ForumDefesa.com

Indústrias de Defesa e Tecnologia Militar => Tecnologia Militar => Tópico iniciado por: nelson38899 em Agosto 31, 2009, 11:47:41 am

Título: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Agosto 31, 2009, 11:47:41 am
Citar
MK44 Bushmaster Cannon

http://www.discoverychannel.co.uk/video ... er-cannon/ (http://www.discoverychannel.co.uk/video/future-weapons-mk44-bushmaster-cannon/)

The Mk 44 is a medium caliber automatic cannon capable of being used in fighting platforms to include ground vehicle, naval and aircraft applications. This weapon can be converted to fire 40mm rounds with a change of barrels and minor changes to the feeder assembly. The conversion has been described as relatively simple by the manufacturer, for example being able to be performed by the crew on the ship on which the weapon is mounted.

One of the Mk 44 chain gun's intended applications is on the Marine Corps Expeditionary Fighting Vehicle (EFV), formerly known as the Advanced Attack Amphibious Vehicle (AAAV). The Expeditionary Fighting Vehicle's (EFV) Mk 46 Mod 0 Weapon Station incorporates the 30mm Mk 44 automatic gun, as well as, a 7.62mm coaxial machine gun. The Mk 46 Mod 0 Weapon Station as designed will carry 215 ready rounds of 30mm and 600 ready rounds of 7.62mm ammunition. The load out has been described as sufficient to complete the intended EFV mission. Since 1997, the EFV Program has been a leader in developing the Mk 44, which has been adopted by other DoD acquisition programs including the USN LPD-17 amphibious ship class and the USAF AC-130 Gunship programs.

The Mk 44 Cannon and Mk 46 Weapon Station nomenclature has been the source of some ambiguity and confusion in official publications, which have at times used the nomenclature interchangeably. This weapon should not be confused with the Mk 46 Mod 0 5.56mm Lightweight Machine Gun, a compact, belt-fed machine gun manufactured by FN Herstal of Belgium. It should also not be confused with the the 3,000 rounds-per-minute 7.62 mm GAU-17/A rotary barrel machine gun.
http://www.globalsecurity.org/military/ ... 4-30mm.htm (http://www.globalsecurity.org/military/systems/ship/systems/mk-44-30mm.htm)
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: Jorge Pereira em Setembro 21, 2009, 01:55:22 am
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: Jorge Pereira em Outubro 05, 2009, 01:47:32 pm
O sonho de qualquer força anti-motim:

Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: BC304 em Outubro 07, 2009, 10:55:14 am
Um teste da Rail Gun

Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 03, 2009, 03:59:24 pm
Citar
Developed by UK firm Amsafe, Tarian cloth is capable of repelling armor-piercing anti-tank warheads by creating a ‘cushion’ between the vehicle’s exterior and typical armor plating, thereby triggering the explosive early and dispersing the force of the blast across the existing armor.

Traditional slat or metal-bar protection has a similar effect and through it is relatively light in comparison to the primary armor-plating of a vehicle, still has a detrimental effect on mobility and load-capacity. Being 50% lighter than aluminum cage armor and 85% lighter than steel cage options, Tarian (Welsh for "shield") reduces the chance of overloading the vehicle and means that more equipment can be carried and further precautions taken to ensure the safety of the passengers.

Currently being favored over traditional protection on British combat vehicles, Amsafe approached the UK MOD with its design in 2005 and subsequent trials in Afghanistan have encouraged DARPA (Defense Advanced Research Projects Agency) to order thirty ‘test articles’ at a cost of $100,000.

DARPA is confident that the Dorset company’s research has the potential to solve a very real problem and with additional vehicle-based and static application on the table, Tarian’s modular, replaceable design could well become an essential ingredient in modern warfare.
http://www.gizmag.com/high-tech-fabric- ... ing/12460/ (http://www.gizmag.com/high-tech-fabric-military-armour-plating/12460/)
(http://www.gizmag.com/pictures/hero/12460_10080974058.jpg)
Título: Re: Armas do futuro - IAR USMC
Enviado por: AtInf em Fevereiro 25, 2010, 09:11:19 am
http://www.marinecorpstimes.com/news/20 ... r_022210w/ (http://www.marinecorpstimes.com/news/2010/02/marine_iar_022210w/)



Corps can move ahead with IAR testing

Protest from competitor dismissed
By Dan Lamothe - Staff writer
Posted : Wednesday Feb 24, 2010 16:49:26 EST
   
Congressional investigators have sided with the Marine Corps in a dispute over the service’s infantry automatic rifle program, calling the competition fair and clearing the way for the service to choose its preferred weapon.

Weapons maker FN Herstal protested the Corps’ Oct. 23 decision to eliminate the company from the competition on grounds that its IAR failed to meet requirements in testing, according to a Dec. 15 report by the Government Accountability Office obtained by Marine Corps Times. The Corps ultimately chose the IAR made by Heckler & Koch, spurning FN and Colt Defense, which competed two weapons for the contract.

The IAR competition is not considered complete, however, as the Corps intends to perform more tests on H&K’s weapon throughout the year ahead. H&K’s weapon was chosen in a “down-select,” meaning that while the Corps will continue assessing it, there are no guarantees H&K will supply the 4,100 IARs the Corps plans to buy.

All four 5.56mm weapons tested carry 30-round magazines and were viewed as possible replacements for many of the M249 squad automatic weapons the Corps has fielded since the 1980s. The preferred H&K model is a variant of the HK416 assault rifle, which uses a spring-buffered short-stroke gas-piston system and is the sole finalist that fires only from the closed-bolt position.

In its protest, FN claimed that during tests its weapon’s barrel “was infected by copper residue,” effectively skewing the results, according to the GAO. FN, maker of the SAW, also blamed the Corps for failing to properly tighten the pistol grips that fell off two of its three test models during extreme cold-weather trials conducted at minus-25 degrees.

The specifics of FN’s protest shifted throughout November and December as the company and the Corps sought to bolster their cases, the GAO said. FN “abandoned its initial protest argument that the [Corps] may not have performed required regular maintenance,” the GAO said. After reviewing additional documents provided by the Corps, the company protested on several other grounds, including that the Corps was mistaken in saying more than one FN pistol grip fell off and that the grips from other companies in the competition also fell off and were not similarly rejected.

“These arguments … constitute independent grounds of protest,” GAO acting general counsel Lynn Gibson wrote in the report. “Since the basis of protest stems from the protester’s review of the [Marine Corps] test report and other documents … we find the arguments raised in FN’s comments to be untimely.”

The GAO hasn’t said whether FN’s later complaints were legitimate or investigated. Company officials with FN and H&K did not respond to requests for comment. Capt. Geraldine Carey, a spokeswoman for Marine Corps Systems Command, said the Corps would not comment on FN’s protest.

The service has ordered 24 more H&K IARs to be tested in locations ranging from Panama to the Marine Corps Air Ground Combat Center and Marine Corps Mountain Warfare Training Center in California, Marine officials have said.

Eventually, the Corps plans reduce the number of SAWs in the service from about 10,000 to 8,000 as it rolls out the IAR. Each infantry company will retain six SAWs to employ as the tactical situations dictate, but the IAR will replace the SAW in many patrol situations, Marine officials have said.
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: AtInf em Março 19, 2010, 01:59:58 pm
Testes do F35-B (VSTOL)



Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: AtInf em Abril 06, 2010, 02:44:13 pm
Ver na pag 20 como ter Hellfire para a malta menos abonada  :mrgreen:
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: AtInf em Abril 20, 2010, 01:53:43 pm
IAR para o USMC

Corps may field infantry auto-rifle this fall


   
The Marine Corps could be ready to order large quantities of the front-runner in its infantry automatic rifle competition this fall, but only if the commandant is convinced it’s a good idea.

The weapon has been in operational testing since January, and Marine officials overseeing the program hope “to get a full-rate production decision” once the results are reviewed, said Col. Andrew Bianca, head of infantry weapons acquisition at Marine Corps Systems Command.

Speaking to defense contractors April 6 in Baltimore, Bianca said the IAR’s development hinges in part on whether “everything works out” during testing.

“One of the big things that we’ve been doing — and most of you have probably read about it — is the infantry automatic rifle,” he told the group, gathered at SysCom’s 2010 Advanced Planning Brief to Industry.

“It’s a look at going back to the true automatic rifle and replacing the [M249] squad automatic weapon within the infantry squads and the light-armored reconnaissance scout teams.”

A decision to field the 5.56mm auto-rifle won’t be made unless Commandant Gen. James Conway is “satisfied that the IAR is the right weapon for the Marine Corps,” said Barbara Hamby, a SysCom spokeswoman.

Development of the 5.56mm IAR has been ongoing for years and widely discussed throughout the Corps. Marine officials intend to buy about 4,100 auto-rifles while reducing the number of SAWs from 11,381 to about 8,000.

Pros and cons
Conway has said that reducing the number of belt-fed, 5.56mm SAWs and their 200-round firepower could hurt a small unit’s ability to establish fire superiority.

Proponents of the auto-rifle program say its lightweight, 12½-pound design will improve accuracy, especially while on the move in a firefight. But some grunts worry about trading in the SAW for a rifle with a 30-round magazine.

Conway told reporters in December that replacing the SAW would be difficult in part because the weapon gives Marines a psychological advantage. Another hurdle, he said, would be convincing Congress to fund the IAR while the Army continues using the SAW.

“It’s a big deal when you start changing how a Marine infantry squad fights,” Conway said. “I’m going to have to be convinced that we’re making the right move before we start to purchase another system and change that whole dynamic.”

Marine officials are now testing Heckler & Koch’s IAR, after selecting it as its preferred option in October and ordering 24 additional weapons for testing. It beat out three other finalists, including two models from Colt Defense LLC, maker of the M4 carbine, and one from FN Herstal, maker of the SAW. The H&K model is a variant of its HK416 assault rifle, which uses a spring-buffered short-stroke gas piston system, and is the sole finalist that fires only from the closed-bolt position.

Testing has taken place in a variety of austere conditions and will continue through June. The results will be analyzed before any decision is made, and reviewed by both Conway and Brig. Gen. Michael Brogan, SysCom’s commander
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 24, 2010, 05:27:18 pm
Míssil X-51: ataca qualquer alvo no planeta em menos de uma hora


No dia 20 de Agosto de 1998 as agências secretas americanas localizaram Osama Bin Laden num campo de treino da Al-Qaeda no Afeganistão. Aos comandos políticos e militares abria-se uma oportunidade praticamente irrepetível para eliminar aquele que, muito antes do 11 de Setembro, era já um dos principais inimigos da América. Estacionado no mar Arábico, o USS Abraham Lincoln recebe ordens para lançar mísseis cruzeiro Tomahawk. A viagem (mesmo à velocidade de 880 quilómetros hora) demorou duas horas e quando os Tomahawk começaram a roncar nos céus afegãos já Bin Laden se tinha evaporado.

