Sector do Turismo e Hotelaria

  • 206 Respostas
  • 53361 Visualizações
*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #60 em: Outubro 12, 2008, 05:15:14 pm »
Citação de: "triton"
O nosso País é muito bonito, qualquer pessoa que visite a Madeira fica maravilhado com as paisagens bonitas. alguem já foi ás Levadas?


Eu já ...  :lol:  :D

 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #61 em: Outubro 18, 2008, 10:43:48 am »
O fim dos «galheteiros de plástico» vai «valorizar o azeite»

Citar
O ministro da Agricultura, Jaime Silva, assegura que o «desafio» lançado aos restaurantes para substituírem as garrafas invioláveis por cartas de azeites pretende valorizar o azeite nacional, em vez da indústria do vidro, informa a agência Lusa.

«Não estamos aqui para valorizar a indústria do vidro», mas sim «para valorizar o azeite e a agricultura portuguesa», disse o ministro aos jornalistas, em Ourique (Beja), à margem da abertura do I Congresso Ibérico do Porco Alentejano.

Jaime Silva afirmou que «não há nenhuma decisão» sobre o fim dos galheteiros com garrafas invioláveis e que apenas desafiou a Associação da Restauração e Similares de Portugal (ARESP) para os substituir por cartas de azeites.

«Apenas lancei um desafio à ARESP para promover os azeites nacionais», frisou, explicando que pretende que os restaurantes coloquem «nas cartas ou nos menus que o azeite com que cozinham e que põem num galheteiro em frente ao consumidor é o azeite 'x', de preferência nacional e de denominação de origem». Se os restaurantes adoptarem esta prática «acabou a história da obrigação de ter garrafas invioláveis».

A proposta do ministro à ARESP foi criticada pela Casa do Azeite, Associação do Azeite de Portugal, que «estranhou» as declarações de Jaime Silva e considerou tratar-se de «um retrocesso completo». «Eu é que acho estranha a reacção da Casa do Azeite porque quando vou a um restaurante gostaria de ter a certeza de que o azeite que estou a consumir é português e, sobretudo, de altíssima qualidade», respondeu Jaime Silva.

ARESP congratula-se

O secretário-geral da ARESP congratulou-se com o anunciado fim dos «galheteiros de plástico» nas mesas dos restaurantes, considerando que este sistema não dava garantias e gerou «especulação».

José Manuel Esteves, secretário-geral a Associação de Restauração e Similares de Portugal (ARESP), elogiou a posição assumida pelo ministro da Agricultura. Repudiando as declarações da Casa dos Azeites, o responsável da ARESP afirmou que essa medida apenas servia os embaladores do produto.

Assegurando que a Autoridade para a Segurança Alimentar e Económica (ASAE) já detectou três casos de adulteração em linhas de embalagem, José Esteves afirmou que «a confiança dos consumidores não pode ser abalada pelos embaladores».


http://diario.iol.pt/sociedade/azeite-j ... -4071.html

Quanto à informação de origem e ingredientes, penso que é uma ideia bem jeitosa. Algo semelhante é feito em supermercados no Reino Unido, em que também se vendem azeites aromatizados e os ingredientes encontram-se discriminados como no vinho.
Em Portugal, há restaurantes portugueses que já colocam diferentes azeites (em detrimento da manteiga) como entrada.

Algo fora d tópico e para mostrar não sai só droga, embora tb seja algo muito viciante:
http://www.modaesocial.iol.pt/noticia.p ... iv_id=2455
"Ask DNA"
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #62 em: Novembro 06, 2008, 05:23:53 pm »
Lisboa investe mais de um milhão de euros em programa para Brasil e Espanha

O Turismo de Lisboa vai investir mais de um milhão de euros em dois programas especiais de promoção a começar este ano cujo objectivo é aumentar o número de dormidas de brasileiros e espanhóis na cidade.

"É importante agir desde já e tentar recuperar algum do tráfego que temos perdido no contexto de crise económica internacional que atravessamos", disse hoje o presidente adjunto do Turismo de Lisboa Mário Machado, durante a apresentação dos programas.

Lisboa registou uma quebra na ocupação durante o primeiro semestre de 2008 e uma melhoria em Setembro, que no entanto ficou aquém dos números de Setembro de 2007, referiu o responsável.

Para o programa de promoção no Brasil foram destinados 570 mil euros e Mário Machado disse ter como objectivo "inaugurar uma promoção continuada neste mercado", e atingir em 2009 cerca de 400 mil dormidas de turistas brasileiros na Área Metropolitana de Lisboa.

