Gripen

  • 403 Respostas
  • 85421 Visualizações
*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4112
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +32/-1
(sem assunto)
« Responder #30 em: Novembro 07, 2008, 10:07:53 am »
Citar
The next 18 months will see Brazil, Croatia, Denmark, India, the Netherlands, Norway, Romania and Switzerland make final selections for their respective fighter procurement competitions, with sales of up to 523 aircraft worth at least USD35 billion-USD40 billion at stake.

It will be a truly crucial period in shaping the future of the global fighter market.

The common link between these eight contests is the presence of the Saab Gripen in the bidding process. So far the Gripen's success in the export market has been limited, with contracts for 60 aircraft in place across the Czech Republic (14), Hungary (14), South Africa (26) and Thailand (6). Saab hopes, and Jane's Defence Forecasts believes, that the next 18 months may see this number increase significantly.

Competition is fierce to fill these eight national requirements, with the following among the Gripen's competitors in the various contests: Boeing's F/A-18E/F Super Hornet; Dassault's Rafale; the Eurofighter Typhoon; Lockheed Martin's F-16 Fighting Falcon and F-35 Lightning II; and RAC MiG's MiG-35.

Jane's believes the Gripen team has reasons for optimism, however.

First of all, in terms of the aircraft's capability, Saab is offering its enhanced Gripen NG (Next Generation) variant for the Brazilian, Danish, Dutch, Indian and Norwegian requirements, which incorporates a number of significant improvements over the baseline Gripen C/D. These enhancements include: an active electronically scanned array radar developed in conjunctionwith Thales (due to begin flight testing in 2009); General Electric F-414G engines, which provide increased thrust and maximum take-off weight; additional weapons stores; enhanced avionics and electronic warfare capabilities; and increased range.

These new capabilities are currently being developed through the Gripen Demonstrator programme, which was approved by Sweden's Defence Materiel Administration (FMV) in October 2007 and unveiled the following April. According to Saab, further enhancements will be rolled out in three-year increments, to enable continuous development of the platform over the life of the programme and removing the need for comprehensive and expensive mid-life upgrade programmes. Development and incorporation of specific customer-funded requirements is also envisaged as part of a 50-year programme plan.

While currently in the developmental stage, the Gripen NG programme would be accelerated in the event of a contract win and the aircraft would be available to enter service from 2014.

With regard to cost, the Gripen NG is viewed by Jane's as competitive in terms of both acquisition and through-life support costs when compared to its rivals. Bob Kemp, sales and marketing director for Gripen International, citing figures produced for the Dutch fighter contest, said Saab believes that the Gripen NG, as part of an 85-aircraft fleet, would cost EUR6 billion (USD7.6 billion) less than the F-35 in terms of life-cycle costs over a 30-year period.

At a unit cost of between USD50 million andUSD60 million, the Gripen also offers the lowest-cost platform in terms of acquisition expenditure. By comparison, according to Fiscal Year 2009 US Air Force (USAF) and US Navy (USN) budgetary documentation, the unit costs of the F-35 and F/A-18E/F are USD83.1 million and USD82.7 million respectively.

Unsurprisingly in such a competitive market, each of the contenders in these fighter contests has its strengths and weaknesses and much will depend on the specific circumstances, priorities and requirements of the customer nations. As such, some contests are better suited to the Gripen proposal than others, particularly in Europe.
http://www.janes.com/news/defence/air/j ... _1_n.shtml
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4112
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +32/-1
(sem assunto)
« Responder #31 em: Dezembro 09, 2008, 12:11:25 pm »
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4112
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +32/-1
(sem assunto)
« Responder #32 em: Janeiro 16, 2009, 01:52:05 pm »
Citar
A Hungria acaba de declarar seus caças Gripen C/D operacionais proporcionando ao país cobertura dos céus com o esquadrão de reação rápida em seu território.
A cerimônia foi marcada pela presença do ministro da defesa do país Imre Szekeres que foi realizada no mês de dezembro.
As aeronaves de alto desempenho fabricadas na Suécia serão entregues para operarem em missões de patrulha aérea a partir da base de Kecskemet que ainda operam os restantes caças de fabricação russa RSK MiG-29 até o final do ano.

