ForumDefesa.com

Forças Armadas e Sistemas de Armas => Força Aérea Portuguesa => Tópico iniciado por: Boina_Verde em Julho 12, 2007, 03:30:21 am

Título: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Boina_Verde em Julho 12, 2007, 03:30:21 am
Bem...eu já ouvi aqui alguns rumores de q os C-130 da força aerea iram ser substituidos pelo A400...eu já vi algumas imagens desse avião e na verdade gostei muito...mas nao existem uns aviõesinhos chamados C-5 e C-17 pois eu penso q deviam optar pelo C-5...é gigantesco :shock:  tem uma grande capacidade de carga e é moderno com tempo de vida de mais 40 anos segundo Armytechnology...penso q 6/8 seria muito bom além de que manter um avião desses não é pera doce... aqui fica a minha proposta
Título:
Enviado por: Get_It em Julho 12, 2007, 04:33:36 am
Os actuais C-130 da FAP deverão ser modernizados em breve para que a sua vida operacional seja expandida até 2015, quando deverão ser substituídos. Quanto à sua substituição em concreto, Portugal de facto fez parte do consórcio do A400M e esteve envolvido no seu desenvolvimento, mas acabou por sair por vontade do então ministro da defesa, Sr. Dr. Eng. Paulo Portas. Uma das alternativas para o A400M na altura seria o C-130J, mas que recentemente tem recebido bastante críticas por parte da Inglaterra, que os opera. E pelas últimas notícias sobre o assunto, de Janeiro de 2006, os norte-americanos parecem ter dificultado as negociações, pois «as condições que os norte-americanos têm posto não são muito favoráveis» (http://http).

A compra de 12 aviões C-295M deverá aliviar a pressão exercida sobre a frota dos actuais C-130, devido à sua maior autonomia e capacidade de poderem apoiar as missões no estrangeiro com o transporte de material e de tropas, como tal o número de aeronaves de maior capacidade já não deverá de ser tão elevado. Talvez 6 a oito unidades seria o suficiente.

Quanto aos gigantescos aviões norte-americanos, temos que ver que o C-5 já não é mais produzido, tendo a sua linha de montagem sido encerrada. E tal como referiu, os custos por unidade, quer seja do C-5 ou do C-17, e os custos de operação e manutenção destas bestas são tão gigantescos como os próprios aviões e isto é demais para um país como Portugal.

Muitos países europeus, incluindo a Suécia, criaram à tempos uma pool designada de NATO Strategic Airlift Capability (http://http) com a intenção de todos os países membros dessa pool comprarem e pagarem em conjunto um número de aviões C-17 de forma a colmatar a actual necessidade destes países para o transporte estratégico.

Pessoalmente - e ignorando a questão se Portugal deveria fazer parte desta pool ou não - acho que Portugal devia manter a sua própria frota de aviões de transporte estratégico "médios" e ignorar estes gigantes, e apoio também a opção pelo A400M, que embora tenha tido alguns atrasos ultimamente ainda tem tempo até 2015 para mostrar a Portugal o que vale. Também o facto de ter maior capacidades (p.e. autonomia e capacidade de carga) que o C-130J e a possibilidade de poder ser instalado um kit para reabastecimento aéreo deixou-me maravilhado por esta máquina. Portugal nunca deveria ter deixado o consórcio.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: pmdavila em Julho 12, 2007, 07:29:28 pm
Hum... eu tenho uma "contra-proposta"  :lol:
[/Crazy mode]
Título:
Enviado por: pmdavila em Julho 12, 2007, 07:33:30 pm
Só para ilustrar, eis o "bicho" que estou a falar (todos devem conhecer, mas é uma bela máquina...)

(http://img262.imageshack.us/img262/2333/an2250001ag7.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 12, 2007, 09:45:09 pm
A opção quase de certeza que será o A400M, entre 3 e 5 unidades para complementar o C295.
Título:
Enviado por: Fireman Sam em Julho 12, 2007, 09:47:53 pm
Uma opção que para mim poderá ser bastante viável para a FAP será o novo Embraer C-390. Já que a Embraer é accionista das OGMA e fala-se numa possível parceria entre a construtora brasileira e a Lock-Mart para a produção desta aeronave.

Sem dúvida na minha opinião poderá ter algo a dizer no futuro avião de transporte táctico da FAP
Título:
Enviado por: tgcastilho em Julho 12, 2007, 10:50:03 pm
Já que estamos numa de imaginar,não se pede coisas menores,2/3 C-17 chegavam :lol:
Título:
Enviado por: Boina_Verde em Julho 12, 2007, 11:30:47 pm
adquirir o antonov é impossivel

isso é a mesma coisa que querer adquirir ak's ou mig's...mas cm nao pertençemos aqueles paises manhosos...(meio comunistas)é impossivel!!!!
Título:
Enviado por: pmdavila em Julho 12, 2007, 11:42:34 pm
Citação de: "Boina_Verde"
adquirir o antonov é impossivel

isso é a mesma coisa que querer adquirir ak's ou mig's...mas cm nao pertençemos aqueles paises manhosos...(meio comunistas)é impossivel!!!!
e já agora o meu belhote já andou num desses e diz que essa porcaria abana por tds os lados(mas penso que andou numa das versões mais antigas :D )


Impossível, impossível, não será. Também ninguém dizia que Portugal iria adquirir Kamov, ou que estivesse extremamente interessado em Beriev (digo extremamente interessado, porque ainda não os compraram...). Eu, pelo menos, nunca imaginei ver algum dia material "made in Russia" com as cores portuguesas, fosse onde fosse! Mas irrealista, isso sim, uma vez que implicava não comprar aos nossos parceiros estratégicos da NATO, o que também iria "cair mal" entre eles...
Título: Kamov.
Enviado por: zocuni em Julho 13, 2007, 12:02:53 am
Tudo bem,

Pmdavila.Temos Kamov?Desculpe minha pergunta idiota,mas dessa não estou sabendo.
Os Beriev,pelo que sei não serão comprados,seria uma forma da Rússia nos pagarem uma dívida antiga.

Abraços,
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Julho 13, 2007, 12:05:29 am
Kamov os helicopteros de combate aos incendios
Título: Re: Kamov.
Enviado por: pmdavila em Julho 13, 2007, 12:06:49 am
Citação de: "zocuni"
Tudo bem,

Pmdavila.Temos Kamov?Desculpe minha pergunta idiota,mas dessa não estou sabendo.
Os Beriev,pelo que sei não serão comprados,seria uma forma da Rússia nos pagarem uma dívida antiga.

Abraços,


Quando me referi aos Kamov, referia-me aos comprados pelo Ministério da Administração Interna, os tais para combate aos incêndios. Quanto aos Beriev, tanto quanto sei, é mesmo para serem comprados. Não especificamente eles, claro, é para abrir um daqueles famosos concursos internacionais em que concorre um monte de gente, são seleccionados 2 ou 3, e no fim fica tudo em águas de bacalhau...
Título: Obrigado
Enviado por: zocuni em Julho 13, 2007, 12:10:41 am
Tudo bem,

Obrigado.Dessa não estava sabendo,vou ter que me reciclar. nx2l1

Abraços,
Título:
Enviado por: pchunter em Abril 10, 2008, 11:49:44 pm
Cumprimento á toda a malta do fórum. Portugal pondera reentrar no consorcio A400, por isto o sucessor do C-130 deverá ser o A400. É uma maquina impressionante.

(http://www.ghs.com/news/images/airbusA400M.jpg)
(http://www.avionicszone.com/images/airbus_A400.jpg)
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 11, 2008, 04:17:39 pm
Citação de: "pmdavila"
Era comprar 1 ou 2 an-225 (peço pouco, vêem?)[/Crazy mode]


Eu penso que existem mesmo só duas dessas aeronaves em todo o mundo :wink: .
Título:
Enviado por: pmdavila em Abril 11, 2008, 05:29:47 pm
Se não me engano, só existe mesmo 1, o outro nunca saíu da fábrica  :wink:
Título:
Enviado por: routechecker em Abril 11, 2008, 07:07:01 pm
O segundo deverá ser acabado  este ano (2008).

rgds
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 09, 2008, 03:01:02 pm
Olá amigos, sou novo no neste forum e ao ver este tópico não pude perder a oportunidade de aprentar-lhes o futuro da aviação de transporte tático da  FAP!
 Não tenho dúvidas de que o Embraer C-390 será o avião escolhido para substituição dos C-130 da FAP, e o melhor é que poderão ser montados com peças produzidas pela OGMA.

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_baixa.jpg)

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_06.jpg)
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Maio 09, 2008, 03:10:47 pm
Citar
Olá amigos, sou novo no neste forum e ao ver este tópico não pude perder a oportunidade de aprentar-lhes o futuro da aviação de transporte tático da FAP!
Não tenho dúvidas de que o Embraer C-390 será o avião escolhido para substituição dos C-130 da FAP, e o melhor é que poderão ser montados com peças produzidas pela OGMA.


Em que bazeias para afirmares isso com tanta certeza?
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 09, 2008, 03:17:16 pm
Citação de: "Cabecinhas"
Citar
Olá amigos, sou novo no neste forum e ao ver este tópico não pude perder a oportunidade de aprentar-lhes o futuro da aviação de transporte tático da FAP!
Não tenho dúvidas de que o Embraer C-390 será o avião escolhido para substituição dos C-130 da FAP, e o melhor é que poderão ser montados com peças produzidas pela OGMA.

Em que bazeias para afirmares isso com tanta certeza?


 Aponte-me outra alternativa no mercado que se adeque melhor às condições da FAP que o C-390, inclusive com a participação direta da OGMA na produção/montagem do mesmo.
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Maio 09, 2008, 03:25:39 pm
Existe sempre o A-400M onde já estivemos envolvidos no projecto. Mas eu não sou a melhor pessoa para debater este assunto, pois sou um mero curioso que faz mais perguntas que outra coisa...  :roll:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 09, 2008, 03:31:08 pm
Citação de: "HenriqueJr"
Olá amigos, sou novo no neste forum e ao ver este tópico não pude perder a oportunidade de aprentar-lhes o futuro da aviação de transporte tático da  FAP!
 Não tenho dúvidas de que o Embraer C-390 será o avião escolhido para substituição dos C-130 da FAP, e o melhor é que poderão ser montados com peças produzidas pela OGMA.

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_baixa.jpg)

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_06.jpg)


Olá, olha eu já coloquei um tópico (algures) sobre este projecto. Sim é verdade que fala-se que este avião será construido em parte em Portugal, mas no entanto se vermos os números verás que um avião não substitui integralmente o outro.

Vamos ver o que o futuro nos reserva. :wink:
Título:
Enviado por: lurker em Maio 10, 2008, 12:05:53 am
O C-390 parece-me uma aeronave extremamente interessante.
Contudo a opção por turbofans e pelas asas puxadas dá a entender que não é pensada para operar a baixa velocidade, em pistas curtas e não preparadas pelo que não poderá substituir totalmente os C-130.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 12:15:02 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "HenriqueJr"
Olá amigos, sou novo no neste forum e ao ver este tópico não pude perder a oportunidade de aprentar-lhes o futuro da aviação de transporte tático da  FAP!
 Não tenho dúvidas de que o Embraer C-390 será o avião escolhido para substituição dos C-130 da FAP, e o melhor é que poderão ser montados com peças produzidas pela OGMA.

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_baixa.jpg)

(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/C-390_06.jpg)

Olá, olha eu já coloquei um tópico (algures) sobre este projecto. Sim é verdade que fala-se que este avião será construido em parte em Portugal, mas no entanto se vermos os números verás que um avião não substitui integralmente o outro.

Vamos ver o que o futuro nos reserva. :wink:


 Tens razão Cabeça de Martelo, o A-400 e o C-390 são de categorias distintas, sendo este último um ótimo complemento do primeiro além de aviões da classe do C-235/295 que por ser mais barato pode-se ter em maiores quantidades para complementar os dois primeiros!
Título:
Enviado por: JLRC em Maio 10, 2008, 11:33:17 am
Citação de: "HenriqueJr"
 
 Tens razão Cabeça de Martelo, o A-400 e o C-390 são de categorias distintas, sendo este último um ótimo complemento do primeiro além de aviões da classe do C-235/295 que por ser mais barato pode-se ter em maiores quantidades para complementar os dois primeiros!


Caro companheiro HenriqueJr

Eu compreendo que sendo você brasileiro queira fazer propaganda do C-390 mas na realidade, esse avião não serve para Portugal. O substituto natural do C-130 H ou é o C-130 J ou o meu preferido o A-400. Qualquer destes aviões já estão complementados pelo C-295 pelo que não precisamos de mais aviões de transporte. Quando muito, podiamos aderir ao conjunto de paises OTAN que partilham 2 C-17 Globemaster III. Por isso o C-390, que nem sabemos se sairá algum dia do estirador de desenho, não tem qualquer tipo de interesse para Portugal.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 02:04:24 pm
Citação de: "JLRC"
Citação de: "HenriqueJr"
 
 Tens razão Cabeça de Martelo, o A-400 e o C-390 são de categorias distintas, sendo este último um ótimo complemento do primeiro além de aviões da classe do C-235/295 que por ser mais barato pode-se ter em maiores quantidades para complementar os dois primeiros!

Caro companheiro HenriqueJr

Eu compreendo que sendo você brasileiro queira fazer propaganda do C-390 mas na realidade, esse avião não serve para Portugal. O substituto natural do C-130 H ou é o C-130 J ou o meu preferido o A-400. Qualquer destes aviões já estão complementados pelo C-295 pelo que não precisamos de mais aviões de transporte. Quando muito, podiamos aderir ao conjunto de paises OTAN que partilham 2 C-17 Globemaster III. Por isso o C-390, que nem sabemos se sairá algum dia do estirador de desenho, não tem qualquer tipo de interesse para Portugal.

 Estás falando por ti nobre JLRC! Pode ter certeza que verás o C-390 voando nas cores da FAP, não tenho dúvidas disso!
 Sobre ter "algum dia sair esticador de desenho", nem se preocupe pois o projeto ja estar mais encaminhado do que voce pensa, só para teres idéia, a empresa de Correios e Telegrafos(Correios) já encomendou 20 unidades, a FAB deve encomendar umas 25 a 30 unidades, temos interesse do Chile e tambem participam do projeto, como parceiros de risco, a Denel Sul Africana e a SAAB sueca! Pode ter certeza que a OGMA tb participará da montagem ou fornecimento de partes do avião!

DENEL e SAAB em negociações
com a EMBRAER no C-390 - Parceiros de Risco


Citar
Keith Campbell
DEFESA@NET Correspondente
em Pretoria

O CEO do grupo industrial DENEL, da África do Sul, de capital estatal, Shaun Liebenberg, revelou que o grupo está em negociações com a empresa brasileira EMBRAER para ser participante de risco (risk-sharing partnership) no novo projeto de aeronave de transporte militar, o projeto C-390.

As negociações envolvem o Grupo DENEL, a companhia subsidiária da Denel, a DENEL SAAB Aerostructures e o grupo sueco SAAB. (DENEL SAAb Aerostructures tem 80% de capital da Denel e os restantes 20% em posse da SAAB.)

Estas três empresas estão negociando de forma conjunto com a brasileira EMBRAER.

O modelo de negócio da EMBRAER é de usualmente desenvolver um avião com parcerias de risco. A empresa brasileira desenvolve o projeto e realiza a montagem final da aeronave.

Os parceiros de risco detalham o projeto e produzem muitos dos elementos e componentes da aeronave, incluindo grandes estruturas.

Este modelo tem sido empregado com sucesso pela EMBRAER nas famílias de aviões ERJ145 e os EMB170-190.

O C-390 seguirá o mesmo modelo de negócio.

Como a DENEL SAAB Aerostructures será parceira de risco o governo da África do Sul não terá a obrigação de comprar nenhum C-390.

Esse programa diferirá da participação da Denel no avião de transporte militar Airbus A400M. O grupo sul-africano só foi capaz de entrar no programa do avião de transporte militar da Airbus devido ao governo da África do Sul ter adquirido oito aeronaves A400M para a South African Air Force (SAAF).

Liebenberg afirmou que o grupo DENEL e o governo da África do Sul estavam convocando a SAAB para que exerça sua opção de tornar-se acionista majoritária na DENEL SAAB Aerostructures.

A SAAB pode aumentar de seus atuais 20% no capital da holding para 51% e posteriormente 70%.

A SAAB já gerencia contratos para a Denel Saab Aerostructures.
Título:
Enviado por: lurker em Maio 10, 2008, 02:41:55 pm
Citação de: "HenriqueJr"
Estás falando por ti nobre JLRC! Pode ter certeza que verás o C-390 voando nas cores da FAP, não tenho dúvidas disso!


Caro Henrique,
você fala com a confiança de um vendedor a tentar impingir um produto. :)

Contudo, a única certeza que há é que os C-130 irão ser modernizados porque é só para isso que está previsto financiamento.

Para lá disso, só há as opiniões, especulações e decisões que podem mudar com os politicos no poder.
A perspectiva que nos deixa o actual ministro da Defesa é de que os C-130 modernizados irão ficar até 2020 e até lá devemos retomar a participação no consórcio do A-400M.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 02:50:56 pm
Citação de: "lurker"
Citação de: "HenriqueJr"
Estás falando por ti nobre JLRC! Pode ter certeza que verás o C-390 voando nas cores da FAP, não tenho dúvidas disso!

Caro Henrique,
você fala com a confiança de um vendedor a tentar impingir um produto. :twisted:

 A minha confiança na compra do C-390 para a FAP existe porque não vejo alternativa melhor para a FAP, a aquisição do A-400 não interfere pois é um avião de categoria diferente. Lembre-se que a compra de C-390 gerará receita e empregos em Portugal pois a OGMA hoje pertence a Embraer, dessa forma é praticamente o mesmo que Portugal adquirir um produto nacional. Sem falar que o C-390 será um avião muito mais moderno e capaz que seu concorrente direto, o C-130J.
Título:
Enviado por: lurker em Maio 10, 2008, 03:37:26 pm
Caro Henrique,
a FAP tem uma alternativa extremamente simples ao C-390: não ter uma aeronave de transporte entre os C-295 e os A-400M!

Aliás, considerando a crónica falta de meios humanos e dinheiro de que a FAP sofre, essa alternativa é extremamente provável.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 03:50:22 pm
Citação de: "lurker"
Caro Henrique,
a FAP tem uma alternativa extremamente simples ao C-390: não ter uma aeronave de transporte entre os C-295 e os A-400M!

Aliás, considerando a crónica falta de meios humanos e dinheiro de que a FAP sofre, essa alternativa é extremamente provável.


É verdade caro lurker, existe sim essa possibilidade levantada por vos. Mas vamos pensar um pouco. Se o governo portugues adquirir o A-400 o que ele ganhará com isso em termos de emprego, retorno financeiro, etc? Sabemos que hoje a OGMA pertence a Embraer, pode ser que esta não aceite fabricar ou montar o A-400M.
Outra questão é; A FAP precisa de um avião do porte do A-400? Se precisa quantos poderão ser comprados e mantidos operacionalmente?
Não seria mais vantajoso para Portugal adquirir um avião que provavelmente será montado em vosso país, com mão de obra portuguesa e ainda mais gerando receita para o país? Sem falar que a OGMA se tornará o centro de manutenção do C-390 na Europa.
Não seria melhor comprar uma quantidade maior de C-390 do que algumas unidades de A-400M, pois o primeiro será notadamente mais barato em custos de aquisição e manutenção, podendo dessa forma ser operado em maior quantidade?

Lembre-se da "cronica falta de recursos que a FAP sofre";

 Tenho certeza que o governo portugues e a FAP estão avaliando essas questões! Só o futuro dirá.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 10, 2008, 04:05:10 pm
Exacto Henrique!

A tua análise faz um apanhado dos aspectos positivos de todo o projecto (do que nós sabemos). Mas só o futuro é que dirá como será.
Título:
Enviado por: lurker em Maio 10, 2008, 04:42:23 pm
Caro Henrique,
a questão é que a julgar pela pouca informação disponível embora o A-400M vá custar pelo menos o dobro de um C-390, o A-400M pode cumprimir missões que dois C-390 não vão poder.
Por outro lado, não consigo antever missões que o C-390 possa fazer que o A-400M não possa.

Dado as dimensões da FAP e o pequeno número de aeronves, é pouco provável se possa operar eficientemente ambos os tipos de aeronave.
Logo, a não ser que o preço do A-400M se torne exorbitante a opção será provavelmente pelo A-400M.

Quanto à participação das OGMA, o Estado Português ainda detém 35% das OGMA e a EADS detêm uma participação de 1% com opção de passar para 30% no consórcio com a Embraer que adquiriu 65% das OGMA.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 04:55:21 pm
Provavel cockpit do C-390:
(http://i104.photobucket.com/albums/m200/henriquejr/msj_cockpit.jpg)

Este padrão de cockpit dos novos E-Jets, provavelmente o cockpit dos C-390 seguirá um padrão muito parecido com a adição de um HUDs.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 10, 2008, 07:54:39 pm
Acho que ainda não conhecemos o suficiente sobre o projecto da Embraer para fazer análises mais concretas.

O A400 é evidentemente maior e mais caro, aliás, parece que será bastante mais caro que o valor previsto para o C-390.

Não podemos esquecer que como opção ao C-130H, também existe o C-130J.

A questão que coloco, é:
O que é que o C-130J pode fazer, que o C-390 não possa?

Se a decisão portuguesa passar por manter as capacidades de transporte com a mesma configuração que temos actualmente, então o avião da Embraer faz sentido.

Para mim, a aquisição de três A-400, não é uma boa ideia. Ter um maior numero de aeronaves dá uma flexibilidade que não pode deixar de ser considerada.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 10, 2008, 08:05:07 pm
Citação de: "papatango"
Acho que ainda não conhecemos o suficiente sobre o projecto da Embraer para fazer análises mais concretas.

O A400 é evidentemente maior e mais caro, aliás, parece que será bastante mais caro que o valor previsto para o C-390.

Não podemos esquecer que como opção ao C-130H, também existe o C-130J.

A questão que coloco, é:
O que é que o C-130J pode fazer, que o C-390 não possa?

Se a decisão portuguesa passar por manter as capacidades de transporte com a mesma configuração que temos actualmente, então o avião da Embraer faz sentido.

Para mim, a aquisição de três A-400, não é uma boa ideia. Ter um maior numero de aeronaves dá uma flexibilidade que não pode deixar de ser considerada.

Cumprimentos


 Acho que o ideal seria ter algumas poucas unidade do A-400M para fazer o transporte de cargas(blindados, geradores, suporte logistico pesado, etc) que necessitem de um avião deste porte e uma quantidade maior de C-390 fazendo o grosso, transporte de forças aerotransportaveis, blindados leves, paraquedistas, etc.... Dessa forma um avião complementa o outro.
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Maio 10, 2008, 08:20:13 pm
Citar
Acho que o ideal seria ter algumas poucas unidade do A-400M para fazer o transporte de cargas(blindados, geradores, suporte logistico pesado, etc) que necessitem de um avião deste porte e uma quantidade maior de C-390 fazendo o grosso, transporte de forças aerotransportaveis, blindados leves, paraquedistas, etc.... Dessa forma um avião complementa o outro.
Código: [Seleccione]

Para isso não chegava o c-295 para completar o A-400M ? Dada as dimensões de Portugal. Para o transporte de tropas sempre podia ser o airbus que viessem substituir os Falcons.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Maio 10, 2008, 08:21:58 pm
Vendo desse modo, Portugal não precisa do avião da embraer, pois o C295 que vamos receber ainda este ano complementa o A400M, nas missões mais pequenas.
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 11, 2008, 01:55:34 am
Aumenta-se o numero de A-400M para 5..
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 11, 2008, 04:22:25 am
Citação de: "HenriqueJr"
Citação de: "papatango"
Acho que ainda não conhecemos o suficiente sobre o projecto da Embraer para fazer análises mais concretas.

O A400 é evidentemente maior e mais caro, aliás, parece que será bastante mais caro que o valor previsto para o C-390.

Não podemos esquecer que como opção ao C-130H, também existe o C-130J.

A questão que coloco, é:
O que é que o C-130J pode fazer, que o C-390 não possa?

Se a decisão portuguesa passar por manter as capacidades de transporte com a mesma configuração que temos actualmente, então o avião da Embraer faz sentido.

Para mim, a aquisição de três A-400, não é uma boa ideia. Ter um maior numero de aeronaves dá uma flexibilidade que não pode deixar de ser considerada.

Cumprimentos

 Acho que o ideal seria ter algumas poucas unidade do A-400M para fazer o transporte de cargas(blindados, geradores, suporte logistico pesado, etc) que necessitem de um avião deste porte e uma quantidade maior de C-390 fazendo o grosso, transporte de forças aerotransportaveis, blindados leves, paraquedistas, etc.... Dessa forma um avião complementa o outro.


Henrique Jr.

A ser uma realidade esse C-390,o que Portugal lucraria com isso me reporto às contrapartidas,que para aparafusar porcas,decididamente não é vantajoso.Pelo que li,admito estar errado,Portugal ao adquirir os C-295 a Embraer teve uma significativa perda acionária na OGMA,gostaria até que os foristas mais conhecedores clarificassem essa permuta acionária entre a Embraer(melhor explicado é uma holdind e a EADS ,na OGMA(penso eu).
É que nas parcerias entre Portugal e Brasil a este nível tem de existir parceria de facto,para desvantagem já nos chega o acordo cultural que é só do Brasil para Portugal,o inverso é quase inexistente.
Escrevo isto porque vivo no Brasil,sei o que se passa neste local.

Abraços,
Título:
Enviado por: lurker em Maio 11, 2008, 08:14:55 pm
Citação de: "papatango"
A questão que coloco, é:
O que é que o C-130J pode fazer, que o C-390 não possa?


Já o referi antes mas a opção por asas em flecha e motores turbo-fan leva-me a suspeitar que a performance em pistas curtas e a baixa velocidade será limitada.

Isso e o facto de a Embraer estar também a obter operadores civis como os correios brasileiros para o C-390 leva-me a suspeitar que estamos pertante uma aeronave de transporte estratégico e que os aspectos de transporte tático foram sacrificados em favor do preço e economia.
Título:
Enviado por: HenriqueJr em Maio 11, 2008, 08:22:24 pm
Citação de: "lurker"
Citação de: "papatango"
A questão que coloco, é:
O que é que o C-130J pode fazer, que o C-390 não possa?

Já o referi antes mas a opção por asas em flecha e motores turbo-fan leva-me a suspeitar que a performance em pistas curtas e a baixa velocidade será limitada.

Isso e o facto de a Embraer estar também a obter operadores civis como os correios brasileiros para o C-390 leva-me a suspeitar que estamos pertante uma aeronave de transporte estratégico e que os aspectos de transporte tático foram sacrificados em favor do preço e economia.


 Quanto a essas questões só saberemos quando o C-390 tiver operacional!
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 12, 2008, 10:59:10 pm
Tudo bem,

A ser credível esta fonte,penso estar nas entrelinhas a direcção do novo transporte médio/pesado da FAP,o A-400 pelo menos foi o que entendi.
Minha opinião não passaria nem pela EADS nem pela Embraer,pois em minha modestíssima opinião quer um quer outro pouco acrescenta em mais valia à nossa capacidade logística.
Eu com minhas ideias alucinadas e magalómanas,eu fecharia com a Lockheed Martin,uma vez que a OGMA pelo que vi no site da firma tem certificados de manutenção em toda sua linha e para padronizar para diminuir custos a minha opção seria a mamutenção por hora dos seis C-130H/30,aduiria a versão KC-130J uma pecha em nossa FAP e caso fosse nossa necessidade tentaria arrumar 1/2 Galaxy C-5 Globmaster,embora seja um admirador confesso do C-17,mas enfim.Desculpem minhas excentrecidades.Para mim cargueiro tem de ostentar esse titulo na prática,para trocar seis por meia dúzia não vejo porquê gastar dinheiro.Para disfarçar temos o C-295,aliás muito útil para pequenas missões e ainda fabriacaremos a fuselagem para a EADS,muito positivo.
Aqui o artigo em que fala do mote do texto,ler nas entrelinas e diminuição da Embraer na OGMA,gostaria que me confirmassem se isto é verdadeiro.



Falta de técnicos especializados ameaça crescimento da OGMA

   
 
O crescimento da OGMA, empresa em torno da qual se pretende desenvolver um cluster aeronáutico português, está condicionado pela dificuldade de encontrar técnicos especializados para o sector.

Essa situação foi assumida há dias pelo presidente da empresa, António Pires Monteiro, ao afirmar perante membros do Governo que há um "grande medo" relativamente ao crescimento da OGMA por causa dos "recursos humanos", dado que há "muita dificuldade em encontrar técnicos e engenheiros para a aeronáutica" em Portugal. A existência de 16% de licenciados e engenheiros no total de 1600 funcionários dá ideia desse problema.

No briefing dado aos ministros da Defesa e dos Transportes, Pires Monteiro adiantou que as receitas da OGMA correspondem a 85 euros por trabalhador - sendo esse valor, em média, de 160 euros por funcionário do sector aeronáutico da UE. Havendo uma subida constante nesse valor nos últimos quatro anos (32 euros em 2002, 60 em 2003, 76 em 2002 e 85 em 2005), "o objectivo" da empresa para curto prazo é "melhorar a [sua] competitividade" para os "125 euros" por empregado. "Seria muito bom", assumiu o responsável da OGMA.

Grande beneficiária do contrato de contrapartidas que o Estado vai receber pela aquisição dos aviões tácticos militares CASA C-295, assinado na última semana, a OGMA viu desde logo alterada a composição da sua estrutura accionista. Com o Estado a manter os seus 35%, o construtor europeu EADS aumentou para 30% o montante do seu capital na Airholding (que controla a OGMA e é dominada pelos 70% da Embraer).

Com apenas três clientes portugueses em carteira, responsáveis por apenas 20% das vendas da OGMA, António Pires Monteiro disse querer "prosseguir a relação estratégica com as Forças Armadas portuguesas" - que passa pela manutenção das frotas da FAP, ainda não incluída a dos novos hélis EH-101.

Outra área central do negócio da OGMA é da fabricação e reparação, em que a empresa está ligada a alguns dos mais recentes modelos europeus como o referido EH-101 (construção da fuselagem traseira e armários de aviónicos) e o héli NH-90 (componentes em compósito).

A OGMA vai começar em breve o fabrico de componentes do C-295 e, com a associação à EADS, deverá obter também uma quota na produção do avião de transporte estratégico militar europeu A400M. C
 
 
 
  Copyright @ 1995/2008 Global Notícias, SA Todos os direitos reservados
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 23, 2008, 12:40:05 am
Bom, não sei se isto já foi debatido por aqui, mas é que econtrei o seguinte, na revista segurança e defesa :?:  Claro que não sei quais as codições postas para poder usar tais bichos. c34x
Título:
Enviado por: lurker em Maio 23, 2008, 02:52:13 am
Não é uma alternativa a um eventual substituto dos C-130.

Mas era algo que era capaz de ser bem pensado.
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 23, 2008, 03:40:56 pm
Como é sabido, Portugal recebeu em 2003 uma proposta da Boeing para adquirir 2 C-17 e modernizar os 6 C-130H, proposta esta feita pela Boeing.
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 23, 2008, 04:07:47 pm
Sim mas essa prosposta era de compra, o que é bem diferente da noticia que coloquei na pagina anterior, os 3 C17 são propriedade da Otan, ao qual os paises quem veem na noticia podem utilizá-las em operações nacionais e internacionais. Ler o que postei. c34x
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 23, 2008, 05:49:28 pm
Esse programa dos C-17 chama-se SAC (Strategic Airlift Capability), por poucas palavras é, como a maior parte dos paises europeus não tem capacidade economica para comprar esses bichinhos, os vários paises juntam os eurinhos que tem e compram meia duzia para uso comum :lol: .
http://en.wikipedia.org/wiki/NATO_Strat ... Capability (http://en.wikipedia.org/wiki/NATO_Strategic_Airlift_Capability)
http://www.nato.int/issues/strategic-li ... index.html (http://www.nato.int/issues/strategic-lift-air-sac/index.html)

Portugal penso que não irá aderir pois já estamos no programa SALIS, o do aluguer dos Antonov.
http://www.nato.int/issues/strategic-li ... index.html (http://www.nato.int/issues/strategic-lift-air/index.html)
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 23, 2008, 06:17:23 pm
Lightning
Citar
Esse programa dos C-17 chama-se SAC (Strategic Airlift Capability), por poucas palavras é, como a maior parte dos paises europeus não tem capacidade economica para comprar esses bichinhos, os vários paises juntam os eurinhos que tem e compram meia duzia para uso comum  .


Sim mas os USA tambem fazem parte da lista dos 14 paises que pode usar esses 3 bichinhos, e eles teem capacidade financeira e até teem os deles, o que eu acho é que Portugal poderia aproveitar esse ujo comum e montar neles, creio que esse é o caminho a seguir, pela OTAN, NATO, a compra de material para uso comum, eis alguns dos paises que usam esses bichinho, eram 14 pelo que li passaram a 15 pois a Suécia vai se juntar ao pool de operadores dos 3 C17, Bulgária, Italia, Noruega, Holanda, Polonia, USA. c34x
Título: A-400M, C-17, C-5..
Enviado por: bokaido em Julho 28, 2008, 04:29:44 pm
Agora que começaram a chegar os novos C-295 acho que bem podemos esperar sentados por mais aviões de transporte...

O C-390 é apenas um projecto, e não me parece q traga grande vantagem no transporte táctico.

Todos os outros aviões são extremamente caros e já se sabe q o nosso país não é uma prioridade para os fabricantes nas entregas.

Se quiserem comprar o 400M eles devem vir lá para 2018-20..

De qq das formas nunca percebi pq é q não há mais cooperação entre os países, não é p isso que a OTAN serve tb???

Aliás, bastava Portugal e Espanha terem um grupo único de transporte aéreo e se calhar já havia aviões suficientes para as necessidades dos dois países. Tudo a um custo bem menor.

Mas é claro q vão dizer q isso seria impossível e até acredito, basta ver a total ausência de cooperação na programação militar dos dois países. Não é por nada, mas os espanhóis tem alguns bons projectos e nós, aqui ao lado, fingimos que nem os conhecemos.
(desculpem o desvio ao tópico)
Título:
Enviado por: AC em Julho 28, 2008, 09:10:24 pm
Há cooperação na NATO ao nível de transporte estratégico:
O programa NSAC, em que vários países NATO se juntaram para a aquisição de alguns C-17.
O programa SALIS, no qual Portugal participa, em que vários paises da NATO se juntaram para alugar e assegurar o acesso atempado a alguns An-124.

Contudo, no caso do transporte tático faz sentido que cada país tenho os seus meios.

Adquirir A-400M lá daqui lá para 2020 (mais atrasos) é uma possibilidade realista e até uma que o actual ministro da Defesa deixou em aberto.
Mas 2020 está para lá do horizonte do politicamente previsivel.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Agosto 08, 2008, 09:43:29 am
a noticia fala sobre o A400M, mas como também fala sobre a nossa força aérea achei que devia pertencer a este tópico.

Citar
Aviação militar. A Airbus adiou para dia 31 deste mês o primeiro voo de teste do novo superavião de transporte militar 'A400M'. Inicialmente, os testes estavam programados para final de Julho, mas o aparelho encontra-se ainda em montagem final, na fábrica da CASA, em Sevilha. A Força Aérea Portuguesa não tem intenções de substituir os velhinhos 'C130' pelo novo e sofisticado 'Airbus'
O novo avião militar da Airbus está pronto para começar a voar no final deste mês. O A400M tem o primeiro voo experimental marcado para o dia 31 e promete revolucionar o transporte aéreo militar, quer de tropas, equipamentos militares ou operações humanitárias. O A400M quer concorrer directamente com o velhinho Hércules C130, fabricado há cerca de 40 anos pelos americanos da Lockheed Martin e utilizado actualmente nas forças aéreas de 60 países, incluindo Portugal. O grande argumento da Airbus é a versatilidade do aparelho e a autonomia, além de oferecer uma resposta rápida em situações de emergência.

A saída do aparelho da linha de montagem final, na fábrica da CASA, em Sevilha, está atrasada cerca de doze meses. A Airbus tem contornado uma série de problemas no desenvolvimento do avião, o último dos quais em Junho, quando a Airbus informou que o primeiro voo do A400M não se realizaria a 31 de Julho, como estava programado, e adiou para 31 de Agosto a apresentação oficial do modelo . E a Airbus Military, área militar da Airbus, reviu a data para a primeira entrega do A400M - primeiro semestre de 2010. A força aérea francesa será a primeira a receber o A400M, que conta até à data com uma carteira de encomendas de 192 aparelhos.

O A400M foi uma das maiores vítimas do atraso registado com o super- avião de passageiros A380, tendo sofrido um deslizamento nos prazos para a sua fabricação e o consequente acréscimo de custos. Inicialmente, a Airbus, detida pelo Grupo EADS, estimava realizar a primeira entrega durante o primeiro semestre de 2009 e colocar o aparelho em testes durante 2007, o que acabou por não se verificar. A nova reprogramação da construtora aeronáutica europeia aponta para que o A400 saia da fábrica de Sevilha, para realizar o primeiro voo, no final deste mês.

A Airbus recebeu esta semana um novo fôlego com a apresentação dos novos critérios para o fornecimento à força aérea americana- a US Air Force - de uma nova geração de aviões de abastecimento. Para a Airbus significa entrar no mercado dos directos rivais Boeing e Lockheed.

A Airbus Military perspectiva vender 400 unidades do modelo A400M, nos próximos 20 anos. O A400M nasceu da necessidade por parte da Força Aérea de oito países de uma nova geração de aviões militares de grande porte. Em Maio de 2003, foi assinado um contrato entre a Airbus Military e a OCCAR (organização conjunta de cooperação em matéria armada), representando a Bélgica, França, Alemanha, Luxemburgo, Espanha, Turquia e Reino Unido, firmando no conjunto uma encomenda para 180 aparelhos. Em Abril de 2005, juntaram-se ao grupo a África do Sul e a Malásia, com pedidos para mais 12 aviões. Fixando em 192 os pedidos do A400M. A Força Aérea Portuguesa não tem prevista a substituição dos três C130H30 que tem ao serviço, apurou o DN junto da FAP. Para a Airbus, o A400M será o avião de carga do século XXI, que irá revolucionar as operações estratégicas e missões tácticas. A possibilidade de o aparelho poder aterrar em pistas de terra batida é um argumento de peso, a que se juntam os motores da nova geração Airbus.
www.dn.pt (http://www.dn.pt)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Agosto 08, 2008, 09:46:39 am
http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisonte ... 061107.jpg (http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisontes/mostraImg.php?lang=pt&file=A_061107.jpg)

http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisonte ... 063874.jpg (http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisontes/mostraImg.php?lang=&file=A_063874.jpg)

http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisonte ... 063561.jpg (http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisontes/mostraImg.php?lang=&file=A_063561.jpg)

http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisontes/ (http://www.emfa.pt/www/po/esq501bisontes/)
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 08, 2008, 10:28:45 am
Perante esta citação...

Citar
A Força Aérea Portuguesa não tem prevista a substituição dos três C130H30 que tem ao serviço, apurou o DN junto da FAP.


... penso que o nome deste tópico devia ser alterado.  :roll:
Título:
Enviado por: Get_It em Agosto 08, 2008, 03:25:12 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
Perante esta citação...

Citar
A Força Aérea Portuguesa não tem prevista a substituição dos três C130H30 que tem ao serviço, apurou o DN junto da FAP.

... penso que o nome deste tópico devia ser alterado.  :roll:

MEH, lá por não haver intenções de substituir o C-130 por parte do governo não quer dizer que não possamos sonhar e dar palpites aqui no fórum.

Cumprimentos,
PS: Já não havia aqui no fórum um outro tópico dedicado à modernização do C-130?
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 08, 2008, 03:50:14 pm
Citação de: "Get_It"
MEH, lá por não haver intenções de substituir o C-130 por parte do governo não quer dizer que não possamos sonhar e dar palpites aqui no fórum.

 Não percebi a sua indirecta, caro Get_It. Ninguém disse o contrário, nem é isso que deve depreender das minhas palavras. Os C-130 vão ser modernizados, mas não irão durar para sempre, como é óbvio. Daí que nada mais natural do que andarmos a cogitar sobre possíveis substitutos para o mesmo, ainda que o poder político não esteja para aí virado.  :roll:
Título:
Enviado por: PedroM em Agosto 08, 2008, 04:21:43 pm
Os C-130 vão ser ser todos modernizados?
E depois de modernizados qual é o seu horizonte de vida útil?

É que com a vinda da Embraer para Portugal o mais natural é que os C-130 venham, a seu tempo, a ser substituídos pelo C-390 da Embraer.
Se tudo correr sem grandes anormalidades acho isso quase inevitável.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 08, 2008, 04:37:13 pm
Sim, toda a frota C-130 irá ser modernizada; o horizonte de vida útil mais frequentemente apontado é 2018/2020. Para isso aconselho a leitura do seguinte tópico no fórum 9G's:

 :wink:

Quanto ao C-390, penso que não será uma inevitabilidade dado este ser ligeiro demais para as pretensões da FAP. Os candidatos naturais para a substituição dos C-130H/H-30 são, ou serão, o C-130J e o A400M.

A Embraer já se encontra em Portugal há alguns anos, nomeadamente nas OGMA, e não é por isso que comprámos ou nos preparamos para adquirir o EMB-314 Super Tucano, por exemplo. Uma coisa não tem nada a ver com a outra, e atenção que com isto não estou a dizer que o Super Tucano seja um mau aparelho, muito pelo contrário.  :)
Título:
Enviado por: Miguelopes em Agosto 09, 2008, 12:29:50 am
Pareceu-me ter visto algures que os nossos C-130 podem facilmente adquirir a capacidade de efectuar reabastecimentos em vôo inclusivé de caças.
 Isto parece-me uma ideia bastante interessante para nós que não temos nenhum porta-aviões
 Até poderia justificar que os C-130 ficassem connosco mais algum tempo.
Título:
Enviado por: PedroM em Agosto 09, 2008, 12:37:00 am
Obrigado pela "dica" Charlie Jaguar. Interessante o tópico do Forum 9G's, particularmente as últimas 4 ou 5 páginas.

Contudo há uma questão que para mim não está clara.
Quando afirma que o C-390 é demasiado ligeiro para as necessidades da FAP, isso quer dizer que representa um retrocesso mesmo relativamente ao C-130-H30 ou que ao optar pelo A400M a FAP se propõe aumentar a sua capacidade de transporte estratégico e o C-390 não pertmitirá essa evolução?

Li algures (não me lembro onde), que os C-390 não terão capacidade para, por exemplo, transportar as PandurII que estão a ser adquiridas. A ser assim essa é de facto uma limitação severa para a operacionalidade da frota.

Apesar disso creio que as pressões se irão acentuar para que a escolha recaia no C-390. Já apareceram notícias na imprensa a dizer isso mesmo.
Veremos o que isto vai dar.
Título:
Enviado por: AC em Agosto 09, 2008, 02:43:58 am
Miguelopes,
Há de facto C-130 transformados em re-abastecedores, os KC-130 que de facto são por vezes utilizados para re-abastecer caças como um F-18.
Não sei é se a transformação é fácil ou se sacrifica muito da capacidade de transporte.

Contudo, não suportam o sistema de re-abastecimento "boom" que os F-16 usam nem me parece que seja possível instalá-lo num.
Além disso, um C-130 é lento e a quantidade de combustível que transporta não é assim tanta para o que um F-16 consome. Não sei até que ponto ia permitir aumentar o raio de acção...
 
PedroM,
basicamente creio que é a 2ª hipótese: a FAP pretende aumentar a sua capacidade de transporte e tanto quanto se sabe, os C-390 estão a apontar para a capacidade dos actuais C-130H. Como você bem refere, não dá para os Pandur II.
Além disso, continuo convencido que o C-390 não será um bom avião de transporte táctico.
Mas o projecto C-390 ainda pode mudar...

As noticias na imprensa valem pouco: como o Charlie Jaguar referiu, o horizonte de substituição está lá para 2018-2020.

O Ministro da Defesa, Luís Amado em entrevista ao Expresso:
Citar
EXP. - E defende a aplicação de uma ou outra solução, consoante o equipamento em causa? Por exemplo, uma das primeiras medidas do ministro Portas foi retirar Portugal da cooperação no âmbito da produção do avião A400M, da Airbus, onde partilhávamos tecnologia. Vai retomar esse lugar português na Airbus?

L.A. - É uma possibilidade, mas não há decisão. Defendo dois modelos em alternativa para a negociação dos equipamentos. Nesta perspectiva, entendo promover, ainda antes do Verão, um encontro entre os ministérios da Economia, a Empordef e da Defesa Nacional para discutir profundamente as opções com que vamos ser confrontados, desde já no processo de revisão da LPM e na definição das opções que vamos ter de tomar em relação a novos equipamentos. Em relação à substituição do C130, não há na LPM a perspectiva da sua substituição. Faz mais sentido manter os C130, que são neste momento aviões que têm ainda um tempo de duração perfeitamente aceitável e, eventualmente, retomar a nossa posição no consórcio do A400M, uma vez que é um projecto que se perspectiva a partir de 2020. Até lá teremos aviões em condições, com um "upgrade ao cockpit", de forma a permitir que, no final desse ciclo, possamos ter um avião estratégico, já decorrente de um programa com essa natureza. Mas haverá uma concertação muito séria a fazer nos próximos meses, entre os diferentes sectores industriais que têm sido beneficiados pelos programas de contrapartidas, as instituições do Ministério da Economia, que devem ser mais envolvidas nestas decisões, e o sector da indústria de armamento, começando pela Empordef, que deve também ser mais envolvido em todo o processo de negociação das contrapartidas. O modelo em vigor é inaceitável, até porque não dá garantias de que a execução dos projectos e dos programas seja efectivamente realizada. A Comissão de Contrapartidas não tinha nenhuma capacidade de acompanhamento da execução dos programas e, portanto, até nesse aspecto é duma fragilidade absolutamente chocante. Estamos a falar de programas que envolvem, já hoje, verbas na casa dos 2300 milhões de euros. É uma verba colossal que, se bem gerida e bem negociada, pode ter um peso relevante em alguns sectores da economia.


http://antigo.mdn.gov.pt/destaques/2005 ... presso.htm (http://antigo.mdn.gov.pt/destaques/2005/entrevista_MDN_expresso.htm)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 15, 2008, 10:02:48 am
Pode ser que sim pode ser que não, apesar de eu já ter ouvido rumores sobre a possível substituição dos C130 pelos C390, mas a cada dia que passa o C390 vai sendo remodelado:

 
Citar
A EMBRAER está estudando mudanças na configuração do cargueiro militar C-390 com uma nova cauda e "T", fuselagem de maior diâmetro com maior volume interno e as asas serão inteiramente novas e não mais as do EMB-190.

http://sistemasdearmas.blogspot.com/ (http://sistemasdearmas.blogspot.com/)
Título:
Enviado por: pedro em Setembro 15, 2008, 04:22:49 pm
Eu acho que se Portugal pedir, ao cooperar com a Embraer até podemos ficar com um bom aviao. :wink:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: LuisC em Setembro 16, 2008, 12:52:18 am
Na minha modesta opinião, a Embraer deveria ser um pouco mais ambiciosa e tentar colocar o C390 ligeiramente acima do C-130J em termos de capacidades. Se assim não for, muito dificilmente terá algum sucesso…e claro, não será uma boa opção para a FAP.

Cumps
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 26, 2008, 09:47:23 am
Citar
Lockheed revela projeto C-130XL para combater A400M

A Lockheed Martin revelou imagem para divulgação de uma versão ‘alargada’ do transporte C-130 Hercules que pode ser oferecido para venda a Força Aérea Americana em cinco anos. Designado como C-130XL, o projeto está sob estudos pela divisão Lockheed Aeronautics em Marietta na Geórgia, nas instalações em que são produzidos os C-130 desde 1954.

A aeronave pode ser oferecida para satisfazer uma necessidade atual da USAF para versões largas em um teatro operacional de transporte além de 2015. A Boeing está propondo um aumento da frota de C-130 com o C-17B, que incluiria grupo propulsor mais potente, flaps maiores e um terceiro trem de pouso principal. A EADS North America quer oferecer o A400M com os mesmos requerimentos.

Jim Grant vice-presidente da Lockheed para mobilidade aérea e operações especiais, disse que o C-130XL poderia transportar uma carga máxima de aproximadamente 27.200kg. A Lockheed quer trabalhar nas especificações até poder determinar para a USAF uma configuração definitiva para as futuras necessidades de um cargueiro, acrescentou Grant.
http://airway.uol.com.br/site/noticia/not1842_71.asp (http://airway.uol.com.br/site/noticia/not1842_71.asp)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Novembro 11, 2008, 09:03:33 am
Citar
BRUSSELS - Twelve European Union nations launched a project Nov. 10 to build an EU military air transport fleet to help meet a growing need for planes to carry troops and equipment to the world's trouble spots.

The European Air Transport Fleet (EATF) initiative, which could enter operation in 2014, will pool aircraft like the Airbus A400M and Hercules C130 transporters, the European Defence Agency said in a statement.

"Pooling European aircraft and services will improve the lift capabilities and alleviate a significant European shortfall," said EDA chief Alexander Weis.

The project was endorsed in Brussels on Nov. 10 by defense ministers from Belgium, the Czech Republic, France, Germany, Greece, Italy, Luxembourg, Netherlands, Portugal, Romania, Slovakia and Spain.

Based on their capabilities, the nations will make planes available for use; purchase, provide or exchange flying hours; and pool together resources for training and maintenance.
http://www.defensenews.com/story.php?i= ... =EUR&s=AIR (http://www.defensenews.com/story.php?i=3813312&c=EUR&s=AIR)
Título:
Enviado por: old em Novembro 11, 2008, 10:05:50 am
Citação de: "AC"
Miguelopes,
Há de facto C-130 transformados em re-abastecedores, os KC-130 que de facto são por vezes utilizados para re-abastecer caças como um F-18.
Não sei é se a transformação é fácil ou se sacrifica muito da capacidade de transporte.

Contudo, não suportam o sistema de re-abastecimento "boom" que os F-16 usam nem me parece que seja possível instalá-lo num.
Além disso, um C-130 é lento e a quantidade de combustível que transporta não é assim tanta para o que um F-16 consome. Não sei até que ponto ia permitir aumentar o raio de acção...
 


El uso de los C-130 como re-abastecedores es bastante limitado, aunque perfectamente valido.

Cargan 35 Tn de combustible
Un A400M en version Tanker  con 66Tn
Un A310 MRTT  carga 78 Tn de combustible
Un Kc 135  ¿?
Un A330 MRTT carga 122 Tn de combustible
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 26, 2008, 07:24:38 pm
(http://www.emfa.pt/isaf/conteudos/galeria/imgmes/sv742028z.jpg)

Citar
C130 portugues ao lado de um Transal

Título da Força Aérea

É um Transal ou é um C-27J Spartan?

Além disso a Lituânia comprou 3 C-27J Spartan :lol: .
Título:
Enviado por: Spine301 em Novembro 27, 2008, 01:17:01 pm
É um C-27 Spartan da Força Aérea da Lituânia.

Esta foto foi muito possívelmente tirada na Base Aérea de Šiauliai, Lituânia, aquando da participação no "Baltic Air Policing" por parte dos nossos F-16
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 27, 2008, 03:24:59 pm
Citação de: "Spine301"
É um C-27 Spartan da Força Aérea da Lituânia.

Esta foto foi muito possívelmente tirada na Base Aérea de Šiauliai, Lituânia, aquando da participação no "Baltic Air Policing" por parte dos nossos F-16


A foto é de KAIA
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 27, 2008, 08:54:46 pm
A foto está no site da Força Aérea, na parte da missão no Afeganistão, mas quem trata do site pos na legenda que é um Transall  :lol: .
Título:
Enviado por: Spine301 em Novembro 28, 2008, 12:05:33 pm
Ok, já vi, e peço desculpa pelo erro.
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 29, 2008, 12:08:34 pm
Uma coisa que achei curioso no C-27 foi os Lituânos terem escrito Força Aérea Lituâna em inglês :evil:
Título: C-27
Enviado por: rscalado em Novembro 29, 2008, 06:46:28 pm
Ainda que seja a primeira intervenção...

Esta foto foi tirada em Kabul, durante este mês. Efectivamente o Titulo da imagem esta errado, bem como muitos no site da FAP - Destacamento da ISAF.

Podiam ao menos dar os créditos da foto (Força Aérea Portuguesa). Assim escusava-se de alvitrar locais e situações para tal foto. E já agora, os Lituanos ainda só têm 1 entregue... Os outros 2 chegam para o ano.

Saudações
Título:
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 27, 2009, 09:08:04 am
Citar
Los ministros de Defensa de España y Portugal, Carme Chacón y Nuno Severiano Teixeira, respectivamente, se han comprometido a colaborar  y profundizar en fórmulas de colaboración en diversas áreas militares como los vehículos aéreos no tripulados, el mantenimiento de medios acorazados y mecanizados y en materia aeronáutica, en relación concretamente al helicóptero EC-135 y el avión A-400M.

Estas decisiones están incluidas en una Declaración de Intenciones firmada por ambos ministros en el marco de del II Consejo Hispano-Luso de Seguridad y Defensa que se ha celebrado en Zamora coincidiendo con la Cumbre Hispano-Lusa, y que presente iniciar una nueva era de cooperación entre las Fuerzas Armadas de los dos países vecinos.

Según el comunicado de prensa hecho público por el departamento de Chacón,   en lo concerniente a la Declaración de Intenciones en el ámbito del armamento e industria de Defensa, ambos países expresaron su firme intención de iniciar la cooperación en materia aeronáutica, con un paquete único que contemple los helicópteros EC-135 y el avión A-400M; y en programas navales, en la futura reestructuración a largo plazo del sector naval europeo.

Además, el documento firmado contempla la posibilidad de colaboración en el mantenimiento de medios acorazados y mecanizados por parte de los organismos responsables de cada Ministerio, y que se estudien las formulas y las posibilidades de profundizar en la cooperación respecto a los vehículos aéreos no tripulados.

Igualmente, ambos países trabajarán para identificar áreas de interés común relacionadas con programas internacionales de observación de la Tierra y en el intercambio de imágenes.

Intercambio oficiales

La Declaración también contempla la creación de una comisión de estudio para iniciar el proceso de intercambio académico de oficiales, siguiendo un modelo similar al del programa ‘Erasmus', con la creación, a tal efecto, de una comisión de estudio. Este acuerdo se enmarca en la iniciativa europea aprobada por el Consejo de la UE para el intercambio de jóvenes oficiales, tomando como referencia el programa académico ‘Erasmus'. Dicha iniciativa trata de reforzar la interoperabilidad de las fuerzas, es decir, que puedan actuar de forma conjunta y coordinada, y desarrollar la cultura europea de seguridad y defensa.

De esta manera, España y Portugal consideran que el intercambio académico favorecerá la movilidad de los estudiantes y de los profesores de las escuelas militares, incrementando el conocimiento de ambos en el área de la seguridad y de la defensa.

Cooperación entre FAS

Así mismo, en el marco de la Cumbre Hispano-Lusa, el jefe de Estado Mayor de la Defensa de España, general José Julio Rodríguez, y el jefe del Estado Mayor General de las Fuerzas Armadas de Portugal, general Luis Vasco Valença, firmaron también una Declaración Común con el fin de reforzar la cooperación permanente entre las Fuerzas Armadas de ambas naciones.
Este acuerdo prevé el intercambio de información sobre el análisis de las opciones de respuesta militar antes escenarios de operaciones reales concretas desarrolladas en el marco de organizaciones internacionales; el planeamiento y ejecución de actividades y ejercicios combinados entre ambas Fuerzas Armadas; y el intercambio de personal entre unidades terrestres, navales y aéreas ante cualquier posible amenaza.

http://www.infodefensa.com/esp/noticias ... p?cod=1059 (http://www.infodefensa.com/esp/noticias/noticias.asp?cod=1059)


esta noticia quis dizer pelo que entendi, a ida dos leopard para castela efectuar a manutenção a uale vai possuir EC135 e vamos nos juntar ao defunto A400M.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 27, 2009, 02:17:34 pm
Essa história do EC-135 pode significar que houve uma mudança dos requisitos operacionais, além do aparelho ser bi-motor, a capacidade de usar armamento deve estar limitada aos tais pods com metralhadoras de 7,62 mm...
Título:
Enviado por: Falcão em Janeiro 27, 2009, 02:26:49 pm
A-400M ?  Não acredito.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 27, 2009, 02:50:22 pm
Citação de: "Falcão"
A-400M ?  Não acredito.


é mau, mas foi o ps que criticou a saída deste programa que está pela hora da morte.
Título:
Enviado por: cromwell em Janeiro 27, 2009, 09:20:31 pm
Citação de: "nelson38899"
Citar
Los ministros de Defensa de España y Portugal, Carme Chacón y Nuno Severiano Teixeira, respectivamente, se han comprometido a colaborar  y profundizar en fórmulas de colaboración en diversas áreas militares como los vehículos aéreos no tripulados, el mantenimiento de medios acorazados y mecanizados y en materia aeronáutica, en relación concretamente al helicóptero EC-135 y el avión A-400M.

Estas decisiones están incluidas en una Declaración de Intenciones firmada por ambos ministros en el marco de del II Consejo Hispano-Luso de Seguridad y Defensa que se ha celebrado en Zamora coincidiendo con la Cumbre Hispano-Lusa, y que presente iniciar una nueva era de cooperación entre las Fuerzas Armadas de los dos países vecinos.

Según el comunicado de prensa hecho público por el departamento de Chacón,   en lo concerniente a la Declaración de Intenciones en el ámbito del armamento e industria de Defensa, ambos países expresaron su firme intención de iniciar la cooperación en materia aeronáutica, con un paquete único que contemple los helicópteros EC-135 y el avión A-400M; y en programas navales, en la futura reestructuración a largo plazo del sector naval europeo.

Además, el documento firmado contempla la posibilidad de colaboración en el mantenimiento de medios acorazados y mecanizados por parte de los organismos responsables de cada Ministerio, y que se estudien las formulas y las posibilidades de profundizar en la cooperación respecto a los vehículos aéreos no tripulados.

Igualmente, ambos países trabajarán para identificar áreas de interés común relacionadas con programas internacionales de observación de la Tierra y en el intercambio de imágenes.

Intercambio oficiales

La Declaración también contempla la creación de una comisión de estudio para iniciar el proceso de intercambio académico de oficiales, siguiendo un modelo similar al del programa ‘Erasmus', con la creación, a tal efecto, de una comisión de estudio. Este acuerdo se enmarca en la iniciativa europea aprobada por el Consejo de la UE para el intercambio de jóvenes oficiales, tomando como referencia el programa académico ‘Erasmus'. Dicha iniciativa trata de reforzar la interoperabilidad de las fuerzas, es decir, que puedan actuar de forma conjunta y coordinada, y desarrollar la cultura europea de seguridad y defensa.

De esta manera, España y Portugal consideran que el intercambio académico favorecerá la movilidad de los estudiantes y de los profesores de las escuelas militares, incrementando el conocimiento de ambos en el área de la seguridad y de la defensa.

Cooperación entre FAS

Así mismo, en el marco de la Cumbre Hispano-Lusa, el jefe de Estado Mayor de la Defensa de España, general José Julio Rodríguez, y el jefe del Estado Mayor General de las Fuerzas Armadas de Portugal, general Luis Vasco Valença, firmaron también una Declaración Común con el fin de reforzar la cooperación permanente entre las Fuerzas Armadas de ambas naciones.
Este acuerdo prevé el intercambio de información sobre el análisis de las opciones de respuesta militar antes escenarios de operaciones reales concretas desarrolladas en el marco de organizaciones internacionales; el planeamiento y ejecución de actividades y ejercicios combinados entre ambas Fuerzas Armadas; y el intercambio de personal entre unidades terrestres, navales y aéreas ante cualquier posible amenaza.

http://www.infodefensa.com/esp/noticias ... p?cod=1059 (http://www.infodefensa.com/esp/noticias/noticias.asp?cod=1059)

esta noticia quis dizer pelo que entendi, a ida dos leopard para castela efectuar a manutenção a uale vai possuir EC135 e vamos nos juntar ao defunto A400M.



NÃO! :evil:

E EC-135?
Esse já está fora de moda.

Vejam lá ao que nós chegamos. :cry:
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Janeiro 28, 2009, 02:55:45 am
Citar
E EC-135?
Esse já está fora de moda.

Vejam lá ao que nós chegamos. Crying or Very sad


Então mas nós não chegamos a ter desses já montados e pintados... e depois os despachamos porque que porque?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 28, 2009, 08:54:17 am
Citação de: "Cabecinhas"
Citar
E EC-135?
Esse já está fora de moda.

Vejam lá ao que nós chegamos. Crying or Very sad

Então mas nós não chegamos a ter desses já montados e pintados... e depois os despachamos porque que porque?


Esse era o EC 635, este é o EC 135...sendo que o 635 é uma "evolução" do 135 :?
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 28, 2009, 10:52:14 am
Citação de: "cromwell"

NÃO! :evil:

E EC-135?
Esse já está fora de moda.

Vejam lá ao que nós chegamos. :cry:


cromwell eles para além de fazerem a manutenção dos LEO II, também os fabricam.
Título:
Enviado por: AC em Janeiro 28, 2009, 06:36:38 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "Cabecinhas"
Citar
E EC-135?
Esse já está fora de moda.

Vejam lá ao que nós chegamos. Crying or Very sad

Então mas nós não chegamos a ter desses já montados e pintados... e depois os despachamos porque que porque?

Esse era o EC 635, este é o EC 135...sendo que o 635 é uma "evolução" do 135 :?


O 635 é a versão militar do 135.
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 28, 2009, 07:09:53 pm
O Exército tem os Pára-quedistas...

A Marinha tem as Vasco da Gama...

A Força Aérea tem os Bisontes...  :toto:

http://www.emfa.pt/www/includes/mostraV ... e=bisontes (http://www.emfa.pt/www/includes/mostraVideo.php?lang=pt&file=bisontes)
Título:
Enviado por: Moisés Magalhães em Fevereiro 10, 2009, 10:54:20 pm
Caros colegas do forum,

Solicitava que me explicasem como se procede numa resposta para responder a um determinado forista exp. Moises Magalhães escreveu sem ser  Quote/citação.
Obrigado,

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 10, 2009, 11:19:22 pm
Citação de: "Moisés Magalhães"
Caros colegas do forum,

Solicitava que me explicasem como se procede numa resposta para responder a um determinado forista exp. Moises Magalhães escreveusem ser  Quote/citação.
Obrigado,

Cumprimentos,


É simples, Moisés.  :)
Título:
Enviado por: Moisés Magalhães em Fevereiro 11, 2009, 10:17:35 pm
É simples, Moisés.  :)[/quote]

Obrigado, Charlie Jaguar

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Moisés Magalhães em Fevereiro 11, 2009, 10:25:04 pm
Mas não apareceu a dizer Charlie Jaguar escreveu? e a sua explicação não apareceu num quadro branco neste teste que fiz? ou então não percebi....

Mas obrigado na mesma,

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Supremo Chanceler em Fevereiro 12, 2009, 12:10:46 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "Moisés Magalhães"
Caros colegas do forum,

Solicitava que me explicasem como se procede numa resposta para responder a um determinado forista exp. Moises Magalhães escreveusem ser  Quote/citação.
Obrigado,

Cumprimentos,

É simples, Moisés.  :)
Título:
Enviado por: Instrutor em Abril 17, 2009, 03:51:30 pm
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=748 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=748)

Mesmo a tempo da data prevista para a substituição dos nossos C130. :wink:
Título:
Enviado por: teXou em Abril 17, 2009, 04:52:00 pm
Pensei mesmo o mesmo !  :twisted:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 17, 2009, 05:28:55 pm
(http://i224.photobucket.com/albums/dd141/cmbv79/forum/laad_emb_001.jpg)

 :arrow: http://www.defesabrasil.com/laad2009 (http://www.defesabrasil.com/laad2009)
Título:
Enviado por: PedroM em Abril 17, 2009, 10:57:37 pm
Também me parece que não restam muitas dúvidas. Caso o investimento da Embraer em Portugal se concretize, está encontrado o substituto dos C-130.
Este avião tem vindo a evoluir e cada vez mais se aproxima das necessidades da Força Aérea. Agora até já comporta as Pandur.
Título:
Enviado por: komet em Abril 17, 2009, 11:33:41 pm
Seria uma excelente oportunidade de aproximar/unificar a lusofonia no que à defesa toca... assim como criar as bases para criarmos alguma indústria e know how do ramo no nosso próprio território!
Título:
Enviado por: AC em Abril 18, 2009, 12:53:25 am
Diabos, à bocado pareceu-me que um dos links aqui postados tinha uma imagem com as dimensões do compartimento de carga do KC-390.
Sonhei??
Título:
Enviado por: Instrutor em Abril 18, 2009, 01:16:47 am
http://movv.org/2007/04/22/mais-detalhe ... emb-c-390/ (http://movv.org/2007/04/22/mais-detalhes-do-novo-projecto-da-embraer-o-emb-c-390/)

Interessante
Título:
Enviado por: Instrutor em Abril 18, 2009, 01:18:53 am
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=364 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=364)

Fonte: Area Militar
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 18, 2009, 10:32:04 am
Vejam o Expresso desta semana (acabou de sair) e vão ver um artigo sobre a possível construção de componentes nas OGMA para este avião.
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 18, 2009, 12:31:38 pm
O que é que eu disse há umas duas semanas???

Caso a Europa se feche e entre numa de proteccionismo em relação a produtos militares não europeus, a Embraer tem toda a vantagem em produzir dentro da europa (ou não vende nada cá dentro)

need I say mor????????????
Título:
Enviado por: LuisC em Abril 18, 2009, 02:04:51 pm
Caso esta aeronave supere realmente as 20t de carga máxima e a capacidade volumétrica do C-130H, então, parece-me ser o aparelho ideal para o substituir, senão vejamos:
 
:arrow: O A-400M permanece uma incógnita e o seu preço também não ajuda.
 
:arrow: O alegado C-130XL ainda não passou do papel. E qual será o seu preço?
 
:arrow: O Antonov An-70, por razões óbvias, nem vale a pena considerar.

Para além do mais o C/KC-390 terá, ao que tudo indica, a participação das OGMA.

Não vejo grandes alternativas!  

Cumps
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Abril 18, 2009, 08:42:16 pm
É um conceito interessante e quererá explorar um certo nicho de mercado, mas continuo a não acreditar que alguma vez venha a servir na FAP. Como o próprio CEMFA deu a entender na cerimónia oficial de apresentação dos novos C-295, o futuro pós-C-130 deverá compreender o A400M ou então o C-130J.
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 18, 2009, 08:48:28 pm
Camaradas

A modernização do C130 serve para este voar mais uma dezena de anos.

Caso se comece a produzir um avião destes agora, os primeiros aviões serão entregues daqui a uns aninhos (vejam o caso do A400M) e depois tem de haver o processo de transição de uma aeronave para outra (C212 para o C295 vão ser 2anos).
Assim, ..... parece-me tudo o dito, .., especialmente quando a industria nacional está fortemente envolvida.
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 18, 2009, 10:06:55 pm
Enquanto isso, eles por aí voam, a cumprir as missões que lhes são atribuídas

http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/cont ... staque.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/377_destaque.pdf)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Abril 20, 2009, 04:06:59 pm
Citação de: "Mercurio"
Camaradas

A modernização do C130 serve para este voar mais uma dezena de anos.

Caso se comece a produzir um avião destes agora, os primeiros aviões serão entregues daqui a uns aninhos (vejam o caso do A400M) e depois tem de haver o processo de transição de uma aeronave para outra (C212 para o C295 vão ser 2anos).
Assim, ..... parece-me tudo o dito, .., especialmente quando a industria nacional está fortemente envolvida.



Também penso assim. Se o desenvolvimento do projecto não sofrer grandes perturbações, não tenho grandes dúvidas de que o iremos ver com as cores da FAP.


(http://images.globalsecurity.org/data/528/c-390-image11.jpg)
Título:
Enviado por: Edu em Abril 20, 2009, 05:36:38 pm
A minha unica duvida relativamente ao C-390 é se a configuração de motores escolhida (motores turbofan) é a melhor. Pois neste tipo de aviões estamos normalmente a falar de aeronaves que têm de operar em pistas com pouca preparação, e até mesmo pistas de terra batida ou terrenos humidos, e nestas condições não sei se o turbofan será a melhor escolha. Já certamente terão tido a oportunidade de ver um C-130 aterrar numa praia, até que ponto o futuro C-390 será capaz do mesmo?

Outro factor que me leva a a duvidar da escolha do motor é a propria operação da aeronave, como deveram alguns saber os motores turboprop são mais eficientes e velocidades intermedias (Mach 0,4-0,6), que é a velocidade mais normal de operação deste tipo de aviões. Os turbofans utilizados na configuração só se mostram mais eficientes para velocidades superiores. Assim questiono também se em termos de consumo de combustivel este avião não será mais dispendioso.

Cumprimentos a todos  :wink:
Título:
Enviado por: AC em Abril 22, 2009, 08:27:56 pm
Edu,

a escolha de motores e forma de asa, a origem nos E-Jet, e os parâmetros conhecidos levam-me a inferir o seguinte:

1. O KC-390 não tem, não terá nem pretende ter a capacidade de operar em pistas curtas e improvisadas como um C-130.
2. A sua velocidade de cruzeiro será mais elevada que a de um C-130 e semelhante à dos E-Jet.

Neste caso, a escolha de motores turbo-fan faz todo o sentido.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 09, 2009, 06:23:01 pm
(http://img195.imageshack.us/img195/5031/c1301.jpg)

(http://img195.imageshack.us/img195/2239/c1302.jpg)

(http://img188.imageshack.us/img188/4181/c1303.jpg)

(http://img248.imageshack.us/img248/8415/c1304.jpg)

(http://img509.imageshack.us/img509/7607/c1305.jpg)

(http://img224.imageshack.us/img224/7348/c1306.jpg)

(http://img37.imageshack.us/img37/1053/c1307.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Menacho em Outubro 05, 2009, 08:46:07 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/1/3/avc_00139413.jpg)

Para verla entera:

http://www.aviationcorner.net/public/photos/1/3/avc_00139413.jpg
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Outubro 09, 2009, 12:45:28 am
Porque não Portugal participar, usando como base o acordo das Lajes:

Citar
Lockheed Martin officially launched production on 5 October of the first C-130 Hercules acquired by the US Air Force to support search and rescue missions since the Vietnam War.

The ceremony inside Lockheed's Marietta production facility also marked the launch of a new C-130 variant tailored for special operations missions, which company officials hope could lead to dozens - if not hundreds - of new orders by domestic and foreign customers for the 55-year-old tactical airlifter.

The USAF plans to acquire 22 new HC/MC-130Js to begin replacing 78 HC-130s flown by search and rescue teams and 37 MC-130s operated by special forces. More orders are expected to follow as the USAF continues to renew the ageing fleet.
The new design boosts the C-130J's maximum take-off weight to 74,400kg (164,000lb) and the assault landing weight to 64,400kg. The heavier model also includes an advanced wing design that guarantees longer service life, which has become a major issue for the C-130E models that the C-130J replaces.

Lockheed has also adapted the C-130J production process for the new variant. The refuelling receptacle is produced in-line instead of as a post-production modification. That single change eliminates eight months of extra production time, saving $8 million in manufacturing costs per aircraft, Lockheed officials say.

Lockheed has also fitted a forward looking infrared (FLIR) turreted pod - the Raytheon multi-spectral targeting system (MTS-A) - to the airframe structure beneath the flightdeck. The company is investing internal funds to design a retractable turret that could extend the HC/MC-130J's mission radius.

Company officials have also disclosed internal plans to develop a new outer-mould line for the venerable airlifter that can accommodate more equipment for special operations missions. One design concept displayed publicly so far reveals an enlarged nose section and a wider cross-section for the fuselage.

Lockheed is in the midst of a major sales boom for the C-130J programme. The company is doubling annual production from 12 aircraft in 2008 to more than 24 aircraft in 2010. Lockheed will be building five different models of the C-130J simultaneously in 2010, including new HC/MC-130Js and KC-130Js, and C-130J-30s ordered by Canada, Qatar and India.
http://www.flightglobal.com/articles/20 ... -130j.html (http://www.flightglobal.com/articles/2009/10/07/333174/lockheed-starts-building-new-version-of-the-c-130j.html)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Daniel em Outubro 23, 2009, 05:08:55 pm
Chefe do Estado-Maior diz que faltam verbas para modernizar a Força Aérea

Citar
Luís Araújo, Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), denunciou, esta sexta-feira, a falta de verbas disponíveis para a modernização dos aviões C-130, utilizados para o transporte e lançamento de carga e pára-quedistas.

«A Lei de Programação Militar (LPM) fina-se no dia 31 de Dezembro», começou por lembrar Luís Araújo, citado pela edição online do ‘Diário de Notícias’.

De seguida, o CEMFA foi mais claro e afirmou que «nada foi feito quanto à modernização do C-130».

«Como não há outra LPM no dia 01 de Janeiro, não há nada a fazer. O novo Governo e o ministro da Defesa vão tratar disso, com certeza».

Até lá, avisou, «a modernização do C-130 está por fazer».

Avisos que o CEMFA deixou à margem das cerimónias de comemoração do Dia da Base Aérea nº 5, em Monte Real.
Título: Re: Notícias da FAP
Enviado por: Daniel em Novembro 03, 2009, 05:26:58 pm
Modernização C-130 é «prioridade» para Santos Silva


Citar
A modernização do equipamento das Forças Armadas é uma prioridade e os C-130 são «uma prioridade absoluta». Foi o que disse esta terça-feira o ministro da Defesa, Augusto Santos Silva.

Questionado pelos jornalistas sobre os atrasos na modernização daqueles aviões militares, o ministro respondeu que «a modernização dos C-130 é uma prioridade absoluta da modernização do equipamento das Forças Armadas e, portanto, seja no quadro da actual lei [de Programação Militar], seja na próxima revisão, essa prioridade será acautelada».

Augusto Santos Silva, que falava no final de uma visita do Presidente da República à Base Aérea do Montijo, foi também interrogado sobre a possibilidade de Portugal enviar mais soldados para ao Afeganistão. Na resposta, o titular da pasta da Defesa disse ser «prematuro» falar no assunto.

Quanto à possibilidade da construção do novo aeroporto internacional de Lisboa em Alcochete poder interferir com a Base Aérea do Montijo, Augusto Santos Silva garantiu que isso não acontecerá.

«Não há nenhuma interferência. A Base Aérea do Montijo é uma base essencial para a Força Aérea Portuguesa e a próxima construção do novo aeroporto de Lisboa no chamado campo de tiro de Alcochete em nada interferirá com a Base», garantiu.

Saída de pilotos para a aviação civil é «problema real»

«Problema» para Santos Silva é a saída de pilotos da Força Aérea para a aviação civil. O ministro considerou que é necessário tomar mais medidas de incentivo para impedir essa «fuga».

«Esse é um problema real com que se confronta a Força Aérea Portuguesa», admitiu. O ministro recordou que já foram tomadas medidas como a passagem de oito para 12 anos do tempo mínimo de permanência como piloto da Força Aérea, mas sublinhou que «é necessário tomar outras medidas, designadamente nas questões de incentivo aos pilotos».

«Esses incentivos estão ligados quer à própria modernização do equipamento, às missões que os pilotos podem aqui desempenhar, quer às suas condições de trabalho e remuneração», adiantou.
Interrogado sobre como se sente na tutela da pasta da Defesa, Augusto Santos Silva disse ter todo o gosto em desempenhar as funções que lhe foram confiadas.

«Não me sinto nada desajustado, já fui chamado a cumprir funções em várias pastas, esta é mais uma, mas é uma que assumo com particular gosto, porque aqui cruza-se a história portuguesa com o presente e o futuro de Portugal», acrescentou.


Vai calar algumas bocas va vai. c34x
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: SANTACRUZ em Novembro 04, 2009, 12:30:22 pm
:D

Citar
porque aqui cruza-se a história portuguesa com o presente e o futuro de Portugal», acrescentou.

muito agradavel!!! eu gostei!!!

deixa para ver o que acontece!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 04, 2009, 03:57:28 pm
Se calhar se lhe perguntassem se Portugal vai adquirir 3 Porta-Aviões Ligeiros, ele também dizia que sim :mrgreen:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: pchunter em Dezembro 16, 2009, 11:49:56 pm
Estava a fazer umas comparações e encontrei isto:
Citar
C-130 emprego na Força Aérea Portuguesa

Foram adquiridos seis aviões que entraram ao serviço em 15 de Setembro de 1977.
Estão colocados na Esquadra 501, da Base Aérea Nº 6, que se constitui numa unidade de transporte aéreo táctico executando, também, missões de busca e salvamento.
Em 1986, numa competição para tripulações deste tipo de avião, o Volante Rodeo, organizado pela USAF, uma tripulação da Esquadra 501, conquistou os troféus da melhor equipa estrangeira, melhor aterragem de precisão e melhores lançamentos.

Somos de facto os melhores, é pena por vezes o material não ajudar.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/C-130_Hercules
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Dezembro 17, 2009, 12:07:09 am
Argélia: Portugal estuda programa conjunto de modernização de aeronaves C-130 - Santos Silva

Citar
Argel, Argélia, 16 Dez (Lusa) - O ministro da Defesa adiantou hoje ter desafiado os responsáveis políticos e militares argelinos para um programa conjunto de modernização de aeronaves C-130, referindo que "o sentido principal do diálogo" com a Argélia é a "construção de parcerias".

Questionado pelos jornalistas sobre se existe a possibilidade da OGMA voltar a garantir a manutenção dos Hércules C-130 argelinos, Augusto Santos Silva assinalou que a Argélia "também se dotou de capacidades" nesse domínio, notando contudo que "essa é justamente a lei mais viva e positiva das economias".

"Temos de ir subindo a cadeia de valor e ir disputando segmentos cada vez mais qualificados dessa cadeia", afirmou.

http://dn.sapo.pt/Inicio/interior.aspx?content_id=1449345
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: pchunter em Dezembro 17, 2009, 12:49:06 pm
O homem não é tolo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Dezembro 17, 2009, 02:24:22 pm
Citação de: "pchunter"
Estava a fazer umas comparações e encontrei isto:
Citar
C-130 emprego na Força Aérea Portuguesa

Foram adquiridos seis aviões que entraram ao serviço em 15 de Setembro de 1977.
Estão colocados na Esquadra 501, da Base Aérea Nº 6, que se constitui numa unidade de transporte aéreo táctico executando, também, missões de busca e salvamento.
Em 1986, numa competição para tripulações deste tipo de avião, o Volante Rodeo, organizado pela USAF, uma tripulação da Esquadra 501, conquistou os troféus da melhor equipa estrangeira, melhor aterragem de precisão e melhores lançamentos.

Somos de facto os melhores, é pena por vezes o material não ajudar.

Fonte: http://pt.wikipedia.org/wiki/C-130_Hercules

5 C-130H foram inicialmente adquiridos, tendo os primeiros dois sido entregues de facto a 15 Setembro de 1977, o terceiro a 29 de Abril de 1978, o quarto logo a seguir a 9 de Junho e o quinto a 19 de Junho de 78. Um 6º aparelho, C-130H-30 16806, foi entregue a 11 de Dezembro de 1991. Quanto à melhor equipa estrangeira no Volant Rodeo, a Esquadra 501 arrecadou os galardões em 1986, 1992 e 1993.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 22, 2009, 11:38:50 am
Citar
On Dec 14/09, Boeing in Wichita, KS received a $44.1 million, fully-committed contract for the C-130 Avionic Modernization Program from the 656th AESS at Wright-Patterson Air Force Base, OH (F33657-01-C-0047, P00176). The contract comes at a pivotal time for the program, and for the USA’s legacy C-130E/H fleet.

The USA’s C-130E/H fleet suffers from 2 key problems: (1) many aircraft, especially Air National Guard planes, aren’t flyable, or won’t remain so much longer; and (2) their avionics are too old to meet modern standards for flight in civil airspace. The 1st problem is being addressed by major structural rework, inspections, and groundings. The 2nd problem was supposed to be addressed by the C-130 AMP program, begun in 2001 in order to improve aircraft fight-readiness, flight times, flexibility, and fuel use.
(http://www.defenseindustrydaily.com/images/ELEC_C-130_AMP_Cockpit_lg.jpg)
http://www.defenseindustrydaily.com/C-130-AMP-Program-Receives-Contract-Heads-Into-Uncertainty-06046/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Janeiro 16, 2010, 12:15:32 am
avião C-130 que transportava a missão portuguesa, com cerca de 30 elementos, que iria prestar auxílio às vítimas do terramoto no Haiti, regressou a Portugal devido a uma avaria no motor. A aeronave descolou hoje, pouco depois das 17:00 do aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa, rumo a Barbados, nas Caraíbas. De acordo com a SIC Notícias, o avião já aterrou na base aérea do Montijo.


A "avaria mecânica não muito grave num dos motores" do C-130 Hércules levou a que o piloto, "por precaução", optasse por fazer regressar a aeronave a Lisboa, de onde tinha descolado às 17:20, referiu à Lusa o tenente-coronel Paulo Gonçalves, das Relações Públicas da Força Aérea Portuguesa

"Trata-se de um simples problema, um dos motores não estava a ter o rendimento desejável para um voo de muito longo curso", disse, acrescentando que a avaria não podia ser reparada em Cabo Verde ou em Barbados, onde o avião iria fazer escala antes de aterrar no aeroporto da capital haitiana, Port-au-Prince.

A fonte não esclareceu quando é que a aeronave estará novamente em condições de voar.o C-130 seguiam técnicos da Protecção Civil, bombeiros, médicos da AMI e do INEM e alguns jornalistas, incluindo dois da Lusa.

50 mil mortos e 250 mil feridos

Também esta noite, o Governo do Haiti apresentou o balanço das consequências, ao nível de vítimas, do terramoto de 7,0 que assolou o país nesta terça-feira. O ministro da Saúde Pública, Alex Larsen, adianta que há pelo menos 50 mil mortos e 250 mil feridos. O mesmo responsável diz que meio milhão de pessoas ficaram desalojadas. Quanto aos esforços de socorro, o primeiro-ministro, Jean-Max  Bellerive, revela que foram recolhidos.

O ministro da Saúde anunciou ainda mais algumas medidas para responder à catástrofe. A sede do Governo foi transferida para uma esquadra da polícia situada pelo do aeroporto da capital, Port-au-Prince.

E, tendo em conta os danos significativos que o sismo provocou nos hospitais, todos os centros desportivos vão ser transformados em clínicas temporárias, para atender os milhares de feridos.

Brasileiros denunciam: ONU no Haiti está a ajudar os ricos


Segundo investigadores brasileiros no Haiti, a capital Port-au-Prince está devastada e os haitianos foram abandonados pela missão da ONU naquele país, a Minustah, que terá dado prioridade ao resgate de "ricos hóspedes estrangeiros" que estavam nos "hotéis de luxo" da cidade.

O blogue dos investigadores da Unicamp no Haiti (Universidade Estadual de Campinas, Brasil) denunciou na terça-feira o abandono da população daquele país depois do sismo de grande intensidade que assolou a capital, Port-au-Prince, no passado dia 12, terça-feira.

De acordo com o relato de Otávio Calegari Jorge, um dos autores do blogue, "o povo haitiano está se perguntando mais do que nunca: onde está a Minustah [Missão da ONU no Haiti]  quando precisamos dela?" Otávio é categórico: "Posso responder a essa pergunta: a Minustah está removendo os escombros dos hotéis de luxo onde se hospedavam ricos hóspedes estrangeiros."

O autor do blogue diz ainda que não é "contra qualquer medida nesse sentido" até porque é "estrangeiro e branco" e também poderia necessitar de apoio da ONU. Otávio prevê um desfecho trágico e acredita que "o povo haitiano será o último a ser atendido, se possível. O que vimos pela cidade hoje e o que ouvimos dos haitianos é: estamos abandonados."

Otávio Jorge sustenta ainda que a situação no Haiti "foi muito mais do que um forte terramoto. Foi a destruição do centro de um país sempre renegado pelo mundo." Além de denunciar o resgate privilegiado dos turistas nos hotéis de luxo, o autor do blogue faz denúncias graves sobre o papel da ONU no Haiti, mesmo antes do terramoto.

"A ONU gasta meio milhão de dólares por ano a fazer do Haiti um teste de guerra. Ontem pela manhã [dia 12], estivemos no (...) principal Batalhão Brasileiro da Minustah. Quando questionado sobre o interesse militar brasileiro na ocupação haitiana, Coronel Bernardes não titubeou: o Haiti, sem dúvida, serve de laboratório (exactamente, laboratório) para os militares brasileiros conterem as rebeliões nas favelas cariocas.", acusa Otávio Jorge.

O autor do blogue sente-se incomodado com a "ânsia por tragédias dos media brasileiros e internacionais" e elogia ainda, no post, a atitude da fotógrafa da Unicamp que se recusa a fotografar a morte e a destruição na capital haitiana.

"Exemplo indescritível de civismo e ajuda"

Ontem, dia 14, outro dos autores do blogue, Rodrigo Bulamah, elogiava "um exemplo indescritível de civismo e ajuda." Para Rodrigo, "não há o caos, como parte dos jornalistas que nos procuram querem ouvir."

Rodrigo diz que viu "um acampamento imenso" com "pessoas organizadas, fazendo comida, tomando banho, lavando roupa", dois dias depois do terramoto. Depois, denuncia também: "Nem sinal da ajuda internacional que enche a boca de tantas autoridades. Espera-se o espectáculo da destruição para depois chegar ao espectáculo da cooperação internacional."

O autor conta ainda que "as pessoas estão removendo escombros das próprias casas e da vizinhança" e que os médicos haitianos estão a fazer "trabalho de formiga"; "algumas ONG, como a Médicos Sem Fronteiras e o Viva Rio, estão fazendo o possível para receber a população atingida", acrescenta.

No mesmo dia, outro dos autores do blogue, Daniel Santos, pergunta por que razão "os 1300 soldados brasileiros não saíram à rua para ajudar a população até agora". "48 horas depois do desastre eu fico com a impressão de que a Minustah só está preocupada com o pessoal da ONU, e nunca esteve no Haiti para ajudar o povo haitiano", confessa.

Balanço da tragédia e resposta da comunidade internacional

Apesar destas denúncias de investigadores brasileiros no Haiti, pouco depois do sismo a comunidade internacional e muitas Organizações Não Governamentais (ONGs) começaram a anunciar apoios e a mobilizar-se para ajudar as vítimas do sismo. O FMI e os Estados Unidos da América, principal credor do Haiti, anunciaram ajudas de 100 milhões de dólares cada. A União Europeia e países como Espanha, França, Venezuela ou China também vão ajudar, com dinheiro, equipas de resgate, cães farejadores, equipamento médico, medicamentos e bens alimentares.

