Israel vs Hezbollah no Libano

  • 674 Respostas
  • 106836 Visualizações
*

ricardonunes

  • Investigador
  • *****
  • 3546
  • Recebeu: 28 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +10/-5
(sem assunto)
« Responder #120 em: Julho 18, 2006, 11:40:22 am »
http://www.youtube.com/watch?v=vJJm7B6A ... ch=lebanon

Se os Sr.'s administradores e moderadores, deste Forum acharem que o video contem imagens excessivamente violentas, eliminem este post.
Potius mori quam foedari
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7354
  • Recebeu: 606 vez(es)
  • Enviou: 746 vez(es)
  • +91/-30
(sem assunto)
« Responder #121 em: Julho 18, 2006, 12:41:01 pm »
 

*

TOMKAT

  • Especialista
  • ****
  • 1175
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #122 em: Julho 18, 2006, 03:06:09 pm »
Há vários detalhes neste conflito que convém não deixar passar em claro.

É condenável o ataque a objectivos civis ? É óbvio que sim.

Era esperada esta reaccção de Israel ? É óbvio que sim.

Apenas Israel tem culpa neste conflito ? É óbvio que não.

Numa altura em que Israel ia devolvendo os territórios ocupados, lentamente mas que ia devolvendo é um facto, serão inocentes as acções de grupos radicais, quando a reacção de Israel era mais que previsível ?

Numa altura em que o país que mais influência tem sobre estes grupos (Irão) estava sobre pressão internacional devido às suas pretensões nucleares, será apenas coincidência o despoletar de um conflito, que teve como primeira consequência o fim do diálogo entre Isarel e os palestinianos moderados, numa altura em que era evidente a perca de influência do Hamas (pró-iraniano) dentro da comunidade palestiniana, devido às consequências negativas para os próprios palestinianos devido às acções do Hamas enquanto governo e ao corte de diálogo/apoio do governo israelita com a liderança palestiniana, nas maõs do Hamas ?

O clima de quase guerra civil entre as diversas facções palestinianas esfumou-se como por encanto.
Porque será ? Acabaram as divergências entre eles ?

O problema iraniano e as suas pretensões nucleares repentinamente deixou de ser notícia.
Quase diáriamente surgiam notícias de pressões sobre o regime iraniano devido às sua intenções nucleares.
Será que a “ameça” nuclear iraniana é hoje menor do que era antes do despoletar do conflito israelo-libanês ?

É o Hezbollah um grupo político de militantes inocentes pacifistas ?

É natural num país (Líbano) que pretensamente tem forças armadas , existir um grupo exterior a essa mesmas forças armadas, capaz de possuir diverso tipo de armamento, desde a vugar kalashnikov, passando pelos misseis katiuska, até a misseis mais sofisticados e com outra capacidade bélica, vide o ataque à corveta israelita, e que essa posse/aquisição de material bélico passe ao lado das autoridades libanesas ?

É natural que um país que naturalmente pretenda manter intacta a sua integridade territorial, não mantenha nenhuma presença militar precisamente na fronteira de onde virá o maior perigo potencial ?

É natural num país soberano existir um grupo, exterior à autoridade militar desse mesmo país, que efectue actos de provocação numa fase inicial, e que mantenha uma acividade militar digna de registo, dando-se ao “luxo” de atacar alvos bem no interior do país inimigo, e que as autoridades desse mesmo país assistam passivamente à destruição das suas estruturas como retaliação às ctividades originárias do seu território, sem retaliar diexando esse papel para esse grupo radical que despoletou o conflito ?

A reacção israelita é desproporcionada ?

Antes de ser desproporcionada, era mais que previsível. Provavelmente a continuação da existência de Israel nos dias de hoje, para além da protecção norte-americana, é o facto de quem os atacar, saber que a sua reacção será imediata, sem exitações, e sem contemplações. Par além do poderio militar que possuem, fica a mensagem que sempre passaram de que não hesitam em usá-lo sempre que achem necessário, independentemente das condenações políticas que venham a surgir.

