ForumDefesa.com

Forças Armadas e Sistemas de Armas => Exército Português => Tópico iniciado por: TaGOs em Dezembro 18, 2005, 11:18:03 pm

Título: Pandur II
Enviado por: TaGOs em Dezembro 18, 2005, 11:18:03 pm
Boas. Fica aqui uma noticia do site da STEYR:

The Portuguese Ministry of Defense has signed a contract with Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeug GmbH (SSF) of Austria for 260 PANDUR armored wheeled vehicles. 20 of these will be amphibian. All vehicles have 8x8 configuration and will provide a family of 15 different variants to equip the Portuguese Army and Navy. The armament includes variants with Steyr SP 30 turrets and ranges from cal. 12.7 mm machine gun to cal. 120 mm mortar.

The decision in favor of the PANDUR from Steyr is based on the best commercial offer, overall persuasive technical performance during extensive vehicle tests as well as Steyr's guarantee to compensate 150% of the contract value within nine years. Production will run from the year 2006 to 2009 at facilities in Portugal and at plants of General Dynamics European Land Combat Systems. The Portuguese corporation GOM - Gestão de Operações Metalomecânicas - is SSF's local industrial partner and will be responsible for the manufacturing such as welding of the hull, the coordination of the supply of all sub components manufactured in Portugal - for example intercom equipment- and the final assembly, testing and product validation of the PANDUR.
Evaluation of the contenders - Finland's PATRIA AMV, Swiss MOWAG PIRANHA and Austria's STEYR PANDUR - for this procurement program started in autumn 2003.

After Austria, Belgium, Gabon, Kuwait, Slovenia and the United States of America, Portugal is the next country which placed its full confidence in the PANDUR armored wheeled vehicle.


Aqui fica um pdf com as especificações: http://www.steyr-ssf.com/pdfs/_1_Specif ... Pandur.pdf (http://www.steyr-ssf.com/pdfs/_1_Specifications_Pandur.pdf)


E aqui algumas fotos do bicho:

(http://img413.imageshack.us/img413/195/pandur8x8red8zx.th.jpg) (http://http)

(http://img522.imageshack.us/img522/6733/pan8x801red1lc.th.jpg) (http://http)

(http://img392.imageshack.us/img392/4808/pan8x802red7ue.th.jpg) (http://http)

(http://img392.imageshack.us/img392/1921/pan8x803red3vg.th.jpg) (http://http)

(http://img287.imageshack.us/img287/3476/pan8x804red1yd.th.jpg) (http://http)

(http://img287.imageshack.us/img287/6964/pan8x805red3hx.th.jpg) (http://http)

(http://img287.imageshack.us/img287/9486/pan8x806red9dy.th.jpg) (http://http)

(http://img502.imageshack.us/img502/1618/pan8x807red8is.th.jpg) (http://http)

(http://img502.imageshack.us/img502/5055/pan8x808red2ex.th.jpg) (http://http)

(http://img502.imageshack.us/img502/7672/pan8x809red8ny.th.jpg) (http://http)

(http://img383.imageshack.us/img383/8021/pan8x810red6yx.th.jpg) (http://http)

(http://img383.imageshack.us/img383/8997/pan8x811red0ql.th.jpg) (http://http)

(http://img383.imageshack.us/img383/1703/pan8x812red1ir.th.jpg) (http://http)

(http://img383.imageshack.us/img383/7819/pan8x813red0vm.th.jpg) (http://http)


Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Dezembro 21, 2005, 09:38:06 pm
Já que Portugal vai ter agora uma fabrica para produzir blindados "os pandur" no territorio nacional poderia começar a pensar em comprar num futuro proximo o ULAN da steyr ou um equivalente para substituir os velhos M113. Já que iriam ser construidos em portugal e em grande quantidade o preço por unidade deveria ficar baixo. Tenho razão?

Esta futura fabrica tera condições fabricar carros de combate tipo o leo II A6?


Aqui as especificações em pdf: http://www.steyr-ssf.com/pdfs/_2_Specif ... s_Ulan.pdf (http://www.steyr-ssf.com/pdfs/_2_Specifications_Ulan.pdf)

Aqui umas fotos do ULAN:

(http://www.steyr-ssf.com/img/6_armvehicles/_2_Ulan/_0_gallery/_2_medium/ulan_02med.jpg)

(http://www.steyr-ssf.com/img/6_armvehicles/_2_Ulan/_0_gallery/_2_medium/ulan_07med.jpg)

(http://www.steyr-ssf.com/img/6_armvehicles/_2_Ulan/_0_gallery/_2_medium/ulan_03med.jpg)

(http://www.steyr-ssf.com/img/6_armvehicles/_2_Ulan/_0_gallery/_2_medium/ulan_12med.jpg)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Miguel em Dezembro 21, 2005, 10:11:20 pm
Tagos

O Ulan,Bradleys etc... foram desenvolvidos durante a guerra fria, hoje em dia as guerras sao de tipo asimetrico, portanto devemos ter forças com o maximo de mobilidade.

Um Pandur e facilmente transportável por C130,tem alta mobilidade, menos manutenção etc...

No fundo o Pandur vai substituir os M113.

Um Pandur pode facilmente ir de Norte para Sul de Portugal, e com uma rapidez muito superior a qualquer blindado sobre largatas.

Penso que ainda vamos manter durante uns 10 anos M113 no activo, e depois vao ceder definitivamente a praça aos Pandur.

Se olharmos para o Exército Frances, os seus Regimentos Infantaria/Paraquedistas/Mecanizados estão exclusivamente equipados com blindados sobre rodas.
Ao exemplo do Canada,Nova Zelandia,Belgica etc...

Devemos é manter sempre um nucleo de escalao Batalhão com Carros Combate Largatas, se possível o LeopardII.
Título:
Enviado por: Johnnie em Dezembro 22, 2005, 12:11:23 am
Citação de: "Jorge Sottomayor"
O ULAN é de facto um bom veículo para substituir a nossa frota de M-113 A1 e A2, que já devem ter barbas!


Ou em estou equivocado ou este ULAN é um similar ao tanque ligeiro Bradley, não se destina a substituir os M-113´s

 :shock:
Título:
Enviado por: TaGOs em Dezembro 22, 2005, 12:21:28 am
Quais são os carros modernos que podem substituir o M113?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 22, 2005, 12:22:36 am
E qual é o problema?, o Bradley também não veio substituir o M-113 no USArmy?

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: TaGOs em Dezembro 22, 2005, 12:34:12 am
Uma foto do interior do ULAN:

(http://www.steyr-ssf.com/img/6_armvehicles/_2_Ulan/_0_gallery/_2_medium/ulan_01med.jpg)
Título: Patria Alleges Misconduct in Portuguese Pandur II Deal
Enviado por: Get_It em Dezembro 26, 2005, 08:59:11 pm
A PATRIA pediu uma investigação ao negócio entre a FAP e a Steyr Daimler Puch GmbH há já algum tempo.
Notícias:
Patria Alleges Misconduct in Portuguese Pandur II Deal (http://http)
PATRIA REQUESTS AN INVESTIGATION ON PORTUGUESE VEHICLE DEAL (http://http)

Alguém sabe mais alguma coisa sobre a investigação?

Citar
Back in February 2005, DID covered a EUR 280 million ($482 million) Portuguese contract for 260 Pandur II 8×8 wheeled Armored Personnel Carriers. Now one of the finalists in that competition is crying foul - and stating that they have proof.

Finalnd's Patria Oyj, who produces the popular Armoured Modular Vehicle APC, has submitted a formal request for investigation to the Public Attorney's Office of the Administrative Court in Lisbon, based on what it believes to be "firm evidence on misconducts during the tender and contract formation procedures..." See its full release for more details.

As fate would have it, Steyr's Pandur II and Patria's AMV are currently the final two contenders for the Czech Republic's $1 billion wheeled APC contract.

Fonte: Patria Alleges Misconduct in Portuguese Pandur II Deal (http://http)


Pelos vistos o negócio entre a FAP e a Steyr Daimler Puch GmbH poderá também ter algum impacto no concurso da República Checa [1] (http://http) [2] (http://http).

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: sierra002 em Dezembro 26, 2005, 10:50:49 pm
El Ulam-Pizarro  o llamemosle por su nombre de exportación ASCOD.

No es un carro ligero, sino un vehiculo de combate de infante VCI, como lo es el 113. Tengamos en cuenta que los M113 ya no pueden seguir en combate a tanques como los Leopardos II A5E
Pero podría ser un tanque ligero.
(http://www.army-technology.com/projects/ascod/images/ascod2.jpg)
LT 105
Esta versión se le ha vendido a la infanteria de marina tailandesa. También se está experimentado con un cañon de 120 mm y bajo retroceso.
Y de hecho, se le puede usar para lo que se quiera
(http://www.army-technology.com/projects/ascod/images/ascod7.jpg)
No obstante, si Portugal no va cambiar los M60 de momento, los Pizarro creo que se les van de presupuesto.
Título:
Enviado por: garrulo em Dezembro 27, 2005, 05:20:56 pm
La primera foto en que estanunos cuantos juntos ,no son Ulan ,son Pizarro de la dmz 1 ,seguramente de la base de Botoa Badajoz.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 27, 2005, 06:26:51 pm
Suponho que sejam as várias versões do Pandur II que vamos adquirir? São as versões definitivas? Ou são apenas uns desenhos esquemáticos, indicativos da possível configuração das várias versões?

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 27, 2005, 06:38:24 pm
São esquemas, claro.
Só para referir que parte dos equipamentos do ASCOD, são (ou podem ser) os mesmos do PANDUR, dado o projecto ser feito pela mesma empresa austriaca.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: sierra002 em Dezembro 27, 2005, 06:54:58 pm
Por cierto, no faltando a la verdad. El ASCOD es un proyecto español, de Santa Barbara Blindados, al que se le sumó como socio la industria austriaca.

Por otra parte, yo creo que Portugal con el Pandur II tiene bastante.
De hecho, España, sin renunciar al Pizarro (nombre español y original del ASCOD-Ulano) ha adquirido los Centauro

(http://www.armyrecognition.com/europe/Italie/vehicules_a_roues/Centauro/Centauro_105mm_Decoupe_Italie_01.jpg)
(http://www.armyrecognition.com/europe/Espagne/National_Day/National_day_2004/pictures/Centauro_105_Spain_01.jpg)
También se está pensando en dotarse de un blindado 4X4 multiproposito como el Pandur II pero aun no hay decisión adoptada. De hecho, se rumorea que incluso puede ser de diseño español.
En esta página hay muy buenas fotos de los blindados españoles, incluidos los Pizarros.
http://www.armyrecognition.com/europe/E ... allery.htm (http://www.armyrecognition.com/europe/Espagne/National_Day/National_day_2004/Spain_National_Day_2004_Pictures_Gallery.htm)
Título:
Enviado por: Rui Elias em Dezembro 28, 2005, 01:48:08 pm
Eu julgo que os Ulan/Pizaro não servem nem têm a mesma doutrina de uso que os M-113.

Assim como não substituem os PandurII, já que este vêm apenas e só para substituir os carros Chaimite , quer para as necessidades de defesa territorial, quer para equipar as forças expedicionárias em misões internacionais

E tendo em conta a sua idade, julgo que a primeira coisa que deveria ser feita sem demora era modernizar e tornar a sua taxa de operacionalidade próxima dos 100%.

Nos dias de hoje, e dada a pequenez do teritório nacional, julgo que a mobilidade das forças militares terrestres é fundamental.

Colocando de parte a questão do GALE e do apoio que a FAP poderá dar neste campo, a mobilidade através de viaturas de tranporte é essencial.

Julgo que os Ulan/Pizarro num nº a rondar as 50 unidades poderiam constituir um corpo de assalto muito interessante, mas complementados pelos Pandur e pelos M-60, de acordo com o terreno e com o tipo de ameaças.

Seriam uma nova classe de viaturas para o Exército.

Mas ainda assim acho que poderiamos contar com os M-113 por mais uns anos, até que outra viatura surgisse no mercado.

Par mim, a prioridade seria aumentar substancialmente o nº de viaturas tácticas e de assalto, bem com o nº de camiões para permitir a manutenção de cadeias logísticas, aumentar o nº de unidades de artilharia auto-propulsionada,, aumentar os sistemas de defesa anti-aérea com outro sitema amis moderno e em maior nº que o velho Chaparral , e só depois pensar na substitição dos M-60, e dos M-113.
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 06, 2006, 10:17:06 pm
O Independente  de 6 de Janeiro de 2006 apresenta artigos sobre defesa que considero interessantes, um dos quais se prende com a queixa da Patria Oy e que julgo merecedora da nossa atenção.
Um dos argumentos curiosos prende-se com a questão das torres para canhões de 30mm. Alegadamente, as dos Fuzileiros (2 exemplares) serão diferentes das do Exército.
Fiquei com a ideia que a decisão foi meramente política, no sentido de minorar a crise da ex Sorefame/Bombardier.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 06, 2006, 10:44:32 pm
Citação de: "Luso"
O Independente  de 6 de Janeiro de 2006 apresenta artigos sobre defesa que considero interessantes, um dos quais se prende com a queixa da Patria Oy e que julgo merecedora da nossa atenção.
Um dos argumentos curiosos prende-se com a questão das torres para canhões de 30mm. Alegadamente, as dos Fuzileiros (2 exemplares) serão diferentes das do Exército.
Fiquei com a ideia que a decisão foi meramente política, no sentido de minorar a crise da ex Sorefame/Bombardier.


Uma notícia mal construída, infelizmente. O Exército vai operar a torre SP-30. Ora, esta torre não é viável num blindado anfíbio. E os fuzileiros ainda exigiam capacidade anti-carro. A solução foi adoptar a estação de armamento RCWS-30 (Remote Controlled Weapon System – 30mm), desenvolvida e produzida em Israel pela RAFAEL, com mísseis Spike. A opção é correctíssima por vários motivos. E a questão de serem duas viaturas tem lógica - de facto, não é vantajoso em termos logísticos -, porém, o factor operacional deve sobrepôr-se sempre ao logístico, na minha opinião. Até porque para os fuzileiros as condições financeiras são muito diferentes.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 06, 2006, 10:48:06 pm
Não leio o independente, portanto não posso opinar sobre a metéria.

Mas é um facto que, os carros dos fuzileiros, pelas suas características, não devem ter a mesma torre.

Trata-se de um veículo já de si complicado de mover dentro de água. A sua operação em água do mar, é extremamente complicada. Uma torre muito pesada e alta, altera de tal forma o centro de gravidade, que o veículo pode pura e simplesmente virar e afundar.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 06, 2006, 10:50:04 pm
Para mim o problema maior é de serem apenas duas viaturas.
Duas.   I   I    ...

Vou digitalizar o artigo e coloco-o aqui, para ser adequadamente dissecado.
Depois há aquela falha dos milhões de euros que o Tribunal de Contas detectou nas "contas do Exército". Mas isso fica para o próximo programa.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 06, 2006, 11:39:36 pm
Citação de: "Luso"
Para mim o problema maior é de serem apenas duas viaturas.
Duas.   I   I    ...

Vou digitalizar o artigo e coloco-o aqui, para ser adequadamente dissecado.
Depois há aquela falha dos milhões de euros que o Tribunal de Contas detectou nas "contas do Exército". Mas isso fica para o próximo programa.


Duas viaturas em vinte é bastante. E, sobretudo, são as necessárias para as missões dos fuzileiros. Afinal, estamos a falar de uma força anfíbia, não mecenizada.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Spectral em Janeiro 06, 2006, 11:39:38 pm
Citar
Uma notícia mal construída, infelizmente. O Exército vai operar a torre SP-30. Ora, esta torre não é viável num blindado anfíbio. E os fuzileiros ainda exigiam capacidade anti-carro. A solução foi adoptar a estação de armamento RCWS-30 (Remote Controlled Weapon System – 30mm), desenvolvida e produzida em Israel pela RAFAEL, com mísseis Spike. A opção é correctíssima por vários motivos. E a questão de serem duas viaturas tem lógica - de facto, não é vantajoso em termos logísticos -, porém, o factor operacional deve sobrepôr-se sempre ao logístico, na minha opinião. Até porque para os fuzileiros as condições financeiras são muito diferentes.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro



Pedro, e quanto às viaturas com a função de APC para o exército sempre vão receber alguma RCWS/OWS com metrelhadora como foi sugerido há uns tempos atrás ? Além disso, os veículos da versão AT do exército também será equipado com Spike ?

Também me parece a mim ser uma boa solução para uma situação algo bicuda ( e que faz mais sentido que a outra indicada, de os fuzos receberem uma versão com torre de 25mm).
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 06, 2006, 11:43:21 pm
Citação de: "Spectral"
Pedro, e quanto às viaturas com a função de APC para o exército sempre vão receber alguma RCWS/OWS com metrelhadora como foi sugerido há uns tempos atrás ? Além disso, os veículos da versão AT do exército também será equipado com Spike ?

Também me parece a mim ser uma boa solução para uma situação algo bicuda ( e que faz mais sentido que a outra indicada, de os fuzos receberem uma versão com torre de 25mm).


O Exército operará uma dezena de viaturas nessa configuração. Já a versão anti-carro não operará o Spike.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 06, 2006, 11:46:16 pm
Uma imagem de perfil da VBR Pandur II.

(http://img252.imageshack.us/img252/6326/f1e1871sh.jpg) (http://http)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Janeiro 07, 2006, 12:58:56 am
Lamento contradizer, mas as duas PANDUR 2 dos fuzileiros nao serao equipadas com uma torre RCWS da Rafael mas sim com uma torre ORCWS da Elbit, com misseis SPIKE LR da Rafael. Ate podem duvidar das minhas palavras mas foi me transmitido pelo responsavel da Rafael na Europa e pela press manager da Elbit. Alias eu ja tinha comentado isso anteriormente.
Título: Armamento
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 07, 2006, 10:08:06 am
Sacanas dos Fuzos agora só querem o que é bom!  :twisted:
Vá-la, pelos vistos alguém usa o cérbro neste país. O CTP tb estava decadas à frente de qq unidade em Portugal porque pertencia à FAP e por isso comprava em pequena quantidade mas com qualidade. Eu acho que como a Armada neste momento percebeu (finalmente) que há uma coisa chamada de Corpo de Fuzileiros e Mergulhadores Sapadores. Agora está a investir nestas duas unidades como não investia...desde sempre. Bom para eles e bom para Portugal.
Título: Re: PANDUR 2.
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 07, 2006, 01:46:56 pm
Citação de: "tsahal"
Lamento contradizer, mas as duas PANDUR 2 dos fuzileiros nao serao equipadas com uma torre RCWS da Rafael mas sim com uma torre ORCWS da Elbit, com misseis SPIKE LR da Rafael. Ate podem duvidar das minhas palavras mas foi me transmitido pelo responsavel da Rafael na Europa e pela press manager da Elbit. Alias eu ja tinha comentado isso anteriormente.


Obrigado pela correcção, Victor!  :wink: No essencial, este sistema apresenta a mesma vantagem face à torre SP-30 da Steyr.
Uma nota: não se equacionou, de facto, usar o sistema RCWS-30?
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: sturzas em Janeiro 08, 2006, 02:37:44 am
Não Jorge:

Os fuzileiros irão receber:

3 viaturas Posto de Comando
8 viaturas de transporte de pessoal com metralhadora de 12.7mm (0.50)
5 viaturas de transporte de pessoal com lança-granadas de 40 mm
2 viaturas porta-morteiro e 120mm de longo alcance (SOLTAM-CORDOM Israelita - penso que serão equipados com tal)
2 viaturas canhão tiro rápido 30mm e Míssil anticarro de longo alcance (torre ORCWS da Elbit, com mísseis SPIKE LR da Rafael.

Aliás o contrato das viaturas Pandur, prevê 240 exército + 20 fuzileiros, com 33 de opção com canhão de 105mm. O problema é que o canhão de 105mm utilizado pela Steyr, não satisfaz um comportamento a 100% da Viatura, pelos ensaios que já foram efectuados. O exército ressalvou-se na opção de optar ou não, perante a aquisição, mediante os resultados dos testes que ainda estão a ser feitos.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2006, 10:44:53 am
Citação de: "Jorge Sottomayor"
E como esta a questão dos 33 PANDUR II, com canhão de 105mm :?:  

(http://img271.imageshack.us/img271/6631/pandur36le.th.jpg) (http://http)


AS 33 VBR ficaram como opção. Naturalmente pelo factor económico, mas também pela questão operacional: é um modelo ainda não certificado e cuja utilização operacional ainda levanta dúvidas a nível do Exército. Não acreidto que venham a ser encomendadas.
Os fuzileiros não irão operar esta versão. A aposta em termos de apoio de fogo são as VBR porta-canhão e porta-morteiro.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2006, 10:49:10 am
Na altura, foi-me referido pelas própria RP da Armada que haveria duas VBR destinadas a luta anti-aérea, porém, sem armamento. Se bem me lembro, em contacto posterior foi-me dito que as mesmas poderiam estar contabilizadas nessa lista como sendo de transporte.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro

Citação de: "sturzas"
Não Jorge:

Os fuzileiros irão receber:

3 viaturas Posto de Comando
8 viaturas de transporte de pessoal com metralhadora de 12.7mm (0.50)
5 viaturas de transporte de pessoal com lança-granadas de 40 mm
2 viaturas porta-morteiro e 120mm de longo alcance (SOLTAM-CORDOM Israelita - penso que serão equipados com tal)
2 viaturas canhão tiro rápido 30mm e Míssil anticarro de longo alcance (torre ORCWS da Elbit, com mísseis SPIKE LR da Rafael.
Título:
Enviado por: sierra002 em Janeiro 08, 2006, 10:54:42 am
Ese Pandur II con cañon de 105 hay que afinarlo. Parece más bien un ATP. Ya os pusé una foto de un Pizarro-ASCOD-Ulano con torre sudafricana de 105. Supongo que se podría poner al Pandur II.

A Portugal (creo yo) le interesaría un Vehiculo de Exploración de Caballería con cañon de 105 mm.

Os pongo otra foto del Centauro para que os hagais una idea de la potencia. Con un vehiculo así se podría sustituir a parte de los M60 portugueses, conservando potencia y ganando en mantenimiento y velocidad. En España sustituyen a los AMX 30.

(http://www.boinasverdes.org/actividades/2003/desfile/fotos01/17A_1574.JPG)
Sus ocho ruedas, de suspensión independiente, son todas motrices, con el 1º y 2º ejes direccionales en todo momento y el 4º sólo a velocidades inferiores a 20 Km/h. Está provisto con neumáticos sin cámara, de tipo Run-flat que permiten continuar la marcha incluso si han sido dañados. Montan un dispositivo de inflado/desinflado automático (CTIS), controlado por el conductor.

Su arma principal es el cañón OTO Melara rayado de 105/52 mm, de baja fuerza de retroceso, estabilizado, autozunchado, de cierre de cuña vertical y provisto con freno de boca de seis salidas, colimador, cilindro evacuador de gases y camisa térmica. Emplea proyectiles perforantes de energía cinética (APFSDS) perforantes subcalibrados, de carga hueca, rompedores y de instrucción.

Completan el armamento dos ametralladoras de 7’62 mm, una coaxial y otra sobre el techo de la torre, y dos baterías de cuatro tubos lanza fumígenos Wegmann de 76 mm.

La dirección de tiro, automática y estabilizada, comprende un calculador balístico digital, un periscopio panorámico binocular giroestabilizado en dos ejes, con canal IL para visión nocturna, OG P-101 para el jefe de vehículo. El tirador dispone de un visor de puntería monocular con línea de mira estabilizada, telémetro láser y módulo IR para puntería nocturna.

El VRC-105 Centauro está dotado con instalación contraincendios/antiexplosión, protección NBQ y climatización.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2006, 10:55:30 am
Abaixo segue a lista completa das 260 VBR encomendadas por versões de acordo com informações recolhidas em Dezembro de 2004 e Janeiro seguinte junto de fontes oficiais. A lista foi publicada na revista Fuerzas Militares del Mundo nº30 num artigo sobre as VBR Pandur II e o seu processo de aquisição.

(http://img230.imageshack.us/img230/6282/lista4xe.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Janeiro 08, 2006, 04:01:34 pm
Pedro, respondendo a tua pergunta, penso que teria sido melhor o MDN ter optado pela RCWS/SPIKE, visto que a empresa RAFAEL vai apenas fornecer os mísseis a ELBIT, sem os integrar na torre, testes e outros pormenores fundamentais para validar com sucesso o sistema/binómio ORCWS/SPIKE. Trata-se de duas empresas Israelitas altamente concorrentes e com politicas empresariais muito diferentes. Ou seja, a ELBIT compra os mísseis e procede a sua integração na torre sem colaboração e assistência do fabricante original dos mísseis e de seguida envia o package completo a STEYR/GOM para ser montado nas VBRs. A partida esse facto pode criar alguns problemas solucionáveis a longo prazo ou não, se é que me faço entender. A PANDUR 2 e uma óptima escolha, no entanto temos que ter em atenção que aquilo que fará com que seja plenamente satisfatória serão os sistemas e equipamentos usados na mesma. Segundo sei, a primeira vista, isso foi conseguido. Se o MDN/DGAED mantiver o plano original, as FAP vão estar altamente bem equipadas. Acho que ao invés de criticar devemos analisar bem os factos e não nos regermos por determinadas declarações de concorrentes e meios de comunicação que fazem mais lobby do que prestação de informação.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2006, 08:35:44 pm
Citação de: "Jorge Sottomayor"
As duas VBR destinadas a luta anti-aérea, seriam equipados com uma torre com canhões AA, mísseis ou com ambos :?:


Jorge,
Como referi, as RP da Armada disseram-me de um modo claro que não estariam armadas (lapso da revista que não transcreveu isso do texto original). Suponho que também se prende com a opção pelo míssil anti-aéreo não ter sido tomada. Em todo o caso nem estou seguro que essa opção se mantenha.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: Re: PANDUR 2.
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2006, 08:41:47 pm
Perfeitamente de acordo, Victor. Obrigado pelo esclarecimento.  :wink:
Cumprimentos,
Pedro Monteiro

Citação de: "tsahal"
Pedro, respondendo a tua pergunta, penso que teria sido melhor o MDN ter optado pela RCWS/SPIKE, visto que a empresa RAFAEL vai apenas fornecer os mísseis a ELBIT, sem os integrar na torre, testes e outros pormenores fundamentais para validar com sucesso o sistema/binómio ORCWS/SPIKE. Trata-se de duas empresas Israelitas altamente concorrentes e com politicas empresariais muito diferentes. Ou seja, a ELBIT compra os mísseis e procede a sua integração na torre sem colaboração e assistência do fabricante original dos mísseis e de seguida envia o package completo a STEYR/GOM para ser montado nas VBRs. A partida esse facto pode criar alguns problemas solucionáveis a longo prazo ou não, se é que me faço entender. A PANDUR 2 e uma óptima escolha, no entanto temos que ter em atenção que aquilo que fará com que seja plenamente satisfatória serão os sistemas e equipamentos usados na mesma. Segundo sei, a primeira vista, isso foi conseguido. Se o MDN/DGAED mantiver o plano original, as FAP vão estar altamente bem equipadas. Acho que ao invés de criticar devemos analisar bem os factos e não nos regermos por determinadas declarações de concorrentes e meios de comunicação que fazem mais lobby do que prestação de informação.
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 08, 2006, 09:10:55 pm
Citar
Acho que ao invés de criticar devemos analisar bem os factos e não nos regermos por determinadas declarações de concorrentes e meios de comunicação que fazem mais lobby do que prestação de informação.


Bem, vou ter que enfiar a carapuça.
Todavia apenas em minha defesa vou dizer que nada critiquei. Seria interessante que oficialmente se divulgassem o andamento do programa para não dar origem a mal entendidos.

E eu que julguei que "O Independente" patrocinava este fórum para obter/divulgar conhecimentos. :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 08, 2006, 10:36:15 pm
Só umas considerações:

As Forças Armadas, têm alguma dificuldade em responder a perguntas um pouco mais complicadas.

O numero de PANDUR para a marinha, não é assim tão pequeno, se considerármos a eventual futura capacidade de projecção de forças.

As coisas parecem ter sido pensadas de forma a dotar os fuzileiros com alguma capacidade de desembarque, de forma a permitir no futuro utilizar um Navio de APoio Logístico para desembarcar uma pequena força numa praia e mante-la durante um periodo de tempo que permita por exemplo uma testa de ponte para evacuar pessoas.

Temos o exemplo da operação na Guiné-Bissau em 1998.

Este tipo de dispositivo, permitiría à marinha, tomar uma praia, onde concentrar refugiados, e os veículos PANDUR, serviriam em primeiro lugar, para estabelecer o comando, efectuar patrulhas com os PANDUR standard (equipados com a 12.7mm) e eventualmente com uma presença mais musculada que seria dada pelos carros com a torre de 30mm, a qual sería a única com capacidade anti-tanque (se necessário). As viaturas com o morteiro de 120mm ficam na retaguarda, e garantem superioridade de fogo na "zona de interesse" num raio de 5 a 10Km a partir da testa de ponte, onde ele for (e se for) necessário.

Parece um numero de viaturas minimamente equilibrado, tendo em consideração a nossa capacidade de projecção de forças, a qual depende em absoluto da existência do NavPol.

Para operações conjuntas, com outros países, também não precisamos de muito mais, e tanto podemos "participar" com PANDUR standard, como com os Pandur anti-aéreos, porta-morteiro ou "anti-tanque".

===

Cumprimentos

 poderiam ser utilizados para: apoio de fogo com os morteiros de 120mm, estabelecimento do comando em terra, e ainda defesa de área, onde se podem utilizar os veículos
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 18, 2006, 10:57:27 pm
Esta noticia esta relacionada com alguma versão dos nossos pandur II?

Fonte: http://www.steyr-ssf.com/ (http://www.steyr-ssf.com/)    



News - 18.01.2006


PANDUR II 8x8 WITH RAFAEL RCWS 30
A special version equipped with a remote controlled weapon station (RCWS) cal. 30mm of Rafael.

The RCWS-30 is the most modern 30 mm turret increasing the capability and survivability of a modern high-mobility fighting vehicle. The armament of the RCWA-30 includes a 30mm ATK Mk44 automatic cannon, a launcher pod for two RAFAEL SPIKE-LR anti-tank/ multipurpose guided missiles, and a coaxial 7,62mm general-purpose machine gun. The system provides observation capablilities during day and night and accurate firing capabilities, aided by a stabilization system and an automatic tracker for fire-on-the-move capability.
Título:
Enviado por: Artífice em Janeiro 19, 2006, 12:29:31 am
- Hummm, estou a achar muita fruta... ... ... :jaja2:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 20, 2006, 09:55:23 pm
Uma foto do PANDUR II com a peça  RAFAEL RCWS 30


(http://www.steyr-ssf.com/steyr/admin/upload/foto1_5b46cca0.jpg)
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 26, 2006, 08:35:09 pm
Uma notícia do site da steyr

Citar
   
News - 26.01.2006


Czech Republic chooses Steyr PANDUR
Contract expected to be signed by April

Steyr learned with great proud that the Czech government approved Steyr PANDUR as the winner of a tender to supply the Czech army with new armored personnel carriers.

The Czech Defense Minister Karel Kühnl said that the 199 vehicles (plus 35 optional) would come in various variants and Steyr would supply them between 2007 and 2012 to replace the army’s aging OT-64 fleet.

Steyr offered to Czech army the PANDUR II 8x8, the most modern armored wheeled carrier in the world. In addition to a technologically advanced solution, the bid included a wide range of opportunities for industrial co-operation with Czech businesses. The Steyr-Consortium will produce and maintain the PANDUR II 8x8 in the Czech Republic, with the goal of creating the highest possible local industrial participation in the value chain.

The PANDUR II 8x8 proved its qualities during recent tests carried out by the Czech army. The testing program included crossing open water area, test drives on paved and off-road surfaces, boarding of soldiers, and loading on to and unloading from a C-130 Hercules cargo aircraft.

After Austria, Belgium, Gabon, Kuwait, Slovenia, the United States of America and Portugal the Czech Republic will be the next country which placed its full confidence in the PANDUR armored wheeled vehicle.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: Alfa em Fevereiro 01, 2006, 08:00:25 pm
A aplicaçao ao Striker da peça de 105 mm estara a causar problemas: a viatura absorbe mal o recuo da peça e pode mesmo perder a "estabilidade". Um freio usado para amortecer a recuo estara demasiado proximo do, e prejudica o,  posto de pilotagem e a viatura nao podera disparar em movimento. A Striker MGS 105 deveria aparecer no Outono deste ano. Apesar destes possiveis problemas, as ambiçoes parecem ser grandes relativamente ao MGS - as companhias Sitrker estao previstas para serem inter-armas: com 2 morteiros de 120mm e 3 MGS.(':?:') Existem resultados do teste da aplicaçao do 105 MM no Pandur II ?
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 02, 2006, 09:51:12 pm
Mais uma achega...

(http://www.defenseindustrydaily.com/images/LAND_Stryker_MGS_Firing_Side_lg.jpg)

Stryker MGS has had a rocky development history, with widespread reports of problems with the recoil of its gun and center of gravity. DID's photo up top would even appear to indicate a support bracket for firing tests, though a specific inquiry to General Dynamics Land Systems, we received this response:

As you can see from the photo (acima) the recoil is not a problem firing the gun for the vehicle.... in the past critics have made the claim that you could not fire over the side but the photo proves you can. What you identified in the red box is the instrumentation cables used to manual fire the gun and collect data. Other photos show the same cables as well.

Recoil was not an issue it was the pepper-pot muzzle break on the earlier vehicles that was used to let gas escape and lesson the recoil. When we lowered the gun turret to allow loading in C-130 Hercules the gas from firing was too close to the vehicles front end. We returned to a standard 105mm cannon without the pepper pot muzzle break and adjusted for the recoil in the mechanism.
Título:
Enviado por: TaGOs em Fevereiro 14, 2006, 10:16:21 pm
ELBIT SYSTEMS Vence Contrato de US$32 Milhões para Fornecer UNMANNED TURRET SYSTEMS, Sistema de Controle de Tiro e Equipamentos Adicionais para o Exército Português

Contrato é visto como importante nesse mercado
que crece rapidamente

Haifa, Israel,14 Fevereiro 2006 - Elbit Systems Ltd. assinou ontem um contrato, no valor de aproximadamente de US$ 32 Milhões, para fornecer "Unmanned Turret Systems", Sistemas de Controle de Tiro e equipamentos adicionais para o Exército Português.

O contrato para o fornecimento de vários sistemas foi assinado com a STEYR, Áustria, empresa membro da General Dynamics European Land Combat Systems Group, contratista principal do programa. Os sistemas "Unmanned Turret" , e outros itens, serão fornecidos pela Elbit Systems e serão integrados ao PANDUR II 8X8, veículo blindado de rodas, produzidos pela STEYR, e permitirão o rápido deslocamento e mobilidade do Exército Português.

Elbit Systems oferece uma solução única na área de "Unmanned Turrets", que é reconhecida como um elemento decisivo no campo de batalha moderno. Novas ameaças e desafios não-convencionais têm preocupado as forças militares de todo o mundo, para equipar-se para "guerra urbana"(urban warfare) e conflitos de baixa intensidade. Atualmente as forças terrestres modernas estão adotando veículos blindados de rodas, caracterizados por: velocidade, mobildade e baixo peso, assegurando rápido deslocamento e mobilidade.

A vitória nesse contrato é significativa pois demonstra a capacidade da Elbit Systems de prover uma configuração completa e integrada para: veículos de combate/ patrulha/observação, incluindo "Unmanned Turrets" equipadas com mísseis, morteiros automáticos de 120 mm,controle de tiro e detecção de ameaças.

Joseph Ackerman, Presidente e CEO da Elbit Systems, afirmou: "As "Unmanned Turrets" da Elbit Systems são baseadas em extensa experiência no campo de batalha em vários tipos de conflitos. A seleção de nosssos produtos para esse projeto atesta a liderança da Elbit Systems nos conceitos de Torreta e Sistemas de Controle de Tiro. O sistema foi desenvolvido para ser totalmente compatível com os requisitos da OTAN e americanos, e é uma resposta aos desafios da Guerra Assimétrica."

Ackerman concluiu que o contrato segue ao recente anúncio da Elbit Systems referente a escolha, junto com a companhia suíça Mowag, para fornecer "Unmanned Turrets" , 30 mm, para serem montadas nos veículos Piranha III, para o exército belga. "Elbit Systems", concluiu, vê o contrato com o Exército Português como a consolidação nesse mercado, que cresce rapidamente".

A "Unmanned Turret" da Elbit Systems é um sistema estabilizado, em dois eixos para armas de 25 e 30mm. Entre as características relevantes do projeto, estão sua baixa silhueta, pouco peso, e uma posição desmontada, que permite a trasnportabilidade em aviões C-130. A instalação do sistema não requer espaço interno ou penetração, preservando assim o espaço interno e mantendo a capacidade de transpote de infantes. Todas as armas funcionam remotamente, e são operadas eletricamente, por membro da tripulação a partir do interior do veículo, não expondo-o assim a ameças externas.

Algumas fotos:

(http://www.defesanet.com.br/imagens/defesanet/elbit/orcws/orcws_m113_1.jpg)

(http://www.defesanet.com.br/imagens/defesanet/elbit/orcws/orcws_m113.jpg)
Título:
Enviado por: Marauder em Fevereiro 14, 2006, 10:46:55 pm
Excelente contratação!!!  :wink:
Título: ORCWS.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 14, 2006, 11:22:07 pm
Nao se trata de uma grande novidade, visto que eu ja tinha dado essa noticia ha ja bastante tempo, neste topico do forum. Sabem o link do outro forum? Obg pela ajuda.
Título: Re: ORCWS.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 15, 2006, 12:22:28 am
Citação de: "tsahal"
Nao se trata de uma grande novidade, visto que eu ja tinha dado essa noticia ha ja bastante tempo, neste topico do forum. Sabem o link do outro forum? Obg pela ajuda.


O site: http://www.defesanet.com.br
Contudo, há aqui um dado novo. O Corpo de Fuzileiros da Armada iria operar o ORCWS-30. Porém, creio que o Exército previa operar a SP-30 como torre para as suas VBR porta-canhão, correcto? Houve uma alteração da encomenda ou a informação da Elbit é errada? Isto é, houve uma encomenda pelo Exército que não estava prevista? Acredito que sim, até porque os valores do contrato ultrapassam o que seria previsto para o fornecimento de duas estações e material de apoio ao Corpo de Fuzileiros da Armada. Segundo o Comandante Gouveia e Melo, na altura RP da Armada, as verbas da Armada para a aquisição das VBR rondariam, salvo erro, os 50 milhões de euros. Ora, é pouco credível que só estes dois sistemas representem metade do valor das VBR...
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: ORCWS.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 15, 2006, 08:04:26 am
Por vezes a malta entende mal as coisas. A press release emitida pela ELBIT refere-se as estacoes para os fuzileiros e a diversos sistemas para outras viaturas como para a VBRs equipada com o sistema CARDOM 120 da Israelita SOLTAM. O Exercito mantem a SP30. Deviam ver a press release em Ingles. Hoje colocarei a PR original emitida em word. Como eu ja tinha dito ha bastante tempo, varios equipamentos ja tinham sido selecionados anteriormente, no entanto como ainda nao havia um contrato formal para a compra das VBRs, as empresas tinham receio em tornar isso oficial.
Título: Re: ORCWS.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 15, 2006, 10:11:50 am
Citação de: "tsahal"
Por vezes a malta entende mal as coisas. A press release emitida pela ELBIT refere-se as estacoes para os fuzileiros e a diversos sistemas para outras viaturas como para a VBRs equipada com o sistema CARDOM 120 da Israelita SOLTAM. O Exercito mantem a SP30. Deviam ver a press release em Ingles. Hoje colocarei a PR original emitida em word. Como eu ja tinha dito ha bastante tempo, varios equipamentos ja tinham sido selecionados anteriormente, no entanto como ainda nao havia um contrato formal para a compra das VBRs, as empresas tinham receio em tornar isso oficial.


Victor,
Eu li o press-release original. Por isso disse o que disse. Lá é referido: Portuguese Army. A press-release da própria Elbit a que tive acesso refere por várias vezes o Exército português. A minha dúvida quanto a ser mesmo prende-se com as verbas. A tua versão é que é derivado de outros contratos. Então, porquê uma referência tão clara apenas ao ORCWS e ao Exército? Mantenho a minha dúvida.
A Steyr confirmou há várias semanas ser esta torre a operar pelos fuzileiros (Marines) e nada adiantou sobre a sua possível utilização pelo Exército. Então, por que motivo se usa o termo "Army"?
Cumprimento,
Pedro Monteiro
Título: ORCWS.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 15, 2006, 11:46:43 am
O contrato entre a Elbit e a Steyr engloba varios equipamentos e nao apenas a ORCWS. Oficialmente é a primeira vez que é feito o anuncio. A maior parte das VBRs sao para o EP e se reparares eles nao dao pormenores sobre os equipamentos, limitam-se a generalizar o anuncio do contrato. Alguns equipamentos serão subcontratados e posteriormente integrado pelo main contractor como os misseis e outros como acontece em todo o lado. Vou dar um exemplo do que acontece muitas vezes, as redes de camuglagem escolhida sao da Sueca SAAB Barracuda, no entanto elas vao ser fabricadas por uma empresa Austriaca. O que sei é proveniente da propria pessoa que escreveu a press release e transmitido pessoalmente por isso sei o que se passa.
Título: Re: ORCWS.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 15, 2006, 03:30:36 pm
Citação de: "tsahal"
O contrato entre a Elbit e a Steyr engloba varios equipamentos e nao apenas a ORCWS. Oficialmente é a primeira vez que é feito o anuncio. A maior parte das VBRs sao para o EP e se reparares eles nao dao pormenores sobre os equipamentos, limitam-se a generalizar o anuncio do contrato. Alguns equipamentos serão subcontratados e posteriormente integrado pelo main contractor como os misseis e outros como acontece em todo o lado. Vou dar um exemplo do que acontece muitas vezes, as redes de camuglagem escolhida sao da Sueca SAAB Barracuda, no entanto elas vao ser fabricadas por uma empresa Austriaca. O que sei é proveniente da propria pessoa que escreveu a press release e transmitido pessoalmente por isso sei o que se passa.


Certíssimo. Portanto, clarificando, o contrato não envolve sistemas ORCWS-30 para o Exército? É isso que não fica claro. Ou ainda não pode ficar.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: pedro em Fevereiro 15, 2006, 04:37:33 pm
Finalmente uma boa noticia.
Cumprimentos
Título: ORCWS.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 15, 2006, 05:29:39 pm
Segundo sei não. As especificações e requisitos do EP eram diferentes das dos Fuzileiros. Algumas das VBRs do EP virao com misseis TOW 2 em suporte mas a versao recon nao engloba peça com misseis dai a torre SP30. Fica aqui uma curiosidade, segundo sei o caderno de encargos custava 10000 Euros,heheh, muita nota. Algumas pessoas comentaram o facto que o mesmo estava cheio de ambiguidades. Ó Pedro, qualquer dia temos que trocar umas ideias.
Título: Re: ORCWS.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 15, 2006, 05:39:00 pm
Citação de: "tsahal"
Segundo sei não. As especifições e requisitos do EP eram differentes das dos Fuzileiros. Algumas das VBRs do EP virao com misseis TOW 2 em suporte mas a versao recon nao engloba peça com misseis dai a torre SP30. Fica aqui uma curiosidade, segundo sei o caderno de encargos custava 10000 Euros,heheh, muita nota. Algumas pessoas comentaram o facto que o mesmo estava cheio de ambiguidades. Ó Pedro, qualquer dia temos que trocar umas ideias.


Creio que o do EH-101 atingia valores bem mais baixos (mas não menos impressionantes): 3.500 euros. De certo modo é incoerente: não selecciona concorrentes. Quando muito impede que algum orgão de comunicação social adquira o dito caderno para consulta (o que nem os impede de os saber!  :lol:)...
E naturalmente não me importo de trocar ideias.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: pedro em Fevereiro 15, 2006, 05:39:12 pm
Caro Tsahal desculpe la a pergunta mas qual Pedro eu o outro?
Cumprimentos :lol:
Título: ORCWS.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 15, 2006, 08:34:57 pm
Na minha opiniao Pedro, o MDN deveria subcontratar os cadernos de encargos e o desenrolar do processo de aquisicao a empresas de consultoria experientes na aerea da defesa, mantendo no entanto uma especie de comissao avaliadora que poderia acompanhar o desenrolar de todo o processo para nao acontecerem situacoes menos proprias derivadas do lobby e possibilidade de alguem querer enriquecer a custa dos contribuintes. Aconteceu por exemplo no caso das VBRs da Republica Checa, em que o processo foi seguido pela PWC ou KPMG, de momento nao me recordo ao certo qual a empresa e olha foi segundo sei tudo clean e rapido. Desconhecia o valor no processo dos EH101. No caso do armamento ligeiro e segundo fontes, o valor chegou aos 1000 Euros para um processo iniciado para um vencedor desde o inicio escolhido como foi amplamente noticiado.

Era para o Pedro Monteiro mas estou aberto a qualquer troca de informacoes e conhecimentos desde que sejam serios e nao especulativos e inventivos.

Comentando a tua afirmacao, normalmente o media ficam a saber tudo quando outro concorrente nao esta satisfeito e topa que vai perder o concurso, hehehe. Percebes-te a jogada?
Título:
Enviado por: pedro em Fevereiro 15, 2006, 09:06:33 pm
Ok e desculpe la por o ter incomodado.
Cumprimentos
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 16, 2006, 07:18:53 am
Nao me incomodou Pedro. Se quizer trocar ideias cmg, esta a vontade.
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 16, 2006, 07:24:47 am
Por acaso, sabem dizer o link do outro forum? Obg pela ajuda.
Título: Re: PANDUR 2.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 16, 2006, 11:17:32 am
Citação de: "tsahal"
Por acaso, sabem dizer o link do outro forum? Obg pela ajuda.


Qual fórum?
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 16, 2006, 11:30:23 am
O Forum Armada e o Forum Exercito

Thanks
Título: Re: ORCWS.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 16, 2006, 11:30:23 am
Citação de: "tsahal"
Na minha opiniao Pedro, o MDN deveria subcontratar os cadernos de encargos e o desenrolar do processo de aquisicao a empresas de consultoria experientes na aerea da defesa, mantendo no entanto uma especie de comissao avaliadora que poderia acompanhar o desenrolar de todo o processo para nao acontecerem situacoes menos proprias derivadas do lobby e possibilidade de alguem querer enriquecer a custa dos contribuintes. Aconteceu por exemplo no caso das VBRs da Republica Checa, em que o processo foi seguido pela PWC ou KPMG, de momento nao me recordo ao certo qual a empresa e olha foi segundo sei tudo clean e rapido. Desconhecia o valor no processo dos EH101. No caso do armamento ligeiro e segundo fontes, o valor chegou aos 1000 Euros para um processo iniciado para um vencedor desde o inicio escolhido como foi amplamente noticiado.

Era para o Pedro Monteiro mas estou aberto a qualquer troca de informacoes e conhecimentos desde que sejam serios e nao especulativos e inventivos.

Comentando a tua afirmacao, normalmente o media ficam a saber tudo quando outro concorrente nao esta satisfeito e topa que vai perder o concurso, hehehe. Percebes-te a jogada?


Claro. Até porque esses critérios são usados como contra-argumentos nos já habituais protestos legais (isto é, são públicos, como mandam o nosso "segredo de justiça"  :lol:) e, portanto, são logo aproveitados pela imprensa. É que honestamente se O Independente traz há mais de um ano notícias a apontar falhas (algumas graves, diga-se) ao negócio das Pandur II, continua sem referir as da Patria como, por exemplo, não ter feito nunca testes anfíbios quando isso era uma exigência expressa para 20 VBR. E digo-lhe que não é por falta de conhecimentos deles (mais não seja pela principal fonte do jornalista é a Patria). E nem vamos falar do preço que a Patria apresentou inicialmente e que, honestamente, duvido que baixasse miracolosamente...

Há quatro coisas inegáveis:
1- A Steyr ofereceu entre as duas BAFO apresentadas o preço mais baixo
2- Foi o único concorrente a apresentar a fabricação das VBR em Portugal; não era permitido a sua inclusão como contrapartida pontuável, mas é um facto que não se impedia que o fizesse (e informalmente tem peso, claro)
3- A Patria atrasou a sua proposta e segundo o MDN apresentou uma BAFO danificada (isto é, parece ter havido uma clara tentativa de ser posta de lado)
4- A Pandur II cumpre os requisitos mínimos das Forças Armadas, é operada por Portugal, Áustria e República Checa; é um veículo moderno e transportável por via aérea e marítima; tem modernos sistemas de armas e equipamentos; tem várias versões e oferece uma enorme polivalência numa só plataforma.

Para mim, pode nem ser a escolha óptima, mas é uma boa escolha. Adequada.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: Re: PANDUR 2.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 16, 2006, 11:35:01 am
Citação de: "tsahal"
O Forum Armada e o Forum Exercito

Thanks


A partir do novo site:
http://forumarmada.no.sapo.pt/
Creio que quando falas do Fórum Exército é o Fórum Militar Conjunto. Duas boas referências do debate.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 16, 2006, 11:37:44 am
Obrigado pelo link. Falamos em privado. Até podemos esclarecer o nosso antigo diferendo.
Título: Re: PANDUR 2.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 16, 2006, 11:43:48 am
Citação de: "tsahal"
Obrigado pelo link. Falamos em privado. Até podemos esclarecer o nosso antigo diferendo.


De acordo. Já conheces a "porta" da casa.
Abraços,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 16, 2006, 09:37:21 pm
Na minha opiniao o Jornalista em questao nem deveria trabalhar no jornal, apenas noticia para criticar muitas vezes erradamente, nunca para transmitir noticias que anunciam compras, investimentos ou ate projectos e sucessos da industria de defesa Portuguesa, sem criticar negativamente. Na fotografias que publica ate chega a gozar o MDN. Nao entendo a politica do jornal ou talvez sim.
Nem me apetece sequer comentar o ultimo artigo colocado no jornal, deixei inclusive de comprar o mesmo ha varios meses. Pedro Monteiro, quando tiveres timing, envia alguma duvida tua em privado.
Título: Jornalistas de "Defesa"
Enviado por: Miguel Silva Machado em Fevereiro 17, 2006, 11:26:41 am
BDIa,
Acho graça a esta inusitada série de ataques aos jornalistas que escrevem sobre "defesa" em vários jornais. Alguns até quase a raiar a ofensa, por eles "se engarem" e "enganarem o povo"!
Todos sabem que há poucos, muito poucos (e é pena) jornalistas portugueses que tratem regularmente estes assuntos.
Mas afinal o que faz um jornalista que queira escrever sobre defesa, ou, que o mandem escrever sobre defesa?
(Não se esqueçam que nos jornais também há hierarquias e ordens a cumprir! E o assunto Defesa não é dos mais apreciados pelas direcções, "não vende" para o grande público)
O jornalista procura "fontes" de informação, oficiais e não oficiais, que lhe forneçam dados. Certo? Ou seja, a maior parte dos jornalistas escrevem aquilo que fontes em que eles confiam lhes dizem. Pode sempre haver um ou outro mal intencionado que goste de dizer mal do poder, como também há um ou outro que só sabe dizer bem do poder, mesmo quando sabe que o poder o está a enrrolar.
É tão simples como isto: quando as "fontes" não fornecem informação e eles têm que escrever (usualmente a uma velocidade que não é a das fontes), escrevem o que têm disponível. Os erros acontecem, e só não acontecerão mais se quem tem a informação a divulgar.
E aqui no "forum" quantos de nós escrevem erros? Quantos afirmam uma coisa e depois afinal...não era assim.
Mais, quantos dos "ofendidos" deste forum podem dizer que nunca se basearam nesses jornalistas para escrever, para aqui e para outros lados?
Aliás o facto de haver "foristas" a querer falar em privado já prova que também aqui, haverá informações que não querem divulgar. Ou seja estão a adquirir "tiques" de poder. Têm informação e não divulgam, não vão os jornalistas "maus" apanhar alguma coisa. Longe vão os tempos em que o forum se congratulava com o facto de ter sido citado...por jornalistas! :lol:
A imprensa, os jornalistas de defesa, não são perfeitos e enganam-se, nós também, mas não se esqueçam que eles assinam por baixo, dão a cara e, se lhes provarem os erros (com provas, dirigidas às direcções dos jornais), certamente reconherão e "a verdade" (há tantas!) virá ao de cima.
É sempre assim com a imprensa, tanto são anjos como diabos!
Um Abraço,
MMachado
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 17, 2006, 11:51:03 am
"Aliás o facto de haver "foristas" a querer falar em privado já prova que também aqui, haverá informações que não querem divulgar. Ou seja estão a adquirir "tiques" de poder. Têm informação e não divulgam, não vão os jornalistas "maus" apanhar alguma coisa."

Subscrevo. Sabemos que as chefias militares tem que optar entre o estômago ou a defesa de princípios.
E o facto de neste fórum se poder colocar dados que não nos podem chegar de outra maneira é de grande valor. Quem souber de alguma coisa suspeita ou estranha que a partilhe. Que assuma outra entidade ou não mas que a partilhe para que não esteja a ser cúmplice com quem destrói o pouco que resta.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 21, 2006, 02:12:38 pm
Peço desculpa por "meter a foice em seara alheia" mas também não podemos esquecer que muitas vezes há fontes contraditórias sobre determinados assuntos, o que torna complicado escrever qualquer noticia.

O caso da compra dos PANDUR-II e das armas que os deverão equipar tem sido dos mais esquisitos e menos "limpidos" do ponto de vista da divulgação de informação.

Isso levou-me por exemplo a anular uma matéria sobre p PANDUR-II exactamente porque as informações eram absolutamente contraditórias.

E é normal que algumas pessoas aqui às vezes se retraiam.

Pode parecer esquisito, mas um jornalista de um jornal diário pode de facto dizer o que quer. Mas se alguém pretende informar os utilizadores do forum, é natural que esse alguém tenham algum receio em dizer qualquer coisa, quando essa coisa é algo absurda.


Quanto aos jornalistas, há na verdade muita gente que dá notícias de forma às vezes abusiva.
O tratamento dado pelo "Independente" à questão do atentado no Afeganistão por exemplo, levou a várias polémicas inuteis.

É evidente, que para a explosão que ocorreu, o veículo da UROVESA até resistiu muito bem. Mas isso não impediu o jornal de dizer que tinhamos enviado tropas com equipamento desadequado.

Pela "blogosfera" seguiram-se vários disparates sobre o assunto, atacando as chefias militares. Ora como sabemos, os veículos foram pedidos ao exército espanhol (que também os utiliza) porque os HUMMER que cá temos não tinham capacidade para resistir àquele tipo de atentado.

Em minha opinião, se ninguém se tivesse interessado, tinhamos enviado HUMMER's, e nesse caso, em vez de um morto e um ferido, tinhamos provavelmente sofrido quatro mortos.
= = =   xxx  = = =

Os jornais e os jornalistas devem ser responsáveis.

Ao mesmo tempo a informação disponível na Internet também tem que (de preferência) ser criteriosa.
O areamilitar.net por exemplo, aparece citado em dezenas ou centenas de mensagens em fórums na internet e por isso é sempre preciso ter cuidado com o que se escreve, porque muita gente toma essas informações por verdades absolutas. As pessoas, os jornais e os sites, também têm que defender a sua credibilidade.

As pessoas que estão mais dentro dos assuntos têm normalmente mais relutância em dizer algo, porque provavelmente entendem melhor que podem estar a divulgar um disparate.

:conf:

Cumprimento
Título:
Enviado por: Nuno Bento em Abril 20, 2006, 12:42:16 am
Sera que alguem podia por aqui fotos ou desenhos de todas as versões que portugal vai operar :?:
Título:
Enviado por: TaGOs em Abril 28, 2006, 05:08:42 pm
http://www.bmlv.gv.at/archiv/a2005/dispute05/galerie/vollbild/08_dispute_02.jpg
Título:
Enviado por: papatango em Abril 29, 2006, 08:22:50 pm
O PANDUR-II é um veículo relativamente novo e não há grandes quantidades em operação, e por isso nõa há(ainda) fotos sobre esses veículos.

Além disso, para já, Portugal deverá abandonar a ideia do Pandur-II com torre de 105mm como abandonou à partida o Pandur-II / versão laboratório equipado para a ambientes NBQ.

Também já ouvi dizer que há quem ache que os PANDUR-II, vão servir de plataforma para um eventual futuro sistema anti-aéreo para substituir o Chaparral.

O Avenger, da General Dynamics é uma possibilidade, mas os detractores   dizem que fica demasiado alto em cima de um Pandur-II.

No entanto, acho que não devemos ter nada que seja mais sofisticado que os Avenger, e isto se alguma vez voltarmos a ter defesa anti-aérea, porque as opiniões de quem opina, mesmo que dentro das Forças Armadas, parece que são absolutamente inuteis.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TOMKAT em Maio 05, 2006, 02:55:30 am
Notícia do JN de hoje...

Citar
Novos blindados "made in" Barreiro
Protótipo rodeado de polémica
 
 
As viaturas blindadas para o Exército e a Marinha, que substituirão as antigas Chaimites, vão ser fabricadas pelas GOM - Gestão e Operações Metalomecânicas numas instalações no Barreiro. Esta opção foi ontem divulgada, depois de os austríacos da Steyer-Daimler- -Puch terem chegado a acordo com o Ministério da Defesa. Das 260 viaturas encomendadas, 219 serão totalmente produzidas em Portugal.

A fábrica do Barreiro (na freguesia de Santo André) dedica-se actualmente ao fabrico de atrelados e de semireboques e está já a ser preparada para a construção dos Pandur II, devendo arrancar com a nova produção ainda durante este ano.

O fabrico em Portugal dos novos blindados faz parte do contrato de contrapartidas assinado entre a empresa austríaca e o Ministério da Defesa Nacional. No total, esta produção permitirá a criação de 100 empregos directos e estimam-se em 500 os indirectos. Numa fase inicial, 15 trabalhadores desta unidade do Barreiro deslocar-se-ão à fábrica da Steyer na Áustria onde participarão no fabrico das primeiras unidades de blindados - as 31 que não serão produzidas em Portugal.

Finalizado este processo de "learning-by-doing" (aprender fazendo), arranca a produção dos Pandur no Barreiro. Ao mesmo tempo, a Steyr transfere para Portugal todo o "know-how" (desde tecnologia ao equipamento) necessário. Ao que o JN apurou, as primeiras unidades "made in" Áustria serão entregues a Luís Amado em meados do próximo ano. Já as do Barreiro começarão a sair a partir do Outono de 2007.

Este processo de substituição dos Chaimites pelos Pandur II foi iniciado ainda por Paulo Portas, quando estava no Ministério da Defesa, e, desde então, conheceu já várias polémicas (ver caixa). Uma delas esteve precisamente relacionada com o local em que as GOM iriam concretizar a produção no âmbito das contrapartidas acordadas. Chegou a anunciar-se que a escolha recairia sobre as instalações da Bombardier, na Amadora, mas, tal como o JN noticiou então em primeira mão, esta hipótese nunca chegou a ter pés para andar.

Só agora toda esta questão ficou resolvida, com a opção das GOM pelo Barreiro, faltando ainda precisar qual a duração da actividade da nova linha de produção depois de esgotada a encomenda de Pandur destinada ao Exército e à Marinha. Para já, o objectivo da Steyer e do parceiro português passa pela procura de novos mercados, nomeadamente com países de língua portuguesa. É este, de resto, o motivo que justifica toda a transferência de "know how" que vai verificar-se. Ao certo, no entanto, a única produção assegurada para além dos 219 Pandur, é o fabrico de mais 50 unidades destes blindados, num investimento que rondará os 80 milhões de euros.

A aquisição dos 260 blindados de oito rodas está orçada em 366 milhões de euros, ascendendo a 516 milhões o valor do contrato de contrapartidas. A produção dos Pandur só ficará concluída em 2010, porque a encomenda pressupõe 16 versões diferentes - 11 destinadas ao Exército e cinco para as forças navais.


Parece que é desta,....será ?

16 versões diferentes ? :conf:
Título:
Enviado por: pedro em Maio 05, 2006, 09:58:43 am
Ja era tempo :lol:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: pedro em Maio 05, 2006, 12:19:51 pm
Aqui vem noticias novas:
Steyr reactiva fábrica no Barreiro para produzir carros blindados

Os austríacos da Steyr-Daimler--Puch vão fabricar, no Barreiro, 219 carros blindados que irão substituir as antigas Chaimite. A produção arranca até final do ano nas instalações de uma antiga fábrica metalomecânica que a GOM-Gestão e Operações Metalomecânicas reactivou. O contrato assinado com o Ministério da Defesa Nacional prevê o fabrico de 260 veículos, dos quais 41 serão montados na fábrica da Steyr na Áustria. O contrato está avaliado em 364 milhões de euros e as contrapartidas negociadas ultrapassam os 500 milhões de euros.

Fonte próxima da Steyr disse ao DN que a unidade do Barreiro já está a fabricar "reboques e partes metalomecânicas". A unidade encontra--se em fase de qualificação para, no final de 2006, arrancar a produção dos veículos do tipo Pandur II 8x8. A entrega da encomenda deverá ficar concluída até 2010. Inicialmente previa-se a produção dos veículos nas antigas instalações da Bombardier, na Amadora.

A Steyr, através da GOM, vai criar cem postos de trabalho directos e cerca de 500 indirectos. A GOM foi formada por antigos quadros da Bombardier. Manuel Norton, ex-administrador-delegado da Bombardier, esteve mesmo à frente da GOM até a Steyr adquirir a totalidade do capital. O contrato assinado entre a Steyr-Daimler-Puch e o Ministério da Defesa Nacional prevê uma encomenda adicional de, no mínimo, 50 carros de combate, com um volume de negócios próximo dos 80 milhões de euros.

Os veículos, que serão montados na Áustria, irão ser acompanhados por técnicos da fábrica portuguesa. Em comunicado, a multinacional austríaca refere que "Portugal vai ter acesso à mais moderna tecnologia", estando previsto nos termos do contrato assinado entre a Steyr e o Estado português "a transferência de know-how ".

Com esta encomenda para as Forças Armadas portuguesas, a Steyr-Daimler-Puch espera no futuro conseguir "entrar mais facilmente em mercados com que Portugal mantém uma relação privilegiada, como com os países africanos de língua oficial portuguesa (PALOP) e o Brasil".

As Forças Armadas portuguesas vão ser equipadas com 16 versões diferentes do Pandur, das quais onze se destinam ao Exército e cinco à Marinha. O negócio para a compra dos veículos envolveu a negociação de contrapartidas avaliadas em mais de 500 milhões de euros, correspondendo a 150% do valor de compra dos 260 veículos.

Devido à estreita ligação à Magna, líder mundial em engenharia e produção na indústria automóvel, a Steyr promete abrir várias portas às empresas portuguesas deste sector. É já conhecida a intenção da Magna de investir 311 milhões de euros na compra de um novo assento para automóveis desenvolvido pela ACECIA, associação formada pelas empresas Amorim Industrial Solutions, Simoldes Plásticos, Sunviauto, Comportest, Inapal Plásticos, Ipetex e Catim.

Enquadrado no negócio das contrapartidas, a Steyr encontrou um comprador para a empresa de limas Tomé Féteira, em Leiria, que estava em vias de encerrar. O empresário austríaco envolvido no negócio chama-se Michael Braun e pagou dois milhões de euros pela unidade. Ainda no quadro dos negócios offset a Steyr está à procura de um parceiro internacional para a Empordef - Tecnologias de Informação. C  
 
 
Bem ate parece ser um bom negocio. :lol:
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Maio 05, 2006, 06:08:50 pm
Esperemos que não apareçam “limalhas” misteriosas nos motores que atrasem o processo :roll: .

Se não surgir nenhum problema acho uma excelente notícia.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 05, 2006, 08:14:16 pm
Eu confesso que não estou a ver é nenhum país dos PALOP comprador de veículos PANDUR-II, pelo menos com intenções de pagar  :shock:

A Guiné e São Tomé, estão falidos.

Moçambique, falido está, e está noutra onda, mais voltado para a Comonwealth, de onde de qualquer forma, até hoje não veio grande coisa.

A única possibilidade que vejo é Angola.

Mas não sei se os Angolanos estarão interessados em comprar PANDUR, quando ainda têm bastantes BMP e BTR's (embora velhos).
No entanto, se com a venda de PANDUR-II vendessemos a manutenção, criando em Angola um polo para a manutenção dessas viaturas, isso seria eventualmente interessantes.

Os BTR estão velhos, e as BMP estragam o asfalto. Se Angola quer ter veículos de rodas será para poder ter uma força de grande mobilidade que possa ser deslocada com facilidade para vários pontos do país.

Creio que o interesse de Angola em termos militares está voltado para os NPO's ou para os NPC's.

Neste momento, não têm praticamente navios armados. As lanchas de fabrico russo, estão todas podres a acreditar nas ultimas informações.

É sempre bom ver que as coisas vão andando ainda que devagar.

No entanto, no que respeita aos MLU, as coisas estão a andar de uma forma desesperante. Quase que não andam.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: antoninho em Maio 05, 2006, 11:21:31 pm
http://www.gom.pt/04.html (http://www.gom.pt/04.html)
Título:
Enviado por: luis filipe silva em Maio 07, 2006, 02:26:00 pm
Noticia do CM de 7-5-2006

 http://www.correiomanha.pt/pesquisa.asp ... &bt_ok.y=4 (http://www.correiomanha.pt/pesquisa.asp?q=pandur&bt_ok.x=18&bt_ok.y=4)

Curiosamente a foto que acompanha a legenda do Chaimite,
é de dois Condor da Policia Aérea.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Maio 08, 2006, 10:32:19 am
Eu acho que Angola é de facto o único país com dinheiro para os pagar e com uma politica externa e ambições regionais para ambicionar ter uma força terrestre de grande mobilidade.

Se bem que a Guiné-Bissau, mau grado a falta de verbas também precisasse de umas FA's mais modernas, a fim de tentar dissuadir as tradicionais tentações senegalesas.

________________

Sobre os PandurII e as peças de 105 mm.


Aguém estará em condições de confirmar se se fala na eventualidade do Exército poder ter viaturas de rodas com peça de 105 mm, Centauro, em vez dos PandurII?
Título:
Enviado por: papatango em Maio 08, 2006, 12:22:31 pm
A partir do momento em que o exército afirma que não acredita que a Steyr seja capaz de produzir um 8x8 com peça de 105mm em condições, é natural que se olhe para o mercado, e se procurem opções.

O exército não abandonou a ideia do blindado sobre rodas com peça de 105mm, portanto a opção masis próxima é a de comprar uns vinte Centauro, em vez dos trinta Pandur-II-105mm.

A outra possibilidade sería o Rooikat da África do Sul.

estes são os dois carros 8x8 com canhão de 105mm com provas dadas.

O resto, são aplicações não provadas, como o Stryker (que com um recuo tal  que desfaz as soldaduras da plataforma em poucos anos) e há agora uma nova torre inglesa, que os fabricantes (who else) afirmam ter uma capacidade idêntica á dos canhões de 120mm.
Embora isso normalmente seja conseguido por um binómio peça+munição, sendo que a munição é normalmente cara...

Cumpts.
Título:
Enviado por: Miguel em Maio 08, 2006, 01:16:59 pm
Bem

Eu creio que o nosso futuro, Grupo AutoMetrelhadoras da Brigada Intervenção devera ser equipado apenas com os Pandur com peça de 25mm, um pouco como os grupo cavalaria de espanha com VEC25.

Portanto creio que é provavél que não venha para Portugal nenhum blindado sobre rodas com peça de 105 nos proximos anos.
Título:
Enviado por: pedro em Maio 08, 2006, 07:13:07 pm
Eu acho que Portugal e a steyer deveriam fazer um Carro blindado melhor que o centauro porque os pandurs nao sao os melhores e porque Portugal deveria entrar nesta industria militar.
Um exemplo e a Eslovaquia.
Cumprimentos :lol:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 08, 2006, 11:48:31 pm
Citação de: "pedro"
Eu acho que Portugal e a steyer deveriam fazer um Carro blindado melhor que o centauro porque os pandurs nao sao os melhores e porque Portugal deveria entrar nesta industria militar.
Um exemplo e a Eslovaquia.
Cumprimentos :roll:
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 08, 2006, 11:51:06 pm
Citação de: "Miguel"
Bem

Eu creio que o nosso futuro, Grupo AutoMetrelhadoras da Brigada Intervenção devera ser equipado apenas com os Pandur com peça de 25mm, um pouco como os grupo cavalaria de espanha com VEC25.

Portanto creio que é provavél que não venha para Portugal nenhum blindado sobre rodas com peça de 105 nos proximos anos.


A designação do Exército para as VBR Pandur II com peça de 105mm seria auto-metralhadora (estranho, de facto). Várias fontes indicam que serão essas viaturas a constituir, em princípio, a referida unidade com base no RC6 (Brig Int).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: pedro em Maio 09, 2006, 02:13:30 pm
Entao produziamos o pandur 3 mas versao portuguesa :lol:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 09, 2006, 02:40:51 pm
Citação de: "pedro"
Entao produziamos o pandur 3 mas versao portuguesa :lol:


A Pandur II ainda agora saiu no mercado... já basta dizer que à Steyr tal projecto não interessava. Dificilmente seria viável para Portugal desenvolver um projecto isolado e com um número reduzido de encomendas. Não é praticável. Mas como sonhar não custa...
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: pedro em Maio 09, 2006, 02:43:16 pm
E entao porque que a Eslovaquia sim fez um carro blindado em parceria com a steyr?
Cumprimentos :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 09, 2006, 02:50:34 pm
Não seria viável do ponto de vista economico desenhar e conceber carros de combate especificamente para as nossas necessidades de um veículo 8x8 105mm.

O Pandur-II parece ser um equipamento edequado para as nossas necessidade, e corresponder às necessidades de resistência/robustês.

Para um carro equipado com uma torre de 105mm, havendo necessidade dele, então faz todo o sentido adquirir algo que já esteja pronto e provado.

Se houvesse mercado, aí já seria diferente.
Mas mesmo para vender os 50 Pandur-II para a África, eu não estou exactamente a ver quem é que os vai comprar sem ser Angola.
Mas que um veículo como o Pandur-II daría uma imagem diferente às F.A. de Angola, que têm uma imagem de força soviética, disso não há dúvida.

O que a GOM eventualmente poderá fazer, é, com o apoio da STEYR, estudar outras versões que inicialmente não tenham sido consideradas, como por exemplo o veículo de defesa anti-aérea.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: pedro em Maio 09, 2006, 04:04:15 pm
Tem razao o que eu quero e que Portugal faca algo.
Cumprimentos :lol:
Título:
Enviado por: Spectral em Maio 09, 2006, 05:57:29 pm
A designação de autometrelhadora para veículo de rodas com peça é de origem francesa da 2ª Guerra Mundial ou anterior, que tinham por exemplo AML60 ( com peça-morteiro de 60mm) e AML 90 ( com peça de 90mm), aliás acho que o nosso exército chegou a empregar estes 2 veículos em pequenas quantidades.

No entanto para os últimos veículos deste tipo, ECR-90 e AMX-10RC a designação parece ter sido abandonada, pelo menos a nível da designação dos veículos.
Título:
Enviado por: TazMonster em Maio 09, 2006, 10:18:04 pm
Então e a peça de 120mm de baixo recuo da RUAG??? Pode ser montada num CV90.
http://www.army-technology.com/projects/cv90/cv9010.html
Título:
Enviado por: Miguel Sá em Maio 10, 2006, 09:26:35 pm
Citar
Então e a peça de 120mm de baixo recuo da RUAG??? Pode ser montada num CV90.


De facto seria uma possibilidade interessante, mas num veículo com lagartas como o CV90 ou o ULAN. Seriam carros de combate ligeiros, algo que desapareceu dos principais exercitos.
Mas pretende-se um veículo com rodas com uma peça de 105mm. E esta torre de 120 nunca foi testada num veículo com rodas.
Título:
Enviado por: TazMonster em Maio 11, 2006, 05:25:26 pm
A parte mais interessante da proposta é a utilização do mesmo calibre e tipo de munições que o futuro substituto do M60A3 (venha lá ele qd vier).
Quanto ao facto de nunca ter sido testada num veículo de rodas... bem... teste-se. Aqueles tipos para fazerem dinheiro, até a mãezinha vendem.
Outra proposta interessante seria a torre da LIW que também ja foi testada no Stryke. Destina-se a ser um obus de 105mm, mas também pde ser usada na função de carro de apoio/caça tanques. O problema aqui é que, sendo a munição de carregamento separado, as munições ACar normais não cabem no carregador automatico.
Quanto a foto desta arma (no stryker) já aqui foi publicada.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 11, 2006, 08:52:24 pm
O problema principal é a possibilidade de o veículo absorver toda a energia produzida pelo disparo, e o canhão proposto para o Pandur-II também era de baixa pressão.

Parece que se considerou que a Steyr não conseguiu demonstrar que o Pandur-II poderia a longo prazo utilizar a peça sem problemas.

O CV-90 é mais pesado que o Pandur-II e tem lagartas, além de a torre em causa ser muito larga.

O Centauro tem rodas, mas é muito mais pesado.

Não podemos entrar em paranoias (que nos são tão típicas) e por isso é sempre preciso descontar uma certa irritação com o que parece ser a opção ou opções do governo relativamente às Forças Armadas.

Mas se se confirmar a aquisição de Centauros ou coisa parecida, duvido que não tenha começado o principio do fim das unidades com veiculos de lagartas em Portugal.

A racionalização aponta para aí, e já houve indicios disso, quando se falou na compra dos 20 Leopard-IIA6 da Holanda (eram mesmo A6 e não A5).

Se as coisas seguirem pelo caminho que parece estar a ser traçado, a principal unidade mecanizada do exército, terá tanques e M-113 enquanto eles andarem.

Depois, no máximo, teremos uma força como a Austrália, que vai ficar com 50 M1-A1 apenas para operações internacionais, deixando de ter tanques para utilização no próprio país.
No nosso caso, a qualtidade deverá andar pelos 20 a 25.

Portanto, o principal canhão sobre rodas do exército, terá que estar em cima de uma plataforma que não dê problemas, daí o Centauro ser o que mais sentido faz.

cumprimentos
Título:
Enviado por: Rui Elias em Maio 12, 2006, 09:24:23 am
Por mim, até nem me chocaria que Poptugal tivesse uma força relativamente reduizida de "tanques" com lagartas, desde que estes fossem mis modernos e operativos que os vetustos M-60.

Não acredito que tenhamos os enormes M1-A1, mas uns Leopard 2 para mim já seria bem bom, num nº a rondar as 50 unidades.

E que viessem os Centauro com a peça de 105 mm, mesmo que também estas viaturas de rodas dificilmente sejam utilizadas em Portugal, para mais em missões internacionis.

Mesmo os Chaimite, tirando o 25 de Abril e o 25 de Novembro, quantas vezes operaram em situações de potencal conflitualidade no nosso país?

Mas o facto é que é altamente improvável que os espanhóis também utilizem os seus carros no seu território, e o mesmo vale para a Áustria, Alemanha, Holanda, França,  etc, finda  guerra-fria.

Mas que é necesário ter, eu penso que seja.

E por isso há um caminho a seguir, de dois possíveis:

Ou se opta por ter, e deveriamos ter um bom, ou mais vale fechar a loja, que me parece ser de faco a intenção deste e de outros governos que nos últmos anos se têm "caga**" para as FA's
Título:
Enviado por: papatango em Maio 12, 2006, 11:35:23 am
Rui Elias-

O Leopard-IIA6, é superior ao M1-A1, além de mais pesado.

Cumpts.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Maio 12, 2006, 04:52:08 pm
É...

Se fosse eu a escolher, também preferia, mas os M1-A-1 são mais "mediáticos".

E talvês até pudessemos manter alguns dos M-60 que estivessem em melhor estado para ter duas forças de blindados.

O camones também têm os Abraams e os outros mais pequenos (de que não me lembro o nome  :oops: )
Título:
Enviado por: Nuno em Maio 12, 2006, 07:19:45 pm
Citação de: "Rui Elias"

O camones também têm os Abraams e os outros mais pequenos (de que não me lembro o nome  :oops: )


Será este?

http://www.globalsecurity.org/military/systems/ground/m551a1-pics.htm
Título: Leopard 2.
Enviado por: tsahal em Maio 13, 2006, 06:10:27 pm
Papatango,

O relatorio da DGAED diz claramente que os Leopard 2 inspecionados na Alemanha por uma delegacao do MDN foram o modelo A5 e nao o A6 referido por ti ou o A4 como dito por outros colegas do Forum. Penso que nao se deve ter tanta certeza quanto ao Centauro ou a uma outra versao do PANDUR, porque infelizmente, o processo de aquisicao das PANDUR 2 vai ainda trazer varias surpresas.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 13, 2006, 06:18:14 pm
Opá, era só mais essa que faltava!

Já estou a ver q as Chaimites ainda vão ter que trabalhar mais uns anos!
Título:
Enviado por: papatango em Maio 13, 2006, 07:53:14 pm
Citação de: "tsahal"
O relatorio da DGAED diz claramente que os Leopard 2 inspecionados na Alemanha por uma delegacao do MDN foram o modelo A5 e nao o A6 referido por ti ou o A4 como dito por outros colegas do Forum. Penso que nao se deve ter tanta certeza quanto ao Centauro ou a uma outra versao do PANDUR, porque infelizmente, o processo de aquisicao das PANDUR 2 vai ainda trazer varias surpresas.


Creio ter sido o primeiro a colocar aqui neste fórum, a indicação de que não eram Leopard-II A4 mas sim A5.
No entanto, de informações posteriores e "cruzamento de informação" de várias fontes, resultou que nem eu nem as pessoas que se interessaram pelo assunto, conseguiram encontrar os tais A5 holandeses.
As informações públicadas, são de que Portugal estaria interessado num lote de 70 carros de combate da uma brigada que a Holanda ía desactivar.

Os dados públicos, publicados na Jane's são de que a Holanda tem neste momento 70 carros de combate Leopard-II-A6 em stock e que procura comprador para eles.

Atenção que eu não estou de forma alguma a colocar em causa a informação que nos trás sobre o relatório. Mas pelas quantidades divulgadas, pelas datas conhecidas, pelas saídas de stock e vendas por parte da Holanda, são Leopard-IIA6 e não Leopard-IIA5 que a Holanda tem disponíveis, e esse numero é de aproximadamente 70.

Outra coisa, é a questão das 20 unidades, que confesso que nunca tirei a limpo. E nesse caso, a análise terá sido feita a outro lote de veículos.

É no entanto uma não questão, porque a verdade, é que nem A6, nem A5, nem A4...

= = =

Quanto à questão do 8x8, teremos que continuar a esperar por continuas e costumeiras alterações.
O Centauro, como já temos aqui falado várias vezes não é nem certeza nem possibilidade, é apenas uma opção (e a mais lógica) no caso de o exército decidir que não terá uma peça de 105mm montado num Pandur-II, mas considerar que precisa desse tipo de veículo.

E claro, há também a vontade política...

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Miguel em Maio 13, 2006, 09:46:41 pm
Eu não acredito que teremos Centauros.

No futuro proximo(10anos) penso que a Brigada Mecanizada e de Intervenção fuzionam-se assim:

Regimento Cavalaria com 50 LeopardII/Santa Margarida
Regimento Mecanizado com VCI Pumas??/Santa Margarida
1°Regimento Infantaria com Pandurs/RI13
2°Regimento Infantaria com Pandurs/RI14
Regimento Artilharia
etc..
Título:
Enviado por: TazMonster em Maio 13, 2006, 09:57:45 pm
Camaradas...
A nossa oganização não é Regimental... isso foi no tempo do SMO.
As Brigadas têm como subunidades Batalhões, que conforme o caso, se podem organizar em Agrupamentos (mistos de Infantaria com Carros). Estes agrupamentos podem ser fortes em Infantaria ou fortes em carros, conforme tenham duas CAtMec e um ECC ou 2 ECC e uma CAtMec. Os Agrupmentos por sua vez tb e podem organizar em subagrupamentos (companhias). Devo frisar que esta organização só é possivel na BrigMec(antiga BMI). Quanto à BrigInt (que receberá as VBR), não sei como será organizada qd tiver as PANDUR.
E já aqui disse uma vez que não se atiram postas de pescada para o ar relativamente ao numero de viaturas a adquirir. Os quadros orgânicos das unidades, definem bem o numero de viaturas necessárias.
1 Pel CC tem 4 carros, um ECC tem 3x4 (12) + 1, um GCC tem 3x13(39) + 1. Ainda há a acrescentar outras viaturas (de recuperação, M577 de cmd, de rodas para a logistica, etc)
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 13, 2006, 10:02:03 pm
Citação de: "TazMonster"
Camaradas...
A nossa oganização não é Regimental... isso foi no tempo do SMO.
As Brigadas têm como subunidades Batalhões, que conforme o caso, se podem organizar em Agrupamentos (mistos de Infantaria com Carros). Estes agrupamentos podem ser fortes em Infantaria ou fortes em carros, conforme tenham duas CAtMec e um ECC ou 2 ECC e uma CAtMec. Os Agrupmentos por sua vez tb e podem organizar em subagrupamentos (companhias). Devo frisar que esta organização só é possivel na BrigMec(antiga BMI). Quanto à BrigInt (que receberá as VBR), não sei como será organizada qd tiver as PANDUR.
E já aqui disse uma vez que não se atiram postas de pescada para o ar relativamente ao numero de viaturas a adquirir. Os quadros orgânicos das unidades, definem bem o numero de viaturas necessárias.
1 Pel CC tem 4 carros, um ECC tem 3x4 (12) + 1, um GCC tem 3x13(39) + 1. Ainda há a acrescentar outras viaturas (de recuperação, M577 de cmd, de rodas para a logistica, etc)


Só uma pequena dúvida, se um esquadrão tem 12 veiculos porque é que o Grupo tem esquadrões de 13? O que é a viatura a mais por esquadrão?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Maio 13, 2006, 10:03:39 pm
É para o comandante do esquadrão
Título:
Enviado por: TazMonster em Maio 13, 2006, 10:04:50 pm
Então e o Patrão?? vai onde??
O +1 é a viatura do Cmdt da Unidade.
Desculpem por não ter sido claro.
Título:
Enviado por: Miguel em Maio 13, 2006, 10:07:16 pm
actualmente as nossas unidades de CC estão organizadas como as unidades US dos anos 80..

Esquadrão de Carros de Combate=
3 pelotões com 5 M60
pelotão comando com 3 M60( 1comando e 2 M60 da secção ligeira)=18M60 por Esquadrão
Título:
Enviado por: TazMonster em Maio 13, 2006, 10:09:18 pm
Já não, já não... Os Pel CC passaram a ter 4 Carros
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 13, 2006, 10:10:59 pm
Citação de: "TazMonster"
Camaradas...
A nossa oganização não é Regimental... isso foi no tempo do SMO.
As Brigadas têm como subunidades Batalhões, que conforme o caso, se podem organizar em Agrupamentos (mistos de Infantaria com Carros). Estes agrupamentos podem ser fortes em Infantaria ou fortes em carros, conforme tenham duas CAtMec e um ECC ou 2 ECC e uma CAtMec. Os Agrupmentos por sua vez tb e podem organizar em subagrupamentos (companhias). Devo frisar que esta organização só é possivel na BrigMec(antiga BMI). Quanto à BrigInt (que receberá as VBR), não sei como será organizada qd tiver as PANDUR.
E já aqui disse uma vez que não se atiram postas de pescada para o ar relativamente ao numero de viaturas a adquirir. Os quadros orgânicos das unidades, definem bem o numero de viaturas necessárias.
1 Pel CC tem 4 carros, um ECC tem 3x4 (12) + 1, um GCC tem 3x13(39) + 1. Ainda há a acrescentar outras viaturas (de recuperação, M577 de cmd, de rodas para a logistica, etc)


Peço desculpa, só agora é que me apercebi disto +1:lol:
Título: Leopard 2.
Enviado por: tsahal em Maio 13, 2006, 11:50:29 pm
Nao sei se deu em primeira mao essa informacao, mas isso pouco interessa. Quem deu pela primeira vez dados sobre o interesse pelos Leopard 2 foi o salvo erro o O Independente, mas sem salientar julgo eu o modelo. Posteriormente foi aqui discutido de forma errada o modelo A4 e posteriormente e muito recentemente veio a confirmacao do A5.

Os Leopard 2 inspecionados em 2004 foram o modelo A5 Alemao, por isso o interesse foi nesse modelo e nao no A6, talvez devido ao  alto custo e a outros factores. Acredito que virao alguns A5 logo que haja financiamento para o efeito, nem que seja de aqui a alguns anos. Desde entao nada mais foi concretizado ou discutido relativamente ao Leopard.

Os M60A3 necessitam de ser modernizados ou substituidos como no caso dos M113s visto que o valor operacional dos mesmos e extremamente critico. O projecto de upgrade de alguns M113s ja existe mas a aguardar financiamento. Lembro que o M60A3 esteve para ser modernizado pela NAMSA/Raytheon mas devido a acontecimentos que nao vale a pena explicar nao foi concretizado, tinha inclusive o financiamento aprovado. Talvez optem por fazer um upgrade dos M60s, mas seria um grande erro. Do meu ponto de vista, deviam pensar a longo prazo e adquirir um equipamento actual ou com poucos anos e mais tarde fazer o upgrade do mesmo para assim acompanhar a evolucao tecnologica e nao tentar prolongar a vida de um equipamento que tera sempre um valor operacional reduzido para chegar a um ponto e ter que adquirir outro.

Se o upgrade dos M113s e a aquisicao dos PANDUR 2 forem concretizadas, teremos em Portugal dois players na industria de defesa relacionada com veiculos, se bem que com capacidade limitada obviamente. Esse facto, nao deixa de ser todavia importante, visto que traz sempre emprego e know how na area.
Título:
Enviado por: Nuno em Maio 14, 2006, 11:29:14 pm
Citação de: "TazMonster"
Camaradas...

1 Pel CC tem 4 carros, um ECC tem 3x4 (12) + 1, um GCC tem 3x13(39) + 1. Ainda há a acrescentar outras viaturas (de recuperação, M577 de cmd, de rodas para a logistica, etc)


MAs o ECC não tem 2 M60 no Pel. de Comando e 3 M60 no comando de Batalhão?
Título:
Enviado por: Rui Elias em Maio 15, 2006, 10:14:36 am
Entretano já em lembro do Blindado mais ligeiro que os EUA têm - os Bradley.
______________________

No entanto acho que não será tão cedo que para Portugal venham os substitutos dos M-60.

Infelizmente, embora aceite que hajam programas mais prioritários que o de blindados de lagartas, no entanto, e como nota, refira-se que já em 1991, aquando da 1ª Guerra do Golfo, os EUA ainda utilizaram alguns M-60, e pelo menos para os padrões americanos, os M-60, há 15 anos atrás, já eram consideradas viaturas obsoletas.

Por isso, o estado da nossa capacidade de Cavalaria está em baixo, para não destoar com as outrsa valências das nossas FA's.

Gostaria muito que numa futura revisão de LPM se encarasse de frente a possibilidade de aquisição de 50 a 70 Leopard II, e que se mantivesse ainda uma pequena força de 20 a 30 M-60, que fossem modernizados, porque a complementaridade para mim é por vezes mais importante que a uniformização.

O que se poupa em cadeias logísticas pode sair caro em outras situações.

Infelizmente essa possibilidade de aquisição de blindados holandesas (e há 2 anos falou-se nuns austriacos) ficará mais uma vez em águas de bacalhau.    :cry:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Maio 25, 2006, 10:45:28 pm
Sistemas de comunicações Portugueses para as PANDUR 2

A ser verdade esta é uma boa notícia, alguém sabe mais sobre o assunto?


Citar
As 260 Viaturas Blindadas de Rodas (VBR) PANDUR 2 em configuração 8x8 encomendadas pelo Ministério da Defesa Nacional (MDN) para o Exército e Fuzileiros da Armada serão equipadas com sistemas de comunicações de fabrico Português. O sistema de comunicação interna P/ICC 201 e o sistema de comunicações tácticas P/GRC 525 na sua versão veicular, ambos desenvolvidos e disponibilizados actualmente pela empresa Portuguesa EID-Empresa de Investigação e Desenvolvimento SA serão instalados em todas as PANDUR 2 adquiridas a empresa Austríaca Steyr Daimler Puch Spezialfahrzeug Gmbh.


(http://img525.imageshack.us/img525/4738/pandur3hx.png) (http://http)
O PANDUR II 8x8 durante os testes realizados em Portugal.
Foto: Marinha Portuguesa, via autor
Título:
Enviado por: snakeye25 em Maio 28, 2006, 11:02:39 pm
É o P1151 Dragão, da classe Argos.
Título:
Enviado por: snakeye25 em Maio 28, 2006, 11:11:29 pm
Citação de: "Jorge Sottomayor"
Por curiosidade, o Regimento de Cavalaria de Santa Margarida ainda tem em deposíto/reserva, Carros de Combate M-48 A5, apesar de estarem abatidos do serviço activo?


Parece-me que têm em depósito/reserva apenas os M60A3...  :twisted:

Creio que os M48A5 já foram removidos para o DGME há alguns anos.
(http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/DGME/vista%20a%E9rea.jpg)

Há tempos era possível ver no site do Exército uma foto do DGME onde aparecia em primeiro plano um M60, mas na rectaguarda encontravam-se diversos M48. Se ainda lá se encontram, desconheço.

Alguém costuma dar umas voltas por Benavente ?
Título:
Enviado por: snakeye25 em Maio 29, 2006, 01:36:06 am
Já que Benavente é um pouco longe, dei uma voltita pelo Google Maps para obter uma imagem "recente" do local.

