Ucrânia

  • 14 Respostas
  • 3296 Visualizações
*

NotePad

  • Perito
  • **
  • 579
  • +0/-0
Ucrânia
« em: Novembro 25, 2004, 07:17:27 pm »
...
« Última modificação: Fevereiro 25, 2007, 05:22:13 am por NotePad »
 

*

Guilherme

  • Perito
  • **
  • 380
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
Planeloads of Russian Special Forces Land in Ukraine
« Responder #1 em: Novembro 25, 2004, 07:35:08 pm »
Planeloads of Russian Special Forces Land in Ukraine

BreakForNews.com, 24th Nov, 2004
by Fintan Dunne, Editor

According to Ukrainian media and Viktor Yushchenko's presidential campaign, two Russian aircraft landed at the Kiev's Boryspil international airport today carrying military personnel of the “Vitiaz” submarine special forces unit.

The troops, estimated at 1,000 in number were then transported to Kiev, but their current whereabouts are unknown.

The initial report of the troop landing came from Ukrainian Colonel Lyashenko, assistant commander of aircraft services at the airport. Following his refusal to follow orders to accept the aircraft, he reportedly submitted his resignation.

The Yushchenko campaign notified Ukraine 's Security Service (SBU) Chairman Ihor Smeshko for appropriate investigation. The campaign also requested security protection be given Colonel Lyashenko.

The SBU's military counter-intelligence reportedly later confirmed to the campaign that Colonel Lyashenko had indeed resigned his post at Boryspil airport today. However, the SBU representative rejected the report that Russian special forces landed there today.

Yesterday, Yushchenko campaign chairman Oleksandr Zinchenko and Yushchenko ally Yulia Tymoshenko reported they saw non-Ukrainian special forces units at the presidential administration in downtown Kyiv, when they were peacefully let through a human barricade located on the street in front of the presidential administration.

http://www.breakfornews.com/articles/VitiazUkraine.htm
 

*

Luso

  • Investigador
  • *****
  • 7491
  • Recebeu: 371 vez(es)
  • Enviou: 117 vez(es)
  • +107/-193
(sem assunto)
« Responder #2 em: Novembro 25, 2004, 10:36:31 pm »
Já agora, vocês já viram como os ucranianos que cá estão falam bem português?
Ah gente do caraças! Fiquem por cá que precisamos de gente dessa - sobretudo de ucranianas!

Assim que começarem a dizer "carago" expontâneamente deveriam ter direito a ser portugueses! :mrgreen:
Ai de ti Lusitânia, que dominarás em todas as nações...
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7612
  • Recebeu: 319 vez(es)
  • Enviou: 546 vez(es)
  • +164/-200
(sem assunto)
« Responder #3 em: Novembro 26, 2004, 09:34:20 am »
Citação de: "Luso"
Já agora, vocês já viram como os ucranianos que cá estão falam bem português?
Ah gente do caraças! Fiquem por cá que precisamos de gente dessa - sobretudo de ucranianas!

Assim que começarem a dizer "carago" expontâneamente deveriam ter direito a ser portugueses! :wink:

Agora a sério, está visto que parece estarmos a assistir ao "renascimento" da Guerra Fria, com a Rússia de um lado e a Europa+EUA do outro a tentarem impor-se no Leste...tudo parece indicar que as eleições foram uma verdadeira fraude...vamos a ver como acaba...

E já repararam que o Putin está sempre a atacar o Ocidente em relação a querer-se "imgerir" nos assuntos internos da Ucrânia, e fala da Ucrânia como se fosse propriedade Russa???? :mrgreen:
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

JNSA

  • Analista
  • ***
  • 835
  • +1/-1
(sem assunto)
« Responder #4 em: Novembro 26, 2004, 11:19:00 am »
Citar
Crowds blockade Kiev government

Thousands of demonstrators have laid siege to government buildings in the Ukrainian capital Kiev to protest the results of the presidential election.

