Choque petrolífero à vista

  • 22 Respostas
  • 9892 Visualizações
*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
Choque petrolífero à vista
« em: Abril 19, 2006, 07:01:38 am »
Citar
Choque petrolífero à vista
Sucessivos recordes de preços em Londres e Nova Iorque

O preço do petróleo continua a bater recordes. Em Londres, o barril de brent chegou a estar à venda nesta terça-feira por 72 dólares e 20 cêntimos. Também em Nova Iorque o barril de petróleo atingiu o valor mais alto de sempre, 71 dólares. O receio de que o Irão, o quarto maior produtor do mundo, interrompa o fornecimento de petróleo e o seu programa nuclear estão por trás da subida dos preços.

A subida imparável do petróleo traça um cenário negro para os próximos tempos. Disparam os preços, sobe a inflação, aumentam os juros, as empresas deixam de investir e a economia arrefece. O caso de Portugal é particularmente complicado, porque depende muito do petróleo.

Para travar a escalada dos preços, seria necessário baixar a tensão entre o Ocidente e o Irão. Esta terça-feira, George W. Bush garantiu que gostaria de ver a crise resolvida pela via diplomática. No entanto, o Presidente norte-americano acrescentou que tinha de manter abertas todas as opções.

Do lado iraniano, também parece não haver vontade de arrefecer os ânimos. Esta terça-feira, o Presidente do Irão reivindicou ter o mais poderoso exército do mundo disposto a defender as fronteiras do país. Mahamoud Ahmadinejad acrescentou ainda que os soldados estão dispostos a cortar as mãos a todos os seus agressores.

O Presidente iraniano discursou numa parada militar em Teerão, onde desfilaram milhares de soldados, incluindo os membros das forças navais e aéreas que estiveram envolvidos nas manobras no Golfo Pérsico no final do mês passado, para além dos voluntários da milícia Basij, a Guarda Revolucionária Iraniana.


de:
http://sic.sapo.pt/online/noticias/dinh ... cordes.htm

O tal falado 3º choque petrolífero vem aí...falado na invasão do Iraque, aparentemente está mais próximo da verdade....72 dólares por barril que o digam...e isto não é nada...penso que no futuro o preço normal será entre 100 a 125 dolares mas isto já são especulações minhas!!!

  Encontrei este site que aparenta ter informações deveras interessantes...

 http://healthandenergy.com/oil_crisis.htm

 Quem tiver tempo que veja, eu também vou o ler quando tiver tempo e meter aqui informações de destaque!


   Cumprimentos
« Última modificação: Agosto 04, 2006, 07:30:05 am por Marauder »
 

*

AugustoBizarro

  • 50
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Abril 20, 2006, 12:36:34 am »
Também sou da opinião que o preço chegará a curto-prazo aos 100 Dólares por barril.

Este preço refere-se ao Nymex.


Para preços de Futuros em crude, com constante actualização.

http://www.bloomberg.com/energy/


O Crude é classificado por "blends", sendo estes os mais importantes:
http://en.wikipedia.org/wiki/Brent_Crude
http://en.wikipedia.org/wiki/West_Texas_Intermediate

Uma lista completa de "blends"
http://www.itscb.com/newsitetest/news/c ... list.shtml

Para os mais curiosos,  1 barril de petróleo = 158.9873 litros.
http://en.wikipedia.org/wiki/Barrel_%28unit%29

Num tom mais ligeiro, da próxima vez que encherem o depósito dum automóvel, pensem que, com esse dinheiro, podiam comprar 159 litros de crude, e levar para casa.

(Talvez no futuro vendam uns kits para montar uma mini-refinaria na cozinha)

Uma "coluna":


Até dava para aquecimento central.


Mas falando a sério, a única hipótese que vejo para compensar este elevado preço, é uma apreciação do euro considerável,  

hoje:
1.00 EUR  = 1.23722 USD    ,        se  1 EUR = 1.4 ou 1.5 USD , o aumento do crude pouco importaria. (comparativamente, claro)

http://www.xe.com/ucc/

Uns queixam-se da perda de competitividade , se o Euro estiver muito valorizado,  mas.. dado que a Europa importa tanta matéria prima, é preciso fazer um balanço.

