Missão militar portuguesa na RCA

  • 669 Respostas
  • 104982 Visualizações
*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4140
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +57/-0
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #645 em: Julho 02, 2019, 10:58:07 pm »
IFV de 30mm...
Já foi o problema que foi ter-se usado morteiretes e carl Gustav
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Crypter

  • Especialista
  • ****
  • 1107
  • Recebeu: 176 vez(es)
  • Enviou: 193 vez(es)
  • +25/-6
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #646 em: Julho 03, 2019, 05:17:27 pm »
IFV de 30mm...
Já foi o problema que foi ter-se usado morteiretes e carl Gustav
Foi um problema?  :conf:
 

*

raphael

  • Investigador
  • *****
  • 1222
  • Recebeu: 199 vez(es)
  • Enviou: 164 vez(es)
  • +36/-4
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #647 em: Julho 03, 2019, 05:52:54 pm »
IFV de 30mm...
Já foi o problema que foi ter-se usado morteiretes e carl Gustav
Foi um problema?  :conf:

danos colaterais...destrois o alvo pretendido e tudo o que esteja bem para lá dele...
porém a salvaguarda dos nossos supera para mim danos a terceiros.
Um abraço
Raphael
__________________
 

*

dc

  • Especialista
  • ****
  • 1089
  • Recebeu: 200 vez(es)
  • Enviou: 32 vez(es)
  • +52/-16
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #648 em: Julho 03, 2019, 11:51:02 pm »
No entanto serviam de arma anti-veículo, já que davam cabo de qualquer camião ou pickup usado pelos grupos armados...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14937
  • Recebeu: 971 vez(es)
  • Enviou: 930 vez(es)
  • +161/-151
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4140
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • +57/-0
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #650 em: Julho 08, 2019, 10:35:26 am »
IFV de 30mm...
Já foi o problema que foi ter-se usado morteiretes e carl Gustav
Foi um problema?  :conf:

Problema para algumas cabeças pensantes do exército, porque parece mal, a guerra
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

ocastilho

  • Membro
  • *
  • 46
  • Recebeu: 22 vez(es)
  • Enviou: 19 vez(es)
  • +18/-2
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #651 em: Julho 08, 2019, 11:40:59 am »


Problema para algumas cabeças pensantes do exército, porque parece mal, a guerra

Nada de novo, infelizmente. As nossa FAs infelizmente desses parasitas tem muitos.
"Se servistes à pátria, que vos foi ingrata, vós fizestes o que devíeis, ela o que costuma."
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14937
  • Recebeu: 971 vez(es)
  • Enviou: 930 vez(es)
  • +161/-151
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #652 em: Julho 13, 2019, 01:49:59 pm »


No Expresso desta semana.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, tenente, Turlu, Clausewitz, jorgeshot1, Srgdoido, MATRA

*

MATRA

  • Membro
  • *
  • 188
  • Recebeu: 43 vez(es)
  • Enviou: 329 vez(es)
  • +16/-3
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #653 em: Julho 14, 2019, 12:22:28 am »
Respeito!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF, asalves

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7352
  • Recebeu: 605 vez(es)
  • Enviou: 746 vez(es)
  • +91/-30
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #654 em: Julho 23, 2019, 09:08:53 pm »
Exército português estreia drone na República Centro-Africana
https://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/exercito-portugues-estreia-drone-na-republica-centro-africana
(video)
 

*

Claust

  • Membro
  • *
  • 9
  • Recebeu: 10 vez(es)
  • Enviou: 22 vez(es)
  • +3/-0
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #655 em: Agosto 01, 2019, 02:15:45 pm »
O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas portuguesas, almirante António Silva Ribeiro, disse à ONU News que o país continuará a participar ativamente em missões de paz no mundo.
"Portugal ainda poderá ter forças de paz na República Centro-Africana em 2021."

