Fuzileiros da Armada Portuguesa

  • 1187 Respostas
  • 339061 Visualizações
*

PereiraMarques

  • Moderador Global
  • *****
  • 6695
  • Recebeu: 259 vez(es)
  • Enviou: 185 vez(es)
  • +100/-0
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1170 em: Março 13, 2019, 11:09:14 am »
Sou só eu, ou os fuzos ficam mais badass com o uniforme de treino?

Dá aquele ar de década 60/70 não é?  :mrgreen: Então com um capacete de aço sem cobertura ficava um must  c56x1


Quais capacetes de aço sem cobertura? Os que aparecem na foto parecem-me novos, assim como as Glock, os coletes, etc. O que fica a destoar são as G3.

Ficava...pretérito imperfeito...Era apenas uma ironia...
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14793
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • Enviou: 886 vez(es)
  • +120/-122
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1171 em: Março 13, 2019, 11:52:24 am »
Sou só eu, ou os fuzos ficam mais badass com o uniforme de treino?

Dá aquele ar de década 60/70 não é?  :mrgreen: Então com um capacete de aço sem cobertura ficava um must  c56x1


Quais capacetes de aço sem cobertura? Os que aparecem na foto parecem-me novos, assim como as Glock, os coletes, etc. O que fica a destoar são as G3.

Ficava...pretérito imperfeito...Era apenas uma ironia...

Pretérito quê? Estes doutores só confundem-me... eu é mais a universidade da vida... ah e a 4ª classe feita à noite.  :mrgreen:

7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3403
  • Recebeu: 1526 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +243/-9
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1172 em: Março 13, 2019, 12:22:01 pm »
Sou só eu, ou os fuzos ficam mais badass com o uniforme de treino?

Dá aquele ar de década 60/70 não é?  :mrgreen: Então com um capacete de aço sem cobertura ficava um must  c56x1


Quais capacetes de aço sem cobertura? Os que aparecem na foto parecem-me novos, assim como as Glock, os coletes, etc. O que fica a destoar são as G3.

Ficava...pretérito imperfeito...Era apenas uma ironia...

Pretérito quê? Estes doutores só confundem-me... eu é mais a universidade da vida... ah e a 4ª classe feita à noite.  :mrgreen:

Á noite e com nevoeiro !!!! :mrgreen: :mrgreen:

Abraços
 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2567
  • Recebeu: 1026 vez(es)
  • Enviou: 2227 vez(es)
  • +266/-5
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1173 em: Março 13, 2019, 01:42:29 pm »
E era da Boavista e estudava no Arco do Cego.  :mrgreen:
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3403
  • Recebeu: 1526 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +243/-9
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1174 em: Março 22, 2019, 12:31:15 pm »
Anexo PDF elaborado em 2008, com a constituição de uma FFZBlindada, quando ainda se pensava na atribuição dos Pandur aos nossos Fuzos, a sua orgânica em termos humanos e Viaturas Blindadas Pandur, e emprego táctico em TO.

https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/12733/1/BE%201%20TEN%20Esquetim%20Marques.pdf

Abraços
« Última modificação: Março 22, 2019, 12:33:02 pm por tenente »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: PereiraMarques

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4137
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • +50/-0
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1175 em: Março 22, 2019, 01:33:02 pm »
Bom oficial. Que saia rapidamente da curva descendente da banheira
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3403
  • Recebeu: 1526 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +243/-9
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1176 em: Março 24, 2019, 04:26:58 pm »
Fuzileiro apoia resgate de mulher em aldeia isolada em Moçambique

Uma pessoa isolada foi hoje resgatada na Beira, em Moçambique, por um fuzileiro da Marinha portuguesa que integra a Força de Reação Imediata (FRI) que se encontra em missão humanitária em Moçambique.

O salvamento ocorreu junto ao rio Buzi, numa aldeia isolada, com recurso a um helicóptero da Marinha indiana ao serviço das Nações Unidas.





