ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Futuro => Tópico iniciado por: dremanu em Maio 02, 2004, 10:32:32 pm

Título: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: dremanu em Maio 02, 2004, 10:32:32 pm
O Luso levantou num outro "post" a hipótese de a China se vir a tornar uma possível ameaça ao mundo ocidental.

Nada é impossível, mas não creio ser este algo a recear. A China em, creio que, 5000 anos de história nunca foi um país que invadiu, ou fez guerra contra outros países.

Antes pelo contrário, sempre se tentou isolar de influências estrangeiras, quando construiu a grande muralha. E têm uma população tão grande que para que é que eles precisam de ter mais.

Eu viria a China a ser uma ameaça, se um dia, e por qualquer razão de catástrofe natural não pudesse alimentar o povo que têm, ai sim, faria guerra contra outros povos. Fora isso não vejo mais nenhum outro cenário.

Ou talvéz pela questão de Taiwan, mas isso seria algo regional, não mundial.

Opiniões....
Título:
Enviado por: Guilherme em Maio 03, 2004, 12:44:48 pm
Urge que o Brasil estreite os laços econômicos com a China, Rússia, América Latina e África do Sul, para diminuir-se a dependência em relação aos EUA.
Título:
Enviado por: Luso em Maio 03, 2004, 09:32:37 pm
Uma coisa é certa: a China não pode ter complexos de pequenez!
E parece-me bastante mais cuidadosa com o que diz e faz do que os EUA.
Mas como sou ocidental...

Detestava ter razão nisso da ameaça amarela!
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 08, 2004, 12:22:40 am
A China é um gigante adormecido (e é bom que continue assim), é a economia em maior crescimento no mundo, e continuam a armar-se com apoio tecnológico russo e depois falta de efectivos nunca vão ter de certeza.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: FinkenHeinle em Maio 08, 2004, 07:27:34 pm
Citação de: "dremanu"
O Luso levantou num outro "post" a hipótese de a China se vir a tornar uma possível ameaça ao mundo ocidental.

Nada é impossível, mas não creio ser este algo a recear. A China em, creio que, 5000 anos de história nunca foi um país que invadiu, ou fez guerra contra outros países.

Antes pelo contrário, sempre se tentou isolar de influências estrangeiras, quando construiu a grande muralha. E têm uma população tão grande que para que é que eles precisam de ter mais.

Eu viria a China a ser uma ameaça, se um dia, e por qualquer razão de catástrofe natural não pudesse alimentar o povo que têm, ai sim, faria guerra contra outros povos. Fora isso não vejo mais nenhum outro cenário.

Ou talvéz pela questão de Taiwan, mas isso seria algo regional, não mundial.

Opiniões....


Ora, exatamente por ser uma economia de sucesso, e em crescimento, não é, para ela, interessante, salvo excessões, entrar em guerra com outros países.

Provavelmente, o único conflito possível pra a China (salvo uma invasão extrangeira) é Taiwan, que poderá, num futuro, ser retomada à força...
Título:
Enviado por: FinkenHeinle em Maio 08, 2004, 07:29:26 pm
Citação de: "Fábio G."
A China é um gigante adormecido (e é bom que continue assim), é a economia em maior crescimento no mundo, e continuam a armar-se com apoio tecnológico russo e depois falta de efectivos nunca vão ter de certeza.


Quando Marco Polo visitou a China, ao voltar, disse uma frase sobre a CHina que, hoje, mais do que nunca, possui um significado especial:

"Quando o Dragão se erguer, o Mundo irá tremer".
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 15, 2004, 01:34:04 am
Acordos com a Russia :

Citar
At the beginning of April 1997, then-Defense Minister of Russia Col.-Gen. Igor Rodionov went for a weeklong visit to China. He met the top brass of China's People's Liberation Army (PLA) at the Chinese Defense Ministry, visited several PLA bases and camps in Northern and Northeast China, and had at least two lengthy conversations with Chinese President Jiang Zemin.
Two weeks later, Jiang Zemin went to a summit in Moscow. And it appeared that the visit of Gen. Rodionov to China was, in reality, devoted to preparations for several large-scale weapons supply contracts aimed at modernizing the PLA Air Force, navy and air-defense troops and jointly totaling several billion dollars. Signing contracts in Moscow opened a new stage both in Sino-Russian military-technological cooperation and PLA modernization.
A similar case: In October 1998, Russian Defense Minister Marshal Igor Sergeev visited Beijing. This became a prelude to the visit of Jiang Zemin, in November 1998, to Moscow and Novosibirsk, and the conclusion of new large military-technology transfer agreements.
From mid-1999 to mid-2001, each of several visits of Chinese Defense Minister Chi Haotian and First Deputy Chairman of Central Military Commission Zhang Wannian to Russia inevitably resulted within a month or two in new contracts of several dozen SU-30 ground fighters, new battalions of S-300 and Tor-M1 air-defense systems, additional submarines and destroyers, etc. for delivery to China.
That's why the visit of Russian Defense Minister Sergei Ivanov to Beijing on May 31-June 2, 2002, just a week before a new Jiang-Putin summit in St. Petersburg, cannot be underestimated.

Official Report

According to Russia's ITAR-TASS News Agency, on May 31, Defense Minster Sergei Ivanov arrived in Beijing for talks with Chinese leaders on bilateral relations in the political and military fields. Ivanov said he would brief China's leaders on the Russia-U.S. summit and the NATO cooperation document.
Ivanov planned to see President Jiang and Prime Minister Zhu Rongji to discuss strategic cooperation, international and regional security, cooperation in the struggle against international terrorism, separatism, religious extremism, organized crime and weapons non-proliferation.
Their talks were supposed to focus on worsening relations between India and Pakistan and the situation in Afghanistan. Ivanov also intended to meet China's Defense Minister Chi Haotian.
On the same day, the Moscow-based Agentstvo Voyennykh Novostey (Military News Agency) provided more specific information:

Sergei Ivanov is in Beijing for talks concentrating on the outlook for defense cooperation and arms trade between Russia and China. Ivanov's visit started on May 31 with a meeting with President Jiang Zemin. At the closed-door meeting Ivanov is expected to brief the Chinese leader on the Russian-U.S. summit in Moscow, the understandings on strategic stability reached there and new relationships with NATO. Ivanov is to meet with Chinese Prime Minister Zhu Rongji the same day in the afternoon. A session of the Russian-Chinese mixed commission on military-technical cooperation is scheduled for June 1. Ivanov has recently become co-chairman of this commission on behalf of Russia. Also on June 1, Ivanov will negotiate with his Chinese counterpart Chi Haotian
On the evening of May 31, the visit of Sergei Ivanov to Beijing was covered in detail by ORT, the major Moscow TV channel. The major points of this coverage are given below.
1) The Russian Defense Minister's visit to Beijing seeks to reassure Chinese leaders that military and political collaboration between Moscow and Washington will not harm Russian-Chinese relations.

Immediately on his arrival in Beijing, Sergey Ivanov made it absolutely clear that Russia is ready to continue its friendship with China. "We have very close ties, and not only in the military sphere but in the economic and trade spheres, too. As far as military cooperation is concerned, I am visiting China in two capacities here: that of a co-chairman of the Russian-Chinese commission for military and technical cooperation and that of the Defense Minister. I will have a lot of meetings."

2) Although all information is secret and classified, it is known that China's share in the export of Russian arms stands at 40 percent at present and will be maintained at this level in the foreseeable future.
Still, the main topic of Ivanov's talks in China is not arms sales, but also an "explanation" of the military and political ties between Russia and NATO and the U.S. Sergey Ivanov is trying to persuade Chinese leader Jiang that despite Russia's agreements with the U.S. and NATO, Moscow will always support China's right to claim Taiwan.
Issues of strategic stability are in the same league. It is known for certain that both China and Russia are maintaining their previous (negative) attitude toward Washington's withdrawal from the ABM Treaty.
Comments from the Chinese, particularly the report of the Beijing-based China News Agency on May 31, are valuable.

To sum up:

Jiang Zemin, Chinese president and chairman of the Central Military Commission, said while meeting Russian Defense Minister Sergei Ivanov that China is willing to make a concerted effort with Russia to further develop a bilateral strategic cooperative partnership.
Jiang Zemin emphasized that China and Russia are big influential countries in the world and are close neighbors and friends. Establishing and maintaining the Sino-Russian strategic cooperative partnership is a very wise choice for the leaders of both countries. This partnership has enjoyed smooth progress, resulting in prominent successes.

Zemin further said:
Our mutual trust in political affairs has been increasingly deepened, especially after the two countries signed the "Sino-Russian Good-Neighborly Treaty of Friendship and Cooperation" in 2001. This treaty guarantees that the peoples of the two countries will maintain their friendly relations generation after generation and will never become enemies.

Ivanov said:
The Russian government is expecting President Jiang Zemin's attendance at the meeting of the SCO (Shanghai Cooperation Organization) in St. Petersburg next month. Russia places importance on developing friendly cooperative relations with China and hopes to advance closer cooperation between our two countries' militaries. The development of relations between our two countries' armed forces is beneficial to the development of bilateral ties and stability in the Asia-Pacific region and the world.

According to Xinhua News Agency, the meeting of Sergei Ivanov with Premier Zhu Rongji on May 31 had the same environment of close friendship (alliance).
Zhu told Ivanov that close Sino-Russian relations conform to the fundamental interest of the two nations. He said that the Sino-Russian Treaty of Friendship and Cooperation signed last year provided for an expansion of the two countries' trust and economic and trade cooperation; China is ready to promote the new all-round development of these friendly relations.
Ivanov said that Russia and China maintain good relations in all fields, and furthering the cooperation between the two countries will benefit both; Russia will make more efforts in this regard. (end of report)
Just one day was enough to smash the naïve hopes of some Western politicians who feel that U.S.-Russian rapprochement is the direct way to Chinese-Russian alienation. "The smart calf sucks from two cows," they say in Russia. Friendly advances to America and the development of an alliance with China are not contradictory, from the Kremlin's point of view.
Sino-Russian Weapons Trade Will Grow, Expand and Flourish
On May 31 (a truly significant day), Moscow-based Interfax Agency published a statement of Konstantin Makiyenko, deputy director of the Center for Analysis of Strategies and Technologies (the same person who used to comment on the development of Chinese-Russian military-technological cooperation, since at least spring 1997).
"Improvement of Russian diplomatic relations with the West will not affect its military and technical cooperation with China," Makiyenko said, adding that China had always been the most stable and capacious market for Russian arms and military equipment. The expert expressed his belief that China would be the leader in procuring Russian-made arms in the short and medium terms.
Makiyenko stressed that the PLA was procuring cutting-edge (Russian) arms and assets for all the service branches with the exception of the ground forces. He listed the following major items of the Sino-Russian weapons trade (additional information from the article of Svetlana Babayeva and Dmitriy Safonov – "We Do Not Want to Arm the Chinese," published in Izvestiya on May 31 – is given in parentheses):
More than 100 SU-27SK, SU-27UKB and SU-30MKK fighters had been procured by the Chinese side by 2001 (volume of deliveries of Su-27 and Su-30 aircraft to China is estimated at $5.8 billion); this number does not include aircraft kits bought to assemble fighters in China itself.
Two destroyers of Project 956E (Sovremennyy-class) and four diesel submarines of Projects 877EKM and 636 were procured by the Chinese side. The Chinese navy has placed an order for two more destroyers of Project 956EM, boasting more powerful fire assets than their predecessors.
China would also buy eight Russian-made Kilo-type submarines of fitted with "super-advanced" Klub-S missiles. (On May 3, 2002, Rosoboroneksport, the Russian state-owned weapons export monopoly, concluded a contract for delivery to the Chinese navy of eight Kilo diesel submarines equipped with the Klub missile system (that is another $1.5 billion).
Air defense assets bought by Beijing include 27 Tor-M1 anti-aircraft missile systems and some eight battalions of S-300PMU and S-300PMU1 missiles. According to unofficial information, some additional contracts for S-300PMU and, possibly, the most advanced S-300PMU2 Favorit anti-aircraft missile systems were signed with the Chinese side recently.
The total value of unfulfilled contracts on the listed items (even without the eight Kilo submarines) amounts to $4 billion. In addition to this, Russian experts are engaged in developing separate units and subsystems that are to be mounted on assets developed in China. In particular, deliveries of radars and engines for J-10 and J-8-IIM fighters are under way.
Russia can satisfy requests of the Chinese side to be provided access to more sophisticated assets such as Kursk-type multifunctional nuclear submarines of Project 949A and Shchuka-B-type submarines of Project 9712, as well as TU-22M3 Backfire long-range bombers, MIG-31 Foxhound interceptors, heavy aircraft carriers, missile cruisers, etc.
(In the future, China is interested in jointly developing arms systems and military equipment and also in acquiring licenses for independent production. For instance, it hopes to receive a license for the production of the Mi-28 helicopter or at least its components, radio-electronic stations, and individual elements of guided aviation weapons, and also aircraft engines.)
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 18, 2004, 11:34:05 am
Aviso da China

A China alertou o Pr. pró-independentista de Taiwan que está disposta a combater o "separatismo" a "qualquer custo", quando Chen Shuiban se preparava para tomar posse de mais um mandato de 4 anos. Numa declaração do Governo chinês á ilha, Pequim alerta e diz que têm 2 caminhos á escolha : "recuar nos perigosos avanços para a indepêndencia" ou "proseguir com a agenda separatista, e enfrentar a sua própria destruição".
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 21, 2004, 11:00:35 am
DN

Citar
Presidente tenta acalmar Pequim

O Presidente de Taiwan, Chen Shui-bian, afirmou ontem, na cerimónia da sua tomada de posse, que a questão da soberania da ilha estará ausente da revisão constitucional que pretende fazer até ao fim deste segundo mandato (em 2008). As palavras de Chen surgem como um recuo face a anteriores declarações, em que se mostrara um adepto resoluto da independência de Taiwan.

Chen provocara a ira de Pequim nos últimos meses ao anunciar a intenção de rever a Constituição. A China entendeu esta medida como parte de uma estratégia para formalizar a independência da ilha, advertindo que combateria o «separatismo» a «qualquer custo». Os EUA (principal aliado de Taiwan) condenaram estas ameaças.

A tomada de posse de Chen, que venceu as eleições de 20 de Março com uma vantagem de 0,22% face a Lien Chan, do Kuomintang, ficou marcada por protestos dos partidos da oposição, que recusam aceitar os resultados eleitorais. Vários especialistas, citados pelo China Daily, consideraram, todavia, que o discurso de Chen mantém as suas teses independentistas e abriu caminho à «instabilidade».
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 22, 2004, 01:23:30 pm
DN

Citar
China na agenda mundial de Lula
RUDOLFO LAGO CORRESPONDENTE EM BRASÍLIA
Foi em Havana, em Setembro do ano passado, falando para um grupo de jovens universitários brasileiros estudantes em Cuba, que o Presidente Luís Inácio Lula da Silva fez a mais detalhada defesa de sua política externa. Lula comparou o Brasil a uma pequena equipa de futebol que disputa um importante campeonato. «Não adianta ficar repetindo: "Sou fraquinho, tenham pena de mim." Podem ter a certeza - o adversário não terá piedade.» Mais adiante, explicou aos estudantes que, nessa disputa desigual, a única forma de igualar o jogo era unir-se a outros parceiros do mesmo tamanho e com interesses semelhantes. Separados, eram todos fracos. Juntos, poderiam ser fortes.

Da forma simples como costuma expressar-se o Presidente brasileiro, esses dois pontos parecem resumir a lógica da política externa que adoptou. Entre os analistas, mesmo críticos do Governo Lula, concordam que a sua política de relações internacionais tem sido a vedeta do seu mandato até agora. Para o bem ou para o mal, o ponto mais nítido de uma acção governamental de esquerda. A visita de quatro dias que hoje inicia a Pequim pretende ser o ponto mais alto dessa política.

A união de parceiros alternativos para contrapor ao bloco dos países desenvolvidos no jogo da política internacional faz-se em duas linhas. Por um lado, Lula procura aprofundar a união dos países da América do Sul, a partir do Mercosul, bloco económico que inicialmente unia apenas os países do Sul do continente e hoje já agrega outros parceiros, como o Peru e a Venezuela. Na outra extremidade desta aposta diplomática está a associação dos chamados países emergentes - a união de interesses com a África do Sul, Índia e China.

A visita à China é o ponto principal dessa segunda ponta. A China cresce a uma taxa anual de 9%. O seu produto interno bruto regista uma expansão de 7% ao ano. O comércio exterior movimentou cerca de 620 mil milhões de dólares no ano passado, e o comércio interno atingiu a marca de 788 mil milhões em 2002. É de olho nesse mercado de mais de mil milhões de pessoas que entra no jogo da globalização económica com regras particulares que está o Brasil.

«Trata-se de um país bastante peculiar. Não serve de modelo para nós. Mas é impossível ignorá-lo. Embora sem liberdade política, a China parece estar chegando a um estágio de democracia económica, incorporando no mercado mundial um imenso contingente de pessoas», analisa o presidente do Partido do Trabalhadores, José Genoino, com indisfarçável admiração.

No mês passado, o Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES), um banco de fomento ligado ao Governo brasileiro, realizou em São Paulo um seminário sobre as relações Brasil-China. De acordo com o secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Ivan Ramalho, de Janeiro a Outubro, a corrente de comércio entre o Brasil e a China será de 5,7 mil milhões de dólares, equivalente a 5,7% das exportações e importações brasileiras no período.

No mesmo seminário, o embaixador da República Popular da China no Brasil, Jiang Yuande, disse que o país quer ampliar ao máximo essa parceria.

Os chineses pretendem, por exemplo, aumentar a importação de sumo de laranja e incrementar as parcerias nas áreas de ciência e tecnologia. Os dois governos farão um convénio para a ampliação da rede ferroviária brasileira, de forma a ligá-la ao resto da América do Sul.

Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 22, 2004, 01:27:39 pm
DN
Citar
   
   Negócios de milhões assinados em Pequim
   
Satélites.
Os governos negoceiam uma parceria para o lançamento, da base espacial de Alcântara, no Maranhão, de dois satélites de comunicação.  A Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer), quarto maior fabricante de aviões comerciais do mundo, instalará uma fábrica em território chinês, em parceria com a estatal chinesa Avic. A meta inicial é produzir 12 jactos ERJ-145, de 50 lugares.
Supernavio.
 A Companhia Vale do Rio Doce construirá o maior navio de transporte de cargas sólidas do mundo, para transportar minério de ferro de Carajás, no Pará, para a China. O navio tem capacidade para transportar 540 mil toneladas de carga.  
Título:
Enviado por: Guilherme em Maio 22, 2004, 02:03:24 pm
Financial Times

Citar
22/05/2004

Ligação Brasil-China representa desafio geopolítico para EUA

Antiamericanismo latino e parceria comercial podem ser início de novo bloco de poder

Richard Lapper

Durante toda a noite, caminhões gigantescos com rodas enormes se arrastam para cima e para baixo nas ladeiras das imensas minas a céu aberto em Carajás, no coração da selva amazônica. Eles carregam minério de ferro na primeira etapa de sua viagem para a China - matéria-prima para alimentar o apetite insaciável do setor industrial do país.

Somente este ano, a Companhia Vale do Rio Doce, a maior companhia de minério de ferro do mundo, investirá US$ 1,8 bilhão para manter as rodas girando. Ela acaba de anunciar planos para o que será o terceiro maior navio cargueiro do mundo, para levar o material ao mercado ainda mais depressa.

"Estamos trabalhando em plena capacidade 24 horas por dia. Não conseguimos atender todas as encomendas", diz Fernando Thompson, da diretoria da CVRD e um dos mais de 450 empresários brasileiros que acompanharão o presidente do país, Luiz Inácio Lula da Silva, em uma visita oficial de quatro dias à China que começa neste domingo (23/05).

A missão de Lula reflete o entusiasmo febril pela China entre a comunidade empresarial brasileira. Mas também chama a atenção para uma tendência econômica com implicações geopolíticas potencialmente enormes. A ligação entre Brasil e China conecta os maiores mercados emergentes dos hemisférios ocidental e oriental. Nas palavras de Celso Amorim, ministro das Relações Exteriores brasileiro, poderá fazer parte de "uma certa reconfiguração da geografia comercial e diplomática do mundo".

Isso poderá representar um desafio para o governo de George W. Bush, com sua obsessão pelo Oriente Médio e sua miopia sobre os desenvolvimentos em seu próprio quintal. Parte da retórica sobre esse novo relacionamento pode ser remanescente de reuniões do antigo movimento dos não-alinhados.

Mas a nova conexão "sul-sul" é mais importante porque se baseia em fundamentos econômicos. A China pode representar uma ameaça competitiva para o México e países no norte da região que se beneficiaram da exportação de bens manufaturados para os Estados Unidos. Mas países como Brasil e Argentina são uma rica fonte de alimentos e matérias-primas de que a China precisa para alimentar sua crescente população urbana e suas indústrias florescentes.

A China tem o índice de poupança e o capital que a América Latina nunca teve. Há sinais do efeito China em toda a região. Plantadores de soja da Argentina, Brasil, Paraguai e até da Bolívia desfrutaram uma bonança nos últimos meses. As minas de cobre do Chile e do Peru estão pujantes. A demanda da China no ano passado foi um dos motivos do aumento da maioria dos preços das commodities. Hoje há sinais de um boom de investimentos recíproco da China na região.

Nos próximos dias, Lula discutirá planos para investimentos chineses em estradas, portos e ferrovias - projetos que garantiriam o abastecimento de matérias-primas. Segundo um estudo recente da Conferência sobre Comércio e Desenvolvimento da ONU, a China será o quinto maior fornecedor mundial de investimentos estrangeiros diretos este ano.

No próximo ano a China deverá aderir ao Banco Interamericano de Desenvolvimento, dando acesso a suas empresas construtoras aos projetos de infra-estrutura do banco.

Existem riscos evidentes para a América Latina. As commodities parecem ter chegado a um pico, e uma desaceleração muito acentuada do crescimento econômico chinês de seu atual nível de mais de 9% ao ano poderá reduzir ainda mais os preços. A maior preocupação, porém, é que o boom de commodities possa encerrar a América Latina em um novo ciclo de dependência da produção de matérias-primas, distorcendo ainda mais os padrões de desenvolvimento. Ambos os temores são provavelmente exagerados. Os atuais índices de investimento da China certamente são insustentáveis.

Mas, por mais perturbadora que seja em médio prazo, uma desaceleração - ou mesmo uma quebra - não deterá a inexorável modernização da China. A dependência de matérias-primas pode criar vulnerabilidades, mas o boom também oferece à América Latina a melhor oportunidade desde o início do século 20 de capitalizar sua vantagem comparativa como produtora competitiva de matérias-primas . O caminho do progresso é concentrar-se em áreas que agregam valor - produzir vinho, petróleo e aço, e não apenas uvas, sementes e minério de ferro.

O desafio para os Estados Unidos é mais complexo. O sistema interamericano, modificado ao final da Guerra Fria para promover as economias de mercado e a democracia na região, parece esfarrapado. Com Bush, os Estados Unidos observaram inutilmente enquanto um país após o outro tropeçava em crises financeiras ou políticas.

Países como México e Colômbia desfrutaram de laços preferenciais com Washington em conseqüência de acordos comerciais ou considerações de segurança, mas as relações com outros países, incluindo Brasil, Argentina e Venezuela, se deterioraram.

A influência chinesa nesse último grupo de países ricos em matérias-primas poderá eventualmente agravar essas divisões e até levar à formação de novos blocos de poder na região. Para evitar esse resultado, os Estados Unidos - juntamente com a Europa e o Japão - devem parar de excluir os agricultores sul-americanos de seus mercados. Precisam reconhecer que seus mercados de trabalho precisam de trabalhadores latino-americanos e oferecer um regime mais seguro para os imigrantes.

E precisam dar mais apoio às iniciativas multilaterais para melhorar a infra-estrutura. Essa agenda pode ser politicamente custosa, mas o fracasso também terá um preço. No melhor caso, o baixo nível de antiamericanismo na região, que resultou num apoio inconsistente e a contragosto aos Estados Unidos em seu combate ao terror, crescerá. No pior caso, a política antiamericana mais visceral demonstrada pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, poderá ganhar popularidade. É por isso que, no mínimo, Washington precisa prestar atenção.
Título:
Enviado por: Fábio G. em Maio 25, 2004, 12:08:32 pm
Mais uma noticia do processo Brasil-China:

DN

Citar
Sonho da aliança sino-brasileira
ANTÓNIO RODRIGUES
Apesar do protesto chinês contra o proteccionismo comercial brasileiro que, segundo Pequim, tem impedido que haja um maior desenvolvimento nas trocas comerciais entre os dois países, o Presidente do Brasil, Luís Inácio Lula da Silva, defendeu, ontem na capital chinesa, um estreitamento das relações entre os dois estados «para que os nossos interesses sejam levados em conta nos debates sobre as grandes questões internacionais».

Interessado em estabelecer uma ligação mais próxima com alguns dos grandes países emergentes (África do Sul, Índia e China), Lula faz esforços para cumprir o principal objectivo da sua política externa: conseguir para o Brasil uma voz internacional que permita forçar as principais potências económicas a rever as suas políticas proteccionistas. «Brasil e China compartilham a visão de uma ordem internacional mais justa e mais igualitária, baseada na multipolaridade e no respeito pela legalidade internacional», disse Lula.

Exemplo de como a união entre Brasília e Pequim pode trazer os seus frutos é a criação do G20, o grupo dos países emergentes, que na conferência da Organização Mundial do Comércio em Cancum, México, fez finca-pé quanto à assinatura do acordo por considerar que os países ricos não tinham reduzido suficientemente os seus subsídios agrícolas.

Embora o comércio entre os dois países se tenha multiplicado por oito na última década, a China considera que ainda está aquém do que poderia ser. Um relatório do Ministério do Comércio chinês, divulgado pelo Folhaonline, fala em entraves «arbitrários» impostos pelo Ministério do Desenvolvimento brasileiro com processos «complicados» e requerimentos excessivos para as importações chinesas. Estando muitos dos produtos dependentes de licenças não automáticas de importação.

Título:
Enviado por: Ricardo Nunes em Maio 25, 2004, 05:36:30 pm
Citar
U.S. defends China nuclear group support
18 May 2004 23:32:03 GMT

By Carol Giacomo, Diplomatic Correspondent

WASHINGTON, May 18 (Reuters) - The Bush administration defended on Tuesday its backing of China's entry into an influential nuclear export group despite Beijing's insistence on providing atomic reactors to Pakistan and concerns it continues to export dangerous technology and missiles.

At a congressional hearing, lawmakers questioned whether U.S. support for China's membership in the Nuclear Suppliers Group might be a mistake and accused the administration of getting nothing in return for the endorsement.

"I don't think this has been well thought out," Democratic Rep. Gary Ackerman of New York told Assistant Secretary of State John Wolf, who handles non-proliferation matters.

Calling China "one of the principal sinners in the spread of nuclear technology," Chairman Henry Hyde of the U.S. House of Representatives International Relations Committee voiced worries about "discrepancies in China's intentions."

The Nuclear Suppliers Group (NSG), established in 1976, controls exports of equipment and materials that can be used to make nuclear weapons.

President George W. Bush recently agreed to back Beijing's membership bid, but only after a bitter debate between administration moderates and hardliners.

NSG guidelines require members to withhold certain nuclear transfers "when there is an unacceptable risk of diversion to such (nuclear weapons) activity."

But China recently agreed to provide a second civilian nuclear power reactor to Pakistan, which has a nuclear arms program outside of international controls. Until his recent detention, top Pakistani nuclear official Abdul Qadeer Khan ran a global network that sold atomic secrets to Libya, Iran and North Korea.

INTEGRATION ADVOCATED

Under sharp questioning from Ackerman, Wolf said the administration had not sought to read for itself the China-Pakistan reactor contract and had not asked China to encourage Islamabad to tighten its export controls.

Explaining Bush's support for China's membership, Wolf stressed China's improving ties with the United States, active support of the U.S. war on terrorism and financial support for reconstruction in Iraq and Afghanistan.

He denied the administration backed NSG membership so China would buy U.S.-made nuclear power reactors, although the administration has urged Beijing to buy American.

Washington has long sought to integrate China into global institutions, and China in recent years has undertaken a "broad-scale cessation" of nuclear cooperation with Iran and acted to control nuclear and dual-use exports, Wolf said.

A senior U.S. official is in Beijing this week for the first-ever detailed discussions on Chinese export controls.

Rep. Tom Lantos of California, the panel's senior Democrat, said: "There is little evidence the Chinese government has actively sought out and punished ... proliferators."

Wolf acknowledged Beijing has not totally stopped the trade in chemical arms, missiles and nuclear technology and that is why the United States continues to sanction Chinese entities.

So far, nine of the 40 NSG countries -- including the United States and Russia -- have endorsed China's membership and a decision may be made at a board meeting this month, Wolf said in written testimony.

But the matter is complicated by European politics. Estonia, Lithuania and Malta have also applied and Russia has balked at the Baltics. As a result, 21 European Union countries asked to discuss all four applications at the NSG meeting.
Título:
Enviado por: Fábio G. em Junho 04, 2004, 11:49:21 am
SIC

Citar
2004-06-04 09:15  
Tiananmen foi há 15 anos
 
Activistas pelos direitos humanos acusam Pequim de continuar a deter pessoas
 
 
 
   
A 4 de Junho de 1989, o Exército de Libertação Popular da China disparou indiscriminadamente sobre milhares de manifestantes na Praça de Tianamen, em Pequim, que reivindicavam a democracia. Mais de uma década volvida, no 15º aniversário do assalto militar, 50 pessoas permanecem detidas.
 
Catarina van der Kellen
Jornalista
 
 
 
A data não é assinalada na China com eventos oficiais, mas em Hong Kong são esperadas pelo menos 60 mil pessoas numa vigília.

Os grupos pelos direitos humanos vêm alertar o Mundo sobre as detenções, 15 anos volvidos, de alguns dos muitos manifestantes que protestaram, em Tiananmen, em nome da democracia.

Segundo a Amnistia Internacional, há mais de 50 pessoas detidas no âmbito da sublevação, mas a organização estima que o número representa apenas uma fracção da realidade.

"As pessoas continuam a ser presas pelas suas ligações ao movimento pró-democracia de 1898", denuncia.

Um outro grupo, o Human Rights in China, acusa Pequim de ter considerado 24 pessoas culpadas de hooliganismo, por ofensas como transportar e usar fósforos.

