ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Presente => Tópico iniciado por: Azraael em Julho 12, 2006, 06:36:36 pm

Título: Israel vs Hezbollah no Libano
Enviado por: Azraael em Julho 12, 2006, 06:36:36 pm
Citar
Israel calls Hezbollah capture of soldiers act of war

Hezbollah guerrillas have captured two Israeli soldiers and killed up to seven Israelis, in what Israel described as an act of war by Lebanon that would draw a "very painful" response.

Israel mobilised a reserve infantry division and Hezbollah declared an all-out military alert.

Two Lebanese civilians were killed in an Israeli air strike on a coastal bridge at Qasmiyeh.

Four other bridges in the south were hit and five Lebanese were wounded, security sources said.

The sources say the Israeli soldiers had been seized at around 9am local time across the border from Aita al-Shaab, some 15 kilometres from the Mediterranean coast.

The Israeli army confirmed that two Israeli soldiers had been captured on the Lebanese frontier.

Israeli ground forces crossed into Lebanon to hunt for the missing soldiers, Israeli Army Radio said.
'No incursion'

But Hezbollah and the Lebanese authorities said there was no major incursion.

Traffic was thin on roads in the south amid sporadic Israeli shelling of border areas.

An Israeli rocket hit a car carrying a crew from Lebanese New Television, wounding all three.

Israeli troops have not struck deep into Lebanon since they withdrew from a southern border strip in 2000 after Hezbollah's Shiite fighters waged an 18-year war of attrition against them.

"It is an act of war by the state of Lebanon against the state of Israel in its sovereign territory," Israeli Prime Minister Ehud Olmert said of Hezbollah's action, threatening a "very painful and far-reaching" response.
Palestinian offensive

Israel is already engaged in an expanding military offensive in the Gaza Strip launched after Palestinian militants captured a soldier in a cross-border raid on June 25.

"Fulfilling its pledge to liberate the (Arab) prisoners and detainees, the Islamic Resistance ... captured two Israeli soldiers at the border with occupied Palestine," the Syrian- and Iranian-backed Hezbollah said in a statement.

"The two captives were transferred to a safe place," it said, without stating what condition the captives were in.

A Lebanese political source said Hezbollah was willing to discuss swapping them for prisoners held in Israel.

A Hezbollah spokesman refused comment.

Hezbollah said it had destroyed an Israeli tank that had entered Lebanon.

Al Jazeera television said a total of seven Israelis had been killed in Wednesday's border violence.

Hezbollah supporters set off fire crackers and distributed sweets in the streets of Beirut after the Islamist group issued its claim.

Similar scenes were reported across Lebanon.
Gaza strikes

In Gaza, Israel killed nine members of a Palestinian family in an air strike that destroyed a three-storey residential building where top Hamas commanders were believed to be meeting.

The bombing was among a series of attacks that killed a total of 15 Palestinians as Israeli forces swept into central Gaza on Wednesday, broadening an offensive aimed at freeing a captured soldier and halting cross-border rocket fire.

The Israeli military said the air raid wounded Mohammad Deif, leader of the governing Hamas's armed wing. A spokesman for Hamas's Izz el-Deen al-Qassam Brigades denied Deif was hurt.

Israel's Gaza offensive is aimed at freeing captured Israeli corporal Gilad Shalit and halting cross-border rocket fire.

Corporal Shalit's seizure by Hamas and allied fighters led Israel to launch its first ground attacks in Gaza since quitting the Strip last year.

About 71 Palestinians have been killed so far.

Israel has rejected calls from Hamas for a prisoner swap for the 19-year-old tank gunner.


http://www.abc.net.au/news/newsitems/200607/s1685306.htm
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 13, 2006, 08:45:26 pm
Citar
Conflito agrava-se no Médio Oriente


Israel diz que Hezbollah bombardeou a cidade de Haifa
   
   

Os guerrilheiros do Hezbollah terão bombardeado esta tarde a cidade israelita de Haifa. O ataque, confirmado pelo exército israelita, acontece depois do anúncio oficial de que o Líbano iria apresentar uma proposta de cessar-fogo a Israel. A comunidade internacional mostra sinais de preocupação com o agravamento do conflito.

SIC


O ataque a Haifa foi confirmado pelo exército israelita mas o Hezbollah desmente os bombardeamentos.

De acordo com os relatos, a terceira maior cidade do país foi atingida com dois rockets lançados pela milícia xiita. As autoridades aconselham os habitantes a recolher-se em abrigos.

Entretanto, o Irão nega que os dois soldados israelitas alegadamente raptados pelos guerrilheiros do Hezbollah tenham sido levados para o país.

Fonte do Governo de Teerão, citada pela Reuters, apelidou de "absurda" a hipótese avançada por um porta-voz do Ministério israelita dos Negócios Estrangeiros.

Israel ameaça bombardear, depois dos aeroportos libaneses, a auto-estrada entre Beirute e Damasco, na Síria, por onde estão a fugir muitas dezenas de pessoas.

O conflito está a ganhar cada vez maior dimensão: dois israelitas morreram e 49 ficaram feridos no ataque desta manhã do Hezbollah. Horas antes, pela madrugada, Israel tentou isolar o Líbano com ataques em pontos estratégicos, o que provocou a morte de 40 civis.
Comunidade internacional preocupada

O secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, não esconde a preocupação com a situação no Médio Oriente e anunciou o envio de três representantes ao terreno para mediar as várias frentes do conflito.

A União Europeia e a Rússia já criticaram os ataques de Israel ao Líbano e apontam-nos como um passo para o agravamento do conflito no Médio Oriente.

Já o Presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, defendeu a ofensiva israelita. "Israel tem o direito de defender-se. Todos os países devem defender-se contra ataques terroristas e a morte de inocentes", disse.

De visita à Alemanha, Bush deixou, no entanto, um apelo para que Israel não enfraqueça o regime de Beirute.



http://www.sic.pt/online/noticias/mundo/20060713+Conflito+agrava+se+no+Medio+Oriente.htm
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 13, 2006, 08:49:49 pm
Citar
Israel Attacks Beirut Airport and Sets Up Naval Blockade

BEIRUT, Lebanon, July 13 — Israel imposed a full naval blockade on Lebanon and put Beirut International Airport out of commission today as the crisis in the Middle East escalated rapidly following the capture of two Israeli soldiers and the killing of eight others by the Shia militant group Hezbollah on Wednesday.

Hezbollah fired rockets deep into northern Israel today, with two rockets hitting the port of Haifa and sending thousands of Israelis into bomb shelters.

In a second day of Israeli attacks on Lebanon, Israeli warplanes also struck two Lebanese Army bases and Hezbollah’s Al Manar television station. According to Lebanese government figures, 53 Lebanese have died, including one family of 10 and another of seven in the village of Dweir. More than 103 have been wounded, the Lebanese said.

The Israeli government has said that it is holding the state of Lebanon responsible for the actions of Hezbollah, which is a member of the government, and that the cross-border raid and abduction of its soldiers is an unprovoked act of war by a neighboring state.

Israel’s chief of staff, Lt. Gen. Dan Halutz, warned that “nothing is safe” in Lebanon and that Beirut itself, especially Hezbollah offices and strongholds in the southern part of the city, would be a target.

Hezbollah in turn fired more than 120 Katyusha rockets and mortars into Israel today, Israeli officials said, killing one woman drinking coffee on her balcony in Nahariya and wounding more than 100 other Israelis in some 20 towns and villages, including Haifa, Safed and Carmiel. Hezbollah said it was using a new rocket, the “Thunder 1,” more advanced than the standard Katyusha.

Thousands of Israelis in the north spent the night in bomb shelters as Hezbollah warned that Israeli attacks on southern Beirut would be met by rocket attacks on Haifa, a port city of some 250,000 people 18 miles from the international border. This evening, two rockets landed near the city’s Stella Maris Church.

In Beirut, residents lined up for blocks to get gasoline and packed supermarkets and bakeries preparing for what could be a long siege. With Israeli warshops visible off the coast and the occasional roar of warplanes rattling nerves, Lebanese reenacted some of the same ritual preparations for war they had abandoned 15 years ago, when their bloody civil war finally ended.

The rapid surge in fighting on a second front, two weeks after Israel entered Gaza to try to secure the release of another captured soldier, alarmed Arab and Western governments, drove up the price of oil and drove down the Israeli currency, the shekel.

The European Union today criticized Israel for “the disproportionate use of force” in Lebanon “in response to attacks by Hezbollah on Israel,” according to a statement issued by the current Finnish presidency. It said that “the imposition of an air and sea blockade on Lebanon cannot be justified.”

President Bush, in remarks in Germany, said that “Israel has the right to defend herself,” but he also called for care, warning Israel not to weaken the government in Lebanon.

“There are a group of terrorists who want to stop the advance of peace,” Mr. Bush said. “The soldiers need to be returned.”

President Mahmoud Abbas of the Palestinian Authority warned that Israel’s Lebanon offensive “is raising our fears of a new regional war” and urged world powers to intervene.

The British foreign secretary, Margaret Beckett, meeting with European Union foreign-policy chief Javier Solana, called jointly “for the urgent release of the kidnapped Israeli soldiers and an end to attacks on Israeli towns and cities” and asked “all those countries with influence over Hezbollah and Hamas to play their part.”

She said that “we strongly support the U.N.’s efforts to arrange as quickly as possible a cease-fire and the release of the abducted soldiers.” But there was also a warning for Israel. “While Israel is entitled to do what is required to protect its security, it should do so in a way which does not escalate the situation and which is proportionate and measured, conforms to international law, and avoids civilian deaths and suffering,” she said.

Foreign Minister Mikhail Kamynin of Russia condemned both the Hezbollah raid and the Israeli offensive for destroying civilian infrastructure in Lebanon and in Gaza.

The Lebanese government, which has said that it had nothing to do with the raid by Hezbollah, called for a cease-fire, saying that all means should be used to end “open aggression” against the country.

But Israeli officials said there would be a long campaign to restore the country’s security both along its southern border with Gaza and its northern one with Lebanon. The Israelis want to restore their military credibility with the Palestinian militants and Hamas government in Gaza and with Hezbollah, and say they intend to make the current campaign painful on both sets of antagonists.

The Israelis say that they want the message to get across to Syria and Iran, the countries Israel considers to be the main sponsors of Hezbollah and Palestinian militancy.

The Israeli defense minister, Amir Peretz, said Israel would no longer allow Hezbollah forces to occupy positions along the border.

“If the government of Lebanon fails to deploy its forces, as is expected of a sovereign government, we shall not allow Hezbollah forces to remain any further on the borders of the state of Israel,” Mr. Peretz said.

But few Israeli officials think the Lebanese government, which is greatly influenced by Syria, has the will or the power to displace Hezbollah in the south.

A senior Israeli foreign ministry official, Gideon Meir, told reporters today that Israel has “concrete evidence that Hezbollah plans to transfer the kidnapped soldiers to Iran,” but he gave no specifics or source for the claim. “As a result,” Mr. Meir said, “Israel views Hamas, Hezbollah, Syria and Iran as the main players in the axis of terror and hate that endangers not only Israel, but the entire world.”

Israeli concerns that the soldiers might be moved out of Lebanon are a prime reason for its efforts to blockade the country and prevent air traffic, Mr. Meir said later.

Israel called on the international community to press Lebanon to full its commitments under United Nations resolutions to dismantle Hezbollah’s military and send the Lebanese army into southern Lebanon to take control over the international border with Israel.

Israel identified the two captured soldiers as Ehud Goldwasser, 31, of Nahariya, and Eldad Regev, 26, of Kiryat Motzkin. Cpl. Gilad Shalit, 19, was captured by Palestinian militants on a raid from Gaza into Israel on June 25, setting off this current crisis.

The Israeli attack on the Beirut airport — the first such attack by Israel since 1982 — blasted craters into all three runways, but did not hit the main terminal.

It came at the height of the tourist season, which was expected to bring Lebanon $4 billion this summer, and travelers were stranded all over the Middle East. Even the Lebanese foreign minister, Fawzi Salloukh, had to return home overland from Syria from a trip to Armenia. Syria opened its borders to stranded tourists.

The Israeli military said it struck the airport because it is “a central hub for the transfer of weapons and supplies to the Hezbollah terrorist organization.”

In Beirut, residents prepared for a long campaign. “We’ve been through this many times before,” said Rania al Faris, who stood with her three sisters and mother with their bags packed waiting for the next bus towards the Beqaa Valley. They had blankets, extra food and books, and were ready to be gone for a while. “The roads get closed and it’s impossible to buy any food or supplies. It’s much safer in the countryside. That is what we used to do during the war.”

By midday, the city grew more panicked as Israeli warplanes dropped leaflets over the Hezbollah-controlled southern suburbs, warning residents to evacuate the area before impending attack. Many families packed their bags and left to country side where they chances of being hurt would be lower.

“People are trying to get out of here any way they can,” said Mohammad Assif, who escorted his mother up to the mountains. Mr. Assif said one of his cousins had been killed in one of the bombings on the south Wednesday night, and the family had collectively decided to head out to safety. “Hezbollah is concentrated here so this going to be where they hit. They hit al Manar near our house, who knows what comes next,” he said.

Hoards of tourists, most of them from Arab countries, packed up their bags and milled about in hotel lobbies desperate for a way out. But with the country blockaded by sea and air, the sole exit was through the border with Syria, where traffic was backed up for miles by midday.

Thousands took shelter at the Saudi Embassy in the Ras Beirut neighborhood until buses were organized to the Damascus airport. “People are really shaken, you can see it in their eyes,”said Rifaa al Otaibi, an embassy employee. “When the airport was hit, it was enough for many.”

Hassan M. Fattah reported from Beirut for this article and Steven Erlanger from Jerusalem.



http://www.nytimes.com/2006/07/13/world/middleeast/13cnd-mideast.html?hp&ex=1152849600&en=da7eef947e52b75e&ei=5094&partner=homepage
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 13, 2006, 08:53:02 pm
Citar
Israelis Enter Lebanon After Attacks


JERUSALEM, Thursday, July 13 — The Lebanese guerrilla group Hezbollah surprised Israel with a bold daylight assault across the border on Wednesday, leading to fighting in which two Israeli soldiers were captured and at least eight killed, and elevating recent tensions into a serious two-front battle.

Israel, already waging a military operation in the Gaza Strip to free a soldier captured by Palestinian militants on June 25, immediately responded by sending armored forces into southern Lebanon for the first time in six years.

Early on Thursday morning, Israeli warplanes fired missiles at the runways at Rafik Hariri International Airport in Beirut, shutting the airport and potentially stranding thousands of visitors at the peak of tourist season. Israeli warplanes also hit numerous locations in southern Lebanon, adding to the civilian death toll. The Israeli military confirmed the strike, saying that the airport was a target because Hezbollah receives weapons shipments there.

The Israeli government also confirmed that Hezbollah fired several Katyusha rockets into northern Israel, injuring three people.

The toll was the highest one for the Israeli soldiers in several years, and combined with the deaths on Wednesday of at least 22 Palestinians, including many civilians, in fighting in Gaza, it was the deadliest day in the Arab-Israeli conflict since Israel withdrew from the Gaza Strip last year. And the violence continued into the early morning hours, when an Israeli airstrike heavily damaged the Palestinian Foreign Ministry building in Gaza.

Even though Israel has overwhelming military superiority in both southern Lebanon and Gaza, the new fighting signaled the emergence of a conflict that has blown past the limits of local confrontation into a regional crisis. Some analysts suggested that the similarity between the Hezbollah raid and the one in Gaza by fighters with the Islamic faction Hamas and its allies, both intended to gain leverage through captured Israeli soldiers, pointed to increasingly closer relations between the groups.

As with the Gaza conflict, Israel ruled out negotiations with the Lebanese captors of the Israeli soldiers. Prime Minister Ehud Olmert said he held the Lebanese government responsible for the assault by Hezbollah, the Shiite Muslim group that participates in Lebanese politics but also continues to battle Israel.

“I want to make clear that the event this morning is not a terror act, but an act of a sovereign state that attacked Israel without reason,” Mr. Olmert said. “The government of Lebanon, of which Hezbollah is a part, is trying to shake the stability of the region.” Israel is demanding that all three soldiers be returned and that militants stop firing rockets at Israelis from Gaza in the south and Lebanon in the north. But both Hamas and Hezbollah are holding out for an exchange for a large number of Palestinian and other Arab prisoners held by Israel.

“The prisoners will not be returned except through one way — indirect negotiations and a trade,” said the leader of Hezbollah, Sheik Hassan Nasrallah, speaking to reporters in Beirut on Wednesday. He suggested the possibility of a deal. “The capture of the two soldiers could provide a solution to the Gaza crisis,” he said. The operation had been planned for months, he said, though he added, “The timing, no doubt, provides support for our brothers in Palestine.”

Hezbollah released a statement saying that the two soldiers had been transferred to “a safe place,” but did not give any other details.

Two years ago, Hezbollah managed to push Israel to free more than 400 Palestinian and Lebanese prisoners in exchange for an Israeli businessman held in Lebanon and for the bodies of three Israeli soldiers killed in a Hezbollah attack in 2000. Israel is currently holding close to 9,000 Palestinian prisoners, though the number of Lebanese prisoners is believed to be much smaller.

The White House released a statement condemning the Hezbollah raid, calling it an “unprovoked act of terrorism” and holding Syria and Iran responsible because of their longstanding support for the group. The United Nations representative to southern Lebanon, Gier Pedersen, also criticized the raid, calling it “an act of very dangerous proportions.”

The fighting on the Lebanese border erupted around 9 a.m., when Hezbollah attacked several Israeli towns with rocket fire, wounding several civilians, the Israeli military said. But that attack was a diversion for the main operation, several miles to the east, where Hezbollah militants fired antitank missiles at two armored Humvees patrolling the Israeli side of the border fence, the military said. Of the seven soldiers in the two jeeps, three were killed, two wounded and two abducted, the military said.

Israel then responded with artillery fire, airstrikes and a naval bombardment that focused on about 40 sites in southern Lebanon. Most were believed to be Hezbollah strongholds, but roads and bridges were also hit in an attempt to keep Hezbollah from moving the captured soldiers farther north, according to the military. At least 2 Lebanese civilians were killed and more than 10 wounded in southern Lebanon, Lebanese officials said.

Israel also sent ground forces into Lebanon, and a tank hit an explosive planted in the road, killing all four soldiers inside, the Israeli military said. Another soldier was killed while trying to rescue those in the tank.

The Israeli incursion was the first such operation in southern Lebanon since Israel pulled its troops back into Israel in 2000, ending two decades of occupation.

Political and military analysts in Egypt and Israel said the recent events seemed to stem from a growing relationship between Hamas and Hezbollah. While there is no direct evidence of coordinated attacks, several analysts said they believed that the two kidnappings were part of a plan reflecting a trend that began several years ago, with Hezbollah trying to teach Hamas its methods. “What took place from Hezbollah today, in my opinion, is tied to their relationship with Hamas,’’ said Dr. Wahid Abdel Meguid, Deputy Director of the Ahram Center for Political and Strategic Studies in Egypt. “Hezbollah developed a strong relationship with Hamas, the most manifest form of this relationship is Hezbollah’s role in training the Hamas cadres.”

Hezbollah and Hamas are part of a complex four-way relationship with each other and Iran and Syria. Iran helped to create, finance and train Hezbollah. Hamas’s political leader, Khaled Meshal, lives and works in Damascus. The expectation among political and foreign affairs analysts is that Hamas and Hezbollah would never have taken such provocative actions without at least the tacit approval of their sponsors in Tehran or Damascus.

Meanwhile, Gaza endured another bloody day. Hours before the Hezbollah attack on Wednesday, Israeli troops moved in force into central Gaza for the first time, expanding the operation intended to secure the release of the captured soldier there, Cpl. Gilad Shalit, and stop rocket fire into Israel. Israeli tanks, armored personnel carriers and armored bulldozers entered at the Kissufim crossing on the eastern side of Gaza and cut off the southern third of the territory from the rest of the strip.

The Israeli Air Force also dropped a bomb on a home in Gaza City at around 3 a.m., saying its targets were Hamas leaders. But the blast killed nine members of the Salmiyeh family, according to Dr. Jumaa al-Saqqa, the spokesman for Al Shifa Hospital, where the bodies were taken. There were visiting Hamas leaders in the house at the time of the bombing, but they escaped with only minor injuries, Palestinians said.

The owner of the house, Nabil Abu Salmiyeh, who was reported to be a Hamas member, was killed along with his wife, Salwa, and seven of their children, ages 7 to 18, Dr. Saqqa said. The Israeli military said the main target was Muhammad Deif, the head of Hamas’s armed wing. Israel says Mr. Deif is behind scores of attacks against Israeli civilians. The military, which has tried to kill Mr. Deif at least four times in recent years, said he was wounded. But Hamas officials refused to say whether Mr. Deif was at the house at the time of the bombing, and insisted he was safe.

In two separate gun battles near the town of Deir al-Balah, Israeli soldiers killed 10 Palestinian militants and wounded at least 7, Palestinian security and medical officials said. At least 12 more Palestinians were killed in other Gaza incidents, many of them in airstrikes around Khan Yunis and Deir al-Balah.

Early on Thursday, a strike by Israeli aircraft heavily damaged the Foreign Ministry building in Gaza. There were reports of injuries, though it was unclear whether they included people inside the ministry, which is controlled by Hamas, or in nearby buildings.

In Beirut, residents gave out sweets in celebration of the kidnapping, while convoys of young men drove through the downtown district, waving Hezbollah’s yellow flag.

Fouad Siniora, Lebanon’s prime minister, sought to distance the government from the Hezbollah raid after an emergency cabinet meeting. He noted that the Lebanese government was “not aware of and does not take responsibility for, nor endorses what happened on the international border.”

Greg Myre reported from Jerusalem for this article, and Steven Erlanger from Gaza City. Hassan M. Fattah contributed reporting from Beirut, and Michael Slackman from Cairo.



http://www.nytimes.com/2006/07/13/world/middleeast/13mideast.html
Título:
Enviado por: aero em Julho 13, 2006, 09:53:52 pm
:(  tenho um bom amigo por lá. Espero tudo corra bem.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 13, 2006, 09:57:52 pm
Citação de: "aero"
:(  tenho um bom amigo por lá. Espero tudo corra bem.


Hehe....então podes-te gabar que conheces 1 dos apenas 22 portugueses que se encontram no Líbano  c34x
Título:
Enviado por: Miguel em Julho 13, 2006, 09:59:39 pm
Força Tsahal :G-bigun:
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 13, 2006, 10:26:35 pm
Acho que é mais assim...

Libaneses »»»:Esmagar:««« Merkavas Israelitas
Título:
Enviado por: aero em Julho 13, 2006, 11:25:54 pm
Citação de: "Marauder"
Citação de: "aero"
:(  tenho um bom amigo por lá. Espero tudo corra bem.

Hehe....então podes-te gabar que conheces 1 dos apenas 22 portugueses que se encontram no Líbano  c34x


Não é Português, ele é Libanês mas do nosso lado. Isto é cristão e no mês passado foram 4 com a FN P90. Ele já esteve na equipa do hariri. Os gajos do hezbollah nem o podem ver. A história do Libano é muito complicada e a divisão de poder tb.
Título:
Enviado por: papatango em Julho 13, 2006, 11:29:14 pm
Mas o que é que os libaneses têm a ver com a situação ?

O problema é o facto de continuar a haver no sul do Libano, um movimento integrista islâmico chamado Hezbolah, que tem o apoio da Síria, país que nunca deixou de ter influência no Líbano.

O Líbano é um país que até aos anos 30 era maioritariamente cristão.
Depois a população cristã foi-se reduzindo e hoje calcula-se que seja ligeiramente superior a 30%.

O Líbano é uma realidade muito complexa e não podemnos analizar as coisas  sob um prisma de Líbano x Israel.

O problema não é Líbano x Israel, o problema é Siria x Israel.

É o principal problema! Se os Israelitas encontrarem razões para atacar a Siria, então eles vão atacar a Siria e neste momento não estou a ver muita gente disponível para ajudar a Siria.

Já não há Saddam Hussein e a Turquia, pode ser um país muçulmano mas não é Árabe e por isso nunca teve grande simpatia pela causa árabe. Aliás, Árabes e Otomanos sempre se odiaram, porque o que salvou o Islão foi o facto de os turcos otomanos se terem convertido antes de esmagarem os  árabes.
Os árabes também têm complexos relativamente aos turcos, porque eram subditos do Sultão do império otomano. Para os árabes, os turcos são basicamente europeus, com os quais compartem a religião, e mesmo assim de formas muito diferentes.

Logo, a Siria está sozinha, e é a Siria a fonte dos problemas (pelo menos para os Israelitas).

Parece que cada vez mais o Hamas (sunita) e o Hezbolah (apoiado pelos Xiitas do Irão) parecem estar a encontrar pontos de contacto para possíveis alianças.

Israel quer acabar com essa possibilidade.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: aero em Julho 13, 2006, 11:35:20 pm
Beirut já foi chamada a suiça daqueles lados. Em relaçcão ao veto dos Americanos é mais do mesmo.

Apoiado  :Palmas: papatango
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 12:22:53 am
Citar
Governo de Israel quer “destruir” o Hezbollah


O ministro israelita da Defesa, Amir Peretz, afirmou hoje que Israel pretende “destruir” o Hezbollah pelo lançamento de rockets, esta tarde, sobre Haifa, a terceira cidade israelita, uma acção que o movimento xiita já desmentiu ter sido da sua autoria.

“Estamos à espera que o Hezbollah quebre as regras do jogo. Temos a intenção de destruir essa organização”, reforçou Peretz em declarações aos jornalistas, antes de um encontro com responsáveis norte-americanos.

O ministro da Defesa sublinhou que existem vítimas israelitas no conflito com o movimento xiita e que Israel deixa de ter que justificar “os meios para destruir a facção mais dura do Hezbollah, que violou todas as regras e pretende levar o Médio Oriente ao abismo”.

Pelo menos dois rockets lançados a partir do sul do Líbano atingiram hoje Haifa, um ataque que Israel atribuiu ao Hezbollah, mas no qual o movimento nega qualquer envolvimento. Os rockets atingiram o bairro cristão de Stella Maris, uma área onde há vários restaurantes, um mosteiro e uma igreja, não havendo registo de vítimas.

Este ataque levou o Exército israelita a ordenar o refúgio de meio milhão de civis israelitas em abrigos, durante esta noite, como precaução, na região de Haifa, Saint-Jean d'Acre, de Safed e ao longo da fronteira com o Líbano.

Mais de uma centena de rockets foram lançados desde ontem sobre o norte de Israel, dois deles em Haifa, cerca de 40 quilómetros da fronteira entre Israel e o Líbano. Os ataques fizeram três mortos e uma centena de feridos, todos civis israelitas.

Os guerrilheiros do Hezbollah, que são apoiados pelo Irão, capturaram dois soldados israelitas ontem, numa incursão em território israelita. Israel respondeu com vários ataques em solo libanês e o envio tropas para procurar os seus soldados.

Hoje, a aviação israelita bombardeou por duas vezes o aeroporto internacional de Beirute, destruindo duas das suas principais pistas, o que levou ao seu encerramento, e depósitos de combustível.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264019&idCanal=18
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 12:27:22 am
Citar
Hezbollah nega ter lançado "rockets" contra Haifa


O movimento xiita libanês Hezbollah nega ter lançado rockets a partir do Líbano em direcção a Haifa, a terceira cidade de Israel, depois de o Exército israelita ter avançado que pelo menos dois rockets atingiram o bairro cristão de Stella Maris.

Um porta-voz do movimento xiita indicou à Reuters que "um oficial da resistência islâmica negou que a cidade de Haifa tenha sido atacada" pelo Hezbollah.

Depois de o Exército israelita ter anunciado o ataque do Hezbollah, os habitantes de Haifa e de Saint Jean d'Acre foram aconselhados a permanecer perto de abrigos na eventualidade da ocorrência de novos bombardeamentos.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1263997

Sera que anda alguem a ver se se aproveita da situacao? Ou sera que chegaram a conclusao que nao seria boa ideia admiti-lo em publico dado o "clima" que se vive neste momento?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 14, 2006, 08:42:28 am
Citar
Logo, a Siria está sozinha, e é a Siria a fonte dos problemas (pelo menos para os Israelitas).


E para os libaneses também................ não esquecer o assassinato do ex-primeiro ministro Rafik Hariri em Fevereiro do ano passado, cuja autoria é atribuida aos serviços segurança militar sírios. Hariri era pró-Síria mas tornou-se um dos seus maiores críticos após a morte de Hafez al-Assad, presidente da Síria.
Quanto á complexidade política do Libano, basta ver o "National Pact", acordo entre os líderes xiitas, sunitas e maronitas cristãos, no verão de 1943, aquando da independência

http://en.wikipedia.org/wiki/National_P ... Lebanon%29 (http://en.wikipedia.org/wiki/National_Pact_%28Lebanon%29)
Título:
Enviado por: Yosy em Julho 14, 2006, 11:28:29 am
Citação de: "Hélder"
Acho que é mais assim...

Libaneses »»»:Esmagar:««« Merkavas Israelitas


 :lol:
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 05:21:19 pm
Citação de: "Yosy"
Citação de: "Hélder"
Acho que é mais assim...

Libaneses »»»:Esmagar:««« Merkavas Israelitas

 :wink:

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236250 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236250)

Hamas recuperar o controlo? um pouco subjectivo...what do you mean?
Título:
Enviado por: 14_NS_88 em Julho 14, 2006, 06:11:38 pm
Citação de: "papatango"
É o principal problema! Se os Israelitas encontrarem razões para atacar a Siria, então eles vão atacar a Siria e neste momento não estou a ver muita gente disponível para ajudar a Siria.


O presidente do Irão disse qualquer coisa sobre uma "grande ofensiva dos países muçulmanos contra Israel" (não foram estas as palavras exactas), caso Israel ataque a Siria (deu no telejornal ás 13.00).

Quanto a este conflito, era previsivel. Os judeus resolveram ocupar o territorio onde agora é Israel, sem terem direito a ele, é perfeitamente normal que os Palestinianos (os donos daquele territorio por direito) se revoltem e que o restante mundo arabe os apoie. E quando os soldados Israelitas resolvem matar palestinianos nos postos de controlo sem razão aparente, a revolta ainda cresce mais.
Sem querer ofender ninguém, cada vez mais dou razão ao presidente Iraniano: Israel tem de desapaecer do mapa.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 06:46:01 pm
Citar
Sad, but necessary


I have no doubt that Israel was right to react to the kidnapping of two of its soldiers. For some time now, the Israelis have acted with great self-restraint in response to huge provocation from various groups allied to the Palestinian cause. In the end, something was bound to give, and the likes of Hezbollah knew that.

Israel has a new prime minister, a man with no military background. There are bound to be suspicions that this week's bombing of Lebanon was, at least in part, an attempt by Ehud Olmert to prove his hardline credentials to the Israeli military - and the wider population. He wouldn't be human if there were not an element of that in his mind, though it might well be buried deep in his subconscious.

But whatever the real reason, he was right to take action. Not least because, if he had not done so, it would have been interpreted by Israel's enemies as a sign of weakness and encouraged Hezbollah to take further hostages.

The key for the Israeli prime minister now is to determine what is a proportionate response and what is not.

Friends of mine, who know far more about Israel than I do, are convinced that the soldier kidnapped a few weeks ago is already dead. For all we know the same fate has befallen the latest two victims. If so, then the Middle East is about to enter a new phase of carnage and retribution at a time when the region already resembles a giant fusebox.

Memories of August 1914 keep coming to me. A world war started by a bizarre killing in Sarajevo. Could Hezbollah have started a massive new conflict by kidnapping two anonymous Israeli soldiers? It hardly bears thinking about.

I have no doubt that the White House will be urging the Israeli government to exercise restraint. Condi Rice will be telling them that they've made their point, and that further destruction and heavy military strikes would be counter-productive.

But her discussions with the Lebanese would be far more interesting. For the newly elected and very shaky Lebanese government is in a real quandary. It contains members of Hezbollah - one in its Cabinet - yet it does not control them. Indeed, you could argue that it is even less able to control Hezbollah than the Palestinian Authority is able to control the radicals and terrorists who operate within its jurisdiction. A further complication is that the Lebanese government is heavily influenced by the Syrians. And it is they who could prove key to this unfortunate situation. This is not a comforting thought for anyone.

My thoughts on this terrible situation are also influenced by a visit I made to Lebanon some 15 years ago, not long after the British hostages had been freed. Indeed, I was told during my visit to Beirut that I was the first Brit to have ventured there following John McCarthy's release, a bit of a coincidence as John McCarthy lived in the next village to me in Essex. Had I know this before my trip, I suspect I might well have chickened out of going.

The reason for my trip was equally bizarre. I was working as transport lobbyist at the time, specialising in various forms of transport privatisation. I got a call from the Foreign Office asking if I would be interested in speaking at a conference on the subject in the Middle East, as no one in the Department of Transport could go. Never having been to that part of the world before, I was naturally rather keen to go.

"Where is it being held?" I asked.

"Er, Beirut," came the response. I began to understand why Department of Transport diaries were strangely full. But my own curiosity and sense of adventure got the better of me and, a few weeks later, I was travelling to the Lebanese capital courtesy of a first-class ticket of Middle Eastern Airlines. "This is the life," I thought to myself.

I had been told by the Foreign Office that when I got off the plane I would be met by officials from the British Embassy, and that I wasn't to talk to or go off with anyone but them. When I started descending the rather rickety steps, all I could see were Lebanese army soldiers surrounding the plane toting AK47s. It was at that point I began to wonder if this had been such a good idea after all.

When I got to the bottom of the steps, a black Mercedes with darkened windows pulled up. A man wearing sunglasses got out, approached me and said: "Mr Dale? You come with me."

"No," I said. "I'm being collected by the British Embassy"
.
"Mr Dale, you come with me," he repeated in a manner that seemed rather determined. Being a complete coward, I got in the car and travelled a couple of hundred yards to a shed where he demanded my passport.

Eventually I gave up asking where the British embassy officials were and decided that doing what I was told was the best way forward. Once the passport formalities were completed, he told me he would take me to my hotel, which was about half an hour's drive away. I knew that the airport road was not exactly the safest part of Beirut, but I wasn't in much of a position to argue.

On the way to the hotel I had a running commentary of all the people who had been killed or kidnapped on this road. Just what I needed. The whole area seemed to resemble Dresden after a bombing raid. Rubble everywhere, people nowhere. As we approached Beirut itself, it was quite clear that this had once been a truly beautiful place.

The hotel was comfortable, if not luxurious. But, looking out of the reception window, it was impossible to ignore the armed guards who surrounded its perimeter.

At last I heard the sound of British voices. I turned round and saw four khaki-dressed soldiers approaching. They apologised for missing me at the airport and asked if I was ready.

"Ready for what?" I asked.

"You're guest of honour at a dinner at the British embassy in an hour," they informed me.

"Nice of someone to tell me," I thought.

I have to admit I am not the kind of person who is used to embassy dinners or cocktail parties. Indeed, I had never been to one before, and haven't been to another one since. But it's not the dinner that sticks in my mind from that memorable day. It is the 45-minute drive from the hotel to the embassy.

We were in a convoy of two armed Land Rovers, each with soldiers almost hanging out of the windows, carrying guns. We drove at breakneck speed through down Beirut, up into the hills.

I did wonder if it was such a good idea to have a Union Jack flying from the front of each Land Rover but didn't like to say anything.

We got to the embassy and negotiated the 200 yards long chicane of concrete blocks, which I think was supposed to protect the building from suicide bombers. I arrived to be greeted by the ambassador, and his wife, who had invited a selection of local businesspeople and journalists to meet me.

The next day I spoke at the Transport Privatisation conference, which was being shown live on TV throughout the Middle East and, therefore, informing every terrorist organisation in the region that a new Brit was in their midst. Thankfully I wasn't told that until I was about to leave. The speech went well and I then had the best part of a day to myself. I had been told I wasn't to set foot outside the hotel without ringing the embassy and getting their permission, and a guard.

They provided me with a driver for a visit I to the port area. I was shown round by the port manager, whose English was only slightly worse than my French. They were still trying to clear the harbour area of wreckage so the port could start to function again properly.

On the way back, I tried to ask my driver where I could buy some souvenirs. Feeling quite proud of making myself understood in French, I was horrified when I found him driving off the main road through some backstreets. He understood I needed to change some dollars but the first place we went t couldn't do it.

I then found myself walking down the main shopping street in Beirut behind this man, feeling rather conspicuous in my western suit. All eyes were on me; well at least I thought they were. I changed some money and bought a few vases, and then scarpered back to the hotel.

But the best part of the trip was yet to come. One of the organisers of the conference asked if I would like a tour of the countryside surrounding Beirut. I said I didn't think the embassy would allow me to, but I he managed to persuade me (the follies of youth), and I spent the next two hours in his company, being driven round the mountains and valleys that surround Beirut. He even took me to meet his family.

And that was a rather long-winded way of explaining why, although I understand and agree with what Israel has had to in the last few days, I weep for Beirut and for Lebanon. The country has spent fifteen years trying to recover form the ravages of the 1970s and 1980s. It has elected a democratic government and its fragile economy is slowly being rebuilt. Beirut has transformed itself from a pile of rubble into a city that can again attract tourists and investment. Western airlines continue to increase the frequency of their flights, a sure sign that recovery is underway.

But the bombing of the airport's three runways, the destruction of key roads and bridges, and the blockade of its ports, will have done immense harm to the country's recovery. The people I met were all very optimistic about their country's future, and desperate to play their part in its rebuilding. They wanted to break free from Syrian domination. Above all, they wanted democracy.

So the fact that all this has been placed in jeopardy, at a time when that recovery was at its strongest, is a very bitter pill to swallow, both for those in Lebanon and those of us outside who wish it well.

But the Lebanese have a choice to make now. Either they can allow their country to be taken over by another generation of militant zealots, or they can fight them. I hope they choose the latter course of action.

But the Israelis have a choice to make too. They can take George Bush's advice and exercise restraint, having understandably, and rightly, made their point in a very direct manner. Or they can squeeze the democratic life out of a country that doesn't deserve it, and unwittingly help the very militant forces they wish to destroy.



http://commentisfree.guardian.co.uk/iain_dale/2006/07/post_228.html
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 06:47:28 pm
Citar
Israelis cut the route to Iran


ISRAELI fighter jets have destroyed the main road linking Lebanon to Syria and pounded the Hezbollah heartland in the south of Beirut in a bid to stop militants smuggling two captured soldiers to Iran.

The Lebanese capital is now isolated, with Israeli planes and ships controlling the sky and waterways two days after the soldiers were seized by Hezbollah militants in a cross-border raid that has sparked the most serious violence in Lebanon since the height of its civil war.

Claiming he had "sealed his own fate", Israel yesterday threatened to assassinate Hezbollah secretary-general Hassan Nasrallah, who trumpeted the soldiers' kidnappings on Wednesday.

Israeli intelligence chiefs had earlier received information that Hezbollah may try to use the land border with Syria to smuggle their captives into the hands of arch-enemy Iran.

The Australian Government said last night there were 2800 Australian citizens registered in Beirut. The Australian-Lebanese community in the city is estimated at up to 25,000.

Australia has reopened its embassy in Beirut to provide passports and emergency assistance to its nationals, but could offer no guarantees land routes out of the country were safe.

"People are best served by staying indoors, and we're attempting to determine the extent to which land crossings from Lebanon into Syria are safe to use," a Foreign Affairs Department spokesman said.

Rockets continued to barrage Israel's northern towns and cities from Hezbollah positions in southern Lebanon, with two reaching the port city of Haifa, more than 30km from where they were launched.

Hezbollah, which launched 85 rockets on Thursday, claimed it had developed rockets that could reach all corners of Israel.

Iranian President Mahmoud Ahmadinejad yesterday warned Israel not to attack Syria in a bid to punish Hezbollah, claiming such a strike would lead to a "fierce response".
"If the Zionist regime commits another stupid move and attacks Syria, this will be considered likeattacking the whole Islamic world and this regime will receive a very fierce response," he said in a telephone conversation with Syrian President Bashar al-Assad that was later recounted by statemedia.

World leaders have urged restraint, fearing the conflict could spark a regional war. UN Secretary-General Kofi Annan said he was "profoundly worried" by developments and condemned attacks against civilians. As many as 61 Lebanese have been killed in three days of raids.

John Howard said he feared the siege of Beirut could topple the fragile Lebanese Government. "I don't think Lebanon is in a strong enough position," he said. "One of the worries in all of what is happening is that the present Lebanese Government, weak though it may be, could fall and be replaced by a government even more heavily under the influence of Syria."

A UN Security Council delegation is heading to the region in a bid to limit the crisis.

Israel last night bombed the main road to Beirut International Airport and, for the first time, a terminal. Israel dropped six bombs on the airport's three runways on Thursday. Bombs also fell on a power transformer in Beirut's south and bridges.

Jet fighters dropped leaflets over central Beirut warning Lebanese civilians that Hezbollah was leading them to ruin.



http://www.theaustralian.news.com.au/story/0,20867,19793793-601,00.html
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 06:49:15 pm
Citar
G-8 summit leaders split over Lebanon invasion


On the eve of the Group of Eight summit meeting, the United States and several of its allies split Thursday over the Israeli invasion of Lebanon.
 
President George W. Bush defended the incursion as a justified response to a terrorist act, while the European Union and Russia, the G-8 host, condemned it as "disproportionate."
 
That division will add a new fault line to an already thorny and complex set of international issues awaiting the eight leading countries when they meet this weekend in St. Petersburg, Russia.
 
The reaction separates the United States from two other members of the so-called Quartet - a group that includes the European Union, the United Nations and Russia - which has been pursuing an Israeli-Palestinian peace.
 
Bush, in a news conference in Stralsund, Germany, with Chancellor Angela Merkel, suggested that the Israeli attack had been provoked by "a group of terrorists who want to stop the advance of peace." He added that "Israel has the right to defend herself."
 
The president was referring to the Hezbollah militants who on Wednesday took two Israeli soldiers hostage. Israel reacted sharply, blockading Lebanese ports and launching air attacks on Beirut airport and two military airbases. But Bush also expressed concern about the impact of the latest hostilities.
 
"Whatever Israel does should not weaken the Siniora government in Lebanon," the president said. "We have been working very hard through the United Nations and with our partners to strengthen the democracy in Lebanon."
 
And because of its ties to Hezbollah, Bush said, "Syria needs to be held to account."
 
Chancellor Merkel, who hosted Bush at a barbecue Wednesday in her home jurisdiction of Stralsund, in part echoed his comments. She said, in remarks rendered by an interpreter, that it was important to remember "how this escalation started, through the kidnapping of the soldiers, through rockets - from the firing of missiles against Israeli territory."
 
"The parties to that conflict obviously have to use proportionate means, but I am not at all for sort of blurring the lines between the root causes and the consequences of an action," she said.
 
In contrast, a European Union statement criticized the Israeli response.
 
"The European Union is greatly concerned about the disproportionate use of force by Israel in Lebanon in response to attacks by Hezbollah on Israel," it said. "The presidency deplores the loss of civilian lives and the destruction of civilian infrastructure. The imposition of an air and sea blockade on Lebanon cannot be justified."
 
Separate statements from the British, French and Russian governments each referred to the use of "disproportionate" force by Israel.
 
"One cannot justify the continued destruction by Israel of the civilian infrastructure in Lebanon and in Palestinian territory, involving the disproportionate use of force in which the civilian population suffers," said a Russian statement. But it added: "All forms of terrorism are completely unacceptable. All sides involved in the current events should take rapid measures to stop the region sliding into open conflict."
 
In London, a spokesman for Prime Minister Tony Blair said that while Britain condemned the kidnappings and had called for restraint "on all sides," the government had also urged Israel to respond proportionately, Agence France-Presse reported.
 
Blair was to discuss the issue later Thursday with the EU security representative, Javier Solana.
 
France, working closely with the United States and the United Nations, helped press Syria last year to withdraw the thousands of troops it had kept for years in Lebanon's Bekaa Valley. Alluding to this, Foreign Minister Philippe Douste-Blazy of France used unusually strong language Thursday to condemn the Israeli response.
 
"We obviously condemn this disproportionate act of war, which moreover has two consequences," he said. "The first is that it forces anyone who wants to enter Lebanon from now on to go either by sea or via Syria. The second consequence is that it risks plunging Lebanon back into the worst years of the war."
 
Sami Khiyami, the Syrian ambassador to Britain, said that Damascus respected Hezbollah's "aspirations" but was asking it "to calm down, to come to terms," the BBC reported. "But the Israelis have on their side to stop the state terrorism on the one hand and to come to the negotiation table, whether direct or indirect, with these people in order to release the prisoners of both sides."
 
The Palestinian president, Mahmoud Abbas, said that the Israeli offensive was "raising our fears of a new regional war," The Associated Press reported. The Arab League secretary- general, Amr Mussa, warned of "big chaos" in the region and said, "Israel is behind all that is happening."



http://www.iht.com/articles/2006/07/13/news/react.php
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 06:58:28 pm
Citação de: "papatango"
Mas o que é que os libaneses têm a ver com a situação ?
Talvez o facto de andarem a decadas a dar abrigo ao Hezbollah? Sem duvida que isso se deve muito a influencias sirias, mas nao deixam de ser responsaveis pelos proprios actos... E considerando as relacoes "intimas" entre o Hezbollah e o Irao, nao me admiraria muito se o rapto dos dois soldados que deu origem a esta escalada nao passasse de uma manobra de diversao para desviar as atencoes do programa nuclear iraniano... mas talvez (espero!) isto nao passem de devaneios meus...  :mrgreen:

Citação de: "Marauder"
E se os israelitas não retirassem das Quintas de Sheeba, não evitaria problemas com o Hezbollah?
A retirada de gaza resolveu alguma coisa?

Citação de: "14_NS_88"
Os judeus resolveram ocupar o territorio onde agora é Israel, sem terem direito a ele, é perfeitamente normal que os Palestinianos (os donos daquele territorio por direito) se revoltem e que o restante mundo arabe os apoie.
Quem lhes deu a legitimidade para o fazerem foi precisamente o teu "tio" adolfo..

Citação de: "14_NS_88"
Sem querer ofender ninguém, cada vez mais dou razão ao presidente Iraniano: Israel tem de desapaecer do mapa.
Vindo de um nazi assumido, nao seria de esperar outra coisa...
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 07:07:57 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
E se os israelitas não retirassem das Quintas de Sheeba, não evitaria problemas com o Hezbollah?
A retirada de gaza resolveu alguma coisa?


Então...Israel está a pedir 3 condições para o fim das operações militares....se somente 2 condições forem cumpridas...resolverá a situação? (percebes a analogia?)

Logo, secalhar se tivessem cumprido todas as ideias pelo que o Hezbollah luta, secalhar este deixaria de lutar....tal como de certeza que Israel está à espera que sejam cumpridas essas 3 exigências (embora a 3ª do desarmamento do Hezbollah seja "puxada")..


Vai lá então dizer aos libaneses isso....decerteza que eles vão compreender a causa israelita....tal como poderias ir falar em 2000 com os iraquianos que a culpa do Saddam estar no poder era dele. Embora o caso libanês seja um pouco diferente...visto que..o poder não se encontra no governo libanês..mas pronto..a culpa é dos libaneses...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 14, 2006, 07:44:41 pm
Parece que um dos navios Israelitas foi atingido por um missíl.
http://www.cnn.com/ (http://www.cnn.com/)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 07:51:48 pm
Citação de: "Marauder"
Logo, secalhar se tivessem cumprido todas as ideias pelo que o Hezbollah luta, secalhar este deixaria de lutar....
Recomendas a cedencia perante as "exigencias" de terroristas? Isso nao tornaria o terrorismo uma forma legitima de atingir objectivos politicos? Nao me parece la muito boa ideia...

Quanto aos iraquianos serem responsaveis por terem mantido o Saddam no poder, eles se calhar podiam ter aprendido alguma coisa com um tal de "25 de Abril" ou outros do genero... As ditaduras so persistem enquanto o povo o permitir...
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 08:00:47 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
Logo, secalhar se tivessem cumprido todas as ideias pelo que o Hezbollah luta, secalhar este deixaria de lutar....
Recomendas a cedencia perante as "exigencias" de terroristas? Isso nao tornaria o terrorismo uma forma legitima de atingir objectivos politicos? Nao me parece la muito boa ideia...

A mim não me parece boa ideia que Israel ocupe território libanês...logo é natural que sejam atacados...relembra-te para o quê é que o Hizbollah foi criado...

Citação de: "Azraael"
Quanto aos iraquianos serem responsaveis por terem mantido o Saddam no poder, eles se calhar podiam ter aprendido alguma coisa com um tal de "25 de Abril" ou outros do genero... As ditaduras so persistem enquanto o povo o permitir...


É verdade...já ouviste falar da guerra civil libanesa?...vai lá consultar isso no wikipédia..

E já agora...lá porque alguns países conseguem "dar a volta" de uma forma pacífica, isso não faz de isso regra geral...mas pronto...se fosses libanês saberias isso...como não és...escreves "25 de abril" como se a malta não soubesse o que isso é..
Título:
Enviado por: aero em Julho 14, 2006, 08:01:36 pm
O Bravo Two Zero postou aqui este link e aconselho a leitura pq isto explica que os Libaneses são de muitas origens. A mudança de poder em israel deu nisto. Nem todos os Libaneses estão do lado do Hezbollah.


http://en.wikipedia.org/wiki/National_P ... Lebanon%29 (http://en.wikipedia.org/wiki/National_Pact_%28Lebanon%29)
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 08:07:55 pm
Citação de: "aero"
O Bravo Two Zero postou aqui este link e aconselho a leitura pq isto explica que os Libaneses são de muitas origens. A mudança de poder em israel deu nisto. Nem todos os Libaneses estão do lado do Hezbollah.


Exacto...daí a guerra cívil libanesa...porque houve um grupo cristão que se fartou das actividades da OLP no Líbano e tentou acabar com isso, o que não foi bem o que os outros grupos pró-palestinianos tinham em mente...

Resultado...100mil mortos....aparentemente os cravos não chegaram lá..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 08:09:04 pm
Citação de: "Marauder"
A mim não me parece boa ideia que Israel ocupe território libanês...logo é natural que sejam atacados...relembra-te para o quê é que o Hizbollah foi criado...
Nem eu estou a defender que ocupe territorio libanes... apenas que destrua o mais possivel o Hezbollah e todos os que o apoiam (com o minimo de danos colaterais possivel, como e' obvio).

Citação de: "Marauder"
E já agora...lá porque alguns países conseguem "dar a volta" de uma forma pacífica, isso não faz de isso regra geral...mas pronto...se fosses libanês saberias isso...como não és...escreves "25 de abril" como se a malta não soubesse o que isso é..
Dei o 25 de abril como exemplo de revolucao que derrubou uma ditadura... nao querendo com isso dizer que todas as revolucoes tem (ou podem sequer) ser pacificas. Poderia ter dado muitos outros exemplos, mas o 25 de abril pareceu-me ser aquele que estaria mais vivo na memoria colectivo do forum.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 08:21:24 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
A mim não me parece boa ideia que Israel ocupe território libanês...logo é natural que sejam atacados...relembra-te para o quê é que o Hizbollah foi criado...
Nem eu estou a defender que ocupe territorio libanes... apenas que destrua o mais possivel o Hezbollah e todos os que o apoiam (com o minimo de danos colaterais possivel, como e' obvio).


A meu ver a questão ultrapassa completamente isso....os EUA também foram atrás da Al-qaeda...e conseguiram derrubar os talibans e tudo...qual foi o resultado prático disso? e da morte do Al-Zarqawi?

A questão é...embora os grupos terroristas usem métodos...terroristas...os motivos que levam à sua criação, na maioria dos casos ainda fazem sentido.......o Hezbollah foi para a retirada israelita do Líbano...que estes fizeram em 2000 (pelo qual o grupo lutou 18 anos)....mas não completamente...afinal..as Quintas de Sheeba também são libanesas, mas os israelitas decidiram as manter já não me lembro porqué  <---- razão pelo que o Hezbollah continuou a luta..

  Eu continuo a defender que a única maneira é pelo diálogo..pelas armas até se pode pensar que se tem uma vitória total no terreno (porque os israelitas já tiveram bastantes sucessos militares)...mas no medio/longo prazo não significam nada..

  Mas pronto...são ideias diferentes...estranhamente o conflicto da ETA e do IRA parece que se vai resolver pelo diálogo...e que agora a moda das "independências" é pelos referenduns e não pela luta..

 É uma polarização interessante.....ArmasVsDiálogo... infelizmente o diálogo não tem resultado muito...mas as armas também não..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 08:30:46 pm
Citação de: "Marauder"
A questão é...embora os grupos terroristas usem métodos...terroristas...os motivos que levam à sua criação, na maioria dos casos ainda fazem sentido.......
Nem eu nunca disse o contrario... apenas defendo que a partir do momento em que recorram ao terrorismo perdem toda e qualquer razao que pudessem eventualmente ter.

Citação de: "Marauder"
Eu continuo a defender que a única maneira é pelo diálogo..
Sem duvida.. mas como e' que se dialoga com alguem que nao se preocupa com quanto s inocentes mata desde que consiga o que quer?

Citação de: "Marauder"
pelas armas até se pode pensar que se tem uma vitória total no terreno (porque os israelitas já tiveram bastantes sucessos militares)...mas no medio/longo prazo não significam nada..
Tambem e' verdade... mas a meu ver, o que me parece que israel ta a fazer e' mostrar que qualquer accao violenta contra israel sofrera uma retaliacao com "overwhelming force" (como diria o Collin Powell), deixando o dialogo como unica opcao viavel, eliminando todo e qualquer apoio que os terroristas possam ter. Tambem ha a questao que, israel, faca o que fizer, sera sempre criticada, pelo que me parece que entrou na fase do "perdido por cem..."
Título:
Enviado por: aero em Julho 14, 2006, 08:38:49 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
A mim não me parece boa ideia que Israel ocupe território libanês...logo é natural que sejam atacados...relembra-te para o quê é que o Hizbollah foi criado...
Nem eu estou a defender que ocupe territorio libanes... apenas que destrua o mais possivel o Hezbollah e todos os que o apoiam (com o minimo de danos colaterais possivel, como e' obvio).



Pois mas é caso para perguntar o porquê de bombardear o aeroporto??? Até parece que o Libano têm Força Aerea  :?: Israel está a cometer um erro muito grande e os Estados Unidos sabem disso pq se isto continuar assim o governo libanês vai perder apoio da população e o helbollah vai ganhar força e o trabalho que a Rice andou a fazer vai para o tecto.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 08:39:02 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
pelas armas até se pode pensar que se tem uma vitória total no terreno (porque os israelitas já tiveram bastantes sucessos militares)...mas no medio/longo prazo não significam nada..
Tambem e' verdade... mas a meu ver, o que me parece que israel ta a fazer e' mostrar que qualquer accao violenta contra israel sofrera uma retaliacao com "overwhelming force" (como diria o Collin Powell), deixando o dialogo como unica opcao viavel, eliminando todo e qualquer apoio que os terroristas possam ter. Tambem ha a questao que, israel, faca o que fizer, sera sempre criticada, pelo que me parece que entrou na fase do "perdido por cem..."


Ambos os lados tem as mãos manchadas de sangue inocente..uns mais que os outros mas pronto.

O mal desse género de pensamento..."overwhelming force"...parte do principio que o outro lado ficará desmoralizado e mais cedo ou mais tarde cessará seus ataques..

No entanto, como o Collin Powell se lembra muito bem...quem ganhou a guerra do vietname foi...os vietnamitas do norte...apesar das inumeras baixas......tal como....israel até os pode matar (terroristas) aos milhares...mas eles vão continuar a vir...existe uma fonte insaciável de futuros mártires pela Palestina.

Aliás..o meu receio é que..num futuro longínquo..quando israel estiver em paz com todos os seus vizinhos e todos felizes...haja "al-qaedas" que se lembrem de simplesmente "riscar os zionistas do mapa".

Hum...e agora que me lembro...eles não usam essa estratégia nas ultimas décadas? Pelo menos nos conflictos recentes sempre deixaram os exércitos árabes KO...e mesmo assim os ataques continuaram..
Título:
Enviado por: aero em Julho 14, 2006, 08:42:51 pm
"Ambos os lados tem as mãos manchadas de sangue inocente..uns mais que os outros mas pronto" infelizmente assim é... :?
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 14, 2006, 09:02:10 pm
Citação de: "aero"
Pois mas é caso para perguntar o porquê de bombardear o aeroporto??? Até parece que o Libano têm Força Aerea  :?: Israel está a cometer um erro muito grande e os Estados Unidos sabem disso pq se isto continuar assim o governo libanês vai perder apoio da população e o helbollah vai ganhar força e o trabalho que a Rice andou a fazer vai para o tecto.


Pelo que dá no telejornal, o bombardeamento das pistas do aeroporto (não é a mesma coisa que bombardeamento do aeroporto), o bloqueio naval e o bombardeamento da principal estrada que liga Beirute a Damasco é para imobilizar os terroristas do Hezbollah e impedi-los de enviar os soldados israelitas raptados para fora do Libano...

O Libano tem Força Aérea... ou tinha...
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 14, 2006, 09:17:31 pm
Citação de: "Marauder"
O mal desse género de pensamento..."overwhelming force"...parte do principio que o outro lado ficará desmoralizado e mais cedo ou mais tarde cessará seus ataques..
Sim... ou pelo menos que pensaram duas vezes antes de os fazerem.

Citação de: "Marauder"
No entanto, como o Collin Powell se lembra muito bem...quem ganhou a guerra do vietname foi...os vietnamitas do norte...apesar das inumeras baixas......
A derrota americana talvez tenha sido mais politica do que militar... os protestos em casa e a consequente desmoralizacao das tropas e perda de popularidade presidencial levaram a retirada. Os norte vietnamitas tinham a vantagem de conhecerem bem o terreno, de serem mais teimosos, e de nao se preocuparem mt com o numero de soldados seus que vinham para casa dentro de sacos de plastico (coisa a que os americanos nunca acharam mt piada)...

Citação de: "Marauder"
Hum...e agora que me lembro...eles não usam essa estratégia nas ultimas décadas? Pelo menos nos conflictos recentes sempre deixaram os exércitos árabes KO...e mesmo assim os ataques continuaram..
Sim.. e foram parcialmente bem sucedidos... os exercitos que sairam KO dos conflitos, no minimo, demoraram alguns anos a recuperar a "consciencia" e entretanto deixaram israel em "paz"... O mal das "al-quaidas", "hezbollas" e afins, e' que ha sempre mais mentecaptos a voluntariarem-se para cometerem "suicide by IDF" :D
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 14, 2006, 09:37:09 pm
Citação de: "Azraeel"
Citação de: "Marauder"
No entanto, como o Collin Powell se lembra muito bem...quem ganhou a guerra do vietname foi...os vietnamitas do norte...apesar das inumeras baixas......
A derrota americana talvez tenha sido mais politica do que militar... os protestos em casa e a consequente desmoralizacao das tropas e perda de popularidade presidencial levaram a retirada. Os norte vietnamitas tinham a vantagem de conhecerem bem o terreno, de serem mais teimosos, e de nao se preocuparem mt com o numero de soldados seus que vinham para casa dentro de sacos de plastico (coisa a que os americanos nunca acharam mt piada)...


Exacto..o lado mais motivado ganhou...(andar a receber sacos de plástico durante anos dá nisso)...palavras do general vietnamita que derrotou os franceses e os americanos....lutar pela independencia da pátria é um estimulo muito potente que os portugueses também conhecem.

O mal é que neste caso...provavelmente ambos os lados não têm nada a perder...portanto não se vão importar com sacos de plástico..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 15, 2006, 11:59:27 am
Air strike kills Lebanese villagers
Citar
Saturday 15 July 2006, 13:27 Makka Time, 10:27 GMT    

Lebanese villagers, including women and children, were killed on Saturday in an Israeli air strike on vehicles fleeing a village in southern Lebanon, a witness said.

The convoy was leaving the border village of Marwahin when it was attacked.

An Associated Press photographer said he counted 12 bodies in two cars that were destroyed by the attack shortly after midday (0900GMT).

The Israeli strike targeted two cars and a pickup carrying elderly men, women and children, Aljazeera's correspondent said. Aljazeera was unable to immediately confirm the casualty figures.

Hours earlier, Israeli forces across the border told villagers by loudspeaker to leave the area or else the village would be destroyed. They did not give a reason for the ultimatum.

"Israeli forces threatened us on Saturday at 8 am to destroy our town if we do not evacuate it," Akram Ghannam, a resident of Marwahin, told Aljazeera on Saturday.  

Residents seeking refuge were turned away from a UN peacekeepers position, he said.

"People, including women and children, have gathered in the streets. They do not know where to go," Ghannam said.  

The convoy was hit near the border fence about 1 kilometer (0.62 miles) from the village.

There was no immediate confirmation from UN peacekeepers, who have a force in southern Lebanon.

Ghannam said there were no Hezbollah forces in Marwahin.


Sem comentários :cry:
Título:
Enviado por: Yosy em Julho 15, 2006, 12:50:49 pm
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Yosy"
Citação de: "Hélder"
Acho que é mais assim...

Libaneses »»»:Esmagar:««« Merkavas Israelitas

 :!:  :?: Israel está a cometer um erro muito grande e os Estados Unidos sabem disso pq se isto continuar assim o governo libanês vai perder apoio da população e o helbollah vai ganhar força e o trabalho que a Rice andou a fazer vai para o tecto.

Pelo que dá no telejornal, o bombardeamento das pistas do aeroporto (não é a mesma coisa que bombardeamento do aeroporto), o bloqueio naval e o bombardeamento da principal estrada que liga Beirute a Damasco é para imobilizar os terroristas do Hezbollah e impedi-los de enviar os soldados israelitas raptados para fora do Libano...

O Libano tem Força Aérea... ou tinha...


Se Israel quiser, o Líbano será riscado do mapa. O actual Ministro da Defesa israelita (trabalhista) está até a ser criticado por ser demasiado cauteloso.
Título:
Enviado por: AugustoBizarro em Julho 15, 2006, 07:34:06 pm
Algumas ideias chave:


1. Os Estados Unidos ,(a Administração Bush), não podem iniciar outra guerra na região por motivos de política interna.

2.Se Israel entrar em Guerra com a Síria ou o Irão, os Estados Unidos serão forçados a intervir, portanto Bush não terá tanta dificuldade em convencer as massas da necessidade de proteger o aliado.

3. Rafik Hariri é assassinado. Ninguém sabe quem foi.  A Síria é acusada, e devido a isso, forçada sob enorme pressão internacional  a retirar as tropas do Líbano.

4. O Líbano é atacado.



Sou da opinião que foi a Mossad que assassinou Rafik Hariri, o único prejudicado pelo incidente (além do Líbano), foi a Síria. E o principal beneficiário, Israel. Não podia ser mais conveniente. Os eventos que assistimos agora apenas comprovam isso.

Poderia Israel atacar o Líbano, se Rafik Hariri ainda fosse vivo? e as tropas Sírias estivessem ainda em solo Libanês?

Coincidência ou não?

Nesta altura, o futuro é completamente imprevisível, tal como a Invasão do Iraque era díficil de prever em 1998 ou 2000.

Suspeito que a Síria vai ter problemas e não falta muito. Afinal de contas os Estados Unidos têm as tropas mesmo ao lado.
Tenho sérias dúvidas que o Irão cumpra a promessa que fez de se envolver no confilto caso a Síria seja atacada.

No pior cenário, vai ser um sarilho na região. Nas Bolsas já se começa a sentir algum receio. E o crude está a ficar perto dos 80 USD/ barril.

Contudo, em defesa de uma tese menos conspirativa, também é verdade que o rapto dos soldados Israelitas não foi propriamente planeado por Israel. Mas quem sabe, talvez um pretexto. Mas é dificil perceber porquê agora, principalmente na questão do Líbano.

De facto nos dias que correm ,para se ser empresário em qualquer país daquela região, é preciso gostar de emoções fortes.
Suspeito que o PIB do Líbano nos próximos anos vai ter umas fortes quedas.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 15, 2006, 08:04:29 pm
Citação de: "AugustoBizarro"
2.Se Israel entrar em Guerra com a Síria ou o Irão, os Estados Unidos serão forçados a intervir, portanto Bush não terá tanta dificuldade em convencer as massas da necessidade de proteger o aliado.


Muito improvável, o presidente é ceginho...mas não tanto. Por algum motivo nunca tal associação foi feita na história, por algum motivo os EUA pediram a Israel para se abster da 2ª Guerra do Golfo.

Algo desse género simplesmente meteria em causa TODAS as relações que os EUA tem com países muçulmanos. Para além de estes poderem repetir a gracinha de 73/75...afinal..o petróleo sempre pode ser arma política.

 De resto, realmente a sua ideia do assassínio de Hariri pela Mossad até tem a sua lógica. Pelo menos dá que pensar..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 15, 2006, 08:05:13 pm
E se todo o Islão se levantar contra Israel?
Serão os Americanos e Europeus capazes de travar tal conflito?
Título:
Enviado por: 14_NS_88 em Julho 15, 2006, 08:25:15 pm
Citação de: "Azraael"
Quem lhes deu a legitimidade para o fazerem foi precisamente o teu "tio" adolfo..

Eles não têm essa legitimidade.


Citação de: "AugustoBizarro"
Suspeito que a Síria vai ter problemas e não falta muito. Afinal de contas os Estados Unidos têm as tropas mesmo ao lado.

Sim, mas duvido que os EUA tenham condições para atacar a Siria. Depois do Afeganistão e do Iraque, os EUA perderam a pouca credibilidade que já tinham quando não conseguiram encontrar um motivo convicente para os ataques. E também não nos podemos esquecer que a economia Americana já viu melhores dias e que iniciar outra guerra não iria ajudar nada.


Citação de: "AugustoBizarro"
Contudo, em defesa de uma tese menos conspirativa, também é verdade que o rapto dos soldados Israelitas não foi propriamente planeado por Israel. Mas quem sabe, talvez um pretexto. Mas é dificil perceber porquê agora, principalmente na questão do Líbano.

Acho que bombardear uma região inteira, destruir estradas, aeroportos, centrais electrias, ect. não é a melhor maneira de resgatar soldados capturados. Aliás, é uma boa maneira de os matar porque os Libaneses que os capturaram (e isto se foram mesmo os Libaneses) tevem ter ficado um bocado chateados quando viram o que estava a acontecer.

Citação de: "ricardonunes"
E se todo o Islão se levantar contra Israel?
Serão os Americanos e Europeus capazes de travar tal conflito?


Não sei, mas não vejo que interesse é que os Europeus têm em defender Israel. Até temos muito mais a ganhar se formos amigos dos muçulmanos.
Título:
Enviado por: AugustoBizarro em Julho 15, 2006, 08:32:16 pm
Ricardo Nunes escreveu:
Citar
E se todo o Islão se levantar contra Israel?
Serão os Americanos e Europeus capazes de travar tal conflito?


Tal não acontecerá:

1. Egipto, o país mais forte da região é aliado dos EUA, basta ver a quantidade de M1 Abrams que têm. E tem boas relações com Israel. No máximo adoptariam uma posição neutra, nem que seja por interesse nacional.

Que interesse teria o Egipto, por muita simpatia que tenha com o Líbano, em ver o seu país ostracizado internacionalmente, e algumas infraestruturas bastante caras, destruídas?  
ver:
http://en.wikipedia.org/wiki/Aswan_Dam (http://en.wikipedia.org/wiki/Aswan_Dam)

E numa perspectiva bem mais egoísta, o que teria o Egipto a ganhar com isso?


2. Arábia Saudita,   um País intimamente ligado aos EUA, cuja economia práticamente depende dos EUA, nunca mas em situação alguma tomaria qualquer posição significativa contra Israel.


3. Jordânia,  também nunca tomará qualquer posição além de discursos apelando á calma, ou quem sabe uma censura aqui e ali.


Portanto, que este.. "todo o Islão",  não é assim muito "todo", já desde o tempo do Califa.

Líbia, Tunísia, Algéria, Marrocos , Iémen, Omã e outros que tal, é para esquecer.

Sobra somente a Síria e o Irão.

Mas vejamos, porque raio haveria a Síria de se envolver? Desde a Invasão do Iraque que os americanos andam á procura de um pretexto para invadir a Síria e mudar o regime. Se os Sírios fizerem a mínima coisa, vai ser a sorte grande para os Americanos e Israelitas.

Quanto ao Irão, então ainda á pouco tempo se anda a discutir a questão das armas nucleares,  se o Irão tomasse alguma atitude agressiva, era a desculpa perfeita para atacar o Irão , mesmo que fosse somente uns ataques a infraestruturas. (uma campanha Aérea portanto).
E isso seria bem mais fácil de explicar ao povo americano, visto que em campanhas aéreas morre um piloto aqui outro ali, pouco ou nada tem a ver com uma invasão terrestre onde as baixas põem o povo americano em estado de histeria nacional.

Eu penso que os Iranianos são demasiado inteligentes para cair nesta armadilha. Afinal de contas têm-se dado a tantos trabalhos para explicar ao mundo que não são uma ameaça para ninguém.
Se tentassem ser o Paladino do Líbano, ou da Palestina ,duma forma directa, nessa altura, até nem me admiraria que a maior parte da Europa apoiasse os EUA.

Em suma o Líbano está em apuros, ninguém sairá em sua defesa.

A única questão é se Israel escala o conflicto, e começa a bombardear a Síria, nomeadamente Damasco. Aí a Síria também pouco poderá fazer.
E o Irão engole as palavras.


De facto, a situação no médio Oriente é básicamente esta, Israel pode fazer o que lhe apetecer, e os únicos que podem travar Israel são os Americanos.

Mas a questão é que muito provávelmente os Israelitas pediram autorização aos Americanos antes de tudo isto ter começado.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 15, 2006, 08:43:20 pm
Caro AugustoBizarro, o apoio dos paises islamicos não seria por forças convencionais...

          Mas imagine mais no futuro próximo, os recursos que a Al-qaeda está a usar no Iraque e Afeganistão começarem a ser desviados para os países fronteiriços a Israel...com ajuda financeira e militar de alguns países que não querem dar o nome...

          É a ver os sudaneses, tunisinos etc....."olha..já não vou de ferias para o Iraque..vou para Jerusalem"

         Em guerras convencionais a tecnologia sobrepoem-se....em não convencionais...é tipo uma história interminável..até podes matar milhares...mas isso só vai encher o paraíso e esgotar as virgens...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 15, 2006, 09:02:15 pm
Britain sends warships to Middle East
Citar
Saturday 15 July 2006, 22:09 Makka Time, 19:09 GMT    

Britain will not say if the ships will be used to evacuate Britons

Britain will be sending two ships to the Middle East as part of contingency plans to protect its interests as Israel's land, sea and air offensive against Lebanon continues, officials said Saturday.

A ministry of defence spokeswoman said the aircraft carrier Illustrious and the warship Bulwark would shortly be sent to the Middle East, but she would not comment on news reports that they would be used to evacuate Britons from the area.

"As you would expect we are monitoring the situation closely and are engaging in prudent contingency planning," said the spokeswoman, speaking on condition of anonymity in line with government policy.

"As part of this HMS Illustrious and HMS Bulwark will shortly head toward the region. They have been given no specific tasking."
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 15, 2006, 09:52:08 pm
Citação de: "14_NS_88"
Citação de: "Azraael"
Quem lhes deu a legitimidade para o fazerem foi precisamente o teu "tio" adolfo..
Eles não têm essa legitimidade.
Lamento, mas a realidade demonstra o quanto estas enganado... e a declaracao das Nacoes Unidas em 1948 da-lhes a legitimidade do apoio da esmagadora maioria da comunidade internacional.

Citação de: "14_NS_88"
Não sei, mas não vejo que interesse é que os Europeus têm em defender Israel.
Quanto mais nao seja, serve para entreter os fundamentalistas islamicos...

Citação de: "14_NS_88"
Até temos muito mais a ganhar se formos amigos dos muçulmanos.
Nao estou a ver o q... (supondo que por muculmanos te refiras aos fundamentalistas, ja que com os restantes nao tenho qq tipo de problema).

Citação de: "AugustoBizarro"
A única questão é se Israel escala o conflicto, e começa a bombardear a Síria, nomeadamente Damasco. Aí a Síria também pouco poderá fazer.
E o Irão engole as palavras.
Tambem concordo que o conflito, a escalar, sera para o Irao e a Siria, que, militarmente, nao tem possibilidades de fazer frente a uma Israel motivada e equipada com o que de melhor se produz a nivel mundial. O problema seria se, como referiu o Marauder, a cena terrorista internacional se trocasse Bagdad por Jerusalem... mas julgo que isso so serviria para justificar um apoio ainda maior por parte dos EUA (e provavelmente muitos outros) dentro do contexto da "luta contra o terrorismo" e de "ajudar os irmaos israelitas"...

Citação de: "ricardonunes"
Britain sends warships to Middle East
O destino mais provavel seria o de apoiarem uma retirada dos subditos de sua magestade... pelo menos numa primeira fase.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 15, 2006, 10:28:32 pm
Arab League head: Mideast peace process 'dead'
Saturday, July 15, 2006; Posted: 3:01 p.m. EDT (19:01 GMT)
Citar
CAIRO, Egypt (CNN) -- The Middle East peace process is "dead," Arab League Secretary-General Amr Moussa said on Saturday.

"Certain powers have given Israel every capacity to do whatever it wishes," and that had hit hopes for peace, he told a news conference after a heated meeting of Arab League foreign ministers in Cairo, Egypt.

Only the United Nations Security Council had the power to do anything about the crisis now, he said.

"The council of ministers invites the Security Council to meet to study the Arab-Israeli conflict in all its aspects because of the failure of all efforts related to the peace process," Reuters quoted Moussa as saying.

Foreign ministers from 18 Arab League nations held the emergency, closed-door meeting to address Israel's attacks on Lebanon and on the Palestinian territory of Gaza.

Israel's campaign in Lebanon began when Hezbollah militants based there abducted two Israeli soldiers and killed three others during a raid into Israel Wednesday. Israel vowed to free the soldiers.

Gaza is Israel's second front in its operation to rout what it sees as terror groups. On Saturday, its forces pushed deeper into Gaza in retaliation for Hamas' kidnapping of an Israeli soldier last month.

On the Lebanese front, Israeli warplanes struck key ports, the capital Beirut and the border area near Syria to cut off all routes in and out of the nation. Hezbollah launched scores of rockets from Lebanon into Israel on Saturday, the fourth day of violence.

Lebanese Prime Minister Fouad Siniora on Saturday declared the attacks had had turned his country into a "disaster zone".

Siniora calling for an immediate cease-fire and international help to stop attacks from what he called Israel's "war machine," according to CNN's translation.

He said Israel was "punishing all Lebanese collectively, with their actions lacking any moral or legal legitimacy."

U.S. President George W. Bush, speaking from St. Petersburg, Russia, as he met with Russian President Vladimir Putin, blamed Hezbollah for the violence and called on Syria to exert its influence to persuade the Shiite group to stop attacks on Israel.
Título:
Enviado por: komet em Julho 15, 2006, 10:55:17 pm
Lol... Israel é o filho mimado da grande mãe negligente que são os EUA, e a Europa não passa de um pai despreocupado que assiste a tudo passivamente.

Isto soa-me tudo a tretas, para mim a ideia deles é destabilizar o médio-oriente ao máximo para criar desculpas para a invasão e tomada de posse da produção petrolifera mais cedo ou mais tarde. Até tem um conveniente, que é esta tensão toda, ao aumentar o preço do petróleo, causa na população ocidental, a vontade de "sermos nós" quem controla o petróleo e não um "sand-nigger" qualquer do outro lado do mundo. Israel faz e sempre fez o que quiz, apesar de nunca ter feito nada pela paz, muito pelo contrário, ninguém se atreve a condená-los, tirando poucos gatos pingados (Irão?)... muito se fala mal dos terroristas, mas sinceramente já não sei quem é pior, a judaria (q só por acaso controla a economia americana) ou os muçulmanos que querem a sua terra de volta.

Venha o diabo e escolha... só espero que Portugal se mantenha sempre no lado certo (seja ele qual for...)

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 15, 2006, 10:59:15 pm
Citação de: "komet"
Lol... Israel é o filho mimado da grande mãe negligente que são os EUA, e a Europa não passa de um pai despreocupado que assiste a tudo passivamente.

Isto soa-me tudo a tretas, para mim a ideia deles é destabilizar o médio-oriente ao máximo para criar desculpas para a invasão e tomada de posse da produção petrolifera mais cedo ou mais tarde. Até tem um conveniente, que é esta tensão toda, ao aumentar o preço do petróleo, causa na população ocidental, a vontade de "sermos nós" quem controla o petróleo e não um "sand-nigger" qualquer do outro lado do mundo. Israel faz e sempre fez o que quiz, apesar de nunca ter feito nada pela paz, muito pelo contrário, ninguém se atreve a condená-los, tirando poucos gatos pingados (Irão?)... muito se fala mal dos terroristas, mas sinceramente já não sei quem é pior, a judaria (q só por acaso controla a economia americana) ou os muçulmanos que querem a sua terra de volta.

Venha o diabo e escolha... só espero que Portugal se mantenha sempre no lado certo (seja ele qual for...)

Cumprimentos.
:Palmas: Grande post komet
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 15, 2006, 11:06:40 pm
Acho que não existem lados certos neste mundo, o que existe é o lado que ganha e o lado que perde, normalmente o lado que ganha é o lado mais forte e nesse campo é a lei da selva que impera, ou  acha que os Romanos ou os Mongois quando andavam aí a vencer tudo e todos também estavam do lado "certo"???
Título:
Enviado por: komet em Julho 15, 2006, 11:11:18 pm
Está a dar-me razão  :wink:

Cumps.
Título:
Enviado por: pedro em Julho 15, 2006, 11:39:21 pm
Lol... Israel é o filho mimado da grande mãe negligente que são os EUA, e a Europa não passa de um pai despreocupado que assiste a tudo passivamente.

Isto soa-me tudo a tretas, para mim a ideia deles é destabilizar o médio-oriente ao máximo para criar desculpas para a invasão e tomada de posse da produção petrolifera mais cedo ou mais tarde. Até tem um conveniente, que é esta tensão toda, ao aumentar o preço do petróleo, causa na população ocidental, a vontade de "sermos nós" quem controla o petróleo e não um "sand-nigger" qualquer do outro lado do mundo. Israel faz e sempre fez o que quiz, apesar de nunca ter feito nada pela paz, muito pelo contrário, ninguém se atreve a condená-los, tirando poucos gatos pingados (Irão?)... muito se fala mal dos terroristas, mas sinceramente já não sei quem é pior, a judaria (q só por acaso controla a economia americana) ou os muçulmanos que querem a sua terra de volta.

Venha o diabo e escolha... só espero que Portugal se mantenha sempre no lado certo (seja ele qual for...)
GRANDE post Komet temos os dois as mesmas ideias. :wink:
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 12:14:29 am
Citação de: "Azraael"
Citação de: "14_NS_88"
Citação de: "Azraael"
Quem lhes deu a legitimidade para o fazerem foi precisamente o teu "tio" adolfo..
Eles não têm essa legitimidade.
Lamento, mas a realidade demonstra o quanto estas enganado... e a declaracao das Nacoes Unidas em 1948 da-lhes a legitimidade do apoio da esmagadora maioria da comunidade internacional.


Logo não foi o "tio" adolfo..mas a comunidade internacional :twisted: O "tio" adolfo queria os mandar para Madagascar..

Na realidade poderia-se dizer que foi o RU que deu a legitimidade aos judeus para criarem Israel com a declaração Balfour de 1917..mas essa teve muita tramoia política por trás..

 Helder, os impérios pensam sempre que são o lado certo e que estão a fazer algo de util pela humanidade ao espanhar sua cultura etc. Tal como o Bush hoje no G8 a dizer que gostaria de promover algumas mudanças institucionais no mundo...

     Israel é free-lancer que quando faz porcaria, toda a gente se queixa ao pai EUA...que decerto tem alguma influencia sobre Israel..
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 16, 2006, 12:17:51 am
Os 3 milhões de vietnamitas mortos durante a guerra do Vietname são um bom exemplo da "cultura" que os EUA gostam de espalhar pelo mundo...
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 16, 2006, 12:18:25 am
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Azraael"
Citação de: "14_NS_88"
Citação de: "Azraael"
Quem lhes deu a legitimidade para o fazerem foi precisamente o teu "tio" adolfo..
Eles não têm essa legitimidade.
Lamento, mas a realidade demonstra o quanto estas enganado... e a declaracao das Nacoes Unidas em 1948 da-lhes a legitimidade do apoio da esmagadora maioria da comunidade internacional.
Logo não foi o "tio" adolfo..mas a comunidade internacional :twisted:
Se nao fosse o tio adolfo (e Aushwitz, Treblinka, etc..) a ONU nunca teria adopado essa declaracao.. :P
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 16, 2006, 12:21:22 am
Citação de: "Hélder"
Os 3 milhões de vietnamitas mortos durante a guerra do Vietname são um bom exemplo da "cultura" que os EUA gostam de espalhar pelo mundo...
O facto do vietnam estar em guerra civil na altura nao teve nada a ver com o assunto... Os EUA, neste caso, limitaram-se  a fazer o que mts outros fizeram e continuam a fazer, apoiar o lado que lhes interessa... E sinceramente, um vietnam democratico provavelmente seria melhor que um vietnam comunista (apesar de as relacoes entre os EUA e o Vietnam serem aparentemente boas, a julgar pela quantidade de Vietnamitas que se veem pelas univs americanas).
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 16, 2006, 12:27:10 am
Citação de: "Azraael"
O facto do vietnam estar em guerra civil na altura nao teve nada a ver com o assunto... Os EUA, neste caso, limitaram-se  a fazer o que mts outros fizeram e continuam a fazer, apoiar o lado que lhes interessa... E sinceramente, um vietnam democratico provavelmente seria melhor que um vietnam comunista (apesar de as relacoes entre os EUA e o Vietnam serem aparentemente boas, a julgar pela quantidade de Vietnamitas que se veem pelas univs americanas).


Eu estava a referir-me apenas à atitude da super potencia actual, é claro que também preferia uma democracia no Vietname do que um regime communista apesar de eu achar que na altura o Vietname do Sul ser mais uma ditadura do que uma democracia... mas pronto a Coreia do Sul também era assim e agora é uma democracia, bem como Portugal, Espanha, etc, etc,...
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 01:01:40 am
Citação de: "Azraael"
Aushwitz ficava em madagascar?  :wink: )

Mas nada que não surpreenda....desde o tempo do Wilson que eles são danados para a brincadeira e para espalhar sangue, ups perdão, democracia, pelo mundo..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 16, 2006, 01:28:02 am
Citar
Bush: Syria should press Hezbollah


ST. PETERSBURG, Russia (CNN) -- President Bush called on Syria Saturday to exert its influence on Hezbollah militants so they will "lay down their arms."
He put the blame for the spiraling violence between Israel and Hezbollah on Hezbollah and its backers in Damascus.
"The best way to stop violence is to understand why the violence occurred in the first place," Bush said during a news conference ahead of the Group of Eight summit in St. Petersburg, Russia.
"And that is because Hezbollah has been launching rocket attacks out of Lebanon and into Israel because Hezbollah captured two Israeli soldiers."
Northern Israeli towns have been hit by barrages of rockets fired from Lebanon since Wednesday, while Israeli forces have launched widespread attacks on targets inside Lebanon, including the capital, Beirut.
White House counselor Dan Bartlett, also in St. Petersburg, reiterated the administration view that although Israelis have "the right to defend themselves," they also must "exercise some restraint to make sure that we do not jeopardize or collapse the Lebanese government there in Beirut."
"It's something that we had been very clear about both privately and publicly, and we'll continue to express those concerns," he told CNN in an interview.
Officials fear the instability could be exploited to radicalize the Lebanese government. Bartlett said that the administration doesn't want "this young democracy that is trying to get a foothold there" to be in peril.
Syrian, Iranian leaders talk
While Syrian officials outside the country, including its ambassadors, maintain that Damascus is trying to rein in Hezbollah and doesn't want to get involved in the conflict, Syria still publicly supports the group.
Syrian President Bashar al-Assad has said his country is not intimidated by Israel and if attacked would respond with swift force, Iranian media reported.
Al-Assad spoke by phone with Iranian President Mahmoud Ahmadinejad, who expressed support for Syria and said if Syria was attacked by Israel, it would be an attack on the Islamic world.
Members of Syria's Arab Baath Socialist Party met late Friday and reaffirmed their "strong determination of the Syrian position in support of [Hezbollah]" and congratulated al-Assad for his "wisdom and courage in expressing the Syrian people's absolute support of [Hezbollah]," Syria's state-run news agency reported
G8 leaders are expected to discuss an international response to the crisis during their summit on Saturday. The G8 consists of Canada, France, Germany, Italy, Japan, Russia, the United Kingdom and the United States.
Arab League foreign ministers in Cairo are also expected to discuss the escalating violence on Saturday.
CNN's Aneesh Raman contributed to this report.



http://www.cnn.com/2006/WORLD/europe/07/15/mideast.bush/
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 16, 2006, 01:29:53 am
Citar
Israel: Iran Aided Hezbollah In Attack


A senior Israeli intelligence official said Saturday that Iranian troops helped Hezbollah fire the missile that damaged an Israeli warship off the Lebanese coast the night before.
One sailor was killed and three remain missing after the attack, reports CBS News correspondent Robert Berger in Jerusalem.
The official, who spoke on condition of anonymity because of the sensitive nature of the information, said about 100 Iranian soldiers are in Lebanon and helped fire the Iranian-made, radar-guided C-102 at the ship that killed one and left three missing.
Initially, it was thought that Hezbollah used a drone to attack the ship. The Israeli intelligence official did say that Hezbollah does have drones and warned that they are more accurate than missiles.
"We can confirm that it was hit by an Iranian-made missile launched by Hezbollah. We see this as very profound fingerprint of Iranian involvement in Hezbollah," Brig. Gen. Ido Nehushtan said in an interview with The Associated Press.
Another Hezbollah missile also hit and sank a nearby civilian merchant ship at around the same time, Nehushtan said. He said that ship apparently was Egyptian, but he had no other information about it.
Nehushtan said the body of one of the four Israeli soldiers left missing by the attack on the warship was found aboard it, but other Israeli military officials said two bodies had been found.
Israeli officials warned Saturday that Hezbollah has missiles that could reach as far as 62-125 miles, into the country, putting cities such as Jerusalem and Tel Aviv at risk if the weapons are used.
A senior Israeli intelligence official, who spoke on condition of anonymity because of the sensitivity of the information, said that Hezbollah has 150 missiles that could reach a distance of about 28 miles, and another 20 with a range of 100-200 kilometers.
"They may hit Tel Aviv," the official said, adding that Israeli intelligence officials were not sure why Hezbollah has not used the missiles since it started firing rockets at Israel on Wednesday.
An army spokesman said that since Wednesday, more than 350 Katyusha rockets have been fired into Israel, including 40 on Saturday, and have killed four people and injured about 60.
In other developments:
• At the G-8 conference in St. Petersburg, Russia Saturday, President Bush blamed Hezbollah alone for the escalating violence in the Middle East, putting himself at odds with Russian President Vladimir Putin, who was more critical of Israel. "In my judgment, the best way to stop the violence is to understand why the violence occurred in the first place," Mr. Bush said. "And that's because Hezbollah has been launching rocket attacks out of Lebanon into Israel and because Hezbollah captured two Israeli soldiers."
• Arab foreign ministers have held an emergency summit in Cairo Saturday over the intensified fighting between Israel and Lebanon. Lebanon's foreign minister today presented his fellow Arab League members with a draft resolution condemning what it says is Israel's military offensive. The resolution also supports Lebanon's "right to resist occupation by all legitimate means."
• CBS News correspondent Cynthia Bowers reports on how the fighting has affected Lebanese-Americans in Dearborn, Mich., who have family members in Lebanon. "Everything is escalating so quickly it doesn't give you time to breathe to react to one thing before something else happens," Issam Abbas tells Bowers of the conflict (video).
• Hezbollah's leader said Friday that his group is ready for "open war" with Israel, and as his words were broadcast, guerrillas attacked an Israeli warship that had been firing missiles into southern Beirut.
On Hezbollah's Al-Manar television less than an hour after missiles destroyed his headquarters and home, Sheik Hassan Nasrallah addressed himself to Israelis and said they must take responsibility for their actions. "You wanted an open war, and we are heading for an open war," he said. "We are ready for it."
Earlier, at least 27 people were killed in South Lebanon when several cars were hit in Israeli air strikes. In northern Israel, rockets fell on the city of Tiberias, reports Berger.
Israel radio reported that tourists were leaving the city after the attack. Israel's Channel 2 television said that police with megaphones were going beach by beach urging bathers to seek shelter.
It was believed to be the first time since the 1973 Mideast War that Tiberias was hit by a missile. It is 22 miles south of the border with Lebanon.
Israel launched its offensive after Hezbollah guerrillas crossed the Israel-Lebanon border on Wednesday and captured two Israeli soldiers. Israel has bombarded Lebanon's airport and main roads in the most intensive offensive against the country in 24 years, while Hezbollah has launched hundreds of rockets into Israel.
The intense fighting has sent shock waves through a region already traumatized by Israel's battle against Hamas militants in the Gaza Strip. With Israeli officials pointing fingers at Hezbollah's close allies, Syria and Iran, the crisis could soon spread even further.
The damaged Israeli warship, which had been carrying several dozen sailors, was traveling back to the Israeli port of Haifa on Saturday after a fire aboard it was put out.
During the current campaign, Hezbollah has proved to be a tough foe. Despite numerous airstrikes on Hezbollah targets, including the headquarters of its leader, Sheik Hassan Nasrallah, Israel has been unable to stop the rocket fire.
Nine Israeli soldiers and four civilians have been killed in the fighting, and the loss of the three sailors threatened to drive the death toll higher. At least 73 Lebanese have died, most of the them civilians.



http://wfrv.com/topstories/topstories_story_196081831.html


Os senhores que se seguem?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 16, 2006, 01:53:21 am
Citar
Mas nada que não surpreenda....desde o tempo do Wilson que eles são danados para a brincadeira e para espalhar sangue, ups perdão, democracia, pelo mundo..

Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"

Mas voltando ao tema do tópico Israel- Hezbollah (sim está certo.....Hezbollah...as outras comunidades - maronitas e sunitas- são espectadores)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 16, 2006, 02:31:58 am
Citar
Spirits Are High in Syria’s Capital as Leaders Openly Show Support for Hezbollah

The mood here in Syria’s capital was defiant, even gleeful, on Saturday as Hezbollah continued its rocket attacks on northern Israel.
Pop radio stations played jingoistic military marches, and the state-run daily newspaper, Tishreen, reported on a meeting of the ruling Syrian Baath Party by saying, “participants expressed Syria’s firm stance in support of the Lebanese national resistance.”
A Damascus businessman who would give only his first name, Mustafa, said: “I am 100 percent very happy. All of the Syrian people are happy, because we consider Hezbollah as being one of us.”
Though Syria has long supported militant anti-Israel organizations, including Hamas and Hezbollah, a radical Shiite militia in Lebanon with strong ties to Syria and Iran, such public directness on the subject is new, analysts say. They say the government is voicing such sentiments in an attempt to appeal to the Syrian masses.
“Yesterday the Syrian Baath party expressed its full support and sympathy for Hezbollah,” said Marwan Kabalan, a political science professor at Damascus University. “It is overt now, because this is no longer something the government wants to hide. People here are very emotional about the whole situation, and many of them wish that Syria would get up and join Hamas and Hezbollah in their battle against Israel.”
A half-dozen Syrians interviewed at random in Damascus cafes all said that they admired Hezbollah’s leader, Sheik Hassan Nasrallah, for using military action to back his anti-Israeli remarks.
“Nasrallah has caused a great deal of embarrassment among the Arab leaders,” Dr. Kabalan continued. “He is seen as the only Arab leader who can stand by his words and resist Israel.”
Imad Fauzi Shueibi, a political analyst who often works as a consultant to the Syrian government, laughed as he said that he believed that Israel was being drawn into a trap if it thought it could successfully fight on two, or even three, fronts.
Israel and the United States have said that they attribute a supporting role in Hezbollah’s attacks on Israel to Syria, and many Syrians are now talking about the possibility of a battle with Israel in the Golan region.
“I am laughing because I am so happy to see that in Israel there are these very stupid leaders,” Dr. Fauzi Shueibi said. “Israel has nothing to gain by changing the balance of power in the region. To fight on two fronts at the same time is stupid; if they try to open three fronts, that will be madness.”
“No one can believe that this will stop without a huge victory for Hezbollah and for Syria,” he added. “I haven’t felt so optimistic since 1973. I think we are closing the noose on Israel. This may be the last battle, and we may be able to redraw the map of the Middle East, but not on the schedule of America’s plan for the greater Middle East.”
As Israel continued its airstrikes on Lebanon, many Lebanese began flooding into Syria over the past several days, leading some Syrians to worry about a possible refugee crisis.
Syria already serves as a temporary home for hundreds of thousands of Iraqi refugees, and according to Syrian government figures, more than 17,000 Lebanese refugees crossed into Syria on Friday alone.
At Jdayat-Yabbus, a Syria border town, Lebanese refugees said Friday that the price of a taxi from Beirut to Damascus, normally about $50, had been driven up to $500 or more for what is usually a two-hour ride but could now stretch to five hours or more.
Those who could not afford taxis crammed into flatbed trucks; others took the bus to Chtaura, a Lebanese border town, and then crossed on foot, walking several miles in the brutal sun and carrying their luggage on their heads.
Many were from the southern suburbs of Beirut, which have come under heavy attack by Israeli warplanes because of Hezbollah’s strong presence there.
Hassan, an automobile mechanic from southern Beirut who declined to give his last name, was traveling Friday in a flatbed truck brimming with 15 young children, all looking tired and miserable in the midday sun.
He said he was bringing the children — two his own and the rest nieces and nephews — to stay with distant relatives in Syria.
“We haven’t slept in three days,” he said. “The Israelis are bombing shopping malls and television stations. The children are very frightened, and so we are bringing them to Syria for their safety.”
Syrian analysts noted with some pride that Syria will have a central role in any peace agreement, and that the United States may now be forced to make a deal with Syria because of Hezbollah’s actions.
“Syria has demonstrated once again that it can’t be marginalized,” said Dr. Kabalan, the political science professor. “It has succeeded in turning the tables on the Americans. Syria has demonstrated successfully that it is still here and still in control.”



http://www.nytimes.com/2006/07/16/world/middleeast/16syria.html?_r=1&oref=slogin
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 09:44:17 am
Citação de: "Bravo Two Zero"
Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"


Não tem nada a ver...uma coisa é querer espalhar o bem pelo mundo, outra coisa é responder perante a ataques constantes de piratas contra a marinha mercante americana. Também houve guerras estúpidas nessa altura (como a de 1812), mas esta contra os berbéres foi causada por actos de pirataria contra navios mercantes, sem haver algum tipo de interacção antes (ao contrário do ataque terrorista 11/9). Uma situação semelhante acontece hoje no estreito de Malaca.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 16, 2006, 11:23:45 am
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Já antes disso os marines americanos tinham avançado sobre a cidade costeira de Derna, Líbia,  no decurso da Guerra de Tripoli (1801–1805). Lembrem-se do primeiro verso do hino do USMC:
"From the halls of Montezuma, to the shores of Tripoli"

Não tem nada a ver...uma coisa é querer espalhar o bem pelo mundo, outra coisa é responder perante a ataques constantes de piratas contra a marinha mercante americana. Também houve guerras estúpidas nessa altura (como a de 1812), mas esta contra os berbéres foi causada por actos de pirataria contra navios mercantes, sem haver algum tipo de interacção antes (ao contrário do ataque terrorista 11/9). Uma situação semelhante acontece hoje no estreito de Malaca.

