ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Presente => Tópico iniciado por: Pantera em Outubro 26, 2006, 03:47:16 pm

Título: "Jovens" atacam de novo
Enviado por: Pantera em Outubro 26, 2006, 03:47:16 pm
Os distúrbios voltaram aos subúrbios de Paris na noite de ontem, quando um grupo de jovens mascarados incendiou dois autocarros. Os incidentes não causaram quaisquer vítimas.
 
http://sic.sapo.pt/online/noticias/mund ... eparis.htm (http://sic.sapo.pt/online/noticias/mundo/20061026disturbiosvoltamasruasdeparis.htm)


Aí está a tolerância imigrante no seu melhor, que um dia seja em Portugal, para os votantes de PSD,PS e PCP sentirem um pouco do seu perfume
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 27, 2006, 08:36:30 am
Grupos de jovens mascarados incendiaram ontem três autocarros nos arredores de Paris e de Lyon, na véspera do aniversário dos violentos motins que há um ano deixaram os subúrbios de várias cidades francesas a ferro e fogo. O primeiro-ministro Dominique de Villepin já prometeu ‘mão dura’ contra os criminosos.


http://www.correiomanha.pt/noticia.asp? ... l=91&p=200 (http://www.correiomanha.pt/noticia.asp?id=219103&idselect=91&idCanal=91&p=200)
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 27, 2006, 09:21:31 am
Já faz um ano ? Como o tempo passa !
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 29, 2006, 05:09:31 pm
O ministro do Interior francês, Nicol as Sarkozy, anunciou este domingo o envio de duas companhias de polícia anti-motim para Marselha (sul), onde sábado uma mulher ficou gravemente queimada quando adolescentes incendiaram um autocarro.
Trata-se do primeiro ferido grave na violência que marcou o primeiro aniversário dos motins nos subúrbios desfavorecidos, com vários incidentes, embora sem paralelo com as três semanas de distúrbios que afectaram o país entre 27 de Outubro e 20 de Novembro de 2005.

Marselha, que integra bairros muito pobres, foi poupada na violência de 2005, mas sábado à noite um incêndio num autocarro provocou queimaduras em 60% do corpo de uma mulher de 26 anos. Três outros passageiros tiveram de ser assistidos devido a intoxicações causadas pelo fumo.

As autoridades locais anunciaram «tolerância zero» face a eventuais excessos nos oito sectores sensíveis da cidade e hoje não circulavam autocarros em Marselha, com os motoristas a denunciarem várias agressões e a reclamarem o regresso de uma polícia de proximidade.

No total, nove autocarros foram incendiados na última semana nos subúrbios das grandes cidades, sete dos quais na região parisiense, por grupos de pessoas encapuzadas e nalguns casos armadas.

O primeiro-ministro francês, Dominique de Villepin, convocou para segunda-feira uma reunião sobre segurança e os transportes públicos e o presidente Jacques Chirac, que hoje esteve com Villepin e Sarkozy, exprimiu o seu «horror» perante o que classificou de «acto ignóbil» em Marselha, prometendo «a mais extrema severidade» em relação aos autores.

Segundo um balanço da direcção da polícia, que considerou a madrugada de hoje «relativamente calma», dois polícias ficaram ligeiramente feridos e 46 pessoas foram identificadas pelas autoridades, 36 das quais na região parisiense.

Nos arredores de Lille 59 veículos foram incendiados e nos subúrbios de Lyon foram 23 as viaturas queimadas.

Os 4.000 polícias destacados como reforço sexta-feira, antecipando a noite do aniversário do início há um ano dos distúrbios, foram mantidos na noite de sábado para hoje.

As autoridades, os eleitos locais e as associações de bairro lançaram apelos à calma.
Título:
Enviado por: C. E. Borges em Outubro 29, 2006, 08:10:33 pm
A França é um País literal e perigosíssimamente sitiado «por dentro». Nem percebo como foi possível chegar-se onde está, e quais sejam as soluções possíveis.
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 29, 2006, 08:14:53 pm
Citação de: "C. E. Borges"
A França é um País literal e perigosíssimamente sitiado «por dentro». Nem percebo como foi possível chegar-se onde está, e quais sejam as soluções possíveis.


Foi possivel porque se votou nos PSD´s e nos PS´s lá do sitio,e sempre a dar votos a escumalha comunista.....
A solução é,e será votar no Le Pen,só assim se consegue,mais tarde ou mais cedo,a França entra numa guerra civil.

Mas não te preocupes que um dia será em Portugal,basta continuarmos a apoiar PSD, PS BE e PCP e o resto acontece naturalmente.
Título:
Enviado por: C. E. Borges em Outubro 29, 2006, 10:26:01 pm
Eu costumo ouvir todos. O Le Pen, coitado, deve sentir-se tão atrapalhado como toda a "classe política" francesa. Mas ainda em relação a este tópico, há quem tenha uma outra e interessante perspectiva :

- http://combustoes.blogspot.com/ (http://combustoes.blogspot.com/)
Título:
Enviado por: Luso em Outubro 30, 2006, 09:46:03 am
O Miguel Castelo Branco escreve maravilhosamente bem e não tem papas na língua. O João Pereira Coutinho idem, mas agrada-me mais a firmeza do primeiro.

Em relação aos "jovens": já repararam como a SIC Noticias (por exemplo) refere-se sempre aos insurrectos como "jovens" e não por aquilo que são na realidade?
O políticamente correcto (cobardia intelectual) está a minar isto tudo.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 30, 2006, 11:01:14 am
Acho exagerado dizer que mais cedo ou mais tarde haverá uma guerra
civil em França ! Vivi lá muitos anos e sei como aquilo funciona (apesar de não
ter vivido nos ditos bairros).

O Le Pen é da frente nacional e um racista : se fosse com ele, a França teria
saído na UE e teria restabelecido o franco (Este modelo da UE também não
me convém, mas daí a saír dela ...).

Para mim, a solução seria uma maior dureza com a escumalha e privação a
família destes, de regalías sociais, de apoios financeiros, etc ...

É apenas uma faixa muito reduzida da juventude que faz distúrbios, não se
pode generalizar ...
Título:
Enviado por: komet em Outubro 30, 2006, 11:07:51 am
Doctor Z, tirar as regalias sociais é meio caminho andado para as coisas piorarem para eles, e se tornarem mais violentos ainda....

Podia sugerir a deportação... mas para onde?  :? Foi França q os viu nascer e crescer...
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 30, 2006, 12:57:12 pm
Citação de: "Doctor Z"
Acho exagerado dizer que mais cedo ou mais tarde haverá uma guerra
civil em França ! Vivi lá muitos anos e sei com aquilo funciona (apesar de não
ter vivido nos ditos bairros).

O Le Pen é da frente nacional e um racista : se fosse com ele, a França teria
saído na UE e teria restabelecido o franco (Este modelo da UE também não
me convém, mas daí a saír dela ...).

Para mim, a solução seria uma maior dureza com a escumalha e privação a
família destes, de regalías sociais, de apoios financeiros, etc ...

É apenas uma faixa muito reduzida da juventude que faz distúrbios, não se
pode generalizar ...


gostava que me explicasses qual a lógica de querer olivença para Portugal, se não queres que Portugal não seja um país livre com moeda própria,tal como a França,queres a união europeia,com uma moeda, um hino, uma bandeira e por aí fora,mas depois queres olivença...tem muita lógica!!!

O Le Pen,tem muitos pretos no partido dele,se visses videos dele,percebias isso,logo não o podes apelidar de racista coisa nenhuma,caso contrário os negros não estavam no seu partido,além de judeus.

Cortar subsidios e outras regalias,é justo,mas apenas é mais uma justificação para eles serem ainda mais violentos,o ideal é mesmo retirar-lhe as nacionalidades e deportá-los para os países dos pais deles,basta ver como o Blair fez para os terroristas,é exactamente isso que temos que fazer!!
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 30, 2006, 02:26:24 pm
Citação de: "Pantera"
Citação de: "Doctor Z"
Acho exagerado dizer que mais cedo ou mais tarde haverá uma guerra
civil em França ! Vivi lá muitos anos e sei com aquilo funciona (apesar de não
ter vivido nos ditos bairros).