O grupo garante ainda que nas vésperas do aniversário, alguns activistas políticos foram detidos sob prisão domiciliária ou forçados a sair de Pequim - numa tentativa de Pequim de tornar o tema esquecido na História.

Já hoje, 13 pessoas foram detidas. Na Praça de Tiananmen, a segurança é mais pertada que o habuitual, mantendo distantes os habituais turistas.
 
Título:
Enviado por: SSK em Julho 10, 2007, 11:51:52 pm
Citar
Motives and Implications Behind China's ASAT Test




01/25/2007 - By Kevin Pollpeter (from China Brief, January 24) - The United States government revealed on January 18 that the Chinese military had conducted an anti-satellite (ASAT) missile test against an aging Chinese weather satellite. The satellite was destroyed on January 11 by a medium-range ballistic missile at an altitude of 537 miles above the earth’s surface. Despite Washington’s private consultations over the matter with Beijing before the announcement, the Chinese government waited five days after the announcement to officially confirm the test, stating that there are no plans to conduct a second test and that the “test was not targeted against any country and does not pose a threat to any country” (The Washington Post, January 23). The January 11 kinetic kill vehicle (KKV) test, coupled with the revelation last year that a U.S. satellite was “painted” by a Chinese ground-based laser presents unsettling questions about China’s commitment to arms control, the ramifications of its rise as a major power, its military posture and foreign policy toward the United States and civil-military relations in China.

China’s Changed Stance on Space Weapons

China’s ASAT test calls into question its longstanding opposition to space weapons. In the past, China has proposed a treaty language obligating countries “not to place in orbit around the earth any object carrying any kinds of weapon; not to deploy such weapons on celestial bodies nor station such weapons in outer space in any other manner; and not to resort to the threat or use of force against outer space objects” [1].

Even as late as June 2006, Cheng Jingye, China’s Ambassador for Disarmament Affairs, in a statement on the Prevention of an Arms Race in Outer Space (PAROS) at the United Nations Conference on Disarmament stated: “The deployment of weapons in outer space would bring unimaginable consequences. The outer space assets of all countries would be endangered, mankind's peaceful use of outer space threatened, and international peace and security undermined. It is in the interest of all countries to protect the humanity from the threat of outer space weapons.” Ambassador Cheng also equated the abolition of space weapons with the abolition of weapons of mass destruction [2].

Interestingly, the first inkling that the Chinese had changed their position on space weapons may have come from their most recent defense white paper released in December 2006. The document failed to mention China’s opposition to space weapons as previous editions had. In its 2004 defense white paper, China stated, “Outer space is the common property of mankind. China hopes that the international community would take action as soon as possible to conclude an international legal instrument on preventing the weaponization of an arms race in outer space through negotiations, to ensure the peaceful use of outer space.” In its 2002 defense white paper, China was even more strident in its call for a ban on space weapons, stating: “the international community should negotiate and conclude the necessary legal instrument as soon as possible to prohibit the deployment of weapons in outer space and the use or the threat of use of force against objects in outer space.”

The test also undermines China’s efforts at international space cooperation, especially in regards to space debris mitigation. China participates in the Inter-Agency Space Debris Coordination Committee and published a Space Debris Action Plan to increase the safety of spaceflight, in particular the safety of its human spaceflight missions. One expert estimated that the test might have broken the satellite into 800 pieces measuring four inches wide or larger and millions of smaller pieces. Trackable debris resulting from a U.S. KKV test in 1985 took 17 years to completely deorbit and forced the United States to reconsider using “hard kill” methods due to the possibility of unintentionally damaging U.S. or third-party satellites (The New York Times, January 19). The ASAT test may have also setback efforts at U.S.-China space cooperation. A White House spokesperson seemed to hold out that possibility, stating, “We do want cooperation on a civil space strategy, so until we hear back from them or have more information, I don’t have any more to add” (AFP, January 19).

Possible Motives

Lacking an official explanation from the Chinese government, analysts are forced to divine Beijing’s motives. China’s actions do not appear to be aimed at coercing the United States to negotiate a space weapons treaty. If this were the case, it would seem that the Foreign Ministry would have issued a statement immediately following the test’s revelation. In fact, despite private consultations in Washington and Beijing prior to the U.S. announcement, the Foreign Ministry initially appeared ignorant of the matter. In contrast, when China detonated its first nuclear weapon in October 1964, its official statement read: "The Chinese Government hereby solemnly proposes to the governments of the world that a summit conference of all the countries of the world be convened to discuss the questions of the complete prohibition and thorough destruction of nuclear weapons, and that as the first step, the summit conference conclude an agreement to the effect that the nuclear powers and those countries which may soon become nuclear powers undertake not to use nuclear weapons either against non-nuclear countries and nuclear-free zones or against each other" [3].

The lack of coordinated action by the Chinese government suggests that the People’s Liberation Army (PLA) either is acting alone in this matter or has such influence or acts with such little supervision that it can take significant actions without notifying other government organizations or even the top Chinese leadership. Interviews in Beijing by U.S. scholars strongly suggest, for example, that the PLA Navy did not tell the Foreign Ministry that it was planning to transit a Han-class nuclear submarine through Japanese waters in November 2004. The ASAT program may be too highly classified to have informed the Foreign Ministry about the test, and in the culture of extreme secrecy that permeates the Chinese government, it may be unwilling to even acknowledge the test.

Indeed, U.S. officials have expressed concern that the delayed response from the Chinese government may indicate that even President Hu Jintao, who also serves as the head of the Central Military Commission, did not know about the test, or at the least did not know the specifics (The New York Times, January 19). Such a scenario presents troubling questions concerning civilian oversight of the PLA and the extent to which the PLA is its own powerbase.

While the test may not have been a coordinated effort to coerce the United States to negotiate a space weapons treaty, it is possible that the test was a response to U.S. government and military statements advocating the development of space weapons. For some time now, Chinese authors have identified the United States as intent on developing space weapons (Jiefangjun Bao, February 7, 2001). Chinese strategists may believe that the United States already possesses space weapons or will eventually develop them regardless of Chinese actions, and that they must possess space weapons to conduct their own counterspace missions or create a deterrent against the U.S. use of space weapons. Therefore, the test should be viewed in a more military rather than a diplomatic context.

Space Weapons’ Military Utility

A discussion of the military utility of space weapons for China must be prefaced with an explanation of how China views modern warfare. After Operation Desert Storm in 1991, the PLA became increasingly focused on the role of information in warfare and concluded that information superiority and denying information to adversaries are critical to winning modern wars. Indeed, the 2006 defense white paper states that enhancing the performance of the armed forces with “informationization” is the major criterion for measuring the development of the PLA.

Space is recognized by Chinese authors as a main conduit for information collection and transmittal and Chinese “space cadets” have identified space as the premier dimension of war and one that must be controlled if victory on the ground is to be assured [4]. Military writers have also identified the use of space by the United States as a potential Achilles heel. While the U.S. military is heavily reliant on space technology for intelligence, surveillance, and reconnaissance (ISR) functions; communications; and positioning, navigation, and timing, the fragility of space-based assets makes them vulnerable to attack.

Chinese military writers have also concluded that the PLA cannot defeat the technologically superior and battle hardened U.S. military in a force-on-force battle. The PLA has thus been searching for asymmetric means of defeating the U.S. military. Part of this effort has included the search for “assassin’s mace” (sha shou jian) weapons. An assassin’s mace is a weapon that when used at a critical juncture against a strategic vulnerability, yields decisive results. Space weapons conform to this description. Chinese writings on information operations have identified eliminating adversary ISR capabilities at the beginning of a battle as critical to ensuring victory [5]. In fact, the authors of one important book on military operations state that information operations both necessitate and facilitate “gaining mastery by striking first” and conclude that “to cripple or destroy the enemy’s information system would drastically degrade the enemy’s combat capabilities by making it blind, deaf or paralyzed” [6].

By reducing the situational awareness of an enemy, the PLA can employ stratagems that deceive the enemy into implementing incorrect actions, which then set it up for eventual defeat. Consequently, the first strikes of a military conflict between the United States and China could occur in space.

Conclusion

China’s ASAT test raises unsettling questions about China’s commitment to arms control, the ramifications of its rise as a major power, its military posture and foreign policy toward the United States and Chinese civil-military relations. Its secretive nature and hesitancy to admit to the test raises questions regarding whether China was ever serious about banning space weapons and whether it was actually engaging in “lawfare”—a strategy aimed at ensnaring the United States in legal commitments to which China never had the intention of abiding. Moreover, its official statements regarding the test only seem to add confusion to China’s stance on space weaponization. A Foreign Ministry spokesman stated that China “opposes weaponization and an arms race in outer space. Our position has not changed” (The Washington Post, January 23). Such actions also raise suspicions about China’s adherence to other arms control measures, such as its adherence to a similarly principled moratorium on nuclear testing.

China’s test could also undermine its campaign to assuage concerns about its potential rise. Its space diplomacy has heretofore been exemplary and has managed to accentuate civil and commercial applications and international cooperation rather than national security issues. Moreover, world opinion has been overwhelming against U.S. policy toward space (China Brief, January 10). China has tried to reassure the international community that it “will not engage in any arms race or pose a threat to any other country,” but the ASAT test could send a signal that its outward diplomacy belies an inner aggressiveness, especially since the majority of countries oppose the weaponization of space [7]. China’s test could also trigger the United States into developing space weapons and lead to an arms race in space.

China’s delayed confirmation of the test also raises questions about the extent of President Hu’s power vis-à-vis the military and to what extent the military dictates policy. It is probable that Hu was aware of the ASAT program, even if not in detail. Chinese inaction also suggests, however, that Hu may yet need to consolidate his power within the PLA or has already given the PLA wide latitude and significant autonomy in conducting its own affairs.

Finally, the test defies explanation in terms of the bilateral relationship. U.S.-China relations are at a high point and cross-Strait relations remain relatively stable. Yet, the ASAT test is just one of several provocative actions taken by China recently. In August 2006, National Reconnaissance Office Director Donald M. Kerr confirmed that a U.S. satellite had been painted by a Chinese laser, and in October 2006 Pacific Command Commander Admiral William J. Fallon confirmed that a Chinese Song-class submarine had surfaced within five miles of the carrier USS Kitty Hawk (The Washington Post, January 19; BBC, November 16, 2006). All incidents seem to send the message that the PLA has adopted a more aggressive posture toward the United States.

While military issues are just one aspect of the overall relationship with China, its importance can have important spillover effects to the entire relationship. China’s ASAT test, coupled with other provocative actions, may play into the hands of those in the United States who believe security issues should play a stronger role in tempering U.S.-China relations—a consequence which China hopes to avoid. The test can be used to argue against greater positive-sum engagement with China and to counter claims that China is a more responsible stakeholder in the international arena. Unfortunately, it remains unclear whether the Chinese leadership even understands how poorly it has miscalculated.

Kevin Pollpeter is China Program Manager at Defense Group Inc.’s Center for Intelligence Research and Analysis.

Notes

1. Conference on Disarmament, “Final Record of the Nine Hundred and Eighty-Eighth Plenary Meeting,” June 30, 2005.
2. Statement on PAROS by H.E. Mr. Cheng Jingye, Ambassador for Disarmament Affairs of China, at the Plenary of the Conference on Disarmament, June 8, 2006, accessed at http://www.china-un.ch/eng/xwdt/t257105.htm (http://www.china-un.ch/eng/xwdt/t257105.htm) on January 20, 2007.
3. Statement of the Government of the People's Republic of China," October 16, 1964, quoted in John Wilson Lewis and Xue Litai, China Builds the Bomb, Stanford: Stanford University Press, 1988, p. 241-243.
4. See, for example, Li Daguang, Space Warfare (Taikong zhan), Beijing: Military Science Press, 2001, p. 375-376.
5. “Future Basic Methods of Our Army’s Information Warfare” (shilun weilai wojun xinxizhan de jiben yangshi), in Military Studies Editorial Department (junshi xueshu bianjibu), Research On Our Army’s Information Warfare Issues (wojun xinxizhan wenti yanjiu), Beijing: NDU Press, 1999, p. 2.
6. Wang Houqing and Zhang Xingye et al., The Science of Campaigns (zhanyixue), Beijing: National Defense University Press, 2000, p. 95 and 178.
7. PRC Information Office of the State Council, “China’s National Defense in 2006,” December 2006.
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Julho 11, 2007, 12:25:47 am
Quando as coisas derem para o torto posso sempre pedir dupla nacionalidade portuguesa-chinesa, nascí em Macau  :!:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: André em Julho 11, 2007, 01:38:43 am
Citação de: "dremanu"
A China em, creio que, 5000 anos de história nunca foi um país que invadiu, ou fez guerra contra outros países.


Esqueceste-te da barbara Invasão do Tibete .:2gunsfiring:
Título:
Enviado por: André em Setembro 04, 2007, 02:09:27 pm
Exército chinês infiltrou-se no sistema informático do Pentágono

Citar
Especialistas do exército chinês conseguiram entrar no sistema informático do Pentágono, noticia hoje o jornal Financial Times, com Washington a temer uma invasão grave nos sistemas do departamento de defesa norte-americano.

O ataque informático chinês, que causou o encerramento do sistema informático do gabinete do Secretário da Defesa norte-americano, Robert Gates, aconteceu em Junho após vários meses de tentativas frustradas, reconheceram ao jornal Financial Times fontes anónimas do Pentágono, convictas de que a autoria do ataque pertence ao Exército de Libertação Popular da China (ELPC).

Segundo o jornal, um responsável norte-americano disse haver uma «probabilidade muito elevada, a tender para a certeza total» de que a autoria dos ataques pertence ao exército chinês.

«O ELPC demonstrou a sua habilidade para conduzir ataques que incapacitam o nosso sistema», acrescentou a mesma fonte do Pentágono.

Esta capacidade dos técnicos chineses está a assustar os Estados Unidos e a aumentar as preocupações para um patamar mais elevado, devido aos receios de que a China possa entrar nos sistemas norte-americanos em tempos críticos, afirma o Financial Times.

A espionagem informática é uma prática assumida pelos exércitos dos Estados Unidos e da China, que a praticam regularmente para tentar retirar informações privilegiadas e secretas.

Na semana passada, o Der Spiegel noticiou que foram encontrados também programas de espionagem conduzidos por chineses no sistema informático do gabinete da chanceler alemã Angela Merkel, no Ministério dos Negócios Estrangeiros e em agências governamentais de Berlim.

Lusa/SOL
Título:
Enviado por: André em Setembro 05, 2007, 08:14:39 pm
China nega ter invadido sistema informático do Pentágono

Citar
A China negou na terça-feira a notícia de que o seu exército teria invadido com sucesso o sistema informático do Pentágono, nos EUA, classificando a acusação de «produto do pensamento da Guerra Fria».
O jornal Financial Times, citando antigas e actuais autoridades norte-americanas, afirmou que hackers ao serviço dos militares chineses teriam atacado a rede do departamento de Defesa dos EUA em Junho, roubando dados e provocando o encerramento do sistema.

A reportagem foi publicada uma semana após a chanceler alemã, Angela Merkel, ter feito reclamações similares. A China esquivou-se nessa altura e agora rejeita completamente as acusações dos EUA, assim como negou a notícia de que armas chinesas foram usadas por talibans no Afeganistão.

«O governo chinês opõe-se constantemente e ataca vigorosamente de acordo com a lei todos os crimes via Internet, incluindo as invasões», afirmou a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros, Jiang Yu.

Diário Digital
Título:
Enviado por: André em Setembro 08, 2007, 06:53:06 pm
China planeia cyber-ataques contra porta-aviões dos EUA em caso de conflito

Citar
O exército chinês elaborou um plano para tornar inoperante a frota de porta-aviões dos Estados Unidos através de cyber-ataques em caso de conflito militar, escreve hoje o diário britânico The Times, citando um relatório do Pentágono. Este projecto confirma as ambições de Pequim de estabelecer um «domínio electrónico» sobre os seus rivais até 2050, em especial os Estados Unidos, a Grã-Bretanha, a Rússia e a Coreia do Sul, afirma o jornal.

O relatório do Pentágono mostra que a República Popular da China considera os cyber-ataques como um meio «crucial para tomar a iniciativa» aos primeiros momentos de uma guerra, assegura ainda o The Times.

«A China tem a ambição de paralisar as capacidades financeiras e militares de um inimigo, assim como os seus sistemas de comunicações, logo desde o começo de um conflito», escreve o jornal.

O Financial Times afirmara terça-feira que os militares chineses obtiveram êxito a piratear em Junho o sistema informático do Pentágono.

A China desmentiu quinta-feira que o seu exército tenha efectuado ataques contra sistemas informáticos sensíveis de países estrangeiros.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: André em Setembro 09, 2007, 01:08:20 pm
França também foi alvo de ataque informático chinês

Citar
A França também foi alvo de ataques informáticos chineses, à semelhança do que aconteceu com os EUA e Alemanha, segundo a edição deste sábado do jornal parisiense Le Monde, que cita uma fonte do governo.
Pequim nega os relatos da imprensa ocidental segundo os quais hackers chineses invadiram sistemas do Pentágono e do governo alemão, inclusive da sede do governo.

Francis Delons, secretário-geral de Defesa Nacional de França, sob a alçada do gabinete do primeiro-ministro, disse ao Le Monde que o seu país também sofreu esse tipo de invasão.

«Durante várias semanas, tive claras indicações de que a França não estava protegida de ataques (de hackers chineses)», disse Delon ao Le Monde.

«Temos (notado) sinais de ataques que atingiram serviços controlados pelo governo. Podemos falar de um caso sério, (mas) não estou em posição de dizer que esses ataques partiram do governo chinês.»

Diário Digital
Título:
Enviado por: André em Maio 16, 2008, 02:31:33 pm
Enorme área lançamento mísseis revelada por satélite

Citar
Imagens tomadas por um satélite comercial revelam a existência no centro da China de um enorme área de disparo de mísseis de médio alcance, com capacidade para atingir a Rússia ou a Índia, anunciou hoje um cientista norte-americano.

As imagens do Google Earth mostram umas sessenta plataformas de lançamento de mísseis e edifícios de comando e de controlo inseridos numa área enorme situada em Delingha, na província de Qinghai, segundo Hans Kristensen, da Federação dos cientistas norte-americanos.

«Regularmente, o governo norte-americano expressa publicamente os seus receios por a China instalar novos mísseis móveis mas sem revelar pormenores. A descoberta desta área de lançamento oferece pela primeira vez ocasião para o grande público compreender melhor como é que a China gere os seus mísseis balísticos móveis», escreve.

«A partir destas plataformas de lançamento, mísseis DF-21 chineses (balísticos, de médio alcance) podem cobrir um raio que inclui a Rússia e o norte da Índia (Nova Deli, incluída), mas não o Japão, Taïwan ou Guam», acrescentou.

Esta descoberta ocorre menos de duas semanas depois de a revista britânica de Defesa Jane´s ter revelado uma nova base nuclear subterrânea em construção na ilha de Hainan, ao largo da costa meridional chinesa.

A Jane's indicou dispor de imagens de satélite realizadas por DigitalGlobe e cuja análise confirma a existência desta base.

As imagens do local de lançamento de mísseis estão publicadas no site da Federação dos cientistas norte-americanos na Internet.
 
Lusa
Título:
Enviado por: oultimoespiao em Maio 30, 2008, 02:23:52 am
E a ilha de hainan onde os chineses estao a construir uma base naval secreta com atracagem submersa para submarinos nucleares e capacidade para 20 navios de guerra de grande porte!

http://www.telegraph.co.uk/news/majorne ... -base.html (http://www.telegraph.co.uk/news/majornews/1917167/Chinese-build-secret-nuclear-submarine-base.html)
Título:
Enviado por: HSMW em Fevereiro 24, 2009, 09:22:45 pm
Fortress China
http://www.militaryphotos.net/forums/sh ... p?t=152230 (http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?t=152230)
Título:
Enviado por: André em Abril 18, 2009, 05:37:07 pm
Se Taiwan declarar independência "chineses farão bloqueio naval à ilha"

O especialista inglês em assuntos chineses Timothy Wright, considera que a China não tem uma politica agressiva em termos militares, mas defende que, se Taiwan declarar a independência "os chineses farão um bloqueio naval à ilha".

"A questão de Taiwan e da reunificação permanece um objectivo essencial para o nacionalismo chinês, e é a única que pode levar a China a agir militarmente se a liderança da ilha declarar a independência", afirmou, em declarações à Lusa.

Timothy Wright, que lecciona na Universidade de Sheffield, Inglaterra falava à margem do seminário subordinado ao tema China Económica e Política Contemporânea que hoje terminou na Universidade do Minho.

O curso, que decorreu em Braga, foi organizado pelo Instituto Confúcio e pelo Centro de Línguas e Culturas Orientais, do Instituto de Letras e Ciências Humanas da Universidade do Minho.

Timothy Wright, é professor em Estudos Chineses e Director da Escola de Estudos da Ásia Oriental da Universidade de Sheffield, com experiência profissional nas Universidades de Oxford, Nacional da Austrália e Murdoch, e no Trinity College, da Universidade de Cambridge.

O investigador sustenta que, apesar de a China manter um diferendo com o Japão e mesmo com os Estados Unidos em termos militares, o chamado "império do meio", apesar do investimento que tem feito nas forças armadas, "não representa uma ameaça militar para os vizinhos e para o mundo".

"Só Taiwan pode levar a China a agir, mesmo com a oposição dos Estados Unidos e do Japão", acentuou, lembrando que a China tem tido um importante papel na estabilização politica regional, como se provou aquando da crise financeira de 1999 que afectou vários países asiáticos.

O professor universitário sublinha que a China tem jogado o mesmo papel de "actor responsável" na questão da Coreia do Norte, actuando concertado com o Japão e os Estados Unidos, "apesar de não ter as mesmas preocupações daqueles dois países e da Coreia do Sul sobre uma possível agressão nuclear".

"A China tem algum embaraço com a existência da Coreia do Norte, que também se diz comunista", assinala, frisando que, "se o regime norte-coreano se desmoronar haverá milhões de habitantes que quererão imigrar para a China".

Lembrou que a China acolhe já dezenas de milhares de refugiados norte-coreanos, muitos deles envolvidos em actividades de economia paralela e de prostituição, pelo que não lhe interessa o desmoronamento, puro e simples, do regime.

"Os chineses têm tido uma posição de cooperação internacional, pressionando a Coreia do Norte, nas negociações que decorrem em Pequim, para não construir armas nucleares, porque sabem que tal não interessa à estabilidade regional que querem manter", afirma.

Na opinião de Timothy Wright, a liderança chinesa sabe que para que a China se torne numa potência mundial, tem que evoluir em termos económicos e sociais, "o que só se consegue com estabilidade politica e económica a nível mundial".

Lusa
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 18, 2009, 09:36:15 pm
A China também só se tornou uma grande potencia desde a chegada dos comunistas ao poder porque até lá fartou-se de levar na boca de toda a gente, europeus, americanos, japoneses.
Título:
Enviado por: Camuflage em Abril 19, 2009, 12:13:01 am
Citar
Australian defence paper classifies China as strategic threat
By James Cogan
16 April 2009

Last Saturday, the Australian newspaper revealed that Mike Pezzullo, the senior bureaucrat overseeing the preparation of a new defence White Paper on behalf of the Rudd Labor government, rejected advice from two military intelligence agencies that China was unlikely to pose a threat to Australian interests in the next 20 years. The revelations have shed further light on a conflict within Australian ruling circles over how to respond to the decline of US imperialism and the associated rise of China’s geo-political influence in the region.

The Defence Intelligence Organisation (DIO) was the first agency asked by Pezzullo to file a report. According to the Australian, it described China’s military build-up, particularly the development of its naval forces, as a non-threatening “defensive” response to American naval power in the Pacific and judged that Beijing did not have “hegemonic” or “expansionist” ambitions.

The estimate appears to have assumed that the United States would retain its overwhelming military superiority and its close security arrangements with Japan. Thus, even if China undertook a massive military expansion, it would still be incapable of challenging the combined strength of the US and its allies. The risk of a conflict between the US and China during the next 20 years was assessed as slim, with continuing US hegemony rendering any Chinese threat to Australian interests unlikely.

The only country that could realistically invade the Australian continent, or threaten its maritime trade routes, the DIO concluded, was the United States itself. The agency therefore recommended that Australia’s military priorities should be to develop the capacity to contribute greater numbers of ground troops to US-led operations in various parts of the globe.

According to the Australian, Pezzullo and the head of the armed forces, Air Chief Marshall Angus Houston, rejected these conclusions out-of-hand. They instructed the DIO to rewrite its report to stress that China might constitute a challenge to Australian strategic interests. When the DIO refused to reconsider, Pezzullo requested another agency, the Office of National Assessments (ONA), to conduct its own evaluation. The ONA came to the same findings as the DIO. Pezzullo decided to disregard both assessments and proceeded to draft the White Paper on the basis of his own estimates.

The Australian commented: “[A]s a result, the country’s future defence force to be outlined in the White Paper will primarily be shaped by fears of Chinese military expansion”.

On Wednesday, the Australian claimed that the White Paper contradicted not only the opinions of Australian agencies, but those of the US military as well. Australian officials were allegedly informed in Washington in May 2008 that US intelligence agreed with the conclusions reached by the DIO and ONA on China.

In line with its estimate that the US is unlikely to confront a conventional military challenge in the foreseeable future, the Obama administration’s first defence budget has prioritised equipping the US military for lower-level “counter-insurgency” wars, such as those being fought in Afghanistan and Iraq. Defense Secretary Robert Gates, who served in the same post in the final years of the Bush administration, has proposed scaling back purchases of the expensive stealth fighters and weapons systems that would be deployed in any full-scale confrontation with a major power like China.

The White Paper, by contrast, will reportedly recommend an inward-looking build-up of Australia’s capabilities to defend the air and maritime approaches to the continent from a conventional enemy. Over the next 20 years, it will propose that more than $100 billion be spent acquiring a minimum of 100 F-35 Joint Strike Fighters, at least 12 new submarines and additional frigates and destroyers.

In 2006, Pezzullo spelt out his position: “If you configure your force structure for the preoccupations of the next couple of years, you would end up with a light-scale, almost gendarme [police force], with a heavy quotient of special forces undertaking Al-Qaeda manhunts. You have to keep your eye on the fact that we live in a predominantly maritime environment and state-on-state issues might well come back into play.”

According to the Australian, ONA head Peter Varghese wrote a memo to Prime Minister Kevin Rudd expressing the opposition within the country’s intelligence agencies to Pezzullo’s strategic forecast and warning that Australian defence policy was being disorientated by the emphasis on a China threat. On Wednesday, the Rudd government announced that Varghese was “stepping down” when his appointment expired on June 13.

References to China’s growing reach and capabilities will be used to justify a revamping of the Air Force and the Navy. The preoccupation with military self-sufficiency, however, flows as much from a forecast of US decline as it does from expectations of China’s rise. The new White Paper is predicated on the conception that Australian imperialism must prepare for the possibility that it will have to fend for itself.

The fundamental strategic concerns underlying the White Paper were addressed in an April 11 column in the Australian by Hugh White, head of the Strategic and Defence Studies Centre at the Australian National University and a defence advisor to the previous Coalition government. He wrote:

“Just as Australia’s strategic outlook has been dominated for decades by American primacy in Asia, so in future it will be shaped more than anything else by what follows as America’s primacy fades and China’s grows.... The essential basis of any new understanding would be a more equal sharing of power. But is the US willing to treat China as an equal? And will China settle for anything less? And can either treat Japan as an equal? And will Japan—still a huge power—settle for less than China gets? Unless these questions can be answered, it is hard to see how escalating strategic competition can be avoided in the long term. That would pose all kinds of new strategic risks for Australia. Would we side with the US if it gets dragged into a confrontation and conflict with China? Or would we stand aside and see our alliance dwindle?”

White concluded: “When Britain’s power declined in the late 19th century and when modern Asia appeared after World War II, Australia remade its place in the world to meet the new conditions. We face a similar challenge today and the new White Paper is an important opportunity to start addressing it...”

The revelations about the White Paper follow the controversy earlier this month over the long-standing friendship between Defence Minister Joel Fitzgibbon and a wealthy Chinese-Australian businesswoman with access to senior Chinese government officials. Allegations surfaced that an official from another intelligence agency, the Defence Signals Directorate (DSD), illegally hacked into Fitzgibbon’s personal computer files to try and locate evidence that the relationship constituted a “national security risk”. The Rudd government was subsequently accused by opposition politicians of being too close to China, Australia’s fastest growing trading partner and potential source of significant investment.

The White Paper and Fitzgibbon affairs are directly related. Both result from conflicts within the Australian defence establishment over the Labor government’s tentative moves to reduce Australia’s reliance on the US. While still asserting the paramount importance of the American alliance, the faction of the Australian financial and corporate elite represented by Rudd are leaning toward the adoption of a more independent stance in the Asia-Pacific region.

Since World War II, the ability of the Australian ruling elite to assert its considerable economic and strategic interests in the region has, to a great extent, depended upon the US alliance. In return, Australian governments have sent troops to successive US-led neo-colonial wars—from Korea and Vietnam, to the 1991 Gulf War and the more recent invasions of Afghanistan and Iraq. Diplomatically, Canberra has walked in lockstep with the US on virtually every significant global issue.

What is now underway is a reconsideration of the US-orientated foundations of Australian foreign policy. In a major speech last year, Rudd suggested that Canberra should function as a third-party conciliator in disputes between the US, China and other major powers, with the aim of preventing such conflicts from escalating and causing disruptions to trade and commerce. The White Paper reflects growing fears that, in the event this strategy fails, major power rivalries will once again plunge the Asia-Pacific region into the nightmare of military conflagration.


in: http://www.wsws.org/articles/2009/apr20 ... -a16.shtml (http://www.wsws.org/articles/2009/apr2009/defe-a16.shtml)
Título:
Enviado por: Vicente de Lisboa em Abril 20, 2009, 03:12:11 pm
Citação de: "Lightning"
A China também só se tornou uma grande potencia desde a chegada dos comunistas ao poder porque até lá fartou-se de levar na boca de toda a gente, europeus, americanos, japoneses.

Indeed. Uma civilização que foi lider em praticamente todas as áreas do conhecimento humano um dia decidiu fechar-se, e passou os 500 anos seguintes a levar na boca.

