E.On lança oferta de 29,1 mil M€ sobre a Endesa

  • 12 Respostas
  • 5522 Visualizações
*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
E.On lança oferta de 29,1 mil M€ sobre a Endesa
« em: Fevereiro 21, 2006, 10:40:24 am »
Citar
E.On lança oferta de 29,1 mil M€ sobre a Endesa

A energética alemã E.On anunciou o lançamento de uma oferta pública de aquisição (OPA) sobre a espanhola Endesa, num montante estimado de 29,1 mil milhões de euros, superando a proposta de compra que foi lançada há alguns meses pela Gas Natural (GN).


O anúncio da empresa germânica, feito no final de segunda-feira em nota à CNMV (regulador espanhol do mercado de capitais, antecede em poucos dias uma esperada decisão das autoridades judiciais europeias (tribunal de primeira instância das Comunidades) a um recurso interposto pela visada em defesa da OPA lançada pela GN.

O preço oferecido pela E.On ascende a 28-29 euros, em dinheiro, por cada acção da Endesa, superando em mais de 30% a oferta da Gas Natural, cujo valor ficou em redor dos 22 mil M€.

21-02-2006 7:52:56


   Podem dizer adeus à OPA da Endesa pela GN...
 

*

Dinivan

  • Membro
  • *
  • 198
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Fevereiro 21, 2006, 04:14:56 pm »
Citar
MADRID.- Vuelco total en el mercado energético español. El gigante alemán E.ON ha lanzado una OPA por el 100% de Endesa de 29.100 millones de euros, la mayor operación de este sector en la historia. La oferta está un 29,1% por encima de lo que ofrece Gas Natural.

El grupo alemán parece bastante confiado en que su OPA triunfe. "Hemos propuesto una oferta muy atractiva y extremadamente justa", decía el consejero delegado de la alemana, Wulf H. Bernotat, al ser preguntado por un posible contraataque de la gasista catalana en una rueda de
prensa en Madrid.

E.ON pagará 27,5 euros por acción en metálico, es decir, unos seis euros más que lo ofrecido por Gas Natural en su oferta de septiembre. El precio supone una prima del 7,9% con respecto al cierre de las acciones de Endesa el lunes -25,48 euros-.

Al ser en metálico, Gas Natural queda prácticamente fuera de juego, ya que no tiene 'caja' suficiente para poder superar la oferta. La OPA de la gasista es en su mayor parte en 'papel', es decir, en un canje de acciones propias.

Aunque Endesa aún no se ha pronunciado sobre esta nueva oferta -esta tarde se reúne su consejo de administración-, todo hace indicar que la eléctrica considerará la oferta como amistosa, al contrario de lo que ocurrió con Gas Natural. Bernotat ha indicado que fueron ellos los que se acercaron a Endesa y que las negociaciones con la eléctrica al más alto nivel comenzaron "el 1 de diciembre pasado".
Problemas de competencia

Pero es evidente que esta operación no sólo tiene connotaciones financieras. El Gobierno español ha argumentado en varias ocasiones que sería bueno para el país que existiera un 'campeón nacional energético', un concepto que encajaba con la oferta de Gas Natural.

El Gobierno aprobó con condiciones la oferta de Gas Natural el pasado 3 de febrero después de meses de disputas políticas y confrontaciones judiciales entre Gas Natural y Endesa. Esta semana la CNMV tenía pensado aprobar el folleto de la oferta de la gasista.

La jugada de E.ON da al traste con la operación. Bernotat ha confirmado esta mañana que el Gobierno español fue informado anoche sobre la oferta, aunque rehusó dar más detalles. Al presidente del Gobierno, José Luis Rodríguez Zapatero, la noticia le llegó ayer, directamente de la canciller alemana Angela Merkel.

En cualquier caso, Bernotat parece traer la lección bien aprendida y saber a lo que se enfrenta, ya que no se cansó de repetir que "Endesa seguirá siendo una empresa española" y que permanecerá "intacta", sin venta de activos ni reestructuración de plantilla.

"Estamos hablando de una operación de mercado que tiene lógica estratégica", dijo al ser preguntado por la posible oposición del Gobierno español a la operación.

El Gobierno mantiene todavía la 'acción de oro' sobre Endesa, que expira en junio de 2007. Se trata de un mecanismo que mantiene el Estado en algunas empresas públicas privatizadas desde marzo de 1995, si bien el Gobierno aprobó en noviembre un proyecto de ley para derogarlo tras una sentencia comunitaria en la que afirmaba que este instrumento es contrario a la libertad de capitales.