(http://img510.imageshack.us/img510/2050/dmge5ub.jpg)

Na imagem é possível discernir razoavelmente a presença de mais de 80 carros de combate. Como o tempo dos M47 já lá vai, presumo que a maioria deles sejam M48A5 armazenados, juntamente com alguns M60.
Título:
Enviado por: Marauder em Junho 24, 2006, 08:50:34 am
Citar
Elbit Systems 30mm Unmanned Turret Tested Successfully in Finland

(Source: Elbit Systems; issued June 12, 2006)

HAIFA, Israel --- Elbit Systems Ltd. recently announced that its 30mm Unmanned Turret system has successfully completed extensive field trials. The tests were conducted in Finland at a firing range belonging to the Finish Armed Forces.  
 
During testing, the system was assessed against static and moving targets, while the firing was conducted both from static and moving positions to ranges of 1 to 2.7 kilometers.  
 
This marks the first time that an Unmanned Turret was tested on such a large scale and in diverse situations. Firing on the move against a moving target was conducted using the recently unveiled Automatic Target Tracker showing unprecedented results of hitting the target at more than 90% of all rounds fired.  
 
Elbit Systems' Unmanned Turret is a dual axis stabilized system incorporating automatic guns up to 30mm, with both day and night separately stabilized sights. The system is also characterized by its low weight and silhouette.  
 
The system is now under contract to several NATO countries.  
 
 
Patria is an internationally operating Aerospace and Defence Group with significant positions in the Baltic region. Patria's key business areas are armoured wheeled vehicles, mortar systems, helicopters and aircraft, and life cycle support of these products. Patria delivers internationally competitive solutions to global markets based on own specialist know-how and partnerships. Patria's owners are the Finnish State and European Aeronautic Defence and Space Company EADS N.V.  
 
Elbit Systems Ltd. is an international defense electronics company engaged in a wide range of defense-related programs throughout the world. The Elbit Systems Group, which includes the company and its subsidiaries, operates in the areas of aerospace, land and naval systems, command, control, communications, computers, intelligence, surveillance and reconnaissance, advanced electro-optic and space technologies, EW suites, airborne warning systems, ELINT systems, data links and military communications systems and equipment. The Group also focuses on the upgrading of existing military platforms and developing new technologies for defense and homeland security applications.


Fonte...defense-aerospace.com


Alguns dados da torre que vai equipar os Pandur portugueses...acima de 90%...isso é que é pontaria..
Título:
Enviado por: Spectral em Junho 24, 2006, 11:01:42 am
Citar
Fonte...defense-aerospace.com


Alguns dados da torre que vai equipar os Pandur portugueses...acima de 90%...isso é que é pontaria..


Infelizmente tudo indica que a versão APC ( a mais numerosa) apenas vai receber uma metrelhadora com operador manual a descoberto, tal como nos M113   :evil: Só as viaturas para os fuzileiros e uma mão-cheia delas para o Exército é que vão receber uma destas torres.

Por alguma razão o nosso contrato é muito mais barato por veículo que para os outros países :

"Belgium (242 LAV III Pirahnas for $850 million) The Czech Republic (199 Pandur IIs for $1 billion), and Portugal (260 Pandur IIs for $482 million)."
Título:
Enviado por: TOMKAT em Junho 27, 2006, 03:13:59 am
http://jn.sapo.pt/2006/06/27/nacional/novos_blindados_dao_contrapartidas.html
Citar
Novos blindados já "dão" contrapartidas

A fábrica de limas Tomé Feteira, que recentemente comemorou 150 anos, já está a beneficiar do contrato de contrapartidas assinado entre o Estado português e a Steyr -Daimler -Puch, a empresa austríaca que vai produzir os novos carros blindados do Exército e da Marinha.

As contrapartidas associadas à produção e fornecimento dos 260 blindados Pandur (que vão substituir os Chaimite) estão avaliadas em 516 milhões de euros e no caso da Tomé Feteira passaram por encontrar um comprador para as limas produzidas naquela que é a segunda fábrica do género mais antiga do mundo.

Segundo foi ontem divulgado, a Tomé Feteira já está a beneficiar do pacote de contrapartidas, sendo mesmo a primeira a ser contemplada. Além desta fábrica de Leiria - que produz limas para profissionais, como grosas e pequena limas para ferramentas multifuncionais - serão beneficiadas empresas ligadas à indústria automóvel e a Empordef. Os novos blindados Pandur serão produzidos nas GOM - Gestão e Operação Metalomecânicas numas instalações do Barreiro, num processo que permitirá a criação de 100 postos de trablaho directos e cerca de 500 indirectos. Trinta e uma das 260 viaturas serão feitas na Áustria.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Agosto 29, 2006, 01:54:28 pm
Os “Pandur II” serão actualizados para um novo padrão na fábrica da Fabrequipa, em Portugal

Citar
Engenheiros portugueses e austríacos estão a trabalhar actualmente num Upgrade aos blindados de transporte de tropas (APC) Pandur adquiridos pelo Estado Português ao consórcio Steyr Daimler Puch e dos quais 219 serão construídos na fábrica portuguesa da Fabrequipa. O modelo anfíbio (20 unidades contratadas) será igualmente actualizado para o novo padrão.

O contrato de aquisição de substituição dos veículos de transporte que servem o Exército que usa ainda as velhíssimas “Chamite” da Guerra Colonial custou um total de 364,4 milhões de euros e a entrega dos referidos veículos deve estar concluída até ao ano de 2010.


http://ogrunho.wordpress.com/2006/08/25 ... -portugal/ (http://ogrunho.wordpress.com/2006/08/25/os-pandur-ii-serao-actualizados-para-um-novo-padrao-na-fabrica-da-fabrequipa-em-portugal/)

Alguém sabe ou pode confirmar esta informação, e afinal em que fábrica é que vão ser produzidos?
Título:
Enviado por: antoninho em Agosto 29, 2006, 02:50:22 pm
Realmente os pandur vão ser construidos nessa fábrica do Barreiro, mas na home page da fábrica não fazem referência ao facto visto o detentor da marca ser a Steyr...
Quanto ao upgrade , essa noticia vem nalguns jornais do Barreiro.


http://www.fabrequipa.com/ (http://www.fabrequipa.com/)


http://www.correiodamanha.pt/comentario ... &id=210166 (http://www.correiodamanha.pt/comentario.asp?idCanal=181&id=210166)
Título:
Enviado por: Rui Elias em Outubro 06, 2006, 01:04:24 pm
Citar
Montagem em causa
Desavenças entre o Estado e a Steyr no processo dos blindados

06.10.2006 - 09h09   Inês G. Sequeira, Lurdes Ferreira PÚBLICO
 
(http://www.army-technology.com/projects/pandurII/images/PandurII7.jpg)

A Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC) e os austríacos da Steyr-Daimler-Puch não se entendem quanto ao contrato de montagem dos futuros blindados do Exército e da Armada.

A CPC, entidade governamental com a dupla tutela da Economia e da Defesa, notificou, na semana passada, a Steyr-Daimler-Puch de que não lhe está a ser fornecida informação adequada sobre o que está em curso e que quer ser informada sobre o que está a ser feito na fábrica do Barreiro, onde deverão ser montados os futuros blindados do Exército e da Armada.

É o culminar de várias mudanças em relação ao projecto inicial e de reticências manifestadas nos últimos relatórios de actividade da entidade governamental que gere e acompanha os processos de contrapartidas para a indústria nacional, por via das grandes compras de equipamentos e sistemas de defesa.

O presidente da CPC, Rui Neves, diz que está disponível para apreciar este projecto ou outro, "desde que tenha interesse para a economia portuguesa", tendo em conta que se trata de um contrato de cerca de 100 milhões de euros. No limite, o projecto poderá ser feito mas deixar de ser considerado como contrapartida, se tiver um fraco impacte económico, um cenário que Neves se escusa a comentar.

A CPC justifica a decisão pelo facto de ter recebido há cerca de duas semanas uma carta da Steyr afirmando sinteticamente que o projecto se mantinha, mas sem ter anexo uma ficha de descrição do seu conteúdo, ponto que a Comissão considera fundamental para a respectiva avaliação. "Não falava das alterações em relação ao projecto inicial", afirma Rui Neves, lembrando que o projecto abandonou o objectivo de recuperar parte da ex-Bombardier e deixou de envolver ex-quadros com know-how da empresa ferroviária.

Contactada pelo PÚBLICO, a Steyr-Daimler-Puch afirma que não foi até agora informada de qualquer cessação do contrato. Segundo a empresa austríaca, a CPC - em resposta ao mais recente relatório semestral da Steyr sobre a evolução dos diferentes projectos no âmbito do contrato de contrapartidas - referiu que "exige novas informações e uma nova avaliação quanto ao projecto de produção local [de blindados], uma vez que considera que este projecto foi modificado".

Em contrapartida, a empresa defende que "o projecto não foi modificado". "Alterado foi apenas o dono, ou seja, houve uma passagem de mãos entre um dono sem fábrica e um com instalações", considera o director de vendas responsável por Portugal, Martin Malzacher.

O mesmo responsável afirma também que "a Steyr-Daimler-Puch, entretanto, já investiu nestas novas instalações da Fabrequipa, no Barreiro, para assegurar a produção para Portugal e para mercados terceiros, como, por exemplo, Angola".

A fábrica recebeu a visita de uma delegação de deputados angolanos, na semana passada, em que vinha também o presidente da Comissão de Defesa, Segurança Nacional e Ordem Interna de Angola, general José Domingos Tuta "Ouro de Angola". Estes "mostraram-se muito interessados", salienta Martin Malzacher.

Está instalado o desentendimento em relação a um dos principais projectos de contrapartidas ligados à compra à Steyr das viaturas blindadas de rodas (VBR), por parte do Exército, também conhecidas por 8x8, e cujas negociações decorreram e foram fechadas no tempo de Paulo Portas, quando esteve à frente do Ministério da Defesa.

O valor global do programa de contrapartidas assumido pelo fornecedor é de 516 milhões de euros.

O Governo e a Steyr-Daimler-Puch assinaram, em Fevereiro de 2005, o contrato de aquisição de 260 VBR e o respectivo programa de contrapartidas no montante referido, com uma duração de nove anos. O Tribunal de Contas aprovou-o quase nove meses depois.

De acordo com o último relatório da CPC, o programa abrange cinco projectos relacionados com operações de fabrico, montagem e apoio das VBR (GOM e OGME), quatro projectos na área dos componentes automóveis (ACECIA), dois outros na área do software (Critical e Edisoft) e um último relacionado com investimento directo estrangeiro (Tomé Feteira). Os relatórios têm dado conta de dificuldades de execução dos projectos e de arrastamento de prazos. No caso da montagem dos VBR, acresce o facto de a GOM ter mudado, entretanto, de mãos.

Da GOM à Fabrequipa

Em Maio, a Fabrequipa, uma fábrica de semi-reboques do Barreiro, adquiriu a GOM - Grupo de Operações Metalomecânicas, por 3,3 milhões de euros. Esta empresa, formada por ex-quadros da antiga Bombardier da Amadora, tinha sido criada para ser a destinatária das contrapartidas negociadas pela Steyr.

Ou seja, a GOM iria produzir em Portugal 219 dos 260 carros de combate fornecidos ao Exército e à Armada portuguesas pela Steyr, recebendo também know-how tecnológico.

A criação da GOM foi também aproveitada por Paulo Portas para anunciar que a nova empresa iria dar emprego aos trabalhadores despedidos da Bombardier. E chegou a afirmar que iria ser aproveitada parte da antiga fábrica, o que nunca se confirmou.

Entretanto, por falta de entendimento entre a GOM e a Steyr sobre os preços e as condições do negócio, a empresa austríaca seleccionou então a Fabrequipa. Para além das promessas de contrapartidas, a GOM "não tinha nada", segundo o sócio-gerente da empresa do Barreiro, Francisco Pita.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 06, 2006, 05:29:27 pm
Ainda vão acabar por fazer um UpGrade as Chaimites... e mandar pelos ares o contrato dos Pandurs :roll:

Realmente a renovação das Forças armadas é um circo!!

Havemos de chorar os mortos se os vivos não o merecerem??
Título:
Enviado por: antoninho em Outubro 06, 2006, 05:57:10 pm
Aquilo que deu para perceber é que alguem queria comer à conta, mas como os austriacos não gostam de parasitas cortaram as rédias a estes.
Ora como se pode construir numa fábrica que só tem paredes?????
Aqui dá para perceber, que algo saiu errado a quem pensava encher bolsos na gom, que entretanto foi vendida à Fabrequipa, que pelos vistos, sabe o que quer e para onde vai.
Se as informações, que o sr. que está à frente da CPC, quer e não lhe dão a esse dou-lhe um conselho:
Ponha-se a caminho da dita fábrica e veja com os seus olhos o que lá se passa, pois acredito que recebe o sufeciente para deslocações e deve ter um motorista de servço.
Depois se tiver razões no que afirma, fale com 1º ministro e deve ser este a transmitir ao publico o que pensa fazer, ou um ministro por ele designado.
Chega de tanto mediatismo que só serve para criar confusõers e mal entendidos, a não ser que seja para isso que o sr. tem emprego.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Outubro 06, 2006, 07:36:05 pm
Citação de: "ricardonunes"
Alguém sabe ou pode confirmar esta informação, e afinal em que fábrica é que vão ser produzidos?


Confirmo essa informação. Os trabalhos envolvem, desde Agosto, uma equipa luso-austríaca e devem terminar em Dezembro. Aproveito para informar que a Fabrequipa iniciou a produção em Setembro.

Aliás, a Fuerzas Militares del Mundo deste mês (nº 50) traz uma notícia algo desenvolvida sobre o tema (a versão anfíbia).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Outubro 06, 2006, 10:08:39 pm
deve ser por isso que ainda não consegui apanha-la à venda...

colaborador em Portugal.......bons artigos, bom profissional, sabendo do que fala, continue a prestar este enorme serviço, o de dar a conhecer as nossas forças armadas lá fora
                             

                                   Obrigado
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Outubro 06, 2006, 10:18:49 pm
Citação de: "antoninho"
deve ser por isso que ainda não consegui apanha-la à venda...

colaborador em Portugal.......bons artigos, bom profissional, sabendo do que fala, continue a prestar este enorme serviço, o de dar a conhecer as nossas forças armadas lá fora
                             

                                   Obrigado


Normalmente vende-se na Yellows.
E obrigado pelas simpáticas palavras! Lá se vai tentando dar algum contributo útil para a divulgação das FA.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 09, 2007, 09:44:45 pm
No próximo dia 17 de Janeiro decorrerá a cerimónia de inauguração da linha de montagem das Pandur II em Portugal. A Fabrequipa, empresa situada no Barreiro, começou já a montar e produzir alguns componentes das viaturas blindadas encomendas pelo Exército e Corpo de Fuzileiros da Armada, de um total de 240. As restantes 20 são produzidas - já o começaram, aliás - nas instalações da Steyr na Áustria.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 09, 2007, 10:11:15 pm
Excelente. Vamos ver como as coisas correm e que novas potencialidades poderão surgir.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 09, 2007, 10:18:40 pm
Julgo que é um grande passo para o ressurgimento da industria militar em Portugal :wink:

Uma questão, os prazos contratualizados estão a ser cumpridos?
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 09, 2007, 10:30:52 pm
Sem dúvida uma notícia excelente.
Será que a cermónia é pública?

Relativamente aos veículos que inicialmente estavam previstos, é que não vejo decisões... :roll:
Acho que vamos ficar por estas 240 unidades, o que de qualquer forma não é exactamente mau de todo.
Mais problemática é a quantidade de unidades básicas e a relativamente pequena quantidade de unidades equipadas com armamentos de maior calibre e utilidade.

A utilização do Pandur-II por exemplo em operações de Paz, apenas armado com uma 12.7mm não me parece boa ideia.
Melhor seria adquirir uma quantidade de Dingos ou coisa que o valha, que sempre são mais baratos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Wad_Ras em Janeiro 10, 2007, 10:36:29 am
Bom dia,

Em relação aos Pandur tenho as seguintes duvidas pelo que peço a v/ colaboração para esclarecimento :

a) data de entregas das primeiras viaturas;
b) quais as unidades que irão receber este equipamento ;
c) ainda na continuação na alinea anterior, e atendendo ao numero de viaturas em questão no programa, não vos parecem ser um numero elevado para a quantidade de unidades operacionais que o exercito dispõe ? Estamos a falar de cerca 270 viaturas ( o meu receio é que numero de viaturas no fim do programa seja muito inferior...  )

Cumprimentos,
Wad Ras
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 10, 2007, 01:15:17 pm
Citação de: "papatango"
Sem dúvida uma notícia excelente.
Será que a cermónia é pública?


A cerimónia não é pública. Entre os 300 convidados, conta-se a imprensa e o próprio primeiro-ministro pelo que é de prever uma grande divulgação mediática do evento. O programa inclui uma visita à linha de montagem onde já estão a ser montadas as primeiras viaturas blindadas.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 10, 2007, 01:18:03 pm
Citação de: "Wad_Ras"
Bom dia,

Em relação aos Pandur tenho as seguintes duvidas pelo que peço a v/ colaboração para esclarecimento :

a) data de entregas das primeiras viaturas;
b) quais as unidades que irão receber este equipamento ;
c) ainda na continuação na alinea anterior, e atendendo ao numero de viaturas em questão no programa, não vos parecem ser um numero elevado para a quantidade de unidades operacionais que o exercito dispõe ? Estamos a falar de cerca 270 viaturas ( o meu receio é que numero de viaturas no fim do programa seja muito inferior...  )

Cumprimentos,
Wad Ras


As primeiras viaturas serão recebidas já este ano. Estão contratualizadas 260 viaturas (240 para o Exército e 20 para a Armada, sendo 20 produzidas em Viena). É de prever que o contrato seja respeitado (as distribuições quantitativas pelas variantes foram publicadas na Fuerzas Militares del Mundo e, salvo alguns detalhes, mantém-se).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Janeiro 10, 2007, 04:23:52 pm
A primeira VBR (construida na Austria) será entregue ao EP em Junho 2007. Tal como disse o Pedro Monteiro, a cerimónia é apenas para convidados. Convidados a quem foi enviado um convite por correio normal. Do programa, constam a inauguração, conferencia de imprensa, visita e os respectivos comes e bebes.
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 10, 2007, 05:17:45 pm
Sem duvida uma excelente noticia.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 16, 2007, 02:16:37 pm
Ao que sei, no convite para o evento de amanhã vem referido que serão construídas 219 Pandur II no Barreiro (isto durante os próximos 4 anos). Isto não altera um pouco as contas anteriores (260 unidades, das quais 20 construídas na Austria e as restantes em Portugal)?
Vai lá estar um em exposição  :wink:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 16, 2007, 03:02:40 pm
Citação de: "Lancero"
Ao que sei, no convite para o evento de amanhã vem referido que serão construídas 219 Pandur II no Barreiro (isto durante os próximos 4 anos). Isto não altera um pouco as contas anteriores (260 unidades, das quais 20 construídas na Austria e as restantes em Portugal)?
Vai lá estar um em exposição  :wink:

Ao que me lembro, era mesmo esse o número. Aliás, relendo os meus apontamentos encontro a seguinte nota:

Citar
Deste modo, dos 260 blindados, 219 serão produzidos em território nacional – os restantes 41 serão, pois, fabricados nas instalações da Steyr.


Além de várias viaturas em diversos estádios de produção, estará em exposição uma Pandur II.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 16, 2007, 03:25:40 pm
Interpretei mal esta sua mensagem - julguei que sendo as viaturas 260 e vinte construídas na Austria, 240 seria fabricadas no Barreiro

Citação de: "Pedro Monteiro"

As primeiras viaturas serão recebidas já este ano. Estão contratualizadas 260 viaturas (240 para o Exército e 20 para a Armada, sendo 20 produzidas em Viena). É de prever que o contrato seja respeitado (as distribuições quantitativas pelas variantes foram publicadas na Fuerzas Militares del Mundo e, salvo alguns detalhes, mantém-se).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 16, 2007, 07:10:46 pm
Citação de: "Lancero"
Interpretei mal esta sua mensagem - julguei que sendo as viaturas 260 e vinte construídas na Austria, 240 seria fabricadas no Barreiro

Citação de: "Pedro Monteiro"

As primeiras viaturas serão recebidas já este ano. Estão contratualizadas 260 viaturas (240 para o Exército e 20 para a Armada, sendo 20 produzidas em Viena). É de prever que o contrato seja respeitado (as distribuições quantitativas pelas variantes foram publicadas na Fuerzas Militares del Mundo e, salvo alguns detalhes, mantém-se).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro


Tem toda a razão! Houve um lapso nessa notícia.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 03:33:36 pm
(http://img187.imageshack.us/img187/1860/lis1263375cq7.jpg)

Citar
BARREIRO - SETUBAL - PORTUGAL
Um dos 260 blindados Pandur destinados a equipar o Exercito e Marinha portugueses, na unidade de producao inaugurada hoje Quartafeira 17 de Janeiro de 2007 no Barreiro. INACIO ROSA/LUSA
LUSA / STF / INACIO ROSA


(http://img187.imageshack.us/img187/1750/lis1263357vk9.jpg)

Citar
BARREIRO - SETUBAL - PORTUGAL
Operarios trabalham num dos 260 blindados Pandur destinados a equipar o Exercito e Marinha portugueses, na unidade de producao inaugurada hoje Quartafeira 17 de Janeiro de 2007 no Barreiro. INACIO ROSA/LUSA
LUSA / STF / INACIO ROSA
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2007, 03:45:33 pm
Obrigado pelas fotos Lancero!  :wink:
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 17, 2007, 05:27:44 pm
Finalmente uma boa noticia, agora a exportar pandur 2 para todo lado.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 17, 2007, 05:30:11 pm
Citação de: "pedro"
Finalmente uma boa noticia, agora a exportar pandur 2 para todo lado.
Cumprimentos


E a Austria não tem uma palavra a dizer?
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 17, 2007, 05:39:29 pm
Citar
Blindados: Fabrequipa admite 80% de incorporação nacional

A incorporação de tecnologia portuguesa nos novos blindados das Forças Armadas, já a ser montados no Barreiro, poderá atingir os 80%, nas versões civis, afirmou esta quarta-feira o gerente da empresa fabricante, a Fabrequipa.


Francisco Pita, que falava na inauguração oficial das novas instalações industriais, adiantou que a Fabrequipa está ainda, com os quatro primeiros blindados na linha de montagem, à procura de mais fornecedores, para aumentar a participação de empresas portuguesas.

«Queremos fazer um produto português», afirmou o sócio-gerente da Fabrequipa, concessionária da austríaca Steyr- Daimler-Puch (grupo General Dynamics) para o fabrico de perto de 220 dos 260 blindados de rodas.

«Estamos a trabalhar neste momento para além de 2011. Põe-se o problema de Portugal vender estas unidades e começar a fazer negócios com países do Magreb, como Marrocos e Tunísia e países de língua portuguesa», disse Francisco Pita.

Acrescentou que «o primeiro negócio com Marrocos vai ser fechado até ao final do mês. Não é uma unidade inteira mas peças militares. É uma divisão militar com sucesso para além de 2011».

«A próxima meta é a Feira Militar de Paris, Euro Satory 2008. Portugal vai estar representado por dois veículos. Um canhão 105mm e um anfíbio que demonstram que a indústria portuguesa de ponta, defesa e tecnologia está lançada».

John Ulrich, vice-presidente da norte- americana General Dynamics, frisou que o processo de transferência de tecnologia para a Fabrequipa será contínuo e fez questão de afirmar por duas vezes que o blindado a sair do Barreiro será «o Pandur português».

«Por isso», referiu, «será largamente produzido em Portugal e equipado com tantos componentes portugueses quanto possível».

Além da produção local, deverá ser futuramente exportado para outros países «amigos», mercados que podem ser «mais eficazmente» trabalhados por Portugal, referiu Ulrich.

Refere que para os Estados Unidos esta ligação empresarial é importante porque mostra a união existente entre os dois países e que, duas fábricas e dois países a trabalharem juntos, fazem-no em prol de um mundo livre.

A empresa Fabrequipa, responsável pela montagem dos novos blindados de rodas (VBR) das Forças Armadas, vai produzir 24 viaturas até ao final do ano, num total de 260 até 2011.

A Fabrequipa, empresa portuguesa responsável pela montagem dos blindados Pandur II da Steyr-Daimler-Puch, tem já em linha de montagem alguns dos blindados de oito rodas, em diferentes fases de produção, que começarão a ser entregues este ano.

A instalação fabril, que inicialmente estava prevista para o espaço da extinta Bombardier, Amadora, representou um investimento de perto de 20 milhões de euros.

O projecto deverá criar perto de 100 novos postos de trabalho, metade do previsto em 2005, aquando da assinatura do contrato.

A cerimónia de hoje contou com a presença de sete embaixadores - Estados Unidos, Marrocos, Áustria, entre outros - e representantes de quatro outras embaixadas em Lisboa.

Diário Digital / Lusa

17-01-2007 16:33:40


de:
http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro%5 ... news=76358 (http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro%5Fdigital/news.asp?section_id=6&id_news=76358)

Lightning, lendo esta notícia parece que não, o que é muito estranho!
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 05:45:54 pm
Citar
A incorporação de tecnologia portuguesa nos novos blindados das Forças Armadas, já a ser montados no Barreiro, poderá atingir os 80%, nas versões civis, afirmou esta quarta-feira o gerente da empresa fabricante, a Fabrequipa.

Não percebo o que querem dizer com esta frase :?:  :shock:
Decerto algum lapso jornalistico.
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 17, 2007, 05:55:30 pm
Se calhar sempre vão seguir a ideia de realizar uma versão civil para as polícias...não me admirava nada..
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 06:18:31 pm
A referência dos 80% é a viaturas ambulância e versões básicas de transporte de tropas. O 'civil' é interpretação livre do jornalista da Lusa. Ou seja, só há para já viaturas militares.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 07:18:08 pm
Desculpem mas alguém reparou numa diferença no pandur ou é só do ângulo da foto?

(http://img129.imageshack.us/img129/9376/lis1263357vk9qv9.jpg) (http://http)


Comparem a parte que esta dentro do circulo vermelho com a da foto de baixo.

(http://img383.imageshack.us/img383/7819/pan8x813red0vm.jpg)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 07:26:55 pm
Na realidade existem diferenças, mas pode ser que o que está a ser soldado seja apenas a estrutura interior (o esqueleto) e que leve mais algumas chapas e ai fica com a configuração que é conhecida, mas isto é apenas um palpite.
Alguem entendido que possa esclarecer :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 07:50:55 pm
Um video do pandur II

http://youtube.com/watch?v=ly006lPdy_A (http://youtube.com/watch?v=ly006lPdy_A)
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 08:20:22 pm
Citação de: "TaGOs"
Desculpem mas alguém reparou numa diferença no pandur ou é só do ângulo da foto?


Há versões mais bicudas


(http://img482.imageshack.us/img482/9024/pandurii8x82zt1.jpg)
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 08:29:39 pm
Deu agora a a noticia na rtp1 e o director da fabrica disse que em 2008 vão apresentar duas viaturas numa feira militar em França, a anfíbia e a com peça de 105mm.
Isto deve significar que vamos ter o pandur II com peça de 105mm.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Miguel em Janeiro 17, 2007, 08:36:12 pm
Citação de: "TaGOs"
Deu agora a a noticia na rtp1 e o director da fabrica disse que em 2008 vão apresentar duas viaturas numa feira militar em França, a anfíbia e a com peça de 105mm.
Isto deve significar que vamos ter o pandur II com peça de 105mm.

Cumprimentos


Ouvi o mesmo

Alguém sabe qual vai ser a 1°unidade a receber os Pandurs em Junho?

Penso que podera ser o RC6 de Braga c34x
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 08:51:32 pm
Serão feitos 2 protótipos de Pandur com peça de 105 mm para o Exército realizar testes. Mantém-se a cláusula de opção por 33 unidades dessa versão.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 17, 2007, 08:56:52 pm
Note-se que a nossa é da versão terrestre e essa da versão anfíbia. Há diferenças na parte frontal (nomeadamente um quebra-ondas).
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 09:01:20 pm
Lancero tem mais fotos dessa versão? ou de outras? É que nunca tinha visto essa versão.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 17, 2007, 09:02:12 pm
Citação de: "Lancero"
Há versões mais bicudas


Já agora, qual é a fonte da fotografia? Ou muito me engano, ou esta pode muito bem ser uma das nossas primeiras VBR.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 09:08:08 pm
A foto foi hoje distribuída em CD, que só trazia mais esta


(http://img231.imageshack.us/img231/5126/pandurii8x81gk2.jpg)
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 09:15:21 pm
Esta versão em relação com a outra é um pouco "estranha" mas parece que blindagem não lhe falta.
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 17, 2007, 09:31:59 pm
E a protecção para o "artilheiro" do Santa Barbara?
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 09:32:47 pm
Aqui esta a reportagem da rtp1.

mms://195.245.176.20/rtpfiles/videos/au ... 012007.wmv (http://mms://195.245.176.20/rtpfiles/videos/auto/telejornal/Telej_1_17012007.wmv)

É pouco depois dos 16minutos e logo depois da reportagem dos pandur II podem ver o Ministro da Defesa Severiano Teixeira no Afeganistão.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 17, 2007, 09:35:49 pm
A alteração parece ser interessante.
A parte da frente está mais simplificada e como resultado neste caso a opção foi alterar a posição dos faróis porque não havia lugar para eles.

Este tipo de farois tornam o Pandur menos feioso  :twisted:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 17, 2007, 09:43:30 pm
Na sic disse que a fabrica devia fechar negocio com Marrocos nos próximos tempos mas não percebi que tipo de negocio era. Alguém viu?
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 17, 2007, 09:44:03 pm
Entao isto e o nao padrao portugues.
Se for entao fizeram um bom trabalho.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 09:55:55 pm
Afinal que "versão" é que comprámos?

É que a imagem dos ditos em contrução parece-me igual á última que o Lancero postou

(http://img377.imageshack.us/img377/668/psdeupandurfs5.jpg)

Será que esta noticia tinha algum fundamento (http://http).
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 17, 2007, 10:00:56 pm
Eu achei graça a parte "uso em apoio as populacoes".. isto ja chateia..e enerva..As pessoas depois comentam como e que um "tanque" ajuda as populacoes?... Digam para o que serve realmente honrar compromissos NATO e UE. Fica mais bonito.
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 17, 2007, 10:08:51 pm
De facto, considerando as duas fotografias, vê-se até na foto do "esqueleto" o lugar adequado à fixação dos faróis.
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 17, 2007, 10:08:59 pm
Claro que tem fundamento e ele está bem demonstrado nessas  duas fotos, mas reparem também nas grelhas laterais que taparam e protegeram aqueles feios buracos laterais dos tubos de exaustão....
Na montagem que se vê na foto da linha de soldadura está, diga-mos, o esqueleto do Pandur, no qual depois são metidas("aparafusadas ou rebitadas") chapas blindadas, que podem ter vários graus de protecção balística conforme o teatro de operações......
Para Marrocos o negócio é a modernização dos Pandur 6x6.......
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 10:11:16 pm
Citação de: "Typhonman"
Eu achei graça a parte "uso em apoio as populacoes".. isto ja chateia..e enerva..As pessoas depois comentam como e que um "tanque" ajuda as populacoes?... Digam para o que serve realmente honrar compromissos NATO e UE. Fica mais bonito.


É o politicamente correcto a funcionar, neste momento deve existir milhares a praguejarem por se estar a investir em carros de combate quando não temos meios eficientes de socorrro a naufragos.
Estranhei foi as ditas palavras terem saido da boca do administrador da Fabrequipa, o normal seria um ministro ou secretário de estado a dizer esse tipo de disparates, mas nenhum desses esteve presente, o que também não deixa de ser estranho.
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 17, 2007, 10:15:12 pm
Para certos políticos não tem politica de estado mas de partidos, por isso  para os actuais governantes isto é negócios do PPXPP, não do estado português, é triste mas é o que temos......
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 17, 2007, 10:20:29 pm
Para Marrocos, pelo que até agora vi escrito, trata-se apenas do fornecimento de peças para os SK-105, que não têm nada a ver com os Pandur-I (6x6).
http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/ter.aspx?NN=20&P=15&R=MA
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 17, 2007, 10:21:11 pm
Citação de: "antoninho"
Para certos políticos não tem politica de estado mas de partidos, por isso  para os actuais governantes isto é negócios do PPXPP, não do estado português, é triste mas é o que temos......


É verdade. Nunca se esqueçam isto.
Custos do... "sistema".
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 10:40:31 pm
Citação de: "Luso"
E a protecção para o "artilheiro" do Santa Barbara?


Provavelmente foi um dos upgrades realizados :twisted:
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 17, 2007, 10:53:34 pm
Só mais uma nota:

O carro que vemos na foto, com a nova "frente" tem uma característica que o faz diferir dos outros porque ao contrario de outros Pandur, esta versão, a acreditar nas fotos não é anfíbia.

Foi removido o quebra ondas, e por isso os farois são colocados no lugar onde pousava o pequeno quebra ondas que se levanta quando o veículo está (ou estivesse) dentro de água.
Título:
Enviado por: Fireman Sam em Janeiro 17, 2007, 11:19:19 pm
Uma dúvida que ainda não percebi, se a versão que vai ser construída cá será a terrestre, tanto o exército como os fuzileiros vão receber veículos iguais? Ou a versão para os fuzileiros é a anfíbia?
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 17, 2007, 11:45:28 pm
Desde há bastante tempo que é referido que a versão para a marinha será anfíbia.

Desta informação eu sempre deduzi que a versão para o exército não o sería.

Na verdade, a utilidade do veículo anfíbio é pouca ou nenhuma porque o Pandur não é um veículo de reconhecimento e não pode avançar (nem deve) sem o apoio de outros veículos, os quais também não são anfibios.

Para missões de reconhecimento há veículos como os Panhard que podem atravessar pequenos lagos e rios sem grande corrente.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 11:46:54 pm
Não sei queixem da qualidade, ok?
Aqui eu não sou cá muito de fotos com telélé.
É o que se arranja! :evil:

(http://img174.imageshack.us/img174/1750/img005vz2.jpg)

(http://img169.imageshack.us/img169/5518/img006ih2.jpg)

(http://img223.imageshack.us/img223/6815/img008tg7.jpg)

(http://img441.imageshack.us/img441/5069/img009xg4.jpg)

(http://img169.imageshack.us/img169/7961/img011wz0.jpg)

(http://img441.imageshack.us/img441/7955/img012nl6.jpg)

(http://img441.imageshack.us/img441/4728/img014sk7.jpg)

(http://img169.imageshack.us/img169/3192/img015qh0.jpg)

(http://img223.imageshack.us/img223/3343/img017zp4.jpg)
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 17, 2007, 11:50:12 pm
Será que o Lancero vai ser perseguido legalmente por todas estas fotos? :wink:  :G-beer2:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 17, 2007, 11:52:19 pm
Queixar do quê, de fartura :twisted:
Nada disto foi passado na TV, pelo menos que eu tenha visto.

Mas continuo com dúvidas em relação ao modelo que está a ser montado e o que está em exposição :conf:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 17, 2007, 11:54:38 pm
Citação de: "Luso"
Será que o Lancero vai ser perseguido legalmente por todas estas fotos? :wink:  :G-beer2:


Fui convidado a participar numa cerimónia pública onde o dono do espaço deu toda a liberdade para se fotografar/filmar e conversar (só não deu as chaves do Pandur porque não as devia ter c34x
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 17, 2007, 11:55:09 pm
Citar
Queixar do quê, de fartura :twisted:

Serviço público, sem dúvida.
- Dá-lhe, Lancero! :G-Ok:
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 18, 2007, 03:23:37 am
Quando se respeita as regras do cicerone, não haverão certamente perseguições.

Bons registos, colega Lancero.

PS: Vai tentando acompanhar o processo de fabrico, assim se aparecerem "algumas limalhas" pelo meio o Forum já tem um "man inside". :wink:


Cumptos
Título:
Enviado por: Leonidas em Janeiro 18, 2007, 04:28:43 am
Saudações guerreiras

Citação de: "ricardonunes"
Citar
A incorporação de tecnologia portuguesa nos novos blindados das Forças Armadas, já a ser montados no Barreiro, poderá atingir os 80%, nas versões civis, afirmou esta quarta-feira o gerente da empresa fabricante, a Fabrequipa.

Não percebo o que querem dizer com esta frase  

Vai haver uma versão civil do PANDUR  
Decerto algum lapso jornalístico

Houve uma loiraça que em disse que deve ser a versão “LISBOA-DAKAR”. O protótipo vai ser testado pelo Carlos Sousa já na próxima edição.

Citação de: "Lancero"
A referência dos 80% é a viaturas ambulância e versões básicas de transporte de tropas. O 'civil' é interpretação livre do jornalista da Lusa. Ou seja, só há para já viaturas militares.


Caro Lancero, a loira, a mesma com que se distraiu (ela topou tudo), ainda me confidenciou que talvez ainda dê para se arranjar uma versão F1. A GT “Top Less” (esta não aconselhável a adolescentes, porque perdem facilmente a cabeça) não traz calendário das coelhinhas, mas traz de série dois valentes “airbags” alimentados a ar, claro, porque senão não funcionavam! (aqui eu admirei-me com o raciocínio dela)

Mais rigor daqui a 40 anos. E relax, porque quanto á loira... será outra.  :mrgreen:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Duarte em Janeiro 18, 2007, 04:31:38 am
Citação de: "p_shadow"
PS: Vai tentando acompanhar o processo de fabrico, assim se aparecerem "algumas limalhas" pelo meio o Forum já tem um "man inside". :roll:

Não é um motor Italiano, pois não?  :lol:
Título:
Enviado por: Wad_Ras em Janeiro 18, 2007, 09:35:11 am
Bom dia;

Na perspectiva de Português desconfiado em relação a promessas (Programas militares incompletos e encomendas nunca realizadas ) e como São Tomé referia : " ver para crer " - Bem vindo Pandur a Portugal!!!!

O veiculo em questão que esteve ontem na apresentação do pandur tinha um canhão de 30mm ( penso que seja uma torre modelo austriaca ); Mas como será este tipo de equipamento integrado no " futuro " batalhão de infantaria mecanizado ? Irá ser criado um pelotão de cavalaria onde será integrado este modelo? Sugestões?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 18, 2007, 01:12:52 pm
Mais uma duvida, o director disse que a fabrica vai ter em exposição em França a viatura de 105mm e uma anfíbia, mas as viaturas anfíbias não são as tais que vão ser construídas na Áustria?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2007, 02:34:07 pm
Que eu saiba...sim!  :?
Título:
Enviado por: Get_It em Janeiro 18, 2007, 02:37:17 pm
Se conseguírem encomendas estrangeiras talvez construam cá algumas unidades anfíbias. É o caso de deixar o homem falar  e trabalhar, e depois logo se verá.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 18, 2007, 05:40:17 pm
Citação de: "TaGOs"
Mais uma duvida, o director disse que a fabrica vai ter em exposição em França a viatura de 105mm e uma anfíbia, mas as viaturas anfíbias não são as tais que vão ser construídas na Áustria?

Cumprimentos


A versão anfíbia da Pandur II a apresentar é uma nova versão de capacidades acrescidas, desenvolvida conjuntamente entre técnicos nacionais (a Fabrequipa tem uma pequena equipa de engenharia) e austríacos. O projecto começou, salvo erro, em Agosto de 2006. Creio que o facto foi noticiado pela Fuerzas Militares del Mundo.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 18, 2007, 05:42:07 pm
Citação de: "TaGOs"
Na sic disse que a fabrica devia fechar negocio com Marrocos nos próximos tempos mas não percebi que tipo de negocio era. Alguém viu?


Peças sobresselentes para o programa de modernização dos carros de combate ligeiros SK-105 marroquinos.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 18, 2007, 06:52:08 pm
Obrigado pelas respostas  :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 18, 2007, 07:41:17 pm
Noticia do site da Steyr Daimler Puch:

Citar
   
News - 18.01.2007


Fabrequipa begins production of Pandur II 8x8 in Portugal


Fabrequipa opens a new chapter in the history of national defence with today’s start up of production of Pandur II 8x8 wheeled armoured vehicles in Barreiro.
Thus, this Portuguese company is responsible for the rebirth of an industry in Portugal, following on from the Chaimites, which were made in Portugal forty years ago. Fabrequipa is now starting production of a new generation of armoured vehicles.

According to Francisco Pita, a director-shareholder of Fabrequipa, the production of the Pandur II 8x8 «is an interesting deal and a new business field. It is important for Fabrequipa and for Portugal, given that the armed forces now have a national defence industry producing the world’s best vehicle in this segment. And this is a novelty in Portugal, since there has been a transfer of technology, sufficient to permit Fabrequipa to produce vehicles in Portugal.
Fabrequipa, Portugal’s and Britain’s leading semi-trailer company became a partner of Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeug GmbH (Steyr-SSF) in 2006, exactly ten years after it was founded. In 2005 Steyr-SSF, which is part of the U.S.-based General Dynamics (NYSE: GD), was awarded with the contract for the supply of 260 armoured vehicles in 15 different variants to the Portuguese Army and Navy. The Austrians provided close to EUR 516 million in offsets for the purchase price of EUR 364 million, established in the contract signed with the Portuguese Ministry of Defence. Local production is a significant offset, 218 armoured vehicles will be manufactured in Barreiro between now and 2010.
The first batch of vehicles will be delivered this summer.

Portuguese-Austrian collaboration with total transfer of know-how
Twenty of Fabrequipa’s total 100 employees  in charge with the manufacturing  of the Pandur II 8x8 vehicles received training in Austria. This training comprised a number of courses, ranging from three to twenty-one days long. They were also involved in the assembly of the first units of Portuguese Pandurs at Steyr-SSF’s facility in Vienna. Fabrequipa can rely on assistance, guidance and the transfer of know-how from the Austrian company throughout the entire manufacture period. « Four Austrian experts will be permanently posted to the factory until production ends, and a further experts will be provided on a roaming basis», stated Francisco Pita.
The first vehicles of each version of the Pandur are manufactured in Austria under the learning by doing method. The Portuguese Government has ordered 15 different versions in total. Eleven are for the Portuguese army and four for the Portuguese navy. Since each version is tailor-made, high-ranking Portuguese army and navy officers made several trips to Austria to discuss and approve the designs.

Step-by-step manufacturing process
«We are going to produce the first vehicles right now », said Francisco Pita, who  schedules the delivery of the first vehicles  in the third quarter of 2007 . There will be a steady increase of the production capacity to achieve the maximum production rate of 8 vehicles per month. The main stages of manufacture of the Pandur II 8x8 are summarised as follows:
Firstly the  hull, made of armoured steel  is tacked and afterwards  welded. Next production steps are the machining and blasting of the hull. Then the painting is performed. The components, such as the doors and hatches, are manufactured  and assembled in parallel. After Manufacturing the hull, the final assembly phase takes place during which the automotive components, like the  suspension, the axles, the vehicle’s various systems, such as the braking system, the wheels, the powerpack etc. are assembled.into the chassis.   Finally , the Pandur II 8x8  has to pass various tests. «We can perform all the testing in Barreiro», adds Francisco Pita. Once the armoured  vehicles has fullfilled the quality requirements , it gets a final coating and  will be prepared to the acceptance by  and the delivery to the customer.


(http://img443.imageshack.us/img443/6395/steyrpandurport1bh5.jpg)

(http://img259.imageshack.us/img259/4913/steyrpandurport2as7.jpg)

(Podem fazer download das imagens no site, são de grande resolução)

Fonte: http://www.steyr-ssf.com/ (http://www.steyr-ssf.com/)
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 18, 2007, 07:56:43 pm
Já deu para aprender umas coisas, só de ver as fotos! :D
Vejam as bitolas reguláveis...
Podem não ser novidade mas para mim é novo.
Título:
Enviado por: hellraiser em Janeiro 18, 2007, 09:34:09 pm
Citar
É uma compra em que o Estado gasta 340 milhões de euros e tem expectativa de, segundo o contrato com a empresa austríaca Steyr-Daimler-Punch, receber 516 milhões em contrapartidas. Mas ontem, na inauguração da linha de montagem da Fabrequipa, no Barreiro, onde já estão em produção os primeiros quatro Pandur II para o Exército, não esteve nenhum membro do Governo a assistir à concretização do contrato assinado em 2005 pelo então ministro da Defesa, Paulo Portas. A fábrica vai produzir 218 dos 260 blindados comprados.

Citar
Francisco Pita, da Fabrequipa, convidou o primeiro-ministro José Sócrates, o ministro da Defesa (Severiano Teixeira) e o ministro da Economia (Manuel Pinho). Nenhum compareceu por estarem no estrangeiro, respectivamente em Estrasburgo, Afeganistão e Índia.

Mas o que causou mais estranheza – e que, soube o CM, incomodou John Ulrich, responsável máximo da General Dynamics Europa (dona da Steyr-Daimler-Punch), que ontem esteve no Barreiro – foi o Governo não se ter feito representar nem sequer por secretários de Estado.

Em causa pode estar a falta de aval da Comissão de Contrapartidas à produção dos blindados Pandur II, devido à alteração do contrato original, assinado em Fevereiro de 2005. É que a GOM, empresa sucedânea da Bombardier, que ganhou a fabricação dos blindados em Portugal, foi posteriormente adquirida pela Fabrequipa por quatro milhões de euros.

Pedro Catarino, o novo presidente da Comissão de Contrapartidas, disse ontem que, na próxima semana, haverá uma reunião para “negociar” o aval. Destacou que se trata de um projecto “muito positivo” e que deve ser “apoiado”, por a fábrica poder continuar a fazer Pandur II para outros mercados, quando a encomenda portuguesa terminar, em 2010. A transferência de tecnologia da Áustria para a Fabrequipa poderá garantir a “sustentabilidade e maximização” dos benefícios do projecto para a economia nacional. A Fabrequipa garante que irá cumprir todas as contrapartidas.

Ausentes da cerimónia estiveram ainda os chefes de Estado Maior do Exército e Armada, a quem se destinam os blindados. Pelo contrário, marcaram presença sete embaixadores em Lisboa (entre eles o dos Estados Unidos) e fizeram-se representar outras quatro embaixadas.

Simões Marques, da equipa do Ministério da Defesa, que acompanhou a compra do substituto da Chaimite, disse ontem que o Pandur II é “o topo de gama em tecnologia dentro das nossas limitações financeiras”.

80% DE MATERIAIS PORTUGUESES

Francisco Pita garantiu ontem que as versões mais ‘básicas’ do Pandur II (como a ambulância ou transporte de tropas simples) vão ter “80% de materiais e tecnologia nacionais”. Comunicações e electrónica, software, bancos e cablagem, por exemplo, vêm de empresas portuguesas. “É quase tudo, menos o armamento, motores diesel, chapas de aço especial e pneus especiais anti-furo, que em Portugal ninguém produz”, referiu Francisco Pita. Segundo o responsável, as contrapartidas acordadas “serão cumpridas”, destacando a transferência a 100% da tecnologia, o que permitirá continuar a fabricar Pandur II depois de 2010. “Iremos apostar nos PALOP e Norte de África. Já temos um acordo com Marrocos para venda de peças para o tanque SK105”. O Pandur II ‘português’ irá ser mostrado em 2008 numa feira militar em Paris. “Queremos fazer da versão anfíbia o nosso trunfo”, assegura Francisco Pita.

PORMENORES

100 TRABALHADORES

O projecto emprega 100 trabalhadores, que passarão a 220 com a mudança de instalações prevista pela fábrica, permanecendo, porém, no Barreiro. Nenhum, no entanto, veio da Bombardier. Em 2004 o então ministro da Defesa, Paulo Portas, garantiu que os 190 trabalhadores da Bombardier iriam construir os blindados para não ficar no desemprego.

NÚMEROS

Portugal adquiriu 260 Pandur II (20 deles anfíbios para a Marinha) em 15 versões. A 16.ª (com uma peça de 105 mm) será um protótipo entregue ao Exército para testes – há uma opção no contrato para aquisição de 33 dessas unidades. O primeiro Pandur II será entregue em Agosto e 24 estarão no Exército até fim do ano. Em 2008 serão 112; no ano seguinte 213 e, em 2010, todos os 260 blindados estarão ao serviço.


Fonte: http://k55fehsn5sgmynvh.usercash.com


E ainda ha gente que vota nestes governos... Epé votem em mim!! Prometos ganzas mais baratas e ao menos equipo bem as FA's!
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 18, 2007, 09:48:20 pm
O Governo PS ao presenciar a inauguração de um projecto de produção nacional que foi da iniciativa do governo PSD-CDS iria estar a dar relevância a partidos adversários.
O chamado "sentido de estado" que essas bestas aprenderam a falar não passa de um mero chavão oco. O Partido está acima de tudo, inclusive da Nação.
Com os NPO´s sucedeu o mesmo.

Podemos conjecturar se o PSD faria o mesmo. Mas o certo é que é este Governo que o está a fazer.

Vamos ver se não surgem mais novidades nos outros programas de aquisição que vêm do Governo anterior. Vamos estar atentos para ver o que acontece.
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 18, 2007, 10:22:03 pm
Bem, mas pelo menos 50 unidades têm uma encomenda firme.

Não acredito que o Ministro da Defesa ou o PM tenham fugido para não ir à cerimónia.

Na verdade o que havia para mostrar não era muito. Nem seqer é o primeiro veículo produzido.

É interessante a possibilidade de produzir a viatura com canhão de 105mm.

Tanto quanto sei, até hoje ninguém comprou o Pandur nessa configuração. Há 90mm mas não 105mm.

Os problemas naturalmente são os que já foram discutidos noutros tópicos, entre os quais a capacidade de a estrutura do veículo absorver o impacto dos disparos sem que comecem a aparecer rachauras nas soldaduras.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Leonidas em Janeiro 19, 2007, 12:40:53 am
Saudações guerreiras

Eu também não acredito que os ministros tivessem fugido, mas também para o pormenor em questão de nem sequer haver um militar ao nível de Estado Maior presente, é que acho muito estranho!!! No caso dos NPO ainda foram os militares e também foi uma cerimónia simbólica! Aqui o que diferiu?

Mais estranho ainda é o facto de haverem 7 embaixadores e mais 4 representantes de outros tantos países na cerimónia!!! Epá, espero não estar a exagerar, porque não conheço pormenores de protocolo, mas pelas pessoas envolvidas (embaixadores) não acham que deveria haver pelo menos um Secretário e Estado e os CEM´s? Aqui o protocolo era absolutamente irrelevante, mas era absolutamente imprescindível o bom senso e a boa educação para com ilustres convidados estrangeiros, ou não?!

Será que daqui a alguns meses os veremos todos na cerimónia de entrega dos primeiros veículos operacionais ou iremos ter novela de novo?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 19, 2007, 02:16:14 am
Citação de: "Luso"
Podemos conjecturar se o PSD faria o mesmo. Mas o certo é que é este Governo que o está a fazer.


Recordo-me de ver o Dr.Rui Pena na cerimónia oficial de entrega dos EH101 em 2005.


Cumptos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 19, 2007, 10:59:52 am
Citação de: "Lancero"
A foto foi hoje distribuída em CD, que só trazia mais esta


Recebi hoje o press-release. Continha ainda outras duas fotografias da linha de montagem, basicamente idênticas às imagens das reportagens televisivas. O aspecto, a meu ver, mais interessante é a permanente presença de quatro técnicos austríacos na Fabrequipa para acompanhar o processo. De resto, o Sr. Francisco Pita havia-me referido que os resultados alcançados pelos formandos portugueses na Áustria eram impecáveis.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: Ausências
Enviado por: JQT em Janeiro 19, 2007, 11:21:32 am
Quando uma figura não vai a uma cerimónia para a qual foi convidado, é porque 1) não concorda com o seu significado ou o seu resultado, ou 2) porque não respeita quem lá está. Mesmo que tenham havido problemas no relacionamento entre as partes (e há-os sempre; quanto mais não seja porque há sempre quem tenha estado na fila para receber o seu envelope e no fim acabou por não ver nada), tanto o Exército, a Marinha e o MDN sempre defenderam que este programa era necessário. Pelo que não faz qualquer sentido ninguém estar presente nem sequer se fazer representar. Não vejo nenhuma explicação razoável para este comportamento.

É pura birra de politiqueiros sem cultura democrática e sem sentido de serviço ao país, por muito democratas que digam ser. E ainda falam na «ética republicana», seja lá o que isso fôr. Se foi só para isto que o Ministro da Defesa foi até ao Afeganistão (nesta época do ano e onde não disse nada de jeito), tinha saído mais barato arranjar outra desculpa e dizer que estava com gripe.

JQT
Título: Re: Ausências
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 19, 2007, 11:28:37 am
Ao que a imprensa noticiou o Ministro da Economia fez-se representar pelo Presidente da Comissão de Contrapartidas e o Ministro da Defesa Nacional pelo Director da DGAED. Fizeram-se representar, mas, de facto, não estiveram presentes.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: mcalberto em Janeiro 19, 2007, 01:24:15 pm
Boa Tarde,

Eu que costumo estar do contra, sobre aquilo que acho que são umas alarvidades normalmente debitadas pelos do costume, faço a minha "mea culpa" e acho que desta vez têm razão e por isso aqui vai a minha sugestão:
à inauguração da linha de montagem devia ter ido o primeiro ministro;
à colocação do primeiro rebite, devia ir o ministro da defesa;
à colocação do primeiro parafuso, o ministro da indústria;
à colocação do primeiro pneu, o ministro das obras públicas e comunicações;
à colocação da agua no radiador, o secretário do estado dos assuntos do mar,
e por aí fora até esgotar a lista dos ministros e secretários de estado.

Quando for entregue oficialmente a primeira viatura não é preciso lá estar ninguém, a não ser o condutor para a levar para o quartel.

Acho que desta vez têm de facto razão. Não há é pachorra para tanta asneira.
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 19, 2007, 02:28:57 pm
Venham mais dessas, mcalberto!
Sempre ajudam a montar o "puzzle" que mostra o rosto da política actual.
Força!
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 19, 2007, 04:48:15 pm
Não se irritem se não foram foi porque a verba para combustíveis para os veículos do estado é curto......mas quando for entregue o primeiro Pandur, aí sim, quero ver todos juntos pra foto!!!!!
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:02:25 pm
KRPAN: O Pandur da Eslovenia, apresentado no final de 2006.
Considerando as imagens conhecidas e o formato do veículo português, trata-se da mesma sub-versão que a Eslovenia apresentou.

(http://img238.imageshack.us/img238/7830/img0018ux3.jpg)
(http://img70.imageshack.us/img70/6060/img0075ra1.jpg)
(http://img264.imageshack.us/img264/8388/img9615bi6.jpg)
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 19, 2007, 09:10:41 pm
KRPAN...estava no Sporting, foi para o União de Leiria e agora está aonde, alguém sabe?
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:13:36 pm
Quanto ao jogador do Sporting, não sei.
Mas ao que parece, esta empresa tem uma experiência que junta parte das industrias eslovenas (as que estavam na parte eslovena da antiga Checoslováquia) de armamento e é responsável, por exemplo por um kit de blindagem adicional para o tanque T-55.

O fabricante conta com 17.5% de capital da propria Pandur/General Dynamics.

Curiosamente, ao que se sabe, as forças armadas da Eslovenia não optaram pelo Pandur, porque o Patria era mais barato. O objectivo da empresa fica portanto restringido ao mercado de exportação.


Onde se lê Eslovena deve ler-se Eslovaca.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 19, 2007, 09:15:50 pm
Alguém sabe o que motivou estas pequenas alterações no Pandur?
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:17:40 pm
A frente do veículo fica em principio com o fabrico mais facilitado.
A versão anfíbia tem um quebra-ondas que tem que ser acomodado e não pode tapar os faróis, pelo que foi necessário colocar os faróis em posições mais extremas.

Como este veículo não é anfíbio, fica mais facil de fabricar a parte da frente porque não é necessário quebra-ondas.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 19, 2007, 09:25:40 pm
Mas tipo Portugal usou o pandur II anfíbio nos testes e aceitou mas esses só vão ser vinte e se a diferença fosse só fosse a tal rampa ainda era naquela mas no fim esta a construir um carro diferente que utilizou nos testes, isto não é estranho?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:32:54 pm
Tagos, peço desculpa, mas não entendi a questão.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 19, 2007, 09:35:50 pm
A pergunta era se nós não testamos a versão, o carro errado?
Título:
Enviado por: Marauder em Janeiro 19, 2007, 09:36:16 pm
Citação de: "papatango"
Curiosamente, ao que se sabe, as forças armadas da Eslovenia não optaram pelo Pandur, porque o Patria era mais barato. O objectivo da empresa fica portanto restringido ao mercado de exportação.


Estou a ver que os austríacos não aparentam ter muito jeito para negócios...
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:42:45 pm
Tagos, não sei se respondo à questão, mas o veículo que esteve em testes foi uma versão básica do Pandur.

O veículo parece ser exactamente o mesmo, com o mesmo motor, o mesmo sistema de suspensão a mesma disposição interna. Na prática o que muda é a parte frontal e as helices que locomovem o navio na água, além de (e não estou seguro disto) uma bomba que remove a água que possa entrar durante o atravessamento de um rio ou operação no mar.

A maioria das versões do Pandur que Portugal vai comprar, também nunca foram apresentadas.

Ninguém ainda viu um Pandur equipado com morteiro por exemplo.
E é uma versão relativamente modificada, especialmente na parte traseira.

Outra curiosidade é que o Pandur-II original tem duas portas traseiras, enquanto que esta versão tem apenas uma porta.

Seria interessante que a Fabrequipa tivesse mais informação disponivel sobre o assunto.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 19, 2007, 09:47:58 pm
Citação de: "papatango"
Quanto ao jogador do Sporting, não sei.
Mas ao que parece, esta empresa tem uma experiência que junta parte das industrias eslovenas (as que estavam na parte eslovena da antiga Checoslováquia) de armamento e é responsável, por exemplo por um kit de blindagem adicional para o tanque T-55.

O fabricante conta com 17.5% de capital da propria Pandur/General Dynamics.

Curiosamente, ao que se sabe, as forças armadas da Eslovenia não optaram pelo Pandur, porque o Patria era mais barato. O objectivo da empresa fica portanto restringido ao mercado de exportação.


Eslovénia ou Eslováquia? c34x A Eslovénia fazia parte da Jugoslávia, a Eslováquia é que fazia parte da Checoslováquia...
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 19, 2007, 09:48:26 pm
Video do KRPAN http://www.st-ravne.si/files/userfiles/ ... ser_06.wmv (http://www.st-ravne.si/files/userfiles/sistemskatehnika/video/Krpan_Teaser_06.wmv)

Fotos:

(http://img440.imageshack.us/img440/7483/img0001jf2.jpg)

(http://img187.imageshack.us/img187/107/img0018pe3.jpg)

(http://img144.imageshack.us/img144/5062/img0021cx0.jpg)

(http://img221.imageshack.us/img221/6955/img0043fe7.jpg)

(http://img168.imageshack.us/img168/3484/img0210nd8.jpg)

(http://img100.imageshack.us/img100/3493/img0211bj4.jpg)

(http://img175.imageshack.us/img175/6449/img0218ta0.jpg)

(http://img182.imageshack.us/img182/1728/img9603jb5.jpg)

(http://img179.imageshack.us/img179/711/img9653ik4.jpg)

(http://img246.imageshack.us/img246/6513/img9689wj8.jpg)

(http://img332.imageshack.us/img332/4215/img9748ip8.jpg)

(http://img48.imageshack.us/img48/7351/img9770km2.jpg)

(http://img444.imageshack.us/img444/4948/img9773wd3.jpg)

Fonte: http://www.st-ravne.si/en/ (http://www.st-ravne.si/en/)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 19, 2007, 09:49:02 pm
Citação de: "papatango"
A maioria das versões do Pandur que Portugal vai comprar, também nunca foram apresentadas.


É um facto, assim quase que se pode arriscar (pura expeculação minha) a dizer que esta (a que aparece nas linhas de montagem) será a versão mais "ligeira" a de transporte de tropas.

Será que estarei muito enganado?
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:55:29 pm
Ó Pereira Marques.
Não se pode errar uma caramba :mrgreen:

= = = =

A versão apresentada parece ser uma versão básica, mas equipada com um sistema OWS da RAFAEL (creio que uma arma calibre 12.7) que também dispões de mísseis.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 19, 2007, 09:56:09 pm
Mais umas:

(http://img343.imageshack.us/img343/2803/krpan6maxqf0.gif)

(http://img263.imageshack.us/img263/7431/img00582oq2.jpg)

(http://img134.imageshack.us/img134/6/img01002qi5.jpg)

(http://img143.imageshack.us/img143/7016/img00912az0.jpg)

(http://img228.imageshack.us/img228/721/img01142ry5.jpg)

(http://img145.imageshack.us/img145/4702/via065280paf7.jpg)

Da mesma fonte.
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 19, 2007, 09:59:29 pm
E o veículo tem mais de 20 toneladas  :shock:

Provavelmente será a blindagem
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 19, 2007, 10:11:17 pm
Citar
Tagos, não sei se respondo à questão, mas o veículo que esteve em testes foi uma versão básica do Pandur.

O veículo parece ser exactamente o mesmo, com o mesmo motor, o mesmo sistema de suspensão a mesma disposição interna. Na prática o que muda é a parte frontal e as helices que locomovem o navio na água, além de (e não estou seguro disto) uma bomba que remove a água que possa entrar durante o atravessamento de um rio ou operação no mar.

A maioria das versões do Pandur que Portugal vai comprar, também nunca foram apresentadas.

Ninguém ainda viu um Pandur equipado com morteiro por exemplo.
E é uma versão relativamente modificada, especialmente na parte traseira.

Outra curiosidade é que o Pandur-II original tem duas portas traseiras, enquanto que esta versão tem apenas uma porta.

Seria interessante que a Fabrequipa tivesse mais informação disponivel sobre o assunto.

Cumprimentos


Tem razão papatango, foi a versão base. Obrigado ;)
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 20, 2007, 12:38:30 am
Alguém quer o catálogo do stand? Podem estar interessados em trocar de carro c34x

PS - Parece que umas imagens ficaram mais pequenas que o que deviam. Quando tiver tempo vou tentar resolver isso.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 20, 2007, 12:51:02 am
Conheço uns fulanos, os do ministério da desinformação, que se devem a estar a passar :G-Ok:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 20, 2007, 12:26:18 pm
A produção da Fabrequipa começou pelas viaturas da versão de transporte de tropas.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 20, 2007, 02:24:44 pm
Notei numa das fotos, que os pneus do meios eram diferentes, porque será???
mas esse pandur também não tem a grelha lateral, das fotos do que tinha o outro na apresentação julgo do cd em Portugal, como a porta traseira mas também a parte superior da frente não é igual....

http://img169.imageshack.us/img169/3192/img015qh0.jpg (http://img169.imageshack.us/img169/3192/img015qh0.jpg)

http://img264.imageshack.us/img264/8388/img9615bi6.jpg (http://img264.imageshack.us/img264/8388/img9615bi6.jpg)

http://img482.imageshack.us/img482/9024 ... x82zt1.jpg (http://img482.imageshack.us/img482/9024/pandurii8x82zt1.jpg)

http://img231.imageshack.us/img231/5126 ... x81gk2.jpg (http://img231.imageshack.us/img231/5126/pandurii8x81gk2.jpg)

http://img168.imageshack.us/img168/3484/img0210nd8.jpg (http://img168.imageshack.us/img168/3484/img0210nd8.jpg)

http://img228.imageshack.us/img228/721/img01142ry5.jpg (http://img228.imageshack.us/img228/721/img01142ry5.jpg)

http://img169.imageshack.us/img169/7961/img011wz0.jpg (http://img169.imageshack.us/img169/7961/img011wz0.jpg)
Título:
Enviado por: lurker em Janeiro 20, 2007, 02:31:51 pm
Citação de: "antoninho"
Notei numa das fotos, que os pneus do meios eram diferentes, porque será???

Não são diferentes, as rodas é que estão a patinar.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 21, 2007, 02:13:55 pm
Citar
A frente do veículo fica em principio com o fabrico mais facilitado.
A versão anfíbia tem um quebra-ondas que tem que ser acomodado e não pode tapar os faróis, pelo que foi necessário colocar os faróis em posições mais extremas.

Como este veículo não é anfíbio, fica mais facil de fabricar a parte da frente porque não é necessário quebra-ondas.


Papatango afinal a versão anfíbia vai ter os faróis no mesmo sitio.
É o que parece mostrar numa das imagens colocadas pelo Lancero.

http://img443.imageshack.us/my.php?imag ... 015bn2.jpg (http://img443.imageshack.us/my.php?image=digitalizar0015bn2.jpg)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 21, 2007, 03:01:51 pm
Como é que cabem 2+12 homens e equipamento aqui dentro?

(http://img144.imageshack.us/img144/5062/img0021cx0.jpg)

(http://img228.imageshack.us/img228/721/img01142ry5.jpg)

(http://img145.imageshack.us/img145/4702/via065280paf7.jpg)

As fotos do Lancero parece que mostram um interior mais largo.

(http://img169.imageshack.us/img169/7961/img011wz0.jpg)

(http://img441.imageshack.us/img441/7955/img012nl6.jpg)
Título:
Enviado por: komet em Janeiro 21, 2007, 03:07:11 pm
12 homens? desgraçados... tipo sardinha... eu só vejo 8 assentos... e mesmo assim
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 21, 2007, 03:18:36 pm
Digo isso porque no site da fabrica tem la estas características para a versão de transporte.

Technical data for the basic version

    * Crew : 2+12
    * Max. Combat weight: 22.000 kg
    * Payload: 7.150 kg
    * Powe-to-weight Ration: 15.1 kW/t
    * Lenght: 7.36 m
    * Width: 2.69 m
    * Height (hull top): 2.08 m
    * Ground clearance: 0.45 m
    * Track width: 2.19 m
    * Wheel base: 1.53/1.40/1.40 m
    * Max. speed:
          o Road: 105 km/h
          o Water: 10 km/h
    * Fuel capacity: 375 l
    * Range: up to 700 km
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 21, 2007, 03:24:17 pm
Citação de: "Luso"
Os dois que faltam podem ir ao colo dos restantes... c34x


Também não compreendo esses valores de 10+2...
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 21, 2007, 03:25:48 pm
Versão básica transporte tropas

Terreste: condutor, comandante e mais sete
Anfíbia: condutor, comandante e mais nove

Fonte: http://img443.imageshack.us/my.php?imag ... 015bn2.jpg (http://img443.imageshack.us/my.php?image=digitalizar0015bn2.jpg)

Disposição dos lugares: http://img265.imageshack.us/my.php?imag ... 017fa3.jpg (http://img265.imageshack.us/my.php?image=digitalizar0017fa3.jpg)


As imagens do Krepan (??) parece mostrarem uma versão ambulância
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 21, 2007, 03:42:52 pm
Lancero, não duvido do que nos disse, apenas quero compreender os dados face às imagens que nos são apresentadas. De facto a cabine parace apertada para 10 elementos mais 2 de tripulação.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 21, 2007, 03:55:18 pm
Bem sei que não Luso. Eu também só dou a info que tenho. De resto, no site da empresa até vem que a versão APC do Pandur II 8X8 tem 2+12 lugares :?:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 21, 2007, 04:14:38 pm
Sim foi o que eu disse 2+12. Foi por isso que achei estranho. Como cabem ali 12 homens.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 21, 2007, 04:16:20 pm
Citação de: "TaGOs"
Sim foi o que eu disse 2+12. Foi por isso que achei estranho. Como cabem ali 12 homens.


Pois disse, agora é que reparei. Baralhei-me com os colegas a referirem 10+2... :?
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 21, 2007, 04:36:38 pm
Citar
Pandur II in profile: Steyr's 8x8 digitised warfare platform is gathering speed

By Rupert Pengelley, IDR Group Technical Editor

Portugal was the first country to select the Pandur II 8x8, awarding Steyr-Daimler-Puch a EUR344.3 million (USD455.1 million) contract (plus a spares contract worth another EUR20.7 million) for the supply of 260 vehicles in February 2005. Two hundred and forty of these are destined for the Portuguese Army in 11 configurations, and the remaining 20 for the Portuguese Marines in four amphibious versions. Portugal has taken an option on a further 33 vehicles configured as Mobile Gun Systems (MGS). Second in line was the Czech Army, which it was announced in June 2006 had placed an EUR821 million order for 199 vehicles (plus 35 options) in 18 versions, all of which will be amphibious, including 63 infantry combat vehicles (ICVs).

Practical data

Thus far Steyr has completed three Pandur II 8x8 prototypes, but it is now engaged in producing 41 Pandur II pre-series vehicles for Portugal (including examples of all its specified variants) and 23 (including a number of variants) for the Czech Republic. Both programmes aim for a similar level of customer-nation industrial participation, 70 per cent of man-hours having to be sourced locally and only 30 per cent retained in house.

Manufacture of standard components was initiated in mid-2006, delivery and acceptance being planned for the second quarter of 2007 for both the Czech Republic (two pre-series vehicles) and Portugal (three pre-series vehicles). At the beginning of December 2006, vehicles one to five for Portugal could be seen on Steyr's Vienna line, while the Portuguese assembly facility was due to be formally inaugurated on 17 January 2007. The latter is being operated by Steyr's Portuguese partner, trailer/truck manufacturer Fabriquipa, which will be progressively taking over responsibility for the welding of hulls and for final assembly, using powerpacks and drivelines supplied from Austria. When local production ceases in 2010, Fabriquipa will carry on with responsibility for after-sales support.

Quick delivery

Although the Czech contract was placed after the Portuguese order, it is having to be implemented faster. Under the terms of the contract the first batch of 17 vehicles should all be delivered to the Czech Republic by the end of 2007, and the last in 2012. Among Steyr's Czech partners are VOP 25 (variants and baseline vehicle) and VOP 26 (variants and components), VOP 25/26 sharing responsibility with Steyr for development of the Czech variants, while Rafael is providing the add-on armour fit and weapon system.

Between them, the Czech and Portuguese activities are expected to keep Steyr's current production facility fully booked until 2010, but capacity can be stepped up as the need arises, either in Vienna or in harness with overseas partners. One prospective source of future orders is Croatia, which is deliberating over a potential order for 126 vehicles, although a decision is not expected until the end of 2007 or the beginning of 2008.
http://www.janes.com/defence/land_force ... _1_n.shtml (http://www.janes.com/defence/land_forces/news/idr/idr070117_1_n.shtml)



Resumo de um artigo disponível na Jane's
Título:
Enviado por: sturzas em Janeiro 22, 2007, 02:55:27 am
Viva a todos:

Como forma de retrospoectiva, iremos receber um total de 260 viaturas Pandur-II, sendo 240 destinadas ao exército e 20 aos fuzileiros. Destas, 219 serão fabricadas/montadas em Portugal e as restantes, virão da Aústria (?).

A nível de distribuição, penso que não andará, muito longe de:

EXÉRCITO

VERSÃO 1: (Viatura Transporte de Pessoal), equipada com metralhadora de 12,7 mm, ou lança-grandas de 40 mm - 105 UNIDADES

VERSÃO 2: (Viatura Transporte de Pessoal), equipada com metralhadora com accionamento remoto - 7 UNIDADES

VERSÃO 3: (Viatura Posto de Comando), equipada com metralhadora de 7,62 mm - 24 UNIDADES

VERSÃO 4: (Viatura Porta-Morteiro), equipada com morteiro pesado de 120 mm - 31 VIATURAS (*1)

VERSÃO 5: (Viatura de Manutenção e Recuperação), equipada com grua e guincho, para manutenção de outras viaturas - 7 VIATURAS

VERSÃO 6: (Viaturas de Evacuação Sanitária), equipada para evacuação médica ou para posto clínico - 10 VIATURAS

VERSÃO 7: (Vaturas de Luta Anti-Carro), equipada com lançador de mísseis TOW2 e metrelhadora de 7,62mm - 15 UNIDADES

VERSÃO 8: (Viatura de Vigilância do Campo de Batalha), equipada com mastro com radar com uma extensão de 4 metros de altura; pode utilizar o radar AN-PPS5) - 4 UNIDADES

VERSÃO 9: (Viaturas de Combate de Engenharia), equipada com meios de engenharia horizontal e anti-mina - 10 UNIDADES

VERSÃO 10: (Viatura Ponto de Acesso Rádio), equipada com sistema integrl de comunicações e controlo (C3I) - 6 UNIDADES

VERSÃO 11 : (Viatura Canhão de Tiro Rápido), equoipada com canhão de 25/30 mm - 30 VIATURAS (2*)

Estes números perfazem o total de 240 unidades. Quem deverá de receber estes meios é a Brigada de Intervenção, bem como algumas unidades de instrução.

MARINHA (FUZILEIROS) - Viaturas Anfíbias

VERSÃO 12: (Viatura Transporte de Pessoal), equipada com metrelhadora de 12,7 mm ou lança grandas de 40 mm (13 UNIDADES - 8+5)

VERSÃO 13: (Viatura Poto de Comando), idêntica à versão do Exército, mas anfíbia - 3 UNIDADES

VERSÃO 14: (Viatura Canhão Tiro Rápido), equipada com canhão de 30 mm e duplo lançador de mísseis anticarro - 2 VIATURAS (3*)

VERSÃO 15: (Viatura Porta-Morteiro), idênticas às do Exército, mas anfíbias. - 2 UNIDADES

(1*) Sistema de morteiro Israelita SOLTAM-CARDOM, que não necessita de posto central de tiro.

(2*) Aqui surgem as dúvidas; ou é a torre SP-30

(http://img484.imageshack.us/img484/1454/pan8x801red1lc5jy.th.jpg) (http://http)

ou é a torre ORCWS da Elbit

(http://img442.imageshack.us/img442/9226/orcwsm1139qr.th.jpg) (http://http)

(http://img442.imageshack.us/img442/9226/orcwsm1139qr.th.jpg) (http://http)

Para os Fuzos, penso que está prevista a RCWS:

(http://img442.imageshack.us/img442/1371/foto15b46cca0a0oz.th.jpg) (http://http).

Em 14 de Fevereiro de 2006, a Elbit Systems, no seu site oficial, reclama e oficializa um contrato no valor de 32 Milhões de Dólares, para o fornecimento de "Unmanned Turret Systems" Sistemas de Controlo de Tiro e Equipamentos Adicionais, para o Exército Português.

A minha dúvida, reside se de facto, iemos adquirir as 30 viaturas com SP-30, ou com ORCWS, mais 15 de luta anti-carro, ou se de facto, não seria mais víavél adquirir logo 45 viaturas com sistema misto (RCWS)?

Relativamente às restantes versões, acho que deveria haver mais 5-6 versões de Posto de Comando em detrimento das de Transporte de Pessoal (105 é um exagero).

Cumprimentos
Título:
Enviado por: HCardoso em Janeiro 22, 2007, 12:35:30 pm
Ola a todos

Caro Sturzas vou tentar explicar da melhor forma possivel

Portugal ira receber as seguintes torres para equipar a viatura pandur II, são elas SP30 (Exercito) e a ORCWS-30 (Marinha, Fuzileiros).

A questão da Marinha não equipar as suas viaturas com a torre SP30 esta relacionado com a navegabilidade da viatura pandur com essa torre, e ainda com a capacidade de transporte de militares, o que levou a aquisição de outra torre, mais leve e que não existe a nessecidade de prefuração da viatura.

A ultima foto mostra uma torre RCWS da rafael e não da Elbit.

Por currioso que pareça a torre da Elbit ira ser equipada com misseis Spike da rafael.

Espero que tenha entendido.
um abraço
HCardoso
Título:
Enviado por: HCardoso em Janeiro 22, 2007, 03:55:26 pm
Caro Sturzas

O Exercito portugues vai ainda operar outro equipamento que é RWS (Protector M151) da Kongsberg Protech AS, nas viaturas pandur. São as viaturas equipadas com metralhadora de 12,7 mm de acionamento remoto.

Assim:
Exercito sp-30; RWS Protector M151
Fuzileiros ORCWS- 30

Esta informação foi retirada deste forum.

Um Abraço
HCardoso
Título:
Enviado por: Get_It em Janeiro 22, 2007, 04:27:47 pm
Citação de: "HCardoso"
Por curioso que pareça a torre da Elbit ira ser equipada com misseis Spike da rafael.

Olá,
Acho isto muito interessante, visto que ainda não tinha sido mencionado que Portugal iria comprar, de facto, mísseis Spike. Isso era apenas algo com que muitos de nós sonhava.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: HCardoso em Janeiro 22, 2007, 05:11:04 pm
Caro Get_It

A informação por mim dada foi retirada deste forum

Escrito por Tsahal, noutro topico

"Volto a repetir, que a torre escolhida para as duas viaturas dos Fuzileiros, será uma torre ORCWS da Elbit, misseis SPIKE da Rafael e peça Bushmaster MK44. Para as torres das VBRs do Exercito, foram inicialmente escolhidas as Protector M151 da Kongsberg Protech AS. Vou dar uma noticia em primeira mão. Segundo a Rafael, esta empresa nao garante a integração dos misseis na torre e nao se responsabiliza pelo possivel mau funcionamente dos misseis na torre da Elbit. A empresa apenas fornece os misseis e ponto final."

Um Abraço
HCardoso
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Janeiro 22, 2007, 07:13:42 pm
Reitero tudo o que disse e acrescento que o SPIKE será a versão LR!
Título:
Enviado por: Spectral em Janeiro 22, 2007, 07:39:43 pm
Esperemos que seja a porta de entrada dos Spike nas nossas FA!  :wink:

Já agora alguém sabe-me explicar para que servem as (apenas) 7 viaturas com RWS ? Para ver se alguém consegue convencer "quem manda" que hoje em dia ninguém encomenda veículos blindados deste calibre com uma MG exposta e encomendar-se numa 2a fase RWS s para o resto da frota?....
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 22, 2007, 07:48:08 pm
O SPIKE não é um missil com a mesma função do TOW? Porque vamos ter dois tipos de misseis nos mesmos veiculos?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 22, 2007, 07:56:57 pm
Citação de: "TaGOs"
O SPIKE não é um missil com a mesma função do TOW? Porque vamos ter dois tipos de misseis nos mesmos veiculos?

Cumprimentos


Ess é um dos grande mistérios que ainda estou para perceber...
Utilização de stocks existentes?
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 22, 2007, 08:02:32 pm
Mas os que o exercito tem não são os TOW? E para os pandur II não são os TOW II?
Se assim for vamos ficar com TOW, TOW II, MILAN e agora SPIKE. Não será demais?
(atenção que posso tar a dizer disparates)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 22, 2007, 08:05:30 pm
Tanto o TOW como o Milan já são misseis antigos, o Spike é, na minha opinião o futuro. Vejam como a Espanha vai subsituir os seus misseis Milan/TOW pelos vários modelos da familia Spike.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 22, 2007, 08:06:33 pm
General:

www.israeli-weapons.com/weapons/missile ... Spike.html (http://www.israeli-weapons.com/weapons/missile_systems/anti-armor/gill_spike/GillSpike.html)


Spike-SR:

www.israeli-weapons.com/weapons/missile ... ke_SR.html (http://www.israeli-weapons.com/weapons/missile_systems/anti-armor/gill_spike/Spike_SR.html)


Spike-MR/LR

www.israeli-weapons.com/weapons/missile ... MR-LR.html (http://www.israeli-weapons.com/weapons/missile_systems/anti-armor/gill_spike/Spike_MR-LR.html)


Spike-ER

www.israeli-weapons.com/weapons/missile ... /N-TD.html (http://www.israeli-weapons.com/weapons/missile_systems/anti-armor/n-td/N-TD.html)
Título:
Enviado por: Luso em Janeiro 22, 2007, 08:14:16 pm
Só vejo esta opção por questões de preço/logística - se os stocks forem substanciais e os TOW recentes e frescos.
Nem falo do Milan. Comparar o Milan com com o Spike MR é coisa que não se faz.
Título: SPIKE.
Enviado por: tsahal em Janeiro 22, 2007, 09:28:36 pm
Estás a esquecer-te que algumas PANDUR 2 do EP serão equipadas com o TOW ITAS e que em 2006 foram adquiridos MILANs 3.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 22, 2007, 10:40:39 pm
Milan 3?! Para que unidade? BRR ou BI?
Título:
Enviado por: Spectral em Janeiro 22, 2007, 10:44:56 pm
TaGos, tanto quanto sei o exército tem/teve stocks de TOW, I-TOW e TOW-2A, basicamente as 3 versões sucessivas do TOW. A principal diferença entre as 3 é a capacidade de penetração ( o que diz bastante da capacidade do sistema original!). Como todas são disparadas do mesmo lançador não há grande crise... Existe ainda um TOW-2B com capacidade de ataque pelo topo do alvo, mas acho que o exército não dispõe desta versão.

O MILAN ( 1, 2 e 2T as versões que eu sabia operadas pelas FA portuguesas) é um míssil da mesma geração do TOW, guiado por cabo, só que mais pequeno ( transportável pela infantaria) e com menos alcance obviamente.

Tsahal, não tinha conhecimento dessa aquisição!!, pode dar mais pormenores?  Pelo que conheço o MILAN 3 exige um novo posto de lançamento, o que poderá estar a condenar-nos a usar um míssil como o MILAN 3 ( com um conceito já ultrapassado, já que continua a ser SACLOS, guiado por cabo, como o TOW e MILAN) por muito tempo, em vez de evoluírmos para um míssil fire-forget da classe Javelin/Spike, como se está a fazer por lá fora?

http://www.army-technology.com/projects/milan/
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 25, 2007, 01:50:24 pm
Obrigado pela resposta Spectral ;)
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 25, 2007, 02:43:19 pm
Alguém sabe se a Fabrequipa vai mudar de site? É que aquele não é coisa que se apresente e nem é actualizado desde 2000.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 27, 2007, 11:27:16 am
Citar
Barreiro acolhe fábrica de veículos blindados

Até 2010 sairão das linhas da Fabrequipa, em Palhais, 260 veículos Pandur II 8x8, um dos blindados mais avançados do mundo. Para já a produção destina-se unicamente a fornecer as Forças Armadas Portuguesas mas Francisco Pita, sócio-gerente da empresa, acredita nas "possibilidades de exportação" que garantirão a continuidade desta indústria e a manutenção dos cem postos de trabalho agora criados. Se se confirmarem as negociações em curso com "alguns países amigos", tornar-se-á mesmo necessária a abertura de uma segunda unidade fabril, também no Barreiro.

Para o presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto, a vinda desta fábrica para o concelho é “encarada com satisfação”, uma vez que “tem uma forte componente de alta tecnologia” e se enquadra “na orientação para um desenvolvimento económico sustentável”. O edil acredita que “novas encomendas virão” e, nesse sentido, garante ter já “algumas hipóteses em estudo” para a localização de uma segunda unidade da Fabrequipa. A concretizar-se a instalação da estrutura, a mesma representará um investimento de 35 milhões de euros e criará 120 postos de trabalho directos.

 

Certa para já é a produção de 260 unidades do Pandur II 8x8 em 16 versões diferentes, incluindo um protótipo com um canhão de 115 milímetros que será testado pelo Exército. Segundo Francisco Pita, numa primeira fase a produção na Fabrequipa incluirá “o ensemble, a soldadura, a serralharia, a montagem e o corte de tudo o que é chapa de aço” mas, progressivamente “a ideia é incorporar o máximo possível de componentes nacionais”.

 

O homem-forte da Fabrequipa explica que “o Pandur II 8x8 é um veículo blindado de última geração”, capaz de “se aperceber quando entra na mira de um canhão”, e que dispõe de “formas de despiste do laser inimigo”, protecção anti-minas, pneus anti-furo, e “todo um conjunto de segurança passiva, alguma dela confidencial, que a aproxima da invisibilidade”.

 

A criação da nova fábrica resultou de uma transferência de tecnologia a cem por cento e contou ainda com formação de vinte dos seus técnicos nas unidades austríacas da Steyer-SSF, a empresa parceira no negócio. Francisco Pita sublinha o facto de o trabalho dos portugueses ter sido “amplamente elogiado”, recebendo a equipa 20 valores. “Neste momento a velocidade de produção excedeu as expectativas” afirma o empresário que acredita que “dentro de um mês e meio estarão concluídos 12 veículos”. As primeiras entregas estão agendadas para o próximo mês de Junho.

 

O contrato celebrado entre o Ministério da Defesa e a General Dynamics, detentora da Steyer-SSF, prevê 516 milhões de contrapartidas pela compra do total da produção até 2010, no valor de 364 milhões de euros. A partir de 2010 a continuidade da produção dependerá de novos contratos, nomeadamente com países do Norte de África e Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Francisco Pita está “optimista”, esperando fechar em breve “só com Marrocos, uma área de negócios de 60 milhões de euros”.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 27, 2007, 11:33:31 am
Citar
Barreiro acolhe fábrica de veículos blindados

Até 2010 sairão das linhas da Fabrequipa, em Palhais, 260 veículos Pandur II 8x8, um dos blindados mais avançados do mundo. Para já a produção destina-se unicamente a fornecer as Forças Armadas Portuguesas mas Francisco Pita, sócio-gerente da empresa, acredita nas "possibilidades de exportação" que garantirão a continuidade desta indústria e a manutenção dos cem postos de trabalho agora criados. Se se confirmarem as negociações em curso com "alguns países amigos", tornar-se-á mesmo necessária a abertura de uma segunda unidade fabril, também no Barreiro.

Para o presidente da Câmara Municipal do Barreiro, Carlos Humberto, a vinda desta fábrica para o concelho é “encarada com satisfação”, uma vez que “tem uma forte componente de alta tecnologia” e se enquadra “na orientação para um desenvolvimento económico sustentável”. O edil acredita que “novas encomendas virão” e, nesse sentido, garante ter já “algumas hipóteses em estudo” para a localização de uma segunda unidade da Fabrequipa. A concretizar-se a instalação da estrutura, a mesma representará um investimento de 35 milhões de euros e criará 120 postos de trabalho directos.

 

Certa para já é a produção de 260 unidades do Pandur II 8x8 em 16 versões diferentes, incluindo um protótipo com um canhão de 115 milímetros que será testado pelo Exército. Segundo Francisco Pita, numa primeira fase a produção na Fabrequipa incluirá “o ensemble, a soldadura, a serralharia, a montagem e o corte de tudo o que é chapa de aço” mas, progressivamente “a ideia é incorporar o máximo possível de componentes nacionais”.

 

O homem-forte da Fabrequipa explica que “o Pandur II 8x8 é um veículo blindado de última geração”, capaz de “se aperceber quando entra na mira de um canhão”, e que dispõe de “formas de despiste do laser inimigo”, protecção anti-minas, pneus anti-furo, e “todo um conjunto de segurança passiva, alguma dela confidencial, que a aproxima da invisibilidade”.

 

A criação da nova fábrica resultou de uma transferência de tecnologia a cem por cento e contou ainda com formação de vinte dos seus técnicos nas unidades austríacas da Steyer-SSF, a empresa parceira no negócio. Francisco Pita sublinha o facto de o trabalho dos portugueses ter sido “amplamente elogiado”, recebendo a equipa 20 valores. “Neste momento a velocidade de produção excedeu as expectativas” afirma o empresário que acredita que “dentro de um mês e meio estarão concluídos 12 veículos”. As primeiras entregas estão agendadas para o próximo mês de Junho.

 

O contrato celebrado entre o Ministério da Defesa e a General Dynamics, detentora da Steyer-SSF, prevê 516 milhões de contrapartidas pela compra do total da produção até 2010, no valor de 364 milhões de euros. A partir de 2010 a continuidade da produção dependerá de novos contratos, nomeadamente com países do Norte de África e Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa. Francisco Pita está “optimista”, esperando fechar em breve “só com Marrocos, uma área de negócios de 60 milhões de euros”.


Fonte: http://www.setubalnarede.pt/content/ind ... o&rec=8610 (http://www.setubalnarede.pt/content/index.php?action=articlesDetailFo&rec=8610)
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 29, 2007, 11:19:19 am
Acerca do problema da peça de 105mm no Pandur II.....

The Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeug, the Austrian component of General Dynamics European Land Combat Systems, has sold its Pandur II vehicle to the Czech Republic and to Portugal. The 6 x 6 Pandur II is offered with a 90 mm gun turret while the 8 x 8 vehicle can carry a 105 mm gun. The Portuguese Ministry of Defence became the launch customer for the Pandur II when it awarded Steyr a € 365 million contract in February 2005 for 260 8 x 8 vehicles to equip its army and marine corps. Deliveries will begin in 2007 and continue until 2010. Variants on order include infantry carrier vehicles, infantry fighting vehicles, 120 mm mortar carriers, 16 command posts and anti-tank vehicles. The contract also includes an option, which expires in February 2007, for 33 105 mm Mobile Cannon Systems but the army has yet to define its turret requirement. The 6 x 6 Pandur II is offered with a range of turrets that can be armed with weapons as large as a 90 mm gun, while the 8 x 8 version can carry a 105 mm gun turret. Ascod, a joint venture of Steyr and Santa Barbara Sistemas (also now part of the General Dynamics), has demonstrated no fewer than three 105 mm turrets on the Ascod infantry fighting vehicle: the Oto Melara 105LRF turret, the Denel LMT-105 turret developed for the South African Army’s Rooikat 8 x 8 and the General Dynamics LPT.

(http://i61.photobucket.com/albums/h52/antoninho1/ascod2.jpg)
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 30, 2007, 11:00:35 pm
Fica aqui o registo de uma Chaimite V-200 do Regimento de Cavalaria nº 6 que juntamente com outras três viaturas integrou o desfile militar comemorativo do 10 de Junho de 2006, no Porto.

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/junho7.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Johnnie em Janeiro 30, 2007, 11:21:26 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
desfile militar comemorativo do 10 de Junho de 2006, no Porto.


O tal que nos rendeu os 37 LEOIIA6  :lol:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 30, 2007, 11:23:02 pm
Talvez... :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 31, 2007, 09:09:25 pm
Em teoria há mais uma hipotese para a peça de 100mm para o PANDUR.