Fonte: https://twitter.com/ONUPortugal/status/1156911691474579457

Entrevista:
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14937
  • Recebeu: 971 vez(es)
  • Enviou: 930 vez(es)
  • +161/-151
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #656 em: Agosto 16, 2019, 02:17:02 pm »
Patrick regressa da guerra a valorizar o número de vezes que uma criança sorri



Patrick Dias, de 24 anos, completou mais de 70 horas de confronto armado com um grupo armado na República Centro-Africana (RCA), durante uma missão especial de seis meses naquele país que está em guerra civil.

Natural do Canadá, mas a residir desde os quatro anos em Campo Abades – uma pequena aldeia em Terras de Bouro com pouco mais de 100 habitantes -, o 1.º cabo do segundo batalhão de paraquedistas sediado em São Jacinto, Aveiro, trouxe da missão na RCA – onde foi condutor, apontador e comandante de equipa -, várias lições “para a vida”, como é o caso de valorizar um duche, um copo de água ou uma noite de sono.

E confirmou com as crianças daquele país que a felicidade não está nos bens materiais, mas sim na quantidade de vezes em que sorrimos.

O MINHO foi a Campo Abades falar com o militar que termina o contrato com aquele regimento no final do próximo mês de setembro, depois de seis anos a servir a pátria, que culminou com a missão em Bambari, a segunda cidade mais populosa da RCA. Mas já lá vamos.

Habituado à paz da freguesia minhota e do próprio concelho de Terras de Bouro, onde estudou até aos 18 anos, resolveu alistar-se no exército português como voluntário após várias “histórias” ouvidas na primeira pessoa, contadas por pai, avós e tios, que também foram militares.

Patrick conta que a ideia já estava vincada desde criança: “Inscrevi-me como voluntário para o corpo de tropas paraquedistas e fui chamado para Tancos, onde fiz a formação [recruta+curso], durante 7 meses”.

Foram meses “intensos e exigentes”, numa “tropa especial”, onde os “dias complicados a pensar desistir” estiveram presentes, mas nunca levaram de vencida a determinação do “guerreiro” com coração do Minho. “Muitas vezes questionei o que estaria ali a fazer mas graças à ajuda dos meus pais e da minha irmã, consegui aguentar”, recorda.

Seguiu-se a transferência para o segundo batalhão de paraquedistas em São Jacinto, Aveiro, depois de ter sido um dos quinze melhores da formação [eram 70 no total]. Lá, aprendeu a valorizar a camaradagem, a lealdade e o espírito de equipa, algo que transpôs não só para o cenário real de conflito como também para a vida.

Patrick sabia que a qualquer momento poderia ser chamado para uma missão em cenário de guerra e a formação que foi tendo ao longo dos últimos anos incidiu nisso mesmo, com treino para saber reagir em emboscadas ou para entrar em compartimentos preenchidos com grupos armados. E foi mesmo isso que encontrou depois de 6 de setembro de 2018, quando o avião em que seguia com os restantes 180 “camaradas” aterrou em Bangui, na RCA.

Confronto direto com grupos armados

“Caiu na unidade de Aveiro uma missão na RCA, que passava por proteger civis e restabelecer a paz no país. Foi-me perguntado se eu queria ir, e não hesitei. Queria mesmo ir. Já tinha avisado os meus pais e a minha irmã que ia, mesmo sabendo que era uma missão de risco que envolvia confronto direto com elementos armados”.

Para essa missão, houve “um ano em aprontamento”, devido à complexidade do cenário que acabaram por encontrar. Mas o impacto inicial ao sair do avião foi indiscritível. “Era um aeroporto pequeno e a primeira coisa que notámos foi o clima extremamente quente. As temperaturas chegavam a atingir os 45 graus”, recorda.

Devido ao clima, o grupo em missão teve direito a um mês de adaptação, onde não intervieram em nenhum conflito. Mas, ao segundo mês na RCA, foram deslocados para Bambari, onde um grupo armado [UPC] estava a aterrorizar aquela cidade.