E o argumento apresentado por Woodrow Wilson ao Congresso para a declaração de guerra à Alemanha, em  6 de Abril de 1917 ?

Um pequeno extracto:

" On the third of February last I officially laid before you the extraordinary announcement of the Imperial German Government that on and after the first day of February it was its purpose to put aside all restraints of law or of humanity and use its submarines to sink every vessel that sought to approach either the ports of Great Britain and Ireland or the western coasts of Europe or any of the ports controlled by the enemies of Germany within the Mediterranean. That had seemed to be the object of the German submarine warfare earlier in the war, but since April of last year the Imperial Government had somewhat restrained the commanders of its undersea craft in conformity with its promise then given to us that passenger boats should not be sunk and that due warning would be given to all other vessels which its submarines might seek to destroy, when no resistance was offered or escape attempted, and care taken that their crews were given at least a fair chance to save their lives in their open boats. The precautions taken were meager and haphazard enough, as was proved in distressing instance after instance in the progress of the cruel and unmanly business, but a certain degree of restraint was observed. The new policy has swept every restriction aside. Vessels of every kind, whatever their flag, their character, their cargo, their destination, their errand, have been ruthlessly sent to the bottom without warning and without thought of help or mercy for those on board, the vessels of friendly neutrals along with those of belligerents."

Passados 112 anos, o argumento era o mesmo, os intervenientes e o modus operandi outro.................

Citar
Mas nada que não surpreenda....desde o tempo do Wilson que eles são danados para a brincadeira e para espalhar sangue, ups perdão, democracia, pelo mundo..


As palavras são suas, o raciocínio é seu, caro Marauder :roll:

Mas chega de off-topic...............
Título:
Enviado por: aero em Julho 16, 2006, 11:42:41 am
Citação de: "komet"
Está a dar-me razão  :Palmas: Estou 100% de acordo.

Citar
"O objetivo deste trabalho foi compreender, do ponto de vista da política internacional, os fatores que viabilizaram a fundação de Israel no território da Palestina, provocando um dos mais prolongados e dramáticos conflitos da história contemporânea. A criação de Israel, decidida na ONU, em 1947, violou os direitos fundamentais do povo árabe palestino (70% do total da população nesse ano), garantidos pela Carta das Nações Unidas e pelo Pacto da Sociedade das Nações, ambos fontes do Direito Internacional, e violou o título jurídico adquirido pelos árabes através do acordo firmado com os países da Entente, durante a Primeira Guerra Mundial, que garantia a independência da Palestina, causando revolta generalizada no mundo árabe, já profundamente ressentido do imperialismo ocidental na região. Considerando a conjuntura internacional desse período, delineada pela Guerra Fria, e considerando que os principais atores do sistema internacional tinham consciência de que tal decisão causaria a hostilidade dos países árabes, acarretando altíssimos custos militares, políticos e econômicos, uma vez que a Liga Árabe declarou não reconhecer uma decisão que considerava ilegal, tivemos interesse em conhecer quais foram as expectativas de ganhos que levaram os EUA, a ex-URSS e outros países a assumirem os riscos e os custos dessa decisão. Várias conclusões foram obtidas. Os EUA não tinham nenhuma expectativa de ganho com o apoio à criação de Israel, pelo contrário, esse evento acarretou pesados custos à nação norte-americana, advertidos permanentemente pelos Secretários de Estado e Defesa. A decisão pró-Israel foi uma iniciativa do Presidente Truman para defender seu interesse pessoal nas eleições seguintes, quando pretendia contar com o apoio da comunidade judaica de seu país. A posição de Truman garantiu a forte pressão dos EUA, na forma de chantagem e suborno, sobre vários países que sustentavam posições contrárias, na votação da partilha, na ONU. Quanto à decisão soviética, não há uma compreensão conclusiva. Stalin, durante muitos anos, um antagonista intransigente ao projeto sionista, surpreendeu a todos apoiando de última hora a criação de Israel, na votação na ONU. Grande parte dos estudiosos considera que o objetivo soviético era simplesmente prejudicar a Grã Bretanha. Aparentemente, nessa mudança de posição momentânea, houve um equívoco nos cálculos políticos, percebido pouco tempo depois, levando esse país a reconsiderar novamente sua posição em favor dos árabes. Grande parte dos países de ambos os blocos assumiram simplesmente o alinhamento automático às decisãos das duas superpotências. Por último, cabe destacar que o interesse do Brasil era permanecer alinhado com os EUA e, nesse sentido, Oswaldo Aranha, como Presidente da Assembléia Geral, prestou um serviço fundamental. No dia da votação, devido à avaliação de que a proposta pró-Israel seria derrotada, Oswaldo Aranha decidiu encerrar mais cedo os trabalhos, adiando a votação, dando, assim, aos sionistas o tempo que necessitavam para “convencer” os países contrários, a fim de mudar seu voto."


http://www.teses.usp.br/teses/disponive ... 02-163759/ (http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8131/tde-24052002-163759/)
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 11:45:17 am
As mesmas acções podem resultar de motivos diferentes e acções diferentes podem resultar de motivos iguais.

  A guerras berbéres não visaram eliminar uma raiz do mal...tal como o Wilson via a Alemanha. Wilson, olhando para si mesmo como um "iluminado" e instrumento de Deus para fazer o bem, simplesmente arranjou uma desculpa para meter a América na guerra.

 Dizer que a América entrou na 1ª guerra apenas por causa dos ataques marítimos é desconhecer a situação geo-política na altura. No entanto a guerra dos berbéres foi unicamente motivada pelos ataques a navios mercantes, que ao contrário da 1ª guerra mundial, não negociavam com um país em guerra, e logo, não operavam em território passivel de combates, ao contrário das acções que levaram à guerra com os berberes.

É claro que podemos dizer que a marinha americana também estava desejosa de mostrar ao mundo as suas capacidades, e a verdade é que ganhou imenso respeito com essa guerra, mas no entanto a meu ver não se pode comparar ambas as guerras. Afinal...todas as guerras tem sempre a mesma desculpa de caca..os motivos por detrás é que mudam..
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 11:54:44 am
Voltando ao tópico..

Citar
Analysis: Who profits from Mideast war?
By Claude Salhani
UPI International Editor
Jul. 15, 2006 at 1:01PM

Once again Lebanon finds itself a major player in a war it did not choose to fight in. And once again Lebanon is paying the price. So who stands to profit from the latest developments in Lebanon? Certainly not the Lebanese who are once again seeing their country destroyed right in front of their eyes.

Indeed, the majority of Lebanese have still not forgotten the long nightmarish 15-year civil war that devastated the country but that former Prime Minister Rafik Hariri helped rebuild. After Syria, one of Lebanon's two neighbors was suspected of having a responsibility in the killing of the former prime minister, Israel, Lebanon's other neighbor is killing Hariri's dream; the roads and bridges he built, the new airport and much of the infrastructure Hariri rebuilt after the war.

In its new offensive on Lebanon, Israel wants to hold the Lebanese government responsible for Hezbollah's actions. Now if Israel is acting as though it is ignorant of the reality of Lebanese politics, Arab leaders appear somewhat more realistic. Several Arab leaders have in fact criticized Hezbollah, blaming the Lebanese Shiite militia for the latest violence.

Saudi Arabia said it held Hezbollah "fully responsible" for what a statement released by the official Saudi Arabian news agency called "its irresponsible action," referring to the kidnapping the two Israeli soldiers in a cross-border attack Wednesday.

Saudi Arabia said it believes in the right of peoples under occupation to resist by all possible means, and that the kingdom always stood by the Palestinian and Lebanese resistance movements against military occupation, "But the kingdom wants to draw a line between legitimate resistance and the uncalculated adventures carried out by members who are part of the state but act from behind it and without consulting with the legitimate authorities, creating as such an extremely dangerous situation and exposing all Arab countries and their achievements to destruction."

The Saudi statement said time has come for Hezbollah to "assume alone the full responsibility of their irresponsible acts."

Egypt's mass-circulation newspaper al-Ahram, known to reflect the government's views, said Hezbollah is to be blamed for the ongoing Israeli war on Lebanon. The paper added that this latest escalation with Israel "serves regional goals."

What exactly does all that mean? Well, let the paper itself explain.

 "Many in Lebanon believe that there are parties who sacrifice Lebanon's security to serve regional calculations and the interests of other countries."

That's Middle East speak for "Syria and Iran" may have a hand in the latest violence in so far that both countries support Hezbollah. In fact, Cairo is voicing out loud what many people in the Middle East believe but dare not say.

So why would Syria and Iran find it in their interest to raise the stakes in the Middle East? Well, for a number of reasons. Syria, who was forced to pull its army out of Lebanon after it was unofficially blamed for the assassination of Hariri, never quite got over the humiliation of submitting to the pressure of both the Lebanese street and the international community.

By inviting Israeli strikes on Lebanon, Syria is saying, "see what happens when we leave? Maybe had we stayed this would have not happened."

Secondly, the new spate of violence in Lebanon will suspend -- if only temporarily -- the investigation into the killing of former Lebanese Prime Minister Rafik Hariri from the front pages. This is buying Damascus some serious time.

As for Iran, it allows Iranian President Mahmoud Ahmadinejad to deflect the focus on Iran's nuclear ambitions. While world leaders remain pre-occupied with Lebanon, it means Iran can get ahead developing its nuclear program. And this is buying Tehran, too, some precious time.

And while Lebanon gets pounded back to its civil war era, Damascus and Tehran remain -- at least for the moment -- outside the conflict, even though they, far more so than the Lebanese government, not only support, but arm and finance Hezbollah.

 Of course, if Israel were to hit either Damascus or Tehran, if would spark a full-fledged regional war. Iranian President Mahmoud Ahmadinejad warned that his country would deal "a painful response" to Israel in case it attacked its Arab ally, Syria.

 "If the entity which occupies Jerusalem commits a foolish act and carries out an aggression against Syria it will be tantamount to aggression against the Islamic world and will be confronted with a painful response," Ahmadinejad was quoted by the Iranian News Agency, IRNA.

A pertinent question might be why Iran deems it an act of aggression against the Islamic world if Syria were to be hit, but when Lebanon is being bombed back 20 years, as Israeli Prime Minister Ehud Olmert said Israel would do, the reaction is limited to verbal support. Although it's no great surprise, even Arab ministers meeting in Cairo failed to come up with an action plan to help Lebanon. Once again Lebanon finds itself a reluctant participant in a war in which it had no say -- and in which it holds no cards with which to negotiate.

 


de:
http://washingtontimes.com/upi/20060715 ... -1768r.htm (http://washingtontimes.com/upi/20060715-114123-1768r.htm)
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 16, 2006, 05:01:18 pm
Isto faz lembrar as desculpas que Hitler utilizava para invadir territórios que lhe eram alheios.
 O Líbano abriu guerra com Israel??  
 Não, foi o Hezbollah.
 
 Como capturar as chefias do Hezbollah ??
 Politicamente correcto --> "Diz-se que o governo deles não faz nada, entra-se por ali a dentro e bomba neles todos"

 ou

 Perseguir e capturar todos os membros do Hezbollah utilizando os melhores serviços de informação do planeta através de uma espionagem selectiva, evitar derramamento de sangue de civis e se fôr preciso, pedir ajuda a uma nova kidon para se encarregar de os pôr a fazer tijolo mais cedo.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 16, 2006, 06:24:10 pm
Citar
Invasão de Israel a Gaza/Líbano sem fim à vista: Mais de 120 mortos

Nabil Abu Salmiya, sua mulher Salwa, ambos de 39 anos, e os seus sete filhos : Nasrallah e Basima de 16 anos, Sumayya de 12, Huda de 8, Eman de 11, Aya de 7 e Yahia de 13 anos são as últimas vitimas mortais da invasão da faixa de Gaza por Israel, assassinadas por um ataque da aviação de Israel sobre a sua casa na manhã de Quarta-feira 12 de Julho. Os chefes militares de Israel disseram que os dois mísseis se destinavam ao dirigente do movimento de resistência Hamas, mas dos 9 mortos e 38 feridos, nenhum era filiado em qualquer grupo de resistência e a maioria das vitimas foram crianças. Alguns militares israelitas sentem-se desconfortáveis com este assassínio em massa e com a recusa de Olmert em negociar. Israel ésuspeito de estar a usar armas químicas nos ataques, embora a natureza das novas armas permaneça um mistério.

No norte de Israel, os combatentes do Hezbollah capturaram dois soldados de Israel e abateram oito na Quarta-feira 12 de Julho, quando as tropas israelitas invadiram o Libano pela primeira vez desde 2000, matando pelo menos 25 pessoas.


  :evil:  :evil:  :evil:

Fonte (http://http)

http://www.imemc.org/

 Procurem seguir as notícias também por esse site, para filtrar a informação que nos chega, porque como eu tenho na assinatura:
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 16, 2006, 06:33:21 pm
Esse site parece-me um pouco anti-Israelita...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 16, 2006, 06:36:38 pm
Será que existe algum idóneo?
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 16, 2006, 06:47:51 pm
Uma sugestão para quem não gosta de ser enganado:
 
 Seguem as notícias por esse site e pelos meios de comunicação normais ( normalmente coniventes com Israel ) e o que fôr consensual é o que é verdadeiro, ou aquilo que é factualmente provado por meios audiovisuais.
 Durante os conflitos todas as notícias são falsas até prova em contrário.
Título:
Enviado por: komet em Julho 16, 2006, 07:50:30 pm
Exacto.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 09:09:35 pm
Citação de: "Hélder"
Citação de: "aero"
Pois mas é caso para perguntar o porquê de bombardear o aeroporto??? Até parece que o Libano têm Força Aerea  :?: Israel está a cometer um erro muito grande e os Estados Unidos sabem disso pq se isto continuar assim o governo libanês vai perder apoio da população e o helbollah vai ganhar força e o trabalho que a Rice andou a fazer vai para o tecto.

Pelo que dá no telejornal, o bombardeamento das pistas do aeroporto (não é a mesma coisa que bombardeamento do aeroporto), o bloqueio naval e o bombardeamento da principal estrada que liga Beirute a Damasco é para imobilizar os terroristas do Hezbollah e impedi-los de enviar os soldados israelitas raptados para fora do Libano...

O Libano tem Força Aérea... ou tinha...


Também destruíram os depósitos de combustivel...porque? (se é porque pensam que este pode ser utilizado pelo Hezbollah..entao tou a ver que vão destruir todas as bombas de gasolina do Líbano..que não são muitas...se é para impedir o seu uso por algum avião...estranho...pelo facto que as pistas foram destruídas...

Seguindo agora para o próximo "alvo militar"
Israeli forces bombed the Jiyeh power plant south of the Lebanese capital early Sunday, sending plumes of smoke billowing across the sky, Lebanese army sources said.

de:
http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/ ... index.html (http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/16/mideast/index.html)

Finalidade militar?...tornar a vida do Hezbollah mais dificil no Líbano? Sim..coitados..agora tem que ir à casa de banho às escuras..bem como o resto do povo libanês. Curioso que, para defender o seu povo, Israel não tenha problemas em completamente maltratar, matar, destruir um povo..um país...simplesmente porque este estava de mãos atadas na questão do Hezbollah...sim..já sei..."eles não fizeram nada contra o Hezbollah"....hum..isso quer dizer que os bascos também são responsaveis pela existencia da ETA, os iraquianos pelos rebeldes e por aí fora...

Israel...primo afastado dos EUA...tática do..."bomb Lebanon into the stone age"...
Título:
Enviado por: papatango em Julho 16, 2006, 10:23:37 pm
Er...
Então como é que se deve fazer?

O Hezbolah lança os seus mísseis do telhado e das janelas de blocos de apartamentos civis...

O ataque a fontes de combustível ou a destruição da rede de energia tem objectivos.
- Consegue pelo menos provocar complicações a um potêncial inimigo.
- Cria problemas no transito e afecta a comunicação entre os vários nucleos
- Reduz consideravelmente a capacidade de comando e controlo que passa a ter que contar com geradores (que produzem ruido de noite e são detectaveis mesmo que estejam em caves e se não estiverem produzem calor)  ou então com o auxilio de energia de baterias auxiliares.

Quando o inimigo se esconde entre civis, o que é que se pode fazer?

A situação é complexa, porque o actual governo do Líbano ganhou as eleições por uma margem pequena e o Hezbolah tem bastante apoio especialmente nas zonas do sul.

Israel vai aproveitar a oportunidade para se ver livre do Hezbolah, e a coisa não vai parar por aqui. Se os Estados Unidos não tiverem mão em Israel (e não sei se estão interessados em ter) a coisa vai ficar preta e a Siria vai-se meter ao barulho quando for atacada.

Neste momento devem estar os americanos a tentar evitar que as coisas aconteçam demasiado depressa, a acreditar nas noticias que afirmam que Israel deu 72 horas à Siria para deixar de apoiar o Hezbolah ou enfrentar as consequências.

O ultimatum acaba na segunda-feira à noite.

A Siria já veio dizer que responderá, mas a verdade é que a capacidade da Siria para responder é relativamente reduzida.

Pelo sim pelo não os israelitas já colocaram Patriots em lugares chave, exactamente para evitar possiveis ataques de misseis vindos da Siria.

Caso a coisa azede, o presidente Al Assad, deve começar a dormir todos os dias numa cada diferente, como fazia o Saddam Hussein...

Todos vimos a precisão dos ataques israelitas contra as pistas do aeroporto de Tripoli. Mesmo no centro!!!

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 16, 2006, 10:57:51 pm
Citação de: "papatango"
Er...
Então como é que se deve fazer?

O Hezbolah lança os seus mísseis do telhado e das janelas de blocos de apartamentos civis...

O ataque a fontes de combustível ou a destruição da rede de energia tem objectivos.
- Consegue pelo menos provocar complicações a um potêncial inimigo.
- Cria problemas no transito e afecta a comunicação entre os vários nucleos
- Reduz consideravelmente a capacidade de comando e controlo que passa a ter que contar com geradores (que produzem ruido de noite e são detectaveis mesmo que estejam em caves e se não estiverem produzem calor)  ou então com o auxilio de energia de baterias auxiliares.

Quando o inimigo se esconde entre civis, o que é que se pode fazer?

 :idea:  :arrow: Poderiam também fazer controlos com as tropas do terreno.

Eu no lugar do Hezbollah não usaria carros e outros veículos, visto ser aquilo a que o IDF está mais atento. :?:  



Também vão destruir todos os supermercados e etc para os fazer morrer à fome? Os do Hezbollah é claro...os otros infelizes simplesmente estão no lugar errado...deviam tar noutro país...é quase a ideia que os porta-vozes do IDF dão..


:( Já a destruição completa do país como eles estão a fazer vai demorar muitos anos....sim...porque não estou a ver Israel a pagar pela reconstrução....logo...usando dinheiro libanês (com talvez algumas ajudas de outros países) a reconstrução vai demorar anos...visto que eles ainda estavam a recuperar somente agora da guerra civil.

Citação de: "papatango"
Todos vimos a precisão dos ataques israelitas contra as pistas do aeroporto de Tripoli. Mesmo no centro!!!
Tripoli?? O coitado do Kadhafi perderia a cabeça se tal acontecesse.
Título:
Enviado por: aero em Julho 16, 2006, 11:27:02 pm
Acabei de ouvir na radio que morreram 8 canadianos. Que linda figura a dos israelitas. :idea:

"Huit Canadiens tués au Liban
 
MONTRéAL - Huit Canadiens ont été tués et six autres blessés dimanche dans des bombardements israéliens au Liban, a annoncé le chef de la diplomatie canadienne Peter Mackay. Le pays se prépare à évacuer ses ressortissants par bateau.

Selon la police libanaise sur place, cinq des ressortissants canadiens -un couple libano-canadien et leurs trois enfants- ont été tués dans le bombardement d'Aïtaroun, un village du Sud-Liban frontalier d'Israël. Ils étaient arrivés au Liban il y a dix jours pour y passer des vacances dans leur village natal.

Sept civils ont été tués dans ce bombardement. Six personnes, également canado-libanais ont aussi été blessés dans ce village.

Au moins 45 civils ont perdu la vie et plus d'une centaine ont été blessés dimanche au Sud-Liban, selon un bilan de la police.

Le ministre des Affaires étrangères a d'autre part indiqué que les autorités canadiennes étaient en train d'organiser une évacuation par voie maritime pour ceux de ses ressortissants qui souhaiteraient partir. Quelque 16'000 Canadiens sont actuellement enregistrés auprès de leur ambassade à Beyrouth, mais il y en a probablement deux ou trois fois plus dans le pays.

 
SDA-ATS"
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 17, 2006, 12:05:13 am
Citação de: "Marauder"
Tripoli?? O coitado do Kadhafi perderia a cabeça se tal acontecesse.


 :lol:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_do_L%C3%ADbano (http://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_do_L%C3%ADbano)
(na imagem ver as cidades do norte junto à costa)
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 12:27:04 am
Citação de: "Hélder"
:lol:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_do_L%C3%ADbano (http://pt.wikipedia.org/wiki/Geografia_do_L%C3%ADbano)
(na imagem ver as cidades do norte junto à costa)


É verdade sim senhor...mas pois...o aeroporto não sei..no google maps não encontrei nada.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 01:01:20 am
Citar
Líbano: dez portugueses vão ser evacuados esta segunda-feira


Dez dos 14 portugueses que pediram ajuda para abandonar o Líbano vão sair ainda hoje do país, a bordo de um navio fretado pela França, anunciou a secretaria de Estado das Comunidades.
Eduardo Saraiva, assessor do secretário de Estado das Comunidades, explicou que os dez portugueses vão ser incluídos na primeira missão de evacuação organizada pelo Governo francês, abandonando o Líbano num “ferry” que deverá partir amanhã à noite de Beirute, rumo a Chipre.
A data de chegada a Portugal só será conhecida amanhã, quando for determinado o trajecto que os repatriados farão a partir do Chipre, adiantou o assessor.
Os restantes quatro portugueses que pediram para sair do Líbano, onde os ataques israelitas está a provocar a fuga de muitos cidadãos estrangeiros, deverão abandonar o país na quarta-feira, numa segunda viagem a efectuar pelo navio francês, com capacidade para mil passageiros.
Além dos portugueses outras quatro pessoas com ligações a Portugal (uma cidadã guineense, a mulher do cônsul do Brasil e os respectivos filhos) pediram ajuda a Lisboa para sair do Líbano, não se sabendo ainda quando serão evacuados.
A retirada de cidadãos portugueses está a ser organizada pela representação diplomática francesa em Beirute, uma vez que Portugal não tem embaixada no Líbano.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264262&idCanal=18
Título:
Enviado por: papatango em Julho 17, 2006, 01:07:27 am
Citar
Não destruir as infraestruturas principais, mas metendo-as inoperacionais. Reconheço que a sua inoperabilidade tras benefícios, mas...porqué destruir a central eléctrica quando podem simplesmente bombardear os postes de electricidade que desta provém.

-1- Como é que você mantem inoperacional uma central electrica a 150 Km de distância sem a destruir ?
Rezando :shock:
Você acha que é viável gastar de 10.000 a 50.000 Euros (10.000 contos) numa bomba guiada a Laser ou com GPS para destruir postes de electricidade que podem ser postos a funcionar 4 a 6 horas depois mesmo durante a noite?
Uma das regras da guerra, é fazer o maior numero de estragos ao inimigo, pelo menor preço possivel.
Aliás, é a mesma razão pela qual os israelitas deixam entrar os misseis Fajr/Katiusha modernizados, porque não se vai gastar dinheiro num Patriot para atacar foguetes 5.000 vezes mais baratos.

= = =
Citar
Ou simplesmente meterem lá tropas para se certificarem que está out?
Mas meterem lá tropas onde ?
Em cada poste ?
A 150 Km de distância do lugar onde estão as tropas israelitas?

Como disse, os postes podem ser facilmente repostos e reconstruidos com uma enorme facilidade. Tão facilmente que se pode fazer isso não depois da guerra, mas sim antes, para garantir que não se perde.

O objectivo é garantir que o inimigo não pode voltar a utilizar um meio ou equipamentoe para isso não se pode estar com contemplações.
Se você der uma vantagem por pequena que seja ao inimigo, ele não lhe vai agradecer e se for possível vai utilizar essa vantagem contra si na primeira oportunidade.

Nós nestes fórums, muitas vezes falamos das linhas belas dos aviões ou da beleza dos carros de combate, e esquecemos uma coisa: A guerra não é uma coisa bonita.
As armas foram feitas para matar e para destruir.

Os Israelitas estão armados até aos dentes, exactamente para poderem fazer o que agora estão a fazer.

= =

Citar
Para além que eles se podem muito bem desenrascar (e tornar esta destruição de infraestruturas completamente inutil) ...eu no lugar no Hezbollah não usaria tal geradores....luz das velas à noite bastaria dentro das grutas, etc.

Marauder :

Você não está a entender a complexidade necessária para operar até as baterias de mísseis Fajr. O Hezbolah no Líbano, não são os maltrapilhos Talibã no Afeganistão nem nada que se lhe pareça.
O Hezbolah tem que ter equipamentos de pontaria, mesmo que não sejam os mais sofisticados para conseguir guiar misseis que vão cair a 50 Km de distância.
Muitos dos Fajr são transportados em camiões-plataforma que precisam de se deslocar de um lugar para o outro.
Aliás essa é a táctica.
Disparar uma rajada, e fugir dali rapidamente para que já ninguém lá esteja quando os israelitas chegarem.

Os misseis que atingiram a corveta israelita (dependendo do modelo e eu ainda não estou seguro de que modelo foi disparado) podem ter necessitado de sistemas sofisticados de direccionamento. Tudo isso precisa de energia electrica e de combustível para os veículos e os veículos precisam de estradas.

O corte de combustível vai tornar cada vez mais complicado encher o depósito dos camiões e veículos tácticos que eles utilizam.
Aliás, por isso se destruiram estadas, para garantir que é necessário andar mais (por estradas secundárias) e assim perder mais tempo e gastar mais combustível que se vai tornar cada vez mais precioso e raro.

A verdade, é que até ao momento, os israelitas até parecem relativamente contidos.
Eles têm capacidades muito superiores e o que têm feito até ao momento é agir como os americanos no Iraque, tentando reduzir ao máximo o numero de vitimas civis.
O problema é que isso é impossível, porque há sempre erros de interpretação e na guerra, se há um plano que pode correr mal, é certo e sabido que ele vai correr mal.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 01:15:20 am
Citar
(http://img.timeinc.net/time/images/covers/1101060724_120.jpg)Hate Thy Neighbour


Understanding the new and lethal logic of violence in the Middle East--and what the world can do to find peace
By LISA MEYER/ JERUSALEM
In normal times, the hills of northern Galilee fill with tourists, some of them pilgrims seeking out the places where Jesus walked 2,000 years ago. Today those hills are burning. It is in Galilee that the rockets fired by Hizballah militants in Lebanon typically fall, occasionally scoring a direct hit on someone vulnerable, more often forcing inhabitants to move into bomb shelters. In the escarpment hamlet of Shomera, Israelis like Gabriel Peretz, the owner of a bed-and-breakfast, can do little more than brace for the next attack. "The situation is very bad," he says, his sentences punctuated by the sound of Israeli artillery fire, a crack-boom followed by a lingering zing of the outgoing shell, as loudspeakers in the village instruct residents to take cover in hardened shelters. "We've had six years of peace," he says, "but everything has come back to us."
Around the world, people could be excused for feeling that they too are witnessing something numbingly familiar in the Middle East, like a recurring nightmare that many would rather keep stored in the recesses of memory. But the conflagration involving Israel and its neighbors has erupted once more--and no one knows how bad and destabilizing it may get. Israel's ferocious response to Hizballah's kidnapping of two Israeli soldiers, which came a little more than two weeks after Palestinian militants from Hamas seized an Israeli corporal and smuggled him into the Gaza Strip, has produced the worst Arab-Israeli cross-border conflict since Israel's invasion of Lebanon in 1982. The great bulk of the pain last week was felt in Lebanon, as Israel bombarded the country, including sites in Beirut, killing more than 100 Lebanese by Saturday evening, almost all civilians. Hizballah, an Islamist Shi'ite group that operates freely in southern Lebanon, killed eight Israeli soldiers in its initial raid July 12 and has since flung hundreds of rockets into Israel, killing four civilians.
For all the mayhem and destruction, the crisis hasn't yet escalated into the kind of full-scale, multicountry war that rocked the Middle East in 1948 or 1956 or 1967 or 1973. But that's not exactly cause for comfort. The lethal exchange of firepower between Israel and Hizballah will likely not let up until someone--the U.N., nervous Arab countries like Egypt and Saudi Arabia or possibly the U.S.--intervenes and persuades one or both sides to stop. A British official told TIME that Prime Minister Tony Blair is personally pressing President George W. Bush to send Secretary of State Condoleezza Rice to the region to engage in Henry Kissinger-style shuttle diplomacy. But it's not clear that anyone has the ability to get the belligerents to calm down. And the longer Israel and Hizballah keep up their skirmish, the greater the chances it will spread out of control.
Hizballah is the wild card. There is always the possibility it could try to order up terrorist attacks against Israeli and Western targets around the world. If pushed to stop fighting, the group could lash out against its critics in Lebanon, unleashing the forces of civil war that ravaged the highly sectarian country for 15 years until 1990, and creating a new field of instability even as the U.S. struggles with crises in places like Iraq and Iran. Israel's strikes against Lebanon have provoked Shi'ite radicals in Iraq, who are threatening to attack U.S. troops in retaliation. The most chilling scenario is that the Israeli-Lebanese dispute could grow into a wider war, if Hizballah's backers in Iran or Syria decide or are provoked to join the fray--a possibility that grew when Israeli intelligence claimed on Saturday that Iranian forces helped Hizballah fighters hit an Israeli ship off the coast of Beirut, killing one sailor. (Iran denies the charge.) "It will never completely cool down," says Edward Luttwak, senior adviser at the Center for Strategic and International Studies in Washington. "When the Israelis have hit enough targets, they'll be inclined to slow down. [But] these things don't get resolved."
That dim view of prospects for peace in the Middle East is widely shared by people on all sides of the conflict. What's driving the violence, and why does it seem so difficult to tamp down? Although the current battles may have been set off by age-old hatreds between Israel and its Arab enemies, what we're seeing today is not simply a replay of hackneyed set pieces in the Middle East. With new governments in place in the three key nodes of the crisis--Israel, Lebanon and the Palestinian Authority--and fighters within the radical Islamist groups--Hamas and Hizballah--eager to assert their agendas, the region is going through a period of dramatic and in some ways radical change. The volatility has added new fuel to the motivations and ambitions that have defined why they fight. And that poses a challenge for the international community--not least a U.S. Administration already waging two wars in the Islamic world. Once the fire is started, can anything be done to put it out?
•WHY THE ARABS FIGHT
To understand why the Arab militants of Hamas and Hizballah are picking a fight with Israel now, you might start with an election. In January, Hamas, which is sworn to Israel's destruction, won the Palestinian general vote. The Hamas political leader in Gaza, Ismail Haniya, who fashions himself a relative moderate, became Prime Minister, and set about trying to prove Hamas could govern. Boycotted financially and politically by the U.S. and the E.U., Haniya in late June hammered out an agreement with Palestinian Authority President Mahmoud Abbas on a unified platform that would implicitly recognize Israel if it would withdraw to its 1967 borders. Recognizing Israel, though, is anathema to Hamas' hard-liners, who believe that God gave all the lands of the Middle East to Muslims and that the Jewish state therefore is accursed. For those hard-liners, any moves toward accommodation threaten the reason Hamas came into being in the first place. Deterred from attacking by arrests and assassinations, Hamas militants kept a cease-fire from March 2005 until last June, when they began firing rockets again and then, on June 25, decided to try another, daring tactic: they emerged from a tunnel dug under the Gaza fence to kill two Israeli soldiers and nab Corporal Gilad Shalit. Instead of talking about a peace deal, the Palestinian Authority found itself dealing with a rain of Israeli bombardments and border incursions.
Meanwhile, Hizballah, which was created in 1982 to resist Israel's invasion of southern Lebanon, has internal political incentives to act against Israel. In the new Lebanon, genuine independence is trying to take root after popular unrest forced the Syrians to lift their yoke on the country last spring. As a result, whether Hizballah should be allowed to remain armed six years after the Israelis left Lebanon is the most divisive political issue in the country today. Critics argue that only government forces should bear arms. Hizballah counters that given the weakness of the Lebanese Army, a disciplined guerrilla force is needed to deter Israeli aggression. And what better way to remind the country of that aggression than to provoke some by capturing a soldier or two?
Many analysts believe that Hizballah must have carried out the raid with at least the encouragement of the group's main benefactors, Syria and especially Iran. "He who pays the money is the boss," says a Lebanese official, arguing that Tehran engineered the crisis in hopes of deflecting the Bush Administration's drive to impose U.N. sanctions for Iran's suspected nuclear-weapons program. But whatever encouragement they may have had, neither Hamas nor Hizballah ever needs a specific justification for striking Israel. Attacking Israel is, for each, its raison d'être. And the groups' tacticians do not need to think that a particular strike will achieve a particular result. They take a long view, common among Islamists: over timedecades or even centuries, if necessaryIsrael will crumble. Israelis will lose their fortitude under the pressure of attacks, give up and go back to Europe or Russia or, if their roots are in the Middle East, agree to live within an Islamic state. Regardless, the fighters' reward is not here on earth in this lifetime, but in heaven.
But Hizballah and Hamas in this case have a more practical payoff in mind. Israeli governments have proved willing to make big concessions to get back one or two or three of their own captives, even dead ones. (In 2004, Israel swapped 429 prisoners in exchange for an Israeli businessman and the remains of three Israeli soldiers.) The Palestinians now have a tremendous interest in prisoner swaps since the Israelis have achieved the relative quiet of the past few years in part by arresting huge numbers of suspected terrorists and packing jails with more than 9,000 detainees. Securing the release of many of them, by negotiating the return of the Israeli corporal, would make heroes of Hamas. And it would do so at a time when ordinary Palestinians have been grumbling that they may have erred in electing the radical group since the government--bankrupt because of international boycotts--has gone five months without paying salaries to its 160,000 employees.
Hizballah too hopes to profit from aggression. Israel holds only three Lebanese prisoners, but the group's leader, Hassan Nasrallah, grandly noted that he also was making the release of Palestinian detainees a condition for freeing his Israeli captives, which would bring him and his group glory, both in the Arab world and Lebanon's Palestinian refugee camps. And following the abduction with a rain of rockets on Israeli towns and villages may have bolstered the group's ability to intimidate Lebanon's government and force it to ignore the U.N. Security Council's demands that Hizballah's fighters be disarmed. Compared with Hizballah, Lebanon's national army is impotent.
•WHY ISRAEL FIGHTS
The Israelis are determined to show their adversaries that they aren't cowed. That has become clear in Israeli Prime Minister Ehud Olmert's announcements that Israel will not negotiate for the return of its soldiers. Israeli officials have long talked of "changing the rules of the game," and Olmert unleashed the military to do just that, setting the price for aggression against Israel so high that its enemies would be deterred from acting up in the future.
Olmert may have been influenced by President Bush, both in his stance of "no negotiations with terrorists" and in his decision to retaliate harshly for the Hamas and Hizballah actions. The post-9/11 era has marked a new high in Israeli-U.S. relations, with Washington abandoning its past practice of criticizing Israel when it acts severely toward the Palestinians or other Arab parties. Starting with former Prime Minister Ariel Sharon, Israeli officials have taken to adopting Bush's war-on-terrorism rhetoric. Justice Minister Haim Ramon last week said Israel would treat Nasrallah as the U.S. treats Osama bin Laden.
In that context, the abduction of the soldiers was particularly combustible. As it is, such acts strike deep into Israel's soul. It is practically a sacred notion in the Israeli military that nobody is left behind. And because the nation has a citizen's army and Israel's population is so small, hostage taking is felt intimately; if it's not your son or your neighbor's son, it could be.
But provoked by the hostage taking, Olmert's government is also trying to settle other scores. Palestinian militants have been regularly firing homemade Qassam rockets, a Hamas specialty, into Israel from Gaza--some 200 in June and 100 so far in July. Hizballah has occasionally also lobbed rockets across the border since the Israeli pullout. And Israel has watched in dismay as Hizballah has built border fortifications, sometimes 30 feet from Israeli outposts and stockpiled with what Israel estimates to be 13,000 rockets, including upgraded ones that can reach at least as far as the cities of Haifa and Tiberias.
Facing those threats, Israel isn't prepared to show mercy. In the case of Hizballah, especially, the Israelis are going well beyond retribution, taking an opportunity to degrade the organization's capabilities and, perhaps, cripple the group permanently. Said Defense Minister Amir Peretz: "The goal is for this to end with Hizballah so badly beaten that not a man in it does not regret having launched this incident." Most Israelis know the offensive has come at a heavy price--to civilians on both sides, to Lebanon's infrastructure and to Israel's reputation abroad. But from the government's point of view, it is necessary and it is working. Israel claims to have hit many stores of Hizballah's rockets, often within houses. What Israel wants is for the Lebanese to disarm Hizballah, but Israeli realists don't expect the Lebanese to go that far. A demilitarized zone in the south might suffice. The Israelis were heartened to hear that some Arab states and a number of Lebanese politicians were complaining that Hizballah had taken not just the Israeli soldiers but also all of Lebanon hostage.
The assault on Lebanon is intended to send a broader message too, at a time when Israel has largely given up on trying to negotiate for peace and security and instead is trying to establish them on its own. The strongest argument made by domestic critics of Israel's withdrawal from the Gaza Strip last year was that the country's enemies would think it was weak and frightened and thus would be encouraged to strike out. Olmert's dual counterblasts are aimed at changing that impression--among those who believe it--to make the idea of attacking Israel prohibitively scary to the other side or, as the Israelis put it, to re-establish deterrence.
So where might this lead? Is anything remotely approaching quiet, if not quite peace, possible in a place where all the actors see gain in continuing to fight?
As bleak as it now looks, it's not entirely out of the question. The chances are greater in Lebanon, where there are actors with a clear interest in taming Hizballah. As in past flare-ups on the border, coming to terms will almost surely require a third-party interlocutor. "It could be the Red Cross or the Germans, the French, maybe a special adviser to Kofi Annan," says an Israeli intelligence official.
Dealing with Hamas won't be as easy. In Gaza, the main force that has tended to moderate the behavior of the militants has been public opinion, which has sometimes swung against the radicals when their actions prompted Israeli reprisals that punished the population. Now, though, Gazans place the blame for scores of deaths and deteriorating conditions squarely on Israel. Their anger and the prospect of an eventual prisoner exchange are strengthening the militants, which will make it harder for Palestinian Prime Minister Haniya to defend his agreement with Abbas if the current siege ends.
What should the U.S. do? Blair and other allies would like Rice to take a more active role in bringing first calm and then a return to peace talks between the Israelis and Palestinians. Bush has showed no interest in engaging in the region in that way, and Washington is handicapped by its unwillingness to negotiate with four of the key players--Hamas and Hizballah, Syria and Iran--whose interests would have to be addressed. But crises can sometimes provide opportunities, especially since the U.S. can't afford to have another Middle East mess on its hands. At this point, U.S. intervention can't undo the reasons Israel and its enemies fight. But doing nothing is an even bigger risk. And summers in the Middle East can still get a lot hotter.
> For analysis of the latest news from the Middle East, go to time.com
With reporting by With reporting by Christopher Allbritton, Nicholas Blanford/ Beirut, Aaron J. Klein, Phil Zabriskie/ Jerusalem, Scott Macleod/ Cairo, J.F.O. McAllister/ London, Elaine Shannon, Douglas Waller/ Washington, Unmesh Kher/ New York



LINK (http://http)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 01:32:07 am
Citar
Tangled Ties


THE POWER BROKERS

IRAN Helped create Hizballah as a Shi'ite force in Lebanon and continues to sponsor its activities. President Mahmoud Ahmadinejad has vowed a "crushing response" if Israel moves against Syria

SYRIA President Bashar Assad has disclaimed any ties to Lebanon since the withdrawal of Syrian troops in 2005 but remains a sponsor of
Hizballah and is host to Hamas leaders

THE FACTIONS

HIZBALLAH Formed in 1982, the terrorist group has grown into a national movement under Sheik Hassan Nasrallah. Many in Lebanon credit Hizballah with forcing Israel to end its 18-year occupation in 2000

HAMAS A Palestinian extremist group founded in 1987 and known for directing suicide bombings against Israel. It's now the ruling Palestinian party THE TARGET

ISRAEL Although he lacks significant military experience, Prime Minister Ehud Olmert is fighting a two-front battle: against Hizballah to the north in Lebanon and Hamas to the south in Gaza. Olmert has ruled out a prisoner exchange to win the return of kidnapped Israelis, and says the operations in Lebanon will end when Hizballah is disarmed THE

BATTLEGROUND

LEBANON The fragile country is struggling to emerge from decades of conflict and domination by Syria, which has long supported Hizballah and its operations against Israel in the southern part of Lebanon. Newly elected Prime Minister Fouad Siniora claims he is powerless to dislodge or disarm Hizballah forces, but Israel blames the Lebanese government for the recent attacks



http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1214950,00.html?internalid=AOT_h_07-16-2006_tangled_ties
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 09:00:46 am
Citação de: "papatango"

-1- Como é que você mantem inoperacional uma central electrica a 150 Km de distância sem a destruir ?
Rezando :shock:
Você acha que é viável gastar de 10.000 a 50.000 Euros (10.000 contos) numa bomba guiada a Laser ou com GPS para destruir postes de electricidade que podem ser postos a funcionar 4 a 6 horas depois mesmo durante a noite?
Uma das regras da guerra, é fazer o maior numero de estragos ao inimigo, pelo menor preço possivel.

Sim..numa guerra convencional aceita-se, no entanto, se pensarmos que estão a combater uma entidade num 3º país que é a infelicidade que o mete no conflicto penso que poderiam ter outra abordagem. Vais-me dizer que eles não podem destruir os postes próximos da central e lançar panfletos a dizer que se tentarem reparar durante o conflicto a destruirão por complecto...(parto do princípio que será um conflicto curto, tal como os outros antecedentes, logo sendo desperdício destruir infraestruturas)

= = =

Citação de: "papatango"
Mas meterem lá tropas onde ?
Em cada poste ?
A 150 Km de distância do lugar onde estão as tropas israelitas?

Díficil perceber o sentido...obviamente não é por cada poste, logo não diga coisas estúpidas. Estava a falar na central. Sei que esta se localiza no sul do Libano, e que Israel tem tropas no terreno, logo levantei essa hipótese..

Citação de: "papatango"
Nós nestes fórums, muitas vezes falamos das linhas belas dos aviões ou da beleza dos carros de combate, e esquecemos uma coisa: A guerra não é uma coisa bonita.
As armas foram feitas para matar e para destruir.


Exacto, mas não tem necessariamente que ser até à idade da pedra..o que me chateia é que provavelmente as coisas vão acalmar daqui a uns tempos, e os libaneses terão recuado no tempo uns 20 anos no mínimo..e assim Israel cria a empatia do povo libanês :lol:

Relativamente ao combustível, entendo mais a sua destruição, mas não será um pouco utópico? Não é não é naquela região em que a malta guarda uns bidons de gasolina na garagem?

Não poderiam simplesmente anunciar na rádio, tv, e pelos panfletos que tem  largado que a circulação de veiculos está completamente proibida, podendo estes serem visados?...isso até iria de acordo com a ideia do mini-bus destruido  :roll:

E eu que me congratulei com a saída da Síria do Líbano..mais valia terem ficado lá.....

---------

Como já disse no passado e reafirmo...o problema do médio oriente não será resolvido por armas...a não ser que um lado simplesmente mate todos os outros do outro lado..e mesmo talvez não resolveria...já que existirão sempre sudaneses, tunisinos, marroquinos, etc..dispostos a se oferecer...bem como judeus na america, europa, afins..
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 11:17:08 am
Citar
Os aviões israelitas destruíram um depósito de água instalado numa colina sobre Saida e situada nas proximidades de uma posição do exército, ferindo três soldados por estilhaços de mísseis, precisou.


de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236406 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236406)

Aparentemente a água também é alvo estratégico...que será a seguir..os supermercados?
 :evil:
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 11:38:10 am
Citação de: "Marauder"
Citar
Os aviões israelitas destruíram um depósito de água instalado numa colina sobre Saida e situada nas proximidades de uma posição do exército, ferindo três soldados por estilhaços de mísseis, precisou.

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236406 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236406)

Aparentemente a água também é alvo estratégico...que será a seguir..os supermercados?
 :evil:  :!:
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 11:38:53 am
"Líbano: 40 britânicos evacuadas de Beirute de helicóptero

Quarenta pessoas foram retiradas hoje de manhã de Beirute por helicópteros britânicos, na primeira fase de uma operação de evacuação de britânicos residentes no Líbano, anunciou em Londres o governo britânico.
«Evacuámos hoje de manhã um pequeno número de pessoas, quarenta, todos cidadãos britânicos», afirmou um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Londres.

Trata-se de «pessoas vulneráveis, gente com crianças pequenas, pessoas doentes», precisou o porta-voz.

Os cidadãos britânicos foram levados nos helicópteros que trouxeram à capital libanesa o Alto Representante da UE para a política externa, Javier Solana, e duas equipas britânicas, uma civil e outra militar, encarregadas de preparar a operação de retirada dos cidadãos residentes no Líbano.

Londres espera iniciar ao longo do dia de hoje a evacuação, mas o porta-voz disse que vai avançar com a operação à medida que o permita a situação do ponto de vista da segurança.

«[A operação] poderá começar hoje, mais tarde ao longo da jornada, mas isso vai depender das condições de segurança«, declarou o porta-voz.

Navios de guerra britânicos estão já na região por motivo desta evacuação, e dois outros vasos de guerra, o porta-aviões HMS Illustrius e o navio de ataque anfíbio HMS Bulwark, deverão chegar quarta ou quinta-feira."

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 11:51:36 am
(CNN) -- CNN.com asked readers affected by the attacks in the Middle East to send us their stories. Here is a sampling of the responses, some of which have been edited:





I am 16, and I am in Lebanon with my two younger brothers. My parents are frantic with worry, but there is no way out. All major roads in the country have been destroyed. We are stuck, and our embassy is not even answering the phone anymore. We have no idea what is going on. All we want now is to go home.
Jenna, Chemstar, Lebanon


I am an American Lebanese who lives in Lebanon; my husband lives in the States. We have three children who live with me in Lebanon... Now I'm here in Florida on vacation with my husband. I was supposed to go back to Lebanon at the end of July, but now I cannot. That is not the problem, the problem is that my three children who are only a 6-year-old girl (Millennia), a 5-year-old girl (Aya), and a 4-year-old boy (Jacob) are stranded alone in Lebanon. I and their dad are stuck here, no way to get there to bring them to the U.S.
Carolina Kmaid, Daytona Beach, Florida

I am a Lebanese-American who is visiting Lebanon for the summer. I was due to return on the 28th of July but now I am stuck and waiting for the evacuation. Lebanon is an amazing country and it is very sad that it is being destroyed this way. We are all hoping and praying that everyone stops bombing and people will quit dying. I have been lucky to be far away from any of the bombings, but it is sad to hear the jets fly over and to hear the bombs exploding in the distance. I can see Beirut from my balcony and even through the smoke I have faith we will rebuild and we will live again and Beirut will be beautiful again.
Ziad Chihane, Deek El Mehdi, Lebanon

I am 17 years old and I just arrived in Turkey. I escaped Beirut two days ago and it was the hardest decision I have ever made. I decided at 6 p.m. that I was going to leave Beirut via the only road left to Syria and then drive till the borders of Turkey. I stayed 20 hours in a bus full of people worried that we could get bombed at any moment. I feel so bad because I left all the people I love there and they are stuck now! This was supposed to be a very good summer with a lot of musical gigs and a lot of tourists, which was very good for Lebanon. I have no idea what's going to happen, I only hope that all of this madness is going to stop as soon as possible. This can't go on this way! This is the 21st century. How can people still think about war?
Janane, Beirut, Lebanon

I came to live in Israel 15 years ago from the United States. At the time I genuinely believed that there was a great opportunity for peace. But now, as I sit here in my home, not far from Haifa, I realize how things have gone terribly wrong and how much things have changed. I used to be a "leftie." Now I am no longer sure how I would define myself. The only thing that comes to mind is "tired and scared." I ask myself, how did this happen? Where did we go wrong? Why are there rockets and missiles attacking all of us? But one thing is for sure, hatred and anger are seeping into my heart. The sympathy and understanding are flowing out. With each Katyusha that lands here, the flow speeds up.
Cheryl, Zichron, Israel

My daughter was studying at the Lebanese American University in Beirut and is a student at Boston College. [The students] have escaped to Byblos with the clothes on their back. She called today in total desperation. The adjoining town of Junieh has been bombed, cell phone towers are down and the Christian enclave they were told would be a safe haven is now under attack. Her plea -- and that of all the students in her group -- was, "Please, mommy, don't let us die here. Everyone is now terrified and desperate. This Christian area of safety is under attack. When are we going to be evacuated?"
Jean Kluck, Farmingdale, New York

......... :down:
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 11:54:39 am
"The United States says there are about 25,000 US citizens in Lebanon.

US security teams have landed at the US Embassy in Beirut to start planning the evacuation of Americans.

It has been working on a contingency plan to transport them to Cyprus.

So far about 20 Americans, including non-essential embassy staff and people with medical needs have been flown out of the country by helicopter.

France, which has 20,000 citizens in the country, has chartered a ferry to Lebanon, due to take its first passengers on Monday morning.

Helicopters, landing craft and a mobile hospital would be also available.

Australia, which has around 25,000 citizens living in Lebanon, is drawing up an evacuation plan.

Prime Minister John Howard said the government was doing "everything they can" to arrange a plan for Australians trapped in the country.

The Canadian Foreign Affairs Minister, Peter Mackay, has said the government is putting commercial ships in place to evacuate some of its 16,000 citizens by sea.


Italy has sent a convoy of about 400 citizens from Beirut towards Syria from where Italian military flew them to Cyprus.

Rome is also sending a naval ship and two C130 transport aircraft. It has 1,000 citizens in Lebanon.


Germany has not announced specific plans to evacuate its 1,100 nationals.

The foreign ministry has advised citizens not to travel to Lebanon and told nationals already in Beirut to seek shelter in safer areas.

However there are reports that around 100 Germans have left Lebanon for Syria in several convoys carrying citizens from a number of EU nations.

Poland has said around 150 of its nationals would leave Beirut for the Syrian border in a convoy of buses, due to leave on Tuesday morning.

The Romanian president has called an emergency cabinet meeting to discuss evacuation plans for the estimated 1,000 nationals living in Lebanon.

More than 100 Romanians are already reported to have left through Syria.

Greece said a warship would leave for Lebanon on Sunday night, to return 100 Greeks who had asked to be evacuated.

Earlier, an Olympic Airlines plane took 50 Greeks from Lebanon to Athens via Damascus.

Around 50 Brazilian tourists and workers are believed to be travelling by bus to Adana in Turkey, where an airforce plane is expected to pick them up and fly them home.

Spain, which has already flown around 126 nationals to Madrid, is said to be planning a second operation to fly out more of its 600 citizens in Lebanon.

Austrian nationals were evacuated by bus from Lebanon to Syria on Sunday, along with other Europeans. There are an estimated 120 Austrians living in Lebanon.

Turkey said 32 of its nationals have crossed the Turkish/Syrian border by bus.

Morocco is evacuating several dozen nationals on C130 transport planes.

The governments of 1,600 Ukrainians, 500 Bulgarians, 2,000 Swedes and 600 Dutch are also making contingency plans for those who wish to leave.

The United Arab Emirates is sending six aircraft to bring home citizens who have fled to Syria"

http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5184134.stm (http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5184134.stm)
Título:
Enviado por: papatango em Julho 17, 2006, 12:32:30 pm
Marauder:
Eu fiz a minha análise da situação tentando colocar-me no lugar dos israelitas.
Eles estão a fazer o correcto do ponto de vista militar.

A central destruída fica na região sul de Beirute, a 80 Km da fronteira

Não é possível combater uma guerra enviando panfletos para o inimigo a avisar que se utilizarem uma infra-estrutura ela será destruída.

Esse tipo de coisa só funciona nas guerras do Raul Solnado e nas guerras do Monthy Pyton. Na guerra a sério, não se mandam panfletos a pedir para que não se utilizem as infra-estruturas.
Isso pura e simplesmente não acontece. Mesmo que a população entenda a mensagem, o movimento terrorista vai utilizar os panfletos para papel higiénico e continuar a enviar foguetes, sem mais preocupações.

Israel não invadiu o Sul do Líbano (terá feito incursões esporádicas). Isso pode acontecer nos próximos dias, mas para isso acontecer é necessário destruir a capacidade de comando e controlo do inimigo.
Foi assim na primeira guerra do golfo, foi assim na segunda guerra do golfo.

Se Israel enviasse grupos de soldados para defender instalações, esses soldados tornavam-se alvo para toda a Hezbolah.

A Hezbolah é um movimento terrorista armado e ao mesmo tempo um partido político que ganha eleições em alguma regiões e ainda por cima tem um exército próprio e ataca um país vizinho.

Imagine que o Partido Comunista no Alentejo, tinha o seu próprio exército e de um momento para o outro começava a mandar mísseis contra a Espanha.
Isto para nós não faz sentido, mas é o que está a acontecer naquele lugar.

A principal votação do Hezbolah está no sul do Líbano desde a região sul de Beirute, até à fronteira com Israel que é exactamente a região de onde partem os mísseis.
A população está claramente ao lado do Hezbolah e apoia-os. Os outrossão obrigados a apoia-los.

Os árabes viram a retirada de Israel do sul do Líbano há anos atrás como uma vitória dos exércitos deles.
Eles não entenderam que numa democracia, é preciso prestar contas e que os governos de Israel têm que responder perante a opinião pública.

Infelizmente, parece que eles não têm (ou não lhes foi ensinada) capacidade para entender as regras da democracia e da convivência pacífica.

Vão ter que entende-las da pior forma, com a provável ocupação do Sul do Líbano, que terá que ser acompanhada pela redução da capacidade militar da Siria.

Aguardemos
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 01:11:39 pm
Citação de: "papatango"
Não é possível combater uma guerra enviando panfletos para o inimigo a avisar que se utilizarem uma infra-estrutura ela será destruída.

Eu estava-me a referir a repararem os postes telefónicos próximos da central após terem sido destruídos. Em caso de surgirem ligações a desenrascar o Hezbollah..então nesse caso sim...após ter sido dada 1 oportunidade..força nisso.

Tirando a ideia da captura pelas forças do IDF porque sim..aparentemente foram somente incursões temporárias..não é tipo invasão, lembrei-me de uma outra ideia. Maquinaria complicada por vezes requer que baste uma determinada máquina se avarie para não funcionar...e uma incursão de forças especiais, ataque de Apache, bombardeamento de precisão a meter determinada peça fundamental X fora de uso? [ secalhar até foi o que fizeram..e estamos nós aqui a discutir o sexo dos anjos, as notícias não entram em pormenores relativamente ao nível de destruição destas]

A sua posição é como disse no lugar do IDF....a minha é num modo operatis que realmente tenha em conta a população do Libano..e mais..o depois...que é isso que eles se esqueçem...destroiem tudo agora..e quando acabar o conflicto..ou acalmar..

Citar
Israel ameaça destruir rede de energia do Líbano, diz TV
As forças armadas de Israel ameaçaram destruir a rede de energia do Líbano se os guerrilheiros do Hezbollah prosseguirem com o lançamento de foguetes contra o Estado judaico, disse o Channel 10 da televisão israelita esta segunda-feira, citando um oficial.

O mesmo oficial de alta patente disse que a ofensiva israelita no Líbano poderá acabar dentro de poucos dias.

17-07-2006 11:32:06

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236451 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236451)

É isto que eu não considero muito lógico...a hipótese de destruirem o sistema por completo ao mesmo tempo que dizem que daqui a mais uns dias vai tudo tar terminado....é esta destruição desnecessária que eu condeno (bem como as mortes cívis)

Está a perceber o meu ponto? É que ...para um conflicto de curtíssima duração..bem que podiam arranjar formas de simplesmente inutilizar as infraestruturas (quando possivel é claro) em vez de as destruir.

Bem..entretanto as novas notícias dão conta de um F-16 abatido e das forças terrestres israelitas a invadir o Libano...vamos esperar para ver..

-------------------

Sim, o Hezbollah tem apoio de uma parte do povo libanês, mesmo assim não dá direito a Israel de os castigar.

Eu não concordo com a representação do Hezbollah no parlamento libanês...esta ideia simplesmente dá carta branca a Israel para atacar o pais...Libano.. e não o grupo terrorista.

Decerto que se o PCP tivesse a mandar misseis para Espanha, e nós não os expulsássemos do Parlamento (sem falar de tomar acções de terreno), simplesmente daria poder a Espanha para atacar Portugal.

Secalhar é nessa linha de pensamento que Israel tomou, e explica a noticia de bombardeamento de um quartel das forças armadas libanesas...

Bem...caro papatango...é como um analista disse na CNN...a democracia pode ter diferentes significados para diferentes povos...
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 17, 2006, 01:45:25 pm
Citação de: "Marauder"
É isto que eu não considero muito lógico...a hipótese de destruirem o sistema por completo ao mesmo tempo que dizem que daqui a mais uns dias vai tudo tar terminado....é esta destruição desnecessária que eu condeno (bem como as mortes cívis).


Era bom que acabasse depressa mas...



Israel diz ter destruído 1/4 do armamento do Hezbollah

Os seis dias de ofensiva de Israel contra o Hezbollah destruíram um quarto do armamento do grupo terrorista, segundo o jornal israelita Yedioth Ahronoth.
Desde o início da ofensiva, o número de libaneses mortos ultrapassa os 160. Comandantes israelitas afirmaram, entretanto, que a campanha pode durar semanas ou até meses.

A artilharia israelita ao longo da fronteira com o Líbano empreendeu hoje um bombardeamento em massa e sem precedentes contra as posições do grupo terrorista Hezbollah, provocando mais de 20 mortos.

O ataque surgiu em resposta ao lançamento de foguetes Katyusha contra a cidade de Akko, habitada por membros das comunidades árabe e judaica, na baía de Haifa, e contra as localidades rurais da Galileia, onde seis civis ficaram feridos.

17-07-2006 9:16:45

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236431 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236431)
Título:
Enviado por: papatango em Julho 17, 2006, 02:13:32 pm
Citar
Bem...caro papatango...é como um analista disse na CNN...a democracia pode ter diferentes significados para diferentes povos...

Foram as palavras do rei da Jornania, mas na verdade essas palavras não fazem sentido.

A democracia, é um conceito ocidental com origem na Grécia antiga e que determina que, em vez de ter um rei investido de poder divino ou um ditador investido pelo poder das armas, o governante deve estar investido pelo poder que lhe dão os seus pares (os cidadãos).

O governo deve por isso ser do povo.

Dizer que há diferentes visões de democracia é um eufemismo. Ima forma de dizer que há povos que não sabem viver em democracía.

Não pode haver interpretaçãos "livres" para a democracia e a liberdade.

Se colocamos em causa os principios básicos, afirmando que há várias interpretações, caímos no risco de aceitar interpretações multiplas para questões básicas e fundadoras, como o Direito à Liberdade e o Direito à Vida.

= = =

Quanto à questão, eu não defendo nenhum dos lados. Dos dois lados há exageros.
Eu apenas fiz uma análise sobre a situação conhecida, tentando explicar quais são as razões dos ataques, e porque os israelitas efectuam os ataques que estão a efectuar.

Além do mais, como eu já aqui disse, não há uma questão entre o Líbano e Israel. O problema é entre Israel e o movimento Hezbolah, patrocinado pela Síria e pelo Irão.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 02:18:11 pm
Citação de: "papatango"
Foram as palavras do rei da Jornania, mas na verdade essas palavras não fazem sentido.

A democracia, é um conceito ocidental com origem na Grécia antiga e que determina que, em vez de ter um rei investido de poder divino ou um ditador investido pelo poder das armas, o governante deve estar investido pelo poder que lhe dão os seus pares (os cidadãos).

O governo deve por isso ser do povo.

Dizer que há diferentes visões de democracia é um eufemismo. Ima forma de dizer que há povos que não sabem viver em democracía.

Não pode haver interpretaçãos "livres" para a democracia e a liberdade.

Se colocamos em causa os principios básicos, afirmando que há várias interpretações, caímos no risco de aceitar interpretações multiplas para questões básicas e fundadoras, como o Direito à Liberdade e o Direito à Vida.


Sim..concordo plenamente..o pior é meter os arabes a pensar em democracia...versão ocidental...conceito universal..

Hum..então era o rei da Jordânia...pois...eles [CNN] mostravam clips curtos de pessoas a comentar como publicidade para um programa que não me recordo..
Título:
Enviado por: NVF em Julho 17, 2006, 02:58:21 pm
Citação de: "papatango"
A principal votação do Hezbolah está no sul do Líbano desde a região sul de Beirute, até à fronteira com Israel que é exactamente a região de onde partem os mísseis.
A população está claramente ao lado do Hezbolah e apoia-os. Os outrossão obrigados a apoia-los.

E' exactamente por essa logica que o Hezbolah: a populacao israelita esta' com o governo, suporta as suas politicas, logo e' um alvo legitimo.

Citação de: "papatango"
Infelizmente, parece que eles não têm (ou não lhes foi ensinada) capacidade para entender as regras da democracia e da convivência pacífica.


E estao a ter uma verdadeira licao, infelizmente nao de democracia, porque o professor nao e' suficientemente competente.
Título:
Enviado por: NVF em Julho 17, 2006, 03:05:12 pm
Citação de: "papatango"
Não pode haver interpretaçãos "livres" para a democracia e a liberdade.


E eu que pensava que a liberdade de pensamento e de expressao fossem conceitos democraticos. Ou sera' que nao se aplicam aos outros - os que tem uma visao diferente da nossa?

Se vamos por ai, entao Israel nao e' uma democracia. Um regime que tortura, oprime e mata cidadaos de territorios ilegitimamente ocupados e que condiciona as liberdades dos seus proprios cidadaos - arabes israelitas - dificilmente pode ser considerado uma democracia.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 03:16:56 pm
Citar
World War III? Risking peace


Newt Gingrich said what we all fear: "We are in the early stages of what I would describe as the third world war."

The former Speaker of the House and possible Republican candidate for president explained on NBC's "Meet the Press" what he described as the theaters of this war, North Korea's test missile, terrorist bombs in India, continued war in Afghanistan and the threats against Israel from the alliance of Iran, Syria, Hamas and Hezbollah.

Gingrich warned of a Puget Sound calamity. "You know, before the show, we were talking about Seattle and the extraordinary port facility there. Can we risk losing San Francisco or Seattle? Can we risk -- I mean, people don't -- if nuclear weapons and biological weapons didn't exist, we would not be having this conversation," he said. "But people have got to come to a core grip here. When, when the Hart-Rudman Commission reported in 2001, it said, in March, 'The greatest threat to the United States is a weapon of mass destruction going off in an American city, probably from terrorists.' "

We don't agree with all of Gingrich's assessment, but we worry that this, indeed, could be the beginning of wider conflicts.

But is it too late? Has it already begun? We hope not -- and the United States should use every available resource to make this a false prophecy.

Voices in the region say the first mission ought to be to support and build the strength of the legitimate government of Lebanon. (Unfortunately, Israel's military option is more likely to topple this new democracy.) That government lacks the military strength to stop Hezbollah. But that government (which has asked for a cease-fire) does have popular support. Lebanon's Daily Star put it this way: "What has been missing is a consensus with sufficient strength and appeal to forge a genuinely Lebanese identity. Hezbollah has always been the missing catalyst."

Can Hezbollah (or any terrorist organization) be defeated on a military field by a foreign power? We doubt that proposition; the best hope is a strong, effective local government. Consider that Israel attacked Lebanon more than 20 years ago, pledging to rid the world of Hezbollah -- and failed. Yet less than a year into Lebanon's democratic experiment, Israel has already run out of patience, giving up on a credible alternative.

Indeed, what investments have the world's democracies been making to build Lebanon's political and military infrastructure? And what about the conflict in Gaza? There could have been more global diplomatic efforts designed to force Hamas into the political process, instead of cutting off their money and any hope of legitimacy.

Those who see this conflict as the final battle -- Gingrich included -- seem to underestimate the risks of failure (a situation not unlike before the Iraq war).

There is another path. The president should immediately appoint an experienced diplomat with the full authority of the United States to start a fresh dialogue. We cannot afford another war -- especially one of global proportions.




http://seattlepi.nwsource.com/opinion/277742_editsub.html


Pelos vistos ja ha quem tente tirar dividendos politicos desta instabilidade...
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 03:24:35 pm
Citação de: "Marauder"
Aparentemente a água também é alvo estratégico...que será a seguir..os supermercados?
Num clima desertico, e' dos alvos mais estrategicos... ninguem combate quando esta a morrer a sede.

Citação de: "Marauder"
Sim, o Hezbollah tem apoio de uma parte do povo libanês, mesmo assim não dá direito a Israel de os castigar.

Eu não concordo com a representação do Hezbollah no parlamento libanês...esta ideia simplesmente dá carta branca a Israel para atacar o pais...Libano.. e não o grupo terrorista.

Decerto que se o PCP tivesse a mandar misseis para Espanha, e nós não os expulsássemos do Parlamento (sem falar de tomar acções de terreno), simplesmente daria poder a Espanha para atacar Portugal.

Secalhar é nessa linha de pensamento que Israel tomou, e explica a noticia de bombardeamento de um quartel das forças armadas libanesas...
Precisamente... a mensagem que Israel pretende transmitir parece-me clara, "qualquer individuo ou estado que apoie agressoes contra israel estara a cometer suicidio".

Citação de: "NVF"
Citação de: "papatango"
Não pode haver interpretaçãos "livres" para a democracia e a liberdade.
E eu que pensava que a liberdade de pensamento e de expressao fossem conceitos democraticos. Ou sera' que nao se aplicam aos outros - os que tem uma visao diferente da nossa?
Liberdade de pensamento nao implica poder manipular conceitos estabelecidos ha milhares de anos para os proprios fins.

Citação de: "NVF"
Se vamos por ai, entao Israel nao e' uma democracia. Um regime que tortura, oprime e mata cidadaos de territorios ilegitimamente ocupados e que condiciona as liberdades dos seus proprios cidadaos - arabes israelitas - dificilmente pode ser considerado uma democracia.
Por definicao (e como o papatango disse, e bem) democracia apenas implica que o poder esteja nas maos do povo... ou sera que ja se esqueceu da escravatura na antiga grecia, mae da democracia? Quando muito pode dizer que tais comportamentos sao censuraveis e condenaveis... mas nao sao eles que impedem que israel seja uma democracia. Quanto a tortura, e como ja alguem disse... a unica forma de lidar com quem nao tem medo de morrer, e' faze-los ter medo de viver.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 03:24:52 pm
Citação de: "NVF"
Se vamos por ai, entao Israel nao e' uma democracia. Um regime que tortura, oprime e mata cidadaos de territorios ilegitimamente ocupados e que condiciona as liberdades dos seus proprios cidadaos - arabes israelitas - dificilmente pode ser considerado uma democracia.


Bem verdade...podemos é dizer que secalhar é o país da região com uma postura mais democrática talvez...

Mas se formos analizar muitas "ditas" democracias...existem muitas lacunas..

O exemplo melhor vem do pais que se considera o berço da liberdade, democracia..e outras balelas..

...relação dos EUA com o terrorismo..dava para uma tese de Doutoramento!! Com importantes capítulos como Guantanamo..

No outro dia li um comment de um veterano americano que estava num centro de veteranos..e aparentemente foi algemado e multado (e ainda vai a julgamento)..porque parece estava com uma t-shirt contra a guerra e a favor da paz. O polícia ou agente responsavel do centro estava a dizer que ele não podia tar com aquela tshirt e tal..e o veterano só disse..."ah e tal..eu só quero beber o meu café....como pode ver eu não estou a protestar"...o resultado já o disse...

Interessantes formas de expressar liberdade e conceitos democráticos..por alguma coisa existe um indice relancionado com as liberdades individuais e estados mais democraticos...tem um nome assim do genero. Como é obvio...EUA não estão no topo..e muito longe dele na realidade.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 03:36:54 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
Aparentemente a água também é alvo estratégico...que será a seguir..os supermercados?
Num clima desertico, e' dos alvos mais estrategicos... ninguem combate quando esta a morrer a sede.


Se ao menos soubesse realmente o que diz....

Deve estar a confundir alvo estratégico com recurso estratégico..nesse caso sim..a água é um factor importante no médio oriente, e muito mais em África.

No entanto...ora bolas Azraael...voce ainda usa táticas dignas da segunda guerra mundial.

É certo que se destruirem os recursos híbricos da região bem como os armazens de comida terá um efeito positivo na guerra contra o Hezbollah...mas...e os civis....e as convenções? e os direitos humanos...?

Porquê tanto trabalho Azraael...segundo esta linha de pensamento...que mandem os B-29 fazer bombardeamento estratégicos.....aliás...uns morrem porque são Hezbollah...outros porque provavelmente eram apoiantes do grupo...e se eram libaneses...pois...as conexões com o Hezbollah dá-lhes carta branca para serem alvos legítimos de Israel. Afinal...quando um estado que muitos dizem ser democrático usa técnicas terroristas..o que é que faz desse estado?...amante da liberdade e paz? não.....estado terrorista....isto é lógica...podem-se queixar aos gregos que a inventaram...

Podem é usar a lógica israelita do dente por dente olho por olho...ou usar o fogo contra o fogo.

Nestes conflictos recentes nunca vi os recursos hídricos tornarem-se um alvo...[a não ser que tenha 1 sniper lá escondido..o mesmo vai para as mesquitas no iraque].....mas aos olhos do Azraael..aparentemente é legítimo...simplesmente ninguem o faz porque....hum.......pensa lá nisto...


Hum..e porque não matar as crianças Azraael....com a desculpa que são na realidade futuros membros do Hezbollah...

O que teria sido muitíssimo interessante era se no mini-bus que os israelitas pulverizaram...que estivessem lá dentro os dois soldados israelitas...de certeza que secalhar teriam mais pesar..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 03:50:12 pm
Citação de: "Marauder"
Deve estar a confundir alvo estratégico com recurso estratégico..nesse caso sim..a água é um factor importante no médio oriente, e muito mais em África.
Um recurso estrategico para o nosso inimigo, e' um algo estrategico para nos... nao e' que esteja a defender este tipo de ataque, apenas a tentar perceber a logica por detras dele.

Citação de: "Marauder"
e as convenções? e os direitos humanos...?
O Hezbollah assinou alguma convencao? Ou sera que lancar rockets contra escolas e' respeitar os direitos humanos?

Citação de: "Marauder"
Podem é usar a lógica israelita do dente por dente olho por olho...ou usar o fogo contra o fogo.
Precisamente...

Citação de: "Marauder"
Nestes conflictos recentes nunca vi os recursos hídricos tornarem-se um alvo...[a não ser que tenha 1 sniper lá escondido..o mesmo vai para as mesquitas no iraque].....mas aos olhos do Azraael..aparentemente é legítimo...simplesmente ninguem o faz porque....hum.......pensa lá nisto...
Nao disse que era legitimo ou nao... apenas tentei perceber a razao de tal ataque.

Citação de: "Marauder"
Hum..e porque não matar as crianças Azraael....com a desculpa que são na realidade futuros membros do Hezbollah...
Se falares com algumas das pessoas que combateram no Ultramar habilitas-te a ouvir algumas historias desse genero.. (infelizmente)

Citação de: "Marauder"
O que teria sido muitíssimo interessante era se no mini-bus que os israelitas pulverizaram...que estivessem lá dentro os dois soldados israelitas...de certeza que secalhar teriam mais pesar..
Teriam sido apenas danos colaterais... apesar de que duvido que os soldados ainda estejam vivos, ou que israel tenha alguma esperanca de os reaver. Apesar que em termos de opiniao publica interna provavelmente nao teria sido muito bom (e dai talvez fosse).
O que se passa e' que Israel percebeu que negociacoes e paninhos quentes nao resultam... e que se o Hezbollah quer uma guerra, e' uma guerra que vai ter. Como eu sempre gostei de citacoes, aqui vai outra... "se deres um pontape no rabo de um tigre distraido, convem que tenhas um plano para lidar com os dentes" parece-me que o Hezbollah se esqueceu que o tigre tinha dentes, e garras, etc..
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 04:13:13 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
e as convenções? e os direitos humanos...?
O Hezbollah assinou alguma convencao? Ou sera que lancar rockets contra escolas e' respeitar os direitos humanos?

Sim..mas essa lógica é muito distorcida.."porque os nossos inimigos não respeitam as convenções..nós também não as vamos respeitar"......então...para qué as convenções...se perante um determinado inimigo tudo é esquecido? Essa resposta só ajuda a chamar de terroristas às chefias e dirigentes israelitas...

Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
Hum, e porque não matar as crianças Azraael....com a desculpa que são na realidade futuros membros do Hezbollah...
Se falares com algumas das pessoas que combateram no Ultramar habilitas-te a ouvir algumas historias desse genero.. (infelizmente)

A não ser que se tratassem de crianças soldado, penso que o nome para esses soldados é ASSASSINOS...comigo os combatentes do ultramar não falam muito...para a maior parte deles é muito doloroso.

Sim..é verdade Azraael...essa do tigre....a acção do Hezbollah foi ingénua...mas eles tem a sua luta a manter...não é por andar mais calminhos que eles se desviam do objectivo. O chato é andarem nisto à já umas decadas,e pronto, aparentemente ambos os lados gostam do jogo que fazem.

Eu critico duramente ambas as posições...mas..a do Hezbollah..por utlizar armas e em vez de palavras e atacar civis é facilmente criticavel e nada mais, mas muito mais críticavel é a posição de Israel.."estado democrático e tolerante" que tenta mostrar..."Eles são os terroristas, nós os oprimidos.." e justifica todas as suas acções assim sem olhar ao que motiva as acções do inimigo. O mal é que Israel sobreviveu na história desta forma...e aparentemente querem continuar a sobreviver assim...

Tem que se conhecer o passado do conflicto para se perceber....que não existe um lado certo...apenas civis que morrem..e batalhas que se travam..
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 04:16:01 pm
Que seria dos Portugueses se agora os israelitas envadissem o nosso território ???????? pq não se pode esquecer a história e o passado!!!se nós estivessemos no lugar deles Palestinianos e Libaneses??!!
Quando era miudo e via na TV as noticias dos ataques terroristas dizia para mim coitados dos israelitas mas não conhecia a história, nos tempos que correm não posso dizer o mesmo.  :evil:
( não concordo com os métodos nem de uns nem de outros ambos têem a mãos cheias de sangue) Acredito que do lado israelita existem pessoas boas como do lado Palestiniano e Libanês.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 04:23:50 pm
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
e as convenções? e os direitos humanos...?
O Hezbollah assinou alguma convencao? Ou sera que lancar rockets contra escolas e' respeitar os direitos humanos?
Sim..mas essa lógica é muito distorcida.."porque os nossos inimigos não respeitam as convenções..nós também não as vamos respeitar"......então...para qué as convenções...se perante um determinado inimigo tudo é esquecido? Essa resposta só ajuda a chamar de terroristas às chefias e dirigentes israelitas...
A meu ver, as convencoes so fazem sentido se ambos os lados as respeitarem... senao, o lado que tiver mais limitacoes (convencoes a respeitar) e' o lado que sai a perder...

Citação de: "Marauder"
A não ser que se tratassem de crianças soldado, penso que o nome para esses soldados é ASSASSINOS...
Sem duvida... e se calhar tambem ouves algumas historias de futebol "azteca"... :(

Citação de: "Marauder"
O chato é andarem nisto à já umas decadas...e pronto....aparentemente ambos os lados gostam do jogo que fazem....
A mim parece-me que Israel se chateou do jogo e anda a ver se faz xeque mate...

Citação de: "Marauder"
Tem que se conhecer o passado do conflicto para se perceber....que não existe um lado certo...apenas civis que morrem..e batalhas que se travam..
O  lado certo e' aquele que procura a paz e tenta evitar a guerra...e isso Israel ja demonstrou querer inumeras vezes (uma das mais recentes tendo sido a retirada unilateral da faixa de gaza e respectivos colonatos).
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 04:30:31 pm
AZrael
"O lado certo e' aquele que procura a paz e tenta evitar a guerra...e isso Israel ja demonstrou querer inumeras vezes (uma das mais recentes tendo sido a retirada unilateral da faixa de gaza e respectivos colonatos)"

Foi pena o Sharon ter saido pq parecia que estava no bom caminho nos últimos tempos, o novo PM não me convence. Se bem que a chegada ao poder do Hamas tb não ajudou a acalmar ou mesmo aproveitar a retirada de israel para realizar o acordo de paz e acabar com esta matança dos dois lados.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 04:43:52 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
e as convenções? e os direitos humanos...?
O Hezbollah assinou alguma convencao? Ou sera que lancar rockets contra escolas e' respeitar os direitos humanos?
Sim..mas essa lógica é muito distorcida.."porque os nossos inimigos não respeitam as convenções..nós também não as vamos respeitar"......então...para qué as convenções...se perante um determinado inimigo tudo é esquecido? Essa resposta só ajuda a chamar de terroristas às chefias e dirigentes israelitas...
A meu ver, as convencoes so fazem sentido se ambos os lados as respeitarem... senao, o lado que tiver mais limitacoes (convencoes a respeitar) e' o lado que sai a perder...


Azraael...só te vou explicar isto mais uma vez....para começar..as convenções de direitos humanos foram assinados entre países. Segundo...nunca pensaste no porqué que se chama o Hezbollah de organização terrorista?.....E então...que é que achas que se deve chamar a um estado que usa os mesmos métodos [segundo tuas palavras] que uma organização terrorista?

Continuo a dizer...não é por se ter que combater terroristas que se deve baixar ao nível deles.....ora bolas...até o George Bush defende isto..(mas não o aplica ---> Guantanamo).

Futebol azteca? Não percebi..

 Exacto...por isso é que temos diferenças de opiniões...para mim ambos são culpados...para si Israel é a entidade que tem razão..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 04:52:39 pm
Citação de: "Marauder"
Continuo a dizer...não é por se ter que combater terroristas que se deve baixar ao nível deles.....ora bolas...até o George Bush defende isto..(mas não o aplica ---> Guantanamo).
E a mim parece-me que nao faz sentido respeitar quem nao nos respeita...

Citação de: "Marauder"
Futebol azteca? Não percebi..
Com uma cabeca humana... semelhante ao que os aztecas faziam com o tlachtli.

Citação de: "Marauder"
Exacto...por isso é que temos diferenças de opiniões...para mim ambos são culpados...para si Israel é a entidade que tem razão..
Para mim, Israel sera a menos culpada... as culpas estao de ambos os lados.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 05:23:55 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "Marauder"
Continuo a dizer...não é por se ter que combater terroristas que se deve baixar ao nível deles.....ora bolas...até o George Bush defende isto..(mas não o aplica ---> Guantanamo).
E a mim parece-me que nao faz sentido respeitar quem nao nos respeita...


Em nome da opinião pública internacional, sim, à luz de os acordos que Israel assinou..sim..

Imagine por exemplo a hipotética existência de Israel na 2ª guerra mundial....a seus olhos seria aceitável Israel massacrar todos os alemães que se encontrassem em Israel...tal como a Alemanha fez no Holocausto...afinal...estamos somente a seguir a política do..o que quer que ele faça nós fazemos.

Para mim quebra outros principios...eu respeito mais o do..não faças aos outros o que não gostes que façam a ti..

---------

A postura de Israel...sinceramente é de um deixa andar...após terem lutado contra os arabes para criar o país, através de um claro domínio sobre estes a nível de tecnologia militar e pronto..a nível militar...tem tentando muito ténuamente chegar a acordo pela paz....assim a se esqueçerem de tudo o que se passou no passado...

Por alguma coisa os arabes querem a fronteira de 67...algo que Israel não aceita..

Como o Aero disse...Sharon realmente estava a demonstrar algo impensável para um general que aparentemente cometeu crimes contra a humanidade no seu passado bélico. Levantou-se contra a as facções ultra-religiosas e começou a abandonar os colonatos..e retirou-se em 2000 do Líbano...excepto as Quintas de Sheeba. Mas tal como Rabbin...não estava para acontecer..

Israel tem que se lembrar que...Israel foi criada com terras roubadas aos àrabes...logo...porqué não regressar à fronteira de 67?

E se para houver paz Israel terá que libertar todos os prisioneiros palestinianos...porqué não o faz?...

A verdade é que Israel não quer arriscar nisso...e pronto..os arabes terão os seus objectivos por que lutar, e os israelitas terão os terroristas para abater..
Título:
Enviado por: NVF em Julho 17, 2006, 05:34:42 pm
E' curioso falar em definicoes de conceitos definidos ha' milhares de anos, quando obviamente esses conceitos evoluiram, nao se mantiverm estaticos. E quem sao os guardioes desses conceitos: os EUA, a Franca, o Reino Unido, a Grecia, a UE, Israel, o Azraael, a Russia?. Pela logica de alguns parece ser quem tem mais forca.

A facilidade com que se dizem barbaridades e' assustadora.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 17, 2006, 05:35:24 pm
O principal problema com a fronteira de 1967 é que durante a guerra dos 6 dias (que aconteceu nesse ano), Israel ocupou os Montes Golã que eram territótio Sirio, mas por exemplo a peninsula do Sinai também foi ocupada pelos Israelitas quando venceram os Egipcios e mais tarde eles devolveram-na mas os Montes Golã são uma posição estratégica a nivel militar já que estão numa região practicamente plana.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 17, 2006, 05:40:40 pm
Citação de: "Hélder"
O principal problema com a fronteira de 1967 é que durante a guerra dos 6 dias (que aconteceu nesse ano), Israel ocupou os Montes Golã que eram territótio Sirio, mas por exemplo a peninsula do Sinai também foi ocupada pelos Israelitas quando venceram os Egipcios e mais tarde eles devolveram-na mas os Montes Golã são uma posição estratégica a nivel militar já que estão numa região practicamente plana.


Ora bolas Helder..agora meteste-me na dúvida se eles querem as fronteiras "pré-guerra dos seis dias" ou já aceitam a "pos-guerra dos seis dias". Penso ser a pré..
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 17, 2006, 05:50:58 pm
Citação de: "Marauder"
Ora bolas Helder..agora meteste-me na dúvida se eles querem as fronteiras "pré-guerra dos seis dias" ou já aceitam a "pos-guerra dos seis dias". Penso ser a pré..


Acho que o que alguns paises àrabes (Síria) querem é a pré, visto que se for a pós é algo deste género :lol:

http://www.mideastweb.org/israelafter1967.htm (http://www.mideastweb.org/israelafter1967.htm)

Agora a sério, só os Montes Golã é que ainda continuam sob o controlo Israelita porque todos os restantes territorios já foram devolvidos aos paises de direito ou estão sob a autonomia (fantoche) da Autoridade Palestiniana.
Mas sempre pensei que os paises àrabes oficialmente não aceitassem a existencia de Israel, nesse caso para eles não deveria existir disputa por fronteiras que eles não reconhecem não é?
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 08:08:00 pm
Citar
Militia Rebuked by Some Arab Countries

With the battle between Israel and the Lebanese militia Hezbollah raging, key Arab governments have taken the rare step of blaming Hezbollah, underscoring in part their growing fear of influence by the group’s main sponsor, Iran.

Saudi Arabia, with Jordan, Egypt and several Persian Gulf states, chastised Hezbollah for “unexpected, inappropriate and irresponsible acts” at an emergency Arab League summit meeting in Cairo on Saturday.

The Saudi foreign minister, Prince Saud al-Faisal, said of Hezbollah’s attacks on Israel, “These acts will pull the whole region back to years ago, and we cannot simply accept them.” Prince Faisal spoke at the closed-door meeting but his words were reported to journalists by other delegates.

The meeting ended with participants asserting that the Middle East peace process had failed and requesting help from the United Nations Security Council.

It is nearly unheard of for Arab officials to chastise an Arab group engaged in conflict with Israel, especially as images of destruction by Israeli warplanes are beamed into Arab living rooms. Normally under such circumstances, Arabs are not blamed, and condemnations of Israel are routine.

But the willingness of those governments to defy public opinion in their own countries underscores a shift that is prompted by the growing influence of Iran and Shiite Muslims in Iraq and across the region.

The way some officials see it, Arab analysts said, Israel is the devil they know, but Iran is the growing threat.

“There is a school of thought, led by Saudi Arabia, that believes that Hezbollah is a source of trouble, a protégé of Iran, but also a political instrument in the hands of Iran,” said Adnan Abu Odeh, a Jordanian sociologist. ‘This school says we should not play into the hands of Iran, which has its own agenda, by sympathizing or supporting Hezbollah fighting against the Israelis.”

Hanna Seniora, a Palestinian analyst with the Israel/Palestine Center for Research and Information, lauded the Arab opposition to Hezbollah on Sunday.

“For the first time ever, open criticism was heard from countries like Saudi Arabia, Egypt and Jordan against the unilateral actions carried out by radical organizations, especially Hezbollah of Lebanon,” wrote Mr. Seniora, who favors coexistence with Israel and opposes radical Islam. “It became clear and beyond doubt that the most important Arab countries did not allow their emotions to rule their judgment.”

The willingness of the leading governments to openly defy Arab public opinion, which has raged against Israel’s actions in Lebanon and the Gaza Strip, underscores the readjustment of risks Arab governments say they face.

It also reflects pressure from Washington on its Arab allies to stand against Hezbollah’s actions, American officials said. At the Group of 8 summit meeting in Russia, President Bush and Secretary of State Condoleezza Rice noted with approval that a number of Arab countries had criticized Hezbollah.

That criticism could pressure Hezbollah to give up its weapons. It could also help American efforts to contain Iran.

“Who’s benefiting?” asked a senior official of one of the Arab countries critical of Hezbollah who was granted anonymity because he was not authorized to speak publicly. “Definitely not the Arabs or the peace process. But definitely the Iranians are.”

There may be no material proof of Iran’s involvement in the conflict, the senior official added, but all indications point to an Iranian role.

Arab leaders have long been wary fof Iran. But with Iran exercising increased influence in Iraq and stirring the emotions of Arab and Muslim masses frustrated about the occupation of Iraq, the Palestinian-Israeli conflict and America’s role in the region, fear of Iranian influence has increased.

“You have Hezbollah, a Shiite minority, controlled by Iran, working, and the Iranians are embarrassing the hell out of the Arab governments,” said Riad Kahwaji, managing director of the Institute for Near East and Gulf Military Analysis in Dubai. “The peace process has collapsed, the Palestinians are being killed and nothing is being done for them. And here comes Hezbollah, which is actually scoring hits against Israel.”

From its start in 1982, Hezbollah has relied on Iranian support and weapons, and logistical support from Syria. Iran has made no secret of its support for Hezbollah, and in recent months boasted to visiting scholars about providing it with missiles.

Israel has accused Iran of providing Hezbollah with sophisticated weaponry and said Iran’s elite Revolutionary Guard has trained guerrillas in Lebanon. The Iranian Foreign Ministry spokesman, Hamidreza Assefi, brushed aside the accusations on Sunday. Mr. Assefi denied that Iran had trained guerrillas in Lebanon, and added: “It is not true that we have sent missiles. Hezbollah is capable enough. The Zionist regime is under pressure.”

A number of Lebanese have also publicly complained about Hezbollah, saying its attack on Israeli soldiers last Wednesday was carried out unilaterally and has drawn the country into a conflict it did not seek.

At the Arab summit meeting on Saturday, Syria’s foreign minister, Walid Moallem, lashed back at the critics of Hezbollah, The Associated Press reported, demanding, “How can we come here to discuss the burning situation in Lebanon while others are making statements criticizing the resistance?”

The countries supporting Syria included Yemen, Algeria and Lebanon.

In a speech broadcast on Sunday, Hezbollah’s leader, Sheik Hassan Nasrallah, derided the Arab criticism. “It is clear that they are unable as governments and leaders to do anything,” he said. “The people of the Arab and Islamic world face a historic chance to achieve a historic victory against the Zionist enemy.”

Some in Beirut said they were deeply disappointed in their fellow Arabs. “I am ashamed of the Arabs,” said Omar Ajaq, who with his family escaped the bombing of Beirut’s southern suburbs to a shelter in central Beirut. “They are utterly useless. People are now betting on the resistance. We no longer have faith in Arab leaders.”



http://www.nytimes.com/2006/07/17/world/middleeast/17arab.html

Ate os arabes se comecam a virar contra o Hezbollah... (apesar que de alguns destes paises nao seria de esperar outra coisa).
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 09:06:51 pm
Marinha portuguesa pronta para retirar portugueses do Líbano

"O ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, afirmou hoje que a Marinha está pronta a actuar se for chamada para retirar cidadãos portugueses do Líbano, mas sublinhou que não há ainda qualquer pedido nesse sentido"
Diário Digital / Lusa

Se os Portugueses vão sair com os Franceses porque razão esta gente se poê a inventar???!! Ouvi o ministro na RTP agora mesmo e na reportagem diziam que demorava 6 dias para a marinha Portuguesa lá chegar. Muito gosta esta gente de falar ao micro, esta mania de ter protagonismo é uma vergonha. Foi visitar a base naval e andar de heli e pronto toca a fazer declarações. Se estivessem prontos a fragata já estava a caminho... :roll:
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 17, 2006, 09:24:28 pm
Citação de: "aero"
Se os Portugueses vão sair com os Franceses porque razão esta gente se poê a inventar???!! Ouvi o ministro na RTP agora mesmo e na reportagem diziam que demorava 6 dias para a marinha Portuguesa lá chegar. Muito gosta esta gente de falar ao micro, esta mania de ter protagonismo é uma vergonha. Foi visitar a base naval e andar de heli e pronto toca a fazer declarações. Se estivessem prontos a fragata já estava a caminho... :roll:
Por sinal os tugas ate ja se fizeram ao mar, rumo a chipre...

Citar
Navio fretado pela França partiu esta tarde do porto de Beirute

O “ferry” fretado pela França para evacuar os seus cidadãos e nacionais de outros países europeus partiu ao início da noite do porto de Beirute, com destino a Chipre, levando a bordo 1250 passageiros, onze dos quais portugueses.

