Portugal comecerá a recuperar?

  • 625 Respostas
  • 133968 Visualizações
*

ferrol

  • Analista
  • ***
  • 717
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #90 em: Abril 29, 2007, 12:48:09 pm »
http://www.lavozdegalicia.es/buscavoz/ver_resultado.jsp?TEXTO=5758280&lnk=PORTUGAL
Citar
Lentamente, los indicadores macroeconómicos de Portugal sugieren una mejora de la situación. El índice de precios al consumo desciende, el de producción industrial crece y, en general, la actividad económica parece apuntar hacia arriba en el primer trimestre del 2007. Macroeconomía pura. Sin embargo, muy pocos portugueses corroboran con su vida diaria esos aires de optimismo. El desempleo no mejora, y los bolsillos de una enorme parte de la población siguen tan escasos como en los últimos años. La precariedad en el empleo y la bajísima calidad de los sueldos siguen empobreciendo al portugués medio y aumentando la brecha con sus vecinos europeos, singularmente con los gallegos[...]

La situación de los trabajadores portugueses ha alcanzado un punto en que esos sueldos medios no son mucho mejores que los que se consiguen al acceder a la cobertura por el desempleo (403 euros). Así que, a pesar de la alta tasa de paro (8,2% para todo el país y 9,7% para la región Norte), cada día un nutrido grupo de trabajadores deciden probar suerte en Galicia, tengan o no empleo en su país[...]

Esta deriva ha provocado que ya sean unos 22.000 portugueses los que cruzan la frontera prácticamente a diario para trabajar básicamente en la construcción y, en muchos casos, con precarias o inexistentes condiciones contractuales. El cálculo sale de las organizaciones sindicales de ambos países, que consideran que el volumen de esta emigración laboral se ha duplicado en un par de años.
El fenómeno no afecta en exclusiva a los más jóvenes, sino que el grupo más nutrido de los trabajadores portugueses que cruzan la frontera está formado por hombres de más de treinta años, en alto número casados y con hijos y obligados por esas cargas familiares a vivir toda la semana en Galicia y regresar a su hogar durante el fin de semana
Tu régere Imperio fluctus, Hispane memento
"Acuérdate España que tú registe el Imperio de los mares”
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 567
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #91 em: Maio 01, 2007, 04:35:10 pm »
Citar
Extracto do novo libro de Xosé Luís Barreiro Rivas, A terra quere pobo, que está tendo un considerable éxito de vendas. Foi premiado co Premio Ramón Piñeiro de ensaio na súa III edición. O texto corresponde ao primeiro capítulo e foi seleccionado por Casdeiro para a súa publicación en PlanetaGalego.info.

Galicia envellece máis ca ningunha outra rexión de Europa, ten os soldos e as pensións máis baixas de España, e ten un paro e unha precariedade laboral moi por enriba da media española. A nosa renda non chega ao 65 por cento da que corresponde á Unión Europea dos 15, e tampouco chegará ao 75 por cento da Europa notablemente empobrecida dos 25. Temos menos estudantes, menos camas de hospital e menos equipamentos domésticos que a inmensa maioría dos españois, e a presenza das novas tecnoloxías nos nosos fogares non supera o umbral dos países subdesenvolvidos. Dentro do noso propio territorio temos un enorme e crecente desequilibrio entre a Galicia interior e a costeira, e todo apunta a que a nosa economía do futuro vai quedar reducida a área de influencia da Autoestrada do Atlántico, entre Ferrol e Tui, mentres todo o interior se converte nun deserto demográfico e produtivo sen máis oasis que as capitais de provincias -notoriamente estancadas- e algunhas pequenas vilas situadas á beira dos camiños da meseta. Lugo e Ourense están abonadas aos últimos postos no ranking de riqueza e benestar de todas as provincias de España en todas as estatísticas públicas e privadas, e as nosas universidades teñen que competir con recursos que, en termos de comparacíón, non acadan o 60 por cento do financiamento per cápita do sistema andaluz (de Madrid ou Cataluña nin falamos).
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #92 em: Maio 01, 2007, 11:02:26 pm »
Citação de: "Tiger22"
Citar
Extracto do novo libro de Xosé Luís Barreiro Rivas, A terra quere pobo, que está tendo un considerable éxito de vendas. Foi premiado co Premio Ramón Piñeiro de ensaio na súa III edición. O texto corresponde ao primeiro capítulo e foi seleccionado por Casdeiro para a súa publicación en PlanetaGalego.info.

