E.U.A. versus Coreia do Norte

  • 202 Respostas
  • 52424 Visualizações
*

Ricardo Nunes

  • Investigador
  • *****
  • 1263
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +0/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #15 em: Maio 17, 2004, 06:33:47 am »
Citar
Syrians and equipment in North Korean train wreck

Syrian technicians accompanying unknown equipment were killed in the train explosion in North Korea on April 22, according to a report in a Japanese newspaper.
A military specialist on Korean affairs revealed that the Syrian technicians were killed in the explosion in Ryongchon in the northwestern part of the country, according to the Sankei Shimbun. The specialist said the Syrians were accompanying "large equipment" and that the damage from the explosion was greatest in the portion of the train they occupied.

The source said North Korean military personnel with protective suits responded to the scene soon after the explosion and removed material only from the Syrians' section of the train.

The technicians were from the Syrian technical research center called Centre d'Etudes et de Recherche Scientific (CERS). Although CERS was established to promote science and technology development, it has been viewed as a major player in Syria's weapons of mass destruction development program.

The source said it was not known whether the cargo was the source of the explosion or whether it had exploded following a separate explosion on another section of the train.

As many as 10 Syrians and accompanying North Koreans were killed, according to the report. The bodies of the Syrians were taken home on May 1 by a Syrian aircraft, which had come to Pyongyang to deliver aid supplies.

The Syrians and North Koreans who transported the victimrs were also reportedly wearing protective suits similar to those worn by the North Korean military figures who arrived on the scene immediately after the accident, the source said.

The United States and other countries have expressed concern that Syrian and North Korea are developoing Scud-D missiles, as well as chemical and biological weapons.

Concerning the cause of the explosion incident, the DPRK has explained that a train carrying fertilizer containing ammonium nitrate and a railroad tank carrying petroleum were being shunted, and, in the process, came into contact with electrical wires, due to carelessness.
Ricardo Nunes
www.forum9gs.net
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #16 em: Maio 22, 2004, 01:29:59 pm »
DN

Citar
Koizumi tenta resgatar japoneses em Pyongyang

O primeiro-ministro do Japão desloca-se hoje à Coreia do Norte com um objectivo tão preciso quanto arriscado: recuperar oito familiares de cinco japoneses raptados pelas autoridades norte-coreanas nos anos 70 e 80. Um dossier particularmente sensível no país e que adquire uma natureza muito especial, tendo em conta a imprevisibilidade dos dirigentes de Pyongyang.

Mas Junichiro Koizumi, que já visitou Pyonyang em 2001, decidiu arriscar, esperando convencer Kim Jong-Il a autorizar a partida daquelas oito pessoas, em troca do fornecimento de uma ajuda alimentar de 250 mil toneladas de arroz, comprometendo-se igualmente a não impor sanções económicas à Coreia do Norte e a desbloquear dez milhões de dólares em medicamentos. O que justifica o optimismo com que o Japão encara esta deslocação. Ao ponto de o Governo ter começado a reunir em Tóquio muitos dos familiares das oito pessoas que Junichiro Koizumi espera trazer de Pyongyang, numa estratégia que parece não contemplar nenhum plano B, como ontem alertava Hidekazu Kawai, um especialista em política internacional.

Até porque parecem não existir muitas certezas sobre se algumas das pessoas referenciadas pelos japoneses ainda estão vivas, dado que Pyongyang muitas vezes diz que elas já morreram ou invoca que não as conseguiu localizar.

ANTIGO GI. Para além de sete pessoas que são filhos de japoneses raptados pelos norte-coreanos, que as converteram em espiões ou intérpretes, existe ainda um outro caso particularmente sensível. O de Charles Robert Jenkins, um militar norte-americano que desertou, quando estava na Coreia do Sul, vivendo em Pyongyang desde 1965.

Jenkins só interessa a Koizumi porque se casou com uma das japonesas raptadas - Hitomi Saga, autorizada a partir para o Japão, em Setembro de 2002, deixando para trás o marido e as duas filhas.

Acontece que Jenkins, de 64 anos, ainda é procurado pelos EUA, que até ao momento evitaram renunciar à penalização daquele desertor. O que significa, em termos práticos, que Washington poderá, mal ele ponha o pé em território japonês, reclamar a sua extradição, criando um enorme embaraço político a Koizumi, o qual parece também interessado em obter a custódia de quatro japoneses que desviaram um avião em 1970.

