Israel vs Hezbollah no Libano

  • 674 Respostas
  • 101958 Visualizações
*

Bravo Two Zero

  • Especialista
  • ****
  • 1009
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #60 em: Julho 16, 2006, 01:53:21 am »
Citar
Mas nada que não surpreenda....desde o tempo do Wilson que eles são danados para a brincadeira e para espalhar sangue, ups perdão, democracia, pelo mundo..

Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"

Mas voltando ao tema do tópico Israel- Hezbollah (sim está certo.....Hezbollah...as outras comunidades - maronitas e sunitas- são espectadores)
"Há vários tipos de Estado,  o Estado comunista, o Estado Capitalista! E há o Estado a que chegámos!" - Salgueiro Maia
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #61 em: Julho 16, 2006, 02:31:58 am »
Citar
Spirits Are High in Syria’s Capital as Leaders Openly Show Support for Hezbollah

The mood here in Syria’s capital was defiant, even gleeful, on Saturday as Hezbollah continued its rocket attacks on northern Israel.
Pop radio stations played jingoistic military marches, and the state-run daily newspaper, Tishreen, reported on a meeting of the ruling Syrian Baath Party by saying, “participants expressed Syria’s firm stance in support of the Lebanese national resistance.”
A Damascus businessman who would give only his first name, Mustafa, said: “I am 100 percent very happy. All of the Syrian people are happy, because we consider Hezbollah as being one of us.”
Though Syria has long supported militant anti-Israel organizations, including Hamas and Hezbollah, a radical Shiite militia in Lebanon with strong ties to Syria and Iran, such public directness on the subject is new, analysts say. They say the government is voicing such sentiments in an attempt to appeal to the Syrian masses.
“Yesterday the Syrian Baath party expressed its full support and sympathy for Hezbollah,” said Marwan Kabalan, a political science professor at Damascus University. “It is overt now, because this is no longer something the government wants to hide. People here are very emotional about the whole situation, and many of them wish that Syria would get up and join Hamas and Hezbollah in their battle against Israel.”
A half-dozen Syrians interviewed at random in Damascus cafes all said that they admired Hezbollah’s leader, Sheik Hassan Nasrallah, for using military action to back his anti-Israeli remarks.
“Nasrallah has caused a great deal of embarrassment among the Arab leaders,” Dr. Kabalan continued. “He is seen as the only Arab leader who can stand by his words and resist Israel.”
Imad Fauzi Shueibi, a political analyst who often works as a consultant to the Syrian government, laughed as he said that he believed that Israel was being drawn into a trap if it thought it could successfully fight on two, or even three, fronts.
Israel and the United States have said that they attribute a supporting role in Hezbollah’s attacks on Israel to Syria, and many Syrians are now talking about the possibility of a battle with Israel in the Golan region.
“I am laughing because I am so happy to see that in Israel there are these very stupid leaders,” Dr. Fauzi Shueibi said. “Israel has nothing to gain by changing the balance of power in the region. To fight on two fronts at the same time is stupid; if they try to open three fronts, that will be madness.”
“No one can believe that this will stop without a huge victory for Hezbollah and for Syria,” he added. “I haven’t felt so optimistic since 1973. I think we are closing the noose on Israel. This may be the last battle, and we may be able to redraw the map of the Middle East, but not on the schedule of America’s plan for the greater Middle East.”
As Israel continued its airstrikes on Lebanon, many Lebanese began flooding into Syria over the past several days, leading some Syrians to worry about a possible refugee crisis.
Syria already serves as a temporary home for hundreds of thousands of Iraqi refugees, and according to Syrian government figures, more than 17,000 Lebanese refugees crossed into Syria on Friday alone.
At Jdayat-Yabbus, a Syria border town, Lebanese refugees said Friday that the price of a taxi from Beirut to Damascus, normally about $50, had been driven up to $500 or more for what is usually a two-hour ride but could now stretch to five hours or more.
Those who could not afford taxis crammed into flatbed trucks; others took the bus to Chtaura, a Lebanese border town, and then crossed on foot, walking several miles in the brutal sun and carrying their luggage on their heads.
Many were from the southern suburbs of Beirut, which have come under heavy attack by Israeli warplanes because of Hezbollah’s strong presence there.
Hassan, an automobile mechanic from southern Beirut who declined to give his last name, was traveling Friday in a flatbed truck brimming with 15 young children, all looking tired and miserable in the midday sun.
He said he was bringing the children — two his own and the rest nieces and nephews — to stay with distant relatives in Syria.
“We haven’t slept in three days,” he said. “The Israelis are bombing shopping malls and television stations. The children are very frightened, and so we are bringing them to Syria for their safety.”
Syrian analysts noted with some pride that Syria will have a central role in any peace agreement, and that the United States may now be forced to make a deal with Syria because of Hezbollah’s actions.
“Syria has demonstrated once again that it can’t be marginalized,” said Dr. Kabalan, the political science professor. “It has succeeded in turning the tables on the Americans. Syria has demonstrated successfully that it is still here and still in control.”



