Marinha Francesa

  • 181 Respostas
  • 54996 Visualizações
*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #15 em: Março 05, 2007, 05:10:07 pm »
Sim. Depois da entrada ao serviço activo dos Mistral, os Foudre vão substituir na pratica os OURAGAN e ORAGE. Um destes navios esta quase sempre em missoes ao largo do Senegal.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #16 em: Março 05, 2007, 05:18:31 pm »
Merlin:

E está em condições de confirmar, ou não, de que o negócio dos Orage e Ouragam para a Argentina abortou?
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #17 em: Março 05, 2007, 05:36:46 pm »
Segundo o site net-marine e o flotte de combat 2006, o OURAGAN foi vendido à Argentina, mas não o ORAGE. A venda do ORAGE à Argentina é que não foi avante.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

lepanto

  • 20
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #18 em: Março 06, 2007, 11:01:42 pm »
El BPC Mistral volverá de nuevo a Brest a principios de junio. Después del ejercicio anfibio Skreo con el ejército de Tierra, que se desarrollará frente a la costa de la Charente, el BPC volverá a su astillero de construcción como su gemelo Tonnerre, para reparar defectos de la cubierta en la zona de proa, obra que inicialmente fueron realizados en los astilleros de Saint-Nazaire. Las cubiertas tienen un problema con una pasta de cemento que se le había aplicado, y que apareció durante una travesía de larga duración la primavera pasada. Inicialmente el Mistral estaba menos afectado que el tonnerre, pero la utilización intensiva del buque desde su entrega hace un año sobretodo en el verano durante la operación Baliste en el Líbano, no permitió arreglar el estado de la cubierta. Por lo tanto, la obra, prevista para durar alrededor de cuatro meses, según algunas fuentes, en realidad puede extenderse sobre 27 semanas. El tiempo asignado para los trabajos es objeto de negociaciones entre la Marina nacional y DCN, encargada de la obra del programa BPC.

Cuando el segundo buque este reparado, se espera conflicto, pues la ex dirección de Construcciones Navales deberá demandar a Alstom, en la época propietario de los Astilleros del Atlántico, que a su vez demandará a su antiguo subcontratista, responsable de la instalación de las cubiertas. Además del coste de las reparaciones, que asciende a varios millones de euros, DCN prevé reclamar daños y perjuicios por la pérdida de imagen sufrida en este asunto. Los problemas de cubierta del Tonnerre, suponen un retraso de 8 meses en la entrega del buque.
 

*

lepanto

  • 20
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #19 em: Março 07, 2007, 09:46:07 pm »
En todos os lados cocen fabas, despois dos problemas de posta a punto do sistema de combate e os problemas nos arbores de eixes, aparecidos nas primeiras probas de mar, detectanse inicios de corrosión na fragata Forbin. Esperabase que o asteleiro a entregase no 2008,  e repiten de novo as probas de mar no Atlántico. O eixo da banda de estribor sufriu danos nas primeiras probas de mar, cando o buque navegou a plena potenza rozando os 31 nos. A sua volta a Lorient, sustituiranse algunhas partes o seu paso polo dique seco. Ademais deste problema de propulsión, unha comisión da Marine National e dos asteleiros efectuou unha visita o buque en xaneiro, para evaluar un principio de corrosión xa que presenta "zonas muy corroídas, sen explicación", que nunca deberianse atopar nun navio novo. De outra banda os voceios da DCN, din ca presencia de oxido sobre o buque non ten nada de catastrófico: "É totalmente normal para un navio que fai as suas primeiras probas de mar." Tratase do que chaman zonas sucias, e ademais de forma superficial, sen que a corrosión sexa tal cos resultados ou a calidade da fragata poñase en duda. Os traballos faranse en 12 ou 15 meses.

Pensase que tras isto pode estar un fenómeno de corrosión galvánica, pero ante "a amplitude do fenómeno", a reparación inmediata da fragata terá un impacto importante no calendario, retrasando a entrega en varios meses. A cabeza de serie do programa Horizont xa leva un retraso de ano e medio, o asteleiro ten previstas varias solucions para cando se reinicien os traballos de soldadura, e cales "zonas van modificarse completamente e que chapas cambiaranse." Se supon que este traballo realizarase dentro de 12 a 15 meses, destacando que " rehabilitaranse todas as zonas en cuestión antes da entrega". Ainda que os puntos mais críticos deberanse de tratar nas próximas semans. O conxunto das partes corroídas, radiografiarase e exercerase unha vixilancia unha vixiancia continua, estas actuacions se supon que beneficiaran á segunda fragata, la Chevalier Paul, botada en xullo pasado.
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #20 em: Março 09, 2007, 01:40:51 pm »
Afinal a Argentina também desistiu da compra do Ouragan. O Orage (que sera desactivado no fim do ano) e o Ouragan vão para a sucata (
a não ser que apareça outra potencial cliente).

Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

Rui Elias

  • Investigador
  • *****
  • 1697
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #21 em: Março 09, 2007, 02:07:22 pm »
O que eu li, no ALIDE, foi que essa desistência se devia a que esses 2 navios tinham muito amianto, como o CV Clemanceou.

Ou então os argentnos não têm dinheiro, e arranjaram essa desculpa, à espera que a economia desse país lhes permita comprar coisa mais nova.

Afinal tratam-se de navios já dos anos 60.

Para isso, mais valia fazerem como a Índia, e tentarem junto dos EUA um Austin.
 

