ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Passado e História Militar => Tópico iniciado por: Miguel em Março 18, 2011, 11:51:21 pm

Título: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 18, 2011, 11:51:21 pm
Portugal nao vai participar.

Canada vai enviar 6 CF18
Belgica 6 F16MLU na Grécia
Dinamarca 4 F16MLU
Noruega ?
Grecia,Espanha,Italia, apoio logistica e defesa de ponto
Reino Unido com Typhoons e Tornados em Chypre
França com Rafales,Mirages 2000 a partir de Solenzara Corsega e Istres e o PA CdG que aparelha de Toulon 2°Feira
e claro USA com o CVN Enterprise

Talvez Quatar e EAU, apoio logistico do Egipcio.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 12:59:59 am
Eu acho que a maioria dos meios aéreos vai ter que operar a partir das bases de Trapani ou de Sigonela na Sicilia.

Uma Zona de Exclusão aérea, para ser mantida implica a presença de várias aeronaves permanentemente no ar, pelo menos até que as pistas de Kadafi sejam destruídas.

De qualquer forma não parece que o Kadafi esteja em condições de fazer o que quer que seja com as aeronaves de que dispõe. A Força Aérea da Líbia é mais um tigre de papel, que existe em grandes números porque os regimes não dão baixa dos equipamentos e eles continuam a aparecer nas estatísticas internacionais de armamento.

A Libia não tem absolutamente nada para fazer frente a caças modernos como o Rafale, o Mirage 2000 ou o F-16AM, ou ainda o F/A-18E.
Interessante é a possibilidade de os franceses utilizarem operacionalmente o Charles-de-Gaulle.
O principal problema são os mísseis anti-aéreos, mas mesmo nesse campo trata-se de sistemas ultrapassados de origem soviética, que são eficientes quando utilizados em grande numero e contra aeronaves sem contra-medidas eficazes.

Em caso de necessidade, os americanos fazem chover uns quantos Tomahawk nas pistas e nos hangares onde ainda há aviões operacionais.
Neste momento os americanos já devem ter contado exactamente quantas aeronaves estão a ser utilizadas e onde está cada uma delas.
Já sabem por isso onde é necessário atacar para tornar a sua operação impossível mesmo que não atinjam os aviões.
Devem ser destruídos os depósitos de combustível e os hangares onde se fazem pequenas reparações, já que os líbios não têm capacidade para fazer grandes manutenções.


Já a participação dos árabes é a esperada.
Falam muito, pedem acção mas depois não fazem nada.
Não deixam de estar numa situação complicada. A maioria dos regimes autocráticos árabes (nomeadamente as monarquias feudais) está a lutar com contestação interna e fica esquisito apoiarem opositores a regimes que embora diferentes dos seus, se mantiveram no poder utilizando métodos de repressão idênticos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 19, 2011, 11:40:29 am
Acho que esta seria uma excelente oportunidade para usar operacionalmente a componente aérea e talvez maritima da NRF. Mas parece que não.
Para que é que essa força existe? Deve ser só para exercicios.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 02:18:10 pm
Aquando da guerra na antiga Jugoslávia, enviámos os F-16A, que ficaram na segunda linha em missões de escolta dos aviões de reconhecimento e reabastecimento, porque eram aviões ultrapassados.

O problema da obsolescência agora não existe, uma vez que os F-16AM estarão presentes em operações sobre território líbio.
Não é no entanto dificil de deduzir o que o governo pensou na actual situação.
Enviar caças F-16 para guerrear o Kadafi, atacar o «amigo» líbio, ao mesmo tempo que o país está falido. A Itália cedeu as bases mas aparentemente não participará das operações, o mesmo acontecendo com a Espanha e a Grécia.

Como ficaria Portugal enviando dois ou três F-16AM, que custariam alguns milhões ?

O Berloque do Louçã teria tema para coscuvilhice durante meses...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 02:30:15 pm
Entretanto o Kadafi continua a atacar cidades e a bombardear populações civis sem que nada aconteça.
Os líbios festejaram a resolução da ONU mas não pensaram quanto tempo demoraria até que houvesse operações militares.

E mesmo que comecem os ataques, eles não podem atacar alvos no chão. Não podem atacar os tanques e as peças de artilharia auto-propulsada de Kadafi.

O único país que tem realmente alguma capacidade para fazer alguma coisa é o Egipto.
Um só batalhão egípcio de carros de combate M60 A3-TTS, poderia varrer o ferro-velho russo. Os T-72 líbios nem sequer têm telemetros a laser, ainda utilizam sistemas ópticos dos anos 70 e 80.
Mesmo os T-55  modernizados pelos egípcios (T-55 Ramses-II c/ peça de 105mm L/7 britânica, igual ao dos M60) são superiores aos T-72 líbios em quase tudo, mas a resolução da ONU não permite o fornecimento de armas e uma acção egipcia seria uma invasão de um país contra o outro.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 03:03:41 pm
Estao Rafales a sobrevoar neste momento a Libia.Confirmado pelo presidente da França.
Os Rafales descolaram da Base de Saint Dizier na Haute Marne e sao reabastecidos em voo.

O PR da França confirmou que os avioes, teem objetivo tambem de destruir as colunas blindadas do kadafi.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 19, 2011, 03:07:39 pm
Dúvido que o governo mande mais meios para a zona com a excepção do C-295M.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Março 19, 2011, 03:44:06 pm
Citar
Aviões franceses na Líbia preparados para atacar blindados

(ACTUALIZADA) O presidente francês, Nicolas Sarkozy, anunciou hoje no final da Cimeira de Paris sobre a Líbia que aviões militares franceses já estão a impedir ataques das forças de Muammar Kadhafi contra a cidade bastião dos rebeldes, Benghazi.

Os aviões franceses, disse o presidente, estão preparados para "intervir contra blindados".

"A nossa determinação é total", disse Sarkozy, acrescentando que Kadhafi "ainda pode evitar o pior" se respeitar "sem demora e sem reservas" a resolução da ONU.

"A porta da diplomacia abrir-se-á quando as agressões cessarem", disse.

As declarações de Sarkozy, feitas no final da Cimeira que reuniu em Paris a União Europeia, a Liga Árabe e a União Africana, seguem-se a informações avançadas pouco antes por fonte militar francesa de que caças franceses Rafale estavam a sobrevoar a Líbia desde o princípio da tarde em "missão de reconhecimento".

Os caças descolaram ao início da tarde da base de Saint-Dizier, no leste de França, onde estão habitualmente estacionados, segundo a fonte.

http://www.dn.pt/inicio/globo/interior. ... o=%C1frica (http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=1810193&seccao=%C1frica)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 19, 2011, 04:07:41 pm
Espero bem que não participemos nesta guerra que em nada nos serve!
Estávamos a ganhar bem mais em paz com a Líbia.

E para quem ainda não viu:
(http://www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2011/03/SA-5-Gammon-580x372.jpg)
 :twisted:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 04:51:49 pm
Nesta situação bato palmas à RAF, cortes e mais cortes mas sempre pronta para acção!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 05:01:46 pm
Meios usados hoje pela armée de l'air

4 Rafales de intercepçao
2 Rafales de reconhecimento
2 Mirages 2000D stryke
2 Mirages 2000-5 defesa dos 2000D
6 C135
3 EA3

2 fragatas

Operaçao 100% Francesa

Nenhuma Baixa

HSMW os seus comentarios sao lamentaveis para um moderador e militar. :evil: No coments
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 19, 2011, 05:02:44 pm
Citação de: "papatango"
Entretanto o Kadafi continua a atacar cidades e a bombardear populações civis sem que nada aconteça.
Os líbios festejaram a resolução da ONU mas não pensaram quanto tempo demoraria até que houvesse operações militares.

E mesmo que comecem os ataques, eles não podem atacar alvos no chão. Não podem atacar os tanques e as peças de artilharia auto-propulsada de Kadafi.

O único país que tem realmente alguma capacidade para fazer alguma coisa é o Egipto.
Um só batalhão egípcio de carros de combate M60 A3-TTS, poderia varrer o ferro-velho russo. Os T-72 líbios nem sequer têm telemetros a laser, ainda utilizam sistemas ópticos dos anos 70 e 80.
Mesmo os T-55  modernizados pelos egípcios (T-55 Ramses-II c/ peça de 105mm L/7 britânica, igual ao dos M60) são superiores aos T-72 líbios em quase tudo, mas a resolução da ONU não permite o fornecimento de armas e uma acção egipcia seria uma invasão de um país contra o outro.


A Libia esta em plena guerra civil, ou melhor dizendo em plena guerra tribal, e as "populaçoes civis" bombardeadas nao estao desarmadas, a fazer fé nas imagens que aparecem na net ou até na euronews. Os "inocentes" civis desarmados tiveram o despudor de publicar na net as imagens em que se vêm dois policias serem enforcados e num outro video vê-se um apoiante de Kadafi ser queimado vivo na praça publica.

Na minha opiniao aquilo é tudo gente doida, tanto o Kadafi como os seus opositores e o melhor a fazer seria deixa-los resolver sozinhos os seus problemas.

Nao menos maluco é o Sarkozi, que nao so recebeu faustosamente o Guia Kadafi em Paris em visita de estado, como até parece que recebeu dinhiero do coronel libio para a sua campanha eleitoral.
Aquela noticia dos 6000 civis massacrados pelo kadafi logo no inicio da crise revelou-se uma fantasia destinada a orientar a opiniao publica a favor de uma intervençao na Libia, e as tvs ocidentais nao contam a historia bem contada. O telejornal da RTP sobretudo e tambem, é de uma estupidez e ignorancia confrangedoras e quem quer estar bem informado sobre o assunto mais vale vêr varios jornais de varios paises diferentes para se ter uma muita pequenina ideia do que se passa, nao so na Libia como no resto dos paises em convulsao.

Ha uma questao que me fica atravessada na mente : até onde irao os agora revelados paladinos da liberdade (EUA, GBR, França, Canada) no seu apoio às populaçoes oprimidas da Terra ? Proximo destino : Pequim ?  Na, que estes estao bem armados e deixava de ser uma guerra a brincar !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 19, 2011, 05:08:33 pm
Citação de: "Miguel"
HSMW os seus comentarios sao lamentaveis para um moderador e militar. :evil: No coments
Então porquê? Acha que esta vamos sair a ganhar alguma coisa com este conflito?
Devemos-nos comprometer militarmente quando ainda há pouco tempo enviamos a nossa força aérea para Líbia com o fim de participar em comemorações?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 19, 2011, 05:17:48 pm
O pessoal passou-se depois de anos de domínio do tio kada e por isso revoltou-se. O Tio Kada não ficou parado e subornou alguns líderes tribais. O resultado final, entre a tropa que se manteve fiel e as milícias das várias tribos, ele voltou a ter mais poder de fogo.
 A França, o RU e os EUA que nunca gostaram dele (não se esqueçam que o tipo já foi responsável por pelo menos um ataque terrorista onde morreram muitos cidadãos Britânicos e a tropa Francesa já andou em guerra com a tropa Líbia em África), aproveitaram-se desta situação para livrarem-se dele.

E nós? Nós ficamos no nosso pequeno “paraíso”, já que estas coisas não nos dizem respeito.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 05:23:40 pm
Nós fazemos o que a titia Merkel deixar. Ela pergunta:
Tens dinheiro para o pitroil dos F-16 ?
Resposta do Socrates: Estava à espera que vossa eminencia Merkiliana emprestasse algum para a gasosa...
Ao que a Merkel contrapõe: Se não tens dinheiro, fica em casa !


Entretanto os franceses estavam desesperados com a virgindade do Rafale e já resolveram o problema ... :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 05:28:12 pm
O HSMW, não deixa de ter razão com o problema da cara de pau.
Mas a Realpolitik é assim mesmo. Numa altura são muito amigos, depois andam a matar-se uns aos outros.

O ocidente continua a cometer o mesmo erro de sempre.
Acredita que pode comprar os ditadores e integrar os ditadores, pensando que eles vão perder os maus hábitos. E foi isso que aconteceu na Libia. Só que a natureza do Kadafi acabou por vir ao-de-cima, como normalmente acontece com os ditadores.

O que devemos considerar é :

- O ditador recebeu uma segunda oportunidade. Teve a possibilidade para modernizar, liberalizar e dar alguma liberdade ao povo. Não o fez.
Neste caso, não se lhe pode dar mais uma oportunidade.

Kadafi teve uma. Foi uma a mais que as que lhe deveriam ter sido concedidas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 19, 2011, 05:30:37 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E nós? Nós ficamos no nosso pequeno “paraíso”, já que estas coisas não nos dizem respeito.
Mas estas coisas estão a ficar demasiado próximas para serem ignoradas.

Citação de: "papatango"
Entretanto os franceses estavam desesperados com a virgindade do Rafale e já resolveram o problema ... :lol:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 05:33:30 pm
Citação de: "papatango"
Nós fazemos o que a titia Merkel deixar. Ela pergunta:
Tens dinheiro para o pitroil dos F-16 ?
Resposta do Socrates: Estava à espera que vossa eminencia Merkiliana emprestasse algum para a gasosa...
Ao que a Merkel contrapõe: Se não tens dinheiro, fica em casa !


Entretanto os franceses estavam desesperados com a virgindade do Rafale e já resolveram o problema ... :twisted:  

Citar
Le ministère de la Défense a annoncé que des avions de chasse ont ouvert le feu contre un véhicule militaire libyen. Le porte-avions Charles de Gaulle va appareiller dimanche de Toulon.
le figaro.fr
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 05:51:33 pm
França 2° potencia mundial :D

Pelo menos 4 tanques destruidos pelos mirage 2000D
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 05:53:31 pm
Diacho, pensei que tivesse sido o Rafale.

Se não foi o Rafale, então o caça continua «invicto»  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 19, 2011, 05:56:27 pm
O Rafale já foi enviado para o Afeganistão, como tal já perdeu os três. :lol:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 06:05:31 pm
PT

Os Rafales é para combate ar-ar e ataque nuclear ou SCALP
CAS é o trabalho dos Mirages 2000D :wink:

Os Rafales M é que fazem CAS
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 19, 2011, 06:08:07 pm
O mandato da ONU nao diz respeito à exclusao do espaço aéreo ? atacar um blindado porquê ? ou entao foi mesmo um piloto franciu em pulgas para carregar no botao do seu brinquedo.
Palmas para o Brasil que se absteve no Conselho de Segurança da ONU e que provavelmente ja nao vai comprar Rafales ao Sarkozi. Portugal deveria  ter votado com o Brasil e nao percebo porque nao o fez, afinal de contas , Portugal foi eleito para o Conselho de Segurança com os votos dos paises arabes que nos preferiram ao Canada, demasiado alinhado com os EUA e GBR.

Nao sei qual é exatamente o poder militar do coronel, mas concordo com os alemaes quando estes estimam a situaçao arriscada. O Kadafi é excentrico mas tambem é um homem cheio de recursos e fino estratega...e com a europa aqui tao perto ao alcance dos seus 40 SCUD, fico na expetativa .
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 06:14:40 pm
O alemães ao que parece, vão fazer algumas das missões americanas no Afeganistão, com o objectivo de  libertar os aviões dos USA para o ataque à Líbia
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 19, 2011, 06:16:17 pm
Scrupulum na verdade nós nem sabemos o que é que neste momento ele tem ao seu dispor. Não te esqueças que houve unidades inteiras a desertar.

O governo Português só faz o que os outros parceiros defendem, se eles dizem sim o governo diz sim, mais nada.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 06:20:35 pm
O actual governo portugues é o que???? :lol:  :lol:  :roll:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 06:21:36 pm
Miguel - Eu sei disso. Mas os Rafale podem efectuar operações de ataque em caso de necessidade. Aparentemente foi atacada uma viatura blindada, mas não um tanque. Isso pode-se fazer até com tiro de canhão de 30mm.

Como a unidade que começou as operações utiliza Rafale, a dedução é relativamente directa.
De qualquer forma, se foi um Mirage-2000, então o Rafale continua «invicto».

No entanto, tanto os Mirage quanto os Rafale não devem voltar para França e fará mais sentido que operem a partir de bases na Itália, onde em principio já estão os ingleses e os seis F/A-18 do Canadá.

E que diacho têm os Brasileiros que ver com esta situação ?



= = = = =

O mandato das Nações Unidas não permite a entrada de tropas estrangeiras em solo da Libia, mas permite a utilização dos meios necessários para defender a vida dos civis atacados pelo ditador Kadafi
Como sabemos Kadafi disse que aceitava o cessar fogo, mas como bom socialista, violou a palavra dada, mentiu e continuou a matar civis.

Logo, violou o cessar fogo, e abriu caminho para a intervenção.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 06:24:00 pm
Segundo a televisão Al Jazeera foram 4 carros de combate.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 06:26:32 pm
e
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 06:27:02 pm
O Kadafi tem muito pouco para fazer frente mesmo a um numero relativamente reduzido de caças franceses.

A táctica do Kadafi, será a tradicional táctica defensiva dos manuais da União Soviética.
Quando numa situação de desvantagem, fugir para dentro das cidades e utilizar a população civil como escudo humano, utilizar hospitais e escolas como base, porque as regras de actuação dos malvados capitalistas, impedem ou restringem a actuação contra este tipo de instalações.

Essa táctica foi a utilizada pelo Saddam Hussein no Iraque e foi utilizada pelos terroristas do Hezbollah no Libano, com o objectivo de garantir muitos mortos para a Al-Jazeera à hora de jantar.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 19, 2011, 07:00:44 pm
Citação de: "scrupulum"
O mandato da ONU nao diz respeito à exclusao do espaço aéreo ? atacar um blindado porquê ?

Não, o mandato da ONU é que o Kadafi não ataque Bengazi (se não é assim que se escreve é parecido), que retire as forças armadas de 2 ou 3 outras cidades, que restabeleça o fornecimento de água, electricidade e gás a essas cidades e que permita a assistência humanitária a todos os Libios.

Se calhar o tal blindado estava a entrar na área dessas cidades.

Citar
ou entao foi mesmo um piloto franciu em pulgas para carregar no botao do seu brinquedo.

Isso não é assim, porque se um caça for fazer uma missão ar-ar não leva bombas, pode é ter sido com o canhão que isso leva sempre, mas pelo que os outros foristas disseram foi uma missão ar-solo planeada, não foi nenhum piloto com pulgas.

Citar
Palmas para o Brasil que se absteve no Conselho de Segurança da ONU e que provavelmente ja nao vai comprar Rafales ao Sarkozi. Portugal deveria  ter votado com o Brasil e nao percebo porque nao o fez, afinal de contas , Portugal foi eleito para o Conselho de Segurança com os votos dos paises arabes que nos preferiram ao Canada, demasiado alinhado com os EUA e GBR.

Portugal não o fez porque Portugal alinha praticamente sempre com os americanos, podemos não participar militarmente (por falta de euros), mas politicamente estamos sempre com eles, basta lembrar o caso da guerra do Iraque em que se fez a cimeira das Lajes, enviamos a GNR para o Iraque, quando praticamente todo o resto do mundo condenava a acção.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 07:33:41 pm
Segundo a televisão francesa, a ordem para o abate dos carros de combate, partiu de Paris.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 19, 2011, 07:40:42 pm
Desta vez os americanos nao foram os mais entusiastas para entrar em guerra. O presidente francês foi quem mais se investiu nesta operaçao, nao so conseguiu convencer a GBR e os EUA a alinhar com a França, como foi o primeiro a enviar os seus avioes. Aos americanos o petroleo iraquiano, aos franceses o petroleo libio.

O massacre de civis, falou-se de 6000 mortos como ja aqui escrevi, foi uma campanha de intox destinada à opiniao publica ocidental.  Na realidade, Kadafi, cuja principal arma é a comunicaçao, tem muito cuidado com os excessos e as suas tropas ciblam essencialmente  alvos militares ou os bandos armados, a prova é que sao raras as imagens dos civis "massacrados" pelos pro-Kadafi, quer na TV quer na NET.

As tropas governamentais que cercam Bengazi estavam esta tarde  a ser atacadas pelos rebeldes e nao o contrario,  dizem outras fontes. Os rebeldes atacam e dizem que estao a ser atacados, justificando assim a intervençao onusiana.

O problema da Libia nao é a democracia, palavra cujo sentido os arabes nao entendem. A Libia é um estado organizado à volta das tribos e dos clans e assim continuara no futuro, mesmo depois da eliminaçao do Kadafi. O problema da Libia é ter petroleo.
O petroleo e /ou o gaz sao o denominador comum nos 3 conflitos em que a UE e os EUA se envolvem atualmente. Deixemo-nos pois de hipocrisias e de tentar justificar invasoes invocando a existencia de "armas de destruiçao maciça" ou de "massacres de civis" e assumamos que o que interessa ao Ocidente sao os recursos libios e iraquianos ou a posiçao estratégica do Afeganistao na rota do gaz e do petroleo.

Vamos entretanto estar atentos às baixas colaterais provocadas pela santa aliança petrolifera.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 08:04:35 pm
Devemos deduzir que Kadafi, um ditador louco, que já matou milhares de pessoas ao longo dos seus 40 anos de reinado está a falar a verdade verdadinha e que são os malvados ocidentais essa canalha de bandidos, que inventaram os massacres, para justificar a invasão e retirar esse grande democrata, do poder em Tripoli ?

Terei lido bem ?
Ou enganei-me ...  :roll:  :roll:

Em que pasquim de fanáticos islâmicos é que você leu que os massacres foram inventados ?
Ou terá sido você a inventar esse disparate ?

Qual é a sua fonte ?
Que tipo de informação você tem disponível que lhe permite concluir que o pobre do Kadafi está a ser atacado ?

Você tem a noção da quantidade de armamento que o Kadafi adquiriu desde os anos 70  ?
O que estava a fazer a artilharia auto-propulsada de 155mm nas proximidades de Benghazi ?
O que estão a fazer os tanques T-72 em Benghazi ?
Porque razão o ditador continua a proibir os jornalistas de sair dos hoteis onde estão confinados ?

Será que não entende que o tipo de destruição que vemos só pode ser provocado por armamento pesado ?
Será que não entende que os rebeldes possuem no máximo RPG's que nem sabem utilizar e no máximo canhões de 22mm anti-aéreos, a que se junta uma mão cheia de tanques, muitos deles armados apenas com metralhadora, porque a peça principal já não funciona ?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 19, 2011, 08:20:56 pm
A minha fonte é a emissao de ontem das 17h45 no canal franco-alemao ARTE. Trata-se do programa "C'est dans l'air", onde todos os especialistas convidados se mostraram favoraveis à intervençao na Libia mas reconheceram as manobras de intox em direçao da opiniao publica ocidental, citando como exemplo o numero de 6000 vitmas civis, provocadas por Kadafi durante a primeira semana do conflito, o que é mentira.
Um outro exmplo citado foi o anuncio feito pelas televisoes em como os rebeldes tinham ocupado um porto (maritimo) numa cidade que se encontra em pleno deserto...

O exercito libio usa claro esta armamento pesado e avioes contra a outra façao que tambem dispoe de armas pesadas e até de avioes, nao sao civis inocentes desarmados como vc diz.
Esta tarde foi abatido um MIG 23 sobre a cidade de Bengazi. Os revoltosos disseram eles mesmos que o aviao era deles. Fonte : Euronews de hoje.
Desarmados nao estarao pois !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 08:34:25 pm
Começou a chover misseis na Líbia!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 08:41:12 pm
Compreendo.

Você assistiu a um debate de intelectuais de esquerda num canal cultural franco-alemão.
Bom, eu respeito a opinião dos intelectuais de esquerda.

No entanto, você está num forum sobre temas militares.

Eu por exemplo, tenho como fontes a BBC, a Al-Jazeera a Euronews, a Sky-News, a TVE.

Tenho ainda em consideração o que sei sobre o que faz uma peça de 155mm, como funcionam os exércitos, qual a utilização que se dá aos meios militares, que meios é que o Kadafi tem e quais são os que em principio estão nas maos dos rebeldes.

O caça MiG-23 que você viu cair, é ferro-velho. A aviação que conta na Libia são os Su-22 para ataque e tambem os Mirage F-1.
Sabemos que os rebeldes conseguiram colocar no ar um ou dois aviões e um helicóptero, mas isso não altera coisa nenhuma. Não determina que o Kadafi, possuindo uma clara superioridade militar, não a esteja a aproveitar e a matar os civis em grande quantidade.

Aliás o regime mentiu ontem, quando afirmou que aceitava o cessar fogo, disse que não mexeu as suas tropas, mas continuou a atacar os rebeldes em Benghazi.

Kadafi é um assasino e nunca passou disso. O ocidente tentou negociar com ele porque é preferível negociar (fica mais barato) que ir para a guerra.

Mas um louco, acha sempre que tem razão...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 19, 2011, 08:42:00 pm
Citação de: "nelson38899"
Começou a chover misseis na Líbia, falasse em 110 misseis de cruzeiro lançados.

Pois é.... o nosso caro "amandatangas" êm vez de confirmar independentemente e com a auto-proclamada verdade e desapaixonada visão, o que outros foristas colocam, vai de os chamar de socialistas (começo a pensar que tem um trauma freudiano com essa escumalha) e a dizer que o governo líbio mentiu.

Tal como a música dos Metallica  "Sad, but true"   :lol:  :lol:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 08:43:55 pm
Os americanos devem estar a utilizar os stocks mais antigos...

A mensagem parece bastante clara: Parem de avançar sobre as cidades rebeldes.
Kadafi já sofreu uma vez com os ataques americanos, salvou-se por pouco, agora já está a dormir num buraco diferente todos os dias como o Saddam.

Esta é a unica linguagem que os fanáticos entendem
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 08:45:13 pm
Citar
Plus de 110 missiles ont été tirés depuis des navires de guerre américains et britanniques. Cet après-midi, des avions de chasse français ont ouvert le feu contre plusieurs blindés des forces pro-Kadhafi.

http://www.lefigaro.fr/ (http://www.lefigaro.fr/)

bem eu não me quero meter entre discussões!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 08:51:29 pm
O governo Líbio mentiu, mente há 40 anos, é uma caracteristica socialista. Bastaria ver o canalha que nos governa.

De qualquer forma, o avanço das tropas marxistas sobre Benghazi foi confirmado por tudo quanto é estação de televisão, desde a BBC à Al-Jazeera.
Só o Bagdad-Bob, ou agora Tripoli-Bob, é que continua a afirmar que as tropas libias não se mexeram.

O camarada FoxTroop, não dever ter aprendido com o Bagdad-Bob ou então não é daquele tempo.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 09:06:16 pm
Os misseis foram lançados pelos britânicos e pelos americanos e não apenas pelos americanos!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 19, 2011, 09:12:45 pm
Citação de: "papatango"
O governo Líbio mentiu, mente há 40 anos, é uma caracteristica socialista. Bastaria ver o canalha que nos governa.

De qualquer forma, o avanço das tropas marxistas sobre Benghazi foi confirmado por tudo quanto é estação de televisão, desde a BBC à Al-Jazeera.
Só o Bagdad-Bob, ou agora Tripoli-Bob, é que continua a afirmar que as tropas libias não se mexeram.

O camarada FoxTroop, não dever ter aprendido com o Bagdad-Bob ou então não é daquele tempo.

Tropas marxistas ?? :mrgreen:
o Papatango frisou que este forum é militar mas às vezes tambem é comico !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 09:19:35 pm
As forças francesas

Citar
8 Rafale , 2 Mirage 2000-5, 2 Mirage 2000 D, 6 avions ravitailleurs C 135, un E3F Awacs) ainsi que deux frégates anti-aérienne et de défense aérienne (le Jean Bart et le Forbin ) positionnées au large de la Libye», peut-on lire.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 19, 2011, 09:23:46 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Miguel"
HSMW os seus comentarios sao lamentaveis para um moderador e militar. :evil: No coments
Então porquê? Acha que esta vamos sair a ganhar alguma coisa com este conflito?
Devemos-nos comprometer militarmente quando ainda há pouco tempo enviamos a nossa força aérea para Líbia com o fim de participar em comemorações?

Os comentários do moderador HSMW, não fosse ele moderador, por alguma coisa está na posição que está, parecem-me de longe os mais sensatos! De resto parece que anda por aqui muita gente que deve pensar que isto é como nos jogos de estratégia on-line ou como no Modern War Fare.

Não é. Há muita coisa que pode correr mal.

E realmente eu pergunto o que é que nos Portugueses ganhamos com isto? Nada, ainda bem que não estamos metidos em mais uma invasão de um pais soberano com base em informações e noticias na sua grande maioria falsas, o que assistimos neste ultimo mês foi a uma verdadeira campanha de intoxicação da opinião publica em Portugal e no dito mundo civilizado.

E a Europa o que pode ganhar com isto? Nada também, com excepção dos Franceses e Ingleses que vão chafurdar no gás e petroleo Libio.

No meio de tudo, o Kadaffi, com os defeitos que tem por ventura será a melhor solução para aquele pais, o pior que nos pode acontecer aqui na europa é que a queda de kadaffi signifique trazer o extremismo islamico ás portas da Europa.

Em suma, isto pode-se tornar um novo Iraque, daqui a uns tempos vamos saber que tudo não passou de uma grande mentira, mas que o petroleo e o gás falam mais alto. Depois do Sudão do Sul, vamos por ventura assistir ao nascimento de um novo pais no leste da Libia, na Cirenaica, comandado por um fantoche qualquer às ordens de quem está a lançar este ataque e o vai lá meter.

O Galo Francês, o projecto de Napoleão, está mortinho para silenciar o Kadaffi. Dizem as más liguas que o Kadaffi lhe financiou parte da campanha.

Saudações para todos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 09:38:05 pm
Citar
E a Europa o que pode ganhar com isto? Nada também, com excepção dos Franceses e Ingleses que vão chafurdar no gás e petroleo Libio.
Mas os franceses e os ingleses já tinham os contratos que queriam E JÁ TINHAM O PETROLEO QUE QUERIAM.
Repito, porque parece que ninguém percebe: OS EUROPEUS NÃO PRECISAVAM DE IRA PARA A GUERRA POR CAUSA DO PETROLEO QUE JÁ CONTROLAVAM.

Para que é que eles haveriam de atacar o Kadafi, quando se ficassem quietos o Kadafi lhes vendia todo o petróleo que eles quisessem ?
Esta argumentação não tem nem pés nem cabeça.
O petróleo Líbio está nas mãos dos europeus e são os europeus que o compram. O Kadafi facilita a vida, faz contratos e até queria comprar armas a quem lhe compra petróleo.
Era o parceiro ideal.
Estava toda a gente na cama com ele ! ! !

Porque razão de repente as coisas mudam ?
Se eles já tinham o petróleo, porque razão querem ir para a guerra por uma coisa que já possuem ?

Esse argumento começa a ficar cediço.
O problema principal são os emigrantes, é a crise, é a guerra civil em que o Kadafi mergulhou o país, resultado de 40 anos de repressão.
No ocidente preferiam que não tivesse acontecido nada e que os líbios não se tivessem revoltado.
Todos ganhavam.
O Kadafi ganhava, os europeus ganhavam com os lucros do petroleo e toda a gente se calava.

O problema é que o povo veio para a rua na Libia, como veio para a rua na Tunisia, como veio para a rua no Egipto.
O argumento do petroleo é tão válido como o argumento da Alqaeda.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 19, 2011, 09:56:57 pm
Sim, você tem razão, quando diz que as petroliferas europeias já controlavam o petroleo Libio, é verdade, ENI, BP e TOTAL. Mas tinham que o pagar ao preço que o Kadaffi queria. Correndo com o Kadaffi da Cirenaica, são eles a defenir os preços, ou no minimo a fazer um grande desconto a eles próprios.

Depois meu amigo, não há guerras civis sem armas, nem sem se armar a "outra" facção. A guerra civil na Libia foi lançada pelos interessados, nem é preciso dizer nomes, porque toda a gente sabe quem são, que armaram as milicias no leste da Libia para conduzir o pais á situação actual e tentar legitimar esta invasão da Libia com esta conversa das vitimas civis, isso é que é um argumento cédico. Só lhe vou deixar um numero, desde a invasão do Iraque já morrreram mais de 110 mil civis, vamos ver quantos vão morrer na Libia. Por fim, não esquecer que a Libia é o pais Africano com melhor Pib per capita, vamos ver no que aquilo se vai trasformar. E estou quase certo que os nossos interesses, os interesses de Portugal que é o que me interessa em ultima instancia, e os interesses das firmas Portuguesas vão ser postos em cheque.

O povo veio para a rua como no Egipto e na Tunisia, sim é verdade, mas ai ninguem armou milicias nem exércitos insurretos para conduzir esses países a uma guerra civil.

Os terrorristas islamicos, é tudo aquilo que eu não quero ver no norte de África, mas se isso acontecer já sei a quem devemos pedir satisfações.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 19, 2011, 09:57:42 pm
Citação de: "papatango"
O problema é que o povo veio para a rua na Libia, como veio para a rua na Tunisia, como veio para a rua no Egipto.
Pronto, isso é um facto inegável. Há com certeza quem esteja farto do Kadafi.

Mas o que justifica a acção militar por nações europeias?
Apenas a resolução da ONU? Influência arabe em França?
Há sempre mais interesses por trás.
E com tantas mentiras que temos levado nos últimos anos estes conflitos podem tornar-se confusos...

E já se fala em armas de destruição massiva.
Onde é que eu já ouvi isto?  :roll:

Citação de: "Cunha"
Os terrorristas islamicos, é tudo aquilo que eu não quero ver no norte de África

Tal como eu Cunha. Mas é melhor que Portugal se prepare para esse cenário.
Os Afegãos e Iraquianos podem nem saber apontar o nosso país no mapa, mas os povos do Norte de África sabem de certeza...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 19, 2011, 10:01:01 pm
Citação de: "HSMW"
E já se fala em armas de destruição massiva.
Onde é que eu já ouvi isto?  :roll:

Vale tudo. Daqui a uns anos é que vamos saber a verdade sobre a mentira, como já antes aconteceu, e não foi só no Iraque. Na Sérvia passou-se o mesmo, andamos a atacar um pais cristão, sob acusações que se vieram aprovar falsas, para apoiar extremistas islamicos que se veio a descobrir até órgãos de prisioneiros servios traficaram. E os maus eram os Sérvios. O general Lewis MacKenzie não esteve com meias palavras quando deu uma entrevista ao national Post onde declarou:  "We bombed the wrong side?"

Com isto trouxe-mos o extremismo islâmico quase para a europa central, desde a Batalha de Viena o sec XVII que eles não chegavam tão perto do coração da europa, foi isto que ganhamos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 10:02:17 pm
O HSMW aderiu as ideias dos socialistas marxistas?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 19, 2011, 10:06:55 pm
Citação de: "Miguel"
O HSMW aderiu as ideias dos socialistas marxistas?
Não amigo Miguel. Continuo a ser Ultra-nacionalista Português.  c34x
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 10:13:38 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Miguel"
O HSMW aderiu as ideias dos socialistas marxistas?
Não amigo Miguel. Continuo a ser Ultra-nacionalista Português.  :G-beer2:  e tenha mais optimismo  :wink:

Nao julge as forças de um pais pelos videos no youtube.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 19, 2011, 10:14:39 pm
Citação de: "Miguel"
O HSMW aderiu as ideias dos socialistas marxistas?

Permita-me a interpelação. O argumento de ou estão comigo ou conta mim não me parece bem. Quem não concorda consigo é marxista? É isso?

Não se trata de marxismo, eu pessoalmente sou o posto a isso, um capitalista convicto, mas continuo a pensar pela minha cabeça.

E penso que esta não foi a opção certa, a França, a Inglaterra, os americanos e o resto da coligação não se deviam meter noutro conflito, mas mal o menos, e ainda bem que Portugal não está directamente envolvido, se bem que ao fazermos parte da NATO estamos a um passo de ser solicitados e não podemos dizer que não. O tempo confirmará quem tem razão. O tópico ficará aqui como um registo temporal, depois podemos ver quem tem razão.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 19, 2011, 10:16:56 pm
Kadafi esta agora enterrado no seu bunker,com centenas de civis servindo de escudos humanos. Eis a coragem dos terroristas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 19, 2011, 10:23:48 pm
Citação de: "HSMW"

Citação de: "Cunha"
Os terrorristas islamicos, é tudo aquilo que eu não quero ver no norte de África

Tal como eu Cunha. Mas é melhor que Portugal se prepare para esse cenário.
Os Afegãos e Iraquianos podem nem saber apontar o nosso país no mapa, mas os povos do Norte de África sabem de certeza...

HSMW.

Isso é o que mais me preocupa, é ver o Algarve transfomado em algo parecido com as costas da Andaluzia ou da Calábria no sul de Itália.

Apesar de não estarmos na linha da frente, sabemos que não estamos livres de ver chegar traineiras carregadas de Marroquinos, Argelinos e Tunisisnos ao Algarve ou à costa vicentina e depois ai os F-16 não nos valerão de nada. Por isso é que eu vejo, com muito preocupação esta entrada na Libia, porque isto pode destabilizar totalmente esta zona, estes tipos são como um ninho de vespas, e a instabilidade no norte de África, pode levar ao florescimento do extremismo islamico, que se pode alogar ai, o que podelevar ao exodo em massa para as costas do Sul da europa.

E quem é que vai apanhar com eles. Não vão ser os Franceses, muito menos os subditos de sua majestade, nós é que podemos ter problemas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 10:25:58 pm
Citação de: "HSMW"
Mas o que justifica a acção militar por nações europeias?
Apenas a resolução da ONU? Influência arabe em França?
Há sempre mais interesses por trás.
E com tantas mentiras que temos levado nos últimos anos estes conflitos podem tornar-se confusos...

Eu não tento justificar nada, faço uma coisa diferente que é tentar entender.
Tentar entender, não é justificar ou sequer estar de acordo com uma posição.

O que devem os países europeus fazer perante uma situção destas ?
Kadafi já mostrou ser um terrorista, um assassino e um bandido da pior espécie.
Deram-lhe a possibilidade de regenerar. Ele próprio assumiu que tinha um programa nuclear e aceitou desmantela-lo ( e estava muito mais avançado que o que se pensava ).

Alguém acredita que as revoltas no mundo árabe, na maior parte organizadas pelo Twitter e Facebook, são resultado da pressão para tomar contra do petroleo ?
É claro que não.

As coisas estão como estão e ao contrario de Ben Ali ou de Hosni Burak, Kadafi optou por manter a sua ditadura e lutar por ela.
É o que diferencia o Kadafi dos outros. O estado marxista que criou e que mantém, disfarçado de «comunidade árabe», desenvolveu meios de repressão brutais.
Como os americanos não têm capacidade para o condicionar (como tinham no Egipto e na Tunisia) ele fica em roda livre e se não se faz nada, começa a matar milhares de pessoas (já o fez, quando massacrou milhares exactamente na Libia Oriental, na região de Benghazi nos anos 90).

Que mensagem é que isso envia para os regimes ditatoriais ?

Há que ser firme e fazer o que for possível par livrar a Libia deste louco, para tentar que o país possa ter um governo normal.

E é importante lembrar uma coisa muito importante ! ! !

A Libia não é um país do Médio Oriente. Nao se pode confundir com uma monarquia do Golfo, que está a milhares de quilometros de distância nem como o Yemen no Oceano Indico.

A Libia, está a poucas centenas de quilómetros das costas dos países da União Europeia.
Roma está mais próximo de Tripoli que de Berlim ou de Londres.
Um problema na Libia, não é um problema no Bahreim. É um problema às portas da Europa. Se há lugar onde é necessário fazer alguma coisa, é nestes países mais próximos, mesmo que seja chato e que fosse mais facil olhar para o lado enquanto um ditador assassina mais uns milhares.

É uma realidade demasiado próxima da Europa, para que a Europa se dê ao luxo de não fazer nada.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 10:41:17 pm
eis um comentário que concordo plenamente

Citação de: "Enlil"
Citação de: "Bourne"
Citação de: "Túlio"
Não é disso que falo: imagino OS OUTROS permanentes a pensar: e se a gente decide algo e aqueles kgões terceiromundistas cheios de ideologices e temores de baixas VETAM? Quem precisa de um parceiro assim? :wink:  8-]

A China e Rússia vetam quando é de interesse deles.

No caso da Libia ninguém se importa com quantas gargantas que o Kadafi vai cortar ou que já cortou, mas sim como vai ficar pós-conflito e empresas de que país vão comandar os grandes negócios e explorar o petróleo. A China deve ter pensados "Conversamos com quem sobrar. Não é problema nosso, deixem os europeus fazerem o serviço sujo, todos nos amam".
A China assiste de camarote o ocidente em crise econômica fazer mais uma intervenção militar. Enquanto pode ser bom para algumas corporações européias os Estados se endividam mais, desgastam seu material militar cada vez mais escasso, etc...

Eles têm um clara visão do q querem, estão pensando a longo prazo, de olho no horizonte do século XXI, enquanto outros estão ligados a uma míope e obsoleta geopolítica do século XX...

Com a Europa incapaz de romper sua inércia econômica, os EUA individado e com dificuldade de se recuperar de sua crise, atolado em suas "guerras libertadoras", um Japão tão individado quanto e semi-destruído pelo último terremoto/tsunami/crise nuclear, a China vê a concorrência se auto-flagelar por suas políticas de Estado equivocadas e desastres naturais...

Cade vez mais o trabalho para se tornarem uma superpotência está facilitado.


[].

retirado do fórum defesa brasil
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 19, 2011, 11:11:26 pm
Para começar, o petróleo estava assegurado para a BP e companhias um balde, meu caro PT. O Sr. sabe muito bem que quando a França e o UK se posicionaram diretamente a favor dos rebeldes, inclusive abrindo representação diplomática em Bengazi, tendo o jogo depois virado a favor do Kadhafi, o petróleo já era. Aliás, já havia uma grande manobra chinesa na Líbia em torno do petróleo antes desta crise começar, ou julga que os mais de 30.000 chineses que estavam na Líbia andavam em turismo ao deserto? Julga também que a abstenção chinesa não teve de ser bem paga, ainda com maiores fatias das reservas líbias por parte dos interessados, ou foi por "amor solidário" que a China se absteve depois de ter enterrado milhares de milhões em terras de Kadhafi?

Falácias e mentiras atrás umas das outras, mas só come quem quer ou não se quiser dar ao trabalho de verificar as coisas.

Concordo com o foristas Cunha e HSMW, um erro brutal, que nós em Portugal vamos comer por tabela, apesar de andarmos a dizer que não intervimos nem enviamos tropas e meios (já agora, quais meios e com que €'s) a verdade é que votamos a favor e isso eles não esquecem.

Ah, já agora, quando o lunático de Tripóli ver que está completamente encurralado, vai mandar as infraestruturas petrolíferas pelos ares, depois queixem-se do "gasoilo" a 2 €.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 11:14:56 pm
Bom, no Forum Defesa Brasil, às vezes produzem umas pérolas engraçadas.

Em muitos casos são comentários de fanáticos anti-americanos, ou de fanáticos neo-nazis disfarçados de socialistas.

Mas notemos, onde a argumentação cai por terra:

A China não assiste de Camarote.

A China odeia a possibilidade de uma intervenção para evitar que a população de um país seja morta pelo próprio governo.
O próprio governo da China não gosta de precedentes, porque a própria China faz o que o Kadafi fez.
Alguém acha que a China ficou escandalizada com a repressão na Libia, quando os chineses fazem o mesmo no seu próprio país ?

A única razão que leva a China contra todas as previsões (Kadafi estava seguro de que a resolução seria vetada pelos chineses) a apoiar a moção, tem um nome: LIGA ÁRABE.
A mesma liga, onde estão os países que sustentam o crescimento chinês.

58% do petróleo chinês vem do médio oriente. O valor vai aumentar até 70% dentro de quatro anos.

A China não votou por gosto. Votou a contra-gosto, para não chatear os árabes, que são os únicos que têm algo que a China precisa, e que paradoxalmente são completamente independentes do poder economico galopante da China.

A China também tem os seus calcanhares de Aquiles, e os árabes sabem perfeitamente que podem apertar a China onde mais lhes dói.

A China, calou, fingiu que estava de acordo e absteve-se para não chatear o único grupo de países que não precisa da China para nada e dos quais depende o futuro da China pelo menos durante as próximas décadas.


Quando pensamos com a cabeça e com racionalidade, vemos as coisas de outra maneira.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 19, 2011, 11:24:40 pm
Ai é?!!!! Então a que países é que a China compra a maioria do petróleo?!!!!  :lol:

Quando isto acabar, vamos ver a fatia que os Xing Ling vão levar, depois então falaremos. Só tenho pena de não acertar o Euromilhões.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 19, 2011, 11:32:36 pm
Não percebo.

58% das importações chinesas de petroleo chinês vêm do médio oriente (Arábia Saudita, Qatar, Koweit, Emiratos, Iraque, Irão e Bahreim).
Sabendo-se que os países árabes fizeram Lobby para que a resolução fosse aprovada, a China optou por não criar ondas com o único grupo de países sobre o qual não tem nenhum ascendente, que não precisam do dinheiro da China e dos quais a China depende desesperadamente.

Em 2015 os países árabes do Golfo mais o Irão vão representar 70% das compras chinesas.

O Golfo fica a 10.000km do principal porto e terminal petrolifero do sul da China. A Líbia fica a 14.000km, o que encarece o petroleo líbio e torna o mercado menos atractivo. É por essa razão que a venda de petroleo venezuelano à China não é atractiva, porque a Venezuela fica a 19.000km de distância.

É por isso que 80% do petróleo líbio vai para a Europa, 11% para a China e 3% para os Estados Unidos.




= = = = =

Quanto ao argumento do reconhecimento do governo de Benghazi, ele é quase anedótico. Se o interesse fosse realmente o petroleo, bastava aos ingleses e franceses esperar duas semanas, não fazer nada, esperar para ver em que paravam as modas e negociar com que ganhasse.

o problema, é que a mesma canalha facínora que critica a França e a Inglaterra por atacar o Kadafi, é a mesma canalha que criticaría os ingleses e os franceses se não tivessem feito nada e se deixassem o Kadafi massacrar a população.



Os camaradas do costume, encontrariam sempre razão para criticar os malvados capitalistas.

Se apoiassem o Kadafi:
Malvados, que se venderam, há ditadores maus e ditadores bons, hipocritas, ETC. ETC. ETC.

Se atacassem o Kadafi:
Querem é guerra, querem é petroleo, hipocritas, bandidos capitalistas.

Preso por ter cão, preso por não ter.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2011, 11:59:35 pm
Esta guerra só vai fazer com que os países endividados, endividem-se mais! E no fim de tudo quem fica a ganhar é a china, que é normalmente quem compra a divida europeia e americana.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 20, 2011, 10:42:22 am
Os Bombardeiros B2 foram utilizados.

Misseis Storm Shadow lançados pelos Tornado, que voaram do Reino Unido até a Libia.

Neste momento as forças libias deixarem de existir.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 20, 2011, 01:53:53 pm
Ninguem tem duvidas que a Grande Armada petrolifera vai partir tudo, mas os interesses franceses e ingleses em Africa vão precisar de investir na segurança das suas instalações e do seu pessoal, a acreditar nas ameaças do coronel. Este tem dinheiro que chegue para subempreitar (são inumeros os grupos armados em toda a africa) operações de sabotagem
contra  instalações dos paises que bombardeiam o seu pais.

Penso que Israel deve estar a olhar para isto tudo com muita apreensão. Quando os regimes do médio-oriente forem "democraticos" tudo leva a crer que eligirão governos anti-Israel, ja que a rua arabe é profondamente anti-sionista, a nao ser que se tornem em "democracias fantoches" à imagem do Iraque e do Afeganistão...

A Servia resistiu quase 3 meses aos bombardeamentos da Santa Aliança, quanto tempo resistira a Libia ?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: brunopinto90 em Março 20, 2011, 02:03:26 pm
Será que a rússia está a fazer uma espécie de Estratégia "Bait and bleed"?
ou seja votou contra, equanto os europeus e os americanos atacam kadhafi, a rússia poderá ganhar alguma coisa com o voto contra, poderá ganhar alguma coisa com esta situação e ganhar a confiança do povo líbio e depois ter lá carradas de situações vantajosas?

Isto é só uma pergunta, faz-me confusão ver a Rússia e a China votarem contra.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 02:45:56 pm
Citação de: "scrupulum"
Ninguem tem duvidas que a Grande Armada petrolifera vai partir tudo

Ninguém tem dúvidas disso, na toca do terrorista assassino, no palácio dos ditadores da Venezuela ou de Cuba, porque as pessoas normais já aprenderam a distinguir entre a verdade e a propaganda porca dos terroristas.
Na própria Líbia, os líbios nas zonas libertadas dizem que é incrível a lavagem ao cérebro da propaganda do Kadafi.

O próprio Secretário-Geral das Nações Unidas, confirmou que o ditador avançava contra a população civil, enquanto ao telefone, exactamente à mesma hora, o ministro dos negócios estrangeiros terrorista, jurava pela saúde da mãe do Kadafi, que a Libia estava a cumprir religiosamente o cessar-fogo.

Que na Líbia controlada pelo Kadafi, a população seja vítima da propaganda do assasino, é até normal...
Mas que a propaganda e as mentiras do assassino, cheguem até a fórums na internet, é realmente lamentável.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 02:53:35 pm
Citação de: "brunopinto90"
Será que a rússia está a fazer uma espécie de Estratégia "Bait and bleed"?
ou seja votou contra, equanto os europeus e os americanos atacam kadhafi, a rússia poderá ganhar alguma coisa com o voto contra, poderá ganhar alguma coisa com esta situação e ganhar a confiança do povo líbio e depois ter lá carradas de situações vantajosas?

Isto é só uma pergunta, faz-me confusão ver a Rússia e a China votarem contra.

A China absteve-se pelas razões óbvias já apresentadas acima.

A China não tem como controlar os países árabes e ao mesmo tempo depende do petróleo deles. Por isso, uns quantos telefonemas dos Sheiks e Emires para Pequim, são suficientes para lembrar à China, que sem pitroil, o trabalho escravo não serve de nada.

A Rússia é ainda mais fácil.
O dinheiro compra tudo, no estado mais corrupto do hemisfério norte.
Uns dólares, umas prostitutas, e o problema está resolvido. Além disso os russos querem facilidades para adquirir tecnologia militar europeia. Esta é uma boa altura para os russos lembrarem isso aos franceses e aos americanos.

E a Russia e a China não votaram contra, ABSTIVERAM-SE.
E não deixa de ser engraçado que depois de se absterem (deixando implicitamente passar a resolução) protestem contra ela.

A Alemanha absteve-se, porque este tipo de operação é mais uma demonstração de que embora mande na economia, a Alemanha continua a ser uma potência militar secundária quando comparada com a França e com a Grã Bretanha.
A India não quis prejudicar a sua posição no terceiro mundo e o Brasil jogou como sempre joga, ficando sempre em cima do muro (influência claríssima da diplomacia portuguesa, diga-se).
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Mitu em Março 20, 2011, 02:56:21 pm
Meus amigos, parece que niguem aqui ainda abriu o olho.

Os grandes protagonistas (França e Inglaterra) se formos a analisar bem, são precionados pelos EUA.

Quando dizem que Ingleses e Franceses não tem nenhum interesse alheio, se não a proteção dos civis, eu não me acredito muito.

Os EUA querem ir la buscar mais petroleo (ganhar a corrida a outras potencias e vingar conflitos passados!)
Pensam que os EUA se conformam com aquela estatua com uma mão a destruir um caça dos EUA, a frente do antigo palacio do Kaddafi? Essas e outras coisas mechem com eles.

Esta é uma guerra de interesses onde está o orgulho dos EUA, França e UK em primeiro lugar.



Para mim Kaddafi deve deixar de governar a Libia.
A vontade do povo tem de ser feita.
Mas da maneira duvidosa que está a ser feita é que não concordo.

Alemanha, India, Russia, China, Brasil, grandes potências autonomas não entraram neste conflito duvidoso e talvez mais tarde tenham razão.

A ver vamos, mas de qualquer das formas desejo que o povo da Libia depois disto tudo consiga a paz e que as coisas não fiquem piores, como já ficaram em outros países.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 04:13:25 pm
Quando analisamos bem, o que vemos é um ditador que estava nas graças da União Soviética, e ao qual o Comunismo Internacional tecia rasgados elogios durante os anos 80, vide publicações de editoras próximas do Partido Comunista Português, que teciam rasgados elogios à revolução verde e ao Islão Igualitário implementado pela revolução líbia.
Quando analisamos bem, o que vemos é uma população que foi para as ruas, FARTA de ditadores, e que pensou que o que tinha acontecido no Egipto e na Tunisia, se podia repetir na Libia, mas encontrou pelo caminho um ditador assassino, um porco louco.

Quem pensar pela sua cabeça, sem olhar para a propaganda terrorista, olha para a realidade e vê um Obama que tentou até ao último momento atrasar qualquer intervenção porque não tem dinheiro para entrar em guerras. O ataque contra as forças do terrorista ocorreu aliás demasiado tarde. Pensavam que o assassino podia ser derrotado nas ruas, mas isso não ocorreu e só demasiado tarde entenderam que ou faziam alguma coisa ou o Kadafi chacinava centenas de milhares de pessoas.

Os ataques de ontem, teriam mais efeito enquanto os criminosos estavam ainda entre Bin-Jawad e Ras-Lanuf e enquanto ainda havia resistentes em Zawiya.

Por um lado, acho que o que irrita os camaradas marxistas, é que um correlegionário deles seja derrotado pelo malvado império dos malvados capitalistas do malvado ocidente.
Por outro lado não me parece muito honesto, afirmar que não se gosta do Kadafi e ao mesmo tempo criticar os ÚNICOS QUE TIVERAM «TOMATES» PARA FAZER ALGUMA COISA.

Estamos sempre a caír no mesmo.
Se nada fosse feito, os anti-americanos estariam aqui, na mesma, a dizer que a América era hipócrita e que como já tinham o petróleo porque o Kadafi tinha negociado com eles, estavam-se marimbando para os protestos do povo.

O argumento do petróleo É UM ARGUMENTO MENTIROSO, REPITO MENTIROSO, porque os europeus já controlavam 80% do petróleo da Líbia.
Os europeus não precisavam da fazer nada repito NADA, se quisessem que o petróleo continuasse a correr.


É inaceitável, que haja quem defende este porco assassino, quando ele mata a sua própria população e massacra e massacrou centenas de milhares de pessoas.
O ocidente deu-lhe uma chance para mudar, para modernizar, para reformar o regime. A mesma esquerda que critica a Inglaterra por atacar a Libia, criticava a Inglaterra por aolher a Libia como parceiro comercial ainda há três anos atrás.
Quanto a Kadafi, ele achou que era carta branca para matar quando fosse necessário. Como Saddam, enganou-se.