Eu sou da opinião que o Banco Central Europeu, secretamente quer valorizar o Euro,  usando o argumento do combate á inflacção , que muitas vezes é encarado por analistas superficiais como, um combate á inflacção excessivo.  O BCE tem sido lento a subir as taxas de juro, a arma possível para fazer subir o valor da moeda, sendo mais lento que a Reserva Federal Americana, como que, estando a poupar munição, e o Euro , ora mantém o valor, ora sobe um pouco.

É aguardar e ver.


Augusto.
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #2 em: Abril 20, 2006, 10:31:17 am »
Por curiosidade:

Como é que tem vindo a evoluir o preço do ouro e da prata?
E da relação entre o preço do ouro face ao dólar?

Vai dar estrilho...
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Abril 20, 2006, 10:41:29 am »
Citação de: "Luso"
Por curiosidade:

Como é que tem vindo a evoluir o preço do ouro e da prata?
E da relação entre o preço do ouro face ao dólar?

Vai dar estrilho...


Por acaso não tenho visto mais noticias referentes a isso, mas pressumo que o preço do ouro e da prata esteja numa de subir.

Em caso de incertezas, o "futuro aceita ouro (e prata)"  c34x
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Abril 20, 2006, 10:57:48 am »
Analistas apontam para petróleo acima dos 100 dólares o barril

http://diarioeconomico.sapo.pt/edicion/ ... 39990.html


Citar
C. J. Campbell, February, 2002

“The oil-drilling rig count over the last 12 years has reached bottom. This is not because of low oil price. The oil companies are not going to keep rigs employed to drill dry holes. They know it but are unable ... to admit it.  The great merger mania is nothing more than a scaling down of a dying industry in recognition that 90% of global conventional oil has already been found.”
    — Goldman Sachs, Energy Weekly, August 11, 1999


de:
http://healthandenergy.com/oil_crisis.htm

 A tendência no medio-longo prazo é para que estes preços aumentem de forma consistente....à medida que a procura vai subindo e o nível de oferta mantém-se ou mesmo diminuí com o passar dos anos/décadas.

  É claro que instabilidades pontuais como as que se vivem hoje em dia pode fazer disparar o preço, podendo até causar o 3º tão badalado choque petrolífero. Mas mesmo que no curto prazo o preço baixe, voltando a um valor não tão baixo como antes mas não tão alto como hoje, no longo prazo este vai subir.

   Luso, queres comprar umas onças de ouro a meias comigo? Ou Prata?  :lol:

  Cumprimentos
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #5 em: Abril 21, 2006, 10:03:09 pm »
Compro ouro barato, marauder! :wink:
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #6 em: Maio 16, 2006, 09:00:16 pm »
E atenção:
A coisa vai correr mal para os EUA!
Como já se tem aqui dito, a credibilidade do dólar está sériamente ameaçada...


http://quote.bloomberg.com/apps/news?pi ... reBEdY.5cg

Bloomberg Columnists

 E-Mail This Story     Printer-Friendly Format

    Andy Mukherjee is a columnist for Bloomberg News. The opinions expressed are his own.

Asia Is Getting Ready to Dump the Dollar Peg: Andy Mukherjee
May 8 (Bloomberg) -- Li Yong, China's vice minister for finance, said he had heard a ``rumor'' that the U.S. dollar was headed for a 25 percent drop. If the gossip was true, the consequences would be ``shocking,'' he said.

Li's comment, which he made at a discussion on global financial imbalances last week at the annual meeting of the Asian Development Bank in the Indian city of Hyderabad, was aimed directly at fellow panelist Tim Adams, the U.S. Treasury undersecretary of international affairs.