“O objetivo passava por tentar repelir o grupo daquela zona porque o que faziam era ameaçar as pessoas, extorquir, violar. Fechavam ruas para cobrar dinheiro para passar, faziam massacres”, aponta. E o início da experiência in situ não poderia começar de forma mais aterrorizadora. “No primeiro encontro com o grupo armado tivemos logo um ferido. Um camarada levou um tiro no braço direito, mas acabou por recuperar”, conta.

Patrick não esquece o primeiro impacto frente a frente a guerrilheiros armados com AK’s [metralhadoras] e RPG’s [lança-misseis de ombro]. “Aquilo era um contexto urbano, eles refugiavam-se dentro de edifícios e iam disparando. Lembro-me de olhar para o ar e ver ‘chumbada’ por todos os lados. Lembro-me também das explosões que nos passavam ao lado. Deu para sentir tudo a tremer”, recorda.

“Foi um momento complicado de gerir, a primeira vez que entro em contacto com o grupo armado, vejo logo um camarada atingido, que me deixou a pensar: o que é isto? Lembro-me de meter mais munições na mochila e preparar-me para o pior.  Mas depois passou e atingimos sucesso nessa operação, sem mais nenhum ferido”.


Depois, conta Patrick, ficou mais calmo até ao fim do mês de outubro. A viver em tendas, naquela cidade, sem grandes condições, regressaram á capital do país para “regeneração”, regressando ao coração do conflito no mês de janeiro.

“Fomos novamente chamados para expulsar mais um grupo armado. Efetuámos várias operações em vários dias seguidos de combate”. Patrick e os companheiros atingiram um total de 70 horas de conflito direto durante aquele mês, desde confrontos na rua como entrada em compartimentos onde se alojavam os grupos. Uma vez lá dentro, apreendiam-lhes o armamento e eram depois expulsos para a zona reservada àquele tipo de grupos, longa da cidade.



“Existem 15 grupos armados na RCA e o que estávamos a combater era UPC, sigla que é um apelo à paz, mas é cómico porque eles queriam tudo menos a paz”, sublinha.

Sítio mais perigoso em guerra atualmente

A RCA é um dos países onde, atualmente, o conflito armado é mais intenso. Os próprios “grandes nomes do exército português” salientam esse facto, destacando o “risco” da missão por ser feito à base de confronto direto.

“Atingimos um nível muito bom porque as operações em janeiro foram consecutivas e pensávamos que poderia dar para o torto mas voltámos todos direitos. Não voltou ninguém torto”, brinca. Dos 180 “convocados”, apenas 90 é que eram da componente operacional. O restante número era composto por mecânicos, cozinheiros ou elementos que faziam parte dos serviços. “Sem eles não fazíamos nada”, aduz Patrick.

Do Minho, não era só o residente em Campo Abades. “Havia um camarada de Terras de Bouro, um da Póvoa de Lanhoso, um de Melgaço e alguns de Braga”, recorda.

População local gritava por Portugal

Patrick explica que o grupo especial do exército português contava com o apoio da população local. “Os grupos massacravam as pessoas e elas acabavam por não os apoiar, porque não era aquilo que queriam. Em cada operação que efetuávamos, as pessoas vinham apoiar-nos. Quando terminávamos, vinham ao pé do campo bater palmas e gritar por Portugal. Fomos sempre bem recebidos pela população local”, vinca.

“Estar em contacto com aquelas pessoas, sobretudo as crianças, foi muito enriquecedor. “Infelizmente é um país que não tem quase nada e onde sobrevivem dia a dia com fruta da época e farinha mandioca. Custa perceber que há países que ainda estão nesse estado, de muita pobreza, e muitas vezes dávamos da nossa própria comida e era impressionante a alegria deles.

Como é que eles conseguem ser felizes?