O mundo tem que se livrar desta gente.
E é importante a mensagem que é enviada, mesmo para as monarquias do golfo, que sabem que ainda não chegou a hora delas, mas que ainda que sejam obrigadas a colaborar, estão a ver a vida a andar para trás.
É uma mensagem importante para o tirano assassino da Siria e para o repugnante palhaço da Venezuela, que também não terá o mais pequeno problema em chacinar os venezuelanos, que lhe tentarem retirar o tapete.

A Esquerda acha que o mundo está condenado a viver e a conviver com ditaduras.
É por isso que vêm da esquerda, as criticas ao ataque ao assassino Kadafi, disfarçadas com declarações enjoadas de desafecto para com um ditador que sempre viram como UM DELES.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 20, 2011, 04:33:47 pm
A participação do Reino Unido também pode servir para consumo interno, para mostrar que apesar dos cortes brutais que as suas Forças Armadas tiveram, que ainda tem capacidade de intervenção militar noutros paises.

Quanto à França penso que seja o oposto, para consumo externo, talvez seja o que eles de vez em quando gostam de mostrar, que é, serem uma nação com interesses próprios e que actua onde acha que tem que actuar independentemente da opinião dos outros, que não precisam de andar atrás dos interesses americanos, mais que isso, que são uma alternativa à liderança americana no mundo ocidental ou da europa ocidental mais especificamente.

A fraca (pelo que se vê) participação dos Estados Unidos, concordo com o que se falou aqui antes, a população deste pais actualmente está farta de guerras, e se for num pais muçulmano então nem querem ouvir falar, o Obama se fizesse uma operação militar com grandes meios e aéreos, maritimos e terrestres não seria diferente do Bush, e acho que ele não quer isso. Penso que os Americanos se ficaram num papel de apoio às outras nações com o que elas não possuem ou possuem em poucas quantidades como reabastecedores, AWACS, bombardeiros estratégicos, talvez aviões de transporte estratégico, vigilância por satélites, no mar uns Tomahawks, deixando a parte mais visivel (e mais possivel de ter baixas) das operações com caças e outras aeronaves de ataque para os outros paises.

Também não me parece que nenhum pais quer por tropas no terreno, isto para já será só uma operação aérea e maritima, forças no terreno talvez operações especiais para iluminar alvos? e mesmo assim tenho duvidas se será mesmo necessário.
Talvez num futuro mais ou menos a médio prazo pessoal para ajudar à formação do tal exército rebelde, talvez o desembarque de uma força anfíbia para ajudar a manter a cidade de Bengazi mas isso acho pouco provável.
Num futuro mais a longo prazo, possivelmente já sem o Kadafi no poder, talvez uma missão de manutenção de paz das Naçoes Unidas (capacetes azuis), mas aqui constituida preferencialmente por militar de África e Médio-Oriente.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: cromwell em Março 20, 2011, 04:38:02 pm
Gadafi já está é com o cu entre as pernas.

As suas forças já se retiraram de Benghazi e como vê que não pode ganhar a guerra contra a Coligação, parece que vai dar armas à população (para usá-la como escudo) e já está a implorar pela ajuda de outros países árabes.

E  claro, os partidos e as ditaduras marxistas tinham de criar as mesmas desculpas de sempre para  a não-intervenção.
Idiotas, como sempre.

Portugal deveria intervir, enviado ajuda humanitária aos rebeldes.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Mitu em Março 20, 2011, 05:21:34 pm
Lightning disse:

Citar
Quanto à França penso que seja o oposto, para consumo externo, talvez seja o que eles de vez em quando gostam de mostrar, que é, serem uma nação com interesses próprios e que actua onde acha que tem que actuar independentemente da opinião dos outros, que não precisam de andar atrás dos interesses americanos, mais que isso, que são uma alternativa à liderança americana no mundo ocidental ou da europa ocidental mais especificamente.

Ligtning e outros foristas teem a certeza que a França esta de livre iniciativa nesta guerra ?

Eu acredito que em certa parte não está e que os EUA são o motor desta ofensiva (como sempre) que prefere desta vez ficar mais na "sombra".
Os EUA foram logo os primeiros a anunciar que iam tomar medidas quando começaram os protestos na Libia, dizendo que iam dar armas aos rebeldes e só por aqui está visto a intenção pacifista dos EUA.
Mas os EUA sempre se manteram discretos logo de seguida e só se ouvia depois na TV de reuniões de diplomatas dos EUA na Europa e Medio Oriente. O que discutiram ? Axo que não é preciso pensar muito.

A França claro, tem que ir para esta ofensiva como fosse por auto iniciativa e com os EUA (espertos) a darem o papel principal aos Franceses estes actuam na Libia como se fossem os maiores, mas sempre no fundo com as costas quentes.

O Reino Unido não é preciso falar mais nada!

Eu não sou anti americano, pelo contrario adoro a America, sou da opinião que a NATO essa sim é a policia do Mundo e não são só os americanos. Mas depois da guerra do Iraque e do Afeganistão, só penso que deveriamos ser mais criteriosos e  exigentes com as actuações militares. Já fomos enganados e basta disso! E se querem atacar a Libia, ataquem outros países na mesma sitição ou quase aidna pior (onde certos povos nem tem forças e qualquer hipotse de protestar).
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: cromwell em Março 20, 2011, 07:20:23 pm
Parece que Gadafi já declarou outro cesar fogo.  Patético.

Não acredito. Acho que estam a fazer de conta que vão parar, esperando que os ataques da NATO parem, só para que depois ataquem Benghazi outra vez!

E parece que o Chavez criticou os ataques. Outro idiota. :evil:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Março 20, 2011, 08:08:42 pm
Citação de: "papatango"
Quando analisamos bem, o que vemos é um ditador que estava nas graças da União Soviética, e ao qual o Comunismo Internacional tecia rasgados elogios durante os anos 80, vide publicações de editoras próximas do Partido Comunista Português, que teciam rasgados elogios à revolução verde e ao Islão Igualitário implementado pela revolução líbia.
Quando analisamos bem, o que vemos é uma população que foi para as ruas, FARTA de ditadores, e que pensou que o que tinha acontecido no Egipto e na Tunisia, se podia repetir na Libia, mas encontrou pelo caminho um ditador assassino, um porco louco.

Quem pensar pela sua cabeça, sem olhar para a propaganda terrorista, olha para a realidade e vê um Obama que tentou até ao último momento atrasar qualquer intervenção porque não tem dinheiro para entrar em guerras. O ataque contra as forças do terrorista ocorreu aliás demasiado tarde. Pensavam que o assassino podia ser derrotado nas ruas, mas isso não ocorreu e só demasiado tarde entenderam que ou faziam alguma coisa ou o Kadafi chacinava centenas de milhares de pessoas.

Os ataques de ontem, teriam mais efeito enquanto os criminosos estavam ainda entre Bin-Jawad e Ras-Lanuf e enquanto ainda havia resistentes em Zawiya.

Por um lado, acho que o que irrita os camaradas marxistas, é que um correlegionário deles seja derrotado pelo malvado império dos malvados capitalistas do malvado ocidente.
Por outro lado não me parece muito honesto, afirmar que não se gosta do Kadafi e ao mesmo tempo criticar os ÚNICOS QUE TIVERAM «TOMATES» PARA FAZER ALGUMA COISA.

Estamos sempre a caír no mesmo.
Se nada fosse feito, os anti-americanos estariam aqui, na mesma, a dizer que a América era hipócrita e que como já tinham o petróleo porque o Kadafi tinha negociado com eles, estavam-se marimbando para os protestos do povo.

O argumento do petróleo É UM ARGUMENTO MENTIROSO, REPITO MENTIROSO, porque os europeus já controlavam 80% do petróleo da Líbia.
Os europeus não precisavam da fazer nada repito NADA, se quisessem que o petróleo continuasse a correr.


É inaceitável, que haja quem defende este porco assassino, quando ele mata a sua própria população e massacra e massacrou centenas de milhares de pessoas.
O ocidente deu-lhe uma chance para mudar, para modernizar, para reformar o regime. A mesma esquerda que critica a Inglaterra por atacar a Libia, criticava a Inglaterra por aolher a Libia como parceiro comercial ainda há três anos atrás.
Quanto a Kadafi, ele achou que era carta branca para matar quando fosse necessário. Como Saddam, enganou-se.

O mundo tem que se livrar desta gente.
E é importante a mensagem que é enviada, mesmo para as monarquias do golfo, que sabem que ainda não chegou a hora delas, mas que ainda que sejam obrigadas a colaborar, estão a ver a vida a andar para trás.
É uma mensagem importante para o tirano assassino da Siria e para o repugnante palhaço da Venezuela, que também não terá o mais pequeno problema em chacinar os venezuelanos, que lhe tentarem retirar o tapete.

A Esquerda acha que o mundo está condenado a viver e a conviver com ditaduras.
É por isso que vêm da esquerda, as criticas ao ataque ao assassino Kadafi, disfarçadas com declarações enjoadas de desafecto para com um ditador que sempre viram como UM DELES.

Concordo plenamente com o que o Papatango escreveu . O Sr. Coronel Kadafi , já devia ter sido deposto há vários anos . Como todos os ditadores este senhor está agarrado ao poder e fará tudo o que puder para mantê-lo .
Julgo que as suas promessas de tornar o mediterraneo numa zona de guerra são um exagero , mas julgo que pontualmente poderá causar alguns problemas .

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 20, 2011, 08:25:15 pm
Boas!

Começar a gerra e facil! mas como acabará?

Qual a saida possível?

O doido do kadafi nao vai desistir!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 08:42:52 pm
É uma trapalhada, isso sim.

Estão à espera que os ataques demonstrem que o Kadafi não tem de facto a força que pensavam que ele tinha.
Estão à espera que alguém no circulo próximo ao Kadafi o mate.

O problema é que ele é protegido pela familia e pela tribo dele, que também tem vantagens em ter o Kadafi no poder.
Trata-se de um bandido que se apoia num grupo de ladrões que por sua vez o apoiam a ele.

A outra possibilidade é convencer o Kadafi e a família a sair do país.

Outra possibilidade ainda, é a divisão do país em dois, com a fronteira a passar entre Bin-Jawad e Ras-Lanuf. Não será uma divisão reconhecida, mas será uma divisão efectiva.
O Kadafi continua a atacar a cidade cercada de Misratah, que lhe provoca problemas por estar tão próxima de Tripoli, mas as tropas que ele tem na Cirenaica (região leste da Líbia) não vão receber nem mais uma lata de sardinha, já que a próxima fase da operação é abater tudo o que for comboio de reabastecimento.
Kadafi não tem capacidade para abastecer tropas distantes e em Benghazi não tem gente suficiente para sustentar as suas forças.

Aliás, em apenas algumas horas vimos o que aconteceu.
Uns quantos ataques aéreos e fugiram todos para sul. Se os rebeldes tivessem uma força militar minimamente organizada com alguns tanques, combustível e viaturas de combate de infantaria e conseguissem coordenar com os aviões, então o Kadafi em três dias estaria novamente no lugar de onde partiu (Sirte)
O que seria curiosamente uma repetição em ponto pequeno do que aconteceu na II guerra mundial naquela região: Uma sucessão de avanços e recuos.

Mas acredito que o Kadafi já não tem saída. Não conseguindo controlar completamente o país, ele não tem credibilidade.
Vai agarrar-se ao patriotismo e nacionalismo enquanto puder. Vai cantar a canção da desgraçadinha e se necessário inventar criancinhas massacradas para aparecer na Al-Jazeera ou na Al-Arabiya.

Mas já nada será como antes.
Tudo agora depende da criação de uma alternativa viável, um governo provisório com sede em Benghazi eventualmente. É um risco de divisão do país, mas eles precisam da credibilidade que lhes trará o reconhecimento internacional, especialmente dos paíse europeus e - muito importante - do Egipto, já que a Tunísia não pode reconhecer um governo de Benghazi porque só faz fronteira com a área controlada pelo Kadafi.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 20, 2011, 09:10:33 pm
Existe de fato o risco de uma divisão da Libia, ou pior ainda, o que alguns especialistas chamam de "Somalizaçao" da Libia, um cenario em que as tribos assumiam diretamente o controlo dos seus territorios tradicionais, nao reconhecendo a autoridade de um qualquer governo central.

O Kadafi é apoiado por varios tribos, (e nao so pela sua tribo natal como aqui foi escrito), que representam bem mais do que o punhado de mercenarios que os media ocidentais querem fazer crer. E externamente, a Uniao Africana insurge-se contra os ataques da Coligaçao, enquanto a Liga Arabe a acusa de ultrapassar o mandato da ONU, com os seus bombardeamentos. Os mesmos protestos por parte da China, India e Russia. Isto nao sao apoios claros ao Guia, mas sao umas boas golfadas de ar fresco num cenario de intenso fumo.

Nao vejo pois indicios nenhuns que me levem a pensar que esta guerra vai ser uma blietzkrieg.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 09:59:04 pm
Que eu saiba não houve nenhuma declaração da Liga Árabe.
O que houve foi uma declaração do secretário-geral da Liga Árabe, que já foi corrigida pelo próprio, avisando que as suas palavras tinham sido mal interpretadas.

Os russos basearam-se na contagem de mortos do Kadafi, que é tão verdadeira como as notas de 7 Euros.

Há uma característica das tribos berberes que não pode ser esquecida:
Desde tempos imemoriais, são fiéis a quem lhes pagar mais.
É portanto uma questão de dinheiro.

A posição da União Africana entende-se
Foi com os votos da União Africana, que a Líbia foi eleita para a Comissão dos Direitos Humanos das Nações Unidas.

Se o ocidente tivesse atacado uma das facções no Ruanda, ainda hoje seria acusado de imperialismo e intervencionismo pela esquerda fanática.
Como não fez nada, tem a culpa de terem morto um milhão de pessoas em um mês.

São estes países, tendo à cabeça Eduardo dos Santos, Robert Mugabe, e os líderes de países como a Guiné Equatorial ou o Ghana, que criticam a operação militar contra a Líbia.

O Mugabe e a restante tralha de assassinos africanos, têm a credibilidade que lhes quiserem dar.
E desde que sejam contra os americanos, até o Mugabe e o Eduardo dos Santos passam a respeitáveis estadistas que sopram golfadas de ar fresco...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 20, 2011, 10:35:00 pm
Os rebeldes Líbios, oops.

Digo...

Os malvados traidores capitalistas vendidos ao grande capital imperialista americano,  vampiros petrolíferos etc...

... acusaram os apoiantes de Kadafi de terem enterrado cadáveres neste Domingo afirmando que morreram ontem com os bombardeamentos.
Mas grande parte das pessoas é vista com as mãos no nariz, por causa do estado de decomposição dos cadáveres.
Parece que os cadáveres afinal não são de ontem, já têm vários dias, estão podres e por isso o cheiro era tão insuportavel.

O Hezbollah desenterrou cadáveres de crianças para os mostrar como vítimas dos israelitas, já se vê que enviaram conselheiros para a Líbia.

Esta gente não pode ser considerada gente. Não passam de Hienas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Mitu em Março 20, 2011, 11:26:39 pm
So espero que depois da Libia este grupo de países vá derrubar os outros ditadores do Mundo...
A ocasião faz o ladrão e na verdade o que interessa para esta coligação que esta a atacar Kaddafi não é verdadeiramente libertar o povo, mas sim vingança de conflitos passados (orgulho em jogo), dominio geografico e recursos (o petroleo da Libia é do melhor que há).
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 21, 2011, 12:46:52 am
Citação de: "Mitu"
So espero que depois da Libia este grupo de países vá derrubar os outros ditadores do Mundo...

Há espera? Se espera que se declare guerra ao Irão ou à China, bem você deve ter umas maneiras muito belicistas de resolver as coisas.

Eu também gostava que todos os ditadores do mundo desaparecessem, que todas as pessoas do mundo podessem viver em democracia, que todas as crianças pudessem ir à escola, que tivessem hospitais, que não passassem fome, mas eu não sou nenhum criança para acreditar em contos de fada.

Nem o mundo ocidental tem a força, e força de vontade, para agora começar a limpar todos os paises do mundo que são governados com ditadores, isso seria uma mortandade que ninguém poderia aceitar.

Acho que na medida do possivel, temos que ir influenciando esses paises a fazerem reformas aos seus regimes politicos, de um modo informal foi o que aconteceu no Egipto e na Tunisia, pois apesar de não ter sido o governo a querer, foi a população que infuenciada pela maneira de viver do mundo ocidental, exigiram reformas e melhorias para os seus paises.

Mas se o ditador de um pais desses atacar a propria população com as forças armadas, ai sim, sou a favor que se faça algum tipo de acção (pode ser ou não militar), para que esses actos parem.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 21, 2011, 09:32:33 am
Mas afinal o que é um ditador? É uma coisa boa ou má?

Quantos ditadores tivemos nós na nossa História?
Se calhar cada rei que tivemos foi um ditador.  :|

Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 21, 2011, 12:12:47 pm
Citação de: "HSMW"
Mas afinal o que é um ditador? É uma coisa boa ou má?

Quantos ditadores tivemos nós na nossa História?
Se calhar cada rei que tivemos foi um ditador.  :|


Se repararmos na História quase todas as ditaduras começaram com princípios nobres, quase todas foram postas no poder com apoio massivo do povo

O resultado é o que todos conhecemos.................
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2011, 12:21:54 pm
Apoiantes de Kadhafi cercaram Ban Ki-moon na praça Tahrir

(http://www.jornaldoalgarve.pt/wp-content/uploads/2011/02/ban-ki-moon.jpg)

Meia centena de apoiantes do dirigente líbio Muammar Kadhafi cercaram hoje o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon, na praça Tahrir, no centro do Cairo, obrigando-o a deixar o local, segundo um jornalista da France Press.
Segundo a mesma fonte, Ban Ki-moon abrigou-se na sede da Liga Árabe.

Os manifestantes, empunhando bandeirolas e bandeiras verdes do regime de Kadhafi e gritando «abaixo, abaixo os Estados Unidos, Líbia, Líbia", dirigiram-se a Ban e à delegação de 15 pessoas que o acompanhava, que incluía nomeadamente a vice-secretária geral da ONU e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet.

O secretário-geral da ONU, bem como várias personalidades internacionais que se deslocaram ao Cairo nas últimas semanas, em particular a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, foram até à praça Tahrir, epicentro da contestação popular que conduziu à queda do presidente Hosni Mubarak, a 11 de fevereiro.

A polícia e soldados intervieram para permitir que a delegação da ONU deixasse o local. O jornalista da France Press sublinha que nenhum dos manifestantes tocou em Ban Ki-moon.

No domingo, apoiantes de Kadhafi, acompanhados por dois emissários de Tripoli tinham tentado ocupar a missão líbia na Liga Árabe, tomada pela oposição, antes de ser controlada por soldados egípcios, que encerraram a missão.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2011, 12:26:28 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Pedro_o_Tuga em Março 21, 2011, 04:05:56 pm
Citação de: "HSMW"
Mas afinal o que é um ditador? É uma coisa boa ou má?

Quantos ditadores tivemos nós na nossa História?
Se calhar cada rei que tivemos foi um ditador.  :|


Até ao dia em que por azar disseses algo contra o regime e a policia ou serviços secretos te viessem buscar a meio da noite para nunca mais ser visto, e fizessem o mesmo à sua familia e amigos. Mais uma vez digo, alguem no seu perfeito juízo acha que este forum estaria vivo numa ditadura?

Talvez este pais precise de um ditador serio para acabar de vez com estes saudosismos de ditadores.....
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 21, 2011, 04:09:24 pm
Pena Portugal não participar...

Andamos no Iraque armados em cucos com a GNR, numa guerra esquisita..E nesta com legitimidade NADA...Políticos.... c34x
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 21, 2011, 04:33:08 pm
E melhor não!

Senão o amigo do Kadafi , Hugo Chavez, ainda concela os contratos que tem com Portugal e depois nem navios nem magalhães! :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Edu em Março 21, 2011, 05:42:01 pm
Citação de: "typhonman"
Pena Portugal não participar...

Andamos no Iraque armados em cucos com a GNR, numa guerra esquisita..E nesta com legitimidade NADA...Políticos.... c34x

Pena?!? Legitimidade?!?

Ainda bem que não participamos, quer dizer andamos a arranjar os aviões dos Libios cá na OGMA, a nossa força aérea vai lá participar em cerimónias e agora iamos atacar a Libia com que legitimidade. Você deve pensar que não irão haver consequências desde ataque. Se o Kadafi for deposto a Libia vai-se tornar em algo muito pior que o Iraque ou o afeganistão, com uma diferença, está bem perto de nós.

Falam em matar civis, para mim um civil deixa de ser civil quando empunha uma arma. Não estou a favor do Kadafi, mas a partir do momentos em que os rebeldes atacam com armas o que deve ele fazer? Defender-se com figas? Para mim ele tem o direito a pegar em armas quando os rebeldes pegaram em armas contra ele.

Não existe quanto a mim muita legitimidade naquilo que a França e os já tradicionais nestas andanças USA e UK andam a fazer. Quanto a mim nos problemas internos dos países ninguém se deve meter, eles que resolvam os seus problemas. Um país para funcionar como um democracia tem de aprender com os seus próprios erros e resolve-los sozinhos.

A França ainda se vai arrepender e bem da decisão que tomou. Estavam com a pica toda para mostrar que também têm aviões e que os sabem usar que nem pensaram nas consequências a médio e longo prazo...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 21, 2011, 05:53:43 pm
Um dos filhos do Kadafi faleceu....

Citar
One of Libyan leader Muammar Gaddafi's sons died in a Tripoli hospital of suffering severe burn wounds, a German website reported on Monday.

Khamis, aged 32 and Gaddafi's sixth son, was allegedly injured on Saturday when a Libyan Air Force pilot deliberately ploughed his jet into a compound in Tripoli where Gaddafi and some of his family were staying, the Deutsch-Tuerkische Nachrichten said.

The news comes as Western forces launched a second wave of air strikes on Gaddafi's positions under a UN resolution authorizing military action to protect Libyan civilians.

Russian Prime Minister Vladimir Putin on Monday called the resolution "defective and flawed," but it remains unclear why Russia, which opposed Western intervention in Libya from the start, did not use its power to veto the move.

Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 21, 2011, 06:21:01 pm
Portugal não está a atacar militarmente a Libia, mas não nos podemos esquecer que Portugal autorizou que esse ataque fosse efectuado, isto é, podem atacar a Libia, mas que vão os outros :mrgreen: .
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 21, 2011, 06:43:56 pm
Citação de: "Miguel"
Um dos filhos do Kadafi faleceu....

Citar
One of Libyan leader Muammar Gaddafi's sons died in a Tripoli hospital of suffering severe burn wounds, a German website reported on Monday.

Khamis, aged 32 and Gaddafi's sixth son, was allegedly injured on Saturday when a Libyan Air Force pilot deliberately ploughed his jet into a compound in Tripoli where Gaddafi and some of his family were staying, the Deutsch-Tuerkische Nachrichten said.

The news comes as Western forces launched a second wave of air strikes on Gaddafi's positions under a UN resolution authorizing military action to protect Libyan civilians.

Russian Prime Minister Vladimir Putin on Monday called the resolution "defective and flawed," but it remains unclear why Russia, which opposed Western intervention in Libya from the start, did not use its power to veto the move.

~
Não tenho pena nehuma.  c34x
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 21, 2011, 06:46:05 pm
Citação de: "Lightning"
Portugal não está a atacar militarmente a Libia, mas não nos podemos esquecer que Portugal autorizou que esse ataque fosse efectuado, isto é, podem atacar a Libia, mas que vão os outros :mrgreen: .

Quando questionado o 1º ministro Cameron sobre os custos da operação, este respondeu "Não vale a pena ter umas FA´s tão fortes, se depois não se lhes dá uso"...

Para mim este governo é o maior nojo de sempre.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 06:51:28 pm
Citação de: "HSMW"
Mas afinal o que é um ditador? É uma coisa boa ou má?
Quantos ditadores tivemos nós na nossa História?
Se calhar cada rei que tivemos foi um ditador

HSMW -> Essa questão dava para um tópico específico e para muitas páginas de discussão.
Tentando resumir, e arriscando cometer erros resultado desse resumo, note o seguinte:

A Democracia foi inventada pelos Gregos. Mas era uma Democracia directa, em que todos (os homens, com estatuto de cidadão) votavam.
Mais tarde, foi desenvolvido um sistema melhorado, de democracia representativa.
Na Roma Antiga, esse sistema de Democracia Representativa recebeu o nome que hoje conhecemos por «Republica».

A República é uma espécie de melhoramento da Democracia, pois podia ser utilizado de forma mais lata. Mas os romanos perceberam rapidamente que na República, o sistema apresentava um problema quando não havia maiorias no Senado. Criavam-se vários grupos e não havia consenso. Em situações de crise, a República fica vulnerável, pois não era possível gerir o Estado de forma eficiente, o que poderia por o próprio Estado e a própria República em causa.

Então, é a República, que cria a figura do "DICTATOR". Um Homem, que recebe o direito de dar ordens de forma excepcional durante um determinado período, entregando posteriormente o poder ao Senado (os representantes do povo).

Passaram-se mais de 2.000 anos, e a Democracia, mesmo com as modificações que lhe começaram a fazer depois da Revolução Francesa nunca conseguiu ultrapassar esse problema.
Em 2.000 anos, nenhum DICTATOR entregou o poder de volta ao povo.

É por isso, que várias democracias, desenvolveram sistemas (como o americano e o britânico) que foram especialmente feitos para que houvesse apenas dois partidos (a proporcionalidade não é importante). Neste caso a governação torna-se mais simples.

= = = =
Como sabemos, a Republica Romana desapareceu, porque o DICTATOR transformou-se em IMPERATOR. O Império Romano sucedeu à República Romana.

Daqui surgem alguns conceitos curiosos:

O primeiro dos quais é o de que a Ditadura, é uma criação da democracia.
O outro, é o de que é uma criação imperfeita, que NUNCA FUNCIONOU e já lá vão 2.000 anos a tentar.
Isto dava pano para mangas. Porque depois temos as monarquias e além disso temos as monarquias que legitimam o seu direito de existir em Deus.

Isto tudo para dizer que, não existe legitimidade numa ditadura, porque a ditadura provou ao longo de 2.000 anos, que não funciona.
O ditador tende a manter-se no poder, porque considera sempre que não estão reunidas as condições par devolver o poder ao povo.
Isto acontece porque na maioria dos casos continuam vivos os que modificariam as suas medidas.
A solução do ditador, é normalmente apenas uma: Matar os que se lhe opõem, com o argumento de que só assim será possível resolver o problema.
O Ditador, transforma-se assim num Tirano.

Não há volta a dar à coisa. 2.000 anos de História provam que a ditadura nunca resolveu a situação.
A ideia de um ditador benigno, que é bom, justo, comedido e bem intencionado, é tão real quanto a ideia do Rei desejado que aparece numa manhã de nevoeiro. O Bom Ditador, é como o Sebastianismo, apenas um mito.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 21, 2011, 06:53:23 pm
Citar
Khamis Kadhafi, l'un des fils du leader libyen Mouammar Kadhafi, aurait succombé à ses blessures dans un hôpital de Tripoli, rapportent les médias allemands se référant aux journalistes arabes.

Selon le journal Bild, un pilote de l'Armée de l'air libyenne passé dans l'opposition a attaqué il y a quelques jours un bâtiment où se trouvait Khamis Kadhafi et sa famille. L'édifice se trouvait sur le territoire de la base militaire de Bab al Aziziya, cible de bombardements américains en 1986.

Les médias ne fournissent pas d'autres détails.

 

Khamis era o chefe da brigada 32. Estranho o Kadafi nao ter falado hoje e ontem apenas com uma mensagem registada...  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 06:55:39 pm
Citar
Quando questionado o 1º ministro Cameron sobre os custos da operação, este respondeu "Não vale a pena ter umas FA´s tão fortes, se depois não se lhes dá uso"...
Para mim este governo é o maior nojo de sempre.
A título humorístico, eu acho que para Portugal participar, tínhamos que vender os F-16 pra comprar a gasolina ...  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 21, 2011, 06:58:24 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Quando questionado o 1º ministro Cameron sobre os custos da operação, este respondeu "Não vale a pena ter umas FA´s tão fortes, se depois não se lhes dá uso"...
Para mim este governo é o maior nojo de sempre.
A título humorístico, eu acho que para Portugal participar, tínhamos que vender os F-16 pra comprar a gasolina ...  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Mitu em Março 21, 2011, 08:37:37 pm
A Liga Árabe já esta a dizer que os ataques da aliança estão a ir longe de mais e três jornalistas dizem ter testemunhado um massacre, "aparentemente" levado a cabo por aviões franceses. Este repórter garante que o ataque contra uma coluna militar líbia decorreu quando os militares estavam em retirada.
Para não falar da falta de concenso entre países da NATO.

Ainda não vejo legitimidade neste ataque á Libia.
Penso que podiamos resolver isto de outra maneira e em conjunto com mais países e não só o ocidente.
Kaddafi tem que sair do poder se essa for a verdadeira intenção do povo.

Em primeiro lugar antes de tudo, penso que deveria haver um maior consenço a nivel Europeu ou até Mundial.

E se eu e algumas pessoas criticam é só porque não cremos outro Iraque e Afeganistão. Não cremos soldados a ser vitimas no campo de batalha em vão e o povo a ser também vitima e engando com falsa libertação.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Março 21, 2011, 09:10:23 pm
Citação de: "Mitu"
A Liga Árabe já esta a dizer que os ataques da aliança estão a ir longe de mais e três jornalistas dizem ter testemunhado um massacre, "aparentemente" levado a cabo por aviões franceses. Este repórter garante que o ataque contra uma coluna militar líbia decorreu quando os militares estavam em retirada.
Para não falar da falta de concenso entre países da NATO.

Ainda não vejo legitimidade neste ataque á Libia.
Penso que podiamos resolver isto de outra maneira e em conjunto com mais países e não só o ocidente.
Kaddafi tem que sair do poder se essa for a verdadeira intenção do povo.

Em primeiro lugar antes de tudo, penso que deveria haver um maior consenço a nivel Europeu ou até Mundial.

E se eu e algumas pessoas criticam é só porque não cremos outro Iraque e Afeganistão. Não cremos soldados a ser vitimas no campo de batalha em vão e o povo a ser também vitima e engando com falsa libertação.


Já agora Mitu podia informar-nos em que orgão de comunicação foi relatado o suposto "massacre " e a nacionalidade dos jornalistas.

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 09:29:39 pm
Já agora podia dar-nos o link onde a Liga Árabe diz que estão a ir demasiado longe ?
É porque essa notícia foi dada ontem, e confirmou-se que era falsa .

Também tem algum link que nos demonstre que ao mesmo tempo que as tropas de Kadafi se aproximavam de Benghazi, os veículos mais poderosos que ele tinha estavam, curiosamente a AVANÇAR PARA TRÁS ?

Tem por acaso algum link que nos explique como é que as peças de artilharia autopropulsada PALMARIA de 155mm que estavam em Ajdabiya (a mais de 100km de Benghazi) na Quinta-feira, tenham sido destruidas nos arrabaldes de Benghazi (a 20km) no Sábado à Noite ?

É que para uma força que está a andar para trás, é realmente esquisito, como é que consegue andar 80km para a frente...  :shock:  :shock:
Será que o Kadafi conseguiu o manto de invisibilidade do Harry Potter ?
Quanto ao consenso, é claro que o porco assassino queria um consenso. Isso é o que pede todo o criminoso quando quer ganhar tempo.
Foi por isso que Kadafi se apressou a declarar um cessar-fogo na Quarta-feira e a pedir a criação de uma comissão internacional com pessoas de vários países, que demoraria semanas a criar. Se os malvados vampiros do petróleo tivessem ido na conversa, o porco estava agora em Benghazi e em Tobruk e oposição já estava a ser recebida pelas 70 virgens.
Agradecia que você tivesse um pouco mais de cuidado com as «notícias fabricadas».

Citar
Kaddafi tem que sair do poder se essa for a verdadeira intenção do povo.
Mas você vive em que mundo ?
O povo tem andado a dizer o que quer em todo o mundo árabe, não vê as notícias ?
O Kadafi mandou matar o povo e militares líbios recusaram-se a matar o povo e é por isso que a Líbia esta em guerra.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2011, 09:43:55 pm
Rebeldes pretendem afastar Kadhafi do poder e levá-lo a julgamento

(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2011/03/15/article-1366320-0D8B5B0D000005DC-391_634x405.jpg)

Um enviado da oposição da Líbia disse hoje à agência Associated Press (AP) que o principal objetivo dos rebeldes consiste em afastar Muammar Kadhafi do poder e levá-lo a julgamento, e não matá-lo.

Ali Zeidan, representante para a Europa do Conselho de Transição Nacional líbio disse em entrevista à AP que os ataques aéreos da França, Reino Unido e Estados Unidos "ajudaram a oposição" e garantiu que pretendem respeitar o apelo ao cessar-fogo emitido pela ONU, desde que não sejam atacados.

O enviado repetiu ainda que os rebeldes rejeitam uma invasão da Líbia por forças internacionais "porque temos capacidade de nos opormos às forças de Kadhafi".

O destino do líder líbio também está a originar dissonâncias nos três países aliados mais empenhados na operação militar Odisseia ao Amanhecer, desencadeada no sábado contra a Líbia.

O ministro britânico da Defesa, Liam Fox, disse hoje à BBC que Kadhafi poderia ser um objetivo legítimo. "Há uma diferença entre o facto de alguém ser um alvo legítimo e a decisão de passar ao ataque, porque para este caso haveria de ter em consideração o que pode acontecer aos civis que estão na zona", afirmou, citado pelo diário El País.

Pelo contrário, o chefe do Pentágono, Robert Gates, considerou a caminho da Rússia, onde hoje iniciou uma visita oficial, que seria "insensato" eliminar Kadhafi.

Uma posição semelhante foi defendida pela França, através do ministério da Defesa, onde um porta-voz assegurou hoje que entre os objetivos da missão não se inclui a eliminação do líder de Tripoli.

Paris reafirmou que a operação militar se destina a assegurar o cumprimento da resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU e que "nem de perto nem de longe" está prevista a eliminação de Kadhafi.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 10:03:48 pm
Aparentemente os rebeldes não conseguem passar de Ajdabiya, 100km a sul de Benghazi.
Eles não têm organização nenhuma, não têm coordenação e lutam apenas quando querem.

Este exército rebelde faz-me lembrar o exército republicano da guerra civil de Espanha em algumas frentes, em que o pessoal chegava à hora do almoço e ía almoçar e depois do almoço voltava para a guerra.

Há notícias de chefes rebeldes a tentar dar ordens com um megafone.
Eles precisam ser armados, não há dúvida.
Mas sinceramente, dar armamento a forças sem nenhuma capacidade para articular um ataque, não sei se adianta.

Uma curiosidade que tenho e que não tem sido referida em nenhum lugar que eu saiba, é como é que estão as comunicações. Do lado rebelde, parecem quase não existir, mas do lado do Kadafi, não sei se existirão e se tem sido feita alguma coisa para desarticular a capacidade de comunicação das tropas leais ao Kadafi.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 21, 2011, 10:09:15 pm
Citação de: "typhonman"
Citação de: "Lightning"
Portugal não está a atacar militarmente a Libia, mas não nos podemos esquecer que Portugal autorizou que esse ataque fosse efectuado, isto é, podem atacar a Libia, mas que vão os outros :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 10:32:36 pm
É trágico mas é uma realidade.

Em conflitos anteriores os americanos utilizaram bombas burras e sistemas inteligentes mais antigos apenas para gastar o stock. A utilização dessas armas menos precisas acabou por provocar danos colaterais (eufemismo para quando se matam os civis que estão no lugar errado) mais elevados.

Neste conflito, parece que muito do stock mais antigo já se gastou. A guerra no Afeganistão e no Iraque levou a uma grande renovação dos stocks. O Kadafi anda a tentar encontrar mortos civis desesperadamente.

Até falou nas criancinhas assustadas com as bombas e com a destruição de escolas num Sábado à noite. O Paulo Dentinho da RTP disse hoje, que ontem foi a um funeral oficial das vítimas que se transformou num comício e hoje os túmulos continuavam abertos à espera dos mortos...  :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 10:38:07 pm
Uma nota sobre uma eventual participação portuguesa:

Até ao momento, dos países que participam nas operações, os italianos, os espanhóis, os canadianos, os ingleses, os franceses e naturalmente os americanos, têm lá aviões de combate e também têm aviões de reabastecimento, que se tornam quase imprescindíveis neste tipo de operações.
Nós não temos.
Mas pelo que sei a Dinamarca, também não.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 21, 2011, 11:16:50 pm
Citação de: "papatango"
Uma nota sobre uma eventual participação portuguesa:

Até ao momento, dos países que participam nas operações, os italianos, os espanhóis, os canadianos, os ingleses, os franceses e naturalmente os americanos, têm lá aviões de combate e também têm aviões de reabastecimento, que se tornam quase imprescindíveis neste tipo de operações.
Nós não temos.
Mas pelo que sei a Dinamarca, também não.

Pois não, são reabestecidos pelos KC-135 da USAFE de Fairford.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 21, 2011, 11:32:52 pm
Outra curiosidade tem a ver com o facto de terem sido utilizadas aeronaves mais adequadas para operações de ataque. Principalmente os Tornado IDS (ou Gr.4, como lhe chamam os britânicos). Os franceses também utilizaram aeronaves de ataque bimotor. Os espanhóis e os canadianos enviaram aeronaves bimotor, os F-18.

A Itália aparentemente está a utilizar Tornados, embora houvesse notícia sobre movimentações do F-16A/B, que em principio apenas seriam utilizados para operações de escolta de aeronaves de reconhecimento e de reabastecimento aéreo.
Ou seja: Ainda que possa ser utilizado como caça-bombardeiro o F-16AM/BM não é das aeronaves mais adequadas para essa função.

Ficando na segunda linha, ficaríamos na mesma situação em que estávamos na campanha na Jugoslávia, com os F-16A/B.

De qualquer forma, devo dizer que fiquei impressionado com a capacidade que as aeronaves tiveram para atacar viaturas blindadas.
Não só o ataque dos franceses como o ataque dos britânicos e dos americanos na noite de Sábado para Domingo, em que participaram os Sea-Harrier dos fuzileiros navais americanos, que parece que descolaram de um navio do tipo LHA da classe Wasp.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Mitu em Março 22, 2011, 12:40:30 am
Citar
Já agora Mitu podia informar-nos em que orgão de comunicação foi relatado o suposto "massacre " e a nacionalidade dos jornalistas.
Já agora podia dar-nos o link onde a Liga Árabe diz que estão a ir demasiado longe ?
É porque essa notícia foi dada ontem, e confirmou-se que era falsa .

Amado admite "algumas tensões" no seio da UE
http://aeiou.expresso.pt/amado-admite-algumas-tensoes-no-seio-da-ue=f639075

França acusada de ter feito "um massacre" na Líbia
http://aeiou.expresso.pt/franca-acusada-de-ter-feito-um-massacre-na-libia=f639064

Amr Moussa: Liga Árabe comprometida com resolução da ONU
http://aeiou.expresso.pt/amr-moussa-liga-arabe-comprometida-com-resolucao-da-onu=f639023


Citar
Também tem algum link que nos demonstre que ao mesmo tempo que as tropas de Kadafi se aproximavam de Benghazi, os veículos mais poderosos que ele tinha estavam, curiosamente a AVANÇAR PARA TRÁS ?

Não me faça essa pergunta que eu não falei em movimentações de exercito e respectivos veiculos pesados.

Em relação á Liga Árabe, realmente ouve um mal entendido, mas este episodio só revela na minha opinião a confusão e indecisão que ainda existe a volta desta ofensiva, quer na Liga Árabe, ONU, Europa e Mundo.


Não me levem a mal se faz favor, tenho o maior prazer em estar aqui a ouvir as vossas opiniões e conhecimentos. Já venho aqui a este forum e agora estou a participar e só quero saber a vossa opinião.
Não sou nenhum anti americano, pelo contrario, adoro os EUA e é de lá que vem o meu interesse por tudo o que é militar.
Gosto de assuntos militares, mas não de guerras (penso que aqui ninguem gosta) pois elas devem ser sempre o ultimo recurso.
Eu já disse e que fique aqui claro que eu não defendo Kaddafi (ditaduras devem pertencer ao passado) eu quero que a comunidade mundial ajude a resolver o conflito na Líbia, com um maior consenso, transparência e que não se cometam os erros do passado.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 22, 2011, 01:14:42 am
Entendi.

Temos que ter sempre preocupação com o problema da propaganda da censura.

Numa situação de guerra, os militares não podem divulgar todas as informações, por razões que se prendem com a sua própria segurança.

Outra coisa é a tradicional chuva de mentiras que são normalmente produzidas pelos regimes ditatoriais, que na maior parte dos casos são muito pouco subtis. O aumento do numero de mortos para a propaganda, o disparar para o ar, para dar a impressão de que se está a fazer alguma coisa (o fogo para o ar não serve de nada).
O caso do massacre francês, creio que poderia ser desmontado por quem tivesse acompanhado a sequência dos acontecimentos.

Todos os dados disponíveis apontam inicialmente para um ataque francês mais ligeiro com aviões Rafale, um segundo ataque francês com Mirage-2000. De noite ocorreu um ataque por parte dos americanos e aparentemente dos ingleses contra viaturas que se moviam de noite, pensando que de noite os aviões não os viam.
Num conflito numa zona de guerra é legítimo destruir o inimigo, independentemente da direcção que ele toma.

Durante o Sábado, era perfeitamente evidente que o Kadafi tinha violado o cessar fogo e que estava a atacar as populações. Logo, todo o ataque é perfeitamente legitimo e não é massacre coisa nenhuma.
Se os militares do Kadafi tivessem equipamento eficaz e não ferro velho da União Soviética, eles não deixavam nenhuma aeronave voar.
Quanto a quem dá as ordens, juntamente com o cumprimento da missão, o objectivo principal é garantir que todos os militares voltam vivos. Não se devem correr riscos.

O objectivo desta operação é garantir que o Kadafi não ataca a população civil e impedir os aviões do Kadafi de voar.
Se fosse apenas uma simples Zona de Exclusão Aérea, o Kadafi podia facilmente continuar a matar pessoas em terra, porque os aviões não podiam fazer nada.
O Kadafi e os seus beduinos só entendem este tipo de linguagem.
Há 40 anos que é assim.

Estão irritados, Kadafi nunca pensou que isto lhe pudesse acontecer, mas esse é o problema de todos os ditadores, quando as pessoas perdem a paciência.
Para azar deste ditador, as circunstâncias em Março de 2011, permitiram a realização desta operação.

Não é possível efectuar operações deste tipo em todo o lado.
Por isso os ditadores e os seus apoiantes se irritam.
Copmo o bandido que é apanhado pela polícia e fica irritado, porque só o prenderam a ele.

Como o bandido, o ditador também pergunta...
Mas porque é que me prendem só a mim, quando há por aí tantos bandidos ?

Mas a policia não consegue infelizmente prender todos os bandidos.
Mas porque a policia não consegue prender todos os bandidos, deve deixar de prender um, quando pode ?
[/u]
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 22, 2011, 11:46:31 am


Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 22, 2011, 03:19:02 pm
Citação de: "papatango"
Outra curiosidade tem a ver com o facto de terem sido utilizadas aeronaves mais adequadas para operações de ataque. Principalmente os Tornado IDS (ou Gr.4, como lhe chamam os britânicos). Os franceses também utilizaram aeronaves de ataque bimotor. Os espanhóis e os canadianos enviaram aeronaves bimotor, os F-18.

A Itália aparentemente está a utilizar Tornados, embora houvesse notícia sobre movimentações do F-16A/B, que em principio apenas seriam utilizados para operações de escolta de aeronaves de reconhecimento e de reabastecimento aéreo.
Ou seja: Ainda que possa ser utilizado como caça-bombardeiro o F-16AM/BM não é das aeronaves mais adequadas para essa função.

Ficando na segunda linha, ficaríamos na mesma situação em que estávamos na campanha na Jugoslávia, com os F-16A/B.

De qualquer forma, devo dizer que fiquei impressionado com a capacidade que as aeronaves tiveram para atacar viaturas blindadas.
Não só o ataque dos franceses como o ataque dos britânicos e dos americanos na noite de Sábado para Domingo, em que participaram os Sea-Harrier dos fuzileiros navais americanos, que parece que descolaram de um navio do tipo LHA da classe Wasp.


Voar com um só motor sobre território hostil é sempre 1 risco, mas o F-15E que se despenhou esta madrugada também tinha dois..

Quanto a precisão no ataque a carros de combate, as novas GBU-12 usadas pelos aliados provaram ser uma mais valia, bem como as LJDAM,bastante eficazes contra alvos móveis, usadas pelos F-16C de AViano e os F-15E de LakeNheath.

Os TORNADO GR4 estão a usar mísseis STORM-SHADOW, para ataques as defesa aéreas, e um misto de GBU-12 e Brimstone para atacar os blindados, o que prova que o TORNADO é uma máquina que está aí para as curvas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Edu em Março 22, 2011, 03:20:55 pm
Citar
Caça F-15 norte-americano cai na Líbia
22.03.2011 - 10:34 Por PÚBLICO


Um avião norte-americano caiu durante os ataques nocturnos de ontem na Líbia, noticiou o diário britânico "Daily Telegraph". A informação foi confirmada entretanto pelo Exército dos EUA.

O avião, um F-15, despenhou-se num campo na Líbia na noite de segunda-feira. Ainda não se sabe o que terá provocado a queda do aparelho, admitindo-se, no entanto, que terá sido por uma falha mecânica.

O comando americano Africom em Estugarda, na Alemanha, adiantou que os dois membros da tripulação se ejectaram e que já foram resgatados, um quase imediatamente, o outro passado um pouco.

Segundo o “Daily Telegraph”, o piloto terá sido resgatado por combatentes anti-Khadafi e está a salvo. O segundo tripulante foi recuperado mais tarde.

Um porta-voz do comando norte-americano em África, Vince Crawley, indicou ainda que o acidente se deveu a uma falha mecânica e não a um ataque hostil, mas recusou-se a precisar o local em que o avião se despenhou.

Esta é a primeira perda oficial reconhecida de um aparelho da coligação na Líbia.


Primeira perda...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabecinhas em Março 22, 2011, 04:16:08 pm
Temos que ver que os "aliados" combatem um adversário de uma liga bastante inferior...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 22, 2011, 05:23:46 pm
É verdade que o F-15E que se despenhou tinha dois motores, mas não deixa de ser verdade que uma aeronave bimotor, terá sempre vantagem sobre uma aeronave monomotor em operações de ataque.

Citar
Temos que ver que os "aliados" combatem um adversário de uma liga bastante inferior...
Não há nenhum cenário possível nos dias de hoje, em que esses aliados não estejam na mó de cima.
A NATO é a mais poderosa força militar do mundo e a única com efectiva capacidade de projecção de poder. Isto acontece, porque não tem nenhum rival à altura.
Em termos tecnológicos os únicos concorrentes potenciais têm décadas de atraso.

Isto é uma das coisas que irrita os ditadores (e os que os defendem): Mais irritante que levar porrada, é a sensação de impotência, que eles disfarçam com injustiça.
A unica solução, é fazer como o Kadafi:
Vestir a farda de fuga, as tradicionais cuecas castanhas, e esconder-se num buraco qualquer a rezar para que não o descubram.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 22, 2011, 06:13:38 pm
Em relação a um comentário anterior que referia que os F-16 andavam pouco participativos nesta operação, eu lembrei-me de uma possivel resposta, no site da Força Aérea Portuguesa, na parte das Esquadras 201 e 301 refere nas missões:
Citar
-Operações de Luta Aérea Ofensiva, excepto "Supression of Enemy Air Defenses (SEAD)"
, se isto for uma limitação da aeronave então responde à essa questão pois o nosso F-16 é igual aos dos outros paises que possuem F-16 MLU, e as limitações vão ser as mesmas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 22, 2011, 07:27:19 pm
Intervenção na Líbia evitou "banho de sangue" diz John McCain

(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/00999/john-mccain-sept_999577c.jpg)

O senador norte-americano e candidato à presidência do país em 2008 sublinhou que a intervenção militar na Líbia foi necessária pois preveniu «um horrível banho de sangue» às mãos de Muammar Khadafi. Citado pelo The Huffington Post, o senador republicano do Arizona expressou a sua opinião sobre os recentes confrontos na Líbia e a intervenção das forças da NATO e ONU.

John McCain revelou que através do ataque as forças internacionais estão impedir a perpetuação da violência de Muammar Khadafi, que diz ser «um homem com sangue americano nas suas mãos».

Segundo o republicano, com a intervenção militar o mundo enviou uma mensagem às tropas do regime: «Não saiam das vossas bases».

O antigo candidato à presidência do EUA exaltou a importância do papel das tropas da ONU em virarem a rumo do conflito a favor dos rebeldes líbios.

John McCain levantou a possibilidade de tropas norte-americanas integradas na ofensiva conferirem armamento às forças rebeldes a Khadafi, segundo a CBS.

«Se o objectivo é tirá-lo [Muammar Khadafi] do país, pode isso significar que os EUA devem armar os rebeldes para fazer com que isso aconteça?», questionou.

O senador prosseguiu ao afirmar que «o objectivo imediato» era impedir que as tropas de Khadafi entrassem em Bengazi, pois se conseguissem o mundo assistiria «a um massacre».

«Agora, o principal objetivo é impedir com que Khadafi continue o assassínio da sua própria população», acrescentou.

Capitão da Marinha norte-americana, John McCain foi combatente e prisioneiro de guerra no Vietname e sempre se assumiu como um defendor da guerra do Iraque.

As forças internacionais - compostas por tropas francesas, britânicas e norte-americanas -, iniciaram a ofensiva militar na Líbia a 19 de Março através de uma série de ataques aéreos.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 22, 2011, 09:01:08 pm
Citação de: "Lightning"
Em relação a um comentário anterior que referia que os F-16 andavam pouco participativos nesta operação, eu lembrei-me de uma possivel resposta, no site da Força Aérea Portuguesa, na parte das Esquadras 201 e 301 refere nas missões:
Citar
-Operações de Luta Aérea Ofensiva, excepto "Supression of Enemy Air Defenses (SEAD)"
, se isto for uma limitação da aeronave então responde à essa questão pois o nosso F-16 é igual aos dos outros paises que possuem F-16 MLU, e as limitações vão ser as mesmas.

Os nossos F-16 não possuem capacidade de lançar mísseis HARM ou ALARM, pelo facto de não terem o software necessário. Além disso esta missão no âmbito da NATO costuma ser realizada pelos EUA, com os F-16CJ,EF-18E/F Growler etc..

Mas nada nos impede de rebentar com uma estação de radar ou uma bateria de SAM com GBU-12,EGBU-12 ou mesmo JDAM (GBU-38).
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 22, 2011, 09:19:01 pm
A questão que levantei foi a de que missão os nossos F-16 desempenhariam se participassem nesta operação.
Ainda que tenham capacidade de ataque, o mais provável é que se limitassem a missões de escolta (como aconteceu na antiga Jugoslávia com os F-16A/B).
Como os F-16AM/BM são mais sofisticados, é de considerar que operassem próximo à costa da Líbia em missões de patrulha e interdição, que tanto quanto sei é o que fizeram os dinamarqueses e farão os noruegueses se decidirem participar.

Aliás é curioso, que os noruegueses tenham dito que ficarão sob comando americano. Os dois Mirage do Qatar vão operar em conjunto com os Mirage-2000 franceses. As necessidades acabam por ditar a forma como as coisas se organizam.
Quem depende dos americanos, se estes saírem e se limitarem às operações de apoio logístico e reconhecimento acho que fica a pé...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 22, 2011, 09:28:16 pm
Entretanto Kadafi desapareceu completamente desde 4 dias....

A ultima mensagem audio de ma qualidade que tivemos foi no sabado de madrugada.

Morto ou refugiado no sul da Libia perto da fronteiro do Chade? no meio dos camelos?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 22, 2011, 10:04:59 pm
Caramba Miguel  :shock:  :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: P44 em Março 23, 2011, 10:40:47 am
20 Março 2011
O que diz o Gurkha sobre a Líbia

Tenho um empregado Gurkha, sim, daquela "raça marcial" que serviu o Raj britânico e ainda possui uma brigada de elite no exército de Sua Majestade. Hoje, tinha a tv acesa e o noticiário debitava as imagens dos bombardeamentos que ontem a USAF, a RAF e a FAF lançaram sobre o exército líbio em nome de um qualquer direito supostamente outorgado pelas Nações Unidas. O direito, concerteza, é o da força e não o de qualquer princípio outro.

O homem olhou demoradamente, baixou os olhos e enquanto trabalhava disse sem a mínima alteração do habitual tom de voz calmo: "boss, eles querem dar a liberdade aos líbios e em troca pedem o petróleo. A partir de hoje o boss podia cortar-me o salário e dar-me democracia. Se eu não aceitasse a democracia em troca do trabalho sem ordenado, o boss batia-me até eu aceitar ser livre". E há quem diga que as almas simples como a do Guran não encerram mais conhecimento que todos os cartapácios de ciência política e relações internacionais !

Resumindo os últimos episódios.

1. Dá-se um levantamento espontâneo do "povo líbio" contra o tirano. O povo que se dizia armado apenas de convicções democráticas leva tudo de vencida e chega às portas de Tripolí. Desarmados, combatem o exército líbio durante três semanas. As tv's afluem à Líbia e os pacíficos protestantes estão armados até aos dentes e nos últimos episódios até já pilotam aviões.

2. O tirano, porém, não abandona o seu posto e reconquista o terreno. As tv's começam, então, a apresentar o governo líbio alternativo existente em Londres e afirmam a pés juntos que é uma distinta plêiade de estadistas de craveira que vai levar à Líbia a liberdade. Lembro-me dos notáveis líderes da oposição a Saddam que vieram nos contentores da "força internacional" que invadiu o Iraque e tem dado àquele país anos de abundância, paz e felicidade.

3. Agora, como os líbios não se sabem libertar, fala-se num corpo expedicionário que os libertará das agruras do despotismo.

Olha, o Gurkha tem razão. Por que razão não há bombardeamentos libertadores sobre a Costa do Marfim ? E as Nações Unidas, tão distraídas estavam quando permitiram o genocídio no Ruanda ...


Publicada por Combustões em 20.3.11
http://combustoes.blogspot.com/ (http://combustoes.blogspot.com/)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: linergy em Março 23, 2011, 11:54:31 am
Evitem poluir o planeta com lixo nuclear!
"Statement on the potential use of depleted uranium in Libya"
http://www.uruknet.info/?p=m76085&hd=&size=1&l=e (http://www.uruknet.info/?p=m76085&hd=&size=1&l=e)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 23, 2011, 02:42:48 pm
Se foi publicado pelo Blog combustões, e não é uma opinião de um participante do fórum, que por isso não pode defender o ponto de vista aqui, creio que bastaria um link em vez de mais uma intrusão de lixo ideológico.