Galicia envellece máis ca ningunha outra rexión de Europa, ten os soldos e as pensións máis baixas de España, e ten un paro e unha precariedade laboral moi por enriba da media española. A nosa renda non chega ao 65 por cento da que corresponde á Unión Europea dos 15, e tampouco chegará ao 75 por cento da Europa notablemente empobrecida dos 25. Temos menos estudantes, menos camas de hospital e menos equipamentos domésticos que a inmensa maioría dos españois, e a presenza das novas tecnoloxías nos nosos fogares non supera o umbral dos países subdesenvolvidos. Dentro do noso propio territorio temos un enorme e crecente desequilibrio entre a Galicia interior e a costeira, e todo apunta a que a nosa economía do futuro vai quedar reducida a área de influencia da Autoestrada do Atlántico, entre Ferrol e Tui, mentres todo o interior se converte nun deserto demográfico e produtivo sen máis oasis que as capitais de provincias -notoriamente estancadas- e algunhas pequenas vilas situadas á beira dos camiños da meseta. Lugo e Ourense están abonadas aos últimos postos no ranking de riqueza e benestar de todas as provincias de España en todas as estatísticas públicas e privadas, e as nosas universidades teñen que competir con recursos que, en termos de comparacíón, non acadan o 60 por cento do financiamento per cápita do sistema andaluz (de Madrid ou Cataluña nin falamos).


José Luis Barreiro ha pasado de ser mano derecha del ex-ministro franquista Fraga a convertirse en otro nacionalista llorón, el perfil más adecuado para escribir en La Voz de Galicia  :roll:

El tema de la economía de Galicia es muy interesante, lo bastante para merecer otros comentaristas. Si alguien quiere hacer alguna pregunta no  dude, se intentará contestar para que nadie quede desinformado.
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7501
  • Recebeu: 379 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +129/-194
(sem assunto)
« Responder #93 em: Maio 18, 2007, 04:15:50 pm »
Mais aldrabices institucionais:

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/not ... iv_id=1730

Citar
A 1 de Julho, novo imposto que substitui IA baixa preço dos carros
Fisco finta venda de carros
[ 2007/05/18 | 07:36 ] EditorialCPS
Artigos relacionados
Valor de carros apreendidos aumentou 50% até Março
Carros asiáticos vão chegar em força a Portugal
Marca indiana de carros Tata quer fábrica em Portugal (Fotos)
Carros chineses vão custar menos 25% (Fotos) Quer um carro utilitário, barato e pouco poluente? Se puder, não hesite: agarre o automóvel agora, antes de entrar em vigor o novo imposto sobre os veículos (ISV) a 1 de Julho.
Um estudo recente, tendo por base as vendas de 2006 e os preços praticados este ano, conclui que os carros ficam mais baratos 1,9%, mas o futuro imposto único de circulação, que substitui o actual «selo do carro» pode pesar no bolso do comprador, avança o «Diário de Notícias».

Vamos por partes. Haverá oscilações de preços em todas as marcas. Há carros que podem ficar mais baratos cerca de quatro mil euros e outros nove mil euros mais caros. Mas, em média (ponderada, tendo por base as vendas de 2006), a partir de 1 de Julho os preços dos automóveis descem cerca de 500 euros.

O problema é que para os carros novos, o futuro imposto único de circulação «come» aos bolsos dos automobilistas uma média de 120 euros anuais.

