Situação na Adjária mais desanuviada

  • 0 Respostas
  • 1105 Visualizações
*

Normando

  • Perito
  • **
  • 339
  • +0/-0
Situação na Adjária mais desanuviada
« em: Maio 06, 2004, 12:36:33 am »
A situação na Adjária está mais calma porque parece que o Abachidze se pôs a mexer e renunciou ao cargo de governador provincial, acabando com o impasse e a guerra de nervos mantida com o governo central de presidente Saakashvili. Esperemos que assim seja e não hajam confrontos.

[CITAÇÃO]

público on-line 05-05-2004 - 23h09

Geórgia: líder independentista da Adjária demite-se
Aslan Abachidze partiu para o exílio acompanhado de Igor Ivanov

Aslan Abachidze, líder separatista da república autónoma da Adjária, no sudoeste da Geórgia, demitiu-se esta noite do cargo, cedendo ao ultimato que lhe foi feito esta manhã pelo Presidente, Mikhail Saakashvili.

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro georgiano, Zurab Jvania, e confirmado pouco depois pelo próprio Presidente numa declaração ao país: "Georgianos: Aslan fugiu, a Adjária está livre".

Minutos antes, a AFP noticiava que o dirigente separatista abandonou de avião Batumi, a capital provincial, para destino incerto.

Segundo um jornalista da agência noticiosa francesa, que testemunhou a partida, Abachidze viajou acompanhado de Igor Ivanov, antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e actual secretário do Conselho de Segurança Nacional da Rússia.

Ivanov chegou a Batumi algumas horas antes, respondendo a um pedido das autoridades de Tbilissi, a fim de mediar o conflito entre o dirigente separatista e o novo Presidente georgiano. Esta é a segunda vez que Ivanov intervem na Geórgia, depois de em Dezembro do ano passado, ter convencido o então Presidente, Eduard Chevardnaze, a demitir-se, numa altura em que milhares de pessoas exigiam nas ruas o seu afastamento.

Abachidze foi escoltado até ao aeroporto por 150 paramilitares da sua guarda pessoal, alguns dos quais banhados em lágrimas. Em declarações à AFP, os homens leais ao dirigente separatista afirmaram que ele lhes pedira para se renderam às autoridades federais, a fim de evitar uma guerra civil.

Conflito agudizou-se com chegada ao poder de Saakashvili

As conhecidas ambições independentistas de Abachidze, senhor absoluto na Adjária, há muito que o colovam em rota de colisão com Tbilissi.

Desde a sua chegada ao poder, nas eleições presidenciais de Janeiro passado, o novo Presidente da Geórgia, Mikhail Saakashvili, anunciou a sua intenção de pôr fim ao feudo de Abachidze, considerado próximo da Rússia, país que mantém na estratégica Adjária — situada nas margens do Mar Negro — várias bases militares.

O conflito entre os dois atingiu o ponto máximo no domingo passado, quando milícias paramilitares fiéis ao dirigente independentista dinamitaram as principais pontes e estradas que ligam a república ao resto da Geórgia, temendo uma demonstração de força de Tblissi.

Perante esta iniciativa, as autoridades georgianas deram dez dias para que Abachidze se demitisse e desarmasse as suas forças, ameaçando com uma intervenção armada na zona. O prazo foi esta manhã encurtado para algumas horas, depois de ter sido noticiado que os separatistas tinham minado o porto de Batumi, o maior do mar Negro.

Entretanto, o Presidente georgiano anunciou ter colocado teporariamente aquela república autónoma sob a sua tutela, ao mesmo tempo que o Ministério do Interior enviava tropas helitransportadas para a região, a fim de desarmar os paramilitares.

Saakachvili garantiu ainda que, para "evitar um banho de sangue", aceitava conceder imunidade completa ao dirigente separatista, autorizado a abandonar a república juntamente com a sua família.

Ao início da tarde, perto de sete mil pessoas manifestaram-se em Batumi para exigir a demissão do dirigente, que durante anos geriu de forma ditatorial a região, apoiado nos paramilitares e nas forças do departamento do Interior.

Horas depois, o Ministério do Interior georgiano garantia que os departamentos do Interior e da Segurança da república se colocaram ao lado das autoridades federais, ao mesmo tempo que a quase totalidade da polícia adjare aceitava o controlo de Tbilissi. Ainda assim, alguns paramilitares optaram por resistir até ao fim. Ao início da noite eram audíveis alguns disparos em Batumi, mas a horas depois a calma regressou à cidade.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

 

Situação na Ucrânia

Iniciado por Spectral

Respostas: 0
Visualizações: 1326
Última mensagem Novembro 23, 2004, 10:30:38 pm
por Spectral
Espanha: salários mais altos pelos militares, +25% em 3 anos

Iniciado por manuel liste

Respostas: 3
Visualizações: 2972
Última mensagem Novembro 10, 2005, 01:36:57 pm
por manuel liste