De acordo com as autoridades francesas, o navio transporta 800 franceses, 300 dos quais crianças, 400 europeus de outras nacionalidades, e ainda 50 norte-americanos.

Os evacuados deverão chegar dentro de algumas horas ao porto de Larnaca, em Chipre, de onde partirão depois de avião para Paris.

Segundo o secretário de Estado das Comunidades, António Braga, seguem no navio onze dos 25 cidadãos portugueses que pediram ajuda para sair do Líbano, face à intensificação dos bombardeamentos israelitas ao país.

De acordo com o governante, desse grupo pelo menos dois portugueses deverão regressar a Portugal, enquanto os restantes pediram para partir para o Egipto, Alemanha, França e Bélgica.

Um segundo grupo de portugueses deverá embarcar na próxima viagem do “ferry” fretado pela França, prevista pela quarta-feira.

Entretanto, três portugueses chegaram hoje, por via terrestre, a Damasco, integrados numa operação de evacuação organizada pelas autoridades espanholas, seguindo depois para Madrid.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264353
Título:
Enviado por: aero em Julho 17, 2006, 09:40:24 pm
Citar
Por sinal os tugas ate ja se fizeram ao mar, rumo a chipre...


 :rir: Duro Duro
Título:
Enviado por: MERLIN em Julho 18, 2006, 08:43:17 am
Onde estas tu NAVPOL, farias hoje tanta falta!!! Tal como o desejado estas perdido no nevoeiro.... dos estaleiros de Viana e na mente do Severiano!
Cumptos
Título:
Enviado por: papatango em Julho 18, 2006, 09:50:11 am
Citar
E' curioso falar em definicoes de conceitos definidos ha' milhares de anos, quando obviamente esses conceitos evoluiram, nao se mantiverm estaticos. E quem sao os guardioes desses conceitos: os EUA, a Franca, o Reino Unido, a Grecia, a UE, Israel, o Azraael, a Russia?. Pela logica de alguns parece ser quem tem mais forca.

A facilidade com que se dizem barbaridades e' assustadora.


NVF ->
Há conceitos que definem e delimitam e que se transformaram em principios.
Você não pode mudar os principios, porque se não, muda tudo.

A Democracia adaptou-se aos tempos. Inicialmente só votavam os Cidadãos, e apenas uma pequena parte da população tinha o estatuto de Cidadão.
Com o passar do tempo, esse conceito passou a incluir todos os Homens (homens e mulheres).

Mas na essência, a ideia continua a mesma que foi definida há 25 séculos.

Um grupo de Cidadãos, hoje um grupo de Homens deve decidir o seu futuro, baseando-se na regra da maioria.

O que a maioria disser, é o que deve ser feito.
A essa regra os gregos chamaram de Demo Kratia. Governo do Povo.

Quando um líder do mundo árabe diz que há muitas formas de interpretar democracía, ele não está a defender mais poder para as mulheres, ou formas de aprofundar a democracia. O que ele está a dizer é que há quem ache que pode haver democracía, sem que se respeite a regra basilar do governo da maioria.

Se a democracia deixa de ser o governo da maioria, então está aberto o caminho para que se chame democracia a todo o tipo de regime.

O Rei da Jordania, quer ser democrata, mas evidentemente está no poder por razões dinásticas e não porque a maioria do povo o aceite.

Outra coisa que os "neodemocratas" afirmam, é que a regra da alternância entre governantes também não tem que se aplicada.

É claro que as teocracias, as monarquias absolutas e gente como o Vladimir Putin ou o Bassar Al Assad, adoram a ideia de uma democracía onde voce controla o país até à morte e não precisa de eleições para saber se a maioria o apoia.

Salazar também chegou a dizer que Portugal era uma democracía.

Mas porque um líder distorce conceitos de 2500 anos, para justificar a sua continuidade no poder, isso não lhe dá ao mesmo tempo o direito de chamar democracia a uma ditadura, apenas porque fica mais bonito e agradável ao ouvido.

Tem que haver principios!
Se não, é a anarquia.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: aero em Julho 18, 2006, 10:04:25 am
Citar
Portugueses em terra
 
Não saíram do Líbano no ferry que chegou ao Chipre
 
Nenhum dos portugueses que deveriam ter saído do Líbano chegou hoje ao porto cipriota de Larnaca a bordo do ferry fretado pelo Governo francês. A garantia foi dada pelo embaixador português no Chipre, António Jacob Carvalho, em declarações à agência Lusa.  
 


António Jacob Carvalho adiantou também que uma cidadã libanesa que reside em Portugal, que deveria ter embarcado junto com os 11 portugueses, também não se encontra a bordo do navio.

"Sabemos que o ferry que hoje chegou a Larnaca vai voltar ao Líbano para trazer mais pessoas", afirmou o embaixador português, esperançoso de que os portugueses embarquem nessa nova viagem do "Iera Petra".

O embaixador português António Jacob Carvalho disse ainda que está a tentar apurar o que se passou com os portugueses que não conseguiram embarcar.

Os cidadãos portugueses deveriam ter embarcado no "Iera Petra" mas um bombardeamento israelita perto do porto onde se encontrava atracado o ferry-boat terá lançado a confusão nas entradas a bordo, disse o diplomata.

"Os passageiros estavam a entrar para o barco quando se deu o bombardeamento e, ao que parece, alguns (incluindo os portugueses) terão ficado em terra", adiantou António Jacob Carvalho.

O embaixador português disse ainda à Lusa que o conselheiro da Embaixada portuguesa no Chipre Gaspar da Silva continua no porto cipriota de Larnaca a acompanhar a situação."


Com Lusa
 
 
http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais ... +terra.htm (http://sic.sapo.pt/online/noticias/pais/20060718+Portugueses+em+terra.htm)


 :rir:  :evil: porque é sempre a mesma coisa. Falam falam falam ou não fazem nada ou não fazem como deve ser.
Título:
Enviado por: komet em Julho 18, 2006, 11:30:31 am
Imagino se os portugueses tivessem morrido de uma ceifada com um bombardeamento... as justificações que eles dariam para ainda não ter meios na região...

hey! com sorte podiamos testar as capacidades anti-aéreas das fragatas  :lol:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 18, 2006, 11:40:22 am
http://www.youtube.com/watch?v=vJJm7B6A ... ch=lebanon (http://www.youtube.com/watch?v=vJJm7B6AKuc&search=lebanon)

Se os Sr.'s administradores e moderadores, deste Forum acharem que o video contem imagens excessivamente violentas, eliminem este post.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 18, 2006, 12:41:01 pm
http://www.youtube.com/watch?v=VXO8NCXw ... non%201982 (http://www.youtube.com/watch?v=VXO8NCXwpk8&search=lebanon%201982)
Título:
Enviado por: TOMKAT em Julho 18, 2006, 03:06:09 pm
Há vários detalhes neste conflito que convém não deixar passar em claro.

É condenável o ataque a objectivos civis ? É óbvio que sim.

Era esperada esta reaccção de Israel ? É óbvio que sim.

Apenas Israel tem culpa neste conflito ? É óbvio que não.

Numa altura em que Israel ia devolvendo os territórios ocupados, lentamente mas que ia devolvendo é um facto, serão inocentes as acções de grupos radicais, quando a reacção de Israel era mais que previsível ?

Numa altura em que o país que mais influência tem sobre estes grupos (Irão) estava sobre pressão internacional devido às suas pretensões nucleares, será apenas coincidência o despoletar de um conflito, que teve como primeira consequência o fim do diálogo entre Isarel e os palestinianos moderados, numa altura em que era evidente a perca de influência do Hamas (pró-iraniano) dentro da comunidade palestiniana, devido às consequências negativas para os próprios palestinianos devido às acções do Hamas enquanto governo e ao corte de diálogo/apoio do governo israelita com a liderança palestiniana, nas maõs do Hamas ?

O clima de quase guerra civil entre as diversas facções palestinianas esfumou-se como por encanto.
Porque será ? Acabaram as divergências entre eles ?

O problema iraniano e as suas pretensões nucleares repentinamente deixou de ser notícia.
Quase diáriamente surgiam notícias de pressões sobre o regime iraniano devido às sua intenções nucleares.
Será que a “ameça” nuclear iraniana é hoje menor do que era antes do despoletar do conflito israelo-libanês ?

É o Hezbollah um grupo político de militantes inocentes pacifistas ?

É natural num país (Líbano) que pretensamente tem forças armadas , existir um grupo exterior a essa mesmas forças armadas, capaz de possuir diverso tipo de armamento, desde a vugar kalashnikov, passando pelos misseis katiuska, até a misseis mais sofisticados e com outra capacidade bélica, vide o ataque à corveta israelita, e que essa posse/aquisição de material bélico passe ao lado das autoridades libanesas ?

É natural que um país que naturalmente pretenda manter intacta a sua integridade territorial, não mantenha nenhuma presença militar precisamente na fronteira de onde virá o maior perigo potencial ?

É natural num país soberano existir um grupo, exterior à autoridade militar desse mesmo país, que efectue actos de provocação numa fase inicial, e que mantenha uma acividade militar digna de registo, dando-se ao “luxo” de atacar alvos bem no interior do país inimigo, e que as autoridades desse mesmo país assistam passivamente à destruição das suas estruturas como retaliação às ctividades originárias do seu território, sem retaliar diexando esse papel para esse grupo radical que despoletou o conflito ?

A reacção israelita é desproporcionada ?

Antes de ser desproporcionada, era mais que previsível. Provavelmente a continuação da existência de Israel nos dias de hoje, para além da protecção norte-americana, é o facto de quem os atacar, saber que a sua reacção será imediata, sem exitações, e sem contemplações. Par além do poderio militar que possuem, fica a mensagem que sempre passaram de que não hesitam em usá-lo sempre que achem necessário, independentemente das condenações políticas que venham a surgir.

Facto curioso, é que na primeira invasão do Líbano nos anos 80, houve uma forte contestação interna em Israel a essa mesma invasão. Hoje a unanimidade e geral a favor das actuais operações militares.

Falando de condenações é curioso também que os dois países que mais alto levantaram a sua voz contra as acções israelitas no Líbano, Rússia e França, têm memória curta.
As acções  miltares russas na Tchechénia tiveram pouco de convencionais e proporcionadas.
A França, quando há uns anos atrás um seu avião foi destruido na Costa do Marfim, num acto de retaliação, destruíu toda a força aérea costa-marfinense, … proporcional e adequado…

Concluindo…

Cerca de 35% da população libanesa é xiita, o que é significativo, se tivermos em conta que no Líbano existem 17 movimentos religiosos, mas segundo sondagens anteriores ao conflito, os libaneses, na maioria, não gostam do Hezbollah.

A isto acrescente-se em primeiro lugar, que o executivo, composto por dois ministros do Hezbollah, o movimento xiita libanês, é muito fraco e já demonstrara anteriormente não ter qualquer controlo sobre o movimento.
Depois, o Líbano não tem um exército próprio, "capaz de defender o país", mas sim autoridades que se resumem a uma mera "força policial, com trabalhos de patrulha".
Isto somado torna o pequeno país vulnerável aos vários interesses regionais. As milícias, com o patrocínio do Irão e da Síria, controlam a região sul, na fronteira com Israel.

A localização geográfica do Líbano, encravado entre Israel, a sul, e a Síria, a norte e a este, ajuda a perceber porque o país tem sido o palco de alguns dos episódios mais marcantes da extensa história dos conflitos na região.

O Líbano é apenas isso, um palco onde os vários actores principais deste melodrama desempenham os seus papéis. Enquanto ao Líbano for destinado um papel secundário, com o território a ser aproveitado pelos inimigos de Israel para, devido à proximidade, pressionar e atacar o estado hebraico, as coisas não mudam.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 04:27:53 pm
Citar
Vast Majority of Israelis Support Offensive in Lebanon

A public opinion poll indicates that nearly nine out of 10 Israelis believe their country's offensive against Hezbollah guerrillas in Lebanon is justified.

The survey published Tuesday in the Israeli newspaper Yedioth Ahronoth ("Latest News") found that 81 percent of those polled think the offensive should continue.

Nearly 60 percent said the offensive should continue until Hezbollah leader Hassan Nasrallah is killed.

Only 17 percent said Israel should stop the attacks and start negotiations.

The poll also showed that Israelis are largely satisfied with Prime Minister Ehud Olmert's response to the crisis.  Nearly 80 percent said that Mr. Olmert's job performance was either very good or fairly good.


http://www.voanews.com/english/2006-07-18-voa19.cfm


Citar
Congress Considers Resolutions Supporting Israel

WASHINGTON — The U.S. Senate and House of Representatives are preparing to vote this week on resolutions backing Israel and condemning Hezbollah, which last week kidnapped two Israeli soldiers, sparking violence across the Israel-Lebanon border.

The Republican-run House is eyeing a vote on Wednesday on a resolution supporting Israel's right to defend itself, condemning Hezbollah's rocket and missile attacks on northern Israel and backing early White House moves to cope with the crisis.

"Be it resolved that the House of Representatives reaffirms its steadfast support for the state of Israel; further condemns Hamas and Hezbollah for cynically exploiting civilian populations as shields ... calls for the immediate and unconditional release of Israeli soldiers held captive by Hezbollah and Hamas; (and) affirms that all governments who have provided continued support to Hamas or Hezbollah share responsibility for the hostage-taking and attacks against Israel and, as such, must be held accountable for their actions," reads a draft copy of the resolution being considered in the House.

Meanwhile, on the Senate side of Capitol Hill, a similar resolution is being drafted to offer support for Israel against its longtime enemies.

“The governments of Iran and Syria are infiltrating places like Lebanon with support for Hezbollah and Hamas," said Sen. Kay Bailey Hutchison, R-Texas, who co-sponsored the Senate resolution condemning Hezbollah and supporting Israel's right to self-defense against it and the Palestinian militants that are also fighting the Israelis.

"All of those terrorist organizations have sought to destroy [Israel] and yet, it has in the middle of this, stood as a democracy, a democratic form of government, a free economy hoping to trade with other people in the region and certainly trading in the world. ... They should have the support of the unified world community in saying to the terrorists and to the governments that are supporting the terrorists — Hamas and Hezbollah, Iran and Syria — that the world is not going to sit by and let people be terrorized,” Hutchison said.

Resolutions only express the sense of the chambers and have no enforcement mechanism, but neither statement shies away from stating support for Israel's right to defend itself and blaming Iran and Syria for contributing to the conflict.

House leaders had hoped late Monday the bipartisan resolution would be ready for floor action on Tuesday, but extensive redrafting has delayed action until Wednesday, senior GOP officials told FOX News.

Senior congressional Democrats said negotiations have been productive and they expect strong bipartisan support for the final resolution. Sources on both sides describe the House resolution as "pro-Israel" but note that it laments bloodshed among civilians and combatants in Israel and Lebanon.

But not everyone sees the fight as one between freedom and terror. Rep. John Dingell, D-Mich., the longest-serving Democrat in the House, said that in order for a U.N.-led peacekeeping effort to occur, "Israel must immediately cease inflicting further damage on Lebanon's civilian infrastructure."

"Failure to do this will have appalling consequences," he said, adding that Israel's response to the killings and captures have been "disproportionate and counterproductive" and could lead to general war in the Middle East and possibly World War III.

Dingell also said that the United States must bring about a ceasefire.

"We must be a honest broker and reliable friend to all who want peace," he said.

In the Senate, Armed Services Committee Chairman John Warner, R-Va., expressed reservations about who is right and wrong in the current conflict, saying that U.S. diplomatic efforts, the well-being of Americans in the region and the effect the violence could have on American involvement in Iraq and Afghanistan must be reflected in the Senate resolution.

"Our support for Israel is very strong, Mr. President, but it cannot be unconditional," Warner said on the Senate floor late Monday.

Still, other senators have offered seemingly unconditional support for Israel, which has long defended its right to exist against Arab and Muslim states that have called for its destruction.

"We cannot listen to those who define how strong the response ought to be. It's up to Israel to decide how strong her response ought to be," said Sen. Frank Lautenberg, D-N.J.

"We will support [Israel's] efforts to send a message to Hamas, Hezbollah, to the Syrians, to the Iranians, to all who seek death and domination instead of life and freedom," said Sen. Hillary Rodham Clinton, D-N.Y. Both senators appeared at a rally of Jewish organizations sponsored by the United Jewish Communities.

Regardless of support for any party in the conflict, neither side appears ready to compromise. In an address to the Israeli Parliament on Monday, Prime Minister Ehud Olmert said Israel will not cease its military operations until the kidnapped soldiers are returned and Lebanese troops control the southern region where Hezbollah now freely operates.

A spokesman for Hezbollah, listed on the State Department's roster of terrorist organizations but holding a sizable minority of seats in the Lebanese Parliament, accused foreign envoys of procrastinating while Israel continues to bomb strategic positions like the Beirut airport and major highways in Lebanon.

Hezbollah parliamentarian Hussein Haj Hassan said Monday that Israel's conditions for a ceasefire are unacceptable.

The international envoys have conveyed Israeli conditions. These conditions are rejected," Hassan told Al Jazeera television. "We accept what secures our country's interest and pride and dignity and not to submit to Israeli conditions."

But a diplomatic solution is not out of the question. Lebanese Prime Minister Fuad Siniora met with U.N. Secretary-General Kofi Annan's adviser on Monday to discuss a path to compromise. U.S. Secretary of State Condoleezza Rice is also headed to the region to try to forge a halt to the violence, the State Department announced Monday.

FOX News' Major Garrett and Jim Angle and The Associated Press contributed to this report.


http://www.foxnews.com/story/0,2933,204076,00.html
Título:
Enviado por: NVF em Julho 18, 2006, 06:12:26 pm
PT, obrigado pela licao de historia, mas ha mais de 30 anos que esses conceitos me sao familiares.

De qualquer modo, mantenho os meus comentarios e a minha questao: quem sao os guardioes do conceito de democracia? Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).

Ou sera' que a democracia so'e boa quando os 'guardioes' gostam do resultado das eleicoes?

Acrescento ainda que o conceito actual de democracia nao se limita ao acto do voto, ha' toda uma postura que se espera de um estado democratico, como o respeito pela Lei -- que inclui os tratados internacionais e as resolucoes do Conselho de Seguranca --,  o respeito pelo direitos humanos (incluindo minorias), a proporcionalidade dos actos, a liberdade de expressao, etc.

Se pesarmos tudo isto, dificilmente Israel pode ser considerado uma democracia - pelo menos pela MINHA interpretacao do que e' democracia. Claro que isto nos leva 'a questao das interpretacoes e eu continuo a defender - ao contrario do PT - que TODOS os principios estao sujeitos a interpretacoes. Alias, e' o facto de os principios estarem abertos a varidissimas interpretacoes que concede aos tribunais uma importancia tao grande num regime democratico - o que fazem os tribunais senao emitir a sua interpretacao da Lei?

Bem haja.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 06:28:54 pm
Citação de: "NVF"
Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).
O facto de um lider ser democraticamente eleito, nao implica que os respectivos povos estejam imunes a ataques... afinal, Hitler tambem foi eleito... Nao e' por terroristas serem eleitos que passam a ser santos... ou que passam a estar imunes a censura (diplomatica e nao so) internacional.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 18, 2006, 06:33:56 pm
A Rodésia e a Àfrica do Sul do Apartaid também diziam que eram democrácias, só que só os brancos é que podiam votar, faz-me lembrar no principio do século XX em que nas democracias ocidentais só os homens é que podiam votar, é parecido.

Se bem me lembro acho que foi no Peru que o Partido Comunista lá do sítio foi eleito democraticamente mas os Americanos como não gostavam dele, a CIA assassinou o lider e puseram o General Pinochet no poder, esse era melhor pelo que parece...
Título:
Enviado por: NVF em Julho 18, 2006, 06:39:09 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "NVF"
Como pode o mundo ocidental apelar 'a democracia e depois atacar, ou ser conivente com ataques, a povos que elegem os seus representantes segundo as 'nossas' regras? (exemplos recentes: Palestina e Venezuela; exemplo mais antigo a Argelia).
O facto de um lider ser democraticamente eleito, nao implica que os respectivos povos estejam imunes a ataques... afinal, Hitler tambem foi eleito... Nao e' por terroristas serem eleitos que passam a ser santos... ou que passam a estar imunes a censura (diplomatica e nao so) internacional.


Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 06:42:35 pm
Citação de: "NVF"
Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Aplicam-se na mesma... nao e' o facto de eu nao gostar dos tipos que sao eleitos que implica que eu os possa atacar... mas se eles me atacarem nao pensarei duas vezes em retaliar. Que por sinal e' aquilo a que estamos a assistir neste momento no conflito Israel-Libano. Ser eleito democraticamente, nao implica que fiques impune facas o que fizeres...
Título:
Enviado por: NVF em Julho 18, 2006, 06:43:03 pm
Citação de: "MERLIN"
Onde estas tu NAVPOL, farias hoje tanta falta!!! Tal como o desejado estas perdido no nevoeiro.... dos estaleiros de Viana e na mente do Severiano!
Cumptos


Acho que nenhum pais da nossa dimensao, ou nem mesmo um pais com mais recursos - como o RU, a Franca, a Espanha, a Italia ou a Holanda -, enviaria um LPD para evacuar 25 pessoas. Existem meios mais economicos para o fazer. Obviamente, o caso muda de figura se o numero de evacuados for da ordem das centenas ou dos milhares.
Título:
Enviado por: NVF em Julho 18, 2006, 06:44:23 pm
Citação de: "Hélder"
A Rodésia e a Àfrica do Sul do Apartaid também diziam que eram democrácias, só que só os brancos é que podiam votar, faz-me lembrar no principio do século XX em que nas democracias ocidentais só os homens é que podiam votar, é parecido.

Se bem me lembro acho que foi no Peru que o Partido Comunista lá do sítio foi eleito democraticamente mas os Americanos como não gostavam dele, a CIA assassinou o lider e puseram o General Pinochet no poder, esse era melhor pelo que parece...


Isso foi no Chile. Mais um exemplo pratico da importancia dos principios para  esse grande campeao da democracia que sao os EUA. Mas eu nao queria recuar tanto, limitei-me a recuar uns 12 ou 13 anos.
Título:
Enviado por: NVF em Julho 18, 2006, 07:06:03 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "NVF"
Entao e os principios ja' nao se aplicam? Assim e' facil fazer conversa mole; vens com um belo discurso sobre os principios com milhares de anos, mas quando nao gostas do resultado da aplicacao desses mesmos principios e' bardamerda para os principios.
Aplicam-se na mesma... nao e' o facto de eu nao gostar dos tipos que sao eleitos que implica que eu os possa atacar... mas se eles me atacarem nao pensarei duas vezes em retaliar. Que por sinal e' aquilo a que estamos a assistir neste momento no conflito Israel-Libano. Ser eleito democraticamente, nao implica que fiques impune facas o que fizeres...


Isso leva-nos 'a questao do terrorismo. Terrorismo e' o uso sistematico de Terror como meio de coercao. Ora, neste aspecto os israelitas sao ate' mais eficazes que os arabes.

O que e' um facto e' que quando o Hamas ganhou as eleicoes na Palestina os israelitas lancaram imediatamente uma onda de terror sobre os palestinianos. O resto ja' sabemos, os palestinianos responderam e a partir dai foi a escalada.

Quanto ao Libano e' mais um exemplo da aplicacao de terrorismo em larga escala. Nao esta em causa o direito de resposta: se os gajos invadissem o Libano para arrumar com o Hezbolah tinham todo o meu apoio, agora bombardear todo um pais, castigar toda uma populacao nao passa de terrorismo.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 07:37:38 pm
Citação de: "NVF"
Quanto ao Libano e' mais um exemplo da aplicacao de terrorismo em larga escala. Nao esta em causa o direito de resposta: se os gajos invadissem o Libano para arrumar com o Hezbolah tinham todo o meu apoio, agora bombardear todo um pais, castigar toda uma populacao nao passa de terrorismo.
A intencao deles e' precisamente essa... Destruir, ou pelo menos incapacitar o mais possivel, o Hezbollah e quem os apoia, neste caso o Libano, e possivelmente a Siria e/ou Irao.
Título:
Enviado por: aero em Julho 18, 2006, 09:11:24 pm
Citar
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa




O ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, afirmou hoje não existir "nenhum pedido" para a intervenção das Forças Armadas no resgate de portugueses retidos no Líbano, em consequência dos combates militares em curso no Médio Oriente.

      "Até agora não tive nenhuma informação nem nenhum pedido relativamente a isso. É uma questão que está a ser tratada pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), em particular pela Secretaria de Estado das Comunidades e até agora não houve nenhum pedido do MNE à Defesa", disse, no Parlamento.

      Os portugueses residentes no Líbano, que hoje deveriam deixar Beirute em direcção a Chipre, viram a sua partida adiada já que o navio grego que os deveria transportar teve de abandonar precipitadamente o porto da capital libanesa por razões de segurança.

      Além de 10 portugueses, ficaram em terra cerca de 300 pessoas, incluindo cidadãos gregos, franceses e de outras nacionalidades.

      Face a esta situação, Nuno Severiano Teixeira reiterou que as Forças Armadas portuguesas "estão prontas para a eventualidade" de ser necessário resgatar os portugueses.

      A escalada militar no Médio Oriente, com ataques israelitas a objectivos no Líbano e do grupo xiita libanês Hezbollah ao norte de Israel, fizeram já quase 240 mortos.

      À saída da comissão parlamentar de Defesa, onde hoje foi falar sobre as "grandes linhas orientadoras" do Governo para esta área, o sucessor de Luís Amado na pasta assegurou que, a existirem, as mudanças serão apenas de estilo.

      "Se calhar muda o estilo, mas o Governo é o mesmo e a política de Defesa é a mesma. Continuarei a executar o programa de Governo que já está em marcha", sublinhou.

      Nuno Severiano Teixeira substituiu na pasta da Defesa Luís Amado na remodelação governamental de 30 de Junho, que levou à saída de Diogo Freitas do Amaral de ministro dos Negócios Estrangeiros, que foi substituído por Luís Amado.



http://jn.sapo.pt/2006/07/18/ultimas/Fo ... ara_r.html (http://jn.sapo.pt/2006/07/18/ultimas/For_as_Armadas_prontas_para_r.html)

 blx2x1
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 09:17:33 pm
Citação de: "aero"
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa

Ja tou a imaginar o GOE a entrar pelo Libano a dentro a la "Forca Delta", a meter os portugueses a bordo de um chinook roubado aos americanos e a leva-los ate a assembleia da republica para aplaudirem o Socrates! :mrgreen:
Título:
Enviado por: aero em Julho 18, 2006, 09:25:07 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "aero"
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa
Ja tou a imaginar o GOE a entrar pelo Libano a dentro a la "Forca Delta", a meter os portugueses a bordo de um chinook roubado aos americanos e a leva-los ate a assembleia da republica para aplaudirem o Socrates! :G-Ok:  :toto:
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 18, 2006, 09:29:38 pm
Citação de: "aero"
Citação de: "Azraael"
Citação de: "aero"
Forças Armadas "prontas" para resgatar portugueses
Assegura o Ministro da Defesa
Ja tou a imaginar o GOE a entrar pelo Libano a dentro a la "Forca Delta", a meter os portugueses a bordo de um chinook roubado aos americanos e a leva-los ate a assembleia da republica para aplaudirem o Socrates! :G-Ok:  :lol:
agora essa missão lembra-me da seguinte

http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Entebbe (http://en.wikipedia.org/wiki/Operation_Entebbe)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 18, 2006, 09:40:05 pm
Citação de: "Hélder"
Parece um filme do Chuck Norris :twisted:
Título:
Enviado por: NVF em Julho 19, 2006, 12:21:24 am
Citação de: "Azraael"
Citação de: "NVF"
Quanto ao Libano e' mais um exemplo da aplicacao de terrorismo em larga escala. Nao esta em causa o direito de resposta: se os gajos invadissem o Libano para arrumar com o Hezbolah tinham todo o meu apoio, agora bombardear todo um pais, castigar toda uma populacao nao passa de terrorismo.
A intencao deles e' precisamente essa... Destruir, ou pelo menos incapacitar o mais possivel, o Hezbollah e quem os apoia, neste caso o Libano, e possivelmente a Siria e/ou Irao.


Ja' percebi, tu trabalhas para os servicos de PR da IDF :mrgreen:
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 19, 2006, 12:32:36 am
Citação de: "NVF"
Citação de: "Azraael"
A intencao deles e' precisamente essa... Destruir, ou pelo menos incapacitar o mais possivel, o Hezbollah e quem os apoia, neste caso o Libano, e possivelmente a Siria e/ou Irao.
Ja' percebi, tu trabalhas para os servicos de PR da IDF :mrgreen:
Antes trabalhasse... sempre ganhava mais.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 19, 2006, 10:35:52 am
Tomkat escreveu:

Citar
O Líbano é apenas isso, um palco onde os vários actores principais deste melodrama desempenham os seus papéis. Enquanto ao Líbano for destinado um papel secundário, com o território a ser aproveitado pelos inimigos de Israel para, devido à proximidade, pressionar e atacar o estado hebraico, as coisas não mudam.


Penso que esta citação representa quase todas as nossa opiniões................


Satisfaçam-me a curiosidade:

Onde anda a Sexta Esquadra da US Navy?
Ancorada em Gaeta ou em patrulha junto às costas libanesa e síria?
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 19, 2006, 12:14:34 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Onde anda a Sexta Esquadra da US Navy?
Ancorada em Gaeta ou em patrulha junto às costas libanesa e síria?

Hum..se não fossem os 20mil americanos que vivem no Líbano (alguém tem ideia o porqué de numero tão alto?..é que eu os franceses ainda percebo..)..provavelmente não mexiam uma palha...

Mas pelo menos 9 estão a caminho do Líbano..

Citar
Libano: Nove navios de guerra dos EUA vão retirar americanos
Nove navios de guerra, entre os quais o porta-helicópteros USS Iwo Jima, receberam a ordem de rumar ao Líbano para ajudar à retirada de cidadãos norte-americanos, anunciou hoje o Pentágono.

«Os marinheiros e as Marines do Grupo de Intervenção expedicionária de Iwo Jima e o 24/0 quarto Corpo expedicionário de Marines foram mobilizados para ajudar à partida de cidadãos norte- americanos do Líbano», indicou a Marinha norte-americana num comunicado, precisando que os marines são cerca de 2.200.

Segundo este comunicado, os navios USS Iwo Jima, USS Nashville, USS Whidbey island, USS Trenton e o navio de grande velocidade Swift estavam no Mar Vermelho para exercícios. Deverão chegar ao largo do Líbano «mais para o fim da semana».

O Pentágono precisou que outros três navios de guerra, vindos da Europa, e um, ou talvez outros dois navios da V/a Esquadra estacionados no Mediterrâneo, foram também mobilizados para retirar cidadãos norte-americanos do Líbano.

Os Estados Unidos fretaram ainda um navio comercial com uma capacidade para 750 passageiros, o Orient Queen, a fim de retirar para o Chipre cidadãos norte-americanos.

O Departamento de Estado estima em 25.000 o número de cidadãos norte-americanos no Líbano.

Diário Digital / Lusa

19-07-2006 0:00:01


de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236692 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236692)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 19, 2006, 04:20:32 pm
Citar
Israeli Ground Troops Enter Lebanon


The Israeli military said small number of ground troops have entered southern Lebanon on Wednesday searching for tunnels and mines, raising doubts about international efforts to broker an immediate cease-fire in the fighting that has killed more than 260 people and displaced 500,000.

Israel declared it was ready to fight Hezbollah guerrillas for several more weeks. Despite the diplomatic activity, Israel is in no hurry to end its offensive, which it sees as a unique opportunity to crush Hezbollah. The Islamic militants appear to have steadily built up their military strength after Israel pulled its troops out of southern Lebanon in 2000.

Israeli warplanes struck an army base outside Beirut and other areas in south Lebanon on Tuesday, killing 27 people, and Hezbollah rockets battered Israeli towns, killing one Israeli. Five big explosions reverberated over Beirut early Wednesday, and missiles hit towns to the east and south of the capital.


http://www.forbes.com/home/feeds/ap/2006/07/18/ap2888292.html


Citar
Israeli ground forces enter Lebanon: spokesman


An Israeli government spokesman said on Monday that Israeli army troops have crossed the Israel- Lebanon border into southern Lebanon to conduct a ground offensive against Hezbollah stronghold.

The spokesman Asaf Shariv told the press that the ground troops have been sent into Lebanon following six-day air and sea assault on the country.

Israeli army launched massive air raids on Lebanon in the wake of the capture of two Israeli soldiers and killing of eight others by Lebanese Shiite militant group Hizbollah in last Wednesday's border clash.

Although Israel sent warships into Lebanese maritime space on last Thursday to impose a sea blockade in addition to the air blockade, Israeli army has been reluctant to send ground troops into southern Lebanon, a stronghold of the Hizbollah, for fear of huge casualties.



http://english.people.com.cn/200607/18/eng20060718_284100.html


Invasao?
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 19, 2006, 05:17:21 pm
Citação de: "Azraael"
Invasao?


Pequenas incursões com vista a descubrirem postos do Hezbollah..para posterior eliminação...

Pelo menos foi o que um oficial das IDF disse..
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 19, 2006, 05:35:32 pm
Citar
Israel turns screws on Syria


Jerusalem - Israel has turned up the heat on Syria by bombing arms supplies and accusing Damascus of backing Hezbollah but remains reluctant to open up a third front in the soaring Middle East conflict.

As the lethal operation in Lebanon enters a second week and a Gaza offensive a fourth week, Israel may be seeking a quick and decisive victory in the conflict, but it has been unable to ignore Damascus's role.

It is a line backed up by Israel's chief ally US President George Bush, who on Tuesday accused Syria of trying to "get back" into Lebanon by supporting Hezbollah and said that to deal with the crisis, Syria must be dealt with.

"Part of those terrorist attacks are inspired by nation-states like Syria and Iran. And in order to be able to deal with this crisis, the world must deal with Hezbollah, with Syria, and to continue to work to isolate Iran," he said.

Syria, which backs but denies arming Hezbollah, was the long-time powerbroker in Lebanon until an international outcry over the assassination of five-time premier Rafiq Hariri forced it to withdraw its troops last year.

Israeli Foreign Minister Tzipi Livni said Wednesday that the operation in Lebanon was aimed at "eliminating the threat posed by the axis of terror and hate - Hezbollah, Hamas, Syria and Iran".

Israeli MP Effi Eitam, a member of the foreign affairs and defence parliamentary committee concurred with Bush. "We will have to take care of Syria at some point," told AFP.

He was speaking one day after General Gadi Eisenkot declared the Israeli air force had destroyed four trucks "transporting weapons and munitions destined to replenish Hezbollah's stocks in south Lebanon".

Syria rejected the accusations, but Israel's top-selling Yediot Aharonot newspaper said the air strike had sent "a severe warning message" for its arch enemy Syria not to meddle in the raging Lebanon conflict.

Israel maintains that most of the long-range rockets fired against the northern hub of Haifa this week, where eight civilians were killed in the first ever deadly attack in the city, were manufactured and delivered by Syria.

More importantly, Israel has hauled Damascus over the coals for providing a safe haven for Hezbollah officials and leaders from the Hamas movement, as well as accusing it of funnelling funds and ammunition allegedly provided by Israel's arch-foe Iran.

The crisis between Israel and Hezbollah, sparked on July 12 by the abduction of two servicemen by Hezbollah guerrillas, came as no surprise to Israel.

In a theoretical war game conducted weeks ago by military intelligence that tried to predict the outcome of an abduction of a soldier by Hezbollah, Syria was in the end dragged into a war between Israel and the Shiite militia.

"In that scenario, Israel was forced to attack Syria after Hezbollah leaders took refuge there," a military source told AFP.

But despite the mounting pressure on Syria, Israel made it clear from the start of "Operation Change of Direction" that it does not want war with Damascus.

"Syria is not an objective of our operation," said Eisenkot.

Deputy Prime Minister Shimon Peres also stressed that Israel did not intend to attack Syria or Iran, saying his country already had its "hands full" with Lebanon and Gaza.

Asked whether his country would hit Syria or Iran, he told BBC television: "No, I don't think they will attack us... and we shall not attack them because I think Iran is a world problem.

"It is not for us to deal with. We don't want to convert it into an Iranian-Israeli conflict. We have our hands full anyway."

Damascus has warned it would respond directly and by all means necessary to any Israeli attack on its territory, coinciding with a similar threat by its key ally Iran.

"Any Israeli attack against Syria will provoke an unlimited, direct and firm response using all means necessary," Information Minister Mohsen Bilal told the official SANA news agency on Sunday.

An Israeli military source speaking on condition of anonymity said the poorly-equipped Syrian army posed no threat to Israel, the most powerful armed power in the Middle East, which could "take it out in a matter of days".

But suspected of possessing dozens of missiles and chemical weapons, Syria could still inflict heavy damage to Israel's army and population. - Sapa-AFP



http://www.iol.co.za/index.php?set_id=1&click_id=123&art_id=qw1153322823355B253
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 19, 2006, 06:35:04 pm
Quartel-general da força da ONU no Líbano atingido pelos israelitas

Citar
O quartel-general da Força Interina das Nações Unidas no Líbano (FINUL) em Naqura, junto à fronteira com Israel, e uma outra das suas posições no Sul do Líbano foram hoje atingidas por fogo israelita. Não houve vítimas, segundo um porta-voz da missão da ONU.

Israel continuou hoje a dizer estar determinado a prosseguir a sua ofensiva no Líbano e na faixa de Gaza “sem limite de tempo”, apesar dos apelos da UE da ONU para um cessar-fogo.

O gabinete de segurança de Israel, presidido pelo primeiro-ministro, Ehud Olmert, e que e que esteve reunido hoje de manhã, emitiu um comunicado onde diz que continuará “o intenso combate contra o Hezbollah”, com ataques contra “as suas infra-estruturas e centros de comando, as suas capacidades operacionais, o seu material de guerra e os seus dirigente”.

Foi ainda aprovada a continuação da “acção contra o Hamas e as organizações terroristas palestinianas para fazer parar o ataqueas terroristas e os tiros de rockets Qassam”. Continua excluída qualquer negociação com vista à libertação dos soldados israelitas capturados pelo Hamas e pelo Hezbollah.

Líbano: enviado C-130 para repatriar portugueses

Citar
O Governo português enviou um C-130 para o Mediterrâneo para participar no "processo de repatriamento" dos portugueses residentes no Líbano, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado.

Um C-130 já "está na zona" e vai agora andar, "entre Creta e Chipre" a participar no "processo de repatriamento dos portugueses que manifestaram desejo de abandonar o Líbano", afirmou Luís Amado.

Luís Amado, que está hoje no Parlamento para uma audiência na Comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia da República, disse que o avião militar português não só vai "participar no processo de repatriamento" de portugueses mas também, "eventualmente, de cidadãos de outras nacionalidades".
Título:
Enviado por: othelo em Julho 19, 2006, 09:27:17 pm
Depois de todas as cedências feitas pelo Governo Israelita, a paga é uma onda de atentados e raptos, efectuados por facções extremistas, com o apoio da Siria e Irão.
A resposta de Israel é biblica e adequada à sua defesa, seguindo a velha máxima do Olho por olho, dente por dente.
Título:
Enviado por: aero em Julho 19, 2006, 09:56:13 pm
Citação de: "othelo"
Depois de todas as cedências feitas pelo Governo Israelita, a paga é uma onda de atentados e raptos, efectuados por facções extremistas, com o apoio da Siria e Irão.
A resposta de Israel é biblica e adequada à sua defesa, seguindo a velha máxima do Olho por olho, dente por dente.


Não consigo vislumbrar esta do olho por olho dente por dente :shock:
Título:
Enviado por: papatango em Julho 19, 2006, 11:03:45 pm
Bom.
Visto assim, parece ser mais uma situação de dente por dentadura...

= = =

No entanto, estamos a falar de coisas diferentes.
O Hezbolah, é um movimento terrorista e Israel é um Estado de Direito.

O Hezbolah protege-se utilizando a velha táctica dos escudos humanos.

Para um fundamentalista islâmico cego pela ladainha dos Aiatolas de Teerão,  colocar misseis na cave de um prédio de apartamentos é considerado normal.

Se eles queriam proteger e defender a população, como dizem, o que estão a fazer com mísseis dentro das casas e dentro das zonas de prédios?

Ainda ontem vimos as imagens do alegado caça abatido sobre Beirute, sendo que as imagens mostravam claramente uma trajectória absolutamente inconsistente com a queda de um avião que se move a mais de 1000Km/h.

O que ninguém referiu, ninguém disse e ninguém reparou, é que a Hezbolah disparou um missil a partir de um prédio de apartamentos.

Ao fazer aquilo eles transformaram o prédio num alvo militar legítimo.

No dia seguinte os mesmos terroristas da Hezbolah, são capazes de ter a miseravel pouca vergonha de levar os jornalistas até ao edificio para mostrar que afinal não havia razão nenhuma para efectuar ataques.

Alguém no seu juízo acha que Israel ou qualquer outro país atacará indiscrimidadamente alvos civis, arriscando o problema gravíssimo que isso acarreta para a imagem do país junto das opiniões públicas internacionais?

Neste momento, a Siria é o último cancro na área do mediterrãneo. Quando a Síria ou o governo Sírio for destruido, os terroristas não terão outra hipótese que não seja viver em paz.

O problema da Palestina tem solução, quando os regimes que precisam de guerras e confusão para sobreviver cairem.

Hassad, comanda um país sob a mesma batuta do terror do próprio Pai.
A Siria transformou-se numa ditadura monarquica hereditária, e é neste momento o principal responsável pela situação.

Por isso, esta operação não deverá acabar sem que Hassad saiba como é que é, quando explode uma bomba na piscina do palácio.

E isso deve ser feito agora, antes que o Irão obtenha capacidade nuclear, porque senão será demasiado tarde.
Tão tarde como sería se Hitler tivesse obtido a bomba atómica em 1945.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: othelo em Julho 19, 2006, 11:39:19 pm
Não te esqueças que o Hezbolah, é um movimento legalizado na Palestina e actua, segundo estes, na defesa dos intereses palestinianos, consequentemente ao usarem tácticas de guerrilha e até de guerra convencional, e ao provocarem mortes civis israelitas, legitimam os movimentos e reacções militares Israelitas, sendo que, Israel tem todo o direito de utilizar a força que seja necessária para diminuir e até erradicar da face da terra o movimento Palestiniano e a ameaça que este é para o território Israelita, dai o meu recurso ao velho ditado.

Se os libaneses querem a paz, porque não tornam o seu estado um verdadeiro estado de direito e permitem a utilização do seu território pelas facções palestinianas radicais?
Se os Palestinianos querem paz, porque não cessam com a guerra de guerrilha, com os raptos e reconhecem Israel como estado?

Israel, neste momento, só faz pela sobrevivência.
Título:
Enviado por: NVF em Julho 20, 2006, 01:51:51 am
Desde quando o Hezbolah e' palestiniano? Nao estara' a confundir com o Hamas?

O Hezbolah surgiu, nos anos 80, em resposta 'a ocupacao do Libano por parte de Israel. Mais informacao na Wikipedia

http://en.wikipedia.org/wiki/Hezbollah (http://en.wikipedia.org/wiki/Hezbollah)

Antes de opinar tao assertivamente, convem investigar um pouco. Just my two cents.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 20, 2006, 10:47:29 am
Sinceramente acho que a culpa é toda dos àrabes e/ou Palestinianos, se tivessem aceite o acordo feito pelas Nações Unidas pela divisão da Palestina em dois paises Israel e Palestina, que foi aceite por Israel e não pelos palestinianos, tinha sido tudo diferente...

(http://www.uc3m.es/uc3m/dpto/HC/SIGLOS/israel-1948.jpg)

Mas agora já não há nada a fazer, não se pode mudar o passado, mas penso que muitos palestinianos agora se arrependem de não ter aceite o acordo, quiseram expulsar os judeus e controlar a Palestina toda e aconteceu exactamente o contrário.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 11:53:02 am
Citação de: "othelo"
Depois de todas as cedências feitas pelo Governo Israelita, a paga é uma onda de atentados e raptos, efectuados por facções extremistas, com o apoio da Siria e Irão.
A resposta de Israel é biblica e adequada à sua defesa, seguindo a velha máxima do Olho por olho, dente por dente.


Sim..essa política tem muito que se lhe diga...para começar..o ditado está incompleto...."olho por olho, ficam todos cegos"..

Segundo...

Pondo os israelitas e árabes ao mesmo nível, porque o pensamento ocidental é que todos os povos, raças são iguais...leva a que...os palestinianos também possam ter mesmo princípio certo?

Ok...então....ocupação de seu território pela força...sim...palavras inglesas..ou mundiais..com o apoio da Liga das Nações..forçadas no terreno pelos militares ingleses...e mais tarde defendidas pelos colonos israelitas...

Ok...olho por olho...então...os palestinianos também tem direito de ocupar Israel..e matar todos aqueles que se metam no caminho  :roll:
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 12:07:50 pm
Citação de: "papatango"
O problema da Palestina tem solução, quando os regimes que precisam de guerras e confusão para sobreviver cairem.


Acho que está a simplificar em demasia o problema. O problema do conflicto palestiniano-israelita não é apenas os governos por trás desses grupos.

O problema está enraizado...tanto que como disse, a população do sul do Líbano suporta a acção do Hezbollah, e do Hamas também, assim como todo o mundo árabe também.

O que existe é muita falta de diálogo...mas diálgo que chege a algum lado, porque tem-se visto muito diálogo que não levou a lado nenhum, somente guerras que alteraram o panorama geográfico.

Se me disserem que o problema do medio oriente são os países que apoiam esses grupos, eu digo talvez...se não fossem esses países, eles continuariam a vir...talvez pior preparados, com menos armamento, mas pronto. No mundo islâmico existe ainda muitos extremistas/fundamentalistas prontos a derramar o seu sangue...quer seja em Bagdad, Cabul, Líbano ou num autocarro israelita com explosivos à cintura.

Agora que penso nisso, uma boa parte do terrorismo até é derivado do "choque de civilizações"...neste caso é mais uma divisão de um território por parte de um império colonialista a favor de uma 3ª entidade..tudo por motivos do RU em 1917....que gerou um conflicto que opõem diferentes religiões e culturas, civilizações...e como sabem...os árabes desde o tempo de maómé tem ódio pelos zionistas..
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 12:35:55 pm
Entretanto, hoje é o dia em que um oficial IDF vai dizer que afinal só ainda destruiram 25% do arsenal do Hezbollah :wink:

Entretanto no Líbano..
Citar
PM libanês pede ajuda internacional para desarmar Hezbollah
O primeiro-ministro libanês, Fuad Siniora, pediu hoje ajuda internacional para desarmar o Hezbollah, uma vez que os atuais bombardeamentos israelitas sobre o Líbano só aumentam a popularidade do movimento xiita.

«Toda a gente deve ajudar-nos a desarmar o Hezbollah. Mas antes temos que obter um cessar-fogo. Enquanto durarem os bombardeamentos não poderemos fazer nada e a situação só piorará», declarou Siniora, numa entrevista publicada pelo jornal italiano Corriere della Sera.

O primeiro-ministro libanês reiterou que o Hezbollah «se tornou um Estado dentro do Estado». «Sabemos bem e é um problema muito grave. Não é um segredo para ninguém que o Hezbollah responde às agendas políticas de Damasco e Teerão», acrescentou.

A democracia libanesa «está viva», disse Siniora, que acusou os sírios de ainda estarem num Líbano «fraco demais para se defender».

O primeiro-ministro, no entanto, afirmou taxativamente que «os bombardeamentos criminosos israelitas devem cessar imediatamente».

«Os israelitas bombardeiam civis e geram a simpatia para com o Hezbollah por parte de sectores que normalmente não a teriam», acrescentou.

20-07-2006 12:19:56


de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236884 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236884)

Quando já era fácil a um árabe associar o seu pensamento à causa palestiniana, Israel só torna isso mais fácil...resultado?..mais uns que vão-se rebentar pela honra de ÁLá daqui a uns anos..

Aliás, serão realmente esses escudos humanos assim tão cívis?...
Conhecendo as regras do "jogo", provavelmente tanto cívis como guerrilheiros jogam conscientemente esse jogo dos "escudos humanos"..na crença que Israel não ataca....mas Israel ataca..e segundo relatórios, também usa "escudos humanos"..

Entretanto...mais armas são disparadas, mais sangue derramado....tudo em prol da eliminação do Hezbollah...

E?

Se eliminarem os "cabecinhas" do Hezbollah..o que é que acontecerá?

 :arrow: Haverá promoções!!

Falta de armas?..elas voltam a aparecer...

Repito....isto vai continuar assim nesta lenga-lenga até que a solução surja do diálogo e pelas palvras...não pelas armas..
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 20, 2006, 03:43:53 pm
Mais do mesmo:

Citar
O avião C-130 que a Força Aérea portuguesa enviou para o Médio Oriente regressa hoje a Lisboa com 14 portugueses que fugiram do Líbano. Entretanto, o ministro dos Negócios Estrangeiros admitiu a possibilidade de Portugal integrar uma missão da ONU no sul do Líbano.  
 


 
 
 
 
De acordo com o secretário de Estado das Comunidade, António Braga, em declarações à agência Lusa, o Estado português acompanhou durante a noite de quarta-feira para hoje a retirada de quatro turistas portugueses do Líbano para Damasco, na Síria, onde se encontram "bem".

Na mesma viagem para Lisboa, o avião também trará do aeroporto de Larnaca os 10 portugueses que lá se encontram e que quarta-feira deixaram o Líbano de barco, disse António Braga.

O C-130 trará também do Chipre cidadãos franceses, espanhóis e alguns cipriotas.

Portugal pode integrar força da ONU

O ministro dos Negócios Estrangeiros português defendeu hoje um "papel mais activo da comunidade internacional" na crise do Médio Oriente e admitiu a possibilidade de os portugueses integrarem uma missão da ONU no sul do Líbano.

Referindo que a posição portuguesa em relação ao conflito israelo-libanês "é orientada para o que tem sido a posição da União Europeia", Luís Amado entende que "a UE tem uma particular
responsabilidade nesta matéria".

"A circunstância de o secretário-geral da ONU (Kofi Annan) e do presidente da Comissão Europeia (Durão Barroso) terem colocado a possibilidade de reforçar a missão da ONU (no sul do Líbano) é, do nosso ponto de vista, uma boa medida", disse o ministro à saída de audiência com a comissão de Negócios Estrangeiros da Assembleia da República.

Defendendo que a essa força de capacetes azuis "deve ter uma componente forte de presença de forças da UE", Amado frisou que, caso "o Conselho de Segurança das Nações Unidas" venha a pronunciar-se nesse sentido e a missão seja aceite "por ambas as partes", "há possibilidades" de Portugal vir a integrar essa missão.


Pois, reforçar a UNIFIL ( United Nations Interim Force In Lebanon ), uma força de manutenção de paz que não tem conseguido cumprir a sua missão e já leva 257 baixas.....................
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 20, 2006, 03:48:18 pm
Citar
Israel admite lançar ofensiva terrestre no Líbano


O ministro da Defesa de Israel, Amir Peretz, levantou a possibilidade de uma ofensiva terrestre no Líbano, na sua guerra contra os guerrilheiros do Hezbollah que têm lançado rockets para território israelita.

“Não temos intenção de ocupar o Líbano, mas também não temos intenção de afastar quaisquer medidas militares encessárias”, disse Peretz aos residentes durante uma viagem ao Norte de Israel, que tem estado sob uma chuva de ‘rockets’ do Hezbollah.

Os generais israelitas têm dito repetidamente que não excluem uma ofensiva no Sul do Líbano, de onde Israel retirou no ano 2000, depois de 22 anos de ocupação, mas reconhecem que uma operação dessas poderá causar muitas baixas do seu lado.

Até agora, as operações na fronteira têm sido limitadas a pequenos “raids” das forças especiais, com o objectivo de destruir posições próximas do hezbollah.

Os ataques aéreos de Israel ao Líbano mataram mais de 300 pessoas desde que foram lançados, na sequência da captura de dois soldados seus pelo Hezbollah, num “raid” fronteiriço. Um total de 29 soldados israelitas foram mortos na guerra que então se gerou.


http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264637&idCanal=18[/quote]
Título:
Enviado por: aero em Julho 20, 2006, 04:30:50 pm
NVF e Marauder  :Palmas:
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 05:47:33 pm
A famosa declaração..

Citar
November 2nd, 1917

Dear Lord Rothschild,

I have much pleasure in conveying to you, on behalf of His Majesty's Government, the following declaration of sympathy with Jewish Zionist aspirations which has been submitted to, and approved by, the Cabinet.

"His Majesty's Government view with favour the establishment in Palestine of a national home for the Jewish people, and will use their best endeavours to facilitate the achievement of this object, it being clearly understood that nothing shall be done which may prejudice the civil and religious rights of existing non-Jewish communities in Palestine, or the rights and political status enjoyed by Jews in any other country."

I should be grateful if you would bring this declaration to the knowledge of the Zionist Federation.

Yours sincerely,

Arthur James Balfour


de:
http://www.yale.edu/lawweb/avalon/mideast/balfour.htm (http://www.yale.edu/lawweb/avalon/mideast/balfour.htm)
[explorem este site que é muito bom!! Quem conheça que confirme!!]
Título:
Enviado por: papatango em Julho 20, 2006, 06:38:53 pm
Só um detalhe:

Tanto quanto vi na imprensa israelita, há alguns dias atrás o que eles diziam é que 75% da capacidade do Hezbollah ainda estava intacta.

Ou seja, eles tinham destruido 25% e agora anunciaram que atingiram 50%

Embora seja provavelmente mais "Wishfull thinking" que outra coisa.

Não creio que seja possível efectuar um cálculo desses, no entanto, parece que se é verdade que o Hezbollah conseguiu supreender Israel, o contrário também parece que é correcto.

Os israelitas estão a detectar praticamente todos os lançamentos e estão a estudar os fluxos de veículos, para determinar a origem, ou os depósitos onde se encontram oa mísseis.

Segundo os comentários da imprensa, o Hezbollah mudou de táctica nos últimos três dias e decidiu pedir ajuda à Síria, no sentido de obter mísseis directamente da Síria, para assim proteger os seus lugares de armazenamento no Líbano.

Essa será a razão que está por detrás dos ataques de Israel sobre camiões na estrada entre Damasco e Beirute.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 09:31:28 pm
Entretanto...o "bicho" que fez estragos na corveta israelita...

Míssil Silkworm

Hizballah Brings out Iranian Silkworm to Hit Israel Navy Corvette
http://www.debka.com/article.php?aid=1184 (http://www.debka.com/article.php?aid=1184)

Aparentemente foram os iranianos..
http://www.forbes.com/technology/feeds/ ... 81109.html (http://www.forbes.com/technology/feeds/ap/2006/07/15/ap2881109.html)
Título:
Enviado por: papatango em Julho 20, 2006, 10:16:21 pm
Nenhum dos mísseis é de facto um Silkworm, e existe uma grande confusão sobre o que é de facto um Silkworm

Na realidade há dois mísseis a que se dá o nome de Silkworm. Muitas vezes há um missil que é referido como Silkworm-II, mas que de facto tem uma origem completamente diferente.

O mais provavel é que se trate de um missil "Kosar" de fabrico iraniano e que é por sua vez inspirado num missil chines chamado YJ-7.

O missil C-701, é outra história completamente diferente.

O YJ-7 poderia ter sido disparado sem o apoio de radar, porque pode ser guiado com uma câmara de TV, já o C-701, que é mais parecido com o Exocet, é muito diferente.
Se um C-701 tivesse explodido huma Saar-5, eu não sei se o navio teria resistido.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 20, 2006, 11:18:24 pm
Citação de: "papatango"
Nenhum dos mísseis é de facto um Silkworm, e existe uma grande confusão sobre o que é de facto um Silkworm

Na realidade há dois mísseis a que se dá o nome de Silkworm. Muitas vezes há um missil que é referido como Silkworm-II, mas que de facto tem uma origem completamente diferente.

O mais provavel é que se trate de um missil "Kosar" de fabrico iraniano e que é por sua vez inspirado num missil chines chamado YJ-7.

O missil C-701, é outra história completamente diferente.

O YJ-7 poderia ter sido disparado sem o apoio de radar, porque pode ser guiado com uma câmara de TV, já o C-701, que é mais parecido com o Exocet, é muito diferente.
Se um C-701 tivesse explodido huma Saar-5, eu não sei se o navio teria resistido.


Pois, sobre isso já não sei, mas seria então bom descubrir o que é que atingiu a fragata, mas provavelmente teremos que esperar pelo acalmar da situação para saber mais dados então do que realmente atingiu.

A verdade é que os israelitas destruiram o radar porque aparentemente pensaram que este tinha sido usado na direcção do míssil.

Se as notícias que li são verdadeiras, a fragata teve sorte em não se afundar, sorte não...graças ao esforço da sua tripulação.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 20, 2006, 11:35:40 pm
Seis soldados israelitas mortos em combates com Hezbollah
Citar
20.07.2006 - 19h10   PUBLICO.PT, AP
 
O Exército israelita admitiu ter sofrido hoje seis baixas em combates com o Hezbollah no Sul do Líbano. O balanço é o mais pesado para as forças hebraicas desde o início da ofensiva, na semana passada.

O comando não revelou as circunstâncias em que os militares morreram, mas imagens transmitidas pela televisão israelita mostram helicópteros a disparar rondas sucessivas de mísseis contra alvos em terra.

Seguindo o exemplo dos últimos dias, tropas e blindados israelitas atravessaram esta madrugada a fronteira Norte do país, acabando por se envolver em confrontos com milicianos do Hezbollah junto a Maroun al-Ras.

“Há incidentes contínuos, mas também vários sucessos”, afirmou o general Benny Gantz, comandante das forças israelitas na zona. “Estamos a falar de uma operação complexa, mas os nossos soldados têm combatido de forma profissional, leal e determinada”, sustentou.

Na última semana, as forças israelitas têm optado por atacar o Líbano sobretudo por mar e ar, limitando ao máximo as ofensivas terrestres, com receio de que uma incursão em larga escala possa aumentar os protestos da comunidade internacional, que recorda ainda a ofensiva de 1982, que deu origem a 18 anos de ocupação da faixa Sul do país.

Contudo, os bombardeamentos aéreos têm-se mostrado incapazes de destruir a capacidade ofensiva da guerrilha libanesa que continua a usar a fronteira sul para lançar “rockets” contra Israel.


Embora não se saiba qual o nº de baixas por parte do Hezbollah, não será este um nº bastante elevado, tendo em consideração que a ofensiva terrestre começou ontem.
Nas imagens transmitidas na TV, e o comentário jornalistico, referia que as tropas que estão na frente de combate são bastante novas e que estão muito nervosas, deu para perceber a dificuldade que tiveram para retirar um ferido do campo de batalha, e depois a reacção dos oficiais com os jornalistas aquando da chegada do ferido num merkava.
Será esta uma nova estrategia de Israel para combater o Hezbollah, envia militares novos e inexperientes para os cansar, para depois enviar as tropas de elite? :cry:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 20, 2006, 11:39:04 pm
ÚLTIMA HORA
Dois helicópteros militares de Israel colidiram esta noite, perto da conturbada fronteira com o Líbano, provocando várias vítimas.
Citar
(23:14) Segundo a Rádio do Exército, cinco pessoas ficaram feridas neste incidente ocorrido em Ramat Naftali, localidade que fica a cerca de 10 quilómetros da fronteira.

As aeronaves envolvidas na colisão são dois helicópteros Apache, de fabrico norte-americano.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 20, 2006, 11:49:53 pm
Não acredito, isso parece tácticas estilo comunista (vaga humana, etc), e vindo dos Israelitas acho muito improvável, logo eles que são tão orgulhosos do excelente treino que tem as suas forças.
E um pais como Israel não se pode dar ao luxo de perder muitos homens visto ter uma população que ronda pouco mais de 6 milhões, é por isso que dá tanta importancia à qualidade em deterimento da quantidade e as guerras que travaram acabaram todas depressa.
Título:
Enviado por: othelo em Julho 21, 2006, 03:36:06 am
NVF
dou-lhe razão na chamada de atenção que fez, mas razão parcial, e isto porque, ambas as organizações se entreajudam e mantem laços estreitos de coperação, o ideal politico deles é básicamente o mesmo, os combatentes chegam a saltar de um lado para o outro.
por estas e outras razões poderam quase ser considerados um movimento quase unico, com um objectivo comum (digam eles publicamente o que diserem) que é a eliminação do estado de Israel.

Mas isto é como dizes, "Opiniões...todos tem uma"
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 21, 2006, 08:28:14 am
Citação de: "ricardonunes"

Embora não se saiba qual o nº de baixas por parte do Hezbollah, não será este um nº bastante elevado, tendo em consideração que a ofensiva terrestre começou ontem.
Nas imagens transmitidas na TV, e o comentário jornalistico, referia que as tropas que estão na frente de combate são bastante novas e que estão muito nervosas, deu para perceber a dificuldade que tiveram para retirar um ferido do campo de batalha, e depois a reacção dos oficiais com os jornalistas aquando da chegada do ferido num merkava.
Será esta uma nova estrategia de Israel para combater o Hezbollah, envia militares novos e inexperientes para os cansar, para depois enviar as tropas de elite? :cry:

A tank and an armored bulldozer were destroyed by rocket-propelled grenades, the IDF said.
http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/ ... index.html (http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/21/mideast/index.html)

Mais 1 morto e 3 feridos dos 2 Apache que chocaram..

E...
Citar
Exército libanês participa nos combates em caso de invasão
O ministro libanês da Defesa, Elias Murr, afirmou quinta-feira à noite que o exército libanês vai participar nos combates se Israel invadir o Líbano depois dos seus bombardeamentos aéreos massivos do país.

«O exército libanês vai resistir e defender o país e vai provar que se trata de um exército digno de respeito», afirmou Murr numa entrevista transmitida pela televisão.

«O equilíbrio de forças está a mudar e se existir um início de invasão do Líbano estamos à espera deles«, acrescentou.

«Temos hoje um exército libanês que decidiu defender a sua terra e a união do sangue é a mais forte que as confissões, as religiões ou as doutrinas», afirmou ainda Elias Murr.

O exército libanês manteve-se à margem durante a invasão israelita do Líbano, em 1982, então mergulhado numa guerra civil e regional.

Após a retirada israelita do Líbano Sul em Maio de 2000, depois de 22 anos de ocupação, o Líbano, apesar dos apelos da comunidade internacional, não distribuiu as suas tropas ao longo da fronteira com Israel, controlada pelos combatentes do Hezbollah xiita, que beneficia do apoio de Damasco e Teerão.

Desde o início da ofensiva israelita, a 12 de Julho, pelo menos 23 militares libaneses, entre os quais quatro oficiais, foram mortos e 80 outros ficaram feridos em raids aéreos israelitas que visaram duas casernas do exército e bases navais e marítimas nas diferentes regiões do Líbano.

Diário Digital / Lusa

21-07-2006 2:46:00

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=236971 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=236971)

Hum..se isto passar para um real conflicto entre Líbano e Israel, qual a posição da Liga Árabe e dos restantes países face a isto...uma coisa é fechar os olhos quando israel ataca Hezbollah, mas um conflicto entre Líbano e Israel, poderá ter reacções de outros países da região..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 21, 2006, 09:21:57 am
Syria watches and waits
Citar
Thousands of protesters have thronged the streets of central Damascus to wave Syrian and Hezbollah flags and shout their support for Hassan Nasrallah, the Lebanese Shia group's leader.


Monday's state-organised protest is the first large-scale  demonstration in Syria since Israeli and Hezbollah began attacking each other last Tuesday.

But elsewhere in the Syrian capital, there are few indications that the country could soon bear the brunt of Israel's firepower.

Shops and cafes are as bustling as ever and the capital's hotels still brim with thousands of Lebanese nationals and foreign tourists - including many who have fled from Beirut over the past three or four days.

Yet, with the conflict in Lebanon continuing to intensify, some speculate that the conflict might soon spill over into Syria, which supports Hezbollah and also hosts armed Palestinian groups including Hamas.

Andrew Tabler, a Damascus-based fellow at the Institute of Current World Affairs and a consultant editor of Syria Today magazine says that many Israelis want to see Syria punished for supporting Hezbollah and Hamas.

"Many people in Israel, as well as the US, believe that Syria acts as a conduit for weapons and supplies to reach Hezbollah," he told Aljazeera.net

"This is one reason why Israel could decide to raise the pressure on Syria by striking localised infrastructure, such as power stations or key roads," he said.

Regional war
 

Hezbollah's close links with Iran have also raised fears that Israeli strikes against Lebanon could broaden into a much wider regional conflict.

Although Iran is internationally isolated, many think it could potentially create chaos in the region through other groups like the Islamic Jihad and pro-Iranian Shia militias in Iraq which it funds, trains and arms.

And experts say that Syria's reach cannot be under-estimated either.

Although Syria's military is under-funded, ill-equipped and badly-trained, Damascus can also upset US ambitions in the region, for instance by helping Arab Sunni jihadists to fight the US in Iraq.

"Israel would be making a grave strategic mistake if it attacked Syria," Umran Zaaby, a lawyer and political analyst in Damascus told Aljazeera.net.
 

"Syria is not Lebanon. It is not a weak state and has allies in the region who can ensure that Israel, and the US, will find themselves in an even bigger dilemma than they do now."

"Iran has the power to ensure that the American project in Iraq fails for good," Zaaby said.

"It can also threaten to cut off energy supplies and send oil prices sky-high. Israel might have the strongest military power, but power is not just about the military"

Tough talk

The Syrian government has promised to defend itself against any Israeli attack.

"Any aggression against Syria will have a firm and direct response"

Mohsen Bilal, the Syrian minister of information
 
"Any aggression against Syria will have a firm and direct response not limited in time or means," said Mohsen Bilal, the Syrian minister of information, in an official statement on Sunday.  

Bashar al-Assad, the Syrian president, meanwhile, said that he would put the "full resources" of his country at Lebanon's disposal.

To win support around the Arab world, Syria has also tried to portray itself as the only defender of the Lebanese and Palestinians.

State-owned daily, Tishreen, has loudly criticised the Israeli attacks and what it termed a "shameful silence" from other Arab countries.

The newspaper's editorial on Saturday said that Israel, with the backing of the US, was trying to "re-draw the regional map."

Already, two Syrian workers have died in the Israeli bombing of Lebanon. They were caught in Israeli air strikes in the southern suburbs of Beirut, the Syrian state news agency SANA reported on Saturday.

Rumoured ultimatums

Israel has so far not publicly threatened Syria. However, the Arab media has reported that Israel has secretly issued an ultimatum to President Assad.

On Saturday, pan-Arab daily al-Hayat said that Israel, with US backing, had given Syria 72 hours to pressure Hezbollah into releasing two captured Israeli soldiers and ceasing cross-border attacks into northern Israel.

“We’re on alert now across the country and have to prepare for the worst"

Abdul Rahman Attar, president of the Syrian Red Crescent
 

US officials in Washington have neither confirmed nor denied the report.

But so far, Iran and Syria have kept a low-profile in the conflict, and are trying to avoid further escalation.

A rocket salvo fired at a Lebanese-Syrian border crossing on Saturday was initially believed to have strayed into Syrian territory. But within just minutes, both Israeli and Syrian military statements confirmed that only Lebanese targets had been hit.

Waiting game

Syrian officials might be treading carefully to avoid provoking an Israeli strike; but ordinary Syrians watching the conflict in neighbouring Lebanon find their emotions veering between concern and defiance.

In Saiyida Zainab, a predominantly Shia town and pilgrimage site, 25km south of Damascus, about 150 protesters gathered on Saturday night to wave yellow Hezbollah flags and banners, chanting their support.  
 

And when news channels reported that Hezbollah had badly damaged an Israeli warship off the Lebanese coast on Saturday, small convoys of cars drove around the Syrian capital, honking horns and banging drums.

Others, though, are regarding the situation with more anxiety.
 
Abdul Rahman Attar, president of the Syrian Red Crescent organisation, told Aljazeera.net that "we're on alert now across the country and have to prepare for the worst."


Aljazeera
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 21, 2006, 03:55:13 pm
Citar
Hezbollah rejeita plano de tréguas de Kofi Annan


O Hezbollah rejeitou hoje o plano do secretário-geral das Nações Unidas Kofi Annan, que propõe o fim imediato das hostilidades e a libertação dos dois soldados israelitas, declarou hoje à AFP Hussein Hajj Hassan, deputado da formação xiita.

"É normal que recusemos o plano", afirmou. "A única coisa que nós aceitamos é um cessar-fogo incondicional, seguido de negociações directas sobre a troca de prisioneiros".

Kofi Annan pediu ontem o "fim imediato das hostilidades" no Líbano, propondo uma regulação do conflito que incluia a libertação dos soldados israelitas, uma conferência internacional e uma força de estabilização no sul do Líbano. O plano estipulava ainda o desarmamento de todas as milícias islamistas, incluindo o Hezbollah.

"O senhor Annan faria melhor em pôr fim ao massacre de civis e em ir rever todas as resoluções do Conselho de Segurança que não foram aplicadas por Israel, antes de pedir a aplicação da 1559" (o número da recomendação que pede o desarmamento do Hezbollah), afirmou o deputado xiita. "O secretário-geral do Conselho de Segurança toma o partido de Israel", acusou.

Já morreram 336 pessoas no Líbano desde o início da ofensiva, no dia 12 de Julho. Do lado israelita, 33 israelitas - 18 dos quais militares e 15 civis - já perderam a vida.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264746&idCanal=15
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 21, 2006, 04:03:24 pm
Citar
Israel Calls Up Reserves, a Sign of Wider Ground Raids

 Israel called up a few thousand reservists today, in possible preparation for a more extensive ground operation in southern Lebanon, as its warplanes continued to hit targets there and to drop leaflets warning residents of villages to leave their homes and head northward.

Over the last two days, there has been an increase in ground clashes as Israeli troops have moved about a mile or so inside Lebanon to demolish Hezbollah outposts and fortifications. Four Israeli soldiers were killed in fierce battles with Hezbollah guerrillas north of Avivim on Thursday, the Israeli army said. On Wednesday, two Israeli soldiers were killed in the same area, as Israel discovered a warren of storage rooms, bunkers and tunnels near Maroun al-Ras.

Hezbollah said it has lost three fighters, but the Israelis say scores of Hezbollah fighters have died. Israel also said two of its Apache helicopters collided near the Lebanese border, killing a pilot and injuring three crewmen.

All day today, the 10th day of the conflict, Israeli jets continued to drop bombs, hitting Beirut’s Shiite districts, the eastern Bekaa Valley and southern Lebanon and striking the Mdeirej bridge on the main Beirut-Damascus highway four more times; it had already been bombed twice.

Five people were killed and 15 wounded in the bombings, according to Agence France-Presse. In all, more than 330 people have been killed by the Israeli air, sea and ground barrage of bombs and rockets throughout Lebanon.

Also today, a new wave of Hezbollah rockets hit Haifa and other towns in northern Israel. At least 10 people were wounded when one missile hit a Haifa apartment building.

Israel continued to warn residents of southern Lebanon to leave their homes if they are in areas of Hezbollah activity

As the Israeli defense minister, Amir Peretz, visited northern towns hit by scores of Hezbollah rockets on Thursday, he hinted at a broader ground operation. “We have no intention of occupying Lebanon, but we also have no intention of retreating from any military measures needed,” he said. “Hezbollah must not think that we would recoil from using all kinds of military measures against it.”

Mr. Peretz continued, “You can mark one thing down: Hezbollah flags will not hang over the fences of Israel.”

The Israeli assault is meant to break Hezbollah’s military capacity and decapitate its leadership. But its leader, Sheik Hassan Nasrallah, appeared on television late on Thursday in an interview with Al Jazeera, taunting the Israeli forces and vowing that he would release two abducted Israeli soldiers only in exchange for Lebanese prisoners held in Israel.

“Even the whole universe would not be able to secure the release of the two Israeli soldiers unless there are indirect negotiations and an exchange of prisoners,” he said. “All of Israel’s claims to have hit half of our missile potential and arsenal are nothing but erroneous words. The leadership of Hezbollah has not been touched.”

Lebanon’s prime minister, Fuad Siniora, who has appealed desperately for help from the international community, said that no settlement was in sight to end the violence. He accused the United States of giving Israel a green light to bomb Lebanon.

“The United States is allowing Israel to pursue its aggression,” he told Agence France-Presse.

Lebanon’s defense minister, Elias Murr, said on Thursday that the Lebanese Army — which has so far remained on the sidelines — would go into battle if Israel invaded. “The Lebanese army will resist and defend the country and prove that it is an army worthy of respect,” he said.

On Thursday in New York, Kofi Annan, the secretary general of the United Nations, called for an immediate ceasefire and spoke of the human suffering caused by the offensive, which has displaced hundreds of thousands of Lebanese from their homes.

He proposed that Hezbollah release the two soldiers, that attacks by both sides be halted and that an international peacekeeping force be deployed. And he condemned the Israeli operation as an “excessive use of force.”

Russia, which reduced parts of Chechnya to rubble in its fight against rebels there, also sharply criticized Israel: the Russian Foreign Ministry called Israel’s actions in Lebanon “far beyond the boundaries of an antiterrorist operation” and urged a cease-fire.

At the White House, President Bush’s press secretary, Tony Snow, said, “I’m not sure at this juncture we’re going to step in and put up a stop sign,” although he called on Israel to “practice restraint” and said Mr. Bush was “very much concerned” about a growing human crisis in southern Lebanon.

Secretary of State Condoleezza Rice is arranging a trip to Asia and the Middle East; she could be visiting this region as early as Sunday.

Diplomats are investigating the idea of creating a more robust international peacekeeping force than the current, largely ineffectual Unifil force, which has occupied a narrow strip along the Lebanese-Israeli border for decades. The new force would be under United Nations auspices, but made up largely of European troops, and would help the weak Lebanese government move its army to the Israeli border and push back a weakened Hezbollah.

About 4,500 Americans were preparing to leave today, with the help of United States Marines who landed in Beirut on Thursday.

The small force of American marines who landed in Beirut on Thursday were the first to be deployed in Lebanon in any numbers since 1983, when a Hezbollah suicide bomb attack killed 241 Americans, mostly marines, in a Beirut barracks, prompting the withdrawal of American forces sent as peacekeepers after the Israeli invasion of Lebanon. The marines who landed Thursday were from the same unit that was attacked in the barracks 23 years ago.

Lt. Cmdr. Charlie Brown of the United States Naval Central Command in Bahrain said that about 40 marines from the unit, the 24th Marine Expeditionary Unit, anded on a beach north of Beirut Thursday morning near the grounds of the American Embassy. They helped American citizens board a landing craft that ferried them to the amphibious assault ship Nashville, waiting offshore.

By late afternoon, 1,052 evacuees had boarded the Nashville and the ship was preparing to head to Cyprus, Commander Brown said.

Citizens of Britain and other countries were also evacuated.

On Thursday, Israel continued its large-scale air attacks on Hezbollah positions and equipment. It also leafleted southern Lebanese villages, made taped phone calls, informed local leaders and broadcast messages in Arabic to warn residents to move north of the Litani River if their villages contained Hezbollah assets or rockets, but gave no deadline.

Israel dropped similar leaflets on Thursday in Gaza as well, possibly foreshadowing more attacks on populated areas where Israel believes Hamas is storing Qassam rockets.

The air attacks on Thursday also hit Beirut’s southern suburbs, following Wednesday night’s heavy attack by Israeli jets, using special burrowing bombs, to try to penetrate a bunker believed to be used by senior Hezbollah officials, including its leader, Sheik Hassan Nasrallah. Hezbollah said no one had been hurt in the bombing, which Israeli officials said had involved 23 tons of explosives in the Burj al Brajneh neighborhood.

Despite the continuous shelling of the Hezbollah strongholds of southern Beirut, the militia remains very much in control there, barring access to outsiders.

On Thursday, the militia led reporters on a tour of the area, where Hezbollah’s headquarters are. Buildings as high as 12 or 15 stories had collapsed; some were still smoking.

According to Lebanese reports, four civilians were killed in a strike on a car in the coastal city of Tyre. Israeli jets also attacked a detention center in the town of Khiam in south Lebanon on Thursday, according to local television reports. The prison, formerly run by Israel’s Lebanese militia allies during its occupation of south Lebanon, was destroyed.

Israeli planes also struck at Shiite areas in the eastern towns of Baalbek and Hermil, where some Hezbollah leaders are said to live, and several southern villages.

About 50 rockets hit Israel on Thursday, the Israeli Army said, a sharp drop from 150 the day before.

The Israeli military said two of its helicopters had collided Thursday night near the border with Lebanon; one pilot died and three crewmen were injured.

In Gaza, Israel continued its military operation in the central sector, killing at least three Palestinians and wounding six in fighting around the Mughazi refugee camp. An airstrike on the same refugee camp killed one fighter and wounded eight more. One of the dead was a Palestinian girl, 10, wounded in an airstrike on Wednesday, when nine Palestinians, eight of them militants, were killed, according to The Associated Press.

The Israeli Army dropped the leaflets Thursday throughout Gaza warning that “anyone who has, or is keeping an arsenal, ammunitions or weapons in their house must destroy it or will face dangerous consequences.”

On the West Bank, Israeli forces continued to surround the Mukata compound in Nablus, where Palestinians wanted by Israel have been taking refuge since Wednesday morning. About 15 wanted men gave themselves up but at least 10 remain inside. Tanks fired five shells at the buildings and army bulldozers worked to knock down the exterior walls, while warning those inside to come out or risk being buried underneath the rubble.

Israeli troops fired rubber-coated bullets at Palestinians who demonstrated against the troops, wounding five, one seriously, Palestinian medics said. About 4,000 Palestinians demonstrated in Nablus in support of Hezbollah, calling on the militia’s leader, Sheik Nasrallah, to attack Israel with rockets.

“Nasrallah, our dearest, strike, strike Tel Aviv!” the Palestinians shouted. Five Palestinians were killed in the Nablus operation on Wednesday.

The Lebanese government said it had so far sheltered as many as 120,000 refugees, mostly in schools. It is considering setting up tents and temporary barracks in public parks and sports fields. The United Nations estimates that a total of 500,000 people have been displaced.

“The losses are immeasurable,” said Nayla Moawad, the Lebanese minister for social affairs.

Ms. Moawad blamed Syria for setting off the crisis, saying that she was expressing her personal opinion. “The decision of the Hezbollah operation was not taken in Lebanon,” she said. “Lebanon was taken a hostage, a mailbox of other people’s interests. It has been taken in Damascus, probably with an Iranian coordination.”

Ms. Moawad was one of the leaders of the Lebanese revolt last year that led to the withdrawal of Syrian troops from Lebanon.

“Syria has tried to destabilize Lebanon since her troops pulled out,” she said.



http://www.nytimes.com/2006/07/21/world/middleeast/21cnd-mide.html?hp&ex=1153540800&en=2a6dbe655bda96a4&ei=5094&partner=homepage
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 21, 2006, 04:07:42 pm
Citar
Despite Ties to Hamas, Militants Aren’t Following Political Leaders


Five men in black hoods emerged from a dimly lighted street of stark concrete houses and garbage-strewn lots. With Israeli drones buzzing overhead, they kept the meeting short.

“We ask America to stop supporting the Israeli aggressors,” said the leader, who carried a new Czech-made Kalashnikov rifle while another shouldered a new Gaza-made rocket-propelled grenade launcher. After 20 minutes, they grew visibly nervous and disappeared into the shadows.

The men are members of the Izzedine al-Qassam Brigades, the well-armed, highly organized military wing of Hamas, the Palestinian Islamic movement that now governs the West Bank and the Gaza Strip. Members of the militia led last month’s raid in which they killed two Israeli soldiers and captured another, setting off the current crisis.

Despite its links to the Palestinian government, Palestinian and Israeli analysts say, the Qassam Brigades does not take orders from the governing leaders of Hamas. This is why, according to many accounts, the Hamas-led government itself was surprised by the Qassam Brigades’ attack against the Israeli military post in June.

“They lost their position as leaders of Hamas when they joined the government,” said Abu Muhammad, a Qassam Brigades field commander in Jabaliya. “New leaders were named in the movement, and they are more senior than the government leaders, even Haniya,” he said, referring to the Palestinian prime minister, Ismail Haniya.

Giora Eiland, a former director of Israel’s national security council and a retired major general who led an investigation into the June 25 raid, agreed. “Recently there was the illusion that Hamas, while not a perfect partner, was at least a group that could implement decisions,” he said. “But it has become apparent that the political leadership of Hamas is much less influential than Khaled Meshal and leaders of the military wing.” Mr. Meshal is the chairman of Hamas’s political bureau and lives in exile in Damascus, Syria.

The Qassam Brigades is the Palestinians’ largest and best organized militant group but it is not the only militia operating in the area under Palestinian control. At least six other armed groups field soldiers to fight Israel or, when there are no Israelis to fight — as was the case for nine months after Israel’s withdrawal from Gaza last year — to fight among themselves.

The current crisis seems to have pushed the militias to join ranks. Several of the militia members said the groups organized a “joint operations room” when Israel began threatening to invade Gaza two or three weeks ago. By all accounts the operations room is more virtual than real, but spokesmen for three of the groups insisted that senior political and military leaders of the seven militias now communicated regularly to plan actions.

“We are more united now than at any time before,” said Abu Mujahed, spokesman for the Salahadin Brigades, the armed wing of another anti-Israeli movement, the Popular Resistance Committees.

Abu Muhammad, the Jabaliya field commander, said the Qassam Brigades was in charge of the operations room because it was “the backbone of the resistance.” Nightly operations are mapped out, and a password is agreed upon for fighters of different factions to identify themselves in the field.

“When two groups meet each other and both are masked, the password identifies them so we know they are not Israeli agents,” Abu Muhammad said in his sitting room lined with overstuffed armchairs, the only light coming from a slender taper fixed to the coffee table.

He said scouts were posted on the edges of Gaza and the outskirts of towns to watch for raids by Israeli forces. “If they see something, they send the information back up the line to the joint operations room and it broadcasts it to all the groups,” Abu Muhammad said. “Special forces cannot enter Gaza easily.”

It is difficult to say how many Palestinians are members of armed groups. Israeli intelligence officials say there are probably as many as 20,000 hard-core members of the various factions, most of which are in the Gaza Strip. But including freelancers who join in when the fighting picks up, intelligence officials say, the militias’ forces outnumber the 35,000 members of the Palestinian Authority security forces.

Israeli intelligence officials say the leadership of Hamas, previously split between Gaza and Syria, consolidated in Damascus after the assassinations of Hamas’s charismatic leaders, Sheik Ahmed Yassin and Abdel Aziz Rantisi in 2004. Two months ago, General Eiland said, Hamas military leaders appeared to gain the upper hand.

According to the accounts of Israeli intelligence officers and senior Hamas officials, the influence of Hamas leaders in Gaza weakened further after they joined the Palestinian Authority in the wake of parliamentary elections early this year.

The Qassam Brigades, which is believed to have received money from Saudi Arabia until recently and now from Iran, grew in the 1990’s as a counterweight to the Aksa Martyrs Brigades of the Fatah movement, then led by Yasir Arafat.

Capt. Jacob Dallal, an Israeli Army spokesman, said that in the past few years Hezbollah had also helped underwrite some Palestinian groups and had provided technological skills.

To become a member of the Qassam Brigades, Abu Muhammad said, a person must first join Hamas. The movement accepts only people who demonstrate Islamic piety, who do not smoke and who pray five times a day, not something that all young people can manage, he said. Hamas investigates the background and relations of all prospective members before indoctrinating them into the culture of strict obedience. Only then can they join the military wing.

Abu Muhammad, now 37, said he joined Hamas during the first intifada in the late 1980’s and became a member of the Qassam Brigades six year ago. “I started as a common soldier and after three years became a commander,” he said. Like all Qassam members, he gives part of his income to the militia.

As field commander, he distributes arms and ammunition to the men under his command. The Qassam Brigades smuggles in weapons to the territory when it can, but it has developed a substantial munitions industry that makes everything from rockets to antitank mines. “If I need something, I requisition it,” he said.

The Qassam Brigades’ members say they do not have any Katyusha rockets, but they claim to have extended the reach of their Qassams, putting the Israeli city of Ashkelon and its roughly 100,000 inhabitants within range. Most of the weapons, including antitank mines, are made in Gaza. The handle of the group’s grenade launchers are stamped “Al Yassin,” in honor of their late leader.

Many of the smaller militias now follow the Qassam Brigades’ classic cell structure, in which few people know more than their immediate superior and subordinates. Abu Muhammad, a short man with wire-rimmed glasses and a short, dark beard, described the organization from his point of view.

“I’m a field commander and I’m responsible for eight groups of five men each,” he said. “No group knows the others and I don’t deal with the fighters, only the commanders of each of the eight groups.”

He said he did not know how many layers were between him and the senior leadership. But Israeli intelligence officials say that while the organization is broad, it is not very deep, which is why the army focuses on targeted assassinations of militia leaders. They say there are only a few layers between field commanders like Abu Muhammad and the top commander, Muhammad Deif.

Below Mr. Deif there are several regional commanders, including Ahmad al-Ghandur, the Qassam Brigades commander in Jabaliya and the northern Gaza Strip. Both Mr. Deif and Mr. Ghandur are believed to have been seriously wounded in an F-16 missile attack earlier this month. Abu Muhammad is probably one or two rungs below Mr. Ghandur, the intelligence officials said.

The Qassam Brigades is well financed; many members carry new weapons and ammunition vests. Despite the well-equipped Palestinian Authority security forces in Gaza, the new Hamas government prefers to use a contingent of Qassam Brigades fighters for protection.

The militia members use radios because they do not trust telephones, speaking in code for less than 30 seconds at a time to keep the Israelis from pinpointing their location.

On a visit to a cell arranged for a reporter, Abu Muhammad moves to an intersection on the edge of town and the masked men appear. The group’s leader, Abu Ahmed, is a thickset man of 44, a carpenter, the father of six boys and a girl. He has been a member of Hamas for 10 years and joined the Qassam Brigades four years ago.

Like most of the people in Jabaliya, his family fled their homes around Ashkelon during the fighting of 1948 that followed the creation of the state of Israel.

“My family is from Sawafeer,” he said, adding bitterly, “The Jews changed the name to Shafir.”

Besides the routine patrols he said the group sometimes had “specific operations with mines and RPG’s against tanks.” If fighters plant a mine, he said, they watch it until it is detonated, or they take it away. He said they were among the Qassam Brigades fighters who fought back against an Israeli raid into Jabaliya in October 2004.

They wear masks to hide their identity from possible collaborators in their midst and from Israeli intelligence in battle, fearing that if they are identified, they could be assassinated later. Each squad operates in a well-defined geographic area, usually tied to where its members live.

Shortly after the five men merged back into the night, a sharp explosion split the air.



http://www.nytimes.com/2006/07/21/world/middleeast/21gaza.html?_r=1&oref=slogin
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 21, 2006, 05:28:17 pm
Citar
The arms that keep Hezbollah fighting

    
The arms that keep Hezbollah fighting
By Jason Motlagh

Nearly a quarter-century after Israeli forces pummeled Beirut to the hellish crescendo of an explosion every three seconds, a rebuilt capital crumbles one artillery strike at a time as Israel seeks to wipe out the enemy it spawned.

Israeli officials have stated in no uncertain terms their intent to bomb the radical Shi'ite movement Hezbollah into submission and "change the equation" to end further missile attacks over the border.

But Hezbollah today bristles with a weapons inventory far beyond the suicide tactics used in the 1983 bombing of the US Embassy

and marine barracks a year later that first minted its name in terror.

Western intelligence officials and experts say the Iran-sponsored militants have stockpiled enough firepower to sustain a protracted fight against the Jewish state that, while asymmetrical, threatens all of northern Israel and possibly much further.

Katyusha rockets, the longtime staple of Hezbollah's arsenal, have rained down on Israel at the consistent rate of about 100 per day since fighting erupted on July 12 after its kidnapping of two Israeli soldiers over the border. It is estimated that militants have between 10,000 and 12,000 Katyushas, of which roughly 3% have been used to date. If Hezbollah kept up the current volume of its barrages, fighting could go on until early October, John Pike, director of military studies group GlobalSecurity.org, told Asia Times Online.

Unfortunately, this bleak outlook is shared by both Israel and Hezbollah. Israeli army chief of staff Dan Halutz projected in an address to Israel Defense Forces this week that the military campaign in Lebanon "may continue for an extended period of time".

Hezbollah chief Hassan Nasrallah, the target of 23 tonnes' worth of Israeli bombs on Wednesday, told Al-Jazeera television that Hezbollah would not surrender the abducted Israeli troops "even if the whole universe comes [against us]", without a prisoner exchange. Other reports indicate he soon intends to order "hundreds" of long-range missiles to be fired at Tel Aviv - a move Israeli officials insist would spell doomsday not only for Hezbollah, but for benefactors Iran and Syria.

Military analysts are uncertain as to the extent of Hezbollah's mid- and long-range missile stocks, but most concur with Israeli intelligence that they include the Iranian-made Fajr-3, with a 45-kilometer range, and maybe the 200km Zelzal, which in theory could reach as far as Tel Aviv.

New evidence of Hezbollah's upgraded operational capacity came in the form of a crippling strike on an Israeli warship on July 14, attributed to a radar-guided C-802 missile of Iranian origin. This has prompted some Israeli officials and military officers to trumpet fresh justification for a preemptive move against Iran, whose president has famously called for Israel's erasure from the map of the Middle East.

However, questions linger over Iran's role in the latest crisis. "It's hard to tell if the current festivities are driven by internal, local considerations peculiar to Hezbollah or are manifestations of [Iranian President Mahmud] Ahmadinejad's grand strategy," Pike said, stressing that whatever the reality was, the situation was inherently fluid and subject to change.

Encouraging Hezbollah action as Iran's frontline arm against Israel could work in Iran's favor without major backlash, he said, pending the strategy succeeds in mobilizing the Arab and Muslim worlds against a common enemy for a later showdown.

It's no secret that Tehran's material support for Hezbollah has continued ever since it founded the movement in 1982 to oust Israel from Lebanon. Iran remains as keen as ever to export its Shi'ite Islamic revolution further afield, some would argue, to lay the groundwork for a fated apocalypse.

But the mullahocracy today provides aid and arms to the tune of $25 million to $50 million a year, according to GlobalSecurity.org, much less than the hundreds of millions prior reports have claimed.

Charges that advisers from the Iranian Revolutionary Guard Corps (IRGC) have increased their presence in Lebanon are also under dispute. Significant numbers of IRGC personnel have traveled to the region in years past, yet the "days of IRGC-led training camps in Lebanon seem to be over", Anthony Cordesman, a strategy expert at the Center for Strategic and International Studies in Washington, DC, said in a report released on Tuesday. "Until there are hard facts, Iran's role in all of this is a matter of speculation," he wrote.

As for assertions that Hezbollah has received upgraded weapons technologies and long-range rockets from Iran to stir trouble in the Mideast at Tehran's behest, Cordesman contends they are "best guess" estimates, arguing that Hezbollah uses Iran "as much as it is used".

Experts do agree that despite the poor accuracy of Hezbollah's short-range missiles, which can seldom be relied on for more than a "lucky strike" on target, they are still effective.

Short-range Hezbollah missiles are almost impossible to overcome by Israel's advanced missile defenses because of their minimal trajectory. And recent launches against the northern port city of Haifa demonstrate that sporadic, random strikes can paralyze urban populations. According to Pike, even if Hezbollah cuts back rocket launches from 100 a day to 10 every other day to preserve stockpiles as time wears on, they would have in large part succeeded. "It's not so much the fact that Israelis are killed," he said, "but that the fear of being killed is sown."

Hezbollah's use of southern Lebanon as a staging ground for mortar and rocket attacks against Israeli military outposts and civilian areas has kept Israel off balance since 1982, a status quo it wants to end by relentless bombardment.

This has entailed strikes on Hezbollah's primary headquarters in southern Beirut to cut off communications links - with unprecedented civilian collateral damage. But recent cases in Iraq and Afghanistan show that air campaigns are doomed to fail unless they are backed by full-fledged ground forces, a strategy Israel is loath to employ after an 18-year Lebanon occupation that bled them out of the country.

Still, limited numbers of Israeli special forces have already made incursions into southern Lebanon to root out militants and destroy hidden weapons caches/launchers.

Israeli military planners wanted to carve out space to pave the way for larger ground forces, the New York Times reported on Thursday. They are also trying to "create enough pain on the ground so there would be a local political reaction to Hezbollah's adventurism", Edward P Djererian, former US ambassador to both Israel and Syria, told the Times.

Gun battles raged along the border on Thursday, with Israel warning residents of the region to flee "immediately" in an apparent signal a ground offensive to secure a buffer zone draws nearer.

But as infrastructure is shattered and the death toll mounts - 330 Lebanese killed, mostly civilians, and more than half a million displaced as of Thursday night - the grassroots population will be progressively less inclined to throw their weight behind moves to rein in Hezbollah.

Iran, lurking in the shadows, stands to benefit the longer Hezbollah intransigence can hold out. Its gift of short-range weapons has enabled Tehran to wage a survivable proxy fight, coordinated or not, that distracts international attention from its underground nuclear activities.

