ForumDefesa.com

Forças de Segurança e Policiais de Elite => Forças Policiais de Elite => Tópico iniciado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 01, 2005, 12:00:13 am

Título: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 01, 2005, 12:00:13 am
Quem estiver interessado em alguma informação sobre a Companhia de Operações Especiais da GNR pode ler no último "Jornal do Exército" (n.º 545 Nov05), o artigo "GNR no CIOE".
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: Pedro Monteiro em Dezembro 02, 2005, 12:06:37 am
Citação de: "Miguel Silva Machado"
Quem estiver interessado em alguma informação sobre a Companhia de Operações Especiais da GNR pode ler no último "Jornal do Exército" (n.º 545 Nov05), o artigo "GNR no CIOE".


Acrescentando, a revista "Armas & Munições" no seu último número traz um artigo sobre a COE excelentemente ilustrado.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 02, 2005, 12:12:04 am
Ver também
http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... 3&start=30 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=53&start=30)

Já agora se o membro do fórum 'Miguel Silva Machado' for o TenCor Miguel Silva Machado, autor deste artigo, desde já peço desculpa por estar o colocar o seu artigo no fórum, se achar que esta situação de alguma forma põem em causa os seus direitos de autor retirarei de imediato as imagens.

Com os mais respeitosos cumprimentos
B. Pereira Marques
Título: Artigo
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 02, 2005, 02:43:12 pm
Ai o menino mau  :lol:
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 02, 2005, 10:08:55 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Ver também
http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... 3&start=30 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=53&start=30)

Já agora se o membro do fórum 'Miguel Silva Machado' for o TenCor Miguel Silva Machado, autor deste artigo, desde já peço desculpa por estar o colocar o seu artigo no fórum, se achar que esta situação de alguma forma põem em causa os seus direitos de autor retirarei de imediato as imagens.

Com os mais respeitosos cumprimentos
B. Pereira Marques


Como deixei claro nas msg anteriores não me aborrece nada que transcrevam os meus artigos, em todo ou em parte, o que não me parece nada correcto (ainda por cima num Forum de Assuntos de Defesa, gente que em principio cumpre boas regras de conduta civica!) é publicarem alguma coisa de outras pessoa e isso não ser claramente assinalado. Só isso nada mais.
O POE que entretanto evoluiu para COE, deu de facto um grande salto em frente.
Um Abraço,
MMachado
Título: Forças "Paramilitares" e "Policiais"
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 04, 2005, 05:35:48 pm
O que é, em Portugal, uma força "paramilitar"?
MMachado
Título: Paramilitar ou Policial?
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 04, 2005, 07:12:53 pm
É uma solução, mas porque é que havemos de considerar seja o que for se isso está definido na lei?
De acordo com a lei a GNR é uma Força de Segurança e constitui um Corpo Especial de Tropas, cujos elementos que a constituem são Militares da Guarda (têm um estatuto próprio, diferente dos das FFAA);
Podiam assim, à primeira vista, ser incluidos nas FFAA. Mas o que acontece é que a Lei Orgânica de Bases das Forças Armadas e a Lei de Defesa Nacional, só consideram como FFAA os três ramos.
Não está aqui em causa se a GNR devia ou não ser militar, agora o que me parece é que a GNR cumpre acima de tudo (salvo casos muito muito pontuais) missões como Força de Segurança. No caso concreto da COE, o seu principal papel é o combate a situações de de grande violência na zona de acção da GNR, ou seja em Portugal. Pontualmente nas missões exteriores.
Logo, missões como força de segurança, que é de acordo com a Lei de Segurança Interna.
Também se poderia considerar militar, os seus membros são militares da Guarda, etc. Mas no caso em concreto e não havendo no forum "Forças de Segurança" pareceu-me lógico as unidades policiais de elite que é o caso da COE.
Paramilitar é "algo que se assemelha ao militar mas é civil". Organizações que efectuam instrução pré-militar ou pós-militar. Logo não me parece que a GNR aqui se inclua. Talvez a Mocidade Portuguesa ou coisa do género.
MMachado
Título:
Enviado por: Luso em Dezembro 04, 2005, 07:20:58 pm
Citar
Paramilitar é "algo que se assemelha ao militar mas é civil".


Uma milícia, devidamente organizada e com estatutos, como uma sociedade sem fins lucrativos?
Perdoe a minha ingenuidade mas é um tema que julgo importante, ainda mais que acabaram com o SMO.
O que nos pode dizer sobre isso?
Título: Milicia?
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 05, 2005, 11:09:11 pm
Citação de: "Luso"
Citar
Paramilitar é "algo que se assemelha ao militar mas é civil".

Uma milícia, devidamente organizada e com estatutos, como uma sociedade sem fins lucrativos?
Perdoe a minha ingenuidade mas é um tema que julgo importante, ainda mais que acabaram com o SMO.
O que nos pode dizer sobre isso?


Atenção porque a Constituição da República Portuguesa diz "...Não são consentidas associações armadas nem de tipo militar, militarizadas ou paramilitares...". Em Portugal a "violência organizada" é um exclusivo das Forças de Segurança e das Forças Armadas.
Título: Re: COE vs GOE
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 07, 2005, 03:22:43 am
Eu até diria que ambas as unidades são desconhecidas da "imprensa e do povo"...Aliás são os "especialistas" da internet e de foruns como o nosso é que propagandearam o GOE, desde a questão do melhor treino, passando pelo 4º lugar numa competição internacional...Depois há outras questões de visibilidade mediática, o GOE pertence à PSP - polícia das áreas urbanas e com maior criminalidade -e a COE pertence à GNR - polícia das áreas rurais e com menor criminalidade, logo com menores hipóteses de intervenção e de serem notadas pela "imprensa e pelo povo".

A título de exemplo, a carga policial realizada durante os confrontos na Ponte 25 de Abril foi feita pelas Companhias de Ordem Pública do RI da GNR, mas toda a gente julga que foi feita pelo Corpo de Intervenção da PSP...

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título: Re: Paramilitar ou Policial?
Enviado por: Lince em Dezembro 07, 2005, 04:02:29 pm
Citação de: "Miguel Silva Machado"
É uma solução, mas porque é que havemos de considerar seja o que for se isso está definido na lei?
De acordo com a lei a GNR é uma Força de Segurança e constitui um Corpo Especial de Tropas, cujos elementos que a constituem são Militares da Guarda (têm um estatuto próprio, diferente dos das FFAA);
Podiam assim, à primeira vista, ser incluidos nas FFAA. Mas o que acontece é que a Lei Orgânica de Bases das Forças Armadas e a Lei de Defesa Nacional, só consideram como FFAA os três ramos.
Não está aqui em causa se a GNR devia ou não ser militar, agora o que me parece é que a GNR cumpre acima de tudo (salvo casos muito muito pontuais) missões como Força de Segurança. No caso concreto da COE, o seu principal papel é o combate a situações de de grande violência na zona de acção da GNR, ou seja em Portugal. Pontualmente nas missões exteriores.
Logo, missões como força de segurança, que é de acordo com a Lei de Segurança Interna.
Também se poderia considerar militar, os seus membros são militares da Guarda, etc. Mas no caso em concreto e não havendo no forum "Forças de Segurança" pareceu-me lógico as unidades policiais de elite que é o caso da COE.
Paramilitar é "algo que se assemelha ao militar mas é civil". Organizações que efectuam instrução pré-militar ou pós-militar. Logo não me parece que a GNR aqui se inclua. Talvez a Mocidade Portuguesa ou coisa do género.
MMachado

Se a isto tudo que disse juntarmos a definição de paramilitar do dicionário online da língua portuguesa:

Citar
paramilitar:
adj. 2 gén.,
diz-se de organização que tem a estrutura e a disciplina militar, mas não faz parte das forças militares de um país.


Penso que será pacifico definir a GNR como uma força paramilitar.
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 07, 2005, 04:25:11 pm
Se formos analisar a História, o que encontramos é que a GNR foi criada, para se opor ao poder do exército, que era na sua imensa maioria monarquico.

Ou seja, os oficiais do exército, eram maioritariamente fiéis ao Rei e contrários à República.

A Guarda Repúblicana foi criada para ter capacide de se opôr ao exército, e durante os primeiros anos da República, era efectivamente mais poderosa que o exército.

Basta referir, por exemplo, que os primeiros carros blindados portugueses foram da Guarda Repúblicana.

Portanto na sua génese, a GNR, é efectivamente uma força militar, não sendo um ramo das Forças Armadas, porque na origem foi feita para se opor ás forças armadas tradicionais.

Pessoalmente sou favorável a que as funções civis da GNR passem para a PSP e que a parte mais militarizada da GNR (forças especiais, forças de choque, unidades de cavalaria)  deixe de ter complexos e se assuma como força militar que é, numa situação em que já não serve para se opor ao exército, servindo sim como complemento.

My two cents.
Título: Re: Paramilitar ou Policial?
Enviado por: Miguel Silva Machado em Dezembro 07, 2005, 11:27:57 pm
Citação de: "Lince"
Citação de: "Miguel Silva Machado"
É uma solução, mas porque é que havemos de considerar seja o que for se isso está definido na lei?
De acordo com a lei a GNR é uma Força de Segurança e constitui um Corpo Especial de Tropas, cujos elementos que a constituem são Militares da Guarda (têm um estatuto próprio, diferente dos das FFAA);
Podiam assim, à primeira vista, ser incluidos nas FFAA. Mas o que acontece é que a Lei Orgânica de Bases das Forças Armadas e a Lei de Defesa Nacional, só consideram como FFAA os três ramos.
Não está aqui em causa se a GNR devia ou não ser militar, agora o que me parece é que a GNR cumpre acima de tudo (salvo casos muito muito pontuais) missões como Força de Segurança. No caso concreto da COE, o seu principal papel é o combate a situações de de grande violência na zona de acção da GNR, ou seja em Portugal. Pontualmente nas missões exteriores.
Logo, missões como força de segurança, que é de acordo com a Lei de Segurança Interna.
Também se poderia considerar militar, os seus membros são militares da Guarda, etc. Mas no caso em concreto e não havendo no forum "Forças de Segurança" pareceu-me lógico as unidades policiais de elite que é o caso da COE.
Paramilitar é "algo que se assemelha ao militar mas é civil". Organizações que efectuam instrução pré-militar ou pós-militar. Logo não me parece que a GNR aqui se inclua. Talvez a Mocidade Portuguesa ou coisa do género.
MMachado

Se a isto tudo que disse juntarmos a definição de paramilitar do dicionário online da língua portuguesa:

Citar
paramilitar:
adj. 2 gén.,
diz-se de organização que tem a estrutura e a disciplina militar, mas não faz parte das forças militares de um país.

Penso que será pacifico definir a GNR como uma força paramilitar.


Pacífico, para o Forum, será, agora que em Portugal essa designação não tem expressão nas leis e regulamentos que se aplicam à GNR, não tem. Mas cá por mim chamem-lhe o que quiserem.
Título: Re: Paramilitar ou Policial?
Enviado por: Lince em Dezembro 08, 2005, 12:24:27 am
Citação de: "Miguel Silva Machado"
Pacífico, para o Forum, será, agora que em Portugal essa designação não tem expressão nas leis e regulamentos que se aplicam à GNR, não tem. Mas cá por mim chamem-lhe o que quiserem.


A designação "paramilitar" foi uma definição que adoptamos para enquadrar temas relacionados com forças como a GNR, Gendarmeri, Carabinieri, Guardia Civil etc.
Título:
Enviado por: NVF em Dezembro 08, 2005, 03:46:03 am
O que e' que o nosso caro coronel pensa da ideia do PT — de fundir a parte 'policial' da GNR com a PSP e agregar na GNR os corpos especiais e de maior poder de choque das duas corporacoes, acentuando a componente de complemento 'as FFAA —, que ja' foi discutida com alguma profundidade noutros topicos.

E ja' agora, esta ideia, ou outra analoga, ja' foram discutidas no meio militar/policial?

Cumprimentos.
Título: COE/GNR
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 02, 2006, 05:59:12 pm
Eis os militares da Companhia de Operações Especiais da Guarda Nacional Repúblicana em acção:

(http://img97.imageshack.us/img97/3681/cpiadefile04734pr.th.jpg) (http://http)

(http://img97.imageshack.us/img97/7839/file04727pi.th.jpg) (http://http)

(http://img91.imageshack.us/img91/1740/file04732md.th.jpg) (http://http)

(http://img91.imageshack.us/img91/2194/file047308ek.th.jpg) (http://http)

(http://img97.imageshack.us/img97/2985/file04741vm.th.jpg) (http://http)

(http://img218.imageshack.us/img218/4548/file04765hv.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: Yosy em Fevereiro 02, 2006, 07:15:54 pm
Grandes fotos!!!  :D
Título:
Enviado por: Lightning em Setembro 16, 2006, 07:41:11 pm
Vi uma vez um video sobre uma reportagem neo-zelandesa sobre a GNR em Timor mas já não o consigo encontrar.
Agradeço alguma ajuda...
Título:
Enviado por: Viriato - chefe lusitano em Setembro 16, 2006, 09:38:28 pm
Citação de: "Hélder"
Vi uma vez um video sobre uma reportagem neo-zelandesa sobre a GNR em Timor mas já não o consigo encontrar.
Agradeço alguma ajuda...



Se encontrares coloca no forum, obrigado
Título:
Enviado por: Migas em Setembro 16, 2006, 09:47:40 pm
Será isto?

http://www.youtube.com/watch?v=4rQjoJT1npg (http://www.youtube.com/watch?v=4rQjoJT1npg)
Título:
Enviado por: Viriato - chefe lusitano em Setembro 16, 2006, 09:58:07 pm
Citação de: "Migas"
Será isto?

http://www.youtube.com/watch?v=4rQjoJT1npg (http://www.youtube.com/watch?v=4rQjoJT1npg)



EXCELENTE, É SEMPRE BOM VER FALAR DE PORTUGAL... :

para ti MIGAS e HELDER  :G-beer2:
Título:
Enviado por: Lightning em Setembro 16, 2006, 10:53:32 pm
Era essa reportagem mas a que eu vi tinha melhor qualidade e ouvia-se o jornalista a falar. Talvez o encontre.
Título:
Enviado por: Lightning em Setembro 16, 2006, 10:59:14 pm
aki está...

http://tvnz.co.nz/cda/tvnz/video_popup_ ... width=128k (http://tvnz.co.nz/cda/tvnz/video_popup_windows_skin/781497?bandwidth=128k)
Título:
Enviado por: Yosy em Setembro 17, 2006, 01:59:03 pm
Citação de: "Hélder"
aki está...

http://tvnz.co.nz/cda/tvnz/video_popup_ ... width=128k (http://tvnz.co.nz/cda/tvnz/video_popup_windows_skin/781497?bandwidth=128k)


Grande reportagem  :D
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 04, 2006, 01:58:21 pm
Citar
Portugal  


2006-12-04 - 00:00:00

Segurança - Prisões com estrangeiros perigosos
Máfias de Leste põem cadeias em alerta
 
Vítor Mota

Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP) durante o treino para libertação de reféns sequestrados por reclusos
A Companhia de Operações Especiais da GNR está a treinar o Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP), um corpo de elite, para intervir em casos de extrema violência e de tomada de reféns nas cadeias.O último treino, com a duração de duas semanas, terminou na última sexta-feira, em instalações cedidas pelo Exército, na Escola Prática de Infantaria, em Mafra.
 
 
O chefe desta força de elite da Guarda Prisional, que, por razões de segurança, não pode ser identificado, disse ao Correio da Manhã que o perigo é crescente nas cadeias portuguesas: “No dia-a-dia, deparamo- -nos com situações cada vez mais violentas, graças à presença de reclusos altamente perigosos, ligados ao crime organizado e às Máfias de Leste”, garante.

Os treinos, segundo o capitão António Quadrado, comandante da Companhia de Operações Especiais, incluem “muita instrução de defesa pessoal e de tiro” e, ainda, “tácticas de intervenção em casos de tomada de reféns”. O objectivo é tornar a força de elite da Guarda Prisional capaz de levar a cabo acções contra sequestradores que se encontrem no interior das cadeias.

“Os reclusos considerados como os mais perigosos são estrangeiros”, diz fonte dos Serviços Prisionais.

As cadeias portuguesas albergam 25 russos, 78 romenos e 37 ucranianos. Boa parte deles está implicada em redes criminosas transnacionais de estilo mafioso. “Muitos são ex-militares especializados em operações especiais”, diz a mesma fonte.