Facto curioso, é que na primeira invasão do Líbano nos anos 80, houve uma forte contestação interna em Israel a essa mesma invasão. Hoje a unanimidade e geral a favor das actuais operações militares.

Falando de condenações é curioso também que os dois países que mais alto levantaram a sua voz contra as acções israelitas no Líbano, Rússia e França, têm memória curta.
As acções  miltares russas na Tchechénia tiveram pouco de convencionais e proporcionadas.
A França, quando há uns anos atrás um seu avião foi destruido na Costa do Marfim, num acto de retaliação, destruíu toda a força aérea costa-marfinense, … proporcional e adequado…

Concluindo…

Cerca de 35% da população libanesa é xiita, o que é significativo, se tivermos em conta que no Líbano existem 17 movimentos religiosos, mas segundo sondagens anteriores ao conflito, os libaneses, na maioria, não gostam do Hezbollah.

A isto acrescente-se em primeiro lugar, que o executivo, composto por dois ministros do Hezbollah, o movimento xiita libanês, é muito fraco e já demonstrara anteriormente não ter qualquer controlo sobre o movimento.
Depois, o Líbano não tem um exército próprio, "capaz de defender o país", mas sim autoridades que se resumem a uma mera "força policial, com trabalhos de patrulha".
Isto somado torna o pequeno país vulnerável aos vários interesses regionais. As milícias, com o patrocínio do Irão e da Síria, controlam a região sul, na fronteira com Israel.

A localização geográfica do Líbano, encravado entre Israel, a sul, e a Síria, a norte e a este, ajuda a perceber porque o país tem sido o palco de alguns dos episódios mais marcantes da extensa história dos conflitos na região.

O Líbano é apenas isso, um palco onde os vários actores principais deste melodrama desempenham os seus papéis. Enquanto ao Líbano for destinado um papel secundário, com o território a ser aproveitado pelos inimigos de Israel para, devido à proximidade, pressionar e atacar o estado hebraico, as coisas não mudam.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #123 em: Julho 18, 2006, 04:27:53 pm »
Citar
Vast Majority of Israelis Support Offensive in Lebanon

A public opinion poll indicates that nearly nine out of 10 Israelis believe their country's offensive against Hezbollah guerrillas in Lebanon is justified.

The survey published Tuesday in the Israeli newspaper Yedioth Ahronoth ("Latest News") found that 81 percent of those polled think the offensive should continue.

Nearly 60 percent said the offensive should continue until Hezbollah leader Hassan Nasrallah is killed.

Only 17 percent said Israel should stop the attacks and start negotiations.

The poll also showed that Israelis are largely satisfied with Prime Minister Ehud Olmert's response to the crisis.  Nearly 80 percent said that Mr. Olmert's job performance was either very good or fairly good.


http://www.voanews.com/english/2006-07-18-voa19.cfm


Citar
Congress Considers Resolutions Supporting Israel

WASHINGTON — The U.S. Senate and House of Representatives are preparing to vote this week on resolutions backing Israel and condemning Hezbollah, which last week kidnapped two Israeli soldiers, sparking violence across the Israel-Lebanon border.

The Republican-run House is eyeing a vote on Wednesday on a resolution supporting Israel's right to defend itself, condemning Hezbollah's rocket and missile attacks on northern Israel and backing early White House moves to cope with the crisis.

"Be it resolved that the House of Representatives reaffirms its steadfast support for the state of Israel; further condemns Hamas and Hezbollah for cynically exploiting civilian populations as shields ... calls for the immediate and unconditional release of Israeli soldiers held captive by Hezbollah and Hamas; (and) affirms that all governments who have provided continued support to Hamas or Hezbollah share responsibility for the hostage-taking and attacks against Israel and, as such, must be held accountable for their actions," reads a draft copy of the resolution being considered in the House.

