Classe de Corvetas Barroso

  • 2 Respostas
  • 1747 Visualizações
*

Paisano

  • Especialista
  • ****
  • 905
  • Recebeu: 6 vez(es)
  • +1/-0
    • http://defesabrasil.com/forum
Classe de Corvetas Barroso
« em: Fevereiro 15, 2005, 10:10:24 pm »
Colegas, peço desculpas pela pergunta de leigo: Mas corvetas da Classe "Barroso" não poderiam ser uma boa opção para a Armada Portuguesa?



Ficha Técnica:

Deslocamento:
2.350 toneladas totalmente carregado;
1.785 toneladas padrão.
Dimensões:
103,4 m de comprimento;
11,4 m de boca;
5,3 m de calado.
Propulsão:
CODOG, 02 motores diesel com (02 x 5.890Hp) 11.780 Hp;
01 turbinas a gás LM 2500 General Eletric 27.000 shp;
dois eixos;
dois lemes.
Velocidade Máxima:
27 nós.
Autonomia:
4.000 milhas náuticas a 15 nós e autonomia em torno de 50 dias mar
Tripulação:
132 homens (15 oficiais)
Armamento:
01 canhão Vickers MK8 de 114,5mm;
01 canhão Trinity Bofors de 40mm;
02 lançadores MK32 para 03 torpedos ASW;
04/08 mísseis Exocet MM-40.
Guerra Eletrônica:
02 lançadores de chaff/flare nacional da Emgepron;
ECM,  ET-SLQ-1A nacional da Empresa Elebra;
MAGE, ET/SLR-1X  nacional da Empresa Elebra.
Radares:
Busca combinada: RAN-20S da Alenia com IFF.
Navegação: Scanter da Terma Co.
Controle de Tiro: 01 RNT-30X da Alenia.
Sensores Passivos:
01 Alça de mira optrônica modelo EOS-400/10B da SAAB.
Sistema de Dados Táticos:
SINCONTA MKIII fabricado pela Emgepron.
Sistema Elétrico:
Geradores a diesel.
Sistema de Comunicações:
VHF/UHF/HF, DICS (digital interno e externo), Criptografia Automática, Link Navio-Navio, Via Satélite e TCP/IP.
Sonares:
EDO-997
Helicóptero:
Hangar para 01 Helicóptero Westland AH-11A Super Lynx (c/ torpedos e mísseis Sea-Skua).
« Última modificação: Fevereiro 15, 2005, 11:12:02 pm por Paisano »
As pessoas te pesam? Não as carregue nos ombros. Leva-as no coração. (Dom Hélder Câmara)
_________________
Volta Redonda
_________________
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-1
(sem assunto)
« Responder #1 em: Fevereiro 15, 2005, 10:35:39 pm »
Ai esse nome...  :oops:
"History is always written by who wins the war..."
 

*

papatango

  • Investigador
  • *****
  • 5512
  • Recebeu: 9 vez(es)
  • +18/-0
    • http://www.areamilitar.net
(sem assunto)
« Responder #2 em: Fevereiro 16, 2005, 10:49:13 am »
:arrow: Paisano

As Barroso, de facto não são bem corvetas.Na realidade são fragatas ligeiras. Bastava por exemplo comparar as características das Barroso com as fragatas “Comandante João Belo” para ver a comparação.

As Barroso, estão ele disso equipadas como muitas fragatas.

O problema, neste momento, é que mesmo no Brasil, a classe está em vias de acabar. As Barroso, são consideradas demasiado pequenas, para os padrões actuais, e demasiado armadas (e caras de operar) para serem apenas navios de patrulha.

Hoje, as marinhas do mundo, caminham no sentido de ter navios patrulha relativamente grandes, mas pouco armados, que vão servir para patrulha e que podem servir em situações de guerra  assimétrica, e. Por outro lado, navios maiores, em menor numero, mas equipados com os mais sofisticados sistemas disponíveis, pois são esses sistemas que vão definir que ganha os recontros navais que possam existir no futuro.

A marinha portuguesa, é relativamente pequena, mas não deixa de seguir esse mesmo conceito. Temos o programa do NPO-2000,que é o patrulha de dimensões grandes (para o oceano) e algumas fragatas, de tecnologia média, que se espera que possam evoluir para navios mais sofisticados.

E estas últimas considerações, sem deixar de achar que talvez não tenhamos necessidade de ter navios tipo Arleigh Burke. (contra-torpedeiros anti-aéreos)

As Barroso, são o resultado da análise que o Brasil fez nos anos 80 sobre as suas necessidades. Daí surgiu a classe Inhaumá, da qual a Barroso é uma derivação.
http://www.areamilitar.net/cplp/BR_Marinha_inhauma.asp?tp=ACT&rm=Marinha&pa=Brasil

A própria marinha brasileira provavelmente não encomendará mais barcos desta classe, exactamente por causa desta análise. Ou seja, a marinha brasileira parece considerar que as Inhaumá são demasiado grandes e caras para serem navios de patrulha, e são demasiado pequenas para fragatas, tendo varias desvantagens, mas mantendo um custo elevado, que pode ser quase tão elevado quanto o de uma fragata moderna.

Basta por exemplo ver a tripulação de uma Inhaumá (típica de um navio dos anos 80). Um patrulha do futuro, ou um patrulha transformado em corveta, deverá ter uma tripulação entre os 30 e os 50 militares.

O que eu acho que faria sentido em Portugal, seriam os patrulhas da classe Grajaú, embora também tenha uma tripulação bastante grande.
http://www.areamilitar.net/cplp/br_marinha_grajau.asp?tp=ACT&rm=Marinha&pa=Brasil

Cumprimentos
 

 

Aniversário do Almirante Barroso

Iniciado por Paisano

Respostas: 7
Visualizações: 2475
Última mensagem Outubro 01, 2004, 09:32:53 am
por Ricardo Nunes
Programa Corvetas classe Tamandaré

Iniciado por Vitor Santos

Respostas: 12
Visualizações: 788
Última mensagem Julho 25, 2019, 01:56:38 pm
por mafets