Meanwhile, Hezbollah "shows the Arab and Muslim world that Iran is a government willing to strike at the Israeli enemy - even though it is not Arab or Sunni", Cordesman noted. "Israel's reprisals ... make it seem in Arab and Muslim eyes as if Iran supports 'freedom fighters'."

Hezbollah's Nasrallah recently declared that Israel had created "a historic opportunity to score a defeat against the Zionist enemy". Taken literally, this is absurd; in a symbolic sense, there lies a heavy grain of truth.



http://www.atimes.com/atimes/Middle_East/HG22Ak03.html
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 21, 2006, 06:04:38 pm
Israel pode ser um dos melhores exércitos do mundo mas os males que afectam os outros exércitos também os afectam a eles, uma coisa é combater com um outro exército, pessoal fardado, agrupado em grupos organizados (batalhões,etc) em quarteis e bases, e por aí adiante, outra coisa é combater milicias e/ou guerrilheiros que andam em bandos semi-organizados, vestidos à civil, a disparar rockets de telhados de apartamentos.
Bem se sabe que qualquer pais vizinho de Israel que ataque Israel fica com as suas forças armadas reduzidas a pó num dia ou dois, agora para destruir movimentos terroristas é bem mais dificil porque se misturam com a população, bem vemos os Americanos no Iraque.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 21, 2006, 11:21:56 pm
Na minha opinião este conflito foi nitidamente “encomendado” pela Irão coadjuvado pela Síria.

As operações em que foram sequestrados os soldados israelitas poderiam simplesmente terem-se saldado pela morte dos mesmos, a não ser que o objectivo fosse (e era) capturar os soldados para como é habitual no povo judeu em «não deixar ninguém ficar para trás», provocar uma reacção israelita que, “apimentada” com ataques inéditos e bem coordenados contra cidades do interior de Israel, só poderia ser contundente. Está reacção contundente de Israel criaria um conflito na região que provocaria um desgaste na opinião pública internacional e retiraria qualquer margem de manobra política para o lançamento de uma ofensiva militar contra o Irão pela continuação do seu programa nuclear.

Não podemos esquecer que Israel já tinha iniciado um plano de paz ambicioso (iniciado por Ariel Sharon) que inevitavelmente levaria à liberdade a maior parte dos prisioneiros que o Hezbollah e sobretudo o Hamas dizem querer trocar pelos soldados israelitas. Como tal, a teoria de que o sequestro dos soldados israelitas tinha por objectivo a sua troca por outros prisioneiros na posse de Israel, cai por terra.

O Líbano por outro lado não tem capacidade para se impor ou desarmar o Hezbollah, que recebe entre 300 a 500 milhões de dólares por ano do Irão e tem a retaguarda protegida pela Síria.

A sua população está a pagar, infelizmente, um preço elevado pela atitude miserável do Hezbollah em ocultar armas e operacionais no meio de instalações civis. Ainda ontem um canal britânico mostrava o que restava de 4 rampas de lançamento de mísseis montadas sobre camiões, que Israel acabara de destruir, em pleno centro de um bairro cristão de Beirute.  

Não são os israelitas que estão atingir civis, pelo menos directamente, é o próprio Hezbollah que os utiliza como garante da segurança do seu armamento (a maior parte dele oculto em instalações civis) e dos seus próprios operacionais.


Provavelmente Israel será forçado a lançar uma ofensiva terrestre com vista a eliminar os objectivos (entre 40% a 50% dos mísseis do Hezbollah estão ainda “intactos” segundo fontes de inteligência israelitas) que sobreviveram à campanha aérea.

Entretanto o programa nuclear iraniano prossegue na máxima velocidade, ao coberto de uma “nuvem de pó” que os dois últimos e mais perigosos cancros do médio oriente souberam de forma quase eximia levantar; Os governos do Irão e da Síria.

Isto faz-me acreditar cada vez mais nas palavras que foram tornadas públicas de um agente dos serviços secretos alemães: «é uma questão de meses para que o Irão possua a sua primeira bomba atómica» Eles os “meses” estão a consegui-los. Se conseguirem o resto será uma tragédia para a humanidade, não tenham dúvidas.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 22, 2006, 12:27:31 am
(http://photos1.blogger.com/blogger/6138/3182/1600/ManifIsraelLibano.jpg)
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 22, 2006, 01:00:46 am
Citar
Secretary Rice Holds a News Conference

RICE: Good afternoon.

This Sunday, I will travel to Israel and the Palestinian territories, where I will meet with Prime Minister Olmert and his leadership and with President Abbas and his team.

I will also travel to Rome, where I will meet with the Lebanon core group.

The countries of the Lebanon core group form a key contact group that can help the Lebanese government to address the political, economic and security challenges that it faces.

Today I want to speak briefly about what I seek to accomplish on this trip, and then I'd be happy to take your questions, of course.

It is important to remember that the cause of the current violence was Hezbollah's illegal attack from Lebanese territory. It is unacceptable to have a situation where the decision of a terrorist group can drag an entire country, even an entire region, into violence.

In response to Hezbollah's outrageous provocation in an already tense region, the United States joined with the G-8 countries in an important declaration in St. Petersburg. Arab nations, led by Saudi Arabia, Egypt and Jordan, have been critical of this provocation as well.

The United Nations and the European Union have, of course, sent missions to the region.

Today the United States renews its call for the immediate release of the abducted Israeli soldiers. And as Israel exercises the right of any sovereign nation to defend itself, we urge Israel's leaders to do so with the greatest possible care to avoid harming innocent civilians and with care to protect civilian infrastructure.

RICE: We are working tirelessly to help ease the plight of all innocent people who are suffering from violence, Lebanese, Israeli and Palestinian.

I was pleased to hear that the Israeli government has responded positively to the proposal of the United States and other countries to open humanitarian corridors into Lebanon which will allow the international community to deliver much-needed assistance to the Lebanese people.

At next week's meeting of the core group and in the weeks that follow, we will continue working with our partners to provide immediate humanitarian relief to the people of Lebanon. That will be a focus of our efforts. And the United States plans to contribute direct humanitarian assistance to Lebanon.

We do seek an end to the current violence, and we seek it urgently. More than that, we also seek to address the root causes of that violence so that a real and endurable peace can be established.

A cease-fire would be a false promise if it simply returns us to the status quo, allowing terrorists to launch attacks at the time and terms of their choosing and to threat innocent people, Arab and Israeli, throughout the region. That would be a guarantee of future violence.

Instead, we must be more effective and more ambitious than that. We must work urgently to create the conditions for stability and lasting peace.

I've just come from New York, where I met with Kofi Annan and received an assessment from the U.N. team that has just returned from the Middle East.

The G-8 statement of July 16 and the U.N. Security Council Resolutions 425, 1559 and 1680 represent an international consensus that guides our diplomatic efforts to help Lebanon's young democracy make progress along three tracks: political, economic and security.

The broad framework includes, of course, the deployment of the Lebanese armed forces to all parts of the country and full international support for the efforts of the Lebanese government to exert its sovereign authority over all of its territory.

Lebanon will have a delegation, we expect, at the core group meeting.

RICE: And I am in constant consultations with Prime Minister Siniora about how best the international community can support his government.

The goal of my trip is to work with our partners to help create conditions that can lead to a lasting and sustainable end to the violence.

Yet, as I prepare to depart for the Middle East, I know that there are no answers that are easy, nor are there any quick fixes.

I fully expect that the diplomatic work for peace will be difficult. But President Bush and I are committed to that work.

Before I take your questions, let me say one more thing.

I would like to thank and commend the personnel of the State Department, the Defense Department and other U.S. government agencies who are helping to lead the successful and ongoing departure of our citizens from Lebanon.

Despite the difficulty of moving people by sea and despite the need to take extensive security preparations, we have mounted in one week the largest operation of any one country.

By tomorrow, we expect to have helped more than 10,000 Americans to reach safety. This is one of the largest and most complex operations of its kind since World War II.

Of course, more work remains to be done. But I am confident that the men and women of the U.S. government are more than equal to that challenge.

And now I'll take your questions.

QUESTION: Madam Secretary, you said the United States and the world need to be more effective and ambitious than to seek a quick cease-fire. Can you be effective and ambitious in helping to guide a solution here if you are not talking to either Syria or Hezbollah?

RICE: First of all, Syria knows what it needs to do, and Hezbollah is the source of the problem.

The issue here is that in Resolution 1559 and ever since the world has spoken to the need of Lebanon to be able to function as a sovereign government without the interference of foreign powers.

That's why Syrian forces were told to leave Lebanon.

The resolutions have insisted that the government of Lebanon needs to be able to extend its authority over all of its territory. And you can't have a situation in which the south of Lebanon is a haven for unauthorized, armed groups that sit and fire rockets into Israel, plunging the entire country into chaos, when the Lebanese government did not even know that this was going to be done.

RICE: Now, the Lebanese government has disavowed what happened.

The government of Siniora is a good and young democratic government. But the extremists of Hezbollah have put that government at risk and have brought misery to the region.

Any cease-fire cannot allow that condition to remain. Because I can guarantee you, if you simply look for a cease-fire that acknowledges and freezes the status quo ante, we will be back here in six months again or in five months or in nine months or in a year trying to get another cease-fire because Hezbollah will have decided yet again to try and use southern Lebanon as a sanctuary to fire against Israel.

So when I say that we really must have this time a commitment to what was understood in 1559 to be a need to get Lebanese forces south, to get control of that territory so that it can be used in this way, that is, I think, the core of a political framework that would permit a sustainable cease-fire.

QUESTION: Madam Secretary, are you concerned that it looks like Israel is going to be launching a ground invasion -- a larger cross- ground operation than we might have expected?

RICE: Well, I'm clearly not going to speculate on something that is just speculation.

The Israelis have said that they have no desire to widen this conflict. And I take them at their word that they have no desire to widen this conflict.

There is a political framework and a political solution that could both stop the violence and leave Lebanon and the region in a much better place so that this doesn't happen again. And I think that's what we have to pursue.

And let me just say, when I say that an immediate cease-fire without political conditions does not make sense, I don't mean that this isn't urgent. It is, indeed, urgent.

QUESTION: When you talk about supporting the Lebanese government but also eliminating the threat posed by Hezbollah, Hezbollah is not only a security threat in the region, it's also a political party and it has ministers in the cabinet, members of parliament.

How do you suppose that the political track will be worked out? Is this the end of Hezbollah in the country, or do you see a future political role for Hezbollah when this is all worked out on the security front?


RICE: Clearly, Hezbollah, in its political role, did not act very responsibly if, indeed, Hezbollah went without the authority of the Lebanese government, violated every conceivable international norm -- not to mention a number of international U.N. Security Council resolutions -- and didn't bother to tell the members of the Lebanese government.

RICE: So, obviously, they didn't act in a responsible way in their political cloak.

And I think that has to be said. And it points to the problem that 1559 anticipated of having groups within the political process that have one foot in terror and one foot in politics. It's not sustainable over the long run. But I think the immediate problem is to get back into a political framework that can allow Lebanon to start to reassert its sovereignty.

QUESTION: Madam Secretary, you've heard the voices saying you should have -- the last several days saying you should go to the region. I'm wondering why you chose now to announce this trip and to go.

And secondly, would the United States be willing to contribute troops, that is boots on the ground, to an international peacekeeping force on the Lebanese border?


RICE: We are looking at what kind of international assistance force makes sense, but I do not think that it is anticipated that U.S. ground forces are expected for that force.

As to the timing of this, look, yes, I could have gotten on a plane and rushed over and started shuttling, and it wouldn't have been clear what I was shuttling to do. We have now had a series of discussions with our -- first at the G-8. I've been in constant contact with others, including with the Egyptians here a couple of days ago. We have been in contact with the Siniora government. Of course, I have been in constant contact with the Israeli government. And then I was just at the U.N.

I think we are beginning to see the outlines of a political framework that might allow the cessation of violence in a more sustainable way, tied to 1559, tied to what is there in the G-8 statement. The elements are becoming quite clear.

But I have no interest in diplomacy for the sake of returning Lebanon and Israel to the status quo ante. I think it would be a mistake.

What we're seeing here, in a sense, is the growing -- the birth pangs of a new Middle East.

RICE: And whatever we do, we have to be certain that we are pushing forward to the new Middle East, not going back to the old one.

QUESTION: Madam Secretary, as you mentioned, a key element of Resolution 1559 calls for the dismantling of terrorist militia groups inside Lebanon by the sovereign authority of that government.

What have you heard from your discussions with the Lebanese that would explain why they have made so little progress on that up to now? And what you think would change in the next week or two in the political framework that would allow them to make progress on that?


RICE: Clearly, this is a young government that does not have the capacity to do everything that was anticipated in 1559. That's just the case.

What we have to do is to help create a framework in which, first of all, the end to the violence would push forward the sovereignty of the Lebanese government and the deployment of Lebanese forces southward with some kind of international assistance -- perhaps significant international assistance. And then we have to continue to work with this government on the political front.

But what I said in answer to an earlier question is that it is now clear why 1559 anticipates a circumstance in which you cannot have people with one foot in politics and one foot in terror, because that Hezbollah sitting within the Lebanese government -- as ministers within the Lebanese government would launch an attack without the knowledge of the Lebanese government that then plunged the Lebanese people into the circumstances that they are, unfortunately, now in says why 1559 has wisdom.

But we will work on a political framework to help the Lebanese to fulfill those terms.

QUESTION: Can you just characterize your discussions with the Lebanese, similar to the way you have done, say, with the Iraqis when you say, "This is a determined government that knows what it needs to do"? Can you speak to what the Lebanese feel their mission is here vis-a-vis Hezbollah?

RICE: I believe that this is a very good government. This is a fine prime minister. And he is in circumstances that are enormously difficult right now, and he's showing great leadership of his people and great courage in leading his people in these very difficult times.

RICE: It is a complicated political situation in Lebanon. That will surprise no one. And I'm not going to characterize my conversations with the prime minister about how we get out of these complex situations.

I think he has a very strong interest in the humanitarian situation. We've been talking about that. And, indeed, we've been working with the Israelis to, first, get air and sea corridors open, now to talk about further humanitarian corridors that might be opened, to get assistance to the Lebanese people and to begin to discuss a political framework that would allow the fulfillment of Resolution 1559.

But I'm not going to characterize those discussions.

QUESTION: Madam Secretary, since you don't talk to Hezbollah or Syria, can you talk about any of your allies that you have been talking with and either have already met with or will meet with? Have there been any direct contacts with Hezbollah? Is there any indication to believe there's any diplomatic daylight?

RICE: Well, first of all, with Syria there have been all kinds of contacts, obviously. Any number of governments have been talking to the Syrians for quite a long time.

The Syrians have to make a choice. Do they really wish to be associated with the circumstances that help extremism to grow in the region? Or are they going to be a part of what is clearly a consensus of the major Arab states in the region that extremism is one of the problems here?

In this sense, I would just ask you to look back on what is being said by some of these Arab states. Everybody wants the violence to stop. There is no difference there.

But this is different than times in the past when there has been a reflexive response from the Arab states. This time I think you're getting a very clear indication of where people think the problem is. And Syria has to determine whether it's going to be a part of that consensus or not.

RICE: As to Hezbollah, as I said, Hezbollah is the source of the problem. And this should be an arrangement between the Lebanese government and the international community and Israel, because it is the Lebanese government that is sovereign, not Hezbollah.

This is not an arrangement -- and I want to just underscore that 1559 is an obligation of the Lebanese government, the international community and its neighbors.

Hezbollah, in this form, is a terrorist organization and I don't think we're talking about an arrangement between Hezbollah and the international community.

QUESTION: The United States has deployed a force -- or there was an international force separating the Palestinians and Israelis in 1982.

RICE: Lebanese...

QUESTION: Well, the Palestinians...

RICE: Oh, you mean the Palestinians camps in Lebanon.

QUESTION: Yes.

RICE: I just wanted to make sure we were talking about Lebanon.

QUESTION: I was there then.

RICE: Yes, sorry. I know.

QUESTION: Can you describe how the stabilization force might be different from what it was before? Would it have more muscle? There's talk of a Kosovo model. Can you give us any more meat on the bones of what's being discussed?

RICE: I discussed some of this in New York with Secretary General Annan. We are in discussions with our allies, as well.

Look, I think everybody understands that it has to be a force robust enough to do the job: to make sure that the conditions in southern Lebanon are such that the reason for the violence has been dealt with; and that is that southern Lebanon is used as a platform by Hezbollah to attack Israel. That's going to take a robust force.

The questions about what kind of force it is, what its command structure is, is it a U.N. force, is it an international assistance force -- those are the discussions that are going on, and I think are going to go on over the next few days.

QUESTION: Will Hezbollah have to be disarmed before the force is in place, or will it have a mandate that includes disarming Hezbollah?

RICE: I think we have to discuss the mandate, first and foremost, with the Lebanese and with the Israelis, who have most stake here, and then with the international community.

I'm not going to try to prejudge what the mandate's going to look like. But it's got to be robust and it's got to be capable of helping the Lebanese forces make certain that southern Lebanon is not a haven for these kind of attacks.

QUESTION: Madam Secretary, aren't you concerned that the delay in halting the fighting and the loss of many civilian lives in Lebanon will hamper your efforts to win the hearts and minds of the Arab world?

RICE: I'm concerned about civilian casualties because I'm concerned about civilian casualties. Nobody wants to see innocent civilians caught up in this kind of fighting. And it's why we are very determined to do more about the humanitarian situation. It's why we have talked so determinedly and so frequently with the Israelis about restraint in their operations. It's why we've worked to get the humanitarian corridors opened.

This is a terrible thing for the Lebanese people.

The unfortunate fact is that if we don't do this right, if we don't create political conditions that allow an end to the violence to also deal with the root cause, deal with the circumstances that produced this violence, then we're going to be back here in several months more.

Because what is different now than when Robin (ph) was there in 1982 is that you have a circumstance in which a young democratic government, free now of Syrian forces, is trying to assert its authority over Lebanese territory and trying to be there for a good neighbor and a good contributor to international peace and stability.

And those extremists want to strangle it in its crib. They are frightened by the prospect of a Lebanon that is no longer a source of instability, no longer so weak that people use its territory in this way, much as these extremists want to strangle other new governments, new democratic governments in the region.

So this is a different Middle East, and it's a new Middle East, and it's hard, and we're going through a very violent time.

I want the violence against civilians to stop because the violence against civilians needs to stop. But I know that unless the circumstances are dealt with, it's not going to last -- any end of the violence isn't going to last.

You got the last question.

QUESTION: Madam Secretary, can you tell us why you're not actually visiting any Arab countries? And is it true, as some of us have been told, that some of the Arab states didn't want to host you while the Israeli offensive was going on?

RICE: Look, I am going to go to a place where we can all meet and talk about what needs to move forward. What I won't do is go some place and try to get a cease-fire that I know isn't going to last.

We're just in a different circumstance. And I think, frankly, people in the region understand that, as well as people in Lebanon.

Everybody is concerned about the toll on civilians. And everybody is concerned about the toll on the young Lebanese government. There's no doubt about that.

But everybody also needs to unite. The people need to stand strong now, because the time has come not to just take a temporary solution that is going to fall apart within -- I can't tell you whether it will be hours or days or weeks or months of its having come in to place.

So when I arranged my travel and arranged the decision to go now, I felt it was important to have done a lot of the consultations, I felt it was important to have the right group of people together, but I also felt that it was important to have come to a meeting of the minds of some of the elements that might actually provide a political framework for a stable peace.

Thank you very much. See you on the plane. Thank you.

(CROSSTALK)

RICE: Or not.

END



http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/07/21/AR2006072100889_pf.html
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 22, 2006, 01:03:13 am
Citação de: "RedWarrior"
(http://photos1.blogger.com/blogger/6138/3182/1600/ManifIsraelLibano.jpg)


Nao teria mais logica uma manifestacao em frente as embaixadas do Libano e da Palestina a pedir o fim do apoio destes a grupos terroristas para que o Medio Oriente possa, finalmente, ter paz? Pois... tambem me parece que sim... mas grupos terroristas normalmente nao ligam mt a manifestacoes ou a populacoes civis...
Título:
Enviado por: NVF em Julho 22, 2006, 01:20:57 am
Citação de: "othelo"
NVF
dou-lhe razão na chamada de atenção que fez, mas razão parcial, e isto porque, ambas as organizações se entreajudam e mantem laços estreitos de coperação, o ideal politico deles é básicamente o mesmo, os combatentes chegam a saltar de um lado para o outro.
por estas e outras razões poderam quase ser considerados um movimento quase unico, com um objectivo comum (digam eles publicamente o que diserem) que é a eliminação do estado de Israel.

Mas isto é como dizes, "Opiniões...todos tem uma"


Othelo,

Ha duas coisas em comum entre o Hamas e o Hezbolah: o odio a Israel e o facto de ambos terem sido criados para lutar contra entao ocupacao dos seus territorios por parte de Israel.

Admito que, actualmente, haja algum nivel de coordenacao entre ambos. No entanto, as duas organizacoes tem ideologias completamente distintas -- Hamas sunita e Hezbolah Xiita. Mesmo o seu modus operandi e' diferente: o Hamas e' conhecido e faz gala dos atentados suicidas contra civis; e o Hezbolah apesar de lhe serem apontados alguns atentados suicidas (que eles nunca admitiram) ataca normalmente alvos militares. Alias, nao e' a primeira vez que eles raptam soldados das IDF; ja o fizeram no passado e Israel acedeu a trocas de prisioneiros. Por isso e' que acho a actual ofensiva israelita um perfeito exagero -- que invadam o Libano e combatam o Hezbolah ou que mandem esquadroes da morte atras dos seus dirigentes do Hezbolah.

Mas o bombardeamento indiscriminado de civis e' intoleravel -- cai-se no ridiculo de as baixas colaterais serem os terroristas. Nao sei o que vos passa pela cabeca quando tentam racionalizar sobre a destruicao de um predio de apartamentos e a morte de dezenas de civis e se tem o objectivo de matar uns quantos terroristas ou destruir uns lanca rocktes. Mas para mim, quem faz isto e' tao terrorista quanto o Hezbolah, com a agravante de o fazer a uma escala maior.

Se eu fosse os EUA, desarmava ambos os lados e se queriam continuar a lutar que o fizessem com pedras e paus.
Título:
Enviado por: othelo em Julho 22, 2006, 02:42:10 am
é como disseste, opinião todos temos uma, e eu acrescento o velho dito, ela vale o que vale, nem que seja só para nós.
OK :wink:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 24, 2006, 04:20:52 pm
Do DD

Citar
Israel ameaça destruir 10 edifícios cada ataque contra Haifa

O exército de Israel ameaçou hoje destruir dez edifícios nos arredores de Beirute, bastião da milícia xiita Hezbollah, por «cada lançamento de mísseis» do grupo contra a cidade israelita de Haifa.
«O chefe do Estado-Maior Dan Halutz deu ordem à aviação para destruir 10 edifícios de vários andares dos arredores de Beirute em resposta a cada lançamento de mísseis contra Haifa», declarou à rádio militar israelita um oficial superior da aviação.

Na tarde de domingo, a aviação israelita retomou o bombardeamento dos arredores a sul de Beirute, bastião do grupo xiita Hezbollah.

Estes ataques ocorreram algumas horas depois de um alto responsável da ONU ter feito uma visita à zona e ter acusado o Estado hebreu de «violar o direito humanitário».

A aviação israelita visou, em pelo menos cinco ataques ao fim da tarde de domingo, edifícios residenciais nos bairros periféricos dos arredores.

Anteriormente, no domingo, um novo lançamento de mísseis do Hezbollah contra a cidade portuária de Haifa tinha provocado a morte a dois civis.



E ainda:

Citar
Condoleezza Rice chega a Beirute para reuniões (act.)

A secretária de Estado norte- americana, Condoleezza Rice, chegou hoje a Beirute para uma visita de algumas horas, tendo previsto um encontro com o primeiro-ministro libanês, Fouad Siniora, numa demonstração de apoio aos libaneses.
Condoleezza Rice foi recebida pelo seu homólogo Faouzi Salloukh no palácio governamental, no centro da cidade de Beirute, capital do Líbano, segundo um jornalista da agência AFP.

A visita surpresa constitui uma «importante demonstração de apoio aos libaneses e ao Governo de Siniora», afirmou à imprensa um destacado responsável norte-americano, que acompanha a secretária de Estado.

«Termos vindo a Beirute, depois de tudo o que se passou, constitui uma mensagem espectacular para o Líbano e seu Governo», acrescentou a fonte.

Segundo a mesma fonte, durante a visita, Rice anunciará ajuda ao Líbano e deverá discutir uma «solução para o conflito», que provocou mais de 360 mortos, a maior parte dos quais civis, desde 12 de Julho, quando a milícia xiita libanesa Hezbollah sequestrou dois soldados israelitas.

Rice vai também reunir-se com o líder do parlamento libanês, Nabih Berri, mandatado pelo Hezbollah para encetar negociações para uma eventual troca de prisioneiros com Israel.

A secretária de Estado norte-americana chegou a Beirute procedente de Larnaca, Chipre, a bordo de um helicóptero da marinha dos Estados Unidos fortemente armado e escoltado.

Após a chegada ao Líbano, Rice apelou para um cessar-fogo «urgente» entre Israel e o Líbano, desde que seja «viável».

«É importante haver condições para que ele (o cessar-fogo) seja viável», afirmou Rice, sublinhando que um cessar-fogo não será durável se não forem abordadas as causas profundas do conflito.

A polícia libanesa começou a preparar hoje de manhã a visita de Rice, quando mandou retirar todos os carros estacionados em várias ruas de Beirute, nomeadamente no centro da cidade.



O sublinhado é da minha autoria......................."largar uma víbora num ninho de cobras"
Título:
Enviado por: Doctor Z em Julho 24, 2006, 05:37:32 pm
Isso, por a minha, é só para o inglês ver ...
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 24, 2006, 05:46:18 pm
Citação de: "Doctor Z"
Isso, por a minha, é só para o inglês ver ...


Acho que o "Inglês" já abandonou Beirute no ferry alemão  :?
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 24, 2006, 06:12:11 pm
Citar
Responsável da ONU chega a Beirute e acusa Israel de estar a violar direitos humanos


O secretário-geral adjunto das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Jan Egeland, chegou hoje a Beirute e visitou os bairros destruídos pela ofensiva israelita. O responsável acusou Israel de estar a violar direitos humanos.

“Trata-se de uma destruição, edifício após edifício, de várias zonas residenciais. Diria que se trata de uma utilização excessiva da força numa zona com tantos cidadãos”, disse Egeland aos jornalistas.

Chegado da Síria, Egeland fez hoje um périplo pelos bairros mais devastados pelos F-16 israelitas, nomeadamente na zona Sul, de maioria xiita. Horas antes da chegada de Egeland, raides israelitas atingiram os bairros de Beirute e depois caíram seis mísseis. “É terrível. Vi muitas crianças feridas, sem casa, a sofrer. Esta é uma guerra onde os civis estão a pagar um preço desproporcionado no Líbano e no Norte de Israel”.

“Uma resposta desproporcionada de Israel é uma violação da lei internacional humanitária”, declarou.

A visita de Egeland a Beirute pretende lançar um apelo à ajuda internacional de emergência em favor de meio milhão de libaneses, desalojados pelos bombardeamentos.

Amanhã as Nações Unidas vão pedir cem milhões de dólares (78,7 milhões de euros). “Vai ser um grande apelo”.

O responsável pediu ainda a abertura de um corredor humanitário para a distribuição da ajuda.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264962


Ataques de rockets contra Haifa nao serao violacoes dos direitos humanos?
Título:
Enviado por: Doctor Z em Julho 24, 2006, 06:39:33 pm
Citação de: "Azraael"
Citar
Responsável da ONU chega a Beirute e acusa Israel de estar a violar direitos humanos


O secretário-geral adjunto das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários, Jan Egeland, chegou hoje a Beirute e visitou os bairros destruídos pela ofensiva israelita. O responsável acusou Israel de estar a violar direitos humanos.

“Trata-se de uma destruição, edifício após edifício, de várias zonas residenciais. Diria que se trata de uma utilização excessiva da força numa zona com tantos cidadãos”, disse Egeland aos jornalistas.

Chegado da Síria, Egeland fez hoje um périplo pelos bairros mais devastados pelos F-16 israelitas, nomeadamente na zona Sul, de maioria xiita. Horas antes da chegada de Egeland, raides israelitas atingiram os bairros de Beirute e depois caíram seis mísseis. “É terrível. Vi muitas crianças feridas, sem casa, a sofrer. Esta é uma guerra onde os civis estão a pagar um preço desproporcionado no Líbano e no Norte de Israel”.

“Uma resposta desproporcionada de Israel é uma violação da lei internacional humanitária”, declarou.

A visita de Egeland a Beirute pretende lançar um apelo à ajuda internacional de emergência em favor de meio milhão de libaneses, desalojados pelos bombardeamentos.

Amanhã as Nações Unidas vão pedir cem milhões de dólares (78,7 milhões de euros). “Vai ser um grande apelo”.

O responsável pediu ainda a abertura de um corredor humanitário para a distribuição da ajuda.


http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1264962


Ataques de rockets contra Haifa nao serao violacoes dos direitos humanos?


De qualquer forma, numa guerra há violações de ambos os lados ...
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 24, 2006, 07:12:39 pm
Citação de: "Doctor Z"
Citação de: "Azraael"
Ataques de rockets contra Haifa nao serao violacoes dos direitos humanos?
De qualquer forma, numa guerra há violações de ambos os lados ...
Sem duvida... o que eu acho estranho e' criticarem so' um dos lados.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 24, 2006, 07:20:10 pm
Citação de: "Azraael"
Nao teria mais logica uma manifestacao em frente as embaixadas do Libano e da Palestina a pedir o fim do apoio destes a grupos terroristas para que o Medio Oriente possa, finalmente, ter paz?
Substitui na tua pergunta Líbano e Palestina por Síria e Irão, e eu passo a concordar contigo.

Citação de: "Azraael"
mas grupos terroristas normalmente nao ligam mt a manifestacoes

 Eu garanto-te que se o Hezbollah tivesse embaixada em Portugal, ia lá protestar.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 24, 2006, 07:22:00 pm
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Azraael"
Nao teria mais logica uma manifestacao em frente as embaixadas do Libano e da Palestina a pedir o fim do apoio destes a grupos terroristas para que o Medio Oriente possa, finalmente, ter paz?
Substitui na tua pergunta Líbano e Palestina por Síria e Irão, e eu passo a concordar contigo.
Acrescentar ainda acrescento... substituir e' que nao. Mas tenho a distinta impressao que a Siria e o Irao nao perdem pela demora...

Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Azraael"
mas grupos terroristas normalmente nao ligam mt a manifestacoes
Eu garanto-te que se o Hezbollah tivesse embaixada em Portugal, ia lá protestar.
Ao menos isso...
Título:
Enviado por: Doctor Z em Julho 25, 2006, 10:07:51 am
Citação de: "Azraael"
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Azraael"
Nao teria mais logica uma manifestacao em frente as embaixadas do Libano e da Palestina a pedir o fim do apoio destes a grupos terroristas para que o Medio Oriente possa, finalmente, ter paz?
Substitui na tua pergunta Líbano e Palestina por Síria e Irão, e eu passo a concordar contigo.
Acrescentar ainda acrescento... substituir e' que nao. Mas tenho a distinta impressao que a Siria e o Irao nao perdem pela demora...

Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Azraael"
mas grupos terroristas normalmente nao ligam mt a manifestacoes
Eu garanto-te que se o Hezbollah tivesse embaixada em Portugal, ia lá protestar.
Ao menos isso...


O Líbano, pelo o menos o governo, não têm poder (nem força suficiente)
para tratar do problema do Hezbollah ... A Palestina estão contra todos e
por isso, não têm nada a perder ou quase, porque não têm nada ...

Trás disso tudo, estão sempre interesses económicos ...

Portugal não têm embaixada no Líbano, quanto mais o Hezbollah em Portugal ...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 01:49:18 pm
Citar
Israel used cluster grenades on civilians

Tuesday 25 July 2006, 3:52 Makka Time, 0:52 GMT  

A US-based human rights group has accused Israel of using artillery-fired cluster grenades against a Lebanese village last week during its assault against Hezbollah.

Human Rights Watch said on Monday that it had taken photos of cluster grenades stored by Israeli artillery teams on the Israel-Lebanon border.

It also said that a cluster grenade attack on Wednesday killed one and wounded at least 12 civilians in the village of Blida.

"Cluster munitions are unacceptably inaccurate and unreliable weapons when used around civilians," Kenneth Roth, Human Rights Watch executive director, said in a statement.

"They should never be used in populated areas."

An Israeli army statement said: "The use of cluster munitions is legal under international law and the IDF [Israel Defence Forces] uses such munitions in accordance with international standards. We are checking the specific details of the incident mentioned in the report."

Violating a ban?

Human Rights Watch said it had photographed M483A1 artillery shells stored on the Israeli side of the border, which deliver 88 cluster sub-munitions per shell and have a failure rate of 14 per cent, often leaving behind dangerous unexploded shells.

It said it believed the use of cluster grenades in populated areas could violate a ban on indiscriminate attacks contained in international humanitarian law.

"Our research in Iraq and Kosovo shows that cluster munitions cannot be used in populated areas without huge loss of civilian life," Roth said.

"Israel must stop using cluster bombs in Lebanon at once."


O uso deste tipo de Arma é proibido pela convenção de Genebra.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 25, 2006, 02:14:31 pm
Da notícia acima...................

Citar
A US-based human rights group has accused Israel of using artillery-fired cluster grenades against a Lebanese village last week during its assault against Hezbollah.


E os seus compatriotas em serviço no Iraque e Afeganistão, não as usaram nesses teatros de operações :?:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 02:20:40 pm
Usaram, esses movimentos humanistas sempre o divulgaram e condenaram.

http://hrw.org/english/docs/2003/04/01/usint5475.htm (http://hrw.org/english/docs/2003/04/01/usint5475.htm)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 25, 2006, 02:28:28 pm
Obrigado pelo link, caro ricardonunes
Título:
Enviado por: papatango em Julho 25, 2006, 02:29:36 pm
Citar
"Cluster munitions are unacceptably inaccurate and unreliable weapons when used around civilians," Kenneth Roth, Human Rights Watch executive director, said in a statement.

"They should never be used in populated areas."


Quando houver por parte destes organismos um pouco de equidade nas declarações, então devem ser tomados em consideração.

Os foguetes Fajr-1, Fajr-2 Fajr-3 e Fajr-5 são tudo menos precisos, são também "Imprecisos", "pouco confiáveis" quando utilizados onde estiverem civis.

É por isso que todos os foguetes do Hezbollah disparados até hoje (e que conseguiram matar algumas pessoas e ferir batantes) ainda não conseguiram atingir um único militar de Israel.

Quando o Hezbollah disparar contra militares, em vez de atacar zonas civis com o único objectivo de aterrorizar as pessoas, e quando deixar de se esconder no meio dos civis para atrair as bombas sobre eles, nessa altura, aqueles que objectivamente estão do lado do Hezbollah terão razão para falar.

Enquanto isso não acontecer, são apenas gente que fala-barato, a soldo do Irão.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: komet em Julho 25, 2006, 02:41:20 pm
Ó papatango, mas será isso desculpa para atacar alvos civis deliberadamente do outro lado? Muito menos com cluster bombs? Que como todos nós sabemos, são autênticos potenciais campos minados lançados do ar? Imagina que o hezbollah por acaso era sediado em Portugal, e atacava a vizinha Espanha, parece-lhe correcto que os F-18 Castelhanos lançassem esse tipo de munição sobre a nossa população civil que não quer nada com a guerra, e muito menos com aquele movimento?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 03:05:27 pm
papatango, quantos operacionais do hezbollah reconhece neste video?
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/co ... 00432.html (http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/video/2006/07/25/VI2006072500432.html)

Não estou aqui a defender o hezbollah, mas sim a condenar a politica usada por Israel para combater esses terroristas.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 03:45:53 pm
Citação de: "Doctor Z"
O Líbano, pelo o menos o governo, não têm poder (nem força suficiente)
para tratar do problema do Hezbollah ...
Entao porque e' que nao pediu apoio as nacoes unidas, por ex?

Citação de: "Doctor Z"
A Palestina estão contra todos e por isso, não têm nada a perder ou quase, porque não têm nada ...
Parece-me que estao agora a descobrir, depois da eleicao do Hamas, o quanto (ainda?) tem a perder...

Citação de: "Doctor Z"
Portugal não têm embaixada no Líbano, quanto mais o Hezbollah em Portugal ...
Grupos terroristas nao tem embaixadas...

Citação de: "papatango"
Quando o Hezbollah disparar contra militares, em vez de atacar zonas civis com o único objectivo de aterrorizar as pessoas, e quando deixar de se esconder no meio dos civis para atrair as bombas sobre eles, nessa altura, aqueles que objectivamente estão do lado do Hezbollah terão razão para falar.

A este proposito, e ainda referente a algo que disse antes:

Citação de: "Azraael"
Citação de: "Doctor Z"
Citação de: "Azraael"
Ataques de rockets contra Haifa nao serao violacoes dos direitos humanos?
De qualquer forma, numa guerra há violações de ambos os lados ...
Sem duvida... o que eu acho estranho e' criticarem so' um dos lados.

Parece que falei um pouco cedo de mais:

Citar
U.N. Chief Accuses Hezbollah of 'Cowardly Blending' Among Refugees


LARNACA, Cyprus  — The U.N. humanitarian chief accused Hezbollah on Monday of "cowardly blending" among Lebanese civilians and causing the deaths of hundreds during two weeks of cross-border violence with Israel.

The militant group has built bunkers and tunnels near the Israeli border to shelter weapons and fighters, and its members easily blend in among civilians.

• CountryWatch: Israel | Lebanon | Syria | Iran

Jan Egeland spoke with reporters at the Larnaca airport in Cyprus late Monday after a visit to Lebanon on his mission to coordinate an international aid effort. On Sunday he had toured the rubble of Beirut's southern suburbs, a once-teeming Shiite district where Hezbollah had its headquarters.

During that visit he condemned the killing and wounding of civilians by both sides, and called Israel's offensive "disproportionate" and "a violation of international humanitarian law."

On Monday he had strong words for Hezbollah, which crossed into Israel and captured two Israeli soldiers on July 12, triggering fierce fighting from both sides.

"Consistently, from the Hezbollah heartland, my message was that Hezbollah must stop this cowardly blending ... among women and children," he said. "I heard they were proud because they lost very few fighters and that it was the civilians bearing the brunt of this. I don't think anyone should be proud of having many more children and women dead than armed men."

"We need a cessation of hostilities because this is a war where civilians are paying the price," said Egeland, who was heading to Israel.

Hezbollah guerrillas crossed into Israel and captured two Israeli soldiers on July 12, triggering fierce fighting from both sides.

At least 384 people have been killed in Lebanon, including 20 soldiers and 11 Hezbollah fighters, according to security officials. At least 600,000 Lebanese have fled their homes, according to the World Health Organization. One estimate by Lebanon's finance minister putting the number at 750,000, nearly 20 percent of the population.

Israel's death toll stands at 36, with 17 people killed by Hezbollah rockets and 19 soldiers killed in the fighting.

During his visit to Lebanon, Egeland issued an urgent call for US$150 million (euro118.74 million) to help Lebanon through the next three months.

He said the first large U.N. convoy of humanitarian aid is expected to depart Beirut on Wednesday for the southern city of Tyre. Similar convoys will be scheduled every second day after that.


http://www.foxnews.com/story/0,2933,205349,00.html
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 03:54:24 pm
Mais uma capa da Time dedicada a este conflito.

Citar
(http://img.timeinc.net/time/images/covers/1101060731_120.jpg)6 Keys to Peace


It isn't rocket science, but the playbook for bringing stability to the Middle East requires American commitment, Israeli restraint, Arab flexibility--and a little luck in Iraq
By MICHAEL ELLIOTT

With a few bland words -- "this Sunday I will travel to Israel and the Palestinian territories, where I will meet with Prime Minister Olmert and his leadership and with President Abbas and his team"--U.S. Secretary of State Condoleezza Rice last week linked her office not just to one summer's crisis but also to the careers and reputations of those who preceded her in high office.

Henry Kissinger, Zbigniew Brzezinski, James Baker, Madeleine Albright and others found themselves dragged into the business of trying to bring peace to the Middle East. Year after year, decade after decade, a region that is sacred to three religions and the home of sublime landscapes--yet drenched in blood and covered in the dust of bombed-out rubble--brings those who live in more comfortable neighborhoods back to its old quarrels. Canada, the saying goes, is a nation with too much geography and not enough history. The Levant is the world's un-Canada--a small sliver of land in which ancient grievances are played out again and again as if they held the key to understanding tomorrow.

Rice's trip this week marks an implicit recognition by the Bush Administration that there are some burdens that every U.S. presidency has to bear. It is not that Bush has ignored the Middle East; on the contrary, he is fighting a war there, and the commitment of the President to advance the cause of democracy in nations that have long been autocracies amounts to a policy of revolution. But in six years, Bush's team has studiously avoided the habits of the past: shuttle diplomacy, Camp David summits, special envoys. To Bush & Co., those things are naive, incremental, Clintonian. But whether he likes it or not, the President--and his Secretary of State--is deep in the Clinton woods now; the very least that well-wishers can do is point them toward pathways through the thickets.

In truth, Bush and Rice know those paths well. Everyone does. There is no mystery to the theory of peace in the Middle East; it's the practice that has proved so difficult. But it is worth setting out the keys to peace that--with time, patience and goodwill in an area where they are in chronically short supply--might one day allow people to concentrate on building a better life for their children rather than scurrying into bolt-holes and shelters. Here are six of them.

1 GET THE U.S. INVOLVED

IT IS EASY TO SEE WHY ANY U.S. administration would want to stay out of Middle East peacemaking. Those who have tried have had little to show for their pains. Jimmy Carter's successful effort to broker a peace between Egypt and Israel at Camp David in 1978 did nothing for his political fortunes. In 1983, during the presidency of Ronald Reagan, 241 members of the U.S. armed forces died after the bombing of a military barracks in Beirut--killed by a suspected Hizballah faction. And Bill Clinton left office bitterly disappointed that all his intelligence and charm were insufficient to bring about a comprehensive settlement between Israel and the Palestinians.

But Rice's trip is evidence that the U.S. is involved in the Middle East, whether it wants to be or not. That is not, for once, because it is the world's sole superpower, the policeman to which those in any tough neighborhood eventually turn. It is because the U.S. has a unique relationship with Israel and is committed to guaranteeing its security. That means Washington can talk to the Israelis and, occasionally, convince them that their best interests require them to talk to those whose motives and behavior they despise.

As the scale and ferocity of the fighting in Lebanon stunned the world, nations lined up to accuse Israel of a "disproportionate" response to Hizballah's raid two weeks ago, when it kidnapped two Israeli soldiers. But few initially were in doubt as to who started the fight, and it wasn't Israel. "I'm not any more fond of violence or the prospect of a major war than anyone else," says a French official involved in counterterrorism. "But how could Israel not respond to this provocation in a most forceful way?" Even the Saudis, never quick to grant Israel favors, disavowed Hizballah's actions in a remarkable statement that implied that Hizballah should "alone bear the full responsibility of these irresponsible acts and should alone shoulder the burden of ending the crisis they have created." King Abdullah II of Jordan and President Hosni Mubarak of Egypt likewise condemned Hizballah for "adventurism that does not serve Arab interests."

There is little mystery about why Saudi Arabia, Egypt and Jordan--all Arab states with predominantly Sunni Muslim populations--would distance themselves from Hizballah. The Lebanese organization is a Shi'ite fighting force, founded and bankrolled by Shi'ite--and non-Arab--Iran. As Tehran flexes its muscles in the region, pursuing technology that could enable it to build nuclear weapons and watching as Shi'ite forces gradually dominate Iraq, Arab powers have become worried. That gives the U.S. an opening. Administration officials say one purpose of Rice's trip is to create an "umbrella of Arab allies" opposed to Hizballah. "She's not going to come home with a cease-fire but with stronger ties to the Arab world," says a U.S. official. "What we want is our Arab allies standing against Hizballah and against Iran." It was, perhaps, the prospect of such an alliance that led Rice last week to say, "What we're seeing here, in a sense, is the birth pangs of a new Middle East."

2 DON'T FORGET THE PALESTINIANS

LIKE ANY BIRTH, THIS ONE WON'T BE EASY. The leading Sunni Arab states, if they are to join the U.S in opposition to Hizballah and Iran, are likely to ask for something in return, and it is not hard to divine what it would be: a full-hearted U.S. commitment to revive the peace process between Israel and the Palestinians.

For the Arab states, it is axiomatic that a second key for curing the ills that have plagued the region is peace between Israel and the Palestinians. Settle that, many believe, and economic development will proceed apace, extremist groups will lose their reason for being, and public support for violence will evaporate. Even if some of those claims are far-fetchedwhat, precisely, has Israel done that would explain the woeful economic performance of the Arab world for a generation?they are deeply held and widely shared. "Terrorism," British Prime Minister Tony Blair told the U.S. Congress in 2003, "will not be defeated without peace in the Middle East between Israel and Palestine. Here it is that the poison is incubated."

There is little disagreement among states in the region or outside it about what an ideal peace between Israel and the Palestinians would involve. Since before World War II, most reasonable observers have known that sooner or later, two states--one with a Jewish majority, one with an Arab one--would share the land between the Jordan River and the Mediterranean. That was the basis of the talks between Israel and the Palestinians in the last year of the Clinton Administration; it was acknowledged by the meeting of Arab states in Beirut in 2002, when they committed themselves to "normal relations" with Israel if it withdrew to its pre-1967 borders; it was the basis of the road map adopted by the U.S. and other powers in 2003; and it was accepted, finally, by Israel's old warrior Ariel Sharon, although he ultimately lost faith in negotiations and adopted a policy of unilateral "disengagement" from the Palestinians. As Sharon's heir and successor, Israel's Prime Minister Ehud Olmert also knows that one day a Palestinian state will come. The belief is nearly universal. "We know we can't wind this up with guns and tanks," Israel's Deputy Prime Minister Shimon Peres told TIME. "The final solution has to be done diplomatically."

But 2006 is not 2000, when negotiations at Camp David got mired in the devilish details of a deal--how Jerusalem would be governed, how much land Israel would retain on the West Bank, how Palestinian refugees should be handled. Since then, Israel has seen suicide bombers flock to its cities from the West Bank and watched rockets sail into its towns from Gaza and Lebanon, areas from which it had withdrawn all its soldiers--in the case of Lebanon, a full six years ago. Within that context, it isn't the details of a two-state solution that matter now; it is something much more elemental. Israel needs to know that in any deal with the Palestinians, its people will be safe.

3 GUARANTEE ISRAEL'S SECURITY

FOR THAT REASON, THE THIRD KEY TO PEACE is to find a way to convince Israelis that they and their children can sleep easy at night. And here Israel finds itself in a dilemma. The Jewish state's superb armed forces never failed when asked to fight against massed armies in conventional wars. But Israel is not fighting a standard war now; with Hamas and Hizballah, it is battling against cells of well-trained militias energized by religious fervor. Armies surrender when their leaders tell them to; guerrillas just slip back to a safe house and wait to fight another day. Worse, today's irregular foes live in villages, hide in houses and are sheltered by civilians (or force civilians to shelter them).

All that means that Israel has to fight a war that inevitably results in terrible and visible damage to towns and cities--and costs innocent lives. In the court of world public opinion, that is a fight Israel ultimately can never win. Worse, precisely because the collateral damage of such a war is so immense--witness the areas of southern Lebanon that have been turned into a wasteland of shattered masonry--Israel risks creating a new generation of Arabs that hates it with a passion. By trying to guarantee its security today, Israel may be merely threatening its security tomorrow.

In any two-state solution, Palestinians would control the West Bank. But the need to maintain Israeli security has compelled some observers to rethink how an Israeli withdrawal from the region should be handled. Dennis Ross, Middle East envoy for Presidents George H.W. Bush and Clinton, criticizes the way Israel left Gaza last year. "The withdrawal," says Ross, "should not have taken place unless the Palestinians were going to create the security force to ensure security on their side, so that there weren't attacks out of Gaza into Israel." Given all that has happened, says Ross, Olmert will be able to pull out of the West Bank only if one of two conditions are met: "Either his withdrawal is geared only to [Israeli] settlers and not soldiers ... or the Palestinians are able to put together a credible security force."

4 STABILIZE LEBANON

BY LEAVING SOLDIERS IN THE WEST BANK after any withdrawal, Israel might hope to guarantee security on its eastern border. But the same tactic wouldn't work to the north; nobody is going to countenance Israel's occupying a swath of southern Lebanon again (as it did from 1982 to 2000) to deny Hizballah room from which to fire its rockets--least of all Israelis themselves, who are horrified by the idea of a re-occupation. That is why the fourth key to peace is to stabilize Lebanon. In part, that means propping up the fragile government of technocrats led by Fouad Siniora and pumping donors to help Lebanon rebuild itself (again)--which will be the focus of a high-level international meeting in Rome this week. But it also means ensuring that Hizballah can no longer use its strongholds in the south to threaten regional peace. That explains why Rice has been at pains to insist that her mission is not to restore the status quo ante but to change the game in Lebanon so that Hizballah is out of the picture. Rice and other top U.S. officials do not expect that Hizballah will be completely disarmed by Israel anytime soon; but they would not be sorry to see its power sufficiently undermined so that other nations can contribute to what Rice calls the "robust" force that will be needed to police the border when hostilities cease.

Getting those forces in place may be easier said than done. When Israeli officials are pressed on who, precisely, might man the border and face down the remnants of Hizballah, they throw out names--Turkey, Egypt, "the Europeans"--in a way that suggests the plan has not yet been thought through. Israeli officials take refuge in the hope that other nations will recognize that Iran, Hizballah's sponsor, is sufficiently dangerous to regional peace that defanging its proxy becomes something that every sensible party would want to do. "Iran," says Peres, "is trying to make a mockery of world institutions." That thought leads to the fifth key to peace--and perhaps the hardest of all to pin down.

5 HANDLE IRAN

THE ONE FACTOR THAT TRULY DISTINGUISHES this summer's crisis from earlier ones is the realization that Iran is a central player. Among Israelis, it is generally assumed that Hizballah had Iran's encouragement when it kidnapped the soldiers. And that view isn't held just in Jerusalem. "There isn't the slightest degree of ambiguity or doubt as to Iran's role in this," says a French foreign-affairs official. "How much coincidence could there be in Hizballah kidnapping the Israeli soldiers on the same date that ministers met in Paris to decide what measures to take on the Iranian nuclear issue? None, in our opinion." Avi Dichter, Israel's Internal Security Minister, calls on other countries to help Israel show that "Iran's strategy has failed in Lebanon" and claims that if Iran is not faced down, it will try to destabilize oil states in the Gulf.

Assuming Iran was indeed behind Hizballah's raid, what happens next? The U.S. and other powers are discussing how to rein in Iran's nuclear program, and it may be easier to jointly impose sanctions now that Iran is viewed as responsible for mayhem in Lebanon. But what then? Take a look at a map. Iran is an oil-rich nation that borders Pakistan, Afghanistan, Turkey and Iraq, among others. It has a strategic position in Eurasia that cannot be wished away. European officials talk of a "constructive dialogue" with Tehran that involves recognizing it as an important regional power while maintaining the right to sanction it if it breaks the nuclear rules. But Israel--along with many supporters in the U.S.--thinks dialogue with a nation whose leader has said that Israel "must be wiped off the map" is a waste of breath. The U.S., meanwhile, has had few substantive talks with Iranian officials for the past 26 years--and it is anything but clear what levers Washington and its allies think they can pull if Iran really does seek a position of hegemony in the region. Yet even if Iran was to be contained or if it changed its tune, it is hardly certain that Hizballah would follow suit. There is even less reason to think Hamas would. Israel's Dichter claims that Iran made its first overtures to Hamas in 2001 and that Khaled Mashaal, the Syrian-based leader of Hamas, is a "frequent flyer between Damascus and Tehran." But Hamas is a Sunni organization rooted in Palestinian resistance. It doesn't need Iran's encouragement to fight Israel.

6 PRAY FOR IRAQ

THERE IS, FINALLY, THE MATTER OF IRAQ. The original U.S. hopes for Iraq were not implausible: a successful democracy there would indeed help bring stability to the whole region. But the failure of the U.S. to impose order in Iraq after the invasion of 2003 has emboldened all those who believe that further spasms of violence will force Washington and its allies to give up their push for fundamental change. And there are worse possible outcomes. Iraq could become the launching pad for a full-on war between Sunni and Shi'ite, with Iran entering the fray on the Shi'ite side and the Arab states defending Iraq's Sunnis. In the bitter Iran-Iraq war of 1980-88, more than a million people were killed or wounded--and any repeat of that carnage would take place in the context of a region where at least one power, Iran, is determined to develop nuclear weapons.

Seen in that light, there's little wonder that Rice is off on her travels. Her predecessors may have found their shuttles around the Middle East both vexing in their detail and disappointing in their outcome. But they knew that for the U.S. and the world, staying at home was more dangerous still. Rice and her boss, it seems, have got that message.
With reporting by With reporting by Mike Allen, Elaine Shannon, Mark Thompson / Washington, Lisa Beyer, Tim McGirk / Jerusalem, Bruce Crumley / Paris, Scott MacLeod / Cairo


http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1218058,00.html?internalid=AOT_h_07-23-2006_6_keys_to_peace

Citar
Hizballah Nation


How the Lebanese militants morphed from guerrilla group to political party and then set off the confrontation that has the world on edge
By CHRISTOPHER ALLBRITTON/BEIRUT, NICHOLAS BLANFORD/TYRE

Nervously eyeing the skies for Israeli warplanes, Hussein Naboulsi, a spokesman for Hizballah, took quick strides as he accompanied foreign journalists through the bombed-out neighborhoods of Beirut's southern suburbs. "Listen to me!" he shouted. "We have to move very fast!" He paused amid the devastation to point out the pulverized office blocks in the Harat Hreik district where Hizballah's headquarters had stood only a week earlier. "Now I have no place to work," said Naboulsi, the son of a prominent Shi'ite Muslim cleric.

But the primary work Hizballah does these days is not in office buildings but on the battlefield, and despite an Israeli onslaught that has targeted the group's top brass and top guns, the organization has proved more resilient than many expected. Across southern Lebanon, Hizballah fighters have manned batteries firing as many as 350 rockets a day at Israeli cities and towns, from an arsenal estimated at 13,000 projectiles. At least 100 of the more than 900 missiles fired at Israel have hit Haifa, the nation's third-largest city, while one radar-guided antiship missile (the C-802), a gift to Hizballah from its Iranian sponsors, struck an Israeli gunboat off the coast of Lebanon. Other Hizballah militants, operating in bands of as many as 50 fighters, have battled Israeli troops at close range, knocking out tanks and even crossing into the Israeli town of Metulla.

After several days of fighting, the familiar assumption that Israel could militarily crush any enemy in the region seemed less certain. Could Hizballah survive the onslaught and remain a potent force in the region? Operating from caves or fortified bunkers are some 600 active-duty Hizballah members joined by many more of the several thousand reserves from around the country ready to fight. A military source in Lebanon told TIME that the fighters are apparently communicating via encrypted short-burst-transmission sets to overcome Israeli jamming and eavesdropping capabilities, enabling Hizballah to maintain an effective chain of command. In the Dahiya, the Shi'ite suburbs of Beirut, Hizballah gunmen wearing vests jammed with ammunition patrol the streets. When not engaged in conflict, they assist some of the 500,000 refugees in Lebanon displaced by the fighting and Israel's bombs.

Having triggered the conflict by capturing two soldiers inside Israel, Hizballah is functioning not just as a state within a state but almost as the state itself. Hizballah leader Hassan Nasrallah initially held a press conference to outline his terms for a prisoner swap: the soldiers would be returned for Lebanese and Palestinian prisoners in Israel. But Israel answered by bombing the runways at Beirut's international airport. Hizballah then began raining rockets on northern Israel. Although Nasrallah went into hiding along with other Hizballah leaders, he continues to issue statements, telling al-Jazeera TV, for example, that he was not harmed by what Israeli officials described as a 23-ton bomb attack on a suspected Hizballah leadership meeting. Such is the bravado of the Islamic fundamentalist leader, who is hailed throughout the Arab world for fighting Israel while other Arab leaders sit on their hands. He gets credit not only for standing up to Israel right now but also for leading a guerrilla war that was widely seen as driving Israeli forces out of Lebanon in 2000 after a 22-year occupation. Becoming resistance heroes helped Hizballah overcome a dodgy past: it is believed to have launched violent attacks during the 1980s ranging from the kidnapping of Americans in Beirut to the bombing of a U.S. Marine barracks in Lebanon.

Despite its record of violence, Hizballah enjoys broad appeal among Lebanese. It has morphed into a political party--winning 14 seats in Lebanon's 128-member Parliament in May 2005--and operates an effective social-welfare organization. Hizballah runs hospitals and schools throughout downtrodden Shi'ite districts. In the kidnapping gambit, however, Hizballah's normally cautious leaders may have overreached. Some Lebanese political insiders speculate that either the group misjudged the probable Israeli response or Iran or Syria ordered Hizballah to deliberately provoke Israel. "They are a tool in the hands of the Syrian regime and for Iran's regional ambitions," says Walid Jumblatt, veteran leader of Lebanon's Druze community. Iran created Hizballah in 1982 in response to Israel's invasion of Lebanon that year. A Lebanese official told TIME that Iran recently doubled its cash infusions to Hizballah, to about $300 million a year.

Lebanon's various factions have united against Israel's onslaught, and Hizballah can still count on broad support. But many citizens are angry at Hizballah for taking it upon itself to initiate a new conflict with Israel. Some politicians say privately that when the dust settles from the fighting, Hizballah should be held to account and disarmed. That's assuming Hizballah continues to survive Israel's blitz in some recognizable form. As Naboulsi, the spokesman, made his way through the rubble of Harat Hreik, a security man with a walkie-talkie suddenly shouted, "Evacuate! Evacuate!" Naboulsi started running down the street: the Israelis, he said, were coming back.


http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1218049,00.html


Ha tambem uma foto reportagem "Inside Hizballah" que recomendo :arrow: http://www.time.com/time/magazine/artic ... 62,00.html (http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1218062,00.html)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 04:24:33 pm
Citar

Ha tambem uma foto reportagem "Inside Hizballah" que recomendo Arrow http://www.time.com/time/magazine/artic ... 62,00.html (http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1218062,00.html)


A foto reportagem mostra algumas crianças activistas num "partido" mais ou menos o que era a Mocidade Portuguesa.
http://www.mouzinhoalbuquerque.com/imag ... ustria.jpg (http://www.mouzinhoalbuquerque.com/imagens_gal/gal5/Mocidade_Portuguesa_noa_Industria.jpg)

Pelo que sei, e o que me contam os jovens portugueses não eram propriamente "voluntários" na mocidade portuguesa.
Quantos deles foram obrigados, e já agora por terem participado na dita instituição faz deles facistas?
Pois neste momento são esses facistas que gerem, educam, governam, etc... este país.
Agora por estes jovens participarem em actividades, que pelas imagens eram simples acampamentos tipo escuteiros, uma delas apareciam a fazer um tipo qualquer de juramento á imagem do que se fazia cá (Portugal), patrocionadas por um "partido politico", não faz delas futuros terroristas.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 04:28:09 pm
Citação de: "ricardonunes"
Agora por estes jovens participarem em actividades, que pelas imagens eram simples acampamentos tipo escuteiros, uma delas apareciam a fazer um tipo qualquer de juramento á imagem do que se fazia cá (Portugal), patrocionadas por um "partido politico", não faz delas futuros terroristas.
Pois nao... mas coloca-os numa boa posicao para serem recrutados  para tal... funciona como um sitio em que o Hizbollah pode estar atento a quem por la passa e ir seleccionando os que forem mais facilmente manipulaveis. O problema nao e' (parece-me) os putos participarem em "campos de escuteiros", mas sim a doutrina que lhes e' incutida nesses mesmos campos.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 04:39:25 pm
Os putos participam em "campos de escuteiros", ensinham-lhes as doutrinas, chegam a casa têm de fugir da bomba, vinda de Israel, que entretanto mata os pais e os irmãos, os putos revoltam-se ( e julgam que o que lhes foi incutido afinal era verdade) e vão mandar umas bombas para Israel.
Os putos de Israel perdem um familiar, passam dias em abrigos, revoltam-se  e alistam-se no Exercito para irem mandar umas bombas para acabar com os terroristas (pois a teoria do terrorismo também é incutida nos israelitas desde pequenos).
E isto é um ciclo que nunca vai ter fim, pois existe alguém que está de fora de calculadora na mão a contabilizar o lucro por cada bomba disparada.
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Julho 25, 2006, 04:51:23 pm
O Hezzbollah (partido de Deus) apareceu depois da invasao israelita do Libano em 1982, como milicia chiita.Em 1989, no fim da "guerra" os acordos de Taef previam o desarmamento de todas as milicias, mas o Hezbollah pretendendo lutar contra a presença dos israelitas no sul do Libano, conseguiu escapar a essa determinaçao.Quando o Tsahal (FA israelitas) retirou dessa zona em Maio de 2000, o Hezzbollah reivindicou essa retirada como vitoria militar sua, e obteve imenso prestigio nao so a nivel libanes como regional.

"Face as crescentes capacidades militares da organizaçao, que ultrapassam as do exercito regular do Libano os apelos ao seu desarmamento tornaram-se mais prementes e culminaram na resoluçao 1559 da ONU em Set/2004.
Mas o Hezbollah pretende que cerca de vinte quilometros quadrados (as famosas quintas de Chebaa) continuam ocupadas por Israel.De resto este partido que considera o conjunto da Palestina como terra muçulmana ocupada por Israel ( que entende como estado  sem direito a existencia),  beneficia do acordo e assistencia da Siria e do Irao.
Alem do seu ramo militar o Hezbollah mantem importantes serviços sociais destinados especialmente a populaçao chiita,(um terço da populaçao libanesa e a mais pobre do Libano).Graças a esses serviços sociais e de saude, bem como a sua estaçao de televisao (Al-Manar), mantem um grande prestigio nas zonas chiitas do sul libanes, nalguns arredores de Beirute, e no planalto de Bekaa (junto a fronteira siria).
 Depois de o movimento ter conseguido duas pastas ministeriais no governo libanes (proveniente do que se chamou a "primavera de Beirute") em Março de 2005, muitos observadores pensaram que o Hezbollah se transformaria num partido politico classico, mas isso nao viria a acontecer.

trad.livre de CourrierInternational 20/7/2006

Citar
(...)Nao foram apenas dois soldados israelitas que ficaram refens, foi todo o Libano.O problema nao e simplesmente a resposta militar israelita, por muito aterrorizante que seja na sua amplitude.E algo mais profundo, pois toca na existencia mesmo de um estado libanes constantemente posto a  desafio, tanto do exterior como do interior, nas suas prerrogativas fundamentais e soberania.Mesmo que o Estado hebreu decidisse nao ripostar e negociar para recuperar os seus soldados, esse aspecto do problema permaneceria integralmente para o Libano.(...)
A historia contemporanea demonstra que as frustraçoes e  coleras
contidas acabam sempre por explodir.Se nada se faz para travar a engrenagem o Hezbollah ira conduzir inelutavelmente este pais para uma nova catastrofe.Hassan Nasrallah (secretario-geral do Partido de Deus) e os seus partidarios deveriam saber que os seus actos suscitam a colera e frustraçao de inumeros libaneses.Por quanto tempo ainda o primeiro "governo de independencia" do Libano, depois de trinta anos de tutela siria podera sobreviver a sua esquizofrenia?
Como se podera a partir de agora apoiar a ideia de um grupo que tem em tao pouca conta a opiniao dos seus parceiros possa continuar no gabinete governamental?Como tolerar esta chantagem para o suicidio?Como fazer coexistir uma cultura de vida e paz com o culto do sangue e da morte?
Sem duvida que seria desejavel  preservar um minimo de unidade nacional.Mas que unidade seria essa?Aquela que procura encontrar denominadores comuns a opinioes divergentes ou outra que consiste em que uma maioria de libaneses continue a calar-se face a iniciativas de um partido que se comporta como um Estado no Estado?
E necessario que este problema seja definitivamente resolvido, mas para tal sera necessario que a maioria no poder se disponha a agir como tal.

trad. de um artigo de Elie Fayad no jornal libanes  "l'Orient-Le Jour"
Título:
Enviado por: papatango em Julho 25, 2006, 05:27:32 pm
Citação de: "Komet"
Ó papatango, mas será isso desculpa para atacar alvos civis deliberadamente do outro lado? Muito menos com cluster bombs? Que como todos nós sabemos, são autênticos potenciais campos minados lançados do ar? Imagina que o hezbollah por acaso era sediado em Portugal, e atacava a vizinha Espanha, parece-lhe correcto que os F-18 Castelhanos lançassem esse tipo de munição sobre a nossa população civil que não quer nada com a guerra, e muito menos com aquele movimento?


Em primeiro lugar, terá que ser provado que as bombas foram efectivamente lançadas.

Em segundo lugar:

Se um Estado, é reconhecido internacionalmente e tem representação nas Nações Unidas, então não pode deixar que aconteça o que acontece no Líbano sem assumir responsabilidades.

A realidade é que o Líbano não tem capacidade para garantir a autoridade do estado Libanês dentro das suas fronteiras.

Se nas zonas controladas pelo Hezbollah houver problemas, é o Hezbollah que os resolve ou tenta resolver, trata-se de um Estado dentro do Estado.
Uma situação anacrónica, e Israel não tem que ser responsável pelo facto de um país vizinho não conseguir manter a ordem e deixar um movimento terrorista armar-se até aos dentes e refugiar-se entre os civis para assim garantir a sua sobrevivência sempre que efectua ataques.

Os civis que agora fogem, deveriam ter fugido há muito tempo, quando se tornou evidente que o governo do Líbano tinha deixado de ter autoridade.

Para muitos dos Xiitas no sul do Líbano, o Hezbollah é um governo legitimo e muitos protegem o movimento e para verificar isso basta ver os resultados eleitorais.

São os mesmos que votaram no Hezbollah e protegem os terroristas que agora ficam aflitos quando com grande espanto lhes caem as bombas em cima.

O que é que eles esperavam?

Que se mantivesse o Status Quo de um movimento que ataca quando quer e depois se esconde entre os civis para evitar as bombas?

Quaisquer mortes são uma desgraça para a Humanidade!

Mas não podemos ser cegos ao ponto de não ver que é o "Modus Operandi" do Hezbollah que provoca a situação.

Os árabes não têm os mesmos valores de respeito pela vida humana que têm os ocidentais. A televisão do Hezbollah, coloca no ar publicidade em que afirma e pergunta ao mesmo tempo:
"Há 300 milhões de Árabes no mundo e há 5 milhões de Judeus na palestina ocupada, de que é que você está à espera para agir?"

Para eles, o respeito pela vida humana não passa de fraqueza e cobardia dos ocidentais. A obrigação moral de não atingir civis, é um principio seguido pelos exércitos ocidentais há relativamente pouco tempo. Os radicais islâmicos apenas se limitam a utilizar essa arma, porque sabem que é um ponto "fraco".
Eles, o Hezbollah, são os principais responsáveis pela morte dos civis.

Volto a perguntar:
:arrow: Onde estão as centenas ou milhares de veículos que eles utilizam?
:arrow: Porque é que até na Al-Jazeera vimos claramente que eles utilizam edificios no centro da cidade de Beirute para disparar misseis anti-aéreos?
:arrow: O que estava nas zonas hoje destruidas, para que fosse proíbido visita-las?

Acho que as respostas são óbvias

O comportamento deste radicais islâmicos, faz lembrar aqueles putos reguilas que fazem tudo o que querem porque os páis deixam, e de repente levam uma estalada no focinho e começam num berreiro de meia-noite porque não entendem porque é que lhe deram a estalada e já tinham esquecido (ou nunca lhes tinham ensinado) o que é autoridade.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 05:39:16 pm
Citar
Volto a perguntar:
Arrow Onde estão os milhares de foguetes e as centenas de mísseis do Hezbollah?
Arrow Onde estão as centenas ou milhares de veículos que eles utilizam?
Arrow Onde estão as bases do Hezbollah, se não estão nas caves dos edificios civis?
Arrow Porque é que até na Al-Jazeera vimos claramente que eles utilizam edificios no centro da cidade de Beirute para disparar misseis anti-aéreos?
Arrow Porque é que nos lugares onde hoje os activistas do Hezbollah levam os jornalistas para ver a destruição, até há duas semanas atrás era proíbido aos jornalistas por alí os pés, sob pena de morte?
Arrow O que estava nas zonas hoje destruidas, para que fosse proíbido visita-las?

Acho que as respostas são óbvias


Porque é que os jornalistas só mostram vitimas civis, á excepção do relato de dois elementos do Hezbollah capturados?
Seram os jornalistas ocidentais todos anti-sionistas?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 25, 2006, 05:47:16 pm
Citação de: "ricardonunes"
Seram os jornalistas ocidentais todos anti-sionistas?

Muito pelo contrário, ricardonunes

Enquanto, no DD:

Citar
Israel vai manter «zona de segurança» no sul do Líbano

Israel vai manter uma «zona de segurança» no sul do Líbano até à chegada à região de uma força multinacional, disse hoje o ministro da Defesa israelita, Amir Peretz.
«Não temos outra hipótese», disse. Temos de construir uma nova faixa de segurança que proteja as nossas forças», acrescentou.

Peretz, que falava enquanto a secretária de Estado norte-americana se encontrava com diversos líderes, no âmbito da sua digressão diplomática na região, acrescentou que a zona de segurança será mantida sob controlo das forças israelitas enquanto não for para ali enviada uma força multinacional.

No entanto, o ministro da Defesa mostrou-se optimista quanto à obtenção de um acordo favorável a Israel para pôr termo ao conflito.

«Haverá um acordo que implicará o afastamento do Hezbollah do sul do Líbano, o controlo das passagens fronteiriças entre a Síria e o Líbano e a prevenção da passagem de novas armas», disse.

«E, claro, (um acordo que) implicará o destacamento de uma força multinacional (para a região) com capacidade de intervenção, uma força capaz de manter o acordo que será assinado», afirmou Peretz.

As hostilidades entre Israel e o Hezbollah prosseguem hoje pelo 14º dia, tendo as forças hebraicas retomado os bombardeamentos contra o sul de Beirute, bastião das milícias xiitas, os quais tinham sido suspensos há mais de 24 horas devido à visita de Rice à capital libanesa.

Ao mesmo tempo, o Hezbollah continua com ataques de mísseis contra a cidade de Haifa, no norte de Israel.

Cerca de 380 libaneses e cerca de 40 israelitas morreram até agora no conflito, desencadeado depois de o Hezbollah ter capturado dois soldados israelitas na fronteira israelo-libanesa, a 12 de Julho.



Mais uma "zona-tampão" nas mãos de Israel.........
Título:
Enviado por: papatango em Julho 25, 2006, 06:47:55 pm
Citação de: "ricardonunes"
Porque é que os jornalistas só mostram vitimas civis, á excepção do relato de dois elementos do Hezbollah capturados?
Seram os jornalistas ocidentais todos anti-sionistas?

Uma coisa são as operações para a propaganda e os desfiles, em que os activistas estão fardados, mas outra muito diferente são as operações efectuadas pelo Hezbollah contra Israel.

Eles não estão fardados, mas sim vestidos com roupas civis. Por isso, não vai haver vitimas fardadas do Hezbollah, da mesma forma que não havia Talibãs fardados e que não havia muitos combatentes iraquianos fardados.

Aliás, quando se houve uma rajada ou explosão, a primeira coisa que eles fazem é despir a roupa, se por acaso ela puder identificar a origem.

Os jornalistas não são provavelmente nem pro nem contra, só que é fácil um grupo como o Hezbollah enganar os jornalistas.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 06:51:24 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Citação de: "ricardonunes"
Seram os jornalistas ocidentais todos anti-sionistas?

Muito pelo contrário, ricardonunes

Enquanto, no DD:

Citar
Israel vai manter «zona de segurança» no sul do Líbano

Israel vai manter uma «zona de segurança» no sul do Líbano até à chegada à região de uma força multinacional, disse hoje o ministro da Defesa israelita, Amir Peretz.
«Não temos outra hipótese», disse. Temos de construir uma nova faixa de segurança que proteja as nossas forças», acrescentou.

Peretz, que falava enquanto a secretária de Estado norte-americana se encontrava com diversos líderes, no âmbito da sua digressão diplomática na região, acrescentou que a zona de segurança será mantida sob controlo das forças israelitas enquanto não for para ali enviada uma força multinacional.

No entanto, o ministro da Defesa mostrou-se optimista quanto à obtenção de um acordo favorável a Israel para pôr termo ao conflito.

«Haverá um acordo que implicará o afastamento do Hezbollah do sul do Líbano, o controlo das passagens fronteiriças entre a Síria e o Líbano e a prevenção da passagem de novas armas», disse.

«E, claro, (um acordo que) implicará o destacamento de uma força multinacional (para a região) com capacidade de intervenção, uma força capaz de manter o acordo que será assinado», afirmou Peretz.

As hostilidades entre Israel e o Hezbollah prosseguem hoje pelo 14º dia, tendo as forças hebraicas retomado os bombardeamentos contra o sul de Beirute, bastião das milícias xiitas, os quais tinham sido suspensos há mais de 24 horas devido à visita de Rice à capital libanesa.

Ao mesmo tempo, o Hezbollah continua com ataques de mísseis contra a cidade de Haifa, no norte de Israel.

Cerca de 380 libaneses e cerca de 40 israelitas morreram até agora no conflito, desencadeado depois de o Hezbollah ter capturado dois soldados israelitas na fronteira israelo-libanesa, a 12 de Julho.


Mais uma "zona-tampão" nas mãos de Israel.........


"cerca de 380 libaneses e cerca de 40 israelitas morreram....depois do Hezbollah ter capturado dois soldados israelitas..."

Onde estão as Forças Especiais Israelitas?
Seria assim tão dificil uma incursão em territorio libio por parte dessas forças para reaver os dois soldados?
Não será este conflito uma provocação do Irão e ao mesmo tempo uma forma para os Estados Unidos (situação esta instigada por estes)airosamente sairem do Iraque e invadirem o dito, com a desculpa de ir proteger os amigos Israelitas?
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 25, 2006, 06:54:01 pm
Citação de: "papatango"
Os civis que agora fogem, deveriam ter fugido há muito tempo, quando se tornou evidente que o governo do Líbano tinha deixado de ter autoridade.

Para muitos dos Xiitas no sul do Líbano, o Hezbollah é um governo legitimo e muitos protegem o movimento e para verificar isso basta ver os resultados eleitorais.

São os mesmos que votaram no Hezbollah e protegem os terroristas que agora ficam aflitos quando com grande espanto lhes caem as bombas em cima.

O que é que eles esperavam?

Que se mantivesse o Status Quo de um movimento que ataca quando quer e depois se esconde entre os civis para evitar as bombas?

Quaisquer mortes são uma desgraça para a Humanidade!

Mas não podemos ser cegos ao ponto de não ver que é o "Modus Operandi" do Hezbollah que provoca a situação.

Os árabes não têm os mesmos valores de respeito pela vida humana que têm os ocidentais. A televisão do Hezbollah, coloca no ar publicidade em que afirma e pergunta ao mesmo tempo:
"Há 300 milhões de Árabes no mundo e há 5 milhões de Judeus na palestina ocupada, de que é que você está à espera para agir?"

Para eles, o respeito pela vida humana não passa de fraqueza e cobardia dos ocidentais. A obrigação moral de não atingir civis, é um principio seguido pelos exércitos ocidentais há relativamente pouco tempo. Os radicais islâmicos apenas se limitam a utilizar essa arma, porque sabem que é um ponto "fraco".
Eles, o Hezbollah, são os principais responsáveis pela morte dos civis.

Volto a perguntar:
:arrow: Onde estão as centenas ou milhares de veículos que eles utilizam?
:arrow: Porque é que até na Al-Jazeera vimos claramente que eles utilizam edificios no centro da cidade de Beirute para disparar misseis anti-aéreos?
:arrow: O que estava nas zonas hoje destruidas, para que fosse proíbido visita-las?

Acho que as respostas são óbvias

O comportamento deste radicais islâmicos, faz lembrar aqueles putos reguilas que fazem tudo o que querem porque os páis deixam, e de repente levam uma estalada no focinho e começam num berreiro de meia-noite porque não entendem porque é que lhe deram a estalada e já tinham esquecido (ou nunca lhes tinham ensinado) o que é autoridade.

Cumprimentos


Nem mais. Assino por baixo!
Título:
Enviado por: pedro em Julho 25, 2006, 07:54:03 pm
Ja somos dois.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 08:12:02 pm
Citação de: "ricardonunes"
"cerca de 380 libaneses e cerca de 40 israelitas morreram....depois do Hezbollah ter capturado dois soldados israelitas..."

Onde estão as Forças Especiais Israelitas?
Seria assim tão dificil uma incursão em territorio libio por parte dessas forças para reaver os dois soldados?
Não será este conflito uma provocação do Irão e ao mesmo tempo uma forma para os Estados Unidos (situação esta instigada por estes)airosamente sairem do Iraque e invadirem o dito, com a desculpa de ir proteger os amigos Israelitas?

A meu ver, ha ja muito tempo que isto deixou de ser acerca dos soldados israelitas... A mensagem que tentam transmitir parece-me ser que nenhum ataque contra Israel sera tolerado e que a resposta sera a destruicao dos responsaveis e todos os que os apoiarem. Resumindo: Ataque contra Israel = Suicidio.
Título:
Enviado por: Raul Neto em Julho 25, 2006, 08:39:08 pm
http://www1.idf.il/DOVER/site/mainpage.asp?sl=EN&id=21&clr=1&subject=38100[/list]
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 08:41:56 pm
Citação de: "Raul Neto"
    Corrigam-me se estiver errado, mas pelo que vi no site do IDF os 3 soldados foram mortos.

     :arrow:
http://www1.idf.il/DOVER/site/mainpage.asp?sl=EN&id=21&clr=1&subject=38100[/list]


Repara nas datas... essas fotos sao de 2004.
Título:
Enviado por: Raul Neto em Julho 25, 2006, 08:46:13 pm
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 09:53:40 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "ricardonunes"
"cerca de 380 libaneses e cerca de 40 israelitas morreram....depois do Hezbollah ter capturado dois soldados israelitas..."

Onde estão as Forças Especiais Israelitas?
Seria assim tão dificil uma incursão em territorio libio por parte dessas forças para reaver os dois soldados?
Não será este conflito uma provocação do Irão e ao mesmo tempo uma forma para os Estados Unidos (situação esta instigada por estes)airosamente sairem do Iraque e invadirem o dito, com a desculpa de ir proteger os amigos Israelitas?
A meu ver, ha ja muito tempo que isto deixou de ser acerca dos soldados israelitas... A mensagem que tentam transmitir parece-me ser que nenhum ataque contra Israel sera tolerado e que a resposta sera a destruicao dos responsaveis e todos os que os apoiarem. Resumindo: Ataque contra Israel = Suicidio.


Pela primeira vez concordo consigo
Ataque contra Israel = Suicidio
Ataque de Israel = genocídio
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 09:58:59 pm
Citação de: "ricardonunes"
Pela primeira vez concordo consigo
Ataque contra Israel = Suicidio
Ha uma primeira vez para tudo...
Citação de: "ricardonunes"
Ataque de Israel = genocídio
Bem... acertou uma em duas... nao ta mau.
Citação de: "Dicionario Universal da Lingua Portuguesa"
genocídio
    do Gr. génos, nascimento + Lat. cid, r. de caedere, matar
    s. m.,
        destruição metódica de um grupo étnico, pela exterminação dos seus indivíduos.
Nao me parece que a retaliacao a um acto de guerra cometido por um grupo terrorista caiba dentro desta definicao... Especialmente quando, como neste caso, se procura eliminar os terroristas e evitar o maximo possivel os civis (coisa que bem sabemos se torna dificil devido a cobardia caracteristica de organizacoes do genero do Hezbollah).
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 25, 2006, 10:14:40 pm
O Ricardo Nunes e os ataques do hezebolah? o que são?

Na sua óptica vejo que são uma boa coisa.. matar judeus..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 10:25:35 pm
Azraael, sinceramente acho que o seu sangue frio por calamidades (atrocidades) como esta é nula.
Não o condeno, é a sua mentalidade e educação.
Cada um com o sua opinião.
Tenho pena que não tenham os horizontes abertos para ver a realidade dos acontecimentos do dia á dia.
O que se passa nesta dita "guerra", é criminoso, tanto é culpado o israelita como o militante do Hezbollah, tudo isto fumentado com o compadrio dos americanos (que apoiam israel), como dos arabes fundamentalistas ( irão e libia).
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 10:26:47 pm
Citar
Rice to Lebanon: Just Give Israel More Time


As Secretary of State Condoleezza Rice touched down in Beirut yesterday on her top-secret visit, the bombing miraculously paused for a few hours, a sure sign of American and Israeli collaboration.

Rice told her Lebanese counterparts that she was "deeply concerned about the Lebanese people and what they are enduring."  She brought blankets to prove it.

The secretary also brought a package of proposals for an international military buffer zone in southern Lebanon, which included training for the Lebanese Army. The Carteresque plan calls for such slow implementation, that it reveals a central truth of U.S. policy: The Bush administration completely supports Israel's own war against terrorism.

Here in Washington, wonks might be writing the conventional wisdom and strawman drivel that Israeli "airpower won't do it," but in Lebanon, U.S. intelligence has closely monitored Israeli Defense Forces -- and its Air Force -- make steady progress.

Here is my thumbnail sketch of the military aspects of the campaign, updated from yesterday:

Israeli tanks and troops, about two brigades' worth of 6,000-8,000 men, continued to conduct operations in a small area along the Lebanese border.  They pushed about a half-mile deeper into south Lebanon Monday.

Israel aims to clear a 15-square-mile, Shiite-dominated region that is the center of Hezbollah operations.  In the area, dotted on hillsides and among Lebanese villages, Israeli ground troops and special forces have found a network of bunkers and tunnels stocked with Katyusha rockets, mortars and other weapons.

The Israeli air force also continued its operations yesterday, flying about 100 combat sorties by fixed wing aircraft and attack helicopters.  It struck about 70 Hezbollah targets across Lebanon Monday, air force officials say, concentrating in the south.

The Israelis, by concentrating on the border areas, are indicating that they indeed don’t have an intention to take a large swath of Lebanese territory.  A push into the south for the purpose of occupying southern Lebanon would require taking a series of objectives further north, creating a loose cordon, and later clearing the small villages.  Instead, the Israeli tactic now appears to be house-to-house fighting to indeed defeat Hezbollah near the border and create a secure border zone.

The concentrated close-in operations ironically invite Hezbollah to continue to fire their rockets and artillery from further north, opening the way for counter-battery fire and tactical air strikes.

One could claim Israeli operations have thus far "failed" to slow Hezbollah rocket fire, but the truth may be that Israel is allowing that fire as long as it opens the way for a fruitful response.  Hezbollah fires rockets, exposing their positions.  Israel drones and aircraft, and counter-battery radars on the ground track the firings, moving immediately to destroy the long-range launchers.

According to Israeli military spokesmen, Hezbollah fired about 80 rockets into northern Israel Monday.  By my back-of-the-envelope calculations, a combination of Hezbollah firings and Israeli attacks have probably depleted about 30 percent of the organization's overall stock.

In striking roads and bridges, moreover, Israel seeks to isolate Hezbollah fighters on the ground, cutting off resupply and reinforcements.

"We have to prevent Hezbollah's Iranian allies from sending them new supplies and weapons," an Israeli government spokesman said yesterday.

Israeli strikes have killed at least 384 Lebanese, according to the Lebanese government.  This is only a slight increase over Sunday's 380 estimate.

Israeli military officials say they believe they have killed about 100 Hezbollah fighters, though U.S. intelligence watchers said yesterday that many more are believed to have died in counter-battery attacks and attacks on bunkers and other encampments.

In an interview on Al Jazeera yesterday, Hezbollah’s leader, Sheik Hassan Nasrallah, spoke up for the first time, saying Hezbollah would define victory simply as their survival.

"Victory in this case does not mean that I will enter and conquer the north of Palestine," he said.  "If the resistance survives, this will be a victory. If its determination is not broken, this will be a victory."

Israel defines victory as a significant attrition of Hezbollah's long-range attack capacity, and Hezbollah's expulsion from areas near the border where it can easily threaten Israeli territory.  How one could argue that "airpower" isn't a central and successful element of this strategy -- no one ever said that the Israelis were employing airpower to do it alone and achieve a "strategic bombing" victory -- is beyond me.



http://blog.washingtonpost.com/earlywarning/2006/07/rice_to_lebanon_just_give_isra.html
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 10:29:21 pm
Citação de: "Typhonman"
O Ricardo Nunes e os ataques do hezebolah? o que são?

Na sua óptica vejo que são uma boa coisa.. matar judeus..


Não são uma boa maneira de resolver a questão, mas a maneira como os israelitas estão a resolver a questão, matar indiscriminadamente civis libaneses, também não é solução.
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 25, 2006, 10:34:29 pm
Citação de: "ricardonunes"
matar indiscriminadamente civis libaneses
Achas mesmo que se israel quisesse matar civis indiscriminadamente que o numero de baixas nao teria ja atingido as dezenas ou centenas de milhar? Reduzir uma cidade sem defesas anti aereas a po nao e' propriamente dificil...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 10:52:02 pm
Citação de: "Azraael"
Citação de: "ricardonunes"
matar indiscriminadamente civis libaneses
Achas mesmo que se israel quisesse matar civis indiscriminadamente que o numero de baixas nao teria ja atingido as dezenas ou centenas de milhar? Reduzir uma cidade sem defesas anti aereas a po nao e' propriamente dificil...


Neste momento já o estão a fazer, matar civis.
Não ponho dúvidas na capacidade militar de Israel, só acho que a força usada, para os fins declarados (atacar o hezebolah) é despropositada.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 10:56:35 pm

Médio Oriente: Quatro observadores da ONU mortos num bombardeamento israelita

Citar
   

Tiro, Líbano, 25 Jul (lusa) - Quatro observadores das Nações Unidas morreram hoje à noite no bombardeamento aéreo israelita do seu posto em khiam, no Sul do Líbano, revelaram os serviços de segurança libaneses e o embaixador norte-americano na ONU, John Bolton.

Também um funcionário da ONU, em Nova Iorque, confirmou a morte dos quatro observadores.

"Os quatro observadores que se encontravam no posto de Khiam foram mortos", indicou uma fonte dos serviços de segurança libaneses.

A ONU, que se referira inicialmente apenas a vítimas na destruição do seu posto de observadores em Khiam, no sector oriental do Sul do Líbano, já veio confirmar em Nova Iorque as quatro mortes.

O embaixador dos Estados Unidos na ONU, John Bolton, disse que o Conselho de Segurança foi informado que quatro oficiais da FINUL tinham sido mortos, mas que não tinham mais informações.

"Obviamente estamos muito tristes com isso. Estamos a tentar obter informação sobre a natureza do incidente", disse Bolton.

TM.

Lusa/Fim


E porque não colocar o sr. Bolton como observador da ONU, para saber como se morre estupidamente num conflito patrocinado pelo seu país.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 25, 2006, 11:01:11 pm
Ricardo Nunes se quizer reuna um conjunto de soldados hebreus e vão atirar pedras contra os elementos do hezbolah, talvez assim seja mais proporcional a resposta.. :roll:

Os Israelitas atacam alvos com interesse militar, que os cobardes do hezbolah metem no meio das cidades Libanesas, e existem as chamadas vitimas colaterais, pelo contrário o hezbolah limita-se a lançar rockets contra cidades hebraicas com o intuito de derramar sangue judeu.

A grande diferença está aí.

Israel é uma democracia o hezbolah é um grupo terrorista, não se esqueça disso. Além do mais não venha com a história do terrorismo de estado porque isso é o "cliché" utilizado pela esquerda tipo zapatero e outras personalidades da politica portuguesa..
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 25, 2006, 11:25:40 pm
Citação de: "Typhonman"
Ricardo Nunes se quizer reuna um conjunto de soldados hebreus e vão atirar pedras contra os elementos do hezbolah, talvez assim seja mais proporcional a resposta.. :roll:

Os Israelitas atacam alvos com interesse militar, que os cobardes do hezbolah metem no meio das cidades Libanesas, e existem as chamadas vitimas colaterais, pelo contrário o hezbolah limita-se a lançar rockets contra cidades hebraicas com o intuito de derramar sangue judeu.

A grande diferença está aí.

Israel é uma democracia o hezbolah é um grupo terrorista, não se esqueça disso. Além do mais não venha com a história do terrorismo de estado porque isso é o "cliché" utilizado pela esquerda tipo zapatero e outras personalidades da politica portuguesa..

Quais são os alvos militares que israel está a atacar, hospitais , colunas de refugiados, ambulancias....
Se são estes os alvos que o hezbolah usa para se esconder, são uns grandes jugadores do jogo do esconde e foge...
Não estão esta pessoas (libaneses) a ser vitimas de uma perseguição por parte das bombas israelitas?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 26, 2006, 08:20:25 am
Citar
Não estão esta pessoas (libaneses) a ser vitimas de uma perseguição por parte das bombas israelitas?

Respondo-lhe com outra pergunta:

Não estarão os judeus a ser vítimas de uma retaliação por parte dos dementes militantes do Hezbollah  :?:
Quanto à morte dos observadores da ONU no sul do Líbano, é já conhecida a estratégia do Hezbollah em colocar os seus postos de controle adjacentes aos postos da UNIFIL sob a suposição (errada) que a IDF não irá atacá-los.

Deixo-vos uma citação que simboliza o papel da UNIFIL segundo os Israelitas:

Citar
"UNIFIL, I'm afraid, is a joke. They’ve been there for 26 years and since then, there have been so many skirmishes [along the border]." - former Israeli ambassador Itamar Rabinovich 7/20/2006
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 26, 2006, 08:31:59 am
Na SIC Online:

Citar
O exército israelita anunciou esta madrugada ter morto um alto chefe militar do Hezbollah no sul do território, juntamente com várias dezenas de soldados do movimento radical. Durante a madrugada, os israelitas intensificaram os raides aéreos e iniciaram uma nova ofensiva terrestre para afastar os guerrilheiros da fronteira.
 

SIC


 
 
 
 
De acordo com as agências internacionais, um raide aéreo israelita atingiu esta madrugada mais de cem alegados alvos dos guerrilheiros do movimento radical e os subúrbios de Beirute.

Por via terrestre, os confrontos continuam em Bint Jbeil, sul do Líbano. De acordo com a televisão al-Jazira, citada pela agência Reuters, um soldado israelita morreu e cinco ficaram feridos durante os combates.

Israelitas e guerrilheiros xiitas confirmam a continuação dos confrontos. "Há trocas de tiros em Bint Jbeil. Eles (o Hezbollah) estão a resistir e os combates prosseguem", afirmou o responsável à agência France Press. “O sector ainda não está limpo mas o fim dos combates em Bint Jbeil é uma questão de apenas algumas horas", acrescentou.

Do outro lado dos confrontos, o líder do Hezbollah ameaçou ontem à noite que os ataques se vão alargar no território de Israel, muito além da cidade de Haifa. Hassan Nas-rallah alega que esta ofensiva está relacionada com um plano israelo-americano "para um novo Médio Oriente" que prevê a liquidação da Palestina.

O tenente-coronel Yitzhak Ronen, comandante das operações israelitas no terreno, disse que cerca de 30 de guerrilheiros do Hezbollah foram mortos durante a noite e a madrugada em Bint Jbeil. Segundo os israelitas, entre as baixas está o chefe militar do Hezbollah para o sul do Líbano, Abus Jar.
Seis dos cadáveres foram resgatados e transportados num tanque de guerra e serão conservados em território israelita. No futuro poderão servir para trocar com os soldados capturados pelo Hezbollah.

O movimento xiita reagiu, afirmando que os cadáveres são de civis libaneses e não de guerrilheiros.
 



http://sic.sapo.pt/online/noticias/mund ... reguas.htm (http://sic.sapo.pt/online/noticias/mundo/20060726_Israel+n%c3%a3o+da+treguas.htm)
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 26, 2006, 02:19:36 pm
Como sempre os movimentos terroristas para além de criminosos são cobardes, ao imiscuirem-se com a população civil.

Eu no lugar de um comandante Israelita tomava a mesma posição, atacar sem pestanejar.

O Ricardo Nunes, então o lançamento de rockets contra escolas, e hospitais em Haifa não é condenável. Só o oposto não é?

Li hoje um artigo interessante num jornal.." todos se juntaram contra Israel, na assinatura do documento que condena a violência.. Padres, Comunistas,Bloquistas, Neo-nazis..."

Você em qual destes grupos se insere?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 02:34:39 pm
Citação de: "Typhonman"
Como sempre os movimentos terroristas para além de criminosos são cobardes, ao imiscuirem-se com a população civil.

Eu no lugar de um comandante Israelita tomava a mesma posição, atacar sem pestanejar.

