ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Passado e História Militar => Tópico iniciado por: luigi em Abril 09, 2008, 01:46:54 pm

Título: Artilharia de Costa
Enviado por: luigi em Abril 09, 2008, 01:46:54 pm
Boa tarde,

venho pedir ajuda a vós para tentar identificar /documentar do que existiu até recentemente no rio Sado, de baterias de costa.
sendo de setubal, conheço 2 instalações ( desactivadas) que pertenceram ao exército,
Uma é a bateria de albarquel que possui canhoes montados no séc xx ( ainda são visiveis os canhoes no google maps em  38°30'42.82"N   8°54'48.28"O ) , só que não sei qual o nome do grupo militar que a ocupou, os tipos de canhões. Uma vez entrei lá, e verifiquei a existencia de tuneis que ligam estes 3 canhoes, bem como camaratas, e outras dependencias, tudo debaixo de terra, não me aventurei muito, mas contatei que a rede de tuneis posuia varios pisos

A outra é a 7ª bateria do outão ( 38°29'24.11"N   8°56'15.98"O ), é bem maior e possui muitos edificios/campo de treinos e possui tambem 3 canhoes maiores, de resto não sei mais nada.
quem me puder ajudar agradecia.
Luigi
Título:
Enviado por: Upham em Abril 09, 2008, 05:01:52 pm
Boa tarde!

Fonte da Telha, 6ª Bateria do RAC, 3 peças de calibre 234 m/m, montadas em torres blindadas fixas, com casamatas e paióis subterraneos (com os tai tuneis), tal como na 1ª Bateria, sita em Alcabideche.

Outão, 7ª Bateria do RAC, 3 peças de 147 m/m (se bem me lembro), neste caso (apesar de nunca ter visitado pessoalmente esta instalação) suponho que a montagem das peças fosse igual ás da  4ª Bateria, na Parede, com as torres blindadas abertas na parte traseira.

Todas as peças eram de origem Alemã. (Krupp)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Abril 09, 2008, 06:21:24 pm
Citar
na 1ª Bateria, sita em Alcabideche.


Quem pretender ainda pode visitar estas 3 peças, embora já com bastante ferrugem, e agora melhor que nunca porque há pouco mais de um mês deram início à construção do novo hospital de Cascais, justamente no lugar destas peças.
Elas ainda lá estão e completamente devassadas já que o pessoal das obras do hospital não se interessa.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Akagi em Abril 10, 2008, 05:56:34 pm
Boa tarde

Pertenci a Arma de Transmissões, e estive adido entre Maio/72 a Abril/73, ao RAC, e colocado no Quartel de Brancanes (ficava situado no morro em frente as bombas que na altura pertenciam a Shell, na EN10 a entrada de Seubal), onde estavam aquarteladas as guarnições das duas baterias a Artilharia de Costa, a 5ª Bateria  (Albarquel), e da 7ª Bateria do Outão.

Ambas as baterias, tinham por debaixo do chão casamatas onde havia camaratas, cozinha, paiois de munições, instalações de transmissões e cripo, sala de comando e controlo de tiro.  Todas estas instalações estavam interligadas por uma rede de tuneis, feitos em cimento armado com uma espessura consideravel

As peças da 7ª Bateria sofreram uma modernização no inicio dos anos 70, e passaram a efectuar tiro orientado por radares de tiro moveis que eram montados quando dos exercicios, que tinham sido  adqueridos, salvo erro a GB.

Bem, quando disparavam as três peças em simultânio (fogo de bateria), era cá um estrodo, e a serra da Arrabida (num raio mais de um km)termia como fosse quase um tremor de terra.

Faziam fogo real pelo menos  duas vezes por ano.
Título:
Enviado por: luigi em Abril 11, 2008, 11:24:46 pm
boas e obrigado pela contribuição.
entretanto um amigo meu deu-me mais umas informações.
Akagi, dizes que albarquel era a 5ª , mas o meu amigo diz que é a 8ª.
Ele referiu-me que o regimento de artilharia de costa era composto por nove baterias: 1º alcabideche, 2ª parede, 3ª lage, 4ª Bom sucesso, 5ªRaposeira, 6ª Raposa ( fonte da telha?  ), 7ª Outão , 8ª albarquel e 9ª o Comando em Oeiras.
ele ficou de me arranjar o brasão de armas e mais alguma informação, creio que de um anuário do RAC.
O que ele disse foi que na década de 40, o Grupo Independente de Artilharia de Costa ( Setúbal ) é integrado no RAC de Oeiras.
Em relação á peças, Outão possuia 3 de 15,2 e Albarquel 3 de 15.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 11, 2008, 11:55:46 pm
Citação de: "luigi"
ele ficou de me arranjar o brasão de armas

(http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/oldarm/rac(2).gif)

Citar
Regimento de Artilharia de Costa
 
Armas

Escudo burelado ondado, de verde e de prata, chefe de ouro, com uma muralha apoiada em três torres abertas do campo, tudo de negro.

- Elmo militar de prata, forrado de vermelho, a três quartos para a dextra.

- Correia de vermelho perfilada de ouro.

- Paquife e virol de verde e de prata.

- Timbre: uma garra de leão de negro, armado de vermelho, segurando uma granada de ouro, acesa de vermelho.

- Divisa: num listel de prata, ondulado, sotoposto ao escudo, em letras de negro, maiúsculas, de estilo elzevir "MOSTRANDO A RVDA FORÇA QVE SE ESTIMA".

Simbologia e Alusão das Peças

- O Burelado Ondado simboliza o mar oceano.

- A Muralha simboliza um recinto fortificado e alude à defesa da costa.

- A Garra de Leão simboliza o Exército.

- A Granada simboliza a Arma de Artilharia.

- As Labaredas da chama aludem às nove Batarias do Regimento.

Os Esmaltes Significam

- O OURO: nobreza e constância.

- A PRATA: riqueza e eloquência.

- O VERDE: esperança e liberdade.

- O NEGRO: firmeza e modéstia.

- O VERMELHO: ardor bélico e força.


 :arrow: www.exercito.pt (http://www.exercito.pt)
Título:
Enviado por: LM em Abril 12, 2008, 11:50:24 am
Citar
na 1ª Bateria, sita em Alcabideche.


Vou fazer uma pergunta talvez "básica": esta bateria tem linha de visão ao mar...? Ou tal não é necessário?

Já agora, as peças que equipavam as várias baterias eram de quando? todas Krupp? Próprias para baterias de costa?
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Abril 12, 2008, 07:22:37 pm
LM escreveu:

Citar
Vou fazer uma pergunta talvez "básica": esta bateria tem linha de visão ao mar...? Ou tal não é necessário?

Em Alcabideche, junto à boca de qualquer uma das três peças não se vê o mar.

Contudo, disseram-me e isto vale o que vale, que o apontador e o comando de fogo estavam situados a mais ou menos um quilómetro, no topo de um pequeno morro entre a entrada para a A5 e a povoação de Carrascal de Alvide ( agora está bastante habitada mas há alguns anos era apenas uns matos ). Daí vê-se toda a costa, do Guincho até ao forte de S. Julião da Barra.
 
Este edíficio ainda lá está e intacto.

Disseram-me, também, que este edíficio era duplicado por um outro, que realizava as mesmas funções, se eventualmente este fosse destruido, situado e agora isolado no anel sul de acesso à A5, entre a Abuxarda e Alcabideche, junto à Auto Pneus de Cascais. No meio das árvores e vegetação e já parcialmente destruido pela construção do acesso à auto-estrada está esta construção militar. Se assim era, estava muito bem protegido de aitilharia que pudesse vir do lado do mar, já que o próprio morro o protege.


Citar
Próprias para baterias de costa?


Estas informações que me foram dadas por pessoas idosas de Alcabideche, uns que colaboraram na construção do " forte " e outros que lá prestaram inicialmente serviço, estas peças vieram para Portugal após a II guerra, como parte do pagamento de fornecimentos que Portugal fez aos ingleses (?) durante o conflito, num lote que incluia muito equipamento militar, inclusivé navios e aviões. ???  

Ainda segundo eles, eram peças de artilharia naval destinadas aos couraçados que estavam em construção ou que foram desactivados e que aproveitamos para artilharia de costa.


Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Akagi em Abril 14, 2008, 01:36:13 pm
As peças instaladas na 7ª Bateria (Outão) eram iglesas, salvo erro foram construidas pela Vickers

No tempo em que estive em Setubal o escalonamento das baterias era a seguinte:

5ª Bateria (Albarquel - Peças ligeiras de 2ª linha - Alcance perto dos 20km))

6ª Bateria (Brancanes -Não tinha peças era somente o aquartelamento das guarnições das outras duas)
Hoje estas instalções são uma prisão

7ª Bateria (Outão/Serra da Arrabida - Peças pesadas com alcance na ordem dos 35km)

O Brazão de Armas destas baterias era um navio de guerra a ser apanhado pelos tentaculos de um polvo.
Título:
Enviado por: komet em Abril 14, 2008, 02:49:24 pm
Há fotografias destas peças no antes e depois? Cumps
Título:
Enviado por: luigi em Abril 14, 2008, 07:04:06 pm
Boas , aqui vai uma foto das peças no Outão, que tirei ontem.
http://commons.wikimedia.org/wiki/Image ... A3o_01.JPG (http://commons.wikimedia.org/wiki/Image:Bateria_Out%C3%A3o_01.JPG)
Título:
Enviado por: komet em Abril 14, 2008, 10:13:12 pm
Citação de: "luigi"
Boas , aqui vai uma foto das peças no Outão, que tirei ontem.
http://commons.wikimedia.org/wiki/Image ... A3o_01.JPG (http://commons.wikimedia.org/wiki/Image:Bateria_Out%C3%A3o_01.JPG)


Deveras interessante, obrigado luigi.