http://www.nytimes.com/2006/07/16/world/middleeast/16syria.html?_r=1&oref=slogin
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #62 em: Julho 16, 2006, 09:44:17 am »
Citação de: "Bravo Two Zero"
Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"


Não tem nada a ver...uma coisa é querer espalhar o bem pelo mundo, outra coisa é responder perante a ataques constantes de piratas contra a marinha mercante americana. Também houve guerras estúpidas nessa altura (como a de 1812), mas esta contra os berbéres foi causada por actos de pirataria contra navios mercantes, sem haver algum tipo de interacção antes (ao contrário do ataque terrorista 11/9). Uma situação semelhante acontece hoje no estreito de Malaca.
 

*

Bravo Two Zero

  • Especialista
  • ****
  • 1009
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #63 em: Julho 16, 2006, 11:23:45 am »
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"

Não tem nada a ver...uma coisa é querer espalhar o bem pelo mundo, outra coisa é responder perante a ataques constantes de piratas contra a marinha mercante americana. Também houve guerras estúpidas nessa altura (como a de 1812), mas esta contra os berbéres foi causada por actos de pirataria contra navios mercantes, sem haver algum tipo de interacção antes (ao contrário do ataque terrorista 11/9). Uma situação semelhante acontece hoje no estreito de Malaca.

E o argumento apresentado por Woodrow Wilson ao Congresso para a declaração de guerra à Alemanha, em  6 de Abril de 1917 ?

Um pequeno extracto:

" On the third of February last I officially laid before you the extraordinary announcement of the Imperial German Government that on and after the first day of February it was its purpose to put aside all restraints of law or of humanity and use its submarines to sink every vessel that sought to approach either the ports of Great Britain and Ireland or the western coasts of Europe or any of the ports controlled by the enemies of Germany within the Mediterranean. That had seemed to be the object of the German submarine warfare earlier in the war, but since April of last year the Imperial Government had somewhat restrained the commanders of its undersea craft in conformity with its promise then given to us that passenger boats should not be sunk and that due warning would be given to all other vessels which its submarines might seek to destroy, when no resistance was offered or escape attempted, and care taken that their crews were given at least a fair chance to save their lives in their open boats. The precautions taken were meager and haphazard enough, as was proved in distressing instance after instance in the progress of the cruel and unmanly business, but a certain degree of restraint was observed. The new policy has swept every restriction aside. Vessels of every kind, whatever their flag, their character, their cargo, their destination, their errand, have been ruthlessly sent to the bottom without warning and without thought of help or mercy for those on board, the vessels of friendly neutrals along with those of belligerents."

Passados 112 anos, o argumento era o mesmo, os intervenientes e o modus operandi outro.................

Citar
Mas nada que não surpreenda....desde o tempo do Wilson que eles são danados para a brincadeira e para espalhar sangue, ups perdão, democracia, pelo mundo..


As palavras são suas, o raciocínio é seu, caro Marauder :roll:

Mas chega de off-topic...............
"Há vários tipos de Estado,  o Estado comunista, o Estado Capitalista! E há o Estado a que chegámos!" - Salgueiro Maia
 

*

aero

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #64 em: Julho 16, 2006, 11:42:41 am »
Citação de: "komet"
Está a dar-me razão  :Palmas: Estou 100% de acordo.

