Marinha entrega pela primeira vez comando de navio a mulher

  • 38 Respostas
  • 11362 Visualizações
*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4138
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • +53/-0
(sem assunto)
« Responder #30 em: Março 10, 2006, 06:43:20 pm »
Parece-me que o papel das mulheres no 'esforço de guerra' tem sido muitas vezes menosprezado. Não vejo mal ao mundo por haver uma comandante de lancha ou tripulação de M60 feminina. Isto no plano operacional e num contexto em que, com o fim do SMO, cada vez há menos candidatos às FA.
Mas, na minha opinião, o seu papel é muito mais importante na rectaguarda.
Aquando da Guerra do Ultramar as mulheres tiveram um papel vital que não se resumiu às enfermeiras páraquedistas.
Criaram uma estrutura de assistência aos militares em combate e às suas família e, até, um, serviço de informações. Foram, dizem os livros, cerca de 82 mil nessas funções (Metrópole+Colónias).
Quem não se lembra - como eu de ouvir falar, porque não era ainda nascido - das madrinhas de Guerra. O meu pai - soldado 'CMD' em Angola - bem fala do bem moral que lhe fez.
E a secção feminina da Cruz Vermelha Portuguesa no Hospital da Perede e do Alcoitão no auxílio aos soldados que regressaram feridos? Excepcional.

Citação de: "Rui Elias"
Em tempo que já lá vão, até as chamadas "enfermeiras-paraquedistas" foram uma pedrada no charco salazarista, durante a guerra colonial..


Tanto quanto sei foram brevetadas 48 enfermeiras páraquedistas. Uma morreu na Guiné e outra ficou ferida em Moçambique. Não tiveram pejo em ir para a Guerra... Ha, e medo todos têm...
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

balburdio

  • Perito
  • **
  • 307
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #31 em: Março 13, 2006, 03:31:25 am »
Citação de: "Lancero"
Parece-me que o papel das mulheres no 'esforço de guerra' tem sido muitas vezes menosprezado. Não vejo mal ao mundo por haver uma comandante de lancha ou tripulação de M60 feminina...

Mulheres a tripular um tanque???
O mundo está perdido!!
 

*

balburdio

  • Perito
  • **
  • 307
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #32 em: Março 13, 2006, 04:31:40 am »
Citação de: "Pedro Monteiro"
Citação de: "Miguel"
Pedro

Existe um grave problema que vocé esqueceu :wink:

Sim, e a mulher uma data de meses sem ver um homem... concerteza haverá um bacanal ali no mataganal no meio do combate... acha credível? Eu acho tão provável como eles terem relações entre si. Era o caso? Honestamente, eu não gosto destas posições de preconceito. Até porque não falamos de tropas especiais mas de meras tripulantes de carros de combate!
Cumprimentos,
Pedro Monteiro


É tanto ou tão pouco provavel que nos EUA existem relatórios sem fim de situações dessas, que aliás são proibidas.

As razões porque não devem existir mulheres em postos de combate são inúmeras. Menor força física, menor resistência física e psicológica, menor agressividade, pior espírito de equipa, necessidades específicas que complicam a logística, etc.
Só há uma razão válida para que sejam integradas em unidades de combate, em paises como Israel, EUA, etc.: A necessidade motivada pela falta de efectivos masculinos para complementar as necessárias dotações.

Não havendo essa necessidade a presença de mulheres nas FA é o resultado da ideologia politica nos chamados paises ocidentais, que cria uma sociedade em que para competir com os homens as mulheres abdicam da sua feminilidade e inclusivamente do papel de mães, com prejuizo da sociedade, reflectido na quebra da natalidade, desemprego, congelamento salarial, perda de productividade, etc.

Em caso de guerra o que é que acontece?  que se passa no Iraque parece dar-nos uma ideia. Os EUA proibem o acesso das mulheres a unidades especiais, mas não a fuzileiros e afins.
O nível médio do soldado combatente americano tem vindo a degradar-se, e isto porque se tem nivelado por baixo, pelo nível feminino eu diria.
Toda a gente sabe que numa recruta ou em formação militar as bitolas para homens e mulheres são muito diferentes. Em alguns países da Europa, a paranoia equalitaria chegou a extremos caricatos, permitiu-se o acesso de mulheres a funções como a de Apoio de Fogo e só depois se aperceberam que uma mulher não consegue transportar uma arma com bipé que pesa cerca de 16Kg com a fita de munições (o caso passou-se na Bélgica, a arma era uma MAG).