O Ricardo Nunes, então o lançamento de rockets contra escolas, e hospitais em Haifa não é condenável. Só o oposto não é?

Li hoje um artigo interessante num jornal.." todos se juntaram contra Israel, na assinatura do documento que condena a violência.. Padres, Comunistas,Bloquistas, Neo-nazis..."

Você em qual destes grupos se insere?

Lógico que os ataques contra escolas e hospitais em Haifa também são condenáveis, até á data não escrevi, nem escreverei, nada a defender o terrorismo, tenho escrito sim que os ataques indescriminados de Israel contra a população civil no Libano são barbárie.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 26, 2006, 02:39:46 pm
E os do hezbolah não os considera barbárie?
Título:
Enviado por: pedro em Julho 26, 2006, 02:41:12 pm
Israel nao tenha cuidado nao.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 05:27:31 pm
Citar
Entre as ruínas, ninguém leva a melhor
Por Vital Moreira

Quando um Estado, para responder a uma acção bélica inimiga, resolve atacar alvos civis, matar gente inocente a esmo, destruir estradas e pontes, portos e aeroportos, centrais eléctricas e bairros urbanos, isso tem um nome feio: terrorismo. No caso, terrorismo de Estado. Na vertigem da violência que é o interminável conflito israelo-palestiniano, Israel adopta decididamente a mesma lógica fatal de que acusa os seus inimigos, ou seja, transformar os civis em carne para canhão.
A faísca que desencadeou a nova guerra de Israel contra o território palestiniano de Gaza, primeiro, e contra o Líbano, depois, foi a captura de um soldado israelita pelo braço armado do Hamas, seguida do aprisionamento, já depois da ofensiva israelita em Gaza, de mais dois soldados pelo Hezbollah, o movimento extremista xiita sedeado no Líbano. Importa dizer que, num conflito armado, o ataque a forças militares e a captura de soldados não podem ser equiparados a terrorismo ou a "tomada de reféns" (noções que só têm sentindo quando as vítimas sejam civis), como quer fazer crer o Governo israelita, seguido nessa linguagem, acriticamente, por muitos observadores coniventes ou desatentos. Israel ocupa ilegalmente, e pela força militar, os territórios de Gaza e da Cisjordânia, desde há quase 40 anos. A resistência dos palestinianos à ocupação é perfeitamente legítima e o ataque a objectivos militares e a forças militares ocupantes é um direito seu. Muitos dos que criticam a resistência palestiniana fariam o mesmo que eles, se colocados no seu lugar. Apodar de "terroristas" essas acções tem somente por objectivo confundir os conceitos e tentar deslegitimar a resistência palestiniana contra a infindável ocupação e opressão israelita.
É evidente que Israel pode responder militarmente aos ataques contra as suas forças militares, e ainda mais os que atinjam o seu território, desde que tenha por objectivo os responsáveis por eles. Mas não foi isso que sucedeu. Em resposta ao ataque do braço armado do Hamas, Israel resolveu lançar uma ofensiva-relâmpago contra a Faixa de Gaza, que aliás prossegue, atingindo primariamente objectivos exclusivamente civis (pontes, estradas e outras infra-estruturas) e matando pessoas ao acaso, numa orgia de violência que seria sempre desproporcionada, mesmo se fosse justificada, o que não era. Do mesmo modo, contra a segunda acção, a do Hezbolah, essa vinda do exterior, Telavive lançou-se indiscriminadamente sobre o Líbano, de novo sobre objectivos civis (estradas, pontes, o aeroporto civil de Beirute, portos, bairros urbanos, etc.,) e novamente com um saldo de numerosas vítimas inocentes.
Israel é, de resto, useiro e vezeiro neste tipo de retaliações contra terceiros, visando castigar e intimidar colectivamente todo o povo palestiniano. Não têm conta os casos de bombardeamento indiscriminado de aldeias de onde teriam saído bombistas suicidas, bem como a demolição de casas de familiares dos mesmos, a destruição de colheitas, a inutilização de poços e de outros equipamentos colectivos, etc. São violências como essas que têm alimentado e acumulado o ódio palestiniano contra Israel, em geral, e contra a ocupação israelita, em especial. Mas a actual guerra de destruição de Gaza e do Líbano atinge uma dimensão e uma gravidade que não pode deixar de ter por efeito o reforço do apoio das correntes mais radicais contra Israel, tanto na Palestina como fora dela. Pior do que isso, estas acções de castigo e represália colectiva sobre inocentes não podem deixar de fazer lembrar os dias mais negros da ocupação alemã de vários países na II Guerra Mundial, quando as forças ocupantes também recorriam a acções de vingança colectiva (fuzilamentos, arrasamento de povoações, etc.). A repulsa que este tipo de acções suscita e a particular violência e insensibilidade com que Israel as leva a cabo, do alto da sua incomensurável superioridade militar, só podem levar a fazer-lhe perder a superioridade moral que os ataques terroristas (os propriamente ditos) de que tem sido vítima e ataques externos como o do Hezbollah lhe podiam conferir, para se tornar também em algoz, com a agravante de se tratar de um Estado.
Para além disso, não se consegue descortinar a racionalidade desta espiral de violência bélica por parte de Israel. A acção da facção armada do Hamas foi claramente uma reacção à declaração oficial do governo palestiniano que reconhecia implicitamente o Estado de Israel, tal como este (e a comunidade internacional) exigiam, aliás sem contrapartida no reconhecimento por Israel do direito dos palestinianos ao seu próprio Estado, com jurisdição nos territórios ocupados (uma dualidade de critérios cuja justificação em vão se busca). Ora, em vez da prudência que se impunha, Israel decidiu "embarcar" na óbvia provocação (para satisfação dos autores desta), retaliando a ferro e fogo para além de toda a medida, sem poder ignorar que isso não poderia deixar de descarrilar a crítica situação que já se vivia desde a incapacitação de Sharon e, depois, com a vitória eleitoral do Hamas nas eleições palestinianas (eleições livres e democráticas, importa aliás lembrar os esquecidos, que gostam de omitir que a Palestina é, porventura, o "Estado" mais democrático em todo o mundo árabe...).
Que outra razão para a conduta israelita, se não a de que o Governo de Telavive desejou deliberadamente interromper as perspectivas que se abriam à evolução favorável da posição palestiniana, preferindo lançar o caos sobre todo o processo de paz e provocar a generalização do conflito? Israel é recorrente nesta linha de deslegitimação do adversário e de cancelamento de qualquer possibilidade de afirmação de um interlocutor válido do outro lado. Sharon fez tudo para socavar e humilhar a autoridade de Arafat, para depois se queixar hipocritamente de que não tinha interlocutor e declarar que Israel resolveria as coisas unilateralmente. O novo Governo israelita segue as mesmas pisadas, aproveitando a primeira provocação, grave embora, para fugir (mesmo à custa de uma nova sangueira) da hipótese de ter de conviver com a autoridade política do Hamas. Tudo, ao fim e ao cabo, para não ter de negociar a curto prazo com os dirigentes palestinianos uma paz global, que envolva o reconhecimento recíproco dos dois Estados, nas fronteiras de 1967, ou seja, as fronteiras internacionalmente reconhecidas de Israel.
Israel sabe que um dia, mais cedo ou mais tarde, terá de chegar, ou será forçado a chegar, a um acordo com os palestinianos. A sua resistência tem a ver com o tempo, querendo protelar esse momento o mais possível, de modo a consumar a ocupação e a integração efectiva dos territórios ocupados de que se quer apropriar, nem que para isso tenha de destruir toda e qualquer possibilidade de uma Palestina independente, viável e estável. Entretanto, não se importa de manter a paz no Médio Oriente refém da sua estratégia. É evidente que Israel tem direito a garantir a sua segurança, dentro das suas fronteiras reconhecidas, sem margem para qualquer surpresa. Mas essa segurança passa necessariamente pela solução justa da questão palestiniana, num arranjo global para a região avalizado pela comunidade internacional. Enquanto atrasar deliberadamente esse momento por culpa sua, com o apoio dos Estados Unidos e a conivência da Europa, Israel só está a contribuir para tornar mais penoso o necessário caminho para a paz.
Militarmente, Israel ganhará todas as guerras. Mas, enquanto mantiver a ocupação, não ganhará a paz.

(Público, Terça-feira, 18 de Julho de 2006)
[Publicado por vital moreira]  22.7.06
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 26, 2006, 07:05:25 pm
Vital Moreira :lol:

Aquele que afirmou num artigo no «Público» que a invasão do Iraque foi devida a um pedido que Israel fez aos EUA. :lol:

Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 26, 2006, 07:30:38 pm
Citar
ONU pediu 10 vezes a Israel para não bombardear posto da FINUL
A ONU entrou 10 vezes em contacto com as tropas israelitas para que suspendessem os ataques contra o posto da Força Interina da ONU no Líbano (FINUL), situado na localidade de Al Khiyam (sul), antes do derradeiro ataque que causou a morte de quatro dos seus observadores, indica um relatório da ONU.

Aquele posto foi atingido na terça-feira por um míssil teleguiado após seis horas de ataque, revela o relatório inicial das Nações Unidas divulgado pela cadeia britânica BBC.

De acordo com o relatório, cada vez que os observadores da ONU entravam em contacto com as forças israelitas, estas asseguravam que os ataques seriam suspensos.

A morte dos quatro observadores, de nacionalidade finlandesa, austríaca, canadiana e chinesa, foi classificada de «deliberada» pelo secretário-geral das Nações Unidas, Kofi Annan, e de «erro» por Israel.

A ofensiva aérea israelita contra a FINUL ocorre num momento em que o Conselho de Segurança da ONU está a analisar o futuro da missão, que conta actualmente com dois mil efectivos militares.

A FINUL, criada em 1978, denunciou que não está a conseguir realizar as suas funções de supervisão do cessar-fogo desde que os confrontos entre o exército de Israel e a milícia xiita do Hezbollah começaram, a 12 de Julho.

O secretário-geral da ONU defende a substituição da força operacional por uma multinacional, com ou sem bandeira das Nações Unidas, que seja mobilizada no sul do Líbano, ao longo da fronteira com Israel.

26-07-2006 16:48:53


de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=237608 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=237608)

Podres...

Gostava de saber o que é que correu mal? Estariam à espera do 11º telefonema para lhes pouparem a vida?  :evil:

Como já foi dito aqui por alguém, que lhes tirem as armas a ambos os lados e andem à batatada com paus e pedras masé!!
Título:
Enviado por: Miguel em Julho 26, 2006, 07:34:55 pm
Meus amigos

Desde muito tempo que a ONU e seus capacetes azuis, nada servem....

Apenas permite colocar alguns boys nos jobs em NYork...

Este é um dos motivos pelo qual, uma nação como Portugal, deve invistir na defesa para preservar sua independencia, e assegurar a defesa dos seus cidadãos.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 26, 2006, 07:43:12 pm
Citação de: "Miguel"
Desde muito tempo que a ONU e seus capacetes azuis, nada servem..


Verdade (na grande maioria dos cenários, embora no Congo eles até estejam a fazer um bom trabalho, e no Haiti está a correr +/-), mas isso não quer dizer que passam a ser..."carne" ou "alvos" para os israelitas.


Afinal foram 8 os militares (segundo Israel) que morreram hoje, e não os 13 ou 12 anunciados pelos media arabes.
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=237636 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=237636)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 08:10:42 pm
Citar
LÍBANO: ISRAEL CONTINUA BOMBARDEIOS PERTO DE POSTOS DA ONU

NOVA YORK, 26 JUL (ANSA) - Israel continua com os bombardeios em regiões próximas aos postos da Organização das Nações Unidas (ONU) no sul do Líbano, depois do ataque de ontem que matou quatro observadores.
    O anúncio foi feito por Jane Holl Lute, vice-secretária-geral da ONU para as operações de manutenção da paz, durante a reunião do Conselho de Segurança.
    De acordo com Jane, a Unifil, a missão de paz da ONU no Líbano, informou terem ocorrido 21 operações num raio de 300 metros perto do posto de Khiam, atacado durante a noite, além de 12 tiros de artilharia num raio de 100 metros, quatro dos quais atingiram a base. (ANSA)
26/07/2006 14:47


http://www.ansa.it/ansalatinabr/notizie ... 04273.html (http://www.ansa.it/ansalatinabr/notizie/rubriche/mundo/20060726144734004273.html)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 08:17:31 pm
Uma breve consulta da net, como foi referido na TV, e os Israelitas ficam a saber qual a localização das forças da UN.

http://www.un.org/Depts/Cartographic/ma ... unifil.pdf (http://www.un.org/Depts/Cartographic/map/dpko/unifil.pdf)

É que acidentes desses não me convencem.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 08:30:18 pm
Mais um acidente?   

Citar
Médio Oriente: Israel atacou camião com ajuda humanitária
   
Um camião, que transportava ajuda humanitária do Emiratos Árabes Unidos, foi hoje atingido em território libanês por disparados de um avião israelita.

 O motorista, de nacionalidade síria, perdeu a vida e duas outras pessoas ficaram feridas, segundo as forças de segurança do Líbano.

O camião, com uma carga de ajuda médica e alimentar, foi atacado na cidade de Anjar, a alguns quilómetros da fronteira oriental do Líbano com a Síria.


http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=171420 (http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=171420)
Título:
Enviado por: pedro em Julho 26, 2006, 08:57:46 pm
E para variar Israel nao e punido.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 09:21:16 pm
Citação de: "Jorge Pereira"
Vital Moreira :lol:

Aquele que afirmou num artigo no «Público» que a invasão do Iraque foi devida a um pedido que Israel fez aos EUA. :lol:

Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes.


E como é que se podia esperar imparcialidade num artigo de opinião?
Postei o artigo, pois revejo as minhas ideias, sobre a actuação de Israel, nas palavras do Sr. Vitor Moreira.
Quando diz "Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes", e mesmo que tivesse, é assim que se constrói o Forum, com opiniões, se todos tivessem a mesma opinião o que estavamos aqui a fazer?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 26, 2006, 09:48:36 pm
A FINUL está praticamente naquela zona desde 1978 sem ter cumprido nenhum dos seus objectivos......e, a pedido do Líbano, foi extendida a sua comissão até 31 de Julho do corrente

http://www.un.org/Depts/dpko/missions/unifil/index.html (http://www.un.org/Depts/dpko/missions/unifil/index.html)
http://en.wikipedia.org/wiki/UNIFIL#Con ... eli_forces (http://en.wikipedia.org/wiki/UNIFIL#Conflict_with_Israeli_forces)

Sugiro a leitura da resolução 1559 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, de Setembro de 2004:

http://daccessdds.un.org/doc/UNDOC/GEN/ ... penElement (http://daccessdds.un.org/doc/UNDOC/GEN/N04/498/92/PDF/N0449892.pdf?OpenElement)

http://en.wikipedia.org/wiki/United_Nat ... ernal_link (http://en.wikipedia.org/wiki/United_Nations_Security_Council_Resolution_1559#External_link)
 
E alguns episódios posteriores:

http://edition.cnn.com/2005/WORLD/meast ... index.html (http://edition.cnn.com/2005/WORLD/meast/05/06/lebanon.report/index.html)

http://www.un.org/News/Press/docs/2005/sc8299.doc.htm (http://www.un.org/News/Press/docs/2005/sc8299.doc.htm)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 10:01:07 pm
Citar
A FINUL está praticamente naquela zona desde 1978 sem ter cumprido nenhum dos seus objectivos......e, a pedido do Líbano, foi extendida a sua comissão até 31 de Julho do corrente


É uma realidade, mas é isso que dá o direito, e autoridade aos Israelitas para fazerem o que bem lhes apetece?
Inclusive atacar as tropas, desarmadas, das UN?
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 26, 2006, 10:29:48 pm
Citação de: "ricardonunes"
Citação de: "Jorge Pereira"
Vital Moreira :lol:

Aquele que afirmou num artigo no «Público» que a invasão do Iraque foi devida a um pedido que Israel fez aos EUA. :lol:

Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes.

E como é que se podia esperar imparcialidade num artigo de opinião?
Postei o artigo, pois revejo as minhas ideias, sobre a actuação de Israel, nas palavras do Sr. Vitor Moreira.
Quando diz "Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes", e mesmo que tivesse, é assim que se constrói o Forum, com opiniões, se todos tivessem a mesma opinião o que estavamos aqui a fazer?


Caro ricardonunes:

Peço desculpa se não me expressei correctamente.

Quando disse que não tem nada a ver consigo, referia-me ao tom anedótico do teor da minha mensagem.

É que eu não sou grande apreciador da personagem em questão :jok: . Só isso.

As minhas desculpas pelo mal entendido.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 26, 2006, 10:34:52 pm
Não tem que pedir desculpas, como eu disse cada qual com a sua opinião.
Mais lhe digo, nao vi nenhum tipo de afronta nas suas palavras, mas sim uma opinião.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 26, 2006, 10:37:09 pm
:G-beer2:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 26, 2006, 10:50:57 pm
Citação de: "ricardonunes"
Citar
A FINUL está praticamente naquela zona desde 1978 sem ter cumprido nenhum dos seus objectivos......e, a pedido do Líbano, foi extendida a sua comissão até 31 de Julho do corrente

É uma realidade, mas é isso que dá o direito, e autoridade aos Israelitas para fazerem o que bem lhes apetece?
Inclusive atacar as tropas, desarmadas, das UN?


O que ganharia Israel com esse ataque deliberado? Nada......

Os Israelitas alegam, praticamente desde a sua retirada parcial do Líbano, que o Hezbollah monta postos a apenas algumas dezenas de metros dos postos de controle da FINUL, perante a passividade e cumplicidade dos capacetes azuis.

http://www.haaretz.com/hasen/objects/pa ... mNo=623427 (http://www.haaretz.com/hasen/objects/pages/PrintArticleEn.jhtml?itemNo=623427)

http://archives.cnn.com/2001/WORLD/meas ... index.html (http://archives.cnn.com/2001/WORLD/meast/08/03/un.lebanon.report/index.html)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 26, 2006, 11:04:57 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Os Israelitas alegam, praticamente desde a sua retirada parcial do Líbano, que o Hezbollah monta postos a apenas algumas dezenas de metros dos postos de controle da FINUL, perante a passividade e cumplicidade dos capacetes azuis.

http://www.haaretz.com/hasen/objects/pa ... mNo=623427 (http://www.haaretz.com/hasen/objects/pages/PrintArticleEn.jhtml?itemNo=623427)

http://archives.cnn.com/2001/WORLD/meas ... index.html (http://archives.cnn.com/2001/WORLD/meast/08/03/un.lebanon.report/index.html)


De que nacionalidade é o comandante dessa força? :roll:
Título:
Enviado por: Luso em Julho 26, 2006, 11:16:15 pm
Isso dos capacetes azuis é para rir. Já na intervenção de 82 no Líbano, os moços de azul também faziam das suas...
Uma treta.
Aliás, as "Nações Unidas" deveria chamar-se Tachistas Unidos.
Título:
Enviado por: Luso em Julho 26, 2006, 11:31:43 pm
http://dn.sapo.pt/2006/07/26/opiniao/as ... mitas.html (http://dn.sapo.pt/2006/07/26/opiniao/as_esquerdas_antisemitas.html)

As esquerdas anti-semitas

Vasco Graça Moura
Escritor
vgm@mail.telepac.pt
   
Assiste-se a um inacreditável branqueamento do terrorismo. Logo a seguir ao 11 de Setembro, as esquerdas pós-soviéticas esfalfaram-se a explicar o baixíssimo nível de desenvolvimento das sociedades onde campeia o fanatismo islâmico, o que, como não podia deixar de ser, era da responsabilidade do Ocidente

Disseram lamentar a chacina mas no íntimo rejubilaram. O poderio norte-americano, a democracia representativa, a civilização ocidental, tudo isso era posto em causa por uma horda suicida. Não faltaram os malabarismos intelectuais repugnantemente apologéticos.

No conflito palestiniano, os pós-soviéticos não se impressionam com a perda de vidas civis causada pelo terrorismo em Israel (e ainda menos com os sucessivos genocídios que têm vitimado milhões de seres humanos em África).

É característica do terrorismo a componente civil da acção violenta e a sua ocultação na sociedade, para tentar impedir uma repressão ou para engendrar dramáticos argumentos invocando as vítimas civis quando ela ocorre, porque tudo se faz para que assim seja.

É verdade que, da parte de Israel, há excessos condenáveis nessa repressão. Mas os pós-soviéticos descontextualizam tudo. Não perdoam a Israel que seja um Estado de Direito e lute firmemente pela sobrevivência. Escamoteiam sempre os termos periclitantes dessa sobrevivência. Omitem que, desde há décadas, se deve ao mundo árabe uma tremenda sucessão de ataques, tanto militares como terroristas, com vista à aniquilação de Israel, e que os radicais islâmicos e palestinianos nunca aceitarão a existência do estado judeu.

Nunca lhes fizeram mossa as actividades do Hamas e do Hezbollah, nem o não desarmamento deste no Líbano (contrariando a decisão da ONU), nem a colaboração da Síria e do Irão no sustento logístico e na operacionalidade da organização.

Não se preocupam com o facto de o Hezbollah não bombardear unidades militares, mas sim as populações. Aí, calam-se circunspectamente.

Formalistas sempre que lhes convém, angelizam o terrorismo. Exaltam o processo das eleições na Palestina, mas não falam na responsabilidade do eleitorado que colocou um grupo terrorista no poder, nas relações desse grupo com o Hezbollah, a Síria e o Irão, nos propósitos explícitos e irrenunciados da fundação do Hezbollah e do Hamas para o extermínio de Israel, na impossibilidade de tomar a sério as suas propostas. Ainda no sábado era noticiado que o Hamas tinha proposto, quanto a Gaza, um cessar-fogo condicionado, mas que dois grupos militares o não aceitavam…

Francisco José Viegas resume lapidarmente a posição dos pós-soviéticos: "Sim, dois estados soberanos. Desde que 1) Israel esteja disponível para ser alvo permanente do Hamas e do Hezzbollah e, 2) que o outro Estado soberano seja uma plataforma para que outros Estados soberanos ataquem Israel sempre que quiserem".

Na sua batota totalitária, desceram tão baixo que até já nem acham que a religião seja o ópio do povo! Tudo serve, desde que aponte a Israel e aos EUA. Nesse caso, centenas ou milhares de mortos já não têm importância nenhuma.

Criticam a UE pela sua passividade, quando se alguma crítica há a fazer-lhe é a de ela ter andado a alimentar, pela ajuda humanitária, algumas das molas reais do conflito e algumas das corrupções mais devastadoras de que há memória na Palestina.

E nutrem um ódio étnico e torpe contra os judeus. Lenine falava na "canalha bundista" e entusiasmou-se com a teorização de Estaline sobre o Bund judaico fundado em 1897.

A acção de Estaline culminou numa repressão feroz contra os Judeus, considerados "o inimigo principal" a seguir a 1945, já depois de conhecido o genocídio nazi. Laurent Rucker fala no seu "anti-semitismo obsessivo" e Pierre-André Taguieff destaca o fenómeno paradoxal e soviético que levava à prática do anti-semitismo e, ao mesmo tempo, à denúncia deste e do racismo…

A absoluta falta de escrúpulos do sinistro ditador levou-o a apoiar a fundação de Israel em 1948. Não por ter mudado subitamente de ideias, mas para desestabilizar a Inglaterra e os EUA, colhendo dividendos para a URSS pela perturbação que contava provocar no mundo árabe. Mas, em 1951, já acusava Israel de conluio com o imperialismo.

Os pós-soviéticos, que nem sequer criticam o negacionismo dos nazis iranianos, mantiveram-se reverentemente impregnados até à medula desse anti-semitismo atávico. Mas indignam-se virtuosamente contra o racismo e a xenofobia.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 26, 2006, 11:55:06 pm
Para contrabalançar o artigo do Vasco Graça Moura, trago-vos esta "pérola":

Citar
A guerra que o Hezbollah está realmente a combater
por Kaveh L Afrasiabi

 A guerra assimétrica entre a superpotência regional apoiada pelos EUA e um movimento islâmico de resistência mal equipado para retaliar com golpes mortíferos da mesma espécie do seu adversário está agora a entrar na segunda semana sem qualquer sinal de declínio.

Tanto militarmente como política e diplomaticamente, ambos os lados nesta "guerra em ampliação! têm imagens invertidas um do outro ao alvejar cidades e aldeias indiscriminadamente, apesar de a morte e destruição provocada pelo armamento do estado-da-arte de Israel amesquinhar amplamente os danos infligidos pelos rockets primitivos do Hezbollah.

Independentemente disso, o Hezbollah pode ostentar a sua firmeza em face do bombardeamento implacável, que recorda o bombardeamento da Sérvia pela Organização do Tratado do Atlântico Norte no verão de 1999. Pode também tomar alento da sua capacidade sem precedentes para atingir o norte de Israel com ataques de rockets, conduzindo a vida normal em um terço do estado de Israel a uma virtual paralisação.

A questão chave é, naturalmente, durante quanto tempo o Hesbollah pode opor-se ao poder aéreo israelense e ao (cada vez maior) ataque terrestre sem ficar desprovido de munições, apoio logístico e força de vontade. Uma guerra de atrito, quando o arsenal de Israel é plena e rapidamente reabastecido pelos EUA, conforme relatos da imprensa, ao passo que as rotas de abastecimento do Hezbollah são obstruídas, não está nos interesses estratégicos de Hesbollah.

Mas isto pode ser inevitável uma vez que Israel comprometeu-se publicamente a desmantelar a infraestrutura militar do Hesbollha "de uma vez por todas" e, ainda, a campanha aérea cairá terrivelmente perto deste objectivo. Enfraquecer o Hezbollah, ainda que temporariamente, pode ser o máximo alcançável pela campanha aérea israelense.

A ampliação da invasão terrestre de Israel

No momento desta redacção, o exército de Israel penetrou umas três milhas (4,8 km) dentro do Líbano, capturando algumas aldeias, enquanto concentrava tropas na fronteira na previsão de uma potencial invasão em plena escala. Isto tem o objectivo duplo de eliminar os pontos fortes do Hezbollah próximos à fronteira e criar um "amortercedor em profundidade".

Atento à história, de quando as guerrilhas do Hezbollha travaram uma contra-estratégia que acabou por ter êxito em 2000 ao forçar a retirada de Israel do sul do Líbano, Israel está plenamente consciente da "armadilha da guerra" e está à procura de uma fórmula de actuação pela qual possa cumprir seu objectivo de guerra limitado de reocupar partes do Líbano.

O padrão de escalada da guerra pode, por outro lado, criar o seu próprio momento em direcção a uma invasão em grande escala, caso em que todas as estradas conduzirão a Beirute. Isto é a principal razão porque a perseguição renhida do Hezbollah pelas forças israelenses culminará na guerra urbana na vizinhança de Beirute e, na verdade, em toda a extensão da cidade capital actualmente sob sítio.

Assim, este é o dilema militar de Israel: procurar menos do que a vitória plena contra o determinado Hezbollah danificará o prestígio militar de Israel, mas o preço da vitória total pode demonstrar-se demasiado alto em termos de destruição do Líbano e do nível de tolerância da opinião pública internacional. Pior: não há garantia de que a busca de Israel da destruição total do Hezbollha terá êxito. De facto, Beirute pode demonstrar-se a Stalingrado dos árabes, proporcionando um impressionante golpe ao exército invasor israelense e o fim de uma campanha sangrenta.

Com a guerra principiando a galvanizar a rua árabe, um conflito prolongado trará a al-Qaeda para o Líbano às horas, alargando então exponencialmente a rede de terrorismo árabe. Um oportuno desenvolvimento unificador que potencialmente adia o actual cisma sunita-xiita que se torna violento no Iraque e no Paquistão, a guerra no Líbano também está a proporcionar um antídoto crítico ao faccionalismo libanês, à luz do anúncio de vários líderes libaneses de que o Líbano permanecerá unido contra uma invasão israelense.

Analistas militares ocidentais prontamente descartaram o Exército Libanês como "sem comparação" com o de Israel, o que é verdade, mas os 60 mil soldados podem rapidamente duplicar de número através de uma moblização geral, bem como pela aceitação de recrutas de outros países árabes e muçulmanos.

Além disso, o primeiro-ministro do Líbano já aludiu a transformar o seu exército num exército do tipo guerrilheiro, o qual tem a vantagem da familiaridade com o terreno, de combater uma guerra pela independência e auto-determinação contra o que é percebido como um inimigo brutal que nem sequer poupou os hospitais de Beirute. O Líbano pode estar fisicamente devastado agora, mas politicamente demonstrou uma admirável nova maturidade que será louvado pelos futuros historiadores.

A guerra na frente diplomática

"Não há diplomacia" condenou o representante do Líbano na ONU após uma semana de derramamento de sangue passivamente observada pelas Nações Unidas, apesar de uma queixa formal apresentada pelo Líbano no Conselho de Segurança.

Ignorando repetidos pedido do secretário-geral da ONU, Koffi Annan, por um cessar fogo imediato, apoiado por certos países europeus, tais como a França e praticamente todo o bloco dos países em desenvolvimento conhecido como o Movimento Não Alinhado, os EUA por si sós levaram o Conselho de Segurança a um estado de paralisia. O fraco argumento do seu representante, John Bolton, é que "devemos esperar e ver o que será o resultado militar" e que fazer de outra forma é "colocar o carro diante do cavalo".

Isto mesmo sabendo que a Carta da ONU e o mandato do conselho é impedir conflitos armados e instituir a paz em conflitos inter-estados. Tal desprezo pelo papel da ONU simplesmente acrescenta nova acha ao forno candente do anti-americanismo que corre desenfreado no Médio Oriente e, na verdade, em todo o mundo muçulmano.

A justificação americana de que "Israel tem o direito de se defender" nunca é estendida ao povo oprimido da Palestina, que tem estado a aguentar a mais horrível série de assaltos aéreos e terrestres. De acordo com o representante palestino na ONU, que relatou ao Conselho de Segurança na sexta-feira, Israel executou mais de 100 ataques aéreos e bombardeou Gaza mais de 1.100 vezes.

O Congresso americano auto-limitou-se ao apoio acrítico a Israel, aprovando uma resolução que condena a Síria e o Irão, sem mesmo incomodar-se com as anteriores ninharias de manter uma fachada de equanimidade.

Uma nova resolução da House of Representatives apela à libertação de soldados israelenses sequestrados, sem mencionar o facto, citado pelo London Observer, de que um dia antes do sequestro de um soldado pelo Hamas, comandos israelenses violaram a soberania territorial de Gaza "sequestrando" ("abducting") dois membros do Hamas. Para serem equânimes, os respeitados juristas americanos deveriam analogamente pedir a Israel a libertação de detidos árabes.

Poucos políticos americanos ousam criticar a destruição por Israel de grande parte da infraestrutura da Autoridade Palestina, o aprisionamento de dúzias de juristas palestinos e de metade do seu gabinete de ministros.

Uma reacção justa do Congresso seria considerar abertamente represálias contra Israel se este recusasse parar sua campanha mortífera. Um conjunto de opções deve se explorado: reduzir intercâmbios militares, congelar a entrega de armas compradas por Israel e reduzir a cooperação de militares de um e outro lado.

Washington pode também ameaçar retirar a assistência económica, adiar investimentos, congelar acordos de comércio preferencial e dissolver projectos económicos conjuntos e, no cenário de pior caso, congelar activos económicos.

Com a falta do peso americano sobre Israel, a ameaça da escalada prejudicando potencialmente os interesses estratégicos americanos na região por um longo tempo assoma no horizonte.

Quando a secretária de Estado Condoleez Rice principia sua jornada "na região", a qual não inclui qualquer capital árabe [1] , apesar do desejo declarado pela Síria de entrar em diálogo com os EUA, é muito claro que isto é principalmente um quadro diplomático para enfeitar os esforços de guerra de Israel.

A bravata de Rice acerca de um "novo Médio Oriente" é oca, à luz da posição unilateral pró-Israel da administração Bush e da ausência anterior de qualquer iniciativa para de alguma forma resolver a "questão" palestina. E, se os EUA e Israel estão a empolgar-se com a noção de uma força internacional de interposição na fronteira Israel-Líbano, isto deve-se menos devido à preocupação americana com a paz e mais ao fracasso de Israel para quebrar a espinha do Líbano e os seus temores da guerra armadilha acima mencionada.

Opção do Hezbollah: cessar fogo unilateral

O Hezbollha é a única entidade árabe que proporcionou uma espantosa derrota a Israel, forçando-o a abandonar o Líbano após 18 anos de combate; mais uma razão para a sua imensa popularidade no Líbano e na região circundante.

Longe de ser um "grupo de terror puro e simples" como repetidamente etiquetado pelos líderes do governo americano, o Hezbollah é um movimento político-militar bem entrincheirado que participa na vida nacional do Líbano enquanto, simultaneamente, actua como um braço previdenciário do sistema libanês ao proporcionar serviços básicos de bem estar à sua base de massa de destituídos.

Claramente, o Hezbollah não é um exército estrangeiro, como a Organização Palestina de Libertação, que foi forçada a fugir do país. Ao invés disso, é um fenómeno que cresceu internamente e está profundamente imerso na sociedade libanesa e na sua identidade colectiva.

Em consequência, tanto a política americana como israelense de destruir o Hezbollah está condenada ao fracasso, e não importa quão severamente é triturado por bombas maciças, ele sobreviverá e o seu fénix levantar-se-á das cinzas do Líbano.

Ao mesmo tempo, isto não quer dizer que o Hezbollah esteja para além da censura crítica. Em primeiro lugar, ao alvejar civis em Israel o Hezbollah colocou-se na mesma equação (i)moral do estado de Israel que actualmente aterroriza toda a nação libanesa. Mas, uma estratégia mais prudente do Hezbollah poderá ser declarar unilateralmente um cessar fogo e evitar quaisquer novos ataques de rockets no norte de Israel, focando-se nas forças terrestres israelenses que fazem incursões no Líbano.

Há múltiplas vantagens numa tal iniciativa por parte do Hezbollah. Primeiro, o Islão proíbe o dano a populações civis e o Hezbollah juntaria sua firme resistência com um alto padrão moral.

Segundo, Israel seria pressionado pela comunidade internacional ao continuar com seu assalto aéreo sobre o Líbano na sequência do cessar fogo uniltateral do Hesbollah, e quanto mais Israel o mantivesse mais isolado ficaria internacionalmente, dada a maré da opinião pública mundial já horrorizada pelos danos colossais em Beirute e por toda a parte no Líbano.

Com a fachada de alguma "simetria" entre a campanha aérea de Israel e o ataques com rockets do Hezbollah, os quais os media americanos pro-Israel tem estado a explorar, assim desaparecendo, Israel pode vencer a guerra militarmente, mas certamente perderá política e diplomaticamente.

  • PhD, autor de After Khomeini: New Directions in Iran's Foreign Policy (Westview Press) e co-autor de "Negotiating Iran's Nuclear Populism", The Brown Journal of World Affairs, Volume X11, issue 2, Summer 2005, com Mustafa Kibaroglu. Também escreveu "Keeping Iran's nuclear potential latent", Harvard International Review. É o autor de Iran's Nuclear Program: Debating Facts Versus Fiction.


 :shock:  :shock:

Aliás, sugiro uma visita a este site:

http://resistir.info/ (http://resistir.info/)
Título:
Enviado por: Luso em Julho 27, 2006, 12:32:22 am
Citar
Há múltiplas vantagens numa tal iniciativa por parte do Hezbollah. Primeiro, o Islão proíbe o dano a populações civis e o Hezbollah juntaria sua firme resistência com um alto padrão moral.

 :mrgreen:

Eu também recomendo vivamente uma visita ao
http://resistir.info/ (http://resistir.info/)

Vejam vocês mesmos e tirem as vossas conclusões.
Vejam a mentalidade de quem aí escreve.

Da minha parte já não tenho dúvidas quanto ao tipo de "relação" a ter com os advogados de tais ideias.

Visitem o site!
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 27, 2006, 01:21:31 am
Citar
Israel to Occupy Area of Lebanon as Security Zone


JERUSALEM, July 25 — Almost two weeks into its military assault on Hezbollah, Israel said Tuesday that it would occupy a strip inside southern Lebanon with ground troops until an international force could take its place.

The announcement raised the prospect of a more protracted Israeli involvement in Lebanon than the political and military leadership previously signaled or publicly sought. Officials have talked about limited raids into Lebanon, but now they seem ready to commit ground forces for at least weeks, if not months.

They said the zone would be much smaller than the strip of southern Lebanon roughly 15 miles deep that Israel occupied for nearly two decades before withdrawing in 2000.

As the war between Israel and Hezbollah continued, four unarmed United Nations observers were killed when an Israeli airstrike hit their observation post near the Israeli border, United Nations and Lebanese officials said. The Israeli Foreign Ministry said that Israel “regrets the tragic death” of the observers, and that it would investigate thoroughly.

The timetable and makeup of an international force remained vague, despite diplomacy by Secretary of State Condoleezza Rice on her second day of a trip to the region. Ms. Rice, who met with Israeli and Palestinian officials after a surprise trip to Beirut on Monday, secured commitments from Israel to allow relief aid into Lebanon, and said she would press Israel to ease border restrictions for Palestinians.

But she left without any sign of a quick end to Israel’s military campaigns in Lebanon or the Gaza Strip.

The United Nations secretary general, Kofi Annan, in Rome for talks on the Middle East scheduled to start Wednesday, issued a statement saying that he was “shocked and deeply distressed by the apparently deliberate targeting” of the United Nations post by the Israeli military. He said that the post, at Khiam, was clearly marked, and called on the Israeli government to conduct a full investigation. The official New China News Agency said one of the dead was a Chinese observer.

Elsewhere in southern Lebanon, in fighting over the two Hezbollah strongholds of Bint Jbail and Marun al Ras, Israel said it had killed the Hezbollah leader in the area, Abu Jaafer, and 20 to 30 Hezbollah fighters in a 24-hour period. At least six people were killed in two neighboring houses in a predawn raid on the southern town of Nabatiye.

Hezbollah continued to strike at Israel, firing nearly 100 rockets as of Tuesday night, the Israeli military said. The group’s leader, Sheik Hassan Nasrallah, threatened missile strikes “beyond Haifa.” Hezbollah is believed to have missiles able to reach Tel Aviv.

Another Hezbollah leader, Mahmoud Komati, deputy chief of the group’s political arm, told The Associated Press that Hezbollah was surprised by the force of Israel’s reaction to its capture of two Israeli soldiers. He said Hezbollah had expected “the usual, limited” response such as commando raids or limited attacks on Hezbollah strongholds.

Israel’s defense minister, Amir Peretz, said Israel’s plan for a buffer zone inside Lebanon was being worked out and did not provide details.

“We will have to build a new security strip, a security strip that will be a cover for our forces until international forces arrive,” he said.

“We are shaping it, but you can’t draw a single line that will become a permanent line along the entire zone,” Mr. Peretz said on Israeli radio. “Unless there is multinational force that will enter and take control, a multinational force with the ability to act, we will continue to fire against anyone who enters the designated strip.”

Israeli officials, mindful of the Israeli public’s reluctance to repeat its long occupation of southern Lebanon, say they do not plan a major ground invasion, and do not intend to hold large parts of Lebanese territory for extended periods. Israeli leaders say they want the Lebanese Army to assume control of the border eventually.

Israeli troops do not yet have control over the border strip. A senior government official said Israeli forces intended to clear out Hezbollah strongholds in border villages as the military is already doing in Bint Jbail and Marun al Ras.

The military plans to move into other villages as well, but “this will not be the re-establishment of the old security zone,” said the official, who spoke on condition of anonymity because he was not authorized to speak publicly on the matter. “It is not remotely similar.”

“If there is a strong international force, and if the Lebanese government is serious about establishing sovereignty on its border, then we will gladly leave,” the official said.

Ms. Rice, meanwhile, won a promise from Prime Minister Ehud Olmert of Israel to allow relief flights into Beirut International Airport, where the runways have been bombed by Israel. Ms. Rice also told the Palestinian Authority president, Mahmoud Abbas, that she would press Israel to ease border restrictions for Palestinians.

Ms. Rice received a warm welcome from Mr. Olmert in Jerusalem, in contrast to the much cooler receptions she received in the West Bank city of Ramallah, and in Beirut on Monday.

But her visit to the West Bank had echoes of her surprise stop in Beirut. In both cases, she assured a largely powerless leader that the United States was sympathetic to the suffering of his people, though American leaders have stopped short of pressuring Israel to let up on its campaign against militants.

Ms. Rice pointedly characterized Mr. Abbas as the “duly elected president” of the Palestinian Authority, and said “the Palestinian people have had to live too long” under harsh conditions.

But just as pointedly, she did not respond to Mr. Abbas’s urgent appeal for cease-fires in region, to ease what he said was suffering “beyond the capacity of any human being to endure.”

Ms. Rice and Mr. Abbas discussed the release of an Israeli soldier who was seized by Palestinian militants on June 25, setting off the current crisis in Gaza. But Mr. Abbas is seen as having little influence.

Hamas, which holds the Palestinian prime minister’s post and controls the cabinet, is demanding an exchange for a large number of Palestinian prisoners. Also, Hamas militants were one of three factions that claimed responsibility for seizing the soldier.

The United States, along with Israel, regards Hamas as a terrorist group and has no official contact with it.

In Ramallah, just as in Beirut, demonstrators protested Ms. Rice’s visit. About 250 turned out, with some carrying signs that said in Arabic and English, “Rice, Go Home.” A general strike was called throughout the West Bank, and shops in Ramallah were closed as Ms. Rice’s motorcade drove through the city, just north of Jerusalem. With the Beirut airport closed, even Prime Minister Fouad Siniora of Lebanon had to make special arrangements to travel abroad. He boarded a United Nations helicopter near a conference center north of Beirut that took him to Cyprus. He was heading to Rome for the international conference, which Ms. Rice will also attend.

The Lebanese government has now adopted four Hezbollah conditions for a settlement as its own: giving the small disputed slice of border territory known as Shabaa Farms to Lebanon, returning three Lebanese prisoners held by Israel, ending Israeli flyovers into Lebanese airspace, and providing a map showing the location of Israeli land mines in southern Lebanon.

The issue of Shabaa Farms has been the public rationale for allowing Hezbollah, alone among civil war-era militias, to keep its weapons. It was, Lebanese officials have said, resisting continued Israeli occupation.

As the fighting continued, the Israeli military said its aerial attacks included bombing a Hezbollah rocket launching site near the southern city of Tyre, and hitting 10 buildings used by Hezbollah in southern Beirut.

In Mughar, in northern Israel, a 15-year-old Israeli Arab girl died in a Hezbollah rocket strike, family members said. Three other family members were wounded.

Israel also hit in Gaza, with the air force bombing three buildings used for making and storing weapons, according to the Israeli military.

A Palestinian teenager was shot and killed by Israeli troops near Gaza’s border fence, Palestinian hospital officials said. The Israeli military said it fired at people who had planted a bomb.

Palestinian militants fired several rockets into southern Israel on Tuesday, wounding one agricultural worker from Thailand, the Israeli military said.

Ms. Rice said: “It is time for a new Middle East. It is time to say to those that don’t want a different kind of Middle East that we will prevail. They will not.”

Ms. Rice and other administration officials have repeatedly blamed Hezbollah for starting the crisis in Lebanon with a raid into Israel on July 12 that resulted in the deaths of three Israeli soldiers and the capture of two more who were taken into Lebanon.

While strongly supporting Israel, the Bush administration does not want to see the democratically elected Lebanese government harmed by the current conflict.

“I have no doubt there are those who wish to strangle a democratic and sovereign Lebanon in its crib,” Ms. Rice said. “We, of course, also urgently want to end the violence.”

Saudi Arabia pledged a financial package of $1.5 billion to aid the Lebanese economy and help rebuild the country, the official Saudi news agency reported.

International support is building for a multinational force in southern Lebanon, but many issues are unclear, including which countries would send troops. An American official traveling with Ms. Rice said he believed that those questions would be worked out.

“I think you will hear about the impossibility of deploying an international force until the day it is deployed,” the official told reporters, speaking on condition of anonymity because he was not authorized to speak publicly on the issue. “But there will be an international force, because all the key players want it.”

In Rome on Wednesday, Ms. Rice is expected to talk with officials from Arab and European countries about the possible makeup and mandate of such a force.

With the United States’ military already stretched with commitments in Iraq and Afghanistan, Ms. Rice has said she does not anticipate American troops’ being part of a force in Lebanon.

France is perhaps the most likely European country to contribute troops, given its history with Lebanon. France administered Lebanon as a protectorate from 1920 to 1943, and the former Lebanese prime minister, Rafik Hariri, who was killed in a car bombing last year that many believe was linked to Syria, was a close friend of the French president, Jacques Chirac.

But France is now resisting the American idea of moving a force in quickly, insisting on a cease-fire first, followed by a political agreement between Israel and Lebanon that would also be accepted by Hezbollah, said Jean-Baptiste Mattéi, the French Foreign Ministry spokesman.



http://www.nytimes.com/2006/07/26/world/middleeast/26mideast.html?hp&ex=1153886400&en=11765d02d6fb14ef&ei=5094&partner=homepage
Título:
Enviado por: psychocandy em Julho 27, 2006, 01:24:08 am
Citação de: "ricardonunes"
Citação de: "Jorge Pereira"
Vital Moreira :lol:

Aquele que afirmou num artigo no «Público» que a invasão do Iraque foi devida a um pedido que Israel fez aos EUA. :lol:

Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes.

E como é que se podia esperar imparcialidade num artigo de opinião?
Postei o artigo, pois revejo as minhas ideias, sobre a actuação de Israel, nas palavras do Sr. Vitor Moreira.
Quando diz "Não tem nada a ver consigo caro ricardonunes", e mesmo que tivesse, é assim que se constrói o Forum, com opiniões, se todos tivessem a mesma opinião o que estavamos aqui a fazer?


Nem todos usam os mesmos jornais como fonte de informação, nem todos acreditam piamente no que se lhes diz.

A propaganda eh uma das maiores armas usadas nos conflitos actuais, onde uma informação dada na hora não confirmada e' dada como verdade 2 horas depois, quando vêm os pedidos de desculpa o rectificações ja ninguém esta' la para as ouvir... Passam ao lado ;)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 11:54:08 am
A pedido de muitas familias, aqui fica um link de um bloco noticioso Israelita.
http://www.ynetnews.com/home/0,7340,L-3083,00.html (http://www.ynetnews.com/home/0,7340,L-3083,00.html)
Título:
Enviado por: alfsapt em Julho 27, 2006, 02:40:29 pm
Citação de: "ricardonunes"
A pedido de muitas familias, aqui fica um link de um bloco noticioso Israelita.
http://www.ynetnews.com/home/0,7340,L-3083,00.html (http://www.ynetnews.com/home/0,7340,L-3083,00.html)


Interessante. Daí cheguei aqui:
http://my.ynet.co.il/englishsurvey6/okay.asp?pollID=11
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 27, 2006, 04:56:34 pm
Citar
Iranians volunteer to fight Israel


Group heads for 'holy war' in Lebanon

TEHRAN, Iran (AP) -- Surrounded by yellow Hezbollah flags, more than 60 Iranian volunteers set off Wednesday to join what they called a holy war against Israeli forces in Lebanon.

The group -- ranging from teenagers to grandfathers -- plans to join about 200 other volunteers on the way to the Turkish border, which they hope to cross Thursday. They plan to reach Lebanon via Syria on the weekend.

Organizers said the volunteers are carrying no weapons, and it was not clear whether Turkey would allow them to pass.

A Turkish Foreign Ministry official, speaking on condition of anonymity, would not say Wednesday if Turkey would allow them to cross. Iranians, however, can enter Turkey without a visa and stay for three months.

Iran says it will not send regular forces to aid Hezbollah, but apparently it will not attempt to stop volunteer guerrillas. Iran and Syria are Hezbollah's main sponsors.

"We are just the first wave of Islamic warriors from Iran," said Amir Jalilinejad, chairman of the Student Justice Movement, a nongovernment group that helped recruit the fighters. "More will come from here and other Muslim nations around the world. Hezbollah needs our help."

Military service is mandatory in Iran, and nearly every man has at least some basic training. Some hard-liners have more extensive drills as members of the Basiji corps, a paramilitary network linked to the powerful Revolutionary Guard.

Other volunteers, such as 72-year-old Hasan Honavi, have combat experience from the 1980-88 war with Iraq.

"God made this decision for me," said Honavi, a grandfather and one of the oldest volunteers. "I still have fight left in me for a holy war."

The group, chanting and marching in military-style formation, assembled Wednesday in a part of Tehran's main cemetery that is reserved for war dead and other "martyrs."

They prayed on Persian carpets and linked hands, with their shoes and bags piled alongside. Few had any battle-type gear and some arrived in dress shoes or plastic sandals.

Some bowed before a memorial to Hezbollah-linked suicide bombers who carried out the 1983 blast at Marine barracks in Beirut that killed 241 U.S. servicemen. An almost simultaneous bombing killed 56 French peacekeepers.

Speakers praised Hezbollah leader Sheik Hassan Nasrallah and laid scorn on Muslim leaders -- including their own government -- for not sending battlefield assistance to Hezbollah since the battles erupted two weeks ago.

Even if the volunteers fail to reach Lebanon, their mobilization is an example of how Iranians are rallying to Hezbollah through organizations outside official circles.

Iran insists it is not directly involved in the conflict on the military side, but it remains the group's key pipeline for money. Iran has dismissed Israel's claims that Hezbollah has been supplied with upgraded Iranian missiles that have reached Haifa and other points across northern Israel.

"We cannot stand by and watch out Hezbollah brothers fight alone," said Komeil Baradaran, a 21-year-old Basiji member. "If we are to die in Lebanon, then we will go to heaven. It is our duty as Muslims to fight."



http://www.cnn.com/2006/WORLD/meast/07/26/iran.volunteers.ap/index.html#
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 05:39:48 pm
Médio Oriente: A análise do general Loureiro dos Santos
Citar
O Governo de Israel decidiu não alargar, pelo menos nesta altura, a ofensiva em curso no Líbano. É uma informação anunciada hoje pelo Governo israelita.  

Na análise do General Loureiro dos Santos esta é, contudo, uma hipótese que pode voltar a ser encarada, porque Israel não está a conseguir atingir os seus objectivos.

Loureiro dos Santos lembra ainda que nunca Israel venceu um combate deste género.

Dado "que existe a consciência [por parte das forças israelitas] de que a actual situação não está a resolver o problema, uma hipótese é verificar-se uma alargamento do espaço geográfico onde decorrem as forças terrestres", explica o general.

Hoje foi um dia em que cruzaram ameaças e declarações guerreiras. Primeiro foi o "número dois" do Hezbollah que, em entrevista a um jornal argelino, deixou a promessa de que o movimento vai lutar até à última gota de sangue.

Depois, o "número dois" da Al-Qaeda apelou a todos os muçulmanos para que se unam contra o que classifica como a "cruzada sionista" que está a ser levada a cabo no Líbano.

Numa gravação emitida esta manhã pela cadeia de televisão Al-Jazeera, este alto representante da Al-Qaeda garante que a organização não se vai manter de braços cruzados perante os ataques israelitas.

Na análise do General Loureiro dos Santos, este facto é mais um sinal de que a ofensiva israelita conseguiu, pelo menos nesta fase, unir todos os muçulmanos.

"A Al-Qeda limita-se a aproveitar a onda do estímulo que está a provocar este combate para chamar a atenção para o facto de que, independentemente de se ser sunita ou xiita, o que é importante é eliminar os judeus e os cruzados", revela ainda o general.
 
 


http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=171482 (http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=171482)
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 06:13:51 pm
Citação de: "Luso"
As esquerdas anti-semitas
a menos que anti-semitismo queira dizer "contra os judeus"....a menos que Israel represente todos os judeus...peço desculpa, mas vou ter que partir o artigo em mil bocados para desmontar o teatro argumentativo e reduzi-lo àquilo que ele é.
 Ontem na manifestação estavam 2 judeus que eu identifiquei e que também se manifestavam contra os crimes de Israel, serão esses 2 judeus "anti-semitas"??
 
Citação de: "Luso"
Logo a seguir ao 11 de Setembro
Realizado com a conivência da administração norte-americana.

Citação de: "Luso"
as esquerdas pós-soviéticas esfalfaram-se a explicar o baixíssimo nível de desenvolvimento das sociedades onde campeia o fanatismo islâmico, o que, como não podia deixar de ser, era da responsabilidade do Ocidente
Algumas esquerdas pós-soviéticas atribuem a inexistência de luta de classes nos países islâmicos à manipulação da religião, a religião é um excelente meio de controle das massas que garante uma oligarquia saudável e respeitada. Assim é complicado haver qualquer evolução.
 Outro problema seria a divisão internacional do trabalho que não é exclusivo aos países islâmicos, visto que noutros que não islâmicos e que vivem na mesma situação, também não se conseguem levantar.
 
Citação de: "Luso"
Disseram lamentar a chacina mas no íntimo rejubilaram.
O homem conhece a nossa intimidade...

Citação de: "Luso"
O poderio norte-americano, a democracia representativa, a civilização ocidental, tudo isso era posto em causa
Esta técnica argumentativa é extremamente eficaz, portanto se nós pusermos em causa o poderio norte-americano, temos ao mesmo tempo que pôr em causa a democracia representativa e a "civilização ocidental"...porque se pusessemos em causa apenas o poderio militar e os crimes que dele decorrem sem pormos em causa a democracia representativa estariamos a ser sensatos, coisa que não interessa a quem pretende defender a uma hegemonia americana no mundo.  

Citação de: "Luso"
Não faltaram os malabarismos intelectuais repugnantemente apologéticos.
os mesmos utilizados por quem escreveu este artigo
 
Citação de: "Luso"
No conflito palestiniano, os pós-soviéticos não se impressionam com a perda de vidas civis causada pelo terrorismo em Israel (e ainda menos com os sucessivos genocídios que têm vitimado milhões de seres humanos em África).
Esta é outra táctica...os erros dos outros vão justificar os nossos. Portanto para nós nos podermos manifestar contra os crimes do Estado de Israel, temos que ao mesmo tempo manifestar-nos contra todos os outros crimes ao cimo da terra...neste caso, segundo uma mesma relação, parte-se do princípio que porque nos estamos a manifestar contra os crimes de Israel...nos estamos a manifestar ao lado dos que atacam indiscriminadamente civis israelitas, e mesmo que condenemos esses ataques, o que é que acontece ?? Não estamos a ser sinceros porque o autor do texto sabe ler os nossos pensamentos íntimos.
 

Citação de: "Luso"
É verdade que, da parte de Israel, há excessos condenáveis nessa repressão. Mas os pós-soviéticos descontextualizam tudo. Não perdoam a Israel que seja um Estado de Direito e lute firmemente pela sobrevivência.
Errado, o que condenamos é que não tenham negociado a libertação dos soldados raptados. Caso Israel fosse fosse invadido, era outro caso.

Citação de: "Luso"
Omitem que, desde há décadas, se deve ao mundo árabe uma tremenda sucessão de ataques, tanto militares como terroristas, com vista à aniquilação de Israel
Será isto verdade?? ou apenas mais uma pérola da imparcialidade do autor?

Citação de: "Luso"
e que os radicais islâmicos e palestinianos nunca aceitarão a existência do estado judeu.
O que fez Israel quando a OLP reconheceu o direito à existência do Estado de Israel??
 O que fez o mundo e a comunidade internacional quando o Likud no poder NÃO reconheceu a existência de um Estado Palestiniano. Terão sido apelidados de "terroristas" e "extremistas" ??

Citação de: "Luso"
mas não falam na responsabilidade do eleitorado que colocou um grupo terrorista no poder
Era a mesma coisa que bombardear Israel, apenas porque colocou lá o Likud.

Citação de: "Luso"
nas relações desse grupo com o Hezbollah, a Síria e o Irão
Da mesma maneira que Israel pede armas aos EUA

Citação de: "Luso"
nos propósitos explícitos e irrenunciados da fundação do Hezbollah e do Hamas para o extermínio de Israel
Será isto verdade?


Citação de: "Luso"
Ainda no sábado era noticiado que o Hamas tinha proposto, quanto a Gaza, um cessar-fogo condicionado, mas que dois grupos militares o não aceitavam…
Da mesma forma que na retirada dos colonatos, haviam israelitas que não queriam.

Citação de: "Luso"
Francisco José Viegas resume lapidarmente a posição dos pós-soviéticos: "Sim, dois estados soberanos. Desde que 1) Israel esteja disponível para ser alvo permanente do Hamas e do Hezzbollah e, 2) que o outro Estado soberano seja uma plataforma para que outros Estados soberanos ataquem Israel sempre que quiserem".
Reparem que o contrário...ou seja, o ataque de Israel ao outro Estado Soberano não é objecto de consciência.

Citação de: "Luso"
Na sua batota totalitária, desceram tão baixo que até já nem acham que a religião seja o ópio do povo!

(http://www.myciw.org/modules/Forums/images/smiles/salam1.gif)

Citação de: "Luso"
quando se alguma crítica há a fazer-lhe é a de ela ter andado a alimentar, pela ajuda humanitária, algumas das molas reais do conflito
Claro, enviar alimentos é um crime repugnante...assim os putos passam a dispôr de força para atirar pedras aos soldados israelitas.
 
Citação de: "Luso"
E nutrem um ódio étnico e torpe contra os judeus.
Satisfaz-me a curiosidade intelectual...os judeus são uma etnia que se transmite religiosamente :lol:
 Porque é que em vez de dizerem anti-semitas, não dizem antes anti-judeus :lol: pode não ter o mesmo efeito sonante, mas é mais correcto do ponto de vista etimológico

Citação de: "Luso"
A absoluta falta de escrúpulos do sinistro ditador levou-o a apoiar a fundação de Israel em 1948.
Um autêntico tiro no pé, só mesmo um sinistro ditador é que pode defender a segregação dos judeus num Estado afirmando que "estão inseguros"...é a lógica do medo, Israel é um falhanço porque se o objectivo era "uma terra sem povo para um povo sem terra" então esqueceram-se que os árabes já lá viviam. Se o objectivo era um sítio seguro para os judeus então falharam redondamente porque não existe hoje nenhum sítio mais inseguro para se viver que Israel.
 Obrigaram os judeus a ir contra a lei hebraica, desrespeitando a sua própria religião e obrigando-os a calar o bico e a fazerem-se ouvir pelos sionistas que não os defenderam na segunda guerra mundial, a menos que estes quisessem colonizar a Palestina.

Citação de: "Luso"
Os pós-soviéticos, que nem sequer criticam o negacionismo dos nazis iranianos
Uma coisa é pedir investigações, outra é negar a existência de um plano destinado ao extermínio de judeus.

Citação de: "Luso"
mantiveram-se reverentemente impregnados até à medula desse anti-semitismo atávico.

 Deixem-me mostrar umas fotos de anti-semitas:

(http://www.iman114.de/files/bilder/nka.jpg)

(http://www.revelation2seven.org/UsedImages/NotZionists2.gif)

(http://www.jewsagainstzionism.com/protests/protestpics/MontrealApril05/IMG_1884.jpg)

(http://www.jewsagainstzionism.com/protests/protestpics/MontrealApril05/IMG_1886.jpg)
Título:
Enviado por: papatango em Julho 27, 2006, 07:38:09 pm
Red Warrior.

O que é que você quer provar exactamente ?

Com a sua técnica de dividir e repartir o texto, em vez de fazer um comentário contrutivo, você produziu uma quantidade de disparates sem nexo.

O seu objectivo parece ser o de dar a impressão de ter respondido ou contestado alguma coisa, quando na realidade se limitou a produzir uma quantidade de lugares comuns e comentários sem qualquer relevância.

Começa pela afirmação cretina de que os americanos foram responsáveis pelo 11 de Setembro.

Só faltou dizer que o Bin Laden de facto está na Area-51 e que é de facto o resultado do cruzamento de uma Zebra com um Macaco, que fugiu da prisão.

= = = = = = =

A aliança entre a esquerda neo-soviética e o terrorismo do Islão Nazi e criminoso, é evidente.

A esquerda neo-soviética, que ainda cheira a sangue e que ainda existe  nesses paraisos sobre a terra que são Cuba e a Coreia do Norte, sente-se no entanto orfã.

Já lá vão os dias das gloriosas paradas dos gloriosos tanques e mísseis das gloriosas classes trabalhadoras na gloriosa Praça Vermelha da gloriosa e patriótica cidade de Moscovo.
Já lá vão os dias em que demonstravam o seu poder com as paradas e com os mísseis como forma de afirmar a superioridade do sistema soviético.

Como essa esquerda não vive sem esse tipo de simbolos, adoptou os misseis da Coreia do norte, do Irão e até os do Hzebollah como seus.

Na manifestação anti-semita de Lisboa veio ao-de-cima o ódio mais fanático, mais vil e mais putrefacto que esses agentes debochados do nazismo vermelho disfarçados de esquerdistas - têm pela Democracia e pelo Estado de Direito.

O que eles odeiam de facto, há que dize-lo. não é Israel, mas sim o facto de se tratar do único país do Médio Oriente que tem uma democracia funcional, e ser uma demonstração de que a Democracía consegue vencer a força dos criminosos, comunistas, dos nazistas e de toda a corja da assassinos que poluem o ar do mundo com a sua nojenta presença!

Pretender que a esquerda-Caviar e o Bloco de Esquerda (no caso de Portugal) e a Frente Nacional e os grupelhos de criminosos Nazis não estão do mesmo lado, é deitar areia para os olhos das pessoas.
A verdade acaba por vir-ao-de-cima
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 27, 2006, 08:16:57 pm
Citação de: "RedWarrior"
a menos que anti-semitismo queira dizer "contra os judeus"....a menos que Israel represente todos os judeus...
Realmente... onde e' que ja se viu associar anti-semismo com ser "contra os judeus"...
Citar
anti-semita
    adj. e s. 2 gén.,
        pessoa inimiga dos semitas, especialmente dos judeus.

 
Citação de: "RedWarrior"
Ontem na manifestação estavam 2 judeus que eu identifiquei e que também se manifestavam contra os crimes de Israel, serão esses 2 judeus "anti-semitas"??
A excepcao confirma a regra.
 
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Luso"
Logo a seguir ao 11 de Setembro
Realizado com a conivência da administração norte-americana.
Tou a ver que ainda nao ganhaste juizo...

Citação de: "RedWarrior"
neste caso, segundo uma mesma relação, parte-se do princípio que porque nos estamos a manifestar contra os crimes de Israel...nos estamos a manifestar ao lado dos que atacam indiscriminadamente civis israelitas, e mesmo que condenemos esses ataques, o que é que acontece ??
Chamar de crime o direito de legitima defesa e' apoiar os terroristas que lhe deram razoes para se defender... E ainda estou para vos ver a condenar o terrorismo palestiniano.
 
 
Citação de: "RedWarrior"
Errado, o que condenamos é que não tenham negociado a libertação dos soldados raptados. Caso Israel fosse fosse invadido, era outro caso.
Negociar com terroristas e', no minimo, estupido... seria como estarem a dizer "sempre que quiserem alguma coisa, basta que raptem meia duzia de soldados nossos"

O que fez o Hamas apos israel ter retirado unilateralmente da faixa de gaza?


Citação de: "RedWarrior"
Era a mesma coisa que bombardear Israel, apenas porque colocou lá o Likud.
o Likud nao e' um grupo terrorista.

Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Luso"
nas relações desse grupo com o Hezbollah, a Síria e o Irão
Da mesma maneira que Israel pede armas aos EUA
Apoios entre estados soberanos e democraticos sao bem diferentes de apoios de estados a grupos terroristas.


Citação de: "RedWarrior"
Da mesma forma que na retirada dos colonatos, haviam israelitas que não queriam.
E se calhar foram dos poucos que viram em que e' que isso iria (e esta) a dar... a diferenca e' que a discordancia de civis numa democracia sao muito diferentes de discordancias de grupos terroristas que nao exitam em massacrar civis.

 
Citação de: "RedWarrior"
Uma coisa é pedir investigações, outra é negar a existência de um plano destinado ao extermínio de judeus.
O que tenho visto e' o Presidente Iraniano a nega-lo completamente...
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 08:19:46 pm
Citação de: "papatango"
você produziu uyma quantidade de disparates sem nexo.
Disparates esses aos quais tu não soubeste contra-argumentar. E porquê?? porque sabes que não tens razão :D

Citação de: "papatango"
O seu objectivo parece ser o de dar a impressão de ter respondido ou contestado alguma coisa
Contestei todo o texto, começando pelo "anti-semitismo" que não aprofundei, mas que não é preciso porque a explicação do aparecimento desse termo está no wikipédia ( dêem-se ao trabalho de ler ). Contestei a apropriação de uma religião por um Estado que não a respeita e contestei a dualidade de critérios em relação aos crimes de uns e os crimes de outros.

Citação de: "papatango"
Começa pela afirmação cretina de que os americanos foram responsáveis pelo 11 de Setembro.
Existe um tópico aberto no forum sobre isso...se achas que a ideia é completamente descabida, vai lá mostrar preto no branco como é que tudo se passou.

Citação de: "papatango"
Só faltou dizer que o Bin Laden de facto está na Area-51 e que é de facto o resultado do cruzamento de uma Zebra com um Macaco, que fugiu da prisão.
A falta de argumentos tem destas coisas...

Citação de: "papatango"
Na manifestação anti-semita de Lisboa
INCRÍVEL!!!
 Uma manifestação que pede o cesar-fogo imediato tanto do hezbollah como de Israel e que exige o início das negociações é ( e corrijo-te no termo porque não aprendeste nada ) anti-judaica....mesmo havendo judeus na manifestação...

Citação de: "papatango"
veio ao-de-cima o ódio mais fanático, mais vil e mais putrefacto que esses agentes debochados do nazismo vermelho disfarçados de esquerdistas - têm pela Democracia e pelo Estado de Direito.
Reset!! Relembrar a parte do...

Citar
Esta técnica argumentativa é extremamente eficaz, portanto se nós pusermos em causa o poderio norte-americano, temos ao mesmo tempo que pôr em causa a democracia representativa e a "civilização ocidental"...porque se pusessemos em causa apenas o poderio militar e os crimes que dele decorrem sem pormos em causa a democracia representativa estariamos a ser sensatos, coisa que não interessa a quem pretende defender a uma hegemonia americana no mundo.

 Temos que ler para contra-argumentar
 
Citação de: "papatango"
O que eles odeiam de facto, há que dize-lo. não é Israel, mas sim o facto de se tratar do único país do Médio Oriente que tem uma democracia funcional

 Se quiseres abrir excepções nessa tua afirmação...estás à vontade.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 08:24:54 pm
E começou mais uma campanha de estupidificação das massas Americanas.

http://www.youtube.com/watch?v=IliVelWh ... h=hezbolla (http://www.youtube.com/watch?v=IliVelWhqlY&search=hezbolla)

Ou será para justificar o apoio a Israel?
Título:
Enviado por: Azraael em Julho 27, 2006, 08:27:00 pm
Citação de: "ricardonunes"
E começou mais uma campanha de estupidificação das massas Americanas.

http://www.youtube.com/watch?v=IliVelWh ... h=hezbolla (http://www.youtube.com/watch?v=IliVelWhqlY&search=hezbolla)

Ou será para justificar o apoio a Israel?
Vindo dos lados da FOX nao se pode esperar grande coisa... mas so nao se informa melhor quem nao quer...
Título:
Enviado por: Luso em Julho 27, 2006, 09:03:27 pm
Do Abrupto...
http://abrupto.blogspot.com/ (http://abrupto.blogspot.com/)

"José Rodrigues dos Santos no telejornal da RTP1 das 20 horas disse as primeiras coisas sensatas aí ditas há muito tempo. São sensatas, evidentes e conhecidas de há muito, mas parecem blasfémias ditas nos noticiários mais anti-americanos e israelitas da televisão portuguesa. Disse que muitos libaneses sentem que o seu país está a ser violado por sírios e iranianos para o usarem para uma guerra estrangeira ao Líbano. Disse que era preciso cuidado com a utilização do termo "civis" porque o Hezbollah era só constituído por civis e que usava casas civis de famílias civis para esconder o armamento. Não é novidade nenhuma e não precisava de ir ao Líbano para nos dizer isto, mas no meio da contínua manipulação das palavras que constitui o grosso das notícias sobre o conflito foi um oásis, mais para o lado do jornalismo do que do "jornalismo de causas"."

Rédeuorior, saiba que para mim só há um tipo de diálogo consigo e com os seus. E por aqui me fico. Portanto não gaste mais o seu latim comigo.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 09:12:46 pm
Muito se tem falado de terrorismo neste tópico, aqui fica um texto com uma definição de terrorismo.

Citar
O novo rosto do terrorismo
Alexandra Prado Coelho
Para os americanos é a rede de Bin Laden, para os russos são os separatistas tchetchenos, para os turcos são os guerrilheiros curdos, para Israel são os radicais palestinianos. Ninguém consegue concordar numa definição absoluta de terroristas. Como é que se trava então uma "guerra contra o terrorismo"?
 

O problema coloca-se muitas vezes aos jornalistas. A organização basca ETA deve ser apelidada de terrorista? E o IRA, na Irlanda do Norte? Ou o termo deve aplicar-se apenas aos grupos dissidentes do IRA? O Abu Sayyaf nas Filipinas? É um grupo de guerrilha? Deverão ser chamados separatistas? E quanto aos bombistas suicidas palestinianos? Apesar de usarem métodos terroristas não devem ser chamados terroristas porque têm uma causa que grande parte do mundo considera justa e porque não têm alternativas de combate?

As opiniões divergem. Os mesmos que defendem que determinado grupo é terrorista, recusam-se a usar a expressão quando se trata de outro. "Tal como a beleza, o terrorismo está nos olhos de quem o vê", escreve Grenville Byford na "Foreign Affairs". Mas afinal, não se cansam de repetir os EUA, estamos numa "guerra contra o terrorismo". O que é que estamos realmente a combater? Para os americanos é a Al-Qaeda, para os israelitas são os grupos palestinianos radicais, para os russos são os tchetchenos, para os argelinos são os islamistas armados. Se quisermos encontrar um critério é preciso começar pela definição - e esta está também longe de ser consensual.

O dicionário de Inglês de Oxford descreve um terrorista como "alguém que tenta impor os seus pontos de vista através de um sistema de intimidação coerciva (...) O termo aplica-se geralmente aos membros de uma organização clandestina ou estrangeira que pretende pressionar um governo legítimo através de actos de violência contra ele ou os seus súbditos".

Um dos problemas desta definição é excluir o chamado "terrorismo de Estado". O Departamento de Estado norte-americano também não refere o terrorismo de Estado, o que se, por um lado facilita a vida aos EUA e aos seus aliados, por outro torna mais difícil acusar outros Estados "inimigos" ou "hostis". O problema foi contornado com outra definição, que permite até às Administrações norte-americanas a elaboração de uma lista: a dos "Estados que apoiam o terrorismo".

Outro problema do dicionário de Oxford é que, quando passa para os exemplos, cita casos como o da Resistência francesa durante a II Guerra Mundial, o Congresso Nacional Africano (ANC) na África do Sul, os nacionalistas irlandeses ou os cipriotas gregos.

Depois do 11 de Setembro, também a União Europeia (UE) quis adaptar a sua legislação à nova luta contra o terrorismo, mas deparou-se com o problema da definição dado que muito poucos países tinham definido terrorismo nas suas leis nacionais. A legislação adoptada pelos Quinze traça uma longa lista de crimes que podem ser considerados terroristas, desde os assassínios e raptos até ao uso de substâncias de contaminação ou às interferências em sistemas de computadores.

Mas a UE não define os objectivos por detrás das acções terroristas, como podendo ser políticos, ideológicos ou religiosos (é isso que distingue um terrorista de um hooligan, no caso do futebol, ou do membro de uma organização mafiosa). E não faz, por exemplo, uma distinção que é frequentemente utilizada: a de os alvos do terrorismo serem civis ou militares. Há quem defenda que quando os alvos são militares se trata de uma acção legítima de combate ou de guerrilha.

Veja-se o caso da Palestina. Alguns defendem que uma acção pode ser considerada terrorismo se se tratar de um bombista suicida que mata dezenas de pessoas num mercado. Mas, já não será terrorismo se for um ataque contra soldados israelitas. Outra distinção possível tem a ver com o espaço físico do ataque: dentro dos territórios ocupados é "resistência", dentro de Israel é "terrorismo", defendem outros. Mas há também quem argumente que, não tendo os palestinianos outros meios de se defenderem, qualquer acção é "resistência". O caso da ETA, por exemplo, é mais polémico, porque são muito menos os que pensam que se trata de uma causa justa, em que os fins justificariam os meios.

Uma das características principais do terrorismo, de acordo com os peritos, seria o facto de os alvos serem aleatórios. Sendo que o objectivo principal é a intimidação, a possibilidade de qualquer pessoa ser uma potencial vítima cria um clima de terror que serve precisamente o objectivo dos terroristas.

O exemplo mais evidente é o do 11 de Setembro, que criou nos americanos a sensação de total vulnerabilidade e o receio de que qualquer pessoa possa ser morta a qualquer momento através de um método inesperado e surpreendente. Mas o mesmo se passa em Israel, onde as pessoas têm medo de frequentar os cafés, de andar de autocarro ou de entrar num centro comercial.

Quase todas as pessoas reconhecem um atentado terrorista quando vêem um. O problema está em dar-lhe esse nome quando sabem quem o cometeu ou em nome de que causa foi cometido. Costuma dizer-se que o "terrorista" para um Estado é o "combatente pela liberdade" para outro.

A dificuldade em encontrar uma definição filosófica - que ultrapasse uma tipologia dos crimes que podem ser considerados terrorismo - leva a constatações cínicas como a de Brian Whitaker, que escreve no "Guardian" que "talvez a mais simples e honesta definição de terrorismo seja esta: é a violência cometida por aqueles que nós não aprovamos".

Ou, dito de forma menos cínica, por Grenville Byford na "Foreign Affairs": "A maior parte de nós não fará um julgamento moral de qualquer combatente sem ter em conta os fins que ele pretende alcançar. Aos combatentes com uma causa bastante decente podem ser perdoadas muitas coisas. Aos combatentes com objectivos nobres e sem alternativas pode, até, ser perdoado tudo".
Título:
Enviado por: Miguel em Julho 27, 2006, 09:15:27 pm
As fotos do Red Warrior são falsificadas!

Alerto os moderadores para impedir a colocação dessas Fotos!
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 09:20:10 pm
Não estou aqui a defender o "vermelhão" do Red Warrior, mas consultando o site http://www.nkusa.org/ (http://www.nkusa.org/), aparecem algumas fotos que ele publicou, o que pode suceder é que o site seja uma fraude, como muita coisa que é publicada na net.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 09:35:31 pm
http://www.jewsagainstzionism.com/

http://www.jewsnotzionists.org/

http://www.whatreallyhappened.com/jews_against_zionism.html

Pesquisa lá isso.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 10:00:03 pm
"The Jewish people were sent into exile by Divine decree. They where then expressly commanded by the Almighty, not to attempt to leave their exilic existence through any human intervention. They were expressly forbidden to create their own state, such as the Zionist state of "Israel". (Talmud, Tractate Kesuboth, p.111)."

"The Jewish people are forbidden to oppress another people. The creation of the State of "Israel" came about through, the theft from, subjugation and oppression of, the Palestinian people."

 Eu que acho que a religião é o ópio do povo é que me dou ao trabalho de ler o Torah.

‘Not through army and through strength, but through My spirit, said Hashem, Master of Legions’” [Zecharia 4:6].

 Israel já quebrou todas as regras!

 Algumas coisas que escapam aqui aos meninos sobre os sionistas:

 “Se soubesse que seria possível salvar todas as crianças da Alemanha transportando-as para Inglaterra ou apenas metade delas levando-as para Eretz Israel, eu optaria pela segunda alternativa”, pp 855-56 in Shabtai Teveth's Ben-Gurion 1938

Citação de: "luso"
saiba que para mim só há um tipo de diálogo consigo e com os seus

 Falta de argumentos é tramado :wink:
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 27, 2006, 10:06:03 pm
É impressionante os comunistas têm sempre argumentos para tudo.. mesmo que sejam falsos..

Quando um deputado da bancada do PCP diz que a Coreia do Norte é uma democracia, tudo o que vocês comunistas e sanguinários dizem não merece consideração.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 10:14:35 pm
Citação de: "Typhonman"
mesmo que sejam falsos..

 Será o mesmo que disse:
 
Citação de: "Typhonman"
Quando um deputado da bancada do PCP diz que a Coreia do Norte é uma democracia
Relembrando a entrevista do Bernardino Soares.

Citar
Consideraria que na Coreia do Norte vigora um regime comunista?

Temos falado nisso em vários congressos... julgo que o que caracteriza a questão do Coreia do Norte, neste momento, é a difícil apreensão do que se passa, de facto, naquele país.

Difícil apreensão? Os dados que dispõe não são suficientes para poder dizer, por exemplo, se a Coreia do Norte é uma democracia?

Tenho muitas reservas em relação à filtragem da informação feita pelas agências internacionais.

Ao ponto de não poder dizer se o país é democrático?

Sim. Tenho dúvidas que não seja uma democracia.


PS: essa assinatura é lamentávelmente estúpida...
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 27, 2006, 10:30:46 pm
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Typhonman"
mesmo que sejam falsos..

 Será o mesmo que disse:
 
Citação de: "Typhonman"
Quando um deputado da bancada do PCP diz que a Coreia do Norte é uma democracia
Relembrando a entrevista do Bernardino Soares.

Citar
Consideraria que na Coreia do Norte vigora um regime comunista?

Temos falado nisso em vários congressos... julgo que o que caracteriza a questão do Coreia do Norte, neste momento, é a difícil apreensão do que se passa, de facto, naquele país.

Difícil apreensão? Os dados que dispõe não são suficientes para poder dizer, por exemplo, se a Coreia do Norte é uma democracia?

Tenho muitas reservas em relação à filtragem da informação feita pelas agências internacionais.

Ao ponto de não poder dizer se o país é democrático?

Sim. Tenho dúvidas que não seja uma democracia.

PS: essa assinatura é lamentávelmente estúpida...


O "guerreiro vermelho" vamos ser honestos ou você é limitado intelectualmente e não sabe analisar um texto ou então é muito inocente..

O Bernardino quis atirar "areia" para os olhos do jornalista e do público( no seu caso teve sucesso). Então um país que é governado por um tírano sem eleições e sem liberdade de expressão é uma democracia.. Diga isso aos  que são executados ou morrem a fome todos os meses.

Quanto a minha assinatura estúpida ou não.. é minha. :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Julho 27, 2006, 10:37:39 pm
Sionismo e Semitismo agora são a mesma coisa ?

= = =

A manifestação anti-semita REPITO, a vergonhosa manifestação Anti-Semita, patrocinada pelo Bloco de Esquerda, Pelo Partido Comunista e com o apoio tácito da Frente Nacional, pediu o cessar das hostilidades, porque sabe perfeitamente que é uma forma de proteger os terroristas do Hezbollah.

O movimento anti-semita e Neo-Nazi, a que agora aderiu a esquerda portuguesa, sabe perfeitamente que o Hezbollah não pode continuar nas tocas eternamente e que precisa de um cessar fogo, para se poder reorganizar.

O cessar-fogo, tem um objectivo: Apoiar os terroristas e dar-lhes tempo. Não há nenhuma intenção humanitária por parte dos Neo-nazis, dos "Blocos de Esquerda da vida" ou dos anti-semitas europeus. Essa gente não é capaz de actos humanitários.

Eles limitam-se a defender o Hezbollah, como defenderiam a Máfia ou qualquer organização criminosa que protestasse contra os americanos, a quem os neo-soviéticos e a esquerda-festiva nunca vão perdoar o facto de ter derrotado a pátria do grande líder e a luz da classe operária.

Esse é o verdadeiro conflito. Entre a democracía e a ditadura, entre a Luz e as trevas, entre o Saber e a Ignorância. A ditadura e os seus apologistas, com as suas mil caras, que quando mostram o seu verdadeiro rosto, e a sua verdadeira identidade, demonstram que de facto são em tudo iguais.

A vergonhoso acto de Xenofobia, e anti-semitismo neo-nazi patrocinado pela esquerda festiva e pelos neo-soviéticos é uma demonstração disso.


= = =

Peço também que acabem com o patético lirismo das teorias da conspiração.
Já aqui vos vimos a negar os campos de concentração nazistas, os crimes da União Soviética, o "pogroms" e a perseguição aos Judeus na URSS.
A seguir vão negar a limpeza étnica na antiga Jugoslávia, e continuar com o chorrilho de mentiras sobre o numero de mortos no Líbano, quando qualquer pessoa informada sabe pergeitamente que no Líbano, como no Afeganistão como no Iraque, os terroristas não vestem farda militar.

Só nas paradas, se vê um terrorista fardado, porque dá mais estilo.
Quando é a sério, despem a fardinha, e vestem-se como um qualquer pobre coitado, capaz de esfaquear a família se for possível deitar as culpas para cima de Israel ou dos americanos.

Aqui tem a farda (não sei se é oficial dos camaradas do bloc... digo do Hezbollah.
(http://img451.imageshack.us/img451/7430/hezbfighterlk7.th.jpg) (http://http)
Eu fiquei na dúvida:
Será que o Real Madrid financia o Hezbollah e lhes forneceu as fardas?
Serão de facto os mouros espanhóis?
Serão os espanhóis mouros?
Ou será que de facto a espingarda que ele transporte é afinal uma espingarda humanitária?

A manifestação dos anti-semitas comunistas, pedia um cessar fogo, para que eles pudessem mudar de farda?

Como é que os anti-semitas dessa manifestação podem afirmar que os israelitas estão deliberadamente a atacar civis?

Será que alguém que entende o poder de destruição que Israel de facto tem, acredita que se eles quisessem não tinham já aplanado o sul do Líbano?

Perguntas simples, conclusões simples, e um pouco de estudo não muito dificil, fazem cair por terra o argumentário dos neo-nazis do bloco de esquerda e os neo-nazis do braço estendido pelo Rudolf Hess.

Patético, absolutamente patético.

Israel já cometeu muitos erros e os erros que cometeu devem ser criticados, mas nesta situação específica, não há como critica-los de forma lógica e consequente.

Na realidade, eles até foram muito mais comedidos que o que eu pensei que fossem.

Mas as criticas vazias, movidas pelo ódio dos neo-nazis e dos neo-soviéticos à democracia, não têm sentido, e acabam por servir claramente os objectivos de Bin Laden e do terrorismo islâmico, que é o novo graal da esquerda festiva, agora que os sonhos de Che-Guevaras e Fidel Castros estão caídos na lama da corrupção, e em poças cheias do sangue dos inocentes que têm a pouca sorte de viver sob a pata opressora dos Hitler e dos Stalin que ainda sobrevivem no século XXI.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 27, 2006, 10:44:50 pm
:Palmas:

Muito bem PT!!
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 11:07:46 pm
Citação de: "Typhonman"
Então um país que é governado por um tírano sem eleições e sem liberdade de expressão é uma democracia

 Parabéns!! com essa frase conseguiste desmontar todas as pesquisas que fiz sobre a Coreia do Norte, a pensar eu que sabia alguma coisa sobre o assunto e afinal não sei patavina.
 Em Agosto de 2003 houve eleições na Coreia do Norte, e concorreram 3 partidos, apenas se soube que ganhou o partido do Kim Jong-Il...mas não se sabe resultados, nem foi fiscalizado por ninguém...enfim, falta informação para afirmar se foi feito correctamente ou não.
Se falta tanta informação...como podes afirmar aquilo que não sabes ??
Na minha opinião não há tirania que resista, e se assim fôr, o regime cairá pela revolta ou terá que se reformar por dentro.
Título:
Enviado por: komet em Julho 27, 2006, 11:16:25 pm
LOL... eleições para inglês ver... por amor de Deus... até você é mais inteligente que isso RedWarrior
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 27, 2006, 11:20:12 pm
Exactamente Komet, nem respondo, esta foi demais.. :lol:
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 27, 2006, 11:24:36 pm
Citação de: "papatango"
Sionismo e Semitismo agora são a mesma coisa ?
Claro que não, o primeiro é um movimento que defende a existência de um Estado judaico, o segundo compreende um conjunto de línguas afro-asiáticas que incluem o hebreu, aramaico, árabe e amárico.

Citação de: "papatango"
com o apoio tácito da Frente Nacional
A Frente Nacional não subscreveu a acção nem esteve presente. Pensa antes de mandares essas postas de bacalhau.

Citação de: "papatango"
pediu o cessar das hostilidades, porque sabe perfeitamente que é uma forma de proteger os terroristas do Hezbollah.
Errado, pediu o Cesar-Fogo para proteger primeiro os Civis!!!
 O Hezbollah combate-se com espionagem selectiva e para isso existe a Mossad.

Citação de: "papatango"
Entre a democracía e a ditadura, entre a Luz e as trevas, entre o Saber e a Ignorância.
Não tenho palavras para tamanha eloquência. A tua visão romântica da cena geo-política é digna de recorte poético  

Citação de: "papatango"
A vergonhoso acto de Xenofobia, e anti-semitismo
here we go again :roll: outra vez...

Citação de: "papatango"
não têm sentido, e acabam por servir claramente os objectivos de Bin Laden e do terrorismo islâmico

 :lol: o Bin Laden que foi financiado pela CIA
Título:
Enviado por: Luso em Julho 27, 2006, 11:28:33 pm
Citar
Em Agosto de 2003 houve eleições na Coreia do Norte, e concorreram 3 partidos, apenas se soube que ganhou o partido do Kim Jong-Il...mas não se sabe resultados, nem foi fiscalizado por ninguém...enfim, falta informação para afirmar se foi feito correctamente ou não.


Meus amigos, temos entre nós Bernardino "Tenho-Dúvidas-Que-A-Coreia-Do-Norte-Não-Seja-Uma-Democracia" Soares.

- Vade retro, mafarrico! :mrgreen:
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 27, 2006, 11:38:53 pm
Ele é com cada um..

Os neo-nazis não estiveram lá, eles fazem as suas propias manifestações.. Não deve ser boa ideia juntar comunistas e nazis no mesmo sitio, deve ser muito explosivo.. :lol:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 27, 2006, 11:41:19 pm
Security Council calls for comprehensive Israeli inquiry into killing of UN peacekeepers

Citar
27 July 2006 – Voicing its shock and distress at the Israeli Defence Forces’ (IDF) killing of four unarmed United Nations military observers in southern Lebanon on Tuesday, the Security Council today called on the Israeli Government to conduct a full investigation.

In a statement read out by Ambassador Jean-Marc de la Sablière of France, its President for July, the 15-member Council stressed that “Israel and all concerned parties must comply fully with their obligations” under international humanitarian law on the protection of UN and associated personnel, and ensure that UN staff are not the object of attack.

Extending its deepest condolences to the families of the victims, the Council offered its sympathies to the governments of Austria, Canada, China and Finland, the nationalities of the fallen military observers from the UN Interim Force in Lebanon (UNIFIL).

The Council also expressed “deep concern for Lebanese and Israeli civilian casualties and sufferings, the destruction of civil infrastructure and the rising number” of internally displaced persons (IDPs) in Lebanon.

Secretary-General Kofi Annan has already condemned the attack, while accepting an expression of sorrow from Israel’s Prime Minister Ehud Olmert and proposing a joint UN-Israeli investigation into the killings.

The Council statement called on Israel to “conduct a comprehensive inquiry” and take into account any material gathered by the UN, and publish its results as soon as possible.

Three of the military observers, who were stationed at a long-standing UNIFIL post near the Lebanese town of Khiyam, have been confirmed dead, while the body of the fourth observer has not yet been recovered. The peacekeepers were killed when their post was struck in a direct hit by the IDF early on Tuesday evening, despite repeated requests during the afternoon from UNIFIL officials to Israel to protect that particular post from attack.

Meanwhile, in a statement today UNIFIL reported that in the past 24 hours there have been three incidents of firing close to UN positions from the Israeli side, while Hezbollah is reported to have fired from the vicinity of four UN positions.

More than 600 civilians from the southern Lebanese town of Naqoura and neighbouring villages have been sheltering inside UNIFIL’s headquarters in Naqoura in recent days, but most have now been given a humanitarian escort to the city of Tyre.


http://www.un.org/apps/news/story.asp?N ... leban&Cr1= (http://www.un.org/apps/news/story.asp?NewsID=19326&Cr=leban&Cr1=)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 28, 2006, 12:01:33 am
Um artigo de opinião, que eu assino por baixo, publicado no site http://www.areamilitar.net/ (http://www.areamilitar.net/)
Citar
O ataque a um posto de observação das Nações Unidas
por Pedro Brás
26.07.2006
Já começam a ser recorrentes as declarações dos israelitas neste conflito no Líbano, dizendo que todas as bombas, mísseis e projecteis de artilharia que caem atingindo civis não são consequência de ataques premeditados.

O Tsahal, nome do exército israelita, tem algumas das mais sofisticadas armas que existem nos exércitos do mundo. A Força Aérea Israelita, não só tem F-16 Soufa, equipados com tudo o que o contribuinte americano paga, como tem outras aeronaves com enorme capacidade para bombardeamento de precisão.

O ataque a um posto de observação da ONU, parece que é mais um dos já muitos, e atrevo-me a dizer demasiados, erros cometidos pelos israelitas sobre a população do Líbano.

Todos sabemos que guerra é guerra, mas há limites para o que se pode ou se deve atacar, onde e como.

É verdade que o Hezbolá coloca Katiushas em cima de carrinhas e pequenos camiões disfarçados, e que dispara mísseis e foguetes a partir das janelas de prédios de habitação, mas um posto das Nações Unidas, não é exactamente um lugar desconhecido nas cartas militares de Israel.

Isto é o que acontece quando não há controlo sobre as forças militares e não há responsabilidade nem responsabilização.
De nada adianta o governo israelita pedir desculpa pela incompetência, a falta de pontaria ou de precisão das armas mais sofisticadas que existem no mundo.

Israel também tem que aprender a respeitar, se quer ser digno de respeito.
Funcionários do governo israelita, declararam às televisões internacionais que estavam a favor de que a comunidade internacional apoiasse fortemente o Líbano na reconstrução.

Eu pergunto:
Para que é que a comunidade internacional deve apoiar a reconstrução do Líbano ?
Para que Israel volte a destruir tudo outra vez?

Se Israel quer ser levado a sério, então tem que fazer uma coisa:
Começar a entrar com dinheiro para ajudar o Líbano a recuperar da destruição provocada pelos seus próprios aviões.
Este texto é da autoria de Pedro Brás e foi publicado em 26.07.2006.


http://www.areamilitar.net/opiniao/opin ... x?nrnot=87 (http://www.areamilitar.net/opiniao/opiniao.aspx?nrnot=87)
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 28, 2006, 07:35:30 am
Citação de: "ricardonunes"
Citar

Se Israel quer ser levado a sério, então tem que fazer uma coisa:
Começar a entrar com dinheiro para ajudar o Líbano a recuperar da destruição provocada pelos seus próprios aviões.


Plenamente de acordo.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 28, 2006, 08:12:13 am
Tempos estranhos em que vivemos:

Não há muito tempo os imbecis nazis e fascistas gritavam "hossanas" a Mahmoud Ahmadinejad por este defender a erradicação do estado de Israel.


Agora temos manifestações anti-semitas patrocinadas por alguns imbecis
de esquerda.

Ou seja, pela primeira vez temos estas duas tribos ( ou será trupes...)  com um alvo em comum: Israel

"Extremistas de todo o mundo, uni-vos"

O aquecimento global é lixado, ou será da água :conf:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 28, 2006, 08:48:01 am
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Typhonman"
Então um país que é governado por um tírano sem eleições e sem liberdade de expressão é uma democracia
Parabéns!! com essa frase conseguiste desmontar todas as pesquisas que fiz sobre a Coreia do Norte, a pensar eu que sabia alguma coisa sobre o assunto e afinal não sei patavina.
 Em Agosto de 2003 houve eleições na Coreia do Norte, e concorreram 3 partidos, apenas se soube que ganhou o partido do Kim Jong-Il...mas não se sabe resultados, nem foi fiscalizado por ninguém...enfim, falta informação para afirmar se foi feito correctamente ou não.
Se falta tanta informação...como podes afirmar aquilo que não sabes ??
Na minha opinião não há tirania que resista, e se assim fôr, o regime cairá pela revolta ou terá que se reformar por dentro.


Red Warrior, na prática só existe um partido na Coreia do Norte: o Partido dos Trabalhadores da Coreia aka WPK ou KWP........
Se existirem minorias políticas ( o que eu duvido..) estas estão subordinadas ao KWP, mas não há informação......

Mas isso são outros carnavais...................
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 28, 2006, 10:31:13 am
Citar
Israel vai instalar mísseis anti-Patriot perto de Telavive
O exército israelita vai instalar baterias de mísseis anti-míssil Patriot na região de Telavive, devido ao risco de ataques com mísseis de longo alcance, anunciou hoje um porta-voz das Forças Armadas de Israel.

O porta-voz militar indicou que o exército vai deslocar para Telavive as baterias de Patriot que já estão instaladas na zona de Haifa, no norte do país, na sequência de disparos com foguetes katiusha a partir do sul do Líbano.