O Le Pen é da frente nacional e um racista : se fosse com ele, a França teria
saído na UE e teria restabelecido o franco (Este modelo da UE também não
me convém, mas daí a saír dela ...).

Para mim, a solução seria uma maior dureza com a escumalha e privação a
família destes, de regalías sociais, de apoios financeiros, etc ...

É apenas uma faixa muito reduzida da juventude que faz distúrbios, não se
pode generalizar ...

gostava que me explicasses qual a lógica de querer olivença para Portugal, se não queres que Portugal não seja um país livre com moeda própria,tal como a França,queres a união europeia,com uma moeda, um hino, uma bandeira e por aí fora,mas depois queres olivença...tem muita lógica!!!

O Le Pen,tem muitos pretos no partido dele,se visses videos dele,percebias isso,logo não o podes apelidar de racista coisa nenhuma,caso contrário os negros não estavam no seu partido,além de judeus.

Cortar subsidios e outras regalias,é justo,mas apenas é mais uma justificação para eles serem ainda mais violentos,o ideal é mesmo retirar-lhe as nacionalidades e deportá-los para os países dos pais deles,basta ver como o Blair fez para os terroristas,é exactamente isso que temos que fazer!!


Vamos ver se a gente se entende.

Quero Olivença para Portugal como é óbvio, mas penso que Portugal deve
continuar na UE ; nunca disse que essa UE é perfeita longe daí.
Infelizmente, da maneira que o mundo está a construir-se (em torno da
globalização), penso que uma saída da UE feria como que ainda nos
tornaríamos ainda mais isolados : moeda fraca (escudo) sem pertencer a
nenhum bloco ; ou então, tinha-se que fazer um bloco luso-económico
(Portugal, Brasil, Angola, Moçambique, São Tomé e Príncipe, Cabo Verde,
Guiné Bissau, Timor Leste). O problema deste bloco é que apenas
Portugal e o Brasil teriam o desenvolvimento económico adequado (pelo o
menos agora) para enfrentar a concorrência económica.

Quanto a UE, para mim, não deve evoluír mais do que está agora : a
bandeira pode ser, o hino já considero demais (haverá mesmo muitos
cidadãos da UE a conhecê-lo ?), o moeda pode dar jeito. Agora, um única
administração eu digo não. Se evoluír, para mim seria apenas para
corrigir tudo o que não bate certo.

Quanto ao facto de o Le Pen ser racista, ele é e é um facto, também há
vídeos a comprovar tais factos. Aliás, só fiz minhas as palavras da maioria
dos franceses, nada mais. Quanto ao facto de não ter só "brancos" no
partido dele, também sei disso, vivi em França 32 anos ... Isso é apenas
para querer dizer que o Le Pen, afinal de contas, não é assim tão mau
quanto isso ...

Para mim, cortar subsídios seria um primeiro passo : a segunda infracção,
seria rua ! Claro que em função das gravidades dos actos, podia ser uma
expulsão directa. O Blair expulsou alguns, não é por isso que resolveu o
problema de alguns estrangeiros serem muçulmanos radicais ...

Para mim a UE deve ser uma associação de países e não uma
confederação destes mesmos, associação na qual cada um têm a sua
identidade, a sua cultura, a sua língua, uma associação para enfrentar o
mercado económico. A UE não deve ser França, Alemanha, Reino Unido e
Itália e alguns cachorros por trás deles, o que duma certa forma é o que
está a acontecer (um dos pontos que seria a melhorar). Uma
confederação poderia funcionar nos primeiros anos, mas não seria ao
gosto de muita gente (incluíndo eu) e acabaria sempre por bater a bota,
tal como aconteceu com os grandes impérios ...
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 31, 2006, 10:16:01 am
Mas é isso que eu defendo,uma europa de nações onde a soberania não seja posta em causa.O problema é que hoje defender a união europeia é quase defender o federalismo,pois é esse o grande objectivo dela,a união europeia com cada país com a sua soberania,é quase uma utopia!!!
Título:
Enviado por: ricardonunes em Outubro 31, 2006, 11:14:19 pm
Como reagem os Franceses a uma intifada

   (http://img429.imageshack.us/img429/4305/pn110106jx9.jpg)
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Novembro 02, 2006, 05:46:46 pm
A propósito dos recentes (e actuais) distúrbios em França, destaco um artigo de F.Obbema no Volkskrant ( este 'jornal do povo' de Amesterdão é um dos mais importantes diários do norte da Europa).
Citar
As Mentiras que se sobrepôem á Verdade...

Sempre que se trata de incidentes nos subúrbios, os jornalistas franceses praticam a autocensura ou seguem servilmente as indicações do Ministério da Administração Interna (ministére de l'intérieur), em qualquer dos casos acabam por não cumprir a sua verdadeira missão.

Num conflito a primeira vítima  normalmente é a verdade é um velho adágio do jornalismo de guerra.E isto salta aos olhos quando lemos em França as reportagens recentemente consagradas  sobre a situação nos subúrbios."Bastante calmo" assim  qualificava o Ministério do Interior o fim-de-semana de 28/29 de outubro, precisamente um ano depois dos famosos motins.À falta de outras fontes autorizadas, esta expressão tranquilizadora foi retomada pela generalidade dos médias.Mas o que se pode qualificar de 'calma' ?
Claro que o Ministério fez uma excepção para  o 'incidente' de Marselha (uma estudante senegalesa foi gravemente queimada num autocarro incendiado por energúmenos), mas todos os outros 'acontecimentos' foram eclipsados pela palavra 'calma' sejam as centenas de carros incendiados na noite de sexta para sábado, os dois autocarros que arderam  na noite de sexta, o ataque contra a polícia no sábado de tarde por dezenas de jovens encapuçados  atirando 'cocktails molotov'  e pedras, as trinta e seis detenções (entre as quais 'jovens' transportando bidões de gasolina), os quatro polícias feridos no decorrer de uma intervenção...Falar de 'calma' nestas condições, pressupõe uma concepção bem elástica da norma.
Assim, faz-nos lembrar o jornalismo de guerra.Num conflito é sempre a visão de um dos beligerantes que predomina, quando faltam informações do campo contrário.Ora, em França nao é exagero dizer que o Ministério do Interior é uma das partes em conflito.Mas há realmente uma grande diferença entre o jornalismo de guerra e os acontecimentos do passado fim-de-semana.
Num conflito a tónica é especialmente dirigida para os maleficios do adversário mas, neste caso o Ministério tem interesse em minimizar os factos, e daí a pretensa 'calma' evocada.
Nao defendemos a ideia que o Ministério manipula os números (mesmo que estes nao sejam 'controlados' e os médias se mantenham totalmente dependentes de informações policiais).O que é importante é a interpretação desses números.Se o Ministério tivesse utilizado o termo 'alarmante' em lugar de 'bastante calmo' as informações difundidas na segunda-feira pelos média teriam um outro impacto.
Ora eles contribuiram  para esta situação ao praticarem auto-censura .No dia 22(domingo) o canal France2 suprimiu do seu telejornal das 20H um assunto consagrado aos 'acontecimentos' de 2005 porque 'julgou não ser oportuno passar esse tema depois de mais um 'incidente' em Grigny.Aliás os jornalistas  'no terreno' estão sob tensão, pois partilham com a policia a 'honra' de serem agredidos verbal e físicamente, não tendo óbviamente o menor desejo de passar o mês de Novembro nesses mesmos subúrbios.Neste ponto, os interesses do Ministério do Interior e dos 'média' parecem coincidir.E esta é uma situaçao realmente perigosa para a verdade.
Fora isto os canais de televisão multiplicam as reportagens 'positivas' sobre os 'subúrbios'.Quase diáriamente  a televisão francesa descobre  moradores dinâmicos dessas zonas, com vontade de progredir.Não há nada de mal nessas imagens, mas isso não impediu que as críticas se espalhem contra eles, como aconteceu no passado domingo 29.Sem as imagens dos autocarros incendiados na região parisiense, os jovens de Marselha nao teriam cometido tais desacatos, afirmaram em coro condutores de autocarros, membros das associações contra o racismo e outros 'actores sociais'.
Imagina-se que, como reacção, os médias poderiam acentuar ainda mais a auto-censura.Uma prática na qual a primeira vítima poderá ser a verdade, tal como numa verdadeira guerra.  
Título:
Enviado por: Pantera em Novembro 03, 2006, 08:33:22 am
não se preocupem que é tudo boa gente
Título:
Enviado por: Sintra em Novembro 04, 2006, 09:39:23 pm
Pois claro
  O Ocidente está perdido, a UE é a precursora de um estado pluricontinental fascista, os Franceses são uns "coninhas" e a Europa está ameaçada por uma quinta coluna "Islâmica", etc, etc, etc...
 E que tal lembrarem-se que existiram mais mortes num único incidente no Estádio Heysel entre as claques do Liverpool e da Juventus do que em TODOS os disturbios dos dois ultimos anos em França?
 