Parecem-me ser um excelente alvo para a aviação inimiga  :)  Ainda para mais bem juntinhos e sem um bunker de betão armado por cima...
Título:
Enviado por: nelson38899 em Abril 15, 2008, 10:02:42 am
opinião pessoal, acho que apesar de estarem juntas o que é uma vantagem táctica, pois assim é mais facil carrega-las, mas por outro lado é uma desvantagem pois facilmente podiam ser destruidas, mas caso ainda tivesse-mos a artilharia de costa acredito que essas baterias iam possuir sistemas de defesa anti aérea.

meio offtopic espanha ainda possuí artilharia de costa:

REGIMIENTO DE  ARTILLERÍA DE  COSTA  Nº4

http://www.ejercito.mde.es/organizacion/racta4/l1.htm (http://www.ejercito.mde.es/organizacion/racta4/l1.htm)
Título:
Enviado por: LM em Abril 15, 2008, 10:55:38 am
Obrigado a todos pelas informações - sabia, obviamente, da existência do RAC e de "algo" em Alcabideche mas confesso que não tinha ideia de ter havido tanto e ainda haver tantos vestígios! A 10 minutos de casa! Pena talvez não se conservar pelo menos 1 bateria, a norte e a sul ,como local "museológico".
Título:
Enviado por: jjoao2k em Abril 21, 2008, 01:22:28 am
Citação de: "luigi"
Boas , aqui vai uma foto das peças no Outão, que tirei ontem.
http://commons.wikimedia.org/wiki/Image ... A3o_01.JPG (http://commons.wikimedia.org/wiki/Image:Bateria_Out%C3%A3o_01.JPG)


Alguma nostalgia ao ler este topico e ver a imagem actual das baterias.
Está fazer agora quase 22 anos que por lá "passei", coloquei aqui http://imagensfixas.blogs.sapo.pt/1406.html imagens destas mesmas baterias, mas em 1986 e em exercicio de tiro real, espero que gostem de ver.
 :)
José João
Título: RAC-8ª Bataria de Albarquel
Enviado por: cavalinho em Maio 02, 2008, 03:12:14 am
Boa noite a todos
Falar do Regimento de Artilharia de Costa é como falar de um pedaço da minha vida.Conheço-o como a palma da minha mão.Já passaram 25 anos fui 2º Furriel Miliciano deste Regimento, com a especialidade de Chefe de Peça CTR-15 M902 (Costa tiro rápido 1902), durante 18 meses conheci todas as Batarias que compunham este Regimento já extinto, e que na altura já faziam parte da nossa história da Artilharia.É com imensa tristeza que verifico a morte lenta e destruíção de um património-histórico bastante valioso que urge musealizar e obrigatóriamente preservar.
Em 1985 fui destacado para o Grupo Sul para a 7ª Bataria-Outão e nos ultimos 6 meses desse mesmo ano, fui nomeado comandante de destacamento da 8ª Bataria-Albarquel.Cuidei dela como se fosse a minha própria casa por isso recebi um louvor do RAC que guardo com bastante carinho, quando da visita de uma delegação de Generais e coronéis espanhois do Regimento de Artilharia  Cóstera de Cádiz.Tenho imensas histórias para contar dentro do possivel,.... e se eu souber disponham qualquer tipo de informação sobre....o tiro, as peças, as guarnições, os exercícios, cenas do quotidiano, a organização,as recrutas, a história...etc.
Já agora sabiam que a alcunha de todos os artilheiros da 8ª Bataria de Albarquel eram ...as "Toupeiras", precisamente porque a vida militar fazia-se toda debaixo do chão nos tuneis de acesso ás peças; as casernas,ao bar, ao refeitório..etc?!
Outra curiosidade..em Albarquel existia(não sei se ainda existe) um tunel com um raro elevador/passadeira de munições, em madeira com alças de aço e cabedal, que em 1985 era práticamente o unico na peninsula ibérica.A manutenção do mesmo era efectuada com oleo queimado, encerado, e com duas pessoas demorava mais ou menos uma semana de manutenção.A energia era fornecida por uma geradora a gasoleo "Lister",dáva-se á manivela normalmente pegava á 2ª tentativa(faziam-se apostas) e o barulho da geradora ecoando pelos tuneis, muitas vezes competia com o barulho das peças.
Em 1985 tinha comigo 25/33 militares na 8ª Bataria Albarquel  havia trabalho para todos, mas tambem muito descanso para todos era tudo uma familia de "Toupeiras".
Outro facto curioso é o de, tanto eu como todos aqueles que passaram pelo Rac já fazerem parte da história da Artilharia de Costa, em 1985 era especialista de uma arma/Peça de artilharia de 1902 que teoricamente disparava 14 tiros por minuto.Como chefe de peça nunca fiz 14 tiros por minuto(dependia da velocidade de carregamento da peça por parte da guarnição composta por 7 militares, e havia competição ao segundo, entre peças e chefes das 3 peças que compunham a Bataria )
A conversa já vai longa fica prometido uma próxima
Um abraço a todos
João Castro
(alcunha o "cavalinho".....um dia eu conto o porquê desta alcunha.....já lá vão 25 anos, não é Furriel Casaca???!!!!)
Título: Re: RAC-8ª Bataria de Albarquel
Enviado por: jjoao2k em Maio 03, 2008, 07:43:35 pm
É verdade, as peças estão a apodrecer, comparando as fotografias de 1986 (http://http), em que as peças estavam pintadinhas e limpinhas, e as mais recentes. (http://http) em que a ferrugem é visível mesmo a grande distancia.
Fui destacado para a 7º Bataria em Agosto de 1986, onde estive 12 meses. Também passei lá uns bons tempos, apesar do isolamento a que estavamos sujeitos. A Albarquel ia pouco, e só como Cabo de viatura na altura de levar as refeições, mas lembro-me das instalações, era tudo debaixo de chão, mas pelo menos estavam ali encostadinhos à praia  :wink:
Um abraço
José João
Título: totalmente de acordo
Enviado por: cavalinho em Maio 04, 2008, 01:02:03 am
Citação de: "LM"
Obrigado a todos pelas informações - sabia, obviamente, da existência do RAC e de "algo" em Alcabideche mas confesso que não tinha ideia de ter havido tanto e ainda haver tantos vestígios! A 10 minutos de casa! Pena talvez não se conservar pelo menos 1 bateria, a norte e a sul ,como local "museológico".



totalmente de acordo!!!
Título: Fogos Reais em Artilharia de Costa
Enviado por: cavalinho em Maio 04, 2008, 02:55:43 am
Os fogos reais realizavam-se no meu tempo(1984/1985) em Maio e em Novembro.O trafego maritimo e aério nas zonas de Setubal ;Lisboa e Cascais, como é obvio, eram suspensos durante o dia de fogos reais e a população era avisada nas áreas de influencia das peças....abrir as janelas acautelar objectos frágeis dentro das residencias etc. Aliás o comando do RAC distribuía folhetos com alguma antecedencia com todas essas informações.
Uns dias antes dos fogos limpavam-se as peças da massa consistente que as protegia com enormes caldeiros de agua quente, com escovilhões enormes e panos (esta operação de limpesa dava bom trabalho). :o .... no meu tempo isso aconteceu duas vezes.... foi uma gloria... :evil: no chefe de peça.Outras vezes o tiro ía parar a sitíos menos desejáveis (como hortas em Alcabideche), na lingua de areia do farol do Búgio com alguns ricochetes. :oops: ...os mostradores e a leitura dos mesmos feita pelo cabo  estavam correctas.... afinal o que tinha falhado?......Quando efectuado o 1º tiro, o oculo do cabo apontador tinha-se deslocado da régua metálica e ninguem se apercebeu desse facto!!Na preparação do 2º tiro os novos dados/coordenadas foram introduzidas nos mostradores de leitura deslocando o oculo....mais as correcções nos mostradores de leitura....e...como regra, o cabo apontador fez o seu serviço...movimentou a peça olhando sempre através do oculo e procurou o alvo e fez-se o tiro....claro está o desvio no oculo de um centimetro ou milimetro  corresponde a: lá ao fundo, no mar, a desvios de metros e Kilometros..........conclusão....o 3º tiro foi bem melhor!!!!  :twisted:
Título:
Enviado por: Mueda em Maio 30, 2008, 12:26:10 am
Conhecem o local ? :)

http://br.youtube.com/watch?v=Xf8BKATf8z4 (http://br.youtube.com/watch?v=Xf8BKATf8z4)
Título:
Enviado por: Duarte em Maio 30, 2008, 06:00:14 am
Caros colegas Cavalinho e jjoao2k

Gostaria de ler mais sobre as vossas experiências no RAC. Sempre tive muito interesse pela artilharia de costa, e também lamento o estado em que estão as antigas baterias. :(

Um abraço
Título:
Enviado por: EB em Maio 30, 2008, 10:04:58 am
O Jornal Expresso, em 1996, fez uma reportagem sobre a Artilharia de Costa para a sua revista.
Não sei é precisar o mês de publicação.

Por acaso, na altura, destaquei as páginas dessa reportagem. Assim que conseguir ter tempo e acesso a um scanner, vou postá-las aqui. É só ter oportunidade para tal....  :wink:

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: luigi em Junho 06, 2008, 01:10:36 pm
olá a todos.
coloquei as restantes fotos que tirei à bataria do Outão-
http://commons.wikimedia.org/wiki/7%C2% ... Out%C3%A3o (http://commons.wikimedia.org/wiki/7%C2%BA_Bataria_do_Out%C3%A3o)

Estou a tentar entrar na Bataria de Albarquel para ver se consigo fazer uma boa reportagem fotográfica.
Depois vos avisarei
Título:
Enviado por: jjoao2k em Junho 12, 2008, 01:31:42 pm
Citação de: "luigi"
olá a todos.
coloquei as restantes fotos que tirei à bataria do Outão-
http://commons.wikimedia.org/wiki/7%C2% ... Out%C3%A3o (http://commons.wikimedia.org/wiki/7%C2%BA_Bataria_do_Out%C3%A3o)

Estou a tentar entrar na Bataria de Albarquel para ver se consigo fazer uma boa reportagem fotográfica.
Depois vos avisarei


Caro Luigi
Gostei de ver as fotos, principalmente a da pista (http://commons.wikimedia.org/wiki/Image:Bataria_Out%C3%A3o_02.JPG), onde se vê alguns dos equipamentos de treino e o topo do forte.
Esta area era a area de patrulha nocturna menos desejada para quem fazia serviço de guarda, havia uma casota de observação do lado direito (em relação à foto) onde por vezes, alguns, convencidos de que o Cabo só voltaria ali daí a 2 horas para o render, recolhiam para fazerem uma pequena soneca, uns eram bem sucedidos, outros nem por isso. É que nem sempre o Oficial de Serviço ficava afastado dos locais onde devia haver um sentinela, e alguns foram apanhados, e claro, castigados, geralmente o castigo era mais serviços e não tinham permissão para sair do quartel por algum tempo, tinham a obrigação de se apresentar ao Oficial de Serviço a horas determinadas.

O castigo de não ir a casa por algum tempo, para alguns pode parecer coisa simples, talvez , desde que seja por nossa opção e não nos seja imposto.

