Brussels wins right to force EU countries to jail polluters

  • 9 Respostas
  • 2774 Visualizações
*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
Brussels wins right to force EU countries to jail polluters
« em: Setembro 16, 2005, 02:03:50 pm »
Leiam este artigo com atenção e façam uma análize do precedente que se está aqui a estabelecer.

Em Portugal não vi um só jornal que escreveu algo sobre este acontecimento.

===============================================

Brussels wins right to force EU countries to jail polluters

Nicholas Watt, European editor
Wednesday September 14, 2005
The Guardian


Brussels was given greater powers over the EU's 25 members yesterday, when the European court of justice declared that the union's rules can be enforced through criminal sanctions. In a move described by Britain as disappointing, the court upheld an attempt by the European commission to allow it to force EU countries to jail polluters.

José Manuel Barroso, the commission president, hailed the ruling, which could mean the right to impose criminal penalties in a series of other areas, including the internal market, intellectual property rights and data protection. "This court judgment breaks new ground, it strengthens democracy and efficiency in the EU," Mr Barroso said.

A British government spokesman said: "We are in favour of bringing forward minimum criminal sanctions for environmental polluters. But the objection was you shouldn't be using the European community to harmonise member states' criminal sanctions."

Eurosceptics said the ruling marked a loss of sovereignty. Liam Fox, the shadow foreign secretary, said: "Despite all Tony Blair's protestations, the UK is bit by bit losing control of our ability to make our own laws."

Timothy Kirkhope, the Tory leader in the European parliament, said: "The decision on whether or not to criminalise offences in Britain should be a matter for Britain, not for the EU. We all support penalties against environmental vandals, but this sets an alarming precedent."

The court delivered its ruling after a disagreement between the commission and the council of ministers over the punishment of polluters. Both sides agreed that polluters should face criminal penalties, but they disagreed on how these should be enforced: European ministers argued that under the "Third Pillar" of the Maastricht treaty, the matter should be left in the hands of governments who would have the power of veto.

The commission argued that it should be enforced through the "First Pillar", also known as the "Community Pillar". This waters down the power of member states by involving all three of the EU centres of power - the commission, the council of ministers, and the European parliament. Countries also lose their national veto. This view was endorsed by the Luxembourg-based court.

The ruling means the commission would have the right to tell EU countries to impose criminal penalties on polluters. This would be carried out in national courts, although the commission would like to extend its powers by recommending the level of punishment.

Michel Petite, head of the European commission's legal service, said: "I suppose that for a directive to be complied with, we might want to to say it has to be a criminal penalty, we may want to say it has at least to be at this level. That could be viewed as a necessary condition for the directive to be complied with properly. But that was not contemplated in the ruling."

British government sources indicated that the result of the court's ruling will be deadlock, with no criminal charges being brought against polluters at a European-wide level. EU countries originally voted in favour of the original plan to allow governments to decide the matter by 11 votes out of 15 in 2003.

"There was such a strong vote because of the principle that this should be decided by member states. That point of principle has not changed, so there will be deadlock," one source said.

But pro-Europeans welcomed the European court of justice's ruling. Chris Davies, the Liberal Democrat leader in the European Parliament, said: "Europe needs an umpire to ensure fair play between member states and to dismiss the cheats. The commission is the only body that comes close to fitting that role and this court ruling gives it more teeth with which to bite."
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #1 em: Setembro 16, 2005, 02:08:17 pm »
Acho muito bem.

Mas como muitas coisas, pode não passar de boas intenções, porque onde manda o dinheiro não manda a lei... veremos.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
(sem assunto)
« Responder #2 em: Setembro 16, 2005, 02:15:03 pm »
Citação de: "komet"
Acho muito bem.

Mas como muitas coisas, pode não passar de boas intenções, porque onde manda o dinheiro não manda a lei... veremos.


Komet, as regras podem ser boas, mas o facto que Bruxelas passa ter mais poder sobre os estados membros da EU, não é.

O parlamente Europeu está cada vez mais a centralizar o poder sobre si próprio, e isto só pode significar uma coisa, erosão do poder dos estados membros.

Isto, na minha opinião pessoal, não é bom para o nosso país, por várias razões.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #3 em: Setembro 16, 2005, 02:37:56 pm »
Sim, mas repare, os políticos cá em Portugal têm medo de levar açoitadas de Bruxelas, o mesmo não se passa em relação às nossas leis e justiça nacionais, esses são contornáveis.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

Dinivan

  • Membro
  • *
  • 198
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Setembro 16, 2005, 03:58:07 pm »
Este es un artículo también relacionado con la misma notícia que leí hace unos días

Citar
EU court ruling boosts commission's powers
13.09.2005 - 18:28 CET | By Honor Mahony EUOBSERVER / BRUSSELS - A landmark ruling by the EU's highest court has boosted the European Commission's powers by giving it the right to tell member states to impose criminal sanctions for offences against EU law.