REDES DE TRÁFICO

Ainda entre os reclusos estrangeiros, estão espanhóis (116), holandeses (48), franceses (31) e italianos (20) – grande parte condenada por tráfico de droga ou à espera de julgamento pelo mesmo crime.

A comunidade reclusa de origem africana também tem crescido nos últimos anos. Os cabo-verdianos estão em maioria: são 721, seguidos pelos angolanos (225) e pelos guineenses (121).

Os guardas prisionais, de acordo com a mesma fonte, sabem que os presos de origem africana, regra geral, usam de grande violência quando reagem e temem, sobretudo, as facas fabricadas artesanalmente nas cadeias (‘chinos’) a partir de cabos de garfos ou de colheres.

Os reclusos brasileiros (177), de acordo com os serviços prisionais, raramente são violentos e, por norma, não causam problemas de segurança.

INTERVENÇÃO EM SEQUESTRO

Quando o capelão do Estabelecimento Prisional de Pinheiro da Cruz foi sequestrado por dois reclusos, em 5 de Novembro deste ano, a Companhia de Operações Especiais da GNR foi chamada a intervir. Hoje, o Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GIPS) já tem uma equipa treinada para libertar reféns. O padre Júlio Lemos foi sequestrado no final da missa de domingo, na capela da prisão, cerca das 11h00, e só foi libertado, através de uma operação lançada pela GNR, cerca das 6h00 de segunda-feira.

Os dois sequestradores, que exigiam ser colocados em liberdade, foram neutralizados com pistolas Taser, que disparam uma carga eléctrica atordoante e paralisante. Pela primeira vez em Portugal foram utilizadas armas não letais numa operação policial com o objectivo de derrubar sequestradores e libertar reféns. O Grupo de Intervenção dos Serviços Prisionais vai receber este tipo de pistolas.

112 GUARDAS DE ELITE

O Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GIPS) foi formado em 1995 e tem como missões principais actuar em casos de extrema violência nas cadeias e fazer escolta a reclusos considerados perigosos. Esta unidade está instalada na antiga prisão de Monsanto, em Lisboa, e conta com 112 operacionais: 97 homens e cinco mulheres. Todos os guardas prisionais, desde que tenham menos de 32 anos, podem candidatar-se ao GIPS. Sujeitam-se a duras provas físicas.

O grupo mantém um piquete em alerta 24 horas por dia – que está sempre pronto para partir de Monsanto para qualquer cadeia do País. O piquete, se for necessário, pode ser reforçado com pessoal de folga ou fora do horário normal de serviço.

MOTINS

LEIRIA

Grave motim no Estabelecimento Prisional de Leiria, em 2005, obrigou à actuação do Grupo de Intervenção e Segurança Prisional. “Foi a mais dura operação do GIPS”, diz fonte desta unidade. O subdirector da cadeia tentou negociar com os presos amotinados e ficou retido até à chegada das Forças Especiais. A rebelião provocou vários feridos.

LINHÓ

Na revolta no Estabelecimento Prisional do Linhó, nos arredores de Sintra, em 2004, o Grupo de Intervenção e Segurança Prisional actuou de “forma musculada”. Os presos foram dominados com balas de borracha e pelo menos seis ficaram feridos, tendo tido de receber tratamento no hospital

VALE DE JUDEUS

O Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus, nos arredores de Alcoentre, é um dos mais ‘difíceis’ do País. Aqui estão, por regra, os reclusos considerados como os mais perigosos. Um motim à hora do jantar, em 2001, obrigou à intervenção do GIPS. Presos feridos foram tratados na enfermaria da prisão.

CAXIAS

Em Março de 1996, eclodiu um motim no Estabelecimento Prisional de Caxias. Reclusos em greve de fome recusaram, à noite, entrar nas celas. As negociações encetadas pelo director da cadeia falharam. O GIPS foi então chamado a intervir. Os presos barricaram-se num corredor atrás de camas e de móveis de madeira, mas cometeram um erro: deram fogo à barricada e os operacionais do GIPS, quando chegaram, tinham o caminho livre. Os presos, para fugirem aos cassetetes, fecharam-se nas celas. Estava reposta a ordem.

 
Fonte: http://www.correiomanha.pt/noticia.asp? ... l=10&p=200 (http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=223224&idselect=10&idCanal=10&p=200)
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 12, 2007, 08:48:37 pm
Deu agora mesmo uma boa reportagem no Jornal da TVI. A ver se aparecem por aí as imagens ;)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Janeiro 30, 2007, 02:41:03 pm
Reportagem sobre o COE colocada pelo Get_it na secção de vídeos:


 :arrow: COE (http://http)
Título:
Enviado por: foxtrotvictor em Janeiro 30, 2007, 03:15:11 pm
Muito bem. Óptimas instalações para treino em ambientes fechados.
Gostei de ver o oficial a ter a máxima confiança nos seus homens. Nota-se que tem um grande espírito de corpo.
Título:
Enviado por: lecavo em Janeiro 30, 2007, 08:44:55 pm
Viva!

Desculpem esta observação um pouco do contra (na verdade não é, mas com vai um pouco contra a corrente....), gostava de saber se aquele terceiro tiro do sniper, que bateu junto ao pé esquerdo do comandante estava no programa!

Chiça, largou penas!!!!!!!
Título:
Enviado por: foxtrotvictor em Janeiro 30, 2007, 10:06:38 pm
Pois é, companheiro lecavo. O rapaz deixou-se levar pelo entusiasmo.

Já agora, qual é a espingarda?   Parece uma Voere, não?
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 30, 2007, 11:30:03 pm
Eu tb percebi-me dessa situação...o Capitão ficou mesmo naquela, olha que esta M#$%, isto não tava programado!  :twisted:

Nos vários artigos que eu vi da COE (autoria do sô Tenente-Coronel PQ  Miguel Silva Machado, os sipers andavam sempre com PSG-1.
Título:
Enviado por: Artic Fusion em Janeiro 31, 2007, 12:20:40 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu tb percebi-me dessa situação...o Capitão ficou mesmo naquela, olha que esta M#$%, isto não tava programado!  :twisted:

Nos vários artigos que eu vi da COE (autoria do sô Tenente-Coronel PQ  Miguel Silva Machado, os sipers andavam sempre com PSG-1.


Uma bela sniper diga-se de rajada...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2007, 01:55:02 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu tb percebi-me dessa situação...o Capitão ficou mesmo naquela, olha que esta M#$%, isto não tava programado!  :wink:
Curiosamente não se vê o "spotter", ou é algum sinal de contenção de despesas?
Quase que posso garantir que não é uma PSG-1, essa não tem ponto de mira, e a da imagem tem.
Título:
Enviado por: lecavo em Janeiro 31, 2007, 02:29:14 pm
Viva!

Citação de: "foxtrotvictor"
Pois é, companheiro lecavo. O rapaz deixou-se levar pelo entusiasmo.

Já agora, qual é a espingarda?   Parece uma Voere, não?


Bem, entusiasmos daqueles são bem dispensados! Chiça! Um tiro de .308 de certeza que fazia mossa naquele pé!

Pelas imagens não dá para ver que arma é. Há uns tempos vi uma foto de um sniper da GNR num telhado, na revista "Armas e munições" portuguesa. Certamente aquela era a mesma arma. Andei à procura do diabo da revista e não dei com ela!!!!!!!

Mas se a memória não me falha, ia mais para a Accuracy International AE sniper rifle, fiquei com isto na memória, mas pode não ser.

(http://world.guns.ru/sniper/ai_ae.jpg)

Mas basta dar tempo ao tempo, não vai deixar de aparecer alguém com a informação certa.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2007, 03:21:14 pm
Armas Munições nº13, uma reportagem sobre a MSG 90.
Nas fotos aparecem dois modelos da arma a MSG 90 (primeira versão) e a MSG 90A1/A2 ((versões com melhoramentos) (dito assim devem ser três modelos :conf: ).
Eu pessoalmente acho que a que aparece no video não tem nada a ver com as atrás descritas, pelo motivo que já anteriormente citei "ponto de mira", mas posso ser eu a estar redondamente enganado.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 31, 2007, 03:40:50 pm
http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... 3&start=30 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=53&start=30)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2007, 04:00:49 pm
É isso mesmo Cabeça de Martelo, na "Soldiers-Raids" nº 1 1995 pág. 23 aparece uma Steyr SSG69.
Acho que é esta :wink:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 10, 2007, 08:30:43 pm
Taser:

http://videos.sapo.pt/APKAyFKlkmVPFEEgn6OL (http://videos.sapo.pt/APKAyFKlkmVPFEEgn6OL)
Título:
Enviado por: LM em Março 20, 2007, 11:45:58 am
Verifiquei na Segurex que a arma de apoio, utlizada no Iraque por exemplo (incluindo nas Iveco), era a MG-42...

E depois lembrei-me que o colega meu diz que usou no RI Chaves à cerca de 14 anos MG's com o simbolo nazi...

As MG-42 que temos são originais da IIGM, com o cano substituido para 7.62x51mm NATO...? Ou já são MG-3, fabricadas na pior das hipoteses nos anos 60...? Uma MG-42/59 é igual a uma MG-3?

De realçar a simpatia dos militares da GNR/BO/COE presentes na Segurex.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 25, 2007, 02:24:31 pm
"Operação Tridente":

http://videos.sapo.pt/qy0zDBaZGzkvpOcADNCA (http://videos.sapo.pt/qy0zDBaZGzkvpOcADNCA)
Título:
Enviado por: don em Agosto 20, 2007, 11:25:31 pm
"QUE OS MUITOS POR SERMOS POUCOS NÃO TEMAMOS"
 

     
     27 Anos de Operações

     O Historial da COE Alfa do BOP/RI/GNR vem desde de 1978, em Portugal e no estrangeiro, onde tem desempenhado várias Missões.
Em Portugal semanalmente a COE é solicitada para Reforçar as Forças implantadas no terreno quando estas necessitam de uma força técnica e tacticamente mais desenvolvida.
O Melhor exemplo será a investigação criminal, que quando tem de executar um mandado que envolva um risco acrescido, quer pelo tipo de adversário, quer pelo ambiente hostil, às nossas forças solicita a COE para realizar entrada em casas e edifícios e/ou a neutralização dos adversários.
A partir dai os Militares da investigação criminal estão seguros para executarem o seu trabalho. No estrangeiro, a COE esteve em Timor onde desempenhou um sem número de missões desde segurança pessoal ao Presidente da Republica e outras altas Entidades, até à captura de rebeldes nas montanhas de Timor.
O teatro de operações mais exigente foi, sem dúvida o do Iraque, onde quer pelo meio envolvente, quer pela perigosidade do adversário onde a COE, apesar das dificuldades, teve um desempenho memorável.

Durante os dois anos de Missão, a força executou a captura de dezenas de terroristas, aprendeu inúmero material utilizado por estes para realizarem os seus ataques contra as forças da coligação, sendo de sublinhar a múltiplas situações de contacto directo com o adversário.

Em todos estes teatros a COE desempenhou as suas missões norteadas pelo lema “Que os muitos por sermos poucos não temamos”.

 




                                Génese e Missão

Em 1977, cerca de 10 detidos da cadeia de Custóias – EPC, amotinaram-se e dominaram com a ameaça de armas de fogo cerca de 20 funcionários entre os quais, o seu director e tentaram a fuga utilizando reféns como escudo. Da intervenção dos Guardas Prisionais resultaram ferimentos para 03 dos amotinados (um faleceu posteriormente) 03 reféns e ainda o directo do EPC. Durante esta acção ocorreram ao local efectivos da Guarda equivalentes a 02 Pelotões de Infantaria, 02 Secções de Cavalaria, 05 viaturas blindadas, 05 patrulhas da Brigada de Trânsito e 03 Atiradores Especiais. Esta força não chegou a intervir porque entretanto os amotinados renderam-se.Terminada a operação o Comandante da mesma elaborou um relatório do qual consta:

"...que em tais circunstâncias só pessoal altamente treinado e especializado, dotado de meios apropriados, poderá executar com aceitáveis probabilidades de sucesso, qualquer acção."




Este facto deu azo a que o General Comandante Geral da GNR ordenasse pessoalmente ao Comandante do Batalhão nº1(actual RI) para preparar e organizar um GRUPO ESPECIAL DE INTERVENÇÃO.

Em finais de Outubro de 1978, estava pronto o GEI, para actuar em casos específicos de actividades criminosas de alta violência, ou outras que ocorressem na área de responsabilidade da Guarda e que requeressem uma força técnica e tacticamente habilitada para executar estas tarefas.

Em Outubro de 1982, passou-se a designar Pelotão de Operações Especiais (POE). Vinte e um anos depois (2003), devido à evolução da criminalidade e por ser cada vez mais solicitada, sofreu um aumento do número de militares sendo designada:COMPANHIA DE OPERAÇÕES ESPECIAIS (COE)




                                                  Selecção, Formação e Cursos



A selecção dos militares que integram a COE é feita tendo como base de escolha o efectivo do Batalhão Operacional do Regimento de Infantaria o que permite ter uma boa base de escolha visto que todos os militares do BOP são submetidos a uma bateria de testes.

A selecção é feita em três dias consecutivos em que os militares executam uma bateria de testes físicos, de decisão, psicotécnicos e médicos.

Dia 1: O primeiro é o dia em que os candidatos são submetidos aos testes físicos, começando pelo ginásio onde cada candidato executa abdominais, extensões no solo, flexões na trave, pista de combate de 350 metros, natação e apneia.

Abdominais mínimo 70
Extensões no solo mínimo 55
Flexões na trave mínimo 10
Natação 50m mínimo 01 minuto e 20 segundos
Apneia executar 20 metros
Pista de obstáculos mínimo 02 minutos


Dia 2: No segundo dia os candidatos executam os testes de decisão e a prova de marcha
Provas de decisão:
Passagem do pórtico
Salto para a água
Tiro
Marcha:
Marcha forçada durante 15Km com arma e mochila de 10Kg no tempo limite de 01 hora e 50 minutos

Dia 3: No terceiro dia são feitos os testes médicos e psicotécnicos pela manhã e da parte de tarde os candidatos são entrevistados por um psicólogo e por fim têm uma entrevista com o Comandante da COE.

Feita a selecção, são escalonados os 20 melhores e iniciam o Curso de Operações Especiais da GNR que decorre em Lamego no Centro de Instrução de Operações Especiais e tem a duração de 03 meses, ficando assim o militar com a formação básica.

No final do Curso de Operações Especiais todos os militares com aproveitamento, cerca de 50%, iniciam o Curso de Segurança Pessoal a Altas Entidades que tem a duração de 06 semanas e tem englobada a vertente de segurança pessoal em ambientes de alto risco, como foi o caso do Teatro de Operações do Iraque.

Depois de feitos os testes, os militares com capacidades e aptidão acima da média iniciam o curso de SNIPER com a duração de quatro semanas com o objectivo de manter em todas as equipas dois militares com a especialidade SNIPER.

 

                                Missões do COE Missões da Companhia de Operações Especiais
NEGOCIAÇÃO DE REFÉNS
PESQUISA DE INFORMAÇÕES DE ACTIVIDADE SUBVERSIVA
OPERAÇÕES POLICIAIS DE ALTO RISCO
MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA
SEGURANÇA PESSOAL
OPERAÇÕES ESTÁTICAS DE SEGURANÇA
AUXÍLIO E SOCORRO
INSTRUÇÃO E FORMAÇÃO DE QUADROS
 







Caracterização das Missões
Negociação de Reféns: Acção de diálogo e interacção com um suspeito com vista a libertar “reféns” ou requerer a entrega pacifica de suicidas ou suspeitos que se encontrem barricados
Operações Policiais De Alto Risco (PORTUGAL E ESTRANGEIRO)
Batidas: Acções efectuadas em áreas abertas ou não condicionadas com o objectivo de encontrar algo ou alguém.
Buscas e Rusgas: Operação policial de consiste no controlo de identidade, detecção de actividades criminosas, procura de objectos relacionados com a prática de crimes ou que possam servir de prova e que devam ser apreendidos.
Reforço de Patrulhas Marítimas: Operação policial no âmbito fiscal efectuada sobre embarcações, e que consiste no controlo de identidade, detecção de actividades criminosas, procura de objectos relacionados com a prática de crimes ou que possam servir de prova e que devam ser apreendidos.
Detenção de Suicidas: Operação policial que se caracteriza por o suspeito se encontrar numa posição vantajosa e protegida, se recusar a entregar e se presuma que o pretenda pôr fim à sua vida usando ou não arma de fogo.
Detenção de Barricados: Operação policial de assalto que se caracteriza por o suspeito se encontrar numa posição vantajosa e protegida, se presuma que o mesmo se encontre armado, que o mesmo tenha praticado um crime e se recuse a entregar.
Sabotagem: Operação policial desenvolvida sobre uma área ou ponto sensível , em que se presuma que vá ou venha a ocorrer um crime; este tipo de operação caracteriza-se pela evacuação da área ou ponto sensível, interditar o seu acesso e recolher informação quanto à sua autoria.
Golpe de Mão: Operação policial de assalto onde se presume estarem escondidos indivíduos suspeitos da prática de crimes ou estar em preparação ou em curso actividade criminosa violenta, com o objectivo de deter os indivíduos e/ou libertar reféns.
Manutenção da Ordem Pública
Reforço à Manutenção da Ordem Pública: Consiste em apoiar as CMOP nas acções de reposição da ordem pública, sempre que sejam empregues armas de fogo pelos manifestantes, ou em caso de necessidade de deter ou evacuar manifestantes.