Uma boa lição para alguns camaradas foristas...  :wink:
Título:
Enviado por: André em Maio 02, 2009, 07:28:43 pm
Austrália prepara-se para investir 73 biliões de dólares em equipamento militar


O Governo australiano deverá anunciar amanhã um investimento na ordem dos 73 biliões de dólares nas suas Forças Armadas. Em causa está o crescente poderio militar de alguns países vizinhos, nomeadamente a China.

«Temos de conseguir defender o nosso país sem a ajuda de outros países», disse o ministro da Defesa, Joel Fitzgibbon.

A BBC refere que alguns correspondentes colocam a China como a principal causa deste anunciado investimento da Austrália, que pretende adquirir 100 aviões a jacto, 24 helicópteros de combate e 12 submarinos (o dobro da actual frota).

Os cerca de 73 biliões de dólares deverão ser gastos ao longo das próximas duas décadas e o investimento, anunciado em altura de crise, é também justificado pelo líder do executivo.

«Em algumas regiões da Ásia e do Pacífico existe um fortalecimento das Forças Armadas. Precisamos de adoptar uma atitude calma, apropriada e responsável para o futuro», argumenta Kevin Rudd.

SOL
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 17, 2009, 01:08:27 am
(http://i279.photobucket.com/albums/kk144/HSMW/Viat/CHINA07-05-20091.jpg)
(http://i279.photobucket.com/albums/kk144/HSMW/Viat/CHINA07-05-2009.jpg)
Alguma coisa com lagartas, disfarçada de camião?  :shock:
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 17, 2009, 01:47:02 am
wtf?  :shock:
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Maio 17, 2009, 04:13:39 pm
Aqueles gajos são doidos  :?
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 17, 2009, 04:24:03 pm
Alguém sabe ler o que está escrito nos "camiões"?
Título:
Enviado por: André em Maio 17, 2009, 07:26:39 pm
Citação de: "HSMW"
Alguém sabe ler o que está escrito nos "camiões"?


Já enviei uma das imagens para o Instituto Confúcio de Lisboa, vamos ver se eles dizem o que está escrito ...  :idea:
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Maio 18, 2009, 01:44:03 pm
Citação de: "HSMW"
Alguém sabe ler o que está escrito nos "camiões"?



Diz qualquer coisa como isto:

Empresa de viaturas pesadas de Hebei.


Hebei  :arrow: http://pt.wikipedia.org/wiki/Hebei (http://pt.wikipedia.org/wiki/Hebei)
Título:
Enviado por: André em Maio 18, 2009, 05:39:02 pm
:P  c34x
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Crypter em Outubro 02, 2009, 11:26:48 am
Desfile militar de ontem (1/10/09).
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: triturador em Outubro 02, 2009, 12:58:14 pm
mientras siga teniendo negocios millonarios con occidente,no sera una amenaza por el momento.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Camuflage em Outubro 02, 2009, 09:27:11 pm
Não vejo a China como inimigo, acho piada ao facto de que qualquer nação que não seja submissa aos EUA seja vista como inimiga, muito ao estilo Bush "you're with us or against us". Cada vez que um país evolua ou se sujeita a ser aliado ou é inimigo, partem do principio que esses países nem sequer têm objectivos próprios que não a guerra.
Neste mundo dominado pelos EUA é bom que toda e qualquer nação em crescimento invista fortemente em defesa antes que de um dia para o outro seja invadida directamente ou por terceiros apoiados pelos países ocidentais do costume.
Suponho que o Brasil também deva ser visto como inimigo, afinal desde que encontrou o jazido de pitroil andava a investir fortemente em defesa. (mas como é amigo os EUA, já não se coloca o caso...)

De lembrar que os chinocas podem ser muitos, os iraquianos também eram face o numero de aliados por lá e no entanto perderam facilmente ou ofereceram-se como prisioneiros.
A experiência também é crucial a ultima guerra que a China travou foi em 1979-1980, quando andou às turras com os norte-vietnamitas por estes terem invadido o Cambodja e perderam a guerra uma vez que os norte-vietnamitas estiveram lá até 1989.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Agosto 21, 2010, 02:09:28 am
(http://defensetech.org/wp-content/uploads//2010/08/Chinese-ballistic-missile-ranges.jpg)

http://defensetech.org/2010/08/20/dods-2010-report-on-chinas-pla-modernization-iv/
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Setembro 20, 2010, 02:25:37 pm
A China tem um problema populacional, e (dizem) pretende, em ações futuras, invadir uma região pouco povoada, porém bem extensa, para continuar sua expansão populacional e garantir a alimentação de toda essa gente.

Um desses lugares planejados seria a Austrália. Os outros seriam Canadá ou EUA, mas uma extensão ao norte pela (Aparentemente) desabitada Sibéria não estaria descartada, dada a proximidade. A Mongólia, que posssui uma das menores densidades populacionais do mundo, também entraria na dança, caso o alvo escolhido fosse a Rússia.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 12, 2010, 07:17:06 pm
China reafirma que poderio militar visa estabilidade regional


A China assegurou hoje aos restantes países da Ásia e aos Estados Unidos que o seu desenvolvimento militar visa promover a estabilidade na região.

A declaração foi feita pelo ministro da Defesa chinês, Liang Guanglie, na reunião realizada em Hanói com o secretário de Defesa dos EUA, Robert Gates, e os seus homólogos do Sudeste Asiático, Coreia do Sul, Japão, Índia, Austrália e Rússia.

«O desenvolvimento da Defesa da China não tem como objectivo desafiar ou ameaçar, mas garantir a segurança e promover a paz e estabilidade» disse o general Liang durante o discurso dirigido aos ministros.

A reunião realizou-se num clima de preocupação entre os países da Ásia com o facto de a China tentar controlar zonas marítimas situadas a até 1.800 quilómetros de distância da sua costa, através da expansão da sua força naval.

Apesar de reiteradas declarações de intenções feitas por Pequim e pelos países da Associação das Nações do Sudeste Asiático (Asean) para resolver as disputas territoriais no Mar da China Meridional, não foi estabelecido um código de conduta que evite os atritos relacionados às ilhas Spratlys e Paracel.

China, Brunei, Filipinas, Malásia, Taiwan e Vietnã reivindicam a soberania total ou parcial das Spratlys, enquanto Hanói e Pequim disputam o controlo das Paracel.

No final da reunião, os ministros da Defesa indicaram em comunicado conjunto que tinham assinado uma resolução para colaborar na adopção de um «código de conduta» para prevenir eventuais confrontos na região.

No seu discurso, Gates disse que os EUA se preocupam com as crescentes disputas territoriais que a China e outros países mantêm em certas regiões marítimas, com implicações no comércio global.

«Temos interesse na liberdade de navegação, no desenvolvimento econômico e comercial sem impedimentos e no cumprimento da lei internacional», afirmou o chefe do Pentágono.

Gates disse ainda que «os Estados Unidos não se posicionam a favor de nenhuma das partes» e que as reivindicações de soberania «devem ser resolvidas de forma pacífica, sem ameaças nem coação».
«É preciso melhorar o diálogo e a cooperação para que haja confiança mútua», ecoou Nguyen Tan Dung, presidente rotativo da Asean e primeiro-ministro do Vietname, país que mantém frequentes atritos com a China por conta da captura de navios da sua frota pesqueira.

Na semana passada, o Governo de Hanói acusou a China de prender ilegalmente nove pescadores de um barco que navegava perto das ilhas Paracel, no Mar da China Meridional. No entanto, durante o encontro, o ministro da Defesa vietnamita, Phung Quang Thanh, anunciou aos jornalistas que a China tinha libertado os pescadores.

Antes da reunião conjunta, os ministros dos 17 países participantes mantiveram encontros bilaterais. Gates e Liang encontraram-se pela primeira vez desde que, há oito meses, Pequim suspendeu as relações militares com Washington em resposta à proposta americana de vender 6,4 mil milhões em armas para Taiwan.

Após a reunião bilateral, o secretário de Defesa norte-americano indicou que tinha sido convidado pelo seu homólogo para fazer uma visita oficial à China no ano que vem.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: João Vaz em Outubro 14, 2010, 05:13:36 pm
Para já, com as cordilheiras de pacotes de notas, a República Popular de Pequim tem atingido os seus objectivos (quaisquer que sejam) com dinheirinho e alguns tabefes à mistura.

O confronto mais recente foi com outro(s) gigante(s)...

China vs. Brazil


Não reparei no resultado do jogo, mas basicamente são duas potências emergentes literalmente à porrada  c34x
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Dezembro 04, 2010, 11:59:42 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Luso-Efe em Dezembro 05, 2010, 01:39:57 am
Citação de: "Snowmeow"
A China tem um problema populacional, e (dizem) pretende, em ações futuras, invadir uma região pouco povoada, porém bem extensa, para continuar sua expansão populacional e garantir a alimentação de toda essa gente.

Um desses lugares planejados seria a Austrália. Os outros seriam Canadá ou EUA, mas uma extensão ao norte pela (Aparentemente) desabitada Sibéria não estaria descartada, dada a proximidade. A Mongólia, que posssui uma das menores densidades populacionais do mundo, também entraria na dança, caso o alvo escolhido fosse a Rússia.

Sublinho a parte da Sibéria. :idea:

Se alguem tem que se preocupar, se é que temos mesmo que nos preocupar com os chineses, é a Rússia, e talvez esta aproximação da Russia à NATO venha nesse sentido e para dar um sinal á China, não sei.

Mas em 1969 andaram mesmo à pancada, devido a uma ilha no meio de um rio, queriam os dois a ilha e entraram em conflito, mas foi só uns tiritos de Kalasnikov e umas morteiradas, mas os russos esmagaram os chinos e ficaram com a ilha e a coisa ficou resolvida pela diplomacia.

Isto ficou conehcido, como o conflito Sino-Soviético.

http://pt.wikipedia.org/wiki/Conflito_f ... %C3%A9tico (http://pt.wikipedia.org/wiki/Conflito_fronteiri%C3%A7o_sino-sovi%C3%A9tico)

Mas só em 2004 é que a questão foi definitivamente resolvida.

Mas não é por acaso que a Russia tem algumas das suas melhores unidades de tanques T-90 junto a essa zona na fronteira com a China.

Mas não creio que os Chinos tenham planos expansionistas, e a nivel de forças armadas a vantagem são os numeros, um exercito regular de 3000 milhões de homens, mais o reservistas e 4 milhões de paramilitares mete respeito a qualquer um.

Ao nivel da marinha, parace que estão apostar forte nos destroyers, submarinos tem um numero considerável, mas a maioria convencionais, estão agora a apostar nos submarinos nucleares.

Mas falta-lhe o maior disuasor naval, porta-aviões, não tem porta-aviões, tem lá o Varyag russo, mas ainda não começaram a copia-lo.

Se fizerem lá uma linha de montagem de porta-aviões, e apresentaram uns 4 ou 5 ai a coisa começa a ter que ser vista de outra maneira.

A força aerea compraram uns SU- 27 , e fizeram uma versão chinesa que parece um F-16, o Chengdu J-10, mas mesmo assim têm um numero considerável de aeronaves.

Mas já napoleão dizia que quando gigante asiático acordar o mundo vai estremecer, vamos andando e vamos vendo, mas que a tansão entre os EUA e China vai aumentar exponencialmente no futuro, sem dúvida.

Por outro lado, penso que faz falta uma China forte e uma Russia forte como contraposição aos americanos, acredito no mundo multipolar, ao contrário dos neo-cons dos corredores de washington que defendem que os americanos tem que ser a unica potencia mundial, o destino manisfesto já lá vai há muito tempo, já atingiram a costa leste há 200 anos, mas eles continuam o expansionismo.

Por este andar e se os deixássemos, não tardava nada tinhamos ai a ditadura mundial, o problema é que a Russia e a China nunca vão permitir que os americanos mandem nisto tudo, e ainda bem, os povos têm que ser livres.

Tem que haver equilibrio, depois penso que os chinos não se vão meter com os russos, nem com os americanos, ou vice-versa porque isso despoletaria o armagedão nuclear.

Mas os americanos que começam a pensar em tirar os seus porta-aviões do mar amarelo, os chinos parece que desenvolveram um míssil,  Dong Feng 21 D que é lançado a partir de terra e pode atingir um navio em movimento, incluindo os porta-aviões da frota norte-americana, a uma distância de 1500 quilómetros e com grande precisão.

Mas sinceramente não vejo os chineses como uma ameaça para a europa, antes de cá chegarem tinham que passar por cima dos russos, e a rússia já provou várias vezes que se não é invencivel, anda lá perto, exceptuando a crimeia.

Cumprimentos a todos.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 05, 2010, 05:59:16 pm
Citação de: "Luso-Efe"
Mas não é por acaso que a Russia tem algumas das suas melhores unidades de tanques T-95 junto a essa zona na fronteira com a China.

Mas isto existe? Pensei que fosse apenas projecto e que até tinha sido cancelado...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Luso-Efe em Dezembro 05, 2010, 07:10:51 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "Luso-Efe"
Mas não é por acaso que a Russia tem algumas das suas melhores unidades de tanques T-95 junto a essa zona na fronteira com a China.

Mas isto existe? Pensei que fosse apenas projecto e que até tinha sido cancelado...

T-90 desculpe, tem razão.

O T-95 é que está a ser desenvolvido a partir do T-90, projecto Russo-Indiano.

Mas algumas das melhores unidades de tanques soviéticas estão nessa zona.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 06, 2010, 10:02:16 am
Se a China tem a politica de um filho único, como pode estar a haver uma expansão demográfica? :?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 06, 2010, 10:30:24 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Se a China tem a politica de um filho único, como pode estar a haver uma expansão demográfica? :?
Tipo, a maior parte das terras chinesas são montanhosas, ou seja, impróprias para a agricultura. Ainda por cima, tem o deserto de Gobi, e as megalópoles, que tomaram espaço de áreas rurais.
Apesar da política de filho único, a população da China ainda aumenta, pois não tem como vigiar cada casal permanentemente, e ainda tem os imigrantes, vindos dos bolsões mais pobres da Ásia, como Vietnã, Filipinas, Camboja, Coreia do Norte, etc... Hong Kong e Macau fazem parte da China, mas não estão sujeitas às mesmas leis, tais como essa política. E sabe-se lá se a política de filho único está MESMO sendo aplicada.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 07, 2010, 12:46:39 pm
Ainda recentemente li mais um artigo que falava como uma mulher de uma grande cidade foi presa, forçada a abortar e só depois libertada. Ela já teve o seu único filho. É verdade, há regiões onde a lei do filho único não está em funcionamento. Macau e Hong Kong porque são regiões especiais e no Tibet para as pessoas de étnica Chin. Os emigrantes, são emigrantes. Os EUA também vão continuar a aumentar de população graças aos emigrantes da América Latina.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 08, 2010, 12:52:42 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Os EUA também vão continuar a aumentar de população graças aos emigrantes da América Latina.

Nem só por isso, os EUA continuam com Saldo Natural (natalidade-mortalidade) positivo, tanto para a população natural dos EUA, como, obviamente, para a população emigrada nos EUA.

Já a Europa...nomeadamente Portugal...só cresce através do Saldo Migratório (imigração-emigração).

(Taxa de crescimento natural negativa)

(http://img444.imageshack.us/img444/8410/95273991.jpg)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: armando30 em Dezembro 08, 2010, 01:55:24 am
Citação de: "PereiraMarques"
Já a Europa...nomeadamente Portugal...só cresce através do Saldo Migratório (imigração-emigração)
ainda há aquele estudo que diz que em 2020 (o estudo foi apresentado há algum tempo e já não me lembro qual a data apontada mas sei que no máximo é 2025) a população nacional estará reduzida a metade e que a única coisa que poderá impedir esse facto é a imigração.
o estudo foi apresentado numa altura em que o Sócrates queria restringir a entrada de estrangeiros em Portugal para trabalharem.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Chico Xavier em Dezembro 08, 2010, 05:35:50 pm
Citação de: "armando30"
Citação de: "PereiraMarques"
Já a Europa...nomeadamente Portugal...só cresce através do Saldo Migratório (imigração-emigração)
ainda há aquele estudo que diz que em 2020 (o estudo foi apresentado há algum tempo e já não me lembro qual a data apontada mas sei que no máximo é 2025) a população nacional estará reduzida a metade e que a única coisa que poderá impedir esse facto é a imigração.
o estudo foi apresentado numa altura em que o Sócrates queria restringir a entrada de estrangeiros em Portugal para trabalharem.


 Pois mas assim lá se vai a nossa homogeneidade.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 09, 2010, 12:20:24 pm
Citação de: "Chico Xavier"
Citação de: "armando30"
Citação de: "PereiraMarques"
Já a Europa...nomeadamente Portugal...só cresce através do Saldo Migratório (imigração-emigração)
ainda há aquele estudo que diz que em 2020 (o estudo foi apresentado há algum tempo e já não me lembro qual a data apontada mas sei que no máximo é 2025) a população nacional estará reduzida a metade e que a única coisa que poderá impedir esse facto é a imigração.
o estudo foi apresentado numa altura em que o Sócrates queria restringir a entrada de estrangeiros em Portugal para trabalharem.


 Pois mas assim lá se vai a nossa homogeneidade.
Pois, compartilhe conosco o teu conceito de "nação homogênea". Se o próprio povo Português foi um povo gerado de muitas etnias, assim como o povo Brasileiro.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 09, 2010, 12:53:57 pm
Citação de: "armando30"
Citação de: "PereiraMarques"
Já a Europa...nomeadamente Portugal...só cresce através do Saldo Migratório (imigração-emigração)
ainda há aquele estudo que diz que em 2020 (o estudo foi apresentado há algum tempo e já não me lembro qual a data apontada mas sei que no máximo é 2025) a população nacional estará reduzida a metade e que a única coisa que poderá impedir esse facto é a imigração.
o estudo foi apresentado numa altura em que o Sócrates queria restringir a entrada de estrangeiros em Portugal para trabalharem.

Desculpa mas eu dúvido muito desse estudo, como é que seria possível Portugal perder 5 milhões de habitantes em 10/20 anos? Mesmo que não houvesse mais crianças a nascer, mesmo assim não perdiamos tantas pessoas. Isso cheira-me a estudo da treta.

Em relação à homogeneidade Portuguesa, ela existe e é real desde que não se conte com as largas centenas de milhares de emigrantes e seus descendentes. Logo aí começa a fraquejar nas duas principais metrópoles.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: ShadIntel em Dezembro 09, 2010, 01:49:34 pm
Contando ou não com a imigração, e tendo em conta as variações possíveis na natalidade e o envelhecimento da população, não existe uma única projecção séria que aponte para uma população de 5 milhões de habitantes em Portugal num horizonte mais ou menos longínquo. As estimativas extremas vão de 8 a 12 milhões no horizonte 2050.

Isto é, excluindo quaisquer eventos "apocalípticos"...

Voltem por favor ao assunto, podem debater as projecções demográficas para Portugal num tópico adequado.

Tópico: A China como Futura Ameaça
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 09, 2010, 04:21:57 pm
É simples, a China está a comprar meio mundo, com isso puderá fazer e desfazer o que quiser ao seu belo prazer. Nunca pensei, mas no futuro a grande super-potência será a China, visto que os EUA está-se a afundar e a Europa é comandada por cegos e loucos.

Acho que vou aprender mandarim para saber falar a língua dos novos "mestres". :twisted:  :roll:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Vicente de Lisboa em Dezembro 09, 2010, 05:15:17 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
É simples, a China está a comprar meio mundo, com isso puderá fazer e desfazer o que quiser ao seu belo prazer. Nunca pensei, mas no futuro a grande super-potência será a China, visto que os EUA está-se a afundar e a Europa é comandada por cegos e loucos.

Acho que vou aprender mandarim para saber falar a língua dos novos "mestres". :twisted:  :mrgreen:   :P
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 10, 2010, 10:21:01 am
É mais fácil os chineses aprenderem inglês só por facilidade de comunicação (Apesar do "engrish", eles estão avançando). Nesse cenário, o Mandarim seria apenas uma língua interna, mantida por questões culturais e restrita a alguns iniciados.
Outra opção para difundir o Mandarim seria fazer como fizeram os vietnamitas, ou seja, "romanizar" o idioma (Quem leu frases em vietnamita romanizado sabe a bela porcaria que fica XD). Assim, o mundo aprenderia Mandarim mais fácil, mas a escrita ficaria circunscrita aos "mestres".

Impérios e potências são como seres humanos: Nascem, crescem, se consolidam, decaem e morrem. Não será diferente com os EUA. A China é a próxima, e os três restantes do BRIC estão se acotovelando para sucederem a China daqui a outros 50 anos. Mas até lá tudo pode mudar, tipo, a bola da vez pode ser um país africano, por que não?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 10, 2010, 10:44:02 am
Porque não...o futuro é sempre incerto.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 10, 2010, 08:00:27 pm
Citar
Just in case you were wondering about that MSA patrol boat in front of the Type054A under construction -- it is one of the 30 the Chinese government is procuring.

China to build 30 marine law enforcement vessels over 5 years
14:50, October 12, 2010

http://english.peopledaily.com.cn/90001 ... 63636.html (http://english.peopledaily.com.cn/90001/90776/90785/7163636.html)

In order to improve the capacity of marine law enforcement and safeguard marine rights, China plans to build 30 vessels for marine law enforcement in the next five years.

China has a vast area of seas, but the number and the tonnage of vessels for marine law enforcement are both small. China's fleet does not meet the standard of one vessel per 1,000 square kilometers and there is a huge gap compared to other developed countries, said Li Lixin, director of South China Sea Branch of State Oceanic Administration of China, on Monday.

For example, he said, Japan has more than 100 vessels for marine law enforcement with tonnage over 3,000 tons, but the number of China's boats has not yet reached half that of the Japan's.

By the end of this year to early next year, six vessels will be added to the China Marine Surveillance and the patrol boat China Marine Surveillance 75, which was launched at the end of this July, will join the South China Sea Branch at the end of October.

It is understood that the patrol boat China Marine Surveillance 83, called the flagship of China's marine surveillance, is the most advanced in China.

The vessel has a highly-developed communication network and graphic information transmission system, with a displacement of around 3,980 tons. It is equipped with the China Marine Surveillance B-7112, a Chinese-made ship-borne helicopter, which allows for long-range cruise sea and rapid response capability in law enforcement with air interaction.

However, the number of these kinds of vessels is small in China, according to Wang Yun, captain of the boat.

By Liang Jun, People's Daily Online

(http://4.bp.blogspot.com/_3wZSwFvZzqM/TPycqIVxZmI/AAAAAAAAJsg/hqzg6nXoSfw/s400/msa25_72972_9af9406f48649cf.jpg)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Luso-Efe em Dezembro 12, 2010, 05:28:41 pm
Citação de: "Snowmeow"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Se a China tem a politica de um filho único, como pode estar a haver uma expansão demográfica? :N-icon-Axe:

Como já aqui disse, se alguém tem que se preocupar com os chinos em primeira linha são os russos, e esta aproximação à nato também pode vir nesse sentido, não sei?

Mas os states que se preparem, porque a china vai montar uma marinha de guerra de meter respeito, uma marinha oceânica de meter respeito, segundo este documento que encontrei planeiam construir 4 porta-aviões, ao americanos têm 10, mas com 4 e com o varyag a china começa a mostrar os dentes aos states. :!:

Praticamente na mesma altura, aliás no mesmo mês em que isto é tornado publico a Rússia anuncia a construção 3  novos porta aviões nucleares.  :idea:

Cumprimentos.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: AtInf em Dezembro 13, 2010, 02:21:27 pm
Citação de: "Luso-Efe"
Mas os states que se preparem, porque a china vai montar uma marinha de guerra de meter respeito, uma marinha oceânica de meter respeito, segundo este documento que encontrei planeiam construir 4 porta-aviões, ao americanos têm 10, mas com 4 e com o varyag a china começa a mostrar os dentes aos states. :!:

Praticamente na mesma altura, aliás no mesmo mês em que isto é tornado publico a Rússia anuncia a construção 3 novos porta aviões nucleares. :idea:

Cumprimentos.

Esqueçam a parte dos porta-aviões russo, é que eles chegaram à conclusão que pelo menos a médio prazo não têm guito para um quanto mais para 4. :lol:
Quanto aos chineses já a conversa é outra, mas uma coisa é tê-los outra é a experiência que vem com a sua utilização ( na Ásia deve haver mais japoneses nos lares de terceira idade com experiencia disso do chineses no mundo inteiro ).
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 14, 2010, 10:26:46 am
Citação de: "AtInf"
Esqueçam a parte dos porta-aviões russo, é que eles chegaram à conclusão que pelo menos a médio prazo não têm guito para um quanto mais para 4. :twisted:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: AtInf em Dezembro 14, 2010, 10:38:31 am
Citação de: "Snowmeow"
Citação de: "AtInf"
Esqueçam a parte dos porta-aviões russo, é que eles chegaram à conclusão que pelo menos a médio prazo não têm guito para um quanto mais para 4. :twisted:

Mas que experiência é que os Russos têm em operações com um porta aviões? Arrastá-lo de um estaleiro para outro?
Já a parte da experiencia adquirida com a prática, tudo bem. Um dia haverão de lá chegar, afinal o dito "paciência de Chinês" tem que ter algum fundamento. Mas isso só à custa de muito erro, treino, e de muitos exercícios com operações aeronavais com apoio da FA em que queiram realmente desenvolver a capacidade para uso efectivo e não armarem-se em tigre de papel ( passear a frota só para impressionar a vizinhança ).
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 14, 2010, 03:31:28 pm
Na verdade os Chineses queriam ir ao Brasil ver como é que a Marinha Brasileira opera o A-12, mas só quando o mesmo estiver a 100% é que isso vai acontecer. Ter uma tripulação bem treinada e com um método funcional é extremamente complexo e dificil a não ser que já haja "escola".
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Pedro_o_Tuga em Dezembro 14, 2010, 04:36:04 pm
Bem em relação a competencia.. Os Sauditas gastam milhoes em equipamento militar e pelo que ouço falar (tenho um amigo meu no states que fez parte de um pelotao Striker), eles (arabes) são extremamente incompetentes.

(pequeno aparte, a prova que há um tuga em cada canto do mundo, é que por mero acaso um dos gajos da tripulação dele descende de tugas). Calhou por acaso numa conversa.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 14, 2010, 04:50:26 pm
O principal problema deles é que os oficiais pura e simplesmente não fazem certas e determinadas coisas, algo como acontecia na Europa à muitas décadas atrás. Esses países com uma visão muito fundamentalista do que é o Islão são assim mesmo. As melhores Forças Armadas do mundo Árabe devem ser os da Jordânia porque as Forças Armadas são bastante diferentes dos outros países islâmicos da zona. Um exemplo disso foi ter havido Oficiais Iraquianos capturados pela coligação a passarem frio porque recusaram-se a montar as tendas porque os praças iriam-nos ver a montá-las. Para eles isso é inadmissivel.

Cá em Portugal até o CFO/RC da FAP com aquela "semana de campo" mal enjorbada, eles têm que fazer tudo, não há ninguém a limpar-lhes o rabinho e montar-les as tendas (acho). :lol:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 15, 2010, 10:54:38 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Um exemplo disso foi ter havido Oficiais Iraquianos capturados pela coligação a passarem frio porque recusaram-se a montar as tendas porque os praças iriam-nos ver a montá-las. Para eles isso é inadmissivel.
Meu, esses caras deviam passar uma temporada no CIGS daqui do Brasil para aprenderem a serem homens de novo. :lol:
Não à toa, o Iraque foi desbaratado com uma certa rapidez, até.
Será que eles não sabem que, numa guerra, todos os homens são iguais?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 15, 2010, 11:24:22 am
Há uns mais iguais que outros... :lol:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: papatango em Dezembro 15, 2010, 06:41:29 pm
Citação de: "snowmehow"
Experiência também se compra. Ninguém nasce mexendo em porta-aviões nucleares. Se eles não têm experiência, podem aprender com os russos (Aliás, de quem eles compraram o Varyag)
Eles compraram o Varyag da Ucrânia.
E fiquei muito surpreendido sobre a sua revelação de que a China pretende utilizar a experiência russa em porta-aviões nucleares.
Importa-se de me esclarecer sobre qual o porta-aviões nuclear russo serve de base para a sua tese ?  :shock:  :shock:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Dezembro 15, 2010, 08:58:54 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Snowmeow"
Experiência também se compra. Ninguém nasce mexendo em porta-aviões nucleares. Se eles não têm experiência, podem aprender com os russos (Aliás, de quem eles compraram o Varyag)
Eles compraram o Varyag da Ucrânia.
E fiquei muito surpreendido sobre a sua revelação de que a China pretende utilizar a experiência russa em porta-aviões nucleares.
Importa-se de me esclarecer sobre qual o porta-aviões nuclear russo serve de base para a sua tese ?  :shock:  :shock:
Eita, que achou um pezinho onde pegar hoje, hein? ¬¬
Alguma vez, eu REVELEI ou FIZ TESE sobre algo?
Leia direito:
Citar
Experiência também se compra. Ninguém nasce mexendo em porta-aviões nucleares. Se eles não têm experiência, podem aprender com os russos (Aliás, de quem eles compraram o Varyag).
PODEM, ou seja, uma POSSIBILIDADE. Uma HIPÓTESE.
Nada de certezas, revelações ou teses.
Se eu errei sobre a nacionalidade do Varyag, foi mal, ninguém é perfeito. Mas, creio eu, no tempo da construção do Varyag, tanto Rússia quanto Ucrânia eram parte da União Soviética, portanto esse detalhe é irrelevante.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: papatango em Dezembro 16, 2010, 12:36:30 pm
Snowmehow: Você não pode aprender de quem não tem experiência.
Apenas dois países possuem porta-aviões nucleares. Esses países são os Estados Unidos e a França.
A pesquisa chinesa sobre a questão dos porta-aviões, está neste momento centrada na forma de utilizar o porta-aviões de forma eficiente.

O problema da China é que o país pretende afirmar internacionalmente que não é uma potência expansionista, mas que ao contrário pretende apenas defender os seus interesses nomeadamente as suas águas costeiras.

Em tese um porta-aviões não tem grande utilidade para defender águas costeiras, quando o inimigo possui uma base próximo de terra.
A China tem um problema complicado, porque há uma linha de países que não são exactamente seus aliados, que pode por em causa a sua capacidade para operar porta-aviões de forma segura. Essa linha é constituída pelas principais ilhas do Japão, pelas ilhas do sul do Japão (Okinawa), Taiwan e o arquipelago das Filipinas. A China tem problemas com todos estes três países.