 Chiça
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 04, 2006, 10:24:02 pm
err...

O numero de mortos nas estradas de Portugal, num único mês, é maior que o numero de mortos nos incidentes e conflitos étnicos em França na última década.

Mas isso altera alguma coisa?

Há realidades que por muito Eysel Park, ou por muito morto nas estradas portuguesas não se podem ignorar.

Há um problema com o facto de uma parte da sociedade francesa, que a França não conseguiu assimilar, se revoltar contra o status quo e se refugiar no extremismo islâmico para justificar o seu fracasso, ou a sua falta de sucesso.

Nem sequer coloco em causa que seja a xenofobia dos franceses que torne as coisas mais dificeis e que potêncie os problemas, mas negar que o problema existe não faz sentido. É suicidio não vêr o óbvio.

E isso é que o "establishment" europeu está a fazer, está a meter a cabeça na areia e a tentar mudar as coisas desejando com muita força, para que quando a cabeça sair da areia, já não haja problemas étnicos.

Isso já aconteceu no passado, e resultou em desgraça, mortandade e guerra. Não fazer nada, é meio caminho andado para o mesmo resultado. A História repete-se. A água do rio nunca é a mesma, mas as curvas do rio estão lá sempre.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: P44 em Novembro 04, 2006, 10:28:26 pm
Citação de: "Sintra"
Pois claro
  O Ocidente está perdido, a UE é a precursora de um estado pluricontinental fascista, os Franceses são uns "coninhas" e a Europa está ameaçada por uma quinta coluna "Islâmica", etc, etc, etc...
 E que tal lembrarem-se que existiram mais mortes num único incidente no Estádio Heysel entre as claques do Liverpool e da Juventus do que em TODOS os disturbios dos dois ultimos anos em França?
 
 Chiça


 :Palmas:
Título:
Enviado por: Artic Fusion em Novembro 04, 2006, 10:37:54 pm
Citação de: "Sintra"
Pois claro
  O Ocidente está perdido, a UE é a precursora de um estado pluricontinental fascista, os Franceses são uns "coninhas" e a Europa está ameaçada por uma quinta coluna "Islâmica", etc, etc, etc...
 E que tal lembrarem-se que existiram mais mortes num único incidente no Estádio Heysel entre as claques do Liverpool e da Juventus do que em TODOS os disturbios dos dois ultimos anos em França?
 
 Chiça


Você e o sr. P44 não devem ter nunca ido a França.

Costumo ir lá passar férias com a minha avó todos os verões e há cerca de três anos, o meu irmão foi agredido por dois miudos turcos sem razão aparente. Eles funcionam tipo os ciganos (que eu conheço). Bate-se num vem o bando todo, excepto que nós não lhes fizemos nada mas como naquela altura não sabiamos falar francês eles acharam que podiam gozar connosco.

Voltei a encontrar um dos putos e espetei-lhe um bikeiro na canela antes de ele chamar o resto do "gang". E só não lhe cuspi porque não o sei fazer.

Malditos árabes. Não sou xenofobo mas é raça em que eu não confio, isto obviamente sem generalizar... :x
Título:
Enviado por: Sintra em Novembro 04, 2006, 10:52:08 pm
Citação de: "Artic Fusion"
Citação de: "Sintra"
Pois claro
  O Ocidente está perdido, a UE é a precursora de um estado pluricontinental fascista, os Franceses são uns "coninhas" e a Europa está ameaçada por uma quinta coluna "Islâmica", etc, etc, etc...
 E que tal lembrarem-se que existiram mais mortes num único incidente no Estádio Heysel entre as claques do Liverpool e da Juventus do que em TODOS os disturbios dos dois ultimos anos em França?
 
 Chiça

Você e o sr. P44 não devem ter nunca ido a França.

Costumo ir lá passar férias com a minha avó todos os verões e há cerca de três anos, o meu irmão foi agredido por dois miudos turcos sem razão aparente. Eles funcionam tipo os ciganos (que eu conheço). Bate-se num vem o bando todo, excepto que nós não lhes fizemos nada mas como naquela altura não sabiamos falar francês eles acharam que podiam gozar connosco.

Voltei a encontrar um dos putos e espetei-lhe um bikeiro na canela antes de ele chamar o resto do "gang". E só não lhe cuspi porque não o sei fazer.

Malditos árabes. Não sou xenofobo mas é raça em que eu não confio, isto obviamente sem generalizar... :x

 
 Ah, pois não, eu não atravessei metade das montanhas dos Alpes e dos Pirineus a pé...
 A história que acabou de colocar aqui é idêntica ao de um miudo da Nova Zelândia que conheci, como não sabia falar a lingua foi assaltado 3 vezes no espaço de uma semana, foi ferido no ultimo assalto com uma ponta e mola...
 Foi na linha de Sintra e o ultimo assalto em que foi ferido foi às duas da tarde no meio do Rossio em Lisboa...
 Malditos Portugueses, é raça que não se pode confiar, se encontrasse algum dava-lhe um bikeiro e cuspia-lhe se não tivesse a garganta seca...
 Mas generalizar, NUNCA, quem eu?!!!!
Título:
Enviado por: Sintra em Novembro 04, 2006, 10:52:55 pm
Citação de: "papatango"
err...

O numero de mortos nas estradas de Portugal, num único mês, é maior que o numero de mortos nos incidentes e conflitos étnicos em França na última década.

Mas isso altera alguma coisa?

Há realidades que por muito Eysel Park, ou por muito morto nas estradas portuguesas não se podem ignorar.

Há um problema com o facto de uma parte da sociedade francesa, que a França não conseguiu assimilar, se revoltar contra o status quo e se refugiar no extremismo islâmico para justificar o seu fracasso, ou a sua falta de sucesso.

Nem sequer coloco em causa que seja a xenofobia dos franceses que torne as coisas mais dificeis e que potêncie os problemas, mas negar que o problema existe não faz sentido. É suicidio não vêr o óbvio.

E isso é que o "establishment" europeu está a fazer, está a meter a cabeça na areia e a tentar mudar as coisas desejando com muita força, para que quando a cabeça sair da areia, já não haja problemas étnicos.

Isso já aconteceu no passado, e resultou em desgraça, mortandade e guerra. Não fazer nada, é meio caminho andado para o mesmo resultado. A Hsitória repete-se. A água do rio nunca é a mesma, mas as curvas do rio estão lá sempre.