(http://i33.photobucket.com/albums/d52/areamilitar/armas/Pandur_105mm.jpg)

No entanto a última torre que foi considerada creio que foi de facto a torre que equipa o ASCOD da foto acima.

A FABREQUIPA afirmou que apresentaria no próximo ano o veículo PANDUR "equipado com o canhão de 105mm".

Não foi referido "torre", mas isso provavelmente terá a ver com a necessidade de facilitar o entendimento.

Se a empresa pretender exportar o veículo para países do norte de África ou da África sub Sahariana, a torre do Stryker, não parece ser a mais adequada.

Além de que os problemas conhecidos no Stryker, provavelmente também se colocam no PANDUR-II.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Miguel em Janeiro 31, 2007, 09:16:45 pm
Papatango

Existe ainda a possibilidade de equipar os Pandur com a mesma torre de 105mm que equipa os AMX10RC :twisted:

E ainda me vao chamar para explicaçoes, hehehe...

(http://[url=http][img]http://img392.imageshack.us/img392/2609/amx10rc105ro6.th.jpg)[/url][/img]
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 31, 2007, 10:08:23 pm
Eu não sei se a torre será adequada. Talvez seja, talvez não.

A opção pela utilização normalmente tem a ver com o tamanho e características da torre, pontos de absorção de energia do disparo (e o AMX-10RC foi feito (muitíssimo adaptado) para colocar aquela torre.

A opção por uma torre ou outra tem muitas vezes a ver com o fabricante do sistema e neste caso não podemos esquecer que o Pandur-II é um produto da General Dynamics.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 31, 2007, 10:11:21 pm
O que é que os Italianos colocaram naquele veiculo tb usado pelos Espanhóis? Agora não me lembro do nome...mas com um pouco de tempo acho que se podia adaptar ao Pandur.
Título:
Enviado por: Spectral em Janeiro 31, 2007, 10:28:55 pm
O Centauro é um veículo italiano de rodas com uma torre c/ uma peça de 105mm, também usado pelos espanhóis. Tal como o AMX-10RC foi construído especifícamente para ser um veículo de combate com a torre de 105 ( embora tenham sido propostas outras versões mais recentemente) , e neste caso a torre é ainda maior, e portanto parece-me ainda menos provável ainda a sua adaptação a um Pandur II.

http://www.army-technology.com/projects/centauro/
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 01, 2007, 09:43:37 am
Ao contrário da do AMX-10, a torre do Centauro é uma das previstas para serem ensaiadas na Pandur II.  :)

Uma questão interessante tem a ver com o perfil do veículo: em termos de eficácia, seria bom ter um veículo com baixo perfil, mais discreto. Ora, a altura do Centauro é basicamente a mesma da Pandur II com a mesma torre. Por aí, não haverá grande problema. Em termos estruturais é que podem haver grandes problemas.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Fevereiro 19, 2007, 12:50:07 pm
Da Jane's International Defence Review:

Citar
Pandur II in profile: Steyr's 8x8 digitised warfare platform is gathering speed

By Rupert Pengelley, IDR Group Technical Editor

Portugal was the first country to select the Pandur II 8x8, awarding Steyr-Daimler-Puch a EUR344.3 million (USD455.1 million) contract (plus a spares contract worth another EUR20.7 million) for the supply of 260 vehicles in February 2005. Two hundred and forty of these are destined for the Portuguese Army in 11 configurations, and the remaining 20 for the Portuguese Marines in four amphibious versions. Portugal has taken an option on a further 33 vehicles configured as Mobile Gun Systems (MGS). Second in line was the Czech Army, which it was announced in June 2006 had placed an EUR821 million order for 199 vehicles (plus 35 options) in 18 versions, all of which will be amphibious, including 63 infantry combat vehicles (ICVs).

Practical data

Thus far Steyr has completed three Pandur II 8x8 prototypes, but it is now engaged in producing 41 Pandur II pre-series vehicles for Portugal (including examples of all its specified variants) and 23 (including a number of variants) for the Czech Republic. Both programmes aim for a similar level of customer-nation industrial participation, 70 per cent of man-hours having to be sourced locally and only 30 per cent retained in house.

Manufacture of standard components was initiated in mid-2006, delivery and acceptance being planned for the second quarter of 2007 for both the Czech Republic (two pre-series vehicles) and Portugal (three pre-series vehicles). At the beginning of December 2006, vehicles one to five for Portugal could be seen on Steyr's Vienna line, while the Portuguese assembly facility was due to be formally inaugurated on 17 January 2007. The latter is being operated by Steyr's Portuguese partner, trailer/truck manufacturer Fabriquipa, which will be progressively taking over responsibility for the welding of hulls and for final assembly, using powerpacks and drivelines supplied from Austria. When local production ceases in 2010, Fabriquipa will carry on with responsibility for after-sales support.

Quick delivery

Although the Czech contract was placed after the Portuguese order, it is having to be implemented faster. Under the terms of the contract the first batch of 17 vehicles should all be delivered to the Czech Republic by the end of 2007, and the last in 2012. Among Steyr's Czech partners are VOP 25 (variants and baseline vehicle) and VOP 26 (variants and components), VOP 25/26 sharing responsibility with Steyr for development of the Czech variants, while Rafael is providing the add-on armour fit and weapon system.

Between them, the Czech and Portuguese activities are expected to keep Steyr's current production facility fully booked until 2010, but capacity can be stepped up as the need arises, either in Vienna or in harness with overseas partners. One prospective source of future orders is Croatia, which is deliberating over a potential order for 126 vehicles, although a decision is not expected until the end of 2007 or the beginning of 2008.


http://www.janes.com/defence/land_force ... _1_n.shtml (http://www.janes.com/defence/land_forces/news/idr/idr070117_1_n.shtml)
Título:
Enviado por: TaGOs em Fevereiro 19, 2007, 08:22:01 pm
Encontrei um vídeo a falar do krpan mas não percebo nada do que dizem mas da para ver o veiculo.

http://24ur.com/bin/article.php?article ... a=16140001 (http://24ur.com/bin/article.php?article_id=3082281&show_media=16140001)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 22, 2007, 11:26:31 am
Citar
Primeiros “Pandur II” 8x8 destinados a Portugal já estão construídos
 
Tenente-Coronel SG Pára-quedista Miguel Silva Machado

 
Na fábrica da Steyr‑Daimler‑Puch, em Viena (Áustria) já estão a ser testados os primeiros Veículos Blindados de Rodas “Pandur II” 8x8, destinados a Portugal.
 
As Forças Armadas Portuguesas deverão começar a receber um primeiro lote de “Pandur II” 8X8, fabricados na Áustria, no decurso de 2007. Dos 260 constantes do contrato de aquisição 20 serão anfíbios, destinados ao Corpo de Fuzileiros da Marinha e os restantes 240 serão destinados ao Exército que previsivelmente os atribuirá a diversos regimentos da Brigada de Intervenção. No total serão 15 as versões da “Pandur II” 8x8 a serem entregues, das quais se destacam parte dotadas com torres SP 30. Portugal tem ainda previsto, embora não calendarizada, a aquisição de um novo lote de 33 viaturas deste mesmo modelo mas armadas com uma peça de 105mm.
 
A entrega das viaturas ao Exército deverá iniciar‑se em 2007 e terminar em 2010 e ao Corpo de Fuzileiros em 2008 e 2009. Caso a opção MGS (Main Gun System) 105mm venha a concretizar‑se, as 33 viaturas desta versão deverão ser entregues em 2010 e 2011.
 
Em Portugal será a Fabrequipa, Lda. sedeada no concelho do Barreiro a produzir as viaturas, depois de ter adquirido a firma Gestão de Operações Metalomecânicas, parceiro português da Steyr no início deste processo e de ter sido, em Novembro 2006, autorizada pelo Ministério da Defesa a “…exercer actividades de indústria e comércio de armamento…”.
 
Portugal é o primeiro cliente desta versão da “Pandur” a qual, recente­mente foi também encomendada pela República Checa. Anteriormente vários países já haviam adquirido e utilizado a versão 6x6.


http://www.revistamilitar.pt/modules/ar ... php?id=172 (http://www.revistamilitar.pt/modules/articles/article.php?id=172)
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 22, 2007, 12:21:05 pm
A Fuerzas Militares del Mundo de Fevereiro (nº 54) publicou, na sua secção uma notícias relativas a Portugal, alguns novos dados sobre o programa dos blindados Pandur II, fruto de um trabalho de pesquisa que levei a cabo nos últimos meses.

Segundo nos referiu Francisco Pita, sócio-gerente da Fabrequipa, a mesma tem já autorização da parte da Steyr para produzir sob-licença veículos Pandur II 6x6 e os blindados de lagartas Ulan (versão austríaca do ASCOD). Mais detalhes e outras novidades podem ser encontrados na publicação imprensa.

(http://www.army-technology.com/projects/ascod/images/new2.jpg)  (http://www.army-technology.com/projects/ascod/images/new3.jpg)
Citar
The ASCOD (Austrian-Spanish Cooperative Development) family of fighting vehicles is marketed by ASCOD A.I.E. with headquarters based in Madrid, Spain. ASCOD is a jointly owned company set up by Steyr-Daimler-Puch AG of Vienna, Austria and General Dynamics, Santa Barbara Sistemas (GDSBS) of Madrid, Spain. (...) The infantry fighting vehicle is in service with the Spanish Army where it is called the Pizarro and with the Austrian Army where it is known as the Ulan. (...)  112 Ulan vehicles were delivered to the Austrian Army between 2002–2005. in Army Technology (http://www.army-technology.com/projects/ascod/)
Citar
The ULAN is a tracked armored vehicle in the class of 30 to 35 tons. (...) The crew consists of 11 persons: Commander and gunner (turret), Driver,  fully equipped infantry squad (8 soldiers) (...) in Steyr (http://www.steyr-ssf.com/)

A ficha técnica completa do Ulan pode ser consultada neste endereço: http://www.steyr-ssf.com/pdfs/_2_Specifications_Ulan.pdf

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: old em Fevereiro 22, 2007, 12:54:36 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
Na secção de notícias da Fuerzas Militares del Mundo de Fevereiro (nº 54) uma notícia relativa aos Pandur II dá mais alguns detalhes, até agora inéditos: segundo nos referiu Francisco Pita, sócio-gerente da Fabrequipa, a mesma tem já autorização da parte da Steyr para produzir sob-licença veículos Pandur II 6x6 e os blindados de lagartas Ulan (versão austríaca do ASCOD). Mais detalhes e outras novidades na página da revista.


Y para quien serian esos Ascod?

Serian las unidades de infanteria mecanizada que acompañaran a vuestros futuros Leopard II A6?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 22, 2007, 01:10:44 pm
Citação de: "old"
Y para quien serian esos Ascod?

Serian las unidades de infanteria mecanizada que acompañaran a vuestros futuros Leopard II A6?


Note-se que não é uma intenção de compra, mas apenas a possibilidade de produção. A haver uma aquisição, os mesmos seriam provavelmente atribuídos à Brigada Mecanizada.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Fevereiro 22, 2007, 03:23:01 pm
Parece que fizemos um negocio da China...  :D
Compramos um veiculo e já temos autorização para construir mais dois. Isto é que são negócios.
Alguém tem o artigo digitalizado?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 22, 2007, 04:36:31 pm
Caro Pedro Monteiro, nessa noticia está escrito que o nosso PM esteve na inauguração....

Citação:
Francisco Pita, da Fabrequipa, convidou o primeiro-ministro José Sócrates, o ministro da Defesa (Severiano Teixeira) e o ministro da Economia (Manuel Pinho). Nenhum compareceu por estarem no estrangeiro, respectivamente em Estrasburgo, Afeganistão e Índia



mais, que a produção do Pandur começou na Áustria em 1006???

Atenção que não estou a desmentir o resto da noticia, apenas para o que eu penso ser lapsos.....
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 22, 2007, 05:40:22 pm
Citação de: "antoninho"
Atenção que não estou a desmentir o resto da noticia, apenas para o que eu penso ser lapsos.....


A explicação é muito simples: a fim de poder incluí-la ainda na edição de Fevereiro, enviei-a antes da cerimónia com base nos dados que me haviam sido facultados. Como bem referiu, o primeiro-ministro, Eng. José Sócrates, não esteve, ao contrário do previsto, presente na cerimónia devido a compromissos no âmbito da presidência portuguesa da União Europeia. Eu cheguei a enviar a correcção, mas o texto não chegou em tempo útil. Na próxima edição sairá uma nota de retificação (a foto que acompanha o artigo é do Ministério da Defesa).

A produção na Áustria começou, com efeito, em 2006. Estes dados foram fornecidos pelo fabricante e podem, de resto, ser confirmados em fontes como a Jane's.

As informações acerca dos programas que a Fabrequipa pretende levar a cabo foram-me, como referido, transmitidas pelo próprio Francisco Pita, em Outubro do ano passado.

Normalmente, a Fuerzas Militares del Mundo (http://www.fuerzasmilitares.com) vende-se nas lojas Yellows.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 22, 2007, 05:51:08 pm
Pedro Monteiro a noticia não diz 2006!!!! mas sim Setembro de 1006.....eu sei que foi erro, mas  só queria chamar a atenção de uma outra maneira, quanto ao resto está correcto....agora fico na expectativa na noticia do mercado mundial de fragatas da próxima edição da FAM
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 22, 2007, 05:54:18 pm
Citação de: "antoninho"
Pedro Monteiro a noticia não diz 2006!!!! mas sim Setembro de 1006.....eu sei que foi erro, mas  só queria chamar a atenção de uma outra maneira, quanto ao resto está correcto....


Lapso na tradução pela redacção.  :wink:
Posso acrescentar que a produção de parte das VBR para Portugal em Viena ocorre desde Setembro último Na Áustria serão produzidas as primeiras viaturas de cada versão.
   
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 25, 2007, 05:36:38 pm
Sobre a operação do ASCOD em Espanha, a Fuerzas Militares del Mundo, no número 19 de Março de 2004, trouxe um artigo extenso sobre o programa de desenvolvimento do VCI Pizarro, bem como sobre o Regimiento de Infantería Mecanizada Asturias 31, operador destes veículos desde 2001 (no Ejército de Tierra foi a terceira unidade a recebê-lo).

(http://www.army-technology.com/projects/ascod/images/new1.jpg)
Coluna de blindados Pizarro, pertencentes à División Mecanizada Brunete nº 1. Notar a blindagem reactiva SABBLIR na torre SP30 e na parte frontal dos mesmos.

Citar
Como nos confirmó el coronel de la unidad y sus hombres, la llegada del Pizarro ha supuesto toda una revolución en la doctrina de la unidad, no solamente a nivel táctico, sino a nivel de mantenimiento, debido a las exigencias que en ese campo requiere el vehículo. El Pizarro ha dotado las compañías de una movilidad muy superior a la que tenían con la TOA [viaturas blindadas M113]. (...) La potencia de fuego que tiene este vehículo, equipando con una torre biplaza con cañón de 30mm (que dispara munición perforante y de alto explosivo) hace que, en ocasiones, su solo uso consiga lo que antes se tenía que hacer haciendo descender a todo el pelotón de infantería que se transportaba [com 7 elementos].
(...) Cada compañía de Pizarro está formada por un vehículo de mando y tres secciones con quatro vehículos cada una, es decir, un total de 13 VCI por compañía.
(...) Tal vez la única pega que se le pueda hacer al vehículo sea su falta de capacidad anfíbia, aunque es capaz de realizar vadeos de hasta 1,5 metros de profundidad (...)  
in FAM

Encomendas de Espanha:

Citar
Fevereiro de 1996 Um lote de 144 viaturas de um total de 463 pretendidas, sendo 123 da versão de transporte e combate de infantaria e 21 de comando.
Setembro de 2003 Um segundo lote de 212 veículos, dos quais 170 na versão de combate de infantaria e 42 noutras versões (5 de comando, 8 de recuperação, 28 de observação de artilharia, um de sapadores).

No total estão previstos 484 veículos, 332 de combate de infantaria, 28 de comando, 27 de recuperação, 40 de observação de artilharia, 57 de sapadores e engenharia de combate.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 25, 2007, 09:33:32 pm
Pedro Monteiro, isto não terá a ver com uma procura de um certo país do norte de África....
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 26, 2007, 01:54:14 pm
Citação de: "antoninho"
Pedro Monteiro, isto não terá a ver com uma procura de um certo país do norte de África....


Pode especificar? O único contrato previsto com um país africano, mais concretamente do Magreb, é com Marrocos para o fornecimento de peças sobresselentes e componentes necessários à modernização aos tanques ligeiros SK-105, produzidos pela Steyr.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 26, 2007, 06:05:39 pm
Argélia
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 26, 2007, 06:17:42 pm
O mercado do Norte de África é um dos que a Fabrequipa aposta para quando acabar de construir os Pandur II 8x8 portugueses - isto dito com muita insistência pelo sr. Pita.
Mas, para já, ainda só está adiantado o contrato que o Pedro Monteiro referiu.
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 26, 2007, 06:58:19 pm
Aquilo que circula em certos canais diplomáticos, é uma aproximação da Argélia ao ocidente, pois tem muito a haver com a sua politica interna(fanatismo religioso) e económica (sector energético) com os países europeus, assim a compra de material militar seria uma maneira de quando for necessário aplicar a ""força bruta internamente"", ter o "beneficio da duvida da europa"......
Ora a politica da Áustria(sempre neutros) e espanhola(11 de Março), não seria de vender ou fornecer tais equipamentos aos argelinos, para evitarem certos dissabores,vai daí lembraram-se de dar  ao fabricante português tal hipótese de construção......ou será que estou sonhando????
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 26, 2007, 07:05:55 pm
Como dizia o São Tomás de Aquino, "ver para crer"...  :)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Rui Elias em Fevereiro 27, 2007, 11:13:42 am
Essa é uma ópitima notícia para facilitar a colocação da viatura noutros mercados, já que nem todos estarão interessados na versão de oito rodas.

Quanto ao Ulan, que bem ficaria uma força dessas, para aí de 80 unidades, no nosso Exército.

Infelizmete tanto quanto sei, nada está previsto em termos de compra desses equpamentos, que para mim seriam inprescindíveis se se concretizar a vinda dos Lepoard IIA6.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Março 02, 2007, 05:07:51 pm
Citar
Apresentação de Sistemas de Simulação e Treino da EMPORDEF - TI
Em 08Fev07 decorreu na EPC, a apresentação de “Sistemas de Simulação e Treino da EMPODEF – TI”. Assistiram à apresentação os Comandantes e os Directores de Formação da EPI, EPE, EPT, EPS e ESE; o Comandante do RC3; o Chefe e o Adjunto do Centro de Simulação do Exército; 4 Oficiais do EM/CID (Chefe RACC, Adjunto RepDoutr, Chefe RR e Chefe REPPC) bem como, os Oficiais do grupo de Comando da EPC. Esteve ainda presente o Exmo MGen Amaral Vieira, Subdirector-Geral da Direcção-Geral de Armamento e Equipamento de Defesa do Ministério da Defesa Nacional. Esta apresentação teve como finalidade demonstrar as capacidades da EMPORDEF – TI, nomeadamente na área da simulação bem com, a apresentação de um simulador/desktop trainer (Simulator – Platoon Set – Taletop Maneuver Training PANDUR II 8x8) para o treino de pelotão a 4 viaturas PANDUR II 8x8.  
9/2/2007
Título:
Enviado por: Antonio em Março 04, 2007, 04:49:28 pm
fabricacao do Pendur2 e Portugal

(http://img187.imageshack.us/img187/1750/lis1263357vk9.jpg)










(http://img443.imageshack.us/img443/6395/steyrpandurport1bh5.jpg)



(http://img259.imageshack.us/img259/4913/steyrpandurport2as7.jpg)

(http://img231.imageshack.us/img231/5126/pandurii8x81gk2.jpg)


estas Fotos :D
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Março 04, 2007, 10:09:26 pm
António:
Estas fotos estão na página 13 deste tópico. Foi aí que elas inicialmente foram colocadas.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 05, 2007, 03:43:19 pm
Citar
Citação:
Francisco Pita, da Fabrequipa, convidou o primeiro-ministro José Sócrates, o ministro da Defesa (Severiano Teixeira) e o ministro da Economia (Manuel Pinho). Nenhum compareceu por estarem no estrangeiro, respectivamente em Estrasburgo, Afeganistão e Índia


O mais espantoso é que nem sequer o Sec. de Estado da Defesa compareceu, em representação do Ministro, o que seria de bom tom.

Parece que estiveram apenas chefias militares do Exército e da Marinha, embora julgue saber (alguem que me corrija) que os PandurII para a Marinha, os anfíbios, serão contruídos na sede austríaca.

Será engulho por se tratar de um programa negociado e iniciado o tempo de Portas à frente do MDN, ou simples desprezo que o actual Governo tem para com o sector da Defesa?
Título:
Enviado por: Antonio em Março 05, 2007, 05:17:43 pm
nao sabia que as Fotos estavao na pagina 13 :oops:
Título:
Enviado por: Mar Verde em Março 05, 2007, 05:33:41 pm
o pormenor dos "faróis" é made in Portugal ?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Março 05, 2007, 08:18:33 pm
As viaturas anfíbias serão produzidas em Portugal. O CEME e CEMA não estiveram presentes, embora tenham estado representados, tal como o Ministro da Defesa (na pessoa do director da DGAED).

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Março 05, 2007, 08:31:56 pm
Também esteve presente o presidente da Comissão de Defesa Nacional da AR, o deputado Miranda Calha (PS).
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Março 06, 2007, 10:49:26 am
A Revista da Armada está de parabéns pelo detalhado artigo sobre o programa das VBR Pandur II para o Corpo de Fuzileiros que incluiu na sua edição de Março (http://www.marinha.pt/extra/revista/ra_mar2007/pag_14.html):

Citar
As Novas Viaturas Blindadas Ligeiras Anfibias (VBLA)
 
No passado, dia 16 de Fevereiro, certamente muitos foram os que ouviram nos noticiários ou leram nos jornais do dia seguinte, que tinha sido aberta uma fábrica onde se iriam construir os novos blindados para a Marinha e para o Exército.

Foi pois com pompa e circunstância que se inaugurou a linha de montagem das VBLA e que estiveram presentes várias entidades civis e militares das quais destacamos da Marinha o VALM Viegas Filipe (DGAED), o VALM Palhinha (SSM), o CALM Pais Loureiro (DN), o CALM Abreu (CCF) e vários Oficiais Superiores.

É uma realidade que a empresa situada no Barreiro, mais precisamente à entrada da Quinta da Lomba, anteriormente designada por “A.R.B” e actualmente mais conhecida por “A.R.B. FABREQUIPA”, que há muito construía atrelados para Portugal e essencialmente para exportação, inclusivamente construiu alguns para os Fuzileiros, vai montar os novos veículos blindados que estão a ser desenvolvidas pela Styer em Viena, encontrando-se já o primeiro grupo de 5 cascos, montados na Áustria na fase de montagem de equipamentos e mais 10 na linha de montagem dos cascos, em Portugal.  

Porque este programa envolve um conjunto de 17 tipos de viaturas de entre as quais se destacam 5 tipos na versão anfíbia, para a nossa Marinha, que a seguir se descrevem, vão demorar algum tempo para que todos se encontrem com os projectos finalizados.
 
Para salvaguarda de interesses, a Marinha e o Exército indigitaram pessoal que tem acompanhado o desenvolvimento dos estudos e projectos efectuados pela Styer, equipa esta, que tem conseguido introduzir alterações que irão ser fundamentais para que os veículos sejam aquilo que os Ramos mencionados precisam. Apesar da necessidade da realização de testes vários, ao aço empregue, aos “ADD-ON”, etc. e de testes no terreno ao casco e à motorização, o grupo das primeiras viaturas de Transporte de Pessoal (TP), que estão a ser finalizadas irão ser entregues ao Exército já no 3º trimestre deste ano, terminando assim o desenvolvimento deste tipo, através da realização dos testes finais em Maio próximo.
 
As primeiras 3 viaturas (TP 12.7 mm) para a Marinha estão já agendadas para o último trimestre de 2008, estando previsto as restantes entregas para 2009: 4 (TP 12.7 mm) no 1º trimestre e mais 1 no 3º; 2 (TP LGA 40mm) no 3º e 3 no 4º trimestre; 3 Posto de Comando (PC) no 3º trimestre; 2 Canhão no 3º trimestre e 2 Morteiro 120 no 4º trimestre.

A necessidade dos Fuzileiros possuírem viaturas blindadas, já se fazia sentir desde os anos 70, altura em que foram adquiridos os primeiros Chaimites.

Estas viaturas mais vocacionadas para travessias de cursos de água que para o ambiente marítimo, deram entrada nos Fuzileiros no início de 76, num total de 4 onde se destacava uma, designada por Armada 90 (viatura que incorporava uma arma, desenvolvida na Marinha pelo engenheiro Neto, constituída por 8 tubos, capaz de disparar outras tantas munições de 88.9 mm, usadas na Bazuca).

De facto, cedo se concluiu que não estavam vocacionadas para o desafio das águas salgadas e para tal não foi preciso mais que duas ou três em deslocações até à Lisnave em Cacilhas com entrada e saída na Ponta dos Corvos. Por razões várias, de entre as quais se salienta a razão atrás mencionada, cedo deixaram de ser usadas em ambiente operacional podendo-se afirmar que não foram utilizadas mais que uma dezena de anos.

Com o empenhamento dos fuzileiros em missões de interesse nacional, algumas das quais com características anfíbias, e em missões de Apoio à Paz, tornou-se imprescindível que os nossos Fuzos possuíssem meios com capacidade de blindagem, aptos a desempenharem tais missões com riscos diminuídos para o pessoal. Talvez seja de relembrar que no ano de 2000, os Fuzileiros para poderem desempenhar a missão de Apoio à Paz na Bósnia, entre Janeiro e Julho, tiveram que utilizar 12 viaturas Chaimite, cedidas pelo Exército.

As viaturas, além do condutor e atirador, têm capacidade de transportar Fuzileiros equipados para combate, sendo de destacar que as TP irão transportar 8 a 9 homens (estando este número dependente de estudos sobre o emprego operacional), as Porta Canhão 5, as Porta Morteiro o apontador e o municiador e as PC possuirão 4 posições de trabalho com todos estes militares armados e equipados para combate, havendo espaços no veículo para colocação de mochilas, cunhetes de munições de reserva e outros materiais.
 
Apesar das armas empregues estarem já descriminadas, há a realçar que o sistema de armas do canhão 30 mm que é “over head”, o que significa que o atirador está dentro da viatura e escolhe os alvos através do ecrã que está á sua frente, onde escolhe também o tipo de arma a utilizar e no caso de escolher o canhão de 30 ainda pode escolher o tipo de munição. O disparo é feito através de um “joy-stick” como se faz num jogo de computador, podendo também aproximar a imagem, para no caso do míssil, o apontador escolher o ponto mais frágil do alvo a destruir. Para que tudo funcione na perfeição o sistema é apoiado por um Laser Range Finder, uma câmara térmica e uma câmara TV que permitem, mesmo com fumo ou nevoeiro, detectar os alvos e informar o atirador do tipo de alvo a abater e da sua distância. O míssil já foi dito, é o Spike. Trata-se de um míssil de fabrico Israelita da 4ª geração, considerado como um dos mísseis mais avançados no momento.

Todas as viaturas vêem equipadas com equipamento de identificação para os meios aéreos, com detectores de partículas nucleares e químicas, com os respectivos filtros e têm ambiente pressurizado em todo o veículo, que lhe permite atravessar uma área contaminada, com protecção para o pessoal embarcado.

Por serem veículos da última geração possuem ar condicionado, sendo assim possível dar conforto aos Fuzileiros mesmo em climas díspares e estão equipados com uma suspensão que faz inveja aos nossos veículos particulares.

Francisco Preto
CMG FZ

Um dos pontos de interesse é a fotografia de uma das nossas primeiras VBR Pandur II montadas na Áustria.

(http://www.marinha.pt/extra/revista/ra_mar2007/pag15_1.jpg)

Portanto, acerca das VBR Pandur II para o Corpo de Fuzileiros da Armada temos entregas entre entre finais de 2008 e 2009. Como já referido, as viaturas porta-canhão de 30mm usarão a estação remota ORCWS da israelita Elbit dotadas de um canhão rápido de 30mm e dois mísseis anti-carro Spike LR. Todas as versões terão ar condicionado e protecção NBQ.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: old em Março 06, 2007, 11:03:42 am
Hola a todos.

Cuantos Pandur II se fabricaran finalmente ?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Março 06, 2007, 11:19:03 am
Citação de: "old"
Hola a todos.

Cuantos Pandur II se fabricaran finalmente ?


São 260 viaturas para o Exército (mais 33 como opção, na versão MGS dotada de uma peça de 105mm) e 20 viaturas para o Corpo de Fuzileiros. Há algum tempo, a Fuerzas Militares del Mundo (nº 30) publicou um artigo extenso sobre o programa cuja leitura aconselho.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 06, 2007, 02:11:19 pm
Pedro:

Mas eu li que entre 20 e 30 viaturas seriam construidas integralmente na Áustria.

Nesse caso, quais serão elas?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Março 06, 2007, 02:27:35 pm
Citação de: "Rui Elias"
Pedro:

Mas eu li que entre 20 e 30 viaturas seriam construidas integralmente na Áustria.

Nesse caso, quais serão elas?


Todas as primeiras viaturas de cada versão. E as primeiras viaturas da versão de transporte.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: old em Março 06, 2007, 04:14:35 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
Citação de: "old"
Hola a todos.

Cuantos Pandur II se fabricaran finalmente ?

São 260 viaturas para o Exército (mais 33 como opção, na versão MGS dotada de uma peça de 105mm) e 20 viaturas para o Corpo de Fuzileiros. Há algum tempo, a Fuerzas Militares del Mundo (nº 30) publicou um artigo extenso sobre o programa cuja leitura aconselho.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro


Gracias por la informacion. Si finalmente fabrican el  NavPol sus "marines" tendran cierta capacidad expedicionaria.Enhorabuena!!

Sobre la opcion de 105mm existe intencion de fabricarla o esperaran a tomar la decision?

Un saludo
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 06, 2007, 04:43:22 pm
Citar
Sobre la opcion de 105mm existe intencion de fabricarla o esperaran a tomar la decision?


Old:

Segundo parece, o nosso Exército não teria gostado muito da solução do PandurII com o canhão de 105mm, e por isso ficou para uma segunda fase a ser avaliada.

Provavelmente acabará por haver concurso, e provavelmente ainda serão encomendados uns outros BVR com peça de 105mm, quem sabe se espanhois Centauro.  :wink:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 06, 2007, 04:50:24 pm
Citação de: "Rui Elias"
quem sabe se espanhois Centauro.  :wink:


Os Centauro são de fábrico italiano
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 06, 2007, 05:02:54 pm
Não são fruto de uma cooperação entre os 2 países?   :?
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 06, 2007, 05:32:05 pm
Não, o Exército Espanhol comprou aos Italianos porque era o que de melhor havia no mercado. Salvo erro, querem comprar mais Centauros, porque o veiculo mostrou-se à altura da sua fama.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 09, 2007, 02:14:44 pm
Está-se sempre a aprender.
Título:
Enviado por: papatango em Março 14, 2007, 09:30:01 pm
----------------------------------------------------------------------------------------------------
Continuado do tópico dos Leopard, por se tratar de um assunto relativo aos Pandur-2
---------------------------------------------------------------------------------------------------

A utilização dos veículos blindados sobre rodas com canhões de 105mm ou de 120mm, é sempre um tema complicado e depende do que queremos obter com o veículo.

A questão do fogo directo e do fogo indirecto, que foi referida coloca-se.
Mas como já disse anteriormente, o apoio com fogo directo ou indirecto parece estar a convergir para os novos sistemas de morteiros instalados em torres, com capacidade para fazer tiro directo.

Deste ponto de vista, a compra dos morteiros SOLTAM, tornou esta questão meramente académica, porque a sua compra implicou que o exército pretende ter um veículo para fazer tiro de apoio directo com calibre 105mm.

A função dos Pandur-2 será basicamente idêntica à função dos carros C-150 que temos, equipados com canhão de 90mm, o qual dependendo da munição, tem também problemas de estabilidade.
Não só pelo peso reduzido do veículo, como também pelo facto de ser apenas um 4x4, e ter menos pontos de contacto com o chão. (não sei se se pode alterar a pressão dos pneus nos V-150).

O que podemos perguntar, é qual a função de mais do dobro de carros Pandur-2, quando em comparação com os V-150 equipados com canhão de 90mm.

O normal é substituir os V-150, mas o maior numero de carros Pandur-2 implica que o exército pode querer fazer alguma coisa mais com eles, o que de qualquer forma seria normal, ao contar com um veículo bastante mais potente.

Portanto, a questão continua a colocar-se.
Qual é a função do Pandur-2, para além da função «normal» de apoio ?

Se houver intenção de fazer deles mais qualquer coisa, então terão que ser analisados potênciais teatros onde a utilização do veículo faça sentido.

Existem já torres que mesmo com 105mm, mas com munição mais moderna, podem perfurar a blindagem de um tanque moderno.

A informação que consegui, e que não está confirmada é de que:
- A munição que se pode utilizar no caso acima, é de energia quimica e não de energia cinética.

- A munição de energia quimica além de mais cara, tem um periodo de armazenagem muito menor que a de energia cinética.

- Para utilizar munição de energia cinética volta-se ao mesmo problema, do carro não conseguir absorver o impacto do disparo, porque a munição de energia cinética tem uma velocidade muito maior e exige mais do canhão e da estrutura do veículo.

- - - - - - - - -

Portanto, a decisão, as decisões e as opções não são exactamente fáceis, e quando nos tentamos colocar nos sapatos de quem tem que decidir, fica dificil tomar uma decisão.

Escolha-se o que se escolher, qualquer das opções terá sempre as suas desvantagens.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Spectral em Março 15, 2007, 08:04:38 pm
Citar
A informação que consegui, e que não está confirmada é de que:
- A munição que se pode utilizar no caso acima, é de energia quimica e não de energia cinética.

- A munição de energia quimica além de mais cara, tem um periodo de armazenagem muito menor que a de energia cinética.

- Para utilizar munição de energia cinética volta-se ao mesmo problema, do carro não conseguir absorver o impacto do disparo, porque a munição de energia cinética tem uma velocidade muito maior e exige mais do canhão e da estrutura do veículo.


Que eu esteja a ver, os principais incovenientes das munições HEAT ("químicas") é que :

a) são mais vulneráveis a blocos de ERA "explosive reactive armour" , já que é mais fácil disrruptar o jacto de metal derretido que formam para perfurar a blindagem que o penetrador sólido das Sabot. Os Sabots modernos também penetram mais facilmente as blindagens cerâmicas e compostas, que são noma há quase 30 anos.

b) devido à sua menor velocidade são mais vulneráveis a elementos de defesa activa ( intercepção do projéctil antes de atingir o veículo), como o Arena ou o Trophy.

É por estas razões que a munição principal dos tanques é de há muitos anos para cá sejam sabot, embora para veículos ligeiros se tenha aceitado o trade-off e utilizado sistemas baseado em HEAT ( exactamente o mesmo princípio de todos os mísseis AT aliás). Não creio que haja diferenças siginificativas de preços, a tecnologia para produzir uma ogiva HEAT é bastante simples, provavelmente até as Sabot são mais caras e sofisiticadas.

uma introdução muito simples :

http://www.lostbattalion.com/t-pz_panzerfact6.aspx
Título:
Enviado por: papatango em Março 15, 2007, 10:36:14 pm
Pelos dados que tenho, e que são apenas aproximados / indicativos, uma munição do tipo APFSDS (subcalibre / Sabot) custa entre 180 a 220 dolares, e uma HESH entre 300 e 450 dolares. A munição HEAT andará entre 175 e 250 dolares.

Estes valores são apenas de um apontamento. Não fiz nenhuma pesquisa sobre o assunto.

No entanto, a ideia geral que tenho é de que a munição APFSDS é de facto mais barata.

A mais conhecida tentativa de embaratecimento desta munição foi feita pelos americanos, ao produzir o espigão perfurante em urânio empobrecido, porque é mais barato que o tungsténio.

O problema principal, no que respeita ao Pandur-2 tem a ver não com o problema no alvo mas sim com o problema da absorção da energia aquando do disparo.

O problema será o de não se poder (ou não se dever) colocar munição de energia cinética num Pandur, porque provavelmente ocorrerá o mesmo que no Stryker.

A utilização do canhão de 105mm por isso deverá ficar limitada à função de apoio de fogo, com munição de alto explosivo anti-pessoal.
Título:
Enviado por: Spectral em Março 15, 2007, 11:34:51 pm
Ah, então percebo.

Que eu saiba a munição HESH é utilizada actualmente apenas pelos ingleses e pouco mais. É bastante ineficaz contra blindagens modernas, mas muito apropriada contra fortificações e edificíos.

A minha solução ? Uma peça de média pressão para o Pandur II, para a missão AT as munições HEAT chegam. Se quisermos gastar mais, equipá-los com o Lahat israelita...
Título:
Enviado por: zecouves em Março 16, 2007, 10:15:13 pm
Apesar de ainda não ter sido testado em combate, este sistema nas PANDUR ... :cry: ... http://www.patriahagglunds.fi/main.html (http://www.patriahagglunds.fi/main.html) ... até os comiamos bibos, carago!
Título:
Enviado por: papatango em Março 16, 2007, 11:28:37 pm
Nem é preciso tanto...
http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=137


Citação de: "Spectral"
A minha solução ? Uma peça de média pressão para o Pandur II, para a missão AT as munições HEAT chegam. Se quisermos gastar mais, equipá-los com o Lahat israelita...

O problema neste caso Spectral, é (como sempre) o dinheiro.
Se a munição HEAT já é mais cara, o Lahat, mais caro é ainda.

E isso leva-nos de novo ao problema da pescadinha de rabo na boca, e à pergunta:

Então porque não equipar mais Pandur com sistemas de mísseis anti-tanque e deixar o apoio de fogo directo e indirecto para morteiros do tipo dos Patria ?

O sistema é mais caro de comprar, mas em teoria seria mais económico de operar, pelo menos em termos de custo das munições.

Portanto, neste caso o problema é:

Apoio de fogo
- Directo
- Indirecto

Será vantajoso dispor de apenas um tipo de arma ?
Seria viável a utilização de sistemas de morteiros com capacidade para tiro directo, e seriam estes sistemas capazes de substituir uma peça de 105mm  nessa mesma função ?

É uma questão relativamente complexa, (ou não) e provavelmente implicaria riscos que em Portugal as chefias militares não têm tendência para correr.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: zecouves em Março 19, 2007, 01:43:40 pm
Citação de: "papatango"
Portanto, neste caso o problema é:

Apoio de fogo
- Directo
- Indirecto

Será vantajoso dispor de apenas um tipo de arma ?
Seria viável a utilização de sistemas de morteiros com capacidade para tiro directo, e seriam estes sistemas capazes de substituir uma peça de 105mm  nessa mesma função ?

É uma questão relativamente complexa, (ou não) e provavelmente implicaria riscos que em Portugal as chefias militares não têm tendência para correr.

Cumprimentos


Cuidado para não "embandeirar em arco". Primeiro tem que se saber quais as reais caracteristicas destes sistemas de morteiros. A pergunta está bem feita: Seria viável a utilização de sistemas de morteiros com capacidade para tiro directo, e seriam estes sistemas capazes de substituir uma peça de 105mm nessa mesma função ?

Parece-me que estes sistemas de morteiro só fazem fogo directo para defesa da viatura, o que pode levar a supor que possuam limitações e relação a outros sistemas criados de raiz para fazer fogo directo (misseis ou canhões sem recuo).

Cuidado também para não confundir um tipo de tiro com o tipo de alvos a que ele se destina. O Tiro Directo pode ser anti-carro/anti-tanque. Da mesma forma que actualmente já pode ser feito Tiro Indirecto (com morteiro por exemplo) anti-carro, com recurso a munições guiadas. Não sei quem nem onde, mas já foi explicado neste fórum a diferença entre os dois tipos de tiro.

Quanto às munições anti-tanque: em termos tácticos não há munições "melhores" do que outras. Cada tipo de munição é mais ou menos adequado para um determinado tipo de alvo (posições fortificadas e não fortificadas, viaturas mais ou menos blindadas e com blindagens diferentes, pessoal a pé, edificios, helicópteros, etc, etc), para a distancia a que este (o alvo) se encontra e o tipo de efeito que se deseja obter nesse mesmo alvo (destruição, neutralização, cegamento, imobilização, etc).
Título:
Enviado por: Luso em Março 19, 2007, 02:54:49 pm
A visão do PT é interessante. Qual será o alcance mínimo aceitável para tiro tenso com um morteiro de 120mm (de carregar pela culatra, claro)?
É que se o 105mm não serve para bater carros de combate modernos, para quê a sua utilização?
A menos que...
Título:
Enviado por: Miguel em Março 19, 2007, 06:31:01 pm
O pessoal devia saber que uma peça de 105mm num Pandur, é o melhor apoio fogo directo em combate urbano ou em campanha para apoiar a forças de infantaria etc...

Além disso o Pandur 105mm pode efectuar operaçoes anticarro.

Claro que um Pandur 105mm nao é um verdadeiro Tanque.

Mas tem a mobilidade, a versatilidade que nao tem o Tanque classico.
Título:
Enviado por: Sintra em Março 19, 2007, 10:34:42 pm
Citação de: "Miguel"
O pessoal devia saber que uma peça de 105mm num Pandur, é o melhor apoio fogo directo em combate urbano ou em campanha para apoiar a forças de infantaria etc...

Além disso o Pandur 105mm pode efectuar operaçoes anticarro.

Claro que um Pandur 105mm nao é um verdadeiro Tanque.

Mas tem a mobilidade, a versatilidade que nao tem o Tanque classico.


 Como o PT e o Spectral muito bem explicitaram na sua interessantissima discussão, o Pandur é capaz de ser um poucochito pequeno e leve para utilizar uma arma de 105 mm na sua "plenitude"...
 Centauros. Faziam uma linda parelha com uns LEO´s ex-Holandeses.
 Houvesse dinheiro...

 Abraço  :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Março 19, 2007, 10:54:53 pm
Citar
Parece-me que estes sistemas de morteiro só fazem fogo directo para defesa da viatura, o que pode levar a supor que possuam limitações e relação a outros sistemas criados de raiz para fazer fogo directo (misseis ou canhões sem recuo).
Creio que os mais recentes sistemas da Patria, permitem fazer fogo contra em qualquer ângulo.

O fogo para defesa da viatura, depende da distância a que o inimigo estiver.
Mas aceito que o conceito da utilização dos morteiros para fogo directo pode não estar exactamente muito desenvolvido.

Mas alguém se lembra, por exemplo das AML armadas com um morteiro de 60mm ?

= = =

Citar
O Tiro Directo pode ser anti-carro/anti-tanque
Estamos a falar na capacidade de o veículo fazer tiro directo, em apoio de forças no terreno, através da utilização de munição adequada para por exemplo atacar uma área protegida, destruindo e perfurando paredes.
Para este tipo de função não se vai utilizar munição perfurante anti-tanque

A utilização deste tipo de veículos, como apoio destina-se por exemplo a atacar unidades de infanteria, ou veículos de blindagem reduzida, onde a tropa apeada tenha dificuldade em progredir, e onde a progressão a pé seja demasiado perigosa.

Neste caso, é vantajoso ter capacidade para não só atacar com fogo na vertical, tipo morteiro, como também, é vantajosa a capacidade para destruir eventuais obstáculos (paredes ou afins) que se encontram no caminho.

Citar
Quanto às munições anti-tanque: em termos tácticos não há munições "melhores" do que outras. Cada tipo de munição é mais ou menos adequado para um determinado tipo de alvo (posições fortificadas e não fortificadas, viaturas mais ou menos blindadas
Em termos de munições, anti-tanque ou outras, há sempre munições melhores que outras.
Mesmo que o efeito seja o mesmo, há sempre o factor preço. E quando se tem que decidir o que comprar, o factor preço é sempre extremamente importante.
É o factor preço que faz a munição perfurante (subcalibre) mais barata, especialmente a de urânio empobrecido uma possibilidade mais atractiva.


Citar
A visão do PT é interessante. Qual será o alcance mínimo aceitável para tiro tenso com um morteiro de 120mm (de carregar pela culatra, claro)?
É que se o 105mm não serve para bater carros de combate modernos, para quê a sua utilização?
A menos que...
Servir, o 105mm serve.
O problema, quando se utiliza a munição mais adequada para atacar um tanque, que é a munição de energia cinética (perfurante) o impacto do disparo afecta o veículo (a acreditar nos relatórios sobre o Stryker).
Isto, claro, além dos problemas de enfrentar um tanque com um veículo praticamente "soft skin".


Citar
O pessoal devia saber que uma peça de 105mm num Pandur, é o melhor apoio fogo directo em combate urbano ou em campanha para apoiar a forças de infantaria etc...
Miguel -> O Pandur, com um canhão de 105mm bom em combate urbano ?
Não sei se será a melhor opção.
A utilização de carros de combate com canhões em zonas urbanasé sempre problemática, e o disparo da peça principal está sempre condicionado por uma quantidade de factores enorme. Muitas vezes, até a simples iluminação pública ou simples postes.

O canhão de 105mm é sempre bom, evidentemente, mas não sei se será assim TÃO bom.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: zecouves em Março 20, 2007, 12:07:34 pm
Citar
Citar
O Tiro Directo pode ser anti-carro/anti-tanque
Estamos a falar na capacidade de o veículo fazer tiro directo, em apoio de forças no terreno, através da utilização de munição adequada para por exemplo atacar uma área protegida, destruindo e perfurando paredes.
Para este tipo de função não se vai utilizar munição perfurante anti-tanque

A utilização deste tipo de veículos, como apoio destina-se por exemplo a atacar unidades de infanteria, ou veículos de blindagem reduzida, onde a tropa apeada tenha dificuldade em progredir, e onde a progressão a pé seja demasiado perigosa.

Neste caso, é vantajoso ter capacidade para não só atacar com fogo na vertical, tipo morteiro, como também, é vantajosa a capacidade para destruir eventuais obstáculos (paredes ou afins) que se encontram no caminho.
Se entendi a sua afirmação, volto a reafirmar que o tiro directo também pode ser anti-carro. O apoio de fogos directo pode ser dirigido a qualquer tipo de viaturas, por exemplo: durante um ataque, o apoio pode ser feito através da destruição de CC's que se encontrem na area do objectivo a fazer fogo sobre as forças atacantes (as tais forças no terreno a que PT se refere) em aproximação a esse mesmo objectivo. Para alem disso, o tiro anti-carro não tem que ser feito exclusivamente com munição perfurante, depende da viatura, da munição que se disponha na altura, entre outros factores.


Citar
Citar
Quanto às munições anti-tanque: em termos tácticos não há munições "melhores" do que outras. Cada tipo de munição é mais ou menos adequado para um determinado tipo de alvo (posições fortificadas e não fortificadas, viaturas mais ou menos blindadas
Em termos de munições, anti-tanque ou outras, há sempre munições melhores que outras.
Mesmo que o efeito seja o mesmo, há sempre o factor preço. E quando se tem que decidir o que comprar, o factor preço é sempre extremamente importante.
É o factor preço que faz a munição perfurante (subcalibre) mais barata, especialmente a de urânio empobrecido uma possibilidade mais atractiva.


Não me parece que o nivel da Guerra  a que se referem as considerações do PT sejam do nivel táctico.

Eu estou me a referir ao patamar táctico da guerra, que é onde se desenrolam os combates. Neste nivel não se contam os tostões que são gastos porque o que efectivamente conta é o cumprimento da missão com os meios que estão disponiveis no momento. Não estou  a ver os Comandantes de Pelotão, Companhia, Batalhão, etc a fazer contas ao dinheiro que têm disponivel para gastar em munições.

Para destruir uma posição fortificada será adequado um sub-calibre? Não, o melhor é uma munição HEAT. Para destruir um MI Abhrams uma munição HEAT é a "melhor"? Não me parece ...

As caracteristicas de cada munição adequam-se às caracteristicas dos alvos. Em conclusão volto também a reafirmar que no capitulo do apoio de fogos directos efectuados por armas anti-carro (peça 105 mm inclusivé) não há munições melhores do que outras. Aliás, nas dotações de munições nosCC estão previstos vários tipos de munições (APFDS, HEAT, HESH, e até alguns anos atrás tb anti-pessoal), porquê? Para a utlização da peça ser flexivel a vários tipos de alvo.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 20, 2007, 12:10:49 pm
Mas será que os Centauros são muito maiores e mais pesados que os Pandur? Pelas fotos até parecem ter mais ou menos o mesmo tamanho.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Março 20, 2007, 03:40:27 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Mas será que os Centauros são muito maiores e mais pesados que os Pandur? Pelas fotos até parecem ter mais ou menos o mesmo tamanho.
Deixo aqui uma comparação que fiz num outro tópico:

Citar
Uma conclusão simples é que ainda existem dúvidas - a meu ver, muito legítimas - quanto à possibilidade de substituir os carros de combate por veículos blindados de rodas dotadas de peças de fogo de grande calibre, nomeadamente no capítulo da protecção.
Agora retomando os problemas que o protótipo do Pandur II poderá apresentar, há que lembrar que os mesmos também estão dependentes das torres escolhidas. A torre do Centauro - Oto Melara HITFACT - apresenta um maior peso e um centro de gravidade claramente distinto da peça M68 A1E4 do MGS. Aliás, o Centauro apresenta um peso de combate de 25 toneladas contra as 18 toneladas da versão básica da Pandur II. Julgo que com a instalação da torre e blindagem adicional o peso aumentará de forma significativa (igualando o Cenaturo?). Na altura - importante no centro de gravidade e estabilidade - temos veículos com alturas similares, na ordem dos dois metros. O comprimento é para o Centauro e Pandur II, respectivamente, 7,9 metros e 7,6 metros.

Existem algumas diferenças (nomeadamente com consequências ao nível da instalação de sistemas de armas). Em termos de classificação, julgo que é um veículo idêntico.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Spectral em Março 20, 2007, 08:13:16 pm
Citar
Aliás, nas dotações de munições nosCC estão previstos vários tipos de munições (APFDS, HEAT, HESH, e até alguns anos atrás tb anti-pessoal), porquê?


Interessante, não pode fornecer mais informações sobre isto ;)? Não sabia de munições HESH no nosse exército, são de origem britânica ? Os americanos denominavam-nas de HEP ( high explosive plastic) mas deixaram de utilizá-las há muito. E o nosso exército deixou de usar munições anti-pessoal para os M60 ? Alguma razão de doutrina ?
Título:
Enviado por: papatango em Março 20, 2007, 09:54:36 pm
Citar
Se entendi a sua afirmação, volto a reafirmar que o tiro directo também pode ser anti-carro. O apoio de fogos directo pode ser dirigido a qualquer tipo de viaturas, por exemplo: durante um ataque, o apoio pode ser feito através da destruição de CC's que se encontrem na area do objectivo a fazer fogo sobre as forças atacantes


Caro zecouves:
É preciso ter em consideração que eu estou-me a referir ao tiro do Pandur-2, equipado com canhão de 105mm.

Tiro directo, tanto quanto sei até o Light Gun de 105mm pode fazer.

O tiro directo, naturalmente como diz tanto pode ser anticarro, como anti outra coisa qualquer.
Tiro directo por definição é aquele em que o alvo e a origem do projectil estão dentro do alcance "visual" e quando o projectil pode  percorrer um segmento de recta, sem que a força da gravidade interfira no seu trajecto.

= = =

A questão a que me refiro, é a da adequação de uma torre de 105mm para equipar o Pandur.

O tiro directo, neste caso, para ser eficiente contra carros de combate, deverá utilizar munição de energia cinética (flecha/subcalibre). Neste caso, pode haver problemas a médio ou longo prazo como foram detectados no veículo Stryker, que é na prática um Piranha com um canhão de 105mm mod. M/68 retirado dos M-60 ou dos Abrahams M1.

Um M-60.não tem nenhum problema em disparar vários tipos de munição, e dependendo da missão, pode levar munição HESH ou HEAT, mas um Stryker ou um Pandur-2/105mm não é um M-60, e por isso, embora possa disparar munição  de energia quimica, não pode (ou não deve) disparar munição de energia cinética.

O proprio Centauro tem um freio de boca, mas considera-se que a suas prestações são suficientes.

Não sei no entanto, se um Centauro, com freio de boca, mesmo disparando munição de energia cinética/perfurante é muito eficiente por exemplo contra um Leopard-2.

Outra questão, é a da quantidade de unidades a adquirir pelo exército (mais de trinta). O número, como já referi anteriormente deve ser interpretado de alguma maneira.

Qual terá sido a razão de ter sido determinado um numero de viaturas 8x8 com canhão de 105mm ?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Spectral em Março 21, 2007, 07:29:02 pm
sobre este tópico recomendo vivamente a leitura de :

http://63.99.108.76/forums/index.php?showtopic=20406

 :wink:
Título:
Enviado por: zecouves em Março 22, 2007, 04:24:11 pm
Citação de: "Spectral"
Citar
Aliás, nas dotações de munições nosCC estão previstos vários tipos de munições (APFDS, HEAT, HESH, e até alguns anos atrás tb anti-pessoal), porquê?

Interessante, não pode fornecer mais informações sobre isto :oops:

No entanto os M 60 utilizam HE/HEP. Outras munições: APFSDS-T e HEAT.

Foi abandonado o emprego da peça do CC como arma anti-pessoal, dai o abandono da munição anti-pessoal.
Título:
Enviado por: zecouves em Março 22, 2007, 04:42:23 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Se entendi a sua afirmação, volto a reafirmar que o tiro directo também pode ser anti-carro. O apoio de fogos directo pode ser dirigido a qualquer tipo de viaturas, por exemplo: durante um ataque, o apoio pode ser feito através da destruição de CC's que se encontrem na area do objectivo a fazer fogo sobre as forças atacantes

Caro zecouves:
É preciso ter em consideração que eu estou-me a referir ao tiro do Pandur-2, equipado com canhão de 105mm.

Tiro directo, tanto quanto sei até o Light Gun de 105mm pode fazer.

O tiro directo, naturalmente como diz tanto pode ser anticarro, como anti outra coisa qualquer.
Tiro directo por definição é aquele em que o alvo e a origem do projectil estão dentro do alcance "visual" e quando o projectil pode  percorrer um segmento de recta, sem que a força da gravidade interfira no seu trajecto.

= = =

A questão a que me refiro, é a da adequação de uma torre de 105mm para equipar o Pandur.

O tiro directo, neste caso, para ser eficiente contra carros de combate, deverá utilizar munição de energia cinética (flecha/subcalibre). Neste caso, pode haver problemas a médio ou longo prazo como foram detectados no veículo Stryker, que é na prática um Piranha com um canhão de 105mm mod. M/68 retirado dos M-60 ou dos Abrahams M1.

Um M-60.não tem nenhum problema em disparar vários tipos de munição, e dependendo da missão, pode levar munição HESH ou HEAT, mas um Stryker ou um Pandur-2/105mm não é um M-60, e por isso, embora possa disparar munição  de energia quimica, não pode (ou não deve) disparar munição de energia cinética.

O proprio Centauro tem um freio de boca, mas considera-se que a suas prestações são suficientes.

Não sei no entanto, se um Centauro, com freio de boca, mesmo disparando munição de energia cinética/perfurante é muito eficiente por exemplo contra um Leopard-2.

Outra questão, é a da quantidade de unidades a adquirir pelo exército (mais de trinta). O número, como já referi anteriormente deve ser interpretado de alguma maneira.

Qual terá sido a razão de ter sido determinado um numero de viaturas 8x8 com canhão de 105mm ?

Cumprimentos


Como já referi num post anterior, a razão de PANDUR com 105 mm é para equipar o Grupo de Autometralhadoras (GAM) da BrigInt. Este GAM é suposto ser o equivalente a um Grupo de Carros de Combate que se encontra nas Brigadas "pesadas".

Não vale a pena pensar o empregos das PANDUR 105 mm no combate anti-carro contra CC médios porque obviamente que "perdem". Aliás seria um erro de palmatória empregar uma unidade ligeira como é/será a BrigInt (ou parte dela) num cenário em que previsivelmente a força opositora possuiria meio mais "pesados", como CC Leopard ou outros CC médios.

Dadas as obvias limitações profusamente referidas neste forum em relação à peça 105 mm em PANDUR's e quejandos, parece-me que o emprego mais acertado destes meios seria exclusivamente no apoio à manobra das Companhias de Atiradores.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 04, 2007, 02:23:52 pm
Reportagem sobre os Pandur II, que tem vindo a passar na SIC/SIC Notícias

http://www.youtube.com/watch?v=GEJpxGFetIg (http://www.youtube.com/watch?v=GEJpxGFetIg)
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 04, 2007, 05:28:14 pm
O primeiro em Setembro, até estão a vir depressa, alguém sabe a data estimada para termos todos os 260 Pandur?
Título:
Enviado por: Miguel em Abril 04, 2007, 06:56:10 pm
nesse clip podemos ver a excelente mobilidade do Pandur em todo o terreno, lama etc...

afinal eu tinha razao podiamos substituir os M113 por os Pandurs :wink:
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 04, 2007, 07:08:33 pm
Citação de: "Miguel"
nesse clip podemos ver a excelente mobilidade do Pandur em todo o terreno, lama etc...

afinal eu tinha razao podiamos substituir os M113 por os Pandurs :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Abril 04, 2007, 07:33:31 pm
Fiquei muito interessado em saber que o próprio individuo da General Dynamics afirmou que o Pandur-II pode ser equipado com armas com calibre de até 1.5mm :mrgreen:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 04, 2007, 08:00:25 pm
O Austriaco é o pior PR que eu já vi! Tanta contra-informação!!!  :shock:
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 04, 2007, 08:16:15 pm
Citação de: "papatango"
Eu gostava de saber, o que é que o manfio da SIC foi fazer à Áustria ... :?

Nunca se diz que não a uma viagem à borla  c34x
Título:
Enviado por: Ricardo em Abril 05, 2007, 01:41:24 am
Este assunto tem "pano para mangas"!

Que eu saiba, nos testes efectuados em Portugal no início do concurso, foi o blindado mais mal pontuado, e na parte anfíbia dos testes foi uma verdadeira anedota...
Título:
Enviado por: Get_It em Abril 05, 2007, 01:58:45 am
Citação de: "Ricardo"
Este assunto tem "pano para mangas"!

Que eu saiba, nos testes efectuados em Portugal no início do concurso, foi o blindado mais mal pontuado, e na parte anfíbia dos testes foi uma verdadeira anedota...

Não há problema, a construção do nosso NAVPOL também é uma anedota.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: lf2a em Abril 05, 2007, 07:28:13 pm
Citação de: "Ricardo"
Este assunto tem "pano para mangas"!

Que eu saiba, nos testes efectuados em Portugal no início do concurso, foi o blindado mais mal pontuado, e na parte anfíbia dos testes foi uma verdadeira anedota...


Caro Ricardo,
Nenhum dos blindados passou sem problemas nos testes efectuados em Portugal. Imagine lá que o favorito de muita gente aqui, o Patria AMW, não chegou a efectuar o desembarque de uma lancha da Marinha, por receio dos seus representantes.

Ver o tópico seguinte:
http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=1059

Cumps!
Título:
Enviado por: JoseMFernandes em Abril 08, 2007, 12:26:40 pm
PÚBLICO 8/4/2007:

Citar
Nove meses para fabricar um Pandur
08.04.2007

Os 260 Pandur II 8x8 encomendados por Portugal são veículos
com tracção a rodas, mais destinados a missões de paz



Produzir um Pandur não é o mesmo que fabricar um automóvel. O processo de fabrico de um carro de combate pela Steyr leva nove meses, incluindo os tempos de espera pelo fornecimento dos diferentes materiais.
Na fábrica propriamente dita primeiro há que soldar o chassis de aço blindado, decapá--lo e cortar a chapa. Segue-se a pintura, ao mesmo tempo que se montam os componentes, como as portas e as chapas do tecto. Por fim, a montagem final: os vários componentes são instalados no chassis, como a suspensão, as rodas, os sistemas de comunicação, de travagem e o motor, os eixos. Faltam apenas os testes de qualidade, que se realizam ali mesmo nos terrenos da fábrica, numa pequena pista.
Dá para qualquer leigo na matéria perceber que um carro de combate movido a rodas é mais confortável do que um servido por lagartas. Estes parecem, por outro lado, mais versáteis em terrenos acidentados, e cenários de guerra. Em contrapartida, os veículos com tracção a rodas são mais apropriados para missões de paz - como é caso dos 260 Pandur II 8x8 encomendados por Portugal - até porque têm um aspecto menos agressivo, enquanto os outros carros, como o Ulan, são mais eficazes em cenários de combate. A opção portuguesa foi por 15 variantes diferentes do modelo austríaco, acordadas entre o fabricante e as Forças Armadas portuguesas.
Incluídos estão, por exemplo, veículos para transporte de soldados ou outros destinados à reparação e manutenção de outros carros de combate, veículos de reconhecimento de combate a tropas ou com mísseis guiados antitanque e mesmo ambulâncias.


Novos tanques de guerra chegam a Portugal em Setembro
08.04.2007, Inês Sequeira

Steyr entrega primeiros carros de combate em Setembro e um mês depois deverá ficar concluído o Pandur II 8x8 montado no Barreiro



 O primeiro carro de combate a ser entregue pela fábrica austríaca da Steyr às Forças Armadas portuguesas (FA), ainda em fase de montagem em Viena, vai chegar a Portugal durante o terceiro trimestre deste ano, mais provavelmente em Setembro. Um mês depois, em Outubro, será a vez de ficar concluído o primeiro Pandur II 8x8 (com tracção às oito rodas) montado pela Fabrequipa, no Barreiro, assegura o director de marketing regional da Steyr-Daimler-Puch, Hans Martin Malzacher.
A fábrica portuguesa irá realizar a montagem final de 219 dos 260 Pandur, ou seja, a integração dos vários subgrupos, como a parte do motor e distribuição ou os sistemas de armamento, nos chassis dos veículos - um processo exigente, incluindo a parte de gestão logística e dos diferentes fornecedores, em relação ao qual vários trabalhadores da Fabrequipa tiveram já formação. Outro dos trabalhos nacionais será o fornecimento do sistema de comunicações, contratado com a EID - Empresa de Investigação e Desenvolvimento de Electrónica, que tem como um dos accionistas a holding pública para as indústrias de defesa, a Empordef.
Na fábrica da Steyr, nos arredores de Viena, muitas das tarefas desempenhadas pelos 400 trabalhadores passam igualmente pela integração dos diferentes sistemas do Pandur, fornecidos por outras empresas, mas, ao contrário do que sucede na unidade portuguesa da Fabrequipa - que emprega 100 pessoas -, há ferramentas para moldar e cortar os buracos necessários no chassis.
Segundos a estrear
Como as Forças Armadas portuguesas foram as primeiras, depois das austríacas, a encomendar o Pandur II 8x8, através de um contrato assinado em Fevereiro de 2005 pelo valor de 364,4 milhões de euros - e que recebeu luz verde do Tribunal de Contas apenas no final desse ano, adiando os prazos de entrega -, o Exército e a Armada nacionais serão também os segundos, a nível mundial, a estrear as novas máquinas, reconheceu Günter Binder, director de comunicação de produtos, à margem de uma visita de jornalistas portugueses à fábrica.
Já a portuguesa Fabrequipa, que até ao final do ano passado produzia apenas semi-reboques, poderá também trabalhar e fornecer componentes, no futuro, para carros de combate concebidos pela Steyr para outros países. É pelo menos essa a expectativa avançada aos jornalistas pelo director da empresa para a área de participação industrial, Helmut Mülbacher, que se baseia para isso no processo de consolidação interna da europeia General Dynamics European Land Combat Systems - unidade do grupo norte-americano General Dynamics, da qual fazem parte a Steyr (adquirida em 2003), a suíça Mowag, a espanhola Santa Barbara Sistemas e a alemã Santa Barbara Sistemas GmbH.
Existe, no entanto, um obstáculo de relevo: cada um dos clientes que adquirem blindados à empresa austríaca faz questão de assegurar que o fabrico, ou pelo menos uma parte relevante, irá fazer-se no seu próprio território. É o que torna impossível, por exemplo, que os fornecedores nacionais venham a vender materiais para carros de combate destinados à República Checa.
E por todos estes motivos, 2010 é para já a data-limite da produção de blindados em Portugal. Pode seguir-se por mais um ano ou dois a integração de sistemas em veículos vendidos pela Steyr a países terceiros (o que faz parte das contrapartidas no âmbito do contrato), negociados com a mediação dos portugueses. Marrocos ou outros países do Magrebe são clientes possíveis, ou algum dos PALOP, como Angola.
Em análise está também a eventual montagem de mais 33 Pandur, numa variante com canhão de 105 milímetros, incluída como opção no contrato assinado pelo Estado e pela Steyr em Fevereiro de 2005. Por se tratar de uma variante que não existe ainda, terá de ser testado um protótipo pelos militares portugueses, o que está programado para Outubro.
A jornalistas viajou a convite
da Steyr

Título:
Enviado por: Miguel Sá em Abril 10, 2007, 09:41:06 pm
Citação de: "Lancero"
Alguém quer o catálogo do stand? Podem estar interessados em trocar de carro c34x

PS - Parece que umas imagens ficaram mais pequenas que o que deviam. Quando tiver tempo vou tentar resolver isso.



Com base neste catálogo levanto algumas dúvidas:
1º Lotação
A versão anfíbia de combate de infantaria equipada com a RCWS (canhão 30mm+Spike) terá uma lotação de 2 tripulantes+9 militares. A versão terrestre com torre RWS 12.7mm Kongsberg M151 terá uma lotação de 2+7. Terá esta diferença a ver com o facto do veículo anfíbio ser utilizadao como um táxi desde o navio de desembarque e a praia? E a versão terrestre ser uma “auto-caravana”? Comparando com o Stryker ou o VBCI francês cuja lotação é 2+9 o Pandur leva menos gente.
E mesmo as versões equipadas com MG manuais têm a mesma lotação terrestre 2+7 e anfíbio 2+9.
A própria versão com torre SP30 tem uma lotação de 3+4. O mais velhote LAV25 que é um pouco mais pequeno é 3+6.

2º Versão Anti-tanque
Míssil TOW!!!!
É um bom sistema atk mas a nova geração de mísseis não usa fibra óptica para guiar o míssil contra o alvo. Se os fuzos recebem o Spike porque não o Exército também
E para mais não permite que seja disparado de dentro da viatura.
Título:
Enviado por: sturzas em Abril 12, 2007, 02:44:09 am
Boas a todos:

Caro Miguel Sá, a informação relativa às versões CTR (Canhão de Tiro Rápido), seja no Exército com SP-30, seja nos Fuzileiros com a ORCWS, dispõem de uma tripulação de três (3) efectivos mais uma "esquadra" de quatro (4) atiradores. No post que iniciamente o "camarada forista" Lancero colocou, estava explicito aquilo que os austríacos quiseram vender à massa jornalística, logo ao comum dos leitores. O importante acima de tudo, é que estão a ser fabricadas por nós, em Portugal.

As versões de Transporte de Pessoal, sejam equipadas com armas de 12,7mm, ou com lança-grandas de 40 mm, têm uma tripulação de dois elementos: condutor e chefe de carro/atirador; na prática a capacidade de transporte será de sete (7) elementos. As versões equipadas com sistema RWS, o atirador (terceiro tripulante) possui um tipo de "Joy-stick" para manobrar o sistema de armas principal.

Todas as versões, sejam terrestres ou anfíbias têm capacidade prática de 2+7 elementos. Na versão Posto de Comando, existe a possibilidade de transportar quatro (4) elementos, mais os respectivos tripulantes (dois).

Relativamente à sua 2ª questão, repare bem o que seria reequipar todo o Exército com mísseis "Spike"; acho que simplesmente os MILAN passarão a existir SÓ na BRR, passando a BInt (tal como a BMec) a utilizar os TOW; não se deve esquecer o sistema ITAS - "Improved Target Adquired System", que equipará as viaturas Pandur, o que permite disparar mísseis TOW da última geração.

Com os Fuzos, é mais simples e barato substituir, os oito (8) lançadores terrestres MILAN existentes, por novo sistema Spike, mas no Exército, cinquenta e tal (50-?) sistemas TOW seria mais dispendioso, de substituir. Mais vale uniformizar os equipamentos existentes!

Relativamente a poder ser ou não, disparado desde o interior da viatura, penso que esse pormenor, passe por construir, um sistema de lançador múltiplo. Confesso que entre ter 30 Pandur SP-30 mais 15 Pandur Anticarro, opino que seria mais eficiente e vantajoso ter 45 versões tipo ORCWS - canhão remoto + lançador anticarro. No entanto obrigaria a um maior investimento. Também acho que as versões equipadas com sistema RWS (Remote Weapon System) - sete (7) unidades, é bastante insignificante (comparadas às restantes 105 unidades equipadas com 12,7mm e 40mm), tendo em conta a possível utilização destas viaturas nos teatros de guerra assimétricos, em que estamos inseridos (Afeganistão, por exemplo).

Resta referir os 31 sistemas porta-morteiro, tipo "Soltam-Cardom" de 120mm, que poderá conferir uma autonomia e rentabilização prática das unidades posto de tiro, isto é dois (2) Pandur, equipados com este tipo de morteiro são perfeitamente autónomas, na capacidade de gestão e controle de fogos; isto é bastante importante, porque evita a existêsncia de uma 3ª viatura PCT - Posto de Controlo de Tiro (tal como existe na BMec, com os M106A1/A2 e M577A2 PCT).

Relativamente às versões de Engenharia, Evacuação Sanitária e de Manutenção/Recuperação, as versões que iremos adquirir (9/10/7 viaturas, respectivamente) acho o número perfeitamente aceitável para as exigências. Falta referir as quatro (4) versões de Vigilância do Campo de Batalha e as seis (6) versões Ponto de Acesso Rádio, que se analisarem, serão para equipar todas as unidades orgânicas da BInt, incluindo o Comando.

Em suma, espero que iremos ter:

105 Pandur II, versão de transporte de pessoal (12,7 e 40 mm);
31 Pandur II, versão porta-morteiro de 120 mm;
30 Pandur II, versão canhão de tiro rápido (SP-30);
16 Pandur II, versão posto de comando;
15 Pandur II, versão anti-carro (TOW-ITAS);
10 Pandur II, versão de evacuação sanitária;
9 Pandur II, versão de engenharia;
7 Pandur II, versão de transporte de pessoal (sistema RWS);
7 Pandur II, versão de manutenção e recuperação;
6 Pandur II, versão de ponto de acesso rádio;
4 Pandur II, versão de vigilância do campo de batalha.

Em opção poderemos (e deveremos ter):

33 Pandur II MGS, versão com canhão de 105mm.

Penso que a escolha foi acertada, por ser uma viatura blindada recente e por, com a sua aquisição conseguirmos, colmatar uma falha bastante importante no Exército Português. Mesmo que "a minha menina" BRIGADA DE SANTA GUIDA, fique descurada e esquecida, o essencial é que não voltaremos a ter que pedir blindados emprestados para assumirmos a nossa responsabilidade, enquanto nação soberana. Sim porque os Homens e Mulheres existem, or vezes os meios é que escasseiam.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 12, 2007, 10:18:40 am
Citar
Penso que a escolha foi acertada, por ser uma viatura blindada recente e por, com a sua aquisição conseguirmos, colmatar uma falha bastante importante no Exército Português. Mesmo que "a minha menina" BRIGADA DE SANTA GUIDA, fique descurada e esquecida, o essencial é que não voltaremos a ter que pedir blindados emprestados para assumirmos a nossa responsabilidade, enquanto nação soberana. Sim porque os Homens e Mulheres existem, or vezes os meios é que escasseiam.


Não te podes esquecer que as NT no Afeganistão precisam é de blindados 4X4 e não veiculos tão grandes como o Pandur. O plano é adquirir veiculos para a BRR desse género para além dos Pandur para a ERec.
Título:
Enviado por: Nuno Bento em Abril 13, 2007, 12:38:53 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citar
Penso que a escolha foi acertada, por ser uma viatura blindada recente e por, com a sua aquisição conseguirmos, colmatar uma falha bastante importante no Exército Português. Mesmo que "a minha menina" BRIGADA DE SANTA GUIDA, fique descurada e esquecida, o essencial é que não voltaremos a ter que pedir blindados emprestados para assumirmos a nossa responsabilidade, enquanto nação soberana. Sim porque os Homens e Mulheres existem, or vezes os meios é que escasseiam.

Não te podes esquecer que as NT no Afeganistão precisam é de blindados 4X4 e não veiculos tão grandes como o Pandur. O plano é adquirir veiculos para a BRR desse género para além dos Pandur para a ERec.


E que veiculos serão esses :?:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 12:43:01 am
Ainda vão ser adquiridos...neste momento o mais parecido q nós temos são os Panhards e os Hummer.
Título:
Enviado por: hellraiser em Abril 13, 2007, 12:45:41 am
umm alter II 1987
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 12:46:50 am
Citação de: "hellraiser"
umm alter II 1987


Essa foi mesmo mazinha!!!  :lol:
Título:
Enviado por: hellraiser em Abril 13, 2007, 12:49:28 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "hellraiser"
umm alter II 1987

Essa foi mesmo mazinha!!!  :lol:


com o estado que isto anda é mesmo isso que vai ser... e ainda temos sorte podiam ir buscar uns willis de 1950
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 02:06:47 am
Para isso prefiro isto:

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02497.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02497.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02503.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02503.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02624.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02624.html)
Título:
Enviado por: sturzas em Abril 13, 2007, 03:49:10 am
Viva a todos:

Cabeça de Martelo - que raio de nick name, nem dá para tratar por tu  :lol:  - discordo contigo no sentido de as nossas FND (Forças Nacionais Destacadas) terem uma presença operacional no TO do Afeganistão bastante particular e "suis generis"; isto é temos 1 Companhia reforçada, de Páras ou Comandos, numa forma de QRF - Quick Reaction Force. Só intervêm quando e onde é necessário.

Todas as restantes forças, especialmente as de "sustentação" operacional (Canadianas, Italianas e Espanholas), estão equipadas com viaturas tipo as nossas Pandur II; Canadianos com as suas LAV-25, Italianos com as suas IVECO PUMA 6x6, Espanhóis com os seus BMR-600 6x6, etc. Analisando as últimas emboscadas com vítimas, neste Teatro de Operações (TO) temos especialmente elementos destas nacionalidades; os américas, pura e simplesmente, utilizam forças militares específicas (10ª Divisão de Montanha, Unidades de Operações Especiais e de Polícia de Exército), porque estão todos empenhados há 4 anos no Iraque. è a terra dos sonhos mas não dos milagres.

Tendo em conta este último parágrafo, não me surpreende, que futuramente e, se politacamente for decidido, numa primeira fase utilizaremos os nossos Fuzos (pela questão da rotatividade, que escrevi num outro tópico deste fórum, bem como à sua participação em missões em Timor e na Bósnia), como numa segunda fase e dado à aquisição de equipamentos, aliado à profissionalização do Exército, colocar forças, não de intervenção mas sim de sustentação.

Relativamente à BRR, sem dúvida que o objectivo é de a equipar com viaturas blindadas ligeiras 4x4 e viaturas de ataque rápido (tipo FAV). Deixo aqui algumas sujestões:

Panhard VAP (França):

(http://img119.imageshack.us/img119/408/panhardvap01sc9.th.jpg) (http://http)

Panhard VPS (França):

(http://img258.imageshack.us/img258/2010/panhardvps01alc3.th.jpg) (http://http)

Serval (Alemanha):

(http://img258.imageshack.us/img258/3574/servalfavhu7.th.jpg) (http://http)

Para não esquecer todas as outras possibilidades já existentes:

Toyota Land Cruiser HZJ-73/MILAN:

(http://img443.imageshack.us/img443/7732/file02845udav0.th.jpg) (http://http)

Chenowth FAV:

(http://img443.imageshack.us/img443/4388/08favsbm1ki0.th.jpg) (http://http)

M11 Panhard:

(http://img119.imageshack.us/img119/544/etat200312ad2.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos a todos
Título:
Enviado por: sturzas em Abril 13, 2007, 04:44:55 am
Cabeça de Martelo:

Só agora é que reparei nos links que colocas-te. Simplesmente Muito Bom!

Fiquei bastante contente por saber que afinal lá para as bandas de Ílhavo / São Jacinto / Aveiro / RI10, ainda existe uma Companhia Anticarro, tal como vem descrito no site do Exército Português.

Só falta mesmo é saber onde está/estará? a Companhia de MOrteiros Pesados... Por falar nisso tenho aqui uma foto engraçada: Esarco 6x6 (de fabrico espanhol), mais morteiro de 120mm, mais M11 Panhard...

(http://img401.imageshack.us/img401/1802/78esarcomorteiro120mmov4.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 13, 2007, 09:31:21 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Para isso prefiro isto:

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02497.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02497.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02503.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02503.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02624.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02624.html)


Interessante ver uma MG em cima da Toyota. Quando o apontador fizer fogo suponho que o condutor tenha que sair da viatura para não levar com os invólucros quentinhos acabados de sair da metralhadora em cima da cabeça, certo? :twisted:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 10:28:03 am
Citação de: "sturzas"
Cabeça de Martelo:

Só agora é que reparei nos links que colocas-te. Simplesmente Muito Bom!

Fiquei bastante contente por saber que afinal lá para as bandas de Ílhavo / São Jacinto / Aveiro / RI10, ainda existe uma Companhia Anticarro, tal como vem descrito no site do Exército Português.

Só falta mesmo é saber onde está/estará? a Companhia de MOrteiros Pesados... Por falar nisso tenho aqui uma foto engraçada: Esarco 6x6 (de fabrico espanhol), mais morteiro de 120mm, mais M11 Panhard...

(http://img401.imageshack.us/img401/1802/78esarcomorteiro120mmov4.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos


A Companhia de Morteiros Pesados já desapareceu há muito tempo. Os efectivos foram transferidos para a GAC e como essa unidade passou para a BI...já só resta os morteiros de 120mm. Salvo erro vão ou já fizeram um Pelotão de Morteiros Pesados na BAAT, para além de uns poucos exemplares que estão nos BIParas.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 10:28:58 am
Citação de: "zecouves"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Para isso prefiro isto:

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02497.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02497.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02503.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02503.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02624.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02624.html)

Interessante ver uma MG em cima da Toyota. Quando o apontador fizer fogo suponho que o condutor tenha que sair da viatura para não levar com os invólucros quentinhos acabados de sair da metralhadora em cima da cabeça, certo? :roll:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 10:44:04 am
Citação de: "sturzas"
Viva a todos:

Cabeça de Martelo - que raio de nick name, nem dá para tratar por tu  c34x  :wink:
Título:
Enviado por: Mar Verde em Abril 13, 2007, 11:20:04 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Lei de Programação Militar. Lá dizia que para além dos Pandur, o Exército queria adquirir para a BRR veiculos blindados de 4 rodas (estilo Hummer ou Panhard. No entanto deu a entender que era um veiculo com alguma capacidade de transporte de militares portanto temos que descartar o Panhard. Eu até sou fã de um certo veiculo Alemão que tem todas estas caracteristicas... o PT tb é fã, ele sabe do que eu tou a falar.  :wink:


(http://www.defense-update.com/images/Dingo-ag.jpg)

:?:


discussão aqui: http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=4914 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=4914)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 12:55:53 pm
http://www.dailymotion.com/relevance/se ... ny-vehicle (http://www.dailymotion.com/relevance/search/MG-3/video/x13czq_mg42-from-germany-vehicle)  :wink:
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 13, 2007, 01:07:38 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "zecouves"
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Para isso prefiro isto:

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02497.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02497.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02503.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02503.html)

http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/s ... 02624.html (http://www.boinas-verdes.com/dia_ri10/slides/DSC02624.html)

Interessante ver uma MG em cima da Toyota. Quando o apontador fizer fogo suponho que o condutor tenha que sair da viatura para não levar com os invólucros quentinhos acabados de sair da metralhadora em cima da cabeça, certo? :roll:


Tens fotos/links para eu ver? Fiquei curioso.  Tenho também curiosidade em perceber onde se posiciona o apontador da MG para fazer tiro para os flancos e para a retaguarda.

Abraços!
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 13, 2007, 01:09:14 pm
Encontrei este link que dá umas pistas pistas para meditar quanto ao assunto das rodas: http://www.geocities.com/paratroop2000/ ... rsfail.htm (http://www.geocities.com/paratroop2000/armoredhmmwvsstrykersfail.htm)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 02:11:52 pm
Airborne Rangers (US):

http://www.roversnorth.com/forums/showthread.php?t=830 (http://www.roversnorth.com/forums/showthread.php?t=830)

http://shadowspear.com/rsov.htm (http://shadowspear.com/rsov.htm)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 03:44:20 pm
Regimento Pára-quedista Britânico:

http://video.google.co.uk/videoplay?doc ... 6945114342 (http://video.google.co.uk/videoplay?docid=2656036426945114342)

http://www.army.mod.uk/para/3bn.htm (http://www.army.mod.uk/para/3bn.htm)

(http://www.army.mod.uk/img/para/2bn/2_para1.jpg)

(http://www.army.mod.uk/img/para/2bn/2_para.jpg)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 13, 2007, 04:22:29 pm
(http://img396.imageshack.us/img396/1375/file02764mk.jpg)

(http://img187.imageshack.us/img187/294/martins47ho8.jpg)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 04:23:41 pm
Essas fotos foram tiradas no dia da unidade da ETP.  :wink:
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 13, 2007, 04:32:26 pm
Os FAV estão em que sub-unidade pára-quedista? Esquadrão de Reconhecimento? Teoricamente como é que podem ser empregues, isto é, podem ser lançados de pára-quedas?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 13, 2007, 04:34:27 pm
Já na II GM alguns jeep willys tinham metralhadoras :roll:

http://members.aol.com/darryld/M2HB.jpg (http://members.aol.com/darryld/M2HB.jpg)
http://members.aol.com/WW2JeepMBGPW/Photos/MB50cal.jpg (http://members.aol.com/WW2JeepMBGPW/Photos/MB50cal.jpg)
http://www.gijoecanada.com/images/us_sahara%20jeep.jpg (http://www.gijoecanada.com/images/us_sahara%20jeep.jpg)
http://www.hobbyshop.ru/has/has24502.jpg (http://www.hobbyshop.ru/has/has24502.jpg)
http://www.transchool.eustis.army.mil/M ... eepjpg.jpg (http://www.transchool.eustis.army.mil/Museum/images/gunjeepjpg.jpg)
http://beachhead.tibranch.com/graphics/ ... jeepsp.jpg (http://beachhead.tibranch.com/graphics/webpg2hasbrojeepsp.jpg)
http://www.hasegawa-model.co.jp/03.11/images/MV2.jpg (http://www.hasegawa-model.co.jp/03.11/images/MV2.jpg)
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 13, 2007, 04:39:17 pm
Cabeça de Martelo:

Obviamente que conheço o conceito de emprego de metralhadoras montadas em viaturas. O que está em causa em relação ao exemplo dos paraqs portugueses é que o sistema por eles empregue - por ti apresentado - é um desenrascanço/improvisação que conduz à pouca funcionalidade do sistema como um todo.

Vejamos:

Nas fotos que apresentaste, a MG está "amarrada" a um varão que foi concebido para suster a lona de cobertura da caixa da viatura - As imagens (excelentes por sinal) que apresentaste mostram viaturas concebidas para o efeito, nomeadamente com plataformas giratórias que permitem ao apontador fazer fogo nas diferentes direcções, algo que o "sistema português" não permite.

Na MG, os invólucros são ejectados verticalmente e para baixo (... se a ejecção fosse mais horizontal ...), como não há torre giratória que permita recuar arma, o condutor terá momentos em que "mama a bucha toda".

Em tempos houve uma versão porta-Metralhadora Pesada, (infelizmente não tenho fotografia) de um UMM (sim podem rir do UMM mas a verdade é que as variadas versões de UMM que existiam não obrigavam a improvisações amadorescas e pouco funcionais) que possuia um reparo que permitia o tiro de Browning em todas as direcções.

Aliás, esta critica (que não é aos paraqs mas a quem compra as viaturas aparentemente às cegas) também se aplica às viaturas porta-MILAN.

Em sumula: um sistema à la tuga!

Quanto às FAV Paraqs que mostras, elas são 4 x 4 ou só de tracção à frente?

Só para terminar: os sistemas/conceitos/ideias que vêm de exércitos mais ricos e avançados não têm que ser os mais desejáveis e funcionais, como aliás a história da Guerra o comprova à saciedade. E olha que nem os cámones gostam de levar com invólucros a ferver, eu não gosto porque já levei com eles!! E tu já levaste?:wink:
Título:
Enviado por: sturzas em Abril 13, 2007, 05:19:53 pm
Viva a todos

zecouves, penso que te referes a estas viaturas:

(http://img263.imageshack.us/img263/9519/rcmds0001up6.th.jpg) (http://http)

(http://img263.imageshack.us/img263/162/companhiaanticarro1988qh3.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 13, 2007, 06:23:35 pm
Exactamente!

Salvo erro as dos Comandos eram do Pel Rec do BCmds 12.

Salvaguardando as devidas distancias temporais e portanto o desenvolviemnto natural de todo o tipo de equipamento e armamento, na altura, os UMM eram bastante razoaveis e a sua aquisição pareceu-mei algo muito bem pensado e efectuado. Que eu me lembre os UMM existiam nas versões de: transporte de pessoal, anti-carro (porta-missil MILAN); anti-carro (porta-canhão SR 106 mm); Ambulancia; Pronto Socorro. Não sei se havia mais alguma versão para além das que já referi.

Nunca fiquei pendurado em lado nenhum em TT. A versão porta-canhão tinha mais potencia, era mais baixa e mais larga (desculpem a falta de terminologia técnica) e era um autentico tractor.

Tendo em conta o uso intensivo de que foram alvo, e já para o fim algumas falhas na area da manutenção, muito duraram elas!
Título:
Enviado por: Ricardo em Abril 13, 2007, 06:53:25 pm
Citação de: "zecouves"
Exactamente!

Salvo erro as dos Comandos eram do Pel Rec do BCmds 12.

Salvaguardando as devidas distancias temporais e portanto o desenvolviemnto natural de todo o tipo de equipamento e armamento, na altura, os UMM eram bastante razoaveis e a sua aquisição pareceu-mei algo muito bem pensado e efectuado. Que eu me lembre os UMM existiam nas versões de: transporte de pessoal, anti-carro (porta-missil MILAN); anti-carro (porta-canhão SR 106 mm); Ambulancia; Pronto Socorro. Não sei se havia mais alguma versão para além das que já referi.
Nunca fiquei pendurado em lado nenhum em TT. A versão porta-canhão tinha mais potencia, era mais baixa e mais larga (desculpem a falta de terminologia técnica) e era um autentico tractor.

Tendo em conta o uso intensivo de que foram alvo, e já para o fim algumas falhas na area da manutenção, muito duraram elas!


Alguém tem fotos dessas versões?
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 13, 2007, 11:36:53 pm
Eu percebo o que estás a dizer, no entanto há uma coisa que te estás a esquecer. Nas fotos aparecem misseis Milan o que pode automáticamente levar uma pessoa a pensar que é a Companhia Anti-carro, no entanto pode ser muito bem os misseis do 2º BIParas. Segundo os artigos mais recentes feitos pelo sô Tenente-Coronel Miguel Siva Machado, a Companhia Anti-carro vai/ou foi à vida. Será que eles não aproveitaram os veiculos da dita Companhia para outros usos? Não sei, há muitas questões em aberto e eu infelizmente tenho cada vez menos contactos na tropa para saber essas coisas...  :(
Título:
Enviado por: sturzas em Abril 14, 2007, 04:28:44 am
Viva a todos:

Do site oficial do Exército, temos:

(http://img267.imageshack.us/img267/9894/amsjri10xn4.th.jpg) (http://http)

... logo, chego à conclusão de que a CCar existe, ou de que há um orgão oficial, que fornece uma informação não verdadeira.

A terceira via, é haver a sua existência no papel, mas na pratica, todos os meios orgânicos e humanos, estejam operacionalmente integrados no 2º Batalhão Pára-quedistas

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 14, 2007, 10:40:45 am
Sturzas infelizmente o site oficial do Exército não é de se fiar...vai ver as unidades; tens unidades que já não existem (ex: BAI), com unidades que aparecem lá mas não têm qualquer tipo de informação (ex: 2ª Companhia de Comandos/BRR).  :(
Título:
Enviado por: zecouves em Abril 15, 2007, 10:28:49 am
A Companhia Anti-carro está morta e enterrada :cry:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 16, 2007, 12:46:04 pm
Sim!
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 16, 2007, 05:36:18 pm
Por acaso encontrei um site muito completo sobre a história e a orgânica dos para-quedistas ao longo da sua história.