Com o Apoio da TAP, o Turismo de Lisboa irá promover, já a partir de dia 20, uma campanha de publicidade e marketing na Internet e "roadshows" em oito cidades, como Rio de Janeiro e São Paulo.

O programa culmina com uma Participação na ABAV - Feira das Américas.

Durante a campanha, Lisboa será apresentada ao mercado brasileiro como "cidade moderna e cosmopolita, tentado romper com arquétipos", disse Mário Machado.

"Queremos mostrar que Lisboa tem a modernidade que há noutras cidades da Europa, que é uma alternativa a Londres ou Paris", afirmou Mário Machado.

De acordo com dados do Turismo de Lisboa, os turistas brasileiros gastam em média 190 por dia quando estão na cidade, um valor superior ao dispendido por turistas de outras nacionalidades

Para o programa de promoção de Lisboa no mercado espanhol, "que necessita de um reforço para evitar quebras futuras", foram mobilizados 540 mil euros.

"No primeiro semestre de 2008 registou-se uma quebra de 4,3 por cento nas dormidas de turistas espanhóis, número que em Julho e Agosto atingiu os dois dígitos", disse o presidente adjunto do Turismo de Lisboa.

Em 2009, com um programa que tem como primeira prioridade as regiões que fazem fronteira com Portugal e como segunda as que têm voos directos, o Turismo de Lisboa pretende atingir cerca de 880 mil dormidas de turistas espanhóis.

Em Espanha a aposta passa pela realização de uma campanha de publicidade em jornais regionais.

Os dois programas são financiados com verbas provenientes do Casino de Lisboa.

Lusa

 

*

Jose M.

  • Analista
  • ***
  • 622
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #63 em: Novembro 07, 2008, 06:49:07 pm »
Este fin de semana se celebra la fiesta de la castaña en Marvao. Espero que no vayais, así tendré sitio en mi restaurante preferido.

http://www.cm-marvao.pt/noticias/noticiasdet.asp?news=231
 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #64 em: Dezembro 09, 2008, 09:22:50 pm »
Hotelaria: Preço médio dos quartos em Portugal caiu cinco por cento

Citar
Lisboa, 09 Dez (Lusa) - Os preços médios dos quartos de hotel em Portugal caíram para 108 euros no terceiro trimestre de 2008, queda de cinco por cento quando comparado com o mesmo período de 2007, segundo o estudo Hotel Price Index, hoje divulgado.

Enquanto Albufeira é a cidade mais cara, Lisboa teve uma queda de três por cento nos preços médios por quarto de hotel custando, em média, 100 euros comparativamente com os 103 euros do mesmo período de 2007.

"Portugal acompanha a tendência de quebra registada no resto da Europa e do mundo tendo, ainda assim, uma quebra relativamente baixa, no contexto dos países europeus", refere o Hotel Price Index, que se baseia nos preços pagos pelo clientes que fizeram reservas através da página Hotels.com na Internet.

Londres viu os preços cair em 13 por cento para 136 euros por quarto, Paris também caiu oito por cento para 138 euros.

Capitais europeias como Edimburgo ou Reiquiavique foram as que mais sofreram com uma diminuição nos preços na ordem dos 20 porcento

Em Portugal, na comparação entre os terceiros trimestres de 2007 e 2008, Tavira foi a cidade que apresentou a maior queda nos preços (menos 16 por cento) para 89 euros.

Com uma queda de cinco por cento, Albufeira continua a ser a cidade mais cara com os preços médios de alojamento em hotéis de 121 euros.

IZM

Lusa/fim

 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #65 em: Dezembro 09, 2008, 09:25:49 pm »
Douro/Turismo: Região está a "trabalhar muito" para se afirmar como destino de excelência - Organização Mundial do Turismo



Citar
Porto, 09 Dez (Lusa) - O secretário-geral da Organização Mundial do Turismo (OMT), Francisco Frangialli, destacou hoje as potencialidades turísticas do Vale do Douro, salientando que a região está a "trabalhar muito" para se afirmar como destino de excelência.

"O Douro ainda não tem a importância de outros destinos mais conhecidos, mesmo em Portugal, mas está a trabalhar muito e a investir para se colocar num nível elevado de qualidade", afirmou Francisco Frangialli, em declarações aos jornalistas no Porto.