The unspoken message was: ``Don't try to talk the dollar down.'' And Adams knew better than to ask, ``Well, what are you going to do about it?'' The answer to that question has already begun taking shape: Asia may be getting ready to fix its currencies to a local anchor, dumping the region's unofficial dollar peg.

Even as they continue to pile up U.S. debt in their foreign- exchange reserves to keep their currencies stable against the dollar, Asian nations, China among them, are preparing for a scenario where the dollar does indeed collapse under the weight of a record U.S. current account deficit.

At the Hyderabad meeting, finance ministers of China, Japan and South Korea got together with their counterparts from the Association of Southeast Asian Nations, or Asean. The 13-nation group said it would sponsor a research project, titled ``Toward greater financial stability in the Asian region: Exploring steps to create regional monetary units.''

Asian Currency Unit

This is no innocuous academic exercise. Regional monetary units are a euphemism for a parallel Asian currency, an idea that has been around since the 1997-98 financial crisis and is now, for the first time, entering the realm of policy making.

Both Japan and China are extremely serious about it and are vying to take ownership of the project.

An Asian Currency Unit, or ACU, will be an index that seeks to capture the value of a hypothetical Asian currency by taking a weighted average of several of them. The weight for a particular currency in the index may be determined by the size of the economy and the quantity of its total trade.

What's the big deal with the ACU? Given the data, anyone can set up an index. It isn't that Asia is talking about replacing its national currencies with the ACU. A European-style single currency in Asia is at least decades away. The ACU is an accounting unit; it won't change hands in the physical world.

The ACU will start making a difference when it becomes the fulcrum of exchange-rate management in Asia. There is some sign that Asian nations want to do just that.

A New Peg

Korea, Japan and China agreed in Hyderabad to ``immediately launch discussions on the road map for a system to coordinate foreign exchange policy.''

The ACU can help a lot in such coordination. It can become a basket peg against which any Asian nation can fix the value of its currency within a band. The ACU, itself, will float.

Why might the ACU work when the now-defunct European Currency Unit, on which the concept is modeled, didn't? One good reason, as noted by economist Barry Eichengreen of the University of California, Berkeley, is that Europe's need for a parallel currency was satisfied by the dollar.

The ACU may well emerge as a viable currency for denominating export invoices, bank loans and bond issuances if the dollar is no longer perceived as a safe storage of value.

So far, Japan has been driving the ACU concept. Haruhiko Kuroda, a former Japanese vice minister of finance and currently the president of the Asian Development Bank, was vigorously pursuing it. The ADB was going to start computing and publishing several ACUs sometime this year.

China in Control

One such ACU would have comprised 13 members, including the Japanese yen, the Chinese yuan, the Korean won and the currencies of Singapore, Malaysia, Thailand, Indonesia, Brunei, Vietnam, Cambodia, Laos, Myanmar and the Philippines. Another ACU would have included both the yuan and the Taiwan dollar -- and that would have been anathema to China. Nor would China have liked to peg the yuan to an ACU that was overly dominated by the yen.

Now China has taken control. While the research will still be conducted in Japan, Asean will take the decision on the composition of the ACU. While Japan is a member of this club, its influence is in decline. The association is now firmly under China's thumb.

While China continues to exhort the U.S. not to follow weak- dollar policies, it, like everyone else, can only guess about the longevity of the present global imbalances.

If there is a sudden collapse in the dollar, the U.S. appetite for imported goods may vanish. The Chinese export engine may seize up and its fragile banking system may collapse under a spate of new bad loans. The idea behind the ACU is to buy some insurance, however inadequate, against all of this.

Stalemate

With its ``my currency is your problem'' attitude, the U.S. has made a negotiated settlement of global imbalances a diplomatic non-starter. China isn't willing to consider the U.S. argument that quicker appreciation of the yuan may prevent a costly adjustment later.

Once again in Hyderabad, Undersecretary Adams tried valiantly to get this message across to Chinese Vice Finance Minister Li. He was wasting his breath.