Pelo que percebi tinhamos um Comando de Tropas Aerotransportadas cuja unidade operacional era a Brigada Aerotransportada Indepenente, tendo esta as seguintes sub-unidades:

Companhia de Comando e Serviços - CTAT (ex-BA3)
Batalhão de Apoio e Serviços - RI15
1º Batalhão de Infantaria Aerotransportada - RI15
2º Batalhão de Infantaria Aerotransportada - AMSJ
3º Batalhão de Infantaria Aerotransportada - RI3
Grupo de Artilharia de Campanha - RA4
Esquadrão de Reconhecimento - RC3
Companhia Anti-Carro - AMSJ
Bataria de Artilharia Antiaérea - RAAA1
Companhia de Transmissões - CTAT (ex-BA3)
Companhia de Engenharia - EPE


As alterações foram as seguintes:

Comando de Tropas Aerotransportadas - (extinção)
BAI - transformada em BRR
Batalhão de Apoio e Serviços - (extinção)
3º Batalhão de Infantaria Pára-quedista - (extinção)
GAC - (transferido para a Brigada de Intervenção)
Companhia Anti-Carro - (extinção)
BAAA - (transferida da BAI)
Companhia de Transmissões - (extinção)
Companhia de Engenharia - Reduzida a Pelotão de Engenharia


Então temos uma Brigada de Reacção Rápida com:

Companhia de Comando e Serviços
1º Batalhão de Infantaria Pára-quedista
2º Batalhão de Infantaria Pára-quedista
Esquadrão de Reconhecimento
Pelotão de Engenharia

novas unidades da Brigada:

Batalhão Aeroterrestre
Batalhão de Comandos
Força de Operações Especiais
Unidade de Aviação Ligeira do Exército
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 16, 2007, 07:43:05 pm
O BAS foi transferido para a BI à mais tempo, a Companhia de Transmissões salvo erro continua em Tancos.
O plano futuro (vamos ver se realiza) é ter um reforço na BAAT com pelotões de Morteiros, engenharia, etc.
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 16, 2007, 09:07:33 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
O BAS foi transferido para a BI à mais tempo, a Companhia de Transmissões salvo erro continua em Tancos.
O plano futuro (vamos ver se realiza) é ter um reforço na BAAT com pelotões de Morteiros, engenharia, etc.


Então parte da BAI foi transferida para a Brigada de Intervenção, foi o GAC, o BAS, talvez BAAA também tenha ido.

E que tal se os para-quedistas tivessem mais capacidade nas companhias de apoio em combate, do género da companhia de apoio de fogos dos fuzileiros, com misseis anti-carro, morteiros pesados, talvez engenharia e defesa áerea.

Supostamente o BAAT é para apoiar as forças para-quedistas entre o ar e o solo, por isso é que eles não faziam parte da orgânica da BAI, que é uma unidade para combater no solo, os precursores são para fazer reconhecimento, a companhia de material aéreo para preparar os pára-quedas e todo o material necessário a um pára-quedista para efectuar o salto, abastecimento aéreo para lançar material por pára-quedas para apoiar os pára-quedistas, os cães de guerra acho que não encaixa muito bem nesse pensamento mas pronto, eles tinham que estar em algum lado. Eu acho que um reforço de morteiros, misseis anti-carro, misseis anti-aéreos, engenharia, etc tinha mais lógica ser feito nas companhias de apoio em combate do que no BAAT.

Ficavamos com 2 batalhões do género do Batalhão dos fuzileiros mas claro virado para operações aerotransportadas.
Título:
Enviado por: TaGOs em Abril 16, 2007, 09:15:25 pm
Varias fotos.

(http://img162.imageshack.us/img162/5761/pandur2uj3.th.jpg) (http://http)

(http://img161.imageshack.us/img161/6383/pandur001nl4.th.jpg) (http://http)

(http://img118.imageshack.us/img118/9513/pandur022kx8.th.jpg) (http://http)

(http://img76.imageshack.us/img76/9095/pandur031wg8.th.jpg) (http://http)

(http://img78.imageshack.us/img78/5937/pandur033yz4.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: TaGOs em Abril 16, 2007, 09:29:32 pm
Mais umas.

(http://img161.imageshack.us/img161/3429/758628transporteryza24mbk0.th.jpg) (http://http)

(http://img47.imageshack.us/img47/1739/704275transportersteyrpyp7.th.jpg) (http://http)

(http://img45.imageshack.us/img45/722/737719pandur8x8vprazekbrj8.th.jpg) (http://http)

(http://img47.imageshack.us/img47/380/756255kanonvzrcatkufu3.th.jpg) (http://http)

(http://img45.imageshack.us/img45/4153/727508pandur8x8vprazekbiw8.th.jpg) (http://http)

(http://img74.imageshack.us/img74/1884/737720pandur8x8vprazekbmt3.th.jpg) (http://http)

(http://img265.imageshack.us/img265/7610/745554uvnitrobrnenceeg4.th.jpg) (http://http)

(http://img70.imageshack.us/img70/4510/758587stanovisteridicese4.th.jpg) (http://http)

(http://img443.imageshack.us/img443/6186/758588stanovistestrelceto9.th.jpg) (http://http)

(http://img265.imageshack.us/img265/2729/758589vezrafaelrcws30ej4.th.jpg) (http://http)

(http://img102.imageshack.us/img102/6757/758591kameratx8.th.jpg) (http://http)

(http://img59.imageshack.us/img59/4125/758592naradijk2.th.jpg) (http://http)

(http://img69.imageshack.us/img69/1118/758593pandurplujehu6.th.jpg) (http://http)

(http://img127.imageshack.us/img127/7312/758594pandurvmorijo6.th.jpg) (http://http)

(http://img108.imageshack.us/img108/8707/732504pandurnabahnech20gb4.th.jpg) (http://http)

(http://img69.imageshack.us/img69/1972/758595pandurnabahnech20zz6.th.jpg) (http://http)

(http://img440.imageshack.us/img440/2812/758596pandurnabahnech20nb2.th.jpg) (http://http)

(http://img411.imageshack.us/img411/7352/758597pandurnabahnech20zc8.th.jpg) (http://http)

Fonte: http://aktualne.centrum.cz/domaci/zivot ... ro849_2_10 (http://aktualne.centrum.cz/domaci/zivot-v-cesku/clanek.phtml?id=184114&tro849_2_10)
Título:
Enviado por: Luso em Abril 16, 2007, 10:52:16 pm
Gosto do impressionante canhão de 1,5 milímetros! :shock:
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 16, 2007, 10:56:20 pm
Citação de: "Luso"
Gosto do impressionante canhão de 1,5 milímetros! :lol:


Boas fotos Tagos, obrigado.
Título:
Enviado por: lazaro em Abril 16, 2007, 10:57:13 pm
Citação de: "Luso"
Gosto do impressionante canhão de 1,5 milímetros! :lol:
Título:
Enviado por: Luso em Abril 16, 2007, 11:54:15 pm
Citação de: "lazaro"
Até levares com ele um dia :mrgreen:
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 04, 2007, 08:09:10 pm
(http://img168.imageshack.us/img168/7517/bahna06pan1hu3.jpg)

(http://img84.imageshack.us/img84/9166/bahna06pan2rh2.jpg)

(http://img82.imageshack.us/img82/7214/bahna06pan3qw1.jpg)

(http://img80.imageshack.us/img80/1168/bahna06pan4fn7.jpg)
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 12:29:30 pm
Olhem o que encontrei.  :D

(http://img522.imageshack.us/img522/2712/p1000984va1.jpg)

(http://img511.imageshack.us/img511/5691/p1010023nv1.jpg)

Citar
News - 08.05.2007


Successful presentation at IDET 2007, Bruno


At the stand of the Czech Ministry of Defense PANDUR II 8x8 in KBVP-version was the center of interest for the visitors, among them VIPs. At the exhibition area of General Dynamics European Land Combat Systems visitors could inform them about the PANDUR II in 6x6 and 8x8 configuration, as well as a MOWAG Eagle IV.


Fonte: http://www.steyr-ssf.com/index.htm (http://www.steyr-ssf.com/index.htm)
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 12:46:23 pm
Mais umas da versão Checa:

(http://img515.imageshack.us/img515/9526/pandurii30mmgunidet2007og0.jpg)

(http://img91.imageshack.us/img91/9229/idet2007pandurcze01um6.jpg)

(http://img145.imageshack.us/img145/1389/idet2007pandurcze02ub3.jpg)

Agora Pandur II (normal :lol: )

(http://img522.imageshack.us/img522/7913/pandurii8x8idet2007czecgn4.jpg)

(http://img515.imageshack.us/img515/2502/idet2007pandur28x801yk9.jpg)

(http://img504.imageshack.us/img504/3460/idet2007pandur28x802tf6.jpg)

(http://img142.imageshack.us/img142/3012/idet2007pandur28x803na4.jpg)

Fonte: http://www.armyrecognition.com (http://www.armyrecognition.com)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 01:29:03 pm
Mais uma do Pandur II 8*8 (o normal  :lol:  )

(http://img525.imageshack.us/img525/3757/70919049af4.th.jpg) (http://http)

(http://img518.imageshack.us/img518/5459/71053676sl9.th.jpg) (http://http)

(http://img95.imageshack.us/img95/2340/idet2007176qp7.th.jpg) (http://http)

(http://img142.imageshack.us/img142/6274/idet2007175gl3.th.jpg) (http://http)

(http://img148.imageshack.us/img148/4293/idet2007174gf8.th.jpg) (http://http)

(http://img99.imageshack.us/img99/5097/idet2007173ef4.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 01:48:26 pm
Agora mais do Checo.

(http://img523.imageshack.us/img523/9553/59827358pf3.th.jpg) (http://http)

(http://img511.imageshack.us/img511/9149/idet2007375zy2.th.jpg) (http://http)

(http://img217.imageshack.us/img217/9127/idet2007373ee2.th.jpg) (http://http)

(http://img150.imageshack.us/img150/5892/idet2007371sr1.th.jpg) (http://http)

(http://img172.imageshack.us/img172/7205/idet2007370uq5.th.jpg) (http://http)

(http://img217.imageshack.us/img217/7992/idet2007369tn8.th.jpg) (http://http)

(http://img150.imageshack.us/img150/9599/i573451341pandurii8x8om0.th.jpg) (http://http)

(http://img172.imageshack.us/img172/883/i573419361pandurii8x8vu7.th.jpg) (http://http)

(http://img153.imageshack.us/img153/6503/i573418381pandurii8x8kp5.th.jpg) (http://http)

(http://img201.imageshack.us/img201/6985/i573421402pandurii8x8jt0.th.jpg) (http://http)

(http://img147.imageshack.us/img147/4077/i573423idet2007355vt1.th.jpg) (http://http)

(http://img292.imageshack.us/img292/6913/i573425idet2007357mt3.th.jpg) (http://http)

(http://img147.imageshack.us/img147/9625/i573426idet2007358el9.th.jpg) (http://http)

(http://img144.imageshack.us/img144/6711/i573429idet2007361pz0.th.jpg) (http://http)

(http://img152.imageshack.us/img152/8550/i573435idet2007368gk0.th.jpg) (http://http)

(http://img168.imageshack.us/img168/1986/i573437idet2007370pz9.th.jpg) (http://http)

(http://img144.imageshack.us/img144/4548/i573438idet2007373pu1.th.jpg) (http://http)

(http://img152.imageshack.us/img152/331/i573441idet2007607jz8.th.jpg) (http://http)

(http://img223.imageshack.us/img223/374/i573440idet2007608zw0.th.jpg) (http://http)

(http://img99.imageshack.us/img99/5316/i573443idet2007609sr8.th.jpg) (http://http)

(http://img223.imageshack.us/img223/4066/i573444idet2007610jo5.th.jpg) (http://http)

(http://img522.imageshack.us/img522/5436/i573445idet2007614kj8.th.jpg) (http://http)

(http://img214.imageshack.us/img214/8071/i573446idet2007627xx9.th.jpg) (http://http)

(http://img99.imageshack.us/img99/6595/i573450idet2007654xg5.th.jpg) (http://http)

(http://img152.imageshack.us/img152/6444/24av5ub1.th.jpg) (http://http)

(http://img214.imageshack.us/img214/9726/01ra2ii3.th.jpg) (http://http)

(http://img87.imageshack.us/img87/3401/03pb7sm0.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Creoula em Maio 13, 2007, 03:38:39 pm
Obrigado pelas fotos TaGOs! Fazem-nos desejar ver os nossos PANDUR rapidamente no activo.

Já agora, alguém sabe o que é ou para que serve esta "rede" na traseira do blindado?
 
Citação de: "TaGOs"
(http://img172.imageshack.us/img172/883/i573419361pandurii8x8vu7.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 07:28:45 pm
Não tem de me agradecer a mim já que nenhuma é da minha autoria.

Eu não sei para que serve mas deve ser para transportar algo. Tipo aquelas redes camufladas.

Agora só falta encontrar fotos como essas desta viatura: :lol:

"Porta" do condutor diferente.

E repararam que a versão anfíbia não tem na parte lateral traseira aquela saliência para fora. Como esta foto mostra.

(http://img522.imageshack.us/img522/7913/pandurii8x8idet2007czecgn4.jpg)

Alguém sabe se os nossos pandur também vão tem câmaras como os Checos?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 13, 2007, 07:43:17 pm
Mais quatro interessantes.

(http://img394.imageshack.us/img394/4169/p1020646fo4.jpg)

(http://img382.imageshack.us/img382/6450/p1020647kv1.jpg)

(http://img369.imageshack.us/img369/9229/p1020986vy7.jpg)

(http://img460.imageshack.us/img460/3056/p1020997og5.jpg)

Maior resolução em: http://www.militaryphotos.net/forums/sh ... 05&page=37 (http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?t=64105&page=37)
Título:
Enviado por: papatango em Maio 14, 2007, 04:36:58 pm
(http://img509.imageshack.us/img509/6426/comppandur2vy2.jpg)


Relativamente às câmaras, a que câmaras se refere?
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 14, 2007, 04:46:35 pm
Estas espalhadas pelo veiculo.

(http://img201.imageshack.us/img201/6985/i573421402pandurii8x8jt0.th.jpg) (http://http)

(http://img375.imageshack.us/img375/160/i573451341pandurii8x8ompc2.th.jpg) (http://http)

(http://img525.imageshack.us/img525/9128/i573446idet2007627xx922wo3.th.jpg) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: JLRC em Maio 14, 2007, 08:33:25 pm
Uma notícia preocupante:

Stryker Losses Raise Questions

Associated Press  |  May 14, 2007
BAGHDAD - A string of heavy losses from powerful roadside bombs has raised new questions about the vulnerability of the Stryker, the Army's troop-carrying vehicle hailed by supporters as the key to a leaner, more mobile force.

Since the Strykers went into action in violent Diyala province north of Baghdad two months ago, losses of the vehicles have been rising steadily, U.S. officials said.

A single infantry company in Diyala lost five Strykers this month in less than a week, according to Soldiers familiar with the losses, who spoke on condition of anonymity because they are not authorized to release the information. The overall number of Strykers lost recently is classified.

In one of the biggest hits, six American Soldiers and a journalist were killed when a huge bomb exploded beneath their Stryker on May 6. It was the biggest one-day loss for the battalion in more than two years.

"We went for several months with no losses and were very proud of that," a senior Army official said in Washington, speaking on condition of anonymity because he is not authorized to comment publicly. "Since then, there have been quite a few Stryker losses."

"They are learning how to defeat them," the Army official said of Iraqi insurgents.

The military introduced the eight-wheeled Stryker in 1999 as the cornerstone of a ground force of the future - hoping to create faster, more agile armored units than tank-equipped units, but with more firepower and protection than light-infantry units. The Army has ordered nearly 2,900 vehicles for its $13 billion Stryker program.

But the Army and the Marines are already looking for something different that can survive big roadside bombs - the main threat to Soldiers in Iraq - meaning the Stryker's high-profile status as the Army's "next generation" vehicle may be short-lived.

"It is indeed an open question if the Stryker is right for this type of warfare," said Michael O'Hanlon, a senior analyst with the Brookings Institution. "I am inclined to think that the concept works better for peacekeeping. But based on data the Army has made available to date, it's hard to be sure."

Supporters of the Strykers, which have been used in Iraq since late 2003, say the vehicles that carry two crew members and 11 infantrymen offer mobility, firepower and comfort.

Lighter and faster than tracked vehicles like tanks, each Stryker can rush Soldiers quickly to a fight, enabling commanders to maintain security over a wide area with relatively fewer troops. Humvees can carry only four Soldiers - and are more vulnerable to bombs even when their armor is upgraded.

"I love Strykers," said Spc. Christopher Hagen, based in Baqouba. "With Strykers, you're mobile, you're fast. You can get anywhere anytime. They bring a lot of troops to the fight."

But some analysts have long questioned the wisdom of moving away from more heavily armored tracked vehicles like tanks and Bradley fighting vehicles to wheeled transports, like the Stryker.

They say that is especially true in Iraq, where powerful bombs - not rocket-propelled grenades or small arms fire - are the main threat.

"The Stryker vehicle was conceived at a time when the Army was more concerned about mobility and agility than it was about protection," said Loren Thompson, a military analyst from the Lexington Institute. "Stryker was the answer to that need."

The Stryker's vulnerabilities have become increasingly apparent since a battalion of about 700 Soldiers and nearly 100 Stryker vehicles from the Army's 2nd Infantry Division was sent to Diyala province in March to bolster an infantry brigade struggling to restore order there.

Trouble started as soon as the Strykers arrived in Baqouba, the provincial capital of Diyala.

U.S. commanders ordered the vehicles into Baqouba's streets at dawn the day after they arrived. The hope was that the large, menacing vehicles - armed with a heavy machine gun and a 105mm cannon - would intimidate insurgents and reassure local residents.

Instead, insurgents hammered the Strykers with automatic weapons fire, rocket-propelled grenades and a network of roadside bombs. By the end of that first day, one American Soldier was dead, 12 were wounded and two Strykers were destroyed.

A few days before the May 6 attack that killed the six Soldiers and a Russian journalist, troops scrambled out of another damaged Stryker and took cover in a house while they watched the vehicle burn. Several of them were injured but none seriously.

Losses have since mounted.

A few days after the May 6 blast, two Strykers were hit by bombs, and one Soldier was killed and another was seriously wounded.

Lt. Col. Bruce Antonio, who commands a Stryker battalion in Diyala, said he and Soldiers still have confidence in the Strykers and noted they had survived many bombs, which the military calls improvised explosive device or IEDs.

But Antonio said some insurgents had found "the right mix of explosives and IED positioning to inflict severe damage on the vehicle." He also noted that tanks had also proved vulnerable too.

The insurgents also apparently are becoming better at hiding the devices - the IED that killed the six Soldiers and the journalist was believed hidden in a sewer line. To add potency, insurgents surrounded the device with cement to channel the blast force up into the tank, according to Soldiers familiar with the investigation.

Supporters of the Strykers say all that proves that it's the lethality of bombs in Iraq - not the Strykers themselves - that are the problem: The bombs are now so powerful that even Abrams main battle tanks are vulnerable to some of them.

"I'm not sure if it's any reflection on the (Stryker) but rather on how things are getting worse" in Iraq, according to a senior Democratic congressional staffer who tracks Army programs, who spoke on condition of anonymity because he wasn't authorized to speak publicly.

Stryker Soldiers said that when they were based in Mosul in the north, roadside bombs weren't so big - often, little more than pipe bombs. In Baqouba, the bombs are bigger and buried deeper, making them difficult to detect.

"With what we got hit with the other day, it wouldn't have mattered what we were in," said Spc. John Pearce, speaking of the May 6 bomb. "We were going to take casualties, regardless."

Either way, the Army and Marine Corps already are pushing for new Mine Resistant Ambush Protected vehicles, or MRAPS, whose V-shaped hulls are designed to deflect bomb blasts outward, rather than through the vehicle.

The Pentagon has requested nearly 7,800 of the new vehicles at a cost of $8.4 billion and is considering ordering thousands more to give Soldiers better protection.

Such moves, however, serve only to reinforce the views of critics, who believe the Army opted for a vehicle that was useful in Balkan peacekeeping or other "low threat" missions but is inadequate in so-called "asymmetric warfare," where a weaker opponent devises simple tools to exploit a strong opponent's weak points.

"As long as the Stryker-equipped light infantry was used ... against lightly armed insurgents, there was no problem," said retired Col. Douglas Macgregor, who writes on defense issues.

"Now, they are being tossed into the urban battle where only tracked armor can survive."
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 17, 2007, 04:28:49 pm
Citar
Viaturas blindadas portuguesas em testes definitivos na Áustria

MANUEL CARLOS FREIRE    
 
Uma delegação de altas patentes militares portuguesas assiste na próxima semana, na Áustria, aos testes finais à viatura blindada de oito rodas desenvolvida pela Steyr e de que Portugal foi o primeiro comprador.

As primeiras Pandur 8x8, de um total de 260 a adquirir por Lisboa até 2010, já estão a ser construídas na Áustria e pela empresa portuguesa Fabrequipa (Barreiro). Mas os exames definitivos às capacidades da viatura, que a vão homologar perante o mercado internacional e certificar em termos operacionais, realizam-se entre os dias 21 e 28 deste mês, revelaram ontem ao DN várias fontes ligadas a esse programa de reequipamento do Exército e da Armada.

O responsável máximo da Fabrequipa, Francisco Pita, manifestou total confiança no sucesso daqueles testes - outra fonte, militar, mostrou--se mais cautelosa, optando por falar em "mais de 90%" - à primeira viatura da primeira série das Pandur 8x8. "São testes fundamentais, que vão definir a continuidade imediata do projecto", frisou aquele industrial.

A semana de testes envolve algumas dezenas de parâmetros, desde as medidas da viatura, a verificação de que podem ser transportadas por aviões C-130, o arranque do motor (diesel) a determinadas temperaturas negativas, o grau de autonomia com o peso de combate (superior a 20 toneladas), a pontaria do canhão de 30 mm, a compressão do habitáculo para garantir a não entrada de produtos químicos ou a resistência a uma explosão de oito quilos de explosivos.

As Pandur 8x8 vão substituir as quase inoperacionais Chaimite, que datam do tempo da guerra colonial em África. Do total de 260 viaturas blindadas, 240 (em 11 versões) destinam-se ao Exército e 20 (em cinco versões) ao batalhão de Fuzileiros da Armada. A primeira das construídas emPortugal - a nº7, pois as primeiras seis virão da fábrica-mãe da Steyr na Áustria - é entregue ao Exército em Setembro, seguindo-se mais três em Outubro, quatro em Novembro e cinco em Dezembro, informou Francisco Pita.

Segundo o industrial, que disse ter investido cerca de 14 milhões na fábrica destinada à produção das 'suas' 220 Pandur, "a grande reviravolta" desse programa de 364 milhões de euros - que envolve contrapartidas da Steyr que rondam os 516 milhões de euros para uma dúzia de projectos - deu-se ao nível dos fornecedores nacionais de componentes e equipamentos para aquelas viaturas blindadas.

Ao contrário das suas expectativas iniciais, Francisco Pita tem actualmente "uma centena" de fornecedores nacionais que o levam a falar da Fabrequipa como uma pequena réplica da Autoeuropa (fábrica automóvel em Palmela) na pequena área das indústrias de Defesa. Pita disse ainda que delegou a montagem dos motores nas oficinas do Exército.


Fonte (http://http)

A versão em papel da notícia tem ainda um outro texto onde refere que uma das Pandur exibidas em Brno, na República Checa, é uma das construídas na Austria para Portugal (serão as das fotos acima colocadas?). Refere ainda que em Novembro vão ser realizados os testes aos protótipos com canhão 105mm (ou 1,5 como por aqui já se viu :mrgreen: ), com um modelo belga e outro italiano.
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 17, 2007, 05:21:28 pm
Citar
A semana de testes envolve algumas dezenas de parâmetros, desde as medidas da viatura, a verificação de que podem ser transportadas por aviões C-130, o arranque do motor (diesel) a determinadas temperaturas negativas, o grau de autonomia com o peso de combate (superior a 20 toneladas), a pontaria do canhão de 30 mm, a compressão do habitáculo para garantir a não entrada de produtos químicos ou a resistência a uma explosão de oito quilos de explosivos.


Só se for este:

(http://img522.imageshack.us/img522/2712/p1000984va1.jpg)

Já que a outra versão apresentada na exposição não tem arma de 30mm.

(http://img525.imageshack.us/img525/3757/70919049af4.th.jpg) (http://http)

(http://img148.imageshack.us/img148/4293/idet2007174gf8.th.jpg) (http://http)

Mas não faz muito sentido já que este veiculo tem muitas diferenças das fotos colocadas aqui do primeiro veiculo Português...

(http://img462.imageshack.us/img462/856/pandurii8x82zt1vw6.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 17, 2007, 05:38:45 pm
Julgo que se referiam à versão com a torre SP30 que, se bem percebi, ou já está pronta (pelo menos, uma viatura) ou não estando existe, naturalmente, intenção de a avaliar.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: papatango em Maio 17, 2007, 06:35:07 pm
Em principio, e tratando-se do exército trata-se de testar esta versão:
(http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/IM_ter/Pandur2_VCI_1.jpg)

http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/CAN.aspx?NN=141
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 17, 2007, 07:36:19 pm
Citar
a compressão do habitáculo para garantir a não entrada de produtos químicos ou a resistência a uma explosão de oito quilos de explosivos.


Eles vão rebentar o veiculo?
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 17, 2007, 07:38:31 pm
Citação de: "TaGOs"
Citar
a compressão do habitáculo para garantir a não entrada de produtos químicos ou a resistência a uma explosão de oito quilos de explosivos.

Eles vão rebentar o veiculo?


Sim. Embora com essa carga ele não deva ficar destruído.
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 17, 2007, 07:44:25 pm
Tão novinho e já se vai.  :lol:


Aqui uma foto de um Português.

(http://img103.imageshack.us/img103/2875/rm24589panduriiri9.jpg)

Fonte: http://www.revistamilitar.pt/modules/ar ... php?id=172 (http://www.revistamilitar.pt/modules/articles/article.php?id=172)
Título:
Enviado por: sturzas em Maio 18, 2007, 02:44:42 am
Viva a todos:

Penso que o blindado da foto "postada" pelo TAGOS seja para entrega aos Fuzos, partindo do princípio, que esta seja a primeira viatura Pandur a ser entregue a Portugal (pessoalmente desconfio muito... mesmo muito):

(http://img297.imageshack.us/img297/6403/p1000984va1mw7.th.jpg) (http://http)

Ao pé do Senhor à esquerda com mala executiva (talvez o fornecedor de canhões de 1,5 mm :twisted: ) pode-se ver o propulsor anfíbio da viatura; a placa sobressaída sobre a parte frontal, não é mais do que um "quebra-ondas", que dado a sua utilização prática torna, esta viatura com um aspecto diferente do habitual.

A viatura ao lado direito (Checa), penso que seja a versão de Vigilância do Campo de Batalha. Bastante interessante o sistema.

Demais, as Pandur com canhão de 30 mm para o Exército, (infelizmente, na minha opinião), será equipada com torre SP-30, tal como o papatango refere na imagem. "Penso" que o Exército irá adquirir 30 viaturas com torre SP-30 e 15 viaturas com sistema lança-mísseis TOW-ITAS; continuo a defender a existência de 45 viaturas idênticas às dos "Fuzos" com canhão "remoto" e lança-mísseis anti-carro da última geração; Igual à da foto.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: LM em Maio 18, 2007, 09:46:35 am
Talvez esteja a colocar uma questão já respondida mas...

Porquê que os sistemas do canhão + missil AT do exercito e dos Fuzileiros não são iguais, com todas as vantagens manutenção, compra, formação, etc...?

Os misseis ainda percebo - o Exercito quer talvez aproveitar os TOW que tem em stock, os Fuzileiros não têm esses problemas...

LM
Título:
Enviado por: papatango em Maio 18, 2007, 11:09:37 am
A torre que vemos no carro da foto, parece ser a torre RCWS da RAFAEL.
(http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/IM_sys/30mmRCWS30_1.jpg)
http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/CAN.aspx?nn=143

A torre para os fuzileiros, a acreditar nas informações disponíveis, será a ORCWS da ELBIT:
(http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/IM_sys/30mmORCWS_1.jpg)
http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/CAN.aspx?nn=144

A torre para os blindados Pandur/30mm é diferente. Ela é uma torre tripulada (2 tripulantes) e isso quer dizer que o veículo é perfurado para receber a torre e o seu suporte.

A torre para os carros do exército é mais pesada e é idêntica à instalada nos veículos ASCOD/ULAN/PIZARRO.

O carro do exército não é anfíbio e o peso da torre poderá reduzir as capacidades "marinheiras" dos Pandur.
Considerando que se trara de veículos anfibios para os fuzileiros e não para o exército, o normal é que se considere que se trata de veículos capazes de operar no mar, pelo que o peso e estabilidade do veículo são da maior importância.

Julgo que o canhão de 30mm para os carros da marinha é o mesmo que para o exército, o canhão Mauser 30/Mk.2.
As torres é que são diferentes.
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 24, 2007, 05:44:06 pm
Encontrei este site com fotos do inicio de produção do Pandur na Fabrequipa.

http://artbarreiro.com/pandur/PANDURNOB ... index.html (http://artbarreiro.com/pandur/PANDURNOBARREIRO/index.html)

Ninguém sabe nada dos testes que estão a ser realizados ou tem fotos?
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 27, 2007, 03:50:37 pm
Video: Mk44 Bushmaster‡U 30mm Cannon Firing Test (http://http)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 30, 2007, 02:30:53 pm
Tropas ibéricas actuam juntas


As manobras são de carácter defensivo, porque assim foi determinado pela hierarquia militar. Tudo foi meticulosamente preparado com recurso às novas tecnologias e com "jogos de guerra", mas também com aquilo que designam por "caixa de areia", que é uma espécie de mapa/maquete desenhado no chão, onde é possível perceber a realidade do terreno, incluindo o relevo. Mas quem chega ao "cenário de guerra" assim montado, com aquartelamentos e posições, não duvida de que são acções de carácter muito sério.

O território em causa está a viver uma guerra de guerrilha, "levando a cabo práticas de extermínio étnico e criando assim um clima de terror na região", explica o capitão Morgado Braz, encarregue de uma missão porventura mais simples, a de Informação Interna e Relações Públicas.

Por todo o lado, se vêem viaturas militares, patrulhas e homens e mulheres vestidos de camuflado, cada grupo encarregue de uma missão muito específica, já interiorizada nos tão famosos "briefings". Não faltam as pinturas das caras a condizer com a farda, o capacete e a arma.


Nem parece que estamos na pacata região de Trás-os-Montes, desertificada de jovens e quase sem movimento. Aliás, nas imediações da pequena localidade de Três Minas, em Vila Pouca de Aguiar, começa a ser habitual a presença de forças militares em exercícios de preparação para as missões reais, no âmbito das forças de manutenção de paz das Nações Unidas ou outras. Zona privilegiada para a preparação dos militares do Regimento de Infantaria nº. 13 (RI 13), com sede em Vila Real, foi palco nos últimos dias de um treino, coordenado pela Brigada de Intervenção (BrigInt), sedeada em Coimbra, que entre outras questões, como a preparação do próximo batalhão a seguir para o Kosovo (a cargo do RI 14, de Viseu), visou aprofundar a cooperação entre os exércitos português e espanhol.

Desta feita, foram apenas 12 os elementos do país vizinho a participarem num exercício com um total de 930 militares (Dragão 07 - Livex), mas já no próximo mês, será a vez desta "visita" dos militares da Brigada Ligeira Aerotransportada, de Pontevedra, ser retribuída por uma companhia de 80 militares da BrigInt, que vão participar num exercício conjunto, em Zamora, que envolverá um total de 550 elementos.

Na pausa para o almoço, as tropas perdem o ar sisudo e muitos vão tomar um café ao bar explorado pela associação local na antiga residência do guarda florestal, que agora serve de messe. Agostinha Monteiro já perdeu a conta aos cafés que tirou "Aí uns 100 ou 200, nem sei", refere. Muitos mais do que a "meia dúzia" que tira ao fim-de-semana, que é quando abre o bar no resto do ano.

Enquanto saboreia o café, o chefe doestado-maior da BrigInt, tenente-coronel Carlos Moreno, mostra-se "orgulhoso" dos seus homens e mulheres e das novas atribuições , desde a restruturação. A BrigInt vai receber "até 2010, 273 novas viaturas, incluindo as tão famosas Pandur 8x8 austríacas, que vêm substituir as nacionais chaimites.

in JN
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 30, 2007, 08:35:14 pm
Já passaram dois dias do fim dos testes dos Pandur. Ninguém sabe de nada?
Título:
Enviado por: Luso em Maio 30, 2007, 08:45:29 pm
Alguém me pode explicar as diferentes filosofias de emprego que sustentam as diferentes cadências de tiro (200 MK44, 800 Mauser) dos canhões 30x173mm?
Título: PANDUR
Enviado por: tsahal em Maio 31, 2007, 11:09:45 am
Os testes efectuados foram os testes FAT, mesmo teste que será feito a cada viatura antes da entrega ao utilizador.

Espero que estejas esclarecido.
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 31, 2007, 01:46:26 pm
Disso não sabia.
Obrigado tsahal.  :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 31, 2007, 01:53:38 pm
Citação de: "Luso"
Alguém me pode explicar as diferentes filosofias de emprego que sustentam as diferentes cadências de tiro (200 MK44, 800 Mauser) dos canhões 30x173mm?

Questão curiosa que não tinha notado.
Mas a questão é relativamente ao canhão ou relativamente a alguma das torres em que o canhão está instalado ?

Relativamente aos canhões para as viaturas Pandur-II também fico algo confuso, porque inicialmente fiquei com a impressão de que todas teriam o mesmo canhão alemão da Mauser.

Agora parece que as viaturas da marinha vão utilizar o canhão americano, enquando que  os Pandur/VCI terão a torre equipada com o canhão Mauser...
Título:
Enviado por: Luso em Maio 31, 2007, 02:10:42 pm
Citar
Mas a questão é relativamente ao canhão ou relativamente a alguma das torres em que o canhão está instalado ?


PT, a questão prende-se sobretudo com o uso táctico dessas armas.
Se a letalidade do projéctil é a mesma, parte-se do princípio que o canhão Mauser tem a maior vantagem por ser capaz de saturar um alvo em menos tempo, ou seja, é mais capaz de garantir a destruição do inimigo com menor exposição: enquanto um MK44 "misca" 1 tiro, o Mauser acerta com 4 (ou o Mk44 falha e o Mauser acerta com 1, por exemplo). E isto traduz-se também na área batida, superior para o último no mesmo espaço de tempo e maior probabilidade de acerto.

200 tpm contra 800 tpm é uma diferença tão grande que certamente deverá ter a sua explicação.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 31, 2007, 02:21:47 pm
Tenho que consultar os meus canhânhos sobre o assunto.

Sei que algumas vezes, a cadência de tiro tem a ver com a torre e não com o canhão. A cadência de tiro e o tipo de munição são condicionados pela qualidade ou adequação da torre a uma determinada utilização.

Uma torre que é «vendida» para ser utilizada também para servir como arma antiaérea precisa de uma maior cadência de tiro.
Se for utilizada como veículo blindado de infantaria, pensada para utilizar muitas vezes munição perfurante de 30mm, então a cadência de tiro será menor.

Isto tem a ver com a resistência e qualidade de construção da torre, o seu projecto de construção e a capacidade que a torre tem para absorver os impactos dos disparos durante um longo periodo. Disparos de munição de alta velocidade, deverão implicar menor cadência. Disparos de munição de menor velocidade, em principio permitem maior duração do conjunto torre+canhão e logo permitem cadências de tiro mais elevadas.

Creio também que o canhão da ATK, tem duas cadências de tiro distintas.
Não sei se acontece a mesma coisa com o canhão da Mauser.

Mas como disse, isto são apenas cojecturas. Só vendo melhor as especificações de cada uma das armas...
E mesmo assim, nenhum fabricante vai admitir que a sua torre é menos capaz que uma da concorrência.

Cumprimentos
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Maio 31, 2007, 03:38:01 pm
A versão de reconhecimento do EP será equipada com uma torre Steyr SP30, esta torre incorpora uma peça Mauser fabricada em Espanha pela GDSBS.

Enquanto que a versão de reconhecimento dos fuzileiros (2 VBRs) terá uma torre ORCWS da Elbit equipada com misseis SPIKE LR da Rafael e uma peça ATK MK44.

Penso ter esclarecido a tua duvida.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 31, 2007, 04:30:37 pm
tsahal ->

Realmente é isso que concluo, embora ainda esteja por confirmar a razão ou razões para essa diferença, embora haja várias especulações possíveis.

Outra coisa:

Eu creio que o que se fabrica em Espanha pela GDLS/Santa Barbara é a torre SP-30. A torre SP-30, montada em Espanha recebe o canhão Mauser fornecido pelos alemães.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Maio 31, 2007, 06:05:40 pm
Crê no que entenderes. Não vou repetir novamente o que disse.

Esclareci a tua duvida levantada relativamente as peças das VBRs.

Se tens outra versão, no posso fazer nada.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 31, 2007, 07:55:33 pm
Caro tsahal, não é preciso repetir nada...
Eu apenas confirmei que de facto era essa a conclusão a que tinha chegado.

Quanto a quem produz ou não o canhão Mauser que equipa as torres SP-30, não sou eu que acredito em nenhuma versão «especial». É o Ministério da Defesa da Espanha, que afirma que a Mauser é uma das empresas subcontratadas pela General Dynamics/Santa Barbara para produzir a torre que equipa o Pizarro, que como sabemos será a mesma que deverá equipar a versão VCI do Pandur-II para Portugal.
A conclusão lógica, é a de que a Mauser fornecerá o canhão de 30mm...

Penso eu de que... :conf:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Leonidas em Junho 02, 2007, 03:04:04 am
Saudações guerreiras

Sempre se confirmam as datas para entrega dos primeiros veículos que o Exército irá receber?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 03, 2007, 06:29:20 pm
Mais umas descobertas.  :arrow:  http://www.brdm2.estranky.cz/fotoalbum/ ... dur-ii-8x8 (http://www.brdm2.estranky.cz/fotoalbum/kolova-obrnena-vozidla/obrnene-vozidlo-pandur-ii-8x8)

 :arrow:  http://www.rtvslo.si/slike/photo/5951#slika (http://www.rtvslo.si/slike/photo/5951#slika)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: nelson38899 em Junho 29, 2007, 10:08:17 am
Boas

O que se passa com o programa dos blindados de rodas Pandur?????
ja não deviam estar operacionais, pois pelo que li o primeiro seria entregue em junho e ainda não se ouviu dizer nada, será que vamos ter o mesmo problema que os NPOs e F16.
 :roll:

Cump
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 30, 2007, 09:07:16 am
Se vir as notícias mais antigas, refere-se Setembro.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: jconc em Junho 30, 2007, 04:06:58 pm
Belos carros, mas pena de serem estrangeiras. :o
Título:
Enviado por: TaGOs em Agosto 02, 2007, 08:36:11 pm
O primeiro Pandur II não ia ser entregue este mês?
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 02, 2007, 10:25:53 pm
Calma rapaziada, todas as noticias dizem que as primerias viaturas são para entregar em Setembro (como já foi dito por vários colegas do fórum).
Título:
Enviado por: TaGOs em Agosto 02, 2007, 10:56:42 pm
Pois eu sei mas também já li que ia ser este mês. Mas já quem esperou este tempo todo pode esperar mais um pouco.  :D
Título:
Enviado por: sivispacem em Agosto 07, 2007, 12:19:04 pm
Citação de: "TaGOs"
Pois eu sei mas também já li que ia ser este mês. Mas já quem esperou este tempo todo pode esperar mais um pouco.  :o)

http://www.janes.com/events/exhibitions ... tion.shtml (http://www.janes.com/events/exhibitions/idex2007/day4/pandur-ii-in-production.shtml)
Título:
Enviado por: TaGOs em Agosto 31, 2007, 03:23:56 pm
Enquanto não temos fotos dos nossos Pandur II aqui ficam algumas dos dois primeiros Checos.

(http://img162.imageshack.us/img162/75/inc1d6919pandur001km2.jpg)

(http://img239.imageshack.us/img239/5311/inc1d691cpandur002if4.jpg)

(http://img53.imageshack.us/img53/6446/inc1d6920pandur003ov9.jpg)

(http://img20.imageshack.us/img20/1079/inc1d6923pandur004yp1.jpg)

(http://img59.imageshack.us/img59/8343/inc1d6925pandur005qb7.jpg)

(http://img20.imageshack.us/img20/6781/inc1d6928pandur006et8.jpg)

(http://img174.imageshack.us/img174/1455/inc1d692bpandur007ca7.jpg)
Título:
Enviado por: Iris-t em Agosto 31, 2007, 04:44:08 pm
Realmente tiene muy buena pinta el Pandur II, buena compra para Portugal junto con los Piranha/Stryker son los vehículos de ruedas que más me gustan.
Título:
Enviado por: JLRC em Setembro 02, 2007, 01:44:47 am
De:

Jane's Defence Weekly, 28 Agosto 2007

Código: [Seleccione]
Technical problems continue to delay Czech Pandur delivery
Technical complications are continuing to delay the delivery of two Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrwagen (SSF) Pandur II 8 x 8 armoured vehicles to the Army of the Czech Republic (ACR) for in-field testing prior to the November delivery date of the first production in-service vehicle to the ACR. The Czech Ministry of Defence (MoD) has acknowledged that the communications suite, satellite global positioning system (GPS) and Rafael Armament Authority Remote Overhead Weapon Station with ATK Bushmaster 30 mm cannon, could prevent the on-schedule delivery of the first two testbeds for extensive military evaluation[quote][/quote]
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 05, 2007, 02:47:33 pm
Pandur II Checo em testes

(http://img118.imageshack.us/img118/533/pandur1aj5.jpg)

(http://img339.imageshack.us/img339/5384/pandur2dy1.jpg)

Fonte: http://www.altair.h2.pl/nsp-spec-30 (http://www.altair.h2.pl/nsp-spec-30)
Título:
Enviado por: André em Setembro 05, 2007, 02:54:31 pm
Nadam bem esses bichos blindados.  

Boa compra para Portugal :G-Ok:
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Setembro 05, 2007, 06:44:39 pm
Citação de: "JLRC"
De:

Jane's Defence Weekly, 28 Agosto 2007

Código: [Seleccione]
Technical problems continue to delay Czech Pandur delivery
Technical complications are continuing to delay the delivery of two Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrwagen (SSF) Pandur II 8 x 8 armoured vehicles to the Army of the Czech Republic (ACR) for in-field testing prior to the November delivery date of the first production in-service vehicle to the ACR. The Czech Ministry of Defence (MoD) has acknowledged that the communications suite, satellite global positioning system (GPS) and Rafael Armament Authority Remote Overhead Weapon Station with ATK Bushmaster 30 mm cannon, could prevent the on-schedule delivery of the first two testbeds for extensive military evaluation[quote][/quote]


A entrega dos nossos Pandur deve atrasar também, atendendo a todos estes problemas detectados... :cry:

Alguém sabe novidades?

Cumprimentos
Título: Re: Pandur II
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 05, 2007, 08:09:11 pm
Olhe que não, olhe que não...  :wink:
As viaturas fazem os testes finais este mês, em Portugal. À partida estão prontas para entrega ainda este mês, conforme o previsto.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 05, 2007, 08:41:49 pm
Quantas viaturas vão ser entregues no total desta vez? E que versões?
Já se sabe a data prevista de entrega e se vai ter cerimonia?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 06, 2007, 09:53:37 am
Citação de: "TaGOs"
Quantas viaturas vão ser entregues no total desta vez? E que versões?
Já se sabe a data prevista de entrega e se vai ter cerimonia?

Cumprimentos

Esses dados já existem. Assim que os publicar, deixo aqui a referência.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 06, 2007, 04:01:16 pm
Então fico a espera dessa publicação.  :wink:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Setembro 13, 2007, 12:41:12 pm
Caros Camarada!

Realizou-se no dia 7 em Santa Margarida, os testes á referida viatura.
Sei tambem que se realizaram testes com os Fuzileiros, mas não sei nem data nem pormenores.

Um Abraço.
Título:
Enviado por: zecouves em Setembro 13, 2007, 03:13:12 pm
Os teste decorrem entre 11-14SET07, na FABREQUIPA, Campo de Tiro de Alcochete e noutros locais que não sei precisar quais são.

Lá para Outubro é a apresentação oficial, possivelmente no dia 21 de Outubro.

FUCKING ALELUIA :anjo:
Título:
Enviado por: lexivia em Setembro 13, 2007, 04:16:08 pm
Relembrem-me só quais serão as 1ªs unidades a ser entregues e a quem serão adjudicadas.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 13, 2007, 09:05:34 pm
As minhas fontes dão conta que a apresentação e entrega é já em Setembro, conforme o previsto. De resto, para a semana poderei confirmar.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 13, 2007, 09:07:44 pm
As primeiras unidades serão, naturalmente, na versão de transporte. O Corpo de Fuzileiros recebe as suas unidades em 2008. No Exército, o início da operação não deve ser feito já em inícios de Outubro - dado que, na verdade, as viaturas são entregues como lotes trimestrais. Isto é, as entregues em Setembro são as primeiras de um primeiro lote - que incluirá, ainda, mais viaturas a entregar em 2007.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 19, 2007, 01:07:41 pm
Sugere-se alguma atenção aos noticiários da próxima terça, dia 25, e jornais do dia seguinte.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 19, 2007, 02:20:56 pm
:D
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 19, 2007, 02:31:17 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
Sugere-se alguma atenção aos noticiários da próxima terça, dia 25, e jornais do dia seguinte.  ;)
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 19, 2007, 05:54:20 pm
Encontrei isto em outro fórum

(http://img413.imageshack.us/img413/4706/pandur25set07ta3.jpg)

Fonte: http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=947&start=15 (http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=947&start=15)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 19, 2007, 06:09:30 pm
Pois..."Miguel Silva Machado"... c34x
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 19, 2007, 07:27:44 pm
Sim. Esqueci me de mencionar o autor do poste.
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 23, 2007, 11:30:44 am
Citar
Defesa: Primeiros sete Pandur 8x8, substituto das Chaimites, entregues a 02 de Outubro    

   Lisboa, 23 Set (Lusa) - Os novos blindados Pandur 8x8 que vão substituir  as velhas Chaimite, do tempo da guerra colonial, vão começar a ser entregues  ao Exército a 02 de Outubro, disse à agência Lusa fonte do Ministério da  Defesa.  

     

   O primeiro blindado, desenvolvido pela empresa austríaca Steyr-SSF e  totalmente fabricado em Portugal, é apresentada pela empresa numa cerimónia  na Fabrequipa, no Barreiro, na terça-feira, onde serão produizidos.  

     

   Para 02 de Outubro está agendada a entrega ao Exército das primeiras  sete viaturas - uma fabricada em Portugal, e seis outras, estas produzidas  na Áustria.  

     

   No total, e de forma faseada, até 2010, vão ser entregues 260 blindados,  dos quais 218 produzidos em Portugal, na Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes  na fábrica austríaca.  

     

   Grande parte dos blindados, 240, destina-se ao Exército e os restantes  20, de tipo anfíbio, aos Fuzileiros, da Marinha.  

     

   Até final do ano serão entregues às Forças Armadas portuguesas 24 viaturas  blindadas, segundo disse à Lusa fonte da empresa A compra dos blindados  Pandur foi acordada no início de 2005, ainda no tempo do ministro da Defesa  do governo PSD/CDS-PP, Paulo Portas, e vai custar perto de 360 milhões de  euros, prevendo-se ainda um regime de contrapartidas.  

     

   O contrato de contrapartidas está avaliado em 516 milhões de euros,  150 por cento do montante da aquisição, segundo foi anunciado há um ano.  
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 24, 2007, 06:49:27 pm
Como aperitivo, uma imagem da nossa linha de produção no Barreiro, em Agosto.  :wink:

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro_assembly.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 24, 2007, 07:26:34 pm
Espectacular.
:D  :D  :D  :D  :D  :D

Esperamos pelas restantes.  :wink:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 24, 2007, 09:29:04 pm
boas

a blindagem dos pandur é em aluminio como os M113 ou ja usa fibras de kevlar como os coletes à prova de bala, ou de popipropileno com fibras muito longas como é usado na blindadagem dos AC130???


Cump.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Setembro 25, 2007, 12:03:35 am
Citar
Novos blindados chegam primeiro a quartéis do Norte

Unidades militares do Norte do país vão ser as primeiras a receber os novos blindados Pandur II 8x8. A entrega inicial dos substitutos das conhecidas Chaimites vai ter lugar amanhã, na fábrica da Fabrequipa, no Barreiro, na Margem Sul do Tejo.

De acordo com fontes do Exército, os novos blindados, num total de 240 destinados ao ramo terrestre das Forças Armadas, vão equipar a Brigada de Intervenção, a grande unidade do Norte que está distribuída por vários regimentos.

Os beneficiários iniciais serão as unidades de infantaria, uma vez que os primeiros tipos de viatura serão nesta versão, seguindo-se as versões de reconhecimento de cavalaria, destinadas ao regimento de Braga. Qual a unidade de infantaria a receber o novo veículo é que ainda não se sabe, podendo ser Chaves, Vila Real ou Viseu, todas elas com regimentos de infantaria.

O novo blindado, fabricado pela austríaca Steyer, da General Dynamics, vai substituir a Chaimite, um veículo que está em fim de vida e cujas últimas missões operacionais estão a ser cumpridas no Kosovo, segundo foi adiantado numa edição recente do "Jornal do Exército".

Se os Pandur irão ou não ser destinados ao Kosovo para substituir as Chaimite é uma questão ainda não esclarecida e que poderá estar dependente da avaliação das condições de segurança no território. No entanto, até ao final do ano, está prevista a entrega às Forças Armadas de um total de 24 viaturas.

Além do Exército, também a Marinha receberá os novos blindados, 20, para equipar o Corpo de Fuzileiros, particularmente vocacionados para o apoio a operações anfíbias.

As 260 viaturas, que serão entregues até 2010, vão custar ao Estado 360 milhões de euros, se bem que as contrapartidas negociadas atinjam os 516 milhões. Do conjunto de blindados, 218 serão fabricados em Portugal, na Fabrequipa, e os restantes sairão da fábrica-mãe na Áustria. O processo de aquisição foi iniciado pelo então ministro da Defesa Paulo Portas, depois de décadas de promessas de substituição das Chaimite, há muito estavam consideradas obsoletas. As novas viaturas serão produzidas em várias versões que vão desde o transporte de infantaria até porta-morteiros.

Carlos Varela
Título: Bom
Enviado por: zocuni em Setembro 25, 2007, 02:18:54 am
Citação de: "Pedro Monteiro"
Como aperitivo, uma imagem da nossa linha de produção no Barreiro, em Agosto.  :wink:

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro_assembly.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro



Tudo bem,

Estou a ficar empolgado(estão espactaculares,aparentemente).E,mais construídos ou pelo menos montados em Portugal,criando empregos e gerando riqueza.É isso aí.

Abraços,
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 25, 2007, 10:57:13 am
A foto está excelente Pedro Monteiro!  :wink:
Título: pandur
Enviado por: dero em Setembro 25, 2007, 03:22:34 pm
alguem me sabe dizer quantas estações tem a fabriquipa ou seja quantos veiculos conseguem montar em simultaneo?
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 25, 2007, 06:09:05 pm
A montagem é em linha. Há em simultâneo cerca de uma dúzia de viaturas (talvez mais) em produção.
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Setembro 25, 2007, 06:26:28 pm
"Apresentação no Barreiro
Primeiro Pandur II 8x8 made in Portugal

. O carro blindado sobre rodas mais moderno do mundo

A produção do primeiro PANDUR II 8x8 made in Portugal, de um total de 218 viaturas, acaba de ser concluída.

A FABREQUIPA, nas suas oficinas, no Barreiro, cumpriu os prazos estabelecidos e, amanhã, dia 25 de Setembro, pelas 15 horas, apresenta o novo carro blindado.

O PANDUR II 8x8 é um modelo desenvolvido pela empresa austríaca Steyr-SSF, sendo este veículo considerado “o carro blindado sobre rodas mais moderno do mundo”.
De referir que, esta é a primeira viatura blindada construída em Portugal, 40 anos depois das antigas Chaimites."

Notícia em "Diário Digital".

Parabéns à Fabrequipa!

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 25, 2007, 07:25:48 pm
Citar
Barreiro: Empresa entrega primeiros veículos blindados portugueses e anuncia investimentos    

   Barreiro, 25 Set (Lusa) - A Fabrequipa entregou hoje os primeiros carros  blindados Pandur II 8x8 ao Exército português, no dia em que anunciou os  futuros investimentos da empresa que pretende oferecer um portfolio de material  à instituição militar.  

     

   "Houve muitos incrédulos mas nós nunca tivemos dúvidas que conseguíamos  construir o Pandur. Entregamos esta semana as primeiras sete viaturas e  até ao final de 2010 serão produzidas 218 viaturas no Barreiro e 42 nas  instalações da Steyr em Viena", disse o presidente da empresa, Francisco  Pita.  

     

   O Pandur II 8x8 é a primeira viatura blindada a ser fabricada em Portugal  desde as antigas chaimites, com a empresa austríaca da Steyr a fornecer  a tecnologia para o veiculo.  

     

   Francisco Pita anunciou também novos investimentos da empresa com o  objectivo de disponibilizar um portfolio de material que possibilite que  a que o Exército não tenha necessidade de procurar material no exterior.  

     

   "Vamos dentro de pouco tempo anunciar o nosso parceiro para a construção  de viaturas 4x4 e também queremos fazer 6x6 ou 8x8. Outro dos investimentos  está relacionado com uma nova unidade de protecção balística que pretendemos  criar", referiu.  

     

   As actuais instalações da Fabrequipa situam-se no Barreiro, mas o presidente  anunciou que as novas instalações que vão dar resposta às necessidades dos  novos investimentos não devem ser na cidade, devido à falta de infra-estruturas.  

     

   "Temos pena e não pretendíamos deixar o Barreiro, mas é quase impossível  permanecer e Palmela pode ser numa boa opção. Não vamos sair da zona sul  porque existe aqui um oásis de profissionais na área da metalo-mecânica  que queremos aproveitar", explicou.  

     

   O facto de a construção do Pandur, que vai ter 17 variantes terrestres  e anfíbias, terminar em 2010, não coloca o futuro em causa, pois nem só  de veículos blindados vive a empresa.  

     

   "Não fazemos só o Pandur, também somos líderes no mercado de semi-reboques  em Portugal ou Inglaterra, mas em breve pode surgir um contrato com Marrocos.  Vamos dar uma autosufiência a Portugal nunca antes vista", referiu.  

     

   Na cerimónia de apresentação estiverem presentes várias altas patentes  do Exército português, para além de embaixadores de vários países, que puderam  ver o novo Pandur.  

     

   O facto de nenhum responsável pelo governo português ter marcado presença  foi minimizado por Francisco Pita, que justificou a ausência com a agenda  complicada dos responsáveis.  

     

   "É anormal não estar ninguém do Governo mas o primeiro-ministro José  Sócrates e Miranda Calha conhecem ao pormenor o projecto e sempre mostraram  o seu interesse. As agendas são complicadas e a presidência da União Europeia  também não ajuda", disse.  

     

   A empresa atingiu um volume de negócios em 2006 de 3,5 milhões de euros  e prevê facturar cerca de 7 milhões em 2007 e 10 milhões em 2008.  

     

     
Título:
Enviado por: Luso em Setembro 25, 2007, 08:41:27 pm
Pois ainda bem que o "governo" não se mete. Deve ser por isso que a coisa está a andar. Depois, quem é que quer más companhias.
Boa notícia essa da possibilidade de um fornecimento a Marrocos.
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 25, 2007, 08:49:03 pm
(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/3ddbb9e3.jpg)



(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/a74bdde1.jpg)



(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/9b9c9471.jpg)



(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/aaf9ad27.jpg)



(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/5f9ee9ca.jpg)



Citar


A nova viatura blindada Pandur II inteiramente fabricada em Portugal e que irá equipar as forças armadas, foi apresentada hoje 25 de Setembro de 2007 na fábrica no Barreiro. Tiago Petinga/Lusa

Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Setembro 25, 2007, 09:08:44 pm
Foi transmitida reportagem nas TV´s portuguesas.
A melhor reportagem foi a da TVI!

Segundo a Fabrequipa, existe a possibilidade de exportação do Pandur português para Angola, Marrocos e outros mercados.

Segundo o exército, os testes realizados tiveram sucesso a 100 %!
Óptimo!
Trata-se de um bom indicador para a nossa indústria militar recente!
Estou muito satisfeito.

Comprimentos
Título:
Enviado por: P44 em Setembro 25, 2007, 09:09:15 pm
Citar
"É anormal não estar ninguém do Governo mas o primeiro-ministro José Sócrates e Miranda Calha conhecem ao pormenor o projecto e sempre mostraram o seu interesse. As agendas são complicadas e a presidência da União Europeia também não ajuda", disse.


pois, pois, mas não foi isso que ele disse no noticiário :?

Oxalá o negócio com Marrocos se concretize , e mais venham a existir :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 25, 2007, 09:35:48 pm
Vídeo da rtp1 com a noticia ao minuto 6:40

mms://195.245.176.20/rtpfiles/videos/au ... 092007.wmv (http://mms://195.245.176.20/rtpfiles/videos/auto/telejornal/telej_2_25092007.wmv)
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 25, 2007, 09:38:36 pm
Citar
"Vamos dentro de pouco tempo anunciar o nosso parceiro para a construção de viaturas 4x4 e também queremos fazer 6x6 ou 8x8. Outro dos investimentos está relacionado com uma nova unidade de protecção balística que pretendemos criar"


Alguém já sabe qual será o tal parceiro e que viatura será?

O que queria dizer com isto?
"uma nova unidade de protecção balística que pretendemos criar"
Título:
Enviado por: Hornblower em Setembro 25, 2007, 09:51:32 pm
Un par de preguntas sobre el Pandur II portugués:
- A qué ritmo entregará unidades la fábrica y hasta que año :?:

Obrigado
Cumprimentos
Título:
Enviado por: GinTonic em Setembro 25, 2007, 09:59:39 pm
Citação de: "Hornblower"
Un par de preguntas sobre el Pandur II portugués:
- A qué ritmo entregará unidades la fábrica y hasta que año :?:

Obrigado
Cumprimentos


Segundo a notícia, a fábrica vai produzir 8 unidades por mês, e serão produzidas no total 260 unidades até 2010. O custo das 260 unidades será de 360 milhões de euros.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: comanche em Setembro 25, 2007, 10:03:33 pm
Oxalá venhamos a ter industria de defesa com projectos inovadores.
Título:
Enviado por: Hornblower em Setembro 25, 2007, 10:09:34 pm
No me parece mal ritmo de trabajo 8x12= 96 por año  :roll:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 25, 2007, 10:20:46 pm
A unidade de protecção balística, destina-se a produzir módulos adicionais de blindagem

Se vier a ser produzido um veículo 4x4, e mesmo para o Pandur-II há a possibilidade ou poderá haver a necessidade de aumentar a protecção do veículo.

Isso consegue-se adicionando ou substituindo placas exteriores de blindagem.

Para vender um Pandur-II internacionalmente, é necessário poder fornecer os blocos de blindagem adicional, pelo que uma entidade capaz de produzir esses módulos é imprescindivel. Caso contrário a FABREQUIPA tería que vender o Pandur-II e comprar os módulos na Áustria, o que aumentaria o preço do veículo para exportação.

Além disto, a tecnologia envolvida não é das mais complexas.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 25, 2007, 10:28:46 pm
A Fabrequipa pode trabalhar entre 6 a 8 VBR em simultâneo. A previsão é que, até ao final do ano de 2077, sejam entregues 24 blindados Pandur II - ontem foram recebidos três nas OGME e hoje entregues ao DGME, até ao final da semana contar-se-ão 7.

A linha de protecção balística deverá funcionar fora do Barreiro, a menos que existam terrenos disponíveis na zona. Serão um projecto conjunto com a Steyr à luz da sua experiência na Pandur II, conforme me esclareceu o Dr. Francisco Pita. Aliás, a blindagem do Pandur II é da responsabilidade da Steyr, segundo o mesmo. O objectivo é, pois, a constituição de uma linha de montagem capaz de aplicar blindagem às viaturas tácticas e blindadas do Exército e clientes externos. Além disso, a Fabrequipa pretende oferecer um conjunto de produtos, de viaturas blindadas e não blinadadas, dos 4x4 a 8x8, até às 25 toneladas. Para já, viaturas sobre lagartas, como o Ulan, ficam de fora - mas existe a possibilidade de o produzir, como referiu a FAM.

Neste momento, a Fabrequipa foi contactada por três empresas para se associar ao projecto dos blindados ligeiros 4x4 para BRR - uma será escolhida. Naturalmente, nesta fase, nenhum nome foi anunciado. [fotos, daqui pouco]

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 25, 2007, 10:31:54 pm
FOTOS YEAH  :D
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 25, 2007, 10:33:01 pm
Citação de: "Hornblower"
lo cual dejaría el precio de la versión básica de transporte en torno a 1 millón €.

Exactamente.  :wink: Um milhão de euros na versão APC. Depois, 6 milhões na versão mais custosa e um custo na ordem dos 5 milhões de euros para a versão MGS com peça de 105mm.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: André em Setembro 25, 2007, 10:37:27 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
A Fabrequipa pode trabalhar entre 6 a 8 VBR em simultâneo. A previsão é que, até ao final do ano de 2077.


 :shock:  :?:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 25, 2007, 10:45:06 pm
Reportagem na SIC
http://videos.sapo.pt/wbVZybVW4fn9yo7L05RJ (http://videos.sapo.pt/wbVZybVW4fn9yo7L05RJ)
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 25, 2007, 11:41:34 pm
Algumas fotos que o Nokia me deixou tirar. E já não é nada mau!!
Sei que vou ser atropelado pelas fotos do Pedro Monteiro  :oops:

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img090.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img088.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img087.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img086.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img084.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img083.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img082.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img081.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img080.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img079.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img078.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img077.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img076.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img075.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img074.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img073.jpg)

(http://i226.photobucket.com/albums/dd255/lancero111/Img072.jpg)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Setembro 25, 2007, 11:50:49 pm
Vai mesmo para a frente a "aplicação" da peça de 105mm :?:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 25, 2007, 11:54:30 pm
Eles salvo erro estão a estudar isso. Lancero coloquei as tuas fotos no DB.  :wink:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 26, 2007, 12:07:21 am
Alguns registos, mais gerais, do dia de hoje (Lancero, a quantidade e diversidade mais que compensa o resto! óptimos registos!).  :wink:

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro1.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro2.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro3.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/barreiro4.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 26, 2007, 12:12:53 am
Excelentes fotos (Lancero e Pedro Monteiro).
Título:
Enviado por: P44 em Setembro 26, 2007, 08:28:15 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Excelentes fotos (Lancero e Pedro Monteiro).


 :G-beer2:

Obrigado por partilharem connosco!
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 26, 2007, 11:18:53 am
Obrigado  :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 26, 2007, 11:50:32 am
Uma pergunta. Reduziram a blindagem adicional? É que as placas parecem ser menos espessas do que as do Pandur que apareceu nas primeiras fotos publicadas.

(http://bp3.blogger.com/_kiLe0l1Oxws/RtXtVpyK1OI/AAAAAAAAAQ8/OEMAUSXi4uo/s400/pandurii8x81gk2.jpg)
Título:
Enviado por: lexivia em Setembro 26, 2007, 11:56:44 am
Pelos fotos (apesar de poder enganar) as placas parecem mesmo ser menos espessas!
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 26, 2007, 12:59:56 pm
A blindagem não é o forte do Pandur português.
Pelo menos das versões básicas, que deverão ser equipadas com uma arma de calibre 12.7mm ou com um lança-granadas de 40mm.

Os Pandur portugueses não são anfíbios, têm uma blindagem "menos boa" e estarão pouco armados.

Quando comparamos os preços verificamos que os Pandur portugueses ficaram muito baratos, exactamente por causa do numero de veículos básicos que foram adquiridos.

Pessoalmente acho que isto não é uma má notícia, muito pelo contrário.
Todos achámos que o numero de 260 Pandur era exagerado, mas não pensámos na possibilidade de o Pandur poder ser modificado.

A forma de construção do veículo deverá permitir modificar a blindagem e permitir a adição de novos sistemas de armamento.às versões básicas.

Os Pandur-II não estão por exemplo aptos para enviar para o AFeganistão, onde até recentemente  um veículo idêntico AMV foi destruido por uma mina, e isto mesmo tendo blindagem adicional.

Podem sair de fábrica dois Pandur-II aparentemente iguais, mas com diferenças muito grandes ao nível da blindagem.

A tal unidade destinada a produzir os tais módulos adicionais, poderia permitir a futura construção de veículos com blindagem maior ou a modificação de veículos já construidos.

Aí, o dinheiro para a modificação dos Pandur-II  já terá que vir de outro lado :mrgreen:

Veículos construidos com esse objectivo em vista podem ser  "reblindados" ou "up armoured" em inglês com alguma facilidade.

Depois há também o problema da motorização. Nao é só a blindagem...

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 26, 2007, 01:08:30 pm
Repare-se que a blindagem do ICV7 ontem apresentado podia, numa questão de horas, ser aumentada. Cada placa tem quatro parafusos, sendo facilmente substituível em caso de dano ou reforço do nível de protecção. A blindagem é constituída pelo casco e placas de protecção externas (passive add-on armour). São sobretudo estas últimas que oferecem protecção à viatura. Em termos objectivos, o nível de protecção da versão básica não é constante, mas adaptável conforme o cenário, necessidades e, claro, verbas disponíveis. Não faz sentido usar sempre placas com maior grau de protecção pois isso aumenta o peso e, logo, o consumo do blindado.
Como o vimos, a sua blindagem protege os tripulantes contra o impacto de munições de até 12,7mm (NATO STANAG 4569 Level 3).

Pelo que estive a observar, o Pandur II parece ter o mesmo nível de protecção da foto atrás divulgada, as placas não são mais finas. Isso é, sobretudo, perceptível na parte da frente do casco e na parte interna do casco, junto das rodas, que também recebeu placas.

Convém, aliás, não esquecer que a Chaimite e a Panhard VBL resistem apenas a calibre 7,62mm. Aliás, das duas, a Chaimite resistiu a disparos de G-3 no 25 de Novembro, enquanto que a blindagem da Panhard VBL foi perfurada em testes, conforme a Visão.

Citar
The Polish Land Forces contingent, which is a part of the International Security Assistance Force have been operating 24 KTO Rosomak vehicles in Afganistan since 2007. The KTOs were equipped with additional steel-composite armour.[4]

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 26, 2007, 01:27:27 pm
Já percebi. Obrigado  :wink:
Título:
Enviado por: lexivia em Setembro 26, 2007, 05:13:26 pm
Estou surpreso! Quer dizer que os políticos deixaram as chefias militares tomarem uma decisão inteligente? Realmente uma coisa tão simples permite ter mais veículos e baixar significativamente o preço.
Em relação ao armamento já tinha reparado que praticamente todas vinham equipados apenas com uma arma de calibre 12.7 mm, será que poderá que podem ser reequipadas facilmente com uma torre com canhão controlada remotamente ou outro tipo de solução? E será que a Fabrequipa terá capacidade para isso?
Título: Re: Pandur II
Enviado por: zocuni em Setembro 27, 2007, 01:58:36 am
Citação de: "Francisco Ferreira"
Foi transmitida reportagem nas TV´s portuguesas.
A melhor reportagem foi a da TVI!

Segundo a Fabrequipa, existe a possibilidade de exportação do Pandur português para Angola, Marrocos e outros mercados.

Segundo o exército, os testes realizados tiveram sucesso a 100 %!
Óptimo!
Trata-se de um bom indicador para a nossa indústria militar recente!
Estou muito satisfeito.

Comprimentos


Eu também.

Abraços,
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 27, 2007, 10:35:56 am
Quanto à integração de uma estação RCWS (Remote Controlled Weapon Station) tal é relativamente simples dado que não exige penetração do casco da viatura.
A Fabrequipa está plenamente capacitada para a integração de sistemas nas viaturas - tarefa que, em princípio, realizará na maioria das versões.

A estação RCWS vai, nomeadamente, ser empregue em parte das versões de transporte de pessoal. No total, são sete viaturas armadas com uma metralhadora 12,7mm em estação remota RCWS.
O aspecto será similar, excepto nos mísseis anti-carro, à variante eslovaca do Pandur II, o Kapran ( www.jedsite.info/6x6afv/papa/pandur_ser ... /krpan.pdf (http://www.jedsite.info/6x6afv/papa/pandur_series/z-document/krpan.pdf)).

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/img9615bi6.jpg)

Em suma, o facto do Pandur II não possuir, à partida, certos equipamentos não é problema. A integração da estação RCWS é possível, ainda que naturalmente custosa.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 27, 2007, 12:47:00 pm
Sou o único que não sabia o que isto é?

(http://img401.imageshack.us/img401/2895/img078ib3.jpg)
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 27, 2007, 12:49:24 pm
Eu também ia perguntar isso. E se os nossos Pandur também têm as câmaras como os Checos?
Título:
Enviado por: Daniel em Setembro 27, 2007, 01:56:51 pm
Uma pergunta os nossos Pandur não tem esta dita rede como a imagem mostra neste link sera so para as versões anfibias ?

 http://www.revistamilitar.pt/modules/ar ... php?id=172 (http://www.revistamilitar.pt/modules/articles/article.php?id=172)
Título:
Enviado por: Johnnie em Setembro 27, 2007, 03:59:05 pm
Já não era sem tempo de ver estes meninos no exercito  c34x
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Setembro 27, 2007, 06:34:43 pm
Citação de: "Johnnie"
Já não era sem tempo de ver estes meninos no exercito  :wink:
O Pandur II em si não é o mais sofisticado dos blindados. Como conceito, não é particularmente inovador se comparado com o Mowag Piranha III ou o Patria AMV. Agora, alguns dos sistemas instalados na versão nacional tornam-no francamente um dos melhores a nível da NATO.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 27, 2007, 07:01:28 pm
:shock:
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 27, 2007, 07:11:06 pm
Para desfazer o mistério, para quem não saiba, o sistema que eu apontei chama-se TDS - Threat Detection System, accionado sempre que o Pandur seja iluminado (laser ou infravermelhos). Automaticamente acciona as contramedidas, nomeadamente as granadas de fumo que se encontram também visíveis na fotografia.

Tagos, pelo menos a versão de transporte de tropas não tem câmaras
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 27, 2007, 07:56:22 pm
Desculpem fazer tantas perguntas.  :lol:

Mas para que servem aquelas grelhas laterais e frontais?
Título: Grelhas.
Enviado por: tsahal em Setembro 27, 2007, 08:30:12 pm
As ``grelhas´´ são paneis CIP (Combat Identification Panels). Eles foram salvo erro feitos pela OGME.
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 27, 2007, 08:46:00 pm
OGME que, salvo erro, também fez a montagem dos motores.
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 27, 2007, 09:06:37 pm
Ok, obrigado ;)
Título:
Enviado por: Spectral em Setembro 27, 2007, 09:26:21 pm
Citar
TDS - Threat Detection System


Alguém sabe mais promenores sobre a sua utilização ? Não acredito num para cada veículo, talvez uma pool para os veículos dstacados no exterior ou parecido ?


O que está mesmo a falhar nos nossos Pandurs é a RCWS não ser standard em todos os veículos, praticamente todos os veículos lá foram vêm agora com uma, desde os mais pequenos 4x4...
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 27, 2007, 09:50:56 pm
Se o Pandur não tem as tais câmeras nem "janelas" nas laterais nem na traseira como é que sabem que é seguro abrir a porta?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Setembro 27, 2007, 09:52:23 pm
Citação de: "Spectral"
O que está mesmo a falhar nos nossos Pandurs é a RCWS não ser standard em todos os veículos, praticamente todos os veículos lá foram vêm agora com uma, desde os mais pequenos 4x4...


Esse "praticamente" não será muito exagerado :?:
Título:
Enviado por: Spectral em Setembro 27, 2007, 10:00:39 pm
é capaz ;) não acabei o meu raciocinio, referia-me aos 4x4 como o Eagle ou o Iveco ( ver noutro tópico ou neste,  já nem sei bem) ou por exemplo um veiculo APC como o Bushmaster considerado espartano em todos os sentidos mas que tem uma estação dessas. E também já vi propostas para camiões de abastecimento ( para situações tipo Iraque), peças de artilharia autopropulsionadas como o Caesar francês, etc Isto já para não falar dos veículos na classe do Pandur... Já vi um preço cotado para estes equipamentos de ~100.000 dólares, portanto e tendo em conta a modularidade dos Pandur não será difícil comprar e montar uns quantos numa emergência.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Setembro 27, 2007, 10:11:11 pm
Pois, mas acho que não passam mesmo de propostas :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 27, 2007, 11:49:59 pm
Os meus dois cêntimos:

O Pandur-II não é adequado para o Afeganistão.
Naquele teatro de operações o que necessitamos é qualquer coisa como o RG-31 ou RG-32.
Um veículo com uma separação fisica entre os militares e o chão e um casco em « V » para deflectir as explosões.

Os custos deste tipo de veículo são mais baratos que os de um Pandur, embora na prática não sejam viaturas tácticas. Eles são mais que tudo camiões com uma carga de blindagem em cima.

As empresas americanas estão a atirar-se a este mercado com uma grande voracidade. Na Europa parece que não há nada. Não parece haver intresse e só os ingleses compraram um dos veículos, o cougar na versão 6x6. http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/TER.aspx?nn=135&P=41&R=EX

Pensar em veículos mais ou menos ligeiros, sem serem pensados de inicio para o problema mais importante nas guerras assimétricas, é deitar dinheiro fora e acime de tudo colocar em risco os nossos militares, quando se lhes podem disponibilizar soluções mais eficazes.
Título:
Enviado por: Tiago20 em Setembro 28, 2007, 04:34:58 am
Ora Boas Noites!

Que melhor tópico do que este para o meu primeiro post no fórum  :lol: Agora mais a sério,numa das imagens da reportagem da RTP era possível ver o seguinte "Pandur II CMI CT-CV Turret".Fui fazer umas pequenas pesquisas e descobri isto :

"The CMI CT-CV 105 mm is an advanced weapon system, armed with the new Cockerill CV gun (105 mm) that is compatible with C-130 aircraft air-transportable vehicles. It encompasses the latest technologies and uses CMI's proven experience with modular design for flexibility and integration of future technology advancements. The weapon system design also makes provision for future advanced ammunition. The advanced 105 mm weapon accepts all current NATO 105 mm ammunition and can match 120mm performance with newly developed ammunition. The autoloader (16 rounds in nominal configuration) has a firing rate of 6 to 8 rounds per minute. The panoramic and gunner sight systems are fully electronic, featuring flat panel Thin Film Transistor (TFT) display for day and night vision. Weapon elevation of up to 42 degrees allows Beyond-line-of-sight (BLOS) firing. This feature facilitates antiaircraft défilé and urban fighting engagements over that of a traditional Line-of-sight feature, enhancing its overall capability. The word défilé is used to describe an area surrounded by higher ground, where those in the low-lying area can be shot at from above. The CT-CV elevation feature makes it possible to successfully fire at the higher-ground. "

http://phx.corporate-ir.net/phoenix.zht ... highlight= (http://phx.corporate-ir.net/phoenix.zhtml?c=110047&p=irol-newsArticle&ID=963820&highlight=)

Aparentemente já está escolhido o Main Gun System,e a confirmar-se foi verdadeiramente uma boa opção!Isto é só boas notícias para compensar  :lol:

Abraços
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 28, 2007, 11:11:40 am
Vai dar na TV a cerimonia de entrega dos Pandur ao exercito?
Título:
Enviado por: tsahal em Setembro 28, 2007, 11:33:58 am
TaGOS, a cerimonia vair ser realizada no dia 02 as 10h00 no DGME e vai contar com a presença do Ministro da Defesa, penso que as estações de televisão estarão presentes.
Título:
Enviado por: TaGOs em Setembro 28, 2007, 11:44:36 am
Obrigado ;)
Título:
Enviado por: Lancero em Outubro 01, 2007, 02:19:37 pm
Lindo  :roll:

Citar
Defesa: Governo cancela entrega das novas Pandur 8x8 devido a questões técnicas

Lisboa, 01 Out (Lusa) - O ministro da Defesa, Severiano Teixeira, cancelou  hoje a entrega ao Exército dos novos blindados Pandur 8x8, substitutos das  velhas Chaimite, por "não estarem cumpridos os requisitos técnicos" estipulados  no contrato, disse à Agência Lusa fonte governamental.  

     

   Depois de ter recebido do Exército informação de que nem todos os requisitos  técnicos tinham sido cumpridos pela empresa austríaca, a Steyer, o ministro  optou por cancelar a cerimónia, prevista para terça-feira, de entrega das  primeiras sete viaturas, disse a fonte.  

     

   Este adiamento é justificado "por uma questão de rigor" relativamente  ao "estabelecido contratualmente", acrescentou a mesma fonte.  

     

   De acordo com as primeiras informações do Ministério da Defesa, os problemas  técnicos foram detectados nos novos blindados durante os chamados "testes  de aceitação" feitos pelo Exército.  

  uzidos na fábrica da Steyer, na Áustria, e não no blindado  produzido na Fabrequipa, no Barreiro.  

     

   Para terça-feira chegou a estar agendada a entrega ao Exército das primeiras  sete viaturas - uma fabricada em Portugal, e outras seis, produzidas na  Áustria - numa cerimónia em que estava prevista a presença do ministro Severiano  Teixeira.  

     

   As novas Pandur 8x8, desenvolvidas pela Steyer e maioritariamente fabricadas  em Portugal, vão substituir as velhas Chaimite, do tempo da Guerra Colonial,  da década de 60.  

     

   No total, e de forma faseada, até 2010, vão ser entregues 260 blindados,  dos quais 218 produzidos em Portugal, na Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes  na fábrica austríaca.  

     

   Grande parte dos blindados, 240, destina-se ao Exército e os restantes  20, de tipo anfíbio, aos Fuzileiros, da Marinha.  

     

   Até final do ano estava planeada a entrega às Forças Armadas portuguesas  24 viaturas blindadas, segundo disse à Lusa fonte da empresa.  

     

   A compra dos blindados Pandur foi acordada no início de 2005, ainda  no tempo do ministro da Defesa do governo PSD/CDS-PP, Paulo Portas, e vai  custar perto de 360 milhões de euros, prevendo-se ainda um regime de contrapartidas.  

     
Título:
Enviado por: P44 em Outubro 01, 2007, 02:58:53 pm
aí estão as "limalhas" dos Pandur :?  :roll:   ???
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2007, 03:01:28 pm
O mais estranho é serem os Pandur feitos na Austria! :shock:
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 01, 2007, 03:08:15 pm
Calma não podemos ser pesimistas, simplemente falhas tecnicas que serão resolvidas   :mrgreen: .


Bom fora isso tanho uma pergunta a que gostaria que podesse opter resposta da vossa parte ( de quem sabe da matéria), das 260 viaturas so apenas 20 são para os fuzileiros não acham poucas viaturas ?
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Outubro 01, 2007, 04:15:26 pm
Recordam-se que esta situação aconteceu também com os Pandur checos!

Já na altura alertei para a possibilidade de serem reprovados os nossos, por razões técnicas.
Será que eles nos impingiram os blindados checos que estavam defeituosos??!!  A ver se o Zé Portuga não via... :?  :shock:

Espero bem que nada disto seja real... e que os tais problemas técnicos sejam rapidamente resolvidos! :arrow:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2007, 05:43:05 pm
Daniel, 20 Pandur chegam para transportar uma Companhia de Fuzileiros, como tal é o número acertado.
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 01, 2007, 06:19:43 pm
Uma companhia seria (150) homens nesse caso acho pouco, se comparado com outros paises, do mesmo tamanho do nosso. Assim acho que Portugal não so deveria ter 20 carros para os fusos se não no minimu 40, mas claro em Portugal ainda se pença pequeno quando se faz as coisas é a diferença entre nós e os nossos vizinhos .

Quanto se 20 viaturas como voce falou ser o número acertado bom fico na duvida de qualquer maneira agradeço pelo tempo concedido em me responder.

Ps. desculpas por alguns erros do meu portugues :oops:
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 01, 2007, 06:39:30 pm
Citação de: "P44"
aí estão as "limalhas" dos Pandur :?  :roll:   ???


Isso mesmo P44, limalhas, atrasos no MLU agora a nova novela dos Pandurs....

O melhor na verdade é acabar de vez com as forças armadas, assim nao se gasta verbas e acabam-se a dores de cabeças...

Eu deixei de acreditar em tudo que venha do estado.

Grande vitoria minha.
Título:
Enviado por: LM em Outubro 01, 2007, 06:44:41 pm
Atenção à doutrina dos nossos fuzileiros, igual à dos Royal Marine Commando (http://http) e ao Korps Mariniers (http://http) - estas forças não dependem de APC/IFV como outros corpos de fuzileiros (Espanha, Brasil, etc), que têm outra doutrina/ organização.

Aliás, segundo julgo, os RM só à pouco tempo receberam os primeiros veiculos de "protecção" e em pequeno numero.

Pessoalmente acho que chegam - a nossa doutrina, na minha opinião, está prefeitamente correcta.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 01, 2007, 07:04:10 pm
Acabam com isto....

Fuzileiros, Paras, Comandos para que???

para servir armas de museu??

temos material dos anos 70,

Quem acredita que vamos ter os F16 MLU em numero de 20?

Alguem acredita que vamos ter submarinos??

Blindados Pandur? o que é isso????? e preferível comprar um lote de BM e Mercedes novinhos em folha paras os ministros.


Acabam com a instituiçao militar.

Acabam com tudo.

Futebol, Folclore e novelas, isso é que éééééééé
Esqueci-me em casa de necesidade temos a Senhora de Fatima para nos proteger, e a bondade dos alliados???


PS: para substituir a G3 podiamos utilizar as Kropatchek do museu militar :wink:
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 01, 2007, 07:13:57 pm
Caro LM bom, mais vale 20 que nada até acho que vendo as coisas por essa doutrina até nem esta mal visto, masssss apenas 20.  Nessas vinte ja inclui algumas viaturas de reserva em caso de avarias, ou outros casos por exemplo? Vendo as coisas pelo padrão de organização dos nossos fusos então propunha um número de 30 Pandur anfibios e não apenas vinte, pois pelo que sei só as viaturas dos fusos são anfibios e apenas 20 em casos de perda ? enfim eu não so expecialista na matéria apenas acho pouco agora quais os critérios que levou a marinha a escolher apenas 20 Pandur não sei .

Abraços
Título:
Enviado por: Lancero em Outubro 01, 2007, 07:17:07 pm
Penso que não há necessidade de folclores.
Este caso (Pandur), como outros, apenas prova que a pressa nunca foi boa conselheira.
As viaturas apenas foram entregues sem alguns dos sistemas montados (será que alguém teria pressa numa apresentação pública por ter faltado às últimas duas?), agora voltam de castigo para a fábrica.


Em relação aos fuzileiros, sempre tive dúvidas se valeria a pena ter viaturas anfíbias sem ter um navio de onde as lançar/desembarcar  :?
Título:
Enviado por: André em Outubro 01, 2007, 08:00:30 pm
Exército espera solução para problemas dos Pandur 8x8

Citar
O ministro da Defesa adiou hoje a entrega dos primeiros sete blindados Pandur 8x8 por «não estarem cumpridos todos os requisitos técnicos» do contrato, mas o Exército espera que o problema esteja resolvido dentro de duas semanas.

O porta-voz do Exército, tenente-coronel Hélder Perdigão, disse à Agência Lusa que, nos chamados «testes de aceitação» os blindados, que vão substituir a «Chaimites», foram detectados vários problemas, nomeadamente hidráulicos, do sistema de controlo de direcção e algumas folgas mecânicas.

Agora, os veículos em que foram detectados problemas serão devolvidos à fábrica para reparação e o Exército espera tudo esteja resolvido «dentro de mais ou menos duas semanas», acrescentou Hélder Perdigão.

Após ter recebido do Exército informação de que nem todos os requisitos técnicos tinham sido cumpridos pela empresa austríaca, a Steyer, Severiano Teixeira optou por cancelar a cerimónia de terça-feira para a entrega das primeiras sete viaturas, disse à Lusa fonte governamental. O adiamento foi justificado «por uma questão de rigor» relativamente ao «estabelecido contratualmente», acrescentou a mesma fonte.

Fontes ministeriais afirmaram que os problemas foram detectados no lote de seis veículos produzidos na fábrica da Steyer, na Áustria, e não no blindado produzido na Fabrequipa, no Barreiro.

As novas Pandur 8x8, desenvolvidas pela Steyer e maioritariamente fabricadas em Portugal, vão substituir as velhas Chaimite, do tempo da Guerra Colonial, da década de 60.

No total, e de forma faseada, até 2010, vão ser entregues as 260 blindados, dos quais 218 produzidos em Portugal, na Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes na fábrica austríaca.

Grande parte dos blindados, 240, destina-se ao Exército e os restantes 20, de tipo anfíbio, aos Fuzileiros, da Marinha.

Até final do ano estava planeada a entrega às Forças Armadas portuguesas 24 viaturas blindadas, segundo disse à Lusa fonte da empresa.

A compra dos blindados Pandur foi acordada no início de 2005, ainda no tempo do ministro da Defesa do governo PSD/CDS-PP, Paulo Portas, e vai custar perto de 360 milhões de euros, prevendo-se ainda um regime de contrapartidas.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Outubro 01, 2007, 09:04:47 pm
Calma meus amigos, calma.
Título:
Enviado por: zecouves em Outubro 01, 2007, 09:46:15 pm
Citação de: "LM"
Atenção à doutrina dos nossos fuzileiros, igual à dos Royal Marine Commando (http://http) e ao Korps Mariniers (http://http) - estas forças não dependem de APC/IFV como outros corpos de fuzileiros (Espanha, Brasil, etc), que têm outra doutrina/ organização.

Aliás, segundo julgo, os RM só à pouco tempo receberam os primeiros veiculos de "protecção" e em pequeno numero.

Pessoalmente acho que chegam - a nossa doutrina, na minha opinião, está prefeitamente correcta.


Confesso que nunca li nada sobre doutrina dos fuzos portugueses. Aliás num certo momento já estive convencido que eles tinham pouca coisa escrita. A unica coisa que sei é que eles materializam num primeiro momento a capacidade de projecção de poder em terra, sendo posteriormente secundados por forças terrestres, do exército portanto. Mas isto é guerra convencional, claro. Se um batalhão de fuzos for para um Teatro de Operações que exiga "armadura", então as PANDUR de que falam parecem-me insuficientes, ... a não ser que o exército empreste umas quantas ... :twisted:

Esse numero de 20 PANDUR é confirmado?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 01, 2007, 09:59:14 pm
Mais uma "teoria" para a rejeição destes Pandur II:
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=449 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=449)
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 01, 2007, 10:21:06 pm
É o que se fala em 20 Pandur anfibios para os fusos o resto, 240 é para o exército enfim, para uns a mais, outros a menos.


Mais uma teoria de rejeição destes Pandur II. Porque amigo Pereira ? porque ouve umas falhas técnicas ja não prestão ?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 01, 2007, 10:21:19 pm
Na SIC Notícias o dirigente da Fabriequipa disse que os seis blindados em causa vieram por terminar, numa tentativa da Steyr de cumprir o prazo legalmente estipulado de entregar as primeiras viaturas até ao último dia de Setembro. Na notícia foi também referido que as viaturas voltariam para a Fabriequipa para serem reparadas/"terminadas" e que dentro de duas semanas seriam (re)entregues ao Exército.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2007, 11:00:14 pm
Este pessoal passa-se... :roll:

Calma, mais parecem-me a minha mãe, qualquer coisa começa logo a stressar!

1 - Daniel sabes por acaso qual é o tamanho da unidade expedicionária dos Fuzileiros? Não? Olha, o nome é Batalhão Lgeiro de Desembarque...portanto terem Pandur para transportar uma Companhia não é muito nem é pouco é perfeito.

2 - Sim, os nossos Fuzileiros são da Escola Britânica tal como o Korp Mariniers, estudem o Orbat dessas forças e vêm que se reduzirem esses Corpos ao pouco tamanho do nosso Corpo de Fuzileiros ia dar mais ou menos a mesma coisa.

3 - O nosso Exército quer os Pandur para equipar os Batalhões de Infantaria da Brigada de Intervenção, os Esquadrões de Reconhecimento e o BAM, como tal não me parece que seja um número excessivo.

4 - Até agora só tivemos acesso a várias teorias, tenham calma, deixem o pó acentar que logo se sabe de alguma coisa.
Título:
Enviado por: Johnnie em Outubro 01, 2007, 11:24:27 pm
Citação de: "PereiraMarques"
dentro de duas semanas seriam (re)entregues ao Exército.


Pouco mais que uma afinação  c34x
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 01, 2007, 11:34:27 pm
Na SIC Notícias indicava-se que os problemas eram essencialmente mecânicos: direcção, transmissão (gestão electrónica da mesma), folgas além dos limites estabelecidos, etc.. Por outro lado o dirigente da Fabriequipa disse ainda que os Pandur made in austria tinham vindo com os bancos e o sistema de detecção de ameaças por montar c34x ...pelo menos esperamos que seja apenas isso...precipitação por parte da Steyr apenas para cumprir os prazos :? .
Título: N: «Ministro rejeita blindados»
Enviado por: Get_It em Outubro 02, 2007, 12:33:22 am
Outra notícia:
Citação de: "Henrique Machado, Correio da Manhã"
Ministro rejeita blindados
Os novos blindados Pandur 8x8 estão “inacabados” no Depósito Geral de Armamento e “o Ministério da Defesa há muito que já sabia, até por uma informação escrita do Exército”, garante ao CM fonte ligada ao processo.

O Ministério diz que Severiano Teixeira “só foi avisado no fim-de- -semana”, mas há quem assegure ter sido o próprio ministro a “insistir na entrega” hoje. Agora “cancelaram a cerimónia à pressa”.

O porta-voz do Exército, tenente-coronel Hélder Perdigão, disse que nos “testes de aceitação” foram detectados problemas hidráulicos do sistema de controlo de direcção e algumas folgas mecânicas. Os veículos serão devolvidos à fábrica e o Exército espera que tudo esteja resolvido “dentro de duas semanas”.

Ontem o Ministério apontou para o “incumprimento de requisitos técnicos” por parte do fabricante, justificando o adiar da entrega dos sete veículos, em Alcochete. Além dos problemas referidos, o CM apurou que “estão em causa acabamentos como o suporte de TDS (Sistema de Detecção de Ameaças), sistema de vigilância nocturna ou os periscópios”, disse a nossa fonte.