Outro caso é o dos pilotos de combate, nos EUA, as mulheres foram canalizadas para missões de ataque de médio e baixo risco, dado ter-se concluido que as mulheres não tinham a mesma resistência às forças G.
Relatórios da Marinha dos EUA tb indicam uma menor aptidão global.
A 1ª mulher piloto de combate da marinha, morreu num acidente de aterragem, quando perdeu o controlo do seu F-14, segundo muitos devido ao treino inadequado que possuia.
Segundo muitos especialistas existe um facilitismo incontornável no que se refere a qualificar mulheres para funções militares, quanto mais difíceis e exigentes são, maior o facilitismo. E esse facilitismo é frequentemente mortal.
A US Navy classificou, sem margem para dúvidas, muitas mulheres como piloto de combate, que não possuiam as necessárias aptidões, tudo por causa da famigerada política de redefinição do papel das mulheres na Marinha, fruto do referido fundamentalismo equalitário.
Ainda outro exemplo é o da Noruega, onde aceitam mulheres em submarinos imagine-se! Isto, é claro, levou a que se tivesse que alterar os submarinos, com custos enormes. Tudo em prol do mesmo fundamentalismo.
Acresce ainda que não se sabe ao certo qual o impacto das mulheres nas unidades de combate, os especialistas ainda não chegaram a uma conclusão definitiva. Parece contudo haver já a ideia de que existem muitos problemas a todos os níveis, e pouca ou nenhuma probabilidade de as mulheres trazerem qualquer vantagem.
Ou seja, se se pode incorporar um homem, se vai custar o mesmo ou muito provavelmente menos, se é uma solução melhor, então para quê optar por uma mulher? Só posso compreender que as motivações, não havendo uma absoluta necessidade que o justifique doutro modo, sejam puramente politicas.
 

*

NotePad

  • Perito
  • **
  • 579
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #33 em: Maio 16, 2006, 10:17:15 pm »
...
« Última modificação: Fevereiro 25, 2007, 05:45:03 am por NotePad »
 

*

p_shadow

  • Perito
  • **
  • 448
  • +0/-0
    • http://www.falcoes.net/9gs
(sem assunto)
« Responder #34 em: Maio 17, 2006, 03:06:13 am »
Citação de: "balburdio"
Outro caso é o dos pilotos de combate, nos EUA, as mulheres foram canalizadas para missões de ataque de médio e baixo risco, dado ter-se concluido que as mulheres não tinham a mesma resistência às forças G.


Comparar o grau de risco de uma missão de combate com forças G exercidas sobre um piloto de uma aeronave militar.... é obra!

É sim senhor. c34x


Cumptos
A realidade não alimenta fóruns....
 

*

Yosy

  • Especialista
  • ****
  • 1086
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #35 em: Maio 17, 2006, 04:18:25 pm »
Sinceramente não vejo o porquê de tanta coisa acerca desta mulher. Ela vai "só" comandar uma lanchazita (é claro que todos começam por aí)! A Escola Náutica forma "comandantas" à anos. Não é o mesmo que a Armada, mas mesmo assim...
 

*

Lightning

  • Moderador Global
  • *****
  • 7266
  • Recebeu: 576 vez(es)
  • Enviou: 713 vez(es)
  • +61/-22
(sem assunto)
« Responder #36 em: Maio 17, 2006, 07:18:57 pm »
Os novos submarinos da Armada já vão integrar mulheres na tripulação, até agora nunca houve apenas porque nos nossos submarinos não havia condições de alojamento para ambos os sexos.
 

*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 838
  • Recebeu: 90 vez(es)
  • Enviou: 9 vez(es)
  • +9/-9
    • http://www.pedro-monteiro.com
(sem assunto)
« Responder #37 em: Maio 17, 2006, 08:11:59 pm »
Citação de: "Hélder"
Os novos submarinos da Armada já vão integrar mulheres na tripulação, até agora nunca houve apenas porque nos nossos submarinos não havia condições de alojamento para ambos os sexos.


Vão ter capacidade para... É diferente de terem tripulação feminina. Vamos esperar para ver.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
 

*

Pedro Monteiro

  • Analista
  • ***
  • 838
  • Recebeu: 90 vez(es)
  • Enviou: 9 vez(es)
  • +9/-9
    • http://www.pedro-monteiro.com
(sem assunto)
« Responder #38 em: Maio 18, 2006, 09:03:15 am »
Citação de: "Jorge Sottomayor"
Citação de: "Hélder"
Os novos submarinos da Armada já vão integrar mulheres na tripulação, até agora nunca houve apenas porque nos nossos submarinos não havia condições de alojamento para ambos os sexos.

Só a título de exemplo, a nível de condições higiénicas, no actual e único submarino são uma miséria, os marinheiros não se lavam :!:  :!:


Situação perfeitamente natural num submarino que tem reservas de água doce limitadíssimas e em que não há sistema para obter água doce por osmose. Em todo o caso, eles podem lavar-se com água salgada. Podem, mas não o fazem. Por razões óbvias, claro.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
 

 

Passos quer Marinha com nova "abertura ao mar"

Iniciado por zawevo

Respostas: 4
Visualizações: 3083
Última mensagem Maio 15, 2012, 09:42:43 am
por P44
Fragatas e Corvetas Portuguesas a vela da Marinha 1815/1860

Iniciado por mkorobok

Respostas: 9
Visualizações: 3573
Última mensagem Julho 12, 2011, 12:13:30 pm
por mkorobok
Fará sentido comprar mais EH-101 para a marinha?

Iniciado por papatango

Respostas: 28
Visualizações: 9794
Última mensagem Setembro 12, 2005, 05:04:26 pm
por Rui Elias
Novo artigo sobre a Esquadrilha de Helicópteros da Marinha

Iniciado por Pedro Monteiro

Respostas: 0
Visualizações: 1739
Última mensagem Maio 06, 2009, 09:03:24 pm
por Pedro Monteiro
Um LHC Usado Classe Tarawa para a Marinha Portuguesa

Iniciado por Rvsantinho

Respostas: 20
Visualizações: 7828
Última mensagem Janeiro 20, 2011, 09:01:46 pm
por ICE 1A+