Sendo assim, dizem as marcas, ao fim de quatro anos o comprador de carro em Julho «está a ser descompensado». O que parece ser apoiado por analistas independentes às marcas, que afirmam valer a pena aproveitar as actuais campanhas de marketing lançadas pelos stands.

É que os compradores que adquirirem veículos até 30 de Junho continuam nos próximos anos a liquidar o velhinho «selo do carro», a versão mais barata do imposto pago, anualmente, pelos automobilistas entre Junho e Julho. Ou seja, haverá duas tabelas de «selo do carro» a coexistir nos próximos anos.

A antiga versão será preservada, enquanto durar o parque automóvel vendido pelas marcas até 30 de Junho. Para ambos os impostos, haverá apenas uma mudança significativa. É que passam a pagar o imposto de acordo com os meses da matrícula, procedimento semelhante ao verificado nas inspecções automóveis.

Deixa também de ser obrigatório a afixação do «selo» no pára-brisas, com a polícia de trânsito a ter acesso aos dados informáticos do fisco.

Os veículos que sobem de preço a 1 de Julho «são penalizados na compra e no imposto único de circulação», dizem os analistas.

Caso flagrante é o que se passa com as pick-ups, carrinhas de caixa aberta de dupla cabine. Não liquidam o actual imposto automóvel, tal como sucede com os chamados «derivados de passageiros», os carros comerciais com separador central.

A partir de 1 de Julho, afirmam os concessionários, passa a pagar o sucessor do IA, o imposto sobre os veículos e deverão ser sobrecarregados em pelo menos 40 a 50% sobre o custo total.


http://www.agenciafinanceira.iol.pt/not ... iv_id=1730

Citar
Dinheiro pode só chegar no final das férias
Reembolsos de IRS adiados

[ 2007/05/17 | 17:14 ] Paula Gonçalves Martins

Muitos portugueses poderão ver as suas férias adiadas, se estiverem a contar com o dinheiro dos reembolsos de IRS para financiar o merecido descanso. É que os reembolsos de IRS este ano, vão demorar mais.
O Orçamento do Estado para 2007 alterou o artigo 97º do Código do IRS, no que toca ao reembolso.

Enquanto que, até ao ano passado, a data limite prevista na Lei para os reembolsos era 30 de Junho para os contribuintes da 1ª fase e 31 de Agosto para a 2ª fase, com esta alteração, os reembolsos para os contribuintes da 1ª fase podem acontecer até ao final de Agosto, e para os contribuintes da 2ª fase até ao final de Setembro. Datas que, de resto, foram confirmadas pelo Ministério das Finanças à «Agência Financeira».

Segundo explicou o consultor da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, João Antunes, à «Agência Financeira», quer isto dizer que, «para todos os sujeitos passivos de IRS, o prazo de reembolso foi adiado um mês». Assim, o tão esperado dinheiro pode agora chegar apenas no final do período de férias que, tradicionalmente, é o preferido dos portugueses: o mês de Agosto.

Nas liquidações oficiosas, o novo prazo é até 31 de Dezembro, quando anteriormente era até ao final de Agosto.

Liquidações da 1ª fase acabam no fim de Julho e da 2ª fase no fim de Agosto

Os reembolsos só podem começar depois de estar feita a liquidação (encontro de contas) por parte da Administração Fiscal, sendo que, este ano, as liquidações ocorrem até 31 de Julho, para os contribuintes da 1ª fase e até 31 de Agosto para a 2ª fase.

Apesar de esta alteração constar no Orçamento do Estado para 2007 e portanto, poder aplicar-se apenas para o reembolso do IRS de 2007, que será liquidado só em 2008, o entendimento do departamento jurídico da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas é que os novos prazos se aplicam já este ano, ao reembolso do IRS de 2006.

Até porque o Orçamento do Estado para 2007 alterou também o artigo 16º do Decreto-Lei 42/91, onde se estabelecia os prazos consagrados no artigo 97º do Código do IRS.