 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #17 em: Maio 24, 2004, 04:57:36 pm »
DD

Citar
Inspectores podem ter encoberto tráfico nuclear de Pyongyang

Os Estados Unidos acusaram os inspectores internacionais de alegadamente terem encoberto provas de que a Coreia do Norte pode ter fornecido a Líbia com um ingrediente chave utilizado para fabricar armas nucleares, noticiou esta segunda-feira a CNN.

No entanto, responsáveis norte-americanos afirmaram que a questão está ainda a ser investigada e que as provas não são conclusivas.
O ingrediente em questão é urânio hexafluorido, o qual pode ser utilizado para produzir urânio enriquecido fabricar armas nucleares.

Se for provada, esta é a primeira indicação de que a Coreia do Norte é um eventual fornecedor na rede nuclear clandestina e está a causar preocupações de que outras nações como o Irão possam fazer parte do grupo de Pyongyang.

Os inspectores que têm estado a analisar o programa nuclear líbio, entretanto abandonado, estão a elaborar na teoria de que o material poderá ter sido fornecido pelo Paquistão, país que foi envolvido no mercado negro nuclear mundial através do «pai» do respectivo programa nuclear, Abdul Qadeer Khan, que admitiu no início do ano ter vendido segredos a numerosos países, incluindo a Líbia,a Coreia do Norte e o Irão.

Crê-se que Pyongyang, que Washington integrou no chamado «eixo do mal», poderá ter processado combustível suficiente para fabricar várias armas nucelares.

 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #18 em: Maio 25, 2004, 09:17:50 pm »
DD

Citar
Blair diz que programa nuclear de Pyongyang é «preocupante»

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, considerou esta terça-feira que o programa nuclear norte-coreano é «verdadeiramente preocupante», isto apesar das recentes conversações entre Pyongyang e China, Coreia do Sul, EUA, Rússia e Japão.

«Não há qualquer dúvida que o programa de armas nucleares da Coreia do Norte é verdadeiramente preocupante», declarou o responsável britânico, durante a habitual conferência de imprensa mensal.
Tony Blair revelou-se «agradado» com as recentes conversações entre os seis países, cujo terceiro encontro vai ocorrer em Junho, na China, mas apelou a Pyongyang para iniciar o desmantelamento do seu programa de armamento nuclear.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #19 em: Maio 26, 2004, 10:03:54 am »
TSF

Citar
KUMGANG
Coreias encetam conversações históricas
As Coreias do Norte e do Sul iniciaram esta quarta-feira conversações militares, as primeiras de sempre a nível de oficiais generais, destinadas a reduzir as tensões que perduram desde o fim da guerra na península.  

06:55
26 de Maio 04    
   
 
  Seul, cuja delegação é dirigida por uma alta patente da Marinha, espera que estas negociações possam evitar novos conflitos entre navios de pesca dos dois países nos bancos pesqueiros ao largo da costa ocidental da península coreana.

Dezenas de pessoas morreram ou ficaram feridas desde 1999 em confrontos ocorridos nesta zona entre as marinhas dos dois países.

O encontro das duas Coreias, deverá prolongar-se apenas por um dia, e decorre no Monte Kumgang, um enclave turístico na costa oriental da Coreia do Norte.

Esta reunião (a primeira a este nível entre os dois países desde o fim da Guerra da Coreia de 1950-53) é o resultado do processo de aproximação encetado em 2000 pelas duas Coreias mas que recentemente foi afectado pelo crescendo de tensão na península devido à crise, em 2002, provocada pela revelação de que Pyongyang pretendia obter armas atómicas.

A fronteira entre as duas Coreias é uma das mais militarizadas em todo o mundo. A norte, Pyongyang mantém um exército calculado em um milhão de soldados, enquanto Seul tem no terreno 700 mil soldados, apoiados por 37 mil militares norte-americanos.
 
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #20 em: Maio 28, 2004, 12:10:58 pm »
DD

Citar
Washington e Seul começam a negociar retirada de tropas

A Coreia do Sul e os Estados Unidos vão começar a negociar oficialmente a possível retirada das tropas norte-americanas ainda estacionadas em território sul-coreano, avança a agência de notícias do país citando fontes governamentais. A saída dos militares acontece no âmbito da recolha mundial de tropas já anunciada por Washington em Junho do ano passado.