O esquadrão 59 de caças táticos, irá assumir a responsabilidade em tempo total suas bases empregando os Gripen.
A Hungria recebeu seu último dos 14 Gripen em dezembro de 2007 sob acordo de leasing firmado com a Defence Materiel Administration da Suécia.
A aeronave pode ser armada com o míssil ar-ar Raytheon AIM-9L Sidewinder e AIM-120 AMRAAM. A Força Aérea Húngara opera também oito caças MiG-29.

http://airway.uol.com.br/index.asp?codn=52
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #33 em: Janeiro 16, 2009, 10:40:49 pm »
Citar
Se é para optar pelo Grippen então acho melhor continuarmos com os F-16 que são melhores


Caro Leonidas quais os critérios base para esta afirmação?
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #34 em: Janeiro 22, 2009, 11:48:06 am »
Saab celebrates 'supercruise' test success for Gripen Demo
By Craig Hoyle

Saab's Gripen Demo aircraft has passed a significant milestone in its ongoing test programme, with the two-seater having on 21 January demonstrated its "supercruise" performance for the first time.

Company test pilot Magnus Ljungdahl says the aircraft was flown to a speed of more than Mach 1.2 at 28,000ft (8,540m) above the Baltic Sea, and adds: "Without using afterburner I maintained the same speed until I ran out of test area." The sortie was conducted from Saab's Linköping test centre.

Saab says the supercruise event forms part of a test campaign that will see the Gripen Demo flown at supersonic speeds carrying a variety of loads.
The current test aircraft is intended to de-risk new technologies for a Gripen NG model already being promoted to potential future buyers including Brazil, Denmark and Switzerland. These include the demonstrator's General Electric F414G engine and an active electronically scanned array radar that should enter flight-testing later this year.

"To show potential customers that Gripen can supercruise is an important milestone", says Gripen International marketing director Bob Kemp.


http://www.flightglobal.com/articles/2009/01/22/321428/saab-celebrates-supercruise-test-success-for-gripen.html
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #35 em: Fevereiro 28, 2009, 06:06:48 pm »
E esta um Gripen abateu um Eurofighter

Citar
First Typhoon "Shot Down"?
By David Axe EmailSeptember 21, 2007 | 9:38:00 AMCategories: Planes  

Dogfightfake_d7 Back in July we relayed reports of the first-ever "shoot-down" of an F-22 Raptor fighter, during a mock dogfight with a U.S. Air Force F-16. Our European friends -- Brits, Italians, Germans and Spaniards -- might have had a couple chuckles at the news, for their new fighter, the Typhoon, had never suffered a similar humiliation. (Or if it had, no one had reported it.)

No longer. It has come to light that during an exercise in Italy in May, a Hungarian Gripen light fighter -- a small, single-engined design generally considered only slightly better than an F-16 -- shot down an Italian Typhoon, according to a press release from the manufacturer, quoting a Hungarian pilot:

    “Other aircraft couldn’t see us -– not on radar, not visually -– and we had no jammers of our own with us. We got one Fox 2 kill on a F-16 who turned in between our two jets but never saw the second guy and it was a perfect shot.”

    “Our weapons and tactics were limited by Red Force rules, and in an exercise like this the Red Force is always supposed to die, but even without our AMRAAMs and data links we got eight or 10 kills, including a Typhoon. Often we had no AWACS or radar support of any kind, just our regular onboard sensors –- but flying like that, ‘free hunting’, we got three kills in one afternoon. It was a pretty good experience for our first time out.”

Should F-22 jocks worry? Maybe, according to the BBC, which claims that the "RAF's Eurofighters have flown highly successful missions against the F-22 during recent exercises in the U.S."