Nos últimos anos, e apesar dos prazos estabelecidos na Lei, o Fisco raramente cumpriu, existindo, ano após ano, muitos contribuintes a queixar-se dos atrasos nos reembolsos. Desde 2002 e até 2005 o Fisco não respeitou os prazos previstos na lei.

Fisco paga juros de mora em caso de atrás

Caso os reembolsos sejam pagos depois dos prazos estabelecidos, o Fisco paga aos contribuintes juros de mora, correspondentes ao atraso em questão.

No entanto, a Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas (CTOC) alerta que, em caso de dados incorrectos ou suspeita de fraude, o Fisco pode atrasar o reembolso até que a situação seja esclarecida ou resolvida.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #94 em: Maio 18, 2007, 05:31:18 pm »
Pois, pois... e o desemprego (8,4%)? Onde estão os 150 mil postos de trabalho prometidos pelo Engenheiro (sera mesmo?)?
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7501
  • Recebeu: 379 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +129/-194
(sem assunto)
« Responder #95 em: Maio 18, 2007, 06:30:22 pm »
Citação de: "MERLIN"
Pois, pois... e o desemprego (8,4%)? Onde estão os 150 mil postos de trabalho prometidos pelo Engenheiro (sera mesmo?)?
Cumptos


Isso, os impostos, a despesa do sub-sector Estado que sobe, etc.

- Mentirosos!
- Bandidagem!
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #96 em: Maio 18, 2007, 06:49:33 pm »
Creio que as noticias sobre o aumento do PIB são boas, embora eu também ache que uma andorinha não faz a primavera.

Se as notícias sobre o crescimento do PIB se mantiverem pelo menos durante dois trimestres, então poderemos dizer que há uma luz ao fundo do túnel.

Outra coisa comletamente diferente é o desemprego.

Alguém acha que vamos poder resolver o problema em apenas um ou dois anos ?
O problema é estrutural e existe porque parte da população pura e simplesmente não tem facilidade em encontrar emprego nos sectores onde o país precisa de crescer.

Os desempregados que temos, e os que ainda vamos ter, são em parte os desempregados do país "real" que só têm possibilidade de encontrar emprego se aumentarem as obras de construção civil.

É por isso que há tanta gente a fazer pressão para que se façam muitas obras do Estado.

A ideia, é que com essas obras poderá haver um amortecimento do problema, no entanto eu acho que esse tipo de investimentos apenas serve para tapar o Sol com a peneira.

Um país que vive há séculos com uma grande parte da população a viver do estado, não pode de um momento para o outro passar a ter uma economia vibrante, baseada nas exportações e na alta tecnologia.

Por isso, e se as coisas correrem bem, veremos o nosso PIB aumentar, veremos a nossa produtividade per cápita aumentar, mas esse aumento não corresponderá a uma diminuição do desemprego.
 

*

JLRC

  • Investigador
  • *****
  • 2509
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +4/-42
(sem assunto)
« Responder #97 em: Maio 18, 2007, 10:45:05 pm »
Citação de: "papatango"

Outra coisa completamente diferente é o desemprego.

O problema é estrutural e existe porque parte da população pura e simplesmente não tem facilidade em encontrar emprego nos sectores onde o país precisa de crescer.

Os desempregados que temos, e os que ainda vamos ter, são em parte os desempregados do país "real" que só têm possibilidade de encontrar emprego se aumentarem as obras de construção civil.


Um país que vive há séculos com uma grande parte da população a viver do estado, não pode de um momento para o outro passar a ter uma economia vibrante, baseada nas exportações e na alta tecnologia.

Por isso, e se as coisas correrem bem, veremos o nosso PIB aumentar, veremos a nossa produtividade per cápita aumentar, mas esse aumento não corresponderá a uma diminuição do desemprego.