É verdade que as forças americanas têm no seu arsenal mísseis balísticos capazes de destruir qualquer alvo numa questão de minutos. Mas o problema destas armas é que a sua capacidade destrutiva é de tal modo excessiva que o seu uso é mais que improvável. Falamos, claro, das armas nucleares. "No ambiente estratégico actual, só temos zeros e uns. Podemos decidir usar armas nucleares ou não", confessa o capitão Terry Benedict, da marinha norte-americana.

Nos Estados Unidos nenhum estratego militar esquece o episódio de 1998. Por isto, e também por estar comprometida com um mundo livre do nuclear militar, a administração Obama está a trabalhar numa nova classe de armas convencionais capazes de atingir qualquer ponto do globo em menos de 60 minutos - ao mesmo tempo que mantém o poder de dissuasão americano.

No âmbito do programa Prompt Global Strike (Ataque Global Imediato), liderado pelo Departamento da Defesa, está a ser desenvolvido um novo míssil: o X-51. Utilizando tecnologia espacial da NASA, esta será a única arma não nuclear capaz de atingir velocidades Mach-5 (5793 quilómetros por hora) e que transforma em vantagens os efeitos brutais da velocidade hipersónica, destruindo os alvos aliando a força cinética a uma ogiva convencional.

"No papel estamos perante uma evolução tecnológica brutal. Mas os 'ses' só começam a aparecer na vertente operacional", explica ao i Francisco Galamas, investigador na área do armamento. De acordo com o Pentágono, este sistema nunca estará operacional antes de 2015 e o mais provável é que o seu desenvolvimento se prolongue até 2020. A nova arma pode ser lançada de um bombardeiro B-52 e é capaz de estilhaçar uma central nuclear iraniana ou norte-coreana, destruir um navio carregado de armamento no Médio Oriente ou ainda rebentar com o esconderijo de Bin Laden. Tudo com precisão extrema, em poucos minutos e com uma potência localizada equiparada à de uma bomba nuclear - sem a chacina inerente a uma bomba radiológica.

"A grande novidade deste sistema é combinar uma precisão quase cirúrgica com potência e uma capacidade quase instantânea de reacção", sustenta Galamas, alertando contudo para os problemas estratégicos que a implementação de um sistema deste tipo pode apresentar às potências rivais. "A Rússia já deu sinais de que pode vir a desenvolver o seu próprio sistema antimíssil."

Na força aérea americana espera-se que o X-51 seja mesmo uma realidade. "Tenho imensa confiança que vai funcionar", diz Mark Lewis, o cientista chefe da força aérea.

Apoio político, à partida, não faltará. Robert Gates, o secretário da Defesa, expressou na ABC o "acolhimento" que a administração deu ao Prompt Global Strike. Prova disso são os 250 milhões de dólares que Obama pediu ao Congresso para explorar esta alternativa, que combina tecnologia militar e aeroespacial de topo. John McCain, candidato presidencial republicano em 2008, também já manifestou o seu apoio a um programa que tem tanto de "caro como de essencial".

As reservas relativas à nova geração dos mísseis Trident, inicialmente pensados para incorporar o "Prompt Global Strike", fez com que muita gente no Departamento de Defesa se virasse para alternativas. A resposta deverá ser o X-51: uma arma que nos radares de Pequim ou Moscovo não é confundida com um míssil nuclear. Por isso, e como sustenta um oficial americano de topo, "ninguém se vai ter de preocupar em começar uma terceira guerra mundial."

Ionline
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: AtInf em Maio 31, 2010, 02:04:59 pm
Video do teste do X-51 ( Mach6 )


http://www.youtube.com/watch?v=VZUwKX3_uE4&feature=player_embedded
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: AtInf em Junho 02, 2010, 01:35:40 pm
Robot de desminagem

http://www.youtube.com/watch?v=A3jab7rnIL0&feature=player_embedded
Título: Re: Armas do futuro
Enviado por: Lusitano89 em Julho 12, 2010, 07:08:43 pm
Avião de combate britânico do futuro não tem tripulação


(http://i.telegraph.co.uk/telegraph/multimedia/archive/01235/Taranis_1235516c.jpg)


O Taranis, assim se chama esta verdadeira nave espacial, pode atingir alvos localizados em outros continentes

O Ministério da Defesa britânico divulgou esta segunda-feira as primeiras imagens de um protótipo de um avião não tripulado desenvolvido para combate. O aparelho, com semelhanças a uma nave espacial de um filme de ficção ciêntifica, foi baptizado com o nome de Taranis.

A novidade é a capacidade do avião em atingir um alvo localizado a grande distância, inclusivamente num outro continente, graças a um sistema de inteligência artificial.

Este protótipo ontem apresentado custou 171 milhões de euros e começou a ser construído em Dezembro de 2006. O Ministério da Defesa inglês prevê fazer o primeiro teste em 2011. "A taranis é um projecto verdadeiramente pioniero, que reflecte o design mais avançado e tecnologia de liderança no cenário mundial", disse Gerald Howart, ministro da segurança inglês.

O projecto da Taranis é uma parceria do Ministério da Defesa britânico com várias indústrias inglesas, uma delas a Rolls-Royce, que vai ser responsável pelo sistema de propulsão desta autêntica nave espacial.

DN
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Julho 27, 2010, 11:37:37 am
Recorde de velocidade para heli - 225kt (417kmh)

 

Sikorsky says its X2 Technology demonstrator has reached 225kt (259mph) in flight tests - a milestone because it exceeds the word helicopter speed record of 216kt (249.1mph), set by a Westland Lynx in 1986.

(http://sitelife.aviationweek.com/ver1.0/Content/images/store/3/8/43ad5ed3-c498-4cb7-887f-8d491576d800.Full.jpg)
Photo: Sikorsky

Record-setting G-LYNX was fitted with new blades developed under the British Experimental Rotor Program and now standard on AW101 and Lynx helicopters. The X2 has rigial coaxial rotors and a tail-mounted propulsor.

That propulsor makes the X2 a compound helicopter, so we Brits can console ourselves that the Lynx remains the fastest conventional helicopter - and will remain so even when Sikorsky achieves its avowed goal of exceeding 250kt.

G-LYNX also had uprated Rolls-Royce Gem 60 engines, cleared to their maximum contingency rating and further boosted by water methanol injection - so it was no standard Lynx. Sikorsky says the X2 will "cruise comfortably" at 250kt.


X2 tail (left to right) at 225kt, 181kt and first flight

The latest speed was set after the X2 was fitted with a redesigned tail to improve handling qualities and reduce pilot workload as speed increases. The attempt to achieve 250kt is now set for the third quarter, the company says.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Agosto 19, 2010, 09:34:34 pm
Lockheed Martin JAGM ( sucessor do Hellfire )
Alcance 0,5 a 16km ( disparado por helicoptero ou lançador terrestre ); até 26 km se disparado de um avião

http://www.youtube.com/watch?v=-y0aKxyzdYw&feature=player_embedded
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Dezembro 09, 2010, 11:53:07 am
Projecto AVX OH-58D para o AAS ( Armed Aerial Scout )
http://www.avxaircraft.com/index.html
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Dezembro 09, 2010, 11:56:14 am
Sikorsky S-97 Raider para o AAS ( Armed Aerial Scout )

http://www.scribd.com/doc/44873230/Frontlines-Q4-2010-issue22
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Dezembro 09, 2010, 12:00:23 pm
E  a Eurocopter responde com o x3 - até agora 180 nós
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Dezembro 13, 2010, 09:24:27 am
Na sexta-feira passada foi efectuado um teste de demonstração pelo gabinete da pesquisa naval resultando num recorde mundial. Obtiveram uma potência de disparo de 33 megajoule  com um Railgun eletromagnético no centro naval  de guerra de superfície. O CAlm Nevin Carr, chefe da pesquisa naval, disse " o tiro de 33 megajoule significa que a marinha pode disparar projécteis a pelo menos 110 milhas náuticas, colocando marinheiros e fuzileiros navais a uma distância de segurança e fora de perigo."  As velocidades elevadas igualmente fazem o sistema taticamente relevante para defesas aereas e anti-míssil.
Para põr o em alguma perspectiva, o tiro de 33 megajoule poderá alcançar uma velocidade do Mach 5 em distâncias prolongadas, em talvez mais de 200 milhas náuticas. :idea:

http://www.youtube.com/watch?v=6BfU-wMwL2U&feature=player_embedded
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: AtInf em Dezembro 15, 2010, 02:02:23 pm
Video do F35C ( versão naval )
http://www.youtube.com/watch?v=HYNwrfTBr0U&feature=player_embedded
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 19, 2011, 11:18:31 pm
Nova armadura líquida será revolução em cenários de guerra




Uma equipa de investigadores britânicos, da BAE System, em Bristol, inventou um colete à prova de bala que pode revolucionar a forma como os soldados se protegem em cenários de guerra. O material principal é o kevlar, já usado pelas tropas, mas este é agora reforçado com uma substância gelatinosa que endurece com o impacto da bala.

Por enquanto, os cientistas mantêm a fórmula química do novo líquido em absoluto segredo, mas avançaram à BBC que funciona absorvendo a força da bala e, como resposta, torna-se muito mais espesso e colante. Adiantam, ainda, que se parece com um creme, ou seja, as moléculas unem-se criando uma espécie de capa protectora quando é atingido.

Foram feitos testes em coletes Kevlar normais e nos agora reforçados com a nova substância e a equipa da BAE revelou que os segundos tiveram melhores resultados. Contudo, este tipo de líquidos que endurecem não são uma novidade na investigação militar. Os Laboratórios de Investigação do Exército dos EUA já testaram substâncias semelhantes.

O Kevlar misturado com o líquido funciona de forma mais rápida e o impacto não é tão profundo. Para os testes, os cientistas usaram uma grande arma para disparar balas de metal a 300 metros por segundo, contra dois materiais distintos - 31 camadas de kevlar sem tratamento e dez camadas de kevlar combinadas com o líquido.

Agora, de acordo com a BAE, as últimas experiências fornecem a primeira evidência de que a nova armadura líquida é eficaz e que poderá proteger os soldados das balas ou granadas. E defendem também que podia ser usado para criar coletes à prova de bala muito mais leves e flexíveis para os soldados, já que os actuais são extremamente pesados e contribuem para o cansaço dos militares.

Ciência Hoje
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitanian em Janeiro 20, 2011, 01:56:06 am
OMG quer dizer é bom pois quanto mais proteção tiver melhor. Mas pá, daqui a uns anos inventam coletes, que pesem gramas, ou seja NADA, e os nossos soldados todos magritos e etc...se bem que um pouco de esforço faz bem, pois faz o corpo humano ter mais resistencia. Já somos muito fracos comparados aos soldados de á 200 ou 400 anos...a nossa vida depende exclusivamente da arma e da munição. Sem ela somos ovelhas para abate  :cry:  um pouco de uso de armas básicas (espadas? adagas? lanças e armaduras do tipo Predador?...já tou a inventar mas percebem a ideia...estamos militarmente muito fracos. O nosso corpo não é assim tão inutil.).
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 20, 2011, 10:53:16 am
Citação de: "Lusitanian"
OMG quer dizer é bom pois quanto mais proteção tiver melhor. Mas pá, daqui a uns anos inventam coletes, que pesem gramas, ou seja NADA, e os nossos soldados todos magritos e etc...se bem que um pouco de esforço faz bem, pois faz o corpo humano ter mais resistencia. Já somos muito fracos comparados aos soldados de á 200 ou 400 anos...a nossa vida depende exclusivamente da arma e da munição. Sem ela somos ovelhas para abate  :cry:  um pouco de uso de armas básicas (espadas? adagas? lanças e armaduras do tipo Predador?...já tou a inventar mas percebem a ideia...estamos militarmente muito fracos. O nosso corpo não é assim tão inutil.).