Pior, é lixo ideológico baseado em distorção e mentira pura e simples.
Exemplos

Citar
Dá-se um levantamento espontâneo do "povo líbio" contra o tirano. O povo que se dizia armado apenas de convicções democráticas leva tudo de vencida e chega às portas de Tripolí.
O autor tenta dar a impressão de que o levantamento não é espontâneo.
Claro, que os levantamentos na Tunisia, no Egipto, na Siria ou no Yemen também não são espontâneos. Não têm nada a ver uns com os outros...
Tudo o que aconteceu nas últimas semanas no mundo árabe, passou ao lado do autor do texto, que devia estar a tomar qualquer coisa forte.

Desmontar as mentiras:

A revolta começa em vários pontos da Libia.
O ditador, sabe que não conta com o apoio de vários sectores das forças armadas e por isso as forças armadas não são a força mais operacional.
Quando a revolta começa em Benghazi (a região menos favorável a Kadafi), o principal centro militar da cidade, a Katiba é tomado utilizando tractores agricolas para deitar abaixo os muros (as imagens estão disponíveis na BBC e na Al-Jazeera). Conforme afirmam os populares,  A KATIBA FOI TOMADA À PEDRADA.
http://english.aljazeera.net/indepth/spotlight/libya/2011/03/20113175840189620.html

Kadafi, como todo o ditador marxista, está convencido de que o povo o apoia e não tem meios eficazes para debelar rapidamente a revolta. Os rebeldes desde Benghazi avançam até Ajdabiya.
Ajdabiya é da maior importância porque está ali o principal deposito de material de guerra do leste da Libia.

É então que os rebeldes, muitos deles militares que mudaram de lado, passam a controlar algum armamento. Trata-se de armamento secundário e que eles não podem manter. Quando avaria fica no lugar.
É mentira que tenham avançado até às portas de Triplo. Entre Tripoli E Ajdabiya distam 800KM, repito OITOCENTOS QUILOMETROS.  Os rebeldes, avançaram desde Ajdabiya e são detidos às portas de Bin-Jawad, a 560km de Tripoli, quanto ainda falta percorrer 70% do caminho.

Os rebeldes que teríam chegado às portas de Tripoli, percorreram na realidade 240km dos 800km que separam a fonte de armas dos rebeldes da capital da Líbia. Pode-se ser mais mentiroso.

Pode. Pode sempre

As cidades a ocidente, especialmente Misratah e Zawiya também se revoltaram, mas como não conseguiram tomar conta de nenhumas armas, tiveram que assumir posições defensivas. Noutras cidades, como foi o caso de Sabratah a revolta foi esmagada pelo ditador. Zawiya ainda resistiu duas semanas, mas foi tomada.
Nunca mais houve notícias sobre o que aconteceu nessa cidade.
Misratah, está cercada desde que a revolta teve inicio e apenas AK-47 e alguns RPG impedem os tanques de Kadafi de entrar na cidade. A artilharia, neste caso têm sido peças de 122mm soviéticas (a leste a artilharia é constituida pr sistemas Palmaria de 155mm).

São estes os militares armados que chegaram às portas de Tripoli...

Citar
Olha, o Gurkha tem razão. Por que razão não há bombardeamentos libertadores sobre a Costa do Marfim ? E as Nações Unidas, tão distraídas estavam quando permitiram o genocídio no Ruanda .
Finalmente o típico argumento do Ladrão !
Porque não bombardeiam a Costa do Marfim ?

A mesma coisa perguntaram os bandidos do complexo do Alemão no Rio de Janeiro.
Com tantas favelas, tantos traficantes, no Rio e no Brasil, porque razão fomos nós, os humildes traficantes do Complexo do Alemão, que fomos atacados pelo exército ?


Para haver justiça no mundo, a Policia só deveria agir contra os bandidos, quando conseguisse agir contra todos ao mesmo tempo.
É hipocrisia, pura hipocrisia dos governos e da policia, porque apenas dão a impressão de que controlam a situação.



Enfim, palavras para quê,
A mentira tem perna curta.
A hipocrisia anda de avião a jacto.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 23, 2011, 05:45:50 pm
Obama rejeita categoricamente invasão terrestre da Líbia

(http://static.theatlanticwire.com/img/upload/2011/03/f15sitaly-3/large.jpg)

O presidente norte-americano, Barack Obama, rejeitou hoje categoricamente uma eventual invasão terrestre da Líbia para derrubar o líder Muammar Kadhafi, no quinto dia da ofensiva aérea da coligação internacional contra alvos militares no país.  Obama acrescentou que esta semana os Estados Unidos vão retirar-se da liderança das operações da coligação, que visam evitar que as forças de Kadhafi ataquem civis.

Obama foi questionado numa entrevista à rede espanhola Univision se estava a contemplar uma invasão terrestre da Líbia caso a operação aérea falhasse no objectivo de derrubar Kadhafi do poder, ao que respondeu: «Está absolutamente fora de questão».

Nos ataques aéreos de hoje por parte da coligação, os mísseis lançados por caças F-15 destruíram os lança mísseis de Kadhafi nos arredores de Tripoli.

Em duas cidades onde as forças de Kadhafi tinham cercado civis, as forças internacionais atingiram depósitos de munições, em Misrata, enquanto aviões atacaram forças terrestres nos arredores de Ajdabiya, disseram responsáveis miliatres sob anonimato.

Residentes de Misrata disseram que os ataques da coligação forçaram as tropas governamentais a retirar dali os tanques.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 23, 2011, 06:34:58 pm
Citação de: "Lusitano89"
Obama rejeita categoricamente invasão terrestre da Líbia

(http://static.theatlanticwire.com/img/upload/2011/03/f15sitaly-3/large.jpg)

O presidente norte-americano, Barack Obama, rejeitou hoje categoricamente uma eventual invasão terrestre da Líbia para derrubar o líder Muammar Kadhafi, no quinto dia da ofensiva aérea da coligação internacional contra alvos militares no país.  Obama acrescentou que esta semana os Estados Unidos vão retirar-se da liderança das operações da coligação, que visam evitar que as forças de Kadhafi ataquem civis.

Obama foi questionado numa entrevista à rede espanhola Univision se estava a contemplar uma invasão terrestre da Líbia caso a operação aérea falhasse no objectivo de derrubar Kadhafi do poder, ao que respondeu: «Está absolutamente fora de questão».

Nos ataques aéreos de hoje por parte da coligação, os mísseis lançados por caças F-15 destruíram os lança mísseis de Kadhafi nos arredores de Tripoli.

Em duas cidades onde as forças de Kadhafi tinham cercado civis, as forças internacionais atingiram depósitos de munições, em Misrata, enquanto aviões atacaram forças terrestres nos arredores de Ajdabiya, disseram responsáveis miliatres sob anonimato.

Residentes de Misrata disseram que os ataques da coligação forçaram as tropas governamentais a retirar dali os tanques.

Lusa

O caça que aparece en 1º plano na foto, foi o que se despenhou na Líbia... LN,91-304.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Março 23, 2011, 06:44:22 pm
Citação de: "papatango"
A questão que levantei foi a de que missão os nossos F-16 desempenhariam se participassem nesta operação.
Ainda que tenham capacidade de ataque, o mais provável é que se limitassem a missões de escolta (como aconteceu na antiga Jugoslávia com os F-16A/B).
Como os F-16AM/BM são mais sofisticados, é de considerar que operassem próximo à costa da Líbia em missões de patrulha e interdição, que tanto quanto sei é o que fizeram os dinamarqueses e farão os noruegueses se decidirem participar.

Aliás é curioso, que os noruegueses tenham dito que ficarão sob comando americano. Os dois Mirage do Qatar vão operar em conjunto com os Mirage-2000 franceses. As necessidades acabam por ditar a forma como as coisas se organizam.
Quem depende dos americanos, se estes saírem e se limitarem às operações de apoio logístico e reconhecimento acho que fica a pé...

Os F-16AM da Dinamarca já foram avistados com JDAM´s de 2000 Kg...penso que será algo mais do que missões de escolta.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Requiem em Março 23, 2011, 11:20:27 pm
Saudações a todos.
Tenho acompanhado este forum há já algum tempo, com grande interesse, apesar de nunca ter participado activamente.
Muito interessante tem sido, especialmente, a discussão neste tópico.
A propósito dos fundamentos estratégicos de Sakorzy para a intervenção militar, e deitando mais uma "acha na fogueira", lembro que uma das questões internas que o PM francês sempre quis resolver prende-se com o excesso de populações norte-africanas a residir na França...  
Não será a instauração de regimes democráticos nesses países norte-africanos a melhor forma de impulsionar o regresso às origens de parte dessas populações?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: PILAO251 em Março 24, 2011, 09:15:13 am
Democracia (tipo ocidental, com direitos e liberdades perfeitamente definidos na constituição) em países de tradição e cultura muçulmanas, uhmmmmmmmmmmmmmmmm,

Mais depressa vejo o profeta a comer bacon e a virar copos de 3.

E mesmo que isso aconteça, nunca aceitarão a democracia tal como nós a concebemos, mas isto escapa totalmente ao comum dos europeus, democratas, politicamente correctos, etcetera e tal  
Att
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 24, 2011, 12:11:39 pm
Kadhafi pede a mediação de grupo dos BRICs


O governo da Líbia pediu ajuda do Brasil e outros membros do Bric para negociar o fim dos bombardeamentos ao país.
Com esse objectivo, foram convocados há poucos dias os embaixadores do grupo, formado pelo Brasil, Rússia, Índia e China, para uma reunião em Tripoli.

Embora tenham sido convidados em bloco, os diplomatas também receberam pedidos individuais aos seus países, como o envio de observadores.

O regime de Muammar Kadhafi disse que aceita negociar o futuro da Líbia, mas apenas após o fim dos ataques da coligação.

A mão estendida à diplomacia reforça a impressão entre diplomatas em Tripoli de que Kadhafi adopta uma táctica dupla: enquanto promete lutar até ao fim e inflama a população para ganhar pontos na disputa interna, tenta uma saída diplomática.

Mesmo antes da imposição da zona de exclusão aérea pela ONU (Organização das Nações Unidas), Kadhafi já tinha manifestado interesse em recorrer aos BRICs como mediadores. Com a abstenção dos quatro na votação da resolução, o interesse auemntou.

Terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Antonio Patriota, disse que espera ver uma «transição benigna» na Líbia, a exemplo do que ocorreu no Egipto, onde o ditador Hosni Mubarak renunciou.

Foi a primeira vez que o Brasil insinuou ser favorável à saída de Kadhafi. Tal posição, entretanto, não foi comunicada oficialmente ao regime líbio.

Sem aliados, Tripoli também tem cada vez menos interlocutores. Há 10 dias, o número de embaixadores no país caíra para 70.

Hoje, está em cerca de 40, disse o embaixador do Brasil, George Ney de Souza Fernandes, ainda em Tripoli.

Segundo um diplomata brasileiro, a permanência do embaixador na Líbia foi por determinação da presidente Dilma Rousseff, que defende manter um canal de diálogo.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 24, 2011, 12:59:58 pm
Citação de: "Pilao"
Democracia (tipo ocidental, com direitos e liberdades perfeitamente definidos na constituição) em países de tradição e cultura muçulmanas, uhmmmmmmmmmmmmmmmm,
Mais depressa vejo o profeta a comer bacon e a virar copos de 3.
E mesmo que isso aconteça, nunca aceitarão a democracia tal como nós a concebemos, mas isto escapa totalmente ao comum dos europeus, democratas, politicamente correctos, etcetera e tal
É um argumento interessante, embora existam países muçulmanos onde existe separação de poderes e liberdades e direitos expressos na constituição.
O caso mais conhecido é o da Turquia.

O problema serão não os muçulmanos, mas os árabes.

No entanto, ainda assim, poderemos pensar no seguinte:

Durante o século XX, ocorreram em Portugal três grandes processos revolucionários. 1910, 1926 e 1974. Em todos estes casos, foram as elites e as forças armadas que iniciaram o processo.
O que vemos nos países árabes, são pessoas de todas as classes sociais, que efectivamente se revoltaram e curiosamente, o que pedem é mais liberdade.
Na maioria dos casos os movimentos islâmicos aparentam estar relativamente fora do processo - ainda que o possam tentar controlar e aproveitar-se dele.

Nestes últimos meses, os árabes têm feito muito mais pelo direito à liberdade e lutado de forma muito mais efectiva por essa liberdade, que nós, portugueses, ao longo de todo um século, em que nos limitámos a ir atrás das revoluções de pequenos grupos sociais.

A pergunta que deixo é simples:

Se há dois ou três anos atrás, alguém neste fórum dissesse que em 2011 haveria revoltas nas ruas dos países árabes e que governos ditatoriais árabes seriam derrubados por manifestações populares de gente que defende a liberdade e até não queima bandeiras americanas por desporto, quem acreditaria e quem diria que era impossível ?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: cromwell em Março 24, 2011, 09:32:28 pm
Citar
Se há dois ou três anos atrás, alguém neste fórum dissesse que em 2011 haveria revoltas nas ruas dos países árabes e que governos ditatoriais árabes seriam derrubados por manifestações populares de gente que defende a liberdade e até não queima bandeiras americanas por desporto, quem acreditaria e quem diria que era impossível ?

Espero que aconteça no futuro o mesmo cá em Portugal, quando o povo aprender de vez e pedir o fim deste regime jacobino, restaurando o legitimo regime deste país.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: nelson38899 em Março 25, 2011, 09:22:15 am
Citação de: "cromwell"
Citar
Se há dois ou três anos atrás, alguém neste fórum dissesse que em 2011 haveria revoltas nas ruas dos países árabes e que governos ditatoriais árabes seriam derrubados por manifestações populares de gente que defende a liberdade e até não queima bandeiras americanas por desporto, quem acreditaria e quem diria que era impossível ?

Espero que aconteça no futuro o mesmo cá em Portugal, quando o povo aprender de vez e pedir o fim deste regime jacobino, restaurando o legitimo regime deste país.

de 4 em 4 anos há eleições, é nessa altura que o povo tem mais poder, senão exerce esse poder é porque não quer!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 25, 2011, 01:08:30 pm
Países discutem transição e eleições com regime de Kadhafi


Membros da União Africana (UA) e dos governos de Rússia, China, Estados Unidos e França participam hoje em Adis-Abeba numa reunião com representantes do Kadhafi, para tentar encontrar uma saída pacífica para o conflito líbio.
A UA defende um período de transição no país, que leve a eleições democráticas, como uma forma de encerrar a guerra entre as tropas de Kadhafi e os rebeldes da oposição.

A aliança africana convidou ainda os líderes do Conselho Nacional de Transição (CNT), embora não tenha sido confirmada a sua presença.

Os rebeldes rejeitaram até ao momento todas as ofertas de negociação enquanto Kadhafi, no poder há quase 42 anos, não renunciar.

Hoje, os rebeldes afirmaram que entre 8.000 e 10 mil pessoas morreram desde o início da revolta. Tripoli não divulga um saldo oficial de vítimas.

O presidente da Comissão da UA, Jean Ping, disse que Kadhafi aceitou o convite para o encontro na Etiópia e enviou Mohamad Zawi, porta-voz do Congresso Popular da Líbia.

«Com esta convocação, a UA tenta chegar à raiz do conflito líbio através de conversações entre as partes em confronto, o que deveria levar à realização de eleições para nomear instituições democráticas no país», frisou Ping.

Acrescentou que a ideia do encontro é desenhar um mapa do caminho para a Líbia e que é inevitável que inclua reformas políticas.

Disse ainda acreditar num consenso entre os rebeldes e o regime e classificou de «legítimas» as aspirações do povo líbio.

«Estamos convencidos de que existe uma base suficiente para alcançar um acordo e encontrar uma solução duradoura na Líbia», acrescentou.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 25, 2011, 04:01:54 pm
Para onde ia o petróleo:


(https://lh5.googleusercontent.com/-UFoWqWya2wM/TWvmkgS3F6I/AAAAAAAAAGo/qel1eA0csSw/s1600/tumblr_lh1hqdU6BC1qd3k9xo1_400.jpg)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 25, 2011, 06:11:17 pm
Boas!

Nao queria abrir um topico sobre o assunto, mas,  alguem  entendido pode explicar-me   qual o objectivo das balas tracejantes?  elas revelam o local do atirador que vantagem tem?

desculpem a ignorancia!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Março 25, 2011, 06:25:51 pm
Citação de: "chaimites"
Boas!

Nao queria abrir um topico sobre o assunto, mas,  alguem  entendido pode explicar-me   qual o objectivo das balas tracejantes?  elas revelam o local do atirador que vantagem tem?

desculpem a ignorancia!

É para o atirador ver onde é que está a acertar.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 25, 2011, 07:03:27 pm
NATO estima que exclusão aérea na Líbia vai durar 90 dias

(http://www.defenseimagery.mil/default/index/mainColumnParagraphs/0/contentBlockParagraphs/0/content_files/file0/odysseyDawn-bnr.jpg)

A NATO estima que a missão para criar uma zona de exclusão aérea na Líbia deve durar três meses.
«Grande parte do planeamento teve como base uma janela de três meses, mas se o comandante (da NATO) sentir que é necessário estender, então terá apenas que dizer. Acredito que pode ser mais ou menos», disse a porta-voz da NATO, Oana Lunguscu.

O objectivo da missão da NATO é fechar o espaço aéreo líbio a todos os voos, com excepção de voos de ajuda humanitária autorizados, e proibir aviões das forças do ditador líbio, Muammar Kadhafi, e dos seus adversários», segundo um oficial.

«Zonas de exclusão aérea são imparciais, não há voos autorizados para esta área», disse o capitão Geoffrey Booth.

Hoje, o primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou que o país quer que NATO comande as operações militares contra a Líbia juntamente com a Liga Árabe e à União Africana (UA) «para não cometer os mesmos erros que no Afeganistão e no Iraque».

Em declarações à imprensa em Istambul, Erdogan considerou «positivo» que a França, país com o qual a Turquia manteve divergências sobre o modo como conduzir as operações na Líbia, fique de «fora de jogo» nesta questão.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, não convidou os dirigentes turcos a participarem na Cimeira de Paris para decidir sobre como seriam realizados os ataques à Líbia, o que aumentou as críticas de Ancara.

Erdogan assegurou que a Turquia não abandonará a Líbia no que se refere à ajuda humanitária e que é essencial que se mantenha «a integridade territorial» do país africano.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 25, 2011, 10:23:08 pm
Aviões do Qatar iniciaram hoje missão no espaço aéreo líbio, diz França

(http://homepage.tinet.ie/~steven/images/m2000qatar.jpg)


Aviões do Qatar protagonizaram hoje as primeiras missões no espaço aéreo líbio, em conjunto com aparelhos franceses, indicou o Ministério de Defesa de França.
«Trata-se da primeira contribuição aérea de um país da Liga Árabe como parte das operações multinacionais na Líbia», disse o ministério em nota oficial.

Dois caças Mirage 2000-5 participaram em conjunto com outros dois franceses numa «missão de proibição» do espaço aéreo, acrescentou.

Os aviões descolaram da base aérea grega de Sue, na ilha de Creta, onde «em breve« chegarão novos aviões do Qatar, assinalou o Ministério da Defesa francês.

Segundo fontes francesas, o Qatar deve destinar seis aviões às operações na Líbia. Na sua primeira missão, os aparelhos do Qatar não efectuaram disparos e estavam equipadas apenas com armas de defesa antiaérea.

Nos próximos dias, estima-se que sejam incorporados na missão aviões dos Emirados Árabes Unidos, que prometeram contribuir com 12 caças na operação na Líbia, seis F-16 e seis Mirage.

O presidente francês, Nicolas Sarkozy, destacou nos últimos dias a importância de países árabes se incorporarem na coligação internacional que pretende impedir o ditador líbio, Muammar Kadhafi de bombardear o seu povo, em aplicação da resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU, que autoriza o uso da força na Líbia.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 25, 2011, 11:01:51 pm
Fim da resistencia das tropas de Kadafi em Ajdabya :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 25, 2011, 11:33:17 pm
Mas que não pare por aqui. Que se siga Damasco e Teerão...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 26, 2011, 12:40:13 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 26, 2011, 03:29:27 pm
Sem apoio logístico os rebeldes não têm capacidade para ir muito mais longe.

Trata-se de pouco mais que uma tropa «fandanga», que só sabe atirar para o ar, para fazer barulho.
Ainda assim, parece que o ataque de sexta para sábado - o primeiro ataque nocturno dos rebeldes - teve coordenação com a aviação.

O que há que realçar também, é o que parece ser um aumento da precisão dos armamentos.
Eles praticamente não deixam escapar um único veículo.

A outra questão que se levanta, é se será legal continuar a atacar as tropas do Kadafi quando recuam.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Março 26, 2011, 04:27:10 pm
Colunas a caminho de Brega e Ras Lanouf, talvez que dentro de dias acabou tudo :D
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 26, 2011, 06:54:44 pm
Miguel -> Não se devem soltar foguetes antes do tempo.

Exitem notícias de que Al-Bouraiqah caiu e que os rebeldes passaram por Al Bouraiqah eventualmente a caminho de Ras-Lanuf.

No entanto, este tipo de avanços não querem dizer muito num lugar em que há praticamente apenas uma estrada e onde os rebeldes não têm sistemas de logística eficazes.
Quando eles ficarem com fome, vão ter que voltar para trás.

De qualquer forma, o importante é que de facto tem havido ataques aéreos na Líbia central e especialmente sobre Sirte. Sabemos que Sirte é a fonte de onde se alimentavam as tropas de Kadafi que avançaram para Ajdabiya-Benghazi na última semana.

Também não sabemos se os rebeldes terão apoio aéreo a partir de aí.

O Kadafi tem demasiados problemas.
Entre eles está a bolsa de Misratah, que é mais uma diversão que impede Kadafi de utilizar todas as suas forças a leste.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Março 26, 2011, 09:48:47 pm
Citação de: "Miguel"
Papatango; O objetivo é acabar com esse terrorista, que finançou durante decadas todos os movimentos anti-occidentais. Alem disso o comportamento dele confirma, que secretamente ainda finançava por redes obscuras movimentos terroristas. Ele é um mentiroso, um sacana, um alvo que deve ser elimanado.

Curiosamente vários países ocidentais também não fizeram isso, especialmente os EUA? Ah pois é tudo em prol de Deus, ups, da Democracia,! Como tal fica o assunto já justificado e validado.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 26, 2011, 10:22:57 pm
Não há governos de fadas madrinhas no mundo.

O problema é distinguir entre os que não são bons e os que são terrivelmente maus.
Mas isso não dá a ninguém o direito de meter toda a gente no mesmo saco.

Em Ajdabiya, apopulação ficou escondida sem sair à rua enquanto os mercenários do Kadafi estavam na cidade.
Quando sairam, a população veio para a rua festejar.

Mas claro, isso não conta para nada...



Uma mulher pede desesperadamente ajuda aos jornalistas, no único lugar onde lhe poderiam valer.
Ao melhor estilo soviético metem-lhe um casaco na cabeça, espancam os jornalistas e fazem-na desaparecer.

Malvados americanos capitalistas, que são os culpados disto tudo
LONGA VIDA AO CAMARADA KADAFI !
Grande líder injustiçado e perseguido por todos.




Asco
 :evil:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Jorge Pereira em Março 26, 2011, 10:35:28 pm
Citação de: "papatango"
Sem apoio logístico os rebeldes não têm capacidade para ir muito mais longe.

Trata-se de pouco mais que uma tropa «fandanga», que só sabe atirar para o ar, para fazer barulho.
Ainda assim, parece que o ataque de sexta para sábado - o primeiro ataque nocturno dos rebeldes - teve coordenação com a aviação.

O que há que realçar também, é o que parece ser um aumento da precisão dos armamentos.
Eles praticamente não deixam escapar um único veículo.

A outra questão que se levanta, é se será legal continuar a atacar as tropas do Kadafi quando recuam.

Não esquecer as afirmações de que há uma importante operação de apoio aos rebeldes através do Egipto. Fala-se até de forças especiais ocidentais assessorando activamente os rebeldes.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 26, 2011, 10:53:25 pm
Citar
Libyan rebel commander admits his fighters have al-Qaeda links
Abdel-Hakim al-Hasidi, the Libyan rebel leader, has said jihadists who fought against allied troops in Iraq are on the front lines of the battle against Muammar Gaddafi's regime.
Mr al-Hasidi admitted he had earlier fought against 'the foreign invasion' in Afghanistan Photo: AFP
By Praveen Swami, Nick Squires and Duncan Gardham 5:00PM GMT 25 Mar 2011

In an interview with the Italian newspaper Il Sole 24 Ore, Mr al-Hasidi admitted that he had recruited "around 25" men from the Derna area in eastern Libya to fight against coalition troops in Iraq. Some of them, he said, are "today are on the front lines in Adjabiya".

Mr al-Hasidi insisted his fighters "are patriots and good Muslims, not terrorists," but added that the "members of al-Qaeda are also good Muslims and are fighting against the invader".

His revelations came even as Idriss Deby Itno, Chad's president, said al-Qaeda had managed to pillage military arsenals in the Libyan rebel zone and acquired arms, "including surface-to-air missiles, which were then smuggled into their sanctuaries".

Mr al-Hasidi admitted he had earlier fought against "the foreign invasion" in Afghanistan, before being "captured in 2002 in Peshwar, in Pakistan". He was later handed over to the US, and then held in Libya before being released in 2008.

US and British government sources said Mr al-Hasidi was a member of the Libyan Islamic Fighting Group, or LIFG, which killed dozens of Libyan troops in guerrilla attacks around Derna and Benghazi in 1995 and 1996.

Even though the LIFG is not part of the al-Qaeda organisation, the United States military's West Point academy has said the two share an "increasingly co-operative relationship". In 2007, documents captured by allied forces from the town of Sinjar, showed LIFG emmbers made up the second-largest cohort of foreign fighters in Iraq, after Saudi Arabia.

Earlier this month, al-Qaeda issued a call for supporters to back the Libyan rebellion, which it said would lead to the imposition of "the stage of Islam" in the country.

British Islamists have also backed the rebellion, with the former head of the banned al-Muhajiroun proclaiming that the call for "Islam, the Shariah and jihad from Libya" had "shaken the enemies of Islam and the Muslims more than the tsunami that Allah sent against their friends, the Japanese"

http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... links.html (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8407047/Libyan-rebel-commander-admits-his-fighters-have-al-Qaeda-links.html)

Pois é.....

Caro Jorge, se não fossem as OE ocidentais a limpar o caminho para os rebeldes, eles ainda não tinham saído de Bengazi. Ou acham que tipos que se matavam uns aos outros por falta de preparação para usar armas e mais pareciam um bando tresmalhado, de repente eliminam, com eficácia digna da mais prestigiada força militar, boa parte dos elementos e veículos da brigada que estava em Agebadia.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 26, 2011, 10:56:56 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 26, 2011, 11:37:09 pm
A existência de extremistas islâmicos do lado dos rebeldes é conhecida desde o inicio.
Os franceses sabiam perfeitamente disso.
A análise que foi feita, no entanto, foi a de que eles são uma minoria pouco representativa fácil de enquadrar.

Ou toda a gente acha que as pessoas que estavam na Praça Tahrir no Egipto eram todas democratas ?
Todos sabemos o que representa a Irmandade Muçulmana !

E na Siria, idem. Há movimentos extremistas islâmicos nesses países.

Mais:
Eles são um denominador comum nos países árabes onde se instituíram ditaduras marxistas, que reprimiram os movimentos religiosos.
Costuma-se dizer que os americanos apoiaram o fundamentalismo islâmico no Afeganistão depois da invasão soviética, esquecendo o que os soviéticos fizeram lá, e que criou as condições para a radicalização dos movimentos - que os americanos aproveitaram, claro.

Nestas coisas não há santos.
Tudo isto é como andar descalço num chão cheio de pedaços de vidro.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 26, 2011, 11:39:54 pm
Citar
Caro Jorge, se não fossem as OE ocidentais a limpar o caminho para os rebeldes, eles ainda não tinham saído de Bengazi.
:shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:
Não me diga
 :shock:  :shock:  :shock:  :shock:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 27, 2011, 12:02:32 am
Citação de: "papatango"
Citar
Caro Jorge, se não fossem as OE ocidentais a limpar o caminho para os rebeldes, eles ainda não tinham saído de Bengazi.


Eles não tinham saído de Benghazi, porque o Kadafi os tinha morto lá.

Sim, seria o mais provável, aliás coisa que eles alegremente iriam fazer ao Kadhafi e ás tribos que se mantiveram fiéis ao lunático. Quando pegaram em armas contra o maluco sabiam que só tinham duas saídas, vencer ou morrer, mas geralmente as guerras são assim (coisa chocante), o pessoal aqui é que anda mal habituado e tem as coisas como garantidas. Temo que em breve as coisa mudem por aqui também.....

Citar
São os bombardeamentos aéreos que estão a permitir o avanço dos rebeldes.

Pois claro, e a limpeza táctica de posições defensivas dentro dos perímetros urbanos e atiradores furtivos, também está a ser feita por JDAM's e Tomahawks..... poupe-me, aliás até o meu caro mostrou à uns posts atrás a sua surpresa pela inaudita eficácia que os rebeldes repentinamente passaram a mostrar, na eliminação de alvos e posições.


Citar
Não me diga

Uuuuuhh, Aaaaaah..... surpresa..... digo pois e poderia dizer muito mais, basta pegar nas coisinhas ditas por si, aqui neste fórum, em relação ao que se passou noutros países e a relativização que faz agora sobre as ligações a grupos terroristas por parte dos rebeldes. Sem dúvida, mais uma "prova" da congruência e frieza de análise com que se auto-intitula. Idiologices..... dará para conversar assim?........   :roll:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 27, 2011, 05:47:49 pm
Citar
Pois claro, e a limpeza táctica de posições defensivas dentro dos perímetros urbanos e atiradores furtivos, também está a ser feita por JDAM's e Tomahawks..... poupe-me, aliás até o meu caro mostrou à uns posts atrás a sua surpresa pela inaudita eficácia que os rebeldes repentinamente passaram a mostrar, na eliminação de alvos e posições.

Tome café
Beba bastante café antes de participar e fazer comentários desinformados.
Dizem que é o adequado para pessoas no seu estado.

Onde é que eu poderia dizer que estava surpreso com a eficácia dos rebeldes, se eu sempre afirmei que eles não tinham armas ?
O facto de tentar entender uma coisa e tentar explicar porque as coisas funcionam de uma determinada maneira, não quer sequer dizer que se concorde com essa coisa, facto, acção ou o que seja.

Entretanto o que é importante é que o camarada Kadafi, esse grande democrata, está a levar porrada em todo o lado.

É igualmente esquisito e estranho, que a população venha para as ruas festejar quando as tropas do Kadafi sa vão embora.

Está mais que visto, que a líbia está infestada de agentes estrangeiros, que são colocados nas cidades controladas, para depois poderem vir para a rua, dar a impressão de que foram libertados.

 :roll:  :roll:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 27, 2011, 06:06:10 pm
Forças de Kadhafi acusadas de colocar corpos em zonas bombardeadas pela Coligação


O secretário da Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, afirmou que as forças armadas leais ao líder líbio Muammar Kadhafi estarão a colocar corpos de civis nas zonas bombardeadas pelas forças da coligação internacional.

"Temos muitas informações" dos serviços secretos que mostram que o Exército de Kadhafi "está a levar corpos de pessoas que assassinou para os colocar nos locais alvos de ataques" das forças da coligação, afirmou Robert Gates numa entrevista gravada no sábado e difundida hoje pela televisão norte-americana CBS.

O responsável não adiantou qualquer número para os corpos que estarão a ser transportados, mas assegura que tem informações das secretas que confirmam este desenvolvimento.

Robert Gates sublinhou ainda que as forças da coligação têm sido "extremamente cuidadosas neste esforço militar" e felicitou as forças áreas da coligação pelo seu "extraordinário" trabalho.

"Temos sido extremamente cuidadosos neste esforço militar e não só os nossos pilotos, como também os pilotos membros das outras forças áreas da coligação, têm realizado uma trabalho realmente extraordinário", afirmou.
Os Estados Unidos lideram juntamente com a França e o Reino Unido uma operação internacional para manter uma zona de exclusão aérea na Líbia, tendo em vista proteger a população da repressão das forças leais a Muammar Kadhafi, após os protestos que exigiam a demissão do líder líbio.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 27, 2011, 07:42:38 pm
Entretanto, há indicios não confirmados de que a população de SIRTE começou a sair da cidade em direcção ao ocidente.
Sirte é a cidade natal de Kadafi.

Há notícias - mais uma vez não confirmadas - de que ocorreram movimentos de militares de Sirte em direcção a ocidente.
Em Tripoli, ninguém sabe de nada e mesmo entre os responsáveis do regime há alguma incredulidade e ao mesmo tempo dúvida.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 28, 2011, 07:50:57 pm


Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 29, 2011, 10:39:10 pm
Citação de: "papatango"
Não percebo.

58% das importações chinesas de petroleo chinês vêm do médio oriente (Arábia Saudita, Qatar, Koweit, Emiratos, Iraque, Irão e Bahreim).
Sabendo-se que os países árabes fizeram Lobby para que a resolução fosse aprovada, a China optou por não criar ondas com o único grupo de países sobre o qual não tem nenhum ascendente, que não precisam do dinheiro da China e dos quais a China depende desesperadamente.

Em 2015 os países árabes do Golfo mais o Irão vão representar 70% das compras chinesas.

O Golfo fica a 10.000km do principal porto e terminal petrolifero do sul da China. A Líbia fica a 14.000km, o que encarece o petroleo líbio e torna o mercado menos atractivo. É por essa razão que a venda de petroleo venezuelano à China não é atractiva, porque a Venezuela fica a 19.000km de distância.

É por isso que 80% do petróleo líbio vai para a Europa, 11% para a China e 3% para os Estados Unidos.

= = = = =

Quanto ao argumento do reconhecimento do governo de Benghazi, ele é quase anedótico. Se o interesse fosse realmente o petroleo, bastava aos ingleses e franceses esperar duas semanas, não fazer nada, esperar para ver em que paravam as modas e negociar com que ganhasse.

o problema, é que a mesma canalha facínora que critica a França e a Inglaterra por atacar o Kadafi, é a mesma canalha que criticaría os ingleses e os franceses se não tivessem feito nada e se deixassem o Kadafi massacrar a população.

Os camaradas do costume, encontrariam sempre razão para criticar os malvados capitalistas.

Se apoiassem o Kadafi:
Malvados, que se venderam, há ditadores maus e ditadores bons, hipocritas, ETC. ETC. ETC.

Se atacassem o Kadafi:
Querem é guerra, querem é petroleo, hipocritas, bandidos capitalistas.

Preso por ter cão, preso por não ter.

Sr. Papatango.

Puxei este texto, porque na altura foi para me responder em parte a mim. Não sei se o que o leva a tentar digamos, impor-nos a perspectiva de que esta invasão tem alguma justificação possível, mas lá deve ter os seus motivos. Mas a sua argumentação, por mais que você se esforce para a cimentar não colhe para muitos dos quem comenta no fórum. Os seus argumentos relativamente ao petróleo, nomeadamente as distâncias em Km da China á península Arábica, bem analisados acabam no fundo por reforçar a tese de que a Líbia foi invadida não apenas, mas em grande parte devido ao petróleo.

Ou seja, você diz que os Chineses foram comprados para se abster em troca passam a receber mais petróleo árabe, que é comandado pela liga árabe que por sua vez é comandada pelas monarquias sunitas, que no fundo não passam de estados fantoches a cumprir ordens dos EUA.A China larga o petróleo Líbio e fica com mais petróleo Árabe, fica a ganhar visto que este fica a 10000 km da China enquanto que o da líbia fica a 14000 km, tem lógica. A Europa e os EUA ficam com o da Líbia, visto que fica mais perto, e não é preciso passar o Suez, ou dar a volta á península, ou seja, você com a sua argumentação acaba por dar razão a quem acha que uma das principais motivações de mais esta invasão é o petróleo. Eu sei que você tem quase 5000 mensagens, e eu meia dúzia delas, mas não lhe fica bem encher os restantes foristas de canalhas, facínoras e marxistas simplesmente porque não partilham das suas opiniões. A mim a carapuça não me serve, aliás entrei neste fórum exactamente para combater a esquerda, e para dar o meu apoio ao Cavaco Silva no tópico sobre as presidências, pode confirmar no fim da página.

http://forumdefesa.com/forum/viewtopic. ... f&start=60 (http://forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=21&t=9691&sid=5ce33270f6650c378207371712547c1f&start=60)

Mas eu pergunto, afinal que mal é que Kaddaffi fez? Bem já sabemos que é anti-imperialista e pelos vistos isso é motivo suficiente para qualquer pais ser invadido. Mas fora isso do que é acusado?Segundo os EUA e os Franceses e Ingleses persegue o seu povo?  Eu tenho visto várias reportagens e vejo muito líbios apoia-lo. Na Cirenaica o apoio a kaddaffi pode ser menor, sempre o foi historicamente, mas na zona na parte oeste do pais, na Tripolitanea ai o apoio a kadaffi é maciço, e ninguém o pode negar. Essa desculpa que o povo se revoltou na Cirenaica, bem que dizer, os interessados do costume armaram meia dúzia de tribos no leste da Líbia, na Cirenaica, mandaram para lá os mercenários ocidentais da “pata do urso inserida na elipse vermelha”, e depois montaram o cenário mediático dizendo que o Kaddaffi fez isto e aquilo para poderem invadir a Líbia. Basicamente foi isto.
Pelo caminho compraram os Chineses e Russos, o que levou á demissão do embaixador Russo em Tripoli, e a duras palavras entre Medvedev e Putin, Medvedev que já nem com o paio de Lavrov conta.Eu nada tenho de marxista ou de leninista, simplesmente não concordo com o rumo que o politica internacional está a levar, muito menos com estas politicas imperialistas dos EUA e temo que isto nos conduza a média prazo a uma enorme confrontação, que pode por em causa a própria NATO como a conhecemos hoje em dia, o facto de a Turquia estar a montar centrais nucleares com apoio russo é disso sinal evidente, algo vai mal na NATO. Para além disso a Turquia opôs-se ferozmente à invasão da Libia.

Eu também sei que somos aliados dos americanos, sim é verdade, e que alinhamos sempre com eles, mas isso não significa que temos que os andar a bajular, porque eles quando lhes deu jeito puxar-nos o tapete em África não pensarem duas vezes em o fazer, as riquezas de Angola e a sua gula por petróleo já na década de 60 se faziam sentir. Eu sinceramente e a generalidade das pessoas que andam realmente informadas e que não se deixam intoxicar pela informação deturpada que nos servem ao jantar todos os dias nos telejornais deste pais, sabemos que este guerra não tem justificação possível, e que as únicas motivações para esta invasão foram:

. O petróleo Líbia que é dos melhores do mundo, devido ao seu baixíssimo teor de enxofre e fluidez, o que lhe confere excelentes qualidades sendo mais indicado para o Jet-Fuel;

. E a oportunidade de eliminar um anti-imperialista, os povos tem que ser livres e decidir os seus destinos, não tem que estar sujeitos a nenhum tipo de ditadura global, que é o que está a ser montado;

Por fim,  entre ditadores locais e ditadores globais, venha o diabo e escolha, mesmo assim eu prefiro os primeiros.

Saudações para todos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Março 29, 2011, 10:44:30 pm
Só mais um ponto.

Na minha maneira de ver esta invasão vai ser contraproducente a todos os níveis, em primeiro lugar demonstra o falhanço total da ONU, mas pior, vai levar a uma corrida desenfreada às armas, incluindo as nucleares como nunca se viu ate agora desde a 2 guerra mundial. Podem ter a certeza, o clube do nuclear só terá tendência a aumentar. O que se passou com o Kadaffi mostra e é um sinal muito mau que se dá a todos os países do mundo, que ninguém está livre de ser invadido, a menos que tenha uma bomba atómica. O kadaffi, e eu não estou a dizer que é nenhum santo, mas sem duvida que a grande maioria das noticias saídas foram mentira, inclusive desmentidas pelo embaixador Português. O kadaffi aceitou negociar com os países do ocidente no inicio da década com medo que lhe acontece o mesmo que ao Saddam, foi recebido nas mais respeitáveis salas de jantar da Europa, inclusive a Francesa, celebrou contratos com as principais petrolíferas europeias, BP, ENI e TOTAL, e desmantelou o seu programa nuclear.

Com isto, Kadaffi pensou erradamente que a Líbia estaria livre de ser invadida como o Iraque, mas pelos vistos enganou-se redondamente, lançaram-lhe uma guerra civil no pais, armaram-lhe milícias e depois bombardeiam-lhe o pais.

Como diz o Sr. Papatango, isto é que é o ser:  “Preso por ter cão, preso por não ter.”

Ou seja, isto vai dar um sinal aos restantes países que não vale a pena negociar, visto que negociando ou não os países que não alinham no imperialismo americano acabam por ser invadidos. Na minha opinião, isto é um precedente gravíssimo, mais ninguém vai querer negociar seja o que for, e daqui para a frente vamos assistir a uma corrida desenfreada ás armas nucleares, visto que a arma nuclear é o único salvo conduto que livra um pais se ser invadido.

Saudações para todos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Março 29, 2011, 11:09:51 pm
Citação de: "Cunha"
Ou seja, isto vai dar um sinal aos restantes países que não vale a pena negociar, visto que negociando ou não os países que não alinham no imperialismo americano acabam por ser invadidos. Na minha opinião, isto é um precedente gravíssimo, mais ninguém vai querer negociar seja o que for, e daqui para a frente vamos assistir a uma corrida desenfreada ás armas nucleares, visto que a arma nuclear é o único salvo conduto que livra um pais se ser invadido

Concordo em absoluto, pois acredito que exista muito "não-alinhado" por este mundo a olhar para esta invasão absurda e repara depois na Coreia do Norte e acaba a dizer para si mesmo: "Este até bombardeia com artilharia os vizinhos, todos mostram-lhe os dentes mas ninguém se atreve a lá ir morder"

Só mais um reforço da sua ideia, penso que a Rússia não vetou porque tem um interesse geopolítico maior em causa. Esse interesse é a dependência da Alemanha em energia. A Rússia é o maior fornecedor de energia à Alemanha, mas devido à instabilidade de fornecimento e ao perigo da excessiva dependência de um só fornecedor, a Alemanha tem tentado diversificar as suas fontes sendo a Líbia uma delas. Já exportava praticamente metade do seu crude para a Alemanha. Isto é um golpe para as aspirações energéticas alemãs empurrando-a de novo para a Rússia, o que ajuda a explicar a forma extremamente dura como o governo alemão reagiu a isto e a Rússia torna a ganhar poder, com o maior poder económico europeu a ter que lhe comer na mão.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 30, 2011, 10:19:22 am
Citação de: "papatango"
Entretanto, há indicios não confirmados de que a população de SIRTE começou a sair da cidade em direcção ao ocidente.
Sirte é a cidade natal de Kadafi.

Há notícias - mais uma vez não confirmadas - de que ocorreram movimentos de militares de Sirte em direcção a ocidente.
Em Tripoli, ninguém sabe de nada e mesmo entre os responsáveis do regime há alguma incredulidade e ao mesmo tempo dúvida.

Mais um rumor, que o Papatango diz e muito bem, nao estar confirmado.
Sobre Sirte, o que se sabe ao certo é que a população se organizou em milicias para defender a sua cidade dos "libertadores" financiados pelos "democratas do petroleo".
Ja reparei que o Papatango nao se desvia uma virgula do discurso e dos argumentos oficiais , o que indicia muita coisa !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Março 30, 2011, 10:40:59 am
Concordo quase a 100% com os textos que o Cunha escreveu e sublinho a  referencia ( e o exemplo) que fez ao antigo Ultramar português e à campanha anti-Portugal que na altura existia, campanha essa fomentada e alimentada pelos nossos aliados anglo-americanos. Penso que nesse tempo tambem diziam nos jornais estrangeiros que o Caetano era uma espécie de Kadafi e que os portugueses eram uns despreziveis colonialistas expoliadores . Talvez nao fosse tudo mentira, mas de certeza que tambem nao era tudo verdade o que se dizia nessas campanhas contra o Portugal dos anos 60 e 70.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: PILAO251 em Março 30, 2011, 02:28:54 pm
Alguém que ofereça umas pás e picaretas aquela malta.
É que cada vez que estoiram um par de monakachitos nas redondezas, aquela maralha enfia-se nas toyotas e desata a cavar.
Já chateia, abram umas trincheiras e aguentem-se à bronca.
Att
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 30, 2011, 02:32:06 pm
Alguns comentários desgarrados.

Até ao momento não ocorreu nenhuma invasão.
Só na cabeça do palhaço venezuelano e dos comunistas ortodoxos é que ocorreu uma invasão imperialista e colonialista.
Essa é a verdade.
A verdade que todos vemos, tanto nas televisões árabes como europeias, é a dos líbios a agradecerem o apoio que lhes tem sido dado pelos franceses ingleses e americanos.
Podemos dizer que são os líbios da Cirenaica, é verdade, porque os Libios da região central (não necessariamente os da Tripolitania,onde o ditador massacrou já várias cidades) podem ser até favoráveis a Kadafi.

Já vimos neste tópico, ao ponto de baixeza e sujidade a que pode chegar a propaganda marxista, ao afirmar que os «rebeldes» estavam afinal armados até aos dentes.
Aliás a facilidade com que os marxistas mentem e distorcem a realidade é absolutamente espantosa, e mostra até que ponto são desonestos.

Os rebeldes líbios estão mal armados e não possuem qualquer tipo de comando eficaz. Não possuem qualquer treino e fogem como baratas tontas quando os mercenários de Kadafi começam a disparar.
É esta tropa fandanga, que tenta remover um ditador porco e assassino que é chamada de exército invasor  :shock:



Citar
Mas eu pergunto, afinal que mal é que Kaddaffi fez? Bem já sabemos que é anti-imperialista e pelos vistos isso é motivo suficiente para qualquer pais ser invadido. Mas fora isso do que é acusado?Segundo os EUA e os Franceses e Ingleses persegue o seu povo? Eu tenho visto várias reportagens e vejo muito líbios apoia-lo. Na Cirenaica o apoio a kaddaffi pode ser menor, sempre o foi historicamente, mas na zona na parte oeste do pais, na Tripolitanea ai o apoio a kadaffi é maciço
Creio que quando alguém pergunta, que mal o ditador assassino fez, então não é necessário perguntar mais nada.

O Kadafi é anti-imperialista ?
Mas o que é que isso quer dizer ?
Estamos a falar de um homem que invadiu o Chade nos ano 80 para anexar o norte do Chade à Líbia, sabia ?

Se o criminoso, é tão boa pessoa, porque se revoltaram tantas cidades de Líbia ?
A cidade onde terão ocorrido os maiores massacres, é a cidade de Zawiya, entre Tripoli e a fronteira com a Tunisia. Mesmo com o terror assassino dos mercenários da África sub sahariana a controlar a Tripolitania, continua a haver uma cidade do oeste da Líbia - Misratah (ou Misurata segundo alguns), que resiste desde o inicio, cercada pelas forças do ditador, bombardeada desde terra, pelo ar (quando o ditador ainda tinha aviões) e mesmo a partir de navios.
Porque o Kadafi continua a atacara a cidade de Zintan, que também fica na Tripolitania ?

Kadafi tem o apoio de algumas tribos, e o seu poder, encontra-se à volta das áreas onde estão os principais depósitos de armamento.

OS COMUNISTAS ESTÃO TODOS LOUCOS ?

Será que não entendem que há um movimento entre os árabes, que aparenta ser resultado de décadas de ditadura e de repressão ?
Esse movimento não distingue entre as ditaduras apoiadas pelo ocidente e as ditaduras marxistas que foram apoiadas pela Russia soviética.
Mas as ditaduras apoiadas pela Russia soviética são 1000 vezes mais repressivas que as outras.

Na Tunisia o ditador foi-se embora. Mas na Líbia o ditador fica!
Qual é a diferença ?
Quando os comunistas encontrarem uma resposta razoável para a pergunta, talvez cheguemos a algum lado. Até lá, continuaremos a escutar a propaganda a defender um assassino.


Citar
Isto é um golpe para as aspirações energéticas alemãs empurrando-a de novo para a Rússia, o que ajuda a explicar a forma extremamente dura como o governo alemão reagiu a isto e a Rússia torna a ganhar poder
A tia Merkel, não podia ir para a guerra, a três dias de eleições regionais importantes. Ainda por cima, as eleições regionais alemãs ocorrem em fins de semana diferentes, condicionando a política alemã. Mesmo assim, tentando dar uma imagem de pacifista, perdeu pela primeira vez as eleições para o partido alemão das melancias.
A vitória dos «melancias» alemães foi resultado da crise nuclear no Japão, mas os melancias também são os principais pacifistas, pelo que a Merkel não podia entrar em conflitos, para evitar perder votos.

São as eleições em estados vitais, que condicionaram a posição da Alemanha.








Citar
Ou seja, você diz que os Chineses foram comprados para se abster em troca passam a receber mais petróleo árabe,
Eu não disse nada disso, isso, é, como muito do que você escreve, invenção da sua cabeça.

A ditadura chinesa, foi pressionada pelas monarquias do golfo, não foi comprada.
Os chineses vão continuar a comprar o petroleo do golfo normalmente e a preços de mercado, mas a China não tem nenhum interesse em piorar as suas relações com a monarquia sauditas ou com os emires do Qatar, Koweit, Omã ou Emiratos Arabes Unidos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 30, 2011, 02:46:20 pm
Citação de: "PILAO251"
Alguém que ofereça umas pás e picaretas aquela malta.
É que cada vez que estoiram um par de monakachitos nas redondezas, aquela maralha enfia-se nas toyotas e desata a cavar.
Já chateia, abram umas trincheiras e aguentem-se à bronca.
Att


Foi criada a ideia de que a Libia está a ser invadida pelos malvados imperialistas, e muita gente não entendeu (ou não quer entender) que as «tropas» dos rebeldes são constituídas na sua maioria por civis que pegaram em armas.
É claro que eles fogem de forma desordenada e isso só vem mostrar a total falta de preparação e treino militar que aquela gente tem.

Não há um mínimo de preparação e capacidade para organizar uma linha mínima de defesa.
Eles não têm tanques mas têm metralhadoras 14.5mm e canhões anti-aéreos de 22mm e vimos RPG's, muitos RPG's
Eles estão a utilizar canhões sem recuo como se fosse artilharia convencional. NÃO FAZEM A MINIMA IDEIA DO QUE É MUNIÇÃO PERFURANTE E MUNIÇÃO EXPLOSIVA.

Eles poderiam por isso atacar tudo o que se move desde que não sejam tanques, porque não há mais nenhum material russo que possa resistir a disparos de 22mm.

Eu creio que o avanço recente do Kadafi está a ser feito também com forças muito ligeiras e que eles passaram a utilizar morteiros pesados em vez de artilharia pesada auto-propulsada.
De outra forma, não há explicação para terem já bombardeado Ras-Lanuf.

Também acho que a principal deficiência dos rebeldes, está na falta de camiões.

E também não estou a ver de que serve armar os rebeldes líbios.
A mim parece-me um disparate.

Seja qual for o tipo de armas que entreguem àquela gente, eles não vão ser capazes de as utilizar convenientemente.
O caso mais típico foi o dos tanques.
Eles sabem pilotar os tanques, mas não sabem utilizar a arma principal. Utilizaram tanques apenas para disparar a metralhadora e para assustar os mercenários do Kadafi.
É por isso que as metralhadoras em Pickups Toyota continuam a ser a arma mais eficaz.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 30, 2011, 05:32:00 pm


Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Março 30, 2011, 07:34:05 pm
Mais um país que trará a "Al Qaeda" para a porta da Europa. Só espero que esta "libertação" dos autocratas, se alargue às monarquias "amigas" como os Emirados, Arábia Saudita, Egipto entre outros, já para não falar é claro nos restantes países africanos como a Somália.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 31, 2011, 03:24:37 am
Esta vai ficar conhecida como, a revolta das Pick´ups
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 31, 2011, 01:56:25 pm
Sem dúvida.

É um exército muito engraçado, este exército «invasor» de autocratas.  :mrgreen:

Devem ser os autocratas japoneses, interessados em vender pickups  :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Março 31, 2011, 04:43:50 pm
Papatango:

Nao vale a pena discutir com quem politicamente e extremista. essa gente so usa metade do cerebro para pensar , comunistas e bloquistas so usam o lado esquerdo do cerebro
para eles um ditador de esquerda e um revolucionario que lutou pela liberdade!

Para eles um ditdor de direita e um sanguinario, um ditador de esquerda e um libertador do povo
como se uma bala disparada pela mao direita ou esquerda fossem diferentes!


Todos eles se dizem  orgulhosos seguidores de sanguinarios..Estalininstas  Leninistas  Trotskistas
Os milhoes de mortos que cairam as maos destes sanguinarios, para eles sao diferentes, dos milhoes que morreram as maos de sanguinarios de Direita
va-se la entender......

A grande diterença que historicamente se pode verificar e que os sanguinarios de esquerda tem tendencia a massacrar o seu proprio povo enquanto que sanguinarios de direita tem tendencia a massacrar povos vizinhos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Março 31, 2011, 09:00:28 pm
Até pouco tempo Kadafi era um grande "amigo" da França e Italia, incluse a Dassault vivia dizendo que o país africano iria comprar o Rafale, bem como as coisas mudam rápido.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Março 31, 2011, 10:01:15 pm
As coisas não mudam assim tão de repente.

Acontece que os países europeus preferem negociar, mesmo que seja com um ditador, para evitar problemas de maior.
O Kadafi recebeu o apoio de países ocidentais, esperando que a situação melhorasse e que a abertura da Líbia fosse vantajosa.

Mas chega a um ponto em que demais é demais e já não há mais nada a fazer.
Se nada se fizer contra um ditador maluco estrabolico mesmo às portas da Europa, os países europeus estariam a enviar uma mensagem completamente errada.

Kadafi interpretou mal a mensagem.
Achou que lhe estavam a dar carta branca para matar quem quisesse.
Não entendeu que os regimes marxistas não estão imunes ao protesto do povo
Tropeçou, cambaleou e esteve quase a cair.
O ocidente ainda esperou, para ver se Kadafi fazia o logico, saindo.

Mas mais uma vez os países do ocidente entenderam que confiar num ditador não leva a nada.

E por isto se chegou a este ponto.



