ForumDefesa.com

Forças Armadas e Sistemas de Armas => Força Aérea Portuguesa => Tópico iniciado por: typhonman em Agosto 06, 2005, 01:25:08 am

Título: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Agosto 06, 2005, 01:25:08 am
De acordo com a edição de hoje do Independente, o relatório de avaliação final da FAP foi entregue ao Ministro da Defesa e confirma o C-295 como a escolha; apesar de ser ligeiramente mais caro que o Alenia C-27Jos custos de operação e manutenção são menores. Mas a Alenia já prometeu levar o assunto a tribunal caso a FAP encomende o avião espanhol.
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 12, 2005, 02:56:37 pm
Na última página de "O Independente":

"Portugal compra aviões espanhóis".

E aposto que vamos comprar as G36 também a Espanha (se este "governo" ainda estiver no poder).
Título:
Enviado por: Rui Elias em Agosto 12, 2005, 03:40:10 pm
Se se confirmar, lamento que tenha sido essa a solução.

Mas quem sou eu?

Baseio-me nomeadamente nos estudos comparativos entre os 2 aparelhos e nas opiniões de tripulantes dos Aviocar que estão na base de Sintra, e que ficaram fascinados com a demonstração do C-27J que esteve há meses lá.

E teríamos ainda a vantagem de se um dia Portugal optar por substituir os actuais C-130H pela versão J, de ter uma cadeia logística perfeita, pelo menos no que respeita a motores.

Se a razão é a vigilânicia marítima, creio que os Alenia também têm aparelhos para essa versão, e com as actuais doutrinas para esse tipo de missões, tanto os pequenos aviões tácticos, como os EH-101 ou os P-3 podem efectruar essas missões.

Se se trata de procurar um avião táctico, os Alenia têm maior capacidade de carga, funcionando como um "mini-C130".

Não entendo essa escolha, a menos que hajam interesses políticos e económicos (não de custo inicial) qu apontassem para esta triste opção pelo C-295 da CASA.    :evil:
Título:
Enviado por: Luso em Agosto 12, 2005, 11:35:55 pm
Citar
Não entendo essa escolha, a menos que hajam interesses políticos


Seguramente. Há que salvaguardar o interesse dos patrões.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 13, 2005, 01:36:49 am
Aquando da exibição do C27J em Outubro de 2002, os militares que operam o Aviocar disseram que este era o avião ideal para a FAP, robusto, agil, grande capacidade de transporte.

A escolha foi puramente politica, la ouve alguem a fazer movimentos de bastidores para que o C295 ganha-se.

Triste sina, um avião que nem um humvee consegue levar..  :roll:
Título:
Enviado por: soultrain em Agosto 13, 2005, 09:11:58 pm
Citação de: "Typhonman"
Aquando da exibição do C27J em Outubro de 2002, os militares que operam o Aviocar disseram que este era o avião ideal para a FAP, robusto, agil, grande capacidade de transporte.

A escolha foi puramente politica, la ouve alguem a fazer movimentos de bastidores para que o C295 ganha-se.

Triste sina, um avião que nem um humvee consegue levar..  :wink:

Agora a sério, penso que a decisao foi devido a questoes técnicas. Por exemplo o C295 é construido com materias compositos, muito mais resistentes à fadiga e portanto, com menos manutençao e com uma vida mais prolongada.

Cump.
Título: C295P
Enviado por: E-migas em Agosto 15, 2005, 01:19:47 pm
A pergunta é:
Quantos de nós gostam de carros italianos?:D

Quantos de nós os temos?:shock:

querem um carro que vos é capaz de explodir na cara? :twisted:

Agora transponham isso pra os aviões.
Tá feito... Compramos Seats e não Fiats!

Ainda surgia um marmanjo, fazia uma ligação directa ao avião e arrancava com ele... :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 15, 2005, 01:40:22 pm
Citar
Agora a sério, penso que a decisao foi devido a questoes técnicas. Por exemplo o C295 é construido com materias compositos, muito mais resistentes à fadiga e portanto, com menos manutençao e com uma vida mais prolongada.

Os materiais "compostos" têm como objectivo reduzir o peso do avião, porque o C-295 foi pensado para ser uma aeronave de transporte civil.

O C-27J no que respeita à resistência do chão, por exemplo, é cinco vezes mais resistente que o C-295 (1 tonelada por metro quadrado no C-295 e 5 toneladas por metro quadrado no C-27J).

Acho que os espanhois devem ter dito que como Portugal de qualquer maneira não tem capacidade para suportar qualquer tipo de conflito, não adianta ter aviões adequados para operar próximo do campo de batalha.

Foi provavelmente mais facil convencer quem tinha que ser convencido, que o C-295, é um óptimo avião de transporte, menos barulhento, e que pode ser adaptado para viagens executivas.

Para uma situação "real" o C-295 perde em praticamente tudo. Os seus custos de operação são no entanto menores. E gasta menos combustivel. Isso deve-se ao facto de o C-27J pesar quase o mesmo que dois C-295.

= = = =

O problema do C-27J e vantagem do C-295 é a questão da patrulha maritima.

Uma das opções seria Portugal adquirir o ATR-42 para patrulha, mas isso complicava ainda mais a questão logistica, trocando um avião (AVIOCAR) por dois.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Spectral em Agosto 15, 2005, 02:29:19 pm
Só para não ficarem com a ideia que o C-295 é o pior avião do mundo, e que o Spartan resolveria todos os problemas da FAP milagrosamente, vão aqui alguns argumentos que ajudam a perceber a escolha do C-295 :

-Menor custo de operação

-Uma das maiores vantagens do C-27J seria a parelha com o C-130J ( o jerkules), mas como este já não vem...

-A versão de patrulhamento marítimo, já operacional ao contrário do caso do C-27

-Transporta um maior número de passageiros/páraquedistas permitindo libertar mais os C-130 no futuro, das missões de treino.

-O C-295 pode receber(diz-se que os nossos terão) uma sonda de reabastecimento em voo com tudo o que isso implica.

-O argumento dos Humvees não tem muita lógica. Realisticamente, quantas vezes seria um C-27 usado para transportar um Humvee ? Aliás quantas vezes são os nossos C-130 para transportar Humvees ou semelhante ? A maior parte das suas missões são de apoio logístico e não de projecção de forças nesse sentido. Até os americanos, quantas vezes usam os C-130 para levar os Stryker ??

Como o Pedro Monteiro disse noutro fórum :

Citar
O C-27J tem alcance superior e capacidade para transportar material mais pesado (um OH-58, por exemplo). Contudo, face às nossas missões isso são situações muito menos frequentes que o apoio à BAI ou o apoio logístico do contingente dos Balcãs. Sendo assim, façam-se as contas às horas de voo...




-Aumento da participação da EADS nas OGMA, com a possível cofabricação de partes do C-295. Sim, eu sei que para alguns participação espanhola nas OGMA é uma heresia, mas  :roll:
Título:
Enviado por: soultrain em Agosto 15, 2005, 02:37:31 pm
Papatango,

Mantenho o que disse, a utilizaçao de materiais compositos em aeronautica tem várias vantagens:

-Menor peso, portanto menor consumo e maior carga util.

-Menor fadiga, maior duraçao e menos manutençao

etc.

O C-27J é uma modernização do G222, um projecto já com uns anitos.

Para quem nao conhece, aqui está um a fazer um loop :shock:

http://www.richard-seaman.com/Aircraft/ ... 2/Display/ (http://www.richard-seaman.com/Aircraft/AirShows/Riat2002/G222/Display/)


Citar
O C-295 é um projecto recente e bem mais moderno.
O C-27J no que respeita à resistência do chão, por exemplo, é cinco vezes mais resistente que o C-295 (1 tonelada por metro quadrado no C-295 e 5 toneladas por metro quadrado no C-27J).


Pode explicar, qual a vantagem?

Cump.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 15, 2005, 02:38:53 pm
Os motores do ATR são iguais ao do C295..

Acho que esta compra vai ser criticada no futuro..

Mas o avião ate tem muitas janelas assim os politicos têm uma melhor vista nas suas viagens de "trabalho"...

Papatango, o C27J pode levar um KIT amomivel para patrulha maritima..penso eu de que.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 15, 2005, 02:56:54 pm
Ja que não vamos transportar humvees e coisas assim então para que comprar o A400M?
 :roll:

O C130 também pode ser equipado com sondas de reabastecimento...
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 15, 2005, 08:28:04 pm
Citação de: "Spectral"
Só para não ficarem com a ideia que o C-295 é o pior avião do mundo, e que o Spartan resolveria todos os problemas da FAP milagrosamente, vão aqui alguns argumentos que ajudam a perceber a escolha do C-295 :
Ninguém disse ou sugeriu que o C-27J poderia resolver o que quer que fosse milagrosamente. Da mesma maneira, todos sabemos que se tratam de aviões com características parecidas. Se não, não se tinha feito um concurso com estes dois aviões.

Citar
-Uma das maiores vantagens do C-27J seria a parelha com o C-130J ( o jerkules), mas como este já não vem...
Então não se pode fazer uma modernização dos actuais Hercules, com motores novos?
Citar
A versão de patrulhamento marítimo, já operacional ao contrário do caso do C-27
É um facto, mas não parece que seja exactamente um problema.

Citar
-Transporta um maior número de passageiros/páraquedistas permitindo libertar mais os C-130 no futuro, das missões de treino.
São aeronaves diferentes, com conceitos operacionais diferentes. Aliás o numero de paraquedistas é identico, onde o C-295 tem vantagem é em militares armados, e mesmo assim a diferença é de 9 (nove) a favor de C-295, o que de qualquer forma não é de desprezar.

Citar
O C-295 pode receber(diz-se que os nossos terão) uma sonda de reabastecimento em voo com tudo o que isso implica.
Esta é uma característica interessante.
É como os nossos F-16 que também têm essa capacidade.

Não faz grande sentido fazer reabastecimento em voo de um avião táctico, no entanto, é uma vantagem. Pode servir, por exemplo para que um C-295 possa fazer uma viagem Lisboa-Ponta Delgada com carga máxima.(claro que o C-27J não precisa)

Citar
O argumento dos Humvees não tem muita lógica. Realisticamente, quantas vezes seria um C-27 usado para transportar um Humvee ? Aliás quantas vezes são os nossos C-130 para transportar Humvees ou semelhante ?
Desde esse ponto de vista Spectral, para que é que nos queremos C-295?
Se não é para agir em regiões próximas de campos de batalha, ou lugares com deficiente apoio em terra, como transporte táctico, então é melhor alugar os A-330 da Air Luxor ou os A-340 da TAP.

O C-27J é mais resistente que o C-295. Foi pensado de raiz para aterrar quase directamente em zonas em conflito. O C-295 é um avião bonitinho (tem que ser para as companhias aéreas) mas que falhou redondamente como avião comercial. Como tinha uma porta traseira, a CASA acabou lançando o avião como aeronave militar.

Mas por muita volta que se dê, um avião civil, por muito boa que seja a pintura e por muito estilo que tenha a camuflagem, será sempre um avião civil.

Um Land Rover, pode ser pintado, armado, artilhado, mas nunca será um Hummer.

Uma coisa é dizer que há argumentos em favor do C-295. Isso é óbvio. O C-295 não é exactamente ferro velho. Mas isso não transforma o C-295 num avião superior ao C-27J. Aliás, quando se dá uma olhada por varios sites especializados, o comentário que muitas vezes se vê é:

O Lockeed C-27J é melhor, mas como é mais caro, que o CASA C-295 é um melhor compromisso.

O que eu não entendo é como é que o C-27J aparece em Portugal com o melhor preço. Infelizmente, com os nossos governantes, passa-se sempre o mesmo e a compra do C-295 ficará envolta em mistério, e alimentará as já costumeiras suspeitas de corrupção.

Espero muito sinceramente, que expliquem muito bem porque andam a gastar o nosso dinheiro com aviõezinhos caros. Espero que pelo menos tenham um estudo sobre a viabilidade e sustentação da compra.

Mas temo que caiam no ridiculo do caso OTA. Afinal nunca houve estudo que se visse. A mesma coisa acontecerá provavelmente com o C-295. O unico estudo de viabilidade, será algum "Estudyo de Viabilidad" para espanhol ver, e portuga esconder mais uma negociata.

Para finalizar lembro, que é exactamente por causa das contas sobre os custos de operação que a Lockeed/Alenia, ameaça processar o Estado Português. O Zé Portuga, provavelmente não está sequer a fazer as contas. Algum Zé-Espanhol disse que "está todo bien hijo, no te preocupes" e o portuga, que acha isto de fazer contas uma chatice, acredita como bom Cristão.

Rezo para que me engane.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: soultrain em Agosto 15, 2005, 08:59:57 pm
Citar
O C-27J é mais resistente que o C-295. Foi pensado de raiz para aterrar quase directamente em zonas em conflito.

Papatango, de onde tirou esta ideia?

Citar
Um Land Rover, pode ser pintado, armado, artilhado, mas nunca será um Hummer.


Pois, mas para a funçao que o Humvee (Hummer é a versao civil) foi projectado, o Land-Rover envergonha-o.

É certo que o Hummer é maior e que tácticamente é mais válido, mas na prática é mais caro, bebe muito mais combustivel, com manutençao complicada e cara, menos fiável e com menos ou nenhumas aptidoes todo o terreno (basta ver a distancia entre eixos).

Aqui está o paralelo entre o C-27J e o C-295, basta mudar os nomes.

A diferença entre estes protagonistas é que os americanos tem uma máquina de marketing enorme por trás.

Senao veja-se um documentário no canal história acerca do Humvee...ridículo.

Cump.
Título:
Enviado por: typhonman em Agosto 15, 2005, 09:04:10 pm
Soultrain..A ideia que o papatango disse é verdadeira, esta em muitos sites da especialidade.

E o que esta em discussão não são os hummers mas sim o avião, e não nos vamos enganar o C27J é superior ao C295 basta um ter origem civil com aquelas janelas todas e o C27J ser desenvolvido a partir de um avião puramente militar o G222
Título:
Enviado por: soultrain em Agosto 15, 2005, 09:17:43 pm
Typhonman,

Como muito bem disse, o C-27J é uma modernizacao do G222.

O C-295 é um projecto recente e que emprega muitas tecnologias novas.

Mais uma vez o paralelo entre o Humvee, que tem origem militar e o Land que é civil :twisted:


Nao defendo o C-295 acerrimamente, mas prefiro equipamento Europeu  e nao me parece uma opçao errada.

Cump.
Título:
Enviado por: Spectral em Agosto 15, 2005, 09:23:51 pm
Citar
Então não se pode fazer uma modernização dos actuais Hercules, com motores novos?

Sinceramente não sei, andei a procurar se algum país estava interessado em fazê-lo, mas nada ( o que não queira dizer que seja impossível). De qualquer maneira, parece que o MDN não está para aí muito virado.

Citar
Aliás o numero de paraquedistas é identico, onde o C-295 tem vantagem é em militares armados, e mesmo assim a diferença é de 9 (nove) a favor de C-295, o que de qualquer forma não é de desprezar.

Erro meu.
No entanto o airforce technology apenas indica 24 páraquedistas http://www.airforce-technology.com/projects/spartan/ também me parece demasiado baixo


Citar
Não faz grande sentido fazer reabastecimento em voo de um avião táctico, no entanto, é uma vantagem. Pode servir, por exemplo para que um C-295 possa fazer uma viagem Lisboa-Ponta Delgada com carga máxima.(claro que o C-27J não precisa)

Acho que poderá fazer mais sentido num cenário como o de uma crise na Guiné, em que mesmo que seja necessário recorrer a meios reabastecedores de aliados, como KC-130, o reabastecimento pode influenciar bastante o alcance. Não será algo a ser usado todos os dias certamente.

Citar
Desde esse ponto de vista Spectral, para que é que nos queremos C-295?
Se não é para agir em regiões próximas de campos de batalha, ou lugares com deficiente apoio em terra, como transporte táctico, então é melhor alugar os A-330 da Air Luxor ou os A-340 da TAP.

A questão não é essa. A FAP parece pretender os C-295 /C-27 para missões de suporte logístico de modo a complementar ou substituir os C-130. Por exemplo, no suporte às missões na Bósnia. Este tipo de missões envolve o transporte de carga ( paletes) e passageiros, não de Humvees ou semelhantes.

E o C-295 também pode operar em pistas semipreparadas :

Citar
The landing gear is designed to allow operation from semi-prepared runways, down to runway class CBR-2, and is equipped with levered suspension and oleo-pneumatic shock absorbers.

(airforce technology)

Citar
O C-27J é mais resistente que o C-295. Foi pensado de raiz para aterrar quase directamente em zonas em conflito. O C-295 é um avião bonitinho (tem que ser para as companhias aéreas) mas que falhou redondamente como avião comercial. Como tinha uma porta traseira, a CASA acabou lançando o avião como aeronave militar.

E qual deles está a ter mais sucesso como avião militar ?


Citar
Uma coisa é dizer que há argumentos em favor do C-295. Isso é óbvio. O C-295 não é exactamente ferro velho. Mas isso não transforma o C-295 num avião superior ao C-27J. Aliás, quando se dá uma olhada por varios sites especializados, o comentário que muitas vezes se vê é:

O Lockeed C-27J é melhor, mas como é mais caro, que o CASA C-295 é um melhor compromisso.

Tem a sua verdade, estava apenas a apontar que existem algumas vantagens do lado do C-295, e que muitas vezes não é possível dizer, "aparelho X é melhor que aparelho Y" sem conhecer as condições em que o aparelho será utilizado ou questões associadas ao contrato (e a da OGMA parece ser bem importante)

Citar
O que eu não entendo é como é que o C-27J aparece em Portugal com o melhor preço. Infelizmente, com os nossos governantes, passa-se sempre o mesmo e a compra do C-295 ficará envolta em mistério, e alimentará as já costumeiras suspeitas de corrupção.

Não conhecemos o pacote completo oferecido. Esse maior preço pode-se dever ao contrato do C-295 incluir um maior pacote de suporte como peças de manutenção. Ou então a Alenia/Lockeed está a fazer um esforço para aumentar a quota de mercado. Acho que mais do que isto é pura especulação.

Citar
Mas temo que caiam no ridiculo do caso OTA. Afinal nunca houve estudo que se visse. A mesma coisa acontecerá provavelmente com o C-295. O unico estudo de viabilidade, será algum "Estudyo de Viabilidad" para espanhol ver, e portuga esconder mais uma negociata.

Para finalizar lembro, que é exactamente por causa das contas sobre os custos de operação que a Lockeed/Alenia, ameaça processar o Estado Português. O Zé Portuga, provavelmente não está sequer a fazer as contas. Algum Zé-Espanhol disse que "está todo bien hijo, no te preocupes" e o portuga, que acha isto de fazer contas uma chatice, acredita como bom Cristão.

Se o C-295 fosse um aparelho americano, e o C-27 espanhol a sua eventual escolha levantaria este tipo de objecções ?

Citar
E o que esta em discussão não são os hummers mas sim o avião, e não nos vamos enganar o C27J é superior ao C295 basta um ter origem civil com aquelas janelas todas e o C27J ser desenvolvido a partir de um avião puramente militar o G222

Podíamos fechar as janelas e pintar-lhes umas bocas de tubarão. Sempre ficavam mais guerreiros  ;)



EDIT: parece que no Independente vêm alguns números do negócio :274,9 M€ mais 460 M€ de contrapartidas (um valor bastante alto).
Título:
Enviado por: papatango em Agosto 15, 2005, 10:19:02 pm
Citar
Acho que poderá fazer mais sentido num cenário como o de uma crise na Guiné, em que mesmo que seja necessário recorrer a meios reabastecedores de aliados, como KC-130, o reabastecimento pode influenciar bastante o alcance. Não será algo a ser usado todos os dias certamente.
É uma possibilidade, mas, considerando que qualquer operação na Guiné só faia sentido desde Cabo Verde, é perfeitamente possível utilizar o C-130 para um percurso e o avião mais pequeno para chegar ás tropas.

É aí alias que está a maior diferença. Enquanto o C-295 é um transporte militar ligeiro o C-27J é um transporte militar táctico. Naturalmente para se vender o C-295 como aeronave militar tiveram que se fazer algumas alterações e a mais óbvia foi necessáriamente o trem de aterragem.

Citar
A questão não é essa. A FAP parece pretender os C-295 /C-27 para missões de suporte logístico de modo a complementar ou substituir os C-130. Por exemplo, no suporte às missões na Bósnia. Este tipo de missões envolve o transporte de carga ( paletes) e passageiros, não de Humvees ou semelhantes.
Também fico com essa ideia. E por isso a minha desilusão, não pelo avião, mas sim pela ideia que está por detrás.
O C-27J daria a Portugal um meio "pra ninguém botar defeito" no que respeita a apoio a "Grupos de Batalha" e a importância dos meios que cada país pode por em cima da mesa, é muito relevante.
Assim, ficamos com um aviãozinho bonitinho, que também faz umas viagens.
Mas concordo que, para enviar umas paletes para a Bosnia, (embora o C-295 não possa fazer a viagem com carga máxima) o C-295 faz muito mais sentido que o C-27J.

Citar
Não conhecemos o pacote completo oferecido. Esse maior preço pode-se dever ao contrato do C-295 incluir um maior pacote de suporte como peças de manutenção. Ou então a Alenia/Lockeed está a fazer um esforço para aumentar a quota de mercado. Acho que mais do que isto é pura especulação.
Também acho que as verdade deve andar por aí.
A outra possibilidade é que sendo o avião um co-produto da Lockeed, esta empresa não é exactamente conhecida por cumprir as contrapartidas. (pelo menos é a informaçao que tenho).
Provavelmente os espanhóis prometeram comprar mais uns quilos de cortiça, e mais uns galos de Barcelos, daqueles que os espanhóis compram na China e depois vendem para Portugal como produto português  :twisted:

Citar
Se o C-295 fosse um aparelho americano, e o C-27 espanhol a sua eventual escolha levantaria este tipo de objecções ?
Não devemos exagerar, no entanto, como é conhecido, do meu ponto de vista, qualquer compra militar efectuada aos espanhóis pode constituir um perigo, pois pode deixar Portugal nas mãos da politica externa espanhola, ou seja na órbita dos espanhóis. E ficar na órbita de Madrid, é algo que Portugal não pode fazer.

Ao menos, se estivermos na órbita dos americanos, a nossa independência, seja ela politica ou economica,  não estará em perigo.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Spectral em Agosto 17, 2005, 05:44:07 pm
Citar
Também fico com essa ideia. E por isso a minha desilusão, não pelo avião, mas sim pela ideia que está por detrás.
O C-27J daria a Portugal um meio "pra ninguém botar defeito" no que respeita a apoio a "Grupos de Batalha" e a importância dos meios que cada país pode por em cima da mesa, é muito relevante.

Mas se formos a ver, é assim que todos os aparelhos desta classe são operados! Até os C-130 muito raramente são empregues em missões de assalto, mesmo pelos americanos.


Citar
outra possibilidade é que sendo o avião um co-produto da Lockeed, esta empresa não é exactamente conhecida por cumprir as contrapartidas. (pelo menos é a informaçao que tenho).

Também tenho essa ideia.


Citar
Provavelmente os espanhóis prometeram comprar mais uns quilos de cortiça, e mais uns galos de Barcelos, daqueles que os espanhóis compram na China e depois vendem para Portugal como produto português


É bem possível :P
Título:
Enviado por: Rui Elias em Agosto 18, 2005, 09:47:42 am
Julgo que a maior desculpa para nada se fazer, e para se argumentar "científicamente" para tentar explicar para as opções políticas e de interesses é a das  eternas "contrapartidas".

Um estado deve definir o que lhe convem em termos operacionais e o que mais precisa, de acordo com as missões que lhe forem atribuídas.

E não o contrário, ou no fundo a despeito da teoria das "contrapartidas", estará a fazer o jogo dos fornecedores que têm a contrapartida maior de fazerm o negócio.

Depois, se há ou não contrapartidas, isso, é francamente secundário, mas muito util e conveniente para quem gosta de nada fazer ou adiar ao máximo uma aquisição.
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 09, 2005, 10:28:23 pm
Alguem sabe se o estilo de pintura vai ser Wrap-Around como acontece com os actuais Aviocar?
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 09, 2005, 11:39:07 pm
desde ke n venha com a bandeira espanhola tudo bem!
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 09, 2005, 11:49:31 pm
Aquelas janelas todas é que me tiram do sério.. :x
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 10, 2005, 12:14:43 am
são para podermos fazar comunicação gestual com os espanhois quando eles nos invadirem.
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 10, 2005, 12:35:35 am
:lol:


E para os nossos politicos verem bem o nosso territorio nacional queimado.
Título:
Enviado por: komet em Setembro 10, 2005, 12:50:56 am
Devia era ter assentos ejectáveis para por esses políticos onde pertencem.
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 10, 2005, 01:09:39 am
Eu apostava mais no sistema LAPES. Extracção de politicos.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Setembro 12, 2005, 10:26:22 am
Citar
Devia era ter assentos ejectáveis para por esses políticos onde pertencem.


 :nice:
Título:
Enviado por: Maginot em Dezembro 16, 2005, 04:01:56 pm
Existe alguma foto (montagem) de como vai ficar com as cores da FAP?
Título:
Enviado por: soultrain em Dezembro 17, 2005, 05:12:51 am
A noticia passou ao lado, ma a ser verdade...


garrulo

Citar
Portugal compra 12 aviones militares de transporte españoles por 274 millones de euros

El Ministerio de Defensa portugués ha decidido la compra de 12 aviones militares de transporte C-295 por 274 millones de euros a la empresa EADS-CASA, filial española del consorcio aeronáutico europeo, según informó ayer el lisboeta Diario de Noticias citando fuentes oficiales.



En la fase final del concurso, el C-295 compitió con el avión C-27J del consorcio formado por la firma italiana Alenia y la estadounidense Lockheed Martin.

La decisión sobre la adjudicación ya ha sido comunicada a los contendientes, que disponen de un plazo de diez días para presentar alegaciones.

Los aviones serán adquiridos por la Fuerza Aérea Portuguesa y se dedicarán a misiones de transporte táctico y vigilancia marítima. Se trata, según subraya el rotativo luso, de la primera decisión en materia de equipamiento militar adoptada por el nuevo ministro portugués de Defensa, Luis Amado.

El pasado 12 abril, el socialista José Sócrates visitó Madrid en lo que constituyó su primer viaje al extranjero como primer ministro de Portugal.

CASA-EADS, en asociación con la empresa brasileña Embraer, compró en 2004 el 65% de las acciones de la industria aeronáutica portuguesa OGMA por 11,4 millones de euros

QUE DISGUSTO PARA PAPATANGO.


http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... &start=285 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?t=519&start=285)
Título:
Enviado por: Rui Elias em Dezembro 29, 2005, 10:49:58 am
Na semana passada esteve no Figo Maduro um C-295 da Força Aérea espanhola todo o dia, e trazia a tal sonda de reabastecimento.

Foi a primeira vez que vi um ao vivo, e francamente nem me pareceu feio.

Já todos sabem a minha opinião, que julgo ser a da maioria dos tripulantes dos actuaiss C-212, acerca das vantagens do C-27J.

Mas já que teremos que os gramar, o melhor será começar a gostar um pouco mais deles.

O problema é que nem estou a ver como é que é possivel flexibilizar mais forças se antes tinhamos 24 Aviocar, e agora ficaremos pela metade.

A menos que Portugal mantivessse a operar pelo meios uns 6 Aviocar, dos mais recentes  :arrow:  total 18 aparelho.


O que acham?
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 04, 2006, 05:38:52 am
Citação de: "Rui Elias"
Já todos sabem a minha opinião, que julgo ser a da maioria dos tripulantes dos actuaiss C-212, acerca das vantagens do C-27J...

...O problema é que nem estou a ver como é que é possivel flexibilizar mais forças se antes tinhamos 24 Aviocar, e agora ficaremos pela metade...


Rui, essa parte da preferência da "maioria" dos pilotos é altamente discutivel. Outros pilotos terão outra opinião, garanto-lhe! :?  


Cumptos
Título:
Enviado por: ferrol em Janeiro 04, 2006, 10:21:06 am
Citação de: "papatango"
Os materiais "compostos" têm como objectivo reduzir o peso do avião, porque o C-295 foi pensado para ser uma aeronave de transporte civil.
Repasando a páxina oficial de EADS, cousa que o pt non fixo:
http://www.eads-nv.com/frame/lang/es/1024/xml/content/OF00000000400006/3/08/31000083.html
Citar
El C-295, diseñado para operaciones militares...

En fin, que se lle pode pedir a este home...  :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 04, 2006, 03:23:26 pm
O C-295, e o seu irmão mais pequeno, constituem um dos mais memoraveis fracassos comerciais da industria aeronautica europeia.

Baste olhar para o C-235/295 e para o ATR-42/72 para ver qual era o objectivo da CASA ao lançar o avião.

Todo o avião "cheira" a civil, e tudo, da sua estrutura ao seu peso, demonstra que foi um avião feito para transportar passageiros, e só.

O C-235/295 foi "assassinado" pelo advento dos jatos regionais como o ERJ-145 da EMBRAER e o seus concorrentes canadianos da BOMBARDIER.



Sem possibilidade de ser vendido no mercado europeu, onde o conceito do "Regional Jet" começou a tomar forma, O C-235/295, ficou assim com uma unica possibilidade para sobreviver:
Aproveitar o facto de ter sido construido com uma porta traseira, que tinha sido uma exigência da Indonesia, no projecto CASA/NURTAINO e transformar o C-295 num avião militar.

= = =

Aliás, o flop do C-235/295 acabou com a independência da CASA e transformou-a num braço da EADS.

= = =

Neturalmente, não estamos à espera de ver a EADS dizer isto, ou vamos?

É evidente que a EADS quer vender o avião, e pintará o C-295 com todas as possíveis cores do sucesso.

Mas lá no fundo, na estrutura, no peso, e nas suas caracteríticas técnicas, o C-295 não engana quem estuda estas questões.

É um avião feito para transporte tão cómodo quanto possível de passageiros.

É aliás por isso, e por ter sido feito para transportar passageiros (ao menor custo possível) que a versão de patrulha consegue de facto ser muito competitiva.

Contra factos não há argumentos.
Os argumentos da EADS, são argumentos de vendas. Acredita no vendedor quem quer. Eu constumo desconfiar.

Aliás, como todos sabemos, na Força Aérea Portuguesa, quem viu o C-295 e O C27J não teve dúvidas sobre qual o mais adequado.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 04, 2006, 05:16:05 pm
Bem dito papatango.
Título:
Enviado por: ferrol em Janeiro 04, 2006, 05:53:51 pm
Citação de: "pedro"
Bem dito papatango.
Sí. Ben dito. Agora só fai falla unha confirmación dos seus enlaces para quedar convencido de todo...¡hui! ¡Non hai enlaces!  :roll:

E mire que eu cos maiores lle teño moita paciencia, pero hai cousas que en fin....
Título:
Enviado por: Dinivan em Janeiro 04, 2006, 06:03:02 pm
Papatango, a ver si algun día nos explica de donde ha sacado eso de que el C-295 está basado en un avión civil. No para de repetirlo, pero solo lo he leído de usted. Además, todos los aviones de transporte de CASA han tenido bastante éxito teniendo en cuenta el tamaño del mercado para estos aviones, con más de 460 C-212 vendidos, más de 230 CN-235 y el C-295 ya debe ir por las 40 o 50 unidades. En cuanto a la comparación con el C-27J, no creo que sea justa, porque el segundo es más grande, pero también es bastante más caro de adquirir y de operar, con lo que no se trata de decidir si compras 10 C-295 o 10 C-27, sino si compras 10 C-295 o 5 del otro.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 04, 2006, 07:33:14 pm
Citação de: "papatango"
O C-295, e o seu irmão mais pequeno, constituem um dos mais memoraveis fracassos comerciais da industria aeronautica europeia.

Baste olhar para o C-235/295 e para o ATR-42/72 para ver qual era o objectivo da CASA ao lançar o avião.

Todo o avião "cheira" a civil, e tudo, da sua estrutura ao seu peso, demonstra que foi um avião feito para transportar passageiros, e só.

O C-235/295 foi "assassinado" pelo advento dos jatos regionais como o ERJ-145 da EMBRAER e o seus concorrentes canadianos da BOMBARDIER.



Sem possibilidade de ser vendido no mercado europeu, onde o conceito do "Regional Jet" começou a tomar forma, O C-235/295, ficou assim com uma unica possibilidade para sobreviver:
Aproveitar o facto de ter sido construido com uma porta traseira, que tinha sido uma exigência da Indonesia, no projecto CASA/NURTAINO e transformar o C-295 num avião militar.

= = =

Aliás, o flop do C-235/295 acabou com a independência da CASA e transformou-a num braço da EADS.

= = =

Neturalmente, não estamos à espera de ver a EADS dizer isto, ou vamos?

É evidente que a EADS quer vender o avião, e pintará o C-295 com todas as possíveis cores do sucesso.

Mas lá no fundo, na estrutura, no peso, e nas suas caracteríticas técnicas, o C-295 não engana quem estuda estas questões.

É um avião feito para transporte tão cómodo quanto possível de passageiros.

É aliás por isso, e por ter sido feito para transportar passageiros (ao menor custo possível) que a versão de patrulha consegue de facto ser muito competitiva.

Contra factos não há argumentos.
Os argumentos da EADS, são argumentos de vendas. Acredita no vendedor quem quer. Eu constumo desconfiar.

Aliás, como todos sabemos, na Força Aérea Portuguesa, quem viu o C-295 e O C27J não teve dúvidas sobre qual o mais adequado.

Cumprimentos

PT, confesso que fiquei algo confuso ao ler esta sua mensagem. Não terá a sua subjectividade sido sobreposta à objectividade?
Muito do que disse é facilmente refutável; vejamos então:

Citar
O C-295, e o seu irmão mais pequeno, constituem um dos mais memoraveis fracassos comerciais da industria aeronautica europeia.
Gostava que me explicasse como. Enquanto o C-27J Spartan só tem até agora 3 encomendas firmes (a saber, Itália, Grécia e Bulgária), o C-295M/Persuader II têm já em carteira pelo menos 8 (Espanha, Argélia, Polónia, Jordânia, Emirados Árabes Unidos, Brasil, Suiça e Venezuela), isto sem mencionarmos o número de operadores do CASA/NURTANIO CN-235 (mais de 20, incluindo, por exemplo, a França, Espanha, Turquia, Irlanda, Malásia, Marrocos, Colômbia, Paquistão, Indonésia, Estados Unidos - Guarda Costeira - etc, etc).

Citar
Todo o avião "cheira" a civil, e tudo, da sua estrutura ao seu peso, demonstra que foi um avião feito para transportar passageiros, e só.

O C-235/295 foi "assassinado" pelo advento dos jatos regionais como o ERJ-145 da EMBRAER e o seus concorrentes canadianos da BOMBARDIER.



Sem possibilidade de ser vendido no mercado europeu, onde o conceito do "Regional Jet" começou a tomar forma, O C-235/295, ficou assim com uma unica possibilidade para sobreviver:
Aproveitar o facto de ter sido construido com uma porta traseira, que tinha sido uma exigência da Indonesia, no projecto CASA/NURTAINO e transformar o C-295 num avião militar.
Isto é a sua opinião pessoal, não é um facto. Nada a comentar portanto.

Citar
Neturalmente, não estamos à espera de ver a EADS dizer isto, ou vamos?

É evidente que a EADS quer vender o avião, e pintará o C-295 com todas as possíveis cores do sucesso.

Mas lá no fundo, na estrutura, no peso, e nas suas caracteríticas técnicas, o C-295 não engana quem estuda estas questões.

É um avião feito para transporte tão cómodo quanto possível de passageiros.

É aliás por isso, e por ter sido feito para transportar passageiros (ao menor custo possível) que a versão de patrulha consegue de facto ser muito competitiva.

Contra factos não há argumentos.
Os argumentos da EADS, são argumentos de vendas. Acredita no vendedor quem quer. Eu constumo desconfiar.
Novamente é a sua opinião que se encontra bem patente. Se o PT costuma desconfiar do vendedor, isso é algo pessoal. Mas acha mesmo que os oito Estados diferentes que decidiram adquirir o C-295 foram mesmo enganados? Terão levado "gato por lebre" ou, pelo contrário, escolheram a aeronave que consideravam ser a mais adequada aos seus requisitos?

Citar
Aliás, como todos sabemos, na Força Aérea Portuguesa, quem viu o C-295 e O C27J não teve dúvidas sobre qual o mais adequado.

Sim, é verdade. Por 2 vezes a Comissão de Avaliação Técnica da Direcção Geral de Armamento e Equipamentos de Defesa (DGAED) foi chamada a comparar as duas aeronaves concorrentes e por duas vezes declarou o avião da EADS/CASA como sendo o mais adequado aos requisitos portugueses. Da primeira vez, inclusivé, decidiu contra as intenções do então Ministro da Defesa, Dr. Paulo Portas, que se encontrava tentado a escolher o pacote Lockheed/Alenia que englobava os C-130J/C-27J para a FAP. Isto só vem demonstrar que houve uma decisão isenta. Muitos apontam para que o factor primordial da escolha do avião espanhol face ao italo-americano tenha sido a existência da versão de patrulha marítima C-295MPA Persuader II (o HC-27J continua a ser ainda uma incógnita à espera da decisão canadiana); até pode ser que sim mas, acredite, houve mais factores técnicos para além deste e que pesaram bastante na consequente decisão.
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 04, 2006, 07:44:55 pm
PT, agora deixou-me aos "papéis" :shock:  O colega até nem é de escrever coisas sem fundamento!

Acredito que hoje não seja o seu dia. Apenas isso.
Afinal, acontece a todos... :roll:


Cumptos
Título:
Enviado por: sierra002 em Janeiro 04, 2006, 08:09:35 pm
Con todo respeto:

Citar
O C-295, e o seu irmão mais pequeno, constituem um dos mais memoraveis fracassos comerciais da industria aeronautica europeia.


Eso demuestra que Papatango no es una fuente fiable, porque el éxito de los aviones CASA  C 212, C235 y C295... es incuestionable.
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 04, 2006, 09:21:16 pm
-1-
Meus senhores, o "Orgulho Hispano" não se casa bem com análises técnicas ou de estratégia comercial.

-2-
O C-235/295 foi feito/pensado numa altura em que aviões como o ATR-42 estavam a ter sucesso comercial. O objectivo era entrar no lucrativo mercado das aeronaves de passageiros que operavam nas rotas europeias e americanas e ao mesmo tempo, vender algumas aeronaves para países do terceiro mundo, onde não havia estruturas de apoio aeroportuário, e por isso era necessária a porta traseira.

Na Indonésia, a porta traseira era necessária e era uma exigência absoluta dos indonésios, que têm milhares de ilhas onde a unica ligação aérea é efectuada e garantida pelas forças armadas.

Em grande medida, a Indonesia tem um problema tão grande quanto o Brasil tem na Amazónia, e por isso necessita um avião capaz de operar sem apoios terrestres, onde nem sempre estão disponiveis escadas para os passageiros.

= = =

Ocorre que, no inicio dos anos 90, ocmeça a desenhar-se uma nova "moda" que é a dos jactos comerciais regionais "Regional Jets".

O mercado europeu e americano de jatos regionais é enorme (como se confirma pelas vendas da EMBRAER e da BOMBARDIER) e quando a família do  C-295 foi pensada, não se considerou a possibilidade de os jactos regionais, se transformarem numa moda.

Mas a moda dos jactos regionais pegou, especialmente porque os passageiros se achavam mais seguros num avião a jacto, e com essa moda, o C-295 transformou-se num fracasso, bem assim como o ATR-42/72, que têm vendas residuais.

As vendas na Europa, na América e no mundo em geral,  da BOMBARDIER e da EMBRAER atingem milhares de unidades de jactos regionais, e os jactos regionais de 35, 40 e 50 lugares substituiram os turboprops.

Há várias revistas onde este tema é  referido desde a "AvionRevue" (que até é espanhola), à "AirlinerWorld", "Flight International" ou a "Flying", americana

ISTO É UM FACTO.

A menção ao fracasso do C-295 como aeronave comercial é constante.

Já é um facto, que é um sucesso como aeronave militar.

Mas o seu sucesso como aeronave militar, não altera em absolutamente nada o facto de ser pensado como avião com características civis, preparado para uma cabine confortável, onde se podem "encafuar" tantos passageiros quanto possível.

É por isso que os numeros do C-295 no que respeita a transporte de pessoal são tão bons.

O C-295 é um fracasso, porque foi um avião pensado para contestar o ATR-42/72 como principal avião regional europeu, e ficou remetido a gheto da aviação militar de transporte.

Se o volume de vendas do C-235/295 tivesse sido o esperado a CASA estaria hoje no mercado mundial, como está a EMBRAER. Mas foi um fracasso, e a CASA acabou absorvida pela EADS.

Se as coisas tivessem corrido como esperado, as vendas do C-235/295 teriam atingido o patamar das 1000 unidades, e teriam transformado a CASA na segunda ou terceira maior empresa aeronautica europeia.

= = = =

Outra coisa muito diferente, é o sucesso do C-295, perante os seus concorrentes turboprop para utilização militar, onde o seu sucesso é inegável, porque é mais leve (tinha que ser, para concorrer com o ATR-42) e menos gastador.

= = =

Dinivan e Sierra002

Em vez de transformar cada discussão num acto de defesa "del Honor Hispano", deviam sair do cavalo e deixar de lutar contra moinhos de vento.

Eu nunca falei da CASA no seu conjunto, (e muito menos no C-212  AVIOCAR)  mas unica e exclusivamente na familia 235/295.

A verdade é que o fracasso, quase acabou com a CASA.

Salvou-se (via EADS) porque o avião enquadrava-se dentro da estratégia da EADS e convinha salvar a CASA por necessidades relacionadas com a Airbus.

Citação de: "Charlie Jaguar"
PT, confesso que fiquei algo confuso ao ler esta sua mensagem. Não terá a sua subjectividade sido sobreposta à objectividade?

Onde é que a minha análise não é objectiva?

Não são as qualidades da familia 235/295 que estão em causa face ao C-27J, mas sim o facto de o avião não ter vendido para o mercado que realmente ía dar dinheiro (o civil).

Ninguém construiría nos anos 90 uma aeronave como o 235/295 apenas para vender poucas centenas de unidades. Era fracasso certo.

Um projecto exclusivamente militar é sempre dificil ou mesmo impossível de rentabilizar, e os espanhóis podem ser muita coisa mas não são estúpidos e fizeram contas.

Mas que o avião foi um flop foi!
Que a CASA enfrentou dificuldades por isso enfrentou!
Que a EMBRAER e a BOMBARDIER mandam cno mercado dos regionais, é também um facto!

Onde é que faltou objectividade  :roll: porque as ultimas alterações estão a dar demasiados problemas :evil:

Cumprimentos


PS:
Se há coisa de que me prezo, é de separar as minhas opiniões decorrentes de análises politicas ou históricas, das análises técnicas.

Não costumo afirmar coisas apenas por afirmar.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 04, 2006, 10:50:57 pm
Citação de: "papatango"
Onde é que faltou objectividade   :| :

Citação de: "papatango"
Meus senhores, o "Orgulho Hispano" não se casa bem com análises técnicas ou de estratégia comercial.
Assim não há objectividade que valha.  :?

Citação de: "papatango"
O C-295 é um fracasso, porque foi um avião pensado para contestar o ATR-42/72 como principal avião regional europeu, e ficou remetido a gheto da aviação militar de transporte.
Gheto? Essa não terá sido meio ao lado?  :mrgreen:

Citação de: "papatango"
O C-295 é um avião de transporte táctico
O C-27J é considerado pelos americanos como avião de transporte de "campo de batalha"
Há um mar de diferenças entre o C-27J e o C-295, e eu podia aqui, se tivesse tempo, explicar exactamente quais as razões que estão na origem de cada "vitoria" do C-295.

É verdade, existe enormes e substantivas diferenças entre ambos os aparelhos mas daí a citar a opinião norte-americana sobre o Spartan?  :mrgreen:
A propósito disso só duas últimas considerações: a opinião dos americanos acerca do C-27J é boa? Pudera, se uma das firmas construtoras é a poderosíssima Lockheed Martin...  :arrow: http://www.eads.net/web/content/en/800/ ... 30439.html (http://www.eads.net/web/content/en/800/content/OF00000000400004/9/43/40630439.html)
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 04, 2006, 11:24:56 pm
Citar
e segundo, o que dizer então do facto da Guarda Costeira norte-americana ter escolhido o "inadequado" CN-235 MRS MPA (Medium Range Surveillance Maritime Patrol Aircraft), como vector principal do programa Deepwater?


Também podes acrescentar que esta familia de inadequados da CASA também é um forte candidato a ganhar o concurso FCA do exército americano (Future Cargo Aircraft).

http://www.eads.net/web/lang/en/1024/co ... 74737.html (http://www.eads.net/web/lang/en/1024/content/OF00000000400004/7/73/40774737.html)

http://www.prnewswire.com/cgi-bin/micro ... y+10,+2005 (http://www.prnewswire.com/cgi-bin/micro_stories.pl?ACCT=149999&TICK=RTN&STORY=/www/story/05-10-2005/0003592446&EDATE=May+10,+2005)

Será pelas qualidades dos aparelhos ou devido ao fortíssimo lobby que a EADS tem nos EUA? :lol:


Cumptos
Título:
Enviado por: papatango em Janeiro 05, 2006, 12:09:40 am
Charlie Jaguar, não desconverse.

Você responde a uma pergunta que eu fiz num post, com comentários que eu fiz no post seguinte, relativamente a comentários que já de si nada tinham a ver com o que eu tinha dito  :mrgreen:

O C-295 é um avião civil "militarizado" e tem muito sucesso como tal.

Há situações onde o Land Cruiser, ganha a um Panhar VBL blindado.

Mas o Land Cruiser, não deixa de ser um veículo com origem civil.

O Casa C-235/295 foi um Land Cruiser que fracassou no mercado civil, e então pintaram-no de verde, chegando à conclusão que para ir buscar pão e distribuir a sopa pela tropa, até chega, e consegue ganhar concursos.

Mas nunca será um um Panhard VBL.

Eu afirmo que este "Land Cruiser" não vendeu no mercado civil, para o qual foi projectado, e você vem-me dizer que a versão militar de "transporte de pão" é um sucesso.
Estamos a falar da mesma coisa, em registos diferentes.

Ainda o ano passado, a espanhola UROVESA, foi preterida pelos SANTANA (Land Rover) num concurso para veículos militares de apoio,  no entanto, o exército espanhol continua a comprar os VAMTAC, quando quer veículos mais capazes, nomeadamente para blindagem ligeira.

Acho que o meu raciocinio até é simples.

Cumprimentos


PS:
A minha referência aos espanhóis, tem a ver com o facto de os comentários feitos nada terem a ver com o tema, e serem apenas um "lamento"  de patrioteirismo. Eu não coloquei em causa a CASA, apenas afirmei, e afirmo que o C-295 foi um fracasso comercial, independentemente de ter vendas interessantes na versão militar.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 05, 2006, 01:16:59 am
Citação de: "papatango"
Charlie Jaguar, não desconverse.
Longe de mim tal acto.  :mrgreen:. [/quote]
Meu caro amigo, quando li esta sua frase lembrei-me de uma há anos da Maria José Nogueira Pinto no Parlamento em que a dada altura tenho a certeza que a interveniente se perdeu.  :mrgreen:

Citação de: "papatango"
Eu afirmo que este "Land Cruiser" não vendeu no mercado civil, para o qual foi projectado, e você vem-me dizer que a versão militar de "transporte de pão" é um sucesso.
Estamos a falar da mesma coisa, em registos diferentes.
De acordo, é um problema de frequências. Tenho que arranjar um rádio à prova de interferências AN/ARC-164 HAVE QUICK II. :wink:
Título:
Enviado por: ferrol em Janeiro 05, 2006, 08:12:31 am
Citação de: "papatango"
O C-295 é um avião civil "militarizado"

Non é certo. O C-295 é un avión derivado do CN-235, e o CN-235 é un avión pensado desde o inicio como avión militar. ¿Fai falla que volva coloca-los enlaces de fas.org, eads, aire.org, como postei antes, ou vai poñer vostede os seus que me digan que o CN-235 é un avión de deseño civil?¿Ou non os ten?¿Ou non existen? :roll:
Título:
Enviado por: Get_It em Janeiro 05, 2006, 01:05:20 pm
Num à parte: A Tailândia comprou 10 C-235 à Indonésia por $220 milhões de dólares (http://http) - segundo o DID.
Título:
Enviado por: sierra002 em Janeiro 05, 2006, 08:35:31 pm
Citar
A minha referência aos espanhóis, tem a ver com o facto de os comentários feitos nada terem a ver com o tema, e serem apenas um "lamento" de patrioteirismo. Eu não coloquei em causa a CASA, apenas afirmei, e afirmo que o C-295 foi um fracasso comercial, independentemente de ter vendas interessantes na versão militar.


Hay todavía quien dice que en Irak había armas de destrucción masiva.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 05, 2006, 08:51:55 pm
Citação de: "sierra002"
Hay todavía quien dice que en Irak había armas de destrucción masiva.

Brincalhão! :jok:
Título:
Enviado por: Rui Elias em Janeiro 06, 2006, 12:45:47 pm
Eu só disse o que disse atrás, porque aquando do 3 de Julho, na BA nº 1, os tripulantes dos Aviocar que lá estavam em exposição (um de tansporte e outro de vigilância), disseram que teriam preferido os C-27J.

E quanto ao resto eu aplaudiria a tendência que o anterior MDN tinha para comprar um "pacote" C-130J + C-27J.

Manter os actuais C-130H por mais 15 anos, e apenas 6 unidades para as solicitações que têm tido e terão previsivelmente?

Que garantias de segurança terão apenas 6 aparelhos já bem "voados" daqui a 15 anos?

É que nessa altura, decisões terão que ser tomadas, no limite, e aí os fabricantes impingem-nos o que tiverem para despachar.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 20, 2006, 10:25:59 pm
Notícia do DN http://dn.sapo.pt/2006/01/21/nacional/n ... a_che.html (http://dn.sapo.pt/2006/01/21/nacional/novos_avioes_militares_comecam_a_che.html)


Citar
Portugal assina no próximo dia 17 de Fevereiro o contrato de compra de doze CASA C-295 para a Força Aérea, disse ao DN fonte ligada ao processo.

O ministro da Defesa, Luís Amado, anunciara para finais de Dezembro a assinatura desse programa de modernização das Forças Armadas. Contudo, explicou posteriormente o governante, dificuldades ligadas ao contrato de financiamento (regime de locação operacional) obrigaram a adiar a cerimónia.

