Israel aceita com condições a independência para a Palestina

  • 1 Respostas
  • 2196 Visualizações
*

Pimenta

  • 84
  • +0/-0
Citar
Numa conferência em Jerusalém, o actual primeiro-ministro de Israel. Benjamin Netanyahu afirmou que Israel estaria na disposição de aceitar a existência de um estado palestiniano a conviver com Israel.

No entanto o dirigente da direita de Israel, afirmou que o país não pode viver lado a lado com um vizinho, temendo a possibilidade de ser atacado a qualquer altura.

As declarações de Netanyahu são proferidas após pressões por parte da administração norte-americana - da qual Israel depende para sobreviver - no sentido de aceitar a solução de dois estados para a região.
As declarações do presidente norte-americano Barak Obama, foram entretanto muito criticadas pelos movimentos extremistas de Israel, que acusaram o presidente norte-americano de entregar Israel aos árabes.

Entre as questões que não têm solução à vista estão os territórios ocupados por cidadãos de Israel, dentro das áreas que supostamente devem pertencer a um futuro estado palestiniano.

Israel tem continuamente violado disposições internacionais e tem feito «vista grossa» à instalação de colónias de judeus em territórios que não pertencem efectivamente ao estado de Israel.
Essas colónias ou «colonatos» espalham-se por várias áreas da chamada margem ocidental do Jordão e ocupam algumas das terras mais importantes na região.

Para piorar a situação, o governo de Israel construiu muros de separação dentro do território palestiniano com o objectivo de proteger os colonos dos ataques dos árabes, que na sua maioria foram empurrados para fora das suas casas para dar lugar a colonos provenientes muitas vezes das mais diversas regiões do globo.

Regresso a Sião
Os colonos, que tomam e ocupam áreas do território que pertencem legalmente à Palestina, consideram que têm o direito de regressar à região utilizando para isso um principio que começou a ser desenvolvido no século XIX. Esse principio relacionava o direito de voltar a Israel por parte dos judeus, com o direito que lhes foi concedido em 535 AC pelo imperador dos persas. A defesa desse direito de regresso, foi a razão de ser de um movimento que ficou conhecido como «movimento Sionista».

Muitos dos colonos nessas regiões, são dos mais fervorosos apoiantes dos movimentos extremistas judeus, os quais têm uma considerável força eleitoral. Essa força eleitoral faz com que seja virtualmente impossível a um governo de Israel aceitar a retirada desses territórios.

A pressão por parte da administração norte-americana é vista como praticamente a única forma de pressionar o Estado de Israel a assumir posições menos extremistas, e a aceitação do principio da existência de um estado palestiniano independente é vista como uma concessão a Washington.

Palestina desarmada
A existência de um estado palestiniano desarmado, em que exista apenas uma força de policia, é a contrapartida exigida por Israel, que assim pretende justificar a cedência perante os sectores mais radicais.

A possibilidade de tal solução ser aceite pelos palestinianos é remota e mesmo inviável. Mesmo controlando parcialmente a região de Gaza e a margem ocidental do rio Jordão, a Autoridade Palestiniana viu-se envolvida numa guerra civil entre o movimento Fatah e o movimento Hamas, tendo este último tomado o controlo efectivo de Gaza.

As «forças armadas» dos dois movimentos estão equipadas com armamento ligeiro, tendo o Hamas capacidade para o fabrico de foguetes de artilharia rudimentares, derivados dos foguetes do sistema Katiusha soviético. A Autoridade Palestiniana, na margem ocidental do rio Jordão, possui além de armamento ligeiro, algumas viaturas blindadas sobre rodas.

Israel, Estado Judeu

Além da exigência de um Estado Palestiniano sem armas, Netanyahu afirmou ainda que o futuro estado teria que aceitar Israel como um estado Judaico, o que implica a redução dos direitos dos cidadãos não judeus de Israel, e implica também a aceitação legal de que os palestinianos que foram expulsos das suas terras, não terão mais o direito às propriedades que lhes foram retiradas.

Vários dirigentes árabes mesmo de sectores moderados como o presidente do Egipto, afirmaram já que aquelas condições são inaceitáveis. O movimento Hamas, afirmou mesmo que as declarações de Netanyahu e a sua exigência de reconhecimento de Israel como um estado judaico, são racistas.
 