Meanwhile, on the Senate side of Capitol Hill, a similar resolution is being drafted to offer support for Israel against its longtime enemies.

“The governments of Iran and Syria are infiltrating places like Lebanon with support for Hezbollah and Hamas," said Sen. Kay Bailey Hutchison, R-Texas, who co-sponsored the Senate resolution condemning Hezbollah and supporting Israel's right to self-defense against it and the Palestinian militants that are also fighting the Israelis.

"All of those terrorist organizations have sought to destroy [Israel] and yet, it has in the middle of this, stood as a democracy, a democratic form of government, a free economy hoping to trade with other people in the region and certainly trading in the world. ... They should have the support of the unified world community in saying to the terrorists and to the governments that are supporting the terrorists — Hamas and Hezbollah, Iran and Syria — that the world is not going to sit by and let people be terrorized,” Hutchison said.

Resolutions only express the sense of the chambers and have no enforcement mechanism, but neither statement shies away from stating support for Israel's right to defend itself and blaming Iran and Syria for contributing to the conflict.

House leaders had hoped late Monday the bipartisan resolution would be ready for floor action on Tuesday, but extensive redrafting has delayed action until Wednesday, senior GOP officials told FOX News.

Senior congressional Democrats said negotiations have been productive and they expect strong bipartisan support for the final resolution. Sources on both sides describe the House resolution as "pro-Israel" but note that it laments bloodshed among civilians and combatants in Israel and Lebanon.

But not everyone sees the fight as one between freedom and terror. Rep. John Dingell, D-Mich., the longest-serving Democrat in the House, said that in order for a U.N.-led peacekeeping effort to occur, "Israel must immediately cease inflicting further damage on Lebanon's civilian infrastructure."

"Failure to do this will have appalling consequences," he said, adding that Israel's response to the killings and captures have been "disproportionate and counterproductive" and could lead to general war in the Middle East and possibly World War III.

Dingell also said that the United States must bring about a ceasefire.

"We must be a honest broker and reliable friend to all who want peace," he said.

In the Senate, Armed Services Committee Chairman John Warner, R-Va., expressed reservations about who is right and wrong in the current conflict, saying that U.S. diplomatic efforts, the well-being of Americans in the region and the effect the violence could have on American involvement in Iraq and Afghanistan must be reflected in the Senate resolution.

"Our support for Israel is very strong, Mr. President, but it cannot be unconditional," Warner said on the Senate floor late Monday.

Still, other senators have offered seemingly unconditional support for Israel, which has long defended its right to exist against Arab and Muslim states that have called for its destruction.

"We cannot listen to those who define how strong the response ought to be. It's up to Israel to decide how strong her response ought to be," said Sen. Frank Lautenberg, D-N.J.

"We will support [Israel's] efforts to send a message to Hamas, Hezbollah, to the Syrians, to the Iranians, to all who seek death and domination instead of life and freedom," said Sen. Hillary Rodham Clinton, D-N.Y. Both senators appeared at a rally of Jewish organizations sponsored by the United Jewish Communities.

Regardless of support for any party in the conflict, neither side appears ready to compromise. In an address to the Israeli Parliament on Monday, Prime Minister Ehud Olmert said Israel will not cease its military operations until the kidnapped soldiers are returned and Lebanese troops control the southern region where Hezbollah now freely operates.

A spokesman for Hezbollah, listed on the State Department's roster of terrorist organizations but holding a sizable minority of seats in the Lebanese Parliament, accused foreign envoys of procrastinating while Israel continues to bomb strategic positions like the Beirut airport and major highways in Lebanon.

Hezbollah parliamentarian Hussein Haj Hassan said Monday that Israel's conditions for a ceasefire are unacceptable.

The international envoys have conveyed Israeli conditions. These conditions are rejected," Hassan told Al Jazeera television. "We accept what secures our country's interest and pride and dignity and not to submit to Israeli conditions."