Al contrario que en la OPA de Gas Natural, la oferta de E.ON deberá ser analizada por Bruselas ya que la operación tiene dimensión comunitaria. "No esperamos problemas en Bruselas porque la actividad de las dos compañías no se solapan, son complementarias", indicó Bernotat, quien añadió que la suma de las dos compañías alcanzaría el 10% del mercado europeo.

Más de 50 millones de clientes

La eventual integración daría lugar a la mayor empresa de electricidad y gas del mundo, con más de 50 millones de clientes repartidos en más de 30 países y una plantilla de 107.000 empleados, según datos ofrecidos por la empresa germana.

E.ON es, actualmente, la segunda compañía en Reino Unido en el mercado de generación eléctrica y distribución; número dos en generación y líder en distribución en Europa Central; y la cuarta empresa en generación y tercera en distribución en los países nórdicos europeos.

Con la oferta, la firma alemana entrará en posición de liderazgo en España y Latinoamérica, mercados en los que no está implantada. E.ON tiene previsto que Endesa mantenga su sede en Madrid y configure una nueva nueva unidad de negocio -sur de Europa y Latinoamérica.

Además, E.ON ha afirmado que potenciará el centro de excelencia de Endesa en Barcelona para que sea su centro mundial de esta actividad. Un detalle que puede tener que ver con que Cataluña tenga su protagonismo en esta nueva oferta.
Reacciones en Bolsa

Pese al alto precio que ofrece E.ON, las acciones de Endesa han llegado a superarlo en su vuelta al parqué tras haber estado suspendidas durante una hora. Los títulos ganaban un 9%, hasta los 27,78 euros, después de que ayer subieran un 2% ante los rumores de lanzamiento de una contraoferta.

Iberdrola, la segunda eléctrica española, se dispara también y gana un 7%, hasta los 27 euros por acción. "Iberdrola es claramente quien sale beneficiada de esta operación, ya que es la única opción que le queda a Gas Natural" para expandirse, dijo un experto a la agencia Reuters.

Gas Natural cede un 0,7%, mientras que E.ON gana un 2,63%, un movimiento peculiar, ya que las empresas que realizan operaciones de tal envergadura suelen ser castigadas en Bolsa.


Me parece una operación perfecta, y además, la empresa que hace la OPA es Europea. Espero que salga adelante y se acabe ya el culebrón de Gas Natural y su chapuza... ¿intentará ahora ir a por Iberdrola? (aunque Iberdrola es casi tan grande como Endesa...)
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #2 em: Fevereiro 21, 2006, 05:25:12 pm »
Sim, concordo, ao menos é europeia..
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #3 em: Fevereiro 22, 2006, 09:50:54 pm »
Citar
Governo espanhol é contrário à OPA de E.On à Endesa

O presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, comunicou ao responsável máximo da eléctrica alemã E.ON que se opõe à sua oferta pública sobre 100% da eléctrica espanhola Endesa, noticia a imprensa local.


A posição de Zapatero terá sido comunicada a Wulf H. Bernotat durante um encontro entre ambos no Palácio da Moncloa, em Madrid, ao final da tarde de terça-feira, depois de serem conhecidos publicamente os detalhes da oferta pública de aquisição (OPA) da E.ON para compra do capital da maior eléctrica espanhola.

Fontes do executivo citados por agências internacionais negam, no entanto, a informação dos jornais, afirmando que Zapatero não foi tão longe na posição que comunicou a Bernotat, explicando apenas que o governo analisará as implicações da oferta, «visto o sector da energia ser estratégico».

Segundo a imprensa espanhola de hoje, o governo espanhol está já a estudar mecanismos legais para que possa travar a operação, incluindo executar a «golden share» que ainda detém ainda na Endesa, uma posição que só expira em Julho de 2007 e que dá ao Executivo direito de veto sobre decisões estratégicas para a empresa.

Vários analistas afirmam, no entanto, que se utilizar esse poder de veto, o governo de Zapatero iria expor a Espanha «a um problema político de dimensão internacional» em particular porque várias empresas espanholas adquiriram, recentemente, outras empresas europeias, como ocorreu com a compra da inglesa O2 pela Telefónica.

O governo foi formalmente informado da operação na segunda- feira, véspera do anúncio público da OPA, num contacto telefónico entre a chanceler alemã Ângela Merkel e Zapatero.

