'Mar Verde' somos melhores que a cia a guardar segredos

  • 6 Respostas
  • 3889 Visualizações
*

antoninho

  • Perito
  • **
  • 557
  • Recebeu: 8 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +1/-0
'Mar Verde' somos melhores que a cia a guardar segredos
« em: Abril 17, 2006, 11:27:06 pm »
'Mar Verde': revelados documentos sobre operação militar ainda secreta



Manuel Carlos Freire
Revelações    
 
A "Operação Mar Verde", realizada em Novembro de 1970, foi uma das maiores e mais controversas missões executadas pelas Forças Armadas portuguesas nas guerras coloniais (1961-1974). Mas só agora vê rompido o secretismo decorrente da falta de documentação nos arquivos civis e militares oficiais e do seu não reconhecimento pelo Estado.

António Luís Marinho, autor do recém-lançado livro Operação Mar Verde, Um Documento para a História, contou ao DN que o seu trabalho de pesquisa documental confirmou "a tradição de não dar aos arquivos os documentos oficiais" produzidos.

O jornalista (e actual director de informação da RTP) revela pela primeira vez um conjunto de textos oficiais sobre aquela operação. Contudo, "não acredito que haja uma discussão" sobre o assunto porque há "pouca tradição, infelizmente, de discutir" as questões da guerra colonial. "Parece que metemos a cabeça na areia, que há vergonha" de a debater, lamenta o autor.

O livro começou a ser preparado há 11 anos, quando "o entusiasmo" com que Luís Marinho ouvia o comandante Alpoim Calvão falar do ataque por si liderado contra a República da Guiné-Conacry "não
  • deixou indiferente". "Percebi também que estava ali uma história que valeria a pena contar", escreveu o jornalista no prefácio do livro editado pelo Círculo de Leitores.


A importância de contar essa história era tanto maior quanto o marechal António de Spínola (comandante-geral e governador daquela colónia à data dos acontecimentos), assumira perante o Centro de Estudos das Campanhas Africanas (em 1989) que "o processo oficial sobre a "Operação Mar Verde" foi destruído".
A obra, escrita em estilo de reportagem e com recurso a fontes das duas partes em conflito, revela na íntegra 18 documentos de arquivos particulares, permitindo conhecer as posições (tanto no plano político como militar) de vários dos actores envolvidos. Além de divulgar A solução do problema da Guiné preconizada pelo general António de Spínola, o livro publica a "ordem de operações" manuscrita daquela operação, o relatório elaborado por Alpoim Calvão após a sua realização ou o redigido pelo comandante do único dos navios que tinha como missão "abicar em terra para desembarcar forças", o primeiro-tenente Costa Correia (um dos poucos que verbalizaram reservas à operação).

No livro, onde o jornalista lembra o contexto político, diplomático e militar da época, e historia a preparação e execução da "Mar Verde", sobressaem precisamente as dúvidas e reservas existentes ao nível político e militar contra a operação.

Esta foi pensada por Alpoim Calvão, que a apresentou a Spínola em Agosto de 1969. O brigadeiro do monóculo "ouve com visível agrado a proposta de Calvão e diz-lhe para avançar com os preparativos", escreve Luís Marinho na página 62. Mas só no fim desse ano é que a missão ganha contornos definidos, quando dissidentes da Guiné-Conacry (ligados aos serviços secretos franceses) pedem apoio ao Ministério do Ultramar para derrubar o Presidente Sékou Touré.

O autor diz, ainda na mesma página, que "as Informações constituíram, desde o início, o 'calcanhar de Aquiles' da operação, e uma constante preocupação para Alpoim Calvão". Mas esta consciência, que a operação validaria, não fez vacilar o chefe fuzileiro. E tanto ele como o general Spínola deram ordem de prisão e fizeram ameaças directas aos que ousaram exprimir dúvidas sobre a exequibilidade da operação.

Outro aspecto singular da operação é que, já em Novembro e a poucos dias do início da acção, "há passos decisivos que não foram ainda dados" (página 86). Spínola, tendo pareceres negativos dos ministros da Defesa, Sá Viana Rebelo, e do Ultramar, Silva Cunha - o chefe da diplomacia, Rui Patrício, desconhecia o assunto -, "decide jogar o tudo por tudo e vai até ao limite", escrevendo ao presidente do Conselho uma carta que manda entregar por "um enviado especial" - o próprio Alpoim Calvão, recebido por Marcello Caetano a 16 de Novembro.