Segundo a rádio militar, o exército vai igualmente instalar baterias de mísseis Hetz (Flecha) de fabrico israelo-americano.

Os Patriot, de construção norte-americano, foram utilizados na guerra do Golfo de 1991 mas revelaram-se relativamente ineficazes na intercepção dos mísseis de longo alcance Scud lançados pelo Iraque.

Desde então os Patriot comprados por Israel foram modernizados.

A Força Aérea israelita atacou na madrugada de hoje cerca de 130 objectivos em território libanês, tendo como principal alvo a cidade de Tiro, comando regional do movimento xiita do Hezbollah e a partir da qual são feitos os ataques contra a cidade de Haifa, principal centro urbano do norte de Israel.

Israel teme que, a partir de Tiro, sejam atacadas outras localidades do país mais a sul, como as cidades de Natania ou mesmo Telavive, com mísseis de 200 quilómetros de alcance.

Ainda assim, também na noite de quinta-feira para hoje, o Hezbollah atacou com mísseis de curto alcance territórios israelitas, sem causar vítimas.

Israel lançou uma ofensiva no Líbano a 12 de Julho em resposta ao rapto de dois militares israelitas pelo Hezbollah.

Diário Digital / Lusa

28-07-2006 9:04:0

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=237798 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=237798)
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Julho 28, 2006, 10:56:11 am
Do PUBLICO de 28/7/06:


Citar


Realidades
Vasco Pulido Valente



Aguerra de Israel com o Hezbollah e o Hamas parte de algumas realidades que nem sempre são óbvias. Primeira realidade: a realidade militar. Israel não pode aceitar um Estado palestiniano sob pena de extermínio, porque não pode haver um Estado palestiniano que não torne Israel vulnerável. Toda a espécie de negociação é, portanto, frívola e conduz por força ao agravamento da situação anterior. Pior, a exiguidade do espaço e a tecnologia balística tornaram também Israel vulnerável fora das suas fronteiras. Isto significa que Israel precisa de anular qualquer ameaça numa "zona tampão", que por agora inclui, pelo menos, parte do Líbano, Gaza e provavelmente a Síria. Defender implica atacar. Enquanto os foguetões do Hezbollah chegarem a Haifa e à Galileia (e amanhã os foguetões do Hamas e da jihad islâmica muito mais longe) não vale a pena falar num cessar-fogo, "imediato" ou não. Para Israel, um "cessar-fogo" equivale a permitir que o Hezbollah e o Hamas se rearmem e se reorganizem para eventualmente repetirem tudo em melhor posição.
Segunda realidade: a realidade política. A Europa insiste numa solução política, que ela própria e a ONU se encarregariam de garantir. Israel conhece essa retórica. Fora que não acredita (e muito bem) em qualquer garantia da ONU ou da Europa, resta que a "solução política" (militarmente inviável, como se disse) depende em última análise do Irão e da "rua" árabe. A "rua" árabe não fará o menor compromisso. E o Irão, à procura da supremacia regional, e perante o cansaço e fraqueza da América, não recuará. O ayatollah Khamenei já esclareceu definitivamente o caso. Israel está só, com o apoio provisório de um Bush derrotado e sem futuro. Negociar seria suicida.
Terceira realidade: a realidade do islão. O islão não conseguiu "entrar" no mundo moderno. Nem com a "independência", nem com o "socialismo" ("árabe" ou outro), nem com o dinheiro do petróleo. Da Indonésia à Síria, é uma civilização fracassada onde se acumulam pressões sobre pressões como dantes se acumulavam na República de Weimar: a miséria, o desemprego, a desigualdade, o fanatismo, a tirania e a violência. No meio desta inominável catástrofe, Israel serve de bode expiatório e símbolo de uma cada vez mais difícil e ténue unidade. Ninguém no islão vive ou viverá em paz com Israel. Ou com o Ocidente.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 28, 2006, 11:12:58 am
Qual será o upgrade feito pelos Israelitas às suas baterias de misseís Patriot? PAC-3?

E a sua eficácia contra os Katyusha/Fajr-3/5?
Título:
Enviado por: pedro em Julho 28, 2006, 12:48:28 pm
Caro Bravo Two Zero eficácia dos patriot contra os Katyusha e nula.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 28, 2006, 07:27:05 pm
Para aqueles que dizem que eu sou tendencioso, aqui fica um video com os métodos utilizados pelos "terroristas", acho mais apropriado chamar-lhes resistentes.

http://www.youtube.com/watch?v=TKGjMc47 ... terrorismo (http://www.youtube.com/watch?v=TKGjMc47ovg&mode=related&search=terrorismo)
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 08:05:54 pm
A eficácia de um Patriot mede-se também com a relação entre o preço deste míssil e o alvo a abater. Neste caso é francamente desfavorável ao Patriot.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 28, 2006, 09:03:15 pm
Citação de: "komet"
LOL... eleições para inglês ver... por amor de Deus... até você é mais inteligente que isso RedWarrior
Não te devias estar a referir a inteligência, apenas uma suspeita de que nada daquilo está a ser feito correctamente, e eu acabei de dizer que mantenho essa suspeita.
 Inteligentes são as pessoas que mantém a sua dúvida até serem melhor informadas sobre tudo o que se passou nessas eleições e não entram nos jogos propagandísticos para formarem a sua opinião mesmo sabendo que nada daquilo que têm como certo assenta em provas factuais. Tão burro é aquele que diz que a Coreia do Norte é uma democracia, como aquele que diz que ela é uma ditadura.

Citação de: "Luso"
Meus amigos, temos entre nós Bernardino "Tenho-Dúvidas-Que-A-Coreia-Do-Norte-Não-Seja-Uma-Democracia" Soares.

 No teu caso não vejo grandes soluções, as tuas opiniões revelam uma tendência irracional e infantil. Já encontraste um dogma para te agarrares...já podes ser feliz! !
Título:
Enviado por: komet em Julho 28, 2006, 09:27:44 pm
Pronto, há que reconhecer a possibilidade do povo norte-coreano ser masoquista. Peço desculpa.
Título:
Enviado por: papatango em Julho 28, 2006, 09:31:34 pm
Citação de: "Redwarrior"
Tão burro é aquele que diz que a Coreia do Norte é uma democracia, como aquele que diz que ela é uma ditadura.


Alguém falou em tendência irracional e infantil  :rir:

O problema do Redwarrior, é que eu acho que ele não entende que corre o risco de se transformar numa irrelevância humoristica.

Um país em que praticamente ninguém pode entrar, em que quem entra é "acompanhado" pela polícia secreta, deve ser provavelmente uma democracía...

O seu problema, é que ou por formação distorcida (e eu não tenho nada a ver com os seus problemas familiares de infância) ou por alguma mal-formação de outra indole, você não consegue entender principios básicos como liberdade e democracía.

Pura e simplesment não os consegue entender.

Ou então, não se trata de não os conseguir entender, é apenas um caso de não ser conveniente.

Um país que vive em Liberdade, não pode ter impedimentos ao movimento livre de pessoas e na Coreia do Norte, não há liberdade de movimentos para as pessoas. Em muitos casos nem os próprios chineses têm liberdade de movimento.

Você deve ter um daqueles conceitos "livres" de democracia, como o do PolPot, ou como o conceito de Democracia do Criminoso mor de la Habana, ou dos democratas do movcimento de traficantes de droga das FARC na Colômbia.

Faz-me lembrar aquela pobre alma penada do Miguel Urbano Rodrigues.

Para si, a Democracia do Salazar, a Democracía do Hitler (que até foi eleito) ou a Democracía do Estaline, são tudo casos de Democracias de sucesso que merecem um estudo mais apurado para se concluir alguma coisa sobre eles.

E deve ser tão burro quem diz que a Alemanha Nazi era uma Ditadura, como quem diz que a Alemanha Nazi era uma Democracía.

Tenha Dó Redwarrior. Para bem de todos nós, tenha Dó.

Diga qualquer coisa que se aproveita, não leia tanto Nostradamus, deixe-se de disparates sobre a Area 51 e o aparecimento de Ovnis ou de ficção politico-cientifica como a da democracia norte-coreana.

Há como já estou farto de lhe dizer fórums de nazistas, fórums de fanáticos do esotérico, e eventualmente até fórums de neo-soviéticos que querem saber e estudar as razões porque foram escorraçados pelos povos do mundo, mas não conseguem entender que eles próprios são a razão do seu fracasso.

Agora, por amor de Deus, não nos chateie com tanto disparate.

Não é o que você diz que me preocupa, porque isso toda a gente aqui já percebeu que não faz nenhum sentido, o problema é a sua saúde.
Porque você pode achar que o mundo da lua em que vive é real...

:mrgreen:
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 09:36:34 pm
Não há quem lhe acabe com o sofrimento?
 :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Julho 28, 2006, 09:40:08 pm
Luso:

Não é todos os dias que temos a sorte de ter um humorista de gabarito entre nós...

Você acha que é fácil aparecerem assim pessoas que dizem que a Coreia do Norte até pode ser uma Democracía todos os dias ? :twisted:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 09:44:02 pm
Tenho que reconhecer que o Réde consegue ser QUASE tão engraçado como o smilie na assinatura do PT...
 :mrgreen:

*agora é que ele vai ficar vaidoso*
Título:
Enviado por: fgomes em Julho 28, 2006, 09:47:57 pm
Realmente há uma convergência dos extremos políticos, a propósito deste conflito, será que voltámos aos tempos do pacto de não agressão entre Hitler e Estaline?
A propósito de Miguel Urbano Rodrigues, as suas declarações sobre o Irão são iguais às que fazia sobre a URSS! O Irão deve ser o novo Sol que ilumina o mundo...
Sobre a guerra própriiamente dita, acho que se Israel quizer mesmo reduzir substanciamente do poder militar do Hezebollah, tem que efectuar uma ofensiva terrestre, o poder aéreo não resolve tudo.
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 09:54:06 pm
Exacto, fgomes...
http://www.garfos.letrascomgarfos.net/ (http://www.garfos.letrascomgarfos.net/)

"Faz dois anos que Atefah Sahaaleh, uma rapariga iraniana de 16 anos, foi enforcada por “crimes contra a castidade” pelos Ayatholas no Irão. Entretanto, dois anos volvidos, a esquerda europeia (e não só, infelizmente) continua a negar a evidência dos crimes contra os Direitos Humanos por parte do regime de Teerão. Ninguém fala nas Atefah Sahaaleh’s do Irão, dos homossexuais pendurados pelo pescoço, dos apedrejamentos de mulheres até à morte , porque não constituem um “dano colateral” num Líbano qualquer; o que interessa é que o Irão é inimigo dos EUA, logo, os Ayatholas são amigos do peito. Trata-se da hipocrisia mais execrável, sem nome e classificação."
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 09:57:44 pm
E já agora...

http://www.youtube.com/v/9ONKb9J2YeU (http://www.youtube.com/v/9ONKb9J2YeU)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 28, 2006, 10:19:57 pm
Citação de: "Luso"
E já agora...

http://www.youtube.com/v/9ONKb9J2YeU (http://www.youtube.com/v/9ONKb9J2YeU)


Tenho que dar o "braço a torcer", mas podem muito bem ter sido os terroristas a raptar a ambulância. :wink:
Não é que concorde, mas num conflito destes (guerrilha urbana) por vezes os meios justificam o fim.
E o "missil" chegou a ser disparado?
Título:
Enviado por: Luso em Julho 28, 2006, 10:39:44 pm
Por aquilo que tenho visto e lido, na guerra os fins justificam sempre os meios, independentemente da causa dos contendores. As consequências futuras isso é outra coisa que só a paz pode resolver - se o conseguir.
As diferenças residiram na personalidade dos combatentes e do seu estômago para agir de determinada maneira.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 28, 2006, 11:41:12 pm
Citação de: "Luso"
Por aquilo que tenho visto e lido, na guerra os fins justificam sempre os meios, independentemente da causa dos contendores. As consequências futuras isso é outra coisa que só a paz pode resolver - se o conseguir.
As diferenças residiram na personalidade dos combatentes e do seu estômago para agir de determinada maneira.

Palavras inteligentes, finalmente.
Como disse e bem a diferença residi na personalidade dos combatentes, o caso dos Israelitas que tiveram de recuar, pois já não tinham estômago para aguentar as baixas infligidas.
E mais uma vez adotaram a politica dos bombardeamentos aliatorios, pensando que assim conseguem derrotar os terroristas (resistentes), pois caso não tenho aindo percebido por cada civil morto, seja ele criança ou velho, cada vez mais vão aparecer voluntários para engrossar as tropas dos "terroristas".
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 29, 2006, 12:32:16 am
Não sei se os nr. apresentados no video são reais.
Quem tiver que contrarie que post.
http://www.youtube.com/watch?v=fhvALuyT ... rch=israel (http://www.youtube.com/watch?v=fhvALuyT_2c&search=israel)
Título:
Enviado por: psychocandy em Julho 29, 2006, 03:41:39 am
26 de Julho de 2006

José Rodrigues dos Santos no telejornal da RTP1 das 20 horas disse as primeiras coisas sensatas aí ditas há muito tempo. São sensatas, evidentes e conhecidas de há muito, mas parecem blasfémias ditas nos noticiários mais anti-americanos e israelitas da televisão portuguesa. Disse que muitos libaneses sentem que o seu país está a ser violado por sírios e iranianos para o usarem para uma guerra estrangeira ao Líbano. Disse que era preciso cuidado com a utilização do termo "civis" porque o Hezbollah era só constituído por civis e que usava casas civis de famílias civis para esconder o armamento. Não é novidade nenhuma e não precisava de ir ao Líbano para nos dizer isto, mas no meio da contínua manipulação das palavras que constitui o grosso das notícias sobre o conflito foi um oásis, mais para o lado do jornalismo do que do "jornalismo de causas".

Pacheco Pereira

in http://abrupto.blogspot.com/ (http://abrupto.blogspot.com/)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 29, 2006, 08:43:29 am
TSF online

Citar
ONU apela a trégua de 72 horas para ajuda humanitária
O coordenador dos Assuntos Humanitários da ONU apelou, esta sexta-feira, a uma trégua de 72 horas entre Israel e o movimento xiita libanês Hezbollah para retirar feridos e levar alimentos e medicamentos para a zona do conflito. Entretanto, pelo menos 26 combatentes do Hezbollah foram hoje mortos.  
 
( 23:20 / 28 de Julho 06 )

 
 
 
Jan Egeland revelou que fez esta proposta ao Conselho de Segurança da ONU e que vai fazer a proposta às autoridades israelitas e ao Hezbollah, para obter as tréguas.

O mesmo pedido foi feito pelo ministro da Cultura libanês, que instou a comunidade internacional a pressionar Israel para estabelecer corredores humanitários, a fim de levar ajuda às vítimas da ofensiva israelita, que já provocou 600 mortos, 3200 feridos e 860 mil deslocados internos.

Entretanto, os Médicos Sem Fronteiras condenaram hoje o bombardeamento israelita contra pessoas que tentam ajudar os civis, rendendo homenagem às equipas de socorro e médicos libaneses que trabalham sem nenhuma garantia no terreno.

Por seu lado, o Comité Internacional da Cruz Vermelha (CICV) indicou que ainda conseguiu obter autorização para visitar os dois soldados israelitas sequestrados pelo Hezbollah.

A ofensiva militar israelita iniciada há 17 dias começou devido ao sequestro dos soldados israelitas.

Enquanto isso, centenas de pessoas manifestaram hoje em frente à residência oficial do primeiro-ministro britânico, Tony Blair, em Londres, para condenar a política do Reino Unido e dos Estados Unidos no Médio Oriente e pedir um cessar-fogo imediato.

A manifestação em Londres coincidiu com uma conferência de imprensa conjunta em Washington de Tony Blair e do Presidente norte-americano, George W. Bush, durante a qual ambos referiram que o fim das hostilidades só deve acabar quando for garantida uma «paz duradoura».

Tony Blair afirmou também que a actual situação no Médio Oriente é «uma tragédia, para o Líbano, para Israel e para toda a região em geral», precisando que a solução passa por três passos fundamentais como a nova visita da secretária de Estado norte-americana à região, a reunião do Conselho de Segurança da ONU na próxima semana e uma resolução das Nações Unidas que estabeleça uma data para o fim da violência.

Uma delegação da União Europeia (UE) que viajou para Beirute, quinta-feira, deu hoje o seu apoio ao primeiro-ministro libanês para resolver o conflito com Israel e que é impressionante a «unidade» daquele Governo de várias confissões.

Pelo menos 26 combatentes do Hezbollah mortos

Entretanto, um porta-voz do exército israelita anunciou que pelo menos 26 combatentes do Hezbollah foram hoje mortos, durante confrontos com soldados israelitas no sul do Líbano.

De acordo com a mesma fonte, os confrontos ocorreram na localidade de Bint Jbeil, onde morreram também oito soldados israelitas e 22 ficaram feridos, acrescentou a mesma fonte.


 


http://tsf.sapo.pt/online/internacional ... =TSF172634 (http://tsf.sapo.pt/online/internacional/interior.asp?id_artigo=TSF172634)

Não acredito que qualquer dos lados aceite esta proposta, mas...........
Título:
Enviado por: fgomes em Julho 29, 2006, 10:30:56 am
A propósito de jornalismo, há um mistério na SIC para o qual ainda não encontrei resposta, o que aconteceu ao Henrique Cymerman? Desde que esta estação mandou jornalistas para o Líbano, o seu correspondente em Israel desapareceu dos ecráns. Com a excepção da TVI(!) as outras estações só apresentam o lado libanês. Valha-nos a coragem do José Rodrigues dos Santos!
Entretanto os "defensores" dos Direitos Humanos já começaram a dar um ar da sua graça com a história das bombas de fragmentação israelitas, mas quanto aos foguetes do Hezebolah com as ogivas cobertas de esferas destinadas a matar e a ferir nem uma palavra!
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Julho 29, 2006, 01:43:50 pm
No PUBLICO de 29/7/2006:
Citar
UM E-MAIL ANTES DE MORRER

Um membro da missão da ONU no Sul do Líbano, atingido por Israel, terá comunicado a um ex-comandante que o Hezbollah estaria a usar o seu posto como "escudo". A viúva quer explicações. Por Maria João Guimarães

Seis dias antes da sua morte, o canadiano Paeta Hess-von Kruedener tinha enviado um e-mail a um antigo comandante dizendo que estava numa área de intensos combates e que era demasiado perigoso sair do posto.
Kreudener afirmava que a sua base, numa zona de confrontação entre militares israelitas e guerrilheiros do Hezbollah, não estava a ser "deliberadamente atingida", o que o seu antigo chefe interpretou como "discurso velado" querendo dizer que a milícia xiita procurava usar o posto como escudo, esperando que Israel não o atingisse por temer atirar sobre instalações da ONU.
"Tendo em conta a intensidade e volatilidade da actual situação, e a imprevisilibidade dos dois lados (...), não é seguro irmos para fora nas nossas actividades normais de patrulha", escreveu Hess-von Kruedener no seu e-mail.
"O que eu posso dizer é isto", continua a missiva electrónica do canadiano, citada ontem pelo diário israelita Yediot Ahronot. "Temos tido todos os dias várias ocasiões em que a nossa posição tem ficado sob fogo directo ou indirecto tanto de artilharia como de bombardeamentos aéreos. O mais perto que a artilharia caiu foi a dois metros da nossa posição e o mais perto que uma bomba caiu foi a 100 metros da nossa base".
"Isto não tem sido para nos atingir deliberadamente, mas devido a necessidade táctica", explicou Hess-von Kruedener. "O posto dá-nos visão das posições estáticas do Hezbollah e à volta da nossa base de patrulha. Parece que a grande parte do confronto entre o exército israelita e o Hezbollah está a decorrer na nossa zona."
Lewis Mackenzie, que recebeu a mensagem, explicou-a numa coluna de opinião publicada no diário canadiano Globe and Mail: "É o que chamamos "discurso velado" em jargão militar, quer dizer, esconder a verdade num dialecto que pessoas de fora não percebem. O que ele dizia era qualquer coisa como: "Temos combatentes do Hezbollah perto da nossa posição atacando as forças israelitas e usando-nos como escudos. Provavelmente vão continuar por cá, esperando que os israelitas não os atinjam por medo de nos atingir a nós.""

Título:
Enviado por: Yosy em Julho 29, 2006, 01:45:35 pm
Citação de: "fgomes"
A propósito de jornalismo, há um mistério na SIC para o qual ainda não encontrei resposta, o que aconteceu ao Henrique Cymerman? Desde que esta estação mandou jornalistas para o Líbano, o seu correspondente em Israel desapareceu dos ecráns. Com a excepção da TVI(!) as outras estações só apresentam o lado libanês. Valha-nos a coragem do José Rodrigues dos Santos!
Entretanto os "defensores" dos Direitos Humanos já começaram a dar um ar da sua graça com a história das bombas de fragmentação israelitas, mas quanto aos foguetes do Hezebolah com as ogivas cobertas de esferas destinadas a matar e a ferir nem uma palavra!


Concordo. O Henrique Cymerman fornecia sempre excelentes reportagens daquela zona; agora nem velo :(
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 29, 2006, 02:07:57 pm
Não sei até que ponto isto será estúpido... :?:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 29, 2006, 02:11:17 pm
Ele tem dupla nacionalidade? Serviu nas IDF?  :?
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 29, 2006, 02:21:01 pm
Também não o tenho visto na Antena3, uma televisão espanhola para a qual ele também faz reportagens.

Ou fugiu de Israel(o que não me parece), ou foi mobilizado(é provavel) ou então a Sic não o quiz meter a fazer reportagens com medo de ser tendencioso. (Diga-se de passagam que é um dos melhores jornalistas que já vi).
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 29, 2006, 02:22:35 pm
Pequena biografia...

Citar
Nasceu em 1959 no Porto. O pai é de origem polaca e a mãe nasceu em Málaga (Espanha). Henrique é o mais novo de três irmãos. Fez a licenciatura e mestrado na Universidade de Telavive em Ciências Sociais, especializando-se em Sociologia e Ciências Políticas, tendo leccionado estas matérias durante dois anos. Em 1982 começou a trabalhar como jornalista para o Diário "Maariv", de Telaviv, e para o semanário londrino "The Jewish Chronicle". Posteriormente, tornou-se correspondente do jornal de Barcelona, "El Periódico de Catalunya" , da estação de televisão madrilena Antena 3 e da SIC, desde a fundação da empresa em 1982. Além de comentários regulares para a BBC e diversos canais de televisão de Israel, Henrique Cymerman é correspondente do diário "La Vanguardia", de Barcelona. Em 1997 recebeu os prémios da Associação de Imprensa de Espanha e do Festival de Cinema de Nova Iorque para melhor correspondente estrangeiro e, em 2004, a sua reportagem "Um suicida no quarto das crianças" foi premiada como "Melhor documento" no Festival de Cinema de Nova Iorque. Henrique Cymerman e Esther, especializada em terapia pela arte e escritora de histórias infantis, são casados há 24 anos e têm duas filhas e um filho. Residem em Herzliya, a norte de Telaviv.
Fonte: http://www.primebooks.pt/pt/index.php?p ... gem&cat=35 (http://www.primebooks.pt/pt/index.php?prod=37&catnome=Actualidade%20e%20Reportagem&cat=35)

Citar
Henrique Cymerman, 44 anos, nasceu no Porto e herdou raízes judaicas do pai português e da mãe espanhola. Fez parte da sua formação na escola dos Maristas e partiu para Israel para completar o ensino superior. Estudou Ciências Politicas e Sociologia, com especialização em Relações Internacionais, mas trocou a carreira de professor universitário pelo risco de ser jornalista. “Não me via fechado num gabinete para o resto da vida”, diz. Iniciou a sua carreira na Antena 3 de Espanha. Colaborador permanente da SIC, trabalha para a televisão israelita e alguns meios palestinianos, e faz documentários para várias estações internacionais, como a BBC. Pai de três filhos, vive em Herzliya, Israel, país que considera “um autêntico laboratório humano”.

Fonte:http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?idCanal=0&id=96638
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 29, 2006, 03:01:51 pm
Nas várias biografias nada se fala de um passado militar, foi para Israel estudar e por lá desenvolveu uma carreira brilhante.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 29, 2006, 03:04:54 pm
Chiça...Israel teria que estar desesperado para chamar as reservas de 44 anos!!

Secalhar ele pertence à Brigada "Du Rematiko", unidade especial :wink:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 29, 2006, 03:10:40 pm
Citação de: "Marauder"
Chiça...Israel teria que estar desesperado para chamar as reservas de 44 anos!!

Secalhar ele pertence à Brigada "Du Rematiko", unidade especial :twisted:  :wink:
Título:
Enviado por: pedro em Julho 29, 2006, 05:29:16 pm
Marauder escreveu:
Chiça...Israel teria que estar desesperado para chamar as reservas de 44 anos!!

Secalhar ele pertence à Brigada "Du Rematiko", unidade especial .

Essa ta boa  :lol:  :lol:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 29, 2006, 05:54:52 pm
Citação de: "papatango"
Um país em que praticamente ninguém pode entrar
Isso é falso, qualquer pessoa pode visitar a Coreia do Norte, ou pelo menos, não há à partida qualquer razão para que te impeçam.

Citação de: "papatango"
em que quem entra é "acompanhado" pela polícia secreta
Isso é falso, eles são acompanhados por um guia dentro de todos os espaços governamentais...e fora deles têm um perímetro para visitar, para sairem dele precisam de uma autorização.
 
 Mas nada disso tem a ver com o que estávamos a discutir, que era democracia. Democracia compreende a possibilidade de um povo de escolher os seus destinos sejam eles quais forem, a população vive na ideologia "juche" e estuda-a na escola, os próprios alunos têm aulas de anti-revisionismo. Onde é que eu quero chegar com isto?? Que não me surpreende nem um bocadinho que a população norte coreana vote no partido do kim jong-il, e porquê?? porque não conhece alternativas, porque foi educada com base no "juche".
 Então e se se provásse que os outros dois partidos existem legalmente com programas dissidentes e que as eleições foram legais ?? Continua a ser na mesma ditadura até prova em contrário ??
 Entramos na teoria de Bakunine "O sufrágio universal[...]exige uma grande habilidade da parte de quem o utiliza, mas que, se souber servir-se dele, é o meio mais seguro de fazer com que as massas cooperem na edificação da sua própria prisão."

 Se o povo Norte-Coreano votou e voltou a votar na sua própria prisão deixa de ser democracia??  

 Já que estamos a falar de Israel, refiro que nesse país o serviço militar  é obrigatório, ou seja, não tens a liberdade de escolher se queres ou não fazer o serviço, és obrigado...será que isto condiz com os valores da liberdade?? claro que não...mas será que isto condiz com os valores da democracia?? a resposta já pode ser diferente porque se o povo votou num partido que defende o serviço militar obrigatório, fê-lo por sua livre vontade e criou a sua prórpria prisão.  
 
Citação de: "papatango"
você não consegue entender principios básicos como liberdade e democracía.
Sim, para si é sempre tudo muito fácil...infelizmente eu costumo questionar coisas que as pessoas vêem sempre de forma linear

Citação de: "papatango"
é apenas um caso de não ser conveniente.
Estás a dizer que eu sou fan da Coreia do Norte e por isso não aceito defeitos na sua ideologia??

Citação de: "papatango"
Um país que vive em Liberdade, não pode ter impedimentos ao movimento livre de pessoas e na Coreia do Norte
Concordo

Citação de: "papatango"
a Democracia do Salazar
Se os tivesses no sítio para te aproximares da mesa com um boletim diferente ( da oposição à União Nacional ) :wink:

Citação de: "papatango"
ou a Democracía do Estaline
Que destruiu o centralismo democrático...sim aqui concordo contigo, Estaline foi totalitário mesmo dentro do próprio partido ( quanto mais fora dele ).

Citação de: "papatango"
E deve ser tão burro quem diz que a Alemanha Nazi era uma Ditadura, como quem diz que a Alemanha Nazi era uma Democracía.

 Se Hitler tivesse sido reeleito, essa frase aplicar-se-ia na perfeição.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 29, 2006, 06:50:08 pm
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "papatango"
Um país em que praticamente ninguém pode entrar
Isso é falso, qualquer pessoa pode visitar a Coreia do Norte, ou pelo menos, não há à partida qualquer razão para que te impeçam.


Pressumo que já tenha tentado pedir um visto para lá para saber isso.

Utilizando o wikipédia, que tem aqueles riscos que toda a gente sabe:
North Korea is a single-party state. Only one political party, the Workers' Party of Korea is legally allowed to hold effective power. Although two minor parties exist, they are legally required to accept the leadership of the dominant party and appear to exist largely to give the image of democracy. All candidates in the elections are members of the Democratic Front for the Reunification of the Fatherland.

http://en.wikipedia.org/wiki/Elections_in_North_Korea (http://en.wikipedia.org/wiki/Elections_in_North_Korea)

Só falta dizeres que também toda a gente pode sair da Coreia do Norte. Os que invadem embaixadas para o fazer são exibicionistas :mrgreen:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 30, 2006, 02:03:04 am
Sei que isto é of-topic, mas não resisto

Citar
Só falta dizeres que também toda a gente pode sair da Coreia do Norte. Os que invadem embaixadas para o fazer são exibicionistas Mr. Green



Então não podem????
Recordo-me de um episódio sobejamente conhecido acerca da fuga de um militar sovietico de visita a Panmunjeom, onde está o edifício da zona de segurança conjunta, em 1984
Antes disso os militares norte coreanos e os militares da ONU permaneciam virados uns para os outros, fintando-se mutuamente, ao longo da linha de demarcação. Depois desse incidente os norte coreanos viraram-se para o seu próprio lado, para impedir qualquer deserção......
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 30, 2006, 10:49:21 pm
Excerto de uma noticia publicada no PortugalDiário.
Citar
Israel com «dúvidas» sobre a causa da explosão

Militares israelitas manifestaram neste domingo dúvidas sobre a origem do ataque à cidade libanesa de Caná, e frisaram que há uma diferença de sete horas entre o bombardeamento e a explosão mortal, noticia a France Press.

«Atacámos e danificámos este prédio entre a meia-noite e uma hora da manhã (de sábado para domingo), mas o anúncio sobre as vítimas civis aconteceu sete horas depois», declarou o general Amir Eshel em conferência de imprensa.

«A essa hora (entre as sete e as oito horas) realizámos outro ataque, mas a mais de 400 metros do prédio onde morreram os civis», afirmou a mesma fonte.

«Não sabemos o que havia no prédio. Não é certo que o saibamos algum dia. É possível que o Hezbollah tivesse guardado armas lá», acrescentou.

Segundo o canal de televisão israelita 10, o exército afirma que a explosão foi provocada por armas e munições armazenadas dentro do prédio pelo Hezbollah.

Numa outra versão, desta vez do governo israelita, citado pela RTP, os militares disseram aos civis que estavam no interior do edifício para sair, o que estes acabaram por não fazer. «O Hezbollah utilizou-os como escudo humano», para proteger o armamento guardado no edifício, dizem os responsáveis governamentias.


Pergunto eu, se não sabiam o que havia no prédio porque é que o atacaram?
Acho que não á desculpas para este tipo de acções, muito menos paciencia para este tipo de desculpas.


http://www.portugaldiario.iol.pt/notici ... &id=711926 (http://www.portugaldiario.iol.pt/noticia.php?div_id=291&id=711926)
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 31, 2006, 01:23:42 am
Ricardo, e o Hezbolah se sabe que a probabilidade de matar ou ferir gravemente civis é elevada, porque continua a lançar misseis Katiuska e misseis Fajr contra as cidades de Israel?

A própia ONU diz que eles utilizam o seus postos como "abrigo" para os lançadores móveis. Assim como utilizam mesquitas, escolas,hospitais..
Isso é contra a convenção de genebra, mas o que é a convenção de Genebra para um grupo TERRORISTA?
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 31, 2006, 03:39:18 am
Citação de: "Typhonman"
Ricardo, e o Hezbolah se sabe que a probabilidade de matar ou ferir gravemente civis é elevada, porque continua a lançar misseis Katiuska e misseis Fajr contra as cidades de Israel?
O facto de o Hezbollah não se preocupar com civis dá o direito a Israel de também não se preocupar com civis??
 Se Israel fosse um país com um mínimo de dignidade saberia que o preço a pagar pela não negociação é demasiado elevado, e como eu disse anteriormente, é sempre melhor a paz com preço do que o preço sem ela.
 
 O custo da arrogância podem ver aqui http://www.halturnershow.com/IsraeliAtrocities.html

 Por isso é que aparecem aí inergumenos a dizer que a internet é perigosa, porquê?? porque a internet mostra o que as televisões não mostram.

Citação de: "Typhonman"
A própia ONU diz que eles utilizam o seus postos como "abrigo" para os lançadores móveis. Assim como utilizam mesquitas, escolas,hospitais..
Isso é contra a convenção de genebra, mas o que é a convenção de Genebra para um grupo TERRORISTA?

 Portanto vamos imaginar que és um polícia que persegue um ladrão que decidiu agarrar-se a um civil para o usar como escudo humano:
 A) Procuras ceder e negociar de forma a poupar a vida da pessoa
 B) Disparas na mesma porque te estás a cagar para os civis, o importante e prender o ladrão
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 31, 2006, 08:22:08 am
Citar
Portanto vamos imaginar que és um polícia que persegue um ladrão que decidiu agarrar-se a um civil para o usar como escudo humano:
A) Procuras ceder e negociar de forma a poupar a vida da pessoa
B) Disparas na mesma porque te estás a cagar para os civis, o importante e prender o ladrão



Negociar? E os terroristas, sejam islâmicos sejam outros quaisquer negoceiam? Ou apenas ditam a sua vontade?
 :?:
 :?:
 :?:
 :?:
 :?:
 :?:  

E a lista continua......................
Nem falo no 11 de Setembro porque todos já conheçemos a sua "visão"

As imagens são chocantes, mas infelizmente não são um exclusivo da arrogância de Israel. Todos os actos terroristas apresentam as memas imagens de destruição e morte........
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 31, 2006, 01:43:58 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Negociar? E os terroristas, sejam islâmicos sejam outros quaisquer negoceiam?

 Os erros dos outros justificam os nossos??

 Parece-me que não percebeste o post...
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 31, 2006, 02:08:35 pm
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Negociar? E os terroristas, sejam islâmicos sejam outros quaisquer negoceiam?
Os erros dos outros justificam os nossos??

 Parece-me que não percebeste o post...


Eu não percebo é a sua ideologia trotskista/marxista-leninista/maoista ( ignorar o que não interessa.......)

Mas isso deve ser problema meu....... :?
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 31, 2006, 02:23:22 pm
Qualquer pessoa minimamente inteligente sabe que Israel não iria atacar deliberadamente civis, pois sabem o que contribui para a degradação da imagem.Aconteceu no Líbano, como aconteceu no Iraque, na Jugoslávia no Kosovo, na Tchéchenia e no Afeganistão aquando da ocupação Soviética, quando se davam os ataques com agentes quimicos contra populações civis.Temos ainda o caso do Iraque (quando Saddam gazeou os curdos) mas estes dois ultimos exemplos ao "Guerreiro Vermelho" não interessam, como diz o Bravo Two Zero, devem ser "riscados do mapa"... pelo nossso "valente" guerreiro marxista.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 31, 2006, 04:06:19 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Eu não percebo é a sua ideologia trotskista/marxista-leninista/maoista ( ignorar o que não interessa.......)
Qual a parte de "Os erros dos outros justificam os nossos??" que tu não entendeste??

Citação de: "Typhonman"
Qualquer pessoa minimamente inteligente sabe que Israel não iria atacar deliberadamente civis
Mas mesmo que não o faça deliberadamente, eles acabam sempre por ser atingidos neste tipo de ataques. Continuo a achar que
a negociação para recuperar os soldados e depois um planear de ataques mais selectivos seria o ideal, assim como a retirada das Quintas de Sheeba.
 Depois a laicização dos Estados como forma de anular os conflitos provocados pela religião. Concordo que Israel é mais democrático que qualquer país islâmico mais não é um Estado Laico, penso que este texto explica o que eu quero dizer:

Citar
Israel não é um Estado laico
O Estado israelita é, desde a sua fundação, confessional. A própria declaração de independência contém numerosas referências religiosas e estabelece Israel como um «Estado judeu». Infelizmente, uma fatia importante e muito influente da população judaica continua a encarar Israel como um Estado criado por razões religiosas e para finalidades religiosas, mesmo apesar da grande diversidade religiosa de Israel (pelo menos um em cada cinco israelitas são muçulmanos ou cristãos) e da secularização dos descendentes de judeus (dos quais metade serão não religiosos). Israel permanece assim a única democracia do mundo em que não existe casamento civil, e o único Estado do planeta que outorga a nacionalidade (um vínculo público e estatal) a quem se converta a uma religião (uma opção privada e espiritual). São ainda generalizadas, particularmente entre os judeus, as mutilações sexuais impostas a menores do sexo masculino sob pretextos religiosos, uma violação grave do direito da criança a preservar a integridade do seu corpo.

O domínio público israelita continua profundamente clericalizado: o casamento, o divórcio e o enterro são competências das comunidades religiosas (judaicas, cristãs ou muçulmanas), que têm os seus próprios tribunais para questões de família, nos quais aplicam as suas anacrónicas leis religiosas (sendo a chária aplicada à comunidade muçulmana, como é evidente). As comunidades reconhecidas pelo Estado são totalmente sustentadas com dinheiro público, embora com discriminação positiva a favor das congregações judaicas. Há escolas diferentes para cada comunidade religiosa, cada uma com a sua religião obrigatória, o que ajuda a manter a segregação social de grupos entendidos como monolíticos. Como se não bastasse, o Ministério do Interior mantém um registo da «nacionalidade» de cada cidadão, que na realidade é um registo da comunidade religiosa a que se pertence pelo nascimento, e os direitos civis são distintos conforme se seja, ou não, considerado judeu pelo rabinato ortodoxo. Está assim dificultado aos cidadãos israelitas o exercício daquela liberdade de consciência básica que já quase tomamos por garantida em Portugal, que consiste em poder renunciar de todo à religião e conduzir a sua vida ignorando os sacerdotes e os seus templos (para nada dizer da privacidade das opções em matéria religiosa). A igualdade entre cidadãos também não existe: o governo discrimina os cidadãos muçulmanos ou cristãos no emprego, na educação e no alojamento, só financia a construção de sinagogas ortodoxas (discriminando negativamente todas as outras confissões religiosas) e tem demolido mesquitas em zonas onde não existe guerra. A comunidade judaica ortodoxa é actualmente a mais beneficiada, tendo mesmo o poder de dizer que imigrantes podem, ou não, tornar-se cidadãos israelitas. Não admira portanto que a tensão entre laicos e clericais na sociedade israelita seja tão grande que 80% da população tema que descambe para a violência.

A ausência de casamento civil é especialmente problemática para os descendentes de judeus, pois apenas os casamentos efectuados pela corrente mais ortodoxa do judaísmo são reconhecidos. O sacramento religioso (e portanto o contrato público) é negado a quem queira casar com um não judeu, ou a quem não frequente as aulas de preparação para o casamento dadas pelos rabis ortodoxos (também profundamente homofóbicos). Também não existe divórcio civil: uma mulher casada pela lei judaica não se pode divorciar se o marido não quiser, e portanto milhares de mulheres ficam amarradas a casamentos que não desejam. Perante esta situação, não é de admirar que milhares de judeus secularizados optem por casar fora do país, nomeadamente em Chipre.

Nas discussões suscitadas pela guerra actual, argumenta-se frequentemente que Israel é um Estado mais democrático do que qualquer dos seus vizinhos, o que é inteiramente verdade. No entanto, as relações entre Estado e religião em Israel são mais parecidas com aquelas dos seus vizinhos muçulmanos do que com as outras que, felizmente, existem na Europa laicizada.


 Israel tem que perceber que o "Estado Judeu" é um projecto de segregação e ódio, de desconfiança e medo que já falhou desde o seu início ( custa a engolir o orgulho, mas tem que ser )...Israel deve fazer um referendo onde proponha a laicização das instituições. Se o fizer e se tornar num Estado laico, passa a ter o meu apoio ( mas não incondicional como é óbvio ).
Título:
Enviado por: papatango em Julho 31, 2006, 04:28:24 pm
Citação de: "RedWarrior"
Por isso é que aparecem aí inergumenos a dizer que a internet é perigosa, porquê?? porque a internet mostra o que as televisões não mostram.
Especialmente os energumenos da sagrada Coreia do Norte, onde só o criminoso "Kim" e alguns membros da nomenklatura da Máfia têm acesso à Internet.
O resto da população obviamente não precisa, está demasiado ocupada a tentar enganar a fome.

Também temos o paraiso chinês, onde o Google tem que ter uma versão que possa ser filtrada pelo Partido Comunista, porque as classes trabalhadoras devem ser protegidas das ideias do ocidente.

Claro, que enquanto isso, o regime dá asas à mais escabrosa exploração capitalista da história, possibilitada pelas ideias comunistas.

= = =

Red Warrior:

As imagens de pessoas mortas, podem ser do seu agrado e você pode gostar delas e ter prazer com isso.
Cada um tem os gostos que tem.

No entanto, esquece-se de que algumas das imagens poderiam ser de judeus, assassinados pelos foguetes cegos ou pelas bombas dos terroristas.
A comunicação social Nazista, que controla o médio oriente, utiliza esse mesmo argumento e forma de mover as massas para  indignar as pessoas, como se o crime nazi não tivesse morto ninguém.

Já sei que você vai começar a fazer como começa a ser prática entre os nazistas, afirmando que não aconteceu holocausto nenhum e que é tudo propaganda, que o 11 de Setembro foi ideia do Bush, ou que o 25 de Abril foi feito pelo próprio Marcelo Caetano, que é mentira que o Stalin matou milhões de pessoas, que os Gulags são uma invençºao americana etc. etc. etc.

Esse tipo de comportamento, começa a ter efeitos.

Você começa não só a cair num total ridículo como começa a ser razão de queixas dos utilizadores, por apresentar argumentações anacrónicas pseudo-intelectuais, baseadas em estudos da Wikipedia, que lhe permitem concluir que a Coreia do Norte é uma Democracia, que o 11 de Setembro é um complot da CIA, ou que nunca houve campos de concentração Nazis e que o Goebbels até era boa pessoa, e apresenta-nos essas realidades como factos consumados, que nós uma cambada de imbecis estúpidos não temos capacidade para ver, porque não conseguimos chegar ao alto nível de intelecto do Redwarrior, que, evidentemente, tem capacidades intelectuais absolutamente fora do comum...

Você, terá eventualmente uma grande facilidade em acreditar em patranhas, mas não pode partir do principio de que todas as pessoas têm as suas debilidades intelectuais e que portanto têm a mesma faculdade de acreditar em todo o disparate e teoria da conspiração, por muito ridicula que seja (e as que nos tem referido são no minimo infantis e patéticas) que aqui nos apresenta.

= = =

Além disso, a suas distorções oportunistas da realidade, começam a roçar o vergonhososo. Exemplo:

Citação de: "RedWarrior"
Portanto vamos imaginar que és um polícia que persegue um ladrão que decidiu agarrar-se a um civil para o usar como escudo humano:
A) Procuras ceder e negociar de forma a poupar a vida da pessoa
B) Disparas na mesma porque te estás a cagar para os civis, o importante e prender o ladrão
Neste caso, RedWarrior, o refem votou no partido do bandido, e existem em muitos casos indicios de que deu guarida ao bandido.
Ou seja: Há casos de falsos reféns.
E isto não é um caso de policia é um caso de guerra.
Há anos que os nazistas do Hezbollah utilizam este tipo de sistema, há anos que tem resultado na maioria dos casos.

O que acontece, é que o policia fartou-se de ver o criminoso fugir sem que ninguém lhe faça nada, continuando a praticar os seus crimes.

O policia decidiu que desta vez acabou a brincadeira, e se for necessário matar o refém, para evitar que o criminoso continue a matar todos os dias, então é preferível que morra um, para evitar que morram dez.

Pode ser cínico, mas a verdade é que é uma questão de senso comum.

Os criminosos do Hezbollah ficaram irritados quando lhes "trocam as voltas" e as suas tácticas cobardes deixam de resultar.

Curiosamente, quando Israel entrou no Líbano nos anos 80, para combater a OLP (sunita), os Xiitas do sul do Líbano - do que viria a ser o Hezbollah, aclamaram os israelitas como libertadores.
Mas claro, a revolução Nazista do Irão de Komeini, ainda não tinha começado a financiar os terroristas.

Nessa altura eram colaboracionaistas.

Com tanta cretinice, tanto disparate, tanta distorção da realidade, as unicas coisas que me vêm à cabeça são:

Tenha juizo Redwarrior

E se não quiser ter juízo, pelo menos tenha vergonha!
Título:
Enviado por: Rui Elias em Julho 31, 2006, 04:35:48 pm
Alguém me poderia explicar o que é que a Coreia do Norte tem a ver com o que se está a passar no sul do Líbano?    :?
Título:
Enviado por: RedWarrior em Julho 31, 2006, 04:58:30 pm
Citação de: "Rui Elias"
Alguém me poderia explicar o que é que a Coreia do Norte tem a ver com o que se está a passar no sul do Líbano?    :?

Citação de: "papatango"
As imagens de pessoas mortas, podem ser do seu agrado
Não me agradam mesmo nada, agradava-me menos a situação existir mas não existirem as imagens para que possamos ter a noção do que se passa.

Citação de: "papatango"
No entanto, esquece-se de que algumas das imagens poderiam ser de judeus, assassinados pelos foguetes cegos ou pelas bombas dos terroristas.
O mesmo digo eu relação a essas. Tudo isto era de evitar.
 
Citação de: "papatango"
A comunicação social Nazista
Assim é complicado discutir...podes dizer que existem facções islâmicas extremamente intolerantes, para mim, é quanto baste...escusas também de lhes chamar nazis para aumentar a percepção dessa intolerância, não corresponde à realidade.

Citação de: "papatango"
que lhe permitem concluir que a Coreia do Norte é uma Democracia
Onde é que eu disse isso?

Citação de: "papatango"
que o 11 de Setembro é um complot da CIA
Já há uma thread aberta com o tema com muito para contra-argumentares.

Citação de: "papatango"
nunca houve campos de concentração Nazis
Onde é que eu disse isso?

Citação de: "papatango"
Neste caso, RedWarrior, o refem votou no partido do bandido
Impressionante
 Com imagens de crianças que nem idade têm para ter opinião própria, quanto mais para votar...mas merecem aquilo, claro que merecem estar mortas :evil:  :evil: que nojo!!!

Citação de: "papatango"
Há anos que os nazistas do Hezbollah utilizam este tipo de sistema, há anos que tem resultado na maioria dos casos.
Apartir do momento em que as chefias do grupo vissem assassinos selectivos atrás deles, por mais que agarrassem civis, nunca escapavam. Continuo a considerar esta a melhor táctica contra o Hezbollah.

Citação de: "papatango"
O que acontece, é que o policia fartou-se de ver o criminoso fugir sem que ninguém lhe faça nada, continuando a praticar os seus crimes.
Posta aí os crimes do Hezbollah ao longo destes 6 anos que justifiquem isto.

Citação de: "papatango"
Os criminosos do Hezbollah ficaram irritados quando lhes "trocam as voltas" e as suas tácticas cobardes deixam de resultar.

 Eu recusava-me a ter que sacrificar civis para eliminar o Hezbollah, é mais fácil eu sei, mas eu recusava-me.
Título:
Enviado por: Luso em Julho 31, 2006, 05:02:58 pm
Não batas mais na criança, PT! :mrgreen:
Título:
Enviado por: Lampuka em Julho 31, 2006, 06:41:19 pm
Independentemente das razões/comparações de cada um, há situações neste conflito que me deixam perplexo:
 - O que é e para que serve a ONU? Pelo que vejo, a ONU não é nada e não serve para nada.
 - Como se difere um gerrilheiro, um resistente ou outra coisa parecida de um terrorista? Se calhar apenas por ser pró-ocidental ou não?!
 - O que é um crime de guerra e o que são danos colaterais? O primeiro é cometido pelos maus da fita (os não pró-ocidentais) e os segundos são o resto.

E agora misturando tudo e dando o exemplo do Iraque/Sadam:
Enquanto foi patrocinado/armado/desenvolvido pelos ocidentais não era um ditador nem um assassino e a ONU não tinha nada a apontar ao seu regime. Passou para o outro lado, é um terrorista, extreminou populações, tem armas químicas, criminoso... e a ONU, novamente, não serviu para nada...

Não se estará a passar algo parecido??

Deixemo-nos de hipocrisias...
Título:
Enviado por: Luso em Julho 31, 2006, 08:31:01 pm
Mas claro que a ONU não serve para nada. è uma enorme multidão de Guterres e Guterresas.
O que têm em comum é o facto de ser um lugar onde todos os países podem colocar alguns dos seus tachistas.
Mas adiante...

Se os árabes não fossem um mercado interessante para os franceses, acreditam-se que a "bonomia" francesa se manifestaria?
O tanas!

Para mim a coisa resume-se simplesmente ao facto de eu me identificar civilizacionalmente mais com Israel que com qualquer país árabe.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 31, 2006, 08:42:07 pm
Luso escreveu: "Para mim a coisa resume-se simplesmente ao facto de eu me identificar civilizacionalmente mais com Israel que com qualquer país árabe."

Corroboro a 300%.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 31, 2006, 08:48:48 pm
Mas por se identificarem com os Judeus, têm de fechar os olhos ao massacre de civis?
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 31, 2006, 09:18:11 pm
Diga-me a guerra em que não houve baixas civis.. :roll:

Já agora, você por não gostar dos Judeus acha bem que estes sejam atacados deliberadamente por misseis lançados a partir do Líbano?

Seja sincero, diga SIM ou NIM..
Título:
Enviado por: Luso em Julho 31, 2006, 09:22:02 pm
Ricardo, meu bom amigo: Massacre?
Israel precisa de tudo menos deste tipo de massacres!
Depois, antes de os israelitas agirem avisaram as populações do que se preparava.

E os tipos do Hezbollah, para quem a vida vale pouco em comparação com conceitos metafísicos de valor discutível aproveitam-se disso.
- Com a conivência ou descuido dos Libaneses inocentes (ou não).

Os vossos pais nunca vos disseram para não escolherem más companhias?
Pois...

Resultados trágicos de convívio promiscuo...
 
(http://img.photobucket.com/albums/v249/Luso308/VejaaDiferenca.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v249/Luso308/5765.jpg)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Julho 31, 2006, 09:32:52 pm
Eu nunca disse que não gostava de Judeus, simplesmente condeno o excesso de força e os métodos que estão a utilizar, pois só estão a afectar a população civil do Libano.
Quantos terroristas já conseguiram eliminar?
O Hezbollah deminuiu os ataque a Israel?
Continuo a achar que os métodos usados por parte de Israel, só está a engrossar as fileiras do Hezbollah, ou seja está a ter o efeito contrario ao pretendido.
Julgo que assim não se vai longe no combate ao terrorismo, pois passam de terroristas, para o papel heroico de resistentes e mártires.
Título:
Enviado por: Marauder em Julho 31, 2006, 10:53:34 pm
Segundo uma especialista acerca de "Hezbollah Affairs", o que poderia levar o Hezbollah a largar as armas seria [entrevista na CNN]:

 :arrow: O regresso dos prisioneiros libaneses
 :arrow: O fim das violações do espaço aéreo libanês por aviões israelitas.

Ora, tirando os prisioneiros políticos, tudo o resto é mt facilmente realizável.

Ela disse que Hezbollah era o efeito, e a causa era Israel, mais precisamente a invasão do Libano por Israel. Mas isto não é nada que ninguem saiba.

Logo, para tratar do problema terá que ser pela "raiz"..

Segundo a opinião dela. A minha opinião é parecida...

Mas existe muita gente aqui que se esqueçe acerca das causas...metem rótulo de terrorista (quando até esse rótulo é relativo) e esqueçem-se disso.

Entretanto a guerra continua.

Um facto interessante, os americanos estão interessados em forçar um cessar fogo, mas, os aviões que levam as armas para Israel pararam de circular?

Pois, parece-me que não..
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Julho 31, 2006, 11:34:39 pm
Segundo o nosso "comunista de serviço":


Citar
Apartir do momento em que as chefias do grupo vissem assassinos selectivos atrás deles, por mais que agarrassem civis, nunca escapavam. Continuo a considerar esta a melhor táctica contra o Hezbollah.
Cá esta:
 :arrow: A Revolução Cultural e os acontecimentos da praça de Tiananmen
 :arrow: O conflito da Tchechénia
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 01, 2006, 01:24:50 am
É extraordinário perceber como tanta, mas mesmo TANTA gente é contra Israel ! Eu não quero ser arrogante, mas penso que a isto só pode estar associado determinada distracção ou ignorancia, ou tendencialismo politico de esquerda ( toda a gente sabe das suas ligações com a palestina !...Dr. Mario Soares, Dr. Alvaro Cunhal, O.L.P. e coisa e tal...coisas já muito antigas!! ).
Então  não é que a acção agressiva dos HEROIS( já que ninguem pode chamar de terroristas ao Hezbollah) se inicia, quando entra em dicussão politica a possibilidade do governo legitimo local finalmente reconhecer Israel como estado independente ?
Então não é que esses HEROIS estão a ser activamente apoiados pelo Irão e muito provavelmente até atacaram mediante ordem sua, porque isso obviamente diminui, ou melhor dizendo atira mesmo para quarto ou quinto plano no calendário internacional, a questão do Irão Nuclear... o que muito jeito lhes dá !!!!!?
Então alguem me explica, com tantos cuidadinhos que os especialistas aqui tanto apregoam, que espaço de manobra sobra a Israel para se poder defender ????
Cada um defende aquilo que quiser...só espero não ser eu a comer daqui a uns anos com uma bomba na cabeça dessa gente que tão defendida é por tantos de vós...

Quem os defende que coma com a bomba... nuclear ou não!!!!
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 01, 2006, 02:03:17 am
Uma salva de palmas migbar2. :wink:
Título:
Enviado por: othelo em Agosto 01, 2006, 08:37:43 am
Se a população civil e o próprio Estado Libanês apoiam o Hezbolah, se os armazens de armamento ficam situados junto a escolas e hospitais, se as rampas de lançamento de rockets, estacionam no meio de bairros civis, que raio é que todos os defensores do movimento Libanês, esperam que seja feito por Israel?

Nem a própria ONU se atreveu a condenar exclusivamente Israel, pois é reconhecida a necessidade de intervenção por parte deste pais, como forma de se defender de ataques sucessivos.

Os Libaneses que entreguem os soldados raptados e parem com os ataques e tudo ficará resolvido, ou pelo menos, ficava, pois não acredito que o Estado Hebraico vá parar a meio da ofensiva.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Agosto 01, 2006, 09:30:58 am
Bravo Two Zero:

Citar
Segundo o nosso "comunista de serviço":



Presumo que se refira ao Red Warrior, e eu penso que ele tem tanto direito a ser comunista como eu tenho a ser sportinguita.

Mas voltando à discussão, sem querer discuti-la.

Entendam isto como uma espécie de ponto de ordem à mesa.

No conflito que assola actualmente o sul do Líbano e que opõe Israel e o Hezzebolah, integrado num conflito geracional mais vasto que resulta da velha guerra israelo-árabe, que continua com altos e baixos, acho que o pior que pode aconceter ao tentar discutir o que se passa é o evolvimento emocional.

Não se trata de um Benfica-Sporting, e portanto as coisas não podem ser discutidas com base numa posição clubística.

Trata-se de um conflito, e nem sequer é um conflito religioso ou de civilizações, embora alguns arautos do neo-cruzadismo o queiram transformar nisso, e essa tendência é válida para dois ou três países no ocidente, como para os extremistas muçulmanos.

Não me parece correcto etiquetar o Hezebolah como um partido nazi, como já vi escrito neste tópico.

Assim como não me parece correcto que se acuse quem critique a politica bélica de Israel como se tudo assentasse numa aproximação ideológico-religiosa aos árabes.

Repare-se:

O Hezzebolah, é de confissão xiita e terá como finalidade estratégica a instauração de uma república islâmica inspirada na Rev. Iraniana.

O Hamas é sunita e a Al Qaedda é sunita de inspiração waabita.

Portanto quando pessoas mais à esquerda atacam ou criticam Israel é pelo que este país faz e pelos apoios que tem no exterior, pelos assassinatos extra-judiciais, pelo sequestros de líderes politicos, pelo desplante que mostra ao sobevoar territórios estrangeiros, sempre com o argumento da auto-defesa, quando na prática está a atacar estados ou territórios que não lhe pertencem pelo Dereito, que lhe permitem ir até onde esse apoios dizem, e não porque se simpatize em particular com as palavras do Hamas ou do Lider do Hezzebolah.

Porque se tratam de partidos confessionais, e a esquerda marxista não é  exctamente uma facção ideológica próxima dos ideários islâmicos.

Portanto acho que para a saudável discussão deste conflito, no fundo mais um trste episódio de um conflito mais vasto, acho que identificar esquerda com islamismo é má identificação.

Da mesma forma identificar judeismo com a política laica do estado de Israel é abusivo.

Não se trata, como escrevi acima de uma guerra religiosa, pelo menos para já.

E esperemos que nunca o venha a ser.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 01, 2006, 10:03:38 am
Citação de: "migbar2"
É extraordinário perceber como tanta, mas mesmo TANTA gente é contra Israel ! Eu não quero ser arrogante, mas penso que a isto só pode estar associado determinada distracção ou ignorancia, ou tendencialismo politico de esquerda ( toda a gente sabe das suas ligações com a palestina !...Dr. Mario Soares, Dr. Alvaro Cunhal, O.L.P. e coisa e tal...coisas já muito antigas!! ).

Migbar2, essa tua resposta é digna do Bush..."Se não estão comigo, estão com os terroristas".

Não é por tentarmos compreender a situação do lado libanes/Hezbollah que nos faz de esquerda.

Mas se quiser rotular todos aqueles que falam do Hezbollah e das mortes civis de esquerda está à vontade :roll:

Enquanto Israel continuar a ocupar as quintas de Sheeba e a ter prisioneiros libaneses (não sei se Hezbollah luta também pela libertação dos prisioneiros palestinianos), vai haver uma fonte para a criação de terrorismo ou luta armada como entenderem.

Mas Israel penso que não está disposto a libertar os terroristas que possuí. É um trade-off interessante. Se não os liberta porque são terroristas, mais terroristas atacarão Israel e provavelmente não haverá paz. Se Israel os liberta, assume um GRANDE RISCO, mas poderá haver condições para a paz.

E a guerra continua, e aparentemente eu sou de esquerda segundo o Migbar2 :lol:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 01, 2006, 10:35:25 am
Citar
Bravo Two Zero:

Citação:
Segundo o nosso "comunista de serviço":  



Presumo que se refira ao Red Warrior, e eu penso que ele tem tanto direito a ser comunista como eu tenho a ser sportinguita.


Acredite, não usei a expressão num sentido pejorativo, mas reconheço que talvez foi uma má escolha de palavras.....
O RedWarrior chegou a responder ao meu post mas foi misteriosamente apagado............

Edit:
Olha, apareceu........................
Título:
Enviado por: Lampuka em Agosto 01, 2006, 11:49:11 am
Citação de: "migbar2"
É extraordinário perceber como tanta, mas mesmo TANTA gente é contra Israel !

Não é ser contra Israel, é ser contra quem, e já não é o primeiro que o faz ultimamente, pura e simplesmente ignora todas as convenções, tratados e directivas por si assinados, tendo sido até parte dessas leis elaboradas (e muito bem) após o massacre de milhares de pessoas da sua religião com o objectivo de tal não se repetir.
Quanto às tácticas do Hezbollah, que outras hipóteses têm perante tão grande desfasamento? Será correcto? Claro que não, mas se a balança não estivesse demasiado desequilibrada, se calhar a coisa não chegava onde está.
Porque é que as FA Libanesas não podem fazer nada contra o Hezbollah? Porque entre outras coisas foram isoladas pelo ocidente, que não permitiu a sua restruturação e reequipamento após os anos oitenta, dando espaço a que o Irão patrocinasse o Hezbollah e os tornasse nas "verdadeiras" FA Libanesas.
E porque o Irão o faz? Porque, para além de não reconhecer Israel, utiliza-o como forma de "picar" os EUA entre outras coisas, por não se esquecer que foram estes que deram ao Iraque de Sadam a tecnologia, armamento e informações necessárias para que este cilindrasse as suas FA's durante o conflito Irão/Iraque. Israel funciona como "intermediário" de alguém que não consegue atingir o "inimigo" em sua casa. E talvez seja isso que leve a que tenha um parceiro tão "acérrimo" defensor das suas politicas e acções para além de lhe disponibilizar todo o tipo de tecnologia e armanento que necessita.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 01, 2006, 02:46:52 pm
Citar
Israel incapaz de destruir por completo Hezbollah
As forças armadas de Israel não são capazes de destruir toda a capacidade balística do Hezbollah, admitiu o ministro da Habitação. Entretanto os bombardeamentos israelitas prosseguem, apesar da anunciada suspensão que levou milhares de civis a deixar as suas casas.
( 13:05 / 01 de Agosto 06 )

   

«Não há maneira de destruir os últimos mísseis do Hezbollah nem através das forças no terreno nem pelo ar», afirmou o ministro da Habitação, Meir Sheetrit, citado pela rádio israelita.

Um outro ministro israelita afirmou que o objectivo das forças israelitas no sul do Líbano é preparar o terreno para a chegada de uma força internacional.

Numa intervenção também difundida pela rádio pública israelita, o ministro da Defesa, Amir Peretz, adiantou que a ideia é «criar condições sobre o terreno para que uma força internacional dotada de poderes efectivos possa agir».

Este responsável deixou entender que o exército tem planos operacionais que podem permitir alcançar este objectivo num lapso de tempo restrito, em alusão à eventualidade de imposição de um cessar-fogo nos próximos dias.

Entretanto, os bombardeamentos por parte de Israel, em especial no sul do Líbano, continuam a ser testemunhados, apesar da suspensão declarada, que levou milhares de libaneses a fugir das suas aldeias.

Mesmo assim, a aviação israelita lançou "raids" ao longo do rio Litani, a 30 quilómetros da fronteira, outros três na região de Bekaa, leste do país, e seis visaram aldeias a leste de Tiro, segundo a polícia.

Também a norte, nas zonas limítrofes da Síria, foram lançadas bombas através de meios aéreos.

Várias estradas foram danificadas de modo a impedir a chegada de armamento para o Hezbollah vindo daquele país, justificou Israel.

No sul do Líbano prosseguem igualmente os combates no terreno entre os soldados israelitas e os guerrilheiros do movimento xiita Hezbollah.

Segundo a televisão Al-Arabiya, que não citou fontes específicas, três soldados israelitas foram mortos nestes confrontos, ao mesmo tempo que o exército de Israel afirmou ter ferido ou morto 20 combatentes do movimento xiita nas últimas 48 horas.

As forças armadas israelitas escusaram-se a especificar o número de mortos e de feridos, mas revelaram que as baixas foram provocadas em combates perto da aldeia de Taibé, no sul do Líbano. O Hezbollah negou esta informação.

O exército israelita desmentiu igualmente que o avanço das suas forças no sector da aldeia de Aita al-Chaab, no sul do Líbano, tivesse sido travado por combatentes do Hezbollah.

O movimento xiita libanês tinha anunciado na madrugada de hoje que tinha impedido tentativas de incursões de unidades israelitas naquele sector durante a noite.

«Contrariamente a essas informações, as nossas forças operam no sector», afirmou um porta-voz das forças armadas israelitas, segundo o qual não se registaram até agora mortos ou feridos israelitas na operação.

Referiu todavia que as forças israelitas têm sofrido ataques com morteiros e foguetes anti-tanque em diversos sectores.

Aita al-Chaab é a aldeia da fronteira isarelo-libanesa de onde partiram as milícias do Hezbollah que a 12 de Julho atravessaram a fronteira para a operação em que dois soldados israelitas foram capturados.

de:
http://tsf.sapo.pt/online/internacional ... =TSF172680 (http://tsf.sapo.pt/online/internacional/interior.asp?id_artigo=TSF172680)

Não é nada que não se soubesse à partida, até os israelitas já sabiam isso, mas pronto, o belo do discurso para inglês ver, quando sabem que o objectivo não é concretizável. A destruição de todo o armamento do Hezbollah no Líbano é muito díficil. Mas mais difícil é destruir aquele que ainda nem entrou no Líbano :roll:

Redwarrior, um conselho, abra tópicos específicos para falar dessas situações da Coreia do Norte, ideologia comunista, ou outros temas que voce tem vindo a "tentar" dialogar. Penso que nesse caso a administração do fórum não terá muito a fazer  :wink:
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 01, 2006, 03:01:41 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Lançe-se a Mossad no encalço de Nasrallah, Naim Qassem,  Fayez Mugniyah e o resto da estrutura dirigente do Hezbollah.
E as tácticas a utilizar??
As mesmas de sempre
 
Citação de: "Bravo Two Zero"
Não queremos uma nova falha como em Lillehammer com a morte de um inocente
Foi um caso de excepção que não é comum numa organização conhecida pela sua perícia, o marroquino devia ser mesmo parecido com o Salameh

 Não sabia que o Hezbollah praticava assassinatos fora das zonas que lhe dizem respeito

Citação de: "Bravo Two Zero"
Um dia destes gostaria de saber a sua opinião sobre os seguintes temas , caro RedWarrior, i.e. se não continuar a ser censurado - nisso tem a sua razão:

 :arrow: A "glasnost" e a "perestroika" operadas por Gorbachev
 :arrow: O conflito da Tchechénia
Assim que houverem tópicos abertos sobre isso

Citação de: "migbar2"
Então não é que a acção agressiva dos HEROIS( já que ninguem pode chamar de terroristas ao Hezbollah)
É escusado o sarcasmo, é óbvio que são terroristas mas infelizmente não são os únicos.

Citação de: "migbar2"
a questão do Irão Nuclear... o que muito jeito lhes dá !!!!!?
É verdade, deu-lhes um jeitinho e outro jeitaço deu a administração norte-americana quando iniciou a "crise-do-irão-com-armas-nucleares", aproveitada logo pelo presidente iraniano para mandar os inspectores da Agência Internacional para a Energia Atómica à fava ( aqueles que impedem que um programa energético sirva para encobrir um programa bélico ) e cagar no tratado de não-proliferação. Vamos ver um Irão que desenvolveu armas nucleares com a mesma astúcia que Israel, o Paquistão e a Índia, a menos que os EUA arranjem budget para invadir aquilo ( pelo que tenho lido, aquilo não dá para eliminar com bombardeamentos, ao contrário do caso iraquiano ) ver aqui (http://http)
 
 E penso que o Bush não se pode esticar mais no orçamento, senão fica para a história como o Hitler II. Curtam lá a distribuição dos dinheiros públicos

(http://www.pulsetc.com/image/2006/0308/U.S.military.budget.2004.gif)

Citação de: "migbar2"
com tantos cuidadinhos que os especialistas aqui tanto apregoam, que espaço de manobra sobra a Israel para se poder defender ????
Todo e mais algum, aquilo que eu disse era que primeiro evitava-se, só se não conseguissem recuperar os soldados é que avançavam.

Citação de: "migbar2"
só espero não ser eu a comer daqui a uns anos com uma bomba na cabeça dessa gente que tão defendida é por tantos de vós...

 Paranoias... o irão só utiliza as armas no caso de ser atacado. Tenta-se incutir nas pessoas que mal eles consigam as armas vão andar aí feitos loucos a matar meio mundo...
 É claro que não me agrada que NENHUM país tenha armas nucleares.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 01, 2006, 04:41:59 pm
Citar
QUEM DEU O PRIMEIRO TIRO?
É curioso como a maioria das análises e mesmo das posições internacionais em relação à crise no Médio oriente têm como pressuposto a responsabilidade do primeiro tiro e, como seria de esperar, cada um escolhe o tiro que mais lhe convém.

Independentemente da posição que se possa ter sobre a guerra, a verdade é que esta lógica do primeiro tiro revela, no mínimo ingenuidade, é uma posição tão ingénua como o são cínicos os esforços diplomáticos dos EUA que não escondem que visam marcar passo durante alguns tempos antes de se encontrar uma solução.

Alguém acredita que a operação que está em curso levou meia dúzia de horas a ser preparada? Uma operação militar da envergadura daquela a que estamos a assistir e que está longe de ser concluída leva meses a ser preparada, envolve muito tempo para serem mobilizados os recursos necessários, envolve meios logísticos que mesmo para um estado que faz da guerra a sua forma de relacionamento com os vizinhos leva muito tempo a preparar.

Todos os ataques foram meticulosamente preparados, seguem uma estratégia política, económica e militar que revelam muito pouca espontaneidade, trata-se de uma operação que há muito que foi meticulosamente preparada e cujo lançamento aguardava por um argumento em momento oportuno. O argumento foi o rapto de um soldado, o momento foi o mundial de futebol. Quantos soldados ou civis israelitas já foram mortos sem que Israel tenha desencadeado uma guerra?

Israel conhece os seus adversários melhor do que ninguém, a sua única dúvida é se consegue ou não envolver a Síria ou o Irão na guerra, mais do que destruir o Líbano o desejo de Israel é ver-se livre do poder da Síria, agora que á se livrou do Iraque. Há muitos anos que o poder militar da Síria não é desgastado por uma guerra e o Irão começa a recuperar da guerra com o Iraque, evidenciando uma agressividade externa, ameaçando mesmo a existência de Israel.

O soldado raptado não passa de um argumento, e o maior desejo de Israel é que os terroristas comportem-se como tal.

Citar
NÃO ESTOU DIPOSTO A VIVER NUM BUNKER
Um dos argumentos que estão a ser usados para a guerra no Médio Oriente é o de que Israel está a combater o terrorismo, chamando-se a atenção para a proximidade do Líbano em relação ao sul da Europa.

Que se saiba os países do sul da Europa não têm qualquer conflito com os árabes ou com quem quer que seja e se a Europa se confronta hoje com o problema do terrorismo isso resulta mais das asneiradas da política externa americana e da forma como Israel usa e abusa do seu poderio militar, do que qualquer choque civilizacional, que existe mas não foi provocado pelos europeus.

Pessoalmente estou farto de crises petrolíferas e de uma guerra que nos bate à porta por via do terrorismo devido a um conflito que persiste porque alguns políticos de Israel apostam na expansão territorial e asseguram a sua segurança à custa da destruição e pobreza dos países vizinhos.

Defendo a existência do estado de Israel mas não aceito que Israel faça da sua existência um inferno para todo o mundo e, em particular, para o Ocidente. A paciência tem limites e está na hora de Israel aceitar o estado palestiniano, pondo fim a uma espiral de terrorismo que começou ainda antes da sua fundação e de que algumas organizações israelitas foram protagonistas.

A paz, a tranquilidade do mundo não pode ficar dependente dos objectivos políticos dos governos israelitas, governos eleitos em democracia mas que não raras vezes são reféns de fundamentalistas tão extremistas como os que agora dizem combater.

Não estou disposto a viver num bunker para que Israel possa ser um estado que faz diplomacia com a força das armas, não respeitando as mais elementares regras de convivência internacional colonizando territórios alheios e decidindo que povos têm direito ao seu próprio estado. Defendo o direito à existência do estado de Israel mas oponho-me a que Israel tenha o poder de mudar o meu modo de vida.

Citar
UMA FORÇA DE PAZ NO MÉDIO ORIENTE?
Defendo a paz no Médio Oriente mas sou contra a presença de forças europeias numa força de paz nas condições em que Israel e os EUA pretendem, isto é, uma força que vai ocupar território do Líbano depois de Israel fazer o serviço.

Tal força não vai assegurar a paz no Médio Oriente, vai antes assegurar a tranquilidade de Israel deixando para terceiros países a tarefa de suportar as consequências das suas guerras. Se é uma força de paz então faz sentido que essa força só exista quando estejam garantidas as condições para que haja paz, e essas condições são o respeito por todas as partes das resoluções da ONU. A presença da Europa tem como fundamento esta ainda não ser odiada pelo mundo muçulmano, pelo que não faz sentido ser a Europa a proteger os resultados militares que geraram esse ódio.

Não faz sentido uma força de paz para proteger a fronteira com o Líbano, quando Israel mantém territórios ocupados desrespeitando sistematicamente as fronteiras dos territórios palestinianos. Faz sentido defender a paz, mas uma paz que não envolva a Europa em objectivos políticos decididos entre Israel e a Sala Oval.

Já que Bush  está tão interessado em redesenhar o Médio Oriente e pratica uma diplomacia que só resulta em maior apoio por parte das comunidades muçulmanas ao terrorismo, então que sejam os EUA a assegurar essa força de paz e a enfrentar o terrorismo que promoveram.

Israel só ouve o governo americano e seria trágico que uma força europeia ficasse no meio de uma guerra que aquele país desencadeará se os seus interesses estiverem em causa. Os que promovem a guerra que suportem os prejuízos de uma paz podre, injusta e assente em falsos pressupostos.


Do blogue "O Jumento"
http://jumento.blogdrive.com/ (http://jumento.blogdrive.com/)
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 01, 2006, 05:10:05 pm
Citar
Israel Expands Offensive to Drive Back Hezbollah


Israel sharply stepped up its ground campaign in southern Lebanon after the Israeli cabinet decided early today to expand its operations, aiming to push Hezbollah back from the border before a cease-fire is declared and a multinational force is deployed there.

Israeli troops may push northward to the Litani River, some 15 miles from the Israeli border, cabinet ministers said following the meeting, which ended long after midnight.

Several thousand soldiers have been engaged in the operation, fighting house-to-house battles with hundreds of Hezbollah fighters in Lebanese towns and villages close to the border, but the fighting has been intermittent and closely contained, partly to keep down Israeli casualties.

The intention now seems to be to clear out a wide strip of land along the border into which an international force can deploy without itself having to fight Hezbollah.

Last week, the cabinet called up some 30,000 reserve soldiers, many of whom reported to their bases earlier this week to begin training. The reserves will be used partly for Lebanon and partly to be ready just in case Syria, whose military is on high alert, chooses to broaden the war, Israeli officials say.

"We have reached the stage where we have to expand the operation," said Defense Minister Amir Peretz, without giving the dimensions of the next phase.

News services reported this morning that thousands of Israeli troops were involved in heavy fighting in four spots just north of the Lebanese border. Arab television channels said that three Israeli soldiers were killed. Israeli officials did not confirm those reports, but said that 20 Hezbollah fighters have been killed over the last two days. Later today, officials told news services that 300 of an estimated 2,000 Hezbollah fighters have been killed since the offensive began.

“The goal is to hit at Hezbollah fighters and their weapons arsenals,’’ Justice Minister Haim Ramon said in a televised interview. “And today, we are not doing a bad job.’’

Israeli warplanes stuck targets in the south and east of Lebanon overnight and this morning, according to Agence France-Presse. Israel on Monday announced a 48-hour suspension of its air campaign after a rocket killed dozens of civilians in the village of Qana, but said it would continue to strike Hezbollah leaders or targets that posed a threat to Israel or its forces.

On Monday, Capt. Jacob Dallal, an Israeli Army spokesman, described the air campaign as “reduced compared to regular days,’’ adding that the military was not bombing roads, bridges or structures that might interfere with civilian movements.

Hezbollah resumed firing rockets into northern Israel today, army officials told news services, although no casualties were reported. On Monday, Hezbollah held its fire, with the Israeli Army counting only three mortar shells landing in Israel and no rockets, compared with a record 156 rockets launched on Sunday and about 100 daily before. More than a million Israelis are in bomb shelters.

In Brussels, European nations debated a resolution calling for an immediate cease-fire in the conflict, a position that would put them at odds with President Bush, who has insisted that any halt to the fighting come as part of a package for a “sustainable’’ peace.

Erkki Tuomioja, the foreign minister of Finland, which currently holds the rotating presidency of the European Union, told reporters before the meeting began that Israel’s decision to step up ground attacks was “unacceptable,’’ Reuters reported.

But Britain and Germany opposed the call for an immediate cease-fire, news services reported.

On Monday, Israeli Prime Minister Ehud Olmert defended the campaign so far. "The fighting continues," he told mayors in a nationally televised speech. "There is no cease-fire, and there will not be any cease-fire in the coming days."

Israel’s defense minister, Mr. Peretz, had told a special session of Parliament on Monday that the army “will expand and deepen its operations against Hezbollah.” He suggested that the fighting would not stop until a multinational force was ready with a mandate to use its weapons against Hezbollah if the group breached any eventual cease-fire agreement. He said Israel would demand outside supervision for the border crossings between Syria and Lebanon.

France’s defense minister, Michele Alliot-Marie, said in an interview published in Paris this morning that any international force should have 15,000 to 20,000 troops, far larger than the current United Nations force posted there, and have rules of engagement that would permit its soldiers to open fire when necessary.

“It must be credible and capable of making itself respected by everyone,’’ Ms. Alliot-Marie said. France is considered likely to take the lead in providing a core of any force sent to southern Lebanon.

The evacuation of south Lebanon prompted by the slowdown in the Israeli bombing campaign accelerated today. The head of the municipal council in the coastal city of Tyre said its population had fallen to about 15,000, Agence France-Presse reported. Last week, it swelled to over 100,000 as refugees poured in from surrounding villages but were prevented from fleeing north by Israeli airstrikes on roads and bridges.

On Monday, aid agencies drove convoys of food and medical supplies into the south. Lebanese rescue workers retrieved at least 49 bodies from destroyed buildings, Reuters said.

An Israeli Foreign Ministry official said Israel had agreed to the suspension and a 24-hour safe-passage period for civilians heading out of southern Lebanon as a way to “take the steam” out of Sunday’s bombing in Qana. But he also said the fight against Hezbollah would continue until there was a diplomatic solution that stopped the rocket fire against Israel and that deployed an international force on the border.

“We couldn’t ignore Qana,” the official said, speaking on condition of anonymity, as is customary. “And if we want to continue to get the full cease-fire we want, with an international force, it was important to change the tone and the conversation.”

Vice Prime Minister Shimon Peres, speaking at the Council on Foreign Relations in New York, said the bombing in Qana was aimed at rocket launchers 300 yards from where the civilians were, a distance commanders considered large enough to avoid the risk of hitting them. He said Israel was investigating what had gone wrong.

On Monday, President Bush appeared to back the Israeli position of continuing the war, repeating his insistence that any cessation of hostilities must be “sustainable.”

“A multinational force must be dispatched to Lebanon quickly so we can help speed the delivery of humanitarian aid to the Lebanese people,” he said in Miami. “Iran must end its financial support and supply of weapons to terrorist groups like Hezbollah. Syria must end its support for terror and respect the sovereignty of Lebanon.”

Meanwhile, Israel continued to call up reserve troops and move fresh soldiers to its northern border, to reinforce troops already fighting and to “prepare for any eventuality,” a military spokesman said. While the military has not said how many troops are involved, the maneuvers have led some analysts to suggest that it is planning an accelerated push on the ground before diplomacy closes the window for action.

“I think the only way that they can get in under the wire here is by launching a major ground offensive in southern Lebanon,” said Michael Oren, senior fellow at the conservative Shalem Center. “Otherwise they have no leverage, no tangible gains.”

Iran’s foreign minister, Manouchehr Mottaki, whose country is a main supporter of Hezbollah, arrived in Beirut from Syria and dined at the Iranian Embassy on Monday with Foreign Minister Philippe Douste-Blazy of France, a French diplomat said. It was unclear what they discussed, but Mr. Douste-Blazy said earlier Monday that Iran was “a great country” that “plays a stabilizing role in the region,” a view at odds with the American one.

Israel has come under heavy criticism for what many abroad see as a disproportionate response to the July 12 Hezbollah attack that started the fighting. Yet Israelis are critical of their government for failing to strike more swiftly on the ground to push Hezbollah back from the border.

The continuing ground fighting has given a startling demonstration of how far Israel is from creating an effective buffer between northern Israel and Hezbollah fighters in southern Lebanon; after more than two weeks at war, much of the fighting still took place within sight of the border.

The Israeli leadership has favored air power with guided munitions, which minimizes casualties to its troops but can lead to civilian casualties, as in Qana, when civilians were sheltering in the basement of a building that collapsed after the Israeli strike. The result has been slow progress on the ground and growing international condemnation.

“Israel started this crisis with the most favorable diplomatic position it has ever had in its history, and over the course of three weeks the Olmert government has managed to squander that advantage,” Mr. Oren of the Shalem Center said.

The fighting Monday focused on the villages of Taibe, Al Adeisa and Kafr Kila across the border from Metulla, which is near the Golan Heights. Israeli military officers said the villages were the source of repeated recent rocket barrages on northern Israel, in particular the town of Kiryat Shimona, which was hit Sunday by more than 80 rockets.

Airstrikes may have slowed over Lebanon, but they continued apace over the Gaza Strip, the other front in this war. Five Palestinians were wounded when Israeli aircraft bombed a house in the Sheik Radwan neighborhood of Gaza City. For days now, Israel has targeted homes in residential areas where it suspects weapons are being stored.

News services reported today that a teenage Palestinian boy was killed when an Israeli rocket hit a nearby car containing suspected militants. Three men in the car were said to be wounded.

One of the major questions hanging over the conflict in Lebanon remains the timing of any cease-fire. The sentiment of much of the world, including crucial members of the Security Council like France and Russia, is that a cease-fire should begin no later than the passage of a council resolution authorizing an international force for southern Lebanon.

But that force may not be on the ground for weeks. Israel, Mr. Olmert said, wants a cease-fire only when the international force arrives, so there is no vacuum. An immediate cease-fire with no international presence, the Israelis argue, would allow the rearmament of Hezbollah through the Syrian border and even its reinfiltration to the Israeli border.

“If there’s a cease-fire tomorrow and no international presence, how do you prevent the rearming of Hezbollah?” asked a senior Israeli official. “And if you can’t control that, how can you move to disarm Hezbollah?”

Israeli reaction to Qana was largely one of sorrow, mixed with determination not to end the fighting too quickly and for what many here consider the wrong reasons.

But the country’s most influential columnist, Nahum Barnea, writing in Yediot Aharonot, raised questions about Israeli tactics and leadership. Mr. Barnea wrote about the government’s decision to allow the army to attack civilian houses if Hezbollah rockets and war matériel were stored inside and the population was warned in advance to leave.

In an interview, he said the policy, however justified, courted the Qana bombing, and he criticized Mr. Peretz for being “stupid enough to make it seem like a moral statement.”

In his column, he said Israel had to respond to Hezbollah’s attack with military action, but added, “The question is how and at what cost.” He criticized Mr. Peretz for describing “proudly how he relieved the army of restrictions on harming civilian population that lives alongside Hezbollah operatives.”

“I can understand accidentally harming civilians in the course of combat,” he wrote. “But a blanket directive regarding the entire civilian population of southern Lebanon and the Shiite neighborhoods of Beirut is a hasty and lightheaded act, which courts disaster. We saw the outcome of this yesterday, in the bodies of the women and children that were taken out of the bombed house in Qana.”



http://www.nytimes.com/2006/08/01/world/middleeast/01cnd-mideast.html?hp&ex=1154491200&en=e4ca949f9dec94c9&ei=5094&partner=homepage
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 01, 2006, 05:14:58 pm
Um dia destes o Guerreiro Vermelho - que está a descambar para a ala direita - vai receber a visita de uns senhores que o vão levar a apanhar grãos de trigo para o Alentejo - e assim contribuir para alimentar as massas proletárias, ao mesmo tempo que expia a sua culpa por actividades anti-revolucionárias.
Cuidado.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 01, 2006, 06:47:13 pm
Citação de: "Luso"
que está a descambar para a ala direita
Care to explain...

Citação de: "Luso"
vai receber a visita de uns senhores que o vão levar a apanhar grãos de trigo para o Alentejo

 Não era morto com um tiro atrás da orelha??
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 01, 2006, 07:34:34 pm
Citar
31/07/2006 - 20:17
GUERRA SECRETA - Síria e Israel "testam" defesas secretamente

Damasco e Tel Aviv afirmam publicamente que não têm pretensões de abrir fogo um contra o outro; todos os indícios, porém, levam à abertura de nova frente de guerra

Damasco - O grande temor da comunidade internacional em relação à guerra no Líbano é a extensão da crise e o envolvimento dos países vizinhos. Mas, ao que tudo indica, este envolvimento já é uma triste realidade.

Em reunião secreta realizada aqui em Damasco, os chefes das representações diplomáticas dos 25 países-membros da União Européia (UE) acreditados na Síria foram oficialmente informados por representantes da Finlândia - atualmente na presidência pro tempore da UE - que os entreveros armados entre Síria e Israel já começaram, e que os dois países secretamente "testam" um as defesas do outro. Ambos também estão ocultando todos os entreveros registrados.

O mais perigoso episódio ocorreu no sábado 22 do mês passado, mas foi ocultado por ambos os lados. Dois caças-bombardeiros F-16 israelenses invadiram o espaço aéreo da Síria na região das colinas de Golã, a 15 km ao sul da cidade de Kinetr. A Síria respondeu abrindo fogo antiaéreo. Uma autoridade comunitária que participou da reunião disse que "Israel estava testando a prontidão da defesa síria".

A mesma autoridade, cuja identidade e país representado não serão revelados, declarou que não estava preocupada apenas com os indícios de nova frente de guerra, mas com a disposição do governo de Damasco de "jogar este jogo". "A Síria "permite" a ação na região das colinas de Golã. O governo sírio oficialmente silencia, mas deixa outros "fazerem o trabalho sujo".

"Entre esses "outros" - esclarece o diplomata europeu - está incluído o recém constituído "Exército de Libertação de Golã", que possui bases na Síria, de onde lança mísseis contra o território israelense".

A avaliação é de que esta organização - totalmente controlada pelo governo sírio - também está "testando" a defesa e as resistências de Israel. Assim, também proporciona o álibi perfeito se Israel decidir abrir uma nova frente de guerra contra a Síria, expandindo o conflito no Oriente Médio.

Embora Damasco e Tel Aviv afirmem publicamente que não têm nenhuma pretensão de abrir fogo, os entreveros armados entre os dois já começaram. Durante a reunião secreta dos diplomatas da UE, os embaixadores foram informados de que "Israel já concluiu seu planejamento estratégico para desferir "golpes cirúrgicos" dentro do território sírio, provavelmente utilizando sua força aérea".

Naturalmente, a Síria dá a entender que ela também dispõe de armas secretas, embora todos saibam que é piada comparar a máquina de guerra de Israel com a da Síria. O governo sírio, porém, dispõe de outras vantagens.

O apoio da opinião pública do país ao Hezbollah vem crescendo verticalmente desde o início dos ataques de Israel ao Líbano. A ira do governo e dos cidadãos contra a persistência da comunidade internacional de ignorar o massacre de civis (Javier Solana, comissário da UE para Relações Exteriores, recusou-se a visitar Damasco no momento em que 150 mil refugiados do Líbano buscavam socorro na Síria, e nenhum representante da Síria foi convidado a participar da conferência dos protagonistas do imbróglio em Roma).

Além destes fatores, a popularidade do Hezbollah cresceu extraordinariamente, inclusive nos países que supostamente apoiam "o lado de lá" (Israel), como é o caso da Arábia Saudita e Egito.

Por outro lado - informações da presidência pro tempore finlandesa transmitidas aos embaixadores - "Israel está recebendo contínuas advertências até de seus aliados (como alguns lobbys nos EUA) de que não poderá enfrentar o custo de um confronto terrestre com o Hezbollah, que o número de mortos será elevadíssimo e que o Hezbollah jamais será erradicado".

Mas os "golpes cirúrgicos" contra a Síria têm custo menor em vidas humanas, embora tenham custo maior em termos geoestratégicos. Após o término da reunião, os embaixadores dos 25 países-membros da UE, extremamente preocupados, se apressaram para informar seus respectivos governos de que "a situação na região está fugindo de controle".

Serbin Argyrovitz

Enviado especial.


http://www.monitormercantil.com.br/most ... ernacional (http://www.monitormercantil.com.br/mostra_noticia.asp?id2=2027207624&cat2=internacional)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 01, 2006, 08:17:02 pm
Acerca da questão dos prisioneiros que despoletou este conflito:


Citar
Who are the Mid-East prisoners?  
Israel's military operation against Hezbollah began as a reply to the capture of two Israeli soldiers by the Lebanese militia on 12 July.
The campaign quickly grew into an all-out assault against Hezbollah, but the prisoner issue remains an emotive one among Israelis, Lebanese and Palestinians.

BBC News examines the prisoner issue at the heart of the current Middle East crisis.


ISRAELI SOLDIERS
The latest crisis in the Middle East flared on 25 June, when Corporal Gilad Shalit, 19, was seized by Palestinian militants who attacked an army position at Kerem Shalom, near the eastern edge of the Gaza Strip.

 
Eldad Regev: captured by Hezbollah
He was the first Israeli soldier captured by Palestinians since 1994. Hamas, which dominates the Palestinian Authority government, said it would consider releasing Cpl Shalit as part of a prisoner exchange. His whereabouts remain unknown.

Reservists Ehud Goldwasser, 31, from the northern coastal town of Nahariya, and Eldad Regev, 26, from the town of Kiryat Motzkin, were captured by Hezbollah on 12 July, prompting immediate Israeli military action. Little more has been heard about the pair since their capture.


LEBANESE PRISONERS
Justifying its seizure of the two Israelis, Hezbollah said it mounted the raid in an effort to secure the release of Lebanese prisoners held in Israeli jails.

Although Israel holds thousands of what it calls security prisoners, most of those are Palestinian (see below). Following a major prisoner swap in early 2004, in which more than 400 prisoners were released to Hezbollah in exchange for a reservist colonel and the bodies of three Israeli soldiers, Israel now admits to holding just three Lebanese.

Chief among those is Samir Qantar, serving several life sentences for murder after attacking a civilian apartment block in Nahariya in 1979. A policeman, another man and his four-year-old daughter were killed. A baby girl was accidentally smothered by her mother as she hid in a cupboard.

 
While in prison, Samir Qantar has grown in popularity
Hezbollah leader Sheikh Hassan Nasrallah has frequently called for Qantar's release, threatening to derail the 2004 deal when he was excluded from the list of prisoners. His name has once again been raised during the current crisis. Israel has refused to discuss releasing Qantar, often linking his status to its search for information about Ron Arad, an Israeli airman missing since being shot down over Lebanon in 1986.

Israel also holds an Israel man of Lebanese descent, Nissim Nasser, arrested in 2002 and convicted of spying for Hezbollah. The third Lebanese prisoner is a fighter called Yehia Skaff, Hezbollah MP Nawar al-Sahili told the BBC. Mr al-Sahili said that Israel also holds a fourth man, a fisherman called Ali Faratan.

Israel is also thought to be holding 25 Lebanese citizens of Palestinian origin, many for conventional criminal offences. Their release is not understood to be at the heart of the dispute with Hezbollah.


PALESTINIAN PRISONERS
Since the first Palestinian uprising began in 1987 the vast majority of security prisoners held in Israel have always been Palestinians. According to official figures supplied to the Israeli human rights organisation B'Tselem, 9,153 Palestinians are currently held by civilian and military authorities.

 
Jailed Palestinian leaders often wield considerable influence
Of those, B'Tselem says 8,085 are held in civilian jails, 2,384 of them without charge. Some 645 are held under "administrative detention", without charge and often without knowledge of the suspicions against them. Among those in civil jails are 74 women and 265 under-18s.

Although Israel's army is gradually transferring authority for jails over to civil authority, it still holds 1,078 prisoners, including 105 in administrative detention and 28 youths aged under 18, B'Tselem says.

Figures collated by Palestinians vary slightly from the Israeli tallies, but only slightly: the PLO's negotiations department says approximately 9,400 Palestinians are currently in all Israeli jails, with approximately 800 of those in administrative detention.

Those small differences are as close as the two sides come to agreement on the issue of prisoners. While Palestinian officials call their detainees "political prisoners", Israel says that some 70% of those behind bars have "blood on their hands".

Palestinian officials also criticise the conditions inside Israeli prisons, describing them as "far below minimum standards"; Israel's prison authority says its security prisoners receive the "highest level" of treatment.

The thousands of Palestinian prisoners play an important role in political life. Senior figures from the various Palestinian factions, such as Fatah's Marwan Barghouti, wield considerable influence from their cells on rank and file members on the street. The release of what Palestinians term "political prisoners" is a key demand of ordinary Palestinians and of their leaders.

 



http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5211930.stm (http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5211930.stm)

O sublinhado é da minha autoria.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 01, 2006, 10:19:18 pm
Citar
   

Médio Oriente: Israel avança…


Soldados israelitas foram enviados por helicóptero para a cidade de Baalbek, um dos bastiões do Hezbollah, a norte do Líbano.

01/08/2006
   
(21:45) A informação é avançada à Reuters por fontes da segurança libanesa.

Não é conhecido o objectivo desta operação e não há comentários, até ao momento, por parte do Exército israelita.

De recordar que há um cessar-fogo em vigor até à meia-noite local.


