Sector Aeroportuario/Aeronautica

  • 190 Respostas
  • 33249 Visualizações
*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8368
  • Recebeu: 712 vez(es)
  • Enviou: 1097 vez(es)
  • +46/-10
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #180 em: Novembro 13, 2018, 06:45:51 pm »
Já não sei onde vi isto pela primeira vez e espero que não seja repost mas aqui está o link com toda a informação disponível relativa a este incidente.
https://aviation-safety.net/wikibase/wiki.php?id=217634
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7137
  • Recebeu: 527 vez(es)
  • Enviou: 652 vez(es)
  • +36/-12
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #181 em: Novembro 13, 2018, 09:13:01 pm »
https://www.cmjornal.pt/mundo/detalhe/forca-aerea-nega-companhia-e-diz-que-assistencia-a-aviao-da-transavia-nao-foi-exercicio-militar

A Transavia parece estar a desvalorizar a situação, acho muito estranho os F-16 irem descolar e acompanhar um avião civil só porque lhes apetece. Na aviação há protocolos para tudo, de certeza que neste tipo de situações para se activar os F-16 também existe.

Será que a situação obriga a algum tipo de pagamento a Portugal e a companhia está a tentar safar-se?
 

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10184
  • Recebeu: 344 vez(es)
  • Enviou: 222 vez(es)
  • +53/-30
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #182 em: Novembro 16, 2018, 04:43:29 pm »
Grupo francês investe 5 M€ em fábrica de aeronáutica em Ponte de Sor


Um grupo francês de componentes aeronáuticos adquiriu as instalações da extinta fábrica da Dyn´Aéro, em Ponte de Sor (Portalegre), para criar uma nova unidade industrial, num investimento superior a cinco milhões de euros, revelou hoje o município.

O investimento do grupo gaulês Rexiaa engloba a aquisição do imóvel, situado na zona industrial da cidade alentejana, e a criação de novas linhas de produção de componentes para a indústria aeronáutica.

"O grupo francês escolheu Ponte de Sor face à forte dinâmica do nosso 'cluster' de aeronáutica. Tornámo-nos, mais uma vez, atrativos para este tipo de investidores", disse hoje à agência Lusa o presidente do município, Hugo Hilário.

Segundo o autarca, o grupo Rexiaa tenciona iniciar a laboração no segundo semestre de 2019, sendo que nos próximos três anos propõe-se criar "entre 80 e 100 postos de trabalho".

O grupo tem como clientes grandes fabricantes de aeronaves, como a Airbus ou a Dassault Aviation.

"O investimento não vai surgir no Aeródromo Municipal de Ponte de Sor, mas sim na zona industrial, o que revela que, efetivamente, continuamos no bom caminho", considerou.

Hugo Hilário congratulou-se ainda com o número de postos de trabalho que o investimento vai gerar, destacando que o combate ao desemprego constitui uma das suas "bandeiras" como autarca.

"Há cinco ou seis anos, tínhamos em Ponte de Sor cerca de 1.600 desempregados e agora temos pouco mais de 300. Temos de trabalhar todos os dias para que este número reduza consideravelmente", disse.

A extinta fábrica de aeronáutica Dyn'Aéro entrou em "lay-off" (suspensão do trabalho) parcial a 06 de julho de 2010, tendo sido decretada a sua insolvência pelo tribunal pouco tempo depois.


:arrow: https://sicnoticias.sapo.pt/economia/2018-11-16-Grupo-frances-investe-5-M-em-fabrica-de-aeronautica-em-Ponte-de-Sor
« Última modificação: Novembro 16, 2018, 04:46:18 pm por Lusitano89 »
 

*

HSMW

  • Moderador Global
  • *****
  • 8368
  • Recebeu: 712 vez(es)
  • Enviou: 1097 vez(es)
  • +46/-10
    • http://youtube.com/HSMW
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #183 em: Novembro 16, 2018, 10:09:14 pm »
« Última modificação: Novembro 16, 2018, 10:16:25 pm por HSMW »
http://www.youtube.com/profile_videos?user=HSMW