Uma mulher, com sinais evidentes de fraqueza, foi localizada durante uma operação de reconhecimento às áreas ainda isoladas. Durante o voo, a tripulação do helicóptero apercebeu-se de um pedido de auxílio de vários populares no solo, que acenavam a pedir ajuda.


O Sargento Fuzileiro Faustino voluntariou-se de imediato para comunicar em português e efetuar o salvamento.
O reconhecimento aéreo estava a ser realizado com uma equipa de militares portugueses, para identificarem as zonas onde esta tarde vão fazer distribuição alimentar de emergência às populações isoladas, a ser concretizada através dos botes dos fuzileiros da
FRI.

Orgulho nos nossos. Orgulho em todos os militares portugueses.

PS e não é que a aeronave utilizada foi um ALIII !

https://www.facebook.com/MarinhaPortuguesa/photos/pcb.2302943249726845/2302942356393601/?type=3&theater
 

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4137
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • +50/-0
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1177 em: Março 24, 2019, 06:55:16 pm »
HAL Chetak, ALIII feito no Índia. Provavelmente embarcado no patrulha Sujata
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

tenente

  • Investigador
  • *****
  • 3403
  • Recebeu: 1526 vez(es)
  • Enviou: 585 vez(es)
  • +243/-9
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1178 em: Março 26, 2019, 02:22:24 pm »
Fuzileiros em ação na Beira, em Moçambique.

Todos os minutos são fundamentais para salvar vidas e levar esperança.



https://www.facebook.com/MarinhaPortuguesa/photos/a.166558256698699/2305608896126947/?type=3&theater

Abraços
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: NVF

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14793
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • Enviou: 886 vez(es)
  • +120/-122
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1179 em: Março 28, 2019, 10:23:54 am »
Há 19 anos, o mesmo cenário. Missão marcou os fuzileiros

No ano 2000, a região da Beira estava devastada pelas cheias como está hoje. Em 24 horas, a força de reação imediata com 45 fuzileiros avançou para Moçambique. Socorreram 16 mil pessoas.

Levantavam-se às quatro da manhã para estarem dentro de água às cinco. Com dois homens em cada bote, percorriam o rio Save ao longo de 70 quilómetros, primeiro à procura de pessoas para garantir socorro e alimentos, depois para assegurar transporte para zonas mais seguras. Por fim, quando as águas baixaram, começaram a distribuir sementes e ferramentas para que pudessem recomeçar.

Foi assim ao longo de um mês, o tempo que durou a missão da força de reação imediata enviada para socorrer a população moçambicana nas cheias do ano 2000. Mal aterraram em Vila Franca do Save – o setor atribuído aos fuzileiros portugueses, a 400 quilómetros a sul da cidade da Beira –, tiveram uma perceção ainda maior da urgência. Olhavam para uma planície e só viam água, destruição, casas submersas, sofrimento.

Dezanove anos depois, as imagens tornam-se de novo vivas com os relatos da tragédia em Moçambique. «O sofrimento humano dá-nos uma motivação extrema. Se tínhamos 20 botes para navegar, eram esses 20 botes que diariamente iam para dentro de água completamente carregados de apoio humanitário, no limite. Sabíamos que todo o apoio que pudéssemos dar ia fazer a diferença», recorda o comandante Mendes Afonso, na altura 2.º comandante da força com 45 fuzileiros enviada para apoio a Moçambique.

O estado de prontidão faz parte da natureza desta componente das Forças Armadas e em 24 horas foram ‘projetados’, o termo militar que se tornou a ouvir nos últimos dias. Na altura, os homens seguiram num voo comercial da TAP até à Beira e o material foi a bordo de um C-130, numa missão com contornos semelhantes à que partiu esta semana para Moçambique e que na altura mobilizou também elementos da Proteção Civil, Cruz Vermelha e Bombeiros. «A nossa projeção para Vila Franca do Save foi num avião das Nações Unidas que aterrou numa pista de terra batida. Tivemos de descarregar tudo a braços para o local onde ficámos acampados. Sabemos que cada hora que demoramos é uma hora em que não estamos a chegar às pessoas», continua Mendes Afonso.