Cumprimentos


 Concordo em absoluto
Título:
Enviado por: Luso em Novembro 04, 2006, 10:56:30 pm
E com as vítimas dos acidentes de viação com as do Ultramar!
Fazem tanto barulho com o Ultramar para nada...  :roll:

O "Fórum Defesa Brasiu" está fechado?
Título:
Enviado por: Sintra em Novembro 04, 2006, 11:04:54 pm
Mas é precisamente isso Luso, que comparações são estas...
 É preferível fazer uma barulheira enorme, porque vende jornais, com um conjunto de incidentes protagonizados por miudos, do que tratar das questões de fundo, e uma parte da imprensa Europeia tende a demonizar pessoas de outros credos e religiões e a GENERALIZAR, lembra-se daqueles infames 95% de violadores em Itália...
 Continuo a dizer que o Papatango está coberto de razão, se calhar as minhas soluções não seriam idênticas às suas, mas que se tem de fazer alguma coisa tem, e não é criando um clima de histeria que se soluciona o que quer que seja. Mas esse clima vende jornais...
 E admito que quem generalizou nestes ultimos posts fui eu  :oops:

 Cumprimentos
Título:
Enviado por: RedWarrior em Novembro 08, 2006, 03:29:29 pm
Citação de: "papatango"
Há um problema com o facto de uma parte da sociedade francesa [...] se revoltar contra o status quo e se refugiar no extremismo islâmico para justificar o seu fracasso, ou a sua falta de sucesso.
Concordo contigo quando dizes que há um problema, cuja causa é o fracasso/falta de sucesso, e a consequência os distúrbios e o refúgio que as mentes frouxas procuram na religião.

Citação de: "papatango"
[...]o "establishment" europeu [...] está a meter a cabeça na areia [...] para que quando a cabeça sair da areia, já não haja problemas étnicos.

 Aqui contradizes aquilo que afirmaste em cima. Em primeiro lugar, a religião é, felizmente,  uma parte quase insignificante na etnografia nos dias que correm. Em Segundo, a religião é apenas uma consequência e não a causa de um problema.
 Eu posso-te garantir que se todos os muçulmanos em França tivessem um bom emprego e uma vida mais desafogada, longe dos bairros problemáticos, que a questão deixava de se colocar.
Título:
Enviado por: Viriato - chefe lusitano em Novembro 08, 2006, 03:41:04 pm
Citação de: "RedWarrior"
Citação de: "papatango"
Há um problema com o facto de uma parte da sociedade francesa [...] se revoltar contra o status quo e se refugiar no extremismo islâmico para justificar o seu fracasso, ou a sua falta de sucesso.
Concordo contigo quando dizes que há um problema, cuja causa é o fracasso/falta de sucesso, e a consequência os distúrbios e o refúgio que as mentes frouxas procuram na religião.

Citação de: "papatango"
[...]o "establishment" europeu [...] está a meter a cabeça na areia [...] para que quando a cabeça sair da areia, já não haja problemas étnicos.
Aqui contradizes aquilo que afirmaste em cima. Em primeiro lugar, a religião é, felizmente,  uma parte quase insignificante na etnografia nos dias que correm. Em Segundo, a religião é apenas uma consequência e não a causa de um problema.
 Eu posso-te garantir que se todos os muçulmanos em França tivessem um bom emprego e uma vida mais desafogada, longe dos bairros problemáticos, que a questão deixava de se colocar.


E se eu vestisse saia era uma mulher.......
Título:
Enviado por: Luso em Novembro 08, 2006, 09:19:11 pm
Citação de: "Viriato - chefe lusitano"
E se eu vestisse saia era uma mulher.......

 :shock:
Faz-se já uma petição para patrocinar a ida do réde a França. Aposto que seria escoltado pelo Miguel que teria o maior prazer em fazer as honras da casa a tão ilustre visitante.
Título:
Enviado por: Miguel em Novembro 08, 2006, 09:29:49 pm
coitado do Red

ao fim de 2 horas ficava tremido :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 08, 2006, 10:37:25 pm
Só um pequeno esclarecimento que parece ser necessário:

Os turcos não são árabes!!!
Os turcos são étnicamente um povo indo-europeu (excluindo-se aqui os curdos).

Otra coisa é que sejam um povo indo-europeu que não é cristão, mas a religião não tem nada a ver com a etnia.

Os gregos também são indo-europeus, e não são católicos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Artic Fusion em Novembro 08, 2006, 11:05:05 pm
Citação de: "Sintra"
Ah, pois não, eu não atravessei metade das montanhas dos Alpes e dos Pirineus a pé...
 A história que acabou de colocar aqui é idêntica ao de um miudo da Nova Zelândia que conheci, como não sabia falar a lingua foi assaltado 3 vezes no espaço de uma semana, foi ferido no ultimo assalto com uma ponta e mola...
 Foi na linha de Sintra e o ultimo assalto em que foi ferido foi às duas da tarde no meio do Rossio em Lisboa...
 Malditos Portugueses, é raça que não se pode confiar, se encontrasse algum dava-lhe um bikeiro e cuspia-lhe se não tivesse a garganta seca...
 Mas generalizar, NUNCA, quem eu?!!!!


E que tem atravessar pirineus e alpes ,viveu la?

E depois quer comparar a importancia politica de lisboa ou do porto a clermont ferrand? O facto é que eles estão em todo o lado. Em lisboa e no porto já se sabe. Agora lá não é só em Marselha ou Paris.

E se eu disse que não generalizava, é porque não generalizo. Ponto final no assunto.
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Janeiro 01, 2007, 11:13:02 am
Parece notar-se algum alívio nos 'média' franceses por ter havido esta noite e madrugada 'apenas' 396 carros incendiados e, aparte as identificações costumeiras, a ausência de confrontos directos entre jovens e polícias, que tem constituido um dos 'cartões de visita' das passagens de ano francesas.Como nota particular, parece que a idade dos 'perturbadores'  está a baixar...

Citar
NUIT DU 1ER DE L'AN

 Un réveillon moins violent qu'en 2006

 | 01.01.2007 | 09:49

La nuit de la Saint-Sylvestre compte 313 véhicules incendiés et 258 interpellations. Aucun affrontement entre jeunes et forces de l'ordre n'est à déplorer.

 
Quelque 313 véhicules ont été incendiés et 83 autres ont brûlé par propagation en France métropolitaine au cours de la nuit du Nouvel an, tandis que 258 personnes ont été interpellées, a-t-on appris lundi 1er janvier auprès de la direction générale de la police nationale (DGPN).
Selon ce bilan, arrêté à 06h00, sur 25.000 policiers et gendarmes mobilisés, trois policiers ont été légèrement blessés, dont l'un à Paris, bousculé par une voiture sur les Champs-Elysées et deux au cours d'interpellations, selon la même source.
Parmi les grandes villes les plus touchées par les incendies de voitures, selon la DGPN, figurent notamment Strasbourg (28), le Havre (12) et Colmar (11).

Pas de violences

Contrairement à la nuit du nouvel an 2005-2006, il n'y a "pas eu d'affrontements entre jeunes et forces de l'ordre, pas de violences enregistrées, ni de dégâts immobiliers, ni de troubles dans les transports, notamment en région parisienne ou dans le sud-est de la France", a souligné la DGPN.
En revanche, les forces de l'ordre ont relevé "un net rajeunissement" des personnes mises en cause, citant en particulier le cas de deux garçons de 8 et 10 ans interpellés pour un feu de poubelles à Strasbourg et de trois autres de 10 à 12 ans, interpellés en Seine-Saint-Denis porteurs de bidons d'essence.
"Une centaine" de véhicules avaient été signalés brûlés dimanche soir selon un bilan de mi-soirée arrêté à 23h00 le 31 décembre, un nombre jugé "équivalent" à celui du 31 décembre 2005 à la même heure, avait souligné la DGPN. (AFP)

Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 01, 2007, 11:51:51 am
foi tudo a festejar..um bom ano novo pelos vistos

a França por este andar vai se tornar o novo Brasil....
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Janeiro 02, 2007, 11:36:06 am
Ainda sobre este tema (  boa parte da comunicação social francesa evita dar demasiado destaque ) levantou-se agora alguma polémica entre o PS e próximos de Nicolas Sarkozy sobre os números apresentados, pois o actual ministro francês do Interior retirou das estatísticas os carros incendiados 'por propagação'.O número apresentado pelo deputado socialista francês Arnaud de Montebourg é, a meu ver, impressionante... cerca de 40 000 viaturas foram incendiadas o ano que passou (e não posso deixar de concordar com ele em que incêndios directos ou indirectos são para todos os efeitos a mesma coisa). O mesmo deputado acusa então o responsavel governamental de  ' inventar uma astúcia em que faria sair das estatísticas as viaturas incendiadas por propagação' e pergunta ' o que se passa no país... e se as leis mediáticas de Sarkozy serviram para alguma coisa'.Outra responsável PS (secretária nacional no partido, para a segurança) Delphine Batho considerou que so na região Ile-de-France houve um aumento de 40% e reclamou a publicação de um 'estado de situação exaustivo após os incidentes'.
Mesmo se os protestos do PS francês devam ser enquadrados numa perspectiva de eleições próximas em que a sua candidata Segoléne Royal poderá ter muito fortes possibilidades de ganhar, nao deixa de ser preocupante e deprimente para o cidadão francês constatar a ineficácia de sucessivas políticas securitárias e interrogar-se também... " o que se passa neste país ?? "
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 02, 2007, 01:04:08 pm
" o que se passa neste país ?? "

eu explico o que se passa.
A frança foi durante muitos anos um paraiso socialista/social democrata e certas partes até comunistas.Deram-lhes subsidios,casas a preços baratissimos,apresentaram-se queixas crimes contra pessoas só porque diziam "os pretos isso",os "pretos aquilo",onde policia nunca teve a "força" que deveria ter tido,eram regularizações extraordinárias de imigrantes,entre tantas coisas e o resultado está a vista,alias basta ver o que se passa em Portugal hoje,onde por exemplo Loures,não tem nenhuma camara ou municipio de direita,é tudo socialista ou comunista,e quem conhece loures sabe perfeitamente o regime de terror que os imigrantes provocam.

Hoje Portugal representa a França de alguns anos atrás,da tolerancia,da palhaçada socialista e por aí fora,e hoje a França representa acima de tudo o futuro de Portugal.Porquê?Porque o povo dá votos a comunistas e socialistas e quando altera basicamente vai para o PSD que é quase a mesma porcaria.Basta ver as leis de imigração que foram aprovadas pelo parlamento à pouco tempo,ninguem espera que aquilo não seja um passo para o abismo,porque efectivamente o é.Além do mais as camaras socialistas e comunistas continuam a dar casas quase grátis para essa escumalha toda.

Só espero sinceramente que em França o Le Pen consiga subir ao poder.

Abraços
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Janeiro 02, 2007, 02:16:52 pm
Pantera:

Não podemos nunca generalizar, especialmente em relação aos imigrantes. Há de tudo. Os honestos, que só procuram uma vida digna e melhor e os “outros”.

O problema não são os imigrantes, o problema é a benevolência dos Estados Europeus para com os que se negam a respeitar e a cumprir as Leis dos países de acolhimento. Isto também se aplica aos “nacionais” (e de que maneira).

Ponha essas suas palavras num qualquer governante de alguns dos países que receberam milhões de Portugueses? Está a ver? E o que seriam os EUA sem os imigrantes que recebeu aos milhões? Por exemplo, Sikorsky diz-lhe alguma coisa?

Volto a repetir: O problema é a falta de autoridade do Estado para aqueles que se negam reiteradamente a cumprir a Lei.

Devemos é procurar os motivos para o tal desleixo do Estado nesse sentido. Aí sim, parte do que disse faz sentido. Excesso de ideologias de esquerda, desorganização do estado, retirada sistemática de autoridade as forças de segurança, Leis absurdas e um longo etc.
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 02, 2007, 03:56:02 pm
Pois mas os portugueses fizeram tudo para se sentirem integrados na sociedade francesa além de trabalharem muito e adoptarem muitos dos costumes locais, os outros (a maior parte deles) quer é receber subsidios morar nos  bairros sociais e tentar levar vidas de rico cometendo variados crimes.

Veja-se em Portugal o chefe da associação de profissionais da PSP disse uma verdade verdadeira e o homem foi logo processado pelo governo e creio que pelo senhor defensor das minorias etnicas em Portugal.

O homem so disse que " a subida do numero de imigrantes faz crescer o crime nas ruas"... isto é mentira? Principalmente nas grandes cidades?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 02, 2007, 06:38:44 pm
Citação de: "Typhonman"
Veja-se em Portugal o chefe da associação de profissionais da PSP disse uma verdade verdadeira e o homem foi logo processado pelo governo e creio que pelo senhor defensor das minorias etnicas em Portugal.

O homem so disse que " a subida do numero de imigrantes faz crescer o crime nas ruas"... isto é mentira? Principalmente nas grandes cidades?


Se o chefe da dita associação levou "porrada" foi merecida, ele está lá para defender os interesses dos seus associados e não para fazer discursos radicais politizados com idiologias de esquerda.

E o problema não é a "subida do número de imigrantes" mas sim a politica de "guetização" desses imigrantes.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 02, 2007, 06:45:59 pm
O homem disse especificamente "brasileiros". Teve o que merecia. Se quer ser ouvido como um parceiro credível dos governos tem que se comportar à altura!
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 02, 2007, 07:14:04 pm
Lá estamos nos na onda do politicamente correcto..

As pessoas que querem falar são amordaçadas.. As TVs não podem dar determinada noticia..porque a ACIME cai-lhes em cima..

E não faço mais nehum comentário..Vejam-se a estupidez a que se chegou quando num comunicado de um clube qualquer se disse.. " o grego karagounis".. Vieram logo estes senhores preocupados porque se fez "uso" da origem da pessoa.. Isto começa a chegar ao ridiculo, cada vez mais penso que a ACIME é mais um "tacho" para boys.. É isto e a celebração do Natal no Reino Unido, parece que foi declarada a guerra anti-Natal para não ofender os "coitadinhos" dos muçulmanos.

Eu acho que se devia enforcar o Pai Natal e matar as Renas.. :roll:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 02, 2007, 07:31:15 pm
O problema é mesmo o politicamente correcto, por vezes pergunto-me o que é essa porra?
As coisas podem ser ditas sem temor, ou melhor, podemos chamar os bois pelo nome, e isto sem ferir susceptibilidades isto quando as palavras são ditas com convicção e num tom que não seja pejorativo.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 02, 2007, 07:56:26 pm
A capa do "falei como sindicalista" não pode ser desculpa para tudo e não deve fornecer uma impunidade ilimitada. É a minha opinião.
Quando se diz isto: "antes de haver imigrantes brasileiros não havia assaltos nos semáforos", para além de ser estúpido é de uma ignorância tal que essa pessoa não pode ser polícia.
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 02, 2007, 09:57:36 pm
Não será, o politicamente correcto, uma forma de censura democrática para
esconder o falhanço das ultimas gerações politicas  europeias, encabeçadas por um polvo tenebroso, o qual mudar partidos nos governos, ninguém nota diferenças.......mas pior que isso, faz lembrar a queda do império romano, onde estes pagavam aos seus inimigos e davam a cidadania romana por dá cá aquela palha e ......
A europa devia fechar as torneiras e apoiar o desenvolvimento nos países pobres, para as populações aí permanecerem (mas esses países são sugados por corruptos ao serviço de multi-nacionais), mas o capitalista precisa de mão de obra barata por isso venha ela......depois o estado que aguente as porcarias........por ele admitidas.....a população que se lixe.... e viva os condóminos privados para os ricos, o outro é que era sacana por estar do lado dos ricos, mas não tinha esta de guarda-costas para malta rica, nem casas à parte, mas hoje esta democracia cheira mal mesmo......porque razão os presidentes dos partidos, não vão a eleições com votos de todos os filiados desses partidos, em que qualquer pessoa se pode candidatar a tal desde que filiado, como nos E.U.A.???????
Os partidos em Portugal não representam nada mais que uma elite de falhados que se auto-elege, no resto da Europa não sei não????
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 03, 2007, 08:43:01 am
Citação de: "Jorge Pereira"
Pantera:

Não podemos nunca generalizar, especialmente em relação aos imigrantes. Há de tudo. Os honestos, que só procuram uma vida digna e melhor e os “outros”.