"Tudo pela Nação, nada contra a Nação."
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7137
  • Recebeu: 527 vez(es)
  • Enviou: 652 vez(es)
  • +36/-12
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #184 em: Dezembro 13, 2018, 10:25:52 am »
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 2954
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 405 vez(es)
  • +136/-7
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #185 em: Janeiro 09, 2019, 01:02:43 pm »
Portanto com os lucros do ano passado cerca de 300 milhões já prefaz mais de 880 milhões em seis anos, nada mau, só são 28,5%, de um investimento de 3080 milhões, para uma CONCESSÃO A 50 ANOS !!!!!
Vejam só o dinheiro que anda a sair de Portugal anualmente, devido aos contratos que se fizeram para vender as POUCAS empresas Nacionais que ainda davam, e dão, LUCRO !

https://www.publico.pt/2019/01/09/economia/noticia/donos-ana-ja-recuperaram-19-pagaram-privatizacao-aeroportos-1857057

Abraços
« Última modificação: Janeiro 09, 2019, 01:15:32 pm por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Get_It

*

overlord

  • Membro
  • *
  • 92
  • Recebeu: 5 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #186 em: Janeiro 13, 2019, 12:30:16 am »
Portanto com os lucros do ano passado cerca de 300 milhões já prefaz mais de 880 milhões em seis anos, nada mau, só são 28,5%, de um investimento de 3080 milhões, para uma CONCESSÃO A 50 ANOS !!!!!
Vejam só o dinheiro que anda a sair de Portugal anualmente, devido aos contratos que se fizeram para vender as POUCAS empresas Nacionais que ainda davam, e dão, LUCRO !

https://www.publico.pt/2019/01/09/economia/noticia/donos-ana-ja-recuperaram-19-pagaram-privatizacao-aeroportos-1857057

Abraços

Tas a esquecer-te que essas empresas só dão lucro quando são privadas, quando estão no estado dão sempre prejuizo.
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 2954
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 405 vez(es)
  • +136/-7
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #187 em: Janeiro 13, 2019, 06:58:41 am »
Portanto com os lucros do ano passado cerca de 300 milhões já prefaz mais de 880 milhões em seis anos, nada mau, só são 28,5%, de um investimento de 3080 milhões, para uma CONCESSÃO A 50 ANOS !!!!!
Vejam só o dinheiro que anda a sair de Portugal anualmente, devido aos contratos que se fizeram para vender as POUCAS empresas Nacionais que ainda davam, e dão, LUCRO !

https://www.publico.pt/2019/01/09/economia/noticia/donos-ana-ja-recuperaram-19-pagaram-privatizacao-aeroportos-1857057

Abraços

Tas a esquecer-te que essas empresas só dão lucro quando são privadas, quando estão no estado dão sempre prejuizo.

Não generalizes, pois estás equivocado.

Abraços
« Última modificação: Janeiro 13, 2019, 08:05:56 am por tenente »
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 2954
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 405 vez(es)
  • +136/-7
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #188 em: Janeiro 13, 2019, 12:08:27 pm »
em 2005, alguns dos peregrinos que o Aeroporto de Lisboa possuía como força de interdição dos pombos e afins.




Abraços
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lusitano89

*

Viajante

  • Investigador
  • *****
  • 1246
  • Recebeu: 348 vez(es)
  • Enviou: 177 vez(es)
  • +64/-13
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica
« Responder #189 em: Fevereiro 08, 2019, 04:04:55 pm »
Multa de 3900 euros para dono do drone que caiu na pista do Aeroporto de Lisboa

Segundo a Autoridade Nacional da Aviação Civil (ANAC), entre Janeiro e Setembro de 2018, foram registados 43 incidentes com drones, 27 dos quais no verão, o que representa mais de 60% das ocorrências naquele período.

A ANAC aplicou agora uma coima de 3.900 euros ao proprietário do drone que caiu na pista do Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, em Agosto de 2018, quando o aparelho sobrevoava aquela zona.



Na decisão, a que a agência Lusa teve acesso, o regulador do sector da aviação, diz que, “no seguimento dos factos participados e investigados no âmbito de processo de contra-ordenação (…), relacionado com ocorrência com um drone que sobrevoou e caiu na pista”, a 20 de Agosto, “proferiu decisão de condenação” e determinou uma coima de 3.900 euros.