Portanto, a China aparenta querer desenvolver alguma capacidade para exercer pressão fora dessa cintura que isola a China do Pacífico.
Essa será aliás a principal razão estratégica que dita a continuação da exigência do controlo sobre Taiwan. Afinal, Taiwan continua a ser chinesa e de cultura chinesa e o governo de Taipé, é mais legítimo que o regime comunista de Pequim. O problema, é que com Taiwan a China pode romper essa barreira de países.

A Russia não tem nada a ensinar sobre tácticas navais, especialmente no Pacífico, onde sofreu a mais humilhante derrota de que há memoria nos tempos modernos.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: AtInf em Dezembro 16, 2010, 02:07:48 pm
Se calhar é melhor os Chineses pedirem formação sobre o uso de PA aí no Brasil, porque os Russos não fazem a miníma ideia como operar com PA. A aviação naval que têm nunca executou operações a partir de PA. As ideias que tinham sobre construir PA foram ao fundo, nem têm dinheiro para contruir nem para manter esses meios. A intenção de comprar os Mistral aos franceses fala bem sobre a capacidade de construção dos estaleiros Russos e da confiança que o poder político tem neles.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 18, 2010, 07:14:09 pm
Japão designa China como principal ameaça militar


O Governo japonês revelou ontem uma nova Estratégia de Defesa Nacional em que o poder militar da República Popular da China e a sua "falta de transparência" em questões militares são considerados como "factor de preocupação regional e internacional". O comportamento da Coreia do Norte é também designado "como um sério factor de destabilização".

O documento apresenta as prioridades e orientações para a próxima década em matéria de defesa, a partir de 2011, conforme definidas pelo Governo do primeiro-ministro Naoto Kan, líder do Partido Democrático do Japão.

A nova estratégia classifica, pela primeira vez de forma inequívoca, a China como principal ameaça para o Japão. Anteriormente, Tóquio considerava a Rússia como principal fonte de preocupação, escrevendo-se apenas que "devia permanecer atento" às acções chinesas.

O documento nipónico provocou uma dura resposta da porta- -voz da diplomacia chinesa, Jiang Yu, afirmando esta que nenhum país "tem o direito de se auto-designar representante da comunidade internacional nem de fazer comentários irresponsáveis sobre o desenvolvimento da China".

Como a justificar as preocupações de Tóquio, soube-se ontem em Pequim que a China vai ter o primeiro de vários porta-aviões pronto em 2015. Com 60 mil toneladas e a energia convencional, será peça central da capacidade de projecção do poder aeronaval chinês, que pretende ser, segundo textos oficiais, uma potência marítima média até 2020.

A nova estratégia japonesa centra-se no poder naval e nas capacidades de defesa antimíssil. Assim, entrarão ao serviço mais seis submarinos (ver infográfico) e passarão a ser seis os destroyers equipados com mísseis Aegis antibalísticos. A aviação de combate será modernizada e serão adquiridas mais baterias antimíssil Patriot.

Uma parte importante dos efectivos será deslocada do Norte para as áreas meridionais e Sul do arquipélago, face à península coreana e à China continental.

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 04, 2011, 01:28:55 pm
China vai aumentar gastos com material militar


Em 2011, a China vai aumentar o seu orçamento militar em 12,7%, a parcela do orçamento gasta com material militar aumenta de 583 mil milhões para 657 mil milhões de euros.

O anúncio foi feito um dia antes do início do Congresso Nacional do Povo, no qual o Partido Comunista Chinês vai divulgar o seu projecto nacional para os próximos cinco anos.

Segundo relatos dos órgãos de comunicação social chineses, os soldados e oficiais do Exército de Libertação do Povo vai ver os seus salários aumentados em 40%. Este aumento será o terceiro em seis anos.

A China tem vindo a ampliar a sua capacidade militar e seus gastos com defesa nos últimos anos.

Li Zhaoxing, porta-voz do Parlamento chinês, justificou o aumento dizendo que «o orçamento da China com defesa é relativamente baixo tendo em conta os padrões mundiais». Por mais do que uma vez o governo chinês afirmou que os seus gastos militares são muito inferiores aos dos Estados Unidos.

Este investimento em capacidade militar provoca temores nos países da região, como o Japão e Taiwan, que possuem disputas territoriais com a China.

«A modernização da capacidade militar da China, a sua crescente actividade, juntamente com alguma falta de transparência das suas políticas é um motivo de preocupação», afirmou, ontem, Yukio Edano, do gabinete de governo do Japão.

No entanto, o Congresso Nacional do Povo, que começa no sábado, deve deixar claro que a economia é a prioridade do país no momento.

De acordo com o correspondente da BBC em Pequim, o combate à desigualdade social deve ser um dos problemas centrais do plano de cinco anos do governo. Entre outras medidas que deverão ser divulgadas estão gastos com a educação e novos programas de serviços sociais.

SOL
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Março 04, 2011, 03:06:59 pm
Nessa hora que eu acho que Japão e Coreia deviam deixar suas rusgas históricas de lado e passarem a fazer exercícios conjuntos, ou mesmo um acordo militar conjunto.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: GI Jorge em Março 04, 2011, 07:14:06 pm
O Japão é que não deve gostar nada de ouvir isso.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Edu em Março 04, 2011, 07:44:11 pm
Já a industria de defesa americana ouve isto de bastante bom grado...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Luso-Efe em Abril 08, 2011, 11:45:22 pm
Edu, os americanos não vão estar com demoras, vão armar fortemente principalmente a nivel naval a Coreia do Sul , o Japão e a Taiwan, e muito material até vai de borla pode crer.  :idea:

Concorde-se ou não, os americanos tratam da vida deles.

Na página anterior esta uma mensagem minha, onde está um documento que não sei se é totalmente fiável, encontrei-o na net, mas que fala dos planos da China para montar uma poderosa marinha oceãnica, com 4 porta-aviões mais o varyag Russo,  é obvio que o americanos não vão ficar a ver, vão tentar contra-balançar esse poderia Chinês armando os seus aliados na zona, Japão, Coreia do Sul e Taiwan.

Os Russos esses que se ponham finos, o conflito das ilhas na zona fronteiriça lá foi resolvido, mas o Sudeste da Rússia é uma zona muito pouco povoada, e com muito chinês, não é por acaso que algumas das melhores unidades de tanques russas estão nessa zona.

A Rússia ao mesmo tempo olha para a China como um possivel aliado, tem existido bastante cooperação militar e tudo, mas ao mesmo tempo sabe que não pode confiar demais nos chineses, é um pau de dois gumes. :roll:

Cumprimentos.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Abril 09, 2011, 04:10:05 pm
Ou seja:

Se EUA armam Japão, Coreia e Taiwan pra conter a China, a Rússia pode se aliar à China. Afinal, há ilhas russas que o Japão disputa.

Se China começa a manobrar mais para o interior, a Rússia pode se aliar aos EUA, mas com reservas, uma vez que se nos Chineses não se pode confiar, nos Americanos muito menos: O Alasca é logo ali.

Se a Rússia manobrar junto às ilhas Sacalina, o Japão pode ver isso como uma ameaça a Hokkaido, e solicitar ajuda americana, o que pode irritar a China. Com a ajuda americana no Japão, vai junto o aparelhamento da Coreia do Sul, o que pode irritar a Coreia do Norte, que vai solicitar armamento extra da China. Com isso, pode voltar a Guerra da Coreia, e até mesmo surgir um "China-Contras". Pois, se a China se armar, a Índia entra em prontidão, e em consequência, o Paquistão também entra em alerta por causa da Índia.

Então, temos o time Azul (EUA, Japão, Coreia do Sul, Taiwan) e o time Vermelho (China, Coreia do Norte e, provavelmente, Mianmar). Se Azul manobrar, irrita Vermelho, que também manobra e pode irritar a Índia, o que a faz se movimentar e irritar o Paquistão. A Rússia entrará para o time que manobrar em segundo, como retaliação ou defesa, assim, se EUA manobra primeiro, Rússia entra para o Vermelho, se China manobra primeiro, Rússia entra para o Azul. Aí, Índia entra para o Azul para lutar contra a China, e Paquistão entra para o Vermelho para lutar contra a Índia.

Tais manobras não passariam despercebidas no Afeganistão e influenciariam até mesmo o Irã, que entrariam em qualquer time contrário aos EUA, ou seja, para o Vermelho. Ciente da intenção iraniana de atacar os EUA em apoio à China, Israel lançaria seus ataques ao Irã. E começaria a Terceirona.

Se eu delirei na maionese, me corrijam. :mrgreen:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabecinhas em Abril 13, 2011, 12:33:36 pm
Command&Conquerer, calma lá contigo!  :mrgreen:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitanian em Abril 13, 2011, 03:58:07 pm
Citar
Então, temos o time Azul (EUA, Japão, Coreia do Sul, Taiwan) e o time Vermelho (China, Coreia do Norte e, provavelmente, Mianmar).

És brasileiro?  :mrgreen:  :lol:  Tambem pensei nisso ao ler o post dele eheh. Tanta estratégia e prós e contras lool. Mas que até é um pouco verdade.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: GI Jorge em Abril 13, 2011, 04:55:16 pm
Citação de: "Lusitanian"
Citar
Então, temos o time Azul (EUA, Japão, Coreia do Sul, Taiwan) e o time Vermelho (China, Coreia do Norte e, provavelmente, Mianmar).

És brasileiro?  :mrgreen:  :lol:  Tambem pensei nisso ao ler o post dele eheh. Tanta estratégia e prós e contras lool. Mas que até é um pouco verdade.

Não sei se percebeu, mas olhe aqui:
Citar
Snowmeow  
    Mensagens: 133
    Registado: Quinta 25 Mar, 2010 11:17 pm
    Localização: Penápolis - São Paulo - Brasil
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Snowmeow em Abril 13, 2011, 08:52:58 pm
Citação de: "Lusitanian"
És brasileiro?  :mrgreen:
E essa é uma das razões pelas quais eu me preocupo com Portugal.

Citação de: "Cabecinhas"
Command&Conquerer, calma lá contigo!  :mrgreen:

Hauhauhau, a arte imita a vida!
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Abril 19, 2011, 02:12:13 am
Não tenho a certeza se já coloquei este vídeo cá no fórum...
Acho que sim mas não o encontro.  :?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: typhonman em Abril 21, 2011, 10:04:33 pm
http://www.rand.org/content/dam/rand/pu ... _MG915.pdf (http://www.rand.org/content/dam/rand/pubs/monographs/2011/RAND_MG915.pdf)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Novembro 11, 2011, 12:50:41 am
Area 51 chinesa?
http://www.viewzone.com/china51.html (http://www.viewzone.com/china51.html)

 :arrow:  40 24'17.50"N 93 38'15.75"E
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 31, 2011, 01:03:29 am
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Abril 22, 2012, 04:36:16 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 24, 2012, 11:46:00 am
Citar
Collision Course in the South China Sea
Vikram Nehru

Tensions in the South China Sea are ratcheting up. China and the Southeast Asian nations with competing territorial claims seem set on a collision course. Though still low, the probability of conflict is rising inexorably.

The current trajectory is lose-lose-lose for all concerned, including China, Southeast Asia and third-party countries in the Pacific Rim, such as the United States, that have a large stake in a peaceful South China Sea. At this point, the focus should not be resolving competing claims. Instead, diplomats must try to lower temperatures and get all sides to implement confidence-building measures to ensure peace and stability in the region. Only when cooler heads prevail can the concerned countries turn their attention to resolving the longer-term questions of the sovereignty and jurisdiction of the islands in the South China Sea.

The forty-year history of disputes in the region has seen a steady escalation in tension punctuated by occasional conflicts that have been quickly contained. Based on the vaguely defined "nine-dash line" (reduced from eleven dashes in 1953), China claims sovereignty over the Paracel and Spratly Islands and their adjacent seas in accordance with the United Nations Convention on the Law of the Sea. The other side is represented by the Association of Southeast Asian Nations (ASEAN) and includes Brunei, Malaysia, Philippines and Vietnam, which have more modest, but nevertheless competing, claims that overlap with each other and with China.

The latest escalation in friction started with a confrontation between China and the Philippines over the Scarborough Shoal. There also were competing international bids by China and Vietnam for oil exploration in areas of the South China Sea contested by the two countries. Efforts by the Philippines and Vietnam to get the support of their ASEAN counterparts at a recent ministerial meeting resulted in ASEAN's inability to issue a communiqué for the first time in the organization's forty-five-year history.

Cambodia, ASEAN's chair for 2012, refused to make reference to disputes in the South China Sea, starkly revealing the not-so-subtle influence of China. But thanks to shuttle diplomacy by Indonesia's energetic foreign minister, Marty Natalegawa, ASEAN emerged with a face-saving "common position" that reiterated six principles adhering to the declaration of a code of conduct and the Law of the Sea. ASEAN's joint communiqué, however, still hasn't been issued.

Following Vietnam's June 2012 approval of a maritime law that declared sovereignty and jurisdiction over the Spratly and Paracel Islands in the South China Sea, China objected strongly and upped the ante by announcing steps to actively administer the disputed islands and the Macclesfield Bank, as well as 772,000 square miles of ocean within its "nine-dashed line." Sansha, a 1.5-kilometer islet in a disputed part of the South China Sea, has been declared a city that will include a local government responsible for overseeing the area. Legislators and a mayor have been elected, and the Chinese authorities announced plans to station a People's Liberation Army garrison there to monitor—and defend, if necessary—China's claims over the area.

These developments merely escalated tensions and served neither China's broader strategic interests nor those of the Southeast Asian claimant nations.

China's recent actions in the South China Sea are likely to severely damage its ability to influence the region and the world on other more important issues. For example, China's economic strength relies in part on its economic integration with Southeast Asia that has helped build globally competitive production networks. That integration, which depends on good bilateral relations with its neighbors, is now jeopardized.

China already has few friends in the region. In a speech last year, Vice Premier Li Keqiang (expected to be China's next prime minister) said that China sought to assure the world that its intentions are to cooperate with other countries to smooth its emergence as a global power. This idea of China's peaceful rise has been a cornerstone of Beijing's foreign-policy strategy. Unfortunately, its Southeast Asian neighbors do not see China's actions matching its rhetoric.

By taking provocative actions in the South China Sea themselves, Vietnam and the Philippines are not altogether blameless in the latest series of events. They don't need reminding, however, that a confrontation with China is not in their interests or those of the rest of Southeast Asia.

The region's impressive economic performance over the last two decades has benefitted enormously from China's growth engine. Major investments have been made in developing production networks, and continued good relations with China hold out promise for more. Worsening relations could put this at risk. More importantly, Southeast Asian countries recognize the dangers of any armed conflict with China, which could increase manifold if the United States were to be drawn into the fight.

Finally, the growing risk of conflict is not in the interest of the global community, especially for countries that rely on peaceful passage through the South China Sea and those on the Pacific Rim. The global economy, already suffering from myriad challenges, cannot afford yet another layer of uncertainty.

Certainly, the potential costs of conflict for the region and the world far outweigh any potential economic benefits contained in the seabed of the South China Sea—much of which is unknown in any case. Rather than the availability of hydrocarbons and fisheries, the South China Sea dispute is now increasingly being driven by domestic public opinion in the countries concerned that is fueled by military lobbies and strong nationalist sentiments.

Stepping back from the brink is in everyone's interests. But this has to be done in a way that builds mutual trust and confidence. The current escalating tit-for-tat dynamic between China and the two ASEAN claimants—Vietnam and the Philippines—must be stopped, difficult as that may be, and perhaps even reversed. It necessarily will involve a series of carefully choreographed actions to gradually unwind present positions in a way that can satisfy their respective domestic constituencies.

Given his recent success at shuttle diplomacy, Indonesia’s Natalegawa could well be the man to thread this needle. Perhaps helped by a small team of internationally recognized statesmen, he could shuttle between the three key claimant countries—China, Philippines and Vietnam—to broker a deal. Natalegawa's recently burnished credentials as a diplomat have earned him the confidence of both sides. Moreover, such an approach could satisfy Beijing's reluctance to enter multilateral negotiations over the South China Sea while still arranging a collective stand-down.

But make no mistake, the real leadership and courage will need to come from the claimant countries themselves. Given the high stakes involved, let's hope that such leadership is forthcoming.

Vikram Nehru is a senior associate and Bakrie Chair in Southeast Asian Studies at the Carnegie Endowment for International Peace [3].

Links:
[1] http://www.addthis.com/bookmark.php?v=2 ... alinterest (http://www.addthis.com/bookmark.php?v=250&username=nationalinterest)
[2] http://nationalinterest.org/profile/vikram-nehru (http://nationalinterest.org/profile/vikram-nehru)
[3] http://carnegieendowment.org/ (http://carnegieendowment.org/)
[4] http://nationalinterest.org/topic/globa ... ions/asean (http://nationalinterest.org/topic/global-governance/regional-organizations/asean)
[5] http://nationalinterest.org/topic/security/defense (http://nationalinterest.org/topic/security/defense)
[6] http://nationalinterest.org/topic/globa ... tional-law (http://nationalinterest.org/topic/global-governance/international-law)
[7] http://nationalinterest.org/topic/secur ... y-strategy (http://nationalinterest.org/topic/security/military-strategy)
[8] http://nationalinterest.org/topic/security/peacekeeping (http://nationalinterest.org/topic/security/peacekeeping)
[9] http://nationalinterest.org/topic/secur ... ing-powers (http://nationalinterest.org/topic/security/rising-powers)
[10] http://nationalinterest.org/region/asia ... asia/china (http://nationalinterest.org/region/asia/northeast-asia/china)
[11] http://nationalinterest.org/region/asia ... a/cambodia (http://nationalinterest.org/region/asia/southeast-asia/cambodia)
[12] http://nationalinterest.org/region/asia ... /indonesia (http://nationalinterest.org/region/asia/southeast-asia/indonesia)
[13] http://nationalinterest.org/region/asia ... hilippines (http://nationalinterest.org/region/asia/southeast-asia/philippines)
[14] http://nationalinterest.org/region/asia ... ia/vietnam (http://nationalinterest.org/region/asia/southeast-asia/vietnam)

 :arrow: http://nationalinterest.org/print/comme ... a-sea-7380 (http://nationalinterest.org/print/commentary/collision-course-the-south-china-sea-7380)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 24, 2012, 11:48:11 am
Citar
Preparing for War with China
James Holmes

For an operational concept that has never been published, the U.S. military’s AirSea Battle doctrine has elicited some fiery commentary. Or maybe it stokes controversy precisely because the armed forces haven’t made it official. Its details are subject to speculation. The chief source of information about it remains an unclassified, unofficial study [3] published in 2010 by the Washington-based Center for Strategic and Budgetary Assessments.

The debate over AirSea Battle swirls mostly around technology and whether the doctrine is aimed at China. To answer the latter question first: Yes, it is about China. It has to be.

This is no prophecy of doom. From a political standpoint, war with China is neither inevitable nor all that likely. But military people plan against the most formidable capabilities they may encounter. And from an operational standpoint, China’s People’s Liberation Army (PLA) presents the sternest “anti-access” challenge of any prospective antagonist. Either strategists, planners and warfighters prepare for the hardest case, or the United States must write off important regions or options.

The PLA thus represents the benchmark for U.S. military success in maritime Asia, by most accounts today’s crucible of great-power competition. Other potential opponents, notably the Iranian military, fall into what the Pentagon terms “lesser-included [4]” challenges. If U.S. forces can pierce the toughest anti-access defenses out there—if they can crack the hardest nut—the softer defenses erected by weaker opponents will prove manageable.

That focus on anti-access is why AirSea Battle is about China—because it’s the gold standard, not because anyone expects, let alone wants, war in the Western Pacific.

The Technology

Anti-access is a catchy new name for the old concept of layered defense. Like all naval officers, I was reared on it. Think about air defense. When an aircraft-carrier task force goes in harm’s way, commanders dispatch “combat air patrols” around the fleet, concentrating along the “threat axis,” or direction from which air attack appears most likely. Interceptors from the carrier air wing constitute the first, outermost line of defense.

Then come surface-to-air missiles from the fleet’s picket ships. If attackers get past the fighter- and missile-engagement zones, “point” defenses such as short-range radar-guided missiles or gatling guns essay a last-ditch effort. Each defensive system engages assailants as they come within reach. Multiple engagements translate into multiple chances for a kill, improving the fleet’s chances of withstanding the assault. A corollary: defenses become denser and denser as an adversary closes in.

The same logic applies to coastal defense but on a grand scale. A nation intent on warding off adversaries fields a variety of weapons and platforms to strike at sea and aloft. These systems have varying ranges and design parameters. Tactical aircraft can fly hundreds of miles offshore and fire missiles that extend their lethal reach still farther. Missile-armed patrol boats have small fuel tanks and limited at-sea endurance, so they stick relatively close to home. The same goes for diesel-electric submarines.

If anti-access is about mounting layered defenses, AirSea Battle is about developing technologies and tactics for penetrating them. Thus, in some sense China and America are replaying the interwar years. War planning commenced in earnest following World War I. Imperial Japan planned to shut the U.S. Pacific Fleet out of the waters, skies and landmasses within a defense perimeter enclosing the Western Pacific, the China seas, Southeast Asia and parts of the Bay of Bengal. Not to be outdone, U.S. Navy officers devised and tested out war plans for breaching Japanese anti-access measures.

Weirdly, planners on both sides of the Pacific largely agreed on how the coming conflict would unfold. Japan would lash out at the U.S.-held Philippines. U.S. leaders would order the Pacific Fleet to relieve the islands, confronting the Imperial Japanese Navy with a numerical mismatch. Anti-access, Japanese style, meant forward-deploying warplanes to islands along the defense perimeter and submarines to adjacent waters. Aerial and undersea attacks would whittle the U.S. fleet down as it lumbered westward—evening the odds before a decisive battle somewhere in Asian waters.

Submarines and land-based tactical aircraft remain among the panoply of anti-access weaponry. Complementing them are missile-armed patrol boats acting as offshore pickets; shore-fired antiship cruise missiles; and antiship ballistic missiles with ranges conservatively estimated at [5]over nine hundred statute miles [5]. Beijing would expect the PLA Navy surface fleet to handle whatever remnants of the U.S. Pacific Fleet limped into East Asian waters following repeated aerial and subsurface onslaughts.

The Human Element

The hardware dimension of the U.S.-China strategic competition, however, is inextricable from the all-important human dimension. Weapons don’t fight wars, as strategic thinkers from U.S. Air Force colonel John Boyd [6] to Chinese Communist Party chairman Mao Zedong [7] remind us; people who operate weapons do. Both individuals and the big institutions they serve have deep-seated worldviews and ideas about how to cope with the strategic surroundings. A culture that comports with strategic and operational circumstances represents an asset. A culture that flouts reality is a huge liability.

So the struggle between AirSea Battle and anti-access is about more than developing gee-whiz technologies. A culture war is brewing between two great powers with very different conceptions of the relationship among land, air and sea power. And again, ideas matter. As naval historian Julian S. Corbett explains, armaments are “the expression in material of strategical and tactical ideas that prevail at any given time.” What hardware a nation’s armed forces acquire speaks volumes about how strategic leaders think about war—and how they may wage it.

China conceives of land-based forces as intrinsic to sea power and has done so at least since the inception of the People’s Republic. This composite conception of sea power comes as second nature for the PLA. Mao Zedong reportedly issued the PLA Navy’s founders three curt instructions: “fly, dive, fast!” Commanders, that is, premised maritime defense on short-range aircraft flying from airfields ashore, diesel submarines diving beneath the waves, and fast patrol boats armed with guns and missiles. These were the ancestors of today’s ultramodern anti-access force.

Maoist China viewed sea power as more than the fleet. It was an amalgam of seagoing and land-based platforms and weaponry. Accordingly, the navy remained close to home throughout Mao’s long tenure as CCP chairman. That’s markedly different from the U.S. Navy, which kept squadrons on foreign station from its earliest history. Forward deployment is in American seafarers’ DNA. Think Thomas Jefferson and the Barbary Wars. China, by contrast, has not forward deployed warships since the Ming Dynasty—and even then it did so only intermittently. The ongoing counterpiracy deployment off Somalia thus marks a break with centuries of historical practice.

The PLA Navy has remained true to its Maoist history even while constructing a blue-water fleet. Coastal defense remains the service’s core function, although it has vastly expanded its defensive zone.

If the PLA Navy needs to reinvent its institutional culture to operate far from Chinese coasts, the U.S. military faces an even stiffer cultural challenge in orienting itself to new realities. The post–Cold War U.S. military came to see naval power as a supporting arm of land power. The U.S. Navy projected power onto distant shores, supporting the army, Marines and air force as these sister services prosecuted air and ground campaigns in theaters such as Iraq and Afghanistan.

Facing no competitor of the Soviet Navy’s stature, the U.S. Navy leadership issued guidance stating that the navy could assume it commanded the sea. There was no one to contest its mastery. Thus, in the words of the 1992 directive "...From the Sea [8] [8]," the service could “afford to de-emphasize efforts in some naval warfare areas.” In practice, that meant capabilities like antisubmarine warfare and mine countermeasures—capabilities critical to surviving and prospering in anti-access settings—languished for two decades.

Only now are they being rejuvenated. As the anti-access challenge has come into focus, the navy has started scrambling to upgrade its weaponry and relearn half-forgotten skills. In all likelihood, the air force is in worse straits. Despite Billy Mitchell’s early experiments with using air power to defend American coasts—remember his famous 1920 sinking of a battleship [9] from the air—the modern U.S. Air Force does not consider fighting at sea one of its central purposes. The services have some way to go before they can put forth the cohesive effort AirSea Battle demands.

Punching the Pillow

In short, the Asian continental power takes a holistic view of sea power, while the power that rules the waves thinks of sea power as subsidiary to land power. This cultural inversion would favor PLA defenders in a U.S.-China war. After all, fighting offshore is familiar terrain for them, whereas U.S. leaders long assumed they no longer had to fight for sea control. The services must dispel that ingrained assumption. The advantage goes to China unless the U.S. Navy and Air Force undertake a cultural transformation ahead of time, learning to work together in the maritime domain.

Reinventing military institutions in peacetime invariably poses a high-order leadership challenge. It often takes some trauma—like defeat—to clear minds. What to do, short of that doomsday scenario?

First, we need an official AirSea Battle concept to jolt the services into action and impart direction. Let’s publish one. Second, the navy and air force must embrace the concept, forging themselves into a joint weapon of sea combat. And third, national leaders must hold the services accountable for this project. Franklin Roosevelt once compared the U.S. Navy to a pillow. Civilian officials could punch it as hard as they liked, but it sprang back to the same shape. One suspects the U.S. Air Force bureaucracy is the same way.

Keep punching, Washington.

James Holmes is an associate professor of strategy at the Naval War College and a contributor to Competitive Strategies for the 21st Century [10], just out from Stanford University Press. The views voiced here are his alone.

Links:
[1] http://www.addthis.com/bookmark.php?v=2 ... alinterest (http://www.addthis.com/bookmark.php?v=250&username=nationalinterest)
[2] http://nationalinterest.org/profile/james-holmes (http://nationalinterest.org/profile/james-holmes)
[3] http://www.csbaonline.org/publications/ ... e-concept/ (http://www.csbaonline.org/publications/2010/05/airsea-battle-concept/)
[4] http://thomaspmbarnett.com/glossary/ (http://thomaspmbarnett.com/glossary/)
[5] http://www.fas.org/sgp/crs/row/RL33153.pdf (http://www.fas.org/sgp/crs/row/RL33153.pdf)
[6] http://dnipogo.org/john-r-boyd/ (http://dnipogo.org/john-r-boyd/)
[7] http://www.marxists.org/reference/archi ... /index.htm (http://www.marxists.org/reference/archive/mao/selected-works/military-writings/index.htm)
[8] http://www.au.af.mil/au/awc/awcgate/nav ... romsea.txt (http://www.au.af.mil/au/awc/awcgate/navy/fromsea/fromsea.txt)
[9] http://www.airforce-magazine.com/Magazi ... chell.aspx (http://www.airforce-magazine.com/MagazineArchive/Pages/2008/June%202008/0608mitchell.aspx)
[10] //www.amazon.com/gp/product/0804782423/ref=as_li_ss_tl?ie=UTF8&camp=1789&creative=390957&creativeASIN=0804782423&linkCode=as2&tag=thenatiinte-20">Competitive%20Strategies%20for%20the%2021st%20Century:%20Theory,%20History,%20and%20Practice%20(Stanford%20Security%20Studies)</a><img%20src="http://www.assoc-amazon.com/e/ir?t=thenatiinte-20&l=as2&o=1&a=0804782423"%20width="1"%20height="1"%20border="0"%20alt=""%20style="border:none%20!important;%20margin:0px%20!important;"%20/>%20
[11] http://nationalinterest.org/topic/security/defense (http://nationalinterest.org/topic/security/defense)
[12] http://nationalinterest.org/topic/security/great-powers (http://nationalinterest.org/topic/security/great-powers)
[13] http://nationalinterest.org/topic/secur ... y-strategy (http://nationalinterest.org/topic/security/military-strategy)
[14] http://nationalinterest.org/topic/security/peacekeeping (http://nationalinterest.org/topic/security/peacekeeping)
[15] http://nationalinterest.org/topic/secur ... ing-powers (http://nationalinterest.org/topic/security/rising-powers)
[16] http://nationalinterest.org/topic/secur ... e-military (http://nationalinterest.org/topic/security/state-of-the-military)
[17] http://nationalinterest.org/region/asia ... asia/china (http://nationalinterest.org/region/asia/northeast-asia/china)
[18] http://nationalinterest.org/region/amer ... ted-states (http://nationalinterest.org/region/americas/north-america/united-states)


 :arrow: http://nationalinterest.org/print/comme ... china-7352 (http://nationalinterest.org/print/commentary/preparing-war-china-7352)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 05, 2012, 03:20:36 pm
KYODO: U.S. Marines to Set Up Command Post on Palawan Island Facing South China Sea

Last Updated on Wednesday, 05 September 2012 13:48
Written by Kevin Kerrigan
Wednesday, 05 September 2012 12:23


Guam - Japan's Kyodo News Service is reporting that a contingent of  U.S. Marines is planing to set up an "advance command post" on the Western Philippine island of Palawan facing the South China Sea.

According to Kyodo, the plan calls for stationing 50 to 60 American marines on Palawan.

The news agency quotes an un-named "senior Philippine marine officer".