Ja que estamos numa de futurista, porque não desenvolver armaduras bionicas controlas pelo cerebro, retirado anteriormente do corpo fragil do humano.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Janeiro 20, 2011, 11:59:19 am
Citação de: "Lusitanian"
Já somos muito fracos comparados aos soldados de á 200 ou 400 anos...a nossa vida depende exclusivamente da arma e da munição. Sem ela somos ovelhas para abate  :cry:  um pouco de uso de armas básicas (espadas? adagas? lanças e armaduras do tipo Predador?...já tou a inventar mas percebem a ideia...estamos militarmente muito fracos. O nosso corpo não é assim tão inutil.).

Será que somos mesmo?
Talvez menos rústicos sim. Menos calejados de trabalhar a terra, menos queimados pelo frio e calor. Menos habituados a luxos. Capazes de matar uma vaca com um canivete. Isto os que fossem originários do campo...

Mas será que à séculos atrás existiam as condições e actividades que a maioria dos militares tem actualmente?
Ginásios, natação, BTT, futebol, campeonatos de orientação e tiro desportivo organizados pelo próprio ramo das forças armadas...
Já para não falar em todos os suplementos que existem, desde vitaminas a anabólicos para crescer ou aumentar o rendimento.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabecinhas em Janeiro 20, 2011, 12:34:07 pm
Mas fica a faltar o mais importante... força psicológica para aguentar as adversidades.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Janeiro 20, 2011, 12:48:13 pm
Citação de: "Cabecinhas"
Mas fica a faltar o mais importante... força psicológica para aguentar as adversidades.

Isso é uma característica de cada um. Adrenalina, instinto de sobrevivência.
Não existe uma tecnologia do futuro para isto, mas existem tecnologias do passado recente.
Drogas que faziam os soldados sentirem-se invencíveis.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 20, 2011, 01:24:09 pm
Concordo com o HSMW, quem se esquece dos estimulantes que eram dados a muitos soldados das Forças Armadas Alemãs durante a 2ª GM, passando pelo tintol que havia sempre à discrição nas unidades militares Portuguesas na guerra em áfrica, passando pelo uso actual pelos pilotos da Força Aérea Norte-Americana de anfetaminas.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Edu em Janeiro 20, 2011, 03:15:58 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Lusitanian"
Já somos muito fracos comparados aos soldados de á 200 ou 400 anos...a nossa vida depende exclusivamente da arma e da munição. Sem ela somos ovelhas para abate :cry: um pouco de uso de armas básicas (espadas? adagas? lanças e armaduras do tipo Predador?...já tou a inventar mas percebem a ideia...estamos militarmente muito fracos. O nosso corpo não é assim tão inutil.).

Será que somos mesmo?
Talvez menos rústicos sim. Menos calejados de trabalhar a terra, menos queimados pelo frio e calor. Menos habituados a luxos. Capazes de matar uma vaca com um canivete. Isto os que fossem originários do campo...

Mas será que à séculos atrás existiam as condições e actividades que a maioria dos militares tem actualmente?
Ginásios, natação, BTT, futebol, campeonatos de orientação e tiro desportivo organizados pelo próprio ramo das forças armadas...
Já para não falar em todos os suplementos que existem, desde vitaminas a anabólicos para crescer ou aumentar o rendimento.

É também preciso lembrar que o homem de hoje (pelo menos nos paises mais desenvolvidos) tem um porte bem maior (altura e peso) que o homem medieval, e acreditem ou não, para lutar a altura e o peso dão vantagem. As artes marciais de hoje também estão muito mais desenvolvidas e são mais eficases que no passado. A força ganha-se com treino e eu acredito que um soldado bem treinado de hoje seja bem mais forte que um soldado de à 500 anos atrás. A inteligencia também é muito importante e hoje talvez a trabalhemos mais que no passado.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 20, 2011, 03:57:34 pm
O pessoal anda a ver muitos filmes, na guerra actual onde é que vêm um militar a usar uma faca ou mesmo artes marciais para eliminar ou incapacitar alguém? O máximo dos máximos o que há é isto:


E isto não é guerra, é uma "simples" missão de manutenção da paz.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabecinhas em Janeiro 20, 2011, 04:00:18 pm
Tudo muito bonito, mas ainda à tempo vi no Discovery um documentário sobre os Gregos nos jogos olímpicos de então... e pelos testes do programa, os gregos tinham mais aptidão física para o desporto que os atletas de alta competição actuais. Vale o que vale!
Uma coisa é certa o comodismo de agora torna as pessoas menos adversas ao "esforço".
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 18, 2011, 06:58:02 pm
Carnegie Mellon está a desenvolver veículo militar com sistema de voo autónomo

(http://crave.cnet.co.uk/i/photos/50001864/transformer1.jpg)


Se daqui a uns tempos olhar para o céu e vir carros a voar, não estranhe! Não se trata ainda de uma realidade vulgar, mas este conceito, cada vez menos futurista, foi adoptado pelo governo norte-americano que, com a ajuda do Instituto de Robótica da Carnegie Mellon University (CMU) e outras cinco entidades, quer conceber o "veículo TX - Transformer Program", um equipamento militar, que dispõe de um sistema de voo autónomo e que pode ser "pilotado" por leigos em aviação.

"Tecnicamente, o "carro voador" é um veículo aéreo que pode transitar por ruas e estradas", disse ao Ciência Hoje Marcel Bergerman, um dos engenheiros envolvidos no projecto, acrescentando que a "ideia do governo norte-americano é que este possa ser operado por soldados sem treino como pilotos", pelo que "deve ter inteligência suficiente para voar de forma segura e eficiente". Segundo as previsões da Agência de Projectos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA) dos Estados Unidos, este novo equipamento poderá vir a ter a capacidade para transportar quatro pessoas e meia tonelada de carga num percurso de 250 milhas marítimas, por terra e ar. Além disso, a sua grande mobilidade vai permitir-lhe fazer movimentos menos previsíveis e adequar-se a um conjunto alargado de missões, como observação, vigilância, reposição, fornecimento ou evacuação médica.

CMU vai desenvolver "inteligência" do veículo

A viabilidade de um veículo militar adquirir capacidade aérea (VTOL – vertical-take-off-and-landing) ainda está a ser estudada pela equipa de investigadores responsável pelo projecto. Enquanto as empresas norte-americanas AAI e Lockheed Martin foram contratadas para projectar e construí-lo, a CMU vai desenvolver a sua "inteligência", referiu Marcel Bergerman.

Esta passa por sistemas de percepção e planeamento de voo que vão permitir a este carro obter informações a seu respeito e daquilo que o rodeia; projectar trajectórias seguras, como o desvio de obstáculos (edifícios, torres, terreno, outros aviões e helicópteros, etc.); avaliar áreas de aterragem e automatizar a descolagem e o processo inverso.

O investigador contou ainda que a CMU, em parceria com a empresa Honeywell, está a desenvolver um "interface humano-máquina" próprio para o veículo TX. "Este interface leva em conta o facto de que os soldados a bordo podem fornecer informações de alto nível - por exemplo, "não pouse ali porque o terreno não parece firme" -, o que representa um desafio do ponto de vista da "conversação" entre os soldados e o veículo", explicou.

Para a concepção dos sistemas de percepção e planeamento deste "carro voador", a Carnegie Mellon vai partir da sua base de projectos bem sucedidos na área de veículos robóticos aéreos, em que se incluem “laser scanners” de alta precisão para mapeamento tridimensional do mundo e determinação de zonas seguras para pouso e algoritmos de planeamento óptimo de voo, que evitam automaticamente colisões.

Projecto pronto no final do ano

Este projecto está ainda numa fase inicial em que as várias partes estão a realizar estudos de viabilidade e protótipos dos vários elementos do "veículo TX". Quanto à CMU, já foi construído um simulador de voo que pode ser testado com com vários sistemas de percepção (principalmente laser scanners) e de planeamento.

"Até ao final do ano, teremos um projecto pronto do que serão os módulos de inteligência e de interface humano-máquina ideais" para este equipamento, adiantou o investigador brasileiro da CMU, acrescentando que, a partir daí, vai proceder-se à fase de construção e de teste do protótipo, que deverá incorporar um número limitado de elementos do projecto final.

Caso estes testes sejam bem-sucedidos, o governo dos EUA irá financiar "a construção do veículo de campo, o último passo antes do lançamento do TX como um produto real a ser usado pelas forças armadas americanas", afirmou ainda o engenheiro, para quem é "um prazer e um desafio enorme" participar num trabalho desta envergadura.

Na sua opinião, este é apenas um primeiro passo para que, no futuro, este tipo de veículos faça parte do quotidiano de toda a gente. "Carros voadores já existem e podem ser comprados hoje", realçou. Acrescentou também que esta realidade tem de ser bem programada, pois, para além dos desafios técnicos que se podem antever, há a questão da gestão do espaço aéreo , ou seja, "a criação de 'ruas' e 'estradas' aéreas" e a coordenação de "milhões e milhões de veículos" a voar sobre as cidades.

Porém, o especialista não baixa as expectativas e mantém-se optimista, afirmando ao Ciência Hoje: "Eu tenho confiança na genialidade humana e creio que estas questões serão resolvidas de forma apropriada".

Ciência Hoje
Título: ARMAS DO FUTURO
Enviado por: Instrutor em Maio 12, 2011, 04:12:41 pm
http://www.realidadeoculta.com/armas.html (http://www.realidadeoculta.com/armas.html)

Interessante.
Título: Re: ARMAS DO FUTURO
Enviado por: overlord em Maio 12, 2011, 06:25:47 pm
Epa fala que os estados unidos gastam mais dinheiro em armas letais do que em medicina, é verdade, mas muitas armas que la estão são armas não letais, e tem mais muitos dos grandes avanços medicos da humanidade advêm desse dinheiro que se gasta no mundo militar
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 19, 2011, 08:07:27 pm
$46 Billion Worth of Cancelled Programs

(Onde se lê B Bilions deve-se ler Mil Milhões, o valor dos nossos 2 U-209-PN)

Citar
So here’s an interesting bit of defense technology related info presented by the Center for Strategic and Budgetary Assessments at a press conference to discuss defense spending yesterday.