(http://img426.imageshack.us/img426/6070/mapin3.th.gif) (http://http)

A invasão do Libano não se ficava nos 7Km, para criar uma zona tampão (para prevenir, eliminar os ataques do Hezbollah)?
Afinal o que querem os Israelitas?
Um conflito generalizado no médio oriente?
Disso já não tenho dúvidas, pois até há interesses, assim os americanos podiam justificar uma transferência das tropas do Iraque para ir "ajudar" os amigos, e ir combater o eterno inimigo.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 01, 2006, 10:57:45 pm
Será algum raid para capturar ou eliminar alguém da estrutura dirigente do Hezbollah?
Ou já descobriram o paradeiro dos seus soldados raptados e vão tentar resgatá-los?
A esperar por desenvolvimentos..........
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 01, 2006, 11:23:21 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Será algum raid para capturar ou eliminar alguém da estrutura dirigente do Hezbollah?
Ou já descobriram o paradeiro dos seus soldados raptados e vão tentar resgatá-los?
A esperar por desenvolvimentos..........

Se for uma dessas situações que eles (Israelitas) estão a desenvolver, não me escandaliza nada, pelo contrario já o tinha defendido antes.
O que me escandaliza são os bombardeamentos indescriminados, que só atingem população civil, e infranstruturas civis.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 01, 2006, 11:57:20 pm
Citação de: "ricardonunes"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Será algum raid para capturar ou eliminar alguém da estrutura dirigente do Hezbollah?
Ou já descobriram o paradeiro dos seus soldados raptados e vão tentar resgatá-los?
A esperar por desenvolvimentos..........
Se for uma dessas situações que eles (Israelitas) estão a desenvolver, não me escandaliza nada, pelo contrario já o tinha defendido antes.
O que me escandaliza são os bombardeamentos indescriminados, que só atingem população civil, e infranstruturas civis.


Ricardo já ENOJA, a sus insistência com os bombardeamentos indiscriminados.. Você sabem do que está a falar?

"Só atingem a população civil".. Você está a gozar conosco ou quê?

Bem sabe que o objectivo é destruir as bases de lançamentos de misseis, os centros de comando, AAA, bunkers etc.

Morrem civis.. pois morrem, porque os cobrades do Hezbolah tendem a mistura-se com a população, e metem os seus lançadores moveis de misseis junto de populações civis. A própia ONU diz isso, mas como você é o dono da verdade, sabe que os ataques dos Sionistas assasinos é so para matarem civis. Como se os civis fossem que lançasse os misseis contra Israel.

Por favor, cresça!
Título:
Enviado por: Yosy em Agosto 02, 2006, 12:08:43 am
^^^^

exactamente. Apesar de lamentável que sejam os danos colaterais, isto é uma guerra! Estou ao lado de Israel neste ponto.

E o Ministro da Defesa actual é Trabalhista, não é nenhum falcão.
Título: Ultima Hora!!!!
Enviado por: NVF em Agosto 02, 2006, 12:23:21 am
Segundo fontes seguras, existem provas de que todos os alvos libaneses, atacados por Israel ate' ao momento, eram a) santuario para terroristas ou b) locais de armazenamento de armas. Ainda de acordo com estas fontes, estas provas terao sido obtidas pelos mesmos agentes que obtiveram as provas da existencia de ADM no Iraque.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 02, 2006, 12:24:48 am
O NVF com a sua ironia.. :roll:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 02, 2006, 12:25:20 am
Citação de: "Typhonman"
Citação de: "ricardonunes"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Será algum raid para capturar ou eliminar alguém da estrutura dirigente do Hezbollah?
Ou já descobriram o paradeiro dos seus soldados raptados e vão tentar resgatá-los?
A esperar por desenvolvimentos..........
Se for uma dessas situações que eles (Israelitas) estão a desenvolver, não me escandaliza nada, pelo contrario já o tinha defendido antes.
O que me escandaliza são os bombardeamentos indescriminados, que só atingem população civil, e infranstruturas civis.

Ricardo já ENOJA, a sus insistência com os bombardeamentos indiscriminados.. Você sabem do que está a falar?

"Só atingem a população civil".. Você está a gozar conosco ou quê?

Bem sabe que o objectivo é destruir as bases de lançamentos de misseis, os centros de comando, AAA, bunkers etc.

Morrem civis.. pois morrem, porque os cobrades do Hezbolah tendem a mistura-se com a população, e metem os seus lançadores moveis de misseis junto de populações civis. A própia ONU diz isso, mas como você é o dono da verdade, sabe que os ataques dos Sionistas assasinos é so para matarem civis. Como se os civis fossem que lançasse os misseis contra Israel.

Por favor, cresça!

As sua palavras tornam-se ofensivas.
Se os bombardeamentos por parte de Israel não estão a atingir a população civil do Libano demostre.
Como já perguntei, esta acção por parte de Israel já fez parar os ataques do Hezbollah ao território de Israel?
E quero-lhe dizer que não sou dono da razão muito menos da verdade, simplesmente, como anteriormente tinha dito não concordo com os ataques indiscriminados e aliatórios, e vou continuar com a minha opinião  por muito que isso o ENOJE, como anteriormente referiu.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 12:28:01 am
Ricardonunes, não nos podemos esqueçer que uma parte dos civis mortos em principio são Hezbollah (but who´s counting right?).

Ou acha que eles andam identificados como tal? Eu vou mais na linha que foi o Real Madrid a fornecer os uniformes, e por tal, Israel devia bombardear Madrid :twisted: !
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 02, 2006, 12:51:37 am
Citação de: "Marauder"
Ricardonunes, não nos podemos esqueçer que uma parte dos civis mortos em principio são Hezbollah (but who´s counting right?).

Ou acha que eles andam identificados como tal? Eu vou mais na linha que foi o Real Madrid a fornecer os uniformes, e por tal, Israel devia bombardear Madrid :twisted: !

Essa parte é quanto?
Nas noticias houve-se os sr.'s de Israel a dizer que reduziram ou Hezbollah um 1/3 dos militantes.
Mas o que me dá a entender é que os restanes 2/3 estão a lutar bravamente,
e a alistaren-se pais, irmãos e filhos( pela causa do Hezbollah , pelos mortos provocados pelos ataques de Israel.
Marauder
, será que é preciso as tropas de Israel encontrarem alguém identificado como elemento do Hezbollah para pararem com os ataques?
E é como disse como é que é os vão identificar?
Não vestem Uniforme, no país deles são resistentes, guerrilheiros, embore considere os ataques fora da fronteira e contra alvos civis (premeditados) como terrorismo.
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 02, 2006, 12:58:07 am
Citar
Ou acha que eles andam identificados como tal? Eu vou mais na linha que foi o Real Madrid a fornecer os uniformes, e por tal, Israel devia bombardear Madrid  :mrgreen:
hmmmm
Acho que vou mandar uns mails para Israel  :twisted:  :twisted:  :twisted:
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 01:03:08 am
Citação de: "ricardonunes"
Essa parte é quanto?
Não se sabe :wink:
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 02, 2006, 01:14:00 am
Citação de: "Marauder"
Infelizmente para Israel, se eles quiserem resolver a situação terão que dialogar com os terroristas, e nada mais. E não é assim tão chato, já o fizeram no passado, porque não outra vez. E se a regra de muita gente aqui no fórum é "não se dialoga com terroristas" aonde está a excepção?

Precisamente por ja o terem cometido esse erro no passado e dados os resultados (ou mais precisamente a falta deles) e' que dificilmente o voltarao a cometer...

Citar
Israel-Hizbollah Prisoner Exchange
In exchange for the bodies of three Israeli soldiers, missing since October 2000, and one Israeli businessman, abducted in October 2000 under questionable circumstances, Israel released more than 430 Arab prisoners on January 29, 2004. Those released by Israel included 400 Palestinian prisoners who were released to the Palestinian Authority in the West Bank and Gaza Strip. Another 29 prisoners from Arab nations, and a German-citizen who worked with Hizbollah, were flown to Germany and then most went to Lebanon. In addition, the bodies of approximately 60 Lebanese terrorists were handed over to the International Committee of the Red Cross at the Israel-Lebanon border near Rosh Hanikra.

The prisoner exchange was the latest example of Israel's determination to bring its soldiers home, dead or alive. In 1985, Israel freed 1,150 prisoners in exchange for three Israeli soldiers kidnapped in Lebanon by the Popular Front for the Liberation of Palestine (PFLP)-General Command. Many of the Arabs who were freed became leaders in the first Palestinian intifada.

The three soldiers in the latest swap, Benny Avraham, Adi Avitan and Omar Suwaeid, were abducted by Hizbollah while on patrol near the Lebanese border in October 2000. Elhanan Tannenbaum remains a figure surrounded by rumors. Tannenbaum is believed to have been traveling in Abu Dhabi when he was abducted in October 2000. The day before the release, he appeared on al-Manar, Hizbollah television, saying that he came to search for information on Ron Arad and, "at the same time I came to do something for my own house from a financial point of view."


Contiua em: :arrow: http://www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/Society_&_Culture/prisonerswap012904.html
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 02, 2006, 02:03:54 am
Citação de: "Marauder"
Citação de: "migbar2"
É extraordinário perceber como tanta, mas mesmo TANTA gente é contra Israel ! Eu não quero ser arrogante, mas penso que a isto só pode estar associado determinada distracção ou ignorancia, ou tendencialismo politico de esquerda ( toda a gente sabe das suas ligações com a palestina !...Dr. Mario Soares, Dr. Alvaro Cunhal, O.L.P. e coisa e tal...coisas já muito antigas!! ).

Migbar2, essa tua resposta é digna do Bush..."Se não estão comigo, estão com os terroristas".

Não é por tentarmos compreender a situação do lado libanes/Hezbollah que nos faz de esquerda.

Mas se quiser rotular todos aqueles que falam do Hezbollah e das mortes civis de esquerda está à vontade :roll:

Enquanto Israel continuar a ocupar as quintas de Sheeba e a ter prisioneiros libaneses (não sei se Hezbollah luta também pela libertação dos prisioneiros palestinianos), vai haver uma fonte para a criação de terrorismo ou luta armada como entenderem.

Mas Israel penso que não está disposto a libertar os terroristas que possuí. É um trade-off interessante. Se não os liberta porque são terroristas, mais terroristas atacarão Israel e provavelmente não haverá paz. Se Israel os liberta, assume um GRANDE RISCO, mas poderá haver condições para a paz.

E a guerra continua, e aparentemente eu sou de esquerda segundo o Migbar2 :shock:  :shock: .
Não me estava a referir a ninguem em particular e alem do mais levantei outras duas possibilidades.
É muito bonito falar de concessões e de paz. Atire com uns foguetes para o meu quintal e depois pode esperar pelas concessões...mas espere sentado  :roll:  :snipersmile:
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 02, 2006, 02:17:29 am
Perdoem-me a insistencia mas devo acrescentar que não gosto de ser comparado com o Bush. Sou evidentemente pró Americano e pró Israelita e pró Inglês e pró tudo menos Chineses, Norte Coreanos, apeladores á Guerra Santa e afins...agora não sou nem penso como o Bush.
Mas já agora desafio todos os anti Americanos a imaginarem uma China, uma Coreia do Norte, um Irão, uma Síria...todas as "vitimas do sistema" enfim com o poder dos E.U.A. Devem pensar que podiam andar por aí a mandar as opiniões livremente não? E os nossos Governos só alinhavam naquilo que quisessem, não é? E já agora aonde é que fica o país das maravilhas ?
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 02, 2006, 02:48:24 am
Muito bem migbar2 :wink:
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 08:27:58 am
Citação de: "Azraael"
Precisamente por ja o terem cometido esse erro no passado e dados os resultados (ou mais precisamente a falta deles) e' que dificilmente o voltarao a cometer...


Azraael, a "coisa" só resulta (talvez) se libertarem todos...peço desculpa por não ter sido explícito nessa parte.

Migbar2, concordo consigo e com o Azraael, que mais vale ser pró ocidental, pró imperio americano ou europeu que uma super china, ou mesmo russia.

No entanto, acredito que devemos discutir caso a caso, havendo flexibilidade nas opiniões. [Isto é, umas vezes a favor dos EUA, outras nem por isso, infelizmente recentemente tem sido mais o "nem por isso".] Pessoalmente, adoptando uma opinião egoísta [hiper criticável] posso dizer que nem me chateia muito o que os EUA fazem, é o sangue dele, não o nosso. Pior é que quando os "cruzados pela democracia" (hihi) envolvem a Nato para fazer o seu papel...[começo e fim de off-topic..é apenas a minha opinião, se querem discutir abram outro tópico c34x
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 09:40:10 am
Citar
Unicef: menores são um terço dos 620 mortos no Líbano
Os menores de idade representam cerca de um terço das 620 vítimas mortais no Líbano desde o início da ofensiva israelita contra o Hezbollah, indicou esta terça-feira o director de programas de emergência do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), Dan Toole.

De acordo com a Unicef, 200 menores morreram no conflito e cerca de um terço dos 3.200 feridos também têm menos de 18 anos.

01-08-2006 16:50:08

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238228 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=238228)

Ok, mesmo admitindo que 5-10% desses menores pertenciam ao Hezbollah, e acrescentando o numero de mulheres mortas (umas 80%, com tolerância de 20% fazerem parte do Hezbollah), quantos "civis" não civis restam?

 [falta o numero acerca das mulheres para tentarmos um resultado melhor]

Com 90% de menores civis dá...180 mortos..

Já sei já sei, as bases de lançamento estavam nas escolas (não estou a ser TÃO irónico, sei bem que provavelmente até estavam algumas em escolas, hospitais, e o resto em apartamentos normais).
Título:
Enviado por: Doctor Z em Agosto 02, 2006, 11:38:43 am
Concordo com alguns de vocês que é menos pior ter os EUA super potência
do que a China, a Coreia do Norte ou o Irão, mas não deixo de
discordar com a política dos EUA (nós e mais ninguém) : não estou (totalmente)
com os EUA, porque parte da culpa têm na eles da situação vivada no
médio oriente (moudjidin do Afeganistão, Bin Laden, ...), mas também
condeno fortamente todos os massacres, sejam eles produzidos por o
Hezbollah ou pelo o exército israelita.

Agora, o que era interessante saber, era o sucesso alcançado pelo o
Israel na luta contra o Hezbollah, porque finalmente ouve-se muita coisa,
mas concretamente pouca coisa de interessante se conhece. E as vítimas
no Israel, também se ouve pouco falar ...

Aliás, o governo do Líbano, como encara este conflito no seu território ? O
exército libanese, onde está ?

Muitas perguntas, para poucas respostas ... Apenas se vêem (e se tornam
a ver) as mesmas imagens na TV de bombardeamento para fazer sensacionalismo,
mas de facto, qual é a realidade no terreno ?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 02, 2006, 11:50:55 am
O esquecimento de Kemal Zughayer

Citar
As imagens que o Fazendo Media usa nesta série de reportagens sobre os crimes de guerra que ora se cometem no Oriente Médio são fortes, mas poderiam ser piores. Não faltam exemplos de atrocidades israelenses que serão devidamente apagadas e substituídas pela imagem de árabes demonizados e transformados em "monstros", enquanto terroristas de Estado são mostrados como racionais e civilizados e podem até ganhar o Prêmio Nobel da Paz.

O alarde de alguns casos trabalhados com afinco pela imprensa empresarial se transforma em silêncio, dependendo de quem for a vítima.

Na primavera de 2002, por exemplo, o então líder israelense Sharon investiu duramente contra um campo de refugiados em Jenin, deixando um rastro de destruição. Os jornalistas britânicos Justin Hugles e Phil Reeves, do jornal The Independent, descobriram à época "os restos esmagados de uma cadeira de rodas" nas ruínas de um acampamento. "Ela estava totalmente esmagada, achatada como se fosse uma caixa. No meio dos escombros, havia uma bandeira branca esfarrapada", escreveram os jornalistas.

Fatos minimizados


A reportagem, de 25 de abril de 2002, relata que um palestino aleijado, Kemal Zughayer, foi morto à bala enquanto tentava subir a estrada em sua cadeira de rodas. "Os tanques israelenses devem ter passado por cima de seu corpo, porque quando [um amigo] o encontrou, faltavam ao corpo uma perna e os dois braços. O rosto, ele contou, estava partido em dois", escreveram Hugles e Reeves.

"Ainda que noticiado nos Estados Unidos, tal fato seria minimizado como um erro involuntário no curso de uma retaliação justificada", opina Noam Chomsky. "Kemal Zughayer não merece ser incluído nos anais do terrorismo [ao lado de vítimas israelenses]. Seu assassinato não foi comandado por um monstro, mas por um homem da paz [como George W. Bush classifica Ariel Sharon], que mantém relações calorosas com o homem de visão que habita a Casa Branca".

Novamente, em 2006, não faltam atrocidades provocadas por armas de destruição em massa dos Estados Unidos e de Israel. Em um dos mais recentes, uma mulher e seis crianças morreram no vilarejo de Nmeiriya, no sul do Líbano, vítimas de um bombardeio aéreo esta semana. De acordo com o Ministério da Saúde do Líbano, mais de 750 pessoas - em sua maioria civis - morreram em ataques de Israel desde o início do conflito, no início de julho de 2006. Do lado israelense, morreram pelo menos 51 pessoas, sendo 18 civis. Segundo as Nações Unidas, ao menos 30% dos mortos no Líbano são crianças.

"O chicote paira sobre suas cabeças"
Em 2002, em Jenin, Nablus, Ramallah e outros lugares, Sharon tomou de assalto estas cidades, nivelando áreas com escavadeiras e tanques, sitiando a população durante semanas sem comida, água ou acesso à assistência médica, destruindo centros culturais, instituições governamentais e tesouros arqueológicos, deixando absolutamente claro - conforme escreveu Boaz Evron, destacado comentarista da imprensa empresarial israelense - que "o chicote paira sobre suas cabeças". Segundo a lógica de Evron, se opor a isso é sinônimo de antisemitismo.

É comum ouvir na imprensa empresarial brasileira e internacional que, em decorrência destas atrocidades, a "imagem" de Sharon, Bush, Blair e outros líderes identificados com o poder militar foi atingida. A reparação aos acontecimentos é feita a fim de "resgatar a imagem de liderança na região", ao passo que a reparação às famílias das vítimas nem sequer é citada por esta mesma imprensa. Uma visão fácil de ser entendida por executivos da área de marketing, mas incompreensível em uma profissão que tem como imperativo a informação voltada para o interesse público.

[http://www.fazendomedia.com/diaadia/nota010806.htm]

Editorial Fazendo Media

www.fazendomedia.com (http://www.fazendomedia.com)

A despeito da imbecilidade humana, que avança em progressão geométrica, por exemplo, ao debater “crimes de guerra”, como se a própria guerra não fosse um crime em si, o genocídio promovido por EUA e Israel no Oriente Médio segue avassalador.

Para ser noticiado foi preciso que o massacre adquirisse proporções capazes de tornar impraticável a omissão da imprensa hegemônica, até mesmo para que ela não caísse em descrédito absoluto.

Mas não nos deixemos enganar. Essa mídia, sustentada pelos mesmos interesses que aterrorizam o Oriente Médio, não vai além do superficial, embora, nesse caso, o superficial possa ser confundido com denúncia contundente. Não é. Imagens chocantes têm o poder de chocar, mas não de explicar.

Essa mesma imprensa silenciou durante décadas enquanto terroristas de terno e gravata tomavam de assalto EUA e Israel. Durante anos, enquanto esses dois países oprimiam o resto do mundo, o que se viu foi o silêncio cúmplice dos meios de comunicação de massa. A cada lei sórdida aprovada sem debate, a cada Ato Antipatriótico imposto pelo Império, nada se via além de discussões sobre o aborto ou o casamento gay.

Ou será que um Estado terrorista surge assim, de repente, da noite para o dia?
A verdade é que a mídia hegemônica não está verdadeiramente interessada em salvar vidas no Oriente Médio. Desgraça vende. Além disso, os principais órgãos de imprensa dos EUA pertencem à indústria bélica. E na terminologia das corporações, genocídio vira “guerra”. Assassino de terno e gravata vira “líder”. Resistente vira “terrorista”. E quem não concorda com o coreto vira “anti-semita”.
   
E assim o controle da produção subjetiva se explica. Porque há sempre o receio de que chefes de outros Estados, amparados pelas massas, cortem relações diplomáticas com os criminosos. E dessa forma ameacem a única preocupação real dos governos terroristas e seus acionistas: o lucro ilimitado.

A propósito, o que fazem os EUA no Iraque enquanto a covardia israelense destrói Líbano e Palestina?

Gustavo Barreto, para o FAZENDO MEDIA, 01.08.2006


http://port.pravda.ru/news/mundo/02-08- ... 99-kemal-0 (http://port.pravda.ru/news/mundo/02-08-2006/12199-kemal-0)
Título:
Enviado por: Lampuka em Agosto 02, 2006, 12:33:23 pm
Citação de: "migbar2"
Perdoem-me a insistencia mas devo acrescentar que não gosto de ser comparado com o Bush. Sou evidentemente pró Americano e pró Israelita e pró Inglês e pró tudo menos Chineses, Norte Coreanos, apeladores á Guerra Santa e afins...agora não sou nem penso como o Bush.
Mas já agora desafio todos os anti Americanos a imaginarem uma China, uma Coreia do Norte, um Irão, uma Síria...todas as "vitimas do sistema" enfim com o poder dos E.U.A. Devem pensar que podiam andar por aí a mandar as opiniões livremente não? E os nossos Governos só alinhavam naquilo que quisessem, não é? E já agora aonde é que fica o país das maravilhas ?

Eu por mim prefiro ser EUROPEU e PRÓ-EUROPEU, como aliás sou, e não me revejo nos extremismos islâmicos, chineses, coreanos, israelitas e afins e muito menos em pseudo-democracias perfeitas como a americana, carregada de podres internos que têm sido por demais vistos e com politicas externas completamente incoerentes, com vários pesos e medidas, ao sabor dos seus interesses económicos.
Mal por mal, volto a repetir, EUROPEU, e penso que já seria tempo de procurarmos exemplos para seguir "cá dentro" e deixarmo-nos de ir procurar o tal "país das maravilhas" lá longe quando temos melhores mais próximos.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 02, 2006, 05:09:08 pm
Ao menos aqui na Europa não precisamos de ir ao Chipre para casar pelo civil, nem precisamos de tirar um curso de 6 meses de judaísmo com o Rabino local para termos nacionalidade, nem são impostas mutilações sexuais a menores do sexo masculino sob pretextos religiosos, não existem 3 tribunais diferentes consoante a religião para questões familiares que são sustentados com dinheiro público ( mas com mais fundos para a religião oficial do Estado ), não há 3 tipos de ensino diferentes onde em todos eles é obrigatória a aprendizagem da religião, o Estado não financia a construcção de sinagogas, cristãos e muçulmanos não são discriminados no trabalho, não é proibido o casamento entre judeus e não judeus, há divórcio caso a mulher assim o queira e precisamos de Constituição visto não termos o Torah.
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 02, 2006, 05:42:50 pm
Este tipo deve ser o super homem... ou deus, visto tar em todo o lado...

http://eureferendum.blogspot.com/2006/0 ... s-man.html (http://eureferendum.blogspot.com/2006/07/who-is-this-man.html)
http://eureferendum.blogspot.com/2006/0 ... inues.html (http://eureferendum.blogspot.com/2006/08/green-helmet-mystery-continues.html)
http://eureferendum.blogspot.com/2006/0 ... truth.html (http://eureferendum.blogspot.com/2006/08/we-need-to-know-truth.html)

ou sera que e' so um "actor" pago pelo Hezbollah? Nao deixa de ser engracado que aparecam sempre os mesmos dois tipos nas fotos...
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 02, 2006, 06:18:02 pm
Ó ricardonunes o PRAVDA.RU não é um exemplo de imparcialidade.....e eles próprios fazem questão de o afirmar:


Citar
O jornal PRAVDA fechou menos que um ano antes de celebrar o seu 80° aniversário. Contudo, não se pode dizer que o jornal existia continuamente durante 79 anos: os que estudaram a história da imprensa da União Soviética saberão que PRAVDA foi fechada várias vezes durante a época Tsarista.

Porém, pode ser elaborado uma corrente histórica desde 1912 até 1991: o jornal foi uma publicação do Partido Comunista e como tal, tornou-se propriedade do estado. Esta corrente foi rompida com o conhecido directivo do então Presidente russo em 22 de Agosto de 1991. O Partido Comunista e sua equipa de jornalistas nem lutaram pelo seu jornal nem em prol da sua história, decidindo registar um novo jornal com o mesmo nome pouco depois.

Os gerentes do novo jornal não resistiram às tentações da nova época e dos novos correntes económicos: o então Chefe de Redacção (e actual Presidente do Parlamento Russo) Gennady Seleznyov, deixou o jornal nas mãos de vigaristas gregos que diziam que eram Comunistas.

O próximo Chefe de Redacção, Alexander Ilyin, deu a marca da PRAVDA – as medalhas soviéticas do jornal Comunista que as autoridades tinham permitido que esse novo jornal usasse – e a certificação de registo emitido em Agosto de 1991 aos novos proprietários gregos, os Yannikos.

Nesta altura, aconteceu uma cisão profunda na redacção. Mais que 90% dos jornalistas que tinham trabalhado pela PRAVDA até ao golpe de estado de 1991 deixaram seus postos de trabalho, estabelecendo sua própria versão do jornal, que foi então fechada sob pressão do governo.

Estes jornalistas tinham de levar a sua luta para o ciberespaco e lançou-se o jornal PRAVDA On-Line em Janeiro 1999, o primeiro jornal russo deste tipo. Nós achamos que o jornal novamente registado e esta versão de Internet tem um direito moral igual para continuar a história do jornal que Boris Eltsin fechou em Agosto de 1991. O número de jornalistas que trabalham nas sedes das duas publicações é comparavel ao número de jornalistas que trabalhavam na PRAVDA na altura em que foi fechada.

Apesar dos jornalistas das duas publicações estarem ainda em contacto, temos conceitos diferentes quanto às notícias acerca da Rússia e do Mundo. O jornal PRAVDA analisa os eventos do ponto de vista dos interesses do Partido, enquanto PRAVDA On-Line segue uma política pró-Rússia.

Concordam connosco que isso cria um mundo com uma diversidade mais rica?


http://port.pravda.ru/about/ (http://port.pravda.ru/about/)

Mas é mais uma opinião..........
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 02, 2006, 07:06:58 pm
Bravo Two Zero, é como disse, é apenas uma opinião.
Dois link's de blocos noticiosos de Israel.
http://www.haaretz.com/ (http://www.haaretz.com/)
http://web.israelinsider.com/home.htm (http://web.israelinsider.com/home.htm)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 02, 2006, 09:12:21 pm
Do DD:

Citar
Líbano: C-130 português vai transportar ajuda humanitária

Um avião C-130 da Força Aérea Portuguesa vai transportar, sexta-feira e sábado, ajuda humanitária do Programa Alimentar Mundial (PAM) da Itália e Chipre para o Líbano, afirmou quarta-feira à Agência Lusa uma fonte governamental.
O pedido de transporte de alimentos e medicamentos para Beirute foi feito ao Governo português pelas Nações Unidas, acrescentou a mesma fonte.

No regresso a Lisboa, vindo Cabul, onde está estacionado um contingente militar português, o C-130 faz uma paragem sexta-feira na base militar de Brindisi (Itália) para recolher os alimentos que levará para Beirute, acrescentou a mesma fonte.

No sábado, o avião segue para Larnaca (Chipre), de onde fará dois voos para Beirute, com uma carga de medicamentos também para a capital do Líbano, alvo de ataques diários de Israel.

Os ataques tiveram início a 12 de Julho, em resposta à captura de dois soldados israelitas, dentro do território de Israel, por parte de militantes do movimento xiita libanês Hezbollah, que responde com ataques de rockets.

As Nações Unidas estimam que este conflito tenha causado entre 700 a 800 mil deslocados.

O PAM está a coordenar a missão humanitária, encarregue de distribuir cerca de 40 toneladas de alimentos.

O C-130 está em missão de apoio ao contingente da NATO no Afeganistão, onde as Forças Armadas portuguesas têm destacados cerca de 150 militares.

Diário Digital / Lusa



http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238352 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=13&id_news=238352)
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 02, 2006, 09:52:13 pm
Citar
Israeli army divided, resistance tough
Jul. 28, 2006 at 1:57PM

As Israeli troops sustained considerable casualties in the fighting in south Lebanon, the Israeli military appeared divided over the course of operations.

Disagreement broke out between the Mossad intelligence service and military intelligence at a meeting of the inner cabinet for security and political affairs Thursday over the evaluation of Hezbollah's force and capacity to resist a long offensive.

The two sides also could not agree on the extent of damage inflicted on Hezbollah's military infrastructure as a result of military operations which have been going on without respite for the past 17 days, Israeli daily Haaretz reported Friday.

In addition to differences between the intelligence apparatuses, sharp criticism was voiced within the military institution about the course of military operations in south Lebanon, reflecting confusion over the proceeding of the war conduct.

The military correspondent at Israel's Channel One television reported that high-ranking IDF officers are highly critical of the way military operations are being executed in south Lebanon and have accused military intelligence of underestimating Hezbollah's strength and failing to prevent the Shiite group from kidnapping Israeli soldiers despite previous unsuccessful attempts.

The officers charged that army command in north Israel failed to sound the alarm following Hezbollah's attack in the Ghajar area last November, which the army considered an attempt to kidnap Israeli soldiers.

The ongoing war in Lebanon was sparked by Hezbollah's kidnapping of two soldiers on July 12, which it sought to swap for Lebanese and Arab prisoners in Israeli jails.

 The officers were highly critical of the way the commander of the northern front, Gen. Udy Adam, was leading the operations in south Lebanon.

They went as far as requesting Army Chief of Staff Dan Halutz "to act like other chiefs of staff had acted during previous wars by appointing support officers on the side of the officers who fail to prove themselves during the war in Lebanon."


de:
http://washingtontimes.com/upi/20060728 ... -7065r.htm (http://washingtontimes.com/upi/20060728-012734-7065r.htm)

Nem tudo corre bem na Terra de David..
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 03, 2006, 03:24:08 am
Quanto a essa de ser EUROPEU , eu cá prefiro, com defeitos e tudo ser Português . A minha região deu e dá, muita gente à França, vão perguntar-lhes o que é ser Europeu aonde os Argelinos fazem o que bem lhes apetece !! Europeu não é Nação nem País. Cada um tem a sua forma de ser e de ver o mundo. Para mim, estar no Porto ou em Lisboa é a mesma coisa...estar em Madrid ou Barcelona já tem algumas diferenças, agora Berlim, Bruxelas, etc ??? Estou no ESTRANGEIRO...mais nada. Europeu ???? Basta haver uma crisesita internacional que já ninguem se entende...cada um puxa para o seu lado  :roll: .
Tenho a certeza que em caso de ameaça séria á integridade territorial, alguns destes países Europeus que não vou identificar para não provocar reacções negativas, demorariam dez vezes mais tempo no nosso auxilio que os E.U.A. Pois claro, mas tudo aqui pelo Europeu. Ao fim de novecentos anos de gente a morrer para manter este quintal independente, os seus filhos descobrem em VINTE ANOS que a sua nacionalidade é EUROPEU... estamos bem, estamos mesmo muito bem.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 03, 2006, 03:44:31 am
Mais uma vez.. Muito bem migbar2. :wink:
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 03, 2006, 09:07:10 am
Mais informações acerca do ataque à IN Hanit:

Citar
Intelligence failure led to strike on Hanit

By Alon Ben-David and Richard Scott

A preliminary Israel Navy investigation into the circumstances surrounding the missile strike suffered by the Sa'ar 5 Eilat-class missile corvette IN Hanit has acknowledged that the incident was largely the result of an intelligence failure that led to operational gaps.

Early indications are that the warhead of the Iranian-supplied Noor anti-ship cruise missile (ASCM) that hit Hanit off Lebanon on 14 July did not detonate. Even so, the missile - fired by Hizbullah forces - killed four crew and inflicted severe damage to the ship's flight deck and steering systems.

According to Major General Gadi Eisenkott, the Israel Defence Force (IDF) Chief of Operations, Hizbullah operatives received targeting information from the Lebanese Navy's radar station in Beirut. "That is why we destroyed all the radar stations along the Lebanese shore immediately after the attack," he said.

Israel has accused Iran of deploying military advisers alongside Hizbullah to enable the deployment and operation of the Noor system - a clone of the Chinese C-802/YJ-2 'Saccade' radar-guided ASCM.

"From now on we have to assume that every weapon that exists in Iran has also been supplied to Hizbullah in Lebanon," a senior IDF source told Jane's. "We are prepared for more surprises," said Maj Gen Eisenkot.


http://www.janes.com/defence/naval_forc ... _1_n.shtml (http://www.janes.com/defence/naval_forces/news/jni/jni060728_1_n.shtml)
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 03, 2006, 11:11:21 am
Citar
Agonizing Choices for an Israeli Fighter Pilot
Exclusive: After the deadly Qana strike, a veteran pilot tells TIME of the wrenching everyday decisions whether to attack what could be the enemy or innocent civilians
By TIM MCGIRK/JERUSALEM


How do you make a moral, life-or-death decision while streaking across the Lebanese sky at twice the speed of sound? That is the excruciating dilemma that Israeli pilots say they face dozens of times every day during air raids over Lebanon. If a fighter pilot sees the fiery blob of rockets being launched toward Israeli cities, should he go ahead and blast the target — even though it might kill Lebanese women and children near the site where Hizballah militiamen are launching their rockets?

And it is a particularly significant question now, in the wake of an Israeli air attack on Sunday that killed nearly 60 Lebanese refugees, mainly children, who had taken shelter from a heavy Israeli bombardment in an apartment building in Qana. The incident remains under investigation, and few details of the actual attack are known. But an Israeli Colonel, who asked to be identified only by his initial A. and who commands a fighter squadron that has flown 1,000 sorties over Lebanon during the past 20 days, spoke exclusively to TIME about the agonizing choices in general that Israeli pilots are forced to make while fighting an enemy who disguises himself among the ordinary Lebanese people.

The pilots may be able to turn around and fly home at the end of the day, but that doesn't mean it's a question of shoot and forget. On the contrary, like everyone else, they return home to watch the international news of Israeli bombing runs gone wrong: cars of fleeing families hit, apartment buildings smashed and hundreds of Lebanese civilians killed.

"When I see dying women and children," says Col. A. "I feel pain. I think about my own children. But I also feel pain when I see that people are being killed by rockets in Haifa — and I know that they died because of Hizballah."

The colonel, 42, a steely aviator in a flight suit, says he doesn't prevent his men from watching the scenes of destruction wrought by Israeli warplanes in Lebanon, even for the sake of morale. "I can't order them `Don't watch TV.' But my men know they're doing the right thing.' He says that from the first day his airmen enter flight training school, they're taught that "they have massive destructive power in their hands." He adds, "They're very conscious of this."

He says that in every mission, a pilot tries to check and double-check that a target is free of civilians before he presses the trigger on his weapons. Before firing, the pilot must first get clearance from a superior officer tapped into intelligence data and in radio contact with ground troops. Still, the decision to fire ultimately rests with the fighter pilot. "We've had many cases of canceling missions, returning with our bombs, because at the last minute the pilot saw people who weren't Hizballah," says Col. A, who points out that in the dozens of daily sorties made by his pilots, they nearly always hit their targets without killing innocent Lebanese civilians.

"We're very cautious — for moral reasons and because we know the strategic consequences," he says referring to the tragedy in Qana, which raised an international outcry against the Israelis. He recounted one incident in which a fighter jet hit a rocket launcher once, but the pilot wasn't sure that the launcher was destroyed. When he put his jet into a dive for a second attack, he pulled out at the last second when he saw that many civilians had come running to the target after his first attack. The strike was called off.

Col. A spent a year training with U.S. airmen in Alabama, and all shared their experiences — and frustrations — over 21st-century warfare in which air power is no longer facing conventional, easily identifiable armies but stealthy terrorists who use civilian populations as both shields and targets. He says, "We're fighting the same battle as the U.S. is with al-Qaeda." Hizballah, he says, are hard to spot among Lebanese civilians because they don't wear uniforms and they ride around on motorcycles and in pick-up trucks. Hizballah also hides its rocket launchers in houses, garages and in teeming neighborhoods, he alleges.

By the 20th day of the air campaign, the Israeli air force had finished the relatively easy part of the job, blasting away most of Hizballah's larger long-range missiles. Many of them, Col. A. says, were kept in Hizballah arsenals in Beirut. "We have fewer big targets left," he says, adding that Israeli warplanes were able to take out a long-range missile launcher just three minutes after one of its rockets hit south of the Haifa seaport.

That initial level of success means that the current task is becoming more difficult. Now, the Israelis are hunting for rocket launchers small enough to fit in the back of a pickup truck or that can be fired from an apartment balcony. "It's like a match. They can only use their rockets once before we strike them," the colonel says.

Col. A claims that the Israelis are probably the most cautious airpower in history. But he knows that there is no latitude for error. "In the morning I look in the mirror and I ask myself: "Am I happy with what I'm doing? There's no absolute truth, no absolute morality. I'll do everything I can to prevent killing innocent people. But if I see that Hizballah is firing rockets from Lebanese houses, and it's going to put my soldiers, my civilians in Haifa or wherever, in danger, then I'll put my own people first. I have to." Still, in the heat of battle, that clarity doesn't make a pilot's split-second, wrenching decisions all that much easier to make.


de:
http://www.time.com/time/world/article/ ... 54,00.html (http://www.time.com/time/world/article/0,8599,1221954,00.html)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 03, 2006, 12:29:34 pm
Fatal Strikes
Israel’s Indiscriminate Attacks Against Civilians in Lebanon

http://hrw.org/reports/2006/lebanon0806 ... wcover.pdf (http://hrw.org/reports/2006/lebanon0806/lebanon0806webwcover.pdf)
Título:
Enviado por: Yosy em Agosto 03, 2006, 12:56:28 pm
Bons artigos. Continuem a posta-los  :G-Ok:
Título:
Enviado por: Lampuka em Agosto 03, 2006, 01:07:45 pm
Citação de: "migbar2"
Basta haver uma crisesita internacional que já ninguem se entende...cada um puxa para o seu lado  :roll: .

Aí, infelizmente,  tem toda a razão. Mas repare que mesmo nestes casos há sempre ingerências de "alguém" de fora que tem muito interesse nestes desentendimentos. A porta de entrada tem sido um tal de "Boby" Blair, que se preocupa mais em acertar posições com o parceiro transatlântico do que com aqueles que deveria e que são seus parceiros na UE.
Título:
Enviado por: Lampuka em Agosto 03, 2006, 01:24:52 pm
Citação de: "migbar2"
Ao fim de novecentos anos de gente a morrer para manter este quintal independente, os seus filhos descobrem em VINTE ANOS que a sua nacionalidade é EUROPEU... estamos bem, estamos mesmo muito bem.

Tenha calma e não entre em paranoias. Ninguém está a dizer que deixou de ser português. Aquilo que eu digo é que, quer se goste ou não, nós passamos a fazer parte de uma organização, a EU, e deveremos assumir isso. Em tudo. Logo, também na politica externa. Enquanto não puxarmos todos para o mesmo lado é impossivel essa ligação ser positiva. É utópico? Talvez, mas pelo menos será coerente.
Além disso, mesmo em termos de defesa, penso que será demasiado perigoso continuar a existir e até aumentar o desequilibrio de forças actual. Na guerra fria existiam dois "lados", o ocidente e o leste, teóricamente equilibrados e existiam negociações, por vezes dificeis, ameaças de guerra, algumas escaramuças, etc. Neste momento só há um lado, o dos EUA, que não negoceia nem escuta ninguém, que faz o que quer e entende, que menospreza e não respeita as instituições (a Onu, por exemplo), e que até boicota o comércio entre países só porque considera determinados "não amigos" (o caso da Venezuela foi o último). Penso que este tipo de desequilibrio não é benéfico e que a unica hipótese de contrapor alguma coisa é uma EU forte.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 03, 2006, 07:06:59 pm
Citar
Pronto a pensar

   1. Israel só existe por vontade do poder imperialista dos EUA, e quem não se revolta é neocolonialista.
   
   2. O Hezbollah é um mero peão da Síria e do Irão, e quem não o compreende é islamófilo e anti-americano.
   
   3. Israel é um Estado tão laico e democrático como Portugal, os EUA ou a França, e quem tiver dúvidas é anti-semita.
   
   4. O Hezbollah é um movimento de libertação tão respeitável como qualquer OLP ou Fretilin, e quem não concorda é anjinho.
   
   5. Temos que apoiar a democracia israelita, mesmo que sacrificando qualquer hipótese de haver uma democracia no Líbano.
   
   6. Temos que compreender o bombismo suicida, faríamos o mesmo contra os espanhóis.
   
   7. Do outro lado não há crianças.

 http://esquerda-republicana.blogspot.com/2006/07/pronto-pensar.html
 
 No "pensamentos-sob-a-forma-de-comida-já-mastigada-pelos-intelectuais-de-serviço-e-reconhecidos-pelo-status-quo"
 eu acrescentaria um:

 8. Israel é terrorista ou O Hezbollah é terrorista. Usem todos os argumentos necessários para persuadir a opinião pública, não há empates, só um é que pode ser terrorista.
 
 Na caixa de mensagens também temos um comentário interessante sobre os "bastiões do hezbollah".

Citar
Entre Cila e Caríbdis, sofrem os do costume

(http://aspirinab.weblog.com.pt/run.jpg)

Pacheco Pereira, logo ecoado pela coorte habitual, vem explicar-nos que o uso da palavra "massacre", a propósito do ataque a Qana, é propagandístico. Por estes dias, também ficámos a saber que mostrar cadáveres de crianças é crime, quiçá até pior do que causá-los.
A reboque, marcha um pelotão variado: dos irrelevantes crónicos aos mais articulados. Estes últimos explicam-nos que "ao contrário do Hezbollah, Israel não faz qualquer ataque deliberado a civis libaneses". Deliberado. De propósito, portanto. Já tínhamos lido coisas do mesmo jaez a propósito da morte dos observadores da Unifil, apesar dos 10 contactos que estes tiveram com as forças armadas israelitas a queixar-se da proximidade do bombardeamento — para nada. É que Israel não procura a morte de civis; apenas faz pouco para as evitar. (Imagino que a sua grande e única preocupação seja mesmo nunca bombardear nada com cidadãos americanos nas redondezas. Se um dos capacetes azuis "massacrados" fosse yankee, presume-se que a presente ofensiva já teria sido interrompida.)
E este é o ponto-chave desta guerra. Não estamos a testemunhar um conflito civilização-barbárie. É certo que de um lado temos o Islão mais extremista, fonte de obscurantismo, promotor de infindas violações dos direitos humanos, princípio motor de alguns dos movimentos e governos mais pavorosos deste mundo. Mas do outro lado não encontramos a linda e angelical democracia que muitos lobrigam em Israel. Trata-se de um país muito mais próximo de Esparta do que de Atenas; um estado que já se rege por algumas leis abertamente racistas; uma nação convicta da sua superioridade e até da sua comunhão directa com o Altíssimo; eleitores que procuram escolher os governantes mais radicais e belicosos. Só um país paralisado pelo medo e aguilhoado pela arrogância é que poderia desculpar as últimas acções das suas Forças Armadas. Claro que chegará o dia em que o arrependimento será chorado pelas ruas de Tel Aviv; mas sempre tarde demais.
Hoje, para quem defende Israel a outrance, todos os argumentos são válidos. Só haverá "massacre" quando se provar que houve intenção de massacrar, não apenas negligência criminosa; a "proporcionalidade" é uma invenção de cúmplices da Al Qaeda (como se durante anos Israel não tivesse lidado com os lançadores de foguetes a contento, com operações de tropas de elite e bombardeamentos de precisão); o ataque a edifícios cheios de civis é desculpado pelo lançamento prévio de folhetos a exortar os seus habitantes a ir viver para a estrada, a caminho de um campo de refugiados que os possa receber.
Hoje, há quem escolha criteriosamente a versão da história recente em que quer acreditar, elegendo como certa a única timeline que faz preceder o rapto de soldados do Tsahal pelo Hezbollah de um bombardeamento com foguetes a cidades israelitas; tudo para que a resposta posterior pareça mais equilibrada, suponho (1, 2, 3, 4, 5, 6, 7... é fácil encontrar pistas de que não foi assim, até em dados do min. dos Negócios Estrangeiros de Israel. Não que faça grande diferença). Mas nada há de surpreendente nisto: também andam por aí a querer convencer-nos de que esta maré de violência tem como origem a independência de Israel, em 1948, fazendo de conta que não existia já então uma tremenda bagagem de ódio, terrorismo e massacres (sem aspas) a envenenar tudo e todos por ali.
Se alguém quiser continuar a crer que se trata de um conflito entre inocentes árabes e cruéis israelitas, tudo bem. Se preferirem achar que as bombas com a estrela de David são redentoras e os foguetes são armas de terroristas sem humanidade, idem. Mas creio que já está na hora de abrirmos os olhos para os monstros que se digladiam hoje no Médio Oriente. E vermos que a único partido que urge tomar é o dos inocentes apanhados de permeio.


http://aspirinab.weblog.com.pt/2006/07/entre_cila_e_caribdis_sofrem_o_1.html#comments

Não tive paciência para pôr os links...
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 03, 2006, 07:23:24 pm
Citar
Ester Mucznik não fala por mim

(após leitura da crónica habitual de Ester Mucznik no Público de 21 de Julho de 2006)
artigo de Alan Stoleroff, judeu, professor de sociologia no ISCTE

Enquanto todos os jovens israelitas são obrigados a servir o Estado nas forças armadas, Ester Mucznik (a nossa própria "Investigadora em assuntos judaicos") é uma voluntária, oferecendo os seus serviços à máquina propagandística zionista gratuitamente e por convicção identitária. Contudo, a sua apologia, composta na "calma tensa" de Tel Aviv, da solidariedade da população israelita face à realidade da guerra, inclusive dos deputados árabes (mentira), não deve impressionar muito a opinião pública informada em Portugal ou na Europa em geral.

Mesmo aqueles que assumem o seu "ocidentalismo" nas "guerras culturais" actuais não ficam  indiferentes à "desproporcionalidade", ou seja, à brutalidade e criminalidade, da resposta das forças armadas israelitas à provocação (irresponsável) do Hizbollah do dia 12 de Julho que se baseia nos princípios de castigo colectivo e na estratégia explícita do uso da força máxima. O quartel -general da força aérea israelita anunciou que foram 23 toneladas de bombas a atingir a sede do  Hizbollah em Beirut!

Mesmo quem não viu as fotografias da destruição do sul de Beirut, onde o povo do Hizbollah se concentra, entende que não é com avisos à população que se vai evitar que a matança transbordasse para a população civil quando se deixa cair 23 tonelados de bombas numa zona urbana. Ou será que as forças armadas israelitas identificam todos os shias com Hizbollah, e portanto todos (idosos, mulheres, crianças, homens não-pertencentes às milícias) são alvos - secundários mas aceitáveis porque os danos colaterais são um mal menor quando se trata da segurança de Israel?

Em Beirut e no sul do Líbano não reina uma "calma tensa"; reina a fuga das populações civis deliberadamente e assumidamente provocada pelas forças armadas israelitas, e reina a guerra, a invasão de forças terrestres israelitas que se confrontam directamente com as tropas do Hizbollah numa tentativa de operação de limpeza. Vamos ver se o exército israelita (IDF) efectua  uma limpeza: se tratarem dos cadáveres abandonados pelas populações em fuga, se recolherem os mísseis iranianos de Hizbollah, se criarem de novo uma zona tampão entre o Líbano e o norte de Israel etnicamente limpa das populações shiitas apoiantes do Hizbollah para que uma força internacional aceitável ao governo israelita possa reocupá-la.

É interessante e revelador que Ester Mucznik nos escreve que as coisas não voltarão à situação anterior que foi criada pela retirada "voluntária" de Israel do sul de Líbano e de Gaza (ou seja, o Hizbollah e a resistência palestiniana não tiveram qualquer impacto nas decisões de retirada das duas zonas?!?). Ester Mucznik agora junta a sua voz aos proponentes da direita que criticam Barak e Sharon por terem alterado as formas de ocupação desses territórios, a segunda com base na política da "separação unilateral" e "convergência".

Estes comentários de Mucznik são reveladores porque representam um pensamento israelita de que é necessário agora acabar uma tarefa, ou seja, acabar com "eles". Apesar de ser identificado como "traidor" à causa judaica em sites da extrema-direita zionista, enviam comunicados para o meu endereço de e-mail (se calhar pensam que um judeu sempre será susceptível à "solidariedade" racista e nacionalista) e um último comunicado a circular foi mesmo neste sentido que parafraseio assim: "Aproveitemos da situação, em que o mundo ocidental compreende a justiça da nossa resposta aos ataques ao nosso território soberano e aos raptos dos nossos soldados corajosos e puros, para acabarem uma vez por todas com eles.!" No caso do sul de Líbano o quartel geral das IDF está a anunciar que a operação vai durar algum bom tempo além da semana que Bush e Condoleza atribuíram para o trabalho.

Mas Mucznik não escreveu sobre a guerra aos palestinianos em Gaza e não acho que foi um esquecimento: é para confundir a sequência de acontecimentos que produziram a ofensiva israelita contra Gaza com a provocação do Hizbollah no norte. Sobre a situação em Gaza Mucznik critica Vital Moreira (que caracterizou os actos militares das forças de resistência palestiniana do Hamas e Jihad Islâmica como "resistência legítimo à ocupação") para nos fazer entender que também no sul é Israel que é vítima de agressões dos islamitas, como se pudesse comparar o lançamento de rockets caseiros Quassans aos ataques de F-16s e Apaches, como se pudesse comparar a captura de um soldado israelita ao aprisionamento e rapto de milhares de palestinianos militantes da resistência e suspeitos de resistência. (É sabido que no dia anterior à captura do soldado Shalit, a tropa israelita tinha raptado vários palestinianos do Hamas em Gaza.) Portanto, tudo serve para liquidar a crítica à ocupação israelita que dura quase 40 anos.

Em vez de fazer apologia e elogio a esta tendência de solidariedade e de fechamento das fileiras da população israelita Mucznik deveria criticar a continuação de uma estratégia desastrosa para o Estado de Israel e para a segurança relativa da população do Estado. A paz e o reconhecimento mútuo não virão do "reafirmação da dignidade e da força dissuassora" das forças armadas israelitas; só virá o ódio de povos dilacerados e humilhados.

Este governo do  Kadima, com a ajuda do líder de Labor, Peretz, dirigente da Histadrut, ex-proponente do "processo de paz" como o seu colega, Peres, Prémio Nobel que foi o autor da violência contra Líbano na campanha "Grapes of Wrath", escolheu esta estratégia da resposta maciça de forma análoga como tem vindo a desenvolver a sua estratégia de "convergência", ou seja, da delineação unilateral das fronteiras de Israel e de anexação e de consolidação do apartheid. Toda a evolução que produziu a conjuntura actual deriva da política de Israel e dos EUA em negarem os resultados da eleição democrática na Palestina, para recusar a negociação do que quer que seja, porque não há parceiro aceitável para tal, esta política que é um corolário da política dos EUA de Bush e Cheney para Iraq e o Médio-oriente.

Toda a política de Israel, desde a sua rejeição sob o governo de Netanyahu de qualquer simulacro de um "processo de paz", tem sido a negação de oportunidades para a obtenção de paz e para uma resolução dos conflitos, coberta por um discurso hipócrita  e duplíce , e como a maior parte da política de Israel desde as guerras de 67 e 73, estas políticas "fracassaram" produzindo sempre as consequências não-intencionadas de políticas de curto prazo e curta visão cínica.

A invasão do Líbano para esmagar a OLP em 1982 produziu Hizbollah, a promoção do Hamas como contrapeso à Fatah durante a primeira Intifada resultou na expansão do movimento islamista contra os corruptos e ineptos que regressaram de Tunísia, a ganância para manter e expandir os colonatos após os acordos de Oslo e a arrogância estúpida de ter explorado e humilhado Arafat e a Autoridade Palestiniana e não ter produzido um acordo final e justo quando havia uma oportunidade, a tentativa de isolamento do governo de Hamas.

 Mas a realidade é que desde Netanyahu - com o intervalo do governo de Barak que também perdeu as suas oportunidades diplomáticas devido à duplicidade que derivou do tratamento arrogante de Arafat e da questão dos refugiados - desde então a estratégia do Estado de Israel não tem a ver com um "processo de paz" no sentido da resolução do conflito político territorial com base na solução de dois estados viáveis. A paz procurada pela política israelita era a submissão dos palestinianos a um estado fantoche fundado sobre bantustans e a anexação sem compensação da maior parte dos colonatos de Cisjordânia.

Em contraste com Ester Mucznik escrevo a partir de Lisboa onde consigo distanciar-me da claque da nosso tribo e consigo ver o sofrimento e a tragédia tanto dos palestinianos e dos libaneses como dos israelitas. Contudo estou também consciente da  desproporcionalidade brutal na contagem das vítimas, e a desvantagem não é do lado do "meu povo", muito longe disso e em todos os indicadores.

Lembro-me que a vitimização do Holocausto não justificará nunca a política racista baseada na vingança contra todo o mundo e sobretudo os povos árabes e islâmicos. Rejeito a política da administração Bush/Cheney de destruição do Iraq e do Médio-Oriente e rejeito a estupidez e a cegueira teimosas que nos levam a negar que seja a ocupação dos territórios palestianos conquistados em 67 a causa profunda e básica de guerra e a não ver que esta guerra vai arrastar o mundo inteiro para o desastre.

Ester Mucznik não fala por mim; estou do lado dos 500-600 israelitas que se manifestaram em Tel Aviv no domingo da semana passada contra a guerra e contra a ocupação.

Alan Stoleroff, judeu, professor de sociologia no ISCTE, Lisboa, 21 de Julho de 2006


http://www.esquerda.net/index.php?option=com_content&task=view&id=250
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 03, 2006, 07:39:42 pm
RedWarrior, embora o texto tenha mais factos a assinalar eu retiro este:

Citar
"Aproveitemos da situação, em que o mundo ocidental compreende a justiça da nossa resposta aos ataques ao nosso território soberano e aos raptos dos nossos soldados corajosos e puros, para acabarem uma vez por todas com eles.!"
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 03, 2006, 09:49:35 pm
Mais uma dos maricas que estão no parlamento europeu.


http://dn.sapo.pt/2006/08/03/internacional/ (http://dn.sapo.pt/2006/08/03/internacional/)

enjoy  yourself! :lol:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 03, 2006, 09:52:22 pm
Será o braço armado do Hizbollah uma "cambada" de terroristas desorganizados/organizados, ou um grupo de resistentes, á imagem dos resistentes que se conhecem, doutros conflitos?
Ou um exercito organizado, pobre em tecnologia, mas que não precisa dela pois usa a astúcia e a estratégia para se fazer compesar?

Citar
Hezbollah's Army Revisited
By Bill Roggio

The skill and training of Hezbollah's Army in southern Lebanon becomes clearer after details emerge about Wednesday's fighting in Bint Jubayl, where the Israeli Defense Force's elite Golani Brigade and Hezbollah fighters have been slugging it out since last week. The most recent combat in Bint Jubayl claimed the lives of 9 Israeli soldiers and wounded 27. The Jerusalem Post provides further information about the fighting in the town the IDF recently claimed was under their control.

    Dozens of Hizbullah gunmen armed with antitank missiles and machine guns and geared up in night-vision goggles and bulletproof vests set a trap for a force of Golani infantrymen... [Lieutenant Colonel Yaniv] Asor and his men moved quickly through approximately 15 one-story homes. But as the troops moved through the narrow alleyways, a strong Hizbullah force sent a wave of gunfire and missiles at the force, killing and wounding several soldiers in the first moments of the fight. As Asor and his men fought to regain control of the situation, other Hizbullah cells outflanked them and opened fire on the force as well as other IDF positions in the town... The battle lasted for several hours during which Asor and his men sustained heavy casualties and killed at least 40 Hizbullah guerrillas, some in gunbattles at point-blank range... Wednesday evening, after the IDF had once again declared it had secured the town, a Paratrooper force nearby was hit by a Sagger antitank missile... [1 IDF paratrooper was killed and three wounded]

There is one problem with the description: the statement "other Hizbullah cells outflanked them" should read "other Hizbullah squads outflanked them." Terrorist cells are by definition clandestine in nature. This ambush was the work of well trained and well armed infantry, conducting attacks at the squad and platoon level.

We began discussing Hezbollah's military capabilities on July 21, after it became clear during the ambush of the Golani Brigade forced the unit to retreat near Maroun al-Ras that Hezbollah was not your average militia. On that date we noted "Hezbollah also possesses mortars, RPGs, anti-tank and anti-personnel mines, anti-tank missiles and possibly surface to air missiles.... Hezbollah is using infantry tactics and fighting at the squad and platoon level." The IDF's slow advance (over two days) into Bint Jubayl and the ambush on a tank unit were clear indications of Hezbollah's abilities to stand up to the IDF as well as the IDF's cautious nature on the battlefield. Yesterday we confirmed Hezbollah is fighting at the company level, has specialized units (mortars, antitank, logistics, etc.) in its combat units and is using sophisticated communications equipment, body armor and other gear.

This is not to say the IDF cannot defeat Hezbollah's army on the battlefield; the IDF can, and has done so at Maroun al-Ras, Bint Jubayl and elsewhere. But this comes at a cost in casualties, a cost the Israeli government seems unwilling to pay.

Hezbollah's actions on the battlefields of southern Lebanon should give the Israelis, the West and neighboring Arab governments reason to worry. In just two weeks, Hezbollah has been fighting the Israeli military to an effective standstill on the ground (remember that time is not on Israel's side due to pressure to accept a cease fire). Not only is Hezbollah fighting at the platoon and company level, but fighting effectively during the initial engagements. al-Qaeda in Iraq (3 years of fighting) and the Taliban in Afghanistan (almost 5 years of fighting) have yet to reach such a level of effectiveness on the battlefield.

Iran has trained a proxy army that now sits on the border with Israeli, an army that cannot be dealt with from the air. If this problem is kicked down the road, Hezbollah will be that much more dangerous. And everything we think we know about Iran's conventional military capabilities needs to be rethought.
July 27, 2006 02:21 AM


http://www.youtube.com/watch?v=ShqPIXQh ... =Hizbollah (http://www.youtube.com/watch?v=ShqPIXQhE58&search=Hizbollah)
http://www.youtube.com/watch?v=f-HeWBxV ... =Hizbollah (http://www.youtube.com/watch?v=f-HeWBxVRJY&mode=related&search=Hizbollah)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 03, 2006, 11:01:30 pm
Typhonman, julgo que o seu post se refere a esta noticia "UE não considera Hezbollah terrorista ", sou cinsero só a vi agora mas julgo que o meu último post responde á sua dúvida, principalmente o primeiro video.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 04, 2006, 05:07:37 am
Citação de: "ricardonunes"
Typhonman, julgo que o seu post se refere a esta noticia "UE não considera Hezbollah terrorista ", sou cinsero só a vi agora mas julgo que o meu último post responde á sua dúvida, principalmente o primeiro video.

 Discordo, julgo que os dois lados do conflito são terroristas pois ambos atingem maioritariamente a população civil.

 Vê este video e ficamos a saber o que move o hezbollah pela boca do seu líder:
 http://www.youtube.com/watch?v=9zzOwQJYv2U

 Em relação a Israel basta conhecer a sua história e ver as suas últimas acções para se perceber que é um Estado terrorista.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 04, 2006, 06:49:11 am
Citar
ONU apela para uma acção imediata contra maré negra no Líbano
O Programa das Nações Unidas para o Ambiente ( PNUA) apelou quarta-feira a um cessar-fogo no Líbano, para permitir controlar a maré negra que já está a afectar a costa litoral da Síria e pode provocar uma catástrofe mundial.

Segundo a agência da ONU, baseada em Nairobi, Quénia, a mancha de petróleo derramada na sequência do bombardeamento de tanques da central eléctrica de Jiyyeh, a sul de Beirute, atinge 80 quilómetros da costa do Líbano e já chegou à Síria.

«Há três semanas que a central foi bombardeada e as primeiras imagens d e satélite confirmam que a mancha é grande e está a mover-se», disse o director- executivo do PNUA, Achim Steiner.

«Uma resposta coordenada deve ser lançada rapidamente para limitar os estragos no meio ambiente e os prejuízos que, a longo prazo, podem afectar a economia e o povo libanês», sublinhou o responsável.

Diário Digital / Lusa

03-08-2006 0:32:00

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238356 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=114&id_news=238356)

Mais um "recuerdo" israelita para o Líbano..

"Israel..ajudamos a formar terroristas desde 1947 (damos-lhes a motivação necessária :arrow: Afinal o ataque em Cana fez 28 e não 52 mortos
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238383 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=238383)

 :arrow: Death toll até ao momento:

Citar
Oito civis e 2 soldados israelitas mortos no 23º dia conflito
Oito civis israelitas morreram esta quinta-feira no norte de Israel, zona atingida por uma centena de mísseis disparados pelo Hezbollah a partir do Líbano, onde dois soldados israelitas foram mortos em combate, disseram fontes israelitas.

Três pessoas morreram na localidade de Maalot, perto da fronteira com o Líbano, e quatro em São João de Acre, a 25 quilómetros da fronteira, precisou fonte policial.

Mais tarde, os serviços de socorro israelitas comunicaram a existência de mais um morto em São João de Acre.

Dois soldados israelitas foram hoje mortos no sul do Líbano, em Aita al-Chaab, e dois ficaram feridos em confrontos com militantes do Hezbollah, indicou uma porta-voz do exército.

Mísseis disparados do Líbano caíram também em Kyriat Shmona, Tiberíades, Rosh Pina e Safed. Segundo a rádio militar, perto de uma centena de mísseis já caiu hoje no norte de Israel em menos de uma hora.

Os confrontos entre Israel e o movimento xiita libanês Hezbollah causaram desde o início, a 12 de Julho, a morte de mais de 900 pessoas no Líbano e de 63 do lado israelita.

Segundo a comissão de emergências do governo libanês, 835 civis, incluindo 30 por cento de crianças com menos de 12 anos, morreram no Líbano, assim como 25 militares e polícias, a que se juntam os 44 combatentes anunciados pelo Hezbollah e os seis militantes do seu aliado xiita Amal.

O conflito custou ainda a vida a quatro observadores das Nações Unidas, a um elemento da Força de Interposição da ONU no Líbano (Finul) e à sua mulher.

O número de feridos no Líbano é de 3.265, segundo a comissão.

Quanto aos deslocados, ascendem a 913.760, dos quais 220.000 deixaram o território libanês. Este número inclui os cerca de 100.000 estrangeiros ou libaneses com dupla nacionalidade que foram retirados do país, de acordo com uma contagem da AFP.

Em Israel, 25 civis foram mortos pelos mísseis do Hezbollah desde o início do conflito, assim como 39 militares.

As perdas materiais libanesas estão avaliadas em 2,5 mil milhões de dólares (1,95 mil milhões de euros).

A aviação israelita retomou hoje os seus ataques a Beirute e a outras zonas do Líbano, enquanto continuam os combates no sul, após mais de três semanas do conflito.

Depois de vários dias de calma, os bairros do sul de Beirute, feudo do Hezbollah, foram bombardeados novamente hoje de madrugada e os aviões de combate sobrevoaram a baixa altura a capital libanesa.

Segundo meios de comunicação libaneses, os caça-bombardeiros israelitas também atacaram hoje a região de Al Baiyada e várias áreas do vale de Bekaa.

Ao mesmo tempo, no sul do país, intensificaram-se os combates entre as milícias do Hezbollah e as tropas israelitas, com 10.000 soldados, que prevêem completar hoje a colocação numa faixa de segurança em território libanês até à chegada de uma eventual força internacional.

Diário Digital / Lusa

03-08-2006 18:11:46

de:
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238446 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=238446)
Título:
Enviado por: Doctor Z em Agosto 04, 2006, 10:45:10 am
Estão as coisas cada vez melhores ...

Mas insisto : o governo libanês e o exército (regular), qual será a posição
deles ?
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 11:30:59 am
Concentração "Paz no Líbano" dia 16 de Agosto
Deu hoje entrada no Governo Civil de Lisboa um requerimento destinado a anunciar uma concentração pela paz no Líbano às 18.30 do dia 16 de Agosto, junto à Embaixada de Israel, na rua António Enes.
Este conflito já provocou mais de 800 mortos e quase um milhão de desalojados. Todos aqueles que se sentirem solidários com o povo Libanês são bem vindos.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 04, 2006, 02:45:39 pm
Lobo vão lá estar os seus amigos da frente nacional?

Já agora porque não se manifestam a frente da representação da OLp em Portugal contra as vitimas civis Israelitas( aquelas que ficaram despedaçadas nos atentados suicidas em autocarros).
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 04, 2006, 02:54:39 pm
Já agora posta aí as organizações que subscreveram a acção...não me quero misturar com atrasados mentais.
Título:
Enviado por: Pantera em Agosto 04, 2006, 05:26:07 pm
Citação de: "Typhonman"
Lobo vão lá estar os seus amigos da frente nacional?

Já agora porque não se manifestam a frente da representação da OLp em Portugal contra as vitimas civis Israelitas( aquelas que ficaram despedaçadas nos atentados suicidas em autocarros).


é bem provável que os nazis lá estejam...
eu também nao percebo porque raio vão se manifestar contra israel visto que nunca o fizeram contra os islamicos e suas organizações quando estes rebentavam em autocarros cheios de civis inocentes.

compreendo que israel tenha morto pessoas inocentes,no entanto está na sua legitima defesa de retaliar contra estes fanáticos,não está é no seu direito de bombardear determinados sitios assim sem mais nem menos...
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 04, 2006, 05:35:31 pm
Citar
Israeli air power falls short as offensive in southern Lebanon fails to halt Hezbollah rocket attacks
By Arie Egozi in Tel Aviv

Offensive fails to halt Hezbollah rocket attacks despite mounting intense air campaign into southern Lebanon
Israel's ongoing campaign against Hezbollah militants in southern Lebanon has served to illustrate the limitations of air power, with more than 4,500 offensive sorties conducted by the country's air force so far having failed to halt the barrage of rockets falling on cities and towns in northern Israel.

"An air force cannot stick the flag on the hilltop," says chief of the Israeli general staff and former air force commander Lt Gen Dan Halutz. His comment reflects a growing feeling in the country that air power alone cannot resolve the crisis, even though the fighting is between a well-equipped military and a guerrilla organisation.

Dubbed Operation Change of Direction by Israel, the war in Lebanon broke out on 12 July, after Hezbollah fighters attacked an Israeli patrol along the nations' shared border, killing several soldiers and capturing two. The Israeli air force had by the middle of last week performed over 4,500 combat missions, predominantly using its Lockheed Martin F-16 fighters (below), with more than 700 offensive missions flown using its Boeing AH-64A/D Apache attack helicopters.
 
 Israeli air force F-16s had flown the bulk of the 4,500 combat missions recorded by the middle of last week

In response, Hezbollah had fired almost 1,400 rockets and missiles into Israel by 26 July. Israeli intelligence estimates the organisation has amassed a stockpile of 13,000 rockets since Israeli forces withdrew from southern Lebanon in 2000.

Israel launched massive air strikes against Hezbollah leaders and command-and-control facilities in southern Lebanon and Beirut following the border clash, but the limitations of its tactics rapidly became apparent. One of the organisation's heavily reinforced bunkers in Beirut survived the attacks, including one strike in which air force F-16s dropped 23t of bombs on the target almost simultaneously. In preparation for another attempt, Israel last week took accelerated delivery of Raytheon GBU-28 bunker-busting bombs ordered from the USA last year under a $30 million deal to equip its Boeing F-15Is.

OPINION
 
The accuracy and destructive force of Israel's air power has increased since the 1970s. This time its effectiveness is limited. Read our leading article.
The air force relied on Israeli intelligence data to raid a pre-set "bank" of targets in southern Lebanon, with its efforts also aided by conducting a record number of missions with unmanned air vehicles. The service used Israel Aircraft Industries (IAI) Searcher 2 and Elbit Systems Hermes 450 air vehicles to transmit real-time data directly into the cockpits of its strike aircraft, with a direct hit against a truck carrying Iranian-made Zelzal long-range missiles in Beirut one notable success. The air force has been able to conduct almost free flights over Lebanon in the face of only minimal and ineffective anti-aircraft fire from Hezbollah.

In the first days of the fighting, Israel's main effort was to destroy Hezbollah's ability to launch Katyusha rockets and Iranian and Syrian-sourced Fajr-3, Fajr-5 and Zelzal missiles into its territory. This effort was partially successful, but the massive scale of the Hezbollah offensive could not be halted, despite round-the-clock air activity. The air force conducted precision attacks against mobile rocket launchers concealed near trees and buildings in southern Lebanese villages, but has caused a high level of collateral damage in Beirut due to Hezbollah's location of command centres in residential areas. The service dispensed warning leaflets over some city areas in an attempt to minimise the number of civilian casualties.

The demands of the conflict have placed a huge burden on Israeli pilots and ground crews, and many reserve pilots have been called up for duty. The service had also lost four aircraft by last week, including one F-16I to a landing-gear failure on take-off and three Apaches. Two AH-64As collided in mid-air while preparing for a mission in Lebanon on 20 July, killing one crew member and injuring another three. An AH-64D Apache Longbow was also lost on 24 July, when its main rotor separated during a fire suppression mission near the Lebanese border.

An investigation into the latter incident is centred on either a catastrophic mechanical failure or on the aircraft having been struck by Israeli ground fire, as artillery batteries were producing a high volume of firepower in the crash area at the time of the accident.

Israel's inability to intercept incoming rockets has prompted its defence forces to field a limited early-warning capability, deploying a Patriot missile battery to the northern city of Haifa - which has so far been hit by over 1,000 projectiles - to provide a 1min warning of incoming fire. Israel's two IAI Arrow anti-ballistic missile batteries are incapable of defending against the less-sophisticated rockets.

Israel in May selected a joint proposal from Rafael and Raytheon to develop a "hit-to-kill" weapon to meet a new requirement for a short-range anti-ballistic missile defence system. Intended to intercept Kas­sam rockets fired from Gaza and mis­siles launched from Lebanon, the system will be developed using funding from Israel and the USA.

In the first phase of the fighting, the air force tried to stop the rocket barrage almost on its own, with ground forces later crossing the Lebanese border. Former air force chief of staff Maj Gen (Res) Eitan Ben-Eliahu argues that the difficulties being experienced in tackling Hezbollah do not stem merely from air power limitations. "Air power or ground power or a combination of these alone cannot achieve the goal of a country like Israel that was forced to fight," he says. "If the military power is not complemented by diplomatic actions its effect is greatly reduced."


de:
http://www.flightglobal.com/Articles/20 ... ocket.html (http://www.flightglobal.com/Articles/2006/08/01/Navigation/177/208214/Israeli+air+power+falls+short+as+offensive+in+southern+Lebanon+fails+to+halt+Hezbollah+rocket.html)
Título:
Enviado por: Lampuka em Agosto 04, 2006, 06:12:55 pm
Citação de: "Pantera"
Citação de: "Typhonman"
Lobo vão lá estar os seus amigos da frente nacional?

Já agora porque não se manifestam a frente da representação da OLp em Portugal contra as vitimas civis Israelitas( aquelas que ficaram despedaçadas nos atentados suicidas em autocarros).

é bem provável que os nazis lá estejam...
eu também nao percebo porque raio vão se manifestar contra israel visto que nunca o fizeram contra os islamicos e suas organizações quando estes rebentavam em autocarros cheios de civis inocentes.

compreendo que israel tenha morto pessoas inocentes,no entanto está na sua legitima defesa de retaliar contra estes fanáticos,não está é no seu direito de bombardear determinados sitios assim sem mais nem menos...


Se somarem os mortos e feridos inocentes do lado israelita desde os anos oitenta, sejam dos autocarros ou outros, de certeza que encontram um número muitíssimo menor do que os do lado palestiniano.
E só nestas 3 últimas semanas, já morreram quase o mesmo número de inocentes libaneses.
Além disso estamos a falar de "fanáticos", como bem lhes chamaram contra o que se esperaria que fosse um país desenvolvido, com forças armadas responsáveis e treinadas e usando tácticas correctas.

Agora, quando se abate tudo o que mexe e destroi tudo o que está de pé, na práctica arrasando um país que desde o inicio disse que não tinha hipótese de, sózinho,  controlar a força de uma milicia lá instalada, e ainda por cima de fazem ameaças do tipo "por cada casa abatida em Israel, destruiremos dez casas no Libano", que até fazem lembrar conversas de arruaceiros de tasca, fico com as minhas dúvidas sobre os reais valores de, pelo menos, alguns dos seu responsáveis militares e governamentais.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 04, 2006, 06:14:08 pm
Citar
The Phony War
July 31, 2006

 The Hizbollah tactic of firing rockets from residential areas, and forcing civilians to stick around when the rockets are fired, has paid off. One rocket launching site in a large building in southern Lebanon, for which Israel released video of rockets being launched, before bombing the building, turned out to contain over fifty women and children. The civilians know that the Israelis bomb any place where rockets are fired from, but Hizbollah gunmen will force the civilians to stay. This has caused many Lebanese, even Shia in the south, to turn against Hizbollah. Some journalists have even been able to get out of Lebanon with pictures of this, but most of the world media prefers to call Israeli response to Hizbollah attacks a war crime and leave it at that. This is going to be one of those situations where, down the road, historians are going to wonder just what the world was thinking during all this.

While Hizbollah is good at getting Lebanese civilians killed, they are not very effective at hurting Israelis. Engineer and intelligence troops have identified less than a hundred rockets landing in Israel each day so far. This is done by collecting and identifying fragments. But as time goes by, more rocket hits are discovered in unpopulated areas of northern Israel. Apparently more than a hundred rockets are landing in northern Israel each day, but on many days, only a few dozen land anywhere near residential areas. Many of the rocket salvos (two dozen or more 122mm rockets are being fired at a time) are not aimed very well at all, and don't come down anywhere near to an Israeli settlement. This is why there has been less than one Israeli casualty per rocket fired. This casualty rate has been coming down. One recent barrage of 25 122mm rockets landed in an Israeli town and caused no casualties at all (but damaged several buildings).

The Israelis keep civilian casualties down by having better bomb shelters, using them more effectively and evacuating many of the more exposed towns in northern Israel. Since Israel is a democracy, the government has to do all it can to minimize its civilian casualties. Hizbollah is not a democracy, but a religious dictatorship (trying to bring that form of government to Lebanon, and then the world.) Hizbollah considers itself on a mission from God, and within its rights to kill anyone, and do anything, to complete its mission. Thus the policy of getting the maximum number of Lebanese civilians killed. European and Moslem media have taken the bait, and are calling Israeli responses, to Hizbollah attacks, "war crimes."

Israeli ground operations appear to be using paratroopers and other elite infantry to hunt down and kill Hizbollah rocket launching teams. Hizbollah has not got a lot of trained people. Kill them, and they are hard to replace. There are only so many rocket launcher teams. Kill them, and no one will be available to take the rockets out of their hiding places and launch them. Right now, this battle is being won by the Israelis, because Hizbollah has not been able to launch many longer (over 20 kilometers) rockets at more densely populated areas deeper in Israel. Most of the rockets are short range ones. The Israeli attack on the transportation system in southern Lebanon has made it difficult to move large objects, like big rockets, into position for launch.

Israel agreed to a 40 hour halt to air attacks on the 30th, to provide time to investigate the bombing the day before that killed over fifty civilians at a Hizbollah launching site. This is supposed to give Hizbollah an opportunity to reciprocate. But Hizbollah has more pressing problems. While the Lebanese media won't discuss it much, most Lebanese are quite angry with Hizbollah. The stories, of how Hizbollah forces civilians to stay around rocket launch sites, are now widely known. Israeli intelligence agents in Lebanon are getting more good tips on Hizbollah activity, especially within Christian areas. The Lebanese Christians know they are considered eventual targets (as infidels) of Hizbollah, and have noted Hizbollah men joking about getting the "Jews to do our work for us" (killing Lebanese Christians.)

The main problem in Lebanon is, and always has been, that the civil war never really ended in 1990, especially not for the Shia faction represented by Hizbollah. Iran accepted the 1990 ceasefire in Lebanon under pressure from the rest of the Moslem world. But while Hizbollah entered Lebanese politics in the 1990s, they never disarmed their militia, supported the continued Syrian occupation of Lebanon, and did not recognize the authority of the Lebanese government, in portions of southern Lebanon that Hizbollah controlled.

Israel is not giving detailed briefings on its tactics and exactly what its forces have accomplished so far. That's because this war is largely a psychological one. It's also an Information War, where the manipulation of the media is an important aspect of the fight. In this respect, Hizbollah has an edge, because most of the Moslem and European media will automatically side with them against Israel. That said, the Israeli strategy appears to be the destruction of people and material that Hizbollah will have the most difficulty replacing, and weakening Hizbollah enough so that the majority of Lebanese, and the Lebanese government, can regain control of southern Lebanon (and Hizbollah controlled Beirut neighborhoods), that Hizbollah has controlled for decades. If Lebanon can put itself back together, Hizbollah will be much less of a threat. Because this conflict is also seen as another battle in the thousand year old war between Sunni and Shia, most Arabs, while cheering for Hizbollah, because they are armed Arabs who did not go down before the Israeli in the first round, will not be terribly upset if Hizbollah ultimately loses and disappears.


de:
http://www.strategypage.com/qnd/israel/ ... 60731.aspx (http://www.strategypage.com/qnd/israel/articles/20060731.aspx)
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 06:39:24 pm
Tenho interesse em que apareça toda a gente que apoia a paz na zona.
Tenho amigos em muitos partidos, contrariamente a alguns atrasados mentais; sei pôr a amizade acima da política.
Também me destaco de outros oportunistas, que querem tirar dividendos políticos do apoio ao povo Libanês, portanto apoiarei qualquer manifestação relacionada.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 04, 2006, 07:42:24 pm
Uma imagem vale mil palavras.

http://www.20minutos.es/galeria/1332/0/0/ (http://www.20minutos.es/galeria/1332/0/0/)
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 04, 2006, 08:31:32 pm
Citar
Hizbullah Uses Top ATGMs Against Israel

TEL AVIV [MENL] -- Israel has determined that Hizbullah deployed advanced anti-tank weapons in the war in Lebanon.


Israeli military sources said many of the Hizbullah weapons were Russian-origin anti-tank guided missiles believed to have been supplied to Syria. They said the weapons were transferred to Hizbullah over the last year.


The sources said Hizbullah used the advanced systems during the battle of Bint Jbail, regarded as the movement's capital in southern Lebanon. Israeli troops recovered shells or launchers of the Milan and Kornet anti-tank systems.


The Hizbullah acquisition of the AT-14 Kornet was said to have alarmed commanders in the Armored Corps. The Kornet, guided by a laser tracker, has a range of five kilometers, greater than that of Israel's anti-tank weapons.


de:
http://www.menewsline.com/stories/2006/ ... _30_2.html (http://www.menewsline.com/stories/2006/july/07_30_2.html)
Título:
Enviado por: Get_It em Agosto 04, 2006, 08:32:00 pm
Algumas imagens encontradas num tópico no Military Photos.net:

(http://img.photobucket.com/albums/v101/He219/dailypix/fresh/30834089.jpg)
Citar
A forklift lifts boxes of aid supplies unloaded from a Portuguese C-130 Hercules aircraft, background, that landed at Beirut international airport, Lebanon, Friday, Aug. 4, 2006, carrying ten tons of WFP high energy biscuits and two tons of other essential supplies from the UN Humanitarian Depot in Brindisi, southern Italy. (AP Photo/Mahmoud Tawil)
(http://img.photobucket.com/albums/v101/He219/dailypix/fresh/30834137.jpg)
Citar
Two members of the Portugese flightcrew unload boxes of aid supplies from a Portuguese C-130 Hercules aircraft that landed at Beirut international airport, Lebanon, Friday, Aug. 4, 2006, carrying ten tons of WFP high energy biscuits and two tons of other essential supplies from the UN Humanitarian Depot in Brindisi. (AP Photo/Mahmoud Tawil)


Cumprimentos,
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 09:19:55 pm
http://www.lebanonunderattack.com/ (http://www.lebanonunderattack.com/)

http://www.stopwar.org.uk/ (http://www.stopwar.org.uk/)

http://www.informationclearinghouse.info/ (http://www.informationclearinghouse.info/)

http://fromisraeltolebanon.info/ (http://fromisraeltolebanon.info/)

(http://www.irancartoon.com/120/latuff/War_Crimes.jpg)
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 04, 2006, 09:46:34 pm
Citação de: "ricardonunes"
Uma imagem vale mil palavras.


O problema, é que a imagem, muitas vezes também impede a palavra, porque torna impossível o raciocinio frio.

Até porque não conseguimos distinguir entre crianças mortas e crianças desenterradas pelos nazistas, para as colocarem dentro de edificios e as mostrarem para que se tirem as tais imagens que valem mil palavras.

Neste caso, uma imagem vale mil palavras,.

Mas quando a imagem é utilizada de forma imoral, como acontece com os Nazistas.

UMA IMAGEM, TAMBÉM VALE MIL MENTIRAS !

Cumprimentos
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 09:51:56 pm
A descoberta do século nazis no Líbano.
Eu vejo e muitos sionistas terroristas.
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 04, 2006, 09:57:47 pm
É a descoberta do século, para quem não tiver nunca estudado a questão do médio oriente e os gritos dos árabes contr Israel.

É a descoberta do século para quem não entende que o Hezbollah é uma marionete nas mãos do Irão, país cujo presidente, ainda ontem afirmou que Israel deve ser varrido do mapa.

Hitler dizia exactamente a mesma coisa e o Irão é a antiga Pérsia, o país que mudou de nome de Pérsia para Irão, para frisar a sua ascendência ariana indo-europeia numa altura em que o poder de Hitler crescia na Alemanha.

Não há qualque rdiferença entre a Almanar a TV do Hezbollah e a rádio alemã no final dos anos 30.

Se tem focinho de nazi, patas de nazi, orelhas de nazi, cauda de nazi e cheira mal como um nazi, então É NAZI !!!
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 10:02:26 pm
E quem dotou o Irão de tecnologia e poderio militar não foi a CIA e os USA no tempo do Xá?
O imperialismo americano está por detrás de muita coisa má no médio oriente. Os grandes grupos terroristas e poderio de déspotas foram de uma maneira ou de outra implantados pelos americanos.
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 04, 2006, 10:08:12 pm
O Irão do tempo do Xa, não tem nada a ver com o Irão dos Aiatolás!

As armas do Irão, são na sua grande maioria armas de fabrico russo e chinês, as restantes são fabricadas localmente.

O Irão era um aliado táctico de Israel no tempo do Xa. A aliança com os Estados Unidos e com Israel, tornavam impossível o ressurgir do nacionalismo Persa, que nos anos 30 quase uniu o Irão aos países do Eixo.

cumprimentos[/list]
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 04, 2006, 10:12:54 pm
Mas o Líbano de hoje tem a ver com o nazismo?
- - - - - - - - - - - - - -- - .- -

«De acordo com a lei judaica, em tempo de batalha e de guerra, o termo 'inocentes' aplicado ao inimigo não existe. Todas estas discussões sobre moral Cristã estão a enfraquecer o espírito do exército e da nação e a custar-nos o sangue dos nossos soldados e civis".

Excerto de um comunicado do Conselho de Rabinos de Israel
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 04, 2006, 10:21:04 pm
O movimento Hezbollah, é uma criação dos iranianos. É uma criação apoiada pela facção mais radical dos guardas da revolução iraniana.

o chefe do Hexbollah o Sheik Nasrallah, é um discipulo do Aiatolá Ali Khamenei (teve aulas de teologia em Teerão com ele).

O Hezbollah, faz o que os guardas revolucionarios mandarem.

Ultimamente, desde que o Ajhmadinejad chegou ao poder, até o Ali Khamenei tem dificuldade em controlar os guardas da revolução.

Eles funcionam exactamente nos mesmos moldes das SS de Hitler na alemanha.

E como na Alemanha existia uma enorme rivalidade entre as SS e o exército, também no Irão existe uma enorme rivalidade entre o exército e os guardas da revolução.

As parecenças são tantas e a tantos níveis que pensava eu que não era necessário explica-las.

= = =

Para lá disso tudo, está o povo do Líbano, apanhado entre dois fogos. Mas enquanto os israelitas têm regras para atirar, o Hezbollah, tem as suas regras próprias.

Eles chegam a determinar onde é que as pessoas devem abrigar-se. A parte do Líbano dominada pelo Hezbollah, é um estado policial dentro de outro estado.

A tragédia que está a acontecer, é isso mesmo, uma tragédia. Mas se for possível expurgar o Hezbollah, então terá valido a pena.

E não me venham dizer que não é possível vergar o Hezbollah!

Há outros movimentos de maioria Xiita no Líbano que eram mais significativos e importantes que o Hezbollah, como o Amal.

Mas o Amal recusou-se a obedecer a Teerão!

É preciso estudar um pouco para entender o que se passa.

Quando se olha apenas para as fotografias, vêm-se as tais mil palavras, mas como eu disse, também se podem ver mentiras.

É facil ver uma imagem, porque ela faz com que não seja necessário pensar pela nossa própria cabeça.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Agosto 04, 2006, 10:29:43 pm
Citação de: "LOBO SOLITÁRIO"
E quem dotou o Irão de tecnologia e poderio militar não foi a CIA e os USA no tempo do Xá?


E depois?

Tem a certeza que o seu melhor amigo hoje não será o seu pior inimigo amanhã?

Embora o poder actual do Irão pouco tem a haver com aquilo que refere.
Título:
Enviado por: lecavo em Agosto 04, 2006, 10:46:48 pm
Viva!

Desde o início que estou do lado de Israel. Este estado tem todo o direito de se defender de alguém que cegamente defende o seu extermínio. O Hezbollah (e quem o suporta financeiramente e militarmente) não procura construir nada, apenas quer a destruição do estado de Israel. Também considero o Hezbollah responsável pelas mortes dos “seus” civis. Eles não demonstram qualquer compaixão quer pelos civis israelitas, quer pelo seu próprio povo, já que não se coíbem em se esconder entre a população e ripostar ou atacar dali.

Mas perante a nossa moral e cultura, quando vemos imagens de "civis", mas sobretudo crianças chacinadas por bombas israelitas, oscilamos......

Não sei se os media reportam exactamente o que se está a passar no terreno. Mas se for inteiramente verdade, Israel está metido num grande atoleiro. Como resultado final da sua acção militar, vai no futuro ter de enfrentar mais uns milhares de bombistas suicidas - em resumo é uma pescadinha de rabo na boca. Esta história do dente por dente e olho por olho e no fim ficar tudo desdentado e cego em bem verdade.

Um abraço.
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 04, 2006, 11:51:47 pm
Citar
Hezbollah reivindica bombardeamento de localidade a 75 quilómetros da fronteira


O Hezbollah anunciou esta noite ter bombardeado Hadera, cidade israelita situada a 75 quilómetros da fronteira libanesa. Este foi o ataque da guerrilha que entrou mais para o interior de Israel, desde o início da ofensiva, a 12 de Julho.

“A resistência islâmica bombardeou, às 21h15 locais (18h15 em Lisboa) a cidade de Hadera, que dista 75 quilómetros da fronteira, com uma salva de ‘rockets’ Khaibar-1”, informa um comunicado da Resistência Islâmica, braço armado do Hezbollah.

Este bombardeamento “é uma resposta às agressões sionistas que afectaram diferentes regiões do Líbano, nomeadamente ao massacre bárbaro de civis perto da localidade de Qaa”, acrescenta o texto.

Hoje, a aviação israelita bombardeou quatro pontes estratégicas na auto-estrada que liga Beirute ao Norte do Líbano, fazendo cinco mortos e 15 feridos. Além disso, Israel realizou um raide aéreo em Qaa, na fronteira com a Síria, no Norte do Líbano, que causou a morte a 26 civis, a maioria trabalhadores sírios.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1266306&idCanal=18
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 05, 2006, 12:02:16 am
Confirma-se........

Citar
Israeli air strike near Lebanon's north-eastern border with Syria has killed at least 26 people and injured about 20, Lebanese officials have said.
Israeli planes also struck bridges in mainly Christian areas north of Beirut, while a raid in southern Lebanon killed seven people, security sources said.

Hezbollah fired 190 rockets into Israel, killing three civilians.

Some rockets also landed near Hadera, 80km (50 miles) from the border, the furthest south Hezbollah has struck.

Israel's campaign began three weeks ago after Hezbollah militants captured two Israeli soldiers.

Lebanon says more than 900 people have died since then, most of them civilians. Israel has lost 29 civilians and about 40 soldiers.

Syrian Kurds

The raid on the Lebanese village of Qaa, on the northern tip of the Bekaa Valley, hit a vegetable warehouse where farm workers were loading produce, local civil defence officials said.

 


Latest Mid-East crisis map
In pictures: Aid challenge  

The dead and injured, many of them Syrian Kurds, were taken to hospitals in Syria.

One worker, Mohammad Rashed, told Syrian television: "I was picking peaches when three bombs hit. Others were having lunch and they were torn to pieces."

An Israeli army spokesman said the air force had spotted "a truck that was suspected to have been loaded with weapons from Syria". It entered a building which planes then targeted after it left.

The number of dead is the highest in a single strike since Israeli planes hit the southern Lebanese village of Qana, where, according to Human Rights Watch, 28 people were killed and 13 are still missing.

 
Bridges along Lebanon's main coastal highway have been hit

The Hezbollah strikes near Hadera represent its furthest reach into Israel so far.

The rockets landed in open land and there are no reports of casualties.

Hadera is some 45km (30 miles) north of Tel Aviv, which Hezbollah leader Sheikh Hassan Nasrallah on Thursday threatened to target if Israel attacked central Beirut.

Civil defence authorities in Tel Aviv have warned people to be prepared for a possible missile attack, issuing leaflets to the city's 1.5m inhabitants to advise them how to prepare bomb shelters or protected rooms.


http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5245884.stm (http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5245884.stm)

Citar
On August 2 2006, Khaibar-1 rockets hit the Israeli town of Beit Shean, about 70 km south of the Lebanese border. At the time this was the farthest Hezbollah-launched rockets had reached into Israeli territory. On August 4 2006, Kaibar-1 rockets hit the Israeli town of Hadera. This is currently the farthest south Hezbollah has fired rockets into Israel.
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 05, 2006, 02:31:33 am
Citação de: "Pantera"
Citação de: "Typhonman"
Lobo vão lá estar os seus amigos da frente nacional?

Já agora porque não se manifestam a frente da representação da OLp em Portugal contra as vitimas civis Israelitas( aquelas que ficaram despedaçadas nos atentados suicidas em autocarros).

é bem provável que os nazis lá estejam...
eu também nao percebo porque raio vão se manifestar contra israel visto que nunca o fizeram contra os islamicos e suas organizações quando estes rebentavam em autocarros cheios de civis inocentes.

compreendo que israel tenha morto pessoas inocentes,no entanto está na sua legitima defesa de retaliar contra estes fanáticos,não está é no seu direito de bombardear determinados sitios assim sem mais nem menos...





 :shock:  :shock:  :shock:  :shock:
O colega não percebe porque é que eles se vão manifestar contra Israel ???
Então, a resposta é facil !!
Porque graças a Deus actualmente é a unica coisa que  podem fazer, pois não têm poder para os enfiar em campos de concentração e matar cobardemente outros 6.500.000 de judeus, tal como há 60 anos atrás.  :x  :evil:
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 05, 2006, 02:43:31 am
Citação de: "papatango"
Citação de: "ricardonunes"
Uma imagem vale mil palavras.

O problema, é que a imagem, muitas vezes também impede a palavra, porque torna impossível o raciocinio frio.

Até porque não conseguimos distinguir entre crianças mortas e crianças desenterradas pelos nazistas, para as colocarem dentro de edificios e as mostrarem para que se tirem as tais imagens que valem mil palavras.

Neste caso, uma imagem vale mil palavras,.

Mas quando a imagem é utilizada de forma imoral, como acontece com os Nazistas.

UMA IMAGEM, TAMBÉM VALE MIL MENTIRAS !

Cumprimentos









 :Palmas:  :Palmas:  :Palmas:  c34x !
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 05, 2006, 02:58:07 am
Citação de: "LOBO SOLITÁRIO"
A descoberta do século nazis no Líbano.
Eu vejo e muitos sionistas terroristas.




 :rir:  :rir:  :toto:  :evil:  :evil: .
E eu a pensar que havia bons e maus dos dois lados ! Que é como quem diz cada um com as suas razões, já de há tempos imemoriais  :roll: .
Mas não, realmente não percebo nada disto, Israel é a origem de todos os males!!!!!
O que alguns devem ver não é sionistas terroristas, mas sim e infelizmente, radicais de extrema direita...sim que eles tambem os têm e minam a sua Israel  :evil: , porque disso é como o cancro, há em todos os povos, por todo o mundo.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 05, 2006, 03:28:13 am
Citação de: "papatango"
O problema, é que a imagem, muitas vezes também impede a palavra, porque torna impossível o raciocinio frio.
Nepia, a ausência de imagens é que torna o raciocínio frio. Se estiveres a discutir a validade de uma guerra com base num número qualquer ( sei lá...900 mortos ) e no fim dizes que vale a pena sacrificá-los para eliminar o hezbollah, é porque ninguém te espetou uma fotografia de crianças completamente desfiguradas pelas bombas, nesse caso já não pensas num número mas numa imagem que te altera o raciocínio, na minha opinião aproxima-o da realidade.