Lembro-me de um dia estar de serviço, e ao fazer a ronda nocturna pela pista reparei que o soldado estava a chorar. Pensei que lhe tinha acontecido alguma coisa, que se tinha aleijado ou outra coisa grave. Mas o que ele tinha era saudades de casa. Depois de estar com ele ali à conversa, lá se acalmou e lá consegui perceber o motivo. Habituado a ir todos os dias a casa, estava naquele momento a cumprir um castigo de 30 dias sem poder sair da Bataria. Estar ali na pista à noite a olhar para Setubal, onde morava, era para ele uma autêntica tortura.
Estava a cumprir castigo por estar embriagado em serviço e acho que disse algumas palavras menos correctas quando o oficial o confrontou, o que agravou ainda mais.

Desde o meu 1º dia ali que a arrogancia era "marca registada" deste camarada, valentão, sempre pronto a diminuir e humilhar quem tivesse menos tempo que ele na bataria, porque como devem saber ou pelo menos ter ouvido dizer "na tropa a velhice é um posto".
A ultima pessoa que eu esperaria ver naquele estado de espirito era ele. Foi remédio santo, se me permitem usar esta expressão, depois da nossa conversa e de sofrer aquele castigo, algo mudou nele, passou a ser mais amigável e mais responsável.

Acho que a atitude inicial dele era um genero de defesa, tal como o Scolari dizia à dias "a melhor defesa é o ataque", mas depois de se ter colocado numa situação de fragilidade, ele compreendeu, que não perdeu a sua dignidade por ter mostrado arrependimento das acções e saudades da familia, por isso não fazia sentido continuar com toda aquela agressividade e arrogancia para com os outros.

Desculpem-me a história, que provavelmente nada terá a ver com o tema do post, a não ser a localização, mas quando olhei para a imagem da pista foi deste episódio que me lembrei, do soldado a chorar com saudades da familia.

Um abraço a todos
José João
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 12, 2008, 02:25:42 pm
Parecia que estava a falar de uma certa pessoa que pertenceu ao meu pelotão. Ter sido eliminado do curso de Atiradores foi remédio santo, baixou muito a crista.
Título:
Enviado por: carlos22 em Junho 24, 2008, 03:24:21 am
Boas pessoal!

Estava a pesquisar acerca do extinto R.A.C. na net quando encontrei esta página.

O meu pai fez grande parte da sua carreira militar no R.A.C. (mais de 20 anos, durante muito tempo o cabo Domingos, hoje em dia já reformado 1º sargento Domingos) sendo de serviço material e, se bem me lembro de quando em pequeno o acompanhava, passava grande parte do tempo fazendo manuntenção às peças deslocando-se até com frequência à Madeira aquando de exercicios de fogos reais etc..

Passei muito tempo a acompanhar o meu pai na 6º Bataria na fonte da telha, no outão e em Oeiras mesmo no comando, mas sinceramente, onde me sentia melhor era na Fonte da Telha. Todo o ambiente militar em que desde pequeno me vi envolvido acabou por me incentivar e tive uma passagem de oito anos pelos Pupilos do Exército onde fiz grande parte dos estudos, quer académicos, quer de preparação para a vida...

O que queria dizer é qualquer dúvida que tenham ou curiosidade digam que eu perguntarei ao meu pai e eu mesmo tentarei responder aquilo de que ainda me lembro apesar de já se terem passado "alguns" anos..

Na altura sendo míudo todo aquele ambiente me ficou marcado na memoria e custa-me imenso ver as peças degradadas após apenas cerca de 10 anos da desactivação...
Título:
Enviado por: luigi em Junho 25, 2008, 06:13:14 pm
olá a todos,
obrigado pela vossa partilha. Gostaria de fazer um artigo na wikipedia  acerca do RAC e gostava de pedir a ajuda de todos nessa elaboração.

Outra questão: alguém  consegue arranjar o modelo, marca dos canhões das baterias do RAC, bem como mapas ?
Eu consegui que me emprestassem um anuário de 1996 do RAC, só que tenho as caracteristicas, mas não o modelo.
Título:
Enviado por: Duarte em Junho 26, 2008, 02:43:18 am
Uma artigo na Wikipedia é uma óptima ideia. Já lá vão muitos anos, mas vamos lá ver se me lembro de algo de útil..

O RAC era constituído pelos Grupos Norte e Sul. O Grupo Norte enacrregava-se da defesa aos acessos a Lisboa, o grupo Sul defendia Setúbal. O Comando do Regimento estava em Oeiras. Não sei se existia, como em todos os outros regimentos da época, um Grupo de Comando e Serviços e um Grupo de Instrução? Se alguém puder esclarecer, seria óptimo.

Havia duas baterias de 152.4mm, cada uma com 3 pecas Vickers (6 polegadas) gentilmente cedidas pelo Reino Unido nos anos 50 ao abrigo da NATO. Uma no Outão, pertencia ao Grupo Sul, outra Parede, pertencente ao Grupo Norte.

Havia ainda baterias de 150mm (Krupp?) modernizadas nos anos 50 na Lage, Raposeira e Albarquel.

Houve ainda uma única peça dupla de 152.4mm Vickers instalada no Bom Sucesso.

Houve também peças Vickers de 9.2 polegadas (234mm) que foram usadas no RAC (baterias de Alcabideche- Grupo Norte, e na Fonte da Telha - Grupo Sul) de três peças cada bateria.

 bateria Alcabideche - 3 x Vickers 234mm
 bateria Parede - 3 x Vickers 152.4mm simples
 bateria Lage - 3 x  Krupp 150mm
 bateria Bom Sucesso - 1 x Vickers 152.4mm dupla
 bateria Albarquel -3 x Krupp 150mm
 bateria Raposeira  -3 x Krupp 150mm
 bateria Fonte da Telha (Raposa?) - 3 x Vickers 234mm
 bateria Outão - 3 x Vickers 152.4mm simples

Algum erro? falta alguma? Quanto pessoal tinha um bateria? Qual a orgânica de cada bateria?
Título:
Enviado por: papatango em Junho 26, 2008, 05:12:06 pm
Citação de: "Komet"
Parecem-me ser um excelente alvo para a aviação inimiga Smile Ainda para mais bem juntinhos e sem um bunker de betão armado por cima...

A artilharia do Outão estava ali desde há muitos séculos.
Desde que se entendeu que a tomada de Setubal era da maior importância para tomar Lisboa.

Em 1580, quando os espanhóis nos invadiram, já o forte do Outão disparava contra os navios espanhóis e foi dos primeiros a ser reconstruido depois de 1640.

Na verdade, a defesa antiaérea era considerada secundária, porque o objectivo das baterias era garantir o mar livre e o acesso à baía de Setubal.
De qualquer das formas durante a II guerra mundial, não havia munição suficiente para as peças.

= = =
Tenho tentado recolher alguma informação sobre fortes e fortalezas, para utilização futura, mas entretanto surgiu-me uma dúvida relativamente a «Fonte da Telha»

Não encontro os restos das instalações no Google, mas encontro as instalações da Costa da Caparica...
Ainda se vêm 12 posições de artilharia, mas segundo me disseram tratava-se de peças anti-aéreas.

Já falei com pessoal do RAA-1 de Queluz, mas não me conseguiram adiantar nada de concreto.
Alguém já procurou a localização das baterias no Google?

Albarquel:
(http://img403.imageshack.us/img403/7421/racalbarquellb6.th.jpg) (http://http)

Outão:
(http://img403.imageshack.us/img403/9742/racoutaoxm1.th.jpg) (http://http)

Alcabideche:
(http://img386.imageshack.us/img386/936/racalcabidecheud2.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 26, 2008, 05:47:19 pm
papatango, procure aqui - www.raaa1.pt (http://www.raaa1.pt). No historial descrevem o plano inicial de defesa AA de Lisboa e a localização das batarias.
Título:
Enviado por: papatango em Junho 26, 2008, 06:07:11 pm
De facto, asism é.
Curiosamente acho que o pessoal de Queluz deveria ver o site ... :mrgreen:
Eu insisti que na Costa da Caparica estavam peças de defesa anti-aérea e fui contrariado com afirmações de que aquilo era Regimento de Artilharia de Costa.

Também confesso que não procurei informar-me mais, porque ainda estou para visitar outra vez a unidade de Queluz, onde têm um museu com várias peças, entre as quais as de 94mm.
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 26, 2008, 06:16:48 pm
Citação de: "papatango"
Tenho tentado recolher alguma informação sobre fortes e fortalezas, para utilização futura, mas entretanto surgiu-me uma dúvida relativamente a «Fonte da Telha»

Não encontro os restos das instalações no Google


Tanto quanto sei, ficavam mesmo no início da rampa (à direita para quem desce) de acesso à Fonte da Telha. Julgo que as instalações estão ocupadas pela Brigada Fiscal da GNR.
Será mesmo assim? Não sei.

(http://img292.imageshack.us/img292/6451/serdb6.jpg)
Título:
Enviado por: Luso em Junho 26, 2008, 10:30:28 pm
Quando andava a estudar fazia o percurso Cais do Sodré-Cascais ou Monte-Estoril e lembro-me que após Oeiras (em direcção a Cascais) de ver aquilo que poderiam ser torres de artilharia pesada. Mas dirigi-me ao Google e fiquei espantado com a construção que fizeram entretanto! :shock:
Já lá vão uns 13 anitos desde a última vez que fiz a viagem de combóio.
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 27, 2008, 12:28:13 pm
Tenho que pedir desculpa aos colegas, fui induzido em erro na minha última mensagem. A bataria da Raposa (Fonte da Telha) ainda lá está. Fica um pouco antes de chegar à Fonte da Telha.

