VBTP-MR 6×6 GUARANI

  • 22 Respostas
  • 1090 Visualizações
*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: Projeto VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #15 em: Agosto 19, 2018, 06:48:18 pm »
CIBld realiza teste de navegação fluvial da VBTP-MR Guarani UT30BR

Algumas das VBTP-MR 6x6 Guarani estão equipadas com a torre não tripulada UT30BR (Unmanned Turret 30 mm Brazil), fabricada pela empresa Ares Aeroespacial e Defesa. Esse tipo de arma fornece um significativo incremento no poder de fogo do carro.

Citar
Dando continuidade ao Programa Estratégico do Exército Guarani, ocorreu no dia nove de agosto último teste do equipamento denominado Kit de Flutuação da VBTP-MR Guarani UT30BR.

O material foi instalado em um exemplar do blindado 6×6 equipado com a torre/estação de armamento Elbit/AEL UT30BR.

O teste foi realizado pelo Centro de Instrução de Blindados (CIBld), no Açude dos Blindados do Campo de Instrução de Santa Maria (CISM), no Rio Grande do Sul.

O projeto do Guarani, de propriedade intelectual do EB, está sendo fabricado pela IVECO Veículos de Defesa em Sete Lagoas/MG.

Trata-se de um veículo blindado anfíbio em sua concepção, mantendo essa característica para as versões equipadas com as torres PLATT e REMAX sem a necessidade da adição de qualquer apêndice extra.

No caso da UT30BR, a solução encontrada é um pouco diferente. O aumento da massa e a mudança de centro de gravidade demandou a instalação de um Kit de Flutuação quick change (coloca e remove rapidamente), desenvolvido pelo Centro Tecnológico do Exército (CTEx), e destinado a navegação fluvial com segurança dos VBTP-MR dotados com a UT30 BR.

A Torre UT30BR

Algumas das VBTP-MR 6×6 Guarani estão equipadas com a torre não tripulada UT30BR (Unmanned Turret 30 mm Brazil), fabricada pela empresa Ares Aeroespacial e Defesa. Esse tipo de arma fornece um significativo incremento no poder de fogo do carro.

Com essa torre, o atirador se mantém protegido dentro da viatura, manejando o armamento por meio de comandos tipo “joystick” enquanto observa o terreno por intermédio de um monitor LCD.

Trata-se de um Sistema de Armas Remotamente Controlado (SARC) moderno, empregado em diversos exércitos ao redor do mundo, e capaz de montar três tipos de sistemas de armas: o canhão de 30mm, uma metralhadora coaxial 7,62mm e um lançador de granadas fumígenas de 76mm.

O armamento principal é o canhão automático 30mm ATK BushMaster MK44, de funcionamento elétrico, tipo Chain Gun, ou seja, o conjunto ferrolho movimenta-se ciclicamente, sem a necessidade da utilização dos gases oriundos dos disparos.

Existem dois cofres de munição 30 mm no interior da torre, um com capacidade para 50 cartuchos e outro para 150, então, é possível alimentar o canhão com até dois tipos de munição simultaneamente, e sua cadência inicial é de 200 tiros por minuto, com alcance efetivo de 3.000 metros (com munição perfurante) e 2.000 metros (com munição explosiva).

A metralhadora automática coaxial MAG 7,62mm proporciona alta expectativa de impacto a 500 metros e possui uma cadência de aproximadamente 700 tiros por minuto, podendo ser alterada de acordo com o ajuste do regulador de gases. Diferente do canhão, os gases dos disparos são aproveitados para o funcionamento da metralhadora.

O lançador de granadas fumígenas pode lançar oito artefatos a aproximadamente 30 metros de distância, formando uma cortina de fumaça de cerca de 100 metros de frente, que oculta a viatura diante do adversário e a protege contra a telemetria laser dos armamentos inimigos. O operador pode disparar quatro ou oito granadas simultaneamente.


A torre UT-30BR possui um dispositivo de segurança para a detecção de ameaça a laser chamado Elbit’s Laser Warning System (ELAWS), que alerta quanto a ameaças, informando a direção de origem.