O secretário-geral da OMT falava à margem da cerimónia de apresentação de um relatório de avaliação do Vale do Douro, realizado pelo Centro Mundial de Excelência dos Destinos, aprovado pela Organização Mundial do Turismo.

Neste estudo, a região do Douro recebeu a classificação de excelência em sete das 14 categorias analisadas.

Na cerimónia, o secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, considerou que esta avaliação "é seguramente um marco de afirmação da região".

"A circunstância de termos pedido à OMT para fazer esta certificação é claramente um novo posicionamento de Portugal para enfrentar os próximos anos, o que passa por valorizar as novas centralidades turísticas em Portugal", afirmou.

Nesse sentido, recordou que "o governo reconheceu o Douro como uma nova centralidade turística de Portugal" e que, nos últimos três anos, já foram canalizados para a região norte 85 milhões de euros em incentivos ao investimento, dos quais 11 milhões especificamente para o Douro.

Segundo o secretário de Estado, a região do Douro registou nos primeiros nove meses deste ano um crescimento de 7,2 por cento nos turistas estrangeiros que a visitaram, relativamente a igual período do ano passado.

Para Bernardo Trindade, o papel desempenhado pelo Aeroporto Sá Carneiro no crescimento dos turistas que visitam o Douro é de vital importância.

"O Aeroporto Sá Carneiro é uma infra-estrutura reconhecida internacionalmente, que tem permitido que o Douro se possa desenvolver e crescer em termos turísticos", afirmou.

As potencialidades do Vale do Douro foram também destacadas por Carlos Lage, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte (CCDRN), para quem "o Douro é um espaço turístico com todos os ingredientes para ser um grande destino turístico, para se afirmar à escala internacional".

FR.

Lusa/fim

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #66 em: Dezembro 23, 2008, 04:52:10 pm »
Apesar da crise, 2008 foi um bom ano para o turismo da Madeira

O sector do turismo da Madeira, apesar da crise financeira global, teve um ano "extremamente positivo e não sofreu ainda consequência negativa", diz a secretária regional do Turismo madeirense.
"Neste momento, o sector do turismo não sofreu ainda nenhuma consequência negativa, até datas estatisticamente apuradas, porque temos crescimento global perto dos 6 por cento, uma boa taxa de ocupação, crescimento ao nível dos proveitos e dos rendimentos por quarto em relação ao ano anterior", disse à Agência Lusa Conceição Estudante.

A governante insular sustenta que 2008 foi "um ano extremamente positivo para a Madeira", lamentando que as actuais dificuldades económicas a nível mundial surjam quando a Madeira "estava no início de uma nova onda de crescimento".

"Claro que crise vai atingir-nos e o nosso objectivo é tanto quanto possível amenizar os seus efeitos e tornar menos fortes os impactos que eventualmente possam chegar".

Para Conceição Estudante esta "crise vem no pior momento".

Quanto à ocupação hoteleira no arquipélago nesta altura do ano, garante que "o Natal está dentro padrões normais para a época, acima 50 por cento, e o Fim-de-Ano, de acordo com a última sondagem é de 85 por cento", adiantando ser "legitimo ter expectativa de crescimento, visto que nos tempos actuais há as decisões de última hora".

Instada a confirmar eventuais cancelamentos de viagens por causa da actual conjuntura económica, considerou ser "natural que existam alguns", destacando existirem "também novas reservas".

"Desde que se mantenham nestes níveis, atendendo à situação actual, acima dos 85 por cento, a taxa de ocupação é muito boa", declarou.

A responsável pelo turismo insular não quis arriscar numa "antecipação para 2009", sustentando que "será seguramente um ano difícil, porque há menos companhias a voar, menos voos a serem programados".

"Temos de acompanhar a situação dia-a-dia, mês a mês, porque não há capacidade de grandes previsões, mas não será seguramente ano igual a 2008", realçou.

Confirma que a Madeira vai continuar a apostar no mercado interno para "colmatar situações internacionais menos estáveis", um esforço que começou a ser desenvolvido este ano "aproveitando o que aconteceu no mercado em matéria da transportes, designadamente as campanhas internacionais da TAP e Sata, a entrada da EasyJet no mercado, o que alterarou a forma de fazer férias na Madeira a partir do continente, além do investimento na novela da TVI, um veiculo de promoção excelente".