(http://img144.imageshack.us/img144/8718/raposagk4.jpg)

(http://img152.imageshack.us/img152/9079/mapvy0.jpg)
Título:
Enviado por: luigi em Junho 27, 2008, 09:48:07 pm
Duarte,
Obrigado pela info das peças.em resposta tenho as carcteristicas dessas  peças e guarnição, aqui vai:

Peça C 15/40 CTR m/902 defesa próxima ( deve ser as krupp que refere )

Dados numéricos:
Peso total- 4.700 kg
Peso da culatra Móvel- 186 kg
Peso total da granada M 197 A- 43.32 kg
Peso da Carrga de tiro M 197 A- 7.55 kg
Comprimento de tubo- 5.960m

Dados balisticos:
Velocidade inicial- 680 m/s
Alcance Máximo ( 25º)- 14.6 km
Cadência de tiro- 7 t/m

Características fundamentais:
Campo de tiro horizontal- 360º
Campo de tiro vertical-  -5º a  +25º
Comprimento de recuo- +- 30 cm

Guarnição:
Cmdt Secção- Sargento ou Fur. Artª
S1- Servente da Culatra
S2- Servente do soquete
S3- Carregador
S4- Carregador
S5- Ajustador
S6- Marcador
S7- Municiador dos cartuchos

Extraído do anuário, falta digitalizar a foto, e características das restantes peças: Peça C 15 2/47 CTR m/44 e Peça 23.4/47 CTR m/48

Ps- já me esquecia, desde terça-feira que a bataria do outão está aberta, mas não ao publico. estão lá a fazer a apresentação do scirocco!! hoje, ainda pedi para me deixarem entrar e fazer uma fotos, mas não me deixaram. Enfim....
Título:
Enviado por: oxidus em Junho 30, 2008, 11:54:10 pm
boas noites...o meu pai serviu no RAC na bateria da parede , mostrei-lhe este topico e ele ficou bastante interessado e quer deixar aqui os seus testemunhos e algumas fotos, ja criei um registo pra ele, tou so a espera que enviem a confirmação que nunca mais vem pra ele poder o fazer...
cumprimentos
Título:
Enviado por: LuisC em Julho 01, 2008, 12:03:06 am
O que resta da bateria de Alcabideche:

(http://img293.imageshack.us/img293/809/montereal2008002ma1.jpg) (http://http)
(http://img183.imageshack.us/img183/526/montereal2008005uc4.jpg) (http://http)

Foi-me dito por um funcionário da obra que esta peça iria ficar :shock: As outras duas já foram retiradas.

Cumps
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Julho 02, 2008, 06:01:52 pm
Citar
O que resta da bateria de Alcabideche:
Citar
Foi-me dito por um funcionário da obra que esta peça iria ficar  As outras duas já foram retiradas.

Justiça se faça porque, pelo menos, resta-nos a consolação que naquele local - por sinal excelente - já servido pela A5 e dentro de mais alguns meses com o início da A16 a 200 metros, central no Concelho de Cascais, está a ser erigido o novo Hospital de Cascais.
A estrutura de betão vai de " vento em popa ".
Imperou o bom senso porque no tempo do José Luis Judas o hospital chegou a ter a primeira pedra lançada a cerca de 500 m do Aeroporto Secundário de Lisboa, em Tires.
Ter um hospital principal a 500 metros desta pista nestes terrenos só visto:
(http://bp0.blogger.com/_FM0HXnOOWTE/SEfBsK6v1dI/AAAAAAAACTs/Z5DXh1jHgsE/s320/IMG_9205.JPG)
Imperou o bom senso. E que seja rápidamente terminado, porque o presentemente pior hospital do país está em Cascais.
Cumprimentos
Título: cabo Domingos
Enviado por: cavalinho em Julho 12, 2008, 12:28:08 am
Eu conheci o seu pai quando estive na 7ª Bataria do Outão  em 84/85ele foi comandante de destacamento da 8ª de  Albarquel quando se reformou foi substituído por um aspirante miliciano e mais tarde mais tarde por mim(ultimo semestre de 1985)foram tantos aqueles que o seu pai conheceu que de certeza não se lembra de mimde qualquer forma aqui vai uma referência "2ºFurriel Carvalho/ Santarém/saborer um bom vinho da Gouxa-Alpiarça
Citação de: "carlos22"
Boas pessoal!

Estava a pesquisar acerca do extinto R.A.C. na net quando encontrei esta página.

O meu pai fez grande parte da sua carreira militar no R.A.C. (mais de 20 anos, durante muito tempo o cabo Domingos, hoje em dia já reformado 1º sargento Domingos) sendo de serviço material e, se bem me lembro de quando em pequeno o acompanhava, passava grande parte do tempo fazendo manuntenção às peças deslocando-se até com frequência à Madeira aquando de exercicios de fogos reais etc..

Passei muito tempo a acompanhar o meu pai na 6º Bataria na fonte da telha, no outão e em Oeiras mesmo no comando, mas sinceramente, onde me sentia melhor era na Fonte da Telha. Todo o ambiente militar em que desde pequeno me vi envolvido acabou por me incentivar e tive uma passagem de oito anos pelos Pupilos do Exército onde fiz grande parte dos estudos, quer académicos, quer de preparação para a vida...

O que queria dizer é qualquer dúvida que tenham ou curiosidade digam que eu perguntarei ao meu pai e eu mesmo tentarei responder aquilo de que ainda me lembro apesar de já se terem passado "alguns" anos..

Na altura sendo míudo todo aquele ambiente me ficou marcado na memoria e custa-me imenso ver as peças degradadas após apenas cerca de 10 anos da desactivação...
Título:
Enviado por: oxidus em Julho 12, 2008, 03:25:56 pm
Alguem me pode explicar como meto fotografias aqui no topico?
é que tenho aqui algumas fotos do meu pai da 2ªBateria da Parede pra partilhar.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Akagi em Julho 21, 2008, 04:45:19 pm
Alguem sabe quais as peças que estavam no Forte de Almada (situado por debaixo do Cristo Rei), e que foi desactivado quando da construção da Ponte Salazar (vulgo Ponte 25 de Abril), pois esta ficou a obstruir a linha de tiro das peças?
Título: SERVIÇO MILITAR OBRIGATÓRIO NO RAC
Enviado por: Luis Villas em Julho 22, 2008, 07:11:20 pm
Boa Tarde,

Foi por um simples acaso que descobri este Fórum sobre o RAC, e depressa devorei todos os comentários aqui deixados.

Na realidade cumpri o meu serviço militar obrigatório na 1ª e 6ª bateria do RAC, isto é, em Alcabideche e na Fonte da Telha, de SET 1980 a DEZ 1981.

Tenho bastantes fotos tiradas por mim no RAC e alguma documentação, vou tentar futuramente, deixar aqui quando necessário alguns esclarecimentos, se souber ... Claro.

Posso adiantar que além das peças que figuravam nas baterias, havia também os Telémetros, que faziam a identificação e o acompanhamento do navio inimigo (alvo) que por sua vez comunicavam através de uns cabos (magslip?) para o PCT (Posto Central de Tiro) onde existia um preditor e/ou Dumaresk, que fazia o tratamento dos dados, isto é identificava a velocidade e a distãncia do alvo, calculando a inclinação do cano da peça, e dando essa informação pelos tais cabos ás peças e simultâneamente ordem de fogo á peça, de rajada para 3 ou apenas para 1 ou 2.

Os elementos de velocidade e distância do alvo também poderiam ser fornecidos por um avião, e para isso havia no PCT outros mecanismos para efectuar os calculos a dar ás peças.

As peças de 234 mm da 1ª e 6ª baterias possuíam os PCT's diferentes de todas as outras, isto é, mais modernos, possuíam também no seu interior uma camarata para a guarnição e as portas eram blindadas.


Na Parede vai nascer o Museu do regimento de Artilharia de Costa.

Um abraço a todos
Título: CRESTA DO RAC
Enviado por: Luis Villas em Julho 22, 2008, 07:20:37 pm
Boa Tarde,

Gostaría de possuír a Cresta do RAC.

Se alguém souber de algum exemplar ou onde possa adquirir um exemplar, agradecia a informação.

Cresta é uma base em madeira com o brasão de armas, que todas as unidades possuem.

Agradecido
Título:
Enviado por: EB em Setembro 09, 2008, 11:43:51 am
Citação de: "EB"
O Jornal Expresso, em 1996, fez uma reportagem sobre a Artilharia de Costa para a sua revista.
Não sei é precisar o mês de publicação.

Por acaso, na altura, destaquei as páginas dessa reportagem. Assim que conseguir ter tempo e acesso a um scanner, vou postá-las aqui. É só ter oportunidade para tal....  :wink:

Cumprimentos.
Título: 8&7 bateria
Enviado por: paulo pereira em Setembro 24, 2008, 02:05:52 am
Foi 1 cabo nestas duas unidades nos anos 1980 a 1982 algmas respostas quem sabe eu o possa ajudar meu email e este pivm19@hotmail.com
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 24, 2008, 08:53:04 am
E que tal em vez de responder por email, podia responder no forum, eu pelo menos gostava de ler essas respostas. :D
Título:
Enviado por: Luis Villas em Outubro 10, 2008, 11:14:21 pm
Para o Paulo Pereira,

Óbviamente que será muito mais interessante, todas as questões e respostas, serem rubricadas "aqui neste Forum" , de resto não tem interesse.
E, desde já, não estarei disponivel para elaborar ou receber informações em âmbito privado, uma vez que, presumo eu, não ser o objectivo deste Forum.

Abraço.
Título: Re: Artilharia de Costa do Sado
Enviado por: luispassuco em Outubro 14, 2008, 05:56:49 pm
boa tarde pessoal ando a procura dos camaradas do rac da incop. de 30-03-1992 em alcabideche contacto. luispassuco@hotmail.com
967295642

um abraço
Título: Re: RAC-8ª Bataria de Albarquel
Enviado por: Paulo Valido em Novembro 12, 2008, 01:51:03 pm
Citação de: "jjoao2k"
É verdade, as peças estão a apodrecer, comparando as fotografias de 1986 (http://http), em que as peças estavam pintadinhas e limpinhas, e as mais recentes. (http://http) em que a ferrugem é visível mesmo a grande distancia.