They briefly prevented Prime Minister Viktor Yanukovych, named as the winner of the disputed poll, from meeting a European envoy.

The supporters of opposition leader Viktor Yushchenko have vowed to protest until the result is overturned.

Meanwhile, diplomatic efforts are under way to find a solution to the crisis.

Polish President Aleksander Kwasniewski, has begun a mediation trip to Kiev with a meeting with outgoing President Leonid Kuchma and is expected to meet other major players.

European Union foreign policy chief Javier Solana is also due to meet both the pro-Russian Mr Yanukovych and Mr Yushchenko, who supports closer ties with the EU.

Ukraine's supreme court has suspended the presidential poll result while it considers the opposition's complaints.

According to the official election result, Mr Yanukovych won with 49.46% of the vote against Mr Yushchenko's 46.61%.
But Mr Yushchenko's supporters say the authorities oversaw massive fraud and independent observers reported widespread abuses.

Buildings surrounded

The protesters began to surround government buildings, including the residence of President Kuchma, after spending their fifth consecutive night on the streets.

 The protesters are aiming to prevent civil servants and ministers getting to work. Mr Yanukovych was temporarily prevented from attending a meeting with the Dutch ambassador.

Government supporters, including several thousand miners, have also held rival rallies in the capital.

Ukraine's supreme court will examine Mr Yushchenko's appeal against the electoral authority's decision on Monday, and insists no final assessment of the election can be made until then.

Serhiy Tyhipko, an aide to Mr Yanukovych, said he saw "no justification" for the result to be suspended.

Correspondents say the supreme court has in the past shown itself to be independent-minded.

It cannot invalidate the whole election, but it can force regional recounts.

Diplomatic drive

Mr Solana's spokeswoman, Cristina Gallach, said he wanted to discuss "a negotiated diplomatic solution" to the crisis.

Mr Kwasniewski has drawn up a three-point plan to resolve the crisis: verifying the election results, annulling those tainted by irregularities, and the renunciation of violence by all sides.

Lech Walesa, the former Polish President who led an anti-communist movement in the 1980s, said earlier in Kiev that he believed a compromise was possible.

Mr Yushchenko has said that he has formed an emergency Committee of National Salvation, which observers say could be an alternative government.

Oleksandr Zinchenko, Mr Yushchenko's campaign chief, said that Mr Yushchenko had also ordered the creation of a people's self-defence force - the "Ukrainian Guard".

TV stations rebel

On Thursday, state-owned TV station UT1 rebelled against government control by announcing live on air that its news team was joining opposition protests.

 Hours earlier the private, formerly pro-government channel One Plus One announced it would stop broadcasting "biased news".

Mr Yushchenko started the presidential campaign as Ukraine's most popular politician, and it took an enormous propaganda effort on state-run TV channels to make Mr Yanukovych look like a real contender, say correspondents.

The move may mean pictures making plain the huge size of the opposition demonstrations will now reach the heartlands of Mr Yanukovych's support in the industrial east of the country, reports BBC world media correspondent Sebastian Usher.

So far, the country's coal miners there have refused to join a general strike called by the opposition. Some factories and universities are said to have stopped work and there are reported to be traffic jams on the western border where roads have been blocked.


fonte: http://news.bbc.co.uk/1/hi/world/europe/4044037.stm



O país ficou perfeitamente dividido ao meio em termos de resultados eleitorais, o que não faz prever nada de bom, seja qual for a solução para esta crise.