Seguiam com autonomia para uma operação de 30 dias, sem saber ao certo quanto tempo ficariam. Levaram tendas, rações de combate, água engarrafada, carvão ativo para filtrar a água do rio que usavam para a higiene pessoal. Durante as quatro semanas no terreno seriam abastecidos por helicópteros sul-africanos e americanos, que regularmente forneciam mais kits alimentares para distribuir à população e combustível para manterem os botes dentro de água.

A gestão das prioridades torna-se uma das principais dificuldades numa missão deste género, diz o comandante. Feito o reconhecimento, foi preciso planear onde iriam diariamente, de forma a chegar ao maior número de pessoas. Ao longo do curso do rio, era comum aparecerem grupos a pedir-lhes que parassem de novo num determinado lugar e nem sempre podiam fazê-lo.

Lembra-o Mendes Afonso mas também o sargento Moreira Teixeira, patrão de bote na força de reação imediata do ano 2000. «São situações alarmantes. A nossa missão é tentar salvaguardar a vida humana. Custa ir ao longo do rio e ver pessoas a acenar com fome, mas se parássemos no mesmo ponto se calhar não saíamos de um espaço de 5 a 10 quilómetros e tínhamos  70 km para percorrer.»

Também o cabo Marco Bernardo  não esquece os primeiros contactos. «Encontrámos aldeias completamente isoladas, famílias separadas. Quando vieram as cheias, os pais estavam de um lado e os filhos de outro, e tentámos fazer o reencontro. Apesar de ter sido uma missão curta, foi muito intensa. Tínhamos a consciência de que quanto mais tempo demorássemos, mais impacto aquela situação ia ter na população».

 

800 kg de alimentos por bote

Diariamente cada bote distribuía 800 kg de alimentos num setor que ia de Vila Franca do Save até Nova Mombone. Com os barcos de borracha carregados, sentavam-se em cima das sacas de farinha. «Ninguém queria ficar em terra», lembra Moreira Teixeira. A operação dentro de água era exigente, mas não havia outra forma de se deslocarem na região completamente alagada. Além do calor e humidade, que obrigava a interromper a navegação pela uma da tarde quando os termómetros chegaram a tocar os 46ºC, o rio era um caudal de lama com troncos, árvores submersas, destroços – obstáculos que nem sempre viam em antecipação.

Ao longo das quatro semanas recolheram corpos, mas essa era uma responsabilidade que estava entregue às autoridades locais, explicam. A articulação num cenário assim torna-se um bem tão essencial como os meios.

Nunca houve um balanço final, mas estima-se que 700 pessoas tenham perdido a vida nas cheias do ano 2000, as mais violentas antes da situação que se vive atualmente no país. Cerca de 400 mil pessoas terão ficado desalojadas.

Para Mendes Afonso, Moreira Teixeira e Marco Bernardo, que hoje continuam ao serviço da Marinha no ativo, foi a primeira missão no exterior e deixou marcas fortes. «Tal como vemos agora, as pessoas há 19 anos juntavam-se nos sítios mais altos e criavam-se aglomerados. Se nós não chegássemos, mais ninguém chegava. Encontrámos pessoas em telhados, árvores, em todos os locais onde não houvesse água. Estivemos lá durante um mês e nas primeiras duas semanas esse cenário de encontrar pessoas em sítios difíceis manteve-se. Se não fossemos nós a chegar e a levar-lhes comida, não comiam. Bebiam a água que havia, a água do rio, mas num cenário destes a água tem lá tudo, é escura, contaminada».

Muitas vezes, acabavam por partilhar a ração de combate. «Principalmente para os militares que tinham filhos da idade das crianças que nos vinham pedir comida, era uma situação complicada. Tínhamos um pacote de bolas de água e sal e, quando saímos para a distribuição, as bolachas eram dadas às crianças, ninguém conseguia estar a comer com os miúdos a olhar. O fator humano é transcendente num momento destes», sublinha Mendes Afonso.