O problema não são os imigrantes, o problema é a benevolência dos Estados Europeus para com os que se negam a respeitar e a cumprir as Leis dos países de acolhimento. Isto também se aplica aos “nacionais” (e de que maneira).

Ponha essas suas palavras num qualquer governante de alguns dos países que receberam milhões de Portugueses? Está a ver? E o que seriam os EUA sem os imigrantes que recebeu aos milhões? Por exemplo, Sikorsky diz-lhe alguma coisa?

Volto a repetir: O problema é a falta de autoridade do Estado para aqueles que se negam reiteradamente a cumprir a Lei.

Devemos é procurar os motivos para o tal desleixo do Estado nesse sentido. Aí sim, parte do que disse faz sentido. Excesso de ideologias de esquerda, desorganização do estado, retirada sistemática de autoridade as forças de segurança, Leis absurdas e um longo etc.


o problema não é só esse.
Diga-me lá se a imigração africana é a mesma coisa que a europeia?
Diga-me lá se os portugueses, franceses , espanhóis criam bairros tipo da cova da moura e 6 Maio?
Diga-me lá se os portugueses não foram(e são) trabalhadores e honestos nos países lá fora ?
Diga-me lá se alguma vez os portugueses fizeram o que estão a fazer os imigrantes lá em França ou Inglaterra?

Não se pode comparar dois tipos de imigração,uma que se integra nas sociedades para onde vão e outra onde criam regimes de verdadeiro terror!
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 03, 2007, 12:24:48 pm
Não entendi muito bem, iso de imigração europeia.
Estamos a falar de Ucrânianos, Romenos, Russos etc... ?

Não podemos comparar periodos históricos diferentes.

É o facto de esses periodos serem diferentes que condiciona a actuação da polícia e das autoridades em geral.

Hoje, existem regras rigidas relativas ao relacionamento com minorias étnicas que não existiam há 20 ou 30 anos. Essas regras, feitas por senhores bem intencionados, acabam por não se adequar às necessidades e à realidade  perante a qual a sociedade é colocada todos os dias.

A integração tambám é mais facil em dois casos:

1 - Identidade étnica religiosa ou cultural entre a população imigrante e a população do pais que os recebe.

2 - Qualificação profissional ou qualidades técnicas dos imigrantes, que facilitam a sua integração no mercado de emprego e a sua posterior integração na sociedade.

Obviamente que quando nenhum dos dois quesitos acima é preenchido, a integração vai ter muitos problemas.

Não adianta criticar a imigração de pessoas de países africanos. É necessário encontrar soluções práticas e que possam funcionar.

Criticar só por criticar, serve de pouco.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 03, 2007, 10:55:22 pm
:conf:
Eu passei por aqui da parte da manhã e tenho a impressão de ter visto respostas depois do meu comentário.
Aconteceu alguma coisa com as respostas ?  :shock:  ?
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 04, 2007, 08:33:10 am
Citação de: "papatango"
:conf:  :shock:  ?

houve uma resposta sim..

relativalemente ao que disseste em cima



Citar
Não entendi muito bem, iso de imigração europeia.
Estamos a falar de Ucrânianos, Romenos, Russos etc... ?

estava-me a referir mais à imigração francesa,inglesa, espanhola,etc...mas podes meter também esses na lista,pois entre esses e os imigrantes de áfrica,não existe comparação.Volto a lembrar que em frança quem provoca o regime de terror e os bairros problemáticos não são os russos,os ucranianos,e por aí fora....

Citar
Hoje, existem regras rigidas relativas ao relacionamento com minorias étnicas que não existiam há 20 ou 30 anos. Essas regras, feitas por senhores bem intencionados, acabam por não se adequar às necessidades e à realidade perante a qual a sociedade é colocada todos os dias.
sim,mas a imigração também é diferente.Diz-me lá uma cova da moura,bairro 6 de maio,chelas feito por russos ou ucranianos ?

Citar
1 - Identidade étnica religiosa ou cultural entre a população imigrante e a população do pais que os recebe.

2 - Qualificação profissional ou qualidades técnicas dos imigrantes, que facilitam a sua integração no mercado de emprego e a sua posterior integração na sociedade.

essa é uma das razões para considerar a imigração europeia diferente da de África,mas não é tudo

abraços
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Janeiro 04, 2007, 06:49:07 pm
PAPATANGO
Citar
Eu passei por aqui da parte da manhã e tenho a impressão de ter visto respostas depois do meu comentário.
Aconteceu alguma coisa com as respostas ?


Nao sei se teria sido o caso de uma resposta minha de ontem que decidi 'apagar' algumas horas depois.A razão foi apenas a de 'poupar' espaço ao FORUM e tempo aos colegas, pois reflectindo bem, tudo ou quase, o que escrevera já constava de intervenções, minhas e outros,  vários meses atrás.
Queria apenas reafirmar o meu acordo sobre a intervenção de Jorge Pereira no  que respeita a evitar 'generalizações', até porque para lá da justeza do que ele escreveu, deveremos reconhecer que esse raciocinio poderia em alguns casos 'voltar-se contra nós' em relação a  compatriotas pelo mundo fora.

Dito isto...Há problemas com imigração em Portugal? a meu ver sim...nao serão ainda tão graves como noutros países, mas parece haver um 'crescendo' de conflitos.
Portugal que não era um pais de acolhimento massivo de estrangeiros, até devido as suas circunstâncias económicas, geográficas e sociais ( as mesmas que ao longo dos tempos incentivou a sua 'diáspora'), passou a receber últimamente imigrantes, maioritáriamente ilegais, vindos muitas vezes de zonas com péssimas condições económicas e sociais, com diferentes graus de instrução que nalguns casos cobriram vagas de sectores em crise, sazonal e/ou de trabalho intensivo e normalmente, ao nosso nível, mal pagos. Tudo isto misturado com a sua concentração desproporcionada(mesmo que natural) em dois ou três distritos costeiros, com dificuldades de alojamento acessível e em condições, uma economia em dificuldades e em transformação,  um sistema de segurança social a reduzir as suas prestações, parece ser um caminho directo para dificuldades sociais acrescidas; tanto mais que os imigrantes nao possuem a 'almofada' da rede familiar  e dos 'conhecimentos'  dos portugueses, e que normalmente constitui um apoio indispensável para superar muitas dificuldades...
A juventude proveniente da imigração (ou nao autóctone) sofre de problemas de agregados familiares díspares, sem grande acompanhamento, mas 'integrados' numa sociedade de consumo demasiado visivel.Os seus especificos problemas de sociedade, mais  dificuldades de sucesso na educação (outro problema complicado) levam-nos a alguma 'marginalidade' que acaba por lhes ser mais 'compensadora' em termos pessoais...
No meio disto tudo, interiorizam ( é mais facil )  que a culpa nao é deles ou da familia, mas da sociedade que os ostraciza e 'detesta'...que lhes  impõe metas e condições, tanto na escola como nos potenciais empregos, que visam objectivamente a proteger os 'outros'...daí entre 'discriminação' e 'racismo' apenas vêem menos que um pequeno passo...
é dificil inverter a tendencia e contrariar este sentimento,  apesar de alguns passos dados nesse sentido por legislação, comunicação,  pessoas e associações envolvidas na integração... Portugal atravessa um periodo de transição económica e social, com consequências que todos estão agora apenas  começando a conhecer, e os  portugueses desempregados em geral e 'imigrantes'em  especial, com menores capacidades de adaptaçao profissional, estarão na primeira linha das dificuldades...Haveria necessidade de forte investimento publico e maior apoio social, mas nao vejo disponibilidade de meios financeiros suficientes, de momento...