E se aquilo ainda esta de pé e ainda não foi mais vandalisado, é porque um grupo de voluntários de Prevenção da Natureza que faz vigilancia á Serra da Arrabida, ainda tem tomado conta daquilo e feito alguns trabalhos de manutenção por sua conta e risco.
Durante alguns anos tem feito daquele quartel a sua base de operações, comendo, e dormindo lá não só durante o veram, mas tambem duarnte todo o ano.
podesse ver algumas fotos no nosso Blogue :

http://ecoarrabida.blogs.sapo.pt/ (http://ecoarrabida.blogs.sapo.pt/)

mas não esta actulizado
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 12, 2008, 06:48:48 pm
E estão todas à venda  :(
Para destruir e construir condomínios de luxo ...
Título: 8ª Bateria de Albarquel
Enviado por: luigi em Dezembro 10, 2008, 11:19:31 am
Bom dia,
já tenho as fotos da Albarquel.
Aquilo está num abandono total, não sei se vão gostar de ver....

http://belasetubal.blogspot.com/ (http://belasetubal.blogspot.com/)

Entretanto também postei alguma informação acerca da bateria do Casalinho, que é bastante perto da de Albarquel.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 10, 2008, 01:04:12 pm
Triste, ao ponto que deixam chegar as coisas. c34x
Título:
Enviado por: Armando Belo em Dezembro 25, 2008, 04:00:44 pm
Boas festas a todos


Venho so perguntar se alguem sabe com exactidao as peças que estavam no forte a sul da trafaria (falesia) , aquele mais longo e perto do aqua park e que nao contem canhoes ao contrario do da alpena (trafaria)
Se alguem tiver essa info agradeço.
Título:
Enviado por: HSMW em Dezembro 25, 2008, 04:43:36 pm
Citação de: "Daniel"
Triste, ao ponto que deixam chegar as coisas. c34x

É verdade... Se recuperássemos a maior parte deste tipo de estruturas tinha-mos um óptimo "roteiro turistico-militar"   c34x
Como não há... lá vou continuando a visitar castelos.
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Janeiro 09, 2009, 09:18:54 pm
Aqui estão algumas imagens dos "bons velhos tempos":
http://www.operacional.pt/os-ultimos-di ... portugues/ (http://www.operacional.pt/os-ultimos-disparos-do-%E2%80%9Cmuro-do-atlantico%E2%80%9D-portugues/)
O projecto do Museu da Artilharia de Costa, na Bateria da Parede - que tinha instalações subterrâneas muito interessantes - e foi vandalizada, está em "banho maria". depois de se ter estado à beira de um acordo Câmara de Cascais/Exército aqui há tempos, agora está tudo parado, ou a andar muiiito devagarinho.
Será que ainda acaba tudo como nos Açores? Esta imagem mostra o que restou de uma 23,4 em S. Miguel:
(http://img187.imageshack.us/img187/4156/p34delgada1fj3.th.jpg) (http://http)
Miguel Silva Machado
http://www.operacional.pt/ (http://www.operacional.pt/)
Título: Bataria em Massamá
Enviado por: shogundai em Junho 27, 2009, 01:12:44 am
Depois de ter lido todo o tópico e verificar que são referidos vários locais onde existiram batarias agora desactivadas venho pedir a vossa ajuda para a recolha de todos os elementos possíveis relacionados com a Bataria de Massamá agora completamente destruída.
Ainda se consegue observar que eram duas peças (?).
Alguém sabe a história daquele local?
Título:
Enviado por: Lince em Junho 30, 2009, 11:05:55 pm
Citação de: "shogundai"
Sei que todas as baterias de costa já foram desactivadas mas venho pedir a vossa ajuda para a recolha de todos os elementos possíveis relacionados com a Bateria de Massamá agora completamente destruída.
Ainda se consegue observar que eram duas peças (?).

Seria esta peça que lá funcionava:
Peca AA 9,4 cm m/940
Calibre: 94 mm L50
Comprimento: 4.96m
Comprimento do Tubo: 4,7 m
Peso: 9,317 Kg
Munição: 12.7 kg (total)
Velocidade Inicial: 792 m/seg.
Alcance Máximo: 18.000 m (horizontal) e 9.000 m (teto)
Cadência de Fogo: 10 a 20 tiros por minuto (prático)
Guarnição: 7

Alguém sabe a história daquele local?
Título: Bataria de Massamá
Enviado por: shogundai em Junho 30, 2009, 11:30:45 pm
Obrigado Lince,
mas fui eu o autor desse post de 27Jun. Como não obtive resposta julguei que fosse por estar numa thread desajustada e voltei recolocar a questão em novo tópico.
Título:
Enviado por: curiosa em Julho 29, 2009, 01:51:26 am
Artilharia antiaérea (e não de costa) no âmbito do plano de defesa de Lisboa

Contacte o Regimento de Atilharia Antiaérea n.º 1, em Queluz ou o Arquivo Histórico Militar, para a obtenção de toda a informação desejada.

Cumprimentos
Título: LA ARTILLERÍA DE COSTA....
Enviado por: VICTOR4810 em Julho 29, 2009, 03:14:14 pm
Ha pasado a mejor vida, hoy es algo folclorico y nó operativo, los misiles tierra tierra y tierra mar han condenado a las baterias de costa a la inactividad.
    Forman parte de un pasado glorioso a veces, pero en la actualidad sin porvenir.
    Descanse en paz.¡
Título: RAC Raposa 6ª bataria
Enviado por: spellcaster em Março 10, 2011, 02:22:57 am
Boas a todos, por acaso andava a navegar e deparei-me com este forum, coincidencia ou não, fui dos ultimos a prestar serviço nesta bataria, posso dizer que ainda está de pé e com melhores instalações e condições que muitos quarteis que por ai estão, graças ao esforço do incansavel Sargento Ajudante Joaquim Castaneira e os militares que tem a seu encargo. Todos têm feito um trabalho espectacular no restauro e manutenção dentro do possivel e com recursos limitados, para manter o quartel o mais apresentavel possivel.

Uma pena que não se possa dizer o mesmo das outras batarias... aqui ficam algumas fotos que fui tirando, umas mais antigas outras mais recentes, se quiserem mais contactem:gcarzinho@gmail.com e se por acaso la forem visitar deiam um grande abraço da parte do "Andrade" ao SAJ Castanheira!

-por do sol
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0007.jpg)

-porta de armas (entrada antes de estar pintada)
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0110.jpg)

-antigo bar de graduados e quartos (e claro as marmitas a secar ao sol ;-) )
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0111.jpg)

-casa da guarda
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0112.jpg)

-base do mastro da bandeira (mostrando a rude força que se estima)
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0113.jpg)

-casernas cfs/cfo e caserna geral + edificio de comando
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0115.jpg)

-campo
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/2008_04190004.jpg)

-peça norte
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0119.jpg)

-peça centro vista do marco geodesico (costa da caparica ao fundo)
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/2008_04190003.jpg)

-identificação da peça centro
(http://i171.photobucket.com/albums/u302/Carzinho/RAC/DSCF0126.jpg)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: PILAO251 em Março 10, 2011, 09:24:56 am
Caros Srs

No meu tempo havia BATARIAS.

Hoje temos ---baterias e ----batarias
Aparentemente são ambas a mesma coisa. Sendo que a forma mais arcaica e portuguesa  é bataria e que bateria é a forma mais corrente.
Como é a grafia correcta?
Eventualmente a denominação alterou-se, e então tudo bem.
Mas creio que há, ou havia uma compilação de termos militares, ou algo parecido.

Estendendo a mão à caridade.
Att.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: spellcaster em Março 10, 2011, 11:50:59 am
Citação de: "PILAO251"
Caros Srs

No meu tempo havia BATARIAS.

Hoje temos ---baterias e ----batarias
Aparentemente são ambas a mesma coisa. Sendo que a forma mais arcaica e portuguesa é bataria e que bateria é a forma mais corrente.
Como é a grafia correcta?
Eventualmente a denominação alterou-se, e então tudo bem.
Mas creio que há, ou havia uma compilação de termos militares, ou algo parecido.

Estendendo a mão à caridade.
Att.

Boas Pilão251

Bateria ou bataria pode referir-se a:
 Bateria (instrumento musical) - instrumento musical.
 Bateria (grupo) - conjunto de instrumentos de percussão numa fanfarra, orquestra ou escola de samba.
 Bataria (unidade) - unidade militar de artilharia.
 Bataria (arquitetura) - tipo de fortificação militar.
 Bateria (química) - transforma energia química em energia elétrica.

(fonte: wikipedia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Bateria)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: sergio21699 em Março 10, 2011, 06:04:16 pm
Uma pergunta, podem em caso de necessidade, essas baterias serem reactivadas sem muito esforço?
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: spellcaster em Março 10, 2011, 06:17:05 pm
Citação de: "sergio21699"
Uma pergunta, podem em caso de necessidade, essas baterias serem reactivadas sem muito esforço?

Boas sergio, pelo que presenciei com os meus proprios olhos, as peças propriamente ditas so precisariam de uma revisão a nivel de tubos e lubrificação, ja o posto de central de tiro não tem os equipamentos, foram levados para museus. alguns instrumentos de calibração da direcção das peças tambem estão em falta, mas para disparar ainda o faziam com poucos custos, não acertavam era onde queriam sem os instrumentos.

cumps
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: sergio21699 em Março 10, 2011, 06:23:35 pm
Okey obrigado spellcaster  c34x
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: spellcaster em Março 11, 2011, 01:24:56 am
Ainda digo mais, ambas as 3 peças hoje se conseguem direccionar tanto em altura como para os lados com apenas a força de braços, cada peça ainda tem no subsolo os motores do oleo dos hidraulicos, gerador, ventilação forçada, a iluminãcção toda ok, cadeados em todas as portas de acesso tanto de acesso a peça como a sapata. A peça central não abre a culatra mas as outras duas sim.  :wink:

cumps
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: nelson38899 em Março 11, 2011, 07:35:29 am
Citação de: "spellcaster"
Ainda digo mais, ambas as 3 peças hoje se conseguem direccionar tanto em altura como para os lados com apenas a força de braços, cada peça ainda tem no subsolo os motores do oleo dos hidraulicos, gerador, ventilação forçada, a iluminãcção toda ok, cadeados em todas as portas de acesso tanto de acesso a peça como a sapata. A peça central não abre a culatra mas as outras duas sim.  :wink:

cumps

Mas essas instalações não foram vendidas??
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: spellcaster em Março 11, 2011, 12:04:08 pm
Vendidas a quem??? deixei de prestar la serviço em Maio do ano passado, e ainda pertenciam ao RAAA1 em queluz, alem disso se tivessem sido vendidas ja tinha sido enformado pelo sargento-ajudante que está la...
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: nelson38899 em Março 11, 2011, 09:01:19 pm
Citação de: "spellcaster"
Vendidas a quem??? deixei de prestar la serviço em Maio do ano passado, e ainda pertenciam ao RAAA1 em queluz, alem disso se tivessem sido vendidas ja tinha sido enformado pelo sargento-ajudante que está la...

Pensei que pertenciam às instalações militares a serem vendidas pelo estado. Pelas imagens que vi esse quartel seria bem porreiro para a AA do exercito.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Duarte em Março 13, 2011, 09:16:31 pm
Talvez o Exército pretende ficar com estas instalações para uma futura unidade HIMADS?
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: nelson38899 em Março 15, 2011, 07:58:25 am
Citação de: "Duarte"
Talvez o Exército pretende ficar com estas instalações para uma futura unidade HIMADS?