The lesson here? Sometimes a basic fighter, expertly flown, will win even against your latest high-tech jets, no matter how many tens of billions of dollars you sink into whiz-bangs.

(Thanks, DID!)


Link:http://blog.wired.com/defense/2007/09/first-typhoon-s.html
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4112
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +32/-1
(sem assunto)
« Responder #36 em: Março 01, 2009, 10:49:53 pm »
isto só mostra que o grippen é um caça ideal para substituir o f16MLU
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +14/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #37 em: Março 01, 2009, 11:09:38 pm »
ou então prova que os pilotos italianos são uns sapateiros :mrgreen:
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7162
  • Recebeu: 538 vez(es)
  • Enviou: 668 vez(es)
  • +48/-13
(sem assunto)
« Responder #38 em: Março 02, 2009, 01:25:50 am »
Citação de: "nelson38899"
isto só mostra que o grippen é um caça ideal para substituir o f16MLU


Se tivessem abatido um Eurofighter espanhol concordava consigo :lol: .
 

*

Leonidas

  • Analista
  • ***
  • 621
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +1/-2
(sem assunto)
« Responder #39 em: Março 20, 2009, 12:11:46 am »
Citação de: "pchunter"
Citação de: "leonidas"
Se é para optar pelo Grippen então acho melhor continuarmos com os F-16 que são melhores
Caro Leonidas quais os critérios base para esta afirmação?

Caro Pchunter, o grippen é um avião muito válido para qualquer país. Portugal já opera o F-16 há 15 anos com muita eficiência e já conhece muito bem as suas potêncialidades tais como os seus defeitos. Acresce-se a razão que temos uma linha de montagem própia de modernização e isso é um trunfo adicional sobre outra qualquer aeronave, porque se conhece com muito mais detalhe o avião e  todos os outros diferentes do F-16 que poderão ter muita coisa em comum. Coisa que, caso nunca optasse-mos por uma modernização por conta própria, talvez nunca chegariamos a retirar conclusões (planeamento de ataque e defesa mais aproximadas possíveis da realidade) a que uma força aérea pode chegar estando a conhecer a máquina a 100%.
 
O F-16 é uma máquina muito potente e com um raio de acção superior ao Grippen para um avião monomotor. Isso é muito importante para Portugal, porque tem várias vezes a sua supreficie terrestre em zona marítima e também assim poder ir mais além caso seja necessário atacar. Estes são os principais factores que enumero para que continuemos com os F-16, desde que actualizados tecnológicamente. E depois existem as razões políticas, estratégicas, económicas, etc, etc, etc, que tendem  mais para o F-16 do que para o Grippen.

Se continuarmos “lisos” daqui a uns anos e se um qualquer governo desejar adquirir aviões novos, aí sim, acredito que o grippen seja um sério candidato.

Cumprimentos

PS:Desculpe a demora a responder. não tenho andado muito por casa desde algum tempo.
 

*

nelson38899

  • Investigador
  • *****
  • 4112
  • Recebeu: 241 vez(es)
  • Enviou: 250 vez(es)
  • +32/-1
(sem assunto)
« Responder #40 em: Março 20, 2009, 09:26:31 am »
O grippen tem essa desvantagem de ter um pequeno raio de acção, mas com o grippen NG penso que eles vão conseguir ultrapassar esse erro.
Quando ao f16 eu ficaria satisfeito com aviões block60, mas novos em folha e não aviões em segunda mão com muitas horas de voo. Para 2025 penso que já estarão ao serviço outras aeronaves.
"Que todo o mundo seja «Portugal», isto é, que no mundo toda a gente se comporte como têm comportado os portugueses na história"
Agostinho da Silva
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #41 em: Março 23, 2009, 10:27:46 pm »
Citação de: "Leonidas"
Citação de: "pchunter"
Citação de: "leonidas"
Se é para optar pelo Grippen então acho melhor continuarmos com os F-16 que são melhores
Caro Leonidas quais os critérios base para esta afirmação?
Caro Pchunter, o grippen é um avião muito válido para qualquer país. Portugal já opera o F-16 há 15 anos com muita eficiência e já conhece muito bem as suas potêncialidades tais como os seus defeitos. Acresce-se a razão que temos uma linha de montagem própia de modernização e isso é um trunfo adicional sobre outra qualquer aeronave, porque se conhece com muito mais detalhe o avião e  todos os outros diferentes do F-16 que poderão ter muita coisa em comum. Coisa que, caso nunca optasse-mos por uma modernização por conta própria, talvez nunca chegariamos a retirar conclusões (planeamento de ataque e defesa mais aproximadas possíveis da realidade) a que uma força aérea pode chegar estando a conhecer a máquina a 100%.
 