It’s a breakdown of just how much all those weapons programs that were cancelled in the last decade cost us:
Future Combat Systems (FCS) $18.1B
(http://www.tech-faq.com/wp-content/uploads/images/Future-Combat-Systems.jpg) (http://http)

Comanche helicopter $7.9B
(http://images.defensetech.org/wp-content/uploads/2011/07/Commanche.jpg)

nPOESS satellite $5.8B
(http://3.bp.blogspot.com/_O4ul4ErypXA/SbE4gjwFWeI/AAAAAAAAAig/oCVXm0AEv-A/s320/Satellite.jpg)

VH-71 Presidential Helicopter $3.7B
(http://www.qualitydigest.com/IQedit/Images/MISC%20News%20Pics/November%2007/ISS_11-7_-LockheedMatrin.jpg)

Expeditionary Fighting Vehicle (EFV) $3.3B
(http://www.military-today.com/apc/efv.jpg)

Transformational SATCOM (TSAT) $3.2B
(http://defense.hughes.com/images/content/transformational-satcom-systems.png?1310768895)

Crusader $2.2B
(http://unitedcats.files.wordpress.com/2009/02/xm2001_crusader.jpg?w=300&h=193)

Advanced SEAL Delivery System (ASDS) $0.6 B
(http://www.globalsecurity.org/military/systems/ship/images/sdv-asds.jpg)

Armed Reconnaissance Helicopter $0.5 B
(http://www.globalsecurity.org/military/systems/aircraft/images/bellarh-72.jpg)

Aerial Common Sensor $0.4 B
(http://media.defenseindustrydaily.com/images/AIR_ACS_ERJ-145s_lg.jpg)

CG(X) next Generation Cruiser $0.2B
(http://www.popularmechanics.com/cm/popularmechanics/images/nextgencruiser-470-0210-76996401.jpg)

CSAR-X $0.2B
(http://www.defensetech.org/images/HH47-firing-web.jpg)


Espero não me ter enganado em nenhuma das imagens...  :lol:

http://defensetech.org/2011/07/19/46-bi ... z1SZuK5lr3 (http://defensetech.org/2011/07/19/46-billion-worth-of-cancelled-programs/#ixzz1SZuK5lr3)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Agosto 17, 2011, 10:56:30 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Setembro 13, 2011, 09:05:49 am
Citar
PRECISION INERTIAL NAVIGATION SYSTEMS (PINS)

The Precision Inertial Navigation Systems (PINS) program seeks to use ultra-cold atom interferometers as an alternative to GPS updates.  Advancements in atomic physics in the past 2 decades have given scientists much better control over the external quantum states of atoms, including deliberate production of matter waves from ultra-cold atoms.  This has allowed development of matter wave interferometry techniques to measure forces acting on matter, including high-precision atomic accelerometers and gyroscopes.  An inertial navigation system that used this technology would have unprecedented drift rates, and many scientific and technical challenges remain.  The PINS program will demonstrate a high-precision atom interferometer inertial navigation system on an aircraft by 2013, with a total system volume under 20 liters.  Since this is an entirely inertial system, it will require no transmissions to or from the platform, thus enabling a jam-proof, nonemanating inertial navigation system with near-GPS accuracies for future military submarines, aircraft, and missiles.

http://www.darpa.mil/Our_Work/DSO/Programs/Precision_Inertial_Navigation_Systems_(PINS).aspx
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 01, 2012, 12:28:53 pm
EUA desenvolvem bala que «persegue» o alvo


Militares dos EUA estão a desenvolver uma bala que pode corrigir a própria trajectória e «perseguir» o alvo.O projecto está a ser desenvolvido por uma subsidiária da empresa Lockheed Martin em nome do governo americano, os laboratórios Sandia.

A nova munição usa barbatanas minúsculas para corrigir a trajectória e é capaz de alcançar objectos a cerca de dois quilómetros de distância.

Os testes em protótipos sugerem que a bala tem mais precisão para alvos a distâncias maiores.

Uma empresa de consultoria afirmou que a nova tecnologia pode beneficiar atiradores de elite, mas teme que a bala possa ser usada pelo público.

O protótipo que está a ser testado pela Sandia é de uma bala de dez centímetros que inclui um sensor óptico na ponta, para detectar alvos iluminados com laser. Esta informação é processada e usada para mover os motores dentro da bala, que viram as pequenas barbatanas, alterando a sua trajectória.

«Podemos corrigir (a trajectória) 30 vezes por segundo», afirmou Red Jones, que participa do desenvolvimento do protótipo.

A equipa de investigadores já fez testes com simulação por computador e testes de campo e informou que ainda há «questões de engenharia» a serem resolvidas. No entanto, acrescentaram que estão confiantes.

Diferente da maioria das balas usadas actualmente, o protótipo desenvolvido nos Estados Unidos tem o seu giro minimizado durante a trajectória e visa funcionar como um dardo.

Os investigadores já realizaram testes com a nova bala usando pólvora já comercializada para outras munições e o projéctil alcançou uma velocidade superior ao dobro da velocidade do som (cerca de 731 metros por segundo), o que ainda está abaixo do padrão de velocidade usado pelos militares.

Mas, os cientistas afirmam que é possível aumentar a velocidade da bala usando pólvora fabricada especialmente para esta munição.
 
Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Março 20, 2012, 08:35:17 pm
Militares poderão controlar armas com a mente


De acordo com a instituição científica britânica Royal Society, estudos recentes no campo da neurociência permitirão que os militares tenham o cérebro ligado a armas, através de ondas cerebrais e já existe até uma tecnologia que se dirige para esse objectivo. O estudo utiliza pequenas ondas eléctricas administradas no cérebro do soldado.

Segundo o relatório da Royal Society, monitorar electronicamente os sinais cerebrais e enviar estímulos pode aumentar a eficiência no que diz respeito a localizar minas terrestres, ajudar a identificar os civis entre os inimigos e disparar com o pensamento. O objectivo é melhorar o desempenho e a eficiência dos soldados e pilotos, por exemplo.

Caso a técnica seja adoptada, os militares poderão vir a usar interfaces que lhes permita controlar armas remotamente. Recorde-se que o cérebro humano pode processar imagens de forma mais rápida do que os computadores, relativamente a determinados alvos/objectos.

No entanto, o estudo também alerta sobre as implicações éticas dessa inovação, já que pode tornar-se numa medida perigosa e usada de forma ilícita. A Royal Society sugere que exista uma “educação prévia” dos investigadores para estarem cientes das consequências das descobertas.

Ciência Hoje
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Março 22, 2012, 07:35:37 pm
Norte-americanos desenvolvem baratas ciborgue


(http://img441.imageshack.us/img441/2484/imagegax.jpg)

Investigadores norte-americanos decidiram apostar na criação de híbridos de animais e máquinas de tamanho reduzido e energicamente sustentáveis, que substituiriam pequenos robôs. O objectivo seria usá-los numa possível guerra biológica. Uma equipa da Universidade Case Western Reserve publicou recentemente na revista da Sociedade Americana de Química, um artigo sobre um animal adaptado – uma barata ciborgue.

Em vez de começar uma criatura do zero, decidiram usar animais vivos que já sabem andar e voar e equipa-los de tecnologia de forma a conseguir controlá-los e induzi-los a cumprir missões — trabalhos de busca e resgate, espionagem ou ataque a inimigos com fobia de insectos.

Um dos grandes desafios deste projecto, ao usar criaturas vivas, é o facto de estas não virem com baterias, e é imprescindível recorrer ao uso de electricidade para ligar sensores e transmissores, fundamentais para o controlo remoto.

A investigação conta com o apoio da Agência de Investigação de Projectos Avançados de Defesa (DARPA), entidade governamental que transforma em estudo toda a gama de perguntas iniciadas por “e se fosse possível...”, como o desenvolvimento de tecnologias para ler mentes e a criação de híbridos de insectos e máquinas.

A Darpa tem um programa de investigação que envolve microssistemas electromecânicos de insectos híbridos. Uma das suas metas é descobrir novas formas para “aproveitar sensores naturais e gerar energia em insectos”.

A equipa, coordenada por Daniel Scherson, explicou no artigo que a barata foi imobilizada enquanto intervinham engenhosamente e após removerem os implantes, começou a correr naturalmente.

Ciência Hoje
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Março 29, 2012, 09:42:41 pm
Novo robô militar consegue saltar nove metros de altura



Uma empresa de robótica norte-americana acaba de divulgar um vídeo do seu mais recente projecto, um robô capaz de saltar a uma altura de cerca de nove metros no ar.

O protótipo Sand Flea («pulga da areia») parece um carro telecomandado, mas na verdade trata-se da mais recente ferramenta de reconhecimento para as forças militares dos EUA.
 
O robô da Boston Dynamics pesa cinco quilos e desloca-se através das suas quatros rodas. No entanto, quando encontra um obstáculo consegue saltar a uma altura de 30 pés(cerca de 9,1 metros).
 
O modelo inclui um sistema de estabilização para não se desequilibrar durante o «voo», melhorando a sua capacidade de aterragem e a vista da câmara incorporada.
 
O desenvolvimento do robô está a ser custeado pela US Army´s Rapid Equipping Force, organização que providencia às forças militares norte-americanas equipamento especializado rapidamente para ajudar o país a vencer guerras, segundo o The Telegraph.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 03, 2012, 01:15:33 pm
Marinha dos EUA desenvolve «robot-bombeiro»




A Marinha norte-americana desenvolveu um robot para auxiliar no controlo de fogos, um dos principais riscos na frota naval. O Laboratório de Investigação Naval (NRL) desenvolveu o «Octavia», um robot humanóide capaz de ajudar a apagar incêndios.

Graças a uma combinação de reconhecimento de fala e visual, o robot consegue identificar «indivíduos de confiança», neste caso, bombeiros que estejam também a combater as chamas.

Os bombeiros podem fornecer informações sobre a situação ao robot através de comandos vocais e gestuais.

Com recurso a duas câmaras de infra-vermelhos, o «Octavia» consegue localizar o fogo e combater as chamas com a mochila com ar comprimido e água, que permite-lhe disparar um jacto de água.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Maio 16, 2012, 03:00:52 pm
Citação de: "Lusitano89"
EUA desenvolvem bala que «persegue» o alvo


Militares dos EUA estão a desenvolver uma bala que pode corrigir a própria trajectória e «perseguir» o alvo.O projecto está a ser desenvolvido por uma subsidiária da empresa Lockheed Martin em nome do governo americano, os laboratórios Sandia.

A nova munição usa barbatanas minúsculas para corrigir a trajectória e é capaz de alcançar objectos a cerca de dois quilómetros de distância.

Os testes em protótipos sugerem que a bala tem mais precisão para alvos a distâncias maiores.

Uma empresa de consultoria afirmou que a nova tecnologia pode beneficiar atiradores de elite, mas teme que a bala possa ser usada pelo público.

O protótipo que está a ser testado pela Sandia é de uma bala de dez centímetros que inclui um sensor óptico na ponta, para detectar alvos iluminados com laser. Esta informação é processada e usada para mover os motores dentro da bala, que viram as pequenas barbatanas, alterando a sua trajectória.

«Podemos corrigir (a trajectória) 30 vezes por segundo», afirmou Red Jones, que participa do desenvolvimento do protótipo.

A equipa de investigadores já fez testes com simulação por computador e testes de campo e informou que ainda há «questões de engenharia» a serem resolvidas. No entanto, acrescentaram que estão confiantes.