Em uma situação de combate, quando detectada a ameaça, o operador pode configurar a torre para apontar automaticamente para a direção ou manualmente, bastando pressionar um botão.

O “auto tracking”, ou “Automatic Target Tracking” (Acompanhamento Automático de Alvos), é um recurso muito útil para o acompanhamento, sem a necessidade de interferência humana.

Existe outra ferramenta, a função “Caçador-Matador” (Hunter-Killer). Nessa modalidade de engajamento, o comandante do carro marca um alvo ou aponta o armamento para a linha de visada do seu sistema de aquisição de alvos, assumindo o controle do canhão e disparando, sobrepondo-se aos comandos do atirador.

Paulo Roberto Bastos e Cap Eligio Eliseu Prass (CIBld)

FONTE: http://tecnodefesa.com.br/cibld-realiza-teste-de-navegacao-fluvial-da-vbtp-mr-guarani-ut30br/






 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: Projeto VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #16 em: Novembro 24, 2018, 06:59:04 pm »
2º Regimento de Cavalaria Mecanizado recebe Viaturas de Transporte de Pessoal Média de Rodas (VBTP-MR) “Guarani”


Citar
São Borja (RS) – O 2º Regimento de Cavalaria Mecanizado, organização militar orgânica da 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, recebeu, no dia 19 de novembro, suas três primeiras Viaturas de Transporte de Pessoal Média de Rodas (VBTP-MR) “Guarani”, equipadas com o novo sistema de torre REMAX, que é estabilizado e possui, além de outras funções, a observação através das câmeras diurna e termal.

O Guarani é uma viatura blindada fabricada pela IVECO do Brasil, com capacidade para transportar até 11 militares, possuindo tração nas seis rodas (6×6). É anfíbia e atinge uma velocidade máxima de até 100 km/h.

A incorporação desse novo material de emprego militar irá aumentar a capacidade operacional da 1ª Bda C Mec, além de modernizar o quadro de viaturas do 2º RC Mec, substituindo as VBTP Urutu, fabricadas pela ENGESA, e em uso há mais de 40 anos no “Regimento João Manoel”.

FONTE: http://www.planobrazil.com/2o-regimento-de-cavalaria-mecanizado-recebe-viaturas-de-transporte-de-pessoal-media-de-rodas-vbtp-mr-guarani/


 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #17 em: Novembro 30, 2018, 10:42:44 am »
Proteção Antiminas da Viatura Blindada de Transporte de Pessoal Média Sobre Rodas Guarani (VBTP MSR Guarani)


Pablo de Borba Calegari - 2° Sgt Cav Instrutor do CI Bld
Carlos Alexandre Geovanini dos Santos - Ten Cel Comandante do CI Bld


As minas terrestres são uma das principais ameaças para as viaturas blindadas no campo de batalha. Com isso, buscou-se no Projeto Guarani o desenvolvimento de uma tecnologia eficaz de proteção contra minas e explosivos.

Uma mina anticarro, (mina AC), é uma mina terrestre desenhada para ser menos sensível e com uma carga explosiva maior que as minas antipessoais de modo a poder destruir uma viatura blindada, como por exemplo um carro de combate.

As minas AC foram utilizadas pela primeira vez em grande escala durante a Segunda Guerra Mundial. A mina anticarro necessita de uma pressão superior a 150 quilogramas para o seu acionamento, sendo detonada por carros e blindados, porém difícil de serem acionadas por seres humanos e animais.


A carga explosiva danifica os veículos por concussão, sendo seu funcionamento básico semelhante ao de uma mina antipessoal explosiva.

A mina anticarro é composta por um invólucro com carga explosiva e um detonador. Enterrada a pouca profundidade, sendo detonada pelo peso do veículo blindado que se quer atingir. Podem continuar ativas depois de muito tempo de sua instalação.