A coima foi aplicada ao proprietário do drone com o fundamento de que “o piloto violou as regras do ar, nos termos do Decreto-Lei n.º 163/2015, conjugado com o Decreto-Lei n.º 10/2004, que estabelece o regime das contra-ordenações aeronáuticas civil”, refere a ANAC, acrescentando que a decisão já foi “notificada ao infractor”.

O incidente, que ocorreu na tarde de uma segunda-feira, 20 de Agosto, “levou a uma interrupção da operação durante oito minutos, devido ao encerramento do tráfego [aéreo]”, indicou nesse dia à Lusa a ANA – Aeroportos de Portugal, acrescentando a gestora do aeroporto que “o drone foi encontrado na pista e entregue às autoridades”. A polícia comunicou o sucedido ao Ministério Público para investigação do crime de “atentado à segurança de transporte por ar, água ou caminho-de-ferro”.

O dono do drone foi constituído arguido e as autoridades comunicaram os factos ao Ministério Público para investigação do eventual crime de “Atentado à segurança de transporte por ar, água ou caminho-de-ferro”, previsto no artigo 288 do Código Penal, cuja pena pode ir de um a 10 anos de prisão.



Fonte policial revelou na altura que o proprietário do drone era um fotógrafo profissional que estava a realizar um trabalho para uma imobiliária, quando perdeu o controlo do aparelho.

De relembrar que a 28 de Julho de 2018, entrou em vigor o decreto-lei n.º 58/2018 que obriga a que todos os drones com massa operacional superior a 250 gramas, mesmo que amadores, estão obrigados a um registo obrigatório junto da ANAC, em nome do proprietário ou representante legal. Caso o proprietário não seja o piloto, pode identificar este no registo.

A necessidade de um seguro de responsabilidade civil tornar-se-á obrigatória após densificação das condições de celebração de um contrato de seguro para os drones, com peso superior a 0,900 kg.

https://pplware.sapo.pt/informacao/multa-de-3900-euros-para-drone-que-caiu-na-pista-do-aeroporto-de-lisboa/
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 2954
  • Recebeu: 1242 vez(es)
  • Enviou: 405 vez(es)
  • +136/-7
Re: Sector Aeroportuario/Aeronautica Novo
« Responder #190 em: Março 19, 2019, 01:40:25 pm »
Falhas no aeroporto? GPIAAF recomenda que ANA reveja Plano de Emergência

O organismo que investiga acidentes aéreos recomenda à ANA, Aeroportos de Portugal que reveja o Plano de Emergência do Aeroporto de Lisboa, após detetar falhas na gestão do acidente com um ATR 72 da TAP, em 2016.



Na noite de 22 de outubro, um ATR 72, operado pela White Airways, em nome da TAP Express, descolou do Porto para Lisboa, com 20 passageiros e quatro tripulantes. Na aterragem, o avião sofreu danos substanciais no trem de aterragem dianteiro, no trem principal esquerdo e em painéis da fuselagem dianteira, após embater quatro vezes na pista, sem causar feridos.

"Recomenda-se que a ANA, Aeroportos de Portugal reveja o seu Plano de Emergência do Aeroporto (PEA) de Lisboa, por forma a garantir um processo robusto de tomada de decisão quanto à reabertura do aeroporto após um evento de ocupação de pista", indica o relatório final do Gabinete de Prevenção e Investigação de Acidentes com Aeronaves e Acidentes Ferroviários (GPIAAF), a que a agência Lusa teve hoje acesso.

Os investigadores acrescentam que a gestora aeroportuária "deverá ainda avaliar o seu equipamento de suporte aos operadores para remoção de aeronaves da pista, quanto a adequação e operacionalidade".

Estas recomendações surgem no relatório final do acidente com o ATR 72, no qual a investigação aponta falhas à gestão da emergência por parte da ANA, gestora do aeroporto.
"A administração do aeroporto de Lisboa não geriu a emergência de acordo com os requisitos (PEA). A falta de uma análise de risco documentada e sustentada antes de reabrir a pista poderá ter colocado em risco a segurança operacional do aeroporto. A ineficácia dos meios empregues na remoção da aeronave da pista, resultou num tempo desnecessariamente prolongado de inoperacionalidade da pista 03/21", concluiu a investigação.