A aquisição dos aviões novos implica assinar três contratos o do fornecimento dos aviões (sendo o primeiro entregue ano e meio depois), o do financiamento (279 milhões de euros, inscritos na Lei de Programação Militar) e o relativo às contrapartidas do fabricante a Portugal (que atingem os 460 milhões de euros).

Os C-295, do construtor europeu EADS-CASA (consórcio em que participam vários países), destinam-se a substituir as duas dezenas de Aviocar que já estão no fim da vida útil (à excepção dos dois aparelhos, modelo 300, afectos à fiscalização das pescas).

Segundo fonte oficial da Força Aérea, dez dos novos aviões - entregues à cadência de um em cada 45 dias - vão para a Esquadra 502, cumprindo missões de transporte táctico e missões de interesse público. Os restantes dois serão equipados especificamente para a fiscalização das pescas e ficarão na Esquadra 401.

No âmbito da reestruturação orgânica da FAP, a Esquadra 502 deverá criar um destacamento nos Açores (onde se extingue a Esquadra 711) de C-295, mantendo os mesmos três aviões. Em Porto Santo, Madeira, ficará outro dos aparelhos. Em aberto está a presença de um avião em São Tomé e Príncipe, no quadro da Cooperação Técnico-Militar, que se faz com um Aviocar.

Europa

A opção de Portugal pelos C-295 (em detrimento do modelo C-27J, da ítalo-americana Alenia) representou, desde logo, a inversão da política seguida pelo anterior ministro Paulo Portas e que favorecia a indústria de defesa dos EUA.

Na prática, a decisão de Luís Amado dá seguimento ao que era a política do último ministro da Defesa socialista, Rui Pena, que nas vésperas de deixar o cargo assinara em Bruxelas a adesão de Portugal ao programa do futuro avião militar de transporte estratégico A400M (também da EADS).

Acresce que a escolha do C-295 faz com que Portugal tenha de comprar os A400M quando substituir os Hercules C-130, dado que os dois aviões da EADS são complementares no plano técnico, operacional e de apoio logístico. A EADS, que tem 1% do capital do consórcio que formou com a brasileira Embraer para adquirir 65% da OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal, aumentará agora esse montante até aos 30%, assinalou uma das fontes.

Acresce que a EADS deu às OGMA a responsabilidade de construir a parte central - também conhecida como "troço nobre" - da fuselagem do C-295. Com as indústrias de defesa inseridas no Plano Tecnológico do Governo, Luís Amado irá sublinhar a importância do programa como pólo dinamizador de transferência de tecnologia e exemplo para a gestão de contrapartidas.
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 21, 2006, 03:42:43 am
O bom da noticia é que so vão ser 2 para SIFICAP, o mau é que se calhar vai ir um para S Tomé.. Isto visto.. :roll:
Título: Será?
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 21, 2006, 04:01:11 am
Eu penasava que para S. Tomé ia um dos Aviocares velhinhos!
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 22, 2006, 12:50:48 pm
O aspecto dos nossos C-295 sera este?


(http://images.airliners.net/photos/photos/8/5/9/970958.jpg)


Se for não acho nada bonito.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 22, 2006, 01:04:13 pm
A versão do C-295 de fiscalização as pescas é este?

(http://images.airliners.net/photos/middle/0/8/8/969880.jpg)

Informções sobre ele: http://www.eads.net/xml/content/OF00000 ... 294047.pdf (http://www.eads.net/xml/content/OF00000000400004/7/04/32294047.pdf)
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 22, 2006, 06:03:10 pm
Citação de: "Typhonman"
O bom da noticia é que so vão ser 2 para SIFICAP, o mau é que se calhar vai ir um para S Tomé.. Isto visto.. :wink:
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 22, 2006, 07:45:57 pm
Esse avião faz o mesmo que este?

(http://images.airliners.net/photos/middle/5/3/9/960935.jpg)


Porque um avião que vai fazer fiscalização as pescas esta preparado para levar armamento?

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 22, 2006, 09:21:11 pm
Esta versão não.

A foto mostra o Embraer EMB-145RS/AGS (mais conhecido por R-99B na Força Aérea Brasileira).
Citar
O R-99B está preparado para efetuar sensoreamento remoto de grandes extensões de terreno, dotado de equipamentos de última geração, que podem operar sob quaisquer condições climáticas, em proveito do SIVAM. Para fazer o rastreamento de ondas de transmissão ou monitorar toda a movimentação no solo, conta com Radar de Abertura Sintética (SAR), Scanner Hiperespectral (HSS), Scanner Multiespectral (MSS) e Sensor Ótico e Infravermelho (OIS).
A variante para patrulha marítima e luta anti-submarino/anti-superfície é o EMB-145MP/ASW, designado na FAB por P-99(A).

Citação de: "TaGOs"
Porque um avião que vai fazer fiscalização as pescas esta preparado para levar armamento?

Porque é normalmente executada por uma aeronave de vigilância/patrulha marítima, por vezes equipadas com armas mas apenas para as missões de luta anti-submarino e/ou luta anti-superfície. Mesmo que levada a cabo com o recurso a meios militares, o âmbito da missão SIFICAP é policial, se assim se pode dizer. Monitorizam-se e fiscalizam-se as águas costeiras com vista à protecção de recursos piscícolas contra possíveis infractores. Para tal não é necessária a utilização de um meio armado; apenas um que se encontre bem equipado com sensores para busca, rastreio e registo.  :wink:
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 23, 2006, 10:27:36 am
Caros amigos ja esta confirmada a compra por Portugal dos 12 avioes casa-295:
Força Aérea com novos 12 aviões a partir de 2007

A Força Aérea vai ter novos aviões a partir de 2007, avança o Diário de Notícias este sábado. O Governo vai assinar no próximo dia 17 de Fevereiro o contrato para a compra de doze CASA C-295, que o ministro da Defesa já havia anunciado, mas cuja chegada tinha sido adiada por dificuldades ligadas ao financiamento.



Segundo o DN, para aquisição dos novos aviões será necessária a assinatura de três contratos. Um para o fornecimento dos aviões (com a entrega do primeiro agendada para um ano e meio depois), o segundo para o financiamento (279 milhões de euros, inscritos na Lei de Programação Militar) e o que se refere às contrapartidas do fabricante a Portugal (que atingem os 460 milhões de euros). Os aparelhos deverão substituir duas dezenas de Aviocar que já estão no fim da vida útil. Dez dos novos aviões vão para a Esquadra 502, cumprindo missões de transporte táctico e missões de interesse público. Os restantes dois serão equipados especificamente para a fiscalização das pescas e ficarão na Esquadra 401.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Fevereiro 02, 2006, 12:00:34 pm
Mas será que a FAP nã irá manter operacionais pelo menos 8 ou 10 dos velhos Aviocar?

É que assim não for, não há acrescento de capacidade, mas sim redução.  :?

Há pouco dias esteve estacionado no Figo Maduro, Lisboa um C-295 da Força Aérea de Espanha (Ejercito del Aire) semelhante a este:

(http://www.eads-nv.com/xml/content/OF00000000400006/4/96/698964.jpg)
Título:
Enviado por: old em Fevereiro 03, 2006, 11:10:17 am
E leido varias criticas del C295 con respecto al C27 Italiano, y si bien es cierto que tiene menos carga bruta, tambien tiene otras virtudes que el C27 no posee.

Al margen de que sus costos de mantenimiento son inferiores.
Creo que han echo una buena compra, ademas es una bello avion. :wink:
Título:
Enviado por: Rui Elias em Fevereiro 03, 2006, 03:50:31 pm
Opiniões, Old.

Parece que quem decidiu em Portugal concorda com a sua análise.

Mas para mim, a compra dos CASA c_295 irá arrastar o futuro do transporte táctico e estratégico em Portugal atrás desta oção, que para mim, poderá ser a menos boa.     :?
Título:
Enviado por: manuel liste em Fevereiro 03, 2006, 03:57:04 pm
Citação de: "Rui Elias"
Opiniões, Old.

Parece que quem decidiu em Portugal concorda com a sua análise.

Mas para mim, a compra dos CASA c_295 irá arrastar o futuro do transporte táctico e estratégico em Portugal atrás desta oção, que para mim, poderá ser a menos boa.     :?


¿Está prevista para Portugal la adquisición del futuro A-400M?. El C-295 no puede ser considerado un transporte estratégico, pero el A-400M sí.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Fevereiro 03, 2006, 04:08:09 pm
Manuel:

Atá há 5 anos, Portugal estava no projecto do A-400M, para a compra de 3 unidades

Depois, com o governo anterior, abandonou-se essa participação, e o governo parecia encaminhado para a futura substituição dos nossos C-130H pelo J.

A razão era que seriam, apenas 3 A-400M para substituir 6 C-130, o que representava um decréscimo na capacidade de transporte estratégico.

O actual governo ainda nada disse de muito claro, mas deu a entender que poderia colocar de novo Portugal na rota dos A-400M.

Ora com a compra dos C-295, tudo parece indicar que o A-400M será a próxima compra, na vez dos C-130J, que para mim, deveria ser preferível.

No entanto, os nossos actuais C-130H manter-se-ão a voar por mais 12 a 15 anos.
Título:
Enviado por: TOMKAT em Fevereiro 11, 2006, 12:31:24 pm
o Expresso notícia hoje, que o Ministério da Defesa assina no dia 17, para a semana, portanto, o contrato para a compra dos 12 aviões C-295 à espanhola CASA-EADS.

7 avões táticos e 5 de vigilância nocturna (?) vão custar 175 milhões de euros e serão entregues a entre 2007 e 2010.

Não percebi muito bem essa dos 5 de vigilância nocturna...
Vamos ficar com 5 aviões dedicados à vigilância nocturna ou à vigilância marítima?....ou ás duas coisas?...
Título: C295.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 11, 2006, 01:11:21 pm
Foi um erro do Jornal ou podes ter lido mal. Sao 5 C295 para vigilancia maritima, os 5 equipados com o sistema FITS. O valor do contrato esta estimado em 279 MEs com contrapartidas de cerca de 460MEs e nao o valor indicado pelo teu post. Segundo sei a cerimonia pode vir a ser adiada para o dia 19 de Fevereiro, mas nao confirmo a veracidade da noticia.
Título:
Enviado por: TOMKAT em Fevereiro 11, 2006, 02:03:34 pm
Não li mal  e os valores que mencionei são os apontados pelo jornal.
Deve ter sido mesmo erro do jornal, nada a que não estejamos habituados em notícias de jornalistas mal informados, e mal formados, em matéria de defesa.

Aliás a notícia não passava de umas curtas linhas, tipo notícia de última hora... :?
Título:
Enviado por: Marauder em Fevereiro 11, 2006, 02:13:17 pm
Boas,

              já o Jornal de Negócios aponta 350ME de contrapartidas..mas avisa que este valor pode variar.

   "O valor de 350 milhões de euros, indicado por fontes do sector tendo em conta operações semelhantes com outros países, pode variar dependendo dos contratos de manutenção acordados com o Ministério da Defesa de Portugal."

     em:
http://www.negocios.pt/default.asp?SqlP ... tId=271203 (http://www.negocios.pt/default.asp?SqlPage=Content_Empresas&CpContentId=271203)

   Saudações
Título: C295.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 12, 2006, 09:27:37 am
O jornal nao aponta 350 MEs para as contrapartidas mas sim para a aquisicao das aeronaves. Cada contrato e negociado separadamente e penso eu em datas differentes. Faltam inclusive identificar alguns projectos alvos. Cada jornal coloca o seu preco. Vamos abrir uma aposta sobre isso na BetandWin. O Jornal erra ao dizer que sao precos semelhantes a negocios do estilo. Ninguem pode fazer esse tipo de afirmacoes visto que cada negocio tem as suas caracteristicas e propriedades. O valor real de 279ME indicado por fonte segura e bem inferior aos 350MEs indicados pelo jornal. Isso apenas mostra que informam mal as populacoes que nao estao dentro destes assuntos e leva as pessoas a interpretar mal varias decisoes dos governos como verificado nos comentarios da referida noticia. O valor de 350MEs esta sim muito perto do valor das contrapartidas. Talvez o jornalista tenha interpretado mal o artigo do jornal Espanhol.
Título:
Enviado por: Marauder em Fevereiro 12, 2006, 10:13:03 am
Boas Tsahal

:wink:

 "Os C-295, do construtor europeu EADS-CASA (consórcio em que participam vários países), destinam-se a substituir as duas dezenas de Aviocar que já estão no fim da vida útil (à excepção dos dois aparelhos, modelo 300, afectos à fiscalização das pescas)."

em:
http://dn.sapo.pt/2006/01/21/nacional/n ... a_che.html (http://dn.sapo.pt/2006/01/21/nacional/novos_avioes_militares_comecam_a_che.html)

   Isto é que eu já não tenho ouvido muito, que 2 Aviocar não vão ser retirados, dando mais liberdade aos C-295, ou simplesmente fazendo uma melhor cobertura  do território nacional.

    Relativamente ao jornalismo..pois..é sempre aquela cena, e o jornalismo on-line é do pior!!! Se eu recebesse um euro por cada erro que encontro na net já podia comprar 1 viagem ryanair para algum sitio longe, mas erros de uma forma geral. Em termos militares lembro-me de um, um tal avião NA-26...deve ser primo afastado do AN-26. Então o Diário Digital..é uma mina de ouro em termos de erros, e os sacanas não respondem aos e-mails...sim..tantos erros é de protestar!!

  Saudações
Título: C295.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 12, 2006, 01:51:42 pm
Os nossos jornais dão muitas vezes noticias interessantes mas acabam por transmitir informações erradas. Seria um erro retirar os dois C212-300 Patrullero. Na pior das soluções, poderiam fazer um negocio por um preço corecto com outro pais. São aeronaves muito recentes e capazes. Um dado curioso, é que vamos ficar durante algum tempo com 5 plataformas para vigilancia maritima. Dois EH101, 5 C295, 2 C212, os P3P e os P3C. Segundo sei o P3 é por vezes utilizado para esse efeito, como sabemos. Somos unicos no mundo, pelo menos não existem motivos para a nossa ZEE não estar bem vigiada!
Título: C295.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 12, 2006, 01:59:41 pm
O Expresso a transmitir erros, o DD a transmitir erros, o Jornal de Negocios a transmitir erros. Acho que são meios de comunicação ditos serios. Isto acontece para todo os tipos de noticias por isso devemos sempre analisar bem as noticias e se procuramos obter a verdade, nada como contactar os intervenientes. Tal como eu disse durante a semana, o DN de hoje transmite todos os dados correctos.
Título:
Enviado por: fish em Fevereiro 12, 2006, 05:15:14 pm
Citação de: "Rui Elias"
Manuel:

Depois, com o governo anterior, abandonou-se essa participação, e o governo parecia encaminhado para a futura substituição dos nossos C-130H pelo J.

A razão era que seriam, apenas 3 A-400M para substituir 6 C-130, o que representava um decréscimo na capacidade de transporte estratégico.

O actual governo ainda nada disse de muito claro, mas deu a entender que poderia colocar de novo Portugal na rota dos A-400M.

Ora com a compra dos C-295, tudo parece indicar que o A-400M será a próxima compra, na vez dos C-130J, que para mim, deveria ser preferível.

No entanto, os nossos actuais C-130H manter-se-ão a voar por mais 12 a 15 anos.


Bem os C130 J não são de todo uma boa plataforma. a RAF já suspendeu a aquisição do segundo lote e mesmos os USA estão a reduzir as suas encomendas. Os problemas são varia ordem, operacionais, equipamento, etc. Sá para dar um exemplo, o J não pode fazer lançamento de paraquedistas pois o vortex gerado pelo helice faz com que os pára embatam na parte inferior do avião, imaginem como ficaria o desgraçado.
Por fim o A 400 irá ter uma filosofia de manutencão muito diferente da do C130 conseguindo espaçar mais as imobilizaçõs, este factor em conjunto com a maior capacidade fazem com que capacidade de transporte estratégico não seja reduzida, vai ser possivel até um incremento pois a utilização do C295 vai libertar o C130 ou o A400 de missões de apoio aos nossos F16 em missão no estrangeiro assim como do voo semanal aos Açores BA4 e destacamento em Porto Santo.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 15, 2006, 06:12:16 pm
Mais uma versão...


Citar
Indústria/Defesa: EADS aumenta para 30% no consórcio que... (ACTUALIZADA)

Lisboa, 14 Fev (Lusa) - A EADS, maior fabricante aeronáutico europeu, vai aumentar de 1 para 30 por cento o peso que detém no consórcio que controla a OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal, disse hoje à agência Lusa fonte ligada ao processo.

      O reforço da participação da EADS será feito ao mesmo tempo que são assinados os contratos para as contrapartidas da venda dos novos aviões de transporte táctico da Força Aérea (FAP).

      A mesma fonte revelou à Lusa que o programa total de contrapartidas ao contrato de aquisição dos aviões, que será assinado na sexta-feira, está avaliado em 460 milhões de euros, dos quais perto de 80 por cento serão aplicados nas OGMA, sobretudo em contratos para fabrico de componentes.

      Esta verba, de acordo com a mesma fonte, não inclui o investimento no aumento da participação da EADS na empresa de manutenção aeronáutica portuguesa.

      A OGMA é actualmente controlada pela Airholding, com 65 por cento do capital, sociedade em que a brasileira Embraer detém 99 por cento e a EADS, para já, 1 por cento.

      Portugal vai pagar perto de 280 milhões de euros pelos 12 novos aviões de transporte táctico e vigilância marítima, Casa C-295, que substituirão o 24 Aviocar da Força Aérea, da década de 70.

      A Casa, divisão da EADS para fabrico de aviões de transporte militar, foi a primeira classificada num concurso lançado pelo anterior governo, e revisto pelo actual, em que participou também a italiana Alenia, com o seu modelo C-27J.

      Segundo a fonte ouvida pela Agência Lusa, a OGMA vai passar a fabricar o componente central da estrutura do C-295 que faz a ligação entre as asas do aparelho, para os 12 da FAP e outras encomendas que a Casa venha a receber.

      Esta contrapartida está avaliada pelo montante dos contratos e transferência de tecnologia, nomeadamente a capacitação da OGMA para desenho, fabrico e engenharia através do mesmo "software" usado pela EADS.

      Esta capacitação, de acordo com a mesma fonte, "deixa a OGMA apta a fazer qualquer parte de um Airbus ou de outro avião da do grupo EADS".

      Os restantes 20 por cento do programa de contrapartidas destinam-se a empresas de tecnologias de informação, nomeadamente as do grupo Emporderf, Novabase, entre outras.

      Este montante, 92 milhões de euros, será aplicado pela EADS em contratos de fabrico, formação e capacitação.

      De acordo com a mesma fonte, em paralelo ao contrato de contrapartidas, a EADS vai também comprometer-se a certificar empresas portuguesas para trabalhar com o grupo.

      Este contrato, um requisito da Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC), responsável pela avaliação das propostas, visa capacitar a indústria portuguesa de defesa a participar nos programas do grupo aeronáutico europeu.

      A actual frota de C-212 Aviocar está distribuída por três esquadras de voo, das quais a maior é a 502, de transporte aéreo e táctico, que também executa missões de busca e salvamento, a partir da Base Aérea 1 de Sintra.

      A Força Aérea dispõe de uma outra esquadra (711) com missão de transporte, sedeada na base das Lajes, Açores, e de uma de fotografia aérea e geofísica e Sistema de Fiscalização e Controlo das Actividades de Pesca (401).
Título:
Enviado por: pedro em Fevereiro 17, 2006, 10:26:29 am
Aqui vai uma nova noticia:

Citar
Governo compra substituto do Aviocar  
 
Ministro da Defesa assina contrato com espanhóis EADS no valor de 274 milhões de euros .
O Ministério da Defesa assina hoje com o consórcio espanhol EADS o contrato de aquisição de 12 aviões C-295 que vão substituir os 24 Aviocar da Força Aérea. O negócio está avaliado em 274 milhões de euros.  
O contrato, que será hoje assinado por Luís Amado em Sintra, inclui a compra de sete aeronaves militares configuradas para transporte táctico e mais cinco para vigilância e patrulha marítima.

No entanto, estes 12 novos aviões podem ser adaptados para outras missões, como transporte aéreo geral, apoio aéreo a operações especiais, busca e salvamento, transporte e evacuação marítima, reconhecimento e fotografia aérea e instrução de multimotores, explicou fonte da Força Aérea à agência Lusa.

O primeiro avião deve ser entregue “a partir de 2007”, prevê o Ministério da Defesa. Os restantes vão ser entregues à Força Aérea nos seis anos seguintes.

Depois de assinado o contracto, a EADS, o maior fabricante aeronáutico europeu, vai aumentar de um para 30 por cento o peso que detém no consórcio que controla a OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal.
Título:
Enviado por: Marauder em Fevereiro 17, 2006, 02:09:05 pm
E já tá...mais uma boa contratação!!!!

Citar
Assina contrato de cooperação
Governo compra 12 aviões militares por 270 milhões
O ministro da Defesa acaba de assinar um acordo de cooperação com o consórcio europeu EADS que, além do fornecimento de 12 aviões C-295 à Força Aérea Portuguesa, por 276 milhões de euros, prevê também um acordo de cooperação para a obtenção de certificações.
Filipe Paiva Cardoso
filipecardoso@mediafin.pt
 
O ministro da Defesa acaba de assinar um acordo de cooperação com o consórcio europeu EADS que, além do fornecimento de 12 aviões C-295 à Força Aérea Portuguesa, por 276 milhões de euros, prevê também um acordo de cooperação para a obtenção de certificações.

O contrato de compra dos aviões C-295, assinado hoje por Luís Amado, prevê um acordo de cooperação com o consórcio europeu EADS-CASA para que as empresas portuguesas da indústria aeronáutica consigam certificações que lhes permitam tornarem-se fornecedores ao nível internacional.

Com essas certificações as empresas nacionais da indústria aeronáutica poderão fornecer companhias como a Boieng ou a Airbus.

Os C-295 representam 460 milhões de euros de contrapartidas, disse Rui Neves, presidente da comissão permanente de contrapartidas, à margem da assinatura do contrato na Base Aérea de Sintra.

Deste valor, 50% revertem para a OGMA. Dos restantes 50%, 100 milhões de euros serão utilizados na criação de um gabinete de projectos certificado em Portugal e outros 100 em contratos de manutenção.


   Não é nada de novo...somente a confirmação..

  Cumprimentos
Título: Substituto dos C-130 para as calendas
Enviado por: Lancero em Fevereiro 17, 2006, 05:06:26 pm
Defesa: Amado admite adiamento de substituição dos C-130

Lisboa, 17 Fev (Lusa) - O ministro da Defesa admitiu hoje o adiamento d o programa de substituição dos C-130 da Força Aérea Portuguesa, argumentando que

os aparelhos estão ainda em "muito estado" e podem manter-se ao serviço "por ma is 15 anos".

        "Os C-130 estão ainda em muito bom estado. Precisarão de fazer um 'upgr ade' nos próximos anos. Mas temos um avião estratégico que nos dá garantias de n os próximos 15 anos desempenhar as missões de que nós necessitamos", disse Luís  Amado.

        O ministro da Defesa falava em Sintra, à margem da cerimónia de assinat ura do contrato de aquisição de 12 aparelhos C-295 para substituir os Aviocar da

Força Aérea, num investimento de cerca de 275 milhões de euros.

        A possibilidade de substituição dos C-130 por aviões europeus A400M (da

EADS, tal como os Aviocar e os C-295) ou norte-americanos C-130J (da Lockheed M artin) foi equacionada pelo anterior Governo PSD-CDS/PP.

        Sublinhando ser "muito cedo" para falar no programa de substituição dos

C-130, Luís Amado sustentou que Portugal está a fazer "um investimento muito gr ande" no programa de reequipamento das Forças Armadas, tendo conferido prioridad e à substituição de equipamentos que estavam "no seu limite", como os helicópter os Puma ou o Aviocar.

        "Não faz sentido fazermos opções já em relação ao avião estratégico qua ndo temos necessidade de garantir o financiamento para outros equipamentos que e stão em situação de maior obsolescência", reforçou, apontando igualmente outros  programas em curso como a compra de novos submarinos para a Marinha ou as novas  viaturas blindadas para o Exército.

        Após a formalização da compra de 12 aviões C-295 ao consórcio EADS/CASA , o titular da pasta da Defesa chamou ainda a atenção para o "ciclo de planeamen to" ainda em vigor, que faz coincidir em simultâneo a substituição de vários equ ipamentos de vulto das Forças Armadas.

        "O extraordinário peso financeiro que esse processo de reequipamento en volve exige um planeamento que permita não fazer coincidir grandes equipamentos  de forma a garantir alguma sustentabilidade do ponto de vista orçamental e finan ceiro", disse.

        A Força Aérea Portuguesa dispõe de seis C-130 desde a década de 70, sen do quatro de versão curta e dois de versão longa.

        Acompanhado na cerimónia pelos ministros da Economia, Manuel Pinho, e d as Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Mário Lino, Luís Amado salientou  as "importantes implicações" do contrato de contrapartidas hoje assinado na mode rnização de "alguns sectores" da indústria portuguesa, em especial a "relação mu ito estreita" que ficará estabelecida entre a EADS/CASA e a empresa Oficinas Ger ais de Material Aeronáutico (OGMA).

        Nos termos do contrato de contrapartidas, avaliado em 460 milhões de eu ros, a EADS (maior fabricante aeronáutico europeu) vai aumentar de um para 30 po r cento o peso que detém no consórcio que controla a OGMA, o que permitirá uma " relevante modernização da indústria aeronáutica" nacional.

        A este respeito, Luís Amado defendeu a necessidade de serem identificad as "todas as possibilidades" para que os vários programas de reequipamento tenha m "o máximo impacto possível" na "dinamização das indústrias portuguesas", entre

as quais a ligada à aeronáutica ou à construção naval.

        Simultaneamente, o ministro da Defesa manteve em aberto a possibilidade

de vender ou "negociar no âmbito de programas de cooperação" os aparelhos Avioc ar que começarão a ser substituídos a partir do primeiro trimestre de 2008, algu ns dos quais "estão em boas condições operacionais".

        "É uma opção que tem de ser sempre ponderada", disse Luís Amado, questi onado sobre a possibilidade da venda dos Aviocar, acrescentando que essa poderá  ser também uma opção para outros equipamentos, caso dos helicópteros Puma ou dos

aviões C-130.

        Luís Amado lembrou que os Aviocar vão continuar a voar até à sua substi tuição pelos C-295, que passarão depois a garantir as missões que estavam atribu ídas àqueles aparelhos (que passam a estar sedeados na Base Aérea 6, no Montijo) .

        Durante a cerimónia, o presidente do consórcio EADS/CASA, Francisco Fer nandéz Sainz, salientou que o contrato hoje assinado traz "muitas complementarid ades" entre a EADS e a OGMA.

        Ao todo, foram assinados cinco contratos, entre os quais os de fornecim ento, locação financeira, cessão de créditos e contrapartidas.

        O valor do contrato de compra dos 12 C-295, cerca de 275 milhões de eur os, inclui os custos financeiros, pagos ao longo de 15 anos através de leasing o peracional.

        Luís Amado, Manuel Pinho e Mário Lino visitaram o centro de investigaçã o científica da Força Aérea, a funcionar na Base Aérea 1, em Sintra, e assistira m a uma demonstração do protótipo Antex-M, um aparelho não tripulado concebido p ara vigilância aérea.

        A cerimónia incluiu ainda uma visita à OGMA (em Alverca, para onde Amad o se deslocou de Aviocar), privatizada em 2005 com a aquisição de 65 por cento d as acções pela Airholding SGPS, consórcio composto pela brasileira Embraer e pel a EADS.
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 17, 2006, 10:42:16 pm
Seria possível obter informações sobre esse UAV?

ANTEX M ?

Vamos ter UAV na esquadra 401 :twisted:
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 17, 2006, 10:54:18 pm
Citação de: "Miguel"
Seria possível obter informações sobre esse UAV?

ANTEX M ?

Vamos ter UAV na esquadra 401 :twisted:


Há uma revista Mais Alto recente com um extenso artigo dedicada ao tema:
http://www.emfa.pt
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Get_It em Fevereiro 17, 2006, 11:23:56 pm
Alguma informação online:
Antex M-Vehicle (http://http), FEUP
Antex M - Mais Alto (http://http), EMFA
[/list]

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 18, 2006, 10:52:12 am
Citar
Antex M-Vehicle
 

Designed and built in Portugal

Features
Main Wing Span  2,4 m
Propeller Diameter  0,38 m
Powerplant
Engine Power Rating  1,9 KW
Weights and Loadings
Gross Weight  8 kg
Payload  3 kg
Prototype 2004
Missions
Surveillance
Monitoring

 



Seria possível equipar a Esquadra 401 com unidades UAV ?
Quantas unidades seria necessario ?
Onde devia ficar sediada a Esquadra 401 ? BA5?
Título:
Enviado por: Spectral em Fevereiro 18, 2006, 11:23:38 am
Antes de começarem aos saltos, o ANTEX-M é apenas um veículo de pesquisa e investigação, de modo a FAP, as univs e as empresas associadas adquirirem experiência e conhecimentos essenciais na área da concepção e operação destas aeronaves.

Não é nem será uma aeronave operacional. Aliás, não creio que estejamos em condições de construir um UAV de especificações militares tão breve, portanto a FAP deve-se virar para o estrangeiro quando finalmente adquirir esta capacidade. Um UAV voltado para o mercado civil (como vigilância de fogos, etc) já me parece bem mais exequível.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Fevereiro 20, 2006, 02:52:38 pm
Notiícia oficial no site do MDN:
Citar
Assinatura de contrato para a aquisição de novos aviões
 
O Ministro da Defesa Nacional, Dr. Luís Amado, assinou com o consórcio europeu EADS, em 17 de Fevereiro, um contrato de aquisição de 12 novos aviões C-295 que irão substituir os 24 C-212 Aviocar da Força Aérea.

Destes novos meios, que serão entregues a partir de 2007, à cadência de um em cada seis meses, sete estarão configurados para transporte aéreo táctico e cinco para missões de vigilância e patrulhamento marítimo, podendo ainda ser reconfigurados para outros tipos de missões aéreas.

Fonte: http://www.mdn.gov.pt/destaques/2006/as ... avioes.htm (http://www.mdn.gov.pt/destaques/2006/assinat_contr_novos_avioes.htm)

Será que os 5 C-295 de patrulha marítima poderão ser utilizados também para pesquisa geofísica e/ou fotografia aérea e/ou guerra electrónica? O que permitiria também manter os 2 C-212 300 Aviocar na Esquadra 401 "Cientistas"?

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: Pedro Monteiro em Fevereiro 20, 2006, 08:47:51 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Será que os 5 C-295 de patrulha marítima poderão ser utilizados também para pesquisa geofísica e/ou fotografia aérea e/ou guerra electrónica? O que permitiria também manter os 2 C-212 300 Aviocar na Esquadra 401 "Cientistas"?

Cumprimentos
B. Pereira Marques


O objectivo passa por empregar o C-295 em fotografia aérea, por exemplo. A nível de guerra electrónica desconheço se há alguma coisa prevista. Depende, aliás, muito dos equipamentos a bordo das aeronaves.
Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Fevereiro 21, 2006, 12:37:27 am
A distribuição do tipo de aeronaves encomendadas parece ser esta:

7+2+3

(7) de transporte táctico, (2) de patrulha marítima sem o sistema FITS, que podem ser reconfigurados em pouco tempo para missões de transporte táctico, (3) com o sistema FITS.

 :arrow: Sistema FITS (http://http)
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 21, 2006, 03:11:03 pm
EADS CASA firma al acuerdo de venta de doce C-295 a Portugal.

El 17 de febrero se firmó en Sintra el contrato para el suministro a la Fuerza Aérea Portuguesa de doce aviones EADS CASA C-295, por un valor aproximado de 270 millones de euros. El contrato ha sido firmado por Jose Mourato, Presidente de Empordef y Francisco Fernández Sáinz, Presidente de EADS CASA. Estos doce aviones sustituirán a la flota de Aviocar C-212 y que han estado operando desde los años 70. Siete de los aviones tendrán una configuración de transporte militar y cinco estarán equipados para misiones de vigilancia marítima (versión VIMAR). De estos últimos, tres dispondrán del sistema de misión FITS desarrollado íntegramente por EADS CASA. Los VIMAR podrán ser rápidamente adaptados a la configuración de transporte. El primer aparato se entregará 18 meses después de la entrada en vigor del contrato y, a partir de esa fecha, llegará uno cada mes y medio aproximadamente, hasta completar las unidades. Inicialmente se suministrarán los aviones de transporte y a continuación los de vigilancia marítima. También proporcionará apoyo logístico “Full In-Service Support” a estos aviones por un periodo mínimo de 5 años. Asimismo se ha firmado el contrato de cooperación industrial entre EADS CASA y la CPC (Comisión Permanente de Contrapartidas) por el cual EADS CASA apoyará el desarrollo industrial aeronáutico de Portugal. Por parte de la CPC firmó el contrato su Presidente Rui Neves. FUENTE DEFENSA.ORG.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 21, 2006, 04:00:29 pm
Confirmação oficial da EADS CASA.  :?
Título:
Enviado por: typhonman em Fevereiro 21, 2006, 06:50:32 pm
Vão ser mesmo feios.

O C27 não tinha sistema de patrulha maritima "desconfiguravel"?
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 21, 2006, 08:47:03 pm
El C27 no tiene sistema de reconocimiento maritimo.
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 23, 2006, 10:22:47 pm
Citação de: "Typhonman"
Soultrain..A ideia que o papatango disse é verdadeira, esta em muitos sites da especialidade.

E o que esta em discussão não são os hummers mas sim o avião, e não nos vamos enganar o C27J é superior ao C295 basta um ter origem civil com aquelas janelas todas e o C27J ser desenvolvido a partir de um avião puramente militar o G222


ainda bem k tem janelas, qual é a piada d ir x horas a olhar po tecto??? :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Março 08, 2006, 05:58:22 pm
Citação de: "tsahal"
Não querendo contrariar a tua informação relativa ao C27J mas sim informar, o C295 equipado com o sistema FITS transforma-se numa excelente aeronave para patrulha maritima, como dizem quem os utiliza, no entanto se o C27J for equipado com um sistema disponibilizado pela Galileo Avionica e do qual não me recordo do nome de momento mas equipa os ATRs de patrulha maritima, outra empresa do grupo Finmeccanica (sistema proposto para o caso Português) permite que o C27J seja tb uma boa plataforma para o tipo de missoes em debate. Se o C27J é ou não superior ao C295, não sei porque nunca apreciei infelizmente nenhuma demonstração ou teste. Cada empresa puxa a sardinha a sua brasa e não podemos esquecer que o que faz que uma aeronave ou um blindado tenham determinadas prestações ou capacidades depende dos equipamentos adicionados a plataforma. Se tiveres acesso aos relatorios de comparação, cada empresa diz que o seu produto é o melhor.


Relativamente a esta questão, eu não tenho dúvidas sobre se o C-27J pode ou não ser uma boa aeronave quando equipada com os meios necessários a desempenhar a sua missão.

Para mim, o problema principal são os custos de operação, entre os quais não é de desprezar o do combustível.

Ao ser baseado numa configuração civil, o C-295 prestou especial atenção às qualidades aerodinâmicas e ao peso, pelo que o C-295 é estruturalmente menos forte que o C-27J (que em termos de carga por centimetro quadrado aguenta com uma pressão cinco vezes maior que o C-295).

Mas essa resistência, conseguida à custa de mais metal e mais materiais compostos (que no C-27J substituiram parte do metal)  paga-se em termos de peso, pois mesmo as ligas e os materiais à base de fibras são menos pesados que o metal mas também pesam.

Resultado: Um C-27J é muito mais pesado que o C-295 e, tendo os dois performances idênticas (ou com vantagem para o C-27J) isso resulta num C-27J muito mais gastador (razão pela qual tem um deposito com muito maior capacidade).

Esta questão, parece-me a mim ser uma das principais razões da vantagem do C-295 sobre o C-27J e não tem necessáriamente a ver com os equipamentos embarcados.

Logo, não está em causa a "bondade" técnica dos equipamentos que se colocam a bordo das aeronaves, mas sim o seu comportamento e custos "vazios".

Mais ou memos, é esta a razão que me leva a achar o C-295 mais adequado, tendo em consideração a sua utilização principal.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ferrol em Março 09, 2006, 11:41:11 am
Citação de: "papatango"
Ao ser baseado numa configuração civil, o C-295 prestou especial atenção às qualidades aerodinâmicas e ao peso
Como parece que nin indicando as páxinas de EADS onde se di o contrario se convence vostede de que iso é mentira, simplemente indicar ós demáis foristas que o C-295 foi pensado desde a mesa de deseño como avión militar, polo que toda a argumentación subsecuente baseada nesta mentira é falsa.

Saúdos.
Título:
Enviado por: papatango em Março 09, 2006, 11:58:28 am
Ferrol, não adianta.
Já lhe expliquei que a EADS não vai de certeza dizer que o C-295 foi inicialmente um avião civil, porque isso ía prejudicar as vendas.

Se a EADS falasse nas origens civis do avião (que aliás são obvias e basta olhar para ele para verificar isso - como alguém disse: para que são tantas janelas no avião) isso ía levanter uma pergunta:
Se era originalmente civil, porque é que não vendeu nada?

Ao ocultar o origem civil do avião, a EADS evita problemas constrangedores decorrentes de estar a vender um avião que se verificou ser um fracasso, e um fracasso tal que acabou por entregar a CASA nas mãos do consórcio europeu.

Nós temos que ser capazes de pensar pelas nossas cabeças, envez de tentarmos encontrar respostas no site da empresa que vende o produto.

O último lugar onde você vai ler que o C-295 tem origem civil - COMO É MAIS QUE ÓBVIO QUE TEM E SÓ NÃO O VÊ QUEM FOR CEGO - é exactamente no site da EADS, que é a sua referência.

É como afirmar que Franco era um santo, dando como referencia o site da Falange.  :roll:  :roll:

Um bocadinho de inteligência peleeeeease.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: garrulo em Março 09, 2006, 02:47:47 pm
Papatango,¿conoces muchos aviones civiles con rampa popel?.No digas tontadas.
Título:
Enviado por: papatango em Março 09, 2006, 04:40:16 pm
Já aqui foi explicado quie a rampa traseira foi uma exigência indonésia.

Na indonésia, muitos avioes militares faziam o transporte civil.

Em aeroportos sem condições nem sistemas de apoio, é o próprio avião que tem que ter meios de acesso.

Na indonésia o transporte aéreo é importante por causa de o país ser um arquipelago e portanto a porta traseira, foi considerada importante.

Na Europa, o objectivo da aeronave era concorrer no enorme mercado civil das rotas curtas como "commuter aircraft" com aviões como  o ATR-42.

O C-235 é equivalente ao ATR-42 e o C-295 é o equivalente ao ATR-72. Além destes, havia também os concorrentes DASH-8, Dornier DO-328 ou SAAB-2000.

Todos estes aviões viram o seu futuro coartado pela emergência dos EMBRAER ERJ-145 e dos BOMBARDIER.
Aliás, o próprio EMBRAER EMB-120 Brasilia, foi em parte vítima de "canibalismo" dentro da própria empresa porque o ERJ-145 o subsituiu em algumas rotas.

O C-235/295, no entanto, foi salvo pela exigência indonésia e ao contrário dos restantes, pode ser "transformado" à pressa em avião militar.

- Você sabe o que é um comuter?
- Sabe o que isso significa?
- Você que explicar porque é que a CASA acabou como empresa independente exactamente quado se tornou evidente que o C-235/95 não ía vender no mercado civil ?

A Janes, classifica o C-235/295 em versões civil e militar e afirma claramente: A aeronave civil não vendeu tão bem quanto a versão militar no seu papel de "comuter"
Eu gostava de saber o que quer dizer "não vendeu tão bem" quando na prática QUASE NÃO VENDEU NADA. O C-235/95 foi um flop, salvo pela versão militar do avião.

Aprenda um pouco, leia ou pouco mais, esqueça o seu preconceito xenofobo/castelhano, tente pensar COM A SUA CABEÇA e então estará em condições de discutir estes temas com gente grande.

Se tem alguma argumentação válida, apresente-a em vez de nos dar como referência o site do fabricante, que obviamente mentirá sempre que seja necessário. Acima de tudo devemos desconfiar dos fabricantes.

Cumprimentos


C-235 da Aerolineas Argentinas
(http://www2s.biglobe.ne.jp/~ito-nori/prop/jpeg/casa3_2.jpg)
ATR-42 da Royal Air Maroc : O principal concorrente no mercado civil
(http://usuarios.lycos.es/Gilber/Especificaciones/atr42.jpg)

A CASA tentou fazer um avião para dois mercados. Por um lado pareceram os Jet commuters e por outro lado o mercado europeu não gostou da ideia de um avião civil com uma porta traseira.
Resultado:
O avião foi requalificado como aeronave militar.
Título:
Enviado por: Get_It em Março 09, 2006, 04:50:38 pm
Por falar em DASH-8, este avião foi recentemente encomendado pela Austrália (http://http) para patrulha marítima. :roll:

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: papatango em Março 09, 2006, 05:12:50 pm
Relativamente ao Dash, é um facto.

Ainda pensei que fosse possível uma opção por ATR + C-27J, o que permitiría manter parcialmente uma aeronave de apoio táctico adequada (que pode desembarcar até veículos nas próximidades no campo de batalha como o C-27J) em vez de uma aeronave de transporte "capaz" mas bastante mais limitada, embora mais económica.

Quando comeceu a ouvir falar em quase metade da frota para vigilância marítima, entendi que não fazia sentido.

Ainda não entendo como é que a Venezuela pode encomendar dois C-235 de patrulha + 10 C-295 de transporte e nós tivemos que optar por 12 aviões iguais.

Não foi seguramente a qualidade que permitiu ao C-295 ganhar, mas as pressões politicas e económicas que, alterando a especificação e as necessidades, acabaram por condicionar a escolha.

Mas há que reconhecer que o truque e a "barganha" foram bem feitos.
Título:
Enviado por: papatango em Março 09, 2006, 05:42:24 pm
Só uma pequena nota que faltou no comentário sobre o C-295

Não é por causa da porta traseira que uma aeronave passa a ser militar.

Nesse caso o Boeing 727 também seria militar...

Além das linhas, do peso, da resistência do chão da cabine, há uma outra caracteristica que atesta a origem civil do C-295.

Há um grande numero de aeronaves, que tendo como principal objectivo reduzir os custos de operação, optaram pela familia PW100 de motores da Pratt & Witney.

Os aviões que utilizam essa familia de motores são:
AEROSPATIALE ATR-42
AEROSPATIALE ATR-72
Canadair CL-415
Dash-8-100
Dash-8-200
Dash-8-300
Dash-8-400
CASA C-295
EMBRAER EMB-120
DORNIER 328
FOKKER F-50
FOKKER F-60
BaE ATP
Iliushin IL-114

De todos estes aviões, apenas o CL-415 (o celebre Canadair dos incêndios) não é essencialmente de transporte civil, embora também não seja militar.

Todos os outros são aviões civis, e o motor (com as performances e consumo adequados a uma aeronave civil) é uma das razões pelas quais se pode afirmar com propriedade tudo o que referi acima.

Peço desculpa se pareço "maçudo", mas a seguir à arrogância dos espanhois, o que mais detesto é ignorância arrogante.

Ninguém nasceu ensinado e eu não sou dono da verdade.
Mas se algum dos argumentos aqui apresentados não for verdadeiro, agradeço que me indiquem, para que eu mude de opinião.

Cumprimentos e as minhas desculpas
Título:
Enviado por: ferrol em Março 09, 2006, 05:42:54 pm
Citação de: "papatango"
Ferrol, não adianta.
Já lhe expliquei que a EADS não vai de certeza dizer que o C-295 foi inicialmente um avião civil, porque isso ía prejudicar as vendas.

Con vostede, pt, hai tempo que deixei de tentar avanzar nada. Minte sistemáticamente, e iso non hai quen llo quite. Se a páxina de EADS minte sobre a orixe do C-295, tampouco lle vou por os resumes de airforce-technology ou fas.org, ou do ministerio de defensa de España ou do de varios dos seus clientes, porque, como todos sabemos, a estas alturas da película e neste foro, só ten razón o que insulta máis rápido, nete caso, vostede...
Que pretenda convencernos de que o C-235/295 ten unha orixe civil porque ten fiestras laterais, pasa por unha das súas "boutades" nihilistas, e así debe ser lida.
Tampouco lle vou pedir un enlace fiable ás súas afirmacións, porque é como pedirlle a un burro que toque a flauta.

Simplemente pretendo informar ós foristas de que as súas mentiras poden ser sinxelamente desmontadas cunha busca leve na internet.

Evidentemente, o CASA C-235 é un fracaso no mercado civil, como o é o F-16, sinxelamente porque non estaban pensados para iso, nin nunca se publicitaron como avións civís, pero supoño que eso carece de importancia a estas alturas.  :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Março 09, 2006, 05:47:49 pm
Considerando o exposto acima:

Já agora Ferrol, importa-se de nos dar um dos seus famosos "enlaces" para uma foto de um F-16 das Aerolineas Argentinas?

O C-235/295 foi um fracasso no mercado civil, não por não ter vendido nada, mas sim porque foi mal aceite e vendeu pouco. Vendeu pouco mas vendeu.

O seu argumento teria validade, se como no caso do F-16, não houvesse nenhum C-235 civil para comprovar a absurda mentira que você nos quer fazer engolir.

Mas o seu argumento é o de sempre, ou seja, a mais absoluta incapacidade de argumentar e ter ideias, limitando-se a indicar o link do fabricante e a dizer que eu não tenho razão porque não.

Acho que você é (pelo menos deveria ser) suficientemente inteligente para entender todos os argumentos e razões explicadas. Você limita-se à falta de qualquer argumentação minimamente inteligente ao já tradicional ataque pessoal, porque insulta, porque isto e porque aquilo.

Começa a ficar maçudo por ser tão repetitivo.

Caro Ferrol, se você não consegue fazer mais nada neste fórum que não seja participar para tentar mostrar que o papatango é um mentiroso, coisa que até ao momento não conseguiu fazer, acho sinceramente que você está no fórum errado.

Eu agradeço a participação de todas as pessoas, mesmo que tenham argumentos contrários aos meus, mas sinceramente acho que deve haver algum fórum onde a sua raiva possa ser melhor canalizada, pois a sua capacidade de argumentação, deve-se ter afogado nas Rias Baixas.

A ignorância é atrevida
O saber é prudente...

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ferrol em Março 09, 2006, 05:51:22 pm
Logo estamos dacordo en que o F-16 foi un proxecto civil que se vendeu peor no mercado civil que o C-235. Un fracaso en toda regla....
Título:
Enviado por: Leonidas em Março 10, 2006, 12:50:25 am
Saudações guerreiras.

Citação de: "PapaTango"
Ainda pensei que fosse possível uma opção por ATR + C-27J, o que permitiría manter parcialmente uma aeronave de apoio táctico adequada (que pode desembarcar até veículos nas próximidades no campo de batalha como o C-27J) em vez de uma aeronave de transporte "capaz" mas bastante mais limitada, embora mais económica.

Quando me lembro da questão entre termos dois tipos de hélis diferentes, que dentro de 2 anos iremos ter a operar em Portugal, os EH-101 e os NH-90. Por serem diferentes, isso não foi impedimento de não terem sido escolhidos!! Pergunto, então, porque carga d`água não se adoptou o mesmo critério para que se pudesse escolher o C-27J!!?? Será pela questão dos motores não serem iguais? Então que acontecerá se adquirirmos os A400M? E o que acontecerá se continuarmos com os C-130 mesmo que sejam trocados os motores? A situação continuará a ser igual á atualidade, ou seja, forçosamente teremos aviões diferentes com muita coisa diferente!!

Se optássemos pelos C-27 e com os C-130 com motores e aviónicos iguais, restaria um único senão, a questão MP, dado que, os C-27 não têm um desempenho tão bom quanto os C-295 e por isso teria que recorrer forçosamente a outras plataformas com muita coisa diferente(?) como por exemplo os ATR-72. Com o C-27J e C-130 não havia o problema da conversão de pilotos, mas só em relação ao ATR. Será que com a enorme vantagem do binómio C-27J/C-130H modernizado não se poupava uns valentes trocos com estes pormenores todos, que podia perfeitamente cobrir as despesas com outra aeronave exclusiva para MP sem ser o P-3? Será que não dava para o petróleo?  :?

Já agora os motores dos P-3P são iguais ao do Hércules, ou seja, também se podia colocar a questão de trocar os motores aos P-3 e assim ainda haver uma poupança ainda maior, por haver muita coisa em comum entre as mais diversas aeronaves, tal como acontecerá daqui a dois anos entre os EH-101 e os NH-90. Há que ter em conta ainda que os Alouette têm que ser substituídos, logo haverá ainda mais uma linha de produção diferente.

Conclusão, para mim, há muita coisa que não faz sentido e muito mal explicada.  :(  
 
 O EH-101 tem uma versão SIFICAP. Se estes hélis foram comparticipados com fundos comunitários porque razão não se podia fazer o mesmo com os ATR em relação aos C-27J? O ATR até é um avião europeu!!!

Outra coisa, imaginem se algum dia existirá uma versão alongada para o C-27J como aconteceu com o C-130H (versão longa C-130H-30). De certeza que encostará o C-295 a um canto.

Espero não ter sido confuso.

------------------------------

Ferrol, admitindo que PapaTango possa estar errado, quais são, então, os argumentos que dizem o contrário? Já agora, qual é o mal, caso o C-235/295 tenha uma origem civil? Creio que não vem mal nenhum á terra (não há problema), por causa disso!!
O que dizer disto então(*)? Será que é por terem uma origem civil que não servem?

(*)
An-24: (A)
http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=7 (http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=7)

An-26: (B)
http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=2 (http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=2)

An-30:
http://www.bearcraft-online.com/museum/ ... htm?mid=11 (http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=11)

An-32:
http://www.bearcraft-online.com/museum/ ... htm?mid=10 (http://www.bearcraft-online.com/museum/museum.htm?mid=10)

(A)
(http://img230.imageshack.us/img230/2508/an24b7nn.jpg)
(B)
(http://img230.imageshack.us/img230/5103/an26b3lj.jpg)


Citação de: "PapaTango"
Ainda não entendo como é que a Venezuela pode encomendar dois C-235 de patrulha + 10 C-295 de transporte e nós tivemos que optar por 12 aviões iguais.


Nós talvez não por causa do motor. Para os dois modelos existem dois modelos diferentes.
http://www.eads.net/frame/lang/en/xml/content/OF00000000400004/9/50/29665509.html

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Nuno Bento em Março 10, 2006, 01:26:55 am
Citação de: "papatango"
Já aqui foi explicado quie a rampa traseira foi uma exigência indonésia.

Na indonésia, muitos avioes militares faziam o transporte civil.