Diferente da maioria das balas usadas actualmente, o protótipo desenvolvido nos Estados Unidos tem o seu giro minimizado durante a trajectória e visa funcionar como um dardo.

Os investigadores já realizaram testes com a nova bala usando pólvora já comercializada para outras munições e o projéctil alcançou uma velocidade superior ao dobro da velocidade do som (cerca de 731 metros por segundo), o que ainda está abaixo do padrão de velocidade usado pelos militares.

Mas, os cientistas afirmam que é possível aumentar a velocidade da bala usando pólvora fabricada especialmente para esta munição.
 
Lusa

Citar
Patent - The invention claims glass fiber reinforced nylon/caly nanocomposite materials for use in the manufacture of ammunition shell casings.

More information on:http://worldwide.espacenet.com/publicationDetails/biblio?DB=EPODOC&II=0&ND=3&adjacent=true&locale=en_EP&FT=D&date=20120412&CC=WO&NR=2012047615A1&KC=A1

Source : Davies, Jack; Coco, Christopher. (Nylon Corporation of America, Inc., USA). PCT Int. Appl. (2012), WO 2012047615 A1 20120412
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Julho 30, 2012, 04:53:07 pm
Robot com piloto e armado com metralhadoras apresentado em Tóquio




Um enorme robot pilotado e armado com duas enormes metralhadoras foi apresentado em Tóquio. O Kuratas é descrito como o primeiro robot gigante pilotável e parece inspirado nos «mechs» dos anime e manga japoneses. O Kuratas, fabricado pela Suidobashi Heavy Industry, pode ser pilotado a partir da cabine ou remotamente através de um laptop, tablet ou smartphone com 3G.

O gigantesco robot tem dois braços e quatro pernas com rodas e está equipado com duas metralhadoras que disparam projécteis a um ritmo de 6.000 disparos por minuto.

A Suidobashi indica que as armas disparam quando o operador sorri, um sistema desiganado de «The Smile Shot».

O Kuratas traz à memória o ED-209, o robot presente no filme «Robocop», realizado por Paul Verhoeven em 1987. O robot deu um passeio pelas ruas de Tóquio viajando a uma velocidade máxima de 11 quilómetros por hora.

Com quatro metros de altura e um peso de quatro toneladas, o Kuratas pode ser comprado por um milhão de dólares.


Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 30, 2012, 05:15:45 pm
Esse mech é mais um brinquedo do futuro que uma arma...  :N-icon-Axe:
http://io9.com/5930029/now-you-can-buy- ... e-internet (http://io9.com/5930029/now-you-can-buy-a-13-million-japanese-mech-over-the-internet)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: militar03 em Agosto 03, 2012, 05:15:40 pm
tenho que arranjar um deste para o airsoft :mrgreen:
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 04, 2012, 05:30:32 pm
DARPA + Snipers = http://www.wired.com/dangerroom/2012/08/sniper/ (http://www.wired.com/dangerroom/2012/08/sniper/)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 06, 2012, 02:18:42 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 14, 2012, 05:50:19 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 22, 2012, 03:08:05 pm
:arrow: http://www.urbanaero.com//category/x-hawk (http://www.urbanaero.com//category/x-hawk)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Setembro 09, 2012, 05:56:56 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 13, 2012, 01:57:43 pm
Marinha norte-americana projeta robô «MacGyver» para enfrentar ameaças


Cientistas norte-americanos planeiam construir um robô que, como o personagem de TV MacGyver, é capaz de usar objectos à sua volta para resolver problemas e escapar a situações ameaçadoras.
 
 O desafio, para a equipa, é desenvolver softwares que «entendam» o que são os objectos à sua volta de forma a deduzir como podem ser usados.
 
A máquina, apelidada de MacGyver Bot, está a ser desenvolvida por especialistas do Georgia Institute of Technology, em Atlanta, na Georgia.
 
O projecto é financiado pela Marinha norte-americana, que anunciou ter planos, um dia, de usar o robô ao lado de tropas humanas.
 
«O nosso objectivo é desenvolver um robô que se comporte como MacGyver, o personagem da (série de) televisão dos anos 1980 que resolvia problemas complexos e que escapava a situações perigosas usando objectos do dia a dia e materiais que encontrava à sua volta», disse o chefe do projecto, o cientista Mike Stilman.
 
Stilman explicou que, até à data, investigadores que trabalham na área de planeamento de movimentos de robôs usam sistemas de visão computadorizados para localizar objectos em ambientes caóticos. Isso permite que os robôs planeiem rotas que evitem colisões com obstáculos no seu caminho.
 
«Mas esses sistemas não oferecem informações sobre as funções dos objectos», disse.

Stilman afirmou que planeia criar um programa que, primeiro, identifique um objecto e, depois, determine o que pode ser feito com ele.
 
Entre os exemplos dados pela equipa estão empilhar caixas para que o robô possa passar por cima de um obstáculo, construir uma ponte usando destroços ou subir a uma cadeira para poder pegar num objecto fora de alcance.
 
Quando o projeto estiver concluído, o programa deve ser capaz de combinar todas essas funções quando necessário.
 
Para testar o novo software, a equipe planeia instalar o programa num robô que já foi desenvolvido pelo laboratório de Stilman, baptizado de Golem Krang, e observá-lo em acção.
 
Os investigadores têm em mente situações onde robôs desse tipo possam ser usados para resgatar soldados em perigo sem arriscar as vidas de outras pessoas.
 
A especialista em inteligência artificial Barbara Webb, da School of Informatics da University of Edinburgh, na Escócia, disse que o desafio é maior do que se pensa.
 
«Por exemplo, a visão sozinha não é suficiente para lhe dizer se um objecto pode aguentar o seu peso ou ser usado como uma alavanca. Você precisa de interagir com ele fisicamente para compreender as suas possibilidades físicas», afirmou. «Isto é, provavelmente, uma questão mais difícil para a robótica actualmente do que fazer um plano para resolver o problema em si».

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 22, 2012, 06:57:39 pm
Afegão cria esfera capaz de destruir minas terrestres

(http://i.imgbox.com/adv9KarL.png)


Um afegão de 25 anos inventou um aparelho que pode ajudar a salvar vidas em áreas onde existam minas terrestres. Trata-se de uma estrutura esférica feita com varas de bambu, ferro e plástico que pode ser empurrada pelo vento e activar as minas que estiverem pelo caminho.

Segundo informações do Daily Mail, o invento, chamado «Mine Kafon», é capaz de destruir até quatro bombas antes de ficar inutilizável. O aparelho criado por Massoud Hassani também possui um GPS ligado a um site que permite rastrear os locais por onde passou.
 
Hassani disse que teve a ideia para a sua invenção lembrando-se de brinquedos que inventava juntamente com o seu irmão quando era criança. Ele conta que costumava criar pequenas esferas que muitas vezes eram empurradas para áreas de minas e explodiam ao tocarem num.
 
«Eu e o meu irmão Mahmud brincávamos todos os dias em campos cercados pelas montanhas mais altas do bairro. Havia sempre um vento forte, que empurrava as nossas miniaturas para longe», diz o jovem inventor.
 
«Não podíamos entrar nessas áreas de campos minados. Ainda lembro-me de amigos que perdemos ou que ficaram feridos por causa das minas», afirmou. Inspirado nessas pequenas esferas da infância, Hassani intuiu a nova invenção.
 
«Pensei em fazer as esferas 20 vezes maiores e mais pesadas.»
 
Segundo o próprio Hassani, há 30 milhões de minas terrestres no Afeganistão. A população do país é de cerca de 28 milhões de pessoas, número menor do que a quantidade de minas.
 
As esferas de Massoud Hassani já foram testadas por uma unidade militar holandesa no deserto do Marrocos. No entanto, o Exército holandês diz que a actual versão do aparelho ainda não está adequado para uso militar.
 
Hassani, que actualmente mora na Holanda e estudou na Academia de Design de Eindhoven, diz que espera receber ajuda para construir um modelo adequado.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Outubro 26, 2012, 09:46:42 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 29, 2012, 10:20:37 pm
Testado avião comandado por inteligência artificial



Um "drone" da marinha norte-americana poderá ser a primeira aeronave inteiramente pilotada através de inteligência artificial. O avião está a completar os testes e espera-se que seja o primeiro a conseguir aterrar autonomamente em porta-aviões.

O modelo está a ser desenvolvido há 5 anos e tem sido programado para descolar autonomamente, voar em missões pré-definidas e regressar à base após instruções de um operador.

A diferença entre o modelo em causa, designado X-47B, e um "drone" comandado está no facto de o primeiro não necessitar de um controlo de todos os seus movimentos, ao contrário das aeronaves telecomandadas.

As manobras do avião não tripulado corresponderão ao objetivo definido por um operador humano, como, por exemplo, focar determinado alvo, mas completarão a missão sem necessidade de comando, através de sistemas de GPS e autopilotagem e de sensores que evitam possíveis colisões.

DN
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 10, 2012, 06:55:35 pm
Pentágono desenvolve telemóveis que detectam agentes químicos e biológicos


Cientistas do Exército dos Estados Unidos estão a desenvolver telemóveis inteligentes capazes de detectar e identificar agentes químicos e biológicos «desconhecidos» ou «suspeitos», para alertar sobre o perigo para soldados e civis, informou o Pentágono. O biólogo Calvin Chue é o principal pesquisador deste projecto em que trabalha o Comando de Engenharia, Pesquisa e Desenvolvimento do Exército dos EUA. «A maior ameaça vai ser sempre um patogénico emergente», declarou Chue em entrevista ao blog científico do Departamento de Defesa.

Chue lembrou que os Estados Unidos têm soldados preparados no mundo inteiro, por isso destacou a importância de serem «capazes de desenvolver ferramentas e tecnologias destinadas a detectar aqueles perigos desconhecidos antes de [os soldados] estarem expostos a eles».

A divisão de Biociência do Centro Químico e Biológico Edgenwood está a trabalhar com sensores instalados num dispositivo electrónico móvel que podem detectar substâncias «desconhecidas» ou «suspeitas».

«Estamos a tentar desenvolver novos tipos de sensores que o soldado possa utilizar para ampliar o seu conhecimento em campo», explicou Chue.

Além do «diagnóstico» que alerta ao militar se está em perigo, o telefone envia o resultado para um laboratório ou um posto de comando para uma análise mais elaborada.

Este projecto, que está em fase de desenvolvimento, requer o trabalho integrado com pesquisadores dos sectores de electrónica e comunicações, mas Chue diz que o dispositivo deve estar preparado para uso em cinco ou seis anos.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 13, 2013, 07:42:44 pm
EUA revelam robô-soldado com características humanas

(http://i.imgbox.com/acubAqs5.jpg)


A Boston Dynamics, dos EUA, revelou o seu mais novo robô-soldado, chamado Petman. O robô antropomórfico, desenvolvido juntamente com o Pentágono, visa reproduzir as acções e os movimentos de soldados humanos.

A máquina foi desenvolvida para simular situações a que um soldado está sujeito na vida real e para testar roupas de protecção química no campo de batalha.

O Petman é vestido com a roupa protectora e submetido a uma intensa rotina de exercícios.