Encontrar pessoas isoladas, algumas completamente nuas ao fim de dias à chuva nas zonas mais remotas é outra das imagens difíceis de apagar. «Se calhar a única coisa que tinham antes era uma vestimenta rudimentar, uma túnica, e até isso deixaram de ter. Muitas vezes dávamos-lhes as nossas t-shirts para se cobrirem. Muitas vezes queríamos dar mais e não conseguíamos», lembra Moreira Teixeira, que não esquece o dia em que encontraram uma criança que teria a idade da sua filha, despida e a tremer. «É difícil. Há muitas histórias que nos ficam, umas mais tristes, outras menos, mas todas com um certo grau de infelicidade. Muitas casas são construídas em tijolo cru, outras palhotas. São pessoas que perdem o pouco que têm, porque não têm muito».

 

A primeira missão com GPS

Quase duas décadas depois, acreditam que a principal diferença em termos operacionais será nas comunicações disponíveis, mesmo que nestes primeiros dias tenha havido limitações.

No ano 2000 levaram um telefone por satélite, o telemóvel não era tão comum. Ainda assim, a missão em Vila Franca do Save foi a primeira em que foi usado GPS, que na altura estava em testes internos na Marinha. Uma ajuda que se revelou preciosa, explica Mendes Afonso. «Tínhamos acesso à cartografia mas não servia para nada porque havia povoações completamente tapadas pela água, não fazíamos ideia onde estávamos pelos mapas e o GPS foi uma mais-valia fundamental.»

Regressaram com o sentimento de que tinham feito o máximo e acreditam que os colegas que esta semana partiram para Moçambique vão preparados para o que é sempre uma missão exigente. «O essencial é que se apoiem uns aos outros e façam o melhor possível», diz Marco Bernardo.

O contributo que deram há 19 anos foi lembrado na quarta-feira pelo ministro da Defesa Nacional pouco antes de o C-130 descolar da base aérea de Figo Maduro. «Naquela ocasião os fuzileiros portugueses distribuíram 150 toneladas de alimentação, socorreram mais de 16 mil pessoas com necessidades de assistência médica, salvaram incontáveis vidas. A partida desta força de reação imediata hoje é uma demonstração da prontidão de Portugal para repetir aquilo que se fez em Moçambique no ano 2000 e estou seguro de que os militares que hoje partem terão a mesma determinação e o mesmo brio», disse João Gomes Cravinho.

https://sol.sapo.pt/artigo/651139/ha-19-anos-o-mesmo-cenario-missao-marcou-os-fuzileiros
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: MATRA

*

Lancero

  • Investigador
  • *****
  • 4137
  • Recebeu: 27 vez(es)
  • +50/-0
"Portugal civilizou a Ásia, a África e a América. Falta civilizar a Europa"

Respeito
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14793
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • Enviou: 886 vez(es)
  • +120/-122
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1181 em: Abril 18, 2019, 10:22:05 am »
Dia 18 de abril de 1621, data que a Marinha Portuguesa escolheu para assinalar o aniversário do Corpo de Fuzileiros.

Tendo ido buscar as suas origens "na mais antiga Força Militar permanente em Portugal" referem na sua história oficial: "A existência de Fuzileiros na Armada remonta a 1585 quando se estabeleceram núcleos de adestramento das guarnições das naus da Índia para o manejo da artilharia e da fuzilaria. O Corpo de Fuzileiros tem a sua origem na mais antiga Força Militar constituída com carácter permanente em Portugal, sendo datada de 1621 a sua fundação, com a designação de "Terço da Armada da Coroa de Portugal", da qual os Fuzileiros actuais são legítimos herdeiros”.

A sua longa história continuou, com diversas alterações organizacionais e designações e nem sempre estiveram activados, para, em 1960, na sequência de um despacho favorável do Chefe do Estado-Maior da Armada, Almirante Guerreiro de Brito, a uma informação do seu Sub-CEMA Almirante Armando Reboredo e Silva, ter determinado a criação da especialidade de “Fuzileiros Navais”. Deu-se então inicio à criação dos Fuzileiros em moldes semelhantes aos que conhecemos hoje para emprego na Guerra do Ultramar onde combateram nos teatros de Operações de Angola, Guiné e Moçambique.