As equipas de resgate e de Protecção Civil começaram ontem a chegar ao Haiti onde o último balanço dá conta de 300 mil desalojados e cerca de 50 mil mortos e 250 mil feridos. As ruas de Port-au-Prince estão transformadas em morgues a céu aberto e os corpos começam a ser removidos por retroescavadoras e a ser enterrados em valas comuns, para evitar as epidemias. A assistência médica é escassa e os hospitais não conseguem responder às necessidades da população.

As informações que correm o mundo dão conta de vítimas e desaparecidos de várias nacionalidades - existem, por exemplo 1400 franceses no Haiti, 1200 dos quais na capital. A sede da missão da ONU no Haiti ficou completamente destruída e morreram pelo menos 14 capacetes azuis brasileiros, dos mais de 1200 destacados no país.

O blogue dos investigadores da Unicamp no Haiti foi um dos primeiros canais de transmissão de informações sobre a catástrofe que assolou o Haiti no dia 12 - um sismo de 7.0 na escala de Richter que destruiu mais de 10% da capital daquele país, Port-au-Prince. O terramoto teve uma intensidade equivalente a 35 vezes a da bomba atómica lançada sobre a cidade japonesa de Hiroshima no final da II Guerra Mundial. Quem o diz é Roger Searle, professor de Geofísica na Universidade de Durham, no Reino Unido, que comparou a energia libertada pelo sismo à explosão de meio milhão de toneladas de TNT.


Como diz o nosso querido governo o aviao está bom aguenta ainda uns 50 anos..... é na hora do aperto e das necessidades que os materiais obsoletos dao conta de si.......Dentro de tudo desejo que nenhum acidente faça perder a vida a um camarada de armas. E mais nao digo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: bruno_dias em Janeiro 16, 2010, 01:56:03 pm
pela conversa parece que o material novo não pode avariar
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 16, 2010, 05:58:10 pm
Citação de: "bruno_dias"
pela conversa parece que o material novo não pode avariar

Isso faz-me lembrar de uns helicopteros novos que a Força Aérea tem :mrgreen: .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: pchunter em Março 08, 2010, 04:40:34 pm
Citar
C-130 de Portugal estão proibidos de sobrevoar a Europa


C130 estão proibidos de sobrevoar Europa

O atraso na modernização dos aviões C130 está a criar fortes constrangimentos à operacionalidade destes aparelhos, determinantes na projecção das forças nacionais e no cumprimento das missões humanitárias. Em causa, segundo apurou o CM, está o facto destas aeronaves da Força Aérea não possuírem o novo sistema de segurança TCAS, exigido a todos os aviões que queiram sobrevoar o espaço aéreo europeu.

Com surgimento das companhias low-cost, o tráfego aéreo na Europa aumentou significativamente nos últimos anos e para resolver a situação foi necessário reduzir a distância mínima de segurança entre os aviões. Mas, para garantir que tal é feito sem qualquer perigo, todos os aviões são obrigados, desde Janeiro, a possuir um sistema de voo incorporado (TCAS), cujo objectivo é evitar colisões entre aeronaves.

Acontece que a modernização dos C130, que incluía a incorporação deste sistema e que está prevista desde 2006 na Lei de Programação Militar (LPM), ainda não foi concretizada. O CM questionou o Ministério da Defesa e a Força Aérea, mas não obteve resposta.

Segundo apurou o CM, sem aquele sistema de segurança, os C130 são obrigados a sobrevoar o espaço europeu a uma altitude mais baixa do que seria normal. O que significa um aumento de custos com o combustível. Mais: A burocracia também aumenta, já que o Governo português é obrigado a pedir uma autorização especial aos países que a aeronave tenha de sobrevoar.

No final do ano passado, o chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Luís Araújo, lamentou a falta de verbas para a modernização dos aviões e sublinhou: "A modernização do C130 é essencial para Portugal. O C130 é tão necessário à Nação como o F-16".

O ministro da Defesa, Augusto Santos Silva, pouco tempo após tomar posse, em Novembro de 2009, garantiu que a modernização dos aviões são uma "prioridade absoluta": "Seja no quadro da actual LPM, seja na próxima revisão, essa prioridade será acautelada."

"OS AVIÕES C130 ESTÃO A VOAR COM UMA CERTA TOLERÂNCIA"

Os constrangimentos à operacionalidade dos actuais C130 são reconhecidos pelos deputados que alertam o Governo para a urgência da modernização das aeronaves. "Este é um problema que tem de ser resolvido, embora não haja nenhum perigo para o C130. Mas estão a voar com uma certa tolerância", disse Luís Campos Ferreira (PSD).

Também João Rebelo (CDS) sublinhou que, dada a importância da aeronave, por exemplo em missões humanitárias, é "urgente" a sua modernização. "É um investimento patriótico e aceitável", afirmou.

PORMENORES

CUSTOS

A modernização dos seis aviões C130 vai custar entre os 45 e os 60 milhões de euros. As aeronaves são operadas pela Esquadra 501 da Base Aérea do Montijo e entraram ao serviço há 32 anos, a 15 de Setembro de 1977.


P3 ORION

Dois aviões P3 Orion da Força Aérea estão actualmente a ser modificadas numa base dos Estados Unidos da América. As restantes três aeronaves vão ser modernizadas pela empresa OGMA entre Março de 2011 e Fevereiro de 2012.

F-16

Durante o ano passado, 10 caças F-16 foram sujeitos a modernizações, ficando dotados com as mais altas tecnologias disponíveis. Teve melhoramentos nos radares, GPS, identificador electrónico de aeronaves, entre outros.

60 milhões era só deixar de pedir meia dúzia de pareceres desnecessarios aos escritórios de uns amigos advogados e já estava. :G-bigun:

Fonte: http://moraisvinna.blogspot.com/2010/03/c-130-de-portugal-estao-proibidos-de.html
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: pn84 em Julho 18, 2010, 06:04:42 pm
Vamos ver no que isto dá, sinceramente, penso que será mais um contracto tipo TTH 90, para assinar sim, mas depois quando chegar à hora da verdade, é adiar adiar adiar até daqui à 100 anos.
De intenções estamos nós fartos.

http://www.aereo.jor.br/2010/07/17/kc-390-portugal-deve-assinar-protocolo-de-intencoes-no-dia-21/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Julho 18, 2010, 09:13:58 pm
Citação de: "pn84"
Vamos ver no que isto dá, sinceramente, penso que será mais um contracto tipo TTH 90, para assinar sim, mas depois quando chegar à hora da verdade, é adiar adiar adiar até daqui à 100 anos.
De intenções estamos nós fartos.

http://www.aereo.jor.br/2010/07/17/kc-390-portugal-deve-assinar-protocolo-de-intencoes-no-dia-21/

pelo que sei, as coisas estão se a direccionar para serem construídos alguns componentes cá em Portugal. Falasse nas asas, mas agora certeza se vai ser o substituto do C130 ninguém sabe!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: cromwell em Setembro 09, 2010, 02:12:13 pm
Citar
Posted on September 9, 2010 by worldef
Tomorrow September 10, the Portuguese Ministry of National Defence (Ministério da Defesa Nacional-MDN) will sign a declaration of intent with Brazilian aerospace manufacturer Embraer-Empresa Brasileira de Aeronáutica SA regarding the KC-390 tactical transport aircraft programme.

It is understood that Portugal´s based companies are to participe in the industrial project and a batch of aircraft are to be procured to replace the Portuguese Air Force C-130H Hercules aircraft.

Colombia and Chile recently firmed agreements with the Brazilian manufacturer and started negotiations regarding the future acquisition of aircraft 12 and 6 units respectively. Brazil has previously confirmed the order of 28 aircraft.


Isto quer dizer que a escolha do C-390 para substituir o C-130 está confirmada? :D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Setembro 09, 2010, 06:56:54 pm
Não, apenas diz que vai participar no consorcio, agora falta saber se quer comprar e quantas unidades. Eu gostava de ver este aviao na FAP 6 KC390 a substituir 6 C-130.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: cromwell em Setembro 09, 2010, 09:05:27 pm
Citação de: "Instrutor"
Não, apenas diz que vai participar no consorcio, agora falta saber se quer comprar e quantas unidades. Eu gostava de ver este aviao na FAP 6 KC390 a substituir 6 C-130.


Na minha opinião, 6 aviões de transporte não são suficientes. Portugal podia aproveitar esta substituição para aumentar o número deste tipo de aeronaves de transporte, melhorando assim a capacidade de transporte da FAP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Setembro 09, 2010, 10:24:02 pm
Citação de: "cromwell"
Citação de: "Instrutor"
Não, apenas diz que vai participar no consorcio, agora falta saber se quer comprar e quantas unidades. Eu gostava de ver este aviao na FAP 6 KC390 a substituir 6 C-130.


Na minha opinião, 6 aviões de transporte não são suficientes. Portugal podia aproveitar esta substituição para aumentar o número deste tipo de aeronaves de transporte, melhorando assim a capacidade de transporte da FAP.


Em 1994, havia planos parar comprar mais 3 C-130.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 10, 2010, 12:16:44 am
Citação de: "cromwell"
Isto quer dizer que a escolha do C-390 para substituir o C-130 está confirmada? :D

Não mande já foguetes, antes também estavamos no consórcio para a construção do A-400M, já se falava em 4 aeronaves, etc, etc, e depois foi o que se sabe. O passado pode repetir-se, ainda nada é certo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 10, 2010, 10:17:27 am
Citação de: "cromwell"
Citação de: "Instrutor"
Não, apenas diz que vai participar no consorcio, agora falta saber se quer comprar e quantas unidades. Eu gostava de ver este aviao na FAP 6 KC390 a substituir 6 C-130.


Na minha opinião, 6 aviões de transporte não são suficientes. Portugal podia aproveitar esta substituição para aumentar o número deste tipo de aeronaves de transporte, melhorando assim a capacidade de transporte da FAP.

A capacidade da FAP já foi aumentada (e muito) com a substituição dos Aviocar pelos C-295M.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Setembro 11, 2010, 02:07:08 am
Portugal manifesta intencao de adquirir 6 !!!  KC 390...very good

http://br.reuters.com/article/topNews/i ... J520100910 (http://br.reuters.com/article/topNews/idBRSPE6890J520100910)

http://www.aereo.jor.br/2010/09/10/port ... is-kc-390/ (http://www.aereo.jor.br/2010/09/10/portugal-manifesta-intencao-de-adquirir-seis-kc-390/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Setembro 11, 2010, 04:25:01 am
E agora fiquei com a ideia na cabeça que o KC-390 só vai ser mesmo adquirido porque a Embraer vai instalar uma unidade de produção em Portugal. Senão fosse isso não havia avião de transporte para ninguém. Mais uma táctica do governo para ganhar votos onde a fábrica vai ficar?

Estou para ver como vai isto ficar.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sergio21699 em Setembro 11, 2010, 10:51:01 am
Citação de: "Get_It"
E agora fiquei com a ideia na cabeça que o KC-390 só vai ser mesmo adquirido porque a Embraer vai instalar uma unidade de produção em Portugal. Senão fosse isso não havia avião de transporte para ninguém. Mais uma táctica do governo para ganhar votos onde a fábrica vai ficar?

Estou para ver como vai isto ficar.

Cumprimentos,

Em Évora se não me engano
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 11, 2010, 11:10:58 am
São duas fábricas de componentes em Évora e vão ser construidas no final do ano, no entanto só para 2012 é que começerá a actividade produtiva.

No Centro de Emprego e formação profissional de Setúbal há Cursos abertos de "Produção aeronautica e montagem de estruturas", "Tratamento de metais", "Produção e transformação de compósitos".

São os primeiros Cursos de formação para Técnicos para a fabrica da Embraer em Évora.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: cromwell em Setembro 11, 2010, 11:12:53 am
Está confirmado. Se o ministro da defesa o disse, assim o acontecerá, apesar de ainda achar que 6 é pouco. Não há mais A-400M para ninguém.

O KC-390 é o futuro. Fábricas portuguesas vão construir componentes para a aeronave.
Isto é um projecto Luso-Brasileiro, onde Portugal vai participar no projecto, sendo a adquirição destas aeronaves inevitável.
Assim, não teremos que levar com os atrasos do A-400M e com o seu preço alto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 11, 2010, 11:27:02 am
Citação de: "cromwell"
Está confirmado. Se o ministro da defesa o disse, assim o acontecerá, apesar de ainda achar que 6 é pouco. Não há mais A-400M para ninguém.

O KC-390 é o futuro. Fábricas portuguesas vão construir componentes para a aeronave.
Isto é um projecto Luso-Brasileiro, onde Portugal vai participar no projecto, sendo a adquirição destas aeronaves inevitável.
Assim, não teremos que levar com os atrasos do A-400M e com o seu preço alto.

Ou as pessoas não lêem ou não querem ler, o A-400 desde que o ex MDN paulo Portas tirou-nos do programa, estava afastado da balança. Isso deixava-nos com o C-130 J. Como a Embraer vai construir duas fábricas de componentes e detém a OGMA é normal que se torna-se num dos fornecedores para este novo aparelho. Já agora, a Embraer também estava à procura de fornecedores de componentes em Espanha. O nosso Governo pode ter assinado, mas há vários países também muito interessados no aparelho e possivelmente em participar no programa (Colombia, Chile, África do Sul, etc).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Edu em Setembro 11, 2010, 01:45:16 pm
Caro cromwell, o KC-390 não é um projecto Luso-Brasileiro, é um projecto brasileiro no qual Portugal foi convidado a participar na produção. O projecto é feito pelo Brasil e há outros países com a possibilidade de um envolvimento semelhante ao português. Chamar a isto um projecto Luso-brasileiro é abusivo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Setembro 11, 2010, 02:29:56 pm
Citação de: "Edu"
Caro cromwell, o KC-390 não é um projecto Luso-Brasileiro, é um projecto brasileiro no qual Portugal foi convidado a participar na produção. O projecto é feito pelo Brasil e há outros países com a possibilidade de um envolvimento semelhante ao português. Chamar a isto um projecto Luso-brasileiro é abusivo.

Pelo que conheço do projecto, Portugal foi apenas convidado para desenvolver alguns componentes do KC390.  Se não me engano, já foram seleccionados os fornecedores.

Logo tirem da cabeça projecto lusa-brasileiro. O mais certo acontecer é cada país, que pertence ao programa fazer uma parte do avião. Por exemplo nós ficaríamos com a asa e o Chile ficaria com o cockpit.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 11, 2010, 07:29:57 pm
Há que ver o lado positivo, ao menos os manuais vão vir em português :lol: .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 11, 2010, 09:26:53 pm
Citar
Ministros da Defesa de Portugal e do Brasil assinam declaração de intenções sobre o KC-390

10.09.2010 - O Ministro da Defesa Nacional, Augusto Santos Silva, participou sexta-feira, pelas 11h15, num encontro bilateral com o seu homólogo brasileiro, Nelson Jobim. O encontro entre ministros e respectivas comitivas realizou-se no Forte de São Julião da Barra, em Oeiras. Pelas 12h30, teve lugar a cerimónia de assinatura da Declaração de Intenções relativa à participação no programa da aeronave KC-390, ficando depois os dois ministros disponíveis para eventuais questões dos órgãos de comunicação social.

http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/n ... 100906.htm (http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/notas/ComImp_20100906.htm)

(http://www.mdn.gov.pt/NR/rdonlyres/E2CBB592-6DB8-42A2-8271-6610BB0A3F5E/0/20100907_MDN_PT_Bra_destaque.jpg)

(http://www.mdn.gov.pt/NR/rdonlyres/836BA6DE-5086-4576-9F5B-3808050BCA17/0/20100907_MDN_PT_Bra_2.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Setembro 12, 2010, 12:43:46 am
Até ao momento Portugal vai mesmo comprar o KC-390 em seis unidades. Assim ja estão firmadas as seguintes encomendas:

- Brasil - 28 unidades;
- Colombia - 12 unidades;
- Portugal e Chile - 6 unidades cada.

Prefazendo um total de 52 unidades num mercado onde existe cerca de 700 C-130 em utilização por diversos países.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Luso-Efe em Setembro 12, 2010, 01:43:18 am
Sem dúvida boa noticia.:G-beer2:

Temos também que olhar para o Brasil como a Inglaterra em tempos e ainda hoje olha para os EUA, o brasil é a quinta potencia mundial, só lhe falta uma coisa armar-se ate aos dentes.

Em relação á máquina propriamente dita, tem a vantagem perante o A-400 de ser mais rápido, e de ter um motor turbofan, visto que o do A-400 é turbo-hélice.

Para além disso é mais barato.

Este projecto brasileiro tem tudo para dar certo, e pelos vistos não faltam interessados no avião.

A cooperação ao nivel de equipamente militar de Portugal com o Brasil não deve ficar por aqui, deve ser muito mais aprofundada.

E aquilo que não vier do Brasil deve vir dos states.

A EADS não nós dá nada, nem quis nada conosco, por isso não temos que estar a sustentar os negócios dos Franceses, alemães, espanhóis e italianos.

:snipersmile:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Setembro 12, 2010, 01:56:53 am
Bem  caro Luso-Efe tu repetes a mesma coisa em todos os tópicos..... não sei se os moderadores acham graça. :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Setembro 12, 2010, 12:47:21 pm
Citar
O ministro da Defesa adiantou esta quinta-feira que Portugal pode vir a participar no fabrico da fuselagem e equipamentos de informação e comunicação das aeronaves KC-390, referindo que a Força Aérea deu «resposta positiva» relativamente à participação neste projecto brasileiro.

Em declarações à agência Lusa, Augusto Santos Silva disse que este é um projecto com «benefícios recíprocos» para ambos os países.

«A fase de projecto já está em curso no Brasil e também já estão identificadas as áreas em que uma eventual participação portuguesa faria sentido, a área de engenharia de aeroestruturas e de software, portanto, sistemas de informação e comunicação», referiu Santos Silva.

O KC-390 (a Força Aérea Brasileira já anunciou que pretende comprar 28) é um avião de transporte militar que a Embraer está a desenvolver e que pode substituir os Hércules C-130 actualmente usados pela Força Aérea Portuguesa, sendo um concorrente directo do Airbus A400M, outro projecto cooperativo em que Portugal chegou a estar envolvido, mas do qual desistiu.

Sem adiantar uma data, o governante disse que as negociações para a participação de Portugal na construção do KC-390 «deverão ser conduzidas com a rapidez necessária para que esta, a confirmar-se, se faça incidir logo nas primeiras fases de desenvolvimento do projecto».

«Do nosso ponto de vista, uma eventual e desejável participação portuguesa neste programa, para além de permitir vir a dar melhores condições de satisfação a prazo da necessidade de substituir os C-130 da Força Aérea, quando estes terminarem o seu ciclo de vida, constituirá adicionalmente uma poderosíssima alavanca para o desenvolvimento de um cluster aeronáutico português», vincou.

Santos Silva considerou que «a eventual utilização do KC-390 como aeronave de substituição só faz sentido no fim de ciclo de vida» dos C-130 e que estes, com a modernização, que se deverá iniciar no próximo ano, deverão ser capazes de continuar a operar «por mais de um quinquénio (cinco anos)».

O responsável pela pasta da Defesa adiantou que a Força Aérea foi consultada sobre as capacidades desta aeronave e que o ramo validou o projecto: «Evidentemente que sem uma resposta positiva da Força Aérea, não fazia nenhum sentido do ponto de vista do Governo sequer iniciar negociações».

«O KC390 é, do ponto de vista técnico e operacional, uma aeronave que satisfaz os requisitos necessários para o transporte estratégico militar», acrescentou
http://defesanacionalpt.blogspot.com/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: cromwell em Setembro 12, 2010, 02:19:59 pm
Eu bem disse que a substituição dos C-130 pelos KC-390 estava confirmada, mas ninguém acredita em mim.... :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 12, 2010, 02:44:16 pm
Citação de: "cromwell"
Eu bem disse que a substituição dos C-130 pelos KC-390 estava confirmada, mas ninguém acredita em mim.... :mrgreen: . Ao modernizar-se (gastar dinheiro) os C-130, que estes possam voar pelos menos mais cinco anos, quer dizer precisamente que a questão da sua substituição é um assunto em aberto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Luso-Efe em Setembro 12, 2010, 04:01:55 pm
Citação de: "Instrutor"
Bem  caro Luso-Efe tu repetes a mesma coisa em todos os tópicos..... não sei se os moderadores acham graça. :?:

Deves-te estar a confundir com alguem.  :!:

Para alem disso, tenho o direito de expor aminha opinião, que é o que tenho feito ate aqui, sempre com educação, e os patriotas revem-se no que eu digo, os iberistas traidores é que costumam ficar muito mal dispostos, espero que não seja este o teu caso, alias ficava-te muito mal, porque os Transmontanos são acima de tudos grandes patriotas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Luso-Efe em Setembro 12, 2010, 04:04:19 pm
Citação de: "cromwell"
Eu bem disse que a substituição dos C-130 pelos KC-390 estava confirmada, mas ninguém acredita em mim.... :G-beer2:

Tudo pela nação, nada contra a nação.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 12, 2010, 07:28:05 pm
Citação de: "Luso-Efe"
Citação de: "Instrutor"
Bem  caro Luso-Efe tu repetes a mesma coisa em todos os tópicos..... não sei se os moderadores acham graça. :?:

Deves-te estar a confundir com alguem.  :!:

Para alem disso, tenho o direito de expor aminha opinião, que é o que tenho feito ate aqui, sempre com educação, e os patriotas revem-se no que eu digo, os iberistas traidores é que costumam ficar muito mal dispostos, espero que não seja este o teu caso, alias ficava-te muito mal, porque os Transmontanos são acima de tudos grandes patriotas.
´
O senhor escreveu praticamente o mesmo texto aqui no topico sobre o KC-390
viewtopic.php?f=6&t=5208&p=193448#p193448 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=6&t=5208&p=193448#p193448)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Luso-Efe em Setembro 12, 2010, 07:50:46 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "Luso-Efe"
Citação de: "Instrutor"
Bem  caro Luso-Efe tu repetes a mesma coisa em todos os tópicos..... não sei se os moderadores acham graça. :?:

Deves-te estar a confundir com alguem.  :G-beer2:

Cumprimentos aos 2.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Setembro 14, 2010, 11:12:41 pm
Bem tu ferves em pouca água.... nada aconselhado se és ou foste militar. A calma e o auto-controlo é fundamental para levar a cabo uma missão, disto sei do que falo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Vicente de Lisboa em Outubro 12, 2010, 09:26:22 am
Citar
Resolução do Conselho de Ministros n.º 78/2010
Presidência do Conselho de Ministros

Declara o interesse de Portugal em participar no programa de desenvolvimento e produção da aeronave de transporte multiusos KC-390 e determina que as negociações conducentes à participação de Portugal neste programa sejam dirigidas pelo Ministro da Defesa Nacional
Link para o diploma (http://http)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Outubro 12, 2010, 10:35:32 am
Já se sabe quem são as empresas portuguesas, que vão trabalhar no projecto?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Outubro 12, 2010, 10:49:54 am
Citação de: "nelson38899"
Já se sabe quem são as empresas portuguesas, que vão trabalhar no projecto?

Eu não sei mas talvez alguma(s) destas
http://www.danotec.pt/ (http://www.danotec.pt/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Outubro 28, 2010, 08:09:52 pm
Citar
A Força Aérea Portuguesa está a modificar o esquema de pintura dos seus C-130H/H-30 "Hercules", que agora em diante irão ostentar a cor cinzenta, substituindo o camuflado.
Nas instalações da OGMA, em Alverca, o primeiro C-130 Português já ostenta o novo esquema de pintura e deverá sair das instalações dentro de 1 mês, pois ainda tem de ser feito a manutenção a nível dos motores.
O primeiro "Hercules" a ser pintado é o 16803 e já existem fotos deste avião a albergar o novo esquema:

(http://3.bp.blogspot.com/_2hEQFIf1044/TMsZaZKoL0I/AAAAAAAABK0/ICw4p-SdlUM/s640/Foto0266.jpg)

http://aeroasas.blogspot.com/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Novembro 02, 2010, 10:37:34 pm
Qual o motivo desta decisão?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Novembro 03, 2010, 12:59:56 am
Penso que segue a linha do C-295M..
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sergio21699 em Novembro 03, 2010, 02:15:33 pm
E eu que gostava tanto da pintura camuflada  :cry:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 03, 2010, 04:12:44 pm
Eu também. :cry:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Novembro 03, 2010, 06:41:01 pm
Isso quer dizer que agora é uma pintura exclusiva dos helicopteros.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: LuisC em Novembro 03, 2010, 10:50:32 pm
Bem…vamos ver se ainda não se lembram de aplicar a mesma pintura nos EH-101.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 14, 2011, 08:22:58 pm
Citar
(http://i1189.photobucket.com/albums/z435/paraquedista1/165762_176465862384030_100000618530260_441527_3358905_n.jpg)

Pagina da Esquadra 501 Bisontes no facebook
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Desertas em Janeiro 14, 2011, 08:47:24 pm
Citação de: "nelson38899"
Citar
(http://i1189.photobucket.com/albums/z435/paraquedista1/165762_176465862384030_100000618530260_441527_3358905_n.jpg)

Pagina da Esquadra 501 Bisontes no facebook

O que é que está suspenso na ponta da asa ?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Janeiro 14, 2011, 08:49:52 pm
ECM?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Desertas em Janeiro 14, 2011, 09:03:58 pm
Foi o que pensei . Mas Será ?
E se for alguém podia dizer o modelo ?

Um abraço
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Janeiro 14, 2011, 09:41:18 pm
Penso que é um RWR (Radar Warning Receiver ).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 15, 2011, 12:51:36 am
ECM não é de certeza, os nossos C-130 usam o pod ALQ-131 que pode ser instalado em várias aeronaves da Força Aérea (F-16, C-130, C-295).

(http://www.es.northropgrumman.com/solutions/alq131/assets/alq131.jpg)

Por acaso não encontro fotos de C-130 com ele instalado :lol: .
Se virem a foto do C-130 com algum cuidado vão reparar que em cada asa tem dois suportes, um com um depósito externo, um motor no meio, e depois outro suporte sem nada, é nesse suporte que se instala o por ECM.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 15, 2011, 04:13:29 pm
Antena RWR do sistema SPS-1000.  :wink:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Desertas em Janeiro 15, 2011, 10:16:25 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
Antena RWR do sistema SPS-1000.  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 16, 2011, 12:53:56 am
Fica aqui um close up da mesma antena do sistema instalado nos nossos Hércules.


(http://img59.imageshack.us/img59/4133/c130wingtipecm.jpg)


Nota: pese embora publicações da FAP falem no sistema israelita Elisra SPS-1000, penso que a antena RWR seja, isso sim, o sistema AN/ALR-69(V)3 RWR e não o anteriormente citado.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Março 14, 2011, 09:21:57 pm
Mais uma vez uma tragédia a nível global, que poderá exigir a nosssa ajuda, e os nossos meios de transporte estratégico são nulos, daí voltar a aflorar-se a questão das aeronaves do tipo C-17 ou A-400M...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Junho 28, 2011, 09:21:52 pm
(http://img191.imageshack.us/img191/5946/16806.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 28, 2011, 10:30:18 pm
Será que a modernização do C-130 é a pintura nova? :mrgreen:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: LuisC em Junho 29, 2011, 12:33:52 am
Nas que está com um aspecto mais “high tech” lá isso está.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sergio21699 em Junho 29, 2011, 05:03:45 pm
Citação de: "LuisC"
Nas que está com um aspecto mais “high tech” lá isso está.
Mas a pintura camuflada ficava mais bonito  :(
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Julho 12, 2011, 10:00:54 am
Citar
A modernização de seis aeronaves militares de transporte da Força Aérea está parada há mais de dois anos "por falta de financiamento" e dependente da venda de helicópteros PUMA, refere o Relatório de Execução da Lei de Programação Militar de 2010.

O pedido para a modernização dos aviões já com limitações de voo em espaço aéreo europeu, e com uma previsão de verba máxima no valor de 45 milhões de euros, foi apresentado em abril de 2009 ao então ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira.

A execução deste projeto "está dependente da alienação dos helicópteros PUMA" (SA-330 PUMA), que foram desativados com a compra dos novos helicópteros atualmente ao serviço da Força Aérea EH-101.

O pedido seguiu por escrito através do ofício 1153/DGAED/2009 mas "por falta de financiamento não foi viável prosseguir com os trabalhos", lê-se no relatório da Lei de Programação Militar (LPM), a que a agência Lusa teve acesso.

A "não modernização das aeronaves acarreta, já de momento, graves limitações na utilização", em "determinadas zonas de voo no espaço aéreo europeu", lê-se no documento.

dn.pt
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Outubro 04, 2011, 09:00:20 am
(http://a4.sphotos.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-snc7/304260_2202786143754_1070341546_2461719_2031547262_n.jpg)

fonte:http://www.facebook.com/photo.php?fbid=2202786143754&set=o.302435560172&type=1&theater
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Leonidas em Outubro 08, 2011, 01:12:49 am
Citação de: "Lightning"
ECM não é de certeza, os nossos C-130 usam o pod ALQ-131 que pode ser instalado em várias aeronaves da Força Aérea (F-16, C-130, C-295).

(http://www.es.northropgrumman.com/solutions/alq131/assets/alq131.jpg)

Por acaso não encontro fotos de C-130 com ele instalado :lol: .
Se virem a foto do C-130 com algum cuidado vão reparar que em cada asa tem dois suportes, um com um depósito externo, um motor no meio, e depois outro suporte sem nada, é nesse suporte que se instala o por ECM.

(http://img703.imageshack.us/img703/6476/herculesc130h30port.jpg) (http://http)

Veio numa revista mas naõ me lembro do nome dela. Já tenho esta imagem há muito tempo no meu computador. Passei-a pelo scaner dada a raridade (julgo eu) com que transporta o equipamento ALQ-131 na asa.

Cump.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Outubro 08, 2011, 01:22:13 am
O AN/ALQ-131, pode também ser usado pelos C-295M,C-295M/Persuader II e como é óbvio, F-16AM/BM.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Outubro 08, 2011, 10:10:48 pm
Citação de: "typhonman"
O AN/ALQ-131, pode também ser usado pelos C-295M,C-295M/Persuader II e como é óbvio, F-16AM/BM.

O F-16, o C-130 e o C-295 já os vi todos com o pod ECM, mas o persuader ainda não, acho que o pessoal da 502 acham que não há necessidade andar a fazer jamming aos barcos de pesca :wink: ).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: militar03 em Outubro 09, 2011, 01:19:07 am
502 ????? pensava que a vimar ainda pertencia há 401
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Outubro 09, 2011, 12:01:06 pm
Citação de: "militar03"
502 ????? pensava que a vimar ainda pertencia há 401

Ainda percente mas é só até os C-295 estarem operacionais nessa função.

Com o C-295 não se vai repetir a distribuição de aviões que havia com o Aviocar, não vai ser os de transporte numa esquadra (502) e os de vigilancia maritima, fotografia, etc noutra esquadra (401), todos os C-295 vão ser da 502, a 401 ainda existe até a 502 a conseguir sbstitutir, nessa altura os Aviocar devem sair de serviço activo e a 401 deverá ser desactivada.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Outubro 27, 2011, 10:50:53 am
(http://thumbs.sapo.pt/?pic=http%3A%2F%2Fimgs.sapo.pt%2Fpaperleap_capas%2F2011%2F10%2F25%2F0011_odiabo_4101m.png&W=373&Q=85)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Outubro 27, 2011, 11:54:11 am
"Há o estado de coisas e o estado ao que isto chegou!"

 :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 27, 2011, 12:27:17 pm
Pelo menos temos os C-295M, mas esses também não dão para tudo. :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Outubro 27, 2011, 01:55:00 pm
A ideia do C-295 é para transporte aéreo tactico devido à sua menor autonomia e o C-130 ser o transporte aéreo estratégico...mas se não houver a tropa desenrasca-se. Pelo menos até à Libia ainda vai! :twisted:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Outubro 27, 2011, 02:50:00 pm
Ao menos o Diabo liga aos temas de Defesa, metendo uma foto de C-130, mesmo que dos Marines... No SOL, metem um F-16C Marroquino a passar por C-130H.. :mrgreen:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Outubro 28, 2011, 10:50:01 pm
Citação de: "typhonman"
Ao menos o Diabo liga aos temas de Defesa, metendo uma foto de C-130, mesmo que dos Marines... No SOL, metem um F-16C Marroquino a passar por C-130H.. :mrgreen: .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Dezembro 03, 2011, 02:13:45 pm
http://www.flightglobal.com/blogs/the-d ... s-two.html (http://www.flightglobal.com/blogs/the-dewline/2011/12/pictures-lockheed-unveils-two.html)

C-130XL
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Dezembro 13, 2011, 03:01:33 pm
Citação de: "Leonidas"
Citação de: "Lightning"
ECM não é de certeza, os nossos C-130 usam o pod ALQ-131 que pode ser instalado em várias aeronaves da Força Aérea (F-16, C-130, C-295).

(http://www.es.northropgrumman.com/solutions/alq131/assets/alq131.jpg)

Por acaso não encontro fotos de C-130 com ele instalado :wink:

(http://img20.imageshack.us/img20/782/c130220portogallogrande.jpg)

(http://img714.imageshack.us/img714/782/c130220portogallogrande.jpg)

(http://img208.imageshack.us/img208/4183/40320329.jpg)

(http://img42.imageshack.us/img42/6028/c295.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Dezembro 14, 2011, 09:27:44 am
Aviação
Embraer assina hoje parceria com OGMA e EEA na produção de componentes

Parte do cargueiro militar KC-390 serão produzidos em Portugal. Acordo é assinado hoje.
A fabricante brasileira de aviões Embraer assina hoje, no Ministério da Economia, em Lisboa, um contrato com a OGMA e a Empresa de Engenharia Aeronáutica (EEA) destinado ao fornecimento de componentes para o cargueiro militar KC-390.
Os contactos entre a construtora brasileira e as empresas portuguesas têm sido promovidos pelo ministério de Álvaro Santos Pereira, que ficou responsável por reunir as condições necessárias para a concretização da parceria com a Embraer e que vai "apadrinhar" o contrato.
Os componentes serão fabricados na OGMA, incluindo a fuselagem do cargueiro militar. Já a parte do ‘design', engenharia e testes será feita no CEIIA, o centro de excelência para a inovação e indústria ligado ao sector automóvel. A realização do programa de desenvolvimento e capacitação técnica será feita pela EEA, a entidade responsável pela engenharia e ‘software', como ficou definido em Diário da República.
A fabricante brasileira tem negociado com vários países a repartição da produção dos diferentes componentes do referido avião militar, que deverá fazer o voo inaugural em 2014. A Embraer tem procurado ainda assegurar a venda destes aviões aos países envolvidos no projecto. No caso português, o Governo já avançou com uma intenção de compra de seis KC-390 para substituir os actuais Hércules C-130 da Força Aérea.
O cargueiro militar da Embraer vai receber um financiamento público até 57 milhões de euros para que parte do avião seja produzido em Portugal, segundo foi recentemente publicado em Diário da República. O projecto será financiado por fundos do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e fontes alternativas de financiamento, caso o QREN não seja suficiente ou não se aplique, segundo um despacho publicado em Diário da República.
Este será o segundo projecto da Embraer em Portugal. A empresa brasileira está a avançar com um investimento de 148 milhões de euros em duas fábricas de componentes em Évora, uma de materiais compósitos e outra de estruturas metálicas. A construção está a decorrer dentro do calendário definido. O presidente-executivo da empresa, Frederico Curado, confirmou à Bloomberg que as fábricas começariam a produção no segundo semestre de 2012, tal como já tinha sido noticiado pelo Diário Económico.
A Embraer, contudo, depara-se com problemas na área da logística e transporte destas peças para o Brasil, uma vez que os acessos rodoviários até aos portos nacionais, em particular Sines, não são a solução ideal. Responsáveis da empresa estão a reunir com as administrações dos portos em busca de uma solução mas o plano B da empresa passa por enviar os componentes fabricados em Portugal para Bilbau, em Espanha, como admitiu recentemente o presidente da Embraer Europa, Luiz Fuchs, em entrevista ao Diário Económico.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabecinhas em Janeiro 05, 2012, 09:20:57 am
Não se perdeu tudo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 10, 2012, 08:43:15 pm
Citar
IN FOCUS: A400M partnership a decade ago would have set Portuguese industry on very different path
By: Murdo Morrison  

9 Jan 2012  

Had a political decision gone another way almost 10 years ago, the infant Portuguese aerospace industry might have taken a very different path. Long before the arrival of Embraer and the promise of a partnership on the KC-390, Portugal was set to throw in its lot with Airbus Military. Participation on the A400M programme could have led to Portuguese companies working alongside their Spanish cousins to feed the Seville-based operation.

But Lisbon cancelled its planned acquisition of three of the military transports in February 2003, months before the formal launch contract was signed, citing lack of funds. Although such a modest order was never going to provide Portugal with an economy-transforming offset deal, many believe that even limited industrial participation would have been transformational for a sector with little experience in building aircraft parts.

There is a question, however, over whether Portuguese industry was ready a decade ago to contribute in a meaningful way to the A400M supply chain. "Our companies did not have the necessary knowledge," says José Neves, business development director with technology company GMV, who was involved with the discussions at the time. "Only OGMA had the necessary capabilities." The government's more Atlanticist outlook was also a factor with Lockheed Martin - Portugal's air force operates six C-130Hs - exerting some influence against the proposed purchase, says Neves.

Not that Portugal has turned its back on Airbus Military, operating 18 of the Spanish-based manufacturer's smaller transports, the C-212 and C-295. The country's other main current procurement is another EADS-led programme, with 10 NH90 tactical transport helicopters on order. The KC-390 deal with OGMA now gives Portugal's small suppliers a second chance to be part of an all-new military transport programme, one that may in the long run prove more beneficial for the industry than a tie-up with the airframer next door.

 :arrow: http://www.flightglobal.com/news/articl ... th-366119/ (http://www.flightglobal.com/news/articles/in-focus-a400m-partnership-a-decade-ago-would-have-set-portuguese-industry-on-very-different-path-366119/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 11, 2012, 12:42:37 am
Oi? Portugal há dez anos já tinha empresas e técnicos com capacidade para participar no programa o que faltou foi uma frente unida, ao estilo de uma cluster aeronáutico e apoios do Estado, que só foram criados a partir de 2006, para ajudar muitas dessas empresas a apostar no mercado aeronáutico e ajudar muitos recém-formados a criar as suas próprias empresas. Resultado? As empresas seguiram outros caminhos e os técnicos seguiram para outras áreas ou emigraram.

A nível de exemplo tanto a Critical Software, como a EFACEC, já mostravam até 2003 que tinham capacidade para expandir para outros sectores. O que faltou foi o cacau e a permissão dos outros países parceiros para avançar.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 11, 2012, 04:41:28 pm
Citação de: "Get_It"
Oi? Portugal há dez anos já tinha empresas e técnicos com capacidade para participar no programa o que faltou foi uma frente unida, ao estilo de uma cluster aeronáutico e apoios do Estado, que só foram criados a partir de 2006, para ajudar muitas dessas empresas a apostar no mercado aeronáutico e ajudar muitos recém-formados a criar as suas próprias empresas. Resultado? As empresas seguiram outros caminhos e os técnicos seguiram para outras áreas ou emigraram.

A nível de exemplo tanto a Critical Software, como a EFACEC, já mostravam até 2003 que tinham capacidade para expandir para outros sectores. O que faltou foi o cacau e a permissão dos outros países parceiros para avançar.

Cumprimentos,

Este artigo de opinião (é aquilo que é, na realidade) está repleto de meias-verdades, imprecisões várias que denotam falta de conhecimento mais profundo e é até mesmo algo tendencioso. Estou de acordo com tudo aquilo que disse no seu post anterior - até porque é a verdade -, mas só me limitei a reproduzi-lo, amigo Get_It.  :wink:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 12, 2012, 11:06:35 am
E já se saltou neste "maravilhoso" ano de 2012. Fez-se todo o tipo de saltos incluindo um em tandém em que o "passageiro" era nem mais nem menos que o novo comandante da BrigRR. O Hércules era já todo cinzento e não com a camuflagem tradicional da FAP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Janeiro 12, 2012, 04:58:19 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E já se saltou neste "maravilhoso" ano de 2012. Fez-se todo o tipo de saltos incluindo um em tandém em que o "passageiro" era nem mais nem menos que o novo comandante da BrigRR. O Hércules era já todo cinzento e não com a camuflagem tradicional da FAP.

Entao o novo Comandante Da BrigRR com todos os cursos que possui, nao tem o Curso de Paraquedismo ? Sera que a tradicao acabou...o Comandante da Brigada era o primeiro a saltar nos exercicios...

Saltar em "Tandem" isso e uma vergonha para um Comandante da Brigada...imagino os comentarios :)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 12, 2012, 05:00:40 pm
Citação de: "paraquedista"
Entao o novo Comandante Da BrigRR com todos os cursos que possui, nao tem o Curso de Paraquedismo ?

Só tem o curso "a fingir" (i.e. curso de paraquedismo desportivo/civil).

(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2011/06/9-648_o-copy.jpg)

(http://www.boinas-verdes.com/heraldica/brevets/civil.JPG)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Janeiro 12, 2012, 05:09:29 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "paraquedista"
Entao o novo Comandante Da BrigRR com todos os cursos que possui, nao tem o Curso de Paraquedismo ?

Só tem o curso "a fingir" (i.e. curso de paraquedismo desportivo/civil).



Isso e o Mini "Curso" de uma semana ou coisa parecida, que os Oficiais da Academia fazem...penso que no final fazem 1 ou 2 saltos...e prontos aqui esta o seu brevet...que nao e o mesmo que o nosso nos Paraquedistas.

Saltar em Tandem... :lol:  ta boa esta...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 12, 2012, 05:48:39 pm
Tendo ele feito o Curso Ranger do Exército Norte-Americano, aposto que também o curso de Pára-quedismo deles. Agora dúvido que ele faça saltos de manutenção. Ainda por cima fez um SAM, por isso é algo muito acima dos simples conhecimentos de um curso de Pára-quedismo militar feito nos anos 80 (?), ou de um curso civil.

Se quer saltar...salta, mas "atrelado" a quem saiba.

PS: ele saltou com quem tem milhares de saltos em cima, foi muito bem acompanhado...

2ª foto:

http://parasalgarve.no.comunidades.net/ ... 1086205159 (http://parasalgarve.no.comunidades.net/index.php?pagina=1086205159)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 12, 2012, 10:21:47 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Tendo ele feito o Curso Ranger do Exército Norte-Americano, aposto que também o curso de Pára-quedismo deles.

1 - O Curso Ranger não implica ter o Curso Airborne, apenas os membros do 75th Ranger Regiment é que têm de ter ambos;
2 - No uniforme o MGEN Campos Serafino não tem o crachat, nem o distíco de ombro Airborne;
3 - Em nenhuma súmula curricular aparece referência a ter feito o curso Airborne.

Portantos...a meu ver tem apenas o civil !

Citar
O Major-General Fernando Celso Vicente de Campos Serafino ao longo da sua carreira prestou serviço em várias unidades e funções das que destacamos:
Na Escola Prática de Infantaria em Mafra como instrutor dos Cursos de Oficiais e Sargentos Milicianos e depois director do Curso de Promoção a Capitão;
No Estado-Maior do Exército: Adjunto e ajudante-de-campo do General Chefe do Estado-Maior do Exército; Director-Coordenador do Estado-Maior do Exército;
No Ministério da Defesa Nacional, foi Assessor do Ministro de Estado e da Defesa Nacional e Porta-Voz do Ministério da Defesa Nacional; Director-geral de Armamento e Equipamentos de Defesa;
Foi também professor no Instituto de Altos Estudos Militares, Comandante do 2.º Batalhão de Alunos da Academia Militar e Comandante do Regimento de Infantaria n.º 19;
Como experiência internacional cumpriu uma missão na MINURSO (Sara Ocidental) e prestou serviço na 3.ª Divisão Italiana (Milão)
Tem o curso de Operações Especiais, o curso “Ranger” do Exército dos Estados Unidos da América, o curso de Estado-Maior e o Curso de Promoção a Oficial General.

http://www.operacional.pt/brigada-de-re ... omandante/ (http://www.operacional.pt/brigada-de-reaccao-rapida-tem-novo-comandante/)


Citar
O Major-General Fernando Celso Vicente de Campos Serafino nasceu em Coimbra, a 31 de Janeiro de 1960, e ingressou na Academia Militar em 1977.
Em 1982, ingressou no Quadro Permanente do Exército com o posto de Alferes, após ter concluído o tirocínio para Oficial na Escola Prática de Infantaria, unidade onde ficou colocado como instrutor dos Cursos de Oficiais e Sargentos Milicianos, durante cerca de um ano.
Ao longo da sua carreira militar desempenhou vários cargos e funções, dos quais se destacam:
§  Director do curso de promoção a Capitão, na Escola Prática de Infantaria;
§  Adjunto e ajudante de campo do General Chefe do Estado-Maior do Exército;
§  Professor no Instituto de Altos Estudos Militares;
§  Observador militar na Missão das Nações Unidas para o Sara Ocidental MINURSO e posteriormente comandante do team site de Awsard.
§  Comandante do 2.º Batalhão de Alunos da Academia Militar;
§  Chefe da Repartição de Informações da 3.ª Divisão Italiana, em Milão, unidade que na altura assegurava o enquadramento da Brigada Aerotransportada Independente (BAI), na sua afiliação ao Ace Rapid Reaction Corps (ARRC).
§  Adjunto do General Chefe do Estado-Maior do Exército;
§  Assessor do Ministro de Estado e da Defesa Nacional e Porta-Voz do Ministério da Defesa Nacional;
§  Comandante do Regimento de Infantaria n.º 19, em Chaves:
§  Diretor-Coordenador do Estado-Maior do Exército.

Promovido ao posto de Major-General em 13 de Janeiro de 2010.
Em 30 de Maio de 2011 é nomeado por Despacho Ministerial, Comandante da Brigada de Reacção Rápida.
Para além da licenciatura em ciências militares, ramo Infantaria, e de outros cursos curriculares, tem o curso de Operações Especiais (1983), o curso "Ranger" do Exército dos Estados Unidos da América (1983), o curso de Estado-Maior (1992-93) e o Curso de Promoção a Oficial General (2007-08).
É condecorado com a Medalha de Ouro e a Medalha de Prata de Serviços Distintos, a Medalha de Mérito Militar (1ª e 3ª classe), a Medalha de D. Afonso Henriques (1ª e 2ª classe), a Medalha de Ouro de Comportamento Exemplar e a Medalha Comemorativa das Nações Unidas – MINURSO. É também Oficial da Ordem Militar de Avis.
O Major-General Fernando de Campos Serafino reside em Lisboa, é casado e tem duas filhas.

http://www.exercito.pt/InformacaoPublic ... MAI11.aspx (http://www.exercito.pt/InformacaoPublica/Paginas/TOMADADEPOSSECMDTBRR-27MAI11.aspx)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Janeiro 13, 2012, 12:17:23 am
Isto pode e ser uma das novas medidas do MDN para poupar dinheiro...a partir de agora os militares do Exercito que passem a fazer parte da BrigRR saltam em Tandem com os Paras para nao se terem de se fazer tantos Cursos de Paraquedismo  :)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 13, 2012, 12:29:23 am
O que me chama a atenção na carreira do sr.General, é que ele passou "um bocado ao lado", a nivel de comandar unidades operacionais, nunca comandou nenhuma Companhia ou Batalhão operacional, passou a vida na EPI, Academia, Estado-Maior, MDN... A unica unidade que comandou foi o RI19... que não tem lá nada!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Janeiro 13, 2012, 10:26:36 am
Ganha a "taça" que souber identificar todas as medalhas que possui.
Acho que só lá está uma missão, e mesmo assim estou com duvidas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 13, 2012, 10:04:17 pm
Então a última é uma medalha da ONU (MINURSO) e a penúltima é a medalha comemorativa de comissões de serviço especiais (muito provavelmente referente precisamente a essa missão da ONU, não esquecer que esta medalha pode ser usada com três passadeiras, mas não me parece que seja o caso).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Janeiro 13, 2012, 10:50:43 pm
Essa missão é de observação no Sahara ocidental...
Depois, comportamento exemplar grau Ouro, duas D. Afonso Henriques, duas de mérito militar, 4 de serviços distintos, e Ordem de Avis...
Expriência no terreno...  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Março 12, 2012, 06:14:39 pm
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Rvsantinho em Março 12, 2012, 07:10:04 pm
Citação de: "nelson38899"

Eu não tenho bem a Certeza mas será que vão utilizar os C-130 para os Incêndios? isto poderia indicar que andam a treinar a aproximação ao Terreno
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Março 17, 2012, 12:44:42 pm
Citação de: "retiradas do facebook"
Citação de: "retiradas do facebook"
Tiradas pelo Mor Rosa:

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/416893_3220586728062_1668254996_2743505_2023743067_n.jpg)

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/423368_3220627129072_1668254996_2743518_2024042523_n.jpg)

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/423842_3220640689411_1668254996_2743521_1813975977_n.jpg)

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/425285_3220484765513_1668254996_2743455_277861382_n.jpg)

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/421233_3220498125847_1668254996_2743465_876013151_n.jpg)


Na sequência:

(http://i205.photobucket.com/albums/bb309/Mergeri/ETP/425682_3220337761838_1668254996_2743381_2078371444_n.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 17, 2012, 03:14:30 pm
Citação de: "Rvsantinho"
Citação de: "nelson38899"

Eu não tenho bem a Certeza mas será que vão utilizar os C-130 para os Incêndios? isto poderia indicar que andam a treinar a aproximação ao Terreno

 :lol:

Vê os comentários no youtube que tens lá a resposta à tua questão.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Trafaria em Março 17, 2012, 04:34:17 pm
Tambem concordo com essa dos exercicios militares não serem devidamente anunciados, MAS DEVIAM SER!!!

1º - Porque o país não é dos militares (nem sequer as FA o são - são nossas!).
2º - Porque na maioria dos casos esses exercicios provocam ansiedade nos habitantes das zonas onde decorrem.

Não é por acaso que os belgas para aqui vêem... espaço aereo não lhes falta na terra deles. O que lhes falta são zonas desabitadas ou com poucos habitantes (não lorpas)!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 17, 2012, 04:44:20 pm
Espaço aéreo livre falta em muitos paises europeus, essa é a grande vantagem de Tancos. E também há o bom tempo que na Bélgica nesta altura não é das coisas mais fáceis de encontrar. A ZL do Arrepiado que fica a dois passos de distãncia de Tancos e a ETP tem todas as instalações necessárias para albergar umas centenas de militares extra mais o respectivo material.

É só vantagens para eles, já nós beneficiamos com saltos à borla e sabendo que o Exército não tem um tostão para mandar cantar um cego...é um bom negócio para todos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Março 18, 2012, 03:41:16 pm
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Março 18, 2012, 04:46:20 pm
Citação de: "Trafaria"
Tambem concordo com essa dos exercicios militares não serem devidamente anunciados, MAS DEVIAM SER!!!

De certeza que um treino com forças estrangeiras envolve autorizações do governo (pelo menos o  MDN, o MNE, etc), e as autoridades locais (camaras municipais, forças de segurança, etc) estão informadas sobre o que se irá passar, que dias, que zonas, etc.

Mas nem todos os exercicios militares passam no telejornal das 20 horas ou tem sites na internet como Real Thaw da Força Aérea.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Março 18, 2012, 05:28:15 pm
Citação de: "Trafaria"
Tambem concordo com essa dos exercicios militares não serem devidamente anunciados, MAS DEVIAM SER!!!

1º - Porque o país não é dos militares (nem sequer as FA o são - são nossas!).
2º - Porque na maioria dos casos esses exercicios provocam ansiedade nos habitantes das zonas onde decorrem.

Não é por acaso que os belgas para aqui vêem... espaço aereo não lhes falta na terra deles. O que lhes falta são zonas desabitadas ou com poucos habitantes (não lorpas)!!!

Não entendo a sua atitude de estar sempre a arranjar forma de atacar a Instituição Militar, é do tipo " é preso por ter cão e preso por não ter".
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Março 19, 2012, 04:57:11 pm
Não são minhas as fotos, mas são 5*

Citação de: "Daniel Gameiro"
Boa noite.
Tive o privilégio também de assistir a este "momento" partilho aqui algumas das minhas fotos, e o meu muito obrigado a estas tropas belgas pelos voos que proporcinaram por estas bandas de Tancos e arredores nestas semanas. Vou partilhando mais fotos destes mesmos aviões noutros sitios.


(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7706.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7733.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7743_2.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7807_2.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7821_2.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7826_2.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7831_2.jpg)
(http://i1073.photobucket.com/albums/w383/Daniel_evo2/IMG_7833.jpg)

http://www.forum9gs.net/viewtopic.php?f=3&t=2670&p=61672#p61672
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Trafaria em Março 20, 2012, 01:11:21 am
typhonman
Não sei se estou a atacar; acho que o termo criticar seja mais adequado. E crítico por, em consciência, entender que é fácil, barato, apropriado e simpático alertar as populações das áreas onde decorrem os exercícios e não compreender porque o não fazem. Omissão que qualifico como estupidez ou/e arrogância grosseira, um atentado ao senso comum, especialmente numa altura em que a simpatia da sociedade pela IM parece regredir ou diluir-se como nunca.

A minha experiência (como ex-militar, como residente numa zona onde já decorreram exercícios e por trabalhar numa área onde já recebi queixas dos moradores contra esses) diz-me que quando as populações são devidamente informadas tendem a ver positivamente esses acontecimentos, mas, pelo contrário, propendem a olha-los com desdém quando isso não acontece.

Saiba que sou um defensor da IM, um dos seus melhores amigos. Entendo que é tão importante quanto o serviço de saúde, os tribunais, as polícias, o sistema de ensino, etc… Mas mais: sou daqueles que me esforço, torro a mioleira e perco tempo a explicar os meus pontos de vista junto daqueles (jovens) que acham que valorizo em excesso as FA e que essas não merecem nem precisam do patamar de importância que lhes concedo. Mas confesso que começo a ficar cansado …
Cpts
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Trafaria em Março 20, 2012, 01:20:13 am
Citação de: "Lightning"
Citação de: "Trafaria"
Tambem concordo com essa dos exercicios militares não serem devidamente anunciados, MAS DEVIAM SER!!!

De certeza que um treino com forças estrangeiras envolve autorizações do governo (pelo menos o  MDN, o MNE, etc), e as autoridades locais (camaras municipais, forças de segurança, etc) estão informadas sobre o que se irá passar, que dias, que zonas, etc.

Mas nem todos os exercicios militares passam no telejornal das 20 horas ou tem sites na internet como Real Thaw da Força Aérea.
Certamente que ninguem vem da Belgica fazer voos razantes para Portugal com uns quantos C130 militares sem estar devidamente autorizado. Mas a questão não é essa; é sim se as populações das areas envolvidas foram antecipada e devidamente informadas?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Março 20, 2012, 02:32:26 pm
Independentemente do aviso prévio às populações que deveria ser articulado entre o MDN e MAI (forças de segurança...GNR) ainda estou para perceber a utilidade destes voos a baixa (muito baixa) altitude.
Uns treinos em várias pistas com aterragens e descolagens rápidas, "touch & go" ainda vá que não vá ( até os nossos o fazem), agora os vôos rasantes...nos teatros de operações atuais é uma forma rápida  de renovar a frota!
Título:
Enviado por: Lightning em Março 21, 2012, 05:58:18 pm
Citação de: "Trafaria"
Certamente que ninguem vem da Belgica fazer voos razantes para Portugal com uns quantos C130 militares sem estar devidamente autorizado. Mas a questão não é essa; é sim se as populações das areas envolvidas foram antecipada e devidamente informadas?

Concordo que isso seria o melhor.
Em relação a isso eu também tenho umas questões.

Quem é que tem a responsabilidade de transmitir essa informação à população? Será o Ramo das FAs que organiza o exercicio? Será o Governo central através de algum ministério, MAI, MDN? Será a camara municipal? Forças de Segurança locais, GNR? Outro

Como é que essa informação tem sido transmitida? Jornais locais, anuncios na radio local, panfletos, etc
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: FoxTroop em Março 21, 2012, 10:12:49 pm
Geralmente e a não ser que as coisas tenham virado 180 graus desde à 10 anos para cá, todos os exercicios militares são devidamente anunciados a quem de direito (Câmaras Municipais, Protecção Civil, etc, etc) sendo fixados Editais nas sedes de Junta de Freguesia e/ou Casa do Povo. Como esses Editais não disertavam sobre a cor das cuecas do Ronaldo ou sobre a telenovela da moda, geralmente ninguém os lia e vai a "surpresa" de tantos e tantos "incomodados". Portugal e portugueses........
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Março 21, 2012, 11:59:44 pm
Citação de: "FoxTroop"
Geralmente e a não ser que as coisas tenham virado 180 graus desde à 10 anos para cá, todos os exercicios militares são devidamente anunciados a quem de direito (Câmaras Municipais, Protecção Civil, etc, etc) sendo fixados Editais nas sedes de Junta de Freguesia e/ou Casa do Povo. Como esses Editais não disertavam sobre a cor das cuecas do Ronaldo ou sobre a telenovela da moda, geralmente ninguém os lia e vai a "surpresa" de tantos e tantos "incomodados". Portugal e portugueses........

Exactamente, costumo discordar consigo, mas desta vez. :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: LuisC em Março 22, 2012, 01:21:57 am
Também julgo que deveriam avisar atempadamente as populações (com programa e horários certinhos)…eu agradecia, para poder andar pelas redondezas e tirar umas fotos à maneira, como as que o caro Nelson aqui publicou. :D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Julho 17, 2012, 10:50:17 am
3790 Diário da República, 1.ª série — N.º 137 — 17 de julho de 2012
PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS
Resolução do Conselho de Ministros n.º 63/2012
A participação de Portugal, a convite do Governo da
República Federativa do Brasil, no programa de desenvolvimento
e produção, pela EMBRAER — Empresa
Brasileira de Aeronáutica, S. A. (EMBRAER), da aeronave
militar de transporte multiusos KC -390 constitui
uma oportunidade única para dinamizar a capacitação
do cluster aeronáutico, por forma a criar competências
tecnológicas das empresas nacionais neste setor, contribuir
para o desenvolvimento económico das regiões onde as
mesmas estão implantadas e potenciar a internacionalização
da indústria nacional.
A parceria industrial estabelecida com a EMBRAER,
para a participação portuguesa no processo de desenvolvimento
e produção da aeronave KC -390, implica
a realização de um programa de desenvolvimento e
capacitação técnica que envolve a EEA — Empresa de
Engenharia Aeronáutica, S. A., cujo principal acionista
público é o Instituto de Apoio às Pequenas e Médias
Empresas e Inovação, I. P. (IAPMEI, I. P.), a qual é a
responsável pela engenharia e software, bem como pela
dinamização da participação de um conjunto de empresas
que garanta uma elevada incorporação nacional no
programa.
A fase de investimento do projeto KC -390 desenrolar-
-se -á no horizonte temporal entre 2012 e 2015, devendo
o esforço maioritário do investimento ocorrer em 2012 e
2013.
Neste contexto, o despacho n.º 15136/2011, de
1 de novembro, publicado no Diário da República,
2.ª série, n.º 215, de 9 de novembro de 2011, estabeleceu
a participação financeira do Estado Português
no programa de desenvolvimento e produção da aeronave
KC -390 num máximo de 30 milhões de euros, em
complemento ao financiamento a ser prioritariamente
assegurado através de meios financeiros a disponibilizar
pelo Quadro de Referência Estratégico Nacional
(QREN).
Tendo em conta as necessidades de investimento do
projeto KC -390, torna -se indispensável a disponibilização
do referido montante através dos meios financeiros
públicos alternativos, a realizar no horizonte temporal
supramencionado.
Assim:
Nos termos do artigo 35.º do Código do Procedimento
Administrativo, da alínea e) do n.º 1 do artigo 17.º do
Decreto -Lei n.º 197/99, de 8 de junho, da alínea a) do
n.º 1 do artigo 6.º da Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro, e
da alínea g) do artigo 199.º da Constituição, o Conselho
de Ministros resolve:
1 — Autorizar a realização da despesa resultante da
participação do Estado Português no projeto de desenvolvimento
e produção da aeronave KC-390, até ao montante
máximo de € 30 000 000.
2 — Determinar que os encargos resultantes da participação
referida no número anterior não podem exceder, em
cada ano económico, os seguintes montantes:
2012 — € 18 160 000;
2013 — € 11 740 000;
2014 — € 50 000;
2015 — € 50 000.
3 — Estabelecer que o montante fixado para cada ano
económico pode ser acrescido do saldo apurado no ano
que antecede.
4 — Determinar que os encargos financeiros decorrentes
da presente resolução são satisfeitos por verbas
adequadas inscritas e a inscrever no orçamento do Instituto
de Apoio às Pequenas e Médias Empresas e Inovação, I. P.
(IAPMEI, I. P.).
5 — Delegar nos Ministros de Estado e das Finanças,
da Defesa Nacional e da Economia e do Emprego a competência
para definir, por despacho, os termos e os procedimentos
relativos à participação do Estado Português
no projeto de desenvolvimento e produção da aeronave
KC -390.
6 — Determinar que a presente resolução produz efeitos
a partir da data da sua aprovação.
Presidência do Conselho de Ministros, 5 de julho de
2012. — O Primeiro -Ministro, Pedro Passos Coelho.
MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA AGRICULTURA,
DO MAR, DO AMBIENTE
E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO
Portaria n.º 214/2012
de 17 de julho
O Decreto -Lei n.º 119/2012, de 15 de junho, criou o
Fundo Sanitário e de Segurança Alimentar Mais, adiante
designado por Fundo, com o objetivo de assegurar o financiamento
das ações necessárias no âmbito da defesa
da saúde animal e da garantia da segurança dos produtos
de origem animal e vegetal.
O referido diploma estabelece as regras essenciais relativas
à gestão do Fundo, prevendo que o respetivo regulamento
de gestão seja aprovado por portaria dos membros
do Governo responsáveis pelas áreas das finanças e da
agricultura.
Assim:
Nos termos do n.º 5 do artigo 6.º do Decreto -Lei
n.º 119/2012, de 15 de junho, manda o Governo, pelos Ministros
de Estado e das Finanças e da Agricultura, do Mar,
do Ambiente e do Ordenamento do Território, o seguinte:
Artigo 1.º
Aprovação
É aprovado, em anexo à presente portaria e da qual
faz parte integrante, o Regulamento de Gestão do Fundo
Sanitário e de Segurança Alimentar Mais.
Artigo 2.º
Entrada em vigor
A presente portaria entra em vigor no dia seguinte ao
da sua publicação.
O Ministro de Estado e das Finanças, Vítor Louçã Rabaça
Gaspar, em 13 de julho de 2012. — A Ministra da
Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do
Território, Maria de Assunção Oliveira Cristas Machado
da Graça, em 12 de julho de 2012.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: LuisC em Julho 18, 2012, 12:04:12 am
Isto é tudo muito bonito…chega a hora da verdade e desistem, como aconteceu com o programa NH-90, e antes deste, o A-400M.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 23, 2012, 10:15:18 am
Despacho n.º 15084/2012

Considerando que a modernização das aeronaves C -130H da Força Aérea Portuguesa (FA) assume elevada prioridade para cumprirem com os requisitos Communication Navigation and Surveillance/Air Traffic Management (CNS/ATM), em espaço aéreo nacional e internacional;

Considerando que com a integração e instalação de novos sistemas, o tempo de vida operacional útil das aeronaves será melhorado;

Considerando a necessidade da aquisição dos serviços de modernização que têm por objeto estas aeronaves da FA e a formação do respetivo contrato celebrado por uma entidade adjudicante que prossegue atribuições no domínio da defesa, é aplicável o procedimento por negociação com publicação de anúncio, nos termos conjugados dos artigos 1.º e 2.º do Decreto -Lei n.º 104/2011, de 6 de outubro, sendo aplicável subsidiariamente, nos termos do artigo 73.º deste diploma,
o Código dos Contratos Públicos (CCP), aprovado pelo Decreto -Lei n.º 18/2008, de 29 de janeiro;

Considerando as informações de índole operacional, técnica, financeira e jurídica prestadas pela FA, pela Direção -Geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa (DGAIED) e pela Secretaria -Geral (SG);

Assim:
1 — Autorizo, nos termos das disposições conjugadas dos artigos 1.º e 2.º, da alínea a) do n.º 1 do artigo 14.º e do n.º 1 do artigo 15.º, todos do Decreto -Lei n.º 104/2011, de 6 de Outubro, o lançamento do procedimento por negociação com publicação de anúncio, com vista à modernização de seis aeronaves C -130H da FA.

2 — Autorizo, ao abrigo do n.º 1 do artigo 36.º do CCP e da alínea c) do n.º 1 do artigo 17.º do Decreto -Lei n.º 197/99, de 8 de junho, aplicável por força do disposto na alínea f) do n.º 1 do artigo 14.º do Decreto -Lei n.º 18/2008, de 29 de janeiro, a realização da respetiva despesa até ao valor de € 12 000 000, a que acresce o IVA à taxa legal em vigor, se
aplicável.

3 — Nos termos do disposto nos artigos 22.º e 24.º do Decreto -Lei n.º 104/2011, de 6 de Outubro, e da alínea d) do n.º 1 e do n.º 2 do artigo 40.º do CCP, aprovo o programa do procedimento e o caderno de encargos, de acordo com as minutas propostas pela DGAIED.

4 — De acordo com o estipulado no artigo 23.º do Decreto -Lei n.º 104/2011, de 6 de Outubro, e no n.º 1 do artigo 67.º do CCP, e conforme proposto pela DGAIED, nomeio como membros do júri do procedimento os seguintes elementos:

Major-general Manuel de Matos Gravilha Chambel (presidente).
Major-general Pedro Miguel de Palhares Veloso da Silva (vice-presidente).
Tenente-coronel João António Campos Rocha (vogal efetivo).
Major Horácio Filipe da Conceição dos Santos (vogal efetivo).
Major Jorge Flávio da Silva Gonçalves (vogal efetivo).
Major Nuno Alberto Rodrigues Dias Costa (vogal efetivo).
Mestre Maria de Fátima da Silva Gonçalves Diogo (vogal efetivo).
Tenente -coronel José Augusto Rosa Dias (vogal suplente).
Tenente -coronel Luís António Monteiro Pessanha (vogal suplente).
Major Américo Cara d’Anjo (vogal suplente).
Capitão Daniel Bernardo Coutinho (vogal suplente).

5 — Nos termos do disposto nos artigos 35.º a 40.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto -Lei n.º 442/91, de 15 de novembro, com as alterações introduzidas pelo Decreto -Lei n.º 6/96, de 31 de janeiro, e no artigo 9.º da Lei n.º 2/2004, de 15 de janeiro, alterada e republicada pela Lei n.º 64/2011, de 22 de dezembro, delego no diretor -geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa a competência para a decisão no que se refere à fase de seleção de propostas para efeitos de negociação, tal como previsto nos artigos 27.º e 28.º do Decreto -Lei n.º 104/2011, de 6 de outubro.

6 — O presente despacho entra em vigor no dia seguinte à sua publicação.

6 de novembro de 2012. — O Ministro da Defesa Nacional, José Pedro Correia de Aguiar-Branco.

http://dre.pt/pdf2sdip/2012/11/227000000/3788737887.pdf (http://dre.pt/pdf2sdip/2012/11/227000000/3788737887.pdf)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Novembro 23, 2012, 05:32:01 pm
Finalmente um boa noticia, só espero que o MLU seja feita cá.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sivispacem em Novembro 23, 2012, 08:35:44 pm
Citação de: "nelson38899"
Finalmente um boa noticia, só espero que o MLU seja feita cá.

Segundo creio, trata-se apenas de uma actualização do equipamento de navegação, necessária para as operações no congestionado espaço aéreo europeu... E com verbas desta grandez nem sei se o glass cockipt poderá ser concretizado.

Mas alguém que saiba mais que eu que se chegue à frente
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 02, 2013, 04:49:59 pm
Citação de: "sivispacem"
Citação de: "nelson38899"
Finalmente um boa noticia, só espero que o MLU seja feita cá.

Segundo creio, trata-se apenas de uma actualização do equipamento de navegação, necessária para as operações no congestionado espaço aéreo europeu... E com verbas desta grandez nem sei se o glass cockipt poderá ser concretizado.

Mas alguém que saiba mais que eu que se chegue à frente

Creio que não, que se tratam apenas de aviónicos. A modernização deveria ser bem mais extensa (vida útil da célula, alterações ao radar, novas pás para os motores, etc), mas nesta altura infelizmente tal não é possível. Diria mesmo que isto é um upgrade in extremis porque as aeronaves já estavam impedidas de voar sobre certos países dada a obsolescência/falta de certos equipamentos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 21, 2013, 03:21:00 pm
(http://sphotos-g.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash4/312367_10151394523099905_749123271_n.jpg)

(http://sphotos-e.ak.fbcdn.net/hphotos-ak-ash3/582519_10151394522849905_1783635901_n.jpg)

fotos retiradas e sem autorização do facebook  do Walkarounds
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 22, 2013, 08:25:14 pm
Algumas fotos da cerimónia decorrida ontem de manhã, dia 21 de Janeiro, na BA6 de apresentação do C-130 "16806" com decoração alusiva às 70501 horas de voo da Esquadra 501 "Bisontes".  :arrow: http://forum.contatoradar.com.br/index. ... 501-horas/ (http://forum.contatoradar.com.br/index.php/topic/97358-hercules-c-130-bisontes-forca-aerea-portuguesa-70501-horas/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 30, 2013, 08:29:20 pm
Ficou lindo na minha opinião o C-130H-30 "16806".  :D


(http://imageshack.us/a/img819/8012/011826.jpg)

(http://imageshack.us/a/img818/5025/041046.jpg)

(http://imageshack.us/a/img585/5855/168062zpsbf37a3ad.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: P44 em Janeiro 31, 2013, 10:09:50 am
Já estão todos pintados de cinzento?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 31, 2013, 11:27:49 am
Citação de: "P44"
Já estão todos pintados de cinzento?

Ainda não. À medida que forem passando por manutenções mais prolongadas nas OGMA, ou então no decurso do iminente processo de modernização, assim as aeronaves sairão já envergando o novo esquema de pintura.  :)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 03, 2013, 12:45:56 am
Eu sei que o pessoal já está a pensar que o KC-390 da Embraer é certo, é bom para a industria, etc, mas podemos ver que mais se passa por ai, como o mercado de "semi-novos" :mrgreen: .

Parte do The Strategic Defence and Security Review

Citar
withdraw the C-130J Hercules tactical transport aircraft from service by 2022, a decade earlier than planned, as we transition to the larger and more capable A400M aircraft;

(http://photos.plane-mad.com/43/large/43385.jpg)

Que tal uns C-130J usados, foram construidos o ano passado, agora depende é como os ingleses os vão tratar até 2022 (10 anos), e os nossos aguentarem até lá.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Junho 03, 2013, 02:09:49 am
Eu ainda não percebi porquê é somos obrigados a comprar o KC-390 só por a EMBRAER produzir cá componentes. Afinal de contas eles já tiveram acesso a bastante tecnologia através de programas com universidades, institutos e empresas que foram financiados por fundos estatais ou europeus. Que eu saiba há empresas nos EUA que ganharam contractos para estudos e algumas vão fabricar também componentes para o KC-390 e a USAF não vai comprar o KC-390.

Já parecemos é os franceses e companhia, a investir dinheiro no Brasil por causa do FX-2 e o concurso continua sempre a ser adiado pelos políticos que volta e meia numa visita estatal dizem que o concurso vai para a frente e que a empresa X tem excelentes chances de ganhar, e depois de mais dinheiro investido o resultado é o mesmo: nada.

Depois claro ficamos estupefactos com países como a China, Índia, etc., que têm uma indústria bem maior que a nossa quando o que nós apenas fazemos é a parte de investigação e desenvolvimento e exportamos a tecnologia (não produtos nem serviços) e depois não produzimos nada. É evidente que depois apenas tem a área de I&D desenvolvida, uma área que se formos a ver tem um tempo de vida/trabalho curto para cada projecto, e o número de postos de trabalho bastante reduzido e uma taxa de desemprego alta.

Mais especificamente quanto à substituição do C-130 vamos começar a ter mais opções. Temos esses C-130J em segunda-mão. O A400M está agora a entrar em serviço e muitos dos países membros vão também querer reduzir as suas encomendas devido à crise, logo também deve existir acesso às aeronaves iniciais em segunda-mão conforme os países cumprem os contractos e vão recebendo novas aeronaves. Afinal de contas, dado que temos os C-295 até não faz muito sentido o KC-390 por uma questão de logística e das capacidades das aeronaves.

Outra coisa, será que no futuro vamos mesmo substituir os C-130? Isto mais dado à nossa política pró-Europeia/NATO mais forte nos últimos anos e a existência do EATC e da SAC da NATO bem como o número de pilotos-comandantes que vamos conseguir manter nos próximos anos ou simplesmente as nossas necessidades. Talvez vamos ver o fim de qualquer esforço para substituir o C-130 e simplesmente participar no EATC e com alguma sorte reforçar a frota de C-295. Talvez no máximo, para mantermos os outros países contentes, adquiríssemos um ou dois A400M para integrar completamente no EATC e utilizássemos a plataforma logística dos outros membros.

Está aqui colocada mais lenha na fogueira...

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 03, 2013, 02:36:31 am
Citação de: "Get_It"
Talvez vamos ver o fim de qualquer esforço para substituir o C-130 e simplesmente participar no EATC e com alguma sorte reforçar a frota de C-295.

Mas para participar no EATC, temos mesmo que "participar", faz-me lembrar a conversa que as vezes ouço "Para que é que temos tropa se estamos na NATO?" ou quer dizer participar com o C295?

Citar
Talvez no máximo, para mantermos os outros países contentes, adquiríssemos um ou dois A400M para integrar completamente no EATC e utilizássemos a plataforma logística dos outros membros.

O que é que é isso de utilizar a plataforma logística dos outros?
É algo tipo EPAF, em que se um F-16 português avariar em qualquer pais EPAF, ou o oposto, um F-16 de um pais EPAF avariar cá, se poder apoiar na cadeia logística que cá existe, em vez de ter que fazer voos de sustentação logística do pais de origem?
É que se for isso, os equipamentos tem que ser pagos na mesma :mrgreen: , ganha-se é em tempo e na despesa do transporte para trazer esse equipamento.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Junho 05, 2013, 03:57:10 pm
Citação de: "Lightning"
Mas para participar no EATC, temos mesmo que "participar", faz-me lembrar a conversa que as vezes ouço "Para que é que temos tropa se estamos na NATO?" ou quer dizer participar com o C295?
Algo desse género, mas dependeria do que escolhêssemos. Uma participação no SAC da NATO, através de fundos e tripulação de voo portuguesa, provavelmente ficaria mais caro devido ao C-17 ser a aeronave operada. Contudo, aliado a soluções civis quando necessário, poderia ser o suficiente para o transporte de equipamento e militares para missões internacionais, resposta a catástrofes naturais e, dependendo realmente da autonomia que a força tem, para situações ao estilo da Guiné.

Outra opção poderia ser apenas o EATC, através de uma participação com o C-295, logo faria sentido um aumento da frota para contribuir e também para garantir as missões de treino (ambas FAP e pára-quedistas), evacuações médicas e patrulha marítima/SIFICAP. Quando necessário algo mais "pesado" para o transporte recorria-se aos meios dos outros membros.

Citação de: "Lightning"
O que é que é isso de utilizar a plataforma logística dos outros?
É algo tipo EPAF, em que se um F-16 português avariar em qualquer pais EPAF, ou o oposto, um F-16 de um pais EPAF avariar cá, se poder apoiar na cadeia logística que cá existe, em vez de ter que fazer voos de sustentação logística do pais de origem?
É que se for isso, os equipamentos tem que ser pagos na mesma :mrgreen: , ganha-se é em tempo e na despesa do transporte para trazer esse equipamento.
Não, nada do género da EPAF. Adicionalmente à participação com os C-295 na EATC passaríamos a participar também no EATC com outros membros ao estilo do que é feito com no SAC e com a frota E-3 da NATO. Isto é, através do EATC e com o apoio dos outros países membros, seriam comprados dois ou três A400M sendo o treino e a manutenção feita pela infraestrutura logística já existente dos outros membros. Portugal apenas participaria com fundos, tripulação de voo (como no E-3) e possivelmente pessoal de apoio de forma a podermos garantir uma pequena autonomia quando a operar de locais onde não calha bem aos outros países ter militares deles no terreno (*cough*África*cough*).

Tendo escrito isto, a minha principal preferência seria pela aquisição do A400M ou C-130J-30 para a FAP.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 05, 2013, 05:25:49 pm
Eu continuo a defender a aquisição do KC-390 para a FAP.

Porquê?

Simples, representa um investimento (também) em Portugal, o aparelho tem tudo para ser óptimo e tem várias vantagens operacionais frente ao C-130.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Junho 05, 2013, 05:59:39 pm
Não somos obrigados a estar a comprar o KC-390 (http://http) só para serem produzidos componentes cá em Portugal. Afinal de contas temos empresas  que invistam no programa na mesma e a EMBRAER continua a precisar de know-how em áreas como materiais e sensores que não têm lá.

Quanto ao A400M, mesmo Portugal tendo deixado o programa, há empresas e institutos nacionais que trabalharam no projecto através de subcontractos da Airbus & companhia. Logo também existiu investimento em Portugal.

Já em relação ao C-130J seria uma forma de continuarmos a ver o investimento que houve em relação a certificações da Lockheed Martin e que tem permitido ver outros países virem cá fazer a manutenção das suas frotas. Além disso temos visto outras parcerias com empresas nacionais e a OGMA com a Lockheed Martin por causa dos programas do P-3. Algo que poderia ser reforçado com uma compra de novos C-130.

Se querem apenas investimento brasileiro em Portugal então há outras formas, não é preciso estar a comprar uma aeronave para a FAP que acaba por estar mais perto do C-295 em termos de capacidades do que o C-130 ou o A400M.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 05, 2013, 06:06:20 pm
Citação de: "Get_It"

Se querem apenas investimento brasileiro em Portugal então há outras formas, não é preciso estar a comprar uma aeronave para a FAP que acaba por estar mais perto do C-295 em termos de capacidades do que o C-130 ou o A400M.

Cumprimentos,


Em que dados estás a basear-te para dizer isso? O KC390 voa mais depressa que o C-130, pode carregar cargas mais volumosas e nenhum dos aparelhos chega sequer perto do A-400M.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 05, 2013, 06:28:21 pm
Eu não acredito que Portugal prescinda de possuir uma esquadra de aviões tipo C-130 autónoma para pertencer a essas organizações.

Para fazer o que os C-17 do SAC fazem, nós para já termos os Antonov do SALIS, enquanto houver o contracto de aluguer desses aviões, não precisamos do SAC.

O EATC não é bem o que tem dito, o EATC é mais uma espécie de "Comando Operacional" de aviões de transporte, um pais diz que precisa de transportar x carga do ponto A para o ponto B mas não tem essa capacidade, o EATC sabe quantos aviões estão disponíveis pelos países membros e organiza os aviões necessários para cumprir a tarefa, mas cada pais tem os seus aviões sediados nos seus países, e mantidos pelos próprios, podem é fazer missões em proveito de um outro pais que pode precisar, por isso é que falei na EPAF, a EPAF é que é focada na parte de investigação (de modernizações futuras), logística, gestão, instrução de pilotos, em comum, o EATC não tem nada disto, é só a parte "operacional".

Para nós não dá muito jeito pertencer ao EATC, os países membros são todos entre a França e a Alemanha, estamos geograficamente distantes.

Tudo o que seja relativo a deixarmos a logística dos nossos aviões no controlo de outros países para mim é um erro, se houver casos disso gostava de saber pois desconheço, é que tudo o que nós não quisermos fazer, vamos ter que pagar para os outros fazerem, e a mão de obra na Alemanha e na Holanda até é barata :wink:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 06, 2013, 10:27:38 am

Citar
O KC-390 é a maior aeronave já construída pela industria aeronáutica brasileira e estabelecerá novos padrões ao transporte militar de porte médio em termos de performance e capacidade de carga. Com sua capacidade de 23 toneladas e velocidade máxima de cruzeiro de 465 nós (860 km/h), o KC-390 proverá significativos ganhos de mobilidade para seus operadores e considerável redução no tempo da missão.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 06, 2013, 06:02:06 pm
O vídeo está bonito :wink: , agora é esperar que o avião cumpra com o que promete, se ele realmente tiver as capacidades e características pretendidas, é um forte candidato.

E em relação a usar motores turbo-fan em vez de turbo-helice...

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Junho 07, 2013, 03:25:14 pm
O C17 são uma boa máquina é pena não haver dinheiro para eles. Eu diria 3 C17 e mais 3 A400M ou Kc390, dariam à força aérea uma capacidade de projecção que nunca tivemos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 07, 2013, 04:25:49 pm
Os C17 na FAP seriam um sério caso de megalómania! Basta ver os países que têm o dito aparelho e comparar com a nossa realidade.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Junho 07, 2013, 07:15:41 pm
Capacidade de projecção para projectar o quê e para quê?  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 07, 2013, 07:45:03 pm
Citação de: "HSMW"
Capacidade de projecção para projectar o quê e para quê?  :twisted: .

Desculpem não resisti  :mrgreen: .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 10, 2013, 12:57:59 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "HSMW"
Capacidade de projecção para projectar o quê e para quê? :twisted: .

Desculpem não resisti :twisted:

Bom, a discussão está interessante e levanta pontos bem válidos: continuar com uma versão modernizada do cavalo de batalha da Lockheed Martin, seguir a linha europeia (e infelizmente por nós abandonada) do A-400M ou então o projecto brasileiro KC-390. A meu ver, das 3 opções sinceramente a menos plausível é a última, mas infelizmente por interesses políticos deverá ser a mais do que certa escolha. E porque digo que a aquisição do aparelho da Embraer é a menos plausível? Simples, por tudo aquilo que o amigo Get_It disse e não só.

Estamos a comprar e a comprometermo-nos com uma aeronave que ainda só se encontra no papel, é a mais pura verdade quer se queira, quer não. As suas supostas capacidades ainda terão de ser comprovadas ao contrário do que se passa com o C-130J e A-400M. Teoria é uma coisa, prática é outra, e o facto é que o KC-390 não passa ainda de algo virtual, por assim dizer, ao contrário dos outros dois aparelhos. E atenção que a Lockheed Martin estará apostada em desenvolver novas versões do Hércules tais como o C-130XJ e o C-130NG.

Não estou com isto, que é a apenas a minha modesta opinião e vale somente por isso, a menosprezar o esforço brasileiro de construir um transporte táctico capaz de rivalizar com o C-130J, nada disso. Apenas é um design ainda não comprovado, testado, que irá naturalmente sofrer de "acne" e outros problemas de juventude pese embora a Embraer ser o grande constructor aeronáutico que é, mas na linha que tem vindo a ser seguida em Portugal, e nomeadamente na FAP que é o que aqui interessa, o passar da esfera norte-americana e mais recentemente da europeia de conceitos já testados e operacionais para algo que ainda é uma incógnita deixa-me apreensivo e não posso dizer o contrário.  :?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Junho 11, 2013, 07:04:25 pm
http://www.aereo.jor.br/2013/06/10/elbit-oferece-atualizacao-para-o-cockpit-de-c-130-antigos/

(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2013/06/c130_fta.jpg)
Como é bom sonhaaaaaarrrrr.... :mrgreen:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PedroI em Junho 18, 2013, 09:40:07 am
Boas,

Pergunta estupida de quem pouco ou nada sabe de avioes e que acha que as melhores aterragens são nas Lajes com ventos cruzados...

Não faria sentido substituir os C-130 que temos por C-130J novos? Não sei porque embora "mais pequeno" parece-me mais adequado as nossas necessidades.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 18, 2013, 06:12:06 pm
Citação de: "PedroI"
Não faria sentido substituir os C-130 que temos por C-130J novos? Não sei porque embora "mais pequeno" parece-me mais adequado as nossas necessidades.

Mais pequeno? Está enganado, eles tem praticamente a mesma altura, largura e altura, o C-130J é ligeiramente mais alto.

C-130H
 - comprimento: 29.8m
 - largura: 40.4m
 - altura: 11.6m

C-130J
 - comprimento: 29.79m
 - largura: 40.41m
 - altura: 11.84m
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 18, 2013, 06:55:47 pm
Citação de: "PedroI"
Boas,

Pergunta estupida de quem pouco ou nada sabe de avioes e que acha que as melhores aterragens são nas Lajes com ventos cruzados...

Não faria sentido substituir os C-130 que temos por C-130J novos? Não sei porque embora "mais pequeno" parece-me mais adequado as nossas necessidades.

Cumprimentos,

Não estás sozinho na ignorância acerca destes assuntos, MAS mesmo assim vou dar a minha opinião.

O C-130 da última geração quando saiu teve inúmeros problemas porque basicamente era um novo aparelho. É provavel que entretanto esses mesmos problemas tenham sido sanados, mas cá para mim a FAP e os seus militares transitarem dos nossos velhos Hércules para a nova geração seria a mesma coisa que fazer a mesma coisa para um outro aparelho.

O A400 é um muito superior em todos os níveis aos outros dois. O problema está no custo de aquisição e manutenção. De qualquer forma seria uma aquisição espectacular!

O KC390, é um aparelho feito à medida para substituir a grande quantidade de Hércules que estão quase a sair de cena (até na FAB). É um aparelho que apesar de não ser muito diferente a nivel das dimensões tem a grande vantagem de ter sido projectado posteriormente, de usar turbofans, o formato do mesmo permite transportar cargas mais volumosas, ser mais rápido, etc. Dizer que não há vantagens em relação ao Hércules é tapar o sol com a peneira.

Mas agora fiquei curioso em saber as razões do Charlie Jaguar dizer que é a solução menos plausível, porque ele é daquelas pessoas que "fuça" estes assuntos e que sabe bem mais do que eu nesta área.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Junho 18, 2013, 07:39:25 pm
Com qualquer um dos 3 fica a Fap bem servida... :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 18, 2013, 10:12:36 pm
A única duvida que me persiste é, caso escolhêssemos o A400M para substituto do C-130, quantas aeronaves iriamos ter? Umas 3 ou 4 como o plano inicial do A400M? Pelo menos 3, para que o total de capacidade de transporte da esquadra não diminuísse, já que um A400M tem quase o dobro (37 toneladas) da capacidade de transporte em tonelagem do C-130 (20 toneladas).