Uma palavra final, e ainda a propósito dos jovens 'da imigração' que frequentam a escola...hoje mesmo vi no Jornal da RTP  uma proposta do Bloco de Esquerda, a concretizar amanhã na AR, de poder ser administrada  matéria curricular em lingua estrangeira...(nomeadamente  em 'crioulo'!), devido a crescentes dificuldades de 'compreensão' de muitos alunos.Espero que essa medida não passe...compreendo que sejam dadas aulas extra de 'aprendizagem ou aperfeiçoamento da língua materna 'dos imigrantes sempre que o seu número e interesse o justifique, mas em (com)participação dos seus respectivos Ministérios de Educação nacionais (tal como acontece, e infelizmente em nítida regressão por motivos orçamentais, com o ensino de Português no Mundo).A língua veicular na escola portuguesa deveria ser sempre o português, e os alunos que ainda não a dominem minimamente deveriam ter aulas intensivas de apoio. Esta é uma opinião pessoal...e admitindo que entendi correctamente a proposta do sr. Louçã... :(  
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 05, 2007, 06:51:16 pm
É bom que quando se fala em imigrantes não nos esquecermos que os nossos emigrantes são cada vez mais e lá fora também são imigrantes para os nativos.

Citar
2007-01-05 - 00:00:00

Diáspora: Cem mil deixaram Portugal em 2006
Crise aumenta emigração

O Instituto Nacional de Estatística (INE) diz que, em 2006, 30 mil portugueses fixaram residência por mais de um ano noutros países, mas a Igreja Católica e os sindicatos dizem que, no ano que agora terminou, foram mais de cem mil os cidadãos lusos a procurar emprego e melhor sorte além-fronteiras, o que corresponde a um aumento de 20 por cento em relação a 2005.


http://www.correiodamanha.pt/noticia.as ... l=10&p=200 (http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=226394&idselect=10&idCanal=10&p=200)
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 08, 2007, 11:36:19 am
Citação de: "Lancero"
É bom que quando se fala em imigrantes não nos esquecermos que os nossos emigrantes são cada vez mais e lá fora também são imigrantes para os nativos.

Citar
2007-01-05 - 00:00:00

Diáspora: Cem mil deixaram Portugal em 2006
Crise aumenta emigração

O Instituto Nacional de Estatística (INE) diz que, em 2006, 30 mil portugueses fixaram residência por mais de um ano noutros países, mas a Igreja Católica e os sindicatos dizem que, no ano que agora terminou, foram mais de cem mil os cidadãos lusos a procurar emprego e melhor sorte além-fronteiras, o que corresponde a um aumento de 20 por cento em relação a 2005.

http://www.correiodamanha.pt/noticia.as ... l=10&p=200 (http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=226394&idselect=10&idCanal=10&p=200)


Exacto,a diferença é que vão lá para fora estudar e trabalhar e não para criar verdadeiros regimes de terror e guerrilha urbana como acontece em França.Lembra-te que os europeus têm muito em comum,coisa que não acontece com imigração islamica ou vinda do norte de áfrica
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 08, 2007, 07:04:34 pm
Sim que eu saiba não se houve falar em motins de jovens portugueses a queimar carros...
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 08, 2007, 07:15:30 pm
Procurem por True Portuguese Bloods, em Toronto.

É o único que conheço - e mesmo assim não muito 'problemático'
Título:
Enviado por: Miguel em Janeiro 08, 2007, 07:25:59 pm
Eu sou contra essa culpabilizaçao permanente dos jovems por ser oriundos de etnia X ou Y
 
Alias eu tenho empregados da Guiné Bissau e Angola e 1 Brasileiro, e tenho orgulho do trabalho deles, evidemente que eles gostam do patrao que paga bem e come com eles na mesma mesa muitas vezes.
Devo confessar que agora so quero empregados da CPLP c34x  
E falamos muitas vezes do império portugués, e muitos sente-se mesmo portugueses como nos ou ainda mais.

devemos nos respeitar mutualmente, agora estas palhaçadas de xenofobia que por vezes voltam ao forum me fazem tristeza.
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 08, 2007, 08:17:46 pm
ninguem poe isso em causa Miguel,mas tu que vives em França tens consciencia dos verdadeiros culpados do terror aí praticado.....

eu também tenho um colega angolano na minha equipa,e dou-me bem com ele,no entanto dizer que os europeus são iguais a africanos ou islamicos é no minimo cómico....

Citar
Procurem por True Portuguese Bloods, em Toronto.

É o único que conheço - e mesmo assim não muito 'problemático'


eu não encontrei nada.....já agora está a dizer que os portugueses na américa são iguais aos gangues mexicanos e africanos?
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 08, 2007, 08:37:46 pm
É leitura obrigatória a "Fúria da Razão" de Oriana Fallaci. Procurem-no na Fnac, no Emule, em qualquer sítio.
Leiam-no!
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 08, 2007, 08:48:01 pm
porque?
contas coisas....
Título:
Enviado por: komet em Janeiro 08, 2007, 09:18:22 pm
http://www.muchosucko.com/show/cnn_deba ... ople-23645 (http://www.muchosucko.com/show/cnn_debates_about_exterminating_white_people-23645)

 :roll:
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 08, 2007, 09:40:30 pm
Pantera, faz uma pesquisazinha na net. Encontras textos estupendos de uma senhora (Elas pensam afinal! - ou será a excepção que confirma a regra?), uma ex-reporter de guerra e que entrevistou uma série de aves raras. Morreu recentemente de câncro mas antes disso bateu-se com toda a força contra o políticamente correcto. Notável.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 08, 2007, 11:37:47 pm
Citação de: "Pantera"

eu não encontrei nada.....já agora está a dizer que os portugueses na américa são iguais aos gangues mexicanos e africanos?


Você leu o que eu escrevi? Eu desvalorizei. É claro que acho que os portugueses (ou luso-descendentes) no estrangeiro não se organizam para cometer delinquência ou criminalidade grupal. As maças podres (e não são poucas) felizmente desencaminham-se sozinhas.

Quanto a não ter encontrado, poupo-lhe o trabalho:

http://www.insideprison.com/prison-gangs-canada.asp (http://www.insideprison.com/prison-gangs-canada.asp) - Gangs nas cadeias canadianas (há aqui duas referências)

http://www.insideprison.com/prison_gang_profile_BL.asp (http://www.insideprison.com/prison_gang_profile_BL.asp) - lista de gangs pertencentes (ou pretendentes) à United Blood Nation - na américa há imensos capítulos (grupos), na esmagadora maioria minorias (ver n.º 71)

http://www.universalmetropolis.com/city ... 1&page=all (http://www.universalmetropolis.com/city/threads.php?threadid=13901&page=all)  - lista de gangs de Toronto por área
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 09, 2007, 09:05:36 am
é pá,ó Lancero,desculpe lá..
fiquei curioso,mas de certeza que não passam de meia dúzia de pintelhos..
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 09, 2007, 10:38:30 am
Sem problema ;)
O problema é que por causa de meia dúzia (que podem enlamear o nome de muitos) já muitas boas famílias portuguesas emigradas no Canadá - famílias completas, heterosexuais, católicas, trabalhadoras e cumpridoras da Lei - foram repatriadas.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Janeiro 11, 2007, 12:52:26 pm
Citação de: "Pantera"
Diga-me lá se a imigração africana é a mesma coisa que a europeia?

Temos bons e maus exemplos de ambas. Temos os africanos e ucranianos que trabalham no duro nas obras, como temos os africanos que formam bandos para cometer crimes, assim como temos os ucranianos e outros imigrantes de leste que formam parte de máfias altamente perigosas.

Essa dicotomia europeia africana não faz sentido. Podemos é falar de níveis de instrução e formação diferentes, mas essa já é outra questão.

Ambos tipos de trabalhadores, os mais qualificados e os menos qualificados, são necessários.

Citação de: "Pantera"
Diga-me lá se os portugueses, franceses , espanhóis criam bairros tipo da cova da moura e 6 Maio?

Alguns até criaram, se bem que com níveis delictivos em nada semelhantes a esses exemplos que menciona.

