Guerra na Síria

  • 4008 Respostas
  • 498341 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3915 em: Março 12, 2018, 05:05:19 pm »
Regime sírio negoceia com rebeldes em Ghouta


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3916 em: Março 13, 2018, 01:02:52 pm »
EUA ameaçam com intervenção na Síria, Rússia promete contra-atacar


 

*

ICE 1A+

  • Perito
  • **
  • 588
  • Recebeu: 376 vez(es)
  • Enviou: 37 vez(es)
  • +26/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #3917 em: Março 13, 2018, 09:58:03 pm »
EUA ameaçam com intervenção na Síria, Rússia promete contra-atacar




Quando sai uma destas a primeira coisa que faço é ir a correr , não para um abrigo nuclear, mas para os  sites e fóruns de Fun boy’s para me rir um bocado!
Os fóruns Brasileiros também valem  pela ignorância de alguns dos foristas mais assanhados!

Bla Bla Bla Bla!!!!
Não se vai passar nada!
Descansem os mais novos, são palavras minhas, palavras de quem viveu o auge da Guerra Fria.
PS: Como seria animado se houvesse fóruns e Blogs de fun boy’s nessa época!

PS: eu chamo-lhes “fun boy’s” em vez de “fanboy’s “. Porque se há coisa que eles têm é piada!
« Última modificação: Março 14, 2018, 12:24:21 pm por ICE 1A+ »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3918 em: Março 16, 2018, 09:33:47 pm »
Ghouta: Regime sírio desafia grupos armados a depor as armas


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3919 em: Março 17, 2018, 02:05:58 pm »
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14269
  • Recebeu: 717 vez(es)
  • Enviou: 718 vez(es)
  • +53/-33
Re: Guerra na Síria
« Responder #3920 em: Março 17, 2018, 04:05:38 pm »
American General In Syria Confirms US Forces Killed Hundreds Of Russians In Massive Battle

US Army Brigadier General Jonathan Braga also said he was 'absolutely worried' the situation could have escalated in a bigger conflict.
BY JOSEPH TREVITHICKMARCH 16, 2018



senior U.S. general appears to have confirmed that hundreds of Russians fought – and died – in a major battle against American forces and their local counterparts in Syria. More importantly, U.S. Army Brigadier General Jonathan Braga, director of operations for the main U.S. military task force in charge of operations in Iraq and Syria, said he feared the situation could have escalated into an all-out conflict with Russia, something we at The War Zone have warned repeatedly is becoming a worryingly realistic possibility.

Braga gave the surprisingly candid account of what had happened to NBC's Richard Engel, who traveled with the general to visit the exact site of the incident in Syria and to see what the U.S. military was doing to improve its defensive posture.

The skirmish occurred on Feb. 7, 2018 when forces aligned with Syria's dictator Bashar Al Assad, backed by Russian mercenaries from a shadowy company called Wagner, which are possibly under the direct control of the Kremlin, launched an attack on U.S. forces and members of the U.S.-backed Syrian Democratic Forces, a predominately Kurdish group, in eastern Syria. The opposing force consisted of tanks and heavy artillery.


After a massive American counter-attack involving air and artillery strikes beat back the opposing troops, reports emerged afterwards suggesting that as many as 200 Russians had died in the engagement.

The initial attack "led to immediate phone conversations with the Russians to inquire what was going on, to cease this if they had any knowledge of this," Braga told Engel. The Russians responded by saying "those are not our forces and at that time it was confusing," the general added.

Based on the segments of the interview that NBC has released so far, Braga does not specifically say the Russian government ordered the operation or otherwise had any direct involvement in it. He does, however, clearly say the U.S. government believes it killed a significant number of Russian nationals during the battle and unequivocally says he was concerned that the situation could have spiraled into a much more serious conflagration.

A U.S. general w @CJTFOIR in northeastern #Syria describes the night that pro-regime fighters & Russian mercenaries attacked an American base here — the largest assault on U.S. forces since they entered the conflict. @RichardEngel is on the ground. More tonight on @NBCNightlyNews pic.twitter.com/5c7LBc8VTy

"There have been reports that two to three hundred of the Russian force was killed. Is that accurate?" Engel asked him in the interview. "We've seen that in open reports as well and that's I would say close to our estimates as well," Braga responded.

"Were you worried during this firefight, during this battle that this could have become sort of real war with Russia?" Engel continued. "Absolutely concerned and that's why, again, I had a professional dialogue with our [Russian] counterparts throughout the night," the general told him.

Braga's comments are of a significant different tenor from previous remarks from U.S. military and other government officials, including Secretary of Defense James Mattis, offered in the days and weeks following the incident. Mattis in particular repeatedly deflected and downplayed the presence of Russian mercenaries and the potentially serious implications of their involvement, especially as a proxy for the Kremlin itself.