Em aeroportos sem condições nem sistemas de apoio, é o próprio avião que tem que ter meios de acesso.

Na indonésia o transporte aéreo é importante por causa de o país ser um arquipelago e portanto a porta traseira, foi considerada importante.


Concordo plenamente, eu costumo viajar muito de avião na Indonésia (apesar de me causar um medo de morte pois os aviões são velhos, estão a cair aos bocados e não tem manutenção suficiente) e eles utilizam muito o aviocar e o C-235 pois se excluirmos as principais cidades( Jakarta Surabaya e Denpasar) todas as restante tem aerodromos muito rudimentares.
Título:
Enviado por: Nuno Bento em Março 10, 2006, 01:31:13 am
"Tendo sido efectuada a substituição dos meios destacados em Porto Santo, inicialmente a troca de Puma por EH-101 a 22 de Fevereiro e posteriormente o fim do destacamento de CASA C-212 a 1 de Março, ficou a cargo do EH-101 todas as missões de SSAR e TEVS na Região da Madeira e Porto Santo. "

Pelos vistos esta em parte explicado o menor numero de C-295 em relação ao de C-212, aproveitando a maior autonomia do EH-101 Merlin já não é necessário o auxilio do aviocar para encontrar o objectivo. Deste modo depreendo que tambem nos Açores o n.º de C-295 tambem será minimo.
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 10, 2006, 03:30:20 pm
Ferrol:

Como o Leónidas disse, qual seria o mal, se a génese do C-295 estivesse num projecto para um avião civil?

E por outro lado a sua argumetação parece indicar que afinal o avião teve a sua génese militar, e que depois disso a CASA é que tentou desenvolver uma versão civil.

É isso?   :?

Por outro lado, e como os colegas sabem, independentemente dos méritos e deméritos desta ou aquela aeronave, eu acredito piamente que a opção pelo C-295 foi puramente politica e não técnica.

E isso vai ao encontro das questões levantadas pelo post do Leónidas.
Título:
Enviado por: papatango em Março 10, 2006, 04:03:31 pm
Rui Elias:

Não há dúvida nenhuma.

A confusão é provocada pelo facto de os espanhóis começarem a "rasgar las vestiduras" sempre que alguém diz qualquer coisa que fere "El orgullo Hispano".

Bastava por exemplo ver algo simples, como as datas das certificações/homologações do CN-235 que toda a gente sabe estar na origem da familia C-235/C-295 para confirmar que o avião apareceu primeiro como avião civil.

Bastava ver que os países que adquiriram a versão civil (a primeira) foram exactamente aqueles que colaboraram no projecto (A Indonesia e a Espanha).

A versão militar, aparece posteriormente, e o C-295 aoarece já só com versão militar, porque se tornou evidente que a familia C-235/295 não estava a vender no mercado civil, por causa do aparecimento dos regional  jets, especialmente os Embraer e os Bombardier.

Eu confesso que também não entendo qual é o problema de o C-295 ter origem num avião civil (como é absolutamente óbvio que tem).

Parece-me também evidente, que o fabricante não quer falar nas origens do avião e no facto de ele ter sido um insucesso comercial no mercado civil, porque isso sería má publicidade.

Eu acho (no meu fraco entendimento) que isso é absolutamente óbvio.

Aliás, é a origem civil do C-295 que o torna vantajoso na comparação com o C-27J, porque sendo mais leve (optimizado para poupar dinheiro no mercado civil) é mais adequado para a vigilância marítima.

Os C-295 são normalmente utilizados como transporte militar, mas para transportar militares de um lugar para o outro (e esse será provavelmente a principal função que vão ter em Portugal).

= = =

Relativamente à questão da compra propriamente dita.

O facto de o numero de C-295 para a patrulha marítima ser maior, é um factor positivo, que tem como principio base, o de que devemos ter capacidade para patrulhar e assegurar o controlo da Zona Económica Exclusiva, quer a das 200 milhas, como a de 300 milhas que pretendemos, e que juntará as três ZEE's actuais numa ZEE única.

Para isso, não podiamos ficar-nos pelos dois C-212. A nossa capacidade para patrulhar a ZEE vai ficar enormemente acrescida. Não só por aviões C-295 com muito maior autonomia e alcance que os C-212, como pela adição de helicopteros EH-101 para busca e salvamento, como pela incorporação de 10 patrulhas oceânicos que são maiores que as corvetas, como pela incorporação de cinco (lanchas) que são maiores e mais capazes que muitos navios ditos oceânicos, bastando dizer que os cinco futuros Navios de Patrulha Costeira, vão ter um deslocamento que será mais do dobro dos antigos patrulhas da classe Cacine.

Se era possível ter comprado os C-27J que serviam como transporte táctico e ao mesmo ter optado por (por exemplo) ATR-42 de patrulha, isso eu não sei, embora acredite que era mais uma linha de manutenção (e eu sou a favor da uniformização).

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lightning em Março 10, 2006, 07:41:43 pm
O número de C295 para vigilancia marítima é o mesmo de C212 e não maior.
A única diferença é que 3 eram C212-100 e 2 C212-300.
Quanto ao C295 no máximo só 2 aviões é que estarão prontos para essa missão já que é verdade que viram 5 C295 com essa capacidade mas apenas virá o equipamento para 2 e esse equipamento mudará de avião para avião conforme eles forem parando para manutenção.
Esse tipo de funcionamento já se fez no passado, por exemplo, nos 2 C212-100 de guerra electrónica, só um é que estava pronto visto só existir o equipamento para um avião e quando um parava avançava o outro e assim por diante.

Penso que os 5C295 além de poderem fazer vigilancia maritima também podem fazer reconhecimento fotografico aéreo.
Já que dos 5 C295 se tiverem talvez dois parados para manutenção, e dois equipados para vigilancia maritima, o outro fica a fazer fotografia.
Título:
Enviado por: JLRC em Março 10, 2006, 08:45:17 pm
Citação de: "papatango"
 
O facto de o numero de C-295 para a patrulha marítima ser maior, é um factor positivo, que tem como principio base, o de que devemos ter capacidade para patrulhar e assegurar o controlo da Zona Económica Exclusiva, quer a das 200 milhas, como a de 300 milhas que pretendemos, e que juntará as três ZEE's actuais numa ZEE única.


Papatango, você tem a certeza que as 3 plataformas continentais se vão juntar? Pelo que tenho lido só as plafaformas continentais da Madeira e do Continente se juntarão. Digo plataforma continental porque há uma diferença entre ZEE e plataforma continental. Nesta última, só os recursos existentes no solo das plataformas continentais nos pertencem enquanto que na ZEE também os recursos marinhos são nossa pertença.
Título:
Enviado por: papatango em Março 10, 2006, 09:05:18 pm
Bom, eu estou a vender o peixe que via na TV a vender.

Tratou-se de uma declaração de um individuo do anterior governo com cara de "fuinha"  :twisted:  (lamento mas é a unica coisa que me lembro do individuo) e que parece que era Secretário de Estado.

No entanto, eu acho que a plataforma continental portuguesa, já está incluida toda na actual ZEE de 200 milhas marítimas, pelo que o aumento de 200 para 300 milhas não alterará a "nossa" plataforma continental.

Um aumento de 100 milhas marítimas do lado do continente e outras 100 do lado dos Açores, representa mais de 350 Km, ou seja menos que a distância entre as actuais orlas da ZEE dos Açores e da ZEE do continente.

Logo, em principio, as três várias ZEE ficarão juntas.

Para ter acesso a todo esse mar, Portugal tem que apresentar um projecto muito claro em termos internacionais, e para isso é essencial a frota de patrulhas, os helicópteros e naturalmente também os aviões.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: JLRC em Março 10, 2006, 11:16:04 pm
Citação de: "papatango"

Um aumento de 100 milhas marítimas do lado do continente e outras 100 do lado dos Açores, representa mais de 350 Km, ou seja menos que a distância entre as actuais orlas da ZEE dos Açores e da ZEE do continente.


Papatango

A questão das plataformas continentais não é assim tão linear. Primeiro temos que provar que existe plataforma continental e só depois poderemos reclamá-la até a um máximo de 100 milhas marítimas. É isso que o D. Carlos I vai fazer, reconhecer a plataforma para poder ser reclamada. A plataforma continental não é o fundo do mar no geral mas sim a extensão pelo mar dentro da parte submersa continental (ou insular) formando uma plataforma que pode ser reclamada. Se a plataforma terminar antes das tais 100 milhas, por exemplo num talude  cuja parede termine a grande profundidade, então a área sob nossa jurisdição não terá 300 milhas mas sim as 200 da ZEE mais as da plataforma. No caso Madeira e Continente parece que existe uma continuidade da plataforma e é por isso que elas se juntam mas no caso dos Açores a plataforma continental é mais pequena, não atinge as tais 100 milhas dos dois lados (ou do lado dos Açores, não sei bem) e é por isso que não se junta à continental mas o reconhecimento delas será feito pelo D. Carlos I e só depois é que será apresentada a reclamação pelo Estado Português. Como disse anteriormente, o Estado reclamante só terá direitos sobre as riquezas do subsolo da plataforma continental e nunca sobre as comunidades bióticas que possam habitar o mar que recobre a plataforma continental. Por isso se chama plataforma continental. Se as nossas reclamações forem aceites ficaremos com a actual ZEE mais um máximo de 100 milhas marítimas de plataforma continental (mas que poderá ser menos). Poderão dizer mas se não podermos controlar as pescas (por exemplo) no mar que cobre essa plataforma continental qual o interesse em reclamá-la? Tem porque todos os recursos minerais que possam existir na plataforma continental (não se esqueçam que é a extensão do continente que está submersa e portanto poderá ter as mesmas riquezas que em terra seca) só poderão ser exploradas por nós ou por quem nós autorizarmos. Fala-se que a plataforma entre as Selvagens e as Canárias poderá ser rica em minerais e até talvez em petróleo. Isto faz-lhes lembrar alguma coisa? Já compreendem certas atitudes por parte de Espanha? O porquê de quererem retirar a ZEE ao nosso arquipélago? Pois é, tudo tem uma justificação.
Peço desculpa se o que escrevi está um pouco confuso mas estou a escrever de improviso e depressa e como diz o ditado "depressa e bem não há quem".
Título:
Enviado por: Lightning em Março 11, 2006, 12:19:27 pm
Essa conversa da plataforma continental não foi a desculpa dos Argentinos para invadir as Falkland? :?:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 11, 2006, 09:39:46 pm
GARRIDO, Dulce e COSTA, Rui (1996) Dicionário Breve de Geografia, Lisboa: Editorial Presença, p.130.

Citar
Plataforma Continental
Superfície de pouco declive, que prolonga o continente sob o oceano e cuja profundidade está compreendida entre 0 e 200 metros, de extnsão variável. Na costa portuguesa só pontualmente ultrapassa 70 quilómetros, devido a ser pouco declivosa. Para norte da Nazaré apresenta-se quase paralela à costa numa extensão variável entre 35 quilómetros (foz do rio Minho) e mais de 60 quilómetros (cabo Mondego); entre a Nazaré e o Sado, a plataforma continental é muito acidentada individualizando-se três vales submarinos (os da Nazaré, Lisboa e Setúbal), os mais importantes da plataforma portuguesa. É de salientar a emersão dos rochedos que formam as ilhas Berlengas e Farilhões.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 11, 2006, 09:42:52 pm
Como se pode observar, no caso de Portugal Continental, a extensão da Plataforma Continental é claramente inferior à da ZEE
(http://w3.ualg.pt/~jdias/INTROCEAN/A/A1_geral/images1/PlatEuropa.gif)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 11, 2006, 09:47:28 pm
A azul claro as plataformas continentais a nível mundial
http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/93/Elevation.jpg
(imagem muito grande)
Título:
Enviado por: ferrol em Março 13, 2006, 08:01:51 am
Hola Rui. Perdoa por tardar tanto en responderte. O fin de semana foi longo... :wink:
A ver se che podo aclarar algo:
Citação de: "Rui Elias"
Como o Leónidas disse, qual seria o mal, se a génese do C-295 estivesse num projecto para um avião civil?
Ningún, pero non admito a mentira, e menos tan descarada. É un avión militar, e punto.
Tamén se podería face-la pregunta contraria:¿A qué ven tanto interese en falsifica-la orixe do avión?

Citação de: "Rui Elias"
E por outro lado a sua argumetação parece indicar que afinal o avião teve a sua génese militar, e que depois disso a CASA é que tentou desenvolver uma versão civil.
Non é unha "argumentación". É a verdade do desenrolo. O C-235/C-295 é un avión militar ó que algúns clientes lle puxeron asentos de pasaxe, pero segue sendo militar. Non hai "versión" civil, como trocos de habitabilidade ou motores máis silenciosos, ou "galleys" de tripulación, etc. Hai, eso sí, C-235 pintados de civil e con asentos corridos, pero son "adaptacións", non "versións" do C-235/C-295 militar.

Non si se me explico. En fin, un saúdo.
Título:
Enviado por: papatango em Março 15, 2006, 01:01:17 am
O argumento do Ferrol é definitivo, à boa maneira castelhana.

É un avion militar y punto!.

Não importam os argumentos.
Não importa o facto de só aviões civis terem aquele tipo de motor
Não importam as certificações civis serem anteriores
Não importa que o avião esteja certificado (como civil) nos Estados Unidos

Não importa a história da industria aeronautica
Não importa o aparecimento dos regional jets.

Nada disto importa.

É tudo mentira.

Termino com um comentário:
Citar
En octubre de 1978, CASA y Nurtanio acuerdan formar una sociedad anónima para desarrollar un avión ligero de transporte continuador del Aviocar. Nace así el proyecto del CN-235 para atender la demanda mundial de aviones de 30 a 40 plazas que se suponía que sería masiva en el decenio 1984/1994.


"Suponia que seria massiva" Mas não foi, pelas mil e uma razões já apontadas.

Palavras para que...


Cumprimentos




PS:
Por curiosidade, a fonte do texto acima é de uma instituição chamada "Ejercito del Aire" de uma pais que acho que se chama Espanha (não sei se alguém ouviu falar).

(http://www.malakaviajes.com/pagina/Molinos.jpg)
Si, son gigantes Ferrol...

Son gigantes...
No creas en Sancho que te diz que són molinos...

Sancho es un tonto, y un mentiroso
Título:
Enviado por: papatango em Março 15, 2006, 01:35:54 am
É dificil encontrar as fotos mais antigas do projecto, no entanto ainda é possível encontrar algumas.

Praticamente todas as fotos do avião CN-235 durante os anos 80 (quando ele foi desenhado e promovido como aeronave civil) mostram-no com pinturas civis.

Só encontrei uma militar e mesmo assim só em 1988.

Farnborough 1984 (uma feira aeronautica)
http://www.airliners.net/open.file/0735945/M/ (http://www.airliners.net/open.file/0735945/M/)

Aqui numa demonstração dm 1986. Vejam as cores militares com que eles pintaram o avião para dar um ar mais militar :mrgreen:
http://www.airliners.net/open.file/0014730/M/ (http://www.airliners.net/open.file/0014730/M/)
http://www.airliners.net/open.file/0162801/M/ (http://www.airliners.net/open.file/0162801/M/)

Aqui, em 1988, em Farnborough
http://www.airliners.net/open.file/0305399/M/ (http://www.airliners.net/open.file/0305399/M/)

Aqui, deve ser a versão bombardeiro em 1988:
http://www.airliners.net/open.file/0088435/M/ (http://www.airliners.net/open.file/0088435/M/)
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 15, 2006, 10:36:25 am
Olha:

Está decidido, e já nada há a fazer.

Mas para mim, uma vez que possuimos os P-3P e os EH-101, para além dos Casa mais recentes, acho esta compra dos C-295 civis ou militares na origem "una gran mierda"

Acho que ficariamos mais bem servidos para o futuro com os C-27J.

É a minha opinião, naturalmente.
Título:
Enviado por: papatango em Março 15, 2006, 11:15:33 am
A decisão de escolha do C-295 tem (terá) as suas razões.

A realidade é que para avião de patrulha marítima, é mais adequado que o outro. Quanto a isso nunca houve grande dúvida.

O problema das origens civis do C-295, pode até ser vantajoso, se a maioría das suas missões tiver a ver com patrulha e transporte de pessoal.

Aliás é para transporte de pessoal que a maioria das forças aéreas compra o avião.

Eventualmente a FAP terá chegado à conclusão de que as vantagens tácticas do C-27J podiam ser substituidas pelo C-295 + C-130.

O que se perde, é a vantagem de ter um avião de apoio táctico.

Ou seja, uma aeronave que consegue mesmo despejar veículos no terreno próximo ao local onde vão ser necessários, com a vantagem de poder utilizar pistas pequenas e semi-preparadas.

Além disso, há o facto de o C-27J ter o chão mais resistente.

No entanto, o MDN considerou que nós não nos vamos meter em nenhum "caldinho" onde seja necessário esse tipo de apoio táctico aproximado, pelo que optaram por um avião que está mais adaptado para patrulha marítima e para transportar passageiros.

Considerando isto, não se pode exactamente dizer que seja uma opção muito esquisita, ainda mais por causa das contrapartidas, que infelizmente a Lockheed parece que nunca cumpre.

Esperemos que os franceses da EADS sejam mais respeitadores que os americanos

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Einsamkeit em Março 15, 2006, 04:12:21 pm
a Eads nao é francesa, tem apenas sua participaçao
Título: a verdadeira razão da escolha do c295 para a fap
Enviado por: antoninho em Março 16, 2006, 12:40:14 am
Aconselho aos meus amigos a lerem a noticia que vem na take-off deste mês e vão ver qual a razão da escolha deste aparelho... atenção para mim foi a mais racional neste momento para a fap pois não vamos meter tropas na frente de nenhuma guerra nem de aterrar em terra batida por isso não precisamos de um puro garanhão militar mas sim de um transportador de tropas para aeroportos não valia a pena gastar mais no outro que economicamente seria um erro até na manutenção....
Título: Re: a verdadeira razão da escolha do c295 para a fap
Enviado por: Leonidas em Março 16, 2006, 01:59:24 am
Saudações guerreiras

Ferrol, vou ser muito sincero consigo. Em todos os links de disponibilizou, não há uma informação a desmentir que o avião teve uma origem civil ou uma informação inequívoca que o avião teve uma origem militar. Andei, inclusive, a tentar obter mais informação sobre as origens do avião, mas nada que pudesse formular uma opinião sólida. Confesso que  nunca me passaria pela cabeça procurar no site da FA espanhola. “Ironia do destino”, quando estava lá a resposta e sem qualquer margem para dúvida, para a questão que tanta polémica levantou. Eu não vou dizer nada de novo, mas por tudo o que aqui foi escrito e pela interpretação que faço das leituras através daquilo que está disponível na Net, a filosofia de construção é diferente comparada com a do C-27J.

Mas, como eu já referi, isso não interessa para nada, mas mesmo nada.
Como se costuma dizer em Portugal: “É no meio que está a virtude” (ideia de equilíbrio). Se o C-235 não tivesse essas características ou se as suas características o aproximassem mais do C-27J, ou seja, um avião militar de origem, então é que enfrentava mais problemas e provavelmente não teria tanto êxito (sucesso) comercial no setor da defesa, porque iria enfrentar mais (e, possivelmente, melhor) concorrência da parte do C-27J.  
Os espanhóis só devem sentirem-se orgulhosos, porque o avião está a vender, nada mais. O resto é conversa, hombre. Não sei qual a razão para tanto melindre!!  :?

Conclusão: Ferrol, aquilo que critica está a ser o principal trunfo do avião.

Está aqui um link que fala um pouco do avião e que refere também a quantidade de aviões vendidos para o mercado civil.

http://www.airliners.net/info/stats.main?id=137

Citação de: "antoninho"
Aconselho aos meus amigos a lerem a noticia que vem na take-off deste mês e vão ver qual a razão da escolha deste aparelho... atenção para mim foi a mais racional neste momento para a fap pois não vamos meter tropas na frente de nenhuma guerra nem de aterrar em terra batida por isso não precisamos de um puro garanhão militar mas sim de um transportador de tropas para aeroportos não valia a pena gastar mais no outro que economicamente seria um erro até na manutenção....

Caro Antoninho, já agora em relação á noticia, a mesma fala também do porquê da versão marítima?

Cumprimentos/Saludos
Título: Re: a verdadeira razão da escolha do c295 para a fap
Enviado por: Nuno Bento em Março 16, 2006, 02:05:28 am
Citação de: "antoninho"
Aconselho aos meus amigos a lerem a noticia que vem na take-off deste mês e vão ver qual a razão da escolha deste aparelho... atenção para mim foi a mais racional neste momento para a fap pois não vamos meter tropas na frente de nenhuma guerra nem de aterrar em terra batida por isso não precisamos de um puro garanhão militar mas sim de um transportador de tropas para aeroportos não valia a pena gastar mais no outro que economicamente seria um erro até na manutenção....


Caro antoninho será possivel postar esse artigo aqui no forum pois eu devido á distancia não tenho qualquer hipotese de adquirir a Take off.
Título: noticia da TAKE-OFF
Enviado por: antoninho em Março 16, 2006, 02:29:10 pm
EADS aumentou
participação na OGMA

A EADS, o maior cons6rcio da indústria aeronáutica na Europa, aumentou de um para 30
por  cento a sua participação no capital da  holding que controla a OGMA-Indústria
Aeronáutica de Portugal.AAirholding, constituída pela Embraer (70%)e pela EADs(30%)
controla 65% do capital das antigas Oficinas Gerais de Material Aeronáutico. Este
aumento estava já previsto quando o consórcio foi formado.




O acordo para reforço da participação do gigante europeu foi assinado no passado dia 17
de Fevereiro, aquando da cerimónia de aquisição de 12 novos aviões de transporte táctico
e vigilância marítima CASA C-295, destinados à Força Aérea Portuguesa (FAP),ao mesmo
tempo que um pacote de contra-partidas pela compra dos novos aviões militares.
O programa total de contrapartidas ao contrato de aquisição dos aviões, está avaliado em
460 milhões de euros, dos quais perto de 80 por cento serão aplica dos nas OGMA, em
contratos para fabrico de componentes.
Portugal vai pagar 275 milhões de euros pelos 12 novos aviões que substituirão os 24 CASA
C-212Aviocar, que foram comprados pela FAP na década de setenta.
A Empordef, holding das indústrias de defesa do Estado, será proprietária dos 12 novos
aviões CASA C-295 da FAP através de uma sociedade integralmente detida por aquela holding,
denominada Defaerloc. Os aparelhos comprados ao consórcio europeus serão alugados ao Estado
Português, através de um contrato de leasing válido por 15anos. A Dafaerloc contou com o
apoio de um consórcio bancário constituido pela Caixa Geral de Depósitos e pelo Barclays Bank.
Quanto às contrapartidas, os principais beneficiários, além da OGMA, com perto de 60% do total,
serão o grupo de empresas do Pólo Tecnológico de Defesa Edisoft, Em e EmpordefTI e a Efacec.
A OGMA irá fabricar um dos componentes da estrutura dos C-295 portugueses, e também para outras
encomendas do mesmo modelo de aparelhos que o grupo aeronáutico europeu venha a receber.
Está ainda previsto que a OGMA, que tem na manutenção aeronáutica a sua principal actividade,
venha a receber no futuro pacotes de trabalho para osaviões A-350 e A-380 da Airbus, fabricante
aeronáutico de que a EADS é oprincipal accionista. Trata-se de uma contrapartida incluída neste
pacote, mas que resulta da compra de novos aviões Airbus por parte da TAP. Em 21 de  Novembro
passado, em Toulouse, aquando da assinatura da aquisição dos novos aviões por parte da companhia
aérea portuguesa, responsáveis pela Airbus, tinham afirmado que estavam a ser negociadas algumas
contra-partidas com o governo português, não tendo adiantado contudo, a incidência que teriam na
indústria portuguesa.
A actual frota de C-212 Aviocar está distribuída por três esquadras de voo, dasquais a maior é
a 502, de transporte aéreo e táctico, que também executa missões de busca e salvamento, a partir
da Base Aérea 1 de Sintra. Há aviões deslocados nas ilhas do Porto Santo e da Terceira, em
destacamentos operacionais e mais um avião na ilha do Príncipe, aoacordo de um contrato de
cooperação entre o governo português e o governoda República de São Tomé e Príncipe.


ps: Esta é a noticia mais esclarecedora da razão mais forte da compra do c-295...
Título:
Enviado por: Leonidas em Março 16, 2006, 10:15:12 pm
Saudações guerreiras.    

Caro Antoninho muito obrigado por ter colocado a notícia. Eu já ontem estava para colocar mais umas questões sobre o assunto, mas depois quando vi o seu comentário e achei prudente esperar pela noticia e assim retirar a minha dúvida. Afinal parece que a minha dúvida presiste em relação á versão ao C-295

Então cá vai.
O que vejo que está errado e/ou esquisito na aquisição do C-295, a existência do próprio modelo na versão marítima. Então qual é o papel reservado para os P-3? Se a ideia é poupar então porque não se acaba com a frota P-3? Não faz sentido, pois não? É claro que não. Pois se até se compraram uns poucos há muito pouco tempo. Será que a modernização dos P-3 não era prioritária em relação á aquisição dos C-295MP? Que fazem os C-295MP que não façam os P-3P ou os outros? Era o sistema FITTS dos C-295MP que faria a diferença? Será que o P-3P não podia ser fitted com o FITTS?

Com o dinheiro gasto na modernização da frota dos C-130 não dava para poupar mais, por comparação com o estado atual, tendo em conta o tempo de utilização põe ex. de 20 anos, até serem substituídos? Não se poupava imenso combustível, por ex.? Não aconteceria isso também com os P-3P, já que poderão levar o mesmo motor? Deixem-me adivinhar, não há dinheiro? Será que com a poupança em combustivel e menos manutenção não se poupará?  :conf:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Março 16, 2006, 11:11:47 pm
Leonidas, eu não sei se entendi a sua duvida, mas há uma considerável diferença entre as capacidades de um P-3 e de um avião de patrulha marítima.

Entre outras funções, o P-3 pode até detectar submarinos e ser equipado com capacidade para atacar navios com misseis Harpoon. O C-295 é uma versão de patrulha que poderia estar numa guarda costeira. O P-3 é um avião militar.

Não é possível substituir um P-3 com um C-295 de patrulha.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lightning em Março 16, 2006, 11:24:26 pm
Citação de: "papatango"
Leonidas, eu não sei se entendi a sua duvida, mas há uma considerável diferença entre as capacidades de um P-3 e de um avião de patrulha marítima.

Entre outras funções, o P-3 pode até detectar submarinos e ser equipado com capacidade para atacar navios com misseis Harpoon. O C-295 é uma versão de patrulha que poderia estar numa guarda costeira. O P-3 é um avião militar.

Não é possível substituir um P-3 com um C-295 de patrulha.

Cumprimentos


Além de um P-3 ter uma autonomia de voo muito superior, o que é ideal para uma extenção oceanica tão vasta como a que Portugal tem, o C295 é mais para vigiar as águas costeiras e pouco mais longe vão.
Título:
Enviado por: JLRC em Março 16, 2006, 11:31:37 pm
Como o Papatango disse, o P-3 é um avião de patrulha marítima com forte incidência na luta anti-submarina enquanto que o C-295 é um avião de vigilância marítima, controla sobretudo o tráfego marítimo mas nem sequer está armado. Digamos que o P-3 está para as VdG como o C-295 está para os NPO.
Título:
Enviado por: Leonidas em Março 17, 2006, 12:23:55 am
Saudações guerreiras.

Meus caros, estou perfeitamente consciente das capacidades superiores dos P-3 em relação ao C-295MP. Eu continuo com dúvidas por causa do sistema FITS, porque o mesmo pode ser integrado nos P-3, não sendo por isso necessário os C-295MP para nada. É essa a leitura que faço quando interpreto o que está escrito no site oficial da EADS.

http://www.eads.net/web/content/es/1024/content/OF00000000400006/4/25/677254.html

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Rui Elias em Março 17, 2006, 10:22:09 am
Eu também acho que os P-3 e os C-295 não se sobrepõem, antes complementam as capacidades um do outro.

Para além disso, com o referido acima, o P-3 tem a capacidade militar de ataque ASW.

O P-3 patrulha e pode atacar, ou sinalizar, o C-295MP faz vigilância mais numa perspectiva de defesa da ZEE.
_____________


Julgo que já nem vale a pena falar de uma coisa que é inevitável: a vinda (em ritmo muito lento, quanto a mim) dos C-295.

Mas se é verdade que os C-295 serão para transporte táctico, e que os C-27J dariam maiores capacidades de acção táctica próxima dos teatros de combate, quer dizer:

O C-295 não faz o que o C-27J faz, mas o C-27J faz tudo o que pode ser feito pelo C-295.

Então, a opção pelos aviões da EASDS/CASA teria sido apenas e só pelos motivos económicos de poupança de combustível?
Título: Resposta ao Leonidas
Enviado por: antoninho em Março 17, 2006, 08:41:29 pm
Como parece ter duvidas aqui tem a resposta do site da eads. pelos vistos a espanha (ops..escrevi Espanha com letra pequena) modernizou os p3 com o dito sistema.



EADS CASA FITS
 
Fully Integrated Tactical System (FITS)
© EADS

El sistema de misión FITS (Fully Integrated Tactical System) es el resultado de los años de experiencia de EADS CASA en programas de Patrulla Marítima, tales como Guerra Antisubmarina (ASW), Antisuperficie (ASuW), Protección de la Zona Económica Exclusiva (EZZ), Búsqueda y Rescate (SAR), etc. Desde 1991, y de forma continuada, CASA ha progresado en la definición y desarrollo de sistemas de misión integrados, bien por requerimientos específicos de diversos clientes o bien por programas internos de desarrollos tecnológicos.

El sistema de misión FITS se organiza en torno a un núcleo básico que consiste en un número variable de consolas de operador universales y reconfigurables, conectadas a dos procesadores tácticos redundantes, mediante una red local (LAN) y que integra la información procedente de una serie de sensores adaptados al tipo de misión de Patrulla Marítima a realizar.
Este innovador Sistema de Misión proporciona una gran reducción de la carga de trabajo de los operadores, ya que de manera simultánea se controla y se explota la información proveniente de los sensores tácticos y de navegación, los equipos de registro de datos y las comunicaciones tácticas con los Centros de Mando y Control (C3) y unidades cooperativas por medio de enlaces de datos tipo Link-11 o Link-16.
Las consolas de operador, cuyo número dependerá del tipo de misión asignado, son completamente intercambiables y reconfigurables durante la operación. Se consigue un alto grado de flexibilidad al permitir la asignación de roles a cada consola según la misión y el perfil del operador; además, en caso de fallo de una de ellas, las restantes asumen las funciones de la consola inoperativa.
Para el HW del sistema se utilizan componentes comerciales (COTS), tanto en los procesadores tácticos como en los dispositivos de presentación y control, pantallas en color LCD de alta resolución, paneles táctiles de control, trackball y teclados estándar.
La arquitectura del sistema FITS de EADS CASA se ha diseñado de acuerdo al concepto de arquitectura abierta; esta solución permite utilizar paquetes de SW comerciales de uso común en la industria, así como facilitar la adaptación de los continuos avances técnicos que tienen lugar en la tecnologías de la información.
El Sistema de Misión FITS puede ser instalado en un amplio abanico de plataformas, tales como EADS CASA C-212, EADS CASA CN-235, EADS CASA C-295, helicópteros o aviones mayores tipo P-3.
Desde principios de 2001, el avión demostrador EADS CASA C-295 MP/ASW, con FITS, ha realizado múltiples exhibiciones y demostraciones en vuelo y estáticas alrededor del mundo.

Se ha firmado un contrato con el Ejército del Aire español para la modernización de cinco P-3Bs integrando el FITS y una serie de sensores que incluye radar de búsqueda, IFF, FLIR, ESM, subsistema acústico, Link-11, INS/GPS...

Asimismo, el sistema táctico FITS, en la plataforma C-295, ha sido seleccionado por la Marina de los Emiratos Árabes Unidos para cubrir misiones de patrulla marítima.
Un ejemplo de equipamiento típico del Sistema de Misión para el C-295 PERSUADER, para realizar misiones MPA/ASW/ASuW contempla la integración de los siguientes sensores y subsistemas:
   Radar de búsqueda ISAR/SAR
   Interrogador IFF
   ESM/ELINT
   FLIR/TV
   Subsistema acústico
   MAD
   Link-11
   Cuatro consolas de operador para TACCO, sensores acústicos, Nav/Com y sensores no acústicos
   Puesto de presentación para pilotos.
Título:
Enviado por: antoninho em Março 17, 2006, 08:51:53 pm
Como vê Leonidas o que parece ser a mais valia na plataforma do P3 é o seu raio de ação e muito importante, ter quatro motores mas  mais importante a sua capacidade de armamento nas asas de misseis anti-navio.
O interesse no c-295 é que sai mais economico na luta do carapau e sardinha contra aqueles que nós sabemos, procura de naufragos, alem do sistema ser posto em poucas horas noutro aparelho. No P3 nem pensar nisso.
Título:
Enviado por: Lightning em Março 17, 2006, 09:54:10 pm
Citação de: "antoninho"
Como vê Leonidas o que parece ser a mais valia na plataforma do P3 é o seu raio de ação e muito importante, ter quatro motores mas  mais importante a sua capacidade de armamento nas asas de misseis anti-navio.
O interesse no c-295 é que sai mais economico na luta do carapau e sardinha contra aqueles que nós sabemos, procura de naufragos, alem do sistema ser posto em poucas horas noutro aparelho. No P3 nem pensar nisso.


Concordo com quase tudo o que disse exepto certas coisas.
Tudo o que disse do P-3 está certo, apenas complemento que apesar de o P-3 ter a capacidade de ser armado com misseis anti-navio Harpoon em "pilons" sob as asas isso nunca foi feito nem existe nenhuma tripulação que esteja qualificada nisso.
O único tipo de armamento que o P-3 opera na practica é os torpedos, é que nos exercicios os torpedos são preparados para ao fim de um tempo virem à superficie (em Portugal aproveita-se tudo :shock: suponho.

O P-3 também é muito usado na procura de cardumes para apoio às pescas, é daí que vem a alcunha de "bacalhoeiro" (aplicada ao P-3 num tom de gozo por camaradas de outras esquadras, logo não muito apreciada por quem trabalha com essa aeronave).

Uma missão SAR pode variar muito umas das outras podendo ser necessário a intervenção do P-3 em algumas delas, as missões mais comuns não necessitavam de P-3 e são do estilo "um barco às x milhas do local y tem um tripulante que necessita de ir para um hospital", sendo o Avoicar mais rápido do que o Puma fica com a função de "busca" procurando o navio na àrea indicada a fim de dar uma localização mais exacta da localização do navio ao Puma, o Puma indo directamante ao navio previamente indicado pelo Aviocar faz a respectiva missão de "salvamento", até muito recentemente eram assim feitas as missões de busca e salvamento,  com a introdução do EH101 que possui um raio de acção do dobro do Puma ou do Aviocar (200 milhas nauticas para o Aviocar e Puma, o EH101 pode operar a 400 milhas da costa) e não sabendo qual a autonomia do C295 não sei se este vai operar em conjunto com o EH101 em moldes semelhantes em que operavam o Aviocar e o Puma.
O P-3 era utilizado nas missões fora do alcance do Aviocar e Puma, normalmente largando um "kit SAR" e coordenando o trafico de navios mercantes para poderem apoiar o navio em apuros, outro estilo de missões SAR também atribuidas ao P-3 era a procura de navios desaparecidos, tipo navios de pesca que partem e não voltam sem darem nenhum sinal de socorro, visto o P-3 ter um vasto grupo de sensores muito eficientes na detecção de alvos no mar além de uma autonomia de 12 horas ou 16 horas a voar (12 horas com 4 motores a funcionar ou sendo desligados 1 ou 2 motores no modo de "caça" devido à baixa velocidade necessária, poupando assim combustivel que lhe permitisse voar cerca de 16 horas, muito mais do que o EH101 ou o C295 certamente)

Actualmente a missão de vigilância marítima é feita pelo C212 e num curto espaço de tempo será substituido pelo C295, não sei ao certo os equipamentos que este terá, mas pelo menos fará o que o C212 faz e melhor, existe algumas funções que o P-3 não faz mas o Aviocar sim como possuir meios de gravação de imagens fotográficas e imagens de vídeo em que são gravadas a hora e as coordenadas em que são tiradas, as cameras estão ligadas a uma bancada no interior do avião que por sua vez atraves dos sistemas de navegação da aeronave processa e grava as coordenadas do local a fim da devida informação ser usada em tribunal como prova da trangressão de um qualquer navio, o Aviocar também pode registar a temperatura da àgua para apoio às pescas e também no ambito de combate à poluição pode detectar a espessura da camada de óleo na àgua.
Título:
Enviado por: Get_It em Março 17, 2006, 11:36:12 pm
Citação de: "Hélder"
Actualmente a missão de vigilância marítima é feita pelo C212 e num curto espaço de tempo será substituido pelo C295, não sei ao certo os equipamentos que este terá, mas pelo menos fará o que o C212 faz e melhor, existe algumas funções que o P-3 não faz mas o Aviocar sim como possuir meios de gravação de imagens fotográficas e imagens de vídeo em que são gravadas a hora e as coordenadas em que são tiradas, as cameras estão ligadas a uma bancada no interior do avião que por sua vez atraves dos sistemas de navegação da aeronave processa e grava as coordenadas do local a fim da devida informação ser usada em tribunal como prova da trangressão de um qualquer navio, o Aviocar também pode registar a temperatura da àgua para apoio às pescas e também no ambito de combate à poluição pode detectar a espessura da camada de óleo na àgua.

Interessante. :shock:
Como é que o Aviocar faz isto? Lança uma sonda?

Cumprimentos,
Título: Re: a verdadeira razão da escolha do c295 para a fap
Enviado por: ferrol em Março 18, 2006, 09:45:22 am
Citação de: "Leonidas"
Ferrol, vou ser muito sincero consigo. Em todos os links de disponibilizou, não há uma informação a desmentir que o avião teve uma origem civil ou uma informação inequívoca que o avião teve uma origem militar.
De EADS:
Citar
El C-295, diseñado para operaciones militares...
Da páxina do exército español:
Citar
La versatilidad de este avión le permite ser utilizado indistintamente como carguero militar o civil, de pasaje, para transporte de personalidades y otras versiones específicas como ambulancias, contramedidas electrónicas, patrulla avanzada o marítima, antisubmarina etc
Da lectura destes 2 enlaces, do constructor e do utilizador¿Que temos?Un avión militar polivalente. ¿Por qué se quere facer del un avión civil?Eso haino que preguntar a quen se inventa cousas...

Citação de: "Leonidas"
Os espanhóis só devem sentirem-se orgulhosos, porque o avião está a vender, nada mais. O resto é conversa, hombre. Não sei qual a razão para tanto melindre!!  :?
¿A razón do melindre? A mentira, a insistencia na mentira, a reiteración na mentira desmentida.

Por outra banda, é difícil o orgullo de algo cotián. É como se vostede está orgulloso da ter auga corrente na casa. É algo tan habitual, que non repara nelo. Só cando vai a algún lugar que non a ten, decátase da súa valía.

O mesmo sucede cos avións da CASA. Está un tan acostumado a eles que fai falla vir a foros doutros lugares para decatarse do avance que representa para España poder construir avións, en contraste con outros países.

Agora mesmo, o orgullo está no A400M, está nos Tigres, no Eurofighter...Os C-212/235/295 foron etapas anteriores, motivo de orgullo no seu tempo, algo cotián hoxe en día. O cal non quere dicir que ben pensado, non dea para da-la noraboa ós técnicos que os conseguiron facer, pero a vida élle así de rápida, todo avanza, e o que onte era novidade, hoxe xa é historia, ou case.

Citação de: "Leonidas"
Conclusão: Ferrol, aquilo que critica está a ser o principal trunfo do avião.
¿Criticas?¿Critiquei eu os avións?¿Onde?Critico a mentira sobre a súa orixe, nada máis.

Para estas cousas, sempre escribo o mesmo:
Citar
Castos en los pensamientos,
honestos en las palabras,
generosos en las obras,
valiente en los hechos,
caritativo en las necesidades,
y mantenedor de la verdad,
aunque le cueste la vida el defenderla.


Caballero español


Saúdos.
Título:
Enviado por: Lightning em Março 18, 2006, 10:39:05 am
Citação de: "Get_It"
Citação de: "Hélder"
Actualmente a missão de vigilância marítima é feita pelo C212 e num curto espaço de tempo será substituido pelo C295, não sei ao certo os equipamentos que este terá, mas pelo menos fará o que o C212 faz e melhor, existe algumas funções que o P-3 não faz mas o Aviocar sim como possuir meios de gravação de imagens fotográficas e imagens de vídeo em que são gravadas a hora e as coordenadas em que são tiradas, as cameras estão ligadas a uma bancada no interior do avião que por sua vez atraves dos sistemas de navegação da aeronave processa e grava as coordenadas do local a fim da devida informação ser usada em tribunal como prova da trangressão de um qualquer navio, o Aviocar também pode registar a temperatura da àgua para apoio às pescas e também no ambito de combate à poluição pode detectar a espessura da camada de óleo na àgua.
Interessante. :o
Título:
Enviado por: papatango em Março 18, 2006, 10:24:53 pm
Pelo que sei nem é necessário lançar sonda nenhuma.

Existem sensores que são capazes de medir a temperatura à distância. Até os há portáteis com um alcance de 5 metros, portanto tanbém os haverá com maiores capacidades. No entanto isto não quer dizer que seja este o tipo de sistema utilizado.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: luis filipe silva em Março 18, 2006, 10:38:12 pm
Não sou entendido na matéria, mas creio que as temperaturas são medidas por imagem térmica (ou coisa que o valha) variando o espectro
consoante as cores apresentadas vermelho para maiores temperaturas, descendo até (creio eu)  ao verde. Não levem a mal a minha ignorância, mas só acabei o ciclo preparatório (ensino básico + 2 anos) quando andei na escola. Daí que sou um bocado burro.
Mas básicamente será que é assim que funciona?

Saudações

Luis F. Silva
Título:
Enviado por: Spectral em Março 19, 2006, 01:01:53 am
Pelo espectro de emissão no infra-vermelho é possível (e fácil) medir a temperatura da água, mas apenas da superfície. Para profundidades relevantes à pesca ou estudo de correntes é necessário o uso de sondas.
Título:
Enviado por: NVF em Março 19, 2006, 01:04:13 am
Como provam as suas intervencoes, de burro voce nao tem nada, caro Luis Silva. O facto de se ter maior ou menor formacao academica, por si so', nao prova nada. Alguns dos maiores cientistas da Humanidade nao tinham formacao academica, ou esta era muito escassa, e isso nao os impediu de dar um contributo fundamental para o avanco da nossa especie.
Título:
Enviado por: luis filipe silva em Março 19, 2006, 11:10:12 am
Caro NVF

Obrigado pelo elogio. Não sei se mereço.

Caro Spectral
Já agora fiquei curioso. A sonda térmica é rebocada, ou funciona como as sonobóias, são largadas do avião e lá ficam?

Saudações

Luis F. Silva
Título:
Enviado por: Spectral em Março 19, 2006, 03:59:05 pm
Eu também não sei como  funciona o sistema, estava apenas a falar na generalidade. ;)

Provavelmente devem ser como as sonobóias ( digo eu...).
Título:
Enviado por: Leonidas em Março 20, 2006, 01:10:25 am
Saudações guerreiras

Ferrol, eu estou aqui com um propósito muito simples, aprender. Não vou insistir mais consigo. Se você consegue fazer maravilhas com a informação que foi aqui apresentada, então nada mais servirá para que você consiga abrir os olhos. Só um pormenor. Não sei se já deu conta, o Estado maior do Ejército del Aire está a prestar um mau serviço ao seu país, porque está também a mentir sobre as verdadeiras origens do C-235. Muito cuidado com isso, pois pode ser prejudicial para as vendas. Já pensou em escrever ao seu rei para acabar com tal blasfémia? Quando aterrar no planeta Terra dê uma apitadela. Sabe ler castelhano?

http://www.ejercitodelaire.mde.es/webaire.nsf/generahtml?OpenAgent&id=95346BBBF218F7EBC12570D700463B1F

-----------------------------------

Ora bem, a minha dúvida prende-se com o C-295 ao utilizar o sistema FITS. Segundo aquilo que interpreto, o avião, com o dito sistema, é mais do que um simples patrulha. Com esse sistema só faltam as “bombas antónias” para que seja um avião armado e fazer o que um P-3 faz. Portugal vai ter 3 variantes, a de transporte, a VIMAR (Vigilância Marítima) e por último a versão FITS. Esta última é muito mais avançada e, segundo está escrito, não terá nada a ver com as outras versões. Eu não consigo ver um C-295 com o FITS sendo um simples patrulha fazendo aquilo que o FITS está destinado a fazer. É isto que não consigo entender. :?  

Estando todos nós cientes das maiores e melhores capacidades do P-3 nesta área e sabendo nós que os P-3P precisam de modernizações, porque razão, então, não introduzimos o FITS nos P-3P? Se tivemos que gastar dinheiro nisto tudo, pergunto se o mesmo dinheiro não seria bem empregue na modernização dos carentes P-3? Comprava-se o FITS e sobrava dinheiro (o da compra das aeronaves) para o resto das modernizações. Não terá isto mais lógica? Eu julgo.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Março 20, 2006, 12:40:28 pm
A minha última referência ao tema (dado factos, fotografias e até famosos enlaces já disseram tudo o que havia para dizer).

O C-295, foi de facto pensado como avião militar.
Eu nunca afirmei o contrário.
O que sempre pretendi afirmar é que o C-295, é um avião com origens no mercado civil. Mas o avião que foi desenhado a pensar no mercado civil não foi o C-295, mas sim o C-235, mais curto.

Quando se verificou que a procura para os tais aviões de 40 lugares não justificava a comercialização do avião na Europa, a única forma de salvar o projecto foi o C-295.

O C-295 era maior e passava a ter uma capacidade de transporte em termos militares, que lhe poderia (junto com a vantagem da porta traseira) vender no mercado militar, porque não era capaz de vender no mercado civil.

Portanto:

O C-295 é um C-235 alterado para funções militares e tanto quanto sei nunca foi pensado para o mercado civil, e é isso que a EADS afirma.

O que eu afirmo, é que  a origem do C-295 é o C-235, que foi efectivamente pensado para o mercado civil, como está mais que amplamente demonstrado.

Portanto, o C-295 é na sua origem (C-235), uma aeronave pensada para o mercado civil

A derivação do C-235 chamada C-295, foi uma derivação pensada para o mercado militar e não para o mercado civil.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 20, 2006, 04:27:45 pm
Artigo sobre a aquisição do C-295 pela FAP na "Mais Alto"

(http://img471.imageshack.us/img471/6004/c2957jj.jpg)

Citar
No passado dia 17 de Fevereiro foi assinado o contrato de aquisição de 12 aeronaves CASA C-295M, para substituir o C-212 “Aviocar”, estando a entrega da primeira aeronave prevista para o primeiro trimestre de 2008.

Sete destas aeronaves são configuradas para Transporte Aéreo Táctico (TAT) e as restantes cinco para Vigilância Marítima (VIMAR).

A evolução do contexto internacional e o processo de transformação regional e mundial têm influenciado o tipo e natureza dos actuais conflitos, em que a rapidez, a informação atempada e o grau de
sobrevivência das forças que neles se envolvem são determinantes.

As operações mais recentes no Afeganistão e no Iraque reafirmam o Transporte Aéreo como uma capacidade essencial para apoiar a estratégia militar e um elemento que disponibiliza ao comandante
da componente aérea os meios para movimentar rapidamente forças e equipamentos a distâncias consideráveis e, em simultâneo, a via para poder sustentar a aplicação do seu poderio militar.

A velocidade, alcance e flexibilidade inerentes ao transporte aéreo tornam-no ideal para executar missões para além da área de responsabilidade da NATO e da União Europeia, incluindo acções
de natureza humanitária e operações especiais.

No ambiente actual e futuro ganha também notória importância, a monitorização do espaço marítimo de interesse nacional,
assim como das organizações de Segurança que Portugal integra, através
do qual se desenvolvem actividades ilícitas, que têm vindo a aumentar de intensidade, nomeadamente a extracção não autorizada de recursos naturais, tráfico de droga, imigração ilegal, contrabando,
terrorismo, pirataria e a deposição no oceano de lixos tóxicos.

Numa perspectiva de desenvolvimento de uma Força Aérea Expedicionária, com competências que promovam o cabal cumprimento
de missões em qualquer teatro do futuro, é necessário reduzir os custos
de operação e acrescentar eficácia nos domínios estratégico, operacional
e táctico.

A decisão de aquisição do C-295M destina- se não só a preencher o vazio causado pela obsolescência do C-212 “Aviocar”, adquirido para a guerra no ex-ultramar português, como para satisfazer os requisitos necessários para dotar a estrutura de transporte da Força Aérea com as capacidades
que possibilitem uma adequada prontidão e sustentação que possibilite:
• Responder a Crises pelo emprego das capacidades de TAT e Transporte Aéreo Geral (TGER);
• Efectuar acções de Reconhecimento e Vigilância;
• Recolher, processar, e disseminar notícias, incluindo suporte de imagem digital;
• Responder a emergências no mar em coordenação com as autoridades civis através de missões de Busca e Salvamento (SAR);
• Aumentar as capacidades de comunicar e partilhar a informação através de sistemas robustos que promovam o acesso às redes tácticas de informação e respectivas aplicações;
• Operacionalizar o conceito de NATO “Network Enabled Capability” (NNEC).

O C-295M é uma aeronave convencional pressurizada, com dois motores turbo-hélice, de asa alta, que pode voar em condições de todo o tempo e luminosidade, a sua performance pode ser degradada em alguns cenários tácticos, dependendo da ameaça existente. A aeronave foi projectada
para largar equipamento e tropas por pára-quedas, podendo aterrar em pistas curtas não preparadas, ser utilizada em operações de TAT e TGER, no apoio a Operações de Forças Especiais, Busca e Salvamento de Combate (CSAR) e de Evacuação Sanitária (TEVS), Reconhecimento
e Fotografia Aérea. Graças à versatilidade da sua concepção, poderá executar missões de interesse público tais como: a vigilância e fiscalização no âmbito da actividade de pesca, da poluição marítima,
das actividades ilícitas, do tráfego marítimo, SAR e evacuações sanitárias.

O C-295M é muito manobrável e a forma como se encontra arquitectado o “Pilot Vehicle Interface” (PVI) proporciona-lhe condições multimissão, permitindo o seu emprego numa missão específica TAT e SAR, ou VIMAR e SAR, ou transitar de missão entre períodos de voo, sem necessidade de reconfiguração. A ergonomia do “cockpit” e a forma intuitiva do
PVI permitem à tripulação gerir uma intensa carga de tarefas.