Ele anda, corre e abaixa-se, sem perder o equilíbrio. Também simula a fisiologia humana, dentro da roupa protectora, ao controlar a temperatura, a humidade e o suor, para reproduzir as condições vividas numa situação real.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Abril 13, 2013, 10:10:29 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Maio 12, 2013, 12:37:56 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Maio 16, 2013, 05:53:27 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Maio 22, 2013, 05:33:03 pm
Empresa do Texas cria a primeira espingarda «inteligente»


Uma empresa de Austin, Texas, criou aquilo a que chamou de a primeira arma de fogo do mundo com «guia de precisão». Após três anos e meio de investigação, a Tracking Point desenvolveu uma espingarda que fixa o alvo e só dispara quando apontamos precisamente para o local que queremos atingir.

«Sou um atirador competitivo desde que nasci», considerou o funcionário da Tracking Point, August Crocker, que manuseia armas de fogo desde os oito anos. «Não há nada por aí igual [à nossa nova arma]», referiu Crocker.

Esta arma inteligente permite fixar um ponto no espaço através de um laser, que fica memorizado, e o utilizador só consegue premir o gatilho quando está a apontar exactamente para o local assinalado previamente.

Graças ao sistema, os atiradores podem «dominar» distâncias de até 1200 jardas(1,09 km) com elevada precisão.

«Enquanto atirador convencional, é extremamente difícil ficar um mestre a atingir alvos mesmo a apenas 500 jardas(0,45 km), mas com o nossos sistema, é fácil».

Pressionar um botão vermelho junto ao gatilho tranca o laser no alvo. Depois, a arma só dispara quando estamos a apontar precisamente para o ponto previamente fixado.

Algumas vozes levantaram-se criticando o facto de os criminosos poderem tirar partido desta tecnologia, mas a empresa diz que não vende o modelo através de lojas de armas. «Conhecemos os nossos clientes», disse a Tracking Point.

«Vendemos directamente, usamos as mesmas leis locais e federais e fazemos verificações de background para assegurar cada compra», disse Crocker.

A empresa foi «inundada» de encomendas, e planeia vender várias centenas de modelos e as respectivas munições.

Uma arma da Tracking Point pode chegar a custar 27.000 dólares (cerca de 20.950 euros), segundo o http://www.Khou.com (http://www.Khou.com) , que diz que recebeu informações sobre o governo federal também querer comprar armamento deste tipo.

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Maio 23, 2013, 10:15:47 pm
Optix, um detector de bombas à distância


A tecnologia europeia coloca-se ao serviço da segurança na luta contra atentados bombistas. O consórcio Optix, liderado pela empresa espanhola Indra, desenvolveu e testou com sucesso um detector de bombas à distância designado Optix. “Este protótipo portátil consegue detectar e identificar vestígios de explosivos a uma distância média de 20 metros”, afirma o director do projecto, Javier Hernández.

No Sistema de Detecção Optix é utilizada tecnologia óptica que, através de lasers, permite identificar, de forma precisa, a estrutura atómica e molecular dos explosivos. O dispositivo consegue identificar, rápida e remotamente, o objecto em questão, seja um carro, uma mala, ou qualquer recipiente opaco, e pegar em vestígios do resíduo.

 O Optix é portátil porque está integrado numa plataforma com rodas que possibilitará o transporte em qualquer carrinha de tamanho padrão para a área a ser patrulhada. A plataforma poderá mover-se ao longo de um parque de estacionamento ou rua, por exemplo, analisando superfícies onde os vestígios possam estar presentes, como uma roda ou a porta de um veículo. Paralelamente, um polícia poderá controlar a plataforma remotamente, a partir de um portátil de laboratório robustecido, no qual receberá de imediato os resultados obtidos através do sistema de detecção Optix.

 A margem de erro do Optix é uma questão “difícil de responder”, segundo Javier Hernández que adianta: “A fiabilidade da investigação depende de vários factores, o tipo de explosivo, o tipo de recipiente, a quantidade de explosivos e os ‘hábitos’ das pessoas envolvidas na preparação de explosivos apenas para dizer alguns”.

O entrevistado sublinha que “hoje, não há forma de detectar todo o tipo de explosivos em todas as situações e não se pode esperar que o Optix faça isso”, mesmo recorrendo à conjugação de duas tecnologias como a LIBS (Laser-induced breakdown spectroscopy), “uma técnica muito sensível” e a espectroscopia de Raman.

A associação de LIBS e Raman permite ainda ao Optix identificar que tipo de explosivo foi encontrado. Contudo, adianta o entrevistado quando se está perante “pequenas quantidades a identificação não é sempre possível”.

A Espectroscopia LIBS identifica a emissão de ruptura elementar (atómica e molecular) gerada após excitação a partir de um laser de alta energia ("faísca") e a espectroscopia de Raman mede as variações dos estados de vibração das moléculas que foram excitadas com um laser, o que torna possível identificar inequivocamente a sua estrutura molecular.

 O Optix é um projecto focado no sector público. O protótipo estará disponível para a polícia europeia e para as forças de segurança. A chegada efectiva ao mercado ainda não é anunciada porque “precisamos de aumentar a sensibilidade e a fiabilidade do sistema e é difícil estimar o tempo que precisamos para conseguir isso”, diz Javier Hernández.

 O protótipo Optix já foi testado com sucesso em laboratório e em ambientes externos, simulando situações do dia-a-dia, e em várias condições atmosféricas.

 O consórcio Optix, liderado pela Indra, é composto por um conjunto de parceiros industriais e académicos, como a Agência Sueca de Investigação e Defesa, PME Ekspla (Lituânia) e Avantes (Holanda); as universidades técnicas Clausthal and Dortmund (Alemanha) e a Universidade de Málaga (Espanha), e a unidade TEDAX Da Guardia Civil (Policia Espanhola, Unidade de Explosivos, Valdemoro, Madrid).

Ciência Hoje
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Junho 08, 2013, 01:47:18 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Agosto 09, 2013, 11:57:06 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 12, 2013, 06:35:27 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Setembro 14, 2013, 06:26:41 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 15, 2013, 01:29:40 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 20, 2013, 11:27:06 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Outubro 07, 2013, 04:01:40 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 13, 2014, 09:10:46 pm
Citar
The Navy is in the early phases of starting research to determine what kind of hull, ship defenses, propulsion technology and weapons systems will be engineered for a new class of DDG Flight IV destroyers to begin service in the 2030s.
Capt. Mark Vandroff, program manager for DDG 51 acquisition, cautioned that predicting what the Navy will build in 17 years is difficult, but it's a conversation that has to start early in order to deliver the ship the Navy needs.
Although the conversations regarding DDG Flight IV configurations are preliminary and likely to change as various technologies mature, lasers and electromagnetic rail guns are figuring prominently in the early discussions, Vandroff said.
Part of the discussion includes the business of war and the costs of ship defense systems.
"Some of the thinking involves senior leaders talking about getting on the other side of the cost curve. Right now if someone shoots a missile at us, we shoot a missile back at them. The missile we shoot at them cost about as much, if not more, than the missile that got shot at us. They are burning money and we are burning money to defend ourselves," he added.
A directed energy weapon or rail gun, however, might be able to offer an effective deterrent or ship defense system at a fraction of the cost of a missile, Vandroff said.
"The down side is this kind of technology does not exist today and even if it does, you have to look at what kind of maritime platform could you put it on and what that would look like. When that technology starts to get close to mature, then you will see the Navy start to figure out what it has to do in order to field that technology," he said.
The Navy is progressing with laser and rail gun technology. Senior Navy officials have routinely talked about plans for the service's Laser Weapons System, or LaWS, a high-energy, solid-state directed energy weapon slated to deploy this year aboard the USS Ponce, a transport dock.
"We're taking the laser weapon system prototype to sea this year. We are hoping to develop a system that we can produce and install aboard future warships," said Navy spokesman Chris Johnson.
The idea with LaWS is to deploy a low-cost, high-energy offensive and defensive weapon against a range of potential threats, including Unmanned Aircraft Systems, fast-attack boats and small-boat swarm attacks.
The Navy also plans to test a ship-mounted electromagnetic rail gun on Navy vessels, service officials said. The rail gun, which can hit ranges of 100 miles or more, uses electricity stored on the ship to generate a high-speed electromagnetic pulse sufficient to propel a kinetic energy warhead. The result is an inexpensive, high-impact and long-range offensive weapon, service officials said.
The Navy, which has been testing the rail gun at the Naval Surface Warfare Center in Dahlgren, Va., plans to integrate it aboard a ship by 2016, Johnson said.
The rail gun's hyper-velocity projectile can also be fired from standard Navy 5-inch guns as well as 155mm Howitzers, service officials said.
At the moment, Navy destroyers, carriers and cruisers are designed to have a kinetic interceptor layered ship defense system comprised of sensors, radar and various interceptor missiles.
The DDG Flight IV program, now in its infancy, is planned as an upgrade to the Navy's current Flight III destroyer program slated to being construction in 2016. Overall, the Secretary of the Navy's long-range shipbuilding plan calls for construction of 22 Flight III DDGs, Vandroff explained.
Flight III destroyers will be engineered with a series of technological improvements when compared to the current Flight IIA ships. For instance, the Flight IIIs will be configured with a next-generation Air and Missile Defense Radar, or AMDR, a radar that is 30 to 35 times more powerful than existing ship radar systems, such as the current SPY-1D, he said.
"You can see something one-half the size and twice as far away," Vandroff added.

http://www.military.com/daily-news/2014/01/10/future-destroyers-likely-to-fire-lasers-rail-guns.html
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Janeiro 25, 2014, 11:41:21 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 28, 2014, 04:18:08 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 12, 2014, 04:15:46 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Maio 08, 2014, 12:30:52 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Junho 04, 2014, 07:42:59 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 11, 2014, 12:28:02 pm

Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 19, 2014, 12:25:47 pm
Eurosatory 2014: Christopher Foss talks about the Rheinmetall MBT Revolution

 :arrow: http://bcove.me/yl13v582 (http://bcove.me/yl13v582)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Junho 24, 2014, 09:07:13 pm
Israelitas criam chip que deteta explosivos no ar em concentrações muito baixas


Um novo chip eletrónico, equipado com sensores químicos microscópicos, consegue detetar explosivos no ar em concentrações muito baixas, afirmaram hoje os seus criadores israelitas.

A descoberta, divulgada num texto publicado na Nature Communications, refere que o chip ainda está na fase de protótipo. Suficientemente pequeno para ser facilmente transportado, identifica vários tipos de explosivos em tempo real, à distância de alguns metros, ainda que disfarçado entre outros químicos mais fortes.

Os métodos atuais de deteção reconhecem poucos tipos de explosivos e apenas são eficazes em grandes concentrações, além de integraram um equipamento mais volumoso e uma demorada preparação de amostras, afirma o estudo.

A equipa testou a reação do dispositivo a explosivos como o TNT, RCX e HMX, usados em explosões comerciais e aplicações militares, bem como em explosivos baseados em peróxido, como TATP e HMTD, que são usados regularmente na construção de bombas caseiras mas são difíceis de detetar com os métodos existentes.