Yet, on multiple occasions he described the idea that Russia would have had a direct hand in the incident as "perplexing," despite months of publicly increasing tensions between the two countries over the situation in the region, including already worrying aerial confrontations. The Russian government has, of course, denied any involvement, saying that there might have been just five "presumably Russian citizens" who died in the fighting, and deflecting accusations that it played any part in the incident with unfounded claims and conspiracy theories.

While we don't know what the reason for the shift in tone might be, Braga's new interview with NBC does follow a fiery speech from Russian President Vladimir Putin on March 1, 2018, in which he unveiled a host of new strategic weapons and implicitly threatened the United State and its allies. It also comes after a high-profile poisoning of a former Russian intelligence officer in the United Kingdom, which both the U.K. and American governments say was a Kremlin-ordered assassination attempt.

The interviews release also comes amid U.S. government reports of Russia-based cyber attacks on U.S. public and private institutions, including elements of the country's electric grid and political processes, all in the run-up to the 2018 U.S. mid-term congressional elections. The United States continues to investigate the extent if Russian meddling in the 2016 presidential election, though the U.S. Intelligence Community says it has little doubt that the Kremlin tried to interfere with those polls.

Putin, who is almost certain to win a fourth term as Russia's president a controversial election in polls just days away, appears to have increasingly turned to proxy forces in Syria, such as the Wagner forces, in order to better avoid criticism at home and abroad. In December 2017, he triumphantly toured the region and declared total victory in Syria during a stopover in that country.

There had been reports of growing Russian casualties in Syria, which could have given rhetorical ammunition to his braver political opponents. Just earlier in March 2018, a Russian Air Force An-26 transport plane crashed near the Kremlin's outpost in the western Syrian governorate of Latakia, killing all 32 individuals on board. There has been little additional information about this incident, with Russia said was not the result of enemy action.

Back in the eastern portion of the country, Braga seems to fear that another Russian-backed attack could easily come in the future. “I don’t think that’s healthy for de-escalation,” he told NBC's Engel, referring to the pro-Syrian forces still situated very close to American and SDF positions.

Whatever happens, there seems to be growing evidence that the two sides may already be in the midst of a low-level conflict, or least an uneasy standoff, whether they're actively fighting each other or not.

Contact the author: jtrevithickpr@gmail.com

http://www.thedrive.com/the-war-zone/19335/american-general-in-syria-confirms-us-forces-killed-hundreds-of-russians-in-massive-battle 
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3921 em: Março 18, 2018, 07:55:34 pm »
Turquia anuncia controlo "total" do centro da cidade de Afrin


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3922 em: Março 19, 2018, 11:17:32 pm »
"Assad conduz carro até Ghouta num domingo"


 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8104
  • Recebeu: 633 vez(es)
  • Enviou: 922 vez(es)
  • +37/-5
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Guerra na Síria
« Responder #3923 em: Março 22, 2018, 08:50:44 pm »
Anna News a acompanhar a ofensiva Síria em Ghouta.
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3924 em: Março 30, 2018, 01:12:31 pm »
França oferece-se para mediar conflito no norte da Síria


 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3925 em: Abril 02, 2018, 10:30:06 am »
Ghouta em breve sob o controlo total do regime


 

*

Migas

  • Membro
  • *
  • 170
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +0/-0
Re: Guerra na Síria
« Responder #3926 em: Abril 04, 2018, 02:23:55 pm »
Ghouta em breve sob o controlo total do regime



A marcar a cervejinha do final do dia pelo Zap.
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3927 em: Abril 08, 2018, 03:02:04 pm »


« Última modificação: Abril 08, 2018, 09:39:50 pm por Lusitano89 »
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 9236
  • Recebeu: 301 vez(es)
  • Enviou: 209 vez(es)
  • +15/-5
Re: Guerra na Síria
« Responder #3928 em: Abril 09, 2018, 08:00:09 pm »
 

*

Viajante

  • Especialista
  • ****
  • 1098
  • Recebeu: 275 vez(es)
  • Enviou: 155 vez(es)
  • +37/-8
Re: Guerra na Síria
« Responder #3929 em: Abril 11, 2018, 05:41:28 pm »
Trump ameaça Rússia. “Mísseis estão a chegar” à Síria

Presidente dos EUA diz que mísseis "estão a chegar, bons, novos e inteligentes", ao território sírio. Rússia garante que vai atacar posições a partir das quais sejam lançados estes mísseis.



