Organização da marinha: Unidades combatentes principais.

  • 36 Respostas
  • 9147 Visualizações
*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +12/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #30 em: Outubro 05, 2005, 10:34:15 pm »
Bom, ainda não consegui colocar a simulação a funcionar.

A terceira Perry, pode trazer alguma vantagem, mas não nos podemos esquecer de que também são alvos fáceis para os aviões espanhóis, que ainda por cima têm o apoio das fragatas F-100.

A nossa maior vantagem táctica, são os radares nos Açores, que funcionam para nós como os radares das  F-100 sem o sistema de combate, claro.

Há uma pequena faixa, de mar, em que nós detectamos os espanhóis antes de eles nos detectarem a nós. Se nessa "janela" for possivel posicionar aviões com o objectivo de provocar baixas, então haverá uma possibilidade de destruir algum dos navios espanhóis.

É importante também dizer, que o que pretendo é determinar qual o meio mais barato para potenciar a nossa capacidade de defesa.

O numero de pilotos é pequeno, e os aviões  caros de manter.
Um dos meus preferidos para este tipo de operação, é, como toda a gente sabe o SU-34. Que é um bombardeiro naval, baseado em terra. Parece ser uma aeronave feita a pensar nos Açores.

Cada um deve custar uns € 40.000.000. Mas eu tenho dúvidas que os Russos vendam as suas armas mais recentes a paises da NATO.

curiosidade:
Uma das coisas que quero tentar também, é que como não há cenários da América do Sul, transportei o Porta-Aviões São Paulo para os Açores, (noutro cenário) para testar a utilização do São Paulo contra o PdA.

Modernizei o São Paulo com
Canhões Trinity, Misseis AA e Anti-Navio conforme o padrão das Niteroi.
Coloquei um radar Grifo-X nos Skyhawk, e armei seis deles com um  Harpoon, e os restantes com misseis Gabriel.

Vou voltar á carga no fim de semana :mrgreen:

Cumprimentos
 

*

ferrol

  • Analista
  • ***
  • 717
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #31 em: Outubro 06, 2005, 08:08:29 am »
Citação de: "papatango"
A nossa maior vantagem táctica, são os radares nos Açores, que funcionam para nós como os radares das  F-100 sem o sistema de combate, claro.
Pois non entendo. Se funcionan como os radares das F-100, entón son radares antiaéreos, para vixia-lo tráfico aéreo sobre as illas, logo non sei como van detectar fragatas sobre o mar, porque son rápidas, pero, de momento, non voan.

Así, se falamos dos radares de Indra, os Lanza 3D, son radares aéreos, non navais, e de feito se usan en varios aeroportos na súa versión civil.

De feito, seguindo coa comparación co AEGIS, éste posúe un radar de busca en superficie, o SPS-55, ademáis do de busca aérea SPY-1D. Logo, salvo mellor opinión ou enlace en contra, opino que o Lanza 3D non detecta nin unha F-100, nin o USS Kitty Hawk.

Citação de: "papatango"
Um dos meus preferidos para este tipo de operação, é, como toda a gente sabe o SU-34. Que é um bombardeiro naval, baseado em terra. Parece ser uma aeronave feita a pensar nos Açores.
Entón, se non me engano mal, por un lado queremos aforrar custos, e por outro queremos mercar unha curta serie de birreactores rusos cunha loxística absolutamente distinta dos monoreactores americanos que xa temos en Portugal... curioso modo de aforrar.

¿E non sería mellor, se acaso, aproveita-la loxística e mercar unha plataforma compatible con misiles, repostos, combustibles, etc que xa temos?
Citação de: "papatango"
Modernizei o São Paulo com
Canhões Trinity, Misseis AA e Anti-Navio conforme o padrão das Niteroi.
Coloquei um radar Grifo-X nos Skyhawk, e armei seis deles com um  Harpoon, e os restantes com misseis Gabriel.
Logo entendo que o PdA transporta F-35, está defendido con RAM e ten o VLS do Kuznetsov, polo menos...
Tu régere Imperio fluctus, Hispane memento
"Acuérdate España que tú registe el Imperio de los mares”
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2200
  • Recebeu: 754 vez(es)
  • Enviou: 1793 vez(es)
  • +82/-2
(sem assunto)
« Responder #32 em: Outubro 07, 2005, 05:35:20 am »
Eh e nao esquecer a bomba gai
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 6634
  • Recebeu: 235 vez(es)
  • Enviou: 173 vez(es)
  • +32/-0
(sem assunto)
« Responder #33 em: Outubro 07, 2005, 03:02:07 pm »
"Bomba gai"??????? :lol:  :wink:

Cumprimentos
B. Pereira Marques
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2200
  • Recebeu: 754 vez(es)
  • Enviou: 1793 vez(es)
  • +82/-2
(sem assunto)
« Responder #34 em: Outubro 07, 2005, 05:40:33 pm »
Nao, a bomba gai e' selectiva, logo se equipassemos o nosso arsenal com ela so' o IN e' que ia ser atingido  :)
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

Spectral

  • Investigador
  • *****
  • 1439
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #35 em: Outubro 07, 2005, 06:25:40 pm »
I hope that you accept Nature as It is - absurd.

R.P. Feynman
 

*

alfsapt

  • Membro
  • *
  • 250
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #36 em: Outubro 07, 2005, 06:33:59 pm »
Citação de: "PereiraMarques"
"Bomba gai"??????? :lol:  :wink:

Cumprimentos
B. Pereira Marques


 :lol:  :lol:
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma."
Padre Antonio Vieira
 

 

Passos quer Marinha com nova "abertura ao mar"

Iniciado por zawevo

Respostas: 4
Visualizações: 2882
Última mensagem Maio 15, 2012, 09:42:43 am
por P44
Marinha entrega pela primeira vez comando de navio a mulher

Iniciado por Marauder

Respostas: 38
Visualizações: 10960
Última mensagem Maio 18, 2006, 09:03:15 am
por Pedro Monteiro
Fragatas e Corvetas Portuguesas a vela da Marinha 1815/1860

Iniciado por mkorobok

Respostas: 9
Visualizações: 3402
Última mensagem Julho 12, 2011, 12:13:30 pm
por mkorobok
Fará sentido comprar mais EH-101 para a marinha?

Iniciado por papatango

Respostas: 28
Visualizações: 9468
Última mensagem Setembro 12, 2005, 05:04:26 pm
por Rui Elias
Novo artigo sobre a Esquadrilha de Helicópteros da Marinha

Iniciado por Pedro Monteiro

Respostas: 0
Visualizações: 1616
Última mensagem Maio 06, 2009, 09:03:24 pm
por Pedro Monteiro