Controlo E Segurança De Grupos De Risco: Operação policial que visa garantir a segurança, acompanhamento, controlo e guarda de grupos de risco em deslocamento ou em áreas ou pontos sensíveis.
Segurança Pessoal
A Altas Entidades: Operação policial desenvolvida em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança, que visa garantir a segurança das entidades que visitam Portugal, por forma que as mesmas desenvolvam as suas actividades num clima de tranquilidade.
Do Exmo. Tenente General Comandante Geral Da Gnr: Operação policial desenvolvida em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança, que visa garantir a segurança do Exmo Ten-General Comandante Geral por forma a que desenvolva as suas actividades num clima de tranquilidade.
Operações Estáticas De Segurança
Segurança Pontos Sensíveis Com Snipers: Operação policial realizada em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança com snipers, por forma a evitar acções que possam prejudicar o fim a que se destinam ou colocar em perigo a sua finalidade.
Auxílio e Socorro
Efectuar Busca E Salvamento: Acções desencadeadas para prevenir, evitar ou minimizar os efeitos de acidentes, catástrofes ou calamidades resultantes da acção humana ou da natureza.
Instrução e Formação de Quadros
Curso De Operações Especiais;
Curso De Segurança Pessoal A Altas Entidades;
Curso De Sniper;
Curso De Manutenção Da Ordem Pública;
Apoio à BTer Nº5:Acção de formação na área do montanhismo, com vista a preparar e qualificar na área de busca e resgate de sinistrados, os militares que integram o Posto Sazonal da Torre do Destacamento Territorial da Covilhã.



                                                                       SNIPERS



     Os snipers têm tido cada vez mais uma forte contribuição para o sucesso das operações onde a COE tem estado envolvida, quer pelo factor observação quer pelo factor apoio de fogo.

 
Os instruendos durante o Curso de Operações Especiais são avaliados a nível do tiro que executam entrando essa nota para a média final do curso e para que depois do terminus do mesmo possam os melhores ingressar, de acordo com as necessidades, no Curso Sniper.

O curso tem a duração de 04 semanas e dá aos instruendos formação em diversas matérias como:


Camuflagem
Topografia
Reconhecimento
Tiro

 

     Aos militares com que terminam o curso de Sniper com aproveitamento é-lhes atribuída uma carabina e material individual ficando essa arma atribuída a esse homem com as devidas adaptações e correcções.

Cada dois homens formam uma parelha Sniper sendo este o efectivo mínimo desta força, um dos elementos é o atirados sendo o outro o spoter tendo a missão de observar, montar segurança ao atirador (nos casos de teatros de alto risco como o Iraque), registar dados de distância, velocidade do vento, temperatura, tudo variantes que são analisadas e transformadas em correcções na luneta para que o tiro independentemente da distância seja um tiro certeiro.
Em Portugal e até este momento as parelhas sniper ainda não executaram nenhum disparo, sendo o seu maior valor na recolha de informações para as forças do terreno, já no estrangeiro os nossos snipers executaram alguns disparos contra forças terroristas no decorrer das muitas operações, que a COE executou neste teatro de operações, sempre difícil em que muitas vezes á parelha era uma missão e a parelha tinha que a desempenhar sozinha e isoladamente.

Para um teatro de operações particular como o Iraque teve que se adquirir material especifico como lunetas mais potentes medidores de distâncias nocturnos mais potentes, munições especiais, etc.
Quer em Portugal quer no estrangeiro o lema dos Snipers é e será sempre:
“one shot one kill ”.

                                                                       CÃES

Por todo o mundo forças similares á COE utilizam cães como uma ferramenta bastante útil desde que usada nas situações convenientes e usada com eficácia.
Cada vez mais os binómios de intervenção táctica (CIT) têm sido uma mais valia para as equipas de assalto. Os CIT podem ser utilizados nas mais variadas funções, quer integrados em equipas de assalto quer trabalhando isoladamente.
Devido aos inúmeros treinos em conjunto os CIT trabalham conjuntamente com as equipas de assalto desempenhando até hoje algumas missões em conjunto como neutralização de barricados onde os cães são os primeiros a entrar no compartimento pois, são mais rápidos, desviam a atenção do adversário, e dão espaço temporal de manobra para a equipa poder entrar no compartimento e neutralizar a ameaça.
Em situações de compartimentos múltiplos os cães estão treinados para sinalizar o compartimento onde o adversário se encontra havendo por isso vantagem táctica para as equipas de assalto pois a ameaça está localizada e mais facilmente poderá ser neutralizada.
Poderá ocorrer a situação do adversário armadilhar uma porta ou uma janela por onde ele acha que as equipas de assalto irão entrar (como já ocorreu na realidade), para esse tipo de situações o cão está treinado para reagir imobilizando-se, marcando assim o local onde ele detectou o explosivo.
Os CIT também trabalham na neutralização em situações de alto risco pois os cães são capazes de se aproximar mais rápido e em silêncio do adversário havendo por isso uma vantagem táctica na utilização dos cães neste tipo de operações.
Em missões no estrangeiro os cães têm sido utilizados primordialmente em situações de detecção de explosivos, como o caso do IRAQUE em que o contingente ITALIANO tinha á sua disposição e em permanência 10 binómio de detecção de explosivos.


                                                         HISTORIAL E MISSÕES



O historial da COE vem desde 1978 em Portugal e no estrangeiro onde tem desempenhado as missões que lhe foram atribuídas. Em Portugal semanalmente a COE é solicitada para reforçar as forças implantadas no terreno quando estas necessitam de uma força técnica e tacticamente mais evoluída, o melhor exemplo será a investigação criminal que quando tem de executar um mandado que envolva um risco acrescido quer pelo tipo de adversário quer pelo ambiente hostil ás nossas forças solicita a COE para realizar a entrada nas casas a neutralização dos adversários e a partir dai os militares da investigação criminal estão seguras para executarem o se trabalho.



No estrangeiro a COE esteve em Timor onde desempenhou um sem numero de missões desde segurança pessoal ao Presidente da Republica e outras altas entidades como a captura de rebeldes nas montanhas de Timor. O teatro de operações mais exigente foi sem duvida o Iraque onde quer pelo meio envolvente quer a perigosidade do adversário a COE e todos os seus elementos tiveram um desempenho memorável e durante os dois anos de missão a força executou a captura de dezenas de terrorista, apreendeu inúmero material utilizado por estes para realizarem os seus ataques contra as forças da coligação e sofreram três emboscadas com um saldo extremamente positivo:

 
Duas baixas (feridos de granada de morteiro)
5000 munições 5,56mm gastas em combate
10000 munições 7,62mm gastas em combate
50 munições 7,62 LAPUA (Sniper) disparadas em combate
500 granadas 40mm gastas em combate



Em todos estes teatros a COE desempenha as suas missões norteada pelo lema:


"Que os muitos por sermos poucos não temamos".
Título: RI
Enviado por: BS em Março 28, 2008, 01:36:46 am
a RI serve para quê? controlar um bando enfurecido de camponeses?  :roll:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 28, 2008, 10:18:10 am
:?:

Os militares do RI têm andado a fazer muito trabalhinho cá e no estrangeiro.
Título:
Enviado por: BS em Março 28, 2008, 01:19:31 pm
mas o RI é tipo o CI da PSP certo? já que a PSP actua nas areas urbanas não estava a ver que espaço ficava a sobrar para o RI :wink:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 28, 2008, 02:16:39 pm
BS, a maior parte do território nacional está sobcontrolo da GNR e não da PSP.

Quem foi para a ponte durante o famoso Businão foi pessoal do RI/GNR e não do CI.
Título:
Enviado por: Trafaria em Março 28, 2008, 03:15:46 pm
BS, a maior parte do território nacional está sobcontrolo da GNR e não da PSP.
Com muitas berças e bouças pelo meio.
Pois que 80% da população população vive em zonas sob jurisdição da PSP.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 28, 2008, 03:59:25 pm
Trafaria eu não disse que a maior parte da população vivia nas zonas contraladas pela GNR, disse sim que a maior parte do território nacional está sob controlo da GNR.

Não achas que é necessário uma unidade como o RI?
Título:
Enviado por: Trafaria em Março 28, 2008, 04:11:43 pm
Acho!

No entanto convem esclarecer o jovem BS.
O CI/PSP nao pode colocar-se no mesmo patamar de comparação do RI/GNR. São unidades muito diferentes.

O CI é na sua essencia uma unidade anti-motim, com um elevado grau de prontidão e mobilidade. Todos são especialistas em Ordem Publica.

O RI é um mosaico muito variado de especialidades e de gente sem especialidade nenhuma.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 28, 2008, 04:26:01 pm
Então basicamente concordamos em tudo. :wink:
Título:
Enviado por: jmg em Março 28, 2008, 06:41:46 pm
O CI não é a unidade de reserva da PSP?
Cuidado unidade de reserva não significa que não façam nada. Em termos operacionais significa que são forças empregues quando é necessário e onde é necessário para reforçar unidades que não possam dar resposta a determinada situação.
Título:
Enviado por: Trafaria em Março 28, 2008, 06:48:41 pm
O CI não é a unidade de reserva da PSP?
É, é uma delas!
Título:
Enviado por: BS em Março 31, 2008, 01:01:52 am
Mas o RI tem a mesma função que o CI independentemente da area de acção certo?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 31, 2008, 11:30:44 am
RI/GNR:
- Companhia de Comando e Serviços;
- Duas Companhias de Guarnição (protecção de instalações (ex.: São Bento e MNE) e Honras de Estado e Militares);
- Batalhão Operacional:
--- Companhia de Operações Especiais (anti-sequestro e "anti-terrorista") [equivalente GOE/PSP];
--- Três Companhias de Intervenção e Manutenção da Ordem Pública [equivalente CI/PSP].

[O GISP - Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro é ainda formado com base em efectivos do Batalhão Operacional :wink:
Título:
Enviado por: BS em Março 31, 2008, 12:15:42 pm
hm afinal já me tinham respondido e eu não tinha visto  :oops:  mas ja percebi a diferença obrigado a todos que responderam.
Título:
Enviado por: nosso cabo em Abril 01, 2008, 05:16:06 pm
Citar
Com muitas berças e bouças pelo meio.
É com muito gosto que policiamos as berças e bouças de Portigal Continental (as das Ilhas são da PSP) especialmente aquelas de onde a maior parte dos agentes da autoridade (GNR, PSP, PM PJ...) têm a sua origem, para onde fogem da (in)segurança dos bairros e barracas onde habitam e, onde sonham passar os seus últimos dias.
Berças e bouças para onde a "esmagadora maioria" dos habitantes dos bairros e das barracas fogem sempre que têm um fim de semana, um feriado, uns dias de férias. Bouças e berças onde se situam as melhores, e mais concoridas, praias deste país (Costa Alentejana, Costa Vicentina, Allgarve ...). Ou as mais belas paisagens (Gerês , Estrela, Montesinho ... ). Ou onde os (sub)urbanos vêm para ver neve e fazer Sku. Ou pra rezar (Fátima, Sameiro, Bom Jesus, S. Bento da Porta Aberta ...)
Berças e bouças que comportam cidades maiores (loulé, Albufeira, Fafe, Águeda, Penafiel, O. de Azémeis) que muitas pertencentes á PSP (P. Lima, Estremoz, Moura, Gouveia, Lamego).

Citar
Pois que 80% da população população vive em zonas sob jurisdição da PSP.
Faça bem as contas. Dos 278 munícipios do continente apenas 7 são exclusivos da PSP, 65 são partilhados e 206 são exclusivos da GNR.
Se até á rcecente reestruturação a GNR  tinha à sua responsabilidade cerca de 90% do território nacional (87.728 km2), 60% da população (6 milhões de portugueses); e como a PSP viu a sua população aumentada em cerca de 700 000 habitantes, e como Portugal tem cerca de 10 000 000 de habitantes, isto quer dizer que 1 000 000 de habitantes corresponde a cerca de 10%; logo a a população na área da PSP cresceu menos de 10%. Neste momneto deve estar 52% para a GNR e 48% para a PSP. Quando muito 50% - 50%.

Citar
O RI é um mosaico muito variado de especialidades e de gente sem especialidade nenhuma.

Veja a resposta do Sr. PereiraMarques.; ao que eu acrescento que é desta unidade que são/foram recrutados os operacionais para as missões internacionais (Iraque, Timor, Bósnia). é por isso que são gente sem especialidade nenhuma. Ou por tomarem o lugar da PSP na Guarnição das instalações dos membros dos órgãos de soberania (Belém, S. Bento, MNE). Pode ser que a seguir venha a segurança pessoal.

Tenho dito.
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 01, 2008, 05:34:17 pm
Citação de: "paulo pinto"
Ou por tomarem o lugar da PSP na Guarnição das instalações dos membros dos órgãos de sobrania (Belém, S. Bento, MNE)


Atenção que os decretos regulamentares podem trazer aqui uma novidade. Fala-se que ficará tudo mais ou menos na mesma.
Título:
Enviado por: nosso cabo em Abril 01, 2008, 05:40:56 pm
Citação de: "Lancero"
Citação de: "paulo pinto"
Ou por tomarem o lugar da PSP na Guarnição das instalações dos membros dos órgãos de sobrania (Belém, S. Bento, MNE)

Atenção que os decretos regulamentares podem trazer aqui uma novidade. Fala-se que ficará tudo mais ou menos na mesma.

É correcto. Mas alguém sabe responder qual o objectivo da criação da Unidade de Segurança e Honras de Estado.
Tenho dito.
Título:
Enviado por: springo em Abril 07, 2008, 01:06:49 pm
Citação de: "paulo pinto"
Pode ser que a seguir venha a segurança pessoal.


É que é ja a seguir.......

Bem podem continuar a brincar à Segurança Pessoal dentro do quartel....
 :rir:
Título:
Enviado por: nosso cabo em Abril 07, 2008, 02:02:36 pm
Citação de: "PUNISHER"
Citação de: "paulo pinto"
Pode ser que a seguir venha a segurança pessoal.

É que é ja a seguir.......

Bem podem continuar a brincar à Segurança Pessoal dentro do quartel....
 :rir:


 "A nova Lei Orgânica da GNR, publicada em Diário da República no dia 7, cria condições legais para que aquela força de segurança possa efectuar serviços de segurança pessoal a entidades ou comitivas, no âmbito das funções da futura Unidade Especial de Intervenção (UEI). A medida, no entanto, está a merecer o desagrado da PSP, que a considera como uma perda do último exclusivo policial que ainda lhe pertencia.

A preocupação vem de dentro da própria PSP.