Luís Marinho revela também o diário pessoal do comandante da Defesa Marítima da Guiné (CDMG), comodoro Luciano Bastos, em que este revela "a fúria" de Spínola com os resultados da operação. Tendo-o chamado ao seu gabinete, o brigadeiro disse-lhe, "por vezes com grande excitação, que o Calvão, embora tivesse planeado tudo muito bem e que, sem ele, a operação não se realizaria, havia falhado redondamente no campo da execução". Spínola "acrescentou ainda que o Calvão actuara como para realizar um golpe de mão, sem ter percebido que o fundamental ali era o golpe de Estado", lê-se no diário do comodoro.


alguem neste forum sabe acrescentar algo que não se saiba?
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 6546
  • Recebeu: 185 vez(es)
  • Enviou: 142 vez(es)
  • +10/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Abril 17, 2006, 11:32:38 pm »
É Galvão ou Calvão? Já encontrei escrito das duas maneiras em imensos sítios.... :?

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

antoninho

  • Perito
  • **
  • 557
  • Recebeu: 8 vez(es)
  • Enviou: 6 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Abril 18, 2006, 12:14:00 am »
Comandante Guilherme De Alpoim Calvão,  comanda o Destacamento de Fuzileiros Nº 8 na Guiné, no regresso à metrópole dirige a escola de Fuzileiros.
1969 volta à Guiné como Comandante do Centro de Operações Especiais.
 

*

dero

  • Membro
  • *
  • 56
  • +0/-0
Alpoim
« Responder #3 em: Abril 19, 2006, 11:28:13 am »
Pelo que houvi dizer esse senhor foi um dos operacionais mais experientes que tivemos na Guine isto dito por pessoas que la estiveram tanto do exercito como dos fuzileiros especiais.
alguem confirma ou sabe mais da vida militar deste senhor
 

*

JACARÉ

  • 23
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Novembro 04, 2006, 09:02:08 am »
Tenho um pequeno livro escrito pelo próprio Calvão editado nos anos 80(?) e que descreve algumas operações na Guiné e a "Mar Verde". Vou ver se o encontro...

Aqui está! "De Conakry ao MDLP", Alpoim Calvão, Ed. Intervenção
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5513
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +3/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #5 em: Novembro 08, 2006, 11:49:24 pm »
Nós não somos os Estados Unidos.

As operações irregulares, como a "Mar Verde" eram tão irregulares, que de facto é como se oficialmente nunca tivessem de facto existido.

Enquanto houver possibilidade de o Estado Português ser processado por parte de pessoas da Guiné Conakri, por causa do ataque (e lembro que dolado deles houve imensas baixas) ninguém reconhecerá nada em Portugal.

Eventualmente, um futuro presidente ou Primeiro Ministro português um dia no futuro, reconhecerá e pedirá desculpas oficiais, e pronto.

Cumprimentos
 

*

Yosy

  • Especialista
  • ****
  • 1086
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Novembro 09, 2006, 08:52:29 pm »
^^^^concordo. Nós não somos melhor que a CIA; nós não temos é sequer um terço da atenção que os EUA têem, interna e externamente.

De qualquer modo, a "Mar Verde" foi um erro enorme, que demonstra bem uma certa ingenuidade geo-política de Marcello Caetano e Spínola. Depois da operação, a situação ficou pior - a ONU deu muito mais atenção ao caso da Guiné, a Nigéria e Argélia deram apoio militar à Guiné-Conacry e a URSS passou a ter destacado naquelas paragens uns vasos de guerra (a "West Africa Patrol", designação NATO).

Imaginem se a operação tivesse resultado: o novo regime não seria reconhecido pela ONU nem pela OUA e Spínola teria perdido toda a credibilidade como homem para negociar com o PAIGC. A Guiné Portuguesa poderia muito bem ter entrado em colapso militar se outros países africanos e a URSS se envolvessem. Em último caso, a operção poderia ter levado á queda do regime.