O Presidente dos EUA acaba de deixar um aviso a Moscovo. “Prepara-te, Rússia”, porque os mísseis “estão a chegar” à Síria, escreveu Donald Trump na sua conta Twitter. Televisão russa aconselha população a recolher mantimentos para a eventualidade de um conflito armado com os Estados Unidos.

A mensagem de Donald Trump foi publicada esta quarta-feira, na conta pessoal do presidente norte-americano, depois de Moscovo ter garantido que vai abater todos os mísseis que sejam lançados contra o território sírio.

"Prepara-te, Rússia, porque eles estão a chegar, bons, novos e ‘inteligentes’! Vocês não deviam ser parceiros de um animal homicida que gaseia o seu povo até à morte e gosta disso”, escreveu Trump numa das publicações desta manhã na sua conta pessoal daquela rede social."

"

    Russia vows to shoot down any and all missiles fired at Syria. Get ready Russia, because they will be coming, nice and new and “smart!” You shouldn’t be partners with a Gas Killing Animal who kills his people and enjoys it!

    — Donald J. Trump (@realDonaldTrump) April 11, 2018"

Quando Trump recorreu ao Twitter para veicular uma ameaça direta à Rússia e à Síria, tinham passado poucas horas desde que Moscovo garantira estar a postos para responder a eventuais ataques ao território maioritariamente controlado pelas forças de Bashar Al-Assad. Alexander Zasypkin, enviado de Moscovo a Beirute, disse que “se houver um ataque americano”, as forças russas vão “abater os mísseis e atacar as posições a partir das quais eles forem lançados”. Essa garantia já tinha surgido na sequência das críticas internacionais contra o uso de armas químicas na Síria.

"Citado pelo Russia Today, Alexander Zasypkin disse que “as forças russas vão confrontar qualquer agressão norte-americana à Síria, intercetando os mísseis e atacando os seus pontos de lançamento"

O escalar dos termos leva a que, na prática, EUA e Rússia se estejam a declarar prontas para um confronto direto tendo como teatro de operações aquele país do Médio Oriente.

Poucos minutos depois do primeiro texto sobre o ataque às forças de Al-Assad, Donald Trump publicou um novo texto. “As nossas relações com a Rússia estão piores agora do que alguma vez estiveram, e isso inclui a Guerra Fria”, disse o Presidente dos EUA, garantindo que “não há qualquer razão para isto”. Para Trump, “a Rússia precisa” do apoio norte-americano para fortalecer a sua economia, “algo que seria muito fácil de fazer” num momento em que é preciso que “todas as nações trabalhem em conjunto”. E deixa a questão: “Parar a corrida às armas?”

"

    Our relationship with Russia is worse now than it has ever been, and that includes the Cold War. There is no reason for this. Russia needs us to help with their economy, something that would be very easy to do, and we need all nations to work together. Stop the arms race?

    — Donald J. Trump (@realDonaldTrump) April 11, 2018"

Na sua intervenção desta manhã, horas antes da réplica de Washington, o embaixador russo deixou clara a intenção de Moscovo reagir a ataques na Síria depois de a agência de controlo de tráfego aéreo no espaço europeu ter alertado as companhias de aviação para o risco de ataques, nas próximas 72 horas, sobre o espaço aéreo na zona este do mediterrâneo. Estava em causa a possibilidade de serem lançados mísseis a partir de navios estacionados naquela região ou de aviões.

“Devido à possibilidade de serem realizados ataques aéreos sobre a Síri (…) nas próximas 72 horas, e devido à possibilidade de haver uma interrupção intermitente nos sistemas de navegação”, estas informações “devem ser tidas em conta no planeamento de operações de voo” naquela zona do Mediterrâneo, referiu a Eurocontrol num comunicado também esta quarta-feira.

Numa versão diferente daquela apresentada pelo regime de Damasco — que nega qualquer ataque com recurso a agentes químicos sobre a população síria –, a Organização Mundial de Saúde apresentou um relatório que garante ter registo de que pelo menos 500 pessoas receberam tratamento hospitalar na sequência do ataque à localidade síria de Douma, no sábado, por apresentatem sintomas de exposição a químicos tóxicos, como problemas respiratórios e problemas no sistema nervoso central.

Com a publicação de um aviso direto a Moscovo através da sua conta Twitter, Donald Trump também procura exercer alguma pressão sobre Londres. Esta quarta-feira, os deputados britânicos enviaram uma mensagem pública a Theresa May para que a primeira-ministra não ignore a posição do Parlamento quando decidir tomar uma posição sobre a ação militar de Washington (e Paris) em território sírio.