Mas se deste ponto de vista parece que mantemos ou aumentamos a capacidade (se forem 4 A400M) e até vamos precisar de menos tripulações porque vão ser menos aviões, e sendo verdade que 1 A400M faz quase o mesmo que 2 C-130, isso só é verdade se esses 2 C-130 estiverem a fazer a mesma coisa, já que se tivermos 2 C-130 a fazer coisas diferentes, exemplo: um avião destacado no Afeganistão em permanência a fazer transporte tático e outro enviado para fazer uma evacuação de civis em África/Médio Oriente, com 1 A400M só pode estar numa das situações.

Neste problema não podemos deixar de fora o C-295M, a sua vinda veio aumentar em muito a capacidade que o Aviocar antes oferecia, se for considerado que o C-295M assume mais missões que antes só o C-130 é que fazia, como por exemplo um destacamento num teatro de guerra ou evacuação de civis, desse modo talvez seja aceitável termos um menor nº de aviões, mas maiores como o A400M, já que as missões em que basta uma "pequena/média" capacidade vão passar a ser feitas pelo C-295.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PedroI em Junho 19, 2013, 12:02:59 am
Citação de: "Lightning"
Citação de: "PedroI"
Não faria sentido substituir os C-130 que temos por C-130J novos? Não sei porque embora "mais pequeno" parece-me mais adequado as nossas necessidades.

Mais pequeno? Está enganado, eles tem praticamente a mesma altura, largura e altura, o C-130J é ligeiramente mais alto.

Quando disse mais pequeno era em relação ao A400M e ao KC390 não entre gerações do C-130.

A analise que pratica que fazes do A400M é muito interessante (no estilo das que eu faço nos topicos onde vou sabendo do que falo :N-icon-Axe: .

Já que falam no tipo de motor embora o turbofan creio que incomparavel na perfomance não é mais sujeito a danos quando operado em ambientes extremos, no sentido de poeiras e pistas em más condições como as vulgarmente encontradas nos teatros de guerra recentes (Iraque, Afeganistão, Malis, etc).

Lembro de ver uma reportagem sobre o destacamento de um C-130 nosso no Afeganistão creio em que diziam que os C-130 aterravam em todo lado mesmo quando não havia pista.

Vou por de outra forma se calhar mais simples um avião de transporte como os que se comentam dotado de motores turbofan aterra em todos os sitios onde aterra um turboprop?

Cumprimentos e obrigado pelas respostas,

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 19, 2013, 12:54:08 am
Citação de: "PedroI"
Já que falam no tipo de motor embora o turbofan creio que incomparavel na perfomance não é mais sujeito a danos quando operado em ambientes extremos, no sentido de poeiras e pistas em más condições como as vulgarmente encontradas nos teatros de guerra recentes (Iraque, Afeganistão, Malis, etc).

Lembro de ver uma reportagem sobre o destacamento de um C-130 nosso no Afeganistão creio em que diziam que os C-130 aterravam em todo lado mesmo quando não havia pista.

Vou por de outra forma se calhar mais simples um avião de transporte como os que se comentam dotado de motores turbofan aterra em todos os sitios onde aterra um turboprop?

Cumprimentos e obrigado pelas respostas,

Cumprimentos,

Eu já respondi a isso na página anterior, mas volto a por o que lá pus.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 19, 2013, 01:16:47 am
Citação de: "PedroI"
Quando disse mais pequeno era em relação ao A400M e ao KC390 não entre gerações do C-130.

Em relação ao A400M é evidente e nem vale a pena comparar, em relação ao KC390, eu sempre os achei muito similares pelo menos na capacidade de carga, e achei estranho ser assim maior que o C-130? Para que é que eu quero um avião maior se o mais pequeno faz a mesma coisa? :mrgreen: .
Nos aviões de transporte táctico isso é importante para operar de pistas curtas, neste caso o KC-390 só pode igualar (ou superar) o C-130, por exemplo em descolagem, se na mesma distância de pista percorrida atingir uma velocidade superior, à mesma velocidade o C-130 vai sempre precisar de menos pista, no caso da aterragem o C-130 vai poder sempre aterrar mais devagar que o KC-390.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 19, 2013, 11:39:28 am
É o formato do compartimento de carga que faz a diferença. Apesar do KC-390 irá poder levar mais umas toneladas que o C-130 J, ele poderá levar cargas ainda mais volumosas graças a isso.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 19, 2013, 05:50:16 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "PedroI"
Mas agora fiquei curioso em saber as razões do Charlie Jaguar dizer que é a solução menos plausível, porque ele é daquelas pessoas que "fuça" estes assuntos e que sabe bem mais do que eu nesta área.

Eu?!? Nááá, sou apenas um curioso na matéria, e tanto assim é que fiz questão de frisar que aquilo que escrevi era apenas e somente a minha modesta opinião, valendo exactamente por isso mesmo. Leio e pesquiso muito, só isso, e tenho reticências em relação ao projecto KC-390 por razões que não vale a pena estar agora a enumerar porque quase todas elas já foram aqui explanadas.

 Tu sim, que és comercial da Embraer, é que és de longe uma pessoa bem mais informada do que eu acerca desse tal aviãozito. Por falar nisso, como anda a afluência ao stand no Le Bourget? :mrgreen:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 20, 2013, 10:48:40 am
Isso é que era!!! :oops:

Não sei se sabes (e provavelmente tu já sabes), mas eles conseguiram recentemente um aliado de peso para este projecto, a Boeing.

 :arrow: http://www.marketwire.com/press-release ... 802811.htm (http://www.marketwire.com/press-release/iae-begins-assembly-of-first-kc-390-engine-nyse-utx-1802811.htm)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 20, 2013, 11:45:54 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Não sei se sabes (e provavelmente tu já sabes), mas eles conseguiram recentemente um aliado de peso para este projecto, a Boeing.

É claro que sei. Quem trabalha para a NSA tudo sabe.  :twisted:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 20, 2013, 11:51:08 am
Agora é que espalhaste ao comprido, isso dos helis negros já não se usa, agora são os drones! :arrow: http://www.operacional.pt/segurex-2013/ (http://www.operacional.pt/segurex-2013/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 20, 2013, 05:16:47 pm
[Off-Topic]

Citação de: "Cabeça de Martelo"
Agora é que espalhaste ao comprido, isso dos helis negros já não se usa, agora são os drones! c34x  :mrgreen:


[On-Topic]

Bom, adiante. Penso, e com elevado grau de certeza, que a escolha do KC-390 é sobretudo política (sim, descobri a pólvora...). Não estou com isto a dizer que, e volto a frisar, o aparelho não venha a ser uma excelente plataforma, mas para já ainda é uma incógnita. E Governos vão, Governos vêm; um Executivo composto pela mesma coligação que se encontra hoje no poder queria, há dez anos atrás, substituir os clássicos C-130H/H-30 pelo J/J-30. Hoje, dados os interesses em jogo, sobretudo em Alverca e Évora, já não são dessa mesma opinião. É política, pura e simples. A França, por exemplo, só adquirirá ao que tudo indica o KC-390 se o Rafale for o vencedor do concurso FX-2; no entanto o Brasil pode estar agora inclinado para o F/A-18E/F Super Hornet desde que o Super Tucano venceu (de novo) o concurso LAS da USAF, e com isso provavelmente lá irá ao ar a encomenda francesa. Assim como a sueca caso o Gripen seja ou não o novo caça escolhido pela FAB. Restaria apenas a República Checa, no seio da NATO.

E a política nem sempre tem em conta os requisitos operacionais, como todos sabemos. Uma coisa que me orgulhou bastante quando o C-295M foi declarado vencedor do concurso para substituição do Aviocar é que, de facto, resistiu-se à grande pressão do lobby da Lockheed Martin (de quem somos velhos clientes) com o seu baby Hercules C-27J Spartan e deu-se a vitória à aeronave que realmente melhor se encaixava naquilo que a FAP procurava e precisava. E tanto assim é que ao fim de pouco mais de 4 anos de operação a frota já contabiliza mais de 10.000 horas de voo entre Continente, ilhas e estrangeiro.

Como a ênfase corrente e futura será colocada nas operações conjuntas e de carácter muitas vezes expedicionário, porque não operar com aparelhos que os nossos congéneres da NATO, e não só, já operem ou venham a operar por razões de comonalidade? Porque não voltar atrás e adquirir os mesmos 3 A-400M que queríamos para transporte táctico, estratégico e reabastecimento aéreo, e, por exemplo, mais 4 ou 5 C-295M da versão de transporte táctico? Porque não aproveitar, agora sim, o facto de sermos operadores de 3 frotas de aeronaves da Lockheed Martin para agilizar ou facilitar a substituição dos Hércules clássicos pelo Super Hércules, apesar do trunfo Lajes ser hoje menos valioso? Afinal, dentro da Aliança Atlântica, Reino Unido, Dinamarca, Noruega, Itália, Canadá e Estados Unidos operam já com esta versão.

É apenas food for thought porque, muito sinceramente, o KC-390 parece ser um dossier já fechado e despachado, e ainda há tanta água por correr por debaixo da ponte que isso não tem que ser obrigatoriamente um dado adquirido e não sujeito a debate.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 20, 2013, 05:52:33 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Não sei se sabes (e provavelmente tu já sabes), mas eles conseguiram recentemente um aliado de peso para este projecto, a Boeing.

Isso é para a Boing poder competir directamente com o C-130 da Lockheed Martin, já que a Boeing não tem um avião desse tipo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Agosto 03, 2013, 05:05:38 pm
Mais 13 A400M para venda: Spain aims to resell half A400M fleet to ease budget (http://http)

Citar
After reviewing its needs, Spain has reduced its requirement to 14 aircraft instead of 27, a defense official told Reuters.

It has told Airbus Military that the 13 remaining A400M aircraft it has ordered would be available for export.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 03, 2013, 11:26:56 pm
Citação de: "Get_It"
Mais 13 A400M para venda: Spain aims to resell half A400M fleet to ease budget (http://http)

Citar
After reviewing its needs, Spain has reduced its requirement to 14 aircraft instead of 27, a defense official told Reuters.

It has told Airbus Military that the 13 remaining A400M aircraft it has ordered would be available for export.

Cumprimentos,

Já agora Get_It, de acordo com a prevista nova ronda de cortes na defesa britânica, chamemos-lhe assim para não a apelidar mais verdadeiramente de valente tesourada - o infame SDSR 2015 -, é suposto a RAF prescindir da grande totalidade da sua frota C-130J/J-30 até 2019. Mais outro negócio de ocasião?  :|
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Agosto 04, 2013, 01:37:36 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
Já agora Get_It, de acordo com a prevista nova ronda de cortes na defesa britânica, chamemos-lhe assim para não a apelidar mais verdadeiramente de valente tesourada - o infame SDSR 2015 -, é suposto a RAF prescindir da grande totalidade da sua frota C-130J/J-30 até 2019. Mais outro negócio de ocasião?  :twisted:
P.S./EDIT 2: Já agora alguém sabe qual é plano dos holandeses para substituir os C-130 deles?

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 04, 2013, 06:46:30 pm
Mas de facto os "brits" bem nos podiam vender os C-130J, ainda que em segunda-mão e já com uns anos de operação. Decerto que os norte-americanos não levantariam objecções. Com C-17 e A400M ao serviço, os Super Hércules não lhes fariam falta nenhuma, pese embora as Forças Especiais queiram manter alguns aparelhos para missões nas quais o uso do Globemaster ou do Atlas é claramente excessivo ou desadequado.

(http://www.worldaffairsboard.com/attachments/military-aviation/22094d1282282947-does-a400m-fill-role-between-c-130-c-17-airbus_a400m_c130j-c-17_raf.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 08, 2014, 08:30:47 pm
(https://fbcdn-sphotos-a-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn2/t31/1658539_776118665751017_307642535_o.jpg)

reparei que os C130 sofreram uma espécie de actualização. A foto acima apresentada mostra algumas novas antenas. Alguém sabe se estas antenas dizem apenas respeito ao facto dos C130 estarem proibidos de voar no espaço europeu ou é algo mais??
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 08, 2014, 08:37:20 pm
Esqueçam foi erro meu, as antenas que vi já existiam antes da nova pintura.

(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/aeronaves/c130/A_035372.jpg)
credito:FAP
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Fevereiro 09, 2014, 02:06:58 pm
Citação de: "nelson38899"
ao facto dos C130 estarem proibidos de voar no espaço europeu ou é algo mais??
Essa situação ainda se mantêm?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 11, 2014, 12:34:56 am
Citação de: "HSMW"
Essa situação ainda se mantêm?

Que eu saiba sim.

Mas na realidade eles não estão proibidos de voar no espaço europeu, tem é mais restrições, ainda recentemente participaram na projecção/retracção do destacamento de F-16 que esteve em Espanha a fazer o TLP, acho que os C-130 não podem é voar na altitude dos voos comerciais.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 20, 2014, 12:52:12 pm
Citação de: "Lightning"
Mas na realidade eles não estão proibidos de voar no espaço europeu, tem é mais restrições, ainda recentemente participaram na projecção/retracção do destacamento de F-16 que esteve em Espanha a fazer o TLP, acho que os C-130 não podem é voar na altitude dos voos comerciais.

É isso mesmo de facto. Que eu tenha conhecimento a modernização mais ampla já não será levada a cabo, antes uma mais reduzida mas que deverá adereçar esta questão que impede os nossos Hércules de voarem em rotas comerciais e à noite em espaço aéreo europeu.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 15, 2014, 08:40:40 pm
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Outubro 27, 2014, 01:04:16 am
Vídeo do C-130 no Mali

https://www.facebook.com/video.php?v=48 ... =2&theater (https://www.facebook.com/video.php?v=484129758393520&set=vb.188128631326969&type=2&theater)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: CASMURRO em Novembro 03, 2014, 07:05:58 pm
o C130, ja tem muitos anos
e um bom aviao
tem sido efectuados muitas melhorias
o A400,e um aviao caro,deve ter grandes problemas,o que acontece com os novos comerciais
oA340,conheci muito bem na TAP,porque estive na Airfrance,em 1995, com imensos problemas
com o passar do tempo,foi sujeito a modificaçoes,para melhor
o C295,e bimotor,serve para busca e salvamento,e novo
joao cruz
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: lexivia em Novembro 26, 2014, 09:11:11 pm
Será que se vier o KC-390 para Portugal, ou outro, poderemos vir adquirir a capacidade de reabastecimento aéreo? Pergunto porque cada vez que aparece um KC-390 tem sempre a sonda de reabastecimento aéreo.
Cumps,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Novembro 26, 2014, 09:16:07 pm
Citação de: "lexivia"
Será que se vier o KC-390 para Portugal, ou outro, poderemos vir adquirir a capacidade de reabastecimento aéreo? Pergunto porque cada vez que aparece um KC-390 tem sempre a sonda de reabastecimento aéreo.
Cumps,

O maior problema será o sistema que eles usam para reabastecimento (Flying boom vs Probe-and-drogue).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 27, 2014, 09:36:21 am
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2009/05/3-kc-390.jpg)

Citar
O avião terá casulos subalares para reabastecimento em vôo, pelo sistema “probe and drogue”, além de “probe” para ser reabastecida em vôo, e recebeu a nova designação KC-390, refletindo o fato de que – a não ser que o cliente especifique o contrário – todos os exemplares de produção serão capazes de realizar missões de REVO sem grandes modificações.

 :arrow: http://www.operacional.pt/kc-390-a-nova ... a-embraer/ (http://www.operacional.pt/kc-390-a-nova-aposta-da-embraer/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Novembro 27, 2014, 12:07:15 pm
O probe and drogue para nós não serve de grande coisa.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Novembro 27, 2014, 02:45:16 pm
(http://mediaserver2.rr.pt/newrr/aviao_A330MRTT_reabastecimentoFOTOAirbusMilitary189650aa_400x225.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/99/F16A_PoAF_refueling_from_a_USAF_tanker.jpg)
Citar
Um projeto para instalação de uma lança de reabastecimento em voo nos C-160 Transall. O KC-390 poderia receber um sistema semelhante para ser compatível com as aeronaves da USAF que usam o sistema.  A EMBRAER estuda a capacidade de usar o sistema de lança e o receptáculo para os operadores interessados.http://sistemasdearmas.com.br/ca/macx03outros.html
(http://sistemasdearmas.com.br/ca/macxc160.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Novembro 27, 2014, 04:09:58 pm
Não estou a ver a necessidade de estar a gastar dinheiro em kits/sistemas de reabastecimento aéreo para um substituto do C-130 e ainda gastar horas de voo no treino das tripulações para isso. Se for necessário reabastecer as aeronaves numa missão da NATO utilizamos o equipamento de um parceiro. Se for necessário numa missão na Europa utilizamos o equipamento dos nossos vizinhos. Para o território nacional utilizamos tanques de combustível ou reabastecemos nos Açores ou Madeira.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Novembro 27, 2014, 05:50:50 pm
Citação de: "Get_It"
Não estou a ver a necessidade de estar a gastar dinheiro em kits/sistemas de reabastecimento aéreo para um substituto do C-130 e ainda gastar horas de voo no treino das tripulações para isso. Se for necessário reabastecer as aeronaves numa missão da NATO utilizamos o equipamento de um parceiro. Se for necessário numa missão na Europa utilizamos o equipamento dos nossos vizinhos. Para o território nacional utilizamos tanques de combustível ou reabastecemos nos Açores ou Madeira.

Concordo com tudo, adiciono só que os pilotos de F-16 tem o treino necessário de reabastecimento aéreo com reabastecedores de outros países, por isso termos os nossos próprios reabastecedores não vem preencher nenhum vazio.

No máximo concordaria com uma esquadra internacional/europeia/NATO de reabastecedores, ao estilo da esquadra NATO de aviões AWACS.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: lexivia em Dezembro 02, 2014, 11:56:22 pm
A minha questão inicial sobre a capacidade própria de abastecimento aéreo tem mas a haver com as vantagens que podemos ter no vigilância marítima e a nossa pretensão de aumentar a área sobre a nossa alçada. Apesar dos mídia terem dado como um facto consumado ao público na verdade os USA são os principais opositores.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Dezembro 03, 2014, 01:00:28 am
Mesmo para a patrulha marítima de uma ZEE alargada não devemos precisar de reabastecimento aéreo. Afinal de contas até temos dois porta-aviões para reabastecer os MPA de gasosa. Sem falar que também íamos ter de mandar os P-3 e os C-295 para trás para serem equipados com sistemas de reabastecimento aéreo. Também não existe nenhuma variante em produção dos P-3 equipada para reabastecimento aéreo.

Aliás, para patrulha marítima nem os canadianos fazem reabastecimento aéreo.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Dezembro 03, 2014, 07:55:25 pm
Citação de: "Get_It"
Afinal de contas até temos dois porta-aviões para reabastecer os MPA de gasosa.

Até temos 3, só que 1 é "emprestado"  :wink: .

(http://www.emfa.pt/www/po/esq751/conteudos/homepage/sar/sar_1.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 01, 2015, 06:37:03 pm
Parece que já é mais que certa a escolha pelo 390 para substituir os C-130: um certo boy acabou de arranjar emprego na Embraer no Brasil como consultor onde deverá receber um salário de fazer inveja aos Soares. Fiquemos atentos ao Diário da República nestes próximos meses.

Costumam dizer que a esperança é a última a morrer, mas infelizmente acho que a minha já morreu. Fica agora a esperança que o MP e a PJ fiquem interessados nestes processo como toda a gente ficou com o dos submarinos?

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 02, 2015, 01:34:06 pm
Citação de: "Get_It"
Costumam dizer que a esperança é a última a morrer, mas infelizmente acho que a minha já morreu.

Get It, a sua esperança era em quê? A400M? C-130J?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 02, 2015, 06:19:41 pm
A minha esperança era um concurso com competição a sério e uma aquisição sem luvas e sem fazer favores aos outros que já se fartaram de receber regalias. A minha fantasia era A400M. Mas por mim até C-130J britânicos em segunda-mão eram bons, até porque em princípio as primeiras aeronaves poderiam ser entregues mais cedo do que qualquer outra solução e quem sabe ajudar evitar gastar dinheiro a modernizar os nossos C-130H.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 02, 2015, 08:14:32 pm
Citação de: "Get_It"
A minha esperança era um concurso com competição a sério e uma aquisição sem luvas e sem fazer favores aos outros que já se fartaram de receber regalias. A minha fantasia era A400M. Mas por mim até C-130J britânicos em segunda-mão eram bons, até porque em princípio as primeiras aeronaves poderiam ser entregues mais cedo do que qualquer outra solução e quem sabe ajudar evitar gastar dinheiro a modernizar os nossos C-130H.

Cumprimentos,

Mas oh Get_it o Kc não porquê?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: SinSy em Janeiro 02, 2015, 10:42:41 pm
Citação de: "Get_It"
A minha esperança era um concurso com competição a sério e uma aquisição sem luvas e sem fazer favores aos outros que já se fartaram de receber regalias. A minha fantasia era A400M. Mas por mim até C-130J britânicos em segunda-mão eram bons, até porque em princípio as primeiras aeronaves poderiam ser entregues mais cedo do que qualquer outra solução e quem sabe ajudar evitar gastar dinheiro a modernizar os nossos C-130H.

Cumprimentos,


Eu não consigo ver qual é o problema de ser o KC-390, aliás, só vejo vantagens, é construído em Portugal (partes da fuselagem), é muito mais barato que o A400M e é mais recente que o c-130. Que eu saiba ainda não se pode dizer que o KC-390 seja pior que o c-130.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 03, 2015, 01:53:12 am
Citação de: "Crypter"
Mas oh Get_it o Kc não porquê?
Pelos (http://http) motivos (http://http) que (http://http) já temos (http://http) vindo (http://http) aqui a discutir (http://http), mas respondendo à pergunta de forma rápida: há melhores aeronaves no mercado ou que nos trazem mais vantagens.

Acho que uma coisa a ter em mente aquando a substituição do C-130: nós adquirimos os C-295M. Estas aeronaves comparadas com os C-212 vieram trazer um aumento de capacidade à FAP e conseguem executar missões que até à uns anos atrás apenas os C-130H podiam executar. Por isso mesmo que no início dos anos 2000 na FAP se falava de uma dupla com capacidade low-medium / high no caso do C-295M e A400M.

C-130:
Existem já aeronaves em segunda-mão no mercado mas ainda com um bom número de horas de voo disponíveis: podem ser rapidamente entregues e adquiridas por um custo de aquisição menor;
Pode-se negociar uma descida do preço, mesmo sem contar com a Base das Lajes;
Dá-nos acesso à escola de aviação norte-americana (pilotos, navegadores, loadmasters, técnicos, etc.) sem termos de estar a pagar muito mais por isso;
Partilha grande parte da sua logística e infraestrutura de apoio com os C-130H que já se encontram ao serviço;
Tem um grande número de componente em comum com o C-130H: menos tempo necessário na conversão dos pilotos (e especialmente pilotos-comandante) e de pessoal de manutenção às novas aeronaves;
Partilha parte da sua logística com os P-3 Orion;
Tem componentes fabricados nas OGMA, que também ajuda a manter as certificações para a manutenção das aeronaves;
Dá-nos acesso à cadeia logística das forças armadas norte-americanas.

A400M:
Principal vantagem - bem trazer um enorme aumento de capacidade comparado com as outras duas opções aqui discutidas;
Partilha grande parte da sua logística e de componentes com o C-295M;
Dá-nos acesso à cadeia logística das outras forças armadas europeias;
A Alemanha e Espanha colocaram à venda algumas das suas aeronaves: duvido que as aeronaves alguma vez sejam vendidas por um custo inferior mas deverá abrir a possibilidade de pedir um empréstimo com juros menores ou até sem juros (como os franceses ofereceram às Filipinas) para a aquisição das aeronaves.

Citação de: "SinSy"
Eu não consigo ver qual é o problema de ser o KC-390, aliás, só vejo vantagens, é construído em Portugal (partes da fuselagem), é muito mais barato que o A400M e é mais recente que o c-130. Que eu saiba ainda não se pode dizer que o KC-390 seja pior que o c-130.
De notar que o C-130 também tem componentes fabricados cá. A única coisa de pior que o 390 terá comparado com o C-130J será na logística e não nos dar acesso à escola norte-americana nem à europeia. E possivelmente também nos custos de operação, mas há que esperar para ver.

Essa do 390 ser construído em parte cá em Portugal não aceito como vantagem pelo simples motivos da Embraer já ter colocado cá a fábrica(s) e ter ganhado bastante com isso. A Embraer alguma vez ia estar a colocar uma fábrica cá só por causa de 6 unidades? A Embraer ao colocar cá a fábrica já teve acesso a tecnologia portuguesa (e europeia), a mão-de-obra qualificada, aos nossos centros de investigação, a facilidades nas finanças e impostos, e a acesso a subsídios do estado e da União Europeia. Nós não estamos em dívida perante a Embraer.

(http://www.worldaffairsboard.com/attachments/military-aviation/22094d1282282947-does-a400m-fill-role-between-c-130-c-17-airbus_a400m_c130j-c-17_raf.jpg)

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Miguel em Janeiro 04, 2015, 10:10:59 am
Eu tambem digo que era melhor a FAP ficar com 3 A400M que nos permitia ter uma capacidade de projecçao muito maior e interoperacionalidade com os maiores parceiros da NATO.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 05, 2015, 02:03:42 am
Citação de: "Get_It"
A minha esperança era um concurso com competição a sério e uma aquisição sem luvas e sem fazer favores aos outros que já se fartaram de receber regalias. A minha fantasia era A400M. Mas por mim até C-130J britânicos em segunda-mão eram bons, até porque em princípio as primeiras aeronaves poderiam ser entregues mais cedo do que qualquer outra solução e quem sabe ajudar evitar gastar dinheiro a modernizar os nossos C-130H.

Cumprimentos,

Nestas coisas nem sempre há concurso, não sou barra em direito mas acho que se o país for construtor não tem/precisa que fazer concurso, a maior parte dos países que tem ou vai ter o Eurofighter, A400M, NH-90 não escolheram estas aeronaves por concurso, Portugal como estava no consórcio de construção do A400M e do NH-90 não fez concurso para eles, os NPO Viana do Castelo foram construídos sem concurso, os C-295M, os EH101 Merlin, os blindados Pandur II, os submarinos Tridente, já foram escolhidos por concurso, meios comprados em 2ª mão também não tem concurso  :mrgreen: (Leopard 2, P-3C, Fragatas Bartolomeu Dias).
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 05, 2015, 02:37:49 am
Citação de: "Miguel"
Eu tambem digo que era melhor a FAP ficar com 3 A400M que nos permitia ter uma capacidade de projecçao muito maior e interoperacionalidade com os maiores parceiros da NATO.

Mas nós temos mais coisas para fazer do que andar a ter interoperacionalidade com a NATO, isso é 1 mês por ano, o resto do ano são missões nacionais.

Além de que se virmos bem o A400M é possivelmente muita areia para o nosso camião, já viram bem que a Bélgica (o Luxemburgo vai comprar um mas acho que é para estar junto com os Belgas) é o único pais pequeno que vai operar este avião, todos os restantes países são grandes (Alemanha, Reino Unido, França, Espanha, Turquia).

Onde estão os outros países da NATO?
A Itália, Canadá, Dinamarca e Noruega compraram C-130J.
A Holanda, Grécia e países de Leste para já, nem um nem outro.

O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 05, 2015, 03:03:15 pm
Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.

Continua-me meter alguma comichão dizerem que o KC pode aterrar em pistas não preparadas... aqueles motores a jacto não me inspiram lá grande confiança para essas andanças.. mas!

Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podiamos e deveriamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!

Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.

Por isso eu não repudio por completo uma compra dos KC..
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 05, 2015, 04:08:36 pm
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.

Continua-me meter alguma comichão dizerem que o KC pode aterrar em pistas não preparadas... aqueles motores a jacto não me inspiram lá grande confiança para essas andanças.. mas!

(http://www.defense.gov/transformation/images/photos/2006-02/Hi-Res/02102006_globemaster.jpg)

Citar
Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podiamos e deveriamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!

Aproximação? Nós somos OTAN, nós somos UE!

Eu também acho que a crise poderia ter sido e muito minorada se o Euro tivesse sido feito de uma outra forma, mas ao mesmo tempo o BCE andou a comprar a nossa divida, um dos elementos da Troika é exactamente a UE, etc. Há que atacar o mau, mas não devemos olhar para o lado e culpar terceiros por coisas pelas quais também temos responsabilidades.

Citar
Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.

De sangue? Eu diria que são países com quem nós temos ligações históricas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 05, 2015, 04:16:02 pm
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.

Continua-me meter alguma comichão dizerem que o KC pode aterrar em pistas não preparadas... aqueles motores a jacto não me inspiram lá grande confiança para essas andanças.. mas!

Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podiamos e deveriamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!

Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.

Por isso eu não repudio por completo uma compra dos KC..

Falta de apoio ? Emprestaram-nos o dinheiro e agora graças ao BCE estamos a vender divida a juros bem baixos.
Aproximação de Angola ? Com esta queda dos preços do petróleos numa economia que assenta em 90% na exportação do petróleo, quem vai precisar de ajuda a curto prazo são eles.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 05, 2015, 05:53:26 pm
Citação de: "Lightning"
Mas nós temos mais coisas para fazer do que andar a ter interoperacionalidade com a NATO, isso é 1 mês por ano, o resto do ano são missões nacionais.
Se temos muitas mais coisas para fazer então nem devíamos estar na NATO. Os C-130 quando andaram no Afeganistão e noutros afins estiveram lá muito mais que um mês e agora no Mali estamos lá com pessoal da Europa/NATO. E estas não são simples missões nacionais. Concordo que não devemos exagerar a nível de requerer interoperacionalidade com os países da NATO (bons exemplos são o que aconteceu como o NH-90 para o UALE e o que está acontecer com o F-35 noutros países), mas também não devemos fugir a isso especialmente quando um dos principais objectivos da NATO é ajudar a simplificar a logística.

Citação de: "Lightning"
Além de que se virmos bem o A400M é possivelmente muita areia para o nosso camião, já viram bem que a Bélgica (o Luxemburgo vai comprar um mas acho que é para estar junto com os Belgas) é o único pais pequeno que vai operar este avião, todos os restantes países são grandes (Alemanha, Reino Unido, França, Espanha, Turquia).
A não ser que se esteja a referir aos custos de aquisição tenho de discordar totalmente. E mesmo quanto aos custos de aquisição... Se o A400M é muita areia para o nosso camião então tenho de recomendar que nos fiquemos apenas pelos C-295 e em vez de gastar dinheiro num substituto para o C-130 que invistamos o dinheiro antes a contribuir para a Strategic Airlift Capability (aluguer de C-17 e outros meios) da NATO e na European Air Transport Command (contribuindo também com pilotos e técnicos para manter alguma capacidade).

Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.
Eu diria que a FAP nestes últimos anos teve muita sorte na aquisição de novos meios mas a verdade é que não apenas eles que decidem o equipamento a comprar. Também envolvidos estão vários políticos, partidos inteiros, primos do MDN, empresas de advogados, empresas de consultadoria, bancos e agências de empréstimos/leasing.

Citação de: "Crypter"
Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podíamos e deveríamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!
A corrupção e a falta do combate contra a corrupção, abuso de poder e fraude também não ajudaram nada nesta crise maldita. No fundo dos fundos a UE e a CPLP são tão pior um como o outro.

Citação de: "Crypter"
Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.
Eu concordo que não nos devemos virar apenas para um lado. Nada de «Europa, Europa, Europa», nada de «Espanha, Espanha, Espanha», mas também nada de «CPLP, CPLP, CPLP».

Tudo bem que temos relações históricas com os países da CPLP, mas temos de nos lembrar que os nossos interesses económicos e estratégicos tanto como o nosso "dia-a-dia" é partilhado com a Europa e com os países da NATO, principalmente no caso de interesses militares. Geograficamente e economicamente estamos inseridos na Europa. Ignorar isto e ir numa aventura de tentar reconquistar o Antigo Império, mesma que seja apenas a nível económico é um erro enorme. Nunca vamos ter o mesmo peso que a China ou o Brasil. Também não vão ser os países da CPLP que nos vão acudir em caso de crise financeira ou em caso de conflito bélico. Aliás, nestes anos todos de crise o Brasil e Angola têm servido como parceiros económicos e alvos das exportações portuguesas mas também têm estado aqui para comprar ao desbarato tudo que puderem levar. Vejam lá o controlo que a máfia e a "monarquia" Angolana já tem em várias empresas estratégicas portuguesas e vejam lá as tentativas por parte de certos indivíduos de fazerem a fusão de empresas portuguesas e brasileiras.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 05, 2015, 06:41:29 pm
Citação de: "Alvalade"
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.

Continua-me meter alguma comichão dizerem que o KC pode aterrar em pistas não preparadas... aqueles motores a jacto não me inspiram lá grande confiança para essas andanças.. mas!

Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podiamos e deveriamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!

Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.

Por isso eu não repudio por completo uma compra dos KC..

Falta de apoio ? Emprestaram-nos o dinheiro e agora graças ao BCE estamos a vender divida a juros bem baixos.
Aproximação de Angola ? Com esta queda dos preços do petróleos numa economia que assenta em 90% na exportação do petróleo, quem vai precisar de ajuda a curto prazo são eles.

desculpa? Emprestaram dinheiro sim, mas com que condições? Depois temos um país que teve um dos maiores perdões de divida da história recente da Humanidade (Alemanha) vir a público dizer que ou pagas o que queremos ou saiem do Euro...

Eu também emprestava € ao meu vizinho se fosse ganhar MUITISSIMO com isso!

Mas não é isso que estamos a discutir aqui. Sou a favor da abertura a outros mercados a nível militar, mas como diz o camarada Get_it nem sempre "Europa, Europa, Europa" ou "CPLP, CPLP"..  Pode e deve haver uma distribuição por todas essas "doutrinas". Só saímos a ganhar.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 05, 2015, 07:38:20 pm
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Alvalade"
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Lightning"
O KC390 para já ainda vai ter que provar o que vale, e de certeza que a FAP não vai ficar satisfeita com algo que faça menos do que o C-130 faz.

Continua-me meter alguma comichão dizerem que o KC pode aterrar em pistas não preparadas... aqueles motores a jacto não me inspiram lá grande confiança para essas andanças.. mas!

Relativamente à aproximação das escolas.. é um misto! Acho que podiamos e deveriamos continuar a aproximação constante aos parceiros da NATO e por consequência dos EUA e da UE, mas sinceramente o futuro de Portugal não vai passar essencialmente por aí. Basta ver o apoio (ou a falta dele) que tivemos recentemente nesta crise maldita, onde a UE em nada nos ajudou, onde ficamos e continuamos sós a lidar com situações que não são só 100% (bah 90 são) culpa nossa!

Daí eu defender uma maior aproximação a outras grandes potências actuais e futuras (falo Brasil, Angola, etc..) que apesar de todas as diferenças, alguns rancores existentes, são nossos irmãos de sangue.

Por isso eu não repudio por completo uma compra dos KC..

Falta de apoio ? Emprestaram-nos o dinheiro e agora graças ao BCE estamos a vender divida a juros bem baixos.
Aproximação de Angola ? Com esta queda dos preços do petróleos numa economia que assenta em 90% na exportação do petróleo, quem vai precisar de ajuda a curto prazo são eles.

desculpa? Emprestaram dinheiro sim, mas com que condições? Depois temos um país que teve um dos maiores perdões de divida da história recente da Humanidade (Alemanha) vir a público dizer que ou pagas o que queremos ou saiam do Euro...

Eu também emprestava € ao meu vizinho se fosse ganhar MUITISSIMO com isso!

Mas não é isso que estamos a discutir aqui. Sou a favor da abertura a outros mercados a nível militar, mas como diz o camarada Get_it nem sempre "Europa, Europa, Europa" ou "CPLP, CPLP"..  Pode e deve haver uma distribuição por todas essas "doutrinas". Só saímos a ganhar.

Eu não tenho ilusões com a CPLP, é tudo muito bonito para organizar cimeiras e para dizer que somos todos irmãos, mas sempre que que acontece alguma coisa (Golpes de Estado, Desastre Naturais, Guerras Civis, etc) assobiam todos para o ar e lá temos que ir nós tentar remediar a situação, dentro das nossas possibilidades. Com a NATO/UE já sabemos que mais cedo ou mais tarde vai aparecer alguma missão em que vamos participar com os nossos parceiros, portanto é mais aconselhável investir nesse cenário até porque interoperabilidade com a NATO sai mais barato.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 05, 2015, 09:20:55 pm
Citação de: "Get_It"
Se temos muitas mais coisas para fazer então nem devíamos estar na NATO.

Cada pais tem a sua própria agenda, e nós temos a nossa (por mais humilde e simples que seja), os C-130 não servem só para missões NATO é isso que eu queria dizer.

Citar
Os C-130 quando andaram no Afeganistão e noutros afins estiveram lá muito mais que um mês e agora no Mali estamos lá com pessoal da Europa/NATO.

Sim, penso que estiveram lá umas 3 vezes em destacamentos de vários meses, mas esses destacamentos tiveram intervalos de vários anos. No Mali é uma missão das Nações Unidas.

Citar
A não ser que se esteja a referir aos custos de aquisição tenho de discordar totalmente. E mesmo quanto aos custos de aquisição... Se o A400M é muita areia para o nosso camião então tenho de recomendar que nos fiquemos apenas pelos C-295 e em vez de gastar dinheiro num substituto para o C-130 que invistamos o dinheiro antes a contribuir para a Strategic Airlift Capability (aluguer de C-17 e outros meios) da NATO e na European Air Transport Command (contribuindo também com pilotos e técnicos para manter alguma capacidade).

Isso também é ser muito radical, então se não temos dinheiro para A400M o melhor é ficar só com os C295M? Cada um tem a sua opinião. O EATC é boa ideia mas os países tem que ter na mesma os aviões, não é ficar à espera que os outros nos façam favores.

E os custos de operação são importantes, se eu preciso de uma carrinha de 9 lugares vou comprar um autocarro para levar as mesmas 9 pessoas? A não ser que se prove que um avião tipo C-130 já não é suficiente para as necessidades de Portugal para que é que havemos de gastar mais dinheiro num menor numero de aviões? Lá por os meus vizinhos comprarem autocarros não quer dizer que eu também precise de um autocarro.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 22, 2015, 10:11:56 pm
Citar
Ministério da Defesa altera plano: não haverá aviões novos, antes "modernização" dos antigos
Afinal, o Governo não vai trocar os míticos C-130 avião da Força Aérea pelos KC-390 da brasielira Embraer. Vai antes investir na sua modernização, trocar a G-3 e construir dois navios patrulha oceânicos em Viana do Castelo. Até 2018 serão investidos 1.074 milhões em equipamento militar.

Chegaram em 1977 mas continuarão a voar ao serviço da Força Aérea até 2030. Afinal, o mítico cargueiro militar C-130 não vai ser substituído nos próximos anos pelo KC-390 da Embraer - serão antes modernizados. Esta foi uma das principais novidades do debate na generalidade sobre a lei da programação militar, que decorreu esta quinta-feira de tarde no Parlamento.

Aos deputados, o ministro da Defesa confirmou ainda a já noticiada substituição da G3 e a construção de dois novos Navios de Patrulha Oceânicos (NPO) nos estaleiros navais de Viana do Castelo, sem indicar os valores destes investimentos.

"Não escolhemos equipamentos para serem exibidos nas paradas. Escolhemos equipamentos para serem operados pelos soldados - equipamentos efetivamente necessários, como os dois Navios Patrulha Oceânicos para o reforço da vigilância da zona económica e exclusiva de Portugal, a substituição da velha arma ligeira - com mais de 50 anos - ou das aeronaves C-130, com cada vez maiores restrições de sobrevoo no espaço aéreo internacional", disse José Pedro Aguiar-Branco.

A Força Aérea tem uma frota de seis aparelhos, três do modelo C-130H (29,79 metros) e três C-130H-30 (34,36 metros). Estas aeronaves têm cumprido diversas missões internacionais, a última das quais no Mali, onde estiveram ao serviço da ONU entre setembro e dezembro do ano passado.

Em 2011, 34 anos depois da chegada do primeiro C-130, o ministro da Defesa assinou a carta de intenção de comprar à brasileira Embraer seis KC-390; e a 21 de outubro do ano passado assistiu à apresentação, em São Paulo, do protótipo desta aeronave. Tudo indicava, pelo menos até agora, que Portugal iria fazer negócio com os brasileiros.  

Sem nada mais ter anunciado, o governante lembrou o cancelamento dos programas de aquisição dos helicópteros NH90, com "custos superiores a 500 milhões de euros nos próximos anos", das viaturas blindadas Pandur, "em incumprimento contratual", e do programa de construções de navios para a Marinha Portuguesa, "que devia estar concluído em 2012 mas que em 2011 tinha uma taxa de execução de apenas 2,5%". Este contrato, no valor de 480 milhões de euros, previa a construção de seis NPO. Foram construídos dois navios, o "Viana do Castelo" e o "Figueira da Foz", que estão ao serviço da Armada desde março de 2011 e novembro de 2013, respetivamente, e que segundo o ministro da Defesa custaram aos contribuintes "8 milhões de euros".

"No total, libertámos o erário público, com estas decisões, de encargos futuros superiores a 1.300 milhões de euros", referiu Aguiar-Branco.

Matérias "com lógica de confidencialidade"
O diploma que prevê um investimento de 1.074 milhões de euros até 2018 [ver relacionados no fim do texto] foi definido pelo ministro da Defesa como "mais pragmática, mais imediatista e consequentemente mais realista", mas também "verdadeira e transparente".

A este propósito, o deputado comunista António Filipe questionou onde é que está a transparência de uma lei quando a informação detalhada sobre os programas de investimento chegaram terça-feira às mãos dos deputados da comissão de Defesa classificadas como "confidenciais".

"Vivemos numa Democracia representativa e não numa Democracia direta. Há matérias que têm de ser tratadas com uma lógica de confidencialidade, para não revelar as capacidades militares do país", respondeu o ministro.

Na sua intervenção inicial, Aguiar-Branco aproveitou ainda para criticar quem o tem criticado.

"Sei que não guardarão boa memória de mim aqueles que vivendo hoje na sombra de um passado pincelado de efémera notoriedade na Instituição Militar, militam agora sistematicamente contra o governo, na opinião aqui e acolá publicada. São figuras de um passado recente que não desejamos que se repita", disse o governante, sem citar nomes.

A proposta de lei nº 270/XII, lei de programação militar, foi aprovada com os votos favoráveis do PSD e do CDS-PP e com os votos contra dos restantes partidos da oposição. A discussão segue, dentro de momentos, na comissão de Defesa Nacional.



Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ministerio-da-d ... z3Pagppgij (http://expresso.sapo.pt/ministerio-da-defesa-altera-plano-nao-havera-avioes-novos-antes-modernizacao-dos-antigos=f907625#ixzz3Pagppgij)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 22, 2015, 11:36:11 pm
Lá vão passar os nossos C-130 para C-130 AMP..
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 22, 2015, 11:38:36 pm
Não vai haver aviões novos... até 2030 :D lol.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 22, 2015, 11:41:02 pm
Citação de: "Crypter"
Lá vão passar os nossos C-130 para C-130 AMP..

Não sabendo o que vale o C-390 e não havendo fundos disponíveis essa é a melhor opção a tomar.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 23, 2015, 12:02:48 am
Estou a ver que estamos a empurrar muita coisa para 2030, substituição dos F-16 e dos C-130 já é oficial, enquanto que as Fragatas, os Lynx e os P-3C em 2030 tem 40 anos.

Espero que a gente encontre petróleo até lá :mrgreen: .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 23, 2015, 01:01:24 am
Não sei se deva ficar surpreso ou se é simplesmente business as usual. Será que é mesmo por falta de dinheiro, será que foi alguma coisa que aconteceu ali por trás das cortinas, ou será que é pr um duplo motivo de falta de dinheiro e para dar mais tempo ao programa do 390 para maturar?

É que essa de faltar dinheiro é um bocado motivo da treta. Se for para ajudar os interesses de alguns que lá andam (e que ia ser) então de certeza que aparecia já dinheiro. Mas OK, também pode estar relacionado com as futuras eleições. Especialmente visto que estes negócios ainda demoram algum tempo a ser negociados.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 23, 2015, 01:09:44 am
Citação de: "Get_It"
Não sei se deva ficar surpreso ou se é simplesmente business as usual. Será que é mesmo por falta de dinheiro, será que foi alguma coisa que aconteceu ali por trás das cortinas, ou será que é pr um duplo motivo de falta de dinheiro e para dar mais tempo ao programa do 390 para maturar?

É que essa de faltar dinheiro é um bocado motivo da treta. Se for para ajudar os interesses de alguns que lá andam (e que ia ser) então de certeza que aparecia já dinheiro. Mas OK, também pode estar relacionado com as futuras eleições. Especialmente visto que estes negócios ainda demoram algum tempo a ser negociados.

Cumprimentos,

Bem-vindo a Portugal, funciona dentro desses moldes desde 1143.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Janeiro 23, 2015, 01:13:45 am
Deve se considerar este tipo de "anúncios" com uma certa dose de suspeição. Que informações tem o MDN para descartar o KC-390 antes do construtor apresentar os dados/preços finais sobre o projecto?

A Rép.Checa pondera adquirir mais dois C-295 e algumas aeronaves na "classe do C-130" através de concurso, apesar de também ser participante no projecto KC-390. A ser verdade a notícia portuguesa e se, no futuro, os checos seguem o mesmo caminho e não escolhem o KC-390, será sem dúvida um golpe nas aspirações da EMBRAER em levar este aparelho a outros mercados... Será uma forma de pressão com fins de tentar baixar os valores finais do contrato/ofertas de garantias/etc?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Janeiro 23, 2015, 02:43:47 pm
Será que esta decisão não tem dedinho da Lockheed?  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 23, 2015, 02:51:46 pm
Citação de: "nelson38899"
Ministério da Defesa altera plano: não haverá aviões novos, antes "modernização" dos antigos
Afinal, o Governo não vai trocar os míticos C-130 avião da Força Aérea pelos KC-390 da brasielira Embraer. Vai antes investir na sua modernização, trocar a G-3 e construir dois navios patrulha oceânicos em Viana do Castelo. Até 2018 serão investidos 1.074 milhões em equipamento militar.

Em 2011, 34 anos depois da chegada do primeiro C-130, o ministro da Defesa assinou a carta de intenção de comprar à brasileira Embraer seis KC-390; e a 21 de outubro do ano passado assistiu à apresentação, em São Paulo, do protótipo desta aeronave. Tudo indicava, pelo menos até agora, que Portugal iria fazer negócio com os brasileiros.  

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/ministerio-da-d ... z3Pagppgij (http://expresso.sapo.pt/ministerio-da-defesa-altera-plano-nao-havera-avioes-novos-antes-modernizacao-dos-antigos=f907625#ixzz3Pagppgij)
Tanto me dá que o C-130 seja modernizado (desde que tenha condições de voo), substituído por o modelo J, A-400 ou KC-390, etc, mas convém perguntar ao Sr. Ministro "que não quer ser criticado" e demais partidos da esquerda à direita que pouco ou nada se manifestam em todo um numero de ocasiões relativas à defesa e até aplaudem todos de pé (nomeadamente na vinda da Embraer para Évora e a assinatura da carta de intenção de compra), para que a assinatura da tal carta de intenções e o espectáculo de até ir a S. Paulo à pala dos contribuintes, assistir à apresentação de um avião que agora diz até 2030 não ter intenção de comprar (e por aqui me fico para não entrar em alguns assuntos de referência ridícula deste MDN como por exemplo a execução do programa de construções da Marinha, iniciado e assinado pelo Dr. Paulo Portas que agora ATÉ ESTÁ NO GOVERNOe que nada disse à medida que os contratos eram terminados e não cumpridos)?
(http://1.bp.blogspot.com/--HRkIQMRMjs/VEaYaJ_ULbI/AAAAAAAAB4I/wFki4y8OPWk/s1600/i14102114150856327.jpg)
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2014/11/1-KC-390-Foto-Minist%C3%A9rio-da-Defesa-do-Brasil.jpg)

Cumprimentos

P.S. O Alouette III irá chegar aos 70 anos de serviço?  :twisted:
(http://images.comunidades.net/nel/neloolen-modelismo/Aerospatiale_SA_316B_Alouette_III_50_Anos_na_FAP_.jpg)
P.S.2 Em quanto ficaram as perdas relativas à participação no programa A-400 e Nh-90? É que o Sr. Ministro só fala de ganhos... :wink:
(http://media.defenceindustrydaily.com/images/AIR_NH90-TTH_Rocky_Hills_lg.jpg)
P.S.3 E os Sf300 quando chegam? Ou também é segredo de estado... :twisted:
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/31/RDN_P555_Storen_1.jpg)
P.S.4
Citar
Foram construídos dois navios, o "Viana do Castelo" e o "Figueira da Foz", que estão ao serviço da Armada desde março de 2011 e novembro de 2013, respetivamente, e que segundo o ministro da Defesa custaram aos contribuintes "8 milhões de euros".
Lindo. :twisted: Não se consegue construir um MaKassar a 10 milhões?  :twisted:
(http://forum.keypublishing.com/attachment.php?attachmentid=219270&d=1375025145)
P.S.5 Então e Beja e as Lajes Sr. Ministro? Isso é que é trabalhar bem... :twisted:
(http://www.euacontacto.com/wp-content/uploads/12.01.05-lajes.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 23, 2015, 03:26:10 pm
A verdade é que esta notícia da modernização dos C-130 não muda muita coisa pois as aeronaves iam provavelmente ter de ser modernizadas na mesma até que as novas aeronaves chegassem (tempo de avaliações/testes, negociação de contratos, formação de pessoal, instalação de equipamento de manutenção, construção das aeronaves, etc.).

Aliás, a única forma de evitar modernizar os nossos C-130 seria comprar C-130 em segunda-mão ou até novos seriam possivelmente entregues rapidamente. Dos aviões que temos aqui falado é o único com todos os testes concluídos, certificações prontas e com a linha de produção a funcionar a 100%, cadeias de logística prontas e testadas, e programas de formação e doutrina concluídos e testados. Os restantes ainda vão demorar dois ou mais anos até que o primeiro avião fosse fabricado e entregue para poder entrar operacionalmente ao serviço.

Agora o porquê desta decisão de não encomendar o 390 após andarem políticos, oficiais e empresários a dizer de boca cheia que tínhamos de encomendar o bicho senão íamos morrer todos uma morte horrível é interessante. Mas como podem existir tantos motivos...
- o colega night_runner já apresentou bem um possível motivo;
- a FAP pode ter feito pressão para adquirir uma aeronave norte-americana (como reza a tradição?) ou europeia por motivos de doutrina ou logística;
- pode ser para dar mais tempo para o programa do 390 avançar, realizar os testes e resolver os problemas que surjam, e receber as certificações todas necessárias (seria também uma maneira de nós não levarmos em cima com os custos das certificações)
- pode o governo ter levado nas orelhas por querer gastar já dinheiro em material que ainda não está a cair de podre;
- pode alguém ter achado que não seria uma boa altura para fazer estes negócios agora com a PJ a querer mostrar trabalho feito;
- pode o MDN/FAP estar a negociar a comprar com desconto de C-130 como partes dos acordos bilaterais entre os EUA e Portugal (Lajes ou outra coisa qualquer).

Citação de: "mafets"
Tanto me dá que o C-130 seja modernizado (desde que tenha condições de voo), substituído por o modelo J, A-400 ou KC-390, etc, mas convém perguntar ao Sr. Ministro "que não quer ser criticado" e demais partidos da esquerda à direita que pouco ou nada se manifestam em todo um numero de ocasiões relativas à defesa e até aplaudem todos de pé (nomeadamente na vinda da Embraer para Évora e a assinatura da carta de intenção de compra), para que a assinatura da tal carta de intenções e o espectáculo de até ir a S. Paulo à pala dos contribuintes, assistir à apresentação de um avião que agora diz até 2030 não ter intenção de comprar (e por aqui me fico para não entrar em alguns assuntos de referência ridícula deste MDN como por exemplo a execução do programa de construções da Marinha, iniciado e assinado pelo Dr. Paulo Portas que agora ATÉ ESTÁ NO GOVERNOe que nada disse à medida que os contratos eram terminados e não cumpridos)?
Às tantas até foi com medo que o negócio ia dar para o torto ou que depois o próximo governo ia cancelar a coisa que o homem não foi para frente com isto. :mrgreen:  :roll:  :wink: [/quote]
Acho que nunca perdemos um único cêntimo directamente com o programa do A-400M, visto até que nunca chegamos a assinar um contracto. Devemos é ter perdido é o dinheiro do costume nas empresas de consultadoria e de advogados que estiveram a analisar a coisa. Mas de resto...

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 23, 2015, 06:52:43 pm
Consta que pelo menos 30 milhões pagou Portugal a Eads para ser um dos paises fundadores do projecto A400 e chegou mesmo a assinar a intenção de compra para 3 aparelhos, antes de abandonar o programa. http://www.armedforces.co.uk/projects/raq3f4625c6a5dbd#.VMKZ8dxUlcs

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 23, 2015, 08:22:16 pm
Agora saiem notícias que o MDN quer saber qual é  o preço de 5/6 C-390
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 23, 2015, 08:25:31 pm
Citar
Ministério da Defesa pede informação para eventual compra de cinco a seis aviões KC-390

O Ministério da Defesa solicitou informações à brasileira Embraer para a eventual compra de cinco a seis aeronaves KC-390, que irão substituir os C-130 da Força Aérea, refere o pedido de proposta a que a Lusa teve acesso.
O documento, assinado pelo ex-diretor-geral de Armamento e Infraestruturas de Defesa, general Gravilha Chambel e datado de 29 de dezembro, pede informações à empresa de aviação brasileira para "efeitos de planeamento" e para esclarecer se os KC-390 possuem "todas as caraterísticas e capacidades necessárias para substituir" os Hércules C-130, que operam desde os anos 70.
Questionado pela agência Lusa sobre este processo, fonte do Ministério da Defesa confirmou "o início do processo negocial com a Embraer para a eventual aquisição dos KC390", mas disse não ter recebido resposta do fabricante.
A mesma fonte referiu que "a substituição das aeronaves C-130 consta da nova lei de Programação Militar, aprovada [na generalidade] na Assembleia da República" na quinta-feira.
O objeto da proposta, pode ler-se, passa pelo "fornecimento de cinco a seis aeronaves KC-390 novas de fábrica", certificadas "pelas autoridades competentes, com alcance intercontinental, capazes de executar operações estratégicas e táticas, civis e militares, sem limitações".
"A proposta deverá contemplar uma descrição exaustiva da aeronave, assim como o plano de entrega com base numa data de referência correspondente à celebração de um contrato", refere o "request for proposal" (pedido de proposta), apresentado pelo ministério liderado por José Pedro Aguiar-Branco.
O Governo solicita à Embraer que apresente "uma lista de opções dos diversos tipos de sistemas e custos associados" e também "uma proposta para a opção de aquisição/disponibilidade sem restrições de utilização de um simulador em território nacional" para um eventual centro de simuladores em Alverca "para apoio internacional".

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=757006 (http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=757006)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 23, 2015, 09:09:44 pm
Visto que esse pedido foi feito antes desta decisão de cancelar a substituição dos C-130 ficamos praticamente a saber o mesmo.

A Embraer também não deve ter ficado muito contente em responder oficialmente a um RfP enquanto a aeronave ainda nem fez o primeiro teste de voo quanto mais recebeu certificação. Embora essas fontes do MDN e a própria Lusa não sejam de confiança.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Janeiro 23, 2015, 11:35:48 pm
Só em meados do ano, salvo-erro, é que os brasileiros terão os dados necessários para responder aos RfP dos interessados. Como não acredito que tenha havido resposta brasileira entretanto resta-me imaginar o que se terá passado entre 29 de Dezembro e 22 de Janeiro...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 28, 2015, 12:37:17 am
Citar
defensa.com) Varios medios de comunicación portugueses difundieron la semana pasada la noticia de que el ministro de Defensa portugués, José Pedro Aguiar-Branco, había anunciado que, por ahora, no se comprarán los nuevos aviones de transporte brasileños KC-390 y en su lugar se modernizarán los C-130 de la Fuerza Aérea Portuguesa. Estas declaraciones fueron realizadas con motivo del debate sobre la Ley de Programación Militar, que tuvo lugar tras la Asamblea de la República.

Diarios portugueses y alguno internacional interpretaron que el anuncio de la modernización de los seis aviones de transporte C-130 Hércules suponían automáticamente la baja de Portugal en el avión de transporte brasileño. Sin embargo, esto no es del todo correcto ya que la modernización estaba planificada hace varios años y se aplicará a los tres aviones de transporte C-130H y otros tres C-130H-30 con fuselaje alargado con que cuenta Fuerza Aérea de Portugal. Estos veteranos aviones podrán así operar en el espacio aéreo europeo sin limitaciones, ya que dispondrán de nuevos equipos de comunicaciones y de navegación que les permitirán estar en servicio hasta 2030, fecha en la que posiblemente llegarían los KC-390.

No se habría descartado así la compra de los dos aviones, sino que, todo apunta, la adquisición se realizará más adelante, ya que incluso se firmó una Letter of Intention (LOI) entre el gobierno portugués y el brasileño, existiendo participación industrial por parte portuguesa y la intención de firmar la compra de los seis aviones en 2018 dados los presupuestos disponibles. El ministro portugués asistió igualmente a la ceremonia de presentación del avión el 21 de octubre en Sao Paulo. Aguiar-Branco anunció, además, la cancelación de los helicópteros NH90 por los elevados costes previstos para los próximos años, confirmó la finalización del programa Pandur después de la resolución del litigio con General Dynamics y recordó el retraso en la construcción de buques para la Marina Portuguesa. Se considera más importante reemplazar el fusil de asalto G-3 en servicio y construir otros dos buques de patrulla oceánica (Navios de Patrulha Oceánicos o NPO) de la clase Viana do Castelo. Con estas medidas se pretende ahorrar 1.300 millones a los contribuyentes portugueses. (J.N.G.)

http://defensa.com/index.php?option=com ... Itemid=186 (http://defensa.com/index.php?option=com_content&view=article&id=14505:infundados-rumores-de-cancelacion-del-pedido-portugues-de-aviones-de-transporte-kc-390-brasilenos&catid=57:otan&Itemid=186)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Janeiro 28, 2015, 06:00:01 am
Artigo confuso, para não variar. Parece-me que não diz nada de novo... ou então já não percebo castelhano.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: antoninho em Janeiro 28, 2015, 07:54:30 pm
Por acaso clarifica ambas as noticias dadas em separado. Vai ter modernização sim nos C130 para os manter até o ano de 2030,
enquanto isso compra-se o KC-390 num espaço de tempo mais alargado de maneira a não termos falta de meios de transporte e para não acontecer o que aconteceu na novela dos Merlin versus Puma.
A ser isto é uma medida sensata e espero que não seja a ultima.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Janeiro 29, 2015, 02:21:55 am
Citação de: "antoninho"
Por acaso clarifica ambas as noticias dadas em separado. Vai ter modernização sim nos C130 para os manter até o ano de 2030,
enquanto isso compra-se o KC-390 num espaço de tempo mais alargado de maneira a não termos falta de meios de transporte e para não acontecer o que aconteceu na novela dos Merlin versus Puma.
Citar
Estos veteranos aviones podrán así operar en el espacio aéreo europeo sin limitaciones, ya que dispondrán de nuevos equipos de comunicaciones y de navegación que les permitirán estar en servicio hasta 2030, fecha en la que posiblemente llegarían los KC-390.
Não faz sentido afirmar uma intenção de compra a 10/15 anos como também não faz sentido modernizar um aparelho para depois o substituir a curto prazo. Por isso continua mal explicado, quanto a mim...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Edu em Janeiro 29, 2015, 12:06:59 pm
A única "estratégia" aqui é simplesmente não gastar dinheiro. E a razão é muito simples: não há dinheiro nem vai haver no curto prazo para investir no KC-390.

Como tal a estratégia passa por encontrar maneira de manter os meios necessários a operar por mais tempo. Os C-130 vão ser modernizados porque caso contrário não podem continuar a operar e a solução teria de ser comprar novo, mas como não há dinheiro, nem vai haver nos próximos anos, para comprar novo, seja KC-390, C-130J ou quem sabe até o A-400M é preciso desenrascar e é isso que se vai fazer.

Não vale a pena andar aqui a tentar descortinar estratégias e lógicas complexas para esta decisão. Nem há que ficar confuso, a situação é bastante simples.

Como diria um professor meu Coronel da FAP: "Não há dinheiro não há palhaços".
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Janeiro 29, 2015, 12:37:12 pm
Citação de: "night_runner"
Não faz sentido afirmar uma intenção de compra a 10/15 anos como também não faz sentido modernizar um aparelho para depois o substituir a curto prazo. Por isso continua mal explicado, quanto a mim...

E após 10/15 anos já os sistemas do C-130 estão desactualizados novamente.  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Janeiro 30, 2015, 05:31:56 am
Citação de: "HSMW"
Citação de: "night_runner"
Não faz sentido afirmar uma intenção de compra a 10/15 anos como também não faz sentido modernizar um aparelho para depois o substituir a curto prazo. Por isso continua mal explicado, quanto a mim...

E após 10/15 anos já os sistemas do C-130 estão desactualizados novamente.  :roll:
Altura então para analisar o mercado e afirmar intenções de compra, agora é muito cedo. Sabe-se lá as oportunidades de negócio que possam aparecer ou as voltas que a vida de um país dá até lá...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 30, 2015, 10:07:14 am
Citação de: "Edu"
A única "estratégia" aqui é simplesmente não gastar dinheiro. E a razão é muito simples: não há dinheiro nem vai haver no curto prazo para investir no KC-390.

Como tal a estratégia passa por encontrar maneira de manter os meios necessários a operar por mais tempo. Os C-130 vão ser modernizados porque caso contrário não podem continuar a operar e a solução teria de ser comprar novo, mas como não há dinheiro, nem vai haver nos próximos anos, para comprar novo, seja KC-390, C-130J ou quem sabe até o A-400M é preciso desenrascar e é isso que se vai fazer.

Não vale a pena andar aqui a tentar descortinar estratégias e lógicas complexas para esta decisão. Nem há que ficar confuso, a situação é bastante simples.

Como diria um professor meu Coronel da FAP: "Não há dinheiro não há palhaços".
Não há dinheiro para as Forças Armadas. Mas para estudos e acessórias que só no caso dos Nh-90 levaram pelo menos 87 milhões ao pais já existiu dinheiro. Soma-se a isto o A-400 e outros contratos cancelados com dinheiro já investido e quantos C-130J ou KC-390 dava para comprar?  http://observador.pt/2014/10/23/denuncia-contrato-dos-helicopteros-nh90-custara-ate-37-milhoes/.
Mas existem outros exemplos, como as fundações que praticamente nada fazem pelo pais e levam 200 milhões ao ano. Ou quanto se gastou até agora no TGV (só 153 milhões) ?http://www.publico.pt/economia/noticia/tgv-que-nao-saiu-do-papel-custou-153-milhoes-de-euros-1681216
Com valores como estes, que belas unidades as F.A. poderiam adquirir, por isso não confundam roubo, incompetência Politica e corrupção com falta de dinheiro. Agora relativamente ao C-130H, foi recebido em 1977, e se o objectivo é deixa-lo em serviço até 2030, atingira a marca de 53 anos em serviço, num aparelho que é dos que mais voa na FAP e que me parece uma tremenda prova de longevidade chegar a essa data (os Al III foram recebidos 142, os C-130 são apenas 6).  :shock:
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/aeronaves/c130/a-125119_263.jpg)
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/aeronaves/c130/50c8571_277.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Instrutor em Fevereiro 04, 2015, 02:39:43 pm
Aviões KC-390

Em relação aos aviões KC-390, para a Força Aérea, o ministro da Defesa afirmou que a decisão de compra pode avançar em 2015 e que a Lei de Programação Militar (LPM) prevê 40 milhões de euros para pagamentos iniciais.

O governante adiantou que o Ministério da Defesa aguarda que o fabricante, a Embraer, apresente uma proposta de preço e sobre as capacidades das aeronaves e que "não há condições neste momento para tomar uma decisão".

"O que é importante é que há condições para que eventualmente em 2015 se tome uma decisão do ponto de vista político e financeiro", afirmou Aguiar-Branco.

http://www.jn.pt/PaginaInicial/Politica ... id=4380623 (http://www.jn.pt/PaginaInicial/Politica/Interior.aspx?content_id=4380623)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 04, 2015, 07:02:01 pm
Este MDN parece sei lá o quê. Até parece que anda ali com uma batata quente nas mãos. Diz umas coisas, depois diz outras (e depois telefonam-lhe a dar um puxão de orelhas e a lembrar quem é que realmente manda) e depois ainda vem dizer mais outras coisas diferentes.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Menacho em Fevereiro 09, 2015, 09:54:46 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/8/0/avc_00383980.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Menacho em Fevereiro 14, 2015, 05:49:11 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/3/2/avc_00266832.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 18, 2015, 11:23:39 am
http://www.aereo.jor.br/2015/02/17/embraer-assume-que-compra-dos-kc-390-por-portugal-seria-muito-relevante/
Citar
O presidente da Embraer Portugal, Paulo Marchioto, assumiu que seria “muito relevante” para a empresa se Portugal decidisse comprar o novo avião militar KC-390, a “maior” aeronave “de sempre” da construtora aeronáutica brasileira.

“Todo o cliente é muito importante para a empresa e, principalmente, se nós tivermos Portugal, que faz parte da conceção e da fabricação do avião. Seria muito relevante que essa compra fosse efetivada”, afirmou Paulo Marchioto, em entrevista à agência Lusa.

O responsável da Embraer em Portugal argumentou que o cargueiro militar KC-390 é um avião “projetado para o futuro” e para “atender às necessidades do mercado”, pelo que a empresa confia “plenamente” que “vários países” o “vão utilizar nas suas missões”.

Questionado sobre se acredita na aquisição da aeronave por parte de Portugal, para substituir os atuais aviões Hércules C-130 da Força Aérea, Paulo Marchioto admitiu estar “torcendo muito” para que tal aconteça, mas escusou-se a comentar, em detalhe, esse processo.
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2014/10/KC-390-roll-out-21-10-2014-foto-11-Nun%C3%A3o-For%C3%A7as-de-Defesa.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/_Vy7tZrR2Ym8/Swx4qcQshTI/AAAAAAAAAm4/Mq_FKIi930g/s1600/FAP+C-130+1.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 18, 2015, 04:55:29 pm
Seria muito relevante porquê? A fábrica não vai a lado nenhum visto que a Embraer já recebeu bastantes subsídios estatais/europeus, isenções de taxas, know-how, formação de trabalhadores e facilidades legais. Também não vai ser por Portugal comprar 6 aeronaves que vai tornar o 390 num sucesso de vendas. Afinal de contas, o Brasil já tem muitas boas relações com potenciais compradores para a aeronave, especialmente em África, e até já é fornecedor de outras aeronaves para esses países. Não precisam de Portugal para vendar nada. Aliás, mais depressa vendem os políticos e empresários brasileiros o 390 aos angolanos/moçambicanos/... sozinhos de que com a "ajuda" dos políticos e empresários portugueses.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 18, 2015, 08:12:42 pm
Citação de: "Get_It"
Seria muito relevante porquê?

Penso que é relevante porque se Portugal adquirir o KC390 e o operar em missões NATO, isso dá visibilidade e demonstração de capacidade e qualidade da aeronave em relação a potenciais compradores.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 18, 2015, 08:49:39 pm
Lightning, foi exactamente esse ponto que eu contrapus no resto do meu post. Quanto aos países membros da NATO: quase todas as frotas já estão divididas entre o C-130J e A400M e alguns dos restantes países também não têm ideia de comprar uma aeronave muito maior que um C-295 ou C-27.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 18, 2015, 09:06:16 pm
Citação de: "Get_It"
Lightning, foi exactamente esse ponto que eu contrapus no resto do meu post. Quanto aos países membros da NATO: quase todas as frotas já estão divididas entre o C-130J e A400M e alguns dos restantes países também não têm ideia de comprar uma aeronave muito maior que um C-295 ou C-27.

Cumprimentos,

Certo, mas mesmo que não venha a ser comprado por mais nenhum pais NATO fica bem na publicidade que está certificado/é utilizado em missões NATO, isso por si já é factor de qualidade para o resto do mundo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 19, 2015, 10:37:06 am
Citação de: "Get_It"
Seria muito relevante porquê? A fábrica não vai a lado nenhum visto que a Autoeuropa já recebeu bastantes subsídios estatais/europeus, isenções de taxas, know-how, formação de trabalhadores e facilidades legais. Não precisam de Portugal para vendar nada. Aliás, mais depressa vendem os políticos e empresários alemães o Scirocco aos angolanos/moçambicanos/... sozinhos de que com a "ajuda" dos políticos e empresários portugueses.

Cumprimentos,

(http://www.faircar.de/fa1rCaR_1954321_/wp-content/uploads/2013/03/vw-scirocco.jpg)

(http://imagens9.publico.pt/imagens.aspx/880839?tp=UH&db=IMAGENS)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 19, 2015, 03:26:35 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "Get_It"
Seria muito relevante porquê? A fábrica não vai a lado nenhum visto que a Autoeuropa já recebeu bastantes subsídios estatais/europeus, isenções de taxas, know-how, formação de trabalhadores e facilidades legais. Não precisam de Portugal para vendar nada. Aliás, mais depressa vendem os políticos e empresários alemães o Scirocco aos angolanos/moçambicanos/... sozinhos de que com a "ajuda" dos políticos e empresários portugueses.

Cumprimentos,

(http://www.faircar.de/fa1rCaR_1954321_/wp-content/uploads/2013/03/vw-scirocco.jpg)

Não sei como é que vais fazer, mas tens que transformar a Autoeuropa em estaleito naval porque o Siroco é assim :mrgreen:

(http://media.defenceindustrydaily.com/images/SHIP_LSD_FS_Foudre_lg.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 19, 2015, 11:08:41 pm
Passou-me ao lado essa a parte sobre o Scirocco e o que os alemães têm a ver com esse negócio. Discordo é que os alemães/franceses/italianos/espanhóis sozinhos consigam tão facilmente fazer negócios em países da CPLP quando comparado com Portugal ou Brasil. A língua e as "amizades" ainda têm algum impacto, mas já o Brasil não precisa das "amizades" portuguesas. Os ucranianos e russos safam-se porque já existe uma relação de longa data e porque os países africanos já estão habituados à logística/treino soviética.

Essa de comparar a AutoEuropa com a Embraer PRT é que é. (Será que os brasileiros aceitam carros como pagamento pelos 390 como os malaios queriam fazer com a Indonésia?) Mais pelo facto do meu problema não é o facto da Embraer ter recebido fundos mas porque praticamente toda a gente desvaloriza esses fundos e o acesso a tecnologia e mão-de-obra qualificada. Dizem depois que Portugal tem de "pagar" de volta o facto de termos cá a fábrica.

Também (não) faz muito sentido comparar a AutoEuropa, dos anos 90, e as suas congéneres da indústria automóvel, onde existiu uma maior troca de tecnologia e conhecimentos dos restantes países europeus para Portugal, com esta iniciativa da Embraer onde aconteceu exactamente o oposto, uma transferência enorme de tecnologia europeia e de mão-de-obra qualificada de Portugal para o Brasil. E reconhecendo que qualquer tecnologia é valiosa, a verdade é que tecnologia de última geração da área da aviação militar é mais valiosa ainda.

Chegamos depois à parte da aquisição do produto. Até porque é isso que está aqui a ser discutido no fundo da questão. No caso da AutoEuropa estamos a falar de carros que são adquiridos principalmente por indivíduos enquanto no caso do 390 estamos a falar de seis aeronaves que serão exclusivamente adquiridas pelo governo. No caso de seis carros para o governo estaríamos a falar de veículos que seriam operados durante 5-10 anos antes de serem comprados outros novos. No caso destas aeronaves são meios que vão ficar em serviço cerca de 35-40 anos.

Repetindo-me: Portugal, com o acesso que permitiu da indústria brasileira a tecnologia luso-europeia e mão-de-obra qualificada, já pagou o valor de duzentos 390, quer mais o valor de seis unidades e o valor monetário de existir um país membro da NATO a operar a aeronave. Por isso por favor deixem de vez essa ideia que temos de comprar o 390 só porque temos uma fábrica cá. Sabendo que não é possível mudar a opinião dos jornalistas e prevenir o copy-past que eles fazem aos press releases, seria porreiro pelo menos dar oportunidade ao Zé Povinho de não deixar-se cair nessa cantiga.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 20, 2015, 10:56:59 am
Citação de: "Get_It"
Passou-me ao lado essa a parte sobre o Scirocco e o que os alemães têm a ver com esse negócio. Discordo é que os alemães/franceses/italianos/espanhóis sozinhos consigam tão facilmente fazer negócios em países da CPLP quando comparado com Portugal ou Brasil. A língua e as "amizades" ainda têm algum impacto, mas já o Brasil não precisa das "amizades" portuguesas. Os ucranianos e russos safam-se porque já existe uma relação de longa data e porque os países africanos já estão habituados à logística/treino soviética.

A sério, então porque é que os Chineses estão em força em Angola? Porque falam muito bem o Português? E porque é que durante tanto ano foram outros países europeus os maiores investidores em Angola e não nós?

Citar
Essa de comparar a AutoEuropa com a Embraer PRT é que é. (Será que os brasileiros aceitam carros como pagamento pelos 390 como os malaios queriam fazer com a Indonésia?) Mais pelo facto do meu problema não é o facto da Embraer ter recebido fundos mas porque praticamente toda a gente desvaloriza esses fundos e o acesso a tecnologia e mão-de-obra qualificada. Dizem depois que Portugal tem de "pagar" de volta o facto de termos cá a fábrica.

Estás a usar mal a analogia. Ambas as empresas receberam imenso apoio do estado, a mão-de-obra qualificada que falas foi formada por centros de qualificação profissional portugueses, só muito tempo depois é que a Auto-Europa criou o seu próprio centro, tal como a Embraer criou em Évora já depois das fábricas entrarem em funcionamento, as semelhanças são gritantes.

Citar
O presidente da Embraer Portugal adianta que grande parte dos trabalhadores foi formada através da colaboração estabelecida com o Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).

Inauguradas em 2012, após um investimento de quase 180 milhões de euros, as duas fábricas de Évora da construtora aeronáutica brasileira estão a cumprir de forma rigorosa o cronograma planeado. A previsão é a de que, “dentro de dois anos”, as unidades atinjam a capacidade plena, mas, para já, o responsável da empresa em Portugal escusou-se a abordar uma eventual expansão.

Quanto ao centro de engenharia e tecnologia criado no ano passado, igualmente em Évora, para o desenvolvimento de peças e estruturas em materiais compósitos, já começou a funcionar e tem em curso o processo de recrutamento de colaboradores.

Citar
Também (não) faz muito sentido comparar a AutoEuropa, dos anos 90, e as suas congéneres da indústria automóvel, onde existiu uma maior troca de tecnologia e conhecimentos dos restantes países europeus para Portugal, com esta iniciativa da Embraer onde aconteceu exactamente o oposto, uma transferência enorme de tecnologia europeia e de mão-de-obra qualificada de Portugal para o Brasil. E reconhecendo que qualquer tecnologia é valiosa, a verdade é que tecnologia de última geração da área da aviação militar é mais valiosa ainda.

Que transferência de Kown-how houve das fábricas da Embraer em Évora para o Brasil? Eles limitam-se a fabricar peças em metal e materiais compósitos.

Citar
In 2008, Embraer announced the deployment of two new plants in Portugal, both based in the city of Évora, south of Lisbon. The units will be dedicated, respectively, to manufacture machined metal structures and composite material assemblies.

Citar
Chegamos depois à parte da aquisição do produto. Até porque é isso que está aqui a ser discutido no fundo da questão. No caso da AutoEuropa estamos a falar de carros que são adquiridos principalmente por indivíduos enquanto no caso do 390 estamos a falar de seis aeronaves que serão exclusivamente adquiridas pelo governo. No caso de seis carros para o governo estaríamos a falar de veículos que seriam operados durante 5-10 anos antes de serem comprados outros novos. No caso destas aeronaves são meios que vão ficar em serviço cerca de 35-40 anos.

Certo.

Citar
Repetindo-me: Portugal, com o acesso que permitiu da indústria brasileira a tecnologia luso-europeia e mão-de-obra qualificada, já pagou o valor de duzentos 390, quer mais o valor de seis unidades e o valor monetário de existir um país membro da NATO a operar a aeronave. Por isso por favor deixem de vez essa ideia que temos de comprar o 390 só porque temos uma fábrica cá. Sabendo que não é possível mudar a opinião dos jornalistas e prevenir o copy-past que eles fazem aos press releases, seria porreiro pelo menos dar oportunidade ao Zé Povinho de não deixar-se cair nessa cantiga.

Cumprimentos,

Ainda tens que dizer-me as grandes diferenças entre as fábricas da Embraer e a Auto-Europa, tirando o facto de umas fabricarem peças e a outra o produto final e os sectores serem diferentes. De resto houve apoios em massa do governo, formação profissional apoiada pelo governo, muitas facilidades em todos os níveis de forma a atrair esses investimento estrangeiro que nós tanto precisamos. Se o governo Português não fizesse, outros chegariam à frente. Quem nos dera ter 3 Auto-Europas e 9 fábricas da Embraer!

Fontes:

http://www.empregopelomundo.com/noticia ... s-em-2015/ (http://www.empregopelomundo.com/noticias/embraer-portugal-quer-contratar-mais-90-funcionarios-em-2015/)

http://www.pema.pt/members/embraer-portugal-2/ (http://www.pema.pt/members/embraer-portugal-2/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 20, 2015, 02:08:50 pm
Portugal paga mais 34 milhões de euros para programa de construção de novo avião militar da Embraer

(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2015/02/Reprodu%C3%A7%C3%A3o-tela-apresenta%C3%A7%C3%A3o-Embraer-Roll-Out-KC-390-outubro-2014-foto-Nun%C3%A3o.jpg)

erba teve luz verde esta quarta-feira pelos ministros das Finanças, Defesa e Economia. Portugal participa com mais 30 países no programa da Embraer que desenvolve avião que pode substituir o C130.

O Governo vai reforçar a parceria com a Embraer para a construção do avião militar de transporte estratégico KC-390, disponibilizando mais 34 milhões de euros para o projeto. Segundo o despacho assinado pela ministra das Finanças, pelo ministro da Defesa e pelo ministro da Economia, publicado esta quarta-feira em Diário da República, este programa tem “importância estratégica” e há interesse para continuar a apoiar o projeto financeiramente.

Reprodução tela apresentação Embraer Roll Out KC-390 outubro 2014 - foto NunãoAinda segundo o despacho, “constatou-se a insuficiência do montante de 30 milhões de euros inicialmente fixado para as medidas alternativas” e isso levou a um reforço financeiro de 34 milhões e 800 mil euros por parte do Governo português.

Em outubro de 2014, o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, disse que “eventualmente em 2015″ haveria uma “decisão do ponto de vista político e financeiro” sobre a possibilidade de compra por parte de Portugal dos aviões KC-390. Portugal assinou com a empresa aeronáutica brasileira – tal como outros 30 países – um protocolo em que está prevista a compra de até seis aviões KC-390. O primeiro destes aparelhos foi apresentado em outubro no Brasil e algumas das partes da aeronave são construídas em Portugal.

O KC-390 é o maior avião que a Embraer já construiu e poderá vir a substituir os seis aviões de propulsão a hélice Hércules C130 da Força Aérea Portuguesa – e cujo programa de substituição é uma das prioridades estabelecidas na revisão da Lei de Programação Militar.

FONTE: Observador
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: oi661114 em Fevereiro 20, 2015, 04:56:39 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Portugal paga mais 34 milhões de euros para programa de construção de novo avião militar da Embraer

(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2015/02/Reprodu%C3%A7%C3%A3o-tela-apresenta%C3%A7%C3%A3o-Embraer-Roll-Out-KC-390-outubro-2014-foto-Nun%C3%A3o.jpg)

erba teve luz verde esta quarta-feira pelos ministros das Finanças, Defesa e Economia. Portugal participa com mais 30 países no programa da Embraer que desenvolve avião que pode substituir o C130.

O Governo vai reforçar a parceria com a Embraer para a construção do avião militar de transporte estratégico KC-390, disponibilizando mais 34 milhões de euros para o projeto. Segundo o despacho assinado pela ministra das Finanças, pelo ministro da Defesa e pelo ministro da Economia, publicado esta quarta-feira em Diário da República, este programa tem “importância estratégica” e há interesse para continuar a apoiar o projeto financeiramente.

Reprodução tela apresentação Embraer Roll Out KC-390 outubro 2014 - foto NunãoAinda segundo o despacho, “constatou-se a insuficiência do montante de 30 milhões de euros inicialmente fixado para as medidas alternativas” e isso levou a um reforço financeiro de 34 milhões e 800 mil euros por parte do Governo português.

Em outubro de 2014, o ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, disse que “eventualmente em 2015″ haveria uma “decisão do ponto de vista político e financeiro” sobre a possibilidade de compra por parte de Portugal dos aviões KC-390. Portugal assinou com a empresa aeronáutica brasileira – tal como outros 30 países – um protocolo em que está prevista a compra de até seis aviões KC-390. O primeiro destes aparelhos foi apresentado em outubro no Brasil e algumas das partes da aeronave são construídas em Portugal.

O KC-390 é o maior avião que a Embraer já construiu e poderá vir a substituir os seis aviões de propulsão a hélice Hércules C130 da Força Aérea Portuguesa – e cujo programa de substituição é uma das prioridades estabelecidas na revisão da Lei de Programação Militar.

FONTE: Observador

Vamos a ver se não é mais um A400 e NH90!

 :(
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 20, 2015, 05:42:08 pm
O A400 foi uma perda, o NH-90...nem por isso.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 20, 2015, 07:25:42 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
O A400 foi uma perda, o NH-90...nem por isso.

Este vai ser mais um flop como foram todos os projectos militares aqui no burgo!

Quando o PS entrar vai querer mudar a politica toda ! Com a entrada da Ana Gomes, vamos-nos voltar para a Europa e vamos querer comprar o A400 M e os NH90 e depois muda o partido e vamos-nos virar para outro lado e no fim não vamos ter nada!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 21, 2015, 10:29:19 am
SE o PS ganhar as próximas eleições não vai acontecer nada disso pelo simples facto do Lula estar a preparar o seu regresso.

O Lula é uma estrela da esquerda cor de rosa e por isso continua tudo como de antes.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Fevereiro 21, 2015, 01:28:14 pm
34 milhões.. Praticamente 50% do Ciroco. :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Abril 14, 2015, 03:17:31 pm
Keesler technicians solve years-old mystery illness aboard C-130s

Citar
BILOXI, Miss. (Tribune News Service) — For years, a strange problem with the U.S. Air Force's C-130 aircraft had pilots and crews reporting sickness, discomfort and, in some cases, excruciating pain after routine flight missions. The phenomenon remained a mystery until February, when a handful of reservists at Keesler Air Force Base took the initiative to solve the mystery. They made a tiny discovery that's affecting airplanes worldwide.

The problem was with the pressurization system on the C-130 Hercules — the longest-produced and perhaps most-popular aircraft in military history. The versatile airplane serves as an attack gunship, a troop transport, a surveillance plane and many other roles.

Keesler's famed Hurricane Hunters fly the C-130J for weather reconnaissance.

In February, maintenance technicians from the 403rd Wing began a hunt for a solution to the problem. At times, the C-130s' pressurization systems could not be controlled manually or automatically. Cabins would over-pressurize at certain altitudes, causing the physiological problems.

The health effects typically surfaced after the flights. Crew members were on the ground yet still felt as though they were in the air, Tech. Sgt. Fernando Betancourt said.

The effects were mostly minor but had the potential to be severe.

"It can be dangerous," Tech. Sgt. Vincent Hawkins said. "We've had people that had nasal-cavity problems, ear problems, excruciating pain."

Some would vomit, and others experienced pressure buildup in their eye sockets, Hawkins said.

"Flight crews were constantly writing it up, which basically grounded (the affected) airplane every time," Master Sgt. James Rials said. "It could cause excruciating pain to the point you can't function."

The technicians noticed something strange. They were finding tiny metal shards in the pressurization system's air lines.

As similar reports and findings mounted over the years, airmen tried every repair listed in the maintenance manuals. The problem would usually go away for one or two flights, then return.

They even collected the metal particles and gave them to Lockheed Martin, the C-130's manufacturer, hoping the company's engineers could find their source.

But no one had any answers.

"When the book failed us and didn't tell us what the problem was, we just went with experience," Hawkins said. "We had to think outside the box."

Because they try not to keep planes grounded for more than a day or two, Rials, Hawkins and Betancourt decided to put together a team. They spent two days stripping the pressurization system off one of 403rd Wing's planes and inspecting each part.

"We changed parts from the tail to the nose," Rials said.

It took 500 man hours and disassembly of about 65 percent of the system before they made the crucial discovery. The metal particles were coming from a corroded rivet, no larger than a pencil point, inside an air valve.

The corrosion had remained hidden for years because every other part of that valve is stainless steel. But not the tiny rivet, which is composed of plain pot metal — an inexpensive, low-quality alloy.

Moisture in the air could cause the rivet to rust and fall apart. Whenever the pressurization system was used, the air in the lines would push the metal particles to another valve at the very front of the system. Maintenance personnel sometimes found them there but couldn't work out where they came from.

Often, technicians would receive a maintenance order, but when they inspected the system, the particles had moved, causing the blockage to disappear. They would move again on a later flight, creating a new blockage elsewhere in the air line.

"It was one of those things you just could not find," Rials said. "It was so insidious, it would mask itself."

Problems with the C-130J's pressurization system cropped up after 2004, when Lockheed Martin implemented field installations of new check valves, Rials said.

As no one seemed to know the valves contained rivets prone to corrosion, they weren't part of regular fault-isolation manuals used by maintenance crews for troubleshooting.

Because of the work done by Keesler's 403rd, however, Lockheed Martin is expected to update the manuals. It's a victory for the often-overlooked role served by maintenance teams in the military.

"Once that information makes it to Lockheed, then it goes out worldwide," Hawkins said.

The rust-prone rivets were not on just a few airplanes.

Keesler's 403rd has already replaced the valves on 13 of its 20 planes.

Every unit in the U.S. Air Force with a C-130J will now be performing regular inspections of the valves, and other nations that use the plane will more than likely follow suit, Hawkins said.