O adiamento da cerimónia, prevista para a manhã de hoje, “não surpreende. Ridículo é o facto de saberem há muito” que de um lote de sete unidades previstas para começar a substituir as chaimites “apenas uma já estava pronta a ser entregue – o ICV 7, Infantry Combat Veichle”, fabricado em Portugal. Os outros seis blindados, a cargo da austríaca Steyer, “três estão presos por pequenos detalhes e outros três estão muito inacabados. Curioso é que já cá estavam prontos para enfeitar uma festa sem sentido.”

“Dentro de uma semana já todos os blindados podem estar prontos. Até lá seria ideal que o Governo pusesse de parte a febre de resultados ao País e se pudesse concluir os acabamentos”, disse a fonte.

Por parte do Ministério da Defesa, fonte oficial garantiu ao CM que Severiano Teixeira “só no último fim-de-semana teve conhecimento de falhas técnicas nos blindados, na sequência dos últimos testes. E mandou automaticamente cancelar a cerimónia, em nome do rigor exigível”.

Recorde-se que até 2010 serão entregues um total de 260 blindados – 218 fabricados pela Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes na fábrica austríaca Steyer.

2007-10-02
fonte: http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=260117&idselect=10&idCanal=10&p=200


(Citações a negrito.)
Cumprimentos,
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 02, 2007, 01:39:16 am
Quando cheguei hoje à tarde e dei uma vista de olhos sobre esta questão, fiquei inicialmente um pouco espantado, mas não parece que haja nenhum problema de maior.

A haver, os problemas virão mais tarde...

No entanto é estranho que recusem os veículos por causa de ums parafusos...

Em alguns ministérios quando se trata de entregar equipamentos a entidades do Estado, há vários procedimentos. Se a falha ou o não cumprimento do contratualizado é de menor monta, o normal é assinar uma espécie de documento de recepção sob reserva, onde se estipula o prazo para que se coloque o equipamento em condições.

Nestes casos, a garantia também fica suspensa, porque mesmo que o equipamento possa ser utilizado, a garantia só conta a partir da data em que o equipamento é dado como entregue e em condições conforme contratado.

Como neste caso se trata de um equipamento móvel, provavelmente é mais simples não aceitar os veículos porque as alterações serão feitas pelo montador do equipamento.

Mas se têm que ser feitas pelo montador do equipamento, é porque afinal não são assim coisas tão simples e tão pequenas...

Não deixa de ser estranho, embora ete tipo de situações esteja permanentemente a acontecer em todos os países.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Outubro 02, 2007, 10:03:50 am
Isso posso confirmar: os sistemas de detecção de ameaças (o mastro na traseira da viatura) não se encontravam ainda montados nas viaturas IVC1 a IVC6 na semana passada. Salvo erro, o próprio suporte ainda não existia.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: ricardonunes em Outubro 02, 2007, 10:09:52 am
As novas 'Pandur' metem água

Citar
A entrega ao Exército das primeiras viaturas blindadas Pandur II, prevista para hoje, foi cancelada ontem pelo ministro da Defesa por algumas das seis unidades fabricadas na Áustria deixarem entrar água no seu interior, explicaram ao DN fontes ligadas ao projecto.

A decisão de última hora do ministro Nuno Severiano Teixeira apanhou de surpresa várias das fontes ouvidas pelo DN e esconde uma luta de bastidores entre o Exército, a Direcção-Geral de Armamento e a própria fabricante austríaca das viaturas, a Steyr.

"Estou surpreendido. Já sabiam que as viaturas não estavam em condições de entrega" no dia de hoje quando a cerimónia foi marcada, declarou ao DN Francisco Pita, dono da empresa portuguesa que vai fabricar a maior parte das 260 Pandur 8x8 (oito rodas).

"Não percebo porque marcaram a cerimónia para hoje, não percebo porque é que a desmarcaram", uma vez que as viaturas vindas da Áustria há cerca de duas semanas estavam em "adiantado estado de inacabamento", adiantou Francisco Pita. Este responsável mostrou depois satisfação por a única das Pandur 8x8 declarada operacional ser a montada na sua empresa, a Fabrequipa.

Segundo diferentes fontes, as viaturas deviam ser totalmente estanques. Mas os testes realizados na água permitiram constatar que entrava água em pelo menos duas das viaturas, numa zona junto aos eixos onde há bojões e nuns depósitos laterais para guardar correntes. "São coisas menores, de controlo de qualidade, e que se resolvem em cinco ou seis dias", referiram alguns dos responsáveis.

O aparente desleixo da Steyr na construção das viaturas é explicada com o projecto das Pandur 8x8 destinadas à República Checa, cujas entregas já estão a ser feitas há algumas semanas.

Quanto ao braço-de-ferro: depois de escolhidas as Pandur II pelo então ministro da Defesa Paulo Portas, dentro do Exército manteve-se uma forte corrente adversária do projecto, por entender que a viatura concorrente (a Pátria) era melhor - e alguns desses oficiais foram mesmo escolhidos para acompanhar o desenvolvimento do processo das Pandur.

A outro nível, a responsabilidade pela recepção das viaturas criou atritos entre o ramo e a Direcção- -Geral de Armamento - tendo Severiano Teixeira determinado que seria o Exército a receber as Pandur com acompanhamento daquela estrutura do ministério.

A aparente gota de água que fez o copo transbordar surgiu na passada sexta-feira, dia em que se realizou uma reunião convocada pela Direcção-Geral de Armamento para analisar os últimos detalhes do dossier.

Segundo uma das fontes, o Exército entendeu não ter nada a fazer ali e acabou por aconselhar o ministro a cancelar a cerimónia de hoje até que as viaturas estejam mesmo em condições no acto de entrega.|

DN (http://http)
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 02, 2007, 10:11:19 am
Cabeça de Martelo escreveu:
1 - Daniel sabes por acaso qual é o tamanho da unidade expedicionária dos Fuzileiros? Não? Olha, o nome é Batalhão Lgeiro de Desembarque...portanto terem Pandur para transportar uma Companhia não é muito nem é pouco é perfeito.

Realmente tem alguma razão porque ter  muitos Pandur sem um Navio para os desembarcar não vale a pena. Quanto ao tamanho da unidade expedicionária dos fusos, não sei, mas calculo que não deve ser muito grande, porque para vc dizer que 20 unidades é o número perfeito, Bom sei que um os  Fuzileiros integra duas grandes Unidades, a Escola de Fuzileiros e a Base de Fuzileiros, e 7 Unidades Operacionais: o Batalhão de Fuzileiros N.º1, o Batalhão de Fuzileiros N.º2, a Unidade de Meios de Desembarque, a Unidade de Polícia Naval, o Destacamento de Acções Especiais, a Companhia de Apoio de Fogos, e a Companhia de Apoio de Transportes Tácticos.

Os Fuzileiros (Forças Especiais da Marinha) constituem a Força de Desembarque e combate em terra, assumindo-se os meios anfíbios como um meio essencial de projecção de poder de combate, bem como de apoio logístico no Teatro de Operações, dada a sua dual capacidade de operar ora em terra ora no mar.

Ora se os meios anfíbios são um meio essencial de projecção de poder de combate, ora na minha mudesta opinião 20 Pandur é pouco para os fuzos ainda que para si seja o número perfeito, não precisa ficar nervoso pois pelas 2 respostas que vc respondeu simplemente respondeu meio irritado, tanha calma pois não passa de minha opinião que aos seus olhos ja vi que está errada.  :Bajular:
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 02, 2007, 10:23:12 am
(http://www.defesanet.com.br/laad2005/imagens/patria.jpg)

Quanto ao braço-de-ferro: depois de escolhidas as Pandur II pelo então ministro da Defesa Paulo Portas, dentro do Exército manteve-se uma forte corrente adversária do projecto, por entender que a viatura concorrente (a Pátria) era melhor - e alguns desses oficiais foram mesmo escolhidos para acompanhar o desenvolvimento do processo das Pandur.

X2
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 02, 2007, 10:42:02 am
Citação de: "Daniel"
Cabeça de Martelo escreveu:
1 - Daniel sabes por acaso qual é o tamanho da unidade expedicionária dos Fuzileiros? Não? Olha, o nome é Batalhão Lgeiro de Desembarque...portanto terem Pandur para transportar uma Companhia não é muito nem é pouco é perfeito.

Realmente tem alguma razão porque ter  muitos Pandur sem um Navio para os desembarcar não vale a pena. Quanto ao tamanho da unidade expedicionária dos fusos, não sei, mas calculo que não deve ser muito grande, porque para vc dizer que 20 unidades é o número perfeito, Bom sei que um os  Fuzileiros integra duas grandes Unidades, a Escola de Fuzileiros e a Base de Fuzileiros, e 7 Unidades Operacionais: o Batalhão de Fuzileiros N.º1, o Batalhão de Fuzileiros N.º2, a Unidade de Meios de Desembarque, a Unidade de Polícia Naval, o Destacamento de Acções Especiais, a Companhia de Apoio de Fogos, e a Companhia de Apoio de Transportes Tácticos.

Os Fuzileiros (Forças Especiais da Marinha) constituem a Força de Desembarque e combate em terra, assumindo-se os meios anfíbios como um meio essencial de projecção de poder de combate, bem como de apoio logístico no Teatro de Operações, dada a sua dual capacidade de operar ora em terra ora no mar.

Ora se os meios anfíbios são um meio essencial de projecção de poder de combate, ora na minha mudesta opinião 20 Pandur é pouco para os fuzos ainda que para si seja o número perfeito, não precisa ficar nervoso pois pelas 2 respostas que vc respondeu simplemente respondeu meio irritado, tanha calma pois não passa de minha opinião que aos seus olhos ja vi que está errada.  :Bajular:


Daniel os Fuzileiros só têm neste momento 1 batalhão operacional, o resto é para instrução e para protecção das instalações da marinha, mais nada. Eu quero que seja mais, mas de momento a única coisa que poderá aumentar são as sub-unidades do género de sapadores, misseis anti-aéreos, etc.

Vê o 1º batalhão é para guardar as instalações da marinha;
a PN tem as mesmas caracteristicas que a PM ou PA, por isso não vai nos navios para desembarcar algures;
Todas as outras unidades por descritas são ou de instrução ou fazem parte do BLD. Esse batalhão é feito por levantamento, ou seja, o batalhão é constituido conforme a missão, se for necessário morteiros, misseis anti-carro, etc; vão buscar à CAF e assim sucessivamente.
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 02, 2007, 11:01:40 am
Cabeça de Martelo escreveu

Daniel os Fuzileiros só têm neste momento 1 batalhão operacional, o resto é para instrução e para protecção das instalações da marinha, mais nada. Eu quero que seja mais, mas de momento a única coisa que poderá aumentar são as sub-unidades do género de sapadores, misseis anti-aéreos, etc.
Vê o 1º batalhão é para guardar as instalações da marinha;
a PN tem as mesmas caracteristicas que a PM ou PA, por isso não vai nos navios para desembarcar algures;
Todas as outras unidades por descritas são ou de instrução ou fazem parte do BLD. Esse batalhão é feito por levantamento, ou seja, o batalhão é constituido conforme a missão, se for necessário morteiros, misseis anti-carro, etc; vão buscar à CAF e assim sucessivamente.[/color]

Os nossos fuzileiros só tem 1 Batalhão operacional não sabia :shock:
Título: ????
Enviado por: zocuni em Outubro 02, 2007, 12:04:22 pm
Tudo bem,

Cabeça de Martelo.Poderia-me informar de quantos fuzileiros é composto nosso batalhão operacional?

Abraços,
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 02, 2007, 12:30:39 pm
Eu não sou Fuzo por isso não sei com dados concretos, mas segundo os artigos que tenho lido o BLD em plena força (2º Batalhão de Fuzileiros, CAF, etc) deve ter uns 600 e tal militares.
Título: Obrigado
Enviado por: zocuni em Outubro 02, 2007, 12:59:48 pm
Obrigado,Cabeça.Sei que não é Fuzo,mas saberia responder por aproximação,é só para ter uma ideia.

Abraços,
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 02, 2007, 02:59:09 pm
Zocuni deve ser mais ou menos os tais 600 e tal militares.
Título:
Enviado por: TaGOs em Outubro 02, 2007, 06:14:54 pm
Mais umas fotos.

Link para mais fotos (http://http)
Título:
Enviado por: hellraiser em Outubro 05, 2007, 09:08:52 pm
Citação de: "Miguel"
Acabam com isto....

Fuzileiros, Paras, Comandos para que???

para servir armas de museu??

temos material dos anos 70,

Quem acredita que vamos ter os F16 MLU em numero de 20?

Alguem acredita que vamos ter submarinos??

Blindados Pandur? o que é isso????? e preferível comprar um lote de BM e Mercedes novinhos em folha paras os ministros.


Acabam com a instituiçao militar.

Acabam com tudo.

Futebol, Folclore e novelas, isso é que éééééééé
Esqueci-me em casa de necesidade temos a Senhora de Fatima para nos proteger, e a bondade dos alliados???


PS: para substituir a G3 podiamos utilizar as Kropatchek do museu militar :wink:


alguém não anda a tomar o xanax...
Título:
Enviado por: Daniel em Outubro 11, 2007, 05:20:02 pm
Ouvi dizer que Panadol faz bem a dor de cabeça :idea:
Título:
Enviado por: P44 em Outubro 15, 2007, 08:16:26 am
^^

Reitero a questão...

Já conseguiram reparar as infiltrações dos Pandur???? :conf:
Título: N: «Portugal vai construir 50 blindados para Angola»
Enviado por: Get_It em Outubro 29, 2007, 02:54:40 am
Citação de: "Sérgio A. Vitorino, Correio da Manhã"
Portugal vai construir 50 blindados para Angola
Defesa: Fábrica exporta veículos pandur
Portugal pode vir a exportar para Angola pelo menos 50 veículos blindados Pandur II 8x8 – iguais aos que estão a ser construídos para o Exército. A intenção é da empresa austríaca Steyr-SFF (fabricante dos Pandur) e da Fabrequipa (empresa do Barreiro a quem os austríacos entregaram a construção da maior parte da encomenda de 260 viaturas para as Forças Armadas portuguesas). A Steyr-SFF “deseja o envolvimento do Governo português na apresentação do projecto a Angola”, disse ao CM um responsável da empresa. Até porque as viaturas a entregar serão construídas em Portugal, garantindo a produção na Fabrequipa pelo menos até 2014.

O negócio não se afigura fácil, uma vez que o exército angolano está equipado com material de guerra russo e a Rússia – com quem Angola tem uma grande dívida – poderá não permitir a compra de equipamento a outro país. “Não faz sentido irmos sozinhos. Contamos que o Ministério da Defesa português, através da Empordef – Empresa Portuguesa de Defesa, nos consiga a entrada em Angola, país que nos interessa como alvo de negócios. Era algo que iria beneficiar Portugal, uma vez que as viaturas seriam todas construídas na Fabrequipa”, disse a fonte da Steyr-SFF .

O primeiro passo terá sido dado na recente visita do Ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, a Angola. A ideia terá sido transmitida ao seu homólogo angolano. O projecto Pandur II 8x8 terá sido apresentado informalmente, no ano passado, pela Steyr-SFF a responsáveis militares angolanos. Aguarda-se a marcação da apresentação oficial, o que poderá estar por semanas.

Embora Angola seja o alvo preferencial da Steyr-SFF, esta considera fazer negócios – ainda através de Portugal e da Fabrequipa – com outros países africanos, como a Líbia, Tunísia ou Marrocos. “Temos contratado com a Fabrequipa a construção de 50 Pandur II 8x8 para mercados terceiros. Tal deverá acontecer após o final da entrega das viaturas portuguesas [prevista para 2010] e até 2014”, adianta o responsável da Steyr-SFF.

Canhão de 105 mm testado
Além dos 260 blindados contratados entre Portugal e a Steyr-SFF, existe ainda uma opção – a exercer até Junho de 2008 – para que o Exército adquira mais 33 Pandur II 8x8 (por 140 milhões de euros) na variante com torre e canhão de calibre 105 mm. A Steyr-SFF está já a fazer testes, acompanhados por uma equipa técnica do Exército, com uma torre CT-CV da empresa belga CMI e os primeiros resultados parecem agradar a ambas as partes. O CM assistiu – no campo de tiro de Allensteig, Áustria – a uma demonstração do novo sistema de armas, com disparo de munições perfurantes e tiro em movimento, a velocidades de 20 e 30 km/h. A torre da CMI suporta munições com um alcance de até 10 km. No final de Novembro, serão feitos testes oficiais no campo militar de Santa Margarida. O CM sabe que o Exército quer testar a torre italiana Oto Melara (também 105 mm mas sem carregamento automático de munições) antes de tomar a decisão final. Na demonstração, a Steyr-SFF garantiu que os problemas que levaram à recusa por parte do Exército de alguns dos primeiros Pandur já estão resolvidos.

Simulador do Pandur é português
Portugal, que contratou com a Steyr-SFF a compra de 260 Pandur II 8x8 por 360 milhões de euros, com contrapartidas de 516 milhões de euros, está ainda a desenvolver o primeiro simulador computorizado para aquela viatura blindada de rodas. Segundo apurou o CM, os austríacos tinham já contratado o simulador a uma empresa alemã, mas o contrato com Portugal obrigou à entrada do nosso país no desenvolvimento do projecto. De tal forma que uma empresa portuguesa do universo Empordef lidera agora o projecto e, após vários testes, em breve deverá ter o primeiro simulador pronto. O simulador é um equipamento essencial para o treino de tripulações, uma vez que permite que as mesmas se familiarizem com a viatura e os seus equipamentos sem os desgastar.

2007-10-29 - 00:00:00
fonte: http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=263594&idselect=10&idCanal=10&p=200


Cumprimentos,
Título: Re: N: «Portugal vai construir 50 blindados para Angola»
Enviado por: Luso em Outubro 29, 2007, 10:51:20 am
Citação de: "Sérgio A. Vitorino, Correio da Manhã"
Portugal vai construir 50 blindados para Angola
Defesa: Fábrica exporta veículos pandur
Portugal pode vir a exportar para Angola


Esta gente não sabe gramática?
Não sabe a diferença entre um facto e uma especulação?
Título:
Enviado por: Lancero em Outubro 29, 2007, 11:02:42 am
Infelizmente é uma regra. Não se põe "pode" nos títulos.

Citar
Blindados abrem negócio com Angola

Pandur que serão comprados por Portugal estão em testes em Viena


Carlos Varela, em Viena de Áustria

Portugal e Angola já iniciaram contactos para a exportação de 50 viaturas blindadas, uma oportunidade aberta pela produção no nosso país dos blindados austríacos da Styer, destinados ao Exército e à Marinha.

A informação foi prestada em território austríaco pelo responsável de marketing da Styer para Portugal, Martin Malzacher, durante os testes de campo de uma Pandur 8x8, com canhão de 105 mm, uma das opções destinadas ao Exército.

De acordo com Martin Malzacher, a empresa portuguesa que fabrica os Pandur, a Fabrequipa, no Barreiro, foi autorizada pela Styer a produzir 50 viaturas blindadas para venda nos mercados exteriores, sendo Angola o principal destinatário.

Os contactos já começaram a ser estabelecidos e terão coincidido com a recente visita do ministro da Defesa, Severiano Teixeira, a Angola. Mas fonte oficial do Ministério da Defesa garantiu ao JN que, oficialmente, a venda não esteve na agenda dos encontros bilaterais - o que seria, por si só, uma novidade, uma vez que as visitas de responsáveis da Defesa portugueses ao estrangeiro têm habitualmente preocupações mais de natureza estratégica do que de ordem prática.

Para já, Martin Malzacher reconheceu que a influência russa no mercado de armas em Angola é um importante obstáculo à efectivação da venda de 50 viaturas fabricadas em Portugal, mas mostrou-se convicto de que há mercado para a operação.

Mercado parece também haver para a venda a Portugal de 33 viaturas Pandur com canhão de 105 mm, uma opção deixada em aberto. Na semana passada foram realizados testes de tiro na Áustria, com a viatura a ser operada com uma torre da fábrica belga CMI.

Nos testes esteve presente uma delegação da Direcção-Geral de Armamento, que entretanto solicitou à Styer a realização de mais testes com uma torre da fábrica italiana Oto Melara, instalada na Pandur. Em causa está um negócio de 140 milhões de euros a que Portugal terá que dar resposta final até Junho de 2008.


JN (http://http)
Título:
Enviado por: LM em Outubro 29, 2007, 11:32:14 am
Sobre a torre CT-CV da empresa belga CMI: http://cmigroupe-web.com.acelis.net/vpage.php?id=142 - possiblidade de a "Leaflet (pdf), Newsletter and Movie"
Título:
Enviado por: pedro em Outubro 29, 2007, 04:14:12 pm
Oxala o negocio se concretize.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: P44 em Outubro 30, 2007, 08:15:12 am
oxalá o "negócio " não seja (mais) uma "dádiva"
Título:
Enviado por: pedro em Outubro 30, 2007, 02:03:43 pm
Isso tambem. :lol:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: GinTonic em Outubro 30, 2007, 03:43:55 pm
Citação de: "P44"
oxalá o "negócio " não seja (mais) uma "dádiva"


Por acaso também já tinha pensado nisso. É muito comum os "negócios" com as ex-colónias nos deixarem fortemente lesados economicamente... vá-se lá saber porquê. Esperemos que não se verifique neste caso.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Outubro 30, 2007, 04:06:33 pm
Se exigissem garantias bancárias não ficavam a "arder" com o dinheiro, pelo menos tudo...ficava o banco a "arder" :lol: . Bem, por outro lado, devemos lembrar-nos que a Fabrequipa é uma empresa privada, portanto será mais dificil ir em "cantigas" do que uma empresa pública...
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 02, 2007, 05:39:56 pm
(http://img141.imageshack.us/img141/1097/pandurii8x8comtorrecmicku6.jpg)

(http://img136.imageshack.us/img136/8606/pandurii8x8comtorrecmichv3.jpg)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 03, 2007, 11:08:53 am
Citação de: "Lancero"

http://img141.imageshack.us/img141/1097 ... micku6.jpg (http://img141.imageshack.us/img141/1097/pandurii8x8comtorrecmicku6.jpg)

http://img136.imageshack.us/img136/8606 ... michv3.jpg (http://img136.imageshack.us/img136/8606/pandurii8x8comtorrecmichv3.jpg)


Estas fotos são foto-montagens ou são reais?
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 03, 2007, 12:24:09 pm
Reais.
Título: CV90120
Enviado por: TazMonster em Novembro 03, 2007, 01:41:45 pm
Não sei porque é que não se considera a opção de peça de 120mm. Já que vamos ter LeoII, assegurava-se assim uma menor carga logistica e maior compatibilidade.
A torre do CV90120 parece-me a opção ideal.
O peso é que pode ser um problema, o CV90120 pesa cerca de 35 Ton

(http://www.army-technology.com/projects/cv90/images/cv90120tank_10.jpg)
http://www.youtube.com/watch?v=Z_VrWUKXpdA
http://www.youtube.com/watch?v=ScB7zs8ybJw
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 03, 2007, 02:55:11 pm
Citar
Não sei porque é que não se considera a opção de peça de 120mm.
O peso da torre, é um problema e as características da peça também.

Mesmo a torre CT-CV tem capacidade para disparar munição com a incrível velocidade inicial de 1600m/s mas creio que só com sistemas especialmente desenvolvidos para amortecer a energia resultante do disparo.

Uma peça de 105mm capaz de disparar uma munição que sai a 1600m/s é tão ou mais eficiente quanto um disparo de 120mm a uma velocidade menor.

O que podemos perguntar, e eu já o tenho feito várias vezes, é qual é a doutrina a que obedece a aquisição destes veículos ligeiros, com um canhão extremamente poderoso.

O Panhard-EBR pelo que entendo já tinha esta característica (com uma peça derivada do canhão de 75mm do tanque Panther).
O actual V-150, parecido com os Chaimite também tem um canhão capaz de disparar munição perfurante.
E agora, no caso de haver Pandur-II, ta~bém estarão equipados com capacidade para destruir carros blindados modernos.

Este tipo de veículo, do meu ponto de vista denota uma filosofia de actuação claramente defensiva, em que o Pandur dispara contra um alvo e depois desaparece.

Já a sua utilização por exemplo para reforçar forças de Paz, não a vejo tão viável.

No caso de - por exemplo - termos uma força com Pandur-II no Kosovo e a situação se tornar mais complicada, haveria razões para reforçar a força com veículos como o Pandur-II/105 ?

Uma sistema como o Pandur-II/105 (CT-CV) tem como principal característica a excepcional potência co canhão CT105 da CMI. Ora o que faz a torre CT-CV realmente diferente é a capacidade de destruir veículos fortemente blindados, mesmo os que possuem blindagem reactiva moderna.

Devemos concluimos então que o Pandur-II/105 é um veículo adequado para situações de guerra contra países armados com poderosos meios blindados, os quais o CT-CV tem capacidade para perfurar.

Como não estou a ver qualquer possibilidade de isso acontecer no Kosovo, no Líbano ou sequer no Afeganistão, então é fácil deduzir que este tipo de veículo tem como função incorporar uma unidade de alta mobilidade e poder de fogo, que aproveitando a nossa rede de estradas poderia facilmente concentrar um numero de bocas de fogo de alta potência em qualquer lugar do país.

Estas são as razões das minhas dúvidas quanto à utilização do Pandur-II/105, a que acresce o preço de cada unidade (entre 4 a 5 milhões de Euros). Quando fazemos os preços em dolares (5.8 a 7.2 milhões) e comparamos com os veículos russos por exemplo, dá até arrepios...

Cumprimentos
Título: CV90120
Enviado por: TazMonster em Novembro 03, 2007, 09:07:18 pm
Levantei a questão da peça de 120mm mais por uma questão de uniformização de calibres.
A utilização de um unico calibre é uma mais valia no aspecto Logistico.
Relativamente à doutrina de emprego destas viaturas... Bem... Sendo nós uma sociedade de 1ª vaga (de acordo com a definição de Toffler)... agrária (em termos de mentalidade), logo temos um exército que lhe corresponde... agrário (em termos de mentalidade)
Quero dizer que mais uma vez... impera a guerra das quintas.
A arma de Cavalaria quer ficar com o exclusivo da utilização desse tipo de viaturas, o que certamente levará à criação de um GAM (Grupo de AutoMetrelhadoras). Alguem lhes explique que a designação está completamente off e que andam a precisar de um reallity check...

Creio que o mais indicado seria o emprego da doutrina da SBCT. Em que estas viaturas constituem um Pel nas Companhias de Atiradores. Isto na verdade faz das Companhias, SubAgrupamentos.

Este tipo de unidades pode ser empregue em qualquer tipo de conflito, desde a baixa intensidade até cenários de conflito de alta intensidade. Se bem que no ultimo caso, seria necessária protecção adicional para as viaturas (para alem do sistema activo de defesa).
Título: Re: CV90120
Enviado por: Lancero em Novembro 03, 2007, 11:04:07 pm
Citação de: "TazMonster"
Este tipo de unidades pode ser empregue em qualquer tipo de conflito, desde a baixa intensidade até cenários de conflito de alta intensidade. Se bem que no ultimo caso, seria necessária protecção adicional para as viaturas (para alem do sistema activo de defesa).


Viatura e torre podem levar blindagem adicional - como aliás é visível na torre na segunda foto que coloquei.
Título:
Enviado por: lurker em Novembro 05, 2007, 01:24:15 am
Citação de: "papatango"
O que podemos perguntar, e eu já o tenho feito várias vezes, é qual é a doutrina a que obedece a aquisição destes veículos ligeiros, com um canhão extremamente poderoso.
[...]
Este tipo de veículo, do meu ponto de vista denota uma filosofia de actuação claramente defensiva, em que o Pandur dispara contra um alvo e depois desaparece.



*cof* Lurker arma-se em estratega de sofá *cof* :)

Isso é uma possibilidade mas na minha ignorância, parece-me que é primariamente um veiculo para dotar operações de infantaria de poder de fogo, tipo artilharia ligeira móvel, sem ter de recorrer  aos tanques que são caros, logisticamente mais complicados de colocar no teatro de operações e com menor mobilidade em certo tipo de terrenos que um blindado ligeiro com rodas.
Obviamente, estes veiculos são incomparavelmente mais vulneráveis que um tanque mas iriam actuar em conjunto com meios igualmente vulneráveis: soldados, blindados ligeiros para transporte de pessoal.
Talvez a torre de 105 mm seja excessiva para essa função e um morteiro de 81 mm como o do LAV-M fosse suficiente (ou até melhor para essa missão).

Por outro lado, se o terreno o favorecer suficientemente (por exemplo, uma zona urbana) um veiculo destes tem boas hipóteses contra um tanque ligeiramente menos moderno, pelo que é capaz de valer a pena a diferença entre um Pandur-II/105 e algo como o LAV-M.
Título:
Enviado por: Get_It em Novembro 05, 2007, 03:43:48 am
Citação de: "lurker"
*cof* Lurker arma-se em estratega de sofá *cof* :)
Já somos dois.

Citação de: "lurker"
Isso é uma possibilidade mas na minha ignorância, parece-me que é primariamente um veiculo para dotar operações de infantaria de poder de fogo, tipo artilharia ligeira móvel, sem ter de recorrer  aos tanques que são caros, logisticamente mais complicados de colocar no teatro de operações e com menor mobilidade em certo tipo de terrenos que um blindado ligeiro com rodas.
Ora aí está. Agora, já podemos ir almoçar? É que com o tempo que demoraram a aceitar essa lógica e a discutir isto um gajo quase que morre à fome.
Um Pandur II MGS quando comparado a um carro de combate pode tirar partido de estradas para se mover mais rapidamente, e que ao contrário dum CC os Mobile Gun Systems costumam poder ser transportados por um C-130 ou A400M.

Citação de: "lurker"
Obviamente, estes veiculos são incomparavelmente mais vulneráveis que um tanque mas iriam actuar em conjunto com meios igualmente vulneráveis: soldados, blindados ligeiros para transporte de pessoal.
Depende do cenário; pelos menos tenho a ideia que em combate urbano um MGS pode ser de facto menos vulnerável que um carro de combate, e como não vai estar num frente-a-frente com o seu alvo não corre grandes perigos.

Citação de: "lurker"
Talvez a torre de 105 mm seja excessiva para essa função e um morteiro de 81 mm como o do LAV-M fosse suficiente (ou até melhor para essa missão).
Para qual função? Para servir de fogo de apoio para infantaria talvez o Pandur II seja mesmo excessivo e inapropriado, mas para servir como anti-carro é perfeito pois foi para isso mesmo que foi desenhado.

Citação de: "lurker"
Por outro lado, se o terreno o favorecer suficientemente (por exemplo, uma zona urbana) um veiculo destes tem boas hipóteses contra um tanque ligeiramente menos moderno, pelo que é capaz de valer a pena a diferença entre um Pandur-II/105 e algo como o LAV-M.

Pelo que li um canhão de 105 mm com munição moderna consegue muito bem fazer frente um dos carros de combate mais modernos, por isso não deverá haver diferenças aí. Em relação ao LAV-M perde-se algo pois, depois, é mais uma cadeia de logística que com que se tem de contar, e pois também tem uma guarnição superior (um condutor, um comandante, e três operadores para o morteiro) à do Pandur II.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: LM em Novembro 05, 2007, 10:54:59 am
O que lí até agora dos "estrategas de sofá" criou as seguintes duvidas:

a) É o canhão 105mm previsto eficaz no apoio à infantaria em funções que não sejam contra alvos blindados?

b) Não deviam estes meios ficar integrados organicamente em Batalhões de Infantaria (e em 1 Esq de Reconhecimento à ordem da Brigada), em vez de serem concentrados em uma unidade escalão batalhão (BAM)...?

c) Os recursos investidos seriam mais bem repartidos em PandurII IFV 30mm, TOW, etc? Talvez menos veiculos com uma torre menos cara...?

LM
Título:
Enviado por: lurker em Novembro 05, 2007, 11:02:32 am
Citação de: "Get_It"
Para qual função? Para servir de fogo de apoio para infantaria talvez o Pandur II seja mesmo excessivo e inapropriado, mas para servir como anti-carro é perfeito pois foi para isso mesmo que foi desenhado.
Sim, estava a referir-me à primeira.

Citar
Em relação ao LAV-M perde-se algo pois, depois, é mais uma cadeia de logística que com que se tem de contar, e pois também tem uma guarnição superior (um condutor, um comandante, e três operadores para o morteiro) à do Pandur II.


A comparação com o LAV-M era genérica.  Também se pode equipar um Pandur II com um morteiro -- a República Checa vai ter uns 20 com morteiro de 120mm.
Título:
Enviado por: lurker em Novembro 05, 2007, 11:41:10 am
Citação de: "LM"
a) É o canhão 105mm previsto eficaz no apoio à infantaria em funções que não sejam contra alvos blindados?
Segundo o fabricante, a torre é capaz de disparar todo o tipo de munição de 105 mm NATO e é capaz de tiro indirecto (42º de elevação máxima, 55º como opção).
Deve ser eficaz contra todo o género de veiculos (desde que não se mexam demasiado) estruturas ou posições inimigas num alcance de 10km.

Citar
Os recursos investidos seriam mais bem repartidos em PandurII IFV 30mm, TOW, etc? Talvez menos veiculos com uma torre menos cara...?

O canhão de 30 mm tem um alcance e capacidade mais limitada. Os TOW também não são baratos e são especializados anti-carro.
Já a opção por uma torre mais barata me parece perfeitamente válida para a função de suporte de à infantaria.
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 05, 2007, 02:29:03 pm
Citação de: "Lancero"
Viatura e torre podem levar blindagem adicional - como aliás é visível na torre na segunda foto que coloquei.
Pelo que entendi das especificações, a blindagem pode ir até ao nível 5.
Não dá para mais que isso, e além disso há o problema do motor.
Mais blindagem implica impossibilidade de transportar o Pandur-II/105 por via aérea e além disto, reduz a mobilidade do veículo aumentando ao mesmo tempo o consumo e portanto a autonomia.

Algumas notas adicionais sobre os comentários

Citação de: "Get_it"
Ora aí está. Agora, já podemos ir almoçar? É que com o tempo que demoraram a aceitar essa lógica e a discutir isto um gajo quase que morre à fome.

O problema, é que a utilização de um veículo sobre rodas equipado com um canhão bastante potente, parece fazer parte da doutrina do exército desde os finais dos anos 50.

O Panhard-EBR com peça de 75mm parece que tinha mais ou menos a mesma função que terá este Pandur-II/105.
Ou seja:
A aquisição do Pandur-II/105 não tem a ver com nenhuma descoberta da pólvora, mas muito pelo contrário, parece continuar uma doutrina com mais de 50 anos. O Panhard-EBR foi originalmente pensado para unidades de reconhecimento, e equipado com um canhão suficientemente poderoso para atacar se necessário os tanques russos T-34/85 e T-54/55.

Volto a lembrar, que para apoiar forças de infantaria e para protecção e apoio a forças de infantaria, não é necessário um Pandur-II/105 com uma torre como a CT-CV.

Para essa função, serve perfeitamente até uma torre com um canhão de 90mm, como a que foi instalada nos AML-90 e ELAND sul africanos.

Esse tipo de canhão dispara uma munição de baixa velocidade, embora possa utilizar munição de energia química do tipo HESH (que é disparada a baixa velocidade e só cria o fluxo de metal quando embate no alvo).
Com esse tipo de munição até um AML-90 pode furar uma blindagem antiga.
Ao mesmo tempo o AML-90 podia disparar munição explosiva adequada à função anti-pessoal, para apoiar forças de infantaria.

Esse tipo de arma, pode ser utilizado para combate urbano, embora os veículos blindados sejam sempre alvos muito apetecíveis e por isso não adequados.

O que faz o Pandur-II/105 com a torre CT-CV diferente, é a capacidade de tiro de muito alta velocidade.

Com o desenvolvimento das blindagens compostas e com a protecção da blindagem reactiva, a munição de energia química deixou de ser suficiente para perfurar a blindagem de um tanque moderno.

Mas por muito moderno que seja o tanque e por muito sofisticada que seja a sua blindagem, contra um canhão capaz de disparar um dardo que viaja a 5 760 Km/h não deve haver nenhum tanque que resista.

Logo:
Embora o canhão da torre CT-CV possa igualmente ser utilizado para apoio a forças de infantaria - utilizando munição adequada – o custo da arma em minha opinião só se justifica pela sua capacidade para disparar munição a muito alta velocidade, a utilização da qual só faz sentido quando aplicada contra alvos fortemente blindados como tanques modernos.

Não faz sentido utilizar munição de alta velocidade para apoio de infantaria, porque o mais provável seria não atingir ninguém.

Não sei se terei explicado suficientemente a minha interpretação/dúvida…

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Daniel em Novembro 05, 2007, 02:40:56 pm
El Ejército gastará 320 millones en blindados diseñados contra minas


Citar
A sólo cuatro meses de las elecciones generales, el Ministerio de Defensa se propone lanzar uno de los programas más ambiciosos del Ejército: el Plan de Renovación de Vehículos Blindados, que supondrá la adquisición en los próximos años de entre 570 y 600 unidades de distintos modelos por unos 320 millones de euros.


Podera ser verdadeira esta noticia  :shock:  :?:  :conf:

Fonte: http://www.elpais.com/articulo/espana/E ... nac_13/Tes (http://www.elpais.com/articulo/espana/Ejercito/gastara/320/millones/blindados/disenados/minas/elpepunac/20071102elpepinac_13/Tes)
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 05, 2007, 02:49:26 pm
Daniel ->

Os Pandur-II não são veículos anti-minas mas sim VBTP's ou mesmo VCI's.

O veículo blindado anti-minas, é basicamente um chassis comercial de camião, com uma blindagem inferior em V para deflectir as explosões e blindagem adicional dos lados, normalmente até ao nível III.

Pelos preços para grandes quantidades que vemos nos E.U.A. um destes veículos pode ter um custo de U$600.000, ou seja €420.000.

Quando falamos de veículos anti-minas, estamos a falar de veículos deste tipo:
COUGAR (MRAP-II) (http://http)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: lurker em Novembro 05, 2007, 03:11:51 pm
Citação de: "papatango"
O problema, é que a utilização de um veículo sobre rodas equipado com um canhão bastante potente, parece fazer parte da doutrina do exército desde os finais dos anos 50.


Quiçá, o Exército estava à frente do seu tempo? :)
Isto é uma questão a que só pode responder quem lá estava mas o armamento do EBR e do V-150 apesar de potente, não é "exótico" e pode ser explicado pela simples necessidade ter algum poder de fogo móvel para suportar a infantaria.

Já a opção Pandur-II/105 (em vez de um Pandur II/90) denota claramente o desejo de extender essa filosofia com capacidade anti-blindagem e tirar partido da maior mobilidade dos blindados ligeiros com rodas.
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 05, 2007, 03:24:54 pm
Lurker ->

Tanto quanto sei, Portugal é o único país que tem um veículo 4x4 com um canhão com capacidade para disparar munição de alta velocidade como acontece com o V-150.

Outras «montagens» de canhões de 90mm utilizam armas de baixa velocidade e é por isso que há várias queixas quanto à instabilidade do V-150.

O Panhard-EBR tinha como função (se necessário) engajar tanques e colocar a torre que foi colocada no V-150 implica que a doutrina foi a mesma.
A opção pela torre CT-CV implica que a doutrina é a mesma.

As questões que coloco são as seguintes:

Que tanques é que se prevê que os Pandur-II/105mm venham a enfrentar?
Que cenários estão a ser considerados para justificar aquele veículo ?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 05, 2007, 04:11:32 pm
Citação de: "papatango"
Pelo que entendi das especificações, a blindagem pode ir até ao nível 5.
Não dá para mais que isso, e além disso há o problema do motor.
Mais blindagem implica impossibilidade de transportar o Pandur-II/105 por via aérea e além disto, reduz a mobilidade do veículo aumentando ao mesmo tempo o consumo e portanto a autonomia.


A ideia é correcta.
No entanto - daí o sublinhado -, e penso que ainda não vi isto em lado nenhum, ao contrário do inicialmente anunciado, os Pandur II adquiridos por Portugal não vão ter o motor Cummins de 400 cv mas sim um do mesmo fabricante mas de 450 cv.
O chassis da versão 105mm é também ligeiramente mais curto, logo mais leve, que a versão normal - ficando obviamente muito mais pesado com a torre. A blindagem adicional é colocada por placas em 'slots' e pode ser facilmente montada após o transporte aéreo.
Título:
Enviado por: lurker em Novembro 05, 2007, 04:41:23 pm
Ok, só agora é que reparei que o canhão das V-150 suporta APDS!  :oops:
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 07, 2007, 08:30:22 pm
Citar
Defesa: Exército desdramatiza atrasos na entrega dos novos blindados Pandur 8x8    

   Amadora, 07 Nov (Lusa) - O Chefe do Estado-Maior do Exército (CEME),  general Pinto Ramalho, desvalorizou hoje os atrasos na entrega dos novos  blindados Pandur 8x8 para substituir as "chaimite", afirmando que os prazos  de entrega de estão "dentro do previsto".  

     

   A cerimónia de entrega ao Exército dos blindados, fabricados na Áustria  e em Portugal, pela Steyer, chegou a estar marcada para o início de Outubro,  mas foi adiada devido a falhas técnicas detectadas nas viaturas, e foram  devolvidas à fábrica.  

     

   Nesse dia, um porta-voz do Exército previa que os problemas se resolvessem  "dentro de mais ou menos duas semanas", mas esse prazo foi ultrapassado  e não foi anunciado nova data para a cerimónia simbólica de entrega dos  blindados às forças armadas portuguesas.  

     

   " margem da abertura do ano lectivo da Academia Militar, na Amadora,  o general Pinto Ramalho afirmou que "teve a informação" de que "todos os  veículos estarão em condições para lhe serem feitos os testes finais".  

     

   O CEME disse que o Exército cumpriu já os planos de formação de formadores  para a utilização dos novos blindados de rodas que vão substituir as antigas  Chaimite, do tempo da Guerra Colonial, da década de 60.  

     

   No total, e de forma faseada, até 2010, vão ser entregues 260 blindados,  dos quais 218 produzidos em Portugal, na Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes  na fábrica austríaca. Grande parte dos blindados, 240, destina-se ao Exército  e os restantes 20, de tipo anfíbio, aos Fuzileiros, da Marinha.  

     

   Até final do ano estava planeada a entrega às Forças Armadas portuguesas  24 viaturas blindadas, segundo disse à Lusa fonte da empresa. A compra dos  blindados Pandur foi acordada no início de 2005, ainda no tempo do ministro  da Defesa do governo PSD/CDS-PP, Paulo Portas.  

     
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 11, 2007, 06:53:01 pm
Citar
Austrian APCs fail in tests, supply to Czechs delayed
By ČTK / Published 8 November 2007

Prague, Nov 7 (CTK) - The supply of the Pandur APCs from the producer, Austrian firm Steyr, to the Czech military will be delayed as the APCs have failed to meet a quarter of the required criteria in the military tests, the Defence Ministry said Wednesday, adding that it is considering imposing sanctions on Steyr.

Pandurs' failure in the tests will prevent the first 17 vehicles from being supplied to the Czechs by end-November in accordance with the contract's deadline.

Steyr reacted to the information asserting it will hand the vehicles over by the deadline.

The Czech Defence Ministry is nonetheless considering imposing financial sanctions on Steyr or even withdrawing from the contract or its parts, deputy minister Jaroslav Kopriva told journalists during the meeting of the lower house defence committee today.

He said that the Pandurs had not met 24 of the 93 criteria set. The ministry has asked Steyr to remove the shortcomings.

Steyr has not at all reacted to its own failure to meet the contract conditions in time. Nor has Steyr announced by when it will be able to supply the Pandurs in an acceptable state, Kopriva said.

He said the ministry estimates the APCs final tests to start only in mid-January.

Steyr's PR official Jan Piskacek said the company would fulfil its commitments.

"In accordance with the deadline, the vehicles will be prepared for transfer by the end of November," Piskacek told CTK.

He said the shortcomings the vehicles suffer from when compared to the contract documents are only of a formal character. "Most of them have been redressed," he added.

Kopriva admitted that the supply's delay might endanger the Czech military's capability of action. Although the military does not plan to use the Pandurs in military missions abroad in the first months of 2008, it wanted to use them in training.

"Of course this [delay] is unpleasant, as the military is planning certain exercises and wanted soldiers to get acquainted with the new equipment," Kopriva said.

Kopriva would not specify the possible financial sanction Prague might impose on Steyr for the pending delay.

Steyr is expected to supply a total of 199 Pandurs worth more than 23 billion crowns to the Czech military. This is one of the biggest orders in the Czech military's history. The contract was signed by then Defence Minister Karel Kuehnl (Freedom Union-DEU) after the mid-2006 elections in spite of his party's failure to re-enter the Chamber of Deputies.

The Czech military is unlikely to receive the new lorries from the Czech producer Tatra in time either, Kopriva told the deputies today.

The tests of the T 180 lorries have been delayed and the first 27 vehicles thus cannot be supplied to the military by the deadline, which is also November 30, like in the case of the Pandurs.

Tatra could supply the first vehicles early next year, Kopriva said.

The Tatra company was not chosen in a tender but directly by the government in 2006. The order worth 2.6 billion crowns was signed by then Defence Minister Jiri Sedivy in December 2006.

Tatra is to supply 304 lorries in 2008 and 225 in 2009.

Defence Minister Vlasta Parkanova today dismissed Jiri Martinek as the defence ministry's armament section that is in charge of large orders, including the purchase of APCs and lorries.
This story is from the Czech News Agency (ČTK).
Título:
Enviado por: ricardonunes em Novembro 30, 2007, 10:58:59 pm
Então  :?:

Curiosidade c34x
Título:
Enviado por: Tiago20 em Dezembro 10, 2007, 04:15:05 am
Boas!  c34x

Abraços,
Título:
Enviado por: ShadIntel em Dezembro 10, 2007, 03:56:10 pm
Citação de: "Tiago20"
Boas!  c34x

Abraços,

Não sei se haverá notícias oficiais acerca dos Pandur antes de serem entregues e a sua "operabilidade" verificada. Tanto a Steyr como o nosso Exército devem ter ficado escaldados com a falsa entrega do passado mês de Outubro...
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 10, 2007, 05:11:33 pm
Mas tambem já era mais que horinha deles virem  :lol:
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Dezembro 10, 2007, 08:00:49 pm
Estão à espera do princípio do ano de 2008! :oops:

Cá para mim acho que iremos ter problemas com estes veículos... A avaliar pelo resultado desastroso dos testes...

Enfim, espero bem que me engane!  :)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 11, 2007, 02:57:58 pm
A ver no que isto vai dar. Note-se que as viaturas checas eram mais complexas que as nossas.
Dentro de duas semanas 'chefões' da Steyr vão estar em Portugal a propósito de testes do Pandur II 8x8 MGS.

Citar
Czech govt decides to abrogate APC contract with Steyr

Prague- The Czech government has decided to abrogate its contract with the Austrian company Steyr for the supply of armoured personnel carriers (APC) to the Czech military as of December 10, Defence Minister Vlasta Parkanova told journalists.

Parkanova (Christian Democrats, KDU-CSL) said Steyr has failed to fulfil its commitments ensuing from the contract.
"The solution may look very radical at first sight, but we're convinced that it is correct," Parkanova said at a press conference.
The cabinet decided on the contract's abrogation last week, on the Defence Ministry's proposal.
The ministry officials who attended the conference said they do not expect the government's decision to provoke an arbitration dispute between the Czech Republic and Steyr. They said it is rather Steyr who might face sanctions.
Steyr was originally supposed to supply the first 17 APCs Pandur to the Czech military by the end of November, but the supply got delayed.
Another round of tests that was to show whether Steyr had removed certain defects that were previously uncovered in the Pandurs, was to take place in March 2008.
Steyr, however, has already produced the promised 17 Pandurs, which are now placed in its headquarters in Vienna.
The Czech military previously said it was to take the APCs over in mid-2008.
The ministry said several weeks ago that in the previous tests the Pandurs failed to meet 24 criteria of the total 93. Steyr was expected to remove the shortcomings.
The APCs purchase ranks among the biggest orders in the Czech military's history. Steyr was to supply 199 of them to the Czech Republic. The contract worth 20.8 billion crowns was signed by the then Defence Minister Karel Kuehnl (Freedom Union-DEU) shortly after the mid-2006 general election in which the Freedom Union-DEU was ousted from the Chamber of Deputies. ($1=17.662 crowns)


Fonte (http://http)
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 11, 2007, 09:54:35 pm
Uma Bombaaaaaaa

Citar
Die tschechische Regierung hat einen Auftrag an den in Wien-Simmering ansässigen Panzerproduzenten Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeuge (SSF) im Wert von rund 800 Mio. Euro zurückgezogen.

Die österreichische Firma habe die vereinbarten Liefertermine nicht eingehalten, darüber hinaus hätten die bereits gelieferten Radpanzer die vorgesehenen Tests nicht bestanden, erläuterte Verteidigungsministerin Vlasta Parkanova am Dienstag die Entscheidung. Eine Stellungnahme von Steyr war nicht zu erhalten.


Größter Auftrag der tschechischen Armee
Steyr hatte Anfang 2006 den lange umkämpften Großauftrag der tschechischen Armee zur Lieferung von 199 Radpanzern Pandur II erhalten. Darüber hinaus wurde eine Option zur Bestellung weiterer 35 Panzerfahrzeuge vereinbart.


Es handelte sich um den größten Auftrag in der Geschichte der tschechischen Armee. Steyr hatte sich bei der Ausschreibung gegen den finnischen Konkurrenten Patria Vehicles durchgesetzt.


Hatte es schon vor Vertragsunterzeichnung Zweifel an der neuen, achträdrigen Version des Panzers gegeben, so war heuer im Sommer von Problemen bezüglich der Funkgeräte, der Kanonen und der Satellitennavigation die Rede.


Einstimmig beschlossen
Die Regierung in Prag habe die Kündigung des Vertrages mit Steyr Spezialfahrzeuge einstimmig beschlossen, heißt es. "Die Regierung wurde über die Tatsache informiert, dass der Vertrag nicht ordentlich erfüllt wird", sagte Parkanova laut tschechischen Medienberichten. Tschechien werde die vereinbarten Vertragsstrafen geltend machen.


Test angeblich nicht bestanden
Etwa ein Viertel der bisher gelieferten Panzerfahrzeuge hätten die vorgesehenen Tests nicht bestanden, es habe eine Reihe von Problemen gegeben, sagte die Ministerin. Außerdem habe Steyr die vereinbarten Liefertermine nicht eingehalten.

Laut Kaufvertrag hätte Steyr Spezialfahrzeuge die ersten 17 Radpanzer bis Ende November liefern sollen. Das sei aber nicht geschehen, so dass seit 1. Dezember die Pönalefrist laufe. Steyr hatte allerdings am 27. November in einer Presseaussendung mitgeteilt, die 17 Panzer seien fertig und zur Abholung bereit.


Verbesserung angeboten
Steyr hatte laut Parkanova angeboten, eine verbesserte Version der Radpanzer bis März 2008 zu liefern, also mit einer Verspätung von einem halben Jahr. "Falls wir darauf eingegangen wären, hätten wir immer wieder Zugeständnisse machen müssen", sagte die Ministerin.


SSF mit Sitz in Wien-Simmering ist eine 100-Prozent-Tochter des US-Konzerns General Dynamics. SSF unterlag Ende 2006 bereits bei der Ausschreibung um einen Großauftrag aus Slowenien im Wert von knapp 280 Mio. Euro der finnischen Patria. Im August dieses Jahres gingen die Österreicher in Kroatien neuerlich leer aus - wieder hatten die Finnen die Nase vorne.



Meus caros está em alemão, mas  não deixa de ser preocupante esta noticia, os checos dizem que a viatura não passou nos testes, que deu um montão de problemas, atrasos de ano e meio na entrega da viatura  :? bom vamos la ver o que isto vai dar para o nosso lado.
Título:
Enviado por: lurker em Dezembro 12, 2007, 12:21:13 am
Essa situação está muito confusa.

O único facto que me parece confirmável: a data de entrega final dos primeiros 17 Pandur II à República Checa era 27 de Novembro de 2007.

Mesmo considerando que seria a data de entrega final, apenas passaram duas semanas.
Parece-me demasiado cedo para justificar declarações bombásticas como a possibilidade de cancelar o negócio, que surgiu num jornal de Praga.

Podemos especular que há vontade do actual governo ou de outras partes da sociedade checa de minar o programa. São 199 veiculos bem equipados, imagino que o programa seja caro e controverso q.b. por lá.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 12, 2007, 10:45:32 am
Citação de: "lurker"
Essa situação está muito confusa.

O único facto que me parece confirmável: a data de entrega final dos primeiros 17 Pandur II à República Checa era 27 de Novembro de 2007.

Mesmo considerando que seria a data de entrega final, apenas passaram duas semanas.

De acordo

Citação de: "lurker"
Parece-me demasiado cedo para justificar declarações bombásticas como a possibilidade de cancelar o negócio, que surgiu num jornal de Praga.

É um pouco mais que isso, tal como coloquei
Citar
Prague- The Czech government has decided to abrogate (anular) its contract with the Austrian company Steyr for the supply of armoured personnel carriers (APC) to the Czech military as of December 10, Defence Minister Vlasta Parkanova told journalists.


Citação de: "lurker"
Podemos especular que há vontade do actual governo ou de outras partes da sociedade checa de minar o programa. São 199 veiculos bem equipados, imagino que o programa seja caro e controverso q.b. por lá.


O problema é esse. Sempre foi criticado o seu preço elevado. No entanto, são (seriam) viaturas de fazer inveja.
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 12, 2007, 01:09:00 pm
Citar
O problema é esse. Sempre foi criticado o seu preço elevado. No entanto, são (seriam) viaturas de fazer inveja.


Caro Lancero seriam ?  :?:
Ou os erros detectados nos testes não são corrigíveis  :cry:  

Espero um fim feliz desta "Novela"

Abraços
Título:
Enviado por: FS em Dezembro 12, 2007, 02:21:47 pm
Ehhhhh!

Percebi bem? Os Austriacos nao entregaram o produto como deve de ser? Fizeram erros? Eu pensava que eram so os Portugueses!!!! Ja estou a pensar no Joseph (leia-se Ze Povinho Austriaco) a boa moda Portuga a dizer, pois se estes Pandur fossem feitos na cochichina nada disto acontecia! Aqui (na Austria) nem sabem soldar meia dúzia de placas de aço juntas!!!! Atrasos nas entregas??!!! Cruzes!!!!


Desculpem-me o cinicismo mas isto vai para demonstrar que os Portugueses não sao os únicos a fazer asneiras. Acontece em todo o lado! Isto e so para abrir os olhos que vêem tudo que e feito em PT com acidez!

(Desculpem la o off topic)
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 12, 2007, 03:56:39 pm
Aim, eu, se fosse militar no activo, queria andar numa viatura tão bem equipada e protegida quanto os Pandur checos seriam - note-se que obviamente falo das capacidades e qualidades no papel.
Título:
Enviado por: lurker em Dezembro 12, 2007, 04:45:22 pm
Aim, o facto de a entrega ter de ser adiada devido a problemas nos veiculos é perfeitamente vulgar em programas militares (e não só).

O que é mais invulgar é apenas duas semanas depois do prazo ter um ministro da Defesa a dizer que vão cancelar o contrato.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 12, 2007, 05:25:19 pm
Lancero
Citar
Aim, eu, se fosse militar no activo, queria andar numa viatura tão bem equipada e protegida quanto os Pandur checos seriam


Bom minha pergunta é, qual a diferença das viaturas Pandur checas das nossas  :?:  c34x
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 12, 2007, 06:32:09 pm
Assim de chofre, da wikipedia

Citar
The Czech Pandur II differs from its original version in a new, from inside of the vehicle controlled breakwater, and driver's hatch equipped with CDND-1 night vision aparature. The armor is designed to protect against 14.5x114 (with RAFAEL add-on passive armour; the Portuguese army chose Steyr add-on armour). SSAB ARMOX 5000 [14] armour steel is used for the bottom side of the hull. (The Slovak Aligator 4x4 is equipped with ARMOX 540HB). Its six millimetre ARMOX armour protects the crew from 7.62mm AP rounds.) Standard Pandur II has a flat bottom, but Pandur II CZ has its bottom shaped to the "/" (reversed "V"). Due to some sources this shape is better because it doesn't reflect the mine blast on the wheels. There are three robust cameras (left, right and rear) giving the ability to driver to reverse without leader's help or observe around the vehicle. Driver has one monitor for this purpose. The cameras are from Orlaco company [15] much like monitor in troop section.[16]

RCWS-30 [17] [18]
But we can find some changes on RCWS-30 too.

The Czech IFV version (KBVP) will be equipped with upgraded Rafael RCWS-30. Upgraded RCWS-30 include: 30mm ATK MK 44, optional launcher pod for two RAFAEL Spike-LR anti-tank/multi-purpose guided missiles, coaxial 7.62mm General-Purpose Machine Gun, and two triple (2×3) smoke grenade launcher tubes. Fire-ready ammunition accommodates 140 high-explosive (HE) and 60 armor-piercing (AP) 30mm rounds, 2 Spike-LR missiles, 460×7.62mm rounds, and 6×76.2mm smoke grenades. The missiles container is newly located vertically.

In contradistinction to "ordinary" RCWS-30, the Czech RCWS has 2 new CCD/IR cameras with rangefinder/laser designator with 360° coverage. The original camera was replaced by a new one and a second camera is mast-mounted on the right side of the RCWS (circa 3,5 meters above the ground). The commander's hatch visor was removed. With new mast-mounted camera the commander gained new ability to independently observe the surroundings and to seek and track enemies (commander can take over weapons's control or designate target for gunner). All Czech IFVs will be equipped with mast-mounted meteorological sensor with laser illumination warner connected to FCS. This mast-mounted system will be located on the left side of RCWS just like commander's independent thermal viewer.

Other differences
Czech Pandurs II 8x8 also include navigation, information, communication and identification system. The Pandurs without RCWS-30 will be unarmed or equipped with Rafael Mini-Samson RCWS-12.7 [19][20] or 120mm mortar. Rafael RCWSs bought by Czech republic: 78x RCWS-30, 14 RCWS-30 (with no Spike-LR missiles), 93 Mini-Samson RCWS units that carry 12.7mm machine gun. Its engine can be removed and replaced in 30 minutes.
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 12, 2007, 06:52:10 pm
Eu vou andar  c34x

Obrigado pelos esclarecimentos .
Concordo em ser errado falarem de cancelar contratos , se é assim "normal" , mas em parte acaba por tirar algum "valor" a viatura estas polémicas todas  :? , pelo menos aos olhos de alguns

Abraços
Título:
Enviado por: lurker em Dezembro 12, 2007, 11:48:53 pm
Traduzindo o que o Lancero disse em euros:
Portugal: 364M EUR por 260 veiculos
República Checa: 907M EUR por 324 veiculos.
Título:
Enviado por: Luso em Dezembro 13, 2007, 09:30:33 am
Citação de: "lurker"
Traduzindo o que o Lancero disse em euros:
Portugal: 364M EUR por 260 veiculos
República Checa: 907M EUR por 324 veiculos.


Traduzindo o que o Lurker disse traduzindo o Lancero:

Pandur Português = 1.4M€ (custo médio)
Pandur Checo = 2,8M€ (custo médio)

O pãoduro português é agarrado. Mas pode fazer sentido se a utilização dos nossos não os submeter a tantos perigos. Será que os checos os querem utilizar como IFV?
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 13, 2007, 11:41:47 pm
E o numero de "Pandures" já foi reduzido.
Pessoalmente acredito que continua a ser um numero demasiado.
Acredito que também se pensava em utilizar veículos Pandur onde hoje seria mais adequado utilizar os MRAP-I e II que até ficam mais baratos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Luso em Dezembro 14, 2007, 09:32:44 am
Citação de: "papatango"
E o numero de "Pandures" já foi reduzido.
Pessoalmente acredito que continua a ser um numero demasiado.
Acredito que também se pensava em utilizar veículos Pandur onde hoje seria mais adequado utilizar os MRAP-I e II que até ficam mais baratos.

Cumprimentos


Concordo. Essa também parece ser a razão dos "azedumes" checos com a Steyr. É o que dá o seguidismo cego em relação ao programa Stryker, quando já se demonstravam os problemas de IED. Não nego a utilidade dos Pandures mas parece-me que se estão a colocar os ovos no mesmo cesto. Ou não?
Título:
Enviado por: JLRC em Dezembro 14, 2007, 01:31:09 pm
Há qualquer coisa que não bate certo. Eu sempre tive a noção de que a encomenda checa era inferior a portuguesa, em numero de unidades. Quando vi a noticia de que eram mais de 300 fiquei admirado e procurei a confirmação. O que encontrei confirma a minha impressão anterior, a encomenda era de 199 unidades por $1,3 biliões. Aqui vai a noticia :

Citar
Czech Pandur II Order Scrapped
After scrapping a $1.3 billion contract to buy 199 Pandur II 8x8 armored vehicles from Austria, the Czech Defence Ministry invited the Austrian manufacturer Steyr to negotiate further actions. One option is to change the vehicle mix, opting for more 6x6 APCs instead of the heavier, more expensive 8x8 AFVs.

(Defense Update Newscast)
Título:
Enviado por: lurker em Dezembro 14, 2007, 01:31:46 pm
Citação de: "Luso"
O pãoduro português é agarrado. Mas pode fazer sentido se a utilização dos nossos não os submeter a tantos perigos. Será que os checos os querem utilizar como IFV?


Não tenho a certeza mas vi alguns comentários feitos por checos que me levam a pensar que sim.

JLRC,
de facto enganei-me. Eram 199 veiculos por 907M EUR.  :oops:
Título:
Enviado por: zecouves em Dezembro 14, 2007, 03:07:50 pm
Citação de: "Luso"
Citação de: "papatango"
E o numero de "Pandures" já foi reduzido.
Pessoalmente acredito que continua a ser um numero demasiado.
Acredito que também se pensava em utilizar veículos Pandur onde hoje seria mais adequado utilizar os MRAP-I e II que até ficam mais baratos.

Cumprimentos

Concordo. Essa também parece ser a razão dos "azedumes" checos com a Steyr. É o que dá o seguidismo cego em relação ao programa Stryker, quando já se demonstravam os problemas de IED. Não nego a utilidade dos Pandures mas parece-me que se estão a colocar os ovos no mesmo cesto. Ou não?


Se não estou errado, a ideia inicial e que julgo ainda ser a actual, foi a de organizar e equipar a Brigada de Intervenção segundo uma lógica de "Stryker Brigade à lá Tuga". Ora o problema é que o conceito Stryker ainda não tinha dado provas, tendo em conta que a primeira Stryker Brigade foi projectada para o Iraque em 2003, exactamente o ano em que foi lançado o concurso para as viaturas. Já para não falar da inexistencia de um sistema digital integrado de Comando, Controlo e Comunicações no Exército Português e ainda de colocar as MGS numa unidade de escalão Batalhão (Grupo de Auto-Metralhadoras) ao invés do US Army que coloca as MGS nas Companhias de Atiradores, ... enfim :roll:
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 14, 2007, 03:09:27 pm
http://www.defenseindustrydaily.com/cze ... 1810/#more (http://www.defenseindustrydaily.com/czechs-to-buy-199-pandur-ii-apcs-for-1-billion-01810/#more)

Explicativo e com todos os passos da questão checa.
Título:
Enviado por: P44 em Dezembro 18, 2007, 08:11:02 am
Voltanod á questão portuguesa, a fábrica do Barreiro continua a produzir Pandurs?

e a "meia-dúzia" que tinha defeitos, ainda não os resolveram???
Eram 2 semanas, certo? Quantas "2 semanas" já passaram desde a entrega abortada????

Querem lá ver que temos uma Novela NPO "transposta" para os Pandur?

Não eram só uma "meia-dúzia" que iam constituir a 1ª entrega ao Exército????

Se alguém puder exclarecer.... :roll:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 18, 2007, 09:18:59 am
Citação de: "P44"
Voltanod á questão portuguesa, a fábrica do Barreiro continua a produzir Pandurs?

e a "meia-dúzia" que tinha defeitos, ainda não os resolveram???
Eram 2 semanas, certo? Quantas "2 semanas" já passaram desde a entrega abortada????

Querem lá ver que temos uma Novela NPO "transposta" para os Pandur?

Não eram só uma "meia-dúzia" que iam constituir a 1ª entrega ao Exército????

Se alguém puder exclarecer.... :roll:


Citar
As primeiras sete viaturas blindadas de transporte de pessoal, rejeitadas no início de Outubro devido a múltiplas deficiências de fabrico, já estão prontas e foram aceites pelo Exército, revelaram ontem ao DN fontes ligadas ao processo.

Oficialmente, tanto o Ministério da Defesa como o Exército disseram que as Pandur 8x8 (oito rodas) "ainda estão em treinos". Na prática, e embora haja uma fonte a garantir que "está tudo tratado", faltarão entregar documentos comprovativos de que as sete viaturas passaram em todos os testes realizados. Mas, asseguraram diferentes fontes, o Exército já assumiu - "por escrito" - que as sete Pandur estão em condições de ser oficialmente recebidas.

Portugal devia receber 24 Pandur - algumas construídas pelo fabricante, a empresa austríaca Steyr - até ao fim do ano, mas os atrasos reduzem esse número ao máximo de nove, pois as unidades 08 e 09 (fabricadas pela empresa portuguesa Fabrequipa, a exemplo da 07) entram esta semana nos testes finais de campo.


www.dn.pt (http://www.dn.pt)
Título:
Enviado por: P44 em Dezembro 18, 2007, 10:21:48 am
Obrigado!

é noticia de hoje, presumo? :wink:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 18, 2007, 11:40:33 am
boas


sim, pode ir ver na edição online do diário de noticias


Cump.
Título:
Enviado por: P44 em Dezembro 21, 2007, 08:17:09 am
Portugal  
 
 

2007-12-21 - 00:00:00

Forças armadas: Ensaios em Santa Margarida
Pandur já disparam


Os responsáveis de uma empresa de armamento belga terminaram ontem, no Campo Militar de Santa Margarida, os testes de tiro com a peça de artilharia que pode equipar alguns dos blindados Pandur II, comprados pelo Governo português.


A demonstração visou dar a conhecer as capacidades e características técnicas do equipamento, mas o Exército demarcou-se da actividade. Isto porque os militares estão a analisar outra arma de características semelhantes, mas de fabrico italiano e preço mais baixo.

O Sistema de Armamento (SA) CT-CV testado em Santa Margarida, de calibre 105 mm, consiste numa torre giratória da família Cockerill, que oferece “elevada precisão de tiro e características únicas como ângulo alto de elevação”, assegura Paul Thonon, presidente da CMI Defence.

Ontem, foram disparados sete projécteis com a viatura imobilizada e em andamento. Todos atingiram os alvos estáticos e móveis.

Segundo a CMI Defence, o SA está equipado “com um sistema estável de observação diurna e nocturna que permite disparos em andamento, assim com contra alvos em movimento”.

A torre está preparada para dois militares, foi desenhada com o recurso aos modelos de arquitectura digitalizada da última geração e equipada com tecnologia Canbus, o que “oferece uma performance de alto nível, flexibilidade, modularidade e possíveis upgrades”, adiantam os técnicos da empresa belga.

No final da sessão de tiro, o protótipo da Pandur II 8x8 fez uma demonstração das capacidades de mobilidade. Ultrapassou um muro com 60 cm de altura, na vertical, uma vala com dois metros de largura, uma barreira com 60 por cento de inclinação e uma lagoa.

O objectivo foi demonstrar a versatilidade do veículo, adquirido pelo Estado para substituir os velhos Chaimite.

Das 260 unidades encomendadas, sete já foram entregues ao Exército. Como apresentavam deficiências técnicas, “continuam em testes” e não há ainda uma data definida para a recepção oficial, disse ao CM um porta-voz do Ministério da Defesa. Os Sistemas de Armamento, que também estão a ser testados, podem vir a equipar 33 blindados.  
Francisco Pedro

http://www.correiodamanha.pt/noticia.as ... idCanal=10 (http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=270741&idCanal=10)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 21, 2007, 11:03:12 am
Steyer garante que entregou sete Pandur

Os novos blindados que vão equipar o Exército estão a ser testados no Campo Militar de Santa Margarida.

O fabricante austríaco garante que entregou sete blindados, mas o porta-voz do Exército disse à RTP que "oficialmente" o ramo ainda não recebeu nenhuma.


video: http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?he ... 13&tema=27 (http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=315413&tema=27)
 :?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Dezembro 21, 2007, 11:35:08 am
Citar
Todos atingiram os alvos estáticos e móveis.

No vídeo da RTP julgo que há um tiro que falha...  :?

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 21, 2007, 12:30:42 pm
Não, ele acerta em cheio, simplesmente passa de um lado ao outro o alvo. :wink:
Título:
Enviado por: Adamastor em Dezembro 21, 2007, 02:51:11 pm
Citar
Defesa: Exército vai receber primeiros nove Pandur 8x8 no "princípio do ano" de 2008

- Os primeiros nove blindados Pandur 8x8, que vão substituir as "Chaimite", serão entregues "no princípio do ano" às Forças Armadas, anunciou hoje o ministro da Defesa num debate no Parlamento.

Nuno Severiano Teixeira garantiu hoje na Assembleia que as primeiras nove viaturas blindadas fabricadas pela Steyer na Áustria e em Portugal serão "entregues no princípio do ano".

A cerimónia de entrega ao Exército dos blindados chegou a estar marcada para o início de Outubro, mas foi adiada devido a falhas técnicas nas viaturas, que foram devolvidas à fábrica.

Desde então, a marca reparou as falhas e fez, nas últimas semanas, testes às Pandur, tendo já anunciado a entrega das primeiras sete viaturas ao Exército.

Hoje, na Assembleia, o ministro limitou-se a dizer que "estão a ser feitos testes" às viaturas e que, no final, serão recebidas pelas Forças Armadas.

No total, e de forma faseada, até 2010, vão ser entregues 260 blindados, dos quais 218 produzidos em Portugal, na Fabrequipa, no Barreiro, e os restantes na fábrica austríaca.

Grande parte dos blindados, 240, destina-se ao Exército e os restantes 20, de tipo anfíbio, aos Fuzileiros, da Marinha.

Até final do ano estava planeada a entrega às Forças Armadas portuguesas 24 viaturas blindadas, segundo disse à Lusa fonte da empresa.

A compra dos blindados Pandur foi acordada no início de 2005, ainda no tempo do ministro da Defesa do governo PSD/CDS-PP, Paulo Portas.


http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/atA ... uISKg.html (http://noticias.sapo.pt/lusa/artigo/atA%2FTb7Ng15yMSlXHuISKg.html)
Título:
Enviado por: zecouves em Dezembro 21, 2007, 04:29:06 pm
Relativamento aos "tiros" o "teste" foi somente  uma apresentação das capacidades da peça 105 mm. Quanto à viatura que tinha a peça 105 mm instalada, tenho sérias duvidas que fosse a que o Exército vá receber para o GAM.
Título: CT CV
Enviado por: tsahal em Dezembro 21, 2007, 06:14:36 pm
A PANDUR equipada com uma torre CT CV testada na BrigMec é uma PANDUR 8x8 utilizada como demonstrador pela Steyr GmbH. No entanto as outras 3 PANDUR 2 ICV que estão na BrigMec são as viaturas destinadas ao EP.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 21, 2007, 06:32:06 pm
Não em Sta. Margarida mas em testes anteriores em Allensteig, Áustria.


(http://img515.imageshack.us/img515/3553/1000073dh7.jpg)

(http://img141.imageshack.us/img141/5614/1000087iq9.jpg)

(http://img515.imageshack.us/img515/4715/1000096uo6.jpg)

(http://img513.imageshack.us/img513/6440/1010101pd0.jpg)
Título: Re: CT CV
Enviado por: ricardonunes em Dezembro 21, 2007, 09:04:20 pm
Citação de: "tsahal"
A PANDUR equipada com uma torre CT CV testada na BrigMec é uma PANDUR 8x8 utilizada como demonstrador pela Steyr GmbH. No entanto as outras 3 PANDUR 2 ICV que estão na BrigMec são as viaturas destinadas ao EP.


 :idea:

E fartam-se de dizer mal do Homem  :arrow:

Existirá/ia alguma possibilidade de transferir os Pandur já fabricados (para os Checos) para Portugal?
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 21, 2007, 09:31:12 pm
As especificações dos veículos checos são diferentes das dos portugueses.

Assim de memória, lembro-me de que os veículos checos creio que são todos anfíbios, o que não acontece com os portugueses, onde só são anfíbios os veículos da marinha.

Estou a falar de memória, posso estar errado.

Eu acho que o pessoal checo deve é ter entendido que comprar uma grande quantidade de Pandures caríssimos, numa altura em que os americanos estão a comprar veículos que custam entre 500.000 e 800.000 Euros e a aplicar-lhes blindagens que são tão boas ou melhores que as do Pandur.

Além disto, a tecnologia é de menor importância em ambientes de guerra assimétrica.

No entanto, com a recente saída da Russia do tratado CFE, eu não sei realmente se o desarmamento europeu não vai encontrar problemas no futuro.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Dezembro 21, 2007, 09:54:02 pm
Acho que eu é que coloquei mal a questão  :oops:

O que eu queria dizer, era, qual a possibilidade de virem os Pandur já produzidos (mesmo tendo em consideração o que o papatango já disse (especificações diferentes)), em vez de se estar á espera da produção do mesmo nrº de unidades para Portugal?
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 21, 2007, 09:58:00 pm
Relativamente aos testes do Pandur-II com a torre de 105mm, não dá a impressão de que o veículo está submotorizado ?
Fico com a impressão de que é muita torre para tão pouco carro.

Os disparos que vemos, pelo menos aqueles em que vemos o alvo, poderão ser de munição perfurante, mas não dá para ver se são todos.
A posição do veículo no último disparo também é curiosa, além de estranha...

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 21, 2007, 10:10:24 pm
O motor será o de 450 cv. que equipa os Pandur portugueses. Se não me engano a velocidade máxima é de cerca de 70 km/h. A velocidade máxima para disparo de munição APFSDS-T vai até aos 35 km/h (se não me engano novamente).

Não disponho de comparativos com outros veículos.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 22, 2007, 11:07:44 am
papatango
Citar
Eu acho que o pessoal checo deve é ter entendido que comprar uma grande quantidade de Pandures caríssimos, numa altura em que os americanos estão a comprar veículos que custam entre 500.000 e 800.000 Euros e a aplicar-lhes blindagens que são tão boas ou melhores que as do Pandur.


Já agora, caro papatango, poderia dizer que viaturas são essas  :?:
Título:
Enviado por: old em Dezembro 22, 2007, 11:17:46 am
Hola.

Estado buscando informacion por la red y en algunos foros se relaciona al Pandur con el BMR y viendo fotografias la verdad es que se parecen mucho. (solo los modelos 6 x 6)

Segun parece la colaboracion entre Santa Barbara Sistemas y Steyr-Daimler-Pusch comenzo con el Pandur, que era una copia del BMR y mas adelante se materializo con el Ascod (Austrian-Spanish Cooperative Development) fabricando los Pizarro/Ulan

La torre que llevan los Pandur II creo que es la misma que los Pizarro/Ulan Mauser MK II de 30 mm Fabricadas en España (Asturias concretamente)

Solo era una observacion. Un saludo
Título:
Enviado por: Iris-t em Dezembro 22, 2007, 01:09:13 pm
GD-Santa Bárbara Sistemas, recibió un pedido para la fabricación de los cañones MK-30, idénticos a los ASCOD "Pizarro", para lo Pandur II portugueses, osea no sólo es que el cañón sea el mismo, sino que además lo fabrica el mismo proveedor.

23/02/2006)   General Dynamics Santa Bárbara Sistemas recibe un pedido para fabricar 30 sistemas de armas

MADRID.- General Dynamics Santa Bárbara Sistemas (GD SBS) ha recibido un contrato de la compañía austriaca Steyr Spezialfahrzeug para el suministro de un primer pedido de 30 sistemas de armas con cañones Mk-30/2.
 
Santa Bárbara Sistemas y Steyr forman, junto a la empresa suiza MOWAG A.G., la unidad de negocio europea de sistemas de combate terrestre de General Dynamics (General Dynamics European Land Combat Systems).

La Fábrica de Oviedo se responsabilizará de la fabricación de estos cañones Mauser Mk-30/ 2, muy similares al sistema de armas que monta el vehículo de combate Pizarro que Santa Bárbara Sistemas está fabricando para el Ejército de Tierra español.

El contrato representa cerca de 15.000 horas de trabajo, al incluir la fabricación del tubo, el doble alimentador y las pruebas del montaje del cañón, lo que requiere una elevada especialización.

La transferencia de este contrato junto a otros ya asignados garantizan que la carga de trabajo de la fábrica de Oviedo sea del 100% durante el año 2006.
 
El contrato asignado a GD SBS forma parte a su vez del adjudicado por el Gobierno de Portugal a Steyr para la fabricación de 260 unidades del vehículo  8 x 8 Pandur II por un valor total de 344 millones de euros.

 El pedido recibido por GD SBS  ha sido posible gracias a la ampliación en 2004 de la  licencia adquirida a Mauser para la fabricación de estos sistemas y la homologación de las instalaciones de Santa Bárbara Sistemas.

http://www.gdsbs.com/web/frame.asp (http://www.gdsbs.com/web/frame.asp)
Título:
Enviado por: lurker em Dezembro 23, 2007, 04:08:46 am
Neste notícia (http://http) no Correio da Manhã diz que o Exército está a estudar um alternativa à torre CT-CV de origem italiana.

Alguém quer especular sobre que torre será? A mesma que equipa os Centauro?
Título: torre
Enviado por: tsahal em Dezembro 23, 2007, 10:48:55 am
Sim é verdade, trata-se do sistema de armas HITFACT 105/L52 da empresa Oto Melara SpA (grupo Finmeccanica). No entanto, estão a decorrer negociações para serem feitos os testes de integração da torre no PANDUR 2 e respectivos testes de tiro.

Até Junho de 2008, o MDN terá que tomar uma decisão sobre se quer ou não efectuar a opção de compra de 33 PANDUR MGS ou não e com qual modelo de sistema de armas (CT CV ou HITFACT).
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Dezembro 23, 2007, 10:58:45 am
Sobre a MGS remeto para a FAM de Dezembro onde vem abordado o assunto, nomeadamente sobre as versões das VBR a receber e quantitades.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 24, 2007, 12:53:57 pm
Citar
Já agora, caro papatango, poderia dizer que viaturas são essas
Eu refiro-me aos veículos MRAP.
Considerando as necessidades operacionais e a necessidade de evitar baixas a todo o custo em operações de paz, veículos como o Pandur são demasiado caros.

Um MRAP bem protegido, fica mais barato, faz o mesmo.

= = =

Citação de: "old"
Segun parece la colaboracion entre Santa Barbara Sistemas y Steyr-Daimler-Pusch comenzo con el Pandur, que era una copia del BMR y mas adelante se materializo con el Ascod (Austrian-Spanish Cooperative Development) fabricando los Pizarro/Ulan
Seria interessante conhecer os indicios que apontam nesse sentido.
A única coisa parecida entre o BMR e o Pandur-I parece ser o facto de ambos terem seis rodas.

De qualquer forma, o Pandur-II pouco tem a ver com a primeira versão do Pandur, a qual eventualmente poderia ter algum tipo de parecença ainda que remota com o BMR.

Mas mesmo aí, as dimensões características, ângulos das laterais, tipo de material, numero de tripulantes etc..., parece que dificilmente poderiam apontar nesse sentido.

No entanto, todos os veículos 6x6 têm algum ponto parecido com outros mas enquanto o VEC é ainda um veículo feito para transportar tropas o Pandur é dos primeiros veículos que se apresenta como VCI.
São conceitos distintos, que explicam as enormes diferenças e que naturalmente deixam com um sorriso nos lábios, quando vemos coisas escritas como "o Pandur é uma cópia do BMR"  :mrgreen:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 10, 2008, 04:14:24 pm
não sei se alguem deu por esta

Citar
Despacho do Almirante Chefe de Estado-Maior da Armada nº 29 111/2007, de 21 de Dezembro

No uso da autorização que me é conferida pelo Despacho nº 202/MDN/07 de 26SET, do Ministro da Defesa Nacional, e ao abrigo dos artigos 35º e 36º do Código do Procedimento Administrativo, subdelego no Superintendente dos Serviços do Material, Vice-almirante JOSÉ JOAQUIM CONDE BAGUINHO, as competências relativas à execução dos testes de aceitação provisória e à assinatura dos protocolos de aceitação da recepção provisória das Viaturas Blindadas de Rodas 8X8 anfíbias.

(Publicado no Diário da República, II Série, nº 246, de 21 de Dezembro de 2007, pelo Ministério da Defesa Nacional – Marinha – Gabinete do Chefe de Estado-Maior da Armada)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 10, 2008, 04:31:33 pm
Citação de: "P44"
não sei se alguem deu por esta

Citar
Despacho do Almirante Chefe de Estado-Maior da Armada nº 29 111/2007, de 21 de Dezembro

No uso da autorização que me é conferida pelo Despacho nº 202/MDN/07 de 26SET, do Ministro da Defesa Nacional, e ao abrigo dos artigos 35º e 36º do Código do Procedimento Administrativo, subdelego no Superintendente dos Serviços do Material, Vice-almirante JOSÉ JOAQUIM CONDE BAGUINHO, as competências relativas à execução dos testes de aceitação provisória e à assinatura dos protocolos de aceitação da recepção provisória das Viaturas Blindadas de Rodas 8X8 anfíbias.

(Publicado no Diário da República, II Série, nº 246, de 21 de Dezembro de 2007, pelo Ministério da Defesa Nacional – Marinha – Gabinete do Chefe de Estado-Maior da Armada)


 :arrow: http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... &start=135 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=1047&start=135)
Título:
Enviado por: Daniel em Janeiro 23, 2008, 04:31:21 pm
Meus amigos e que é feito dos nossos Pandur  :!:  c34x
Título:
Enviado por: HSMW em Janeiro 23, 2008, 09:10:46 pm
Citação de: "Daniel"
Meus amigos e que é feito dos nossos Pandur  :!:  c34x


Já cá estão!  :feliz:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 23, 2008, 09:13:16 pm
Este fim de semana julgo tê-los visto em Alcochete. Mas estavam bem lá ao fundo (quase ao pé das sucatas) e eu passei de carro na estrada.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 23, 2008, 09:14:25 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Daniel"
Meus amigos e que é feito dos nossos Pandur  :!:  c34x

Já cá estão!  :?:
Título:
Enviado por: HSMW em Janeiro 23, 2008, 09:31:54 pm
Um MRAP bem protegido, fica mais barato, faz o mesmo.

Faz o mesmo?  :Esmagar:
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 24, 2008, 12:16:33 am
Citar
Considerando as necessidades operacionais e a necessidade de evitar baixas a todo o custo em operações de paz, veículos como o Pandur são demasiado caros.

Um MRAP bem protegido, fica mais barato, faz o mesmo.


As necessidades operacionais de tropas que estão no terreno para servir básicamente de policia não requerem nada mais que um veículo do tipo MRAP.

Os exércitos que não os têm optam por utilizar veículos blindados de infantaria. Para patrulhar a moirama, o MRAP chega a estar melhor protegido.
E de nada adianta as versões de apoio de fogo e de engenharia, quando o principal problema são as bombas que rebentam com os veículos como aconteceu com os espanhóis.
Título:
Enviado por: Daniel em Janeiro 24, 2008, 01:12:46 pm
HSMW
Citar
Já cá estão!



Foto, Fotos Fotosssssssss  :G-Ok:
Título:
Enviado por: LM em Janeiro 24, 2008, 04:35:38 pm
Citar
As necessidades operacionais de tropas que estão no terreno para servir básicamente de policia não requerem nada mais que um veículo do tipo MRAP.

Os exércitos que não os têm optam por utilizar veículos blindados de infantaria. Para patrulhar a moirama, o MRAP chega a estar melhor protegido.
E de nada adianta as versões de apoio de fogo e de engenharia, quando o principal problema são as bombas que rebentam com os veículos como aconteceu com os espanhóis.


As vezes o meu receio é que, em especial com forças armadas de recursos muito limitados como nós, se esqueça que o objectivo primário das ForArm é fazer a guerra e não investir a maioria dos recursos em "patrulhar a moirama"... talvez se a decisão de comprar APC/IFV fosse tomada agora seria ter apenas MRAP (mais uteis neste momento) e nunca teriamos os Pandur, sem uso imediato à vista... até que ponto estamos a planear ForArm demasiado "policiais" e ligeiras?
Título:
Enviado por: lurker em Janeiro 24, 2008, 10:06:42 pm
Caro LM,
a meu ver o dever das FA é fazer o que for preciso ao país.
Se for preciso ao país participar em missões de manutenção de paz em cenários de ameaças assimétricas contida, seja e que tenhamos os meios necessários.

Dito isto, concordo consigo que não podemos subestimar a necessidade de meios convencionais nunca: o conflito assimétrico é um recurso de um inimigo que está totalmente (quiçá, à partida) derrotado do ponto de vista tático.


Contudo, não creio que estejamos no caminho de tornar as nossas FA demasiado leves.
Por exemplo, ainda recentemente e sob o actual governo se decidiu
a) adquirir 37 Leopard 2A6
b) continuar a estudar a possibilidade de adquirir mais 33 Pandur II armados com peça de 105 mm
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 25, 2008, 08:18:38 am
Citação de: "Daniel"
HSMW
Citar
Já cá estão!


Foto, Fotos Fotosssssssss  :G-Ok:


X2
Título: LEO 2A6
Enviado por: tsahal em Janeiro 26, 2008, 06:07:43 pm
Verdadeiramente serão 35 CCs com a peça de 120mm porque os restantes dois serão da versão de treino para condução.
Título: Re: LEO 2A6
Enviado por: Duarte em Janeiro 26, 2008, 06:27:04 pm
Citação de: "tsahal"
Verdadeiramente serão 35 CCs com a peça de 120mm porque os restantes dois serão da versão de treino para condução.


Já se sabe qual a atribuição orgânica dos Leopard? 13 por ECC (2 x 13) mais 9 no ERec? = 35
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 29, 2008, 12:41:43 pm
Ministério marcou o dia 31 para a cerimónia de recepção dos primeiros 'Pandur' no DGME.
Título:
Enviado por: Scarto em Janeiro 29, 2008, 01:54:58 pm
Já algum tempo que sigo o fórum,mas só agora me registrei..  ;)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 29, 2008, 07:45:55 pm
O pessoal do Ribatejo está "convocado" para lá irem tirar umas fotos. :mrgreen:

Citação de: "Miguel Silva Machado"
Parece que desta vez é a sério!

31JAN2008: Cerimónia de Recepção Viaturas Blindadas de Rodas “PANDUR”, no Depósito Geral de Material do Exército (Benavente).
(Fonte: MDN)
Um Abraço,
MMachado


Fonte: http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=1374 (http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=1374)
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Janeiro 29, 2008, 07:49:32 pm
Citação de: "PereiraMarques"
O pessoal do Ribatejo está "convocado" para lá irem tirar umas fotos. :cry:
Sexta-feira ainda é dia de aulas, senão...
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 29, 2008, 08:54:36 pm
tb está no site oficial do MDN

http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/agenda/ (http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/agenda/)

Citar
Agenda
Janeiro 08

31.01.2008
- Ministro da Defesa preside à Cerimónia de Recepção Viaturas Blindadas de Rodas “PANDUR”, no Depósito Geral de Material do Exército (Benavente)

- Secretário de Estado na Apresentação da Proposta de Lei 168/X (relativa ao novo modelo de recenseamento militar), na Assembleia da República
Título: Re: LEO 2A6
Enviado por: Miguel em Janeiro 29, 2008, 09:02:19 pm
Citação de: "Duarte"
Citação de: "tsahal"
Verdadeiramente serão 35 CCs com a peça de 120mm porque os restantes dois serão da versão de treino para condução.

Já se sabe qual a atribuição orgânica dos Leopard? 13 por ECC (2 x 13) mais 9 no ERec? = 35


As unidades Panzer utilizam esquadroes de carros de combate com 10 leopardII

3 pelotoes de 3 Tanques e 1 tanque para o capitao/comandante do esquadrao

E que tal uma organizaçoa identica na nossa BriMec??

3 esquadroes de 10 Leo = 30 LeopardsII no GCC ficando os outros 7 em reserva/instruçao.

Na Suiça parecem utilizar a mesma organizaçao.
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 30, 2008, 02:44:56 pm
Um pormenor,

Amanhã serão aceites nove (9) viaturas. A cerimónia é às 16h00.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 30, 2008, 02:49:28 pm
para quem for, que traga fotos. Pessoal agradece  :wink:  :wink:
Título:
Enviado por: André em Janeiro 31, 2008, 02:05:02 pm
Exército recebe hoje primeiras viaturas Pandur II

Citar
O ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, preside hoje, em Benavente, à cerimónia de entrega das primeiras nove viaturas blindadas sobre rodas «Pandur II», que serão atribuídas ao exército.
O programa de aquisição de 260 dessas viaturas, inscrito na Lei de Programação Militar, tem como finalidade «dotar o Exército e a Marinha de viaturas modernas, com elevada capacidade e versatilidade de emprego operacional e níveis adequados de segurança e protecção», esclarece o Ministério da Defesa.

As novas viaturas blindadas, para além de modernizarem as Forças Armadas, vão permitir a «racionalização dos meios e uma efectiva capacidade de combate em todo o tipo de missões».

Este tipo de viaturas blindadas sobre rodas «habilita Portugal a participar com os seus aliados em operações conjuntas e combinadas, com meios idênticos em tecnologia e capacidade operacional», acrescenta.

As viaturas, num total de 260, vão equipar as unidades de manobra, de apoio de combate e de serviços da Brigada de Intervenção do Exército e uma força de escalão companhia da Armada.