Em 1974 foi criado o Corpo de Fuzileiros que tem vindo a adaptar a sua organização ao longo dos anos e nas últimas décadas tem participado com sub-unidades operacionais nas diferentes missões exteriores em que as Forças Armadas Portuguesas tem sido empenhadas.

O Corpo de Fuzileiros dispõe de duas unidades territoriais, a Escola de Fuzileiros em Vale do Zebro e a Base de Fuzileiros no Alfeite, onde também se encontra o Comando do Corpo de Fuzileiros, e a sua força operacional assenta em dois Batalhões de Fuzileiros e no Destacamento de Acções Especiais.

“Hoje, os Fuzileiros Portugueses prestam, também, estreita cooperação de natureza Técnico-Militar aos Fuzileiros dos Países Africanos de Língua oficial Portuguesa (Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Moçambique) e desde 1997 têm participado isoladamente e de forma conjunta ou combinada em operações de apoio à paz e de assistência humanitária, na Bósnia-Herzegovina, em Timor-Leste, na ex-República do Zaire, na Guiné-Bissau, em Moçambique, na República Democrática do Congo, no Afeganistão e na Lituânia”.



Fonte: Operacional.
« Última modificação: Abril 18, 2019, 10:51:23 am por Cabeça de Martelo »
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM, FoxTroop

*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 10863
  • Recebeu: 368 vez(es)
  • Enviou: 226 vez(es)
  • +59/-45
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1182 em: Abril 18, 2019, 01:00:10 pm »
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: LM

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14793
  • Recebeu: 909 vez(es)
  • Enviou: 886 vez(es)
  • +120/-122
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1183 em: Abril 26, 2019, 02:35:22 pm »
Façam lá uma vaquinha e comprem umas quantas viaturas destas para os nossos pobres Fuzos.

Citar

Jane’s Land Warfare Platforms editor, Samuel Cranny-Evans talks to ST Engineering about the Bronco 3, and what makes it suitable for the modern battlespace.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

NVF

  • Investigador
  • *****
  • 2567
  • Recebeu: 1026 vez(es)
  • Enviou: 2227 vez(es)
  • +266/-5
Re: Fuzileiros da Armada Portuguesa
« Responder #1184 em: Abril 26, 2019, 04:02:58 pm »
Até uns Bv206 usados davam jeito. E até mesmo uns HMMVV batidos para substituir os Land Cruiser e os Land Rover. Já que, desgraçadamente, vão ter que operar as G3 até ao próximo século, uns veículos usados não destoariam muito e sempre ofereciam maior protecção aos nossos valentes fuzileiros que, infelizmente, são dirigidos por almirantes de algibeira.
Everyone you will ever meet knows something that you don't.
- Bill Nye
 

 

Um LHC Usado Classe Tarawa para a Marinha Portuguesa

Iniciado por Rvsantinho

Respostas: 20
Visualizações: 7791
Última mensagem Janeiro 20, 2011, 09:01:46 pm
por ICE 1A+
Futuro dispositivo naval da Marinha portuguesa

Iniciado por JLRC

Respostas: 55
Visualizações: 19037
Última mensagem Junho 28, 2004, 12:29:14 pm
por Rui Elias
História da componente submarina da Marinha Portuguesa

Iniciado por Jorge Pereira

Respostas: 43
Visualizações: 20526
Última mensagem Janeiro 05, 2013, 12:03:27 am
por HSMW
Marinha de Guerra Portuguesa: Album de Fotografias

Iniciado por Luso

Respostas: 20
Visualizações: 19706
Última mensagem Abril 25, 2008, 03:29:37 pm
por jmg
Presente e futuro da Marinha de Guerra Portuguesa

Iniciado por Filipe de Chantal

Respostas: 327
Visualizações: 50871
Última mensagem Junho 29, 2009, 05:18:31 pm
por paraquedista