Tenho dito.
Título:
Enviado por: springo em Abril 07, 2008, 02:35:05 pm
Se repetires isso muitas vezes com convicção, vais acabar por acreditar nisso....
Continuo a dizer:  Bem podem continuar a brincar à Segurança Pessoal dentro do quartel.... faz-vos bem ao ego!!!!!!
Só acredita nos show-off da GNR quem quiser......!
Título:
Enviado por: bodyguard-madeira em Abril 07, 2008, 02:50:00 pm
O amigo deve estar a esquecer-se que as armas e explosivos são de exclusiva responsabilidade da PSP.
Esqueceu também que a segurança privada passou para a tutela da PSP.
Em relação à segurança pessoal, força continuem, da porta do quartel para dentro podem fazer o que quiserem, cá fora existe uma unidade própria para isso, capaz e com provas mais que dadas nessa função. Além que garantir a seg.pessoal do seu comandante é uma coisa deveras bonita, para aclarar esta beleza de desempenho na seg.pessoal, termino com uma frase célebre que concerteza alguns dos foristas conhecem.
"só consegue proteger alguém quem se consegue proteger a si própio"
Bem haja sr. Comandante Geral e os que o protegem (ainda bem que existem, ou não faziam nenhum além de brincar aos bodyguards).
Título:
Enviado por: nosso cabo em Abril 07, 2008, 06:01:38 pm
Citar
Se repetires isso muitas vezes com convicção, vais acabar por acreditar nisso....
Continuo a dizer: Bem podem continuar a brincar à Segurança Pessoal dentro do quartel.... faz-vos bem ao ego!!!!!!
Não é, nunca foi, nem nunca será, a segurança pessoa/op. especiais, a minha área de actuação na GNR. A preocupação neste sector, veio do interior da própria PSP; que é publica (e a minha fonte de informação)

Citar
Só acredita nos show-off da GNR quem quiser......!
As instituições, tal como toda a sociedade actual, vivem de aparências ......

Citar
O amigo deve estar a esquecer-se que as armas e explosivos são de exclusiva responsabilidade da PSP.
Esqueceu também que a segurança privada passou para a tutela da PSP.
Veja bem se é exlusivo ou com a colaboração de outras Força e Serviços de Segurança.

N.º 3 do Art.º 3.º da LOPSP - Constituem ainda atribuições da PSP:
a) Licenciar, controlar e fiscalizar o fabrico, armazenamento, comercialização, uso e transporte de armas, munições e substâncias explosivas e equiparadas que não pertençam ou se destinem às Forças Armadas e demais forças e serviços de segurança, sem prejuízo das competências de fiscalização legalmente cometidas a outras entidades;
b) Licenciar, controlar e fiscalizar as actividades de segurança privada e respectiva formação, em cooperação com as demais forças e serviços de segurança e com a Inspecção-Geral da Administração Interna;


Citar
cá fora existe uma unidade própria para isso, capaz e com provas mais que dadas nessa função.

Quem disse o contrário ?

E como todos temos telhados de vidro http://jn.sapo.pt/2008/04/06/nacional/g ... trans.html (http://jn.sapo.pt/2008/04/06/nacional/gnr_e_atropelamse_fiscalizacao_trans.html) .
N.º 2 do Art.º 3.º da LOGNR
2 - Constituem, ainda, atribuições da Guarda:
a) Assegurar o cumprimento das disposições legais e regulamentares referentes à protecção e conservação da natureza e do ambiente, bem como prevenir e investigar os respectivos ilícitos;
b) Garantir a fiscalização, o ordenamento e a disciplina do trânsito em todas as infra-estruturas constitutivas dos eixos da Rede Nacional Fundamental e da Rede Nacional Complementar, em toda a sua extensão, fora das áreas metropolitanas de Lisboa e Porto;

 Não vale a pena esgrimir argumentos. Está tudo inventado (escrito).
Tenho dito.
Título:
Enviado por: Falcão em Abril 21, 2008, 11:15:00 pm
Citação de: "Runa"
Aqui estão algumas informações que pesquisei sobre a Companhia de Operações Especiais, subunidade do Regimento de Infantaria da Guarda Nacional Republicana.

27 Anos de Operações
     O Historial da COE Alfa do BOP/RI/GNR vem desde de 1978, em Portugal e no estrangeiro, onde tem desempenhado várias Missões.
Em Portugal semanalmente a COE é solicitada para Reforçar as Forças implantadas no terreno quando estas necessitam de uma força técnica e tacticamente mais desenvolvida.
O Melhor exemplo será a investigação criminal, que quando tem de executar um mandado que envolva um risco acrescido, quer pelo tipo de adversário, quer pelo ambiente hostil, às nossas forças solicita a COE para realizar entrada em casas e edifícios e/ou a neutralização dos adversários.
A partir dai os Militares da investigação criminal estão seguros para executarem o seu trabalho. No estrangeiro, a COE esteve em Timor onde desempenhou um sem número de missões desde segurança pessoal ao Presidente da Republica e outras altas Entidades, até à captura de rebeldes nas montanhas de Timor.
O teatro de operações mais exigente foi, sem dúvida o do Iraque, onde quer pelo meio envolvente, quer pela perigosidade do adversário onde a COE, apesar das dificuldades, teve um desempenho memorável.

Durante os dois anos de Missão, a força executou a captura de dezenas de terroristas, aprendeu inúmero material utilizado por estes para realizarem os seus ataques contra as forças da coligação, sendo de sublinhar a múltiplas situações de contacto directo com o adversário.

Em todos estes teatros a COE desempenhou as suas missões norteadas pelo lema “Que os muitos por sermos poucos não temamos”.
 


                                Génese e Missão

Em 1977, cerca de 10 detidos da cadeia de Custóias – EPC, amotinaram-se e dominaram com a ameaça de armas de fogo cerca de 20 funcionários entre os quais, o seu director e tentaram a fuga utilizando reféns como escudo. Da intervenção dos Guardas Prisionais resultaram ferimentos para 03 dos amotinados (um faleceu posteriormente) 03 reféns e ainda o directo do EPC. Durante esta acção ocorreram ao local efectivos da Guarda equivalentes a 02 Pelotões de Infantaria, 02 Secções de Cavalaria, 05 viaturas blindadas, 05 patrulhas da Brigada de Trânsito e 03 Atiradores Especiais. Esta força não chegou a intervir porque entretanto os amotinados renderam-se.Terminada a operação o Comandante da mesma elaborou um relatório do qual consta:

"...que em tais circunstâncias só pessoal altamente treinado e especializado, dotado de meios apropriados, poderá executar com aceitáveis probabilidades de sucesso, qualquer acção."

Este facto deu azo a que o General Comandante Geral da GNR ordenasse pessoalmente ao Comandante do Batalhão nº1(actual RI) para preparar e organizar um GRUPO ESPECIAL DE INTERVENÇÃO.

Em finais de Outubro de 1978, estava pronto o GEI, para actuar em casos específicos de actividades criminosas de alta violência, ou outras que ocorressem na área de responsabilidade da Guarda e que requeressem uma força técnica e tacticamente habilitada para executar estas tarefas.

Em Outubro de 1982, passou-se a designar Pelotão de Operações Especiais (POE). Vinte e um anos depois (2003), devido à evolução da criminalidade e por ser cada vez mais solicitada, sofreu um aumento do número de militares sendo designada:COMPANHIA DE OPERAÇÕES ESPECIAIS (COE)

                                                  Selecção, Formação e Cursos


A selecção dos militares que integram a COE é feita tendo como base de escolha o efectivo do Batalhão Operacional do Regimento de Infantaria o que permite ter uma boa base de escolha visto que todos os militares do BOP são submetidos a uma bateria de testes.

A selecção é feita em três dias consecutivos em que os militares executam uma bateria de testes físicos, de decisão, psicotécnicos e médicos.

Dia 1: O primeiro é o dia em que os candidatos são submetidos aos testes físicos, começando pelo ginásio onde cada candidato executa abdominais, extensões no solo, flexões na trave, pista de combate de 350 metros, natação e apneia.
•   Abdominais mínimo 70
•   Extensões no solo mínimo 55
•   Flexões na trave mínimo 10
•   Natação 50m mínimo 01 minuto e 20 segundos
•   Apneia executar 20 metros
•   Pista de obstáculos mínimo 02 minutos


Dia 2: No segundo dia os candidatos executam os testes de decisão e a prova de marcha
•   Provas de decisão:
o   Passagem do pórtico
o   Salto para a água
o   Tiro
•   Marcha:
o   Marcha forçada durante 15Km com arma e mochila de 10Kg no tempo limite de 01 hora e 50 minutos

Dia 3: No terceiro dia são feitos os testes médicos e psicotécnicos pela manhã e da parte de tarde os candidatos são entrevistados por um psicólogo e por fim têm uma entrevista com o Comandante da COE.

Feita a selecção, são escalonados os 20 melhores e iniciam o Curso de Operações Especiais da GNR que decorre em Lamego no Centro de Instrução de Operações Especiais e tem a duração de 03 meses, ficando assim o militar com a formação básica.

No final do Curso de Operações Especiais todos os militares com aproveitamento, cerca de 50%, iniciam o Curso de Segurança Pessoal a Altas Entidades que tem a duração de 06 semanas e tem englobada a vertente de segurança pessoal em ambientes de alto risco, como foi o caso do Teatro de Operações do Iraque.

Depois de feitos os testes, os militares com capacidades e aptidão acima da média iniciam o curso de SNIPER com a duração de quatro semanas com o objectivo de manter em todas as equipas dois militares com a especialidade SNIPER.


 


                                Missões do COE
1.   Missões da Companhia de Operações Especiais
•   NEGOCIAÇÃO DE REFÉNS
•   PESQUISA DE INFORMAÇÕES DE ACTIVIDADE SUBVERSIVA
•   OPERAÇÕES POLICIAIS DE ALTO RISCO
•   MANUTENÇÃO DA ORDEM PÚBLICA
•   SEGURANÇA PESSOAL
•   OPERAÇÕES ESTÁTICAS DE SEGURANÇA
•   AUXÍLIO E SOCORRO
•   INSTRUÇÃO E FORMAÇÃO DE QUADROS





2.   Caracterização das Missões
a.   Negociação de Reféns: Acção de diálogo e interacção com um suspeito com vista a libertar “reféns” ou requerer a entrega pacifica de suicidas ou suspeitos que se encontrem barricados
b.   Operações Policiais De Alto Risco (PORTUGAL E ESTRANGEIRO)
i.   Batidas: Acções efectuadas em áreas abertas ou não condicionadas com o objectivo de encontrar algo ou alguém.
ii.   Buscas e Rusgas: Operação policial de consiste no controlo de identidade, detecção de actividades criminosas, procura de objectos relacionados com a prática de crimes ou que possam servir de prova e que devam ser apreendidos.
iii.   Reforço de Patrulhas Marítimas: Operação policial no âmbito fiscal efectuada sobre embarcações, e que consiste no controlo de identidade, detecção de actividades criminosas, procura de objectos relacionados com a prática de crimes ou que possam servir de prova e que devam ser apreendidos.
iv.   Detenção de Suicidas: Operação policial que se caracteriza por o suspeito se encontrar numa posição vantajosa e protegida, se recusar a entregar e se presuma que o pretenda pôr fim à sua vida usando ou não arma de fogo.
v.   Detenção de Barricados: Operação policial de assalto que se caracteriza por o suspeito se encontrar numa posição vantajosa e protegida, se presuma que o mesmo se encontre armado, que o mesmo tenha praticado um crime e se recuse a entregar.
vi.   Sabotagem: Operação policial desenvolvida sobre uma área ou ponto sensível , em que se presuma que vá ou venha a ocorrer um crime; este tipo de operação caracteriza-se pela evacuação da área ou ponto sensível, interditar o seu acesso e recolher informação quanto à sua autoria.
vii.   Golpe de Mão: Operação policial de assalto onde se presume estarem escondidos indivíduos suspeitos da prática de crimes ou estar em preparação ou em curso actividade criminosa violenta, com o objectivo de deter os indivíduos e/ou libertar reféns.
c.   Manutenção da Ordem Pública
i.   Reforço à Manutenção da Ordem Pública: Consiste em apoiar as CMOP nas acções de reposição da ordem pública, sempre que sejam empregues armas de fogo pelos manifestantes, ou em caso de necessidade de deter ou evacuar manifestantes.
ii.   
iii.   Controlo E Segurança De Grupos De Risco: Operação policial que visa garantir a segurança, acompanhamento, controlo e guarda de grupos de risco em deslocamento ou em áreas ou pontos sensíveis.
d.   Segurança Pessoal
i.   A Altas Entidades: Operação policial desenvolvida em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança, que visa garantir a segurança das entidades que visitam Portugal, por forma que as mesmas desenvolvam as suas actividades num clima de tranquilidade.
ii.   Do Exmo. Tenente General Comandante Geral Da Gnr: Operação policial desenvolvida em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança, que visa garantir a segurança do Exmo Ten-General Comandante Geral por forma a que desenvolva as suas actividades num clima de tranquilidade.
e.   Operações Estáticas De Segurança
i.   Segurança Pontos Sensíveis Com Snipers: Operação policial realizada em locais, áreas, itinerários ou instalações através de vigilância, protecção e segurança com snipers, por forma a evitar acções que possam prejudicar o fim a que se destinam ou colocar em perigo a sua finalidade.
f.   Auxílio e Socorro
i.   Efectuar Busca E Salvamento: Acções desencadeadas para prevenir, evitar ou minimizar os efeitos de acidentes, catástrofes ou calamidades resultantes da acção humana ou da natureza.
g.   Instrução e Formação de Quadros
i.   Curso De Operações Especiais;
ii.   Curso De Segurança Pessoal A Altas Entidades;
iii.   Curso De Sniper;
iv.   Curso De Manutenção Da Ordem Pública;
v.   Apoio à BTer Nº5:Acção de formação na área do montanhismo, com vista a preparar e qualificar na área de busca e resgate de sinistrados, os militares que integram o Posto Sazonal da Torre do Destacamento Territorial da Covilhã.



                                                                       SNIPERS

     Os snipers têm tido cada vez mais uma forte contribuição para o sucesso das operações onde a COE tem estado envolvida, quer pelo factor observação quer pelo factor apoio de fogo.
 

Os instruendos durante o Curso de Operações Especiais são avaliados a nível do tiro que executam entrando essa nota para a média final do curso e para que depois do terminus do mesmo possam os melhores ingressar, de acordo com as necessidades, no Curso Sniper.

O curso tem a duração de 04 semanas e dá aos instruendos formação em diversas matérias como:
•   Camuflagem
•   Topografia
•   Reconhecimento
•   Tiro

     Aos militares com que terminam o curso de Sniper com aproveitamento é-lhes atribuída uma carabina e material individual ficando essa arma atribuída a esse homem com as devidas adaptações e correcções.

 

Cada dois homens formam uma parelha Sniper sendo este o efectivo mínimo desta força, um dos elementos é o atirados sendo o outro o spoter tendo a missão de observar, montar segurança ao atirador (nos casos de teatros de alto risco como o Iraque), registar dados de distância, velocidade do vento, temperatura, tudo variantes que são analisadas e transformadas em correcções na luneta para que o tiro independentemente da distância seja um tiro certeiro.
Em Portugal e até este momento as parelhas sniper ainda não executaram nenhum disparo, sendo o seu maior valor na recolha de informações para as forças do terreno, já no estrangeiro os nossos snipers executaram alguns disparos contra forças terroristas no decorrer das muitas operações, que a COE executou neste teatro de operações, sempre difícil em que muitas vezes á parelha era uma missão e a parelha tinha que a desempenhar sozinha e isoladamente.

Para um teatro de operações particular como o Iraque teve que se adquirir material especifico como lunetas mais potentes medidores de distâncias nocturnos mais potentes, munições especiais, etc.
Quer em Portugal quer no estrangeiro o lema dos Snipers é e será sempre:
“one shot one kill ”.
                                                                       CÃES
Por todo o mundo forças similares á COE utilizam cães como uma ferramenta bastante útil desde que usada nas situações convenientes e usada com eficácia.
Cada vez mais os binómios de intervenção táctica (CIT) têm sido uma mais valia para as equipas de assalto. Os CIT podem ser utilizados nas mais variadas funções, quer integrados em equipas de assalto quer trabalhando isoladamente.
Devido aos inúmeros treinos em conjunto os CIT trabalham conjuntamente com as equipas de assalto desempenhando até hoje algumas missões em conjunto como neutralização de barricados onde os cães são os primeiros a entrar no compartimento pois, são mais rápidos, desviam a atenção do adversário, e dão espaço temporal de manobra para a equipa poder entrar no compartimento e neutralizar a ameaça.
Em situações de compartimentos múltiplos os cães estão treinados para sinalizar o compartimento onde o adversário se encontra havendo por isso vantagem táctica para as equipas de assalto pois a ameaça está localizada e mais facilmente poderá ser neutralizada.
Poderá ocorrer a situação do adversário armadilhar uma porta ou uma janela por onde ele acha que as equipas de assalto irão entrar (como já ocorreu na realidade), para esse tipo de situações o cão está treinado para reagir imobilizando-se, marcando assim o local onde ele detectou o explosivo.
Os CIT também trabalham na neutralização em situações de alto risco pois os cães são capazes de se aproximar mais rápido e em silêncio do adversário havendo por isso uma vantagem táctica na utilização dos cães neste tipo de operações.
Em missões no estrangeiro os cães têm sido utilizados primordialmente em situações de detecção de explosivos, como o caso do IRAQUE em que o contingente ITALIANO tinha á sua disposição e em permanência 10 binómio de detecção de explosivos.
                                                         HISTORIAL E MISSÕES

 


O historial da COE vem desde 1978 em Portugal e no estrangeiro onde tem desempenhado as missões que lhe foram atribuídas. Em Portugal semanalmente a COE é solicitada para reforçar as forças implantadas no terreno quando estas necessitam de uma força técnica e tacticamente mais evoluída, o melhor exemplo será a investigação criminal que quando tem de executar um mandado que envolva um risco acrescido quer pelo tipo de adversário quer pelo ambiente hostil ás nossas forças solicita a COE para realizar a entrada nas casas a neutralização dos adversários e a partir dai os militares da investigação criminal estão seguras para executarem o se trabalho.
 


