereiro depois de os  tribunais terem decidido a suspensão da pena de detenção de 11 sargentos, punid os por terem participado num protesto em Novembro de 2006 contra os cortes de v erbas na Defesa.

   O ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, já anunciou que o G overno vai apresentar uma proposta de lei que cria um regime especial para a di sciplina militar mas que assegura o acesso dos militares à justiça.

   O ministro adiantou que será criado "um regime especial para a disciplina m ilitar", referindo-se depois a "modelações para a disciplina militar, não imped indo de modo algum o acesso à justiça".

   A Presidência da República anunciou hoje a reunião do CSDN, sem divulgar a  ordem de trabalhos, mas fontes parlamentares disseram à Lusa que, além da justi ça militar, também será feita uma análise sobre as forças nacionais destacadas  em missões no estrangeiro.

   Esta reunião da CSDN realiza-se na mesma semana em que foi recebido, segund a-feira, no Palácio de Belém, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armada s (CEMGFA), general Valença Pinto, num encontro sobre o qual não foi prestada q ualquer informação.

   Constitucionalmente, o Conselho Superior de Defesa Nacional, presidido pelo Chefe de Estado, "é o órgão específico de consulta para os assuntos relativos  à defesa nacional e à organização, funcionamento e disciplina das Forças Armada s".

   O CSDN integra, entre outros, os ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeir a, dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, e da Administração Interna, António C osta, além de deputados, o presidente da comissão parlamentar de Defesa, os che fes militares e presidentes dos Governos regionais dos Açores e da Madeira, ent re outras personalidades.

   
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4143
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +60/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Abril 27, 2007, 07:56:50 pm »
Citar
Defesa: CSDN dá parecer favorável a regime especial para disciplina militar

Lisboa, 27 Abr (Lusa) - O Conselho Superior de Defesa Nacional (CSDN) deu h oje parecer favorável à proposta de lei do Governo que cria um regime especial  para a disciplina militar mas que garante o acesso dos militares à justiça.

   O CSDN reuniu-se hoje e deu "parecer favorável" à proposta "a apresentar pr oximamente" à Assembleia da República para criar "um regime especial dos proces sos relativos a actos administrativos de aplicação de sanções disciplinares, pr evistas no Regulamento de Disciplina Militar", anunciou o general Goulão de Mel o, porta-voz deste órgão de consulta do Chefe do Estado.

   A polémica em torno da disciplina militar surgiu em Fevereiro depois de os  tribunais terem decidido a suspensão da pena de detenção de 11 sargentos, punid os por terem participado num protesto em Novembro de 2006 contra os cortes de v erbas na Defesa.

   O ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, já anunciou que o G overno vai apresentar uma proposta de lei que cria um regime especial para a di sciplina militar.

   Nuno Severiano Teixeira adiantou que será criado "um regime especial para a disciplina militar", referindo-se depois a "modelações para a disciplina milit ar, não impedindo de modo algum o acesso à justiça" por parte dos militares.

   Esta reunião da CSDN realiza-se no final de uma semana em que foi recebido, segunda-feira, no Palácio de Belém, o Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas (CEMGFA), general Valença Pinto, num encontro sobre o qual não foi pre stada qualquer informação.

   Constitucionalmente, o Conselho Superior de Defesa Nacional, presidido pelo Chefe de Estado, "é o órgão específico de consulta para os assuntos relativos  à defesa nacional e à organização, funcionamento e disciplina das Forças Armada s".

   O CSDN integra, entre outros, os ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeir a, dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, e da Administração Interna, António C osta, além de deputados, o presidente da Comissão Parlamentar de Defesa, os che fes militares e presidentes dos Governos Regionais dos Açores e da Madeira, ent re outras personalidades.
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

 

Lei nº5/2006 (Novo regime jurídico das armas e munições)

Iniciado por PereiraMarques

Respostas: 2
Visualizações: 1610
Última mensagem Fevereiro 23, 2006, 05:46:24 pm
por PereiraMarques
Federação Ibérica (Merece um novo Tópico)

Iniciado por typhonman

Respostas: 28
Visualizações: 6069
Última mensagem Fevereiro 05, 2010, 08:21:15 pm
por Templário
Novo Conceito Estratégico Nacional

Iniciado por Miguel

Respostas: 0
Visualizações: 1022
Última mensagem Novembro 20, 2004, 03:39:41 pm
por Miguel
Novo Ministro da Defesa

Iniciado por typhonman

Respostas: 37
Visualizações: 5976
Última mensagem Dezembro 14, 2010, 12:29:53 am
por typhonman
Novo MDN

Iniciado por typhonman

Respostas: 146
Visualizações: 35908
Última mensagem Fevereiro 11, 2019, 03:25:07 pm
por zocuni