Comando de Operações Especiais (COpEsp) do Exército Brasileiro

  • 47 Respostas
  • 1378 Visualizações
*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14727
  • Recebeu: 894 vez(es)
  • Enviou: 868 vez(es)
  • +118/-113
Re: Comando de Operações Especiais (COpEsp) do Exército Brasileiro
« Responder #45 em: Abril 13, 2019, 11:29:23 am »
Olha pista de cordas!... c56x1

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Vitor Santos

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3696
  • Recebeu: 285 vez(es)
  • Enviou: 247 vez(es)
  • +231/-223
Re: Comando de Operações Especiais (COpEsp) do Exército Brasileiro
« Responder #46 em: Maio 06, 2019, 09:13:38 pm »
Forças Especiais do Exército Brasileiro na Amazônia - a FORÇA 3 em ação

O Comando Militar da Amazônia possui em sua estrutura organizacional operadores especiais reconhecidos como alguns dos melhores combatentes na selva do mundo

Citar
Os operadores de forças especiais atuam em todo o Brasil desde 1957. Desde então, particularmente na Amazônia, as forças especiais brasileiras têm atuado intensamente no combate à subversão, às ameaças contra a soberania nacional e aos crimes transnacionais, com destaque para as operações desenvolvidas na região de Xambioá, na década de 1970, e no Traíra, na década de 1990.

Subordinada ao Comando Militar da Amazônia (CMA), a 3ª Companhia de Forças Especiais (3ª Cia F Esp) está localizada em Manaus, no Amazonas. É a única unidade de forças especiais do Exército Brasileiro na região que atua na maior floresta tropical do planeta, abrangendo mais da metade do território brasileiro, e que é também a região detentora da maior biodiversidade do mundo e de incontáveis riquezas naturais.

“A Amazônia, por si só, já é um grande desafio e a complexidade desse cenário proporciona um grande laboratório para o emprego das forças especiais”, destacou o tenente coronel do Exército Brasileiro Argemiro Luciano Souza Costa, que em 2018 assumiu o comando da FORÇA 3, nome pelo qual a 3ª Cia F Esp é conhecida.

A FORÇA 3 começou a operar na região no ano 2000, ainda como Destacamento de Forças Especiais, devido à necessidade de aumentar o efetivo na Amazônia, que é a região considerada de alta prioridade para o Alto Comando do Exército Brasileiro.

Em 2003, o destacamento se tornou uma companhia, mantendo a missão de proporcionar ao CMA considerável capacidade de pronta resposta em operações especiais, particularmente em operações de reconhecimento especial, ações indiretas e diretas, além de assessorar o CMA e seus comandos subordinados na concepção de emprego de Forças de Operações Especiais (FOpEsp) das Forças Armadas em situações de normalidade ou não, em ambiente de defesa externa, em ações de garantia da lei e da ordem, entre outros.

Missão impossível Para muitos, fazer parte desse seleto grupo é uma missão impossível. Em média, a cada 100 voluntários, apenas cerca de 20 deles conseguem passar pela criteriosa seleção, que conta com intensa atividade física, pressão psicológica, privação de sono e alimentação.

“É uma competição contra você mesmo, contra suas próprias limitações. Somos obstinados”, afirmou um oficial integrante da FORÇA 3, aqui não identificado a fim de manter em sigilo sua identidade.

Todavia, o tempo em atividade do operador de forças especiais é muito mais complexo do que se imagina. Um operador pode chegar a permanecer por mais de 20 anos nas unidades de forças especiais.

“Levamos uma vida de entrega, cada escolha é uma renúncia”, disse o Ten Cel Souza Costa. “Se fazer o curso já é difícil, maior é o desafio de permanecer nas forças especiais durante a maior parte de sua carreira”.

Crimes transnacionais

Os operadores da FORÇA 3 também contribuem para o adestramento dos militares integrantes dos batalhões de Infantaria de Selva, que atuam na linha de frente do combate aos ilícitos transfronteiriços.