Alguns testes foram feitos sobre condições «altamente contaminadas» como abundância de fumo de cigarro, para demonstrar a precisão do chip, que detetou partículas de TATP a uma distância de cinco metros e de TNT a quatro metros, tendo sido apenas necessária a coleta de ar durante cinco segundos por um filtro de papel. «Estes resultados promissores demonstram a capacidade potencial para a deteção remota de explosivos», lê-se no texto, acrescentando a equipa que «o desenvolvimento de novas abordagens para a deteção rápida e sensitiva destas moléculas perigosas é de grande importância no campo da segurança nacional».

Lusa
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 05, 2014, 03:14:55 pm
U.S. Army's 'Iron Man' Suit Coming Soon

The U.S. Military has recruited Hollywood prop makers and Silicon Valley entrepreneurs. Their mission: Build a real Iron Man suit to protect America's elite fighting men and women.

 :arrow: http://on.wsj.com/1mgZqJZ (http://on.wsj.com/1mgZqJZ)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 07, 2014, 12:05:07 pm
Conceitos para o futuro dos UAV.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 11, 2014, 02:50:30 pm

Citar
The Ultra Heavy-Lift Amphibious Connector (UHAC) begins to rotate on the beach, July 9, at Marine Corps Training Area Bellows on Oahu, Hawaii during a Marine Corps Advanced Warfighting Experiment.
The AWE is the culmination of a decade of progressive experimentation conducted by the Marine Corps Warfighting Lab (MCWL) where they are testing potential future technologies, solutions and concepts to future Marine Air Ground Task Force challenges.

The AWE is taking part during the Rim of the Pacific (RIMPAC) Exercise 2014. Lt. Col. Don Gordon, the current technology officer at MCWL, said the UHAC is one of those experimental technologies that displays a possible capability of being able to insert Marines in areas where current technology wouldn't be able to insert them based on current systems that are fielded.

The UHAC prototype is a ship-to-shore connector and is half the size of the intended machine. Currently, the UHAC travels at four knots using a track system with floatation-like pads that propels itself through different terrain.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 13, 2014, 12:18:54 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Julho 28, 2014, 01:20:43 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 13, 2014, 12:52:59 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 13, 2014, 01:56:34 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 30, 2014, 09:35:07 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 31, 2014, 12:21:17 am
Parece-se muito com um projecto da Skunk Works.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Janeiro 01, 2015, 10:36:24 pm
http://defensetech.org/2014/12/30/darpa ... more-24300 (http://defensetech.org/2014/12/30/darpa-projects-to-watch-in-2015/#more-24300)

Citar
DARPA Projects to Watch in 2015
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 10, 2015, 06:55:22 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Março 21, 2015, 03:40:39 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 21, 2015, 03:58:25 pm
Os Russos estão muito à frente neste tipo de trabalhos! Atenção, não estou a falar do futuro avião (se houver), mas sim o 3D. :twisted:
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Março 21, 2015, 04:37:07 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Os Russos estão muito à frente neste tipo de trabalhos! Atenção, não estou a falar do futuro avião (se houver), mas sim o 3D. :twisted:

Nisso concordo! Pelo que tenho lido por essas internetes o seu caça T50 anda com muitos problemas. E pelo que tenho visto a única coisa que funciona são os equipamentos da década de 80, os restantes são apenas para paradas.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: mafets em Março 23, 2015, 08:08:11 pm
Citação de: "nelson38899"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Os Russos estão muito à frente neste tipo de trabalhos! Atenção, não estou a falar do futuro avião (se houver), mas sim o 3D. :roll:
(http://avioners.net/wp-content/uploads/blogger/-z6X4pWcc6bQ/URRrpNb5dWI/AAAAAAAAPE4/_LsmeOO7qd8/s1600/sukhoi_pak_fa_on_fire.jpg)
(http://www.janes.com/images/assets/971/38971/1526400_-_main.jpg)
(http://i619.photobucket.com/albums/tt271/SpudmanWP/Misc/PakFa_Fire_2127065_Damage_zpsb2bbbf6e.png)
(http://img11.hostingpics.net/pics/858520T50.jpg)
Quanto à electrónica, digamos que a Índia que está a desenvolver parte dos sistemas, não sabe bem o que está a fazer pois os Russos não lhe apresentam o restante "pacote"... :mrgreen:
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2010/02/PAK-FA_Sukhoy_S_Duct_p.jpg)
(http://img-fotki.yandex.ru/get/5802/wait4me90.36/0_4b9d9_b1a365ed_orig)

Cumprimentos
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: nelson38899 em Março 23, 2015, 08:29:22 pm
Citar
vida imita a arte muito mais do que a arte imita a vida”. A célebre frase do escritor britânico Oscar Wilde ganha força a cada notícia como essa. A nova patente obtida pela companhia aérea Boeingé de deixar qualquer fã dos filmes de George Lucas empolgados.

Lembra dos campos de força retratados com uma energia brilhantes, que protegiam os stormtroopers e as espaçonaves em Star Wars? Ele está a um passo de se tornar realidade. A tecnologia, denominada "Método e sistema para atenuação de ondas de choque via arco eletromagnético", usa energia para desviar potenciais danos às aeronaves.

O sistema não foi projetado para evitar o impacto direto. Na verdade, ele é feito apenas para proteger um alvo dos efeitos nocivos das ondas de choque de um impacto ou explosão nas proximidades.

A patente é para um sistema de atenuação, ou seja, redução de intensidade, de ondas de choque. A tecnologia consiste de um sensor de explosões e um gerador de arco eletromagnético. O gerador recebe o sinal do sensor e ioniza uma pequena região, produzindo um campo de plasma entre o alvo e a explosão utilizando lasers, luz e ondas microscópicas.

Este pequeno campo de plasma seria diferente de acordo com a temperatura e/ou densidade do ambiente. Ele seria responsável por amortecer o atrito causado pela explosão, dificultando as ondas de choque de atingirem e danificarem o alvo.

Essa tecnologia ainda não existe, mas tem tudo pra dar certo. Esse tipo de campo de força é totalmente viável. O único problema é que, provavelmente, ele também desviaria a luz, deixando qualquer pessoa dentro do campo temporariamente sem visão. Valeria a pena?
http://revistagalileu.globo.com/Tecnologia/noticia/2015/03/companhia-aerea-boeing-obtem-patente-de-campo-de-forca-estilo-star-wars.html

A patente da Boeing

http://patft.uspto.gov/netacgi/nph-Parser?Sect1=PTO1&Sect2=HITOFF&d=PALL&p=1&u=%2Fnetahtml%2FPTO%2Fsrchnum.htm&r=1&f=G&l=50&s1=8981261.PN.&OS=PN/8981261&RS=PN/8981261
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: NVF em Junho 24, 2015, 03:02:54 am
A Bio Sensing Helmet Would Take Control When the Pilot Can’t

Citar
Elbit Systems is developing new applications for smart helmets for pilots that will be able to sense life-threatening developments during flight. The helmet is fitted with unique bio-sensors that measure physiological life signs. Monitoring the pilot’s heartbeat, blood flow and oxygen level in the blood stream. The system can identify developing conditions that could lead to hypoxia or G-induced loss of consciousness (GLOC).

“These two conditions are life threatening, since they often cannot be sensed by the pilot,” Yaron Kranz, Business Development and R&D Director at Elbit Systems told Defense-Update. Hypoxia can develop at different pace, with oxygen concentration in the blood falling and no clear signs that would signal the pilot to take preventive measures. Measuring consciousness is even harder, as GLOC may happen suddenly and comes without warning.

“The best way to monitor oxygen level is to measure oxygen saturation in the blood, similar to the measurement done on patients. But, to do that, you need a different sensor,” Kranz explained. For this application Elbit Systems adapted a commercial sensor developed by LifeBeam, an Israeli start-up company that developed such a sensor to monitor peak performance for extreme sports’ athletes such as marathon runners, bicyclists and mountain climbers. The sensor measures oxygen concentration in the blood, heartbeat and blood perfusion (the volume of blood that flows through to the tissues).

“We are working with AFRL to study such applications. We will soon start the second phase and expect to complete development in less than a year,” Kranz added. “We embedded the sensor in our new-generation helmets that have integral processing capability on the helmet.” Helmets with integrated sensors were tested in a centrifuge under high G loads with pilots wearing G-suits. On other tests pilots flew with them under loads of up to 6G. “The test results we have collected so far have shown that the sensors performed predictably and reliably, monitoring the pilot’s condition, collecting data in flight, and providing sound physiological data that will be able to support further decisions and advanced applications in the future,” Kranz noted.

We discovered that hypoxia can develop in different conditions. In non-pressurized cockpits, for example, when flying helicopters over high mountain ranges, hypoxia can develop slowly over the course of an hour. When caused by oxygen supply failures or human condition, blood oxygen levels can drop, from 90 to 60-70 percent. GLOC also occurs abruptly when pilots are subjected to excessive loads without the recommended preparation.

Usually a pilot would recover from GLOC in 20 seconds, but, during the condition, the aircraft is uncontrolled and could hit the ground. A warning issued just prior to the onset of GLOC could alert the pilot to take precautions, breath properly, apply pressure to reduce the load or ease the sharpness of the turn to reduce G. The sensor can profile each individual pilot and assess his or her performance and tolerance on the specific flight.

Once the system ‘decides’ that the pilot is in danger, it triggers an audio-visual warning alerting the pilot to take action. In case the system ‘senses’ that the pilot is unconscious, the autopilot can be activated to take control.

http://defense-update.com/20150615_canary.html#.VYoPRkb9UY1

(http://defense-update.com/wp-content/uploads/2015/06/yaron_kranz_with_targo425.jpg)
The Canary helmet sensor can identify developing physiological conditions that could lead to hypoxia or G-induced loss of consciousness (GLOC).
“These two conditions are life threatening, since they often cannot be sensed by the pilot,” sais Yaron Kranz, Business Development and R&D Director at Elbit Systems. Photo: Noam Eshel, Defense-Update
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Outubro 19, 2015, 06:34:13 pm
Next Big Thing
O próximos projectos da Northrop Grumman
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Dezembro 02, 2015, 08:56:53 pm

(http://www.quickmeme.com/img/d0/d0374478557798edfc964afd006512de457207f70346d8e2ef524a98afd73578.jpg)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Junho 05, 2016, 02:22:38 pm

Citar
The SB-1 Defiant Joint Multi-Role Technology Demonstrator (JMR TD) helicopter is our third X2® aircraft in less than 10 years. Being designed by Sikorsky and Boeing, the aircraft will prove the scalability of the X2 design to a 30,000-lb. class weight. (This contrasts with the 6,000-lb X2 Technology Demonstrator and the RAIDER™ at 11,400 lbs.)

Sikorsky-Boeing expects to begin final assembly of theSB-1 Defiant in the summer of 2016, followed by flight tests during 2017-2018.