Citar
"O objetivo deste trabalho foi compreender, do ponto de vista da política internacional, os fatores que viabilizaram a fundação de Israel no território da Palestina, provocando um dos mais prolongados e dramáticos conflitos da história contemporânea. A criação de Israel, decidida na ONU, em 1947, violou os direitos fundamentais do povo árabe palestino (70% do total da população nesse ano), garantidos pela Carta das Nações Unidas e pelo Pacto da Sociedade das Nações, ambos fontes do Direito Internacional, e violou o título jurídico adquirido pelos árabes através do acordo firmado com os países da Entente, durante a Primeira Guerra Mundial, que garantia a independência da Palestina, causando revolta generalizada no mundo árabe, já profundamente ressentido do imperialismo ocidental na região. Considerando a conjuntura internacional desse período, delineada pela Guerra Fria, e considerando que os principais atores do sistema internacional tinham consciência de que tal decisão causaria a hostilidade dos países árabes, acarretando altíssimos custos militares, políticos e econômicos, uma vez que a Liga Árabe declarou não reconhecer uma decisão que considerava ilegal, tivemos interesse em conhecer quais foram as expectativas de ganhos que levaram os EUA, a ex-URSS e outros países a assumirem os riscos e os custos dessa decisão. Várias conclusões foram obtidas. Os EUA não tinham nenhuma expectativa de ganho com o apoio à criação de Israel, pelo contrário, esse evento acarretou pesados custos à nação norte-americana, advertidos permanentemente pelos Secretários de Estado e Defesa. A decisão pró-Israel foi uma iniciativa do Presidente Truman para defender seu interesse pessoal nas eleições seguintes, quando pretendia contar com o apoio da comunidade judaica de seu país. A posição de Truman garantiu a forte pressão dos EUA, na forma de chantagem e suborno, sobre vários países que sustentavam posições contrárias, na votação da partilha, na ONU. Quanto à decisão soviética, não há uma compreensão conclusiva. Stalin, durante muitos anos, um antagonista intransigente ao projeto sionista, surpreendeu a todos apoiando de última hora a criação de Israel, na votação na ONU. Grande parte dos estudiosos considera que o objetivo soviético era simplesmente prejudicar a Grã Bretanha. Aparentemente, nessa mudança de posição momentânea, houve um equívoco nos cálculos políticos, percebido pouco tempo depois, levando esse país a reconsiderar novamente sua posição em favor dos árabes. Grande parte dos países de ambos os blocos assumiram simplesmente o alinhamento automático às decisãos das duas superpotências. Por último, cabe destacar que o interesse do Brasil era permanecer alinhado com os EUA e, nesse sentido, Oswaldo Aranha, como Presidente da Assembléia Geral, prestou um serviço fundamental. No dia da votação, devido à avaliação de que a proposta pró-Israel seria derrotada, Oswaldo Aranha decidiu encerrar mais cedo os trabalhos, adiando a votação, dando, assim, aos sionistas o tempo que necessitavam para “convencer” os países contrários, a fim de mudar seu voto."


http://www.teses.usp.br/teses/disponive ... 02-163759/
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #65 em: Julho 16, 2006, 11:45:17 am »
As mesmas acções podem resultar de motivos diferentes e acções diferentes podem resultar de motivos iguais.

  A guerras berbéres não visaram eliminar uma raiz do mal...tal como o Wilson via a Alemanha. Wilson, olhando para si mesmo como um "iluminado" e instrumento de Deus para fazer o bem, simplesmente arranjou uma desculpa para meter a América na guerra.

 Dizer que a América entrou na 1ª guerra apenas por causa dos ataques marítimos é desconhecer a situação geo-política na altura. No entanto a guerra dos berbéres foi unicamente motivada pelos ataques a navios mercantes, que ao contrário da 1ª guerra mundial, não negociavam com um país em guerra, e logo, não operavam em território passivel de combates, ao contrário das acções que levaram à guerra com os berberes.

É claro que podemos dizer que a marinha americana também estava desejosa de mostrar ao mundo as suas capacidades, e a verdade é que ganhou imenso respeito com essa guerra, mas no entanto a meu ver não se pode comparar ambas as guerras. Afinal...todas as guerras tem sempre a mesma desculpa de caca..os motivos por detrás é que mudam..
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #66 em: Julho 16, 2006, 11:54:44 am »
Voltando ao tópico..

Citar
Analysis: Who profits from Mideast war?
By Claude Salhani
UPI International Editor
Jul. 15, 2006 at 1:01PM

Once again Lebanon finds itself a major player in a war it did not choose to fight in. And once again Lebanon is paying the price. So who stands to profit from the latest developments in Lebanon? Certainly not the Lebanese who are once again seeing their country destroyed right in front of their eyes.