Teste antiminas da VBTP MSR Guarani

O teste antiminas da VBTP Guarani foi realizado pela empresa IBD (Deisenroth Engineering), sendo acompanhado por especialistas da Divisão de Veículos de Defesa da IVECO e por militares do Centro de Avaliações do Exército (CAEx), no campo de Provas da empresa TDW Gesellschaft für verteidigungstechnische Wirksysteme mbH, na cidade de Schrobenhausen, na Alemanha. Durante o teste, a viatura foi submetida à explosão de minas anticarro de seis quilogramas de explosivo do tipo trinitrotolueno (TNT).

Os efeitos das explosões na tripulação e guarnição da viatura blindada foram medidos, por meio de manequins padronizados, de acordo com requisitos estabelecidos em normas internacionais, que simulam as dimensões, as proporções de peso e articulação do corpo humano (dummies).

Os manequins foram devidamente fardados e equipados com capacete e colete balístico, conforme situação de combate a ser enfrentado pelos ocupantes do Guarani. Com isso, o teste evidenciou que a viatura possui grande capacidade de proteção a sua guarnição, contra ameças antiminas.



Célula de Sobrevivência

A VBTP Guarani foi idealizada e montada buscando-se evitar que equipamentos no interior da viatura tornem-se armas contra a guarnição, no caso de explosão de minas anticarro ou de dispositivos explosivos improvisados (IED).

Mesmo que uma mina anticarro não cause a destruição da viatura, causará uma onda de choque de alto teor no interior da viatura, expondo sua guarnição ao perigo. Com isso, o Guarani foi projetado para dar uma maior proteção interna a guarnição da viatura:

- A estrutura da viatura foi montada sobre um chassi, com o objetivo de aumentar a altura livre em relação ao solo, proporcionando uma maior área de escape para a onda de choque ocasionada pela explosão de uma mina anticarro;

- Os assentos do compartimento da guarnição são presos no teto da viatura, deixando-o livre e diminuindo o choque sofrido pela guarnição no caso de ameças antiminas;

- A carcaça é revestida internamente com o material chamado Spall Liner, produzido através da fibra sintética de aramida. Esse material é responsável por reduzir o cone de dispersão dos estilhaços no interior da viatura após a mesma ser alvejada, diminuindo os danos sofridos pela guarnição de forma exponencial; e

- O tapete antiminas é uma proteção adicional contra ameaças de minas terrestres. Ele serve como um absorvedor de energia), sendo aplicado sobre o piso do compartimento da guarnição.

Portanto, a VBTP Guarani possui um avançado mecanismo de proteção antiminas, buscando diminuir os impactos sofridos pela guarnição no interior da viatura em função da ação de minas anticarros.


FONTE: http://www.defesanet.com.br/guarani/noticia/31175/GUARANI---Protecao-Antiminas-VBTP-MSR-Guarani/
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Jorge Pereira

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #18 em: Dezembro 16, 2018, 03:40:45 pm »
Curso de adaptação para motoristas das novas viaturas Guarani 6x6


Citar
São Borja (RS) – O 2º Regimento de Cavalaria Mecanizado realizou, no período de 3 a 11 de dezembro de 2018, o curso de adaptação de motoristas às novas Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – Média de Rodas (VBTP-MR) Guarani. Foram realizadas instruções nos simuladores do Centro de Instrução de Blindados, na Guarnição de Santa Maria (RS), bem como instruções teóricas e práticas nas instalações do 2º RC Mec, na Guarnição de São Borja (RS), tendo como instrutores os senhores Juliano Candido Ferreira e Edvar Moreira da Silva Junior, ambos da empresa IVECO Veículos de Defesa.

Fonte: 2° RC Mec / http://www.eb.mil.br/web/noticias/noticiario-do-exercito/-/asset_publisher/MjaG93KcunQI/content/2-regimento-de-cavalaria-mecanizado-2-rc-mec-realiza-curso-de-adaptacao-de-motoristas-da-vbtp-mr-guarani/8357041





 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #19 em: Abril 01, 2019, 12:47:07 pm »
Novo veículo da família Guarani - Viatura Blindada de Combate Engenharia


Citar
Mais um projeto derivado do PROGRAMA GUARANI brevemente estará disponível no inventário do Exército Brasileiro (EB), trata-se da Viatura Blindada de Combate Engenharia, ou VBC Eng.