No estrangeiro a COE esteve em Timor onde desempenhou um sem numero de missões desde segurança pessoal ao Presidente da Republica e outras altas entidades como a captura de rebeldes nas montanhas de Timor. O teatro de operações mais exigente foi sem duvida o Iraque onde quer pelo meio envolvente quer a perigosidade do adversário a COE e todos os seus elementos tiveram um desempenho memorável e durante os dois anos de missão a força executou a captura de dezenas de terrorista, apreendeu inúmero material utilizado por estes para realizarem os seus ataques contra as forças da coligação e sofreram três emboscadas com um saldo extremamente positivo:


 

•  Duas baixas (feridos de granada de morteiro)
•  5000 munições 5,56mm gastas em combate
•  10000 munições 7,62mm gastas em combate
•  50 munições 7,62 LAPUA (Sniper) disparadas em combate
•  500 granadas 40mm gastas em combate



Em todos estes teatros a COE desempenha as suas missões norteada pelo lema:


"Que os muitos por sermos poucos não temamos".

Peço desculpa pelo longo post, mas penso que está bastante completo e poderá ajudar.

In: www.gnr.pt (http://www.gnr.pt)
Título:
Enviado por: CASPER-PT em Maio 06, 2008, 10:39:34 pm
Acho muito interessante quando muitos falam e não sabem do que falam. Esse sr. que tanto compara o RI com o CI percebe tanto disto como eu de couves.
Vou falar por mim me caro, quando o sr. estiver numa esquadra que tenhe 4000 NUIPCs, 2000 acidentes por ano, que tenha feito 87 detençoes em 2,5 anos, gasto mais e 200 munições( borracha, chumbo, reais) em situações reais, entre para o RI onde passa 1,5 anos a fazer guarniçoes e honras de estado, entre para o Bop do RI ( que o senhor ainda não comparou com o CI) e faça dezenas de escoltas, algumas manutenções de ordem publica e algumas missões no exterior, aí sim, o Sr. tem que falar do que se faz dentro dos quarteis da GNR e RI, porque como acho que acabei de lhe provar, nem todos no RI da GNR fingem e brincam, como de certeza nem todos no CI ou seja la onde for são tao ignorantes na matéria de bem servir como o Sr.
Obrigado pela vossa atençao.
Título:
Enviado por: RicP em Maio 07, 2008, 12:06:43 am
Citação de: "CASPER-PT"
Acho muito interessante quando muitos falam e não sabem do que falam. Esse sr. que tanto compara o RI com o CI percebe tanto disto como eu de couves.


lool :D

Mas tem razão CASPER-PT,não se compara o RI com o CI.
Título:
Enviado por: 3520 em Maio 07, 2008, 12:33:02 am
Citação de: "paulo pinto"
Citar
Com muitas berças e bouças pelo meio.
É com muito gosto que policiamos as berças e bouças de Portigal Continental (as das Ilhas são da PSP) especialmente aquelas de onde a maior parte dos agentes da autoridade (GNR, PSP, PM PJ...) têm a sua origem, para onde fogem da (in)segurança dos bairros e barracas onde habitam e, onde sonham passar os seus últimos dias.
Berças e bouças para onde a "esmagadora maioria" dos habitantes dos bairros e das barracas fogem sempre que têm um fim de semana, um feriado, uns dias de férias. Bouças e berças onde se situam as melhores, e mais concoridas, praias deste país (Costa Alentejana, Costa Vicentina, Allgarve ...). Ou as mais belas paisagens (Gerês , Estrela, Montesinho ... ). Ou onde os (sub)urbanos vêm para ver neve e fazer Sku. Ou pra rezar (Fátima, Sameiro, Bom Jesus, S. Bento da Porta Aberta ...)
Berças e bouças que comportam cidades maiores (loulé, Albufeira, Fafe, Águeda, Penafiel, O. de Azémeis) que muitas pertencentes á PSP (P. Lima, Estremoz, Moura, Gouveia, Lamego).

Citar
Pois que 80% da população população vive em zonas sob jurisdição da PSP.
Faça bem as contas. Dos 278 munícipios do continente apenas 7 são exclusivos da PSP, 65 são partilhados e 206 são exclusivos da GNR.
Se até á rcecente reestruturação a GNR  tinha à sua responsabilidade cerca de 90% do território nacional (87.728 km2), 60% da população (6 milhões de portugueses); e como a PSP viu a sua população aumentada em cerca de 700 000 habitantes, e como Portugal tem cerca de 10 000 000 de habitantes, isto quer dizer que 1 000 000 de habitantes corresponde a cerca de 10%; logo a a população na área da PSP cresceu menos de 10%. Neste momneto deve estar 52% para a GNR e 48% para a PSP. Quando muito 50% - 50%.

Citar
O RI é um mosaico muito variado de especialidades e de gente sem especialidade nenhuma.
Veja a resposta do Sr. PereiraMarques.; ao que eu acrescento que é desta unidade que são/foram recrutados os operacionais para as missões internacionais (Iraque, Timor, Bósnia). é por isso que são gente sem especialidade nenhuma. Ou por tomarem o lugar da PSP na Guarnição das instalações dos membros dos órgãos de soberania (Belém, S. Bento, MNE). Pode ser que a seguir venha a segurança pessoal.

Tenho dito.


Caro amigo, não é por se dizer que um município é partilhado pelas duas forças que é realmente partilhado à letra, não se esqueça que mesmo nos municípios partilhados a maior parte da população nesse município está sob a jurisdição da PSP, e acho que o amigo sabe disto bem melhor do que eu e de facto a nível nacional a PSP tem sob a sua jurisdição uma fatia da população portuguesa bem superior a 50%. Como sabe as áreas de jurisdição não são atribuídas assim à "taralhoco"... a GNR pura e simplesmente não tem jurisdição nos centros urbanos, e curiosamente a maior parte da população portuguesa vive nos centros urbanos e com as novas reformas muita coisa mudou, por exemplo, a Covilhã era uma cidade dividida ao meio, a parte da cidade mais antiga estava sob a jurisdição da PSP e a mais recentes sob a jurisdição da GNR porque ainda não tinham sido tomadas as respectivas reformas a nível nacional, mas desde a 2 anos para cá a área da PSP foi aumentada para acompanhar o crescimento da cidade e neste momento o quartel da GNR está pura e simplesmente dentro da área da PSP, a GNR do município da Covilhã neste momento só tem sob a sua responsabilidade apenas cerca de 10 mil dos cerca de 60 e poucos mil habitantes do município da Covilhã e o respectivo patrulhamento da Serra da Estrela, e esta por poção deve ser semelhante nos demais municípios partilhados agora pode fazer as suas continhas a partir daqui  :roll:  :roll:  

Zé: Ó mulher acho que ficamos presos na neve!
Maria: Não faz mal, a montaiinhe supporte tiime ajuda
Título:
Enviado por: nosso cabo em Maio 08, 2008, 11:26:13 am
Citar
Caro amigo, não é por se dizer que um município é partilhado pelas duas forças que é realmente partilhado à letra, não se esqueça que mesmo nos municípios partilhados a maior parte da população nesse município

Como por exemplo Guimarães que é um município com cerca de 160 000 habitantes e cerca de 110 000 vivem na ZA da GNR; ou Barcelos com cerca de 125 000 (100 000 na ZA da GNR) ou S. Tirso cerca de 75 000 (55 000 na Za da GNR) .

Citar
acho que o amigo sabe disto bem melhor do que eu e de facto a nível nacional a PSP tem sob a sua jurisdição uma fatia da população portuguesa bem superior a 50%.

As contas continuam as mesmas se até á rcecente reestruturação a GNR tinha à sua responsabilidade cerca de 90% do território nacional (87.728 km2), 60% da população (6 milhões de portugueses); e como a PSP viu a sua população aumentada em cerca de 700 000 habitantes, e como Portugal tem cerca de 10 000 000 de habitantes, isto quer dizer que 1 000 000 de habitantes corresponde a cerca de 10%; logo a a população na área da PSP cresceu menos de 10%. Neste momneto deve estar 52% para a GNR e 48% para a PSP. Quando muito 50% - 50%. Não se esqueça que a GNR também recebeu população. Só em Guimarães recebeu o triplo da populaação (em relação á população "perdida"), a Costa da Caparica tem mais de 10 000 hab, Fátima mais de 10 000 hab, Sintra tem cerca de 30 000 hab, Moita cerca de 18 000 hab.

Citar
a GNR pura e simplesmente não tem jurisdição nos centros urbanos, e curiosamente a maior parte da população portuguesa vive nos centros urbano
E  Trofa, Fafe, Vizela, Sintra, Fátima, Penafiel, O. de Azemeís, Águeda, Albufeira, C. da Caparica, Felgueiras, Loulé, Moita, Palmela (inclui P. Novo), Sesimbra (inclui Q. do Conde) e Vizela, tudo cidades cobiçadas pela PSP são o quê?
Não se esqueça que as zonas suburbanas e/ou rururbanas (de várias cidades na ZA da PSP), estão atribuídas á GNR e, essas zonas estão inseridas nos "centros urbanos".
Mas é com muito orgulho que temos as zonas rurais na "nossa" ZA, em especial a Serras da Peneda/Gerês, a Serra da Estrela, o Alto Douro Vinhateiro, o Sudueste Alentejano e a Costa Vicentina, o Alenetejo "profundo".

Citar
Zé: Ó mulher acho que ficamos presos na neve!
Maria: Não faz mal, a montaiinhe supporte tiime ajuda

 Dá mais gozo quando são (sub) urbanos armados em "chiquesespertos".

Comps
Título:
Enviado por: Trafaria em Maio 08, 2008, 03:23:41 pm
Aquela lá em cima do "Mountain Support Team" só pode ser brincadeira, não é?
Título:
Enviado por: 3520 em Maio 08, 2008, 08:06:47 pm
Caro amigo Paulo Pinto, perceba que eu não acho que a PSP seja "melhor" que a GNR ou vice-versa, pelo amor de Deus! Ao contrario do senhor que se está a tornar num radical pró-GNR, não sei se o amigo pertence à Guarda ou  não, mas se pertence e tem este radicalismo cego é pura e simplesmente ridículo.
Eu considero a existência das duas forças absolutamente fundamentais para a segurança interna do país, mas tanto uma instituição como outra tem defeitos, e o senhor não se pode sentir incomodado por ouvir comentários acerca do constante showoff da GNR, aliás é normalíssimo que a GNR esteja    
a enveredar por esta política de demonstração até mesmo dos mínimos bons trabalhos da GNR para demonstrar à população que afinal a GNR não é só uma cambada de trolhas, o senhor sabe bem que o senso comum português acha isto da GNR. Como também não se pode sentir
incomodado por alguém referenciar que a PSP tem algumas unidades de elite superiores às da GNR e inclusive sendo uma delas considerada a unidade anti-terrorista nacional, como também não se pode sentir incomodado por alguém dizer que é a PSP que é responsável pela segurança pessoal do Governo português ( já para não falar de casos como os do Durão Barroso que optou por levar para Bruxelas elementos do CSP).... pelas embaixadas estrangeiras em Portugal, pelas embaixadas Portuguesas no estrangeiro; que é a PSP a força responsável pela segurança aeroportuária; que é a PSP que é responsável pela fiscalização e atribuição do uso e porte de armas a nível nacional, que a PSP comparativamente com a GNR realiza um maior trabalho policial por assim dizer. Se isto o incomoda sinceramente eu não consigo perceber, porque isto é nada mais, nada menos do que factos reais e estatísticas reais e não citações procuradas pela net em blogues.  
Mas estas pequenas coisas não desvalorizam de forma alguma a GNR, a GNR pelo seu cariz militar e por outras funções que lhe estão atribuídas torna-se fundamental para a segurança do nosso país,  já para não falar dos "brilharetes" que a nossa Guarda tem feito por este mundo fora e acredite, eu sinto um enorme orgulho nisso, como também sinto orgulho em alguns países copiarem e formarem unidades tendo por base os trabalhos desenvolvidos pela GNR no estrangeiro. Mas colega não sinta pudor em afirmar que também sente orgulho por o GOE ser uma unidade de elite de topo a nível mundial.  

Citação de: "Trafaria"
Aquela lá em cima do "Mountain Support Team" só pode ser brincadeira, não é?


Colega, visite a Serra e verifique com os seus próprios olhos.. veículos da GNR pertencentes a uma unidade característica desta região que têm representado o nome da respectiva unidade unicamente em Língua Inglesa.       :roll:
Título:
Enviado por: Trafaria em Maio 08, 2008, 08:40:51 pm
Citar
Colega, visite a Serra e verifique com os seus próprios olhos.. veículos da GNR pertencentes a uma unidade característica desta região que têm representado o nome da respectiva unidade unicamente em Língua Inglesa.


Nem se lhe pode chamar de foleirice, porque o não é. Nem é ridiculo, porque é triste de mais. Procuro um termo médio em tolice e javardice para qualificar aquela coisa ... mas não sai!

Todos sabemos que o acesso às forças de segurança é generalizado, sem especial exigencia ... mas recuso-me a admitir que não existia na GNR gente com uma inteligencia média e uma pontinha de vergonha nas trombas.

Já nao subo à serra há pelo menos 10 anos.
Título:
Enviado por: nosso cabo em Maio 09, 2008, 08:54:13 am
Citar
Caro amigo Paulo Pinto, perceba que eu não acho que a PSP seja "melhor" que a GNR ou vice-versa, pelo amor de Deus! Ao contrario do senhor que se está a tornar num radical pró-GNR, não sei se o amigo pertence à Guarda ou não, mas se pertence e tem este radicalismo cego é pura e simplesmente ridículo.

Radical???  Não só não gosto que estejam constantemente a inferiorizar a "minha Equipa". Já não somos os "trolhas trogloditas" do tempo da outra senhora.

Citar
incomodado por alguém referenciar que a PSP tem algumas unidades de elite superiores às da GNR e inclusive sendo uma delas considerada a unidade anti-terrorista nacional

 Já se confrontaram? No Iraque? Em Timor? Forças diferentes; formação diferente. Não se esqueça de ver as Leis Orgânicas e veja onde é que está isso escrito (unidade anti - terrorista nacional). Agora prevalece o princípio da "territorialidade"

Citar
que é a PSP a força responsável pela segurança aeroportuária; que é a PSP que é responsável pela fiscalização e atribuição do uso e porte de armas a nível nacional, que a PSP comparativamente com a GNR realiza um maior trabalho policial por assim dizer

Ao nivel do policiamento geral/territorial concordo. o SEPNA? e a BF (furturas UCC e UAF)? e a BT (futura UNT)? E a Cavalaria (integrada na futura UI)?


Citar
nada menos do que factos reais e estatísticas reais e não citações procuradas pela net em blogues.

 Ai é :
http://www.gnr.pt/portal/internet/sepna ... ca2007.asp (http://www.gnr.pt/portal/internet/sepna/10.estatistica/estatistica2007.asp)
http://www.governo.gov.pt/Portal/PT/Gov ... Sivicc.htm (http://www.governo.gov.pt/Portal/PT/Governos/Governos_Constitucionais/GC17/Ministerios/MAI/Comunicacao/Intervencoes/20080416_MAI_Int_SEAAI_VTS_Sivicc.htm)
http://www.gnr.pt/portal/internet/gabin ... to&id=4973 (http://www.gnr.pt/portal/internet/gabinete_imprensa/noticias/admin/noticias_descricao.asp?fonte=transito&id=4973)



Citar
Mas colega não sinta pudor em afirmar que também sente orgulho por o GOE ser uma unidade de elite de topo a nível mundial.