Na terça-feira, já depois do mercado saber da operação, o ministro da Industria, Turismo e Comércio espanhol, José Montilla, recebeu vários responsáveis do grupo energético alemão E.ON, que explicaram detalhes da OPA sobre 100% da Endesa anunciada na manhã de terça-feira.

Sinais da oposição do executivo tinham já sido indicados em declarações, terça-feira, do secretário de Estado da Comunicação, Fernando Moraleda.

Moraleda disse que apesar de respeitar as regras de mercado, o governo espanhol prefere que num sector estratégico como o da energia que Espanha tenha empresas de «matriz nacional», porque tal convém aos interesses nacionais.

Vários jornais generalistas e económicos noticiam hoje a oposição de Zapatero ao negócio, com o La Gaceta a referir em primeira página que o presidente do governo comunicou a Bernotat «a rejeição do governo à operação».

Analistas em Espanha apontam para a eventualidade de a Gás Natural estar à procura um parceiro, dentro ou fora de Espanha, para responder à contra-OPA da E.ON, inclusive com a Iberdrola.

Para os analistas, a preocupação do governo sobre o eventual sucesso da OPA da E.ON é que possa abrir precedente para outras tentativas de aquisição de empresas espanholas, com a Iberdrola a atrair a Enel.

Também a Repsol (maior accionista da Gás Natural) mostrou-se «vulnerável» depois de reduzir as estimativas das suas reservas, quando circulam rumores de que a BP ou a ENI poderiam estar interessadas.

A oferta da E.ON atribuiu um preço de 27,5 euros por título da Endesa, o que representa um desembolso de 29.100 milhões de euros que, com a dívida líquida da eléctrica, eleva o valor global da operação para 55,2 mil milhões euros.

A oferta da empresa alemã é 29,1% mais elevada do que a da Gás Natural, apesar de estar cerca de cinco cêntimos por título abaixo do valor de fecho da Endesa na sessão de hoje da bolsa de Madrid, onde cresceu mais de 8%.

O Conselho de Administração da Endesa considerou terça-feira que a OPA do grupo alemão «não reflecte adequadamente o valor real» da eléctrica, apesar de valorizar positivamente o facto de não prever a venda de activos da empresa.

A Gás Natural reiterou, por seu lado, que vai continuar com o processo de OPA sobre a Endesa, cumprindo os prazos inicialmente previstos, relembrando que a contra-OPA da alemã E.ON ainda carece das «autorizações pertinentes».

Uma porta-voz da Iberdrola disse à Lusa, por seu lado, que a empresa reafirma o «compromisso» de respeitar o acordo com a Gás Natural para a compra de activos resultantes da OPA lançada pela gasista sobre a Endesa, explicando que acompanhará o evoluir da situação no sector.

Esse acordo de compra de activos resultantes da fusão da Gás Natural e da Endesa está «naturalmente condicionado ao sucesso da OPA», disse a mesma fonte.

A Comissão Nacional de Mercado de Valores (CNMV) espanhola anunciou que analisará na quinta-feira o prospecto detalhado da oferta da Gas Natural.

Diário Digital / Lusa

22-02-2006 12:22:00


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... news=63651
Parece que não é somente deste lado que se defende a prata da casa...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Fevereiro 22, 2006, 09:51:24 pm »
Citar
Governo espanhol é contrário à OPA de E.On à Endesa

O presidente do governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, comunicou ao responsável máximo da eléctrica alemã E.ON que se opõe à sua oferta pública sobre 100% da eléctrica espanhola Endesa, noticia a imprensa local.


A posição de Zapatero terá sido comunicada a Wulf H. Bernotat durante um encontro entre ambos no Palácio da Moncloa, em Madrid, ao final da tarde de terça-feira, depois de serem conhecidos publicamente os detalhes da oferta pública de aquisição (OPA) da E.ON para compra do capital da maior eléctrica espanhola.

Fontes do executivo citados por agências internacionais negam, no entanto, a informação dos jornais, afirmando que Zapatero não foi tão longe na posição que comunicou a Bernotat, explicando apenas que o governo analisará as implicações da oferta, «visto o sector da energia ser estratégico».

Segundo a imprensa espanhola de hoje, o governo espanhol está já a estudar mecanismos legais para que possa travar a operação, incluindo executar a «golden share» que ainda detém ainda na Endesa, uma posição que só expira em Julho de 2007 e que dá ao Executivo direito de veto sobre decisões estratégicas para a empresa.