Li, as Adams noted wryly, ``knows all my talking points.''
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Bravo Two Zero

  • Especialista
  • ****
  • 1009
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • Enviou: 16 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Agosto 10, 2006, 07:30:14 pm »
Efeitos dos acontecimentos de Londres

Citar

 Oil drops in wake of plane bomb plot

August 10, 2006 19:31
Oil fell $2 to below $75 a barrel today after Britain said it had thwarted a plot to blow up aircraft in trans-Atlantic flight.

Early this evening US oil was down $1.95 at $74.40 and London Brent crude was down $1.72 at $75.56.

UK police said this morning that a foiled plot to blow up aircraft  flying from Britain to the US was 'an attempt to commit mass murder on an unimaginable scale'.

 
Crude futures had begun falling during Asian trading hours on hopes that British oil major BP would avoid a complete shutdown of its Alaska operations. Also, Royal Dutch Shell said it had repaired a pipeline in Nigeria shut since last month, which helped prices head downwards.


Prices had shot up earlier this week, with Brent striking a record high $78.64, after BP said it had started shutting down its oil field in Prudhoe Bay as it repairs a pipeline leak caused by corrosion.

A complete shutdown would halt production totalling 400,000  barrels of oil per day, or 8% of daily US output. But BP America chairman Bob Malone said yesterday that BP would  try to keep at least 200,000 barrels per day of oil gushing.

Engineers would make a decision between Friday and Monday on this,  he said.

Analysts believe it will be many months before full output is  resumed, although US Energy Secretary Samuel Bodman said on Tuesday that he had been assured by BP managers that a full shutdown may not be necessary.

Losses to oil prices were limited, however, owing to continued strong energy demand in the US and violence in the Middle  East.

A steeper-than-expected fall in US crude and petrol inventories was also supporting prices. The US Department of Energy said in a weekly update yesterday that petrol stocks fell by 3.2 million barrels  to 207.7 million in the week to August 4.

That was more than three times the market's expected drop of a million barrels. It was also the biggest fall in US petrol inventories since mid-April, reflecting robust demand as many North Americans take to the roads for summer holidays.

However, petrol stocks still remain 0.8% higher than at  the same stage of 2005, the DoE said.
 


http://www.rte.ie/business/2006/0810/oil.html?rss
"Há vários tipos de Estado,  o Estado comunista, o Estado Capitalista! E há o Estado a que chegámos!" - Salgueiro Maia
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #8 em: Junho 23, 2008, 11:47:47 pm »
Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

Quando o Mercado Não Funciona

O mercado é um alvo fácil.
Produto da livre vontade de todos os intervenientes, o mercado tende para soluções eficientes e economicamente justas. Os "resultados" não agradam a todos e por isso há sempre quem expie no mercado os seus próprios pecados. Confesso muito desconforto em criticar o mercado.
A forma como os preços do petróleo são fixados já não é eficiente e é essa a principal razão dos movimentos dos últimos meses. Embora se deva reconhecer validade às teses "malthusianas" que apontam para preços do crude mais altos a prazo, não são suficientes para explicar a escalada parabólica dos preços. Os contratos de futuros negociados em bolsa representam uma pequena parte dos negócios de petróleo do mundo, mas servem de referencial para todos eles. Actualmente essa bolsa é particularmente exígua e alguns mecanismos potenciam a subida dos preços per se.
É um jogo viciado que potencia uma "bolha" especulativa. E todos são responsáveis porque os fundos de investimento, pensões, PPR entre outros, estão a "investir" nestas bolsas. Em resultado desta ineficiência na formação de preços estamos perante uma monumental transferência de riqueza para os países produtores de petróleo.
Estima-se que só a Arábia Saudita receba mil milhões de dólares por dia! É dinheiro que sai de quem produz e quem consome para os cofres de países que, em regra, não primam por elevados níveis de democracia, igualdade de oportunidades, tolerância e desenvolvimento humano. Acrescentam muito pouco para além do que tiram do subsolo.
As consequências económicas e geopolíticas são enormes e devem preocupar todos, mas principalmente os responsáveis do mundo livre.
As regras do jogo têm que mudar.