"When you do something like this, the changes go to so many different people throughout the world," he said. "And no one knows."

http://www.stripes.com/news/us/keesler-technicians-solve-years-old-mystery-illness-aboard-c-130s-1.339611
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cláudio C. em Abril 22, 2015, 03:55:47 pm
"Governo brasileiro tenta vender cargueiro da Embraer a Portugal

KC-390 em voo

Assis Moreira

ClippingNEWS-PAA delegação do vice-presidente Michel Temer partiu ontem de Lisboa com a esperança de que Portugal escolha o cargueiro militar KC 390 da Embraer, na compra de seis aparelhos para a Força Aérea Portuguesa, apesar da forte concorrência da Lockheed dos Estados Unidos.

As autoridades portuguesas não fizeram qualquer promessa de formal de compra, durante a visita de Temer. Mas a sugestão do vice-primeiro-ministro de Portugal, Paulo Portas, para que o primeiro voo oficial do KC 390 ocorra em junho coincidindo com a cúpula Brasil-Portugal, foi recebida como um indicativo da disposição portuguesa pelos aparelho brasileiro.

Como antecipou o Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor, os Estados Unidos voltaram com força na competição com o Brasil para a venda de seis cargueiros militares para Portugal, num pacote de dezenas de milhões de dólares.

Washington ofereceu ao governo português um pacote financeiro considerado extremamente interessante, que inclui tanto a venda dos seis cargueiros em condicoes vantajosas, como a reforma dos aparelhos Hércules da Força Aérea Portuguesa que estao em má situação e mesmo reforma de base aérea no país.

Já do lado da Embraer, partes e componentes de seu KC 390 são inclusive produzidos em sua unidade industrial de Évora, em Portugal. Com a empresa brasileira trabalham outras 16 companhias portuguesas, o que significa que a encomenda poderia beneficiar tambem a industria portuguesa. Para uma fonte diplomática, se Portugal não escolher o aparelho brasileiro dará “um tiro no pé”, contra sua própria industria também.

O vice-presidente Temer levantou a questão da venda dos seis aparelhos em diferentes encontros com autoridades portuguesas. Para Temer, “é mais do que natural, que se a Embraer está a produzir aviões aqui em Portugal, que Portugal compre aviões da Embraer e espero que isso venha a acontecer”.

Durante sua visita, Temer fez um gesto comercial em direção a Portugal, anunciando praticamente a liberação da entrada de uvas e cítricos portugueses no mercado brasileiro, que estavam suspensas devido a problemas de certificações fitossanitárias.

Passos Coelho, o primeiro-ministro português, recebeu carta da presidente Dilma Rousseff convidando-o para a cúpula no Brasil, em junho. No caso de a Embraer ganhar, uma possibilidade seria o anuncio ocorrer nessa cúpula.

Sobre o interesse de empresas brasileiras na privatização da TAP, Michel Temer disse que “este é um assunto de interesses privados”, mas acrescentou que “o que temos feito no Brasil é incentivar as empresas aéreas brasileiras a interessarem-se por esta privatização, assim fiz com a TAM, assim fiz com a GOL e assim fiz com a Azul e sei que a Avianca também esteve a participar neste encontro (de empresários em Lisboa)”."

http://www.aereo.jor.br/2015/04/22/gove ... portugual/ (http://www.aereo.jor.br/2015/04/22/governo-brasileiro-tenta-vender-cargueiro-da-embraer-a-portugual/)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Abril 23, 2015, 04:19:44 pm
http://www.valor.com.br/empresas/401472 ... da-embraer (http://www.valor.com.br/empresas/4014720/eua-endurecem-concorrencia-contra-cargueiro-da-embraer)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Abril 23, 2015, 06:31:19 pm
E sempre bom um pouco de competicao...Embraer (KC390), Loockeed Martin (C130J) e Airbus (A400)...todos a concorrer para a substituicao dos C130H

http://www.dn.pt/inicio/economia/interi ... 03&page=-1 (http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=4523703&page=-1)

Citar
Este responsável disse ainda que a Airbus voltará a apresentar o projeto do A400M às autoridades portuguesas, que desistiram da sua compra há quase década e meia.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Abril 23, 2015, 06:56:03 pm
Citação de: "paraquedista"
E sempre bom um pouco de competicao...Embraer (KC390), Loockeed Martin (C130J) e Airbus (A400)...todos a concorrer para a substituicao dos C130H

http://www.dn.pt/inicio/economia/interi ... 03&page=-1 (http://www.dn.pt/inicio/economia/interior.aspx?content_id=4523703&page=-1)

Citar
Este responsável disse ainda que a Airbus voltará a apresentar o projeto do A400M às autoridades portuguesas, que desistiram da sua compra há quase década e meia.

Assim é que deve ser, aquisições destas não podem ser feitas por ajuste directo. A Força Aérea tem que testar os concorrentes que aparecerem.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Abril 23, 2015, 09:48:03 pm
Citação de: "Alvalade"
Assim é que deve ser, aquisições destas não podem ser feitas por ajuste directo. A Força Aérea tem que testar os concorrentes que aparecerem.

Se vamos esperar para testarem o KC estamos feitos.. :)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Abril 23, 2015, 09:54:15 pm
Citação de: "Crypter"
Citação de: "Alvalade"
Assim é que deve ser, aquisições destas não podem ser feitas por ajuste directo. A Força Aérea tem que testar os concorrentes que aparecerem.

Se vamos esperar para testarem o KC estamos feitos.. :)

 :lol:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Abril 23, 2015, 10:02:00 pm
A melhor solução a nível de custos e capacidades provavelmente seria o C-130J-30 por todos os motivos anteriormente discutidos. A opção no outro extremo, de forma a aumentar a capacidade de transporte, seria adquirir apenas três ou quatro A400M e mais dois C-295M. A menos claro, que o pessoal da FAP fique com dor de cotovelo por ver os C-295M a fazerem missões no estrangeiros que até agora só eram feitas pelo C-130.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Abril 24, 2015, 12:16:16 am
Já vi que há opiniões para todos os gostos em relação ao substituto do C130.
 A proposta que a Boeing apresentou informalmente ás autoridades portuguesas não é nenhum C130J, mas um pacote completo
constituido por C-17 (usados) e o upgrade dos nossos C-130. Ao que parece a proposta é financeiramente interessante (diz-se).

 Na minha modestíssima opinião o KC390 é uma aeronave interessante, mas não serve os interesses e não se adequa ás nossas necessidades.
 É um projecto que acarreta algum risco, devido ser um projecto recente e ainda vai levar muito tempo até atingir um nível de maturação suficiente
que dê a confiança necessária para poder avançar de forma segura para um investimento desta natureza em que já se sabe que a aeronave tem de durar 40 anos.
O KC390 tem para já um grande handicap que é o seu raio de acção, inferior até ao C130J.

 A Força Aérea necessita de uma aeronave com alguma capacidade estratégica e independentemente do preço, penso que o A400M é a aeronave mais indicada
e equilibrada. Escusando agora estar com grandes considerações técnicas. Apesar de muito cara, é mais barata custo benefício que o Embraer. Numa operação que
seja necessário enviar uma considerável capacidade de carga e de material, o A400M pode-o fazer numa só viagem. Enquanto o KC390 teria de fazer a mesma missão em 2 viagens.
Não são aeronaves comparáveis.
Não tenho dúvidas se o Airbus A400M concorrer ganhará o concurso. A pressão da UE seria fortíssima, porque isto não é só enviar para cá fundos estruturais. A Espanha, França e
Alemanha tem excedentes de A40MM e precisam de os escoar. Mesmo hoje o presidente da Airbus Military já disse hoje ao que vinha e já desmontou por completo o argumento dos brasileiros
de terem cá uma fábrica e a OGMA.
O ideal seriam 5 A400M, mais os 7 C295M a FAP ficaria com uma excelente capacidade de transporte.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Abril 24, 2015, 12:44:48 am
Citação de: "Major Alvega"
Alemanha tem excedentes de A40MM e precisam de os escoar.

Se eles fazem assim tanta intenção que a gente fique com eles, eu aceito a oferta :mrgreen: .

Citar
Mesmo hoje o presidente da Airbus Military já disse hoje ao que vinha e já desmontou por completo o argumento dos brasileiros de terem cá uma fábrica e a OGMA.

Onde é que se pode ler isso?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 24, 2015, 12:55:15 am
Citação de: "Major Alvega"
A proposta que a Boeing apresentou informalmente ás autoridades portuguesas não é nenhum C130J, mas um pacote completo
constituido por C-17 (usados) e o upgrade dos nossos C-130. Ao que parece a proposta é financeiramente interessante (diz-se).

C-17?  :mrgreen:
Se isto for gerido com inteligência, isto é, sem politiquices à mistura, podemos sair com um belo negócio...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Abril 24, 2015, 01:44:14 am
Lightning se ler a notícia do DN que está num dos links anteriores, irá ver lá as afirmações do presidente da Airbus.

Quanto à proposta da Boeing, poderá ver no link na notícia que eu postei anteriormente.
Não falam lá objectivamente do C17. Mas a proposta será quase de certeza para C17. Li há relativamente pouco tempo num site de defesa, não me recordo agora qual,
que os EUA com mais de duas centenas deles querem reduzir a frota, vendendo os mais antigos. Aliás também fizeram uma proposta à NZ idêntica para fornecer 3 unidades
para substituir os C130. Eles andam agressivos no mercado e não querem perder de ânimo leve um mercado que é deles para novos players como os brasileiros e outros.

A Boeing sabe muito bem se for a concurso com o C-130J-30 contra o KC390 perde a corrida. Além do Hércules ser mais caro que o KC390.

http://www.nzherald.co.nz/nz/news/artic ... d=11403031 (http://www.nzherald.co.nz/nz/news/article.cfm?c_id=1&objectid=11403031)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Abril 24, 2015, 01:54:45 am
Citação de: "Major Alvega"
A proposta que a Boeing apresentou informalmente ás autoridades portuguesas não é nenhum C130J, mas um pacote completo
constituido por C-17 (usados) e o upgrade dos nossos C-130. Ao que parece a proposta é financeiramente interessante (diz-se).
Não querendo duvidar das fontes que o camarada possa ter mas acho difícil isso acontecer. Se não me engano a USAF não está a pensar retirar C-17, irão sim colocar algumas unidades operacionais (PAI) em estado de reserva (BAI). Também, não a USAF mas sim a Boeing tem procurado comprador para a dezena de unidades que construiu àparte das várias encomendas recebidas. Destes chamados "white-tails" já só restam cinco por vender.

Citação de: "Major Alvega"
Não tenho dúvidas se o Airbus A400M concorrer ganhará o concurso.
Dúvido que haja concurso a curto prazo (5/6 anos). Até lá tem de haver verbas para dar um upgrade aos C-130, mesmo que mínimo e que não seja em todas as seis unidades. Porque até lá também tem que se pensar no que se vai fazer com os Alpha Jet, por ex.....
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 24, 2015, 10:04:39 am
Citação de: "night_runner"
Dúvido que haja concurso a curto prazo (5/6 anos). Até lá tem de haver verbas para dar um upgrade aos C-130, mesmo que mínimo e que não seja em todas as seis unidades. Porque até lá também tem que se pensar no que se vai fazer com os Alpha Jet, por ex.....

O problema é que começa a haver pressão para ser feita já uma encomenda de KC-390... Sem concurso, às "escuras", sem se saber por quanto ficará o preço no final nem quando ficará operacional nem nada do género.

Se a proposta feita pela Boeing for mesmo essa (MLU aos C-130, C-17 usados e reforma das bases) é uma excelente proposta e que pode ser realizada a curto prazo. Digam que o C-17 é caro, etc., mas quem sabe, analise-se a proposta, talvez se baixe o numero de C-130 e aumenta-se em muito a capacidade de transporte estratégico da FAP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Abril 24, 2015, 10:08:00 am
Citação de: "Major Alvega"
A Boeing sabe muito bem se for a concurso com o C-130J-30 contra o KC390 perde a corrida. Além do Hércules ser mais caro que o KC390.

Perdoem-me a minha ignorância mas o quê que a Boeing tem a ver com os C-130?  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 24, 2015, 11:57:17 am
Citação de: "Johnnie"
Perdoem-me a minha ignorância mas o quê que a Boeing tem a ver com os C-130?

Devem ter algum tipo de MLU disponível para este tipo de aeronave presumo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Abril 24, 2015, 01:39:51 pm
Sim, a Boeing também moderniza aeronaves C-130. Mas dado que os nossos C-130 já têm alguns anos, presumo que qualquer proposta de modernização de C-130 seja de aeronaves mais novas, por exemplo os C-130 que os britânicos querem vender.

Mas isto é um bocado esquisito. Esta proposta da Boeing não é nova, já há alguns anos (2006?) que fizeram uma proposta idêntica: 2/3 C-17 e a modernização dos nossos actuais C-130H. É uma proposta que hoje acho que já não fará muito sentido, pois iria implicar ter três aeronaves de transporte distintas: C-295M, C-130, C-17. É algo que teria feito mais sentido se não tivéssemos adquirido o C-295 para transporte, ou pelo menos em número bastante inferior.

O que torna isto ainda mais esquisito é o facto da Boeing ser uma empresa parceira no programa do 390. Obviamente que eles iriam preferir vender os seus próprios produtos (C-17) e aproveitar o apoio do governo norte-americano para vender aeronaves mais baratas e talvez em segunda-mão (C-130). Especialmente se levarem em conta a actual situação financeira do país e a possibilidade de perderem o negócio para a Lockheed Martin (também C-130) ou para a Airbus (A400M).

Mas essa notícia do jornal Valor está muito esquisita. É possível que não tenha qualquer fundamente e que seja simplesmente um rewash daquela proposta da Boeing de à uns anos atrás. Como também é possível que ao noticiar que os EUA estavam a oferecer outra aeronave a Portugal foram pesquisar e encontraram aquela proposta antiga da Boeing e pensaram que teria qualquer coisa a haver com isto.

Citação de: "night_runner"
Porque até lá também tem que se pensar no que se vai fazer com os Alpha Jet, por ex.....
Essa é fácil. Não se faz nada. Enviamos o pessoal para o estrangeiro para fazer a formação e os tirocínios e acabou-se. Claro que existem outras opções (http://http), mas esta será a mais provável.

Citação de: "dc"
Bem, a confirmarem-se todas estas propostas, parece-me que a Embraer terá a vida dificultada, a menos que ofereçam uns Super Tucano no pacote e assim
Cruz credo, não. Os Epsilon ainda vão demorar mais uns bons anos e o Super Tucano não terá performance nem sistemas o suficientemente avançados para substituir o Alpha Jet, e porventura mais tarde o Epsilon.

Citação de: "dc"
Se isto for gerido com inteligência, isto é, sem politiquices à mistura, podemos sair com um belo negócio...
Infelizmente os interesses vão estar sempre associados a este tipo de negócios. Especialmente se certas pessoas continuarem na máquina do Estado. Temos é de esperar que tanto os norte-americanos (seja Lockheed Martin ou Boeing) e a Airbus proponham boas alternativas de forma a criar uma competição e que o governo não escolha o 390 «apenas porque sim».

Seja como for, e digam o que disserem, temos bastantes opções e com as suas vantagens.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 24, 2015, 02:16:12 pm
Citação de: "Get_It"
Cruz credo, não. Os Epsilon ainda vão demorar mais uns bons anos e o Super Tucano não terá performance nem sistemas o suficientemente avançados para substituir o Alpha Jet, e porventura mais tarde o Epsilon.

Mas quando falei nos Super Tucano era para substituir sim os Epsilon, mas não necessariamente nos próximos 4 ou 5 anos, em vez disso manter a proposta em aberto até uns 10 ou 15 anos... Mas eu sinceramente já não "quero" o KC-390... depois da arrogância de certos indivíduos do lado de lá a dizer que somos obrigados a comprar, reduzindo-nos ao que der do projecto KC-390, dê para o torto ou não... para mim não dá. Querem vender o avião então que seja sem chantagens.

Citação de: "Get_It"
Infelizmente os interesses vão estar sempre associados a este tipo de negócios. Especialmente se certas pessoas continuarem na máquina do Estado. Temos é de esperar que tanto os norte-americanos (seja Lockheed Martin ou Boeing) e a Airbus proponham boas alternativas de forma a criar uma competição e que o governo não escolha o 390 «apenas porque sim».

Seja como for, e digam o que disserem, temos bastantes opções e com as suas vantagens.

Pois claro, nada de escolhas politicas, apenas que se avalie as propostas e se escolha o melhor para a FAP. De nada nos serve o governo brasileiro e a Embraer já andarem a tentar fechar o negócio, quando pouco se sabe do avião e como vai correr o desenvolvimento até lá. Fala-se de preços que estão longe de ser sabidos, de capacidades que ainda têm que ser testadas e já nos querem impingir algo que, quer queiram ou não, ainda é uma incógnita, tal como o é o Gripen NG.

Citação de: "Get_It"
É uma proposta que hoje acho que já não fará muito sentido

Se calhar até faz, visto que o MLU aos C-130 terá de ser feito inevitavelmente, pois não será adquirida nenhuma aeronave nova nos próximos 4/5 anos... Depois, dependendo do tipo de MLU feito (e do estado dos aviões claro), as aeronaves poderão vir a operar até mesmo por mais anos, podemos estar a falar de mais 15 anos de operação dos mesmos.

Mas claro está que, até serem apresentadas propostas formalmente, isto é tudo especulação. Há que esperar e não apressar as coisas, nada de ir a correr para o Brasil e assinar logo a compra do KC-390... faça-se as coisas como deve ser, que como o caro Get_It disse muito bem, temos bastantes opções e tudo depende agora do que venha a ser proposto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 24, 2015, 02:40:58 pm
Citação de: "dc"
Mas eu sinceramente já não "quero" o KC-390... depois da arrogância de certos indivíduos do lado de lá a dizer que somos obrigados a comprar, reduzindo-nos ao que der do projecto KC-390, dê para o torto ou não... para mim não dá. Querem vender o avião então que seja sem chantagens.

Ó DC, então não se fazia negócio porque uns quantos trolls vieram a um fórum impôr a sua visão?! Eu posso ou não gostar de uma aquisição, mas apresento dados/factos concretos, espero isso de qualquer membro do FD (incluindo uns seres iluminados que demonstram ter alguma dificuldade em assimilar e tratar a informação que recebem de terceiros).

O Super Tucano é um aparelho muito interessante, muito mesmo! Se tem espaço na FAP? Isso não sei, só perguntando a quem sabe.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Abril 24, 2015, 02:53:09 pm
Os japoneses não tem Kawasaki C-1 para venderem? De longe até parece um Kc390... :mrgreen:
Não resisti. Penitencio-me por isso... :twisted:

Cumprimentos

P.S. Nada contra o Kc390.  :wink: http://en.wikipedia.org/wiki/Kawasaki_C-2
(http://livedoor.2.blogimg.jp/mumbo122/imgs/b/b/bb3c0b8d.jpg)
(http://island.geocities.jp/torakyojin88/image/e124.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Abril 24, 2015, 02:59:49 pm
Johnnie obrigado pelo seu reparo.
 Obviamente a Boeing nada tem a ver com o C-130J. Por lapso referi a Boeing, quando quis dizer Lockheed que é o fabricante.
 Se a Lockheed, através do governo dos EUA propuser o C130, este não terá qualquer hipótese face ao KC390.

 Mas a Boeing como sabe executa um programa de modernização de C-130H que é o AMP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 24, 2015, 03:04:38 pm
As semelhanças são bastante claras e aposto que é um avião muito bom para a sua tarefa. O busilis da questão é que qualquer armamento Made in Japan é caríssimo! c34x  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Menacho em Abril 24, 2015, 03:09:43 pm
Japao, por a sua constituçao, nao pode vender armas a extrangeiro.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Abril 24, 2015, 03:13:39 pm
Menacho, isso não está em vias de ser mudado (ou pelo menos minimizado)? É  que pelo menos electrónica e componentes as industrias de defesa japonesas já estão a exportar (para a Raytheon, por exemplo). E pretendem alargar inclusive à exportação do C2, partcipação num concórcio com os australianos para um novo submarino, etc, embora as vendas sejam analisadas caso a caso e só depois aprovadas (ou recusadas). http://www.wsj.com/articles/japans-military-contractors-make-push-in-weapons-exports-1405879822
Citar
On Thursday, the Ministry of Defense approved exports of a sensor made by Japan's largest military contractor, Mitsubishi Heavy Industries Ltd., for use in air-defense missiles manufactured by Raytheon Co. of the U.S. The ministry also cleared a Japan-Britain research project involving technology for air-to-air missiles.
Mas pronto. Se o problema é o preço (o C2 está nos 100 milhões) e a constituição japonesa (o famoso artigo IX) arranja-se outra coisa. Que tal uma troca com os Ucranianos? Mandamos para lá umas Chaimites e uns M60 e eles cedem-nos estas "2 jolas" que custam 70 milhões a unidade? Ainda ganhávamos cá uma fabrica da Antonov em Beja :twisted:

Saudações  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 24, 2015, 03:23:39 pm
Não é por causa dos "trolls" que aqui apareceram, segundo li, o governo "quer" assinar até não sei que mês, ainda deste ano, a aquisição dos KC-390 (não me lembro onde li isso, se encontrar ponho o link) e isso cheira-me a chantagens/luvas/o que seja... Porque é que havia o Governo de querer assinar de repente a compra do KC-390 quando se sabe que primeiro vai ser feito o MLU aos C-130 e só mais tarde é que se trata da sua substituição definitiva? Não acha isso estranho?


Encontrei, não era esta, pois li algures uma que falava numa data limite para assinar o contrato de compra...
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=49 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=821914&tm=6&layout=121&visual=49)

Esta noticia fala da intenção de Aguiar Branco assinar ainda este ano o contrato de compra do KC-390, e eu pergunto: Não é estranho que, depois da LPM ser aprovada na qual foi dito explicitamente que não seriam adquiridos novos aviões e apenas modernizados os C-130, o ministro mude de ideias a ponto de querer assinar à pressa o contrato? Sem consentimento da força aérea e mesmo sabendo que o avião ainda está em fase de desenvolvimento preliminar? Para quê? Depois fazer o mesmo que se fez com o A-400 em que começaram a achar "caro demais"? Ou como o NH-90, que já tava assinada a compra há não sei quantos anos, e depois esta foi cancelada, tendo nós que pagar uma multa, multa essa que hoje daria para comprar o LPD Siroco? Então e tendo em conta que até 2030 ficarão ao serviço os C-130, se até lá não mudamos de ideias/necessidades ou se há outra crise que impeça, como aconteceu estes últimos anos, investimentos desta natureza?

E não são só os outros dois que andaram a impingir a compra do KC-390 como se tratasse de uma obrigação... Em todos os sites destas temáticas, a maior parte quer "obrigar" a que seja realizada esta compra e para além disso ainda veio o Vice-presidente do Brasil dizer, e passo a citar: É mais do que natural, que se a Embraer está a produzir aviões aqui em Portugal, que Portugal compre aviões da Embraer e espero que isso venha a acontecer. Então, por esta de ideias, temos de comprar tudo o que é aviões a serem produzidos cá? Certo? Então que venha o C-130 mais o A-400M (que, segundo o presidente da Airbus, tem componentes a ser fabricados cá) e o KC-390...
A questão é, esse argumento já foi à vida, agora ou fazem propostas que consigam equiparar-se com as da concorrência ou então têm em risco um cliente.

Depois, por falar em chantagem, a própria Embraer a faz... basta ver quando afirmaram que planeavam construir partes dos novos aviões comerciais em Portugal, mas apenas se tivessem assegurados fundos comunitários. Resumindo, não se interessam se é ser feito em Portugal, o dito "país irmão", importam sim os fundos comunitários e as ajudas que recebem.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 24, 2015, 04:18:58 pm
Mas aí o que se pede é um MDN com sentido de estado e que defenda os nossos interesses!

MDN assim, procura-se para ontem! :evil:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Abril 24, 2015, 09:47:26 pm
Citar
MELBOURNE, Australia — Boeing said it still had five C-17A Globemaster transports for sale following confirmation that the Royal Australian Air Force would take another two.

Australian Prime Minister Tony Abbott announced April 10 the purchase of the two strategic airlifters at RAAF Base Amberley, southwest of Brisbane. The two aircraft will bring the total number of C-17s in Australian ownership to eight.

Minister for Defence Kevin Andrews said that AUS $1 billion (US $777 million) would be spent on acquiring the two aircraft, including $300 million of infrastructure works at Amberley.
http://www.defensenews.com/story/defense/air-space/support/2015/04/23/australia-c17-boeing-air-force-globemaster/26137493/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Abril 25, 2015, 12:59:39 am
Citação de: "dc"
Não é por causa dos "trolls" que aqui apareceram, segundo li, o governo "quer" assinar até não sei que mês, ainda deste ano, a aquisição dos KC-390 (não me lembro onde li isso, se encontrar ponho o link) e isso cheira-me a chantagens/luvas/o que seja... Porque é que havia o Governo de querer assinar de repente a compra do KC-390 quando se sabe que primeiro vai ser feito o MLU aos C-130 e só mais tarde é que se trata da sua substituição definitiva? Não acha isso estranho?


Encontrei, não era esta, pois li algures uma que falava numa data limite para assinar o contrato de compra...
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=49 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=821914&tm=6&layout=121&visual=49)

Esta noticia fala da intenção de Aguiar Branco assinar ainda este ano o contrato de compra do KC-390, e eu pergunto: Não é estranho que, depois da LPM ser aprovada na qual foi dito explicitamente que não seriam adquiridos novos aviões e apenas modernizados os C-130, o ministro mude de ideias a ponto de querer assinar à pressa o contrato? Sem consentimento da força aérea e mesmo sabendo que o avião ainda está em fase de desenvolvimento preliminar? Para quê? Depois fazer o mesmo que se fez com o A-400 em que começaram a achar "caro demais"? Ou como o NH-90, que já tava assinada a compra há não sei quantos anos, e depois esta foi cancelada, tendo nós que pagar uma multa, multa essa que hoje daria para comprar o LPD Siroco? Então e tendo em conta que até 2030 ficarão ao serviço os C-130, se até lá não mudamos de ideias/necessidades ou se há outra crise que impeça, como aconteceu estes últimos anos, investimentos desta natureza?

E não são só os outros dois que andaram a impingir a compra do KC-390 como se tratasse de uma obrigação... Em todos os sites destas temáticas, a maior parte quer "obrigar" a que seja realizada esta compra e para além disso ainda veio o Vice-presidente do Brasil dizer, e passo a citar: É mais do que natural, que se a Embraer está a produzir aviões aqui em Portugal, que Portugal compre aviões da Embraer e espero que isso venha a acontecer. Então, por esta de ideias, temos de comprar tudo o que é aviões a serem produzidos cá? Certo? Então que venha o C-130 mais o A-400M (que, segundo o presidente da Airbus, tem componentes a ser fabricados cá) e o KC-390...
A questão é, esse argumento já foi à vida, agora ou fazem propostas que consigam equiparar-se com as da concorrência ou então têm em risco um cliente.

Depois, por falar em chantagem, a própria Embraer a faz... basta ver quando afirmaram que planeavam construir partes dos novos aviões comerciais em Portugal, mas apenas se tivessem assegurados fundos comunitários. Resumindo, não se interessam se é ser feito em Portugal, o dito "país irmão", importam sim os fundos comunitários e as ajudas que recebem.

Caro dc,
Parece-me que nao esta a par de uma serie de coisas sobre o KC390...eu tambem preferia que nao fossem tao complicadas...mas isto da Politica e assim !?!?
Ou seja onde eu quero chegar e que...para Portugal produzir uma serie de componentes para o KC390 o Ministro da Defesa do Governo anterior a este, assinou uma carta de intencoes para adquirir estes avioes. E tinha ate uma certa data que confirmar ou nao essa intencao. Depois ja neste Governo o ministro da Defesa alterou essa data limite ate ao final de 2014, e em Dezembro do ano passado para cumprir com o que ficou no contrato pediu formalmente a Embraer que fizesse uma proposta para venda de 5 ou 6, KC390.
Ou seja, agora quando receber a proposta da Embraer vai ter de tomar uma decisao.
A questao da LPM...eu tambem preferia que estivesse defenido se se vai modernizar os C130 ou comprar novos...mas o que esta na LPM sao verbas para a Modernizacao dos C130 e mais 40 milhoes, se a opcao for compra de novos avioes...o Ministro disse que as verbas, para a modernizacao dos c130 e os 40 ME, mais a alienacao dos C130 deviam servir para a possivel aquisicao de avioes novos.
Mais uma razao que a decisao tem de ser tomada em breve. Ou se gasta o dinheiro na compra de avioes novos ou se faz a modernizacao dos actuais...nao se pode fazer as duas coisas.

Sobre a questao dos NH90...eu sempre achei que isso era mais uma das ideias megalomanas do nosso Exercito, que conseguiram convencer uns quantos Ministros da Defesa anteriores da sua necessidade...tendo-se andado a esbanjar dinheiro que fez muita falta noutros equipamentos...substituicao das G3, mais uns carros de combate, artilharia etc.
Quanto a mim este Ministro fez muito bem acabar com esse projecto e pelo menos beneficiamos na construcao de componentes e ainda podemos ter um desconto consideravel nos futuros helicopteros ligeiros que vao substituir os AlIII a partir de 2018.
Cumprimentos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 25, 2015, 12:51:39 pm
A mim o que me faz confusão é sermos obrigados a comprar algo que ainda não existe na prática... algo que é uma incógnita, não se sabe preços nem capacidades reais da aeronave... Resumindo, somos obrigados a comprar "às escuras"? Então e se daqui a dois anos houver algum/alguns problemas com o avião e isso origine um aumento no preço final? Se um avião que inicialmente ia custar 50 milhões (penso que era mais ou menos este valor apontado inicialmente) viesse a custar 100, como seria? É aqui que quero chegar, veja-se o exemplo de certos países relativamente ao Gripen, não quiseram arriscar ir para um projecto que estava apenas no papel e que acarretava riscos... o Brasil arriscou e já começam a haver aumentos absurdos no preço...

Quanto à LPM em si, a modernização dos C-130 é garantida, a não ser que venha a Lockheed Martin com uma mega proposta de C-130 novos ou se analise os C-130J que a RAF está ou vai retirar... Fora isto, é impossível os C-130 aguentarem mais 4 anos à espera do primeiro KC-390! Portanto, essa possibilidade está fora de questão, até porque é no minimo uma piada pensar que vender os 6 C-130 com tantos anos, mesmo que modernizados, vai chegar para pagar um avião novo em numero igual (seja KC-390, A-400, C-130J...), nem com esses 40 milhões extra... deviam estar a pensar que iam vender por 40 milhões cada um  :roll:

Se estavam/estão na duvida se se vai comprar novo agora ou modernizar, então reparem na realidade, por muito que o governo reze, o KC-390 estaria fora da corrida numa compra imediata, ainda é um protótipo e só daqui a uns 3 ou 4 anos é que entra em produção... enquanto os outros, num espaço de um ano, teríamos a voar com as cores nacionais... É tão simples quanto isto! Se querem KC-390, então têm obrigatoriamente de modernizar os C-130 para voarem mais uns anos, e esta modernização poderia implicar que estes voassem por mais 10/15 anos. Se querem aviões novos, então lamento, mas o KC-390 está fora da corrida... Portanto, acho uma estupidez sermos obrigados a assinar contratos de aquisição (contrato de compra, o qual se por ventura fosse cancelado pagaríamos multa) para um avião que não garante ainda prazos de entrega nem preços nem nada.

Citação de: "paraquedista"
Mais uma razao que a decisao tem de ser tomada em breve. Ou se gasta o dinheiro na compra de avioes novos ou se faz a modernizacao dos actuais...nao se pode fazer as duas coisas.

Pronto, esta frase diz tudo, se queremos o KC-390 temos de modernizar os C-130, se não quisermos modernizar os C-130 e ir comprar novo, então o KC-390 não pode ser adquirido pelas razões que já sabemos. Se são essas as condicionantes, então é ainda mais fácil de resolver este "problema" do que eu pensava...
O que eu estou a ver é que quem sai lixado com isto tudo é a FAP... Pelo que se vê, o MLU dos C-130 vai ficar dependente do KC-390, sendo sempre adiada essa modernização para não "ferir os sentimentos" da Embraer... No fim, vamos ter os C-130 a voar por mais 4 ou 5 anos sem modernização enquanto esperamos pelo KC-390 que só ao fim de uns anos é que vamos saber os custos de aquisição, e já tendo assinado o contrato, teremos de comprar, custe 50 ou custe 200 milhões...

Quanto ao assunto dos helis... a ideia descabida não era a aquisição dos NH-90 em si, mas sim a criação de uma unidade independente no exército para operar helicópteros... Porque vejamos, a FAP tem falta de helicópteros... os 12 Merlin não chegam para tudo, estão grande parte deles em alerta 24h, não restando muito para as outras missões... e era aqui que os NH-90 entravam, quando necessário executar missões SAR, depois com o eventual Navpol podiam embarcar compensando parte dos Merlin e executariam as missões de cariz mais militar, para as quais nem sempre os Merlin têm disponibilidade. Para terminar, como é que beneficiaríamos de um desconto para a aquisição do substituto dos Al3?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Abril 25, 2015, 04:20:08 pm
Caro dc,

Os argumentos que voce tem contra o KC390...sao exactamente os mesmo que devia ter contra o NH90...nao passava de um projecto e os custos foram para cima dos 500 ME !!! quando inicialmente eram a volta de 300 ME.
Concordo plenamente...o Exercito, em vez de acabar com todas as chafaricas que tem... queria, entrar numa outra coisa para a qual nao tem a minima experiencia...devia deixar para quem sabe !!! Quem tudo quer fazer...nada faz bem.

O desconto nos futuros subsitutos do ALIII foram acordados aquando do acordo de cancelamento da aquiscao dos NH90...que o governo teve de pagar 34 ou 35 ME por esse cancelamento...se estes foram adquiridos a uma das companhia que fazem parte do NH.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Abril 25, 2015, 05:35:45 pm
Citação de: "paraquedista"
Ou seja onde eu quero chegar e que...para Portugal produzir uma serie de componentes para o KC390 o Ministro da Defesa do Governo anterior a este, assinou uma carta de intencoes para adquirir estes avioes. E tinha ate uma certa data que confirmar ou nao essa intencao.
Nós também assinamos um monte de cartas de intenções para equipamento que não chegamos a adquirir. E isso não tem nada a ver com a produção (e desenvolvimento) em Portugal de componentes para o 390. Os fundos estatais e europeus, que não são apenas atribuídos neste tipo de projectos de defesa, já cobriram isso e foram o que teve maior peso. (E nem falamos na transferência de tecnologia.) Não temos nenhuma obrigação de estar a comprar o 390. Temos é de adquirir a melhor proposta com base na nossa situação financeira, estratégica e nas nossas necessidades.

Citação de: "paraquedista"
Depois ja neste Governo o ministro da Defesa alterou essa data limite ate ao final de 2014, e em Dezembro do ano passado para cumprir com o que ficou no contrato pediu formalmente a Embraer que fizesse uma proposta para venda de 5 ou 6, KC390.
Ou seja, agora quando receber a proposta da Embraer vai ter de tomar uma decisao.
Pode ver aqui (ou foi no tópico do 390?) numas páginas atrás uma notícia acerca disso no qual a Embraer nem respondeu ao pedido do MDN porque simplesmente ainda é muito cedo para poderem responder a uma série de questão acerca das capacidades da aeronave.

Citação de: "paraquedista"
Mais uma razao que a decisao tem de ser tomada em breve. Ou se gasta o dinheiro na compra de avioes novos ou se faz a modernizacao dos actuais...nao se pode fazer as duas coisas.
A decisão já foi tomada: o ministro já disse que se ia avançar pela modernização dos C-130. Claro que pode acontecer o do costume: o ministro diz uma coisa e depois mais tarde faz outra.

Citação de: "paraquedista"
Quanto a mim este Ministro fez muito bem acabar com esse projecto e pelo menos beneficiamos na construcao de componentes e ainda podemos ter um desconto consideravel nos futuros helicopteros ligeiros que vao substituir os AlIII a partir de 2018.
Não percebi esta. Então fizemos bem em sair do NH-90 (pelas questões óbvias) e fizemos bem em beneficiarmos da produção de componentes, no entanto já diz que temos de adquirir o 390 porque estamos a produzir cá componentes do 390? :roll:

Concordo em parte com a vossa posição acerca do NH-90. Contudo, não estejam a comparar o NH-90 ao projecto do 390. São coisas completamente diferentes. O projecto do NH-90 tinha muitos mais países envolvidos inicialmente do que o 390. Os custos do NH-90 foram cobertos na sua maioria por outros países e muitos mais países. O número estimado de vendas do NH-90 também era muito superior que aquele para o 390 e com muitos mais operadores. O NH-90 também foi adquirido a pensar em opera-lo em missões no estrangeiro com outros países com quem é bastante frequente operarmos lado a lado. Países com o qual até já partilhamos cadeias de logística, doutrinas, standards e temos treino conjunto. Quando é que foi a última vez que participamos numa missão real no estrangeiro com o Brasil? Quando foi a última vez que utilizamos no estrangeiro a cadeia de logística das forças armadas brasileiras? O próprio NH-90 também tem (o mal) de trazer já de raiz e de fábrica um monte de equipamento e capacidades para fazer várias missões a nível NATO, como as de CSAR e missões anfíbias, o que supostamente iria ajudar a reduzir os custos de aquisição comparado com a aquisição de outros helicópteros que seriam adquiridos individualmente pelos países e depois modificados para essas missões. Infelizmente a verdade foi outra e os orçamentos de defesa dos países também foram outros.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 25, 2015, 05:48:47 pm
Disso do desconto não sabia, boas noticias então!  :G-beer2:  E sabe o valor desse desconto, se tem data limite?

Citação de: "paraquedista"
Os argumentos que voce tem contra o KC390...sao exactamente os mesmo que devia ter contra o NH90...nao passava de um projecto e os custos foram para cima dos 500 ME !!! quando inicialmente eram a volta de 300 ME.

Eu não posso argumentar contra algo que já não se vai realizar e sobre o qual tenho pouco conhecimento em concreto... mas como disse o Get_it, são projectos de dimensões diferentes, complexidades diferentes e mercados potenciais bem diferentes. O que pus em questão era a necessidade de mais helicópteros, de preferência médios e mais baratos que os Merlin, de modo a complementar os mesmos que se tornam escassos com tantas missões que têm de desempenhar.
O exército acabou por complicar as coisas... precisava de helis? Sim precisava, pois nem sempre estão disponíveis os Merlin para as missões de transporte de tropas, etc. para alem dos exercícios, agora era desnecessário criar uma unidade de propósito para isso...

Ainda referente à sua primeira frase, é mesmo por isso que devemos estar de pé atrás quanto ao KC-390! Pode dar tudo errado, e depois estamos nós a meter-nos num bicho de sete cabeças desnecessariamente. Em vez de se assinar já um contrato de compra, que se analise como corre o projecto, que se pense o que se vai fazer, pois a realidade é simples, para irmos para o KC-390 temos de modernizar os C-130, caso contrário veremos a força aérea a depender por 4 ou 5 anos de um projecto que é uma incógnita, tendo de aguentar C-130 não modernizados à espera de substituição...
Há que pensar com a cabeça e não apressar as coisas... se eles deram um prazo para assinar contrato, eles que se danem, ou você iria assinar um contrato para algo que não sabe os custos? Vai assinar o contrato de compra de uma casa que não sabe o preço? Eu não faria isso, não ia assinar compra nenhuma sem saber o preço do produto... E isto falando só do preço, falta o resto... falta provas de datas de entrega, demonstração de capacidades, garantias que funciona tudo bem, etc.

E agora deixo a pergunta, será que compensa a compra do KC-390 mesmo que seja mais barato que a concorrência, sabendo que obrigaria a que fossem modernizados os C-130? É que com a escolha deste, obrigatoriamente teremos de gastar dinheiro na modernização dos Hercules, logo vamos acabar por gastar dinheiro a mais, agora será que esse dinheiro extra não pagava por exemplo 5 ou 6 A-400 comprados "de imediato" (sem MLU aos C-130)? Acho que é uma questão a analisar... fala-se muito dos preços dos outros, mas não se pensou nesta hipótese penso eu...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Abril 25, 2015, 07:32:08 pm
Caro Get_it,
Nao vi nada sobre a Embraer nao responder...alias o Vice-Presidente do Brasil, foi a Portugal esta semana para tentar confirma a compra dos KC390 por Portugal.
Eu ouvi todas as Audicoes do Ministro da Defesa que ocorreram recentemente, e ele nunca disse que a Modernizacao dos C130 iria ser feita...o que ele disse e que se tem de tomar a decisao em breve, se se vai substituir os C130 ou fazer a sua Modernizacao.
Obviamente nao temos obrigacao de adquirir, so porque a uma carta de intencoes...concordo que deve haver um concurso para obter-mos o melhor produto nas melhores condicoes.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Abril 25, 2015, 08:09:59 pm
Aí está o problema, vêm cá para fechar o negócio sem qualquer tipo de concurso nem certezas de nada...
E a decisão já tinha sido tomada... há anos que se falava na modernização dos C-130 e só depois é que se pensaria no substituto do mesmo... Nesta LPM já se tinha decidido o que fazer, isto é, a modernização estava já "garantida" e nada de aviões novos. Agora as duvidas surgiram pois houve uma pancadinha nas costas quando o Aguiar Branco foi lá ver a apresentação do avião, duvidas essas que estavam mais que esclarecidas na LPM revista 3 ou 4 meses antes relativamente ao futuro do C-130 na FAP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Abril 27, 2015, 10:06:38 pm
Citar
Sagem ofrece una modernización de los C-130 franceses que incluye capacidad de lanzamiento de bombas de precisión

http://www.defensa.com/index.php?option=com_content&view=article&id=15409%3Asagem-ofrece-una-modernizacion-de-los-c-130-franceses-que-incluye-capacidad-de-lanzamiento-de-bombas-de-precision&catid=56%3Aindustria&Itemid=164
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Maio 04, 2015, 04:01:51 pm
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/fe/KC-130J_Harvest_Hawk_(front)_at_Camp_Dwyer_Afghanistan_2011.JPG)

Bem, já que vamos por aí  :mrgreen:

Tendo em conta aquela suposta proposta da Boeing que se falava, a ser verdade claro, o que poderá a restante concorrência oferecer para o MLU do C-130? Como se fala em C-17's e reforma de bases, não sei o que poderão outros competidores oferecer para ultrapassar tal proposta. (mais uma vez digo, se for de facto verdade)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 06, 2015, 05:06:44 pm
Citar
O ministro da Defesa está a ponderar negociar com a empresa norte-americana Boeing a compra de dois aviões C-17 e a modernização dos C-130 da Força Aérea.
O ministro da Defesa, Paulo Portas, está a analisar duas propostas feitas pela empresa norte-americana Boeing para a compra de dois aviões C-17 e modernização dos C-130 da Força Aérea, disseram à Agência Lusa fontes governamentais.
As propostas, feitas segunda-feira, prevêem a venda de dois aviões militares de transporte C-17 e a modernização dos seis Hércules C-130 da Força Aérea Portuguesa.
Segundo as mesmas fontes, o ministro da Defesa «tomará brevemente» uma decisão sobre a compra dos aviões de transporte estratégico.
A substituição dos seis C-130 está prevista na Lei de Programação Militar, orçada em mais de 500 milhões de euros.
tsf.pt

 :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 06, 2015, 05:10:14 pm
Eu pensava que preferias esta opção aos KC-390. :|
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 06, 2015, 05:13:24 pm
Sempre achei o C17 e A400M  demasiado caros e grandes para as nossas necessidades.

Prefiro um C130 novo do que um C17, ou então, já que andamos a gastar dinheiro no KC, mais valia aproveita-lo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cláudio C. em Maio 06, 2015, 05:39:13 pm
Citação de: "nelson38899"
Citar
O ministro da Defesa está a ponderar negociar com a empresa norte-americana Boeing a compra de dois aviões C-17 e a modernização dos C-130 da Força Aérea.
O ministro da Defesa, Paulo Portas, está a analisar duas propostas feitas pela empresa norte-americana Boeing para a compra de dois aviões C-17 e modernização dos C-130 da Força Aérea, disseram à Agência Lusa fontes governamentais.
As propostas, feitas segunda-feira, prevêem a venda de dois aviões militares de transporte C-17 e a modernização dos seis Hércules C-130 da Força Aérea Portuguesa.
Segundo as mesmas fontes, o ministro da Defesa «tomará brevemente» uma decisão sobre a compra dos aviões de transporte estratégico.
A substituição dos seis C-130 está prevista na Lei de Programação Militar, orçada em mais de 500 milhões de euros.
tsf.pt

 :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:


É apenas impressão minha ou esta noticia concretizando-se em realidade a capacidade logística e transporte táctico da FAP sofrerá um incremento muito substancial?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Turlu em Maio 06, 2015, 05:42:25 pm
Citação de: "nelson38899"
Citar
O ministro da Defesa está a ponderar negociar com a empresa norte-americana Boeing a compra de dois aviões C-17 e a modernização dos C-130 da Força Aérea.
O ministro da Defesa, Paulo Portas, está a analisar duas propostas feitas pela empresa norte-americana Boeing para a compra de dois aviões C-17 e modernização dos C-130 da Força Aérea, disseram à Agência Lusa fontes governamentais.
As propostas, feitas segunda-feira, prevêem a venda de dois aviões militares de transporte C-17 e a modernização dos seis Hércules C-130 da Força Aérea Portuguesa.
Segundo as mesmas fontes, o ministro da Defesa «tomará brevemente» uma decisão sobre a compra dos aviões de transporte estratégico.
A substituição dos seis C-130 está prevista na Lei de Programação Militar, orçada em mais de 500 milhões de euros.
tsf.pt

 :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :N-icon-Axe:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :snipersmile:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :shock:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:

Esta notícia não será antiga? Faz referência ao Ministro da Defesa PAULO PORTAS.

Cpts

Turlu
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 06, 2015, 06:10:28 pm
tem razão a noticia é de Publicado a 12 JUN 03 às 00:00

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=765241

As minhas desculpas, pus sem ver.  :oops:  :oops:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Maio 06, 2015, 06:13:05 pm
De facto fala do ministro da defesa Paulo Portas  :mrgreen:

PS: Tinha de ser. Uma pessoa aqui com esperanças  :(
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Maio 06, 2015, 09:58:34 pm
Nelson, toca a encher!!!

Bolas! Um gajo ficou logo com o coração aos saltos e depois é isto!!  :2gunsfiring:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 06, 2015, 11:31:20 pm
Citação de: "nelson38899"
tem razão a noticia é de Publicado a 12 JUN 03 às 00:00

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=765241

As minhas desculpas, pus sem ver.  :oops:  :twisted:  :lol:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 07, 2015, 09:16:44 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "nelson38899"
tem razão a noticia é de Publicado a 12 JUN 03 às 00:00

http://www.tsf.pt/PaginaInicial/Interior.aspx?content_id=765241

As minhas desculpas, pus sem ver.  :oops:  :twisted:  :oops:  :oops:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 07, 2015, 11:42:40 am
Deixa estar, o que colocaste ainda pode vir a acontecer, já vi coisas mais estranhas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Maio 08, 2015, 08:40:54 pm
Cada vez me convenço mais que a suposta notícia recentemente originada no Brasil, das duas uma, ou foi brincadeira de um dos 'novos contribuintes' do FD, ou alguém a descobriu via google e não reparou na data, como foi o caso do camarada nelson.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NRSMiguel em Maio 12, 2015, 11:45:51 am
Colares,

É extremamente improvável que a substituição dos C-130 da FAP seja realizado com a compra de material russo...

Portugal pertence à NATO com padrões para cumprir e existiria sempre um pressing politico tremendo para que uma compra dessas fosse inviabilizada...já para não falar que militarmente existiria muita oposição, existe uma "sensação geral" (à falta de palavra melhor  :D ) que os equipamentos russos não são fiáveis e que apresentam muitos problemas e a manutenção é complicada.

Portugal não é um país que alinhe politica e militarmente com a Rússia! Compramos uns Kamovs para os fogos, porque a Rússia nos devia dinheiro e era claro que seria difícil pagar.

Existe ainda a questão da Ucrânia por resolver, na minha perspectiva seria impossível a compra desse avião!

Para outros países que não pertençam à Nato será certamente algo a avaliar!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 12, 2015, 01:24:35 pm
Ás vezes pergunto-me se actualização dos C130 é tão urgente, porque razão ainda não se fez.

Desde que ouvi falar em necessidade de actualizar o C130, até ao dia de hoje a:

Marinha:
já comprou 2 fragatas, 2 submarinos .....

O exercito
 já comprou leopards, pandures .....

A FAP
..........
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Maio 12, 2015, 02:14:07 pm
A FAP comprou os Merlins e os C-295
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 21, 2015, 10:25:18 pm
Para o MLU

Citar
(defensa.com) Elbit Systems of America, a través de su empresa conjunta  RCEVS con Rockwell Collins, obtuvo un contrato del Mando de Fuerzas Especiales de los Estados Unidos (USSOCOM) para integrar en los próximos dos años el Joint Helmet Mounted Cueing System (JHMCS) II a bordo de los aviones AC-130W, mejorando la conciencia situacional.

Es la primera vez que este casco presentador de datos se incorpora a aviones de transporte estadounidenses, estando hasta ahora en servicio en cazabombarderos. Cuenta con un visor con proyección de video con luz, un sistema integrado de equilibrio que mejora el centro de gravedad, reduce la fatiga del piloto, especialmente en misiones de larga duración.
http://defensa.com/index.php?option=com_content&view=article&id=15715:elbit-systems-of-america-integrara-el-jhmcs-ii-en-los-ac-130w&catid=57:otan&Itemid=186

Seria muito interessante integrar este capacete nos nossos presentes e futuros aviões.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Maio 22, 2015, 09:20:26 am
Nós já os utilizamos nos F16! Eu quando me referi ao uso dos capacetes nos C130 estava-me a referir mais precisamente à troca informações entre pilotos e aeronaves.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Junho 16, 2015, 08:18:52 pm
(https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xtp1/v/t1.0-9/10311966_594671950672633_330801946449613220_n.jpg?oh=df634e6f61ec80e0b60d7c1071573a24&oe=55FAE6F8)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 07, 2015, 11:33:05 am
https://www.facebook.com/pedro.defigueiredo.1
(https://scontent-lhr3-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpt1/v/t1.0-9/11698541_1011483385541934_1313729534271798276_n.jpg?oh=ebb14d45a4759fcc8dfa9d8aeb2d03ad&oe=562A2696)
Citar
If you have never had a chance to see the six of them all together in PoAF BA-6 Montijo Air Base, here is an historical picture of them, older than the bridge from Lisbon to that place it self. (Total of six units C-130, being 3 units C-130H and 3 units C-130H-30, the first three in the photo).

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Leonidas em Julho 13, 2015, 12:00:32 am
Citação de: "mafets"
https://www.facebook.com/pedro.defigueiredo.1
(https://scontent-lhr3-1.xx.fbcdn.net/hphotos-xpt1/v/t1.0-9/11698541_1011483385541934_1313729534271798276_n.jpg?oh=ebb14d45a4759fcc8dfa9d8aeb2d03ad&oe=562A2696)
Citar
If you have never had a chance to see the six of them all together in PoAF BA-6 Montijo Air Base, here is an historical picture of them, older than the bridge from Lisbon to that place it self. (Total of six units C-130, being 3 units C-130H and 3 units C-130H-30, the first three in the photo).

Cumprimentos

“Elephant Walk” á portuguesa.
Uma imagem com os bons anos em cima, aposto.


---------- //------------- // -------------

Os franceses irão adquirir dentro de pouco tempo umas poucas unidades (novas) para as suas forças especiais. Um avião que pode ter “muitos defeitos”, mas será bem mais silencioso que os jatos da mesma categoria.

 Quando visitamos os coreanos:
https://www.youtube.com/watch?v=bwhBQx76WHY (https://www.youtube.com/watch?v=bwhBQx76WHY)

Agora a sério:
https://www.youtube.com/watch?v=kS8eq5DROuo (https://www.youtube.com/watch?v=kS8eq5DROuo)

Ainda mais a sério:
https://www.youtube.com/watch?v=rymUSbYQjw8 (https://www.youtube.com/watch?v=rymUSbYQjw8)


Cump.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: miguelbud em Setembro 11, 2015, 12:17:52 am
@ Jornal de Negócios
Citar
Avião KC-390 vai custar mais 8,3 milhões ao Estado português
O Governo português já demonstrou o seu interesse em adquirir aviões deste modelo para integrar a frota da Força Aérea. Alguns dos componentes da aeronave militar KC-390 são produzidos nas fábricas da Embraer em Évora.
O Governo português autorizou esta quinta-feira, 10 de Setembro, um aumento de 8,3 milhões de euros na despesa da sua participação no projecto de desenvolvimento e produção da aeronave KC-390. A fabricante aeronáutica brasileira Embraer produz componentes para este modelo militar nas suas instalações em Évora.

"A autorização hoje aprovada foi de um aumento de despesa de mais 8,3 milhões de euros, fazendo ascender o total do projecto a 38,3 milhões de euros para o período dos próximos quatro anos", referiu o ministro da presidência Luís Marques Guedes após a última reunião do Conselho de Ministros.

O interesse do Governo luso em adquirir estes aviões para a Força Aérea já foi tornado público em diversas situações, embora não se tenha concretizado qualquer negócio até ao momento. Em Fevereiro no Parlamento, o ministro da Defesa José Pedro Aguiar-Branco chegou mesmo a admitir que a decisão de compra poderia acontecer este ano, estando previstos 40 milhões de euros para pagamentos iniciais.

As duas fábricas daEmbraer em Évora foram inauguradas em 2012 e representaram um investimento de quase 180 milhões de euros.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Setembro 11, 2015, 08:43:06 am
(http://static4.businessinsider.com/image/5049fdefecad04a361000008/throwing-money.gif)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Setembro 11, 2015, 08:00:52 pm
Lá vai Barão...........mas que País RICO nós somos sem o sabermos, é um esbanjar de dinheiro á semelhança do que aconteceu com os milhões deitados á rua do projecto NH90, que é obra
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Setembro 11, 2015, 09:32:44 pm
Estou para ver é se o projecto dá barraca e depois ficamos de mãos e pés atados, tanto devido ao dinheiro atirado pela janela (como o caro Alvalade ilustrou muito bem  :lol: ), como para a própria substituição dos C-130... Depois se o avião não fizer o que prometeu ou se sair mais caro que o previsto, quero ver...

Tenente, desta vez estamos de acordo. Acho que é um erro estarmos a "apostar às escuras" dinheiro (8.3 milhões) que poderia fazer falta a outra componente das forças armadas actualmente. Ainda por cima estamos a pagar tudo a tempo e horas, quando o próprio governo brasileiro não pagava a sua parte... pelo menos há uns meses, não sei como está a situação actual.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Setembro 11, 2015, 11:16:17 pm
Citação de: "dc"
Estou para ver é se o projecto dá barraca e depois ficamos de mãos e pés atados, tanto devido ao dinheiro atirado pela janela (como o caro Alvalade ilustrou muito bem  :lol: ), como para a própria substituição dos C-130... Depois se o avião não fizer o que prometeu ou se sair mais caro que o previsto, quero ver...

Tenente, desta vez estamos de acordo. Acho que é um erro estarmos a "apostar às escuras" dinheiro (8.3 milhões) que poderia fazer falta a outra componente das forças armadas actualmente. Ainda por cima estamos a pagar tudo a tempo e horas, quando o próprio governo brasileiro não pagava a sua parte... pelo menos há uns meses, não sei como está a situação actual.

Ainda não está em dia, os Brazucas andam um pouco atrasados com os pagamentos.
Eu não tenho dúvida alguma que o modelo final vai ficar bem mais carito que o que se tem apregoado, mas cá estamos para ver !
Olha, aqueles 8,3 milhões davam, por exemplo, para comprar as quatro WS Marlin 30mm para colocar nas LFC classe Tejo, era dinheiro bem melhor aplicado .
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Setembro 12, 2015, 01:48:37 am
Só para lembrar que o programa do 390 sofreu mais de um ano de atraso (ver o tópico dedicado à aeronave). Entretanto o C-130J está como sempre esteve (maduro) e o A400M já está a ultrapassar os problemas que têm surgido e até já tem dado provas do que vale.

Dentro de um ano vamos ter em Portugal a produção de partes para estas três aeronaves: C-130J (OGMA e Co.), 390 (Embraer Portugal, OGMA e Co.), e A400M (Salvador Caetano e Co.). Se querem dar de mamar, como é costume fazer, para colocar fábricas e investigação e desenvolvimento cá, até que não digo nada contra. Agora não venham é vender banha de cobra e inventar que temos de adquirir esta aeronave porque investimos este dinheiro.

Quanto à origem dos fundos: penso que esse dinheiro seja é dinheiro dos fundos comunitários e que grande parte dele tenha sido atribuídos a programas de I&D ao qual o 390 colou-se.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Setembro 13, 2015, 07:59:01 pm
Resumindo, vamos ter de aguentar os C-130 mais uns anos, sem modernização à vista. Os anos que estes podem ter de esperar até à sua substituição podem variar dependendo de possíveis atrasos no programa KC-390. Por fim, estamos a comprometer-nos com uma aeronave que não dá garantias de nada, seja de custos de operação, seja de preço de aquisição, seja das suas capacidades, quando há aeronaves com capacidades testadas e comprovadas, e sobre as quais já se sabem os custos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Setembro 13, 2015, 08:32:40 pm
Apenas 5 C-130 a ter de suportar os actuais teatros, Mali, Iraque e Kosovo...  :roll:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Setembro 13, 2015, 08:35:59 pm
Citação de: "HSMW"
Apenas 5 C-130 a ter de suportar os actuais teatros, Mali, Iraque e Kosovo...  :roll:

E quantos podem operar no espaço Aéreo Europeu ???
penso que apenas três se não estiver enganado, Não ??
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Setembro 13, 2015, 10:17:03 pm
Citação de: "HSMW"
Apenas 5 C-130 a ter de suportar os actuais teatros, Mali, Iraque e Kosovo...  :roll:

O sexto foi encostado permanentemente, ou está em manutenção?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Setembro 13, 2015, 10:22:23 pm
O sexto vai sendo mantido... Encostado e em coma induzido.  :twisted:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Setembro 13, 2015, 11:38:48 pm
Cinco já não era mau não...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Setembro 14, 2015, 12:33:08 am
Citação de: "dc"
Resumindo, vamos ter de aguentar os C-130 mais uns anos, sem modernização à vista. Os anos que estes podem ter de esperar até à sua substituição podem variar dependendo de possíveis atrasos no programa KC-390. Por fim, estamos a comprometer-nos com uma aeronave que não dá garantias de nada, seja de custos de operação, seja de preço de aquisição, seja das suas capacidades, quando há aeronaves com capacidades testadas e comprovadas, e sobre as quais já se sabem os custos.
Entretanto, hoje já temos duas opções viáveis, incluindo com aeronaves em segunda-mão:

Mas pronto, quem sabe se no futuro não vamos é acabar por abrir mão de aeronaves na classe do C-130 ou superior. Ficando assim a FAP apenas servida pelos C-295M (que sempre já apresentam uma evolução comparados com os C-212) e a depender do EATC e do SAC da NATO, e até de meios privados.

AirTanker: Voyagers for joint European use
(11 de Setembro de 2015)
Citação de: "AIRheads FLY"
AirTanker, the company behind the Royal Air Force (RAF) Airbus A330 Voyager program, is currently in talks with the RAF on supporting the transport and air-to-air refueling (AAR) needs of other allied nations. This should accelerate the introduction into service of more European Airbus Multi Role Tanker Transport (MRTT) aircraft.

[continua] (http://http)
Fonte: http://airheadsfly.com/2015/09/11/airtanker-voyagers-for-joint-european-use/

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 14, 2015, 04:02:08 pm
Citação de: "Get_It"
Entretanto, hoje já temos duas opções viáveis, incluindo com aeronaves em segunda-mão:
  • C-130J: Mantém-se mais ou menos as mesmas capacidades, mantinha-se parte da manutenção e do treino que actualmente já existe, e tinha-se até componentes e linhas de logística em comum com os P-3. São também já operados por um grande número de países membros da NATO com quem trabalhamos e continuava-se com acesso à escola norte-americana para as tripulações.
Não sei bem que componentes em comum tem os P-3 com os C-130J, com os C-130H havia os motores, e mesmo estes não eram 100% iguais, mas com os C-130J já nem os motores pois são da Rolls Royce.
Ao fim de quase 40 anos ainda vai alguém à "Escola norte-americana"? Acho que desde os anos 80 que nenhum C-130 vai aos EUA participar em exercicios. E qualquer que seja o avião que se compre, vamos ter sempre formação de tripulações e técnicos pelo vendedor.

Citar
[/li][li]A400M: A principal vantagem seria o aumento de capacidade, e teria-se uma parte dos componentes em comum com os C-295 e outras aeronaves Airbus. É outra aeronave que também será operada por outros países com quem vamos partilhar linhas de logística quando destacados no estrangeiro.[/li][/list]

Existem componentes comuns entre o C-295 e o A400M?
Que outras aeronaves Airbus é que a FAP tem?
Vamos partilhar linhas logísticas no estrangeiro? Isso até agora nunca funcionou, cada pais sempre teve que levar a sua própria logística, a única coisa parecida que sei que acontece é na EPAF com os exercícios de F-16, em que já existe um pré-acordo de os vários paises se apoiarem uns aos outros em caso de necessidade, mas um pais tem sempre que levar a sua logística, isto é mais para precaver "azares", levamos uma peça de um tipo, mas durante o exercicio estragam-se duas, já gastamos a nossa que tinhamos em stock mas precisamos de mais uma, em vez do avião estar parado esses dias todos (o que iria comprometer o exercício), um pais aliado que tenha essa tal peça igual no seu inventário pode ceder a peça, a reparação do avião faz-se imediatamente e a peça que vem de Portugal quando chegar é entregue a esse pais aliado para eles recomporem o seu stock. Estarmos na "mão" dos outros nunca funcionou bem, pois os outros países vão sempre dar prioridade aos seus meios, só depois aos meios dos outros, agora se me falarem numa linha de abastecimento de peças do fornecedor, ou "internacional" que apoie todas as nações de um modo igual, isso já gostava que existisse. Também podem existir acordos pontuais como por exemplo destacamentos de C-130 Portugal e Bélgica no Afeganistão durante um certo tempo, podem ter um acordo de requisitarem peças um ao outro em caso de necessidade.

Citar
Mas pronto, quem sabe se no futuro não vamos é acabar por abrir mão de aeronaves na classe do C-130 ou superior. Ficando assim a FAP apenas servida pelos C-295M (que sempre já apresentam uma evolução comparados com os C-212) e a depender do EATC e do SAC da NATO, e até de meios privados.

Nós ainda não estamos no EATC nem no SAC, o EATC é constituído por meios aéreos de todos os países membros, acho que não existe nenhum pais membro que não tenha meios aéreos lá, não estou a ver integrarmos o EATC sem os nossos próprios meios aéreos (KC390 ou C-130J), só iamos andar a usar os aviões dos outros? Os outros paises membros iriam aceitar que entrassemos no EATC nessas condições? Iamos ter que pagar o aluguer desses aviões presumo. O SAC acho que não devemos integrar pois para transporte estratégico pesado já estamos no SALIS em que podemos usar os Antonov, só se isto falhasse é que íamos procurar outra solução para esta capacidade, que poderia ser o SAC.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Setembro 15, 2015, 04:06:30 am
Citação de: "Lightning"
E qualquer que seja o avião que se compre, vamos ter sempre formação de tripulações e técnicos pelo vendedor.
Ainda existe uma grande diferença entre enviar pessoal para receber formação pelo vendedor e enviar pessoal para receber formação e treino na USAF. Especialmente quando os andamos a enviar para os EUA para fazer o alguma formação básica, o tirocínio, e a instrução em aeronaves bimotor. Veja-se também a diferença na qualidade dos pilotos, loadmasters, e técnicos formados nos EUA a nível de interoperabilidade com os norte-americanos e outros países que passaram por lá. Esta formação e este treino na USAF também costuma estar inserida nos acordos bilaterais entre Portugal e os EUA, o que permite acesso a outros métodos de pagamento e que sempre ajuda um bocado.

Citação de: "Lightning"
Existem componentes comuns entre o C-295 e o A400M?
Existe pelo menos a nível da instalação eléctrica, aviónicos, sensores e alguns actuadores e servos.

Citação de: "Lightning"
Que outras aeronaves Airbus é que a FAP tem?
Estava-me a referir ao impacto que depois tem a nível de custos com sobresselentes, ao fazer uso da linha de produção civil e das linhas de logística civis.

Citação de: "Lightning"
Vamos partilhar linhas logísticas no estrangeiro? Isso até agora nunca funcionou, cada pais sempre teve que levar a sua própria logística,
Não é esse um dos objectivos da NATO? Partilhar linhas de logística. Ou estamos já a falar de outros cenários?

Citação de: "Lightning"
a única coisa parecida que sei que acontece é na EPAF com os exercícios de F-16, em que já existe um pré-acordo de os vários paises se apoiarem uns aos outros em caso de necessidade, mas um pais tem sempre que levar a sua logística, isto é mais para precaver "azares", levamos uma peça de um tipo, mas durante o exercicio estragam-se duas, já gastamos a nossa que tinhamos em stock mas precisamos de mais uma, em vez do avião estar parado esses dias todos (o que iria comprometer o exercício), um pais aliado que tenha essa tal peça igual no seu inventário pode ceder a peça, a reparação do avião faz-se imediatamente e a peça que vem de Portugal quando chegar é entregue a esse pais aliado para eles recomporem o seu stock.
Também já chegamos a ter técnicos dos nossos F-16 a ajudar a preparação e manutenção de F-16 de outras forças.

Citação de: "Lightning"
Estarmos na "mão" dos outros nunca funcionou bem, pois os outros países vão sempre dar prioridade aos seus meios, só depois aos meios dos outros,
Se for durante um conflito ou qualquer outra operação em que dependam dos nossos meios então não terão outra alternativa senão colaborar e trabalhar em equipa.

Citação de: "Lightning"
agora se me falarem numa linha de abastecimento de peças do fornecedor, ou "internacional" que apoie todas as nações de um modo igual, isso já gostava que existisse.
Sim, relativamente a isso já existem alguns programas da EDA assim.

Mas temos outro aspecto a ter em conta, que é o facto de ao nos estarmos a inserir no sistema de logística e de aquisição dos norte-americanos (ou europeus) teremos acesso a peças mais baratas devido ao volume de encomendas. Não só a nível de aquisição das sobresselentes aos fabricantes mas também a nível dos custos depois relacionados com a logística (armazenamento, transporte, etc.).

Citação de: "Lightning"
Nós ainda não estamos no EATC nem no SAC, o EATC é constituído por meios aéreos de todos os países membros, acho que não existe nenhum pais membro que não tenha meios aéreos lá,
São já vários os países a integrar o EATC, acho mais cedo ou mais tarde também vamos lá parar.

Citação de: "Lightning"
não estou a ver integrarmos o EATC sem os nossos próprios meios aéreos (KC390 ou C-130J), só iamos andar a usar os aviões dos outros? Os outros paises membros iriam aceitar que entrassemos no EATC nessas condições?
Poderíamos contribuir com os C-295M. Se necessário adquiria-se mais alguns C-295M para reforçar a frota e a capacidade de transporte e assim evitava-se estar a comprar uma outra frota de aeronaves, ainda que com maior capacidade, mais cara e com os custos adicionais a nível de infraestrutura, logística, e formação de pessoal para essa nova aeronave.

Citação de: "Lightning"
Iamos ter que pagar o aluguer desses aviões presumo.
Até que ponto não seria mais barato e mais realista dado os sucessivos cortes que temos vindo a sofrer nas forças armadas. (Se houvesse dinheiro já teríamos adquirido C-130J ou A400M e não andávamos para aqui a gastar fundos comunitários neste projecto como se fosse dinheiro nosso.)

Citação de: "Lightning"
O SAC acho que não devemos integrar pois para transporte estratégico pesado já estamos no SALIS em que podemos usar os Antonov, só se isto falhasse é que íamos procurar outra solução para esta capacidade, que poderia ser o SAC.
Iria depender do número de horas e disponibilidade dos meios do SAC comparado com o SALIS. Mas opções acho que não nos faltam.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Setembro 15, 2015, 08:27:15 pm
A piada disto é termos opiniões diferentes :wink: , senão era aborrecido.

Essa parte da logística, para já ainda é praticamente tudo, cada um por si, mas sei que o caminho é o conjunto, anda ai o Smart Defense e o Pooling and Sharing com um monte de ideias, com o tempo vamos ver o que funciona ou não.

O EATC e o SAC parecem-me boas ideias mas Portugal não faz parte, nem nunca li nada sobre intenção de fazer parte, se gostava que fizesse isso já é outra coisa, já é um gosto pessoal, tal como há pessoal que gosta do C-130J, outros do A400M e outros do KC390 para futuro substituto do C-130H.

Como já disse acima, para fazer o papel do SAC temos o SALIS, por isso não vejo a necessidade de "mandar dinheiro" para o SAC, ele não abunda.
O EATC ainda tenho que saber melhor que vantagens dá pertencer a isso.

E em relação ao futuro substituto do C-130H, é verdade que ainda não há concurso, mas não acredito que fique sem substituto, para mim o avião que me parece melhor colocado é o KC390, o A400M até pagamos para deixar de pertencer ao consórcio, o C-130J é sempre um potencial vencedor, mas o KC390 tem fábricas cá em Portugal, o governo ainda recentemente mandou uns milhões para o projecto, é claro que ainda nada é garantido, mas está tudo orientado nesse sentido, se apareceram milhões para submarinos, para Pandur, para NPO, também vão aparecer os milhões para substituir o C-130.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Setembro 15, 2015, 08:46:56 pm
Citação de: "Lightning"
A piada disto é termos opiniões diferentes :wink:  :(

Citação de: "Lightning"
mas o KC390 tem fábricas cá em Portugal
Odeio ler isto assim devido a, infelizmente, o Zé Povinho vir atrás e pensa que o 390 é uma maravilha de máquina para a FAP só porque são produzidos e desenvolvidos componentes cá. Enquanto até o C-130J e o A400M também já têm/vão ter componentes e partes da fuselagem fabricados em Portugal.

Citação de: "Lightning"
o governo ainda recentemente mandou uns milhões para o projecto
E fez muito bem em dar de mamar, leia-se: gastar fundos comunitários para financiar o trabalho e projecto de empresas portuguesas. Agora se esses milhões de euros para o projecto vão também dar frutos a longo prazo não interessa muito como se pode ver pelos outros inúmeros projectos que por aí andaram - seja na área da aeronáutica ou outra indústria qualquer.

Citação de: "Lightning"
é claro que ainda nada é garantido, mas está tudo orientado nesse sentido, se apareceram milhões para submarinos, para Pandur, para NPO, também vão aparecer os milhões para substituir o C-130.
Sim, mas também vai depender dos interesses de quem estiver no poder e se as Marias entretanto se zangam ou não. Quem sabe até se o Paulo Portas não vem a receber um dia outra medalha.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: PedroI em Outubro 01, 2015, 03:33:56 pm
Se é para o projecto do KC390 não sei mas que a EMBRAER está a exportar fuselagens em barda para o Brasil
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: luis simoes em Outubro 04, 2015, 09:24:57 pm
Boas


Há muito que aqui nao passava e de facto ja tinha saudades.....de facto o nosso C130 teve mais um upgrade o que nos garante por ca mais uns bons aninhos ate que o KC390 de Embraer estara  100% operacional.....e disponivel......auguro um bom futuro para esta Aeronave na nossa FAP.....um aviao tecnicamente evoluido.....moderno.......e que para Portugal tambem tras beneficios uma vez que tambem participamos no desenvolvimento do mesmo.....sem duvida otima aquisiçao......
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Outubro 04, 2015, 09:44:36 pm
Here I go again.

Esperemos é que esses «bons aninhos» não passem a «uns bons anos». Entretanto o C-130J e o A400M continuam a dar provas dadas e nós continuamos a ter empresas envolvidas no fabrico de componentes para estas aeronaves.

Existem alternativas (talvez bem melhores) ao 390. Não devemos estar a adquirir uma aeronave apenas e simplesmente porque trocamos fundos europeus, tecnologia e know-how por postos de trabalho.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: luis simoes em Outubro 04, 2015, 10:57:32 pm
GET_IT.......
Tal como tu espero que nao sejam anos mas sim anitos e de facto acredita que o nosso KC390 nao fica a dever nada ao A400M
ou outro tipo de plataforma no caso o C130J.......em relaçao á tua resposta nao se trata aqui de abrir novos postos de trabalho mas sim tornar Portugal Autosuficiente e nao depender de terceiros para ter este tipo de plataforma......aproveita e ve um video do EMBRAER KC390........iras perceber o porque de Portugal ter apostado nesta Aeronave......
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Barlovento em Outubro 05, 2015, 08:59:30 pm
Citação de: "luis simoes"
.......em relaçao á tua resposta nao se trata aqui de abrir novos postos de trabalho mas sim tornar Portugal Autosuficiente e nao depender de terceiros para ter este tipo de plataforma......

Non entendo o de autosuficiente sendo o aviao construido no Brasil
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Outubro 05, 2015, 09:15:12 pm
Citação de: "luis simoes"
Tal como tu espero que nao sejam anos mas sim anitos e de facto acredita que o nosso KC390 nao fica a dever nada ao A400M
ou outro tipo de plataforma no caso o C130J
Esse «nosso»...  :roll:

Fica a dever ao A400M em termos de capacidade e ao C-130J em termos da learning curve e potencialmente dos custos. Fica também a dever aos dois quanto à possível partilha de logística com outros países NATO e europeus.

Citação de: "luis simoes"
.......em relaçao á tua resposta nao se trata aqui de abrir novos postos de trabalho mas sim tornar Portugal Autosuficiente e nao depender de terceiros para ter este tipo de plataforma......aproveita e ve um video do EMBRAER KC390........iras perceber o porque de Portugal ter apostado nesta Aeronave......
Para ver vídeos então também vou ver vídeos do C-130J ou do A400M, ou até das aeronaves da Antonov. Sempre dá para ver vídeos dessas aeronaves já a operar e não apenas de um único voo.

É engraçado como esse ser auto-suficiente é na realidade passar a ser dependente do Brasil. Concordo que exista um esforço para aproveitar os recursos nacionais para apostar na indústria nacional e na produção local de equipamento para as forças armadas. Contudo, no caso do substituto do C-130H não faz tanto sentido como, por exemplo, o desenvolvimento e/ou a construção nacional dos NPO, Pandur II, ou das espingardas automáticas (se fosse à uns anos e compradas em grande número). Estamos a falar da compra de 5-6 aeronaves que estão ainda a ser desenvolvidas, já sofreram um atraso, e vão enfrentar uma enorme concorrência no mercado mundial. Entretanto, temos outros concorrentes e alternativas que têm componentes fabricados em Portugal.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 06, 2015, 11:02:48 am
O KC-390 é desenhado pela EMBRAER, mas as peças vem de todo o lado (incluindo Portugal). Isso tem aspectos positivos mas também negativos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Janeiro 27, 2016, 11:20:27 pm
Segundo o ministro a opção a curto prazo vai ser modernização para aumentar a longevidade pelo menos até 2025.

O substituto dos C-130 ainda não foi escolhida, foram mencionados o C-130J e o C-390.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 08, 2016, 11:39:03 am
Estas desatualizado amigo troll brasileiro.
O Aguiar Branco já não conta para este jogo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 11, 2016, 10:26:17 pm
Estas desatualizado amigo troll brasileiro.
O Aguiar Branco já não conta para este jogo.
Diria mais. A personagem em questão é uma verdadeira toilet bomb. Vê voar e voa...
(http://www.midwaysailor.com/midwayva25bomb/va25specbomb-0005b.jpg)
(http://www.tinfeathers.com/MilPhoto/VA25/VA25_2.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Março 26, 2016, 08:22:13 pm
Citar
2 - OBJETO DO CONTRATO
Designação do contrato: Reparação ou revisão geral de componentes para o Sistema de Armas C-130H
Descrição sucinta do objeto do contrato: Reparação ou RVG de componentes para o Sistema de Armas C-130H
Tipo de Contrato: Aquisição de Serviços
Valor do preço base do procedimento 96330.00 EUR
Classificação CPV (Vocabulário Comum para os Contratos Públicos)
Objeto principal
Vocabulário principal: 50210000

https://dre.pt/application/conteudo/73943961
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 03, 2016, 12:34:52 pm
Citar
2 - OBJETO DO CONTRATO
Designação do contrato: Reparação ou revisão geral de componentes para o Sistema de Armas C-130H
Descrição sucinta do objeto do contrato: Reparação ou RVG de componentes para o Sistema de Armas C-130H
Tipo de Contrato: Aquisição de Serviços
Valor do preço base do procedimento 96330.00 EUR
Classificação CPV (Vocabulário Comum para os Contratos Públicos)
Objeto principal
Vocabulário principal: 50210000

https://dre.pt/application/conteudo/73943961

Pouco mais de 96 mil euros? Se é esta a suposta modernização das 6 aeronaves ( e não nos esqueçamos que é preciso praticamente "ressuscitar" um C-130H-30 que se encontra parado há alguns anos na BA6), talvez o valor só dê para mudar os transponders, pneus e o couro das cadeiras.  ::)

No que diz respeito à substituição dos C's, continuo a achar que era preferível para já optar por um aparelho com provas dadas e capaz de interoperabilidade com outros aliados, do que avançar directamente para um projecto novo. O C-130J/J-30 Super Hercules, operado por EUA, Reino Unido, Dinamarca, Itália, França, Canadá e Noruega (isto no seio da Aliança Atlântica) é uma escolha natural e óbvia.

Por exemplo, podíamos adquirir 4 aparelhos, dois na versão curta e outros dois na versão alongada, adquirir mais 3 C-295M e modernizar todos as 15 aeronaves para o padrão W.

(http://militaryedge.org/wp-content/uploads/2015/06/C-295W.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Maio 03, 2016, 04:53:32 pm
Duvido que ressuscitem o C-130H que está imobilizado no Montijo...já vi fotos do dito e para o colocar a voar de novo serão necessários...milhões de euros...

Há pilotos e horas de vôo suficientes para voar esse upgrade de frota sugerido??
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 03, 2016, 08:00:21 pm
Duvido que ressuscitem o C-130H que está imobilizado no Montijo...já vi fotos do dito e para o colocar a voar de novo serão necessários...milhões de euros...

Há pilotos e horas de vôo suficientes para voar esse upgrade de frota sugerido??

Quanto à primeira questão, viste tu e vi eu. E até te digo mais: estive dentro dele há umas semanas e não está tão mau quanto parece, apesar de estar completamente exposto aos elementos e sem motores. Que tenha conhecimento a intenção é coloca-lo de novo a voar juntamente com os outros C's, pese embora também já tenha aqui lido que apontam apenas para a modernização de 5.

A segunda questão já é completamente diferente, e aí a tua dúvida é igual à minha. Recentemente nos meios de comunicação social foi veiculado que as Forças Armadas - e não somente a GNR - terão falta de perto de 5 mil elementos. É haver vontade política para isso porque, quer achem quer não, quando se quer o dinheiro aparece.

Citar
http://www.dnoticias.pt/actualidade/pais/583686-forcas-armadas-com-defice-de-recrutamento-proximo-de-5-mil-militares?quicktabs_2=2
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Maio 03, 2016, 11:59:48 pm
Há pilotos e horas de vôo suficientes para voar esse upgrade de frota sugerido??
O camarada deve ser dos poucos que por aqui anda que sabe do que fala.

Mas não insista muito nisso: são questões que não interessam para os "peritos" que por cá escrevem...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Maio 04, 2016, 10:20:36 am
Há pilotos e horas de vôo suficientes para voar esse upgrade de frota sugerido??
O camarada deve ser dos poucos que por aqui anda que sabe do que fala.

Mas não insista muito nisso: são questões que não interessam para os "peritos" que por cá escrevem...

Eu muitas falo do que escuto comentar e de algumas realidades que me são descritas.
Acabo por me imiscuir numa "praia" que não é a minha, a minha área é mais "boots on the ground"/infantaria digamos.

Obviamente que no fórum muitas das vezes não se projeta a realidade mas o desejável, o ambicionado.
"Se os outros têm porque não poderemos nós ter também?" Ou "se dali estão a desativar aquela frota porque não ficamos nós com ela." e não são ponderados alguns fatores importantes que afetam o processo.

Mas sim compreendo o seu ponto de vista e vou-me deixar de apontar as fragilidades/lacunas de alguns desejos expressos por outros foristas.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Maio 04, 2016, 09:52:39 pm
Como agora está na moda as petições, vamos fazer uma em que só tem aqui direito de entrada e escrita no forum defesa, quem apresenta certos requisitos tipo identificação militar ou certificado de habilitações na área da defesa e afins, com aprovação de determinados e iluminados foristas. Vamos lá que é só um clique  (chegue-se à frente quem tem comichões e alergias, bem como quem quer tornar a defesa um debate apenas de "peritos" mas depois fica chocado com o  que a populaça  diz e escreve nos média sobre por exemplo os submarinos) : http://www.peticaopublica.com/?adw=3&argsite=adw_peti%C3%A7%C3%B5es&gclid=CjwKEAjwu6a5BRC53sW0w9677RcSJABoFn4sdrXLJUkomSPYgVVmoAvC-tMF61tuGFLW3xzzGb7G7hoCOUrw_wcB (http://www.peticaopublica.com/?adw=3&argsite=adw_peti%C3%A7%C3%B5es&gclid=CjwKEAjwu6a5BRC53sW0w9677RcSJABoFn4sdrXLJUkomSPYgVVmoAvC-tMF61tuGFLW3xzzGb7G7hoCOUrw_wcB)
Citar
Petição Pública - Serviço gratuito de petições online.
Se pensa em exercer pressão em organismos, organizações ou empresas, sensibilizar políticos, organizar um protesto ou boicote, criar uma onda de indignação, alterar ou criar propostas de lei, está no sitio certo. As petições online mobilizam a população sobre temas relevantes e são muitas vezes destacados nos principais meios de comunicação social.

Faça a sua petição online de forma rápida e segura. Chegou a hora de fazer algo e a sua contribuição é fundamental. Crie uma Petição Pública.
Posto isto, o que seria elevar o debate a outro nível e de grande importância no âmbito da defesa nacional, seria termos "alguém com acesso a tal informação privilegiada" a partilhar com os leigos que por cá escrevem (aparentemente ficção  ;D ) , o sentimento geral da esquadra (existira alguém melhor do que eles que vivem esta realidade  todos os dias para saber o que é melhor bem como o que é possível ou impossível?), após o anuncio de mais 10 anos de C130H? Quem é contra, a favor, de ter 5 ou 6 C130 em uso, soluções alternativas de aquisição de equipamento, etc, etc, ou até descrever processos diários e "aparentemente" simples de quando é necessário actualmente por exemplo adquirir um pneu. Isso é que era de valor ...  ::) ;D
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/aeronaves/c130/a-125117_167.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: night_runner em Maio 05, 2016, 01:37:10 am
Posto isto, o que seria elevar o debate a outro nível e de grande importância no âmbito da defesa nacional, seria termos "alguém com acesso a tal informação privilegiada" a partilhar com os leigos que por cá escrevem
O camarada já fez as contas a quantos desses "alguém" é que já por cá passaram e deixaram de cá vir? Um ou dois ainda cá vêm mas apenas promover um trabalho ou outro, os outros parece que foram desistindo. Porque será...?

Não se pode querer tudo. Mas também não há problema, no estado em que as FFAA estão a ficar o que não vao faltar são coisas para se falar e escrever!
 :G-beer2:

Cumprimentos!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Maio 06, 2016, 10:43:49 am
Posto isto, o que seria elevar o debate a outro nível e de grande importância no âmbito da defesa nacional, seria termos "alguém com acesso a tal informação privilegiada" a partilhar com os leigos que por cá escrevem
O camarada já fez as contas a quantos desses "alguém" é que já por cá passaram e deixaram de cá vir? Um ou dois ainda cá vêm mas apenas promover um trabalho ou outro, os outros parece que foram desistindo. Porque será...?

Não se pode querer tudo. Mas também não há problema, no estado em que as FFAA estão a ficar o que não vao faltar são coisas para se falar e escrever!
 :G-beer2:

Cumprimentos!
O Camarada desculpe, mas  não me diga que esses elementos não vêm ao forum defesa pelo que cá se escreve? É que se é o caso, presumo então que não leiam jornais nem revistas e que andem na rua de "mãos a tapar as orelhas" para que não oiçam o que a populaça diz das forças armadas (aquela que compra os pasquins mais vendidos cá no burgo)? E acha também o camaradas (e camaradas que entretanto deixaram de vir ou só cá vêm a "espaços"), que  são os elementos do Forum Defesa que  escolhem o material da FAP? Ou influenciam a escolha do mesmo a Nível Ministerial ou Politico? Têm de perguntar é ao ministro e seu staff qual a razão de escolher modernizar os C130H, se existem horas e tripulações suficientes para modernizar 5 ou 6 e em que critérios se baseou? O que interessa o que os foristas sabem ou não se isso foi uma decisão das cúpulas do Ministério da Defesa? Aliás, se V.exma reparar o que não faltam aqui são indivíduos que mal ou bem, dentro ou fora da realidade das F.A. defendem o reforço de meios nas Forças Armadas Portuguesas. Se os camaradas da esquadra não sabem ou deixam de vir cá por esta ou aquela "patacoada", talvez não estejam a ver bem todo o "prisma", ou confundam má informação e  "desvaneios" com um qualquer forum dos jornais sensacionalistas dos Jornais Diários onde o "Bota Abaixo das F.A." é o pão nosso de cada dia ao invés de falar (bem ou mal) no tipo de aeronave A ou B que deveria substituir o C130H. Aqui mal o menos, a maioria dos foristas independentemente de bem ou mal informado, do que diz e do que escreve, está ao lado das Forças Armadas e reconhece a necessidade de mais meios humanos e materiais, face às missões desempenhadas. Portanto, se calhar antes de fazer contas a quem cá vêm ou deixou de vir é preciso primeiro que tudo, passar esta realidade, não?
Citação de: night_runner
Não se pode querer tudo.
Não, não se pode querer tudo. Aliás, prefiro saber o que a esquadra pensa hoje e continuar a saber o que pensa no futuro, do que "colocar a boca no trombone" para ficar bem visto como individuo informado em foruns e debates sobre as F.A. E existem informações que não se revelam, bem como fontes que não se comprometem. E com certeza que os camaradas da esquadra que já por cá passaram ou ainda passam, também sabem isso (os que conheço sabem, os outros se não sabem deviam ou não querem saber).
Citação de: night_runner
Mas também não há problema, no estado em que as FFAA estão a ficar o que não vao faltar são coisas para se falar e escrever!
Concordo. Mesmo por isso, mal ou bem é necessário debater a defesa sem entrar na palhaçada dos foruns de qualquer jornal ou revista sensacionalista, antes que esta realidade ainda fique pior. Faça as contas de quem mal ou bem debate defesa com um nível mínimo de seriedade e respeito pelas F.A. neste pais. Seja por quem está dentro das F.A. ou por quem está fora, tenha ou não acesso a informação privilegiada, diga mais ou menos "patacoadas", é necessário debater, informar e instruir. O que faz essa gente que diariamente revela o trabalho dos homens e mulheres das F.A. nas redes sociais, blogs e afins, mesmo sendo ex militares ou aficionados pela temática em questão? O que interessa se é tudo escrito com total conhecimento de causa quando se fala na necessidade de  continuar a ter uma frota de transporte com meios humanos e matérias que permita à FAP executar as missões militares, humanitárias e de utilidade pública, numas F.A. numa situação cada vez mais dificil ? Quanta desta gente dita "mal informada", longe de serem "peritos" publicam teses e mestrados sobre as necessidades de meios humanos e materiais das F. A. ? Se calhar é algo que muitos camaradas deveriam ter em conta ao invés de  olharem com desdenho para este ou aquele comentário porque não reflecte a realidade das F.A. para quem está lá e a vive todos os dias. Corrigir, debater em vez de ostracizar, enquanto as F.A. vão tendo menos meios materiais e humanos e nem tão pouco se deslumbra no horizonte qualquer mudança, se calhar deveria ser o mote (digo eu). Ficam depois os média sensacionalistas e os "seus forums de gente séria e informada" para debater "pessimamente mal", denegrir o papel e os operacionais das Forças Armadas Portuguesas e colocar as culpas sempre nos mesmos, pelo estado actual e futuro das F.A. Talvez alguns camaradas prefiram assim em vez de uma ou outra "algarviada" ou de situações discordantes, mas que mal ou bem vão transmitindo o que as F.A. fazem diariamente, a sua realidade e limitações, tentando chegar (e mudar a mentalidade) do grande público que pouco ou nada sabe sobre as Forças Armadas Portuguesas (pois afinal é este mesmo público que vota nos tais políticos responsáveis pela maioria das decisões) . Mas é como diz, não se pode ter tudo. 