A entrega ao Exército das primeiras viaturas blindadas Pandur II, prevista para Outubro de 2007, foi cancelada pelo ministro da Defesa porque algumas unidades fabricadas na Áustria deixavam entrar água no seu interior.

As viaturas em questão devem ser totalmente estanques, mas os testes realizados mostraram que entrava água em pelo menos duas viaturas.

O lançamento do concurso, com selecção de propostas para negociação destinado à aquisição de Viaturas Blindadas de Rodas 8x8, para equipar o Exército e a Marinha, foi anunciado em Agosto de 2003.

No entanto, só a 15 de Fevereiro de 2005 o Ministério da Defesa assinou, com o grupo Steyr-Daimler-Puch, o contrato de fornecimento das novas viaturas blindadas de rodas (VBR) para o Exército e Marinha.

O contrato, assinado pelo Director-Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa, Coronel de Infantaria Fernando Serafino, por delegação do Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Paulo Portas, prevê o fornecimento de 260 «VBR 8x8», de 2006 até 2009, com opção sobre mais 33 viaturas.

Do conjunto de viaturas Pandur II, que vêm substituir as Chaimite, utilizadas na guerra colonial, na década de 1960, 240 destinam-se ao Exército e as outras 20, do tipo anfíbio, à Marinha.

Em paralelo, foi assinado um contrato de contrapartidas, no valor de 516 milhões de euros.

Estas contrapartidas prevêem o fabrico parcial das viaturas em Portugal, empregando cerca de 190 antigos trabalhadores da fábrica da Bombardier, que foram contratados pelo Grupo de Operações Metalomecânicas (GOM), empresa parceira da Steyr, criada para o efeito.

O contrato prevê ainda que a EID, empresa da holding pública Empordef, produza os sistemas de comunicações, intercomunicação e de comando e controlo das VBR.

Diário Digital / Lusa
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 31, 2008, 02:56:03 pm
Citar
Army Receives First Pandur II 8x8 Wheeled Armored Vehicles
 
 
(Source: Portuguese Ministry of Defence; issued Jan. 30, 2008)
   
 
 (Issued in Portuguese only; unofficial translation by defense-aerospace.com)
 
 
 
 The Minister of Defence will today, January 31, at 16:00, preside over the ceremony marking the delivery to the Portuguese Army of the first nine Pandur II 8x8 wheeled armoured vehicles, designated VBR.  
 
The acquisition program for the Army’s VBR is part of the multiyear procurement blueprint which aims to provide the Army and Navy with modern equipment, combining high operational capabilities and flexibility with adequate levels of security and protection.  
 
This program, moreover, also aims to modernize the armed forces, allowing them to rationalize their equipment and to attain an effective combat capability, in all types of missions, thus allowing Portugal to take part in joint and combined operations with its allies, with equipment having comparable technology levels and operational capabilities.  
 
The competition to select proposals for new 8x8 wheeled armored vehicles to equip the Army and Navy was announced in August 2003. These vehicles will equip maneuver units, combat support units and support units of the Army’s Intervention Brigade, and the Navy’s marine infantry battalion.  
 
-ends-  

 http://www.defense-aerospace.com/cgi-bi ... ele=jdc_34 (http://www.defense-aerospace.com/cgi-bin/client/modele.pl?session=dae.22541138.1156764375.RPLS18Oa9dUAAD5fiMo&modele=jdc_34)
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 31, 2008, 07:18:23 pm
Citar
Defesa: Novas viaturas blindadas "Pandur II" representam "novo ciclo histórico" - Severiano Teixeira  



    Lisboa, 31 Jan (Lusa) - O ministro da Defesa, Severiano Teixeira, afirmou hoje, em Benavente, durante a cerimónia de entrega das primeiras nove viaturas blindadas "Pandur II" ao exército, que se assistia a um "novo ciclo histórico" no reequipamento das Forças Armadas.  

     

    O governante recordou que as "Pandur" vão substituir as viaturas "Chaimite", ao serviço do Exército nos últimos 40 anos, e que passaram por teatros operacionais tão distantes como a Guerra de África, Bósnia, e até como símbolo do 25 de Abril.  

     

    Depois de destacar a "versatilidade, segurança, capacidade e adaptação" das viaturas blindadas às novas missões do Exército, disse que estes equipamentos são "símbolos do novo espírito" exigido pelas novas missões internacionais das Forças Armadas ao lado dos aliados da UE e da NATO.  

     

    Severiano Teixeira reiterou que a Lei de Programação Militar (LPM) está em desenvolvimento e que o governo continua "profundamente empenhado" na modernização das Forças Armadas.  

     

    O custo total das 260 viaturas ascende a 344,211 milhões de euros, para além de outros 20 milhões de euros em contrato de sobressalentes.  

     

    O programa de aquisição destas 260 novas viaturas "Pandur", 20 das quais para a Armada, inscrito na Lei de Programação Militar, tem como finalidade "dotar o Exército e a Marinha de viaturas modernas, com elevada capacidade e versatilidade de emprego operacional e níveis adequados de segurança e protecção".  

     

    As novas viaturas aerotransportadas blindadas, para além de modernizarem as Forças Armadas, vão permitir a "racionalização dos meios e uma efectiva capacidade de combate em todo o tipo de missões", de acordo com o ministério da Defesa.  

     

    Este tipo de viaturas, em 16 versões diferentes, "habilitam Portugal a participar com os seus aliados em operações conjuntas e combinadas, com meios idênticos em tecnologia e capacidade operacional", sublinhou o governante.

     

    A entrega ao Exército das primeiras viaturas blindadas "Pandur II", prevista para Outubro de 2007, foi cancelada pelo ministro da Defesa porque algumas unidades fabricadas na Áustria deixavam entrar água no seu interior.

     

    As viaturas devem ser totalmente estanques, mas os testes realizados nessa ocasião mostraram que entrava água em pelo menos duas viaturas.  

     

    O lançamento do concurso, com selecção de propostas para negociação destinado à aquisição de Viaturas Blindadas de Rodas 8x8, para equipar o Exército e a Marinha, foi anunciado em Agosto de 2003.  

     

    No entanto, só a 15 de Fevereiro de 2005 o Ministério da Defesa assinou, com o grupo Steyr-Daimler-Puch, o contrato de fornecimento das novas viaturas blindadas de rodas (VBR) para o Exército e Marinha.  

     

    O contrato, assinado pelo Director-Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa, Coronel de Infantaria Fernando Serafino, por delegação do Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Paulo Portas, prevê o fornecimento de 260 "VBR 8x8", de 2006 até 2009, com opção sobre mais 33 viaturas.  

     

    Em paralelo, foi assinado um contrato de contrapartidas, no valor de 516 milhões de euros.  

     

    Estas contrapartidas prevêem o fabrico parcial das viaturas em Portugal, empregando cerca de 190 antigos trabalhadores da fábrica da Bombardier, que foram contratados pelo Grupo de Operações Metalomecânicas (GOM), empresa parceira da Steyr, criada para o efeito.  

     

    O contrato prevê ainda que a EID, empresa da "holding" pública Empordef, produza os sistemas de comunicações, intercomunicação e de comando e controlo das VBR.  

     

    O ministro da Defesa agradeceu no final da cerimónia ao fabricante austríaco "Steyer-Daymler", agora pertencente à norte-americana "General Dynamics", aos técnicos militares e ao parceiro português Fabrequipa, responsável pela montagem em Portugal de 215 dessas viaturas.  

   



Fotos mais logo  :wink:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 31, 2008, 08:05:12 pm
(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/b63f0dac.jpg)

(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/fa6f2d56.jpg)

(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/6ab486eb.jpg)

(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/10d819d3.jpg)

(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/9652fe46.jpg)

Citar
Cerimónia de recepção das primeiras 9 da 260 viaturas blindadas Pandur II, 31 de Janeiro de 2008, no Depósito Geral de Material do Exército, em Benavente. JOÃO RELVAS/LUSA
Título:
Enviado por: Aim em Janeiro 31, 2008, 08:38:46 pm
cax23
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2008, 09:29:03 pm
(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/fa6f2d56.jpg)

Impressão minha, ou para a apresentação contrataram os "minões"  :mrgreen:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 31, 2008, 09:39:45 pm
Para caber os 8 lá dentro...
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2008, 09:50:22 pm
Citação de: "Lancero"
Para caber os 8 lá dentro...


Bem me parecia :mrgreen:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 31, 2008, 10:02:00 pm
Penso que é uma moça :mrgreen: . Mas pode ir à EPI perguntar porque a secção veio de lá.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2008, 10:13:59 pm
Citação de: "Lancero"
Penso que é uma moça :wink: , só achei piada á disparidade de alturas, mas secalhar é por isso que estava a escotilha de trás aberta, ou será que o Pereira foi convidado para a festa  c34x
Título:
Enviado por: Adamastor em Janeiro 31, 2008, 10:22:38 pm
Foi transmitida alguma reportagem nos Telejornais sobre a cerimónia de entrega?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 31, 2008, 10:24:09 pm
Pelo menos na RTP1 e na TVI sim.
Título:
Enviado por: MERLIN em Janeiro 31, 2008, 10:33:29 pm
Para o nosso Exército, o natal foi esta semana :lol:  LEO, Pandur...
Até que enfim que alguma coisa mexe!
Cumtos
Título:
Enviado por: ricardonunes em Janeiro 31, 2008, 10:35:47 pm
Foram entregues nove, alguém tem noção de como vai ser feita a distribuição dos ditos :?:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 31, 2008, 11:39:57 pm
Mais uma vez, não quero comentários à qualidade Nokia  c34x




(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/Img021.jpg)
A malta da PE - que parece ter MP5 PDW com fartura.

(http://i184.photobucket.com/albums/x105/lancero_photos/janeiro/Img012.jpg)
E no mesmo armazém... Serviram-nos bem! (versão V-600 porta-morteiro 81mm à direita)
Título:
Enviado por: comanche em Janeiro 31, 2008, 11:47:06 pm
Defesa: Novas viaturas blindadas "Pandur II" representam "novo ciclo histórico" - Severiano Teixeira

Citar
Lisboa, 31 Jan (Lusa) - O ministro da Defesa, Severiano Teixeira, afirmou hoje, em Benavente, durante a cerimónia de entrega das primeiras nove viaturas blindadas "Pandur II" ao exército, que se assistia a um "novo ciclo histórico" no reequipamento das Forças Armadas.

O governante recordou que as "Pandur" vão substituir as viaturas "Chaimite", ao serviço do Exército nos últimos 40 anos, e que passaram por teatros operacionais tão distantes como a Guerra de África, Bósnia, e até como símbolo do 25 de Abril.

Depois de destacar a "versatilidade, segurança, capacidade e adaptação" das viaturas blindadas às novas missões do Exército, disse que estes equipamentos são "símbolos do novo espírito" exigido pelas novas missões internacionais das Forças Armadas ao lado dos aliados da UE e da NATO.

Severiano Teixeira reiterou que a Lei de Programação Militar (LPM) está em desenvolvimento e que o governo continua "profundamente empenhado" na modernização das Forças Armadas.

O custo total das 260 viaturas ascende a 344,211 milhões de euros, para além de outros 20 milhões de euros em contrato de sobressalentes.

O programa de aquisição destas 260 novas viaturas "Pandur", 20 das quais para a Armada, inscrito na Lei de Programação Militar, tem como finalidade "dotar o Exército e a Marinha de viaturas modernas, com elevada capacidade e versatilidade de emprego operacional e níveis adequados de segurança e protecção".

As novas viaturas aerotransportadas blindadas, para além de modernizarem as Forças Armadas, vão permitir a "racionalização dos meios e uma efectiva capacidade de combate em todo o tipo de missões", de acordo com o ministério da Defesa.

Este tipo de viaturas, em 16 versões diferentes, "habilitam Portugal a participar com os seus aliados em operações conjuntas e combinadas, com meios idênticos em tecnologia e capacidade operacional", sublinhou o governante.

A entrega ao Exército das primeiras viaturas blindadas "Pandur II", prevista para Outubro de 2007, foi cancelada pelo ministro da Defesa porque algumas unidades fabricadas na Áustria deixavam entrar água no seu interior.

As viaturas devem ser totalmente estanques, mas os testes realizados nessa ocasião mostraram que entrava água em pelo menos duas viaturas.

O lançamento do concurso, com selecção de propostas para negociação destinado à aquisição de Viaturas Blindadas de Rodas 8x8, para equipar o Exército e a Marinha, foi anunciado em Agosto de 2003.

No entanto, só a 15 de Fevereiro de 2005 o Ministério da Defesa assinou, com o grupo Steyr-Daimler-Puch, o contrato de fornecimento das novas viaturas blindadas de rodas (VBR) para o Exército e Marinha.

O contrato, assinado pelo Director-Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa, Coronel de Infantaria Fernando Serafino, por delegação do Ministro de Estado, da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar, Paulo Portas, prevê o fornecimento de 260 "VBR 8x8", de 2006 até 2009, com opção sobre mais 33 viaturas.

Em paralelo, foi assinado um contrato de contrapartidas, no valor de 516 milhões de euros.

Estas contrapartidas prevêem o fabrico parcial das viaturas em Portugal, empregando cerca de 190 antigos trabalhadores da fábrica da Bombardier, que foram contratados pelo Grupo de Operações Metalomecânicas (GOM), empresa parceira da Steyr, criada para o efeito.

O contrato prevê ainda que a EID, empresa da "holding" pública Empordef, produza os sistemas de comunicações, intercomunicação e de comando e controlo das VBR.

O ministro da Defesa agradeceu no final da cerimónia ao fabricante austríaco "Steyer-Daymler", agora pertencente à norte-americana "General Dynamics", aos técnicos militares e ao parceiro português Fabrequipa, responsável pela montagem em Portugal de 215 dessas viaturas.

Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 01, 2008, 10:35:48 am
Exército está a operar novos blindados Pandur

Duzentos e quinze veículos vão ser construídos em Portugal no total. O contrato ronda os 360 milhões de euros.

A entrega oficial das primeiras nove viaturas teve lugar em Alcochete, esta quinta-feira, três meses depois da data prevista.


video: http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?he ... 90&tema=27 (http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=323790&tema=27)
Título:
Enviado por: Menacho em Fevereiro 01, 2008, 04:52:34 pm
Enhorabuena, es una boa maquina......... :wink:

!!FelicitaÇoes!!
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 01, 2008, 04:54:55 pm
Menacho e vocês? Há novidades?
Título:
Enviado por: typhonman em Fevereiro 04, 2008, 05:36:31 pm
Hoje li a Revista do RC-6 (Regimento de Cavalaria nº6) aonde vem um artigo sobre o "Centauro" 8*8 105 mm, neste artigo o autor exprime a hipótese de este ser um concorrente para a aquisição de 33 viaturas com torre de 105mm caso não se opte por colocar as mesmas ao PANDUR.
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 04, 2008, 06:52:59 pm
O sistema HITFACT 105/52 da Oto Melara SpA é com a CT CV da CMI Defence, o outro concorrente para a opção de 33 MGS.
Título:
Enviado por: André em Fevereiro 08, 2008, 09:29:21 pm
Relatório prova que blindados metem água...[/color]

Citar
Os blindados Pandur II que Portugal comprou têm graves problemas técnicos. Metem água pelos periscópios, pelos faróis e pela rampa traseira. O SOL noticiou o facto na última edição, mas o ministro da Defesa desmentiu. Sucede que a notícia era rigorosamente verdadeira, como prova um relatório militar de 29 de Janeiro, que hoje reproduzimos.

Dois dias antes de o ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, apresentar as novas viaturas blindadas de rodas 8x8 (VBR Pandur II), na semana passada, o Ministério da Defesa Nacional (MDN) foi informado pelo Estado-Maior do Exército da existência de um relatório, elaborado durante a fase de instrução na Escola Prática de Cavalaria, que denunciava o facto de os novos «blindados meterem água». Assinado pelo coronel Viriato Amaral, comandante da Escola Prática de Cavalaria, o relatório de cinco páginas foi distribuído pelo Comando de Instrução, Comando da Logística e Estado-Maior do Exército (EME).

O SOL teve acesso ao documento. E sabe que a informação foi comunicada à Direcção Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa, do MDN, a 29 de Janeiro.

Relatório da verdade

A 2 de Fevereiro o SOL publicou que as Pandur II – protótipo cuja aquisição à empresa austríaca Steyr custará 364,211 milhões de euros – têm problemas técnicos e que os «blindados metem água». No mesmo dia, o MDN «desmente categoricamente essa afirmação». O coronel Amaral não desmentiu ao SOL a existência do relatório, mas remeteu para o EME qualquer comentário. O documento explica: «Entra água pelos periscópios» e «entra água pela rampa traseira» das VBR. Quando são abertos os bujons de drenagem, «sai água em quantidade abundante», além de que «entra água no compartimento do motor», e «nos faróis». O computador de diagnóstico de anomalias dá «sinal de que as baterias não estão a carregar». O «sistema central de insuflação de pneus está avariado». Os «pneus desgastam-se com facilidade». Em «duas viaturas encontraram-se problemas nos guinchos». Em outra, a «rampa traseira embateu violentamente no chão», quando deveria permanecer suspensa acima do solo. A «pintura das viaturas sai facilmente». Como o SOL noticiou, duas viaturas atascaram e, após recurso aos guinchos, rebentaram o tubo hidráulico – danificando a direcção e imobilizando os veículos.

SOL
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 08, 2008, 09:36:25 pm
Isto a ser mesmo assim.............


(http://img205.imageshack.us/img205/2277/963yp5.gif)

Alguém está a precisar de levar com o porrete pelo lombo abaixo :evil:
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Fevereiro 08, 2008, 10:15:34 pm
Espanto!!! Como é possível??? :roll:  :(

Então e as Comissões de Acompanhamento, o que andaram a fazer??
E a recepção técnicas das viaturas??!!

Isto só num pais de 4º mundo!
Incompetências, falta de profissionalismo?...

Por favor mandem o contrato dos Pandur às urtigas! Cá para mim o Ministro Severiano Teixeira ainda vai condecorar os fabricantes destes Abortos!
Lembrem-se do que se passou com a encomenda de Pandur´s para os Checos.
Mais valia termos comprado VBR Patria.

Cumprimentos

Francisco Ferreira
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 08, 2008, 10:17:42 pm
A reacção do MDN à 1.ª notícia

Citar
Nota à Comunicação Social sobre notícia publicada no Sol, em 2 de Fevereiro
Face à notícia publicada no dia 2 de Fevereiro, na página 12 do semanário Sol, com o título "Blindados metem água", importa esclarecer o seguinte:

1. Em relação ao título, “Blindados metem água”, o Ministério da Defesa Nacional (MDN) desmente categoricamente essa afirmação. As Viaturas Blindadas de Rodas 8x8 Pandur II foram sujeitas a um conjunto variado de testes, para garantir que as viaturas se encontravam em perfeitas condições de serem entregues, de acordo com os requisitos contratualmente acordados entre as partes. A estanquicidade faz, naturalmente, parte desses requisitos. A assinatura do protocolo de aceitação dos referidos equipamentos só foi realizada após se ter a garantia de que as viaturas cumpriam todos esses requisitos.

Sobre esta matéria, portanto, também é falso que o Ministro da Defesa tenha “mudado de ideias”. A razão que levou o MDN a cancelar a entrega em Outubro é a mesma que o levou a aceitá-las neste momento: o cumprimento rigoroso de todos os requisitos previstos no contrato, que só agora se verifica.

2. Também se desmente categoricamente a informação de que “Portugal fica com viaturas militares que a República Checa recusa”. Tratam-se de dois programas perfeitamente distintos e as viaturas contratualizadas por Portugal e pela República Checa têm requisitos e tipologias diferentes, não fazendo sentido a afirmação publicada pelo Sol.

3. Sobre a notícia de que “Atrasos não motivam penalidades”, esclarece-se que houve, de facto, ajustes no calendário de entrega das viaturas, nem sempre imputadas a apenas uma das partes, mas que os referidos ajustes salvaguardam o respeito da data de término do projecto. A aplicação de penalidades é um direito contratual do qual o MDN não abdica e que aplicará, nos termos contratuais, quando considerar estarem reunidas todas as condições legais para o fazer.

4. Informa-se ainda que não é verdade que Portugal seja o único País (além da República Checa) a assinar o contrato de aquisição destas viaturas. Este fabricante tem vindo a produzir esta viatura, em modelos e tipologias semelhantes, que estão ao serviço em vários países aliados, como é o caso da Bélgica ou da Áustria.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 08, 2008, 10:20:59 pm
Isto poder ser só optimismo meu mas cada vez tenho mais a impressão que linha editorial do SOL é a de um tablóide.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 08, 2008, 10:27:30 pm
Na ultima vez que o SOL se "meteu" com a história dos relatórios internos (Estradas de Portugal) eles foram publicados, a ver vamos se vai ser o caso :roll:
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 08, 2008, 10:29:47 pm
Citação de: "lurker"
Isto poder ser só optimismo meu mas cada vez tenho mais a impressão que linha editorial do SOL é a de um tablóide.


Tem um novo patrão, tem que fazer dinheiro. O arquitecto que disse que nunca teria marketing de circulação (as cenas oferecidas: DVD...) já oferece uns livros dos Clássicos para crianças.

MAS, e acredito mesmo que o relatório será publicado, fica algo que é urgente o MDN esclarecer.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 08, 2008, 10:33:58 pm
Deu-se inicio novamente a novela, é um jogo que começou no independente e continua agora no SOL. Para a semana, temos o comentario do MDN no site e de seguida mais um artigo no jornal. Ta bonito, ta.

No artigo existem muitos dados errados. Por exemplo, a Republica Checa não desistiu ainda do PANDUR, alias deu a Steyr até Março para ceder ou seja não entregar 199 viaturas mas sim 100. A CMI não é uma empresa Francesa mas sim Belga.

Parece que para alem de agora n quererem tantos PANDURs, apenas detectaram um problema no sistema A/C e outro relacionado com a pintura das viaturas, ou seja nada que n tenha resolução no que respeita aos problemas tecnicos obviamente.

Apesar de preferir ver aqui o PIRANHA 3 ou até o AMV, acho que qualquer viatura feita a medida de um cliente, tem sempre problemas no inicio. Para resolver qualquer problema tecnico ou contractual, existe um processo chamado de negociações. Isto deve ser tomado sempre em conta. Questões ou gostos particulares devem ser postos de lado. Acho que a nossa PANDUR n está nada mal como producto final.

No seio de um caderno de encargos, são tão meticulosos (e bem) que torna-se difficil qualquer empresa  cumprir exactamente tudo. Todas as viaturas tiveram problemas nos testes, se o MDN e os tecnicos competentes acharam que a PANDUR 2 era a melhor solução para cumprir as necessidades objectivadas ao abrigo dos diversos parametros (valor, contrapartidas e capacidade tecnica do modelo), devemos respeitar e apoiar visto que está em questão a modernização do nosso Exército.
Título: jornal.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 08, 2008, 10:37:23 pm
E parece que o valor subiu de 2 para 2.50!
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 08, 2008, 10:37:38 pm
Citação de: "Lancero"
MAS, e acredito mesmo que o relatório será publicado, fica algo que é urgente o MDN esclarecer.


E essa parte é que era desnecessária, se dessem atenção aos relatórios de quem percebe da poda :idea:
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 08, 2008, 10:51:13 pm
Citação de: "ricardonunes"
Na ultima vez que o SOL se "meteu" com a história dos relatórios internos (Estradas de Portugal) eles foram publicados, a ver vamos se vai ser o caso :roll:


Mas nessa altura a conclusão não foi exactamente que o SOL tinha publicado valores que não tinham nada a ver?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 08, 2008, 11:11:13 pm
Citação de: "lurker"
Citação de: "ricardonunes"
Na ultima vez que o SOL se "meteu" com a história dos relatórios internos (Estradas de Portugal) eles foram publicados, a ver vamos se vai ser o caso :wink:

Não sou apologista deste método, mas quando os "doutos" não se interessam pelos relatórios dos técnicos....... sujeitam-se c34x
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 08, 2008, 11:33:06 pm
Aqui está o bicho: http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_audi ... 007-2s.pdf (http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_auditoria/2007/audit-dgtc-rel036-2007-2s.pdf)

Os números que o SOL refere de facto aparecem lá mas o comunicado do MOPTC estava correcto.
Quem escreveu a noticia do SOL não teve acesso ao documento todo, não o leu todo ou não o leu todo ou não o soube ler.

(E perdoem lá o offtopic)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 08, 2008, 11:43:27 pm
Citação de: "lurker"
Aqui está o bicho: http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_audi ... 007-2s.pdf (http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_auditoria/2007/audit-dgtc-rel036-2007-2s.pdf)

Os números que o SOL refere de facto aparecem lá mas o comunicado do MOPTC estava correcto.
Quem escreveu a noticia do SOL não teve acesso ao documento todo, não o leu todo ou não o leu todo ou não o soube ler.

(E perdoem lá o offtopic)


Olhe que teve :wink:
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Fevereiro 08, 2008, 11:45:12 pm
Acho que estes problemas seriam mais graves se se tratasse dos Pandurs dos Fuzileiros...
Agora, os Pandurs do Exército não são para chegar sequer perto de agua! É só dizer ao pessoal em Sta. Margarida para ter cuidado a lavar os bichos :lol:

Além disso, são veículos novos. Problemas de juventude apenas, e todos os veículos, e não só, os têm...

Nota: E quanto aos Pandur da República Checa: Eles mandaram-nas para trás não só por causa dos problemas que tinham... Noutro forum, membros checos interrogavam-se como é possível os Pandurs deles custarem 2,5/3 vezes mais que os nossos, para lá que o contrato foi assinado no ultimo dia de vigência do governo, à maneira dos despachos do Telmo Correia...
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 09, 2008, 12:56:43 am
É normal que sejam mais caros visto que trazem equipamentos differentes (mais onerosos) dos PANDUR 2 Portugueses. N é mt complicado entender isso.

Vou dar um exemplo, dos 260 PANDUR 2 Portugueses, apenas 20 serão dotados com o sistema de propulsão anfibio, enquanto que no caso Checo, todos os 199 trazem o referido sistema.
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Fevereiro 09, 2008, 01:04:11 am
Não me parece que o facto de serem anfibios (que é a unica diferença de fundo) justifique a diferença...

Aliás, esse foi o primeiro argumento que usei perante os foristas checos para justificar isso, tal como o de terem mais IFVs, mas mesmo assim segundo eles não se percebe a diferença de preços.
Até porque mesmo na distribuição da produção eles estavam como nós, isto é, 17 veículos directamente da Steyr e os restantes de produção local.
Vou averiguar mais qualquer coisa junto deles assim que fôr possivel.
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 09, 2008, 01:04:58 am
Para não culparem por tudo e por nada o MDN, o pessoal que fique a saber que as entregas planeadas para antes de Outubro não tiveram lugar devido ao TC atrasar o aval (sem o aval financeiro que permitia o primeiro pagamento, a empresa n podia iniciar como é obvio) e ao facto que pela Steyr ter ganho o contrato Checo, deixou a empresa com capacidade de produção mt reduzida.
Título: PANDUR 2.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 09, 2008, 01:20:11 am
Um dia se tiveres acesso de fundo a ambos os modelos, entenderás finalmente aquilo que eu disse, apesar de ter dado apenas um exemplo.

Se baseias as tuas informações e afirmações no que dizem os outros foruns como dizes, é melhor analisares bem o que é dito por la, reflectir bem isto antes de afirmares alguma coisa neste.

Pelo menos agora dizes que existe pelo menos uma diferença!!!!
Procura bem que ainda vais encontrar mais!
Olha que as diferenças não se limitam pelo aspecto exterior!
Olha que comprar mts torres RWS com peça de 25/30, equipadas com diversos sistemas electrónicos, optrónicos, sistemas lança misseis e misseis n é a mesma coisa que comprar duas ou outros modelos com custos mais reduzidos, isto para n falar dos sistemas internos. Procura, que vais encontrar mt coisa e n apenas uma diferença de fundo como falas-te! Aproveita e pergunta bem nos foruns referidos por ti.
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Fevereiro 09, 2008, 01:36:41 am
Bem, retiro o que disse... Pelo visto para todos os efeitos os Pandur checos nem deviam ser Pandur 2, mas algo como Pandur 2.5! O casco não tem nada a ver com o nosso, sem ir a outras coisas.

Peço desculpa pela precipitação, tsahal.
Título: PANDUR
Enviado por: tsahal em Fevereiro 09, 2008, 12:01:43 pm
Deixa te de ironias e lembra te de uma vez por todas que um blindado é equipado a medida das necessiades, vontade e possibilidade do cliente e do utilizador!
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Fevereiro 09, 2008, 12:15:20 pm
Qual ironia?
Percebo perfeitamente que hoje em dia as propostas dos fabricantes são feitas à medida do cliente, mas a minha afirmação não era de forma alguma ironica...
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Fevereiro 10, 2008, 05:48:37 am
Citar
Exército não quis bombas de água nas 'Pandur II'

MANUEL CARLOS FREIRE

O Exército recusou instalar bombas de extracção de água nas Pandur II, apesar de as especificações admitirem a existência de alguns litros do líquido no interior dessas viaturas blindadas de rodas (VBR) .

"Foi um erro, que o Exército nunca quis admitir", assumiu ao DN um membro do grupo de trabalho ligado ao programa das Pandur II, que Portugal adquiriu ao fabricante austríaco Steyr por cerca de 365 milhões de euros. O Exército vai receber 240 das VBR e a Marinha 20 (as quais terão pelo menos três "bombas de porão" para extracção de água, uma vez que essa versão será anfíbia).

Na sua edição de ontem, o semanário Sol publicou citações de um relatório interno do Exército onde se denunciam "graves problemas técnicos" das Pandur II, nomeadamente "metem água pelos periscópios, pelos faróis e pela rampa traseira".

Fonte oficial do Ministério da Defesa disse ao DN que se "mantém o desmentido" feito anteriormente, num comunicado onde se afirma que as VBR "foram sujeitas a um conjunto variado de testes, para garantir que as viaturas se encontravam em perfeitas condições de serem entregues, de acordo com os requisitos contratualmente acordados entre as partes. A estanquicidade faz, naturalmente, parte desses requisitos. A assinatura do protocolo de aceitação dos referidos equipamentos só foi realizada após se ter a garantia de que as viaturas cumpriam todos esses requisitos".

Sucede que os problemas identificados no referido relatório "aconteceram mesmo [e] não se podem negar", observaram algumas das fontes ouvidas pelo DN - ressalvando, no entanto, serem "pequenas coisas" que "não põem em causa a qualidade" das Pandur. "A falha num dos veios surgiu porque faltava um parafuso. Ora isto é falta de controlo de qualidade", garantiu uma das fontes. "Há tampinhas [na rampa] que são de plástico e deviam ser de borracha." No caso da mangueira que se rompeu, foi testada uma centena das restantes "sob pressão e nenhuma apresentou defeitos de fabrico", acrescentou esta fonte, envolvida nos testes (de formação de condutores) realizados em Santa Margarida, em Janeiro deste ano, e que deram origem ao relatório citado pelo Sol.

Mesmo os efeitos da ruptura da mangueira tiveram mais a ver com a inexperiência do condutor, que "não desligou o sistema hidráulico da rampa" e deu origem a uma fuga de vários litros do óleo sob pressão ali existente, acrescentou a fonte.

A exemplo de outras fontes, uma alta patente do Exército confirmou ao DN que as velhas viaturas de transporte de pessoal M113 "têm bombas de porão" no seu interior para extrair água e "permitir a flutuação" dos veículos. Até os antiquados carros de combate M60 as têm, apesar de ser "muito mais difícil" deixarem entrar água porque "a sua blindagem é muito forte".

Fonte (http://http)


Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 10, 2008, 12:48:47 pm
As Chaimites também possuem bombas para extracção de água.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 10, 2008, 06:16:25 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
As Chaimites também possuem bombas para extracção de água.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
:lol:  c34x
Título:
Enviado por: HSMW em Fevereiro 10, 2008, 07:11:39 pm
"os antiquados carros de combate M60 as têm, apesar de ser "muito mais difícil" deixarem entrar água porque "a sua blindagem é muito forte".

Os M60 não deixam entrar agua porque "a blindagem é forte" ???
 :amazing:  :rir:
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 10, 2008, 07:16:01 pm
Citação de: "HSMW"
"Os M60 não deixam entrar agua porque "a blindagem é forte" ???
 :amazing:  :rir:


E a fonte - anónima - será um oficial do exército.
Creio que aqui também houve "uma certa precipitação".
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 10, 2008, 09:54:26 pm
Uma nota:
Realmente, não há possibilidade de comparação entre a encomenda da República Checa e a encomenda portuguesa.

Os veículos (em cada uma das suas versões) até podem ser muito parecidos (com as já conhecidas opções pelas torres e respectivos canhões, mísseis etc...)

Ocorre que a maior parte dos Pandur-II portugueses não tem qualquer tipo de equipamento especial. A arma principal de quase 50% deles, será uma metralhadora calibre 12.7mm e mais nada. Além naturalmente do sistema de comunicações que será colocado - em principio - mesmo em viaturas básicas.

Como a maior parte dos Pandur-II portugueses não tem nenhuma sofisticação especial - o que até permite pensar em versões adaptadas - isso faz baixar o preço médio por veículo.

O que é mais baixo no nosso caso, é o preço médio por veículo, porque os veículos mais sofisticados não têm especial diferênça.

O problema, é que quando vamos ver os checos, a maioria dos carros está equipada com uma torre com canhão de 30mm e não com uma metralhadora.

Quanto ao caso da água, há duas questões que não estão explicitas e por isso não podemos concluir nada por agora:

Em primeiro lugar, se afirmamos (e a comunicação social não tem feito outra coisa) que os Pandur-II são para substituir a Chaimite, logo o lógico é que o Pandur pudesse andar por onde se anda com uma Chaimite.
Ms como os Pandur-II, excepto os da marinha, não podem atravessar rios ou cursos de água.

Se a água entra pelos periscópios, é preciso saber se é água da chuva ou se é água que entra por utilização eventualmente não adequada dos veículos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 10, 2008, 10:06:26 pm
A mim preocupa-me que numa viatura supostamente devia ser protegida contra ameaças NBQ entre água pelo periscópio. Ora, entrando água, entram poeiras radioactivas e outros.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 10, 2008, 10:21:37 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
A mim preocupa-me que numa viatura supostamente devia ser protegida contra ameaças NBQ entre água pelo periscópio. Ora, entrando água, entram poeiras radioactivas e outros.

É preocupante, mas são coisas diferentes.

A garantia de isolamento contra agentes nucleares biológicos ou químicos, tanto quanto sei é garantida por um sistema de sobre pressão, que suga o ar do exterior, filtra o ar e posteriormente o expele.

Eu não sei se o sistema está instalado e se está, se funciona permanentemente. Se não for o caso, então o carro pode perfeitamente ser estanque e deixar entrar água se a pressão dentro e fora do veículo for igual, o que é normal se estiverem escotilhas abertas.

Terá que se acompanhar a questão, o problema, é que enquanto o Pandur-II for novidade, muita gente vai encontrar problemas de adaptação, apenas porque há procedimentos que são necessários no novo veículo que não eram nos outros.

Estou mesmo a ver as tripulações a agarrar nos manuais do veículo e a ler aquilo de ponta a ponta... :mrgreen:

Deveríamos constituir uma comissão do Fórum Defesa para verificar essas tretas todas ... :mrgreen:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 10, 2008, 11:18:50 pm
Caro PT,
os Pandur II não anfibios são supostamente capazes de atravessar cursos de àgua até 1,5m.
Imagino que na EPC os tenham submetido a testes desse género.

Especulando, eu suspeito que há muito tempo alguém fez o seguinte raciocinio: se o veiculo é tão estanque que oferece protecção em ambientes NBQ, então não entra água e não precisa de bomba de água.

O problema é que, como referiu, a protecção contra ambientes NBQ só funciona se o veiculo estiver com todas as escotilhas fechadas e o sistema de sobre-pressão activo.
Se o veiculo estiver com escotilhas abertas, é óbvio que pode entrar àgua por elas e que o sistema de sobre-pressão não funciona com escotilhas abertas.
Além disso, se o sistema de sobre-pressão não estiver a funcionar, é natural que possa entrar água por algumas juntas vedantes.

A modos que.. por favor, ponham o raio das bombas nos veiculos!
Título:
Enviado por: MaisAlto em Fevereiro 10, 2008, 11:34:24 pm
As poeiras radioactivas/agentes patogénicos ou quimicos podem estar dissolvidos na água. A diferença de pressão não impediria a entrada de água contaminada...
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 11, 2008, 12:18:49 am
Correcto. Mas um sistema que garante o isolamento da tripulação, utilizando a diferença de pressão, se ligado, também não permitiria a entrada de água.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 11, 2008, 01:41:52 pm
Obviamente que o PANDUR do EP pode atravessar cursos de agua, desde que tenhas as rodas no solo!

O sistema NBQ funciona de forma autonoma e mesmo que a PANDUR deixe entrar agua n significa que ao entrarem agentes contaminantes e que toda a gente no interior fique contaminada para isso existe o sistema LSS (Life Support System) fornecido por uma empresa Israelita.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 11, 2008, 02:16:22 pm
Mas isso implica que as tripulações e guarnições estejam equipadas com máscaras e fatos de protecção. Numa Eurosatory, os israelitas apresentaram, inclusive, uma vestimenta para as guarnições do Sabra com "roupas largas" para facilitar os movimentos. Mas isso condiciona, como se vê, os movimentos, o conforto das guarnições, o calor, etc.

Além de que se o veículo precisa de estar equipado com fatos de protecção individuais, então, não está protegido contra este tipo de ameaças na verdadeira acepção da palavra. Em teoria, ao ar livre, equipados com tal protecção, os militares também estão protegidos contra ameaças NBQ. Isso significa que o ambiente, como um todo, está protegido contra ameaças NBQ?

O veículo com protecção NBQ deve funcionar como um sistema fechado face ao exterior, seja a nível de pressão, seja nos filtros. Se entra água, eu diria que não é um sistema fechado.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: antoninho em Fevereiro 11, 2008, 09:51:33 pm
Citação: PANDUR-II é destinado para operar em ambiente NBQ (Nuclear-Biológico-Químico) o que exige que dentro do veículo haja uma pressão de ar superior à da atmosfera, para garantir que não entra qualquer ar contaminado dentro do veículo.

Como manter essa pressão dentro do Pandur se ele não for estanque??
Pois se entra agua quer dizer que a pressão atmosférica dentro dele não será mantida ou será que não é assim???
Ou essa perda atmosférica é minima e não será critica para a tripulação a bordo do Pandur???

Já agora sobre a dita pressão...

http://web.rcts.pt/~pr1085/Outros/Press.htm (http://web.rcts.pt/~pr1085/Outros/Press.htm)
Título:
Enviado por: ricardonunes em Fevereiro 12, 2008, 09:02:27 am
Exército confia na garantia e aceita blindados com falhas

O Exército vai continuar a receber os novos blindados de rodas Pandur II, não obstante os problemas que foram detectados nas viaturas, como a sua falta de estanquecidade - de controlar a entrada de água no blindado. O Exército considera que são problemas menores, dizendo confiar na garantia de três anos. Mas, para alguns sectores militares ouvidos pelo JN, a justificação da insistência na compra pode ser outra o receio de que o processo possa vir a ser suspenso, depois de nove viaturas já terem sido entregues (e seguindo-se mais 11 até Março).

É que o programa dos blindados de rodas - 240 viaturas, envolvendo 364 milhões de euros - é transversal a todo o Exército e a todas as aplicações. Envolve até a aquisição de 33 novos blindados com canhão de 105 milímetros, para reconhecimento de cavalaria, que vai usar a mesma plataforma Pandur II. Por outro lado, o Exército não tem alternativa à Pandur, face ao cenário das decrépitas Chaimite e aos M-113 ainda sem programa de modernização em curso.

O problema está, porém, nas falhas detectadas nos periscópios, nos faróis e na rampas destes blindados. As borrachas deveriam impedir a entrada de água, mas os testes feitos às viaturas mostraram que assim não acontecia - tal como o semanário "Sol" trouxe a público. Os problemas foram detectados durante a formação e instrução em Santa Margarida, a cargo da Escola Prática de Cavalaria, das primeiras tripulações das viaturas.

A fábrica Styer mantém o silêncio, mas o JN sabe que o Exército já tinha contactado a fábrica austríaca antes da publicação da notícia do "Sol" e que foi prometido que os problemas seriam reparados. Fica claro, porém, que muitos dos problemas estão associados ao facto de a Pandur II ser um protótipo. Portugal arrisca-se, agora, a ser o único utilizador mundial da viatura, ao contrário do que foi veiculado pelo Ministério da Defesa.

A importância do programa obriga, ainda assim, a algumas cautelas por parte do Exército, numa altura em que se iniciam os contactos para o programa das Pandur II com canhão de 105 mm, um processo que deverá estar decidido em Junho.

Os belgas da CMI vão propor a torre CT-CV, que já fez testes de tiro em Portugal em finais do ano passado, depois de na Finlândia ter havido vários problemas e o sistema de alimentação automático ter encravado ao sétimo tiro - de um total de 12 previstos. O presidente da CMI, Paul Thonon, garantiu, no entanto, ao JN que os problemas na Finlândia tiveram por base os operadores, que eram finlandeses e conheciam mal a peça, ou seja, as munições, que não estavam em condições.

Os belgas já começaram entretanto a estabelecer contactos junto de empresas portuguesas, uma vez que é intenção da CMI, - se ganhar o concurso para as 33 viaturas - construir as torres no nosso país, uma novidade no panorama industrial nacional. O Exército, porém, quis uma alternativa e a principal ameaça vem dos italianos da Otto Mellara, que produzem uma torre de 105 mm, se bem que mais pesada e de alimentação manual.

JN (http://http)
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 12, 2008, 08:35:18 pm
Citação de: "antoninho"
Como manter essa pressão dentro do Pandur se ele não for estanque??
Pois se entra agua quer dizer que a pressão atmosférica dentro dele não será mantida ou será que não é assim???


Não é assim. :)
Não é necessário que o veiculo seja perfeitamente estanque.

Para manter a diferença de pressão basta que o sistema consiga injectar mais ar limpo para dentro do veiculo do que aquele que sai pelos "buracos".
Neste caso, o que haverá é um fluxo continuo de ar limpo a sair do veículo.

Sem o sistema activo a bombear ar limpo para dentro do veículo, os fluxos podem ocorrer em qualquer dos sentidos.

Claro que convém que o veículo seja tão estanque quanto possivel porque se os "buracos" forem muito grandes a capacidade do sistema de ar limpo teria de ser impraticavelmente grande.
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 13, 2008, 06:55:34 pm
Recuperando a questão da torre de 105mm, coloco aqui um artigo recente (12 de Fevereiro do corrente) sobre o Stryker MGS.
Depois de ler o artigo fico ainda mais convicto que a questão de logística está a colocar em causa a eficiência do sistema e a própria razão de ser do mesmo. Mas aqui vai...


In February 2006, “New Stryker Variants Gear Up for Testing” described the M1128 Stryker Mobile Gun System, and the M1135 Nuclear, Biological and Chemical Reconnaissance Vehicle. The vehicles passed testing and have been fielded to Army units, but Military.com reports that the M1128 MGS is experiencing serious problems in the field. Comments like these are not what a manufacturer like General Dynamics, or a military, wants to hear:

“I wish [the enemy] would just blow mine up so I could be done with it,” said [4th Battalion, 9th Infantry Regiment] Spec. Kyle Handrahan, 22, of Anaheim, Calif.”

What seems to be the trouble?

According to Christian Lowe’s “New Stryker Faring Poorly in Field”, a computer system that consistently locks up is the beginning of the trouble. “Blue screen of death” jokes aside, this is a serious issue in a heavily computerized vehicle like the Stryker. To add to the platform’s woes, a shortage of spare parts in the system is apparently creating low availability rates, and an inadequate cooling system is a serious handicap in the Middle East’s withering heat. In order to keep the crew from heatstroke, special suits must be worn that circulate cold water underneath the garment’s surface. Aside from the accompanying mobility and maintenance issues, crew members are complaining that they’re becoming chilled rather than cooled.

Bloomberg News’ “General Dynamics Stryker Job on Hold Until Fix Proven (Update1)” report on Jan 28/08 adds that the FY 2008 defense bill will hold up a $484 million contract with General Dynamics. The Army reportedly wants to award the contract by April 2008, but won’t be able to do so until Army Secretary Pete Geren certifies the Stryker Mobile Gun System is “reliable and effective” for combat – a grade it did not earn from Pentagon Director of Test and Evaluation Charles McQueary, whose annual weapons report gave the M1128 a “not yet operationally effective” rating and added that new problems were “continuing to emerge.”

The other constraint facing Stryker MGS vehicles in theater, however, is not mechanical, or even budgetary. The new US Army/ Marine Corps Counterinsurgency Field Manual [Amazon.com book purchase | PDF download] stresses a number of points, but one of the most consistent is that the COIN force must be the population’s protector, even if that means enhanced risk. Naturally, there’s a balancing point based on ethical duties to one’s soldiers and common sense. Unfortunately for Spec. Handrahan and his fellow Stryker AGS operators, the M1128’s 105mm gun is finding itself on the long end of that balance in many cases, with the scales tipped against its use. Spec. Handrahan may say that:

“You can kick down doors and risk losing our guys. Or I can just knock down the building from a [kilometer] away and call it a day.”

Except that US military’s doctrine is firmly stacked against that approach, and his officers are trained in that doctrine. War is unpredictable, of course, which could make the M1128 a useful “insurance policy” for high-risk missions. That insurance policy will have lower value, however, if the system itself is seen as questionably reliable, and/or if substitutes exist.

Both factors also appear to be at work.

Reliability and readiness do appear to be issues with the MGS. On the substitute front, M142 HIMARS or M270 rocket launchers can fire M30 GMLRS rockets from 60+ km/ 40 miles away, or ATACMS missiles from up to 300km away, with GPS-guided precision. They cannot match the M1128’s “through that window” accuracy, but their drop-down attack offers no risk of going right through the building and hitting another, and their accuracy level is considered good enough for use in crowded urban areas. Which helps to explain the GMLRS’ positive reviews, and why 465 expensive ATACMS missiles have been fired to date during Operation Iraqi Freedom. If there are no enemy armored vehicles to be engaged, massed attacks to be fended by cannister shot are rare, and GPS-guided rockets can perform much the same role against fortified structures with better readiness and less risk, it shouldn’t be surprising that M1128 operators have a lot of free time in theater.

There is still a viable role for an assault gun platform in modern military doctrine. France, for example, has operated its wheeled AMX-10RC successfully for many years. Rifle-shot heavy-caliber precision with instant response and excellent strategic and/or tactical mobility has its place on the battlefield, and a 105mm shell is cheaper than a 300km ATACMS missile by several orders of magnitude.

In order to prove its worth, however, the M1128 Stryker AGS will need to ensure that its readiness and maintenance problems are fixed, that it’s put in situations where doctrine or terrain are not its enemy, and that improvements in key substitutes don’t crowd it off of the battlefield.

Those situations can and do exist in key conflict areas around the world. The region of Chad/ Sudan/ Ethiopia, for instance, offers potential situations that play to the MGS’ strengths, as they have to the AMX-10RC’s. Thus far, however, that hasn’t been the case on the actual front line in Iraq. For a number of reasons, not least of which is the difficulty wheeled vehicles have with assault requirements in Afghanistan’s terrain, the Afghan theater doesn’t appear to offer a better opportunity.

Pessoalmente preferiria uma torre de carregamento automático disparando munição de 76mm Oto Melara para apoio de fogo. Mais leveza, mais munição, etc.
Para bater CC utilize-se mísseis.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 13, 2008, 08:43:24 pm
Pelo que leio, o problema é simples: têm um veiculo armado com um canhão de 105mm em acção em áreas urbanas mas não o podem usar porque correm o risco de destruir o edificio que está por trás.

Sem negar a validade do argumento de dispensar a capacidade anti-tanque do 105 em favor de um cabibre mais pequeno, é uma coisa que não tem nada a ver com os problemas dos EUA com o Stryker MGS. Este problema ocorreria com um 76mm ou 90mm.
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 13, 2008, 09:17:23 pm
Citação de: "lurker"
Sem negar a validade do argumento de dispensar a capacidade anti-tanque do 105 em favor de um cabibre mais pequeno, é uma coisa que não tem nada a ver com os problemas dos EUA com o Stryker MGS. Este problema ocorreria com um 76mm ou 90mm.


Será o 57mm Bofors suficiente?
E repare, a minha observação não se prende com o Stryker mas com a nossa opção Pandur 105mm. Se o objectivo for efectivamente o apoio de fogo batendo alvo com tiro tenso, julgo que deveremos reequacionar a opção oficial. Terá também observado que me procuro restringir a calibres comerciais e não experimentais como o 40mm CTA ou 50mm Supershot.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 13, 2008, 09:45:37 pm
Caro Luso,
não percebo onde quer chegar.

Qualquer calibre capaz de fornecer apoio de fogo razoável num ambiente mais convencional será muito problemático do ponto de vista de danos colateriais num ambiente urbano.
Mesmo o 30x173mm que vamos ter noutros Pandur II transforma um edificio normal em queijo suíço...
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 13, 2008, 10:55:28 pm
Lurker, procure ver os efeitos do 25mm em alvenaria, sobretudo em betão armado. Um dos motivos pelos quais se procura aumentar o calibre é também a obtenção de maior efeito destrutivo de modo a destruir barreiras e "limpar área". E é aí que pretendo chegar.

Mas partamos do princípio que o Lurker tem razão quanto à suficiência de efeitos proporcionados pelo 30mm. Não lhe parece então desnecessária a utilização do 105? É que são mesmo coisas diferentes.

Já agora, quanto é que custará um sistema de pequeno/médio calibre com espoleta programável (para obter letalidade em área, com rajada) em comparação com um simples 76/90mm?

A meu ver, os calibre 25/35 são sobretudo para uso anti-blindado (ligeiro) e os de calibre superior para o mesmo fim E bater área.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 13, 2008, 11:45:57 pm
Caro Luso,
não estou a afirmar que um calibre 30mm seja adequado para eliminação de obstáculos ou limpeza de àrea, porque de facto são limitados.

O que queria dizer é que mesmo um calibre desse género coloca problemas de danos colaterais se utilizado em áreas urbanas.

A utilização de um calibre maior, como 76 ou 90 mm, adequado para as diversas necessidades de apoio de fogo, será inevitavelmente um grande problema em termos de danos colaterais e de utilização limitada (mas não inútil) contra edificios civis.

A meu ver, neste cenário e pretendendo conter os danos, as armas mais adequadas seriam as granadas de 40x53mm ou projecteis de 30/40 mm para edificios mais robustos.

Mas não pretendemos ter um exército só capaz de intervir em conflitos assimétricos de insurgência em àreas urbanas com ROE limitadas.
Logo, faz perfeito sentido que tenhamos blindados com peças de 76 ou 90mm para apoio de fogo.

O salto que o EP fez dos 76/90mm necessários para apoio de fogo para a peça de 105mm capaz de utilizar projectéis KE também tem a sua justificação.
O futuro da guerra entre munições e blindagem é incerto. Não sabemos que efeito terão as munições de energia quimica de amanhã nas blindagens dos MBT de amanhã.
O Pandur II com peça de 105mm permite manter em aberto a possibilidade de utilizar munições KE numa plataforma que em certos teatros de operações tem grandes vantagens de mobilidade relativamente a um MBT.

Claro que a opção de 105 tem várias desvantagens como referiu: preço, peso, número de munições, taxa de disparo.
Mas excesso de estragos não me parece ser um deles.
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 14, 2008, 10:16:37 am
Citação de: "lurker"
O salto que o EP fez dos 76/90mm necessários para apoio de fogo para a peça de 105mm capaz de utilizar projectéis KE também tem a sua justificação.
O futuro da guerra entre munições e blindagem é incerto. Não sabemos que efeito terão as munições de energia quimica de amanhã nas blindagens dos MBT de amanhã.
O Pandur II com peça de 105mm permite manter em aberto a possibilidade de utilizar munições KE numa plataforma que em certos teatros de operações tem grandes vantagens de mobilidade relativamente a um MBT.

Claro que a opção de 105 tem várias desvantagens como referiu: preço, peso, número de munições, taxa de disparo.
Mas excesso de estragos não me parece ser um deles.


Compreendo o seu argumento.
Contudo (e sem querer parecer teimoso :wink: ) parece-me que a probabilidade de um Pandur 105mm enfrentar com sucesso um MBT ser bastante remota. Daí eu partir para o pressuposto que artilharia mais leve mas mais capaz que o 30mm, apoiada por mísseis AT (com SPIKE, por exemplo, que podem negar a utilização da arma de KE do inimigo) permitir uma plataforma mais leve, com mais munições e permitindo uma utilização - ouso eu pensar - mais realista.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 14, 2008, 11:50:40 am
A sua posição parece-me perfeitamente razoável.

A questão gira efectivamente à volta da possibilidade de um Pandur II 105mm enfrentar um MBT.
Isto teria de ser um cenário em que a mobilidade do Pandur lhe permitisse acertar num MBT sem que um MBT lhe conseguisse acertar.
A meu ver esse tipo de cenário não é irrealista.
Por exemplo, olhanda para as zonas urbanas e florestais nacionais o que não falta são ruas e caminhdos demasiado estreitos para um MBT mas suficientes para um Pandur II
Vejamos as larguras:
Leopard 2: 3,7 m
Pandur II: 2.67 m
Autocarro citadino: ~2.5m
Largura máxima de um atrelado agrícola: 2,55 m

Claro que eu estiver errado, o 105mm é um probl€ma desnecessário. :D
Título:
Enviado por: Nitrox13 em Fevereiro 14, 2008, 12:30:32 pm
se formos compara o pandurII 105 com o leopard2 A6 verificamos que o leopard em confrontação directa e em campo aberto ganha claramente, mas se utilizarmos o pandur tipo numa tatica de ataca e foge o pandur ganha pela sua mobilidade. Mas num pais como o nosso dou mais importância aos misseis anticarro e a força moveis.
Título:
Enviado por: ShadIntel em Fevereiro 14, 2008, 12:40:41 pm
Citação de: "Nitrox13"
numa tatica de ataca e foge o pandur ganha pela sua mobilidade.

A maior mobilidade do Pandur em terreno irregular parece-me um pouco discutível. Sem falar da estabilidade incomparável do Leopard 2A6 no tiro em movimento quando comparada com a de um blindado de umas 20 toneladas.
Essa obsessão de querer colocar peças potentes em blindados ligeiros lembra-me os cavaleiros da idade média que mal ficavam em pé quando levantavam uma espada de uns 12 ou 15 kg acima da cabeça...  :wink:
Título:
Enviado por: ShadIntel em Fevereiro 14, 2008, 01:05:25 pm
Sem querer intrometer-me nessa discussão interessantíssima entre o Luso e o Lurker sobre o interesse - ou ausência de interesse - de um "Pandur-105" há outra coisa que me incomoda quanto às diferentes versões dos nossos Pandur II: não me lembro se já foi discutido aqui, mas não vos parece estranha a não existência de uma versão anti-aérea ? Não pode ser de todo por causa do custo, porque um sistema como o Avenger não é assim tão caro e é fácil de adaptar a qualquer tipo de veículo.

Parece mesmo que as nossa Forças Armadas sofrem de uma alergia à defesa anti-aérea (ausência de verdadeira capacidade AAW na Marinha, inexistência de um sistema terrestre de médio/longo alcance, sem falar das fraquíssimas reservas de AMRAAM para os F-16...).  :evil:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2008, 03:28:14 pm
Olhem a solução Italiana para terem veiculos anfibios a um custo aceitável:

Arisgator

http://www.youtube.com/watch?v=O2_HqVNWPtI (http://www.youtube.com/watch?v=O2_HqVNWPtI)
Título:
Enviado por: Nitrox13 em Fevereiro 14, 2008, 03:33:45 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Olhem a solução Italiana para terem veiculos anfibios a um custo aceitável:

Arisgator

http://www.youtube.com/watch?v=O2_HqVNWPtI (http://www.youtube.com/watch?v=O2_HqVNWPtI)


Estou enganado ou parece-me que é um M113 modificado???
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 14, 2008, 04:08:20 pm
OFF TOPIC

Também têm a engenhice sul-coreana.

(http://www.dezh.de/imghosting/d03a443b9c8e2729e62be97a8d8a00a8.jpg)

(http://www.dezh.de/imghosting/c4126e10aead60bdab237235004913df.jpg)

(http://www.dezh.de/imghosting/1c6edc62a87d948892e32f02e9175c0f.jpg)

Citar
South Korea's new XK-2 MBT submersible tank
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 14, 2008, 04:20:03 pm
Os nossos futuros CC (Leopard II A-6) tb têm o mesmo sistema.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 14, 2008, 04:25:34 pm
Obrigado cabeça de martelo, desconhecia...  ;)

(http://img.photobucket.com/albums/v101/He219/02092008%20Baldy%20Bowl/080211-F-5025M-102.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v101/He219/photobucket/new/080211-F-5025M-101.jpg)
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Fevereiro 15, 2008, 12:31:42 am
Desculpem lá o off-topic, mas:

Citar
EM113A2 Rapid Entry Vehicle (REV)
ARDEC
The EM113A2 REV is a modified Canadian M113A2 Bulldozer Armored Personnel Carrier that is lightly armored, full-tracked and air transportable. The REV provides rapid entry, nonlethal crowd control and rescue squad insertion capabilities into the center of scenarios requiring nonlethal intervention. Use of the vehicle increases Soldier survivability through improved situational awareness and the ability to move and fire from within an armored vehicle.


http://www.usaasc.info/alt_online/artic ... 708&aid=01 (http://www.usaasc.info/alt_online/article.cfm?iID=0708&aid=01)

Porquê as Claymores ? Se a "coisa complicar" estas minas antipessoais tem um alcance letal a 50 mts na ordem dos 30%. Lá se vai a nonlethal intervention.
Título:
Enviado por: Duarte em Fevereiro 15, 2008, 02:06:25 am
Citação de: "Bravo Two Zero"
Desculpem lá o off-topic, mas:



http://www.usaasc.info/alt_online/artic ... 708&aid=01 (http://www.usaasc.info/alt_online/article.cfm?iID=0708&aid=01)

Porquê as Claymores ? Se a "coisa complicar" estas minas antipessoais tem um alcance letal a 50 mts na ordem dos 30%. Lá se vai a nonlethal intervention.


As Claymore não são letais, em vez de estilhaços,são carregadas de salsichas de porco, touçinho, salpicão e linguiça  :lol:
Título:
Enviado por: zecouves em Fevereiro 15, 2008, 09:13:42 am
Citação de: "Duarte"
Citação de: "Bravo Two Zero"
Desculpem lá o off-topic, mas:



http://www.usaasc.info/alt_online/artic ... 708&aid=01 (http://www.usaasc.info/alt_online/article.cfm?iID=0708&aid=01)

Porquê as Claymores ? Se a "coisa complicar" estas minas antipessoais tem um alcance letal a 50 mts na ordem dos 30%. Lá se vai a nonlethal intervention.

As Claymore não são letais, em vez de estilhaços,são carregadas de salsichas de porco, touçinho, salpicão e linguiça  :rir:

Essa do porco será particularmente eficaz se a multidão for muçulmana, sem ofensa a quem professa o islão.
Título:
Enviado por: TaGOs em Fevereiro 25, 2008, 05:14:22 pm
Os Pandur II Checos tem direito a site.  :wink:

http://pandur.cz/ (http://pandur.cz/)
Título:
Enviado por: Daniel em Fevereiro 26, 2008, 05:02:00 am
Belos Pandur esses dos Checos. c34x
Título: capacidade c-130 e NPL
Enviado por: mikecharlie em Fevereiro 28, 2008, 07:47:12 pm
Agora que os Pandur já entraram ao serviço e numa perspectiva conjunta alguém sabe as capacidades de transporte dos C-130 (versão curta e longa - 01/02????) e do NPL (30/40 ???) para uma eventual projecção destas viaturas???
Título: Re: capacidade c-130 e NPL
Enviado por: ShadIntel em Fevereiro 28, 2008, 07:51:01 pm
Citação de: "mikecharlie"
Agora que os Pandur já entraram ao serviço e numa perspectiva conjunta alguém sabe as capacidades de transporte dos C-130 (versão curta e longa - 01/02????) e do NPL (30/40 ???) para uma eventual projecção destas viaturas???

Um C-130, seja ele H ou H-30, pode transportar apenas 1 Pandur. Quanto ao NPL, não sei qual será a capacidade máxima, mas pelo menos os 20 dos fuzileiros.
Título:
Enviado por: mikecharlie em Fevereiro 28, 2008, 09:00:37 pm
ou seja, projecção aérea táctica é para esquecer!! temos 06 c-130, certo?
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 28, 2008, 09:02:46 pm
Citação de: "mikecharlie"
ou seja, projecção aérea táctica é para esquecer!! temos 06 c-130, certo?


e brevemente 12 C295
Título:
Enviado por: typhonman em Fevereiro 28, 2008, 09:39:38 pm
Mas os C-295 não podem transportar PANDUR.
Título:
Enviado por: tyr em Fevereiro 28, 2008, 09:44:03 pm
E cerca de metade da frota dos C295 é para patrulhamento maritimo
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 29, 2008, 10:27:09 am
E alguém aqui acha mesmo que alguém vai transportar os nossos Pandur nos Hércules? Se alguma vez andarem de avião será um avião Russo alugado pelo estado para os transportar para um TO no estrangeiro.
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Fevereiro 29, 2008, 11:46:20 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
E alguém aqui acha mesmo que alguém vai transportar os nossos Pandur nos Hércules? Se alguma vez andarem de avião será um avião Russo alugado pelo estado para os transportar para um TO no estrangeiro.


Como aliás é feito por todos os países que não têm C-17s ou C-5s... E às vezes até mesmo esses recorrem aos russos!
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 29, 2008, 12:23:26 pm
Exacto.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Março 01, 2008, 02:07:37 am
Citar

Czech Ministry Cuts Carriers Contract with Steyr


PRAGUE, Czech Republic - The Czech defense ministry is prepared to buy 107 armored personnel carriers from Austrian firm Steyr Daimler Puch instead of the original 199, the Czech business magazine Euro reported on its Web site Feb. 29.

The ministry and the company, which is a unit of U.S. defense giant General Dynamics, will sign a memorandum of understanding next week, including a new timetable for tests and deliveries of the carriers, it added.
Related Topics
 
The ministry declined to comment on the report, saying that it would release information on negotiations once they have been completed. "We do not comment on ongoing negotiations, only when there is a result," spokesman Andrej Cirtek told the CTK news agency.

The government decided at the end of January to give Steyr a second chance to renegotiate the original contract of $1.18 billion for 199 vehicles after canceling it in December.

If new talks did not bring results by March 5, a new tender to supply the carriers would be launched, it said.

The contract for 199 Pandur II light-armored vehicles was originally signed in June 2006. According to the Austrian press, failure to secure the Czech contract would close the Steyr Daimler Puch plant with the loss of about 500 jobs.

www.defensenews.com (http://www.defensenews.com)
Título:
Enviado por: Creoula em Março 15, 2008, 12:38:59 am
Alguém sabe o que têm andado a fazer os PANDUR já entregues ao exército?
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Março 15, 2008, 10:39:21 am
Devem estar muito bem arrumadinhos e bem abrigados da CHUVA, para não meterem água!... :P  :P

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 15, 2008, 11:11:58 am
Provavelmente já estão nas unidades para qual foram destinadas, certo?!
Título:
Enviado por: nelson38899 em Março 17, 2008, 08:57:13 am
boas

Ontem numa mudança de canal tive a sorte de ver no jornal da rtp da noite, uma reportagem sobre o treino dos jornalistas em guerra quimica e quando o jornalista falava com o responsavel da unidade deu para ver o pandur, por isso o mais certo é ja se encontrar operacional.

Ps.
Este fim de semana gostei bastante dos quatro canais generalistas, se não estou enganado todos falaram nas nossas forças armadas, com reportagens alargadas. rtp=guerra quimica, tvi=fuzileiros, sic=não vi c34x
Título:
Enviado por: HSMW em Março 28, 2008, 07:47:07 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Provavelmente já estão nas unidades para qual foram destinadas, certo?!


algumas estão na EPC para instrução. Este fim de semana (mas acho que é este) ou no próximo vai haver uma exposição em Abrantes e vai estar uma lá exposta.
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Março 28, 2008, 07:58:56 pm
Se puder confirme a data da referida exposição.
Seria muito bom poder ver as ditas há luz do sol. :D

Um Abraço.
Título:
Enviado por: HSMW em Março 28, 2008, 08:29:24 pm
Citação de: "Nuno Calhau"
Se puder confirme a data da referida exposição.
Seria muito bom poder ver as ditas há luz do sol. :D

Um Abraço.


É pela cidade, portanto vai ser durante todo o dia.  Disseram-me que vai lá estar uma M11 e uma Pandur. Acho que é dia 4, 5 e 6 mas já não tenho a certeza.
Título:
Enviado por: Garcia em Março 28, 2008, 09:29:59 pm
Citação de: "nelson38899"
boas

Ontem numa mudança de canal tive a sorte de ver no jornal da rtp da noite, uma reportagem sobre o treino dos jornalistas em guerra quimica e quando o jornalista falava com o responsavel da unidade deu para ver o pandur, por isso o mais certo é ja se encontrar operacional.

Ps.
Este fim de semana gostei bastante dos quatro canais generalistas, se não estou enganado todos falaram nas nossas forças armadas, com reportagens alargadas. rtp=guerra quimica, tvi=fuzileiros, sic=não vi c34x


nelson38899 não haverá possibilidade de mandar o link com essas reportagens ou mesmo o video para poder ver? já procurei no site da rtp1, tvi e nada. Obrigado
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Março 29, 2008, 04:10:40 pm
Muito obrigado!

Se porventura obtiver mais pormenores...

Um Abraço.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Março 31, 2008, 09:11:59 am
Citação de: "Garcia"
Citação de: "nelson38899"
boas

Ontem numa mudança de canal tive a sorte de ver no jornal da rtp da noite, uma reportagem sobre o treino dos jornalistas em guerra quimica e quando o jornalista falava com o responsavel da unidade deu para ver o pandur, por isso o mais certo é ja se encontrar operacional.

Ps.
Este fim de semana gostei bastante dos quatro canais generalistas, se não estou enganado todos falaram nas nossas forças armadas, com reportagens alargadas. rtp=guerra quimica, tvi=fuzileiros, sic=não vi c34x

nelson38899 não haverá possibilidade de mandar o link com essas reportagens ou mesmo o video para poder ver? já procurei no site da rtp1, tvi e nada. Obrigado


infelizmente não sei os link's, mas aconselho-o a ver os telejornais do dia anterior ao dia em que pos a mensagem.

Cump.
Título:
Enviado por: HSMW em Abril 03, 2008, 06:38:37 pm
Amanhã (6a) sábado e domingo, exposição em Abrantes. Pandur e M11 vão estar na rua. É perto da EPC mas não sei exactamente onde.
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Abril 03, 2008, 06:59:44 pm
Caro camarada!

Quando dispuser de mais informações (horario, local etc.), por favor não hesite!
Vou de propósito a Abrantes para ver as Pandur já ao serviço.

um Abraço.
Título:
Enviado por: HSMW em Abril 03, 2008, 09:56:21 pm
Citação de: "Nuno Calhau"
Caro camarada!

Quando dispuser de mais informações (horario, local etc.), por favor não hesite!
Vou de propósito a Abrantes para ver as Pandur já ao serviço.

um Abraço.


Só sei que é a partir das 10h, já não estou na EPC portanto as informações são poucas...
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 04, 2008, 12:41:58 pm
Citar
Recepção das primeiras Pandur II do Exército

 Numa cerimónia presidida pelo Ministro da Defesa Nacional, Professor Doutor Severiano Teixeira, em 31 de Janeiro, no Depósito-Geral de Material do Exército, em Alcochete, decorreu a recepção oficial das primeiras nove Viaturas Blindadas de Rodas (VBR) 8X8 PANDUR II, entregues ao Exército Português.


artigo: http://www.exercito.pt/portal/exercito/ ... Pandur.pdf (http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/JE/Pandur.pdf)
Título:
Enviado por: HSMW em Abril 10, 2008, 05:51:19 pm
Então e as fotos da Pandur em Abrantes?...  :cry:
Título:
Enviado por: TaGOs em Abril 30, 2008, 06:31:50 pm
Não é nosso?

(http://www.armyrecognition.com/components/ebygallery/IDEB2008Static/up/pandur_2_wheeled_armoured_vehicle_ideb_2008_bratislava_slovakia_001.jpg)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 30, 2008, 06:58:46 pm
Parece-me que sim.
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 01, 2008, 10:51:33 am
peço desculpa pela ignorância, mas portugal sempre vai substituir as velhinas das chaimites por pandur? os pandur vão ser fabricados em portugal?


e portugal já adquiriu alguns pandur, não foi?
Título:
Enviado por: Lince em Maio 01, 2008, 11:11:43 am
Citação de: "major-alvega"
peço desculpa pela ignorância, mas portugal sempre vai substituir as velhinas das chaimites por pandur? os pandur vão ser fabricados em portugal?


e Portugal já adquiriu alguns pandur, não foi?


Que tal ler o tópico todo? Aí encontrará as respostas que procura. Já agora, seja bem-vindo!
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 01, 2008, 05:55:22 pm
Uma breve nota para dizer que já começaram na Áustria os testes para o Exército da MGS com a torre Oto Melara.
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 01, 2008, 10:30:24 pm
Meio estranho a torre desse pandur, mas de facto parece ser nosso, já agora onde foi tirada essa foto e em que altura :?:  c34x
Título:
Enviado por: lurker em Maio 01, 2008, 11:08:26 pm
Creio que é uma torre SP-30 mas parece ter mais uma metralhadora...
http://www.steyr-ssf.com/html/2armvehic ... 1_sp30.php (http://www.steyr-ssf.com/html/2armvehicles/3sp30/1_sp30.php)
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 02, 2008, 07:51:04 pm
Essa foto é da IDEB 2008.

(http://img176.imageshack.us/img176/3269/74xi9.jpg)

Esta foto mostra que é português, é só ver a matricula.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 03, 2008, 10:17:37 am
É a prova dos nove, é dos nossos sim senhor! :D
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 03, 2008, 01:02:40 pm
Ainda cá não pôs os pés e já anda a vadiar  :D
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 03, 2008, 01:16:35 pm
Citação de: "lurker"
Creio que é uma torre SP-30 mas parece ter mais uma metralhadora...
http://www.steyr-ssf.com/html/2armvehic ... 1_sp30.php (http://www.steyr-ssf.com/html/2armvehicles/3sp30/1_sp30.php)


O IFV com a SP-30 sempre teve prevista uma (ou será duas?) MG calibre 7.62
Título:
Enviado por: lurker em Maio 03, 2008, 02:22:34 pm
A torre SP-30 tem uma metralhadora coaxial de 7.62 mm mas nunca tinha visto fotos com a 2ª metralhadora em cima. :)
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 03, 2008, 02:41:19 pm
Fui ver, tinha colocado esta (http://http) informação na pág. 15 deste tópico. De facto já lá vem a referencia às duas metralhadoras  :wink:
Título: Tropa escolhe canhão para os blindados
Enviado por: LM em Maio 05, 2008, 11:33:58 am
Correio da Manhã 5Mai08 (http://http)

Dez disparos, dez furos no alvo. Foi este o resultado dos testes de fogo real do canhão Hitfact, uma arma de 105 mm fabricada pelos italianos da Oto Melara que poderá ser montada em 33 dos 293 Pandur II 8x8 que o Ministério da Defesa adquiriu, caso seja esta a escolha dos militares portugueses. A decisão deverá ser tomada até ao final do mês de Junho.


A torre foi instalada e testada a pedido do Ministério da Defesa, que quis verificar as capacidades desta arma de carregamento manual de munições em comparação com a torre CT-CV, da empresa belga CMI, um canhão de carregamento automático.

No campo de tiro de Allensteig, na Áustria, os responsáveis da Oto Melara mostraram que a torre Hitfact, utilizada actualmente pelos exércitos italiano e espanhol nos tanques Centauro – em serviço no Afeganistão, Kosovo e Líbano –, também é eficaz quando aplicada em blindados de transporte.

De acordo com Carlo de Rossi, director da empresa italiana, o canhão, "quando aplicado nos Pandur II, é ideal para o cumprimento de missões de implementação e manutenção de paz".

O responsável admitiu que a manutenção do canhão – que terá um período de vida útil de pelo menos 25 anos – poderá ser realizada em Portugal, mas a sua construção será sempre em Itália ou Espanha, onde existe uma fábrica em Valência. Apenas a aplicação final das torres nos veículos será feita em território nacional. Recorde-se que a concorrente belga afirmou que a construção das suas torres seria feita em Portugal. Apesar de o canhão italiano ser mais barato, a criação de postos de trabalho poderá ser uma vantagem para a CMI no momento da escolha.

Por outro lado, o canhão italiano – de 105 mm e calibre 52 – tem a vantagem de ser transformado rapidamente num canhão de 120 mm e calibre 45. "Dois homens podem fazer a mudança em algumas horas", adiantou Carlo de Rossi.

Ainda este mês os Pandur II 8x8 com a torre Hitfact serão testados em Santa Margarida de forma a que os responsáveis militares e o Ministério da Defesa possam comparar a arma com o canhão belga.

PORMENORES

NEGÓCIO DE MILHÕES

O Governo português vai pagar 360 milhões de euros pelos 260 Pandur II 8x8 que adquiriu ao fabricante austríaco Steyr-SFF. Os restantes 33 veículos equipados com canhão de 105 mm - seja na versão belga ou na italiana - custam cerca de 140 milhões de euros.

ALTA TECNOLOGIA

Graças a um software avançado, a torre Hitfact da OtoMelara permite a digitalização do campo de batalha, o cálculo da trajectória, visão nocturna e uma mira panorâmica de 360º.

24 HORAS DE SERVIÇO

De acordo com os responsáveis da empresa italiana, a torre Hitfact aplicada nos veículos Pandur II é ideal para missões com duração de mais de 24 horas, mesmo nas mais extremas condições.

15 JÁ ENTREGUES

A Steyr-SFF já entregou 15 Pandur II às Forças Armadas portuguesas. Até ao final de Junho serão entregues mais 21. Os últimos veículos. O reequipamento dos blindados deverá estar completo em 2010.

João C. Rodrigues
Título:
Enviado por: lurker em Maio 05, 2008, 02:26:22 pm
Ao contrário do Centauro, duvido que o Pandur II possa aceitar eficazmente um 120mm.

Parece-me que a torre CMI é, operacionalmente, a melhor opção.
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 05, 2008, 03:54:20 pm
Mais duas.

(http://www.armyrecognition.com/components/ebygallery/IDEB2008Static/up/pandur_2_wheeled_armoured_vehicle_ideb_2008_bratislava_slovakia_002.jpg)

(http://www.armyrecognition.com/components/ebygallery/IDEB2008Static/up/pandur_2_wheeled_armoured_vehicle_ideb_2008_bratislava_slovakia_003.jpg)
Título: Re: Tropa escolhe canhão para os blindados
Enviado por: major-alvega em Maio 05, 2008, 08:06:44 pm
Citação de: "LM"
Correio da Manhã 5Mai08 (http://http)

Dez disparos, dez furos no alvo. Foi este o resultado dos testes de fogo real do canhão Hitfact, uma arma de 105 mm fabricada pelos italianos da Oto Melara que poderá ser montada em 33 dos 293 Pandur II 8x8 que o Ministério da Defesa adquiriu, caso seja esta a escolha dos militares portugueses. A decisão deverá ser tomada até ao final do mês de Junho.


A torre foi instalada e testada a pedido do Ministério da Defesa, que quis verificar as capacidades desta arma de carregamento manual de munições em comparação com a torre CT-CV, da empresa belga CMI, um canhão de carregamento automático.

No campo de tiro de Allensteig, na Áustria, os responsáveis da Oto Melara mostraram que a torre Hitfact, utilizada actualmente pelos exércitos italiano e espanhol nos tanques Centauro – em serviço no Afeganistão, Kosovo e Líbano –, também é eficaz quando aplicada em blindados de transporte.

De acordo com Carlo de Rossi, director da empresa italiana, o canhão, "quando aplicado nos Pandur II, é ideal para o cumprimento de missões de implementação e manutenção de paz".

O responsável admitiu que a manutenção do canhão – que terá um período de vida útil de pelo menos 25 anos – poderá ser realizada em Portugal, mas a sua construção será sempre em Itália ou Espanha, onde existe uma fábrica em Valência. Apenas a aplicação final das torres nos veículos será feita em território nacional. Recorde-se que a concorrente belga afirmou que a construção das suas torres seria feita em Portugal. Apesar de o canhão italiano ser mais barato, a criação de postos de trabalho poderá ser uma vantagem para a CMI no momento da escolha.

Por outro lado, o canhão italiano – de 105 mm e calibre 52 – tem a vantagem de ser transformado rapidamente num canhão de 120 mm e calibre 45. "Dois homens podem fazer a mudança em algumas horas", adiantou Carlo de Rossi.

Ainda este mês os Pandur II 8x8 com a torre Hitfact serão testados em Santa Margarida de forma a que os responsáveis militares e o Ministério da Defesa possam comparar a arma com o canhão belga.

PORMENORES

NEGÓCIO DE MILHÕES

O Governo português vai pagar 360 milhões de euros pelos 260 Pandur II 8x8 que adquiriu ao fabricante austríaco Steyr-SFF. Os restantes 33 veículos equipados com canhão de 105 mm - seja na versão belga ou na italiana - custam cerca de 140 milhões de euros.

ALTA TECNOLOGIA

Graças a um software avançado, a torre Hitfact da OtoMelara permite a digitalização do campo de batalha, o cálculo da trajectória, visão nocturna e uma mira panorâmica de 360º.

24 HORAS DE SERVIÇO

De acordo com os responsáveis da empresa italiana, a torre Hitfact aplicada nos veículos Pandur II é ideal para missões com duração de mais de 24 horas, mesmo nas mais extremas condições.

15 JÁ ENTREGUES

A Steyr-SFF já entregou 15 Pandur II às Forças Armadas portuguesas. Até ao final de Junho serão entregues mais 21. Os últimos veículos. O reequipamento dos blindados deverá estar completo em 2010.

João C. Rodrigues



até que enfim que portugal começa a adquirir umas "coisas" interessante para o nosso estimado exército!!!!!!
já não era sem tempo!!!!

este artigo é bom para chapar na cara das pessoas que dizem que o exército português não tem nada que preste!!!!

por acaso a noticia da compra dos pandur deixou-me contente!!!

ps: isto é muito off-topic mas tem de ser, não era possivel idealizar um novo modelo de chaimites, com base nas velhas, mas fabricado por portugal???
Título: Re: Tropa escolhe canhão para os blindados
Enviado por: PereiraMarques em Maio 05, 2008, 10:03:29 pm
Citação de: "major-alvega"
ps: isto é muito off-topic mas tem de ser, não era possivel idealizar um novo modelo de chaimites, com base nas velhas, mas fabricado por portugal???


Meio a brincar, meio a sério, isso tem tanto interesse como pegar num VW Carocha da década de 60 e meter-lhe um motor novo e uns estofos novos...não deixa de ser VW Carocha :lol:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 08, 2008, 10:33:38 am
No meu tempo é que não havia nada disso. :(
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 08, 2008, 11:44:43 am
(http://img292.imageshack.us/img292/6717/austria020wq4.jpg)
Pandur com torre Oto Melara, testes na Áustria
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 08, 2008, 11:46:19 am
Não era essa a torre que o Exército está interessado?
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 08, 2008, 12:11:52 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Não era essa a torre que o Exército está interessado?


Exactamente, os testes são para o Exército.
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 08, 2008, 12:47:35 pm
Algum equipamento de vigilância... está no lugar de um dos paineis CIP  :D
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 08, 2008, 06:13:01 pm
Que sistemas de combate e de posicionamento geográfico é que os bichos levam? A quando da vinda dos Leopard falou-se num sistema inovador criado pela EDISOFT, que poderia ser adoptado como standard pela NATO, será o mesmo?
Título:
Enviado por: Johnny em Maio 08, 2008, 06:54:08 pm
As Pandur não iam ser atribuídas apena à Brigada de Intervenção?
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 08, 2008, 07:36:46 pm
Citação de: "Johnny"
As Pandur não iam ser atribuídas apena à Brigada de Intervenção?



as pandur irão ser atribuídas ao exército:

Portugal decidiu adquirir o PANDUR-II para substituir os veículos Chaimite (V-200) em utilização deste os anos 70, mas também para equipar unidades de infantaria mecanizada.

Os PANDUR-II na sua versão básica, deverão assim ser distribuidos a unidades da Brigada de Reação Rápida, bem assim como a unidades de apoio de outras unidades

A versão básica do Pandur-II é pouco mais que um transporte blindado que permite proteger a infantaria. A sua arma principal, uma metralhadora 12,7mm ou um lança granadas de 40mm, tem como função principal a auto-defesa.

Esta versão do Pandur do exército português não é anfibia, e é facilmente identificavel pela parte frontal e pelos farois rectangulares colocados no extremo da frente do carro.

Os veículos serão montados em Portugal, com uma percentagem de incorporação nacional que poderá atingir os 80% na versão APC.

Os primeiros Pandur-II nesta versão, que pode ser equipada com metralhadora pesada calibre 12.7mm ou lança-granadas calibre 40mm foram entregues ao exército português em Janeiro de 2008.


texto do site area militar!!!
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 08, 2008, 09:43:50 pm
A maioria da frota prevista para o Exército, segundo os planos, deverá ser atribuída às várias unidades da Brigada de Intervenção. Contudo, algumas dezenas de viaturas deverão ser usadas por outras unidades.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: ricardonunes em Maio 08, 2008, 10:20:09 pm
Mais uma vez.........   :G-beer2:  ys7x9
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 09, 2008, 02:58:04 pm
Desculpem a insistência mas alguém me pode indicar qual o tipo de sistemas de combate e de comunicações do Pandur?
Excelentes fotos!
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 09, 2008, 03:15:55 pm
Quais as versões que já recebemos?
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 09, 2008, 04:40:12 pm
Mais uns pormenores dos testes efectuados na Áustria à Pandur II MGS com a torre Oto Melara. Em breve estarão em Sta. Margarida para testes.

(http://img208.imageshack.us/img208/9042/deladonh9.jpg)

(http://img292.imageshack.us/img292/475/paradoye9.jpg)

(http://img361.imageshack.us/img361/6384/emmovimentowq9.jpg)

(http://img208.imageshack.us/img208/2766/austria034yn3.jpg)


Recorde-se com compete com a Cockrill CT-CV

(http://img141.imageshack.us/img141/1097/pandurii8x8comtorrecmicku6.jpg)

(http://img136.imageshack.us/img136/8606/pandurii8x8comtorrecmichv3.jpg)



Recorde-se ainda que existe opção para compra de 33 MGS a serem entregues ao GAM da BrigInt.
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 09, 2008, 07:16:31 pm
E o Centauro? Deixou de ser opção?
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 09, 2008, 08:01:23 pm
O que pretendo saber é qual o sistemas de comunicações e a sua proveniência. Gostaria também de saber se os veículos dispõem de software de gestão e controlo de dados do campo de batalha, sistema director de tiro, auto protecção, etc...
Título:
Enviado por: papatango em Maio 09, 2008, 11:38:30 pm
Aquilo que chama de software de gestão e controlo de dados do campo de batalha, faz parte dos actuais planos do exército. Mas as características do sistema, e a sua integração com os sistemas dos veículos são - pelo menos assim espero - material classificado.

Sistema director de tiro qualquer torre equipada com um canhão moderno o tem.

Seria necessário saber a que versão de veículo se refere.

Os Pandur-II são todos «Pandur-II» mas na prática o veículo muda conforma os sistemas de armas que estão instalados.

Os Pandur-II equipados com peça de 105mm, se equipados com o que o exército parece querer instalar, estarão entre os mais sofisticados do tipo.

O que refere como Sistemas de auto-protecção, abrange um grande leque de equipamentos. Se está a falar de sistemas como «sistemas de defesa activa», não há informações que levem a pensar nessa possibilidade.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: typhonman em Maio 11, 2008, 01:51:26 am
A minha pergunta ficou no ar.. :roll:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Maio 11, 2008, 01:57:44 am
Se os Pandur II forem eficientes com o canhão 105mm, para que é que queremos o Centauro? Por outro lado, se os Pandur II não forem eficientes com o canhão 105mm, acreditam que se vai fazer um concurso para adquirir uma viatura específica com estas características? Seja pelo custo de aquisição, seja pelo custo de manutenção, face à necessidade de criar outra cadeia logistica?
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Maio 11, 2008, 10:32:17 pm
É impressão minha, ou os "nossos" carros não são iguais aos Austríacos?
Refiro-me aos ângulos frontais da viatura, para alem da colocação dos faróis.
Que vos parece?

Um Abraço.
Título: Pandur II
Enviado por: Scoutnoble em Maio 12, 2008, 11:25:10 am
Parece-me que a viatura utilizada nos testes é sempre o protótipo utlizado pela Steyr e que não é igual às que nos têm entregue. Gostava de ver a torre da Oto Melara fazer fogo instalada numa das nossas viaturas.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 12, 2008, 01:03:12 pm
Citação de: "Typhoonman"
E o Centauro? Deixou de ser opção?

O Centauro nunca foi uma verdadeira opção e sim uma hipótese.

Uma hipótese, para o caso de os veículos Pandur-II se verificar não terem capacidade para utilizar de forma eficiente uma peça de 105mm e para o caso de o exército insistir mesmo na sua necessidade.

O exército está mais interessado, eventualmente porque com a redução de carros de combate, a defesa efectiva do território fica restringida a uma trintena de bocas de fogo com capacidade anti-tanque e mobilidade.

Mas se o Pandur-II não corresponder às exigências, então qualquer outra solução ou possibilidade poderia ser apresentada. Quando olhamos para o mercado, as opções disponíveis não são muitas, e por isso o Centauro seria uma delas.

Mas opção, nunca foi.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 13, 2008, 02:11:49 am
Caro papatango obrigado pelo esclarecimento, a minha duvida tem por base um sistema de gestão do campo de batalha que estava a ser desenvolvido pela EDISOFT, pelo que tinha uma certa esperança que os PANDUR II já o tivessem incorporado.
Título:
Enviado por: Ricardo em Maio 14, 2008, 10:01:11 pm
Por curiosidade, que capacidade de resistência ao impacto de uma munição de LAW, RPG ou outra arma AC ligeira congénere tem o Pandur?

Deduzo que tal depende se for um impacto directo, do ângulo e da distância!

A mesma questão, mas perante o impacto de uma munição de calibre ligeiro de morteiro ou canhão, IEE, mina AC?
Título:
Enviado por: papatango em Maio 15, 2008, 12:30:30 am
São veículos que podem levar blindagem com características diferentes.

No entanto, as possibilidades de uma viatura do tipo do Pandur ou similiar resistir a uma arma anti-tanque moderna são mínimas.
Eventualmente se forem os tipos da moirama afegã, o RPG é velho. Mas se se tratar de gente melhor equipada, tipo Hezbollah no Líbano, então nada feito.
Na melhor das hipóteses fura como manteiga e sai do outro lado.
Título:
Enviado por: Pedro_o_Tuga em Maio 15, 2008, 08:10:22 pm
Antes de mais saudaçoes para os membros.

Uma pequena pergunta.

Nao estarao os Pandur demasiado mal blindados? Pelo que ja li a blindagem protege ate 7.62x51 e x54mm.

Não será muito pouco?
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 15, 2008, 08:16:29 pm
Citação de: "Pedro_o_Tuga"
Antes de mais saudaçoes para os membros.

Uma pequena pergunta.

Nao estarao os Pandur demasiado mal blindados? Pelo que ja li a blindagem protege ate 7.62x51 e x54mm.

Não será muito pouco?


se o exercito achar pouco, estes pandur como foram desenhados para poderem levar  mais blindagem, não há problema.
Título:
Enviado por: Pedro_o_Tuga em Maio 15, 2008, 08:21:40 pm
Citação de: "major-alvega"
se o exercito achar pouco, estes pandur como foram desenhados para poderem levar  mais blindagem, não há problema.


Peerguntei devido aos cenario de guerra asimetrica em que os Pandur poderao ser utilizados. Digamos que o inimigo dispoe de "technicals" e uma delas dispara sobre o Pandur com uma arma pesada. (leia-se um canhao automatico de 20 mm ou outro tipo de arma de fogo de calibre semelhante.)

Quais seriam as probabildiades de um Pandur sobreviver ao ataque?
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 15, 2008, 08:30:36 pm
Citar
Quais seriam as probabildiades de um Pandur sobreviver ao ataque?