Citação de: "papatango"
Até porque não conseguimos distinguir entre crianças mortas e crianças desenterradas pelos nazistas, para as colocarem dentro de edificios e as mostrarem para que se tirem as tais imagens que valem mil palavras.
Isso chama-se propaganda e existe dos dois lados.

Citação de: "papatango"
Mas quando a imagem é utilizada de forma imoral, como acontece com os Nazistas.
Se não forem imagens propagandísticas, imoral era não as mostrarem.

Citação de: "papatango"
Hitler dizia exactamente a mesma coisa
wrong again!! Hitler estaria orgulhoso neste momento com o que foi feito na religião judaica e com a existência do Estado de Israel.
 Afinal racializaram uma religião ( se a minha mãe fôr judia, eu sou judeu ), através de legislação e adaptação de um termo que cria uma etnia onde ela não existe ( anti-semitismo, seja lá o que isso fôr ). Defender um Estado Judaico é a mesma coisa que defender um Estado Católico, um Estado Islâmico etc.. é rebaixar a humanidade, afirmando que não somos suficientemente inteligentes para conviver uns com os outros independentemente das crenças de cada um.
 Já dizia Theodor Herzl:
 "In Paris, as I have said, I achieved a freer attitude toward anti-Semitism, which I now began to understand historically and to pardon. Above all, I recognized the emptiness and futility of trying to “combat” anti-Semitism."
 
 E já agora, uma beca de história...

 "Embracing the S.S.
Consequently, the Zionists brought Baron Von Mildenstein of the S.S. Security Service to Palestine for a six-month visit in support of Zionism. This visit led to a twelve-part report by Joseph Goebbels, Hitler?s Minister of Propaganda, in Der Angriff (The Assault) in 1934 praising Zionism. Goebbels ordered a medallion struck with the Swastika on one side, and on the other, the Zionist Star of David. In May 1935, Reinhardt Heydrich, the chief of the S.S. Security Service, wrote an article in which he separated Jews into "two categories." The Jews he favored were the Zionists: "Our good wishes together with our official good will go with them."[82] In 1937, the Labor "socialist" Zionist militia, the Haganah (founded by Jabotinsky) sent an agent (Feivel Polkes) to Berlin offering to spy for the S.S. Security Service in exchange for the release of Jewish wealth for Zionist colonization. Adolf Eichmann was invited to Palestine as the guest of the Haganah."

Citação de: "papatango"
Não há qualque rdiferença entre a Almanar a TV do Hezbollah e a rádio alemã no final dos anos 30.

 Isto é o ponto 9 do post "pronto a pensar"... não corresponde à realidade e o papatango sabe disso, mas é facilmente absorvido pela malta que lê isto em diagonal.
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 05, 2006, 05:23:20 am
Tenho a certeza que o imperialismo americano é meu inimigo.
Título:
Enviado por: Marauder em Agosto 05, 2006, 07:57:23 am
Citação de: "LOBO SOLITÁRIO"
Tenho a certeza que o imperialismo americano é meu inimigo.

Olha que vai deixar saudades se surgir um imperialismo chinês..

O teu site, por exemplo simplesmente não "existiria", basta só ires ao google chinês e procurar pela praça Tianamen.

Citar
Anti-tank missiles are Hizbullah's main tactic

Aug. 3, 2006 0:40 | Updated Aug. 3, 2006 14:16

Lt. Ohad Shamir was commanding a surveillance team hiding in Maroun a-Ras. Their mission was to locate Hizbullah fighters still operating near the village after it had been captured by Golani and Paratroopers units. Shamir's men felt pretty safe - during the 10 days they spent in the village, not a shot had been fired at their building. But then an antitank missile hit the structure and Shamir was lightly wounded.

On Wednesday, he was being treated at Safed's Ziv Hospital for fragments in his back.

"They are small teams, three of four people, hiding in the undergrowth, firing out of nowhere. They're the biggest danger," he said of the Hizbullah gunmen.

The same story repeats itself time and again in the hospital wards where wounded solders are recovering and comparing experiences. No one has yet begun analyzing the causes of casualties in this war, but the indisputable fact is that the great majority of wounds and deaths were a result of antitank missiles - more than from gunfire, grenades and other explosive devices together.

The term "antitank" is misleading; the missiles were originally designed to be used against tanks, but the IDF's Merkava tanks and upgraded armored fighting vehicles are capable of withstanding most missiles in Hizbullah's arsenal. But Hizbullah isn't using them only against tanks. The range of these missiles - up to three kilometers - and the force of their explosive charges make them ideal for attacking groups of soldiers and IDF positions from afar.

Hizbullah have been preparing for this war for six years, and the two main weapons they have been stockpiling have been the Katyushas and other rockets now being fired at Israeli towns and antitank missiles. The organization has thousands of Soviet-built Sagger, Cornet and Fagot antitank missiles, the French MILAN and the US-built TOW, all supplied by Iran and Syria. These missiles are usually fired by a two- or three-man team.

Over the last two weeks, the tactic used by many of the Hizbullah teams has been to avoid close-range combat, where IDF soldiers' high level of training gives them the upper hand. Instead, the Hizbullah men have been moving to positions high above villages and continuing to fire missiles at the IDF forces. Large stores of missiles were prepared in the hills in advance, for this eventuality.

IDF officers have voiced frustration at the fact that even in areas where the IDF has been operating for more than a week, the missile threat still exists. On Monday, tanks that had been fighting for two days in the villages opposite Metulla came under missile fire when they were returning through the border fence.

Col. Ofek Buchris, a former Golani battalion commander and the officer now in charge of offensive operations on the northern front, said this week, "Hizbullah aren't as good soldiers as people have been saying, they don't have good combat skills. In shooting battles, we beat them every time. What they do have is good antitank capabilities.

"They were trained for this especially by the Iranian Revolutionary Guards. For intents and purposes, Hizbullah is Iran's advance division here."

One of the first results of the IDF's experiences facing Hizbullah antitank missiles has been the quick adaptation of new training for reserve units that have just been called up. In addition to weapons and first aid refresher lessons, the men mobilized this week have all received special training on detecting and avoiding the missiles.

de:
http://www.jpost.com/servlet/Satellite? ... 2FShowFull (http://www.jpost.com/servlet/Satellite?cid=1154525793842&pagename=JPost%2FJPArticle%2FShowFull)
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 05, 2006, 10:59:37 am
De facto tem razão. Mas se ler atentamente o meu humilde blogue verá que também já denunciei várias vezes os atentados aos direitos humanos na China.

O indivíduo é a única força autêntica e fecunda da comunidade. Neste sentido, determina a colectividade. O homem é a realidade e a comunidade uma convenção.

O que fez o génio grego, permitindo a prodigiosa expansão do homem Europeu, foi a possibilidade de desenvolvimento do indivíduo no seio da sociedade. A Europa é, por excelência, a terra de eleição do tipo de homem singular.

A partidocracia que se arrasta actualmente na Europa tende para o objectivo oposto. Um conformismo assustador embrutece, oprime o homem e torna-o medíocre. Esta espécie de sociedade composta de homens-colectivos, de homens-massa, anuncia a decadência das sociedades materialistas.  

O homem está reduzido à função de consumidor ou de eleitor. É um robot de luxo, criado como consumidor da indústria; esta tem todo o interesse em estandardizá-lo com vista a facilitar a sua tarefa de distribuição de produtos de consumo. O homem é cada vez menos diferenciado no pensamento. Transforma-se num submisso social. Estas sociedades medíocres apresentam um perigo terrível para o futuro da espécie — pelas suas estruturas impedem o aparecimento de uma elite de substituição, de uma elite de reserva.

Afastam todo o imprevisto, todo o risco, não possuem homens de decisão e de comando, não dispõem de nenhuma elite de substituição. Basta que, então, um elemento exterior lhe faça cair o que ocupa o lugar de cabeça para que se possa apoderar de todo o aparelho.

O nosso ideal de sociedade é o de uma reunião de homens livres, ligados por uma disciplina para evitar as causas da decadência evocadas acima.

A unidade opõe-se aqui à uniformidade. Na primeira temos homens independentes que consentem na aceitação de uma disciplina de ferro num certo número de pontos precisos e limitados. Formam um Estado unitário que se ocupa de poucas coisas mas que o faz vigorosamente.

Estão ligados por uma solidariedade orgânica. Na segunda, a uniformidade, temos homens estandardizados, que perderam a sua diferenciação. Estão ligados pela semelhança na servidão e na mediocridade. É a solidariedade mecânica.

O homem robotizado não tem mais de que uma só e única vida comum. A termiteira social não lhe permite nenhum instante de autonomia, viola-lhe a vida íntima e fornece-lhe distracções. Então, a espécie degenera.

Pelo contrário, o homem singular possui duas vidas — uma vida pública consagrada às obrigações sociais; uma vida privada, sector livre do seu pensamento, da iniciativa, do risco, da diferença.

A vida pública é a das leis civis, das exigências militares, da disciplina social, da normalização dos serviços públicos, da solidariedade orgânica conscientemente aceite. Aqui na RST não pode haver a mais pequena indisciplina.

A vida privada reconhece-se no pensamento, na escolha da vida íntima, na organização do trabalho, nas artes, no génio de uma região, no encanto de uma província. Aqui, o Estado não tem direito a qualquer ingerência.

A termiteira é o Estado invasor, modelando uma sociedade fraca e medíocre. O Estado unitário, ao contrário, é uma disciplina coroando uma sociedade forte. Opomos o estatismo (invasor) à sociedade. É necessário preservar o homem europeu da degenerescência derivada das condições de vida em termiteira social ou de luxo
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 05, 2006, 05:15:21 pm
O que aconteceu às Forças Armadas de Israel?

http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=207 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=207)

Uma excelente visão sobre os acontecimentos, publicado num site que continuo a considerar excelente, pela qualidade e pela isenção.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 05, 2006, 06:24:47 pm
Interessante o artigo que descreve a entrada de comandos especiais em Tiro, e a operação que eliminou uma célula terrorista do Hezbolah.

Como podemos ver, os misseis anti-carro são vitais para "conter" qualquer ameaça inesperada..(Estou a falar do Spike que rebentou o M113/AAA). E o apoio aéreo, concretizado pelos Helis de Ataque que permitiram a extracção dos comandos (através de CH53 ou UH60L).

Provavelmente estas operações de infiltração/extracção vão aumentar nos próximos tempos.
Já agora será a mossad que anda a marcar os alvos no Líbano ou serão comandos especiais israelitas?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 05, 2006, 06:47:52 pm
Não tenho dúvidas que a Mossad e as OE's israelitas estejam a "pintar" alvos, mas estão a cometer os mesmos erros que os americanos na Bósnia.
Com o receio de serem descobertos não confirmam os alvos, e isso dá no que se está a ver.
Título:
Enviado por: TOMKAT em Agosto 06, 2006, 12:24:22 am
Falando em Mossad....


Citar
Israel efectuou 250 ataques aéreos no sul do Líbano
Olmert admite «execução» de Nasrallah

O sul do Líbano sofreu ontem o pior dia de bombardeamentos desde o início da guerra, a 12 de Julho, tendo os israelitas efectuado 250 ataques aéreos. De Telavive Ehud Olmert admitiu que os serviços secretos de Israel tentem liquidar o líder do Hezbollah.

 
O exército hebraico efectuou 250 ataques aéreos e lançou quatro mil obuses durante a madrugada e manhã de ontem. Os sectores mais visados pelos bombardeamentos foram o sul e o leste da cidade costeira de Tiro, a cerca de 80 quilómetros a sul de Beirute. Também a localidade de Aaitarun, perto da fronteira israelita, foi totalmente destruída quando dois mil obuses se abateram sobre ela no espaço de poucas horas. O número de vítimas, segundo dados oficiais, é relativamente baixo – 14 feridos – porque quase todos os habitantes fugiram da região há vários dias. Comandos da marinha israelita que afirmam ter efectuado uma “arriscada” operação, em Tiro, garantem ter abatido três dirigentes do Hezbollah, que segundo Israel, foram responsáveis pelo lançamento, sexta-feira, de um míssil contra Hadera, cidade a 40 quilómetros a norte de Telavive. “Os comandos da marinha operaram, na base de informações muito precisas, sobre um apartamento, no segundo andar de um imóvel de cinco andares, no norte da cidade de Tiro”, disse à imprensa um alto responsável da marinha. “Aí mataram pelo menos três dirigentes do Hezbollah”, especificou. “Esses três homens eram responsáveis pelo lançamento de um míssil contra Hadera”, frisou, adiantando que o ataque israelita foi levado a cabo para “poupar a vida de inocentes onde quer que se encontrem”

A «morte» de Nasrallah
Paralelamente o primeiro-ministro israelita admite que os serviços secretos tentem matar o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah. “As regras normais de procedimento” a observar num conflito com qualquer inimigo não se aplicam no caso do Hezbollah, alega Ehud Olmert em entrevista na edição deste domingo ao jornal «Welt Am Sonntag». “Nasrallah não é líder de um Estado reconhecido. Está à cabeça de uma organização terrorista”, pelo que não pode esperar ser tratado como um líder legítimo, diz Olmert, assegurando que “não se trata de uma guerra pessoal contra alguém em particular”. Segundo o «Welt Am Sonntag», um recente estudo mostra que 80 por cento dos israelitas desejam que os seus serviços de segurança matem Hassan Nasrallah. O primeiro-ministro responde também às críticas formuladas na Europa contra a intervenção no sul do Líbano, por vezes considerada desmedida. Estas críticas, para Olmert, são a expressão de “julgamentos precipitados” e de uma “falsa percepção” das realidades do conflito israelo-libanês.

-------------------------
Líbano
A guerra em números...


Os bombardeamentos israelitas no Líbano fizeram pelo menos 967 mortos e 3.293 feridos em 24 dias de guerra, segundo um balanço da France Presse na madugada de sábado, citando fontes oficiais. Pelo menos 880 civis, dos quais 30 por cento crianças com menos de 12 anos, morreram, bem como 27 militares e polícias libaneses, desde o início da ofensiva israelita. O conflito originou também a morte de quatro observadores da ONU e de um elemento da FINUL; Força das Nações Unidas. A guerra entre Israel e o Líbano já fez também quase 914 mil desalojados, dos quais 220 mil deixaram o território libanês.


http://www.oprimeirodejaneiro.pt/?op=artigo&sec=8f14e45fceea167a5a36dedd4bea2543&subsec=&id=10d2872d7dd57f54e70cb881137fa2b4
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Agosto 06, 2006, 02:44:39 am
Citar
Hezbollah é uma divisão iraniana, diz general israelita

O general Udi Adam, responsável pela intervenção militar israelita no Líbano, considerou que as suas tropas estão a avançar ao ritmo esperado, esclarecendo que o exército está a lutar, na prática, «contra uma divisão iraniana».

«Na realidade, no conceito, no treino e no armamento, estamos a lutar contra uma divisão iraniana», disse Udi Adam numa entrevista gravada, transmitida pelo primeiro canal da TV israelita.

Para o general, Israel sabia que «nas primeiras semanas teria de furar a casca muito rija da linha avançada do Hezbollah, já que o inimigo se preparou durante seis anos para este dia».

Udi Adam enunciou ainda os objectivos da campanha militar: evitar o lançamento de mísseis contra povoações de Israel, criando uma zona de segurança da qual não possam ser feitos disparos, destruir ao máximo as estruturas do Hezbollah e o maior número de terroristas e criar as condições mais favoráveis possíveis para o período das negociações.

«Não há soluções definitivas mas, na medida em que o exército consiga a fastar os lançamentos de mísseis das proximidades da fronteira, o raio de acção destas armas de curto alcance diminui e menos povoações poderão ser atingidas», disse.

Perante a pergunta se entendia ser necessário o exército chegar fisicamente até ao rio Litani para criar uma faixa de segurança em território libanês, o general respondeu, sem entrar em detalhes: «não é necessário chegar a todos os lugares fisicamente, já que há outras formas de aí actuar».

Udi Adam disse continuar a pensar que a duração da guerra será de semanas, acentuando que serão ainda necessárias mais algumas.

Confrontado sobre o papel da Síria no conflito, Udi Adam considerou que se está «a caminhar sobre uma corda fina».

«Não temos qualquer intenção de envolver a Síria nos combates, assim como penso que Damasco não está interessada em se envolver», afirmou.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 06, 2006, 11:33:42 am
http://www1.folha.uol.com.br/folha/pens ... 7u43.shtml (http://www1.folha.uol.com.br/folha/pensata/ult2707u43.shtml)

Caros senhores terroristas

Começou a época das manifestações. Leio agora que, só em Londres, milhares de pacifistas saíram à rua para marchar contra a guerra no Oriente Médio. Nada a opôr. Marchar contra a guerra é simpático. Mais ainda: é cómodo. Você pode não saber nada sobre o conflito, nada sobre as razões do conflito, nada sobre as consequências do conflito. Mas é contra. Ser contra é a absolvição do pensamento: uma forma tranquila de colocar a flor na lapela do casaco e mostrar a sua vaidade moral ao mundo. Hitler invadiu a Polônia, exterminou milhões de judeus e procurou subjugar um continente inteiro? O pacifista é contra. Contra quê? Contra tudo: contra Hitler, contra Churchill, contra Roosevelt. Contra Aliados, contra nazistas. E quando os nazistas entram lá em casa e se preparam para matar o pacifista, ele dispara, em tom poético: "Não me mate! Você não vê que eu sou contra?" É provável que o nazista se assuste com a irracionalidade do pacifista e desapareça, correndo.

Capitão: "Eu não mandei você matar o inimigo?"
Soldado: "Sim, meu capitão. Mas ele era contra. Fiquei com medo."

O pior é que os pacifistas que saíram à rua não são contra tudo. Eles só são contra algumas coisas, o que torna o caso mais complexo e, do ponto de vista paranóico, muito mais interessante. Lemos as palavras de ordem e ficamos esclarecidos. "Não ataquem o Irã". "Liberdade para a Palestina". "Tirem as mãos do Líbano". Imagino que alguém deixou em casa as frases sacramentais. "Irã só quer paz". "Hizbollah é gente séria". "Israel é racista; não gosta de mísseis". Essa eu entendo. Israel retirou do Líbano em 2000. Retirou de Gaza em 2005. O Líbano e Gaza, depois da retirada, transformaram-se em parque de diversões para terroristas do Hizbollah e do Hamas (leia-se: do Irã e da Síria) que tinham por hábito sequestrar soldados israelenses e lançar rockets para o interior do estado judaico. Israel, inexplicavelmente, não gostava de apanhar com mísseis na cabeça, marca visível da sua intolerância. Os pacifistas de Londres deveriam denunciar essa intolerância: um Estado que retira dos territórios ocupados e, ainda por cima, não gosta de ser bombardeado, não merece o respeito da "comunidade internacional".

E a "comunidade internacional" não respeita. Desde o início das hostilidades, no sul do Líbano, regressaram acusações conhecidas de "desproporção" e "matança indiscriminada de civis". Apoiado: as acusações, não os ataques. Se Israel não gosta de ser bombardeado, deveria refrear seus ímpetos belicistas e escrever uma carta aos senhores terroristas. Para explicar o desconforto da situação. Exemplo:

"Caros senhores terroristas,

Boas tardes.

Nós sabemos o quanto vocês gostam de bombardear as nossas cidades, apesar de termos voluntariamente retirado dos vossos territórios. Longe de nós condenar a forma gentil como gostais de matar o tempo. Mas lançar rockets para o interior de Israel não mata só o tempo; também mata pessoas que estão nas ruas, nos mercados, nos cafés. Seria possível parar com esse desporto?

Nós, judeus, sabemos que o pedido é excessivo, na medida em que, segundo opiniões dos senhores terroristas, que nós compreendemos e até respeitamos, desde 1948, ano da fundação de Israel, que nós não temos qualquer direito à existência. Mas não seria possível chegar a um entendimento, apesar da palavra 'entendimento' ser ofensiva para a cultura dos senhores terroristas? Dito ainda de outra forma: não seria possível que o lançamento de rockets ocorresse apenas em dias salteados? Por exemplo: às segundas, quartas e sextas? Os sequestros seriam apenas às terças e quintas, de preferência mais ao final da tarde, depois da saída do trabalho, para deixar o jantar já pronto.

O pedido pode parecer excessivo mas gostaríamos de lembrar aos senhores terroristas --e, por favor, não vejam nas nossas palavras qualquer crítica-- que nós tivemos essa gentileza: avisar as populações civis de que o sul do Líbano seria atacado, pedindo-lhes que se retirassem. Estamos conscientes, e por isso nos penitenciamos, que esse aviso às populações civis acaba por retirar valioso material humano que os senhores terroristas gostam de usar como escudo para exibir na televisão. Mas não seria possível substituir seres humanos por sacos de areia, mais fáceis de usar e controlar?

Uma vez mais, queiram-nos perdoar a ousadia da sugestão. Estamos certos de que a racionalidade das nossas propostas será recebida com a irracionalidade dos vossos propósitos."

Depois, era só enviar a carta e, estou certo, esperar pela resposta. Que viria, como vem sempre, voando pelos ares.
Título:
Enviado por: lecavo em Agosto 06, 2006, 02:54:33 pm
Viva!

Caro Luso, estou pasmado, a sua eloquência é fantástica, parabéns. Conseguiu explicar com uma clareza incrível a situação actual. Mais uma vez parabéns. Sempre pensei assim, mas para minha infelicidade nunca fui capaz de o passar a escrito (a natureza não me dotou com essa capacidade), coisa que o meu amigo (permita-me que o trate assim) fez magnificamente.

Tenho mantido uma discussão sobre o assunto com o meu irmão (que também é “contra”), vou fazer um copi/past e vou enviar-lhe o seu texto na íntegra. Fique descansado que não vou plagiá-lo, o seu nome e o local de onde o copiei será indicado.

Um abraço.
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 06, 2006, 03:39:53 pm
Eh Lecavo!
Não fui eu que escrevi isso!
Foi o João Pereira Coutinho, no Folha de S. Paulo (o JPC é português).
Esse "fazedor de opinião" é um rapazola mas com uma maturidade desarmante. Creio que tem menos de 30 anos! :wink:  
Tem actualmente uma coluna no Expresso e um "saite":
http://www.jpcoutinho.com/ (http://www.jpcoutinho.com/)
 :G-beer2:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 06, 2006, 03:46:33 pm
Material militar capturado ao Hezbollah.

(http://img309.imageshack.us/img309/1446/attachmentgv2.th.jpg) (http://http)

(http://img309.imageshack.us/img309/7964/attachmentrv9.th.jpg) (http://http)

(http://img309.imageshack.us/img309/2252/attachmentql4.th.jpg) (http://http)

(http://img340.imageshack.us/img340/797/attachmentfe5.th.jpg) (http://http)

(http://img340.imageshack.us/img340/7481/attachmentpt1.th.jpg) (http://http)

(http://img340.imageshack.us/img340/3362/attachmentty6.th.jpg) (http://http)

(http://img521.imageshack.us/img521/6274/attachmentdc9.th.jpg) (http://http)


Na última imagem podesse ver um soldado israelita a inspeccionar a "arma secreta" do Hezbollah.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 06, 2006, 03:49:52 pm
E aqueles misseis Kornet anti-tanque também são de brincar?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 06, 2006, 04:06:06 pm
Citação de: "Typhonman"
E aqueles misseis Kornet anti-tanque também são de brincar?

Nenhum desse equipamento é a brincar, mesmo as duas "pressões-de-ar", o mesmo se passa com os TOW produzidos pelos EUA.
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 06, 2006, 04:08:51 pm
Até pressões de ar! :shock:
Os socialistas espanhóis andam a fornecer armas ligeiras ao Hezbollah! :shock:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 06, 2006, 04:12:43 pm
A última parece o modelo Delta 4.5 da Gamo, provavelmente são os que  Espanhois andam a fornecer material de guerra ao Hezbollah :lol:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 06, 2006, 04:15:39 pm
Fui ver, e eu tenho uma dessas Gamo Delta, serei eu um Terrorista? :lol:
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 06, 2006, 04:37:20 pm
Citação de: "Luso"
Nada a opôr. Marchar contra a guerra é simpático. Mais ainda: é cómodo.
Cómodo é querer eliminar um inimigo à custa de uma porrada de civis, é mais fácil largar umas toneladas de explosivos e esperar matar alguns militantes do Hezbollah do que fazê-lo pela espionagem.
 E mais cómodo ainda, é fechar os olhos e fingir que não é nada conosco enquanto morrem civis com a aparente indiferença e os clichês feitos do tipo "numa guerra morrem civis" ou "o objectivo deles não eram matar civis, mas aconteceu".

Citação de: "Luso"
Você pode não saber nada sobre o conflito, nada sobre as razões do conflito, nada sobre as consequências do conflito. Mas é contra.
Engraçado que normalmente são as pessoas que não sabem nada do conflito, aquelas que são a favor do conflito.
 Algum dos entendidos que seja a favor do conflito que me explique em que circunstâncias e em que localidade foram capturados os dois soldados israelitas.

Citação de: "Luso"
Hitler invadiu a Polônia, exterminou milhões de judeus e procurou subjugar um continente inteiro? O pacifista é contra. Contra quê? Contra tudo: contra Hitler, contra Churchill, contra Roosevelt.
Comparação ridícula...a menos que o Hezbollah se prepare para invadir Israel...que granda toni.

Citação de: "Luso"
Israel, inexplicavelmente, não gostava de apanhar com mísseis na cabeça

 Ahh ok, Israel era só a vítima...nunca fizeram nada de mal os santinhos e lá vinham os mísseis...tá fixe!
 Um país que elege ministros que anteriormente andavam aí a matar árabes e ingleses...Um País cujo um dos fundadores dizia que se fosse árabe não negociaria com Israel e que usar a violência para expulsar os árabes é obrigatório.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 06, 2006, 05:21:56 pm
Israel nunca teve nada a ver com terrorismo...e o texto do João Pereira Coutinho não refere que se os nazis ainda andassem aí, Israek não seria "contra"...seria mesmo a favor !!
 Um país em que 3 primeiros-ministros foram antigos terroristas...

Citar
The British authorities regarded Lehi as a terrorist gang and called the organisation the Stern Gang (named after its first commander, Avraham Stern)[...] Yitzhak Shamir (who would later become Prime Minister of Israel), was known by the codename "Michael" which was a reference to one of Shamir's heroes, Michael Collins. Collins was the founder of the original IRA and a pioneer in the use of guerrilla warfare.

 A comparação ao IRA é engraçada, uma espécie de imperialistas anti-imperialistas.  

 O que fizeram aos assassínos de Lord Moyne

Citar
Anos mais tarde, em 1975, por ocasião da troca de prisioneiros entre Israel e o Egipto, os dois países concordaram na troca de 20 prisioneiros egípcios pelos restos mortais dos assassinos Bet-Tsouri and Hakim.
Realizaram-se então em Israel funerais de Estado, com todas as honras militares, e os dois foram sepultados no Monte Herzl, o cemitério israelita reservado aos heróis e às grandes figuras nacionais

 Agora uma curiosidade sobre o Lehi...

Citar
In 1940 and 1941, Lehi proposed intervening in the Second World War on the side of Nazi Germany to attain their help in expelling Britain from Mandate Palestine and to offer their assistance in "evacuating" the Jews of Europe arguing that "common interests could exist between the establishment of a new order in Europe in conformity with the German concept, and the true national aspirations of the Jewish people as they are embodied by the NMO (Lehi)." Late in 1940, Lehi representative Naftali Lubenchik was sent to Beirut where he met the German official Werner Otto von Hentig and delivered a letter from Lehi offering to "actively take part in the war on Germany's side" in return for German support for "the establishment of the historic Jewish state". Von Hentig forwarded the letter to the German embassy in Ankara, but there is no record of any official response. Lehi tried to establish contact with the Germans again in December 1941, also apparently without success.


http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/6/6f/SternGang-Doc-Nazi-Collaboration.jpg
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 06, 2006, 05:22:35 pm
Citar
Cómodo é querer eliminar um inimigo à custa de uma porrada de civis, é mais fácil largar umas toneladas de explosivos e esperar matar alguns militantes do Hezbollah do que fazê-lo pela espionagem.
Mais precisamente 23 toneladas num só alvo.
Citar
23 tons of explosives dropped on suspected Hezbollah bunker in Beirut!
JERUSALEM — Israeli warplanes dropped bombs late Wednesday on a bunker in south Beirut where senior Hezbollah leaders were thought to be, the military said.

Military officials said a wave of aircraft dropped 23 tons of explosives on the bunker. The officials, speaking on condition of anonymity because they were not authorized to talk to reporters, said top Hezbollah figures were thought to be there, possibly including Hezbollah leader Hassan Nasrallah. The officials said the bunker was in the Bourj al-Barajneh section of southern Beirut.

The military said the attack occurred about 11 p.m., but reporters in Beirut said the last loud explosion heard there was 2 1/2 hours earlier.

Israel has said that one of the objects of its offensive in Lebanon is to eliminate Hezbollah leaders.
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 06, 2006, 05:33:02 pm
Citação de: "Redwarrior"
Cómodo é querer eliminar um inimigo à custa de uma porrada de civis, é mais fácil largar umas toneladas de explosivos e esperar matar alguns militantes do Hezbollah do que fazê-lo pela espionagem.
Como qualquer pessoa minimamente inteligente entende, eliminar civis, não adianta de absolutamente nada do ponto de vista militar, e é aliás absolutamente contraproducente. Nos dias de hoje, nenhum exército pode correr o risco de atingir civis sem que isso tenha consequências muito negativas.

Mas claro, se queremos acreditar religiosamente no que diz a cartilha de Adolf Marx, ( ou será Karl Hitler ? ) então temos que inventar israelitas sequiosos por matar civis.

= = =

Citação de: "Redwarriot"
Engraçado que normalmente são as pessoas que não sabem nada do conflito, aquelas que são a favor do conflito.
Algum dos entendidos que seja a favor do conflito que me explique em que circunstâncias e em que localidade foram capturados os dois soldados israelitas.
Primeiro você vai ter que encontrar alguém que seja a favor do conflito.
Não me lembro de ter visto ninguém neste forum a dizer que a guerra é uma coisa boa.

= = = =
Citação de: "Redwarrior"
Citar
Hitler invadiu a Polônia, exterminou milhões de judeus e procurou subjugar um continente inteiro? O pacifista é contra. Contra quê? Contra tudo: contra Hitler, contra Churchill, contra Roosevelt.

Comparação ridícula...a menos que o Hezbollah se prepare para invadir Israel...que granda toni.
O problema, é que o autor do texto não está a fazer uma comparação, está a ironizar, o que são coisas diferentes (para quem quer utilizar a massa cinzenta, claro).
Além do mais caro redwarrior, o Hezbollah não invade Irael porque não quer.
O Hezbollah não invade Israel porque não pode.

Vontade não lhes falta, e bastaria ver as mensagens de ódio da TV Almanar a clamar vingança e a pedir mártires.
Do outro lado, o lider do Reich Persa o Reichfuhrer Ajhmadinejad, declara que é necessário recorrer à solução final, riscando Israel do mapa
.

Foi noticiado que nas ruas de Jenin, palestinianos em delírio saíram às ruas para festejar a morte hoje de manhã de 11 soldados de Israel.

Há muita diferença entre Israel e os terroristas Hitlerianos.


Citar
Citar
Israel, inexplicavelmente, não gostava de apanhar com mísseis na cabeça

Ahh ok, Israel era só a vítima...nunca fizeram nada de mal os santinhos e lá vinham os mísseis...tá fixe!


Comentário interessante, a que na língua portuguesa se dá o nome de "descoversa".

Ou seja: Quando o comentário é irritante e devastador, como o artido que o Luso publicou, tenta-se dizer qualquer coisa apenas para não ficar calado.

Felizmente Redwarrior, quando se conhecem as tácticas que vocês utilizam (já o Titio Goebbels as descrevia) é facil mostrar a situação patética a que chegaram os defensores dos terroristas.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 06, 2006, 06:08:30 pm
Citação de: "papatango"
Não me lembro de ter visto ninguém neste forum a dizer que a guerra é uma coisa boa.
Existe uma diferença entre dizer que a guerra é boa e ser a favor do conflito, vais tentar dar a volta à questão e dizer que aqui no forum não existe ninguém que seja a favor do conflito, ou seja, da eliminação do hezbollah com tudo o que isso acarreta??
 Hassan Nasrallah já disse que se Israel retirar de território libanês ( incluindo as Quintas de Sheeba ) e deixar de atacar...que o Hezbollah faz o mesmo. Afinal quem é que não quere a paz??

Citação de: "papatango"
o Hezbollah não invade Irael porque não quer.
O Hezbollah não invade Israel porque não pode.
Todas as guerras desde a ocupação dos sionistas têm tido vários nomes e a mesma génese. Israel agora, depois de ter feito a sua própria cama, e mesmo sabendo que a maioria dos Israelitas não tem culpa nenhuma, não pode pedir que não hajam exércitos nacionais fortes à sua volta, não tem esse direito.
 Eu já tinha dito que, na minha opinião, o fim desta guerra passa pela criação de Estados laicos naquela zona e por uma progressiva diminuição da influência religiosa. Ao invés, algumas pessoas aqui optam por apoiar um dos extremismos ( o sionista ) deixando o Islâmico como alvo de todas as críticas...isto porque o sionismo é mais "ocidental".

Citação de: "papatango"
Foi noticiado que nas ruas de Jenin, palestinianos em delírio saíram às ruas para festejar a morte hoje de manhã de 11 soldados de Israel.
Nessa zona estavas à espera do quê?? A mente humana só é racional até um certo ponto...Atenção que não estou a dizer que isso seja correcto.

Citação de: "papatango"
Há muita diferença entre Israel e os terroristas Hitlerianos.

 Não vejo onde, têm os mesmos objectivos:
 - Ambos querem segregar os judeus do resto da população;
 - Ambos usaram terrorismo para o conseguir

 Há só uma diferença que os distingue, é que os nazis perderam e o sionismo venceu.
Título:
Enviado por: Lightning em Agosto 06, 2006, 07:16:00 pm
É certo que qualquer pessoa da religião Judaica pode requerer a cidadania Israelita o que admito que seja estranho e não se veja em mais lado nenhum, os Italianos não são cidadania a todos os cristãos ou os Gregos aos Ortodoxos mas pronto os Judeus podem ser todos Israelitas, mas, nem todos os Israelitas são Judeus, sei que existem Cristãos e Muçulmanos com a cidadania Israelita.
Título: Resposta ao RedWarrior
Enviado por: lecavo em Agosto 06, 2006, 09:00:35 pm
Viva!

RedWarrior
Acreditas mesmo nisso? acreditas mesmoque o  Hassan Nasrallah faria o que dizes, que se Israel  retirar de território libanês (incluindo as Quintas de Sheeba) e deixar de atacar...que o Hezbollah faz o mesmo!!!!!!!!.

Achas mesmo que o hezbollah ia fazer uma coisa dessas? Então os tipos, bem como os seus amigos passam a vida a dizer que a única solução para este conflito (Israel / Árabe) é o extermínio do estado judaico!!!! Mas então como é que ficamos? Repito, achas mesmo que eles iam fazer isso ou és tu que estás a dizer que eles iam fazer isso? ou melhor, és tu a querer acreditar que eles faziam isso!!!! é isso?

Comparar o estado de Israel a um grupo terrorista como e hezbollah, não é do ponto de vista intelectual um raciocínio sério (desculpa, dizer isto, não pretendo ofender-te). Na verdade elegeram para Primeiro-ministro vários antigos combatentes da MOSSAD. Mas o estado de Israel com todos os seus defeitos e virtudes é uma democracia multipartidária. Podem não fazer a guerra de uma forma muito “convencional”, mas se não agissem desta forma, possivelmente hoje já não existiam. A necessidade aguça o engenho!!!! Agem assim porque as circunstâncias assim o obrigam. Na verdade o exército israelita não procura deliberadamente atacar civis, não podes dizer isso, caso contrario não se davam ao trabalho de espalhar panfletos a avisar a população civil que vão bombardear determinada área. Com isso não estão são a avisar as populações civis, os menbros do hezbollah também sabem ler. Já o hezbollah faz precisamente o inverso.

Se eles querem mesmo a paz, porque não desarmam? Deixariam Israel numa situação indefensável se no futuro atacassem o sul do Líbano e o próprio hezbollah. Repara no que aconteceu em Timor Leste aquando dos terríveis massacres perpetrados pelas tropas indonésias e milícias timorenses logo após as eleições. Se a resistência tivesse pegado em armas e irrompesse aos tiros contra a tropa indonésia, possivelmente ainda hoje estariam sob o jugo indonésio. Como não atacaram, criaram perante a opinião pública internacional uma reserva de autoridade moral que “desarmou” a Indonésia. Mas claro que o espírito dos guerrilheiros timorenses nada tem a ver com estes fanáticos desejosos de devorar virgens aladas.

Um abraço.
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 07, 2006, 02:45:39 am
Citar
Israel prendeu presidente do Parlamento palestiniano



Forças israelitas prenderam o presidente do Parlamento palestiniano, na sua casa, no início da madrugada de domingo (hora local), disseram funcionários palestinianos.
Os funcionários – o director do gabinete do presidente e elementos da segurança – disseram que cerca de 20 veículos do exército israelita cercaram a casa do presidente do Parlamento, Abdel Aziz Duaik, membro do Hamas, e o levaram sob custódia.
As forças armadas israelitas não fizeram qualquer comentário imediato.
No dia 29 de Junho, forças Israelitas na Cisjordânia detiveram dúzias de funcionários do Hamas, incluindo oito ministros do Governo palestiniano. Um foi libertado no início desta semana.
Desde então, as forças israelitas cercaram duas vezes a casa de Duaik, mas não o conseguiram prender.
O negociador palestiniano Saeb Erekat condenou a prisão de Duaik e exigiu a sua libertação e a de todos os outros funcionários do Governo presos.
As detenções foram parte da campanha israelita contra o Hamas, desde que, em 25 de Junho, num raide transfronteiriço, militantes alinhados com este movimento mataram dois soldados israelitas e capturaram um outro.




http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1266373&idCanal=18
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 07, 2006, 03:12:50 am
Agora Israel tem de ser um Estado laico porquê ???
Cada um que mande no seu País.

E o sionismo é mais Ocidetal ? E é apoiado por alguns daqui por isso mesmo ?
 E os Americanos também gostam dos Judeus? Já alguem ouviu o povo americano não Judeu a falar sobre eles ?
Os Judeus desde há dois mil anos que são culpados pelo mundo da maior mentira da Humanidade isto é da morte de Jesus Cristo. Os Italianos que na realidade o mataram até hoje nunca tiveram de carregar essa cruz !
Ao invés a partir daí a perseguição aos Judeus foi constante. Só por aqui já se vê o Amor Ocidental aos Judeus.
E quanto ao termo constantemento utilizado pelo colega RedWarrior , a saber-"Sionista", devo dizer que sionista é um elemento do movimento do sionismo, que se desenvolveu no sec. XX afirmando o direito a um Estado Judaico e posteriormente á defesa do seu desenvolvimento e integração de Judeus, precisamente por causa das perseguições e massacres a que os Judeus foram sujeitos no Centro e Leste da Europa. Ou seja o exército Nazi e o exército Vermelho com os seus progomas é que deram o impeto necessário á revolta Judaica. É sionista quem pertence ao movimento do Sião e portanto um Israelita é Israelita e não necessáriamente Sionista.
Quanto a apoios e imparcialidades de alguns elementos deste Forum, tambem os há que muito entristeça que os variados e "héroicos" Pogrom anti-semitas do exército da ex União Soviética e Nazi não tenham sido cem por cento eficientes.
Mas atenção, só quem é ignorante é que é a favor da guerra  :shock:  :shock: !!! Tem lógica, os Sionistas cresceram porque os Judeus nos pogrons não tiveram direito a guerra, foram massacrados indefesos...
Título: Re: Resposta ao RedWarrior
Enviado por: RedWarrior em Agosto 07, 2006, 04:28:31 am
Citação de: "lecavo"
Acreditas mesmo nisso? acreditas mesmoque o  Hassan Nasrallah faria o que dizes, que se Israel  retirar de território libanês (incluindo as Quintas de Sheeba) e deixar de atacar...que o Hezbollah faz o mesmo!!!!!!!!.
Tenho a certeza absoluta !! O Hezbollah tem todo o interesse em parar o conflito agora por duas razões:
 - Evitava serem totalmente eliminados;
 - Ficariam na fotografia como os herois da resistência que impediram o avanço das tropas israelitas.
 
Citação de: "lecavo"
passam a vida a dizer que a única solução para este conflito (Israel / Árabe) é o extermínio do estado judaico!!!!
A menos que queiram destruir Israel a disparar misseis às cegas, duvido que o consigam :lol:

Citação de: "lecavo"
Comparar o estado de Israel a um grupo terrorista como e hezbollah, não é do ponto de vista intelectual um raciocínio sério
Não estou a falar do Estado de Israel hoje em dia ( mas até podia estar ) estou a falar dos grupos terroristas que obrigaram a Inglaterra a ceder.

Citação de: "lecavo"
Na verdade elegeram para Primeiro-ministro vários antigos combatentes da MOSSAD.
Não estava a falar da Mossad :shock: Estava a falar de grupos como o Haganah e o Irgun que mais tarde deu origem ao Lehi. O haganah ( actual exército de Israel ) fundado por Ben-Gurion e do qual fizeram parte Yitzhak Rabin e Ariel Sharon.
 Os ataques à bomba que estes fizeram contra instalações britânicas, contra muçulmanos têm todas as semelhanças com os ataques que extremistas árabes fazem em Israel. É apenas ódio que se paga com ódio.

Citação de: "lecavo"
Mas o estado de Israel com todos os seus defeitos e virtudes é uma democracia multipartidária.
Mas que raio de argumento...O Irão também o é, o Líbano também, a Jordânia também...Onde queres tu chegar?
 
Citação de: "lecavo"
Na verdade o exército israelita não procura deliberadamente atacar civis

 Mas faz pouco para o evitar.
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 07, 2006, 05:27:46 am
Citação de: "migbar2"
Agora Israel tem de ser um Estado laico porquê ???
Agora Israel tem que ter uma democracia porquê?? Cada um que mande no seu País.

Citação de: "migbar2"
E o sionismo é mais Ocidetal ?
Mais "ocidental" disse eu em tom irónico...devia ter usado o smile

Citação de: "migbar2"
E é apoiado por alguns daqui por isso mesmo ?
Por alguns foristas pelo menos.

Citação de: "migbar2"
Já alguem ouviu o povo americano não Judeu a falar sobre eles ?
Se forem americanos inteligentes dirão que são pessoas como outras quaisquer, com a particularidade de professarem a religião judaica.

Citação de: "migbar2"
Os Judeus desde há dois mil anos que são culpados pelo mundo da maior mentira da Humanidade isto é da morte de Jesus Cristo.
Isso tem tanta importância nos dias de hoje como a teoria de Ptolomeu que diz que o sol gira em torno da terra.

Citação de: "migbar2"
Ao invés a partir daí a perseguição aos Judeus foi constante.
Sim eu noto isso, as pessoas andam aí a espumar de raiva para matar judeus.

Citação de: "migbar2"
Ou seja o exército Nazi e o exército Vermelho com os seus progomas é que deram o impeto necessário á revolta Judaica.
Sim, na URSS era costume descriminar com base na religião. Aliás, eram tão poucos os judeus nos bolsheviques que a Polícia Czarista se deu ao trabalho de plagiar uma "cabala" apocalíptica e imputá-la aos judeus que eram uma espécie de  besta com uma estrela na testa.  
 A União Soviética foi a potência que mais combateu para eliminar qualquer descriminação com base religiosa e racial.
 Só discordo da posição de Estaline que entre 1944 e 1948 foi a favor da existência de um Estado Judaico, na esperança que este viesse a ser socialista...foi uma jogada estratégica que não correu lá muito bem. A União Soviética foi a primeira potência a reconhecer o Estado de Israel e a primeira a virar-se contra ele.
 
 
Citação de: "migbar2"
É sionista quem pertence ao movimento do Sião e portanto um Israelita é Israelita e não necessáriamente Sionista.
Sim tens razão, ser sionista é defender a existência de um Estado Judaico...é possível viver em Israel e defender a sua laicização. E aliás, existem movimentos em Israel que o defendem e acho que lhes deviamos dar mais atenção.

Citação de: "migbar2"
Tem lógica, os Sionistas cresceram porque os Judeus nos pogrons não tiveram direito a guerra, foram massacrados indefesos...

 Sim sim...a menos que os judeus fossem para a Palestina, caso contrário seriam traidores. Os sionistas impediram a fuga de judeus para os EUA.
Título: Re: Resposta ao RedWarrior
Enviado por: lecavo em Agosto 07, 2006, 10:41:23 am
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "lecavo"
Acreditas mesmo nisso? acreditas mesmoque o  Hassan Nasrallah faria o que dizes, que se Israel  retirar de território libanês (incluindo as Quintas de Sheeba) e deixar de atacar...que o Hezbollah faz o mesmo!!!!!!!!.
Tenho a certeza absoluta !! O Hezbollah tem todo o interesse em parar o conflito agora por duas razões:
 - Evitava serem totalmente eliminados;
 - Ficariam na fotografia como os herois da resistência que impediram o avanço das tropas israelitas.
 
Referia-me à renúncia definitiva! Não a um interregno só porque dá jeito. O que tu dizes (implicitamente) é que o hezbollah aceitava (neste momento) o cessar-fogo porque corre o risco de ser extinto. Mas que posteriormente, quando voltasse a levantar a cabeça, continuava na sua senda assassina.

 

Citação de: "lecavo"
Mas o estado de Israel com todos os seus defeitos e virtudes é uma democracia multipartidária.
Mas que raio de argumento...O Irão também o é, o Líbano também, a Jordânia também...Onde queres tu chegar?

Ao facto do hezbollah não ser um estado e muito menos uma democracia. O hezbollah nem sequer espelha a vontade de todo o povo libanês. Trata-se de um partido armado (que nem vontade própria tem).
 
Citação de: "lecavo"
Na verdade o exército israelita não procura deliberadamente atacar civis
Mas faz pouco para o evitar.


Claro que ver imagens de cidades ou zonas residenciais de cidades totalmente destruídas (à imagem da II guerra mundial) incomoda, incomoda muito. Mas a guerra é isto mesmo, quem vai à guerra dá e leva. Se o meu oponente é muito mais forte que eu, se me meter com ele já sei que vou levar porrada. É que aqui que bate a coisa. Esta é uma táctica deliberada do hezbollah, sabe perfeitamente que não consegue ganhar a guerra do ponto de vista militar, então tenta vencê-la através da opinião pública internacional. Vai tentar manipular e jogar com as imagens o mais possível, de modo a retirar disso o maior proveito. O hezbollah não tem feito nada para proteger a sua população. É mais responsável por esta destruição que o exercito israelita.

Um abraço.[/u]
Título:
Enviado por: Rui Conceicao em Agosto 07, 2006, 09:26:48 pm
Quem faz esta guerra não é o povo Libanes, mas sim o Irão e Siria, porque sabem que não o podem fazer diretamente.Senão levam
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 07, 2006, 10:32:24 pm
Histórias de reservistas:

Citar
Israeli reservists ready for action  
By Martin Patience
BBC News, Jerusalem  


 
Almost everyone in Israel knows someone currently on duty
Yakir Segev, 27, was supposed to spend this August hiking in the mountains of northern Israel with his wife and their one-year-old son.

Instead, Mr Segev is sleeping outdoors beside a column of tanks close to the Israeli - Lebanese border awaiting orders to deploy into southern Lebanon.

"I was expecting the call, I knew it was coming, I was ready," says Mr Segev, who was visiting his mother in Tel Aviv last Friday for Shabbat dinner when he was told by the army to mobilise.

Two hours later he was travelling in his car to a military base in the north of Israel.

"I was at peace with doing it. Unfortunately reserve duty is a normal part of our lives in Israel."

Vital reserves

The reserve platoon commander is one of thousands of Israeli citizens called up by the military to bolster the country's war effort as the conflict between Israel and Hezbollah militants continues into its fourth week.

Because of Israel's small population of about 6.4 million citizens it depends heavily on the reserves in times of war.

 
A Hezbollah rocket killed 12 reservists on Sunday

While Israel refuses to say how many reservists have been called some media estimates say the figure is about 15,000 soldiers.

Almost everyone in Israel knows someone currently serving reserve duty.

Israel's standing army of about 186,500 troops can jump to 631,500 with a mass call-up of reserve soldiers, according to the Jaffee Centre for Strategic Studies in Tel Aviv.

Most 18-year-old Israelis, males and females, serve two to three years of military service in the army.


During the current conflict, some of the reservists are heading for the West Bank replacing better trained soldiers who are transferred to Lebanon to fight Hezbollah.

But like Mr Segev, most of the soldiers willingly do reserve service even if it means disruption to their daily lives or putting themselves in danger.

On Sunday, 12 reserve soldiers were killed by a Hezbollah rocket attack on the Kibbutz Kfar Giladi in northern Israel.

"It's the clearest case of defence I can think of," says Mr Segev, a student of public administration at Hebrew University in Jerusalem. "Israel was attacked within its sovereign borders by a terrorist organisation."

While opinion polls in Israeli newspapers show that an overwhelming majority of the public here support the war, there has been one high profile case of an Israeli reserve army officer refusing to fight.

Amir Fester, 32, was sentenced to 28 days in a military prison for refusing to serve in Lebanon.

Waiting for the call

As the war continues, more reserve soldiers have been notified to expect a call-up.

Many are told by a phone call, others get a brown envelope through their post boxes, while some get a text message sent to their mobiles.

 
 I have family and friends in Haifa and I feel that this is a war on my house.

Yoav Kedem, 30, youth worker

Yoav Kedem, 30, learned of a possible call-up last week.

The youth worker immediately packed a bag of clothes, sun cream, a razor, and two novels. He also removed his brown army combat boots from a cupboard in readiness for deployment.

"I want to join my friends in the north," says Mr Kedem, at his apartment in Jerusalem.

"I have family and friends in Haifa and I feel that this is a war on my house."

But his wife, Hadas, 27, is fraught with worry. She calls him up to six times a day to ask whether he has been drafted.

"But she understands that winning this war is very important for Israel's existence," says Mr Kedem.

 



http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5253868.stm (http://news.bbc.co.uk/2/hi/middle_east/5253868.stm)
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 07, 2006, 11:23:37 pm
Citar
Governo libanês disposto a enviar 15 mil soldados para o sul do país


O Governo libanês afirmou-se hoje disposto a mobilizar 15 mil soldados para o sul do país, junto à fronteira com Israel, mas só após a retirada das tropas israelitas do território. O Hezbollah já manifestou o seu apoio à decisão.

“O Governo afirma que está preparado para mobilizar 15 mil soldados para o sul do Líbano, desde que as tropas israelitas sejam retiradas, e que irá apelar à Finul [força interina das Nações Unidas no Líbano] para facilitar a mobilização”, avançou o ministro libanês da Informação, Ghazi Aridi.

Ainda segundo o ministro, as forças libanesas serão as únicas a actuar no terreno, o que, a confirmar-se, irá impedir a presença armada do Hezbollah na fronteira.

Questionado sobre a possibilidade de um acordo sobre essa questão com o Hezbollah, Ghazi Aridi limitou-se a afirmar que “existem acordos sobre todos os pontos decididos, mas que este não é o momento para torná-los públicos”. “O Hezbollah é um partido libanês que permanecerá no sul enquanto uma força política e popular”, precisou o membro do Governo de Beirute.

Porém, segundo o ministro libanês da Defesa, Elias Murr, o Hezbollah já manifestou o seu acordo em Conselho de Ministros (o movimento tem dois ministros no Executivo) sobre a mobilização do Exército libanês para o sul do país. Ainda segundo o ministro da Defesa, a decisão foi tomada de forma unânime.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1266533


Nao o fizeram qd o deviam ter feito e vem agora com paninho quentes...
Título: Re: Resposta ao RedWarrior
Enviado por: RedWarrior em Agosto 08, 2006, 01:57:55 am
Citação de: "lecavo"
Referia-me à renúncia definitiva!
Sim eu percebo o que queres dizer, Hassan Nasrallah apoia a intifada...É complicado de resolver, não podes proibir os países árabes de ter exércitos fortes nem de ter energia nuclear. Eu já dei a minha opinião, só a laicização dos Estados conduz à paz.

Citação de: "lecavo"
Mas a guerra é isto mesmo, quem vai à guerra dá e leva.
Os civis vão à guerra ??

Citação de: "lecavo"
Esta é uma táctica deliberada do hezbollah, sabe perfeitamente que não consegue ganhar a guerra do ponto de vista militar, então tenta vencê-la através da opinião pública internacional.
Eu fazia o mesmo.

Citação de: "lecavo"
O hezbollah não tem feito nada para proteger a sua população. É mais responsável por esta destruição que o exercito israelita.

 Nenhum civil deve pagar pelos erros do Hezbollah, é aqui que condeno Israel.
Título: Re: Resposta ao RedWarrior
Enviado por: Azraael em Agosto 08, 2006, 02:06:26 am
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "lecavo"
Mas a guerra é isto mesmo, quem vai à guerra dá e leva.
Os civis vão à guerra ??
Quando apoiam directa ou indirectamente um dos lados, sim.

Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "lecavo"
Esta é uma táctica deliberada do hezbollah, sabe perfeitamente que não consegue ganhar a guerra do ponto de vista militar, então tenta vencê-la através da opinião pública internacional.
Eu fazia o mesmo.
Vindo de ti nao seria de esperar outra coisa... Nunca pareceste ter grandes escrupulos no que refere ao uso ou assassinato de civis inocentes.

Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "lecavo"
O hezbollah não tem feito nada para proteger a sua população. É mais responsável por esta destruição que o exercito israelita.
Nenhum civil deve pagar pelos erros do Hezbollah, é aqui que condeno Israel.
Quem sao os civis e quem sao os memnbros do Hexbollah? Um civil que detecte movimentos do Hezbollah e nao os denuncie e' cumplice dos mesmos... Um governo que feche os olhos ao facto de ter um grupo terrorista a dominar uma parte do seu territorio e a lancar ataques contra um pais soberado, e' cumplice... Brincaram com o fogo, agora nao se queixem.
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 08, 2006, 03:04:30 am
Citar
Os Judeus desde há dois mil anos que são culpados pelo mundo da maior mentira da Humanidade isto é da morte de Jesus Cristo

 Isso tem tanta importância nos dias de hoje como a teoria de Ptolomeu que diz que o sol gira em torno da terra.




Eu não falei na imporância de hoje...apenas foi assim que tudo começou e a partir de então eles foram sempre "um povo a evitar", ou agora também há duvidas em relação a isso ?




Citar
Ao invés a partir daí a perseguição aos Judeus foi constante.

 Sim eu noto isso, as pessoas andam aí a espumar de raiva para matar judeus.


 :shock:  :shock:  Aqui não se tem feito outra coisa, só não se mata  :roll: .


Citar
Ou seja o exército Nazi e o exército Vermelho com os seus progomas é que deram o impeto necessário á revolta Judaica.

Sim, na URSS era costume descriminar com base na religião. Aliás, eram tão poucos os judeus nos bolsheviques que a Polícia Czarista se deu ao trabalho de plagiar uma "cabala" apocalíptica e imputá-la aos judeus que eram uma espécie de  besta com uma estrela na testa.  
 A União Soviética foi a potência que mais combateu para eliminar qualquer descriminação com base religiosa e racial.
 Só discordo da posição de Estaline que entre 1944 e 1948 foi a favor da existência de um Estado Judaico, na esperança que este viesse a ser socialista...foi uma jogada estratégica que não correu lá muito bem. A União Soviética foi a primeira potência a reconhecer o Estado de Israel e a primeira a virar-se contra ele.




Valha-nos Deus, tanta ironia para quê ?....Já no tempo dos Czares, os Russos no séc XIX fartaram-se de massacrar Judeus, com a justificação de que estes eram apoiantes da "Revolução". Depois com a "Revolução" já no poder, os desgraçados voltaram a ser perseguidos embora a intensidade não fosse tão grande, pois está claro, só no fim de séc XIX dois milhões de Judeus tiveram de fugir para os E.U.A., isto para o colega é uma novidade ? Sinceramente não o creio !!
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 08, 2006, 08:16:26 am
Do DD:

Citar
CD com discursos do líder do Hezbollah faz furor nos tops

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, gravou em cd (compact disc) um discurso que inclui, de igual modo, músicas de combate e canções nacionalistas libanesas. O álbum é já um êxito de vendas na Síria.
Desde os ataques israelitas ao Hezbollah, a imagem de Nasrallah passou a fazer parte de um conjunto de lembranças. Tais como CD’s com discursos, cartazes, chaveiros e camisolas.

Na Síria, o líder xiita tem ganho muita força. As bandeiras do Hezbollah estão espalhadas pela cidade de Damasco e as lojas esgotam os produtos com a imagem do líder libanês.

 


http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=238849 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=238849)


" Livro Vermelho" versão séc. XXI.........
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 08, 2006, 10:45:18 am
Jornalismo de "Causas" (propaganda)...

http://michellemalkin.com/archives/005670.htm (http://michellemalkin.com/archives/005670.htm)
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 08, 2006, 02:59:01 pm
Judeus anti-sionistas protestavam pacificamente perto de Haifa contra um projecto qualquer do governo, e eis que chegam seguranças contratados pelo Estado de Israel, vejam o que acontece:
 Parte 1 (http://http)
 Parte 2 (http://http)
 
 Isto não tem nada a ver com o tópico e passou-se em Abril do ano passado mas é só para perceberem que isso da liberdade de expressão é tudo muito subjectivo...
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 08, 2006, 03:48:22 pm
Têm aqui (http://http) mais exemplos da polícia israelita a bater em rabinos anti-sionistas.
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 08, 2006, 06:26:04 pm
Citar
Hizbollah fighter tells Israel he trained in Iran


A Hizbollah fighter captured by Israel has told interrogators he received training in Iran and arrived there on a flight from Syria, a tape of the interrogation released by the Israeli army showed on Monday.

During questioning the man also confessed to taking part in the cross-border raid on July 12 in which two Israeli soldiers were captured, the incident which sparked the current conflict.

"We trained in Iran," the man, who gave his name as Mahmoud Ali Suleiman, told the interrogator. "We went from Beirut in civilian cars... to the airport in Damascus."

Suleiman, who gave his age as 22, said between 40 and 50 people went with him for the training, which involved instruction in the use of anti-tank weapons. He didn't say when the training took place or how long it lasted.

The man, speaking in Arabic, said he joined Hizbollah in 2000 and had carried out two operations with the Lebanese guerrilla group, the first in December 2005 when they had tried to take on an Israeli tank entering southern Lebanon.

The second operation was the one in July, when the two Israeli soldiers were seized and eight were killed in subsequent mortar fire and clashes.

As well as the brief stint in Iran, Suleiman said he had done extensive training at a Hizbollah camp in Baalbek, in Lebanon's eastern Bekaa valley.



http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2006/08/07/AR2006080700629.html

Sera que ainda vamos ver ataques directos a estes campos de treino terroristas?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 08, 2006, 08:59:10 pm
Mais um lote de armas, supostamente apreendidas ao Hezbollah.

(http://img392.imageshack.us/img392/672/103717008im1.th.jpg) (http://http)

(http://img360.imageshack.us/img360/1367/103717011sh3.th.jpg) (http://http)

(http://img360.imageshack.us/img360/4333/103717012co6.th.jpg) (http://http)

(http://img360.imageshack.us/img360/4926/103717013ec8.th.jpg) (http://http)

(http://img115.imageshack.us/img115/5203/103717017wq3.th.jpg) (http://http)

(http://img56.imageshack.us/img56/8777/103717018zl7.th.jpg) (http://http)

(http://img56.imageshack.us/img56/1986/103717015ya1.th.jpg) (http://http)

(http://img56.imageshack.us/img56/2073/103717016pb8.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 08, 2006, 09:53:47 pm
Governo confirma escala de avião cargueiro israelita na base das Lajes

Citar
8.08.2006 - 20h37   Lusa
 

Um avião militar cargueiro de Israel, transportando "material bélico não ofensivo", fez uma escala na base militar das Lajes, nos Açores, na semana passada, confirmou uma fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A notícia da utilização da base das Lajes por aviões israelitas tinha sido avançada pela rádio Antena 1, que já mencionava o transporte de "material bélico não ofensivo", tendo o ministério sublinhado, entretanto, que se tratou de apenas um voo, na semana passada, e que o Governo português foi previamente informado.

Ao abrigo dos acordos internacionais, explicou a mesma fonte, qualquer aterragem ou escala de aviões tem que ser autorizada pelas autoridades portuguesas. Em situações de conflito, como acontece agora no Líbano, entre Israel e a milícia xiita Hezbollah, "há uma atenção especial" quanto à autorização de escalas e voos, acrescentou a mesma fonte.

Depois do pedido, o embaixador de Israel em Lisboa, Aarin Ram, foi chamado ao Ministério dos Negócios Estrangeiros português, e informou tratar-se de um voo de cargueiro militar israelita transportando "material bélico não ofensivo". "Foi autorizado apenas um avião e foi dada apenas uma autorização", afirmou a mesma fonte.

A base das Lajes, criada em plena II Guerra Mundial, é utilizada, desde 1943, pelos Estados Unidos que tem um contingente colocado nas instalações da estrutura aeroportuária localizada na ilha Terceira.


Politica, pior politicos, um dia vêm para a comunicação social dizer que o conflito tem que acabar o mais depressa possivel, noutro dia permitem o reforço de armamento (classificado como "material bélico não ofensivo") para alimentar o conflito.
Título:
Enviado por: psychocandy em Agosto 09, 2006, 12:33:29 am
Não sei se ja foi postado mas aqui fica uma pérola ;)

http://www.youtube.com/watch?v=c1oq7oGO_N8 (http://www.youtube.com/watch?v=c1oq7oGO_N8)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 09, 2006, 09:28:44 am
Do DD:

Citar
Ninguém sabe de onde vem o dinheiro do Hezbollah, diz Lahud

O presidente libanês pro-sírio Emile Lahud afirmou numa entrevista ao jornal argentino Clarin que «ninguém sabe de onde vem o dinheiro e as armas» do Hezbollah, movimento que defendeu abertamente.
«Mesmo os (dois) ministros (que pertencem ao movimento) não sabem e essa é a sua força», indicou Lahud, questionado a propósito de um possível financiamento do Hezbollah pelo Irão e de um apoio logístico garantido por parte da Síria.

Lahud, um antigo comandante do exército libanês, defendeu o Hezbollah, qualificando-o como um movimento de «resistência nacional» que permitiu a «libertação do território.»

O chefe de Estado negou ainda que esteja a acontecer no Líbano uma guerra por procuração entre Israel e Estados Unidos, de um lado, e Síria e Irão, do outro.

Essa questão é, segundo Emile Lahud, propaganda feita pelos «media e a influencia judaica no mundo», sobretudo pelos «media norte-americanos».

«A resistência bate-se com os libaneses, em território libanês e com reivindicações libanesas. Eles (o Hezbollah) querem Chebaa (as quintas) que é libanês», afirmou Lahud.

Lahud mostrou-se pessimista sobre um possível cessar-fogo, afirmando que a «resolução em que o Conselho de Segurança das Nações Unidas está a trabalhar responde às condições colocadas por Israel.»

«Posso assegurar que desde o primeiro dia, o Líbano quer acabar com esta guerra porque é o nosso país que está a ser destruído», sublinhou Lahud.

«O Líbano deseja a paz. Mas a paz não pode ser unicamente para Israel. Queremos uma paz global, que beneficie todos. (Se os israelitas) restituírem a terra terão a paz com todos os países árabes», disse o presidente libanês.




http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?s ... ews=239016 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=10&id_news=239016)

Alguém envie um mail ao presidente Libanês sobre o financiamento do Hezbollah.............ou então ele que ordene uma auditoria à organização :lol:

Excelente vídeo, psychocandy
Título:
Enviado por: psychocandy em Agosto 09, 2006, 02:48:21 pm
Ja agora mais uns links giros sobre a propaganda ;)

http://www.slublog.com/archives/2006/08 ... on_of.html (http://www.slublog.com/archives/2006/08/the_passion_of.html)

http://gatewaypundit.blogspot.com/2006/ ... ollah.html (http://gatewaypundit.blogspot.com/2006/08/new-york-times-busted-in-hezbollah.html)
Título:
Enviado por: LOBO SOLITÁRIO em Agosto 09, 2006, 03:57:23 pm
governo português tem sido pressionado por vários sectores da opinião pública, para se pronunciar sobre o conflito entre israelitas e libaneses.
Eu sempre suspeitei que o executivo xuxixalista estaria do lado que o imperialismo americano pretendesse e ordenasse.
As dúvidas estão desfeitas, uma vez que bastou o governo terrorista israelita pedir e logo obedientemente, foi autorizada a utilização da base das Lajes por um avião com material bélico “não ofensivo”.
Recomendo ao Sr. Ministro dos Negócios Estrangeiros, que solicite ao governo israelita o obséquio de pintar nas munições a seguinte frase “ de Portugal com amor” de preferência em rosa choque pois é certamente a cor preferida, do desgoverno.
Esta decisão não merece certamente a aprovação do povo português e coloca o Sr. Sócrates e companhia na lista dos que tem as mãos sujas de sangue
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 09, 2006, 08:39:05 pm
A pressão de ar ao lado dos Sagger não deixa de ter a sua piada... :mrgreen:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 09, 2006, 11:02:05 pm
Mais duas armas terriveis :lol:                  

(http://img224.imageshack.us/img224/3549/103917041li6.th.jpg) (http://http)

Agora, isto sim é uma apreenção de armas.

(http://img148.imageshack.us/img148/2457/104617133wu6.th.jpg) (http://http)

(http://img148.imageshack.us/img148/8476/104617134oh6.th.jpg) (http://http)

(http://img148.imageshack.us/img148/1590/104617138zn8.th.jpg) (http://http)

(http://img84.imageshack.us/img84/3527/104617139ik2.th.jpg) (http://http)

(http://img84.imageshack.us/img84/4825/104617140jj9.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 09, 2006, 11:58:09 pm
Médio Oriente: Forças de Telavive confirmam 15 baixas

Citar
Quinze soldados israelitas foram hoje mortos no sul do Líbano por guerrilheiros do Hezbollah, revela o Exército judaico.
 Este é um dos dias mais sangrentos para Israel desde o início dos combates na fronteira com o Líbano, há quase um mês.

O Exército diz ainda ter abatido 40 guerrilheiros do movimento xiita libanês Hezbollah.

Segundo a televisão israelita, há combatentes de nacionalidade iraniana entre os elementos do Hezbollah mortos nos combates desta quarta-feira.


http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=172597 (http://www.rr.pt/noticia.asp?idnoticia=172597)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Agosto 10, 2006, 12:08:03 am
Portugal deverá sempre apoiar os países amigos quando estes sejam ameaçados ou atacados. É o caso de Israel.

Em relação às críticas da esquerda já o diz o ditado: os cães ladram e a caravana passa!
Título:
Enviado por: RedWarrior em Agosto 10, 2006, 02:16:54 am
Citação de: "Jorge Pereira"
Portugal deverá sempre apoiar os países amigos quando estes sejam ameaçados ou atacados.

 Esta frase diz tudo...
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 10, 2006, 02:30:25 am
Citação de: "psychocandy"
Não sei se ja foi postado mas aqui fica uma pérola :D ! A dizer estas coisa feias daqueles mininos de côro mais os seus jornalistas tão imparciais ???? AI ai ai ai...um dia destes ainda acabam aqui com o forum, olhe que não podemos ser tão radicais ..." todos a favor dos herois do Hezbollah e já !!!"  :lol:  :wink: .
Título:
Enviado por: migbar2 em Agosto 10, 2006, 02:36:26 am
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "Jorge Pereira"
Portugal deverá sempre apoiar os países amigos quando estes sejam ameaçados ou atacados.
Esta frase diz tudo...




Pois diz diz !!! ... as frases do colega RedWarrior se calhar dizem muito mais e já agora o nome "de guerra" tambem...
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 10, 2006, 03:22:52 am
Não se esquecam. aquando da guerra colonial Israel forneceu-nos misseis Blowpipe, napalm, e munições para os nossos caças. Devemos retribuir.
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 10, 2006, 04:34:48 pm
eu acho que não era Blowpipe

Acho que eram FIM-43 Redeye
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 10, 2006, 04:53:04 pm
Citar
Israel apela aos habitantes da zona sul de Beirute que abandonem a região


O Exército de Israel apelou hoje aos últimos habitantes da zona sul de Beirute para abandonarem a região, por estar em preparação mais uma fase da ofensiva israelita na capital libanesa.

"O Exército israelita vai alargar as suas operações em Beirute. Habitantes de Hay al-Solum, Burj Barajneh e Chiyah, para vossa segurança, devem abandonar imediatamente essas zonas e todos os locais onde elementos do Hezbollah organizem operações terroristas", sustenta o panfleto de alerta lançado pela Força Aérea israelita.

De acordo com um correspondente da agência noticiosa AFP, a advertência suscitou o pânico entre a população, que reuniu o maior número de bens possíveis e deixou as suas casas em viaturas ou a pé. Ao longo das estradas, grupos de famílias em retirada transportam malas e sacos com alguns abastecimentos, enquanto outras tentam arranjar transporte em táxis, que evitam há muito aquele sector de Beirute, devido aos raides israelitas. Centenas de outras pessoas foram retiradas da zona de Chiyah em autocarros, com destino a Bourj Hammoud, na zona norte da capital.

Para acalmar os últimos habitantes de Chiyah que ficaram privados de transporte foram utilizados altifalantes para os informar de que poderão abandonar a zona em autocarros públicos, usados apenas para este efeito.

Antes do alerta, a zona de Burj Barajneh estava praticamente deserta, enquanto que em Hay al-Solum apenas permanecia um terço dos habitantes.

Até ao raide israelita de segunda-feira, que provocou pelo menos 32 mortos, Chiyah era a zona mais povoada da zona sul de Beirute. Antes da ofensiva lançada por Israel, meio milhão de pessoas vivia na periferia meridional da capital.



http://www.publico.clix.pt/shownews.asp?id=1266840&idCanal=18


Humm... sera que o Hezbollah tambem avisa antes de lancar rockets contra cidades israelitas :roll:
Título:
Enviado por: fgomes em Agosto 10, 2006, 06:43:40 pm
Uma das coisas mais impressionantes neste conflito é a manipulação da informação pela parte do Hezbollah. Começam por condicionar as reportagens só autorizando as imagens que lhes convém, conforme vários jornalistas portugueses têm confirmado. Mas não ficam por aqui, recorrendo ao Photoshop para "melhorar" as imagens ou então encenando autênticos "filmes". Isto não seria preocupante se esta "informação" não fosse divulgada por alguns media ocidentais como por exemplo a agência Reuters ou o New York Times. E quando o embuste é descoberto, na melhor das hipóteses estes media limitam-se a retirar as imagens, sem ao menos pedirem desculpa aos seus leitores.
Curiosamente este escândalo ainda não chegou aos media nacionais...
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 10, 2006, 08:10:59 pm
É mesmo, fgomes. Não admitem os erros. Aliás não é novidade, uma vez que eles, na sua maioria, dedicam-se a "jornalismo de causas" (propaganda), clamado por imbecis como José Mário Branco.

Mas a propósito disto, isto:

http://www.youtube.com/watch?v=gL0rEc2ZQu8&eurl= (http://www.youtube.com/watch?v=gL0rEc2ZQu8&eurl=)

e mais isto:

http://www.iranian.ws/iran_news/publish ... 7095.shtml (http://www.iranian.ws/iran_news/publish/article_17095.shtml)

Useful Idiots Are Islam's Best Soldiers
Aug 9, 2006
Amil Imani - Persian Journal
 

Islam enjoys a large and influential ally among the non-Muslims: A new generation of "Useful Idiots,"? that Lenin identified as those who lived in liberal democracies and furthered the work of communism. This new generation of Useful Idiots also lives in liberal democracies but serves the cause of Islamofascism, another virulent form of totalitarian ideology.

Useful Idiots are naive, foolish, ignorant of facts, unrealistically idealistic, dreamers, willfully in denial or deceptive. They hail from the ranks of the chronically unhappy, the anarchists, the aspiring revolutionaries, the neurotics who are at war with life, the disaffected alienated from government, corporations, and just about any and all institutions of society. The Useful Idiot can be a billionaire, a movie star, an academe of renown, a politician, or from any other segment of the population.

Arguably, the most dangerous Useful Idiot is the "Politically Correct."? He is the master practitioner of euphemism, hedging, doubletalk, and outright deception.

The Useful Idiot derives satisfaction from being anti-establishment. He finds perverse gratification in aiding the forces that aim to dismantle an existing order, whatever it may be: an order he neither approves of nor he feels he belongs to.

The Useful Idiot is conflicted and dishonest. He fails to look inside himself and discover the causes of his own problems and unhappiness while he readily enlists himself in causes that validate his distorted perception.

Understandably, it is easier to blame others and the outside world than to examine oneself with an eye to self-discovery and self-improvement. Furthermore, criticizing and complaining "liberal practices of the Useful Idiot" require little talent and energy. The Useful Idiot is a great armchair philosopher and "Monday Morning Quarterback."

The Useful Idiot is not the same as a person who honestly has a different point of view. A society without honest and open differences of views is a dead society. Critical, different and fresh ideas are the life blood of a living society, the very anathema of autocracies where the official position is sacrosanct.

Even the "normal" spends a great deal more energy aiming to fix things out there than working to overcome his own flaws and shortcomings, or contribute positively to the larger society. People don't like to take stock of what they are doing or not doing that is responsible for the conditions they disapprove.

 


The Useful Idiot, among other things, is a master practitioner of scapegoating. He assigns blame to others while absolving himself of responsibility, has a long handy list of candidates for blaming anything and everything, and by living a distorted life, he contributes to the ills of society.

The Useful Idiot may even engage in willful misinformation and deception when it suits him. Terms such as "Political Islam," or "Radical Islam," for instance, are contributions of the Useful Idiot. These terms do not even exist in the native parlance of Islam, simply because they are redundant. Islam, by its very nature and according to its charter "the Quran" is a radical political movement. It is the Useful Idiot who sanitizes Islam and misguides the populace by saying that the "real Islam"? constitutes the main body of the religion; and, that this main body is non-political and moderate.

Regrettably, a large segment of the population goes along with these nonsensical euphemisms depicting Islam because it prefers to believe them. It is less threatening to believe that only a hijacked small segment of Islam is radical or politically driven and that the main body of Islam is indeed moderate and non-political.

But Islam is political to the core. In Islam the mosque and state are one and the same the mosque is the state. This arrangement goes back to the days of Muhammad himself. Islam is also radical to the extreme. Even the "moderate" Islam is radical in its beliefs as well as its deeds. Muslims believe that all non-Muslims, bar none, are hellfire bound and well-deserve being maltreated to the utmost.

No radical barbaric act of depravity is out of bounds for Muslims in dealing with others. They destroy precious statues of Buddha, level sacred monuments of other religions, and bulldoze the cemeteries of non-Muslims a few examples of their utter extreme contempt toward others.

Muslims are radical even in their intrafaith dealings. Various sects and sub-sects pronounce other sects and sub-sects as heretics worthy of death; women are treated as chattel, deprived of many rights; hands are chopped for stealing even a loaf of bread; sexual violation is punished by stoning, and much much more. These are standard day-to-day ways of the mainstream "moderate" Muslims living under the stone-age laws of Shariah.

The "moderate" Islam has been outright genocidal from inception. Their own historians record that Ali, the first imam of the Shiite and the son-in-law of Muhammad, with the help of another man beheaded 700 Jewish men in the presence of the prophet himself. The prophet of Allah and his disciples took the murdered men, women and children in slavery. Muslims have been, and continue to be, the most vicious and shameless practitioner of slavery. Slave trade, even today, is a thriving business in Islamic lands where wealthy, perverted sheikhs purchase children of the poor from traffickers for their sadistic gratification.

It is a well-established fact that a Jew's word is his bond. The exact opposite is the case with Muslims. Muslims are taught deception and lying in the Quran itself, something that Muhammad practiced during his life whenever he found it expedient. Successive Islamic rulers and leaders have done the same. Khomeini, the founder of the 1979 Iranian Revolution, for instance, rallied the people under the banner of democracy. All along his support for democracy was not a commitment of an honest man, but a ruse of a true Muslim. As soon as he gathered the reign of power, Khomeini went after the Useful Idiots of his time with vengeance. These best children of Iran, having been thoroughly deceived and used by the crafty phony populist-religionist, had to flee the country to avoid the fate of tens of thousands who were imprisoned or executed by the double-crossing imam.

 


Almost three decades after the tragic Islamic Revolution of 1979, the suffocating rule of Islam casts its death-bearing pal over Iranians. A proud people with enviable heritage is being systematically purged of its sense of identity and forced to think and behave like the barbaric and intolerant Muslims. Iranians who had always treated women with equality, for instance, have seen them reduced by the stone-age clergy to sub-human status of Islamic teaching. Any attempt by the women of Iran to counter the misogynist rule of Muhammad's mullahs is mercilessly suppressed. Women are beaten, imprisoned, raped and killed just as men are slaughtered without due process or mercy.

The lesson is clear. Beware of the Useful Idiots who live in liberal democracies. Knowingly or unknowingly, they serve as the greatest volunteer and effective soldiers of Islam. They pave the way for the advancement of Islam and they will assuredly be among the very first victims of Islam as soon as it assumes power.


Amil Imani is an Iranian-born American citizen and pro-democracy activist residing in the United States of America. Imani is a columnist, literary translator, novelist and an essayist who has been writing and speaking out for the struggling people of his native land, Iran. He maintains a website at http://amilimani.com/index (http://amilimani.com/index)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Agosto 10, 2006, 08:14:39 pm
Citação de: "Typhonman"
Não se esquecam. aquando da guerra colonial Israel forneceu-nos misseis Blowpipe, napalm, e munições para os nossos caças. Devemos retribuir.

Nós também já os ajudamos anteriormente caro Typhonman:

Citação de: "Prof. MARTINS DA CRUZ"
Em 1973 o Egipto atacou Israel, os egípcios prepararam a ofensiva e os israelitas fizeram montes de areia que os egípcios conseguiram anular e ao mesmo tempo os sírios atacaram; ao fim de três dias os israelitas ficaram sem material e pediram aos USA; os USA precisaram dos Açores, o Prof. Marcello Caetano recebeu uma nota a informar o número de aviões e a data de passagem; os países árabes boicotaram Portugal com petróleo


Esta ajuda, segundo os mesmos israelitas, veio a ser crucial.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 10, 2006, 09:17:32 pm
Foi um bom gesto por Parte de Portugal..
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 11, 2006, 08:22:14 am
No Público:

Citar
Conselho de Segurança pode votar ainda hoje
Iminente um acordo na ONU para o cessar-fogo
11.08.2006 - 08h04   Jorge Almeida Fernandes PÚBLICO
 


A França e os Estados Unidos estavam ontem à noite a ultimar um texto sobre a cessação das hostilidades no Líbano, com base na proposta francesa. A versão final teria ainda de ser aprovada pelos outros membros permanentes, Rússia, Grã-Bretanha e China. "Esperamos um acordo em Nova Iorque de um momento para o outro", declarou em Paris o MNE francês, Philippe Douste-Blazy. Alguns pontos sensíveis da resolução, que deve ser apresentada hoje ou amanhã ao Conselho de Segurança, estavam ainda a ser discutidos com Israel e o Líbano.

"Os americanos mudaram de posição. O acordo com a França é uma questão de horas", disse à Reuters um "alto responsável" libanês. O acordo baseia-se na tese francesa de uma retirada progressiva do exército israelita e do envio dos militares libaneses, apoiados pela UNIFIL e por uma força francesa. O Hezbollah retirará as suas forças para norte do rio Litani e cessará imediatamente os ataques com rockets a Israel.

À noite, vindo de Beirute, chegou a Telavive David Welch, secretário de Estado adjunto americano para o Médio Oriente para concertar posições com o primeiro-ministro, Ehud Olmert.

Pouco antes, falando em nome Olmert, o deputado Otniel Schneller declarara: "Está a ser redigida uma nova proposta, que tem um significado positivo e trará o fim da guerra. Mas, se não for aceitável, há sempre a decisão do Gabinete", ou seja a expansão da ofensiva terrestre.

O embaixador americano na ONU, John Bolton, disse que "não é irrealista" haver uma votação ainda hoje. O russo Vladimir Tchurkin foi mais reservado: "Há esperança, mas ainda há coisas espinhosas a discutir." A MNE britânica, Margaret Beckett, interrompeu as férias em França para voar para Nova Iorque. Condoleezza Rice irá à ONU "se necessário, para trabalhar nos últimos detalhes", disse o porta-voz do Departamento de Estado.

Douste-Blazy lembrou as condições francesas, enunciadas na quarta-feira à noite, depois de o Presidente Chirac ter ameaçado apresentar unilateralmente a proposta francesa ao Conselho de Segurança. "Primeiro, a retirada progressiva do exército israelita para sul da linha azul [fronteira], a seguir a entrada de um destacamento gradual do exército libanês com o apoio da UNIFIL [missão da ONU] reforçada."

Lembrou ainda a necessidade de "precisar a resposta à questão das Shebaa Farms", condição essencial para Beirute, a que Israel e os EUA resistem. É um minúsculo território sírio que o Líbano reivindica e serve de pretexto ao Hezbollah para se manter armado.

Variavam as versões das agências e da imprensa on-line. Segundo o israelita Yediot Aharonot, citando fontes oficiais, o acordo prevê o envio de uma força internacional, a aplicação da resolução 1559 (desarmamento das milícias), negociação de uma troca de prisioneiros e o estabelecimento de um mecanismo para futuras negociações israelo-libanesas.

Difícil para todos

Mas, frisava o Ha"aretz, a força internacional não terá como mandato desarmar o Hezbollah, uma reivindicação israelo-americana a que Paris se opunha. O embaixador israelita na ONU, Danny Gillerman, reconheceu que a proposta não encara a permanência dos militares israelitas no Líbano até à chegada duma força internacional, mas em compensação imporia um embargo do armamento destinado ao Hezbollah e canalizado pela fronteira síria, garantido pela força internacional.

A resolução será feita ao abrigo do Capítulo Seis da Carta da ONU, que permite à força internacional usar a força em caso de violações do cessar-fogo. Admitia-se que a França deslocasse imediatamente para o Sul do Líbano as forças militares que já tem em Beirute - a retirar estrangeiros - para actuar ao lado das tropas libanesas e da UNIFIL. Poderiam seguir-se destacamentos italianos, espanhóis, australianos e outros. Chirac desistiu de exigir um prévio acordo político entre as todas as partes.

Faltava a resposta final de Telavive e Beirute. É difícil para todos. Os israelitas são obrigados a retirar sem força multinacional para desarmar o Hezbollah. E os libaneses não obtêm a saída "imediata e completa" dos israelitas.

O Governo de Olmert relembrou as suas exigências fundamentais, como a libertação incondicional dos soldados raptados ou a ausência de qualquer referência às Shebaa Farms. Mas não se deve levar a sério a ameaça de recusa do cessar-fogo e a expansão da ofensiva terrestre. Esta decisão, tomada na quarta-feira, tinha uma curiosa adenda: a ofensiva só seria lançada num prazo de dois ou três dias.

A decisão, explica Aluf Benn no Ha"aretz, só foi tomada após um longo telefonema de Rice para Olmert, em que a secretária de Estado lhe terá prometido um acordo sobre o cessar-fogo até sexta-feira. Conclui Benn: "Israel está a dizer à ONU "Agarrem-me", na tentativa de se autoprevenir contra qualquer decisão." O Jerusalem Post titulava: "Olmert carrega o canhão mas não dispara." Israel quer de facto uma resolução da ONU antes de avançar para o atoleiro do Litani.


http://publico.clix.pt/shownews.asp?id= ... idCanal=11 (http://publico.clix.pt/shownews.asp?id=1266914&idCanal=11)
Título:
Enviado por: pedro em Agosto 11, 2006, 09:23:37 am
Portugal era tao bom amigo nao fosse Portugal e Israel tinha perdido a guerra dos 6 dias. :roll:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: fgomes em Agosto 11, 2006, 03:00:59 pm
Luso, afinal os "idiotas úteis" do tempo do comunismo reciclaram-se para o islamismo, antigamente era o "Antes vermelho que morto" e agora?

Sobre as fraudes com imagens, aqui vai uma boa análise:

http://www.zombietime.com/reuters_photo_fraud/

Depois disto, que confiança podemos ter nos media?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Agosto 11, 2006, 05:58:41 pm
Israel expande a sua ofensiva

Citar
JERUSALEM (Reuters) - Israel confirmed on Friday that Prime Minister Ehud Olmert had ordered the army to expand its ground offensive against Hizbollah in Lebanon but said the decision "does not exclude a diplomatic solution".

The move, announced by Israel's Foreign Ministry, came shortly after U.S. and British ambassadors at the United Nations said Security Council members were on the verge of a deal on a resolution aimed at halting the month-old war.

Olmert's security cabinet on Wednesday had authorized a widened military campaign in Lebanon to stop Hizbollah cross-border rocket fire, but implementation had been put on hold to give more time for U.N. diplomacy.

"The prime minister has decided this evening to implement the cabinet's decision ... and has ordered the Israel Defense Forces to deal with the Hizbollah positions in south Lebanon from which missiles and rockets are launched into Israeli cities and townships," Foreign Ministry spokesman Mark Regev said.



"This decision does not exclude a diplomatic solution," he said. "On the contrary, Israel is following closely what is going on at the Security Council in New York. But so far diplomacy has failed to produce concrete results and it is incumbent on the government to act to protect its citizens."

Regev declined to say when the expanded ground offensive would get under way and whether troops would push as far as the Litani river, 20 km (13 miles) from the Israeli border.

Fighting erupted on July 12 after Hizbollah guerrillas abducted two Israeli soldiers in a cross-border raid.




http://today.reuters.com/news/articlene ... src=midtop (http://today.reuters.com/news/articlenews.aspx?type=topNews&storyID=2006-08-11T165620Z_01_L11506916_RTRUKOC_0_US-MIDEAST-ISRAEL-ANNOUNCEMENT.xml&src=midtop)
Título:
Enviado por: fgomes em Agosto 11, 2006, 06:46:04 pm
Com tanta manipulação informativa, já há quem faça humor:

http://greenhelmetguy.blogspot.com/

Na última guerra do Iraque tivemos o "Comical Ali" agora temos o omnipresente tipo do capacete verde!
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 11, 2006, 07:29:55 pm
Conselho dos Direitos do Homem vai investigar ataques a civis

Citar
O Conselho dos Direitos do Homem da ONU adoptou esta sexta-feira uma resolução denunciando as operações militares israelitas do Líbano e pedindo um inquérito sobre os ataques de Israel sobre civis.

A resolução, apresentada por países muçulmanos, foi aprovada por 27 votos a favor, onze contra e oito abstenções, durante uma sessão especial do conselho dedicada à situação do Líbano.

No texto, o conselho decide estabelecer urgentemente e enviar uma comissão de inquérito de alto nível com peritos ao nível dos direitos humanos e do direito internacional». Esta comissão devera investigar os ataques sistemáticos contra civis perpetrados por Israel no Líbano.

Os bombardeamentos israelitas, iniciados em Julho, contra o Líbano já fizeram cerca de 1115 mortos, dos quais mais de mil são civis, e 3600 feridos, segundo um balanço das agências internacionais.

Entretanto o Hezbollah diz ter afundado vedeta israelita ao largo de Tiro


Citar
A televisão do Hezbollah noticiou hoje que o grupo xiita libanês afundou uma vedeta israelita ao largo de Mansuri, a sul de Tiro, matando ou ferindo os seus 12 tripulantes.

O exército israelita desmentiu já a informação do Hezbollah.

Segundo um comunicado da Resistência Islâmica, braço armado do Hezbollah, lido na cadeia de televisão Al Manar, a lancha, apresentada como um modelo Super Dvorah, disparava do mar contra a costa de
Mansuri às 15:05 (13:05 de Lisboa), quando foi surpreendida pelos rebeldes.

«Atingimo-la em cheio com as armas apropriadas, a embarcação incendiou-se e afundou-se e os seus doze tripulantes morreram ou ficaram feridos», afirma o comunicado.

Navios israelitas impõem um bloqueio da costa libanesa desde o início dos combates, há 30 dias. Navios de maior porte têm vindo repetidamente a bombardear posições e redutos do Hezbollah, incluindo nos arredores sul de Beirute.

O Hezbollah afirmou ter atingido vários navios israelitas, mas o Estado judaico só admitiu um ataque, em que morreram quatro marinheiros, em 14 de Julho, dois dias após o início da ofensiva militar israelita lançada após o sequestro de dois soldados pelo movimento xiita libanês, que bombardeia com mísseis o norte de Israel.


http://tsf.sapo.pt/online/internacional ... =TSF172883 (http://tsf.sapo.pt/online/internacional/interior.asp?id_artigo=TSF172883)
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 11, 2006, 07:37:18 pm
No texto, o conselho decide estabelecer urgentemente e enviar uma comissão de inquérito de alto nível com peritos ao nível dos direitos humanos e do direito internacional». Esta comissão devera investigar os ataques sistemáticos contra civis perpetrados por Israel no Líbano.

Os bombardeamentos israelitas, iniciados em Julho, contra o Líbano já fizeram cerca de 1115 mortos, dos quais mais de mil são civis, e 3600 feridos, segundo um balanço das agências internacionais.



E os ataques deliberados contra civis Israelitas não contam?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 11, 2006, 08:56:36 pm
Typhonman não deixa de ter razão, os ataques do Hezbollah contra Israel são deliberados/intencionais, e provocam vitimas civis, isto é um facto que não pode ser desmentido, mas o que está em causa são o elevado número de baixas civis entre a população civil do Libano.
É que Israel não olha a meios para atingir os seus fins, neste caso para eliminar o Hezbollah, mas também já afirmou que não vai ser possivel elimina-los por completo.
Mais uma vez o que eu condeno são os métodos usados, bomba aqui, bomba ali, pois é suspeito que resida/ou residiu um elemento do Hezbollah, resultado mais uns quantos civis mortos (muitos), numa caça cega ás escuras.
Mais umas bombas, agora em infrastruturas civis, pontes, estradas, centrais electricas, e isto para evitar o fornecimento de armas para o Hezbollah, resultado a população é que fica privada dessas infrastruturas uns para fugir outros para sobreviver (os que não têm possibilidades de fugir).
Só me questiono se depois de Israel derrutar o inimigo, quase que o podia chamar de "inimigo imaginário" mas estaria a ser hipócrita, vai suportar/ajudar a recontrução do Libano.
Título:
Enviado por: Azraael em Agosto 11, 2006, 09:02:52 pm
Citar
França e EUA chegam a acordo sobre projecto de resolução para cessar-fogo no Líbano

EUA e França chegaram a acordo sobre o projecto de resolução estipulando as condições para um cessar-fogo no conflito entre Israel e o Hezbollah, que deverá ser votado ainda esta noite, independentemente do acordo das duas capitais.

Nem o Líbano nem Israel se pronunciaram ainda sobre a última versão do documento, apoiado por vários países com assento no Conselho de Segurança.

Uma fonte do Governo israelita anunciou que o primeiro-ministro, Ehud Olmert, está a estudar a versão que lhe foi enviada pouco depois de ter ordenado a expansão da ofensiva em curso no Sul do Líbano.

O chefe do Governo libanês, Fuad Saniora, também já recebeu a proposta, estando a contactar as principais forças políticas do país antes de apresentar uma resposta formal.

Segundo Emyr Jones-Parry, embaixador britânico na ONU, o projecto de resolução reforça o mandato da força das Nações Unidas já estacionada no Líbano (Unifil), a quem caberá coordenar o envio de 15 mil soldados libaneses para o Sul do Líbano, uma zona controlada desde 2000 pela milícia do Hezbollah. Após este posicionamento, os militares israelitas, que entraram na zona há quatro semanas, deverão retirar.

Contudo, o reforço da Unifil não será feito ao abrigo do capítulo 7 da Carta das Nações Unidas, o que daria aos “capacetes azuis” maiores poderes para intervir junto dos beligerantes, nomeadamente no desarmamento do Hezbollah. Israel, que pretendia uma força robusta a guardar a zona de fronteira, exigia este reforço, mas o Líbano opôs-se, afirmando que tal mandato iria transformar a Unifil numa força de ocupação.

Caso seja aprovada pelo Conselho de Segurança e aceite por ambas as partes, a resolução poderá pôr fim a 31 dias de guerra entre as forças armadas israelitas e a milícia libanes