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: dc em Maio 09, 2016, 06:35:55 pm
Enfim, ridículo ter chegado ao ponto em que, não concordando com algo, amuam e vão-se embora... Que bela demonstração de maturidade, supostamente ter conhecimento mais aprofundado de certos assuntos que são discutidos aqui no Fórum, mas escolher não partilhar desse mesmo conhecimento. Por isso é que há Homens e Mulheres, e depois há "gente", com o seu complexo de superioridade.

De volta ao tópico, há que focar no upgrade (que pelos vistos será baratucho), e deixar de sonhar com novas aeronaves por uns tempos, visto que, após este upgrade, espera-se que os C-130 voem por mais uns bons anitos. Se só der para ter 5, que seja, sempre se poupa de algum lado e as vagas para pilotos abertas, podem ser direcionadas para outras aeronaves.
Há outras prioridades no seio da FAP no que diz respeito à substituição de aeronaves.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Maio 10, 2016, 12:23:18 am

De volta ao tópico, há que focar no upgrade (que pelos vistos será baratucho), e deixar de sonhar com novas aeronaves por uns tempos, visto que, após este upgrade, espera-se que os C-130 voem por mais uns bons anitos. Se só der para ter 5, que seja, sempre se poupa de algum lado e as vagas para pilotos abertas, podem ser direcionadas para outras aeronaves.
Há outras prioridades no seio da FAP no que diz respeito à substituição de aeronaves.
Como os Alpha e os Al III?  ;D ;D  ;D Vejamos a curiosidade: Enterramos 40 milhões no Kc390 que afinal  não é uma prioridade porque o C130H até pode voar mais 10 anos com um Upgrade comparticipado pela UE com fundos comunitários. E agora "guito" para substituir as "velharias"? Não há. (ou também existem fundos comunitários para isso? Dizemos que os helicópteros são para apagar incêndios e que os aparelhos de treino são para vigiar as fronteiras contra os migrantes...)   ::)
(https://imagens9.publico.pt/imagens.aspx/880839?tp=UH&db=IMAGENS)

Saudações  ;D :P
 
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 10, 2016, 12:49:37 pm
Uma observação em relação a algo que escrevi anteriormente: o C-130H-30 "16802", parado numa placa da Base Aérea do Montijo há mais de dois anos, pode ser recuperável se houver dinheiro para isso porque vontade existe. Supostamente, e volto a repetir, supostamente os problemas com esta aeronave serão quase exclusivamente relacionados com o desgaste sofrido nas duas extensões aplicadas nas OGMA no início dos anos 90 e que permitiram que passasse de um Hércules normal à versão alongada. Como disse em ocasião anterior, o aparelho é recuperável, pese embora as óbvias marcas de exposição aos elementos, e o estar a servir de "vaca", isto é, de peças para a restante frota C-130.

Contudo, e isso é observável em fotos tiradas à mesma na BA6, houve o cuidado por parte da Esquadra de proteger a fuselagem frontal de modo a resguardar o cockpit e equipamentos lá presentes, o que não é propriamente condizente com uma aeronave já descartada. Ainda assim, e face ao modesto valor alocado para a modernização, é bem possível que o "02" possa ficar de lado temporária ou definitivamente, ficando a Esq. 501 com 3 C-130H e 2 C-130H-30.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Maio 10, 2016, 02:01:36 pm
Não faria mais sentido concentrar os esforços em recuperar e modernizar mais um C-130H-30 ao invés de um dos C-130H?

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 10, 2016, 02:30:22 pm
Não faria mais sentido concentrar os esforços em recuperar e modernizar mais um C-130H-30 ao invés de um dos C-130H?

Cumprimentos,

Logicamente faria, sempre seria uma aeronave de maiores dimensões e capacidades, porém há-que ter em conta as verbas disponíveis.

Foto do "16802" em Outubro do ano passado, retirada do fórum da APEA.

(http://forum.apeapt.com/download/file.php?id=53901)
http://forum.apeapt.com/viewtopic.php?f=10&t=6863&start=10
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Junho 01, 2016, 09:58:27 pm
Avança a modernização de 5 C-130H...
Citar
O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto Azeredo Lopes, autorizou hoje o início do procedimento para a modernização de cinco aeronaves C-130H operadas pela Força Aérea. Este processo de modernização será levado a cabo conforme previsto na Lei de Programação Militar, devendo estar concluído em 2023 e não excedendo o montante máximo de 29 milhões de euros no global da intervenção.

Considerando que o programa de modernização dos C-130H é imprescindível para o cumprimento dos requisitos impostos pela regulamentação do Céu Único Europeu, bem como para a sustentação e modernização destas aeronaves, o Ministro da Defesa autorizou o procedimento de contratualização que vai permitir agora assegurar a operacionalidade dos C-130 para o futuro.

O Ministro da Defesa Nacional delegou no Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Manuel Teixeira Rolo, com faculdade de subdelegação “as competências para assinar a Letter of Request e formalizar o início do procedimento junto do FMS/EUA, bem como para praticar os demais atos necessários à condução do procedimento”.

A Capacidade de Transporte Aéreo Estratégico nacional é atualmente garantida pelos C-130H, que são aeronaves essenciais, quer em operações de natureza militar, quer em diferentes missões de interesse público. 

Os C-130 executam missões nos mais diversificados e exigentes cenários, como em missões de paz, patrulhamento marítimo, busca e salvamento, apoio logístico e assistência médica em evacuações aéreas – podendo transportar 74 macas e evacuar 97 feridos ou doentes.

Estas aeronaves começaram a ser utilizadas pela Força Aérea Portuguesa em finais da década de 1970 e ao longo do seu tempo de serviço já atuaram em Angola, Moçambique, S. Tomé, Cabo Verde, Timor, Golfo Pérsico, Moscovo, Afeganistão, Ruanda, Balcãs, entre outros.

São estas aeronaves que transportam regularmente os militares portugueses e a sua carga para os diferentes teatros de operação, como aconteceu com as Forças Nacionais Destacadas em Timor-Leste, Iraque, Afeganistão, ou mais recentemente na Lituânia no Kosovo. Os C-130 estiveram também envolvidos em missões de apoio humanitário no Haiti, Egito e Líbia e, mais recentemente, na Operação MINUSMA, no Mali, em 2015.
   
      
Atualizado em: 01-06-2016 16:50


http://www.defesa.pt/Paginas/Moderniza%C3%A7%C3%A3ode5avi%C3%B5esC-130daFor%C3%A7aA%C3%A9rea.aspx (http://www.defesa.pt/Paginas/Moderniza%C3%A7%C3%A3ode5avi%C3%B5esC-130daFor%C3%A7aA%C3%A9rea.aspx)
(http://www.defesa.pt/Galeria%20Imagens/ImagensNoticias/2016o601_FAP_noticia.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 02, 2016, 11:52:00 am
Afinal sempre serão 5.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Junho 02, 2016, 02:30:28 pm
E é bom que seja uma modernização prioritária pois em breve haverá a projecção de forças para a Republica Centro Africana com muitas necessidades de transporte. 
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Junho 02, 2016, 02:46:06 pm
Previsão de entrega final em 2023... Então é previsto ficarmos com os C-130 até... 2040?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Junho 02, 2016, 02:53:10 pm
Previsão de entrega final em 2023... Então é previsto ficarmos com os C-130 até... 2040?
A FAP anda a ver se bate o record de 80 anos de C47 que os sul africanos detém...  ::) :P

Citar
http://www.warbirdsnews.com/warbirds-news/80-year-milestone-saaf-dakota.html (http://www.warbirdsnews.com/warbirds-news/80-year-milestone-saaf-dakota.html)


(http://www.defenceweb.co.za/images/stories/AIR/Air_new/C-47TP_Silver_Falcons_400x300.jpg)

Saudações  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 02, 2016, 03:34:05 pm
E é bom que seja uma modernização prioritária pois em breve haverá a projecção de forças para a Republica Centro Africana com muitas necessidades de transporte.

Acho que não são assim tão rápidos ;D, a projecção do pessoal para a RCA é ainda este ano :G-beer2:.

E pelo que percebi, mesmo que os C-130 levem um upgrade importante em várias vertentes, uma das mais importantes é a possibilidade de voar no Céu Unico Europeu, e isso logicamente é irrelevante para voar em África, é importante sim para o espaço aéreo europeu.

PS: Pensava que ias dizer que a modernização era importante porque iamos ter que ir evacuar civis à Venezuela :G-bigun:.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 02, 2016, 03:38:23 pm
A FAP anda a ver se bate o record de 80 anos de C47 que os sul africanos detém...  ::) :P

Talvez, mas antes dos C-47 ainda tem que bater o tempo dos B-52 Americanos que já tem uns 60 anos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 06, 2016, 09:03:13 am
Notícia do jornalista ligado à área de Defesa Manuel Carlos Freire, na edição de hoje do DN.

Citar
Força Aérea abate C-130 e pede fundos à UE para atualizar frota

Defesa

06 DE JUNHO DE 2016 00:22

Manuel Carlos Freire

Modernização de cinco aeronaves para voarem sem restrições sobre Europa envolve 29 milhões de euros. Cerca de 12,5 milhões podem vir de Bruxelas

A modernização das aeronaves militares C-130 da Força Aérea, que se candidatou a fundos europeus para conseguir metade dos custos, implicará o abate de um dos seis aparelhos da frota, soube o DN. Isso explica a opção do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, no recente despacho onde autoriza o chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) a iniciar os respetivos procedimentos do concurso, de modernizar apenas cinco dos C-130 em operação desde o final dos anos 1970.

Azeredo Lopes, num despacho anunciado no dia da primeira visita oficial do atual Presidente da República à Força Aérea, estabeleceu um teto de 29 milhões de euros de investimento nesse programa - necessário para os C-130 poderem voltar a voar sobre a Europa sem restrições - há anos adiado.

Este concurso difere do aprovado há quatro anos pelo então ministro da Defesa do PSD, José Pedro Aguiar-Branco, que foi anulado por ausência de candidatos, em pelo menos dois aspetos: modernizam-se cinco em vez das seis aeronaves, o bolo financeiro é de 29 milhões (contra os 12 milhões disponíveis em 2012).


(http://i65.tinypic.com/30tjf46.jpg)


Recorde-se que, num outro despacho de fevereiro passado, o ministro Azeredo Lopes autorizou a Força Aérea a candidatar os programas de modernização das aeronaves C-130, Falcon 50 e Epsilon a fundos europeus. Embora Bruxelas não financie projetos militares, está em causa a atualização de equipamentos de voo (anticolisão, telecomunicações, aviónicos) para operar no espaço europeu - a diferentes altitudes, velocidades, corredores aéreos - e isso não tem natureza bélica.

No caso dos C-130, ao serviço da Força Aérea desde o final dos anos 1970, os novos equipamentos a colocar nas aeronaves implicam modernizar outros componentes do cockpit para garantir a compatibilidade do seu funcionamento, precisou uma das fontes. A opção da Força Aérea em abater um dos C-130 à sua frota é uma consequência de cumprir o objetivo de ter três aeronaves prontas a voar com um total de cinco e não, como agora, das seis existentes, explicou uma das fontes. O aparelho que ficará por modernizar é o da versão longa que está parado há meses na base aérea do Montijo e que tem "fornecido" peças para manter os outros cinco C-130 a voar. Quanto aos prazos: embora o Ministério da Defesa tenha previsto concluir o programa dos C-130 até 2023, é quase certo que a Força Aérea procurará antecipar a sua conclusão em dois a três anos, admitiu uma das fontes, baseada na relativa rapidez da sua execução e na urgência em concluir um processo sucessivamente atrasado nos últimos anos.

Para isso contribuíram as restrições financeiras do país - que obrigaram a cortes significativos nas horas de voo e afetaram as qualificações das tripulações a partir de 2010 - e o investimento a fazer na inevitável compra de novos aparelhos de transporte estratégico. Certo é que modernizar os C-130 vai garantir-lhes pelo menos mais uma década de vida operacional, conforme estimativas do ramo.

http://www.dn.pt/portugal/interior/forca-aerea-abate-c-130-e-pede-fundos-a-ue-para-atualizar-frota-5212660.html
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Junho 06, 2016, 03:56:36 pm
 Outros congéneres da Nato e utilizadores do C-130 começaram a  proceder à actualização dos aviónicos do cockpit há cerca de 18 anos. Até a indigente Argentina já o fez. Nós também o somos sem dúvida. Esta situação de pedir apoio a Bruxelas para pagarem a modernização de aeronaves é o cúmulo do ridiculo e imagino a galhofa ou o embaraço lá a abrirem os dossiers e virem este país a pedir uma esmola para ajudarem a pagar a modernização dumas avionetas (Epsilon) e de uns vetustos aviões de transporte. Isto é o bater com força no fundo, isto é a vergonha e a indigência absoluta. E de vermos um tipo empossado de ministro da defesa (que noutros tempos nem chegaria a contínuo sequer de uma qualquer repartição pública) com uma conversa tipicamente de chico-esperto português a justificar que a ajuda não é bélica. Que patético!

Já não bastou a figura ridícula perante os parceiros da NATO com a recente "compra" dos "novos" navios que estavam encostados num porto secundário dinamarquês à espera de apodrecer em que os limparam por dentro cá e meteram-lhe uns radares que tinham armazenados e foram comprar uns aparelhos baratos usados na navegação comercial para os equipar.

 Se aparecer aí um bancozeco com problemas, aparece logo um cheque de biliões para pagar a festa.

 Pobre país!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sivispacem em Junho 07, 2016, 11:42:46 pm
Artigo da Defensa.com sobre a modernização dos C-130 (sorry, não consegui copiar texto para aqui)

http://www.defensa.com/frontend/defensa/fuerza-aerea-portugal-modernizara-cinco-c-130h-hercules-vn18837-vst157

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 08, 2016, 12:10:58 pm
Artigo da Defensa.com sobre a modernização dos C-130 (sorry, não consegui copiar texto para aqui)

http://www.defensa.com/frontend/defensa/fuerza-aerea-portugal-modernizara-cinco-c-130h-hercules-vn18837-vst157

O programa/pacote AMP da Boeing sempre foi o preferido pela FAP, desde 2005/2006. Porém, até como avança este artigo, não sei se o valor alocado à modernização das 5 aeronaves será suficiente. O AMP tem sido uma autêntica novela nos EUA, com custos a subirem e a descerem constantemente, e incerteza entretanto desbloqueada pelo congresso norte-americano dada a necessidade urgente de modernização da frota de C-130H clássicos da USAF/ANG.

http://www.ngaus.org/newsroom/news/race-against-calendar

Além disso o AMP tem duas fases: o AMP 1 (caixas negras, ADSB, novos rádios), e o AMP 2 com a inclusão de novos aviónicos e mostradores digitais (glass cockpit e HUD's para comandante e co-piloto), eliminando por exemplo a necessidade de um navegador no cockpit. A revisão dos motores Allison de modo a poderem utilizar hélices de oito pás ao invés das actuais quatro também está contemplada no programa, e foi algo que a própria Esquadra 501 admitiu em 2007 no livro dedicado aos 30 anos dos Bisontes. Esperemos então por mais dados a este respeito.


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Junho 08, 2016, 11:30:56 pm
 Existem inúmeras empresas certificadas para fazerem o upgrade ao cockpit do C-130. Não é a só a Boeing com o AMP que foi o 1º a aparecer no mercado e o mais conhecido que está disponível, outras empresas como a Esterline, Rockwell Collins, Arinc, empresas israelitas entre muitas outras também o fazem.
 Isso de dizer que o AMP é o favorito da FAP é mais um palpite do articulista da publicação do que outra coisa qualquer. Porque as ofertas que existem no mercado são muito idênticas entre si porque têm de obedecer a um mesmo padrão.

 Ridículo é o anterior ministro da defesa (um perfeito idiota) mandar abrir um concurso para modernizar 6 aeronaves com uma verba limite que mal dava para fazer uma modernização a 2 aeronaves. Querendo também que a força aérea vendesse os "chaços" dos Puma e com a receita dessa eventual venda fizessem a modernização dos C-130. Como é obvio isso não seguiu para a frente porque ninguém faz milagres e mais uma vez o país fez uma figura triste perante os fornecedores e entidades estrangeiras. Hoje com todas estas peripécias já ninguém nos leva a sério.

 Aqui se pode constatar a inteligência e a racionalidade de quem é responsável e gere também estes processos.
Agora com a vida útil e limite de horas de vôo das células perto do fim é que decidem efectuar a modernização? Em vez de o fazerem há 15 anos atrás? Quando o custo disto era meia dúzia de fontanários inúteis com rotunda ou metade dum pavilhão multi-usos aí duma freguesia qualquer? Mas como estamos em Portugal tem de ser gestão à portuguesa e o que é importante para o país mas que não dá votos, não interessa absolutamente para nada.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 20, 2016, 11:20:20 am
Citar
Estado investe 21 milhões em aviões militares novos
20 DE JUNHO DE 2016
00:44

Manuel Carlos Freire

Participação de Portugal no desenvolvimento e fabrico da aeronave de transporte KC-390 atinge os 59,1 milhões de euros em 2017

Portugal vai investir este ano quase 17 milhões de euros no projeto de desenvolvimento e construção, em Évora, da aeronave militar de transporte KC-390, num total de 20,8 milhões de euros até 2017. Este montante, que visa concluir o envolvimento português no projeto da empresa brasileira Embraer em cuja construção participam vários países (ver infografia), foi agora publicado em Diário da República e eleva o contributo financeiro de Lisboa para 59,1 milhões de euros. Este investimento iniciou-se em 2012 e previa um total de 57 milhões de euros até 2013.

A resolução do Conselho de Ministros coincide com a aprovação do processo de modernização dos Hércules C-130, aeronaves sujeitas há anos a fortes restrições de voo sobre a Europa por falta dos equipamentos exigidos pelas autoridades aeronáuticas. A sua compra esteve dependente da decisão sobre o novo avião de transporte estratégico (que ainda não foi formalizada) e esse investimento tem agora um teto de 29 milhões de euros, a concretizar até 2023. As verbas afetas ao projeto do avião de transporte KC-390 "não constituem auxílios de Estado", disse o Ministério da Economia ao DN, pois é um projeto de investigação e desenvolvimento, não uma injeção de dinheiro numa empresa pública e que viole as regras da concorrência comunitária - como Bruxelas considerou ter havido nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC).

Parceria industrial

Agora, a exemplo do que ocorreu na década de 2000 com o projeto do avião militar europeu A400M, Portugal decidiu participar desde o início no projeto de construção do KC-390 pelas mais valias que daí decorriam para a economia nacional (investigação, desenvolvimento, novas tecnologias, retorno financeiro com a venda em larga escala dessa aeronave). Lisboa, que desistiu do A400M com o então ministro da Defesa Paulo Portas, apostou depois no KC-390 para substituir os C-130 da Força Aérea. Para isso manifestou interesse em adquirir seis aparelhos - a exemplo da Argentina e do Chile - e apoiou a instalação em Évora de duas fábricas da Embraer (num investimento de 177 milhões de euros inaugurado em 2012).

Com o KC-390 - aparelho preparado para aterrar nos gelos da Antártida - a realizar esta semana testes de voo na base aérea de Campo Grande (Mato Grosso do Sul), o que ocorre pela primeira vez fora das instalações do fabricante em São José dos Campos (São Paulo), a Força Aérea portuguesa tem vindo a acompanhar o evoluir do projeto que se prevê estar certificado pelas autoridades aeronáuticas civis no final de 2016 e, pelas militares, no segundo semestre de 2017.

"Não houve nada excecionalmente complexo", entre os pedidos feitos à Embraer, "que não tivesse sido feito com o avançar do projeto. Os requisitos reais têm vindo a ser testados e comprovados", revelou ao DN uma fonte do ramo, que criou no final de 2014 um grupo de trabalho para definir as exigências operacionais do sucessor do C-130 e acompanhar o desenvolvimento e comportamento do KC-390.

Descolar com um certo peso numa determinada distância com e sem mau tempo, numa pista não alcatroada ou com piso irregular é um dos exemplos de testes pedidos pela Força Aérea - que tem, no aeródromo açoriana de São Jorge, talvez a pista mais complicada para o sucessor do C-130 operar em território nacional (pelo comprimento da pista, iluminação ou condições meteorológicas).

http://www.dn.pt/portugal/interior/estado-investe-21-milhoes-em-avioes-militares-novos-5236983.html
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Junho 24, 2016, 03:19:06 pm

Um novo centro de treino para o C-130. Vai haver algo do género para o KC-390?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 29, 2016, 03:18:59 pm
Citar
KC-390 confirmed for Farnborough debut
Flightglobal 29 June, 2016
BY: Dominic Perry

Embraer is to give its developmental KC-390 tanker/transport an international debut at the Farnborough air show, ahead of a multi-national promotional tour for the jet-powered type.

One of two flight-test examples will make the journey across the Atlantic, initially arriving on 4 July at the Alverca site of OGMA, the Portuguese aerostructures supplier which is 65% owned by Embraer. The company builds parts, including the main fuselage, for the programme. The aircraft will then transfer to the UK show around two days later, Embraer says. During its stay in Portugal, the International Aero Engines V2500-powered type will be demonstrated to the Portuguese air force, which has signed a letter of intent (LoI) to acquire six examples. These are expected replace its Lockheed Martin C-130Hs, which are due to be retired in around 2018. However, Portugal – which is a strategic partner in the KC-390 programme – has yet to sign a firm contract for the airlifters, and its socialist government has shown little urgency to firm up its tentative commitment.

So far Brazil, with a deal for 28 units, is the only confirmed customer for the KC-390. However, a number of other nations have signed LoIs covering an additional 32 examples. Embraer is confident these will be converted into firm orders, although it offers no timeframe."It would make no sense to give you a forecast, but I can only say to you that we are very positive," said Jackson Schneider, chief executive of Embraer's defence division, at a 28 June pre-Farnborough briefing in Évora, Portugal."I think the presentation at Farnborough will create a new momentum," he adds.

Aside from Portugal, the demonstration tour will take in the Czech Republic, the programme's other European partner, with a LoI for two aircraft. The KC-390 will also visit a number of other prospective customer nations in Europe, Africa and the Middle East, says Schneider. A second prototype joined the programme in May, and so far the two flight-test articles have accumulated around 320h. "We are hitting all the goals that we set out at the beginning of the process," Schneider says.

Recent test points covered have included in-flight opening of the ramp and cargo door, and paratroop and cargo air drop trials. In addition, high- and low-speed extension of the hose and drogue refuelling system has been performed. Refuelling trials are due to take place in the second half of 2016, says Schneider. Other evaluations this year will include crosswind trials to be held in Chile, another tentative customer for the type.

Certification and initial operating capability are scheduled for the second half of 2017, ahead of first delivery to the Brazilian air force in 2018. Embraer is "on target" to meet this revised deadline, he says. Initial components – wing skins and the horizontal and vertical stabilisers – for the first customer aircraft are in production at Embraer's Évora factory, and are due for delivery to the Gaviao Peixoto final assembly line in September or October.

https://www.flightglobal.com/news/articles/kc-390-confirmed-for-farnborough-debut-426808/

Tendo em conta este artigo de hoje no Flightglobal, não faria muito sentido então avançar para a já anunciada modernização dos C-130.  ::)

Cada cabeça,  sua sentença...


Entretanto uma notícia com quase duas semanas e que não apareceu aqui. Em Diário da República é escrito que se espera que a frota C-130H/H-30 esteja em serviço até 2030.

Citar
Força Aérea: 5,5 milhões de euros para modernizar C-130 já este ano
DN - 16 DE JUNHO DE 2016
10:37

Manuel Carlos Freire

Publicado em Diário da República o despacho que autoriza o há muito adiado programa de modernização das aeronaves Hércules C-130

Portugal vai investir já este ano 5,5 milhões de euros na modernização de cinco aeronaves C-130, num total de 29 milhões previstos até 2023. A informação consta do despacho do ministro da Defesa, publicado esta quinta-feira em Diário da República, a autorizar a concretização daquele programa há muito adiado e que tem condicionado o emprego operacional das aeronaves. A modernização dos C-130 "é imprescindível para o cumprimento dos requisitos impostos" para os aparelhos poderem atravessar os céus da Europa sem restrições - como sucede há anos - ao nível dos corredores aéreos, velocidades e altitudes, lê-se no despacho.

A modernização dos C-130 vai ser feita através do programa de vendas militares dos EUA, país de origem dos aparelhos, e as verbas estão inscritas na Lei de Programação Militar (LPM). Os anos de 2018 e 2019 são aqueles em que a fatura será mais elevada, com 6,6 milhões e 6,3 milhões de euros, respetivamente. A Força Aérea já candidatou cerca de metade do custo do programa a financiamentos europeus, apesar de Bruxelas não financiar programas militares, com o argumento de que os equipamentos a adquirir têm natureza civil.

http://www.dn.pt/portugal/interior/forca-aerea-55-milhoes-de-euros-para-modernizar-c-130-ja-este-ano-5231012.html


Defesa Nacional - Gabinete do Ministro
Programa de Modernização do Sistema de Armas C-130H da Força Aérea

https://dre.pt/application/file/74699809


Desculpa lá PM  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Junho 29, 2016, 05:39:55 pm
Caso se concretize a compra do KC, qual a necessidade de ter 2 tipos de aeronaves similares ao mesmo tempo? Mesmo que a entrega dos 6 se prolongue no tempo..

Necessidade e capacidade de manutenção, já agora...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Junho 29, 2016, 06:06:47 pm
Caso se concretize a compra do KC, qual a necessidade de ter 2 tipos de aeronaves similares ao mesmo tempo? Mesmo que a entrega dos 6 se prolongue no tempo..

Necessidade e capacidade de manutenção, já agora...

Ninguém disse que os aviões vinham já aí. Isto é uma oportunidade que o governo quer aproveitar para aumentar a indústria aeronáutica em Portugal, depois o substituto do C-130 quando se achar necessário compra-se o substituto, eles até podem co-existir um tempo juntos, até existirem aviões suficientes e pessoal treinado para fazer tudo o que o C-130 faz.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Junho 29, 2016, 09:27:17 pm
E nunca gostei de equipamentos das primeiras séries ou de pré-serie...
São neles que se descobrem os defeitos e erros do projecto.

Que venha o KC-390 mas com calma...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 05, 2016, 03:07:37 pm
E nunca gostei de equipamentos das primeiras séries ou de pré-serie...
São neles que se descobrem os defeitos e erros do projecto.

Que venha o KC-390 mas com calma...

Não podia estar mais de acordo.  :G-beer2:

Preferia que a FAP adquirisse, por exemplo, o KC-390 na versão C - ou seja, KC-390C se esta nomenclatura um dia se aplicar -, e não a A. E muito menos uma aquisição impulsionada por outros factores que não necessidades operacionais, se bem que a FAP esteja a acompanhar o projecto de perto e a apreciar até agora os resultados obtidos pelos protótipos.

O passo de se avançar para a modernização dos nossos C-130 peca por tardio, e posso mesmo dizer que foi pela dedicação, abnegação e mestria de muitas tripulações de terra e de voo que não aconteceram incidentes de maior relevo até hoje com a frota Hércules da FAP. E se de facto o horizonte temporal da retirada dos aparelhos modernizados for 2030, acho que o Governo fez bem em não se comprometer para já com a aeronave brasileira, apesar da Letter of Intent (LoI).

O KC-390 traria, ou trará, uma nova realidade para a FAP: o reabastecimento aéreo. Das aeronaves hoje ao serviço da Força Aérea, só o C-295M e o EH101 Merlin poderiam eventualmente receber combustível em voo, isto caso se opte pela aquisição das lanças de reabastecimento para ambas as frotas que já possuem provisões para isso. Seria uma excelente adição às capacidades do ramo, quer em situações de combate ou em busca e salvamento.

Quem viver verá.  ;)


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 05, 2016, 07:00:59 pm
E nunca gostei de equipamentos das primeiras séries ou de pré-serie...
São neles que se descobrem os defeitos e erros do projecto.

Que venha o KC-390 mas com calma...

Não podia estar mais de acordo.  :G-beer2:

Preferia que a FAP adquirisse, por exemplo, o KC-390 na versão C - ou seja, KC-390C se esta nomenclatura um dia se aplicar -, e não a A. E muito menos uma aquisição impulsionada por outros factores que não necessidades operacionais, se bem que a FAP esteja a acompanhar o projecto de perto e a apreciar até agora os resultados obtidos pelos protótipos.

O passo de se avançar para a modernização dos nossos C-130 peca por tardio, e posso mesmo dizer que foi pela dedicação, abnegação e mestria de muitas tripulações de terra e de voo que não aconteceram incidentes de maior relevo até hoje com a frota Hércules da FAP. E se de facto o horizonte temporal da retirada dos aparelhos modernizados for 2030, acho que o Governo fez bem em não se comprometer para já com a aeronave brasileira, apesar da Letter of Intent (LoI).

O KC-390 traria, ou trará, uma nova realidade para a FAP: o reabastecimento aéreo. Das aeronaves hoje ao serviço da Força Aérea, só o C-295M e o EH101 Merlin poderiam eventualmente receber combustível em voo, isto caso se opte pela aquisição das lanças de reabastecimento para ambas as frotas que já possuem provisões para isso. Seria uma excelente adição às capacidades do ramo, quer em situações de combate ou em busca e salvamento.

Quem viver verá.  ;)

Faço minhas as tuas palavras sem tirar nem por espero bem que haja bom senso nas futuras decisões a tomar quanto aos substitutos dos C's e que acima de tudo não se perca mais tempo com os upgrades a efectuar a estas aeronaves, que já pecam por serem muitíssimo tardias, aliás á semelhança do que acontece na generalidade dos nossos equipamentos militares, e, isto quando são efectuadas.

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 05, 2016, 10:39:27 pm
O KC-390 traria, ou trará, uma nova realidade para a FAP: o reabastecimento aéreo. Das aeronaves hoje ao serviço da Força Aérea, só o C-295M e o EH101 Merlin poderiam eventualmente receber combustível em voo, isto caso se opte pela aquisição das lanças de reabastecimento para ambas as frotas que já possuem provisões para isso. Seria uma excelente adição às capacidades do ramo, quer em situações de combate ou em busca e salvamento.
A capacidade de reabastecimento aéreo é padrão como nos A400M? Já à uns tempos atrás tínhamos falado aqui no fórum da capacidade secundária de reabastecimento aéreo de várias aeronaves e que não seria uma prioridade visto que temos dois porta-aviões no meio do oceano Atlântico e os P-3 com o seu alcance. Será que haverá dinheiro no futuro para manter as capacidades de reabastecimento aéreo (equipamentos) e dar horas de voo suficiente para treinar as tripulações? Tenho as minhas dúvidas.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Julho 05, 2016, 11:56:29 pm
O KC-390 traria, ou trará, uma nova realidade para a FAP: o reabastecimento aéreo. Das aeronaves hoje ao serviço da Força Aérea, só o C-295M e o EH101 Merlin poderiam eventualmente receber combustível em voo, isto caso se opte pela aquisição das lanças de reabastecimento para ambas as frotas que já possuem provisões para isso. Seria uma excelente adição às capacidades do ramo, quer em situações de combate ou em busca e salvamento.
A capacidade de reabastecimento aéreo é padrão como nos A400M? Já à uns tempos atrás tínhamos falado aqui no fórum da capacidade secundária de reabastecimento aéreo de várias aeronaves e que não seria uma prioridade visto que temos dois porta-aviões no meio do oceano Atlântico e os P-3 com o seu alcance. Será que haverá dinheiro no futuro para manter as capacidades de reabastecimento aéreo (equipamentos) e dar horas de voo suficiente para treinar as tripulações? Tenho as minhas dúvidas.

Cumprimentos,

O problema é que a única aeronave com capacidade instalada para reabastecimento aéreo é o F-16 e através de Flying boom, o C-390 supostamente vai usar Probe-and-drogue.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 06, 2016, 04:25:33 am
 Caros amigos não virá nenhum KC-390, em 1º Portugal não tem dinheiro nem para mandar cantar um cego.
Em matéria aquisições militares, vai comprando uma dúzia de HK416 de vez em quando, compra uns navios meio-abandonados que outras marinhas da NATO tenham para lá encostados a um canto. E vai criando alguns processos de intenções como de adquirir uns quantos 4x4 blindados, modernizar as fragatas adquiridas em 2ª mão e os helis etc.

 Nem dinheiro há para fazer um upgrade do cockpit do C-130, nem para formar pilotos e nem para fazer a manutenção ás aeronaves, quanto mais para adquirir uma aeronave nova?!
 E mesmo que houvesse verba para gastar em aviões de transporte novos, não seria o KC-390. Aquilo ontem em Alverca foi só para entreter o pagode e todo aquele "chinfrim" ontem na comunicação social (especialmente no grupo Impresa) foi através de uma agência de comunicação contratada pela Embraer para "encantar" a opinião pública indígena com aquelas aldrabices nas notícias como "O avião Made in Portugal", "O projecto da engenharia portuguesa" entre outras tretas para os incautos dos tugas incharem.

 Portugal teria de "comer" o A400M (seria óptimo!) porque já existem aeronaves que sobram, devido a Espanha e a Alemanha terem reduzido as suas encomendas no qual o break-even-point do projecto é de 187 unidades. E essas tem de ser necessáriamente produzidas e colocadas em qualquer lado. Há poucos meses um responsável da Airbus Military referiu taxativamente que tinha a certeza que Portugal iria escolher o A400M. E que estar na Europa não era só usufruir das vantagens, era também partilhar os projectos europeus.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Julho 06, 2016, 10:12:25 am
E também enterrando uns bons milhões de euros em bancos falidos... de vez em quando...  :N-icon-Axe:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 06, 2016, 10:13:35 am
Major Alvega, as aquisições não serão feitas nos próximos anos e quando forem feitas o governo iria escolher o aparelho mais caro?! :o
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Julho 06, 2016, 01:27:24 pm
Também já enterrámos guita no A400M, por isso se a escolha se resumir a essas duas opções, pelos menos já não perdemos tudo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 06, 2016, 04:30:59 pm
Major Alvega, as aquisições não serão feitas nos próximos anos e quando forem feitas o governo iria escolher o aparelho mais caro?! :o

 O ser o mais caro em Portugal nunca foi impeditivo. O que eu estou a dizer concretamente é que se a UE entender que Portugal deve escolher o A400M, escolhe e não "bufa". Porque são eles é que mandam e enviam para cá o dinheiro no qual estamos sempre prontos ávidamente de mão estendida para o receber. Seria arranjado um esquema de pagamento muito faseado e prolongado no tempo com 50% de ajudas dos outros parceiros, por exemplo. Como aconteceu nas fragatas VdG, em que Portugal pagou só 40% e os outros 60 foram pagos pelos outros países da NATO.

 O cenário é bastante simples, futuro da Força Aérea daqui a 10 anos:
 Uma dúzia de F-16 (5 ou 6 em condições de voar para manter as aparências e o resto armazenado)
 Vigilância Marítima: como está actualmente.
 Aviões de transporte: o C295 a fazer de C-130 e de Falcon
 SAR: Como está actualmente.
 Helis: 3 ou 4 helis (baratinhos) tipo Ecureuils comprados em 2ª mão no mercado civil para servir de treinamento para os EH101 e fingir que transportam tropas nos exercícios militares.
 Treinamento de pilotos: uma valência que irá ser extinta e os poucos pilotos que existirão vão fazê-lo a Espanha ou a outro país da NATO. E depois virão dizer que é gestão rigorosa dos recursos etc.
 
 E depois nas paradas fazem umas "palhaçadas" para tentar manter as aparências e vêm os responsáveis do ramo (pagos pelo poder político com vencimentos e regalias muito acima da média da NATO, para estarem caladinhos e não levantarem muitas ondas) dizer que está tudo bem, que o ramo está à altura dos novos desafios e das novas ameaças, que as FA's não são diferentes em relação às provações da sociedade civil e por isso também tem algumas dificuldades etc. etc. Todo aquele paleio e lugares comuns que temos ouvido repetidamente nas últimas décadas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 06, 2016, 04:44:30 pm
O KC-390 traria, ou trará, uma nova realidade para a FAP: o reabastecimento aéreo. Das aeronaves hoje ao serviço da Força Aérea, só o C-295M e o EH101 Merlin poderiam eventualmente receber combustível em voo, isto caso se opte pela aquisição das lanças de reabastecimento para ambas as frotas que já possuem provisões para isso. Seria uma excelente adição às capacidades do ramo, quer em situações de combate ou em busca e salvamento.
A capacidade de reabastecimento aéreo é padrão como nos A400M? Já à uns tempos atrás tínhamos falado aqui no fórum da capacidade secundária de reabastecimento aéreo de várias aeronaves e que não seria uma prioridade visto que temos dois porta-aviões no meio do oceano Atlântico e os P-3 com o seu alcance. Será que haverá dinheiro no futuro para manter as capacidades de reabastecimento aéreo (equipamentos) e dar horas de voo suficiente para treinar as tripulações? Tenho as minhas dúvidas.

Cumprimentos,

O KC-390 está no início, mas quanto a reabastecimento aéreo estou certo que sim. Pelo menos é para isso que o "K" está lá, caso contrário seria C-390 (creio eu, na minha infinita ignorância).  ;D

O sistema usado será o P&D (probe and drogue), logo somente 4 aparelhos EH101 - os Mk. 516 CSAR - e eventualmente a frota C-295M estarão capacitados para no futuro o utilizar. E prioridade seria sempre, por exemplo, para os Merlin caso necessitassem de maior raio de alcance durante um resgate. P-3 e C-130 têm autonomia suficiente, e os F-16 usam a Flying Boom. Contudo estou como São Tomé: quero ver para crer.

Quanto a uma possível vinda do A400M, penso que deveria ser sempre como complemento a C-130/KC-390 e C-295M, não como substituto dos primeiros. Afinal é uma aeronave de transporte estratégico, pese embora também possa ser táctica.

A propósito: qual será a nossa (risível) participação no programa Multinational MultiRole Tanker Transport da NATO, assinado pelo Aguiar Branco em 2012?  ::)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Julho 06, 2016, 06:10:51 pm
A propósito: qual será a nossa (risível) participação no programa Multinational MultiRole Tanker Transport da NATO, assinado pelo Aguiar Branco em 2012?  ::)

Penso que seja como cliente, como se usa os Antonov ou outros países usam os C-17 do consórcio NATO.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 06, 2016, 07:15:59 pm
Major Alvega, não sei o que opinar quanto ao seu post. Dá-me a sensação que aparece sempre dinheiro quando é para ajudar a encher os bolsos de alguns amigalhaços.

O KC-390 está no início, mas quanto a reabastecimento aéreo estou certo que sim. Pelo menos é para isso que o "K" está lá, caso contrário seria C-390 (creio eu, na minha infinita ignorância).  ;D
Poderiam vir a fabricar outras versões do 390... Enquanto o A400M tem mesmo um standard, com o objectivo de simplificar a logística e produção, que faz com que todos tenham capacidade de reabastecimento aéreo.

E prioridade seria sempre, por exemplo, para os Merlin caso necessitassem de maior raio de alcance durante um resgate.
Visto que apenas os EH-101 CSAR têm/teriam capacidade para reabastecimento aéreo e que o seu equipamento extra já lhes rouba um bocado no alcance, dá-me a impressão que para aumento do raio de alcance seria mais barato e fácil trocar as hélices por umas melhores.

Quanto a uma possível vinda do A400M, penso que deveria ser sempre como complemento a C-130/KC-390 e C-295M, não como substituto dos primeiros. Afinal é uma aeronave de transporte estratégico, pese embora também possa ser táctica.
Agora estou curioso pelo motivo pelo qual um A400M seria sempre um complemento ao C-130 e não apenas aos C-295. Os relativamente novos C-295 têm uma maior capacidade que os antigos C-212 e até conseguem fazer missões que à muitos anos atrás apenas os C-130 podiam fazer. Tendo uma dupla C-295 e A400M qual o motivo para ter o C-130 ou uma aeronave semelhante?

A propósito: qual será a nossa (risível) participação no programa Multinational MultiRole Tanker Transport da NATO, assinado pelo Aguiar Branco em 2012?  ::)
C-295 ou simples observadores?

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 07, 2016, 12:32:09 pm
Major Alvega, não sei o que opinar quanto ao seu post. Dá-me a sensação que aparece sempre dinheiro quando é para ajudar a encher os bolsos de alguns amigalhaços.

O KC-390 está no início, mas quanto a reabastecimento aéreo estou certo que sim. Pelo menos é para isso que o "K" está lá, caso contrário seria C-390 (creio eu, na minha infinita ignorância).  ;D
Poderiam vir a fabricar outras versões do 390... Enquanto o A400M tem mesmo um standard, com o objectivo de simplificar a logística e produção, que faz com que todos tenham capacidade de reabastecimento aéreo.

E prioridade seria sempre, por exemplo, para os Merlin caso necessitassem de maior raio de alcance durante um resgate.
Visto que apenas os EH-101 CSAR têm/teriam capacidade para reabastecimento aéreo e que o seu equipamento extra já lhes rouba um bocado no alcance, dá-me a impressão que para aumento do raio de alcance seria mais barato e fácil trocar as hélices por umas melhores.

Quanto a uma possível vinda do A400M, penso que deveria ser sempre como complemento a C-130/KC-390 e C-295M, não como substituto dos primeiros. Afinal é uma aeronave de transporte estratégico, pese embora também possa ser táctica.
Agora estou curioso pelo motivo pelo qual um A400M seria sempre um complemento ao C-130 e não apenas aos C-295. Os relativamente novos C-295 têm uma maior capacidade que os antigos C-212 e até conseguem fazer missões que à muitos anos atrás apenas os C-130 podiam fazer. Tendo uma dupla C-295 e A400M qual o motivo para ter o C-130 ou uma aeronave semelhante?

A propósito: qual será a nossa (risível) participação no programa Multinational MultiRole Tanker Transport da NATO, assinado pelo Aguiar Branco em 2012?  ::)
C-295 ou simples observadores?

Cumprimentos,

As questões que levantaste são pertinentes, como é teu apanágio.  ;)

O facto do KC-390 ter sido pensado como avião de transporte táctico com capacidade secundária de reabastecimento aéreo é um bónus. Seja para as Forças Armadas Portuguesas ou seja no contexto NATO. A ser adquirido, repito, a ser adquirido, podia perfeitamente ser a nossa contribuição para o programa MMTT pois, supostamente, será capaz de abastecer aviões e helicópteros com o sistema de lança. Mas não me vou alargar mais pois o projecto KC-390 está muito no início, e muito caminho faltará ainda desbravar. Só duas notas distintas: ninguém está a ver a FAP a transformar, por exemplo, dois C-130H em KC-130H, se bem que tal aumentaria a tão necessitada frota europeia de aviões cisterna; e os A400M que se encontram já ao serviço ainda não levam qualquer pod de reabastecimento em voo, apenas sonda para eles próprios o serem. Estão ainda em testes.

Quanto à "velha" questão de que aeronave o A400M deverá substituir. Se formos ver apenas no contexto da NATO, o Atlas irá suceder a Transalls e Hércules, logo faz todo o sentido a tua dúvida. E a minha afirmação parte somente de um pressuposto pessoal: continuo a achar o A400M uma aeronave de transporte estratégico e não táctico, em tudo semelhante ao C-17. Julgo que usar o A400M em missões tácticas é um overkill, daí que países como o Reino Unido, França, EUA ou Austrália não abdiquem dos seus C-130 pelo menos no médio prazo. Não só porque o Atlas ainda está a revelar problemas de juventude, como perderiam capacidade expedicionária que é cada vez mais necessária e vital no contexto militar.

É muito difícil falar do futuro, e muito menos o futuro será fruto de wishlists ou de adivinhação. O nosso país atravessa momentos difíceis, vive constantemente a salvar bancos e olha para as Forças Armadas mais como empecilho do que instituição absolutamente necessária à nossa soberania, uma cultura cada vez mais fomentada pela classe política e meios de comunicação social. Mas quando o povão vai aos festivais fica extasiado, pergunta porque nunca tinha visto aquilo e porque não temos mais. Pão e circo, como se dizia na Roma antiga.  ::)

Não há pilotos, não voam as horas necessárias, as aeronaves vão ficando obsoletas, a recente incorporação para as FA's ficou novamente aquém do esperado (http://rr.sapo.pt/noticia/58381/?utm_source=rss) depois de ter sido uma saída para o desemprego de muitos antes se virarem para a emigração, por isso adquirir mais meios para eles ficarem parados nas placas, acostados nas bases ou encostados na oficina e a gastar desnecessariamente dinheiro ao contribuinte talvez não seja o ideal no momento. O problema é se neste mundo em constante ebulição somos obrigados a entrar num conflito; espero que não tão mal preparados como foram os nossos soldados para França há um século atrás. Aí haverá dinheiro de certeza, e a nação clamará pelas Forças Armadas como clama hoje pela Selecção nacional... mas haverá tempo?

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 01:20:08 pm
As notícias estão a avançar em última hora que um C-130 da FAP despenhou-se à descolagem na BA6 e que haverão pelo menos 3 mortos e vários feridos inclusivamente graves.  :'(

Grande aparato neste momento na Base do Montijo, a nuvem de fumo do desastre bem patente no céu.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 11, 2016, 01:31:10 pm
As notícias estão a avançar em última hora que um C-130 da FAP despenhou-se à descolagem na BA6 e que haverão pelo menos 3 mortos e vários feridos inclusivamente graves.  :'(

Grande aparato neste momento na Base do Montijo, a nuvem de fumo do desastre bem patente no céu.

Que se registe o menor números de vitimas mortais e feridos são os meus mais sinceros votos. :( :( :( :(
Tenho estado a acompanhar a noticia e até esta hora a confusão de elementos informativo é enorme, e Deus queira que exagerada !!!!

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 01:37:20 pm
Infelizmente o CDOS de Setúbal confirmou 3 mortos, 1 ferido grave e 3 ocupantes que terão escapado mais ou menos ilesos e que estarão a ser avaliados no local, num total de 7 tripulantes.  :'(

O C-130 decerto que será dado como perdido - não que isso interesse o que quer que seja face às perdas humanas - pois continua a arder e há explosões de vez em quando que originam enormes labaredas. De acordo com a comunicação social, o C vinha de Beja e ainda terá declarado emergência antes de se despenhar.

Só agora os veículos de incêndio se conseguiram aproximar e combater com sucesso as chamas que parecem quase extintas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Julho 11, 2016, 01:47:28 pm
Descansem em Paz   :'(

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 01:56:39 pm
Como é natural nestas ocasiões vão surgindo notícias contraditórias quanto ao acidente com o C-130 da Esq. 501 "Bisontes"; segundo a Rádio Renascença, e depois de ter ouvido as Relações Públicas da FAP, a aeronave não se terá despenhado mas sim tido um "acidente" ao descolar da BA6. A FAP estará a preparar um comunicado de imprensa assim que possuir mais dados, mas fala de uma "ocorrência" e não de uma queda.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 11, 2016, 01:59:46 pm
Uma enorme e terrível tragédia!
DEP
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 02:15:57 pm
Operações de rescaldo neste momento junto à fuselagem do C-130 acidentado enquanto vários veículos militares da Força Aérea passam a pista 08/26 a pente fino.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 11, 2016, 02:18:57 pm
Um dia muito triste para a FAP e para o pais. As mais sinceras condolências (conheço pessoal na esquadra, um inclusive grande amigo, estou a tentar saber informações mas está a ser difícil :(  ) . Pelas imagens, enfim, sem palavras...

(https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13606916_1130530433636517_4389878672416302268_n.jpg?oh=b1688711e8bad8cc5997347509d8c9ef&oe=57E9E3F5)
(https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13592429_1130534390302788_478647823461189610_n.jpg?oh=edb2b79f9878237cc876f93c97e54f14&oe=57EEF919)
(https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13631524_1130534380302789_3036416820992454838_n.jpg?oh=478dac2ebfc379583bbbe826101cd075&oe=57F3A4F3)

https://www.facebook.com/groups/27375706077/?fref=nf (https://www.facebook.com/groups/27375706077/?fref=nf)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Julho 11, 2016, 02:21:30 pm
Triste notícia esta. Condolências às famílias das vítimas e a todo pessoal da 501 e da FAP.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Julho 11, 2016, 03:00:28 pm
Condolências às famílias das vítimas.

Com tantas notícias sobre a vitória no Euro, não tem sido fácil obter mais informação do acidente!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Julho 11, 2016, 03:20:20 pm
Pelos vistos foi durante uma instrução.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Jorge Pereira em Julho 11, 2016, 03:23:20 pm
Triste notícia. Condolências à família das vítimas e rápidas melhoras aos feridos.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 11, 2016, 04:02:22 pm
Como é natural nestas ocasiões vão surgindo notícias contraditórias quanto ao acidente com o C-130 da Esq. 501 "Bisontes"; segundo a Rádio Renascença, e depois de ter ouvido as Relações Públicas da FAP, a aeronave não se terá despenhado mas sim tido um "acidente" ao descolar da BA6. A FAP estará a preparar um comunicado de imprensa assim que possuir mais dados, mas fala de uma "ocorrência" e não de uma queda.

Que descansem em Paz, as rápidas melhoras ao(s) ferido(s), e as minhas sinceras condolências a todos familiares e amigos das vitimas !!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 05:21:45 pm
 :'(

Citar
Três militares mortos em incêndio num avião da Força Aérea no Montijo

Em Actualização:   Luciano Alvarez ,   Pedro Sales Dias e    Margarida David Cardoso   
11/07/2016 - 13:34 (actualizado às 15:40)

Outros quatro militares, de um total de sete que constituíam a tripulação do C130, estão feridos, alguns deles com gravidade. Aparelho incendiou-se na pista da base aérea do Montijo quando se preparava para descolar para a Base Aérea de Beja.

Um acidente com um avião da Força Aérea Portuguesa (FAP), um C130, teve lugar nesta segunda-feira na base do Montijo, confirmou ao PÚBLICO fonte do Ministério da Defesa. Fonte do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), que adiantou que o avião ter-se-á incendiado quando estava na pista e se preparava para descolar para a Base Aérea de Beja, revelou que pelo menos três militares morreram carbonizados dentro do aparelho. Outros quatro, que integravam a restante tripulação - que somava um total de sete elementos - estão feridos, alguns deles com gravidade. Contactado pelo PÚBLICO, o porta-voz da Força Aérea, coronel Rui Roque, confirmou que houve um acidente e remeteu para mais tarde a divulgação de dados sobre o desastre. Para já a Força Aérea não divulga o número de vítimas nem qual a aeronave envolvida no acidente, para não alarmar as famílias dos elementos que servem neste ramo militar.

Pelas 13h30 o Ministério da Defesa estava ainda a recolher dados sobre o acidente, não tendo divulgado ainda detalhes sobre o que realmente aconteceu. A Protecção Civil foi alertada pelas 12h20, de acordo com o site oficial daquela entidade. Pelas 13h50, estavam no local, 49 operacionais envolvidos no socorro e 16 viaturas de apoio. Também vários elementos dos Bombeiros Voluntários do Montijo foram enviados para aquela base aérea cujo plano de emergência terá sido activado.

O INEM enviou equipas para o local, pelas 12h16, depois de ter visto as primeiras notícias sobre o acidente nas televisões, adiantou fonte oficial do instituto ao PÚBLICO.  Entre os meios enviados estão uma Viatura Médica de Emergência e Reanimação do Hospital do Barreiro, uma ambulância de Alcochete e três do Montijo. "O INEM está a dirigir-se para o local onde irá fazer triagem das vítimas", salientou então a mesma fonte oficial. Porém, o instituto não confirma para já oficialmente o número de vítimas. 

A edição online do jornal Expresso escreve que o C-130 - parte da Esquadra 501 Bisontes, que agrupa este tipo de avião militar de carga – abortou a descolagem ao incendiar-se. A Força Aérea Portuguesa confirmou entretanto a ocorrência do acidente na Base Aérea n.º 6. Mas remeteu para mais tarde a divulgação de detalhes.

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/acidente-com-aviao-da-forca-aerea-no-montijo-1737938
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 11, 2016, 05:45:11 pm
Base aérea: Capitães morreram a tentar salvar tenente-coronel

Acidente ocorreu na manhã desta segunda-feira.

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/naom_5783ba165f4f22_zpshzo4fkla.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/naom_5783ba165f4f22_zpshzo4fkla.jpg.html)
 
© Global Imagens

Há 29 mins POR Patrícia Martins Carvalho

Dois capitães e um tenente-coronel morreram, hoje ao final da manhã, depois de um acidente na base aérea do Montijo, no distrito de Setúbal.
        
Ao que o Notícias ao Minuto apurou junto de fonte militar, os dois capitães conseguiram sair do avião C130 antes que este se incendiasse, mas voltaram atrás para ajudar o tenente-coronel que havia ficado preso no interior do aparelho.

Os dois capitães não conseguiram salvar o tenente-coronel a tempo e acabaram, os três, por perder a vida.

Além das três vítimas mortais houve também um ferido grave, um sargento-ajudante, que está em estado crítico na Unidade de Queimados no Hospital de São José, em Lisboa, sabe o Notícias ao Minuto.

Outros três tripulantes sofreram ferimentos ligeiros.

https://www.noticiasaominuto.com/pais/620575/base-aerea-capitaes-morreram-a-tentar-salvar-tenente-coronel
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 08:12:22 pm
Uma imagem que tem tanto de estranha como de paradoxal e bem representante do misto de sentimentos vivido hoje por muitos de nós: em primeiro plano a aterragem em Lisboa do voo charter que trouxe a Selecção Nacional, campeã da Europa em futebol, e em segundo plano a coluna de fumo proveniente do trágico acidente com um C-130H na BA6.  :'(

Foto: Rui Sequeira

(https://scontent.flis2-1.fna.fbcdn.net/t31.0-8/13653063_301326013542094_9115522056970091927_o.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 11, 2016, 09:50:45 pm
Comunicado da AOFA em repúdio à forma como a RTP 1 cobriu a noticia da queda do C130H da FAP no Jornal das 20h:

https://www.facebook.com/AOFA.Oficiais.das.Forcas.Armadas/photos/a.215414665145280.54625.215406995146047/1157936600893077/?type=3&theater (https://www.facebook.com/AOFA.Oficiais.das.Forcas.Armadas/photos/a.215414665145280.54625.215406995146047/1157936600893077/?type=3&theater)
(https://scontent.flis4-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13627137_1157936600893077_6835349655327400615_n.jpg?oh=83f38e9b06fae46a4ee9fba2ae554947&oe=57EEB5AC)

Citar
AOFA - Nota de Repúdio sobre a actuação da RadioTelevisão Portuguesa (RTP)!

A AOFA não pode, de forma alguma, deixar passar em claro a atitude absolutamente inqualificável, por negativa, que resulta do noticiário das 20h da RTP!

Num dia de Luto Nacional pelo trágico acidente do qual resultou a morte de três Militares (mais um que se encontra em estado crítico) que, ao serviço de Portugal, hoje mesmo, cumpriram no limite o seu juramento de dar a vida pela Pátria, a televisão dita de interesse público e para qual todos os Portugueses contribuem, alimentando-a, com os seus impostos abriu o telejornal de horário nobre (20h) com a notícia da vitória de Portugal no Euro 2016.

Mas, não contentes com a opção tomada, certamente muito legítima ao abrigo das Leis que assim o determinam e suportam esses critérios jornalísticos, a notícia futebolística teve uma duração ininterrupta de 31 (TRINTA E UM) minutos, à qual se seguiu 1 (UM ÚNICO) minuto de emissão onde foi referido o trágico acidente (e mesmo nesse ÚNICO minuto englobando já uma entrevista a uma "testemunha" que mais não referiu que ver "fumo ao longe" e pensar tratar-se de alguma queimada).

Pobre país que assim trata, de forma absolutamente indescritível os seus verdadeiros heróis, aqueles que 365 dias por ano e ao longo de décadas, de séculos, tudo deram e continuam a dar tudo, até o bem supremo da própria vida, ao Serviço de Portugal e dos Portugueses.
(http://i0.wp.com/www.bps.pt/wp-content/uploads/2016/07/13613487_1076408285786054_9094559332332763833_o.jpg?resize=696%2C583)
Citar
As imagens continuam a impressionar  :(

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Julho 11, 2016, 10:00:18 pm
E declarações oficiais houve?
É que isto é sempre a mesma coisa. O Comandante não presta declarações porque não pode e as RP da FA porque não sabem.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 11, 2016, 10:16:04 pm
E declarações oficiais houve?
É que isto é sempre a mesma coisa. O Comandante não presta declarações porque não pode e as RP da FA porque não sabem.
Ouve esta declaração da FAP: http://emfa.pt/www/conteudos/galeria/comunicados/2016/acidente-com-aeronave-c-130h_1352.pdf (http://emfa.pt/www/conteudos/galeria/comunicados/2016/acidente-com-aeronave-c-130h_1352.pdf)
Citar
Comunicado de Imprensa
11 de julho de 2016
Acidente com aeronave C-130H
A Força Aérea informa que pelas 12H00 de hoje uma aeronave C-130H sofreu um
acidente na fase de descolagem durante uma missão de treino, na Base Aérea N.º
6, Montijo.
A bordo da aeronave estavam sete tripulantes. O acidente causou três vítimas
mortais, um ferido grave e três feridos ligeiros, todos militares da Força Aérea. Os
feridos foram assistidos no local pelas entidades competentes para o efeito e
posteriormente encaminhados para unidades hospitalares.
Neste momento de profundo pesar, os nossos pensamentos estão com os
familiares e amigos destes nossos camaradas, aos quais está a ser prestado todo o
apoio necessário.
A análise às causas do acidente irá seguir os procedimentos previstos, através de
um inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea.
A Força Aérea está de luto.

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Julho 11, 2016, 10:31:14 pm
Essa é a informação que soube aqui pelo fórum.
Antes já tinha ouvido dizer que vinha de Beja... Que tinha sido a aterrar...

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: FoxTroop em Julho 11, 2016, 11:10:42 pm
As minhas condolências aos familiares. Que os caídos descansem em paz e a rápida recuperação aos feridos deste acidente.

Essa é a informação que soube aqui pelo fórum.
Antes já tinha ouvido dizer que vinha de Beja... Que tinha sido a aterrar...


Também foi a primeira noticia que tive, que se tinha tratado de uma falha durante a aterragem da aeronave proveniente de Beja. Talvez a AOFA, em vez de mostrar repúdio com o que os noticiários dizem, deva é mostrar repúdio pelo que as estruturas superiores fazem ou omitem.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 11, 2016, 11:59:58 pm
Hoje todos somos Bisontes!

https://www.facebook.com/188128631326969/videos/732197776920049/

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 12, 2016, 12:13:17 am
 Deixo aqui um texto do cidadão José Lucas de Óbidos, publicado hoje na página oficial do FB da FAP:

"Hoje, 11 de Julho de 2016, é um dia feliz para todos os portugueses, fomos campeões da Europa e é uma motivação grande para todo o povo, ver o fruto do trabalho, da humildade e a simpatia de quase todo o mundo para com Portugal.
Mas, neste mesmo dia em que a Força Aérea homenageou a selecção portuguesa, escoltando-a com 2 F16 (um nobre acto de reconhecimento oficial pelo feito desportivo), 7 militares da Base Aérea do Montijo, preparavam-se para mais um voo de treino, tendo-se incendiado o avião à descolagem, com 3 mortos e 4 feridos (neste momento).

Porque iam treinar estes 7 elementos da tripulação?
Para poderem estar aptos a servir Portugal, o seu povo ou outros povos, 24 horas por dia, sempre que a isso fossem chamados, seja na busca e salvamento, seja no transporte, entre outras missões.

PARA MIM, ESTES SÃO OS VERDADEIROS HERÓIS, estes militares muito mal pagos, quase sem horas para voar e treinar, com equipamentos obsoletos e "presos por arames", a fazerem mais do que devem e podem para salvarem vidas e cumprirem a sua missão de servir Portugal.

PARA MIM, ESTES SÃO OS VERDADEIROS HERÓIS, os militares mal-tratados por todos os governos que temos tido e que muito têm honrado Portugal, nas missões no Afeganistão e outros locais no mundo, deixando sempre uma imagem de competência e profissionalismo.

ESTES HERÓIS MORRERAM AO SERVIÇO DA PÁTRIA, treinando para que outros vivam... em chaços velhos, obsoletos, enquanto o Estado vai enchendo os cofres dos bancos privados com o dinheiro do povo.
Que a espiritualidade superior os recolha na nova vida, agora no plano espiritual e que possam ficar em paz, logo que possível..."

José Lucas
Óbidos - Portugal
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Menacho em Julho 12, 2016, 06:43:03 am
Mis mais sinceras condolencias.

Por una casualidad, ayer aterre en Lisboa y desde el A319 de la TAP en el que venía, vi la Base de Montijo, quien iba a imaginarse que apenas 13 horas despois iba a ocurrir tan trágico accidente.

Un abrazo de Espanha a los Bisontes.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 12, 2016, 10:04:24 am
http://defence-blog.com/news/c-130-hercules-transport-plane-crashed-in-portugal.html (http://defence-blog.com/news/c-130-hercules-transport-plane-crashed-in-portugal.html)
Citar
A Lockheed C-130 Hercules transport plane crashed on takeoff from Montijo Air Base, Portugal. A fire erupted.

According to the Publico news portal, three people were killed and four sustained injuries. There were reportedly seven people on board.

State news agency Lusa said three people were killed in the accident and another person had been injured. SIC television reported the accident happened as the plane burst into flames at take-off.

No one at the defense ministry was immediately available to comment.

The Lockheed C-130 Hercules is a four-engine turboprop military transport aircraft designed and built originally by Lockheed, now Lockheed Martin. Capable of using unprepared runways for takeoffs and landings, the C-130 was originally designed as a troop, medevac, and cargo transport aircraft.

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 12, 2016, 11:27:19 am
Apanhado de alguma imprensa de hoje referente ao trágico acidente de ontem na BA6.

Citar
Co-piloto e mecânico morreram a salvar piloto do C-130
DN - 12 DE JULHO DE 2016
00:49

Rute Coelho, Carlos Ferro e Ana Maia

Capitão e sargento conseguiram sair antes do incêndio mas voltaram para ajudar o tenente-coronel. Morreram os três

O relógio marcava 12.22 e as televisões estavam em direto na Portela. Faltava pouco mais de dez minutos para aterrar o avião que trazia a seleção portuguesa. Do outro lado do rio Tejo, na base aérea do Montijo, um capitão da Força Aérea e um sargento ajudante - copiloto e mecânico, respetivamente - saíam de um C-130 onde deflagrara um incêndio a bordo. Aconteceu na descolagem para a segunda volta de um voo de treino no perímetro da base aérea número 6. Mas os dois oficiais que se salvaram antes da explosão a bordo decidiram voltar atrás para resgatar do avião o tenente-coronel que o pilotava e que tinha ficado preso no cinto de segurança, no cockpit. Acabaram por morrer os três. Segundo apurou o DN com fonte ligada à aviação, a história trágica dos três homens era ontem contada com pesar na base aérea do Montijo.

Os motores terão começado a arder e depois do incêndio seguiu-se uma explosão. Separou a frente do aparelho da cauda. Dos sete membros da tripulação, quatro escaparam com vida mas um ainda ficou gravemente ferido com queimaduras no corpo, tendo sido transportado para a a unidade de queimados do Hospital de São José, em Lisboa, onde ficou internado, apurou o DN com fonte daquela unidade hospitalar.

O avião estaria a fazer o que se chama no meio de "manobras evasivas", um treino que consiste em levantar o aparelho, dar uma volta na base e no momento da aterragem tocar apenas com as rodas no chão para voltar a descolar. A tripulação terá comunicado um problema a bordo, apurou o DN, o que explicará que o co-piloto e o mecânico tenham conseguido sair no momento do incêndio. Foi o primeiro acidente com vítimas mortais com um avião C-130 em Portugal: três mortos. Em comunicado, a Força Aérea confirma que três dos passageiros são feridos ligeiros, são todos militares e que vai desencadear "um inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea" para apurar as causas do acidente.

Mais tarde, o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa viria a sublinhar os dois momentos coincidentes - a chegada da Seleção em triunfo e a notícia triste do acidente - em declarações à rádio TSF, tendo lamentado a ocorrência com perda de vidas com o C-130.

(http://static.globalnoticias.pt/storage/DN/2016/dn2015_big/ng7283658.jpg)

Cockpit foi o mais atingido

Os incêndios nos C-130 são mais frequentes nos motores e nas asas, segundo fonte da Força Aérea. No entanto, neste caso, foi o cockpit a zona mais atingida, pelo que terá de ser apurado o que originou este sinistro que vitimou três oficiais experientes da esquadra 501 dos "Bisontes" (a que trabalha com estes aviões de transporte tático).

De acordo com a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil na internet, o alerta para o acidente com o C130 foi dado às 12.22 e pelas 13.30 as operações mobilizavam 48 operacionais e 15 veículos. Uma hora depois, como o DN constatou no local, saíam do interior da base aérea nº6 carros e ambulâncias de pelo menos três corporações de bombeiros: Montijo, Alcochete e Pinhal Novo.

Segundo apurou o DN, as vítimas mortais têm idades entre os 30 e os 50 anos. O acidente é um grande desaire para a Força Aérea (FA). Os C-130 têm sido uma espécie de "coqueluche", que até agora tinha provocado poucos desgostos - e nenhum com esta dimensão. Num acidente há quase 20 anos saltou a hélice de um destes aparelhos numa missão no continente africano mas não houve vítimas a registar (ver caixa). Como refere o site da Força Aérea, a esquadra 501 dos Bisontes "está qualificada para executar missões nos mais diversificados, complexos e delicados cenários de empenhamento, independentemente da permissividade do teatro de operações". Já estiveram em Angola, Afeganistão, Ruanda ou Balcãs. Mais recentemente Haiti, Egito e Líbia com missões de apoio humanitário.

Ministro desmarcou tudo

O ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, estava no Porto quando se soube da notícia do acidente envolvendo o C-130 e a morte de três dos ocupantes e um ferido grave. Ao DN, fonte do Ministério adiantou que "o ministro desmarcou todos os compromissos públicos que tinha, nomeadamente uma reunião em Braga no final do dia, para se deslocar de imediato para a base aérea do Montijo, para reunir com o Chefe do Estado Maior da Força Aérea". A reunião teve início durante a tarde e ainda durava perto das 20 horas.

A Associação de Oficiais das Forças Armadas expressou, no Facebook, "a profunda consternação pelo sucedido e que terá tido como trágica consequência diversas vítimas entre os nossos camaradas".

http://www.dn.pt/sociedade/interior/co-piloto-e-mecanico-morreram-a-salvar-piloto-do-c-130-5278943.html

Citar
Força Aérea abre inquérito a acidente que fez três mortos
JN - Ana Correia Costa, Carlos Varela e Mário Freire
11 Julho 2016 às 13:26

Um C-130 da Força Aérea Portuguesa incendiou-se, esta segunda-feira de manhã, na Base Aérea número 6, no Montijo.

Segundo apurou o JN, há pelo menos três mortos e um ferido grave. O avião ficou praticamente destruído na sequência do incêndio, mas são ainda desconhecidas as causas. Sabe-se, no entanto, que morreu o comandante e piloto da aeronave, um tenente-coronel; o co-piloto, com o posto de capitão; e um sargento, ou seja, três dos sete tripulantes que seguiam a bordo do C-130. Há ainda mais três feridos. A frente do avião, em particular o "cockpit", foi a área mais atingida da aeronave, um facto que está a causar alguma estranheza, uma vez que os incêndios em aeronaves são mais comuns na zona dos motores.

O C-130 em causa pertence à esquadra 501, conhecida como "Os Bisontes". Estaria a levantar voo, na Base Aérea do Montijo, quando começaram as chamas, no interior da aeronave, por razões desconhecidas. A Força Aérea Portuguesa (FAP) já anunciou a abertura de um inquérito. "A análise às causas do acidente irá seguir os procedimentos previstos, através de um inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea. A Força Aérea está de luto", refere a FAP em comunicado.

"A bordo da aeronave estavam sete tripulantes. O acidente causou três vítimas mortais, um ferido grave e três feridos ligeiros, todos militares da Força Aérea", acrescentou a FAP, adiantando que o acidente ocorreu cerca das 12 horas. Ainda segundo a Força Aérea, os feridos foram assistidos no local e depois transportados para unidades hospitalares. De acordo com a página da Autoridade Nacional da Proteção Civil na internet, o alerta para o acidente foi dado às 12:20 horas e pelas 14.30 horas estavam no local 49 operacionais e 16 veículos.

Ministro da Defesa manifestou pesar

O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, manifestou hoje em nome pessoal e do Governo profundo pesar pela morte dos três militares. "A dedicação, a entrega e o serviço ao país prestado pelos militares que hoje pereceram não podem ser esquecidos. O Governo manifesta aos familiares, amigos e camaradas das vítimas as suas mais profundas condolências", referiu o ministro da Defesa, em comunicado.

José Alberto Azeredo Lopes deslocou-se hoje à tarde ao local do acidente, Base Aérea número 6, Montijo, para transmitir o "profundo pesar" em seu nome pessoal e em representação do Governo ao chefe do Estado Maior da Força Aérea, Manuel Rolo, que lhe expôs as "circunstâncias do acidente, o apoio prestado às vítimas e aos seus familiares".

http://www.jn.pt/nacional/interior/aviao-militar-incendiou-se-ao-levantar-da-base-area-do-montijo-5278056.html

Numa altura de profundo pesar pelo desaparecimento de 3 militares experientes, e a preocupação pelo estado de saúde do ferido grave que se encontra internado na unidade de queimados do Hospital de São José, é absolutamente incrível como se lêem comentários por essa internet fora que pura e simplesmente não levam em conta o que aqui é mais importante: as perdas humanas. Nem estou a referir-me às caixas de comentários de jornais pois na maior parte das vezes nem sequer vale a pena lê-los, mas antes a pessoas que parecem não se aperceber, ou querer aperceber, do que realmente está aqui em causa.

Ontem li coisas como "então e agora ficamos com quatro C-130?","é o fim dos C-130!","já não vai haver modernização","o avião ficou destruído por completo, e agora?", etc, etc, e pese embora saiba de antemão que certos cibernautas por vezes se assemelham mais a uma turba de animais irracionais, não pude contudo deixar de ficar indignado com isso.  :2gunsfiring:


Edit: Ironia do destino, o próprio Facebook da FAP prestava homenagem aos homens e mulheres que servem na Esq. 501 no passado sábado, dia 9 de Julho, sem que se pudesse adivinhar o que viria a acontecer dois dias depois.  :'(

https://www.facebook.com/188128631326969/videos/757419377731222/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Julho 12, 2016, 01:37:07 pm
Sendo um pouco frio!

Por muito que um carro de 1977 seja bem mantido, não deixa se ser um carro velho e mais cedo ou mais tarde vai dar problemas. Neste caso foi o que aconteceu!

Felicito a coragem dos militares pelo acto de coragem, que infelizmente resultou na morte dos militares.

O que importa agora é enterrar os mortos e apurar as responsabilidades!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 12, 2016, 01:43:49 pm
Sendo um pouco frio!

Por muito que um carro de 1977 seja bem mantido, não deixa se ser um carro velho e mais cedo ou mais tarde vai dar problemas. Neste caso foi o que aconteceu!

Felicito a coragem dos militares pelo acto de coragem, que infelizmente resultou na morte dos militares.

O que importa agora é enterrar os mortos e apurar as responsabilidades!
Penso ser cedo para adiantar causas. Pode estar directamente relacionado com a idade do aparelho como pode não estar. De resto, partilho da mesma opinião.
http://www.operacional.pt/mau-dia-para-morrer/ (http://www.operacional.pt/mau-dia-para-morrer/)
Citar
Dia 10 de Julho de 2016, a selecção portuguesa de futebol, conquista pela primeira vez na história o título de Campeão Europeu. Dia 11 o avião que transporta dirigentes e jogadores aterra em Lisboa, sensivelmente à mesma hora morrem à vista do aeroporto da capital, na Base Aérea n.º 6, no Montijo, 3 militares da Força Aérea Portuguesa, num acidente com um C-130 envolvido numa missão de qualificação de pilotos.

Em Lisboa o ambiente é de apoteose para com a Selecção Nacional. Milhares de populares envolvem a comitiva, que tem como primeiro destino a Presidência da República. O mais alto magistrado da Nação e Comandante Supremo das Forças Armadas, que se empenhou pessoalmente nesta “campanha” em diversas ocasiões, em França e em Portugal, presta-lhes homenagem e anuncia que lhes serão, oportunamente, impostas condecorações.

Aumentando agora exponencialmente o tempo que já vinham dedicando ao campeonato da Europa de futebol, as televisões – RTP; SIC; TVI – potenciam ao máximo este envolvimento emocional da população com o facto desportivo, emitindo em directo tudo o que se está a passar.

Em rodapé aparece subitamente a notícia do acidente que vitimou os militares.

Rádios e online (jornais, rádios e televisões), dão algumas, poucas, informações, porque também não as há de fonte oficial. A Força Aérea confirma o acidente de imediato mas os detalhes até provêm do INEM que evacuou três mortos e os feridos, um dos quais com gravidade.

Este ramo das Forças Armadas mais tarde emite um comunicado que é brevemente, muito brevemente, referido nos serviços noticiosos das 20H00 e a Presidência da República difunde uma nota de “condolências às famílias” dos falecidos e “célere restabelecimento dos feridos”. O ministro da defesa faz saber também a tempo do “horário nobre” que esteve durante a tarde na BA 5, com o Chefe do Estado-Maior da Força Aérea e para isso cancelou a agenda: “uma sessão de esclarecimento na sede da Federação do PS de Braga às 21h30”.

A investigação foi iniciada pela Força Aérea e a seu tempo serão certamente difundidas informações seguras. Por agora parece haver mais dúvidas do que certezas como infelizmente não é invulgar nos acidentes de aviação, e o nomes das vítimas foram-se sabendo, oficiosamente. As redes sociais enchem-se de mensagens de condolências de amigos e camaradas.

Sobre tudo isto, hoje, já “mais a frio”, tanto quanto isso é possível, uma nota politicamente incorrecta – mesmo que muito satisfeito e vibrando com a vitória de Portugal. Muitos discordarão, mas é a minha opinião.

O Presidente da República tem dito publicamente em várias ocasiões que presta uma atenção muito especial às Forças Armadas. Na realidade, desde o seu discurso de tomada de posse, até agora, passando pelo dia 10 de Junho, visitas a instalações militares pelo país ou em actividades das Forças Armadas, assim tem feito, saudando efusivamente os militares quer em palavras quer mesmo “de facto” indo ao seu encontro, fazendo-se fotografar a seu lado. Tem assim sem dúvida dado visibilidade às Forças Armadas e honrado os militares, de ontem e de hoje, mesmo que no caso da demissão do Chefe do Estado-Maior do Exército (07ABR16), a sua posição tenha sido praticamente neutra, abstendo-se de intervir.

Ontem, no entanto, exigia-se, no mínimo, uma declaração de viva voz e não lhe ficaria nada mal se deixasse a recepção aos futebolistas na Presidência para o dia seguinte. Os novos heróis nacionais podiam passear pela capital perante o povo, debitar as suas palavras na Alameda, e ser condignamente recebidos hoje em Belém. Certamente não haveria tanta gente a aplaudir na rua frente ao Palácio Presidencial com o pleno dos directos para milhões em Portugal e  no Mundo, mas seria isso mais importante do que um pouco de decoro perante tão dramática coincidência temporal?

Nos anos 20 e 30 do século XX, os aviadores militares portugueses que cobriam o mundo em arriscadas viagens aéreas, contribuindo para a visibilidade do seu país e para o avanço da tecnologia, eram recebidos como heróis pela população, homenageados e condecorados pelo poder político. Hoje para grande parte da população portuguesa o papel de heróis está claramente noutro tipo de profissionais, e os aviadores militares que um pouco por todo o mundo continuam a defender o nome e o prestígio do seu país, em missões determinadas pelo poder político, estão, como em boa verdade as restantes Forças Armadas, remetidos por esse mesmo poder, a uma posição que do nosso ponto de vista não merecem.

Ontem era muito difícil fazer diferente, pois era, mas era o que devia ter sido feito e não foi!

Miguel Silva Machado
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2016/07/7-lisboa-pristina-10h38-768x432.jpg)
Citar
Cockpit de um C-130 da Força Aérea Portuguesa fotografado no decurso de uma missão de apoio às Forças Nacionais Destacadas. Piloto, Co-Piloto e Mecânico de Voo.

Saudações

P.S. "José Fernandes Dos Santos adicionou 6 fotos novas.
1 h ·
Soube agora que o C-130 acidentado no Montijo foi o FAP 16804, o mesmo que se exibiu no dia 3, no Lisboa Air Race. Aqui ficam estas fotos em memória dos Bisontes (Esquadra 501) falecidos. RIP"
(https://scontent-mad1-1.xx.fbcdn.net/v/t1.0-9/13607050_1236276589749903_4060201490178977158_n.jpg?oh=1a5111d6051070c0ed985fba190c511c&oe=57FBBE85)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 12, 2016, 05:46:48 pm
Sendo um pouco frio!

Por muito que um carro de 1977 seja bem mantido, não deixa se ser um carro velho e mais cedo ou mais tarde vai dar problemas. Neste caso foi o que aconteceu!

Felicito a coragem dos militares pelo acto de coragem, que infelizmente resultou na morte dos militares.

O que importa agora é enterrar os mortos e apurar as responsabilidades!

No teu caso não é ser frio Nélson, afinal tratam-se de questões válidas. O que critiquei foi quem comentou - e não aqui no fórum, mas nas redes sociais, por exemplo - sobre a idade da aeronave, o seu estado, possível obsolescência, falha humana, etc, sem ter em conta a tragédia humana vivida e que colocou a Força Aérea de luto.

Há muito ainda para apurar, pode ter sido algo derivado da idade da aparelho ou não, depois se saberá. Apesar de descabidas neste momento, as afirmações que anteriormente reproduzi são todas elas pertinentes pois é absolutamente necessário saber o que fazer depois de enterrar os mortos já que as nossas Forças Armadas dependem, e muito, da frota C-130. Por enquanto os Hércules estão parados e a investigação levada a cabo pelo Gabinete de Prevenção de Acidentes em curso.

E, como disse e bem o mafets, trata-se do C-130H 16804: http://www.c-130.net/aircraft-database/C-130/airframe-profile/7432/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Julho 12, 2016, 11:57:57 pm
Sendo um pouco frio!

Por muito que um carro de 1977 seja bem mantido, não deixa se ser um carro velho e mais cedo ou mais tarde vai dar problemas. Neste caso foi o que aconteceu!

Felicito a coragem dos militares pelo acto de coragem, que infelizmente resultou na morte dos militares.

O que importa agora é enterrar os mortos e apurar as responsabilidades!

No teu caso não é ser frio Nélson, afinal tratam-se de questões válidas. O que critiquei foi quem comentou - e não aqui no fórum, mas nas redes sociais, por exemplo - sobre a idade da aeronave, o seu estado, possível obsolescência, falha humana, etc, sem ter em conta a tragédia humana vivida e que colocou a Força Aérea de luto.

Há muito ainda para apurar, pode ter sido algo derivado da idade da aparelho ou não, depois se saberá. Apesar de descabidas neste momento, as afirmações que anteriormente reproduzi são todas elas pertinentes pois é absolutamente necessário saber o que fazer depois de enterrar os mortos já que as nossas Forças Armadas dependem, e muito, da frota C-130. Por enquanto os Hércules estão parados e a investigação levada a cabo pelo Gabinete de Prevenção de Acidentes em curso.

E, como disse e bem o mafets, trata-se do C-130H 16804: http://www.c-130.net/aircraft-database/C-130/airframe-profile/7432/

Antes demais, as minhas condolências sinceras as famílias dos falecidos, estes sim os verdadeiros heróis.

Mesmo que a idade não seja a causa do acidente, voar aviões de transporte, que têm sido o worhorse da FAP, já com 40 anos de vida, não é um bom presságio...

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 13, 2016, 01:20:29 am
 Óbviamente! Independentemente da conclusão do inquérito, 40 anos de uso ainda por mais intensivo, é um abuso.

 Há que falar das coisas sem pruridos, porque já chega de conversas "mansas" e politicamente correctas.
Porque tudo isto já extravasou há muito os limites e as forças armadas são tratadas por este regime como algo que apenas acarreta despesa. Aproveitando-se igualmente da ignorância e pouca sensibilidade da opinião pública para as matérias relacionadas com a Defesa (ao contrário da de outros países europeus com cidadãos mais informados e esclarecidos nestas matérias) para indo gradualmente desinvestindo e desviando as verbas para as suas clientelas políticas.

Naturalmente toda esta situação perniciosa tem contado com o silêncio de muitas chefias militares que pagos com excelentes salários e regalias para não levantarem ondas excessivas e irem aguentando o "barco" até ao limite (já ultrapassado). Apenas estando "autorizados" pelo poder político a discursarem em determinadas efemérides alertando "levemente" os governos para o facto, como estes já não soubessem que as FA's estão numa situação de colapso iminente e de indigência declarada.   

Um caso paradigmático e triste (entre dezenas) é o da hipotética modernização e também da substituição prevista dos C-130.
O governo anterior (isto não tem nada a ver com partidos) através do ministro Aguiar Branco (talvez o pior e mais incompetente ministro da defesa desde o gonçalvismo), que alertado para a obsolescência dos C-130 que já estavam com o upgrade ao cockpit com um atraso de uma década. Decidiu fazer uma espécie de proposta "cínica" à força aérea como condição para possibilitar essa modernização. A força aérea tinha de concretizar uma missão quase impossível, que era conseguir vender os helicópteros Puma (completamente em fim de vida útil) e com o dinheiro da receita da eventual venda fariam o upgrade do cockpit. Como a segurança de uma aeronave fosse uma espécie de capricho e não uma necessidade. Enquanto isso o Estado continuava a pagar PPPs, Swaps e a encher os bolsos das suas clientelas que comem à mesa do orçamento.
Óbviamente que ninguém quis comprar essa sucata (Pumas) e o ministro ganhou mais uns tempos para não se preocupar com o assunto. Tendo as chefias aceitarado esse "desafio" com uma calma olimpica. Depois o ministro resolveu atribuir uma verba que mal dava para modernizar adequadamente duas aeronaves, quanto mais seis e o pseudo concurso acabou por ser suspenso e empurrou-se mais uma vez com a barriga para a frente o problema.

Mas o mais incrível e absurdo é que agora devia-se estar a tratar da substituição pelo C-130J-30, pelo KC-390 ou mesmo pelo A400M (a aeronave mais indicada para a FAP, independentemente do preço, se é para durar 40 anos, este factor tem pouca preponderância), estamos ainda a falar em modernizar esta aeronave C-130H já caduca.
O actual governo com um ministro da defesa inenarrável (mas mais digno que o anterior) com a típica "chico-espertice" que prolifera neste governo, teve uma ideia "genial". Que foi solicitar a Bruxelas fundos comunitários para financiar a tão desejada modernização dos instrumentos de vôo dos C-130. Eu imagino as gargalhadas dos técnicos da UE a apreciarem o dossier e a sua perplexidade com tão estranho pedido. Bom, isto não é sério quando estamos a falar de um investimento pequeno em termos relativos.

 Enquanto isso, uma das principais e úteis aeronaves das nossas FA's estão obsoletas. Não sabendo até ao momento se a causa do trágico acidente do Montijo está relacionada com a fadiga do material, pois a aeronave contava com quase 4 décadas de utilização, embora possa ser argumentado que tinha o processo de manutenção escrupulosamente cumprido. Mas 40 anos são 40 anos e esses ninguém lhes tira.

 Contudo, não consigo deixar de pensar nas vitimas deste acidente que morreram ao serviço de Portugal num acto de enorme estoicismo e coragem ao tentar salvar um camarada.
 As minhas sinceras condolências aos seus familiares e amigos. E que estes malogrados militares e verdadeiros heróis nacionais descansem em paz.
 
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Julho 13, 2016, 02:05:17 am
Hoje no telejornal da RTP1 disse que os 3 feridos ligeiros já tiveram alta e que o ferido grave estava estável, dentro do possível parece-me boas noticias.

Também soube que a Força Aérea vai declarar luto e vai ter os estandartes da Força Aérea a meia-haste.

Em relação ao futuro da frota C-130 nada de sabe, a não ser o obvio que é estar parada até a investigação estar concluída.
Em relação a missões, estava para haver um destacamento de C-130 no Mali...?
Há a companhia dos Comandos para enviar para a RCA.
E também o destacamento do F-16 na Lituânia (cerca de 90 militares) que deve regressar no fim de Agosto.