E no CSP/PSP.
 Comps
Título:
Enviado por: fuzo 90 em Maio 09, 2008, 06:40:06 pm
Citação de: "Trafaria"
Aquela lá em cima do "Mountain Support Team" só pode ser brincadeira, não é?

o que fazem ao nosso dinheiro........, deviam era mandar estas viaturas para o interior para dar apoio a população idosa que lá vive, isso tiha toda a lógica , mas é preferivel estas palhaçadas, para que????
Título:
Enviado por: acpool em Maio 09, 2008, 08:35:01 pm
Pelotão de Montanha da GNR
Mountain Support Team

http://dn.sapo.pt/2004/12/17/pais/grupo_especial_gnr_garante_seguranca.html
http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=147695&visual=26
GNR K9
http://www.youtube.com/watch?v=AU2uC4gsF5Y
http://www.youtube.com/watch?v=xALG78MwMkA&NR=1


Das várias viaturas que estão na Serra se estão lá é porque fazem falta, estupidez é criticar um grupo das nossas Forças de Segurança que um dia vos pode vir ajudar. O mal do povo Português é não dar valor aquilo que nunca usufruiu e pensa não vir a precisar dele. Se o pelotão de montanha da GNR foi criado, utilizando também elementos do k9 da gnr é porque houve necessidade de socorrer as pessoas na montanha, sem ter que ser os militares do CIOE que o faziam quando antigamente lá se encontrava em exercícios.
 
Cumprimenos
Título:
Enviado por: 3520 em Maio 10, 2008, 11:11:16 am
Citação de: "acpool"
Pelotão de Montanha da GNR
Mountain Support Team

http://dn.sapo.pt/2004/12/17/pais/grupo_especial_gnr_garante_seguranca.html
http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?article=147695&visual=26
GNR K9
http://www.youtube.com/watch?v=AU2uC4gsF5Y
http://www.youtube.com/watch?v=xALG78MwMkA&NR=1


Das várias viaturas que estão na Serra se estão lá é porque fazem falta, estupidez é criticar um grupo das nossas Forças de Segurança que um dia vos pode vir ajudar. O mal do povo Português é não dar valor aquilo que nunca usufruiu e pensa não vir a precisar dele. Se o pelotão de montanha da GNR foi criado, utilizando também elementos do k9 da gnr é porque houve necessidade de socorrer as pessoas na montanha, sem ter que ser os militares do CIOE que o faziam quando antigamente lá se encontrava em exercícios.
 
Cumprimenos



Acpool, já viu alguma citação minha a referir que a equipa de montanha é desnecessária? Não  pois não? ...
O que é realmente desnecessário são veículos desta equipa/unidade identificados unicamente em língua inglesa.
Título: duvida
Enviado por: fabio_lopes em Maio 20, 2008, 03:49:35 pm
alguem me pode dizer...para entrar neste contigent especial é prexixo tar na gnr ou pode se entrar directament?tipo fazer tropa e entrar..

obrigado
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 20, 2008, 04:15:00 pm
Ena tantos X... :roll:

Falas Português ou Chinês?

Se queres saber informações em relação a esta unidade, é preciso estar na GNR, é claro.
Título: desculpa
Enviado por: fabio_lopes em Maio 20, 2008, 06:07:53 pm
pois é o habito do telemovel...um defeito da geraçao :oops:
Título:
Enviado por: jony em Agosto 10, 2008, 02:59:37 pm
boas. eu concorri pra gnr, ainda nao sei se vou entrar pois ainda nao começaram sequer as provas  :lol: . mas se conseguisse entrar uns dos meus objectivos era ingressar no coe ou seja nas operaçoes especias da gnr, e gostava se alguem soubesse como fazer pra entrar, tipo pra entrar é preciso ser gnr se n me engano mas depois temos que esperar que aja um curso ou eles escolhem alguns????
Título:
Enviado por: zeNice em Agosto 10, 2008, 03:16:03 pm
O COE entra em acção em que circunstâncias?

SImplificado é assim certo?
GOE - PSP
COE - GNR

Mas nunca ouvi falar dos COE nos media.
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 10, 2008, 03:23:49 pm
Nao te admires.
Aquilo é assim uma espécie de cópia pirata feita a partir do original, o GOE.  :lol:
Título:
Enviado por: Jaromil em Agosto 10, 2008, 05:07:59 pm
Citação de: "Trafaria"
Nao te admires.
Aquilo é assim uma espécie de cópia pirata feita a partir do original, o GOE.  :lol:


Um pouco infeliz da sua parte este comentário! Não estou a tirar o mérito aos GOE mas não vamos agora baixar uns para elogiar outros. Os GOE não precisam disso, conseguem, aliás, ter convivência saudável e pacifica com outras forças similares.
Título:
Enviado por: CarlosMC em Agosto 10, 2008, 10:19:24 pm
Em França também há o RAID (Polícia) e GIGN (Gendarmerie), curiosamente, o GIGN é mais conhecido, especialmente depois do assalto a um avão sequestrado, há uns anos atrás.
O COE fazia segurança a John Majors, quando era PM inglês e vinha para cá em férias.
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 10, 2008, 10:42:45 pm
Não sejam tão sensíveis, Chiça!
Sem constrangimentos, não pretendia melindrar quem quer que fosse.

No entanto convém ir dizendo a estes jovens interessados nestas temáticas que o GOE não é a mesma coisa que o COE.

Ok, este ultimo não é uma cópia pirata do primeiro, é apenas uma imitação mais económica. E ainda bem que o é, significa que a GNR de mais não precisa e que o pais está bem servido com a sua e única unidade anti-terrorismo, o GOE.
Título:
Enviado por: CarlosMC em Agosto 10, 2008, 11:13:59 pm
Não sei se será bem assim, a psp opera em zonas urbanas, a gnr em zonas rurais, não sei se o treino do goe lhe permitiria operar nestas com a mesma eficiência que nas zonas urbanas (não se pode ser um verdadeiro especialista em duas áreas distintas).
Título:
Enviado por: jony em Agosto 10, 2008, 11:14:48 pm
bem no meio desta pequena discuçao de qual é a melhor ninguem me respondeu á minha questao colocada ao bocado lol :lol:
quanto á goe sim eu preferia entrar pra goe mas visto que nao tenho o 11º acabado pois lembrei m no 10º que n me fazia falta, uma daquelas pancas que muitos têm que os estudos nao servem pra nada lol so posso concorrer á gnr lol
e n sei se arranjo o video mas vi um video no youtube se nao me engano que de uma reportagem da  tvi que os coe no ano da reportagem que n reparei se diz foi chamada mais de 40 vezes a intrevir em territorio nacional se nao me engano
Título:
Enviado por: jony em Agosto 10, 2008, 11:25:23 pm
ora aki esta o video http://br.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA (http://br.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA) n sei se ja teria referido por aqui algures pelo forum. Morkanz pelo menos ouve uma reportagem nos media lol
Título:
Enviado por: CarlosMC em Agosto 10, 2008, 11:33:09 pm
É este:
http://www.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA (http://www.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA)

Aquele tirinho ao pé foi  propositado (pô-lo em sentido! :lol: )?
Título:
Enviado por: Knyght em Agosto 11, 2008, 01:14:53 pm
Citação de: "jony"
bem no meio desta pequena discuçao de qual é a melhor ninguem me respondeu á minha questao colocada ao bocado lol :lol:
quanto á goe sim eu preferia entrar pra goe mas visto que nao tenho o 11º acabado pois lembrei m no 10º que n me fazia falta, uma daquelas pancas que muitos têm que os estudos nao servem pra nada lol so posso concorrer á gnr lol
e n sei se arranjo o video mas vi um video no youtube se nao me engano que de uma reportagem da  tvi que os coe no ano da reportagem que n reparei se diz foi chamada mais de 40 vezes a intrevir em territorio nacional se nao me engano

Jovem como é isso?... Acho que tás mal informado tanto para a GNR como PSP é necessário o mesmo nível de escolaridade!...
Cumpz...
Título:
Enviado por: jony em Agosto 11, 2008, 01:39:33 pm
Knyght, axo que quem esta a confundir es tu se ofença mas pra entrares pra psp precisas do 11º e pra gnr do 9º
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 12, 2008, 08:59:12 am
Citar
Aquele tirinho ao pé foi propositado (pô-lo em sentido!
Era pior se fosse nas nalgas.  :roll:  :lol:  :lol: ).
 O tarbalho da COE/GNR fala por si; seja em Portugal, no Iraque ou em Timor. Mas santos da casa não fazem milagres
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 12, 2008, 09:00:23 am
GEI, POE, COE foram os nomes que tiveram ao longo dos anos.
 No futuro irá ser GIOE ou GESI. Vamos esperar pela regulamentação da LOGNR.
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 12, 2008, 09:03:09 am
Citar
Aquele tirinho ao pé foi propositado (pô-lo em sentido!
Era pior se fosse nas nalgas.  :roll:  :lol:  :lol: ).
 O tarbalho da COE/GNR fala por si; seja em Portugal, no Iraque ou em Timor. Mas santos da casa não fazem milagres
Título:
Enviado por: Knyght em Agosto 12, 2008, 05:36:05 pm
Citação de: "jony"
Knyght, axo que quem esta a confundir es tu se ofença mas pra entrares pra psp precisas do 11º e pra gnr do 9º

Desculpa, voltei a verificar e tens razão.
Para os restantes cursos e especializações só com 12º Ano
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 12, 2008, 07:16:43 pm
Espero que isto te ajude a escolher:
http://sharpshot.multiply.com/photos/album/14/14 (http://sharpshot.multiply.com/photos/album/14/14)
http://video.aol.com/video-detail/portu ... 2553662560 (http://video.aol.com/video-detail/portuguese-gnr-republican-national-guard-in-east-timor/2553662560)
http://videos.sapo.pt/tqUMW33YMvgMGnc8tKmy (http://videos.sapo.pt/tqUMW33YMvgMGnc8tKmy)
http://videos.sapo.pt/qy0zDBaZGzkvpOcADNCA (http://videos.sapo.pt/qy0zDBaZGzkvpOcADNCA)
http://www.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA (http://www.youtube.com/watch?v=5CNcEKW7XeA)

Ahhh e parece que os originais já têm medo da cópia: http://www.aspp-psp.pt/comunicacao.php?id=78 (http://www.aspp-psp.pt/comunicacao.php?id=78) ; http://www.solicitador.net/fichaNoticia.asp?newsID=553 (http://www.solicitador.net/fichaNoticia.asp?newsID=553)
Título:
Enviado por: jony em Agosto 12, 2008, 07:26:26 pm
paulo se era pra mim eu ja escolhi lol lol :D
tipo eu tambem so concorri á gnr, agora falta entrar e depois se conseguir entrar fazer tudo para entrar pro coe, vamos ver se consigo entrar pois faz amanha 2 semanas fui operado a uma rotula e tou em recupraçao mas como ja ouvi que os testes escritos sao so depois de setembro e so depois os fisicos espero recuperar a tempo, so espero que esta operaçao nao me intrefira em nada
Título:
Enviado por: Knyght em Agosto 12, 2008, 09:16:02 pm
Eu escolhi pensando não na escolaridade obrigatória, visto pensar ser a mesma, mas não sei porque acho-os com maior estatuto, A GNR. Depois lá dentro vejo o que se consegue fazer.
Boa sorte jovem.
Título:
Enviado por: cãocompulgas em Agosto 12, 2008, 09:31:25 pm
http://sharpshot.multiply.com/photos/album/14/14#6 (http://sharpshot.multiply.com/photos/album/14/14#6)
Citar
"Suas últimas ações de destaque foi em operações no Timor Leste e em anti-terrorismo na Espanha"



anti-terrorismo???????????? em Espanha???????????????????
 :toto:
jogar muito o Counter-Strike dá nisto!!!!!!!!!
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 12, 2008, 09:51:31 pm
:lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:
Eles vão esperneando para parecerem grandes ...
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 12, 2008, 09:54:08 pm
Citar
Eu escolhi pensando não na escolaridade obrigatória, visto pensar ser a mesma, mas não sei porque acho-os com maior estatuto, A GNR

maior estatuto?
Nao é maior nem menor, é o militar... ou lavas os pratos ou levas com um processo crime!!!
Há quem  aprecie...
Título:
Enviado por: jmg em Agosto 12, 2008, 10:29:23 pm
Citação de: "Trafaria"
Citar
Eu escolhi pensando não na escolaridade obrigatória, visto pensar ser a mesma, mas não sei porque acho-os com maior estatuto, A GNR
maior estatuto?
Nao é maior nem menor, é o militar... ou lavas os pratos ou levas com um processo crime!!!
Há quem  aprecie...


Vá lá não se aborreça com os miudos.
Mas temos de reconhecer que nestes últimos anos a GNR conseguiu uma lavagem da imagem impressionante.
Deixamos de associar a imagem de guarda ao militar balofo com cara de vinho para os elementos "altamente operacionais" que fazem missões no Iraque e Timor. É perfeitamente normal que os jovens se sintam atraídos para esta força que vinga com tanto marketing.
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 12, 2008, 10:31:32 pm
Sem duvida.
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 12, 2008, 11:03:33 pm
Ambas as forças são “boas”, mas muito diferentes.
É o perfil de cada um - antes do que “perfil” de cada uma dessas forças - que deve determinar a opção por cada uma delas.

É que há aqui gente que parece escolher entre uma e outra como se de uma simples opção entre pudim flan ou mousse de chocolate se tratasse. Não é, cuidadinho, é uma vida inteirinha pela frente. Convém não escolher de animo leve… acreditem que estou a ser muito sincero.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 13, 2008, 11:11:20 am
Eu tenho de concordar com o Trafaria. Vejo muitos membros do fórum a dizer que se candidataram às duas forças para ver se entram em pelo menos uma. Para mim a GNR e PSP são duas instituições que apesar de terem básicamente a mesma função, têm naturezas muit diferentes. Eu pessoalmente depois da tropa que tive, SE tivesse concorrido teria tentado a PSP por razões pessoais.
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 13, 2008, 11:19:35 am
:idea:  :idea:  :idea:  :idea:
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 13, 2008, 11:20:37 am
Citar
Nao é maior nem menor, é o militar... ou lavas os pratos ou levas com um processo crime!!!
Há quem aprecie...
Também se pode ir  para o GOE cortar relva. Ou ser "escalado" para o funeral do sogro de algum "carola".   :lol:  :P  :P  :P
Título:
Enviado por: Knyght em Agosto 13, 2008, 12:15:07 pm
Tenho amigos meus que estão bem na PSP mas outros sinceramente acham muito melhor escolha a GNR.

Mas Barrigudos e que tiram apenas multas de transito, andam de bracinho a larga no carro ou fazem escalas frente da dependência do banco de Portugal, vejo-os também em proporção igual na PSP
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 13, 2008, 12:44:01 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu tenho de concordar com o Trafaria. Vejo muitos membros do fórum a dizer que se candidataram às duas forças para ver se entram em pelo menos uma. Para mim a GNR e PSP são duas instituições que apesar de terem básicamente a mesma função, têm naturezas muit diferentes. Eu pessoalmente depois da tropa que tive, SE tivesse concorrido teria tentado a PSP por razões pessoais.

Nem mais,
Eu tambem fui militar, gostei muito de o ser e tenho orgulho nisso.
Pedi a antecipação do SMO e até meti um contrato e tudo.

Mas na hora de optar por uma vida profissional ligada às forças de segurança nao hesitei em optar pela PSP dada a sua natureza civil.
Título:
Enviado por: jony em Agosto 13, 2008, 01:02:53 pm
eu tambem fui militar e tive la quase 2 anos n acabei o contracto por motivos  pessoais e tambem gostei de ser militar, e  continuo a preferir a gnr, axo que nao tem nada a ver com o ter sido ou nao militar cada um tem uma escolha, se formos por esse meio tenho varios camaradas que enquanto me encontrava na tropa foram pra gnr e pra psp so vi um a ir.
eu axo que as duas forças sao boas as duas tao ca para servir o pais, isto de uns dizer que uma é melhor ou outra é pior nao passa da rivalidade, é quase como na tropa eu era cavalaria e os de cavalaria nao se davam nada bem com os paraquedistas, logo na primeira noite de instruçao quando cheguei á EPC  em santarem que agora ja mudou de sitio, tivemos um cabo que tava de serviço foi á nossa camarata e posse simplesmente a dizer mal dos paraquedistas e se algum viesse meter com nos pra avisar pois tavam la uns a tirar uma especialidade qualquer. resumindo a primeira liçao que tivemos lá foi nao gostar de paraquedistas lol lol lol :lol:
Título:
Enviado por: Trafaria em Agosto 13, 2008, 01:35:36 pm
EPC... hehehe ..... esses destacavam-se pela cagança!
Não conheci tropa mais vaidosa que essa. Mas um dia passei por lá e compreendi porquê.