Argumenta que "não há nada de concreto" quanto à entrada de novas companhias na linha aérea para a Madeira, opinando que "surgirão no futuro, visto que o cenário desenhado para surgimento de novas companhias e alargamento do mercado não tinha nada a ver com o actual momento".

"É preciso dar tempo ao tempo para que os ajustamentos se façam e progressões se concretizem embora em tempos diferentes", explica.

Sobre novos mercados, Conceição Estudante destaca o trabalho desenvolvido em diversos destinos, casos dos Estados Unidos da América, onde "começa a aparecer números superiores a anos anteriores" e os alguns países do leste europeu, casos da Polónia, Rússia, República Checa e Hungria, que "dão sinais de crescimento".

"Não podemos alargar espectro de mercados ao mundo inteiro, temos de nos localizar e ver quais distancias adequadas para nossas intervenções, pois se conseguirmos desenvolver estas operações Europa de Leste, acompanhando a continuidade com mercados tradicionais temos algum conforto no desenvolvimento sustentado do turismo da Madeira", aponta.

Para 2009, Conceição Estudante faz votos que as pessoas "tenham a serenidade, o bom senso e mantenham a lucidez na procura da resolução dos problemas".

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #67 em: Dezembro 23, 2008, 07:24:41 pm »
Receitas do turismo aumentaram 2,9% de Janeiro a Outubro

As receitas do turismo aumentaram 2,9 por cento de Janeiro a Outubro face ao mesmo período de 2007, totalizando cerca de 6,6 mil milhões de euros, segundo dados do Banco de Portugal (BdP) hoje divulgados.
De acordo com o boletim estatístico de Dezembro, o dinheiro deixado por turistas estrangeiros em Portugal ascendeu a cerca 6,6 mil milhões de euros, contra os 6,4 mil milhões de euros registados entre Janeiro e Outubro de 2007.

Por outro lado, a despesa dos portugueses no estrangeiro aumentou 4,3 por cento nos primeiros dez meses deste ano face a 2007, ascendendo a 2,5 mil milhões de euros.

O saldo das transacções relativas à prestação de serviços de viagens e turismo no mesmo período foi de 2 por cento face a 2007.

Em declarações à Agência Lusa, o secretário de Estado do Turismo, Bernardo Trindade, afirmou que os dados do Banco de Portugal demonstram que “o sector do turismo é dos que melhor resiste à crise” económica.

“Mesmo tendo em conta uma visão pessimista, que prevê quebras de cinco ou seis por cento em Novembro e Dezembro, continuamos a reflectir um crescimento de receitas face a 2007, ano em que, pela primeira vez, ultrapassamos os 7,3 mil milhões de euros”, sustentou.

Bernardo Trindade sublinhou ainda o facto das receitas do turismo em Espanha terem caído 2,5 por cento no mesmo período.

De acordo com o secretário de Estado do Turismo, desde final de 2004, as receitas do sector aumentaram 19,3 por cento, as dormidas 16,4 por cento e as entradas de turistas 15,8 por cento.

O ano de 2009 será “muito difícil” e exigirá “um trabalho cada vez mais concertado entre entidades públicas e privadas”, sustentou Bernardo Trindade, apontando, a título de exemplo, a ANA - Aeroportos de Portugal e a companhia aérea TAP como “parceiras fundamentais”.

"Num ambiente de incerteza, é fundamental desenvolver uma acção concertada e pró-activa", defendeu, apontando a Rússia, a Polónia, a Finlândia e o Brasil como os mercados prioritários para 2009.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #68 em: Fevereiro 21, 2009, 01:50:41 pm »
Herdade alentejana vai ser transformada em complexo turístico de luxo


Uma herdade com 447 hectares, situada no concelho de Portalegre, vai ser transformada num complexo turístico de luxo, num investimento de 200 milhões de euros, revelou hoje à agência Lusa um dos promotores do projecto.

O Plano Pormenor do projecto de Potencial Interesse Nacional (PIN), que vai surgir na Herdade da Abrunheira, situada a poucos quilómetros de Portalegre, já foi entregue no município local. ´

«Agora, o projecto está pendente da apreciação de várias entidades», explicou Sérgio Umbelino, representante da Serlimagest, uma das empresas parceiras do projecto encabeçado pelo Grupo Pestana.

Depois do processo burocrático ser ultrapassado, o empresário espera poder arrancar com o empreendimento, que considera «aliciante», ainda no decorrer deste ano.