Publicada por Filipe Garcia


http://mercadopuro.blogspot.com/
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Agosto 11, 2008, 01:52:02 pm »
Cofres dos países da OPEP cheios devido à escalada dos preços do crude

Devido à escalada dos preços do petróleo nos mercados internacionais, os cofres dos países da OPEP estão cheios. Um relatório do Departamento norte-americano de Energia indica que, no espaço de seis meses, os países da organização já conseguiram encaixar tanto dinheiro como em todo o ano passado.

Os países da OPEP podem lucrar mais de 800 mil milhões de euros graças à actual conjuntura dos mercados internacionais.

Trata-se de uma “chuva de dinheiro” para alguns países devido à subida do preço do petróleo e ao aumento da produção.

O Financial Times revela esta manhã os números, citando o Departamento de Energia dos EUA.

Mesmo que o preço do barril do petróleo tenha caído cerca de 30 dólares só nas últimas semanas, isso não terá um impacto significativo nos lucros, já que o aumento da produção vai amortecer este impacto.

As perspectivas de mais lucro até ao final do ano são favoráveis. Nos primeiros seis meses de 2008, o preço médio do barril de petróleo foi de 111 dólares, mas agora já custa 116 dólares.

Entretanto, a produção aumentou, sendo que a OPEP deverá ter alcançado em Julho um valor recorde de 32 milhões de barris por dia.

TSF

 

*

AC

  • Perito
  • **
  • 398
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Agosto 11, 2008, 02:33:46 pm »
Citação de: "Luso"
Sexta-feira, 20 de Junho de 2008

Quando o Mercado Não Funciona

O mercado é um alvo fácil.
Produto da livre vontade de todos os intervenientes, o mercado tende para soluções eficientes e economicamente justas. Os "resultados" não agradam a todos e por isso há sempre quem expie no mercado os seus próprios pecados. Confesso muito desconforto em criticar o mercado.
A forma como os preços do petróleo são fixados já não é eficiente e é essa a principal razão dos movimentos dos últimos meses. Embora se deva reconhecer validade às teses "malthusianas" que apontam para preços do crude mais altos a prazo, não são suficientes para explicar a escalada parabólica dos preços. Os contratos de futuros negociados em bolsa representam uma pequena parte dos negócios de petróleo do mundo, mas servem de referencial para todos eles. Actualmente essa bolsa é particularmente exígua e alguns mecanismos potenciam a subida dos preços per se.
É um jogo viciado que potencia uma "bolha" especulativa. E todos são responsáveis porque os fundos de investimento, pensões, PPR entre outros, estão a "investir" nestas bolsas. Em resultado desta ineficiência na formação de preços estamos perante uma monumental transferência de riqueza para os países produtores de petróleo.
Estima-se que só a Arábia Saudita receba mil milhões de dólares por dia! É dinheiro que sai de quem produz e quem consome para os cofres de países que, em regra, não primam por elevados níveis de democracia, igualdade de oportunidades, tolerância e desenvolvimento humano. Acrescentam muito pouco para além do que tiram do subsolo.
As consequências económicas e geopolíticas são enormes e devem preocupar todos, mas principalmente os responsáveis do mundo livre.
As regras do jogo têm que mudar.

Publicada por Filipe Garcia


http://mercadopuro.blogspot.com/


O autor começa por um erro colossal: a maior parte do petróleo é, hoje em dia, negociado na forma de futuros.
E é isso mesmo que permite a especulação: um especulador pode comprar um futuro, esperar que o petróleo suba e vender o futuro antes de o petróleo ter sequer saído do poço. E o tamanho do mercado de futuros permite que isso seja fácil.