*

P44

  • Investigador
  • *****
  • 7433
  • Recebeu: 257 vez(es)
  • Enviou: 394 vez(es)
  • +51/-159
Re: Israel aceita com condições a independência para a Pales
« Responder #1 em: Novembro 30, 2012, 09:01:02 am »

Portugal apoia elevação de estatuto da Palestina a Estado observador não-membro da ONU


30.11.2012 07:25


O governo português apoia a declaração da Palestina como Estado observador não-membro das Nações Unidas. Em comunicado, o Ministério dos Negócios Estrangeiros esclarece que votou a favor, na Assembleia Geral da ONU, porque defende um Estado palestiniano independente e que viva em paz com Israel . Depois de conhecido o resultado, centenas de pessoas saíram para as ruas da Faixa de Gaza para festejar.

O voto favorável de Portugal para elevação  do estatuto da Palestina nas Nações Unidas respeita a posição histórica  do país e é um apoio à liderança palestiniana do presidente Mahmoud Abbas,  disse hoje o embaixador português na ONU.  

Na sua declaração de voto, após a aprovação pela Assembleia-Geral, por  larga maioria, de uma resolução elevando o estatuto palestiniano para 'Estado  observador não-membro' dentro da organização, o embaixador Moraes Cabral  apelou também a um regresso à mesa das negociações.

Portugal, disse, sempre defendeu o "direito inalienável do povo palestiniano  à autodeterminação", através do estabelecimento de um estado soberano, e  fê-lo a nível bilateral e na União Europeia, onde desde o início defendeu  um voto positivo.

"Em veracidade com estas posições de longo prazo votamos a favor da  elevação do estatuto da Palestina", declarou o diplomata, na sua curta intervenção  na Assembleia-Geral, tendo ao seu lado o número dois da missão, João Maria  Cabral, e atrás de si outros diplomatas.

A resolução teve o voto favorável de 138 Estados participantes na Assembleia-Geral  da ONU, nove contra e 41 abstenções.

O voto português, disse Moraes Cabral, é "também um reconhecimento do  Presidente  da Autoridade Palestiniana Mahmoud Abbas e do primeiro-ministro Salam  Fayyad e do seu compromisso inabalável para com o diálogo e resolução  pacífica do conflito".  

Saudou ainda o esforço destes líderes palestinianos, "para preparar  o povo palestiniano para ter um Estado" e a declaração de Abbas hoje na  Assembleia-Geral, comprometendo-se com um processo de paz negociado.  

"Na nossa visão, rejeitar a violência e escolher canais diplomáticos  são condições fundamentais para alcançar a paz", adiantou o diplomata português.

O objetivo final, afirmou, deve ser um acordo pacífico e abrangente  "na base da solução de dois Estados" tendo em vista diversos instrumentos  internacionais e resoluções do Conselho de Segurança.  

Com a decisão, Portugal espera "um ímpeto muito necessário ao processo  de paz" passando necessariamente por negociações diretas.  

"Instamos as partes a retomar as negociações sem demoras ou pré-condições",  disse Moraes Cabral.  

"A comunidade internacional deve agora fazer todos os esforços para  assegurar uma retoma rápida de negociações credíveis tendo em vista uma  solução final que torne realidade a solução de dois estados independentes",  e assegurando uma Palestina "soberana, viável e contígua" e Israel "em paz  e segurança", na base de fronteiras pré-1967.  

Em nota divulgada em Lisboa, o ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou  a elevação do estatuto palestiniano de forma "expressiva", comprometendo-se  a continuar a "trabalhar empenhadamente" com os parceiros da União Europeia  e outros para apoiar os esforços de "retoma e conclusão célere das negociações  de paz entre Israel e a Palestina".

http://sicnoticias.sapo.pt/incoming/201 ... bro-da-onu
"[Os portugueses são]um povo tão dócil e tão bem amestrado que até merecia estar no Jardim Zoológico"
-Dom Januário Torgal Ferreira, Bispo das Forças Armadas
 

 

Força militar "pronta" para ir ao Congo

Iniciado por Lancero

Respostas: 9
Visualizações: 4846
Última mensagem Abril 01, 2007, 04:21:19 pm
por comanche
NATO envia mais de 10 mil soldados para o Afeganistão

Iniciado por Pantera

Respostas: 7
Visualizações: 2533
Última mensagem Outubro 07, 2005, 08:55:58 pm
por komet
Espanha caminha a passos largos para o federalismo

Iniciado por comanche

Respostas: 68
Visualizações: 23107
Última mensagem Janeiro 26, 2008, 11:43:48 pm
por dinis manuel
Task Force para capturar Al-Zarqawi

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 0
Visualizações: 967
Última mensagem Setembro 24, 2004, 04:17:14 pm
por Ricardo Nunes
EUA não aceitaram raide para capturar Zawahiri

Iniciado por André

Respostas: 7
Visualizações: 2655
Última mensagem Julho 18, 2007, 02:39:29 pm
por André