Construction on the command Post is slated to begin this month ahead of the annual Philippine-U.S. amphibious landing exercise in Palawan, reports Kyodo.

READ the Kyodo posting in FULL below:

Tuesday, September 4, 2012
U.S. Marines To Set Up Marine Command Post Facing South China Sea

MANILA (Kyodo)--The U.S. Marines plan to set up an "advance command post" on the western Philippine island of Palawan that faces the South China Sea, a senior Philippine marine officer told Kyodo News Tuesday.

An aerial view shows the Pagasa Island, which belongs to the disputed Spratly group of islands, in the South China Sea located off the coast of the western Philippines.

"The plan is to station 50 to 60 American marines in Palawan as an advance command post in the region," said the officer privy to the plan.

Palawan is an island province closest to the disputed Spratly Islands in the South China Sea being claimed in whole or in part by China, Vietnam, the Philippines, Taiwan, Malaysia and Brunei.

According to the officer, the plan includes converting a 246-hectare Philippine Marine Corps reservation in Samariniana town in Brooke's Point, in southeastern Palawan, into a joint marine operational command.

The officer said the 1.1 kilometer airstrip inside the reservation will be extended to 2.4 km to accommodate big U.S. military transport planes.

Construction work will begin in September in time for the annual Philippine-U.S. amphibious landing exercise in Palawan, he said.

"U.S. Marines will hire Filipino contractors to do the works because it will be costly if they bring their equipment over," he said.

More buildings will also be erected there, the officer said.

Aside from Samariniana, the source said the U.S. military is also looking at developing joint "operational bases" in other parts of Palawan, including Oyster Bay, Ulugan Bay, Macarascas town, Puerto Princesa City, Tarumpitao Point in Rizal and San Vicente town.

Palawan is just one of the areas identified both by Manila and Washington where U.S. Marines will train in a rotating deployment, the officer said.

He said that several military facilities in the Philippine main island of Luzon and Mindanao island in southern Philippines have also been "opened for access" for U.S. troops.

"These are choke points. These are very strategically located areas that can be used by both the U.S. and the Philippine forces," he said, adding that Americans can berth their warships and park their planes in the Philippines for "servicing and maintenance."

"The officer said the airstrip in Balabac, the southernmost island in the Palawan archipelago that was used by U.S. forces during World War ll, will also be restored and improved.

Another source said the Philippine military offered Palawan to Lt. Gen. Duane Thiessen, commanding general of the U.S. Marine Corps Forces Pacific, during his visit to Palawan last April to attend the joint U.S.-Philippine war games.

Diplomatic and military sources said the United States specifically wants more access to Philippine airfields and ports for "servicing and maintenance" including refueling and repair of U.S. aircraft and ships.

These areas include military facilities in the former U.S. military bases Clark in Pampanga and Subic Bay in Olongapo, Poro Point in La Union, Sangley Point in Cavite, Laoag City on Luzon Island and Zamboanga on Mindanao, sources said.

Also being considered are similar facilities in Batanes, the northernmost Philippine island province closest to Taiwan, General Santos City in Mindanao and Cebu City in the central Philippines.

The sources said the number of U.S. troops that will be rotated through the Philippines reportedly hovers between 4,000 and 4,500, including U.S. Marines based in Okinawa, Japan.

But the sources said that the final size of the U.S. troops and details of the plan are still being finalized.

Philippine and U.S. officials are mum about the plan to increase the American presence in the Philippines, a long-time U.S. ally which 20 years ago kicked the U.S. forces out from their huge naval and air bases in the country.

U.S. Ambassador Harry Thomas told a business forum last week that "the close partnership we have with the Philippines, as we work together to advance our shared interests on regional strategic issues, on security and economic cooperation, means that the U.S. and the Philippines are writing a new chapter in our longstanding alliance, and building a relationship for the coming century, and beyond."

China has territorial disputes with U.S. allies, including the Philippines, over islands, shoals, cays and reefs in the South China Sea. It has behaved assertively in recent years, alarming the Philippines and other claimants.

The United States has repeatedly said it will not take sides, while urging claimants to resolve the dispute peacefully.

The Philippines' 1987 constitution bans permanent foreign military basing in its soil. But the U.S. maintains strong security ties with the Philippines through a 1951 mutual defense treaty.

In 1998, Washington and Manila forged a visiting forces agreement, paving the way for increased military cooperation under the 1951 treaty.

Under the agreement, the U.S. has conducted ship visits to Philippine ports and resumed large combined military exercises with Philippine forces.

Currently, at any one time since 2002, there are about 600 combined U.S. troops "rotating" in Zamboanga, mainly providing "counterterrorism assistance and training" to Philippine soldiers combating Muslim extremists in southern Philippines.

 :arrow: http://www.pacificnewscenter.com/index. ... Itemid=156 (http://www.pacificnewscenter.com/index.php?option=com_content&view=article&id=26955:kyodo-us-marines-to-set-up-command-post-on-palawan-island-facing-south-china-sea&catid=45:guam-news&Itemid=156)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Setembro 18, 2012, 01:12:58 pm

Citar
China e Japão à beira de conflito
Rochedos de Senkaku, poderão provocar problemas sérios
17.09.2012

Vários governos têm vindo nos últimos dias a manifestar suas preocupações com o degradar da relação entre a China e o Japão, por causa da posse das ilhas de Senkaku (nome da maior das ilhas do arquipélago que tem um comprimento máximo de cerca de 3,400 metros ).
http://areamilitar.net/noticias/noticia ... NrNot=1243 (http://areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=1243)

Está quase...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Edu em Setembro 18, 2012, 03:15:50 pm
Penso que a posição que os Estados Unidos tomarem será preponderante, já que são eles que dominam o mar.

Vamos ver o que acontece.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Setembro 18, 2012, 04:16:18 pm
Será mais um ponto de viragem na história da humanidade. A queda dos EUA ou a 3ª guerra mundial...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 18, 2012, 11:24:58 pm
Panetta pede a China que aumente contactos militares com os EUA


O secretário da Defesa norte-americano, Leon Panetta, pediu hoje à China que aumente as suas relações militares com os Estados Unidos a fim de reduzir o risco de um confronto, num momento de escalada de uma disputa territorial entre a China e o Japão, importante aliado dos EUA na região.
 
 Panetta, na sua primeira viagem a Pequim desde que assumiu o cargo, admitiu divergências entre a China e os EUA a respeito da segurança marítima no leste da Ásia, e disse que uma melhoria nas relações iria «promover a paz, a estabilidade e a segurança em toda a região Ásia-Pacífico».
 
Panetta e o ministro chinês da Defesa, Liang Guanglie, disseram ter tido uma conversa franca sobre questões complexas, inclusivamente as vendas de armas dos EUA a Taiwan, a mudança no foco estratégico dos EUA para a Ásia-Pacífico, a segurança cibernética e a disputa territorial entre Pequim e Tóquio.
 
Vários protestos ocorreram nos últimos dias na China devido à disputa territorial, tendo como alvos missões diplomáticas e filiais de companhias japonesas. Na terça-feira, completam-se 81 anos sobre o início da ocupação japonesa em parte da China continental.
 
«A respeito das actuais tensões, estamos a pedir calma e moderação a todos os lados, e encorajamo-los a manter canais abertos de comunicação a fim de resolver essas disputas diplomaticamente e pacificamente», disse Panetta.
 
Pequim e Tóquio disputam um grupo de ilhas desabitadas no mar do Leste da China, numa região com reservas potencialmente enormes de gás. A China, que designa as ilhas de Diaoyu, diz reivindicá-las desde a dinastia Ming.
 
O ministro chinês disse que o governo japonês causou a actual escalada do conflito ao anunciar na semana passada que nacionalizaria as ilhas  -designadas por Tóquio de Senkaku - comprando-as ao seu proprietário particular japonês.
 
Na conferência de imprensa, o ministro chinês disse que o seu país «se reserva o direito de tomar mais medidas», mas que, «naturalmente, tendo dito isto, ainda espera uma solução pacífica e negociada para essa questão».
 
A visita de três dias de Panetta à China é parte de um esforço para reforçar as relações entre os militares dos dois países, de modo a evitar os contactos apenas intermitentes do passado.
 
Panetta deve reunir-se com o vice-presidente Xi Jinping, que deverá assumir a presidência no próximo ano.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: P44 em Setembro 19, 2012, 11:29:32 am
China Launching Gold Backed Worldwide Currency - Now the Americans will have to find a reason to go to war against China !!
Thursday - Aug 30, 2012, 12:55pm (GMT+5.5)

(http://www.indiavision.com/news/images/articles/2012_08/339477/u8_China-Launching-Gold-Backed-Global-Currency.jpg)

According to an article, China is recasting all of their gold reserves into small one kilo bars in order to issue a new gold-backed currency. Many say this will disrupt global trade and will eventually cause a collapse of the US dollar.
 
There can be no doubt that the US dollar will soon be history. China is recasting all of their gold reserves into small one kilo bars in order to issue a new gold backed global currency. This is surely a strategic part of their recent push to sign new trade agreements with Russia, Japan, Chile, Brazil, India, and Iran. The cat is now out of the bag, the US will be given the bums rushby the largest trading nations in the world and the dollar will go down in flames. GATA now estimates that 80% of the gold that investors believe they have in allocated accounts is long gone, the majority of it probably wound up in China.
 
China is well along an ambitious plan to recast large gold bars into smaller 1-kg bars on a massive scale. A major event is brewing that will disrupt global trade and assuredly the global banking system. The big gold recast project points to the Chinese preparing for a new system of trade settlement. In the process they must be constructing a foundation for a possible new monetary system based in gold that supports the trade payments. Initially used for trade, it will later be used in banking. The USTBond will be shucked aside. Regard the Chinese project as preliminary to a collapse in the debt-based US Dollar system. The Chinese are removing thousands of metric tons of gold bars from London, New York, and Switzerland. They are recasting the bars, no longer to bear weights in ounces, but rather kilograms. The larger Good Delivery bars are being reduced into 1-kg bars and stored in China. It is not clear whether the recast project is being done entirely in China, as some indication has come that Swiss foundries might be involved, since they have so much experience and capacity.
 
The story of recasting in London is confirmed by my best source. It seems patently clear that the Chinese are preparing for a new system for trade settlement system, to coincide with a new banking reserve system. They might make a sizable portion of the new 1-kg bars available for retail investors and wealthy individuals in China. They will discard the toxic US Treasury Bond basis for banking. Two messages are unmistakable. A grand flipped bird (aka FU) is being given to the Western and British system of pounds and ounces and other queer ton measures. But perhaps something bigger is involved. Maybe a formal investigation of tungsten laced bars is being conducted in hidden manner. In early 2010, the issue of tungsten salted bars became a big story, obviously kept hush hush. The trails emanated from Fort Knox, as in pilferage of its inventory. The pathways extended through Panama in other routes known to the contraband crowd, that perverse trade of white powder known on the street as Horse & Blow, or Boy & Girl.

Read more: http://www.indiavision.com/news/article ... z26uVAmg8u (http://www.indiavision.com/news/article/business/339477/china-launching-gold-backed-worldwide-currency--now-the-americans-will-have-to-find-a-reason-to-go-to-war-against-china#ixzz26uVAmg8u)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 25, 2012, 10:30:26 pm
Estratégia nas Relações Sino-Japonesas
Tiago Alexandre Fernandes Maurício


A lógica paradoxal da estratégia tem escapado a compreensão da maioria dos analistas dedicados à Ásia Oriental. Nesta que será uma das questões fundamentais do século XXI, o seu senso comum induz-lhes a ditar que a ascensão Chinesa tem fortalecido a sua posição internacional; pela mesma assunção, declaram ser o declínio Japonês caracterizado pelo seu enfraquecimento. Contrariando a opinião prevalecente, podemos afirmar o seu exacto oposto: a posição da China tem enfraquecido precisamente pela sua rápida ascensão, da mesma forma que o Japão tem sido fortalecido devido à sua fraqueza.

O domínio da estratégia, como Luttwak tratou, é caracterizado pelo confronto Clausewitziano entre duas ou mais vontades opostas, onde a existência de uma lógica paradoxal - contrária ao senso comum - promove este encontro antagónico. Neste sentido, a natureza da ascensão Chinesa é, ela própria, a razão do seu principal enfraquecimento, pela sua incapacidade em manobrar as crescentes vontades que se lhe opõem. Por outras palavras, a rápida acumulação de poder pela China invoca uma reacção contrária proporcional à sua intensidade, minando a sua posição face ao status quo ante. Por seu turno, o Japão tem beneficiado pelas mesmas razões que o tornam vulnerável à vitalidade do seu vizinho continental.

Para demonstrar este raciocínio, atentemos a quatro dimensões concretas. Em primeiro lugar, a importância de alianças e parcerias securitárias. Do lado Chinês, Beijing está desprovido de alianças funcionais que suportem e avancem os seus interesses e weltanschauung. Laços privilegiados com a Coreia do Norte, o Paquistão, e a Birmânia, entre poucos mais, dificilmente constituem uma firme base de apoio enquanto potência emergente com ambições globais. Como Minxin Pei reconheceu, a China poderá tornar-se a mais isolada das super-potências, e cujos parceiros apresentar-lhe-ão mais encargos do que benefícios. A sua proximidade com Pyongyang é exemplo disso.

Por seu turno, o Japão avança com uma campanha diplomática em todas as frentes. Com efeito, nos últimos anos, Tóquio tem registado progresso no fomento de antigas e novas parcerias, como é o caso da Índia, da Austrália, da Nova Zelândia, e até, em certo grau, com a Coreia do Sul. Enquanto algumas delas adquirem relevância num contexto estratégico de resposta à China, outras também servem prioridades distintas, como sejam a procura de um maior multilateralismo e favorecimento de cooperação militar para além da aliança com os Estados Unidos.

Em segundo lugar, o pujante crescimento económico Chinês criou um ambiente desfavorável à sua maior afirmação política e securitária. Receando uma excessiva dependência da arma económica Chinesa, vários parceiros regionais têm procurado diversificar o seu modelo de crescimento ao investir no desenvolvimento interno e em espaços regionais de cooperação. O crescimento do comércio intra-regional no Sudeste Asiático atesta este facto, embora também sejam de destacar recentes investidas por parte da Austrália, Índia, Coreia do Sul, Tailândia e Indonésia.

O Japão, embora profundamente envolvido na modernização do modelo macro-económico Chinês, vê a sua posição reforçada perante as profundas transformações impostas pela ascensão do gigante vizinho. Beneficiando de uma postura menos assertiva e de vantagens em sectores-chave, o Japão possui agora os incentivos para investir em mercados tradicionalmente menos receptivos a capital nipónico.

Em terceiro lugar, as reivindicações do Partido Comunista Chinês face às inúmeras disputas territoriais pendentes constituem um dos mais flagrantes exemplos da paradoxal lógica da estratégia. Mais fraca e vulnerável, a China dos anos 1970 e 1980 realizou inúmeras concessões perante os seus vizinhos. As disputas foram comummente resolvidas com pusilanimidade, em que Beijing cedia frequentemente parcelas equivalentes a setenta cinco por cento dos territórios em causa, e não raras vezes abdicando da totalidade das reivindicações. Mais do que princípios vagos de soberania e orgulho nacional, estava em causa a reforma interna da sociedade e a fundação dos pilares de crescimento económico que hoje lhe assistem.

O panorama contemporâneo é deveras distinto. Nos mares do Sul e Leste da China, temos assistido a uma escalada de retórica política, presença naval e recrudescimento económico, afectando gravemente a paz e estabilidade regionais. O caso das Ilhas Diaoyu/Senkaku são exemplo disso, quando antes existira um tácito acordo Sino-Japonês para arquivar a disputa e enfatizar antes a cooperação económica. Para a China de hoje, várias vezes mais forte em poder relativo, aquela fora uma postura excessivamente concessionária e contrária aos interesses nacionais. A reacção tem sido proporcional: as forças navais da região têm registado aumentos significativos em orçamentos e capacidades, frequentemente envolvendo um reforço da aliança ou parceria de poderes regionais com os Estados Unidos. Contactos e colaboração entre países vizinhos também têm sido objecto de maior atenção, num ambiente cada vez mais desfavorável à projecção da influência Chinesa.

Por último, a continuada modernização e expansão das capacidades militares do Exército de Libertação Popular e restantes Ramos, sinal último da ascensão do poder Chinês, é um dos factores que mais tem contribuído para o seu enfraquecimento. Questionando-se sobre as funções estratégicas que estas forças servirão, as principais potências regionais têm procurado limitar - senão conter - esta crescente expansão militar. Várias iniciativas, frequentemente lideradas pelos Estados Unidos, nas quais o Japão participa,constituem um exemplo da resistência que o crescente poder Chinês invoca. Desde a celebração de pactos para partilha de informações estratégicas, colaboração em exercícios militares conjuntos, relaxamento da proibição de exportação de armas, até ao fortalecimento da aliança Nipo-Americana, o perfil de segurança Japonês está em mudança. Novamente, os parceiros incluem a Índia, a Austrália, a Nova Zelândia, as Filipinas e, em casos limitados, a Coreia do Sul.

A conclusão é tão paradoxal quanto verdadeira. A ascensão da China resultou no seu inexorável enfraquecimento, e será necessária grande disciplina estratégica para reverter os danos causados. Combinar a sua vitalidade económica com uma redução de gastos militares, uma postura mais concessionária em matéria de disputas territoriais e favorecimento de alianças e parcerias contribuirão para esse fim.

Jornal Defesa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lightning em Novembro 26, 2012, 09:08:31 pm
Uma coisa acho verdade, a China mesmo super potência, não vai ser estilo Estados Unidos, na melhor das hipoteses vai ser tipo União Soviética, é que a China não tem hipotese de dominar o mar "naturalmente", isto é, sem entrar em conflito com outrãs nações, é que os EUA tem uma enorma vantagem, tem zona costeira no Atlântico e zona costeira no Pacifico, e nenhuma dessas costas está bloqueada por outras nações, tem acesso livre ao mar, o que dá aos EUA livre acesso a mais de metade do mundo, só os mares fechados (Mediterraneo, Báltico, etc) e o Oceano Indico é que eles precisam de transitar perto de nações aliadas.

A China pelo contrário, apesar de ter uma grande costa no Pacifico, essa costa está "cercada" por paises aliados dos EUA (Coreia do Sul, Japão, Taiwan, Filipinas) que lhe impedem o livre acesso ao Pacifico e Indico (Singapura), por isso é que a China anda a causar toda esta confusão com o Japão, Vietname, Filipinas, etc, por causa de ilhas no mar do sul da china, eles querem ter acesso livre às linhas de comunicação maritimas para o Pacifico e Indico.

A China vai ser "naturalmente" uma grande potencia terrestre, na Ásia, mas maritima no Pacifico não, só se entrar em guerra e impor a sua vontade.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabecinhas em Dezembro 01, 2012, 09:06:00 pm
A China está a anos luz do Japão no que toca ao mar e ar... dali não vai levar nada.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Dezembro 30, 2012, 12:48:50 am
Citação de: "Cabecinhas"
A China está a anos luz do Japão no que toca ao mar e ar... dali não vai levar nada.
China fabricará bombardeiro Backfire
http://areamilitar.net/noticias/noticia ... NrNot=1268 (http://areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=1268)

China compra linha de produção do Tu-22M
http://www.aereo.jor.br/2012/12/29/chin ... do-tu-22m/ (http://www.aereo.jor.br/2012/12/29/china-compra-linha-de-producao-do-tu-22m/)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 07, 2013, 01:30:38 pm
Ásia é terreno fértil para o nacionalismo


São desabitadas e não somam mais de sete quilómetros quadrados mas, tanto na China como no Japão, são relevantes ao ponto de criarem a pior crise diplomática das últimas décadas entre as duas potências asiáticas: «A ocupação ilegal do território chinês das ilhas Diaoyu por parte de extremistas japoneses foi uma provocação grave que viola a soberania territorial da China», anunciou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros de Pequim em Setembro, depois de dois japoneses terem divulgado um vídeo com a sua chegada ao arquipélago a que chamam de Senkaku.

Nos dias seguintes percebeu-se que o sentimento entre a população chinesa coincidia com a posição oficial do seu Governo na disputa em torno de uma ilhas em que até no nome os países divergem. Dezenas de cidades do país viveram as maiores manifestações anti-Japão em décadas, com lojas pilhadas, carros de fabrico japonês destruídos na via pública e até vidros partidos na embaixada do país em Pequim.

Alguns trabalhadores nipónicos foram obrigados a regressar a casa durante o encerramento temporários de fábricas da Toyota, Panasonic ou Nissan na China até que a escalada da violência levou o ministro chinês da Defesa a colocar água na fervura: «Queremos uma solução negociada e pacífica e esperamos poder cooperar com o Governo japonês», afirmou Liang Guanglie, dando o mote para um apaziguamento que não chegou sem recurso à força e ao gás lacrimogéneo.

Viragens à direita

Do outro lado, Shinzo Abe era eleito o candidato do maior partido da oposição japonesa fazendo duras críticas ao então primeiro-ministro Yoshihiko Noda pela sua fragilidade face à China. «O maravilhoso mar japonês e o seu território estão sob ameaça», afirmou Abe em Setembro, defendendo que o arquipélago é «parte inata do território japonês» e garantindo estar disposto a «proteger a vida dos japoneses a todo o custo».

Abe, que no seu primeiro mandato entre 2006 e 2007 tentou criar uma organização de democracias da Ásia e do Pacífico que incluísse Japão, EUA, Austrália e Índia – sem nunca o conseguir devido à forte oposição chinesa –, foi eleito primeiro-ministro em Dezembro, já depois de se saber que Xi Jinping, um dos ‘herdeiros’ do Partido Comunista com mais ligações ao exército, será o Presidente chinês na próxima década.

Ao mesmo tempo, as eleições na Coreia do Sul deram a vitória aos conservadores de Park Geun-hye, a futura Presidente que já criticou duramente o apoio constante de Pequim à ditadura que vigora no Norte da península coreana.

Declarações e resultados eleitorais que são vistos como consequência de uma década em que Pequim assumiu o objectivo de dominar a região asiática, intensificando disputas territoriais com quase todos os seus vizinhos enquanto engorda cada vez mais o seu exército: segundo números citados pelo Washington Post em Outubro, a China passou de 20 mil milhões de dólares aplicados na Defesa em 2002 para 120 mil milhões em 2011.

Um contra todos

E as autoridades de Pequim não enervam os vizinhos apenas com investimento militar: em Novembro os passaportes do país foram redesenhados para que o mapa nacional inclua um grupo de ilhas no Mar do Sul da China, que são também reclamadas por Filipinas, Vietname, Taiwan (Formosa), Malásia, Indonésia e Brunei. No último ano foram raras as semanas em que não houve avisos diplomáticos, fosse devido à exploração de gás na região (Filipinas), ou a prospecções para encontrar petróleo (Vietname) ou apenas para controlar uma rota comercial que representa mais de cinco biliões de dólares anuais.

O último exemplo deu-se a meio de Dezembro, quando as Filipinas assinaram um acordo de cooperação militar com Washington. O negócio prevê um aumento no número de tropas, aviões e navios norte-americanos no país, o que levou Xi Jinping, em visita à frota que controla o Mar do Sul da China, a pedir aos militares para se «intensificar a preparação para um conflito», segundo a agência estatal de notícias Xinhua. Que no mesmo texto apelidava as Filipinas de «país oportunista e perturbador».

Para já, as ameaças não passam disso mesmo, mas a chegada de mais governantes nacionalistas pode intensificar um sentimento já palpável entre as populações.

SOL
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2013, 11:52:23 am
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 26, 2013, 02:28:32 pm
Xi Jinping recebe carta pessoal do PM japonês


Um enviado de Tóquio entregou hoje ao líder chinês Xi Jinping uma carta pessoal do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, num encontro destinado a acalmar o clima de tensão entre os dois países devido à disputa territorial que os opõe.

Natsuo Yamaguchi, chefe do partido Novo Komeito, parceiro minoritário da coligação no poder no Japão, é o mais alto quadro parlamentar japonês a visitar a China desde que a contenda entre Pequim e Tóquio sobre a soberania de ilhas no Mar da China Oriental se intensificou, em setembro.

No Palácio do Povo, em Pequim, ambos os lados manifestaram a sua satisfação para com a deslocação do enviado nipónico, antes do arranque das conversações à porta fechada.

O conteúdo da missiva, escreve a agência noticiosa francesa AFP, não foi divulgado.

"O senhor Yamaguchi visita a China numa altura em que as relações sino-japonesas enfrentam uma situação especial. Nós atribuímos grande importância a esta visita", afirmou Xi Jinping, líder do Partido Comunista Chinês e futuro Presidente do país.

Já Yamaguchi disse, por seu turno, estar "incomparavelmente feliz" com o encontro.

Apesar de não desempenhar um papel oficial no governo de Tóquio liderado por Abe, a reunião é vista como um raro e positivo passo, já que o intensificar do clima de tensão tem vindo a pesar sobre os dois gigantes asiáticos.

Pequim tem repetidamente enviado navios patrulha para as águas em torno das ilhas disputadas desde que o Japão decidiu, em setembro, nacionalizar parte destas, num gesto que desencadeou um conflito diplomático e originou diversas manifestações contra os japoneses na China.

No início do mês, um avião chinês entrou no espaço aéreo das ilhas - administradas de facto por Tóquio, designadas de Diaoyu pela China e de Senkaku pelo Japão - sendo que, segundo o Japão, foi a primeira vez, pelo menos desde 1958, que Pequim "violou" o seu espaço aéreo.

O arquipélago, desabitado e com uma superfície inferior a sete quilómetros quadrados, terá importantes reservas de petróleo e de gás natural.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 24, 2013, 09:15:01 pm
Norte-americanos exigem medidas mais duras contra ataques de "hackers" chineses


Com as suspeitas de espionagem cibernética e roubo massivo de segredos industriais aos EUA pela China, aumentam as vozes norte-americanas de protesto por medidas mais duras contra Pequim, noticia hoje a AFP.

Mike Rogers, chairman do Comité de Inteligência do Senado (House Intelligence Committee), afirmou que o exército chinês esteve "sem sombra de dúvida" por de trás de uma crescente onda de ataques de 'hackers' a empresas e instituições americanas.
 
"Eles usam o seu poder militar para roubar a propriedade intelectual de empresas americanas e europeias, e alteram-nas para competir no mercado internacional contra os Estados Unidos", afirmou Rogers citado pela AFP. No programa de televisão ABC This Week, o responsável diz que estas ações "não têm precedentes" e acrescentou: "Está a piorar. Porquê? Porque não há consequências".
 
Durante esta semana foi divulgado um relatório sobre ciber-espionagem pela empresa de segurança Mandiant, segundo o qual conseguiram localizar um dos grupos de "hackers" num edifício localizado nos arredores de Xangai que alberga uma unidade do Exército de Libertação do Povo.
 
O relatório referia que os piratas informáticos, conhecidos como "APT1" ou "Comment Crew", roubaram dados de pele menos 141 organizações em mais de 20 indústrias.
 
No último mês, o jornal New York Times e outros meios de comunicação americanos, anunciaram terem sido vítimas de ataques cibernéticos com origem na China.
 
Um relatório do congresso americano apelidou aquele país de "maior ameaça no ciberespaço".
 
A China já refutou as acusações que diz serem "infundadas" e os órgãos locais acusaram Washington de estar a usar Pequim como bode expiatório para desviar as atenções dos problemas económicos vividos nos EUA.
 
Eliot Engel, membro democrata no Comité de Negócios Estrangeiros, disse que os legisladores norte-americanos levantaram a questão com altos funcionários chineses durante uma recente visita a Pequim, mas estes não terão dado a devida importância ao assunto.
 
"Temos de deixar bem claro que (...) se eles vão continuar a fazer isto há um preço a pagar", frisou.
 
Disse mesmo que os EUA deviam começar por "acusar" os responsáveis e sugeriu que Washington deveria começar a negar vistos aos envolvidos nos ataques cibernéticos e às suas famílias.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 16, 2013, 06:11:11 pm
Forças Armadas chinesas têm milhão e meio de efetivos


As forças armadas da China têm cerca de um milhão e meio de efetivos, segundo o Livro Branco sobre a Defesa difundido hoje em Pequim e que revela, pela primeira vez, a organização interna do poder militar chinês.

O Exército é o ramo mais numeroso, com 850.000 efetivos, seguindo-se a Força Aérea (235.000) e a Marinha (235.000).

Com uma fronteira terrestre de mais de 22.000 quilómetros e 18.000 quilómetros de costa, a China é também "um dos países com mais vizinhos e as mais extensas fronteiras", salienta o referido Livro Branco a propósito dos "múltiplos e complexos desafios" enfrentados pela China no âmbito da segurança.

"A China nunca procurará a hegemonia, não se comportará de maneira hegemónica, nem se empenhará numa expansão militar", proclama o documento.

Oficialmente, as Forças Armadas chinesas mantêm o nome herdado da revolução comunista: Exército Popular de Libertação (EPL).

Além dos três ramos tradicionais (Exército, Marinha e Força Aérea), o EPL integra uma Segunda Força de Artilharia, descrita como "o núcleo da dissuasão estratégica" do país e composta sobretudo por mísseis nucleares e convencionais, cujos efetivos não foram quantificados.

O referido Livro Branco sobre a Defesa é o oitavo do género difundido pelo governo chinês desde 1998, mas "o primeiro a revelar o número de efetivos do Exército, Marinha e Força Aérea" e a sua organização interna, realça o documento.

Relativamente ao Exército, o ramo mais numeroso das Forças Armadas chinesas, o Livro Branco indica que os seus efetivos estão organizados em sete comandos regionais: Shenyang, Pequim, Lanzhou, Jinan, Nanjing, Cantão e Chengdu.

A Força Aérea tem também um comando próprio naquelas sete regiões militares e a Marinha, que recebeu no ano passado o primeiro porta-aviões, dispõe de três esquadras: Beihai (norte), Donghai (oriente) e Nanhai (sul).

A Segunda Força de Artilharia está equipada com mísseis balísticos "Dong Feng" e mísseis de cruzeiro "Chang Jian".