E agora só temos os C295 para transporte aéreo durante sabe-se lá quanto tempo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 13, 2016, 02:09:43 am
Em primeiro lugar minhas condolências aos amigos e parentes destes dois campanhas que deram a vida pela Pátria no cumprimento do dever.

Deixo aqui um vídeo do KC-390, cujo projeto e construção é 56% de Portugal, creio que seja uma opção válida para substituir os vetustos C-130 da FAP.

Podem se desejarem, serem os primeiros do mundo a incorporá-los as suas Forças de Defesa, pelo menos dois, não creio que haja problemas de financiamento.

Ei-lo:

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Julho 13, 2016, 02:21:18 am
Deixo aqui um vídeo do KC-390, cujo projeto e construção é 56% de Portugal, creio que seja uma opção válida para substituir os vetustos C-130 da FAP.

Podem se desejarem, serem os primeiros do mundo a incorporá-los as suas Forças de Defesa, pelo menos dois, não creio que haja problemas de financiamento.

Amigo calma, sei que fala com boa intenção, mas nem Portugal constrói 56% do KC390, construímos uns 5% e a primeira Força Aérea a recebe-lo será a Brasileira, Portugal ainda não tem nenhuma encomenda feita, só uma intenção de compra, uma promessa.
O numero de aviões que Portugal quer é 6, pode ser agora haja um maior empenhamento de Portugal na aquisição de novos aviões de transporte.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Julho 13, 2016, 09:16:36 am
O Correio da Manhã refere avaria no motor como causadora do acidente...

Isto de algum modo e salvo as proporções porque aqui temos a lamentar a perda de vidas humanas,  faz-me lembrar o celebre M-60 a deitar fumo no desfile há uns anos que precipitou a compra dos Leo II, pode ser que agora levem mais a serio este assunto...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Julho 13, 2016, 10:17:24 am
O Correio da Manhã refere avaria no motor como causadora do acidente...

Isto de algum modo e salvo as proporções porque aqui temos a lamentar a perda de vidas humanas,  faz-me lembrar o celebre M-60 a deitar fumo no desfile há uns anos que precipitou a compra dos Leo II, pode ser que agora levem mais a serio este assunto...

Concordo. Pode ser que finalmente decidam investir na modernização das FA. Apesar de que estou bastante céptico! A situação financeira do estado é grave. Dou-te o exemplo das Escolas Profissionais (financiadas a 85% por fundos comunitários), se te disser que hoje, 13 de Julho ainda não receberam um euro desde Setembro de 2015, quando já terminou um ano lectivo e estão já a preparar o arranque do próximo (com que dinheiro!!!!!). Atenção, estou a falar de 15% de financiamento público que facilmente é recuperável só nos impostos recuperados nos salários do pessoal docente e não docente, já nem falo no IVA.

Mas pode ser que tenhas razão!!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Julho 13, 2016, 11:09:50 am
Penso que se o que motivou o acidente foi falha material o correto seria suspender de imediato as operações de toda a frota até se perceber em concreto as causas do mesmo por modo a evitar uma repetição.

Agora com a missão no Baltico e a futura missão no Mali se não se conseguirem desenrrascar com os C-295´s ou recorrem a um aliado ou alugam um Antonov da vida...

Ou então param de fazer missões no exterior  ::)

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 13, 2016, 11:54:28 am
O Correio da Manhã refere avaria no motor como causadora do acidente...

Isto de algum modo e salvo as proporções porque aqui temos a lamentar a perda de vidas humanas,  faz-me lembrar o celebre M-60 a deitar fumo no desfile há uns anos que precipitou a compra dos Leo II, pode ser que agora levem mais a serio este assunto...

A falha de motor por si não é suficiente para causar um acidente nesta classe da aeronaves !!!
A aeronave consegue, transportando a carga máxima, ou seja com o PMD, que não era o caso desta missão, descolar com apenas dois motores na potência máxima.
Todos os plurimotores, sejam quadrimotores/quadrireactores, ou bimotores/reactores  civis ou militares são desenhados tendo essas capacidades aliás bem demonstradas quando fazemos os testes de performances dos diferentes tipos de aeronaves, algo mais teve de acontecer ou a aeronave já se encontrava em V1, velocidade e distância de pista percorrida que se deve decidir se se descola ou não " Go - No Go "  e tentou abortar a descolagem não tendo ASDA suficiente para imobilizar a aeronave em segurança, ou alguma outra anomalia ou até erro humano ocorreu.

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Julho 13, 2016, 11:55:47 am
O Correio da Manhã refere avaria no motor como causadora do acidente...

Também já vi esse artigo, diz mais ou menos o seguinte, avaria do motor que levou a aterragem de emergência, durante a aterragem de emergência o avião caiu numa vala (depois da pista, ao lado, não sei) e esse embate causou danos estruturais que levaram a fuga de combustivel, como o motor estava muito quente de estar a trabalhar, o combustivel inflamou.

É o Correio da Manhã, vale o que vale, mais nenhum jornal que tenha visto hoje fala nisso.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 13, 2016, 12:17:42 pm
Citar
Inquérito às causas do acidente do avião C-130 sem prazo regulamentar

O inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea às causas do acidente sofrido pelo C-130 que causou três mortos não tem prazo mas o ramo espera que termine o mais rapidamente possível.

O inquérito, aberto de imediato, é conduzido pela Comissão Central de Investigação da FA, um órgão na dependência da Inspeção-Geral do ramo, e não tem um prazo regulamentar para terminar os trabalhos, disse à Lusa o porta-voz do ramo, coronel Rui Roque."Obviamente é do interesse da Força Aérea concluir a investigação no mais curto espaço de tempo possível", frisou.

A investigação visa apurar objetivamente os factos através da preservação de evidências, desde logo na pista e nos destroços do avião e da recolha de testemunhos por parte da tripulação sobrevivente (quatro militares), disse. A peritagem de componentes, a cativação e análise das comunicações e ainda a avaliação das condições meteorológicas que se faziam sentir no local e na altura do acidente são outros passos necessários ao inquérito, adiantou o EMFA, em resposta à Agência Lusa. Se for necessário, adiantou, é possível recorrer a especialistas externos às Forças Armadas em áreas específicas quer nacionais, quer estrangeiros.

Quanto a possíveis causas, o porta-voz do ramo recusou avançar com qualquer hipótese, frisando que a investigação prossegue os seus trabalhos. O acidente sofrido pelo C-130H, que se incendiou na fase de descolagem, mas ainda em solo, na pista da Base Aérea número 6, Montijo, foi o primeiro com vítimas mortais na história desta classe de aeronaves ao serviço da Força Aérea Portuguesa. Seguindo os procedimentos legais, por ter ocorrido dentro do perímetro das instalações militares e dado terem-se registado três vítimas mortais, a Polícia Judiciária Militar foi chamada ao local e seguirá o processo.

https://www.noticiasaominuto.com/pais/621296/inquerito-as-causas-do-acidente-do-aviao-c-130-sem-prazo-regulamentar


Ontem um spotter que se encontrava junto à cabeceira da pista 26 do Montijo adiantava que o C-130 não chegou a descolar, antes abortou a descolagem quando a tripulação se apercebeu que um dos motores da asa direita se encontrava em chamas. Aquando da travagem de emergência a aeronave resvalou para o lado direito, tendo ido parar a uma das valas de escoamento de águas pluviais que se encontram normalmente nas laterais das pistas.

O embate no solo levou a asa direita a partir-se e à ruptura das células de combustível nela situadas que derramaram sobre a fuselagem central e dianteira jetfuel que entrou em ignição devido ao motor em chamas. E o resto já se sabe. Quanto ao motor há dúvidas se seria o nº 3 ou 4.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 13, 2016, 01:02:01 pm
Citar
Inquérito às causas do acidente do avião C-130 sem prazo regulamentar

O inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea às causas do acidente sofrido pelo C-130 que causou três mortos não tem prazo mas o ramo espera que termine o mais rapidamente possível.

O inquérito, aberto de imediato, é conduzido pela Comissão Central de Investigação da FA, um órgão na dependência da Inspeção-Geral do ramo, e não tem um prazo regulamentar para terminar os trabalhos, disse à Lusa o porta-voz do ramo, coronel Rui Roque."Obviamente é do interesse da Força Aérea concluir a investigação no mais curto espaço de tempo possível", frisou.

A investigação visa apurar objetivamente os factos através da preservação de evidências, desde logo na pista e nos destroços do avião e da recolha de testemunhos por parte da tripulação sobrevivente (quatro militares), disse. A peritagem de componentes, a cativação e análise das comunicações e ainda a avaliação das condições meteorológicas que se faziam sentir no local e na altura do acidente são outros passos necessários ao inquérito, adiantou o EMFA, em resposta à Agência Lusa. Se for necessário, adiantou, é possível recorrer a especialistas externos às Forças Armadas em áreas específicas quer nacionais, quer estrangeiros.

Quanto a possíveis causas, o porta-voz do ramo recusou avançar com qualquer hipótese, frisando que a investigação prossegue os seus trabalhos. O acidente sofrido pelo C-130H, que se incendiou na fase de descolagem, mas ainda em solo, na pista da Base Aérea número 6, Montijo, foi o primeiro com vítimas mortais na história desta classe de aeronaves ao serviço da Força Aérea Portuguesa. Seguindo os procedimentos legais, por ter ocorrido dentro do perímetro das instalações militares e dado terem-se registado três vítimas mortais, a Polícia Judiciária Militar foi chamada ao local e seguirá o processo.

https://www.noticiasaominuto.com/pais/621296/inquerito-as-causas-do-acidente-do-aviao-c-130-sem-prazo-regulamentar


Ontem um spotter que se encontrava junto à cabeceira da pista 26 do Montijo adiantava que o C-130 não chegou a descolar, antes abortou a descolagem quando a tripulação se apercebeu que um dos motores da asa direita se encontrava em chamas. Aquando da travagem de emergência a aeronave resvalou para o lado direito, tendo ido parar a uma das valas de escoamento de águas pluviais que se encontram normalmente nas laterais das pistas.

O embate no solo levou a asa direita a partir-se e à ruptura das células de combustível nela situadas que derramaram sobre a fuselagem central e dianteira jetfuel que entrou em ignição devido ao motor em chamas. E o resto já se sabe. Quanto ao motor há dúvidas se seria o nº 3 ou 4.

os nossos canais informativos no seu melhor caso tenha acontecido então não divulguem falha no motor mas incêndio no motor, que é completamente diferente, e os procedimentos de descolagem são só os completamente opostos mas somos o que somos e temos o que temos a ignorância no seu melhor !!!!!!
O JETA1 a arder é uma combustão enorme e muitíssimo poderosa !

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 13, 2016, 03:31:45 pm
Entretanto multiplicam-se as manifestações de pesar pelos três tripulantes que faleceram.

https://www.facebook.com/Pintography/photos/a.400201756848444.1073741830.399971050204848/570654913136460/?type=3&theater (https://www.facebook.com/Pintography/photos/a.400201756848444.1073741830.399971050204848/570654913136460/?type=3&theater)

https://www.facebook.com/AOFA.Oficiais.das.Forcas.Armadas/photos/a.380698915283520.85593.215406995146047/1157851354234935/?type=3&theater (https://www.facebook.com/AOFA.Oficiais.das.Forcas.Armadas/photos/a.380698915283520.85593.215406995146047/1157851354234935/?type=3&theater)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1202138509806321&set=gm.10153619490441078&type=3&theater (https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1202138509806321&set=gm.10153619490441078&type=3&theater)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=910135065778827&set=gm.10153616344026078&type=3&theater (https://www.facebook.com/photo.php?fbid=910135065778827&set=gm.10153616344026078&type=3&theater)

https://spottingandmore.blogspot.pt/2016/07/the-true-heroes.html (https://spottingandmore.blogspot.pt/2016/07/the-true-heroes.html)

Cumprimentos

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 13, 2016, 05:16:00 pm
 Comunicado emitido na página oficial da Força Aérea na rede social Facebook sobre o acidente do Montijo:

" Acidente com aeronave C-130H: ponto de situação.
Na sequência do acidente com uma aeronave C-130H, ocorrido a 11 de julho de 2016, na Base Aérea N.º6, no Montijo, a Força Aérea informa que:
O militar com lesões graves continua internado no Hospital de São José, em Lisboa, encontrando-se estabilizado. Mantém-se, porém, o prognóstico reservado. Os três feridos ligeiros, assistidos no Hospital das Forças Armadas, receberam alta hospitalar durante a tarde de ontem.
Considerando as conclusões preliminares da Comissão Central de Investigação da Força Aérea, e face às informações entretanto veiculadas por alguns órgãos de comunicação social (OCS), esclarece-se o seguinte:
O acidente ocorreu durante uma missão de treino para qualificação da tripulação, ainda na corrida de descolagem, sem que esta se tenha verificado. Da parte da tripulação, não houve reporte de qualquer situação de emergência. A aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total.
Os quatro militares que conseguiram sair da aeronave após a sua imobilização fizeram‑no pelos seus próprios meios, não tendo, em qualquer momento, regressado ao avião. Foi posteriormente confirmada a presença das três vítimas mortais no interior da aeronave.
As questões de natureza técnica avançadas por alguns OCS como causa do acidente têm, neste momento, caráter especulativo, na medida em que, da investigação em curso, não resultou ainda qualquer conclusão neste âmbito.
A Força Aérea prestará mais informação à medida que outros factos venham a ser apurados."
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Camuflage em Julho 13, 2016, 07:47:01 pm
 "A aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total."

Ou seja ardeu totalmente? Porque ainda não divulgaram imagens da mesma?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 14, 2016, 11:48:41 am
O diário i de hoje adianta na capa que "Sistema de alerta de acidentes na base não foi acionado". Entretanto a restante imprensa faz eco do comunicado emitido ontem à tarde pela FAP.

Citar
Força Aérea. Não houve comunicação de emergência durante o acidente do C-130
13/7/2016, 17:32
Vítor Matos

A FAP diz que "não houve reporte de qualquer situação de emergência" da parte da tripulação do C-130 acidentado. Os militares que saíram não voltaram a entrar. Não morreram a tentar salvar o piloto.

Não há base para a tese de que dois militares morreram a tentar salvar um camarada no acidente de segunda-feira com o um Hércules C-130, na Base Aérea do Montijo, segundo a Força Aérea Portuguesa (FAP). Nem sequer houve um “reporte de emergência” a partir do cockpit. O ramo desmente as notícias que relacionavam a morte de dois dos tripulantes com a tentativa de salvar o comandante da aeronave que teria ficado preso num banco. O acidente vitimou três dos sete militares que iam a bordo. A FAP explicou, esta quarta-feira, em comunicado, que quem saiu do avião não voltou a entrar:

“Os quatro militares que conseguiram sair da aeronave após a sua imobilização fizeram-no pelos seus próprios meios, não tendo, em qualquer momento, regressado ao avião. Foi posteriormente confirmada a presença das três vítimas mortais no interior da aeronave”.

O Correio da Manhã avançava, na edição de hoje, que dois dos tripulantes (capitão André Saramago e sargento Amândio Novais) tinham morrido ao tentar salvar o tenente-coronel Fernando Castro, que comandava aquele voo de qualificação. Nos relatos que terão realizado para o inquérito que vai apurar as causas e circunstâncias do acidente, os sobreviventes parece terem negado que tal tivesse acontecido. “O acidente ocorreu durante uma missão de treino para qualificação da tripulação, ainda na corrida de descolagem, sem que esta se tenha verificado”, informa o comunicado da FAP. E concretiza: “Da parte da tripulação, não houve reporte de qualquer situação de emergência. A aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total.”

A FAP também não confirma que o acidente se deu por “uma falha de potência nos motores” — como noticiou o Correio da Manhã — e considera especulativa qualquer informação sobre avarias mecânicas antes de ter conclusões do inquérito que está a ser realizado. O que se sabe até ao momento, sublinha fonte oficial da FAP, é que houve um descontrolo na descolagem que levou o C-130 a ficar imobilizado na pista. “As questões de natureza técnica avançadas por alguns Órgãos de Comunicação Social como causa do acidente têm, neste momento, caráter especulativo, na medida em que, da investigação em curso, não resultou ainda qualquer conclusão neste âmbito”, avança o mesmo comunicado.

Como era um voo de qualificação entre a Base Aérea do Montijo e a de Beja, o formador — o tenente-coronel Fernando Castro — estaria sentado no lugar do co-piloto. Quem estava no lugar do piloto era um dos sobreviventes, que estava a receber formação. Três dos sobreviventes tiveram alta na terça-feira à noite. Só ficou internado um militar, que está fora de perigo, mas com prognóstico reservado. Ainda não é conhecida a data das cerimónias fúnebres, o que está dependente da libertação dos corpos após as autópsias que deveriam ser realizadas esta quarta-feira.

http://observador.pt/2016/07/13/forca-aerea-nao-houve-comunicacao-de-emergencia-durante-o-acidente-do-c-130/


"A aeronave imobilizou-se fora da pista, incendiando-se de imediato, o que resultou na sua perda total."

Ou seja ardeu totalmente? Porque ainda não divulgaram imagens da mesma?

Ardeu completamente à excepção da secção da cauda como é visível nas poucas imagens disponíveis. É natural que por parte da FAP, e muito em particular do COCINV, haja precaução em avançar dados mais concretos já que a investigação ao acidente ainda está praticamente no início. E, creio eu, deverão estar à espera de um perito da Lockheed dado se tratar de uma aeronave deste fabricante.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 14, 2016, 02:20:58 pm
Ainda não é conhecida a data das cerimónias fúnebres, o que está dependente da libertação dos corpos após as autópsias que deveriam ser realizadas esta quarta-feira.

http://observador.pt/2016/07/13/forca-aerea-nao-houve-comunicacao-de-emergencia-durante-o-acidente-do-c-130/
Relativamente a esta questão: https://www.facebook.com/groups/27375706077/ (https://www.facebook.com/groups/27375706077/)
Citar
As cerimónias fúnebres dos militares da Força Aérea Portuguesa que faleceram em 11 de Julho, estão assim previstas:

Quinta-Feira, 18:00 às 24:00 - Velório na Igreja da Força Aérea (Benfica, junto aos Pupilos do Exército/Monsanto)

Sexta-Feira:
10:00 - Missa na Igreja dos Jerónimos
13:30 - Funeral do Tenente-Coronel Castro - Cemitério da Amadora
13:30 - Funeral do Capitão Saramago - Cemitério de Benfica
18:00 - Funeral do Sargento-Ajudante Novais - Cemitério de Aljezur

ATENÇÃO
ALTERAÇÃO DE HORÁRIO
MISSA DE CORPOS PRESENTES AO MEIO-DIA (12H) NO MOSTEIRO DOS JERÓNIMOS.

https://www.facebook.com/113078412060406/photos/a.116282621739985.10902.113078412060406/1221199947914908/?type=3&theater (https://www.facebook.com/113078412060406/photos/a.116282621739985.10902.113078412060406/1221199947914908/?type=3&theater)

Cumprimentos e mais uma vez as sentidas condolências

P.S. Entretanto mais uma noticia relacionada com o acidente: http://ionline.sapo.pt/516606 (http://ionline.sapo.pt/516606)
Citar
Resposta ao incêndio que tomou o avião da Força Aérea poderá não ter sido a mais eficaz. Faltou um sinal sonoro que indica o tipo de acidente

A resposta dos meios de socorro ao acidente que fez três vítimas mortais e outros quatro feridos (um deles grave), esta segunda-feira, na base aérea do Montijo, poderá não ter sido a mais eficaz. O sistema de alarme da base aérea - que dá indicações aos meios de socorro sobre o tipo de acidente em causa e que deve ser sempre acionado em situações como as desta semana - não foi acionado. Força Aérea garante resposta adequada.

Os militares que estavam de serviço na base só se aperceberam do acidente quando viram o fumo negro sobre a pista da base e os primeiros carros de bombeiros a passar em direção ao C-130, que ardia com intensidade. Até esse momento, quando passavam poucos minutos das 12 horas e grande parte do pessoal da base se preparava para almoçar, tudo decorria com a habitual normalidade.

O facto de estarem na messe àquela hora levou vários militares a suspeitar que o problema seria esse mesmo: apesar de ser “bastante audível e inconfundível” com outros ruídos, o som do alarme não chegaria nas devidas condições àquela zona da base.

Nos dias seguintes perceberam que o problema tinha sido mais grave no que diz respeito ao acidente com o C-130. Em vários pontos da base, os comentários iam todos no mesmo sentido: ninguém tinha sido alertado para a ocorrência do acidente - sem precedentes na Força Aérea - pelos sistemas de alerta da Base Aérea 6, no Montijo.

Ao i, a Força Aérea não comenta esta situação. Questionada sobre a falta de sinalização do acidente, fonte da FA refere apenas que “os serviços de socorro reagiram dentro do tempo que está planeado e previsto para estas situações” e que “rapidamente se percebeu que era necessário apoio externo, que foi acionado junto da Proteção Civil”.

Resposta ineficaz A duração e o tipo de som produzido pelo sistema interno de alarme da base aérea do Montijo transmitem aos meios de socorro as primeiras informações sobre que problemas acabam de ocorrer - um acidente com aeronave ou um acidente com um veículo militar, por exemplo. Também dão indicações sobre se se trata de um exercício de treino ou de uma situação real.

O facto de o alarme não ter sido acionado esta segunda-feira poderá ter comprometido a atuação dos meios de socorro da base.

A primeira resposta foi dada, como é habitual, pelos militares que asseguram o serviço de combate a incêndios da base (altamente especializados nestas funções). Também os serviços de socorro médico acorreram à pista onde a aeronave estava imobilizada. Mas uma fonte militar da base refere ao i que os serviços operacionais, responsáveis por coordenar as operações de socorro, careciam de indicações precisas sobre o que tinha acabado de acontecer.

Os meios externos foram acionados às 12h20 e, ao final da tarde de segunda-feira, tinham sido mobilizados para a base 49 operacionais e 16 veículos de apoio, segundo dados disponibilizados pela Proteção Civil.

O avião acabou por ficar completamente destruído na pista, depois de ter sido consumido pelas chamas. Do interior da carcaça foram retirados os corpos das três vítimas mortais: um tenente-coronel, um capitão e um sargento-ajudante, todos com idades entre os cerca de 30 e os 50 anos.

Um quarto militar acabou ferido com gravidade, com queimaduras na quase totalidade do corpo. Os outros três ocupantes do C-130 escaparam com ferimentos mais ligeiros. Foram todos encaminhados para o Hospital de São José, em Lisboa.

O acidente aconteceu quando a aeronave efetuava uma operação de touch and go (tocar e levantar). Depois de um primeiro ensaio, o piloto preparava-se para voltar a levantar voo quando os motores tiveram uma falha.

O trem principal não chegou a sair do chão e o incêndio deflagrou de imediato.

Ferido grave internado. Dos três feridos que resultaram do acidente, apenas o militar com ferimentos mais graves (com queimaduras em grande parte do corpo) continua internado. Está “estabilizado”, mas ainda com “prognóstico reservado”.

Os três feridos ligeiros, que também conseguiram sair do avião, tiveram alta ainda na tarde de terça-feira, de acordo com um comunicado disponibilizado ontem pela FA.

Segundo o i apurou, os corpos dos três militares que perderam a vida no acidente já foram autopsiados. Os funerais devem realizar-se nos próximos dias, mas ainda não têm data marcada.

No mesmo comunicado, a FA refere que “da parte da tripulação, não houve reporte de qualquer situação de emergência” e que “os quatro militares que conseguiram sair da aeronave após a sua imobilização fizeram-no pelos seus próprios meios, não tendo, em qualquer momento, regressado ao avião” - posição que contradiz a tese de que dois dos militares mortos teriam voltado a entrar no avião para resgatar um dos elementos envolvidos no acidente.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Camuflage em Julho 14, 2016, 07:18:03 pm

Ardeu completamente à excepção da secção da cauda como é visível nas poucas imagens disponíveis. É natural que por parte da FAP, e muito em particular do COCINV, haja precaução em avançar dados mais concretos já que a investigação ao acidente ainda está praticamente no início. E, creio eu, deverão estar à espera de um perito da Lockheed dado se tratar de uma aeronave deste fabricante.

As poucas imagens que existem foram tiradas com teleobjectivas a uma grande distância por fotojornalistas. Não entendo porque a FAP não cedeu algumas imagens para demonstrar um pouco mais de transparência e melhor colaboração com os media.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 15, 2016, 12:09:40 pm

Ardeu completamente à excepção da secção da cauda como é visível nas poucas imagens disponíveis. É natural que por parte da FAP, e muito em particular do COCINV, haja precaução em avançar dados mais concretos já que a investigação ao acidente ainda está praticamente no início. E, creio eu, deverão estar à espera de um perito da Lockheed dado se tratar de uma aeronave deste fabricante.

As poucas imagens que existem foram tiradas com teleobjectivas a uma grande distância por fotojornalistas. Não entendo porque a FAP não cedeu algumas imagens para demonstrar um pouco mais de transparência e melhor colaboração com os media.

É muito raro a FAP divulgar imagens de acidentes com as suas aeronaves, ainda para mais quando acontecem dentro de perímetro militar. Só quando o aparelho sofre um acidente em área civil é que se costumam ver mais imagens do(s) mesmo(s). Anos mais tarde, em publicações, blogs, sites ou redes sociais é que muitos militares, a título pessoal, as costumam partilhar.

Entretanto, mais um apanhado de imprensa de hoje.

Citar
Frota portuguesa de C-130 é "profundamente envelhecida"

Comissão parlamentar de Defesa Nacional aguarda os resultados do inquérito ao acidente sofrido segunda-feira por um C-130H da Força Aérea Portuguesa para saber a causa e as circunstâncias do desastre
 
2016-07-14 18:33   Redação / VF

A comissão parlamentar de Defesa Nacional aguarda os resultados do inquérito ao acidente sofrido segunda-feira por um C-130H da Força Aérea Portuguesa para saber a causa e as circunstâncias do desastre, lamentando o "gravíssimo acidente". O presidente da comissão, Marco António Costa, disse que irá transmitir junto do ministro da Defesa e das chefias militares que os deputados "fazem questão de saber o que causou o incidente, se foi falha técnica e qual a natureza, se foi falha humana e qual a natureza".

O tema foi suscitado na reunião desta quinta-feira pelo deputado do PS João Soares, que observou que a frota portuguesa de C-130 é uma "frota profundamente envelhecida" e frisou que é preciso saber o que se passou até por "uma questão de prevenção em relação ao futuro". Lamentando o "gravíssimo acidente", o deputado do PCP Jorge Machado considerou "prudente" fazer chegar à Força Aérea Portuguesa a vontade da comissão de Defesa de receber os resultados do inquérito que foi aberto de imediato pela Comissão de Investigação da FAP. O acidente é demasiado grave para que não se perceba a totalidade do que se passou para que não volte a acontecer", considerou.

Pelo PS, o deputado José Miguel Medeiros manifestou confiança no profissionalismo das Forças Armadas e considerou que "haverá o momento e tempo" para a comissão ter acesso ao relatório do inquérito. Também o deputado Bruno Vitorino, do PSD, advertiu contra qualquer especulação sobre as causas do acidente, considerando que a comissão deve aguardar as conclusões do inquérito. No início da reunião, a comissão apresentou um voto de pesar pelo acidente, na Base Aérea nº6, Montijo, que provocou três mortos e quatro feridos, e que será votado na próxima sessão plenária.

http://www.tvi24.iol.pt/sociedade/forca-aerea-portuguesa/frota-portuguesa-de-c-130-e-profundamente-envelhecida

Citar
Aviões C-130 parados nos hangares por respeito aos militares
Daniela Paulo   
14/07/2016 - 13:15
 
Os aviões C-130 estão parados, mas não existe qualquer tipo de problema técnico ou mecânico

Os aviões C-130 estão parados nos hangares desde segunda-feira, quando ocorreu o acidente aéreo em que morreram três militares. As ligações aéres entre bases militares do continente e dos Açores não estão assim a ser realizadas por este este tipo de aeronaves como é costume. No entanto, estas continuaram a ser realizadas por outros aviões da Força Aérea Portuguesa. Segundo fonte das relações públicas da Força Aérea, estas aeronaves não estão a realizar missões, por respeito aos colegas que faleceram no acidente. A decisão foi tomada para que os militares possam realizar o seu luto. Segundo a mesma fonte oficial os três C-130 estão em condições operacionais e não existe nenhum tipo de preocupação relacionada com "problemas técnicos ou mecânicos".

Quanto à organização das cerimónias fúnebres dos três militares falecidos no acidente aéreo de segunda-feira, a Força Aérea ainda não divulgou informações oficiais, mas o ramo das Forças Armadas prevê a realização de um velório esta quinta-feira na Igreja da Força Aérea, em Benfica. Na sexta-feira, serão realizados os funerais dos militares com missa na Igreja dos Jerónimos.

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/avioes-c130-nos-hangares-por-respeito-aos-militares-1738254

Citar
Acidente com aeronave C-130: cerimónias fúnebres decorrem dias 14 e 15 de julho
14/7/2016, 16:50

As cerimónias fúnebres dos três militares que morreram na sequência de um acidente que aconteceu na base aérea do Montijo vão decorrer nos dias 14 e 15 de julho.

As cerimónias fúnebres dos três militares que morreram na sequência de um acidente que aconteceu na base aérea do Montijo vão decorrer nos dias 14 e 15 de julho. Em comunicado à imprensa, a Força Aérea Portuguesa revelou no seu site as horas e os locais do velório conjunto, missa do corpo presente e os três funerais:

“Na sequência do acidente com uma aeronave C-130H, ocorrido a 11 de julho de 2016, a Força Aérea informa que as cerimónias fúnebres do Tenente-Coronel Fernando Manuel Geraldes Castro, do Capitão André Francisco de Amaral Saramago e do Sargento-Ajudante Amândio Miguel Correia de Novais terão lugar nos dias e locais a seguir indicados:

Velório conjunto, dia 14 de julho, das 18h00 às 24h00, na Igreja de Nossa Senhora do Rosário – Templo da Força Aérea, em S. Domingos de Benfica, Lisboa.

Missa de corpo presente conjunta, dia 15 de julho, pelas 12h00, no Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa.

O funeral do Tenente-Coronel Fernando Castro realiza-se no Cemitério da Amadora, pelas 14h15.

O funeral do Capitão André Saramago realiza-se no Cemitério de Benfica, Lisboa, pelas 13h30.

O funeral do Sargento-Ajudante Amândio Novais realiza-se no Cemitério de Aljezur, pelas 17h30.”

http://observador.pt/2016/07/14/acidente-com-aeronave-c-130-cerimonias-funebres-decorrem-dias-14-e-15-de-julho/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Julho 15, 2016, 01:59:44 pm
Frota portuguesa de C-130 é "profundamente envelhecida"

É preciso acontecer um desastre desta magnitude para ouvir comentários destes (ou sequer sobre as FA) na assembleia! políticos de merda!!

Há € para tudo, € para festas, jantaradas, obras faraónicas e depois acontecem estas merdas!!

Falcon, Alouettes, C-130! Tudo aeronaves que já não deviam voar com a nossa cruz há muitos e muitos anos e continuam aí à espera de novos desastres. Com mecânicos a fazer milagres! A fazer omoletes sem ovos. Homens diariamente a arriscar a vida voando em verdadeiras peças de museu. Que triste sina..

Desculpem o desabafo
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 15, 2016, 02:25:10 pm
Citar
O tema foi suscitado na reunião desta quinta-feira pelo deputado do PS João Soares, que observou que a frota portuguesa de C-130 é uma "frota profundamente envelhecida" e frisou que é preciso saber o que se passou até por "uma questão de prevenção em relação ao futuro". Lamentando o "gravíssimo acidente", o deputado do PCP Jorge Machado considerou "prudente" fazer chegar à Força Aérea Portuguesa a vontade da comissão de Defesa de receber os resultados do inquérito que foi aberto de imediato pela Comissão de Investigação da FAP. O acidente é demasiado grave para que não se perceba a totalidade do que se passou para que não volte a acontecer", considerou.
Do João Soares  ao Jorge Machado é tudo rapaziada conhecedora da realidade das Forças Armadas. Até me admiro que saibam o que é um C130H, já para não falar de serem políticos que deveriam ter responsabilidade nas palavras, bem patentes no facto de quererem ter acesso ao relatório para saber a origem do acidente e sobretudo o Dr. João Soares já querer desatar a dar "estaladas" sem saber realmente o que se passou e a conclusão do tal relatório. Lamentável esta gentalha ser eleita ...  ::) :o
Citar
O presidente da República irá na próxima segunda-feira à Base Aérea n.º 6 e voará num C130H para demonstrar a confiança na Força Aérea, depois do acidente que vitimou três militares.

"Segunda-feira irei à Base Aérea do Montijo e terei oportunidade de saber o que entretanto terá sido indagado e dar uma palavra de confiança na Força Aérea, de confiança naquele tipo de aeronave. Eu próprio voarei num C130 nesse dia", anunciou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas antes de entrar para a Igreja dos Jerónimos, Belém, onde decorre uma missa de homenagem aos três militares que morreram segunda-feira vítimas de um acidente com um avião C130H, da esquadra 501, na Base Aérea n.º 6, Montijo.
Entretanto o PR na segunda-feira vai voar num C130H da  "frota profundamente envelhecida". Espero que convide os membros da honorável comissão de defesa, nomeadamente o Dr. João Soares ??? :o

http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html (http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Julho 15, 2016, 02:55:39 pm
Citar
O tema foi suscitado na reunião desta quinta-feira pelo deputado do PS João Soares, que observou que a frota portuguesa de C-130 é uma "frota profundamente envelhecida" e frisou que é preciso saber o que se passou até por "uma questão de prevenção em relação ao futuro". Lamentando o "gravíssimo acidente", o deputado do PCP Jorge Machado considerou "prudente" fazer chegar à Força Aérea Portuguesa a vontade da comissão de Defesa de receber os resultados do inquérito que foi aberto de imediato pela Comissão de Investigação da FAP. O acidente é demasiado grave para que não se perceba a totalidade do que se passou para que não volte a acontecer", considerou.
Do João Soares  ao Jorge Machado é tudo rapaziada conhecedora da realidade das Forças Armadas. Até me admiro que saibam o que é um C130H, já para não falar de serem políticos que deveriam ter responsabilidade nas palavras, bem patentes no facto de quererem ter acesso ao relatório para saber a origem do acidente e sobretudo o Dr. João Soares já querer desatar a dar "estaladas" sem saber realmente o que se passou e a conclusão do tal relatório. Lamentável esta gentalha ser eleita ...  ::) :o
Citar
O presidente da República irá na próxima segunda-feira à Base Aérea n.º 6 e voará num C130H para demonstrar a confiança na Força Aérea, depois do acidente que vitimou três militares.

"Segunda-feira irei à Base Aérea do Montijo e terei oportunidade de saber o que entretanto terá sido indagado e dar uma palavra de confiança na Força Aérea, de confiança naquele tipo de aeronave. Eu próprio voarei num C130 nesse dia", anunciou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas antes de entrar para a Igreja dos Jerónimos, Belém, onde decorre uma missa de homenagem aos três militares que morreram segunda-feira vítimas de um acidente com um avião C130H, da esquadra 501, na Base Aérea n.º 6, Montijo.
Entretanto o PR na segunda-feira vai voar num C130H da  "frota profundamente envelhecida". Espero que convide os membros da honorável comissão de defesa, nomeadamente o Dr. João Soares ??? :o

http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html (http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html)

Saudações

É mentira ?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Julho 15, 2016, 03:07:18 pm
E no entanto, comentários como os de João Soares têm o mérito de trazer ao debate político o estado de envelhecimento avançado de muito do nosso material militar. Assunto esse que é amplamente debatido neste espaço e que os políticos são frequentemente criticados de ignorarem — como vimos, aliás, acontecer várias vezes nesta singela página.

Goste-se ou não do personagem e da sua habitual boçalidade e antipatia, é difícil de entender a condenação dos seus comentários quando estes reflectem exactamente uma posição que é quase unânime neste espaço. E era só isto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 15, 2016, 03:13:50 pm
Citar
O tema foi suscitado na reunião desta quinta-feira pelo deputado do PS João Soares, que observou que a frota portuguesa de C-130 é uma "frota profundamente envelhecida" e frisou que é preciso saber o que se passou até por "uma questão de prevenção em relação ao futuro". Lamentando o "gravíssimo acidente", o deputado do PCP Jorge Machado considerou "prudente" fazer chegar à Força Aérea Portuguesa a vontade da comissão de Defesa de receber os resultados do inquérito que foi aberto de imediato pela Comissão de Investigação da FAP. O acidente é demasiado grave para que não se perceba a totalidade do que se passou para que não volte a acontecer", considerou.
Do João Soares  ao Jorge Machado é tudo rapaziada conhecedora da realidade das Forças Armadas. Até me admiro que saibam o que é um C130H, já para não falar de serem políticos que deveriam ter responsabilidade nas palavras, bem patentes no facto de quererem ter acesso ao relatório para saber a origem do acidente e sobretudo o Dr. João Soares já querer desatar a dar "estaladas" sem saber realmente o que se passou e a conclusão do tal relatório. Lamentável esta gentalha ser eleita ...  ::) :o
Citar
O presidente da República irá na próxima segunda-feira à Base Aérea n.º 6 e voará num C130H para demonstrar a confiança na Força Aérea, depois do acidente que vitimou três militares.

"Segunda-feira irei à Base Aérea do Montijo e terei oportunidade de saber o que entretanto terá sido indagado e dar uma palavra de confiança na Força Aérea, de confiança naquele tipo de aeronave. Eu próprio voarei num C130 nesse dia", anunciou Marcelo Rebelo de Sousa.

Marcelo Rebelo de Sousa falava aos jornalistas antes de entrar para a Igreja dos Jerónimos, Belém, onde decorre uma missa de homenagem aos três militares que morreram segunda-feira vítimas de um acidente com um avião C130H, da esquadra 501, na Base Aérea n.º 6, Montijo.
Entretanto o PR na segunda-feira vai voar num C130H da  "frota profundamente envelhecida". Espero que convide os membros da honorável comissão de defesa, nomeadamente o Dr. João Soares ??? :o

http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html (http://www.jn.pt/nacional/interior/marcelo-vai-visitar-base-aerea-do-montijo-e-voar-num-c-130-5286766.html)

Saudações

É mentira ?
Como eu não sei as conclusões ao inquérito do acidente com o C130H da Fap não faço especulações, muito menos com base em revelações de políticos que nem nunca foram à tropa e nunca defenderam as F.A. em todo um conjunto de circunstâncias e durante décadas que exercem funções de responsabilidade na política portuguesa (se os aviões não estivesse em condições certamente que a FAP não os colocava no ar numa missão de treino. Aliás existe um C130H parado à uma serie de tempo, algo que é do domínio público). Além disso, temos acidentes com aviões mais velhos (resta saber porque voam) ou inclusive no inicio de vida útil (não me parece que suscite dúvidas o porque do seu uso). Se o inquérito revelar que os aparelhos estavam velhos, cá estarei para comentar, da mesma forma que comentarei se as razões forem outras.  Até porque especulações é o que infelizmente existe com fartura nesta lamentável situação.
E no entanto, comentários como os de João Soares têm o mérito de trazer ao debate político o estado de envelhecimento avançado de muito do nosso material militar. Assunto esse que é amplamente debatido neste espaço e que os políticos são frequentemente criticados de ignorarem — como vimos, aliás, acontecer várias vezes nesta singela página.

Goste-se ou não do personagem e da sua habitual boçalidade e antipatia, é difícil de entender a condenação dos seus comentários quando estes reflectem exactamente uma posição que é quase unânime neste espaço. E era só isto.
Vale-nos o que o debate neste espaço, se independentemente do que aqui se conclui os políticos que realmente podem decidir e apenas falam após situações graves,  nada fazem? Aliás, o orçamento de defesa baixa a cada ano e quais as intenções das personagens em questão quanto a isso, referindo-se que as mesmas estão na política à décadas? Que material foi substituído pela acção dos referidos deputados, entre aquele que é operado à mais tempo que o C130H? Sim, condeno a especulação pois se existe um inquérito em curso é deixar que o mesmo conclua-se e depois activar as devidas conclusões e não fechar os olhos como a muitos outros inquéritos (relativamente a outros acidentes nas F.A. o que adveio dessas conclusões e foi posto em prática?) . Aliás, mais lamentável que responsáveis políticos especularem, é só o fazerem quando existe um acidente desta magnitude com perda de vidas. Antes, os nossos nobres deputados não deviam falar com ninguém das F.A. pois nunca das bocas em questão se viu ou ouviu qualquer palavra a propósito das Forças Armadas Portuguesas, fosse a propósito de homens, equipamento ou fosse o que fosse. Tirem os respectivos das cadeiras, saiam dos Gabinetes, vão as unidades em dias normais e vejam a realidade de forma a falarem da mesma nas reuniões ordinárias das comissões de defesa. Não estejam à espera de evocar santa barbara só quando troveja. Só e apenas isto.

Cumprimentos 

P.S. Um tema de leitura interessante: http://www.globalsecurity.org/military/systems/aircraft/c-130e.htm (http://www.globalsecurity.org/military/systems/aircraft/c-130e.htm)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 15, 2016, 03:53:21 pm
Frota portuguesa de C-130 é "profundamente envelhecida"

É preciso acontecer um desastre desta magnitude para ouvir comentários destes (ou sequer sobre as FA) na assembleia! políticos de merda!!

Há € para tudo, € para festas, jantaradas, obras faraónicas e depois acontecem estas merdas!!

Falcon, Alouettes, C-130! Tudo aeronaves que já não deviam voar com a nossa cruz há muitos e muitos anos e continuam aí à espera de novos desastres. Com mecânicos a fazer milagres! A fazer omoletes sem ovos. Homens diariamente a arriscar a vida voando em verdadeiras peças de museu. Que triste sina..

Desculpem o desabafo

Qual desabafo, tens toda a razão, estes politicozecos de pacotilha, ignorantes e incompetentes que continuam a desconhecer as realidades Militares, mas sabem mandar uns papos valentes quando convêm para assim ficarem bem na FOTO !!!

Todos juntos não valem 1% de um Militar nosso, é o que eu digo !!!
Esses sim são os nossos Heróis que diariamente se arriscam pela nossa Pátria, de tal modo que até as suas vidas Dão por ELA !
Sempre quero ver se este acidente aeronáutico estiver relacionado com o envelhecimento do equipamento se vão haver culpado no sector civil para assumir as responsabilidades desta desgraça que bem poderia ter sido evitada !!!

Independentemente do resultado da investigação, o MDN ainda está em funções porquê ????
Pois parece-me que a Honra era VERDE, e foi comida por um ASNO só pode, haja vergonha !!!

Para os FdP dos bancos e afins há rios de dinheiro mas umas dezenas de milhões de € para melhorar os C's Opatas, o resultado assim é melhor, cambada de canalhas de MERDA !!!

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 15, 2016, 06:09:22 pm
Cerca das 13h15 descolou um C-130H-30 que foi prestar a homenagem da Esquadra 501 aos seus mortos, tendo regressado à BA6 cerca das 15h. Entretanto eram 17h30 e deslocou para Figo Maduro, julgo eu para a instalação do kit VIP para a visita do PR ao Montijo na segunda-feira.

A maioria dos C's encontra-se no Montijo e parados, estando os Elefantes a tratar do que é urgente até os Bisontes voltarem a operar. Coincidência ou talvez não, o C-130H-30 que hoje tem voado - quando me sobrevoou à hora de almoço penso que se tratava do 16801 -  estava a sair do hangar da Esq. 501 depois de mais uma operação de manutenção quando o 16804 se acidentou.

Citar
Presidente da República voa num C-130 para provar que é seguro
Lusa   
15/07/2016 - 17:40

Marcelo visita na segunda-feira a Base Aérea do Montijo, para dar uma "palavra de confiança à Força Aérea e àquele tipo de aeronave" depois do acidente que vitimou três militares.

O Presidente da República irá na próxima segunda-feira à tarde à Base Aérea n.º 6, Montijo, e voará num avião C-130H para demonstrar a confiança na Força Aérea e naquele tipo de aeronave, depois do acidente que vitimou três militares."Segunda-feira irei à Base Aérea do Montijo e terei oportunidade de saber o que entretanto terá sido indagado e dar uma palavra de confiança na Força Aérea, de confiança naquele tipo de aeronave. Eu próprio voarei num C-130 nesse dia", anunciou Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas, antes de entrar para a Igreja dos Jerónimos, Belém, onde decorreu uma missa de homenagem aos três militares que morreram segunda-feira vítimas de um acidente com um avião C-130H, da esquadra 501, na Base Aérea n.º 6, Montijo.

O Presidente da República destacou "o exemplo" dos três militares, um tenente-coronel, um capitão e um sargento, que "foi muito impressionante" ao "terem mostrado o que é a condição militar, que é estar ao serviço do país com risco da própria vida, em todos os momentos, mesmo em momentos de paz". Marcelo Rebelo de Sousa disse que, no dia de hoje, "o mais importante é a homenagem" aos três militares que morreram no "cumprimento do seu serviço", afirmando que "estão presentes na memória da Força Aérea, das Forças Armadas e do Comandante Supremo das Forças Armadas". Além da missa de corpo presente conjunta, que começou às 12h00 na Igreja do Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa, está prevista uma homenagem no domingo, na inauguração de um monumento que visa assinalar a passagem do primeiro centenário da aviação militar.

O avião C-130H "imobilizou-se fora da pista" e incendiou-se de imediato durante a corrida de descolagem e a tripulação não chegou a reportar qualquer emergência, indicou um comunicado divulgado na quarta-feira pela FAP, que prossegue o inquérito às causas do acidente, sem prazo regulamentar. O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Pina Monteiro, o chefe do Estado-Maior da Força Aérea, Manuel Rolo, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, e o secretário de Estado da Defesa, Marcos Perestrello, o deputado da comissão parlamentar de Defesa Nacional Miranda Calha e o deputado e anterior ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, marcaram presença na cerimónia religiosa.
 
https://www.publico.pt/politica/noticia/presidente-da-republica-voa-num-c130-para-provar-que-e-seguro-1738427
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 15, 2016, 07:42:57 pm
Citar
Um avião C-130 sobrevoou esta tarde os funerais dos três militares falecidos na segunda-feira na Base Aérea do Montijo, numa homenagem prestada pelos camaradas da Esquadra 501 - conhecida por "Bisontes" -, desmentindo assim a informação que circulava de que as tripulações não estavam a voar por razões psicológicas.

Entretanto, o Presidente da República anunciou hoje, antes da missa de corpo presente conjunta no Mosteiro dos Jerónimos, que irá voar num C-130. "Segunda-feira irei à Base Aérea do Montijo e terei oportunidade de saber o que terá sido indagado e dar uma palavra de confiança na Força Aérea e naquele tipo de aeronave. Eu próprio voarei num C-130 nesse dia", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa.

Segundo salientaram ao JN fontes do Estado-Maior da Força Aérea, "é evidente que o estado emocional das tripulações não pode ser o melhor, tendo em conta a morte dos três camaradas. Mas somos militares, o que significa que as missões têm sempre de ser cumpridas".

De acordo com as mesmas fontes, há também um C-130 com a respetiva tripulação pronto a voar para missões de busca e salvamento, o que mais uma vez reforça a ideia de que a esquadra se mantém ativa para o que for necessário, seguindo o lema dos "Bisontes": "Onde necessário, quando necessário". A mesma fonte salienta ainda que "qualquer esquadra da Força Aérea está sempre pronta a voar independentemente das circunstâncias, psicológicas ou não".

Quanto à utilização do C-295, ela esteve associada ao facto de as duas pistas do Montijo terem estado interditas por razões que se prendem com o inquérito. Mas aeronaves e tripulações estiveram sempre prontas a voar.

De resto, a aquisição da aeronave C-295 já foi feita no sentido de cumprir algumas das missões que antes estavam apenas atribuídas aos C-130, daí que há dois anos se tenha optado por manter a voar apenas cinco dos seis aviões iniciais que constituíam a frota de C-130.

Atualmente, devido à perda total do C-130 no acidente do Montijo, que reduziu a frota para quatro aviões, há duas aeronaves prontas a voar e outras tantas em manutenção.



Leia mais: C-130 sobrevoou funerais de militares mortos no Montijo:

 http://www.jn.pt/nacional/interior/c-130-sobrevoou-funerais-de-militares-mortos-no-montijo-5287499.html#ixzz4EVKI3ryw

Follow us: jornalnoticias on Facebook

https://www.facebook.com/luis.tavares.39/videos/1307127829297268/]=https://www.facebook.com/luis.tavares.39/videos/1307127829297268/]https://www.facebook.com/luis.tavares.39/videos/1307127829297268/ (http://=https://www.facebook.com/luis.tavares.39/videos/1307127829297268/)

(https://scontent.flis3-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/13692731_1159909057415583_4059840015267556258_n.jpg?oh=60a7d0f70bfd298c47669292844bbb62&oe=582F5718)

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1159909057415583&set=oa.10153626223876078&type=3&theater (https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1159909057415583&set=oa.10153626223876078&type=3&theater)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Julho 15, 2016, 08:03:52 pm
Citar
. Entretanto eram 17h30 e deslocou para Figo Maduro, julgo eu para a instalação do kit VIP para a visita do PR ao Montijo na segunda-feira.

As 17h30 foi o funeral do Sargento-Ajudante em Aljezur, deve ter ido lá fazer uma passagem.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 16, 2016, 12:56:08 am
Antes de mais, visto que cheguei atrasado, as minhas condolências e que estes militares descansem em paz.

Um ligeiro à parte: acho que esta notícia não deveria ter sido colocada aqui ou estar a ser discutida tão profundamente aqui. É certo que não existem outros tópicos activos dedicados ao C-130 ou à esquadra e que este acidente vai ter um impacto na substituição da frota dos C-130. No entanto, acho que estão a ser discutidos muitos factores aqui, especialmente quando ainda nem começou devidamente a investigação, que nada estarão relacionados com o programa de substituição dos C-130. Acho que neste momento discutir alguns dos aspectos deste acidente aqui só está a servir para alimentar certas ideias e até como desinformação para quem não percebe deste assunto (p.e. uma pessoa que venha aqui parar através do Google ou um jornalista). Neste momento esta é a minha opinião.

Voltando à carga:
É preciso acontecer um desastre desta magnitude para ouvir comentários destes (ou sequer sobre as FA) na assembleia! políticos de merda!!

Há € para tudo, € para festas, jantaradas, obras faraónicas e depois acontecem estas merdas!!

Falcon, Alouettes, C-130! Tudo aeronaves que já não deviam voar com a nossa cruz há muitos e muitos anos e continuam aí à espera de novos desastres. Com mecânicos a fazer milagres! A fazer omoletes sem ovos. Homens diariamente a arriscar a vida voando em verdadeiras peças de museu. Que triste sina..

Desculpem o desabafo
Um desabafo que é bem-vindo. Ainda há dias (6 de Julho) tinha colocado neste mesmo tópico um comentário relacionado com isso. A realidade é mesmo essa, existe dinheiro para tudo e mais alguma coisa. O problema é que não dá jeito nenhum aos políticos gastarem dinheiro com as forças armadas porque assim perdem votos do eleitorado que guarda um rancor contra as forças armadas por causa da falta de informação ou por causa da desinformação que é criada por certos grupos. E depois quando conseguem "permissão" para gastar o dinheiro nas forças armadas vão logo gastar onde lhes mais convém e com quem mais lhes convém - os tais amigalhaços.

Não é nenhuma coincidência que agora se lembram, mesmo com este acidente com vítimas mortais, de comentar que a frota de C-130 está profundamente envelhecida. O vocabulário da língua portuguesa é enorme e até gigantesco. Mas não, foi-se logo comentar que a frota está profundamente envelhecida. Com que interesse? De comprar imediatamente o que estiver disponível no mercado (C-130J) ou de angariar suporte para comprar o que ainda à poucos dias andou por aí a fazer campanha?

Basicamente, aqui concordo com o post do mafets (http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=5598.msg274982#msg274982), embora volta-e-meia estarei aqui para mandar um bitaite ou outro.

Continuando, e aqui começa a verdadeira palhaçada e fantochada:
«Presidente da República voa num C-130 para provar que é seguro»
Só este título... que tamanha palhaçada e que circo do carago. Desde quando é preciso o Presidente da República fazer uma destas perícias, que até é mais digna de um reality show, quando acontece um acidente deste tipo? Quando deu-se a queda dos Alouette III, do C-212 ou do F-16 foi preciso vir o P.R. fazer também uma destas perícias? É que o Sr. P.R. até deu-se ao trabalho de dizer que irá voar num C-130 para especificamente dar uma palavra de confiança naquele tipo de aeronave! Podia ter muito bem dito apenas que ia visitar a unidade e feito o voo no C-130 ou até mesmo voado num C-130 até aos Açores numa visita. Não era preciso apontar uma lanterna e dar este espectáculo todo.

E agora temos esta parte na notícia que para mim é uma verdadeira pérola, sem sarcasmo:

Citar
De resto, a aquisição da aeronave C-295 já foi feita no sentido de cumprir algumas das missões que antes estavam apenas atribuídas aos C-130, daí que há dois anos se tenha optado por manter a voar apenas cinco dos seis aviões iniciais que constituíam a frota de C-130.
Ao tempo que eu ando a escrever isto e ao tempo que vejo pessoas a discordar com isto ou outras que chegaram a criticar o A400M porque seria muito caro e só poderíamos adquirir cinco ou quatro aeronaves desse tipo.

E a parte de ter sido apenas há dois anos que se começou a optar por manter apenas cinco C-130 por causa dos C-295 é para mim treta. Foi há muito mais tempo que se ponderou, verificou e optou por essa via.

Pois é, andaram durante anos e anos a adiar e a sabotar a substituição dos C-130H pelo C-130J(-30) ou pelo A400M e agora que o Costa já ficou bonito numas fotos, e que até têm este acidente para não perderem votos na aquisição de material militar, já lhes convém discutir mais seriamente e rapidamente este assunto.

Eles que continuem assim que vão bem. Vão bem para os interesses deles.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 16, 2016, 11:24:01 am
Citar
. Entretanto eram 17h30 e deslocou para Figo Maduro, julgo eu para a instalação do kit VIP para a visita do PR ao Montijo na segunda-feira.

As 17h30 foi o funeral do Sargento-Ajudante em Aljezur, deve ter ido lá fazer uma passagem.

Pode ter sido sim, tens razão, se bem que o vi dirigir-se para os lados da Portela.


Um ligeiro à parte: acho que esta notícia não deveria ter sido colocada aqui ou estar a ser discutida tão profundamente aqui. É certo que não existem outros tópicos activos dedicados ao C-130 ou à esquadra e que este acidente vai ter um impacto na substituição da frota dos C-130. No entanto, acho que estão a ser discutidos muitos factores aqui, especialmente quando ainda nem começou devidamente a investigação, que nada estarão relacionados com o programa de substituição dos C-130.

Tens razão, a culpa é minha neste caso pois, como bem disseste, não havia um tópico específico para este assunto. Peço ao administrador e/ou moderadores que criem, se for possível, um tópico só dedicado à discussão deste acidente e movam para lá os posts escritos desde então. Obrigado.


Acho que neste momento discutir alguns dos aspectos deste acidente aqui só está a servir para alimentar certas ideias e até como desinformação para quem não percebe deste assunto (p.e. uma pessoa que venha aqui parar através do Google ou um jornalista). Neste momento esta é a minha opinião.

E até me parece ter sido esse o caso, senão vejamos:


Ontem um spotter que se encontrava junto à cabeceira da pista 26 do Montijo adiantava que o C-130 não chegou a descolar, antes abortou a descolagem quando a tripulação se apercebeu que um dos motores da asa direita se encontrava em chamas. Aquando da travagem de emergência a aeronave resvalou para o lado direito, tendo ido parar a uma das valas de escoamento de águas pluviais que se encontram normalmente nas laterais das pistas.

O embate no solo levou a asa direita a partir-se e à ruptura das células de combustível nela situadas que derramaram sobre a fuselagem central e dianteira jetfuel que entrou em ignição devido ao motor em chamas. E o resto já se sabe. Quanto ao motor há dúvidas se seria o nº 3 ou 4.

E a notícia no CM online de hoje:

Citar
16.07.2016  01:45
(...) Segundo apurou o CM, a sugestão foi de Marcelo, de forma a dar alento e mostrar confiança às tripulações da esquadra 501, que opera os C-130 a partir do Montijo. A frota esteve parada desde o acidente, mas já sobrevoou ontem os funerais dos camaradas mortos. O acidente está sob investigação, mas terá surgido após uma falha no motor 3 ou 4 da asa direita, na descolagem, ter feito a aeronave guinar para fora da pista e imobilizar-se numa vala de águas pluviais. O tenente-coronel Fernando Castro, o capitão André Saramago e o sargento-ajudante Amândio Novais não conseguiram sair e morreram os três carbonizados. Outros quatro militares ficaram feridos. (...)

http://www.cmjornal.xl.pt/nacional/portugal/detalhe/marcelo_voa_num_c_130_para_apoiar_tripulacoes.html

Pode tratar-se de uma coincidência, mas que logo pela manhã quando li os jornais fiquei curioso, isso fiquei.  ::)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 16, 2016, 08:24:33 pm
Os nossos C130 já tem uns anitos é certo mas os Neo Zelandeses batem-nos aos pontos pois as cinco aeronaves, adquiridas em dois lotes, tem mais catorze e dez anos que as nossas mas já com os LEP efectuados.

 http://www.airforce.mil.nz/about-us/what-we-do/aircraft/hercules.htm

Fleet History :

The RNZAF currently operates five C-130 Hercules. It took delivery of the first three Hercules (NZ7001 - NZ7003) in 1965. These were the first C-130H production models off the Lockheed production line. A further two C-130H, (NZ7004 - NZ7005) were added in 1969. The aircraft have undergone a modernisation and structural improvement programme to ensure that they last until 2025.


abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Julho 17, 2016, 02:58:39 pm
Compreende-se que em certos momentos seja difícil manter a cabeça fria e a racionalidade, mas vamos a uns factos: as políticas de defesa são definidas pelo Governo da República, sujeitas a parecer do Conselho Superior de Defesa Nacional e, finalmente, aprovadas pela Assembleia da República.

Os deputados a nível individual, como o tal indivíduo que fez os comentários, não têm competência jurídica para comprar uma esferográfica. Mais, o tal indivíduo, para além de uma passagem efémera pela cultura, de ter exercido a função de deputado em varias ocasiões e de ter sido presidente substituto da CML, nunca exerceu funções executivas relacionadas com defesa.

Mas se há quem se sinta bem em atacá-lo por ter feito uma afirmação que, quanto a mim, tem a sua validade, por favor continuem que não me afecta minimamente. De igual forma, não me impressionam muito os exemplos de aeronaves, mais velhas que os nossos C-130, operadas por outros países. Cada caso é um caso e, obviamente, até à conclusão do inquérito oficial seria especulativo atribuir a causa do acidente à idade do aparelho.

Já agora, um pequeno parêntesis: será que o tal reforço estrutural efectuado aos aparelhos neozelandeses também foi efectuado aos aparelhos portugueses? Acho que todos sabemos a resposta. No entanto, volto a frisar que acho extremamente irónico que num espaço em que abunda a crítica (fundada) ao desinvestimento sucessivo e continuado em defesa nacional e ao envelhecimento paulatino dos equipamentos militares nacionais, toda a fúria se concentre em afirmações que vão no mesmo sentido só porque foram ditas por um político, independentemente do que o motivou a fazer tais comentários.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 17, 2016, 11:34:43 pm
O Dr. João Soares durante os anos que esteve e está na política, com acesso directo aos média,  teve muito tempo para alertar a opinião publica sobre os problemas das Forças Armadas Portuguesas. Nunca o fez. Sendo membro da  Comissão de Defesa desde que assumiu o cargo (não foi a 12 de Julho), mais oportunidades tinha para fazer o trabalho de casa e expor à comissão e aos meios de comunicação social o estado das F.A. do seu pais. Novamente não o fez e só quando existe um lamentável acidente com mortos e feridos, é que o Dr. João Soares lembra-se de que os C130H da FAP tem 39 anos, o que no seu pensamento é prova cabal que estão "profundamente envelhecidos" (mas não explica como chegou a essa conclusão, se foi em conversa com alguém da FAP, ou teve acesso a dados que apenas decide revelar após o acidente, ou se foi ao side da FAP e viu a idade dos aparelhos, etc, etc).  Pior, temos um membro do Conselho de Defesa que ao dizer que a frota de C130H está "profundamente envelhecida", não lhe passa pela cabeça que pode estar a colocar em causa toda a Força Aérea Portuguesa, desde as chefias à manutenção, que mandam e deixam os militares voar em "aviões velhos e sem condições", passando como é evidente pela classe politica que só tem reduzido as verbas da Defesa mas depois manda os militares e equipamento, para todo o lado desde o Afeganistão ao Mali.  E que razão tem o senhor deputado para esta afirmação numa FAP que quando descobriu que os T37 tinham fissuras nas asas (foi descoberto num acidente numa altura que o Dr.João Soares já era politico), com 29 anos de serviço mandou retirar o avião (estávamos em 1992)? pois... ::)
(http://4.bp.blogspot.com/-1ZUr642SvP4/VV5Ohp39SYI/AAAAAAAAWng/z2V_GyIKZPs/s1600/F05%2BT-37%2Bda%2BFAP.jpg)
Mas a crítica não é apenas ao Dr. João Soares e à sua irresponsabilidade. Temos também o Dr. Jorge Machado o qual até é dum partido que é contra o militarismo e o aumento de gastos na defesa, agora e após o lamentável acidente com o C130H, a dizer que é necessário ter conhecimento do relatório para evitar que no futuro tal acidente se volte a repetir. Ora, vindo de uma pessoa e de um partido que maioritariamente vota sempre contra tudo o que sejam gasto de defesa não é criticável? Então mas a solução passa pelo que? Encostar os aparelhos e não participar nas missões internacionais seja  da NATO à UE? Mais outro senhor de um partido que desde o 25 de Abril de 1974 nunca se preocupou com meios e reforço financeiro sequer na FAP e agora acordou para a vida? É mais outro irresponsável...
(https://www.cppc.pt/images/contra_militarizacao_da_uniao_europeia.jpg)
Sejamos claros. Os políticos e os partidos tiveram numerosas oportunidades para falar da FAP, seu equipamento e pessoal (e deveriam-no ter feito, até porque agora tinham esse backup, mas não o fizeram e portanto não o têm), ano após ano, legislatura após legislatura. E só falam e se preocupam quando existe um acidente com perda de vidas. Já por si é lamentável, quando então nas declarações se subentende especulação e ficção, com a ideia que agora é que tem de se decidir, não se explicando porque anteriormente não se chamava a atenção para as F.A. e não se decidiu coisa alguma, passa para lá do lamentável. Nunca deveriam era ter sido eleitos. Valha-nos  o PR que bem ou mal pelo menos dá a cara...
Citar
O Presidente da República homenageou os militares da Força Aérea, que morreram durante esta semana num acidente na base do Montijo. Uma evocação feita durante a comemoração dos 100 anos da aviação militar portuguesa, que decorreu hoje de manhã na Azambuja.

http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2016-07-17-Marcelo-homenageia-militares-que-morreram-em-acidente-na-base-do-Montijo (http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2016-07-17-Marcelo-homenageia-militares-que-morreram-em-acidente-na-base-do-Montijo)


Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 19, 2016, 04:48:40 pm
Citar
Porque terá este C-130 saído da pista à descolagem?
18.07.2016 às 14h00

Eis a pergunta a que o inquérito ao grave acidente que provocou a morte a três militares deixando um quarto gravemente ferido, terá de responder. Uma semana depois o Presidente da República visitará a Base Aérea n.º 6, no Montijo, e voará num Hércules da Esquadra 501

Carlos Abreu
Luísa Meireles


Há dias assim. Feitos de festa e drama. De alegria e morte. A última segunda-feira, dia 11 de julho, foi um desses dias. Enquanto em Lisboa milhares de pessoas comemoravam efusivamente a vitória no Campeonato da Europa de Futebol, uma tripulação da esquadra 501, que opera os C-130, cumpria mais uma missão de qualificação de um capitão como comandante de voo que acabou em tragédia. Foi o primeiro com vítimas mortais na história desta classe de aeronaves ao serviço da Força Aérea Portuguesa desde 1973.

“Toca e anda”. Assim se chama o exercício que consiste em aterrar uma aeronave para logo de seguida iniciar os procedimentos de descolagem. Era o que se preparavam para fazer os sete tripulantes a bordo de um C-130 na Base Aérea do Montijo, casa dos “Bisontes” tal como são conhecidos os militares da “501”, a mais internacional das esquadras da Força Aérea Portuguesa, que e conta mais de 70 mil horas de voo por todo o mundo.

Segundo o Expresso apurou junto de fonte conhecedora da investigação, quando o C-130 iniciou a corrida de descolagem, começou a dirigir-se para a esquerda e, em dado momento, alterou a trajetória sem que as rodas tenham saído do alcatrão, guinando à direita, até ficar imobilizado, fora da pista e incendiar-se. Os meios de socorro acudiram de imediato, mas as chamas eram de extrema violência e demoraram a ser extintas. Os destroços só foram retirados do local no dia seguinte.

 (http://images-cdn.impresa.pt/expresso/2016-07-18-c130.png/original/mw-1920)

Três militares perderam a vida e um quarto ficou gravemente ferido e permanece internado no Hospital de São José (Lisboa). Os outros tiveram alta logo no dia seguinte. As três vítimas mortais são o tenente-coronel-piloto-aviador, Fernando Castro; o capitão piloto-aviador André Saramago, que estava a ser treinado e o sargento-ajudante Amândio Novais, o ‘load master’ da tripulação, isto é, o principal responsável pelo compartimento de carga do avião que na altura do acidente ocupava o lugar do ‘fligh engineer’, no cockpit, entre os pilotos.

Depois de ter sido noticiado que o capitão Saramago e o sargento-ajudante Novais teriam perdido a vida a tentar salvar o tenente-coronel, a Força Aérea garantiu, porém, que “os quatro militares que conseguiram sair da aeronave fizeram-no pelos seus próprios meios, não tendo, em qualquer momento, regressado ao avião. Foi posteriormente confirmada a presença das três vítimas mortais no interior da aeronave.”

O que poderá explicar o desvio do aparelho em relação ao eixo longitudinal da pista – falha técnica ou humana – que entre outras missões esteve ao serviço da missão das Nações Unidas, no Mali, em 2014 e 2015, é para já um mistério que o inquérito conduzido pela Comissão Central de Investigação da Força Aérea terá de desvendar.

Modernização mais urgente

O acidente torna a modernização dos C-130, que já foi lançada este ano pelo ministro da Defesa, Azeredo Lopes, ainda mais urgente. Devido à nova regulamentação da UE, estes aviões de transporte estratégico ficaram desatualizados e impedidos de usar as rotas comuns sobre a Europa, com tráfego aéreo intenso, por não possuírem sistema anticolisão. Para ir de Lisboa ao Báltico, por exemplo, os aparelhos têm de voar em rotas alternativas, roçando o Ártico. Em 2015, dos seis aviões que Portugal tem, só estiveram prontos para descolar, em média, um a dois aparelhos, em parte por falta de dinheiro para manutenção.

Portugal já tinha decidido alienar um e modernizar os sistemas de comunicação, navegação aérea e vigilância (requisitos de segurança de voo) dos restantes. Devido ao acidente, a FAP terá de repensar se mantém a alienação de um dos aviões. No total, a modernização, faseada, custará 29 milhões de euros e demorará oito anos, garantindo a operacionalidade da frota até 2030. Até lá, haverá tempo para o Governo decidir a sua substituição por outros aparelhos, sejam os brasileiros KC-390 da Embraer (onde participa a engenharia portuguesa) ou quaisquer outros.

Artigo publicado na edição impressa do Expresso de 16 de julho

http://expresso.sapo.pt/sociedade/2016-07-18-Porque-tera-este-C-130-saido-da-pista-a-descolagem-

Citar
Pilotos do C-130 treinavam emergências na descolagem
19 DE JULHO DE 2016
00:23

Manuel Carlos Freire

Presidente da República visitou base onde aeronave explodiu dia 11 e manifestou "confiança absoluta" na frota e na Força Aérea


O Hércules C-130 que explodiu há uma semana no Montijo, causando a morte de três militares, estava a treinar ações de resposta a "algo que pode correr mal durante uma descolagem", soube ontem o DN junto de fontes militares."A aeronave não levantaria voo em circunstâncias normais, pois estavam a treinar situações de emergência à descolagem com momentos de decisão diferentes que variam em função da velocidade" a que o C-130 já rola ou, por exemplo, o ponto da pista que já atingiu, adiantou uma das fontes. Esta informação deverá ter sido uma das transmitidas ontem ao Presidente da República pelo chefe do Estado-Maior da Força Aérea, no briefing que antecedeu o voo de meia hora num C-130 com que Marcelo Rebelo de Sousa quis manifestar a sua "confiança absoluta" no ramo e naquela frota de transporte militar.

Marcelo Rebelo de Sousa disse no final da visita à base aérea do Montijo, que qualificou como "emocionante e motivadora", que ainda "é cedo" para se saber qual a origem do acidente, que está sob inquérito da Comissão Central de Investigação da Força Aérea. Certo é que "o C-130 continua a voar, os operacionais continuam operacionais, a Força Aérea continua a cumprir a sua missão e o comandante supremo das Forças Armadas veio aqui dizer que está ao lado dessa missão com confiança absoluta", enfatizou."Consegui perceber uma coisa muito importante, que é a preocupação da Força Aérea em olhar para as famílias das vítimas e estudar a sua situação e prover à sua situação", acrescentou o Presidente da República.

A missão de treino para qualificação de um dos piloto-aviadores da esquadra 501 dos C-130 decorria ao fim da manhã do passado dia 11 e provocou a morte de três militares: o tenente-coronel Fernando Castro (piloto instrutor), o capitão André Saramago (piloto que só iria realizar a sua missão de treino durante a tarde desse dia) e o sargento-ajudante Amândio Novais (mecânico de bordo). Ficaram ainda feridos outros quatro, um dos quais com gravidade e que continua internado no Hospital de São José em situação estável mas ainda com prognóstico reservado, segundo uma das fontes ouvidas pelo DN.

Os três corpos foram encontrados próximo da rampa no compartimento de carga, para onde se dirigiram conforme determinam os manuais de segurança em situações de emergência. Os quatro militares que se salvaram - incluindo o que estava no lugar do comandante, no lado esquerdo da cabina de voo - conseguiram sair por uma janela do cockpit da aeronave, que ficou praticamente destruída com o incêndio e posterior explosão, indicou outra das fontes.

(http://static.globalnoticias.pt/storage/DN/2016/dn2015_big/ng7344219.jpg)

Modernização adiada

Este acidente do C-130 foi o terceiro em cerca de um ano, após o ocorrido nos Açores em dezembro passado e outro à entrada do hangar da esquadra em meados de 2015, lembrou uma das fontes. Até ontem, as investigações em curso no Montijo não detetaram quaisquer indícios que apontem para uma falha técnica na origem do desastre. Isso explica que, além dos voos realizados nas cerimónias fúnebres dos três militares mortos e ontem com o comandante supremo das Forças Armadas a bordo, hoje decorra a primeira missão operacional atribuída ao C-130 após o acidente - a viagem semanal para os Açores.

A substituição dos C-130 - aeronaves com quase quatro décadas ao serviço da Força Aérea - foi aprovada em 2001 para se concretizar em 2008, prevendo-se 300 milhões de euros para a o programa dos A400M europeus. Este projeto foi abandonado poucos anos depois, a favor da hipótese de compra dos C-130J e condicionando-se o processo à alienação dos caças F-16. Com a opção de adquirir o KC-390, Portugal optou por prolongar a vida útil dos Hércules através da modernização dos equipamentos de voo (anticolisão, telecomunicações, aviónicos) exigidos para operar no espaço europeu.

http://www.dn.pt/portugal/interior/pilotos-do-c-130-treinavam-emergencias-na-descolagem-5292619.html

Imagens da visita do PR ontem à BA6:
http://www.presidencia.pt/?idc=10&idi=111625
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 21, 2016, 09:19:26 am
http://rr.sapo.pt/noticia/59354/marcelo_voou_num_c_130_apos_acidente_que_vitimou_militares?utm_source=rss (http://rr.sapo.pt/noticia/59354/marcelo_voou_num_c_130_apos_acidente_que_vitimou_militares?utm_source=rss)
Citar
O Presidente da República visitou hoje a Base Aérea do Montijo, uma semana depois do acidente com um C-130 ali ocorrido que vitimou três militares, para expressar "confiança absoluta" na Força Aérea e neste tipo de aeronave.

Reportagem de Ana Rodrigues
Marcelo Rebelo de Sousa esteve duas horas na Base Aérea n.º 6 da Força Aérea, acompanhado pelo Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas, voou durante perto de uma hora num C-130 e adiantou que pretende fazê-lo novamente numa próxima deslocação oficial às regiões autónomas.

No final da visita, questionado pelos jornalistas se já falou com o Governo sobre a eventual compra de aeronaves KC-390, tendo em conta que a Força Aérea tem agora dois C-130 operacionais e dois em manutenção, o Presidente da República respondeu: "Essa é uma questão que se colocará a seguir, não no dia de hoje, mas que certamente está no pensamento dos responsáveis".

A dúvida mantém-se até porque o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, não acompanhou o Presidente da República nesta visita à base do Montijo.

Interrogado se tinha ficado a saber o que esteve na origem do acidente da semana passada, o chefe de Estado e comandante supremo das Forças Armadas respondeu ainda "está a correr a tramitação do processo" e que "é cedo" para tirar conclusões.

"Consegui perceber uma coisa muito importante, que é a preocupação da Força Aérea de olhar para as famílias das vítimas e estudar a sua situação e prover à sua situação", salientou.

Durante esta visita, que considerou "ao mesmo tempo emocionante e motivadora", Marcelo Rebelo de Sousa lembrou e homenageou os militares que morreram no acidente da semana passada, mas deixou uma mensagem para o futuro.

"Porque a vida continua, o C-130 continua a voar, os operacionais continuam operacionais, a Força Aérea continua a cumprir a sua missão e o comandante supremo das Forças Armadas veio aqui dizer que está ao lado dessa missão com confiança absoluta", afirmou.

Marcelo Rebelo de Sousa frisou que "o comandante supremo [das Forças Armadas] tem confiança na Força Aérea, tem confiança nesta unidade, tem confiança nos operacionais desta unidade, tem confiança nos C-130".
(http://static.globalnoticias.pt/tsf/image.aspx?type=generate&name=sectionbig&id=5292441&source=ng7342822&w=700&h=369&t=20160718204200)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 24, 2016, 11:19:25 am
Entretanto no Canadá:

Canadian firm looks to sell used Norwegian planes to RCAF for use in Arctic
(21 de Julho de 2016)
Citação de: David Pugliese, Ottawa Citizen
A Canadian firm wants Ottawa to buy older transport aircraft from Norway, saying this could significantly boost the military’s capabilities in the Arctic relatively cheaply.

The five C-130H aircraft, modernized before they were put in storage in the U.S. and with about 50 per cent of their flying time remaining, could be acquired for about $60 million, says Tom Edmison, president of Total Corporate Aviation Services.

The deal would include tens of thousands of parts for the aircraft, which could also be used for the Royal Canadian Air Force’s existing C-130H transport planes.

(...)

Norway stored the C-130s after it bought newer J models of the same aircraft. It paid about $600-million for the four C-130J planes, plus associated equipment

The planes are being stored at a U.S. government facility in Tucson, Ariz., at a cost of $750,000 a year, so there is an economic reason to sell the planes, Edmison said.

The aircraft were originally maintained for Norway at a facility in Canada.

(...)
Fonte: http://news.nationalpost.com/news/canada/canadian-politics/canadian-firm-looks-to-sell-used-norwegian-planes-to-rcaf-for-use-in-arctic (http://news.nationalpost.com/news/canada/canadian-politics/canadian-firm-looks-to-sell-used-norwegian-planes-to-rcaf-for-use-in-arctic)

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 25, 2016, 02:03:46 am
Na verdade é que para substituir um C130H muito antigo e usado em qualquer força aérea do mundo existem apenas duas opções: Um C130J novo ou um KC-390.

Outros aviões novos, ou são superiores e muitos mais caros de comprar e operar, ou são inferiores e não cumprem o rol de missões de um C130J ou o KC-390.

O KC-390 segue sua campanha em busca da homologação, em fase de testes, deve seguir para o Chile e EUA para novas provas de vento cruzado e operação em gelo natural.

Sua apresentação no continente europeu me parece deixou boa impressão, aquela pernada de Abu Dhabi até Cabo Verde, percorrendo quase 10.000 Km com apenas uma escala na ilha de Malta, fez tudo isso na luz do dia, poderia se desejasse, chegar ao Brasil naquele mesmo dia, ou noite, isso é simplesmente impossível para o glorioso C-130, não tem como impor uma velocidade de cruzeiro de 850  Km/h voando a 34.000 ft.

Na verdade é que Portugal não vai pagar pelo KC-390 o mesmo valor que outros países pagam, por uma série de fatores, quem fabrica o avião paga ao final das contas menos do que ele custaria a um cliente externo, além do mais o Brasil pode fazer uma forma de financiamento especial, com menores esforços para o pagamento, sejam taxas, prazo, compensações em conta corrente, parte disso já será esterilizado quando da exportação de partes do Brasil para a montagem final no Brasil, o fato de fabricar boa parte do aparelho também já familiariza seu pessoal com o avião, seu motor é o mesmo usado pelo A-321 - com duas mil libras de potência a mais cada um - ou seja, de amplo conhecimento pelo pessoal da manutenção, motor presente nos aviões da TAP, até um paisano sabe mexer, alta disponibilidade.

Um avião moderno é como um carro moderno, sua manutenção é facilitada, pois com a simples inserção de um terminal USB por exemplo, é capaz de diagnosticar um problema e apontar a solução, o A-29 tem um sistema assim, o próprio avião faz um checkup geral de si mesmo, facilitando e muito sua manutenção.

Segundo Jackson Schneider, a partir de 2018 a Embraer pode entregar este avião a qualquer força aérea do mundo.

Então é isso, e estamos falando de um avião que carrega 19 Toneladas, contra outro que transporta até 26 (na wiki fala em 27) toneladas brutas concentradas.

O KC-390 fez dois voos de testes em dois dias diferentes no deserto dos Emirados Árabes - já estiveram em Gavião Peixoto -  voou na hora mais quente do dia e de ar mais rarefeito, na República Checa também fez dois voos de testes, até o ministro da economia esteve a bordo.

A Boeing já chamou para si o "marketing" e "apoio logístico" do avião em seus mercados, não faria isso se não fosse um produto promissor.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 27, 2016, 10:13:54 pm
 Meu caro "Burro", essa conversa é toda bonita, mas fica tudo por aí, é só "frescura".

 Em primeiro deixe-me dizer-lhe que os A321/A320/A319 da TAP não têm turbinas IAE V2500 como o KC-390, mas CFM56 da GE.

 Depois a FAP não vai comprar nenhum avião novo nos próximo anos. Mesmo que a Embraer venha através do vosso banco BNDES apresentar uma proposta financeira irrecusável e fora de série. Mesmo assim o governo português não tem dinheiro neste momento nem para modernizar os aviónicos de umas avionetas de treino de fabrico francês que possui actualmente ou para fazer a manutenção conveniente ás aeronaves.

Um dia se vier a comprar, não é governo português que decide. Ele já está escolhido pela UE há muito e chama-se A400 Atlas. Existem actualmente aparelhos deste tipo programados para serem construídos e não têm dono. Como os que eram para Espanha e Alemanha em que foram reduzidas as encomendas, mas os aviões vão ser produzidos na mesma. A Airbus através da UE não vai permitir que Portugal adquira nenhum avião de transporte militar quando tem cá A400M de sobra. E é a UE que dá cá as ordens e manda para cá o dinheirinho que o país necessita para sobreviver.

De qualquer forma, vamos falar claro. O KC-390 dá indicações de vir a ser uma excelente aeronave mas não serve para a FAP. Que necessita de uma aeronave com características mais estratégicas que o KC-390 que é simplesmente táctico. O Embraer tem um terrível handicap que é a sua fraca autonomia quando está carregado. Para nós com o vasto triângulo Continente, Açores, Madeira, ou alguma missão a África com a capacidade de 25 toneladas não dá mesmo, torna-se curto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 27, 2016, 11:08:53 pm
Boas,

A experiência que tenho de operar com aeronaves de carga diz-me que a escolha entre o C130J e o KC390 será renhida, se uma aeronave tem um payload superior em quase 4 Tons a outra tem um raio de acção superior em mais de 1200 Kms para um payload de 13 Tons, e, em termos de preços penso que andará ela por ela.

Não podemos é colocar no mesmo plano o A400 que nas vertentes carga/raio de acção/ altitude é muito superior ás outras aeronaves, o A400 já faz parte de outro campeonato, apenas na velocidade o KC se aproxima do A400.

Major Alvega, ambas Aeronaves o C130J e o KC390, estão na classe de transporte Aéreo Táctico, o que já não acontece com o A400 !

 http://topairlinesrankings.blogspot.pt/2015/05/new-cargo-aircrafts-178-vr-kc-390-vr-c.html

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/infogr10_zpsldc5jkwt.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/infogr10_zpsldc5jkwt.jpg.html)

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/embraer-kc-390_zpspxlrhpbi.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/embraer-kc-390_zpspxlrhpbi.jpg.html)

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 27, 2016, 11:26:49 pm
O KC-390 não foi concebido para concorrer no nicho do A400M, ele foi concebido para fazer o que o C130 faz, e faz melhor sob qualquer aspecto.

Primeiro que o C130 nem sonha em transportar 25 toneladas, se a vida inteira Portugal operou o C130 que nem sonha em transportar 25 toneladas e deu pro gasto, nunca reclamaram, como agora, como que por encanto descobriram que precisam de algo que transporte 25 toneladas até a África??

25 toneladas o KC-390 transporta, mas o C130 nem sonha em fazer isso.

O C130 transporta 19 toneladas, mas na verdade, creio que muito raramente ele opere com essa carga. Quando a FAB pediu para Embraer um cargueiro para substituir seus C130, ela tinha por base o próprio C130, e estabeleceu como meta a carga padrão que o C130 transporta entre o Rio de Janeiro e Manaus sem escalas, não lembro agora qual é essa play load.

Foi a partir disso que a Embraer começou a trabalhar, mas segundo a própria Embraer, desde o começo, eles perceberam que poderiam entregar à FAB mais do que eles pediam, um avião que poderia transportar maior capacidade de carga entre Rio de Janeiro Manaus que o C130 sem escalas, foi aí que tudo começou.

Na verdade é que muito raramente um avião desses estará operando no máximo, uma carga humanitária de remédios, roupas ou comida por exemplo?? são cargas volumosas, mas sem tanto peso específico, exceto cargas tipicamente militares como blindados, munição e armas, as demais não pesam tanto.

Não sei onde li, mas já vi em algum lugar pesquisando pela internet que a carga padrão do C130 é de 16 toneladas, raramente ultrapassa este valor, e não esqueça, quem pode o mais pode o menos, mas o contrário não é verdadeiro.

Sobre o A400M, na minha modesta opinião este avião, com a devida venha, é um TRAMBOLHO voador. Sabe o que acabou com esse avião?? seus 4 gigantescos motores, inéditos no mundo, motores ad hoc. Essa foi a lambança da Air Bus, quis criar uma cópia do C130 com asa em flecha e maior, esqueceu que o C130 é um projeto pós segunda guerra mundial dos anos 50, e que estamos no século 21.

Tivessem eles encomendando a um grande fabricante duas turbinas modernas, poderia ser um modelo civil da GE ou da PW, eles não estariam hoje em palpos de aranha com esse avião, caro de comprar e principalmente de manter, muitos dos seus problemas originam-se em seus motores, tenho a impressão que as rachaduras e outros problemas na estrutura do avião são causados por estes motores, 4 gigantes girando em sentido contrário.. é muita vibração na carcaça. (todos os paraquedistas que saltaram do KC-390 em Campo Grande foram unânimes em afirmar que, o KC-390 foi o avião mais estável que já operaram).

O KC-390 tem um custo de ciclo de vida baixo, é isso que a Embraer martela o tempo todo, ou seja, a Embraer quer dizer que o KC-390 é um avião barato de operar, seu custo operacional  de ciclo de vida é baixo em relação a qualquer coisa existente nessa categoria.

Sobre ser obrigado a comprar o A400M por conta de imposição de um governo estrangeiro, confesso que não sei o que dizer, pois é uma realidade que não se apresenta ao Brasil.

Imagino que dada a capacidade do A400M, Portugal se vier a ser obrigado por um governo extra nacional a comprar esse avião, deva operá-lo em pelo menos 90% do tempo, batendo lata.

Antes de enviar entrou outra mensagem, bem, a Air Bus ainda comete a deslealdade, e esse gráfico é velho e bem conhecido - além de ter várias imprecisões -  em comparar o A400M com o C130J, e ao final, se auto proclama superior em tudo ao Hercules, quando na verdade deveria se comparar ao C17 por exemplo, como perderiam em tudo, dão esse "migué" de se comparar a um avião claramente de outra categoria.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 27, 2016, 11:40:29 pm
Na verdade é que para substituir um C130H muito antigo e usado em qualquer força aérea do mundo existem apenas duas opções: Um C130J novo ou um KC-390.

Outros aviões novos, ou são superiores e muitos mais caros de comprar e operar, ou são inferiores e não cumprem o rol de missões de um C130J ou o KC-390.

O KC-390 segue sua campanha em busca da homologação, em fase de testes, deve seguir para o Chile e EUA para novas provas de vento cruzado e operação em gelo natural.

Sua apresentação no continente europeu me parece deixou boa impressão, aquela pernada de Abu Dhabi até Cabo Verde, percorrendo quase 10.000 Km com apenas uma escala na ilha de Malta, fez tudo isso na luz do dia, poderia se desejasse, chegar ao Brasil naquele mesmo dia, ou noite, isso é simplesmente impossível para o glorioso C-130, não tem como impor uma velocidade de cruzeiro de 850  Km/h voando a 34.000 ft.

Na verdade é que Portugal não vai pagar pelo KC-390 o mesmo valor que outros países pagam, por uma série de fatores, quem fabrica o avião paga ao final das contas menos do que ele custaria a um cliente externo, além do mais o Brasil pode fazer uma forma de financiamento especial, com menores esforços para o pagamento, sejam taxas, prazo, compensações em conta corrente, parte disso já será esterilizado quando da exportação de partes do Brasil para a montagem final no Brasil, o fato de fabricar boa parte do aparelho também já familiariza seu pessoal com o avião, seu motor é o mesmo usado pelo A-321 - com duas mil libras de potência a mais cada um - ou seja, de amplo conhecimento pelo pessoal da manutenção, motor presente nos aviões da TAP, até um paisano sabe mexer, alta disponibilidade.