Eu também tenho a mesma opinião, aliás, juntamente com a notícia do aumento do PIB veio também a notícia do aumento do desemprego.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7681
  • Recebeu: 334 vez(es)
  • Enviou: 586 vez(es)
  • +224/-205
(sem assunto)
« Responder #98 em: Maio 22, 2007, 11:05:48 am »
Citação de: "Luso"
Citação de: "MERLIN"
Pois, pois... e o desemprego (8,4%)? Onde estão os 150 mil postos de trabalho prometidos pelo Engenheiro (sera mesmo?)?
Cumptos

Isso, os impostos, a despesa do sub-sector Estado que sobe, etc.

- Mentirosos!
- Bandidagem!


x2

 :roll:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

oultimoespiao

  • Perito
  • **
  • 468
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #99 em: Maio 22, 2007, 03:00:13 pm »
X3

A pior coisa que se podia fazer neste momento para o pais era aumentar a despesa do estado para descer o desemprego! Ainda por cima depois de terem pedido tantos sacrificios aos cidadaos!
 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #100 em: Maio 23, 2007, 12:35:47 am »
Défice das Administrações Públicas desceu para metade


Citar
De acordo com dados do Banco de Portugal, o défice das Administrações Públicas baixou para metade até Março. Esta melhoria apoia-se sobretudo na descida do défice do subsector do Estado e na melhoria do saldo da Segurança Social.

Segundo noticia esta terça-feira a agência Lusa, com base nos dados fornecidos pelo Banco de Portugal, relativos ao mês de Maio, o défice das contas públicas caiu para os 355 milhões de euros, menos 49 por cento em relação a igual período de 2006.

De sublinhar que as Administrações Públicas agregam os subsectores do Estado, serviços e fundos autónomos, administração regional e local e os fundos da Segurança Social.

De acordo com o trabalho do Banco de Portugal, na base desta melhoria esteve sobretudo "a redução do défice do subsector do Estado (em 1.273 milhões de euros), a passagem de défice a excedente do saldo das regiões (mais 46 milhões de euros) e do saldo da segurança social (mais 490 milhões de euros)", revela ainda a agência noticiosa.

O excedente dos serviços e fundos autónomos também desceu - 1.412 milhões de euros - , tendo o défice da administração local sido agravado em 58 milhões de euros, limitando o saldo global das Administrações Públicas.

A dívida directa do Estado (que inclui apenas o subsector Estado) ascendia, em Abril, a 109,6 mil milhões de euros, mais 6,3 por cento do que em igual período do ano anterior, revela ainda a instituição que tem como obrigação aconselhar o Governo nos domínios económico e financeiro.

De sublinhar que, de acordo com notícias publicadas no início de Maio, a Comissão Europeia reviu em baixa as projecções do Governo para o défice das finanças públicas portuguesas.
Face ao objectivo lançado por José Sócrates de alcançar um défice abaixo dos 3% do PIB, já em 2008, a Comissão Europeia contrapôs uma previsão de 3,25% do Produto Interno Bruto (PIB), um valor que se mantém acima do limite definido no Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).


http://q3.aeiou.pt/gen.pl?p=stories&op=view&fokey=ae.stories/5935
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7501
  • Recebeu: 379 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +129/-194
(sem assunto)
« Responder #101 em: Junho 02, 2007, 09:54:50 pm »
Eu sei, eu sei... só trago más notícias... :?

http://classepolitica.blogspot.com/

O Tribunal de Contas detectou despesas públicas irregulares num valor superior a 700 milhões de euros nas auditorias realizadas no ano passado.
O maior valor destas despesas irregulares, superior a 375 milhões de euros, foi detectado em várias auditorias, realizadas no quadro do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2005. Seguem-se as despesas realizadas pelas autarquias, com valores de 175 milhões de euros.
Entre as irregularidades financeiras detectadas nestas auditorias estão, por exemplo, as várias violações dos regimes de contratação de obras públicas e aquisições de bens e serviços.

Estas despesas públicas irregulares, foram detectadas em várias auditorias, realizadas pelo Tribunal de Contas. Não foi portanto o total do universo das despesas públicas que foi auditado, mas apenas uma sua amostragem, o que significa que aquele valor de 700 milhões de euros aumentaria seguramente para valores impensáveis.