A aeronave dispõe de equipamento que permite efectuar, de um modo fácil e expedito, operações de carga e descarga através da utilização da rampa e de duas portas laterais. Tem capacidade para:
• “Maximum Payload” (MP) de 9000 kg, transporte até 66 passageiros, 24 macas e quatro paramédicos e, ou pelo menos 45 pára-quedistas equipados;
• Transporte de 8000 kg de carga útil a uma distância de 1000 milhas náuticas com um alcance, em versão “ferry”, de 3000 milhas náuticas.
Na configuração base, a aeronave está equipada com um “Cargo Handling System” (CHS) que permite transportar:
• Cinco paletes de 88 x108 pol., ou;
• 10 paletes de 88 x 54 pol., ou;
• Até três paletes de 88 x 125 pol. mais
uma de 88 x108 pol..

A aeronave pode ser, também, configurada para transportar e largar, por extracção do tipo “Heavy Drop Altitude” (HDA) ou “Low Altitude Parachute Extraction System” (LAPES), a seguinte carga:
• Até quatro paletes de 8 pés x 88 pol., ou;
• Até duas paletes de 12 pés x 88 pol. mais uma de 8 pés x 88 pol., ou;
• Uma palete de 16 pés x 88 pol. mais uma de 12 pés x 88 pol..

Pode ainda ser configurada para transportar
e largar, por gravidade ou “Containers Delivery System”, até oito paletes
de 48x 53.5 pol. com um peso máximo de 8000 kg.

O C-295M dispõe de um sistema de navegação, apoiado numa plataforma
“Inertial Navigation System/Global Position System”, de alta precisão, de meios de aproximação por instrumentos TAC/ ILS, de um sistema “Night Vision” interior e exterior, de um radar com capacidade de discriminação
simultânea de múltiplos alvos aéreos, terrestres e de superfície e de um sistema de identificação de alvos aéreos por meio de interrogador electromagnético.

A arquitectura do avião utiliza tecnologia de última geração que acomoda sistemas de navegação, comunicações e vigilância, que conferem à aeronave capacidade para operar em ambiente militar.

Está dotada de sistemas de comunicações VHF/UHF seguros, possibilitando
a troca de informação em voz, dados e imagem. Dispõe de meios de sobrevivência, nomeadamente:
• O Sistema Integrado de Contra-medidas para ameaças, com seguimento electromagnético ou infra-vermelho, com modos de operação distintos;
• O “Radar Warning Receiver”;
• O Sistema de Largada de “decoys” passivos;
• O “Portable-On-Dispense” de empastelamento ou decepção de ameaças electromagnéticas;
• O Sistema de Alerta de Mísseis “Missile Warning System”;
• O Sistema de Protecção Física que inclui superfícies blindadas na área dos tripulantes e em zonas sensíveis da aeronave.

A plataforma tem equipamentos capazes de detectar e processar alvos, adquirir dados e provas nas situações de avaliação de vigilância marítima, designadamente de poluição do mar. Os equipamentos
que garantem estas capacidades constituem a consola táctica que alberga
todos os comandos, monitores e respectivos “softwares” que controlam os sensores da aeronave. A consola táctica funciona como interface entre o utilizador e os subsistemas.

Entre outros equipamentos instalados destacam-se:
• O Radar que é o equipamento primário de detecção de alvos de superfície está instalado numa “radome underbelly”, com capacidade de cobertura 360º, e possui ainda as capacidades de vigilância de longa distância, indicação de alvos em movimento, navegação e meteorologia;
• O “Side Looking Airborne Radar” (SLAR), que faz o varrimento lateral com alcance até às 40 NM e com capacidade de detectar alvos de superfície de dimensão reduzida e de áreas poluídas por hidrocarbonetos;
• O “Scanner” de Infra-vermelho/Ultra-violeta, que é um sensor com capacidades complementares às do SLAR, no âmbito da poluição marítima por hidrocarbonetos, que permite comparar a área total afectada com as áreas de maior concentração, com o objectivo de orientar equipas de intervenção à superfície;
• Um equipamento Electro-Óptico que permite a filtragem do tipo de alvo a observar antes de estar no alcance visual do operador em missões diurnas e que possibilita a identificação do alvo em operações nocturnas. Este sensor está integrado com o radar e com o SLAR de modo a
que possa ser automaticamente orientado a partir de um alvo seleccionado e as imagens adquiridas gravadas no “Digital
Vídeo Recorder”;
• O “Precision Radiation Thermometer”, um termómetro de precisão, que permite determinar e registar as temperaturas
da água à superfície;
• O RF “Scanner” com capacidade de detectar emissões rádio num determinado intervalo do espectro electromagnético e se destina a definir a área e o sector de emissão;
• O Farol de Busca que pode ser orientado pelo operador ou ser escravizado a um determinado sensor com o objectivo
de identificar o alvo;
• O Lançador de Marcas para lançamento de marcas de mar, de fumo e “flares” iluminantes e, simultaneamente, enviar para o sistema de missão, informação de “on top mark” com posição e hora do
lançamento;
• Binóculos Gyro-estabilizados, Máquina Fotográfica e Câmara de Vídeo, sensores para obtenção de provas de eventuais infracções no âmbito das pescas ou poluição.

As imagens obtidas por estes sensores estão disponíveis, quase em tempo
real, na consola táctica e são anotadas com a informação de carácter obrigatório para que se constituam como “Auto de Notícia” e façam prova em tribunal;
• O INMARSAT, sistema de ligação via satélite, que permite o envio e recepção de dados;
• O Kit para Busca e Salvamento (SAR), montado numa palete, facilmente instalável e desmontável na aeronave;
• Máquina Fotográfica Vertical para Reconhecimento Fotográfico;
• Sistema de Apoio à Missão composto por um segmento embarcado, que integra toda a informação proveniente dos sensores e dados de voo do avião, e um segmento em terra que consta de uma estação onde existem todos os elementos necessários à preparação e apoio das missões, realização de análise e geração de informações. Adicionalmente, podem
avaliar-se os dados obtidos com o sistema de detecção de poluição: armazenamento de imagens, identificação de substâncias vertidas, cálculo de espessura, área das manchas e processamento das
imagens de vídeo.

As capacidades conferidas pelos equipamentos descritos possibilitarão à Força Aérea cumprir as missões superiormente atribuídas, contribuindo desta forma para a Segurança e Defesa Nacional e participar, quando decidido, no esforço colectivo das alianças em que Portugal se insere. A elevada redução do número de aeronaves C-212 “Aviocar” apenas para
12 C-295M, se apoiada por um sistema logístico eficaz, é compensada pelas excelentes performances e equipamentos que conferem capacidades muito superiores para emprego nos ambientes da actualidade, conferindo ao país uma maior eficiência operacional.


Fonte: http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/capas/360-c295.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/capas/360-c295.pdf)
Título:
Enviado por: garrulo em Março 20, 2006, 06:17:43 pm
Pues no parece tan malo,¿verdad?.
Título:
Enviado por: Marauder em Março 20, 2006, 06:23:09 pm
Desde que voe e faça o serviço... c34x
Título:
Enviado por: luis filipe silva em Março 20, 2006, 07:15:00 pm
Que parafernália !...

Acho que se for ligado à TV CABO serve também de AWACS.
Título:
Enviado por: garrulo em Março 20, 2006, 08:19:25 pm
Pues aun  les falta una cosa que tienen los españoles,lanza de reabastecimiento en vuelo.
Título:
Enviado por: antoninho em Março 21, 2006, 12:13:47 am
Garrulo

Pues aun les falta una cosa que tienen los españoles,lanza de reabastecimiento en vuelo.

Não havendo avião abastecedor na FAP nem interesses em vir a ter para quê a sonda (lanza) de abastecimento.(pensamento politico)
Erro grasso, os aviões de patrulhamento maritimo deveriam ter porque em operações NATO (e outras) nuestros aliados ajudariam, ou o governo não quer que a FAP tenha octanas a preço mais barato......
Título:
Enviado por: NVF em Março 21, 2006, 02:08:35 am
Citação de: "garrulo"
Pues no parece tan malo,¿verdad?.


Garrulo,

Nunca esteve em causa se o aviao era bom ou mau. Neste espaco, essencialmente discutiu-se se este seria o modelo de aviao mais adequado 'as missoes da FAP e as origens civis do aparelho. So' isto, mais nada, mas houve logo quem visse nas duvidas aqui levantadas um ataque ao pais fabricante do aparelho, o que nao passa de um perfeito disparate, tipico de adolescente inseguro.
Título:
Enviado por: Leonidas em Março 21, 2006, 02:23:37 am
Saudações guerreiras

Bom… Será que me espalhei?  :censurado: Eu até sou capaz de aceitar a questão económica, não quero ser teimoso, mas isso não serve para tudo. Tou mesmo a ver os P-3P a serem encostados ás boxes e operarmos os restantes P-3 CUP. Só se for isso que justifica a opção pelos C-295 versão marítima e também para não haverem várias configurações de P-3 ao mesmo tempo.  

---------------------------

PapaTango, eu até agora não tenho nada contra o seu raciocínio, antes pelo contrario. Eu até vou mais longe. O C-295 é uma versão alongada e com alguns pormenores que lhe conferem a tal “licença para matar”, a homologação que diz se é ou não militar, como referiu. Acredito mais nisso. Não é o hábito que faz o monge.
O C-295 é um avião militar, mas deriva de um avião civil com APARÊNCIA militar, e só APARÊNCIA, o CN-235. Tá mais que visto e discutido, eu digo o mesmo.

Para os nossos amigos espanhóis. Só para comfirmar,a EADS está a pensar em lançar este avião? Protótipo: Versão concorrente do F-18. Será o protótipo então um avião civil?
(http://img204.imageshack.us/img204/8610/javeliniii0va.jpg)

Citação de: "antoninho"
Citação de: "garrulo"
Pues aun les falta una cosa que tienen los españoles,lanza de reabastecimiento en vuelo.[/color]
Não havendo avião abastecedor na FAP nem interesses em vir a ter para quê a sonda (lanza) de abastecimento.(pensamento politico)
Erro grasso, os aviões de patrulhamento maritimo deveriam ter porque em operações NATO (e outras) nuestros aliados ajudariam, ou o governo não quer que a FAP tenha octanas a preço mais barato......


Mas olhe que dava muito jeito. Dava uma haste perfeita para colocar a antena da tv cabo do Luís F. Silva (B).  :D
 
Cumprimentos

PS: Colunas FURACÃO

Bico ==»» Beijo
Título:
Enviado por: NVF em Março 21, 2006, 04:58:14 am
Leonidas, a partir do momento em que se adquiriram os P-3C, os P-3P eram para abater. Nao fazia, alias, sentido modernizar os P-3P e adquirir os P-3C, duplicando a frota. No futuro vamos ter 5 P-3C (nao sei se todos vao ser padrao CUP, mas era bom que fossem) e 5 C-295M dos quais 2 com FITS.

Quanto ao FITS, li algures (nao sei se aqui no Forum ou na AM) que este sistema nao permite a utilizacao de armas. Sera' verdade? Nao faz muito sentido que assim seja, pois os P-3 espanhois estao a ser equipados com FITS, mas enfim.
Título:
Enviado por: radar2 em Março 21, 2006, 09:23:38 am
Hola a todos:

Un poco de información sobre el sistema FITS. Tambien se estan modernizando los P-3 Brasileiros con este sistema.

http://www.eads-nv.com/web/content/es/1 ... 77254.html (http://www.eads-nv.com/web/content/es/1024/content/OF00000000400006/4/25/677254.html)
Título:
Enviado por: radar2 em Março 24, 2006, 03:45:50 pm
Foto de el primer C-235 de los Coast Guard

http://www.flightglobal.com/assets/getAsset.aspx?ItemID=12039
Título:
Enviado por: Lightning em Março 24, 2006, 06:43:00 pm
Citação de: "radar2"
Foto de el primer C-235 de los Coast Guard

http://www.flightglobal.com/assets/getAsset.aspx?ItemID=12039


Até é estranho não ser um C-27J Spartan, mas desde que o US101 (EH101 construido nos EUA) ganhou 2 concursos (23 transporte VIP para os Marines e +-150 CSAR para a Força Aérea) aos helicopteros "made in USA", :lol: isto não me supreeende muito.

Este C235 é equipado para vigilancia marítima como os que vêm Portugal ou vão ter outras funções eou equipamentos?

Vai ser construido pela CASA em Espanha ou os Americanos vão construi-lo sobre liçenca? Quantos aviões vão ser?
Título:
Enviado por: Lightning em Março 24, 2006, 06:46:08 pm
Está certo, eu escrevi o comentário anterior sem ler o artigo no site :lol: .
Os 36  HC-235A vão ser construidos em Espanha, com a missão de patrulhamento marítimo de médio alcance.
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Março 31, 2006, 10:05:33 pm
"O Ministério da Defesa admite negociar com o construtor espanhol EADS/CASA o atraso na entrega dos novos Aviocar, caso as novas regras impostas pelo Eurostat quanto à compra de equipamentos em leasing tenham efeitos retroactivos, afectando igualmente negócios já assinados.


A notícia é avançada na edição desta sexta-feira do jornal Público, que recorda que os contactos entre os ministérios das Finanças e da Defesa, com vista à revisão da Lei de Programação Militar (LPM), continuam, depois do Eurostat, o organismo de estatística da Comissão Europeia, ter anunciado que os equipamentos comprados em leasing têm que ser contabilizados por inteiro na data da sua entrega.

O Governo português pressiona agora a Comissão Europeia no sentido de ser esclarecido sobre se as novas regras relativamente a despesas militares são válidas para os contratos já assinados ou não.

O contrato de fornecimento de 12 aviões de transporte táctico no valor de 274 milhões de euros foi assinado em Fevereiro e prevê que os Aviocar sejam entregues entre 2007 e 2008. No ano seguinte, último ano desta legislatura de José Sócrates, está previsto a entrega do primeiro de dois submarinos, que custarão 770 milhões de euros."

Fonte: Diário Digital 31-03-2006 9:42:00

Pois é..parece-me que o negócio vai dar para o torto!!! Mais um sério revez para a operacionalidade da FAP e das nossas Forças Armadas em geral!
Título:
Enviado por: radar2 em Março 31, 2006, 10:09:05 pm
Los C-295 no son Aviocar el aviocar es el C-212
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Março 31, 2006, 11:02:42 pm
Pois...mas já sabemos como os jornalistas são precisos!!!

É óbvio que se estão a referir aos C-295 e como não os sabem nomear, usam a expressão "novos Aviocar".

Pode ser que seja uma manobra da Marinha para que não sejam os submarinos a ficarem pendurados!!!
Título:
Enviado por: Nuno em Dezembro 30, 2006, 04:15:35 pm
Como é que está o negocio dos C295 ?

 Para quando se preve a chegada do primeiro?
Título:
Enviado por: Get_It em Dezembro 30, 2006, 06:09:21 pm
O negócio dos C-295 já está assinado e a decorrer. Há apenas alguns meses atrás as OGMA começaram a fabricar parte da fuselagem para C-295, embora não tenha a certeza se tal faz parte do contrato entre o governo e a EADS/CASA.

Segundo o que me lembro, e pelo que foi também discutido aqui, a data de entrega deverá ser por volta de Agosto de 2007.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Janeiro 20, 2007, 04:50:49 pm
Segundo as últimas informações, o primeiro C-295 será entregue à FAP no primeiro trimestre de 2008. Este atraso é devido à tardia autorização do negócio pelo Tribunal de Contas.

A EADS por seu lado está interessada em entregar as aeronaves o mais rapidamente possivel, já que têm aeronaves prontas na linha de produção depois do fiasco da venda dos C-295 à Venezuela.
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 20, 2007, 05:24:55 pm
Podiam entrega-los o mais rápido possivel já que tem tanta pressa mas só pagavamos a partir de 2008. :lol:
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 20, 2007, 05:43:08 pm
E o problema das contrapartidas, que menciona que partes do avião serão feitas nas ogma ou estão com receio da fobia do """programa F16 MLU""""....
Título:
Enviado por: Get_It em Janeiro 20, 2007, 05:50:15 pm
Não percebi, qual é o problema com as contrapartidas?

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 21, 2007, 10:26:33 pm
Se as ogma iam construir parte do avião(julgo parte central) de acordo com as contrapartidas para os aviões da FAP, então se vierem esses tais que nem sabia que os espanhóis tinham para entrega onde ficam essas ditas partes feitas pelas ogma. O será que as ogma vão fazer isso para futuras encomendas de outros países....
Título:
Enviado por: antoninho em Janeiro 21, 2007, 10:30:10 pm
JÁ agora não sei se leram:

2007-01-10 - 00:00:00

Defesa - Carlos Zorrinho lidera contactos com investidores
Alentejo candidato a pólo aeronáutico

Pedro Catarino Ex-presidente, Rui Neves, e futuro presidente da CPC,  conversaram antes da posse.
O coordenador do Plano Tecnológico tem tido vários contactos com investidores internacionais para a instalação de um centro de indústria aeonáutica em Portugal. Desenhado a partir da obtenção de contrapartidas de 460 milhões de euros pela compra de 12 aviões de transporte militar ao consórcio europeu EADS-CASA, que irão substituir os Aviocar, segundo Carlos Zorrinho, com “um trabalho sólido para a criação de um pólo aeronáutico”.

   
   
E, dado que aquele consórcio tem duas fábricas em Sevilha, o Alentejo, em particular Beja, surge como o local provável para o futuro centro de produção de equipamentos para aviões.

Ontem, após a tomada de posse do embaixador Pedro Catarino como sucessor de Rui Neves na presidência da Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC), o coordenador do Plano Tecnológico foi, em declarações ao CM, peremptório: “Existem negociações com vários investidores internacionais para a criação do pólo aeronáutico e a CPC tem tido, e vai continuar a ter, um papel decisivo neste processo.”

Para já, nos últimos seis meses, um grupo de trabalho, coordenado pela CPC, pré-seleccionou um conjunto de 23 empresas e organizações científicas portuguesas para colaborarem no futuro fabrico de peças e tratamento de superfícies de aeronaves. Entre essas empresas, surgem a Edisoft, do grupo Empordef, empresa pública do sector da Defesa, a Iberomoldes, a Simoldes Plásticos. E as OGMA – Oficinas Gerais de Material Aeronáutico, detidas pelos brasileiros da Embraer, poderão ter um papel relevante no projecto, até pela sua experiência no sector. Um dos próximos passos é a criação de um consórcio de empresas para realizar a modernização dos C-130 em 2009, com o apoio da EADS-CASA.

TRANPARÊNCIA MARCA POSSE

Pedro Catarino defendeu ontem, após tomar posse como presidente da CPC, “transparência” na gestão das contrapartidas da compra de equipamento militar. Com larga experiência em assuntos internacionais, o ex-embaixador de Portugal em Washington frisou que tem de haver “equilíbrio entre confidencialidade e razoabilidade”.

O ministro da Defesa, Severiano Teixeira, apelou para que “o investimento nas Forças Armadas seja visto não como uma despesa, mas como um investimento que tenha reflexos previsíveis na inovação e no crescimento da economia”. Manuel Pinho, ministro da Economia, disse que “as contrapartidas têm de ser geridas de forma profissional e transparente”.

DETALHES

AERONAVES C-295

Pela compra de 12 aviões C-295, aeronaves de transporte militar que irão substituir os Aviocar, o Estado português vai pagar 276 milhões de euros. Como contrapartida deste negócio, foram obtidos 460 milhões de euros, que devem ser implementados nos próximos sete anos.

BEJA NA FRENTE

A proximidade geográfica de Beja em relação a Sevilha, terceiro pólo aeronáutico de Espanha, e a Alverca, sede das OGMA, empresa aeronáutica que poderá ter um papel importante no projecto, são os principais factores a favor da eventual escolha da capital do Baixo Alentejo para a localização do centro industrial de aeronaves.

AZAMBUJA INCLUÍDA

Uma das áreas de produção mais importantes para o futuro pólo aeronáutico é a produção de materiais compósitos de carbono, utilizados nos equipamentos dos aviões. Nesse sentido, as instalações da antiga General Motors na Azambuja poderão ser aproveitadas, dada a capacidade e os recursos humanos existentes na região.
António Sérgio Azenha

do CM
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Janeiro 21, 2007, 11:43:08 pm
Julgo que neste caso não vai haver nenhum problema semelhante ao do F-16MLU.

O contrato dos F-16MLU não partiu de um concurso como o do C-295, mas sim de um acordo entre a FAP e a Lockheed, em que as OGMA apareciam como rebuçado para a indústria nacional.

Como em quase todos os negócios com a Lockeed, a FAP ficou a arder já que aparentemente não se tinham assegurado penalizações por incumprimentos do contrato

Parece que o contrato do C-295 prevê duras penalizações para a EADS-CASA no caso de incumprimentos, o que salvaguarda a atempada entrega das aeronaves.

Neste caso, e já que algumas aeronaves já têm a estruturas das fuselagens construidas, as OGMA vão ficar de fora da construção deste lote. Mas talvez consigam apanhar a produção a partir de um determinado ponto....o que duvido. Penso que dada a celeridade da entrega (todas as aeronaves serão entregues até meados de 2009), as OGMA poderão não conseguir acompanhar a produção, acabando os C-295 da FAP por serem integralmente construidos em Sevilha.
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 22, 2007, 04:18:21 am
Citar
Um dos próximos passos é a criação de um consórcio de empresas para realizar a modernização dos C-130 em 2009, com o apoio da EADS-CASA.


Incrível como este tipo de coisas são "anunciadas" de forma tão indirecta e "desinteressada".

A ser verdade, significa um adeus definitivo ao A400 até 2020, no mínimo.

Isto, a meu ver, é notícia! Mas pronto, e como diz o outro, "o jornal deles é maior que o meu..."
 :roll:


Cumptos
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 22, 2007, 04:41:23 am
Pelo que me foi adiantado não-oficialmente, já existem algumas "movimentações" no sentido de receber a primeira aeronave este ano embora contractualmente, e visto que o Tribunal de Contas apenas deu o parecer positivo a esta aquisição em Outubro último, isso deva ocorrer em Abril de 2008.

Citação de: "BrainCrasher"
Neste caso, e já que algumas aeronaves já têm a estruturas das fuselagens construidas, as OGMA vão ficar de fora da construção deste lote. Mas talvez consigam apanhar a produção a partir de um determinado ponto....o que duvido. Penso que dada a celeridade da entrega (todas as aeronaves serão entregues até meados de 2009), as OGMA poderão não conseguir acompanhar a produção, acabando os C-295 da FAP por serem integralmente construidos em Sevilha.

Posso estar enganado mas nunca vi referenciado que as OGMA iriam construir componentes especificamente para os nossos aparelhos, pelo tal julgo que o que escreveu não fará sentido, com o devido respeito naturalmente.
Citar
O programa total de contrapartidas ao contrato de aquisição dos aviões está avaliado em 460 milhões de euros, dos quais perto de 80 por cento serão aplicados na OGMA, sobretudo em contratos para fabrico de componentes.



Cumptos
Título:
Enviado por: old em Janeiro 22, 2007, 12:01:20 pm
Comparacion entre el volumen del C27J y el C295:

(http://img223.imageshack.us/img223/1818/c2958hd.jpg)
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Janeiro 22, 2007, 11:00:26 pm
"Segundo a fonte ouvida pela Agência Lusa, a OGMA vai passar a fabricar o componente central da estrutura do C-295 que faz a ligação entre as asas do aparelho, para os 12 da Força Aérea Portuguesa e outras encomendas que a Casa venha a receber". Fonte: LUSA

"20-11-2006 - OGMA Delivers First C-295 Centre Fuselage

First C-295 aircraft centre fuselage assembled at OGMA delivered before deadline.

The delivered unit is the most complete centre fuselage assembled at this production stage, since the C-295 manufacturing programme began. It should be further noticed that for the first time since the start of the project, three fuselages went simultaneously through the assembly line.
The fuselage was delivered to EASA-CASA on November 16, in the presence of the team involved in the programme, namely of a number of manufacturer’s technicians, who supported and supervised the assembling of this first unit.

Presently OGMA only provides for the assembling work, but from 2008 on it will take over the manufacturing of the related components, thus managing the whole work package, including production and engineering support." Fonte: Sítio da OGMA

Não é claro se as fuselagens que estão a ser montadas pelas OGMA são de facto as que a FAP vai receber. Penso que provavelmente as versões tácticas da aeronave (as primeiras a serem recebidas pelas FAP) serão do tal lote da Venezuela com as devidas alterações. As versões VIMAR podem já ser as que estão a ser montadas pelas OGMA. Contudo, e conforme a notícia acima, só a partir de 2008 é que as fuselagens serão integralmente construídas nas OGMA.
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 23, 2007, 04:24:31 am
Exacto.
Pelo que sempre me pareceu a construção dos aparelhos para a FAP não está (nem esteve) condicionada à construção das fuselagens ou componentes por parte das OGMA para essas mesmas aeronaves.
Embora obviamente fazem parte do pacote de contrapartidas do negócio. Especialmente a médio prazo, já depois da produção/entrega dos nossos aparelhos.


Cumptos
Título:
Enviado por: Miguel em Janeiro 23, 2007, 07:53:35 pm
Posso estar enganado, mas acredito que o C295 vai substituir os Aviocar e os C130 :roll:

Ficando na BA6 apenas os Merlin e os C295 :idea:
Título:
Enviado por: Duarte em Janeiro 23, 2007, 08:02:53 pm
Citação de: "Miguel"
Posso estar enganado, mas acredito que o C295 vai substituir os Aviocar e os C130 :roll:

Ficando na BA6 apenas os Merlin e os C295 :idea:


Tanto pessimismo..

Duvido que tal aconteça.. seria o mesmo que Portugal prescindir de participar em missões internacionais (e sabemos que os políticos não vão fazer isso) e deixar de ter tropas paraquedistas.
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 23, 2007, 09:07:42 pm
O Miguel você tem cada uma... :lol:
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 23, 2007, 09:26:09 pm
Citação de: "Duarte"
Citação de: "Miguel"
Posso estar enganado, mas acredito que o C295 vai substituir os Aviocar e os C130 :roll:

Ficando na BA6 apenas os Merlin e os C295 :? .

Não percebo porque haveriam os pára-quedistas de acabar por causa do C-130 acabar, actualmente grande parte dos saltos dos pára-quedistas são feitos de Aviocar, várias vezes por semana desloca-se um Aviocar de Sintra para Tancos a fim de efectuar esses saltos de instrução de futuros páraquedistas e de qualificação de outros já páraquedistas, não se esqueçam que no inicio a esquadra 502 da FAP equipada com o Aviocar estava colocada na BA3 - Tancos dedicada quase exclusivamente a esse missão, por isso a nivel de instrução os saltos continuam garantidos.

É verdade que também fazem saltos de C-130 mas é mais em exercicios ou em casos pontuais, com a substituição dos C-212 Aviocar pelo C-295 vai aumentar significamente a capacidade de projecção de forças aerotransportadas, 24 C212 Aviocar com 20 páraquedistas (acho que nem pode levar tantos mas pronto), dá 480 páraquedistas, com 12 C295 a transportar 60 páraquedistas dá uma capacidade de 720 páraquedistas, além de um aumento em 240 militares, o alcance da força aumenta para o dobro ou mais.
Além de pelo menos durante os próximos 10 anos ainda temos C-130, depois o futuro o dirá...

Eu pessoalmente gosto dos P-3C, mas até agora continuam em banho maria, continuam os P-3P a fazer todas as missões da esquadra 601.
Já ouvi dizer que a esquadra 601 ia ser transferida da BA6 no Montijo para o Aerodromo de Manobra de Ovar porque é necessário dar espaço para os C295 no Montijo, isto é, acabavam os P3-P (no Montijo) e passava-se a operar os P-3C (em Ovar)...
Já ouvi dizer que os P-3C nem iam chegar a operar na FAP e vão ser vendidos, enquanto isso os P3-P continuam até chegar os C295, quando eles chegarem a missão ASW passaria a ser exclusiva da Armada e o patrulhamento maritimo passaria a ser efectuado pelos C295 já que possuem uma grande autonomia, não é tão grande como o P-3 que voa 10 horas e o C295 voa 8 horas, mas é bem maior que o Aviocar que voa 4 horas.

Escolham o boato que preferirem... :lol: , mas este é o menos radical pois não implica a venda de aviões nem a abertura de bases aéreas novas, continua tudo como está actualmente, os P-3P são substituidos pelos P-3C e continuam no Montijo, depois no Montijo tem  é que se enontrar sitio para colocar mais uma esquadra, a dos C295.
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 23, 2007, 09:36:50 pm
Nao acredito que acabem com os P3... Ate porque e o unico meio nacional capaz de Controlo e Comando Aéreo sendo no futuro equipado com outras valencias a nivel electronico e armamento guiado(Misseis HarpoonII e Maverick)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 23, 2007, 11:42:10 pm
Eu podia por nos videos...mas achei por bem meter aqui:

http://www.boinas-verdes.com/videos/video40a.wmv (http://www.boinas-verdes.com/videos/video40a.wmv)

video de saltos no RI10
Título:
Enviado por: p_shadow em Janeiro 24, 2007, 05:22:35 am
Citação de: "Lightning"
É verdade que o C295 vai passar a efectuar missões anteriormente só atribuidas ao C-130 e que era impossivel serem feitas pelos Aviocar, como por exemplo transporte de homens e material da continente para as ilhas, mas a nivel de missões internacionais já não sei :lol:

edit:

Esqueci-me de outro boato :lol: , mas este é o menos radical pois não implica a venda de aviões nem a abertura de bases aéreas novas, continua tudo como está actualmente, os P-3P são substituidos pelos P-3C e continuam no Montijo, depois no Montijo tem  é que se enontrar sitio para colocar mais uma esquadra, a dos C295.


O C-295 é ideal para sustentação das nossas forças no teatro europeu (como o conhecemos actualmente), bem como será uma mais valia quando usada noutros cenários, como África ou mesmo Afeganistão (à semelhança dos nossos vizinhos).

Quanto aos P-3, gostava que me esclarecesse alguns pontos sobre a operacionalidade dos "novos" Cs, visto que Ps já só existem 2 e que, como diz, são os que estão a voar.


Cumptos
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 24, 2007, 06:54:57 pm
Citação de: "p_shadow"
Quanto aos P-3, gostava que me esclarecesse alguns pontos sobre a operacionalidade dos "novos" Cs, visto que Ps já só existem 2 e que, como diz, são os que estão a voar.


Cumptos


Pelo que sei existem 2 P-3C CUP na BA6 e 3 P-3C (update 2/5) nas OGMA supostamente para ser feito o CUP e ficarem iguais aos outros 2.
A operacionalidade é 0, ninguém os sabe arranjar nem operar os seus sistemas.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 24, 2007, 07:51:48 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "p_shadow"
Quanto aos P-3, gostava que me esclarecesse alguns pontos sobre a operacionalidade dos "novos" Cs, visto que Ps já só existem 2 e que, como diz, são os que estão a voar.


Cumptos

Pelo que sei existem 2 P-3C CUP na BA6 e 3 P-3C (update 2/5) nas OGMA supostamente para ser feito o CUP e ficarem iguais aos outros 2.
A operacionalidade é 0, ninguém os sabe arranjar nem operar os seus sistemas.

Na BA6, neste preciso momento, encontram-se 2 P-3P ("14803" e "14805"), 2 P-3C CUP/CG ("300"/"14807" e "307"/"14810"), 2 P-3C Update II.5 ("14809" e "14811") e o P-3P "14802", já abatido ao serviço; nas OGMA está o Update II.5 "304"/"14808", completamente reparado mas ainda não entregue à FAP. Se é verdade que os CUP/CG têm apenas voado ocasionalmente, já os Update II.5 estão um pouco mais activos, pese embora sejam os dois últimos P-3P que ainda asseguram a maioria das missões.

De facto têm aparecido uns rumores sobre os supostos problemas - e inoperacionalidade - dos Orion Charlie que comprámos à Marinha Real Holandesa. No entanto, apesar disso, pouco mais até hoje transpareceu.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 19, 2007, 11:04:51 am
Citar
Northrop Grumman Wins Radar Contract for Portuguese Air Force C-295
BALTIMORE, Feb. 15, 2007 (PRIME NEWSWIRE) (PRIMEZONE) -- Northrop Grumman Corporation (NYSE:NOC) has been awarded a contract to integrate its AN/APN-241 low-power color weather and navigation radar on the C-295 aircraft for the Portuguese Air Force (PAF).


The contract was awarded by European Aeronautic Defence and Space Company -- Construcciones Aeronauticas SA (CASA).

"This contract provides the Portuguese Air Force with a C-295 aircraft that meets their stringent all-weather operational performance requirements," said Andrew Wesolowski, director of Northrop Grumman's Combat Air Delivery Systems programs. "The AN/APN-241 provides discriminating performance capabilities needed for the light transport aircraft crew to accomplish strategic or tactical missions in a dynamic environment," he said.

As part of the contract, Northrop Grumman is also providing the operational flight program software to meet PAF requirements for commonality with existing C-130 radar hardware, reducing additional logistics and supply requirements.

Work will be performed by the company's Electronic Systems sector in Norwalk, Conn. and Baltimore.

Northrop Grumman Corporation is a $30 billion global defense and technology company whose 120,000 employees provide innovative systems, products, and solutions in information and services, electronics, aerospace and shipbuilding to government and commercial customers worldwide.


Fonte (http://http)
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Abril 16, 2007, 02:56:12 am
Citar
Portugal pode receber aviões de Hugo Chávez

Manuel Carlos Freire

A empresa aeronáutica espanhola CASA propôs antecipar a entrega, a Portugal, dos aviões de transporte táctico C-295 cuja venda à Venezuela foi bloqueada pelos EUA, mas o processo pode ser inviabilizado pelo impacto que tem no défice público, revelaram ao DN fontes militares e civis ligadas ao processo.

O dossier está a ser analisado pelo ministro da Defesa, admitindo algumas fontes que a decisão seja tomada nas próximas semanas. A Força Aérea vê a oferta como um bom negócio: a EADS prometeu-lhe formar de graça 16 pilotos - o dobro dos oito contratualizados - e instalar gratuitamente os equipamentos que carecem do aval prévio dos EUA.

Segundo o contrato de compra dos C-295, assinado a 17 de Fevereiro de 2006, Portugal começa a receber os 12 aviões em Junho de 2008, à razão de um por cada mês e meio (com o último a chegar em Janeiro de 2010). Agora há a possibilidade de o primeiro ser entregue já em Fevereiro do próximo ano - sem haver alteração nos prazos de pagamento definidos (o último em Janeiro de 2010).

O problema é que, ao receber mais três aviões do que o previsto em 2008 e à luz das regras contabilísticas do Eurostat, Portugal tem de inscrever os respectivos montantes nas suas contas públicas - com implicações directas na sua correcção. Saber se esses valores adicionais furam o tecto do défice orçamental acordado com Bruxelas para 2008 (2,6%) é o que permitirá ao Governo aceitar a proposta do fabricante.

Na origem da proposta da CASA, que integra o consórcio europeu EADS, está o fracasso da venda (em 2006) de vários C-295 - oito segundo a empresa, 12 segundo a imprensa especializada - à Venezuela. Os aviões usam tecnologia (muita classificada como secreta) dos EUA, que se opôs à sua transferência para o país de Hugo Chávez (que já anunciou a compra de Antonov russos). O concurso para venda de 145 aviões à Força Aérea e ao Exército americanos, do qual a EADS não quis ser excluída, também ajudou a esse desfecho, admitiram algumas fontes.

Fonte (http://http)
Título:
Enviado por: tgcastilho em Maio 01, 2007, 01:13:29 pm
Boas
alguém sabe se o C-295 pode ser actualizado com outros motores ????
Título:
Enviado por: Sintra em Maio 01, 2007, 01:33:33 pm
Citação de: "tgcastilho"
Boas
alguém sabe se o C-295 pode ser actualizado com outros motores ????


 Para quê?!  :?
Título:
Enviado por: tgcastilho em Maio 01, 2007, 01:38:18 pm
Na minha ignorância penso que se tivesse outros motores mais potentes o seu alcance seria maior
Título:
Enviado por: Sintra em Maio 01, 2007, 02:22:53 pm
Citação de: "tgcastilho"
Na minha ignorância penso que se tivesse outros motores mais potentes o seu alcance seria maior


 Provavelmente seria menor, mais potência equivale a maior consumo de combustivel.  :wink:
Título:
Enviado por: Major Alvega em Janeiro 22, 2008, 11:19:34 pm
Uma pequena dúvida. Alguém sabe se os C-295M para a FAP, possuem a capacidade de serem reabastecidos em vôo? Observando algumas fotos, os polacos e brasileiros não têm o receptáculo de reabastecimento, sómente vi nos espanhóis e finlandeses.
Título:
Enviado por: Iris-t em Janeiro 23, 2008, 12:47:00 am
Citação de: "Major Alvega"
Uma pequena dúvida. Alguém sabe se os C-295M para a FAP, possuem a capacidade de serem reabastecidos em vôo? Observando algumas fotos, os polacos e brasileiros não têm o receptáculo de reabastecimento, sómente vi nos espanhóis e finlandeses.


Pueden ser reabastecidos en vuelo con una lanza de reabastecimiento, he visto alguna foto de C-295 brasileños con ella, los españoles suelen reabastecerse cuando van a Afghanistan.
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 23, 2008, 04:05:55 pm
Poder podem, não sei é se vão trazer essa capacidade.
Título:
Enviado por: raphael em Janeiro 23, 2008, 04:46:26 pm
Não tenho informação sobre se o 295 tuga vem com essa opção, no entanto, como não temos nenhuma esquadra de reabastecedores, nem se prevê que venhamos a ter a médio prazo, temos de estar sempre dependentes de terceiros, nomeadamente dos reabastecedores americanos estacionados em Espanha (como chegou a ser falado para o EH-101). :D , não faz grande falta...
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 23, 2008, 05:32:35 pm
As sondas, ou lanças, de reabastecimento do C-295M são amovíveis. Virão com os aparelhos, ou seja, farão parte do pacote, mas apenas serão montadas em caso de necessidade (uma situação em tudo semelhante à passada com os EH-101 Mk.515 CSAR da FAP). Há-que ter em conta, igualmente, que a lança é pesada e causa arrasto aerodinâmico, daí que só seja montada, até nos aviões espanhóis, quando for absolutamente necessária.  :wink:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 23, 2008, 09:10:21 pm
Um C-295M polaco caiu hoje... Dez (número provisório) militares morreram...

(http://i180.photobucket.com/albums/x137/Lancero4/janeiro/b9efb2e1.jpg)

(http://i180.photobucket.com/albums/x137/Lancero4/janeiro/76196ed4.jpg)
Título:
Enviado por: typhonman em Janeiro 23, 2008, 09:27:04 pm
R.I.P
Título:
Enviado por: Ricardo Pinheiro em Janeiro 24, 2008, 08:51:00 am
Publicação: 24-01-2008 08:07
Avião despenha-se na Polónia
Dezanove mortos em acidente com aparelho militar
Dezanove pessoas morreram quarta-feira à noite quando um avião polaco de transporte militar EADS Casa se despenhou na aterragem no aeroporto de Miroslawiec, indicou a Força Aérea Polaca.
Lusa

"Nenhuma pessoa sobreviveu ao acidente", afirmou à imprensa o porta-voz do aeroporto de Miroslawiec, Bogdan Ziolkowski.

Segundo a força aérea polaca, 19 militares seguiam a bordo do aparelho.

"Quinze passageiros e quatro membros da tripulação encontravam-se a bordo do aparelho", afirmou o porta-voz da força aérea, o coronel Wieslaw Grzegorzewski.

Durante várias horas após o acidente, que ocorreu às 19:10 locais (18:10 em Lisboa), existiu muita confusão sobre o número de pessoas que seguia a bordo do aparelho.

As primeiras informações apontavam para 23 mortos, os sapadores de bombeiros anunciaram posteriormente 10 vítimas mortais e a força aérea avançou numa primeira fase com o número de 18 mortos.

Segundo os bombeiros, o avião, um EADS Casa C-295M, chocou com o solo quando se preparava para pousar na pista. Despenhou-se num terreno arborizado, provocando um incêndio.

O avião embarcara em Varsóvia quase duas dezenas de oficiais que participavam numa conferência anual sobre a segurança de voos organizado pela Força Aérea polaca.

Antes de chegar a Miroslawiec, o avião fez escalas em Krzesiny (ocidente) e em Powidz (norte), onde desceram vários passageiros, segundo as fontes militares.

A Polónia comprou nos últimos anos dez exemplares do EADS Casa, um aparelho de transporte táctico e logístico de tropas e de material, capaz de embarcar 71 soldados ou uma carga máxima de 9.250 quilogramas.

O primeiro-ministro, Donald Tusk, e o ministro da Defesa, Bogdan Klich, deslocaram-se quarta-feira à noite ao local do acidente enquanto o presidente polaco Lech Kaczynski, numa visita oficial à Croácia, anunciou que vai regressar ainda hoje ao país.

Segundo o site de Internet da EADS Casa, desde o início da comercialização do aparelho em 2001, 50 unidades foram vendidas às Forças Aéreas de seis países: Portugal, Espanha, Polónia, Jordânia, Argélia e Brasil.
Título:
Enviado por: ferrol em Janeiro 24, 2008, 11:25:26 am
Descansen todos en Paz.  :sil:
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 24, 2008, 01:09:18 pm
Sabe-se agora que o C-295M que se despenhou ontem era o "019" e que, infelizmente, estão contabilizadas entre 19 e 20 vítimas mortais, naquele que é considerado o pior desastre aéreo militar na Polónia desde há três décadas.  :(

 
Citar
Polish military plane crashes

WARSAW, Poland January 23, 2008, 11:46 pm ET

A Polish military plane carrying 20 passengers and crew crashed in flames in northwestern Poland, killing all aboard including an air force general, Prime Minister Donald Tusk said Thursday. The plane, with 16 members of the Polish armed forces and four crew members aboard, was approaching an air base at Miroslawiec shortly after 7 p.m. Wednesday when it went down in a forested area, officials said.

"Soldiers, husbands, and fathers have died, and that is the most tragic result of this catastrophe," said Tusk. He called it a "huge loss for the Polish air force." The passengers, who were returning from a flight safety conference, included air brigade commander Brig. Gen. Andrzej Andrzejewski and Col. Jerzy Pilat, commander of the Miroslawiec base, said Defense Minister Bogdan Klich. The military branches and ranks of the other victims weren't immediately available. Tusk said it particularly lamentable that the victims "were returning to their units from a conference devoted" to flight safety.

The Spanish-built CASA C-295M transport plane was about 2 miles from the airstrip when it clipped trees on its approach, crashed into a wooded area and burst into flames, officials said."We don't know what the cause of the crash was right now," Maj. Bogdan Ziolkowski, a spokesman for the base, told The Associated Press. Tusk said emergency crews were still looking for the black box in their effort to clarify what went wrong.

The plane had more people on board when it took off from Warsaw, but had already landed at three other military airports. It had two more planned stops in Swidwin and Krakow. Polish media were describing the accident as one of the worst military disasters in more than three decades. President Lech Kaczynski was cutting short a visit to Croatia to return to Poland on Thursday, a spokesman said.

A Polish military expert, Grzegorz Holdanowicz, said it was the first air disaster involving a CASA C-295M, a plane he called one of the safest in the Polish air force. The Polish military also uses the plane type in Iraq and in Afghanistan, where it supports the U.S.-led operations. The pilots of Wednesday's flight were from a transport squadron based in Balice, near Krakow, that had flown in Iraq and Afghanistan, the squadron spokesman, Cpt. Piotr Jaszczuk said.



(http://img401.imageshack.us/img401/4369/802341191578794800x600lx5.jpg)
EADS-CASA C-295M "019" (S-019)
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 24, 2008, 03:13:06 pm
Que descansem todos em paz.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ShadIntel em Janeiro 24, 2008, 07:00:42 pm
:Soldado2:

Quando as causas forem apuradas, espero que todos os operadores do C-295, incluindo a FAP, serão informados de todos os detalhes. Imagino que é o que está previsto nestas situações.
Título:
Enviado por: Menacho em Janeiro 24, 2008, 07:43:23 pm
Las primeras noticias, hablan de que el avion al descender para tomar tierra, impacto con unos arboles a pocos metros de la pista.........

Esperamos mais noticias....... :?
Título:
Enviado por: Raul Neto em Janeiro 24, 2008, 09:16:40 pm
:Soldado2:
Título:
Enviado por: Lancero em Janeiro 25, 2008, 10:58:42 am
Citar
Polónia: Sistema de ajuda à aterragem avariado na altura do acidente que matou 20 militares    

   Varsóvia, 25 Jan (Lusa) - O sistema de ajuda à aterragem (ILS) estava  avariado no aeroporto de Miroslawiec, no noroeste da Polónia, onde um avião  de transporte militar se despenhou quarta-feira à noite provocando 20 mortos,  indicou quinta-feira um porta-voz da Força Aérea.  

     

   "O sistema ILS (Instrument Landing System) não estava a funcionar. O  piloto avisou que não via bem a pista e fez uma segunda tentativa de aterragem",  afirmou à rádio pública o porta-voz da Força Aérea, Wieslaw Grzegorzewski.  

     

   Vinte militares, entre os quais altos responsáveis da Força Aérea polaca,  morreram num acidente com um EADS Casa C-295M, que se despenhou devido ao  mau tempo a 800 metros da pista de aterragem.  

     

   Segundo Grzegorzewski, não é possível atribuir a causa da catástrofe  à avaria do sistema ILS no aeroporto de Miroslawiec.  

     

   As equipas de salvamento anunciaram ter encontrado quinta-feira a caixa  negra do aparelho, que deverá ajudar os investigadores a determinar a causa  do acidente.
Título:
Enviado por: bruno_dias em Janeiro 26, 2008, 03:37:27 pm
Citação de: "old"
Comparacion entre el volumen del C27J y el C295:

(http://img223.imageshack.us/img223/1818/c2958hd.jpg)


um comparativo portugues
http://www.areamilitar.net/Analise/anal ... Materia=16 (http://www.areamilitar.net/Analise/analise.aspx?NrMateria=16)
Título:
Enviado por: Menacho em Janeiro 26, 2008, 07:53:30 pm
Citação de: "Lancero"
Citar
Polónia: Sistema de ajuda à aterragem avariado na altura do acidente que matou 20 militares    

   Varsóvia, 25 Jan (Lusa) - O sistema de ajuda à aterragem (ILS) estava  avariado no aeroporto de Miroslawiec,    

     
   "O sistema ILS (Instrument Landing System) não estava a funcionar. O  piloto avisou que não via bem a pista e fez uma segunda tentativa de aterragem",  afirmou à rádio pública o porta-voz da Força Aérea, Wieslaw Grzegorzewski.  

     

    devido ao  mau tempo      

   


Mal tiempo...................ILS del aeroporto averiado.............piloto no ve la pista..............2º intento de aterrizaje........

Parece ser que el avion no tuvo nada que ver en el accidente.........
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 27, 2008, 06:28:27 pm
Consequência natural do acidente com o C-295M polaco.

Citar
DATE: 25/01/08
SOURCE: Flightglobal.com

Poland grounds C-295 transports after 20 killed in crash
By Bartosz Glowacki

Polish air force commander Lt Gen Andrzej Blasik has ordered the service's remaining EADS Casa C-295 tactical transports to be grounded until further notice while an investigation takes place into the cause of a crash on 23 January. The Polish defence ministry says all four crew members and 16 passengers on board the C-295 died when the aircraft - assigned to the air force's 13th Air Transport Squadron - crashed into a forest about 1.7km (1nm) short of the runway at Miroslawiec air base.

Aircraft 019 had been flying a planned course from Warsaw to Krakow via the air force's bases at Powidz, Poznan-Krzesiny, Miroslawiec and Swidwin, and was carrying delegates returning from an annual aviation safety conference in the Polish capital. Among those killed were high-ranking officers including base and squadron commanders and technical chiefs from several air force units. The accident happened at 19:07 local time, when the cloud base at Miroslawiec was 295ft (90m), visibility was 3km and there was a haze over the airfield. According to air traffic control reports, the aircraft's pilot performed a go-around because of lack of visibility of the airstrip, but during the second approach, reported: "I see the airstrip."

The Polish air force confirms that the base's instrumented landing system was faulty at the time of the crash, restricting the pilot to using only the precision approach radar, but it adds: "The malfunction of the ILS was not a reason for the crash." Aircraft 019 was one of the newest transports delivered to the Polish air force, and had logged more than 300 flight hours since entering service last August. It was one of 10 C-295s to have entered Polish service since 2003, and its loss is the first involving the Spanish-designed type. Polish examples have so far logged more than 9,500 flight hours, including 4,500 flown last year, and late last year the service confirmed an order for two more of the aircraft.

:arrow: http://www.flightglobal.com/articles/20 ... crash.html (http://www.flightglobal.com/articles/2008/01/25/221101/poland-grounds-c-295-transports-after-20-killed-in-crash.html)

(http://img404.imageshack.us/img404/9258/1293424800x600qi9.jpg)
O "019" no Aeroporto de Varsóvia, em Novembro de 2007
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 04, 2008, 09:00:33 pm
Alguém poderá ter a bondade de nos informar sobre a capacidade de transporte de armas do Persuader?
Título:
Enviado por: Sintra em Fevereiro 04, 2008, 09:37:12 pm
Citação de: "Luso"
Alguém poderá ter a bondade de nos informar sobre a capacidade de transporte de armas do Persuader?


O Persuader tem seis pontos de fixação de armas debaixo das asas, dois capazes de levar até 800 kg´s, dois até 500 kg´s e outros dois até 300 kg´s.
 

http://www.eads.com/xml/content/OF00000 ... 294047.pdf (http://www.eads.com/xml/content/OF00000000400004/7/04/32294047.pdf)
Título:
Enviado por: Menacho em Fevereiro 05, 2008, 11:58:01 am
Se ve la luz, el aviao no fue culpable:

Citar
Los aviones CASA de Polonia vuelven a volar tras la catástrofe aérea

Los aviones de transporte CASA que tiene el ejército polaco vuelven a estar operativos tras varios días en tierra, durante los que fueron sometidos a una revisión técnica después de que uno de estos aparatos, de fabricación española, se estrellase el pasado 23 de enero y muriesen veinte militares.

La revisión llevada a cabo por los expertos descarta cualquier problema en los nueve aviones CASA C295M de los que dispone Polonia, confirmó hoy a EFE el portavoz de la fuerza aérea de este país, Wieslaw Grzegorzewski.  

Estos aviones son los utilizados habitualmente por el ejército polaco para el traslado de tropas y el suministro de sus bases en Irak y Afganistán.

El anuncio del ejército del aire echa por tierra las especulaciones de los medios de comunicación locales, que aventuraron que el accidente en el que perecieron los veinte militares podría haberse producido por fallos en el sistema operativo del aparato, adquirido por el ejército de este país a la empresa española en 2001.  