Já agora, deixo uma nota de reflexão:

Quando aconteceu a crise em Timor, os portugueses levantaram-se para defender o direito do povo de Timor à Liberdade.

A INDONÉSIA ACUSOU PORTUGAL E A GALP DE ESTAREM APENAS INTERESSADOS NO PETRÓLEO.

Também nós fomos acusados de estar apenas interessados no petróleo.
Até Portugal foi vítima de um argumento que foi utilizado até à exaustão, chegando a um ponto em que começa a ter dificuldade em pegar.

Mesmo sabendo-se que os europeus e americanos controlavam quase 85% do petróleo Líbio, o argumento de que a guerra se destina a controlar o petróleo continua a ser utilizado como se tivesse sentido ou lógica.

Entretanto, os rebeldes que lutam quase com pedras agradecem as bombas que são lançadas em cima dos mercenários do Kadafi e a mesma Corja de pulhas que defende o Chavez, acusa-os de serem INVASORES IMPERIALISTAS.
E DE ESTAREM ARMADOS ATÉ AOS DENTES, COMO VIMOS NUM POST DE HÁ ALGUNS DIAS ATRÁS.

NÃO HÁ REALMENTE VERGONHA NA ESQUERDA SUJA
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Abril 01, 2011, 06:21:21 am
Citar

Os EUA em números sobre a Líbia
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2010/04/KC-135-foto-USAF-500x278.jpg)
Mesmo procurando não ser o “centro das atenções”, o peso militar dos EUA no esforço multinacional para cumprir a resolução 1973 da ONU é bastante significtivo. Juntas, a USAF e a USN respondem por:

    80% de todas as aeronaves de reabastecimento
    75% de todas as horas de vigilância aérea
    100% das missões de guerra eletrônica


Leia mais (Read More): Os EUA em números sobre a Líbia | Poder Aéreo - Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil
podearero

Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Abril 01, 2011, 11:08:59 am
Citação de: "HaDeS"
Citar

Os EUA em números sobre a Líbia
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2010/04/KC-135-foto-USAF-500x278.jpg)
Mesmo procurando não ser o “centro das atenções”, o peso militar dos EUA no esforço multinacional para cumprir a resolução 1973 da ONU é bastante significtivo. Juntas, a USAF e a USN respondem por:

    80% de todas as aeronaves de reabastecimento
    75% de todas as horas de vigilância aérea
    100% das missões de guerra eletrônica


Leia mais (Read More): Os EUA em números sobre a Líbia | Poder Aéreo - Informação e Discussão sobre Aviação Militar e Civil
podearero



Julgo que em missões mesmo na Europa , a situação permanecerá assim. As forças aéreas europeias , não têm ainda , e se calhar nunca terão , a quantidade de aeronaves para as múltiplas funções necessárias numa guerra moderna .

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 01, 2011, 07:20:11 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Abril 01, 2011, 09:42:09 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Ou seja, você diz que os Chineses foram comprados para se abster em troca passam a receber mais petróleo árabe,

Eu não disse nada disso, isso, é, como muito do que você escreve, invenção da sua cabeça.

A ditadura chinesa, foi pressionada pelas monarquias do golfo, não foi comprada.

Os chineses vão continuar a comprar o petroleo do golfo normalmente e a preços de mercado, mas a China não tem nenhum interesse em piorar as suas relações com a monarquia sauditas ou com os emires do Qatar, Koweit, Omã ou Emiratos Arabes Unidos.

Tem razão quando diz que não disse que que os chineses foram compraddos, a frase é minha, mas basta ler o que escreveu para se deduzir o que eu deduzi, ficam aqui na integra as suas palavras.

"58% das importações chinesas de petroleo chinês vêm do médio oriente (Arábia Saudita, Qatar, Koweit, Emiratos, Iraque, Irão e Bahreim).
Sabendo-se que os países árabes fizeram Lobby para que a resolução fosse aprovada, a China optou por não criar ondas com o único grupo de países sobre o qual não tem nenhum ascendente, que não precisam do dinheiro da China e dos quais a China depende desesperadamente."


Mas não se trata de inventar nada como você diz a meu respeito, eu tenho a minha visão deste conflito, você tem a sua que eu respeito.

Vou deixar só aqui mais umas questões.

Esta invasão era segundo quem a levou por diante para proteger civis e sustentada por uma muito dúbia resolução da ONU. Daquelas que permitem diversas interpretações, faz-me lembrar aquela lição que se aprende na escola primária: “A falta de pontuação.”

Em que cada um entende como quer, e no fim todos querem a herança, aqui a herança é bem diferente, mas a metáfora aplica-se na perfeição.
Esta resolução da ONU ser interpretada de diversas formas e feitios, e cada um interpreta de uma maneira diferente de acordo com os seus interesses. Quem lançou este ataque segue a interpretação que trata da imposição de  "uma zona de exclusão aérea " para proteger a população civil. Mas o caminho da operação já há muito se desviou desse desidrato, e há muito já ultrapassou a abrangência e o entendimento lógico da resolução da ONU. A resolução 1973 da ONU previa que o uso da força seja usado para proteger civis, no entanto isto já vai muito para além disso, com ataques a forças de kadaffi em retirada que foram noticiados como massacres, e que demonstram que a coligação há muito se afastou do suposto objectivo inicial.Neste momento o que estamos a assistir é a ataques realizados conforme as solicitações dos rebeldes, e isto constitui uma ingerência clara nos assuntos internos da Líbia, só quem não quer ver e não tem o mínimo de imparcialidade é que não chega a esta conclusão.

A diferença é apenas uma, se o pais em questão estiver sob o domínio de um líder pro-ocidental, ai abafa-se tudo e podem ser enviadas tropas para sufocar a rebelião civil, como foi feito no Bahrein, para onde a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos enviaram tropas para conter a população civil insurgente, mas aqui está tudo bem, esqueçam a lenga lenga dos civis e dos direitos humanos, como se isso realmente conta-se para alguma coisa. Pelo contrário se o pais for anti-imperialista, e contra os interesses dos EUA, ai monta-se o cenário mediático povoado de mentiras para enganar a população e legitimar a operação militar, e depois ataca-se o pais em questão favorecendo os revoltosos e a rebelião mesmo que estes façam parte da Al-Qaeda, com isto conclui-se que a Al-Qaeda só é má no médio Oriente, no norte de África já são todos bons rapazes, será?  É que já estou baralhado. Pelo meio não esquecer que foi preciso também subornar Russos ou Chineses, pelos vistos é tudo farinha do mesmo saco.

Isto revela não só o cinismo, mas também a hipocrisia da política externa mundial neste momento, desde a França à China, passando pelos EUA e Russia, e acabando nos Ingleses, e tudo isto sinceramente já á ultrapassa os limites do aceitável.

E meus amigos, os países não têm amigos, têm interesses, por isso sabemos que apenas podemos contar connosco.

Para aqueles que dizem que a operação foi desencadeada para proteger civis, eu deixo umas questões.

Os 110 mísseis de cruzeiro lançados no inicio da invasão são flechas, não são?
Não provocam danos colaterais, nem vitimas civis, pois não?
Nem os ataques feitos alvos em Tripoli também não provocaram mortes de civis, pois não?
E para so que dizem que o kaddaffi tem lá mercenários, eu só pergunto se do outro lado não há mercenários?

Responda quem saiba.

Saudações.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Abril 01, 2011, 10:33:10 pm
Só mais um ponto.

As fissuras começam a aparecer por todo o lado, os Italianos estão-se a demarcar, na cadeia de comando pelos vistos ninguém se entende depois da retirada estratégica dos EUA, não tarda nada os franceses recusam-se a falar Inglês, e os Ingleses Francês e depois ninguém se entende mesmo. Quem não tem palas no olhos sabe que esta invasão foi planeada como sempre pelos EUA, contudo como a imagem dos EUA está digamos que beliscada depois da invasão do Iraque, basicamente lançaram para a ribalta os Franceses e Ingleses. Beneficiaram do facto de a França ir para eleições para breve, o que levou a Sarkozy a olhar para isto como uma medida para consumo interno, Sarkozy pensou que esta invasão lhe poderia trazer votos face á ameaça cada vez maior de Marine Le Pen, que está à frente das sondagens. Mas enganou-se redondamente segundo os jornais franceses, são menos de 20 % os Franceses que apoiam esta invasão, e a popularidade de Sarkozy desceu. Pois bem, um verdadeiro tiro pela culatra, e o pior pode estar para vir, quem acompanha os media francês, basta ir ao Fígaro ou a Le monde ao fim de semana para ver que a cintura urbana de Paris já antes estava a ferro e fogo, com esta invasão a coisa só pode piorar devido á imensa comunidade de muçulmanos do norte de África em França, e depois nem os Rafales, Mirages ou MICAS poderão valer a este galo Francês de Sarkozy, que pensava que se ia tornar num novo Napoleão conferindo de novo à França o estatuto de líder mundial, até da pena. Os Ingleses idem aspas, as manifestações desta semana, para além de questões laborais tinham como pano de fundo também o chumbo da opinião publica Inglesa a esta invasão, obviamente que os nossos media fizeram a questão de censurar este parte para continuar a enganar o povo.

Por fim, só mais um ponto, é certo e sabido que se não fossem os americanos e a descoberta da bomba atómica hoje por ventura estávamos aqui todos a escrever em cirílico, devemos isso aos EUA,sem duvida alguma que considero um pais aliado, embora não concorde com algumas das medidas da politica externa dos EUA.  A bomba atómica foi a outra responsável porque desde o momento que ela foi descoberta o mundo mudou e gerou-se um novo equilíbrio de poderes que levou a que o mundo vive-se em relativa paz, com algumas escaramuças pelo meio, durante meio século. Os embates mais significativas foram o Vietname, as Coreias com os EUA de um lado e a URSS de outro, e o Afeganistão que em última instância levou à queda do bloco soviético, pelo meio tivemos mais algumas escaramuças menores levadas a cabo pelos EUA como o bombardeamento a países a América do sul e da Libia em 86. De 90 para cá os EUA bombardearem 2 vezes o Iraque, o Afeganistão, a Jugoslávia cristã para dar guarida a terroristas islâmicos da pior espécimen às portas da Europa, e novamente a Líbia. Os russos bombardearam a Geórgia em 2008.Em não sou nem de longe comunista, conservador de direita e capitalista é assim que me defino, e já o provei aqui, mas disto tem que se tirar uma conclusão, apesar de um ter gostado que a URSS caisse, o mundo era bem mais equilibrado e digamos seguro antes da queda da Ex-URSS, porque existia um equilíbrio de poderes e um poder bi-polarizado, que digamos desapareceu.

E digo isto porque acredito num mundo multi-polar ou no mínimo bi-polar, caso contrário a tirania humana será maior que nunca, não duvidem, fosse qual fosse o pais que conseguisse algum dia dominar o mundo, escravizaria os restantes, faz parte da natureza humana. Sempre foi assim, desde o Império Persa, ao Romano, passando pelos Egípcios, agora não seria diferente.

Saudações.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Abril 02, 2011, 12:02:26 am
A Bielorrussia é uma ditadura, quando é que a malta vai lá? Curiosamente até fica na Europa.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Abril 02, 2011, 01:49:32 am
Cunha:
Mas qual invasao?  e que eu ainda nao vi invasao nenhuma e vossa excelencia so fala em invasao!!!!!

Onde e que o Sr viu uma invasao?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Abril 02, 2011, 02:00:15 am
Citação de: "Camuflage"
A Bielorrussia é uma ditadura, quando é que a malta vai lá? Curiosamente até fica na Europa.


No dia em que o ditador da Biolorrussia ordene aos seus caças que bombardeiem o povo desarmado, que pede a sua demissao, acho muito bem que haja uma intervençao!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Edu em Abril 02, 2011, 11:26:00 am
Citação de: "chaimites"
Citação de: "Camuflage"
A Bielorrussia é uma ditadura, quando é que a malta vai lá? Curiosamente até fica na Europa.


No dia em que o ditador da Biolorrussia ordene aos seus caças que bombardeiem o povo desarmado, que pede a sua demissao, acho muito bem que haja uma intervençao!

Claro que há uma intervenção, toda a gente sabe que os americanos são muito justos e não há dois pesos nem duas medidas.

Epá, mas espera lá! A Bielorrussia faz fronteira com a.... Russia, pois então se calhar assim não vai haver intervenção nenhuma.

Eu pessoalmente sou contra qualquer intervenção externa dentro dos problemas internos de cada país. A historia já provou que a situação de um país, por muito mal que esteja, não melhora por ir lá outro "ajudar". Cada país deve resolver os seus próprios problemas, e a democracia virá naturalmente quando o país se encontrar preparado para ela.

Democracias impostas funcionam muito pior que ditaduras.

A situação na Líbia devia ser resolvida pelos Líbios, se realmente todos os Líbios quiserem expulsar o Kadafi do poder, pode não ser imediato, mas mais tarde ou mais cedo conseguem. A questão é que ele tem muita gente do lado dele dentro do país, contrariamente ao que vem sendo dito na comunicação social, e esta intervenção da coligação só vai levar a uma desestabilização da região.

Quem vai pagar as consequências vai ser a Europa, pois contrariamente à porcaria que andam lá a fazer longe no Iraque e no Afeganistão a Líbia está logo ali do outro lado do mediterrâneo, e aquilo, ganhe quem ganhe, não acalma tão depressa...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 02, 2011, 12:48:32 pm
Cunha -> Essa tese de que os americanos malvados são os culpados de todos os males da terra, é velha e já vem do tempo em que os russos perceberam que não podiam avançar mais na Europa.
É uma visão do mundo, que teve inicio com a morte de Roosevelt, que realmente acreditava que o Estaline tinha boas intenções.
A partir daí, temos visto o desenvolver das teorias mais estapafúrdias que acusam os americanos de tudo.

Há alguma coisa de que os americanos não sejam culpados ?

Eles são responsáveis pela II guerra, pela guerra fria, pelas guerras civis em áfrica, pelas guerras na américa latina, pela tuberculose, pela sida, pela queda do muro de berlim, pela queda do comunismo, pelo colapso dos países da Europa de leste, pelo aparecimento do fundamentalismo islâmico e até pelo bombardeamento terrorista ao seu próprio território.

Como já lhe disse acima, sempre que há petróleo, isso permite a utilização do petróleo como argumento politico. NÓS PORTUGUESES TAMBÉM FOMOS ACUSADOS DE ESTAR INTERESSADOS EM TIMOR APENAS POR CAUSA DO PETROLEO.
Os americanos compram 3% do petróleo da Líbia, a China mais de 10% e os Europeus mais de 80%.
O Kadafi vendia o petróleo a quem quisesse e tivesse dinheiro para comprar e não negou nos últimos anos contratos a ninguém.

Alegar que os americanos planearam alguma coisa é um absurdo, ainda mais quando se afirma isso e ao mesmo tempo se aceita que toda a operação foi mal preparada e prejudicada pela correria para conseguir evitar que Kadafi tomasse Benghazi.

Além disso, é afirmar que os americanos são responsáveis pela instabilidade nos países árabes, o que consegue ultrapassar em pontos de absurdo, muitas das acusações estrambólicas contra os americanos.

Eu obviamente não digo que os americanos sejam umas fadas angelicais distribuindo boa vontade, amor e chocolates pelos céus, só que acho um exagero atribuir aos americanos capacidades que na realidade eles não têm.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Abril 02, 2011, 01:06:57 pm
Citação de: "chaimites"
Citação de: "Camuflage"
A Bielorrussia é uma ditadura, quando é que a malta vai lá? Curiosamente até fica na Europa.


No dia em que o ditador da Biolorrussia ordene aos seus caças que bombardeiem o povo desarmado, que pede a sua demissao, acho muito bem que haja uma intervençao!

Portanto só vale se entrarem caças? humm então o melhor é já tratar de irem à Rússia que faz o mesmo no Cáucaso.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Abril 03, 2011, 01:22:47 am
Um pequeno video sobre os misseis anti-tanque Brimstone MBDA , usados pelos Tornado da RAF na Líbia .


Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cunha em Abril 03, 2011, 01:40:35 am
Papatango.

Eu não me vou estar a reptir, basicamente já disse o achava sobre o conflito.
Só uma questão, eu não acusei os americanos de nada do que está para ai a dizer, não diga coisas que eu não disse.Tem razão quando fala de Roosevelt, e eu próprio também disse que se não fossem os EUA por ventura corriamos o risco de estar aqui hoje a escrever em cirílico.

Eu também disse que os EUA é um pais nosso aliado, sem duvida, é assim que os vejo, mas nem sempre concordo pessoalemente com as politicas deles, nunca ninguem me viu ou me verá criticar a entrada dos EUA no Afeganistão, agora em relação aos que se passou no Iraque e agora á Libia tenho outra visão dos acoentecimentos. Agora isto é como na vida real, por vezes não concordamos com posições de amigos nossos, quando isso acontece penso que o melhor é ser frontal e dizer o que pensamos, mas isso não implica que deixemos de ser amigos, aqui aplica-se o mesmo.

Em relação às revoltas do médio oriente/norte de África, tal como já lhe disse, este catadupa de acontecimentos começou na Tunísia de uma forma genuína, onde a populações se revoltou devido ás condições precárias, pobreza, desemprego entre outros factores que motivaram a revolução Tunisina. Dai para cá, os jogadores globais digamos que inquinaram estas revoltas, uns jogaram cartas no Egipto, outros jogaram as cartas na Líbia, cada um defende os seus interesses, sempre assim foi e há-de ser, nada de novo.

Saudações.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 04, 2011, 01:47:50 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 04, 2011, 02:05:11 pm
Bomba pode ter morto polícia britânico na Irlanda do Norte com explosivo da Líbia

(http://www.defenceweb.co.za/images/stories/MUGSHOTS/MUGSHOTS_NEW/Minister_Moussa_Koussa.jpg)

As autoridades do Reino Unido estão a investigar a hipótese de o ataque bombista que matou um polícia no domingo, na Irlanda do Norte, ter sido efectuado com material explosivo fornecido pela Líbia, num programa que chegou a ser supervisionado pelo ministro das Relações Exteriores deste país, que anunciou na semana passada a sua deserção em... Londres.

O ataque matou um polícia, Ronan Kerr, e terá sido levado a cabo por um grupo dissidente do antigo Exército Republicano Irlandês (IRA). De acordo com o Daily Telegraph, as autoridades estão a investigar se no engenho foi utilizado Semtex, um plástico explosivo que a Líbia forneceu em grandes quantidades ao IRA na década de 1980, quando o regime do Presidente líbio, Muammar Kadhafi, era considerado um pária mundial.

Moussa Koussa, ex-ministro dos Assuntos Exteriores da Líbia, foi referido em documentos judiciais dos EUA como um dos homens que supervisionou o fornecimento de Semtex ao IRA. O governo britânico já está a ser fortemente pressionado para obrigar Koussa a colaborar na investigação ao atentado de Lockerbie e à morte da polícia Yvonne Fletcher. Também já há pressões para obrigar Koussa a explicar o fornecimento de Semtex ao IRA, usado em alguns dos piores ataques em solo britânico.

DN
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: RicardoL em Abril 04, 2011, 07:03:48 pm
Citar
Guerra na África é nova corrida imperialista
A guerra na Líbia faz parte de uma nova corrida imperialista que vai se aprofundar, diz José Luís Fiori, coordenador do programa de pós-graduação em economia política internacional da UFRJ. Para ele, potências disputam recursos estratégicos na África, mas os conflitos não têm a ver apenas com o petróleo. Nesta entrevista, Fiori fala também sobre o poder dos EUA, que ele enxerga vivendo uma crise se crescimento. A seguir a íntegra da entrevista.

Folha -Como o sr. analisa a guerra na Líbia?

*José Luís Fiori-" É evidente que não se trata de uma discussão sobre o direito a vida dos líbios, ou sobre os chamados direitos humanos, e menos ainda, sobre democracia. Nesta, como em todas as demais intervenções deste tipo, de europeus e dos EUA, feitas neste último século, jamais se esclarece a questão central de quem tem o direito de julgar e arbitrar a existência ou não de desrespeito aos direitos humanos em algum país em particular, e quem determina o lugar em que a "comunidade internacional" deve ou não intervir para defender vidas e direitos. Com relação a quem arbitra, são sempre os mesmos países que Samuel Huntington chamou de "diretório militar" do mundo, ou seja, EUA, Inglaterra e França. E, com relação aos critérios da arbitragem, é óbvio que este diretório jamais intervém contra um país, ou contra um governante aliado, por mais autoritário e anti-democrático que ele seja, e por mais que ele desrespeite os direitos defendidos pelos europeus e pelos norte-americanos. Independentemente do que se pense sobre o fundamento e a universalidade dos direitos humanos, não há a menor dúvida que, do ponto de vista das relações entre os Estados dentro do sistema mundial, eles sempre são esgrimidos e utilizados como instrumento de legitimação das decisões geopolíticas e geo-economicas das grandes potencias. Por isto, as decisões sobre este assunto nos foros internacionais são sempre políticas e instrumentais e variam segundo a vontade e segundo os interesses estratégicos destas grandes potências.

A guerra é sobre o petróleo?
O que está em jogo na Líbia não é apenas Petróleo. Nem tudo no mundo da geopolítica e da luta de poder entre as grandes e médias potências tem a ver com energia, ou mesmo, com economia. Neste caso, está em jogo o controle de uma região fronteiriça da Europa, parte importante do Império Romano, e território privilegiado do alterego civilizatório da "cristandade". Foi por onde começou o colonialismo europeu, no século 15 e depois, de novo, no século 19. Acho que já estamos assistindo uma nova corrida imperialista na África, e que não é impossível que se volte a cogitar de alguma forma renovada de colonialismo.

Como seria essa corrida imperialista? O que deve acontecer por lá? As revoltas árabes em curso terão algum impacto no poder dos Estados Unidos na região e no mundo?
Durante a década de 90, generalizou-se a convicção de que a África seria um continente inviável e marginal dentro do processo vitorioso da globalização econômica. Tratava-se de um continente que não interessaria às grandes potências nem às suas corporações e bancos privados. Mas a África não é tão simples nem homogênea, com seus 53 Estados, cinco grandes regiões e seus quase 800 milhões de habitantes. Um mosaico gigantesco e fragmentado de Estados, onde não existe um verdadeiro sistema estatal competitivo, nem tampouco se pode falar de uma economia regional integrada De fato, o atual sistema estatal africano foi criado pelas potências coloniais europeias e só se manteve integrado, até 1991, graças à guerra fria e à sua disputa bipolar. Depois da guerra fria e do fracasso da intervenção dos Estados Unidos na Somália, em 1993, os EUA redefiniram sua estratégia para o continente negro: propondo, como objetivo central, o crescimento econômico, através dos mercados, da globalização e da democracia. Mas de fato, a preocupação dos Estados Unidos com a África se restringiu até o fim do século 20, quase exclusivamente, à disputa das regiões petrolíferas e ao controle e repressão das forças islâmicas e dos grupos terroristas do Chifre da África. Mas deverá ocorrer uma mudança radical, nas próximas duas décadas, do comportamento norte-americano e dos europeus, graças à invasão econômica da China da Rússia, da Índia e, inclusive, do Brasil. A África será de novo um ponto central da nova corrida imperialista que já está em curso e que deverá se aprofundar ainda mais na próxima década Neste período, não é improvável, inclusive, que as velhas e novas potências do sistema mundial, envolvidas na disputa pelos recursos estratégicos da África, voltem a pensar na possibilidade de conquista e dominação colonial de alguns dos atuais países africanos que foram criados pelos próprios colonialistas europeus. E é nesta perspectiva que acho que deve refletir sobre a reação européia e norte-americana frente às revoltas árabes. E, em particular, no caso da intervenção militar na Líbia, comandada pela Otan e liderada pelos EUA, Inglaterra e França.

Os EUA estão ameaçados de perder poder no Oriente Médio?
Sempre existe o risco de perda do controle que já tinham conquistado na situação anterior à rebelião. Mas, neste caso, não vejo este risco. Pelo contrário, acho que são os mesmos de sempre que estão redistribuindo as cartas e manipulando as divisões internas dentro dos governos e dos envolvidos nas rebeliões. Quando houver risco real, reprimirão como fizeram no Bahrein. Sempre que possível através das mãos de terceiros.

Para o sr. não há perda da hegemonia norte-americana?
Os EUA estão enfrentando neste momento os problemas, contradições e incertezas produzidas pela sua mudança de status _ da condição de "potência hegemônica do mundo capitalista, até a década de 1980, para a condição de "potência imperial", assumida progressivamente depois de 1991. Poderia até se chamar de uma "crise de crescimento", e não uma "crise terminal". E o seu "declínio relativo", de que tanto se fala na imprensa, com relação à expansão asiática e à sua provável ultrapassagem econômica pela China ,não atingirá a posição dos EUA, como pivot do sistema mundial, nas próximas duas décadas, pelo menos.
Este novo estatuto imperial dos EUA deve fazer com que mudem sua forma de administrar o seu poder global. Esta mudança será lenta e complicada, dentro e fora dos EUA. Muitos analistas confundem a trepidação própria deste processo de mudança com uma "crise terminal" do poder americano no mundo. A partir de agora, e cada vez mais, os EUA deverão adotar uma posição mais distante e arbitral com relação às lutas de poder em todos os tabuleiros geopolíticos do mundo. Só intervindo em última instância e, de preferência, através das mãos de terceiros países. E deverão promover ativamente todo tipo de divisões internas, dentro e fora dos principais países dentro de cada um destes tabuleiros. Seguindo o modelo clássico da administração imperial da Grã-Bretanha, durante o século 19. Isso não acontecerá sem conflitos. Mas este será o jogo que estará sendo jogado nas próximas duas décadas: de um lado, os EUA atuando como cabeça de império, se distanciando, e só intervindo em última instância, e, do outro, as demais potências regionais tentando escapar do cerco americano, através de coalizões de poder que neutralizem o divisionismo estimulado pelos EUA.

Quais as diferenças em relação ao império britânico?
Trata-se de um sistema imperial muito mais complexo e instável do que foi o império britânico, porque ele é supra-nacional sem ser colonial. E envolve, potencialmente, 195 Estados e economias nacionais, que são ou se consideram soberanos. As fronteiras deste império não são fixas nem territoriais e podem ser redefinidas a cada momento pelo poder global militar e financeiro dos EUA. E, dentro deste sistema, a expansão contínua do poder e da riqueza americana promovem e fortalecem algumas novas potências emergentes que deverão competir com os EUA, nas próximas décadas, pelas hegemonias regionais do mundo. É importante sublinhar que este novo tipo de império não exclui a possibilidade de derrotas ou fracassos militares localizados dos EUA. Pelo contrário: é a própria expansão vitoriosa dos EUA - e não o seu declínio_ que vai promovendo os conflitos e as guerras. E, do ponto de vista estritamente militar, o essencial para o novo poder imperial americano é impedir que alguma potência regional ameace a sua supremacia naval em qualquer região do mundo. E, é óbvio, impedir que ocorra uma guerra hegemônica capaz de atingir a sua supremacia militar global.

Não há limites para este poder?
É óbvio que este novo poder imperial não é absoluto nem será eterno. Como já foi dito, sua expansão contínua cria e fortalece poderes concorrentes. E desestabiliza e destrói os equilíbrios e as instituições, criadas pelos próprios EUA, estimulando a formação de coalizões de poder regionais que acabarão desmembrando aos poucos o seu poder imperial, como aconteceu com o império romano. Por outro lado, a nova engenharia econômica mundial deslocou o centro da acumulação capitalista e transformou a China numa economia com poder de gravitação quase equivalente ao dos Estados Unidos. Esta nova geo-economia internacional intensifica a competição capitalista e já deu início à uma "corrida imperialista", cada vez intensa na África e na América do Sul, aumentando a possibilidade e o número dos conflitos localizados entre as grandes potências. Além disso, o poder imperial norte-americano deverá enfrentar uma perda de legitimidade crônica dentro dos EUA, porque a diversidade e a complexidade nacional, étnica e civilizatória do seu império é absolutamente incompatível com a defesa e a preservação de qualquer tipo ou sistema de valores universais, como pretendem os norte-americanos. Daí o aumento das divisões, cada vez mais profundas, dentro do establishment da política externa dos EUA, e também dentro da sociedade americana, com aumento da radicalização das posições e conflitos, como no caso do Tea Party, e das manifestações Madison, Wisconsin etc. De qualquer forma, é possível dizer, com relação ao futuro, que não existe nenhuma lei que defina a sucessão obrigatória e a data do fim da supremacia americana. Mas é absolutamente certo que a simples ultrapassagem econômica dos EUA não transformará automaticamente a China numa potência global nem, muito menos, no líder do sistema mundial. Além disso, é possível afirmar que terminou definitivamente o tempo dos pequenos países conquistadores. O futuro do sistema mundial envolverá, daqui para frente, uma espécie de guerra de posições permanente entre grandes países continentais, como é o caso pioneiro dos EUA, e agora é também o caso da China, Rússia, Índia e Brasil.
O sr. tem afirmado que a partir dos anos 1970, depois da consolidação do novo sistema monetário internacional "dólar flexível", os EUAs conquistaram um poder sem precedentes no capitalismo. Mas a crise financeira recente não expôs fragilidades desse sistema? Não há um declínio nessa hegemonia?
É verdade que depois da crise dos anos 70, a política monetária dos EUA, junto com a desregulação dos seus mercados financeiros, contribuíram decisivamente para o nascimento do novo sistema monetário internacional dólar-flexível, que já dura mais do que o sistema de Bretton Woods. E não há dúvida de que esse novo sistema transferiu para os Estados Unidos um poder monetário e financeiro sem precedente na história da economia mundial. Simplesmente porque, segundo as novas regras que não foram consagradas por nenhum tipo de acordo internacional, os EUA passaram a arbitrar simultaneamente o valor da sua moeda, que é nacional e internacional a um só tempo, junto com o valor dos seus títulos da dívida, que absorvem a poupança de todo o mundo e servem de âncora para o próprio sistema liderado pela moeda norte-americana. E finalmente, como consequência, os EUA podem redefinir, a cada momento, o valor das suas próprias dívidas, sem que seus credores possam reclamar sem sair perdendo. Nesse sistema, toda crise financeira da economia americana acaba afetando, em maior ou menor grau, a economia mundial, através da própria corrente financeira global do dólar flexível. Estas crises se repetirão mas elas não são necessariamente um sinal de fragilidade. Ás vezes, podem ser até um sinal de poder e o início de um novo ciclo expansivo. De qualquer maneira, estas crises não deverão alterar a hierarquia econômica internacional, enquanto o governo e os capitais americanos puderem repassar os seus custos, para as demais potências econômicas do sistema.
Aí, o conceito de hegemonia é extremante amplo e gelatinoso. Vai desde o exercício puro e simples da supremacia militar até a ideia de liderança econômica e moral dos povos. Acho que o poder global dos EUA, hoje, já não tem a ver com o sentido gramsciano de hegemonia. Trata-se de um poder imperial global, militar e financeiro. Ele inclui a possibilidade e a necessidade destas crises, que inclusive podem acabar resultando numa escalada ainda mais ampla de poder e riqueza _como aconteceu com os EUA, depois da crise dos anos 70 do século passado. Com exceção de um pequeno período de alguns poucos anos na década de 1990, nunca ninguém acreditou que o mundo fosse unipolar. Do meu ponto de vista, dentro do sistema inter-estatal em que vivemos, o conceito de multipolaridade é rebarbativo e tem pouco relevância do ponto de vista teórico. A despeito de que seja um termo útil no mundo diplomático.

O dinamismo da China não trará necessariamente consequências geopolíticas? Ela não deverá abandonar paulatinamente sua posição de fragilidade diplomática por uma ação mais enfática na diplomacia mundial? É possível enxergar a China como potência hegemônica mundial?
Hoje não há duvida que a grande novidade dentro do sistema mundial é a expansão econômica da China, e a sua disposição crescente de lutar pela hegemonia política e militar regional, na Ásia e no Pacífico Sul. Mas do ponto de vista geopolítico, o mais provável - nas próximas duas décadas pelo menos _ é que a China se restrinja à esta luta pela hegemonia regional, mantendo-se fiel à sua estratégia atual de não provocar nem aceitar nenhum tipo de confronto fora dessa sua zona de influência. Mas se a China seguir o caminho de todas as grandes potências do sistema inter-estatal capitalista, em algum momento futuro, terá que combinar a sua nova centralidade econômica mundial com algum tipo de projeção do seu poder político e militar para fora da sua própria região imediata. Mas há que ter em conta que a China tem uma posição geopolítica desfavorável, com um território interior amplo e cercado e uma fronteira marítima muito extensa, não contando ainda com um poder naval capaz de se impor ao controle norte-americano do Pacífico Sul. Sem poder naval, a China não irá muito longe. E tomarão muitos anos ainda para que a China venha a ter uma capacidade naval capaz de ameaçar o controle marítimo global da marinha norte-americana. O próprio Japão tem uma capacidade naval maior do que a China. E, com certeza, os EUA deverão incentivar o aumento do poder militar do Japão e da Coréia, com vistas a um equilíbrio de poder regional, que contenha a China dentro de sua própria região.

Como o sr. observa a posição europeia nesse jogo de poder?
Depois de 1991, aumentou o número de sócios da União Europeia e a extensão territorial coberta pela Otan. Mas a União Europeia está cada vez mais fraca, dividida e desorientada sobre como conduzir seus assuntos internos e sobre como se reinserir no novo sistema internacional, depois do fim da guerra fria e da reunificação da Alemanha. Está ficando cada vez mais claro qual a verdadeira causa desta perda de rumo: a União Europeia não dispõe de um poder central unificado e homogêneo, capaz de definir e impor objetivos e prioridades estratégicas, ao conjunto dos seus associados. Além disto, ela está cada vez mais dividida entre os diferentes projetos para a Europa: da França, Grã-Bretanha e Alemanha, que são seus Estados líderes e que têm entre si divergências estratégicas seculares. Divergências que ficaram adormecidas até o fim da Guerra Fria, mas que reapareceram depois com a reunificação da Alemanha e o ressurgimento da velha Rússia dentro do cenário geopolítico europeu. Com a sua reunificação, a Alemanha se transformou na maior potência demográfica e econômica do continente e passou a ter uma política externa mais autônoma, centrada nos seus próprios interesses nacionais. E, nesta linha, vem se envolvendo cada vez mais com a hegemonia da Europa Central. Ao mesmo tempo, vem estabelecendo laços cada vez mais extensos com a Rússia. Uma estratégia que recoloca a Alemanha no epicentro da luta pela hegemonia dentro de toda a Europa, ofusca o papel da França e desafia o americanismo da Grã Bretanha.
Nos próximos anos, não é impossível que Alemanha e Rússia busquem uma aproximação mais estreita, uma vez que a Rússia é a maior fornecedora de energia da Alemanha e de toda a Europa, além de ser a segunda maior potência atômica do mundo. E a Alemanha tem condições de fornecer à Rússia a tecnologia e os capitais de que necessita para recuperar o dinamismo econômico indispensável à uma grande potência. Esta aproximação afetará radicalmente o futuro da União Européia e de suas relações com os Estados Unidos. Não é improvável que traga de volta a competição geopolítica dos Estados europeus que foram os fundadores do atual sistema mundial.

E a atual crise econômica na Europa? O sr. acha que o euro sobreviverá?
A atual crise econômica européia não é apenas financeira nem se restringe à insolvência de alguns Estados de menor importância econômica dentro da comunidade. Do meu ponto de vista, se trata de uma crise monetária e de insolvência do próprio euro, uma moeda que é emitida por um Banco Central metafísico, que não pertence a nenhum Estado nem está associado a nenhum Tesouro Central. O novo sistema monetário europeu começou a ser construído com o Tratado de Maastricht, em 1992, e culminou com a criação do Euro, em 2002. Baseado na suposição dos dirigentes europeus de que esta nova moeda global conduziria à criação de um poder central capaz de geri-la. Mas até hoje o euro funcionou como uma espécie peculiar de moeda semi-privada e inconclusa, sendo aceita com base na crença privada e na certeza pública de que o BCE e a Alemanha cobririam todas as dívidas emitidas pelos 16 Estados membros da eurozona. Como ocorreu até 2008, permitindo que todos estes países praticassem taxas de juros quase iguais às da Alemanha, apesar da sua imensa desigualdade de poder e riqueza. Esta situação mudou depois do colapso financeiro de 2008, quando a primeira-ministra alemã, Ângela Merkel, estabeleceu o novo princípio de que cada país europeu teria que ser responsável, a partir daquele momento, pelos seus próprios bancos e pela cobertura de suas dividas soberanas. A consequência imediata da nova posição alemã foi a crise de insolvência de alguns governos da Europa Central, no ano de 2009, contornada pela intervenção do FMI. No início de 2010, entretanto, a denúncia do novo governo socialista da Grécia, de que o déficit orçamentário grego do ano anterior havia sido maior do que o publicado inicialmente, serviu como estopim de uma nova crise. Essa crise foi magnificada pelo veto alemão, durante seis meses, a qualquer tipo de ajuda comunitária ao governo grego. Até o momento em que a situação da Grécia ameaçou se estender a outros países endividados e acabou atingindo a própria credibilidade do euro. Isso obrigou a Alemanha a aceitar a aprovação apressada do Fundo Europeu de Estabilização Financeira, com capacidade anual de mobilização de até 750 bilhões de euros. Valor suficiente para contornar a crise imediata, mas incapaz de reverter a desmoralização do sistema monetário europeu, que foi criado em 2002, sob a tutela alemã. Para corrigir esta "falha de fabricação" do euro, a França propôs a criação de um governo econômico europeu, que não foi aceito pela Alemanha. O governo alemão, por sua vez, propõe, sem o apoio francês, a criação de um Fundo Monetário Europeu, para exercer o controle rigoroso da disciplina fiscal da eurozona, com o poder de expulsão dos faltosos. O impasse permanece, mas, assim mesmo, no curto prazo, se impôs a posição alemã, favorável a um ajuste fiscal draconiano de todos os países incorporados à zona do euro. Como o ajuste está sendo aplicado em economias que já estão estagnadas e com altas taxas de desemprego, é como colocar gasolina na fogueira e apostar numa profunda e prolongada recessão como fizeram os EUA no início da crise da década de 1930. Mas nada disto resolverá o problema da insolvência do euro, porque a moeda europeia só terá valor efetivo no momento em que for lastreada por um poder e por um tesouro central capazes de assumir a responsabilidade permanente pela sua sustentação, com base na sua capacidade de tributação e endividamento. Se isto não acontecer, e se os pequenos estados europeus não aceitarem a condição de províncias fiscais da Alemanha, o sistema monetário europeu e o próprio euro_ estão com seus dias contados.

Como o sr. avalia a aproximação entre EUA e Rússia?
Qualquer discussão sobre o futuro desta relação entre EUA e Rússia tem que partir do fato que os EUA seguirão sendo o pivot militar da Europa por muito tempo. Pelo menos enquanto mantiverem o controle das forças da Otan e dos arsenais atômicos da Alemanha, Itália, Bélgica, Holanda e Turquia. Neste sentido, a iniciativa ainda está nas mãos dos EUA. E os EUA têm pelo menos duas grandes alternativas estratégias possíveis com relação a como se conduzir com a Rússia. A primeira alternativa é manter a estratégia clássica, definida por Alfred Mackinder, no final do século 19. A mesma estratégia que foi seguida pela Grã-Bretanha, durante o século 19, e que foi mantida pelos EUA, depois do fim da Segunda Guerra Mundial: cercar e Rússia e impedir de todas as maneiras a sua aproximação da Alemanha. Esta foi de novo a opção dos EUA, depois do fim da guerra fria, com a incorporação militar da Europa Central à Otan e o estabelecimento de bases militares americanas nos territórios da Ásia Central, como forma de apoio às guerras do Iraque e do Afeganistão. Mas existe a possibilidade de uma segunda alternativa, mais inovadora e ousada, que poderia redesenhar o mapa geopolítico da Europa e do mundo, com efeitos imediatos sobre a geopolítica da Ásia Central e do Oriente Médio. Nesse caso, os EUA promoverão uma acordo de médio prazo de pacificação da fronteira russa, junto com uma acomodação negociada com o Irã, envolvendo o apoio da Rússia e a simpatia implícita da Alemanha. Sendo assim, a Rússia daria uma contribuição decisiva para a estabilização da Ásia Central e do Oriente Médio. Neste caso, através de uma negociação envolvendo o Irã e a Turquia, com vistas à construção de um novo equilíbrio de poder regional. Em troca disto, a Rússia teria o apoio norte-americano para retomar sua zona de influencia, e reconstruir sua hegemonia nos territórios perdidos depois da guerra fria. Desde que fosse sem o uso das armas, pelo caminho do mercado e das pressões diplomáticas, como lhes foi permitido e aconteceu com a Alemanha e o Japão, a partir da década de 1950. Esta aliança estratégica com a Rússia ajudaria a bloquear a expansão chinesa, e envolveria o apoio econômico americano ao desenvolvimento do capitalismo russo, com vistas à sua superação do seu viés atual, de natureza primário-exportadora. Mas não há que esquecer que Roosevelt tentou levar à frente uma estratégia parecida de incorporação da URSS, em 1945. Mas sua proposta foi atropelada pela sua morte e pela estratégia desenhada por Churchill e Truman, que levou à guerra fria. De novo, o projeto de Barack Obama pode revolucionar a geopolítica mundial, mas também pode ser atropelado pelas mudanças presidenciais que ocorrerão nos EUA e na Rússia, no ano de 2012. Mas, antes disso, o grande jogo de Barack Obama pode escapar-lhe ao controle, porque os EUA podem não conseguir conter ou controlar todas as forças sociais e políticas despertas, ou estimuladas, por esta gigantesca mudança geopolítica, dentro de cada um dos países envolvidos, na Ásia Central, no Oriente Médio e no Norte da África.

As crises capitalistas têm muitas vezes desaguado em guerras de grandes proporções. O sr. enxerga essa possibilidade?
Acho que devem multiplicar-se os conflitos localizados dentro do sistema mundial, envolvendo sempre os EUA, de uma forma ou outra. Mas não vejo no horizonte a possibilidade de uma grande guerra hegemônica do tipo das duas grandes guerras mundiais do século 20.

A América Latina poderá deixar sua condição tradicional de periferia exportadora para as grandes potências?
Na segunda década do século 21, depois de ultrapassados os efeitos imediatos da crise de 2008, o mais provável é que a América do Sul se mantenha na sua condição tradicional de periferia econômica exportadora. Mesmo quando se ampliem e diversifiquem seus mercados na direção da Ásia e da China. Para mudar essa rota, seria necessário uma decisão de Estado e uma capacidade coletiva de manter em pé o projeto integracionista, independentemente dos conflitos e divergências locais e das próprias mudanças futuras de governo. Além disso, seria preciso levar à frente a integração da infraestrutura física energética do continente e desenvolver cada vez mais o seu mercado interno, com a redução da sua dependência macroeconômica às flutuações dos mercados compradores e dos preços internacionais. Nesse ponto, não existe meio termo: os países dependentes da exportação de produtos primários, mesmo no caso do petróleo, serão sempre países periféricos, incapazes de comandar sua própria política econômica, e incapazes de comandar sua participação soberana na economia mundial. De qualquer maneira, o futuro da América do Sul será cada vez mais dependente das escolhas e decisões tomadas pelo Brasil. E o tempo urge porque se o Brasil seguir submetido aos desígnios dos mercados internacionais se transformará, inevitavelmente, numa economia exportadora de alta intensidade, de petróleo, alimentos e commodities, uma espécie de periferia de luxo das grandes potências compradoras do mundo. Como foram, no seu devido tempo, a Austrália e Argentina ou o Canadá, mesmo depois de industrializado. E se isto acontecer, o Brasil estará condenando o resto da América do Sul à sua condição histórica secular, de periferia primário-exportadora da economia mundial.

Como deverá evoluir a relação do Brasil com os EUA?
Hoje, o Brasil é o único país da América do Sul que tem capacidade e possibilidade de construir um caminho novo dentro do continente, combinando indústrias de alto valor agregado com a produção de alimentos e commodities de alta produtividade, sendo, ao mesmo tempo, auto-suficiente do ponto de vista energético. Entretanto, esta não é uma escolha puramente técnica ou econômica. Ela supõe uma decisão preliminar, de natureza política e estratégica, sobre os objetivos do Estado e da inserção internacional do Brasil. E, neste caso, existem duas alternativas para o Brasil: manter-se como sócio preferencial dos Estados Unidos na administração da sua hegemonia continental, ou lutar para aumentar sua capacidade de decisão estratégica autônoma, no campo da economia e da sua própria segurança, através de uma política hábil e determinada de complementaridade e competitividade crescente com os Estados Unidos, envolvendo também as demais potências do sistema mundial, no fortalecimento da sua relação de liderança e solidariedade com os países da América do Sul. Seja como for, é absolutamente certo que as escolhas brasileiras serão decisivas para o futuro da América do Sul.
Por outro lado, entre as chamadas potencias emergentes ou continentais, como a China, Índia e, talvez, Turquia, Irã e Indonésia, o Brasil é o país com maior potencial de expansão pacífica, dentro da sua própria região. Com a diferença essencial de que seu principal competidor na América do Sul são os próprios Estados Unidos. Mas, ao mesmo tempo, a expansão do Brasil, dentro e fora da América do Sul, contou até aqui com a vantagem de ser uma potência desarmada, porque de fato está situado na zona de proteção atômica incondicional dos Estados Unidos. Além disso, Brasil também usufruiu da condição de país ou nação formada dentro da mesma matriz cultural e civilizatória que os EUA. Mas chegará o momento em que o Brasil terá que tomar algumas decisões fundamentais com relação a estes dois pontos que favoreceram até aqui a expansão da sua influencia internacional. Em primeiro lugar, terá que definir o seu próprio projeto mundial e sua especificidade com relação aos valores, diagnósticos, e posições dos europeus e norte-americanos, com relação aos grandes temas e conflitos da agenda internacional. E, em seguida, o Brasil terá que decidir se aceita ou não a condição militar de aliado estratégico dos Estados Unidos, da Grã-Bretanha e da França, com direito de acesso à tecnologia de ponta como no caso da Turquia ou de Israel, por exemplo mas mantendo-se na zona de influência, proteção e decisão estratégica e militar dos Estados Unidos e de seus principais aliados europeus. Ou seja, o Brasil terá que decidir o seu lugar no mundo, a partir do seu pertencimento originário à tradição européia e cristã, que o distingue e distancia inevitavelmente, das outras tradições e potências continentais que deverão estar competindo com os Estados Unidos e entre si pela liderança mundial nas próximas décadas. E terá que decidir se quer ou não, ter algum dia a capacidade de sustentar suas posições fora da América do Sul com seu próprio poder militar.

Qual a importância do Mercosul?
O Brasil controla atualmente metade da população e do produto sul-americano, é hoje o player regional mais importante no tabuleiro geopolítico da América do Sul. Vem tendo uma presença cada vez mais afirmativa, mesmo na América Central e no Caribe. O Brasil aceitou o comando da missão de paz das Nações Unidas, no Haiti, tomou uma posição decidida a favor da reintegração de Cuba na comunidade americana e tem defendido, em todos os foros internacionais, o fim do bloqueio econômico à Cuba. Ao mesmo tempo, tem exercido uma razoável influência ideológica sobre alguns governos de esquerda da América Central e tomou uma posição rápida e dura frente ao golpe de Estado militar de Honduras, em junho de 2009, e na tensão com os Estados Unidos, com respeito à coordenação da ajuda ao Haiti, no terremoto de Porto Príncipe, no início de 2010. Mas apesar do seu maior ativismo diplomático, o Brasil ainda não tem possibilidade de competir ou questionar o poder americano, no seu mar interior caribenho. Na América do Sul, entretanto, o Brasil tem demonstrado, nestes últimos anos, vontade e decisão de defender seus interesses e o seu próprio projeto de segurança e de integração econômica do continente. Com a expansão do Mercosul, a criação da Unasul e do Conselho Sul-Americano de Defesa, o Brasil contribuiu para o engavetamento do projeto da Alca e reduziu a importância do Tratado Interamericano de Assistência Recíproca e da Junta Interamericana de Defesa, que contam com o aval dos Estados Unidos. Além disto, o Brasil teve uma participação ativa e pacificadora nos conflitos entre Equador e Colômbia e entre Colômbia e Venezuela. E fez uma intervenção discreta e eficiente para impedir que o conflito interno da Bolívia se transformasse numa guerra de secessão territorial na sua própria fronteira e bem no coração da América do Sul. Além disto, em 2009, o Brasil assinou um acordo estratégico militar com a França, que deverá alterar a relação do Brasil com os EUA e transformar o país, em alguns anos mais, na maior potência naval da América do Sul, com capacidade simultânea de construir submarinos convencionais e atômicos e de produzir os seus próprios caças bombardeiros. Essa decisão não caracteriza uma corrida armamentista entre o Brasil e seus vizinhos do continente nem, muito menos, com os EUA. Mas sinaliza uma mudança da posição internacional brasileira e uma decisão brasileira de aumentar sua capacidade político-militar de veto, dentro da América do Sul, com relação às posições norte-americanas..

Nos momentos de crise forte não faltam os que afirmam vislumbrar a "crise final do capitalismo". Immanuel Wallerstein, por exemplo, acha que "a civilização capitalista chegou ao outono de sua existência". Por que o sr. discorda dessa tese?
Acho que já expus meu ponto de vista nas respostas anteriores. Mas podemos voltar ao assunto de forma mais direta e clara. É verdade que na crise dos anos 70 do século passado falou-se muito de fim da hegemonia americana e, inclusive, em alguns casos, em crise estrutural ou final do próprio capitalismo. E, no entanto, hoje está claro que a crise dos anos 70 não enfraqueceu o poder americano. Muito pelo contrário, transformou-se no ponto de partida de uma escalada no processo de acumulação vitoriosa do poder e da riqueza dos EUA, em escala planetária. E, agora, de novo, neste início do século 21, voltou-se a falar de uma crise terminal do poder americano e do capitalismo. Mas não existem evidências convincentes de que este colapso esteja ocorrendo ou vá ocorrer nos próximos tempos. A crise hipotecária e financeira americana, de 2007/2008 não se transformou numa crise econômica global. E não é provável que ela possa repetir, a médio prazo, a crise da década de 1930 ou, mesmo, a da década de 1970. O fracasso político norte-americano no Iraque não diminuiu o poder militar dos Estados Unidos, que segue sendo muito superior ao de todas as demais potências juntas. A economia norte-americana segue sendo a mais poderosa do mundo e mantém sua capacidade de inovação. Os Estados Unidos seguem controlando cerca de 70% de toda a informação produzida e distribuída ao redor do mundo. A moeda internacional segue sendo o dólar. O déficit externo não ameaça os Estados Unidos neste novo padrão monetário internacional dólar-flexível. E os Estados Unidos não parecem estar sem os "os meios e a vontade de continuar conduzindo o sistema de Estados na direção que seja percebida como expandindo não apenas o seu poder, mas o poder coletivo dos grupos dominantes do sistema", como pensava Giovanni Arrighi. As dificuldades políticas e econômicas dos Estados Unidos, no final da primeira década do século 21, poderão se prolongar e aprofundar. Mas, do nosso ponto de vista, com certeza não se trata do fim do poder americano nem, muito menos, da economia capitalista.

De qualquer maneira, o problema de fundo de todas estas profecias terminais não está na sua leitura imediata da conjuntura internacional deste início do século 21. Seu ponto fraco está na confusão que fazem entre planos e tempos históricos diferentes. O historiador francês Fernand Braudel falava da existência de pelo menos três tempos históricos diferentes: o tempo breve, da vida política imediata, do tempo cíclico, da vida econômica, e da longa duração, das grandes estruturas históricas. Sem distinguir estes planos e estes tempos diferentes pode-se confundir, com facilidade, o fim de um ciclo normal da economia capitalista com uma crise estrutural ou terminal do próprio capitalismo. E pode se considerar catastrófico um declínio relativo de um país que tenha acumulado uma quantidade excepcional poder, após uma guerra vitoriosa, como foi o caso dos Estados Unidos, depois de 1945, e depois de 1991. A partir deste momento vitorioso, é inevitável que a potência ganhadora perca posições relativas dentro da hierarquia mundial do poder e da riqueza, na medida em que avança a reconstrução dos Estados e das demais economias que foram derrotadas ou foram destruídas pela guerra. Nestes períodos de recuperação, a velocidade da reconstrução física e militar e do crescimento econômico dos derrotados ou destruídos tende ser maior do que o da potência líder. O que não se percebe, muitas vezes, é que a reconstrução e aceleração do crescimento destes países é, ao mesmo tempo, indispensável, para a acumulação de poder e riqueza da potência que está em "declínio relativo". E que esta potência em declínio é indispensável para o ascenso relativo das outras potências que estão se aproximando ou ultrapassando a potência líder. Por isso, se pode falar de um "declínio relativo" do poder americano, com relação à China, como já se falou do declínio do poder econômico norte-americano, com relação ao Japão e à Alemanha, na década de 1970. Mas esse declínio relativo dos Estados Unidos não significa, necessariamente, um colapso do seu poder econômico e da sua supremacia mundial. De qualquer maneira, por trás da visão de Wallerstein, como da minha própria, existem teorias diferentes sobre a origem e a dinâmica do sistema mundial. Wallerstein e Arrighi vêem a história mundial como uma sucessão de ciclos hegemônicos ou de acumulação de capital. Enquanto eu vejo este mesmo sistema como um "universo" em expansão contínua. Onde todos os Estados que lutam pelo poder global, em particular as grandes potências, estão sempre criando, ao mesmo tempo, ordem e desordem, expansão e crise, paz e guerra, sem perder sua preeminência hierárquica dentro do sistema. A visão deles está mais próxima da biologia e dos seus ciclos vitais. Enquanto a minha está mais próxima da física termodinâmica e da teoria das estruturas dissipativas.

Qual sua avaliação da vista de Obama ao Brasil?
Teria sido uma visita irrelevante, quase um passeio de fim de semana da família Obama, se não tivesse sido usado para fazer uma demonstração imperial do poder americano. Ao encenar uma decisão de guerra, que já tinha sido tomada e que foi deixada para ser anunciada em território brasileiro, antes de um almoço festivo do Itamaraty. Deixando nosso país numa posição rebaixada e colocando nossos governantes na posição de pró-cônsules de uma província imperial, na hora em que faziam o ridículo de anunciar um novo "tratamento entre iguais". Faltou um mínimo de altivez aos nossos governantes e ex-governantes presentes na confraternização do Itamaraty. Para nem falar das autoridades cariocas que se comportaram como se fosse apenas tietes de auditório.

http://www1.folha.uol.com.br/mundo/8967 ... iori.shtml (http://www1.folha.uol.com.br/mundo/896777-guerra-na-africa-e-nova-corrida-imperialista-diz-fiori.shtml)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 04, 2011, 10:25:05 pm
Faça-nos um resumo, e coloque o link por favor.