Em 2007, dentro do processo de transformação do Exército para elevar o padrão da Força Terrestre, principalmente no tocante a mobilidade (priorizando a indústria nacional), a modernização de seus equipamentos e desenvolvimento de tecnologias para recuperar a capacidade de operar com eficiência, criou-se o Projeto Estratégico do Exército Guarani.

Esse programa desenvolveu uma Nova Família de Blindados de Rodas, baseada nos requisitos operacionais básicos da VBTP-MR aprovados em 1999.


Na atualidade, a VBTP-MR 6×6 Guarani já se encontra totalmente operacional e converteu-se no principal vetor de outro importante programa, a criação das Brigadas de Infantaria Mecanizada.

Dando segmento a ambos os programas, foi definida a inserção, numa primeira fase, de Viaturas Blindadas dotadas de implementos de Engenharia e, a seguir, viaturas com equipamentos de desminagem e desobstrução de vias.

Nesse contexto, o Departamento de Engenharia e Construção (DEC), por meio da Diretoria de Material de Engenharia (DME), conduz atualmente o processo de aquisição de uma Interface Comum (IC), mais 3 (três) implementos de engenharia para constituírem 2 (dois) protótipos da Viatura Blindada de Combate Engenharia (VBC Eng) Guarani.


Por se tratar de aquisição internacional, a partir de 2017, o Departamento passou a contar com o apoio da Comissão do Exército Brasileiro em Washington (CEBW), a qual conduziu o processo licitatório vencido pela empresa Pearson Engineering Ltd, com sede na Inglaterra, representada no Brasil pela Prospectare Brasil.

Uma das operações desses implementos é a criação de brechas para a passagem de vários tipos de tropas (mobilidade), sendo uma missão típica para forças mecanizadas e blindadas pelo seu poder de fogo e agilidade.

Para tanto, a tropa de Engenharia que acompanha a força principal deve ter características semelhantes como a proteção blindada (escalável e modular) e a rapidez (sobre rodas).

Após a homologação desses implementos iniciais, serão aprofundadas as negociações para aquisição de modelos específicos para a função antiminas.

Cada implemento adquirido possui uma finalidade específica dentro do contexto para o qual foi projetado.


Abaixo seguem algumas características desses implementos:

Braço de Escavadeira (Excavator Manipulator Arm – EMA)

_ Escavações de trincheiras, crateras ou valas;

_ Construção e remoção de obstáculos;

_ Remoção de escombros; e

_ Execução de tarefas de levantamento e carregamento.


Concha Carregadeira (Earth Anchor Blade – EAB)

_ Movimentação e transporte de material;

_ Remoção de obstáculos em estradas; e

_ Apoio a tarefas de recuperação de estradas.


Lâmina para remoção Obstáculo (Straight Obstacle Blade – SOB)

_ Limpeza de escombros urbanos, areia, solo e barricadas;

_ Remoção de veículos leves e médios;

_ Nivelamento da superfície do solo;

_ Preparação de locais de lançamento de pontes; e

_ Operações leves de movimentação de terra.

Tais implementos foram desenvolvidos no escopo do Pacote de Dados Técnicos (PDT) elaborado pela empresa Pearson.

O PDT foi avaliado e aprovado com o apoio da Diretoria de Fabricação (DF), subordinada ao Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército (DCT), o que possibilitará a construção dos protótipos.

O sistema da Pearson, que é a empresa líder do segmento desses implementos para veículos militares, é similar ao utilizado nos blindados de engenharia da família Striker do US Army e em alguns Blindados Piranha IIIC do Corpo de Fuzileiros Navais da Marinha do Brasil (CFN), e utiliza o sistema Jettison Fitting Kit (JFK) como interface, do tipo plug-and-play, permitindo a intercambialidade de diferentes equipamentos, conforme a necessidade, e conecta-los rapidamente em qualquer lugar.