O projecto prevê a edificação de dez aldeamentos turísticos, hotel resort com SPA e sala de reuniões, dois clusters de apartamentos, um campo de golfe com 18 buracos, clube de golfe e driving rage, um clube equestre e um clube náutico.

Um pavilhão para eventos e multiusos, três a quatro restaurantes, uma loja de produtos tradicionais, um quiosque, um heliponto, uma loja de conveniência, um centro agrícola e um conjunto de percursos pedonais e equestres são outras das componentes do empreendimento.

Com um total máximo de 1.222 unidades de alojamento e 4.458 camas, o empreendimento que irá surgir na herdade alentejana poderá estar totalmente concluído dentro de «sete anos».

«A aposta forte passa pelo mercado interno, porque o Alentejo, hoje em dia, é uma marca de qualidade», garantiu.

No entanto, salientou «também o golfe e a caça são modalidades que agradam, principalmente, aos ingleses e aí está também a aposta no mercado externo», adiantou.

De acordo com Sérgio Umbelino, os aldeamentos turísticos, que vão ocupar um terço da área total da herdade, representam uma das maiores apostas deste projecto turístico.

«As pessoas poderão adquirir e habitar casas nos aldeamentos e usufruir dos equipamentos que vão surgir na herdade», explicou.

O empresário assegurou que, no decorrer da venda de imóveis nos diversos aldeamentos, vão ser praticados preços «competitivos».

O responsável pela empresa Serlimagest explicou ainda que cada aldeamento poderá vir a albergar entre 450 a 500 pessoas.

O levantamento etnográfico e arqueológico da herdade, bem como o seu diagnóstico ambiental, de forma a preservar as charcas, montados e linhas de água existentes no local, já foi efectuado.

O plano hídrico, o plano de resíduos e o plano energético, de forma a respeitar todas as regras existentes nesta área, também estão nesta fase do projecto já estabelecidos.

Lusa

 

*

comanche

  • Investigador
  • *****
  • 1799
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #69 em: Março 04, 2009, 09:48:11 pm »
Turismo: Portugal é o 17ª destino mais competitivo do mundo

Citar
Lisboa, 04 Mar (Lusa) - Portugal é um dos 20 destinos turísticos mais competitivos do mundo, uma distinção que recebe pelo segundo ano consecutivo, de acordo com o relatório "Competitividade do Turismo e Viagens 2009", divulgado hoje pelo Foro Económico Mundial.

O relatório coloca Portugal na 17ª posição da lista dos 20 destinos mundiais mais competitivos, sendo os primeiros lugares ocupados pela Suíça, Áustria, Alemanha e França.

Portugal está também na contagem dos 20 destinos turísticos mais procurados do mundo, ocupando a 18ª posição nesta contagem.

Portugal foi distinguido pela hospitalidade, número de monumentos classificados como Património Mundial, realização de feiras e eventos internacionais e ainda pela oferta de estádios desportivos.

As comunicações rodoviárias, a cobertura de rede móvel e a facilidade na contratação de mão-de-obra estrangeira foram também elementos favoráveis a Portugal.

Foram analisados 133 países de todo o mundo, de acordo com 14 critérios de competitividade entre eles o ambiente político, capital humano, infra-estruturas e recursos naturais e culturais.

NZD.

Lusa/fim.

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #70 em: Março 14, 2009, 05:43:39 pm »
Gaia tenta captar investimento russo para o turismo


Uma delegação da Câmara de Gaia parte domingo para Moscovo, na tentativa de captar investimento russo para o concelho, nomeadamente nas áreas do turismo e indústria, anunciou hoje a autarquia.

O projecto da encosta do Douro (Quintas do Douro), para empreendimentos turísticos, hoteleiros e campos de golfe, é um dos empreendimentos que poderá receber investimento de empresários russos, referiu a fonte.

O vice-presidente da autarquia, Marco António Costa, que chefia a delegação, disse à agência Lusa que «alguns empresários russos estão disponíveis para participar no capital de empresas portuguesas».

«Levo Vila Nova de Gaia para vender em termos promocionais, como é meu dever. Estão identificados alguns interesses, que não posso estar a revelar», referiu, destacando o «alto nível» das personalidades que irão receber a comitiva.

Marco António, que será acompanhado pelo líder da oposição, Barbosa Ribeiro, e pelo cônsul da Rússia no Porto, Couto dos Santos, será recebido pelo vice-presidente da Câmara de Comércio e Indústria da Federação Russa e por responsáveis dos governos federal e regional de Moscovo.