Um avião moderno é como um carro moderno, sua manutenção é facilitada, pois com a simples inserção de um terminal USB por exemplo, é capaz de diagnosticar um problema e apontar a solução, o A-29 tem um sistema assim, o próprio avião faz um checkup geral de si mesmo, facilitando e muito sua manutenção.

Segundo Jackson Schneider, a partir de 2018 a Embraer pode entregar este avião a qualquer força aérea do mundo.

Então é isso, e estamos falando de um avião que carrega 19 Toneladas, contra outro que transporta até 26 (na wiki fala em 27) toneladas brutas concentradas.

O KC-390 fez dois voos de testes em dois dias diferentes no deserto dos Emirados Árabes - já estiveram em Gavião Peixoto -  voou na hora mais quente do dia e de ar mais rarefeito, na República Checa também fez dois voos de testes, até o ministro da economia esteve a bordo.

A Boeing já chamou para si o "marketing" e "apoio logístico" do avião em seus mercados, não faria isso se não fosse um produto promissor.

Ó Burro, por acaso não trabalhas na Embraer ?????

Eu até entendo que defendas os produtos Brasileiros só te fica bem, daí a escreveres que a frota de A319/20/1 da TAP tem as mesmas turbofans do KC130, já não é verdade, é pena mas é assim. 
 
E atenção que o máximo payload é uma coisa mas transportá-lo do ponto A para o ponto B é uma coisa completamente diferente se o raio de acção da aeronave ficar limitado pelo PMD, amigo Burro, toca a descarregar carga para abastecer mais uns milhares de libras de JetaA1.

Não podes comparar capacidade de carga entre as duas aeronaves por si só tens que saber qual o máximo payload para a máxima distância e aí o C bate o KC, sem sombra para dúvida.

E se o KC aterrou com temperaturas muito elevadas quantas centenas de missões de rotina/treino/de combate as centenas de C130H/J  já efectuaram tanto nos desertos, pistas com e sem preparação, assim como nas zonas gélidas do globo ???????
O " C"  já provou bem o que vale com centenas de milhares de horas de voo mas o " KC " mesmo podendo vir a ser uma excelente aeronave, ainda tem os  " cueiros agarrados " e vai ter de voar muitos milhares de horas, efectuar milhares de ciclos, para os largar, e  provar o que vale em todas as condições e, depois sim, podemos comparar os dois sistemas.

E já me esquecia, que o KC390, se usado na aviação comercial, como é o caso do C130, tem de ter certificação para ETOPS de 120min e até 180min certificação essa que o C não necessita pois não está limitado como o KC, é o que dá quando possuímos quatro motores em vez de dois .

É a minha opinião e vale o que vale.

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 28, 2016, 12:09:47 am
se a vida inteira Portugal operou o C130 que nem sonha em transportar 25 toneladas e deu pro gasto, nunca reclamaram, como agora, como que por encanto descobriram que precisam de algo que transporte 25 toneladas até a África??
«Deu pro gasto» é relativo. Serviu e serviu bem. Agora se serviu para todas as situações e possíveis cenários já é outra história. Também durante anos só tivemos C-212 e C-130 e agora temos os C-295 que conseguem fazer missões que até alguns anos atrás só podiam ser realizadas pelos Hercules. Agora aproveitava-se para adquirir uma aeronave na classe do A400M, mesmo que em menor número para aumentar a capacidade de transporte aéreo da FAP; em especial a capacidade estratégica.

Foi a partir disso que a Embraer começou a trabalhar, mas segundo a própria Embraer, desde o começo, eles perceberam que poderiam entregar à FAB mais do que eles pediam, um avião que poderia transportar maior capacidade de carga entre Rio de Janeiro Manaus que o C130 sem escalas, foi aí que tudo começou.
Uma aeronave concebida para a FAB e para a realidade operacional da FAB.

Tivessem eles encomendando a um grande fabricante duas turbinas modernas, poderia ser um modelo civil da GE ou da PW, eles não estariam hoje em palpos de aranha com esse avião
Politiquices, da mesma maneira que grande parte do interesse de Portugal no 390 o é. Infelizmente existe em todos os projectos.

O KC-390 tem um custo de ciclo de vida baixo, é isso que a Embraer martela o tempo todo, ou seja, a Embraer quer dizer que o KC-390 é um avião barato de operar, seu custo operacional  de ciclo de vida é baixo em relação a qualquer coisa existente nessa categoria.
Martela o tempo todo, agora falta é dar provas.

Sobre ser obrigado a comprar o A400M por conta de imposição de um governo estrangeiro, confesso que não sei o que dizer, pois é uma realidade que não se apresenta ao Brasil.
Irónico que a compra do 390 por parte de Portugal também acaba por ser uma imposição de um governo estrangeiro e de uma elite que por aqui anda.

Imagino que dada a capacidade do A400M, Portugal se vier a ser obrigado por um governo extra nacional a comprar esse avião, deva operá-lo em pelo menos 90% do tempo, batendo lata.
Então por esta linha de pensamento mais vale Portugal comprar uns C-130J, pois são uns aviões que têm servido muito bem para as nossas necessidades e têm já provas dadas.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 28, 2016, 02:40:09 am
Bem, na verdade, é que para a Embraer, talvez fosse mesmo mais conveniente Portugal não comprar o KC-390, é que já é dado como quase certo que este avião tenha o mesmo destino do Super Tucano e dos E-jets, qual seja, ser fabricado nos Estados Unidos, claro que pela Boeing, e é provável que neste caso, todo o KC-390 seja fabricado nos EUA.. então os chamados "parceiros"... bem.. acho que me diz entender.... a não compra, e a dita opção pelo A400M, tornariam tudo mais fácil... essas duas fábricas da Embraer em Portugal não necessariamente diminuem os custos para a Embraer, é que há outros interesses, e como a Folha de São Paulo publicou, as peças produzidas em Portugal na verdade aumentam o custo final dos aviões, na época a Embraer foi consultada pela Folha sobre isso e não quis se manifestar, disse apenas que não trabalha apenas com diminuição de custos de produção.. este debate no entanto é de pouca valia.

Sobre o KC-390 em si, vejam que quando se produz uma máquina tão complexa como essa - e as mais simples também - antes de se pensar em como produzir o primeiro parafuso, pergunta-se primeiro: "O que produzir?", é que nunca vamos poder reunir todas as qualidades de uma máquina em uma só, o que se busca é maximizar suas qualidades, minimizando suas eventuais "desvantagens".

Alguém pode me perguntar... "Ahhh grande camarada Burro, o que você quer dizer com isso?"..

O que quero dizer é que qualquer produto é criado para atender as necessidades de mercados específicos, necessidades específicas, não é a mercadoria que dita o mercado, é o mercado que dita a mercadoria, são as necessidades é que ditam o produto.. "Explique melhor, camarada Burro"

Todo produto quando é lançado costuma ser precedido de uma "pesquisa de mercado", para saber o que o mercado deseja, o que está precisando.. tendo as respostas em mãos, partimos para a criação do produto.

Então uma impressora pode maximizar a qualidade de impressão, mas perde em velocidade, pode maximizar a velocidade de impressão, mas perde em qualidade. Um automóvel pode maximizar as cilindradas do motor, mas perde em economia de combustível.. e assim por diante, o que se busca, é achar o que o mercado mais necessita - isso se faz usando as chamadas curvas de indiferença -  se mais potência de motor ou mais economia de combustível, mais qualidade ou mais velocidade de impressão....

Para um avião não é diferente, vamos nos ater apenas ao KC-390 e seu concorrente mais próximo, o C-130.. o que se supõe neste caso é que a Embraer deva ter pesquisado quais as missões mais comuns levadas a cabo pelo C130, as mais rotineiras, ou seja, as missões que mais vezes se repetem, e claro, buscar em potenciais clientes de todo o mundo querendo saber quais suas necessidades para um transportador médio... dispondo desses dados... partimos para a concepção do produto..

Quantas vezes o C130 viaja 3.000 ou 4.000 Km com 13,14,15,16 toneladas por exemplo?? quais são suas distâncias percorridas mais comuns ao longo de sua vida útil? quais as configurações de carga, peso dessas cargas...é este tipo de pergunta que se faz... ahhhh... mas o C-130 viaja do Arizona a Miami com tal carga e assim assado... bem.. quantas vezes ele faz isso por ano?? só duas..

Enfim, essa coisa de dizer que sai da costa leste e desembarca a "Besta" (carro blindado de Obama) no Havaí sem escalas e tal... bom.. ele faz isso quantas vezes?? só fez uma, no dia do aniversário de Charles (pônei de estimação de Sasha).....

Lembro por exemplo, que um determinado blindado de amplo uso da OTAN, não entra no compartimento de carga do C130 por suas dimensões, é muito alto, e este mesmo blindado entra no KC-390, ora, não é necessário ter o QI de Einstein para perceber que muito provavelmente os projetistas do KC-390 estavam atentos a esta necessidade, e a incapacidade do C130 em atender, o mesmo vale para o Strike americano, seu peso foi concebido exatamente para ser capaz de ser transportado pelo C130, mas com a necessidade de maior proteção e adição de mais blindagem, ultrapassou as 22 toneladas, impossível para ser transportado pelo C130, mas totalmente possível para o KC-390, com suas 26 toneladas brutas de capacidade, então pelos critérios de ser capaz disso e daquilo, estas situações seriam "game over" total para o C130, e estamos falando de necessidades de países do OTAN e dos EUA.

Sobre ser mais econômico o clico de vida útil, bom, estamos falando de um avião do século 21 que usa dois motores de amplo uso da aviação civil, contra um com 4 motores, com projeto dos anos 50, não dá pra comparar....

No dia do roll out do KC-390 em Gavião Peixoto, a Lockheed Martin ficou no Twitter o dia todo destacando as qualidades do seu avião, ato continuo, propôs um C130 menos capaz, menos equipado, um avião acochambrado, algo como um avião pé duro mesmo, com a finalidade de baixar seus custos de produção e fazer frente ao KC-390 na base do preço de venda. Não me parece que isso seja conduta de que não acredita que o KC-390 não é concorrente direto e no mínimo a altura do seu produto.

Tem a questão da velocidade também, que não é algo desprezível em situações de uso militar real ou atendimento a calamidades como incêndios, resgates, atendimento de vítimas de catástrofes e suprimentos.. uma hora de diferença entre um e outro, e olhe que uma hora é pouco, pode ser a diferença entre a vida e a morte... um C-130 partindo pela manhã de Dubai nunca chegaria em Cabo Verde com luz do dia, voa mais alto.. voar mais alto é voar mais seguro.. fazer o quê?

É isto meus senhores, o KC-390 foi feito para atender as necessidades da FAB, e certamente de muitos países do mundo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 28, 2016, 09:39:17 am
É isto meus senhores, o KC-390 foi feito para atender as necessidades da FAB, e certamente de muitos países do mundo.
Mas aparentemente não para atender as necessidades  do mercado civil brasileiro, já que este avançou para o C-130J-30, adquirindo 10 aparelhos de uma assentada (com entrega para 2018, mesmo ano do Kc390   ::) ) e não esperando pelo Kc390, (mesmo quando o mesmo foi concebido dentro das regras FAR 25, permitindo uma rápida certificação e entrega do possível C-390 a empresas aéreas de logística e encomendas expressas). Possivelmente terá a ver com o caminho a percorrer relativo às certificações ainda em falta, provas ainda em curso, cadeia logística, treino de tripulações, etc, bem como das intenções da Embraer certificar o modelo para operações civis (ainda sem data marcada). Convém por isso recordar a noticia e re-lembrar que a Bravo também actua na área de defesa no Brasil...   ;) ::)
http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/brasil-sera-primeiro-operador-do-novo-hercules-civil_2717.html (http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/brasil-sera-primeiro-operador-do-novo-hercules-civil_2717.html)
(http://aeromagazine.uol.com.br/media/versions/lm-100j_free_big.png)
Citar
A Lockheed Martin e a Bravo Industries firmaram um acordo para dez LM-100J, a versão cargueira civil do C-130J-30 Super Hercules, o avião militar mais vendido da história.

A Bravo atua nos setores de logística e de defesa no Brasil, sendo sua divisão de logística compostas pela Bravo Cargas e Bravo MRO (manutenção, reparo e revisão geral). A empresa será o primeiro operador do novo LM-100J.

“A aeronave LM-100J é especialmente adequada para chegar a regiões do Brasil, que não possuem infraestrutura aeroportuária, onde fazemos negócios. Estas são áreas que carecem de apoio em terra e determinada infraestrutura crítica necessária para a operação de outros cargueiros comerciais convencionais” disse JR Pereira, presidente e CEO da BRAVO Industries.

Os serviços de carga aérea da Bravo incluem serviços com rotas estabelecidas e soluções específicas para cada demanda contratada, bem como a movimentação de cargas especiais (pesadas, de grandes dimensões, perigosas, refrigerado, etc.) e operações personalizados.

A compra está sendo realizada em parceria com a Height Securities, uma corretora com sede em Washington DC, enquanto a Lateral Investment Management, uma empresa de investimento com sede, em San Mateo, na Califórnia, está fornecendo o financiamento para para a aquisição das aeronaves.

O LM-100J é a versão civil dos cargueiros táticos C-130J-30 Super Hercules da Lockheed Martin. O primeiro LM-100J em fase final de produção, para iniciar a campanha de testes e certificação junto a FAA (Federal Aviation Administration)  com a primeira entrega prevista para 2018. Com inovações de projetoem relação ao modelo militar, o LM-100J funcionará como uma aeronave cargueiro multimissão comercial, uma plataforma de transporte rápido e eficiente de carga.

A Lockheed Martin espera obter novos contratos no setor civil para manter a linha de produção do C-130J em funcionamento. Nos últimos dois anos apenas quatro C-130J foram produzidos, refletindo a redução nos gastos militares nos Estados Unidos e de diversos países.

O LM-100J incorpora os desenvolvimentos tecnológicos e aperfeiçoamentos aplicados ao C-130J, e deve concorrer em nichos específicos de mercados. A Embraer não descarta oferecer o KC-390 a operadores civis. O próprio projeto foi concebido dentro das regras FAR 25, permitindo uma rápida certificação e entrega do possível C-390 a empresas aéreas de logística e encomendas expressas.

Original: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/brasil-sera-primeiro-operador-do-novo-hercules-civil_2717.html#ixzz4FgsJbioV
Follow us: aeromagazine on Facebook

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 28, 2016, 10:43:28 am
Em relação aos motores:

http://iae.wpengine.com/news/international-aero-engines-achieves-certification-v2500-e5-engine-2/

http://iae.wpengine.com/wp-content/uploads/EmbraerKC390-June2014.pdf

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Julho 28, 2016, 02:15:23 pm
"Major Alvega, ambas Aeronaves o C130J e o KC390, estão na classe de transporte Aéreo Táctico, o que já não acontece com o A400 ! "

 Caro tenente, em relação à citação acima e quanto às questões tácticas e estratégicas. Releia p/f de novo aquilo que escrevi...

 Abç
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 28, 2016, 02:41:38 pm
Meu amigo, ninguém vai esperar pelo KC-390 para ocupar este suposto mercado, como é o caso deste C130J, é que normalmente estes aviões não são novos, são aviões de segunda linha, já quase no fim de sua vida útil, e que são comprados por essas empresas de transporte para este fim, ao final da vida da célula, outra célula usada é comprada e o ciclo se reinicia.

Esse modelo "civil" do C130 não é novo, é antigo, se não me engano na Argentina tem um desses, mas este mercado é ocupado por aviões velhos, os Emb120 Brasília que já pararam de operar no mercado de passageiros foram convertidos para essa função em vários países, na FAB inclusive, os aviões da família DC8-10 são mundialmente conhecidos por isso, os antigos F100 da TAM fazem o mesmo hoje em dia no Brasil.

Entenda, o KC-390 é um puro sangue militar, sua cabine é blindada e possui sistemas de auto defesa anti mísseis de série, a Embraer não trabalha com essa possibilidade, pelo menos agora, isso foi perguntado por um jornalista estrangeiro se o KC-390 poderia ser utilizado como avião de carga para em empresas civis, e Paulo Gastão explicou que este mercado é ocupado por aviões usados e descartados de empresas aéreas, por serem mais baratos, quando chega o fim da vida útil, outro avião usado é comprado, não são novos. Não é mercado.

Perguntado se poderia ser usado como avião de passageiros, Gastão respondeu que não havia pedidos nesse sentido, mas que se fosse preciso, sim, poderia, é outro mercado, não tem sentido.

A certificação requer em torno de 2.000 horas de voos de testes, este dois protótipos já contam com umas 600 horas de voo acumulada, falta operar com vento cruzado e no gelo, isso será feito no Chile e EUA, depois é colocar um blindado Guarani e uma bateria de Astros2020 dentro e publicar no youtube.

Poderia ser comprado e usado como meio de transporte de carga pela EBCT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), ou simplesmente "Correios", uma estatal brasileira, que hoje usa o serviço de outras empresas para mandar suas encomendas pelo continente e demais países, isso é feito pela Fedex, DHL, etc.. se os Correios compra o KC-390, teria sua própria frota para isso, eu acho difícil, compraria mais por ser estatal, seria uma versão apaisanada e mais barata, mas existe essa possibilidade.

(http://i216.photobucket.com/albums/cc189/Sergio_727/hangar/hangar_kc-390.gif)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Julho 28, 2016, 07:49:11 pm
Bem, na verdade, é que para a Embraer, talvez fosse mesmo mais conveniente Portugal não comprar o KC-390, é que já é dado como quase certo que este avião tenha o mesmo destino do Super Tucano e dos E-jets, qual seja, ser fabricado nos Estados Unidos, claro que pela Boeing, e é provável que neste caso, todo o KC-390 seja fabricado nos EUA.. então os chamados "parceiros"... bem.. acho que me diz entender.... a não compra, e a dita opção pelo A400M, tornariam tudo mais fácil... essas duas fábricas da Embraer em Portugal não necessariamente diminuem os custos para a Embraer, é que há outros interesses, e como a Folha de São Paulo publicou, as peças produzidas em Portugal na verdade aumentam o custo final dos aviões, na época a Embraer foi consultada pela Folha sobre isso e não quis se manifestar, disse apenas que não trabalha apenas com diminuição de custos de produção.. este debate no entanto é de pouca valia.
Isso é psicologia reversiva? ;D

Burro, que eu saiba nenhuma fábrica reduz os custos de uma empresa. Essas reduções já são outros factores. Podíamos era aqui falar antes como as duas fábricas da Embraer ajudaram-na a ter mão-de-obra qualificada a baixo custo que nunca seria possível noutros países (especialmente no Brasil com a falta de engenheiros à uns anos atrás), que permitiu o exchange de milhares de engenheiros e estudantes brasileiros com instituições portuguesas, acesso a fundos comunitários europeus, regalias a nível de impostos e ainda acesso a tecnologia portuguesa e europeia. Talvez tentando calcular o custo real disto tudo podíamos chegar a algum tipo de conclusão relativamente aos ganhos ou perdas que a Embraer teve com o seu mísero investimento em Portugal.

Entenda, o KC-390 é um puro sangue militar, sua cabine é blindada e possui sistemas de auto defesa anti mísseis de série, a Embraer não trabalha com essa possibilidade, pelo menos agora, isso foi perguntado por um jornalista estrangeiro se o KC-390 poderia ser utilizado como avião de carga para em empresas civis, e Paulo Gastão explicou que este mercado é ocupado por aviões usados e descartados de empresas aéreas, por serem mais baratos, quando chega o fim da vida útil, outro avião usado é comprado, não são novos. Não é mercado.
Engraçado como à uns tempos atrás saíram notícias que eram bem mais optimistas sobre o futuro do 390 no mercado civil.

Quanto ao resto, é mais dito por não dito.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Julho 28, 2016, 09:19:55 pm
Então se o mercado civil 'vive' de aviões antigos, adquiridos em segunda mão, como se explica a aquisição de 10 aparelhos novos pela tal companhia brasileira? Talvez este argumento (apesar de verdadeiro) não tenha sido o mais feliz para explicar a opção da Bravo.

Toda esta apologia do KC-390 que, por vezes, quase raia a irracionalidade faz-me lembrar um ex-membro deste forum, cujo nome não me ocorre, mas que, por qualquer razão, me faz recordar a zona de Sintra.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Julho 28, 2016, 09:23:19 pm
Este fórum está a ficar insuportável é só propaganda brasileira e copy paste da RT.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Julho 28, 2016, 10:11:06 pm
Vou voltar a postar a noticia que o caríssimo forista além mar não percebeu:
Citar
Brasil será primeiro operador do novo Hercules civil

O LM-100J é a versão civil dos cargueiros táticos C-130J-30 Super Hercules da Lockheed Martin. O primeiro LM-100J em fase final de produção, para iniciar a campanha de testes e certificação junto a FAA (Federal Aviation Administration)  com a primeira entrega prevista para 2018. Com inovações de projeto em relação ao modelo militar, o LM-100J funcionará como uma aeronave cargueiro multimissão comercial, uma plataforma de transporte rápido e eficiente de carga.

A Embraer não descarta oferecer o KC-390 a operadores civis. O próprio projeto foi concebido dentro das regras FAR 25, permitindo uma rápida certificação e entrega do possível C-390 a empresas aéreas de logística e encomendas expressas.

Original: http://aeromagazine.uol.com.br/artigo/brasil-sera-primeiro-operador-do-novo-hercules-civil_2717.html#ixzz4Fjpp8Hlx
Follow us: aeromagazine on Facebook
Portanto,  LM-100J é a versão civil dos cargueiros táticos C-130J-30 Super Hercules da Lockheed Martin e vai ser estreado pela BRAVO no Brasil, novinho em folha e totalmente certificado em 2018 (não existe portanto nenhum em serviço), isto apesar do pais produzir o Kc390 que se prevê ter as primeira entregas para exactamente 2018, e que "deverá" substituir o Hercules.  Mais, o próprio Kc390 foi concebido dentro das regras FAR 25, para permitir uma rápida certificação e entrega do possível C-390 a empresas aéreas de logística e encomendas expressas, como é caso da BRAVO. Ou seja: Temos uma empresa que supostamente deveria ser capaz de entregar o C-390 em 2018 e assim ficar com os 10 aviões que afinal os Brasileiros da BRAVO, por alguma razão vão comprar novos aos americanos da LM. Resta saber quais as razões,  quando tanto tempo se passa a falar da intenção portuguesa sobre o Kc390 que não são mais de 6 aviões, sendo que a própria FAB arrisca caso contrate a BRAVO que também trabalha no transporte na área da defesa, a "voar" de  LM-100J. Mas pelos visto ninguém acha isto estranho no outra lado do Atlântico. Afinal é só um negócio de aproximadamente 600 milhões de dólares, perdido pela Embraer, para a concorrência e nomeadamente para o aparelho que o KC/C390 se propõe "substituir".  ::) http://aviationweek.com/awin/lockheed-makes-commercial-bid-civil-c-130j (http://aviationweek.com/awin/lockheed-makes-commercial-bid-civil-c-130j)
(http://aviationweek.com/site-files/aviationweek.com/files/archive/cmsfiles/media/images/fullsize/CommercialAviation/Cargo/LM-100J-LockheedMartin.jpg)
http://www.lockheedmartin.com/us/products/LM-100J.htm (http://www.lockheedmartin.com/us/products/LM-100J.htm)


Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 29, 2016, 12:15:57 am
"Major Alvega, ambas Aeronaves o C130J e o KC390, estão na classe de transporte Aéreo Táctico, o que já não acontece com o A400 ! "

 Caro tenente, em relação à citação acima e quanto às questões tácticas e estratégicas. Releia p/f de novo aquilo que escrevi...

 Abç

Epá já reli e esta passagem não está muito correcta pois o C130, á semelhança do KC390, também é uma aeronave de transporte tactico, e tem e muito BEM, servido a FAP durante toda a sua vida operacional, daí o meu comentário e sem ofensa.


............... De qualquer forma, vamos falar claro. O KC-390 dá indicações de vir a ser uma excelente aeronave mas não serve para a FAP. Que necessita de uma aeronave com características mais estratégicas que o KC-390 que é simplesmente táctico. ..............

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Julho 29, 2016, 12:37:08 am

Esse modelo "civil" do C130 não é novo, é antigo, se não me engano na Argentina tem um desses, mas este mercado é ocupado por aviões velhos, os Emb120 Brasília que já pararam de operar no mercado de passageiros foram convertidos para essa função em vários países, na FAB inclusive, os aviões da família DC8-10 são mundialmente conhecidos por isso, os antigos F100 da TAM fazem o mesmo hoje em dia no Brasil.

Entenda, o KC-390 é um puro sangue militar, sua cabine é blindada e possui sistemas de auto defesa anti mísseis de série, a Embraer não trabalha com essa possibilidade, pelo menos agora, isso foi perguntado por um jornalista estrangeiro se o KC-390 poderia ser utilizado como avião de carga para em empresas civis, e Paulo Gastão explicou que este mercado é ocupado por aviões usados e descartados de empresas aéreas, por serem mais baratos, quando chega o fim da vida útil, outro avião usado é comprado, não são novos. Não é mercado.

Poderia ser comprado e usado como meio de transporte de carga pela EBCT (Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos), ou simplesmente "Correios", uma estatal brasileira, que hoje usa o serviço de outras empresas para mandar suas encomendas pelo continente e demais países, isso é feito pela Fedex, DHL, etc.. se os Correios compra o KC-390, teria sua própria frota para isso, eu acho difícil, compraria mais por ser estatal, seria uma versão apaisanada e mais barata, mas existe essa possibilidade.

(http://i216.photobucket.com/albums/cc189/Sergio_727/hangar/hangar_kc-390.gif)

Apenas este comentário quanto á compra de aeronaves de carga.

A última compra de cargueiros pela DLH Europa há uns anos atrás, foi só de toda a frota de B757/200 que a BAW possuía e que eram cerca de 50 aeronaves. Este procedimento é usual para com a grande maioria de companhias de carga aérea em especial as de carga expresso, com honrosas excepções como a FedEx que de vez em quando se  " alambaza " com a compra de lotes de aeronaves de última geração ou mesmo widebodies quase novos, pois o mercado Norte Americano não brinca em serviço.

As empresas deste ramo da aviação optam por este tipo de aeronaves pois não são só mais baratas como quando adquiridas ás ditas companhias de bandeira tem mais probabilidades dos logbooks não estarem adulterados e, as mnt terem sido efectuadas em tempo devido.

Se adicionarmos os custos de aquisição mais baratos, ao facto de operarem durante a noite por ser mais barato e porque o volume de trafego aéreo é menor, limitando por si as restricções em rota, são factores que adicionados ao primeiro limitam os custos de operação e tornam rentável, num espaço mais curto, o investimento feito em aeronaves em segunda mão.

Existiam/em companhias aéreas de carga que efectuam de noite voos de transporte para os correios, por exemplo a aeropostale Francesa e, durante o dia, as aeronaves eram/são convertidas para transporte de passageiros, as versões destas aeronaves com estas capacidades designam-se com a sigla QC, por exemplo B737/300QC, em que o QC significa quick Change.

Na foto que incluo dum 737QC podes ver bem a porta de carga á frente o que nos diz que se trata de um QC, pois mantém as janelas do seatplan original do acft.
 
(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/f-gztm-asl-airlines-france-boeing-737-3b3qc_PlanespottersNet_679651_zpsqkt3vma1.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/f-gztm-asl-airlines-france-boeing-737-3b3qc_PlanespottersNet_679651_zpsqkt3vma1.jpg.html)

Será que a Embraer pensou nesta valência para os seus C390 ??
È que para que isso aconteça as aeronaves em questão tem de estar certificadas tornando-as aptas a tais missões o que as torna mais apetecíveis para serem adquiridas pois podem concorrer nos dois mercados da aviação comercial o de pax e o de carga.

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Julho 29, 2016, 01:16:32 am
É aquilo mesmo que o Paulo Gastão falou, esse mercado é dominado por aeronaves usadas, de qualquer forma uma ou outra venda de aparelhos novos não é totalmente impossível, e há outros combos entremeados neste meio também, desconhecia essa técnica de usar o modelo para transporte de carga a noite, e de dia o converter para passageiros, interessante também, valiosa informação.

Na Argentina existe pelo menos um C130 deste modelo, mas não está em uso na FAA, creio também que é uma empresa civil de transporte, este modelo de Hércules é bem antigo, deve ter sido lançado na mesma época de lançamento do modelo H-30, a versão alongada original, também conhecido como "C130 Exportação"..

Não sei se compensa a Embraer produzir uma versão "pé de boi" do KC-390 para atender esse mercado, teria que tirar tudo de militar dele, incluindo até mesmo seu sistema Fly-by-wire, é claro que isso não tem como tirar, mas não faria sentido manter um sistema tão caro e sofisticado de voo em um avião que jamais precisaria usar esses recursos, o mesmo vale para o HUD e seu sistema EVS, computadores para lançamento de carga, o piso reforçado do avião também, tudo isso é para uso militar, seria outro avião, certamente mais leve e muito mais barato.

O próprio trem de pouso, concebido para suportar mais de 80 toneladas.. enfim, só o tempo dirá.


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Agosto 03, 2016, 02:28:12 pm
Caro charlie Jaguar,

Ja ouviu alguma coisa se vao reactivar o 16802 para substituir o 16804, que infelizmente foi perdido naquele terrivel acidente ?

Entretanto nao chegou a ser publicado em DR o Despacho do Ministro da Defesa para a modernizacao de 5 C130...deve estar cancelada ate se avaliar se se faz so a 4 ou se se vai reactivar o 16802...penso eu de que
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Agosto 03, 2016, 04:14:58 pm
Caro charlie Jaguar,

Ja ouviu alguma coisa se vao reactivar o 16802 para substituir o 16804, que infelizmente foi perdido naquele terrivel acidente ?

Entretanto nao chegou a ser publicado em DR o Despacho do Ministro da Defesa para a modernizacao de 5 C130...deve estar cancelada ate se avaliar se se faz so a 4 ou se se vai reactivar o 16802...penso eu de que

O AMARG está a ser equacionado!  :-X
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Agosto 03, 2016, 04:53:46 pm
Caro charlie Jaguar,

Ja ouviu alguma coisa se vao reactivar o 16802 para substituir o 16804, que infelizmente foi perdido naquele terrivel acidente ?

Entretanto nao chegou a ser publicado em DR o Despacho do Ministro da Defesa para a modernizacao de 5 C130...deve estar cancelada ate se avaliar se se faz so a 4 ou se se vai reactivar o 16802...penso eu de que

O AMARG está a ser equacionado!  :-X

Lá vamos nós ao 309th Aerospace Maintenance and Regeneration Group
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Agosto 03, 2016, 05:03:57 pm
Se isso se confirmar esqueçam o 16802 de vez. Para não ser reactivado e ir ao deserto buscar uma sucata mais vale ir fazer de alvo para Alcochete.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 03, 2016, 09:48:50 pm
Se isso se confirmar esqueçam o 16802 de vez. Para não ser reactivado e ir ao deserto buscar uma sucata mais vale ir fazer de alvo para Alcochete.
A segunda esquadra de F16 veio toda do Amarg...  ::) http://walkarounds-ccadf.blogspot.pt/2015/05/amarc-1999-peace-atlantis-ii.html (http://walkarounds-ccadf.blogspot.pt/2015/05/amarc-1999-peace-atlantis-ii.html)
Citar
AMARC, Davies Monthain, Tucson, Arizona, Estados Unidos da América. Nos primeiros meses de 1999 um grupo de militares acompanha os preparativos para o envio do segundo conjunto de aeronaves F-16 adquiridos por Portugal para, ao abrigo do Programa “Peace Atlantis II”, equipar a Força Aérea Portuguesa. Um processo que teve início em 1996 quando a FAP avançou com um pedido para a aquisição aos Estados Unidos de um total de 25 aeronaves F-16, em segunda mão, e que conduziu à transformação de toda a actual frota de aeronaves operacionais para o padrão MLU, colocando Portugal e a Força Aérea Portuguesa ao nível das suas congéneres operadoras destas aeronaves.
Não querendo apresentar um trabalho sobre todo o Programa, o Walkarounds apresenta aqui um conjunto de fotos históricas que remontam a esses dias de 1999 em que as aeronaves começaram a ser enviadas para Portugal, agradecendo a António Neto pela partilha e por todos os esclarecimentos prestados.
(https://lh3.googleusercontent.com/-RTEWxhjr6ns/VVCIRW4K4HI/AAAAAAAAGuU/yDXUsDkk0tc/w769-h577-no/Foto-01.jpg)
(https://lh3.googleusercontent.com/-ga-1Z541hi0/VVCISIek8nI/AAAAAAAAGuk/YKqPP1R0t1U/w769-h577-no/Foto-03.jpg)
(https://lh5.googleusercontent.com/-ooP-er1pNSE/VVCITeAtFmI/AAAAAAAAGu4/ilcHBdDAxeo/w769-h577-no/Foto-07.jpg)
(https://lh3.googleusercontent.com/-Hd9QXQCMFQs/VVCIT2ZUCdI/AAAAAAAAGvo/N9Ax44ymPAE/w769-h577-no/Foto-08.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Agosto 03, 2016, 11:38:31 pm
Eu sei mas nessa altura não tínhamos por cá nenhum F-16 de reserva.
Só pensava que o 16802 estava em melhores condições.

Não havia um esquecido em Alverca? Um branco que estava sem motores.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 04, 2016, 08:12:39 pm
Caro charlie Jaguar,

Ja ouviu alguma coisa se vao reactivar o 16802 para substituir o 16804, que infelizmente foi perdido naquele terrivel acidente ?

Entretanto nao chegou a ser publicado em DR o Despacho do Ministro da Defesa para a modernizacao de 5 C130...deve estar cancelada ate se avaliar se se faz so a 4 ou se se vai reactivar o 16802...penso eu de que

A única coisa que posso de momento adiantar é que todas as opções estão em cima da mesa, sendo menos plausível todavia a reactivação do C-130H-30 16802.

Como bem disse o Nélson, ir ao AMARG buscar mais uma ou duas células ou adquirir à USAF/USN/USMC ou outro parceiro da NATO mais um aparelho é uma hipótese que está a ser estudada. Até porque a actual frota de 4 C's com 2 operacionais e 2 em manutenção não chega para as necessidades, por mais que os C-295M da Esq. 502 se esforcem.

Em 2004 a Holanda adquiriu 3 EC-130Q ex-USN que estavam no AMARG, modificou-os para a versão C-130H ao mesmo tempo que também eram modernizados a nível de aviónicos e sensores, e não se têm queixado.

http://marshalladg.com/c-130-restoration-upgrade/
http://www.dutchaviationsupport.eu/00-HTMS/hercppmil.htm
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Agosto 04, 2016, 10:24:58 pm
Como bem disse o Nélson, ir ao AMARG buscar mais uma ou duas células ou adquirir à USAF/USN/USMC ou outro parceiro da NATO mais um aparelho é uma hipótese que está a ser estudada.
Canadian firm looks to sell used Norwegian planes to RCAF for use in Arctic (http://news.nationalpost.com/news/canada/canadian-politics/canadian-firm-looks-to-sell-used-norwegian-planes-to-rcaf-for-use-in-arctic)

:anjo: nx2l1

Haverá cacau para comprar C-130 em segunda-mão já modernizados e só modernizar os nossos quatro?

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Agosto 04, 2016, 11:13:40 pm
Caro charlie Jaguar,

Ja ouviu alguma coisa se vao reactivar o 16802 para substituir o 16804, que infelizmente foi perdido naquele terrivel acidente ?

Entretanto nao chegou a ser publicado em DR o Despacho do Ministro da Defesa para a modernizacao de 5 C130...deve estar cancelada ate se avaliar se se faz so a 4 ou se se vai reactivar o 16802...penso eu de que

A única coisa que posso de momento adiantar é que todas as opções estão em cima da mesa, sendo menos plausível todavia a reactivação do C-130H-30 16802.

Como bem disse o Nélson, ir ao AMARG buscar mais uma ou duas células ou adquirir à USAF/USN/USMC ou outro parceiro da NATO mais um aparelho é uma hipótese que está a ser estudada. Até porque a actual frota de 4 C's com 2 operacionais e 2 em manutenção não chega para as necessidades, por mais que os C-295M da Esq. 502 se esforcem.

Em 2004 a Holanda adquiriu 3 EC-130Q ex-USN que estavam no AMARG, modificou-os para a versão C-130H ao mesmo tempo que também eram modernizados a nível de aviónicos e sensores, e não se têm queixado.

http://marshalladg.com/c-130-restoration-upgrade/
http://www.dutchaviationsupport.eu/00-HTMS/hercppmil.htm

Obrigado Nelson e Charlie Jaguar.

Ja agora num anterior post o Charlie tinha dito que visitou o 16802 e que estava bem preservado...entao porque estar quase fora de questao reactiva-lo ?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Agosto 05, 2016, 12:24:56 am
Ja agora num anterior post o Charlie tinha dito que visitou o 16802 e que estava bem preservado...entao porque estar quase fora de questao reactiva-lo ?

Há danos que não são perceptíveis ao olho humano, o avião até pode "parecer" bem, mas não quer dizer que esteja, por exemplo há danos estruturais microscópicos que só são detectáveis com equipamento especializado.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Agosto 05, 2016, 03:04:05 am
Ja agora num anterior post o Charlie tinha dito que visitou o 16802 e que estava bem preservado...entao porque estar quase fora de questao reactiva-lo ?

Há danos que não são perceptíveis ao olho humano, o avião até pode "parecer" bem, mas não quer dizer que esteja, por exemplo há danos estruturais microscópicos que só são detectáveis com equipamento especializado.

Como o Lightning diz, e muito bem, a detecção de danos estruturais em aeronaves requer equipamento especializado que inclui, entre outras tecnologias, o ultra-som e o raio X. O link abaixo descreve as tecnologias utilizadas em aviação comercial: http://www.ndt.net/article/ecndt98/aero/031/031.htm (http://www.ndt.net/article/ecndt98/aero/031/031.htm)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 05, 2016, 11:51:12 am
Ja agora num anterior post o Charlie tinha dito que visitou o 16802 e que estava bem preservado...entao porque estar quase fora de questao reactiva-lo ?

Como, e bem, responderam tanto o Lightning como o NVF, há danos que a olho nú não são perceptíveis. É uma coisa a aeronave parecer em relativo bom estado, dando toda a sensação que bastam umas demãos de tinta e já está, e o estado real da célula. Pelo que me tem sido dito ocasionalmente, o 16802 terá o que se apelida de "microscopic fractures", fracturas de stress pelo continuado uso, mais preocupantes nas zonas onde foram adicionadas as extensões que tornaram o aparelho na versão alongada C-130H-30. Nas asas, que é sempre a maior preocupação, nem haveria grande problema, mas na fuselagem sim.

Poderá até soar estranho visto as OGMA terem feito o mesmo procedimento com o 16801 e este continuar no activo (o 16806 é um H-30 de origem), mas tal como aconteceu com a frota T-37C e T-38A nos anos 90 após se descobrir a extensão dos danos estruturais nas asas, a decisão lógica seria - e foi - retirá-la imediatamente de serviço.


Canadian firm looks to sell used Norwegian planes to RCAF for use in Arctic (http://news.nationalpost.com/news/canada/canadian-politics/canadian-firm-looks-to-sell-used-norwegian-planes-to-rcaf-for-use-in-arctic)

:anjo: nx2l1

Haverá cacau para comprar C-130 em segunda-mão já modernizados e só modernizar os nossos quatro?

Cumprimentos,

Andava à procura desse mesmo link, até porque a crer no que é dito no artigo os Hércules clássicos noruegueses ainda terão metade da vida útil nas células. Além disso foram modernizados antes deste país nórdico ter optado pelo J:  http://www.defense-aerospace.com/articles-view/release/3/79587/spar-begins-upgrade-of-norwegian-c_130s.html

Obrigado Get_it!  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Agosto 05, 2016, 01:39:17 pm
Obrigado a todos pelas respostas :)

Pensava que o 16802, tinha sido encostado para poupar $$$, como acontece actualmente com 1 ou 2 P3 em Beja, mas afinal foi por ter danos estruturais...estou esclarecido, Obrigado ;)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 06, 2016, 02:19:18 pm
Aparentemente o mercado dos C130 da Amarg anda em grande: ;D ;)

http://www.c-130.net/c-130-news-article301.html (http://www.c-130.net/c-130-news-article301.html)
Citar
This legacy aircraft was again scheduled to be retired in 2015 when Tactical Airlift Program Office (PMA-207) foreign military sales were contacted by FACh with a possible interest to purchase the aircraft. A sale was agreed upon in September 2015.

“I’m extremely proud of my team for breathing life back into this aircraft,” said Doug Dawson, PMA-207 program manager. “It shows how we work as a global team, using all the assets available to us.”

Throughout the last year the aircraft has gone through a series of de-modifications coordinated by PMA-207 and executed by VX-20 and industry partners DynCorp and Wyle at Naval Air Station Patuxent River, Maryland.

“FMS sale from stock purchase modifications to remove Navy proprietary instrumentation are not normally performed by the unit retiring the aircraft,” said Tom Benedik, C/KC-130 deputy program manager at PMA-207. “Typically de-modifications of this type are done by AMARG or at Hill Air Force Base [Ogden, Utah]. We are very thankful for the teamwork and support we received to get this job done.”
(http://www.c-130.net/g3/var/resizes/c-130-photos/Central%20and%20South%20American%20C-130%20Photos/KC130R20departing20Pax2052161.jpg?m=1465069230)
https://interesestrategicoargentino.wordpress.com/2016/02/17/seleccion-de-lockheed-kc-130-hercules-en-el-amarg-para-la-fuerza-aerea-argentina/ (https://interesestrategicoargentino.wordpress.com/2016/02/17/seleccion-de-lockheed-kc-130-hercules-en-el-amarg-para-la-fuerza-aerea-argentina/)
Citar
Miércoles, 17 de Febrero de 2016
Por Marcelo R. Cimino

Las características geográficas, su extensión y la diversidad de la República Argentina, ha hecho del Lockheed C-130 Hércules una herramienta  imprescindible de proyección estratégica en resguardo de los interese nacionales. En los casi 50 años de uso ininterrumpido al servicio de la Nación, en manos de la Fuerza Aérea Argentina (FAA), ha revolucionado el abastecimiento de nuestras bases antárticas, ha abierto rutas inhóspitas que luego utilizarían las aerolíneas comerciales, ha vulnerado de principio a fin el bloqueo inglés sobre Malvinas durante el conflicto, en total inferioridad de condiciones y las veces que hizo falta. Abasteció de combustible a nuestros cazas cuando iban a tacar a los británicos y cuando retornaban del fragor del combate. Ha salido mar abierto a explorar en busca de blancos para nuestra aviación, con el tremendo peligro que ese cometido conllevaba y hasta le ha hecho honor al espíritu de lucha criollo, convirtiéndose en un osado bombardero naval de larga distancia.

Dado el necesario y urgente refuerzo del componente de transporte aéreo, en Septiembre de 2015, el Ministerio de Defensa de la República Argentina, ordenó conformar una comisión mixta compuesta por personal técnico de la Fuerza Aérea Argentina (FAA) y la Fábrica Argentina de Aviones “Brig San Martin” (FAdeA), con el objeto realizar una inspección visual y documental  en cuatro aeronaves KC-130 Hércules en el Aerospace Maintenence and Regeneration Grup (AMARG), Tucson Arizona -USA-.
Fue así que entre el 26 y el 30 de Octubre de 2015, la comisión técnica argentina, asistida por personal del AMARG y del Foreign Military Sales (FM) estadounidense, procedió  a tomar contacto e inspeccionar físicamente varios  aviones Hércules allí preservados.

En principio, AMARG presentó a la comisión argentina, un lote de cuatro aeronaves KC-130 Hércules, compuesto por un  KC-130R junto a tres  KC-130F. Luego de recorrer minuciosamente las aeronaves y evaluar la documentación correspondiente de cada KC- 130, el equipo técnico argentino descartó dos de los KC-130, puntualmente del modelo “F”. En vista del acuerdo alcanzado por el gobierno argentino, estaba planteado el relevamiento de cuatro aeronaves en condiciones aceptables de transferencia,  procediendo en consecuencia, AMARG  presenta a la  comisión mixta argentina un segundo lote de seis aeronaves KC-130 Hércules para ser inspeccionadas. Este nuevo lote, estaba compuesto por un  KC-130R, un  KC-130T y cuatro  KC-130F, resultando seleccionado de este nuevo lote un  KC-130T junto a un  KC-130F.
(https://interesestrategicoargentino.files.wordpress.com/2016/02/portada.jpg?w=960&h=638)
http://www.navair.navy.mil/index.cfm?fuseaction=home.NAVAIRNewsStory&id=5277 (http://www.navair.navy.mil/index.cfm?fuseaction=home.NAVAIRNewsStory&id=5277)
Citar
NAVAL AIR SYSTEMS COMMAND, PATUXENT RIVER, Md. – Retired Marine Corps KC-130R aircraft will live to fly another day as part of a foreign military sales (FMS) case between the U.S. Navy and Japanese Maritime Self Defense Force.

Six KC-130R excess defense articles, extra to the needs of the U.S. government, are on a journey to restoration and active-duty status with the Japanese Maritime Self Defense Force, or JMSDF.

“This FMS sale supports a global strategic initiative for preserving the security and stability of the Asia-Pacific region,” said Capt. Michelle Guidry, program manager, Tactical Airlift, Adversary and Support Aircraft program (PMA-207), which manages Navy and Marine Corps C-130s. “We look forward to a continued partnership with the JMSDF through the sustainment of their KC-130Rs.”

The JMSDF will receive KC-130Rs capable of roll-on, roll-off cargo compartment configurations to support the movement of troops, goods and services; humanitarian efforts; transport of senior leaders; and medical evacuation.

Currently, four aircraft have been recovered from section five of Davis-Monthan Air Force Base, Aerospace Maintenance and Regeneration Group, Tuscan, Ariz., also known as AMARG, and inducted into the depot at Hill Air Force Base, Ogden, Utah, for phased maintenance interval regeneration.

Using historical data from previous U.S. Navy depot maintenance, the PMA-207 FMS team determined what maintenance is required to ensure safety of flight is achieved.

The first aircraft inducted into Hill AFB depot, bureau number 160015, began regeneration in November 2012 and is expected to complete regeneration by fall of 2013.

“Depending on the condition of the aircraft when recovered from AMARG, maintainers are performing varying levels of structural modifications before completing JMSDF specified modifications,” said Ken Moritz, FMS deputy program manager, PMA-207. “The total regeneration, overhaul and upgrade of each aircraft is expected to take approximately 10-12 months.”

Structural modifications being performed on all six aircraft include the replacement of landing gear supports, cargo door supports, center wing rainbow fittings and corrosion repair. In addition to structural modifications, the Japanese will receive thirty overhauled T56-A-16 engines and digital cockpit upgrades to include a digital GPS.

“The Japanese Navy is assuming responsibility for the non-recurring engineering efforts required to incorporate a new digital GPS onto JMSDF aircraft,” Moritz said. “This effort creates cost avoidance for the U.S Navy/Marine Corps if the information gathered is utilized as an interim cockpit solution for current fleet GPS systems faced with obsolescence issues.”

Beginning this fall, with aircraft 160015, CAE, Inc. will provide 6-8 weeks of initial pilot training onsite at Davis Monthan AFB, as well as 10 weeks of classroom training for aircrew and maintainers at the CAE facility in Tampa, Fla.

“Training is the last step before aircraft delivery,” Moritz said. The U.S. Navy plans to deliver the first aircraft to Atsugi, Japan by March 2014 and the sixth aircraft one year later.

“We are on our way to delivering a tried and proven tactical transport platform to one of our key allies,” Guidry said. “C-130s are essential to our military forces, which is why we are happy we can provide the JMSDF with the essential aircraft they need to support their mission.”
(http://www.navair.navy.mil/img/uploads/thumb_KC_130_Japan_article_photo_to_publish.jpg)
http://www.lockheedmartin.com/content/dam/lockheed/data/aero/documents/global-sustainment/product-support/2012HOC-Presentations/Tuesday/Tues%201530%20Republic%20of%20Poland.pdf (http://www.lockheedmartin.com/content/dam/lockheed/data/aero/documents/global-sustainment/product-support/2012HOC-Presentations/Tuesday/Tues%201530%20Republic%20of%20Poland.pdf)
Citar
Deliver 5 refurbished/modernized C-130E aircraft
5 C-130E Aircraft (EDA)
5 Center Wings (from AMARG)
5 Spare T56-7 engines and Propellers
PDM of 5 aircraft, avionics upgrade, center wing replacement,
ground handling equipment, spares, support equipment,
CLS and Training
(http://cdn.airplane-pictures.net/images/uploaded-images/2011/5/20/136708.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Agosto 06, 2016, 06:52:34 pm
Se os 'responsáveis' políticos do MDN 'descobrem' essa cena do AMARG, a FAP está bem quilhada, nunca mais vai ter um avião novo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Agosto 06, 2016, 10:23:13 pm
alguém falou em C130J, no AMARG existem 260 C130 de várias versões .

http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=205&Itemid=274

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Agosto 06, 2016, 11:08:42 pm
 Esqueçam os AMARG's ou outra possibilidade qualquer. Portugal não tem dinheiro nem para fazer a manutenção conveniente a um C-130 do seu inventário. Quanto mais para comprar um, mesmo daqueles que estão "armazenados" no deserto.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Agosto 07, 2016, 03:26:50 pm
Esqueçam os AMARG's ou outra possibilidade qualquer. Portugal não tem dinheiro nem para fazer a manutenção conveniente a um C-130 do seu inventário. Quanto mais para comprar um, mesmo daqueles que estão "armazenados" no deserto.
Acho que vai haver dinheiro pois ocorreu este acidente e como é só para substituir um C-130 não vai colocar em causa os negócios de alguém. Aliás, a compra até deve ser bem vinda visto que ajuda a afastar ainda durante mais uns anos a escolha de um verdadeiro substituto dos nossos C-130H.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 07, 2016, 10:51:21 pm
Se os 'responsáveis' políticos do MDN 'descobrem' essa cena do AMARG, a FAP está bem quilhada, nunca mais vai ter um avião novo.
E por exemplo "desperdiçar a possibilidade de pagar entre 900 a mil milhões de euros" por um negócio de no máximo uns 800 milhões, como se fez num passado recente e que enriqueceu tanta gente? Não estou a ver...  ;D :P
(http://2.bp.blogspot.com/-q3HmGFPjrQo/UCgZ7CkxZNI/AAAAAAAAAvQ/CZ72Uj-AGKY/s1600/P+Portas+2.jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-lAFua90k3xc/VUjovFNfmYI/AAAAAAAAPiQ/ZQ0NcfrZErw/s1600/absten%C3%A7%C3%A3o%2Bversus%2Bvoto0015.jpg)
Os Noruegueses não farão disconto? Tem estes 130H armazenados na AMARG após a substituição pelos J ?  ;D ;)
(http://i41.tinypic.com/1zz6yjs.png)
(http://i1077.photobucket.com/albums/w467/rodomex9/hhRNAF-01.jpg)

Cumprimentos


Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Agosto 08, 2016, 12:11:39 am
Esses já são antigos. Tens C-130H americanos (não muitos) dos finais dos anos 80, ou seja, 10 anos mais novos que os nossos. Agora resta saber se não estão queimados em termos de horas disponíveis.

http://www.gmap.nl/images/amarg/files/area/Inventory.pdf (http://www.gmap.nl/images/amarg/files/area/Inventory.pdf)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 08, 2016, 11:41:22 am
Convém não esquecer que esses 5 C-130H ex-Real Força Aérea Norueguesa foram alvo de uma extensa modernização a nível estrutural e de aviónicos, como aliás se falou há uns post atrás. Daí também o eventual interesse da Real Força Aérea Canadiana nos mesmos.

De notar também que os Hércules clássicos modernizados acabaram por servir durante pouco tempo dada a decisão política (e muito mal recebida na Noruega na altura) de comprar 4 C-130J-30. Segundo artigos nas revistas da especialidade, as células destes aparelhos terão ainda 50% de vida útil nas mesmas, sendo que a estrutura central das asas e as próprias asas foram substituídas já que se tratava do factor que mais preocupação levantava.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Agosto 08, 2016, 02:30:58 pm
Só umas pequenas notas, amigo CG:

1) Independentemente das modernizações, os aparelhos noruegueses são de 68/69 e há outros aparelhos no Boneyard com menos 20 anos que, se calhar, também foram modernizados e que poderão estar em melhores condições — uma análise exaustiva por parte da FAP poderá aferir todos esses factores bem melhor do que nós aqui no fórum.

2) Os upgrades dos aparelhos noruegueses, antes de serem armazenados, passaram pela substituição da parte central e das extremidades das asas, efectuados pela L3 — importante para estender a vida dos aparelhos, mas os aviónicos não parecem ter sido modernizados.

3) Quanto ao alegado interesse da RCAF pelos aparelhos noruegueses, trata-se somente dum processo de intenções por parte de uma firma privada, não tendo a RCAF manifestado qualquer interesse em adquirir estes aviões em particular. É como se as OGMA viessem agora dizer que descobriram uns C-5 em bom estado e que iam tentar vendê-los à FAP.  Aliás, toda esta história dos aviões estarem em excelente estado, com mais de 50 % de vida disponível trata-se de sales SPIN por parte dessa firma, que incluiu esses argumentos no press release (atenção, não quer dizer que a informação seja falsa, mas há um objectivo comercial por detrás).

Abraços.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 08, 2016, 05:29:43 pm
Só umas pequenas notas, amigo CG:

1) Independentemente das modernizações, os aparelhos noruegueses são de 68/69 e há outros aparelhos no Boneyard com menos 20 anos que, se calhar, também foram modernizados e que poderão estar em melhores condições — uma análise exaustiva por parte da FAP poderá aferir todos esses factores bem melhor do que nós aqui no fórum.

2) Os upgrades dos aparelhos noruegueses, antes de serem armazenados, passaram pela substituição da parte central e das extremidades das asas, efectuados pela L3 — importante para estender a vida dos aparelhos, mas os aviónicos não parecem ter sido modernizados.

3) Quanto ao alegado interesse da RCAF pelos aparelhos noruegueses, trata-se somente dum processo de intenções por parte de uma firma privada, não tendo a RCAF manifestado qualquer interesse em adquirir estes aviões em particular. É como se as OGMA viessem agora dizer que descobriram uns C-5 em bom estado e que iam tentar vendê-los à FAP.  Aliás, toda esta história dos aviões estarem em excelente estado, com mais de 50 % de vida disponível trata-se de sales SPIN por parte dessa firma, que incluiu esses argumentos no press release (atenção, não quer dizer que a informação seja falsa, mas há um objectivo comercial por detrás).

Abraços.

Plenamente de acordo com o que escreveu, amigo NVF.  ;)

Além disso a FAP sabe fazer o seu trabalho de casa, por assim dizer, e se avançar para a aquisição de um C-130H ao AMARG terá sempre em conta a idade, estado e potencial de modernização da célula.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 08, 2016, 11:20:35 pm
Só umas pequenas notas, amigo CG:

1) Independentemente das modernizações, os aparelhos noruegueses são de 68/69 e há outros aparelhos no Boneyard com menos 20 anos que, se calhar, também foram modernizados e que poderão estar em melhores condições — uma análise exaustiva por parte da FAP poderá aferir todos esses factores bem melhor do que nós aqui no fórum.

2) Os upgrades dos aparelhos noruegueses, antes de serem armazenados, passaram pela substituição da parte central e das extremidades das asas, efectuados pela L3 — importante para estender a vida dos aparelhos, mas os aviónicos não parecem ter sido modernizados.

3) Quanto ao alegado interesse da RCAF pelos aparelhos noruegueses, trata-se somente dum processo de intenções por parte de uma firma privada, não tendo a RCAF manifestado qualquer interesse em adquirir estes aviões em particular. É como se as OGMA viessem agora dizer que descobriram uns C-5 em bom estado e que iam tentar vendê-los à FAP.  Aliás, toda esta história dos aviões estarem em excelente estado, com mais de 50 % de vida disponível trata-se de sales SPIN por parte dessa firma, que incluiu esses argumentos no press release (atenção, não quer dizer que a informação seja falsa, mas há um objectivo comercial por detrás).

Abraços.

Plenamente de acordo com o que escreveu, amigo NVF.  ;)

Além disso a FAP sabe fazer o seu trabalho de casa, por assim dizer, e se avançar para a aquisição de um C-130H ao AMARG terá sempre em conta a idade, estado e potencial de modernização da célula.
Mau. Então mas não era apenas um aparelho para voar mais 10 anos? Temos lá o 74-2063. Também lá existe um Ac130U (90-0163). Esse é que era... ;D ;)
Citar
http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter= (http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter=)
(http://www.c-130.net/g3/var/resizes/c-130-photos/North-American-C-130-Photos/USAF%20C-130/070415-F-3961R-007.JPG?m=1371927700)
(https://farm6.staticflickr.com/5618/21230660550_37b557427e_b.jpg)

Cumprimentos  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Agosto 09, 2016, 11:37:59 am

Mau. Então mas não era apenas um aparelho para voar mais 10 anos? Temos lá o 74-2063. Também lá existe um Ac130U (90-0163). Esse é que era... ;D ;)
Citar
http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter= (http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter=)


Cumprimentos  :G-beer2:

O que é que fariamos com o AC130U caçávamos Transformers??
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 09, 2016, 12:52:36 pm

Mau. Então mas não era apenas um aparelho para voar mais 10 anos? Temos lá o 74-2063. Também lá existe um Ac130U (90-0163). Esse é que era... ;D ;)
Citar
http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter= (http://www.amarcexperience.com/ui/index.php?option=com_content&view=article&id=119&catid=16&dbsource=arealist&dbarea=10&dbpage=1&dbletter=)


Cumprimentos  :G-beer2:

O que é que fariamos com o AC130U caçávamos Transformers??
Agora está na moda é caçar os pokemons...  ;D ;)


Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: nelson38899 em Agosto 09, 2016, 01:17:20 pm
Uma vez que este MLU e compra é so para mais 10 anos, poderia ser o C130J que lá se encontra. Claro se tiver em boas condições para voar.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Agosto 09, 2016, 03:14:54 pm

Agora está na moda é caçar os pokemons...  ;D ;)


E com uma peça do Yamato!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Agosto 09, 2016, 04:45:15 pm
Uma vez que este MLU e compra é so para mais 10 anos, poderia ser o C130J que lá se encontra. Claro se tiver em boas condições para voar.

Esse já era!

https://aviation-safety.net/database/record.php?id=20151002-2 (https://aviation-safety.net/database/record.php?id=20151002-2)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Agosto 10, 2016, 12:17:37 am
Citar
UE financia modernização das aeronaves C-130 e Falcon

Fundos europeus vão pagar metade dos programas que permitirão à Força Aérea regressar sem restrições aos céus europeus.

http://www.pressreader.com/portugal/diario-de-noticias/20160809/281779923513679
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Agosto 10, 2016, 12:44:00 am
Citar
UE financia modernização das aeronaves C-130 e Falcon

Fundos europeus vão pagar metade dos programas que permitirão à Força Aérea regressar sem restrições aos céus europeus.

http://www.pressreader.com/portugal/diario-de-noticias/20160809/281779923513679

E depois ainda há quem diga que a UE é tão mázinha para nós....... mesmo financiando quase tudo o que faça o estado português e as empresas privadas.......
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Agosto 10, 2016, 09:22:44 am
E depois ainda há quem diga que a UE é tão mázinha para nós....... mesmo financiando quase tudo o que faça o estado português e as empresas privadas.......

É má porque devia pagar 100%  ;D.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Agosto 10, 2016, 10:14:26 am
E depois ainda há quem diga que a UE é tão mázinha para nós....... mesmo financiando quase tudo o que faça o estado português e as empresas privadas.......

É má porque devia pagar 100%  ;D.

:)

Já ajuda muito. Se conseguirem que muitos dos programas de renovação/substituição de equipamentos sejam financiados, o Estado consegue de um momento para o outro duplicar artificialmente o orçamento de defesa, o que já é excelente! (considerando que consegue 50% de financiamento a fundo perdido, como neste caso!!!!!!)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 23, 2016, 11:56:22 am
On/off-topic, a Lockheed Martin vai receber cerca de 10 mil milhões de dólares para manter a linha de produção do C-130J aberta por mais dez anos.

Citar
Lockheed Martin awarded USD10 billion for future C-130J production
Gareth Jennings, London - IHS Jane's Defence Weekly
23 August 2016

Lockheed Martin has been awarded USD10 billion to support all remaining C-130J Hercules production through to 18 August 2026. The indefinite delivery/indefinite quantity (IDIQ) contract, which was announced by the US Department of Defense (DoD) on 19 August, covers both domestic and Foreign Military Sales (FMS) production of the four-engined airlifter at the company's Marietta facility in Georgia.

The DoD noted that C-130Js associated with fiscal years (FY) 2014, 2015 and 2016, including those acquired through the multi-year (MY) 2 deal, have received funding as part of this larger IDIQ contract. As explained by the US General Services Administration (GSA), "Indefinite delivery, indefinite quantity contracts provide for an indefinite quantity of services for a fixed time. They are used when GSA can't determine, above a specified minimum, the precise quantities of supplies or services that the government will require during the contract period. IDIQs help streamline the contract process and speed service delivery." While no aircraft numbers were disclosed, a Justification and Approval (J&A) notice issued by the DoD the following day stated that an estimated 100 C-130Js for the US and FMS customers will be covered.

Production of the C-130 began in the early 1950s, with deliveries of the latest-generation C-130J beginning in 1998. The first multi-year contract for 60 US Air Force (USAF) and US Marine Corps (USMC) C/KC-130Js was announced in 2003 and ran through to 2008. On 30 December 2015, the US government announced its MY 2 contract for 78 USAF and USMC C/KC-130Js to run from 2016 to 2020.

Nations that currently operate the C-130J comprise; Australia (Royal Australian Air Force), Canada (Royal Canadian Air Force), Denmark (Royal Danish Air Force), India (Indian Air Force), Iraq (Iraqi Air Force), Israel (Israeli Air Force), Italy (Italian Air Force), Korea (Republic of Korea Air Force), Kuwait (Kuwaiti Air Force), Norway (Royal Norwegian Air Force), Oman (Royal Flight of Oman and the Royal Air Force of Oman), Qatar (Qatari Air Force), Tunisia (Tunisian Air Force), the United Kingdom (Royal Air Force), and the United States (USAF, including active duty, Air National Guard and Air Force Reserve Command; US Coast Guard; and USMC).

http://www.janes.com/article/63142/lockheed-martin-awarded-usd10-billion-for-future-c-130j-production
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Agosto 23, 2016, 12:42:33 pm

Agora está na moda é caçar os pokemons...  ;D ;)


E com uma peça do Yamato!!!
Isso é para o calibre 76 mm. O de 105 mm no mínimo equivale a uma peça do A150 (conhecido como Super Yamato), de calibre 510mm.  ;D  :P
(http://orig02.deviantart.net/a344/f/2014/135/e/0/battleship_a_150_the__super_yamato__by_tzoli-d5ip7g9.png)
(http://i49.photobucket.com/albums/f252/CanisD/Misc/MyStarshipFiles/NeverWeres/Super_Yamato.jpg)
 
Saudações  8)  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Setembro 08, 2016, 12:54:05 pm
Citar
Inquérito ao desastre do C-130 ainda decorre

O ministro da Defesa referiu também que o inquérito ao desastre com um avião de carga C-130, em Julho, no Montijo, que provocou a morte de três militares da Força Aérea, ainda não está concluído. Azeredo Lopes disse ter pedido recentemente novas informações sobre o assunto, aguardando a conclusão do inquérito e a divulgação das suas conclusões."Suponho que a finalização não esteja para longe, mas ainda não está concluído", afirmou, justificando a demora com a complexidade do acidente.

O avião Hércules C-130 encontrava-se numa missão de treino na base aérea n.º6, no Montijo. Segundo a Força Aérea, que dirige o inquérito às causas, o aparelho "imobilizou-se fora da pista" e incendiou-se de imediato durante a corrida de descolagem. A tripulação não chegou a reportar qualquer emergência. Na sequência do acidente, morreram o tenente-coronel Fernando Castro, o capitão André Saramago e o sargento Amândio Novais.

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/ministro-da-defesa-admite-intervir-apos-morte-em-curso-de-comandos-1743507
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Setembro 08, 2016, 01:59:15 pm
Voltando ao tema central deste tópico. Era uma boa oportunidade para ficarmos com uns quantos A400M.

Citar
Spain's first A400M makes maiden flight

Gareth Jennings, London - IHS Jane's Defence Weekly

07 September 2016

(...) As one of the principal partners in the multinational project, Spain was intending to procure 27 A400Ms to replace its ageing Lockheed Martin C/KC-130H Hercules aircraft. However, in May 2013 it was announced that the country was looking to reduce this order to 14 aircraft because of budgetary pressures, with the remainder to be sold off to third parties (Madrid has postponed delivery of these 13 surplus aircraft until at least 2024 in order to find a buyer). (...)

http://www.janes.com/article/63469/spain-s-first-a400m-makes-maiden-flight
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Setembro 09, 2016, 12:29:00 am
Com quatro desses e mais dois A330 MRTT (podíamos comprar dois aparelhos à TAP e convertê-los como parte do pacote dos A400) ficávamos bem servidos. Os MRTT podiam, por exemplo, fazer transporte VIP, transportar algum equipamento e o pessoal das FND em melhores condições de conforto face aos C-130 actuais. Podíamos deslocar uma força de 4 ou 6 F-16 para a Islândia, ou para o Báltico, sem necessidade de efectuar escalas e o pessoal de terra e, pelo menos, parte do equipamento de suporte era transportado no mesmo voo.

Porra, caí da cama, devia 'tar a sonhar!  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: paraquedista em Setembro 19, 2016, 04:38:22 pm
Finalmente encontrei o Despacho do MDN, datado de 16 de Junho de 2016:

Citar
Despacho 7859/2016

Considerando que o Programa de Modernização do Sistema de Armas C-130H é imprescindível para o cumprimento dos requisitos impostos pelas autoridades competentes e, designadamente, pelos Regulamentos de Execução da Comissão Europeia relativos ao Céu Único Europeu, e tem como objetivo a sustentação e modernização destes meios assegurando a sua operacionalidade até 2030;

Considerando que, no âmbito do programa de implementação do Céu Único Europeu (Single European Sky - SES), e conforme autorizado pelo meu Despacho 1752/2016, de 5 de janeiro, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 24, de 4 de fevereiro, a Força Aérea candidatou-se aos Fundos de Coesão da Comissão Europeia (SESAR), para apoio ao projeto de modernização do C-130H;

Considerando que a complexidade e os aspetos técnicos, operacionais e logísticos que caracterizam o programa de modernização dos C-130H, bem como o seu calendário de execução, aconselham a que o programa seja implementado através do mecanismo Foreign Military Sales (FMS) dos Estados Unidos da América (EUA), frequentemente utilizado pelos Estados membros da União Europeia para aquisição e modernização dos seus sistemas de armas, em particular, os de fabrico norteamericano;

Considerando também que as aquisições de equipamento, bem como as aquisições de empreitadas e as aquisições de serviços efetuadas por um governo a outro governo se encontram excluídas do âmbito de aplicação da diretiva comunitária que regula a contratação pública nos domínios da defesa e da segurança, enquadrando-se na exclusão prevista Na eventualidade de ausência simultânea de todas as trabalhadoras antes referidas, a substituição far-se-á tendo em conta o que para o efeito dispõe o artigo 42.º do Novo Código de Procedimento Administrativo.

4 - Produção de efeitos O presente despacho produz efeitos à data de 01 de abril de 2016, ficando, por este meio, ratificados todos os atos e despachos entretanto praticados sobre as matérias ora objeto de delegação:

Fica, pelo presente despacho, revogado o despacho de delegação de competências de 22 de setembro de 2015.

12 de maio de 2016. - O Chefe do Serviço de Finanças de Feira 1, Manuel Augusto Gomes dos Santos.

209641303

Serviços Sociais da Administração Pública Aviso 7532/2016 Lista unitária de ordenação final relativa ao procedimento concursal comum aberto pelo aviso 3434/2016:

1 Técnico Superior para a Divisão de Pessoal e Beneficiários, Relações Públicas

1 - Nos termos dos n.os 4 e 6 do artigo 36.º Portaria 83-A/2009, de 22 de janeiro, na sua redação atual, notificam-se os candidatos da lista unitária de ordenação final homologada por meu despacho de 02/06/2016:

17,10 16,00 13,80 na alínea f) do n.º 2 do artigo 5.º do Decreto Lei 104/2011, de 6 de outubro, que transpôs para o ordenamento jurídico nacional a Diretiva 2009/81/CE de 13 de julho;

Considerando que o financiamento do programa de modernização do sistema de armas C-130H se encontra devidamente assegurado pelas verbas inscritas na Capacidade

«
Serviços Centrais - Transporte Aéreo (TPT) Estratégico, Tático e Especial
» da Lei de Programação Militar (LPM), aprovada pela Lei Orgânica 7/2015, de 18 de maio;
Nos termos das competências que me estão cometidas pelas alíneas h) e o) do n.º 3 do artigo 14.º da Lei de Defesa Nacional, aprovada pela Lei Orgânica 1-B/2009, de 7 de julho, alterada e republicada pela Lei Orgânica 5/2014, de 19 de agosto, e pelo n.º 1 do artigo 2.º da LPM, e ao abrigo das disposições conjugadas constantes da alínea c) do n.º 3 do artigo 17.º do Decreto Lei 197/99, de 8 de junho, mantido em vigor pela alínea f) do n.º 1 do artigo 14.º do Decreto Lei 18/2008, de 29 de janeiro, que aprovou o Código dos Contratos Públicos (CCP), dos artigos 36.º e 38.º do referido CCP, aplicáveis por força do artigo 73.º do Decreto Lei 104/2011, de 6 de outubro, e da alínea f) do n.º 2 do artigo 5.º deste diploma, determino o seguinte:

1 - Autorizo o procedimento de formação contratual junto do Foreign Military Sales (FMS) do Governo dos Estados Unidos da América (EUA), tendo em vista a contratação do Programa de Modernização das cinco (5) aeronaves C-130H operadas pela Força Aérea Portuguesa, bem como a respetiva despesa até ao montante máximo de 29 milhões de euros, com IVA incluído, a suportar pelas verbas inscritas na Lei de Programação Militar (LPM), aprovada pela Lei Orgânica 7/2015, de 18 de maio, na Capacidade Serviços Centrais - Transporte Aéreo (TPT) Estratégico, Tático e Especial, de acordo com os seguintes limites anuais:

a) No ano de 2016 - 5.500.000,00 €;

b) No ano de 2017 - 4.500.000,00 €;

c) No ano de 2018 - 6.600.000,00 €;

d) No ano de 2019 - 6.300.000,00 €;

e) No ano de 2020 - 3.500.000,00 €;

f) No ano de 2021 - 1.100.000,00 €;

g) No ano de 2022 - 600.000,00 €;

h) No ano de 2023 - 900.000,00 €.

2 - Os montantes fixados no número anterior incluem o financiamento da comparticipação nacional relativa ao programa de modernização dos C130H, abrangidos pelos montantes máximos anuais aprovados pelo meu Despacho 1752/2016, de 5 de janeiro, publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 24, de 4 de fevereiro.

3 - Os montantes fixados no número um para cada ano económico são acrescidos do saldo apurado na execução orçamental do ano anterior.

4 - Aprovo a minuta de Letter of Request (LOR) e respetivos anexos, na versão anexa à Informação n.º 852, de 30 de maio de 2016, da Direção-Geral de Recursos da Defesa Nacional e Força Aérea Portuguesa.

5 - Ao abrigo dos artigos 44.º e 46.º do Código do Procedimento Administrativo, aprovado pelo Decreto Lei 4/2015, de 7 de janeiro, delego, com faculdade de subdelegação, no Chefe do EstadoMaior da Força Aérea, General Manuel Teixeira Rolo, as competências para assinar a referida LOR e formalizar o início do procedimento junto do FMS/EUA, bem como para praticar os demais atos necessários à condução do procedimento.

6 - É constituída uma equipa de avaliação e negociação do acordo a celebrar entre o governo Português e o governo dos Estados Unidos da América, a qual é composta pelos seguintes elementos da Força Aérea Portuguesa (FA) e da DireçãoGeral de Recursos da Defesa Nacional (DGRDN):

a) BGen/ENGEL/029398-K José Manuel Dos Santos Vicêncio (FA), na qualidade de Diretor do Programa;

b) Cor/JUR/037785-G Fernando Vitório Frazão (FA);

c) Cor/ENGEL/119920-L João António Campos Rocha (FA);

d) TCor/PILAV/095498-F João Miguel Ribeiro Conde ou TCor/ PILAV/090006-A Jorge Flávio da Silva Gonçalves (FA), participando apenas um deles, em cada fase de processo, consoante as necessidades técnicas requeridas;

e) TCor/ADMAER/105123-H António Manuel Lima Vaz Fernandes Cravo (FA);

(DGRDN);

(DGRDN).

f) TCor/ENGAER/106154-C Rui Miguel Morais de Magalhães

g) CAP/ENGEL/132076-K Fernando Miguel da Costa Sequeira Leitão

7 - A equipa referida no número anterior apresentará, junto do Diretor-Geral de Recursos da Defesa Nacional, um relatório de avaliação do processo e os termos e condições da proposta de Letter of Offer and Acceptance (LOA) negociada com o governo dos EUA.

8 - A DireçãoGeral de Recursos da Defesa Nacional submeterá ao Ministro da Defesa Nacional informação acompanhada de proposta de LOA a outorgar entre Portugal e os Estados Unidos.

9 - O presente despacho produz efeitos na data da sua assinatura. 1 de junho de 2016. - O Ministro da Defesa Nacional, José Alberto de Azeredo Ferreira Lopes.

209645184

O discurso do Ministro mudou um pouco, depois da epoca de incendios e das declaracoes do Primeiro Ministro...na audicao da Comissao de Defesa, disse que apesar de a modernizacao dos C130 ir avancar, e preciso comecar a pensar no seu substituto para 2025 (e nao 2030 como esta no texto deste despacho) e que um dos avioes que esta ser considerado demora 28 meses desde a assinatura do contracto, ate a entrega do primeiro aviao...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: OPCOM em Setembro 19, 2016, 06:33:32 pm
Com quatro desses e mais dois A330 MRTT (podíamos comprar dois aparelhos à TAP e convertê-los como parte do pacote dos A400) ficávamos bem servidos. Os MRTT podiam, por exemplo, fazer transporte VIP, transportar algum equipamento e o pessoal das FND em melhores condições de conforto face aos C-130 actuais. Podíamos deslocar uma força de 4 ou 6 F-16 para a Islândia, ou para o Báltico, sem necessidade de efectuar escalas e o pessoal de terra e, pelo menos, parte do equipamento de suporte era transportado no mesmo voo.

Porra, caí da cama, devia 'tar a sonhar!  ;D
A TAp está a vender A330?
Ou é agente/importador? ::) ::) ::) ::)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Setembro 19, 2016, 09:25:55 pm

A TAp está a vender A330?
Ou é agente/importador? ::) ::) ::) ::)

Acho que é mais tunings, mas às vezes facilita outras coisas.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: AzimuteDefesa em Outubro 26, 2016, 12:46:26 pm
Citar
Comunicado Força Aérea – Conclusão das averiguações do Acidente com aeronave C-130H

Acidente com aeronave C-130H: conclusão das averiguações Uma vez terminados os procedimentos de averiguação relativos ao acidente ocorrido com uma aeronave C-130H, em 11 de julho de 2016, na Base Aérea nº 6 (BA6), no Montijo, que motivou três vítimas mortais, um ferido grave e três feridos ligeiros, cumpre à Força Aérea informar quanto às conclusões obtidas:

Ler Mais: http://www.azimutedefesa.com/2016/10/26/comunicado-forca-aerea-conclusao-das-averiguacoes-do-acidente-com-aeronave-c-130h/
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Novembro 05, 2016, 12:12:52 pm
The Royal Air Force (RAF) has 24 C-130Js in its inventory, which are currently due for retirement in 2022. It has been suggested that some might be kept in service for special forces use, and Lockheed Martin's proposal is that a palletised mission kit might be a good option for the UK.

Mais 5 anos, e temos 24 C-130J disponiveis em 2º mão.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: sivispacem em Novembro 05, 2016, 02:53:18 pm
The Royal Air Force (RAF) has 24 C-130Js in its inventory, which are currently due for retirement in 2022. It has been suggested that some might be kept in service for special forces use, and Lockheed Martin's proposal is that a palletised mission kit might be a good option for the UK.

Mais 5 anos, e temos 24 C-130J disponiveis em 2º mão.

Duvido muito que esses J estejam em devidas condições ou com uma vida das células por muito mais tempo. Têm sido submetidos e uma utilização intensa nos diferentes teatros onde o RU tem estado envolvido nos últimos anos e não se fazem milagres.

E comprar mais A-7 mas agora de carga não me parece que seja boa política.....
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Novembro 05, 2016, 07:29:08 pm
The Royal Air Force (RAF) has 24 C-130Js in its inventory, which are currently due for retirement in 2022. It has been suggested that some might be kept in service for special forces use, and Lockheed Martin's proposal is that a palletised mission kit might be a good option for the UK.

Mais 5 anos, e temos 24 C-130J disponiveis em 2º mão.

Duvido muito que esses J estejam em devidas condições ou com uma vida das células por muito mais tempo. Têm sido submetidos e uma utilização intensa nos diferentes teatros onde o RU tem estado envolvido nos últimos anos e não se fazem milagres.

E comprar mais A-7 mas agora de carga não me parece que seja boa política.....

Ainda têm muita vida útil pela frente...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Novembro 05, 2016, 08:29:03 pm
E parece que os querem manter até, pelo menos, 2030.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Dezembro 09, 2016, 12:29:56 am
Ainda se fala em comprar C130 no osso para a FAP?? o KC-390 começa a ser produzido em série entre fins de 2017 e começo de 2018.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Dezembro 09, 2016, 10:01:22 am
Ainda se fala em comprar C130 no osso para a FAP?? o KC-390 começa a ser produzido em série entre fins de 2017 e começo de 2018.
Os que a FAB adquiriu aos Italianos em 2001 estavam no osso? Foram modernizados em 2007 e em 2017 já vão ser retirados de serviço?
Citar
Com o objetivo de tornar a frota de nossos C-130 mais homogênea e preparada para a realização das missões de transporte de carga e de tropa, foi firmado contrato para a modernização das 10 aeronaves oriundas da aeronáutica militar italiana, abrangendo, principalmente, os sistemas de aviônica e de autodefesa. Tal atividade está em pleno andamento, com duração prevista até o final de 2007. Os serviços estão sendo realizados nas instalações do PAMA-GL Parque de Material Aeronáutico do Galeão, no Rio de Janeiro, RJ, em parceria com a empresa norte-americana Astronautics Corp. O objetivo é substituir todos os equipamentos obsoletos, da década de 60 e, instalar sistemas digitais modernos, tipo "Glass Cockpit", necessários ao cumprimento de normas e acordos internacionais de aviação. A modernização cobre a aviônica na sua totalidade, sendo substituídos por novos sistemas, tais como, o piloto automático, radar, FMS, sistemas de navegação e comunicação digital, motor, além de sistemas de defesa, detecção e dispersão.

http://www.rudnei.cunha.nom.br/FAB/br/c-130.html (http://www.rudnei.cunha.nom.br/FAB/br/c-130.html)
(http://55ca7cd0-f8ac-0132-1185-705681baa5c1.s3-website-sa-east-1.amazonaws.com/defesanet/site/upload/news_image/2012/05/7612.jpg)
Além disso, mesmo com o Gripen Ng planificado para 2018, a Fab em 2016 ainda recebeu mais dois F5, sendo que a frota está capacitada para no minimo estar em serviço até 2020...  ;)
Citar
A Força Aérea Brasileira (FAB) receberá dois aviões F-5F Tiger II modernizados em novembro de 2016. O Brasil originalmente comprou 11 aviões da Jordânia em 2007 para completar sua frota de F-5.

Estima-se que o Brasil tenha 57 jatos F-5 no total. As aeronaves estão sendo modernizadas para manterem-se em serviço até 2020.

Os aviões modernizados, designados de F-5EM e F-5FM, receberam o radar Grifo F-BR, cockpit HOTAS, três displays multifuncionais, capacidade adicional de armas, receptor de alerta radar e uma suíte de contramedidas eletrônicas. Os F-5 também recebem sonda de reabastecimento em voo.

http://www.aereo.jor.br/2016/03/08/fab-recebera-mais-dois-cacas-f-5f-modernizados-em-2016/ (http://www.aereo.jor.br/2016/03/08/fab-recebera-mais-dois-cacas-f-5f-modernizados-em-2016/)
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2011/05/F-5FM.jpg)

Saudações


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 03, 2017, 04:05:10 pm
Com a proposta à Nova Zelândia pelo Japão do novo C-2 chamou-me a atenção a capacidade de carga do mesmo.

Não seria este uma boa opção?

(https://s29.postimg.org/nmbx0hcdj/Captura_de_ecra_2017_01_03_a_s_15_57_40.png)

Preço unidade: 136 milhões (aproximado)

Preço do KC 390: 86 milhões
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Janeiro 03, 2017, 04:51:17 pm
Comparado com o japa aí o KC é coisa de moleque memo...  8)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 03, 2017, 04:59:23 pm
Esqueci-me da parte gráfica :)

(https://thaimilitaryandasianregion.files.wordpress.com/2015/11/19057741.jpg)

(http://www.military-today.com/aircraft/kawasaki_c2_l4.jpg)

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 03, 2017, 10:15:40 pm
Calma que já vem algum clone dizer que as medidas, carga, envergadura (se souberem  ;D), etc, etc, é dos tempos dos cruzados. Ou então que os japoneses são vigaristas e o resto da malta tem má fé no Kc 390... 8) ::)

Cumprimentos

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 03, 2017, 10:26:03 pm
Esquecendo clones..

fazendo um cálculo frio o custo do C-2 são 3,62 milhões por tonelada de carga enquanto que do KC-390 são 3,74 milhões..

Parece mais caro, mas acaba por ficar mais barato. Agora, manutenção e afins são contas que eu não consigo fazer.

apenas me pareceu uma boa alternativa com a grande diferença que o C-2 já vai em mais de 5 anos de testes e uso na FA Nipónica, enquanto que o KC apenas está na fase inicial.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 04, 2017, 01:28:42 pm
O C-2 é equivalente ao A400M, só que em vez de 4 motores turbo-helice tem 2 motore turbo-fan.

Não interessa o preço por tonelada porque ele não vai andar sempre com a carga completa, nem a FAP recebe por tonelada do que transporta tipo companhia aérea, também podiamos usar o preço por pessoa transportada para quando andam a levar militares de um lado para o outro, para mim o preço que interessa é quantos C-2 e KC-390 se compram com o mesmo dinheiro, se usarmos estes valores como referencia.

Citar
Preço unidade: 136 milhões (aproximado) (C-2)

Preço do KC 390: 86 milhões

6 KC-390 = 6x86 milhões = 516 milhões

516 milhões / 136 milhões = 3.79 C-2
3 C-2 = 3x 136 milhões = 408 milhões
4 C-2 = 4x136 milhões = 544 milhões

Com esses valores conclui-se que o dinheiro de 6 KC-390 não é suficiente para comprar 4 C-2 Japoneses.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Janeiro 04, 2017, 02:38:58 pm
Mas então nesse caso acho que faltam uns custos a adicionar a esse preço: material de manutenção, material de apoio, manuais, software, treino de tripulações, treino de pessoal de terra, etc.

Há que ter cuidado com essa análise de quantos aparelhos é que se compram por X porque volta e meia aparecerem muitos custos escondidos e depois mais tarde é preciso estar a tirar o orçamento a outros projectos para financiar este ou as aeronaves acabam por não voar as horas todas necessárias porque ficam muito caras de operar.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 05, 2017, 10:35:55 am
E porque não um misto de C130 (4 por exemplo) e dois aviões a jacto para longas distâncias (tipo Kc390 ou C2)? O encargo de manutenção e tripulações seria tanto assim? É que normalmente existe dinheiro (e verbas altíssimas), para tudo menos para as Forças Armadas...  :N-icon-Axe:
(https://www.flightglobal.com/assets/getasset.aspx?itemid=56365)
(http://forum.keypublishing.co.uk/attachment.php?attachmentid=137541&d=1155302306)

http://suryamalam.blogspot.pt/2016/03/kawasaki-c-2-medium-range-tactical.html (http://suryamalam.blogspot.pt/2016/03/kawasaki-c-2-medium-range-tactical.html)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Janeiro 05, 2017, 05:28:19 pm
E porque não um misto de C130 (4 por exemplo) e dois aviões a jacto para longas distâncias (tipo Kc390 ou C2)? O encargo de manutenção e tripulações seria tanto assim? É que normalmente existe dinheiro (e verbas altíssimas), para tudo menos para as Forças Armadas...  :N-icon-Axe:

(http://ep01.epimg.net/verne/imagenes/2016/02/01/articulo/1454340346_040196_1454399691_sumario_normal.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Janeiro 05, 2017, 09:36:38 pm
E porque não um misto de C130 (4 por exemplo) e dois aviões a jacto para longas distâncias (tipo Kc390 ou C2)? O encargo de manutenção e tripulações seria tanto assim? É que normalmente existe dinheiro (e verbas altíssimas), para tudo menos para as Forças Armadas...  :N-icon-Axe:

(http://ep01.epimg.net/verne/imagenes/2016/02/01/articulo/1454340346_040196_1454399691_sumario_normal.jpg)

Epá eu não sei onde está a piada mas gostava de saber....para me rir também.

Até acho que a termos aeronaves com maior capacidade de carga deveriam ser dois C17 Globemaster complementados com quatro C130 e nada de KC390, acfts por acfts que se comprem os que já tem provas dadas nada de compras de aeronaves como alguns advogam que são o melhor dos melhores mas, mas, mas, ainda não largaram os cueiros!!!!

O C2 Nipónico seria, a meu ver, uma excelente opção para a FAP !!

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Janeiro 05, 2017, 09:38:14 pm
E porque não um misto de C130 (4 por exemplo) e dois aviões a jacto para longas distâncias (tipo Kc390 ou C2)? O encargo de manutenção e tripulações seria tanto assim? É que normalmente existe dinheiro (e verbas altíssimas), para tudo menos para as Forças Armadas...  :N-icon-Axe:
(https://www.flightglobal.com/assets/getasset.aspx?itemid=56365)
(http://forum.keypublishing.co.uk/attachment.php?attachmentid=137541&d=1155302306)

http://suryamalam.blogspot.pt/2016/03/kawasaki-c-2-medium-range-tactical.html (http://suryamalam.blogspot.pt/2016/03/kawasaki-c-2-medium-range-tactical.html)

Saudações

Em termos de capacidade de carga/autonomia o C390 ao pé do C2 é um menino !!!!!!

