INSTREX 01-04

  • 3 Respostas
  • 2678 Visualizações
*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
INSTREX 01-04
« em: Abril 06, 2004, 10:05:10 pm »
INSTREX 01-04
--------------------------------------------------------------------------------

DN, 04.04.2004

Um 'ataque' terrorista às portas de Lisboa
EDUARDO MASCARENHAS

A pacatez e rotina de uma manhã lisboeta, com o brilho do Sol sobre as águas do rio, foi quebrada no início desta semana pelo «ataque» de duas lanchas a uma força naval portuguesa, que descia o estuário do Tejo sob o comando da fragata Vasco da Gama.

Não foi uma acção totalmente inesperada. Sabia-se que haviam sido roubados recentemente dois navios daquele tipo de uma marina na zona de Cascais e que de uma das maiores pedreiras do País, como a do Parque Natural da Arrábida, havia «voado», também, uma quantidade apreciável de explosivos. Atentos, os serviços de informações alertaram a Autoridade Marítima para a possibilidade de um ataque terrorista («ameaça assimétrica», nome técnico) e o nível de segurança fora já reforçado.

Nos dias anteriores, a atenção da segurança estivera centrada na força naval permanente da NATO para o Atlântico (Stanavforlant), que passou o fim-de-semana atracada em Lisboa. O navio americano daquela força, considerado como alvo potencial e portanto objecto de um risco mais elevado, permaneceu, contudo, na margem sul do Tejo. No início da manhã de segunda-feira, a saída da Stanavforlant decorreu com medidas de segurança adequadas, mas sem problemas. O mesmo já não sucedeu um pouco mais tarde, quando a força naval da Marinha portuguesa descia o estuário do Tejo para participar no exercício «Instrex 01-04» com o apoio da Stanavforlant.

A força naval comandada pela Vasco da Gama, que incluía à saída da Base do Alfeite as fragatas Hermenegildo Capelo e Sacadura Cabral, e o reabastecedor de esquadra Bérrio, desceu o Tejo numa manobra táctica destinada a proteger este último navio, considerado como o alvo potencial mais provável de um eventual ataque terrorista. Nas margens e ao longo do estuário do Tejo, onde a Polícia Marítima havia colocado restrições à navegação durante o trânsito desta força naval, fuzileiros exerciam acções de vigilância e alerta em botes semi-rígidos. No ar, um helicóptero fazia o mesmo. O pessoal estava armado e utilizava coletes antibala no exterior dos navios.

EXERCÍCIO A manobra de saída decorria, como habitualmente, com graus de segurança elevados. Os meios de informação e tecnológicos e humanos procediam também à já habitual identificação minuciosa das embarcações que circulavam no rio, quando, já perto da barra do Tejo (e no âmbito da encenação do exercício, que estava, agora sim, a iniciar-se), surge da zona dos silos da EPAC uma lancha que avança rapidamente em direcção à fragata Hermenegildo Capelo, que liderava o trânsito da força.

A lancha não respondeu aos pedidos de identificação e ignorou a ordem para se manter afastada da força naval. Foi «neutralizada» pelas armas dos militares quando se aproximava da força naval, atirando explosivos para os navios. Pouco depois, surgiu, em velocidade também rápida, uma outra lancha à ré dos navios. Foi dada ordem para disparar se ela se aproximasse a menos de 300 metros de um dos navios militares. A tripulação desta lancha mostrou-se mais audaz do que a da anterior, mas esta ameaça acabou contudo por ser também «neutralizada».

Mas a força naval era de facto um alvo... Mais tarde, ao princípio da tarde, já no mar e não muito longe do cabo Espichel, surge a informação de que do aeródromo de Tires tinha sido «roubada» uma avioneta com capacidade de lança- mento aéreo de fertilizantes. E que, simultaneamente, haviam «desaparecido» produtos químicos de uma das fábricas deste sector.

O grau de vigilância e alerta voltou imediatamente a subir. No centro de comando da Vasco da Gama, o tráfego aéreo passou a ser identificado cuidadosamente. Foram detectados voos comerciais e outros que suscitaram alguma suspeita. Quase inesperadamente, surge perante a força naval um pequeno avião. Em voo rasante sobre o mar e tripulado por um piloto hábil, o aparelho aproxima-se do navio britânico da Stanavforlant e «atira». O avião, apesar da perícia do piloto, foi «neutralizado» pelas armas da Vasco da Gama.

Estes dois «ataques» a que assistiu o DN, o de superfície, no rio, e o aéreo, junto ao cabo Espichel, foram simulados. Fizeram parte de uma das fases do exercício «Instrex 01-04», que decorreu durante toda a semana nas águas costeiras portuguesas, para testar e melhorar a prontidão operacional em todas as disciplinas da guerra no mar. Incluindo a do combate às «ameaças assimétricas», em que a Marinha portuguesa é pioneira na NATO.

No entanto, segundo constatou o DN, desenvolvem-se desde há vários meses, no Tejo, medidas de segurança e alerta semelhantes às relatadas sempre que ali navegam meios navais importantes.

________________

NATO vai adoptar doutrina portuguesa

Portugal é precursor na NATO no âmbito da criação de uma nova doutrina militar contra ameaças terroristas (ou «assimétricas, como se diz tecnicamente) em ambiente naval. Desenvolvido pela Marinha portuguesa, o conceito desta nova disciplina da guerra no mar foi apresentado à Aliança Atlântica há já cerca de dois anos. Está a ser testado com o apoio de outros países e deverá ser adoptado em breve pela NATO como doutrina (Stanag).
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Abril 07, 2004, 01:21:33 pm »
Este exercício fez-me recordar outro em que o reporter da Sic-Notícias dizia que a Fragata Corte Real estava nos mares do norte, quando repentinamente foi atacada por dois F-16 (!!!!).

Então, diligentemente o comandante dá ordem para que dois mísseis anti-aéreos fossem disparados.

No relatório, foi dito que um dos mísseis tinha atingido e abatido o avião.

E assim o exercício foi considerado um êxito.

Mas equeceram-se de um pormenor:

Se eram 2 aviões e só um foi atinido, e se fosse a sério, o que teria acontecido ao NRP Corte Real ? 8)
 

*

emarques

  • Especialista
  • ****
  • 1178
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Abril 07, 2004, 03:37:58 pm »
Depende de qual dos atacantes trazia armamento anti-navio. ;)
Ai que eco que há aqui!
Que eco é?
É o eco que há cá.
Há cá eco, é?!
Há cá eco, há.
 

*

Ricardo Nunes

  • Investigador
  • *****
  • 1262
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +1/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #3 em: Abril 09, 2004, 08:05:50 pm »
Notícias interessante! Obrigado.

PS
Isto agora até por as mensagens em dia vai demorar um pouco.... malditas férias... ;)
Ricardo Nunes
www.forum9gs.net