“A nossa ação repercute diretamente nas questões de segurança pública e de defesa do país. Alguns países que fazem fronteira com o Brasil estão entre os principais produtores de drogas do planeta”, declarou um integrante do Destacamento Operacional de Forças Especiais.

Para responder ao ambiente operacional amazônico, os operadores da FORÇA 3 desenvolveram habilidades que lhes permitem a plena execução das técnicas, táticas e procedimentos mais adequados à região, possibilitando a ampliação da capacidade da força terrestre para defender a Amazônia brasileira.

Neste contexto em que inclui sua atuação como multiplicador de forças para as demais tropas do CMA, a FORÇA 3 também atua com outras FOpEsp, órgãos de segurança pública e agências governamentais que atuam na Amazônia.

Intercâmbios internacionais

A experiência acumulada e o domínio sobre as peculiaridades da região também atraem a atenção e o interesse de militares estrangeiros, gerando intercâmbios com países como a Colômbia, a Polônia e os Estados Unidos.

Tropas de elite, como os SEALs da Marinha dos EUA e as Forças Especiais do Exército dos EUA, frequentemente realizam a troca de conhecimentos com os brasileiros que operam na selva.

Durante a Copa do Mundo e os Jogos Olímpicos, eventos ocorridos no Brasil nos anos de 2014 e 2016, respectivamente, a cidade de Manaus serviu como sede para parte das competições realizadas.

Nessas ocasiões, a FORÇA 3 ficou responsável pelo Centro de Coordenações Táticas Integrado, contando com o apoio de integrantes da Marinha do Brasil, da Força Aérea Brasileira, e das polícias Federal, Civil e Militar, conduzindo o planejamento preventivo e repressivo contra potenciais ameaças terroristas em solo brasileiro.

“O ideal como motivação, a abnegação como rotina, o perigo como irmão e a morte como companheira!” O lema citado reflete o sacerdócio que é servir nas forças especiais e a responsabilidade de pertencer a um grupo altamente especializado que, por meio do adestramento constante e de operações reais no ambiente de selva, mantém elevados padrões de desempenho para a defesa da Amazônia e a manutenção da soberania nacional.

FONTE: https://www.defesa.tv.br/forcas-especiais-do-exercito-brasileiro-na-amazonia-a-forca-3-em-acao/



 

*

Vitor Santos

  • Moderador Global
  • *****
  • 3696
  • Recebeu: 285 vez(es)
  • Enviou: 247 vez(es)
  • +231/-223
Re: Comando de Operações Especiais (COpEsp) do Exército Brasileiro
« Responder #47 em: Maio 06, 2019, 09:30:56 pm »
Citar
Matéria completa das unidades de Forças Especiais Brasileiras bem como as congêneres latino-americanas:

 :arrow:  https://dialogo-americas.com/pt/revista/edicoes-especiais/dialogo-2019
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo

 

Batalhões de Infantaria de Selva (Comando Militar da Amazônia/Norte)

Iniciado por Vitor Santos

Respostas: 9
Visualizações: 159
Última mensagem Abril 18, 2019, 03:50:10 pm
por Vitor Santos
Exército Brasileiro usará dirigíveis na Amazônia

Iniciado por J.Ricardo

Respostas: 2
Visualizações: 2795
Última mensagem Janeiro 18, 2005, 07:13:34 pm
por J.Ricardo
Novas Armas para o Exército Brasileiro

Iniciado por ualison

Respostas: 52
Visualizações: 15949
Última mensagem Novembro 11, 2006, 08:26:03 am
por ualison
Pogramas modernização Exército Brasileiro

Iniciado por Miguel Silva Machado

Respostas: 3
Visualizações: 1809
Última mensagem Abril 12, 2019, 01:16:00 pm
por Vitor Santos
Ingresso no Exército Brasileiro

Iniciado por Falcão

Respostas: 1
Visualizações: 7483
Última mensagem Outubro 18, 2008, 02:13:54 pm
por Cabeça de Martelo