No meu entender é aí que está um dos maiores problemas da imigração. Os guetos, autênticas universidades do crime e do mal viver. O Estado deveria tudo fazer para evitar essas concentrações, que em muitos casos se transformam em autênticos territórios «fora da lei». Como é possível o Estado permitir que existam aglomerados populacionais onde as forças policiais têm muitas vezes dificuldade de entrar?

E por que motivo quando acontecem realojamentos, por alguns desses espaços serem demolidos, são colocadas as mesmas pessoas problemáticas, nos mesmos sítios, mudando unicamente a localização do gueto?

Espaços comos esses deveriam ser pura e simplesmente demolidos e as pessoas que de facto precisem realojadas com toda a dignidade em locais diferentes. Obviamente que isto acarreta custos enormes, mas não incomportáveis.

Citação de: "Pantera"
Diga-me lá se os portugueses não foram(e são) trabalhadores e honestos nos países lá fora ?

E?

Citação de: "Pantera"
Diga-me lá se alguma vez os portugueses fizeram o que estão a fazer os imigrantes lá em França ou Inglaterra?


Não, mas a responsabilidade é do Estado que permite essa anarquia. Quem não sabe comportar-se tem que aprender a fazê-lo. A bem ou a mal. Simples! Agora quando o Estado pelas mais diversas razões se nega a cumprir com as suas obrigações perante os cidadãos, aí começam os problemas.
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 11, 2007, 01:53:30 pm
Citação de: "Jorge Pereira"

Temos bons e maus exemplos de ambas. Temos os africanos e ucranianos que trabalham no duro nas obras, como temos os africanos que formam bandos para cometer crimes, assim como temos os ucranianos e outros imigrantes de leste que formam parte de máfias altamente perigosas.

Sim,mas os ucranianos não fazem bairros como a cova da moura,nem vivem em guetos como esses individuos.São mais trabalhadores e responsáveis.Se compararmos franceses e espanhois com africanos então a diferença aumenta e não é pouco.Comparar ucranianos com a africanos e islamicos é o mesmo que comparar cães e elefantes no seu peso,e nem se fala de outro tipo de europeus.

Citação de: "Jorge Pereira"
Essa dicotomia europeia africana não faz sentido. Podemos é falar de níveis de instrução e formação diferentes, mas essa já é outra questão.

Ambos tipos de trabalhadores, os mais qualificados e os menos qualificados, são necessários.
o que acontece com os descendentes de africanos em portugal?e o que acontece com os descendentes de franceses e ingleses em portugal?compare a evolução desses jovens,e depois diga-me se essa dicotomia europeia africana faz ou não sentido.


Citação de: "Jorge Pereira"
Alguns até criaram, se bem que com níveis delictivos em nada semelhantes a esses exemplos que menciona.
pois mas que nada tem a ver com o terror criado em França,Inglaterra,EUA....etc

Citação de: "Jorge Pereira"
No meu entender é aí que está um dos maiores problemas da imigração. Os guetos, autênticas universidades do crime e do mal viver. O Estado deveria tudo fazer para evitar essas concentrações, que em muitos casos se transformam em autênticos territórios «fora da lei».
Pois,mas o engraçado é que isso não aconteceu com os portugueses, com os espanhois,com o povo portugues em geral.O engraçado é que só acontece com estrangeiros que nada tem a ver com a europa em si.


Citação de: "Jorge Pereira"
Como é possível o Estado permitir que existam aglomerados populacionais onde as forças policiais têm muitas vezes dificuldade de entrar?
porque o estado é fraco.Além do mais os portugueses lá fora juntos ou separados não fizeram obstaculos à policia,nem nunca assaltaram comboios e praias em gangues de 200 ou 300

Citação de: "Jorge Pereira"
E por que motivo quando acontecem realojamentos, por alguns desses espaços serem demolidos, são colocadas as mesmas pessoas problemáticas, nos mesmos sítios, mudando unicamente a localização do gueto?
mais uma vez culpa do estado,mas volto a dizer se fosse com verdadeiros portugueses ou verdadeiros europeus isso não acontecia



Citação de: "Jorge Pereira"
Não, mas a responsabilidade é do Estado que permite essa anarquia. Quem não sabe comportar-se tem que aprender a fazê-lo. A bem ou a mal. Simples! Agora quando o Estado pelas mais diversas razões se nega a cumprir com as suas obrigações perante os cidadãos, aí começam os problemas.


Mas essa não é a questão.É que se fossem europeus genuinos não era preciso a intervenção estatal.Essa é a diferença.O estado é uma treta já todos sabemos,mas falamos do tipo de imigração que causa problemas em França!!

abraços
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 11, 2007, 09:09:24 pm
Hum, alias, em termos de crime organizado, ouve-se falar muito mais em países de Leste, brasileiros e outros sul-americanos, do que em africanos..

Tem a ver com diferenças culturais...

Visitem África e perceberão...não é da noite para o dia que certos comportamentos ocidentais são assimilados pelos imigrantes.

E no entanto, como disse, o crime organizado parece provir mais emigrantes de países mais desenvolvidos que os africanos..
Título:
Enviado por: Pantera em Janeiro 12, 2007, 08:59:56 am
Citação de: "Marauder"
Hum, alias, em termos de crime organizado, ouve-se falar muito mais em países de Leste, brasileiros e outros sul-americanos, do que em africanos..

Tem a ver com diferenças culturais...

Visitem África e perceberão...não é da noite para o dia que certos comportamentos ocidentais são assimilados pelos imigrantes.

E no entanto, como disse, o crime organizado parece provir mais emigrantes de países mais desenvolvidos que os africanos..

Penso que confundes Mafias(do leste) do que crime organizado.Roubar carros, assaltar cafés pode ser crime organizado mas pouco ou nada tem a ver com Mafias,não é propriamente o "negócio" deles

Citar
Tem a ver com diferenças culturais...

as diferenças culturais não podem como é obvio justificar aquilo que se passa em França e em Inglaterra,ou mesmo aqui para os lados de chelas e bela vista.O controlo de tráfico de droga ou o dominio de um dado território não é a cultura de ninguem excepto de selvagens
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 12, 2007, 06:33:05 pm
Hum, mesmo assim, quando na tv falam no desmembrar de redes organizadas...apanha-se um pouco de tudo..ou vais dizer que são só emigrantes africanos e descendentes destes?

Se me falares de delinquência e obediências civil, a nivel de juventude, até concordo contigo.

A questão das diferenças culturais tem a ver com os emigrantes africanos, agora penso que és tu que estás a confundir emigrantes com descendentes de emigrantes. E se não for o caso, aconselho uma visita a Àfrica, é uma realidade completamente diferente..

 :lol:
Título:
Enviado por: ShadIntel em Janeiro 02, 2008, 11:29:35 am
Fim de ano à francesa

Citar
PATRÍCIA VIEGAS
Automóveis queimados e detenções voltaram a fazer parte da festa
Mais de 370 automóveis foram incendiados durante a noite de passagem de ano em França, segundo números fornecidos pela polícia, que ontem foram citados pela AFP.

Mesmo assim as autoridades consideram que o número de viaturas queimadas regrediu em relação ao ano passado, desceu de 397 para 372, tendo o número de interpelações estabilizado nas 258/259.

O incêndio de carros é prática corrente em França e teve o seu expoente máximo, em 2005, durante a chamada revolta dos subúrbios. Vários grupos de jovens, muitos deles filhos de imigrantes magrebinos, revoltaram-se contra a polícia e destruíram tudo o que apanharam.

Na noite de segunda-feira meio milhão de pessoas escolheram a cidade de Paris para celebrar a passagem no do ano de 2007 para o de 2008: 400 mil optaram pelos famosos Campos Elísios e 45 mil preferiram estar perto da Torre Eiffel.

http://dn.sapo.pt/2008/01/02/internacio ... ncesa.html (http://dn.sapo.pt/2008/01/02/internacional/fim_ano_a_francesa.html)