A deslocação servirá também para preparar uma visita do presidente da Câmara de Gaia, Luís Filipe Menezes, e de empresários portugueses à Rússia «na segunda quinzena de Maio ou primeira de Junho».

Paralelamente, chegaram hoje a Gaia três jornalistas russos, para fazer reportagens em vários locais de turismo, desporto e indústria do concelho.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #71 em: Março 17, 2009, 07:53:37 pm »
Algarve: Ocupação hoteleira em Fevereiro foi a menor em 14 anos


A taxa de ocupação hoteleira no Algarve em Fevereiro foi a mais baixa desde 1995, ano no qual este mês também apresentou fortes quedas no turismo, diz a principal associação do sector da região.

Os dados da Associação de Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve (AHETA) apontam para descidas na ordem dos 20 por cento, quer na taxa de ocupação média por quarto, quer por cama, em comparação a 2008.

A taxa de ocupação por quarto foi de 36,5 por cento e por cama de 26,6 por cento, diz a AHETA em comunicado, sublinhando que, em valores acumulados, houve uma descida média de 13,5 por cento na ocupação hoteleira desde Novembro.

Por zonas geográficas, as maiores descidas nas taxas de ocupação por quarto ocorreram na área de Vilamoura, Quarteira e Quinta do Lago (menos 33 por cento) e em Albufeira (menos 25 por cento).

Apenas a zona de Faro e Olhão registou uma subida, ainda que ligeira (mais 3,6 por cento), sendo a zona de Monte Gordo e Vila Real de Santo António (VRSA) aquela que registou a taxa de ocupação mais elevada, com 82 por cento.

A mais baixa ocorreu na zona de Lagos e Sagres, com 26,4 por cento, acrescenta a AHETA, sublinhando que, por categorias, as principais descidas se verificaram nos hotéis e aparthotéis de 5 estrelas (menos 29,8 por cento).

Os hotéis e aparthotéis de 2 estrelas foram os únicos a registar uma subida (mais 8,2 por cento), sendo os de 4 estrelas os que registaram a taxa de ocupação mais baixa, com 35 por cento, e os de 3 estrelas os que registaram a mais alta, com 52.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +15/-0
(sem assunto)
« Responder #72 em: Março 20, 2009, 07:45:40 pm »
Madeira promove turismo em Moscovo, Paris e Gotemburgo


Em tempo de crise, a Madeira aposta forte na promoção turística em mercados internacionais e participa em simultâneo em eventos do sector em Moscovo, Paris e Suécia.

O destino turístico Madeira está assim a ser divulgado até sábado em Moscovo, na quarta edição da ITM - Intourmarket, integrada no módulo do Turismo de Portugal.

A Rússia ocupa o terceiro lugar na lista dos mercados emissores de turismo para esta região oriundos da Europa Central e de Leste, logo depois da Polónia e da República Checa.

França é outra aposta, pelo que a Madeira marca presença, na capital deste país, na 36ª edição do MAP - Le Monde à Paris, um evento considerado dos mais mediáticos do sector naquele país e que decorre até domingo.

Esta é uma acção conjunta de divulgação da secretaria regional do Turismo e Transportes do arquipélago madeirense e da Associação de Promoção da Madeira.

A França posiciona-se em quarto lugar como mercado gerador de turistas para a Madeira, depois do Reino Unido, Portugal e Alemanha.

Até domingo a Madeira é ainda promovida na Suécia, na Feira de Turismo TUR, que decorre em Gotemburgo.

O mercado sueco está em décima posição na emissão de visitantes para esta região autónoma, sendo o segundo entre os países escandinavos, depois da Finlândia.

Lusa

 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #73 em: Março 21, 2009, 06:01:22 pm »
Turismo: primeiro projecto PIN do Alentejo abre portas

Citar
O primeiro projecto de Potencial Interesse Nacional (PIN) do Alentejo, o Vila Sol Évora, vai abrir portas ainda este ano, sem temer os efeitos da crise económica, num investimento global de 100 milhões de euros.

O presidente da Imoatlântico, empresa responsável pela comercialização da marca Vila Sol, explicou à agência Lusa que o complexo turístico será composto por um hotel, uma unidade de turismo residencial, um campo de golfe de 18 buracos e uma barragem.

De acordo com Mário Quina, o Vila Sol Évora, Conventual Vineyard & Golf Resort, situado na Herdade da Palheta, no concelho de Redondo (Évora), ocupa uma área total de 300 hectares, dos quais 26 são de vinha.