As televisões estão a tomar a posição dos rebeldes, e há cada vez mais polícias a desertar. Tendo em conta os boatos crescentes de que já estão contingentes de forças especiais russas na Ucrânia, a situação pode deteriorar-se muito depressa.
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Novembro 26, 2004, 12:16:41 pm »
A presença do Alto Representante da UE Javier Solana, e do presidente polaco Kwasniewski, para la do sec geral da OSCE(o observador mais importante das eleiçoes),do presidente lituano, e outros, pode levar a uma saida, dificil é certo, da crise que poderia incendiar uma regiao que ja esta  muito quente.
O plano de tres pontos do presidente polaco(creio  que em breve ja poderemos escrever polones), compreende: - a declaraçao de nao recurso a violencia - a (re)verificaçao dos resultados contestados  e uma mesa redonda(presumo com assistencia da UE) entre o poder e a oposiçao.
Asessores do presidente polaco disseram que basta uma pequena fagulha para "provocar uma explosao", devido ao ambiente 'perigoso e explosivo' presente na Ucrania.
Creio porém que a atitude das autoridades russas, sera determinante no desenvolver da questao.Existem boatos de presença de unidades especiais russas, de acordo com um membro do parlamento ucraniano proximo da oposiçao, na TV bulgara, segundo ele essas unidades previam a liquidaçao de responsaveis oposicionistas.
Desconheço de momento qual o tipo de intervençao exercida junto do presidente russo e até que ponto ele estara disposto a defender o seu lado ( e nesse ponto, a decisao dos EUA, sera fundamental).
De notar a aparente coincidencia das posiçoes europeias,  neste caso, com os americanos,  o que no meio deste imbroglio, nao deixa de ser um elemento positivo( especialmente pelo facto de a  Ucrania ser  apoiante das posiçoes americanas no Iraque, onde tem 1400 soldados).
 

*

emarques

  • Especialista
  • ****
  • 1178
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Novembro 26, 2004, 12:54:11 pm »
Citação de: "zezoca"
polaco(creio  que em breve ja poderemos escrever polones),


Por que carga d'água é que haviamos de o fazer?
Ai que eco que há aqui!
Que eco é?
É o eco que há cá.
Há cá eco, é?!
Há cá eco, há.
 

*

J.Ricardo

  • Perito
  • **
  • 311
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Novembro 26, 2004, 01:24:49 pm »
Citação de: "emarques"
Citação de: "zezoca"
polaco(creio  que em breve ja poderemos escrever polones),

Por que carga d'água é que haviamos de o fazer?


Aqui no Brasil se escreve polonês.
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Novembro 26, 2004, 02:48:42 pm »
Ao emarques e Joao Ricardo
tratava-se apenas  de uma breve piscadela ao Acordo Ortografico que finalmente vai entrar em vigor( brevemente,suponho),apos a aprovaçao na  V Cimeira dos Povos de Lingua Portuguesa, o qual aparentemente  ja fora ratificado,  por varios parlamentos lusofonos, incluindo Brasil e Portugal. Podem  p.ex. consultar o site    www.ciberduvidas.com   embora acredite que a maioria  ja o conheça.
Ja o referi algures,...escrevo fora de Portugal e com teclados dispares (mas nenhum portugues),  de forma que peço me desculpem de nao utilizar a devida acentuaçao.Espero, no entanto, fazer-me compreender.
 

*

komet

  • Investigador
  • *****
  • 1664
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Novembro 26, 2004, 05:41:25 pm »
Citar
Ao emarques e Joao Ricardo
tratava-se apenas de uma breve piscadela ao Acordo Ortografico que finalmente vai entrar em vigor( brevemente,suponho),apos a aprovaçao na V Cimeira dos Povos de Lingua Portuguesa, o qual aparentemente ja fora ratificado, por varios parlamentos lusofonos, incluindo Brasil e Portugal. Podem p.ex. consultar o site www.ciberduvidas.com embora acredite que a maioria ja o conheça.
Ja o referi algures,...escrevo fora de Portugal e com teclados dispares (mas nenhum portugues), de forma que peço me desculpem de nao utilizar a devida acentuaçao.Espero, no entanto, fazer-me compreender.


Tal ideia agonia-me... ainda estou para ver quem é que vai pegar nisso... lol
nem nós aqui nem os brasileiros no seu país.
"History is always written by who wins the war..."
 