Vários analistas afirmam, no entanto, que se utilizar esse poder de veto, o governo de Zapatero iria expor a Espanha «a um problema político de dimensão internacional» em particular porque várias empresas espanholas adquiriram, recentemente, outras empresas europeias, como ocorreu com a compra da inglesa O2 pela Telefónica.

O governo foi formalmente informado da operação na segunda- feira, véspera do anúncio público da OPA, num contacto telefónico entre a chanceler alemã Ângela Merkel e Zapatero.

Na terça-feira, já depois do mercado saber da operação, o ministro da Industria, Turismo e Comércio espanhol, José Montilla, recebeu vários responsáveis do grupo energético alemão E.ON, que explicaram detalhes da OPA sobre 100% da Endesa anunciada na manhã de terça-feira.

Sinais da oposição do executivo tinham já sido indicados em declarações, terça-feira, do secretário de Estado da Comunicação, Fernando Moraleda.

Moraleda disse que apesar de respeitar as regras de mercado, o governo espanhol prefere que num sector estratégico como o da energia que Espanha tenha empresas de «matriz nacional», porque tal convém aos interesses nacionais.

Vários jornais generalistas e económicos noticiam hoje a oposição de Zapatero ao negócio, com o La Gaceta a referir em primeira página que o presidente do governo comunicou a Bernotat «a rejeição do governo à operação».

Analistas em Espanha apontam para a eventualidade de a Gás Natural estar à procura um parceiro, dentro ou fora de Espanha, para responder à contra-OPA da E.ON, inclusive com a Iberdrola.

Para os analistas, a preocupação do governo sobre o eventual sucesso da OPA da E.ON é que possa abrir precedente para outras tentativas de aquisição de empresas espanholas, com a Iberdrola a atrair a Enel.

Também a Repsol (maior accionista da Gás Natural) mostrou-se «vulnerável» depois de reduzir as estimativas das suas reservas, quando circulam rumores de que a BP ou a ENI poderiam estar interessadas.

A oferta da E.ON atribuiu um preço de 27,5 euros por título da Endesa, o que representa um desembolso de 29.100 milhões de euros que, com a dívida líquida da eléctrica, eleva o valor global da operação para 55,2 mil milhões euros.

A oferta da empresa alemã é 29,1% mais elevada do que a da Gás Natural, apesar de estar cerca de cinco cêntimos por título abaixo do valor de fecho da Endesa na sessão de hoje da bolsa de Madrid, onde cresceu mais de 8%.

O Conselho de Administração da Endesa considerou terça-feira que a OPA do grupo alemão «não reflecte adequadamente o valor real» da eléctrica, apesar de valorizar positivamente o facto de não prever a venda de activos da empresa.

A Gás Natural reiterou, por seu lado, que vai continuar com o processo de OPA sobre a Endesa, cumprindo os prazos inicialmente previstos, relembrando que a contra-OPA da alemã E.ON ainda carece das «autorizações pertinentes».

Uma porta-voz da Iberdrola disse à Lusa, por seu lado, que a empresa reafirma o «compromisso» de respeitar o acordo com a Gás Natural para a compra de activos resultantes da OPA lançada pela gasista sobre a Endesa, explicando que acompanhará o evoluir da situação no sector.

Esse acordo de compra de activos resultantes da fusão da Gás Natural e da Endesa está «naturalmente condicionado ao sucesso da OPA», disse a mesma fonte.

A Comissão Nacional de Mercado de Valores (CNMV) espanhola anunciou que analisará na quinta-feira o prospecto detalhado da oferta da Gas Natural.

Diário Digital / Lusa

22-02-2006 12:22:00


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... news=63651
Parece que não é somente deste lado que se defende a prata da casa...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Fevereiro 22, 2006, 09:54:21 pm »
Citar
UE avisa Espanha para não impedir OPA da E.ON sobre a Endesa

As entidades reguladoras da União Europeia (UE) advertiram Espanha para não tentar impedir a oferta pública de aquisição (OPA) da alemã E.ON sobre a Endesa, numa tentativa de construir um mercado energético europeu.


A Comissão Europeia ameaçou Espanha com sanções legais se tentar manter a indústria da energia e do gás em mãos nacionais, um dia depois de a empresa alemã ter lançado uma OPA sobre a Endesa no valor de 29,1 mil milhões de euros, o maior montante avançado para uma utility.