Esse sistema pode ser adaptado em qualquer viatura da família Guarani, sem a necessidade de alterar a estrutura do veículo, e pode ser feito fora da fábrica, tanto que a instalação dos kits deverá ser feita no Arsenal de Guerra de São Paulo (AGSP) no segundo semestre desse ano, segundo o cronograma previsto.

A viatura blindada permitirá a execução de trabalhos técnicos de engenharia em apoio às Brigadas Mecanizadas.

Esses implementos serão submetidos à apreciação do Centro de Avaliações do Exército (CAEx), por meio de requisitos técnicos em estudo.

Em seguida, as viaturas passarão por uma experimentação doutrinária, planejada para ser conduzida pela 15ª Companhia de Engenharia de Combate Mecanizada (15ª Cia E Cmb Mec), localizada em Palmas-PR, orgânica da 15ª Brigada de Infantaria Mecanizada.


A previsão é que os testes iniciais ocorram em Marambaia (CAEx) no primeiro trimestre de 2019.

A meta final do EB é equipar todas as Companhias de Engenharias de Combate Mecanizadas com essas viaturas, que além de dar um substancial incremento na capacidade operacional da força, fornecerá uma ferramenta de grande eficiência e grande mobilidade que poderá ser usada pela defesa civil em casos de catástrofes naturais.

Mais um ponto para o EB, que mostra que com inteligência e pragmatismo é possível enfrentar os desafios que surgem, mantendo uma força moderna e eficiente.

FONTE:  http://tecnodefesa.com.br/esta-nascendo-um-novo-veiculo-da-familia-guarani-a-viatura-blindada-de-combate-engenharia/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #20 em: Abril 03, 2019, 02:46:59 pm »
Em nova fase, Programa Estratégico Guarani contempla aquisição de outros modelos (8x8) de viaturas blindadas


Citar
Brasília (DF) – Com o surgimento de novos blindados no cenário internacional, como o Centauro II, o Pátria AMV, o Boxer, o Piranha V, o Pandur II, o Mobile Combat Vehicle e o Stryker, bem como com a desejada transformação da Infantaria e modernização da Cavalaria, tornou-se necessário dotar a Força Terrestre com material de emprego militar à altura dessas modernas viaturas que passaram a equipar exércitos ao redor do mundo. Como exemplo, a tropa, até então tendo como viatura blindada de reconhecimento o Cascavel 6x6 equipado com torre manual e canhão 90 mm, passará a dispor de viatura 8x8, com desejável maior mobilidade tática e estratégica, e também com maior poder de fogo, tanto pela torre estabilizada que possuirá, quanto pelo canhão 105 mm expansível para 120 mm, além de moderna eletrônica embarcada, que permite novas capacidades no campo de batalha.

Para tanto, durante a LAAD 2011 (Feira Internacional de Defesa e Segurança), Defence & Security, o Exército Brasileiro divulgou a Nova Família de Viaturas Blindadas, cujo desenvolvimento está em curso. O primeiro protótipo finalizado e apresentado ao público foi chamado de “Guarani”, e assim foi nominada toda a família de blindados que foi criada. Trata-se de viatura blindada de transporte de pessoal (VBTP) destinada a equipar a recém-criada Infantaria Mecanizada e a modernizar a Cavalaria Mecanizada, capaz de levar até 11 militares, oferecendo vantagens operacionais, como maior proteção blindada e antiminas.

O Exército Brasileiro estabeleceu parceria com a sólida empresa multinacional Fiat-Iveco que, em sua fábrica em Sete Lagoas, Minas Gerais, está incumbida dessa nobre missão, contando sempre com o suporte técnico do Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) do Exército, que mantém, permanentemente, engenheiros militares seus acompanhando o trabalho da empresa. A presença militar vem a ser importantíssima e mais do que necessária para que se adquira, com a Iveco, o know-how de produção, que “ao longo do caminho” tem sido desenvolvido. Oportuno aqui frisar que o chamado know-how é abrangente, completo, suficiente para produção, muito além de mero pacote de dados técnicos que, sem o respectivo know-how, de nada serve.