But a diplomatic solution is not out of the question. Lebanese Prime Minister Fuad Siniora met with U.N. Secretary-General Kofi Annan's adviser on Monday to discuss a path to compromise. U.S. Secretary of State Condoleezza Rice is also headed to the region to try to forge a halt to the violence, the State Department announced Monday.

FOX News' Major Garrett and Jim Angle and The Associated Press contributed to this report.


http://www.foxnews.com/story/0,2933,204076,00.html
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2753
  • Recebeu: 1166 vez(es)
  • Enviou: 2461 vez(es)
  • +436/-88
(sem assunto)
« Responder #124 em: Julho 18, 2006, 06:12:26 pm »
PT, obrigado pela licao de historia, mas ha mais de 30 anos que esses conceitos me sao familiares.

De qualquer modo, mantenho os meus comentarios e a minha questao: quem sao os guardioes do conceito de democracia? Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).

Ou sera' que a democracia so'e boa quando os 'guardioes' gostam do resultado das eleicoes?

Acrescento ainda que o conceito actual de democracia nao se limita ao acto do voto, ha' toda uma postura que se espera de um estado democratico, como o respeito pela Lei -- que inclui os tratados internacionais e as resolucoes do Conselho de Seguranca --,  o respeito pelo direitos humanos (incluindo minorias), a proporcionalidade dos actos, a liberdade de expressao, etc.

Se pesarmos tudo isto, dificilmente Israel pode ser considerado uma democracia - pelo menos pela MINHA interpretacao do que e' democracia. Claro que isto nos leva 'a questao das interpretacoes e eu continuo a defender - ao contrario do PT - que TODOS os principios estao sujeitos a interpretacoes. Alias, e' o facto de os principios estarem abertos a varidissimas interpretacoes que concede aos tribunais uma importancia tao grande num regime democratico - o que fazem os tribunais senao emitir a sua interpretacao da Lei?

Bem haja.
« Última modificação: Julho 18, 2006, 06:34:56 pm por NVF »
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #125 em: Julho 18, 2006, 06:28:54 pm »
Citação de: "NVF"
Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).
O facto de um lider ser democraticamente eleito, nao implica que os respectivos povos estejam imunes a ataques... afinal, Hitler tambem foi eleito... Nao e' por terroristas serem eleitos que passam a ser santos... ou que passam a estar imunes a censura (diplomatica e nao so) internacional.
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7354
  • Recebeu: 606 vez(es)
  • Enviou: 746 vez(es)
  • +91/-30
(sem assunto)
« Responder #126 em: Julho 18, 2006, 06:33:56 pm »
A Rodésia e a Àfrica do Sul do Apartaid também diziam que eram democrácias, só que só os brancos é que podiam votar, faz-me lembrar no principio do século XX em que nas democracias ocidentais só os homens é que podiam votar, é parecido.

Se bem me lembro acho que foi no Peru que o Partido Comunista lá do sítio foi eleito democraticamente mas os Americanos como não gostavam dele, a CIA assassinou o lider e puseram o General Pinochet no poder, esse era melhor pelo que parece...
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2753
  • Recebeu: 1166 vez(es)
  • Enviou: 2461 vez(es)
  • +436/-88
(sem assunto)
« Responder #127 em: Julho 18, 2006, 06:39:09 pm »
Citação de: "Azraael"
Citação de: "NVF"
Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).
O facto de um lider ser democraticamente eleito, nao implica que os respectivos povos estejam imunes a ataques... afinal, Hitler tambem foi eleito... Nao e' por terroristas serem eleitos que passam a ser santos... ou que passam a estar imunes a censura (diplomatica e nao so) internacional.


Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #128 em: Julho 18, 2006, 06:42:35 pm »
Citação de: "NVF"
Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Aplicam-se na mesma... nao e' o facto de eu nao gostar dos tipos que sao eleitos que implica que eu os possa atacar... mas se eles me atacarem nao pensarei duas vezes em retaliar. Que por sinal e' aquilo a que estamos a assistir neste momento no conflito Israel-Libano. Ser eleito democraticamente, nao implica que fiques impune facas o que fizeres...
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2753
  • Recebeu: 1166 vez(es)
  • Enviou: 2461 vez(es)
  • +436/-88
(sem assunto)
« Responder #129 em: Julho 18, 2006, 06:43:03 pm »
Citação de: "MERLIN"
Onde estas tu NAVPOL, farias hoje tanta falta!!! Tal como o desejado estas perdido no nevoeiro.... dos estaleiros de Viana e na mente do Severiano!
Cumptos


Acho que nenhum pais da nossa dimensao, ou nem mesmo um pais com mais recursos - como o RU, a Franca, a Espanha, a Italia ou a Holanda -, enviaria um LPD para evacuar 25 pessoas. Existem meios mais economicos para o fazer. Obviamente, o caso muda de figura se o numero de evacuados for da ordem das centenas ou dos milhares.
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2753
  • Recebeu: 1166 vez(es)
  • Enviou: 2461 vez(es)
  • +436/-88
(sem assunto)
« Responder #130 em: Julho 18, 2006, 06:44:23 pm »
Citação de: "Hélder"
A Rodésia e a Àfrica do Sul do Apartaid também diziam que eram democrácias, só que só os brancos é que podiam votar, faz-me lembrar no principio do século XX em que nas democracias ocidentais só os homens é que podiam votar, é parecido.

Se bem me lembro acho que foi no Peru que o Partido Comunista lá do sítio foi eleito democraticamente mas os Americanos como não gostavam dele, a CIA assassinou o lider e puseram o General Pinochet no poder, esse era melhor pelo que parece...


Isso foi no Chile. Mais um exemplo pratico da importancia dos principios para  esse grande campeao da democracia que sao os EUA. Mas eu nao queria recuar tanto, limitei-me a recuar uns 12 ou 13 anos.
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2753
  • Recebeu: 1166 vez(es)
  • Enviou: 2461 vez(es)
  • +436/-88
(sem assunto)
« Responder #131 em: Julho 18, 2006, 07:06:03 pm »
Citação de: "Azraael"
Citação de: "NVF"
Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Aplicam-se na mesma... nao e' o facto de eu nao gostar dos tipos que sao eleitos que implica que eu os possa atacar... mas se eles me atacarem nao pensarei duas vezes em retaliar. Que por sinal e' aquilo a que estamos a assistir neste momento no conflito Israel-Libano. Ser eleito democraticamente, nao implica que fiques impune facas o que fizeres...


Isso leva-nos 'a questao do terrorismo. Terrorismo e' o uso sistematico de Terror como meio de coercao. Ora, neste aspecto os israelitas sao ate' mais eficazes que os arabes.

O que e' um facto e' que quando o Hamas ganhou as eleicoes na Palestina os israelitas lancaram imediatamente uma onda de terror sobre os palestinianos. O resto ja' sabemos, os palestinianos responderam e a partir dai foi a escalada.

Quanto ao Libano e' mais um exemplo da aplicacao de terrorismo em larga escala. Nao esta em causa o direito de resposta: se os gajos invadissem o Libano para arrumar com o Hezbolah tinham todo o meu apoio, agora bombardear todo um pais, castigar toda uma populacao nao passa de terrorismo.
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #132 em: Julho 18, 2006, 07:37:38 pm »
Citação de: "NVF"
Quanto ao Libano e' mais um exemplo da aplicacao de terrorismo em larga escala. Nao esta em causa o direito de resposta: se os gajos invadissem o Libano para arrumar com o Hezbolah tinham todo o meu apoio, agora bombardear todo um pais, castigar toda uma populacao nao passa de terrorismo.
A intencao deles e' precisamente essa... Destruir, ou pelo menos incapacitar o mais possivel, o Hezbollah e quem os apoia, neste caso o Libano, e possivelmente a Siria e/ou Irao.
 