O Presidente francês Emmanuel Macron já disse que estaria “por dias”  a decisão dos três países — EUA, França e Inglaterra — a respeito de uma resposta ao ataque químico que obrigou cerca de 500 pessoas a serem assistidas nos hospitais da região de Douma.

Canal de TV aconselha russos: comprem mantimentos, preparem-se para a guerra

A emissão da Vesti-24 desta terça-feira passava um conteúdo diferente do habitual: o pivot aconselhava os espetadores a acumular alimentos e água, prevenindo-se para a eventualidade de rebentar um conflito militar entre a Rússia e os EUA.

A informação foi veiculada pelo jornal The Moscow Times. Nos ecrãs dos televisores russos, o pivot recomendava que os cidadãos do país se abastecessem com “menos doces e mais água” (mais de 30 litros, para beber, preparar refeições e higiene), num segmento sobre alimentos de sobrevivência a reunir em situações de emergência. Arroz, aveia e açúcar, fármacos estavam entre os bens sugeridos.

“Sublinhe-se que o verdadeiro pânico não está aqui, mas do outro lado do oceano” Atlântico, dizia o apresentador do programa, acrescentando que as vendas de abrigos tinham “disparado” nos Estados Unidos depois de Donald Trump ter chegado à Casa Branca, em janeiro de 2017.
Troca de argumentos continua: EUA querem apagar vestígio de armas químicas, diz Moscovo

A Rússia insinuou entretanto que os ataques norte-americanos com mísseis contra o regime sírio prometidos por Donald Trump podem servir para “apagar vestígios” do alegado ataque químico em Douma — e que serviram de argumento para a promessa de novos ataques por parte das forças militares americanas.

Maria Zakharova, a porta-voz da Diplomacia russa questionou-se sobre se a Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) tem noção de que os mísseis disparados pelas forças norte-americanas podem destruir “todas as evidências” do alegado ataque químico.

Maria Zakharova garante que os responsáveis da OPAQ não vão encontrar sinais de um ataque com recurso a químicos e frisou que os mísseis de Donald Trump para a Síria devem ter como alvo “os terroristas” e não “o governo legítimo” de Damasco. “Os mísseis inteligentes devem voar em direção aos terroristas e não em direção do governo legítimo, que luta contra o terrorismo internacional há vários anos no seu território”, disse Zakharova.

“Grande ideia”, disse ainda a responsável russa, respondendo à sugestão de Trump para que se suspendesse a corrida ao armamento. Maria Zakharova deixou a sugestão ao Presidente dos EUA: “Há uma proposta para começar a destruição de armas químicas. As americanas”, escreveu no Facebook.

Assad evacua bases militares e aeroportos

O Syrian Observatory for Human Rights — uma organização de análise de guerra britânica —  acaba de avançar que forças pro-governamentais estão a evacuar os principais aeroportos e bases militares da Síria.

Esta tomada de posição pode muito bem ter tido em conta outro ataque realizado pelos norte-americanos há pouco mais de um ano. No início do mês de abril, em 2017, Donald Trump admitiu que tinha ordenado um ataque à base militar de onde, teoricamente, terá originado um ataques químico. “É de vital interesse para a segurança nacional dos EUA que se previnam ataques com armas químicas mortíferas”, disse o Presidente Trump na altura.

https://observador.pt/2018/04/11/trump-ameaca-russia-misseis-estao-a-chegar-a-siria/

Faz-me lembrar um certo Presidente de um clube português, mas neste caso o assunto é muito mais sério!
« Última modificação: Abril 11, 2018, 05:53:34 pm por Viajante »
 

 

"A Guerra" - RTP1

Iniciado por LanceroQuadro Livros-Revistas-Filmes-Documentários

Respostas: 41
Visualizações: 17617
Última mensagem Abril 26, 2008, 01:23:32 pm
por lurker
A guerra com o Iraque foi um "erro estratégico"

Iniciado por Tiger22Quadro Conflitos do Presente

Respostas: 7
Visualizações: 3619
Última mensagem Maio 04, 2004, 03:16:28 pm
por Guilherme
"Memórias da Guerra - 1961-1974"

Iniciado por LanceroQuadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 11
Visualizações: 33501
Última mensagem Junho 15, 2007, 04:28:40 pm
por Lancero
Guerra Colonial: Fotos dos "gun trucks"

Iniciado por sprint1050Quadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 0
Visualizações: 3142
Última mensagem Agosto 17, 2008, 02:35:53 pm
por sprint1050
"Portugal em tempo de guerra" - CONTEX/PHIBEX

Iniciado por Ricardo NunesQuadro Armadas/Sistemas de Armas

Respostas: 4
Visualizações: 3952
Última mensagem Setembro 26, 2004, 12:00:40 am
por Fábio G.