Hoje, de fora, digo que é bom que essas "diferenças" existam, se mantenham e projectem no futuro. É lindo.

Já a minha tropa está irreconhecível, tenho pena!
Título:
Enviado por: nosso cabo em Agosto 13, 2008, 02:46:41 pm
Citação de: "Trafaria"
EPC... hehehe ..... esses destacavam-se pela cagança!
Não conheci tropa mais vaidosa que essa. Mas um dia passei por lá e compreendi porquê.  

 Sempre imitados; mas nunca igualados.
 Ao Gaaaalloooooooopeeeeeeee!!!!!!!! Ao Gaaaallooooooppeeeee!!!!! Ao Galooooppeeeee!!!!!!!
 Á Caaaaaaargggaaaaaaaaaa...............
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 13, 2008, 02:59:51 pm
Blablabla... :twisted:
Título:
Enviado por: jony em Agosto 13, 2008, 07:32:50 pm
:twisted:

tenho pena o quartel ter saido de la,o ano passado vinha de ferias ao passar em santarem lembrei m de ir ver como deixaram aquilo. cheguei la e ate meteu pena um quartel com a sua historia como todos ali abandonada por assim dizer penso que o ano passado por esta altura era a garagem de carros roubados apreendidos  pela psp :(
Título: gnr
Enviado por: rangerovsky em Setembro 16, 2008, 06:51:03 pm
segundo a minha interpretação da historia da GNR esta começou por ser guarda municipal de policia em Lisboa, e como forma de preservar a segurança desta cidade a seguir ao tremor de terra de 1755 ao qual se seguiram inúmeras pilhagens  e caos instalado. posteriormente foi criada a guarda municipal de policia da cidade do porto. estas guardas foram as percusoras da actual GNR.logo muito antes do fim da monarquia
Título:
Enviado por: pera em Dezembro 23, 2008, 02:23:26 pm
msg 90 (arma do sniper)
Título: ...
Enviado por: pera em Dezembro 23, 2008, 03:00:11 pm
trafaria vou-te contar uma historia... quando vieram as glock pras forças de segurança... foram feitas demonstraçoes pro MAI... resultado, o Bagina pediu ao camarada da companhia de op especiais para nao fazer o duplo tiro tao rapido pois havia uma descrepancia relativamente ao agente do goe..  vou-te contar outra, havia 4 pratos pra cada... resultado coe 4 .... goe 0 bem mas k pissada k o bagina deu ao agente... voces vivem da imagem... nao se valorizem va la...
Título: Re: ...
Enviado por: raphael em Dezembro 23, 2008, 06:41:49 pm
Citação de: "pera"
trafaria vou-te contar uma historia... quando vieram as glock pras forças de segurança... foram feitas demonstraçoes pro MAI... resultado, o Bagina pediu ao camarada da companhia de op especiais para nao fazer o duplo tiro tao rapido pois havia uma descrepancia relativamente ao agente do goe..  vou-te contar outra, havia 4 pratos pra cada... resultado coe 4 .... goe 0 bem mas k pissada k o bagina deu ao agente... voces vivem da imagem... nao se valorizem va la...


bom lá está... tinha que vir mais um do sou melhor do que tu ou o meu é maior que o teu... assim é que isto não vai mesmo para a frente.
E claro está, citar nomes (mesmo deturpados) não acho boa política, mas... quem é que não usa a imagem para se promover??? Jovem os media dominam a opnião pública, por isso é qualquer empresa pública ou privada, ou ramo militar ou força de segurança tem um gabinete de relações públicas e protocolo... para projectar a sua imagem na sociedade civil... por isso é que nestas últimas operações de natal, ano novo e afins além do tenente ou capitão da gnr no terreno, aparece lá o TCor ou maior... se além de sensibilizar não é promover a imagem?
Se não te mostras a ti, à tua área, com os cortes constantes, às tantas acham que não faz falta e toca a cortar... para poupar.... :twisted:
Título: .
Enviado por: pera em Dezembro 23, 2008, 07:18:08 pm
nao me axo superior nem inferior... agora aqui o trafaria... valha-me deus!! relativamente á imagem nao digo o contrario, agora nao te esqueças k ha entidades k nao devem promover a sua imagem... certo!?
Título:
Enviado por: sniper14 em Dezembro 23, 2008, 10:02:48 pm
coe 4 goe 0 c34x
FELIZ NATAL
Título: Re: ...
Enviado por: Lancero em Dezembro 23, 2008, 11:21:38 pm
Citação de: "pera"
trafaria vou-te contar uma historia... quando vieram as glock pras forças de segurança... foram feitas demonstraçoes pro MAI... resultado, o Bagina pediu ao camarada da companhia de op especiais para nao fazer o duplo tiro tao rapido pois havia uma descrepancia relativamente ao agente do goe..  vou-te contar outra, havia 4 pratos pra cada... resultado coe 4 .... goe 0 bem mas k pissada k o bagina deu ao agente... voces vivem da imagem... nao se valorizem va la...


Felizmente, no terreno em incidentes táctico-policiais, ficou 2-0 para o GOE  :wink:
Título: ,.
Enviado por: pera em Dezembro 24, 2008, 05:09:40 am
incidentes!? referes-te a situaçao do entroncamento!?
pois claro k sim...
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 24, 2008, 02:45:16 pm
Só acontece a quem se mete nelas. Há quem não se meta e disso tenha inveja...
E já que tem de falar disso (sem concerteza saber todas as circunstâncias), seja rigoroso. Foi em Abrantes.
Título: ,.
Enviado por: pera em Dezembro 26, 2008, 12:56:28 pm
pois ta bem.... nao queria falar em pormenor.... mas se quiseres digo-t o nome da pessoa rua ee aldeia... e nao abrantes ok!?
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 26, 2008, 02:55:07 pm
Tenha juízo. Não lhe peço mais nada.
Título: ,.
Enviado por: pera em Dezembro 26, 2008, 03:02:58 pm
ingenuo...
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 26, 2008, 03:27:02 pm
Não se pode queixar de falta de avisos.
Ou atina e apende a participar em harmonia com os restantes foristas, ou se é para continuar com larachas ofensivas e nada relevantes começa a ser moderado (leia apagado).
Título: Re: .
Enviado por: Gina em Dezembro 26, 2008, 06:24:52 pm
Citação de: "pera"
nao me axo superior nem inferior...

Se o caro forista pera não se acha superior nem inferior a alguém, seria então de bom gosto também não fazer dos outros superiores ou inferiores a alguém...

Citação de: "pera"
agora aqui o trafaria... valha-me deus!!


O trafaria?!?!!?!? :rir:  :rir:  :rir:

No que toca a apontar o dedo, tente pelo menos apontar o dedo a quem conheça... porque pode cair no erro de apontar o dedo a quem realmente possa ser melhor que você...
Título:
Enviado por: Pedro Sousa em Dezembro 26, 2008, 08:02:20 pm
primeiro é tenha juizo, dps é ingenuo...

agora apagar mensagens do homem?

enfim...
Título: ,.
Enviado por: pera em Dezembro 26, 2008, 09:11:58 pm
batam mais no pobre... alguns de voces nao gostam de ouvir verdades pois chateam-se logo... enfim!!  sempre defendi, defendo e defenderei as minhas cores de quem fala mal (SIM FALA MAL) da gnr... portanto quando apontarem o dedo... ca estarei eu pra dizer umas verdades... sim verdades pois o k disse aqui foi sempre a verdade...
boas festas pros camaradas.   :D  :D
Título:
Enviado por: cãocompulgas em Dezembro 26, 2008, 11:02:48 pm
:roll:  :roll:  :conf:
"A verdade de um nem sempre é a verdade do outro"   :G-Ok:
Título:
Enviado por: tyr em Dezembro 27, 2008, 01:38:55 am
comparar o GOE com a COE é uma tolisse, um é uma das duas forças anti- terrorista portuguesas (responsavel por resgate de refens em terra, pois no meio aquatico temos os DAE), o outro é uma força treinada para resgate de refens, mas sem missão nessa area (pelo menos de forma legal), mas que é usada para apoio a rusgas e captura de criminosos perigosos, pois é uma tentativa da GNR roubar competencias à PSP, tal como a inactivação de de engenhos explosivos nos aeroportos (mais uma vez à psp), o GIPS (inicialmente concorreram com os bombeiros), equipas de descontaminação (duplicação com as forças armadas e protecção civil), tentativa de arranjar competencias EOD (a tentar roubar competencias as forças armadas), etc...
com a jogada do SEPNA conseguiram absorver a policia florestal (e ai tenho que concordar, pois ganharam outra autoridade).
a GNR anda a crescer, mas em vez de desenvolver o que ja tem, tenta roubar e duplicar competencias que ja existem em portugal.
Título:
Enviado por: goncalo em Dezembro 27, 2008, 11:37:37 am
Com tanto roubo é melhor chamar a policia...
Título:
Enviado por: tyr em Dezembro 27, 2008, 12:44:25 pm
o roubo, é dos bolsos dos contribuintes, pois estamos a duplicar estruturas (algumas delas carissimas) que já existem, e alguem tem que pagar (o zé contribuinte).
Título: Re: ...
Enviado por: Silent_Storm em Dezembro 27, 2008, 08:32:05 pm
Citação de: "pera"
trafaria vou-te contar uma historia... quando vieram as glock pras forças de segurança... foram feitas demonstraçoes pro MAI... resultado, o Bagina pediu ao camarada da companhia de op especiais para nao fazer o duplo tiro tao rapido pois havia uma descrepancia relativamente ao agente do goe..  vou-te contar outra, havia 4 pratos pra cada... resultado coe 4 .... goe 0 bem mas k pissada k o bagina deu ao agente... voces vivem da imagem... nao se valorizem va la...


Só quem não pertence a uma das forças de segurança, é que passa o tempo com joguinhos e com "a minha arma é maior do que a tua".
O dia a dia, é cada um a fazer o que pode e se algum outro orgão de polícia criminal faz "mais serviço", óptimo... os cidadãos agradecem (muitas vezes nem por isso mas gosto de pensar que sim).
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 18, 2009, 07:13:17 pm
http://www.youtube.com/watch?v=Mhodl6F3KUY (http://www.youtube.com/watch?v=Mhodl6F3KUY)

Penso que este filme ainda não tinha sido aqui colocado.

PS: Este tópico não devia estar nas Forças Policiais de Elite?
Título:
Enviado por: nonameboy em Janeiro 18, 2009, 07:26:01 pm
Quem é o 'Bagina'?  :twisted:
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 18, 2009, 09:15:45 pm
Citação de: "nonameboy"
Quem é o 'Bagina'?  :lol: .
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 20, 2009, 02:33:44 pm
Citação de: "nonameboy"
Quem é o 'Bagina'?  :twisted:


Antigo comandante do GOE, actual comandante da UEP.
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 20, 2009, 02:43:09 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "nonameboy"
Quem é o 'Bagina'?  :wink: .

Exemplo:

Citar
Magina da Silva: GOE não recebeu formação no Brasil
Magina da Silva, intendente responsável pelo comando da nova Unidade Especial de Polícia, integrada no Grupo de Operações Especiais (GOE), garantiu não estarem em curso acções de formação entre o GOE e o Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE) brasileiro, vulgarmente conhecido como Tropa de Elite.


http://www.xmp.com.pt/tdsnews/200.1156.0.0.1.0.phtml (http://www.xmp.com.pt/tdsnews/200.1156.0.0.1.0.phtml)
Título:
Enviado por: Trafaria em Janeiro 20, 2009, 03:05:14 pm
O Francisco Bagina é o ex-Cmdt Distrital de "Abeiro" e actual coordenador nacional de investigação criminal ...  :wink:


(http://www.terranova.pt/site/design/background/texto.gif)
Título:
Enviado por: nonameboy em Janeiro 22, 2009, 03:34:34 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "nonameboy"
Quem é o 'Bagina'?  :roll:
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: Lightning em Novembro 22, 2009, 04:10:03 pm
Filmes da Unidade de Intervenção da GNR no Youtube, penso que ainda não foram colocados.

GIOP
http://www.youtube.com/watch?v=Hg1NOtBj5lw (http://www.youtube.com/watch?v=Hg1NOtBj5lw)

GIOE
http://www.youtube.com/watch?v=OjSaKmd7 ... re=related (http://www.youtube.com/watch?v=OjSaKmd7aG0&feature=related)
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: steyraug em Fevereiro 17, 2010, 10:09:21 am
Boas.. Bem gostava de saber se vai haver algum curso para GIOP/GIOE, Batalhão Operacional RI GNR se souberem agradecia.
Obrigado
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: pxcastro em Fevereiro 17, 2010, 12:59:05 pm
Citação de: "steyraug"
Boas.. Bem gostava de saber se vai haver algum curso para GIOP/GIOE, Batalhão Operacional RI GNR se souberem agradecia.
Obrigado

Já és GNR?
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: steyraug em Fevereiro 17, 2010, 11:50:04 pm
Sim, sou... do ultimo curso
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: pxcastro em Fevereiro 18, 2010, 02:04:14 am
Já não sei se tens de ser patrulheiro, durante um ano ou dois. E muito provavelmente o estagio não conta.
Ouvi dizer que as admissões para a Unidade de Intervenção eram uma vez por ano.
No meu ginásio, treinam dois da UI. UM do GIOE e outro do GIOP, mas só lá vão quando estão de férias, porque estão colocados em Lisboa. É pena raramente eles virem, se não eu perguntava.
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: Silent_Storm em Fevereiro 19, 2010, 08:01:50 pm
Os alistados de 2007 entraram directamente para o Batalhão assim que terminaram o estágio de 3/4 meses.
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: steyraug em Fevereiro 24, 2010, 10:37:10 am
Muito Obrigado.... Eu vou aparecendo por aqui e se souberem de algo acerca deste assunto agradecia..
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: seacaos em Março 18, 2010, 10:55:55 pm
Ora boas, para seres operacional do GIOE 1º tens que estar colocado na UI pois o concurso é interno á UI. Podes sempre pedir transferencia para a unidade para poderes concorrer.

Cumprimentos
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: steyraug em Março 19, 2010, 06:59:53 pm
Olha e sabes para entrar para o Batalhão, os melitares do Territorial podem concorrer!!!
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: nosso cabo em Março 19, 2010, 07:48:04 pm
Citação de: "steyraug"
Olha e sabes para entrar para o Batalhão, os melitares do Territorial podem concorrer!!!
xumbastezes na prova escrita. "Os militares do ..." :G-beer2:
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: steyraug em Março 20, 2010, 12:44:31 am
??? não percebi... Provas escritas não sei de nada????
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: pxcastro em Março 20, 2010, 01:47:38 am
Citação de: "nosso cabo"
Citação de: "steyraug"
Olha e sabes para entrar para o Batalhão, os melitares do Territorial podem concorrer!!!
xumbastezes na prova escrita. "Os militares do ..." :G-beer2:

 :lol:
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: nosso cabo em Março 20, 2010, 04:11:22 pm
Citação de: "steyraug"
??? não percebi... Provas escritas não sei de nada????
E nos psicotécnicos também já fostezes  :G-beer2:
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: seacaos em Julho 07, 2010, 11:13:08 pm
Já aconteceu os militares dos postos poderem concorrer para o GIOP. Neste momento não faço a minima ideia como esteja. Mas o melhor é pedir transferencia para o GIOP ou para a UI e assim que aparecer alguma coisa é logo chamado.
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: kor em Dezembro 30, 2010, 11:55:08 pm
Citação de: "seacaos"
Já aconteceu os militares dos postos poderem concorrer para o GIOP. Neste momento não faço a minima ideia como esteja. Mas o melhor é pedir transferencia para o GIOP ou para a UI e assim que aparecer alguma coisa é logo chamado.