Contudo, o título está correcto: para o petróleo, o mercado não funciona. E não funciona há muito tempo, porque do lado da oferta há pouca concorrência e muita cartelização dos países produtores. E como são países, não há autoridade de concorrência que lhes valha.
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
Re: Choque petrolífero à vista
« Responder #11 em: Janeiro 29, 2013, 10:44:34 pm »
http://www.thedailybell.com/28623/Peak- ... s-the-Dust
 
Citar
News & Analysis
Friday, January 25, 2013
Peak Oil Bites the Dust

By Staff Report

$20 trillion shale oil find surrounding Coober Pedy 'can fuel Australia' ... Coober Pedy has between 3.5 billion and 233 billion barrels of oil Australia could change from oil importer to exporter ... South Australia is sitting on oil potentially worth more than $20 trillion, independent reports claim - enough to turn Australia into a self-sufficient fuel producer. Brisbane company Linc Energy yesterday released two reports, based on drilling and seismic exploration, estimating the amount of oil in the as yet untapped Arckaringa Basin surrounding Coober Pedy ranging from 3.5 billion to 233 billion barrels of oil. At the higher end, this would be "several times bigger than all of the oil in Australia", Linc managing director Peter Bond said. This has the potential to turn Australia from an oil importer to an oil exporter. – Advertiser
 
Dominant Social Theme: We are running out of oil and fracking is just a ruse to keep us believing in a consumer society for a while longer.
 
Free-Market Analysis: For years, so many years, we've launched article after article pointing out the insanity of beliefs in elite "scarcity memes."
 
And Peak Oil has been one of the most stubborn and longest-lasting. We've argued that the market itself (the Invisible Hand) would find a way to generate energy – via more oil or with other energy sources – if oil was actually running out. But we didn't really think oil WAS running out. We believed it was just another manipulation.
We've traced that manipulation many times. Just search for Peak Oil and Daily Bell. It's laid out in detail, and to give credit where credit is due, we are not the only alternative mainstream journos to have made the case. There are plenty of others who've delved into the Peak Oil scam and exposed it.
Memes like Peak Oil and global warming are, in fact, propaganda ... launched by a power elite that wants to control the world and needs to frighten people about the availability of basic resources in order to do it.
The memes are carefully constructed and come out of such places as Tavistock. They are then propounded in scientific journals, elaborated on by elite-controlled think tanks, reporter on in mainstream media and finally "acted upon" by the United Nations and various legislatures.
It has been estimated that the top elites can create any paradigm they wish with less than 6,000 allies emplaced at critical junctures around the world. You don't need to have a lot of people "in the know" – only a few in the right spots.
 
This is how the conspiracy works. This is how it is kept secret (at least to a degree). Of course, in the 21st century none of this matters very much. Thanks to available 'Net information many have pretty much figured out what's going on. And as a result, the elites are having a harder and harder time spreading their scarcity memes.
 
Many of these memes are collapsing now. Peak Oil would seem to be one of them. Here's more from the article excerpted above:
State Mineral Resources Development Minister Tom Koutsantonis said there were exciting times ahead for SA's resources industry. "Shale gas and shale oil will be a key part to securing Australia's energy security now and into the future," he said ...
 
Mr Bond said there was the potential for a US-style "shale oil" boom in SA.
The Wall Street Journal reported last week the US could pass Saudi Arabia as the world's largest oil producer this year, thanks to the shale oil explosion.
Shale oil extraction involves using new technologies to drill vertically and then horizontally for distances of more than one kilometre through shale rocks that contain oil.
The process was once prohibitively expensive but advances have created a new oil boom in the US.
 
Mr Koutsantonis said: "We have seen the hugely positive impact shale projects like Bakken and Eagle Ford have had on the US economy.
 
"There is still a long way to go, but investment in unconventional liquid projects in South Australia will accelerate as more and more companies such as Linc Energy and Altona prove up their resources."
Mr Bond said the potential in SA was "massive", but even at the lower end of estimates - about 3.5 billion barrels - it was still very large.
"If you look at the upper target, which is 103-233 billion barrels of oil, that's massive," he said.
"The opportunity of turning this into the next shale boom is very real."
 
