Armas Ligeiras?

  • 83 Respostas
  • 22107 Visualizações
*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 847
  • Recebeu: 93 vez(es)
  • Enviou: 10 vez(es)
  • +9/-11
    • http://www.pedro-monteiro.com
(sem assunto)
« Responder #75 em: Maio 04, 2004, 06:45:37 pm »
Ricardo,
O artigo do Filipe Cortesão refere os testes realizados em Mafra, conforme foi noticiado na imprensa em 2003. Não se trata, portanto, de uma verdadeira avaliação, senão antes uma demonstração (desvantagens, nem se mostram  :wink:).
Um abraço,
Pedro Monteiro

Citação de: "Ricardo Nunes"
Citação de: "Rui Elias"
Alguem sabe se em definitivo as armas que irão substituir as velhas G-3 serão as G-36 ou serão outras?

O Exército já avaliou todas as candidatas ( entre as quais se encontravam as seguintes empresas: Colt (EUA), Diemaco (Canadá), FN (Bélgica), Tavor (Israel), HK (Alemanha), Steyr (Áustria) e Sar (Singapura) - fonte: militaryzone ) mas ainda não existe, por enquanto, nenhuma posição oficial sobre o assunto.

Desconheço o estado em que se encontra o concurso.
 

*

Ricardo Nunes

  • Investigador
  • *****
  • 1262
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • Enviou: 5 vez(es)
  • +1/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #76 em: Maio 04, 2004, 07:12:20 pm »
Obrigado pela correcção Pedro.  :wink:
Ricardo Nunes
www.forum9gs.net
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #77 em: Maio 05, 2004, 01:11:24 pm »
Já agora, as armas que o Exército emprestou à GNR para colocar em cima dos Ivecos que estão no Iraque não lhes parecem um pouco antiquadas?

Alguém sabe se existe concurso ou outra forma de aquisição de substitutas, ou acham que essas armas ainda dão conta do recado?
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #78 em: Maio 05, 2004, 02:01:55 pm »
Está a falar da MG3?
Se estiver, o design data de 1942 e resulta de uma necesidade de produzir uma metralhadora em grandes quantidades, algo que a MG34 não permitia.

Por mim, o design é confiável. Mas já o considero um pouco antiquado.
Prefiro a M240B porque é mais ergonómica, mais fácil de manter e não depende tanto de molas para ser segura.
Já agora, vi os blindados Panhard 4x4 armados com Browning M1919!
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #79 em: Maio 05, 2004, 02:31:35 pm »
Luso:

A Browning já começa a ser mais interessante.

É pena é que os Panhard sejam carros tão mixurucas. :oops:
 

*

JNSA

  • Analista
  • ***
  • 835
  • +1/-1
(sem assunto)
« Responder #80 em: Maio 05, 2004, 04:14:50 pm »
Citar
É pena é que os Panhard sejam carros tão mixurucas.


Rui, olhe que os M-11 não são nada maus.... Aliás, era difícil arranjar algo mais adequado ao ERec da BAI - é um blindado com grande mobilidade, anfíbio, aerotransportável, e que tem uma variedade de armamento bastante razoável...

Claro que uma combinação do Fennek com um Vextra 105mm não era nada mau  8)

Quanto às armas a nível de pelotão, acho que as orientações base para o equipamento a comprar deveriam ser:
- uma nova espingarda de assalto, de calibre 5,56mm - a G-36 ou a SIG 550 são as minhas preferidas
- uma metralhadora ligeira, para uma das equipas de fogo das secções, com calibre de 5,56mm - talvez a HK MG-43 (já agora, Luso, tem mais informações sobre a falta de fiabilidade dos carregadores da MG-36? )
- uma espingarda para um atirador perito, para a outra equipa de fogo das secções; deveria ter calibre 7,62mm (melhor para esta missão do que o 5,56mm) - a escolha lógica é transformar algumas G3 em G3SG/1
- uma metralhadora para "uso geral", calibre 7,62mm, a ser operada pela secção de apoio - aqui, tanto poderia ser a FN MAG, como a HK21E. Estou um pouco mais inclinado para esta última, pela possibilidade de usar os carregadores da G3, e ao mesmo tempo, facilitar a logística
- uma pistola 9mm (não me parece que o .45 traga muitas vantagens, tendo em conta a menor quantidade de balas que podem ser transportadas; há outros calibres interessantes, mas raros, o que dificulta a logística)  - as minhas preferidas são as SIG Sauer P226/P228 (são caras, mas a qualidade paga-se  :wink:  Entretanto, pelo menos comprem a substituta da G3 (e que seja a G36  :)  )
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #81 em: Maio 05, 2004, 05:13:46 pm »
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