Já em fase adiantada de construção, o futuro hotel de cinco estrelas, instalado numa antiga casa senhorial, vai contar com 73 quartos, sendo posteriormente explorado pela cadeia hoteleira Marriot.

Atentos ao mercados espanhol, inglês e irlandês

A componente imobiliária, segundo Mário Quina, «é composta por lotes para construção de moradias, todas com jardim» e com vista sobre a barragem.

Indicando que os compradores são «essencialmente portugueses», Mário Quina revelou que os lotes «estão praticamente todos reservados», uma situação que poderá levar a empresa a «avançar já com a segunda fase de comercialização».

«A crise que estamos a viver, um pouco por todo o mundo, passa por questões ligadas à banca e ao financiamento», observou o responsável, explicando que a empresa teve de recorrer à «imaginação» para «arranjar produtos e soluções para quem quiser vir comprar consiga financiamento».

Além do mercado português, segundo o responsável, a grande aposta passa pelos mercados espanhol, inglês e irlandês, assim como «o turista do norte da Europa, que também procura muito esta zona» do Alentejo.


http://diario.iol.pt/economia/turismo-p ... -4058.html
"Ask DNA"
 

*

Chicken_Bone

  • 488
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #74 em: Abril 05, 2009, 06:13:31 pm »
Aldeias Históricas de Portugal na net

Citar
A história, o património, alojamentos e restauração, entre outras informações úteis das 12 aldeias que integram o programa das Aldeias Históricas de Portugal, estão disponíveis em «www.aldeiashistoricasdeportugal.com», segundo informações da Lusa.

O Programa de Aldeias Históricas de Portugal foi criado no âmbito do II Quadro Comunitário de Apoio (1994-1999) e aprofundado durante o quadro seguinte (2000-2006), tendo sido restauradas as 12 aldeias na Beira Interior.

A autarquia da Mêda foi a promotora do site, cuja gestão ficará entregue à Associação de Desenvolvimento Turístico das Aldeias Históricas de Portugal, contituída em 2007.

Fazem parte do programa e da associação Almeida, Belmonte, Castelo Novo, Castelo Mendo, Castelo Rodrigo, Idanha-a-Velha, Linhares da Beira, Marialva, Monsanto, Piódão, Sortelha e Trancoso.

Segundo o site, as intervenções concretizadas nas 12 aldeias e apoiadas pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) ascenderam os 44 milhões de euros.

O número de visitantes nas Aldeias Históricas aumentou de 234 mil no ano de 2005 para 355 mil visitantes em 2008, cabendo aos visitantes estrangeiros a fatia de cerca de 25 por cento das visitas.

Entretanto, as obras da futura sede da Associação das Aldeias Históricas - actualmente no edifício do Arquivo Municipal de Figueira de Castelo Rodrigo - estão já concluídas na antiga escola primária de Castelo Rodrigo.

A Associação de Desenvolvimento Turístico das Aldeias Históricas de Portugal é presidida pelo Município de Arganil.

Entretanto, no âmbito da candidatura ao PROVERE - Programa de Valorização Económica de Recursos Endógenos, foi apresentado pela Associação o programa de acção «Aldeias Históricas e Judaísmo, Heranças Culturais Beira Interior», que aguarda aprovação.


http://diario.iol.pt/tecnologia/aldeias ... -4069.html
"Ask DNA"
 

 

Sector público nacional melhorou nos anos 90

Iniciado por Tiger22

Respostas: 0
Visualizações: 1595
Última mensagem Fevereiro 06, 2004, 02:12:50 am
por Tiger22
Sector da Saude - Hospitais, etc..

Iniciado por Marauder

Respostas: 131
Visualizações: 25341
Última mensagem Abril 09, 2019, 05:37:51 pm
por Lusitano89
Sector da Agricultura e pecuária

Iniciado por Marauder

Respostas: 12
Visualizações: 4538
Última mensagem Dezembro 25, 2006, 06:54:01 pm
por Luso
Sector da Imprensa Escrita

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 0
Visualizações: 1632
Última mensagem Agosto 31, 2006, 01:04:22 am
por TOMKAT
Sector Aeroportuario/Aeronautica

Iniciado por Malagueta

Respostas: 205
Visualizações: 37104
Última mensagem Agosto 15, 2019, 03:57:47 pm
por Lusitaniae