Grande ideia, talvez quando houverem cruzadores espaciais o exercito pense em comprar coisas dessas.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Luso em Maio 24, 2011, 05:20:08 pm
Fórum a não perder:

http://www.lugaresabandonados.co.cc/for ... 5b107801e9 (http://www.lugaresabandonados.co.cc/forum/viewtopic.php?f=12&t=163&sid=797129335986a51c73165c5b107801e9)

(http://lh4.ggpht.com/_folmbc5CHDo/TENuQipuXxI/AAAAAAAAEqg/F5TRDZA11YI/s640/DSC04168.JPG)

(http://lh3.ggpht.com/_folmbc5CHDo/TENuRBhL5JI/AAAAAAAAEqo/b0T9wFzYyso/s640/DSC04171.JPG)

(http://lh4.ggpht.com/_folmbc5CHDo/TENwTrPejGI/AAAAAAAAErM/pieb9wfKCRg/s640/DSC04181.JPG)

(http://lh3.ggpht.com/_folmbc5CHDo/TENwTfw2chI/AAAAAAAAErE/os10-TPi3IE/s640/DSC04178.JPG)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: miguelbud em Agosto 27, 2011, 01:05:40 am
Aqui estao mais fotos das nossas baterias, relativamente actualizadas.

Seria muito interessante restautarem-nas e criarem um roteiro turítico-militar da nossa artilharia de costa.

Acham que valeria a pena uma petiçao?

As Baterias de Alpena - Trafaria
http://ruinarte.blogspot.com/2009/11/as ... faria.html (http://ruinarte.blogspot.com/2009/11/as-baterias-de-alpena-trafaria.html)

1ª Bataria de Artilharia de Costa - Alcabideche
http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/1- ... costa.html (http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/1-bataria-de-artilharia-de-costa.html)

2ª Bateria da Parede (Regimento de Artilharia da Costa).
http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/2- ... to-de.html (http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/2-bateria-da-parede-regimento-de.html)

8ª Bataria do RAC - Albarquel, Setúbal - aquela passadeira de munições é uma relíquia.
http://ruinarte.blogspot.com/2010/06/8- ... tubal.html (http://ruinarte.blogspot.com/2010/06/8-bataria-do-rac-albarquel-setubal.html)

Esta é de uma outra época, mas dali fez-me muito tiro ao alvo a navios espanhois  :D
Torre de São Sebastião da Caparica, Torre Velha, Fortaleza da Torre Velha ou antigo Lazareto
http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/to ... arica.html (http://ruinarte.blogspot.com/2009/12/torre-de-sao-sebastiao-da-caparica.html)

As fotos sao da autoria de Gastão de Brito e Silva inseridas no projecto ruinarte, que pretende alertar e sensibilizar as pessoas para a preservaçao do nosso património.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Outubro 01, 2011, 03:30:30 pm
Tenho notado que há aqui alguns enganos, em relação à disposição das baterias, por isso vou esclarecer tudo .
O Regimento de Artilharia de Costa incluía:
• Comando - em Oeiras;
• Grupo Norte, incluindo:
o 1ª Bateria - em Alcabideche, com 3 peças Vickers de 234 mm.
o 2ª Bateria - na Parede (Cascais), com 3 peças Vickers de 152 mm.
o 3ª Bateria - na Lage (Oeiras), com 3 peças Krupp de 150 mm.
o 4ª Bateria - no Forte do Bom Sucesso(Belém), com 2 x 2 peças Vickers de 152 mm.

• Grupo Sul, incluindo:

o 5ª Bateria - na Trafaria, Raposeira I/II, com 3 peças Krupp de 150 mm.
o     Forte da Alpena, como paiol de munições, anexo à 5ª Bateria.
o 6ª Bateria - na Raposa (Fonte da Telha), com 3 peças Vickers de 234 mm.
o 7º Bateria - em Outão (Serra da Arrábida), com 3 peças Vickers de 152 mm.
o 8ª Bateria - em Albarquel, Setúbal com 3 peças Krupp de 150 mm.

As Bateria do Casalinho e do Moinho da Desgraça, ambas em Setubal, serviam como posto de comando e observação da Bateria de Albarquel, tendo sido desactivadas, entre os anos 50/60, por isso não constam como Baterias do RAC.
Possuiu 6 peças Krupp de 280 mm, cujo alcance das mesmas, chegava a 5 km, hoje já não se encontra lá nenhuma.

Espero ter ajudado e elucidado alguma coisa.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Nuno Calhau em Outubro 02, 2011, 12:20:22 am
No minimo, elucidou!!!

A falta que faz a este forum pessoas que sabem do que falam...

Bem haja.

Um Abraço.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Outubro 02, 2011, 03:07:13 pm
E ainda, acrescento mais:
A 8ª bateria de Albarquel, ainda foi apoiada pelas Baterias do Casalinho e do Moinho da Desgraça, ambas em Setubal,  que serviam como posto de comando e observação da mesma Bateria de Albarquel, tendo sido, as mesmas, desactivadas, entre os anos 50/60, por isso não constam como Baterias do RAC.
A Bateria do Casalinho, ainda, possuiu 6 peças Krupp de 280 mm, cujo alcance das mesmas, chegava a 5 km, actualmente, hoje já não se encontra lá nenhuma.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: papatango em Outubro 10, 2011, 09:52:42 am
Relativamente à instalação de Alpena, confesso que fiquei um bocado baralhado.
Naquela área está uma instalação que segundo fui informado pertencia à defesa anti-aérea, com 12 peças de 120mm.
Cheguei a falar com um sargento-ajudante do antigo BRT, que as tinha visitado várias vezes e que descreveu mais ou menos o funcionamento. Segundo ele, quando os sistemas chegaram (creio que já no inicio dos anos 50) o sistema era visto como super-sofisticado, porque era controlado por radares que permitiam que todas as peças apontassem ao mesmo alvo.

Ainda se pode ver a instalação no GoogleEarth:

http://g.co/maps/78ruk (http://g.co/maps/78ruk)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: ee02004 em Outubro 11, 2011, 03:01:31 pm
Não tenho a certeza, mas acho que Portugal nunca teve peças anti-aérias de 120mm. Alguém pode esclarecer isso?
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Miguel Silva Machado em Outubro 11, 2011, 11:00:57 pm
Pois esse calibre não me parece que tenha estado em uso entre nós. No período da 2.ª GG, na defesa anti-aérea de Lisboa, as chamadas "baterias pesadas" usavam o calibre 9,4cm e as "ligeiras" o 4cm. Mesmos calibres usados depois no Porto e Leixões. Nos Açores idem (e outro material de 7,5cm). Na Madeira também o 9,4cm e o 4cm. Mais tarde chegaram as metralhadoras quádruplas 12,7 e depois os bitubos 20mm.
Ab.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Outubro 12, 2011, 08:16:48 pm
Pelas informações que tenho, o Forte da Alpena, era os paióis que estavam agregados à Artilharia de Costa, pelo menos,
tive lá um familiar em 1961 que pertencia ao RAC, na Trafaria.
Mais tarde, a Artilharia de Costa, mudou para lá, quando a CHERET se fixou no quartel da Trafaria.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: papatango em Outubro 18, 2011, 09:50:36 pm
Notar que posso ter sido levado em erro, pois o mais provavel é que se tratasse das peças britânicas de 94mm.
Foi exactametne um ex militar da CHERET que me deu esta informação, sobre a presença da artilharia anti-aérea na área.

Notar que na imagem do google, aparentam estar lá as posições das peças.
Para artilharia de costa, fico com a impressão de que estão demasiado próximas umas das outras, pelo que concluí que se tratava das peças de artilharia anti-aérea.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: eliobaeta em Janeiro 15, 2012, 05:00:03 am
Olá eu fiz a recruta e especialidade de PCT em Alcabideche no 1º turno de 1988, e depois fiz o curso de cabo em Oeiras onde fiquei até ao final do SMO. Conheci bem todas as Baterias do RAC e é uma pena que os parasitas que tomam decisões neste pais não tenham o mínimo respeito pelo esforço e dedicação de tantos que por ali passaram e deixem degradar um património que no fundo sentimos como sendo um pedacinho de todos nós. Não devemos esquecer que a maioria de nós cumpríamos o Serviço Militar Obrigatório e estávamos ali obrigados, mesmo assim a dedicação e o espírito de corpo era enorme e éramos exemplares como militares.
Um abraço especial para todos os artilheiros.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: João Oliveira Silva em Janeiro 31, 2012, 09:57:50 pm
Citação de: "eliobaeta"
Olá eu fiz a recruta e especialidade de PCT em Alcabideche no 1º turno de 1988, e depois fiz o curso de cabo em Oeiras onde fiquei até ao final do SMO. Conheci bem todas as Baterias do RAC e é uma pena que os parasitas que tomam decisões neste pais não tenham o mínimo respeito pelo esforço e dedicação de tantos que por ali passaram e deixem degradar um património que no fundo sentimos como sendo um pedacinho de todos nós. Não devemos esquecer que a maioria de nós cumpríamos o Serviço Militar Obrigatório e estávamos ali obrigados, mesmo assim a dedicação e o espírito de corpo era enorme e éramos exemplares como militares.
Um abraço especial para todos os artilheiros.


Olhe que não é bem assim.
Certamente que não tem acompanhado mas tudo evoluiu - para melhor, diga-se - e respeitou-se o passado.
Caso não saiba ( e digo-lhe isto porque moro a pouco mais de 500 metros ) as batarias foram desactivadas como era natural ( nada dura eternamente e já desde os anos 60 que aquilo estava ali a mais... ) e o quartel é o actual posto da GNR de Alcabideche. Onde eram os " canhões " foi contruido o novo e excelente hospital de Cascais no meio de duas auto-estradas, logo por aí dá para ver a acessibilidade que se impõe ao hospital.
Em todo o caso, a peça mais a norte foi restaurada, com o apoio do exército segundo uma placa que lá está, e está imponente na meio da rotunda norte interior do hospital.
Portanto não se degradou nada, bem antes pelo contrário se preservou e restaurou.
A não ser que seja defensor da artilharia de costa com canhões da II guerra que quando cá chegaram já estavam a mais de meio caminho do seu fim.
Cumprimentos,
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Fevereiro 13, 2012, 08:49:34 pm
1º Encontro/Convívio de Camaradas do RAC – Regimento de Artilharia de Costa
Evento público de RAC=REGIMENTO DE ARTILHARIA DE COSTA= MOSTRANDO A RUDA FORÇA QUE SE ESTIMA · De Fernando Limão e 3 outras pessoas
[/size][/i]


Sábado, 19 de Maio de 2012 às 10:00 até Domingo, 20 de Maio de 2012 às 19:00
6ª Bataria da Raposa (Fonte-da-Telha)
Sábado, 19 de Maio de 2012 às 09:00 até Domingo, 20 de Maio de 2012 às 19:00
Vamos proporcionar um encontro entre camaradas de Artilharia de Costa e recordar locais e amigos que já não se encontram a alguns anos.