Grzegorzewski también anunció que, a partir de ahora, se endurecerán los requisitos técnicos y las medidas de seguridad antes de cada despegue de uno de estos aparatos de transporte, así como el estado del piloto y las horas de vuelo previas.

Mientras, la comisión de investigación del ministerio de Defensa sigue estudiando las causas de la tragedia aérea, la más importante sucedida en Polonia en los últimos treinta años, y todo parece apuntar ahora a un error humano del piloto como la causa principal, destacaron hoy los principales periódicos del país.  

En la noche del pasado 23 de enero un avión C295 que provenía de Varsovia se estrelló al intentar aterrizar en el aeropuerto de Miroslawiec (este del país), provocando la muerte de sus veinte ocupantes, 19 de ellos oficiales que regresaban de una conferencia sobre seguridad en los vuelos, incluido uno de los generales de brigada más importantes del ejército del aire.



Terra Actualidad - EFE
Título:
Enviado por: Menacho em Fevereiro 08, 2008, 05:01:24 pm
Confirmado, el aviao no fue culpable:

Citar
Defensa confirma que accidente del avión de CASA en Polonia no se debió a fallos técnicos


El ministro de Defensa polaco, Bogdan Kilch, confirmó hoy que el avión de transporte CASA de fabricación española que se estrelló el pasado 23 de enero en Polonia no sufría problemas técnicos, sino que el accidente, en el que murieron sus veinte ocupantes, se debió a un error del piloto.
A pesar de las declaraciones del ministro, habrá que esperar al resultado de la comisión de investigación para conocer la versión oficial definitiva sobre las causas de esta tragedia aérea, la más grave acaecida en Polonia en los últimos treinta años.

'De los últimos informes recibidos se desprende que los sistemas del avión CASA C295 funcionaban correctamente, así que un fallo en el aparato no fue la causa del accidente'  , aseguró el titular de Defensa en declaraciones a la prensa.

Todo apunta ahora a que pudo ser una errónea maniobra del piloto la causante de que el aparato cayese en picado sobre un bosque cercano al aeropuerto de Miroslawiec (oeste de Polonia) cuando se disponía a aterrizar.

Mientras, los aviones de transporte CASA que tiene el ejército polaco volvieron el pasado lunes a estar operativos, después de que tras el accidente Defensa decidiese dejarlos varios días en tierra para someterlos a una revisión técnica.

Esta revisión descartó cualquier problema en los nueve aviones CASA C295M, confirmó a EFE el portavoz de la fuerza aérea de este país, Wieslaw Grzegorzewski.

En la noche del pasado 23 de enero un avión de este modelo que provenía de Varsovia se estrelló al intentar aterrizar en el aeropuerto de Miroslawiec. En el accidente murieron sus veinte ocupantes, 19 de ellos oficiales que regresaban de una conferencia sobre seguridad en los vuelos, incluido uno de los generales de brigada más importantes del ejército del aire.

Fuente: EFE
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 08, 2008, 05:22:13 pm
O avião de facto não apresentou anomalias. Mas daí a já estar concluído que foi erro do piloto...
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Março 20, 2008, 03:24:42 pm
Amigos:

Estava calmamente a dar umas voltas na net pelos sites do costume - consequência de quem tira parte das férias no inverno - e eis que:

                                 AQUI ESTÁ O PRIMEIRO C 295




        (http://cdn-www.airliners.net/photos/middle/7/8/2/1336287.jpg)

Está neste endereço:
 http://www.airliners.net/photo/Portugal ... 1336287/M/ (http://www.airliners.net/photo/Portugal---Air/CASA-C-295/1336287/M/)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Março 20, 2008, 07:26:37 pm
Citação de: "João Oliveira Silva"
Amigos:

Estava calmamente a dar umas voltas na net pelos sites do costume - consequência de quem tira parte das férias no inverno - e eis que:

                                 AQUI ESTÁ O PRIMEIRO C 295




        (http://cdn-www.airliners.net/photos/middle/7/8/2/1336287.jpg)

Está neste endereço:
 http://www.airliners.net/photo/Portugal ... 1336287/M/ (http://www.airliners.net/photo/Portugal---Air/CASA-C-295/1336287/M/)

Cumprimentos


Podem-se encontrar mais informações a este respeito no fórum 9G's, em:

 :wink:
Título:
Enviado por: FAAS em Março 21, 2008, 06:48:31 pm
Peço desculpa pela minha ignorância, mas uma aeronave não devia estar pintada antes de ser exposta aos elementos da natureza?

Já agora, fiquei intrigado como é que se sabe que de facto esta aeronave é destinada às nossas FA... :oops:

Cumprimentos
Coiote
Título:
Enviado por: lurker em Março 21, 2008, 07:21:06 pm
As peças que necessitam já receberam a camada de primário que é o que realmente confere a protecção.
Pode observar os vários tons de verde nos vários componentes, assim como algumas peças em fibra de carbono que não necessitam de primário.

É perfeitamente normal as aeronaves efectuarem os primeiros testes assim. O F-16 MLU que se despenhou recentemente ostentava o mesmo tipo de decoração.

A afirmação de que se destina à FAP é do autor da fotografia e não há razões para duvidar dele. :wink:
Título:
Enviado por: FAAS em Março 21, 2008, 07:53:41 pm
Obrigado pelos esclarecimentos.
Já agora sabe-se a data de entrega se é que existe uma prevista,  as vezes sou muito céptico.

editado
Enquanto pensava nisto surgiu-me uma dúvida e para não fazer um novo post editei este meu.

Quais as vantagens de aeronaves propulsionadas a turbo-hélice?
Tem a ver com gastos de combustível?

Cumprimentos
Coiote
Título:
Enviado por: zé do bone em Março 21, 2008, 08:34:16 pm
Citação de: "Coiote"
Quais as vantagens de aeronaves propulsionadas a turbo-hélice?
Tem a ver com gastos de combustível?


Entre outras, o consumo de combustível e a manutenção.
Título:
Enviado por: lurker em Março 21, 2008, 08:52:15 pm
A última informação de que tenho conhecimento é que serão entregues 4 C-295 até ao fim deste ano e os restantes 8 até ao fim de 2009.

Em geral, os motores turbo-hélice são mais eficientes que os turbo-fan a baixas velocidades em todos os aspectos: consumo, tamanho (ignorando o tamanho das hélices, claro), preço.
Título:
Enviado por: FAAS em Março 21, 2008, 09:27:48 pm
Colega lurker, obrigado pela informação.

Realmente o consumo e o preço são argumentos de peso pelo que assim vou compreendendo as opções.

Cumprimentos
Coiote
Título:
Enviado por: Camuflage em Março 22, 2008, 12:57:42 pm
Não é este aparelho que vai substituir os nossos C-130 ou é?  :roll:
Título:
Enviado por: Raul Neto em Março 22, 2008, 01:13:41 pm
Não, este aparelho destina-se a substituir os C-212 Aviocar.
Título:
Enviado por: typhonman em Março 22, 2008, 02:40:11 pm
C-130 vai durar pelo menos até 2015, como novos motores e novas helices de 8 pás, assim como um"glass cockpit"..
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Março 22, 2008, 04:49:11 pm
Citação de: "Typhonman"
C-130 vai durar pelo menos até 2015, como novos motores e novas helices de 8 pás, assim como um"glass cockpit"..


8 pás ?  :shock:
Não serão 6 pás de material compósito iguais às montadas no RR AE 2100 que equipa o C-130 J ?
Título:
Enviado por: typhonman em Março 22, 2008, 05:45:47 pm
Sim, 8 pás.

 :arrow: http://www.edwards.af.mil/news/story.asp?id=123089573 (http://www.edwards.af.mil/news/story.asp?id=123089573)
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Março 22, 2008, 08:40:59 pm
Citação de: "Typhonman"
C-130 vai durar pelo menos até 2015, como novos motores e novas helices de 8 pás, assim como um"glass cockpit"..


Os C-130 não terão novos motores, Typhonman/ENGAED, mas sim a instalação do TCAS, de novos aviónicos, de um glass cockpit e então as hélices de oito pás Hamilton Sundstrand NP-2000. Devias ter lido melhor. :wink:
 
 :arrow: http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.ph ... c&start=60 (http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=218&postdays=0&postorder=asc&start=60)
Título:
Enviado por: typhonman em Março 22, 2008, 09:48:56 pm
Exacto. :wink:
Título:
Enviado por: antoninho em Março 23, 2008, 12:29:59 pm
Navy's NP2000 Propeller Completes Flight Testing
In-Depth Coverage

NAVAIR Release

Press Release Number: E200401062

Release Date: 1/6/2004

Naval Air Systems Command, Patuxent River, MD - NAVAIR's E-2 Integrated Test Team (ITT) announces it has completed flight testing of the Navy's new eight-bladed NP2000 propeller at Patuxent River, Md., successfully concluding a challenging series of developmental test and evaluation efforts that commenced in the summer of 2000.

Development of the NP2000 was initiated in the mid nineteen-nineties when the Navy sought a viable replacement for the four-bladed HS54460 propellers utilized by its E-2 Hawkeye Command and Control and C-2 Greyhound aircraft.

The new propeller incorporates several enhancements over its predecessor and is projected to reduce maintenance costs. Design features that facilitate these savings are a reduced parts count, the ability to replace individual propeller blades on the wing and a maintenance panel that enables propeller balancing from inside the aircraft.

While conducting Carrier Suitability Trials aboard USS John F. Kennedy in November, testers encountered a great amount of interest in the propeller by pilots and maintainers in the fleet. "They've heard about it and they're anxious to get it," said NAVAIR Test Team Lead Joe Spelz.

They will not have to wait long. The process of retrofitting the Navy's entire fleet of E-2s with the NP2000 is scheduled to begin in the spring of 2004. Modifications will be done one squadron at a time. It is anticipated that the modifications will be conducted by a field team in Norfolk, Va. through the end of 2004 and will continue into 2006.

NAVAIR provides advanced warfare technology through the efforts of a seamless, integrated, worldwide network of aviation technology experts. From professional training to carrier launch; from sensor data to precision targeting; from aircraft and weapons development to successful deployment; from real-time communication to aircraft recovery, NAVAIR provides dominant combat effects and matchless capabilities to the American warfighter.
Título:
Enviado por: Major Alvega em Março 25, 2008, 02:04:42 pm
Citação de: "Typhonman"
C-130 vai durar pelo menos até 2015, como novos motores e novas helices de 8 pás, assim como um"glass cockpit"..


Typhonman: Refere-se a C-130H portugueses que vão ter este upgrade?
Título:
Enviado por: typhonman em Março 25, 2008, 07:16:13 pm
Sim.
Título:
Enviado por: Major Alvega em Março 25, 2008, 10:30:37 pm
Obrigado.

 Desconhecia totalmente este programa de upgrade para os
nossos C-130.
 Sabe quando é que está previsto iniciar-se esta operação
e será executado pela OGMA?
Título:
Enviado por: typhonman em Março 26, 2008, 01:13:40 am
Desconnheco.
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Março 27, 2008, 05:48:46 pm
Isto de andar a passear na net quem se lhe diga...

Segundo uma informação que circula na rede, chegaram ontem à BA6 dois C-295. Um, proveniente de Toledo, é da EADS e vem para testes/formação.
....

O outro, proveniente de Sevilha, tripulado por portugueses, é o que está na foto que anteriormente postei, e é o primeiro dos que foram comprados por Portugal.
Alguém confirma?

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 27, 2008, 09:14:38 pm
Citação de: "João Oliveira Silva"
Isto de andar a passear na net quem se lhe diga...

Segundo uma informação que circula na rede, chegaram ontem à BA6 dois C-295. Um, proveniente de Toledo, é da EADS e vem para testes/formação.
....

O outro, proveniente de Sevilha, tripulado por portugueses, é o que está na foto que anteriormente postei, e é o primeiro dos que foram comprados por Portugal.
Alguém confirma?

Cumprimentos,


http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.ph ... &start=210 (http://www.falcoes.net/9gs/viewtopic.php?t=617&postdays=0&postorder=asc&start=210)

Nota: para visualizar o tópico requer inscrição no referido fórum.
Título:
Enviado por: lurker em Março 27, 2008, 09:25:39 pm
Caro Pereira Marques,
podia resumir a informação para nós que não somos membros do 9gs? :D
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Março 27, 2008, 09:29:55 pm
Citação de: "Jotapicos"
Já estão a dizer que o 41 é da FAP:

http://www.airliners.net/photo/Portugal ... 95/1336287 (http://www.airliners.net/photo/Portugal---Air/CASA-C-295/1336287)

Abraços:
João

Citação de: "Mario Diniz"
Viva

Enquanto os "spotters" Portugueses não conseguem ainda imagens dos nossos C-295, aqui vai mais uma do 041; que os Espanhois ainda não identificam nem modelo, nem utilizador.  :)

Citação de: "Charlie Golf"
Mais uma imagem do "041". Só que estes nossos colegas espanhóis ainda andam um pouco baralhados com a versão devido à sua proeminente penca.  :mrgreen:

(http://img443.imageshack.us/img443/8133/avc00058340800x600gi5.jpg)
http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=58340 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=58340)
Título:
Enviado por: lurker em Março 27, 2008, 11:42:39 pm
Muito agradecido.

Porquê a modificação do nariz? Radar?
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Março 28, 2008, 12:34:45 am
A "penca" parece-se muito com a dos C-130.
E sabe-se que será o mesmo radar nas duas aeronaves -AN/APN-241 da Grumman.
Logo 2+2=4.....ou não.
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Abril 04, 2008, 03:18:26 pm
Uma excelente reportagem sobre os novos C-295.

http://www.pistalivre.net/revista.html (http://www.pistalivre.net/revista.html)

Aconselho uma vista de olhos. Basta clicar em cima da revista nº 2 e, depois, passar as páginas.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Abril 21, 2008, 10:15:56 am
Citação de: "lurker"
Caro Pereira Marques,
podia resumir a informação para nós que não somos membros do 9gs? :?

Tudo bem, o Pereira Marques foi buscar a informação e colocou-a aqui, mas, sinceramente, não teria sido mais fácil ir consultar o tópico no nosso fórum, ainda por cima com o manancial de informação que lá se encontra disponível?  :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Abril 21, 2008, 08:37:37 pm
Simples.

É um problema de inércia.
E também se poderia colocar a questão, porque é que haverá razões para um fórum não ser público... ? :mrgreen:
Ou não ?
Título:
Enviado por: Luso em Abril 21, 2008, 09:11:17 pm
Citação de: "papatango"
Simples.

É um problema de inércia.
E também se poderia colocar a questão, porque é que haverá razões para um fórum não ser público... ? :mrgreen:
Ou não ?


Pessoalmente não faço qualquer esforço para poder "presenciar" qualquer fórum.
Porque é que eu tenho que pagar entrada sem conhecer a qualidade do produto?
Mas o seu a seu dono...
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Abril 21, 2008, 09:33:54 pm
Epa, logo dois moderadores de uma assentada só. Fico honrado pela importância dada a um vosso colega moderador do fórum 9G's.  c34x

Quanto ao comentário proferido pelo Luso, é mais um ao estilo do que já nos tem vindo a habituar. Poder-se-ia dizer que era iníquo, mas é apenas perfeitamente inócuo.
Título:
Enviado por: Luso em Abril 21, 2008, 09:47:19 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
Epa, logo dois moderadores de uma assentada só. Fico honrado pela importância dada a um vosso colega moderador do fórum 9G's.  c34x

Quanto ao comentário proferido pelo Luso, é mais um ao estilo do que já nos tem vindo a habituar. Poder-se-ia dizer que era iníquo, mas é apenas perfeitamente inócuo.


E porque é que se há-de sentir honrado, já agora?
Estou certo que a minha presença seria absolutamente irrelevante nesse fórum. Mas também é certo que outros tantos pensam da mesma maneira. Depende da vontade de abranger e PARTILHAR de quem é o proprietário do espaço. Mais uma vez repito: o seu a seu dono. Cada um gere o seu espaço conforme lhe aprouver.
Título:
Enviado por: papatango em Abril 21, 2008, 10:51:36 pm
Não é uma questão de importância ou de falta dela.
É como disse apenas uma constatação. Você perguntou porque é que as pessoas não se registam, e eu respondi que provavelmente é por uma questão de inércia...
Isso ocorre provavelmente com todos os fórums que existem.

O problema é que a ideia que um fórum fechado transmite, é a de que alguém acha que existem razões para manter um clube fechado, que não pode ser visível por qualquer um.

Mas evidentemente é uma opção de cada um. Eu pessoalmente acho muito bem que as pessoas façam o que acham mais adequado.
Título:
Enviado por: lurker em Abril 22, 2008, 12:35:28 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "lurker"
Caro Pereira Marques,
podia resumir a informação para nós que não somos membros do 9gs? :?

Pura preguiça? :)
Título:
Enviado por: tyr em Abril 22, 2008, 12:47:06 am
eu frequento alguns forums fechados, e obviamente neles pessoal de fora do circulo não é muito bem visto, pois normalmente forums fechados (exepto talvez o de certos clubes ou equipas de jogos online) são geralmente uma maneira de uma comunidade (fechada) se manter em contacto e transmitir conhecimentos.
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 04, 2008, 12:41:19 pm
Tudo bem,

Li algumas páginas deste tópico e estou com duas dúvidas,a primeiro é que li algures,salve o erro no wikipedia em inglês da força aérea portuguesa,que na BANº4-Lajes,iriam ficar 3 EH-101 e os CASA C-295,acredito que na vertente de patrulha marítima,ou seja os C-295 não ficariam todos no Montijo,isto na esquadra 711 Albatrozes,é isto verdadeiro?
Segunda dúvida a isto ser verdade,os 5 P-3C II.5,ficariam destinados à esquadra dos Lobos no Montijo?
Tal fonte também coloca 1 EH-101 e 1 C-295 ,na Base Aérea de Porto Santo,nem estou sabendo se está activa?Seria bom demais.
É mais ou menos isto ou está tudo errado?
Tal fonte é esta.

http://en.wikipedia.org/wiki/Portuguese_Air_Force


Abraços,
Título:
Enviado por: pmdavila em Maio 04, 2008, 02:33:40 pm
Na BA4 há sempre 3 EH-101 prontos a voar (ou pelo menos devia haver, ficando sempre 1 destes em reserva). Quanto ao C-295, não sei quantos vão ficar lá, mas pelo menos 2 serão. Os Albatrozes foram desactivados com a entrada ao serviço do EH-101, não se sabe se vão ser reactivados com a chegada do C-295 ou se vão manter o regime de destacamentos.
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 04, 2008, 07:54:43 pm
Citação de: "zocuni"
Tudo bem,

Li algumas páginas deste tópico e estou com duas dúvidas,a primeiro é que li algures,salve o erro no wikipedia em inglês da força aérea portuguesa,que na BANº4-Lajes,iriam ficar 3 EH-101 e os CASA C-295,acredito que na vertente de patrulha marítima,ou seja os C-295 não ficariam todos no Montijo,isto na esquadra 711 Albatrozes,é isto verdadeiro?

A sigla correcta é BA4 (Base Aérea nº4), actualmente estão lá 3 EH101 em destacamento permanente provenientes da Esquadra 751 do Montijo e 3 ou 4 C-212 Aviocar em destacamento da Esquadra 502 de Sintra, estes C-212 são da vertente de transporte para fazer de "ambulância" voadora, penso que os C-295 também serão da vertente de transporte, os C-212 de vigilancia maritima fazem missões nos Açores mas nunca lá estiveram em permanencia, foi sempre temporario e retomaram sempre a BA1, penso que se mantenha o mesmo sistema com o C-295 pois ainda serão menos aviões.

Citar
Segunda dúvida a isto ser verdade,os 5 P-3C II.5,ficariam destinados à esquadra dos Lobos no Montijo?

A Esquadra 601 - Lobos que opera as aeronaves P-3P e P-3C foi recentemente transferida da BA6 - Montijo para a BA11 - Beja.

Citar
Tal fonte também coloca 1 EH-101 e 1 C-295 ,na Base Aérea de Porto Santo,nem estou sabendo se está activa?Seria bom demais.
É mais ou menos isto ou está tudo errado?


Actualmente em Porto Santo encontra-se 1 EH101 e 1 C-212 Aviocar, lógico, pois este ultimo ainda não foi substituido pelo C-295, mas tudo indica que se mantenha uma aeronave de asa fixa no arquipelago da Madeira (relembro a crise das horas de voo com o Sr. AJJ quando puseram o EH101 a fazer evacuações médicas), no Porto Santo não existe uma Base Aérea, o que existe é no aeroporto da ilha uma àrea militar com hangar, placas de estacionamento de aeronaves, elementos da PA, etc
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 04, 2008, 10:10:25 pm
Obrigado,Lightning.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Maio 20, 2008, 11:44:34 pm
C-295M, versão de Patrulha Marítima, de salientar que os de PM terão esta cor e os de transporte táctico a tradicional "OTAN sul".

(http://www.aviationcorner.net/public/photos/8/6/avc_00067886.jpg)

Fonte: http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886)
(Vista por mim, originalmente, no 9G's)
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 21, 2008, 03:50:13 am
Ao,contrário da outra,gostei desta versão. :G-beer2:

Abraços,
Título:
Enviado por: TaGOs em Maio 21, 2008, 11:32:33 am
Mas a versão marítima não tem uma saliência na parte inferior do avião?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Maio 21, 2008, 12:27:08 pm
Dom Charlie "Tareco" :)

Citação de: "Charlie Golf"
Citação de: "mt007"
Amigos,
corrijam-me se estiver errado.
Mas esta pintura é normalissima, aonde está o vosso espanto?
Todos os aparelhos que façam serviço no mar devem ter essa cor e esse não deve excepção.

Mas Miguel, o C-295M "16702" que aparece na foto não faz parte do lote de 5 aparelhos destinados a VIMAR, sendo antes uma das sete aeronaves de transporte táctico. A sua missão primária nem sempre o levará a operar em ambiente marítimo, mas percebo o que quiseste dizer.  :wink:
Título:
Enviado por: MAC em Maio 21, 2008, 01:21:30 pm
¿Me podeis decir que radar lleva el Persuader portuges?,en el morro.
Título:
Enviado por: P44 em Maio 21, 2008, 01:38:40 pm
Citação de: "tyr"
eu frequento alguns forums fechados, e obviamente neles pessoal de fora do circulo não é muito bem visto, pois normalmente forums fechados (exepto talvez o de certos clubes ou equipas de jogos online) são geralmente uma maneira de uma comunidade (fechada) se manter em contacto e transmitir conhecimentos.


peço desculpa pelo Off-Topic, pois só agora vi isto , mas tenho que concordar 100% com este comentário , até porque senti isso "na pele" (-sentido figurativo)

Não leves a mal Charlie, é uma constatação.. ..ou, pelo menos, a imagem que passa cá para fora

Um abraço :wink:


siga o tópico
Título:
Enviado por: BrainCrasher em Maio 22, 2008, 01:02:38 am
Citação de: "MAC"
¿Me podeis decir que radar lleva el Persuader portuges?,en el morro.


É o AN/APN-241.

Cumps
Título:
Enviado por: MAC em Maio 22, 2008, 05:28:43 pm
Muchas gracias,BrainCrasher.
Título:
Enviado por: FAAS em Maio 23, 2008, 12:38:29 am
Estou um tanto curioso para começar a ver fotos destes meninos tiradas pelas mãos dos nossos spotters, existe alguma data para a sua chegada?

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Junho 07, 2008, 03:42:16 pm
Meus senhores, depois de tanto esperar pelos C295, fez se luz ao fundo do tunel e ao que parece ja temos dois c295, com a nossa bandeira. Segundo li noutros foruns depois do verão ja teremos tripulações portuguesas a voarem nele. Aqui deixo uma foto deles.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 07, 2008, 04:42:43 pm
Citação de: "nelson38899"
Meus senhores, depois de tanto esperar pelos C295, fez se luz ao fundo do tunel e ao que parece ja temos dois c295, com a nossa bandeira. Segundo li noutros foruns depois do verão ja teremos tripulações portuguesas a voarem nele. Aqui deixo uma foto deles.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=67886)


Na última Take Off até mostrou dois pilotos Portugueses em Espanha (não tenho a certeza absoluta, já que vi o artigo na diagonal).
Título:
Enviado por: pmdavila em Junho 07, 2008, 05:51:34 pm
Parece ser quase certa a apresentação do C-295 nas comemorações do dia da FAP, que este ano são nos Açores.
Título:
Enviado por: HSMW em Junho 07, 2008, 06:13:47 pm
Citação de: "pmdavila"
Parece ser quase certa a apresentação do C-295 nas comemorações do dia da FAP, que este ano são nos Açores.

Ou no 10 de Junho...
Título:
Enviado por: jmg em Junho 10, 2008, 12:20:50 pm
Nada de C 295 no 10 de Junho.
Estava a espera de uma surpresa..
Pelo menos tivemos alguns PANDUR para alegrar a malta....
Título:
Enviado por: TaGOs em Junho 10, 2008, 12:55:45 pm
Mais uma:

http://www.airliners.net/photo/Portugal ... id=1358614 (http://www.airliners.net/photo/Portugal---Air/CASA-C-295M/1362300&tbl=photo_info&photo_nr=2&prev_id=1362445&next_id=1358614)
Título:
Enviado por: Johnny em Junho 21, 2008, 06:18:50 pm
Em que Base Aérea irão ficar os C-295 destinados à vigilância marítima????
Título:
Enviado por: lexivia em Junho 22, 2008, 01:52:46 am
Citação de: "Johnny"
Em que Base Aérea irão ficar os C-295 destinados à vigilância marítima????


Suponho que deverão ficar na mesma base que os P3 - Orion, isto é em Beja. Digo, Beja de memória, pois sei a resposta a sua pergunta está respondida neste tópico mais atrás.
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 22, 2008, 02:04:57 am
Penso que todos os C-295 vão ficar no Montijo....
Título:
Enviado por: lexivia em Junho 22, 2008, 11:48:09 am
Citação de: "Typhonman"
Penso que todos os C-295 vão ficar no Montijo....


UPS! Lamento ter induzido em erro a questão da base dos C-295
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 22, 2008, 01:11:57 pm
Citação de: "Typhonman"
Penso que todos os C-295 vão ficar no Montijo....


Pode ter a certeza.
Título:
Enviado por: pmdavila em Junho 25, 2008, 06:43:25 pm
C-295 vai estar este fim-de-semana na BA4, nas comemorações do dia da Força Aérea. Informação via 9Gs (já que há inércia por estes lados...  :P )

Mas por que raio é que tinha que ficar em Coimbra até fins de Julho...
Título:
Enviado por: jmg em Junho 26, 2008, 11:56:32 am
Aguarda-se a reportagem fotográfica de algum forista que tenha a sorte de estar presente. :)
Título:
Enviado por: pmdavila em Junho 27, 2008, 10:41:19 pm
Eis a máquina!!! :D

(http://img120.imageshack.us/img120/5503/c295m0001fb2.jpg) (http://http)
Título:
Enviado por: komet em Junho 28, 2008, 12:22:00 am
Quem é o gajo a espreitar na penultima janela? O emplastro?  :lol:
Título:
Enviado por: jmg em Junho 28, 2008, 11:25:35 am
Não sei se não preferia vê-lo com a pintura verde tipo aviocar... :wink:
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 28, 2008, 12:18:20 pm
Citação de: "jmg"
Não sei se não preferia vê-lo com a pintura verde tipo aviocar... :cry:
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 28, 2008, 11:02:40 pm
eu gostei ve-lo desta cor..
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 29, 2008, 12:41:24 am
Citação de: "jmg"
Não sei se não preferia vê-lo com a pintura verde tipo aviocar... :wink:

Apenas as unidades destinadas ao patrulhamento marítimo vão estar pintadas desta cor; os C-295 de transporte continuarão com a pintura "tipo Aviocar". Pelo menos, é o que ouvi dizer, não sei se esta fotografia é real ou se foi modificada:

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/C295Pers.jpg)
Título:
Enviado por: jmg em Junho 29, 2008, 10:31:31 am
Citação de: "ShadIntel"
Citação de: "jmg"
Não sei se não preferia vê-lo com a pintura verde tipo aviocar... :wink:
Apenas as unidades destinadas ao patrulhamento marítimo vão estar pintadas desta cor; os C-295 de transporte continuarão com a pintura "tipo Aviocar". Pelo menos, é o que ouvi dizer, não sei se esta fotografia é real ou se foi modificada:

(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/C295Pers.jpg)


Assim já parece um Guerreiro.
Claro que é a minha opinião pessoal e gostos não se discutem.
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 29, 2008, 12:53:13 pm
Citação de: "jmg"
(http://i265.photobucket.com/albums/ii233/AngusTSC/C295Pers.jpg)

Assim já parece um Guerreiro.
Claro que é a minha opinião pessoal e gostos não se discutem.


Eu também gosto do camuflado, mas de certeza que este é um dos nossos? É que há outros paises que tem C295 parecidos.

(http://www.airliners.net/aviation-photos/middle/4/5/5/1057554.jpg)

C295 da Argélia
Título:
Enviado por: pmdavila em Junho 29, 2008, 01:17:59 pm
Aquele não é dos nossos, basta olhar para o focinho  :wink:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 29, 2008, 02:10:14 pm
Hoje foi à BA1 - Sintra e um piloto de Aviocar da Esquadra "Cientistas" confirmou que todos os C-295 portugueses serão cinzentos...
Título:
Enviado por: ShadIntel em Junho 29, 2008, 02:39:16 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Hoje foi à BA1 - Sintra e um piloto de Aviocar da Esquadra "Cientistas" confirmou que todos os C-295 portugueses serão cinzentos...

Parece que fui enganado pela capa da revista Pista Livre  :? :

http://www.pistalivre.net/e-books.html (http://www.pistalivre.net/e-books.html)
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 29, 2008, 03:12:09 pm
Citação de: "pmdavila"
Aquele não é dos nossos, basta olhar para o focinho  :wink:


Pois eu sei que o C295 cinzento tem um nariz diferente, mas podia acontecer que sendo esse da versão de vigilancia maritima e a versão de transporte de camuflado. eles terem radares diferentes e logicamente narizes diferentes.

Mas como já foi dito eles vão ser todos cinzentos por isso esse C295 cinxento português pode muito bem ser da versão de transporte e não haver radares nem narizes diferentes uns dos outros.
Título:
Enviado por: jmg em Junho 29, 2008, 06:39:10 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Hoje foi à BA1 - Sintra e um piloto de Aviocar da Esquadra "Cientistas" confirmou que todos os C-295 portugueses serão cinzentos...

:(
Talvez com um novo CEMFA isto mude, ou se me conseguirem convencer que ao nível táctico e operacional o cinza é vantajoso, nesse caso que remédio senão render-me.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 29, 2008, 09:12:53 pm
c34x
Título:
Enviado por: jmg em Junho 29, 2008, 09:29:48 pm
O aviocar pode aterrar e levantar voo de pistas improvisadas de terra batida e se necessário ficar abrigado/camuflado junto à vegetação, o que pode explicar o camuflado. Talvez o C-295 não tenha essa capacidade de operar desde pistas improvisadas....
Título:
Enviado por: typhonman em Junho 29, 2008, 09:51:54 pm
Citação de: "jmg"
O aviocar pode aterrar e levantar voo de pistas improvisadas de terra batida e se necessário ficar abrigado/camuflado junto à vegetação, o que pode explicar o camuflado. Talvez o C-295 não tenha essa capacidade de operar desde pistas improvisadas....


Tem sim, mas todos os utilizadores europeus de C-295 operam com ele cinzento. Cada vez mais vão ser usados para transporte logistico.
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 30, 2008, 10:01:22 am
Seja qual for a cor, não deixa de ser um bom avião e um excelente substituto aos aviocar :wink:  contudo prefiro o cinzento, não nos esqueçamos que existem mais avioes da FAP com esta cor, os P3, os F-16, penso que os avioes da FAP deveriam ser todos pintados desta cor incluindo os Merlin, os avioes não precisao de camuflagem pois nao existe vegetação nos ceus, contudo penso e isso ja foi posto em pratica na Guerra do Ultramar os avioes serem pintados com uma cor especial que diminuia a assinatura destes aos radoares inimigos, pois reflectia a onda electromagnetica dos radares dificultando a sua localização, algum camarada sabe explicar melhor este tipo de cor?
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 30, 2008, 10:19:11 am
Então vá dizer aos israelitas que não há areia no ceu :lol:  :lol:
(http://www.uncorrelated.com/images/israel_f16_masada.jpg)
(http://www.hyscience.com/F-15-E-Israel-1-2.jpg)
(http://k41.pbase.com/u17/emielbonte/large/42310466.IsraeliC1303182.jpg)

Penso que tudo se resume a, se olharem para o avião em voo de baixo para cima vão ver azul, se olharem do avião de cima para baixo vão ver, areia, vegetação, etc, etc, etc

Mas nem sei se ainda será eficiente com os actuais meios de detecção, pois os Americanos na guerra do vietname usavam pintura camuflado nos aviões todos e actualmente é tudo cinzento.
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 30, 2008, 10:26:42 am
Não me fio muito nessa técnica, os radares detectam pequenos pontos no ecra idependentemente a sua pintura, actualmente e a exempo um F16MLU portugues detecta avioes ou outro tipo de aeronaves a mais de 90km de distancia podendo disparar os seus misseis para la do alcance visual do piloto, o mesmo acontece com os modernos sistemas AA, acho que se deve apostar numa pintura especial de modo a atenuar a assinatura dos avioes perante os radares e não debater gosto pela pintura cinzenta ou camuflagem, é a minha opiniao. :wink:
Título:
Enviado por: komet em Junho 30, 2008, 11:19:13 am
Não se esqueça que também importa esconder os aviões quando estão em terra... onde são mais vulneráveis. Isto é especialmente importante quando a força aérea em questão não domina os céus (nunca é o caso dos americanos).
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 30, 2008, 11:33:06 am
Nada escapa às potentes objectivas dos satélites espioes, talves na Serra da Estrela se possa la construir um enorme BUNKKER que caibam la todos os habitantes de Portugal, porque se não conseguimos defender o que é nosso mais vale deixar roubar do que sermos extreminados.
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 30, 2008, 02:17:09 pm
Citação de: "Instrutor"
Nada escapa às potentes objectivas dos satélites espioes, talves na Serra da Estrela se possa la construir um enorme BUNKKER que caibam la todos os habitantes de Portugal, porque se não conseguimos defender o que é nosso mais vale deixar roubar do que sermos extreminados.


Nah que exagero, fazíamos guerra de guerrilha e ponhamos qualquer gaijo daqui para fora num instante.. alias que eu saiba até hoje só uma vez é que ganharam contra este tipo de guerra..
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 30, 2008, 02:59:49 pm
EHEHEHEHEEH  :lol: estava a brincar, claro que se estivessemos a enfrentar um inimigo teoricamente mais forte e bem equipado num cenario altamente improvavel recorreriamos a uma guerra de guerrilha em ultimo recurso, avançavam primeiro a forças da BRILig e BrigMec, Força Aérea, se isso não garantisse a nossa defesa entravam em combate as Forças Especiais OE´s, DAE e Forças de Choque Comandos, Paras e Fuzileiros numa guerra de guerrilha, sabotagem, contra-informação e os mais de 300 mil caçadores existentes no pais a GNR e PSP tinham por missão garantir a evacuação dos cidadaos para locais mais ou menos seguros. Ah e faziamos valer a nossa posição da NATO. Venham eles quem vier morrem ás maos dos portugueses.
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 30, 2008, 03:02:25 pm
mas continuando o tópico o mais importante é termos os avioes de que cor forem, tomara eu que a Força Aéria tivesse uns 30 ou 40 F-22 Raptores pintados de cor de rosa, o que é importante é a maquina e nao a cor.
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 30, 2008, 09:59:43 pm
Citação de: "Instrutor"
EHEHEHEHEEH  :lol: estava a brincar, claro que se estivessemos a enfrentar um inimigo teoricamente mais forte e bem equipado num cenario altamente improvavel recorreriamos a uma guerra de guerrilha em ultimo recurso, avançavam primeiro a forças da BRILig e BrigMec, Força Aérea, se isso não garantisse a nossa defesa entravam em combate as Forças Especiais OE´s, DAE e Forças de Choque Comandos, Paras e Fuzileiros numa guerra de guerrilha, sabotagem, contra-informação e os mais de 300 mil caçadores existentes no pais a GNR e PSP tinham por missão garantir a evacuação dos cidadaos para locais mais ou menos seguros. Ah e faziamos valer a nossa posição da NATO. Venham eles quem vier morrem ás maos dos portugueses.


esqueceu-se da nossa arma mais potente, a Padeira.. (na brincadeira)

ONTOPIC: vi num site qualquer um f18 da USAF com as "mesmas" cores que esse israelita..
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 30, 2008, 10:07:08 pm
Citação de: "Naadjh"
ONTOPIC: vi num site qualquer um f18 da USAF com as "mesmas" cores que esse israelita..


A USAF não tem F-18, nem mesmo F/A-18 :arrow: http://usadvair.hobbyvista.com/f-18/vfc-13%20007.jpg (http://usadvair.hobbyvista.com/f-18/vfc-13%20007.jpg)
 :arrow: http://farm1.static.flickr.com/168/4692 ... 1fbc_o.jpg (http://farm1.static.flickr.com/168/469244566_e6c0b91fbc_o.jpg)
Título:
Enviado por: Naadjh em Junho 30, 2008, 10:11:12 pm
Ah ok é isso mesmo
Acho que estava em missão no Afeganistão..

cumps e obrigado pelas explicação e imagens :)
Título:
Enviado por: LuisC em Junho 30, 2008, 10:35:54 pm
Provavelmente vou dizer uma patetice, mas julgo que a opção pela cor cinza, quer nos CN-295M quer noutras aeronaves, pode ter a ver também com a questão dos custos…é mais fácil e consequente mais barato pintar uma aeronave numa só cor do que em três ou quatro tons conjugados numa pintura camuflada.


Cumps
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 01, 2008, 11:25:25 am
Citação de: "Naadjh"
Ah ok é isso mesmo
Acho que estava em missão no Afeganistão..

cumps e obrigado pelas explicação e imagens :)


A missão da esquadra agressor não é de combate, eles são uma esquadra de instrução, são treinados em tacticas russas, dessa maneira os pilotos das outras esquadras tem um treino mais real quando combatem contra eles.

(http://users.skynet.be/exotic.planes/pictures/schemes/don-color/f18/f18brown.jpg)

Nos EUA também há deserto.


(http://www.topgunphotography.net/photos/albums/Upload/Nellis/Static_44_Aggressor.jpg)
Título:
Enviado por: tyr em Julho 01, 2008, 04:18:51 pm
A pintura é mais importante do que o pessoal julga, num conflito de alta intensidade (contra um adeversario equivalente), os radares possivelmente não servirão para nada (empastelamento de alta potencia de todas as frequencias radio, deixaria todos os radares inops).
para alem de um bom piloto conseguir fugir aos radares usando mascaramento do solo.
Agora se suspeitamos que o IN nos consegue ver de cima, nunca pintaremos os nossos aviões com a parte superior cinza,pois torna se mais facilmente referenciavel contra o solo.
um avião de transporte a helice, nunca ira voar muito alto, para alem de se tem como missão abastecer pessoal no solo (no TO), ira estar muita vezes nele.

Acho que se for verdade a pintura cinza, deve se com um de 3 factores:
Economico (é mais barato uma só cor), Moda (se os americas pintam cinza, nós fazemos o mesmo) ou então porque não se espera sua utilização em cenarios onde não tenhamo supremacia aerea (quando digo nós digo NATO/ONU)
Título:
Enviado por: papatango em Julho 01, 2008, 04:42:56 pm
A pintura é muito importante, quando estamos perante um inimigo com capacidade para por em causa os «nossos» sistemas electrónicos de identificação de potênciais alvos.

Parte das aeronaves C-295 vão ser utilizadas sobre o mar. Os P-3 também estão pintados com cores adequadas a esse ambiente.

Ao contrário do C-27J, que foi desenhado para operar junto ao campo de batalha o C-295, tem essa capacidade no catálogo, mas na realidade não +e exactamente assim.

Vejam o que aconteceu ao C-295 quando no Brasil o colocaram a substituir o Buffalo.

O C-295 é uma avião mais «tranquilo» para missões menos exigentes, a sua utilização em cenários onde a camuflagem seja importante é provavelmente pouca.

Em teoria numa situação de necessidade, parte das missões dos antigos Aviocar pode ser feito por aeronaves EH-101. Em tempo de paz, como sabemos,  o EH-101 não pode substituir coisa nenhuma. Por um lado tem um custo de operação caríssimo, por outro lado, err... coff. coff. parece que...
...não voa ... :mrgreen:


Cumprimentos
Título:
Enviado por: Instrutor em Julho 01, 2008, 05:20:01 pm
Sim tem lógica e ouvindo os carissimos camaradas mais conhecedores destas temáticas agora percebo a importancia da cor, contudo entao torna-se necessário pintar os nossos F-16 de camuflado como os restantes avioes excepto os P3 e C295 de cinza azulado para operarem no mar, contudo a uns dias atras falei de uma tinta pespecial usada pelos nossos <Fiat G-91 na guerra de africa no qual essa tinta especial diminuia a assinatura da aeronave nos radares e causa problemas na fixação de misseis AA contra as nossas aeronaves. Algum camarada sabe de mais alguma coisa?
Título:
Enviado por: jmg em Julho 01, 2008, 05:53:48 pm
Citação de: "tyr"
A pintura é mais importante do que o pessoal julga, num conflito de alta intensidade (contra um adeversario equivalente), os radares possivelmente não servirão para nada (empastelamento de alta potencia de todas as frequencias radio, deixaria todos os radares inops).
para alem de um bom piloto conseguir fugir aos radares usando mascaramento do solo.
Agora se suspeitamos que o IN nos consegue ver de cima, nunca pintaremos os nossos aviões com a parte superior cinza,pois torna se mais facilmente referenciavel contra o solo.
um avião de transporte a helice, nunca ira voar muito alto, para alem de se tem como missão abastecer pessoal no solo (no TO), ira estar muita vezes nele.

Acho que se for verdade a pintura cinza, deve se com um de 3 factores:
Economico (é mais barato uma só cor), Moda (se os americas pintam cinza, nós fazemos o mesmo) ou então porque não se espera sua utilização em cenarios onde não tenhamo supremacia aerea (quando digo nós digo NATO/ONU)


Conseguiu traduzir o meu pensamento yu23x1
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 01, 2008, 08:43:56 pm
Citação de: "Instrutor"
Sim tem lógica e ouvindo os carissimos camaradas mais conhecedores destas temáticas agora percebo a importancia da cor, contudo entao torna-se necessário pintar os nossos F-16 de camuflado como os restantes avioes excepto os P3 e C295 de cinza azulado para operarem no mar, contudo a uns dias atras falei de uma tinta pespecial usada pelos nossos <Fiat G-91 na guerra de africa no qual essa tinta especial diminuia a assinatura da aeronave nos radares e causa problemas na fixação de misseis AA contra as nossas aeronaves. Algum camarada sabe de mais alguma coisa?

Citar
Os FIAT foram pintados com uma tinta especial que se detinava a reduzir a assinatura do avião e deixá-lo menos visível aos misseis


http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/A ... &P=77&R=FA (http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/Aer.aspx?nn=28&P=77&R=FA)

É capaz de haver textos mais completos, é uma questão de procurar.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 01, 2008, 09:02:37 pm
Citação de: "Instrutor"
Sim tem lógica e ouvindo os carissimos camaradas mais conhecedores destas temáticas agora percebo a importancia da cor, contudo entao torna-se necessário pintar os nossos F-16 de camuflado como os restantes avioes excepto os P3 e C295 de cinza azulado para operarem no mar, contudo a uns dias atras falei de uma tinta pespecial usada pelos nossos <Fiat G-91 na guerra de africa no qual essa tinta especial diminuia a assinatura da aeronave nos radares e causa problemas na fixação de misseis AA contra as nossas aeronaves. Algum camarada sabe de mais alguma coisa?


A uns anos atras pensou-se em "pintar" a 2º esquadra de F-16 com as cores do A-7P, pois esta estaria vocacionada para o ataque ao solo. Mas depois concordou-se em manter as 2 esquadras a "cinza".
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 01, 2008, 10:33:34 pm
Citação de: "Typhonman"
A uns anos atras pensou-se em "pintar" a 2º esquadra de F-16 com as cores do A-7P, pois esta estaria vocacionada para o ataque ao solo. Mas depois concordou-se em manter as 2 esquadras a "cinza".


Podiam era ter pintado as duas esquadras  :lol: .

Mas já foi mais que discutido que não há esquadra mais vocacionada para ataque e outra mais vocacionada para caça, porque além da designação numérica (201 caça e 301 ataque) não há diferença nenhuma entre as duas esquadras, as missões são exactamente as mesmas uma e da outra e irão ter exactamente o mesmo avião (F-16 MLU).
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 01, 2008, 10:38:16 pm
Exactamente , o actual camuflado em tres tons cinza em voo a baixa altitude em terreno com vegetação ate se confunde bastante bem.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 01, 2008, 11:26:29 pm
Citação de: "Lightning"

Mas já foi mais que discutido que não há esquadra mais vocacionada para ataque e outra mais vocacionada para caça, porque além da designação numérica (201 caça e 301 ataque) não há diferença nenhuma entre as duas esquadras, as missões são exactamente as mesmas uma e da outra e irão ter exactamente o mesmo avião (F-16 MLU).


Não há diferença nas missões, mas há diferenças nas horas de voo que cada piloto dedica a determinadas missões, conforme a Esquadra em que está integrado, certo? Por exemplo, os pilotos da 201 "Falções" treinam 70% do tempo em missões de Defesa Aérea e 30% em missões de Ataque ao Solo e TASMO e os pilotos da 301 "Jaguares" treinam 30% do tempo em missões de Defesa Aérea e 70% em missões de Ataque ao Solo e TASMO.
Título:
Enviado por: P44 em Julho 02, 2008, 08:47:40 am
Citação de: "LuisC"
Provavelmente vou dizer uma patetice, mas julgo que a opção pela cor cinza, quer nos CN-295M quer noutras aeronaves, pode ter a ver também com a questão dos custos…é mais fácil e consequente mais barato pintar uma aeronave numa só cor do que em três ou quatro tons conjugados numa pintura camuflada.


Cumps


pois...e já agora se virmos , na Europa, praticamente só a FAP é que tem a mania de querer confundir os aviões/helis com um prato de azeitonas c34x

Deixem lá os C-295 serem cinzas!
Título:
Enviado por: tyr em Julho 02, 2008, 11:10:28 am
p44, os nossos aviões têm um padrão adaptado à nossa paisagem natural, que quem ja foi a outros paises (exepção feita a alguns paises mediterranicos), sabe que é diferente.

os F16, têm a cor adaptada a sua missão, sendo um avião preparado para combate aereo e de alta velocidade, a parte superior camuflada apresenta vantagens em algumas situações, mas desvantagem em outras (e pesando a balança acho que a opção do cinza foi de longe a melhor).

Na cor dos aviões ninguem aqui do forum tem voto, por isso podemos dizer o que queremos :P , mas na minha opinião, se exeptuarmos as versões de Fiscalisação, a cor cinza não é a melhor opção.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 02, 2008, 05:39:08 pm
Citação de: "P44"
pois...e já agora se virmos , na Europa, praticamente só a FAP é que tem a mania de querer confundir os aviões/helis com um prato de azeitonas :lol:  (mas eles não são exemplo para ninguém)

http://upload.wikimedia.org/wikipedia/c ... in%29.JPEG (http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/3a/C-130_Hercules_%28Spain%29.JPEG)

PS: não coloquei a foto porque é muito grande
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 02, 2008, 10:38:42 pm
Algumas fotos do C-295:

 :?
Título:
Enviado por: P44 em Julho 03, 2008, 09:15:04 am
segundo vi ontem num noticiario, o 1º C295 chega já este mês?  :D
Título:
Enviado por: nelson38899 em Julho 03, 2008, 09:25:55 am
Visto que o nosso moderador não quer dar ao trabalho. E como eu acho que sendo isto um fórum aberto onde qualquer pessoa possa ver, sendo assim e ajudando à divulgação das nossas forças armadas, aqui fica uma foto do C295 no Açores.

(http://img53.imageshack.us/img53/5098/dsc0096ph8aa9.jpg) (http://http)

fonte: www.falcoes.net (http://www.falcoes.net)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Julho 03, 2008, 03:17:07 pm
Citação de: "nelson38899"
Visto que o nosso moderador não quer dar ao trabalho


Pois é sou um "calinas" :roll:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Julho 03, 2008, 03:23:55 pm
Não tem nada a ver com isso, não sei se reparaste mas há uns tempos, ouve pessoas a reclamar dentro do fórum, porque anda alguém a usar as fotos sem mostrar de onde vem, como tal indicando a fonte do qual foi retirado a imagem, não vejo qual é o problema de mostrar as fotos às pessoas que não são desse fórum.
Título:
Enviado por: Ricardo Nunes em Julho 04, 2008, 09:09:17 am
Convém salientar que o autor da referida foto foi o Mário Diniz.

Um abraço,
Título:
Enviado por: Instrutor em Julho 04, 2008, 11:15:02 am
Algum dos camaradas me pode dizer se estes avioes vao ter capacidades de serem armados, tipo o P3? Se sim que tipo de armamento podem usar, na configuração do aviao ele tem cerca de 6 suportes para armas.
Título:
Enviado por: P44 em Julho 04, 2008, 11:32:25 am
http://pt.wikipedia.org/wiki/Casa_C-295 (http://pt.wikipedia.org/wiki/Casa_C-295)

http://en.wikipedia.org/wiki/CASA_C-295 (http://en.wikipedia.org/wiki/CASA_C-295)

http://www.airforce-technology.com/projects/c295/ (http://www.airforce-technology.com/projects/c295/)

 :wink:
Título:
Enviado por: Instrutor em Julho 04, 2008, 11:37:41 am
Obrigado P44 mas nao indica se a FAP vai armar os 295M com algum al«rmamento tipo P3
Título:
Enviado por: P44 em Julho 04, 2008, 11:39:02 am
Citação de: "Instrutor"
Obrigado P44 mas nao indica se a FAP vai armar os 295M com algum al«rmamento tipo P3


suponho que não visto que as missões serão as até agora efectuadas pelos Aviocar :?
Título:
Enviado por: Instrutor em Julho 04, 2008, 11:45:01 am
Concerteza caro P44 mas estes avioes bem podem tambem ser um complemento aos P3 assim como vao ser aos Hércules.
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 04, 2008, 04:35:49 pm
Em missões de transporte táctico poderá levar o pod ALQ-131, ECM.
Título:
Enviado por: Lightning em Julho 04, 2008, 05:14:58 pm
O avião pode ser equipado com esse pod de guerra electrónica dependendo da ameaça possivel num determinado local, mas armas não irá ter, nem na versão de transporte, nem na versão de vigilancia maritima, não vai andar a largar torpedos nem harpoons.
Título:
Enviado por: Naadjh em Julho 04, 2008, 09:32:51 pm
Citação de: "Lightning"
A missão da esquadra agressor não é de combate, eles são uma esquadra de instrução, são treinados em tacticas russas, dessa maneira os pilotos das outras esquadras tem um treino mais real quando combatem contra eles.

http://users.skynet.be/exotic.planes/pi ... 8brown.jpg (http://users.skynet.be/exotic.planes/pictures/schemes/don-color/f18/f18brown.jpg)

Nos EUA também há deserto.


http://www.topgunphotography.net/photos ... ressor.jpg (http://www.topgunphotography.net/photos/albums/Upload/Nellis/Static_44_Aggressor.jpg)


obrigado Lightning  :)
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 04, 2008, 10:21:35 pm
Citação de: "Lightning"
O avião pode ser equipado com esse pod de guerra electrónica dependendo da ameaça possivel num determinado local, mas armas não irá ter, nem na versão de transporte, nem na versão de vigilancia maritima, não vai andar a largar torpedos nem harpoons.