De facto tens  que estar colocado na UI. depois esperas que abra concurso. boa sorte!! :)
Título: Re:
Enviado por: kor em Dezembro 31, 2010, 01:16:21 am
Citação de: "Trafaria"
Aquela lá em cima do "Mountain Support Team" só pode ser brincadeira, não é?


peço desculpa Sr Trafaria mas esta imagem tambem é vista pelos nossos adeptos!! corrijam se estou enganado..(http://www.google.com/imgres?imgurl=http://sic.sapo.pt/NR/rdonlyres/9233D5AA-FFE8-475F-883F-0EDCB7633042/910502/88bafc536ef647d9880ee5073c3956ec.jpg&imgrefurl=http://sic.sapo.pt/online/noticias/desporto/PSP%2Bafirma%2Bque%2Bspotters%2Bevitaram%2Bmales%2Bmaiores%2Bno%2Bultimo%2BFC%2BPorto%2BBenfica.htm%3Fwbc_purpose%3DbaMODEld%2525C2%2525A2%26WBCMODE%3Dpres&usg=__YnI3a8Wu1vxAzjH3r6_KgpjAbts=&h=160&w=222&sz=10&hl=pt-PT&start=0&zoom=1&tbnid=y9VniHhRfZSomM:&tbnh=128&tbnw=177&prev=/images%3Fq%3Dspotters%2Bda%2Bpsp%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DX%26rls%3Dcom.microsoft:pt:IE-SearchBox%26rlz%3D1I7ADFA_pt-PT%26biw%3D1345%26bih%3D626%26tbs%3Disch:1%26prmd%3Divns&itbs=1&iact=hc&vpx=512&vpy=291&dur=2710&hovh=128&hovw=177&tx=71&ty=146&ei=MC4dTd7xNYyI4Qaz-K2GAg&oei=tisdTYy5N8uUOrb-keMI&esq=13&page=1&ndsp=17&ved=1t:429,r:7,s:0)
Título: Re: Re:
Enviado por: kor em Dezembro 31, 2010, 01:19:22 am
Citação de: "kor"
Citação de: "Trafaria"
Aquela lá em cima do "Mountain Support Team" só pode ser brincadeira, não é?


peço desculpa Sr Trafaria mas esta imagem tambem é vista pelos nossos adeptos!! corrijam se estou enganado..(http://www.google.com/imgres?imgurl=http://sic.sapo.pt/NR/rdonlyres/9233D5AA-FFE8-475F-883F-0EDCB7633042/910502/88bafc536ef647d9880ee5073c3956ec.jpg&imgrefurl=http://sic.sapo.pt/online/noticias/desporto/PSP%2Bafirma%2Bque%2Bspotters%2Bevitaram%2Bmales%2Bmaiores%2Bno%2Bultimo%2BFC%2BPorto%2BBenfica.htm%3Fwbc_purpose%3DbaMODEld%2525C2%2525A2%26WBCMODE%3Dpres&usg=__YnI3a8Wu1vxAzjH3r6_KgpjAbts=&h=160&w=222&sz=10&hl=pt-PT&start=0&zoom=1&tbnid=y9VniHhRfZSomM:&tbnh=128&tbnw=177&prev=/images%3Fq%3Dspotters%2Bda%2Bpsp%26hl%3Dpt-PT%26sa%3DX%26rls%3Dcom.microsoft:pt:IE-SearchBox%26rlz%3D1I7ADFA_pt-PT%26biw%3D1345%26bih%3D626%26tbs%3Disch:1%26prmd%3Divns&itbs=1&iact=hc&vpx=512&vpy=291&dur=2710&hovh=128&hovw=177&tx=71&ty=146&ei=MC4dTd7xNYyI4Qaz-K2GAg&oei=tisdTYy5N8uUOrb-keMI&esq=13&page=1&ndsp=17&ved=1t:429,r:7,s:0)


são estrangeirismos usados pelas duas forças... o que existe de estranho nas duas fotos!? nada...  :D
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: sergio21699 em Fevereiro 27, 2012, 07:07:39 pm
(http://a1.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/428167_233882416700908_184550301634120_491009_878532147_n.jpg)

(http://a7.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/397906_233881313367685_184550301634120_491008_1633802489_n.jpg)

(http://a2.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/394077_233879550034528_184550301634120_491006_831201410_n.jpg)

Citar
Kamov KA32 em treino da GNR.

in http://www.servirportugal.com/viewtopic.php?f=42&t=2008&view=unread#unread
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: xalugoe em Outubro 01, 2014, 04:31:37 am
Boas, sendo militar como posso concorrer para COE OU GIOP?
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: Trafaria em Outubro 03, 2014, 12:22:54 am
Primeiro tem de ser militar da GNR. Se já o é terá de andar atento às ordens de serviço, de vez em quando há concursos internos.
Título: Re: COE do Batalhão Operacional do RI GNR
Enviado por: Lightning em Outubro 21, 2014, 11:52:13 pm
Citar
Junto se anexa o panfleto com as provas de admissão ao COE 2015 que se deve realizar em Abril de 2015.
Os candidatos interessados devem tomar como referência as provas e os nívels de execução indicados para se prepararem convenientemente para a selecção que ocorrerá em data a definir no início de 2015.
 As provas realizar-se-ão na Unidade de Intervenção, por instrutores do GIOE, e serão posteriormente validadas pelo CTOE/Lamego.


OUTRAS CONDIÇÕES GERAIS:
- Ser militar da GNR (sem tempo de serviço mínimo);
- Ter robustez física;
- Não ter incapacidades físicas;
 - Ter altura igual ou superior a 1,75m (preferencial).

(https://scontent-b-mia.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/1932247_829995123709821_44358525637077095_n.jpg?oh=a888fd3a89e2d88e8a1d95a3849d5666&oe=54BBCD5D)
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Lightning em Novembro 06, 2014, 08:21:45 pm
O PELOTÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS DA GUARDA NACIONAL REPUBLICANA

Mais um artigo na secção “Ontem foi notícia, hoje é história”. Data de Agosto de 1994, tem portanto 20 anos, foi originalmente publicado na revista francesa RAIDS (e também nas edições em língua inglesa e espanhola que então existiam) e terá sido uma das primeiras aparições na imprensa do Pelotão de Operações Especiais da GNR. Como se verá muita coisa evoluiu desde então, mais tarde em 2008, fizemos novo artigo já sobre a Companhia de Operações Especiais e hoje a unidade herdeira destas designa-se Grupo de Intervenção de Operações Especiais. Aqui fica um pouco de história, com uma ou outra nota para enquadrar o assunto.

http://www.operacional.pt/o-pelotao-de- ... publicana/ (http://www.operacional.pt/o-pelotao-de-operacoes-especiais-da-guarda-nacional-republicana/)

(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2014/11/13-POE-GNR-MMachado-copy.jpg)
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 09, 2014, 10:06:28 am
REPÓRTER TVI - «O ÚLTIMO ASSALTO»

 :arrow: http://www.tvi.iol.pt/programa/reporter ... 14232513/1 (http://www.tvi.iol.pt/programa/reporter-tvi-nao-usar/3944/videos/128753/video/14232513/1)
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Lightning em Junho 12, 2015, 10:46:00 am
video

https://www.facebook.com/video.php?v=945810045461661 (https://www.facebook.com/video.php?v=945810045461661)
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: HSMW em Dezembro 11, 2015, 11:30:23 pm
(https://scontent.flis1-1.fna.fbcdn.net/hphotos-xtp1/v/t1.0-9/12376250_854238784673842_7501439802473105564_n.jpg?oh=c66b422ad1191fcb056d7d18fed91a36&oe=56E19DED)

https://www.facebook.com/GuardaNacionalRepublicana/photos/a.258840950880298.54372.250287988402261/854238784673842/?type=3&theater
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 09, 2016, 02:16:22 pm
http://gioeuifacebook.wix.com/gioe

Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Lightning em Julho 28, 2016, 06:06:55 pm
VÍDEO-REPORTAGEM, UM DIA COM O GIOE/GNR

O Operacional esteve em Alcochete, no Campo de Tiro, e acompanhou uma série de exercícios do Grupo de Intervenção de Operações Especiais da Guarda Nacional Republicana – GIOE/GNR. Trata-se de uma das forças portuguesas que está especialmente vocacionada para combater o terrorismo e a criminalidade violenta e grave e tem também participado em missões internacionais.

http://www.operacional.pt/video-reportagem-um-dia-com-o-gioegnr/

Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Lightning em Setembro 01, 2016, 10:55:10 am
O GRUPO DE INTERVENÇÃO DE OPERAÇÕES ESPECIAIS DA GNR

Com a luta antiterrorista na ordem do dia, o Operacional foi visitar uma das forças portuguesas que pode levar a cabo esse combate, e que ano após ano, em toda a área de intervenção da Guarda Nacional Republicana no território nacional, cumpre largas dezenas de operações contra a criminalidade organizada e violenta. No estrangeiro os militares do GIOE já actuaram em Timor, Iraque, Afeganistão e Bósnia e Herzegovina.

http://www.operacional.pt/o-grupo-de-intervencao-de-operacoes-especiais-da-gnr/

(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2016/08/001-GIOE-GNR-DSC_6086.jpg)
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 24, 2018, 04:38:07 pm
Homem tenta roubar bebé do Hospital de Cascais. E se fosse verdade?

GNR e unidade hospitalar quiseram testar meios no pior dos cenários e levaram a cabo um simulacro, que serviu também para testar a coordenação com outros meios

Dez e meia da manhã. Um homem tenta raptar um recém-nascido na maternidade do Hospital de Cascais. Entrou na unidade hospitalar e, no quinto piso, onde fica a maternidade, tenta desativar a pulseira antirapto do bebé, fazendo acionar o alarme.

Todas as portas da maternidade são automaticamente bloqueadas. Ninguém entra e ninguém sai. Mas o homem não se rende e barrica-se com o bebé, a mãe da criança e uma enfermeira num dos quartos.

Citar
Tendo em conta que o raptor se barricou na ala do quinto piso, foram acionadas as equipas do Grupo de Intervenção e Operações Especiais, foram empenhados também, em primeira linha, meios das forças de Alcabideche, em coordenação com a segurança do hospital”, explica a tenente Edna Almeida, da GNR.

As forças do Grupo de Intervenção e Operações Especiais (GIOE) da GNR respondem de imediato ao alerta.

Estamos perante um cenário de teste de meios e de coordenação entre forças de segurança. Pela primeira vez em Portugal, foi levado a cabo um simulacro de um rapto de um recém-nascido numa maternidade. Nunca antes as forças de segurança se tinham colocado à prova perante este cenário.

Foi só um teste, mas tudo foi feito, como se a situação fosse real. “Foi montado um cerco, de modo a garantir que nenhuma viatura pudesse entrar ou sair do hospital”, explica a porta-voz da GNR.

Além dos militares das operações especiais, outros agentes da GNR assumem posições dentro e fora do edifício. São bloqueadas todas as entradas e saídas e todas as estradas circundantes ao Hospital.


Enquanto isso, uma equipa de negociadores recolhe mais elementos sobre o raptor e tenta negociar uma rendição. Tiago está divorciado da mulher que acabou de dar à luz e tenta fugir com o recém-nascido, para impedir a mãe de levar a criança para a Suíça.

Mas, perante os argumentos dos negociadores, Tiago mostra-se irredutível:

Citar
Vou levar o meu filho, porque o filho é meu e eu vou levá-lo. Percebe? Ninguém me vai impedir, nem você, nem ninguém.”

Tiago recusa -se a ceder e provoca um incêndio num dos quartos. Os bombeiros de Alcabideche são acionados e trabalham em coordenação com as forças de segurança:

Citar
Pessoal, quinto piso, lado esquerdo, o incêndio está descontrolado. Estamos a aguardar a ordem das forças policiais, porque está uma operação policial em curso. Vamos preparar o material para avançarmos à ordem da GNR. Está bem?", ouve-se a coordenadora da equipa dos bombeiros explicar aos seus homens.

A iniciativa para este teste de meios partiu da GNR. Mas o hospital não hesitou um segundo antes de aceitar.

Citar
Temos crianças todos os dias no nosso hospital, temos mães todos os dias no nosso hospital e estas histórias vão acontecendo. Felizmente não com grande frequência, mas o importante é testarmos se temos ou não a capacidade de reagir com a prontidão necessária para que a situação seja resolvida. Nunca tínhamos testado uma situação de rapto, que, só por si, traz uma nova variável: a primeira força a chegar ao hospital é a GNR, não são os bombeiros como é habitual. E existe um risco evidente do lado de dentro que não está totalmente detetado”, explica Vasco Antunes Pereira, presidente do Conselho de Administração do Hospital de Cascais.


O Hospital de Cascais orgulha-se da acreditação pela Joint Commission International, por causa da segurança e qualidade na prestação de cuidados de saúde. É também o único Hospital em Portugal com a certificação HIMSS 7, que avalia os sistemas e tecnologias de informação na área hospitalar. Este simulacro trouxe uma mais valia para a manutenção destas certificações.

Citar
Foram identificadas situações que nos pareciam estar absolutamente asseguradas. Achamos que existem oportunidades de melhorar, em todos os órgãos que intervieram – a GNR, os bombeiros, as equipas de emergência do hospital. Todas tiveram um desempenho muito positivo, mas há sempre oportunidades de melhoria e é para isso que servem estes simulacros”, admite Vasco Antunes Pereira.

Citar
Temos de testar os nossos canais de emergência, as nossas situações adversas. Se não as treinarmos, não conseguimos coordenar-nos corretamente e não conseguimos tirar o melhor dos meios empregues na situação em causa.”

No simulacro, estiveram presentes seis elementos do subdestacamento da GNR de Alcabieche, 16 do destacamento de intervenção de Lisboa e 12 do GIOE, além de quatro oficiais de comando. Dos Bombeiros Voluntários de Alcabideche, estiveram presentes sete elementos.

Neste treino aconteceu aquilo que se espera que aconteça também na vida real: o sequestrador acabou detido pela GNR e o bebé Martim saiu ileso da situação.

(http://www.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/5b06c2ca0cf248c46ec61ad6/1024)

Fotos: http://www.tvi24.iol.pt/fotos/sociedade/simulacro-no-hospital-de-cascais/5b06c32a0cf29778fd1fd6a2
Título: Re: GIOE (ex-COE do Batalhão Operacional do RI GNR)
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 17, 2018, 12:23:25 pm
Citar
No seguimento de algumas mensagens que temos vindo a receber, sentimo-nos na necessidade de elaborar este “post” como forma de esclarecer algumas dúvidas quanto à forma de ingresso neste Grupo.

Condições de Admissão:
1. Ser militar da GNR;
2. Ter no máximo 34 anos de idade a 31 de dezembro do ano de abertura do concurso;
3. Estar colocado na primeira ou segunda classe de comportamento;
4. Não ter desistido ou reprovado duas vezes, no seu conjunto, em anteriores métodos de seleção ou na admissão ao curso;
5. Não ter sido eliminado da frequência do Curso de Operações Especiais do Exército Português, por motivos disciplinares ou de mérito pessoal;
6. Ser aprovado em todos os métodos de seleção previstos nas normas de admissão.

Quanto aos métodos de seleção passam por:
1. Prova de Avaliação Física e Tiro;
2. Entrevista de Avaliação de Competências;
3. Avaliação Psicológica;
4. Inspeção Médica.

Quanto às provas de aptidão física terão que efetuar, no mínimo, os valores que constam na imagem em anexo.

Também incluída nas provas de avaliação física está a execução da prova de agressividade, em que também o resultado da avaliação é Apto/Inapto.

Quanto à avaliação da prova de tiro, terão que ter um mínimo de 14 valores nas provas de tiro de precisão e policial que executará, de acordo com as normas de tiro da GNR.

ATENÇÃO que os candidatos aprovados nas provas de admissão serão ordenados por ordem decrescente da classificação final obtida, estando sujeito ao número limite de vagas que existe para iniciar o Curso de Operações Especiais em Lamego.

Importa assim que tu, futuro candidato ao Grupo de Intervenção de Operações Especiais da GNR, dês sempre o máximo em todas as provas de admissão…

Só assim poderás ser um futuro militar de OPERAÇÕES ESPECIAIS da GNR.

Estando o esclarecimento feito contamos contigo!!!

Se queres ser um futuro camarada TREINA E DÁ O TEU MELHOR!!!

"SEMPRE PRONTOS"

(https://scontent.flis5-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/46371486_2436519393057378_248834333362618368_n.png?_nc_cat=104&_nc_ht=scontent.flis5-1.fna&oh=6206effaf93b3b9381377d777c0e1bc0&oe=5C69376E)