Fonte de Seul revelou que as negociações deverão começar em Junho ou Julho. Washington terá apresentado à Coreia do Sul um pedido formal para o início das negociações para a retirada do pessoal militar no âmbito da Global Defende Posture Review, de 2003. No entanto, o governo sul-coreano terá conseguido atrasar o início das negociações até ao próximo Verão.
Os EUA pretenderão retirar do país 12 mil efectivos, mas, assinalou a fonte governamental, o governo de Seul «está preparado para apresentar uma contra proposta».
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #21 em: Junho 03, 2004, 12:55:15 pm »
Ridiculo...

DD

Citar
Coreia do Norte proíbe uso do telemóvel

O governo da Coreia do Norte proibiu o uso do telemóvel, avança a imprensa do país esta quinta-feira. A medida é tomada cerca de um ano e meio depois dos aparelhos terem sido introduzidos no país.



Um responsável norte-coreano que participa em discussões económicas com a Coreia do Sul, em Pyongyang, confirmou aos jornalistas que os telemóveis foram proibidos no dia 25 de Maio.
Os telemóveis foram introduzidos no país em Novembro de 2002. No entanto, o regime de inspiração stalinista descobriu desde muito cedo que estes aparelhos abrem uma nova via de entrada das culturas estrangeirs no país, que luta para se manter fechado à influência exterior.

03-06-2004 10:55:54
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #22 em: Junho 04, 2004, 10:50:57 am »
TSF

Citar
COREIAS
Norte e Sul vão reduzir tensões fronteiriças
A Coreia do Sul e a Coreia do Norte concluíram hoje um acordo para a aplicação de medidas destinadas a reduzir as tensões na fronteira entre os dois países, segundo revelou a agência de notícias sul-coreana, Yonhap.  

09:36
04 de Junho 04    
   
 
  Responsáveis militares dos dois países chegaram a um acordo para encontrar medidas que permitam evitar confrontos acidentais na costa ocidental, indicou a Yonhap, citando um comunicado publicado após as conversações que se iniciaram quinta-feira.

As discussões de quinta-feira duraram 21 horas, indicou a Yonhap.

As medidas prevêem a instalação de uma linha telefónica de urgência, a partilha de uma frequência de rádio, a utilização de sistemas de sinalização comum no mar e a troca de informações sobre a pesca ilegal na zona.

Dezenas de pessoas ficaram feridas ou morreram em confrontos no mar Amarelo, uma zona piscatória a oeste da península. O último incidente remonta a Junho de 2002 e provocou seis mortos entre os soldados sul-coreanos.

Os dois países comprometeram-se igualmente a parar de emitir propaganda por altifalantes e a retirar todos os painéis publicitários ao longo da fronteira, com 248 quilómetros de extensão.
 
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +3/-7
(sem assunto)
« Responder #23 em: Junho 04, 2004, 04:23:59 pm »
New York Times
Thursday, June 3, 2004
Opinion

North Korea's Drug Habit

By Victor Cha and Chris Hoffmeister
Victor Cha is a professor of government and Asian studies at Georgetown. Chris Hoffmeister is a recent graduate of Georgetown.

Reaction to last month's meeting between Junichiro Koizumi, the Japanese prime minister, and Kim Jong II, the North Korean leader, was nothing short of underwhelming. Critics said Mr. Koizumi gave up too much — millions in medical aid and thousands of tons of rice — to secure the return of five children of Japanese citizens abducted by North Korea more than two decades ago. He also failed to obtain a definitive commitment from Mr. Kim to dismantle North Korea's nuclear weapons programs.

The critics notwithstanding, Mr. Koizumi's diplomacy should be judged a success. The lesson the United States and Japan should learn from it is that moderate pressure on the North Korean regime works — and can be used to limit the North's ambitions not only in weapons development but also in the drug trade.

After all, Japan has been pressing for the release of its citizens and their relatives since the day two years ago when Kim Jong Il admitted North Korea had kidnapped them. Yet it was not until Japan made clear it was prepared to curtail trade with the North — cutting off financial remittances to the North, imposing an import ban on North Korean goods, banning Japanese ships from making North Korean ports of call — that North Korea made any concessions.

International commerce is clearly important to North Korea, and threats of trade sanctions obviously get the regime's attention. Yet there is an even better reason for the United States and Japan to employ this strategy: there is increasing evidence that in recent years North Korea has expanded its role as producer, shipper and trafficker of narcotics throughout East Asia and Southeast Asia.