Indeed, the majority of Lebanese have still not forgotten the long nightmarish 15-year civil war that devastated the country but that former Prime Minister Rafik Hariri helped rebuild. After Syria, one of Lebanon's two neighbors was suspected of having a responsibility in the killing of the former prime minister, Israel, Lebanon's other neighbor is killing Hariri's dream; the roads and bridges he built, the new airport and much of the infrastructure Hariri rebuilt after the war.

In its new offensive on Lebanon, Israel wants to hold the Lebanese government responsible for Hezbollah's actions. Now if Israel is acting as though it is ignorant of the reality of Lebanese politics, Arab leaders appear somewhat more realistic. Several Arab leaders have in fact criticized Hezbollah, blaming the Lebanese Shiite militia for the latest violence.

Saudi Arabia said it held Hezbollah "fully responsible" for what a statement released by the official Saudi Arabian news agency called "its irresponsible action," referring to the kidnapping the two Israeli soldiers in a cross-border attack Wednesday.

Saudi Arabia said it believes in the right of peoples under occupation to resist by all possible means, and that the kingdom always stood by the Palestinian and Lebanese resistance movements against military occupation, "But the kingdom wants to draw a line between legitimate resistance and the uncalculated adventures carried out by members who are part of the state but act from behind it and without consulting with the legitimate authorities, creating as such an extremely dangerous situation and exposing all Arab countries and their achievements to destruction."

The Saudi statement said time has come for Hezbollah to "assume alone the full responsibility of their irresponsible acts."

Egypt's mass-circulation newspaper al-Ahram, known to reflect the government's views, said Hezbollah is to be blamed for the ongoing Israeli war on Lebanon. The paper added that this latest escalation with Israel "serves regional goals."

What exactly does all that mean? Well, let the paper itself explain.

 "Many in Lebanon believe that there are parties who sacrifice Lebanon's security to serve regional calculations and the interests of other countries."

That's Middle East speak for "Syria and Iran" may have a hand in the latest violence in so far that both countries support Hezbollah. In fact, Cairo is voicing out loud what many people in the Middle East believe but dare not say.

So why would Syria and Iran find it in their interest to raise the stakes in the Middle East? Well, for a number of reasons. Syria, who was forced to pull its army out of Lebanon after it was unofficially blamed for the assassination of Hariri, never quite got over the humiliation of submitting to the pressure of both the Lebanese street and the international community.

By inviting Israeli strikes on Lebanon, Syria is saying, "see what happens when we leave? Maybe had we stayed this would have not happened."

Secondly, the new spate of violence in Lebanon will suspend -- if only temporarily -- the investigation into the killing of former Lebanese Prime Minister Rafik Hariri from the front pages. This is buying Damascus some serious time.

As for Iran, it allows Iranian President Mahmoud Ahmadinejad to deflect the focus on Iran's nuclear ambitions. While world leaders remain pre-occupied with Lebanon, it means Iran can get ahead developing its nuclear program. And this is buying Tehran, too, some precious time.

And while Lebanon gets pounded back to its civil war era, Damascus and Tehran remain -- at least for the moment -- outside the conflict, even though they, far more so than the Lebanese government, not only support, but arm and finance Hezbollah.

 Of course, if Israel were to hit either Damascus or Tehran, if would spark a full-fledged regional war. Iranian President Mahmoud Ahmadinejad warned that his country would deal "a painful response" to Israel in case it attacked its Arab ally, Syria.

 "If the entity which occupies Jerusalem commits a foolish act and carries out an aggression against Syria it will be tantamount to aggression against the Islamic world and will be confronted with a painful response," Ahmadinejad was quoted by the Iranian News Agency, IRNA.

A pertinent question might be why Iran deems it an act of aggression against the Islamic world if Syria were to be hit, but when Lebanon is being bombed back 20 years, as Israeli Prime Minister Ehud Olmert said Israel would do, the reaction is limited to verbal support. Although it's no great surprise, even Arab ministers meeting in Cairo failed to come up with an action plan to help Lebanon. Once again Lebanon finds itself a reluctant participant in a war in which it had no say -- and in which it holds no cards with which to negotiate.

 


de:
http://washingtontimes.com/upi/20060715 ... -1768r.htm
 

*

RedWarrior

  • 235
  • +0/-0
    • http://rouxinol.blogspot.com/
(sem assunto)
« Responder #67 em: Julho 16, 2006, 05:01:18 pm »
Isto faz lembrar as desculpas que Hitler utilizava para invadir territórios que lhe eram alheios.
 O Líbano abriu guerra com Israel??  
 Não, foi o Hezbollah.
 