Under the European Court of Justice's ruling on Tuesday (13 September), which was specific to environmental law, serious environment offences in the future may be deemed criminal offences.

However, the ruling is likely to have far wider implications.

"The court strengthens the possibilities to enforce the law, once member states have agreed on a European policy. This is a watershed decision", said commission president Jose Manuel Barroso reacting to the decision.

Commission legal expert Michel Petite said "the immediate effect of this [ruling] will be that it strengthens the effectiveness of community legislation, notably in the field of the environment".

He then added that the case raises a "point of principle" which may now "be applied in other areas of policy".

The other areas where the ruling's principle could be applied include the internal market, data protection, protection of intellectual property, counterfeiting and consumer policy.

The commission will not be able to dole punishments itself but Mr Petite admitted that for some breaches the EU executive "may want to say [punishment] has to be of a certain level".

An EU official said the decision was of "tremendous significance".

Member states over ruled
At the moment, national governments have no obligation to take breaches to EU environment law seriously - something which has deeply frustrated the commission, which prides itself on the high environmental standards it is trying to achieve for the bloc.

Now it will be able to make laws and have the clout to see that they are enforced.


The ruling has not been without a fight. Several member states, including Germany, France and the UK, opposed the commission in 2001 when it originally proposed that certain breaches of environment law be deemed criminal offences.

They felt the commission was overstepping the mark and straying into an area where it has no competence, but Tuesday's decision has overruled them.

Mindful of the hostile reaction likely in some member states, the commission insists that it does not want to create a community criminal code and says it shall only use such legislation for serious offences.

Alarming precedent
Reactions have been varied.

UK Liberal MEP Chris Davies said "This is very good news for Europe's environment and countries like Britain which have a good record in applying EU environment laws should be delighted".

However, Conservative MEP Timothy Kirkhope was critical of the precedent the decision is setting.

"It's a significant transfer of power to the commission, sanctioned by a court which tends towards the integrationist approach", he said.

"The decision on whether or not to criminalise offences in Britain should be a matter for Britain, not for the EU. We all support penalties against environmental vandals but this sets an alarming precedent", the member added.
EUobserver

Citar
Isto, na minha opinião pessoal, não é bom para o nosso país, por várias razões.


:roll: ¿Podría exponer esas razones?
 

*

alfsapt

  • Membro
  • *
  • 250
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Setembro 16, 2005, 05:02:31 pm »
Portugal corre o risco de algum dia vir a ser forçado a ser-se bem governado.
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma."
Padre Antonio Vieira
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #6 em: Setembro 16, 2005, 05:25:34 pm »
Exactamente alfaspt ...
"History is always written by who wins the war..."
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
(sem assunto)
« Responder #7 em: Setembro 16, 2005, 06:51:50 pm »
Citar
Podría exponer esas razones?


Claro...

- Portugal é(ou era, já não sei mais) um país soberano, livre, porque razão temos nós que engolir leís feitas por estrangeiros no nosso país.

- Leis ambientaís feitas a nível da EU até podem ter boas intenções, mas uma vez aplicadas a nossa realidade, podem produzir resultados negativos.

- O ambiente natural Português é diferente do ambiente natural da Alemanha, Itália, etc, portanto leis ambientaís aplicadas a Portugal, devem refletir a realidade Portuguesa, e não o que uma burocracia qualquer em Bruxelas, que é desligada da nossa realidade, nos diz como devem ser.

- Mesmo que as leís sejam boas, é melhor vetar o que vem da EU de forma a não criar precedentes, e depois debater e criar leís semelhantes em Portugal, se valer a pena, e dizer que são nossas. Cada vez que simplesmente se implementa seja o que for que vem da EU, cada vez mais se reduz a nossa soberania, e o próprio senso de responsabilidade dos nossos políticos locaís que deixam de assumir responsabilidade direta pelas leis que forçam/esperam que o resto dos Portuguêses cumpram.

- As regulações que vêm da EU muitas vezes são feitas por burocratas professionais que não fazem mais nada a não ser criar leis e regulamentos que justifiquem a sua existência. Assim, há que desconfiar, debater, analizar, TUDO, o que vêm da EU, e se possível, descartar a maioria. Só serve para criar mais e mais burocracia, e custar mais e mais dinheiro para cumprir com essa burocracia. Em Portugal já há, mas muita, burocracia a mais. Quanto menos melhor.

- E por último, o governo Português deve punir cidadãos Portuguêses porque encontrou razões para  punir cidadãos Portuguêses devido a leís portuguesas, e não porque a EU diz que o governo Português deve punir os seus cidadãos porque acha que eles não estão a cumprir com as diretrizes da EU. É absurdo que tal seja possível.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

dremanu

  • Investigador
  • *****
  • 1261
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +7/-12
(sem assunto)
« Responder #8 em: Setembro 16, 2005, 06:57:21 pm »
Citação de: "alfsapt"
Portugal corre o risco de algum dia vir a ser forçado a ser-se bem governado.