*

NotePad

  • Perito
  • **
  • 579
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Novembro 26, 2004, 06:51:45 pm »
...
« Última modificação: Fevereiro 25, 2007, 05:22:42 am por NotePad »
 

*

JoseMFernandes

  • Perito
  • **
  • 394
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Novembro 26, 2004, 07:56:53 pm »
Como JNSA muito bem notou, o pais parece ter ficado dividido ao meio, eleitoralmente.A hipotese de guerra civil e possivel cisao das duas zonas, é mais que académica, embora pouco credivel.O largo e excelente acesso estratégico ao mar da Ucrania (pro-russa),também talvez influencie, ou complemente as razoes sentimentais e historicas inegaveis dos russos( ou de Putin, pelo menos).
 

*

Spectral

  • Investigador
  • *****
  • 1439
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Novembro 26, 2004, 08:15:35 pm »
A Ucrânia desde a Idade Média que é a "coutada" da Russia ( alliás as raízes históricas da Rússia estão lá)

Qualquer interferência estrangeira ( ou até a autodeterminação e vontade do povo ucraniano  :roll: ) é encarada como ingerência inaceitável em território vital...

Um dado curioso é que a parte ocidental da Ucrânia apenas a integrou a partir do séc. XX (depois de ambas as Guerras). Nos séculos anteriores, tinha pertencido sempre a potências como a Polónia, a Hungria e o Império Austríaco, sentido os seus habitantes pouca afinidade com os seus compatriotas mais a leste.
I hope that you accept Nature as It is - absurd.

R.P. Feynman
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7612
  • Recebeu: 319 vez(es)
  • Enviou: 546 vez(es)
  • +164/-200
(sem assunto)
« Responder #13 em: Novembro 30, 2004, 03:05:44 pm »
:arrow: http://www.portugaldiario.iol.pt/notici ... ?id=475132

Citar
Ucrânia: moção de desconfiança debatida 4ª feira
30-11-2004 14:35
 


Presidente da Assembleia vai manter decisão de considerar inválida segunda volta de eleições

   



O Parlamento da Ucrânia suspendeu hoje o debate de uma segunda moção de desconfiança contra o primeiro-ministro, Viktor Ianukovitch, para retomar os seus trabalhos quarta- feira com um "texto ponderado e concertado", anunciou o presidente da assembleia, Volodymyr Litvin.

Ao saber da suspensão do debate, depois de uma primeira moção de desconfiança ter sido chumbada hoje de manhã, várias centenas de apoiantes da oposição forçaram o cordão de segurança montado pela polícia em torno do Parlamento e chegaram até à porta do edifício gritando "Governo para a rua!".

O presidente do Parlamento saiu à rua para falar aos manifestantes, no que foi acompanhado por vários deputados da oposição, e apelou à calma, instando-os a "não tomarem de assalto" o edifício.

Volodymyr Litvin prometeu ainda aos manifestantes que o Parlamento não vai recuar na decisão de considerar inválida a segunda volta das presidenciais, declaração que os fez regressar para trás do cordão de segurança.

"A sessão será retomada (quarta-feira) para a discussão de um texto ponderado e concertado", declarou Volodymyr Litvin à imprensa.

Durante a manhã, uma primeira moção de desconfiança apresentada pela oposição não conseguiu o apoio dos comunistas, obtendo apenas 196 votos, menos 30 que os exigidos para ser aprovada por maioria (226).


 
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7612
  • Recebeu: 319 vez(es)
  • Enviou: 546 vez(es)
  • +164/-200
(sem assunto)
« Responder #14 em: Novembro 30, 2004, 03:10:32 pm »
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

 

Protestos na Ucrânia e a possibilidade de guerra civil

Iniciado por Edu

Respostas: 1254
Visualizações: 164547
Última mensagem Novembro 10, 2014, 05:11:57 pm
por HSMW
Guerra na Ucrânia

Iniciado por HSMW

Respostas: 534
Visualizações: 87683
Última mensagem Junho 25, 2019, 04:52:19 pm
por Lusitano89