 Como capturar as chefias do Hezbollah ??
 Politicamente correcto --> "Diz-se que o governo deles não faz nada, entra-se por ali a dentro e bomba neles todos"

 ou

 Perseguir e capturar todos os membros do Hezbollah utilizando os melhores serviços de informação do planeta através de uma espionagem selectiva, evitar derramamento de sangue de civis e se fôr preciso, pedir ajuda a uma nova kidon para se encarregar de os pôr a fazer tijolo mais cedo.
A primeira vítima de todas as guerras é a verdade
 

*

RedWarrior

  • 235
  • +0/-0
    • http://rouxinol.blogspot.com/
(sem assunto)
« Responder #68 em: Julho 16, 2006, 06:24:10 pm »
Citar
Invasão de Israel a Gaza/Líbano sem fim à vista: Mais de 120 mortos

Nabil Abu Salmiya, sua mulher Salwa, ambos de 39 anos, e os seus sete filhos : Nasrallah e Basima de 16 anos, Sumayya de 12, Huda de 8, Eman de 11, Aya de 7 e Yahia de 13 anos são as últimas vitimas mortais da invasão da faixa de Gaza por Israel, assassinadas por um ataque da aviação de Israel sobre a sua casa na manhã de Quarta-feira 12 de Julho. Os chefes militares de Israel disseram que os dois mísseis se destinavam ao dirigente do movimento de resistência Hamas, mas dos 9 mortos e 38 feridos, nenhum era filiado em qualquer grupo de resistência e a maioria das vitimas foram crianças. Alguns militares israelitas sentem-se desconfortáveis com este assassínio em massa e com a recusa de Olmert em negociar. Israel ésuspeito de estar a usar armas químicas nos ataques, embora a natureza das novas armas permaneça um mistério.

No norte de Israel, os combatentes do Hezbollah capturaram dois soldados de Israel e abateram oito na Quarta-feira 12 de Julho, quando as tropas israelitas invadiram o Libano pela primeira vez desde 2000, matando pelo menos 25 pessoas.


  :evil:  :evil:  :evil:

Fonte

http://www.imemc.org/

 Procurem seguir as notícias também por esse site, para filtrar a informação que nos chega, porque como eu tenho na assinatura:
A primeira vítima de todas as guerras é a verdade
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7137
  • Recebeu: 527 vez(es)
  • Enviou: 652 vez(es)
  • +36/-12
(sem assunto)
« Responder #69 em: Julho 16, 2006, 06:33:21 pm »
Esse site parece-me um pouco anti-Israelita...
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3534
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +4/-4
(sem assunto)
« Responder #70 em: Julho 16, 2006, 06:36:38 pm »
Será que existe algum idóneo?
Potius mori quam foedari
 

*

RedWarrior

  • 235
  • +0/-0
    • http://rouxinol.blogspot.com/
(sem assunto)
« Responder #71 em: Julho 16, 2006, 06:47:51 pm »
Uma sugestão para quem não gosta de ser enganado:
 
 Seguem as notícias por esse site e pelos meios de comunicação normais ( normalmente coniventes com Israel ) e o que fôr consensual é o que é verdadeiro, ou aquilo que é factualmente provado por meios audiovisuais.
 Durante os conflitos todas as notícias são falsas até prova em contrário.
A primeira vítima de todas as guerras é a verdade
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #72 em: Julho 16, 2006, 07:50:30 pm »
Exacto.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #73 em: Julho 16, 2006, 09:09:35 pm »
Citação de: "Hélder"
Citação de: "aero"
Pois mas é caso para perguntar o porquê de bombardear o aeroporto??? Até parece que o Libano têm Força Aerea  :?: Israel está a cometer um erro muito grande e os Estados Unidos sabem disso pq se isto continuar assim o governo libanês vai perder apoio da população e o helbollah vai ganhar força e o trabalho que a Rice andou a fazer vai para o tecto.

Pelo que dá no telejornal, o bombardeamento das pistas do aeroporto (não é a mesma coisa que bombardeamento do aeroporto), o bloqueio naval e o bombardeamento da principal estrada que liga Beirute a Damasco é para imobilizar os terroristas do Hezbollah e impedi-los de enviar os soldados israelitas raptados para fora do Libano...