A verdade é que ninguém vai ler tanto texto, e quando começa com a tradicional ladainha do Hugo Chavez, já se sabe o que nos espera...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 04, 2011, 10:50:24 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 06, 2011, 12:14:31 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 08, 2011, 07:03:18 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Luso-Efe em Abril 08, 2011, 11:27:16 pm
Inicialmente pensei que isto seria mais rápido e que os rebeldes com o apoio da aviação da NATO iam tomar conta daquilo, mas parece que se instalou um impasse e que o Kadafi é mais dificil de derrubar do que parecia e se dizia no inicio.

Visto que a França, EUA e Inglaterra se recusam a mandar homens para o terreno, penso que não vai ser fácil sair daqui a menos que haja uma solução negociada.  :!:

Esperemos para ver.

Cumprimentos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 09, 2011, 11:30:42 am
Não me lembro de alguém dizer que seria fácil ou mesmo relativamente fácil.
A unica coisa a fazer neste momento é tentar isolar o regime tanto quanto possível.

A ideia de que os rebeldes são completamente apoiados pela NATO sempre foi um disparate, inventado pelos loucos das teorias da conspiração.

A haver comunicação ela aparenta ser mínima, pois como aconteceu há dois dias atrás, o único pelotão de tanques que os rebeldes conseguiram organizar, foi destruído pela aviação da NATO em alguns minutos.
Se do lado da NATO nem sequer têm informação sobre algo tão importante como o movimento do que era praticamente a única unidade de viaturas pesadas dos rebeldes, então eles só devem utilizar a comunicação para dizer bom dia e boa tarde.

Os rebeldes na Cirenaica não têm capacidade para montar uma ofensiva.
Há quem diga, com alguma lógica, que eles precisam ainda mais de treino militar que de armamento.

Bastaria ver aquelas fugas desorganizadas em que vemos automóveis  com apenas o condutor a fugir. Há engarrafamentos de transito de viaturas dos rebeldes.
Naquelas circunstâncias, mesmo que existisse uma segunda linha de apoio (coisa que não existe) com forças móveis que pudessem ser enviadas para «tapar buracos» o apoio nunca poderia chegar porque as principais vias estão cheias de carros que se movem em sentido contrário.
Esta situação faz-me pensar na guerra civil de Espanha, em que as milícias republicanas actuavam sem grande coordenação. No entanto na Líbia o Kadafi tem um problema. Ele não tem um claro fornecedor de armas. Se os rebeldes aguentarem, o Kadafi também começará a ter problemas.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: ACabral em Abril 09, 2011, 07:09:52 pm
Há forças especiais ocidentais no terreno. Em número reduzido, mas estão lá. A sua função é dar um pouco de organização àqueles rebeldes. O problema é a guerra urbana, onde os ataques aéreos ocidentais pouco ou nada podem fazer. Agora, o seguinte passo é o desgaste do regime, enquanto a oposição se rearma.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Luso-Efe em Abril 09, 2011, 07:57:06 pm
Patantango.

Eu pessoalmente pensava que ia ser trigo limpo, pensei sinceramente que os rebeldes com o apoio da aviação pusessem aquilo de pantanas em pouco tempo, apesar da sua notória falta de organização, e pensei isto porque o exército líbio é um exercito pequeno, visto que Kafafi nunca o quis muito poderoso com medo que lhe fizessem o mesmo que ele fez à 40 anos ao monarca Líbio.

Para alem disso, quando vi aquele porta-voz a falar na televisão Líbia, fez-me lembrar aquele lunático Iraquiano, que em 2003 dizia que os americanos estavam a ser derrotados, como se isso fosse possível por parte do impreparado e mal equipado exercito de Saddam, ele dizia isso, quando na verdade os americanos estavam quase a aquecer-lhe as costas com artilharia de longo alcance. :roll:

Cumprimentos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 11, 2011, 06:17:43 pm
Perante a situação de impasse e considerando a situação no terreno, já pensei várias vezes no que poderia ser feito para vencer as forças de Kadafi.

Proponho um exercício

Considerando que:
Não há tempo para formar pessoal, que material deveriam os rebeldes possuir que lhes permitisse atingir pelo menos Misratah e posteriormente chegar a Tripoli ?

Que tipo de organização deveria ser implementada ?

Que tipo de unidades seriam mais eficazes ?

Que soluções deveriam ser implementadas para impedir o continuo avanço e recuo dos rebeldes no terreno ?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Abril 11, 2011, 09:38:15 pm
Sem dúvida, e dado os "conhecimentos " técnicos, RPG7, e morteiros de 81, e 120 mm, conjugados com os Katiuska a que eles estão tão habituados..

A nível de organização....Eles só sabem andar para a frente e para trás na estrada, o que vale é que o Exército de Kadhafi não é assim tão "pro" senão já os tinham emboscado em vários sitios, pois sabem que eles so se movem na "estrada"... :|
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: LuisC em Abril 12, 2011, 12:25:54 am
Por muito equipamento que se lhes forneça, receio que sem a presença de “conselheiros” no terreno a organizarem as forças rebeldes, o impasse vá continuar.
As forças de Kadhafi ainda não dizimaram as desorganizadas forças rebeldes porque estão a braços com a aviação da NATO, caso contrário…
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 12, 2011, 12:49:46 am
Pois é......... Já estou como o caro Pilão251; "trotil where is my trotil...."  :lol:

Pobres dos que se atreverem algum dia a cruzar as fronteiras desta nação  :lol:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 12, 2011, 02:26:14 pm
Citar
Sem dúvida, e dado os "conhecimentos " técnicos, RPG7, e morteiros de 81, e 120 mm, conjugados com os Katiuska a que eles estão tão habituados..
Eu fico com a impressão de que os rebeldes não sabem para que servem os RPG's.

Já vi vários casos em que eles atiram para cima, para utilizar o RPG como se fosse um morteiro, Como sabemos, isso é tão util como os tiros para o ar que eles atiram.
No máximo um tiro para o ar só pode atingir alguém quando o projectil cai em cima da cabeça.

Os Katiusha do meu ponto de vista são um dos problemas que eles parecem ter.
Vemos nas imagens da televisão, que no seguimento de disparos dos Katiusha, normalmente há uma debandada porque começam a chover projecteis de morteiro.
Isto quer dizer que os mercenários do Kadafi têm algum treino militar e sabem como fazer fogo de contra-bateria.
Presentemente os rebeldes parecem juntar-se todos à volta do lançador para ver o fogo de artificio, quando o que deveriam fazer era enviar um pequeno grupo com o lançador, efectuar os disparos e fugir do local imediatamente, para evitar os efeitos inevitáveis da resposta.

Logo, na minha opinião:
RPG's : Estão a ser utilizados ineficientemente, porque eles não se aproximam das viaturas para poderem utiliza-los
Katiusha : São imans para o fogo das forças do Kadafi.



O problema do flanqueamento

A guerra no deserto do norte de África apresenta hoje o mesmo problema que apresentou durante a II guerra mundial. As forças motorizadas porem flanquear uma posição defensiva e ataca-la por trás.
Os britânicos durante a última ofensiva do Rommel, fortificaram-se na posição de El-Alamein, exactamente porque a sul, havia um obstáculo intransponível, conhecido como «depressão de Qatara», uma área de areias de baixa densidade, onde os tanques se podiam afundar ou atolar.
Mas entre Sirte e Benghazi não há nenhuma depressão de Qatara.

A minha opção passaria por criar pelotões independentes que pudessem ser colocados em pontos fortificados, de forma a que pudessem bater uma área do deserto e apoiar-se umas às outras.
Embora no deserto seja quase impossível fazer emboscadas.
Bulldozers e protecções em cimento armado, poderiam servir para que os rebeldes não fugissem com a mesma facilidade.

A mobilidade das forças é da maior importância e em África os conflitos transformaram-se em guerras de exércitos de pickups japonesas e coreanas.
O veículo militar mais eficaz parece ser a Toyota Hilux armada com uma metralhadora pesada de 12.7mm (e algumas de 14.5mm).
Eles também parecem precisar são camiões para transporte, porque não se pode fazer uma guerra montado em viaturas civis.

A juntar a estas considerações:
- Segundo os dados disponíveis os rebeldes estão em desvantagem numérica e apenas compensam essa desvantagem com a moral mais elevada.
- Para chegarem mais além, eles precisam de pelo menos algumas viaturas blindadas e o stock parece estar a esgotar-se.
- O problema da logistica parece atingir os dois lados. As forças de Kadafi parecem não ter capacidade para atingir Benghazi e os rebeldes são incapazes de atingir Sirte.
Logo, a situação parece que atingiu um ponto de impasse, que leva à necessidade de uma intervenção europeia em favor dos rebeldes.

Entre as questões a colocar está a seguinte:
Onde encontrar as armas necessárias, já que terão que ser armamentos de origem russa ou chinesa ?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 12, 2011, 05:27:35 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 13, 2011, 10:53:09 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 14, 2011, 05:05:51 pm
NATO promete continuar na Líbia enquanto Kadhafi ameaçar o povo

(http://1.bp.blogspot.com/-mMy6QImb4EE/TYoJ3EmQmbI/AAAAAAAAL_4/lUwc5lRYTW4/s1600/NATO-OTAN.jpg)

A NATO comprometeu-se hoje a fornecer «todos os recursos necessários» e manter os seus ataques aéreos na Líbia enquanto o regime de Muammar Kadhafi continuar a magoar e a ameaçar à população. Segundo o secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, disse em conferência de imprensa que os aliados estão «determinados» a concluir a sua missão de proteger os civis.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO acordaram em Berlim que os objectivos na Líbia não estarão concluídos até que Kadhafi acabe com os ataques, que as suas forças se tenham retirado das ruas e o apoio humanitário à população tenha entrado no país.

«Com este fim, estamos comprometidos a fornecer todos os recursos necessários e a máxima flexibilidade operacional dentro do nosso mandato», assinalou o dinamarquês.

Segundo fontes diplomáticas, nos últimos cinco dias, as bombas da aliança destruíram mais de 70 tanques do regime de Trípoli.

Rasmussen reiterou mais uma vez que a operação militar por si só não vai pôr fim ao conflito líbio e manifestou o seu apoio ao trabalho do Grupo de Contato para a Líbia reunido na véspera em Doha.

Nesse sentido, os ministros da NATO salientaram num texto de conclusões que Kadhafi e o seu regime «perderam toda a sua legitimidade».

Apesar de a aliança insistir em manter a sua independência, Rasmussen reuniu-se na véspera pela primeira pessoalmente com os rebeldes, ao conversar em Doha com o representante diplomático Mahmoud Jibril.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Abril 14, 2011, 11:13:25 pm
Julgo que a OTAN deveria fazer algo mais neste conflito . O arrastar do mesmo de certeza que não será benéfico nem para os Líbios nem para o Sul da Europa nem para a OTAN. Quando os conflitos não parecem ter fim à vista , quando os avanços e recuos são frequentes , quando não há uma ideia concreta de como acabar rapidamente o conflito e recomeçar a construção do país com um regime mais liberal  e com maior respeito dos Direitos Humanos , estes conflitos tornam-se espaços predilectos para que organizações fundamentalistas ganhem terreno e apoio popular.
O prolongar do conflito na Líbia poderá dar uma nova força a Muammar Kadhafi , e poderá retirar a vontade de lutar dos Líbios que revoltaram-se contra ele .
Enfim , isto é só a minha opinião .

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 15, 2011, 04:52:09 pm
França aposta em ataque a centros de comando e arsenais de Kadhafi


O ministro de Defesa francês, Gérard Longuet, defendeu hoje o ataque aos centros de comando e arsenais do líder líbio, Muammar Kadhafi, em vez de armar os rebeldes. Em entrevista à televisão francesa LCI, Longuet garantiu que os ataques devem ser organizados «para que não seja necessário equipar militarmente» as forças rebeldes que lutam contra Kadhafi.

«Essa é a razão pela qual a França e o Reino Unido querem mostrar a sua determinação, incluindo ataques aos centros militares na Líbia e aos armazéns logísticos», afirmou o ministro.

Para Longuet, o objectivo da acção armada dos aliados «não é criar uma frente, é pressionar os militares de Kadafi a voltarem a seus quartéis" para «evitar uma guerra civil».

O responsável de Defesa reconheceu que a declaração comum publicada esta sexta-feira pelos presidentes dos Estados Unidos, Barack Obama, da França, Nicolas Sarkozy, e o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, na qual exigem a saída de Kadhafi, pode ser considerada além do âmbito da resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU, que limita impor bloqueio aéreo e proteção aos civis.

Questionado se a declaração não ultrapassa o mandato da ONU, Longuet afirmou: «Com certeza, porque a mesma não fala do futuro de Kadhafi».

«Mas acho que três grandes países com um discurso afinado é importante para a ONU e, pode ser que algum dia, o Conselho de Segurança adopte uma resolução» nova, assinalou.

Confessou que alguns países, como a Rússia, China e Brasil, vão travar esta iniciativa, mas pediu aos mesmos que a apoiem, porque «nenhuma grande nação deve aceitar que um chefe de Estado solucione os seus problemas bombardeando a sua população».

O ministro indicou que o objectivo desta declaração conjunta é deixar claro que não há futuro com Kadhafi, uma mensagem dirigida aos fiéis do líder líbio.

«O objectivo é empurrar as pessoas de Trípoli a abandonar Kadhafi», afirmou o ministro, que considerou que «juntamente com a acção militar haja uma abertura política para que os líbios possam encontrar-se e imaginar um futuro» sem ele.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 17, 2011, 05:47:49 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Abril 18, 2011, 03:20:38 pm
Citação de: "papatango"
Perante a situação de impasse e considerando a situação no terreno, já pensei várias vezes no que poderia ser feito para vencer as forças de Kadafi.

Proponho um exercício

Considerando que:
Não há tempo para formar pessoal, que material deveriam os rebeldes possuir que lhes permitisse atingir pelo menos Misratah e posteriormente chegar a Tripoli ?

Que tipo de organização deveria ser implementada ?

Que tipo de unidades seriam mais eficazes ?

Que soluções deveriam ser implementadas para impedir o continuo avanço e recuo dos rebeldes no terreno ?


Na minha opiniao de leigo em materia de estrategia militar a soluçao passaria por usar o katiusha como "isco"
depois de disparado esperava-se que a resposta dos militares do regime revelasse as suas posições,  nao havendo capacidade  por parte  rebeldes para atacar essas posições caberia à NATO "limpar" o terreno
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 19, 2011, 04:55:42 pm
Reino Unido envia equipa para aconselhar rebeldes líbios


O Reino Unido vai enviar uma equipa militar para aconselhar os rebeldes na cidade de Bengazi, de modo a ajudar o Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio a «melhorar a sua estrutura, comunicação e logística» na luta contra o regime de Kadhafi.
O anúncio foi formalizado pelo ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, William Hague, ao frisar que «o contingente vai integrar oficiais militares britânicos com experiência» face à «necessidade de proteger os cidadãos [líbios]».

O ministro classificou o CNT como um «legítimo interlocutor político» que vai ser «aconselhado para as melhores maneiras de protecção dos cidadãos».

Contudo, William Hague esclareceu que as operações não pressupõem o envolvimento de oficiais britânicos nas operações militares dos rebeldes.

«De acordo com a resolução [da ONU], os nossos oficiais não se vão envolver no treino e armamento das forças da oposição, nem estarão envolvidos nos planeamentos ou execução das operações militares», assegurou.

Por outro lado, William Hague remete justifica a decisão precisamente com a resolução de 1973 do Conselho de Segurança da ONU, que sustenta a intervenção militar na Líbia.

«[A resolução] autoriza os estados-membros a tomar todas as medidas necessárias para proteger os cidadãos sob ameaça de ataques por parte de Muammar Kadhafi», realçou.

A decisão surge um dia após o Reino Unido ter igualmente divulgado que vai financiar as operações de evacuação de 5 mil pessoas da cidade de Misrata.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Miguel em Abril 19, 2011, 05:51:57 pm
Confirmado por varias fontes, que Al Quaida combate ao lado dos Rebeldes antiKadafi.

Estamos metidos numa :oops:

Por isso que vem desculpas que nao temos muniçoes etc... julgo que neste momento a decisao dos americanos é de esperar é nao precipitar a queda do Kadafi.

Dificil de escolher entre um terrorista e futuros terroristas!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 19, 2011, 06:17:22 pm
Pois é, mas quando aqui se avisou contra a imprudência e estupidez do gesto francês, tudo porque se apostou no cavalo errado e iria haver retaliações por parte do Kadhaffi às empresas francesas e inglesas, levou-se o rotulo de comuna e outras bestialidades do género. Coisinhas típicas de quem não pensa por si mesmo e não tem como rebater argumentação, mas agora, descalcem a bota.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 19, 2011, 07:27:49 pm
A existência de gente de alguma forma ligada ao extremismo islâmico na Líbia não é nem era novidade para absolutamente ninguém que se debruçasse sobre a questão do regime de Kadafi.

Mas essas ligações, repito - CONHECIDAS - não são suficientes para que se deixasse os comunistas assassinar a população de uma cidade com mais de um milhão de habitantes.
E SIM, CHAMEM-LHES COMUNISTAS, MARXISTAS OU «Filhos de uma grandecissima» ...
Aqueles que criticaram o ataque aéreo contra as tropas dos animais marxistas são tão maus ou piores que a Alqaeda.
O que queriam que tivesse sido feito ?
Que o mundo ficasse quieto ?

Quanto não se levantariam contra a dualidade de critérios, se o Kadafi tivesse sido autorizado a massacrar a população civil de Benghazi ?
SERIAM OS MESMOS QUE CRITICARAM O ATAQUE, OS PROFISSIONAIS DO CONTRA !

O Brasil, por exemplo, também está minado de células de terroristas e de extremistas que defendem a Alqaeda e atacam Israel.
Devemos cortar relações diplomáticas com o Brasil, só porque eles deixam a Alqaeda agir livremente e espalhar a sua propaganda à vontade, nomeadamente  em fóruns na Internet onde o anti-semitismo atinge níveis pornográficos ?

As coisas devem ser analisadas no seu contexto. Se for necessário fazer sacrifícios para evitar o massacre de milhares de pessoas, então esses sacrifícios são justificáveis.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 19, 2011, 08:41:16 pm
[editado pela moderação], apostava um dedo em como vinhas logo a morder e vieste. Essas ligações não importam no caso da Líbia, mas no caso do Egipto, vieste logo para aqui gritar D'el Rey que os gajos são uma cambada de extremistas e que a Irmandade Muçulmana é uma cambada de fascinoras. Ou a pérola única, digna de um Béria ou de um Kim sobre o que se passava no Bahrein; "um pai que dá tabefes em crianças mal comportadas".

Tentas arranjar justificações de massacres onde sabes muito bem que não existem nem existiriam pois qualquer gajo com dois olhos e o mínimo de conhecimento tactico-militar sabe que as acções do lunático foram medidas com extrema cautela para tentar evitar o que acabou por acontecer (ou seja e intervenção internacional)

(...) apoias acções que em última instância, prejudicam a nossa Nação que tanto dizes amar e defender. (...)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: ShadIntel em Abril 19, 2011, 09:12:55 pm
Façam o favor de resolver os conflitos pessoais em privado.

Podem argumentar de forma animada sem recorrer ao insulto.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano Invicto em Abril 19, 2011, 10:38:54 pm
- Depois do que vi,  tinha que intervir, este senhor FoxTroop deve pensar que é o boss aqui do fórum, e que isso lhe dá direito de insultar tudo e todos.

- Desta vez a vitima foi o Papatango, só quero lembrar que este senhor a mim já me enxovalhou também a mim no tópico das presidenciais, e sendo assim não poderia deixar de lhe dar o o devido troco.

- A mim encheu-me de troll cavaquista e papagaio de propaganda, fica aqui amensagem na integra.

“E eu presumo que seja um perfeito troll, um cavaquista daqueles com foto do dito na mesa de cabeceira e tudo ou então, quiçá, um simples papagaio de propaganda, e agora?”

viewtopic.php?f=21&t=9691&start=30 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=21&t=9691&start=30)

- Na altura denunciei a menagem aos moderadores, mas pelos vistos ele diz o que quer e bem lhe apetece, acho que desta vez passou todos os limites.

- Iniciou a mensagem a chamar "Palhacito" ao Papatango, de seguida ainda lhe chama "Filho de uma gradessissima", e no fim não fixei tudo porque entretanto a mensagem foi editada e essa parte apagada, sairam mais umas bacoradas lindas, do genero " a ideologia tolda-te os miolos e os neurónios" e mais uns mimos do genero que não me lembro, mas bom rapaz é que não chamou de certeza ao Papatango.

- Tudo isto é o cumulo da má educação, e a moderação não deve estar com contemplações, gente desta não interessa ao fórum.

- Acho muito estranho que a moderação tenha encoberto e apagado o que este senhor disse, é bem que se veja que é para revelar quem verdadeiramente é este senhor Fox Troop.

- Em relação ao tema, só tenho a dizer que a operação tinha os seus riscos, agir é um risco calculado, não agir teria também os seus contras, vamos ver no que dá.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Abril 19, 2011, 10:49:06 pm
Há pessoas que neste fórum são imaculadas...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 19, 2011, 11:17:20 pm
Pois há pessoas imaculadas há, sim senhor. Tanto que parte da minha mensagem foi apagada, (ou seja a parte em que respondo à letra ao insulto do PT à minha pessoa), mas o insulto dele continua lá na mesma.

Mas se a moderação assim entende, assim será e quanto a gente que interessa ao fórum é para mim bastante triste ver a cada dia mais que passa, a ausência de grandes valores deste fórum, valores com quem aprendi muito e tive o privilégio de trocar pontos de vista. Pelos vistos agora impera o extremismo ideológico que mata à partida qualquer dialogo.

Quando alguém com algum status, ao ser contrariado pelos factos e argumentos, limita-se a chamar de comunistas, filhos de uma grandessíssima, etc, etc, não espere de mim menos do que o mesmo tratamento. Eu se erro, peço desculpas, como já o fiz aqui a vários membros, se tenho uma visão errada ou opinião distorcida que depois é rebatida com argumentos e factos, não tenho pejo em a aceitar. Busquem o fórum de alto a baixo e não encontram um spin, um dito por não dito da minha pessoa, um virar bico ao prego. Assumo o que digo e escrevo, tal como fui ensinado pela escola da vida e limado aos extremos na Escola de Fuzileiros. Não condeno azuis por uma atitude e bato palmas à mesma atitude dos vermelhos apenas porque ideologicamente gosto mais deles, condeno ambos com igual veemência e abomino idiologices.

Se, por aqui, existem elementos com falta de espinha para admitirem que as suas ideias sobre um qualquer assunto estavam erradas, azar, já não me surpreende, pois é bem mais fácil chamar comuna ou outra coisa que o valha. Tais atitudes são apenas um espelho, espelho da nossa sociedade que, em ultima instância, tem todas as culpas no estado em que chegamos hoje.

Não farei como outros foristas que, cansados de tentar usar lógica contra ideais (como se isso fosse possível), deixaram de participar neste fórum. Se isto é um fórum, então serve para colocar pontos de vista e rebater ideias e eu não vou deixar de o fazer, assim como não vou deixar de responder à letra a palhaçadas e spins tipo os do Sr. PT


PS: Já agora o Sr. Lusitano não que colocar também o "brinde" com que me mimou? Que eu saiba a minha reacção não partiu do nada, pois não? Ou querias que te agradecesse e desse um beijo?!!!  :lol:  Só visto......
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano Invicto em Abril 20, 2011, 12:02:18 am
- No tópico em causa, eu limitei-me a expor o meu ponto de vista, ou será que os user's do fórum defesa antes de por uma mensagem no fórum, têm antes que mandar uma mensagem privada ao FoxTroop com o conteudo das mesmas, a perguntar se você concorda?  É isso?  Não faltava mais nada, pois não? A opinião pelo que julgo saber aqui é livre.

- A sua reacção parte apenas do facto de você não admitir o contraditório, provocando-lhe isso uns ataques de raiva que o levam a partir para o insulto voluntário e para a má educação como ficou patente agora com o papatango, e no passado comigo. Não há dúvidas que você é de facto um comunista/marxista, e está no seu direito, o que não tem direito é de enxovalhar quem não concorda consigo e que não defende os seus ideias e cores politicas.

- E não foi só a mim que você insultou como aconteceu tópico das presidenciais onde você autenticamente semeava ódio contra o cavaco, ou agora o Papatango neste tópico,  eu já o vi para ai à pancada com mais pessoal, o que denota que a culpa não é dos outros, é sua, você deve ser o tipo mais conflituoso e mal comportado do fórum, esse prémio é seu, já ninguem lho tira, por isso meta a cabeça na areia e esteja calado.

- É nisso que você é especialista, em insultar e enxovalhar quem não partilha das suas opiniões, mas se comigo que tenho 30 mensagens você disse o que lhe apeteceu e ainda lhe sobrou tempo, tenho a certeza que desta vez as coisas não vão ser iguais, desta vez meteu-se com a pessoa errada, com o Papatanto que tem 5000 mensagens.

- Apesar de eu ter apenas 30 mensagens, venho muitas vezes ao fórum e acompanho os tópicos quentes, em parte deixei de postar porque vi que aqui parece que existe uma espécie de moderação que no fundo não modera nada, permitam-me a franqueza, visto que os users com mais mensagens podem dizer o que lhes apetece aos rookies e nada lhes acontece, e isto acaba por afastar as pessoas. Mas hoje não podia deixar de lhe dar o troco que você merece, não me esqueço do que me fazem ou dizem, cá se fazem, cá se pagam, nunca ouviu dizer.

- Sinceramente pessoas como você não fazem falta nenhuma ao fórum, a porta da rua é já ali para si, vá e não volte.

- Beijos, só de gaija. Veio bater á porta errada. Não me diga que também já se deixou contaminar pelas politicas gayzolas do BE e companhia?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 20, 2011, 12:11:39 am
:lol:  :lol:   :lol:  

O seu "presumido" perante o facto de eu ter chamado a atenção para os estranhos negócios (é um eufumismo) do cavaquinho (com letra pequena):

Citar
- Presumo que seja militante do Bloco de Esquerda ou do Pc, quiçá do Ps.

Pois, não me conhece de absolutamente lado nenhum, não rebateu com argumentos ou factos, mas presume, como tal, também presumi:

Citar
“E eu presumo que seja um perfeito troll, um cavaquista daqueles com foto do dito na mesa de cabeceira e tudo ou então, quiçá, um simples papagaio de propaganda, e agora?”

Passe bem, que por mim isto está encerrado aqui  :lol:   :lol:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 20, 2011, 12:18:17 am
Citar
Rebeldes em Misrata pedem a intervenção de tropas ocidentais

MISRATA, Líbia, 19 Abr 2011 (AFP) -Um líder dos rebeldes que controlam Misrata, cidade cercada há semanas pelas forças leais ao coronel Kadhafi, anunciou nesta terça-feira que vai pedir, formalmente, a intervenção das tropas ocidentais para garantir a proteção do local.

Nouri Abdallah Abdoullati declarou à imprensa que o pedido de reforços franceses e britânicos tem como base princípios "humanitários". "Se não vierem, vamos morrer", declarou.

Os rebeldes em Misrata não mantêm contacto direto com as forças da coalizão, e Abdoullati explicou que seu pedido havia sido enviado semana passada, sob a forma de carta, ao Conselho Nacional de Transição - órgão político representativo da rebelião, com base em Benghazi. Mas não obtiveram resposta até agora, acrescentou.

Bem, agora já pedem ajuda terrestre.... Pouco a pouco a coisa vai. Lá terão os franceses de tirar o pó aos AMX-56 Leclerc pois agora têm de ir até ao fim. O lunático não pode sobreviver a isto, seria um golpe terrível para a NATO e no entretém, chineses e russos rebolam a rir do buraco que estamos a cavar.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano Invicto em Abril 20, 2011, 12:28:15 am
- Não oculte factos, antes disso você interpelou uma conversa que nem era consigo, como eu fui defender o Cavaco você subiu aos arames e debitou uma séria de rocktadas contra mim, esta foi uma delas:

-Compreendo que não entenda, aliás a visão e discernimento de muito boa gente anda muito selectiva.

viewtopic.php?f=21&t=9691&start=15 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=21&t=9691&start=15)

- De seguida eu respondi sem o insultar, no fim da mensagem e mediante o seu comportamente eu conclui em jeito de interrogação que fosse militante do PC, BE ou quicá PS, mas com isto não o insultei.

viewtopic.php?f=21&t=9691&start=30 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=21&t=9691&start=30)

- No seguimento disto você insultou-me, chamou-me troll e papagaio de propaganda, foi assim, e foi você que iniciou tudo quando me interpelou de uma fomra menos correcta e não o contrário.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lince em Abril 20, 2011, 01:40:09 am
Meus caros, discussão serena e sem entrar em insultos pessoais. Todos são importantes para este fórum!
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 20, 2011, 10:58:16 am
Eu não sei quem tem razão ou não, mas que a OTAN meteu-se numa #$%&, lá isso meteu-se!

A única solução é avançarem para o terreno com muitos meios e não só com equipas de Operações Especiais como tem acontecido até agora. A invasão é a única solução, se não, têm que voltar atrás e aceitar de novo o tio Kada...coisa que eu dúvido que ele faça.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Abril 20, 2011, 11:46:05 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Eu não sei quem tem razão ou não, mas que a OTAN meteu-se numa #$%&, lá isso meteu-se!

A única solução é avançarem para o terreno com muitos meios e não só com equipas de Operações Especiais como tem acontecido até agora. A invasão é a única solução, se não, têm que voltar atrás e aceitar de novo o tio Kada...coisa que eu dúvido que ele faça.


Será que a OTAN nesta altura terá vontade política para uma intervenção terrestre ?
A utilização de meios terrestres por parte da OTAN  para depor o Kadaffi , poderá criar divisões muito profundas e desconfiança entre os vários membros da organização que levarão a um fraccionamento , e quem sabe à saída dalguns países da estrutura da Aliança ?
Será que algum membro da Aliança avançará sozinho , ou será feito uma coligação com alguns dos membros da OTAN para a utilização de meios terrestres?
Ou será que a OTAN vai desistir , e acontecerá como o Kadaffi disse há algum tempo atrás, e estará fazendo visitas oficiais , como chefe de estado da Líbia , a países europeus , dentro de algum tempo ?

Estas são algumas das dúvidass que tenho .A ver vamos o que irá acontecer .

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 20, 2011, 11:55:46 am
Em primeiro lugar, vejo que afirmações pouco abonatórias para o regime de Kadafi parece que ferem algumas boas almas, habituadas a que os ditadores de esquerda sejam vistos como «ditadores bons» contra os ditadores de direita, que são todos «ditadores maus».

Vamos ver se nos entendemos.

Kadafi é um porco assassino. Um monstro, cujo regime foi estruturado com base na ideia de um marxismo árabe (revolução verde), e cujo principal pilar foi o sistema de repressão montado pelos «técnicos» da KGB e da STASI.
Para as boas almas que não sabem, a STASI era a PIDE dos comunistas alemães (umas mil «vezeszitas»  mais criminosa, mas isso agora não importa para nada  :shock:

Diz o nosso amigo foxtroop que as acções do lunático, foram medidas com extrema cautela.
Isto chegou ao ponto da anedota, onde um membro do forum defende que as acções de um lunático (pelo menos reconhece isso) foram afinal medidas com extrema cautela. MEU FILHO, UM LUNÁTICO NÃO É POR DEFINIÇÃO UMA PESSOA QUE TENHA CAUTELA ! ! ! ! !
Kadafi, é conhecido por ser uma pessoa cautelosa e ponderada, como sabemos, todos os líderes ponderados e cautelosos que visitam Portugal costumam pedir que se monte uma tenda no forte de S.Julião da Barra para ele passar as noites :roll:

Quando o ditador assassino ordenou o ataque à cidade de Benghazi, avisou que não deixaria ninguém vivo.
Benghazi é a segunda cidade do país e conta com cerca de um milhão de habitantes.

A verdade senhor Spinner oficial do Forum Defesa, é que contra a cidade de Benghazi, como depois se viu com os bombardeamentos, o seu camarada Kadafi enviou as suas mais poderosas ou devo dizer CAUTELOSAS E PONDERADAS PEÇAS DE ARTILHARIA PESADA DE 155mm.

O seu amigo Kadafi, mentiu desde a primeira hora, ao declarar um cessar-fogo que nunca cumpriu, caso contrário como é que você encontra tantas peças de artilharia auto-propulsada destruidas pelos aviões da NATO às portas de Benghazi e no caminho entre Benghazi e Ajdabiya e a sul sudoeste do aeroporto de Benina (que é o aeroporto internacional da cidade) ?

Ah CLARO
Kadafi queria ponderadamente enviar canhões de 155mm para que as crianças ponderadas da cidade de Benghazi pudessem fazer passeios turísticos ponderados.
E apenas por acaso, 24 horas antes faz um discurso na rádio a pedir à população da cidade que desapareça, porque vai matar toda a gente casa por casa.
É de uma ponderação para lá de todos os limites, ameaçar um milhão de pessoas com a morte e manda-las fugir.

É como se o Kadafi estivesse em Cascais e avisasse a população de Lisboa  numa quinta-feira, para sair da cidade em direção a Santarém, porque no dia seguinte se apanhasse alguém vivo, era morte certa .

É a este tipo de porco que você chama de ponderado ?
Que moderado que é o seu camarada.

E não me venha com histórias típicas de Spinner em desespero.
O Bahreim é um caso complicado, SIM, mas é até ao momento um caso de polícia. Como comparação gostaria de o ter ouvido falar da Siria, onde já morreram mais pessoas que no Bahreim, mas você nem consegue disfarças as suas origens, e falar mal de um camarada do Partido Socialista deve-lhe provocar azia.
A verdade é que nos regimes pró-ocidentais, as coisas estiveram até ao momento controladas. Não há santos nisto, mas na Líbia o seu amigo Kadafi iniciou uma guerra civil.
Os comunistas protestaram, porque Kadafi era um seu antigo correlegionário e é isso acima de tudo que os irrita. Estão-se marimbando para os mortos para os três gatos pingados da Alqaeda ou para os milhares de vítimas que agora você deu em negar.

O problema é que mais uma vez os marxistas fanáticos mostraram a sua verdadeira cara. E repito: Se são marxistas, comunista, ou filhos de uma grandecisisima XXXX isso é irrelevante.

Senhor Foxtroop, depois de todas as suas «meteduras de pata» para utilizar uma palavra castelhana que acho engraçada, há apenas uma frase da sabedoria popular que se lhe pode aplicar:

É MAIS FACIL APANHAR UM MENTIROSO QUE UM COXO !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: P44 em Abril 20, 2011, 12:32:55 pm
Citação de: "Lince"
Meus caros, discussão serena e sem entrar em insultos pessoais. Todos são importantes para este fórum!


Diga isso ao senhor aí de cima.

Por causa do vernáculo, arrogância, falta de educação e insultos desse sr. é que nem participo neste tópico.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 20, 2011, 01:17:28 pm
Pois é, meu caro PT, pois é. Sabes, falta-te conhecimento e muito. O conhecimento que não se adquire em livros por muitos que se leiam, nem a ver a Fox por mais horas que se passe em frente ao monitor.

Porque as tuas afirmações são tão ridículas, que me pergunto em que mundo vives. Sabes, vai até Sarajevo ou Bratunac ou mesmo até Grozni. Também podes ir até ao Afeganistão a umas certas aldeias e vilas. Depois de veres os que uma barragem de artilharia de 155mm faz dentro de uma área urbana, diz-me que acreditas no que escreves. Se assim fosse em vez das manchetes Terríveis combates na Líbia deixam 11 mortos, se calhar tinha de lá colocar mais uns dois zeros à frente.

É a arrogância típica de quem se quer armar em algo do qual não percebe rigorosamente nada. Tal como afirmei antes, qualquer pessoa com um mínimo de formação tactica-operacional, sabe que isso é um chorrilho de mentiras.

E continua o seu spin, sabendo muito bem que no caso do Egipto, tal como afirmou, as coisas eram muito diferentes. Diferentes logo no simples facto de o sentimento de povo não ter nada a ver com a Líbia tribalista. Diferente porque os militares egípcios vindos das todas as camadas da sociedade se recusaram terminantemente a abrir fogo contra o seu próprio povo (onde estavam irmãos, pais, mães e familiares seus) o que levou as cúpulas militares a ter de ceder sobre a pena de o próprio Exercito se revoltar contra eles. Coisa que na Líbia, onde as unidades militares mais capazes ficaram sobre comando de leais a Kadhaffi e as suas fileiras preenchidas com elementos das tribos mais chegadas, era de esperar que desse em guerra civil. Mas muito convenientemente esquece, assim como esquece o que escreveu na altura. Se quiser posso lembrar-lho aqui. Mas, segundo as suas palavras, seria legitimo os militares abrirem fogo sobre os manifestantes, pois na sua óptica, Mubarak que foi apoiado no poder pelos USA tem mais legitimidade que Kadhaffi, só porque este ultimo foi apoiado pelos soviéticos. A atitude de um é tabefes em mal comportados a de outro é um odioso crime  :roll:

E afirmo com toda a prova que Kadhaffi actuou de forma muito cautelosa evitando ao máximo situações que despoletassem o que acabou por acontecer. Ele pode ser lunático mas não é parvo e muito menos idiota. Se acredita noutra coisa, temos pena. Pergunto-te o que é que o director da inteligência nacional americana James Clapper disse sobre a intervenção na Líbia e o apoio precipitado aos rebeldes e o que vários generais americanos, entre eles o director da Defense Intelligence Agency, Ronald Burgess, disseram a esse respeito também. Já estou como diz o outro, andamos a matar os gajos no Afeganistão e a apoiá-los à porta de casa  :roll:

Idiologices  :roll:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 20, 2011, 01:20:15 pm
NATO pode cumprir missão na Líbia sem ajuda dos EUA

(http://photos.upi.com/story/t/7b6f42e611bcc70c3de537acc087916a/Personality_Spolight_Joe_Biden.jpg)

A NATO (Organização do Tratado do Atlântico Norte) pode cumprir a sua missão na Líbia sem a ajuda dos Estados Unidos, que têm preocupações estratégicas mais importantes, especialmente no Egipto, disse o vice-presidente americano, Joe Biden. Em declarações ao Financial Times, Biden disse que o problema não é a capacidade militar de outros países da Aliança mas a sua vontade política.

«Se Deus todo-poderoso tirasse os EUA da NATO e os depositasse em Marte de modo que não pudéssemos participar (desta missão), seria estranho sugerir que a NATO e o resto do mundo não estão em condições de lidar com a Líbia», disse o político democrata.

Alguns países europeus, como Itália e Holanda, até agora não participaram dos ataques aéreos contra as forças do ditador, apesar de Paris e Londres o terem pedido.

Segundo Biden, enquanto os países europeus têm vínculos históricos com a Líbia, os EUA têm outras preocupações estratégicas muito mais importantes.

«A questão é onde pôr os nossos recursos. Deveríamos empregá-los em saber tudo o que se pode saber sobre quem integra a oposição na Líbia ou dedicá-los a averiguar o máximo possível sobre o que acontece no Egipto e sobre a Irmandade Muçulmana?», disse Biden.

Segundo ele, a questão é se os EUA devem focar os seus recursos no «Irão, Egipto, Coreia do Norte, Afeganistão e Paquistão» ou prestar mais atenção à Líbia.

«Não podemos fazer tudo», disse o vice-presidente americano, que acrescentou: «Está claro que a NATO tem capacidade suficiente para aplicar a resolução da ONU (sobre a Líbia), que exige oferecer algum tipo de protecção aos civis, estabelecer uma zona de exclusão aérea e prestar socorro humanitário».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 20, 2011, 03:16:21 pm
Citar
Porque as tuas afirmações são tão ridículas, que me pergunto em que mundo vives. Sabes, vai até Sarajevo ou Bratunac ou mesmo até Grozni. Também podes ir até ao Afeganistão a umas certas aldeias e vilas. Depois de veres os que uma barragem de artilharia de 155mm faz dentro de uma área urbana, diz-me que acreditas no que escreves. Se assim fosse em vez das manchetes Terríveis combates na Líbia deixam 11 mortos, se calhar tinha de lá colocar mais uns dois zeros à frente.

Sim, realmente eu não devo perceber nada do que estou para aqui a dizer e deve ser um spinner do PS, com apoio técnico do Paulo Pedroso e do Ricardo «Mãos Leves» Rodrigues que acha que me vai dar lições.

Ouve lá [editado pela Moderação]

Os teus camaradas não se conseguiram aproximar do centro de Benghazi, porque não os deixaram.
Como muitas cidades no deserto, Benghazi é uma cidade dispersa.

Os teus camaradas, chegaram pelo menos até um troço de estrada entre Qaminis e Takiya. É aqui segundo tudo indica que parte das forças inflectem para oeste, com o intuito de tomar a zona do aeroporto de Benina, o qual foi bombardeado.

Os teus camaradas nunca chegaram a bombardear o centro de Benghazi, porque desde Takiya (que já é considerado arrabalde de Benghazi) até ao centro da cidade (zona portuária) distam 25km em linha reta.

As peças de 155mm não servem para nada a esta distância, principalmente quando são muito mais úteis contra as forças que estão a meio do caminho e que impedem o avanço dos tanques. A artilharia atacou arrabaldes onde as casas são muito mais dispersas. Não chegou a bombardear o centro.

O teu camarada não conseguiu aproximar a artilharia do centro da cidade de Benghazi, não porque não quisesse mas porque não o deixaram, e porque os malvados imperialistas arrasaram as peças autopropulsadas e os tanques T-72 que avançavam sobre a cidade.




Filho, não tentes mudar o assunto para a Sérvia, ou para o Qatar, ou para Cuba. Isso é típico de quem está em pânico e sabe que já não tem argumentação possível. Cada caso é um caso.
No Bahreim o teu outro amigo, o pedófilo Ahmadinejad apoia os xiitas contra os sunitas e os xiitas não querem dar a nacionalidade aos estrangeiros, porque não querem perder a maioria. No Egipto, o exército manda e sempre mandou desde o Nasser. O exército egipcio quando era influenciado pela russia comunista, envolveu-se em guerras, mas quando influenciado pelos americanos, evitou uma revolução sangrenta.

Na Siria, esperemos para ver o que vai acontecer. O Bashar Al Assad aos 15 anos já participava na tortura dos opositores ao papá, mas claro, o papá era aliado dos russos, por isso a tortura é apenas desporto, e os mortos na Siria são todos culpados, agitadores estrangeiros e o diabo...


Já na Líbia o porco assassino, ameaçou matar a população civil. Tinha os meios para o fazer, movimentou esses meios para onde tinha que os movimentar.
Fez TUDO O QUE PROMETEU !
Quem podia evitar que o assassino cumprisse a promessa de matar a população civil TINHA QUE FAZER ALGUMA COISA !

E não posso calar a minha indignação.
Aqueles que acham que a população deveria ter sido morta, para mim não passam de Filhos... de quem você achar melhor.

Não quero ferir a susceptibilidade de algum senhor doutor ou de algum senhor inginheiro, que é capaz de apoiar um assassino, mas fica muito afectado quando alguém fala da mãe dele.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 20, 2011, 03:33:53 pm
Realmente percebes mesmo muito de tactica militar e operações  :lol:  :lol:  :lol: . Nem sequer te deste ao trabalho de ir ver as opiniões das pessoas que eu coloquei acima. Talvez alguém aqui tenha um bocado de paciência para te explicar e corrigir as asneiradas que eu não estou para isso. Essa das casas dispersas é um must (já agora, qual o raio letal de uma granada de 155mm? )  :lol:   :roll:  

Quanto à questão de camaradas não só não tenho nada a ver com essa gente como não tenho a mínima culpa de qualquer trauma infantil que um comuna-extremista-islâmico-xiita te causou no passado. Procura um psicólogo e debita lá as tuas mágoas.

Como não tens mais como rebater partes para o insulto, típico, vou aguardar para ver.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Abril 20, 2011, 05:49:48 pm
Solicito à moderaçao que mude o assunto deste tópico para:   "Conflito FoxTroop vs Papatango"
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 20, 2011, 06:15:42 pm
França e Itália também vão enviar equipa de militares para a Líbia


Responsáveis italianos e franceses seguiram o exemplo do Reino Unido ao anunciarem esta quarta-feira o envio de oficiais militares para aconselharam as forças rebeldes na Líbia. O ministro da Defesa italiano, Ignazio La Russa, anunciou que dez oficiais vão ser destacados para a Líbia pois «há um entendimento claro que os rebeldes têm que ser treinados»

Um porta-voz do governo francês anunciou que até dez conselheiros militares vão ser enviados para a Líbia, refutando contudo «qualquer intenção de enviar forças de combate no terreno».

Mas Gerard Longuet, ministro da Defesa francês, considerou o envio de mais grupos militares de combate para a Líbia como «um assunto real» a ser discutido pelo Conselho de Segurança da ONU.

O anúncio de França e Itália surge um dia depois do Reino Unido ter revelado que iria enviar uma equipa de oficiais militares para a cidade líbia de Bengazi, quartel-general dos rebeldes ao regime de Muammar Kadhafi.

À semelhança de França e Itália, o Reino Unido deverá enviar uma equipa composta por cerca de dez elementos que prestarão apoio em termos de organização e logística às forças rebeldes líbias.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 20, 2011, 08:47:00 pm
Essas forças de combate já estão no terreno, faz tempo.  

Citar
Argélia não permite que aviões aliados sobrevoem seu território
07 de abril de 2011 • 06h18 • atualizado às 06h49

As autoridades argelinas se negaram, no início desta semana, a autorizar que aviões das forças aliadas na Líbia sobrevoassem seu território, revelou nesta quinta-feira o diário El Khabar. A França pretendia que seus aviões de combate e helicópteros sobrevoassem o território argelino, além de utilizar as bases aéreas do sul do país, mas o governo de Argel não permitiram, segundo o periódico, que cita fontes de segurança.

As aeronaves francesas buscavam um comando de suas forças especiais que tinha realizado operações no sudoeste da Líbia e que havia se perdido, permanecendo dois dias no deserto do Saara, junto à fronteira com o Níger.

As autoridades francesas solicitaram permissão para sobrevoar o território argelino em busca dos membros do comando, que finalmente foram encontrados há dois dias na região de Ain Tamlu, acrescentou o diário.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 22, 2011, 07:47:18 pm
Pretendente ao trono líbio diz-se pronto para participar numa transição


O pretendente ao trono líbio no exílio prometeu hoje "tudo fazer" para ajudar à criação de um Estado democrático e disse-se pronto para servir o povo líbio, apelando para um regresso, mesmo que transitório, à monarquia constitucional.

"Cabe ao povo líbio decidir se quer avançar na via de uma monarquia constitucional ou de uma república", disse Mohammed el-Senoussi numa audição no Parlamento Europeu em Bruxelas.

Para El-Senoussi, a Constituição da Líbia de 1951 que estabelecia uma monarquia constitucional e designava como rei o seu tio-avô, Mohammed Idris al Mahdi el-Senoussi, e seus descendentes, "podia ser modernizada, de forma adequada, para constituir a base de uma nova Líbia".

Apesar de já não estar em vigor há 42 anos, considerou, "não há fundamento mais sólido para a transição política na Líbia que a Constituição disponível, como não é provável que uma outra possa ser decidida a curto prazo".

"O meu papel é claro. Quer o povo queira ou não uma monarquia constitucional, farei tudo o que me for possível para ajudar à criação de um Estado democrático para os líbios, fundado num parlamento representativo escolhido em eleições livres e justas", disse.

Sobre o Conselho Nacional de Transição, o órgão dos rebeldes que combatem o regime de Muammar Kadhafi, El-Sanoussi disse ter "boas relações" com ele e que o apoia, como apoiará "qualquer grupo ou organização que trabalhe pelo interesse do povo".

Mas o CNT "é apenas transitório" e, uma vez afastado Muammar Kadhafi, vai "inevitavelmente" passar de Benghazi para Tripoli e deverá "ceder o lugar a um novo conselho, constituído por representantes de toda a Líbia, para permitir a realização de um referendo sobre a forma de governo desejada" pelo povo, defendeu.

Mohammed el-Senoussi, 48 anos, é sobrinho neto do rei Idriss I, afastado por Muammar Kadhafi após o golpe de Estado de 1969. O atual líder líbio colocou a família de El-Senoussi sob prisão domiciliária, quando Mohammed tinha 7 anos. Em 1988, a família emigrou para Londres.

Com a morte do pai, em Londres em 1992, Mohammed el-Senoussi passou a ser considerado príncipe herdeiro pelos monárquicos líbios.

A audiência de hoje no Parlamento Europeu foi realizada a pedido do grupo dos Conservadores e Reformadores europeus (ECR).

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Abril 22, 2011, 08:50:26 pm
O problema dos spinners (que é o nome fino que hoje se dá aos mentirosos) é que criam problemas, mentem, inventam e atiram areia para os olhos das pessoas.

Permito-me colocar duas imagens do Google Earth da cidade de Benghazi. A primeira, da área a sul da cidade, do que são os arrabaldes de Benghazi, áreas que estiveram debaixo do fogo da artilharia do Kadafi:
(http://img808.imageshack.us/img808/7379/bengarrabaldes.jpg)
A artilharia do Kadafi não conseguiu avançar mais para norte, de onde poderia ter atingido o centro da cidade.


A imagem seguinte, é tirada à mesma altitude e permite fazer a comparação entre o centro e os arrabaldes.
(http://img59.imageshack.us/img59/1239/bengcentro.jpg)

A densidade populacional é diferente, a densidade das habitações é diferente, como inevitavelmente seria o resultado de um bombardeamento.
Se houver alguém com dúvidas sobre as diferenças entre os efeitos de um bombardeamento na área da primeira foto e na área da segunda foto, poderemos discutir a questão num tópico apropriado.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 23, 2011, 06:46:06 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Luso-Efe em Abril 24, 2011, 06:59:59 pm
É preciso que se perceba uma coisa de vez.  :idea:

A partir do momento em que a cúpula da NATO toma a decisão de avançar para a Libia, nós só temos uma coisa a fazer, alinhar, calar e acenar que sim. :N-icon-Axe:

Ainda por cima depois da Espanha ter oferecido bases e caças para missões de escolta.  :idea:

 O que o Papatango faz é um serviço ao pais e todos lhe devemos agradecer, aqui no fórum da a sua opinião, mas essencialmente pelo que faz no site dele que é serviço publico e defesa da nação. :?:

Ou queriam que o papatango fosse um marxista que fosse criticar a invasão e denunciar os pérfidos imperialistas petroleiros.

Volta a dizer que nós não estamos em posição de nos opor a invasão, eu próprio já disse que pensava que seria muito mais rápida, e pessoalmente acho que seria melhor que nada disto tivesse acontecido e tudo se tivesse resolvido a bem, mas não foi possivel.

Papatango, sei que você tem todas as capacidades e mais algumas para expor os seus argumentos, mas não poderia deixar passar a oportunidade sem lhe dar o meu apoio.

Cumprimentos.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 26, 2011, 07:36:01 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Abril 26, 2011, 10:16:38 pm
Citação de: "Luso-Efe"
A partir do momento em que a cúpula da NATO toma a decisão de avançar para a Libia, nós só temos uma coisa a fazer, alinhar, calar e acenar que sim. :|

Mas nós até alinhamos no ataque à Libia ainda antes de se falar na NATO, simplesmente por termos votado sim na resolução da ONU.
Agora irmos criticar esse mesmo ataque à Líbia (que está a acontecer devido à resolução da ONU que votamos a favor) é um contracenso.
Acho que os unicos paises que podem criticar o ataque à Líbia são os paises que não concordam com o ataque (Alemanha, Brasil, etc), Portugal concorda, então acho que não pode criticar.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 28, 2011, 05:01:39 pm
Nós, na questão do voto sobre a acção na Líbia, estávamos condicionados à partida, por razões bem conhecidas. Mesmo lesando interesses nossos, não havia outra possibilidade.

Quanto a Espanha ter oferecido bases, tanto eles como os italianos tentaram evitar ao máximo a intervenção. Quando a coisa finalmente rolou, deixaram de ter opção. Interesses estratégicos falam mais alto e, neste caso, foram chamados à liça contrariados (assim como os USA, mas esses entraram por outra razão principal).

O resto é o que sabemos e com a deturpação do mandato da ONU pela NATO, queimou-se capital diplomático que agora está a fazer muita falta, além de mais um precedente a lá Kosovo que pode e vai ser utilizado por outros países. Depois queixem-se.......
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 28, 2011, 05:59:32 pm
Mais alguém ouviu falar de mercenários europeus a lutar pelo Kadafi?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: FoxTroop em Abril 28, 2011, 06:38:26 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Mais alguém ouviu falar de mercenários europeus a lutar pelo Kadafi?

Sim, existem alguns relatos disso. Principalmente europeus de leste.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Abril 28, 2011, 08:38:50 pm
Cá está a noticia desses mercenários para quem quiser saber: http://www.military.com/news/article/ka ... aries.html (http://www.military.com/news/article/kadhafi-using-european-mercenaries.html)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: borisdedante em Abril 29, 2011, 08:20:42 pm
Vídeo da Batalha em Misrata do lado dos rebeles. (0h00m30 > 0h12m30)

http://www.france24.com/fr/20110429-debat-Libye-Kadhafi (http://www.france24.com/fr/20110429-debat-Libye-Kadhafi)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Abril 30, 2011, 01:30:23 pm
Intervenções humanitárias? O caso da Líbia
Alexandre Reis Rodrigues


Passou um mês desde que a NATO assumiu a responsabilidade pela intervenção militar na Líbia, ao abrigo da Resolução 1973 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. No entanto, não obstante os reveses sofridos pelas forças fiéis a Khadafi, por acção da aviação aliada (estima-se terem perdido 40% das suas capacidades), a situação nos núcleos populacionais onde a oposição se concentra, principalmente Benghazi e Misrata entre outros, continua dramaticamente aflitiva e com níveis de destruição urbana impressionantes.

O objectivo da intervenção, tal como autorizada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas é perfeitamente claro: «…. to take all necessary measures … to protect civilians and civilian populated areas under threat of attack in the Libyan Arab Jamahiriya, including Benghazi ….». Tratando-se, portanto, de uma intervenção de natureza humanitária, neste caso para impedir o uso da força contra uma parte da população que apenas quer ver terminado o regime de ditadura em que vive há mais de 40 anos, seria de esperar, decorrido esse tempo, um progresso mais claro.