Pues compañero,si te impacta un arma pesada(tipo misil contracarro),como decimos por aqui en España,¡Estamos jodidos! :roll: .De hecho ,como ejemplo,ahi tienes videos de la pasada guerra del libano donde los todopoderosos carros de combate merkava,eran destruidos por misiles metis o lanzagranadas rpg-29.Asi que lo mejor,es rezar unas cuantas plegarias al "santo" de turno :twisted:,y esperar que no se produzca una situacion asi.
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 15, 2008, 09:08:12 pm
mas penso eu, que o pandur não é um veiculo para estar(na pratica) em contacto com lança misseis RPG e coisas "da familia", mas como na guerra nunca se sabe o que acontece, acho eu na minha opinião, que os pandur deveriam levar um pouco mais de blindagem.

e os leopard o que acham, dos leopard que portugal está a adquirir???
Título:
Enviado por: antoninho em Maio 15, 2008, 09:29:07 pm
Caro major, os RPG são perigosos para esta classe de blindados devido ao novo sistema de granadas, não sei se já reparou nas gaiolas que rodeia os blindados no Iraque, que serve para minimizar o impacto dessas granadas, mas o Pandur pode ter a sua blindagem reforçada com a adição de placas, quanto aos tanques  merkava, foram postos fora de combate com explosivos plantados no terreno e detonados por debaixo destes onde a protecção é muito inferior à restante......nos leo seria interessante saber se têm o defeito dos merkava...............
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 15, 2008, 09:31:10 pm
e os C-4 tambem são uma ameaça para os pandur???
Título:
Enviado por: Luso em Maio 15, 2008, 10:01:51 pm
Citação de: "major-alvega"
e os leopard o que acham, dos leopard que portugal está a adquirir???


http://www.forumdefesa.com/forum/search.php (http://www.forumdefesa.com/forum/search.php)
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 15, 2008, 10:20:21 pm
Citar
quanto aos tanques merkava, foram postos fora de combate com explosivos plantados no terreno e detonados por debaixo destes onde a protecção é muito inferior à restante.....
Antoninho,no dudo,que algun merkava fuera puesto fuera de combate mediante IED's ,como dices,mas que nada porque lo desconozco,pero si es cierto que hay material visual ,en donde estos carros de combate aparecen atacados por misiles y lanzagranadas.En youtube,de hecho,hay unos cuantos :roll:  :twisted:
http://es.youtube.com/watch?v=Hk97f-akvWI
Título:
Enviado por: tyr em Maio 15, 2008, 11:41:28 pm
Com 50 Kg de explosivos militares, enterrados, qualquer coisa com menos de 200 tons, sera projectada 5 metros ou mais no ar (o voo é expeculação, pois depende realmente do peso, e não me vou meter agora a fazer calculos), visto os CC terem em media 50 ou 60 tons, basicamente aceleram para cima e depois caiem com toda a força, é impossivel criar um CC que funcione como CC e em simultaneo resista a tal carga enterrada.
Por isso quem disser que isto é um defeito do Merkava, mais vale dizer que é um defeito dos CC e passar a andar de helicoptero (que podem ser abatidos com um simples RPG 7 (e alguma sorte de quem o dispara).
Título:
Enviado por: papatango em Maio 15, 2008, 11:50:31 pm
Há fotos de Merkava atacados por RPG's mas veículos em que a tripulação foi morta ou colocada completamente fora de acção foram os atacados por dispositivos improvisados (e outros não tão improvisados assim).

Mas aparentemente, o Hezbollah utilizou mísseis anti-tanque de ogiva dupla contra os Merkava, isso também parece ser verdade. Mas os danos mais debilitantes ao que parece foram provocados por grandes quantidade de explosivos.
Título:
Enviado por: tyr em Maio 16, 2008, 12:22:11 am
com um tiro de sorte de um RPG pode parar de qualquer carro de combate (mas repito é um tiro de sorte, inutlilzar é que ja é outra história) pois todos os carros de combate têm algumas zonas que para funcionarem têm que ter menos ou nenhuma blindagem.
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Maio 17, 2008, 12:11:48 am
Eu sempre disse ao pessoal da Artilharia que não eram eles os que F***** tudo, mas sim nós, os da Engenharia (sapadores mineiros).

Mais exemplos para quê. Três vivas aos "Engenheiros" Libaneses. :P

Um Abraço.
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 17, 2008, 09:37:21 pm
A experiência americana com o MGS (plataforma Styker)



Citar
New Stryker Faring Poorly in Field
Military.com  |  By Christian Lowe  |  January 30, 2008
BAQUBAH, Iraq - The newest version of the Army’s popular Stryker combat vehicle is garnering poor reviews here from Soldiers assigned to man its tank-like hull.

The General Dynamics Corp.-built Mobile Gun System looks like a typical eight-wheeled Stryker, except for a massive 105mm gun mounted on its roof. The gun fires three different types of projectiles, including explosive rounds, tank-busters and a "canister round" that ejects hundreds of steel pellets similar to a shotgun shell.

But while the system looks good on paper and the Army’s all for it, Soldiers with the 4th Battalion of the 9th Infantry Regiment -- one of the first units to receive the new vehicle for their deployment to Iraq -- don’t have a lot of good things to say about it.

"I wish [the enemy] would just blow mine up so I could be done with it," said Spec. Kyle Handrahan, 22, of Anaheim, Calif., a tanker assigned to Alpha Company, 4/9’s MGS platoon.

"It’s a piece," another MGS platoon member chimed in. "Nothing works on it."

The gripes stem from a litany of problems, including a computer system that constantly locks up, extremely high heat in the crew compartment and a shortage of spare parts. In one case, a key part was held up in customs on its way to Iraq, a problem one Soldier recognizes is a result of a new system being pushed into service before it’s ready.

"The concept is good, but they still have a lot of issues to work out on it," said Sgt. 1st Class Nathan Teimeier, Alpha, 4/9’s MGS platoon sergeant and a tanker by trade.

According to a Jan. 28 report by Bloomberg News, the 2008 Pentagon Authorization bill included language limiting funds for the MGS pending an Army report on fixes to the vehicle’s growing list of problems. The Pentagon’s director of Operational Test and Evaluation said in his annual report the vehicle was "not operationally effective," Bloomberg reported.

Soldiers here say the searing heat in the vehicles -- especially during Iraq’s blazing summer -- forces them to wear a complicated cooling suit that circulates cold water through tubing under their armor. Ironically, Soldiers often complain the suit makes them cold, Teimeier said, adding to their vehicular woes.

Despite the poor review from DoD auditors, the Army is standing by its vehicle, Bloomberg reported.

"The Army has determined that the MGS is suitable and operationally effective," Army spokesman, Lt. Col. Martin Downie, told the financial news service.

Where there is no debate is in the lethality of the vehicle’s firepower.

But Soldiers in the middle of a tough counterinsurgency fight here in Diyala province say commanders are reluctant to use the vehicle’s lethal gun on enemy strongholds out of concern of killing or wounding civilians. As a result, many of the dozens of MGS vehicles go unused while precision air strikes have become increasingly prevalent -- along with the usual Soldier-driven raids.

That’s got MGS drivers here frustrated. Not only do they have to deal with a complex system that gives them fits, but when it is working, they’re not allowed to employ the vehicle in combat.

"You can kick down doors and risk losing our guys," Handrahan said. "Or I can just knock down the building from a [kilometer] away and call it a day."


http://www.military.com/NewsContent/0,1 ... 81,00.html (http://www.military.com/NewsContent/0,13319,160981,00.html)

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/en/e/e3/2005_01_21_Mobile_Gun_System_from_an_angle.jpg)
Título:
Enviado por: lurker em Maio 17, 2008, 10:23:03 pm
Esse artigo já aqui tinha sido referenciado num tópico qualquer.
Título:
Enviado por: jonhfx em Maio 21, 2008, 11:44:15 pm
Boas.
Alguem foi á prova de abertura do "Rali Transiberico" na Tapada de Mafra?
Vi á pouco na Eurosport a reportagem e parecia ter lá 2 pandur's...
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 25, 2008, 02:14:20 pm
e já fizeram mais testes com os pandur em santa margarida???
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 25, 2008, 04:04:33 pm
França começa a receber as primeiras VBCIs

(http://img152.imageshack.us/img152/9793/debarquementduvbciduporoz7.jpg)
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 27, 2008, 07:19:13 pm
neste momento,os pandur estão em que regimento???



PS: o que vai acontecer á EPC(escola prática de cavalaria) de santarem???


VIVA O 25 DE ABRIL E SALGUEIRO MAIA!!
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 27, 2008, 08:14:50 pm
Citação de: "major-alvega"
PS: o que vai acontecer á EPC(escola prática de cavalaria) de santarem???


VIVA O 25 DE ABRIL E SALGUEIRO MAIA!!


A EPC agora situa-se em Abrantes por isso acho que não é correcto dizer a EPC de Santarém (só pode ser uma EPC).

Mas esse quartel de Santarém já ouvi falar que ia para a GNR.
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 27, 2008, 08:21:38 pm
sinceramente neste país, querem é brincar ás viagenginhas com os militares!!! então, passa de santarem para abrantes, e o que antes estava em abrantes vai para onde??? e acham bem a EPC estar em abrantes??? eu já passei pelo regimento em abrantes de carro, aquilo parece grande, será um bom local para a EPC???
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 27, 2008, 08:59:41 pm
Citação de: "major-alvega"
sinceramente neste país, querem é brincar ás viagenginhas com os militares!!! então, passa de santarem para abrantes, e o que antes estava em abrantes vai para onde???

Acho que não havia nada, era um Regimento de Infantaria fantasma como actualmente o de Beja.

Citar
e acham bem a EPC estar em abrantes??? eu já passei pelo regimento em abrantes de carro, aquilo parece grande, será um bom local para a EPC???


Se é grande é capaz de a EPC estar lá bem, mas eu não conheço nem o quartel de Santarém nem o de Abrantes.
Título:
Enviado por: Eurico Viegas em Maio 27, 2008, 09:07:48 pm
Pelo menos Abrantes sempre é mais perto de Santa Margarida...

Quando a EPC estava em Santarem fazia-me confusão uma unidade de instrução de cavalaria estar mesmo no centro da malha urbana da cidade, sem ter areas de manobra ou de tiro com tamanho util. Não sei como é em Abrantes, mas não se podia ter mudado a EPC directamente para Santa Margarida?
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 27, 2008, 09:17:11 pm
Citação de: "major-alvega"
sinceramente neste país, querem é brincar ás viagenginhas com os militares!!! então, passa de santarem para abrantes, e o que antes estava em abrantes vai para onde??? e acham bem a EPC estar em abrantes??? eu já passei pelo regimento em abrantes de carro, aquilo parece grande, será um bom local para a EPC???


Isso já foi à 1 ano, agora já está... Fez parte da reestruturação do Exercito  As instalações de Santarém lá continuam à espera de alguém. São decisões do "Deus da Guerra" e ele é que sabe e faz parte da condição militar andar "com a casa à costas". O RI2 que estava em Abrantes foi extinto, a Instrução de Praças passou para o RI1 na Carregueira, os Comandos que estavam no RI1 passaram para Mafra e depois voltaram novamente para a Carregueira nem sei bem porquê e a instrução também foi para outra unidades. Pelo menos uma viatura Pandur deve estar lá as restantes ficarão pelos unidades que utilizavam a Chaimite e a V-150.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 27, 2008, 09:43:45 pm
Sobre a EPC em Abrantes, sugiro a leitura deste breve trabalho na minha página, acompanhado de algumas fotografias:
http://pedromonteiro-photography.blogsp ... laria.html (http://pedromonteiro-photography.blogspot.com/2008/03/escola-prtica-de-cavalaria.html)

Em Fevereiro, quando visitei Abrantes para algumas pesquisas, estavam lá duas Pandur II na versão ICV (Infantry Carrying Vehicle) para efeitos de instrução. Uma delas consta, aliás, da reportagem fotográfica do trabalho.

Sobre as instalações, eu, pelas visitas aos mesmos, diria que Abrantes tem vantagens comparativamente a Santarém. Por exemplo, não se situa no centro da cidade (a EPC tinha alguns terrenos fora do quartel, mas muito limitados), mas sim à saída de Abrantes o que torna mais fácil (até para as populações) o movimento de colunas de viaturas. Depois, a proximidade de Santa Margarida com vantagens para a instrução dos militares da EPC nos seus terrenos, embora sejam também usados outros terrenos que pertenciam ao antigo regimento. Finalmente, a disponibilização do aquartelamento de Santarém que deixou de ser terreno militar o que traz vantagens de exploração urbanística, mesmo que sem (repito, sem) construção dentro do aquartelamento. O que para o desenvolvimento de Santarém é uma mais-valia. A localização no centro da cidade não favorecia a actividade operacional da EPC, nem a vida quotidiana das populações. Tinha um valor simbólico. Eventualmente, num país com mais recursos, faria sentido construir um novo quartel fora do centro de Santarém, mas com o quartel de Abrantes livre...

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/epc1.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/epc4.jpg)

O aquartelamento de Abrantes possui, obviamente, algumas limitações. No fim de contas, não foi originalmente construído para os meios blindados da Cavalaria. Por exemplo, as garagens não têm portões pouco largos e pouco espaço interno. Contudo, são questões que poderão ser resolvidas e, no geral, a nova localização parece ser uma boa opção - com a excepção do arquivo estar ainda por organizar . :)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 27, 2008, 11:19:07 pm
Pois... e puseram a V-150 na rua para pôr lá a Pandur :lol: É o normal
Em Santarém também existiam alguns terrenos anexos mas em Abrantes os terrenos adjacentes, os acessos e a proximidade do CMSM foram as unicas coisas que melhoraram.
Título:
Enviado por: major-alvega em Maio 28, 2008, 07:07:13 pm
BOA tarde, e porque não constroiem uma garagem nova para todos os veiculos blindados???
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 28, 2008, 07:28:53 pm
Citação de: "major-alvega"
BOA tarde, e porque não constroiem uma garagem nova para todos os veiculos blindados???

A unidade mudou-se faz nem um ano, salvo erro...  :roll:
Pelo que percebi, estão a decorrer obras numa ou outra área do aquartelamento, mas, por razões várias, não se preparou previamente o quartel para receber a EPC. Há que dar tempo ao tempo.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 28, 2008, 10:37:37 pm
Tem havido uns disparos de Pandur 105mm em Santa Margarida ;)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 29, 2008, 10:21:29 am
Citação de: "Pedro Monteiro"
Citação de: "major-alvega"
BOA tarde, e porque não constroiem uma garagem nova para todos os veiculos blindados???
A unidade mudou-se faz nem um ano, salvo erro...  :roll:
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 29, 2008, 10:31:29 am
Aos tiros contra as «Pandur II»

Citar
O Exército realiza esta quinta-feira no Campo de Tiro de Santa Margarida testes de tiro e mobilidade nas suas novas viaturas blindadas «Pandur II» com uma torre de 105 mm do fabricante italiano Oto Melara, noticia a Lusa. Depois de ter efectuado exercícios de tiro com torres da «CM-Defense», este é o segundo teste realizado pelo Exército para a escolha definitiva das torres que vão equipar as viaturas blindadas «Pandur II».


Fonte:http://diario.iol.pt/sociedade/blindados-pandur-chaimites/956996-4071.html
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 29, 2008, 11:12:55 am
Citação de: "Daniel"
Aos tiros contra as «Pandur II»


Espero que não  :?
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 29, 2008, 07:07:04 pm
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/maio2/20080529154712PTLUS8382495121207603.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/maio2/20080529154856PTLUS8382512121207613.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/maio2/20080529155328PTLUS8382514121207640.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/maio2/20080529155841PTLUS8382510121207672.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/maio2/20080529160327PTLUS8382513121207700.jpg)

Citar
Teste de fogo e de mobilidade das viaturas blindadas Pandur II 8X8, com a torre Hitfact de 105 mm da empresa Oto Melara, no Campo Militar de Santa Margarida, Constância, 29 de Maio de 2008. PAULO NOVAIS/LUSA


Citar
Defesa: Empresa Italiana Oto-Melara admite produzir em Portugal

Campo Militar de Santa Margarida, Constância, 29 Mai (Lusa) -- A empresa  italiana Oto-Melara admite vir a fabricar em Portugal componentes da torre  Hitfact de 105 milímetros, estando a estudar a hipótese de exportação, nomeadamente  para países de língua portuguesa, bem como a componente de manutenção.  

 

   Ulderigo Rossi, director de marketing da Oto-Melara, disse hoje aos  jornalistas que acompanharam uma demonstração de tiro feita com a torre  Hitfact incorporada nos veículos Pandur 8x8 fabricados pela Steyer que a  empresa está a estudar a possibilidade de produzir em Portugal.  

 

   Para isso, tem em estudo a intervenção em três áreas - integração de  componentes, fabrico de peças e manutenção -, com possibilidade de a Oto-Melara  entrar no capital social de uma ou duas empresas portuguesas, disse.  

 

   A solução será diferente da adoptada em Espanha, para cujo exército  a empresa vendeu já uma centena de unidades da Hitfact e onde foi criado  o consórcio Oto-Melara Ibérica, adiantou.  

 

   Dada a dimensão do mercado português, o projecto terá de passar pela  exportação, tendo Rossi referido em concreto o interesse no mercado angolano  e a possibilidade de alimentar as unidades da empresa em Itália.  

 

   A Oto-Melara é uma das duas empresas interessadas no fornecimento ao  Exército português de 33 blindados Pandur II 8x8 dotados com canhão de 105  milímetros, num concurso que poderá atingir os 140 milhões de euros e sobre  o qual o Ministério da Defesa deverá decidir em Junho.  

 

   A outra empresa é a belga CMI, que fez igualmente uma demonstração da  capacidade da sua torre no Campo Militar de Santa Margarida, em Dezembro  último, também com a promessa de produção em Portugal.  

 

   Ulderigo Rossi referiu a experiência da empresa italiana no fabrico  deste tipo de canhão, sublinhando que a versão anterior à hoje testada está  a ser utilizada em 400 veículos do exército italiano e 100 do espanhol em  missões de paz em vários países (Afeganistão, Líbano, Bósnia, Somália, entre  outros).  

 

   Os 33 Pandur II 8x8 farão parte do lote de 260 blindados produzidos  pela austríaca Steyr-Daimler-Puch Spezialfahrzeug (do grupo norte-americano  General Dynamics) encomendados em 2005 pelo Exército português para substituição  das "Chaimites", num valor global de cerca de 360 milhões de euros.  

 

   As primeiras 15 viaturas foram já entregues -- nove em Janeiro e seis  em Março -, estando prevista até ao final do ano a entrega de um total de  82, em seis diferentes versões (incluindo carros de comando e ambulâncias).  
Título:
Enviado por: LM em Maio 29, 2008, 08:09:56 pm
Os Pandur II com canhão de 105mm custam mais de 3 vezes os das outras versões (360/260un vs 140/33un)...??!
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 09:06:42 pm
Você está a fazer médias.

Uma viatura Pandur-II com torre de 105mm ou com torre de 30mm será sempre muito mais cara que uma viatura com equipamento básico.

A torre e os sistemas ópticos e sensores de vários tipos são mais caras que o resto da viatura.

Nós démos muito relevo ao facto de a Fabrequipa produzir o Pandur-II, mas a empresa produz apenas a versão basica.
Ou seja: Faz mais ou menos a mesma coisa que foi feita com o Chaimite, mas o Chaimite era um veículo básico, desprovido de qualquer sistema mais complexo.

Uma viatura Pandur-II com uma peça de 105mm embora não seja capaz de resistir aos disparos de um tanque podem atacar carros de combate blindados (pelo menos a acreditar nos belgas, que afirmam que a sua munição é capaz de ter prestações idênticas às das peças de 120mm).

Pessoalmente penso que o Pandur é demasiado pequeno para este tipo de arma. Ele precisava de mais umas toneladas, mas isso só quem fez a comparação e quem terá que tomar a decisão é que pode decidir.

Não sabemos exactamente qual a função dos Pandur-II equipados com peça de 105mm...
Sabemos que os V-150 não eram exactamente os veículos mais adequados para colocar uma peça de 90mm.

Será que podemos correr o risco de ter Pandur com fissuras...

Assim por alto, e sem qualquer rigor técnico, a torre belga parece ser mais sofisticada, mas depende de  munição muito cara para ser mais eficiente.
A torre italiana não será tão eficiente e os italianos afirmam como argumento que a torre pode receber uma peça de 120mm

Se o Pandur é pequeno para a peça de 105mm, será ainda mais pequeno para uma peça de 120mm.

Se o objectivo é adquirir um veículo de reconhecimento, ainda no espirito do Panhard-EBR, então o mais eficaz seria a torre belga.
Caso o obectivo não seja esse, então a torre italiana fará mais sentido.

Isto é uma análise de merceeiro não levem muito a sério...
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 29, 2008, 09:41:26 pm
A versão com peça de 105mm custa cerca de 5 milhões de euros - a título de comparação, a versão de transporte de tropas, IVC, custa 1 milhão de euros. Segundo o fabricante, o custo das 33 viaturas deverá rondar os 150 milhões de euros.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Johnny em Maio 29, 2008, 09:50:57 pm
Os Pandur II com peça de 105mm estão destinados à Brigada de Intervenção ou à Brigada Mecanizada?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 29, 2008, 09:59:15 pm
A duas unidades da Brigada de Intervenção: ao Esquadrão de Reconhecimento (6) e Grupo de Autometralhadoras (GAM, 27), o equivalente a um Grupo de Carros de Combate. No GAM, a versão da Pandur II com peça de 105mm será a viatura mais numerosa desta unidade, servindo, no papel, para missões que vão desde o apoio de fogo a forças de infantaria até combate directo com forças inimigas. No papel, sublinho.
Deste modo, as Cadillac Gage V-150 armadas com uma peça de 90mm seriam substituídas por esta versão específica da Pandur II.

De grosso modo, podemos considerar que a Brigada Mecanizada manter-se-á como a força de combate pesada do Exército, dotada de meios de lagartas (Leopard 2A6 e blindados da família M113 modernizados) e, por sua vez, a Brigada de Intervenção corresponderá a uma unidade de combate para cenários de média intensidade. A base da Brigada de Intervenção (BrigInt) é, pois, a família de blindados Pandur II nas suas diversas versões. Sobre a BrigInt eu abordo um pouco a doutrina subjacente à mesma neste trabalho:
http://www.defesanet.com.br/nato/pt_dragao.htm (http://www.defesanet.com.br/nato/pt_dragao.htm)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Johnny em Maio 29, 2008, 10:14:06 pm
Obrigado pelo esclarecimento
Título:
Enviado por: LM em Maio 29, 2008, 10:43:12 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
No GAM, a versão da Pandur II com peça de 105mm será a viatura mais numerosa desta unidade, servindo, no papel, para missões que vão desde o apoio de fogo a forças de infantaria até combate directo com forças inimigas. No papel, sublinho.


Pedro,

Uma opinião pessoal: julga o GAM a forma mais correcta de utilizar os "Pandur 105mm", concentrados em uma unidade de cavalaria ou julga melhor a existencia de um EsqRec às ordens da BrigInt e a colocação de 1 Esq em cada BatInf, fundamentalmente em apoio à infantaria (incluindo aumentar em muito a capacidade AT dos BatInf)?
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 29, 2008, 11:15:55 pm
Honestamente, os meus conhecimentos de doutrinas de Cavalaria não me permitem julgar qual deve ser o enquadramento orgânico destes meios. Posso dizer que no Jornal do Exército (Fevereiro ou Março) existe um artigo expositivo sobre o GAM e, numa busca rápida, se pode informar do uso diferente que os EUA dão a estes meiso. No resto, abstenho-me.  :wink:  

No entanto, a meu ver, o aspecto menos justificado é a própria natureza desta aquisição. Em teoria, o GAM é uma unidade de combate essencial na BrigInt e meios de elevado poder de fogo são necessários a uma força de manobra como esta. Mas com a recente opção pelos Leopard 2A6 estaremos a adquirir uma segunda plataforma, com um calibre diferente, menos capaz para missões de combate, com limitações na mobilidade e transporte, que reduz a possibilidade dos primeiros serem empregues em missões no exterior. Neste ponto, devíamos reflectir sobre as prioridades e se, por exemplo, as verbas não poderiam ser direccionadas para outros programas (numa revisão da LPM, obviamente), como as viaturas tácticas ligeiras blindadas. Convenhamos que com um custo mínimo de 150 milhões de euros, se pode fazer muito... dentro ou fora do sector militar...

No resto, acho que devíamos analisar os exemplos espanhol e italiano para perceber qual é, efectivamente, o emprego destes meios. Ou analisar o caso belga para um exemplo de como a opção pelo Pandur 105mm poderia ganhar mais apoio num quadro em que Portugal dispensava o emprego de carros de combate - porque estas plataformas nunca podem substituir um carro de combate de lagartas.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: lurker em Maio 29, 2008, 11:28:30 pm
Creio que Espanha ainda não empregou os seus Centauro.

A Itália empregou os seus Centauro na ex-Jugoslávia, principalmente na função de escolta.
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 11:29:43 am
papatango
Citar
Pessoalmente penso que o Pandur é demasiado pequeno para este tipo de arma. Ele precisava de mais umas toneladas, mas isso só quem fez a comparação e quem terá que tomar a decisão é que pode decidir.


Bom  não sei qual o peso do Centauro, mas quando olho para as duas estruturas, vejo uma grande diferença entre os dois veiculos, o nosso Pandur por exemplo é bem mais alto, ao contrario do Centauro, não sei se isso é uma mais valia, ou pelo contrario, outra me parece que em comprimento isto somente a ver pelas fotos o Centauro é mais comprido, bom sendo o Centauro um veiculo, ao que me parece já com provas dadas com a torre de 105 mm, e ao que me parece mais pequeno que o nosso Pandur, não me parece que o Pandur seja assim tão pequeno para levar essa torre. :lol:
Título:
Enviado por: MERLIN em Maio 30, 2008, 12:01:42 pm
Mas por exemplo os francese utilizam muito os seus AMX10RC nas OPEX.
Cumptos
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 30, 2008, 03:45:06 pm
Para os interessados, confirmei junto da Brigada de Intervenção, a presença de uma viatura Pandur II na exposição de material que decorre, em Coimbra, entre dia 2 e 6 de Junho, na Praça da República.

Julgo que se trata, inclusive, da primeira participação do blindado numa exposição.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: papatango em Maio 30, 2008, 04:32:34 pm
O centauro é entre 40 a 50cmmais comprido e uns 20-30 cm mais largo.
O peso do veículo também é maior.

Mas a questão principal nem sequer é a de a torre «caber» ou não.

A questão que se coloca, é para que serve um veículo com uma blindagem fraca, equipado com um canhão de 105mm.
Qual é a função da peça ?
O que vai atacar ?
Quem vai atacar ?
Contra quem vai ser utilizado ?

A colocação de uma peça muito potente em veículos ligeiros, foi uma solução encontrada para veículos de reconhecimento. Eles deveriam utilizar a sua arma principal, para em caso de necessidade disparar contra veículos blindados.

Carros como o Panhard-EBR tinham essa função.

Os veículos com canhão de maior calibre também podem ter a
função de apoio à infantaria.

Ou seja:
Quando unidades de infantaria avançam sobre um terreno, é normal que encontrem resistências em pontos chave. Neste caso, o normal é pedir o apoio de armas de maior calibre.

O apoio pode ser dado:

1.
Por armas com capacidade para tiro directo, o que permitem por exemplo fazer fogo contra paredes ou fortificações onde se encontram forças inimigas. Isto pode ser feito com recurso a:

1.1 - Viaturas com canhão, como os Pandur-II/105mm
1.2 - Canhões rebocados os canhões de 105mm Light Gun (que também pode ser utilizado para tiro indirecto).


2.
Por armas que permitem fazer tiro indirecto o que pode ser feito com:
2.1 - Os M-109A5 com os seus obuses de 155mm.
2.2 - Os morteiros auto transportados de 120mm.
2.3 - Os canhões rebocados de 105mm Light Gun.


Até aqui tudo bem. O Pandur, pode ser utilizado como viatura para apoio da progressão de unidades de infantaria.

Só que quando analisamos as características conhecidas das torres belga CC-TV e italiana Hifact, o que vemos são sistemas que parecem ser feitos  com o objectivo de atacar outros veículos blindados.

Eu atrevo-me mesmo a afirmar que o que explica o seu elevado custo, são os sistemas de tiro e sensores, que dão ao veículo capacidade para destruir um potencial inimigo ao primeiro tiro.

A questão que coloco, evidentemente é:

Não seria melhor adquirir sistemas mais adequados ao apoio de fogo, como morteiros autopropulsados com torre, em vez do arcaico sistema de um morteiro instalado numa viatura com um alçapão que se abre para disparar ?

Estes último sistema, nem sequer pode ser utilizado em ambiente NBQ, e o exército terá isto em consideração, porque segundo afirmações à imprensa, houve problemas com o Pandur-II exactamente por causa de duvidas com a capacidade de garantir dentro do veículo uma pressão superior à pressão atmosférica, garantindo assim que o interior da viatura fica a salvo de agentes quimicos,

Então, o Pandur vai também servir para apoio de fogo indirecto, substituindo os morteiros SOLTAM quando houver possibilidade de enfrentar um inimigo munido de armas quimicas ?

= = = = =

Para quem tem que tomar decisões, há no entanto uma outra explicação possível para a opção por viaturas deste tipo com capacidade anti-carro.

Normalmente, a solução que todos temos para resolver o problema da nossa deficiência em combater contra viaturas blindadas, é a aquisição de mísseis anti-tanque.

O problema é que esses mísseis são caros, e um comandante de uma força, é pago para manter a força operacional.
Manter uma força operacional, que baseia a sua capacidade anti-carro em mísseis, implica um treino que ou é muito mais caro, porque os mísseis são muito caros, ou então é pouco eficiente, porque a maioria dos militares nunca vai disparar um míssil na vida.

Já o treino e a manutenção de capacidades de uma força equipada com armas como os canhões de 105mm a bordo dos Pandur, pode fazer menos sentido  de um ponto de vista, mas faz mais sentido do ponto de vista da operacionalidade da força, porque como cada tiro de Pandur/105mm fica muito mais barato que um disparo de um TOW ou de um SPIKE, mais militares estão treinados e mais militares já viram como funciona.

É sempre uma decisão política. Não há uma solução absolutamente mágica para este tipo de questões.
Título:
Enviado por: old em Maio 30, 2008, 04:38:12 pm
Citação de: "lurker"
Creio que Espanha ainda não empregou os seus Centauro.

A Itália empregou os seus Centauro na ex-Jugoslávia, principalmente na função de escolta.

 
Si que se an utilizado

España llevo una pequeña compañia a Irak y ahora en El Libano

.Al menos los han fotografiado pintados de blanco a punto de partir.

Italia los tiene en Afganistan e Irak

Solo se llegarian a utilizar en caso de necesidad

Pesan 25 Tn (creo)



http://www.network54.com/Realm/lusu/DSC02845.JPG (http://www.network54.com/Realm/lusu/DSC02845.JPG)
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 04:56:22 pm
Pelo que estive a ver e se estiver correto, o Centauro pesa, vazio, 23000, e preparado para combate, 25000, o Pandur vazio, 18000, preparado para combate, 20500.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 30, 2008, 06:13:56 pm
Citação de: "Daniel"
Pelo que estive a ver e se estiver correto, o Centauro pesa, vazio, 23000, e preparado para combate, 25000, o Pandur vazio, 18000, preparado para combate, 20500.

Temos que considerar dois aspectos. Esse peso não inclui o peso da torre ou mesmo da blindagem adicional que a viatura tem com o nível de protecção máximo (Level 4, salvo erro). Não é improvável que iguale o peso da viatura Centauro. Para se ter uma ideia, a diferença entre o nível de protecção Level 1 e Level 3 na Pandur II de transporte de tropas situa-se nos 2.100 kg. O facto de se tratar de um nível de protecção superior e incluir blindagem para a torre, faz-me pensar que este peso é, muito provavelmente, superado.

Se compararmos as alturas, vamos observar que a Centauro tem a mesma que a Pandur II. No entanto, o Centauro inclui uma torre, enquanto que na versão MGS da Pandur II se irá somar a este valor o correspondente à torre (HITFACT ou CT-CV). A Centauro está longe de ser uma viatura de combate de dimensões reduzidas, embora o facto da maioria das fotografias não incluir pessoas ao seu lado possa ser enganador. No caso da versão MGS da Pandur a viatura não terá um perfil baixo, o que poderá ser uma desvantagem táctica - e desconheço mesmo se técnica, pela distribuição do peso.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 06:56:58 pm
Pedro Monteiro
Citar
Temos que considerar dois aspectos. Esse peso não inclui o peso da torre ou mesmo da blindagem adicional que a viatura tem com o nível de protecção máximo (Level 4, salvo erro). Não é improvável que iguale o peso da viatura Centauro.

Pois isso é que já não sei, se o peso de 18000, da pandur é sem a torre, quanto ao Centauro, então o peso de 23000 vazio é já com a torre :?:

Citar
Se compararmos as alturas, vamos observar que a Centauro tem a mesma que a Pandur II. No entanto, o Centauro inclui uma torre, enquanto que na versão MGS da Pandur II se irá somar a este valor o correspondente à torre (HITFACT ou CT-CV).


Isso quer dizer que os Pandur são mais altos, como falou poderá ser uma desvantagem, agradecido pelo exclarecimento. c34x
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 30, 2008, 07:30:53 pm
Se fosse um CC a altura seria uma desvantagem.
Mas com parte de um ERec que tacticamente não procura o contacto talvez não o seja pois facilita a observação, neste caso a função anti-carro fica para o Milan da M11. O emprego de meios depende do tipo de IN, num teatro em que fosse previsível o uso de CC por parte do IN o mais adequado a empregar seria a BrigMec, esta sim destinada a um conflito convencional com um ERec com M60 e M113 com TOW.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 30, 2008, 07:36:38 pm
Segundo a Steyr, o peso máximo carregado para combate do Pandur-II 8x8 é de 22 toneladas.

Segundo a Fiat-Iveco o peso máximo para combate do Centauro é de 25 toneladas, com uma «folga» de mais 3 toneladas, que permite a aplicação de blindagem modular.
Parte dos veículos italianos têm de facto esta blindagem (que se percebe pelo aspecto da torre)

Estamos portanto a falar de uma diferença ente 22 e 28 toneladas.
Com uma agravante: O Centauro não foi inicialmente pensado para veículo de combate de infantaria, pelo que desde o inicio a sua construção e concepção, obedeceu a um quesito: A colocação de uma torre com um canhão de 105mm.
Posteriormente o Centauro foi transformado em VCI.

Podemos comparar o Pandur com os veículos do tipo Piranha ou AMV, mas creio que o Centauro está num outro nível.
De notar que mesmo assim, os italianos colocaram-lhe blindagem adicional.

No entanto, sabemos todos que os fabricantes estão sempre a aparecer com soluções novas para mostrar que os seus veículos podem fazer mais uma quantidade de coisas, o que é normal, pois todos os veículos evoluem.

Já agora, a torre CT-CV tem carregamento automático e uma guarnição de 2, enquanto que a Hitfact italiana tem uma guarnição de 3 e não tem carregamento automático.
Segundo os dados que tenho a torre italiana pesa 6 toneladas (carregada) e a torre belga, carregada pesa menos de 5.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Maio 30, 2008, 07:42:03 pm
Citação de: "HSMW"
Se fosse um CC a altura seria uma desvantagem.
Mas com parte de um ERec que tacticamente não procura o contacto talvez não o seja pois facilita a observação, neste caso a função anti-carro fica para o Milan da M11. O emprego de meios depende do tipo de IN, num teatro em que fosse previsível o uso de CC por parte do IN o mais adequado a empregar seria a BrigMec, esta sim destinada a um conflito convencional com um ERec com M60 e M113 com TOW.


O problema, é que qualquer das duas torres é anunciada como sendo adequada para blindados ligeiros de lagartas ou de rodas, sublinhando-se a capacidade de perfurar a blindagem de qualquer carro de combate actual.

O problema, é que para uma força que não tem capacidade de defesa antiaérea minimamente credível, a aquisição deste tipo de equipamento parece ser um gasto demasiado.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Maio 30, 2008, 07:46:27 pm
então os pandur com o canhão CT CV, têm mais velocidade que o centauro, porque é menos pesado e tem um canhão melhor porque tem tiro automático.
Isso quer dizer que o pandur 105mm é melhor que o centauro. :D
Título:
Enviado por: tyr em Maio 30, 2008, 07:47:33 pm
a altura do veiculo com canhão depende, lembro me de 2 casos em que forças que operavam carros de combate altos (como o centurion) conseguiram vantagem tatica devido a isso.
um caso foi israel nas guerras israelo arabes, veiculo mais alto, implica que a torre consegue baixar mais o angulo de tiro (e como o deserto esta cheio de dunas), resultado os carros israelitas tinham que expor só a parte superior da torre enquanto os carros arabes (de fabrico sovietico) tinham que se expor mais, pois como a torre não tinha uma inclinação negativa tão elevada, basicamente tinham que meter o caro de combate em cima das dunas.
o outro foi a guerra de angola onde os sul africanos conseguiam ver os carros angolanos enquanto os angolanos não os conseguiam ver de volta (devido ao capim alto em muitas zonas).
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 07:52:27 pm
papatango
Citar
Segundo a Steyr, o peso máximo carregado para combate do Pandur-II 8x8 é de 22 toneladas.


Bom o Pandur vazio pesa 18000, pelo que vi a torre CT-CV vazia pesa 4000, o que daria os tais 22000, isto claro o Pandur vazio sem estar preparado para cambate, pelos vistos a torre italiana, é mais pesada, ou seja vazia deverá ter as sua 5 toneladas, o que leva o Pandur caso fique com essa torre a pesar 23000, +ou-. c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 08:00:16 pm
ruben lopes
Citar
então os pandur com o canhão CT CV, têm mais velocidade que o centauro, porque é menos pesado e tem um canhão melhor porque tem tiro automático.
Isso quer dizer que o pandur 105mm é melhor que o centauro.


É preciso lembrar, que ainda não se escolheu a torre, eu próprio gostaria de saber a opinião de quem melhor etende, qual a torre a optar, em vez que a Oto Melara é canhão de carregamento manual,e por isso tambem mais barata, e CT-CV, de carregamento automático, e claro um pouco mais cara, quais as vantagens e desvatagens entre a duas torres. c34x
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 30, 2008, 08:07:32 pm
Citar
Caro Pedro Monteiro, creio que ai deve haver um erro, a Pandur para tranporte de pessoal pelo que vi anda pelo peso de 14.000 vazio, ou será que vi errado :?:
Um trabalho publicado no livro Serviço Militar 50 Anos refere que "o peso da viatura sem a dotação orgânica (armamento, equipamento e munições), sem tripulação, com protecção balística de nível 1 (...) STANAG 4569, é de 18 000 kg" (p. 63). A título de comparação, a versão de combate de infantaria  tem um peso superior, 3 000 kg da torre SP30 e na ordem dos 2 850 kg para os módulos de blindagem que asseguram a protecção Level 4 (p. 66). Julgo que o nível de protecção da Pandur MGS será Level 4 ou Level 5 - embora, claro, possa ter instalados os módulos de blindagem para Level 1. Portanto, para situações de combate, teremos que considerar mais ou menos este peso além da base na ordem das 16-18 toneladas e o peso de cada torre. No total, estaremos a falar de uma viatura para a categoria das 20-25 toneladas.
Agora, pelo que me foi dito (gostaria que alguém confirmasse), o motor a usar na Pandur MGS seria menos potente que o da Cenaturo.

Citar
Mas com parte de um ERec que tacticamente não procura o contacto talvez não o seja pois facilita a observação, neste caso a função anti-carro fica para o Milan da M11. [altura da viatura]

Note-se que a Pandur possui uma versão anti-carro que será usada pelas subunidades da BrigInt. As Panhard VBL estão integradas na BRR e, ao que sei, o Regimento de Cavalaria nº 6 já não possui nenhuma ao serviço, seja do ERec ou do GAM.

A acreditar nos dados (Brigada de Intervenção 2006/2007), a Pandur MGS destina-se não apenas ao ERec (6 viaturas), mas também ao GAM (27). O GAM será, na prática, o GCC da Brigada de Intervenção. Admito que, depois, não seja empregue como um GCC seria. Nesse caso, esta limitação da versão MGS não será determinante. Mas não me deixo de interrogar sobre a justificação de um investimento como este em tal situação.

Agora, em termos de trabalho de engenharia, tenho dúvidas se as prestações da Pandur MGS serão equivalentes às de viaturas dedicadas como a Centauro.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 08:16:33 pm
papatango
Citar
O problema, é que para uma força que não tem capacidade de defesa antiaérea minimamente credível, a aquisição deste tipo de equipamento parece ser um gasto demasiado.


Será, bom não sou a pessoa exata para saber se defacto o Pandur com torre 105mm faz de facto falta, agora as 33 Pandur com torre 105mm ficarão a volta de 130 milhões, com esse dinheiro, o que poderiamos comprar para defesa antiaéria c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 08:22:13 pm
Pedro Monteiro
Citar
título de comparação, a versão de combate de infantaria tem um peso superior, 3 000 kg da torre SP30 e na ordem dos 2 850 kg para os módulos de blindagem que asseguram a protecção Level 4 (p. 66).


Bom, com todo o respeito e não querendo duvidar, ou ser teimoso, continu achando que algo não bate certo, é Porque o meu Jeep Vazio ja pesa 2600,  :roll:  :lol:
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 30, 2008, 08:23:47 pm
Citar
O problema, é que para uma força que não tem capacidade de defesa antiaérea minimamente credível, a aquisição deste tipo de equipamento parece ser um gasto demasiado.


Por um lado é concordo, só temos escudo SHORAD com Stinger e Chaparral  e possivelmente virá o Avenger, mas faz parte do conceito estratégico de defesa Nacional que a defesa do espaço aéreo está a cargo da FAP visto a missão das F.A. ter uma postura defensiva "Portugal reserva o recurso à guerra para os casos de agressão militar efectiva ou iminente." que não se avista, se a situção na Europa se complicasse então valeria a pena adquirir novos sistemas.
Mas visto a maioria das missões que participamos são de paz (consolidação, manutenção, imposição) as Pandur são uma necessidade urgente do Exército.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 30, 2008, 08:38:18 pm
Citação de: "Daniel"
Pedro Monteiro
Citar
título de comparação, a versão de combate de infantaria tem um peso superior, 3 000 kg da torre SP30 e na ordem dos 2 850 kg para os módulos de blindagem que asseguram a protecção Level 4 (p. 66).

Bom, com todo o respeito e não querendo duvidar, ou ser teimoso, continu achando que algo não bate certo, é Porque o meu Jeep Vazio ja lpesa 2600,  :roll:  :lol:
fala-se do peso da torre não do veículo...


HSMW -> tenho impressão que fiz asneira, acho que apaguei uma mensagem sua que me pareceu duplicada.

Citação de: "HSMW"
Mas visto a maioria das missões que participamos são de paz (consoidação, manutenção, imposição) as Pandur são uma necessidade urgente do Exército.
A questão não é o Pandur nas suas várias versões, mas sim a utilidade do Pandur-II/105mm.

Os italianos (por razões óbvias) já colocaram protecção adicinal nos veículos Centauro.
Na verdade, a ideia de possuir uma peça de calibre considerável com uma grande mobilidade é muito interessante, mas quando começamos a pensar que se trata de veículos com uma blindagem que tem grande probabilidade de não resistir a um LGF / RPG então talvez seja melhor pensar duas vezes...

Quanto à potência o motor IVECO-FIAT MTCA, é um V6 turbodiesel e tem 520cv segundo a Janes. Um bocado mais que a potência do Pandur-II que pelo que me lembro anda pelos 455cv se utilizar o motor HPCR. Caso contrário a potência do outro motor mais pequeno é de 285cv.
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 30, 2008, 09:05:43 pm
papatango
Citar
fala-se do peso da torre não do veículo...


Eu estava a perceber mal. :?:  c34x
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 30, 2008, 09:38:41 pm
Citar
o que poderiamos comprar com 130 milhões de euros para defesa antiaéria Question Cool
Nasams tal vez :?: Lo digo,en relacion a una noticia del año 2006 donde Holanda comparaba los sistemas nasams/slamraam por unos 60 mill.de $.
Citar
HOLANDA ORDENA SISTEMAS DE DEFENSA AEREA NASAMS-SLAMRAAM.
Categoria: Ejercito - 12-12-2006 05:24

El Ministerio de defensa danés acaba de anunciar que ha firmado un contrato valuado aproximadamente en 60 millones de dólares para las entregas al ejército holandés de un sistema integrado de defensa aérea bajo el programa de la futura defensa aérea basada en tierra (FGBAD NL). Los sistemas protegerán fuerzas holandesas contra aviones, helicópteros, misiles de crucero y vehículos aéreos sin tripulación, siendo completamente móviles. El sistema NASAMS-SLAMRAAM está basado en los misiles AMRAAM usados en los aviones pero con base en tierra como parte del sistema superficie-aire. El contrato concedido en octubre 2004 cubría 3 radares móviles de vigilancia TRML-3D, y vehículos para operación de comando y control incluyendo un sistema de comunicaciones de radio. Los componentes del sistema actual se compone de 2 radares móviles de vigilancia TRML -3D de EADS, comando móvil y centros de operaciones de control proporcionados por EADS y la subsidiaria Rheinmetall Oerlikon-Contraves, una red digital de comunicación por radio de Oerlikon y 6 sistemas de lanzadores noruegos NASAMS II provistos por Kongsberg. Cada sistema tiene un número de vehículos con los misiles, además de otros elementos. Para asegurar la coordinación de las armas, todos los componentes del FGBAD NL se unirán mediante una red trabajó LAN que asegurará una infraestructura de comunicaciones de radio mediante el intercambio de información en tiempo real entre las unidades de radar, el vehículo de comando y los sistemas de armas. El sistema será entregado en 2009 y parte del contrato también se refiere al mantenimiento del sistema. La empresa noruega Kongsberg llevará la responsabilidad del mantenimiento del sistema junto con EADS a partir de 2009 y hasta el 2014. La fuerza armadas de Holanda utilizarán el sistema antiaéreo para defensa nacional así como en operaciones internacionales.

http://www.espejoaeronautico.com/index.php?scp=news&id=4287
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Maio 30, 2008, 10:58:08 pm
Citar
Bom, com todo o respeito e não querendo duvidar, ou ser teimoso, continu achando que algo não bate certo, é Porque o meu Jeep Vazio ja pesa 2600,  :roll:  :lol:

O casco da Pandur, em si, não oferece protecção balística. São os módulos que oferecem, e daí o seu peso. Portanto, os valores para o casco terão algum cabimento. A título de comparação a Chaimite tem um peso na ordem das 7-10 toneladas.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: HSMW em Maio 31, 2008, 03:15:16 pm
Citação de: "Pedro Monteiro"
Sobre a EPC em Abrantes, sugiro a leitura deste breve trabalho na minha página, acompanhado de algumas fotografias:
http://pedromonteiro-photography.blogsp ... laria.html (http://pedromonteiro-photography.blogspot.com/2008/03/escola-prtica-de-cavalaria.html)

Em Fevereiro, quando visitei Abrantes para algumas pesquisas, estavam lá duas Pandur II na versão ICV (Infantry Carrying Vehicle) para efeitos de instrução. Uma delas consta, aliás, da reportagem fotográfica do trabalho.

Sobre as instalações, eu, pelas visitas aos mesmos, diria que Abrantes tem vantagens comparativamente a Santarém. Por exemplo, não se situa no centro da cidade (a EPC tinha alguns terrenos fora do quartel, mas muito limitados), mas sim à saída de Abrantes o que torna mais fácil (até para as populações) o movimento de colunas de viaturas. Depois, a proximidade de Santa Margarida com vantagens para a instrução dos militares da EPC nos seus terrenos, embora sejam também usados outros terrenos que pertenciam ao antigo regimento. Finalmente, a disponibilização do aquartelamento de Santarém que deixou de ser terreno militar o que traz vantagens de exploração urbanística, mesmo que sem (repito, sem) construção dentro do aquartelamento. O que para o desenvolvimento de Santarém é uma mais-valia. A localização no centro da cidade não favorecia a actividade operacional da EPC, nem a vida quotidiana das populações. Tinha um valor simbólico. Eventualmente, num país com mais recursos, faria sentido construir um novo quartel fora do centro de Santarém, mas com o quartel de Abrantes livre...

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/epc1.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/epc4.jpg)

O aquartelamento de Abrantes possui, obviamente, algumas limitações. No fim de contas, não foi originalmente construído para os meios blindados da Cavalaria. Por exemplo, as garagens não têm portões pouco largos e pouco espaço interno. Contudo, são questões que poderão ser resolvidas e, no geral, a nova localização parece ser uma boa opção - com a excepção do arquivo estar ainda por organizar . :)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro


(http://i279.photobucket.com/albums/kk144/HSMW/Cavalaria/HPIM6198.jpg)
Em Santarém era assim
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 02, 2008, 10:49:20 pm
Umas fotografias de uma das duas Pandur II ICV em exposição, até ao final da semana, em Coimbra. Ambas pertencem ao RI13 de Vila Real.  :)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c9.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c1.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c2.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c3.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c5.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c6.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c7.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c11.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c8.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c10.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 03, 2008, 11:34:25 am
Bom dia, algum dos caros camaradas me sabe responder quantos Pandur II ja se encontram ao serviço do nosso Exército e quais as unidades que ja o possuem? :lol: obrigado
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 03, 2008, 02:57:23 pm
caro INSTRUTOR, já foram recebidos 15 veículos de transporte pessoal e acho que dois pandur do tipo de combate de infantaria foram recebidos para instrução.
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 03, 2008, 04:39:50 pm
Sei que existem vários veiculos de lagartas adaptados para anti-aérea ou que possuem essa versão.

Pergunto, é possivel fazer algo assim num veiculos blindado de rodas como o Pandur? Há interesse nisso?
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 03, 2008, 04:57:01 pm
De momento não conheço nenhum Veículo de Rodas capaz de transportar um sistema anti - aéreo com misseis curto médio alcance, o que existe são veículos de fabrico russos tipo S400/SA21A e o S300 PMU1 e 2 capazes de disparar misseis de medio e longo alcance mas nada parecido com o Pandur II, agora o que se podia fazer era adaptar ao Pandur II um sistema de de defesa anti-aerea de 20mm tipo Vulcan M61, permitindo a defesa do Veículo e tripulação de ataques provindos de helis.
Se algum camarada conhecer algum sistema de defesa anti-aerea instalado num veúculo sobre rodas, agradecia.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 03, 2008, 04:58:49 pm
o veículo pizarro acho que tem.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 03, 2008, 05:04:06 pm
Existe um sistema semelhante ao GEPARD alemão que foi testado em viaturas de rodas (com sucesso, mais precisamente num chassi adaptado do Transporpanzer 1) mas para o qual não houve compradores (era na altura da guerra fria e o que se cria era blindagem pesada ao maximo).
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 03, 2008, 05:08:42 pm
caro ruben lopes o Pizarro de facto tem um sistema lança misseis terra-ar SAM numa versão, mas é de lagartas, o que queria saber é se existe angum veículo de rodas capaz de lançar misseis anti aéreos ou adaptar alguns Pandur para defesa aérea, mas na minha prespectica acho que não é viável, preferia ver os pandur armados com o sistema de defesa aérea tipo de 20mm tipo Vulcan M61 de tiro rápido, para fazer face a ameaças do tipo helis.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 03, 2008, 05:16:54 pm
O LAV-25/Piranha tem...

(http://www.fas.org/man/dod-101/sys/land/lav-ad-P97056a.jpg)

 :roll:
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 03, 2008, 05:26:15 pm
È o que eu acho Pereira Marques, mas como esse Piranha penso que é algo semelhante a  uma metralhadora Vulcan, isto sim acho que poderia ser adaptada aos Pandur II
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 03, 2008, 05:32:57 pm
Caro Pereira Marques pode-me explicar melhor como ira funcionar esse sitema avenger?? Sei que são instalados em cima de viaturas de rodas quais??? tem fotos de como será??
Título:
Enviado por: nelson38899 em Junho 03, 2008, 05:35:58 pm
(http://blog.800hightech.com/wp-content/uploads/laser-avenger-1.jpg)

avenger
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 03, 2008, 06:51:11 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Já agora pergunto uma coisa, porque é que o Exército Português quer ir "perder tempo e dinheiro" com o desenvolvimento de uma versão de Defesa-Aérea do Pandur, se já foi "decidido" (e a manter-se essa intenção) que os novos meios SHORAD do EP serão os Avenger e, eventualmente, mais Stinger. :roll:


Eu perguntei isso, porque pensei que se podia fazer o que se esta a fazer actualmente com a torre de 105mm, numa possivel torre de defesa aérea que se pudesse adaptar num Pandur, como por exemplo nesse LAV III que você postou.
Título:
Enviado por: major-alvega em Junho 03, 2008, 07:08:51 pm
e o sistema avenger irá ser adquirido quando, e quantas unidades???


ps: e a que preço???
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 03, 2008, 07:45:05 pm
Citação de: "Lightning"

Eu perguntei isso, porque pensei que se podia fazer o que se esta a fazer actualmente com a torre de 105mm, numa possivel torre de defesa aérea que se pudesse adaptar num Pandur, como por exemplo nesse LAV III que você postou.


Possível é...até acredito que não fosse muito dificil do ponto de vista técnico...há vontade do Exército Português ou da Steyr de desenvolver esta (possível) nova versão...não :roll:
Título:
Enviado por: major-alvega em Junho 03, 2008, 08:01:23 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "Lightning"

Eu perguntei isso, porque pensei que se podia fazer o que se esta a fazer actualmente com a torre de 105mm, numa possivel torre de defesa aérea que se pudesse adaptar num Pandur, como por exemplo nesse LAV III que você postou.

Possível é...até acredito que não fosse muito dificil do ponto de vista técnico...há vontade do Exército Português ou da Steyr de desenvolver esta (possível) nova versão...não :roll:


O que vale é que o Exército nunca tem vontade, tretas!!! o problema não é o exército não ter vontade nem nunca será!!! o problema é que estamos num país de caca em que para conceder a merdinha de uma verba para as forças armadas é quase perciso revirar o mundo!!!
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Junho 03, 2008, 11:25:48 pm
Citação de: "major-alvega"
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "Lightning"

Eu perguntei isso, porque pensei que se podia fazer o que se esta a fazer actualmente com a torre de 105mm, numa possivel torre de defesa aérea que se pudesse adaptar num Pandur, como por exemplo nesse LAV III que você postou.

Possível é...até acredito que não fosse muito dificil do ponto de vista técnico...há vontade do Exército Português ou da Steyr de desenvolver esta (possível) nova versão...não :roll:

O que vale é que o Exército nunca tem vontade, tretas!!! o problema não é o exército não ter vontade nem nunca será!!! o problema é que estamos num país de caca em que para conceder a merdinha de uma verba para as forças armadas é quase perciso revirar o mundo!!!


Olhe que a "merdinha" não é assim tão pequena.
E qual o interesse em projectar e desenvolver uma versão AA do Pandur ?
Para exportação, já que as FA eventualmente iriam adquirir poucas unidades ?
E o custo do desenvolvimento ? Mais valia adquirir os sistemas que se encontram no mercado
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 03, 2008, 11:47:45 pm
Metam o sistema avenger nos Hummers que já temos e não inventemos mais, o Avenger não se vai destinar a BRR? Logo terá de ser uma plataforma movel, e aerotransportavel.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 04, 2008, 12:02:19 am
Vamos alinhar alguns factos conhecidos:
a) o sistema Avenger destina-se a substituir os sistema Chaparral na BrigInt;
b) não existe, actualmente, uma versão antiaérea da Pandur II;
c) cada Pandur II, versão base, custa 1 milhão de euros;
d) um HMMW custa, salvo erro, na ordem dos 100 mil euros;
e) em termos de transporte aéreo e discrição no terreno, as dimensões da HMMWV dão-lhe vantagens;
f) havendo interesse comercial, a Fabrequipa e/ou Steyr podem desenvolver o seu protótipo e apresentá-lo, tal como fez a Bravia com uma versão antiaérea da Chaimite.

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: Pandur II
Enviado por: Stalker em Junho 04, 2008, 12:33:56 am
Esta semana, em Coimbra, está uma demonstração de equipamento militar na Praça da República e no centro comercial Dolce Vita. Na Praça estavam dois dos novos Pandur II, umas máquinas bestiais.  Quem me dera ter podido tirar umas fotos (não tinha máquina comigo)  :D
Pelo que pude apurar são muitos robustos e potentes, mas o software (sobretudo) levanta algumas questões. Parece que o pessoal do exercito desconfia de algo que tenhas computadores a mais, e eu não os censuro.
Mas que metem respeito metem!
Título: Re: Pandur II
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 04, 2008, 08:43:43 am
Citação de: "Stalker"
Esta semana, em Coimbra, está uma demonstração de equipamento militar na Praça da República e no centro comercial Dolce Vita. Na Praça estavam dois dos novos Pandur II, umas máquinas bestiais.  Quem me dera ter podido tirar umas fotos (não tinha máquina comigo)  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 04, 2008, 09:51:42 am
De facto e de acordo com a foto publicada pelo camarada nelson se ja temos Hummers para que gastar dinheiro desnecessário, aproveitemos as 20 unidades que temos e que sirvam de plataforma a este sistema, ja que o exército quer adquirir um novo 4x4 blindado espero eu que seja o novo panhard o hummer pode bem servir como plataforma AA.
Qual o alcance anti aéreo deste sitema avenger?? E qual o seu grau de fiabilidade e eficácia??
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Junho 04, 2008, 12:05:30 pm
Citação de: "Instrutor"
De facto e de acordo com a foto publicada pelo camarada nelson se ja temos Hummers para que gastar dinheiro desnecessário, aproveitemos as 20 unidades que temos e que sirvam de plataforma a este sistema, ja que o exército quer adquirir um novo 4x4 blindado espero eu que seja o novo panhard o hummer pode bem servir como plataforma AA.
Qual o alcance anti aéreo deste sitema avenger?? E qual o seu grau de fiabilidade e eficácia??


Acho que esse nº de unidades já é inferior aos 20
E os HMMWV já não tem o kit blindado da Plasan ?
Adquiram mas é o sistema completo, torre giro-estabilizada para o lançador + chassis HMMWV
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 04, 2008, 02:08:48 pm
Sim o modelo dos Hummers foram algum tempo atras modificados com sistema de blindagem israelita Plasan-Sasa, de facto camarada bravo acho que de facto a adquir os sitemas AA Advenger quem comprem logo o chassis AA do Hummer. Ao menos é tudo construido de raiz para essa finalidade, do que andar com romendos e depois nao servir. :?
Título:
Enviado por: papatango em Junho 04, 2008, 10:08:15 pm
Foi-me colocada a questão há uns posts atrás pelo Daniel sobre o que é que eu queria dizer quando falei dos Pandur/105mm em oposição a sistemas anti-aéreos.

Na verdade eu não estava a pensar nos sistemas de mísseis, mas sim em sistemas que incluíssem a artilharia anti-aérea convencional.
Esse tipo de sistema tem a vantagem de também poder ser utilizado na função anticarro.

Eu estava a pensar em coisas como isto:
(http://www.quarry.nildram.co.uk/Skyrangere.jpg)
juntamente com os sistemas de radar.

Já sei, sou maluco ...  :roll:
Título:
Enviado por: lurker em Junho 04, 2008, 10:18:56 pm
Isso é um 35mm com munições airbust?

EDIT: Já vi que sim.
O alcance dessa coisa é um bocada para o limitado: ~ 3.5km contra aeronaves.
Título:
Enviado por: LM em Junho 04, 2008, 11:48:56 pm
Aproveitando a "deixa": ainda há lugar para canhões AA nos dias de hoje, onde tudo aposta em misseis (Stinger/Avenger, etc)...? Não será o canhão ainda válido em um sistema misto tipo (Gepard + Stinger)?

E para defesa "não móvel", sistemas como o Skyshield ainda têm lugar...?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Junho 05, 2008, 12:09:47 am
Citação de: "LM"
Aproveitando a "deixa": ainda há lugar para canhões AA nos dias de hoje, onde tudo aposta em misseis (Stinger/Avenger, etc)...? Não será o canhão ainda válido em um sistema misto tipo (Gepard + Stinger)?

E para defesa "não móvel", sistemas como o Skyshield ainda têm lugar...?


Bem, o Skyshield e o 2K22 Tunguska são um sucesso comercial
E os russos utilizaram o ZSU-23-4 e o Tunguska contra alvos terrestres na Tchetchénia.
Os sistemas ocidentais (Gepard/Cheetah PRTL;  CV9040 AAV) também podem disparar contra alvos terrestres ?
Título:
Enviado por: papatango em Junho 05, 2008, 12:42:09 am
Os canhões não só continuam a fazer sentido, como continuam a ser instalados.

Se olharmos para o «Avenger», continua lá um canhão, seja um Gatling de 30mm seja um canhão de alta cadência de outro calibre.

O problema é o mesmo dos anos 60 / 70 quando se pensava que os canhões tinham deixado de fazer sentido nas aeronaves.
É o mesmo da marinha, quando deixaram de colocar canhões nos navios deixando apenas mísseis antiaéreos e antinavio.

Fazer a mesma coisa nos meios terrestres seria cair no mesmo erro.

Além disso os canhões antiaéreos continuam hoje como no passado a ter a possibilidade de utilização multipla como meios anticarro.

Mas não é só isso:

Sistemas como o Skyshield não são para utilização contra aviões mas sim contra helicópteros anti-tanque.
E a munição é pensada para atacar alvos pequenos e baratos, ou seja:
Nos exército modernos vai haver (na prática já há) UAV's para pequenas unidades, que vão ser utilizados ao nível do comando de brigada ou de batalhão ou mesmo de companhia para investigar o que está do outro lado da colina.

Este tipo de reconhecimento por mini UAV's torna o reconhecimento tradicional obsoleto.
Se quisermos defender-nos desse tipo de mini UAV's de supermercado, vamos utilizar um míssil de 100.000 Euros contra ele quando podemos utilizar um simples disparo de tiro de canhão ?

Os canhoes continuam a fazer sentido, e os canhões anti-aéreos também.

O que acho desconcertante, é que parece que estamos a cair no de sempre. Um conservadorismo que não acompanha a evolução.
Ouvimos muito neste fórum falar de EREC. Esquadrão de Reconhecimento...

Se a guerra moderna continua a evoluir. Dentro de dois três ou o máximo quatro anos, o reconhecimento aéreo por UAV's tende a tornar-se coisa de custos minimos.

Até a Alcaida vai utilizar UAV's

E nós preocupados com os dinossauros dos EREC's da vida... :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 05, 2008, 12:42:48 am
qualquer canhão pode ser usado contra alvos terrestres (o gepard até tem dual feed para cada canhão, com o 2º tipo de munição sendo teoricamente (eles metem o que querem) anticarro).

e os canhões fazem coisas que os misseis não fazem, como por exemplo tiro antiaereo (ainda que muito limitado, pois a pontaria tera que ser feita pelo homem neste caso) com empastelamento de todo o espectro electro magnetico, para alem de treinar com um Canhão antiaereo ser centenas de vezes mais barato que com qualquer missil.
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 05, 2008, 12:50:58 am
Eu acho que o canhão vai continuar a existir por uma outra razão além das já referidas.

Enquando um missil pode ser desviado por uso de contra-medidas uma bala não :wink: .
Título:
Enviado por: raphael em Junho 05, 2008, 09:27:13 pm
Além de que em termos concretos de SHORAD (Short Range Air Defense) o sistema Phalanx têm uma relação custo/eficácia ainda bastante satisfatória, é algo como 6.000 tiros p/min (em termos de navios). É a ultima linha de defesa das nossas fragatas contra misseis do IN. Sim porque os aviões esses nem precisam de se aproximar com as capacidades BVR (Beyond Visual Range) tão desenvolvidas.
Mas ainda o futuro navio polivalente logísitico tem prevista a instalção de 02 sistemas Phalanx.
Daí que os canhões terão sempre emprego no campo de batalha
Título:
Enviado por: tyr em Junho 05, 2008, 10:15:30 pm
as phalanx a nivel naval são um conceito mais que comprovado (um muro de chumbo quase intransponivel), a nivel terrestre é que apresentam varias lacunas (estou a falar para unidades moveis), precisam de imensas munições que têm que ser transportadas e que não pesam pouco nem ocupam pouco espaço (é que um canhão de uma viatura não é como um navio (que pode levar munições quase as paletes) ou como um avião (que tem missões de curta duração e por isso vai ter poucos empenhamentos, e sempre que aterra é reabastecido), e o alcance tambem é limitado (e se disserem que pode ser reabastecido, não se esquecam que quem reabastece são outras viaturas que têm que transportar o material).
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 05, 2008, 10:41:08 pm
Mais umas fotografias dos Pandur II esta semana em Coimbra:

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/P6043981.jpg)

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/P6044006.jpg)

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/P6044004.jpg)

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/P6044030.jpg)
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 08, 2008, 11:04:43 pm
Mais algumas fotografias das Pandur II de Coimbra.  :wink:

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c13.jpg)

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c14.jpg)

E uma a regressar a Vila Real...

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/pandur_c15.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 08, 2008, 11:43:15 pm
Excelentes fotos. Estão tão boas que tenho vergonha das minhas.  :oops:
Título:
Enviado por: papatango em Junho 09, 2008, 01:07:27 am
ShadIntel-> A culpa não é sua, mas sim do Sol...  :D
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 09, 2008, 11:51:21 am
Citação de: "papatango"
ShadIntel-> A culpa não é sua, mas sim do Sol...  :(

Só foi uma pena não terem colocado lado a lado um Pandur e uma Chaimite, para que se possa notar melhor a diferença de tamanho. As Chaimite e o V150 estavam num canto, à sombra das árvores, como três avozinhas a olhar afectuosamente para os netos que são o centro de todas as atenções.  :wink:
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 09, 2008, 07:40:56 pm
avozinhas.....  foi uma piada muito realista  :G-Ok:
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Junho 11, 2008, 03:16:08 pm
Não seria interesse da FAP trocar os não tão velhos Condor pelos Pandur II já que estamos a fabricar cerca de 300 veículos, mais "meia duzia" para a FAP não varia mossa. Penso eu de que!
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 11, 2008, 07:34:15 pm
É, É :D ganhamos 3-1 aos checos. PORTUGAL!!! PORTUGAL :!!!  :banana:  :banana:
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Junho 11, 2008, 08:09:15 pm
Caro Cabecinhas!

"Velhas condor" :?: :?:

O carro tem uma vintena de anos ao serviço, e o Sr. já o rotula de "velho"?
Para policiar o perímetro das Bases Aéreas, chega e sobra!


Um Abraço.
Título:
Enviado por: major-alvega em Junho 11, 2008, 08:50:47 pm
(http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/im_TER/Condor_UR425_01.JPG)



de facto os condor já têm uns quantos anos, mas tendo em conta os serviços e funções até são bastante adequados. é pena é só haver 12 viaturas no activo!
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Junho 11, 2008, 08:54:22 pm
Eu disse menos velhas... mas 20 anos já é qualquer coisa. Com a uniformização ter-se-ia só uma cadeia logistica.
Título:
Enviado por: Johnny em Junho 11, 2008, 08:55:36 pm
Por falar em Condor.... :D


(http://img185.imageshack.us/img185/3006/img0003jx8.th.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: LuisC em Junho 12, 2008, 12:43:36 am
Já tive oportunidade de viajar num Condor. Pareceu-me um blindado relativamente moderno.
O mesmo não se pode dizer de um blindado com aspecto esquisito, julgo que de marca DAF, que a FAP possuía, esse sim parecia-me já bastante velho.
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 12, 2008, 05:36:09 pm
Citação de: "LuisC"
Já tive oportunidade de viajar num Condor. Pareceu-me um blindado relativamente moderno.
O mesmo não se pode dizer de um blindado com aspecto esquisito, julgo que de marca DAF, que a FAP possuía, esse sim parecia-me já bastante velho.


Um de 8 rodas não éra? Isso ainda trabalha? Acho que nem está na www.areamilitar.net (http://www.areamilitar.net).
Título:
Enviado por: papatango em Junho 12, 2008, 05:56:19 pm
O interior de uma viatura Condor:

(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/Condor_Int_1.jpg)
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/Condor_Int_2.jpg)
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 12, 2008, 08:34:06 pm
ok, por favor, voltemos com o assunto dos pandur.
como há foristas aqui que são militares, alguém sabe qual é a data em que vão ser entregues mais pandur´s? :)
havia uma notícia que vi neste tópico, em que dizia que até ao fim do ano vão ser entregues 82 pandur.
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 12, 2008, 10:17:50 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "LuisC"
Já tive oportunidade de viajar num Condor. Pareceu-me um blindado relativamente moderno.
O mesmo não se pode dizer de um blindado com aspecto esquisito, julgo que de marca DAF, que a FAP possuía, esse sim parecia-me já bastante velho.

Um de 8 rodas não éra? Isso ainda trabalha? Acho que nem está na www.areamilitar.net (http://www.areamilitar.net).


DAF YP-408

http://gaf.zeelandnet.nl/yp408/portugal.html (http://gaf.zeelandnet.nl/yp408/portugal.html)

http://militaryzone.home.sapo.pt/fap4.htm (http://militaryzone.home.sapo.pt/fap4.htm)

(http://gaf.zeelandnet.nl/yp408/images/portugal/AM5870.jpg)

(http://gaf.zeelandnet.nl/yp408/images/portugal/daf5.jpg)
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 12, 2008, 11:39:13 pm
Ui! Ainda era pior que a chaimite!
Título:
Enviado por: Duarte em Junho 13, 2008, 12:25:51 am
Ganda chaço! E feio!
A FAP devia encomendar uns 12 Pandur para subsituir estas bestas.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 13, 2008, 03:27:00 pm
em vez de terem pandur´s, devia-se comprar mísseis anti-aéreos, para a RESCOM, para melhorarem a defesa das bases aéreas
Título:
Enviado por: nelson38899 em Junho 13, 2008, 03:29:53 pm
Sinceramente para a rescom, na minha opinião os unicos misseis que deviam ter é anti carro.
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Junho 13, 2008, 03:47:43 pm
Misseis anti-aéreos para a RESCOM ???

Não seria para a FAP em geral que querias dizer a valência deles, pelo que percebi, não é fazer a segurança propriamente dita a bases militares
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 13, 2008, 03:53:59 pm
A PA toma conta das Bases Aéreas cá em Portugal, a UPF (sub-unidade da PA), faz o mesmo mas lá fora.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 13, 2008, 04:00:00 pm
sim, segundo o que diz na LPM, o sistema avenger vai ser incluido, e que tem de ser comprado até 2012. era melhor pensarem já a adquirirem-no, porque se o prazo é até 2012, depois de se comprar, demora-se um tempão para ser adquirido. 40 hummers com este sistema deveriam chegar. mas será que este novo sistema vai ser usado nas bases aéreas? :?
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 13, 2008, 04:02:14 pm
sim, segundo o que diz na LPM, o sistema avenger vai ser incluido, e que tem de ser comprado até 2012. era melhor pensarem já a adquirirem-no, porque se o prazo é até 2012, depois de se comprar, demora-se um tempão para ser adquirido. 40 hummers com este sistema deveriam chegar. mas será que este novo sistema vai ser usado nas bases aéreas? :?
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 13, 2008, 04:09:50 pm
Citação de: "ruben lopes"
sim, segundo o que diz na LPM, o sistema avenger vai ser incluido, e que tem de ser comprado até 2012. era melhor pensarem já a adquirirem-no, porque se o prazo é até 2012, depois de se comprar, demora-se um tempão para ser adquirido. 40 hummers com este sistema deveriam chegar. mas será que este novo sistema vai ser usado nas bases aéreas? :?

E para quê? Alguém está prestes a atacar-nos?
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 13, 2008, 04:23:00 pm
não, só diz no LPM, que até 2012, será comprado o sistema avenger, para as forças armadas.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 13, 2008, 05:24:49 pm
Citação de: "ruben lopes"
não, só diz no LPM, que até 2012, será comprado o sistema avenger, para as forças armadas.


Diz aonde? Eu não consigo ler "economês" ou "contabilês"

LPM: http://dre.pt/pdf1sdip/2006/08/16600/62326235.PDF (http://dre.pt/pdf1sdip/2006/08/16600/62326235.PDF)

Se se refere à rúbrica da Força Aérea: "Capacidade de Defesa Aérea e Operações Aéreas Antisuperfície em ambiente Marítimo e Terrestre", isso é para aviões, leia-se modernização do resto dos F-16. Portanto mísseis terra-ar na FAP é melhor esperar sentado.

Em relação concretamente ao Avenger. O GEN CEME (que por acaso é artilheiro, especializado em Artilharia Antiárea) tem vindo a falar da necessidade de dotar o Exército de melhores meios SHORAD e, em vários artigos da "Revista de Artilharia" tem vindo a ser demonstrado interesse/preferência pelo Avenger...agora dai até à sua concretização :oops:

Conclusão: tudo isto tem imensas regras legais e contabilisticas e até um determinado sistemas de armas estar efectivamente ao serviço...muita "água tem de passar debaixo da ponte".
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 13, 2008, 07:06:16 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
A PA toma conta das Bases Aéreas cá em Portugal, a UPF (sub-unidade da PA), faz o mesmo mas lá fora.


Posso estar errado mas acho que também não é bem assim, pois quando a FAP teve o comando do KAIA a força de segurança deles chamava-se IMP (International Military Police) e era constituida por militares de diversas policias militares da NATO, até podia ter PAs e PEs por exemplo.

Mas quando o C-130 esteve em Cabul estava inserido num Destacamento conjunto com a Bélgica, e havia um grupo de Pára-Comandos Belgas que acompanhava sempre o nosso C-130 quando este ia em missões, penso que não eram eles os responsaveis pela segurança do perimetro do KAIA, foi isso que levou a FAP a transformar a RESCOM em UPF pois se uma missão CSAR é pouco provavel, uma missão de Protecção das Forças Expedicionárias Aéreas, no contexto actual, já o é.

Nesse tipo de missões a função da UPF é efectuar a segurança proxima à aeronave e tripulação quando aterram em zonas inseguras, por exemplo sei que não se falou nisso mas não me supreendia nada se tivesse ido uma equipa do UPF para o Chad com o C-130 pois este andou dum lado para o outro a levar refugiados, mantimentos, etc e concerteza aterrou em terrenos com pouca ou nenhuma segurança já no solo.
Título:
Enviado por: PedroM em Junho 13, 2008, 11:20:33 pm
Boa Noite!

Alguém sabe em que ponto se encontra o assunto dos Pandur 105mm?

Tenho ideia, mas posso estar errado, que Junho era o timing previsto para a conclusão do processo de avaliação ou de entrega do relatório de selecção. Será assim?
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 14, 2008, 12:56:10 am
Acho que estas ainda vão continuar mais uns tempos
(http://i279.photobucket.com/albums/kk144/HSMW/Cavalaria/DSC07841.jpg)
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 14, 2008, 10:44:12 am
estes veículos até têm um melhor aspecto que os chaimite. e já, agora qual é o calibre dos LAV-150?
Título:
Enviado por: LuisC em Junho 14, 2008, 01:22:20 pm
90mm!
Título:
Enviado por: major-alvega em Junho 14, 2008, 02:13:19 pm
uns dizem uma coisa outros outra, quantos pandur já foram adquirido?? e quandos faltam adquirir?? e quando serão todos entregues??
Título:
Enviado por: nelson38899 em Junho 14, 2008, 02:38:32 pm
pelas minhas contas nós ja temos cerca de 13 unidades, ainda faltam duzentas e muitas
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 14, 2008, 06:18:17 pm
não, temos 15. Está a dizer isso numa notícia em  páginas anteriores deste tópico.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Junho 14, 2008, 08:40:48 pm
Citação de: "major-alvega"
uns dizem uma coisa outros outra, quantos pandur já foram adquirido?? e quandos faltam adquirir?? e quando serão todos entregues??

A questão do número (240) e data (2010) já a havia feito pelo menos uma vez e já lhe havia sido respondida... Tenha atenção ao que se vai escrevendo.  :wink:

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 15, 2008, 12:51:52 pm
se os fuzileiros vão ter 20 pandur´s, quais são as versões, e sem o NAVPOL, como é que vão ser transportados?
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Junho 16, 2008, 02:51:04 pm
Citar
Blindados abrem portas em Angola
00h54m
carlos varela
 
Os italianos da empresa Oto Melara querem dar a Portugal o mercado de Angola e do Brasil, no caso de virem a ser escolhidos como vencedores no concurso de torres para os blindados de rodas, um processo que está a decorrer, soube o JN.

A informação foi recolhida junto da própria empresa italiana, na sequência dos testes que decorreram recentemente no nosso país, em Santa Margarida, onde a Oto Melara fez a demonstração de uma torre de 105mm, proposta para os blindados Pandur 8x8. O processo de aquisição está a cargo da Direcção-Geral de Armamento, do Ministério da Defesa, e tem como objecto a aquisição de 33 torres de 105mm para serem instaladas em outros tantos Pandur para o Exército, num negócio que deverá rondar os 120 milhões de euros. Os italianos têm como concorrente a CMI, uma firma belga, que desde início se mostrou disponível para fabricar a torre - ou, pelo menos, componentes - em Portugal, uma proposta natural, uma vez que os belgas não dispõem de fábrica e aplicam esta solução empresarial cada vez que fecham negócio com um Estado. Opção distinta tinha a Oto Melara, que alterou o posicionamento e surge com a proposta da produção de componentes no nosso país. Já foram, aliás, feitos contactos com várias empresas com capacidade para acolher o fabrico de elementos para a torre. Por outro lado, os italianos já deram mostras de querer abrir à participação portuguesa os mercados de Angola e do Brasil, onde estão a ser desenvolvidos esforços comerciais por parte da Oto Melara. Em Angola, as necessidades passam, em particular, pela modernização dos carros de combate T-72, com a Oto Melara interessada na remotorização e na instalação de novas torres, alterações já testadas pela fábrica italiana. "As torres podem ser fabricadas em Portugal e vendidas a Angola", adiantou, ao JN, um responsável da empresa. É que o interesse dos angolanos vai para o calibre de 120mm, mas a torre proposta a Portugal pode ser alterada para suportar aquele calibre apenas com a substituição do canhão, uma vez que o berço está concebido de origem para facilitar a mudança. Quanto ao Brasil, o interesse está associado ao processo de aquisição de blindados, em que Portugal pode fornecer "know-how". O processo de aquisição está para decisão no Ministério da Defesa, mas a Oto Melara conta também como argumento com o facto de a sua torre já estar em serviço em vários países e ter sido testada em cenários de operações.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 16, 2008, 06:46:27 pm
noticia da area militar (não sei porque não dá para transferir para aqui):



http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=576 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=576)
Título:
Enviado por: Luso em Junho 16, 2008, 07:01:29 pm
Correndo o risco de fazer um comentário simplista direi apenas:

- Com a torre belga, que permite uma maior elevação e logo fogo indirecto (bater área a longa distância) e contra edificios altos, ao menos o Pandur 105 teria alguma utilidade!

Não me convencem com essa de ter um canhão de 105mm, decididamente para missões anticarro.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 16, 2008, 10:09:37 pm
também concordo com a torre Hitfact.
deixem o trabalho anti-tanque aos lança-foguetes. :x
Título:
Enviado por: lurker em Junho 16, 2008, 10:51:42 pm
Um pormenor: a CMI também oferece a possibilidade de a torre ser fabricada em Portugal.
A Oto Melara é que ao início não estava interessada nisso.
Claro que os detalhes devem variar.

Ó Ruben, a HITFACT é a torre da Oto Melara de origem italiana.. A torre belga a que o Luso se refere é a CMI CT-CV.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 17, 2008, 09:58:23 am
Citação de: "ruben lopes"
também concordo com a torre Hitfact.
deixem o trabalho anti-tanque aos lança-foguetes. :x


Não conheço, é algo usado nas festas populares da zona em que vives?
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 17, 2008, 02:17:03 pm
sim, lança foguetes (rocket launcher em português) como por exemplo os que são usados pelo exercito, o M72 LAU e o Carl Gustaf :x

há e desculpa  lurker enganem-me.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 17, 2008, 02:24:01 pm
Não é Lança-Foguetes, é Lança-Granadas-Foguete, do inglês Rocket-Propelled Granade.

Os brasileiros chamam "Lança-Rojões"... :wink:
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 17, 2008, 02:57:23 pm
Citar
Defesa: General Dynamics diz "cumprir integralmente" contrapartidas negociadas com Portugal    

   Paris, 17 Jun (Lusa) - A empresa General Dynamics Europe, que produz  a viatura blindada Pandur II, garantiu hoje à Lusa, em Paris, estar a "cumprir  na íntegra" todos os programas de contrapartidas negociados com Portugal  num valor superior a 560 milhões de euros.  

 

   As contrapartidas negociadas prevêem, como está a acontecer, a construção  de uma parte substancial dos veículos blindados Pandur II em Portugal (219),  a transferência tecnológica e outro tipo de apoios indirectos. Neste último  caso, a empresa invoca ter trazido para Portugal o grupo austríaco Braun  & Soehne que "salvou da falência" a empresa portuguesa de limas, Tomé Feteira.  

 

   O contrato prevê ainda que a EID, empresa da "holding" pública Empordef,  produza os sistemas de comunicações, intercomunicação e de comando e controlo  das viaturas blindadas de rodas (VBR).  

 

   "O nosso objectivo é cumprir o contrato de contrapartidas a 100 por  cento e no calendário previsto (até 2014), porque isso significa que o governo  português tem confiança em nós e nos permite cumprir os contratos", disse  o responsável regional da GDE, Juan Fernando Toro.  

 

   "Até hoje não sofremos nenhuma penalidade por incumprimento do contrato  de contrapartidas. A nossa filosofia é estar no mercado para continuar e  não ter uma comparência fugaz", acrescentou.  

 

   As "Pandur" foram adquiridas para substituir as viaturas "Chaimite",  ao serviço do Exército nos últimos 40 anos, e que passaram por teatros operacionais  tão distantes como a Guerra de África, Bósnia, e até como símbolo do 25  de Abril.  

 

   O Exército realizou recentemente no Campo de Tiro de Santa Margarida  testes de tiro e mobilidade nas suas novas viaturas blindadas "Pandur II"  com uma torre de 105 mm do fabricante italiano Oto Melara, depois de ter  efectuado exercícios com torres da empresa belga "CM-Defense", antes de  decidir a escolha definitiva das torres que vão equipar.  

 

   Portugal adquiriu 260 destas viaturas no valor de 344,211 milhões de  euros, para além de outros 20 milhões de euros em contrato de sobressalentes.  

 

   O programa de aquisição das viaturas "Pandur", 20 das quais para a Armada,  inscrito na Lei de Programação Militar, tem como finalidade "dotar o Exército  e a Marinha de viaturas modernas, com elevada capacidade e versatilidade  de emprego operacional e níveis adequados de segurança e protecção".  

 

   As novas viaturas aerotransportadas blindadas, para além de modernizarem  as Forças Armadas, permitem a "racionalização dos meios e uma efectiva capacidade  de combate em todo o tipo de missões", de acordo com o ministério da Defesa.  

 

   Este tipo de viaturas, em 16 versões diferentes, habilitam Portugal  a participar com os seus aliados em operações conjuntas e combinadas, com  meios idênticos em tecnologia e capacidade operacional.  

 

   O programa de aquisição destas 260 novas viaturas "Pandur", 20 das quais  para a Armada, inscrito na Lei de Programação Militar, tem como finalidade  "dotar o Exército e a Marinha de viaturas modernas, com elevada capacidade  e versatilidade de emprego operacional e níveis adequados de segurança e  protecção".  

 

   O lançamento do concurso, com selecção de propostas para negociação  destinado à aquisição de Viaturas Blindadas de Rodas 8x8, para equipar o  Exército e a Marinha, foi anunciado em Agosto de 2003.  

 

   No entanto, só a 15 de Fevereiro de 2005 o Ministério da Defesa assinou,  com o grupo Steyr-Daimler-Puch, o contrato de fornecimento das novas VBR  para o Exército e Marinha.  
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 17, 2008, 03:30:16 pm
Citação de: "ruben lopes"
sim, lança foguetes (rocket launcher em português) como por exemplo os que são usados pelo exercito, o M72 LAU e o Carl Gustaf :x

há e desculpa  lurker enganem-me.


O Carl Gustav é um canhão sem recuo.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Gustav_M2 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Gustav_M2)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 17, 2008, 03:50:44 pm
Citação de: "Lightning"
O Carl Gustav é um canhão sem recuo.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Gustav_M2 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Carl_Gustav_M2)


Nem tinha reparado nesse...

 :arrow: http://www.exercito.pt/portal/exercito/ ... GUSTAF.pdf (http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/allbrowsers/asp/meios_operacionais/media_MeiosOp/Armamento/CARL%20GUSTAF.pdf)
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 17, 2008, 03:54:08 pm
:?:  :?:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 17, 2008, 04:31:11 pm
E é um Karl Gustav ou um Carl Gustav?  :lol:
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 17, 2008, 05:28:02 pm
É o Carlos.
Carlos Gustavo!
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 17, 2008, 05:58:24 pm
Citação de: "HSMW"
É o Carlos.
Carlos Gustavo!


Para a mãe devia ser Carlinhos :lol: .
Título:
Enviado por: JQT em Junho 17, 2008, 06:41:03 pm
Citar
Blindados abrem portas em Angola
00h54m
carlos varela
 
Os italianos da empresa Oto Melara querem dar a Portugal o mercado de Angola e do Brasil, no caso de virem a ser escolhidos como vencedores no concurso


Esta é uma das tangas mais antigas e recorrentes que se contam nos concursos de fornecimento de material às FAs. Qualquer coisa que fabrique cá tem mercado garantido nos Palop, como se ainda fossem nossas colónias. Já foi assim com as armas ligeiras, com os blindados e sabe-se lá com o quê mais. Como se Angola alguma vez considerasse Portugal um fornecedor preferencial de material militar - a pagar, acrescento eu.

Só mostra que quem estiver a representar a Oto Melara não mudou nada nos últimos 20 ou mais anos.

É por causa destas e doutras que já não há pachorra para os assuntos de defesa em Portugal.

JQT
Título:
Enviado por: Luso em Junho 17, 2008, 06:51:53 pm
Citação de: "JQT"
Esta é uma das tangas mais antigas e recorrentes que se contam nos concursos de fornecimento de material às FAs.


Precisamente. Eu também estranhava essa fixação no mercado PALOP em práticamente todas as ofertas quem implicassem fabrico caseiro. A sua observação, JQT, é a primeira que leio sobre esse disparate "económicamente correcto".
Título:
Enviado por: antoninho em Junho 17, 2008, 10:09:39 pm
E nem vale a pena falar do Brasil, eles que nem de um parafuso estrangeiro gostam imaginem isto...............
Isto soa a uma desculpa para alguém "encher" algum envelope..........
Título:
Enviado por: JQT em Junho 20, 2008, 12:38:24 am
Citação de: "Luso"
A sua observação, JQT, é a primeira que leio sobre esse disparate "económicamente correcto".


Vou passar a cobrar direitos de autor  :D

JQT
Título:
Enviado por: zocuni em Junho 20, 2008, 02:29:35 am
Citação de: "JQT"
Esta é uma das tangas mais antigas e recorrentes que se contam nos concursos de fornecimento de material às FAs.


A mais pura verdade.Outra tanga é achar que Portugal através da língua pode ser um interlocutor nos negócios dos PALOP'S com países europeus.São precisos actos.

Abraços,
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 20, 2008, 06:32:46 pm
voltando ao assunto dos pandur, já recebemos alguns este mês?
e se já de que versão?
Título:
Enviado por: PedroM em Junho 20, 2008, 11:30:45 pm
No que se refere aos Pandur II 105mm várias opiniões têm sido aqui expressas questionando a validade e utilidade de um veículo deste tipo.

Algumas dessas opiniões foram dadas por foristas que percebem destes assuntos bem mais do que eu que sou um mero "observador interessado" nestes assuntos de defesa.

Contudo gostava de deixar o meu ponto de vista sobre este assunto.

Penso que a aquisição destes veículos (a ocorrer) se justifica inteiramente se considerarmos os cenários mais prováveis em que o exército terá eventualmente de actuar. Trata-se, creio, de conflitos assimétricos, em que os Pandur poderão ser confrontados não só por infantaria mas também por outros veículos blindados ligeiros. E é precisamente neste último caso que o canhão de 105mm é decisivo para o domínio das operações, já que assegura uma capacidade de destruição que não terá, em príncipio, paralelo da outra parte.
A meu ver as vantagens desta viatura compensam largamente as suas "desvantagens", a "fraca" blindagem.

Num outro cenário, mas muito improvável de acontecer, também será possível imaginar as Pandur 105mm a operar em conjunto com os Leos? O que lhes falta em blindagem sobra-lhes em mobilidade. Poderá uma tal combinação de meios ser eficaz?
Isto é uma pergunta que eu deixo e não uma afirmação. Gostava de saber opiniões de quem "sabe da poda". Obrigado.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 21, 2008, 12:13:04 am
Citação de: "PedroM"
Num outro cenário, mas muito improvável de acontecer, também será possível imaginar as Pandur 105mm a operar em conjunto com os Leos? O que lhes falta em blindagem sobra-lhes em mobilidade. Poderá uma tal combinação de meios ser eficaz?


Em princípio não, uns têm lagartas e os outros rodas. Os que têm lagartas têm melhor mobilidade todo-o-terreno, mas andam mais devagar nas estradas (e pelo peso e pelas próprias lagartas podem mais facilmente danificar as estradas).

Os de rodas têm menor mobilidade todo-o-terreno, mas andam mais rápido nas estradas.

Não é a toa que os de lagartas (Leopard 2A6 e os M-113) estão na Brigada Mecanizada e os de rodas na Brigada de Intervençao (Pandur II), não há cá "misturas" :twisted: ?
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 21, 2008, 12:41:25 am
Citar
Alguns podem dizer que os franceses estão actualmente a utilizar veículos de lagartas em conjugação com veículos de rodas, mas, depois do Napoleão, qual é que tem sido a relevância dos franceses em termos tácticos militares c34x
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 21, 2008, 12:56:29 am
Citação de: "HSMW"
Citar
Alguns podem dizer que os franceses estão actualmente a utilizar veículos de lagartas em conjugação com veículos de rodas, mas, depois do Napoleão, qual é que tem sido a relevância dos franceses em termos tácticos militares c34x


mas tem razão.
Título:
Enviado por: zocuni em Junho 21, 2008, 02:06:43 pm
Citação de: "Naadjh"
Citação de: "HSMW"
Citar
Alguns podem dizer que os franceses estão actualmente a utilizar veículos de lagartas em conjugação com veículos de rodas, mas, depois do Napoleão, qual é que tem sido a relevância dos franceses em termos tácticos militares c34x

mas tem razão.