"A edificação de um forte sistema de defesa nacional e de poderosas armadas correspondem ao estatuto internacional da China e às necessidades da sua segurança e desenvolvimento", sustenta o Livro Branco.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Outubro 12, 2013, 06:54:54 pm
Chinese Satellite Grabs Another in Orbit
http://defensetech.org/2013/10/03/chine ... more-21449 (http://defensetech.org/2013/10/03/chinese-satellite-grabs-another-in-orbit/#more-21449)
Mais guerra no espaço?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Nuno Bento em Novembro 26, 2013, 09:02:31 pm
Citar
Dois bombardeiros B-52 norte-americanos desarmados sobrevoaram nesta terça-feira uma zona aérea cuja autoridade foi reclamada pela China no sábado e que é também disputada pelo Japão.

Pequim tinha ameaçado identificar qualquer aeronave que entrasse nesse espaço, e até realizar "manobras de emergência defensivas", mas Washington diz que se tratou de uma missão de treino de rotina.

Responsáveis do Pentágono, citados pelo The New York Times sob anonimato, dizem que a missão dos B-52 já estava planeada antes do anúncio de sábado das autoridades chinesas. Para além disso, cita o mesmo jornal, os EUA fazem questão de continuar a sobrevoar o que consideram ser espaço aéreo internacional.

A área em causa, localizada na zona oriental do mar da China, inclui ilhas que o Japão considera pertencerem ao seu território. As ilhas, que no Japão são conhecidas por Senkaku e na China por Diaoyu, são um foco de tensão constante entre os dois países – nos últimos meses, navios e bombardeiros chineses entraram na área, sempre sob protesto do Governo do Japão.

Depois do anúncio de sábado da China, o secretário da Defesa norte-americano, Chuck Hegel, alertou para o que considera ser "o aumento do risco de mal-entendidos e erros de cálculo".

"Vemos este desenvolvimento como uma tentativa desestabilizadora de tentar alterar a situação vigente na região", declarou o responsável dos EUA, garantindo que o anúncio de Pequim "não irá alterar a forma como os Estados Unidos executam as suas operações militares na região".

No sábado, o porta-voz do Ministério da Defesa Nacional da China, o coronel Yang Yujun, disse que o objectivo "é defender a soberania nacional e a segurança territorial e aérea, bem como assegurar a ordem do tráfego aéreo".


O expansionismo chines está a entrar em choque com os seus vizinhos, vamos ver como irá reagir o japão.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Nuno Bento em Novembro 28, 2013, 12:13:37 pm
Citar
Pentagon: US-Japan Treaty Covers Disputed Islands

by VOA News November 27, 2013

 In-Depth Coverage

U.S. Defense Secretary Chuck Hagel has reaffirmed the U.S.-Japan defense treaty applies to a group of disputed islands that were included in China's bid to establish an air defense zone.

A Pentagon spokesman says Hagel spoke Wednesday with his Japanese counterpart, Itsunori Onodera, to discuss the security situation in the East China Sea.

​​The spokesman says the U.S. defense chief 'commended the Japanese government for exercising appropriate restraint in the wake of [China's] announcement.'

On Tuesday, the Pentagon announced it had flown two unarmed B-52 bombers near the disputed islands in the first direct challenge to Beijing's bid to establish an air defense zone.

China's defense ministry said Wednesday it monitored 'the entire course of the flights and identified them in a timely way.' It warned 'China is capable of exercising effective control' over the area.

The Pentagon said the Monday flights did not trigger an immediate response from Beijing, which two days earlier had declared the airspace part of a new air defense identification zone. China warned all aircraft to identify themselves before entering the area and to obey all orders from Beijing.

U.S. officials describe the Monday flights as part of long-planned and routine training missions. But analysts say it was a clear message that Washington will not recognize China's attempt to establish control over the area.

Ralph Cossa of the Hawaii-based Pacific Forum says the B-52 flights were a 'quick and appropriate' response to what is seen by many as a Chinese escalation.

'I think it was important to quickly demonstrate that we were not going to essentially allow the Chinese to start carving out international airspace that others cannot use,' he said.

China published coordinates for the so-called East China Sea Air Identification Zone on Saturday and warned it would take emergency defense measures to enforce its claim, but it is unclear to what extent China will enforce the new rules.

Herman Finley, an associate professor at the Asia-Pacific Center, says that while it is not likely China will back down, it is probably not looking for a confrontation at this time.

'[The Chinese] push, they see what the reaction is, and then they push back when they see there's an opportunity,' he said. 'They've made their point. They'll wait and see when there's an appropriate, relatively predictable time to reassert their prerogatives.'

According to Michael McKinley of the Australia National University, China is 'pushing its luck' and may have underestimated U.S. resolve to protect the interests of its ally, Japan.

'It's attempting to see what is in the realm of the possible and the tolerable,' said McKinley. 'The problem is that it's going to run into increasing resistance particularly from those who think it would be better now rather than later to confront China with some higher form of force.'

The flights over the uninhabited islands — known as Senkaku in Japan and Diaoyu in China — come one week before U.S. Vice President Joe Biden is scheduled to visit Beijing as part of a weeklong trip to the Asia-Pacific region.

Biden is expected to voice U.S. concerns to Chinese officials about the increasingly tense situation, which comes as Beijing seeks to lay claim to large parts of the East and South China seas.

Japan annexed the islets in the late 19th century, while China claimed sovereignty over the archipelago in 1971. Beijing linked its claims to ancient maps it says shows the territory has been Chinese for centuries.

The festering China-Japan dispute is one of several maritime controversies pitting China against Southeast Asian nations, including the Philippines, Vietnam, Brunei and Malaysia.

Beijing has indicated a willingness to negotiate the disputes, but has so far rejected calls for multilateral talks. It has sought separate talks with each country.

Some information for this report was provided by AFP and Reuters
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lightning em Novembro 29, 2013, 11:55:08 pm
Neste fórum o pessoal não está a ligar grande coisa ao assunto :mrgreen:

Agrava-se tensão entre China e Japão
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=61 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=698412&tm=7&layout=122&visual=61)

China envia aviões de combate para recém-declarada zona de defesa aérea
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=49 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=699316&tm=7&layout=121&visual=49)

Pequim acena com "medidas defensivas" contra Japão e Coreia do Sul
http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=61 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=699529&tm=7&layout=122&visual=61)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 30, 2013, 11:21:31 am
Tenho acompanhado esta situação de uma forma quase diária graças ao DB. As tensões são muito grandes e os EUA estão a reforçar de uma forma muito significativa a sua presença na região.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lightning em Novembro 30, 2013, 12:36:59 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Tenho acompanhado esta situação de uma forma quase diária graças ao DB. As tensões são muito grandes e os EUA estão a reforçar de uma forma muito significativa a sua presença na região.

Eu tenho visto o mp.net
http://www.militaryphotos.net/forums/sh ... -China-Sea (http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?221970-A-Dangerous-Escalation-in-the-East-China-Sea)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 16, 2014, 12:15:12 pm
China testou com êxito veículo hipersónico


A China testou, com êxito, na semana passada o seu primeiro veículo hipersónico, revelou hoje o Departamento de Defesa dos Estados Unidos. De acordo com a informação revelada, trata-se de um veículo hipersónico sem motor (HGV, na sigla inglesa), conhecido como WU-14, que foi visto durante um teste de voo no espaço aéreo chinês a 09 de Janeiro.

"Estamos a par do teste, mas não vamos fazer comentários", disse o porta-voz do Pentágono Jeff Pool ao diário Washington Free Beacon, que revelou a notícia.

O mesmo porta-voz disse também que os Estados Unidos pedem "maior transparência" chinesa nos investimentos no sector da Defesa bem como os objectivos pretendidos para evitar erros de cálculo.

A China é agora o segundo país, além dos Estados Unidos, a realizar testes de voo de veículos hipersónicos, uma tecnologia que permite alcançar objectivos a uma velocidade recorde em qualquer parte do mundo.

Os Estados Unidos, a China e a Rússia competem para desenvolver veículos que possam voar a grandes velocidades, uma tecnologia que a Índia também quer acompanhar.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 02, 2014, 07:34:05 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Fevereiro 02, 2014, 08:03:40 pm
Uma arma nuclear para atacar esquadras de porta-aviões já não é novidade nenhuma...
O uso de armas nucleares tem uma resposta garantida.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 05, 2014, 01:43:48 pm
China aumenta orçamento militar em 12,2%


O Ministério das Finanças chinês anunciou hoje que o orçamento militar vai aumentar para os 95,9 mil milhões de euros, enquanto o primeiro-ministro estabeleceu uma meta de 7,5% para o crescimento económico.

Numa época em que a China está envolvida em vários conflitos com países vizinhos, o país tenta também consolidar a sua posição como potência militar, tendo vindo a atribuir nos últimos anos um aumento ao orçamento militar. Em 2012 esse aumento foi de 11,2%; em 2013 foi de 10,7% e em 2014 será de 12,2%. O orçamento militar deste ano chegará aos 95,9 mil milhões de euros, sendo o segundo maior do mundo a seguir aos dos Estados Unidos. O primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, também fez um anúncio na abertura da sessão anual do Parlamento: a meta de crescimento do Produto Interno Bruto para 2014 é de cerca de 7,5%.

Um objetivo que está em sintonia com o alcançado nos anteriores: em 2013 a China teve um crescimento de 7,7%, precisamente o mesmo valor que em 2012, quando a economia chinesa teve o seu desempenho mais fraco em 13 anos.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 10, 2014, 03:10:44 pm
Nesta noticia temos duas coisas que são uma amostra do que vem aí. As novas alianças na ásia e o Japão a deixar o pós 2.ª GM para trás!

Australia y Japón firman un acuerdo comercial y de seguridad. Tokio ofrecería sus submarinos a la Armada australiana

 :arrow: http://www.defensa.com/index.php?option ... Itemid=187 (http://www.defensa.com/index.php?option=com_content&view=article&id=12019:australia-y-japon-firman-un-acuerdo-comercial-y-de-seguridad-tokio-ofreceria-sus-submarinos-a-la-armada-australiana&catid=64:restomundo&Itemid=187)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 14, 2014, 04:32:12 pm


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 14, 2014, 09:43:16 pm
Vietnamitas protestam por disputa de águas

(http://www.dn.pt/storage/DN/2014/big/ng3234310.jpg?type=big&pos=0)


Manifestantes incendiaram mais de uma dezena de fábricas de empresas chinesas no Vietname, em reação à instalação de uma plataforma petrolífera por parte de Pequim em águas disputadas, informa a imprensa oficial chinesa.

Trabalhadores saquearam bens e atacaram escritórios numa rara vaga de revolta popular na terça-feira no país comunista, que autorizou a realização de manifestações massivas contra a China no fim de semana. Não foram registados feridos ou mortos.

O alvo dos manifestantes foram empresas manufatureiras detidas ou administradas por chineses, bem como trabalhadores chineses na província de Binh Duong, indicou hoje o Parque Industrial Vietname-Singapura, em comunicado citado pela AFP. Milhares de trabalhadores saíram para as ruas na terça-feira, tendo um pequeno grupo atacado seguranças e gestores antes de incendiarem pelo menos 15 fábricas, informou o portal estatal VNExpress. Vídeos e imagens publicadas em blogues de dissidentes mostram milhares de trabalhadores, muitos dos quais com bandeiras do Vietname, a destruírem portões de fábricas e a invadirem os complexos, causando danos significativos nas propriedades.

Empresas de Taiwan, do Japão e da Coreia do Sul fecharam as suas fábricas, dando folga aos seus funcionários, tendo hasteado bandeiras do Vietname no exterior, na tentativa de travar os manifestantes, acrescenta o mesmo portal, citado pela agência AFP. O Ministério da Segurança Pública do Vietname destacou unidades de polícia antimotim para o local. A China e o Vietname mantém uma antiga disputa territorial no Mar do Sul da China por causa das ilhas Paracel e Spratly, cuja soberania é reivindicada por ambos.

Desde que Pequim decidiu instalar uma plataforma em águas profundas da zona alvo da contenda, têm-se verificado vários incidentes envolvendo navios dos dois países. Os protestos anti-China no Vietname têm-se multiplicado: só no domingo reuniram-se em Hanoi pelo menos mil manifestantes, o mesmo número registado em Ho Chi Minh.

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 19, 2014, 06:08:14 pm
Americanos acusam chineses de ciber-espionagem


Os Estados Unidos acusaram hoje formalmente cinco oficiais do exército chinês de alegadas atividades de ciberespionagem contra seis empresas privadas norte-americanas, anunciou o secretário de Estado norte-americano da Justiça, Eric Holder.

Segundo o Departamento de Justiça norte-americano, os cinco oficiais do Exército Popular de Libertação da China terão alegadamente roubado informações confidenciais de companhias norte-americanas do setor do aço para benefício de empresas estatais chinesas.

As acusações criminais referem que piratas informáticos ('hackers') entraram em sistemas de computadores norte-americanos para conseguir informações e vantagens competitivas, atingindo empresas como a Westinghouse e a US Steel Corp., bem como os respetivos trabalhadores.

Em conferência de imprensa, Eric Holder salientou que estas acusações são as primeiras deste tipo contra figuras estatais e devem servir como "um alerta".
"Esta administração [norte-americana] não irá tolerar ações de nenhuma nação que procure sabotar ilegalmente empresas norte-americanas e comprometer a integridade de uma concorrência leal no funcionamento do mercado livre", afirmou o secretário de Estado norte-americano da Justiça, em declarações aos jornalistas em Washington.

"A acusação deixa claro que os atores estatais envolvidos em espionagem económica, mesmo através da Internet a partir de escritórios distantes em Xangai, serão expostos pela sua conduta criminosa e procurados para detenção e julgamento num tribunal norte-americano", reforçou.

As acusações, que são o culminar de vários anos de investigação, segundo as autoridades norte-americanas, foram apresentadas contra cinco oficiais chineses identificados como Wang Dong, Sun Kailiang, Wen Xinyu, Huang Zhenyu e Gu Chunhui.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Oktarnash em Maio 19, 2014, 10:19:24 pm
Eu não vejo a China como uma Ameaça especialment aposto ter visto que uns 40% ou 50% do GDP Chines, é baseado em Imobiliaria, não vendida. http://www.vice.com/vice-on-hbo/vice-on-hbo-episode-6 (http://www.vice.com/vice-on-hbo/vice-on-hbo-episode-6)
Título: A ESTRATÉGIA LEGAL DA CHINA NO MAR DO SUL DA CHINA
Enviado por: Paulo Ramires em Maio 31, 2014, 05:17:56 am
Séculos atrás, os pescadores chineses referiam-se às ilhas do Mar do Sul da China como "rochas magnéticas"- uma alusão mórbida para a força misteriosa que atraiu navios para destinos infelizes sobre os cardumes de peixes. Hoje, no entanto, o Mar do Sul da China atrai um tipo diferente de problemas. Nas últimos seis décadas, o mar tem sido o centro de um turbilhão geopolítico alimentado por políticas de grandes potencias, nacionalismo tóxico, e de reservas de petróleo abundantes. Seis diferentes países - Brunei, China, Malásia, Filipinas, Formosa e Vietname - mantêm uma contenda uns com os outros sobre os dois territórios insulares do Mar do Sul da China e sobre as suas águas circundantes.

Dos seis contenciosos, a China tornou-se o jogador-chave. É o maior disputante e o mais poderoso, e também avançou com as reivindicações mais radicais. No entanto, o comportamento de Pequim nem sempre espelha o seu crescente poder e ambições. Em vez disso, a estratégia da China é mais complexa, e é formada principalmente pelo desejo de Pequim de manter a paz e a estabilidade na região e ao mesmo tempo avançar com as suas reivindicações expansivas.

Esse dilema tem levado a China a enfatizar o atraso na resolução do conflito, como melhor exemplificado na sua estratégia jurídica pela disputa. Mas esta estratégia tem-se tornado cada vez mais marginalizada nos últimos anos, à medida que a China se tem tornado numa vítima de seu próprio sucesso. Outros reclamantes já perceberam os perigos de jogarem pelas regras da China, assim em vez disso contrariam agora a estratégia dilatória da China com uma postura mais pró-activa destinada a forçar Pequim a parar de hesitar e enfrentar seu dilema de frente. A China tem-se esforçado para responder, e a sua reacção tem aumentado as tensões em toda a região enquanto não for mudado o cálculo dos seus adversários. À medida que a disputa se agrava, a China pode sentir pressão para abandonar sua estratégia dilatória e procurar uma resolução mais rápida do conflito, como o desenrolar dos acontecimentos agora estão começando a mostrar.

Os conflitos de interesses estratégicos da China

Ascensão Pacífica

(...)

Para o melhor exemplo da estratégia dilatória em funcionamento, não procure mais do que a estratégia legal da China. Esta estratégia é uma mistura cuidadosamente elaborada de reivindicações substantivas legais e táticas de negociação, todas destinadas a preservar o "status quo", mantendo a máxima flexibilidade no futuro.

A China adoptou a ambiguidade como um pilar fundamental da sua estratégia legal. Mesmo hoje, depois de várias décadas de controvérsia - o alcance das reivindicações da China ainda não está claro. Na verdade, a China só tem enturvado as águas nos últimos anos com a sua introdução formal da infame "linha de nove traços." Em 2009, a Malásia e Vietname apresentaram uma apresentação conjunta de um órgão das Nações Unidas que define os limites das suas reivindicações exteriores da plataforma continental. A China respondeu no dia seguinte com uma nota verbal de protesto às reivindicações dos dois países. A nota verbal chinesa, era um tanto enigmaticamente, afirmando que "a China tem a soberania indiscutível sobre as ilhas no Mar da China Meridional e as águas adjacentes, e goza de direitos de soberania e jurisdição sobre as águas relevantes, bem como o leito do mar e subsolo do mesmo (ver mapa em anexo). "O mapa em anexo mostrou uma linha de nove traço que vai desde a costa da China e que abrange quase todo o Mar do Sul da China. Desde então, países e os analistas Têm-se questionado o que -se é alguma coisa - a linha de nove traço indica. Parece bastante claro que a China reivindica os títulos de todas as ilhas que se enquadram dentro dos amplos limites sobre a linha expansionista de nove traços. Menos claro, porém, é saber se ela também reivindica toda a área marítima circundante pela linha.

Dessa forma seria uma flagrante violação das obrigações internacionais da China. Sob o direito internacional consuetudinário, os estados estão vinculados pelo princípio da "la terre domine la mer" (a terra domina o mar), ou a ideia de que a soberania sobre as águas flui da soberania às proximidades da terra, e não o inverso. Em consonância com este princípio, a Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM), permite às nações para controlar as águas domésticas estender apenas a uma certa distância do seu território soberano. Mesmo sob a leitura mais caridosa da CNUDM, Pequim não podia legalmente reivindicar o controle sobre grande parte das águas delimitada pela linha de nove traços.

(...)

REPUBLICA DIGITAL
http://republicadigital.blogspot.pt/201 ... tegia.html (http://republicadigital.blogspot.pt/2014/05/rochas-magneticas-avaliando-estrategia.html)


----------------------------------------------------------------------------
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 06, 2014, 12:15:25 pm
Military and Security Developments
Involving the People’s Republic of China 2014


Office of the Secretary of Defense

 :arrow: http://cryptome.org/2014/06/dod-prc-report-2014.pdf (http://cryptome.org/2014/06/dod-prc-report-2014.pdf)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 05, 2014, 12:25:35 pm
Chinese President’s Visit to South Korea Is Seen as Way to Weaken U.S. Alliances
By JANE PERLEZJULY 2, 2014

SEOUL, South Korea — President Xi Jinping of China arrived in South Korea on Thursday for a state visit to a vital American ally, a move that appears to signal his resolve to unsettle America’s alliances in Northeast Asia and fortify his argument for a new security architecture in the region, with China as the dominant player.
In the past, Chinese leaders have visited their ally North Korea before visiting South Korea, but Mr. Xi seems to be showing the North Korean leader, Kim Jong-un, the cold shoulder: He has not been to Pyongyang, nor has he invited Mr. Kim to Beijing.
Instead, he is embracing President Park Geun-hye of South Korea, where $270 billion in trade with China and Ms. Park’s frosty relations with Japan, America’s prime ally in Asia, offer more prospects for Beijing’s ambitions to undermine the United States.
Mr. Xi is visiting Seoul in the wake of Japan’s decision on Tuesday to reinterpret its pacifist Constitution to allow its military to play a more assertive role in the region. The announcement is deeply unpopular here and in China, its intended target.

“Xi can’t afford to miss this opportunity to make bad relations between Japan and the Republic of Korea as bitter as possible,” said Chun Yungwoo, the national security adviser to the former South Korean president, Lee Myung-bak, in an interview here. He noted that the timing of Mr. Xi’s visit was coincidental, but that “China is trying to draw the Republic of Korea as far away as possible from Japan and the United States.”
Despite Ms. Park’s tough stance toward Japan — the result of a shared history that reaches back to Japan’s brutal occupation of Korea from 1910 through 1945, and to the Japanese military’s enslavement of Korean and other women during World War II — Ms. Park will not fall for Mr. Xi’s “ferocious courting,” Mr. Chun said.
She knows that Mr. Xi’s goal is to separate the United States, the guarantor of Seoul’s security, from South Korea, where nearly 30,000 American troops are based, and she would be unreceptive to that, he said.
Even though North Korea is expected to be a sideshow during the visit, the country and its nuclear weapons program will be high on the agenda, officials in both countries said.
“South Korea and China have common goals on denuclearization, but we do have differences,” said Yang Xiyu, a senior fellow at the China Institute for International Studies in Beijing. China, he said, is not aiming for a “pure nonproliferation” outcome in North Korea.
Ms. Park has urged Mr. Xi to use China’s economic leverage as a way to force North Korea to stop its nuclear weapons program. But China, more fearful of instability in North Korea that could spill over to its territory than of it is of a nuclear threat, has refrained, a position that frustrates South Korea and the United States.
In the face of Mr. Xi’s bold move for a new relationship with South Korea — Ms. Park had a successful trip to China a year ago, and the two leaders get along — Ms. Park is likely to ask for something significant in return, said Evans J. R. Revere, a former deputy secretary of state for East Asia and the Pacific.
Continue reading the main story Continue reading the main story Continue reading the main story Even before Mr. Xi landed in Seoul, Japan announced it would ease some sanctions on North Korea after the government of Kim Jong-un pledged it would begin investigations into what happened to Japanese citizens abducted by North Korea decades ago.
The Japanese prime minister, Shinzo Abe, praised North Korea for its speed in setting up a panel to look into the abductions, a highly emotional issue among the Japanese. “This is only a start,” he said in a statement. “We will do our utmost to resolve the issue.”
Japan would lift the entry ban on North Korean registered ships to Japanese ports and ease some restrictions on travel and money transfers, the Japanese cabinet said.
In Washington, the visit is being watched with some wariness.
The assistant secretary for East Asia and the Pacific, Daniel R. Russel, told the Senate Foreign Relations Committee last month that the visit was “an extraordinary milestone.”
The White House remained confident that despite problems between Japan and South Korea, its relationship with Seoul was on solid footing, Mr. Revere said.
“This is another effort by China to not so subtly send a message to the United States that it is looking to reshape the region and is willing to throw its weight around in ways that demonstrate China is the major player,” Mr. Revere said recently in Beijing. The effort to “drive a wedge between South Korea and the United States is not going anywhere.”
One disagreement between China and South Korea in their talks could be Washington’s recent recommendation that an advanced missile defense system be deployed in South Korea to counter the increasing threat of Pyongyang. Seoul’s Defense Ministry has said it will consider the request when it is formally presented.
At a briefing in Beijing in advance of Mr. Xi’s trip, China’s vice foreign minister, Liu Zhenmin, said China was opposed to the installation of the missile defense system, known as the Terminal High Altitude Area Defense, in South Korea. “The United States and South Korea are allies, but I think South Korea will be cautious to respond to the request because South Korea, like China, wants stability and does not want to see tensions and an arms race,” Mr. Liu said.
In China, Mr. Xi’s visit is being advertised as a breakthrough that will strengthen the already warm ties — Chinese tourists flood into South Korea and large numbers of South Korean students attend Chinese universities. Midsize South Korean companies consider China a place to make fortunes, and Samsung smartphones are the most sought after in China.
Compared with the booming trade between South Korea and China, United States trade with South Korea remained stagnant at $125 billion last year, about the same as the previous year.
China, however, still has a long way to go in securing its place in South Korean hearts and minds, according to a recent survey.
The survey, by the Asan Institute for Policy Studies in Seoul, showed South Koreans had a more favorable view of China than they did last year. Yet the results also showed that the United States was the most popular foreign country and the most important ally in time of war.
Choe Sang-hun contributed reporting from Seoul, and Bree Feng from Beijing.

 :arrow: http://www.nytimes.com/2014/07/03/world ... .html?_r=0 (http://www.nytimes.com/2014/07/03/world/asia/chinas-president-to-visit-south-korea.html?_r=0)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Setembro 03, 2014, 10:17:24 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Novembro 25, 2014, 10:29:19 am
http://www.dailymail.co.uk/news/article-2846176/China-building-island-large-airfield-disputed-south-sea-waters-satellite-images-workers-expanding-archipelago-military-bases.html?ito=social-facebook
Citar
Chinese officials are building the first island large enough for its own airfield in the middle of disputed waters in the south sea.
Satellite images revealed that since reclaiming the Spratly Islands in August, workers have expanded one stretch of sand to make it long enough for aircraft to land and take off.
Dredgers are also creating a harbour to the east of the reef large enough to receive tankers and warships.
The 3,000m patch Fiery Cross Reef forms part of the archipelago which has been at the heart of territorial disputes for years.
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2014/11/23/1416770170169_Image_galleryImage_Fiery_Cross_Reef_on_the_d.JPG)
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2014/11/23/236ED47300000578-2846176-image-36_1416767258543.jpg)
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2014/11/23/1416768353293_Image_galleryImage_china_airstrip_jpg.JPG)
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2014/11/23/1416767703041_Image_galleryImage_China_advances_graphic_3_.JPG)

Saudações
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 05, 2014, 05:48:53 pm
As antenas chinesas que espiam a França estão num subúrbio de Paris


São as "grandes orelhas" de Pequim, e foram descobertas por um jornalista num bairro residencial a sul de Paris. "Isso?" disse um vizinho. "Isso são os espiões chineses!"
Trata-se de um anexo da embaixada chinesa, e fica num subúrbio residencial sossegado a sul de Paris: mais de um hectare de terreno inviolável para a polícia francesa. Sobre o telhado de um dos edifícios, três enormes antenas parabólicas que, segundo o jornal francês L'Obs, são usadas pela China para espiar as comunicações europeias. Um perito em interceções por satélite, consultado pelo jornal durante a sua investigação, estudou o dispositivo de três antenas, das quais uma, com mais de cinco metros de altura, é nova.

O perito estima que duas das antenas sirvam para escutar algumas das comunicações entre a Europa, a África e o Médio-Oriente, e a terceira para transmitir a informação recolhida para a China. Há mais de 40 anos que existe esta dependência da embaixada chinesa no bairro residencial de Chevilly-Larue, com o edifício principal da embaixada num lugar mais central de Paris, na Avenida George-V.

Segundo a assessora de imprensa da embaixada chinesa em Paris, a extensão de Chevilly-Larue é um serviço logístico, e as antenas servem para "comunicações", sem mais explicações. Mas, segundo uma fonte "fiável" do L'Obs, este centro chinês é dependente do APL-3, os serviços de informação do exército chinês.

No edifício, a campainha não funciona, e nunca ninguém atende o telefone. Na câmara municipal de Chevilly-Larue, o vice-presidente diz não saber "o que fazem por lá". No entanto, uma fonte próxima dos serviços de informação franceses garantiu ao jornalista responsável pela investigação, Vincent Jauvert, que "as autoridades francesas já tiveram reuniões acerca deste assunto."

A reportagem sobre a espionagem chinesa, que fez quinta-feira a capa do L'Obs, demorou vários meses a concluir. No entanto, no bairro onde ficam as parabólicas chinesas, não houve grandes dúvidas, conforme explicou em entrevista Vincent Jauvert: "O primeiro vizinho que interroguei sobre o que sabia das antenas respondeu-me logo, a desmanchar-se de riso: 'Ah isso? Isso são os espiões chineses!"

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Abril 01, 2015, 12:56:00 pm
Marinha dos EUA faz alerta sobre «ilha artificial» chinesa


Um alto oficial da marinha norte-americana alertou que Pequim continua a construir ilhas artificiais numa área marítima em disputa no Mar do Sul da China.

O comandante da Frota do Pacífico dos EUA, almirante Harry Harris, fez a afirmação durante um discurso na Austrália na terça-feira. Ele disse que o país está a construir uma «grande barreira de areia».

Harry Harris afirmou que a China está a despejar areia e cimento em recifes de corais e com isso já teria criado «mais de quatro quilómetros de massa de terra artificial».

A China tem discussões territoriais recorrentes com as nações vizinhas na região do Mar do Sul da China.

O país disse no ano passado que a sua reivindicação sobre a região em disputa era «totalmente justificada» porque a China teria «soberania» sobre a área.

Nos últimos meses foram divulgadas imagens de construções chinesas nos corais das ilhas Spratly. A nação estaria a criar ilhas artificiais com instalações que poderiam ter uso militar, incluindo uma pista de aterragem.

Diversos países, incluindo o Vietname, as Filipinas e Taiwan, reclamam direitos sobre as ilhas Spratly.

O almirante Harris descreveu a reivindicação chinesa como «sem precedentes».

«A China está a criar território artificial bombeando areia para barreiras de corais vivas - algumas delas submersas - e depois a cimentá-las. A China já criou mais de quatro quilómetros quadrados de massa de terra artificial», disse ele.

A China alega que as instalações construídas nas ilhas Spratly visam melhorar as condições de vida e trabalho.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 11, 2015, 05:57:04 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Maio 17, 2015, 10:51:48 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 25, 2015, 08:15:12 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 26, 2015, 06:17:50 pm
China "só atacará se for atacada"


Os estrategas chineses consideram que num futuro próximo "não é previsível uma guerra mundial" e que "a situação internacional deverá permanecer geralmente pacífica". A China anunciou a disposição de reforçar a marinha e o seu potencial bélico no domínio eletrónico, para desenvolver uma "defesa ativa" do país, mas garantiu que "só atacará se for atacada".

"Não atacaremos a não ser que sejamos atacados e contra-atacaremos, de certeza, se formos atacados", diz o primeiro Livro Branco do Governo chinês sobre estratégia militar, difundido hoje em Pequim. Segundo o documento, apesar do crescente poder económico e influência internacionais da China, a política de Defesa do país continua assente nos "princípios da defesa e autodefesa".