Exacto.
Título:
Enviado por: jmg em Julho 04, 2008, 10:54:35 pm
Penso que é como tudo.
Quando um avião se torna demasiado polivalente acaba por não ser bom em nada.
Para avião armado eu gosto do c 130 spectre.
http://br.youtube.com/watch?v=iXugkIQj14g (http://br.youtube.com/watch?v=iXugkIQj14g)
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Setembro 17, 2008, 12:30:42 am
http://www.flightglobal.com/articles/2008/09/15/315879/picture-saab-unveils-c-295-erieye-concept.html

Sonhar é tão bom!
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 20, 2008, 02:39:15 pm
(http://cdn-www.airliners.net/aviation-photos/photos/0/1/5/1399510.jpg)

http://www.airliners.net/photo/Portugal ... 1399510/L/ (http://www.airliners.net/photo/Portugal---Air/CASA-C-295M/1399510/L/)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Setembro 27, 2008, 05:31:15 pm
Citar
Entrevista do  CEMFA ao Diário Insular
Qual o ponto da situação referente à substituição dos aviões Aviocar C-212 por novos CASA C-295?

Vamos receber até ao final do ano quatro aviões C-295 e depois vamos receber, periodicamente, os restantes oito aparelhos.
Mas não tenham pressa que o Aviocar saia de serviço, porque está a cumprir bem a sua missão e se tivermos pressa se calhar daqui a algum tempo o avião tem que voltar cá.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Outubro 13, 2008, 11:24:36 pm
boas

de acordo com o Miguel Silva Machado do fórum 9Gs

(http://img159.imageshack.us/img159/3694/c295dn13out08ib8.th.jpg) (http://http)

Ps. Não é necessário ir perguntar a fórum estrangeiros, sobre Portugal, aqui também se dá a resposta as perguntas
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 06, 2008, 07:46:12 pm
Citar
Entrando a la 27 para hacer un vuelo de prueba, un rato despues volvio con la averia del motor izquiero parado.
:roll:

(http://www.aviationcorner.net/public/photos/9/5/avc_00092695.jpg)

 :arrow: http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=92695 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=92695)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Novembro 14, 2008, 05:08:35 pm
Do debate ficou ainda o anúncio de que a Força Aérea receberá na próxima semana o primeiro de doze aviões C-295, que substituirão os Aviocar

http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Naciona ... id=1043934 (http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Nacional/Interior.aspx?content_id=1043934)
Título:
Enviado por: Silent_Storm em Novembro 15, 2008, 02:31:39 am
Não querendo enganar ninguém, julgo ter avistado hoje, duas destas aeronaves no cone de aterragem do AT1  :roll:
Título:
Enviado por: pedro em Novembro 17, 2008, 06:15:43 pm
Ola pessoal novas noticias

Espana entrega a portugal un avión como los que opera en chad
12:16 - 17/11/2008 Puntúa la noticia :  
Nota de los usuarios: 8.0 (1 votos)
MADRID, 17 (SERVIMEDIA) La ministra de Defensa, Carme Chacón y el ministro de Defensa portugués, Nuno Severiano Teixeira, presidirán mañana en la factoría de EADS-CASA de Getafe (Madrid) la entrega de un avión C-295 al Ejército del Aire luso.

A la entrega asistirán, entre otras autoridades civiles y militares, Carlos Suárez, Presidente de EADS-CASA, Luis Cuesta, secretario general de Política de Defensa y el general Francisco José Jiménez Ruiz, jefe del Estado Mayor del Aire.

El avión que se le entrega al Ejército luso es igual que los dos que España mantiene desplegados en el contingente que opera en la base Camp Europa en Yamena (Chad).

(SERVIMEDIA) 17-NOV-2008 MML/isp


Fonte: http://ecodiario.eleconomista.es/espana ... -chad.html (http://ecodiario.eleconomista.es/espana/noticias/866735/11/08/Espana-entrega-a-portugal-un-avion-como-los-que-opera-en-chad.html)

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 17, 2008, 09:59:53 pm
Citação de: "pedro"
presidirán mañana en la factoría de EADS-CASA de Getafe (Madrid) la entrega de un avión C-295 al Ejército del Aire luso.


Mete um bocado de impressão c34x .
Título:
Enviado por: P44 em Novembro 18, 2008, 09:46:50 am
Citar
Sociedade

Defesa
 18-11-2008 7:36

Força Aérea recebe novo avião

 
A Força Aérea Portuguesa recebe hoje a primeira de 12 aeronaves C-295 compradas a Espanha e que vão substituir os antigos aviocar.


O ministro da Defesa e o chefe de Estado-Maior da Força Aérea deslocam-se pessoalmente a Madrid para receber o primeiro avião de transporte táctico. O negócio de aquisição está avaliado em 275 milhões de euros e está previsto na lei de programação militar.

Até final do ano vão chegar mais duas aeronaves, em 2009 a Força Aérea recebe mais sete e em 2010 os restantes dois aparelhos. O contrato de aquisição vale 275 milhões de euros e inclui todos os equipamentos, produtos e serviços associados.

Este contrato com o consórcio espanhol EADS foi assinado em Fevereiro de 2006 pelo então ministro da Defesa Luís Amado. O negócio inclui a construção da fuselagem da aeronave na OGMA - Indústria Aeronáutica de Portugal em Alverca e já se encontra em plena execução.

Das 12 aeronaves compradas, sete vão estar configuradas para transporte táctico e as restantes para vigilância e patrulha marítima.

Com capacidade para 71 tropas equipados e 9 250 quilos de carga, estes aviões representam um aumento de capacidade face ao seu antecessor, o aviocar C-212.
A aeronave c-295 é operada actualmente por onze Forças Áreas em todo o mundo.

Nesta deslocação, Nuno Severiano Teixeira, vai manter uma reunião bilateral com a ministra da Defesa Espanhola, Carmen Chacón, que também vai estar presente na cerimónia de entrega da aeronave.



AC/Ana Rodrigues

Link desta notícia: http://www.rr.pt/InformacaoDetalhe.aspx ... tId=267272 (http://www.rr.pt/InformacaoDetalhe.aspx?AreaId=11&ContentId=267272)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Novembro 18, 2008, 11:58:57 am
Citar
Ministro da Defesa recebe primeira aeronave C-295M

O Ministro da Defesa Nacional, Nuno Severiano Teixeira, preside, dia 18 de Novembro, pelas 11 horas, à cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa (FAP). A cerimónia terá lugar na base militar de Getafe, em Madrid.      

O Programa de aquisição dos C-295M, inscrito na Lei de Programação Militar tem como finalidade dotar a FAP de aeronaves modernas, com elevada capacidade e versatilidade de emprego operacional e níveis adequados de segurança e protecção.

Para equipar a FAP, Portugal adquiriu 12 Aeronaves de Transporte Táctico, das quais cinco na configuração de Vigilância Marítima, à aeronáutica espanhola EADS-CASA, Construcciones Aeronáuticas. A frota C-295M irá substituir progressivamente a frota de C-212 Aviocar. As capacidades de carga e de alcance da aeronave C-295M mais do que triplicam relativamente às do seu antecessor C-212 Aviocar. O C-295M fez o seu primeiro voo em 1998, e é operado actualmente por 11 Forças Aéreas em todo o Mundo.

Nesta deslocação a Getafe, o Ministro da Defesa, Nuno Severiano Teixeira, deverá manter uma reunião bilateral com a Ministra da Defesa Espanhola, Carme Chacón Piqueras , presente na cerimónia de entrega da aeronave.

O Ministro da Defesa estará de regresso a Lisboa ao final da tarde.
Programa:

11h00 – Cerimónia de entrega do C-295M, Base Militar de Getafe, Madrid

1 2h00 – Visita à Aeronave  

12h30 – Encontro bilateral com a Ministra da Defesa de Espanha
http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/n ... N_C295.htm (http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/notas/2008112008_MDN_C295.htm)
Título:
Enviado por: U209PN em Novembro 19, 2008, 10:21:29 am
Jà temos video da entrega do 1 C295M...

http://fr.youtube.com/watch?v=Hkwsjux7C3U

 :Palmas:
Título:
Enviado por: P44 em Novembro 19, 2008, 10:49:48 am
EADS-PRESS RELEASE

Citar
Press Release
EADS Military Transport Aircraft Division delivers the first C-295 aircraft to Portugal

Madrid, November 18, 2008 – EADS Military Transport Aircraft has delivered today the first of twelve (12) military transport aircraft C-295 to Jorge Rolo, Chairman of DEFAERLOC (State owned company in charge of procuring defence material for Portugal) ordered by the Portuguese Air Force in February 2006. The Portuguese Defence Minister, Nuno Severiano Teixeira, and the Spanish Defence Minister, Carme Chacón, attended the ceremony.

Seven (7) of the aircraft will have military transport configuration and five (5) will be equipped for maritime surveillance missions (VIMAR version) with FITS, a mission system entirely developed by EADS CASA. The VIMAR aircraft can be rapidly adapted to the transport configuration.
These twelve aircraft will replace the fleet of Aviocar C-212, also supplied by former CASA, which have been operating satisfactorily since the 1970’s.

Starting today, one aircraft will be delivered every one and a half month approximately, until the total of 12 units is reached. The transport aircraft will be supplied first and the maritime surveillance aircraft thereafter.
EADS MTAD will also provide “Full In-Service Support” for these aircraft, for a minimum period of 5 years.

Likewise, an industrial cooperation agreement between EADS MTAD and the CPC (Permanent Counterparties Committee) was signed in February 2006, by means of which EADS MTAD will provide support to Portugal's aeronautical industrial development.

EADS is a global leader in aerospace, defence and related services. In 2007, EADS generated revenues of € 39.1 billion and employed a workforce of about 116,000. The Group includes the aircraft manufacturer Airbus, the world's largest helicopter supplier Eurocopter and EADS
Astrium, the European leader in space programmes from Ariane to Galileo. Its Defence & Security Division is a provider of comprehensive systems solutions and makes EADS the major partner in the Eurofighter consortium as well as a stakeholder in the missile systems provider MBDA. EADS also develops the A400M through its Military Transport Aircraft Division.

www.eads.net (http://www.eads.net)
Título:
Enviado por: legionario em Novembro 19, 2008, 09:14:24 pm
Parabens à FAP, foi uma excelente escolha !
e com o fornecedor dos avioes mesmo aqui ao lado, nao corremos o risco de ficar com os avioes no chao por falta de peças, como tem acontecido por ai com algum outro material.
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 20, 2008, 03:44:44 pm
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118160935PTLUS9023298122702457.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118162124PTLUS9023303122702528.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118162529PTLUS9023305122702552.jpg)

(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118163603PTLUS9023306122702616.jpg)

Citar
A nova comandante da esquadra que irá ter ao serviço os C-295M, Major piloto aviador, Diná Azevedo, durante a cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa, na Base Militar de Getafe, em Madrid, 18 de Novembro de 2008. JOAO RELVAS/LUSA
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 20, 2008, 04:25:57 pm
Excelente descoberta Lancero! :wink:
Título:
Enviado por: Lancero em Novembro 20, 2008, 04:57:45 pm
Mais um vídeo

http://www.mde.es/Home (http://www.mde.es/Home)
Título:
Enviado por: HSMW em Novembro 20, 2008, 10:04:26 pm
Citação de: "Lancero"
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118163603PTLUS9023306122702616.jpg)

Citar
A nova comandante da esquadra que irá ter ao serviço os C-295M, Major piloto aviador, Diná Azevedo, durante a cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa, na Base Militar de Getafe, em Madrid, 18 de Novembro de 2008. JOAO RELVAS/LUSA


Olá....  c34x
Título:
Enviado por: Upham em Novembro 21, 2008, 02:13:26 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Lancero"
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118163603PTLUS9023306122702616.jpg)

Citar
A nova comandante da esquadra que irá ter ao serviço os C-295M, Major piloto aviador, Diná Azevedo, durante a cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa, na Base Militar de Getafe, em Madrid, 18 de Novembro de 2008. JOAO RELVAS/LUSA

Olá....  :Soldado2: Que como mulher é bem mais bonita que a ministra da defesa de Espanha. :shock:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: tyr em Novembro 21, 2008, 05:13:22 pm
é que em espanha existe uma coisa chamada ETA
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 21, 2008, 05:45:38 pm
Para além de andarem armados, nos locais públicos vê-se sempre muitos policias e seguranças (muito mais do que em Portugal).
Título:
Enviado por: Lightning em Novembro 21, 2008, 05:58:31 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "Lancero"
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118163603PTLUS9023306122702616.jpg)

Citar
A nova comandante da esquadra que irá ter ao serviço os C-295M, Major piloto aviador, Diná Azevedo, durante a cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa, na Base Militar de Getafe, em Madrid, 18 de Novembro de 2008. JOAO RELVAS/LUSA

Olá....  c34x


Só para realçar aquela parte, Comandante da esquadra 502 (esquadra que vai operar os C295).
Título:
Enviado por: P44 em Novembro 22, 2008, 12:27:50 pm
Citação de: "tyr"
é que em espanha existe uma coisa chamada ETA


também já vi na Hungria por ex. e lá não existe ETA. Que é um efeito dissuador de assaltantes lá isso é....mas tb nesses países quem dispara sobre bandidos se calhar não vai preso....  :roll:
Título:
Enviado por: João Oliveira Silva em Novembro 22, 2008, 05:59:05 pm
(http://i144.photobucket.com/albums/r173/lancero_2007/novembro/20081118163603PTLUS9023306122702616.jpg)
Citar
A nova comandante da esquadra que irá ter ao serviço os C-295M, Major piloto aviador, Diná Azevedo, durante a cerimónia de recepção da primeira aeronave C-295M, entregue à Força Aérea Portuguesa,

É bom ser português.
Excelente avião que pertence a uma esquadra comandada por uma portuguesa linda.
A farda fica-lhe excelentemente bem, torna melhor o que por si já é bonito.
A TAP também tem pilotos lindas e já me tenho cruzado com algumas no aeroporto. Mas a farda da TAP fica-lhes horrivel,  não lhes cai nada bem, mais parecendo fardas de pilotos homens que se reformaram e que elas herdaram.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 23, 2008, 09:50:02 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/8/6/avc_00095586.jpg)

 :arrow: http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=95586 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=95586)
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 06, 2009, 04:15:18 pm
Boa tarde,

Alguém me sabe dizer se Portugal já tem no mínimo três c295m? È que estava agora eu sossegadinho a estudar processo civil, e assustei me com três aviões militares de transporte a voar bem baixo, as voltas (3) sobre a minha casa (devem andar a vigiarem-me  :lol: ) E pareciam-e grandes de mais para serem c112 aviocar! E pela silhueta não me pareciam c-130 também... Puseram a bicharada cá do bairro toda ao barulho! Ainda tirei uma foto, ficou foi um pouco de longe, não sei se da para ver bem mas vou posta-la.

PS: Estou em Barcelos.
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 06, 2009, 04:31:31 pm
Aqui estão os bichos:

(http://img145.imageshack.us/img145/407/dsc01307gz1.th.jpg) (http://http)

Desculpem a qualidade, é que quando fui buscar a máquina ja eles estavam longe...
(Cliquem na imagem para ela aumentar, não consegui por-la de forma diferente)

Saudações
Título:
Enviado por: Arkkkangel em Janeiro 06, 2009, 07:51:20 pm
Citação de: "Cláudio C."
Aqui estão os bichos:

(http://img145.imageshack.us/img145/407/dsc01307gz1.th.jpg) (http://http)

Desculpem a qualidade, é que quando fui buscar a máquina ja eles estavam longe...
(Cliquem na imagem para ela aumentar, não consegui por-la de forma diferente)

Saudações


Boas a todos. Não quero enganar ninguem, mas parecem-me C-130. É que hoje houve um funeral de um dignissimo General que faleceu no activo, sendo assim, tem direito a passagem aérea. Será isso? O funeral foi la para os lados de braga. É de investigar.

Honoramus Principia
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 06, 2009, 08:15:34 pm
Então é capaz de ter sido os c-130 Braga fica a 20km daqui...
Título:
Enviado por: Arkkkangel em Janeiro 06, 2009, 08:38:42 pm
Citação de: "Cláudio C."
Então é capaz de ter sido os c-130 Braga fica a 20km daqui...


Estive a ver a foto com mais atenção, e são de certeza 3 C-130. é inconfundivel a forma de voar destes "animais". Devem ter feito a passagem aérea ao general.
Título:
Enviado por: TaGOs em Janeiro 06, 2009, 08:38:56 pm
Eram 3 C-130 em formação que eles passaram bem baixo por Barcelos.
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 06, 2009, 10:20:31 pm
E bem que eu me assustei  :D
Título:
Enviado por: bokaido em Janeiro 07, 2009, 07:52:29 pm
Boas, por acaso como só os vi de relance a passar pelo Porto, fiquei com a sensação de só ter visto dois motores. Fiquei intrigado, era estranho se fossem 3 spartans.. Obrigado pela confirmação.
De qq das formas, tb acho meio estranho ir metade da nossa frota "só" para um funeral..

Cumpts!
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 08, 2009, 01:08:45 am
Citação de: "bokaido"
acho meio estranho ir metade da nossa frota "só" para um funeral..


Foi o funeral de um General Pilav que ainda estava no serviço activo.

Para quem não saiba um militar no serviço activo tem sempre um funeral mais "pomposo" que um do mesmo posto que já esteja na reserva ou reforma.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 08, 2009, 01:07:26 pm
Citação de: "Lightning"
Foi o funeral de um General Pilav que ainda estava no serviço activo.

Para quem não saiba um militar no serviço activo tem sempre um funeral mais "pomposo" que um do mesmo posto que já esteja na reserva ou reforma.

Tratou-se do funeral do Major-General PILAV Jorge Manuel da Silva Fernandes Lessa:

Comandante da Esq. 501 (1993-95)
Comandante da BA1 (2004-06)
Director de Pessoal da FAP (2008)
Adido da Esq. 501 / Piloto C-130H


Paz à sua alma.  :wink:
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 10, 2009, 11:54:12 am
Singrando apenas um pouco mais em off-topic, aqui fica a homenagem prestada pelo jornalista Manuel Carlos Freire no DN de anteontem, Quinta-feira 8 de Janeiro de 2009, ao falecido Major-General PILAV Jorge Lessa.  :wink:


(http://img246.imageshack.us/img246/1179/avc00100637800x600lj6.jpg) (http://http)
http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=100637 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=100637)
Título:
Enviado por: Moisés Magalhães em Fevereiro 07, 2009, 11:38:47 pm
Apesar de ser de opinião, que o C27 SPARTAN seria uma melhor solução no transporte táctico que o C295P para a FAP pelas enumeras vantagens das suas características e nomeadamente no seu raio de acção com carga máxima, mesmo este não tendo uma versão de vigilância marítima acredito que a FAP estaria muito melhor servida, no entanto;

Pergunto, se a pintura dos C295P, será cinza para todos eles, como aquele que acabamos de receber, ou os de transporte táctico terão as cores dissolutivas padrão da FAP?
Obrigado,

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 08, 2009, 11:26:55 am
Citação de: "Moisés Magalhães"
Pergunto, se a pintura dos C295P, será cinza para todos eles, como aquele que acabamos de receber, ou os de transporte táctico terão as cores dissolutivas padrão da FAP?
Obrigado,

Cumprimentos,


Cinza para todos.
Título:
Enviado por: sivispacem em Fevereiro 08, 2009, 02:01:14 pm
E alguém sabe quando efectivamente começam a chegar?

A ultima informação que tinha era que (os primeiros 3) deveriam chegar até ao final de Janeiro....
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 08, 2009, 09:27:52 pm
Para uma força aérea de apoio e não de combate, o C-295 é melhor que o C-27J.
Como não vamos para guerra nenhuma, então fica mais barato optar pelo C-295.

As aeronaves vão ficar cinzentas mesmo. É para não se confundirem com os dos espanhóis.
Título:
Enviado por: migbar2 em Fevereiro 08, 2009, 10:21:20 pm
Citação de: "papatango"
Para uma força aérea de apoio e não de combate, o C-295 é melhor que o C-27J.
Como não vamos para guerra nenhuma, então fica mais barato optar pelo C-295.

As aeronaves vão ficar cinzentas mesmo. É para não se confundirem com os dos espanhóis.





Como é que podemos saber que não vamos para guerra nenhuma, se estas aquisições são para 30 anos ??? Nem sabemos como estamos daqui a um ano quanto mais...
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 08, 2009, 10:30:23 pm
Citação de: "papatango"
Para uma força aérea de apoio e não de combate, o C-295 é melhor que o C-27J.
Como não vamos para guerra nenhuma, então fica mais barato optar pelo C-295.


Então não valia a pena os C295 virem com contra-medidas  :wink: .

A razão é simples, o Aviocar além de transporte também faz outras coisas como vigilancia maritima, por isso é lógico que o seu sucessor fique com as mesmas funções e tenha que ter as mesmas capacidades, o C-27J não tem.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 08, 2009, 10:33:03 pm
Porque da forma que a sociedade está a evoluir, rapidamente se vai explicar às pessoas que as próprias forças armadas não fazem sentido.

A maioria dos políticos não estará disposta a enviar tropas para cenários mais complicados porque isso tem custos elevados.

Porque tem custos elevados não se vai, e porque não se vai reduz-se a estrutura aos poucos.

A inabilidade dos militares para gerir os seus assuntos e o tradicional conservadorismo que se apodera das forças armadas em tempo de paz acabarão fazendo o resto.

Este é um problema dos países europeus, praticamente todos têm o mesmo problema. Mas os maiores acabarão por tomar o lugar dos mais pequenos.

Nós tendemos para um país com zero capacidade militar.
A nossa importância estratégica em termos europeus sempre foi ZERO. A importância que temos depende da nossa capacidade de controlar as águas.

Essa capacidade vai-se perdendo aos poucos, embora os C-295 neste caso sejam uma melhor opção que o C-27J.

A nossa total incapacidade militar só se notará quando houver uma crise a sério.
Título:
Enviado por: migbar2 em Fevereiro 08, 2009, 11:19:11 pm
Pois eu penso que com o fim da guerra fria isso de forças armadas não fazerem sentido ficou um pouco mais distante, a quantidade de conflitos latentes tornarem-se reais aumentou exponencialmente. Aliás as nossas forças armadas mantiveram-se longe de conflitos durante quase duas décadas e de repente iniciou-se todo um processo de participações, inclusivé unilaterais (Guiné), que objectivamente demonstraram a necessidade de se manter uma via armada para a diplomacia, aliás no extremo sem via armada não há diplomacia que resista, sendo a via armada a ultima opção.
Até hoje nenhum país, mesmo que apenas com um quinto da nossa dimensão se atreveu a abolir as forças armadas, apenas algumas nações com populações inferiores a um milhão de cidadãos, portanto sem massa critica, têm eventualmente optado por forças policiais ou guarda, mas mesmo assim não são muitos os exemplos.
 Quanto há nossa tendencia para o desarmamento, tambem não será tanto assim, já que desde há muitas décadas, muitas mesmo, que não estamos tão perto de aliados nossos, em termos de capacidade tecnica e tecnológica de intervenção, quanto nos dias de hoje. Tomando como exemplo Marrocos, o que podiam as nossas forças armadas com os seus vasos de guerra apenas artilheiros clássicos, contra patrulhas equipados de exocet e o que podiam os nossos A-7 e Fiat contra os Mirage F-1 e os F-5 e um exército maior que o de hoje mas aonde meios de visão nocturna eram quase uma miragem e aonde faltavam todo o tipo de meios de detecção e vigilancia modernos? E isto ainda era o nosso quadro geral em finais da década de oitenta! Agora sempre se pode ir fazendo qualquer coisa mais parecida com uma tentativa de defesa.
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 09, 2009, 12:34:27 am
Citação de: "papatango"
Nós tendemos para um país com zero capacidade militar.
A nossa importância estratégica em termos europeus sempre foi ZERO. A importância que temos depende da nossa capacidade de controlar as águas.

A nossa total incapacidade militar só se notará quando houver uma crise a sério.


Eu não concordo consigo, acha que há 20 anos atrás (1989) estavamos melhor? Tal como o migbar2 disse, e muito bem, a nivel de equipamento estamos actualmente bem mais perto das outras nações da NATO do que antigamente.

E até a profissionalização é uma melhoria, além de só ir para a tropa quem quer (logo não vem os que não querem), permite coisas que o serviço militar obrigatorio não permite, como os militares servem 2 anos no minimo em vez de 6 meses permite que todos possam ser enviados para missões fora do pais, enquanto que com o SMO o pessoal vai para casa ao fim de 6 meses logo não há tempo de estarem em missões, vejam o que a Suécia teve que fazer, actualmente tem um sistema misto porque o SMO não permite enviar militares para fora do pais.

É claro que há problemas que gostavamos que não existam, o programa MLU podia ser mais rápido, o programa de construção dos NPO podia ser mais rápido, podia-se pagar melhor aos militares para que não ouvesse falta de efectivos (nomeadamente praças), podia-se ter umas forças armadas melhor organizadas, mas isso não quer dizer que o que tenhamos seja mau, podia era ser melhor.
Título: FAP.
Enviado por: tsahal em Fevereiro 09, 2009, 06:29:18 pm
Papatango,

Ja pilotas-te o C295 ou o C27J para afirmar q um é melhor que outro????

Bom eu nunca pilotei essas aeronaves por isso n vou dizer se uma é melhor que a outra apesar de ter voado em ambas (até no CN235) mas uma coisa posso afirmar, de todas as aeronaves que ja vi voar, o C27J foi uma das q mais me impressionou pela positiva! Parece um caça a manobrar!
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 09, 2009, 07:31:33 pm
Eu não pilotei um Ilyushin IL-86 nem um Airbus A-340, no entanto garanto que o A-340 é menos barulhento, consome menos combustível, transporta mais passageiros, chega mais longe e é mais confortável.

Mas visto de fora, também lhe garanto que pelo barulho que faz, o IL-86 parece desperdiçar potência por todos os lados.

Mas os números não mentem. O A-340 é de facto muito superior.

Os números conhecidos, as dimensões, a potência dos motores, a resistência estrutural ou a rigidez do soalho da cabine, são pontos que colocam C-27J e C-295 em patamares diferentes.

Mas é claro que o C-295 é mais bonito ... :mrgreen:

Essa é uma discussão que já tivemos há bastante tempo mais que uma vez.
A compra do C-295 tem uma quantidade de explicações razoáveis e aceitáveis do ponto de vista do contribuinte (que é quem paga).
Mas isso não altera as características das aeronaves, nem o facto de uma ser classificada como aeronave para operar directamente no campo de batalha, enquanto que a outra é apenas uma aeronave de transporte táctico (não me lembro agora das classificações exactas).

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Moisés Magalhães em Fevereiro 09, 2009, 10:03:00 pm
Caro papatango

  Sejamos honestos, a questão das compras de equipamento militar é, e será lamentálvelmente política, sendo que a dita direita opta pelos Estados Unidos e a dita esquerda federalista (vendida) opta pela Europa, no entanto, no meu entender acredito que ficaríamos substancialmente melhor servidos sem dúvida com a aquisição do C27, contra factos não há argumentos.

  O que realmente me preocupa, é que mais uma vez teremos meios limitados num potencial cenário de guerra, ou seja, é para isso que servem e se preparam as nossas FA, digo eu?  

  Ou temos FA preparadas e equipadas para a defesa real da nossa soberania como o devem ser por conceito, ou temos umas FA mercenárias, vocacionadas para serem instrumentalizadas por favores políticos ao serviço da Europa e da NATO.
Aliás os nossos vizinhos do outro lado da fronteira, esses, ficam-nos gratos pela compra, pois são os que mais beneficiam.

CUIDADO, o castelhano atenta e espreita.

  Quanto á beleza, sou mais defensor do feio e robusto.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: tyr em Fevereiro 09, 2009, 10:27:40 pm
Moisés Magalhães, quando se compra equipamento militar, tem que se ver qual a sua função primaria, e utilização mais provavel dentro do seu prazo de vida.
A escolha do C-295 tem mais a ver com o que este avião oferece do que perde para o C-27J.
ou seja plataforma de Patrulhamento Maritimo e transporte logistico de longo alcance de uma forma mais economica. E num cenario militar onde operemos tambem não é critico. Pois se operamos integrados, temos os meios dos nossos aliados e se operamos por nossa conta e a pista for muito limitativa para este avião, actualmente temos um helicoptero que é uma opção muito viavel, pois tem um alcance e uma capacidade de carga substancial (estou obviamente a falar do EH101).
se não der de uma maneira ou outra, usam se paraquedistas e sapadores de combate (com a reactivação da CengBRR, espero voltarmos a ter uma unidade com essa capacidade) para criarem os acessos necessarios (mas acho que já é muito filme).
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 09, 2009, 10:28:11 pm
Citação de: "Moisés Magalhães"
no entanto, no meu entender acredito que ficaríamos substancialmente melhor servidos sem dúvida com a aquisição do C27, contra factos não há argumentos.


Eu tou sempre a repetir-me, mas pronto, contra o facto que o C-27J Spartan não consegue cumprir todas as missões do Aviocar, logo não o pode substituir por completo, não há argumentos.

A não ser que comprassemos uns 8 C-27J Spartan só para transporte e 2 ou 3 C295 ou CN235 só para vigilancia maritima, mas assim iamos substituir um avião por dois.

E relembro que nos arquipelagos dos Açores e da Madeira as missões destes aviões nada tem a ver com combate, são as chamadas missões de interesse publico, é apoio aos helicopteros nas missões SAR e transporte de grávidas e doentes de umas ilhas para as outras.

Pessoalmente considero o C295 um avião para "consumo interno", se o C295 aliviar o C-130 das missões internas como transporte geral semanal do continente para as ilhas e o treino com os pára-quedistas, permitindo que o C-130 se dedique por completo às missões internacionais, já era bom.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 10, 2009, 03:19:45 pm
Citação de: "Lightining"
A não ser que comprassemos uns 8 C-27J Spartan só para transporte e 2 ou 3 C295 ou CN235 só para vigilancia maritima, mas assim iamos substituir um avião por dois.
Esta é a razão mais pesada e mais forte em defesa do C-295. Quem vendeu o C-27J não conseguiu uma alternativa viável.

O C-27J é muito mais pesado e gastador que o C-295, porque o C-295 tem na sua origem um projecto civil, que tinha que ser vendido às companhias aéreas como aeronave comercial de transporte de passageiros.
Como o objectivo era transportar passageiros, o avião tinha que ser poupadinho, caso contrário as companhias não compravam.

Já o C-27J nunca foi um projecto civil e nunca teve o mesmo tipo de preocupações.

Por isso, como tem um custo de operação menor, o C-295 é mais adequado para aeronave de patrulha que tem que estar bastante tempo no ar.

O C-27J não tem essa capacidade. Pura e simplesmente não faria sentido utiliza-lo para andar lá em cima durante horas.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 10, 2009, 05:08:29 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Lightining"
A não ser que comprassemos uns 8 C-27J Spartan só para transporte e 2 ou 3 C295 ou CN235 só para vigilancia maritima, mas assim iamos substituir um avião por dois.
Esta é a razão mais pesada e mais forte em defesa do C-295. Quem vendeu o C-27J não conseguiu uma alternativa viável.

O C-27J é muito mais pesado e gastador que o C-295, porque o C-295 tem na sua origem um projecto civil, que tinha que ser vendido às companhias aéreas como aeronave comercial de transporte de passageiros.
Como o objectivo era transportar passageiros, o avião tinha que ser poupadinho, caso contrário as companhias não compravam.

Já o C-27J nunca foi um projecto civil e nunca teve o mesmo tipo de preocupações.

Por isso, como tem um custo de operação menor, o C-295 é mais adequado para aeronave de patrulha que tem que estar bastante tempo no ar.

O C-27J não tem essa capacidade. Pura e simplesmente não faria sentido utiliza-lo para andar lá em cima durante horas.

Correcto, não retiro uma vírgula ao que disse o Papatango. De forma não-oficial, o que corre dentro da FAP é que foi precisamente o facto de existir uma versão de patrulha marítima que levou à escolha do C-295/Persuader, pese embora se saiba que a comissão avaliadora deu o seu parecer positivo ao avião da CASA numa variada série de factores, em detrimento do C-27J Spartan.

A versão MPA do Spartan, o HC-27J, acabou por até hoje não sair do papel.

Citar
HC-27J MPA

The C-27J can be easily configured to perform Search and Rescue (SAR) and Maritime Patrol roles. The MPA system transforms the C-27J into the most capable and economic choice for Maritime services. The basic Maritime Patrol Aircraft system is built onto three standard pallets, which are easily loadable through the rear cargo door. This system allows for a fast conversion (one hour) to a MPA.

The MPA palletized system consists of:

- coordinator officer/debriefing area pallet - Mission workstation pallet - Observer pallet - Is managed by: 4/5 operators 2 flight crew members.


 The HC-27J Missions at Sea

- Search, identify, intercept, and interdict threats on the high seas with even more precisely and efficiently.
MPA operational Roles
- Maritime Patrol - Coastal patrol and ocean surveillance, support in the detection and apprehensions of smuggler, poachers and the discovery of other illegal activities - Area Surveillance - Intelligence Gathering - Resource Protection - Detection, reporting and recording of any illegal vessel operating within the seaboard limits (pollution, illegal immigration and smuggling and other illegal actions) - Detection and localization of any vessel in emergency, co-ordination of the rescue effort and provision of emergency response for SAR operation - Detection of surface targets (also low Radar Cross Section (RCS) targets as periscopes) at high sea, providing Over-the-Horizon Targeting Data to other co-operating units.


MPA Logistics Transport Mission Flexibility

The HC-27J easily meets MPA logistics transport mission requirements with significant room for growth. This added capacity reduces the number of logistics flights required, allowing more efficient use of the MPA fleet and reduce total operating costs.

HC-27J offers: - 10,000-Pound Payload Carried 1950 nautical miles OR - 1200 Nautical Mile Range with 15,000-Pound Payload - Interoperability with C-130.

MPA Surveillance Mission:
ROA of 425 Nautical Miles with 480 minutes TOS OR 390 Minutes TOS with an ROA of 600 Nautical Miles.

Search and Rescue:
ROA of 1050 Nautical miles with 180 minutes TOS OR 30 Minutes TOS with an ROA of 1350 Nautical miles.
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 10, 2009, 10:52:37 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
A versão MPA do Spartan, o HC-27J, acabou por até hoje não sair do papel.


Até os próprios americanos vão equipar a sua Guarda Costeira com o CN-235 para vigilancia maritima (HC-144 Ocean Sentry)

(http://cdn-www.airliners.net/aviation-photos/middle/1/7/4/1362471.jpg)
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 18, 2009, 04:41:11 pm
Novo C-295M, desta feita o "16704" (c/n 048), em Sevilha na passada sexta-feira 13 de Fevereiro de 2009.  :wink:


(http://img22.imageshack.us/img22/2639/avc001060331024x768hd6.jpg) (http://http)
http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=106033 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=106033)
Título:
Enviado por: pchunter em Fevereiro 18, 2009, 05:43:21 pm
Alguém sabe para quando esta previsto o primeiro VIMAR (persuader)?
Título:
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 24, 2009, 10:30:00 am
boas

segundo noticias o forista Braincrasher do forum 9gs

Citar
dia 26 de manhã e abanquem na zona do Montijo......eles vêm aí (16702 e 16703).

parece que não será antes da 10:00. a sua chegada
Título:
Enviado por: HSMW em Fevereiro 26, 2009, 08:06:50 pm
Citação de: "nelson38899"
boas

segundo noticias o forista Braincrasher do forum 9gs

Citar
dia 26 de manhã e abanquem na zona do Montijo......eles vêm aí (16702 e 16703).

parece que não será antes da 10:00. a sua chegada


E cumpriu-se, como era de esperar.  yu23x1
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 26, 2009, 10:51:13 pm
Citar
Primeiros C-295 chegam a Portugal


26-02-2009


As duas primeiras aeronaves C-295, do lote de doze encomendadas por Portugal, chegaram hoje, 26 de Fevereiro, à Base Aérea Nº 6 (BA6), no Montijo.

O novo sistema de armas C-295 terá duas configurações distintas, sete aeronaves para transporte aéreo táctico e cinco para vigilância marítima, e destinam-se a substituir gradualmente a frota de C-212 Aviocar, prevendo-se a chegada de novas aeronaves a um ritmo de uma a cada período de mês e meio.

A nova aeronave será operada pela Esquadra 502 "Elefantes", a partir da BA6. Esta esquadra de voo estava anteriormente sedeada na Base Aérea Nº 1, em Sintra,
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/noticias/c295_4.jpg)
 
Título:
Enviado por: seraldo em Fevereiro 27, 2009, 06:20:46 am
Para verem a chegada destes aviões:
http://baseaerea.blogspot.com/ (http://baseaerea.blogspot.com/)
Título:
Enviado por: MARIA JOSE em Março 16, 2009, 01:01:10 pm
De aviationcorner.net  Parada de motor en C-295 portugues, antes de la entrega.

(http://www.aviationcorner.net/public/photos/1/2/avc_00091412.jpg)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Março 16, 2009, 02:27:19 pm
(http://i242.photobucket.com/albums/ff119/rcsequeira/Militar/16703_1203091.jpg)

rcsequeira/forum 9gs
Título:
Enviado por: pchunter em Março 16, 2009, 07:14:38 pm
Citação de: "MARIA JOSE"
De aviationcorner.net  Parada de motor en C-295 portugues, antes de la entrega.

(http://www.aviationcorner.net/public/photos/1/2/avc_00091412.jpg)


Isso foi só para testar a maquina :lol:
Título:
Enviado por: MARIA JOSE em Março 16, 2009, 07:49:21 pm
No, fué un accidente, en ese link está la historia.
Título:
Enviado por: Lancero em Março 16, 2009, 08:40:40 pm
Felizmente foi apenas um incidente. Um acidente implica danos humanos (mortes) ou estruturais graves.
Título:
Enviado por: pchunter em Março 16, 2009, 08:57:42 pm
Pois sendo assim isso é grave. O que vale é que quando eles vierem são os técnicos Portugueses que lhes põem as mãos. :wink:
Título:
Enviado por: MARIA JOSE em Março 16, 2009, 09:03:58 pm
.....Jodo, que chulos semos.....
Título:
Enviado por: antoninho em Março 16, 2009, 09:26:46 pm
Maria são vocês que constroem o motor??? Acho que não, por isso, vamos a acalmar de ambos os lados........
Título:
Enviado por: MARIA JOSE em Março 16, 2009, 09:33:03 pm
Si yo solo se lo he colocado por que lo he encontrado hoy y les trasladaba la noticia por si no la conocian, sin ningun otro animo y siendo una empresa española quien lo construye.
Son ustedes  DEMASIADO susceptibles.
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 04, 2009, 05:26:20 pm
Já cá estão 3.

No dia 07 ABR é a apresentação à imprensa.
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 04, 2009, 06:34:04 pm
A propósito, a designação é C295M e não C295P (já nós deixamos disso ...)
Título:
Enviado por: Instrutor em Abril 05, 2009, 10:23:01 pm
É ja na Terça... mas ainda não configuram nos meios operacionais na página da Net da FAP.
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 06, 2009, 05:30:01 pm
Citar
Defesa: Novos aviões C-295 da Força Aérea começam a operar no segundo semestre

Lisboa, 06 Abr (Lusa) - Os primeiros aviões C-295 M comprados por Portugal ao consórcio espanhol EADS para substituir os 24 Aviocar da Força Aérea vão começar a operar no segundo semestre deste ano, disse à agência Lusa fonte militar.  

 

       As três aeronaves (de 12 encomendadas à EADS) vão ser apresentadas terça-feira numa cerimónia com a participação do chefe do Estado-Maior da Força Aérea, general Luís Araújo, que assinala também a transferência da esquadra 502, que opera estes aviões, na Base Aérea Nº1, em Sintra, para a Base Aérea Nº6, no Montijo.  

 

       De acordo com o porta-voz da Força Aérea, António Seabra, os 12 aviões vão custar 460 milhões de euros, pagos com recurso a leasing operacional, e vão ter duas configurações: transporte aéreo táctico (sete aparelhos) e segurança marítima (cinco).  

 

       A entrada das três aeronaves na sua actividade operacional depende apenas da conclusão da qualificação das tripulações, que está a ser concluída em Portugal depois de uma passagem dos militares por Espanha.  

 

       Os novos aparelhos, que vão chegar a Portugal à cadência de um a cada seis meses, aumentam a capacidade de transporte aéreo táctico deste ramo das Forças Armadas já que a versão militar do C-295 tem uma autonomia duas vezes superior à dos Aviocar (cerca de 10 horas).  

 

    Consoante a missão, o C-295 consegue ainda ser configurado para transportar alternadamente 70 passageiros, 45 pára-quedistas totalmente equipados, 24 macas ou três veículos.  

 

       Os C-295 vão substituir gradualmente os aparelhos Aviocar, cujo destino final terá de ser agora decidido pelo Governo.  

 

       Para além de Espanha, operam o C-295 países com o Brasil, Finlândia, Chile, Polónia, Suíça e Jordânia.  

 

       A compra dos novos aparelhos foi decidida pelo antigo ministro da Defesa Paulo Portas e posteriormente formalizada pelo seu sucessor na pasta no governo socialista, o actual ministro dos Negócios Estrangeiros e ex-ministro da Defesa Luís Amado.  

 

    Nos termos do contrato de contrapartidas, avaliado em 460 milhões de euros, a EADS (maior fabricante aeronáutico europeu) vai aumentar de um para 30 por cento o peso que detém no consórcio que controla a OGMA.  

 

    Para mais tarde fica a substituição dos seis aviões Hércules C-130 de transporte estratégico (por aviões europeus A400M, também da EADS, ou aparelhos C-130J, da norte-americana Lockheed Martin).  

 

       Em 2006, o então ministro da Defesa Luís Amado justificou o adiamento deste programa sustentando que os C-130 estão ainda em "muito estado" e podem manter-se ao serviço "por mais 15 anos".  
Título:
Enviado por: Vicente de Lisboa em Abril 06, 2009, 05:54:14 pm
Citação de: "Mercurio"
A propósito, a designação é C295M e não C295P (já nós deixamos disso ...)

Perdão, mas "isso" é o quê?  :?
Título:
Enviado por: typhonman em Abril 06, 2009, 06:18:56 pm
Citação de: "Vicente de Lisboa"
Citação de: "Mercurio"
A propósito, a designação é C295M e não C295P (já nós deixamos disso ...)
Perdão, mas "isso" é o quê?  :?


Eu como criador do tópico, meti C-295P ( "P" de Persuader ) não "P" de Portugal, como foi o caso dos  A-7P.
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 06, 2009, 07:33:41 pm
O Persuader é uma das versões do avião. Aliás, por isso é que o avião não tem um nome NATO como todos os outros. O Persuader é a versão de vigilância Marítima e nós vamos ter essa versão mais a versão de transporte táctico
Título:
Enviado por: Vicente de Lisboa em Abril 06, 2009, 10:37:06 pm
Ah, very well. Mas... então porquê ser "M" afinal de contas? Ainda estou um pouco confuso.
Título:
Enviado por: ShadIntel em Abril 06, 2009, 10:43:42 pm
Citação de: "Vicente de Lisboa"
Ah, very well. Mas... então porquê ser "M" afinal de contas? Ainda estou um pouco confuso.
Citar
(...) Ao contrário do seu irmão mais pequeno, o C-235, o C-295 foi essencialmente pensado para ser uma aeronave militar e por isso recebeu certificação militar logo em 30 de Novembro de 1999. No entanto, mantem a sua designação "M" que designa militar.

 :arrow:  http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/AER.aspx?nn=26 (http://www.areamilitar.net/DIRECTORIO/AER.aspx?nn=26)
Título:
Enviado por: Vicente de Lisboa em Abril 06, 2009, 10:55:26 pm
Muito bem então, agradecido pela ajuda  :)
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 07, 2009, 07:06:18 pm
(http://i97.photobucket.com/albums/l224/Lancero1/abril09/20090407171902PTLUS9530793123912474.jpg)

(http://i97.photobucket.com/albums/l224/Lancero1/abril09/20090407172613PTLUS9530791123912517.jpg)

Citar
O novo avião C295 da Força Aérea Portuguesa apresentado hoje, 07 Abril 2009, na Base Aérea Nº 6, no Montijo. MANUEL DE ALMEIDA /LUSA
Título:
Enviado por: Lancero em Abril 07, 2009, 07:40:07 pm
Citar
Defesa: CEMFA diz que C-130 não têm "requisitos exigidos" para voar na Europa e alerta para necessidade de modernização



    Lisboa, 07 Abr (Lusa) - O chefe de Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), general Luís Araújo, alertou hoje para a "necessidade urgente" de iniciar o processo de modernização das aeronaves C-130, que actualmente não cumprem os requisitos exigidos para voar na Europa.  

 

    Questionado no final da cerimónia de transferência dos novos aviões C-295, comprados à empresa espanhola EADS/CASA, o general afirmou que a frota de 6 aeronaves Hércules C-130 da Força Aérea "não está equipada para voar de acordo com os requisitos exigidos para o tráfego aéreo no centro da Europa", apesar de a Lei de Programação Militar (LPM) prever a sua modernização.

 

 

    "Nós estivemos nos aviões A400M, saímos, o A400M é um projecto que está atrasado, fundamentalmente por causa dos valores, e que eu tenha conhecimento não há qualquer processo de substituição dos C-130, há isso sim a necessidade de modernizar o C-130", respondeu o CEMFA aos jornalistas, acrescentando que o início do 'upgrade' das aeronaves "depende de quem manda e de quem tem a tutela".  

 

    "É uma necessidade considerada urgente porque o C-130 necessita de ter equipamentos de comunicação e de espaçamento de tráfego para voar na Europa (...) é necessário proceder a esse processo, porque senão teremos muita dificuldade em voar na Europa", disse o general Luís Araújo.  

 

    Sobre as 12 aeronaves C-295 compradas por Portugal - 7 destinadas ao transporte táctico e logístico e 5 para vigilância marítima - que vão substituir os C-212 Aviocar, com mais de 30 anos ao serviço da Força Aérea, o CEMFA destacou o "salto tecnológico" e admitiu que no futuro poderão ser utilizados para o tipo de missão que as Forças Armadas nacionais já desempenharam no Afeganistão com um C-130.  

 

    "[O C-295 tem] muito mais autonomia, capacidade de carga e de transporte passageiros. Vem no seguimento do Aviocar e a missão é praticamente a mesma mas utilizando tecnologias com muito mais capacidade, é excelente para transporte táctico dentro dos teatros de operações e de apoio logístico", afirmou no final da cerimónia de apresentação na Base Aérea do Montijo.  

 

    Em relação a um eventual envio destes aviões para o Afeganistão, o general considerou ser "cedo para dizer isso", mas que os aviões "têm capacidade para o fazer" - Portugal já teve por várias vezes um Hércules C-130 a operar no aeroporto de Cabul para transporte táctico.  

 

    "Aliás o avião que era concorrente deste [C-295] durante o concurso, o C-27J Spartan, está a ser utilizado pelos italianos no Afeganistão, portanto concerteza que sim, há-de ser estudado (...) teoricamente admito e tem capacidade para isso, claro que depois temos de estudar em termos de temperaturas, a operação no Afeganistão é extremamente rude. Temos de avaliar, mas tudo indica que sim", declarou.  

 

    Os novos aviões C-295 deverão começar a operar a partir de Outubro deste ano e a entrega das 12 aeronaves - 3 já chegaram a Portugal - deverá terminar no final de 2010.  

 

    O negócio de compra das 12 aeronaves é de cerca de 300 milhões de euros, onde se inclui a manutenção, tendo sido assinado um contrato de contrapartidas de 460 milhões com a EADS onde está prevista a transferência de tecnologia com a EADS e o aumento da sua participação na OGMA, que por sua vez terá a seu cargo o fabrico das fuselagens.  
Título:
Enviado por: typhonman em Abril 07, 2009, 09:44:09 pm
[quoteAliás o avião que era concorrente deste [C-295] durante o concurso, o C-27J Spartan, está a ser utilizado pelos italianos no Afeganistão, portanto concerteza que sim, há-de ser estudado (...) teoricamente admito e tem capacidade para isso, claro que depois temos de estudar em termos de temperaturas, a operação no Afeganistão é extremamente rude. Temos de avaliar, mas tudo indica que sim", declarou. [/quote]

De certeza que se o C-27J tivesse sido escolhido não teria sido feito este juízo... Mas se os C-295M espanhóis lá operam.. Não vejo porque os nossos nao o possam fazer..
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Abril 07, 2009, 10:13:20 pm
A Esquadra 502 - até agora sediada em Sintra na Base Aérea n.º 1 - está desde hoje, 7 de Abril de 2009, oficialmente na Base Aérea n.º 6 no Montijo, no mesmo dia em que foram apresentados publicamente os três primeiros aviões de transporte táctico C-295M que a Força Aérea recebeu recentemente.

http://www.operacional.pt/c-295m-aprese ... n%C2%BA-6/ (http://www.operacional.pt/c-295m-apresentado-na-base-aerea-n%C2%BA-6/)

(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2009/04/0-copy-copy.jpg)

Um Abraço
MM
Título:
Enviado por: nelson38899 em Abril 09, 2009, 09:04:24 am
http://forum.portugalspotters.org/index ... entry48517 (http://forum.portugalspotters.org/index.php?showtopic=4253&pid=48517&st=0&#entry48517)
Título:
Enviado por: Xerif3 em Abril 09, 2009, 10:17:53 am
É normal as cores da bandeira estarem trocadas??