O Libano tem Força Aérea... ou tinha...


Também destruíram os depósitos de combustivel...porque? (se é porque pensam que este pode ser utilizado pelo Hezbollah..entao tou a ver que vão destruir todas as bombas de gasolina do Líbano..que não são muitas...se é para impedir o seu uso por algum avião...estranho...pelo facto que as pistas foram destruídas...

Seguindo agora para o próximo "alvo militar"
Israeli forces bombed the Jiyeh power plant south of the Lebanese capital early Sunday, sending plumes of smoke billowing across the sky, Lebanese army sources said.

de:
http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/ ... index.html

Finalidade militar?...tornar a vida do Hezbollah mais dificil no Líbano? Sim..coitados..agora tem que ir à casa de banho às escuras..bem como o resto do povo libanês. Curioso que, para defender o seu povo, Israel não tenha problemas em completamente maltratar, matar, destruir um povo..um país...simplesmente porque este estava de mãos atadas na questão do Hezbollah...sim..já sei..."eles não fizeram nada contra o Hezbollah"....hum..isso quer dizer que os bascos também são responsaveis pela existencia da ETA, os iraquianos pelos rebeldes e por aí fora...

Israel...primo afastado dos EUA...tática do..."bomb Lebanon into the stone age"...
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +12/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #74 em: Julho 16, 2006, 10:23:37 pm »
Er...
Então como é que se deve fazer?

O Hezbolah lança os seus mísseis do telhado e das janelas de blocos de apartamentos civis...

O ataque a fontes de combustível ou a destruição da rede de energia tem objectivos.
- Consegue pelo menos provocar complicações a um potêncial inimigo.
- Cria problemas no transito e afecta a comunicação entre os vários nucleos
- Reduz consideravelmente a capacidade de comando e controlo que passa a ter que contar com geradores (que produzem ruido de noite e são detectaveis mesmo que estejam em caves e se não estiverem produzem calor)  ou então com o auxilio de energia de baterias auxiliares.

Quando o inimigo se esconde entre civis, o que é que se pode fazer?

A situação é complexa, porque o actual governo do Líbano ganhou as eleições por uma margem pequena e o Hezbolah tem bastante apoio especialmente nas zonas do sul.

Israel vai aproveitar a oportunidade para se ver livre do Hezbolah, e a coisa não vai parar por aqui. Se os Estados Unidos não tiverem mão em Israel (e não sei se estão interessados em ter) a coisa vai ficar preta e a Siria vai-se meter ao barulho quando for atacada.

Neste momento devem estar os americanos a tentar evitar que as coisas aconteçam demasiado depressa, a acreditar nas noticias que afirmam que Israel deu 72 horas à Siria para deixar de apoiar o Hezbolah ou enfrentar as consequências.

O ultimatum acaba na segunda-feira à noite.

A Siria já veio dizer que responderá, mas a verdade é que a capacidade da Siria para responder é relativamente reduzida.

Pelo sim pelo não os israelitas já colocaram Patriots em lugares chave, exactamente para evitar possiveis ataques de misseis vindos da Siria.

Caso a coisa azede, o presidente Al Assad, deve começar a dormir todos os dias numa cada diferente, como fazia o Saddam Hussein...

Todos vimos a precisão dos ataques israelitas contra as pistas do aeroporto de Tripoli. Mesmo no centro!!!

Cumprimentos
 

 

Israel aceita com condições a independência para a Palestina

Iniciado por Pimenta

Respostas: 1
Visualizações: 2167
Última mensagem Novembro 30, 2012, 09:01:02 am
por P44
Resolução do Conselho de Segurança condena Israel

Iniciado por JNSA

Respostas: 17
Visualizações: 3969
Última mensagem Junho 07, 2004, 12:51:26 pm
por Rui Elias
Israel e Palestina anunciam cessar-fogo

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 3
Visualizações: 1783
Última mensagem Março 22, 2005, 07:31:56 pm
por Normando
Estará Israel a ganhar a Intifada ?

Iniciado por fgomes

Respostas: 0
Visualizações: 1020
Última mensagem Dezembro 10, 2004, 06:13:49 pm
por fgomes
Israel compra misseis Patriot PAC-3

Iniciado por antoninho

Respostas: 8
Visualizações: 4939
Última mensagem Setembro 16, 2008, 03:10:32 pm
por nelson38899