*

luis filipe silva

  • Investigador
  • *****
  • 2051
  • Recebeu: 4 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #22 em: Março 09, 2007, 02:45:35 pm »
Rui Elias escreveu:
Citar
Afinal tratam-se de navios já dos anos 60.

Para isso, mais valia fazerem como a Índia, e tentarem junto dos EUA um Austin.

Que têm mais amianto ainda, e veeeelhooos.
-----------------------------
saudações:
Luis Filipe Silva
 

*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3535
  • Recebeu: 25 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +5/-4
(sem assunto)
« Responder #23 em: Março 27, 2007, 03:12:07 pm »
French Military Invest in Maritime Defence

Citar
23 March 2007 11:18


The French military has awarded a $9m contract to American firm Orbital Sciences Corp for the development of a maritime defence target rocket.

It is the first time that the Chandler wing of Orbital has sold the GQM-163A supersonic sea-skimming target vehicle to a foreign government.

The rocket replicates aerial threats targeting boats. The land-launched missile flies to 2,000ft, then dips back to the water surface, flying at Mach 2 about 15ft above the surface. The price includes support equipment, parts, technical data and additional support to the French navy. Additional rockets will cost about two-thirds the price.

Orbital uses its Chandler plant to build the majority of its rockets, including those used in the American Department of Defence missile defence program and many for NASA's space satellite program. The company employs more than 1,000 workers at the Chandler plant, which accounts for about 40% of the company's business.

Orbital overcame competition from the Boeing Co. and Lockheed Martin to land the contract.

Fonte
Potius mori quam foedari
 

*

tsahal

  • Perito
  • **
  • 581
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
Forbin
« Responder #24 em: Março 27, 2007, 04:02:52 pm »
A FORBIN da Marinha Francesa apesar de alguns problemas iniciais não deixa de ser um navio impressionante no que respeita a sua capacidade de poder de fogo, capacidades e aos diversos sistemas com os quais está a ser dotada.

Em Outubro de 2006, tive a oportunidade de visitar o interior do navio e pude constatar o alto nivel de automatização do navio, medidas de segurança  levadas ao extremo no que toca ao ordenameento do interior e dos equipamentos e ainda instalações que são proximas de um hotel de 3 estrelas.
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #25 em: Março 29, 2007, 12:59:14 pm »
Alias, a marinha francesa adoptou a terminologia fragata mas a Forbin e a Chevalier Paul parecem ser verdadeiros DDG.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

tsahal

  • Perito
  • **
  • 581
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
Forbin.
« Responder #26 em: Março 29, 2007, 08:21:21 pm »
Sem duvida alguma, as HORIZON tem uma capacidade de poder de fogo superior a um navio do tipo fragata. Inclusive, o aspecto do navio lembra mais um ``destroyer´´ do que uma fragata. Até colocava aqui uma das fotografias que tirei mas não sei como fazer.

Alto! Ainda posso ser alvo da DGSE!
 

*

old

  • Especialista
  • ****
  • 913
  • +1/-0
Re: Forbin.
« Responder #27 em: Março 30, 2007, 10:37:57 am »
Citação de: "tsahal"
Sem duvida alguma, as HORIZON tem uma capacidade de poder de fogo superior a um navio do tipo fragata. Inclusive, o aspecto do navio lembra mais um ``destroyer´´ do que uma fragata. Até colocava aqui uma das fotografias que tirei mas não sei como fazer.

Alto! Ainda posso ser alvo da DGSE!


El problema es que hoy en dia ningun pais bautiza a sus barcos con el nombre de "destructor" ya que es politicamente incorrecto y dentro del termino Fragata entran barcos de todo tipo. Desde antiguos barcos con 3.000 tn y apenas armamento hasta mosntruos como las Horizon que nada tienen que ver con los primeros.
 

*

MERLIN

  • Membro
  • *
  • 254
  • Recebeu: 3 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #28 em: Março 30, 2007, 03:47:56 pm »
A experiência adquirida com as muito incompreendidas La Fayette, é, sem duvida, uma mais valia na arquitectura das horizon e das futuras FREMM.
Cumptos
"Se serviste a patria e ela te foi ingrata, tu fizestes o que devias, ela o que costuma"
Padrea Antonio Vieira
 

*

SSK

  • Moderador Global
  • *****
  • 1523
  • Recebeu: 13 vez(es)
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #29 em: Junho 19, 2007, 02:01:56 pm »
"Ele é invisível, livre de movimentos, de construção simples e barato. poderoso elemento de defesa, perigosíssimo para o adversário e seguro para quem dele se servir"
1º Ten Fontes Pereira de Melo
 

 

"Navios da marinha russa, visitam Lisboa em Agosto"

Iniciado por P44

Respostas: 17
Visualizações: 7934
Última mensagem Setembro 16, 2004, 10:36:07 am
por P44
Novo trimaran da marinha dos Estados Unidos da America

Iniciado por dremanu

Respostas: 2
Visualizações: 1726
Última mensagem Maio 28, 2004, 09:13:04 pm
por Luso
6 novos patrulhas rápidos para a Marinha do Egipto

Iniciado por JLRC

Respostas: 0
Visualizações: 1357
Última mensagem Setembro 28, 2004, 02:11:53 am
por JLRC
Entrega do submarino U-33 (tipo A209A) à Marinha Alemã

Iniciado por Tiger22

Respostas: 2
Visualizações: 1393
Última mensagem Fevereiro 06, 2005, 03:07:16 pm
por Miguel
Marinha dá cursos sobre como lidar com jornalistas

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 0
Visualizações: 1508
Última mensagem Março 30, 2005, 03:11:47 am
por TOMKAT