Corretíssimo.
Título:
Enviado por: jmg em Junho 21, 2008, 02:16:37 pm
Para haver evolução em termos tácticos (não gosto muito de falar desse termo porque só designa doutrina e provávelmente o post inicial queria falar em termos militares em geral e não doutrinários) ou militares as forças devem de ser empenhadas e devo relembrar que as forças francesas neste século e no século passado foram fortemente empenhadas. Por exemplo :Indochina, Argélia, Marocos, Tunísia, Zaire, Congo, Senegal, Sierra leoa, 1º Invasão do Iraque, Jugoslavia, crise de SUEZ, para citar os casos conhecidos porque os franceses têm também uma longa tradição de acções clandestinas.
Título:
Enviado por: antoninho em Junho 21, 2008, 02:49:32 pm
Aquilo que o colega se referia. era que a táctica  de combate francesa depois de Napoleão caducou, veja no que deu a indochina (completamente ultrapassados, o mais giro é que anos mais tarde os americanos copiaram)
Argélia perderam-na, Marrocos idem, agora sucesso (legião e páras) só com países africanos abrangentes e em guerras civis, se referir em acções em que não actuam sós aí o assunto é muito discutível...........

http://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Dien_Bien_Phu (http://en.wikipedia.org/wiki/Battle_of_Dien_Bien_Phu)
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 21, 2008, 03:04:19 pm
Podemos ir até à bem pouco tempo. Na Bósnia e as perdas da Legião num cenário marcado pela actuação de snipers
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Junho 21, 2008, 07:27:45 pm
Meus senhores!
Não menosprezem assim tanto os Franceses!
Uma vez que eles têm muito mérito próprio. Saíram da NATO pela mão do Charles, ergueram-se e mostraram aos States como é.
Podem não inovar, mas no contexto tradicional, não estão nada mal.

Um Abraço.

PS
Esqueceram-se da linha Maginot.  :lol:
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 22, 2008, 01:06:25 pm
E não foram os franceses durante a Guerra da Argélia que inventaram o sistema de quadricula, que mais tarde veio a ser adptado pelo Exército Português durante a guerra colonial?
Título:
Enviado por: papatango em Junho 22, 2008, 02:35:12 pm
- Os franceses foram o país que mais apostou nos carros de combate leves durante a I guerra mundial.

- Os franceses foram dos primeiros a analisar o emprego operacional de tanques e foram os primeiros a inventar as tácticas que poderiam ser aplicadas contra as grandes divisões blindadas que Guderian apresentou no famoso livro «Achtung Panzer» ou Atenção, blindados!.

- Os franceses tinham os mais poderosos e melhor armados tanques no periodo inicial da guerra. Basta comparar o pifio Panzer-III com o S-35 Somua para compreender isto.
E a comparação entre o tanque de apoio Panzer-IV e o Char-1B nem dá para começar.

O programa alemão para tanques pesados foi reactivado a seguir à invasão da França porque os alemães perceberam que os canhões de 37mm dos seus tanques pura e simplesmente faziam ricochete na blindagem dos tanques franceses.

As vitórias alemãs contra a arma blindada francesa, são resultado da guerra de movimentos e das tácticas alemãs e não da superioridade dos equipamentos alemães, cuja principal vantagem estava no motor mais fiável.

As tácticas que poderiam ter evitado a vitória da Alemanha em 1940 já tinham sido propostas, mas não tinham sido aceites.
Serão os russos que as vão utilizar. Exemplo disso é a primeira fase da batalha de Kursk no Verão de 1943, em que os alemães são detidos inicialmente por exércitos russos dispostos defensivamente em várias linhas destinadas a atrasar a progressão dos tanques.

Portanto a relevância de um país ou de outro, tem muito que se lhe diga...


==========================================

Relativamente à utilização dos Pandur-II/105mm juntamente com Leopard, isso não faz muito sentido, seria uma duplicação de meios. E claro que isto nos leva para a questão principal: «Para que serve um Pandur-II equipado com uma peça de 105mm».

Só a questão das pontes e da impossibilidade de carros de combate pesado atravessarem todas as pontes sobre o Tejo levanta problemas.

A utilização de veículos 6x6 ou 8x8 juntamente com veículos de lagartas será sempre uma solução de recurso. Esse tipo de utilização é/foi defendida pelos franceses por razões que se prendem com a sua prática e com a utilização de unidades no deserto.

Em lugares húmidos, com cursos de água, vegetação rasteira e / ou solo solto e leve, que com a chuva pode ficar alagado e lamacento com facilidade, um carro com lagartas vai passar onde um carro 6x6 ou 8x8 não consegue.

=======

Sobre a questão das torres de 105mm:
A torre CT-CV parece ser mais cara e mais sofisticada que a torre italiana, mas aparentemente a maior simplicidade (pelo menos aparentemente) desta última é um factor a considerar.
A médio-longo prazo, um veículo com três tripulantes poderá ser mais barato de operar que um com quatro.

A questão dos «mercados africanos» também parece ser cada vez mais um argumento de vendas e não tem nada de sólido por detrás.

A referência ao mercado brasileiro nem se entende. Os italianos deverão estar a desenhar um futuro substituto para os veículos URUTU brasileiros, que deverá ser um derivado dos veículos Centauro. como o Brasil opera um considerável numero de veículos de reconhecimento Cascavel, a possibilidade de substituir o Cascavel por um veículo italiano equipado com a torre de 105mm não é de por de parte.
Só não se entende o que é que Portugal pode ter a ver com isso...


Cumprimentos
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 22, 2008, 04:00:35 pm
o que acham do sistema israelita SOLTAM CARDOM, usado na versão porta morteiro dos pandur? acham que é adequada?

poderia-se ter escolhido o sistema AMOS, que é mais avançado, que usa não apenas um, mas dois morteiros e tem o alcance de 13 km, contra o alcance dos 9 km do SOLTAM, mas acho que foi o escolhido o SOLTAM, devido a sua maior mobilidade.

com este morteiro, a tecnologia militar israelita definitiamente chegou a Portugal.   :)
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 22, 2008, 04:25:49 pm
Citar
«Para que serve um Pandur-II equipado com uma peça de 105mm».

Para o mesmo que uma Chaimite com peça de 90mm.

 c34x
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 22, 2008, 04:27:04 pm
Citar
Em lugares húmidos, com cursos de água, vegetação rasteira e / ou solo solto e leve, que com a chuva pode ficar alagado e lamacento com facilidade, um carro com lagartas vai passar onde um carro 6x6 ou 8x8 não consegue.


Às vezes
(http://i279.photobucket.com/albums/kk144/HSMW/Cavalaria/M113Bosnien.jpg)
Título:
Enviado por: jmg em Junho 23, 2008, 06:30:10 pm
Se o casco assentar ou colar (com terreno lamaçento) tchao!
Título:
Enviado por: papatango em Junho 23, 2008, 06:40:51 pm
Onde passa um veículo com lagartas, um veículo de rodas terá sempre mais dificuldade.
Onde um veículo de lagartas «atascar», passará um veículo sobre rodas ?

Se as lagartas não fossem superiores às rodas em terrenos lamacentos, os primeiros tanques nunca teriam começado por ter lagartas e teriam sido feitos com rodas desde o principio.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Junho 23, 2008, 08:18:27 pm
A questão lagarta vs roda, não passa de uma lei da física.

O veículo de lagartas distribui o peso por uma área maior. No veículo de rodas isso não acontece, pois a área de contacto com o solo é inferior.

Um Abraço.
Título:
Enviado por: jmg em Junho 23, 2008, 09:40:37 pm
Citação de: "Lightning"
E não foram os franceses durante a Guerra da Argélia que inventaram o sistema de quadricula, que mais tarde veio a ser adptado pelo Exército Português durante a guerra colonial?


Foram e também implementaram um sistema de comunicações para o batalhão numa única frequência.
Nem vos falo da disciplina de comunicações, mas todos os comandantes de todos os escalões sabiam das operações em curso, a informação era difundida (em código) de maneira simples e rápida.
Também foram eles que inventaram o conceito de sabotagem (da palavra "sabot" ou soco de madeira em Português) com o precioso auxilio da oss durante a II GM para organizar e treinar a resistência.
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 24, 2008, 11:38:52 pm
Olhem para esta novidade.

(http://img137.imageshack.us/img137/9379/p28015of3.jpg)

(http://img65.imageshack.us/img65/582/p28016xl2.jpg)

(http://img137.imageshack.us/img137/6623/p28017hv0.jpg)

Outras:

(http://img65.imageshack.us/img65/3930/p28001zp3.jpg)

(http://img84.imageshack.us/img84/4084/p28002gs4.jpg)

(http://img137.imageshack.us/img137/5578/p28003oa9.jpg)

(http://img137.imageshack.us/img137/4180/p28004rt5.jpg)

Fonte: http://www.steyr-ssf.com/ (http://www.steyr-ssf.com/)
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 24, 2008, 11:46:09 pm
Lindos, simplesmente fantasticos.
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 25, 2008, 02:35:27 am
Sem duvida uns belos de uns APC.

mas uma coisa, porque nunca põe camuflagem nos veículos?
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 25, 2008, 03:28:53 pm
Nos usamos camuflagem camaleónica, isto é dispomos de grandes redes de camuflagem que servem para camuflar um veículo num determinado ponto, se queremos progredir em mato usamos vegetação condicente com o meio envolvente, e se queremos progredir em terreno de terra batida usamos terra com agua e pintamos manchas no veículo, tudo tem que condizer com o meio envolvente. :P
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 25, 2008, 06:01:48 pm
Boas fotos TaGOs! Ainda não tinha visto a versão-ambulância.
Obrigado.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 25, 2008, 06:57:28 pm
Bom essas fotos estão lindas, cada vez gosto mais dos pandur, a versão anfíbia deve ser um expetaculo. :lol:
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Junho 25, 2008, 07:59:26 pm
Muito Obrigado caro TaGOs!

Chapas estupendas. :D

Um Abraço.

E bem-haja com tal atitude.
Título:
Enviado por: PedroM em Junho 25, 2008, 10:53:36 pm
Obrigado TaGOs, as fotos estão 5 *****!!

Em tempos de crise bem estamos precisados de uns posts assim, para tornar menos cinzento o "tom" deste forum!

É só um pensamento, mas...:

Espero que nos próximos 3 anos possamos ter mais alguns posts semelhantes ao seu, considerando os equipamentos cuja entrega está prevista até 2011.

Certamente o "ambiente" por aqui ficará mais desanuviado, apesar da famigerada crise!
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 25, 2008, 11:00:14 pm
Não tem de agradecer.

Só me limitei a colocar no fórum as fotos que foram colocadas recentemente no site do fabricante.  :wink:

Abraço
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 26, 2008, 01:02:22 am
Citação de: "Instrutor"
Nos usamos camuflagem camaleónica, isto é dispomos de grandes redes de camuflagem que servem para camuflar um veículo num determinado ponto, se queremos progredir em mato usamos vegetação condicente com o meio envolvente, e se queremos progredir em terreno de terra batida usamos terra com agua e pintamos manchas no veículo, tudo tem que condizer com o meio envolvente. :P


Obrigado Instrutor,

mas a camuflagem é eficaz? ou apenas uma medida barata?
Título:
Enviado por: alphaiate em Junho 26, 2008, 01:26:54 am
uma pequena duvida..
porquê a metralhadora FN nos pandur?
porque não mg3?
Título:
Enviado por: Johnny em Junho 26, 2008, 11:08:26 am
Uma duvida, Portugal encomendou a versaão de ambulancia???
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 26, 2008, 11:16:41 am
Sim, basta olhar para a matricula.  :wink:
Título:
Enviado por: Johnny em Junho 26, 2008, 11:23:24 am
Obrigado TaGOS. De qualquer maneira eu nunca iria adivinhar pela matricula. O que é que me pode indicar de que a viatura portuguesa?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 26, 2008, 11:30:34 am
Citação de: "Johnny"
Obrigado TaGOS. De qualquer maneira eu nunca iria adivinhar pela matricula. O que é que me pode indicar de que a viatura portuguesa?


MX-79-27, as series do Exercito Portugues sao/foram ME-00-00, MG-00-00, MX-00-00.
Título:
Enviado por: Johnny em Junho 26, 2008, 11:50:15 am
Muito obrigado, Pereira Marques.
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 26, 2008, 03:19:06 pm
Camarada nenhuma camuflagem é 100% eficiente, nem digo que usamos uma camuflagem de desenrrasco, porque uma rede de camuflagem para veículos com cerca de 100m2 custa cerca de 1500 euros, todavia prefiro usar este tipo de camuflagem de acordo com o local de progressão pois permite-nos aligeirar a nossa presença, contudo nao existe ainda no mercado pelo menos que eu saiba uma camuflagem 100% eficiente, os medidores termicos das miras dos CC e dos avioes de combate são muito modernos e permite detectar pessoas e viaturas a km de distancias seja de dia ou de noite devido ao calor termico emitido pelo nosso corpo. Por exemplo uma camara de vigilancia do campo de batalha consegue detectar de dia ou de noite viaturas a mais de 20km e pessoas a mais de 10km estejam camufladas ou nao, so mesmo pelo calor emitido pelas pessoas e pelos motores dos veículos. Numa situação engraçada que passei na EPI num exercicio nocturno essas camaras de vigilancia do campo de batalha conseguiam detectar coelhos na Tapada de mafra e outros animais a cerca de 1000m de distancia. :wink:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 26, 2008, 07:14:45 pm
Existem redes de camufelagem que conseguem tornar uma viatura quase invisivel em todos os campos do espectro electromagnetico, mas são carrissimas, precisam de bastante manutenção e são demasiado especificas para serem de uzo geral (exemplo, a assinatura termica da vegetação da serra da estrela no inverno é completamente diferente da da assinatura da vegetação algarvia na primavera, e por ai a fora).
Os suecos têm um bom sistema de redes bloqueadoras, mas eles são um pais a nivel do espectro electromagnetico (estou a falar de zonas de interresse militar), bastante homogeneo.
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 27, 2008, 12:00:59 am
Citação de: "Instrutor"
Camarada nenhuma camuflagem é 100% eficiente, nem digo que usamos uma camuflagem de desenrrasco, porque uma rede de camuflagem para veículos com cerca de 100m2 custa cerca de 1500 euros, todavia prefiro usar este tipo de camuflagem de acordo com o local de progressão pois permite-nos aligeirar a nossa presença, contudo nao existe ainda no mercado pelo menos que eu saiba uma camuflagem 100% eficiente, os medidores termicos das miras dos CC e dos avioes de combate são muito modernos e permite detectar pessoas e viaturas a km de distancias seja de dia ou de noite devido ao calor termico emitido pelo nosso corpo. Por exemplo uma camara de vigilancia do campo de batalha consegue detectar de dia ou de noite viaturas a mais de 20km e pessoas a mais de 10km estejam camufladas ou nao, so mesmo pelo calor emitido pelas pessoas e pelos motores dos veículos. Numa situação engraçada que passei na EPI num exercicio nocturno essas camaras de vigilancia do campo de batalha conseguiam detectar coelhos na Tapada de mafra e outros animais a cerca de 1000m de distancia. :wink:



ah ok obrigado, assim já fiquei a perceber, são opções portanto, mas para alem dos portugueses quem mais usa esse tipo de camuflagem?

e acho que dá pra anular essas cameras térmicas.. vi um documentário na bbc em que os soldados britânicos estavam equipados com qualquer coisa que ao passar a camera de detecção térmica não se via nada.

e os talibans conseguem escapar ás cameras por teres escavado grutas enormes nas montanhas... por isso continuam a não ser 100% eficazes..
Título:
Enviado por: sturzas em Junho 27, 2008, 10:27:35 pm
Viva a todos

Mas nós não somos "talibans" e não escavamos grutas... geralmente lutamos contra eles e a "realidade da guerra" actual tende a nosso favor...

Achei curioso uma característica, que desde já agradeço a quem consiga satisfazer esta minha dúvida, presente nos Pandur2; do lado direito dos veículos existe (á frente daquela zona com grelha) um quadrado o qual desconheço a sua utilidade... observação de dentro para fora... é que está presente em todas as versões até agora visualizadas.

Acho a versão CTR (entenda-se canhão tiro rápido de 30 mm) "estrondo-sa" e de uma imponência deveras marcante; a versão ambulância, julgo que deriva directamente da versão de Posto de Comando (tecto alto); estou curioso por conhecer as versões ITAS e VCB, além de como é óbvio as versões anfíbias para os fuzileiros... Sem dúvida excelente aquisição...

Cumprimentos

P.S. - Já agora especiais agradecimentos a quem exteriorizou as fotos.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 27, 2008, 10:44:39 pm
Citar
Assunto: ACTIVIDADE DE DIVULGAÇÃO DO EXÉRCITO - LISBOA

A Câmara Municipal de Lisboa, acolhe o Exército Português, no Terreiro do Paço, em Lisboa, nos dias 05 e 06 de Julho de 2008, das 10h30 às 20h00, com um programa de actividades lúdicas e culturais abertas à população.

Esta acção de divulgação representativa das capacidades e meios do Exército, insere-se num conjunto de actividades que o Exército Português tem vindo a desenvolver com o intuito de promover e divulgar a prestação de serviço no Exército em Regime de Voluntariado e Contrato, assim como para os Quadros Permanentes, através dos acessos pela Academia Militar e Escola de Sargentos, dando a conhecer aos jovens, as informações relativas à adesão no Exército.

Do vasto programa de actividades a realizar, destacam-se:
- Uma Exposição de Capacidades e Meios do Exército. Esta demonstração inclui uma multiplicidade de actividades, designadamente, equitação (Baptismos Equestres), demonstração das capacidades da Secção Cinotécnica do Exército, exposição de viaturas blindadas (carros de combate, viatura Pandur e outras viaturas, assim como diverso armamento e equipamento utilizado no Exército), presença da torre multiactividades e balão de ar quente;

- Uma Exposição de Pólos de Excelência do Exército. Esta Exposição inclui uma exposição do Hospital Cirúrgico Móvel e apresentação do Instituto Geográfico do Exército;

- Baptismos Equestres, em 05 e 06 de Julho, a partir das 17h00;

- Demonstração de capacidades da Secção Cinotécnica do Exército, em 05 e 06 de Julho, pelas 17h30 e 18h00, respectivamente;

- Apresentação da Classe Especial de Ginástica do Colégio Militar com Demonstração de Esgrima e de Mesa Alemã, em 05 de Julho, pelas 18h00;

- Concerto da Orquestra Ligeira do Exército, no dia 05 de Julho, pelas 18h30;

- Concerto da Banda Sinfónica do Exército, no dia 06 de Julho, pelas 18h30.


 :arrow: http://www.exercito.pt/portal/exercito/ ... %20Divulga (http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/GabCEME/Programa%20-%20Actividade%20de%20Divulga)ção%20do%20Exército.pdf
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 28, 2008, 01:20:06 pm
Citação de: "sturzas"
Achei curioso uma característica, que desde já agradeço a quem consiga satisfazer esta minha dúvida, presente nos Pandur2; do lado direito dos veículos existe (á frente daquela zona com grelha) um quadrado o qual desconheço a sua utilidade... observação de dentro para fora... é que está presente em todas as versões até agora visualizadas.


Talvez pudesse pegar numa foto e fazer um círculo à volta da área em questão. Não estou a identificar o que fala.
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 28, 2008, 04:13:37 pm
Citação de: "Lancero"
Citação de: "sturzas"
Achei curioso uma característica, que desde já agradeço a quem consiga satisfazer esta minha dúvida, presente nos Pandur2; do lado direito dos veículos existe (á frente daquela zona com grelha) um quadrado o qual desconheço a sua utilidade... observação de dentro para fora... é que está presente em todas as versões até agora visualizadas.

Talvez pudesse pegar numa foto e fazer um círculo à volta da área em questão. Não estou a identificar o que fala.


Aquele quadrado destina-se a indicar que é uma viatura aliada, para em combate não ser confundida com o inimigo.  :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 28, 2008, 04:42:54 pm
Não é o "escape" ou algo do género no Pandur?
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 28, 2008, 04:54:53 pm
Não....
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 28, 2008, 05:29:26 pm
Ups. Tinha essa ideia porque em algumas fotos da para ver marcas de fumo em redor do tal orificio quadrado.

Exemplo.

(http://img65.imageshack.us/img65/2198/p28018yh9.jpg)
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 28, 2008, 05:39:22 pm
Eu estava-me a referir a este "quadrado".

(http://img482.imageshack.us/img482/9024/pandurii8x82zt1.jpg)

Situado no dorso do Pandur.
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 28, 2008, 05:44:56 pm
Então o sturzas vai ter de explicar melhor a duvida.  :lol:
Título:
Enviado por: sturzas em Junho 28, 2008, 06:15:05 pm
Viva a todos

Referia-me ao quadrado pequeno visível na foto do veículo MGS, do lado direito direito da viatura.

Nas outras fotos fica ligeiramente à frente do quadrado "grelhado" de maior dimensão!

Acredito que faça parte do sistema de exaustão/escape.

obrigado e cumprimentos a todos.
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 29, 2008, 01:06:12 am
Sturzas, para tentar esclarecer a dúvida, está mesmo a referir-se a este quadrado:

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/PandurExhaust.jpg)
Título:
Enviado por: sturzas em Junho 29, 2008, 02:10:24 am
Viva a todos:

Exactamente nesse quadrado é onde reside a dúvida.

D. Nuno Álvares Pereira, com a técnica do quadrado teria ficado chateado comigo. Respondi sem ler/ver a página anterior, mas é essse dito quadrado assinalado pelo ShadIntel, onde reside a minha dúvida.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Junho 29, 2008, 06:57:16 pm
sturzas!

É efectivamente a saida de escape do motor.

Um Abraço.
Título:
Enviado por: TaGOs em Julho 15, 2008, 03:27:30 pm
http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?he ... 64&tema=27 (http://ww1.rtp.pt/noticias/index.php?headline=98&visual=25&article=354864&tema=27)
Título:
Enviado por: TaGOs em Julho 24, 2008, 05:55:51 pm
Pandur Checo.

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur1_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur2_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur3_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur4_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur5_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur6_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur7_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur8_1.gif)

(http://www.42mpr.army.cz/fot/2008/pandur/pandur9_1.gif)

São grandes mas vão bem apertados dentro dele.

Fonte: http://www.militaryphotos.net/forums/sh ... ost3413178 (http://www.militaryphotos.net/forums/showthread.php?p=3413178#post3413178)
Título:
Enviado por: sturzas em Julho 26, 2008, 03:14:12 am
Viva a todos:

Que torre é quela utilizada pelos Checos?

É mesmo "granjola"... é a mesma dos nossos dos fuzos?
Título:
Enviado por: AC em Julho 26, 2008, 03:28:42 am
A torre utilizada pelos Checos é da SAMSON RCWS-30 da Rafael.
http://www.rafael.co.il/marketing/area. ... &docID=994 (http://www.rafael.co.il/marketing/area.aspx?FolderID=402&docID=994)

A torre selecionada para os fuzileiros portugueses é a ORCWS-30/UT-30 da Elbit, com os misseis Spike da Rafael.
Aqui instalada num Piranha IV:
(http://www.defenseindustrydaily.com/images/ORD_RWS_Elbit_ORCWS-30_on_Piranha-IV_lg.jpg)
Título:
Enviado por: SSK em Julho 26, 2008, 11:14:39 am
Viatura óptima para o exercito. Excelente para atravessar rios e riachos, mas para fazer desembarques em mar aberto ou em praia aberta tem muitas dificuldades, bem como em atravessar dunas.

Mas continuo a achar uma excelente máquina pelo menos para o exercito, para os fuzos não me parece nada de especial.
Título:
Enviado por: AC em Julho 26, 2008, 02:00:31 pm
Está a falar do Pandur II, do Piranha IV ou de ambos?

Eu só coloquei a foto do Piranha IV para mostrar a torre da Elbit.
Título:
Enviado por: CarlosMC em Julho 27, 2008, 12:53:52 am
Citação de: "SSK"
Viatura óptima para o exercito. Excelente para atravessar rios e riachos, mas para fazer desembarques em mar aberto ou em praia aberta tem muitas dificuldades, bem como em atravessar dunas.

Mas continuo a achar uma excelente máquina pelo menos para o exercito, para os fuzos não me parece nada de especial.


Os que os Fuzileiros precisam é disto:
http://youtube.com/watch?v=Cb2qAkOAvBI (http://youtube.com/watch?v=Cb2qAkOAvBI)
http://youtube.com/watch?v=Jv9Eq1vopbc (http://youtube.com/watch?v=Jv9Eq1vopbc)
http://youtube.com/watch?v=VJNnAvsgFCw (http://youtube.com/watch?v=VJNnAvsgFCw)
http://youtube.com/watch?v=HJ-5dfPQbbE (http://youtube.com/watch?v=HJ-5dfPQbbE)

 :mrgreen:
Título:
Enviado por: zeNice em Julho 27, 2008, 02:40:51 am
Citação de: "CarlosMC"
Os que os Fuzileiros precisam é disto:
http://youtube.com/watch?v=Cb2qAkOAvBI (http://youtube.com/watch?v=Cb2qAkOAvBI)
http://youtube.com/watch?v=Jv9Eq1vopbc (http://youtube.com/watch?v=Jv9Eq1vopbc)
http://youtube.com/watch?v=VJNnAvsgFCw (http://youtube.com/watch?v=VJNnAvsgFCw)
http://youtube.com/watch?v=HJ-5dfPQbbE (http://youtube.com/watch?v=HJ-5dfPQbbE)


Naaa, o governo precisa Mercedes novos, coitados.
Título:
Enviado por: AC em Julho 27, 2008, 01:21:14 pm
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Julho 27, 2008, 02:06:15 pm
Citação de: "AC"
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.

Pues no me hagais mucho caso,pero me parecio leer en un foro que este proyecto,debido a los multiples problemas que estaban teniendo en su desarrollo,se habia cancelado o se tenia previsto hacerlo en breve. :? .Si encuentro la informacion os la dejo por aqui,pero ya os digo que no estoy seguro...
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: CarlosMC em Julho 27, 2008, 06:32:31 pm
Citação de: "AC"
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.


2015 é perfeito para o nosso orçamento: dá para os comprar em segunda mão lá para 2050... :mrgreen:
Título:
Enviado por: bokaido em Julho 28, 2008, 03:25:59 pm
Citação de: "AC"
A torre selecionada para os fuzileiros portugueses é a ORCWS-30/UT-30 da Elbit, com os misseis Spike da Rafael.



Mas isso já é mesmo certo, com os spike e tudo?
E os pandur para o exército, que torres é que vão receber?
Título:
Enviado por: triton em Julho 28, 2008, 07:43:31 pm
Citação de: "CarlosMC"
Citação de: "AC"
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.

2015 é perfeito para o nosso orçamento: dá para os comprar em segunda mão lá para 2050... :!:


estamos num país pobre, onde se vai gastar milhões em Leopard e Pandur e vocês ainda querem gastar mais?

cada coisa a seu tempo.
Título:
Enviado por: AC em Julho 28, 2008, 09:01:04 pm
Citação de: "bokaido"
Citação de: "AC"
A torre selecionada para os fuzileiros portugueses é a ORCWS-30/UT-30 da Elbit, com os misseis Spike da Rafael.


Mas isso já é mesmo certo, com os spike e tudo?
E os pandur para o exército, que torres é que vão receber?


Creio que o contrato com a Elbit já foi assinado há uns tempos.

Entre outra variantes, o exército irá receber uns 30 veiculos com torre SP-30 e uns 7 com uma estação com metralhadora de 12,7mm. Creio que a estação é a SAMSON RCWS mas não tenho a certeza.
De qualquer forma, isto é tudo informação pública e está espalhada aqui por este tópico. Sugiro que usem o google. :)
Título:
Enviado por: CarlosMC em Julho 29, 2008, 01:03:40 am
Citação de: "triton"
Citação de: "CarlosMC"
Citação de: "AC"
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.

2015 é perfeito para o nosso orçamento: dá para os comprar em segunda mão lá para 2050... :!:


estamos num país pobre, onde se vai gastar milhões em Leopard e Pandur e vocês ainda querem gastar mais?

cada coisa a seu tempo.


Entretanto, um pouco de humor e entretenimento não fazem mal nenhum, não? :roll:
Título:
Enviado por: triton em Julho 29, 2008, 09:01:01 pm
Citação de: "CarlosMC"
Citação de: "triton"
Citação de: "CarlosMC"
Citação de: "AC"
Antes de mais, relembro que os EFV só deverão entrar ao serviço lá para 2015. Se correr tudo bem.

2015 é perfeito para o nosso orçamento: dá para os comprar em segunda mão lá para 2050... :!:


estamos num país pobre, onde se vai gastar milhões em Leopard e Pandur e vocês ainda querem gastar mais?

cada coisa a seu tempo.

Entretanto, um pouco de humor e entretenimento não fazem mal nenhum, não? :roll:



espero que não me tenha levado a mal.
Título:
Enviado por: CarlosMC em Julho 29, 2008, 11:16:05 pm
Na boa
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Agosto 04, 2008, 12:52:03 pm
:arrow: http://www.exercito.pt/portal/exercito/ ... %208X8.pdf (http://www.exercito.pt/portal/exercito/_specific/public/ueo/JE/Pandur%20II%208X8.pdf)
Título:
Enviado por: PedroM em Agosto 15, 2008, 12:06:10 am
Por esta altura já não se deveria saber alguma coisa sobre o resultado dos testes efectuados com as torres Oto Melara e CMI?

Será que a aquisição das 33 PandurII é mesmo para acontecer?
Título:
Enviado por: HSMW em Agosto 15, 2008, 01:03:51 am
Também acho que sim... Mas estamos em Agosto... Não há noticias e isso dá para ver pela actividade do fórum.   :mrgreen:
Título:
Enviado por: MoisésPMagalhães em Agosto 27, 2008, 11:41:00 pm
Meus caros colegas do forum, penso acreditar que será esta a via de um  real investimento na componente terrestre do nossos Exército, equipamentos como o PANDUR e os LEOPARD são sem dúvida escolhas racionais no contexto europeu, no entanto pecam por defeito em nº e de uma forma gravosa em tempo.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: TaGOs em Agosto 30, 2008, 01:18:59 am
Alguém de Gaia?

Citar
O Exército Português, através da Direcção de Obtenção de Recursos Humanos (DORH), em colaboração com a Câmara Municipal de Gaia, o El Corte Inglês e o Jumping Club de Vila Nova de Gaia realiza no período de 28 a 30 de Agosto, na cidade de Gaia, uma acção de promoção e divulgação do Serviço Militar em Regime de Contrato (RC).

Esta acção de divulgação insere-se num conjunto de actividades que o Exército Português tem vindo a desenvolver com o intuito de promover e divulgar a prestação de serviço no Exército em RC, dando a conhecer aos jovens, as informações relativas à adesão no Exército.

Este evento decorrerá na Praça Eixo Atlântico (em frente ao Centro Comercial El Corte Inglês), onde será exposto material militar com especial destaque para a Nova Viatura PANDUR.

No local será possível assistir a demonstrações de agilidade e obediência de cães de guerra e efectuar baptismos equestres/volteio actividades que se consideram com especial relevância pela possibilidade de interacção com a população.

De tal facto se dá conhecimento a todos os Órgãos de Comunicação Social, para esclarecimentos adicionais, contactar o Tenente-Coronel Rui Ribeiro da Direcção de Obtenção de Recursos Humanos, através do nº tlm - 966 879 595.
Título:
Enviado por: abatista em Agosto 30, 2008, 10:37:48 am
Ya, eu passei lá ontem de manhã, e tava lá uma light gun e um chaimite, acho eu. Não vi muito bem porque passei de camioneta, e também já não precisava de ir lá. ^^
Título:
Enviado por: MoisésPMagalhães em Agosto 31, 2008, 09:59:57 pm
Caro abatista lamento informa-lo, mas está errado, o material militar que estava exposto era uma viatura Pandur-II versão APC equipada c/ metralhadora 12.7mm, e um obuseiro rebocado Otobreda (anteriormente OTO-melara) modelo 56 de 105mm.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: abatista em Setembro 01, 2008, 12:40:37 am
Pronto, é isso! :wink:
Título:
Enviado por: P44 em Outubro 03, 2008, 09:31:48 am
entretanto , a concorrência

Citar
First Patria APC in Hands of Slovenian Military  
 
 
(Source: Slovenian Ministry of Defence; issued Oct. 1, 2008)
 
   
 
 The Slovenian Armed Forces presented Tuesday the first of the 135 armoured personnel carriers that it has bought from Finnish contractor Patria. The vehicle will undergo a four-week validation test before the military will officially take over the vehicle.

Colonel Dragan Bavcar, who chaired the commission deciding on the contract for 8-wheeled armoured personnel carriers, told the press that Defence Minister Karl Erjavec appointed a group of experts for the validation.

The head of the 72-member validation group, Miroslav Galun, said the goal was to confirm that the vehicles met the contract demands.

During the first week of validation, the group will inspect the APC's maintenance characteristics, a week later it will focus on endurance, followed by a tactics check, including shooting, said Galun.

Bavcar said that during the validation period, the APC would be in military's service, however the ministry would take over the carriers only after they were validated.

Bavcar also said that so far some eight APCs had been produced, however the ministry did not start the validation because the preliminary verification tests were unsatisfactory.

The first vehicle, which the army took over on Monday, is nearly five months late and the Defence Ministry has said that it would penalise Patria for the late delivery in accordance with the contract.

The APCs were originally equipped with an overhead remote controlled weapon stations produced by Israeli contractor Elbit, but the system failed a test and was replaced with one made by the Norwegian company Kongsberg.

The Patria APCs were acquired in a deal that had been investigated by a parliamentary inquiry commission, which however failed to adopt a final report over partisan divisions.

The scandal culminated only two weeks before Slovenian general election, after Finnish public broadcaster YLE ran a TV report which accused the outgoing Slovenian Prime Minister Janez Jansa of accepting a bribe from Patria.

-ends
-
Título:
Enviado por: cromwell em Outubro 04, 2008, 01:20:20 am
Quantos pandur vamos receber até ao fim do ano?
Já recebemos alguma versão especial como por exemplo o 30mm ou o morteiro 120mm?
Título:
Enviado por: TaGOs em Outubro 05, 2008, 05:03:25 pm
http://www.youtube.com/watch?v=jalgDiCoLBE (http://www.youtube.com/watch?v=jalgDiCoLBE)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Outubro 07, 2008, 11:07:45 am
Um pouco offtopic

http://pl.youtube.com/watch?v=XnNf89bv0Mc (http://pl.youtube.com/watch?v=XnNf89bv0Mc)
Título:
Enviado por: sivispacem em Outubro 15, 2008, 04:00:32 pm
Citação de: "cromwell"
Quantos pandur vamos receber até ao fim do ano?
Já recebemos alguma versão especial como por exemplo o 30mm ou o morteiro 120mm?


Fazendo minhas as suas palavras.. não acham que a falta de noticias (e de entregas, tanto quanto sei!) sobre o Pandur já começa a se suspeita??
Como estão a correr os testes com as viaturas entregues no início do ano?
E não era suposto a coisa ter continuação?? Ainda em 2008, quer-se dizer...
Título:
Enviado por: Lancero em Outubro 15, 2008, 04:25:44 pm
Perdeu a novidade, deixou de ser notícia. Tanto quanto sei - que não será tudo - as coisas correm normalmente
Título:
Enviado por: HSMW em Outubro 15, 2008, 05:13:54 pm
Citação de: "Lancero"
Perdeu a novidade, deixou de ser notícia. Tanto quanto sei - que não será tudo - as coisas correm normalmente


Felizmente para nós aqui no fórum, não deixa de ser noticia e motivo de interesse. Infelizmente o jornalismo em Portugal em geral mas especialmente sobre noticias militares é uma bela treta.
 Exclui-se no entanto as publicações internas da instituição militar que essas sim são de bastante rigor e interesse.
Título:
Enviado por: jmg em Outubro 15, 2008, 05:16:13 pm
Se não me engano estive a ler à dias um jornal do Exército com uma entrevista do comandante do RI13 e viam-se os Pandurs.
Acho que até falavam do facto da unidade ter tido de ser adaptada para receber o novo equipamento.
Título:
Enviado por: cromwell em Outubro 16, 2008, 05:30:36 pm
Citação de: "TaGOs"

http://www.youtube.com/watch?v=jalgDiCoLBE (http://www.youtube.com/watch?v=jalgDiCoLBE)



Neste video, a reporter diz que em setembro era previsto usar pandur no kosovo.

Outro erro da imprensa nacional. :lol:  :lol:
Título: Problemas nas pandur
Enviado por: Scoutnoble em Outubro 17, 2008, 11:25:20 am
Alguém que se informe melhor, tanto quanto sei mas sem confirmação, é que estão a dar problemas e as entregas estão atrasadas sem penalidades para a empresa fornecedora. Não se esqueçam que continua a ser um PROTÓTIPO. Protótipos tem muitos problemas a ser resolvidos...
Título: Re: Problemas nas pandur
Enviado por: cromwell em Outubro 17, 2008, 04:49:27 pm
Citação de: "Scoutnoble"
Alguém que se informe melhor, tanto quanto sei mas sem confirmação, é que estão a dar problemas e as entregas estão atrasadas sem penalidades para a empresa fornecedora. Não se esqueçam que continua a ser um PROTÓTIPO. Protótipos tem muitos problemas a ser resolvidos...


Não entendi, o que é que você está a dizer?
Que está haver problemas na entrega dos pandur? :shock:
Título:
Enviado por: cromwell em Outubro 18, 2008, 05:54:33 pm
Achem que o Exército devia adquirir o Pandur com uma peça de 105mm ou deveria comprar o Centauro, que tem a mesma peça?
Título:
Enviado por: Scoutnoble em Outubro 20, 2008, 11:53:12 am
Caro Cromwell,

Penso que aqui no forum há pessoas que se podem informar melhor e colocar aqui as respostas, o zumzum é que existem problemas a nível da mecânica e os prazos de entrega em muito estão ultrapassados.
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Novembro 06, 2008, 11:24:28 pm
O portal de assuntos militares brasileiro Defesa Net publicou um pequeno texto, com fotos inéditas, sobre os testes com os protótipos da Pandur MGS:
http://www.defesanet.com.br/nato/pt_pandur.htm# (http://www.defesanet.com.br/nato/pt_pandur.htm#)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Daniel em Novembro 07, 2008, 07:04:36 am
Excelente :?: tem alguém que possa nos informar de como estão as coisas, creio que o testes com as torres que a muito terminaram. c34x
Título:
Enviado por: Portucale em Novembro 07, 2008, 11:41:07 am
Infelizmente no nosso Portugal não se dá muita importância ás questões de defesa, desta forma o contributo informativo que tem dado vale ouro.
Parabéns e obrigado Pedro Monteiro pelo artigo.
 :D
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 12, 2008, 12:00:18 pm
Tanto quanto sei, relativamente às MGS, continua o processo de avaliação após a realização dos testes - isto apesar de já ter passado o prazo (Junho passado) anunciado para a tomada de uma decisão.
O que depreendo? Está-se à espera que apareçam os 140 milhões de euros necessários.
Título:
Enviado por: paraquedista em Novembro 13, 2008, 07:31:08 pm
Citação de: "Lancero"
Tanto quanto sei, relativamente às MGS, continua o processo de avaliação após a realização dos testes - isto apesar de já ter passado o prazo (Junho passado) anunciado para a tomada de uma decisão.
O que depreendo? Está-se à espera que apareçam os 140 milhões de euros necessários.


UAU...140 milhoes por 33 Padurs com torre 105 MM ... so de e pensar que com esse dinheiro poderiamos comprar o dobro em Leopard 2 A6
Título:
Enviado por: Primy em Novembro 13, 2008, 07:48:34 pm
Citação de: "paraquedista"
Citação de: "Lancero"
Tanto quanto sei, relativamente às MGS, continua o processo de avaliação após a realização dos testes - isto apesar de já ter passado o prazo (Junho passado) anunciado para a tomada de uma decisão.
O que depreendo? Está-se à espera que apareçam os 140 milhões de euros necessários.

UAU...140 milhoes por 33 Padurs com torre 105 MM ... so de e pensar que com esse dinheiro poderiamos comprar o dobro em Leopard 2 A6


Sim,podias comprar o dobro em Leopard´s,mas o que se pretende com as Pandur é viaturas tácticas de combate e transporte,e os Leopard só podem ofereçer poder de choque  :twisted: ,até mesmo no preço de aquisição  :D
Título:
Enviado por: paraquedista em Novembro 13, 2008, 09:27:16 pm
Caro Primy,

Acho que percebeste mal...e claro que as Pandur sao necessarias...e custaram 366 milhoes para adquirir 260 unidades (20 anfibias) para o exercito e para os fuzileiros...a questao aqui sao so as 33 equipadas com canhao 105mm...que vao custar 140 milhoes...e que eu referi que poderiamos comprar o dobro de carros de combate Leopard 2 A6 com esse dinheiro...
Título:
Enviado por: Primy em Novembro 13, 2008, 09:45:02 pm
Eu percebi  :lol:  as de Infantaria não sei de onde vêm  :( ,as Pandur (viatura sem peça) da Alemanha,apesar de a empresa ser multi-nacional.
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 13, 2008, 09:54:17 pm
Citação de: "Primy"
as de Cavalaria vêm da Polónia acho que é esse o pais,pelo menos pela bandeira que eles tinham no braço era da Polónia  :( ,as Pandur (viatura sem peça) da Alemanha,apesar de a empresa ser multi-nacional.


Não seria antes a bandeira da Austria?
(http://www.mapsofworld.com/flags/images/austria-flag.jpg)
Título:
Enviado por: Primy em Novembro 13, 2008, 10:20:49 pm
EHEHEHEHEH era essa mesmo,eu ainda tentei falar com eles mas eles não me percebiam  :lol:
Título:
Enviado por: Instrutor em Novembro 13, 2008, 11:10:17 pm
Na Austria fala-se Alemão, não é propriamente um dialecto "manhoso" é falado so na Europa por mais de 100 milhoes de pessoas.
Título:
Enviado por: abatista em Novembro 13, 2008, 11:19:37 pm
Alemão Austríaco, que é um pouco diferente do alemão.
Título:
Enviado por: Primy em Novembro 14, 2008, 04:12:09 pm
E é,eu quando tava a municiar a Pandur ouvia um Alemão de raiz a falar com eles e não era de qualquer maneira que se entendiam,eu para municiar a viatura para falar com eles era por gestos  :lol:
Título:
Enviado por: FS em Novembro 14, 2008, 04:22:06 pm
Citação de: "paraquedista"

UAU...140 milhoes por 33 Padurs com torre 105 MM ... so de e pensar que com esse dinheiro poderiamos comprar o dobro em Leopard 2 A6


Realmente... Nao deixa de ser um bom ponto...

Mas os Pandur tem vantagens:

por exemplo o peso, que os torna mais fáceis de transportar...
as rodas são preferíveis a lagartas quando se trata de se moverem pelos seus próprios meios em tempo de paz...
a logistica e a mesma que o resto da Brigada de Intervenção...
talvez mais apropriados para algumas missões de paz...

Mas ainda assim também me ocorrem umas quantas razoes para comprar os Leopard...
Título:
Enviado por: Instrutor em Novembro 14, 2008, 06:47:31 pm
Camaradas, nao podemos comparar uma Pandur equipada com o canhao de 105mm com os Leopardos, antes de mais são carros completamente diferentes em tudo e ambos servem para missoes completamente diferentes. O CC Leo II A6 é uma carro de combate pesado altamente blindado para conflitos de altissima intensidade, poder de choque em batalha aberta, é certo que o número reduzido de cc é um factor mas acreditem que a brigada mecanizada aumentou substancialmente o seu poder de fogo e choque comparando com os antigos cerca de 70 cc M60 A3, muito se tem falado sobre os carros de combate mas se formos a ver Portugal nunca usou verdadeiramente o CC em qualquer conflito, estes somente servirao para defender o território portugues de algum ataque por terra, para terem uma ideia nem cerca de 300 CC M60 A3 conseguiam vencer os 38 CC Leo II em batalha, só para verem o poder desta nova arma adquirida por Portugal. Relativamente aos Pandur II equipados com o canhao de 105mm ele vai equipar algumas unidades de cavalaria da Bringada de Intervenção, é uma viatura para conflitos de baixa e média intensidade e dentro do parâmetro medio ja é algum exagero, mas pode intervir em missoes de paz escolta a colunas militares e fundamentalmente servira e perdoem-me a expressao como caça tanques desprevenidos devido à sua altissima mobilidade, por isso faz todo o sentido Portugal ser equipado com esta viatura, pois servira para equipar os militares no estrengeiro bem como outras Pandur e os Hummers, estes Pandur não querendo equiparar servirao conjuntamente com as Chaimites V150.
Título:
Enviado por: Daniel em Novembro 14, 2008, 07:10:10 pm
Instrutor
Citar
estes Pandur não querendo equiparar servirao conjuntamente com as Chaimites V150.


Primeiro, acho que não tem comparação possivel, depois creio que as Chaimites V150 tambem devem ser dadas de baixa. c34x
Título:
Enviado por: Primy em Novembro 14, 2008, 07:11:40 pm
Na Pandur só vejo um senão para ser uma boa viatura,é a blindagem,infelizmente essa ficou por melhorar  :(
Título:
Enviado por: old em Novembro 14, 2008, 09:32:11 pm
Citação de: "Instrutor"
Camaradas, nao podemos comparar uma Pandur equipada com o canhao de 105mm com os Leopardos, antes de mais são carros completamente diferentes em tudo e ambos servem para missoes completamente diferentes. O CC Leo II A6 é uma carro de combate pesado altamente blindado para conflitos de altissima intensidade, poder de choque em batalha aberta, é certo que o número reduzido de cc é um factor mas acreditem que a brigada mecanizada aumentou substancialmente o seu poder de fogo e choque comparando com os antigos cerca de 70 cc M60 A3, muito se tem falado sobre os carros de combate mas se formos a ver Portugal nunca usou verdadeiramente o CC em qualquer conflito, estes somente servirao para defender o território portugues de algum ataque por terra, para terem uma ideia nem cerca de 300 CC M60 A3 conseguiam vencer os 38 CC Leo II em batalha, só para verem o poder desta nova arma adquirida por Portugal. Relativamente aos Pandur II equipados com o canhao de 105mm ele vai equipar algumas unidades de cavalaria da Bringada de Intervenção, é uma viatura para conflitos de baixa e média intensidade e dentro do parâmetro medio ja é algum exagero, mas pode intervir em missoes de paz escolta a colunas militares e fundamentalmente servira e perdoem-me a expressao como caça tanques desprevenidos devido à sua altissima mobilidade, por isso faz todo o sentido Portugal ser equipado com esta viatura, pois servira para equipar os militares no estrengeiro bem como outras Pandur e os Hummers, estes Pandur não querendo equiparar servirao conjuntamente com as Chaimites V150.


Me parece un poco exagerado.

Creo que 300 M60 A3TTS destrozarian 40 Leopards 2A6, basicamente por numero, maniobras envolventes, ataques por los flancos, averias etc etc etc.

Obviamente se perderian mas M60 que Leopards pero hay un limite en el que la calidad no puede con la cantidad.

Saludos
Título:
Enviado por: papatango em Novembro 14, 2008, 11:23:03 pm
Citação de: "Primy"
Na Pandur só vejo um senão para ser uma boa viatura,é a blindagem,infelizmente essa ficou por melhorar


A blindagem dos Pandur ficou por melhorar ?
Melhorar relativamente a quê ? :conf:
Título:
Enviado por: HSMW em Novembro 14, 2008, 11:41:35 pm
Com mais blindagem teríamos mais peso e então teria de ser movido por lagartas e assim passaria a ser um CC  :censurado:
Título:
Enviado por: Menacho em Novembro 15, 2008, 10:07:16 am
Citação de: "old"
Citação de: "Instrutor"
Camaradas, nao podemos comparar uma Pandur equipada com o canhao de 105mm com os Leopardos, antes de mais são carros completamente diferentes em tudo e ambos servem para missoes completamente diferentes. O CC Leo II A6 é uma carro de combate pesado altamente blindado para conflitos de altissima intensidade, poder de choque em batalha aberta, é certo que o número reduzido de cc é um factor mas acreditem que a brigada mecanizada aumentou substancialmente o seu poder de fogo e choque comparando com os antigos cerca de 70 cc M60 A3, muito se tem falado sobre os carros de combate mas se formos a ver Portugal nunca usou verdadeiramente o CC em qualquer conflito, estes somente servirao para defender o território portugues de algum ataque por terra, para terem uma ideia nem cerca de 300 CC M60 A3 conseguiam vencer os 38 CC Leo II em batalha, só para verem o poder desta nova arma adquirida por Portugal. Relativamente aos Pandur II equipados com o canhao de 105mm ele vai equipar algumas unidades de cavalaria da Bringada de Intervenção, é uma viatura para conflitos de baixa e média intensidade e dentro do parâmetro medio ja é algum exagero, mas pode intervir em missoes de paz escolta a colunas militares e fundamentalmente servira e perdoem-me a expressao como caça tanques desprevenidos devido à sua altissima mobilidade, por isso faz todo o sentido Portugal ser equipado com esta viatura, pois servira para equipar os militares no estrengeiro bem como outras Pandur e os Hummers, estes Pandur não querendo equiparar servirao conjuntamente com as Chaimites V150.

Me parece un poco exagerado.

Creo que 300 M60 A3TTS destrozarian 40 Leopards 2A6, basicamente por numero, maniobras envolventes, ataques por los flancos, averias etc etc etc.

Obviamente se perderian mas M60 que Leopards pero hay un limite en el que la calidad no puede con la cantidad.

Saludos


Que se lo digan a los alemanes en la IIGM, con sus soberbios Tiger y Panther, ante los miles de T-34 rusos.............. :lol:

(http://descubriendostarwars.files.wordpress.com/2008/01/death-star.jpg)
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 05, 2008, 09:45:39 pm
e aqui ficam umas fotos das nossas meninas esta semana em Santa Margarida  :D

(http://img.photobucket.com/albums/v294/Ammut/04-12-08_1408.jpg)
(http://img.photobucket.com/albums/v294/Ammut/04-12-08_1407.jpg)
(http://img.photobucket.com/albums/v294/Ammut/04-12-08_1037.jpg)
(http://img.photobucket.com/albums/v294/Ammut/04-12-08_1032.jpg)
Título:
Enviado por: example em Dezembro 06, 2008, 02:46:31 pm
É a primeira vez que escrevo no fórum apesar de já o seguir há muito tempo  :P

Foi a primeira vez que as vi ao vivo e posso dizer que têm óptimo aspecto e que são bastante rápidas em auto-estrada  :twisted:

Para meu contentamento havia também uma coluna de Chaimites estacionada na área de serviço de Vouzela.

Uma viagem e tanto eheh..

Cumps.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 06, 2008, 02:47:47 pm
A malta do GAM deverá começar a aprender italiano. Parece que vão precisar para ler os manuais das torres 105mm ;)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 06, 2008, 02:49:47 pm
Pois...as torres são as mais baratas, certo?

De qualquer maneira são boas noticias.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 06, 2008, 02:56:03 pm
A 15 de outubro

Citação de: "Lancero"
Perdeu a novidade, deixou de ser notícia. Tanto quanto sei - que não será tudo - as coisas correm normalmente

Citação de: "Scoutnoble"
Alguém que se informe melhor, tanto quanto sei mas sem confirmação, é que estão a dar problemas e as entregas estão atrasadas sem penalidades para a empresa fornecedora. Não se esqueçam que continua a ser um PROTÓTIPO. Protótipos tem muitos problemas a ser resolvidos...


Informei-me e, de facto, o calendário não está a ser minimamente cumprido. São atrasos brutais com origem na Áustria.
Título:
Enviado por: cromwell em Dezembro 06, 2008, 05:01:41 pm
Citação de: "Lancero"
A malta do GAM deverá começar a aprender italiano. Parece que vão precisar para ler os manuais das torres 105mm :shock:
Título:
Enviado por: Primy em Dezembro 06, 2008, 05:22:12 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Primy"
Na Pandur só vejo um senão para ser uma boa viatura,é a blindagem,infelizmente essa ficou por melhorar

A blindagem dos Pandur ficou por melhorar ?
Melhorar relativamente a quê ? :lol:  mas sim de uma liga de fibra de vidro com Kevlar ou uma cena assim,pois só sei mesmo é de M60 porque sou Operador deles.

E quanto ao numero acima dito que Santa Margarida dispõe de 70 M60 A3 TTS,esse numero é falso,nem o Exército todo dispõe de tantos M60 quanto mais Santa Margarida,nem mesmo contando com os INOP´s,mas para que saibam os velhinhos M60 vão continuar a operar e pelo que pareçe por muitos anitos ainda,pois os Leopard são dispendiosos demais para se avariarem e desgastarem-se no mato em Exercicios  :rir:
Título:
Enviado por: raphael em Dezembro 06, 2008, 05:24:14 pm
Epa essa agora fez-me lembrar o EH101... :twisted:
Título:
Enviado por: Nuno Calhau em Dezembro 06, 2008, 11:50:42 pm
Camarada example.

Também vi essa coluna. Mas estavam parqueados na área de serviço da A-1 (Cantanhede), presuma que a almoçar, visto serem 12:00.
Alem das Pandur (8?) também estavam Chaimites (4?), alem dos jeep`s Toyota.
Vi no decurso da mesma viagem, uma micro coluna com três viaturas. 2 UMM`s e uma Iveco pequena (estilo Daily), sendo um dos UMM ambulância.

Um Abraço.

PS

Quem tiver pormenores... Pois foi uma sexta-feira de muita actividade de meios terrestres (autocarros etc. etc.) do Exercito.
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 06, 2008, 11:59:14 pm
O motivo foi exercicio Pristina 091 Start do 1 BI/Brigint/KFOR que decorreu no aquartelamento da pucariça no campo militar de santa margarida.

Grande exercício  :)
Título:
Enviado por: sivispacem em Dezembro 07, 2008, 05:56:39 am
Citação de: "Lancero"

Informei-me e, de facto, o calendário não está a ser minimamente cumprido. São atrasos brutais com origem na Áustria.


Sei que um equipamento novo inevitavelmente implica desvios ao programa e atrasos...

Mas alguém me pode confirmar se foi feita mais alguma entrega para além das 9 ou 10 Pandur entegues no inicio do ano?? È que era suposto serem entregues mais umas quantas até ao final de 2008....
E a haverem os tais atrasos qual a respectiva justificação?
A fábrica na Áustria está com problemas? de que tipo? E a Fabrequipa não as conseguiria resolver?

Desculpem a 'cusquice'...
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 07, 2008, 12:38:07 pm
Lancero
Citar
A malta do GAM deverá começar a aprender italiano. Parece que vão precisar para ler os manuais das torres 105mm


Quer dizer que ganhou a torre da Oto Melara, de carregamento não automático, por isso mais barata que a belga CT-CV de carregamento automático, creio a torre da Oto Melara precisa de 3 homens.

Não sei se esta questão já aqui foi colocada, mas é só para tirar as duvidas, Portugal ao adquerir as 33 Pandur com torre de 105 mm, passa a ter um total de 293 Pandur certo c34x
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 07, 2008, 02:18:59 pm
Citação de: "sivispacem"
E a haverem os tais atrasos qual a respectiva justificação?
A fábrica na Áustria está com problemas? de que tipo? E a Fabrequipa não as conseguiria resolver?


Acima de tudo problemas financeiros.
A Fabrequipa faz montagem, não lhe chegando os componentes - nomeadamente as chapas para o chassis das visturas - não pode avançar, nem tem capacidade (ou contrato) para ser ela própria a assegurar essa produção.
Título:
Enviado por: sivispacem em Dezembro 08, 2008, 06:06:11 am
Citação de: "Lancero"
Citação de: "sivispacem"
E a haverem os tais atrasos qual a respectiva justificação?
A fábrica na Áustria está com problemas? de que tipo? E a Fabrequipa não as conseguiria resolver?

Acima de tudo problemas financeiros.
A Fabrequipa faz montagem, não lhe chegando os componentes - nomeadamente as chapas para o chassis das visturas - não pode avançar, nem tem capacidade (ou contrato) para ser ela própria a assegurar essa produção.


Obrigado, Lancero.

E espero bem que este negócio não se venha a revelar desastroso... é que a ultima coisa que nos interessaria seria ficarmos com uma vintena de blindados que quase mais ninguem comprou, sem acordos de transferência de tecnologia que permitam a produção local.
Se calhar mais valia resolver o contrato por incumprimento de prazos... sei bem o golpe que esse atraso constituiria na renovação do parque de blindados do Exército, mas mais vale uma decisão drástica no inicio do que um problema maior daqui a meia dúzia de anos...

Venha o Piranha IV!!!!
Título: Atrasos Pandur
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 08, 2008, 12:34:16 pm
Citação de: "sivispacem"
Citação de: "Lancero"

Informei-me e, de facto, o calendário não está a ser minimamente cumprido. São atrasos brutais com origem na Áustria.

Sei que um equipamento novo inevitavelmente implica desvios ao programa e atrasos...

Mas alguém me pode confirmar se foi feita mais alguma entrega para além das 9 ou 10 Pandur entegues no inicio do ano?? È que era suposto serem entregues mais umas quantas até ao final de 2008....
E a haverem os tais atrasos qual a respectiva justificação?
A fábrica na Áustria está com problemas? de que tipo? E a Fabrequipa não as conseguiria resolver?

Desculpem a 'cusquice'...


Acho que todos os contratos deste tipo tem penalizações para os atrasos, já agora informem-se quais as penalizações que estão a ser aplicadas. Ao que sei é zero e a ordem é para pagar a tempo. Vasculhem na net, a pandur tem problemas financeiros e não consegue cumprir. Portugal é o único comprador do PROTÓTIPO. Um abç a todos.
Título:
Enviado por: JLRC em Dezembro 08, 2008, 01:57:46 pm
Citar
HITFACT 105mm Turret Tested on the Pandur II (edited)
 
 
(Source: OTO Melara; issued December 3, 2008)
 
   
 
 The Templar knights were strange characters indeed: half monks, half soldiers, ascetics and bankers, individually poor yet extremely rich as an order, they originally set out to win back Jerusalem and the Holy Sepulchre for Christianity. Their principal headquarters could be found in the city of Tomar, on the banks of the river Tago, inside a convent-castle.


Just a few kilometres from Tomar is Poligono di Santa Margarida, a large basin surrounded by low hills, where the blue of spring skies is obscured by low-hanging rain clouds which continuously creep in from the Atlantic and discharge themselves upon the first high grounds of the Spanish-Portuguese border.

The vegetation is reminiscent of Sardinia, with high eucalyptus trees which impregnate the air with their fragrance and shrubs of broom and pennyroyal. The red, clayey soil retains the heavy rains in large puddles.

This was the setting for the mobility and firing tests of the 105mm HITFACT turret mounted on the 8X8 Pandur II armoured vehicle, manufactured by the Austrian company Steyr and already used by the Portuguese army in a troop transport version.

Excellent results were achieved in all conditions, from stationary vehicle to stationary target to the more difficult situation of a moving vehicle shooting at a moving target. Spectacular scenes were also provided by the mobility demonstration, which included clearing a mud-filled trench and the steep slope of a dried-up gravelly riverbed, finished off with its return amidst sprays of muddy water.

The turret represents a brand new concept in some principal subsystems (electrical control systems, new, special barrel steel, the latest generation of fire control systems and recoil brakes) and is the fruit of close on 50 years experience in the area of 105mm guns and follows the production of approximately 500 Centauro turrets.

There to witness the tests was the National Armaments Director, a number of representatives from the Portuguese army and Defence Ministry, the Italian Military Attaché and representatives from the Italian Defence Ministry, not to mention an official American observer. The final day was dedicated to the press and local television channels, which were eager to find out all the technical details and the system’s special features.

-ends-
Título:
Enviado por: antoninho em Dezembro 08, 2008, 03:22:30 pm
JÁ agora para dar mais umas dicas.............da concorrência.....


A Steyr-Daimler-Puch Pandur II 8 x 8 armoured personnel carrier, fitted with a CMI Defence CT-CV 105 mm turret, has been tested at the Portuguese Army's Campo Militar de Santa Margarida (CMSM) military training facility.

The tests, conducted from 17 to 20 December 2007, validated the integration of the CT-CV advanced weapon system on the Pandur II, the mobility of the vehicle with the turret and the firepower and accuracy of the 105 mm calibre gun to Portuguese military representatives.

Three Pandur IIs have already been delivered to the CMSM for driver training courses ahead of the official delivery of the first vehicles to the Portuguese Ministry of Defence (MoD), which are planned for early 2008. This new round of CT-CV tests on the Pandur II follow previous ones carried out in Austria during late October 2007. The CT-TV two-person turret has been developed as a private venture by CMI Defence and has already undergone extensive trials on other 8 x 8 chassis.

The Portuguese MoD plans to make a final decision about its option to buy 33 Pandur II vehicles equipped with a 105 mm turreted Mobile Gun System before June 2008.

Another contender for the Portuguese order is Oto Melara with the 105 mm HITFACT 105/L52 low-recoil turret system. An Oto Melara representative told Jane's that the company is carrying out technical discussions with Steyr to detail the electrical and mechanical interfaces for the HITFACT turret installation on the Pandur II and the two companies are considering the need to complete mobility and firing trials of the system.
_________________
Georg MADER -- Korrespondent von Jane's Defence Weekly / MILITARY-TECHNOLOGY
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 05:34:22 pm
Caro Scoutnoble,

n existe nenhuma empresa com o nome PANDUR e Portugal n é o unico utilizador da PANDUR como referiu. Existem varios utilizadores da PANDUR (USA, Bélgica, Gabão Austria e salvo erro o Koweit) e da PANDUR II (Portugal e Republica Checa) para alem de estar a competir em outros mercados onde a concorrencia é elevada como deve entender.

Um blindado é de certa forma desenvolvido e apetrechado a medida dos requisitos do cliente e disponibilidade financeira tb, n sendo um prototipo como referido por si. A PANDUR Portuguesa é no que respeita a protecção um optimo blindado.

Existem atrasos mas justificados. O processo de fabricação de um blindado n é o mesmo que um carro, existem mts intervenientes e contratempos n esperados que acontecem mas q são encarados com uma certa normalidade por todas as partes, com negociações é tudo resolvido.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 08:31:29 pm
tsahal
Citar
n sendo um prototipo como referido por si. A PANDUR Portuguesa é no que respeita a protecção um optimo blindado.


Alguém me pode explicar, a razão que sempre se fala, que o pandur não é um protótipo :roll:  :wink:  c34x


(http://www.vop025.cz/de/militarproduktion/produkte/gepanzerter-radtransporteur-pandur-ii-8x8/gepanzerter-radtransporteur-pandur-ii-8x8/kolovy-obrneny-transporter-pandur-ii-8x8-cz.jpg)
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 08:49:47 pm
A PANDUR foi prototipo ha mts anos atras, a PANDUR II é uma evolução da PANDUR 6x6 como acontece por exemplo na industria automovel onde cada modelo sofre uma evolução e é colocado no mercado para venda.

No entanto e repito, um blindado quando entregue ao cliente é sempre differente do original visto que ele é apetrechado segundo os requisitos do cliente. O modelo da fotografia é a configuração Checa ou seja desenvolvida para esse cliente especifico dai ser differente da Portuguesa.

Por exemplo todos os blindados PANDUR II Checos estão equipados com um sistema de propulsão anfibia, em Portugal apenas os 20 dos Fuzileiros terão isso.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 09:01:27 pm
tsahal
Citar
O modelo da fotografia é a configuração Checa ou seja desenvolvida para esse cliente especifico dai ser differente da Portuguesa.


Penso que diferente da Portuguesa, no que toca ao exército, pois creio que a versão anfíbia para os fusos deve ser igual, a ver vamos. :roll:  c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 09:21:20 pm
Para já temos esta.
(http://i252.photobucket.com/albums/hh10/report-air/Entrega%20Oficial%20Pandur%20II/PandurIIMX-76-06_1.jpg)

e esta
(http://img137.imageshack.us/img137/9379/p28015of3.jpg)

Por agora parece ser tudo. :?:
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 09:21:38 pm
Acho que n entendes-te como isto funciona apesar de eu ter sido claro.

Pelo facto da versão dos Fuzileiros ser anfibia não significa que será igual à versão Checa. A versão dos Fuzileiros (VBLA) foi desenvolvida a partir dos requisitos estipulados por Portugal enquanto q a versão Checa foi desenvolvida segundo os requisitos Checos. Por exemplo, o sistema de propulsão anfibio pode ser de fornecedores differentes na PANDUR II de cada pais.

O blindado é equipado segundo os requisitos e necessides (ao abrigo do dinheiro disponivel principalmente) do pais mas a empresa tem fornecedores habituais, ela propoem um pacote e o cliente decide o que quer na viatura ou não ou se quer de outro fornecedor. Um exemplo, o sistem de com interno proposto era de uma empresa X no entanto foi escolhido o sistema Português (e muito bem).
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 09:27:32 pm
No caso da PANDUR II IFV referida por ti a peça de 30 mm (e não canhão) é da Rheinmetall Waffe (fabricada em Espanha pela GD SBS) mas está integrada numa torre Steyr SP 30, torre que integra outros equipamentos.

Na PANDUR Portuguesa, a Rafael Ltd apenas fornece misseis SPIKE LR para duas torres Elbit Samson integradas em duas viaturas anfibias.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 09:52:09 pm
tsahal
Citar
Pelo facto da versão dos Fuzileiros ser anfibia não significa que será igual à versão Checa. A versão dos Fuzileiros (VBLA) foi desenvolvida a partir dos requisitos estipulados por Portugal enquanto q a versão Checa foi desenvolvida segundo os requisitos Checos.

Bom percebi, hà que dizer que os checos tiverão bom gosto, agora como vai ser a nossa versão anfibia, alguem já viu, tem fotos :wink:
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 09:53:43 pm
(http://sitelife.aviationweek.com/ver1.0/Content/images/store/1/2/c1bc1d86-5a42-4c66-9284-376e4fb47dc4.Large.jpg)
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 08, 2008, 10:18:51 pm
:lol:  :wink:
(http://img65.imageshack.us/img65/3930/p28001zp3.jpg)
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 10:43:32 pm
Não significa que tiveram melhor bom gosto mas sim que tiveram requisitos differentes e talvez mais ou menos dinheiro.

Agradeço que agradeça em Português e não noutro idioma, visto que como reparou sou Português vc tb fala Português.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 08, 2008, 11:19:24 pm
Citação de: "tsahal"
Caro Scoutnoble,

n existe nenhuma empresa com o nome PANDUR e Portugal n é o unico utilizador da PANDUR como referiu. Existem varios utilizadores da PANDUR (USA, Bélgica, Gabão Austria e salvo erro o Koweit) e da PANDUR II (Portugal e Republica Checa) para alem de estar a competir em outros mercados onde a concorrencia é elevada como deve entender.

Um blindado é de certa forma desenvolvido e apetrechado a medida dos requisitos do cliente e disponibilidade financeira tb, n sendo um prototipo como referido por si. A PANDUR Portuguesa é no que respeita a protecção um optimo blindado.

Existem atrasos mas justificados. O processo de fabricação de um blindado n é o mesmo que um carro, existem mts intervenientes e contratempos n esperados que acontecem mas q são encarados com uma certa normalidade por todas as partes, com negociações é tudo resolvido.


Tem razão, foi lapso de feriado, queria referir Steyr. Quanto ao Pandur existem esses utilizadores mas na versão 6x6, a versão de 8 ninguém a utiliza a não sermos nós. Se olharmos para a de 8 como uma 6x6 alongada, por isso Pandur II ser a sua designação então se calhar deixa de ser protótipo, mas como 8x8 de raiz seria sempre um protótipo, não está testada. Quanto aos atrasos são música para os meus ouvidos as justificações que podem dar, evidente se a tecnologia e a viatura não está testada e desenvolvida estão a fazê-lo agora, por isso os atrasos, não existia linha de produção. Como diz e bem no nosso sitio é tudo encarado com naturalidade até qd somos enganados. Já agora deixo outro exercício..... não foi só o SIRESP a ser adjudicado em governo de gestão, pq será que ninguém ainda investigou este negócio de milhões..... Um abç
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: AC em Dezembro 08, 2008, 11:23:52 pm
Citação de: "tsahal"
Não significa que tiveram melhor bom gosto mas sim que tiveram requisitos differentes e talvez mais ou menos dinheiro.


Tinham mais dinheiro. Pensavam eles. :)
Título:
Enviado por: AC em Dezembro 08, 2008, 11:33:45 pm
Caro Scoutnoble,
o Pandur II 8x8 e o Pandur II 6x6 (este creio que ainda não tem utilizadores) são veículos diferentes do Pandur 6x6.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 08, 2008, 11:51:21 pm
Vc deveria ter referido PANDUR 6X6 e PANDUR II. Não é apenas Portugal que usa a PANDUR II, os Checos tb encomendaram e poderá calhar que que seja adquirido em outros mercados. Ha cerca de dois meses os USA encomendaram algumas PANDUR 6X6 por exemplo. Quanto ás razões o Lancero teve a amabilidade de fazer uns comentarios acertados mas lembre-se que a Steyr está a trabalhar com dois importantes clientes ao mesmo tempo e como em qualquer empresa, quando a mão de obra n é sufficiente, imagine qual é o resultado digo eu.

N pense que esteja a defender a PANDUR, até pq acho que seria melhor ter adquirido o Piranha IIIC pelas suas optimas caracteristicas e capacidades (sobretudo em operações anfibias) mas conhecendo bastante bem o PANDUR II, o AMV e o Piranha III, acho que estamos bem servidos com a PANDUR II, do ponto de vista da protecção activa e passiva, o MDN fez um bom trabalho. Falo apenas da viatura (sistema de armas), depois entram outros factores mt importantes que penso saiba quais são.

Foi tomada uma decisão, quem tomou luta por ela obviamente e temos que respeitar e antes de criticar ou falar bem devemos conhecer bem a viatura e o programa no seu todo, caso contrario é melhor não opinar.

Saliento ainda que comprar um sistema de armas onde intervem diversos actores de todos os cantos do mundo, cada um a puxar a sardinha à sua brasa não é a mesma coisa que comprar uma frota de automoveis para uso de uma empresa. Temos que analisar as coisas com ponderação e sem criticar logo quem deu o seu melhor em beneficio do país.

Ja que se fala em PANDUR II IFV, fique a saber que uma empresa Portuguesa desenvolveu um optimo sistema de simulação para a tripulação da configuração IFV. Fazem-se coisas boas em Portugal baste em estar dentro do assunto e assim n disparar afirmações erradas sobre tudo o que é feito em Portugal. Devemos por de lado este espirito critico.
Título: SIRESP
Enviado por: tsahal em Dezembro 09, 2008, 12:01:05 am
Quanto ao SIRESP não comento visto que n tenho por habito opinar sobre coisas q desconheço e não entendo no entanto ha cerca de duas semanas vi na FIL uma viatura do SIRESP com um shelter de comunicações integrado num camião ligeiro sem aspecto que poderia deslocar-se em terrenos difficeis. Do meu ponto de vista este tipo de equipamento deveria ter capacidade de movimentar-se em qualquer terreno para assim desenpenhar bem a função para o qual foi desenvolvido ou seja permitir comunicações em qualquer ponto e constantemente digo eu. Mas visto que n conheço esse programa, posso estar errado e isto ser um situação perfeitamente normal.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 09, 2008, 09:59:07 am
tsahal
Citar
Não significa que tiveram melhor bom gosto mas sim que tiveram requisitos differentes e talvez mais ou menos dinheiro.

É realmente quando falta os $$$$, compra-se o que se pode, este foi o caso de portugal, pois os nossos pandur, me quer parecer que são os mais pobrezinhos. :D  c34x
Título:
Enviado por: U209PN em Dezembro 09, 2008, 10:17:32 am
Citar
Oto Melara's HITFACT 105mm Turret tested on the PANDUR II  

(Photo: Oto Melara)
14:27 GMT, December 5, 2008 The Templar knights were strange characters indeed: half monks, half soldiers, ascetics and bankers, individually poor yet extremely rich as an order, they originally set out to win back Jerusalem and the Holy Sepulchre for Christianity. Both admired as well as feared, the order was violently dissolved in the early 1300s by King Philip IV of France with accusations of heresy and sodomy. They were extremely powerful in Portugal in particular and contributed to the recapturing of the territory dominated by the Arabs. Their principal headquarters could be found in the city of Tomar, on the banks of the river Tago, inside a convent-castle which may well have provided Umberto Eco with inspiration for The Name of the Rose (indeed some scenes from the film were actually shot there).

Just a few kilometres from Tomar is Poligono di Santa Margarida, a large basin surrounded by low hills, where the blue of spring skies is obscured by low-hanging rain clouds which continuously creep in from the Atlantic and discharge themselves upon the first high grounds of the Spanish-Portuguese border. The vegetation is reminiscent of Sardinia, with high eucalyptus trees which impregnate the air with their fragrance and shrubs of broom and pennyroyal. The red, clayey soil retains the heavy rains in large puddles. This was the setting for the mobility and firing tests of the 105mm HITFACT turret mounted on the 8X8 Pandur II armoured vehicle, manufactured by the Austrian company Steyr and already used by the Portuguese army in a troop transportation version.

Excellent results were achieved in all conditions, from stationary vehicle to stationary target to the more difficult situation of a moving vehicle shooting at a moving target. Spectacular scenes were also provided by the mobility demonstration, which included clearing a mud-filled trench and the steep slope of a dried-up gravelly riverbed, finished off with its return amidst sprays of muddy water.

The turret represents a brand new concept in some principal subsystems (electrical control systems, new, special barrel steel, the latest generation of fire control systems and recoil brakes) and is the fruit of close on 50 years experience in the area of 105mm guns and follows the production of approximately 500 Centauro turrets.

There to witness the tests was the National Armaments Director, a number of representatives from the Portuguese army and Defence Ministry, the Italian Military Attaché and representatives from the Italian Defence Ministry, not to mention an official American observer. The final day was dedicated to the press and local television channels, which were eager to find out all the technical details and the system’s special features.

----

Background information:

HITFACT is a three-man, power operated turret armed with a 120mm, 45 calibre or 105mm, 52 calibre low-recoil-force gun, intended for installation on light and medium weight tanks and wheeled or tracked tank destroyers. Due to its light weight and low recoil force, the turret can provide the fire power of a main battle tank with great accuracy, without impairing the tactical and strategic characteristics of mobility of the vehicles. The auto-frettaged gun is fitted with a thermal jacket and bore evacuator.

A hydraulic, recoil-counterrecoil system and a multibaffle muzzle brake of high efficiency minimize the recoil force and prevent any excessive stress on the vehicle structure.

The turret fire power is such as to impair or destroy hostile tanks at significant ranges.

The gun is controlled by a FCS including a gunner's self-stabilized day and night IR thermal camera periscope with integral eye-safe laser rangefinder. The commander can control the turret and gun movements and can search the battlefield with the remotely controlled Turret-on-Turret SAPPHIRE with IR TV camera and 7.62mm machine gun. The SAPPHIRE can also be controlled by the gunner (option).

The HITFACT FCS includes the digital data processing computer HITFIST with associated control panels; all the turret servos are electric (two-axis stabilization) with brushless motors. Target search, detection and identification are performed by the commander, independently from the turret traversing movements.

The auxiliary armament consists of a coaxial, 7.62mm machine gun, a further 7.62mm machine gun mounted on the SAPPHIRE and an anti-air, pintle-mounted 12.7mm (option).

Four electrically operated multiband smoke screening ammunition dischargers, on either side of the turret, complete the auxiliary armament.

Turret armour protection can be enhanced with optional add-on panels with multi-hit capability
 
http://www.defpro.com/news/details/4227/ (http://www.defpro.com/news/details/4227/)
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 09, 2008, 11:18:00 am
Daniel,

N me sinto ofendido, apenas alertei para o facto que como é Português e escreve Português, usar este lindo idioma sem misturas, eu tb falo diversos idiomas mas não venho para aqui lançar ``dankes´´ e outros.

Relativamente a PANDUR, volto a dizer para antes de serem feitos juizos, seria melhor conhecer bem a viatura e não opinar com medida no aspecto exterior e por ter sido adquirida por Portugal, pais que todos nós gostamos de criticar.

Visto que para nada servem os meus esclarecimentos e tendo mais que fazer, vou voltar a hibernar para mais uns meses. ADEUS!
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: LM em Dezembro 09, 2008, 11:47:34 am
Citação de: "tsahal"
Visto que para nada servem os meus esclarecimentos e tendo mais que fazer, vou voltar a hibernar para mais uns meses. ADEUS!


Neste ponto  permita-me discordar - os seus esclarecimentos servem para muito e, julgo que falando por muitos membros deste forum, são bastantes apreciados; espero que continuem de uma forma constante.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 09, 2008, 12:51:52 pm
tsahal
Citar
N me sinto ofendido, apenas alertei para o facto que como é Português e escreve Português, usar este lindo idioma sem misturas, eu tb falo diversos idiomas mas não venho para aqui lançar ``dankes´´ e outros.

Meu caro, creio que o meu pedido de desculpas foi claro, não foi nem é minha intenção vir para aqui lançar coisa alguma, concordo consigo, em usar o nosso lindo idioma, mais uma vez as minhas desculpas. :wink:  c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 09, 2008, 01:39:20 pm
Já agora, o que levou o nosso exercito a escolher a torre SP30 em vez da Rafael RCWS 30, tera sido só pelo preço, ou tera sido por questões tecnicas :?: agradecido. :wink:
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 09, 2008, 02:54:07 pm
Citar
Visto que para nada servem os meus esclarecimentos e tendo mais que fazer, vou voltar a hibernar para mais uns meses. ADEUS!


Meu caro,
Os seus esclarecimentos são muito válidos assim como toda a ajuda dos restantes participantes. Mas quando a situação começa a apertar é sempre uma boa saída a hibernação. Só para lembrar que os checos compraram muito depois de nós e dando uma voltinha pela net encontra-se uma ameaça de quebra de contrato por incumprimento da Steyr. Depois de negociações a Steyr teve de se abrilhantar com os checos, aqui como tudo é natural (até as viaturas novas meterem água por todo lado, baixo, escotilhas, etc, entre outros problemas) o zé portuga aguenta com os atrasos sem ser compensado e com má qualidade. Agora quando há decisões politicas pelo meio e rola por baixo da mesa muita coisa, tenham dó. Sou da opinião que se modernize e se gastamos dinheiro que seja bem gasto e em material de qualidade com uma vida útil que compense o gasto.
Boas Festas a todos e continuação de boas intervenções.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 09, 2008, 03:41:43 pm
A situação aperta em quê??????? Agora vc ja afirma que não somos os unicos utilizadores do PANDUR II, fez progressos Scoutnoble, os meus parabens!

Devido a pessoas com o seu caracter é que eu vou novamente deixar de postar no entanto agradeço o LM e o Daniel pela gentileza.

Não veja o investimento em sistemas de armas como gastos superfluos mas sim como investimentos. Penso que devia informa-se sobre as contrapartidas obtidas pela compras e depois com toda a certeza, irá mudar de opinião para alem de dos equipamentos permitirem a credibilização interna e externa e profissionalização das nossas forças armadas (sector economico da sociedade). Militares que recebem formação em equipamentos de alta tecnologia são mais valias para o pais, mts deles ingressam posteriormente no sector civil e aplicam os conhecimentos anteriormente obtidos em beneficio do noss pais ou até estando na instituição.
Título: PANDUR.
Enviado por: tsahal em Dezembro 09, 2008, 03:47:03 pm
Sugiro que se informe sobre os reais problemas que a PANDUR Portuguesa teve no inicio, os porquês e ainda os motivos do atraso nas entregas. Sinceramente não vi nenhum deles referidos nos meios de comunicação.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 09, 2008, 04:00:23 pm
Citação de: "tsahal"
Sugiro que se informe sobre os reais problemas que a PANDUR Portuguesa teve no inicio, os porquês e ainda os motivos do atraso nas entregas. Sinceramente não vi nenhum deles referidos nos meios de comunicação.


Se não se importar gostava que os dissesse.
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 09, 2008, 05:42:52 pm
Scoutnoble
Citar
Sou da opinião que se modernize e se gastamos dinheiro que seja bem gasto e em material de qualidade com uma vida útil que compense o gasto.


X2 só posso estar de acordo, por isso  mais acima fiz a pergunta, o porque da escolha do nosso execito da torre SP30, e não da torre da Rafael RCWS30, posso estar errado, mas pelo que pode pesquizar, a torre RCWS30 é completamente automatica, podendo o vaiculo desparar em andamento etc etc, quanto a torre SP30 pouco sei, agora etendo eu que, se era para comprar, é para comprar bom, isso não quer dizer que eu ache que o pandur seja mau, acho que se temos um vaiculo moderno logo deveria-mos ter uma torre das mais modernas que há, se não estamos a andar para trás, pode ser que alguém explique melhor essa questão das torres, como outras mais. c34x
Título:
Enviado por: tyr em Dezembro 09, 2008, 05:59:30 pm
e qual é a melhor opção a longo prazo, uma torre que tem um custo de manutençao anual de 1000 euros (valores simbolicos) ou uma que tem um custo anual de manutenção de 1000000 euros e que se falha um componente electronico não funciona, para alem de a medio/longo prazo vir a ser sensivel à humidade, ou que em situação de guerra estaremos dependentes do fabricante para qualquer falha que a impossiblite de funcionar.

eu acima especulei, mas é para o pessoal perceber que ocasionalmente os criterios de selecção são mais abrangentes que o pessoal imagine (e não eu não conheço os criterios das pandur).
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 09, 2008, 10:00:57 pm
Citação de: "tsahal"
Sugiro que se informe sobre os reais problemas que a PANDUR Portuguesa teve no inicio, os porquês e ainda os motivos do atraso nas entregas. Sinceramente não vi nenhum deles referidos nos meios de comunicação.


Estes problemas não dão audiências, a não ser que envovesse algum político pelo meio.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 09, 2008, 10:16:42 pm
Citação de: "tsahal"
A situação aperta em quê??????? Agora vc ja afirma que não somos os unicos utilizadores do PANDUR II, fez progressos Scoutnoble, os meus parabens!

Devido a pessoas com o seu caracter é que eu vou novamente deixar de postar no entanto agradeço o LM e o Daniel pela gentileza.

Não veja o investimento em sistemas de armas como gastos superfluos mas sim como investimentos. Penso que devia informa-se sobre as contrapartidas obtidas pela compras e depois com toda a certeza, irá mudar de opinião para alem de dos equipamentos permitirem a credibilização interna e externa e profissionalização das nossas forças armadas (sector economico da sociedade). Militares que recebem formação em equipamentos de alta tecnologia são mais valias para o pais, mts deles ingressam posteriormente no sector civil e aplicam os conhecimentos anteriormente obtidos em beneficio do noss pais ou até estando na instituição.


Agradeço a sua avaliação de carácter apenas por umas simples palavras no forum. Eu não disse que eramos os únicos, disse que eramos os primeiros e também posso acrescentar que não comprámos o Pandur mas sim uma versão com nome de origem KRPAN made in Eslovénia. Fica aqui o site http://www.st-ravne.si/en/obrambnaoprema/krpan8-8.aspx (http://www.st-ravne.si/en/obrambnaoprema/krpan8-8.aspx)
Um abraço e querendo mais dicas a net é um mundo aberto

Só para acrescentar que o próprio MD da Eslóvénia não escolheu esta versão semi-pandur mas sim a AMV da PATRIA em Junho de 2006.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: bidas em Dezembro 09, 2008, 11:34:35 pm
Citação de: "Scoutnoble"
Citação de: "tsahal"
A situação aperta em quê??????? Agora vc ja afirma que não somos os unicos utilizadores do PANDUR II, fez progressos Scoutnoble, os meus parabens!

Devido a pessoas com o seu caracter é que eu vou novamente deixar de postar no entanto agradeço o LM e o Daniel pela gentileza.

Não veja o investimento em sistemas de armas como gastos superfluos mas sim como investimentos. Penso que devia informa-se sobre as contrapartidas obtidas pela compras e depois com toda a certeza, irá mudar de opinião para alem de dos equipamentos permitirem a credibilização interna e externa e profissionalização das nossas forças armadas (sector economico da sociedade). Militares que recebem formação em equipamentos de alta tecnologia são mais valias para o pais, mts deles ingressam posteriormente no sector civil e aplicam os conhecimentos anteriormente obtidos em beneficio do noss pais ou até estando na instituição.

Agradeço a sua avaliação de carácter apenas por umas simples palavras no forum. Eu não disse que eramos os únicos, disse que eramos os primeiros e também posso acrescentar que não comprámos o Pandur mas sim uma versão com nome de origem KRPAN made in Eslovénia. Fica aqui o site http://www.st-ravne.si/en/obrambnaoprema/krpan8-8.aspx (http://www.st-ravne.si/en/obrambnaoprema/krpan8-8.aspx)
Um abraço e querendo mais dicas a net é um mundo aberto

Só para acrescentar que o próprio MD da Eslóvénia não escolheu esta versão semi-pandur mas sim a AMV da PATRIA em Junho de 2006.


Boas, por acaso compramos a Pandur II  :D  e a KRPAN não é mais que uma versão de produção sobre licença que lhe atribuíram um nome local(KRPAN).
Título:
Enviado por: AC em Dezembro 10, 2008, 12:38:14 am
Citação de: "Daniel"
X2 só posso estar de acordo, por isso  mais acima fiz a pergunta, o porque da escolha do nosso execito da torre SP30, e não da torre da Rafael RCWS30, posso estar errado, mas pelo que pode pesquizar, a torre RCWS30 é completamente automatica


Caro Daniel,
são conceitos completamente diferentes.

Enquanto num sistema como a Samson RCWS os utilizadores só vêm o mundo exterior pelo monitor das câmeras, numa torre como a SP-30 além do monitor dispôem de diversos periscópios.

Além disso, na Samson RCWS todo o sistema está fora da blindagem pelo que não só está mais vulnerável como se se as munições se esgotarem é preciso alguém expôr-se em cima do veículo para reabastecer.
Numa torre como a SP-30 está tudo dentro de blindagem.

A desvantagem é o espaço que a SP-30 consome dentro do veículo (e a complexidade da instalação).
E claro, o facto de não ter um par de SPIKE agarrados. :)
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 10, 2008, 10:55:15 am
AC
Citar
A desvantagem é o espaço que a SP-30 consome dentro do veículo (e a complexidade da instalação).
E claro, o facto de não ter um par de SPIKE agarrados.


Bom não sendo expecialista na matéria, e não sabendo quais os critérios que levaram a escolha da torre SP30, eu pessoalmente, acho que a torre da Rafael RCWS30 ficariamos melhor servidos, mas claro é minha opinião baseada em pequenos detalhes, como esse do espaço que ocupa no interior, já pode ver as fotos e realmente hà uma grande diferença, de não ter os tais 2 mísseis Spike que é uma vantagem, enfim como falou, são conceitos completamente diferentes, pode o pandur com a torre SP30 ser transportado por um C130 :?: enfim  perguntas c34x  creio que o exército vai adquerir cerca de 30 unidades com essa torre, o que eu acho que não ficaria muito despedioso ter escolhido a da Rafael, ou quem sabe metade metade mas aqui, tinha a questão de logística, creio que impossivel operar duas torres de dois tipos diferentes, outra os fusos escolheram outra torre a ORCWS da Elbit, não seria essa tambem uma possivel escolha para o exército até a nivel de logística fiacriamos a ganhar. c34x
Aqui fica o link que poderá ver o interior dos dois veículos, com ambas as torres.
http://www.steyr-ssf.com/index.htm
Título:
Enviado por: bidas em Dezembro 10, 2008, 12:42:09 pm
Boas, a altura do compartimento do c130 é 2.74m e na configuração sp30 a Pandur II fica com 2.93m e com a RWCS 3.32m, logo montados qualquer um dos sistemas não cabem lá, mas o RWCS pode ser desmontado para ser transportado no c130.

Cumprimentos,

bidas
Título:
Enviado por: U209PN em Dezembro 10, 2008, 07:33:04 pm
bom video!!!

 http://uk.youtube.com/watch?v=GTklLL9Hpro
Título:
Enviado por: AC em Dezembro 10, 2008, 08:22:58 pm
Citação de: "Daniel"
com a torre SP30 pode-se efectuar diparos em operação nocturna :?:


Óbviamente.
Título: Re: PANDUR.
Enviado por: Scoutnoble em Dezembro 11, 2008, 07:46:27 am
Citação de: "bidas"
Boas, por acaso compramos a Pandur II  :D  e a KRPAN não é mais que uma versão de produção sobre licença que lhe atribuíram um nome local(KRPAN).


Tem toda a razão, mas em termos de concurso foi como apresentar e vender o Humvee e depois fornecer o Vamtac, não sei se me faço entender......
Título: Pandur II
Enviado por: Francisco Ferreira em Dezembro 11, 2008, 02:07:24 pm
"Tem toda a razão, mas em termos de concurso foi como apresentar e vender o Humvee e depois fornecer o Vamtac, não sei se me faço entender......"

Isto é grave!!! Então e o MDN aceitou isto??!! :shock:

Incrível!!! :lol:
Título:
Enviado por: bidas em Dezembro 11, 2008, 03:30:07 pm
Boas, olhe que não, deve saber perfeitamente que um equipamento militar(mesmo que não militar) pode ser requisitado com especificações diferentes. A versão portuguesa tem ou deve ter especificações requeridas no contrato de aquisição portuguesa. A versão checa por sua vez com as especificações do contrato checo, o que é perfeitamente normal. Agora pode dizer, é que as especificações escolhidas não foram as melhores, mas isso já é outra coisa. Também se pode dizer que a competência de quem escolheu e/ou quem verifica a conformidade das especificações não é a mais adequada, mas isso também é outro assunto. Embora que eu tenha esperança que não seja esse o caso e que s