A primeira viatura nascida dessa parceria de sucesso foi a VBTP, cujo protótipo se encontra avaliado pelo Centro de Avaliações do Exército. O lote-piloto dessa viatura foi produzido em série, com pouco mais de 300 viaturas, que já foi, inclusive, entregue, para a satisfação da tropa pelo Brasil afora.

No final de 2018, foi concluído, pela Diretoria de Fabricação do DCT, um estudo preliminar de viabilidade, com vistas à obtenção da Viatura Blindada de Reconhecimento, Média sobre Rodas, VBR-MR 8x8 105 mm, expansível para 120 mm, estudo esse já submetido à apreciação do DCT e do Estado-Maior do Exército para a definição dos próximos passos, no sentido de dotar a Força com esse imprescindível material de emprego militar. Nesse contexto de novos desenvolvimentos, esforços estão sendo envidados no sentido de obter a Viatura Blindada Especial de Engenharia – Média sobre Rodas e a Viatura Blindada de Combate Morteiro – Média sobre Rodas.

A Família Guarani possui, também, uma subfamília leve. São veículos 4x4, como a Viatura Blindada Multitarefa – Leve Sobre Rodas; Viatura Blindada de Combate Anticarro – Leve sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Observador Avançado – Leve Sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Guerra Eletrônica – Leve Sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Defesa Química, Biológica, Radiológica e Nuclear – Leve Sobre Rodas; Viatura Blindada Especial Radar – Leve Sobre Rodas. O primeiro veículo será a Viatura Blindada Multitarefa – Leve sobre Rodas. Trata-se de uma viatura 4x4, dotada de elevada proteção blindada e antiminas, elevada mobilidade tática e estratégica, apta a desempenhar grande diversidade de missões. A viatura será obtida por nacionalização, a ser conduzida pelo DCT.

O programa da Nova Família de Blindados do Exército Brasileiro prevê a fabricação de viaturas nas seguintes versões: Viatura Blindada de Reconhecimento – Média sobre Rodas, conforme estudo preliminar de viabilidade citado; Viatura Blindada de Transporte de Pessoal – Média sobre Rodas; Viatura Blindada de Combate Morteiro – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial Posto de Comando – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Comunicações – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Central de Direção de Tiro – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial Ambulância – Média Sobre Rodas, que possui dois tipos (Resgate e Tratamento Intensivo); Viatura Blindada Especial de Engenharia – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Desminagem – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial Lança-Ponte – Média sobre Rodas; Viatura Blindada de Combate Antiaérea; Viatura Blindada Especial Escola – Média Sobre Rodas; Viatura Blindada Especial Oficina – Média sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Defesa QBRN – Média Sobre Rodas; Viatura Blindada Especial de Socorro – Média sobre Rodas.

O contrato entre o Exército Brasileiro e a Iveco prevê a fabricação de cerca de 1.580 viaturas blindadas nos próximos 20 anos.

Fonte: DF / http://www.eb.mil.br/web/noticias/noticiario-do-exercito/-/asset_publisher/MjaG93KcunQI/content/id/9687250



 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #21 em: Abril 21, 2019, 10:28:33 pm »
Morteiros pesados de 120 mm para blindados na LAAD 2019

Na LAAD 2019 a ST Engineering apresentou o Super Rapid Advanced Mortar System (SRAMS) de 120 mm, montado em um VBTP-MR 6x6 Guarani

Citar
O mercado de morteiros de 120 mm embarcados apresentou durante a LAAD Defence and Security 2019 propostas para atender a requerimentos futuros do Exército Brasileiro com relação a modernização de suas brigadas mecanizadas (previsto quatro carros porta-morteiros do tipo Guarani por batalhão).

Sistemas Automatizados

As empresas RUAG e ONIRIA já ofereceram ao Exército Brasileiro, respectivamente, o morteiro pesado de 120 mm RUAG Cobra, e o VRTS, sistema de realidade virtual para treinamentos (virtual reality training system) projetado para apoiar a instrução de futuros operadores.