O F-16 é uma máquina muito potente e com um raio de acção superior ao Grippen para um avião monomotor. Isso é muito importante para Portugal, porque tem várias vezes a sua supreficie terrestre em zona marítima e também assim poder ir mais além caso seja necessário atacar. Estes são os principais factores que enumero para que continuemos com os F-16, desde que actualizados tecnológicamente. E depois existem as razões políticas, estratégicas, económicas, etc, etc, etc, que tendem  mais para o F-16 do que para o Grippen.

Se continuarmos “lisos” daqui a uns anos e se um qualquer governo desejar adquirir aviões novos, aí sim, acredito que o grippen seja um sério candidato.

Cumprimentos

PS:Desculpe a demora a responder. não tenho andado muito por casa desde algum tempo.



Eu também concordo que o F-16 ainda tem muito para dar, como se trata de um avião largamente exportado esta constante mente a sair Upgrades este ano deve estar pronto o radar AESA compatível com todas as versões incluindo A/B. Mas quando o seu tempo acabar apenas existem dois aviões no mercado para o substituir F-35 e GRIPEN-NG, como nessa altura não creio que tenhamos deixado de ser tesos creio que o gripen seria uma boa escolha. Quanto ao F-35 veremos se o preço baixa e se realmente vale o que custa.
 

*

teXou

  • 436
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #42 em: Março 23, 2009, 10:42:43 pm »
Ou F-15 SE  :idea:
"Obviamente, demito-o".

H. Delgado 10/05/1958
-------------------------------------------------------
" Não Apaguem a Memória! "

http://maismemoria.org
 

*

pchunter

  • 368
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #43 em: Março 23, 2009, 10:53:10 pm »
Como somos um pais sem guito descartei os bi-motores.
 

*

teXou

  • 436
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #44 em: Março 23, 2009, 11:37:07 pm »
Citação de: "pchunter"
Como somos um pais sem guito descartei os bi-motores.

Precisamente ... às vistas do preço que vão ser vendidos os F-35 … terá-se pelo menos dois F-15SE (40M$/unidade) por o preço de um F-35 (min: 80M$/unidade a 122 M$/unidade).
Além disso não se conhece ainda as limitações que vão ser impostas aos F-35 de modo que possam ser vendidos à exportação. Não esta muito claro o "truque".
- não se sabe para quando (visto o atraso sobre o programa)
- não se sabe o preço de vendo final
- não se sabe as limitações- ....

Espero só que não seija um novo A400M !  :rir:
"Obviamente, demito-o".

H. Delgado 10/05/1958
-------------------------------------------------------
" Não Apaguem a Memória! "

http://maismemoria.org
 

 

Primeiro vôo do Sistema Recce Pod a bordo de um Gripen

Iniciado por J.Ricardo

Respostas: 0
Visualizações: 1625
Última mensagem Março 31, 2005, 09:51:06 pm
por J.Ricardo
JAS 39 Gripen sueco despenha-se no Mar Báltico

Iniciado por soultrain

Respostas: 0
Visualizações: 1540
Última mensagem Junho 01, 2005, 11:48:37 am
por soultrain
Comercialização do Gripen

Iniciado por JLRC

Respostas: 1
Visualizações: 1615
Última mensagem Outubro 04, 2004, 06:19:09 pm
por JLRC