(http://i188.photobucket.com/albums/z164/moreiraslb/portugalspotters/FAP5.jpg)
Título:
Enviado por: nelson38899 em Abril 09, 2009, 10:47:54 am
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2009/03/0-rt-f16-mlu.jpg)

penso que sim, basta ver a cauda do f16. http://www.operacional.pt (http://www.operacional.pt)
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 09, 2009, 01:06:17 pm
As bandeiras nos aviões devem ser vistas como se estivessem desfraldadas ao vento, portanto têm uma parte da "frente" e um "reverso".

Ver, por exemplo, este F-16 dinamarquês em que a bandeira até tem uma forma diferente e consoante o lado do avião, mantém a mesma orientação como se estivesse afixada num mastro.

(http://www.warplane.co.uk/sr.jpg)(http://farm3.static.flickr.com/2205/1807704780_0a9e4f4172.jpg)
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Abril 13, 2009, 03:19:35 pm
Quem quiser ver o pequeno clip que a FAP distribuiu aos jornalistas com a cronologia do C-295M, já o pode fazer no final do artigo http://www.operacional.pt/c-295m-aprese ... n%C2%BA-6/ (http://www.operacional.pt/c-295m-apresentado-na-base-aerea-n%C2%BA-6/)
MM
Título:
Enviado por: Mercurio em Abril 13, 2009, 03:46:45 pm
Parabens à Força Aérea pela compilação das imagens e pelo som (penso que) da Banda da FAP.

Especialmente PARABÉNS ao Operacional por estar presente nestes eventos como um verdadeiro órgão de comunicação social que parece definitivamente assumir-se, dedicado a assuntos de defesa.

A todos nós, cumpre divulgar estas boas iniciativas e premiar o mérito de quem as faz!

Senhor Miguel Machado, sei que se o Operacional continuar assim, ainda vai ser uma referência internacional.
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Abril 13, 2009, 10:33:45 pm
Não exageremos...vamos devagar, mas vamos andando. A pouco e pouco vamos aumentando as funcionalidades e tentando melhorar a  informação disponibilizada. Uma coisa é certa, estamos a aumentar consolidadamente o numero de visitas quer portugueses quer estrangeiros.
Esperamos manter o ritmo. Vamos ver, ainda só temos 3 meses de vida.
Obrigado pelos comentários.
Um Abraço
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Abril 14, 2009, 11:05:23 am
Eu tenho feito a minha parte e tenho enviado a certa e determinadas pessoas os links de várias reportagens e em fóruns.
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Abril 14, 2009, 11:21:38 am
Thanks!
Título:
Enviado por: Miguel Silva Machado em Abril 15, 2009, 09:29:56 am
Mais uma pequena inovação para se ver melhor o aparelho:
http://www.operacional.pt/c-295m-em-panoramica/ (http://www.operacional.pt/c-295m-em-panoramica/)
Vamos tentar fazer o mesmo para outros equipamentos em próximas reportagens.
Título:
Enviado por: old em Abril 16, 2009, 10:16:27 pm
Video C295

http://balancer.streamfarm.net/tv1/cms/ ... 0k.wmv.asx (http://balancer.streamfarm.net/tv1/cms/~kunde/~eads_wm/c_295_450k.wmv.asx)
Título:
Enviado por: Edu em Abril 24, 2009, 04:10:28 pm
Neste preciso momento tá um C-295M no aerodromo da covilhã. Aterrou vindo de norte, deu a volta à pista em taxi, e descolou para sul.
Título:
Enviado por: Crypter em Abril 24, 2009, 10:51:27 pm
Citação de: "Edu"
Neste preciso momento tá um C-295M no aerodromo da covilhã. Aterrou vindo de norte, deu a volta à pista em taxi, e descolou para sul.


Provavelmente foi o que aterrou hoje em viseu!! EH pa! Ate parei o carro e saí pra o ver! Eh pa k lindo  :D!
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 11, 2009, 07:05:08 pm
C-295 JAMMER??

Muito à frente!!!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=116885
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 11, 2009, 08:05:15 pm
Citação de: "pchunter"
C-295 JAMMER??

Muito à frente!!!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=116885


O "16701" estava somente a testar a integração dos pods ECM AN/ALQ-131. Em cenários onde a ameaça SAM/AAA for elevada (Afeganistão, por exemplo), estes pods serão montadas para autoprotecção do aparelho e da sua tripulação, isto para além dos lançadores de chaff e flares já integrados na aeronave. Os C-130 já os usam há alguns anos.
Título:
Enviado por: pchunter em Maio 12, 2009, 07:27:14 pm
Ok, fiquei esclarecido.
Título:
Enviado por: Charlie Jaguar em Maio 13, 2009, 07:00:04 pm
Novo C-295M: "16705" (c/n 057).  :D


(http://img186.imageshack.us/img186/4954/avc001177561024x768.jpg) (http://http)
http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=117756 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=117756)
Título:
Enviado por: cromwell em Maio 27, 2009, 02:59:00 pm
Ontem vi um C-295 a voar sobre Almada dirigindo-se para norte.
Título: C-295M já lançou pára-quedistas em Portugal
Enviado por: Miguel Silva Machado em Junho 04, 2009, 09:41:26 pm

O C-295M da Força Aérea Portuguesa, apresentado oficialmente no passado dia 7 de Abril na Base Aérea n.º 6, no Montijo, cumpriu no passado dia 3 de Junho, em Tancos, a primeira missão de lançamento de pára-quedistas em território nacional. O Alfredo Serrano Rosa esteve lá e mostra-nos o que se passou.



http://www.operacional.pt/1%C2%AA-missa ... em-tancos/ (http://www.operacional.pt/1%C2%AA-missao-c-295m-com-para-quedistas-em-tancos/)


(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2009/06/a-tancos-1c2aamissao-c295-02jun09-110-copy.jpg)
Título:
Enviado por: Instrutor em Junho 05, 2009, 10:25:00 am
Porque é que estes avioes ainda nao constam nos meios aereos do site da Força Aérea e no Area Militar... Papatango....
Título:
Enviado por: raphael em Junho 05, 2009, 01:20:17 pm
Citação de: "Instrutor"
Porque é que estes avioes ainda nao constam nos meios aereos do site da Força Aérea e no Area Militar... Papatango....


O Papatango está só a acautelar-se não vá o 295 ir pelo mesmo caminho do EH-101... :twisted:
Título:
Enviado por: pchunter em Agosto 15, 2009, 12:44:14 am
Foto do 1º C-295 VIMAR.

Altamente.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=132672
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Agosto 15, 2009, 06:53:59 pm
Citação de: "pchunter"
Foto do 1º C-295 VIMAR.

Altamente.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=132672


Não vamos ter nenhum dessa versão pois não?
Título:
Enviado por: pmdavila em Agosto 15, 2009, 07:05:31 pm
Citação de: "Cláudio C."
Citação de: "pchunter"
Foto do 1º C-295 VIMAR.

Altamente.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=132672

Não vamos ter nenhum dessa versão pois não?


Ai não que não vamos... Aquele é o primeiro de 5 C-295M VIMAR que vão ser entregues a Portugal.
Título:
Enviado por: pchunter em Agosto 16, 2009, 06:00:50 pm
Não falta um radar lateral como este tem debaixo da asa?

(http://farm4.static.flickr.com/3445/3740030321_c580822d46.jpg)
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Agosto 16, 2009, 09:08:09 pm
Antes de mais obrigado pelo esclarecimento pmdavila!
Qual a diferença, leia-se função entre os C-295M que já recebemos e o C-295 VIMAR? Pois o C-295M também  esta dotado de um radar no nariz do avião. Desculpem la se a questão é muito básica!

Agradecido
Título:
Enviado por: FFAP em Agosto 16, 2009, 09:33:15 pm
Boas


Os C-295M que já recebemos são básicamente para transporte tactico, lançamento de paraquedistas, SAR, transporte de carga... Enquanto que os VIMAR são de vigilância maritima, tendo para o efeito vários sensores e radares para o cumprimento da missão.
Título:
Enviado por: pmdavila em Agosto 16, 2009, 09:42:51 pm
Citação de: "Cláudio C."
Antes de mais obrigado pelo esclarecimento pmdavila!
Qual a diferença, leia-se função entre os C-295M que já recebemos e o C-295 VIMAR? Pois o C-295M também  esta dotado de um radar no nariz do avião. Desculpem la se a questão é muito básica!

Agradecido


Os C-295M que já temos são a versão "básica" de transporte. O radar do nariz é o AN/APN-241, um radar táctico. O VIMAR tem uma parafenália de equipamentos/radares/câmaras para a sua função principal, cuja sigla denuncia, "VIgilância MARítima". No entanto, também pode ser utilizado como versão de transporte. Há gente por aqui mais capacitada do que eu para explicar as diferenças entre ambos... :wink:
Título:
Enviado por: Lightning em Agosto 16, 2009, 11:40:27 pm
Resumidamente é o seguinte, existem 7 C295M que só servem para transporte.

Existem 5 C295M que podem efectuar missões de Vigilância Maritima ou transporte. E digo podem porquê? Porque as consolas tácticas de Vimar estão colocadas numa especie de "palete" que se pode mudar de avião para avião (dentro dos 5 prontos) conforme a necessidade, destas paletes existem duas, logo os outros 3 aviões vimar que sobram, se estiverem a voar, estarão a voar como aviões de transporte.

É uma maneira de poupar pois, no caso do Aviocar, existiam penso que uns 6 da Vimar todos equipados, pois o equipamento estava "aparafusado" ao avião e para tirar de um e colocar noutro era dias de trabalho, logo todos eles teriam que estar equipados com todos os equipamentos necessários, logo ai gasta-se mais dinheiro pois é necessário mais equipamentos, e quando um desses aviões estivesse parado por avaria, manutenção ,etc, esse equipamento não estaria a ser usado.

No caso do C295M Vimar, ouve duas evoluções, poupou-se dinheiro pois não foi necessário comprar equipamentos para todas as aeronaves (5) pois eles são facilmente removidos duma e instalados noutra, e a outra evolução foi que caso um C295M Vimar tenha que parar, o seu equipamento não vai ficar sem uso o tempo em que o avião estiver parado, é simplesmente colocado noutro que continuará a missão.

O sistema de Vimar é o sistema FITS.
http://www.eads.com/1024/en/businet/air ... /fits.html (http://www.eads.com/1024/en/businet/airbus/airbus_military/fits.html)

E outra vantagem que me lembrei agora, se por qualquer razão for necessário mais aviões de transporte, facilmente se retira a "palete" dos equipamentos dos C295M Vimar e se transformam em C295M de transporte, enquanto que isso já não se fazia com os Aviocar de vimar, ou então teria que ser com alguma antecedencia, pois demora.
Título:
Enviado por: Cláudio C. em Agosto 17, 2009, 12:50:29 pm
Sim senhor. Esclarecido muito obrigado. Só mais uma pequena dúvida, qual a utilidade do radar táctico do C-295m que por sua vez penso que também equipa o VIMAR?
Título:
Enviado por: pmdavila em Agosto 17, 2009, 01:46:47 pm
Vide  :arrow:  http://www.es.northropgrumman.com/solutions/apn241/ (http://www.es.northropgrumman.com/solutions/apn241/)
Título:
Enviado por: pchunter em Setembro 07, 2009, 12:04:18 am
Essa das 2 paletes não sabia tenha ficado com ideia que estariam todos equipados com as paletes. Sempre a aprender.

O C-295 VIMAR, mais uma para alegrar a malta.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=135581
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Setembro 17, 2009, 08:48:17 pm
Dos novos CASA C 295, en voos de proba en Sevilha, antes de entrega a Uds.... :D

(http://img190.imageshack.us/img190/943/avc00136900.jpg) (http://http)


(http://img22.imageshack.us/img22/943/avc00136900.jpg) (http://http)


La fecha es 8 de septembro.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Setembro 17, 2009, 10:32:18 pm
Citar
C-295M da FAP:

* 16701 (S-041)
* 16702 (S-042), chegada a Portugal (Fev09)
* 16703 (S-047), chegada a Portugal (Fev09)
* 16704 (S-048), chegada a Portugal (Abr09)
* 16705 (S-057), chegada a Portugal (Set09)
* 16706 (S-059)
* 16707 (S-061)
* 16708
* 16709
* 16710
* 16711
* 16712

fonte: LPro  forum 9gs
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: IMPEESA em Setembro 24, 2009, 11:41:38 am
Bom Dia.

Estive a lêr o que aqui tem sido dito , falado e escrito.

O C295 NÃO está APTO para uma Vida Militar.

O C27J foi criado e pensado para Missões mais Exigentes, Duras e complicadas.

Posso-vos adiantar que a nivel de Carga no 295, para o carregar é um " Filme" .

A Rampa desce e os supostos macacos para a sustentar, são nada mais nada menos que dois macacos que têm que ser encaixados a mão debaixo da rampa o processo é simples e tempo de Paz e quando temos tempo para o fazer sem estar a chover ou algo do genero.

Mete-se-lhe em cima pouco mais de 900 Kg na rampa uii parece que aquilo se vai desmontar....

O sistema de Palates veio com um erro, ou seja os Lock's do avião para trancar as palates são mais pequenos do que o espaco entre os da própria palete...

Este mesmo avião ja aterrou em pistas, menos boas, o que fez com que algumas "pedrinhas"  provocassem riscinhos e pequeninas... moças no avião...

O Avião tem ORIGEM  CIVIL e não Militar. É quase o mesmo que comprar um Ferrari para fazer Todo o Terreno ;)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ShadIntel em Setembro 24, 2009, 12:09:27 pm
Citação de: "IMPEESA"
Bom Dia.

Estive a lêr o que aqui tem sido dito , falado e escrito.

O C295 NÃO está APTO para uma Vida Militar.

O C27J foi criado e pensado para Missões mais Exigentes, Duras e complicadas.

Posso-vos adiantar que a nivel de Carga no 295, para o carregar é um " Filme" .

A Rampa desce e os supostos macacos para a sustentar, são nada mais nada menos que dois macacos que têm que ser encaixados a mão debaixo da rampa o processo é simples e tempo de Paz e quando temos tempo para o fazer sem estar a chover ou algo do genero.

Mete-se-lhe em cima pouco mais de 900 Kg na rampa uii parece que aquilo se vai desmontar....

O sistema de Palates veio com um erro, ou seja os Lock's dos avião para trancar as palates são mais pequenos do que o espaco entre os da própria palete...

Este mesmo avião ja aterrou em pistas, menos boas, o que fez com que algumas "pedrinhas"  provocassem riscinhos e pequeninas... moças no avião...

O Avião tem ORIGEM  CIVIL e não Militar. É quase o mesmo que comprar um Ferrari para fazer Todo o Terreno ;)
Infelizmente, a escolha do C295M já vai longe e agora temos de nos contentar com o que temos. Esses diversos problemas de fragilidade já eram apontados quando o processo de selecção estava a decorrer. Escolhas meramente políticas dão sempre estes resultados...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Setembro 24, 2009, 05:02:56 pm
Ora nem mais, a vertente militar da escolha foi a possibilidade de o C-295 executar a missão de vigilância marítima (VIMAR) para além do transporte aéreo táctico. Ao querer ter um 2 em 1 acabou por se ter um meio mais medíocre. Em ultimo caso poderia-se ter adquirido 4 C-295M/Persuader II e 8 C-27J para transporte, mas isto iria conduzir a 2 linhas de manutenção distintas.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Setembro 24, 2009, 09:15:59 pm
E esses erros não são cobertos pela garantia?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Setembro 25, 2009, 06:36:00 pm
Citação de: "typhonman"
Ora nem mais, a vertente militar da escolha foi a possibilidade de o C-295 executar a missão de vigilância marítima (VIMAR) para além do transporte aéreo táctico. Ao querer ter um 2 em 1 acabou por se ter um meio mais medíocre. Em ultimo caso poderia-se ter adquirido 4 C-295M/Persuader II e 8 C-27J para transporte, mas isto iria conduzir a 2 linhas de manutenção distintas.

É verdade, mas não estou a ver o C295 a ir para o Afeganistão e outros "buracos" do género que existam por este mundo fora, tal como o C-130 faz actualmente.
Os C-295, vai continuar o trabalho do Aviocar, que são as evacuações médicas nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, a Busca e Salvamento, a Vigilância Maritima, largar pára-quedistas em treinos e talvez mais uma ou outra coisa. E talvez também consiga "libertar" os C-130 de certas missões nacionais como o transporte logistico semanal de Portugal Continental para os Açores.

A prioridade não é para uma aeronave com capacidade militar, mas sim uma aeronave que consiga fazer o que o Aviocar faz, um avião que faça tudo, por um avião que faça tudo (um bocadinho melhor, mais rápido, etc), não é trocar um que faz tudo, por dois, um que faz A e outro que faz B.

Para as missões "a sério" de transporte táctico como no Afeganistão são para o C-130.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Setembro 26, 2009, 12:11:32 am
Os Espanhoes levaram os deles para o Afeganistão, alguém sabe como se portaram?
 "As a combat-proven airlifter, the C-295 proves itself daily in operations with NATO allies and coalition forces in Iraq and Afghanistan."
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Setembro 26, 2009, 07:30:30 pm
Os C295 se comportan a la perfección, cumpliendo el 99% de las misiones asignadas, siendo muito apreciados por as distancias muito cortas de despegue y aterragem, y a suas contramedidas de chaff y bengalas.

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Setembro 26, 2009, 10:07:41 pm
Citação de: "Menacho"
Os C295 se comportan a la perfección, cumpliendo el 99% de las misiones asignadas, siendo muito apreciados por as distancias muito cortas de despegue y aterragem, y a suas contramedidas de chaff y bengalas.

Cumprimentos


Obrigado.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: papatango em Outubro 02, 2009, 12:44:33 am
Os C-295 cumprem 99% das missões que lhe são destinadas, mas não lhes são destinadas as missões que poderiam ser destinadas a um C-27J.
Isto foi algo que discutimos longamente antes de a decisão de compra ser acertada. Até o chão do C-27J é mais resistente e permite o transporte de equipamentos mais pesados (peso específico por metro quadrado).
Exemplo: Não se pode transportar um motor de um tanque num C-295 porque ele é demasiado pesado para a sua dimensão. Já o C-27J permite transportar o motor. Mas tudo isso era conhecido.

O avião da EADS/CASA é baseado num «airframe» civil. Como aeronave civil foi feita para poupar combustivel.
A sua resistência tinha mais a ver com a necessidade de permitir um grande numero de ciclos de pouso e descolagem, que eram compativeis com uma aeronave regional para voos de muito curta distância, e foi para isso que inicialçmente o C-235 (de que deriva o C-295) foi construido.

Enquanto o C-27J é uma aeronave para operar se necessário naquilo que os americanos chamam «Battlefield Transport Missions».
O C-295 é uma aeronave de transporte, nada mais.
Não podemos esperar que ele seja eficiente em hipotéticas situações de combate, porque ele não foi concebido para isso.
O engraçado, é que o AVIOCAR aparentemente tinha esse tipo de capacidade ... :mrgreen:

Não há bela sem senão. Já aqui vimos uma descrição sucinta das vantagens dos sistemas contentorizados que permitem utilizar as aeronaves para operações de transporte e para vigilância.

Já o C-27J para esse tipo de missões era completamente desadequado. Aliás seria tão mau, que o fabricante só poderia responder as exigências portuguesas oferecendo um outro avião.
Aí, lá se ia a vantagem da multimodalidade do C-295.

Para as nossas necessidades, para a nossa realidade eu, que até concluí que o C-27J era superior ao C-295, tenho que dar a mão à palmatória e reconhecer que a Força Aérea fez a opção mais adequada.

Quando pesamos os prós e os contras, as vantagens oferecidas pelo C-295 são superiores às que resultariam da operação do C-27J e eventualmente de uma outra aeronave para patrulha.

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Outubro 02, 2009, 09:25:46 pm
http://www.aiad.it/upload/aziende/azien ... TR42MP.jpg (http://www.aiad.it/upload/aziende/azienda_/AleniaAero_ATR42MP.jpg)

ATR-42 seria a escolha para VIMAR.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ShadIntel em Outubro 08, 2009, 01:32:15 pm
Citação de: "typhonman"
http://www.aiad.it/upload/aziende/azienda_/AleniaAero_ATR42MP.jpg

ATR-42 seria a escolha para VIMAR.
Voltamos sempre ao mesmo: seriam dois tipos de aeronaves em vez de uma; além disso, apesar dos defeitos do C-295, o que está feito está feito: os C-295 vão ter de aguentar durante muitos, muitos anos. O que importa agora é que cumpram as suas missões sem colocar em risco as suas tripulações.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: GUR em Outubro 12, 2009, 02:45:50 pm
Seja como for, o C-295 é máquina, dentro do mercado, acho que foi a opção mais acertada para a substituição dos Aviocar.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Instrutor em Outubro 12, 2009, 11:26:50 pm
Daqui a meia duzia de anos temos novos concursos, desta vez para substituiros C-130, vamos ver no mercado o que vamos comprar, o C390 ou o C130J?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Outubro 13, 2009, 12:38:25 am
O mais certo é Portugal entrar para o grupo A400.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 13, 2009, 11:27:15 am
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Novembro 06, 2009, 03:59:33 pm
Citar
The first of five Airbus Military C295MPA Persuader maritime surveillance aircraft also called VIMAR (vigilância maritima) will be received in the end of November or begin of December said the Esquadra 502 “Elefantes´´ commander to PoADU. The aircraft will stay in Spain for pilots training and qualification he added. The last aircraft is scheduled to be received in June 2010. The Portuguese Air Force already received 6 C295M tactical transport configured aircraft and will receive very soon the last one.
The VIMAR fleet sub-systems include 3 palletized FITS (Fully Integrated Tactical System) mission systems, 5 ELTA Systems Ltd EL/M 2022A(V)3 maritime radar, the Northrop Grumman Electronic systems AN/APN 241 navigation radar, the FLIR Systems Inc Star Safire IV thermal imaging, night vision and infrared camera system, 3 OPTIMARE Sensorsysteme AG MEDUSA (two sets of provisions for the two remaining aircraft) data acquisition and processing system, Swedish Space Corporation Ericsson SLAR (Side-Looking Airborne Radar), A pod mounted light searching system and the Thales Aerospace TopDeck (using Barco control display and management system) avionics suite.

http://poadu.wordpress.com/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Novembro 08, 2009, 11:29:58 pm
Citação de: "IMPEESA"
Bom Dia.

Estive a lêr o que aqui tem sido dito , falado e escrito.

O C295 NÃO está APTO para uma Vida Militar.

O C27J foi criado e pensado para Missões mais Exigentes, Duras e complicadas.

Posso-vos adiantar que a nivel de Carga no 295, para o carregar é um " Filme" .

A Rampa desce e os supostos macacos para a sustentar, são nada mais nada menos que dois macacos que têm que ser encaixados a mão debaixo da rampa o processo é simples e tempo de Paz e quando temos tempo para o fazer sem estar a chover ou algo do genero.

Mete-se-lhe em cima pouco mais de 900 Kg na rampa uii parece que aquilo se vai desmontar....

O sistema de Palates veio com um erro, ou seja os Lock's do avião para trancar as palates são mais pequenos do que o espaco entre os da própria palete...

Este mesmo avião ja aterrou em pistas, menos boas, o que fez com que algumas "pedrinhas"  provocassem riscinhos e pequeninas... moças no avião...

O Avião tem ORIGEM  CIVIL e não Militar. É quase o mesmo que comprar um Ferrari para fazer Todo o Terreno ;)

Começo por dizer que aprecio bastante o novo "lay-out" do fórum.

Infelizmente, tive de criar um novo utilizador pois não conseguia entrar com o original. Porém, o que interessa é participar.

Relativamente a este "post" gostaria de fazer os seguintes comentários que consegui apurar "in-loco" e com quem sabe da matéria de facto:

1. O carregamento/descarregamento do C-295 é bastante simples e mais avançado que o das aeronaves militares similares. Aliás, esta semana dois tripulantes carregaram uma viatura ligeira e duas paletes em Porto Santo em bem menos de meia-hora.No C-130, por exemplo, esta é uma manobra que requer mais tempo e tripulantes.

2.Efectivamente o C-295 leva umas sapatas por baixo enquanto se fazem operações de carga/descarga de paletes para aumento da segurança enquanto o avião não está equilibrado com a carga que vai levar. Porém, também o C-130, C-27J,C-212 e muitas aeronaves de carga as têm. Trata-se de um procedimento de segurança. Claro que em cenário hostil, para se efectuar o descarregamento é utilizado o ERO tal como no C-130;

3.A rampa do C-295 tem capacidade para levar uma palete de 1000Kg em voo e 3000 kg em carregamento no solo;

4.O sistema de paletes não tem nenhum erro. Os locks têm de ser mais pequenos para encaixar na palete.No C-130 e todas as outras aeronaves também é assim. Senão não se conseguia prender as paletes.

5. É verdade que o C-295 já aterrou em pistas menos boas...até já fez dezenas de aterragens no Corvo.Qualquer avião fica com pequenos danos quando aterram em pistas não preparadas. Viram o C-130 quando veio das primeiras operações no Afeganistão ou o C-212 depois dos destacamentos em São Tomé?Tal acontece em todas as aeronaves sem excepção. Mas, por alguma razão o Brasil tem um esquadrão de C-295 a operar em pistas não-preparadas na Amazónia! Aliás os brasileiros estão interessados em comprar mais C-295 para esta missão.Os factos falam por si.

A experiência dos espanhóis nos últimos dez anos a operar o C-295 em todo o tipo de cenários desde o Sudão ao Afeganistão e a decisão de operar o C-295 na Amazónia em substituição do Buffalo na Força Aérea Brasileira são factos incontestáveis da boa performance desta aeronave em missões militares.

Na minha humilde opinião, o típico "bota-abaixo" português não deve desprestigiar a boa decisão da FAP em ter optado por esta aeronave, especialmente quando os argumentos são falsos e não têm falta fundamentação.

Cumprimentos aeronáuticos ao fórum.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Novembro 08, 2009, 11:50:20 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "typhonman"
Ora nem mais, a vertente militar da escolha foi a possibilidade de o C-295 executar a missão de vigilância marítima (VIMAR) para além do transporte aéreo táctico. Ao querer ter um 2 em 1 acabou por se ter um meio mais medíocre. Em ultimo caso poderia-se ter adquirido 4 C-295M/Persuader II e 8 C-27J para transporte, mas isto iria conduzir a 2 linhas de manutenção distintas.

É verdade, mas não estou a ver o C295 a ir para o Afeganistão e outros "buracos" do género que existam por este mundo fora, tal como o C-130 faz actualmente.
Os C-295, vai continuar o trabalho do Aviocar, que são as evacuações médicas nos arquipélagos dos Açores e da Madeira, a Busca e Salvamento, a Vigilância Maritima, largar pára-quedistas em treinos e talvez mais uma ou outra coisa. E talvez também consiga "libertar" os C-130 de certas missões nacionais como o transporte logistico semanal de Portugal Continental para os Açores.

A prioridade não é para uma aeronave com capacidade militar, mas sim uma aeronave que consiga fazer o que o Aviocar faz, um avião que faça tudo, por um avião que faça tudo (um bocadinho melhor, mais rápido, etc), não é trocar um que faz tudo, por dois, um que faz A e outro que faz B.

Para as missões "a sério" de transporte táctico como no Afeganistão são para o C-130.

Caro Lightning:

Se a USAF tem C-212 e C-235 a operar no Iraque e no Afeganistão com as suas tropas especiais; se o Exército Americano quer comprar os C-295 para operar nos palcos de guerra modernos como o Afeganistão, porque é que o C-295 português não o pode fazer?

Se lerem os últimos relatórios operacionais de transporte da USAF e da RAF (estão disponiveis na net) é mencionado precisamente a falta de aeronaves médias de transporte como o C-295. É preciso entender que nos cenários operacionais actuais não se pretende deslocar 20/30 toneladas de carga de uma lado para o outro ou largar centenas de tropas num local, em termos diários. Os cenários modernos são o transporte de pequenas equipas (máximo 20 pessoas) e de carga abaixo das 5 toneladas. O facto da USAF e da RAF não dispôrem de meios médios de transporte faz com que sejam os C-130 a fazer este tipo de missão, razão pela qual ambas as frotas estão completamente "rotas" sem qualquer tipo de eficiência na sua aplicação.

Quer isto dizer que o C-295 da FAP não só está preparado para as missões de âmbito civil, mas também para executar as missões de transporte militar dos teatros de operações modernos, e bem melhor que o C-130. Vejam os comentários na Jane's sobre a comparação da operação dos C-130 espanhóis com o C-295. Vão ficar muito impressionados.

Cumprimentos aeronáuticos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: paraquedista em Novembro 09, 2009, 12:14:15 am
A cerca de 3 anos encontrei um grupo de Pilotos ou Mecanicos ??? (ja nao tenho a certeza)da FAB que estavam a tirar o curso do C295 em Hartford nos USA e eles estavam precisamente a falar da  falta de "durabilidade" do aviao para as operacoes na Amazonia...ate porque uns dias antes tinha acontecido um acidente com um deles em que o trem de aterragem nao aguentou...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Novembro 09, 2009, 09:04:55 am
Citação de: "paraquedista"
A cerca de 3 anos encontrei um grupo de Pilotos ou Mecanicos ??? (ja nao tenho a certeza)da FAB que estavam a tirar o curso do C295 em Hartford nos USA e eles estavam precisamente a falar da  falta de "durabilidade" do aviao para as operacoes na Amazonia...ate porque uns dias antes tinha acontecido um acidente com um deles em que o trem de aterragem nao aguentou...


Caro paraquedista.

Na investigação desse acidente ficou provado que a causa do acidente foi a falta de aplicação dos procedimentos apropriados por parte dos pilotos.

Tanto quanto sei, todas as aeronaves têm limites de razão de descida vs velocidade (inclusivé o C-130). Se estes limites não forem respeitados é claro que qualquer trem colapsa.

Portanto, no caso apontado a aeronave não teve qualquer implicação.

Além disto, se a FAB está tão desapontada porque é que está a tentar comprar mais C-295 para operar na Amazónia? É evidente que existe uma contradição entre os rumores e os factos.

Cumprimentos aeronáuticos.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: zocuni em Novembro 09, 2009, 11:09:54 am
Citação de: "BraincrasherII"
Começo por dizer que aprecio bastante o novo "lay-out" do fórum.

Infelizmente, tive de criar um novo utilizador pois não conseguia entrar com o original. Porém, o que interessa é participar.

Relativamente a este "post" gostaria de fazer os seguintes comentários que consegui apurar "in-loco" e com quem sabe da matéria de facto:

1. O carregamento/descarregamento do C-295 é bastante simples e mais avançado que o das aeronaves militares similares. Aliás, esta semana dois tripulantes carregaram uma viatura ligeira e duas paletes em Porto Santo em bem menos de meia-hora.No C-130, por exemplo, esta é uma manobra que requer mais tempo e tripulantes.

2.Efectivamente o C-295 leva umas sapatas por baixo enquanto se fazem operações de carga/descarga de paletes para aumento da segurança enquanto o avião não está equilibrado com a carga que vai levar. Porém, também o C-130, C-27J,C-212 e muitas aeronaves de carga as têm. Trata-se de um procedimento de segurança. Claro que em cenário hostil, para se efectuar o descarregamento é utilizado o ERO tal como no C-130;

3.A rampa do C-295 tem capacidade para levar uma palete de 1000Kg em voo e 3000 kg em carregamento no solo;

4.O sistema de paletes não tem nenhum erro. Os locks têm de ser mais pequenos para encaixar na palete.No C-130 e todas as outras aeronaves também é assim. Senão não se conseguia prender as paletes.

5. É verdade que o C-295 já aterrou em pistas menos boas...até já fez dezenas de aterragens no Corvo.Qualquer avião fica com pequenos danos quando aterram em pistas não preparadas. Viram o C-130 quando veio das primeiras operações no Afeganistão ou o C-212 depois dos destacamentos em São Tomé?Tal acontece em todas as aeronaves sem excepção. Mas, por alguma razão o Brasil tem um esquadrão de C-295 a operar em pistas não-preparadas na Amazónia! Aliás os brasileiros estão interessados em comprar mais C-295 para esta missão.Os factos falam por si.

A experiência dos espanhóis nos últimos dez anos a operar o C-295 em todo o tipo de cenários desde o Sudão ao Afeganistão e a decisão de operar o C-295 na Amazónia em substituição do Buffalo na Força Aérea Brasileira são factos incontestáveis da boa performance desta aeronave em missões militares.

Na minha humilde opinião, o típico "bota-abaixo" português não deve desprestigiar a boa decisão da FAP em ter optado por esta aeronave, especialmente quando os argumentos são falsos e não têm falta fundamentação.

Cumprimentos aeronáuticos ao fórum.

Caro,Braincrasher II

Bem eu não sou um delator do C-295,até acho que foi uma excelente aquisição por parte da FAP.Considero-os uma mais valia no transporte táctico.
Agora não vejo comparação alguma entre um C-295 e um C-130.
Sei que a França usa o C-295 como meio de suporte logistico,quanto ao Brasil usá-los na Amazónia realmente terei de consultar,mas não me parece um avião com características para isso (pode ser economicista sua utilização).
Gosto muito desses C-295 mas não é para cenários hostis.Só uma opinião.

Abs,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Novembro 09, 2009, 01:06:19 pm
Citação de: "BraincrasherII"
Caro Lightning:

Se a USAF tem C-212 e C-235 a operar no Iraque e no Afeganistão com as suas tropas especiais; se o Exército Americano quer comprar os C-295 para operar nos palcos de guerra modernos como o Afeganistão, porque é que o C-295 português não o pode fazer?

Quer isto dizer que o C-295 da FAP não só está preparado para as missões de âmbito civil, mas também para executar as missões de transporte militar dos teatros de operações modernos, e bem melhor que o C-130. Vejam os comentários na Jane's sobre a comparação da operação dos C-130 espanhóis com o C-295. Vão ficar muito impressionados.

Espero que sim :D então fico à espera de um dia vez um destacamento de C-295 como actualmente se vê do C-130  :lol: ???

O ideal será haver um equilibrio entre ambas as esquadras, para que ambas, tenham oportunidades de efectuarem missões internacionais consoante qual a melhor aeronave a ser usada ou consoante a esquadra que nesse momento tem mais capacidade de o fazer (mais aeronaves disponiveis, mais tripulações, etc).
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Novembro 09, 2009, 11:06:54 pm
Concordo Lightning.

Julgo que da mesma maneira que o C-295 não foi desenhado para largar 130 pára-quedistas ou transportar 20 toneladas numa guerra convencional, o C-130 também não foi desenhado para os conflitos actuais em que se transportam ou largam pequenas equipas de operações especiais e cargas de 5-8 toneladas para campos de 2000 pés ou menos. Lembrem-se que quando falamos do C-130 estamos a falar de uma aeronave desenhada nos anos 50!!É uma aeronave excelente mas para aquilo que foi feita na altura (cenário convencional tipo Guerra Fria).

Seria um crime de gestão danosa investirem-se milhões em equipamentos numa aeronave e depois não se tirar partido dos mesmos. Estou convencido que se a FAP adquiriu o C-295 com os equipamentos que tem é porque acham importante a sua aplicação em cenários de conflito. E eles é que são os especialistas na matéria.

Como dissestes, também concordo que o C-295 vai obviamente permitir o C-130 passar a fazer o que deve que é transporte aéreo táctico em vez de transporte geral como até agora. Mais uma boa razão para a aquisição deste meio.

Já agora, o relatório espanhol da aplicação do C-130 vs C-295 no Afeganistão diz o seguinte. "O C-295 mostrou ser uma aeronave mais eficiente e flexivel no emprego já que uma missão de transporte de C-130 equivalia (em termos de custos) a sete missões de C-295. Apesar do C-295 não transportar o mesmo número de ocupantes e carga, a sua economia e flexibilidade tornou a aeronave a forma mais lógica de emprego de meio aéreo de transporte".

Cumprimentos aeronáuticos.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Novembro 10, 2009, 02:10:07 am
O C-295 não terá as prestações do C-27 mas para as necessidades da FAP o C-295 é uma escolha equilibrada, para as missões de transporte táctico e patrulha marítima.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: luis simoes em Novembro 21, 2009, 05:49:47 pm
De facto estive a ler vossas opinioes, mas no geral devo de dar os parabens á nossa FAP, pois adquiriu de facto o ultimo grito em aviacao ligeira de transporte / patrulhamento, para o nosso territorio e ao servico da NATO é uma aeronave belissima onde o custo eficacia foi tido em conta.
  Apetrechada de novidades quer a  nivel do hardware e software,identificacao de aeronaves autoproteccao, comunicacoes seguras enfim acho que vem dar um optimo contributo no combate á pirataria, juntamente com o p-3 orion Portugal dispoe de 2 aeronaves que lhes conferem uma garantia de um futuro risonho pois de facto a nossa costa é imensa, e de facto os arquipelagos neste momento contam com este contributo importante...pois estavam de facto algo esquecidos e com esta nova aquisicao a par dos Merlin a cobertura é total ,muito bem FAP optima escolha....mais informacoes visitem  a pagina da visao onde o nosso  c-295 desempenha o papel de aeronave inimiga visitem e comentem depois um abraco...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Dezembro 15, 2009, 10:43:23 pm
Novo...novo, hoy dia 15 aun en Sevilla


(http://img695.imageshack.us/img695/3143/295portugal.jpg) (http://http)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Dezembro 16, 2009, 03:53:03 pm
Alguém sabe porque não foram retiradas as janelas dos C-295? Tanta janela não faz sentido num avião militar, a não ser para a malta ver a paisagem!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=148827
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Dezembro 16, 2009, 07:25:20 pm
Citação de: "pchunter"
Alguém sabe porque não foram retiradas as janelas dos C-295? Tanta janela não faz sentido num avião militar, a não ser para a malta ver a paisagem!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=148827

Sempre ajuda aos observadores de vigilancia maritima  :mrgreen: .
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Dezembro 16, 2009, 10:33:25 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "pchunter"
Alguém sabe porque não foram retiradas as janelas dos C-295? Tanta janela não faz sentido num avião militar, a não ser para a malta ver a paisagem!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=148827

Sempre ajuda aos observadores de vigilancia maritima  :G-beer2:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Dezembro 29, 2009, 06:30:40 pm
Citação de: "pchunter"
Alguém sabe porque não foram retiradas as janelas dos C-295? Tanta janela não faz sentido num avião militar, a não ser para a malta ver a paisagem!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=148827

A propósito da manutenção de todas aquelas janelas, é preciso não esquecer que a Força Aérea sustenta que todas as 5 aeronaves VIMAR, incluindo as 3 equipadas com o sistema FITS, poderão ser rapidamente reconfiguradas para missões de transporte caso seja necessário. É um pouco confuso porque as aeronaves equipadas com o FITS não são assim tão facilmente desconfiguradas, mas pronto.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Dezembro 30, 2009, 12:11:07 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "pchunter"
Alguém sabe porque não foram retiradas as janelas dos C-295? Tanta janela não faz sentido num avião militar, a não ser para a malta ver a paisagem!

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=148827

A propósito da manutenção de todas aquelas janelas, é preciso não esquecer que a Força Aérea sustenta que todas as 5 aeronaves VIMAR, incluindo as 3 equipadas com o sistema FITS, poderão ser rapidamente reconfiguradas para missões de transporte caso seja necessário. É um pouco confuso porque as aeronaves equipadas com o FITS não são assim tão facilmente desconfiguradas, mas pronto.

Basta retirar as paletes dos operadores do sistema, os sensores ficam.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Dezembro 30, 2009, 01:31:36 am
Mais um acabadinho de sair.

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=150298
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: IMPEESA em Dezembro 31, 2009, 12:16:43 am
Citação de: "BraincrasherII"
Concordo Lightning.

Julgo que da mesma maneira que o C-295 não foi desenhado para largar 130 pára-quedistas ou transportar 20 toneladas numa guerra convencional, o C-130 também não foi desenhado para os conflitos actuais em que se transportam ou largam pequenas equipas de operações especiais e cargas de 5-8 toneladas para campos de 2000 pés ou menos. Lembrem-se que quando falamos do C-130 estamos a falar de uma aeronave desenhada nos anos 50!!É uma aeronave excelente mas para aquilo que foi feita na altura (cenário convencional tipo Guerra Fria).

Seria um crime de gestão danosa investirem-se milhões em equipamentos numa aeronave e depois não se tirar partido dos mesmos. Estou convencido que se a FAP adquiriu o C-295 com os equipamentos que tem é porque acham importante a sua aplicação em cenários de conflito. E eles é que são os especialistas na matéria.

Como dissestes, também concordo que o C-295 vai obviamente permitir o C-130 passar a fazer o que deve que é transporte aéreo táctico em vez de transporte geral como até agora. Mais uma boa razão para a aquisição deste meio.

Já agora, o relatório espanhol da aplicação do C-130 vs C-295 no Afeganistão diz o seguinte. "O C-295 mostrou ser uma aeronave mais eficiente e flexivel no emprego já que uma missão de transporte de C-130 equivalia (em termos de custos) a sete missões de C-295. Apesar do C-295 não transportar o mesmo número de ocupantes e carga, a sua economia e flexibilidade tornou a aeronave a forma mais lógica de emprego de meio aéreo de transporte".

Cumprimentos aeronáuticos.


Caro BraincrasherII, so agora tive uma pequena oportunidade de ver a sua opinião acerca do que eu anteriormente tinha escrito.

Começando por Porto Santo, Pergunte se eles lá sabem a risistencia do material de amarrações usado para amarrar / apertar uma Pallet de Carga. Ex: Esticadores, Cintas, Correntes, Redes de Topo ou Redes Amarelas, Redes Verdes, quanto suporta cada uma das argolas das palletes de carga etc.. isso so para não dizer que os outros falam sem saber o que dizem.

Cinta ou Correia--> 2500 Lbs
Esticador ou Device --> 10.000 Lbs ou para o Avião 25.000 Lbs
Argola de uma Palete--> 7500 Lbs
Corrente --> 10.000 Lbss


Diz que a Força Aérea Comprou e que eles a que são os entendidos na Matéria?? Acho que TEORICAMENTE tem Toda a razão. Então explique se a Razão pela qual foi feita ha alguns anos lancamento de Carga a Aérea com vista a favorecer a Toyota na compra de viaturas para as Forças Armadas.... ( Ilegal ) Especialistas na Materia não deveriam fazer isso

Mais.. Porque é que antes de Descolar do Aeropoto de Lisboa os C-130 sabendo que não tinha autorizações de sobrevoo de alguns países e sabendo tambem que não as iriam ter mesmo antes de Chegar a outo País onde pudesse aterrar MESMO assim descolaram e regressaram passadas umas horas.... Isso Tudo PERMITIDO e Autorizado de Tenente Coronel para Cima....

Saberão eles realmente o que fazem...??? ou Imitam outros Países... ??? Gastam o Dinheiro que não é deles em coisas que aparentemente, repito, aparentemente não serve para o que eles querem ou sonham querer.....

FAP , Ministério da Defesa Nacional , Governo ... e por ai fora Decisões que não são apenas tomadas por uma pessoa..

Compra dos EH-101.... Re-integração dos Puma.... Carros de Bombeiros novos ( Estão TODOs a Ser Utilizados? )

Alguns EH-101 ja foram "Canibalizados " para terem peças de ums para os outros.....


Especialistas na Matéria.... ( No Dicionário deve ver uma Definição para isso ) Especialista / Profissional ......

Até o podem ser, mas Não se nota mesmo nada.. .

Cumprimentos para todos e Votos de um bom Ano 2010
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 02, 2010, 01:28:53 pm
Citação de: "pchunter"
Basta retirar as paletes dos operadores do sistema, os sensores ficam.

Pois, bem sei porque estou dentro do dossier desde o momento anterior à aquisição dos aparelhos, mas vá por mim: teoricamente é fácil, na prática nem por isso.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 02, 2010, 02:07:52 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "pchunter"
Basta retirar as paletes dos operadores do sistema, os sensores ficam.

Pois, bem sei porque estou dentro do dossier desde o momento anterior à aquisição dos aparelhos, mas vá por mim: teoricamente é fácil, na prática nem por isso.

Mesmo assim deve ser mais fácil do que o Aviocar :wink: .
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 02, 2010, 04:20:03 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "pchunter"
Basta retirar as paletes dos operadores do sistema, os sensores ficam.

Pois, bem sei porque estou dentro do dossier desde o momento anterior à aquisição dos aparelhos, mas vá por mim: teoricamente é fácil, na prática nem por isso.

Mesmo assim deve ser mais fácil do que o Aviocar :mrgreen:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: IMPEESA em Janeiro 05, 2010, 07:13:38 pm
Boa Tarde queria so    emendar   algo que anteriormente escrevi e que Não está correcto. Uma cinta / Correia tem uma resitencia de 5000 Lbs e não de 2500 Lbs como tinha referido.

Assim fica a informação Correcta.

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 08, 2010, 08:10:44 pm
Boa noite,

Uma questão amigos, os nossos C295 Vimar/Persuader terão capacidade para lançar misses harpoon ou outro armamento equivalente tal como os P3?

Obrigados
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 09, 2010, 04:41:19 pm
Citação de: "Cláudio C."
Boa noite,

Uma questão amigos, os nossos C295 Vimar/Persuader terão capacidade para lançar misses harpoon ou outro armamento equivalente tal como os P3?

Obrigados

Eu acho que não, para fazer vigilância maritima não é necessário armamento :lol: ?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cláudio C. em Janeiro 10, 2010, 01:06:17 am
Pois de facto tem razão, eu só me lembrei dessa ideia (estupidamente ou nao  :)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: lobomau em Janeiro 11, 2010, 12:16:37 pm
boas

claro que um C295 consegue levar um harpoon, mas é no porão de carga... vamos lá ver, o C295 é um "teco-teco" ao pé do P3

Citação de: "Cláudio C."
Boa noite,

Uma questão amigos, os nossos C295 Vimar/Persuader terão capacidade para lançar misses harpoon ou outro armamento equivalente tal como os P3?

Obrigados
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Janeiro 12, 2010, 10:09:27 pm
Citação de: "lobomau"
boas

claro que um C295 consegue levar um harpoon, mas é no porão de carga... vamos lá ver, o C295 é um "teco-teco" ao pé do P3

Citação de: "Cláudio C."
Boa noite,

Uma questão amigos, os nossos C295 Vimar/Persuader terão capacidade para lançar misses harpoon ou outro armamento equivalente tal como os P3?

Obrigados

Efectivamente, caro lobomau, o C-295 português não leva um Harpoon porque como já mencionaram, o C-295 VIMAR da FAP é uma aeronave de reconhecimento (vigilância marítima) e não de patrulhamento marítimo como o P-3.

Mas, para seu conhecimento e dos restantes amigos do fórum, O C-295 pode levar mísseis harpoon e outro tipo de armamento. É só ver o C-295 adquirido pelo Chile. Ver seguinte link.

http://forum.contatoradar.com.br/lofive ... 48109.html (http://forum.contatoradar.com.br/lofiversion/index.php/t48109.html)

Além disso, o C-295 português tem toda a tecnologia de ponta, incluindo sistemas de rádio e navegação seguros, capacidade NVG, Flir StarsafireIV, Radar ELTA (sem qualquer degradação ao contrário do P-3), sistemas de autoprotecção, antenas SLAR, etc,etc.... Peço desculpa: mas o P-3 é que é um "teco-teco" ao compararmos com o C-295 Vimar.  :D

Cumprimentos aeronáuticos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 12, 2010, 11:06:43 pm
Citação de: "BraincrasherII"
Mas, para seu conhecimento e dos restantes amigos do fórum, O C-295 pode levar mísseis harpoon e outro tipo de armamento. É só ver o C-295 adquirido pelo Chile. Ver seguinte link.

http://forum.contatoradar.com.br/lofive ... 48109.html (http://forum.contatoradar.com.br/lofiversion/index.php/t48109.html)

Gostava de ver era uma foto ou um video dele a voar armado  :D

Cumprimentos aeronáuticos[/quote]

A nivel de electrónica é lógico que sim, estamos a falar de duas décadas de diferença entre as duas aeronaves.
Pois se o C-295 fosse superior ao P-3 em tudo não valeria a pena termos comprado P-3C à Holanda, e veriamos todos os paises do mundo a trocar os seus P-3s por C-295.

Em relação a ser um ou outro um "teco-teco" o melhor é esperarmos até os P-3C estarem modernizados com tecnologia actual, é para ser uma luta justa :mrgreen: .
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Janeiro 13, 2010, 10:14:37 am
Comparar o P3 com o C-295, é como comparar uma faca de mato com um canivete Suíço. :wink:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: canardS em Fevereiro 11, 2010, 07:05:04 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/9/1/avc_00156191.jpg)




En Sevilla hace dos dias
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Instrutor em Fevereiro 12, 2010, 03:18:33 pm
Em caso de necessidade podemos sempre mandar ca para baixo umas granadas de mao, ou um jerican cheio de gasolina e um pano arder sempre dá para incendiar alguma embarcação.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabecinhas em Fevereiro 12, 2010, 03:47:16 pm
http://www.areamilitar.net/analise/analise.aspx?NrMateria=16

Após ler este comparativo, fiquei com a sensação que a escolha do C-295 foi a mais acertada por causa da verão de patrulhamento marítimo... claro que o ideal seria ter a versão marítima de do C-295 e o C-17J para o transporte de mercadorias.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Fevereiro 12, 2010, 09:22:24 pm
Citação de: "Cabecinhas"
laro que o ideal seria ter a versão marítima de do C-295 e o C-17J para o transporte de mercadorias.

Pois uns C-17 é que era :mrgreen:

(http://c-17-globemaster-iii-screensaver.smartcode.com/images/sshots/c-17_globemaster_iii_screensaver_27639.jpeg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: BraincrasherII em Fevereiro 12, 2010, 11:16:32 pm
(http://www.defenseindustrydaily.com/images/AIR_KC-390_Over_Amazon_Concept_lg.jpg)

E que tal uns KC-390 para complementar os C-295M.

Andaram aí uns brasileiros a tentar vender o produto....vamos a ver no que vai dar.

Cumps
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabecinhas em Fevereiro 13, 2010, 02:05:45 am
Citação de: "Lightning"
Citação de: "Cabecinhas"
laro que o ideal seria ter a versão marítima de do C-295 e o C-17J para o transporte de mercadorias.

Pois uns C-17 é que era :mrgreen:

(http://c-17-globemaster-iii-screensaver.smartcode.com/images/sshots/c-17_globemaster_iii_screensaver_27639.jpeg)

UPS! C-27J
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: dc em Abril 05, 2010, 03:04:04 pm
Boas
Os nossos C-295 Persuader terao capacidade de levar armas?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Abril 08, 2010, 10:03:10 pm
No es da FAP, pero muy interesante, con MAD y soportes de armas, el novo C-296:

(http://www.aviationcorner.net/public/photos/9/1/avc_00163491.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Abril 08, 2010, 10:52:48 pm
Na fuselagem diz EC-296, não será uma versão de Guerra Electrónica, tal como os Americanos que tem EC-130s?