O simulador reproduz os procedimentos para o tiro do sistema de morteiro acoplado ao blindado Guarani utilizando a tecnologia Virtua Workshop, que converte equipamentos e procedimentos em realidade virtual.

Na LAAD 2019 a ST Engineering apresentou o Super Rapid Advanced Mortar System (SRAMS) de 120 mm, montado em um VBTP-MR 6×6 Guarani.

Pesando apenas 1.200 kg,o SRAMS atira com uma força de recuo inferior a 30 toneladas ao disparar uma carga máxima (alcance confirmado de 10 km), único no mundo com essa capacidade, especialmente importante ao se considerar os esforços (e danos) que o blindado está exposto durante o fogo contínuo.

O Super Rapid Advanced Mortar System (SRAMS) de 120 mm, montado em um VBTP-MR 6×6 Guarani

Outro morteiro de 120 mm com a capacidade de recuo atenuado é o Cardom de 120/81 mm, exibido pela ARES Aeroespacial e Defesa em seu estande.

Segundo Marcus Tollendal, diretor geral da empresa, esse equipamento traz uma vantagem para sua manutenção pela quantidade em uso. “Temos mais de mil unidades vendidas. Isso é importante para a gestão de obsolescência dos equipamentos, pois significa a oferta de peças de reposição”, explica.

O morteiro Cardom de 120/81 mm

A empresa de Defesa sueca Saab também atua nesse mercado oferecendo as modernas munições inteligentes para morteiros 120mm THOR.

Anunciada oficialmente pela Saab durante a  feira DSEI 2017, pode ser disparada por qualquer um dos morteiros citados nesse artigo, sendo capaz de causar danos direcionados ao explodir e fragmentar-se.

A THOR oferece uma chance muito maior de neutralizar ou destruir o alvo, dispensando o uso de apoio de fogo mais pesado (e mais oneroso).

Com design único, combinando diversos formatos, materiais e área de fragmentação para obter o efeito desejado no alvo, a munição foi desenvolvida pela Saab Bofors Dynamics Switzerland (SBDS), uma subsidiária da Saab e integrante da área de negócios Dynamics.

a munição THOR

Alta Cadência de fogo no apoio

Instalado em um 6×6 Guarani, o morteiro de 120 mm é uma arma extremamente letal devido a sua alta mobilidade, profundidade e densidade de tiro (múltiplos impactos de direções diferentes) e capacidade de apoiar por fogos tropas blindadas e mecanizadas durante seu deslocamento, cobrindo os flancos e a linha de frente.

O VBTP-MR 6×6 Guarani atuando como porta-morteiro pode levar uma grande quantidade de munição e efetuar grande número de disparos cobrindo uma enorme área.


A alta velocidade e capacidade todo terreno (incluindo anfíbio) do VBTP-MR brasileiro é mais um diferencial quando se pensa em equipa-lo com armas de tiro elíptico de grande calibre.

Frente a plataformas mais complexas e com armas maiores e mais pesadas (de maior alcance), os morteiros de 120 mm semi-automáticos montados em blindados 6×6 oferecem a vantagem adicional de custo de aquisição, manutenção e compra de munição extremamente mais baixos, e a capacidade aerotransportável “ready for KC390″ sem a necessidade de desmontagem de partes ou componentes.

FONTE:  http://tecnodefesa.com.br/morteiros-pesados-de-120-mm-para-blindados-na-laad-2019/
 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3839
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 256 vez(es)
  • +428/-444
Re: VBTP-MR 6×6 GUARANI
« Responder #22 em: Junho 02, 2019, 10:40:50 pm »
 

 

15ª Brigada de Infantaria Mecanizada (15ª Bda Inf Mec) - Brigada Guarani

Iniciado por Vitor Santos

Respostas: 2
Visualizações: 56
Última mensagem Junho 21, 2019, 02:34:34 pm
por Vitor Santos