"Por mais forte que a China se torne, nunca se desviará desta estratégia e não procurará uma expansão militar. A China é contra o hegemonismo em todas as suas formas", proclama o Livro Branco.

Os estrategas chineses consideram que num futuro próximo "não é previsível uma guerra mundial" e que "a situação internacional deverá permanecer geralmente pacífica", mas alertam, sem mencionar qualquer país, que "há ameaças externas de hegemonismo e não-intervencionismo".

A China mantém um aceso diferendo com o Japão acerca da soberania das Ihas Diaoyu (Senkaku, em japonês) e considera que os diversos arquipélagos do Mar do Sul da China reclamados também pelo Vietname, Filipinas e outros países da região são igualmente "parte integrante" do seu território.

O traçado da longa fronteira sino-indiana, que já originou uma guerra entre os dois países mais populosos do planeta, em 1961, também está ainda por regular. As Forças Armadas chinesas, as mais numerosas do mundo, com cerca de 2,3 milhões de efetivos, mantêm o revolucionário nome de Exército Popular de Libertação e são chefiadas por uma Comissão Militar Central, presidida pelo secretário-geral do Partido Comunista Chinês, o cargo político mais importante do país.

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Maio 26, 2015, 08:19:14 pm
Nem que para isso provoque o ataque, não é?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 27, 2015, 11:52:00 am
A continuar a fazer bases navais em ilhas artificiais em toda a região, hostilizando praticamente todos os seus vizinhos... é provável que algo aconteça.
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: NRSMiguel em Maio 28, 2015, 03:23:57 pm
Uma guerra entre dois monstros??? Nem quero imaginar!!!

http://www.forte.jor.br/2015/05/27/guer ... al-chines/ (http://www.forte.jor.br/2015/05/27/guerra-entre-china-e-eua-pode-ser-inevitavel-segundo-jornal-chines/)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: NRSMiguel em Maio 29, 2015, 06:37:56 pm
As ilhas artificiais a dar que falar...

http://www.military.com/daily-news/2015 ... sland.html (http://www.military.com/daily-news/2015/05/29/us-says-china-has-artillery-vehicles-on-artificial-island.html)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Junho 16, 2015, 10:59:15 am
http://defence-blog.com/?p=6092
Citar
The Japanese Ministry of Defense is considering whether to shoot down Chinese drones if the PLA decides to carry out routine patrols over contested islands in the East China Sea, reports the Tokyo-based Kyodo News.The islands, known as Senkaku to Japan, which controls them, are also claimed by China as Diaoyu and by Taiwan as Diaoyutai.

An article from an official PLA magazine published last October suggested that the Chinese military is planning to carry out routine aerial patrols over the islands. It stated that coast guard vessels alone cannot defend China’s sovereignty claims and the air defense identification zone set up by Beijing over the East China Sea. The PLA has an estimated 50 unmanned aerial vehicles, according to the report.

China deployed drones for island patrols for the first time in 2013 and has determined to carry out routine aerial patrols using drones as a response to US drone activities over the East China Sea. The US Air Force has deployed two of its RQ-4 Global Hawk unmanned aerial vehicles to Okinawa to monitor Chinese naval activities in the region. China has tried several times to jam the American drones flying over the disputed airspace, said the report.

A defense white paper published by the Japanese Ministry of Defense this year said that the only countermeasure the Japan Self-Defense Force can use against the intruding Chinese drones is to send fighters to intercept them. Defense officials are debating whether it is appropriate to shoot down Chinese unmanned aerial vehicles. Junichi Abe, a Japanese defense expert, suggests that it may be a bad idea as it would be viewed as extremely provocative from the Chinese perspective.
(http://defence-blog.com/wp-content/uploads/2015/06/CHjNph9WoAARpQZ.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 17, 2015, 01:52:26 pm
Taiwan e EUA vão ter reunião militar secreta


Altos funcionários de Taiwan e dos Estados Unidos vão participar nas chamadas "Conversações de Monterrey", um encontro anual.

Taiwan e os Estados Unidos vão manter diálogo militar secreto em Washington na próxima semana, durante o qual vão abordar a venda de armas e a segurança na região da Ásia, revela hoje o jornal Taipei Times. Altos funcionários dos dos países vão participar nas chamadas "Conversações de Monterrey", um encontro anual secreto, em que vão abordar igualmente as suas perceções sobre ameaças bélicas, escreve o jornal da ilha.

Nesta ocasião, espera-se que as delegações sejam encabeçadas pelo ex-ministro da Defesa de Taiwan Andrew Yang e pelo secretário adjunto da Defesa para a Segurança da Ásia e do Pacífico dos Estados Unidos, David Shear.

Depois da guerra civil ter acabado no continente chinês, com a vitória do Partido Comunista e a proclamação da República Popular da China, em 1949, o antigo governo do Partido Nacionalista (KMT) refugiou-se na ilha de Taiwan, a cerca de 200 quilómetros da costa leste chinesa, onde continua a identificar-se como representante da República da China (sem o adjetivo "popular"). Pequim defende a "reunificação pacífica" segundo a mesma fórmula adotada para Hong Kong e Macau ("Um país, dois sistema"), mas ameaça "usar a força" se Taiwan declarar a independência.

Os Estados Unidos figuram como a principal garantia externa de segurança de Taiwan, graças à Lei de Relações com Taiwan, aprovada pelo Congresso norte-americano em 1979, na qual Washington se compromete a fornecer armas para a defesa da ilha.

"A ilha encontra-se, assim, no meio da pulsação militar e estratégica da China e Estados Unidos, com a necessidade de, por um lado, de não piorar as relações com  a China e, por outro, de manter o apoio norte-americano", assinalou Bai Fangji, professor da Faculdade de Estudos Internacionais de Tamkang, à agência Efe.


Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Julho 22, 2015, 10:42:18 am
http://www.forte.jor.br/2015/07/21/relatorio-anual-de-defesa-do-japao-mostra-elevada-preocupacao-com-a-china/
Citar
O Japão destacou a China como uma ameaça na escalada das tensões regionais no relatório de Defesa deste ano elaborado pelo gabinete do governo. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, vem tentando convencer o público sobre a necessidade de aprovar leis para dar à Força de Autodefesa do país um papel maior.

O relatório foi adiado por mais de uma semana porque o partido de Abe pediu que fossem mencionados exemplos das atividades marítimas unilaterais da China, como a exploração de petróleo e gás no Mar do Leste da China. O governo de coalizão de Abe está tentando aprovar no Parlamento leis controversas para permitir que a Força de Autodefesa do Japão lute por exércitos estrangeiros mesmo quando não estiver sob ataque.

No entanto, muitos japoneses temem a expansão do exército por causa de memórias aterrorizantes da derrota sofrida pelo país na Segunda Guerra Mundial. Parlamentares da oposição afirmam que o partido de Abe pode estar exagerando as ameaças chinesas para obter suporte para uma legislação impopular que muitos analistas consideram inconstitucional.

Nas 429 páginas do relatório, o Japão afirma que o risco para sua segurança tem piorado e cita como exemplos as contínuas ameaças da Coreia do Norte, que possui um programa nuclear, e do Estado Islâmico. Mas a China é, de longe, a maior das preocupações do país e toma um terço de um capítulo do relatório que trata de tendências de segurança globais e fala de oito países e regiões.

“A China, particularmente em relação a questões marítimas conflituosas, continua agindo de maneira assertiva, incluindo tentativas coercitivas de mudar o status quo, e está pronta para cumprir suas demandas unilaterais sem um compromisso”, diz o relatório. “O Japão está fortemente preocupado com as ações da China, que nós precisamos observar de perto”, acrescenta.

FONTE: Associated Press
(http://www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2014/01/xin_510804011654485492352-580x406.jpg)

Saudações
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Agosto 10, 2015, 11:00:03 am
Eles vêm aí...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Agosto 24, 2015, 02:45:15 pm
A China, como nova potência marítima global
Alexandre Reis Rodrigues


As interrogações, que muitos levantam, sobre se a China vai ou não conseguir “crescer pacificamente”, sem se constituir como um elemento de perturbação ou ameaça à ordem internacional, continuarão sem uma resposta explícita.

O esforço da liderança chinesa em procurar deixar claro que a tradicional política de não-interferência externa não sofrerá qualquer alteração e que Pequim não tem qualquer ambição hegemónica não vai chegar para desfazer as apreensões, mesmo que não houvesse dúvidas da seriedade do propósito anunciado e se confiasse que a cultura chinesa reforça essa perspetiva.  

As preocupações são pertinentes e oportunas. Para se demonstrar a sua validade nem sequer é necessário recorrer à opinião consensual de que a China se tem posicionado de modo a não perder a mais pequena oportunidade de reduzir, passo a passo, a hegemonia global de que os EUA desfrutam, particularmente onde vêm que daí possam surgir ameaças ou contrariedades para os seus interesses. A atestar as inquietações existentes aí está um conjunto de factos, que quase todas as semanas fazem notícia na imprensa internacional, e uma circunstância a que as potências globais, geralmente, não conseguem escapar, que passo a descrever.

Os factos decorrem da forma como a China interpreta o âmbito dos direitos que a Convenção do Mar lhe confere nas águas sob jurisdição nacional (zonas económicas exclusivas), o que é causa de um permanente clima de tensão com vizinhos nos Mares do Sul e Leste da China e no Mar Amarelo, e é origem de incidentes no mar que têm envolvido também os EUA.

A circunstância aparece de forma indireta, como que um reflexo da evolução da postura estratégica por que a China tem estado a passar, a caminho do estatuto de potência com interesses globais. Esta nova realidade coloca-a numa posição que lhe tornará muito difícil permanecer à margem dos conflitos que possam surgir nas suas áreas de interesses. Conciliar a sua política de não-interferência no exterior com uma postura de potência global será, certamente, um objetivo crescentemente irrealista. Veremos seguidamente cada um destes pontos com mais algum pormenor.

 
Em relação às águas de jurisdição


A China tem várias disputas territoriais sobre a soberania de várias ilhas nos mares do Sul e Leste da China2 com países vizinhos e, em relação aos EUA, tem uma disputa de interpretação sobre os seus direitos nas ZEEs. Enquanto para a China a Convenção da Lei do Mar permite-lhe também regular o exercício de atividades militares na ZEE, para os EUA e a maioria dos países, os direitos estão restritos às atividades económicas.  

Mais concretamente, as disputas situam-se no campo dos direitos de investigação científica marítima, que a Convenção considera ser um direito exclusivo do estado costeiro mas sem especificar minimamente do que se trata, e no campo da recolha de informações que a Convenção proíbe nas águas territoriais, sob o entendimento que isso pode pôr em causa a segurança do estado costeiro, mas que é omissa quanto á ZEE.  

Para a China, a prerrogativa do estado costeiro em regular a investigação científica vai para além do campo dos recursos existentes na área. Inclui também os trabalhos de investigação hidrográficos e de natureza militar. Ao contrário, para os EUA, o único propósito de criação da ZEEs foi dar controlo ao estado costeiro sobre os respetivos recursos. É um tipo de jurisdição que não cobre a defesa de interesses de segurança do estado costeiro, até porque, pelo que se disse acima, a Convenção não consagra esse direito nas ZEEs («Under generally accepted principles of international law, any act that is not specifically prohibited in a treaty is permitted»)

Se a interpretação chinesa prevalecesse e fosse universalmente aplicada então os EUA poderiam ficar impedidos de operar a sua marinha de guerra (ou ficariam condicionados pela obtenção de prévia autorização, como exigem alguns países) em cerca de um terço dos oceanos, que é o espaço que as ZEEs ocupam presentemente. Como não é provável que os EUA abdiquem de considerarem as ZEEs como alto mar, quer para livre passagem, quer para a realização de operações de vigilância que a China considera requererem prévia autorização, existe aqui um ponto de contencioso. Esta situação pode facilmente pôr em causa os propósitos anunciados de construção de um clima de confiança mútua, como base de um novo relacionamento entre as duas grandes potências e inclui o risco de, eventualmente, poder evoluir para algo mais sério.

Em relação à postura de potência global

A China tem a vantagem de dispor muitas lições da experiência hegemónica dos EUA e, anteriormente, do Reino Unido, entre outras, para evitar cair no mesmo tipo de armadilhas. Isso poderá ajudar a minimizar a vulnerabilidade de uma maior exposição direta à instabilidade que grassa pelo mundo, que virá com o novo estatuto de potência global, mas não evitará as dificuldades de permanecer neutral nem o risco - que crescerá - de se ver envolvida em conflitos que apenas marginalmente lhe interessariam, como tem acontecido com os EUA.  

Algumas vezes, isso acontecerá por pressões locais que tentarão fazer virar o poder chinês para o seu lado. O conflito que envolve o Sudão Sul já deu a Pequim uma pequena amostra de como a proteção dos seus interesses, neste caso petrolíferos, pode ficar facilmente refém do clima de segurança local. É um tipo de situação que pode surgir, independentemente de haver um propósito deliberado de participar na resolução dos conflitos. Pode acontecer pelo simples facto de que existe uma presença e/ou interesses que precisam de ser protegidos se ficarem sob ameaça.

A China, com alguma frequência, é apontada como tendo uma visão do poder muito diferente da Rússia. Enquanto esta é normalmente olhada como vendo no seu poder militar a base principal do seu poder nacional e capacidade de influência, a China tem mostrado a tendência de ver na capacidade económica, mais do que na sua capacidade militar, o instrumento principal para influenciar comportamentos e atitudes mas esta diferença também não chega para “descansar” os que precisam de estar mais diretamente atentos à situação.  

De facto, o centro da competição entre os EUA e a China tem permanecido essencialmente centrado no comércio internacional, com pouco ou nenhum recurso ao “hard power”, mas é preciso ter em atenção que a China pensa em horizontes de décadas e estabeleceu como prioridade atingir a hegemonia comercial antes da hegemonia estratégica, mantendo entretanto um perfil discreto e sabendo esperar pela sua altura. Essa altura pode estar próxima, como se pode depreender do que nos dizem as mais recentes orientações estratégicas adotadas por Pequim.

A nova estratégia de segurança da China

A mais recente grande mudança por que passou a estratégia da China formalizou-se, em 2014, com a publicação de um novo Livro Branco de Defesa no qual fica clara a ideia de que a China quer ser vista como uma grande potência, com interesses globais, e disposta a assumir as suas responsabilidades. Para esse objetivo Pequim está a construir um aparelho militar desenhado expressamente para apoiar as suas ambições de expansão económica e política, num processo em que as forças armadas deixarão de ser vistas exclusivamente como um instrumento de defesa territorial.  

Esta nova orientação fica patente nos objetivos estabelecidos para os três ramos, nomeadamente o Exército cuja missão sofre uma reorientação de “theater defense” para “trans-theater mobility” e a Força Aérea que passa do campo restrito da “territorial defense” para “defense and offensive tasks”. No entanto, a mudança é mais visível no que respeita à Marinha, tradicionalmente o ramo com melhores condições de base para funcionar como instrumento da política externa de um estado. O seguinte excerto do Livro Branco é esclarecedor:
"The traditional mentality that “land outweighs sea” must be abandoned and great importance has to be attached to managing seas and oceans and protecting maritime rights and interests"

O que é relevante, neste contexto, é perceber que, de facto, a China está num processo de evolução que tem o potencial para, a prazo, alterar substancialmente o quadro de segurança mundial. De uma postura naval que não era mais do que uma extensão da estratégia continental, não indo além de, no essencial, garantir um conjunto de capacidades anti-acesso às suas aproximações («offshore waters defence»), passou para uma estratégia que combina esse objetivo com «open seas protection»  e que requer uma estrutura multifuncional de forças navais de combate(«combined, multifunctional, and efficient marine combat force structure»).  
A questão que se põe é saber que objetivo afinal pretende a China alcançar com esta mudança estratégica e com a procura de capacidades militares que disputarão, principalmente no campo naval, a superioridade dos EUA, estando algumas aparentemente configuradas precisamente para esse efeito. Não obstante a bastante maior transparência do novo documento, a resposta a esta questão terá que ser deduzida.

A situação da Formosa pode muito bem continuar a representar a mais provável possibilidade de um confronto entre os EUA e a China. No entanto, não é provável que a China, para resolver esse seu problema, tenha nos seus planos a procura de uma paridade militar com os EUA que lhe permita provocar uma confrontação militar direta. Os EUA são um rival que, apesar do continuado declínio das suas capacidades, continua a ter uma clara vantagem militar. Esta comparação, no entanto, não nos diz tudo. Temos que entrar em conta também com o grau de envolvimento global de cada uma das duas potências, muito longe de poderem ser equiparados. A manter-se a situação existente, os EUA terão dificuldades em transformar a sua vantagem global em vantagem local, se estiverem envolvidos em crises geograficamente muito separadas.
 
A perceção que, regra geral, prevalece no Ocidente, pelo menos para já, é a de que Pequim prefere seguir vias mais subtis, dando pequenos passos de cada vez e consolidando os respetivos ganhos, em vez de enveredar por “atacar” o problema de frente (o que se costuma designar por salami tactics: "a series of many, small clandestine actions, whose accumulation produces a much larger result that would be difficult or unlawful to perform all at once"). Ou então, contenta-se em reunir condições para negociar a partir de uma clara posição de força os vários conflitos que mantém pendentes na sua vizinhança próxima com países aliados dos EUA.

O que para já se tornou percetível, em função de vários sinais dados, é a preocupação chinesa de não deixar à mercê dos EUA a proteção do seu tráfego marítimo comercial. É uma preocupação que se compreende sob duas perspetivas. Primeira, a do entendimento chinês de que o mundo está decididamente num caminho multipolar em que a China terá que ocupar o seu lugar. Segunda, a de que essa evolução se vai processar num contexto de rivalidade e ausência de confiança mútua, que é afinal o que prevalece, não obstante, os esforços para o desmentir. A China tem perfeitamente presente que é do livre e seguro funcionamento do tráfego comercial por via marítima que depende a sua economia e até mesmo a sua sobrevivência, se tivermos em conta a sua dependência energética em relação ao exterior.

Aparentemente, a China procurará alcançar este objetivo através de três caminhos. O chamado “Silk Road Economic Belt”, uma rede de portos e infraestruturas marítimas para apoio de uma maior presença estratégica nas zonas onde tenha interesses vitais e, finalmente, uma configuração do sistema de forças navais que lhe permita recorrer ao conceito de “Sea Basing”, introduzido pelos EUA há cerca de duas décadas.  

O “Silk Road Economic Belt” nunca foi claramente explicado mas é interpretado como tendo em vista diversificar as rotas comerciais de trânsito, prevendo seis corredores que estão pensados para minimizar os riscos de eventual interdição marítima (dois são totalmente sobre terra) e implicam a construção de vários tipos de facilidades de transporte com benefícios para os respetivos países de trânsito.

A rede de portos e infraestruturas será um desenvolvimento do conceito “string of pearls” que, na leitura dos analistas da postura naval chinesa, constitui um conjunto de pontos de apoio logístico para apoio da operação da Marinha chinesa em águas mais distantes, quer na sua missão de proteção das rotas de navegação do seu tráfego comercial, quer para apoio das comunidades chinesas nos países de investimento. Djibouti e Seichelles são locais já anunciados no decorrer deste ano para o Índico, bem como o caso de Walvis Bay, no Atlântico Sul, que terá sido objeto de conversações com o governo da Namíbia em janeiro deste ano.

Finalmente, a aposta que a Marinha chinesa está a fazer em construções semelhantes às “mobile landing platforms” e “logistic support ships” da Marinha americana o que sugere a opção de adoção do conceito “Sea Basing” criado nos EUA, desenvolvido para o apoio a operações militares longe das bases normais de estacionamento e centros de apoio logístico, através de meios próprios incluídos na própria força. Independentemente da procura de navios militares expressamente construídos para essa finalidade, a Marinha chinesa optou por estabelecer a obrigatoriedade de entre a sua enorme frota mercante fazer aplicar critérios militares a alguns tipos de navios mercantes que poderão dar um contributo relevante às operações navais, quer no campo das operações anfíbias, quer no apoio logístico.

Não obstante ser possível hoje ter uma ideia mais consolidada do que será a China no futuro, persistem muitas questões ainda sem resposta. Chris Parry resume a principal em saber se a China, como grande potência, se vai limitar a defender os seus interesses e valores ou, se paralelamente, tenciona ocupar-se também da defesa de valores universais. Quer tentando manter-se o mais possível fora do sistema internacional, quer procurando assumir alguma liderança, o mais provável é que opte por continuar a observar os acontecimentos cuidadosamente e esperar para ver como evoluem antes de tomar qualquer decisão.  
 

 :arrow: http://database.jornaldefesa.pt/crises_ ... 0china.pdf (http://database.jornaldefesa.pt/crises_e_conflitos/china/JDRI%20153%20180815%20china.pdf)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 12, 2015, 11:00:02 am
Obama considera inaceitáveis ataques informáticos realizados pela China


Barack Obama acrescentou que irá procurar um entendimento com Xi Jinping sobre regras de conduta para procurar impedir uma escalada no assunto. "Garanto-vos que podemos ganhar se tivermos" de lançar ataques informáticos, disse.

A visita de Estado do Presidente Xi Jinping, cuja data exata ainda não foi anunciada, deverá ocorrer em torno de 25 de setembro, alguns dias antes do início da Assembleia geral da Organização das Nações Unidas, em Nova Iorque.

A recente piratagem dos dados pessoais de vários milhões de empregados federais norte-americanos, atribuída à China por vários meios de comunicação dos EUA, reavivou um assunto que tem envenenado as relações entre os dois países.

Um dirigente norte-americano confirmou no final de agosto que os EUA estavam a preparar sanções económicas contra pessoas e organizações chinesas suspeitas de ligação aos ataques informáticos a alvos norte-americanos.

Durante uma reunião com dirigentes chineses, no final de junho, Obama tinha mencionado este assunto espinhoso, bem como o da "militarização" do Mar do sul da China que, segundo Washington, Pequim está a fazer.

Na altura, apelou à China para que "tome medidas concretas que reduzam a tensão".

Lusa
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 28, 2015, 09:35:24 am
China furiosa com EUA, promete defender a "soberania territorial"


Para os EUA foi apenas uma "operação de rotina", mas para a China, a passagem do destroyer USS Lassen junto às Spratly, umas ilhas disputadas no mar do Sul da China, é "ilegal" e uma clara "ameaça à soberania chinesa". Por isso Pequim deixou o alerta: irá "responder de forma resoluta a qualquer país que empreenda ações provocadoras deliberadas".

Equipado com mísseis teleguiados, com o sistema de defesa Aegis e com dois helicópteros Seahawk a bordo, o USS Lassen entrou nas 12 milhas náuticas que a China reivindica em torno das Spratly, ao abrigo da lei marítima internacional. O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês garantiu que o navio de guerra foi devidamente avisado, mas insistiu num ato que "ameaça a soberania da China". E o porta-voz Lu Kang garantiu que "se os EUA continuarem a criar tensões na região", Pequim pode concluir que deve "reforçar as suas capacidades".

Mas as ameaças chinesas não parecem assustar os americanos, com o Departamento de Defesa a anunciar que as patrulhas naquela zona irão prosseguir nas próximas semanas. "Vai ser uma ocorrência regular, não um acontecimento único", garantiu à Reuters fonte do Pentágono, acrescentando que as próximas missões passarão junto a ilhas cuja soberania é reclamada por Vietname ou Filipinas. "Não é exclusivo para a China", explicou.

Cada vez mais virados para a Ásia, ao insistir nestas patrulhas, os EUA procuram afirmar a sua influência numa região essencial para o tráfico marítimo mundial - anualmente passam por ali cinco biliões do comércio mundial.

Em disputa

Pequim reclama a soberania sobre a maior parte do mar do Sul da China, onde as ilhas Spratly, Paracel e o recife de Scarborough são disputadas por outros países da região. Tudo porque as águas à sua volta são potencialmente ricas em petróleo. Os recifes, que se encontravam submersos, foram transformados em ilhas pela China, graças a um gigantesco projeto de dragagem iniciado em 2013.

De acordo com a lei marítima internacional, os países podem reclamar as 12 milhas náuticas à volta das suas ilhas naturais. Um direito que não se aplica se tiver havido intervenção humana.

As autoridades chinesas garantem que os trabalhos nas ilhas são legais e num encontro com Barack Obama, em setembro, em Washington, o presidente Xi Jinping garantiu não ter intenções de militarizar as ilhas. Mas os EUA estão convictos de que a China está a construir ali instalações militares, de forma a reforçar o seu domínio marítimo (apesar do aumento de 10% no seu orçamento militar em 2015, a China só tem um porta-aviões, o Liaoning, antes ao serviço da União Soviética e agora remodelado) sobre uma região disputada por China, Malásia, Filipina, Vietname ou Taiwan (República da China). Os críticos acusam ainda Pequim de estar a construir aeródromos nas ilhas sob o seu domínio (ver info).

A China garante que o seu direito sobre as ilhas Spratly e Paracel remonta a vários séculos e detalha as suas reivindicações num mapa de 1947. Uma reivindicação partilhada por Taiwan - para onde em 1949 fugiram os nacionalistas de Chiang Kai-shek após a derrota frente aos comunistas de Mao Tsé-tung e que hoje é vista como província rebelde por Pequim.

O Vietname é um dos países que mais questiona as reivindicações chinesas, garantindo ter documentos que provam o seu domínio sobre as Paracel e as Spratly desde o século XVII. Já as Filipinas usam a proximidade geográfica com as ilhas « para justificar a sua soberania. Enquanto a Malásia também reivindica algumas das ilhas do arquipélago.

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 17, 2016, 02:37:38 pm
China instalou mísseis terra-ar em ilha disputada, revela Taiwan


China instalou mísseis terra-ar numa ilha do arquipélago Paracel, zona disputada no Mar do Sul da China, confirmaram hoje à agência Efe fontes militares de Taiwan, que afirmaram que existem imagens de satélite que o mostram.

As mesmas fontes, que falaram sob a condição de anonimato, escusaram-se a facultar mais detalhes, mas sublinharam que a atividade da China na zona está a ser seguida com muita atenção.

Horas antes, a cadeia norte-americana Fox News informou que a China dispõe de um sistema de lançamento de mísseis terra-ar numa das ilhas do arquipélago, alegadamente rico em petróleo, cuja soberania é reivindicada por Pequim e Taipé e também por Hanói.

A Fox citou imagens capturadas por satélites do ImageSat International, nas quais se veem duas baterias de oito lançadores de mísseis terra-ar e um sistema de radares na ilha Woody, que faz parte do arquipélago Paracel.

Os mísseis chegaram na semana passada, já que as imagens de satélite mostram que uma praia estava vazia a 3 de fevereiro e que, a partir de dia 14, albergava os referidos dispositivos.

Este destacamento vem acentuar as tensões na região, reavivadas no ano passado quando imagens, também recolhidas por satélite, mostraram que a China avançou com construções de grande envergadura em ilhotes e recifes das ilhas Spratly, até as converter em autênticas ilhas artificiais, incluindo com pistas de aterragem e guarnições militares.

Precisamente hoje reúnem-se em Pequim os ministros dos Negócios Estrangeiros da China, Wang Yi, e da Austrália, Julie Bishop, com a militarização das ilhas Spratly e Paracel a figurar como um dos pontos da agenda de discussão.

Esses dois arquipélagos são disputados por vários países da região.

A soberania de Paracel, controlado pela China, é reivindicada por Taiwan e Vietname; enquanto as ilhas Spratly, mais dispersas, são total ou parcialmente reclamadas pela China, Filipinas, Taiwan, Vietname e Malásia.

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Fevereiro 18, 2016, 10:56:56 am
(http://www.janes.com/images/assets/071/58071/mainp1650338.jpg)

Mísseis HQ-9. Segundo o Jane's este é o tipo instalado por China numa ilha do arquipélago Paracel. O Jane's informa que o número dos HQ-9 instalados pode chegar a ser 32.

http://www.janes.com/article/58071/china-deploys-hq-9-surface-to-air-missiles-to-woody-island
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 24, 2016, 12:25:59 pm
China envia aviões de combate para ilha disputada no sudeste da Ásia


A China enviou aviões de combate para uma das ilhas disputadas com outras nações do sudeste asiático no Mar da China Meridional, avançou hoje a estação norte-americana Fox News, que considerou que este movimento aumentará a tensão «já volátil» na região.

A Fox citou como fontes dois funcionários do alto escalão do governo dos EUA, segundo os quais o gigante asiático dispõe de aviões J-11 e JH-7 na ilha Woody, que faz parte das ilhas Paracel, cuja soberania é reivindicada pela China, Taiwan e Vietname.
Este é o mesmo arquipélago por onde uma embarcação militar dos Estados Unidos navegou no final de Janeiro, um acto que o governo chinês classificou de «provocação deliberada» e a mesma ilha na qual a Fox News também antecipou na semana passada que a China tinha instalado um sistema de lançamento de mísseis terra-ar.

A Fox referiu-se então a imagens tomadas por satélites da ImageSat International nas quais é possível ver duas baterias de oito lançadores de mísseis terra-ar e um sistema de radares instalados na ilha Woody.

Precisamente hoje, os chefes da diplomacia de EUA, John Kerry, e China, Wang Yi, tentaram aproximar posições numa reunião em Washington face às disputas territoriais no Mar da China Meridional. «Queremos pôr fim à expansão e à militarização de lugares ocupados. Consideramos que todo o mundo beneficia de uma verdadeira desmilitarização», salientou Kerry.

Sem culpar abertamente a China, Kerry disse que «infelizmente, há mísseis, aviões de combate e armas, artilharia e outras coisas no Mar da China Meridional, e isso é uma grande preocupação para qualquer nação que dependa desse mar para o comércio pacífico».
Wang, por seu turno, garantiu que «tanto a China como os Estados Unidos e os países da Asean (Associação de Nações do Sudeste Asiático) se comprometeram com a não militarização».

«O secretário (Kerry) e eu acordámos continuar o diálogo sobre o Mar da China Meridional para aprofundar o nosso entendimento mútuo. É importante evitar qualquer erro de cálculo», destacou Wang. A China considera que tem um direito histórico sobre quase a totalidade do Mar do Sul da China e construiu sete ilhas artificiais para reivindicar a sua soberania.

Taiwan e outros países da região como o Brunei, Malásia, Vietname e Filipinas reivindicam também os seus direitos numa região rica em recursos naturais e que é fundamental para as rotas de navegação.