1º Dia visita às Batarias do lado sul do Tejo,

1.   Manhã

Às 10H00,concentração de todos os camaradas 6ª Bataria Fonte-da-Telha
Às 10,30 Partida para as Batarias do Sul.
8ª Bataria – Albarquel – Visita
7ª Bataria – Outão – Serra da Arrábida – Visita
6ª Bataria – Fonte da Telha – Visita com um Almoço a realizar com merendeiro que todos os camaradas terão de levar e partilhar c/ todos os outros.

2.   Tarde

5ª Bataria – Trafaria – Visita
6ª Bataria – Jantar convívio c/ Churrasco e Febras. Recolher e pernoita às 24 Horas (em colchões existentes e saco-cama que todos os camaradas devem levar).
2ª Dia – Alvorada às 8 Horas
3.   Manhã
6ª Bataria – Pequeno-almoço e partida para as Batarias Lado norte do Tejo.
Comando – RAC – Oeiras – Visita e almoço c/ merendeiro
4.   Tarde
2ª Bataria – Parede – Visita ao forte (Lado exterior, visto o interior oferecer risco de derrocada e o Quartel ser já propriedade privada.
Visita ao CIAAC – Cascais


Fim da visita e do convívio e regresso a suas casas, levando consigo, as amizades e recordações de alguns anos atrás.

Nota: Este programa pode sofrer alterações, porque ainda estamos aguardar algumas das respostas dos pedidos de autorização e ainda por causa da logística.

Estamos a pensar desde que haja número suficiente de camaradas do norte, em alugar um autocarro (Pequeno, médio ou grande) dependendo da aderência dos camaradas nortenhos, e podendo ir apanhando pelo caminho ainda alguns que fiquem no percurso Porto – Lisboa

Na visita às batarias o mesmo poderia transportar os camaradas do sul.

Confirmações através da pagina do RAC no Facebook.

Organização:
José Rodrigues – Ex-Furriel Miliciano na 2ª Bataria – Parede – (1971 a 1974), contactos: Email: Limatico@gmail.com (http://mailto:Limatico@gmail.com) – Móvel: 917 357 721: Residência: Lisboa

António Arlindo Cruz Alves – 1º Cabo na 2ª Bataria – Parede – (1972 a 1975), contactos: Email: Lumator01@hotmail.com (http://mailto:Lumator01@hotmail.com) – Telemóvel: 966 440 135
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Superstitio em Março 25, 2012, 10:59:14 pm
Visita à Torre de São Sebastião da Caparica, também conhecida por Torre Velha, dia 1 de Abril de 2012.
Preço por pessoa: 15€ (inclui folheto informativo e seguro de participantes)
Inscrições pelo e-mail info@superstitio.pt ou pelo telefone 936 494 123
As inscrições devem ser realizadas até dia 30 de Março.
Esta fortaleza não é visitável e abrirá apenas para esta visita.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: HSMW em Agosto 12, 2012, 09:24:07 am
A revista Domingo de hoje (que vem junto com o Correio da Manhã) trás 3 páginas dedicadas a projectos de reabilitação das instalações de Artilharia de costa em Portugal.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: miguelbud em Agosto 15, 2012, 01:30:09 pm
Citação de: "HSMW"
A revista Domingo de hoje (que vem junto com o Correio da Manhã) trás 3 páginas dedicadas a projectos de reabilitação das instalações de Artilharia de costa em Portugal.

Aqui fica a reportagem, ou parte dela.

Citar
Reabilitação de canhões premiada

Arquitectos portugueses ganharam prémio com projecto de recuperação das baterias de costa. A ideia ainda só existe no papel

Os canhões calaram-se há mais de 20 anos, mas na Trafaria ainda vivem na memória os exercícios de tiro da bateria da Artilharia Costa nº 5, instalada no alto da Raposeira. "Os militares avisavam-nos quando faziam tiros para os alvos no mar. Diziam-nos para deixarmos as janelas abertas, porque os vidros podiam partir-se com a trepidação", conta Carlos Alberto da Silva, de 75 anos, dono de uma óptica no centro da Trafaria.

Nesses tempos, os militares da artilharia e do quartel do Batalhão de Informação e Segurança Militar dava vida à terra, mas há muito que as fardas verdes deixaram de ser vistas por ali. Subindo o monte da Raposeira, o cenário é desolador. Das antigas instalações militares – que foram desocupadas no início dos anos 1980, mas onde houve um último exercício de tiro em 1990 – restam as ruínas dos edifícios construídos no final do século XIX. O lixo acumula-se por todo o espaço, as paredes estão cobertas de graffitis e encontram-se no chão munições de paint-ball – o sítio é propício aos jogos de combate simulado. Ainda lá estão os canos das peças de artilharia Krupp. "Foi a única coisa que não conseguiram roubar. Devem ser demasiado pesadas", conta um vizinho.

As Baterias da Trafaria foram definitivamente abandonadas pelo Exército por volta de 1996. O sítio encanta pelas vistas deslumbrantes para a foz do Tejo e as praias da Caparica, mas a propriedade ainda pertence ao Exército. "Está na lista de património a alienar, mas não sabemos quando isso possa acontecer", explica à Domingo o tenente-coronel Jorge Pedro, porta-voz do Exército.

PRÉMIO INTERNACIONAL

Nem todos se conformam com o triste destino das baterias. João Segurado faz parte de um colectivo de arquitectos que imaginou um novo fim para o espaço. "Somos um grupo informal de sete pessoas que se juntam regularmente para discutir arquitectura. Surgiu a ideia de nos candidatarmos ao prémio ‘Architecture for Humanity’ (Arquitectura para a Humanidade) em que o tema era a reabilitação instalações militares". O grupo é formado por arquitectos e técnicos em início de carreira, ligados a diferentes ateliers portugueses.

O colectivo desenhou para a colina da Raposeira um centro de Observação do Oceano e da Costa. "A ideia nasceu dos problemas que têm surgido naquela zona por causa dos avanços e recuos do mar. Desde que se fez o desassoreamento do banco de areia que existia entre a Costa da Caparica e o Farol do Bugio que se repetem os problemas. Projectámos um centro de observação e estudo das condições da costa naquele local".

O projecto ganhou o prémio principal do concurso ‘Architecture for Humanity’. O júri internacional escolheu a proposta portuguesa, numa competição em que os números impressionam: inscreveram-se 510 equipas de 74 países, tendo sido apuradas inicialmrnte 174 projectos. Em duas rondas eliminatórias, ficaram 24 semifinalistas e depois 13 finalistas. O projecto da Trafaria ganhou o prémio principal, tendo sido distinguido um segundo projecto no Uganda.

"O prémio tem um valor monetário de 2500 dólares [2022 euros], mas o melhor é que vamos mostrar o nosso trabalho na Bienal de Veneza, já em Agosto", diz o arquitecto João Segurado, de 31 anos. O grupo vencedor gostava de ver a ideia saltar do papel para o terreno. "Queremos apresentar uma proposta à Câmara de Almada, julgamos que a construção de um Observatório do Oceano e da Costa faz todo o sentido naquele local", explica.

MEMÓRIA LONGÍNQUA

Na pacata Trafaria, ninguém faz ideia do prémio dos arquitectos. Mas todos lamentam o triste fim das baterias, que davam vida à povoação. "Nunca ouvi falar de um projecto para aquela zona, mas é uma pena ver um sítio tão bonito chegar àquele estado de degradação. Tem uma vista fantástica, podia fazer-se ali um parque público ou até um hotel de luxo", diz Francisco Leitão, tesoureiro da Junta de Freguesia da Trafaria.

Os esquiços dos arquitectos incluem também a Bateria nº 6, situada na Fonte da Telha. As posições de artilharia faziam parte do antigo Regimento de Artilharia da Costa, que tinha armas de grande calibre instaladas nas margens norte e sul do Tejo. Serviam para proteger a capital de uma eventual invasão marítima, mas as armas só foram usadas uma vez e logo contra dois navios da própria Armada portuguesa. Em 1936, um grupo de marinheiros revoltou--se contra a ditadura do Estado Novo.

O golpe não teve sucesso, mas os revoltosos apoderaram-se de dois navios: o contratorpedeiro ‘Dão’ e o ‘Aviso’ de 1ª classe Afonso de Albuquerque. Falhada a hipótese de derrubar o regime de Salazar, os marinheiros quiseram levar os navios para Espanha, onde combateriam na Guerra Civil pelos republicanos. Mas a Artilharia de Costa impediu os barcos de sair do Tejo. Depois de um tiroteio que lhes custou 12 mortos, os revoltosos renderam-se.

Hoje, nenhuma das baterias do Tejo e do Sado estão operacionais, mas as instalações da Fonte da Telha ainda são guardadas por militares. Entre eles, o ajudante Joaquim Castanheira, militar na reforma, que ali vive e zela pela conservação do espaço. "Prestei serviço no Batalhão de Informação e Segurança Militar da Trafaria e quando me reformei pedi para vir para a Fonte da Telha. Estou aqui por gosto", explica o militar, que lembra que "a última vez que se fez fogo na Fonte da Telha foi em 1999".

Arquitectos e trafarienses esperam agora que as armas dêem lugar à ciência.

http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/notic ... s-premiada (http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/outros/domingo/reabilitacao-de-canhoes-premiada)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: miguelbud em Agosto 15, 2012, 01:33:33 pm
E aqui fica o projecto.

http://openarchitecturenetwork.org/projects/oco (http://openarchitecturenetwork.org/projects/oco)

(http://openarchitecturenetwork.org/files/imagecache/oanproject_slideshow_600x450/active/39/12490_01_mainboard.JPG)
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Paulo Ferreira em Dezembro 08, 2012, 01:34:09 pm
Existiram planos para um Museu da Artilharia de Costa sim. Creio que ficaria instalado na Parede nas instalações da antiga Bateria aí existente. Infelizmente o governo colocou recentemente à venda não só essa Bateria mas tmb as da margem sul - Trafaria e Pinhal dos Medos. Sendo assim parece que esse património histórico-militar irá ser definitivamente perdido... Restam as da Arrábida sabe-se lá até quando...
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Abril 06, 2013, 07:20:48 pm
2º Encontro/Convívio de Camaradas do RAC 25 e 26 de Maio de 2013.