*

aero

  • 118
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #133 em: Julho 18, 2006, 09:11:24 pm »
Citar
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa




O ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, afirmou hoje não existir "nenhum pedido" para a intervenção das Forças Armadas no resgate de portugueses retidos no Líbano, em consequência dos combates militares em curso no Médio Oriente.

      "Até agora não tive nenhuma informação nem nenhum pedido relativamente a isso. É uma questão que está a ser tratada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), em particular pela Secretaria de Estado das Comunidades e até agora não houve nenhum pedido do MNE à Defesa", disse, no Parlamento.

      Os portugueses residentes no Líbano, que hoje deveriam deixar Beirute em direcção a Chipre, viram a sua partida adiada já que o navio grego que os deveria transportar teve de abandonar precipitadamente o porto da capital libanesa por razões de segurança.

      Além de 10 portugueses, ficaram em terra cerca de 300 pessoas, incluindo cidadãos gregos, franceses e de outras nacionalidades.

      Face a esta situação, Nuno Severiano Teixeira reiterou que as Forças Armadas portuguesas "estão prontas para a eventualidade" de ser necessário resgatar os portugueses.

      A escalada militar no Médio Oriente, com ataques israelitas a objectivos no Líbano e do grupo xiita libanês Hezbollah ao norte de Israel, fizeram já quase 240 mortos.

      À saída da comissão parlamentar de Defesa, onde hoje foi falar sobre as "grandes linhas orientadoras" do Governo para esta área, o sucessor de Luís Amado na pasta assegurou que, a existirem, as mudanças serão apenas de estilo.

      "Se calhar muda o estilo, mas o Governo é o mesmo e a política de Defesa é a mesma. Continuarei a executar o programa de Governo que já está em marcha", sublinhou.

      Nuno Severiano Teixeira substituiu na pasta da Defesa Luís Amado na remodelação governamental de 30 de Junho, que levou à saída de Diogo Freitas do Amaral de ministro dos Negócios Estrangeiros, que foi substituído por Luís Amado.



http://jn.sapo.pt/2006/07/18/ultimas/Fo ... ara_r.html

 blx2x1
 

*

Azraael

  • Perito
  • **
  • 413
  • +0/-0
    • http://www.bgoncalves.com
(sem assunto)
« Responder #134 em: Julho 18, 2006, 09:17:33 pm »
Citação de: "aero"
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa

Ja tou a imaginar o GOE a entrar pelo Libano a dentro a la "Forca Delta", a meter os portugueses a bordo de um chinook roubado aos americanos e a leva-los ate a assembleia da republica para aplaudirem o Socrates! :mrgreen:
 

 

Israel aceita com condições a independência para a Palestina

Iniciado por Pimenta

Respostas: 1
Visualizações: 2272
Última mensagem Novembro 30, 2012, 09:01:02 am
por P44
Resolução do Conselho de Segurança condena Israel

Iniciado por JNSA

Respostas: 17
Visualizações: 4170
Última mensagem Junho 07, 2004, 12:51:26 pm
por Rui Elias
Israel e Palestina anunciam cessar-fogo

Iniciado por Ricardo Nunes

Respostas: 3
Visualizações: 1883
Última mensagem Março 22, 2005, 07:31:56 pm
por Normando
Estará Israel a ganhar a Intifada ?

Iniciado por fgomes

Respostas: 0
Visualizações: 1102
Última mensagem Dezembro 10, 2004, 06:13:49 pm
por fgomes
Israel compra misseis Patriot PAC-3

Iniciado por antoninho

Respostas: 8
Visualizações: 5286
Última mensagem Setembro 16, 2008, 03:10:32 pm
por nelson38899