Spectral

  • Investigador
  • *****
  • 1439
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #82 em: Maio 05, 2004, 07:48:10 pm »
Citar
uma espingarda para um atirador perito, para a outra equipa de fogo das secções; deveria ter calibre 7,62mm (melhor para esta missão do que o 5,56mm) - a escolha lógica é transformar algumas G3 em G3SG/1


O Luso ( que parece ser um perito nesta matéria  :wink: ). a bem da standartização.

Quanto ao resto da lista, estou de acordo, mas estruturaria de modo diferente as armas AT. Tanto o MBT LAW como o Spike SR ( capacidades semelhantes) são armas muito eficazes, mas de curto alcance e caras.
Prefiria atribuir à secção uma arma como o AT-4, não tão capaz ( embora a diferença só se note contra tanques) mas mais barata, e substituir todos os MILAN e TOW por Spike-MR ( e talvez alguns ER).

Nas tropas ligeiras como os Paras e os Fuzos atribuía 2 lançadores por companhia ( acho que é mais ou menos esta a média, contando com a companhia anti-carro que seria desmenbrada), e na BMI se possível 1 lançador por pelotão na secção de apoio ( mais alguns lançadores de Spike-ER montados em veículos como reserva de batalhão).

Pode parecer um pouco excessivo, mas se virmos bem é +- a média NATO ( os EUA ainda têm mais) e surpreendentemente, não anda longe dos números actuais...
Comments?

Cumptos
I hope that you accept Nature as It is - absurd.

R.P. Feynman
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7505
  • Recebeu: 384 vez(es)
  • Enviou: 119 vez(es)
  • +135/-194
(sem assunto)
« Responder #83 em: Maio 05, 2004, 09:06:15 pm »
"O Luso ( que parece ser um perito nesta matéria  ) sugeria há uns tempos para esta missão a escolha da espingarda normal mas com munições e miras melhores ( espero não estar a trocar nomes  ). a bem da standartização."

Obrigado, Spectral: é a primeira vez que me acusam de tal coisa! :D
E está correcto: projécteis mais pesados (80 e tal grains) e miras modificadas para tal, mantendo - claro - as referências para a munição standard que será em breve também mais pesada que a SS109 (77 Grains?).
Atiradores EM COMPETIÇÃO conseguem pontuações que concorrem com o 7.62 NATO. Mas atenção! Estamos a falar de atiradores seleccionados e não de snipers, portanto mais susceptíveis a combate aproximado, em que uma espingarda de assalto tem vantagem sobre uma sniper pura.
Repito: os dois calibre complementam-se.
Mas no futuro não sei: vamos ver o que acontece com o 6.8x43 e com alguns cartuchos Lapua ou Short Magnum para substituir a 7.62x51 e 12,7x99... se a "metralhadora de granadas" de 25mm for adoptada!
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

 

Artigo sobre a Mauser-Vergueiro na revista "Armas"

Iniciado por PereiraMarques

Respostas: 2
Visualizações: 3386
Última mensagem Setembro 04, 2005, 10:25:17 pm
por PereiraMarques
Armas 5.56 no Exército guerra colonial e paras (pre galil)

Iniciado por alphaiate

Respostas: 38
Visualizações: 22433
Última mensagem Agosto 19, 2011, 02:45:46 pm
por alphaiate
Para o Afeganistão, sem carros e com armas inadequadas

Iniciado por papatango

Respostas: 87
Visualizações: 21942
Última mensagem Setembro 06, 2005, 02:11:42 pm
por NVF
Roubo de armas nos Comandos?

Iniciado por Luso

Respostas: 173
Visualizações: 30558
Última mensagem Abril 23, 2015, 10:58:53 am
por Cabeça de Martelo
Armas a descontinuar

Iniciado por sivispacem

Respostas: 17
Visualizações: 1551
Última mensagem Agosto 14, 2019, 10:46:29 am
por Cabeça de Martelo