Os reguladores europeus estão a tentar acabar com as barreiras no mercado energético europeu, avaliado em 250 mil milhões de euros, com o objectivo de baixar os preços energéticos.

A imprensa espanhola de hoje avançou que o governo espanhol está já a estudar mecanismos legais para que possa travar a operação, incluindo executar a golden share que ainda detém ainda na Endesa. No entanto, o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodriguez Zapatero, já desmentiu a pretensão de utilizar a golden share para impedir a OPA.

22-02-2006 15:19:57


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... news=63659
E a resposta europeia....nem à pai nem ah mãe...TAU...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Fevereiro 22, 2006, 09:56:15 pm »
Citar
Zapatero descarta golden share para bloquear OPA da Endesa

O primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, afirmou esta quarta-feira que não pretende utilizar a golden share para impedir a oferta pública de aquisição (OPA) da alemã E.ON sobre a Endesa.


Zapatero afirmou que o objectivo do Governo é «tornar compatíveis os interesses do mercado, dos consumidores, cidadãos e do país».

O chefe de executivo referiu-se ao carbono, «que tem um interesse estratégico», do abastecimento energético às ilhas «que tem um interesse singular para o país».

Estas declarações surgem depois de as entidades reguladoras da União Europeia (UE) advertirem Espanha para não tentar impedir a OPA da E.ON, numa tentativa de construir um mercado energético europeu.

A E.ON lançou na passada segunda-feira uma contra OPA de 29,1 mil milhões de euros sobre a Endesa, ultrapassando a oferta da Gas Natural.

22-02-2006 15:39:21


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... news=63661
E a resposta espanhola...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Fevereiro 25, 2006, 02:47:15 pm »
Mais uma fonte a falar da oposição espanhola ao negocio..
http://edition.cnn.com/2006/BUSINESS/02 ... index.html

No entanto, tal como é referido nas noticias, o governo espanhol não tem base legal para impedir o negocio, a não ser claro as golden share. Mas teremos que esperar para ver o episodio que se segue...uma possivel confrontação entre Espanha e a UE...
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Março 13, 2006, 07:22:25 pm »
Citar
Bruxelas admite processar Espanha na OPA E.ON-Endesa

A Comissão Europeia (CE) admite iniciar um processo legal contra a Espanha uma vez que o recente reforço de poderes da CNE levanta obstáculos à OPA (Oferta Pública de Aquisição) da alemã E.ON sobre a espanhola Endesa, admite o comissário europeu do mercado interno Charlie McCreevy em declarações ao jornal alemão Handelsblatt.

 

Se Espanha não retirar o novo decreto que dá mais poder à Comissão Nacional de Energia (CNE), «a Comissão poderá remeter o assunto ao Tribunal de Justiça e aplicar uma multa», indicou o comissário numa entrevista ao jornal alemão de domingo.
Alberto Navarro, secretário de Estado espanhol para a UE, disse que Executivo espanhol está a preparar a sua resposta à carta enviada por Bruxelas no início do mês, na qual a CE pede explicações sobre o decreto-lei que reforçou os poderes da CNE ao ponto do regulador poder travar operações indesejáveis, ou seja oferta de aquisição vindas de empresas estrangeiras.

O Governo espanhol tem consciência de que não existe uma «defesa fácil» contra o pedido de explicações da CE sobre o decreto que alargou as competências da CNE visando travar a operação E.ON-Endesa, a qual segundo valores de mercado ronda os 30 mil milhões de euros.

13-03-2006 11:59:09
 

de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_d ... news=64479

Pois é...liberdade de mercado..
 

*

Marauder

  • Investigador
  • *****
  • 2102
  • +1/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Abril 26, 2006, 10:20:36 pm »
Citar
Bruxelas autoriza compra da Endesa pela E.ON

A Comissão Europeia autorizou a compra do grupo de electricidade espanhol Endesa pelo gigante alemão de energia E.ON por 29,1 mil milhões de euros, anunciou a instituição em comunicado esta terça-feira.


Bruxelas diz «não ter encontrado efeitos adversos sobre a concorrência decorrente da operação» e afirma que a fusão não criará nenhum monopólio no mercado da energia, uma vez que a Endesa opera num mercado distinto da E.ON.

A E.ON tinha notificado a 16 de Março a Comissão Europeia da sua oferta pública de aquisição (OPA) sobre a espanhola Endesa.