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Janeiro 05, 2017, 09:40:07 pm
C2:

Engines and performance
The Kawasaki C-2 is powered by two GE CF6-80C2K1F engines designed and manufactured by General Electric Aviation. Each engine can produce a maximum of 266kN thrust. It is equipped with a single fan, four-stage low pressure and 14-stage high pressure axial compressor, five-stage low pressure turbine, dual stage high pressure turbine and annular combustor. The engine is 4.26m long and 2.69m in diameter. The dry weight of the engine varies between 4,300kg and 4,472kg.
The C-2 can fly at a maximum speed of 890km/h. The maximum and ferry ranges of the aircraft are 6,500km and 10,000km respectively. The service ceiling is 12,200m.

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/kawasaki_c2_l1_zpsfilicgcx.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/kawasaki_c2_l1_zpsfilicgcx.jpg.html)

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/kawasaki_c2_l5_zpsr3stx7xf.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/kawasaki_c2_l5_zpsr3stx7xf.jpg.html)

 Specifications (C-2)
General characteristics
Crew: 3: 2 pilots, 1 loadmaster
Capacity:
Field Operation System or
Truck Crane or
8 463L Pallets or
1 UH-60JA helicopter or
1 Maneuver Combat Vehicle wheeled tank destroyer

 Payload: 37,600 kg (37.6 tonnes) (84,000 lb)
Length: 43.9 m (144 ft)
Wingspan: 44.4 m (145 ft 8 in)
Height: 14.2 m (46 ft 7 in)
Empty weight: 60,800 kg (133,920 lb)
Max. takeoff weight: 141,400 kg (311,734 lb)
Powerplant: 2 × GE CF6-80C2K1F, 59,740 lbf (266 kN) each

 Performance
Maximum speed: Mach 0.82 (570 mph, 917 km/h) [44]
Cruise speed: Mach 0.8 (550 mph, 890 km/h)
Range: 7,600 km w/ 20t, 5,700 km w/ 30t, 4,500 km w/ 36t (4,100 nm w/ 20t, 3,070 nm w/ 30t, 2,430 nm w/ 36t) [44]
Ferry range: 9,800 km (5,300 nm) [44]
Service ceiling: 40,000 ft (12,200 m)

(http://i1357.photobucket.com/albums/q745/jolumeme/kawasaki_c2_l2_zps49jzx54q.jpg) (http://s1357.photobucket.com/user/jolumeme/media/kawasaki_c2_l2_zps49jzx54q.jpg.html)

https://en.wikipedia.org/wiki/Kawasaki_C-2

KC390 :

General characteristics
Crew: 2
Capacity: [17]
80 passengers or
64 airborne troops or
6 pallets (68" X 108") or
74 litter patients with 2 medical personnel or
2-3 Humvee and Agrale Marruá or an Astros II MLRS or a LAV III and VBTP-MR Guarani[73]
Cargo compartment: Length 17.75 m X width 3.45 m X height 2.9 mPayload: 26 tons (59,500 lb)
Length: 33.43 m (109 ft, 8 in)
Wingspan: 33.94 m (111 ft,4 in)
Height: 11.43 m (37 ft 6 in)
Loaded weight: 74.0 tonnes (163,142 lb)
Max. takeoff weight: 81.0 tonnes (178,574 lb)
Powerplant: 2 × IAE V2500-E5 turbofan, 139.4 kN[74] (31,330 lbf) each

Performance
Maximum speed: Mach 0.8 (470 knots, 850 km/h, 541 mph)
Range: 2,730 nmi (with 14 ton payload)

Range with full payload (Distributed): 1,520 nmi (23 ton payload)
Range with full payload (Concentrated): 1,140 nmi (26 ton payload)
Ferry range: 3,310 nmi (wing fuel), 4,600 nmi (fuselage tanks)
Service ceiling: 36,000 ft (10,973 m)

Nada a ver em termos de capacidade de payload/autonomia o C2 é uma aeronave a ter em conta, sem dúvida !!
Para um Payload de 23 tons o C2 apenas tem o dobro da autonomia !!!

Abraços

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Janeiro 06, 2017, 10:05:58 am
E porque não um misto de C130 (4 por exemplo) e dois aviões a jacto para longas distâncias (tipo Kc390 ou C2)? O encargo de manutenção e tripulações seria tanto assim? É que normalmente existe dinheiro (e verbas altíssimas), para tudo menos para as Forças Armadas...  :N-icon-Axe:

(http://ep01.epimg.net/verne/imagenes/2016/02/01/articulo/1454340346_040196_1454399691_sumario_normal.jpg)
Bem dito, bem certo. Cá está...  ;D ::)

(http://rs724.pbsrc.com/albums/ww244/Samantha_Sky/IDIOT.jpg~c200)

Saudações e dois C2 para Portugal  ;) :D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: MALUCOdasFOTOS em Janeiro 31, 2017, 01:56:13 pm
Pessoal, eu aproveito para deixar este belo vídeo do avião nipônico C-2 Kauazakis, pelo que se comenta por aqui, provável futura aquisição como transportador estratégico para a FAP. Portugal será o segundo país do mundo a incorporar o C-2 em suas fileiras aéreas.


É claro que outros meios complementares seriam necessários, opções no mercado mundial não faltam, neste caso teria que ser necessariamente um modelo turboproper, podendo ser o já consagrado C130J ou mesmo o chinês Y-9  Shaanxi.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Janeiro 31, 2017, 02:16:41 pm
Pessoal, eu aproveito para deixar este belo vídeo do avião nipônico C-2 Kauazakis, pelo que se comenta por aqui, provável futura aquisição como transportador estratégico para a FAP. Portugal será o segundo país do mundo a incorporar o C-2 em suas fileiras aéreas.

É claro que outros meios complementares seriam necessários, opções no mercado mundial não faltam, neste caso teria que ser necessariamente um modelo turboproper, podendo ser o já consagrado C130J ou mesmo o chinês Y-9  Shaanxi.

A Força Aérea Portuguesa/governo nunca equacionou adquirir esta aeronave, nem substituir 1 tipo de aeronave por 2 tipos diferentes, isto foi só uma ideia de um admirador.
Muito provavelmente, não o iremos adquirir.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Crypter em Janeiro 31, 2017, 04:36:53 pm
A Força Aérea Portuguesa/governo nunca equacionou adquirir esta aeronave, nem substituir 1 tipo de aeronave por 2 tipos diferentes, isto foi só uma ideia de um admirador.
Muito provavelmente, não o iremos adquirir.

Yup! That's me! E não.. ainda não mando nas listas de compras das FA (Ai se mandasse..)  :snipersmile:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 01, 2017, 04:06:00 pm
A Força Aérea Portuguesa/governo nunca equacionou adquirir esta aeronave, nem substituir 1 tipo de aeronave por 2 tipos diferentes, isto foi só uma ideia de um admirador.
Muito provavelmente, não o iremos adquirir.

Yup! That's me! E não.. ainda não mando nas listas de compras das FA (Ai se mandasse..)  :snipersmile:

Pois, aí é que está o problema. Se eu mandasse, adquiríamos 3 C-295W, modernizávamos os doze C-295M igualmente para este padrão, 2 C-130J e 2 C-130J-30, e 3 A400M daqueles que os espanhóis não vão querer. Se eu mandasse, pois claro...  :G-Ok:


P.S. Até que ponto o proteccionismo norte-americano de Donald Trump poderá ser prejudicial ao projecto KC-390?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 11, 2017, 08:32:10 pm
Avião brasileiro desenvolvido em Portugal pode equipar força aérea

http://www.rtp.pt/noticias/pais/aviao-brasileiro-desenvolvido-em-portugal-pode-equipar-forca-aerea_v982254#
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Fevereiro 11, 2017, 11:28:30 pm
Continuo a pensar, que o C-130J cairá cá de novo... Ou como estamos com o PS cá, uma surpresa tipo A-400 M-
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 12, 2017, 12:07:01 am
Eu acho que o que importa ao PS, ou a qualquer governo português, é quem é que mete dinheiro em Portugal, é a Airbus, é a Lockheed, é a Embraer?

Somos amigos de toda a gente principalmente dos que meterem cá dinheirinho...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: ARIES em Fevereiro 12, 2017, 11:30:02 am
http://www.defensa.com/frontend/defensa/alemania-planea-crear-pool-aviones-transporte-a400m-sobrantes-vn20658-vst157
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Fevereiro 12, 2017, 01:25:54 pm
Avião brasileiro desenvolvido em Portugal pode equipar força aérea

http://www.rtp.pt/noticias/pais/aviao-brasileiro-desenvolvido-em-portugal-pode-equipar-forca-aerea_v982254#

Não vamos fingir-nos ingénuos mas estas reportagens caídas do nada não são inocentes. Continuando a patranha de que a aeronave da Embraer é desenvolvida em Portugal. Mas como estamos na era do chamado pós-verdade e das mentiras repetidas tantas vezes que se tornam "verdades". Obviamente que isto tem o dedinho dos brasileiros para tentar que aconteça a 1ª encomenda fora de portas até nem se importando que digam o disparate/tanga do KC-390 ser desenvolvido pelos indígenas.

Passou completamente despercebido das pessoas uma entrevista dada a uma TV de cá (mas volto de novo a reproduzir aqui). Em que a "sentença" do substituto dos C-130 já foi dada. Através do CEO da airbus Military que afirmou que está convicto que Portugal irá optar pelo A400M porque não faria sentido outra coisa. Acrescentando que estar na Europa não é só usufruir de todas as suas vantagens e ajudas não partilhando outros situações não era próprio de um país membro da UE. O que eu concordo inteiramente.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Fevereiro 12, 2017, 02:38:15 pm
Avião brasileiro desenvolvido em Portugal pode equipar força aérea

http://www.rtp.pt/noticias/pais/aviao-brasileiro-desenvolvido-em-portugal-pode-equipar-forca-aerea_v982254#

Não vamos fingir-nos ingénuos mas estas reportagens caídas do nada não são inocentes. Continuando a patranha de que a aeronave da Embraer é desenvolvida em Portugal. Mas como estamos na era do chamado pós-verdade e das mentiras repetidas tantas vezes que se tornam "verdades". Obviamente que isto tem o dedinho dos brasileiros para tentar que aconteça a 1ª encomenda fora de portas até nem se importando que digam o disparate/tanga do KC-390 ser desenvolvido pelos indígenas.

Passou completamente despercebido das pessoas uma entrevista dada a uma TV de cá (mas volto de novo a reproduzir aqui). Em que a "sentença" do substituto dos C-130 já foi dada. Através do CEO da airbus Military que afirmou que está convicto que Portugal irá optar pelo A400M porque não faria sentido outra coisa. Acrescentando que estar na Europa não é só usufruir de todas as suas vantagens e ajudas não partilhando outros situações não era próprio de um país membro da UE. O que eu concordo inteiramente.

Cenário possível mas algo improvável pelos custos envolvidos e atento o momento que vivemos.

Ao comprarmos os C-295 já fizemos a nossa quota parte ou não?

Por essa ordem de ideias iriamos comprar EF2000 ou Rafales o que não aconteceu (infelizmente)


A acompanhar, todas as soluções têm vantagens e desvantagens, mas em todos os cenários ficaremos melhor servidos que atualmente.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Fevereiro 12, 2017, 02:57:58 pm
Está a comparar coisas incomparáveis.
O que você está a dizer é como já compramos o C-295 porque é europeu (e fizemos-lhes esse "favor") , não somos mais obrigados a comprar nada a esses tipos e já podemos ir agora fazer asneiras à vontade. E ir por exemplo comprar o KC-390? É isso?
A opção pelo C-295 foi uma opção natural. Um avião já devidamente testado e utilizado por outros parceiros da NATO. A única opção a este no mercado era o C-27J (bastante mais caro). Daí a opção ter sido o avião espanhol, que é uma excelente aeronave. Embora o C-27J tenha um desempenho superior.
Penso que essa conversa que foi buscar do Rafale e do EF2000 foi só para desconversar. Não foi? Tipo estrada da beira com beira da estrada. É que tem tudo a ver!

Se você gosta e acha bem o governo português optar pelo avião brasileiro que é ainda uma perfeita incógnita e tem um raio de acção minúsculo. Respeito e está no seu direito. Mas por favor tente usar outro argumentário.
Saudações


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 12, 2017, 03:42:17 pm
Duvido que não venha o C130J para substituir o H (ressalvando as diferenças entre os modelos em questão, já é um aparelho que a Força Aérea conhece bem e a manutenção é feita por cá).  E se calhar a FAP fica-se por aqui (com tanta falta de guito) ... :P

(https://www.shephardmedia.com/media/images/article/c130j_3.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Fevereiro 12, 2017, 04:07:18 pm
Está a comparar coisas incomparáveis.
O que você está a dizer é como já compramos o C-295 porque é europeu (e fizemos-lhes esse "favor") , não somos mais obrigados a comprar nada a esses tipos e já podemos ir agora fazer asneiras à vontade. E ir por exemplo comprar o KC-390? É isso?
A opção pelo C-295 foi uma opção natural. Um avião já devidamente testado e utilizado por outros parceiros da NATO. A única opção a este no mercado era o C-27J (bastante mais caro). Daí a opção ter sido o avião espanhol, que é uma excelente aeronave. Embora o C-27J tenha um desempenho superior.
Penso que essa conversa que foi buscar do Rafale e do EF2000 foi só para desconversar. Não foi? Tipo estrada da beira com beira da estrada. É que tem tudo a ver!

Se você gosta e acha bem o governo português optar pelo avião brasileiro que é ainda uma perfeita incógnita e tem um raio de acção minúsculo. Respeito e está no seu direito. Mas por favor tente usar outro argumentário.
Saudações

Vernham eles, mas mais do que 3, como estava planeado em 2001...

Com 5 já ficavamos bem servidos, + os 12 C-295M..A ver se a questão "do combate aéreo aos incêndios" não pesa na decisão...  8)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Fevereiro 12, 2017, 04:45:14 pm
P.S. Até que ponto o proteccionismo norte-americano de Donald Trump poderá ser prejudicial ao projecto KC-390?

Você tem toda razão, e a Embraer como terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, já está ciente desta nova variável, o efeito Trump e seu "Make in América" estão fazendo com que a empresa adote medidas que contemplem essa situação inaudita.

O Brasil é um país pragmático, nossa diplomacia não é muito dada a arroubos movidos por algum tipo de emoção, compadrio ou mesmo ideologia, sabemos onde está o dinheiro, sabemos quem tem poder econômico e poder político, este consequência do primeiro.

O atual Itamaraty tem dado total prioridade às relações econômicas, um pragmatismo econômico que é histórico desde José Maria da Silva Paranhos Júnior, ele trilhou esse caminho, caminho este que seus seguidores nunca abandonaram. O mercado norte americano é de total prioridade para o Brasil, é o maior mercado para os produtos brasileiros, é o maior mercado para os produtos da Embraer. A Embraer está no mercado norte americano desde o Bandeirante.

Então dado nossas relações históricas e seculares com o gigante do norte, dado que o gigante do norte é o maior parceiro comercial do Brasil, e dado a nova variável que se apresenta com a eleição do Senhor Presidente Donald John Trump, faz-se necessário um importante rearranjo no programa KC-390, qual seja, que a linha de produção do avião cargueiro Embraer KC-390 seja transferida sem maiores delongas para os Estados Unidos da América, é o que já esta sendo providenciado, aliás.

Os Estados Unidos foram o primeiro país do mundo a reconhecerem  a nossa independência, e a primeira viajem internacional do imperador Dom Pedro II foi aos Estados Unidos.

A linha de montagem do KC-390 deve ir para Melbourne Florida, Sierra Nevada Corporation (SNC), onde a Embraer Defesa & Segurança já fabrica conjuntamente o A-29 Super Tucano, ou para  Everett, estado de Washington.

Sobre o C130J-30 Super Hércules, quando ele for capaz de levantar voo com 26/27 toneladas dentro do seu compartimento de carga, a gente conversa, só que eu acho que ele vai se desintegrar antes.



Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 12, 2017, 05:16:15 pm
Eu acho que o que importa ao PS, ou a qualquer governo português, é quem é que mete dinheiro em Portugal, é a Airbus, é a Lockheed, é a Embraer?

Somos amigos de toda a gente principalmente dos que meterem cá dinheirinho...
Bem, a Lockheed Martin é a única "de fora" que mete dinheiro cá - e mesmo assim é dinheiro das contrapartidas. Tudo o resto é fundos comunitários e mais contrapartidas (contratado dos C-295M) no caso da Airbus.

A verdade é que somos amigos de quem mete cá dinheiro no bolso dos políticas e das elites.

Major Alverga, concordo plenamente, embora seja mais no primeiro parágrafo do seu seu primeiro post. A nossa imprensa é mais uma agência de marketing para alguns do que propriamente um meio de comunicação.

A ver se a questão "do combate aéreo aos incêndios" não pesa na decisão...  8)
Essa do combate aos incêndios é mais uma feature que os vendedores de banha da cobra foram buscar à pressa. E se percorrerem as notícias e vídeos onde começou a surgir isso facilmente vêm como foram só buscar isso para justificar a compra Z.

Na hora da aquisição é algo que nem vai ser incluído no contrato; seja em termos de compra do material necessário ou de FFBNW. Entretanto, o C-130H/J é o único com um sistema certificado e em utilização por vários países para o combate aos incêndios. Mais recentemente foram os tailandeses a adquirir essa capacidade.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 12, 2017, 07:07:04 pm
Bem, a Lockheed Martin é a única "de fora" que mete dinheiro cá - e mesmo assim é dinheiro das contrapartidas. Tudo o resto é fundos comunitários e mais contrapartidas (contratado dos C-295M) no caso da Airbus.

Mas sabe investimentos em concreto? São contrapartida porque compra? É que recentemente não lhes compramos nada, ainda é coisas do tempo dos F-16?

A Airbus sei que teve parte da OGMA mas depois vendeu tudo à Embraer, e esta ainda foi construir as fábricas de Évora. Major Alvega eu não sabia que o CEO da AirbusMilitary mandava na UE, porque é que não lhe pergunta quantos A400M tem a Itália, a Holanda, os países nórdicos e de leste, para mim ele pode dizer o que quiser, ele é um vendedor que quer vender o seu produto, mas não temos que acreditar nas historinhas todas, e ainda menos de cair nelas. O A400m tem um grande defeito que é o preço, mas se vier com desconto 50% em cartão continente, podíamos comprar uns helicópteros com esse valor :D, ai já posso olhar melhor para esse aparelho.

MajorAlvega quando diz que já podemos ir fazer asneiras à vontade está a referir-se a comprar o A400M certo?

Citar
A verdade é que somos amigos de quem mete cá dinheiro no bolso dos políticas e das elites.

Também é verdade, politicamente parece-me que os Brasileiros são os que estão primeiro (se calhar já começaram a meter dinheiro no sitio certo), eles são latinos :P e são os que mais precisam de uma venda ao exterior, os Americanos ultimamente não tem feito nada por nós (ex: Lajes) por isso ou se mexem ou não vão ter tratamento preferencial.

Militarmente, a FAP deve exigir as características do C-130, logo a não ser que diga que a aeronave tem que ser turbo-prop, o KC390 parece-me que cumpre, depois é assuntos que fogem da esfera militar como o preço, etc.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 12, 2017, 09:33:30 pm
Mas sabe investimentos em concreto? São contrapartida porque compra? É que recentemente não lhes compramos nada, ainda é coisas do tempo dos F-16?
Sim, estou a me referir às contrapartidas dos F-16 e das modernizações dos F-16 e P-3.

A Airbus sei que teve parte da OGMA mas depois vendeu tudo à Embraer, e esta ainda foi construir as fábricas de Évora.
Foi construir fábricas com ajudas do Estado e fundos comunitários.

Entretanto, temos empresas portuguesas que são subcontratadas por estas três empresas para tudo e mais alguma coisa.

Também é verdade, politicamente parece-me que os Brasileiros são os que estão primeiro (se calhar já começaram a meter dinheiro no sitio certo), eles são latinos :P e são os que mais precisam de uma venda ao exterior, os Americanos ultimamente não tem feito nada por nós (ex: Lajes) por isso ou se mexem ou não vão ter tratamento preferencial.
Basta ver as negociatas nos últimos anos que envolveram a nossa classe política e o Brasil.

Acho que nesta nova era das forças armadas, a FAP deverá apresentar as suas necessidades conforme as necessidades políticas.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 12, 2017, 10:13:58 pm
Entretanto o "tal" C130J teve um 2016...hum, interessante... ::) ;D

https://www.zacks.com/stock/news/211583/lockheed-receives-153b-c130j-super-hercules-contract (https://www.zacks.com/stock/news/211583/lockheed-receives-153b-c130j-super-hercules-contract)
Citar
Prime defense contractor Lockheed Martin Corp. (LMT - Free Report)   has nabbed a major U.S. Air Force contract for C-130J military transport aircraft. The Pentagon awarded the contractor with the $1.53 billion deal, to procure titanium and other long-lead materials required to build 28 C-130J military transport aircraft.

The latest modification contract is part of a $5.3 billion multi-year contract for 78 C-130J Super Hercules that was awarded to Lockheed Martin last December. However, the latest modification contract would fund 28 C-130Js models comprising 14 typical C-130J, 8 MC-130J special operation variants, and 5 search-and-rescue HC-130J variants.

The contract will run through July 31, 2019 and be funded by the fiscal 2016 defense budget.

The latest model in Lockheed Martin’s Hercules family – C-130J Super Hercules – is a four-engine turboprop military transport aircraft. The Hercules family has the longest continuous production run of military aircraft in history. C-130J's crew includes two pilots and one loadmaster (no navigator or flight engineer is required).

The J-model is almost similar to the classic Hercules in terms of general appearance. However, it uses updated technology like the new Rolls-Royce AE 2100 D3 turboprops with Dowty R391 composite scimitar propellers, digital avionics and needs reduced crew. These improvements boosted its performance over its C-130E/H predecessors with 40% greater range, 21% higher maximum speed and 41% shorter take-off distance.

Recently, Lockheed Martin has won a modification contract, worth $106 million, from the U.S. Air Force for the C-130J multi-year production aircraft. The contract will provide procurement funding for long-lead efforts related to 11 fiscal 2017 C-130J aircraft in the following configuration: 2 C-130J-30, 3 HC-130J, 5 MC-130J and 1 KC-130J.

Lockheed Martin is the largest U.S. defense contractor with a platform-centric focus that guarantees a steady inflow of follow-on orders from its leveraged presence in the U.S. Army, Air Force, Navy and IT programs.

In fact, the company holds significant potential given the positive budget revision for fiscal 2016 and fiscal 2017. The fiscal 2016 budget reflects an annual increase of approximately $25 billion. This is also the first increase in the annual DoD budget since 2012. Importantly, the budget represents a double-digit annual percentage increase in investment accounts to fund new equipment procurement and research and development activities.
(https://cdn1.defesaaereanaval.com.br/wp-content/uploads/2013/08/f3mhJp2.jpg)

http://www.janes.com/article/63142/lockheed-martin-awarded-usd10-billion-for-future-c-130j-production (http://www.janes.com/article/63142/lockheed-martin-awarded-usd10-billion-for-future-c-130j-production)
Citar
Lockheed Martin has been awarded USD10 billion to support all remaining C-130J Hercules production through to 18 August 2026.

The indefinite delivery/indefinite quantity (IDIQ) contract, which was announced by the US Department of Defense (DoD) on 19 August, covers both domestic and Foreign Military Sales (FMS) production of the four-engined airlifter at the company's Marietta facility in Georgia.

The DoD noted that C-130Js associated with fiscal years (FY) 2014, 2015 and 2016, including those acquired through the multi-year (MY) 2 deal, have received funding as part of this larger IDIQ contract. As explained by the US General Services Administration (GSA), "Indefinite delivery, indefinite quantity contracts provide for an indefinite quantity of services for a fixed time. They are used when GSA can't determine, above a specified minimum, the precise quantities of supplies or services that the government will require during the contract period. IDIQs help streamline the contract process and speed service delivery."

While no aircraft numbers were disclosed, a Justification and Approval (J&A) notice issued by the DoD the following day stated that an estimated 100 C-130Js for the US and FMS customers will be covered.

Production of the C-130 began in the early 1950s, with deliveries of the latest-generation C-130J beginning in 1998. The first multi-year contract for 60 US Air Force (USAF) and US Marine Corps (USMC) C/KC-130Js was announced in 2003 and ran through to 2008. On 30 December 2015, the US government announced its MY 2 contract for 78 USAF and USMC C/KC-130Js to run from 2016 to 2020.

Nations that currently operate the C-130J comprise; Australia (Royal Australian Air Force), Canada (Royal Canadian Air Force), Denmark (Royal Danish Air Force), India (Indian Air Force), Iraq (Iraqi Air Force), Israel (Israeli Air Force), Italy (Italian Air Force), Korea (Republic of Korea Air Force), Kuwait (Kuwaiti Air Force), Norway (Royal Norwegian Air Force), Oman (Royal Flight of Oman and the Royal Air Force of Oman), Qatar (Qatari Air Force), Tunisia (Tunisian Air Force), the United Kingdom (Royal Air Force), and the United States (USAF, including active duty, Air National Guard and Air Force Reserve Command; US Coast Guard; and USMC).
(http://www.janes.com/images/assets/142/63142/1487799_-_main.jpg)
Citar
A formation of US Air Force C-130Js fly towards a drop zone in North Carolina in 2013. Lockheed Martin has been awarded USD10 billion to cover production through to 2026. Source: US Air Force

E continua... https://thaimilitaryandasianregion.wordpress.com/2016/12/05/france-buys-2-c-130j-30/ (https://thaimilitaryandasianregion.wordpress.com/2016/12/05/france-buys-2-c-130j-30/)
Citar
France buys 2 C-130J-30
Leave a reply
Lockheed Martin to produce C-130J-30 aircraft for France

By Ryan Maass   |   Dec. 2, 2016 at 8:52 AM

WASHINGTON, Dec. 2 (UPI) — Lockheed Martin has received a $133.4 million contract modification to produce two U.S. government-configured C-130J-30 aircraft for France.

Work on the contract will be performed at Marietta, Ga. U.S. government officials expect the work to be done by Aug. 30, 2020. The Air Force Life Cycle Management Center at Wright-Patterson Air Force Base, Ohio, is listed as the contracting activity.

All funding for the project supports the U.S. government’s foreign military sale to France.

The C-130J-30, also known as the Super Hercules, is a stretched-out version of the C-130J military transport plane. The larger model adds 15 feet to the fuselage and increases usable space, making more room for cargo.
(https://thaimilitaryandasianregion.files.wordpress.com/2016/12/57f4d28dc3618899418b45f8.jpg?w=624)

Saudações e:

 (https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/736x/2d/90/04/2d9004dd9af2ec39c16b8c846db971da.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 12, 2017, 11:46:44 pm
Entretanto, temos empresas portuguesas que são subcontratadas por estas três empresas para tudo e mais alguma coisa.

Então acha que as 3 estão em pé de igualdade em relação a investimentos em Portugal?

Eu por acaso acho o KC390 um projecto muito interessante, mas do ponto de vista da Força Aérea deve ser um tiro no escuro, é de certeza uma aposta muito mais segura o C-130J, um avião cheio de provas dadas, que a FAP utiliza na versão H, com centenas construídos e em várias versões, o A400M admito que para mim já perdeu o "brilho", cheio de atrasos e problemas, além de acreditar que é um avião demasiado grande para as necessidades do dia-a-dia das FA, e o seu preço superior fará termos que reduzir o numero de aeronaves na esquadra.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Major Alvega em Fevereiro 13, 2017, 12:01:04 am
Bem, a Lockheed Martin é a única "de fora" que mete dinheiro cá - e mesmo assim é dinheiro das contrapartidas. Tudo o resto é fundos comunitários e mais contrapartidas (contratado dos C-295M) no caso da Airbus.

Mas sabe investimentos em concreto? São contrapartida porque compra? É que recentemente não lhes compramos nada, ainda é coisas do tempo dos F-16?

A Airbus sei que teve parte da OGMA mas depois vendeu tudo à Embraer, e esta ainda foi construir as fábricas de Évora. Major Alvega eu não sabia que o CEO da AirbusMilitary mandava na UE, porque é que não lhe pergunta quantos A400M tem a Itália, a Holanda, os países nórdicos e de leste, para mim ele pode dizer o que quiser, ele é um vendedor que quer vender o seu produto, mas não temos que acreditar nas historinhas todas, e ainda menos de cair nelas. O A400m tem um grande defeito que é o preço, mas se vier com desconto 50% em cartão continente, podíamos comprar uns helicópteros com esse valor :D, ai já posso olhar melhor para esse aparelho.

MajorAlvega quando diz que já podemos ir fazer asneiras à vontade está a referir-se a comprar o A400M certo?

Citar
A verdade é que somos amigos de quem mete cá dinheiro no bolso dos políticas e das elites.

Também é verdade, politicamente parece-me que os Brasileiros são os que estão primeiro (se calhar já começaram a meter dinheiro no sitio certo), eles são latinos :P e são os que mais precisam de uma venda ao exterior, os Americanos ultimamente não tem feito nada por nós (ex: Lajes) por isso ou se mexem ou não vão ter tratamento preferencial.

Militarmente, a FAP deve exigir as características do C-130, logo a não ser que diga que a aeronave tem que ser turbo-prop, o KC390 parece-me que cumpre, depois é assuntos que fogem da esfera militar como o preço, etc.

"MajorAlvega quando diz que já podemos ir fazer asneiras à vontade está a referir-se a comprar o A400M certo?"
- Você percebeu muito bem o que eu escrevi, por isso não é necessário responder à sua ironia.

"A Airbus sei que teve parte da OGMA mas depois vendeu tudo à Embraer, e esta ainda foi construir as fábricas de Évora. Major Alvega eu não sabia que o CEO da AirbusMilitary mandava na UE, porque é que não lhe pergunta quantos A400M tem a Itália, a Holanda, os países nórdicos e de leste, para mim ele pode dizer o que quiser, ele é um vendedor que quer vender o seu produto, mas não temos que acreditar nas historinhas todas, e ainda menos de cair nelas."

- O CEO da Airbus Military não manda na UE (é inteiramente verdade) mas o conglomerado Airbus tem a influência mais que suficiente para fazer uns contactos em Bruxelas, Berlim e Estrasburgo etc. E depois ligarem para Lisboa a darem a "ordem". Ou não sabia que estas coisas se resolviam assim?
 Na altura que a Itália, Dinamarca e Noruega tomaram a decisão pelo C-130J, o A400M ainda estava muito longe de fazer o 1º vôo e de estar disponível. E não havia o problema que existe hoje de haver A400M ás "pallettes" sem cliente final, devido haver uma redução drástica na carteira de encomendas de alguns países. E essas aeronaves vão ter de ser construidas na mesma.
E não se preocupe com o preço, porque não é esse o problema. Se for preciso Bruxelas autoriza a fazer um expediente contabilistico para resolver o sarilho dos A400M para não afectar o déficit. Não sei se fui claro consigo e olhe que não estou a falar de cor.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 13, 2017, 12:41:04 am
Então acha{s} que as 3 estão em pé de igualdade em relação a investimentos em Portugal?
Se formos ver bem ao microscópio, não. Umas receberam mais apoios comunitários e estatais que outras, umas tiveram um papel mais estratégico para expandir a indústria nacional lá fora, umas contribuíram mais para o desenvolvimento tecnológico e outras têm contratado mais serviços de empresas nacionais.

Mas como podemos ver nos últimos tempos isto dos investimentos na verdade não interessa. O que interessa é quem grita mais alto e quem consegue mais endorsements (*wink*wink*).

A400M admito que para mim já perdeu o "brilho", cheio de atrasos e problemas,
Muitos problemas do A400M advém da sua natureza multi-nação e multi-europeia e de muita politiquice entre aqueles gajos todos. Também foi uma aeronave para o qual se desenvolveu muita coisa de raiz. Depois o C-130J já tem muitas provas dadas e um programa de desenvolvimento com décadas e mais décadas, e os restantes utilizam tecnologia que hoje é off-the-shelf e que até tinha sido desenvolvida para o A400M (aqui precisava de colocar o smiley em que ele bate na própria cabeça com uma marreta). Alguns sistemas que a Cobham anda a comercializar foram desenvolvidos com o financiamento de contratos da Airbus.

além de acreditar que é um avião demasiado grande para as necessidades do dia-a-dia das FA,
Mas por outro lado traria maior capacidade para a FAP e hoje também já temos os C-295M que conseguem fazer missões que até há uns anos atrás apenas os C-130H podiam fazer.

e o seu preço superior fará termos que reduzir o numero de aeronaves na esquadra.
Acho que nesse ponto existem certas manobras que podem ser feitas. Desde aproveitar que a Alemanha e Espanha querem vender algumas das suas encomendas; a participar numa pool europeia que seria pool apenas em nome e onde ficássemos à mesma com as aeronaves para o que nos apetecesse; a obter financiamento da UE para ajudar a cobrir os custos; até comprar as primeiras unidades aos espanhóis e alemães com pouquíssimas horas de voo como aeronaves sem segunda-mão, ficando eles com as restantes encomendas que queriam vender.

Quanto às influências, isso tem muito que se diga, e tem muito que se pode analisar relativamente a geopolítica, posição estratégica e vantagens financeiras. Mas eu pessoalmente não sou da opinião que Bruxelas tenha uma influência absoluta nesta matéria. Quer porque não dão grande importância cá ao burgo ou porque têm outros trunfos na manga ao qual a Airbus poderia recorrer. E não nos vamos esquecer que a Airbus e os franceses em geral têm feito grandes negócios no Brasil. Se já na altura da venda do Rafale falavam na aquisição do 390 para suplementar o A400M e substituir os C-130 na Força Aérea Francesa então talvez também não se iriam importar muita de abrir mão do mercado português para não arranjarem chatices.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Fevereiro 13, 2017, 01:21:29 am
Vocês vão descobrir que o KC-390 é o melhor avião de transporte para a FAP quando receberam uma ligação telefônica de Berlim, se já não receberam!

O legal é ler alguns histriônicos megalomaníacos falando em A400M... parece piada, né? e é mesmo.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: diogo13350 em Fevereiro 13, 2017, 07:31:02 am
Vocês vão descobrir que o KC-390 é o melhor avião de transporte para a FAP quando receberam uma ligação telefônica de Berlim, se já não receberam!

O legal é ler alguns histriônicos megalomaníacos falando em A400M... parece piada, né? e é mesmo.

O KC 390 é o melhor, quem disse ?? Acho que não precisamos da opinião de um "expert"nesta matéria.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 13, 2017, 08:52:03 am
Se for preciso Bruxelas autoriza a fazer um expediente contabilistico para resolver o sarilho dos A400M para não afectar o déficit. Não sei se fui claro consigo e olhe que não estou a falar de cor.

Certo, é algo possível de acontecer. Vamos ver.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 13, 2017, 09:29:47 am
Mas como podemos ver nos últimos tempos isto dos investimentos na verdade não interessa. O que interessa é quem grita mais alto e quem consegue mais endorsements (*wink*wink*).

Pois é, isto é aquilo que não é preciso ser (o que mais investe), basta parecer (que se é), e "aparecer" na tv muitas vezes. É o mundo Big Brother e televisivo em que vivemos.

Citar
Mas por outro lado traria maior capacidade para a FAP e hoje também já temos os C-295M que conseguem fazer missões que até há uns anos atrás apenas os C-130H podiam fazer.

Pois é, mas num futuro com 12 C-295 e 3 A400M, estou a ver é a FAP passar de destacamentos de C-130 para C-295 (que já acontecem) e passam a ser regra e não de A400M, pois são poucos e ficam mais como transporte estratégico.

Citar
Acho que nesse ponto existem certas manobras que podem ser feitas. Desde aproveitar que a Alemanha e Espanha querem vender algumas das suas encomendas; a participar numa pool europeia que seria pool apenas em nome e onde ficássemos à mesma com as aeronaves para o que nos apetecesse; a obter financiamento da UE para ajudar a cobrir os custos; até comprar as primeiras unidades aos espanhóis e alemães com pouquíssimas horas de voo como aeronaves sem segunda-mão, ficando eles com as restantes encomendas que queriam vender.

Isso é a hipótese que o MajorAlvega referiu ;D, vamos ver.

Citar
Quanto às influências, isso tem muito que se diga, e tem muito que se pode analisar relativamente a geopolítica, posição estratégica e vantagens financeiras. Mas eu pessoalmente não sou da opinião que Bruxelas tenha uma influência absoluta nesta matéria. Quer porque não dão grande importância cá ao burgo ou porque têm outros trunfos na manga ao qual a Airbus poderia recorrer. E não nos vamos esquecer que a Airbus e os franceses em geral têm feito grandes negócios no Brasil. Se já na altura da venda do Rafale falavam na aquisição do 390 para suplementar o A400M e substituir os C-130 na Força Aérea Francesa então talvez também não se iriam importar muita de abrir mão do mercado português para não arranjarem chatices.

Anda ai um post que a França encomendou alguns C-130J, mas se também quiserem comprar KC390 isso é com eles. Claro que para a Airbus é mais importante o Brasil do que Portugal, é outra dimensão, e entramos na geopolítica, ninguém quer ficar a perder, se eles tiverem que fazer essa escolha, claro que 3 A400M perde na balança contra dezenas de aviões comerciais, helicópteros, etc, que eles podem vender ao Brasil, mas se a Airbus puder vender a ambos Brasil e Portugal, então vai vender. Acho que quem está mais interessado em despachar A400M nem é a Airbus propriamente dita, eu acho que é a Alemanha e Espanha, pois a Airbus vai construir esses aviões e a Alemanha e Espanha vão ter que os pagar à Airbus, se depois os conseguem vender a terceiros, isso já pouco afecta a Airbus, mas se a Airbus a pedido da Alemanha e Espanha puder fazer alguma força nisso, deve fazer, sempre ganham mais um cliente na logística.

Uma outra hipótese que me surgiu, comprávamos o avião de dimensão que me parece mais acertada C-130J/KC-390, mas quando tivéssemos grandes quantidades de material para movimentar, como recentemente material dos Comandos para a Republica Centro-Africana, em vez de alugarmos aviões Antonov passávamos a alugar A400M à força europeia ;D. Claro que são precisos 4 voos de A400M (37t) para transportar a tonelagem de um voo de An-124 (150t), não sei se compensaria.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 13, 2017, 11:08:51 am
Mesmo com problemas no A400, A350 e Super Puma a Airbus teve lucro no primeiro semestre de 2016...  ;)

Citar
7 July 2016, ©. Leeham Co: Airbus Group presented its first half year results today, posting strong results in the face of delivery troubles with the A320neo and A350; and more charges on the ailing A400M. It has been a troubled start to 2016 with deliveries in key programs (A320, A350, A400M, Super Puma H225) being far behind targets. In total only the space segment is going well in Airbus Group at the moment.
The key commercial aircraft segment is still enjoying a vast backlog (6,700 aircraft) and sales which point to a book to bill of one for the year. But deliveries are not going well. Twenty A320neo “gliders” are just now getting their first engines and the A350 delivery problems are dragging on.
On top of that, the A400M program has hit new problems in the engine area where the propeller gearbox needs a redesign. An interim fix is needed to keep customers flying.
Airbus helicopter side has also hit trouble. The large Super Puma H225 helicopter suffered a fatal off-shore area crash in April and is still grounded as the investigation to what broke in the helicopter is taking time.
The financial results for the Airbus Group for the first half of 2016 (1H 2015) were revenue €28.8b (€28.9b) with net profit €1.8b (€1.5b). These figures includes €1.9b in write offs (A400m €1b, A350 €0.4, Currency €0.5b) and €2.1b in capital gain one offs (Launchers JV valuation €1.1b, Dassault shares €0.9b, Divestitures €0.1b). This means that one time effects kept the result up for 1H 2016 but these will not be there the next quarters should the troubles continue. Airbus Group maintains 2016 guidance for Revenue, EBIT and Free Cash Flow.
Here the details of the Airbus Group divisions results for first half 2016:

https://leehamnews.com/2016/07/27/airbus-group-1h2016-results-trouble-key-programs/ (https://leehamnews.com/2016/07/27/airbus-group-1h2016-results-trouble-key-programs/)
(https://airbusdefenceandspace.com/wp-content/uploads/2016/07/a400m-formation-flight.jpg)

Já agora, os Alemães também piscam o olho ao C130J.  ;) http://airheadsfly.com/2016/10/04/germany-fed-up-with-a400m-looks-at-c-130j-hercules/ (http://airheadsfly.com/2016/10/04/germany-fed-up-with-a400m-looks-at-c-130j-hercules/)
Citar
GERMANY FED UP WITH A400M, SET TO BUY C-130 WITH FRANCE
2016/10/04 AIRHEADS/EH
Germany is set to buy and operate four to six Lockheed Martin C-130J Super Hercules transport aircraft in a joint effort with France, German reports say on Tuesday 4 October. Berlin with such a move clearly shows it doesn’t have much faith in the Airbus A400M, which is now being delivered to the German Luftwaffe at a painfully slow rate while also showing shortcomings for which Berlin seeks compensation.

The Hercules aircraft are to be delivered in 2021 and based in France, according to sources. They would be fitted especially for special operations and be able to operate from unpaved runways.

Signal
If anything, the purchase is a clear signal to Airbus that the Germans are fed up with the A400M. Germany has 53 of the type on order but only saw delivery of a handful of aircraft as a result of production delays and operational limitations. Berlin now apparently think the A400M will never be the ‘tactical’ airlifter it thought it ordered.

France already ordered four C-130J Super Hercules aircraft earlier, while Germany was known before to also look at other options apart from the A400M. A joint purchase of new C-130s was never on the cards, however. The German-Franco aircraft will likely be stationed at Orleans airbase in France, home to the existing French Hercules fleet.

(http://theaviationgroup.eu/wp-content/uploads/2013/07/c130j.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 13, 2017, 12:13:05 pm
Mesmo com problemas no A400, A350 e Super Puma a Airbus teve lucro no primeiro semestre de 2016...  ;)

Já agora, os Alemães também piscam o olho ao C130J.  ;)

Isso confirma o que eu disse, a Airbus está bem, os países que compraram o A400M é que não.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 13, 2017, 12:59:10 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Fevereiro 13, 2017, 03:34:45 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Meu amigo, fazer manutenção em C130, F16 e P-3 até Equador, Bolívia e Venezuela o fazem.

Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

E você não deixa de ter sua razão, é por conta do trumpismo, que a Embraer deverá levar a linha de produção do KC-390 para os Estados Unidos... "Make in América"..
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 13, 2017, 03:55:30 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Meu amigo, fazer manutenção em C130, F16 e P-3 até Equador, Bolívia e Venezuela o fazem.

Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

E você não deixa de ter sua razão, é por conta do trumpismo, que a Embraer deverá levar a linha de produção do KC-390 para os Estados Unidos... "Make in América"..

Burro, tu pensas que a OGMA nunca construiu um avião? Tu pensas que eles não o fazem agora? E não é para a Embraer.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 13, 2017, 03:57:49 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Meu amigo, fazer manutenção em C130, F16 e P-3 até Equador, Bolívia e Venezuela o fazem.

Pois fazem, mas que escalões de manutenção fazem ????

Citar

Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

Vocês são mesmo muito á frente, ainda a porra da aeronave não iniciou a comercialização já vocês tem o carro á frente dos bois !!!!!
Citar

E você não deixa de ter sua razão, é por conta do trumpismo, que a Embraer deverá levar a linha de produção do KC-390 para os Estados Unidos... "Make in América"..

Diz-me com quem andas dir-te-ei quem ès !! Fia-te na virgem, digo no Trump, que vais ver o que vos vai acontecer.
Já agora Burro  é Made in América.

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 13, 2017, 04:02:12 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Meu amigo, fazer manutenção em C130, F16 e P-3 até Equador, Bolívia e Venezuela o fazem.

Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

E você não deixa de ter sua razão, é por conta do trumpismo, que a Embraer deverá levar a linha de produção do KC-390 para os Estados Unidos... "Make in América"..

Burro, tu pensas que a OGMA nunca construiu um avião? Tu pensas que eles não o fazem agora? E não é para a Embraer.

Não pode......... a especialização sobre construção de aeronaves foi parar toda ao Brasil :rir: :rir: :rir: :rir: :rir:
O engraçado é ter que ser a TAP a assumir os prejuízos da empresa de mnt que existia na terra do Burro, com as mnts que agora são efectuadas aos A330/340 da Dita companhia.
A esperteza foi toda para aquele lado do oceano, só pode !!!!
Ó Burro sabes quantos ALIII, T6, DO27, Nor2501, G91, F84 e F86, etc foram " refeitos " nas OGMA, durante e nos anos seguintes á guerra Colonial ???
Muitas Forças Aéreas da Europa e não só, efectuam as mnt profundas de muitas aeronaves em Alverca, isto décadas antes do 1º KC390, largar os cueiros, o que ainda não aconteceu diga-se de passagem.
Enfim gastar Latim para quê ???

https://www.tapcorporate.com/Portugal/pt/Novidades/Noticias/311/TAPManutencaoEngenhariaBrasilEleitaMelhorEmpresaDeManutencaoAeronautica/Det

https://ionline.sapo.pt/499637

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Fevereiro 13, 2017, 04:34:01 pm
Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

Apesar de um país pequeno, deixo-te uma grande lista de empresas que fazem manutenção de aviões, fabrico e até de material ou software utilizado no espaço (ESA e NASA) e o ano de início de cada empresa:

OGMA (fundada em 1918)
TAP Portugal (1945)
SATA Air Açores (1947)
EFACEC (1948)
EDISOFT (1988)
GMV (1990)
Critical Software (1998)
CEIIA (1999)
TEKEVER (2001)
Deimos Engenharia (2002)
LusoSpace (2002)
Omnidea (2003)
Active Space Technologies (2004)
UAVision (2005)
Critical Materials (2009)
VisionSpace Technologies (2010)
EMBRAER Portugal (2012)
Caetano Aeronautic (2013)

Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Ind%C3%BAstria_aeroespacial_em_Portugal
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 13, 2017, 04:37:40 pm
Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)

Meu amigo, fazer manutenção em C130, F16 e P-3 até Equador, Bolívia e Venezuela o fazem.

Me diga o que vocês fabricavam e ou exportavam (jactam-se agora por serem "exportadores") antes da chegada dos brasileiros em Portugal?

E você não deixa de ter sua razão, é por conta do trumpismo, que a Embraer deverá levar a linha de produção do KC-390 para os Estados Unidos... "Make in América"..

Meu caro, já que insiste em saltar de tópico para tópico sempre numa defesa bacoca do que "o que é brasileiro é que é bom", uns breves apontamentos:

1º - O Brasil, e por conseguinte a indústria de Defesa brasileira, não precisa de si como advogado e promotor pois tem voz própria e os seus sucessos - e insucessos - falam por si;
2º - Quando for afirmar o que quer que seja acerca das indústrias de Defesa portuguesa informe-se antes. É menos confrangedor para si e para todos nós;
3º - Linha de produção do KC-390 nos Estados Unidos? Bom, actualmente já não digo nada... mas seria curioso se um dia, num daqueles devaneios, o Trump achar que uma aeronave como o KC-390 não pode ter componentes, aviónicos e sensores de origem norte-americana. Aí é que eram elas...
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Fevereiro 13, 2017, 05:36:30 pm
Peço desculpa pelo tamanho, mas o Burro antes de falar convém estudar um bocado sobre Portugal. Deixo só alguns vídeos de empresas portuguesas e do que fazem:

OGMA (fundada em 1918)

TAP Portugal (1945)

EFACEC (1948)

Critical Software (1998)

CEIIA (1999)

TEKEVER (2001)

Deimos Engenharia (2002)
http://www.elecnor-deimos.com/delegacion/deimos-engenharia/

LusoSpace (2002)

Omnidea (2003)

Active Space Technologies (2004)

VisionSpace Technologies (2010)

Caetano Aeronautic (2013)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 14, 2017, 12:33:58 am
Pois é, mas num futuro com 12 C-295 e 3 A400M, estou a ver é a FAP passar de destacamentos de C-130 para C-295 (que já acontecem) e passam a ser regra e não de A400M, pois são poucos e ficam mais como transporte estratégico.
Não sei até que ponto é que isso seria um problema. Só mesmo analisando as missões que temos realizado com os C-130H. Quantas missões é que poderiam ter sido realizadas com um C-295? Quantas missões é que os C-130H realizaram em que utilizou-se 95% a 100% da capacidade total? Em quantas missões é que foi necessário realizar mais que um voo?

Num mundo perfeito até teríamos C-295, C-130 e A400M. Aeronaves para todos os gostos e necessidades. Mas como não existe essa possibilidade será que deveríamos apontar para o meio? Então concordo que venha o C-130J-30 - aeronave que terá uma learning curve menor para nós, logística em comum com os nossos colegas NATO e UE, e continuação da utilização das infraestruturas e escolas norte-americanas.

Nós aqui estamos praticamente a falar apenas de preencher as necessidades das missões no estrangeiro (destacamentos e o transporte de material pontual). Será que existe algum tipo de taboo quanto ao envio de C-295 para missões de transporte no estrangeiro? Também pode ser devido à falta de unidades para garantir as missões nacionais, nomeadamente SAR e MEDEVAC, ou a problemas com as horas de voo (manutenção, treino, etc.) ou falta de tripulações. Mas isso é algo que poderia ser resolvido com a compra de mais algumas aeronaves C-295. Quanto à falta de tripulações - que até costuma estar associado à falta de horas de voo para formar pilotos-comandante -, isso já é um problema crónico que afecta todas as frotas e tem de ser resolvido independentemente da aeronave escolhida ou empregada seja A, B, C, D ou E.

Essa história de apenas três A400M... Sei que é uma aeronave com um preço mais alto, mas a única vez que esse número mágico a aparecer foi na LOI.

Uma outra hipótese que me surgiu, comprávamos o avião de dimensão que me parece mais acertada C-130J/KC-390, mas quando tivéssemos grandes quantidades de material para movimentar, como recentemente material dos Comandos para a Republica Centro-Africana, em vez de alugarmos aviões Antonov passávamos a alugar A400M à força europeia ;D. Claro que são precisos 4 voos de A400M (37t) para transportar a tonelagem de um voo de An-124 (150t), não sei se compensaria.
ou... indo mais longe, simplificava-se a logística e infraestrutura ao apostar na frota de C-295 e acabando com a de C-130. Compravam-se mais alguns C-295 para reforçar a frota actual e passava-se a contribuir para uma das pools europeias ou NATO, algo ao estilo do que fazemos com o AWACS.

Convém não esquecer que, nestes tempos "trumpistas" em que vivemos, antes da Embraer lá estar já a Lockheed tinha um centro de manutenção de referência em Alverca, abrangendo aparelhos como o C-130 Hercules, P-3 Orion e recentemente F-16 Fighting Falcon. Se o lobby brasileiro é grande, o da Lockheed Martin é bem, bem maior.  ;)
E nem é apenas o lobby da LM. É o lobby norte-americano todo, incluindo o da USAF. É esse o nosso principal parceiro a nível de formação de pessoal e tecnológico militar; independentemente de haver Lajes ou não. A LM é apenas a ponta do icebergue.

Há X anos que a OGMA fabrica componentes para os C-130 além de realizar todo o tipo de manutenção e modernização dos aparelhos. Também já produzia partes da fuselagem do PC-12 e C-130 mesmo antes do 390 existir.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Fevereiro 14, 2017, 02:39:46 am
Parece que se limitam a manutenir aviões de terceiros??? é isso, então?

Por que não projetam, fabricam e comercializam suas próprias aeronaves?? ou ocorre?

(http://www.embraer.com.br/PublishingImages/1000thDelivery.jpg)

"""É esse o nosso principal parceiro a nível de formação de pessoal"""

Meu camarada,  na boa, esse "a nível de""... é um erro de português primário e rombudo, viu. Não existe isso na  língua portuguesa.

Talvez seja por isso que corre pela internet em vídeos do youtube de música principalmente, filmes e outros, sempre aparece algum estrangeiro comentando e achando que no Brasil falamos "brasileiro", pensam que o nosso idioma é o "brasileiro", é assim que se referem... o próprio Papa Francisco disse no Brasil: "Eu não falo brasileiro".... o pior é que parecem gostar do idioma, pena que pensam que falamos "brasileiro"...

"Eu ainda vou aprender a falar brasileiro"... "Essa música fica muito bonita no idioma brasileiro"....
"O idioma brasileiro na voz das mulheres é ainda mais belo"... é o que dizem.

Eu ainda voltarei a este assunto em hora oportuna.

Só para constar: Fazer manutenção não deve ser tão difícil assim, se a miserável Venezuela, sem apoio algum do fabricante, pois é um país embargado, consegue manter seus F-16 voando até hoje, não deve ser algo de outro mundo.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 14, 2017, 10:13:31 am
Parece que se limitam a manutenir aviões de terceiros??? é isso, então?

Por que não projetam, fabricam e comercializam suas próprias aeronaves?? ou ocorre?

(http://www.embraer.com.br/PublishingImages/1000thDelivery.jpg)

"""É esse o nosso principal parceiro a nível de formação de pessoal"""

Meu camarada,  na boa, esse "a nível de""... é um erro de português primário e rombudo, viu. Não existe isso na  língua portuguesa.

Talvez seja por isso que corre pela internet em vídeos do youtube de música principalmente, filmes e outros, sempre aparece algum estrangeiro comentando e achando que no Brasil falamos "brasileiro", pensam que o nosso idioma é o "brasileiro", é assim que se referem... o próprio Papa Francisco disse no Brasil: "Eu não falo brasileiro".... o pior é que parecem gostar do idioma, pena que pensam que falamos "brasileiro"...

"Eu ainda vou aprender a falar brasileiro"... "Essa música fica muito bonita no idioma brasileiro"....
"O idioma brasileiro na voz das mulheres é ainda mais belo"... é o que dizem.

Eu ainda voltarei a este assunto em hora oportuna.

Só para constar: Fazer manutenção não deve ser tão difícil assim, se a miserável Venezuela, sem apoio algum do fabricante, pois é um país embargado, consegue manter seus F-16 voando até hoje, não deve ser algo de outro mundo.
Porque estamos ocupados demais a aturar "Burros" que não sabem nem querem saber que projectamos e vendemos aviões (já referido por vários camaradas nesta andanças), ainda antes do referido forista sequer estar nos testículos do seu pai... ;D ;) Já agora, os F16 da Venezuela são igualzinhos aos portugueses (como o Gripen A e o Gripen Ng)...  ;D 8)
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2012/09/Venezuelan_Air_Force_General_Dynamics_F-16A_Fighting_Falcon.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-axjb8I5-TFw/VEpq7dUN1tI/AAAAAAAANMI/32CKlSY3N0k/s1600/f-16-siauliai-2014-golz-8_1629.jpg)

E porque falamos de C130 e não das bacoradas de um péssimo embaixador do seu país:


Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2017, 10:22:37 am
(http://www.ogma.pt/images/front_aero.jpg)

http://www.ogma.pt/index.php?page=aero_pt
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Viajante em Fevereiro 14, 2017, 10:37:55 am
Ó Burro, sei que é difícil, mas vamos lá a ver se percebes!

Vou só pegar numa das empresas portuguesas que fabrica componentes de aviões para a Airbus, a Caetano Aeronautic:

"Salvador Caetano investe 15 milhões em projeto com a Airbus (a notícia é de 2012):

O acordo assinado, esta quarta-feira, entre a Salvador Caetano e a Airbus prevê um investimento de 15 milhões de euros nos próximos anos por parte da empresa portuguesa, que produzirá diversos componentes aeronáuticos metálicos e em material compósito.

(http://static.globalnoticias.pt/storage/JN/2012/medium/ng2054953.jpg)

Segundo refere a empresa, em comunicado, esta "entrada no mundo da aeronáutica" envolverá cerca de 600 trabalhadores, direta e indiretamente, sendo os novos componentes produzidos nas atuais instalações da Salvador Caetano em Gaia e em Ovar, "aproveitando as capacidades de engenharia instalada e as competências desenvolvidas ao longo dos mais de 60 anos de atividade industrial".

Válido por seis anos, o acordo é "a porta de entrada do grupo Salvador Caetano numa nova área de atividade, que possui imensas sinergias com a atual atividade de produção de autocarros, nomeadamente na engenharia e processos de fabrico", sustenta.

"A participação da Salvador Caetano nesta iniciativa com a Airbus demonstra a permanente procura de novas oportunidades de negócio e áreas de atividade, onde a nossa capacidade técnica possa ser útil a parceiros com interesses comuns. Nesta plataforma de entendimento é pressuposto podermos canalizar toda a nossa experiência no ramo industrial em prol de um desafio ambicioso e apaixonante, como é o lançado pela indústria da aviação", afirma o presidente da Salvador Caetano Indústria, José Ramos.

Destacando como objetivo "investir continuamente na indústria e na criação de postos de trabalho de elevada qualificação e valor acrescentado", a empresa adianta que "o valor de investimento nos próximos anos" nesta nova área de negócio "será de cerca de 15 milhões de euros".

No o total, o contrato prevê um investimento partilhado entre a Salvador Caetano e a Airbus Military num projeto avaliado em 75 milhões de euros, sendo que a secção de engenharia ficará em Vila Nova de Gaia e a linha de produção em Ovar."

Fonte: http://www.jn.pt/economia/interior/salvador-caetano-investe-15-milhoes-em-projeto-com-a-airbus-2699129.html

Resumindo, só esta empresa portuguesa, que produz componentes para aviões e tem uma dimensão semelhante às OGMA da Embraer, produz peças para os seguintes aviões civis:
    A380
    A350
    A320neo
    Boeing 737
    Falcon 7X

E aviões militares:
    C295
    A400M
http://www.caetanoaeronautic.pt/clientes/?lang=pt

Tudo aviões desconhecidos, claro!!!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: LM em Fevereiro 14, 2017, 11:24:00 am
(https://algonquincollegesocialmedia.files.wordpress.com/2015/03/keep-calm-and-don-t-feed-the-troll-22.png)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 14, 2017, 01:23:06 pm
Num mundo perfeito até teríamos C-295, C-130 e A400M. Aeronaves para todos os gostos e necessidades.

Ou como o Reino Unido, C-130J, A400M e C-17. ;D

Citar
Mas como não existe essa possibilidade será que deveríamos apontar para o meio? Então concordo que venha o C-130J-30 - aeronave que terá uma learning curve menor para nós, logística em comum com os nossos colegas NATO e UE, e continuação da utilização das infraestruturas e escolas norte-americanas.

Cargas acima das 6 toneladas tem que ser feitas por outra aeronave sem ser o C-295, é uma questão de saber quantas vezes foi necessário, quantas vezes foi necessário uma autonomia superior ao C-295 e quantas vezes até superior ao C-130, eu não sei esses valores, mas isso também é muito importante, serão as capacidades do C-130 superiores ao que necessitamos e chega-nos os C-295, serão as capacidades do C-130 inferiores e necessitarmos de A400M?

Citar
Nós aqui estamos praticamente a falar apenas de preencher as necessidades das missões no estrangeiro (destacamentos e o transporte de material pontual). Será que existe algum tipo de taboo quanto ao envio de C-295 para missões de transporte no estrangeiro?

Acho que não pois o C-295 já fez um destacamento táctico no Mali.

Citar
Essa história de apenas três A400M... Sei que é uma aeronave com um preço mais alto, mas a única vez que esse número mágico a aparecer foi na LOI.

Então que numeros é que estão em cima da mesa?

Citar
ou... indo mais longe, simplificava-se a logística e infraestrutura ao apostar na frota de C-295 e acabando com a de C-130. Compravam-se mais alguns C-295 para reforçar a frota actual e passava-se a contribuir para uma das pools europeias ou NATO, algo ao estilo do que fazemos com o AWACS.

É o que eu disse no inicio desta resposta, se conprovamos que a capacidade de 1 ou mais C-295 cumpre a maioria das nossas necessidades e que ter uma maior capacidade de tonelagem e de autonomia é indiferente, concordo, mas há coisas que ficavamos sem conseguir fazer sozinhos, por exemplo, o transporte de uma viatura blindada tipo Pandur.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 14, 2017, 01:32:33 pm
O Ministro anda um maluquinho :o.

Decisão de comprar aviões KC-390 irá ser tomada e anunciada em breve
https://www.noticiasaominuto.com/pais/739733/decisao-de-comprar-avioes-kc-390-ira-ser-tomada-e-anunciada-em-breve
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 14, 2017, 02:00:07 pm
Num mundo perfeito até teríamos C-295, C-130 e A400M. Aeronaves para todos os gostos e necessidades.

Ou como o Reino Unido, C-130J, A400M e C-17. ;D

Citar
Mas como não existe essa possibilidade será que deveríamos apontar para o meio? Então concordo que venha o C-130J-30 - aeronave que terá uma learning curve menor para nós, logística em comum com os nossos colegas NATO e UE, e continuação da utilização das infraestruturas e escolas norte-americanas.

Cargas acima das 6 toneladas tem que ser feitas por outra aeronave sem ser o C-295, é uma questão de saber quantas vezes foi necessário, quantas vezes foi necessário uma autonomia superior ao C-295 e quantas vezes até superior ao C-130, eu não sei esses valores, mas isso também é muito importante, serão as capacidades do C-130 superiores ao que necessitamos e chega-nos os C-295, serão as capacidades do C-130 inferiores e necessitarmos de A400M?

Citar
Nós aqui estamos praticamente a falar apenas de preencher as necessidades das missões no estrangeiro (destacamentos e o transporte de material pontual). Será que existe algum tipo de taboo quanto ao envio de C-295 para missões de transporte no estrangeiro?

Acho que não pois o C-295 já fez um destacamento táctico no Mali.

Citar
Essa história de apenas três A400M... Sei que é uma aeronave com um preço mais alto, mas a única vez que esse número mágico a aparecer foi na LOI.

Então que numeros é que estão em cima da mesa?

Citar
ou... indo mais longe, simplificava-se a logística e infraestrutura ao apostar na frota de C-295 e acabando com a de C-130. Compravam-se mais alguns C-295 para reforçar a frota actual e passava-se a contribuir para uma das pools europeias ou NATO, algo ao estilo do que fazemos com o AWACS.

É o que eu disse no inicio desta resposta, se conprovamos que a capacidade de 1 ou mais C-295 cumpre a maioria das nossas necessidades e que ter uma maior capacidade de tonelagem e de autonomia é indiferente, concordo, mas há coisas que ficavamos sem conseguir fazer sozinhos, por exemplo, o transporte de uma viatura blindada tipo Pandur.

Lightning

A FAP necessita de uma aeronave com a capacidade de um payload muito superior ao C295, não há qualquer dúvida quanto a isso, se será o C130J, o KC390, o C17, o A400 é outra história mas que tem de ter uma aeronave com maior capacidade de transporte isso é ponto assente.

O C295 é uma excelente aeronave média de transporte para a sua classe Payload até 6 tons. foi sem sombra para dúvida uma excelente aquisição

https://airbusdefenceandspace.com/c295w-2/

Agora no caso dos heavy a história é muito diferente e a capacidade de transporte das 20 Tons é um dos objectivos a manter por parte da FAP e não só pois permite evitar que para um transporte de carga de tal peso, ou maior volume se tenham de empenhar três aeronaves, tripulações ao invês de apenas se utilizar uma aeronave, ou até ter de se requisitar uma outra aeronave com maior capacidade de transporte, caso do empenhamento da companhia de Cmds e seu equipamento na RCA, onde para se efectuar vo seu transporte teve de se utilizar um AN124 !
Quantos C's se teria de utilizar, ou efectuar quantos voos, para cumprir tal objectivo .
neste caso o C130J está para o AN124 como está o C295 para o C130J.

http://www.antonov.com/aircraft/transport-aircraft/an-124-100-ruslan/an-124-100-performance

http://www.lockheedmartin.com/us/products/c130.html

Aeronaves super pesadas de transporte isso nunca teremos mas com capacidade de transporte até 20 Tons estaremos muito mal se e quando deixarmos de as ter !!!


Abraços


Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 14, 2017, 02:05:42 pm
O Ministro anda um maluquinho :o.

Decisão de comprar aviões KC-390 irá ser tomada e anunciada em breve
https://www.noticiasaominuto.com/pais/739733/decisao-de-comprar-avioes-kc-390-ira-ser-tomada-e-anunciada-em-breve

Notícia encomendada, basta ler para ver que não disse isso.

Disse que a escolha do substituto do C-130 estava para breve, mas não disse nada em relação ao C-390.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Get_It em Fevereiro 14, 2017, 02:45:29 pm
Ou como o Reino Unido, C-130J, A400M e C-17. ;D
Têm o C-17 mas falta-lhes o C-27 ou o C-295. :D

Cargas acima das 6 toneladas tem que ser feitas por outra aeronave sem ser o C-295, é uma questão de saber quantas vezes foi necessário, quantas vezes foi necessário uma autonomia superior ao C-295 e quantas vezes até superior ao C-130, eu não sei esses valores, mas isso também é muito importante, serão as capacidades do C-130 superiores ao que necessitamos e chega-nos os C-295, serão as capacidades do C-130 inferiores e necessitarmos de A400M?
Temos de fazer uma esperinha a um oficial da FAP e roubar-lhe o portátil.

Acho que não pois o C-295 já fez um destacamento táctico no Mali.
Mas mesmo nessa altura houveram algumas vozes a falar que isso só mostrava falta de capacidade e que os C-130 é que deviam fazer essas missões.

Então que numeros é que estão em cima da mesa?
Não sei. Iria mesmo depender das conversações com a Airbus ou Alemanha/Espanha e com possíveis truques financeiros. Só sei que o número mágico vai sendo repetido volta e meia mas apenas como argumento que os A400M são caros e que precisamos mais que três unidades para as nossas necessidades. Agora apoiar essa informação ou mostrar como os C-295 não colmataram ou aliviaram de alguma forma as missões do C-130.

É o que eu disse no inicio desta resposta, se conprovamos que a capacidade de 1 ou mais C-295 cumpre a maioria das nossas necessidades e que ter uma maior capacidade de tonelagem e de autonomia é indiferente, concordo, mas há coisas que ficavamos sem conseguir fazer sozinhos, por exemplo, o transporte de uma viatura blindada tipo Pandur.
Exacto. Entre nós os três (Major Alvega, ...) já vimos que existem várias possibilidades. Outra, que pelos vistos acabei por não adicionar ao meu post anterior seria encomendar o número mágico de A400M, reforçar a frota de C-295 e depois também participar numa pool de A400M com tripulações. Seria dessa pool aonde iríamos buscar os A400M para as missões de bandeira UE, ONU ou NATO; ficando os nossos A400M dedicados a missões de treino, exclusivamente nacionais ou de emergência.

Não faltam opções. Por isso não vale a pena andar para aqui a inventar propaganda a dizer que a opção XYZ é a melhor de todas só porque sim e a única possível.

Cumprimentos,
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 14, 2017, 03:04:25 pm
Têm o C-17 mas falta-lhes o C-27 ou o C-295. :D

Para eles o minimo é C-130 ;D.

Citar
Mas mesmo nessa altura houveram algumas vozes a falar que isso só mostrava falta de capacidade e que os C-130 é que deviam fazer essas missões.

Pois, desconheço.

Citar
Não sei. Iria mesmo depender das conversações com a Airbus ou Alemanha/Espanha e com possíveis truques financeiros. Só sei que o número mágico vai sendo repetido volta e meia mas apenas como argumento que os A400M são caros e que precisamos mais que três unidades para as nossas necessidades. Agora apoiar essa informação ou mostrar como os C-295 não colmataram ou aliviaram de alguma forma as missões do C-130.

De memória, acho que no tempo do Paulo Portas como MDN (à séculos) falou-se em 4.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 14, 2017, 03:47:59 pm
Citar
Não sei. Iria mesmo depender das conversações com a Airbus ou Alemanha/Espanha e com possíveis truques financeiros. Só sei que o número mágico vai sendo repetido volta e meia mas apenas como argumento que os A400M são caros e que precisamos mais que três unidades para as nossas necessidades. Agora apoiar essa informação ou mostrar como os C-295 não colmataram ou aliviaram de alguma forma as missões do C-130.

De memória, acho que no tempo do Paulo Portas como MDN (à séculos) falou-se em 4.

O protocolo assinado em Dezembro de 2001 falava em 3 aparelhos por 300M€. Dois anos depois, o então Ministro da Defesa, Paulo Portas, cancelou a compra maioritariamente por motivos políticos (a preferência na altura era dada à compra de 6 C-130J), e porque a FAP estaria preocupada com o número reduzido de aparelhos a comprar à Airbus e que não chegariam para as exigências operacionais.

Quanto ao assunto em si, continuo a não concordar com a opção KC-390 por ser um projecto ainda não testado e, consequentemente, muito "verde". Ter uma FAP equipada com C-295M/W, C-130J/J-30 e A400M não é descabido; a situação mundial e as missões internacionais a isso aconselhariam, fosse no âmbito NATO ou ONU, ainda para mais com um secretário-geral português das Nações Unidas que afirmou no ano passado gostar de contar com mais tropas ocidentais em missões de paz desta organização.

Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 14, 2017, 04:09:34 pm
Citar
Não sei. Iria mesmo depender das conversações com a Airbus ou Alemanha/Espanha e com possíveis truques financeiros. Só sei que o número mágico vai sendo repetido volta e meia mas apenas como argumento que os A400M são caros e que precisamos mais que três unidades para as nossas necessidades. Agora apoiar essa informação ou mostrar como os C-295 não colmataram ou aliviaram de alguma forma as missões do C-130.

De memória, acho que no tempo do Paulo Portas como MDN (à séculos) falou-se em 4.

O protocolo assinado em Dezembro de 2001 falava em 3 aparelhos por 300M€. Dois anos depois, o então Ministro da Defesa, Paulo Portas, cancelou a compra maioritariamente por motivos políticos (a preferência na altura era dada à compra de 6 C-130J), e porque a FAP estaria preocupada com o número reduzido de aparelhos a comprar à Airbus e que não chegariam para as exigências operacionais.

Quanto ao assunto em si, continuo a não concordar com a opção KC-390 por ser um projecto ainda não testado e, consequentemente, muito "verde". Ter uma FAP equipada com C-295M/W, C-130J/J-30 e A400M não é descabido; a situação mundial e as missões internacionais a isso aconselhariam, fosse no âmbito NATO ou ONU, ainda para mais com um secretário-geral português das Nações Unidas que afirmou no ano passado gostar de contar com mais tropas ocidentais em missões de paz desta organização.

Completamente de acordo ter um tipo de aeronave que conseguisse transportar um payload entre as 30 e as 40 Tons, para o transporte estratégico, para mim, o preferido seria um par de C17 Globemaster III, era ouro sobre azul, isto tendo em simultâneo uns quatro C130J e a actual frota de C295, claro está.

abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Johnnie em Fevereiro 14, 2017, 06:49:46 pm
Parece que se limitam a manutenir aviões de terceiros??? é isso, então?

Por que não projetam, fabricam e comercializam suas próprias aeronaves?? ou ocorre?

(http://www.embraer.com.br/PublishingImages/1000thDelivery.jpg)

"""É esse o nosso principal parceiro a nível de formação de pessoal"""

Meu camarada,  na boa, esse "a nível de""... é um erro de português primário e rombudo, viu. Não existe isso na  língua portuguesa.

Talvez seja por isso que corre pela internet em vídeos do youtube de música principalmente, filmes e outros, sempre aparece algum estrangeiro comentando e achando que no Brasil falamos "brasileiro", pensam que o nosso idioma é o "brasileiro", é assim que se referem... o próprio Papa Francisco disse no Brasil: "Eu não falo brasileiro".... o pior é que parecem gostar do idioma, pena que pensam que falamos "brasileiro"...

"Eu ainda vou aprender a falar brasileiro"... "Essa música fica muito bonita no idioma brasileiro"....
"O idioma brasileiro na voz das mulheres é ainda mais belo"... é o que dizem.

Eu ainda voltarei a este assunto em hora oportuna.

Só para constar: Fazer manutenção não deve ser tão difícil assim, se a miserável Venezuela, sem apoio algum do fabricante, pois é um país embargado, consegue manter seus F-16 voando até hoje, não deve ser algo de outro mundo.

(http://i724.photobucket.com/albums/ww244/Samantha_Sky/IDIOT.jpg) (http://media.photobucket.com/user/Samantha_Sky/media/IDIOT.jpg.html)


(http://i514.photobucket.com/albums/t346/ifnottaken/Gif%20galore/wallfail.gif) (http://media.photobucket.com/user/ifnottaken/media/Gif%20galore/wallfail.gif.html)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 14, 2017, 07:13:04 pm
que conseguisse transportar um payload entre as 30 e as 40 Tons, para o transporte estratégico, para mim, o preferido seria um par de C17 Globemaster III, era ouro sobre azul, isto tendo em simultâneo uns quatro C130J e a actual frota de C295, claro está.

Entre as 30 e 40 toneladas há o A400M ou o C-2 Japonês, o C-17 já vai para as 70 toneladas, offtopic, a produção de C-17 não terminou?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: perdadetempo em Fevereiro 14, 2017, 08:04:18 pm
que conseguisse transportar um payload entre as 30 e as 40 Tons, para o transporte estratégico, para mim, o preferido seria um par de C17 Globemaster III, era ouro sobre azul, isto tendo em simultâneo uns quatro C130J e a actual frota de C295, claro está.

Entre as 30 e 40 toneladas há o A400M ou o C-2 Japonês, o C-17 já vai para as 70 toneladas, offtopic, a produção de C-17 não terminou?

Citar
LOS ANGELES – Boeing closed out C-17 deliveries and seven decades of aircraft production in Long Beach, California, with the departure of the last airlifter for the Qatar Emiri air force to the company’s San Antonio facility on Nov 29.... continua

http://aviationweek.com/defense/boeing-ends-c-17-production-california (http://aviationweek.com/defense/boeing-ends-c-17-production-california)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: typhonman em Fevereiro 14, 2017, 10:22:56 pm
Citar
Não sei. Iria mesmo depender das conversações com a Airbus ou Alemanha/Espanha e com possíveis truques financeiros. Só sei que o número mágico vai sendo repetido volta e meia mas apenas como argumento que os A400M são caros e que precisamos mais que três unidades para as nossas necessidades. Agora apoiar essa informação ou mostrar como os C-295 não colmataram ou aliviaram de alguma forma as missões do C-130.

De memória, acho que no tempo do Paulo Portas como MDN (à séculos) falou-se em 4.

O protocolo assinado em Dezembro de 2001 falava em 3 aparelhos por 300M€. Dois anos depois, o então Ministro da Defesa, Paulo Portas, cancelou a compra maioritariamente por motivos políticos (a preferência na altura era dada à compra de 6 C-130J), e porque a FAP estaria preocupada com o número reduzido de aparelhos a comprar à Airbus e que não chegariam para as exigências operacionais.

Quanto ao assunto em si, continuo a não concordar com a opção KC-390 por ser um projecto ainda não testado e, consequentemente, muito "verde". Ter uma FAP equipada com C-295M/W, C-130J/J-30 e A400M não é descabido; a situação mundial e as missões internacionais a isso aconselhariam, fosse no âmbito NATO ou ONU, ainda para mais com um secretário-geral português das Nações Unidas que afirmou no ano passado gostar de contar com mais tropas ocidentais em missões de paz desta organização.

Completamente de acordo ter um tipo de aeronave que conseguisse transportar um payload entre as 30 e as 40 Tons, para o transporte estratégico, para mim, o preferido seria um par de C17 Globemaster III, era ouro sobre azul, isto tendo em simultâneo uns quatro C130J e a actual frota de C295, claro está.

abraços

Os A-400 propostos na LPM de 2001, eram 3.

Posteriormente em 2003 a Boeing, ofereceu a Portugal a venda de 2 C-17 Globemaster, mais o MLU dos 6 C130H.

Neste momento apostava:

- 5 A-400M + 12 C-295M

-2 A-400M + 6 -130J/J30 ex-RAF+ 12 C-295M.

Também não entendo o "tes*o" por um avião ainda sem provas dadas em nenhum cenário...

As outras nações não inventaram, foram atrás do C-130J e resolveram o assunto... Pode ser que a LM interceda  :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 15, 2017, 04:10:54 pm
que conseguisse transportar um payload entre as 30 e as 40 Tons, para o transporte estratégico, para mim, o preferido seria um par de C17 Globemaster III, era ouro sobre azul, isto tendo em simultâneo uns quatro C130J e a actual frota de C295, claro está.

Entre as 30 e 40 toneladas há o A400M ou o C-2 Japonês, o C-17 já vai para as 70 toneladas, offtopic, a produção de C-17 não terminou?

o A400 e o C2 transportam entre as 30/40 Tons a que distância ??

o A400 com 20 Tons só consegue percorrer 3500 mn, com 30 Tons percorre 2450 mn, e com 37 tons percorre 1780mn.

https://en.wikipedia.org/wiki/Airbus_A400M_Atlas#Specifications

o C-2 com 20Tons percorre 4100 mn, com 30 Tons percorre 3070 mn e com 36 tons percorre 2430 mn.

https://en.wikipedia.org/wiki/Kawasaki_C-2

o C17 com 45 tons consegue percorrer 4000 milhas náuticas, as 70 Tons só se conseguem carregar se o acft voar apenas 2400 mn.

https://en.wikipedia.org/wiki/Boeing_C-17_Globemaster_III

Abraços
 
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Lightning em Fevereiro 15, 2017, 04:45:51 pm
o C17 com 45 tons consegue percorrer 4000 milhas náuticas, as 70 Tons só se conseguem carregar se o acft voar apenas 2400 mn.

Certo, eu lembro-me de ver noticias de C-17 a transportar carros de combate de 60 toneladas, mas fui informar-me melhor e não foi nenhum voo longo, os americanos andaram a transferir CCs de uma zona do Afeganistão para outra e os Canadianos andaram a transporta-los do Quirguistão para o Afeganistão (aprox: 1000km ou 600milhas) bem dentro desses valores acima, e eu a pensar que os tinham transportado directamente da Europa  :N-icon-Axe:.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 16, 2017, 09:35:37 am
o C17 com 45 tons consegue percorrer 4000 milhas náuticas, as 70 Tons só se conseguem carregar se o acft voar apenas 2400 mn.

Certo, eu lembro-me de ver noticias de C-17 a transportar carros de combate de 60 toneladas, mas fui informar-me melhor e não foi nenhum voo longo, os americanos andaram a transferir CCs de uma zona do Afeganistão para outra e os Canadianos andaram a transporta-los do Quirguistão para o Afeganistão (aprox: 1000km ou 600milhas) bem dentro desses valores acima, e eu a pensar que os tinham transportado directamente da Europa  :N-icon-Axe:.
Normalmente é por barco e depois é que entram outros meios.  ;)
(http://breakingdefense.com/wp-content/uploads/sites/3/2015/10/M1-Abrams-headed-to-Trident-Juncture.jpg)
(https://www.army.mil/e2/c/images/2015/04/28/391511/size0.jpg)
(https://media.defense.gov/2009/Mar/10/2000612329/-1/-1/0/090306-F-9876C-004.JPG)
(https://s-media-cache-ak0.pinimg.com/originals/23/0c/f3/230cf384c78457191b28f8f26990505f.jpg)

Saudações
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 16, 2017, 01:00:37 pm
Provocaçãozinha: e se depois da retirada do São Paulo por razões orçamentais, o projecto KC-390 ficar na gaveta?  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 16, 2017, 02:16:45 pm
Provocaçãozinha: e se depois da retirada do São Paulo por razões orçamentais, o projecto KC-390 ficar na gaveta?  ;D
És mauzinho és...  ;D ;) O "Burro"  e respectivos clones mandavam-se de uma janela abaixo...  ;D 8) Mas dúvido que aconteça pois é muito guito (e se nem os Turbo Trader e Skyhawk vão para a gaveta, pois segundo o que vem de Terras de Vera Cruz é para continuar...)  ;)
(http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2015/09/KC-2-Cockpit-960x720.jpg)
(http://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2015/06/AF-1-modernizado-1.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 16, 2017, 08:42:16 pm
A nível do substituto directo dos nossos C-130H/H-30, considero ser um erro tremendo se não optarmos pelo C-130J Super Hercules. Com o know-how de 40 anos de operação do clássico C-130H, e com parceiros da Aliança Atlântica a operá-los como o Reino Unido, França, Itália, Alemanha, Noruega, Dinamarca, Estados Unidos e Canadá, a opção pelo KC-390 não faz qualquer sentido prático. Não para já, pelo menos. A FAP precisa de um aparelho testado, experimentado, off-the-shelf, capaz de cumprir as missões dos quarentões H, e não um aparelho que andará em testes um bom tempo e que as suas actuais capacidades são ainda meramente teóricas.

Além de que também faz isto, e bem.  ;)

(http://www.lockheedmartin.com/content/dam/lockheed/data/aero/photos/c-130/C130FireFighting_Feature.jpg)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Fevereiro 17, 2017, 12:31:26 am
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: raphael em Fevereiro 17, 2017, 09:55:14 am
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.

Telecomandados?
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 17, 2017, 11:39:05 am
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.

Telecomandados?
Também se arranja...  ;D :D

(https://i.ytimg.com/vi/Yh8P665OiEs/hqdefault.jpg)
(https://i.ytimg.com/vi/nGIyJnE3cd8/hqdefault.jpg)
(https://i.ytimg.com/vi/iTajzlXcXHA/maxresdefault.jpg)

Saudações  8)
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Burro em Fevereiro 17, 2017, 11:49:05 am
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.

Telecomandados?

Se for o caso, os há.



Os caras viajam legal.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Fevereiro 17, 2017, 12:56:08 pm
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.

Telecomandados?

Claro, até se podia utilizar o mesmo comando dessa duas rodas da tua foto  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 17, 2017, 02:35:49 pm
Para mim era: 16 C-295 (9 transporte + 5 MPA), 6 C-130J-30 e 2 A330 MRTT. E a cena estava feita.

NVF, vamos lá a fazer as contas como deve ser !!! ;) ;)
os dois C-295 que faltam são para os combates aos FF ??
decida-se lá quantos C-295 são afinal, para se fazer a encomenda já !!! :G-beer2: :G-beer2: :G-beer2:
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Fevereiro 17, 2017, 05:24:15 pm
Os dois que faltam são para transportar o Burro e o Maluco das Fotos entre Gavião Peixoto e o hospital dos malucos.  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 17, 2017, 05:32:07 pm
Os dois que faltam são para transportar o Burro e o Maluco das Fotos entre Gavião Peixoto e o hospital dos malucos.  ;D

olha que eles não embarcam nesse tipo de aeronaves são turbo prop, muito lentas................, se fosse um C390 era melhor, mais rápido, voava a maior altitude, mais longe e,  .............mais confortável..........

Abraços
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: NVF em Fevereiro 17, 2017, 06:46:09 pm
Mas como se trata de uma aeronave que faz parte do inventário da FAB é como se fosse praticamente de fabrico brasuca.  ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Fevereiro 17, 2017, 06:52:22 pm
Os dois que faltam são para transportar o Burro e o Maluco das Fotos entre Gavião Peixoto e o hospital dos malucos.  ;D

olha que eles não embarcam nesse tipo de aeronaves são turbo prop, muito lentas................, se fosse um C390 era melhor, mais rápido, voava a maior altitude, mais longe e,  .............mais confortável..........

Abraços

Isso é que era truta mano véi!!!!
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: tenente em Fevereiro 17, 2017, 07:23:42 pm
Os dois que faltam são para transportar o Burro e o Maluco das Fotos entre Gavião Peixoto e o hospital dos malucos.  ;D

olha que eles não embarcam nesse tipo de aeronaves são turbo prop, muito lentas................, se fosse um C390 era melhor, mais rápido, voava a maior altitude, mais longe e,  .............mais confortável..........

Abraços

Isso é que era truta mano véi!!!!

ÓI  ??? ???????
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: HSMW em Fevereiro 17, 2017, 09:29:05 pm
ÓI  ??? ???????
Então não é assim que eles falam?
Meu chapa.
 ;D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: mafets em Fevereiro 18, 2017, 05:24:06 pm
Os dois que faltam são para transportar o Burro e o Maluco das Fotos entre Gavião Peixoto e o hospital dos malucos.  ;D
Até daí foram expulsos. Quem atura tais personagens (vejam a felicidade do pessoal)...  ;D ;)
(https://cdn.shutterstock.com/shutterstock/videos/3417551/thumb/11.jpg)

Saudações  ;D :D
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Charlie Jaguar em Março 10, 2017, 06:46:26 pm
Passados 8 meses do trágico acidente com o C-130H "16804", aparentemente nada se sabe quanto à suposta modernização da frota e eventual aquisição de um quinto aparelho em segunda-mão. Só espero que o artigo de hoje na Jane's não queira significar que esses planos para a frota Hércules foram abandonados e que se irá proceder em breve à assinatura do contrato para a aquisição do KC-390. Seria um erro crasso.

Citar
Portugal envisages acquisition of KC-390 aircraft
Victor Barreira, Istanbul - IHS Jane's Defence Weekly
10 March 2017

The Portuguese Ministry of National Defence (MoND) currently considers the Embraer KC-390 multipurpose transport aircraft as an adequate solution to progressively replace the country's Lockheed Martin C-130H Hercules aircraft, it told Jane's on 9 March. No contract has yet been placed, but up to six aircraft are expected to be purchased. Portugal made an information request to Embraer last October and is currently analysing the information provided, the MoND told Jane's .

The aircraft would conduct troop and cargo transport, firefighting, and air-to-air refuelling missions in the Portuguese Air Force service, the MoND said. Several Portuguese companies, including OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal (partially owned by Embraer), Embraer Metálicas, Embraer Compósitos, and CEiiA, are involved with the KC-390 programme, which Jane's understands favours a potential buy of the type.

http://www.janes.com/article/68638/portugal-envisages-acquisition-of-kc-390-aircraft
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: Alvalade em Março 10, 2017, 07:16:38 pm
Pelos vistos a contribuição europeia já foi aprovada e portanto deve mesmo haver modernização.

Não acredito é que se vá comprar um hercules para substituir o perdido.
Título: Re: Programa de substituição do C-130
Enviado por: perdadetempo em Março 10, 2017, 10:38:24 pm
Olhando para os quadros da LPM e vendo que a Força Aérea não tem nas suas rubricas verbas que permitam adquirir um avião quanto mais 4/5, e as verbas dos serviços centrais destinarem-se primeiro ao concurso dos equipamento e dos veículos para a BGD intervenção rápida só deverá haver dinheiro a partir de 2019-2020 para pensar a sério nessas coisas. Por essa altura talvez já se perceba que aviões é que existem à venda completament