“A alegria deles é contagiante. Não têm rigorosamente nada, mas mostram felicidade, sobretudo as crianças, que estavam sempre a rir. Acho que só demonstra que bens materiais não trazem felicidade. Lá, deram-me uma resposta para a vida: o que conta é a quantidade de vezes que nós sorrimos”.



Futuro

Com o contrato a terminar no final de setembro de 2019, Patrick vai concorrer para a Polícia de Segurança Pública. “Gosto de comunicar, falar com as pessoas e vejo-me nessa área no futuro. GNR também pode ser, mas estou mais vocacionado para a PSP”, revela, enquanto vai passando alguns dias em Campo Abades, onde a principal companhia é Tommy, um dos cães de estimação.

Mensagem para quem se quiser alistar no exército

“Se não tiverem ideias para o futuro, o exército é uma boa solução e vai ensinar a ver a vida de uma forma diferente. Se quiserem ir para os paraquedistas, sem duvida que é uma tropa bonita, onde saltamos de aeronave que é um momento de adrenalina inesquecível.

Na RCA não houve saltos, mas Patrick salienta que o voo do paraquedista é “um sentimento de liberdade” destacando que só os paraquedistas sabem “o porquê dos pássaros cantarem… porque a voar são felizes”.

https://ominho.pt/do-minho-a-republica-centro-africana-patrick-regressa-da-guerra-com-licoes-para-a-vida/
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, Lightning, tenente, Lusitan, Barlovento, MATRA

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3695
  • Recebeu: 1667 vez(es)
  • Enviou: 647 vez(es)
  • +428/-68
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #657 em: Agosto 16, 2019, 05:34:27 pm »
Porque raio as FFAA em pleno sec XXI, e com falta de efectivos que tem, desperdiçam Militares como este, com a experiência que tem.
A mais valia que elementos como este trariam para a Instituição deitada fora, porque raio não se constitui um quadro para a classe das Praças ???
Não consigo entender !!

Abraços
« Última modificação: Agosto 16, 2019, 05:35:21 pm por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo, MATRA

*

Stalker79

  • Especialista
  • ****
  • 946
  • Recebeu: 180 vez(es)
  • Enviou: 965 vez(es)
  • +76/-10
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #658 em: Agosto 16, 2019, 05:45:23 pm »
Porque raio as FFAA em pleno sec XXI, e com falta de efectivos que tem, desperdiçam Militares como este, com a experiência que tem.
A mais valia que elementos como este trariam para a Instituição deitada fora, porque raio não se constitui um quadro para a classe das Praças ???
Não consigo entender !!

Abraços


Por causa disto:



 ;)
 

*

Stalker79

  • Especialista
  • ****
  • 946
  • Recebeu: 180 vez(es)
  • Enviou: 965 vez(es)
  • +76/-10
Re: Missão militar portuguesa na RCA
« Responder #659 em: Agosto 16, 2019, 05:48:50 pm »
Pró caso de alguem dizer que não é em dolares...



 :mrgreen:
 

 

Origem da palavra "Commando" portuguesa?

Iniciado por PereiraMarques

Respostas: 1
Visualizações: 2598
Última mensagem Setembro 03, 2005, 11:58:47 pm
por dremanu
Legião Estrangeira Portuguesa (LEP)

Iniciado por Miguel

Respostas: 58
Visualizações: 22613
Última mensagem Setembro 09, 2008, 10:10:53 am
por Dead_Corpse
Mísseis de Concepção Portuguesa

Iniciado por Luso

Respostas: 11
Visualizações: 8818
Última mensagem Outubro 18, 2008, 06:51:06 pm
por Nitrox13
Legião Portuguesa

Iniciado por inox

Respostas: 6
Visualizações: 4326
Última mensagem Fevereiro 19, 2009, 06:28:05 pm
por teXou
A unidade militar mais "dura"

Iniciado por Yosy

Respostas: 17
Visualizações: 8687
Última mensagem Julho 09, 2005, 06:05:45 pm
por Yosy