Diário Digital
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 05, 2016, 05:50:12 pm
Austrália gasta mais em Defesa para enfrentar Pequim no Sudeste Asiático


A Austrália vai aumentar a proporção da despesa militar em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) para fazer face àquilo que considera ser a deterioração das condições de segurança e a multiplicação das ameaças regionais. Em causa, está principalmente a atuação do regime de Pequim na zona do Mar da China do Sul, onde prossegue uma ativa estratégia de ocupação de ilhas e de reivindicações territoriais.

A estratégia australiana consta do recentemente divulgado Livro Branco da Defesa em que se sustenta necessidade do aumento da despesa militar, pelo menos para o equivalente a 2% do PIB, independentemente "de mudanças que venham a ocorrer nas estimativas de crescimento" daquele indicador. Ou seja, o nível da despesa militar não será condicionado pelo desempenho da economia australiana. E irá crescendo na próxima década, passando de 32 mil milhões de dólares australianos (23,7 mil milhões de USD ou 21,5 mil milhões de euros), no ano fiscal que se inicia no próximo 1 de julho, para 58,7 mil milhões de dólares australianos (39 mil milhões de euros) daqui a uma década.

A Austrália torna-se assim o mais recente país a juntar-se à corrida aos armamentos e ao aumento das despesas no setor da Defesa que se vive em toda a região. A quase totalidade dos países do Sudeste Asiático em particular, mas também a Coreia do Sul, o Japão e a Índia têm vindo a gastar mais nas forças armadas em proporção ao PIB. Por exemplo, o Vietname aumentou 314% a despesa na Defesa entre 2005 e 2014.

O primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, explicou no final de fevereiro que um maior investimento na Defesa era resultado direto dos "desafios regionais", do terrorismo e das "mudanças climáticas". Turnbull deu como exemplo a situação de "nas próximas duas décadas, metade dos submarinos em atividade no mundo e também, pelo menos, metade dos mais sofisticados aviões de combate estarão a operar na região do Indo-Pacífico, que é a região onde nos situamos, o que torna mais complexo o planeamento da nossa estratégia de segurança". Um cenário que tem como centro o Mar da China do Sul mas, notou o governante de Camberra, abrange também a península coreana e regiões "mais distantes".

Para responder à nova conjuntura regional, o número de efetivos vai passar de cerca 58 mil para 63 400, é antecipada a construção de 12 novos submarinos, nove fragatas e 12 navios-patrulha - o que revela bem que o principal risco para Camberra é a conjuntura no Mar da China do Sul - e vão ser reforçados os meios de combate aéreo.

Mais aviões de transporte

O Livro Branco australiano refere ainda a necessidade de ser adquirido até 2020-21 diferente equipamento militar, de aviões não tripulados (drones) a veículos blindados, além da criação de um novo centro de treino para helicópteros de combate de última geração a serem comprados. Irão ser adquiridos mais dois Boeing C-17A Globemaster III, dotados de grande capacidade de transporte de homens e material para "reforçar a atual frota de seis" aparelhos. Está ainda previsto o aumento de vencimentos nas forças armadas.

No plano geoestratégico, Camberra reafirma a relação privilegiada com os Estados Unidos, que tem vindo a reforçar a presença naval na área do Mar da China do Sul em patrulhas designadas "operações de garantia de liberdade de navegação". A mais recente das quais sucedeu a 30 de janeiro, originando protestos de Pequim.

Patrulhas no Mar da China do Sul

O investimento na Defesa foi justificado pelo responsável da força aérea australiana, marechal Leo Davies, numa recente entrevista ao Sydney Morning Herald (SMH), com um significativo exemplo: "Quase todos os voos de patrulha no Mar da China do Sul" são advertidos via rádio pelos chineses para abandonarem as áreas onde Pequim ocupa algumas ilhas e rochedos e tem procedido aqui a operações para ganhar espaço ao mar e à construção de estruturas permanentes, como portos e pistas de aterragem.

O chefe militar australiano reconheceu que o número de patrulhas aéreas e navais no Mar da China do Sul aumentou em paralelo com o recrudescimento de atividade das forças armadas chinesas no arquipélago das Spratly. A intenção é mostrar a Pequim que não passa despercebida a sua presença nas Spratly e que há limites a não ultrapassar na forma como se comportam na região, referiu fonte diplomática ao SMH, na edição em que foi entrevistado o comandante da força aérea australiana.

Estas ilhas e rochedos são reivindicadas pela China, Vietname, Taiwan, Filipinas e Malásia, ocupando todos eles alguns territórios.

O militar australiano explicou na referida entrevista que a multiplicação das comunicações via rádio pelos chineses se deve a uma maior presença na área das Spratly.

Entretanto, foi ontem anunciado o orçamento da Defesa chinês, que apresenta um valor equivalente a 150 mil milhões de USD, sensivelmente um quarto do anunciado pelos EUA no ano em curso: 573 mil milhões de USD. Um porta-voz da Assembleia Nacional Popular afirmou às agências que aquele valor representa um aumento de 7-8% face ao ano anterior. Os EUA afirmam que o montante das despesas militares da China é substancialmente mais elevado que é anunciado publicamente.

DN
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 23, 2016, 11:36:49 am
EUA levantam embargo à venda de armas ao Vietname


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Junho 06, 2016, 01:16:58 pm
China declara que não vai aceitar decisão do Tribunal de Haia em disputa com Filipinas
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Julho 06, 2016, 11:29:24 am

O incidente no final do vídeo faz-me pensar sobre a necessidade de ter armamento de calibre decente neste tipo de navios... 
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Julho 12, 2016, 10:58:29 am
http://www.bloomberg.com/news/articles/2016-07-12/china-no-historic-right-to-south-china-sea-resources-court-says (http://www.bloomberg.com/news/articles/2016-07-12/china-no-historic-right-to-south-china-sea-resources-court-says)
Citar
China’s assertions to more than 80 percent of the disputed South China Sea have been dealt a blow with an international tribunal ruling it has no historic rights to the resources within a 1940s map detailing its claims.
“There was no evidence that China has historically exercised exclusive control over the waters or their resources,” the Permanent Court of Arbitration in The Hague said Tuesday in a statement. “The tribunal concluded that there was no legal basis for China to claim historic rights to resources within the seas falling within the ‘nine-dash line’.”
The case was brought by the Philippines, arguing that China’s claims don’t comply with the United Nations Convention on the Law of the Sea. While the court says the ruling is binding, it lacks a mechanism for enforcement.
(https://assets.bwbx.io/images/users/iqjWHBFdfxIU/i12IXoP4gT9Y/v2/-1x-1.png)

Cumprimentos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Julho 12, 2016, 02:08:54 pm

Philipppines urges "restraint and sobriety" over South China Sea ruling


Victory rally in Manila over the ruling 



China: the arbitration is illegal, and Beijing doesn't recognize it
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Julho 13, 2016, 09:52:02 am


South China Sea: Island, rock or reef?
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 13, 2016, 11:35:39 am
Pequim não acata decisão do Tribunal de Haia sobre pretensões das Filipinas no mar do Sul da China


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 13, 2016, 12:23:30 pm
Pequim não tenciona desistir do Mar do Sul da China


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 13, 2016, 01:00:07 pm
(http://img.pixady.com/2017/05/687656_177959231323095541116040796368597870349837n.jpg)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Julho 19, 2016, 12:34:52 pm

Territorial dispute over South China Sea continues
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Agosto 08, 2016, 08:32:58 pm


China / Japão: Emissário filipino tenta serenar ánimos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: olisipo em Setembro 28, 2016, 08:31:24 am

Chinese and Russian Marines Invade a Tropical Island During Massive Amphibious Assault Beach Landing
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 28, 2016, 10:51:24 am
Chineses e os seus camuflados azuis... :N-icon-Axe: :nice:
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 15, 2016, 07:43:16 pm
Pequim rejeita sugestão de militarização indevida do Mar do sul da China


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 17, 2016, 02:33:29 pm
China 'seizes US vessel' in S China Sea

(http://ichef-1.bbci.co.uk/news/660/cpsprodpb/DCD2/production/_93003565_bowditch.jpg)

The US has issued a formal request to China to deliver an unmanned underwater drone that was seized in international waters, US officials say.
The Chinese navy seized the US underwater research vessel in the South China Sea on Thursday, the US alleges.
The incident took place just as the USNS Bowditch, an oceanographic survey ship, was about to retrieve it.
The device, dubbed an "ocean glider", was used to test water salinity and temperature, officials say.
The data was part of an unclassified programme to map underwater channels, Pentagon spokesman Capt Jeff Davis told reporters.
"It was taken" by China, Capt Davis said during a press briefing on Friday.
"The UUV [unmanned underwater vehicle] was lawfully conducting a military survey in the waters of the South China Sea," he added.
"It's a sovereign immune vessel, clearly marked in English not to be removed from the water - that it was US property."
Analysis - Carrie Gracie, BBC China Editor
The Chinese seizure of a US navy drone only serves to increase uncertainty and tension between the US and China, coming in the same week as a US think tank published satellite images of anti-aircraft missiles on China's artificial islands in the South China Seas and in the aftermath of remarks from US President-elect Donald Trump criticising China for building what he called a "massive fortress" in the region.
Despite previous statements that China had no intention of militarising the islands, the Chinese Defence Ministry defended what it described as "necessary military facilities" which it called "proper and legitimate".
Since Mr Trump questioned the so-called "One China" policy which Beijing describes as the 'political bedrock' of the US China relationship, China has also mounted fighter exercises over the Taiwan Strait.
The Obama administration has reaffirmed what it called its "unwavering commitment" to the "One China" policy but the seizure of a US navy drone may be Beijing's way of sending a message to the incoming administration that it too has ways of disrupting expectations and upsetting the status quo.
The encounter occurred in the South China Sea about 50 miles (80km) northwest of Subic Bay, Philippines, the US says.

(http://ichef.bbci.co.uk/news/624/cpsprodpb/8C00/production/_93004853_seized-us-vessel.jpg)

"The Chinese navy ship ASR-510, a Dalang III-class ship, approached within 500 yards of the Bowditch, launched a small boat, and seized the UUV," the Pentagon said in a statement.
The Bowditch made radio contact with the Chinese ship to demand its immediate return but were "ignored".
"This is not the sort of conduct we expect from professional navies," Capt Davis added.
The seizure will likely add to US concerns about the growing military posture taken by China in the South China Sea.

A US think tank reported this week that aerial imagery shows that China has installed weaponry along seven artificial islands they have built at sea, despite US protests.
In November 2015, two US B-52 bomber planes flew over the man-made islands, known as the Spratly Islands.
Pentagon Press Secretary Peter Cook said the device was a "sovereign immune vessel of the United States" and demanded its immediate return from China.
Senator Ben Cardin, the top Democrat on the Senate Foreign Relations committee, called the seizure "a remarkably brazen violation of international law".
Senior Republican Senator John McCain said the US should not tolerate "such outrageous conduct", adding that "this brazen provocation fits a pattern of increasingly destabilizing Chinese behaviour, including bullying its neighbours and militarising the South China Sea".
"This behaviour will continue until it is met with a strong and determined US response, which until now the Obama administration has failed to provide," Mr McCain added.

http://www.bbc.com/news/world-asia-china-38347221
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 18, 2016, 12:30:28 pm
(http://imgur.com/IHY0vUb.jpg)
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Camuflage em Dezembro 18, 2016, 08:31:53 pm
Creio ser natural que a China com tamanha presença de bases militares e seus aliados a apontarem-lhe armas, queira garantir a sua defesa.

Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Maio 25, 2017, 04:07:17 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Julho 04, 2017, 11:57:55 am
Aumenta a tensão entre e China e EUA


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Viajante em Setembro 07, 2017, 11:05:32 pm
Índia prepara guerra de duas frentes com China e Paquistão

Chefe do exército indiano acredita que o conflito em Doklam (China) pode piorar, e que o Paquistão pode aproveitar-se dessa situação.

(http://oje-50ea.kxcdn.com/wp-content/uploads/2017/02/india.jpg)



O chefe do exército indiano deixou o alerta: o país deve estar preparado para uma potencial guerra de duas frentes, entre a China e o Paquistão.

O general Bipin Rawat refere-se a um recente impasse de dez semanas com o exército chinês nos Himalaias, que terminou na semana passada. Mas a situação pode gradualmente transformar-se no maior conflito na fronteira a norte da Índia. Para além disso, o Paquistão pode aproveitar-se dessa situação na frente ocidental, defende o general.

Na semana passada, a Índia concordou em retirar as tropas de Doklam (ou Donglang), no alto dos Himalaias, onde as tropas chinesas começaram a construir uma estrada. A disputa de dez semanas foi a mais prolongada das duas nações em décadas e aumentou a longa rivalidade estratégica.

Em 1962 a Índia teve em guerra com a China, e também envolveu-se em três conflitos com o Paquistão, sendo que por duas vezes a Índia perdeu o controlo de Caxemira.

“Temos que estar preparados. Tendo em conta o nosso contexto, portanto, a guerra pode ser uma realidade “, disse Rawat à agência de notícias Press Trust of India, citado pelo The Guardian.

As palavras do general foram proferidas um dia depois do primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e o presidente da China, Xi Jinping, concordaram numa abordagem “prospectiva” para os laços sino-indianos, “esquecendo” o conflito em Doklam.

http://www.jornaleconomico.sapo.pt/noticias/india-prepara-guerra-de-duas-frentes-com-china-e-paquistao-206264
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Setembro 15, 2017, 09:03:51 pm
China’s Maritime Strategic Realignment
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Outubro 28, 2017, 11:42:47 pm
(https://scontent.flis2-1.fna.fbcdn.net/v/t31.0-8/22770527_1106820062784473_901568706528880726_o.png?oh=38fa6c10e7bf1cd8f55dfc4d342673aa&oe=5A6B51C3)

É... é mais ou menos isso...
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 23, 2017, 11:42:22 am
Austrália pede a EUA para reforçarem presença na Ásia


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Viajante em Dezembro 03, 2017, 06:43:49 pm
Estarão os drones da DJI a espiar para a China?

Desde cedo que o governo dos Estados Unidos tem levantado algumas questões de segurança contra a empresa chinesa de drones DJI.

Num memorando emitido pela ICE, surgem agora acusações sobre as intenções da marca chinesa para os dados que recolhe. Estará a DJI a espiar para o governo chinês?

(https://pplware.sapo.pt/wp-content/uploads/2017/08/dji-phantom-4-pro-obsidian.jpg)

.......

ICE acusa DJI de espiar para o governo chinês

Num memorando lançado em agosto, o gabinete para a segurança interna, imigração e alfândega (ICE) de Los Angeles levantou a hipótese de a marca de drones DJI estar a espiar para o governo chinês, baseando-se em informações de uma fonte inserida no mercado dos sistemas de voo autónomo, que o ICE referiu como segura.

Para isso, a marca chinesa estaria a recolher dados sensíveis nos seus drones comerciais para identificar forças policiais, forças militares e infraestruturas. Esses dados seriam depois dados à inteligência chinesa que poderia planear e lançar mais facilmente um ataque físico ou cibernético a pontos-chave ou, numa atitude mais grave, partilhar com organizações terroristas. Além disso, refere também que o governo chinês pode estar a utilizar estes dados para ter vantagem no mercado, visto que consegue obter dados sobre quintas, instalações logísticas e empresas de outras áreas chave.

A provar este último argumento, o ICE deu o exemplo de uma família que comprou um drone da DJI para gerir a sua produção vinícola e que, pouco tempo depois, empresas chinesas começaram a comprar terrenos na mesma zona. O governo aponta esta coincidência à utilização da informação do drone adquirido em proveito das empresas chinesas.

........
https://pplware.sapo.pt/informacao/drones-dji-espiar-china/

Não são só chineses, por norma devemos sempre tapar as câmaras dos nossos computadores, bem como o altifalante, só os destapando quando precisarmos deles. É um dos ataques mais frequentes a alguém, aceder às câmaras e altifalantes de um computador!!!!!!!
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 18, 2017, 01:30:43 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 04, 2018, 03:00:38 pm
Presidente chinês mobiliza tropas


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Janeiro 12, 2018, 11:50:06 am
https://ukdefencejournal.org.uk/chinas-second-aircraft-carrier-hold-first-sea-trials/?utm_source=FB&utm_medium=UKDJPage&utm_campaign=social (https://ukdefencejournal.org.uk/chinas-second-aircraft-carrier-hold-first-sea-trials/?utm_source=FB&utm_medium=UKDJPage&utm_campaign=social)
Citar
China’s second aircraft carrier might conduct its first sea trials in February, regional newspapers are reporting.

China launched its second aircraft carrier in April 2017 after the Liaoning, a refitted Soviet Union-made carrier that went into commission in 2012. China’s second aircraft carrier is the country’s first domestically made carrier.

“China’s first homemade aircraft carrier might conduct its sea trials around Spring Festival in mid-February” Li Jie, a Beijing-based naval expert, told the local Global Times on Sunday.

The carrier’s design is based on the Kuznetsov class, as China’s first carrier, Liaoning, was constructed from an incomplete Kuznetsov class vessel and the 001A is a slightly refined version of Liaoning.

It is slightly modified and upgraded compared to Liaoning, with improved radar and increased storage capacity for ammunition and fuel, allowing it to carry more aircraft than Liaoning (estimated to be between 30 and 40 jets and helicopters).

The vessel reportedly measures about 315 metres (1,033 ft) long, with a displacement of about 55,000 tonnes
(https://ukdj.imgix.net/2018/01/carrier2china.jpg?auto=compress%2Cformat&fit=crop&h=580&ixlib=php-1.1.0&q=80&w=1021&wpsize=td_1021x580&s=9fa9dc4b471464082b99055ac3ebe7a9)

Cumprimentos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 26, 2018, 12:07:09 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Viajante em Janeiro 30, 2018, 12:28:33 pm
Com medo de que a China esteja a ouvir chamadas, os EUA ponderam criar uma rede 5G pública

Preocupados com a possibilidade de a China estar a espiar as comunicações norte-americanas, os serviços de secretas norte-americanas estudam a hipótese de criar ou controlar uma rede 5G. A nacionalização da rede seria inédita num país em que as comunicações são maioritariamente detidas por empresas privadas.

(http://thumbs.web.sapo.io/?epic=MTIws1WWSUy64WnXLOUGnXOn3bTNwtUvRyQmwx8A2QyLaJJORTBDd5/1pVwQz7yuwKvWtF7jxRZdQ6byEm7pwmOvsGdJQLx1SD9T84kW7QydNCc=&W=800&H=0&delay_optim=1)

“Queremos construir uma rede para que os chineses não consigam ouvir as vossas chamadas”; disse um oficial sénior da administração Trump. “Temos de ter uma rede segura, que não permita a entrada de maus atores. Temos também de garantir que os chineses não tomam o controlo do mercado e ponham todas as não-5G na falência.”

A equipa de segurança nacional dos Estados Unidos está a ponderar a hipótese de criar uma rede super-rápida de comunicações 5G. O objetivo da rede governamental é evitar que a China espie as chamadas dos norte-americanos, pondo em causa a segurança cibernética e económica dos Estados Unidos da América.

Esse é, aliás, o principal objetivo, sendo que a criação de uma rede nacional 5G é apenas umas das perspetivas. A proposta está ainda numa fase preliminar de discussão, podendo só chegar ao presidente norte-americano daqui a seis ou oito meses. A informação foi confirmada à Reuters por uma fonte sénior da presidência norte-americana, depois de rumores na imprensa especializada.

Documentos revelados pela Axios mostram que há duas propostas em cima da mesa. A primeira é a mais radical e passa por uma rede construída pelo governo, que depois arrenda o acesso às operadoras. Esta seria uma medida inédita nos Estados Unidos. É que as telecomunicações têm sido uma área das privadas desde sempre, ao contrário de outros países.

A administração Trump tem estado a seguir uma linha mais dura com políticas iniciadas por Barack Obama, que presidiu o país durante uma década, em temas como o papel de Pequim no controlo da Coreia do Norte, bem como os esforços chineses para adquirir indústrias estratégicas norte-americanas.

Este mês, a operadora AT&T foi forçada a desistir de oferecer telefones construídos pela chinesa Huawei, depois de alguns membros do Congresso terem feito pressão contra a ideia junto dos reguladores, conta a Reuters, citando fontes.

Em 2012, a Huawei e a ZTE Corp foram investigadas para perceber se os equipamentos que ofereciam estavam ou não a abrir uma porta para a espionagem de países estrangeiros e se ameaçavam uma infraestrutura crítica norte-americana.

Alguns membros da comissão das secretas do Congresso norte-americano continuam preocupados com as ameaças de segurança apresentadas pela Huawei e pela ZTE, diz a Reuters, citando um assistente do Congresso.

É que as dúvidas levantadas por um relatório de 2012 “nunca desapareceram”, disse a fonte ouvida pela agência britânica. E acrescenta que há novos dados que fizeram ressurgir essas preocupações.

No início da semana passada, Pequim anunciou ter proibido todos os tipos de ‘hacking’ — acesso e/ou manipulação indevidos de dados ou computadores alheios. Hua Chunying, porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros chinês, porém, não disse nada de concreto acerca dos problemas de segurança da rede 5G.

“Acreditamos que a comunidade internacional deve, na base do respeito e confiança mútuos, reforçar o diálogo e a cooperação, e unir esforços contra a ameaça dos ataques cibernéticos”, disse a porta-voz numa conferência de imprensa, citada pela Reuters.

Há, contudo, um problema de espaço para concretizar a ideia de nacionalizar uma rede 5G. É que o espetro de rede é limitado e as grandes operadoras têm gasto milhares de milhões de dólares a comprar espaço para lançarem as suas redes, não sendo certo que uma iniciativa governamental conseguisse, ainda, ganhar espetro suficiente para uma rede destas.

O espaço foi leiloado pelo próprio governo e as operadoras têm previstos investimentos na ordem dos 275 mil milhões de dólares (cerca de 222 mil milhões de euros) para, nos próximos sete anos, montar a rede 5G. No final de 2018, doze cidades norte-americanas deverão receber os primeiros testes desta rede de alta velocidade, estreada pela AT&T.

Mas se não há espaço para construir uma rede de raiz, pode sempre ser nacionalizada uma rede que já exista. Esta ideia também não é descartada pelo oficial com quem a Reuters falou, que fala numa rede 5G construída por um consórcio de operadoras. “Queremos construir uma rede 5G segura e temos de trabalhar com a indústria para perceber qual é a melhor forma para o fazer”, disse o oficial, que pediu o anonimato.

A rede 5G (atualmente a rede mais rápida disponível é a 4G) deverá trazer velocidades maiores na transferência de dados, com mais capacidade e menor tempo de resposta. Estas características permitem usar a rede para novas tecnologias como os carros de condução autónoma ou operações cirúrgicas remotas.

Uma rede contra a nova rota da seda e o "neo-colonialismo chinês"

A urgência de uma rede alternativa visa garantir a segurança das comunicações norte-americanas e proteger a economia dos Estados Unidos da ameaça chinesa. Mas no documento divulgado pela Axios diz-se que a iniciativa é também um contra-ataque à Nova Rota da Seda, ou "One Belt, One Road", que quer aumentar a influência chinesa além-fronteiras.

"One Belt, One Road" é um plano para as infra-estruturas e desenvolvimento económico de cerca de 60 países, liderado pela China. Também conhecida com “nova rota da seda”, conhecida localmente como “One Belt, One Road” (“Um Cinto, Um Caminho”), que tem subjacente a ideia de formar um corredor comercial que estreitará as relações com todo o espaço euro-asiático.

Os ficheiros alertam também para o domínio chinês da inteligência artificial. E sublinham que a criação de uma rede norte-americana permite a exportação desta rede, supostamente mais segura, para mercados emergentes. Num esforço que, "eventualmente", diz o documento, "pode inocular os países em desenvolvimento conta o comportamento neo-colonial chinês".

http://24.sapo.pt/tecnologia/artigos/com-medo-de-que-a-china-esteja-a-ouvir-chamadas-os-eua-ponderam-criar-uma-rede-5g-publica
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 18, 2018, 05:11:49 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 24, 2018, 10:24:21 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 05, 2018, 02:15:39 pm
Porta-Aviões dos EUA aporta no Vietname


Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 05, 2018, 03:09:14 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Março 11, 2018, 04:38:26 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Outubro 28, 2018, 10:13:13 am
https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-10-25/china-calls-any-challenge-on-taiwan-extremely-dangerous?utm_medium=social&utm_source=facebook&utm_campaign=socialflow-organic&cmpid=socialflow-facebook-business&utm_content=business (https://www.bloomberg.com/news/articles/2018-10-25/china-calls-any-challenge-on-taiwan-extremely-dangerous?utm_medium=social&utm_source=facebook&utm_campaign=socialflow-organic&cmpid=socialflow-facebook-business&utm_content=business)

Citar
China’s defense minister warned that any effort to challenge its authority over Taiwan was “extremely dangerous,” following recent U.S. moves that signaled greater support for the democratically run island.

General Wei Fenghe, the minister of national defense, made the remarks Thursday at the start of a regional military forum in Beijing, in which he also called on American leaders to drop what he said was a “Cold War mentality.” His speech came just days after the U.S. Navy sailed two warships through the Taiwan Strait, in the second such show of military support since July.

“Taiwan is China’s core interest,” Wei said. “On these issues, it’s extremely dangerous to challenge China’s bottom line repeatedly. If anyone tries to separate Taiwan from China, China’s military will take action at all costs.”


Taiwan has reemerged as a flashpoint in U.S.-China relations as their trade spat aggravates a host of security disputes between the two sides. China has repeatedly protested U.S. moves to bolster ties with Taiwan, amid a spat between Beijing and the island’s pro-independence government that took power after a 2016 election.


In recent months, the U.S. has signaled a broader push back against China’s growing military reach in the region, with President Donald Trump vowing to outspend it in an arms race after his decision to withdraw from an anti-missile treaty with Russia. The U.S. has also criticized what it says are Chinese efforts to “militarize” outposts it has built on reclaimed land in the South China Sea, by building bases and deploying missile batteries.

(https://assets.bwbx.io/images/users/iqjWHBFdfxIU/iKTi9aalTf4g/v1/800x-1.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitan em Outubro 31, 2018, 01:12:23 pm
https://www.rt.com/news/442686-looming-war-predictions-officials/

A grim prognosis was made by former US commander in Europe Lieutenant-General Ben Hodges (retired), who spoke last week at the Warsaw Security Forum. He urged European countries to do more for their own "security," explaining that Washington has "to deal with the Chinese threat" in the Pacific.

    The United States needs a very strong European pillar. I think in 15 years – it's not inevitable – but it is a very strong likelihood that we will be at war with China.

While European security remains top priority for the US, the former official added, the country will also have to prepare for "the eventuality that in 10 or 15 years we're going to be having to fight in the Pacific."
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 25, 2018, 01:08:15 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: mafets em Novembro 30, 2018, 09:46:57 am
https://www.aereo.jor.br/2018/11/28/avioes-espioes-chineses-continuam-a-invadir-zonas-de-defesa-aerea-da-coreia-e-do-japao/?fbclid=IwAR0Ez9xycgWdPoYrHY0cPdFVuk75dMbgDEcNouZVdIngzN1wgmTzbUw2Bcs (https://www.aereo.jor.br/2018/11/28/avioes-espioes-chineses-continuam-a-invadir-zonas-de-defesa-aerea-da-coreia-e-do-japao/?fbclid=IwAR0Ez9xycgWdPoYrHY0cPdFVuk75dMbgDEcNouZVdIngzN1wgmTzbUw2Bcs)

Citar
Pequim se recusa a dizer a Seul porque avião espião entrou na Kadiz
Um avião espião chinês entrou na zona de identificação de defesa aérea da Coreia (Kadiz – Korea’s air defense identification zone) sem aviso prévio por três vezes na segunda-feira (26.11), mas Pequim não respondeu aos pedidos de Seul para uma explicação em sua hotline militar.

O avião militar chinês entrou pela primeira vez na Kadiz a noroeste da ilha de Jeju por volta das 11 da manhã, de acordo com o Joint Chiefs of Staff. O avião inicialmente voou para fora da Kadiz cerca de 40 minutos depois em direção a Ieodo, um recife subaquático controlado pela Coreia em águas que tanto Seul quanto Pequim reivindicam, e entrou brevemente na zona de identificação de defesa aérea do Japão (Jadiz).

 avião militar chinês parecia ser uma aeronave de guerra e vigilância eletrônica Shaanxi Y-9JB.

O avião entrou na Kadiz do sudeste de Pohang em Gyeongsang do Norte e novamente perto de Ieodo. Ele então refez sua rota e finalmente deixou a zona na direção oeste em direção à China às 3h53 da tarde.

A Coreia exigiu respostas por meio de sua linha direta com a China a respeito da razão pela qual seu avião militar entrou na Kadiz, mas o lado chinês não respondeu. A Força Aérea Sul-Coreana transmitiu vários avisos e solicitou que o avião deixasse imediatamente a Kadiz, mas o lado chinês ainda não respondeu.

A linha direta conecta o Centro Mestre de Controle e Denúncia da Coreia, ou MCRC, ao centro de monitoramento de defesa aérea do Comando de Teatro do Norte da China. Destina-se a evitar confrontos acidentais. Uma autoridade militar coreana disse na terça-feira que “esta é a primeira vez que a China não responde pela linha direta de entrada não autorizada na Kadiz”.

(https://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads/2018/11/Shaanxi-Y-9JB-1024x736.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: P44 em Dezembro 14, 2018, 06:24:37 pm
O fim do domínio naval dos EUA na Ásia
13 de dezembro de 2018

(https://www.naval.com.br/blog/wp-content/uploads/2018/12/Marinha-Chinesa-em-demonstra%C3%A7%C3%A3o-de-for%C3%A7a-1024x591.jpg)

https://www.naval.com.br/blog/2018/12/13/o-fim-do-dominio-naval-dos-eua-na-asia/
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: HSMW em Dezembro 17, 2018, 07:01:33 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 08, 2019, 05:37:01 pm
Título: Re: A China Como Futura Ameaça?
Enviado por: zocuni em Fevereiro 08, 2019, 08:50:00 am
A China não é uma fitura amaeaça ja é bem presente pelo menos no contexto regional asiatico e oceania.Mas nessa região existem grandes forças militares como a India,Coreias e sobretudo o gigante nipónico acordou que andam comprando tudo de certa forma equilibra a situação pena a Alemanha em nosso Continente não querer nada com nada.