O GPIAAF ressalva, contudo, que, "atendendo à dinâmica da aterragem e aos consequentes danos na aeronave, não esteve em causa o espaço de sobrevivência ou possibilidade de ferimentos por fatores diretos externos como acelerações decorrentes da dissipação de energia ou fogo".

"Foi solicitado um relatório de analise de risco ao gestor de segurança do Aeroporto de Lisboa relativo ao evento. Esta solicitação não teve resposta do concessionário [ANA] até à publicação do presente relatório", lê-se no relatório final.

Logo após o acidente, depois de confirmada a emergência, às 21:36 foi ativado o 'crash alarm' e os serviços de emergência chegaram em dois minutos.
"Recolhidas as informações e conforme estipulado no referido plano de emergência, apenas às 23:08 foi emitido um NOTAM [aviso] a encerrar ambas as pistas. Oito minutos depois, às 23:16 e ainda com pessoal junto à aeronave [acidentada], foi emitido um novo NOTAM a reabrir a pista 17/35, que permitiu realizar 18 movimentos (aterragens e descolagens)", diz o relatório.
O GPIAAF acrescenta que a pista 03/21 "apenas foi libertada e dada como operacional às 04:19, sobretudo devido à falta de meios do aeroporto para auxiliar a remoção da aeronave da posição final após o acidente".

"Relativamente à libertação da pista 03/21, pelo demorado processo de tomada de decisão e forma como a aeronave foi removida da pista ficou também evidenciada a falta de meios físicos e soluções técnicas disponíveis para a recuperação de aeronaves acidentadas em LPPT [aeroporto de Lisboa]", sublinha a investigação.

O relatório refere que "não foi solicitada pelo gestor de operações do aeroporto qualquer tipo de análise aos intervenientes na missão de assistência à aeronave" acidentada.
O GPIAAF recorda que, se um aeroporto tiver sido encerrado devido a uma emergência, ele não deverá reabrir até que o pessoal designado garanta que as áreas operacionais junto à aeronave estejam seguras e protegidas, as áreas de movimento das aeronaves a serem reabertas tenham sido inspecionadas, garantidas as condições de segurança para o resgate da aeronave imobilizada e a segurança aeronáutica da infraestrutura.

Após a remoção dos destroços, acrescenta este organismo público, as autoridades aeroportuárias responsáveis devem avaliar riscos, inspecionar o pavimento da pista/caminhos de acesso à pista e as zonas adjacentes quanto a danos e detritos e, sendo satisfatório, o aeroporto pode ser reaberto ao tráfego aéreo após receber a confirmação de todos os intervenientes, incluindo o representante da autoridade de investigação de segurança.

O GPIAAF recomendou ainda à companhia aérea White Airways que incorpore nos seus manuais de formação o treino em recuperação de aterragem 'saltada' [aos saltos] e aterragem rejeitada, garantindo a prática destas técnicas nas formações iniciais e recorrentes, conforme recomendado pelo regulador europeu da aviação civil.

https://www.noticiasaominuto.com/economia/1218968/falhas-no-aeroporto-gpiaaf-recomenda-que-ana-reveja-plano-de-emergencia

Abraços
« Última modificação: Março 19, 2019, 01:46:14 pm por tenente »
 

 

Sector público nacional melhorou nos anos 90

Iniciado por Tiger22

Respostas: 0
Visualizações: 1474
Última mensagem Fevereiro 06, 2004, 02:12:50 am
por Tiger22
Sector do Turismo e Hotelaria

Iniciado por Marauder

Respostas: 206
Visualizações: 51398
Última mensagem Fevereiro 18, 2019, 10:17:33 am
por Lusitaniae
Sector da Saude - Hospitais, etc..

Iniciado por Marauder

Respostas: 130
Visualizações: 23962
Última mensagem Março 13, 2019, 09:20:41 pm
por Lusitano89
Sector da Agricultura e pecuária

Iniciado por Marauder

Respostas: 12
Visualizações: 4377
Última mensagem Dezembro 25, 2006, 06:54:01 pm
por Luso
Sector da Imprensa Escrita

Iniciado por TOMKAT

Respostas: 0
Visualizações: 1570
Última mensagem Agosto 31, 2006, 01:04:22 am
por TOMKAT