A lógica deste tipo de intervenções tem por base a ideia de que perante a eminência de uma catástrofe humanitária há que actuar rapidamente e com os meios necessários para resolver a situação no mais breve espaço de tempo possível. Quanto mais tarde o objectivo for alcançado maior será o grau de destruição a que o país ficará sujeito, mais se acentuarão as clivagens entre as várias facções e mais difícil será conseguir a subsequente estabilização do país.

Neste caso, mal grado a estratégia a seguir para alcançar o objectivo tenha alguma margem de variação dentro dos condicionalismos impostos, é preciso ter presente que a própria natureza de uma operação humanitária traz sempre implícita a ideia de mudança do regime responsável pela situação a que se pretende pôr termo; trata-se de libertar a população de uma calamidade, eventualmente um massacre, inevitáveis se não houver intervenção externa. É esse, aliás, o compromisso político assumido pelos Presidentes Obama e Sarkozy e pelo 1 º Ministro David Cameron, em declaração conjunta recentemente tornada pública: «a future without Kaddafi that preserves Libya’s integrity and sovereignty, and restores her economy and the prosperity and security of her people».

No entanto, se a finalidade é genuinamente humanitária, a intervenção não deverá incluir a construção de um novo modelo de governação. Michael Waltzer diz, por essa razão, que este tipo de operação tem uma natureza “negativa”, no sentido de que apenas visa pôr cobro à situação existente e não interferir sobre o que deve ser o futuro. Essa é uma tarefa que deve caber exclusivamente à própria população, em fase subsequente; uma solução imposta do exterior tem sempre escassas hipóteses de vingar.

Esta é a teoria; pode resumir-se à expressão “quick in-out”, sintetizando a ideia de curta duração, portanto, uma intervenção decisiva com objectivo bem circunscrito. A prática, porém, raramente consegue seguir este padrão; a intervenção acaba sempre arrastar outros compromissos que tornam inaceitável a retirada das forças empregues sem mais qualquer envolvimento complementar na reconstrução do país.

No caso da Líbia ainda não se chegou a esse ponto do processo habitual de intervenção; ainda se está na fase de encontrar uma resposta eficaz à continuada ofensiva do ditador. Para concluir este passo falta reunir mais algumas condições e rever as orientações políticas definidas na Resolução 1973 do Conselho de Segurança. Estas partiram do pressuposto de que uma vez anulada a capacidade do regime líbio usar a sua aviação e material pesado (blindados e artilharia) então Khadafi ficaria impedido de continuar a usar indiscriminadamente e de modo desproporcionado o seu potencial militar. Atingido algum equilíbrio entre as duas facções, poderia então começar a procurar-se entre um entendimento político.

No entanto, não é esse exactamente o caminho que a evolução da situação veio a tomar. Por duas razões: primeiro, porque Khadafi continua a ser capaz de usar material pesado e passou a adoptar tácticas que compensam bem as limitações decorrentes de não poder usar toda a sua força militar; segundo, porque a oposição não consegue, por falta de experiência, organizar e ter pronta uma força minimamente eficaz.

De facto, mal grado a Resolução do Conselho de Segurança permita todas as «medidas necessárias” para proteger a população (à excepção de colocação de tropas no terreno), nem todas as potencialidades do poder aéreo da coligação estão a ser devidamente exploradas. Isso explica-se por dois motivos: insuficiências do dispositivo aéreo por falta de algumas capacidades especializadas no combate ao solo (destacadamente, a falta dos aviões que os EUA retiraram, os A-10 e os AC 130, falha agora compensada com a atribuição de dois UAVs Predator) e meios no solo para coordenação dos ataques; segundo, recusa de alguns países participantes em irem além da fiscalização da zona de exclusão de voo, situação que a Itália alterou precisamente ontem, em vista do agravamento da situação em Misrata.

Parece que a coligação aliada está a apostar no desgaste porque está a passar Khadafi, também sujeito a um embargo de armamento. Mas não é essa a estratégia recomendada para intervenções de assistência humanitária; devem começar e acabar o mais rapidamente possível. Uma vez que se decida actuar, deve-se procurar ir directamente à origem do problema; neste caso, seria eliminar a capacidade de militar de Khadafi.

Admitindo que esta situação se resolve, fica para decidir o passo ulterior. Em teoria há três situações típicas em que a continuação da presença militar estrangeira se pode tornar inevitável: quando não existe no país uma base institucional e humana que permita lançar a reconstrução; quando o Estado se desintegrou e deixou de ser possível contar nem com as Forças Armadas nem com as Forças de Segurança; ou, finalmente, quando as divisões internas são tão grandes e tão profundas que ameaçam fazer regressar à situação original mal as forças de intervenção se retirem.

Dificilmente, a Líbia vai escapar a qualificar-se em pelo menos num destes três quadros possíveis, mas como essa saída se vai concretizar é um assunto com várias opções em aberto. A mais atractiva exigiria bom senso e realismo das futuras autoridades; seria pedir o auxílio da Peacebuilding Commission das Nações Unidas, como fez recentemente a Guiné-Konakry, de modo muito responsável. Se não for possível - aliás parece-me pouco provável -, o que é de esperar será, muito possivelmente, o envolvimento da comunidade internacional, com a presença de forças no terreno. A perspectiva é preocupante, mas não será certamente menos a alternativa de se ter de acrescentar a Líbia à lista de “estados falhados”, ao lado da Somália, Chade, Sudão, Congo, etc.

Nenhuma destas circunstâncias poderá, em qualquer caso, fazer esquecer que a solução deve vir de dentro e que a saída das forças deve acontecer tão rapidamente quanto possível. Michael Waltzer lembra que o critério principal é o da “legitimidade local”; o que melhor se adapte à cultura local. Não tem que ser uma democracia, um regime liberal, pluralista ou capitalista. Desde que não repita as circunstâncias que determinaram a assistência humanitária para salvar um sector da população e a subsequente intervenção para estabilização do país, deve ser o que os locais quiserem, sem interferência externa.

É sob esta perspectiva que, neste momento e enquanto não se conseguir pôr a oposição líbia a salvo das forças leais a Khadafi, não pode ser elemento de consideração decisivo para a escolha do caminho a seguir conhecer quem é e o que pretende fazer no futuro o designado Governo Nacional de Transição. Embora muitas pessoas se interroguem sobre a sua idoneidade e competência para assumir a responsabilidade pelo futuro da Líbia pós-Khadafi, não imagino que se possa fazer condicionar a sua defesa contra os ataques indiscriminados de Khadafi ao prévio exame das suas credenciais para então decidir se são ou não merecedores de apoio.

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Maio 02, 2011, 10:52:16 am
Estara a Otan a adoptar as técnicas das mafias e dos comunistas ? Esta gente tem por habito massacrar as familias daquele que se procura atingir. A Otan neste ultimo sabado enviou alguns misseis contra a residencia do filho mais novo do Guia libio, matando-lhe três netos, para além do  filho e da sua esposa. Isto é uma grande desonra para os membros da Otan ; isto é contrario aos Valores que fazem a superioridade do Ocidente !

A Libia, ao contrario da nossa tao querida China, nao tem um regime socialista ou comunista como tem escrito o Papatango e algumas vestais seguidoras. Tem um regime autoritario, tem um lider com as maos sujas de sangue, tem tanta coisa que podemos honestamente criticar, para quê cair no ridiculo com argumentos primarios ?
Sera a Alemanha um estado comunista que recusa atacar o comunista Kadafi ? Sera a Alemanha um pais de gente estupida que nao entende a realidade libia da mesma maneira que o Papatango ? Este caro colega forista deveria talvez partilhar as suas informaçoes com o negligente governo alemao !
A Libia tem o seu contexto proprio e é necessario conhecê-lo bem antes de opinar barbaridades como as que se lêm aqui.

A respeito de atrocidades, os rebeldes estao longe de estar inocentes, apesar dos media ocidentais os nao divulgarem. As atrocidades cometidas contra os apoiantes de Kadafi sao de um horror que ultrapassa a imaginaçao : queimados vivos, cortados aos bocados, sujeitos a sevicias sem nome ; circulam na Web alguns videos que mostram como sao tratados os militares e policias libios quando capturados pelos rebeldes. O governo libio, antes de bombardear as posiçoes dos rebeldes am Bengazi, teve ao menos a decencia de prevenir antecipadamente a populaçao civil para que esta se pusesse a salvo.

A situaçao na Libia chegou a um tal ponto que dificilmente podemos conceber que Kadafi continue no poder...mesmo que ganhasse umas eleiçoes ! Idem para o Conselho da resistência, uma fantochada criada a toda a pressa em Paris pelo franco-israelita Bernard-Henri Lévy e por Sarkozi. A soluçao passaria talvez pelo regresso do regime monarquico pois so um rei pode trazer serenidade a um pais dividido : resultou em Espanha e no Cambodja, talvez funcione na Libia, Inch' Allah !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 02, 2011, 09:00:38 pm
Crescem receios de que Kadhafi use armas químicas


Na manhã desta segunda-feira tanques de Kadhafi bombardearam a cidade de Misrata, bastião rebelde no Ocidente, e devido a notícias de que máscaras de gás estão a ser distribuídas entre os soldados, cresce o receio de possa vir a acontecer um ataque com armas químicas. Um activista líbio avançou à Associated Press que o maior receio é o de que a população seja atacada com armas químicas, devido a rumores de que em Zlitan, cidade próxima de Misrata, estão a ser distribuídas máscaras de gás. A agência de notícias ressalva que esta informação ainda não foi «confirmada de forma independente».

Em 2003, como parte de um acordo de reconciliação com o Ocidente, Muammar Kadhafi assegurou ter entregue todas as armas químicas que possuía. No entanto, alguns oficiais expressaram o receio de que algumas tenham sido mantidas operacionais.

Nos últimos dois meses e à medida que as forças fiéis ao líder procuram tomar Misrata, o bastião rebelde a Ocidente, centenas de pessoas têm sido mortas.

Nesta manhã, os tanques estão às portas da cidade e pararam de bombardeá-la apenas quando aviões da NATO começaram a sobrevoar o local.

Os pilotos da NATO avançam que este tipo de terreno urbano é muito complicado, já que o esforço de atingir os militares é prejudicado pela necessidade de proteger os civis, que habitam uma cidade de 300 mil pessoas.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 03, 2011, 10:48:41 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Maio 03, 2011, 11:28:07 pm
Scrupulum.

Antes de dizer disparates estude primeiro um pouco de História:
Estude a Revolução verde do Kadafi e veja o que dela disseram os comunistas, tanto os portugueses quanto os outros.
A revolução líbia era a interpretação árabe para o marxismo.

Estude também a História recente, ou seja, leia os jornais:
A Alemanha não apoiou a operação por causa do Partido Verde cujo aumento eleitoral ameaçou retirar a maioria da CDU no estado de Baden-Württemberg.
Um apoio alemão a qualquer guerra, era a mesma coisa que garantir a perda da maioria naquele estado.
Para azar da senhora Merkel, o truque de estar contra a guerra na Líbia quase funcionou mas tornou-se irrelevante, quando o Tsunami no Japão lhe arruinou a campanha e deu aos verdes mais de 24% dos votos.
Esta é a realidade dos factos, a realidade da história e a realidade dos jornais.
Os alemães não são nem mais nem menos a favor de matar o Kadafi. MAs a senhora Markel não gosta de perder eleiçoes (coisa de ocidental depravado e malvado).


O facto de os rebeldes líbios não estarem inocentes, não é relevante quando falamos num ditador que há muito tempo deveria ter sido escorraçado do poder.
A sua tese corresponde quase a dizer que, porque os americanos mataram civis alemães durante os bombardeamentos da II guerra mundial, isso faz deles tão criminosos quanto os alemães que construiram os campos da morte de Auschwitz, Treblinka ou Sobibor.

é um truque muito utilizado, mas não pega para quem tem cérebro para pensar.
Não é legítimo comparar os rebeldes aos mercenários do ditador.
Há um mar de diferenças entre eles.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Maio 04, 2011, 01:02:31 am
Qual acham que será a resposta da OTAN no caso de Kadafi utilizar armas químicas ?

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Maio 04, 2011, 09:26:30 am
Citação de: "papatango"
Scrupulum.

Antes de dizer disparates estude primeiro um pouco de História:
Estude a Revolução verde do Kadafi e veja o que dela disseram os comunistas, tanto os portugueses quanto os outros.
A revolução líbia era a interpretação árabe para o marxismo.

Estude também a História recente, ou seja, leia os jornais:
A Alemanha não apoiou a operação por causa do Partido Verde cujo aumento eleitoral ameaçou retirar a maioria da CDU no estado de Baden-Württemberg.
Um apoio alemão a qualquer guerra, era a mesma coisa que garantir a perda da maioria naquele estado.
Para azar da senhora Merkel, o truque de estar contra a guerra na Líbia quase funcionou mas tornou-se irrelevante, quando o Tsunami no Japão lhe arruinou a campanha e deu aos verdes mais de 24% dos votos.
Esta é a realidade dos factos, a realidade da história e a realidade dos jornais.
Os alemães não são nem mais nem menos a favor de matar o Kadafi. MAs a senhora Markel não gosta de perder eleiçoes (coisa de ocidental depravado e malvado).


O facto de os rebeldes líbios não estarem inocentes, não é relevante quando falamos num ditador que há muito tempo deveria ter sido escorraçado do poder.
A sua tese corresponde quase a dizer que, porque os americanos mataram civis alemães durante os bombardeamentos da II guerra mundial, isso faz deles tão criminosos quanto os alemães que construiram os campos da morte de Auschwitz, Treblinka ou Sobibor.

é um truque muito utilizado, mas não pega para quem tem cérebro para pensar.
Não é legítimo comparar os rebeldes aos mercenários do ditador.
Há um mar de diferenças entre eles.


Kadafi ao escrever o seu "Livro Verdé", onde expôs a sua ideologia e os seus conceitos de organizaçao social, pretendeu apresentar uma "terceira via" : uma opçao ao capitalismo e ao comunismo, as duas ideologias que na altura disputavam o controlo do planeta. Se vc tivesse lido esse livro teria constatado a salada que ele escreveu e que de socialista tem muito pouco apesar de algumas referencias a esta ideologia. A organizaçao da sociedade libia é baseada mais nas tradiçoes tribais do que em Karl Marx (vêr p.ex.  o papel da mulher na sociedade libia preconizada no livro verde ; vc vai-se rir) e o sistema economico libio era (é) mixto , como o era em Portugal ou em França nessa altura. Esse livro verde é tao pequenino que vc o consegue lêr em 2 horas, por isso recomendo-lhe a leitura pois vc nao perde muito tempo com isso.

O Ocidente tem que ter um comportamento e uma ética exemplares se quizer dar liçoes aos outros. A invasao do Iraque , do Afeganisatao ou da Servia, os bombardeamentos de populaçoes civis, a pratica da tortura, a ocupaçao e o massacre dos palestinianos,  estao na origem de todos os Bin laden deste mundo e mataram muito mais gente inocente do que o ataque às torres gémeas. O Ocidente tem que mudar de rumo e de procedimentos e é angustiante vêr que na Libia se demonstra a continuidade da politica ocidental em vez da mudança exigida.

Os Libios têm um problema com o seu regime, eles que o resolvam ; fica muito mais barato em termos de sangue derramado !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Desertas em Maio 04, 2011, 10:38:14 am
Embarcações pró Kadafi tentam minar porto de Misrata .


Citar
Libya: Nato says Gaddafi tried to mine Misrata harbour

Nato says its warships have intercepted pro-Gaddafi forces trying to lay mines in the harbour of the city of Misrata.

A senior Nato official said crews were disposing of the mines.

Rebels say government tanks have launched another assault on Misrata, which has been under siege for several weeks.

In another development, Tunisian troops are reported to have captured Libyan soldiers who crossed the border in pursuit of rebel forces.

Nato's director of operations in Libya, Brig Rob Weighill, said warships stationed in the Mediterranean stopped the mine-laying attempt on Friday morning.

"Our ships intercepted the small boats that were laying them and we are disposing of the mines that we found," he told reporters via video-link from his headquarters in Naples, Italy.

"It again shows [Libyan leader Col Muammar Gaddafi's] complete disregard for international law and his willingness to attack humanitarian delivery efforts," he added.

Nato is enforcing a UN resolution to protect civilians in Libya amid a two-month revolt inspired by other uprisings in the Arab world.
Advertisement

Brigadier Rob Weighill: Warships stationed in the Mediterranean stopped the mine-laying

Human rights groups say more than 1,000 people have been killed in the fighting in Misrata and many more have been wounded.

The harbour has been a lifeline for ships ferrying the injured to hospitals in the rebel stronghold, Benghazi, and also for aid entering the city.

Brig Weighill added that rebels in Misrata had made advances in recent days.

"The rebels have expanded their perimeter significantly over the past week. To suggest they are winning would be overly optimistic," he said. "They are putting up a very spirited fight."
'Tank attack'

Meanwhile, foreign journalists in Misrata reported loud explosions coming from the direction of the airport on Friday.

A rebel fighter helping a wounded comrade back from the front line told AFP news agency that four tanks had attacked the city "and one has been destroyed so far".

"They took up positions during the night on the airport road and tried to enter the city. We've stopped them at the outer limits, at least for now," he said.

In western Libya, the situation at the Wazin border crossing was said to be calm after fierce fighting saw it change hands twice in only a few hours. Rebels were said to be in control of it by Friday morning.

The crossing has changed hands several times in recent weeks.
Continue reading the main story
Map locator

    * Libyan rebels in landmines pledge

Government troops who retook the post on Thursday chased rebel forces into the nearby Tunisian town of Dahiba, Tunisian TV said. The pro-Gaddafi forces were overpowered by Tunisian forces and surrendered their weapons.

Analysts say the to-and-fro fighting for the crossing is typical of the fluid and complex Libyan conflict that broke out in mid-February.

Tunisian TV said Libyan forces in about 15 vehicles entered Dahiba on Friday morning.

"The violation of [Tunisian] territories by Gaddafi brigades took place this morning during their heavy fight against revolutionaries," the report said.

"This caused a violent chaos including in the centre of Dahiba. While the national army and border guards dominated the brigades and confiscated their weapons, the residents of Dahiba and the surrounding areas threw stones at the brigades' vehicles to show that they objected to their entrance into the town."

A resident of Dahiba told Reuters that pro-Gaddafi forces fired shells into the town, damaging buildings and injuring at least one resident. A group drove into the town in a truck in pursuit of rebels, he said.

One report said Tunisian troops had fired into the air to disperse the pro-Gaddafi forces.

Tunisian authorities warned of a "dangerous military escalation".

"Shots fired at a populated area on Tunisian territory [are] a violation of Tunisia's territorial integrity and a violation of the security of the residents of this region," a statement from the Tunisian foreign ministry said.

"Given the gravity of what has happened ... the Tunisian authorities have informed the Libyans of their extreme indignation and demand measures to put an immediate stop to these violations."

Thousands of people have fled across Libya's borders to escape the violence of recent weeks.

http://www.bbc.co.uk/news/world-africa-13242157

Um Abraço
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Maio 04, 2011, 12:16:37 pm
Meu caro, o livro verde foi uma tentativa de introduzir o Socialismo no mundo árabe, numa altura em que parecia que o mundo socialista triunfaria de forma gloriosa sobre o capitalismo malvado e decadente, que estava a patinar no Vietname.

Mas o mais importante foi a ligação estabelecida com as estruturas repressivas da KGB soviética e da STASI alemã (essencialmente).
As estruturas de repressão do estado Líbio, como do estado Sirio e do estado Iraquiano, foram apoiadas pelos comunistas
alemães e soviéticos.

É por isso, que os dois países abertamente controlados por partidos socialistas (Partido Árabe Socialista - Bahas) o Iraque e a Síria são os mais repressivos regimes árabes de que há memória. Kadafi estava mais para ocidente. A Líbia não é Médio Oriente e escolheu uma via ligeiramente diferente ainda que socialista.
Não sei se sabe, mas foram tentadas várias uniões politicas entre países árabes, uma das quais foi a união entre a Síria e a Líbia.


= = = =

Quanto à superioridade moral do ocidente, essa é muito boa, realmente muito boa.
Entendo que os que vocês queriam, eram poder torturar à vontade, matar e violar quem quisessem sem oposição.
Era o mundo ideal, não era ?
Vocês matavam, mas o ocidente bonzinho, não podia fazer nada, porque tem que cumprir com as regras dos bonzinhos e dos meninos de coro.

E é isso que lixa a esquerda porca !
As democracias têm dentes e mordem, mordem muito.


A diferença, é que as ditaduras marxistas violam os direitos humanos por sistema. Já as democracias não são isentas de falhas, podem violar esses direitos com certeza, mas fazem-no como excepção. Uma excepção que confirma a regra.

O que vocês tentam fazer  é comparar os regimes porcos que matam por regra, com as democracias que matam excepcionalmente.
O objectivo é dizer que afinal as democracias também são regimes porcos.


É o mesmo método dos ladrões e dos corruptos.
Os criminosos, os ladrões e os corruptos, tentam convencer toda a gente de que todos somos ladrões, todos somos corruptos, para assim não se notar a diferença entre os mafiosos e os honestos.

É uma táctica velha.
E afinal, nada irrita mais o criminoso, que uma vítima que parecia fácil de repente responder com uma violência inesperada.

Malvada vítima!
A culpa é da vítima !
A culpa é dos assassinados pelo Kadafi, não do Kadafi.


NOJENTO !
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 04, 2011, 09:00:33 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: scrupulum em Maio 05, 2011, 11:30:45 am
Os oficiais superiores dos rebeldes libios venderam ao Hezbollah e ao Hamas milhares de  obuses quimicos desviados dos stocks de gaz mostarda que cairam nas maos dos rebeldes quando estes tomaram de assalto as instalaçoes militares governamentais em Bengazi.

Esta noticia pôs em alvoroço o governo de Teerao e os grupos terroristas apoiados pelo Irao, prontos a tudo para deitar a mao a estas armas nao-convencionais.
Os rebeldes  puseram à venda pelo menos 2000 obuses de artilharia veiculando gaz mostarda e 1200 obuses caregados de gaz de nervos a fim de financiar as suas operaçoes contra o governo de Kadafi.

As agencias de segurança israelitas e americanas seguiram a pista destas ADM (armas de destruiçao de massa) desde o leste da Libia até ao Sudao para onde foram levadas por agentes iranianos e guardas do Hezbollah e do Hamas, aguardando uma ocasiao para as transferir  para a banda de Gaza.
O Irao apoia os anti-Kadafi por causa desta oportunidade unica de armar os movimentos palestinianos em armas nao-convencionais,  sem se implicar diretamente.

Pouco tempo depois do incio da revolta, durante a terceira semana de fevereiro, uma delegaçao secreta iraniana deslocou-se a Bengazi onde os seus membros se reuniram com os chefes rebeldes, alguns deles desertores do exercito libio, para negociar o preço do stock completo do gaz envenenado.
O Hezbollah et o Hamas deslocaram-se tambem a Bengazi na primeira semana de março para finalizar o negocio e organizar o transporte daquelas armas.

A primeira fonte americana a fazer referencia à presença do Hezbollah e do Hamas em Bengazi foi o o almirante James Stravidis, comandante das forças americanas da Otan, dirigindo-se a uma comissao do Senado americano em 29 de março, e onde mencionou a presença de islamistas dirigidos pela Al-Qaeda e pelo Hezbollah do lado dos rebeldes libios.

FONTE : Aschkel
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 05, 2011, 11:55:58 am
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: PereiraMarques em Maio 05, 2011, 02:40:36 pm
Citar
Os oficiais superiores dos rebeldes libios venderam ao Hezbollah e ao Hamas milhares de obuses quimicos

Obus é diferente de Granada de Obus. :roll:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 05, 2011, 11:33:58 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 07, 2011, 10:55:33 pm
Itália vai fornecer armas aos rebeldes Líbios

(http://img.allvoices.com/thumbs/event/609/480/76442622-libyan-rebels.jpg)


"(Os italianos) vão fornecer-nos armas e nós vamos recebê-las muito  em breve", declarou à imprensa Abdel Hafiz Ghoga, o vice-presidente do Conselho  Nacional de Transição (CNT), órgão político dos rebeldes.  

Em Roma, fontes do ministério dos Negócios Estrangeiros precisaram que  a Itália vai fornecer "material de auto-defesa" aos rebeldes, no quadro  da resolução 1973 do Conselho de Segurança da ONU.  

A Itália não fornecerá armas de assalto, acrescentaram as fontes, sem mais pormenores.  

Os rebeldes reclamam regularmente armas para enfrentar as forças governamentais,  que combatem desde meados de fevereiro.  

Tal como a França e o Reino Unido, a Itália já enviou alguns conselheiros  militares para Benghazi (leste), sede do CNT, para ajudar os rebeldes a  organizar-se. Segundo Gogha, o número de combatentes rebeldes a lutar em todo o país não ultrapassa neste momento as 3000 pessoas.  

O vice-presidente do CNT indicou também que os ataques dos pró-Kadhafi  estão a intensificar-se, um sinal, segundo ele, de que a pressão internacional  está a dar os seus frutos: "Parece que quanto mais desesperado está Kadhafi,  mais descarrega no seu povo", observou.  

Os rebeldes perderam pelo menos nove dos seus combatentes hoje em violentos  confrontos perto de Zenten, nas montanhas a sudoeste de Tripoli  e mais cerca de 50 pessoas ficaram feridas, várias com gravidade, segundo fontes médicas citadas pela agência AFP no local.  

O conflito na Líbia já fez milhares de mortos, segundo o procurador  do Tribunal Penal Internacional, Luís Moreno-Ocampo.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 09, 2011, 02:38:48 pm
Ataques de Kadhafi em Misrata podem constituir crimes de guerra


Alguns dos ataques das forças do líder libio, Muammar Kadhafi, na cidade de Misrata podem constituir crimes de guerra e contra a humanidade, disse hoje Donatella Rovera, representante da Amnistia Internacional (AI) em Benghazi. Rovera realizou uma investigação de uma semana no final de Abril em Misrata, e, segundo ela, reuniu provas de que alguns dos ataques das tropas governamentais contra a população civil da terceira maior cidade da Líbia podem ser considerados crimes de guerra.

«As tropas de Kadhafi estão a usar armas de forma indiscriminada, como os mísseis russos Grad (de longo alcance) e projécteis de artilharia e morteiros, que têm uma grande margem de erro», disse.

Estas armas só podem ser usadas em campo de batalha, não sobre regiões densamente povoadas, acrescentou Rovera, que também destacou que estão a ser utilizadas bombas de fragmentação, que são ilegais e letais para a população civil.

As forças governamentais têm atacado e bloqueado a cidade de Misrata há dois meses, bombardeando de forma sistemática e arbitrária regiões habitadas com  artilharia pesada e mísseis de longo alcance, segundo várias organizações internacionais, a NATO e testemunhas.

Rovera denunciou ainda a tentativa das forças de Kadhafi de isolar os cerca de 400 mil habitantes de Misrata, que só é acessível por mar, impedindo ou limitando a entrega de ajuda humanitária e a evacuação dos feridos, que não podem receber tratamento no local.

«Nas últimas duas semanas e de forma cada vez mais intensa, os ataques estão dirigidos especialmente ao porto de Misrata, além de continuarem os bombardeamentos indiscriminados que estão a matar e ferir civis» afirmou a representante da AI.

O porto está a ser o principal alvo dos ataques das tropas do regime, já que representa a única via de acesso à cidade e é de vital importância para a sobrevivência tanto dos milicianos rebeldes como dos civis.

Há duas semanas, as tropas de Kadhafi retiraram-se da região habitada e agora estão posicionadas nos arredores de Misrata, de onde bombardeiam a cidade de forma intermitente, utilizando armas de longo alcance pouco precisas.

«O facto de as forças de Kadhafi não estarem mais no centro (de Misrata) é positivo por um lado, mas por outro lado estão a atacar com mais força e indiscriminadamente porque os seus homens já não estão na cidade», afirmou Rovera.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 09, 2011, 07:10:17 pm
Mulher líbia que denunciou violação foge para o Qatar


A mulher líbia que em Março denunciou ter sido violada e torturada por membros das forças leais ao regime de Muamar Kadhafi conseguiu fugir da Líbia e está no Qatar, indicou hoje um representante da oposição. «Iman Al Obeidi conseguiu sair da Líbia, graças à ajuda dos rebeldes, através da região de Al Jabal Al Gharbi», uma zona montanhosa a sudoeste de Trípoli, perto da fronteira com a Tunísia, disse a fonte.

Al Obeidi está em Doha, e nos próximos dias falará em conferência de imprensa.

No dia 26 de Março, Iman Al Obeidi entrou no hotel Rixos de Trípoli, onde estão hospedados membros da imprensa internacional, pedindo ajuda aos jornalistas, afirmando que tinha sido violada e torturada várias vezes por homens de Kadhafi.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 23, 2011, 08:14:44 pm
Soldados capturados dizem que Kadhafi ordenou violações colectivas


Acusações de que as forças do líder líbio Muammar Khadafi estão a promover violações colectivas durante batalhas contra rebeldes foram confirmadas por dois soldados a um correspondente da BBC no país. Detidos em Misrata, no noroeste da Líbia, os militares afirmaram que foram forçados a violar quatro mulheres e deram pormenores da suposta campanha de Khadafi na região.

O Tribunal Penal Internacional (TPI), que pediu a prisão do líder líbio por crimes contra a humanidade, já disse estar a analisar provas sobre a ocorrência de violações em massa no país.

Segundo o jornalista da BBC Andrew Harding, os soldados tinham 17 e 21 anos e foram capturados pelos rebeldes há duas semanas.

«Fomos trazidos para Misrata e disseram-nos que a cidade estava sob ataque de mercenários argelinos e egípcios. Eles diziam que estávamos aqui para libertar Misrata», disse, sob condição de anonimato, o militar de 17 anos ao repórter.

Ele conta que após entrar na casa de uma família, o grupo em que estava amarrou e atirou na perna do pai, da mãe e de três meninos.

«Depois, os comandantes levaram as meninas para o andar de cima e disseram-nos para subirmos ao telhado (para vigiar) enquanto eles acabavam de violá-las. Daí, mandaram-nos violar as meninas também», contou.

«Fiquei com medo. Mas quando a gente se recusou, eles começaram a bater-nos. Eram quatro raparigas, de 20 a 24 anos. Elas estavam conscientes. Eu violei uma», acrescentou."

Segundo o militar, as jovens não diziam nada. Estavam cansadas e feridas, e já tinham sido violadas por cerca de outros 20 militares.

Contou ainda que a violação colectiva durou cerca de uma hora e meia e que, enquanto as raparigas eram violadas, os militares ouviam música, dançavam e fumavam.

«Não estou feliz pelo que fiz, mas não tenho medo, quero deixar claro que os comandantes nos obrigaram a violá-las. Disseram-nos que se fizéssemos isso, eles nos dariam dinheiro. E ganhámos 10 dinares (cerca de 6 euros). Foi a primeira vez que fiz sexo. Eu tenho quatro irmãs», disse ainda.

Harding afirma que a sua impressão era a de que a história contada pelos militares era verdadeira, mesmo tendo em mente o interesse dos rebeldes em retratar Khadafi da pior maneira possível - o que poderia incentivar os militares a mentir.

Salientou também ter indicações de que os relatos não são histórias isoladas, mas fazem parte de uma campanha sistemática contra civis.

«(As violações) ocorreram muitas vezes. A maior parte dos que violentaram famílias estavam nas forças especiais. Ouvimos no rádio (no sistema de comunicação dos militares) que cerca de 50 famílias foram violadas», disse o militar de 17 anos.

Os rebeldes que actualmente controlam Misrata afirmam que há centenas de vítimas, mas até agora nenhuma fez uma queixa formal.

De acordo com Harding, uma das razões para isso é o facto de muitas famílias terem sido obrigadas a deixar a cidade - e outras estarem desaparecidas. Também cita a possibilidade de o número de violações ser bem menor do que o sugerido pelos rebeldes.

Mas, segundo o repórter, a causa mais provável está na cultura extremamente conservadora da Líbia - em Misrata principalmente - que considera violação uma grande vergonha para toda a família e algo que não deva ser mencionado em público.

«Essa é uma questão muito delicada», diz Ismael Fortia, obstetra que vive em Misrata e integra uma comissão para investigar as acusações de violações colectivas e tenta ajudar as vítimas.

«Ninguém disse nada até agora, mas esperamos que após uma ajuda psicológica, elas venham conversar conosco», disse Fortia, que também acredita que haja centenas de vítimas.

«Isso (a violência sexual) afectou o povo de Misrata mais do que qualquer outra coisa durante os confrontos», disse. O médico confirmou duas histórias ouvidas por Harding na cidade. A primeira é a de que alguns rebeldes estão a oferecer-se ara casar com as as vítimas «para livrar a família da vergonha».

A segunda diz respeito a vídeos das violações, gravados pelos militares com os telemóveis, que estão a circular pela cidade.

Em poder dos rebeldes, Misrata está cercada pelas forças de Kadhafi há mais de dois meses.

Cumprindo uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, a NATO está a realizar ataques aéreos para tentar proteger a população civil do conflito entre as forças do governo e os insurrectos. Em todo o país, cerca de 750 mil pessoas já fugiram da Líbia desde o início dos combates.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 25, 2011, 09:55:57 pm
NATO aumenta ataques a Trípoli e descarta paralelo com o Iraque


Aviões de guerra da NATO atacaram Trípoli hoje intensamente pelo segundo dia consecutivo, aumentando a pressão militar sobre Muammar Kadhafi, enquanto crescem os esforços diplomáticos para exigir a saída do líder após 41 anos.
Seis fortes explosões foram ouvidas na capital no final desta tarde num espaço de 10 minutos, na esteira de ataques intensos um dia antes incluindo um sobre o complexo de Kadhafi, que as autoridades líbias disseram ter morto 19 pessoas e pelos quais a TV estatal culpou os «cruzados colonizadores».

Um responsável da NATO disse que a aliança atingiu um bunker de armazenamento de veículos, um depósito de mísseis e um centro de comando e controlo nos arredoers de Trípoli. Alvos do governo próximos do bastião rebelde de Misrata, no oeste, também foram atingidos.

«Estivemos bastante activos nas últimas 24 horas e continuaremos assim», disse o responsável.

A agência de notícias líbia Jana diz que a NATO atacou uma estação de telecomunicações em Zlitan, a oeste de Misrata, de terça para quarta-feira, causando «perdas materiais e humanas».

O ministro Negócios Estrangeiros britânico, William Hague, descartou receios de que os países ocidentais estejam a mergulhar num conflito ao estilo iraquiano. «É muito diferente do Iraque, porque obviamente no caso do Iraque havia grande quantidade de tropas terrestres mobilizadas pelas nações do Ocidente», disse hoje Hague à rádio BBC.

França, Grã-Bretanha e Estados Unidos conduzem os ataques aéreos, que começaram no dia 19 de Março depois de o Conselho de Segurança da ONU autorizar «todas as medidas necessárias» para proteger os civis das forças de Kadhafi, que procurava sufocar o levantamento contra o seu governo de 41 anos.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 28, 2011, 05:34:21 pm
:arrow: http://www.aereo.jor.br/wp-content/uplo ... es1200.jpg (http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2011/05/Libya_Coalition_Sorties1200.jpg)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 30, 2011, 12:03:36 pm
Britânicos usarão bombas de uma tonelada para atacar Kadhafi


O Reino Unido vai acrescentar as chamadas bombas «bunker-busting» ao arsenal que os seus aviões estão a usar sobre a Líbia, visando enviar uma mensagem clara a Muammar Kadhafi de que é hora de desistir. As «bunker-bustings» (destruidora de edificações) pesam uma tonelada cada uma e podem penetrar no interior de prédios. Elas já teriam chegado à base italiana de onde os aviões britânicos partem para a Líbia.

Os britânicos e outros países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) intensificam a acção militar contra a Líbia para tentar terminar com o impasse actual, pelo qual Kadhafi se mantém no poder apesar de semanas de ataques aéreos e ações de rebeldes.

«Não estamos a tentar atingir fisicamente pessoas do círculo de Kadhafi, mas estamos a enviar mensagens cada vez mais claras», disse em comunicado o ministro da Defesa britânico, Liam Fox.

«Kadhafi pode não ser capaz de ouvir, mas os que estão em volta dele podem ser sábios o suficiente para isso», afirmou.

A aliança militar diz que actua sob mandato das Nações Unidas para proteger civis de ataques das forças de segurança de Kadhafi. No entanto, as tácticas mais agressivas podem causar divisões na coligação e também acabar por empurrar a NATO para algo perto de uma intervenção terrestre, algo que ela procura evitar.

A rede de TV Al Jazeera transmitiu imagens do que alegadamente estavam forças estrangeiras, possivelmente britânicas, perto da cidade de Misrata, reduto rebelde na Líbia. Os homens estavam armados, com óculos escuros e cobriam a cabeça ao estilo árabe.

Para intensificar os ataques, britânicos e franceses disseram que usarão helicópteros, que, no entanto, são mais vulneráveis a artilharia terrestre do que os aviões.

Kadhafi nega atacar civis e diz que a intervenção da NATO é uma agressão colonial para capturar o petróleo líbio.

Jacob Zuma, líder sul-africano, é esperado em Tripoli nesta segunda-feira, a sua segunda visita desde que o conflito começou, para tentar um acordo de cessar-fogo, em que é intermediário em nome da União Africana.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 01, 2011, 08:37:58 pm
Veteranos das forças especiais britânicas apoiam rebeldes


Veteranos das forças especiais britânicas, contratados por empresas de segurança privadas, estão em Misrata, na Líbia, para aconselharem os rebeldes no terreno e fornecerem informações à NATO, noticiou hoje o diário britânico The Guardian.

Antigos membros das forças especiais britânicas fazem chegar ao comando das operações da NATO, em Nápoles, informações sobre a localização e movimentos das tropas fiéis a Muammar Kadafi, disseram fontes militares citadas na edição de hoje do The Guardian.

Segundo as mesmas fontes citadas por aquele diário, os antigos militares britânicos encontram-se na Líbia com a autorização do Reino Unido, França e de outros países membros da Aliança Atlântica e as forças de coligação disponibilizaram-lhes equipamentos não ofensivos.

O ministro da Defesa britânico desmentiu a possibilidade de aqueles antigos militares estarem a ser pagos pelo governo britânico e insistiu não ter tropas combatentes na Líbia.

O The Guardian afirma que aqueles conselheiros poderão estar a ser pagos por países árabes, como o Qatar.

Londres aprovou na semana passada a utilização de helicópteros de ataque Apache na Líbia e as informações recolhidas pelos conselheiros dos rebeldes deverão ser utilizadas pelos pilotos britânicos e franceses para missões previstas para esta semana.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: borisdedante em Junho 04, 2011, 06:55:19 am
British helicopters strike Libya

http://www.timesofmalta.com/articles/vi ... bya.368762 (http://www.timesofmalta.com/articles/view/20110604/world/british-helicopters-strike-libya.368762)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: borisdedante em Junho 04, 2011, 06:09:36 pm
Libya: UK Apache helicopters used in Nato attacks (vídeo forças Inglesa)

http://www.bbc.co.uk/news/uk-13652388 (http://www.bbc.co.uk/news/uk-13652388)


vídeo forças Francesas
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 07, 2011, 10:30:35 pm
Novidade nos ataques da NATO, mas não na diplomacia


(http://img339.imageshack.us/img339/7408/imagedts.jpg)

A força militar internacional comandada pela NATO promoveu na tarde de terça-feira uma série de ataques aéreos tidos como «pouco habituais» na Líbia. Os ataques, diurnos desta terça-feira , parecem corresponder aos avisos emitidos pela organização de que iria intensificar os seus esforços para retirar Muammar Kadhafi do poder. «Em vez de falarem connosco, estão a bombardear-nos. Estão a ficar malucos, estão a perder a cabeça». As quatro expressões veiculadas por Ibrahim Moussa, porta-voz do regime, poderiam muito bem ecoar em cânticos de protesto em uma qualquer revolta que assola hoje em dia o mundo árabe. A diferença prende-se, neste caso, por se dirigir a forças internacionais, em concreto, à NATO.

O maior ‘potencial mediático’ que os bombardeamentos oferecem, a um ritmo quase diário, abafa outro dos aspectos quase inalterável desde o início dos dois meses de intervenção internacional na Líbia: o impasse nas conversações de paz.

Os relatos apontam que o principal alvo dos ataques aéreos foi a base fortificada de Kadhafi, que, a meio da tarde, ficou rodeada de fumo devido aos constantes bombardeamentos que, a partir das 11h30 locais, começaram a ser deflagrados pela NATO. Foram contados, pelo menos, 27 bombardeamentos aéreos.

Os ataques diurnos provocaram o pânico entre a população líbia, revelou Ibrahim Moussa. Numa altura em que se aproxima o fim do ano escolar na Líbia, milhares de crianças estariam, alegadamente, a realizar exames nas várias escolas da capital.

Como tal, Moussa atirou para «o choque e horror das crianças e pais», sublinhando ainda «as milhares de crianças que estão neste momento em Tripoli».

Nem o regime ou a NATO avançaram para já com números referentes a eventuais vítimas dos ataques mas, segundo a Associated Press, o barulho de sirenas das ambulâncias ecoava nas ruas da cidade, entre o fumo e os sons da explosão dos bombardeamentos.

Apesar dos novos bombardeamentos da NATO, o impasse no conflito mantém-se. Os rebeldes exigem a deposição de Muammar Kadhafi do poder, mas o líder recusa-se a abandonar a liderança do regime. Como tal, a diplomacia e negociações de paz permanecem, por agora, estagnadas.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 07, 2011, 10:37:13 pm
Portugal envia missão diplomática a Benghazi "nos próximos dias"


Portugal enviará «nos próximos dias» uma missão diplomática a Benghazi, na Líbia, chefiada pelo ministro plenipotenciário Bernardo Futscher Pereira, a convite dos representantes do Conselho Nacional de Transição (CNT), informou hoje o Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Em comunicado, o Ministério adianta que «estão previstos encontros com os altos dirigentes do CNT, bem como com representantes da sociedade civil». As conversações deverão incidir sobre «as perspectivas de fim do conflito e o futuro da Líbia».

A missão portuguesa realizará ainda «contactos com os chefes dos escritórios da União Europeia e da Nato», bem como com outros representantes diplomáticos presentes em Benghazi.

Portugal, acrescenta-se no texto, tem trabalhado no sentido da defesa do povo líbio, uma vez que é membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas e presidente do Comité de Sanções, criado pela resolução 1973.

Depois de mais de dois meses de confrontos entre os rebeldes, que exigem a saída do coronel Muammar Kadhafi do poder, e as forças fiéis ao líder líbio, a NATO intensificou recentemente os bombardeamentos sobre instalações de tropas leais a Kadhafi em Tripoli e arredores.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Junho 12, 2011, 06:49:29 pm
Citar
EUA questionam Otan; confrontos em Misrata deixam 31 mortos
KHALED AL-RAMAHI - REUTERS

Os Estados Unidos acusaram alguns aliados da Otan de não atuarem com todas as forças na campanha contra Muammar Gaddafi, enquanto o líder líbio manteve o bombardeio na cidade controlada pelos rebeldes de Misrata, onde 31 pessoas morreram em confrontos, segundo médicos.

"A aliança militar mais poderosa da história está apenas 11 semanas em uma operação contra um regime mal armado e um país com baixa densidade populacional -- ainda assim, muitos aliados estão começando a ficar com pouca munição e pedem para os EUA, uma vez mais, para compensar a diferença", disse o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, em um discurso na sede da Otan em Bruxelas.

Gates afirmou que a aliança, focada em campanha pelo ar contra as forças líbias, se arrisca a "irrelevância militar coletiva" a menos que os parceiros europeus aprofundem o seu compromisso com a ação e com os gastos.

"A crua realidade é que haverá diminuição da paciência e do apetite (dos EUA) ... em gastar fundos cada vez mais preciosos em nome de países que aparentemente estão pouco dispostos a dedicar os necessários recursos ou fazer as mudanças essenciais para tornarem-se parceiros sérios e capazes de sua própria defesa", acrescentou Gates.

As potências mundiais deram indicações contraditórias sobre como o impasse na guerra civil pode acabar, com a Rússia tentando mediar uma reconciliação depois que nações ocidentais e árabes se comprometeram a doar 1,1 bilhão de dólares aos rebeldes e pediram a eles para planejar o futuro depois de Gaddafi.

Quando questionado sobre o desgaste entre os parceiros da Otan, Dirk Brengelmann, o secretário-geral assistente da organização para assuntos políticos, disse à Reuters em Rabat que apesar das discussões difíceis nos últimos dias, a aliança ainda estava "sóbria e comprometida" com a Líbia.

A exasperação de Gates foi ecoada pelos rebeldes, que controlam o leste do país e algumas outras áreas, mas não aparentam ser uma ameaça iminente ao regime de Gaddafi.

Ainda que os caças de guerra da Otan tenham aumentado os ataques contra a capital Trípoli, os rebeldes dizem que o líder líbio está organizando ofensivas em várias áreas, aparentemente sem prejuízos causados pela intervenção militar estrangeira.

Em Misrata, médicos disseram que pelo menos 31 pessoas foram mortas e 110 feridas em confrontos entre forças de Gaddafi e rebeldes na cidade sitiada. Confrontos também aconteceram na cidade de Zlitan, 40 km a oeste de Misrata.

Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Junho 14, 2011, 10:48:30 am
As declarações de Gates, são relativas à NATO na sua globalidade, nos seus objectivos, nas suas missões.
Esta «notícia» dá a impressão de que a NATO será irrelevante na Líbia.
Gates referiu-se a um contexto muito mais vasto. A NATO pode tornar-se irrelevante a nível global.

Mas isto não tem absolutamente nada a ver com a guerra na Líbia.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 15, 2011, 09:03:43 pm
Responsáveis da Embaixada da Líbia em Lisboa contra Kadhafi


O pessoal diplomático da embaixada da Líbia em Lisboa manifestou esta quarta-feira a sua ruptura com o regime de Muammar Kadhafi e o apoio ao Conselho Nacional de Transição (CNT), o órgão político dos rebeldes líbios. Numa ampla sala da representação diplomática ainda com uma fotografia do contestado líder Muammar Kadhafi – em pose de oração e ladeado por dois imãs –, o major-general Ibrahim Guma Elwafi, adido militar líbio em Portugal e Espanha leu uma declaração solene, fardado, e enquadrado por uma bandeira da independência da Líbia, o símbolo mais conhecido da rebelião.

Após prestar homenagem aos «mártires líbios, netos e filhos de Omar Almuktar», o herói nacional que resistiu à colonização italiana e foi enforcado em 1931, Ibrahim Guma Elwafi anunciou a sua «integração e apoio à revolução dos livres, à digna revolução de 17 de Fevereiro», e ainda «o apoio ao Conselho Nacional de Transição (CNT), único representante legítimo do povo líbio».

«Que Deus nos ajude. Viva a Líbia», concluiu o adido militar.

Na declaração comum, subscrita por Guma Elwafi, pelo cônsul, Omran Asharedi; pelo conselheiro para a comunicação social, Saoud Eltayari e pelo conselheiro financeiro, Tamim Elbakshishi, os membros diplomáticos da embaixada líbia em Portugal anunciam o corte com o actual regime «no sentido da sua integração e solidariedade com o Conselho Nacional de Transição», definido como «o único representante legal do povo líbio para o estabelecimento da liberdade, democracia e estado de direito».

Em finais de Fevereiro, o embaixador da Líbia em Lisboa, Ali Ibrahim Emdored, na carreira diplomática há 40 anos, tinha já anunciado a sua demissão em protesto contra o uso da «força brutal» contra os manifestantes pelo regime de Kadhafi.

«Demiti-me porque a situação no meu país é muito má, contactei com diplomatas líbios em todo o mundo na sequência da revolta da juventude em 17 de Fevereiro e estão a usar a força contra os manifestantes civis… De acordo com as minhas informações prosseguem os massacres e o sangue continua a correr», referiu na ocasião.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 16, 2011, 05:45:43 pm
NATO vai manter pressão para a saída de Kadhafi

(http://mediaserver.rr.pt/newrr/Anders_Fogh_Rasmussen1154628a_400x225.jpg)

A NATO tem impedido um massacre na Líbia e vai manter a pressão militar sobre Muamar Kadhafi com o objectivo de preparar o caminho para uma solução política, afirmou hoje em Madrid o secretário-geral da Aliança Atlântica, Anders Fogh Rasmussen.
«A nossa mensagem ao povo líbio é clara. Vamos proteger-vos todo o tempo que for necessário. A nossa mensagem ao regime de Kadhafi é clara. A sua época terminou. Deve ir-se embora», disse Rasmussen num discurso no Senado espanhol.

«E a nossa mensagem para a comunidade internacional é clara. Vamos manter a pressão militar, de acordo com o nosso mandato, para preparar o caminho para uma solução política rápida na Líbia», sublinhou.

«A nossa operação tem o apoio político e militar de vários países da região», destacou, acrescentando: «juntos, temos impedido um massacre. Salvámos muitas vidas».

Rasmussen reuniu-se mais cedo com o chefe de Governo espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero.

«Ambos concordaram que é preciso manter a pressão militar, política e econômica (sobre Kadhafi) e apoiar o Conselho Nacional de Transição, contribuindo assim para propiciar a emergência de uma Líbia unida», afirma um comunicado do governo espanhol.

A NATO assumiu a 31 de Março a direcção da intervenção internacional na Líbia, sob mandato da ONU, para proteger a população civil, cuja revolta foi reprimida pelas tropas do governo.

Mas algumas divergências começaram a surgir recentemente dentro da coligação relacionados com o orçamento da Defesa.

O secretário da Defesa norte-americano, Robert Gates, afirmou na quarta-feira que a diferença entre os gastos destinados à defesa na Europa e nos Estados Unidos constituem um «grave problema» que ameaça provocar, em longo prazo, o afastamento de Washington da Aliança Atlântica.

Rasmussen também se declarou preocupado com o «baixo nível dos gastos em defesa, em particular na Europa», e defendeu uma «cooperação multinacional» na área.

O ex-primeiro-ministro dinamarquês afirmou ainda que a comunidade internacional deve começar a preparar a era pós-Kadhafi, e que a NATO pode ajudar neste sentido.

«Uma vez finalizada a crise, será necessário reformar os sectores militares e de segurança. A NATO tem uma grande experiência neste âmbito. Devemos estar preparados para responder a qualquer pedido de ajuda», concluiu.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Junho 16, 2011, 08:45:22 pm
http://defensetech.org/
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lightning em Junho 17, 2011, 11:43:11 pm
Citação de: "papatango"
As declarações de Gates, são relativas à NATO na sua globalidade, nos seus objectivos, nas suas missões.
Esta «notícia» dá a impressão de que a NATO será irrelevante na Líbia.
Gates referiu-se a um contexto muito mais vasto. A NATO pode tornar-se irrelevante a nível global.

Mas isto não tem absolutamente nada a ver com a guerra na Líbia.

O que entendo desse artigo é que a NATO sem o poder militar dos Estados Unidos é muito fraquinha, isto é, apesar dos paises europeus no papel terem muitas unidades militares, eles tem pouca capacidade de colocar essas unidades em combate, e se for num teatro de operações expedicionário anda pior, um bom exemplo disso somos nós, Portugal, no papel o nosso Exército possui 3 Brigadas, nos exercicios que o Exército efectua vemos um conjunto de diversos Batalhões o que dá 1 Brigada, e na hora da verdade só conseguimos mandar 1 Batalhão para uma missão expedicionária, isto é, de um valor teórico de 3 Brigadas obtemos um valor real de 1 Batalhão, e isso é o que acontece com a maioria dos paises europeus da NATO.

No dia em que a NATO já não interessar aos EUA, esta irá se tornar praticamente irrelevante pois os paises europeus não se entendem, é o tal ditado, todos ralham e ninguém tem razão.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 18, 2011, 05:27:59 pm
Obama continua ataques sem aprovação do Congresso

(http://www.republicreport.com/wp-content/uploads/2011/03/382fa0bd9747553ff40607b97ce2875a.jpg)

O presidente norte-americano, Barack Obama, decidiu dar continuidade aos ataques aéreos na Líbia sem a aprovação do Congresso e apesar de os advogados do departamento de Justiça e do Pentágono terem dado parecer negativo.

Obama baseou-se antes nas opiniões de outros advogados seniores da sua administração segundo as quais a participação dos Estados Unidos nas operações aéreas contra o regime de Muammar Kadhafi não constitui "hostilidade", não necessitando, por isso, da aprovação do Congresso no âmbito da Resolução sobre Poderes de Guerra, refere a edição eletrónica de sexta-feira à noite do jornal The New York Times.

Entre os que apoiam a decisão de Obama encontram-se o conselheiro da Casa Branca, Robert Bauer, e o conselheiro legal do departamento de Estado, Harold H. Koh, e entre os opositores estão o conselheiro geral do Pentágono, Jeh C. Johnson, e a diretora do gabinete de aconselhamento legal do departamento de Justiça, Caroline Krass, acrescenta o jornal.

A lei de 1973 proíbe o envolvimento dos Estados Unidos em operações militares por mais de 60 dias sem a autorização do Congresso, podendo esse prazo ser prolongado por outros 30 dias.

O prazo de 60 dias terminou em Maio com a Casa Branca a defender que estava a cumprir a lei. No domingo completam-se 90 dias da participação dos Estados Unidos nas operações militares na Líbia sem a aprovação do Congresso.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 20, 2011, 07:00:27 pm
A Líbia, três meses depois
Alexandre Reis Rodrigues

(http://www.csmonitor.com/var/ezflow_site/storage/images/media/images/0320-libyan-war-critics.jpg/9849297-1-eng-US/0320-libyan-war-critics.jpg_full_600.jpg)

Dentro de dias, completam-se três meses sobre o início da intervenção da NATO na Líbia (Operação Unified Protector); tendo em conta a recente decisão de estender a intervenção até ao final de Setembro a Aliança tem pouco mais de outros três meses para resolver a situação (até ao final de Setembro).

O registo histórico de intervenções baseadas apenas no poder aéreo não nos permite ser optimista. Na II Guerra Mundial, a única intervenção aérea que sozinha conseguiu alterar o rumo dos acontecimentos, pondo fim à guerra, foi a do lançamento da bomba atómica no Japão, que levou directamente à sua rendição. Em todas as outras situações, só a subsequente intervenção de tropas no terreno, conseguiu a rendição.

Há, porém, uma excepção, um exemplo de sucesso, no passado recente: o caso de Kosovo, resolvido ao fim de 11 semanas de campanha aérea, incluindo cerca de 10.500 missões e o lançamento de 12.000 toneladas de bombas. A actual intervenção da NATO vai, aproximadamente, pelo mesmo número de missões (10.000 a 13 de Junho), decorrido um período de tempo semelhante, mas, ao contrário do que sucedeu no Kosovo, não há ainda qualquer sinal de cedência da parte da Kadhafi.