According to the Pacific Forum of the Center for Strategic and International Studies, Pyongyang has directed North Korean farmers to produce opium poppies since the late 1970's, with cultivation areas expanding exponentially in recent years. These farms are thought to produce as much as 40 tons of opium annually. Government-subsidized factories process the opium into heroin, which is then distributed through companies and diplomatic conduits. According to some sources, North Korea now ranks among the world's largest opium and heroin suppliers.

Because the North Korean state is so secretive, it is difficult to prove any direct links between the regime and drug trafficking. But there is some evidence that the government may be taking over and enlarging the trade, as it has done in other areas of the North Korean economy. A 2003 report from the Congressional Research Service cited nearly 50 arrests or drug seizures involving North Koreans in more than 20 countries since the early 1990's, with at least 11 documented cases involving North Korean diplomats or intelligence agents. In the last five years, both Russian and German police have detained North Korean diplomats on counterfeiting or heroin smuggling charges. And between 1999 and 2001, more than one-third of all drug seizures by Japan and China were methamphetamines en route from North Korea.

This problem is likely to get worse. In part, this may be the unintended consequence of other diplomatic policies. The American-led Proliferation Security Initiative, for example, which began almost two years ago and aims to block trade in nuclear and other weapons, may have caused Kim Jong Il to rely on drug trafficking and counterfeiting to try to compensate for lost revenues. North Korea's foray into illicit activities has been further spurred by United States efforts at taking customers like Pakistan, Iraq, Yemen and Libya off North Korea's missile sales roster, which has cut the North's revenues in this area to one-tenth of their usual volume.

As they continue their on-again, off-again diplomacy, the United States and Japan may find that North Korea's drug trade is a more visible component of the regime's threat. The good news, for the United States and its allies, is that the North's growing drug threat means that diplomacy aimed at eliminating its missile exports is working. The bad news, for North Korea, is that continued drug trafficking is not likely to be tolerated by the region.

If it continues to increase its trade in drugs, North Korea is likely to become the eventual target of a regional initiative to restrict the drug trade — which, in conjunction with the American-led curbs on its weapons trade, will put moderate yet deliberate pressure on North Korea. And if Japan's recent experience with abductees is any indication, such patient but comprehensive diplomacy may be the key to attaining Mr. Kim's flexibility on nuclear disarmament.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #24 em: Junho 11, 2004, 12:50:01 pm »
Publico

Citar
Encontro Militar Entre as Duas Coreias
Sexta-feira, 11 de Junho de 2004

Militares das Coreias do Norte e do Sul encontraram-se ontem para discutir as formas de aplicar um acordo que diminua as hostilidades entre os dois lados da península.

O encontro surge poucos dias depois de os EUA terem anunciado uma redução para um terço das suas tropas estacionadas na Coreia do Sul, onde actualmente tem 37 mil soldados. Os esforços sul-coreanos para diminuir a tensão na zona desmilitarizada - a fronteira mais fortemente armada do mundo - ganharam urgência com a decisão do Pentágono, a ser aplicada no final do próximo ano.

"Inevitavelmente teremos de procurar cooperação militar inter-coreana, dadas as alterações que estão a ter lugar na situação de segurança na península da Coreia", declarou o ministro sul-coreano da Unificação, Jeong Se-hyun. Os EUA prometeram manter a principal unidade de combate, a 1ª Brigada da 2ª Divisão de Infantaria, mesmo depois da redução de forças.

O encontro deu-se em Kaesong, uma localidade norte-coreana a norte da fronteira ocidental, com coronéis dos dois países que debateram as decisões tomadas na semana passada, depois da primeira reunião entre generais do Norte e do Sul desde o fim da guerra (1950-53).

Entretanto, a China manifestou dúvidas de que o regime de Pyongyang tenha mesmo um programa de armamento nuclear como afirmam os EUA. Washington tem ainda de convencer Pequim de que a Coreia do Norte tem um programa de urânio para além de um programa de plutónio, para criar bombas nucleares, disse o vice-ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Zhou Wenzhong, numa entrevista ao "The New York Times". "Não sabemos nada sobre o programa de urânio", afirmou. "Não sabemos se existe. Até agora, os EUA não apresentaram provas convincentes deste programa".