Vamos levar a efeito o 2º Encontro de ex-militares que passaram pelo RAC - Regimento de Artilharia de Costa e que terá lugar na 6ª Bataria – Fonte da Telha nos dias 25 e 26 de Maio de 2013. Mais uma vez vamos rever camaradas, recordar locais e acontecimentos que marcaram a nossa passagem pela Artilharia de Costa.

PROGRAMA 1º Dia – Manhã

 10H00 Recepção e identificação dos participantes, na 6ª Bataria – Fonte da Telha.
 11H00 Início do Convívio..
 12H30 Almoço.
- Tarde
 15H00 Partida para as visitas:
- Forte de Almada
- Presidio Militar da Trafaria
- 5ª Bataria – Raposeira
- Regresso à 6ª Bataria – Fonte da Telha
 18H30 Sessão solene
- Eleição do comissão para o 3º Encontro Nacional 2014.
- Palestra sobre o projecto Português “Observatório do Oceano e Costa)” premiado internacionalmente.
 20H30 Jantar convívio na 6ª Bataria
 24H00 Pernoita na 6ª Bataria. (em sacos-cama que todos os camaradas devem levar).
 24H30 “Silêncio”

2º Dia – Manhã  09H00 “Alvorada”  09H30 Pequeno-almoço.  10H30 Visita à 6ª Bataria, incluindo as Peças de Artilharia.  12H30 Almoço Convívio na 6ª Bataria – Oferta da Junta de Freguesia da Parede. - Tarde  15H30 Agradecimento às Entidades presentes.  18H00 Regresso às nossas residências.

Para quem não conhece o local aqui ficam as coordenadas para o GPS.
N 38° 35’ 19.72’’
O 09° 11’ 43.32’’

Nota: Apela-se à contribuição dos camaradas com produtos e iguarias da sua região e sugerimos produtos de entradas, sobremesas e bebidas., para serem partilhadas entre todos os Camaradas.
Obs: Para os camaradas ex-militares do RAC e que querem entrar deve de pedir amizade a qualquer um dos Administradores da página oficial - RAC – Regimento de Artilharia de Costa (Página Oficial), identificando-se com os seus dados pessoais e militares e pedir para ADERIR, que logo de seguida será adicionado, que logo de seguida receberá um Convite a que terá de responder.
(por qualquer motivo este programa poderá ser alterado sem prévio aviso)

José Rodrigues - pinero_alves@sapo.pt (http://mailto:pinero_alves@sapo.pt) Móvel: 911 098 423 Skype : a_arlindo_alves
Fernando Limão - lumator01@hotmail.com (http://mailto:lumator01@hotmail.com) Móvel: 966 440 135 Skype : lumator11
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Limas em Janeiro 18, 2014, 10:52:39 pm
IIIº Encontro de Ex – Militares do RAC 24 e 25 de Maio de 2014
Vamos proporcionar mais um Encontro / Convívio entre camaradas Ex – Militares que passaram pelo RAC - Regimento de Artilharia de Costa, recordar amigos de várias gerações e visitar alguns dos locais que pertenceram à Artilharia de Costa.
Para quem não conhece o local aqui ficam as coordenadas para o GPS.
N 38° 35’ 19.72’’
O 09° 11’ 43.32’’

PROGRAMA 1º Dia – Manhã

 09H00 - Checkin 6ª Bataria – Fonte da Telha, a realizar a partir desta hora.
 Visita à 6ª Bataria e daremos início ao Convívio entre camaradas.
 12H00 Almoço convívio na 6ª Bataria.
- Tarde
 14H30 Partida da 6ª Bataria  Visita – 1ª Bataria - Alcabideche
 Visita – 2ª Bataria - Parede.
 Visita – Comando - Oeiras  Visita – 3ª Bataria - Lage
 Regresso à 6ª Bataria
 21H30 - Jantar convívio.
 Pernoita. (em Tendas e sacos-cama que todos os camaradas devem levar).

2º Dia – Manhã
 09H00 Pequeno-almoço.
 Visita à 7ª Bataria – Outão  Visita à 8ª Bataria – Albarquel
 Visita a Setúbal c/passagem em Brancanes (Antigo Comando das Batarias do Sul Tejo)  13H30 Almoço Convívio.

- Tarde
 Conversas e abraços de despedida
 16H30 Regresso às nossas residências.

Nota: As refeições serão quentes e serão suportadas e acompanhadas pelas iguarias (preferência mais entradas ou sobremesas) e vinhos que todos levarão para serem partilhadas entre todos os Camaradas.
(por qualquer motivo este programa poderá ser alterado sem prévio aviso)

Contactos: José Rodrigues - pinero_alves@sapo.pt (http://mailto:pinero_alves@sapo.pt) – Móvel: 91 1 098 423 – Skype : a_arlindo_alves
Fernando Limão - fernando71@live.com.pt (http://mailto:fernando71@live.com.pt) - Móvel: 936 291 996- Skype : fernando.711
Luis Torrado - lumator01@hotmail.com – Móvel: 966 440 135 – Skype: lumator11
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Lightning em Abril 29, 2014, 08:11:42 pm
Reportagem da SIC sobre o Regimento de Artilharia de Costa.
http://sicnoticias.sapo.pt/programas/ab ... a-de-costa (http://sicnoticias.sapo.pt/programas/abandonados/2014-04-28-abandonados-regimento-de-artilharia-de-costa)

Citar
O Regimento de Artilharia de Costa era a unidade do Exército especializada em defender Lisboa e Setúbal de uma possível invasão naval. Foi criada depois da Segunda Guerra Mundial e desativada já perto do ano 2000. Depois disso, alguns dos quartéis onde funcionava ficaram entregues a si próprios.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Edu em Abril 29, 2014, 10:28:34 pm
A artilharia de costa foi desactivada porque simplesmente o equipamento ficou antiquado e não havia dinheiro para investir em novo, ou porque todo o conceito de artilharia de costa ficou desactualizado face a novas ameaças?
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Crypter em Abril 29, 2014, 11:43:05 pm
Quem diz que o graffiti é arte...  :G-bigun:
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Lightning em Abril 30, 2014, 01:13:47 am
Citação de: "Edu"
A artilharia de costa foi desactivada porque simplesmente o equipamento ficou antiquado e não havia dinheiro para investir em novo, ou porque todo o conceito de artilharia de costa ficou desactualizado face a novas ameaças?

Ambas, isto é, todo o conceito de peças de artilharia em fortificações estáticas estilo 2ªGuerra Mundial ficou desatualizado ainda antes do Regimento ter sido desativado, o mais parecido na função de defesa costeira é a instalação de lançadores de misseis anti-navio em plataformas móveis, normalmente camiões, mas não havia interesse em gastar dinheiro nessa modernização.


Naval Strike Missile da Noruega
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/33/Jelcz_P662D43_z_wyrzutnia.JPG)

RBS-15 da Suécia

(http://kustartilleriet.gearhead.se/img/small/RBBIL_RBS15KA.gif)

Há mais, incluindo da India, China, etc.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: Camuflage em Abril 30, 2014, 07:19:19 pm
Citação de: "Crypter"
Quem diz que o graffiti é arte...  :G-bigun:

Aquilo são tags, há graffits que realmente dão gosto de ver, é preciso é ter cuidado onde se pinta. As tags são um vómito social feito por aquilo que se podem chamar cães, pois os cães gostam de mijar em todo lado para marcar território, esses meninos fazem o mesmo com as tags.
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: HSMW em Setembro 25, 2017, 10:57:38 pm
(https://scontent.flis6-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/21761892_1490376711045279_335739922777109257_n.jpg?oh=5bc6ad0a10483f488acdfdfc2293b012&oe=5A520414)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1490376711045279&set=gm.1945761409000087&type=3&theater
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: tenente em Setembro 26, 2017, 12:34:37 pm
(https://scontent.flis6-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/21761892_1490376711045279_335739922777109257_n.jpg?oh=5bc6ad0a10483f488acdfdfc2293b012&oe=5A520414)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1490376711045279&set=gm.1945761409000087&type=3&theater

Apenas uma muito ligeira correcção, na Artilharia não existem baterias mas sim Batarias.

Já agora enquanto que na artilharia de campanha as batarias são/podem ser formadas de quatro a seis Peças/obuses na Artilharia de Costa cada bataria é composta por três Peças/obuses.

Abraços
Título: Re: Artilharia de Costa
Enviado por: mafets em Setembro 29, 2017, 11:00:15 am
(https://scontent.flis6-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/21761892_1490376711045279_335739922777109257_n.jpg?oh=5bc6ad0a10483f488acdfdfc2293b012&oe=5A520414)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1490376711045279&set=gm.1945761409000087&type=3&theater

Apenas uma muito ligeira correcção, na Artilharia não existem baterias mas sim Batarias.

Já agora enquanto que na artilharia de campanha as batarias são/podem ser formadas de quatro a seis Peças/obuses na Artilharia de Costa cada bataria é composta por três Peças/obuses.

Abraços

Já agora, em Setúbal antes da 7ª e 8ª Bataria, existiu a do Casalinho e Monte da Desgraça (anexa ao Forte de S. Filipe) , concluída em 1928 e que possuia 6 peças Krupp de 280 mm. Foi desactivada no início dos anos 60.
http://mimilitary.blogspot.pt/2014/08/the-forgoten-guns-of-setubal-city.html (http://mimilitary.blogspot.pt/2014/08/the-forgoten-guns-of-setubal-city.html)

(http://manuelcalavera.org/img/extra/001/CASALplano2.jpg)
(https://2.bp.blogspot.com/-CHp7wjaanso/U-Z20ziryEI/AAAAAAAAAY8/7DJzXK0wZLs/s1600/transferir.jpg)

A que deveria existir perto da Quinta da Comenda, também na serra da Arrábida (Bataria de Milregos) nunca foi concluída.
(https://4.bp.blogspot.com/-yZRzN7NNZD4/VU_LGAM80fI/AAAAAAAAFGs/AlJnKPtquQc/s1600/bataria%2Bde%2Bmilregos.JPG)

Saudações