Porque terá resultado no caso do Kosovo e não está a resultar na Líbia? A resposta a esta pergunta pode situar-se em dois planos: na forma como a campanha aérea está a ser conduzida, eventualmente de forma menos eficaz no caso da Líbia, ou na forma como o regime local pondera as suas opções e avalia a sua capacidade de resposta. Provavelmente, as explicações situar-se-ão nos dois campos, mas saber em que medida cada um está a impedir o sucesso da NATO ainda não é possível.

No caso do Kosovo, Milosevic terá concluído que para salvar o regime talvez fosse melhor dispor-se a perder a província; na Líbia, Kadhafi já sabe que não vai conseguir salvar o regime e dificilmente escapará ao seu julgamento, principalmente agora que o Tribunal Criminal Internacional emitiu um mandato para a sua captura e que a Comissão de Direitos Humanos das Nações Unidas o acusa de crimes contra a humanidade (entre 10.000 e 15.000 mortos, em resultado de ataques contra a população).

O que está em jogo, na Líbia, é, de facto, totalmente diferente do que estava na Sérvia. Neste segundo caso, era uma pequena província, fonte de problemas muito sérios para o regime sérvio, um território sem quaisquer recursos e reduzidas possibilidades de sobrevivência sem ajuda maciça da comunidade internacional. No caso da Líbia, os interesses em jogo têm uma dimensão muito maior e completamente diferente. Não é apenas por se tratar de um país produtor de petróleo; é a continuação do próprio país, tal como existe desde a sua independência em 1951, que está em causa.

Kadhafi tem vários trunfos por seu lado. O mais importante de todos talvez seja a sua capacidade de resistência e nunca hesitar em recorrer à mais brutal violência para atingir os seus objectivos políticos; quebrar o seu círculo próximo tem-se mostrado muito difícil, não obstante várias deserções importantes. A última foi a do ministro do Petróleo e, ao que tem constado na imprensa internacional, mais oito oficiais do Exército, incluindo cinco generais. Outro trunfo também relevante é saber que a NATO continuará a confiar apenas no emprego de meios aéreos; mesmo que decidisse incluir uma intervenção terrestre, contra o que se encontra permitido pelas Resoluções do Conselho de Segurança, Kadhafi, sabe que a população líbia, sempre desconfiada de intervenções externas, estará contra e não colaborará, seja qual for a sua nacionalidade.

Kadhafi também avalia como improvável um assalto das forças da oposição a Tripoli; estas, de facto, estão longe dessa possibilidade, quer por questões de organização, quer por falta de equipamento e armamento. O mais que a oposição consegue, e mesmo assim apenas com o apoio aéreo da NATO, é resistir na parte do território que mantém sob controlo. Nestas circunstâncias, se a Aliança não conseguir atingir directamente o refúgio de Kadhafi, então podemos estar perante um impasse de duração imprevisível.

É verdade que há aspectos da situação que parecem já irreversíveis; por exemplo, Kadhafi já não pode esperar conseguir a reunificação do País, conforme tentou de início ao atacar os bastiões da oposição. No entanto, ainda pode continuar a apostar, pelo menos como objectivo mínimo, na partilha territorial com o Governo Nacional de Transição de Benghazi, ficando o País como que dividido ao meio, o que, aliás, é a situação actual.

Resta saber a favor de quem o factor tempo vai jogar. Na actual situação, agora que a Aliança conseguiu atingir o objectivo de evitar o massacre que se temia, será a favor desta porque permite, por um lado, continuar a pressão militar e, por outro lado, dar oportunidade à tentativa de negociações que Moscovo concordou liderar. Uma saída de Kadhafi para um país que não participe do Tribunal Criminal Internacional, logo não obrigado a fazer a sua detenção, seria a melhor solução.

Se não for conseguida, dada a obstinação de Kadhafi em resistir, não resta senão esperar que a capacidade de resistência dos “fiéis” ao ditador acabe por se esgotar, não obstante a sua reduzida margem de manobra. Mas para que isso aconteça, a Aliança terá que intensificar a pressão militar.

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 24, 2011, 04:43:26 pm
Governo líbio usou minas terrestres brasileiras


A organização de proteção dos direitos humanos Human Right Watch (HRW) divulgou um relatório no qual afirma que o governo líbio de Muammar Kadafi está a utilizar minas terrestres de fabrico brasileiro.

"As minas encontradas são do tipo T-AB-1, de fabricação brasileira, e foram colocadas nas montanhas de Khusha a cerca de 10 milhas ao norte da cidade de Zintan", diz o relatório divulgado esta semana.

Segundo a Human Rights Watch, os explosivos foram posicionados para defender posições do governo no norte da Líbia. A ONG observa ainda que as T-AB-1 são um tipo de mina de difícil localização por serem feitas de plástico, com baixo teor de metais.

O Brasil deixou de produzir e exportar minas terrestres antipessoais em 1989.

Brasília é uma das signatárias do Tratado de Proibição de Minas Terrestres que proíbe o uso, produção e transferência de todos os tipos de minas antipessoais.

A assessoria do Ministério dos Negócios Estrangeiros brasileiro alegou que, pelas fotos, não é possível comprovar que as minas tenha de fato sido produzidas no Brasil, pela impossibilidade de se identificar o número de série ou o selo "Made in Brazil", que eram exigidos pela legislação da época em que eram fabricadas.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 27, 2011, 08:52:53 pm
Questão é saber como Kadhafi deixará o poder, diz Juppé


O chefe da diplomacia francesa, Alain Juppé, considerou hoje que a decisão do Tribunal Penal Internacional (TPI) de emitir um mandado de prisão contra Muammar Kadhafi confirma que «a questão não é saber se ele deve deixar o poder, mas como e quando».
A apresentação desse mandado de prisão «é a confirmação de que hoje a questão não é saber se Kadhafi deve deixar o poder, mas como e quando ele vai deixá-lo», declarou Juppé durante uma conferência de imprensa em Bordeaux (sudoeste), cidade na qual é o presidente da Câmara.

«Juntos com os nossos parceiros da coligação, da União Europeia, da União Africana, com os países árabes, estamos a buscar esta solução, que será uma solução política que permita estabelecer um cessar-fogo e o fim da intervenção militar», acrescentou Alain Juppé.

Para Bernard Valero, porta-voz do Quai d´Orsay, «esta decisão, de grande significado, representa a confirmação de que Kadhafi perdeu toda a legitimidade e que está totalmente isolado».

«A França pede o pleno respeito das obrigações internacionais ligadas ao TPI», acrescentou o porta-voz em comunicado.

O Tribunal Penal Internacional anunciou hoje ter emitido um mandado de prisão por crimes contra a Humanidade contra o coronel Muammar Kadhafi, segundo chefe de Estado a ser indiciado por esta instância depois do presidente sudanês Omar al-Bashir.

Os juízes também emitiram mandados de prisão por crimes contra a Humanidade contra o filho do coronel Kadhafi, Seif al-Islam, e contra o chefe dos serviços de inteligência líbios, Abdallah al-Senussi, como tinha sido solicitado pelo procurador Luis Moreno-Ocampo.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 29, 2011, 06:22:56 pm
Rebeldes líbios receberam 70 Milhões de €€€ em ajuda internacional e armas

(http://cdn-wac.emirates247.com/polopoly_fs/1.361439.1298821179!/image/945643867.gif)


Os rebeldes líbios receberam os primeiros 100 milhões de dólares (cerca de 70 milhões de euros) dos fundos prometidos pelas potências internacionais no início de Junho, segundo o ministro dos Negócios Estrangeiros britânico, William Hague. As Forças Armadas de França confirmaram, entretanto, ter enviado armas leves aos insurrectos no começo de Junho.

«Na última semana eles receberam os primeiros 100 milhões de dólares (70 milhões de euros) de fundos internacionais através do Mecanismo de Temporário de Financiamento», declarou hoje Hague numa audiência na Câmara dos Comuns, explicando que tal permitiria aos rebeldes comprar «combustíveis» e pagar «salários».

O Grupo de Contacto, como é designada a comissão integrada pelos países aliados na ofensiva contra o regime de Muamar Kadhafi, aprovou no começo de Junho em Abu Dhabi o financiamento e estabelecer este mecanismo para que o Conselho Nacional de Transição (CNT, aparelho político da rebelião) pudesse receber.

Os rebeldes, que controlam o leste da Líbia, fizeram no dia 14 um pedido aos países doadores para que desbloqueiem urgentemente os fundos prometidos, afirmando não ter recebido nada desde que começaram a campanha contra Kadhafi, em Fevereiro.

Enquanto isso, o Estado-Maior das forças armadas de França confirmou, em Paris que aviões franceses lançaram, de páraquedas, armas leves aos rebeldes líbios no início de Junho nas montanhas de Yebel Nafusa, no sudeste de Trípoli.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Junho 30, 2011, 03:17:28 pm
França defende envio aéreo de armas para os rebeldes líbios

(http://msnbcmedia.msn.com/j/MSNBC/Components/Photo/_new/pb-110302-libyan-rebels-jm-04.photoblog900.jpg)

A França disse que não violou o embargo de armas da Organização das Nações Unidas ao enviar por via aérea armas aos rebeldes líbios, já que tais armas eram necessárias para proteger civis ameaçados. Paris tornou-se na quarta-feira o primeiro país da NATO a admitir abertamente que tinha armado os rebeldes que tentam derrubar o regime de Muammar Kadhafi, alvo de três meses de bombardeamentos da aliança militar ocidental.

A campanha militar está apoiada numa resolução do Conselho de Segurança da ONU que autoriza o uso da força para proteger civis, mas Grã-Bretanha, França e EUA dizem que não vão parar até que Kadhafi caia.

Citando fontes não-identificadas, o jornal Le Figaro disse esta semana que a França usou este mês páraquedas para lançar lançadores de foguetes, metralhadoras e mísseis anti-tanque para os rebeldes nas Montanhas Ocidentais da Líbia.

Um porta-voz militar francês confirmou relato, o que levou alguns diplomatas na ONU a questionarem se o envio de armas sem o consentimento do comité de sanções do Conselho de Segurança não representaria uma violação ao embargo armamentista em vigor.

«Decidimos fornecer armas autodefensivas às populações civis porque consideramos que essas populações estavam sob ameaça», disse o embaixador francês junto da ONU, Gerard Araud, a jornalistas.

«Em circunstâncias excepcionais, não podemos implementar o parágrafo 9 quando se trata de proteger civis», disse Araud, referindo-se ao artigo da resolução 1970 do Conselho de Segurança, adotada em Fevereiro, que impôs um amplo embargo armamentista à Líbia.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Julho 04, 2011, 07:11:24 pm
Kadhafi pode ficar na Líbia se renunciar, diz líder rebelde


Muammar Kadhafi poderá viver a sua aposentadoria na Líbia se abdicar de todos os poderes, disse o líder dos rebeldes que tentam depô-lo, na mais clara concessão oferecida até agora ao homem que está há quatro décadas no comando do governo. Kadhafi tem resistido à pressão internacional pela sua renúncia, mas membros do regime dão sinais de que estão dispostos a negociar com os rebeldes, e que isso incluiria as regras para o futuro do líder líbio.

Há cinco meses que Kadhafi combate os rebeldes, além de ser alvo de bombardeamentos da NATO contra as suas forças e de um mandado internacional de prisão expedido pelo Tribunal Penal Internacional, que o acusa de crimes contra a humanidade.

«Como solução pacífica, oferecemos que ele possa renunciar e ordenar aos seus soldados que deixem os seus quartéis e posições, e então poderá decidir se fica na Líbia ou no exterior», disse o líder rebelde Mustafa Abdel Jalil. «Se ele desejar permanecer na Líbia, vamos determinar o lugar... e haverá supervisão internacional de todos os seus movimentos», disse o chefe do Conselho Nacional de Transição.

Abdel Jalil, que foi ministro da Justiça de Kadhafi e actualmente se encontra em Benghazi, a «capital» dos rebeldes no leste do país, disse ter feito a proposta há cerca de um mês, por intermédio da ONU, mas que não recebeu resposta de Trípoli.

As declarações de Abdel Jalil causaram certa indignação em Benghazi, onde houve um pequeno protesto em frente a um hotel contra a possibilidade de diálogo com Kadhafi. O conselho rebelde negou que haja divergências entre os seus líderes, mas Abdel Hafiz Ghoga, vice-presidente do conselho, disse a jornalistas que o mandado de prisão do TPI contra Kadhafi torna nula qualquer proposta de diálogo e permanência dele na Líbia.

Enquanto isso, a Turquia, que tinha estreitas relações económicas com Kadhafi antes da rebelião, prometeu uma ajuda de 200 milhões de dólares aos rebeldes. Em Junho, Ancara já tinha decidido dar 100 milhões.

Os rebeldes dizem precisar de outros 3 mil milhões de dólares para pagar salários e outros gastos nos próximos seis meses. «A exigência pública por reformas deve ser atendida, Kadhafi deve sair, e a Líbia não deve ser dividida», afirmou o ministro dos Negócios Estrangeiros turco, Ahmet Davutoglu, em Benghazi.

Acrescentou que a Turquia via o conselho rebelde como legítimo representante do povo.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Julho 09, 2011, 06:46:33 pm
Citar

Berlusconi corta apoio a ação militar na Líbia
A Itália anunciou ontem que reduzirá sua participação na operação militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) na Líbia, colocando em evidência a falta de sintonia entre os aliados europeus em sua campanha contra o ditador Muamar Kadafi.

O volume de dinheiro destinado à guerra na Líbia por Roma será cortado. Nos três primeiros meses do conflito, foram gastos 142 milhões de euros. Até setembro, o governo italiano destinará 58 milhões de euros. O porta-aviões Garibaldi será substituído por um navio menor, o que significará o uso de mil soldados a menos. Os aviões serão substituídos por jatos que farão operações a partir das bases italianas.

"Eu era contra e sou contra a intervenção que terminará de uma forma que ninguém sabe", declarou o premiê italiano, Sílvio Berlusconi, que por anos manteve uma boa relação com Kadafi e o estimulou a investir na Itália. Ele disse que a pressão para que se unisse à operação na Líbia "não foi dos Estados Unidos, mas de um grande país europeu", referindo-se à França. "Fizemos perguntas muito precisas aos protagonistas da iniciativa - ou seja, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, e o premiê britânico, David Cameron", disse. "A resposta foi que a guerra terminaria quando houvesse uma revolta da população de Trípoli contra o regime", disse Berlusconi.

O premiê tem sido pressionado pela Liga Norte, partido que garante sua maioria no Parlamento, a sair do combate. Tanto por causa dos custos quanto pela onda de imigração para o território italiano. Berlusconi está sendo criticado desde que a Líbia decidiu dar contratos que estavam nas mãos de empresas italianas no setor do petróleo a companhias de China e Rússia, países que se opõem à guerra. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

http://www.estadao.com.br/noticias/inte ... 2323,0.htm (http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,berlusconi-corta-apoio-a-acao-militar-na-libia,742323,0.htm)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Julho 11, 2011, 02:35:15 pm
Paris envia mensagens a Kadhafi mas não há contacto directo


França envia "mensagens" ao regime líbio de Muammar Kadhafi mas "não há negociações diretas", afirmou hoje o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, Bernard Valero. Valero respondia a uma questão sobre declarações de um dos filhos de Kadhafi e porta-voz oficial do regime, Seif al-Islam, que afirmou estarem em curso "verdadeiras negociações" entre Paris e Tripoli sobre o conflito na Líbia.

"França é favorável a uma solução política, como sempre disse. Não há negociações diretas entre França e o regime de Kadhafi, mas nós enviamos-lhes mensagens, em ligação com o Conselho Nacional de Transição (CNT, órgão político dos rebeldes) e os nossos aliados", disse Bernard Valero.

"São mensagens simples e sem ambiguidade: qualquer solução política passa pela retirada de Kadhafi do poder e a sua renúncia a qualquer papel político", acrescentou.

Seif al-Islam Kadhafi afirmou ao jornal argelino El Khabar que o regime de Tripoli tinha contactos diretos com o Presidente francês, Nicolas Sarkozy.

"Recebemos, por intermédio de um enviado especial que se encontrou com o presidente francês, uma mensagem clara de Paris. O presidente francês disse muito francamente ao nosso emissário: fomos nós que criámos esse conselho (CNT) e, sem o apoio, o dinheiro e as armas de França, ele não existia", disse o filho do líder líbio.

"O Presidente Sarkozy insistiu no facto de que era ele próprio o interlocutor de Tripoli e não os rebeldes", acrescentou.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Julho 20, 2011, 05:37:34 pm
Renúncia Kadhafi não está na agenda de Trípoli


O ministro dos Negócios Estrangeiros da Líbia, Abdelati Obeidi, afirmou hoje que a renúncia do líder Muammar Kadhafi não está na agenda de negociações para a solução do conflito no país norte-africano. «A saída de Kadhafi nem sequer está em causa. Este ponto também não figura nas propostas de regra que foram apresentadas pela União Africana (UA)», declarou Obeidi, citado pelas agências de notícias russas, depois de se reunir com o ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Lavrov.

O ministro líbio lembrou que a UA propôs um cessar-fogo, o fim dos bombardeamentos da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e também o início de um diálogo político com a participação de todas as partes em conflito.

«Defendemos encontrar uma solução que seja aceitável para todos os líbios, inclusivamente a oposição em Benghazi», destacou.

A visita do emissário do líder líbio à capital russa ocorre após os Estados Unidos e outros países reconhecerem o Conselho Nacional de Transição (CNT) como o «representante legítimo do povo líbio».

Lavrov tinha dito justamente na terça-feira que a Rússia reconhece os rebeldes como interlocutores, mas não como único poder legítimo na Líbia, e criticou o Ocidente por tentar isolar as forças leais ao regime de Trípoli.

A Rússia, que nos últimos meses manteve contatos tanto com Trípoli como com os rebeldes de Benghazi, insiste em acusar as forças da NATO de violar o mandato autorizado pela ONU ao realizar bombardeamentos no país norte-africano e por manifestar apoio diplomático e logístico aos insurrectos.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Julho 28, 2011, 05:08:48 pm
Portugal reconhece Conselho Nacional de Transição na Líbia


O Governo português decidiu reconhecer o Conselho Nacional de Transição da Líbia como a «autoridade governativa legítima da Líbia até à formação de uma autoridade transitória», revela um comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros.
Assim, Portugal tornou-se esta quinta-feira no 14.º país da União Europeia (UE) a reconhecer o Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio como autoridade legítima da Líbia.

No texto do documento, o Ministério esclarece que a decisão «reflecte o reconhecimento do papel que o Conselho Nacional de Transição desempenha na liderança do processo de transição na Líbia e obedece à melhor ponderação dos interesses de Portugal, cuja política externa deve ter em linha de conta o relacionamento futuro com a Líbia».

O Governo reitera o apoio «à soberania, independência, integridade territorial e unidade da Líbia e às aspirações do povo líbio na construção de uma sociedade livre e democrática».

O comunicado recorda ainda que, no quadro do exercício do seu mandato de membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, «Portugal preside ao Comité de Sanções à Líbia».

Fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros esclareceu à Lusa que CNT foi informado da decisão do Governo português no dia 25 de Julho.

Há dez dias, na declaração final de uma reunião em Istambul, o grupo de contacto para a Líbia decidiu tratar o Conselho nacional de Transição como «a autoridade governamental legítima» do país «até que uma autoridade interina seja escolhida».

O grupo de contacto integra os países que participam na campanha da NATO, nações árabes e organizações internacionais, incluindo a ONU e a Liga Árabe.

Os 14 países da UE que reconheceram a legitimidade do CNT são, além de Portugal e por ordem cronológica, a França, Itália, Malta, Espanha, Alemanha, Áustria, Letónia, Bulgária, Polónia, Bélgica, Holanda, Luxemburgo e Reino Unido.

Em termos de organizações internacionais, a Liga Árabe reconheceu a legitimidade do CNT e o Conselho de Cooperação do Golfo declarou que o regime de Muammar Kadhafi perdeu a legitimidade e anunciou que tencionava iniciar relações diplomáticas com a nova entidade.

Há 11 dias, na declaração final de uma reunião em Istambul, o grupo de contacto para a Líbia decidiu tratar o CNT como «a autoridade governamental legítima» do país «até que uma autoridade interina seja escolhida».

O grupo de contacto integra os países que participam na campanha da NATO, nações árabes e organizações internacionais, incluindo a ONU e a Liga Árabe.

O CNT, composto por 31 membros, foi criado por rebeldes opositores ao regime de Muammar Kadhafi na cidade de Benghazi, leste da Líbia, a 27 de Fevereiro deste ano com o objectivo de agir como «face política da revolução».

A 05 de Março, o CNT declarou incluir «os únicos representantes de toda a Líbia».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Julho 29, 2011, 02:25:18 am
Embaixador líbio diz que reconhecimento português 'é muito importante'


O ex-representante do regime de Muammar Khadafi em Lisboa, Ali Ibrahim Emdored, afirmou hoje que Portugal tomou um «passo muito importante» ao reconhecer o Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio como autoridade legítima da Líbia. «Creio que o passo tomado pelas autoridades portuguesas é muito importante, apesar de um pouco tarde, é uma decisão que ainda vem a tempo», afirmou Ali Ibrahim Emdored, que em Fevereiro abandonou o cargo de embaixador do regime de Kadhafi em protesto contra a repressão «brutal» exercida sobre o povo líbio por um regime «fascista, tirânico e injusto».

Portugal anunciou hoje ter-se tornado no 14.º país da União Europeia a reconhecer o Conselho Nacional de Transição líbio (CNT) como autoridade legítima da Líbia, órgão que também já fora reconhecido por 21 países da União Africana e por outros 13 estados, incluindo Canadá, Turquia e Estados Unidos.

Emdored continua em Lisboa, dizendo agora representar como embaixador o CNT. O diplomata congratulou-se com o facto de o novo governo português ter decidido alterar a sua posição relativamente à Líbia e reconhecer o CNT, não esquecendo, contudo, os vários passos que o anterior executivo socialista tomou e que também já apontavam nesse sentido.

«O antigo ministro dos Negócios Estrangeiros, Luis Amado, anunciou que o regime tinha acabado e que Muammar Khadafi teria de abandonar o poder. Mas nessa altura o governo português, que estava em gestão, não estava em condições para reconhecer o CNT», afirmou Ali Ibrahim Emdored.

O novo governo que tomou posse em Junho «continuou com essa mesma posição e o povo líbio está muito feliz com este passo, apreciamos essa decisão, que será benéfica tanto para os líbios como para os portugueses», enfatizou Emdored, na carreira diplomática há 40 anos.

O Conselho Nacional de Transição é formado pelos rebeldes que combatem o regime de Kadhafi desde Fevereiro, incluindo vários ex-ministros do coronel que governa em Tripoli desde 1969.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 12, 2011, 06:22:34 pm
Ban Ki-Moon não vê solução militar para o conflito


Não pode haver uma solução militar para a crise líbia, afirma o secretário-geral das Nações Unidas Ban Ki-moon numa declaração divulgada hoje.

Sem mencionar nenhum dos protagonistas no conflito, o secretário-geral da ONU apela a todas as partes "para terem todo o cuidado nas suas ações de forma a minimizar possíveis perdas de vidas civis", refere a declaração divulgada pelas Nações Unidas.

"Um cessar-fogo que esteja ligado ao processo político que vá ao encontro das aspirações do povo líbio é a única forma de se atingir a paz e a segurança na Líbia", refere Ban Ki-moon.

A revolta popular contra o regime de Muammar Kadhafi começou na Líbia em Fevereiro e desde então morreram milhares de civis e centenas de milhar de pessoas tiveram de abandonar o país.

A operação militar para proteger civis na Líbia teve início a 19 de Março na sequência de uma resolução das Nações Unidas e foi prolongada até setembro.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 17, 2011, 01:06:06 am
NATO confirma avanço rebelde e prevê dificuldades para Kadhafi


A NATO confirmou hoje que o avanço conseguido nos últimos dias pelos rebeldes líbios é «o mais significativo em meses» e que as tropas do ditador líbio, Muammar Kadhafi, encontrarão muitas dificuldades para defender Trípoli da ofensiva dos opositores.
O porta-voz da missão aliada, o coronel canadiano Roland Lavoie, destacou em conferência de imprensa a retirada das forças do regime em vários pontos do país, como o enclave petrolífero de Brega, a área de Misrata e, especialmente, a região que rodeia a capital.

Os rebeldes «estão a assumir o controlo dos principais acessos a Trípoli», disse Lavoie, advertindo que por isso será muito difícil para as forças de Kadhafi defenderem as suas posições.

A NATO salientou o rápido avanço dos combatentes da oposição desde as montanhas de Nafusa em direção à costa, onde já controlam várias localidades nos arredores da capital.

A coligação confirmou «mudanças significativas» na área de Misrata, onde os rebeldes afastaram as tropas de Kadhafi que bombardeavam a cidade há meses, e progressos em Brega, cuja parte oriental da cidade está sob controlo rebelde.

Para a NATO, a oposição aproveitou-se do enfraquecimento da estrutura militar de Kadhafi provocado pelos ataques aliados, intensificados nos últimos dias. Apenas na semana passada, os aviões da organização destruíram «mais de cem» alvos militares.

A Aliança condenou hoje o lançamento de um míssil Scud por parte das forças do regime na zona de Brega, o primeiro deste tipo utilizado durante o conflito, e qualificou o ato como «extremamente irresponsável» dada a destruição «indiscriminada» que podem provocar.

Segundo Lavoie, o disparo desse míssil é uma tentativa de «fazer barulho», uma vez que o regime «já não tem capacidade» real para avançar militarmente.

Apesar de os rebeldes terem afirmado que preveem a derrota de Kadhafi para o final de agosto, a NATO reafirmou a intenção de continuar na Líbia o tempo que for necessário para defender a população civil dos ataques.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 24, 2011, 07:35:34 pm
MNE de Kadhafi confirma que o regime chegou ao fim


O ministro dos Negócios Estrangeiros líbio afirmou hoje em Tripoli que o regime chegou ao fim e que o líder está sem alternativas, avança a TV britânica Channel 4. Em declarações proferidas a partir de uma casa na capital líbia, o ministro Abdul Ati al-Obeidi afirmou que Kadhafi esgotou todas as suas opções e que o seu regime «acabou».

O complexo governamental de Kadhafi em Tripoli foi tomado por milhares de rebeldes na terça-feira.

Embora tenha sido considerada a hipótese de Kadhafi ter uma travessia segura para sair do país, o ministro afirma que é improvável.

«Agora não tenho contacto com ninguém, por isso parece que o fim do regime é a única solução», disse ao Channel 4.

O Channel 4 garante que as declarações do ministro foram gravadas após o discurso de Kadhafi de terça-feira à noite. O governante de 72 anos disse ainda não temer pela sua segurança. «Penso que os rebeldes têm uma boa ideia sobre mim, eles conhecem-me», disse. «Não acredito que me façam mal a mim ou à minha família».

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 24, 2011, 09:48:34 pm
A Líbia pós Kadhafi
Alexandre Reis Rodrigues


Está a chegar ao fim a era de Kadhafi na Líbia. Só não se sabe em que termos exactos. Depende da forma como Kadhafi tentará sair. Pode simplesmente abandonar o País, tendo previamente negociado um exílio, ou pode, em alternativa, acordar a entrega do poder, sob condições (quer para protecção de interesses próprios e de familiares, quer para garantir a representatividade dos que lhe foram fiéis no novo Governo).

O passo decisivo do processo foi o controlo alcançado pela oposição sobre a rota de abastecimento primária da capital, a estrada costeira que a liga directamente a Ras Adjir na Tunísia. Sem esta rota de abastecimento directa, só restaria a Kadhafi uma alternativa mais longa e mais difícil, a rota entre a intercepção das fronteiras da Tunísia, Algéria e Líbia e a capital, em cujo caminho ficam as montanhas de Nafusa, onde actualmente está um dos principais bastiões combatentes da oposição. Sem nenhuma delas ficou sem acesso aos bens essenciais para a sobrevivência da capital.

A deserção de um ex-número dois do regime, que terá fugido anteontem para a zona controlada pela oposição, mais a fuga do ministro do Interior que deixou o País com a família para o Egipto, a partir de uma escala na ilha de Djerba na Tunísia, embora sendo apenas mais duas entre outras que aconteceram previamente, foram também golpes quase decisivos para o fim do regime. Outros foram os rumores de conversações entre o Governo líbio e representantes do Conselho de Transição, precisamente na ilha de Djerba. Terá sido também importante o decreto do presidente Medvedev antecipando o apoio russo a uma nova resolução do Conselho de Segurança, o que poderia dar abertura a menores restrições à intervenção militar autorizada. Como veremos adiante, a eventualidade de uma intervenção em terra pode tornar-se inevitável com a queda do regime.

De facto, o que se poderá seguir no terreno são apenas variantes de um cenário em que predominarão riscos de instabilidade elevados. Alguns poderão ter sido preparados pelo próprio Kadhafi, à semelhança do que fez Saddam no Iraque; outros surgirão espontaneamente, quer por inacção das forças de segurança ou perda de respeito e credibilidade junto de largos estratos da população, quer por simples aproveitamento da situação de indefinição sobre onde está o poder. Os riscos serão de resistência por parte dos que permaneceram leais ao ditador, de insurreição, de actividade criminosa e roubo generalizado, de vingança violenta da parte dos que foram oprimidos, etc.

As incertezas centram-se apenas sobre a configuração dos contornos do tal cenário de instabilidade, neste momento dependente da forma como Kadhafi se afastar ou for afastado. Daniel Serwer, do Council of Foreign Relations, previa duas hipóteses principais: o da decapitação do regime e subsequente vazio de poder na capital, envolvendo maior risco de instabilidade mas melhores perspectivas de evolução política no sentido da democracia por representar um mais claro corte com o passado, ou uma transição negociada, que pode proporcionar menor risco de instabilidade mas que terá reduzidas possibilidades de evolução política, por ter de acomodar todas as tendências.

Sempre se soube, não obstante quase ninguém o tenha referido, que o sucesso da intervenção militar da NATO - a remoção de Saddam - pode facilmente transformar-se numa situação mais catastrófica do que a do início da crise. Basta o Conselho Nacional de Transição não estar à altura da tarefa de preencher de imediato o vazio político que o afastamento abrupto de Kadhafi criará. Para já, o ambiente em Trípoli mostra-se muito receptivo ao Conselho de Transição e este parecer ter o controlo quase total do País e capital mas algumas bolsas de resistência poderão optar por deixar passar o ambiente de euforia para voltar à carga quando a população imaginar que a situação está controlada; nada que possa impedir o actual curso de acontecimentos mas que o pode complicar.

Com as Forças Armadas e de Segurança desacreditadas aos olhos de um largo sector da população, a concretização do objectivo de deposição de Kadhafi, conforme previa anteriormente, não vai esgotar o envolvimento internacional. De facto, torna-se difícil imaginar que a situação interna possa ser normalizada sem algum auxílio externo, quer na forma de uma força militar de manutenção da paz, quer em apoios à governação em áreas especializadas, civis e militares, como reconhece também Daniel Serwer, atrás citado.

Mas o que quer que possa ser necessário fazer, em nenhum caso, deve retirar aos líbios a responsabilidade de tratarem da sua própria situação e da liderança do processo de procura das soluções mais adequadas. Não obstante a tentação do discurso da democracia, para que o País aliás não está preparado, o que há a incentivar é sobretudo a estabilidade e a criação de um sentimento de unidade nacional que Kadhafi nunca se empenhou em construir.

A necessária ajuda nas duas áreas atrás previstas devem surgir de solicitação expressa do Conselho Nacional de Transição ou órgão que assumir os destinos do País mas, com uma situação potencialmente muito crítica pela frente, mal será não se começar desde já a planear para as eventualidades mais prováveis e iniciar consultas em conformidade. Se a acção militar autorizada pelo Conselho de Segurança foi prontamente executada, mais pronta deverá ser a resposta aos pedidos de ajuda que previsivelmente se possam seguir. A União Europeia que, contra toda a lógica da situação, não quis assumir a conduta das operações militares, apesar da maioria do esforço ter sido de países europeus, não poderá agora dar-se ao luxo de se arredar também da fase final da solução de uma crise, que se fica mal resolvida vai ameaçar a sua área de interesse próximo.

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: miguelbud em Agosto 26, 2011, 10:36:46 am
Libya: SAS leads hunt for Gaddafi

British special forces are on the ground in Libya helping to spearhead the hunt for Col Muammar Gaddafi, The Daily Telegraph can disclose.

As a £1 million bounty was placed on Gaddafi’s head, soldiers from 22 SAS Regiment began guiding rebel soldiers after being ordered in by David Cameron.

For the first time, defence sources have confirmed that the SAS has been in Libya for several weeks, and played a key role in coordinating the fall of Tripoli.

With the majority of the capital now in rebel hands, the SAS soldiers, who have been dressed in Arab civilian clothing and carrying the same weapons as the rebels, have been ordered to switch their focus to the search for Gaddafi, who has been on the run since his fortified headquarters was captured on Tuesday.

Libya’s National Transitional Council (NTC) said Gaddafi was wanted “dead or alive” and promised an amnesty to any of his inner circle prepared to betray his whereabouts.

Nato still has no idea where the despot is holed up, and on Wednesday he taunted his opponents by claiming in a television interview that he had secretly toured the streets of Tripoli without being spotted...

http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... ddafi.html (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8721291/Libya-SAS-leads-hunt-for-Gaddafi.html)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Agosto 28, 2011, 08:11:30 pm
Jornalismo amador?  :?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Agosto 28, 2011, 11:36:48 pm
Canadá contribui com uma quantidade desproporcional nos ataques na Líbia
Caças canadenses estiveram no ar novamente esta semana, atacando tanques e artilharia do regime de Kadhafi, parte da contribuição surpreendentemente substancial deste país para a campanha de bombardeio da OTAN na Líbia que já dura cinco meses.

Como uma das três nações a realizar a maior parte da guerra aérea, por vezes controversa, o Canadá com o seus antigos caças CF-18 Hornet tem dado uma contribuição claramente desproporcional ao tamanho compacto da sua força aérea, segundo fontes da aliança e acadêmicas.

Enquanto a Grã-Bretanha e a França têm cerca de três vezes mais caças-bombardeiros na operação do que o Canadá e normalmente ganham o crédito da maioria dos combates, o Canadá vem logo depois no desempenho das tarefas de ataque, disse um oficial da OTAN, falando sob condição de anonimato.
O Canadá também enviou três aeronaves de reabastecimento aéreo e dois aviões de reconhecimento, estando todas as equipes baseadas na ilha italiana da Sicília. O Canadá está entre um punhado de membros da OTAN que assumiu a maior parte da missão depois que os EUA retiraram seus 50 ou mais aviões de combate no início da campanha.

“O ônus das surtidas de ataque caiu sobre os ombros predominantemente dos canadenses, dos britânicos e dos franceses”, disse o funcionário da OTAN. ”Devo dizer que, o Canadá, em particular, sendo a menor das três forças aéreas, mais uma vez está lutando com uma carga bem acima de seu peso.”

A OTAN, mantendo a sua campanha na quinta-feira, bombardeou Sirte, cidade natal do coronel Kadhafi. Enquanto isso, a luta continuava constante sobre a cidade de Trípoli com os líderes rebeldes, que acreditam estar no controle de grande parte da capital, dizendo que a guerra duraria até quando o líder líbio, agora fugitivo, fosse encontrado, “vivo ou morto.”

O apoio para a operação entre os canadenses tem sido uma mistura de opiniões, em meio a acusações de missões sem razão e controvérsia sobre vítimas civis, mas parece claro, no entanto, que para melhor ou pior que este país tem excedido largamente o papel periférico que muitos observadores esperava que o país fosse desempenhar.

Os seis caças CF-18 Hornets – apoiados por uma aeronave de reposição – registraram 733 missões de bombardeio acima da nação norte-africana, enquanto os aviões de reabastecimento e reconhecimento do Canadá foram acionados uma centenas a mais de vôos.

“As pessoas que estão voando, estão voando direto, e eles estão voando um ritmo elevado de operações”, disse o brigadeiro-general Derek Joyce, comandante da Task Force Libeccio, como a equipe canadense com sede na Itália está sendo chamada.”Estou muito, muito orgulhoso do que já se realizou.”
É difícil obter uma imagem precisa de quem está contribuindo com o que para a campanha, disse o professor Michael Clarke, diretor do Royal United Services Institute, um centro de análise e estudos de defesa no Reino Unido.

No entanto, “os canadenses estão realizando um monte de surtidas”, disse Clarke. ”Só Canadá, França e Reino Unido, entre os aliados, têm mantido um ritmo constantemente alto dos ataques terrestres. Os outros cinco que fizeram alguns ataques foram mais variáveis. Além disso, o Canadá tem a aeronave certa para o papel e tem sistemas mais adequados para lançar armas do que alguns outros aliados. ”

A missão começou como o coronel Kadhafi ameaçando uma vingança sangrenta direto sobre os adversários, com a emissão da Resolução 1973 das Nações Unidas que autoriza os países membros a tomar medidas para proteger os civis. Os críticos se queixam de que a campanha se transformou em uma tentativa de derrubar o regime de Kadhafi, com os alvos crescendo para incluir compostos da família do governante em Tripoli, e com vários membros de sua família sendo mortos pelas bombas da OTAN.

O caça canadense CF-18 Hornet realiza dois tipos de missões – ataque de interdição aérea planejada à infra-estrutura militar estática, incluindo edifícios utilizados para comando e controle, além de “vigilância, coordenação e reconhecimento” missões onde os pilotos de caça atacam os tanques e outros equipamentos móveis do governo com uso de bombas guiadas, disse o General Brigadeiro Joyce a partir de seu quartel-general em Nápoles. Havia um sentido inicial de “euforia” entre os canadenses nesta semana, quando os rebeldes começaram a entrar em Tripoli, mas os pilotos continuaram seus voos de ataques, e ficou claro o regime ainda estava vivo, disparando artilharia e foguetes em Trípoli e em outras cidades, disse o comandante.

Autoridades da OTAN e canadenses insistem que muitas vezes eles alteram seu destino para tentar evitar vítimas civis, criando uma guerra de bombardeio de “precisão sem precedentes.” Entre aqueles que acusam sobre os alvos dos pilotos canadenses está um advogado de Defesa Nacional, disse o Gen. Brig. Joyce.

Vítimas civis têm repetidamente gerado preocupação, com a Itália num ponto de chamar para uma pausa no bombardeio. Investigadores da organização Human Rights Watch passaram uma semana na Líbia neste mês, visitando sites de bombardeio com inspetores do governo, disse o chefe do grupo Fred Abrahams.

Alguns locais haviam claramente sido adulterados, como evidenciado por mamadeiras impecávelmente espalhadas numa cratera onde cada outro objeto estava coberto de poeira, disse ele, mas em outros lugares, os civis definitivamente morreram. Eles incluíram um ataque recente em Majer, onde o regime disse que 85 foram mortos. A Human Rights Watch e jornalistas encontraram evidências de 19 ou 20 corpos, disse ele.

“A evidência sugere que a OTAN realmente se importava, mas ainda existem dúvidas sobre algumas das escolhas”, disse Abrahams. ”A responsabilidade recai sobre eles para explicar esses casos.”

Steven Staples do esquerdista Rideau Institute, geralmente um crítico duro da política externa do Canadá nas missões militares, disse na quinta-feira que estava preocupado com as baixas civis. Ele parou, porém, de condenar o envolvimento do Canadá na operação Líbia, dizendo que tinha uma obrigação especial para apoiar a oposição, dado que as empresas canadenses tinham sido fortemente envolvidas com o regime de Kadhafi.

Fonte: National Post - Tradução: Cavok
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: vmpsm em Agosto 29, 2011, 10:16:33 am
Libyan rebel commander admits his fighters have al-Qaeda links

Abdel-Hakim al-Hasidi, the Libyan rebel leader, has said jihadists who fought against allied troops in Iraq are on the front lines of the battle against Muammar Gaddafi's regime.

http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/africaandindianocean/libya/8407047/Libyan-rebel-commander-admits-his-fighters-have-al-Qaeda-links.html
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 29, 2011, 06:55:36 pm
Líbia: Falta fazer o mais difícil
Alexandre Reis Rodrigues

(http://liveindia.tv/wp-content/uploads/2011/02/libya_483748f.jpg)

Ainda não chegou a altura de comemorarmos o facto de mais de seis milhões de pessoas se terem libertado de um ditador que, no mais completo desprezo pela necessidade de instituições como base de funcionamento de um Estado, imaginava ser possível dirigi-los indefinidamente numa base de poder exclusivamente pessoal.

Neste momento, pode dar-se como certo que Kadhafi não voltará ao poder mas enquanto tanto ele como os seus familiares próximos e colaboradores directos não forem localizados e definitivamente neutralizados, a revolução que os afastou continua a correr riscos consideráveis.

Encontrá-lo deve, portanto, ser a grande prioridade para o Conselho Nacional de Transição. Enquanto não o conseguir, os fiéis do ditador, que ainda restem, continuarão activos a ameaçar a segurança, como que encorajados pela sobrevivência do líder, e as forças da oposição, não tendo completado o seu trabalho, não se deixarão desmobilizar a favor de novas Forças Armadas e Forças Policiais, o que, em qualquer caso, demorará mais tempo do que o desejável.

Neste quadro, a instabilidade geral no País continuará a dominar o dia a dia e a minar a esperança geral de melhores tempos. O risco grande é essa situação impedir o ambiente necessário para fazer com que o colapso do regime de Kadhafi - objectivo alcançado - evolua para uma mudança de regime que corte claramente com o passado e que, com o ritmo mais adequado ao País, o faça entrar num modelo de funcionamento baseado em instituições em que o povo líbio confie.

Esse ambiente só existirá se a população perceber que a sua situação pode melhorar a curto prazo com os novos líderes. Se não for criada essa percepção, o desfecho pode ficar nas mãos da primeira “força salvadora” que lhes prometa a saída do desastre. Como lembrava Scott Stewart, foi por essa via que no Afeganistão, depois da retirada russa, perante o caos em que os senhores da guerra fizeram mergulhar o País, a população olhou, de início, para a entrada em cena dos talibãs.

Naturalmente, é ao Conselho Nacional de Transição que deve caber a tarefa principal de criar as condições para que o País saia da zona de risco elevado em que se encontra e de liderar o respectivo processo; aliás, como também lhe coube concretizar no terreno a queda do regime. Concorda-se, portanto, que a NATO e, em geral, todos os Países que estiveram envolvidos na situação, procurem deixar bem claro essa ideia.

No entanto, é preciso ter presente que nos tempos mais próximos, tudo ou quase tudo vai girar, quase exclusivamente, à volta do tema segurança. Sem segurança será difícil repor brevemente o fornecimento de água, gás e electricidade, não se sabendo se a situação existente resulta de danos acidentalmente sofridos no decurso do conflito, se de acções de sabotagem preparadas por Kadhafi. Sem segurança, a actividade económica não será reposta tão cedo, o comércio demorará mais a reabrir e não haverão incentivos que cheguem para que os milhares de armas que saíram ilegalmente dos depósitos das Forças Armadas e Polícia sejam devolvidos.

Sem segurança não será possível reunir a cooperação técnica estrangeira necessária para avaliar os danos que as infraestruturas petrolíferas sofreram e para repor, tão rapidamente quanto possível, a produção. Neste momento, ninguém consegue estimar com um mínimo de certeza quanto tempo poderá essa tarefa demorar. Tanto pode ser uma questão de dias, na melhor das hipóteses, como uma questão de meses; depende também da forma como as instalações foram paradas. Provavelmente, as que se encontravam a leste, tendo sido alvo das forças de Kadhafi, são as que requererão maiores cuidados.

Sem segurança não será possível clarificar quantos dos 20.000 mísseis anti-aéreos (shoulder-fired) que Kadhafi possuía no início do conflito ainda existirão e quem é o responsável por eles. Também ninguém pode estar seguro das condições de armazenamento de mais de nove metros cúbicos de agentes para armas químicas e entre 500 a 900 metros cúbicos de urânio ainda sob a forma inicial de “yellow cake”, presentemente ainda guardados pelas mesmas forças, num “bunker” no deserto. Embora se trate de material que se presume deteriorado, já sem condições de servir para o fabrico de armas, nem por isso pode deixar de ser vigiado até à sua completa destruição.

Conseguirá o Conselho Nacional de Transição manter-se unido neste quadro de enormes dificuldades e garantir a liderança que o País precisa? Chegarão os créditos que o seu chefe, Abdel Jalil, ganhou, na forma como conduziu a revolução, para se impor sem reservas perante os seus pares? Chegará a larga aceitação de que goza, para tornar os apelos, que tem feito, em ordens concretas que todos terão que cumprir? É difícil imaginar que esse objectivo seja possível sem uma força de segurança organizada que não existe presentemente. A tarefa dos que ajudaram o Conselho a retirar Kadhafi do poder está longe de esgotada. Só está em aberto a forma como se concretizará.

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 30, 2011, 02:11:37 pm
Argélia diz que decisão de receber familiares de Kadhafi foi humanitária


A Argélia autorizou a entrada no país da mulher e de três filhos do coronel Muammar Kadhafi "por razões estritamente humanitárias", afirmou hoje um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Amar Belani.

"Estas pessoas foram recebidas na Argélia por razões estritamente humanitárias. Informámos o secretário-geral da ONU, o presidente do Conselho de Segurança e o presidente do conselho executivo do Conselho Nacional de Transição (CNT)", indicou Belani, numa mensagem electrónica enviada à agência noticiosa francesa AFP.

O representante da diplomacia argelina não precisou onde estavam os familiares de Kadhafi, nem respondeu quando questionado sobre o pedido de extradição proposto pelo CNT, o órgão político da rebelião líbia.

O paradeiro de Safia, a segunda mulher de Kadhafi, e dos três filhos do líder líbio em fuga, Aicha, Hannibal e Mohamed, foi revelado na segunda-feira pelas autoridades argelinas.

"A mulher de Muammar Kadhafi, Safia, a filha Aicha e os filhos Hannibal e Mohamed, acompanhados pelos seus filhos, entraram na Argélia às 8:45 [mesma hora em Lisboa] pela fronteira líbio-argelina", indicou na altura, em comunicado, o Governo argelino, sem dar qualquer indicação sobre o líder líbio.

De acordo com outras fontes governamentais argelinas, também citadas pela AFP, a filha de Kadhafi, Aicha, está grávida e a terminar o período de gestação.

"No plano humanitário, seria muito difícil recusar a sua entrada" na Argélia, justificaram as mesmas fontes.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 30, 2011, 09:03:54 pm
Violações, Escudos Humanos, Tortura foram utilizadas como arma de guerra por Kadhafi em Misrata

 
Tropas leais a Kadhafi forçaram civis a agir como escudos humanos, colocaram crianças a guardar armazéns de armamento e utilizaram a violação e tortura como instrumentos de pressão contra os cidadãos de Misrata. Os Médicos para os Direitos Humanos, uma organização independente de especialistas em medicina que se dedica denunciar atropelos aos Direitos Humanos, entrou em Misrata depois de as forças de Kadhafi terem sido expulsas pelos rebeldes.

Os investigadores da organização entrevistaram dezenas de pessoas que sobreviveram ao cerco de dois meses e recolheram provas de vários crimes contra a humanidade: matanças sumárias, tomada de reféns, violação de mulheres, espancamentos, utilização de mesquitas, escolas e mercados como locais para esconder armas.

A violação de mulheres foi utilizada repetidamente como arma de guerra. Uma testemunha ocular conta que «as forças de Kadhafi transformaram uma escola em Tomina (perto de Misrata) num local de detenção, onde raparigas a partir dos 14 anos foram violadas». Existem relatos de que as tropas utilizavam drogas como o Viagra para manter a performance sexual durante as violações, mas, de acordo com o relatório dos Médicos para os Direitos Humanos, «não foram recolhidas provas nesse sentido».

No documento da ONG é referido ainda que esta prática teve como consequência directa a morte de várias vítimas de violação perpetrada pela própria família sob a forma de «mortes de honra».

Relativamente a este assunto o relatório cita o caso três irmãs de 15, 17 e 18 anos que depois de terem sido violadas em Tomina foram mortas pelo pai, que lhes cortou a garganta como forma de limpar a honra da família.

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 31, 2011, 01:40:50 pm
ONU descarta envio de capacetes azuis para a Líbia


As Nações Unidas vão enviar o mais depressa possível uma missão para a Líbia de modo a assegurar uma transição sem sobressaltos, mas está para já posta de lado a hipótese do envio de capacetes azuis.

"Neste momento a missão não contará com capacetes azuis. Ficou bastante claro que os líbios querem evitar uma missão militar da ONU ou de qualquer outra organização", afirmou Ian Martin, nomeado pelas Nações Unidas para dirigir o plano de auxílio à transição política na Líbia após a queda do regime de Muammar Kadhafi, escreve o El Mundo.

Em declarações prestadas após reunião do Conselho de Segurança da ONU, Martin reconheceu que foi estudada a criação de uma força de manutenção de paz para o país africano, "num contexto que não é o actual". Após discussões com o Comité Nacional de Transição (CNT), as Nações Unidas já não esperam "que as autoridades líbias peçam observadores militares". Os rebeldes líbios rejeitaram horas antes o envio de qualquer força militar internacional, de observadores ou enviados especiais da ONU ou de outro organismo para reestabelecer e manter a segurança no país.

DN
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 07, 2011, 04:43:44 pm
NATO endurece ataques a Sirte, e destrói 20 alvos militares líbios


Os aviões da NATO, a aliança militar do Ocidente, atingiram com dureza a área de Sirte, cidade natal de Muammar Kadhafi e um dos últimos focos de resistência do regime líbio, destruindo cerca de 20 alvos militares nas últimas horas. A organização divulgou um comunicado informando que as suas forças acabaram com seis tanques e 10 veículos de combate durante a terça-feira. Também foram destruídas várias peças de artilharia e um paiol de munições.

Sirte é uma das cidades que ainda se mantêm leais ao ditador e há dias sofre com o avanço das forças rebeldes.

A NATO atacou ainda outro pólo da resistência pró-Kadhafi, a cidade de Sebha, onde uma instalação de mísseis foi destruída.

A organização indicou que os seus aviões destruíram três radares e três baterias antiaéreas na cidade de Hun e outras oito em Waddan.

O terceiro grande foco das forças pró-Kadhafi, a cidade de Bani Walid, não foi atacado, porque os rebeldes garantem estar perto de um acordo para a rendição da resistência.

No total, os aviões da NATO fizeram 118 voos, dos quais 40 foram de caráter ofensivo.

Nos últimos dias, a organização insistiu em manter a pressão militar enquanto a população civil estiver ameaçada, mas afirmou que o fim da sua missão chegará «em breve».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: linergy em Setembro 08, 2011, 12:04:25 pm
The humanitarian crisis in Libya is deepening as NATO-backed forces of the National Transitional Council (NTC) continue their offensive to crush forces loyal to Colonel Muammar Gaddafi, with the assistance of NATO bombing and special forces troops.

Conditions in Tripoli—the Libyan capital now tenuously held by NTC forces—are also extremely tense. Water engineers are working to repair the Great Man-Made River project, which brought water to the city’s 1.8 million residents as well as to neighboring cities, until it was cut off by NATO bombings in late July and the rebel offensive in August. Engineers said they hoped their repairs had restored water to 70 percent of Tripoli’s residents.
http://www.uruknet.info/?p=m81207&hd=&size=1&l=e (http://www.uruknet.info/?p=m81207&hd=&size=1&l=e)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 08, 2011, 07:37:54 pm
TPI pedirá mandado da Interpol para prender Kadhafi

(http://sicnoticias.sapo.pt/incoming/2011/05/16/khadafi.jpg/ALTERNATES/w620/khadafi.jpg)

A procuradoria do Tribunal Penal Internacional, em Haia, afirmou hoje que está a pedir à Interpol que emita um mandado de busca do ditador líbio, Muammar Kadhafi, seu filho Saif Islam e o chefe de inteligência do regime, Abdullah Senussi. O tribunal pediu a 27 de junho a prisão dos três, por crimes contra a humanidade.

O promotor do tribunal, Luis Moreno-Ocampo, disse querer que a Interpol emita os mandados de prisão, conhecidos como alerta vermelho, para Kadhafi pelos supostos crimes contra a humanidade, de assassínio e perseguição. «Prender Kadhafi é uma questão de tempo», disse.

Moreno-Ocampo explicou que o alerta vermelho tem como fim a prisão provisória de uma pessoa procurada para extradição ou transporte para um tribunal internacional.

Os três líbios são suspeitos de terem comandado a violenta repressão às revoltas populares no país.

Para Moreno-Ocampo, eles formavam um triângulo fundamental do regime líbio, que tem em Kadhafi a sua «autoridade absoluta», em Saif o «primeiro-ministro de facto» e em Senusi a «mão direita» e executor dos crimes.

«Estes são crimes que não serão ignorados pela comunidade internacional», afirmou Ocampo, que indicou que a Procuradoria continua as investigações sobre a Líbia.

Nos últimos dias, surgiram rumores sobre a possível fuga de Kadhafi e de alguns dos seus aliados da Líbia para o Níger, mas o ditador negou em mensagem de áudio difundida pela TV síria Al Rai.

O secretário-geral do Congresso Popular da Líbia, Mohamed Quasim Zwai, disse em entrevista à Al Jazeera que o Kadhafi fugirá do país em algum momento durante o conflito.

Zwai está sob custódia do CNT (Conselho Nacional de Transição) desde que se entregou em busca de proteção. «Claro que acredito que ele tenha planeado ir para outro país. Talvez África do Sul, talvez outro lugar», disse.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 11, 2011, 07:17:54 pm
NATO bombardeia áreas pró-Kadhafi


Aviões da NATO prosseguiram hoje os ataques a diversos alvos nas áreas que permanecem leais ao antigo líder líbio Muammar Kadhafi, após as forças rebeldes terem anunciado uma retirada após contra-ataques dos opositores.

Em Bani Walid, um dos últimos bastiões dos apoiantes da Kadhafi, as forças conotadas com a rebelião desencadearam dois assaltos conjugados, mas as forças lealistas forçaram ao recuo dos rebeldes, num sinal de que os combates estão longe do fim, segundo a agência France Press.

A NATO, que nos últimos seis meses desempenhou uma função decisiva na destruição do aparelho militar do regime líbio, disse que os seus aviões atingiram no sábado em Bani Walid um tanque, dois veículos blindados e um lança-foguetes múltiplo.