So now there are two countries where oil resources may suddenly exceed that of Saudi Arabia! In fact, it never made sense that the Middle East was the repository of the world's oil. It was just too ... coincidental. The Saudis had all the world's oil and they were willing to cooperate with the US to sell for dollars and nothing else.
Oil scarcity and Saudi cooperation made the dollar reserve system possible.
But now the dollar reserve system is failing and the powers-that-be don't need the old system. "They" want to move toward a global currency.
And thus it would seem all over the world oil is suddenly blooming ... and the means to remove it from places that hitherto were seen to be parched of petrochemicals entirely is becoming available and practical.

Oil is probably abiotic, at least in part. Scarcity is man-made. You know, it is brought to us courtesy of the same elites who are now conspiring to inform us that there is plenty of oil, though it must be "fracked."
Our thought is that with all the talk of Tesla's hidden breakthroughs regarding the reality of telluric energy, the elites realize that the reality of energy is going to emerge.
 
We live, after all, in a universe of energy plenty not energy scarcity.
 
Make oil more available and maybe you can stave off Tesla's insights and their implementation a bit longer (if indeed they are viable).
 
Conclusion: Here's another thought: The Internet Reformation is a process not an episode.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8530
  • Recebeu: 782 vez(es)
  • Enviou: 1276 vez(es)
  • +82/-34
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Choque petrolífero à vista
« Responder #12 em: Julho 11, 2014, 09:18:52 pm »
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14993
  • Recebeu: 992 vez(es)
  • Enviou: 939 vez(es)
  • +171/-167
Re: Choque petrolífero à vista
« Responder #13 em: Janeiro 21, 2015, 11:19:53 am »
As vantagens mundiais do petróleo mais barato na estratégia geopolítica dos EUA.

Gerald F. Seib

Até Barack Obama provavelmente concordaria que 2014 tem sido um ano duro para ele — e, sem dúvida, veria com bons olhos qualquer sinal de melhora em 2015.

Bem, aqui está um: os preços do petróleo parecem que continuarão mais baixos pelo menos durante boa parte do próximo ano, o que deve ser vantajoso para o presidente dos Estados Unidos em mais de um aspecto. É difícil imaginar outro evento individual que traga tantos benefícios e tão poucas desvantagens. Os benefícios para a economia americana são óbvios; mais intrigantes, e menos óbvias, são as maneiras com que o petróleo barato beneficiam a estratégia dos EUA ao redor do mundo.

Isso porque os países mais prejudicados pelo recuo nos preços do petróleo se encontram atualmente na lista negra americana, desde o Irã e a Síria até a Rússia e a Venezuela. Por outro lado, vários dos países que têm a ganhar do ponto de vista estratégico e econômico — como Jordânia, Egito, Israel e Japão — estão no rol dos amigos dos EUA. A queda do petróleo mudou o jogo geopolítico.

Os efeitos só serão realmente significativos se o petróleo continuar mais barato por algum tempo, mas a maioria dos analistas acredita que será assim. A oferta global supera a demanda em cerca de 1 milhão de barris por dia atualmente, e o mais poderoso produtor do mundo, a Arábia Saudita, vem indicando que não pretende cortar a produção para absorver esse excesso.

Essa situação empurrou a cotação do barril para perto de US$ 65, comparado com mais de US$ 100 meros cinco meses atrás.

“Vemos o atual excesso de oferta de petróleo como sendo de longo prazo, sem que preços acima de US$ 100 voltem até o fim da década”, escreveu Doug Handler, economista-chefe da consultoria IHS, numa análise semana passada. Nos EUA, isso significa preços da gasolina “bem abaixo” de US$ 0,70 o litro no início de 2015, o que pode gerar uma economia média de US$ 750 para cada lar americano no decorrer do ano, acrescentou ele.