Não acho que seja bom pensar dessa forma. Só porque as leis são feitas a nível da EU não significa que automaticamente são boas. Com certeza tem muita gente idiota/incompetente a nível da EU, ou vocês acham que só porque lá trabalham já são uma especíe de super-homens ou super-mulheres.

Mais, um povo que se diz ser LIVRE, deve assumir responsabilidade pelo seu próprio futuro, e pelos assuntos que lhe interessam, e não delegar essa responsabilidade em terceiros.

Se queremos ser bem governados em Portugal, devemos esperar e exigir mais dos nossos políticos, e não ficar à espera das burocracias da EU para decidir por nós o que é e não é bom para o nosso país. Esse é o meu pensamento.
"Esta é a ditosa pátria minha amada."
 

*

Dinivan

  • Membro
  • *
  • 198
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Setembro 16, 2005, 07:32:33 pm »
Citar
- Portugal é(ou era, já não sei mais) um país soberano, livre, porque razão temos nós que engolir leís feitas por estrangeiros no nosso país.

Demasiado tarde, ahora les toca "engolir", pues más de la mitad de las nuevas leyes que se aplican en todos los países de la Unión Europea proceden de ella. Además no fué la UE la que les obligó entrar en la organización, fueron ustedes lo que lo escojieron, cediendo voluntariamente parte de su soberanía (en aquel entonces la UE era algo diferente, pero en el 86 estaba claro por donde iban a ir los tiros)

Citar
- Leis ambientaís feitas a nível da EU até podem ter boas intenções, mas uma vez aplicadas a nossa realidade, podem produzir resultados negativos.

- O ambiente natural Português é diferente do ambiente natural da Alemanha, Itália, etc, portanto leis ambientaís aplicadas a Portugal, devem refletir a realidade Portuguesa, e não o que uma burocracia qualquer em Bruxelas, que é desligada da nossa realidade, nos diz como devem ser.

Vaya, yo creía que el oxígeno en Francia era el mismo oxígeno que en España, que dos kg de basura en Suecia eran lo mismo que dos kg en Dinamarca... pero en fin, suponiendo que sea oxígeno diferente y basura diferente, ¿que hacen sus representantes en Bruselas? ¿tocarse el ombligo o exponer los problemas tal y como son en Portugal? si es lo primero, les recomiendo cambiar de políticos :wink: pero no nos eche la culpa al resto de europeos.

Citar
- Mesmo que as leís sejam boas, é melhor vetar o que vem da EU de forma a não criar precedentes, e depois debater e criar leís semelhantes em Portugal, se valer a pena, e dizer que são nossas. Cada vez que simplesmente se implementa seja o que for que vem da EU, cada vez mais se reduz a nossa soberania, e o próprio senso de responsabilidade dos nossos políticos locaís que deixam de assumir responsabilidade direta pelas leis que forçam/esperam que o resto dos Portuguêses cumpram.

Me pregunto para que votamos en las elecciones europeas. Es verdad que el PE no tiene muchas competencias, pero una de ellas es la de "co-legislar" con el consejo. Exceptuando que no legisla solo como lo haría un parlamento "normal", ¿qué diferencia hay con el Parlamento de Portugal o el de España o el de Bélgica...? no es un ataque a su soberanía, ustedes votan a sus representantes igual que lo hacen en el parlamento regional.

Citar
- As regulações que vêm da EU muitas vezes são feitas por burocratas professionais que não fazem mais nada a não ser criar leis e regulamentos que justifiquem a sua existência. Assim, há que desconfiar, debater, analizar, TUDO, o que vêm da EU, e se possível, descartar a maioria. Só serve para criar mais e mais burocracia, e custar mais e mais dinheiro para cumprir com essa burocracia. Em Portugal já há, mas muita, burocracia a mais. Quanto menos melhor.

Sinceramente, eso de la burocracia me parece más un mito inglés que otra cosa. Mucha gente lo repite, y cuando pido una prueba de que la burocracia de la UE es mayor de lo normal (normal respecto a países que tienen más de 450 millones de habitantes), nadie me las dá.

Citar
- E por último, o governo Português deve punir cidadãos Portuguêses porque encontrou razões para punir cidadãos Portuguêses devido a leís portuguesas, e não porque a EU diz que o governo Português deve punir os seus cidadãos porque acha que eles não estão a cumprir com as diretrizes da EU. É absurdo que tal seja possível.


Las leyes europeas son tan legítimas como las portuguesas. Dicho esto, ¿por qué no deberían hacerse cumplir? Lo que me parece absurdo es que la UE deba pedir a un estado que haga cumplir la ley, cuando desde un principio debería haberlo hecho.