A aviação aliada também protagonizou bombardeamentos nos arredores de Sirte, a cidade natal de Kadhafi, e nas localidades de Waddan e Sabha, no deserto do sul da Líbia.

Um comandante militar dos ex-rebeldes, citado pela agência noticiosa AP, precisou que as suas forças conseguiram penetrar em Bani Walid, mas após se terem deparado com forte resistência a NATO pediu-lhes para recuarem com o objectivo de desencadear ataques aéreos.

"Um grande número de pessoas entrou em Bani Walid, mas tivemos de recuar devido ao fogo pesado", disse. "Ontem [sábado] a NATO pediu para recuarmos sete quilómetros porque estavam a atacar bases militares e rampas de lançamento de foguetes", precisou.

As autoridades rebeldes líbias, que entraram na capital Tripoli em 21 de Agosto, asseguraram em paralelo que continuam a negociar com personalidades de Sirte a possibilidade de uma rendição pacífica.

"As negociações continuam. Decidimos mostrar mais paciência com os nossos irmãos de Sirte para evitar o derramamento de sangue", disse em declarações à televisão árabe Al-Jazira o porta-voz das novas autoridades líbias, Mustafa Nuh.

No sábado, expirou o ultimato apresentado pelo Conselho Nacional de Transição (CNT, o órgão político da rebelião) aos últimos bastiões pró-Kadhafi para deporem as armas.

No entanto, Nuh não indicou se foi emitido um novo ultimato aos combatentes de Sirte, 450 quilómetros a leste de Tripoli, ou a outras cidades.

O mesmo porta-voz adiantou que membros das brigadas pró-Kadhafi abandonaram as suas posições em direção a Misrata, 140 quilómetros a nordeste de Bani Walid, onde se envolveram em combates com forças rebeldes.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Setembro 14, 2011, 11:03:08 am
Kadafi fugiu mas primeiro tratou de garantir a reforma:

Citar

Um total de 29 toneladas de ouro, equivalentes a qualquer coisa como 329 milhões de euros, saiu dos cofres da Líbia entre Abril e Maio a mando de Muammar Kadhafi.
De acordo com o anúncio feito nesta quinta-feira pelo Governador do Banco Central do país, Qassem Azzoz, o ouro desviado representa 20% das reservas do país e destinava-se a pagar salários.

Parece evidente que, apesar de resistir, o coronel Kadhafi já percebeu que a queda é inevitável e está a fazer tudo o que se encontra ao seu alcance para assegurar que mantém a fortuna que arrecadou durante mais de três décadas à frente dos destinos da Líbia.

De acordo com fontes rebeldes, a coluna militar que no domingo passado saiu da Líbia com destino ao Níger transportava não só altos cargos do regime, mas também lingotes de ouro. E os rebeldes queixam-se: «Isto não está certo, queremos o dinheiro de volta

Com esse ouro nao devem faltar candidatos a  oferecer-lhe um exilo sigiloso!
Ate eu o abrigava no meu quintal e nao contava nada a ninguem! :mrgreen:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 15, 2011, 04:55:38 pm
Novo governo dará «prioridade» aos aliados em contratos


O governo provisório da Líbia disse hoje que os seus aliados estrangeiros durante a guerra terão prioridade nos futuros acordos do país e alertou que alguns dos contratos existentes serão sujeitos a revisões por corrupção. O presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT) da LÍbia, Mustafa Abdel Jalil, falava em conferência de imprensa em Trípoli com o primeiro-ministro britânico, David Cameron, e o presidente francês, Nicolas Sarkozy.

A visita conjunta foi a primeira realizada por líderes estrangeiros ao país desde a queda do Muammar Kadhafi.

Abdel Jalil disse que não houve acordos prévios com os «aliados e amigos» do CNT. «Mas como um povo fiel, reconheceremos esses esforços e eles terão prioridade dentro de uma estrutura de transparência», afirmou.

O chefe do CNT também afirmou que contratos existentes assinados com o governo de Kadhafi serão revistos para eliminar corrupção.

«Os contratos anteriores, preservamos... todos os contratos legítimos. Isso significa rever esses contratos para verificar qualquer corrupção financeira que possa ter manchado os acordos. Como membro do governo provisório, eu sei bem que esses preços estavam acima daqueles adotados mundialmente», disse Abdel Jalil.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 16, 2011, 08:48:39 pm
Intervenção da NATO na Líbia foi dever moral diz Durão Barroso


O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, defendeu a intervenção da NATO na Líbia como «um dever moral», face às críticas recebidas hoje durante uma conferência na Fundação Nelson Mandela, em Johannesburgo. Barroso foi recebido na Fundação pelo ex-presidente sul-africano Frederik De Klerk e pelo intelectual e universitário sul-africano Njabulo Ndebele.

Reconhecendo que a situação da Líbia continua «muito delicada» na África do Sul, Barroso acrescentou: «A Líbia está muito próxima», a perspectiva de o seu líder massacrar o seu povo «provocou indignação».

«Tínhamos um dever moral», acrescentou.

Barroso descartou a ideia de uma intervenção «guiada por interesses» e salientou que, se fosse o caso, seria mais simples não intervir, já que «muitos países mantinham excelentes relações com o antigo regime».

Barroso foi à África do Sul para o quarto encontro desse país com a União Europeia. A África do Sul não reconheceu a revolta líbia.

Ele foi questionado se a Europa investirá tanto dinheiro na reconstrução do país como gastou nos bombardeamentos.

Barroso foi recebido friamente por Ndebele, que manifestou o seu «mal-estar» quando viu na televisão o presidente francês «Nicolas Sarkozy chegar heroicamente à Líbia com David Cameron», primeiro-ministro britânico.

«Vocês roubaram a história do povo líbio», disse Ndebele, pedindo que os europeus sejam mais «humildes», senão «a arrogância complicará as relações e levará ao terrorismo de amanhã».

O presidente da Comissão Europeia assegurou que a rebelião líbia «trabalha por uma verdadeira reconciliação e representa o povo líbio de verdade», muito mais que o regime «corrupto» anterior.

«Se eles conseguirem ter um Estado, o que não é o caso até ao momento, e um Estado democrático, eu acredito que nós podemos ajudar esse país tão próximo», afirmou.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 17, 2011, 05:00:41 pm
Rebeldes recuperam armas químicas do regime de Kadhafi


Os rebeldes líbios recuperaram as armas químicas, basicamente gás mostarda, que estavam em poder do regime de Muammar Kadhafi, segundo uma informação antecipada este sábado pelo jornal alemão Tagesspiegel am Sonntag. A captura e custódia dessas armas por parte dos rebeldes foi certificada mediante imagens de satélite espião, segundo fontes dos serviços secretos ocidentais mencionadas pelo jornal.

A publicação acrescentou que o gás mostarda estava aparentemente armazenado na central química de Ruwagha, localizada em pleno deserto e a cerca de 600 quilómetros ao sul de Tripoli.

Embora as quantidades exactas sejam desconhecidas, o regime de Kadafi declarou possuir por volta de 23 toneladas de gás mostarda na ocasião da sua entrada na Convenção de Armas Químicas em 2004.

O jornal indicou que especialistas nesse tipo de armamento consideram que pelo menos metade dessa quantidade ainda existe, embora a munição utilizada para o seu uso já tenha sido destruída durante o regime de Kadhafi.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 19, 2011, 12:44:02 pm
Portugal espera colher dividendos económicos do apoio diplomático à Líbia


Portugal espera que alguns contratos relacionados com a reconstrução da Líbia venham a beneficiar empresas portuguesas, retirando dividendos económicos do apoio político prestado ao movimento anti-Kadhafi nos últimos meses.

Esse apoio passou pela votação a favor da resolução de Março no Conselho de Segurança, que abriu caminho à intervenção militar da NATO contra alvos de Kadhafi, e mais recentemente, através da presidência do comité de sanções, «descongelar» activos de empresas líbias a favor do CNT, no valor de milhares de milhões de dólares.

«Temos a boa vontade política deles. Os empresários agora têm de apresentar propostas, ser competitivos», disse à Lusa fonte diplomática.

A mesma fonte adianta que compete aos empresários correr riscos, porque as informações que chegam do terreno sobre possíveis cisões dentro do Conselho Nacional para a Transição são preocupantes, de acordo com diplomatas em Nova Iorque.

Não obstante, o CNT vai ocupar o lugar da Líbia na ONU, conforme decisão da Assembleia Geral na sexta feira.

O prémio para os que arriscarem agora fazer negócios com Tripoli são contratos para construção e outros serviços, num país que nas últimas semanas viu serem «descongelados» cerca de 16 mil milhões de dólares antes apreendidos a empresas ligadas ao regime de Kadhafi, e mesmo a alguns dos seus dignitários, segundo disse quarta feira o embaixador de um país membro permanente do Conselho de Segurança.

«O comité [de sanções] tem sido especialmente céleres no desbloqueamento [de verbas], e gerido bem [o envolvimento] com a China e Rússia», as potências dentro do Conselho que foram mais críticas do uso da força, embora não o tenham vetado.

Segundo a mesma fonte diplomática, não existe um acordo tácito sobre quais os países estrangeiros que terão primazia em termos económicos, mas aqueles que recolhem mais boa vontade das autoridades líbias, nesta fase, são os membros permanentes do bloco ocidental (França, Reino Unido e Estados Unidos), em primeiro lugar por se terem envolvido militarmente, e depois Portugal.

«Portugal é o país que, sobretudo, teve uma postura importante e que ajudou a fazer consensos para o comité funcionar», refere fonte diplomática ouvida pela Lusa em Nova Iorque.

Ponto alto da questão líbia durante a próxima semana nas Nações Unidas, em que começa o debate anual da Assembleia Geral, será uma reunião de alto nível, com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, os primeiros ministros britânico, David Cameron, e italiano, Sílvio Berlusconi, entre outros.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, que esteve recentemente em Tripoli, será uma oportunidade para destacar o papel que Portugal tem tido na questão líbia e mostrar disponibilidade para continuar a apoiar na delicada fase de transição para a democracia.

Ainda na sexta feira, o Conselho de Segurança aprovou por unanimidade uma resolução que prevê a criação da missão de apoio das Nações Unidas para a Líbia, a (UNSMIL) durante três meses, para apoiar a reconstrução do Estado líbio, preparação de eleições e redacção de uma nova Constituição.

A resolução prevê ainda o descongelamento de bens da Petrolífera Nacional líbia e da congénere Zueitina, e deixa também aberto o caminho para saída da lista de entidades com bens congelados do banco central, o Banco Árabe Líbio Internacional, a Autoridade Líbia de Investimento e a sociedade de investimentos Libyan-African Investment Portfolio.

O descongelamento destes activos no valor de milhares de milhões de dólares destina-se a «colocá-los à disposição do povo líbio», refere o texto aprovado pelos 15 países membros, incluindo Portugal.

Após a votação, o embaixador português, Moraes Cabral, afirmou que a Líbia entra agora num «novo capítulo».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 20, 2011, 06:51:05 pm
Obama promete apoio para a reconstrução da Líbia e avisa para "dias difíceis"


O Presidente Barack Obama prometeu hoje ao povo líbio um persistente apoio internacional à reconstrução do país, na sequência do derrube do regime de Muammar Kadhafi. No decurso de uma reunião nas Nações Unidas sobre a Líbia, o líder dos EUA avisou que o país do norte de África vai confrontar-se com «dias difíceis», quando as forças leais a Kadhafi continuam a resistir e a liderança provisória em Tripoli se confronta com a complexa tarefa de formar um novo governo.

No entanto, Obama considerou que a Líbia é um «exemplo de como deve actuar a comunidade internacional no século XXI», disse que a coligação deteve o avanço de Kadhafi, salvou numerosas vidas humanas, garantiu a sobrevivência do povo e do território líbio e «devolveu o poder» ao povo.

«Após décadas de um regime férreo dirigido por um homem, as instituições necessárias para uma Líbia democrática vão demorar tempo a ser construídas. Vão existir dias de frustração», admitiu. «Mas se aprendemos alguma coisa nestes meses foi que não se deve subestimar as aspirações e a vontade do povo líbio».

«Tal como o mundo vos apoiou na luta pela liberdade, vamos estar do vosso lado para a construção da prosperidade e da paz que a liberdade permite», disse.

Obama saudou a «comunidade internacional» pela «coragem e vontade colectiva em agir» na Líbia. O líder da Casa Branca referiu ainda que as potências globais não podem nem devem intervir sempre que existe injustiça no mundo, mas considerou existirem ocasiões onde as nações devem unir esforços para impedir a morte de civis inocentes.

«A nossa coligação internacional travou o regime, salvou vidas incontáveis e forneceu ao povo líbio o tempo e o espaço para prevalecer», prosseguiu.

Os EUA já reconheceram o Conselho Nacional de Transição (CNT) como o governo legítimo do país e Obama anunciou que a bandeira norte-americana voltará a flutuar na embaixada norte-americana em Tripoli ainda esta semana.

Em paralelo, apelou aos líderes do CNT para assegurarem uma eficaz transição democrática, que deverá incluir eleições livres e justas.

Obama participou no encontro sobre a Líbia ao lado de diversos líderes mundiais e de representantes do CNT. Antes do encontro, Obama promoveu um encontro a sós com o presidente deste órgão político, Mustapha Abdel Jalil.

A sua intervenção, Abdel Jalil, afirmou que a «revolução» líbia que derrubou Muammar Kadhafi provocou 25 mil mortos.

O líder do CNT agradeceu à ONU e aos países que apoiaram o combate dos ex-rebeldes, e prometeu que os membros do regime de Kadhafi terão direito a um «julgamento justo».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 27, 2011, 08:55:32 pm
Milhares fogem de Sirte à medida que rebeldes 'invadem' a cidade


A violência subiu de tom nos últimos dias de confronto armado na Líbia. As forças rebeldes estão a entrar em Sirte, um dos dois últimos focos de resistência dos militares leais a Muammar Kadhafi, onde já foram avançados três mil mortos enquanto outro milhares fogem da cidade.
As forças dos Conselho Nacional de Transição (CNT) têm tentado nas últimas semanas tomar os dois últimos enclaves de resistência das tropas e tribos leais a Muammar Kadhafi: Bani Walid e Sirte. A última têm estado no centro das ofensivas das forças rebeldes, que nos últimos dias conseguiram já entrar na cidade.

A ofensiva rebelde tem levado milhares de pessoas a saírem de Sirte por recearem o eclodir, em maior escala, de confrontos com as tropas leais ao regime, à semelhança do que aconteceu na capital, Tripoli. Nas entradas da cidade os tiroteios intensificam-se, escreve o Daily Telegraph, com a presença de snipers do regime em várias rotundas e edifícios que têm "abrandado" o avanço dos rebeldes em direcção ao centro de Sirte.

À medida que as tropas no terreno tentam contrariar os snipers e o uso de artilharia por parte das tropas de Kadhafi, a NATO vai lançando no ar vários bombardeamentos pelo centro da cidade. «Todas as noite, durante cinco ou seis horas, a NATO bombardeia todo o tipo de edifícios», relata Sami Abderramán, um dos habitantes fugitivos de Sirte ao El País.

Além das referências aos bombardeamentos, o mesmo habitante adianta ainda que mais de 3 mil pessoas já terão morrido em Sirte desde a chegada das hostilidades à cidade.

Preocupações humanitárias começam a erguer-se

O progresso das forças do CNT rumo à ‘limpeza’ de apoiantes de Kadhafi na Líbia começa a parecer insuficiente para ignorar a extensão do conflito na Líbia – dura há mais de quatro meses. A escalada do número de mortes causados pelos confrontos entre rebeldes e tropas do regime fazem com que as vozes humanitárias não tenham tardado a surgir.

A BBC escreve que várias agências humanitárias já alertaram para as pessoas encurraladas no centro de Sirte e Bani Walid, avisando igualmente para a necessidade crescente por alimentos e medicamentos.

A própria Cruz Vermelha Internacional manifestou a sua preocupação em torno dos confrontos que fervilham cada vez mais nos dois enclaves que restam. Georges Comninos, chefe da delegação internacional, afirmou: «Estamos muito preocupados com as pessoas que estão no centro de Bani Walid e Sirte»

SOL
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 29, 2011, 11:23:12 am
Interpol pede detenção de filho de Kadhafi


A Interpol solicitou esta quinta-feira a detenção de Saadi Kadhafi, um dos filhos do ex-ditador líbio Muammar Kadhafi, a pedido do Conselho Nacional de Transição (CNT), grupo que reúne as novas autoridades líbias. «A Interpol confirma as informações de que Saadi Kadhafi, de 38 anos, foi visto em Níger e emite um alerta vermelho, o que constitui uma advertência para os países vizinhos da Líbia e Níger (...) para localizar e deter Saadi Kadhafi», afirma a organização policial em comunicado.

Este é o primeiro pedido de prisão emitido pela Interpol desde que o CNT chegou ao poder.

Saafi Gaddafi é procurado pela Interpol por apropriação ilegal de bens e por intimidação armada quando comandava a Federação de Futebol da Líbia.

«Como comandante de unidades militares envolvidas na repressão das manifestações civis na Líbia, Saadi Kadhafi também é alvo de uma proibição de viajar e do congelamento dos seus activos pela ONU», acrescenta a nota.

Segundo a Interpol, o alerta vermelho solicitado pelo CNT, o primeiro desde a chegada dos rebeldes ao poder, «demonstra o compromisso das novas autoridades líbias com as tarefas da polícia a nível internacional».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 11, 2011, 09:43:40 pm
Canadá oferece 7,3 milhões de euros a Tripoli para desminagem do país


O chefe da diplomacia canadiana, John Baird, deslocou-se hoje a Tripoli onde anunciou uma ajuda de dez milhões de dólares (7,3 milhões de euros) à Líbia para operações de desminagem e armazenamento de material de guerra. O programa prevê a recolha de 23 mil mísseis móveis terra-ar ainda em circulação e a eliminação de um importante arsenal na posse do antigo regime de Muammar Kadhafi, indicaram responsáveis da comitiva ministerial citados pela agência noticiosa francesa AFP. A assistência financeira está incluída num programa internacional coordenado.

A ajuda fornecida pelo Canadá, segundo um comunicado do ministério dos Negócios Estrangeiros, será ainda canalizada para melhorar os direitos das mulheres, reforçar a democracia e aumentar as trocas comerciais.

Em Tripoli, onde se deslocou num comboio de viaturas militares, Baird reuniu-se com o presidente do Conselho de Transição líbio (CNT), Mustapha Abdeljalil, e presidiu à cerimónia de reabertura da embaixada canadiana, encerrada desde fevereiro.

Numa referência às armas de destruição maciça, o ministro considerou que «no plano da segurança a situação na Líbia ainda permanece instável e existe o risco sério de estes elementos caírem em mãos erradas ou de ferirem civis».

«Para o Canadá, o desarmamento é uma prioridade absoluta caso pretendamos que a Líbia e toda a região se tornem mais seguras», acrescentou Baird.

O ministro organizou ainda uma mesa redonda com defensores dos direitos das mulheres líbias para discutir a função das mulheres na nova situação no país e nas instituições democráticas, de acordo com o mesmo o comunicado.

Representantes de ONG e empresários canadianos, incluindo responsáveis da petrolífera Suncor e do grupo de engenharia SNC Lavalin, acompanharam a deslocação ministerial à Líbia.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: typhonman em Outubro 14, 2011, 12:12:32 am
Citação de: "Lusitano89"
Portugal espera colher dividendos económicos do apoio diplomático à Líbia


Portugal espera que alguns contratos relacionados com a reconstrução da Líbia venham a beneficiar empresas portuguesas, retirando dividendos económicos do apoio político prestado ao movimento anti-Kadhafi nos últimos meses.

Esse apoio passou pela votação a favor da resolução de Março no Conselho de Segurança, que abriu caminho à intervenção militar da NATO contra alvos de Kadhafi, e mais recentemente, através da presidência do comité de sanções, «descongelar» activos de empresas líbias a favor do CNT, no valor de milhares de milhões de dólares.

«Temos a boa vontade política deles. Os empresários agora têm de apresentar propostas, ser competitivos», disse à Lusa fonte diplomática.

A mesma fonte adianta que compete aos empresários correr riscos, porque as informações que chegam do terreno sobre possíveis cisões dentro do Conselho Nacional para a Transição são preocupantes, de acordo com diplomatas em Nova Iorque.

Não obstante, o CNT vai ocupar o lugar da Líbia na ONU, conforme decisão da Assembleia Geral na sexta feira.

O prémio para os que arriscarem agora fazer negócios com Tripoli são contratos para construção e outros serviços, num país que nas últimas semanas viu serem «descongelados» cerca de 16 mil milhões de dólares antes apreendidos a empresas ligadas ao regime de Kadhafi, e mesmo a alguns dos seus dignitários, segundo disse quarta feira o embaixador de um país membro permanente do Conselho de Segurança.

«O comité [de sanções] tem sido especialmente céleres no desbloqueamento [de verbas], e gerido bem [o envolvimento] com a China e Rússia», as potências dentro do Conselho que foram mais críticas do uso da força, embora não o tenham vetado.

Segundo a mesma fonte diplomática, não existe um acordo tácito sobre quais os países estrangeiros que terão primazia em termos económicos, mas aqueles que recolhem mais boa vontade das autoridades líbias, nesta fase, são os membros permanentes do bloco ocidental (França, Reino Unido e Estados Unidos), em primeiro lugar por se terem envolvido militarmente, e depois Portugal.

«Portugal é o país que, sobretudo, teve uma postura importante e que ajudou a fazer consensos para o comité funcionar», refere fonte diplomática ouvida pela Lusa em Nova Iorque.

Ponto alto da questão líbia durante a próxima semana nas Nações Unidas, em que começa o debate anual da Assembleia Geral, será uma reunião de alto nível, com o presidente francês, Nicolas Sarkozy, os primeiros ministros britânico, David Cameron, e italiano, Sílvio Berlusconi, entre outros.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros, Paulo Portas, que esteve recentemente em Tripoli, será uma oportunidade para destacar o papel que Portugal tem tido na questão líbia e mostrar disponibilidade para continuar a apoiar na delicada fase de transição para a democracia.

Ainda na sexta feira, o Conselho de Segurança aprovou por unanimidade uma resolução que prevê a criação da missão de apoio das Nações Unidas para a Líbia, a (UNSMIL) durante três meses, para apoiar a reconstrução do Estado líbio, preparação de eleições e redacção de uma nova Constituição.

A resolução prevê ainda o descongelamento de bens da Petrolífera Nacional líbia e da congénere Zueitina, e deixa também aberto o caminho para saída da lista de entidades com bens congelados do banco central, o Banco Árabe Líbio Internacional, a Autoridade Líbia de Investimento e a sociedade de investimentos Libyan-African Investment Portfolio.

O descongelamento destes activos no valor de milhares de milhões de dólares destina-se a «colocá-los à disposição do povo líbio», refere o texto aprovado pelos 15 países membros, incluindo Portugal.

Após a votação, o embaixador português, Moraes Cabral, afirmou que a Líbia entra agora num «novo capítulo».

Lusa


Eu não vi lá nenhum F-16MLU a largar bombas inteligentes....
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 14, 2011, 06:50:46 pm
Combates regressam a Tripoli


Violentos combates ocorreram hoje em Tripoli entre forças do Conselho de Transição líbio (CNT, ex-rebeldes) e combatentes fiéis ao antigo líder Muammar Kadhafi, em fuga desde finais de Agosto. Os confrontos ocorreram no bairro de Abu Salim, no primeiro conflito armado desde a conquista da capital líbia pelas forças do CNT, há menos de dois meses.

Fontes das forças anti-Kadhafi, citadas pela agência noticiosa norte-americana AP, asseguraram que os combates com armas ligeiras começaram quando um grupo de homens armados tentou erguer no bairro uma bandeira verde, símbolo do regime de Kadhafi.

Desconhece-se se os combates causaram quaisquer vítimas. O distrito é considerado um bastião de apoio a Kadhafi, e hoje os seus apoiantes consideraram possuir condições para desafiar as novas autoridades em Tripoli.

Os distúrbios registaram-se ainda perto da célebre prisão Abu Salim, para onde eram enviados os presos políticos do antigo regime.

Este centro de detenção, símbolo da repressão sob o regime de Kadhafi, no poder durante 42 anos, alberga agora muitos dos seus apoiantes.

O Alto Comissariado da ONU para os Refugiados referiu que pelo menos 7 mil pessoas, na maioria estrangeiras, estão actualmente detidas pelo CNT em diversas prisões do país.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Outubro 20, 2011, 03:45:09 pm
Aparentemente kadafi foi capturado  gravemente ferido durante os combates e morreu a caminho do hospital

(http://img818.imageshack.us/img818/2842/kadafi.jpg)

(http://img444.imageshack.us/img444/3406/kadafhi2.jpg)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Jorge Pereira em Outubro 20, 2011, 07:10:06 pm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Outubro 20, 2011, 07:22:17 pm
Alah Akabar, Alah Akabar...  :-?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Outubro 20, 2011, 08:18:30 pm
Testimony of Libya - Lizzy Phelan - http://www.youtube.com/watch?v=RFvpfkUyBqE (http://www.youtube.com/watch?v=RFvpfkUyBqE)


Qual é o próximo? Síria, Líbano, Somália ou Irão? http://www.youtube.com/watch?v=SXS3vW47mOE (http://www.youtube.com/watch?v=SXS3vW47mOE)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Outubro 20, 2011, 08:27:47 pm
Síria ou Irão. Ou nenhum...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: papatango em Outubro 20, 2011, 08:31:32 pm
Kadafi teve aquilo que procurou.

Teve todas as hipóteses para sair do país, para acabar com a guerra civil muito antes e evitar as mortes que ocorreram.
Teve a possibilidade de negociar um exílio protegido pela extradição para Haia e recusou.

A recusa, levou a que muito mais gente morresse.

Tem o que quis, e provavelmente o que mereceu. Pena é que tenha sido preciso morrer tanta gente para que a Líbia se visse livre dele.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Jorge Pereira em Outubro 20, 2011, 08:45:14 pm
Citação de: "papatango"
Kadafi teve aquilo que procurou.

Teve todas as hipóteses para sair do país, para acabar com a guerra civil muito antes e evitar as mortes que ocorreram.
Teve a possibilidade de negociar um exílio protegido pela extradição para Haia e recusou.

A recusa, levou a que muito mais gente morresse.

Tem o que quis, e provavelmente o que mereceu. Pena é que tenha sido preciso morrer tanta gente para que a Líbia se visse livre dele.

Concordo plenamente.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Outubro 20, 2011, 08:47:13 pm
Gaddafi gold-for-oil, dollar-doom plans behind Libya 'mission'?  http://www.youtube.com/watch?v=GuqZfaj34nc (http://www.youtube.com/watch?v=GuqZfaj34nc)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Digo em Outubro 20, 2011, 09:29:42 pm
Para a próxima não diziam nada, não faziam nada,não gastavam dinheiro ,e se calhar o Kadafi ganhava e ficava tudo igual, e ainda não eram acusados de serem assim ou assado.(não quer dizer que apoie esta decisão).
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 20, 2011, 10:08:37 pm
Citação de: "HSMW"
Síria ou Irão. Ou nenhum...

Eu acho que será mais uma espécie de Arábia Saudita ...  :?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Outubro 21, 2011, 01:21:03 am
Citação de: "HSMW"
Alah Akabar, Alah Akabar... :-?

Vamos esperar que a cura nao seja pior que a doença

tenho muitas dúvidas
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 21, 2011, 07:40:21 pm
Caixa Geral de Depósitos tem 1300 milhões de €€€ de Kadhafi


Em 2008 Muammar Kadhafi transferiu das suas contas na Suíça 1300 milhões de euros em fundos estatais da Líbia para a Caixa Geral de Depósitos.
A informação que está a ser avançada pelo jornal Público revela que o primeiro depósito foi efectuado em 2008, depois de o Coronel Kadhafi ter levantado todo o dinheiro que tinha depositado em bancos na Suíça.

A prisão do seu filho e da sua nora foi a razão que motivou esta atitude por parte do, então, líder líbio.

Hannibal Kadhafi e a mulher, grávida de nove meses, encontravam-se em Genebra, instalados no Hotel President Wilson, quando a polícia suíça os prendeu sob a acusação de maus tratos por parte de dois empregados com os quais viajavam.

Passaram dois dias na prisão e foram libertados depois de efectuarem o pagamento de uma caução de 310 mil euros. Os empregados que tinham acusado o casal de os ter espancado retiraram entretanto a queixa mediante o pagamento de uma «compensação».

A prisão do filho mais novo de Kadhafi provocou uma crise diplomática entre os dois países.

O ditador exigiria um pedido formal de desculpas, que só seria feito meses depois, e que já não impediria os euros da família Kadhafi de «voarem» para fora do país.

As exportações de petróleo para a Suíça foram proibidas, dois empresários suíços na Líbia foram presos (tendo um deles sido libertado dois anos depois) e os 7 mil milhões em fundos depositados em bancos foram retirados.

Portugal foi então um dos países escolhidos para receber uma parcela do dinheiro.

Neste momento a Caixa Geral de Depósitos tem nos seus cofres 1300 milhões euros, o que, de acordo com o Público, representa 2% dos depósitos do banco. Isto significa que se o Conselho de Transição Nacional líbio quiser levantar os fundos, a CGD vai ter de pagar (a um juro de 3%) 40 milhões em juros.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 21, 2011, 10:15:19 pm
Vídeos da captura e morte de Kadhafi têm interesse público, diz a ERC


A Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) pronunciou-se sobre a divulgação, por parte dos meios de comunicação social, dos vídeos da captura de Muammar Kadhafi (onde aparece sem vida, a certo ponto), que considerou «justificáveis», apesar das imagens chocantes.

Segundo o comunicado que emitiu, a ERC acredita que «a divulgação da captura e das imagens do seu cadáver se justificam, tendo em conta o interesse público e jornalístico».

«A sua morte, pelas circunstâncias em que ocorreu e, além disso, pelas reservas que suscitou em organizações como a ONU, é um facto da política internacional de consequências incontornáveis», pode ler-se.

Estas, no entanto, devem ser antecedidas por avisos que alertem para o seu conteúdo, bem como evitada a sua repetição, «numa exploração que ultrapasse o estrito dever de informar».

A exibição de cadáveres, afirma ainda a ERC, justifica-se «quando existe inegável interesse público e se torna indispensável a uma melhor e mais eficaz compreensão e enquadramento dos factos».

A Bola
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 23, 2011, 04:07:35 pm
Mercenários sul-africanos iam ajudar Kadhafi, mas plano falhou


Mercenários sul-africanos foram recrutados para ajudar o ex-dirigente líbio Muamar Kadhafi a fugir de Sirte, mas o plano falhou quando o seu comboio foi atacado, avança hoje o jornal Rapport. Cerca de 20 mercenários deviam acompanhar Kadhafi até ao Níger, segundo o jornal, que assegura ter conversado com um deles.

Esse mercenário chama-se Deon Odendaal, que, segundo o Rapport, conseguiu fugir e encontra-se atualmente internado num hospital do norte da África. Odendaal classificou a tentativa de tirar Kadhafi de Sirte de «fracasso total».

Quando o comboio foi atacado por aviões da NATO, Kadhafi e alguns dos seus guardas esconderam-se em tubos próximos, enquanto que os mercenários fugiam em todas as direções, segundo o seu relato.

«Foi algo horrível, horrível», recordou.

Sobre os últimos momentos de Kadhafi, depois de ser encontrado no tubo, contou: «Ele gritava como um porco».

Apesar de pelo menos dois sul-africanos terem sido mortos na operação, assegurou que a maioria de seus companheiros conseguiram salvar-se porque os soldados líbios afirmaram que não podiam disparar contra estrangeiros. E, inclusivamente, ajudaram-nos a fugir.

O ministério dos Negócios Estrangeiros sul-africano não quis comentar estas informações.

«São rumores», limitou-se a comentar o porta-voz Clayson Monyela. «Além disso, os mercenários não teriam utilizado canais oficiais, de forma que não temos como verificar essas alegações de maneira independente», acrescentou.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Outubro 23, 2011, 09:20:30 pm
Lei islâmica será base do governo líbio, diz líder do governo de transição

Da BBC Brasil

Brasília - O líder do Conselho Nacional de Transição (CNT) da Líbia, Mustafa Abdel Jalil, disse hoje (23) que a sharia (lei islâmica) deve ser a base para o novo governo da Líbia.

"Qualquer lei que contradiga a sharia islâmica é nula e vazia, legalmente falando", disse Jalil, durante a cerimônia em que o governo interino declarou oficialmente a libertação do país.

A cerimônia foi realizada em Benghazi, berço da revolta contra o regime do ex-líder Muammar Khadafi, diante de milhares de pessoas.

Khadafi foi morto na quinta-feira (20), depois de ser capturado pelas forças do CNT, apoiadas pela Organização Internacional do Tratado do Atlântico Norte (Otan), em sua cidade natal, Sirte. O governo interino sofre pressão para dar início a uma investigação sobre o momento da morte do ex-líder líbio.

Durante a cerimônia, o vice-diretor do CNT, Abdel Hafiz Ghoga anunciou que a Líbia havia sido libertada, dizendo: "Levante sua cabeça. Você é um líbio livre".Em seguida, milhares de vozes repetiram a frase "Você é um líbio livre" em uníssono.

O líder do CNT, Abdel Jalil, ajoelhou-se para agradecer a Deus pela vitória diante da multidão e pediu por perdão, reconciliação e unidade no país. "Hoje nós somos uma só carne nacional. Nos tornamos irmãos unidos como não éramos no passado", disse.

Ele agradeceu a todos os que fizeram parte da revolução, incluindo os jornalistas que a apoiaram, e desejou sorte aos manifestantes anti-governo na Síria e no Iêmen.

Ele disse ainda que rejeitaria quaisquer leis que vão contra os princípios da lei islâmica, citando como exemplo a lei sobre poligamia que é vigente no país. "Um exemplo é a lei de casamento e divórcio, que restringe a possibilidade de ter múltiplas esposas. Essa lei vai contra a sharia islâmica e será rejeitada."

Jalil foi aplaudido pela multidão ao mencionar a lei e disse ainda que o governo reformaria o sistema bancário, que também deve estar em conformidade com a sharia.

O secretário-geral da Otan, Anders Fogh Rasmussen, comemorou a declaração de liberdade e pediu "uma nova Líbia inclusiva, baseada na reconciliação e no total respeito pelos direitos humanos e pela lei".

Ele afirmou também que a Otan manteria sua "capacidade de responder às necessidades dos civis, se necessário".

Horas antes, o primeiro-ministro interino da Líbia, Mahmoud Jibril, disse que as eleições parlamentares devem ocorrer até junho de 2012.

Segundo ele, os parlamentares eleitos deverão elaborar uma Constituição que será votada em um referendo popular e formarão um governo interino até as eleições presidenciais.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 24, 2011, 08:25:23 pm
França pede à Líbia que respeite direitos humanos e democráticos


O Ministério dos Negócios Estrangeiros francês reiterou hoje que a Líbia deverá construir um Estado de direito pleno, afirmando que ficará atento para que o país cumpra com todas as exigências de direitos humanos e da democracia. «Acreditamos que o povo líbio, que se libertou após 42 anos de ditadura, construa um Estado de direito conforme os valores universais partilhados pela comunidade internacional», disse um porta-voz do ministério.

Em comunicado, a fonte do Ministério francês lembrou que o presidente do Conselho Nacional de Transição (CNT) líbio, Mustafa Abdel Jalil, anunciou no último domingo que a sharia (lei islâmica) será a «sua fonte de direito».

Jalil também afirmou que qualquer lei que contradiga os princípios do islão será nula em todos os efeitos.

«Vamos estar atentos ao respeito pelos direitos humanos e aos princípios democráticos, principalmente do respeito pela diversidade cultural e religiosa, além da igualdade entre homens e mulheres», acrescentou a fonte.

No entanto, destacou que a Líbia vive «um período de transição que suscita uma imensa esperança», destacando que o próprio país deve ter o direito de «definir os princípios da sua democracia».

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Jorge Pereira em Outubro 24, 2011, 11:59:08 pm
:arrow:  http://www.youtube.com/watch?feature=pl ... y1dsO-jKd0 (http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=dy1dsO-jKd0)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Outubro 25, 2011, 01:57:57 pm
Kadafi sodomizado pelos rebeldes

http://www.youtube.com/verify_age?next_url=http%3A//www.youtube.com/watch%3Fv%3DZLGY5czS1XQ%26feature%3Dplayer_embedded
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: chaimites em Outubro 25, 2011, 02:25:05 pm
Citar

Líbia: mulheres criticam CNT por defesa de lei islâmica

As declarações do chefe do Conselho Nacional de Transição (CNT) Mustafá Abdul Jalil sobre a adoção da lei islâmica como base da legislação na Líbia preocupa, principalmente, as mulheres que temem por seus direitos.

Domingo, Abdul Jalil afirmou que a sharia será a principal fonte da legislação na nova Líbia, em discurso feito durante a cerimônia de proclamação da "libertação" do país.

"Como país islâmico, nós adotaremos a sharia como lei essencial. Toda lei que violar a sharia será legalmente nula e sem efeito", disse, citando como exemplo a lei de divórcio e casamento.

No regime de Muammar Kadafi, a lei não proibia a poligamia, mas determinava pré-condições, como o consentimento da primeira mulher. O marido também precisava provar perante a justiça que tinha capacidade financeira para sustentar uma família múltipla.

"É chocante e insultante constatar que depois do sacrifício de milhares de líbios pela liberdade, a prioridade dos novos líderes é permitir que os homens casem em segredo", lamentou Rim, uma feminista de 40 anos, "solteira e orgulhosa disto". "Nós não vencemos Golias para viver na Inquisição", denunciou.

Azza Maghur, advogada e militante dos direitos Humanos, acredita que "este não é o momento para fazer tais declarações", e afirmou que prefere saber "sobre outros assuntos mais importantes, como o período de transição".

"Não queremos perder o que conquistamos durante a era socialista dos anos de 1970. São assuntos que devem ser dialogados. A mulher tem direito de voz", disse. Ela considera que Abdul Jalil "expressou seu ponto de vista como pessoa e não como Estado. Ele não tem o poder de anular as leis".

Abdelrahman al-Chater, um dos fundadores do Partido da Solidariedade Nacional (centro-direita), afirmou que é "precoce falar na forma de Estado". "Este é um assunto que precisa ser discutido pelas diferentes correntes políticas e pelo povo líbio", disse.

"Estas declarações provocam uma sensação de dor e amargura nas mulheres líbias, que sacrificaram suas vidas para combater os homens do antigo regime", afirmou al-Chater. "A anulação da lei do casamento, fará com que as mulheres percam o direito de ficar com a casa e os filhos em caso de divórcio. É uma catástrofe para as mulheres", acrescentou.

A França e a União Europeia fizeram um apelo nesta segunda-feira pelo respeito aos direitos Humanos na Líbia, após as declarações de Abdul Jalil. Antes, o chefe do CNT tentou acalmar a comunidade internacional.

"Eu quero que a comunidade internacional fique assegurada do fato de que na condição de líbios somos muçulmanos, mas muçulmanos moderados", declarou durante uma coletiva de imprensa. "Eu citei (domingo) como exemplo a lei do casamento e do divórcio, eu apenas quis dar um exemplo (de leis que vão contra a sharia), pois a lei (atual) autoriza a poligamia apenas com certas condições. A sharia, que se baseia em um verso do Alcorão, autoriza a poligamia" sem pré-condições, disse.

No domingo, outro exemplo de lei foi dado por Abdul Jalil, que anunciou a abertura de bancos islâmicos, proibidos pela sharia de cobrar juros.

http://noticias.terra.com.br/mundo/africa/intervencaonalibia/noticias/0,,OI5432122-EI17839,00-Libia+mulheres+criticam+CNT+por+defesa+de+lei+islamica.htm
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Camuflage em Outubro 26, 2011, 07:01:48 pm
16 Things Libya Will Never See Again
Saya
disinfo.com
Wed, 26 Oct 2011 12:20 CDT
Print



1. There is no electricity bill in Libya; electricity is free for all its citizens.

2. There is no interest on loans, banks in Libya are state-owned and loans given to all its citizens at zero percent interest by law.

3. Having a home [is] considered a human right in Libya.

4. All newlyweds in Libya receive $60,000 dinar (U.S.$50,000) by the government to buy their first apartment so to help start up the family.

5. Education and medical treatments are free in Libya. Before Gaddafi only 25 percent of Libyans were literate. Today, the figure is 83 percent.

6. Should Libyans want to take up [a] farming career, they would receive farming land, a farm house, equipment, seeds and livestock to kickstart their farms are all for free.

7. If Libyans cannot find the education or medical facilities they need, the government funds them to go abroad, for it is not only paid for, but they get a U.S.$2,300/month for accommodation and car allowance.

8. If a Libyan buys a car, the government subsidizes 50 percent of the price.

9. The price of petrol in Libya is $0.14 per liter.

10. Libya has no external debt and its reserves amounting to $150 billion are now frozen globally.

11. If a Libyan is unable to get employment after graduation the state would pay the average salary of the profession, as if he or she is employed, until employment is found.

12. A portion of every Libyan oil sale is credited directly to the bank accounts of all Libyan citizens.

13. A mother who gives birth to a child receives U.S.$5,000.

14. 40 loaves of bread in Libya costs $0.15.

15. 25 percent of Libyans have a university degree.

16. Gaddafi carried out the world's largest irrigation project, known as the Great Manmade River project, to make water readily available throughout the desert country.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 27, 2011, 11:58:07 am
Mercenários sul-africanos protegem filho de Kadhafi


Um grupo de mercenários sul-africanos está na Líbia e tenta retirar do país Saif al-Islam, filho de Muamar Kadhafi, avança hoje o jornal sul-africano Beeld. Outro jornal sul-africano, o Rapport, em africaner, informou no domingo que 19 mercenários da África do Sul foram contratados por uma ou várias empresas do país vinculadas a Kadhafi para participar na proteção do coronel e dos seus familiares.

Saif al-Islam, considerado o possível sucessor de Kadhafi durante os últimos anos do regime que chegou ao fim na semana passada, fugiu de Trípoli com o pai e o irmão Muatasim durante a batalha pela capital líbia em agosto e refugiou-se em Sirte.

Muatasim morreu ao lado do pai na quinta-feira da semana passada, mas Saif al-Islam escapou das tropas do Conselho Nacional de Transição (CNT).

Segundo uma fonte tuaregue, o filho de Kadhafi terá viajado na terça-feira para a fronteira com o Níger em busca de refúgio.

O Beeld informa que aviões estão posicionados em Johanesburgo e em Sharjah, nos Emirados Árabes Unidos, para buscar os mercenários - e eventualmente Saif al-Islam - quando possível.

No fim de agosto, informações da imprensa destacaram que um grupo de sul-africanos tinha escoltado de Trípoli a Niamei um comboio com ouro, moedas estrangeiras e diamantes de Kadhafi.

Os mercenários também terão ajudado a mulher de Kadhafi, Safiya, a sua filha Aisha e dois filhos, Hannibal e Mohamed, a fugir do país.

O ministério sul-africano dos Negócios Estrangeiros não comentou as informações.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Dezembro 27, 2011, 06:02:02 pm
Vejam até ao fim!  :shock:  :shock:
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Digo em Dezembro 27, 2011, 06:45:58 pm
Aquilo foi o inimigo ou foi o arrebentamento da munição no interior do tanque?
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Dezembro 27, 2011, 08:36:01 pm
Um rebentamento no interior.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Março 08, 2012, 12:50:23 am

THE END.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HaDeS em Março 19, 2012, 03:31:35 pm
Otan não investigou mortes de civis na Líbia, diz Anistia

Reuters

Por Michael Holden

LONDRES, 19 Mar (Reuters) - A Otan não investigou adequadamente as mortes de civis causadas por seus sete meses de bombardeio sobre a Líbia no ano passado, nem pagou indenizações pelas vítimas, disse a Anistia Internacional nesta segunda-feira.

Ecoando críticas semelhantes feitas neste mês pela Rússia, a Anistia disse que muitos líbios que não estavam envolvidos na guerra civil acabaram sendo mortos ou feridos por bombardeios da Otan, e que apesar disso não houve uma investigação adequada.

Os bombardeios da aliança militar ocidental, autorizados pela ONU sob a justificativa de proteger populações civis, foram cruciais para que os rebeldes líbios derrubassem o regime de Muammar Gaddafi, numa sangrenta revolução que foi parte da chamada Primavera Árabe.

"As autoridades da Otan salientaram repetidamente seu compromisso de proteger os civis", disse nota assinada pela consultora da Anistia Donatella Rovera. "Eles não podem agora varrer para o lado a morte de vários civis, com alguma vaga declaração de pesar, sem investigar adequadamente esses incidentes letais."

A Anistia disse que era preciso investigar se alguma morte de civis resultou de violações do direito internacional, e que eventuais responsáveis por isso deveriam ser levados à Justiça.

BOMBARDEIOS

A Otan realizou cerca de 26 mil missões aéreas durante a ação militar, incluindo cerca de 9.600 bombardeios que destruíram 5.900 alvos, entre o final de março e o final de outubro do ano passado.

Investigadores do Conselho de Direitos Humanos da ONU concluíram neste mês que a Otan causou mortes de civis, mas tomou amplas precauções contra isso.

A Anistia admitiu que a Otan se empenhou em minimizar o risco de vítimas entre os civis, adotando bombardeios de precisão e alertando quais seriam os possíveis alvos.

Mas grupos de direitos humanos dizem que isso não exime a aliança de investigar e indenizar as mortes.

Sobreviventes e parentes de mortos nos bombardeios disseram à Anistia que nunca foram procurados pela Otan.

De acordo com a Anistia, a própria Otan documentou 55 casos de civis sendo mortos por bombardeios em Trípoli, Zlitan, Majer, Sirte e Brega, muitas vezes em casas particulares sem evidências claras de atividade militar. A contagem inclui pelo menos 16 mulheres e 14 crianças.

A Anistia citou ainda o caso de 34 pessoas - sendo 8 crianças - mortas em três bombardeios contra duas casas de Majer, sem que o motivo do ataque fosse explicado.

Na sua mais recente resposta à Anistia, a Otan disse que "lamenta profundamente qualquer dano" causado a civis por seus bombardeios, mas salientou que não possui mais mandato para realizar qualquer atividade na Líbia, incluindo a de investigação
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 19, 2012, 07:42:14 pm
Rebeldes descobrem vala comum com 40 corpos perto de Trípoli


Uma milícia rebelde líbia encontrou uma vala comum perto de Trípoli com 40 corpos de pessoas mortas durante o levantamento popular que eclodiu em fevereiro de 2011 e derrubou o regime de Muammar Kadhafi, informou hoje a imprensa líbia. Os corpos foram encontrados no domingo por milicianos da cidade de Garian, a 100 quilómetros a sul da capital, numa região conhecida como Ued Rabie.

Segundo declarações dadas à emissora pública líbia por um rebelde que participou na ação, a descoberta foi possível graças às informações fornecidas por um simpatizante do regime de Kadhafi detido na cidade de Garian.

De acordo com informações preliminares, o homem terá participado pessoalmente na execução das vítimas e afirmado que foram mortas durante a revolução por se recusarem a matar os simpatizantes do levantamento popular.

Antes de serem enterrados, os corpos foram cobertos por produtos químicos para impossibilitar a respetiva identificação.

Após a queda do regime de Kadhafi, a 20 de outubro, foram encontradas inúmeras valas comuns, tanto nos arredores de Trípoli como noutros pontos da Líbia.

Lusa
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 01, 2012, 10:36:05 pm
Há um "007" francês envolvido na morte de Khadafi ??


De acordo com o jornal italiano Corriere della Sera, o ex-Presidente líbio terá sido morto por um agente dos serviços secretos franceses e não por um rebelde, como sempre foi sustentado pelo novo poder em Trípoli.

A morte do ex-líder líbio Muammar Al Khadafi não corresponde aos factos, segundo uma tese defendida pelo diário italiano Corriere della Sera. A investigação divulgada pelo jornal alega que o ex-Presidente líbio terá sido morto por um agente dos serviços secretos franceses e não por um rebelde.

O jornal italiano cita fontes diplomáticas para escrever que o responsável da morte do Coronel foi um agente estrangeiro e, muito provavelmente, de origem francesa.
Uma investigação de Lorenzo Cremonesi, o enviado do "Corriere della Sera", sustenta que o alegado espião se infiltrou nas fileiras rebeldes, sob as ordens do então Presidente francês Nicolas Sarkozy, para levar a cabo o assassinato logo que as circunstâncias o permitissem. Esta versão dos acontecimentos coincide com a do ex-primeiro-ministro do Governo de transição líbio Mahmoud Jibril, que numa entrevista a um canal egípcio havia denunciado que Khadafi tinha sido morto “por um agente estrangeiro infiltrado nas brigadas revolucionárias”.


Relatos confusos

O ditador líbio foi morto a 20 de Outubro de 2011, quando tentava a fuga do país, a partir da sua cidade natal, Sirte. Forças da NATO terão bombardeado uma coluna de veículos governamentais, mas desconhecendo que Khadafi viajava no seu interior. Minutos depois, um grupo de rebeldes chegou ao local e encontrou o coronel.
A partir daí, os relatos tornam-se confusos e aparentemente contraditórios. As imagens gravadas por telemóvel e difundidas na Internet mostram Khadafi ensanguentado a ser golpeado e transportado por rebeldes em direcção a um veículo. Nesse momento, são escutados disparos e a imagem fica desfocada.
Os rebeldes, numa primeira versão, sustentaram que o Coronel morreu em consequência de uma troca de tiros, quando o grupo foi atacado por forças governamentais, apesar de várias ONG e boa parte da comunidade internacional terem pedido uma investigação independente para apurar se terá sido um execução.
Até agora, a morte do ditador líbio foi oficialmente atribuída ao rebelde Omran Shaban, de 22 anos, que terá encontrado Khadafi num esgoto, em Sirte, atingindo-o com o próprio revólver em ouro do Coronel. Em Julho, Omran Shaban foi capturado na cidade de Bani Walid por um grupo de kaddafistas que o terão torturado, deixando-o em coma. Depois de libertado, a 13 de Setembro, Shaban foi transportado para um hospital de Paris onde morreu a semana passada.
Na investigação do jornalista italiano é referido que, nos comentários dos círculos diplomáticos ocidentais em Tripoli, “se de facto, houve mão de um "007" estrangeiro na morte de Khadafi este quase de certeza era francês”.

Desde o início do apoio da NATO aos rebeldes líbios, Khadafi ameaçou abertamente revelar detalhes do seu relacionamento com o Presidente francês Nicolas Sarkozy, incluindo milhões de dólares para a campanha eleitoral das presidenciais francesas de 2007. “Sarkozy tinha todos os motivos para tentar silenciar o coronel e tão rapidamente quanto possível”, indica uma citação que Lorenzo Cremonesi atribui a fontes diplomáticas europeias.


Novos dados apurados em Benghazi

O Corriere della Sera sustenta que a versão do envolvimento de um "007 francês" é também coincidente com dados apurados pelo jornal, há três dias, na cidade de Benghazi. Rami El Obeidi, ex-responsável pelas relações do Conselho Nacional de Transição – a primeiro estrutura de auto-governo dos rebeldes líbios – com os serviços secretos estrangeiros deu ao jornal italiano a sua versão de como foi localizado em Sirte.

El Obeidi sustenta que depois de ter procurado refúgio em Sirte, o ditador tentou comunicar através do seu telefone satélite Iridium com elementos do seu regime que haviam fugido para Damasco. Rami El Obeidi sustenta que terá sido o próprio Presidente sírio Bashar Al Assad a passar o número de telefone aos franceses em troca do alívio da pressão internacional para a revolta Síria, na altura, a dar os primeiros passos.
Localizar o paradeiro de Khadafi através do Iridium com GPS seria, a partir desse momento, uma brincadeira de meninos para os especialistas da NATO. Se confirmado, terá sido esse o primeiro passo para a morte, semanas depois, do ditador.

Renascença
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Abril 01, 2014, 10:48:37 pm
E passados quase 2 anos...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: mafarrico em Abril 02, 2014, 12:04:09 am
uma guerra contra o terrorista Kadafi para implementar um estado ainda mais terrorista, Nato e Americas não sabem fazer melhor. E o que se passa na Libia está relacionado com a Siria (trafico de armas para alimentar a oposição)

Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: sidonio em Abril 09, 2014, 09:37:34 pm
Uma Líbia dividida em 3? Oeste - Tripolitânia; Este - Cirenaica; Sul - Fezzan


http://nationalinterest.org/commentary/ ... ther-10207 (http://nationalinterest.org/commentary/can-libya-stay-together-10207)
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: mafarrico em Julho 28, 2014, 11:00:51 am
http://www.cityam.com/1406519876/britis ... l-warnings (http://www.cityam.com/1406519876/british-convoy-comes-under-fire-libya-amid-uk-travel-warnings)

Britons told to get out of Libya as embassy convoy comes under fire

by Michael Bow
July 28, 2014, 4:57am

Britons were warned to get out of Libya yesterday as a British embassy convoy came under fire in an attempted carjacking.

Nobody was injured in the incident but the Foreign Office has warned British nationals in the country to leave due to increased fighting and instability in Tripoli. Between 100 and 300 Brits are currently known to be in Libya.

“Since December 2013, a number of foreign nationals have been shot dead in Libya. Further attacks against foreigners are likely and could be opportunistic.

There is a high threat from terrorism including kidnapping. Since January 2014, a number of foreign nationals have been kidnapped, including in Tripoli,” the Foreign Office said.

The British convoy was on the road between Tripoli and Zawiya.

Britain’s ambassador to Libya Michael Aron tweeted yesterday: “There was an attempted carjacking of a British Embassy convoy this morning. Shots were fired at our vehicles but all safe.”

The UK move comes a day after the US evacuated its embassy in the country due to the escalating clashes between rival militias across the state.

US secretary of state John Kerry said the US had decided to suspend its diplomatic activities in the country due to “the free-wheeling militia violence that is taking place in Tripoli”.

“We have moved people on ground to Tunisia,” he added.
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: cmc em Março 08, 2015, 04:48:37 pm
Mais outro título «interessante», e deveras «objectivo»...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: HSMW em Agosto 12, 2015, 08:59:54 pm

O resultado após 4 anos.
Mais terroristas...
Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 20, 2018, 01:09:15 pm
Suspeitas de financiamento da Líbia levam a detenção de Sarkozy


Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Março 21, 2018, 05:35:29 pm
Filho de Kadafi relança acusações a Nicolas Sarkozy


Título: Re: Guerra contra o terrorista Kadafi
Enviado por: Lusitano89 em Maio 10, 2018, 07:43:20 pm
O inédito pedido de desculpas de Theresa May