Depois disso, Bruxelas tinha 25 dias para se pronunciar sobre a operação e avaliar as consequências sobre a concorrência do mercado europeu, e acabou por responder no último dia do prazo.

A E.ON ofereceu 27,5 euros por cada acção da Endesa, superando a proposta da espanhola Gas Natural (era de 21,32 euros).

Esta resposta da Comissão Europeia surge depois da comissária da concorrência ter avisado o governo espanhol para não bloquear a OPA da E.ON e apelado a uma maior integração do sector energético.

O governo espanhol está interessado em criar a maior empresa energética espanhola, com a fusão entre a Endesa e a Gas Natural, tornando-a maior que a francesa Electricite de France.

Para isso, fez uma lei que dá ao regulador do sector mais poderes para bloquear as OPA por empresas estrangeiras, embora a comissária europeia da concorrência diga que Bruxelas pode declarar essa lei ilegal.

Diário Digital / Lusa

25-04-2006 17:21:00


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro%5 ... news=66229

E nem pia...se piar...a CE só tem que considerar a lei inválida. Somente assim perceberei se no futuro a CE também vier dizer que esta ou aquela golden-share é ilegal.
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Setembro 26, 2006, 12:40:13 pm »
Ya hay un tercero en discordia en la puja por Endesa: la compañía constructora y de servicios Acciona ha comprado el 10% del capital de la eléctrica y se dispone a aumentar su participación hasta el 25%. Está contando con el apoyo del Banco Santander, y el precio de la acción de Endesa ya está muy por encima del ofertado por E.On.

Sería la segunda constructora dispuesta a controlar una empresa eléctrica, tras la compra de un paquete de control de Fenosa por ACS.

Por otra parte, el gobierno español parece dispuesto a levantar sus condiciones a la Opa de E.On, cinco minutos antes de que la Comisión Europea las declare ilegales. La última entrevista entre Merkel y Zapatero sirvió para desbloquear el acuerdo.

Aunque con la entrada de Acciona, ya no se sabe qué puede pasar..  :shock:
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Setembro 27, 2006, 04:05:53 pm »
Notas breves:

La Comisión Europea elimina las condiciones impuestas por el gobierno español a la compra de Endesa por E.On
E.On aumenta su oferta por Endesa
ACS manifiesta su intención de comprar un 10% de Iberdrola.
Rumores de fusión Iberdrola-Fenosa
E.On manifiesta su deseo de alcanzar un acuerdo con Acciona sobre Endesa
La bolsa española se dispara hasta su record histórico

Continuará...

Furia eléctrica: sucesión de noticias
 

*

manuel liste

  • Especialista
  • ****
  • 1053
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Novembro 28, 2006, 12:04:40 pm »
Después de más de un año desde la frustrada Opa de Gas Natural sobre Endesa, y la posterior intervención de más postores, todavía no se sabe quién demonios se quedará con la primera eléctrica españ... ¿primera?

http://www.elmundo.es/mundodinero/2006/11/28/portada/1164700736.html

Un nuevo tigre energético europeo está a punto de nacer: Scottish Power e Iberdrola han llegado a un acuerdo de fusión por el que la primera será comprada por la segunda a cambio de dinero en metálico y acciones. La compañía resultante será la tercera de Europa después de EdF y E.On, con un valor bursátil de 62.000 millones de euros.

La alianza empresarial entre España y Reino Unido es un hecho que ya nadie puede ignorar.
 

 

China ameaça domínio dos EUA sobre os latinos

Iniciado por Paisano

Respostas: 10
Visualizações: 4079
Última mensagem Novembro 24, 2004, 10:45:57 pm
por dremanu
A Verdade Sobre a Economia Espanhola

Iniciado por Tiger22

Respostas: 651
Visualizações: 122043
Última mensagem Abril 02, 2019, 02:32:10 pm
por Cabeça de Martelo
Metáfora sobre o Capitalismo

Iniciado por Luso

Respostas: 2
Visualizações: 1252
Última mensagem Dezembro 03, 2005, 08:33:35 pm
por Yosy
OPA sobre Arcelor

Iniciado por Marauder

Respostas: 3
Visualizações: 2159
Última mensagem Junho 26, 2006, 10:19:57 pm
por Marauder
OPA sobre a BAA

Iniciado por Marauder

Respostas: 2
Visualizações: 1337
Última mensagem Junho 26, 2006, 10:16:39 pm
por Marauder