Future Vertical Lift-Medium is a new-start project in the army’s fiscal year 2017 budget submission and an acquisition plan will be considered by the Pentagon this October. SB-1 and V-280 are proof-of-concept demonstrators, but each side is continuously refining their ultimate FVL proposals as the technology as well as the army’s requirements and mission needs mature.

http://defence-blog.com/news/video-sb-1-defiant-joint-multi-role-high-speed-helicopter-simulation.html
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Junho 24, 2016, 03:26:21 pm
Collaborative Operations in Denied Environment (CODE)
Phase 2 Concept Video


DARPA’s Collaborative Operations in Denied Environment (CODE) program seeks to help the U.S. military’s unmanned aircraft systems (UASs) conduct dynamic, long-distance engagements of highly mobile ground and maritime targets in denied or contested electromagnetic airspace, all while reducing required communication bandwidth and cognitive burden on human supervisors.

CODE’s main objective is to develop and demonstrate the value of collaborative autonomy, in which UASs could perform sophisticated tasks both individually and in teams under the supervision of a single human mission commander. CODE-equipped UASs would perform their mission by sharing data, negotiating assignments, and synchronizing actions and communications among team members and with the commander. CODE’s modular open software architecture on board the UASs would enable multiple CODE-equipped unmanned aircraft to navigate to their destinations and find, track, identify, and engage targets under established rules of engagement. The UASs could also recruit other CODE-equipped UASs from nearby friendly forces to augment their own capabilities and adapt to dynamic situations such as attrition of friendly forces or the emergence of unanticipated threats.

CODE seeks to deliver a software system that would be resilient to bandwidth limitations and communications disruptions, yet compatible with existing standards and capable of affordable retrofit into existing platforms. If successfully demonstrated, these scalable, cost-effective capabilities would greatly enhance the survivability, flexibility, and effectiveness of existing air platforms, as well as reduce the development times and costs of future systems.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Julho 15, 2016, 10:56:11 pm
Weapons Of The Future – Military Robots From US Military's Research Labs
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Viajante em Agosto 30, 2016, 10:01:36 am
Estados Unidos querem bombas plasma controladas por satélites

A Força Aérea dos EUA está a trabalhar num projecto para melhorar a comunicação de rádio em longas distâncias tendo em vista poder detonar bombas plasma na atmosfera superior recorrendo a uma frota de micro satélites e outra técnica que o vai deixar de boca aberta.

E se lhe disser que os Estados Unidos querem lançar grandes volumes de gás ionizado diretamente na ionosfera para fazer melhorar o sinal de rádio?

(https://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2016/08/pplware_micro_satalites00.jpg)

Mas para quê lançar um gás na ionosfera?

Desde os primeiros dias do rádio, sabemos que a recepção às vezes é melhor à noite. As estações de rádio que não podem ser captadas durante o dia, e que por vezes à noite conseguem-se captar e ouvir claramente, são transmissões de rádio que estão a ser emitidas a partir de centenas e centenas de quilómetros de distância.

Este valor deve-se às variações ocorridas na ionosfera, uma camada de partículas carregadas na atmosfera que começa por volta dos 60 km para cima. A curvatura da Terra anula a maioria dos sinais de rádio terrestres que viajam mais de 70 quilómetros sem um impulso.

(https://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2016/08/pplware_micro_satalites01.jpg)

Contuso, as ondas de rádio saltam entre o solo e a ionosfera conseguindo com este ziguezaguear atingir distâncias muito maiores. À noite, a densidade de partículas carregadas da ionosfera é mais elevada, tornando-se mais reflectora.

 
Mas poderá ser “reparada” a ionosfera?

A ideia está em conseguir melhorar as partículas da ionosfera para que esta mesmo durante o dia pudesse ter uma acção refletora mais eficiente.

Não é a primeira vez  que se tentou “reparar a ionosfera” para tentar melhorar a comunicação de rádio e aumentar a gama de radar over-the-horizon. O projecto High Frequency Active Auroral Research Program (HAARP) (em português: Programa de Investigação de Aurora Activa de Alta Frequência) no Alasca, estimula a ionosfera com a radiação a partir de uma matriz de antenas terrestres para produzir plasma de reflexão de rádio.

 
Micro satélites CubeSats para transportar gás

Agora, a Força Aérea dos Estados Unidos quer melhorar ou reparar a ionosfera mas de forma eficiente. Estes estarão a projectar usar pequenas CubeSats, por exemplo, no transporte de grandes volumes de gás ionizado e depositado diretamente na ionosfera.

Além de aumentar a gama de sinais de rádio, a Força Aérea refere que quer suavizar os efeitos dos ventos solares, radiação que pode desligar todo o sistema GPS. Claro que está também incluída na investigação a possibilidade de bloquear a comunicação de satélites inimigos.

(https://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2016/08/pplware_micro_satalites03.jpg)

A parte técnica mais desafiadora passa por conseguir fabricar um gerador de plasma ionosférico tão pequeno que possa ser introduzido num CubeSat – que tem cerca de 10 centímetros cúbicos. Depois, há o problema de controlar exactamente como o plasma vai ser disperso após ter sido lançado na atmosfera.

Para este projecto a USAF concedeu já contratos a três equipas para esboçar formas de combater a abordagem. A melhor proposta será seleccionada para uma segunda fase em que os geradores de plasma serão testados em câmaras de vácuo e voos espaciais exploratórios.

 
Metal vaporizado

Um grupo de cientistas num laboratório de Souderton, Pensilvânia, está a trabalhar juntamente com investigadores da Universidade de Drexel, na Filadélfia, num método que envolve o uso de uma reação química para aquecer um pedaço de metal para lá do seu ponto de ebulição. O metal vaporizado irá reagir com o oxigénio atmosférico para produzir plasma.

Outra equipa, Enig Associates of Bethesda, no estado de Maryland, juntamente com investigadores da Universidade de Maryland, estão a trabalhar numa solução mais explosiva. A sua ideia é aquecer rapidamente um pedaço de metal ao fazer explodir uma pequena bomba e converter a energia da explosão em energia eléctrica.

 
Mas será que é ético e viável fazer estas acções?

Para já não é claro que todo este investimento caminhará para um solução de sucesso. Modificar a ionosfera ainda é uma universo de muitas questões por responder.

    Estes são realmente os projectos em estágio inicial, que representam os limites da investigação do plasma para a alteração da ionosfera”

Referiu John Kline, que lidera o grupo de Engenharia de Plasma em Instrumentos de Apoio à Pesquisa em Hopewell, New Jersey.

Segundo o mesmo, gerar plasma em satélites tão pequenos poderá ser um desafio insuperável. Este sim será o maior dos maiores obstáculos.

(https://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2016/08/pplware_micro_satalites02.jpg)

E os ventos solares?

Neste projecto, pese o facto de haver uma “causa ambiental”, que é a neutralização dos ventos solares, há muitos especialistas que têm uma opinião muito céptica. É o caso de David Last, o ex-presidente da Royal Institute of Navigation do Reino Unido.

Ele refere que quando as tempestades solares perturbam os sinais de GPS, incidem sobretudo no lado da Terra que está virada para o Sol o que exigiria uma acção interventiva extremamente grande e rápida, parecendo-lhe à partida uma batalha perdida.

Parece, contudo, haver de facto uma acção mais militar que propriamente outra do foro “ambiental” ou de melhoramento das comunicações para fins civis.

Fonte: https://pplware.sapo.pt/gadgets/high-tech/estados-unidos-querem-bombas-plasma-controladas-por-satelites/
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 30, 2016, 04:24:55 pm
US Marines Test "BigDog" LS3 Robots - Legged Squad Support Systems


Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Outubro 24, 2016, 08:52:00 pm
O Walk-Man

Agora é só colocar umas armas em cada braço e....
Síria com ele!
 :N-icon-Gun:
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 08, 2016, 11:54:00 am
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Janeiro 16, 2017, 12:12:25 am
(http://valdaiclub.com/upload/resize_cache/iblock/c09/847_0_1/c090f666f2cce1312f848d3a8be5fb01.jpg)
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 03, 2017, 03:46:17 pm
Here's all the coolest military tech we saw at the Marine Corps' big West Coast trade show

CAMP PENDLETON, Calif. — The Marine Corps' big West Coast trade show kicked off on Thursday, and it featured more than 60 defense contractors showing off everything from drones that can fit in the palm of your hand to machine-guns that can blast a target with 200 rounds of 30mm ammo in under a minute.

Sponsored by the Marine Corps League, the 2017 Marine West show held at Camp Pendleton's 22 Area parade field gives a chance for Marines to check out the latest and greatest in military technology, and perhaps later, ask their bosses to buy it for them to use downrange.

"This event is really for the [non-commissioned officers] to see equipment they like," said Maj. Gen. Mike Regner (Ret.) of the Marine Corps League. "And then tell the general what they need in the field."

Business Insider took a look around the show and spoke with a number of vendors to see what Marines might be adding to their kit soon.

Here's what we saw.

(http://static4.businessinsider.com/image/589394b66e09a8aa238b47ef-1200/marine-west-military-gear.jpg)

http://www.businessinsider.com/marine-west-trade-show-camp-pendleton-2017-2/#marine-west-2017-was-held-at-the-22-area-parade-deck-on-camp-pendleton-right-across-from-the-base-air-station-1
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 03, 2017, 04:23:51 pm
Military Robot Vehicles in Action: XBOX Pad Controlled Humvee, Driverless Cars & Self Driving Trucks


Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Fevereiro 24, 2017, 11:35:15 pm
Fifth Generation C4ISR: The Future of Joint Battle Management
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Fevereiro 28, 2017, 11:11:11 pm
Da página 4 deste tópico:


Chega agora a evolução da Boston Dynamics:
Citar
Handle is a research robot that stands 6.5 ft tall, travels at 9 mph and jumps 4​ ​feet vertically. ​It uses electric power to operate both electric and hydraulic actuators, with a range of about 15 miles on one battery charge. ​​​Handle uses many of the same dynamics, balance and mobile manipulation principles​ found in the quadruped and biped robots we build, but with only about 10 actuated joints, it is significantly less complex. Wheels are efficient on flat surfaces while legs can go almost anywhere: by combining wheels and legs Handle can have the best of both worlds.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Março 17, 2017, 03:20:47 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 18, 2017, 02:22:54 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Março 25, 2017, 10:08:10 pm
The Electromagnetic Railgun is a long-range weapon that fires projectiles using electricity instead of chemical propellants. Magnetic fields created by high electrical currents accelerate a sliding metal conductor, or armature, between two rails to launch projectiles at 4,500 mph.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 04, 2017, 03:00:33 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 10, 2017, 08:35:10 pm
Sikorsky - Boeing Future Vertical Lift




Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: HSMW em Abril 19, 2017, 02:04:28 pm
Citar
The S-97 RAIDER™ is a next-generation light tactical prototype helicopter that can reach speeds of more than 220 knots, nearly double the speed of a conventional helicopter, and capable of flying at 10,000 feet in 95°F heat. RAIDER will redefine helicopter flight during the 21st century.
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Abril 26, 2017, 12:32:23 pm
Marines Use Experimental Drones To Storm Beach And Deliver MRE Meals


Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Maio 08, 2017, 01:10:12 pm
Título: Re: Armas do Futuro
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 29, 2017, 06:27:16 pm