Em caso da Coreia do Norte ter realmente um programa atómico, a China concorda então que esta questão seja incluída na agenda das negociações a seis, continua. Pequim quer que uma terceira ronda negocial, com as duas Coreias, EUA, Japão, Rússia e China, arranque a 23 de Junho.

O porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Liu Jianchao, adiantou que não será fácil chegar a um acordo. "Esperamos que todas as partes possam adoptar uma atitude activa e construtiva, demonstrem flexibilidade, procurem o consenso e limem as diferenças".
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #25 em: Junho 11, 2004, 01:17:57 pm »
Na minha opinião os EUA preferem negociar com a Coreia do Norte, porque um conflito naquela região poderia deitar a perder a florescente actividade económica no Sudeste Asiático.

De resto é do interesse americano preservar tanto quanto possível as boas relações com a China (apesar do problema de Taiwan).

De resto a Coreia do Norte tem um regime que está condenado a desaparecer ou a mitigar-se politicamente mesmo sem ser necessário esperar pela morte do Kim Yong Ill.

Depois, desde que a Coreia do Norte se equipou com mísseis balísticos passou a ter poder suficientemente dissuasor para qualquer ataque, ainda que mais cedo ou mais tarde pudesse perder a guerra.

Mas pergunta-se: que vantagens geo-estratégicas tirariam os EUA ao iniciar uma guerra naquela região, quando na sua maioria os EUA só lá têm aliados, desde a Austrália, a Indonésia, a Malásia ou a Tailândia e numa altura em que até com o Vietname os EUA reataram relações cordiais?

Ainda na semana passada Pyongyang recebeu a visita do PM japonês que negociou a entrega de ajuda humanitária à Coreia do Norte.

Portanto os tempos não estão para guerras naquela região.
 

*

Guilherme

  • Perito
  • **
  • 380
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #26 em: Junho 11, 2004, 01:21:35 pm »
Off-topic: dremanu, muito interessante a imagem com azulejos na tua assinatura. É de alguma construção portuguesa? Já vi algumas igreja aqui em Santa Catarina e no Paraná com azulejos semelhantes.
 

*

Fábio G.

  • Investigador
  • *****
  • 1398
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #27 em: Junho 11, 2004, 01:23:58 pm »
Correcto Rui Elias, somando a isso o problema Iraque os EUA não estão interessados em qualquer guerra neste momento ainda mais com a Coreia do Norte, a politica dos EUA passará por "manter" a segurança dos seus aliados neste caso a Coreia do Sul e noutro Taiwan.
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #28 em: Junho 11, 2004, 02:01:26 pm »
Guilherme:

O DREMANU será  a pessoa mais abalizada, mas julgo tratar-se de azulejaria portuguesa do século XVII, pelo rigor do traço e que representa a conquista do Castelo de S. Jorge em Lisboa.

Quanto a existir azulejaria parecida aí, lembre-se que até finais do século XVIII Portugal influenciou muito a arte edificada.

Se você conhece S. Luís do Maranhão, a parte velha de Salvador ou Ribeirão Preto no interior de Minas Gerais, é o mesmo que visitar certas vilas poruguesas do Ribatejo e de outras regiões portuguesas.

A cor azul é usada desde o século XVI a até aí alguns azulejos eram de tradição mudéjar (árabe) mais policromáticos.

Se quiser, consulte a página do nosso governo ( www.governo.pt) e procure a ligação para o Ministério da Cultura.

Depois tente o link para Museu Nacional do Azulejo.
 

*

Guilherme

  • Perito
  • **
  • 380
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #29 em: Junho 11, 2004, 02:50:10 pm »
Obrigado, Rui Elias. :G-Ok:
 

 

Mediterrâneo Sul vs Mediterrâneo Norte

Iniciado por R65

Respostas: 10
Visualizações: 3994
Última mensagem Julho 20, 2012, 12:19:11 pm
por Luso
Tempestade na Pérsia 'Achmadinejad versus o ocidente'

Iniciado por papatango

Respostas: 47
Visualizações: 19322
Última mensagem Janeiro 09, 2007, 04:46:31 am
por p_shadow
Coreia do Sul vs Coreia do Norte

Iniciado por sergio21699

Respostas: 193
Visualizações: 37154
Última mensagem Dezembro 26, 2018, 11:38:21 am
por Lusitano89