Com um cancro destes na Administração do Estado, como será possível a redução do défice público ou o desenvolvimento económico do País?
É evidente que esta situação de total degradação da nossa Administração não nasceu agora, mas há duas ou três décadas atrás e tem evoluído sempre em crescendo até hoje. O resultado da corrupção, egoísmo e incompetência dos nossos sucessivos governantes, da nossa classe política não poderia ser outro.

Numa lógica de acumulação de privilégios, criaram-se múltiplos serviços paralelos na Administração, sem fundamento ou necessidades estruturais, mas que alimentam de lugares bem remunerados as clientelas partidárias e servem passivamente os interesses (que não os interesses do serviço público) dos governantes que os instituíram. Com gestores nomeados por nomeação política e não por critérios de qualificações, de currículo ou de aptidão.

Estes serviços paralelos, Institutos, Autoridades, Comissões, Fundações, Inspecções, Centros, Agências, Conselhos, etc e nas Câmaras as Empresas Municipais, não estão sujeitos à apertada legislação jurídica de aquisição de bens e serviços ou empreitadas da Administração Pública, o que abriu caminho a uma total falta de transparência e à corrupção na sua gestão.
A incompetência destes gestores avulso, destes comissários políticos, associada à sua única preocupação de acumular riqueza pessoal, resultou na mais profunda degradação da nossa Administração. Temos hoje uma Administração mais irracional, mais ineficaz e mais cara. E de acordo com as medidas já implementadas ou em vias de implementação, por este governo, como o PRACE, porque possuídas da mesma lógica, iremos assistir, não à inversão mas ao aprofundamento desta caótica situação na Administração Pública.
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1175
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #102 em: Junho 06, 2007, 10:18:19 pm »
Citação de: "Luso"
O Tribunal de Contas detectou despesas públicas irregulares num valor superior a 700 milhões de euros nas auditorias realizadas no ano passado.
O maior valor destas despesas irregulares, superior a 375 milhões de euros, foi detectado em várias auditorias, realizadas no quadro do parecer sobre a Conta Geral do Estado de 2005.

Resposta do Ministro:
-Peanuts!!! «Setecentos milhões de euros é um número que impressiona qualquer cidadão, mas representa apenas 1% do total da despesa do sector público administrativo»...

tss tss...
O que é isso de 700 milhões de euros...
O mais hilariante da história é que o Tribunal de Contas exige aos infractores a devolução de 441,1 milhões de euros.
Vamos ver quem vai devolver ... o quê.
Decisão de tribunal é para cumprir!!!
Não fosse sempre assim em Portugal... (ironic mode)  :roll:

Falando de economia e de um sector/espaço subexplorado, literalmente entregue aos interesses e ditames de quem tem poder de decisão na UE, a nossa ZEE, eis a opinião de um economista com nome na "praça", onde se fala também do importante papel da nossa Marinha de Guerra, coisa rara na dialética economicista dos opinion maker's cá do burgo:

Citar
Para a criação de riqueza
Ernâni Lopes defende aposta portuguesa no mar
 
O antigo Ministro das Finanças, Ernâni Lopes, defendeu no passado sábado, em Setúbal a recuperação da cultura marítima e uma maior focagem na economia do mar, estratégia que considera fundamental para a geração de riqueza para Portugal, nos próximos 20 anos.
O economista, que falava sobre o "Hipercluster do Mar e o Papel da Marinha de Guerra Portuguesa", considerou que "essa recuperação afigura-se gigantesca", alertando contudo para o risco de se perder essa oportunidade caso não seja concretizada "no horizonte de 20 anos".
O antigo ministro das Finanças apontou o hipercluster do mar como "essencial e inultrapassável" na relação segurança e desenvolvimento económico e social.
Reportando-se a um estudo iniciado há quatro anos sobre as potencialidades económicas do sector marítimo-portuário, e actividades correlacionadas, Ernâni Lopes destacou o papel da marinha de guerra, destacando a sua importância no contexto da reflexão sobre o posicionamento de Portugal no sistema das relações internacionais e da economia portuguesa no sistema económico mundial.
O Chefe de Estado Maior da Armada (CEMA), almirante Fernando Melo Gomes, apelou entretanto para a necessidade de se quantificar o valor económico do mar em Portugal — "uma questão à qual ainda não consegui que me respondessem" — comentou, aludindo à necessidade de compatibilizar a vigilância marítima com a lógica do desenvolvimento económico.
Fernando Melo Gomes referiu-se ainda ao domínio público marítimo, pelo qual há 30 anos era responsável o antigo Ministério da Marinha, mas agora tutelado por "uma entidade difusa" e que tem sido pressionada "por coisas que nada têm a ver com o bem comum", sublinhou.
O CEMA destacou o desempenho da marinha de guerra, elogiando as suas cinco grandes dimensões: soberania e jurisdição, economia, ambiente, cultura e a diplomacia militar.
A iniciativa, designada também por Jornadas do Mar, foi da Associação dos Oficiais da Reserva Naval (AORN).

LUSA/PGC

http://www.jornaldamadeira.pt/not2008.php?Seccao=14&id=69069&sdata=2007-06-06


Talvez merecesse um tópico dedicado a este tema, mas para a recuperação sustentada de Portugal (tema do tópico) é prioritário aproveitarmos com parcimónia todos os nossos recursos disponíveis, e falando Ernâni Lopes num prazo de 20 anos, devido ao nosso tradicional laxismo, já se devia ter começado ontem.

Portugal começará de facto a recuperar de forma sustentada quando souber aproveitar todos os recursos ao seu dispôr, e não deixar, como até aqui tem feito, que outros o façam por si.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #103 em: Junho 07, 2007, 10:28:46 am »
No veo qué otra estrategia marítima puede tener Portugal más que la de mejorar sus puertos y astilleros públicos, aumentar su flota mercante o instalar granjas acuícolas. Portugal no se va a enriquecer gracias a su gran ZEE, ni aunque la extiendan más allá de las 200 millas.

Los grandes caladeros pesqueros están en otras partes del mundo, y está por probar que existan recursos explotables.

Si de estrategia marítima se trata, mi preferencia es la de mejorar los puertos. La construcción de una terminal de cruceros en Leixoes va en la buena dirección.
 

*

Jorge Pereira

  • Administrador
  • *****
  • 2198
  • Recebeu: 58 vez(es)
  • Enviou: 116 vez(es)
  • +16/-0
    • http://forumdefesa.com
(sem assunto)
« Responder #104 em: Junho 07, 2007, 02:41:52 pm »
Um dos primeiros erros do mundo moderno é presumir, profunda e tacitamente, que as coisas passadas se tornaram impossíveis.

Gilbert Chesterton, in 'O Que Há de Errado com o Mundo'






Cumprimentos
 

 

Iniciativa "Compromisso Portugal"

Iniciado por Tiger22

Respostas: 0
Visualizações: 2321
Última mensagem Fevereiro 11, 2004, 04:12:19 pm
por Tiger22
Portugal Confidencial - " A pista da energia" ...

Iniciado por dremanu

Respostas: 5
Visualizações: 3359
Última mensagem Abril 27, 2004, 11:28:13 am
por ferrol
Rede Logística Nacional / Portugal "Logístico"

Iniciado por Marauder

Respostas: 0
Visualizações: 1762
Última mensagem Julho 15, 2006, 09:20:16 am
por Marauder
Portugal pode cair na dependência assistida como Sul Itália

Iniciado por Marauder

Respostas: 8
Visualizações: 2900
Última mensagem Maio 09, 2006, 11:55:00 pm
por NVF
El Corte Ingles abre o segundo centro comercial em Portugal

Iniciado por Nadie

Respostas: 4
Visualizações: 3665
Última mensagem Maio 24, 2006, 06:05:52 pm
por Marauder