O movimento pode ser traduzido como um impulso na confiança e nos gastos do consumidor, numa economia que já mostra novos sinais de progresso. É verdade que os benefícios macroeconômicos serão um pouco contrabalançados por uma atividade menor no setor de petróleo, que está em franco crescimento, mas muitos analistas estimam que a queda nos preços do petróleo terá um saldo positivo para os EUA.

Os efeitos internacionais são até mais tentadores para o governo Obama. Para começar, o petróleo mais barato pode ajudar a estimular o crescimento na Europa, num momento em que a letargia da região está virando uma preocupação séria.

O recuo dos preços também prejudica a Rússia e o Irã, ambos profundamente dependentes da receita do petróleo. Os dois já estão sob a pressão econômica das sanções internacionais orquestradas pelos EUA — a Rússia por conta de suas incursões na Ucrânia e o Irã por causa de seu programa nuclear. Preços do petróleo em queda têm o poder de amplificar os efeitos das sanções.

O efeito combinado na Rússia será “muito profundo”, diz um membro do alto escalão do governo americano, “e estamos vendo que eles [os russos] já estão reduzindo projeções de crescimento e podem estar caminhando para uma recessão”. O presidente russo, Vladimir Putin, está encurralado, às voltas com custos substanciais para consolidar a tomada da Península da Crimeia, que pertencia à Ucrânia. A Rússia também está arcando com a maior parte das despesas geradas pelas forças separatistas na Ucrânia e está prometendo mais investimentos em defesa. “Terá de haver permutas”, prevê a autoridade americana.

As dificuldades do Irã são parecidas e, do ponto de vista americano, vêm em boa hora. O governo Obama talvez tenha três meses para pressionar o Irã a chegar a um acordo de longo prazo para restringir seu programa nuclear. A pressão econômica foi o que colocou esse acordo na pauta e, agora, a ausência das receitas do petróleo iraniano vão elevar essa pressão no momento certo.

Outro bônus para a Casa Branca é que o aperto econômico adicional talvez convença o Congresso de que não será necessário impor novas sanções econômicas ao Irã, algo que, o governo receia, poderia interromper as negociações sobre o programa nuclear.

Os aliados do Irã no Oriente Médio também sentiram o golpe. A Síria depende tanto de suas modestas exportações de petróleo como da generosidade iraniana. Os petrodólares iranianos também financiam o Hezbollah. Todos agora têm sua dose de novas preocupações.

Da mesma forma, o exército radical do Estado Islâmico tem se financiado com o petróleo roubado das refinarias sírias e vendido no mercado negro. O valor desse petróleo, que já sofre um desconto severo, está caindo ainda mais.

Enquanto isso, os países do Oriente Médio que os EUA gostariam que se estabilizassem — Egito, Jordânia e Líbano — estão sendo beneficiados. A única preocupação é o efeito sobre a receita do Iraque com o petróleo.

No lado ocidental, ninguém foi mais afetado que a Venezuela, o epicentro regional da agitação antiamericana. Os beneficiários do país também estão sofrendo, principalmente Cuba. “Os venezuelanos”, diz o membro do governo americano, “estão com um problema grave”.

Grande parte da queda nos preços do petróleo é atribuída à decisão da Arábia Saudita de não cortar a produção. O país árabe tem suas próprias razões para agir assim, mas não deixa de ser bom para Obama que os líderes sauditas, com quem ele recentemente teve alguns conflitos, concordem com ele sobre as vantagens mundiais do petróleo mais barato.

Fonte: Wall Street Journal
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7418
  • Recebeu: 624 vez(es)
  • Enviou: 762 vez(es)
  • +99/-30
Re: Choque petrolífero à vista
« Responder #14 em: Dezembro 05, 2015, 10:13:48 pm »

Azerbaijão: 32 mortos em incêndio de plataforma no Mar Cáspio
 

 

Encontrado yacimiento Petrolifero en Canarias

Iniciado por old

Respostas: 2
Visualizações: 2648
Última mensagem Junho 13, 2008, 05:03:12 pm
por Cabecinhas