De certeza que esses suportes são de armamento? É que os C-295 portugueses também tem suportes e são para pods.

Essa versão está operacional em Espanha ou é um protótipo da CASA?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ShadIntel em Abril 09, 2010, 12:23:50 am
Citação de: "Lightning"
Na fuselagem diz EC-296, não será uma versão de Guerra Electrónica, tal como os Americanos que tem EC-130s?

De certeza que esses suportes são de armamento? É que os C-295 portugueses também tem suportes e são para pods.

Essa versão está operacional em Espanha ou é um protótipo da CASA?
O EC-296 não será antes a mais antiga aeronave da série C-295, utilizada hoje pela EADS-CASA como plataforma de testes ? Penso ter lido isso algures, vou tentar encontrar onde.

Vejam esta fotografia de 2006:
(http://cdn-www.airliners.net/aviation-photos/middle/6/3/7/1092736.jpg)
http://www.airliners.net/photo/CASA/CAS ... c53d4d1d44 (http://www.airliners.net/photo/CASA/CASA-C-295/1092736/L/&sid=90869db4290164eaef24f9c53d4d1d44)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Abril 09, 2010, 10:36:30 am
Citação de: "ShadIntel"
O EC-296 não será antes a mais antiga aeronave da série C-295, utilizada hoje pela EADS-CASA como plataforma de testes ? Penso ter lido isso algures, vou tentar encontrar onde.

Vejam esta fotografia de 2006:
(http://cdn-www.airliners.net/aviation-photos/middle/6/3/7/1092736.jpg)
http://www.airliners.net/photo/CASA/CAS ... c53d4d1d44 (http://www.airliners.net/photo/CASA/CASA-C-295/1092736/L/&sid=90869db4290164eaef24f9c53d4d1d44)

Pois deve ter razão, é uma aeronave para experimentar tecnologias, é que resolvi ir pesquisar umas coisas e o nº que aparece "EC-296", não tem nada a ver com o que eu disse  :oops: , é que as letras EC são as letras iniciais de todas as aeronaves civis registadas em Espanha, o 296 é simplesmente o resto da matricula, tal como em Portugal todas as aeronaves civis começam pelas letras CS.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ShadIntel em Abril 09, 2010, 11:40:11 am
Afinal, é o segundo da série, logo a seguir ao protótipo. Acabei por encontrar uma explicação mais completa:

Citar
The C-295 was officially announced at the Paris Air Show in June 1997, after the programme had been initiated in November 1996.
The prototype (a rebuilt CN-235, registration EC-295) first flew on 28 November 1997. Up to the certification, it contributed 801 hours in 379 flights to the test programme.
A production-representative example of the C-295 (designated S1, registration EC-296) followed on December 22, 1998 at San Pablo Airport in Seville. Test pilots Alejandro Madurga and Jose Murga were at the controls during the first flight. This aircraft has been used mainly for systems evaluation and certification. It completed 515 hours in 232 flights up to December 1999.
http://www.flug-revue.rotor.com/FRTypen/FRC-295.htm (http://www.flug-revue.rotor.com/FRTypen/FRC-295.htm)

Na sua configuração actual, devem estar a testar sistemas de luta antisubmarina.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: cromwell em Abril 09, 2010, 09:55:48 pm
O C-295 já está presente no site da FAP! :D

http://www.emfa.pt/www/aeronavesdetalhe ... t&cod=c295 (http://www.emfa.pt/www/aeronavesdetalhe.php?lang=pt&cod=c295)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ShadIntel em Abril 11, 2010, 09:39:48 pm
Citar
Presidente das Contrapartidas recebeu agentes do 'C-295'
Portugal considera programa do avião como "pré-conflitual".

O presidente da Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC) recebeu representantes do fabricante europeu dos aviões C-295 na sexta-feira, dia da reunião com um administrador da alemã Ferrostaal, soube ontem o DN.

No centro do diferendo entre a CPC e a EADS-CASA entre as partes está o projecto FITS (sigla inglesa para "sistema táctico completamente integrado"): a Força Aérea quer os códigos do sistema porque lhe dá independência - elemento de importância estratégica - face ao estrangeiro, quando quiser alterar ou mexer na configuração dos equipamentos.

O problema é que a Força Aérea não tem orçamento para os comprar - mas a EADS-CASA está disposta a ceder o FITS desde que o seu valor seja contabilizado como contrapartidas, segundo as fontes.

Aqui entram a CPC e o Ministério da Economia: esse negócio não se traduz em facturação para as empresas portuguesas, pelo que rejeitam considerá-lo como um projecto de contrapartidas.

A exemplo dos submarinos, o contrato de contrapartidas pela compra à EADS-CASA de 12 aviões de transporte táctico também está a revelar-se de difícil cumprimento, apresentando uma taxa de execução de 5,5% (ver caixa).

"A situação deste programa podia ser caracterizada como pré- -conflitual", dados os "diferendos existentes em relação aos vários projectos, nomeadamente a sua valorização e respectivos pedidos de creditação, e à diferente interpretação que as partes davam ao Acordo de Cooperação", diz a CPC.

Os C-295 envolveram um investimento de 274 milhões de euros, tendo como contrapartida projectos de 460 milhões de euros (160% do custo) - só que alguns tinham "baixo ou nulo valor de vendas e um valor de transferência de tecnologia considerado excessivo".
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/inter ... id=1541268 (http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1541268)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Abril 11, 2010, 09:45:22 pm
Citar
Portugal considera programa do avião como "pré-conflitual".

O presidente da Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC) recebeu representantes do fabricante europeu dos aviões C-295 na sexta-feira, dia da reunião com um administrador da alemã Ferrostaal, soube ontem o DN.

No centro do diferendo entre a CPC e a EADS-CASA entre as partes está o projecto FITS (sigla inglesa para "sistema táctico completamente integrado"): a Força Aérea quer os códigos do sistema porque lhe dá independência - elemento de importância estratégica - face ao estrangeiro, quando quiser alterar ou mexer na configuração dos equipamentos.

O problema é que a Força Aérea não tem orçamento para os comprar - mas a EADS-CASA está disposta a ceder o FITS desde que o seu valor seja contabilizado como contrapartidas, segundo as fontes.

Aqui entram a CPC e o Ministério da Economia: esse negócio não se traduz em facturação para as empresas portuguesas, pelo que rejeitam considerá-lo como um projecto de contrapartidas.

A exemplo dos submarinos, o contrato de contrapartidas pela compra à EADS-CASA de 12 aviões de transporte táctico também está a revelar-se de difícil cumprimento, apresentando uma taxa de execução de 5,5% (ver caixa).

"A situação deste programa podia ser caracterizada como pré- -conflitual", dados os "diferendos existentes em relação aos vários projectos, nomeadamente a sua valorização e respectivos pedidos de creditação, e à diferente interpretação que as partes davam ao Acordo de Cooperação", diz a CPC.

Os C-295 envolveram um investimento de 274 milhões de euros, tendo como contrapartida projectos de 460 milhões de euros (160% do custo) - só que alguns tinham "baixo ou nulo valor de vendas e um valor de transferência de tecnologia considerado excessivo".
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1541268
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Abril 12, 2010, 09:23:20 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "ShadIntel"
O EC-296 não será antes a mais antiga aeronave da série C-295, utilizada hoje pela EADS-CASA como plataforma de testes ? Penso ter lido isso algures, vou tentar encontrar onde.

Vejam esta fotografia de 2006:
(http://cdn-www.airliners.net/aviation-photos/middle/6/3/7/1092736.jpg)
http://www.airliners.net/photo/CASA/CAS ... c53d4d1d44 (http://www.airliners.net/photo/CASA/CASA-C-295/1092736/L/&sid=90869db4290164eaef24f9c53d4d1d44)

Pois deve ter razão, é uma aeronave para experimentar tecnologias, é que resolvi ir pesquisar umas coisas e o nº que aparece "EC-296", não tem nada a ver com o que eu disse  :oops: , é que as letras EC são as letras iniciais de todas as aeronaves civis registadas em Espanha, o 296 é simplesmente o resto da matricula, tal como em Portugal todas as aeronaves civis começam pelas letras CS.


EC es el indicativo de matrícula de España, al igual que de Portugal es CS, pero las matrículas normales tienen después tres letras, por ejemplo:

EC-BGH, EC-HLK, o EC-IDB, si tienen tres números, son aviones con matriculas especiales, prototipos, como este EC_296, o el EC-402:

http://jetphotos.net/viewphoto.php?id=6 ... ments=true (http://jetphotos.net/viewphoto.php?id=6811571&showcomments=true)

El EC 296 de la foto, es un avión de probas de CASA, y en la foto que puse es el prototipo de la nova versión Persuader, con soportes de armamento y MAD en la cola.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Abril 12, 2010, 09:39:09 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/8/4/avc_00160084.jpg)

http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=160084 (http://www.aviationcorner.net/show_photo.asp?id=160084)

Citar
Este Persuader será el primero de los dos ejemplares, con capacidad antisubmarina (ASW), para entregar a la Armada de Chile.
Destaca en Detector de Anomalías Magnéticas (MAD) el la cola

A. Muñiz Zaragueta, Aviation Corner.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Maio 08, 2010, 10:27:52 pm
Citar
(http://www.airbusmilitary.com/Portals/0/Imgs/English/Press/PR_07_05_2010_01.jpg)
First torpedo launched from C295

07-05-10

Airbus Military successfully conducted the first torpedo launch from one of its C295 Maritime Patrol Aircraft (MPA).

This represents an important milestone in the development of the antisubmarine version of the C295 MPA. It is also a significant entry for Airbus Military into the market of Anti Submarine Warfare (ASW) aircraft, currently dominated by veteran aircraft such as the P-3 Orion and the Atlantique.

The C295 MPA/ASW includes two under-wing pylons for the installation of torpedoes and other external loads. It also incorporates a Store Management System (SMS), integrated with the Airbus Military Fully Integrated Tactical System (FITS), to control the deployment of sonobuoys for submarine detection and torpedoes.

The C295 MPA has a flight endurance of over 11 hours, and it is used for a wide variety of missions: Search and Rescue (SAR), control of the Exclusive Economic Zone (EEZ), law enforcement, marine pollution detection, as well as defence missions. The C295 platform, a multi-mission short / medium range tactical transport aircraft, offers high manoeuvrability and excellent qualities for low-altitude flying. In addition, it has been widely tested in all kinds of aerial deployments: launch of chains of SAR rafts, emergency equipment and parachutists.

With this new version, Airbus Military increases the capabilities offered by its surveillance aircraft family.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Julho 02, 2010, 11:48:49 am
Citar
Portugal e a empresa EADS assinam documento na próxima semana, regularizando contrato que estava em ponto 'pré-conflitual'

A Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC) e o construtor aeronáutico europeu EADS-CASA chegaram esta semana a acordo sobre o pacote de contrapartidas associadas à compra dos aviões de transporte C-295, soube ontem o DN.

O novo protocolo, que deverá ser formalmente assinado na próxima semana, irá regularizar um dos contratos de contrapartidas com maior taxa de incumprimento e que a CPC sustentava estar em situação "pré-conflitual", segundo o relatório apresentado há semanas ao Parlamento.

Segundo a comissão, a taxa de execução do programa era de apenas 5,5%, embora o valor dos projectos apresentados pela empresa - mas não validados pela CPC - fosse superior, dizia o relatório. O fim da sua renegociação devia ter ocorrido em Maio, segundo os prazos da CPC, mas a complexidade das matérias terá levado ao seu arrastamento por mais um mês.

Segundo fontes conhecedoras do dossier, a CPC conseguiu baixar para um terço - cerca de 50 milhões de euros - o valor contabilizável do projecto que estava a dividir as partes. Trata-se de um programa de códigos (desenvolvido pela EADS e conhecido pela sigla inglesa FITS) que dão, à Força Aérea, independência total para alterar a configuração dos equipamentos de bordo dos C-295.

A CPC recusava contabilizar o FITS como contrapartida, pois não se traduzia em quaisquer mais-valias (leia-se facturação) para as empresas portuguesas. Na prática, assinalou uma das fontes ao DN, a decisão final da CPC acabou por fazer prevalecer o "interesse estratégico" da Defesa sobre o "interesse industrial".

Portugal investiu 274 milhões de euros nos C-295, recebendo como contrapartida projectos de 460 milhões de euros (160% do custo) - só que, para a CPC, alguns tinham "baixo ou nulo valor de vendas e um valor de transferência de tecnologia
http://dn.sapo.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=1607475
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: cromwell em Julho 21, 2010, 12:37:12 pm
Citar
DEFESA | As (contra)partidas militares

19-Jul-2010  
 Soube-se, há escassos dias atrás, que o Estado Português, por intermédio da Comissão Permanente de Contrapartidas (CPC), esteve em negociações com os responsáveis da empresa EADS-CASA para a revisão do contrato de contrapartidas relativo à compra dos aviões C-295, já que este, estando com uma taxa de cumprimento muito baixa e um prazo de quatro anos de incumprimento por parte do consórcio EADS-CASA, se encontraria mesmo em situação de “pré-contecioso”.
 
Foi com espanto, que os portugueses souberam, pela comunicação social, da decisão da CPC de prolongar o prazo das contrapartidas, “perdoar” os incumprimentos dos últimos anos e ainda proceder à eliminação do importante acordo de cooperação e desenvolvimento tecnológico que o consórcio EADS-CASA estava obrigado a desenvolver com a indústria portuguesa.

Nestas negociações, os interesses nacionais, uma vez mais saíram gravemente prejudicados por via da incompetência reinante na CPC que não consegue zelar para que os contratos e acordos de contrapartidas sejam cumpridos ou ao menos renegociados de forma aceitável.

A compra de material militar tem sido um assunto demasiado envolvido em tramóias e golpadas e que reclama urgentes esclarecimentos, nomeadamente da parte do Senhor Ministro da Defesa. Haja coragem para isso!

Quanto ao Senhor Embaixador Pedro Catarino, Presidente da Comissão Permanente de Contrapartidas desde Janeiro de 2007, entende o PNR que a sua demissão seria o cenário mais consentâneo…

http://www.pnr.pt/portal/index.php?opti ... 1&Itemid=1 (http://www.pnr.pt/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=561&Itemid=1)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: dc em Agosto 12, 2010, 10:28:31 am
Boas
Os nossos C-295 Persuader poderão ser equipados com algum tipo de armamento em caso de necessidade ?

Cumps
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabeça de Martelo em Agosto 13, 2010, 05:50:35 pm
Citação de: "dc"
Boas
Os nossos C-295 Persuader poderão ser equipados com algum tipo de armamento em caso de necessidade ?

Cumps

Os nossos C-295 M não levaram nenhum armamento, para isso vamos ter os Orion.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Agosto 13, 2010, 11:25:41 pm
(http://img709.imageshack.us/img709/1179/383page26.jpg)

(http://img442.imageshack.us/img442/1690/383page27.jpg)

(http://img842.imageshack.us/img842/5545/383page28.jpg)

(http://img245.imageshack.us/img245/9433/383page29.jpg)

(http://img580.imageshack.us/img580/5411/383page30.jpg)

(http://img822.imageshack.us/img822/6849/383page31.jpg)


Fonte: http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/383.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/383.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Setembro 18, 2010, 05:46:49 pm
Citar
The Portuguese Air Force (Força Aérea Portuguesa-FAP) has already received it first EADS Airbus Military C-295M Persuader maritime surveillance aircraft.
The aircraft of a fleet of five units remain at the company Seville based facilities in Spain for training operations.
The last aircraft is scheduled to be delivered in November said the Portuguese Air Force to PoADU.
Portugal has acquired a total of twelve C-295Ms tactical transport aircraft, five of them configured for maritime surveillance tasks which are called VIMAR (VIgilância MARítima).
The C-295M fleet is operated by the 502 Squadron “Elefantes” from Montijo air base Nº6.
The VIMARs will complement the five  P3Cplus upgraded  by Lockheed Martin and OGMA-Indústria Aeronáutica de Portugal SA on maritime surveillance operations. The Portuguese Air Forces operates two of the six P-3P Orion aircraft, formerly P-3Bs of the RAAF (Royal Australian Air Force).

Cá o esperamos. :G-beer2:

Fonte: http://poadu.wordpress.com/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Instrutor em Setembro 24, 2010, 11:31:42 pm
Qual a calendarização da entrega de todos os C295M na FAP?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cláudio C. em Novembro 05, 2010, 07:47:08 pm
A aquisição de 6 unidades adicionais? Ou a recepção das ultimas 6? Parece-me bizarro das a actual conjectura financeira...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cláudio C. em Novembro 05, 2010, 07:54:42 pm
Citação de: "pmdavila"
Na RTP:

Ministério da Defesa anuncia compra de mais 6 C-295M

Ao que parece, 3 vão ser entregues até Dezembro e os outros 3 estão inscritos no orçamento de 2011.

 :arrow:  http://ww1.rtp.pt/noticias/?t=Governo-a ... 89220&tm=8 (http://ww1.rtp.pt/noticias/?t=Governo-anuncia-compra-de-mais-seis-avioes-para-a-Forca-Aerea.rtp&headline=20&visual=9&article=389220&tm=8)

http://www.agenciafinanceira.iol.pt/fin ... -1729.html (http://www.agenciafinanceira.iol.pt/financas/forca-aerea-ministerio-da-defesa-tribunal-de-contas-tc-orcamento-agencia-financeira/1205628-1729.html)

Refere-se apenas a imputação para efeitos do défice das ultimas 6 unidades... Estes jornalistas não sabem nem procuram saber do que falam...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pmdavila em Novembro 05, 2010, 08:08:43 pm
Obrigado pela correcção, estava a achar isto muito estranho. Bem que procurei notícias sobre a aquisição de mais C-295M e, claro, que não existiam..... :roll:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 09, 2010, 03:03:37 pm
Citar
Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar preside à implementação do Destacamento da Aeronave C-295M no AM3- Porto Santo

03.11.2010 O Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar (SEDNAM), Marcos Perestrello, preside no dia 5 de Novembro, a partir das 16h25, à cerimónia de implementação do Destacamento da Aeronave C-295M no Aeródromo de Manobra nº3 (AM3), em Porto Santo.

Programa

16h25 – Chegada do SEDNAM acompanhado pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA) ao AM3- Porto Santo. Honras militares.

16h35 - Início da Cerimónia

- Resenha histórica da actividade da aeronave C-212 “Aviocar” na Região da Madeira
- Apresentação da aeronave C-295M
- Alocução do General CEMFA
- Alocução do SEDNAM

17h00 - Visita às aeronaves estacionadas

17h10 – Ponto de Imprensa

http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/n ... mImp_1.htm (http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/notas/20101103_SEDNAM_ComImp_1.htm)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 10, 2010, 01:08:35 pm
Citar
C-295M inicia Destacamento na Madeira

08-11-2010

Realizou-se no dia 5 de Novembro, no Aeródromo de Manobra Nº3, em Porto Santo, na Madeira, a Cerimónia de Implementação da Aeronave C-295M, que substitui o C-212 AVIOCAR.

A Cerimónia foi presidida pelo Secretário de Estado da Defesa Nacional e dos Assuntos do Mar (SEDNAM), Dr. Marcos Perestrello, e contou com as presenças do Chefe do Estado-Maior da Força Aérea (CEMFA), General Luís Araújo, e de outras individualidades civis e militares.

Na Cerimónia, o CEMFA salientou a importância da presença da Força Aérea na Madeira, e do AVIOCAR, que ao longo de 34 anos zelou pelo bem-estar da população, no cumprimento das missões de busca e salvamento, evacuação médica e sanitária, transporte inter-ilhas, protecção ambiental, vigilância marítima e apoio à protecção civil. O CEMFA referiu ainda que o Destacamento do C-295M é resultado da consolidação de meios para cumprir melhor a missão, com a mais recente tecnologia aeronáutica que permite triplicar as capacidades de carga, alcance e autonomia do seu antecessor.

O SEDNAM reforçou as palavras proferidas pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, destacando ainda a importância da consolidação de esforços e da modernização dos meios, para garantir um melhor serviço ao país e à população.

O C-295M surge como sucessor natural do C-212 AVIOCAR, recebendo o seu legado, e em conjunto com a presença permanente do helicóptero EH-101 MERLIN, cumprir as missões que lhe estão incumbidas no Arquipélago da Madeira.

http://www.emfa.pt/www/detalhe.php?cod=035.512&lang=pt (http://www.emfa.pt/www/detalhe.php?cod=035.512&lang=pt)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Pedro Monteiro em Janeiro 08, 2011, 11:46:01 pm
A revista espanhola Fuerzas Militares del Mundo de Janeiro (nº 101), já nas bancas, traz uma reportagem onde se faz um balanço das 4 mil horas de voo da frota de C-295M portugueses e das capacidades e características dos aviões nacionais, incluindo da versão VIMAR.

(http://img.photobucket.com/albums/v293/ilha113/fam101_502sqn.jpg)

Cumprimentos,
Pedro Monteiro
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 15, 2011, 05:40:56 pm
Bom trabalho, Pedro.  :wink:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 26, 2011, 01:09:25 pm
Citar
Avião português vai participar na vigilância do Mediterrâneo

25-02-2011

O Estado português disponibilizou um avião que irá participar na vigilância marítima das águas do Mediterrâneo, no quadro da operação europeia que visa controlar futuras vagas de imigração, sobretudo do norte de África, anunciou a agência europeia Frontex. Numa nota enviada à Lusa, a Agência para o Controlo das Fronteiras Externas da União Europeia anuncia que, no âmbito da primeira fase da operação conjunta Hermes, Portugal enviou para águas italianas um avião para "ajudar na vigilância marítima, que deverá estar operacional em 26 de Fevereiro".

A informação também já foi confirmada à Lusa por uma fonte do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que é ponto de contacto nacional para o relacionamento com a agência europeia. De acordo com o SEF, o avião da Força Aérea Portuguesa é o "único meio aéreo não italiano que será utilizado nesta fase da operação"."Na vertente de prevenção e vigilância, Portugal deslocará já este sábado e por um período previsível de duas semanas para o palco de operações um aparelho C-295 da Força Aérea a bordo do qual estará igualmente um inspector do SEF", precisou a mesma fonte.

A pedido da Itália, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras já destacara - em meados deste mês - quatro inspectores "peritos na realização de entrevistas" para apoiar as autoridades italianas."Portugal participa nesta operação deslocando um grupo de inspectores do SEF os quais irão auxiliar directamente as autoridades de fronteira daquele Estado-membro da União nas entrevistas que é necessário efectuar aos imigrantes que têm vindo a chegar à Ilha de Lampedusa", adiantou a fonte do SEF.

Conforme o evoluir da situação naquela área geográfica, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras explica que "será ponderado o eventual reforço destes meios tendo como finalidade a prevenção da imigração ilegal e a repressão das redes criminosas que a facilitam com intuito lucrativo". A Frontex acredita que podem chegar aos países comunitários entre 500 mil a 1,5 milhões de pessoas originárias da Líbia e do norte de África. A operação europeia, que tem por objetivo apoiar a Itália nos esforços para controlar as vagas de imigração com destino ao sul de Itália, foi anunciada a 16 de Fevereiro pelo director da Frontex, o finlandês Ilkka Laitinen.

 :arrow: http://www.jn.pt/PaginaInicial/Nacional ... 28&page=-1 (http://www.jn.pt/PaginaInicial/Nacional/Interior.aspx?content_id=1793428&page=-1)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Março 15, 2011, 07:50:47 pm
Citar
Una aeronave C-295 Persuader de patrulla maritima de la Fuerza Aérea de Portugal, operada por el Escuadron 502 ‘Elefantes’, esta empeñada desde el pasado 26 de febrero en la operacion “Joint Operation Hermes Extension 2011”, llevada a cabo por la Agencia Europea de Gestion de Cooperacion Operacional en Fronteras Externas de Estados-Miembros de la Union Europea (FRONTEX), que tiene como objetivo el control de la inmigracion ilegal hacia Italia, proveniente desde el norte de Africa.

La principal mision del C-295 y su tripulacion, que tambien esta compuesta por un elemento del Servicio de Extranjeria y Fronteras italiano, consiste en la vigilancia marítima de las aguas del mar Mediterraneo, teniendo como responsabilidad la deteccion y el reporte de cualquier actividad sospechosa y que ademas amenace la seguridad de aquellas personas emigrando por via maritima, pretenden atravesar el mar Mediterraneo.

El avion de patrulla maritima y de busqueda y rescate C-295, esta equipado con la mas reciente tecnologia disonible en el mercado aeronautico, cuenta con un radar AN/APN-241, luces de busqueda direccionables, 4 ventanas de burbuja para observacion, esta operando desde la isla Pantelleria, una pequeña isla ubicada al sur de Italia.

Coincidentemente, las unidades participantes en esta operacion se encuentran desplegadas, en parte, frente a las costas de Libia. Fragatas, destructores, buques logisticos de varios paises europeos, ademas de 2 buques turcos operando en aguas cercanas.

La operacion ‘Joint Operation Hermes Extension 2011′ fue adelantada -desde junio 2011 – hacia mediados de febrero debido a una solicitud de ayuda del ministerio del Interior italiano para el control migratorio. La probable fecha de termino es marzo 31, pero esta puede ser extendida.
http://maquina-de-combate.com/blog/archives/14588
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Março 15, 2011, 07:52:30 pm
Citar
Avion C-295 de la Fuerza Aerea de Portugal patrullando el Mediterraneo

Una aeronave C-295 Persuader de patrulla maritima de la Fuerza Aérea de Portugal, operada por el Escuadron 502 ‘Elefantes’, esta empeñada desde el pasado 26 de febrero en la operacion “Joint Operation Hermes Extension 2011”, llevada a cabo por la Agencia Europea de Gestion de Cooperacion Operacional en Fronteras Externas de Estados-Miembros de la Union Europea (FRONTEX), que tiene como objetivo el control de la inmigracion ilegal hacia Italia, proveniente desde el norte de Africa.
La principal mision del C-295 y su tripulacion, que tambien esta compuesta por un elemento del Servicio de Extranjeria y Fronteras italiano, consiste en la vigilancia marítima de las aguas del mar Mediterraneo, teniendo como responsabilidad la deteccion y el reporte de cualquier actividad sospechosa y que ademas amenace la seguridad de aquellas personas emigrando por via maritima, pretenden atravesar el mar Mediterraneo.
El avion de patrulla maritima y de busqueda y rescate C-295, esta equipado con la mas reciente tecnologia disonible en el mercado aeronautico, cuenta con un radar AN/APN-241, luces de busqueda direccionables, 4 ventanas de burbuja para observacion, esta operando desde la isla Pantelleria, una pequeña isla ubicada al sur de Italia.
Coincidentemente, las unidades participantes en esta operacion se encuentran desplegadas, en parte, frente a las costas de Libia. Fragatas, destructores, buques logisticos de varios paises europeos, ademas de 2 buques turcos operando en aguas cercanas.
La operacion ‘Joint Operation Hermes Extension 2011′ fue adelantada -desde junio 2011 – hacia mediados de febrero debido a una solicitud de ayuda del ministerio del Interior italiano para el control migratorio. La probable fecha de termino es marzo 31, pero esta puede ser extendida.

(http://maquina-de-combate.com/blog/wp-content/uploads/2011/03/c295_portugal-1.jpg)


Já estão montadas as antenas SLAR?

Fonte:http://maquina-de-combate.com/blog/archives/14588
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Desertas em Abril 12, 2011, 11:34:26 pm
Algum dos foristas podia explicar que equipamento é este na asa do C-295 - 16712 ?

(http://img7.imageshack.us/img7/1066/avioes002.jpg)

Um Abraço
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Abril 12, 2011, 11:35:53 pm
A mim parece-me um pod fotográfico.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Abril 13, 2011, 12:01:10 am
É um pod de iluminação para buscas.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Abril 17, 2011, 06:13:10 pm
Citar
15.04.2011 O Ministro da Defesa Nacional, Augusto Santos Silva, estará presente esta terça-feira, dia 19 de Abril, pelas 15 horas, na Base Aérea 6, no Montijo, na cerimónia de implementação do Initial Operational Capability da aeronave C-295M VIMAR.

Programa:
15h00 – Chegada dos convidados
15h30 – Apresentação da Aeronave C-295M VIMAR
16h15 – Visita sala de planeamento da missão à aeronave C-295M VIMAR estacionada
16h45 – Briefing na Esquadra 751
17h00 – Ponto de Imprensa

http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/n ... mImp_1.htm (http://www.mdn.gov.pt/mdn/pt/Imprensa/notas/20110415_MDN_ComImp_1.htm)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Maio 17, 2011, 10:38:45 am
Citar
By VMSB

The Portuguese Air Force (Força Aérea Portuguesa-FAP) has recently received its last C-295M Persuader maritime patrol aircraft. Portugal operates now five aircraft configured for maritime surveillance operations. The type which is called C-295M VIMAR (VIgilância MARítima) includes specific equipments including the ELTA Systems Ltd 2022-A(V)3 maritime surveillance radar and FLIR Systems Inc Star Safire HD high-definition multi-sensor surveillance system and a pod configured searchlight. Portugal has also procured three FITS (Fully Integrated Tactical System) tactical mission system in a modular configuration. Two of the VIMARs include provisions for the installation of an airborne reconnaissance payload called SRFOT (Sistema de Reconhecimento FOTográfico).

Both variants are equipped with Pratt & Whitney Canada PW-127G engines, Elisra Electronic Systems Ltd SPS-1000(V)5 self protection suite, Northrop Grumman AN/APN-241 tactical navigation radar and Thales TopDeck avionics suite.

The delivery of the last VIMAR aircraft marks the delivery of twelve C-295M aircraft procured by the company DEFAERLOC Locação de Aeronaves Militares SA (part of EMPORDEF-Empresa Portuguesa de Defesa SGPS SA) to Airbus Military for an amount of EUR275 Million. The remaining 7 aircraft are configured for tactical and general transport including the transport of fully equipped troops, paratroopers, cargo and passengers.

The fleet is operated by the 502 Squadron “Elefantes” at Montijo air base Nº6. The C-295Ms progressively replace the C-212-100A1/A2 Aviocar and C-212-300 Patrullero aircraft.

The aircraft operates as well from Lajes air base Nº4 in the Azores archipelago.

Portuguese C-295Ms can perform as well as Search and Rescue (SAR) and ISTAR (Intelligence, Surveillance, Target Acquisition and Reconnaissance) missions and be equipped with the AN/ALQ-131 electronic countermeasures pod.

http://defesaglobal.wordpress.com/ (http://defesaglobal.wordpress.com/)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Maio 18, 2011, 05:12:12 pm
Que me dizem a isto? :wink:

Citar
Airbus Military C295 AWACS: Will It Take Off?

Airbus Military as early as next month could be flying a C295 prototype modified for use as an airborne early warning and control system following a self-funded technology assessment effort.
Three months of flight testing are planned, says Miguel-Angel Morrell Fuentes, Airbus Military Head of Engineering.
It is a crowded market, but Airbus hopes that the operating cost benefits for the C295 will help it secure customers.
The feasibility study was launched in the second half of last year and concluded around year end, before a decision was taken to build the prototype.
The dummy rotodome was installed on the C295 on May 17. It measures around 6 meters in diameter. Airbus Military has opted for a rotodome because it provides better performance with 360 deg. coverage, Morrell says.
Flight testing will look at the drag effects of the radar.
No specific radar has been selected at this point. Those decisions would not be made until the company decides to actually launch a program. The engineering assessment of flight testing first needs to be completed.

Fonte: http://www.aviationweek.com/aw/blogs/defense/index.jsp?plckController=Blog&plckBlogPage=BlogViewPost&newspaperUserId=27ec4a53-dcc8-42d0-bd3a-01329aef79a7&plckPostId=Blog%3a27ec4a53-dcc8-42d0-bd3a-01329aef79a7Post%3ab2e923e8-0f7f-4742-a3b2-810a52e706dc&plckScript=blogScript&plckElementId=blogDest
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 18, 2011, 05:18:19 pm
Um projecto interessante mas que para nós (FAP) é desnecessário. Não há dinheiro, não há vontade, não há necessidade. Desde que se façam os radares na madeira e Açores já dá para o gasto.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Junho 21, 2011, 04:19:14 pm
The Portuguese 502 Squadron “Elefantes”: Leveraging the C-295M

Citar
06/14/2011: During the Airbus Trade Media event, the 502 Squadron Commander, Major Dina Azevedo, discussed the mission sets, which the Command performed, and how they used the C-295M in meeting mission needs. She has been based at Seville, Spain as part of the initial acceptance team and then became the Squadron commander.  The Portuguese are receiving 12 C-295Ms for transport, search and rescue, medical evacuation, with five optimized for maritime surveillance and two for photo reconnaissance.

The normal operational areas are contiguous Portuguese waters and the Mediterranean, although obviously can be deployed globally with proper support capabilities.  The planes can operate for 10 hours on average at a cruising speed of 240 knots.The Portuguese are using the aircraft to provide for a wide range of mission sets.  They will configure their planes for general transport or VIP transport or medical evacuation mission sets.  Search and rescue is a core mission capability, and photoreconnaissance capabilities used for a variety of maritime surveillance missions important to Portugal.She discussed fisheries surveillance, monitoring and controlling illicit activities, monitoring and controlling maritime traffic, and pollution monitoring and control.Having the core capabilities perform such safety and security missions’ means as well the Squadron can support military missions in the maritime environment.The slides in the slideshow focus largely on her discussion of the customization of the aircraft to provide for reconnaissance and surveillance missions.  The point was driven home that the aircraft has several capabilities integrated by the Service to provide for surveillance, monitoring and enforcement maritime activities......

http://www.sldinfo.com/?p=19605
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 06, 2011, 11:52:06 pm
Citar
Previous Post
By VMSB

Tomorrow 06 November, the Portuguese Air Force (Força Aérea Portuguesa-FAP) will officially withdraw from operational service its Airbus Military C-212 Aviocar medium tactical aircraft.

Portugal has received a total of 24 C-212-100-A1/A2/B2 Aviocar transport aircraft and two C-212-300 Patrullero maritime surveillance aircraft. The fleet was replaces by 7 Airbus Military C-295M transport aircraft and by five C-295M Persuader maritime surveillance aircraft.

http://defesaglobal.wordpress.com/ (http://defesaglobal.wordpress.com/)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mad20001 em Dezembro 16, 2011, 01:48:56 pm
Há já muito tempo que não participava no Fórum Defesa...a ver se agora a coisa vai de uma forma mais regular...

Há dias tive finalmente oportunidade de fazer umas fotos nocturnas ao C-295 estacionado no AM3 (16708), no decorrer de uma Medevac.
Mais fotos em:
http://planesandstuff.blogspot.com/2011 ... devac.html (http://planesandstuff.blogspot.com/2011/12/nova-foto-da-semana-c-295-medevac.html)

(http://4.bp.blogspot.com/-ULxoWequVEA/TuShudowJdI/AAAAAAAACQA/jQbfmQ2MB3Q/s1600/295Night3.jpg)

(http://1.bp.blogspot.com/-EBIRoKpFmDA/TuShtkmirQI/AAAAAAAACP4/NL_9VE9sNPs/s1600/295Night2.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: paraquedista em Dezembro 21, 2011, 06:23:13 pm
http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_audi ... 011-2s.pdf (http://www.tcontas.pt/pt/actos/rel_auditoria/2011/2s/audit-dgtc-rel021-2011-2s.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Dezembro 28, 2011, 05:22:54 pm
ESQUADRA 502 “ELEFANTES” NO FRONTEX
http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/cont ... staque.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/394_destaque.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Março 16, 2012, 05:39:34 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 01, 2012, 11:23:48 pm
Citar
C-295M - Inscrição "Força Aérea Portuguesa"
26.10.2012
 
Aterrou na Base Aérea Nº6, no dia 25 de outubro, a primeira aeronave C-295M com a inscrição “Força Aérea Portuguesa” na fuselagem, após conclusão de trabalhos de manutenção efetuados nas instalações da AirBus Military, em Sevilha.

Esta aeronave, com o número de cauda 16704, é a primeira da frota C-295M a ter incorporada a inscrição “Força Aérea Portuguesa”. As restantes aeronaves irão receber de forma gradual esta inscrição, que tem por finalidade reforçar a identificação das mesmas em contexto de operações conjuntas e combinadas.

(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/noticias/outubro2012/c-295m-inscri-o-for-a-a-rea-portuguesa/img-4557_2539.JPG)

(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/noticias/outubro2012/c-295m-inscri-o-for-a-a-rea-portuguesa/img-4580_1851.JPG)


http://www.emfa.pt/www/noticia-183-c-29 ... guesa-quot (http://www.emfa.pt/www/noticia-183-c-295m-inscricao-quot-forca-aerea-portuguesa-quot)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Novembro 05, 2012, 11:02:13 pm
Não gosto.....
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Novembro 06, 2012, 12:37:43 am
Citação de: "typhonman"
Não gosto.....
x2. Já tenho quem me faça companhia. :)

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Daniel em Novembro 06, 2012, 12:07:45 pm
Só agora é que se lembraram de por a inscrição Força Aérea Portuguesa, para mim nem tá feio nem tá bonito normal. c34x
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Novembro 07, 2012, 12:59:57 am
Citação de: "Daniel"
Só agora é que se lembraram de por a inscrição Força Aérea Portuguesa, para mim nem tá feio nem tá bonito normal. :mrgreen:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Dezembro 11, 2012, 05:19:49 pm
Site da Esquadra 502 - Elefantes

Citar
Esquadra 502 na internet

A Esquadra 502, sediada na Base Aérea Nº6, no Montijo, e que opera a aeronave C-295M tem, a partir do dia 11 de dezembro, uma página dedicada na Internet em www.emfa.pt/www/po/esquadra/esq502 (http://www.emfa.pt/www/po/esquadra/esq502)

Com mais de 502 vidas salvas e 10.000 horas de voo perfeitas em C-295, a Esquadra, através da sua página, dá ao público a possibilidade de conhecer em pormenor a sua história, as missões que lhe estão atribuídas, a aeronave que opera, os seus destacamentos, bem como imagens que documentam o desempenho e cumprimento das suas missões.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Dezembro 11, 2012, 06:07:25 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 02, 2013, 04:34:10 pm
Citação de: "Daniel"
Só agora é que se lembraram de por a inscrição Força Aérea Portuguesa, para mim nem tá feio nem tá bonito normal. :)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 21, 2013, 02:17:28 pm
Bonita foto esta. Pena é que, no nosso caso, seja um sonho à partida já descartado.  :(

Crédito: Airbus Military
(http://img546.imageshack.us/img546/3844/a400mc295.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 21, 2013, 09:16:53 pm
Nessa foto o A400M nem parece muito grande :mrgreen: .

Para nós talvez seja um dia, C-390 e C-295M...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 31, 2013, 11:48:09 am
Um dia destes na BA6...  :wink:

(http://imageshack.us/a/img195/7347/10000c295m53382.jpg)

(http://imageshack.us/a/img195/7728/10000c295m561314.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Abril 19, 2013, 08:34:33 am
Citar
O ministro da Defesa disse quinta-feira à noite haver todo o interesse em empenhar aviões da Força Aérea no combate aos incêndios, cenário já discutido com o ministro da Administração Interna e com o chefe do ramo militar.
"É uma situação que já foi objeto de análise entre mim e o senhor ministro da Administração Interna, onde também esteve o senhor general CEMFA [Chefe do Estado-Maior da Força Aérea. Temos todo o interesse em poder aproveitar realmente este equipamento [avião C-295] para essa valência", salientou José Pedro Aguiar-Branco, na Base Aérea n.º6 no Montijo, após acompanhar uma missão noturna de vigilância e fiscalização a bordo da aeronave.
Durante um 'briefing' que antecedeu o embarque, o CEMFA, general José Pinheiro, afirmou que o C-295 e o P3-C têm capacidade e podem ser empenhados em missões de "combate aos fogos" e na "ajuda na coordenação" das operações.
O oficial acrescentou que os meios servem para operar "em benefício" das pessoas e para "cumprir as missões da melhor maneira".
Após o voo de cerca de duas horas e meia a bordo do C-295, o ministro da Defesa ficou impressionado com as "capacidades e o enorme potencial" do avião, que, segundo o governante, "justificaram a sua aquisição" em 2007.
"Demonstra que é uma mais-valia nas várias funções que pode desempenhar. Quer em missões de vigilância, de monitorização e de controlo, como a que tive a possibilidade de assistir, e que são muito importantes para a Força Aérea, para as Forças Armadas e até para a interoperabilidade conjunta que pode ter com outras forças de segurança", frisou Aguiar-Branco.
A bordo seguiram igualmente o diretor nacional da Polícia Judiciária, Almeida Rodrigues, o presidente da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), general Manuel Couto, e o comandante da Unidade de Controlo Costeiro da GNR, general José Fonseca.
No início de 2007 o Governo português assinou a compra de doze aeronaves C-295 para substituir os aparelhos C-212 Aviocar, então sediados na Base Aérea n.º 1, em Sintra.
Sete destes aviões estão configurados para transporte aéreo tático e os restantes cinco para vigilância marítima.
Em 2009 deu-se a transferência da esquadra para a Base Aérea n.º 6 (Montijo), onde em fevereiro desse ano aterrou o primeiro C-295.
A 15 de fevereiro foi anunciado que a empresa Everjets tinha ganho a adjudicação para o fornecimento de 25 helicópteros ligeiros de combate a incêndios florestais. Desde então tem havido litígios judiciais entre a empresa vencedora e a Heliportugal, consórcio perdedor, com troca de acusações mútuas sobre alegadas falsificações de www.dn.pt (http://www.dn.pt)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Abril 19, 2013, 02:54:43 pm
ai sim ?

então não está congelada a despesa ?


vão comprar kit maffs ?


lol, só rir com os palhaços do circo.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Abril 19, 2013, 07:47:32 pm
Pessoal não vai haver nada assim radical como kitt MAFFS nos C295 nem baldes nos EH101, basta lerem com atenção, é simplesmente utilizar as capacidades de vigilância e reconhecimento da FAP já possui no apoio a essas operações.

Citar
Após o voo de cerca de duas horas e meia a bordo do C-295, o ministro da Defesa ficou impressionado com as "capacidades e o enorme potencial" do avião, que, segundo o governante, "justificaram a sua aquisição" em 2007.
"Demonstra que é uma mais-valia nas várias funções que pode desempenhar. Quer em missões de vigilância, de monitorização e de controlo, como a que tive a possibilidade de assistir, e que são muito importantes para a Força Aérea, para as Forças Armadas e até para a interoperabilidade conjunta que pode ter com outras forças de segurança", frisou Aguiar-Branco.

Também no site da Força Aérea tem essa noticia e onde se pode ler
http://www.emfa.pt/www/noticia-291-mdn- ... vigilancia (http://www.emfa.pt/www/noticia-291-mdn-participa-em-missao-de-reconhecimento-e-vigilancia)

Citar
Para além deste tipo de ações e no âmbito do ISR, os equipamentos, sensores e radares que esta aeronave dispõe permitem-lhe também realizar ações de reconhecimento e vigilância no apoio ao combate aos fogos florestais, em estreita cooperação com a Autoridade Nacional de Protecção Civil.

Para saberem mais das capacidades ISR (vigilância e reconhecimento) do C295 e também do P-3 podem ler
http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/cont ... a_2186.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/galeria/revista400/a_2186.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Abril 19, 2013, 07:54:12 pm
mas não entendo a novidade, se isso já tem sido feito pelos C-295...

Até o José Gomes Ferreira, enviado para o Incêndio em Ourém em 2012 disse o seguinte.


"Não entendo, como é que os aviões da Foça Aérea andam aqui a passear e não fazem uma única descarga sobre o fogo"...



 :roll:


Acabaram com os kits MAFFS nos C-130, PORQÛE ?


( negociatas...n é ?)


O plano da FAP em adquirir Canadairs, foi por água abaixo, porquê ? (negociatas ? )  :new_argue:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Bravo Two Zero em Abril 20, 2013, 06:54:18 pm
Citação de: "typhonman"
mas não entendo a novidade, se isso já tem sido feito pelos C-295...

Até o José Gomes Ferreira, enviado para o Incêndio em Ourém em 2012 disse o seguinte.


"Não entendo, como é que os aviões da Foça Aérea andam aqui a passear e não fazem uma única descarga sobre o fogo"...



 :roll:


Acabaram com os kits MAFFS nos C-130, PORQÛE ?


( negociatas...n é ?)


O plano da FAP em adquirir Canadairs, foi por água abaixo, porquê ? (negociatas ? )  :new_argue:


Quintinhas, a da EMA e a da FAP.
É a novela da reactivação dos Pumas, o capítulo "os pilotos da EMA ganham mais que os da FAP" (apesar de ter pilotos da FAP a voar nos Kamov), os próprios mal amados Kamov.

Ah, e os dois kits MAFFS a apodrecer no Montijo, por ordens superiores....
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Abril 21, 2013, 01:10:40 pm
Citação de: "typhonman"
O plano da FAP em adquirir Canadairs, foi por água abaixo, porquê ? (negociatas ? )  :new_argue:

Mas qual plano? Alguma vez, recentemente, se falou nisso? Que eu saiba este ministro é o primeiro desde à muitos anos a falar nisso de "por a FAP no combate a incêndios". Mas a FAP atualmente, não tem nenhum meio aéreo que substitua o Canadair ou Kamov no combate a incêndios.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Abril 21, 2013, 01:15:22 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
É a novela da reactivação dos Pumas, o capítulo "os pilotos da EMA ganham mais que os da FAP" (apesar de ter pilotos da FAP a voar nos Kamov), os próprios mal amados Kamov.

Pilotos da FAP? Nunca ouvi falar nisso, talvez nas férias e mesmo assim não sei, ouvi falar e li, mas os pilotos do Exército (UALE), que inicialmente tinha sido feito um acordo Exército-EMA para que pilotos do Exército voassem nos Kamov já que o Exército não tinha helicópteros, depois acho que muitos acabaram mesmo por sair do Exército e serem contratados pela EMA.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Abril 22, 2013, 12:52:59 am
Citação de: "Lightning"
Citação de: "typhonman"
O plano da FAP em adquirir Canadairs, foi por água abaixo, porquê ? (negociatas ? )  :new_argue:

Mas qual plano? Alguma vez, recentemente, se falou nisso? Que eu saiba este ministro é o primeiro desde à muitos anos a falar nisso de "por a FAP no combate a incêndios". Mas a FAP atualmente, não tem nenhum meio aéreo que substitua o Canadair ou Kamov no combate a incêndios.

Esse plano foi em 2004, e li algures na net.

o próprio nome da notícia conduz ao erro..


Ajuda no comando e controlo, não vai haver c295 a fazer descargas de água.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Abril 22, 2013, 07:33:59 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: chaimites em Abril 24, 2013, 03:24:07 am
Alguem que avise o ministro que o C-295 esta destacado para o DECIF 2013 desde 14 de Março!
com a missão de Comando e controlo  
 
 Enfim!
 
  Aguiar Branco no seu melhor :N-icon-Axe:

  Ele não faz a mais pequena ideia da Directiva Operacional do DECIF 2013???    

 
Citar
Mobilização de aviões C-295 da Força Aérea


O avião C-295M apresenta-se como um precioso meio de avaliação de comando e controlo, permitindo um acompanhamento em tempo real das operações, nomeadamente dos incêndios florestais, pelo que a sua utilização se enquadra num superior interesse de sistema de apoio à decisão operacional em teatros de operações de alguma dimensão


O C295 tera como missão o controlo  dos demais meios aereos e  das equipas no terreno proporcionando uma mais eficaz coordenação de meios
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Maio 20, 2013, 07:48:49 pm
Citar
Acordo de parceria entre a Força Aérea e a Airbus Military
Melhoria contínua da aeronave C-295 e do sistema de missão


Acordo de parceria entre a Força Aérea e a Airbus MilitaryProfissionais em formação no SIFNAV - Aeronave C-295M VIMAR em missão sobrevoa embarcação - Profissionais em formação no SIFNAV em ambiente noturno - Aeronave C-295M VIMAR operada pela Esquadra 502 da Força Aérea Portuguesa.

A Força Aérea (FAP) e a Airbus Military celebraram, no dia 13 de maio, em Sevilha, um protocolo de cooperação técnica e operacional que visa a melhoria contínua do desempenho da aeronave C-295M e do seu sistema de missão.

Decorrentes desta parceria, já estão em curso dois projetos específicos - instalação de depósitos auxiliares (aumento da capacidade de autonomia de voo) e formação de Navegadores (SIFNAV) - desenvolvidos pelos engenheiros da FAP e que estão a ser estudados pela Airbus Military, para certificação e posterior incorporação na frota.

A partilha deste conhecimento operacional e de engenharia da FAP aliada ao conhecimento de projeto da aeronave e sistemas da Airbus Military, irá otimizar recursos, introduzir maior eficiência e eficácia, no cumprimento do vasto e diversificado leque de missões desta aeronave, como a vigilância marítima, a busca e salvamento, o apoio no combate de incêndios e a evacuação médica, ou mesmo na formação de profissionais navegadores.

A estreita cooperação entre ambas as partes e no âmbito deste protocolo, a FAP poderá usufruir da implementação nas suas aeronaves C-295M das soluções desenvolvidas na modernização destes sistemas de armas.

O protocolo foi assinado pelo Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General José Pinheiro, e pelo Presidente da Airbus Military, Domingos Ureña.

http://www.emfa.pt/www/noticia-312-acor ... s-military (http://www.emfa.pt/www/noticia-312-acordo-de-parceria-entre-a-forca-aerea-e-a-airbus-military)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: chaimites em Maio 23, 2013, 02:19:43 pm
http://www.dn.pt/DNMultimedia/Embeds/CombateIncendios/index.html

  Pelo menos os Portugueses ficam a saber, um pouco mais, em que é que é  gasto o dinheiro investido nas forças armadas
 :G-beer2:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabecinhas em Maio 24, 2013, 01:39:47 pm
Superavião!   :mrgreen:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Maio 26, 2013, 10:42:46 pm
O que é que este tem que os nosso não tenham?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Maio 27, 2013, 12:20:01 am
Citação de: "HSMW"
O que é que este tem que os nosso não tenham?

Nesse vídeo aparecem mais que um, por exemplo o C-295 cinzento a lançar flares parece o nosso, que tem um tom cinza mais claro que o C-295 inicial do vídeo.

De todos os sistemas referidos no vídeo acho que o nosso não tem só as partes referentes à guerra anti-submarina, isto é, acústicos, sonoboias, antena MAD, e lançamento de torpedos, isto existe sim mas nos P-3.

O nosso C-295 é dos bonzinhos :wink: , a não ser que acerte em alguém com uma palete :lol: .

Mas o nosso também tem coisas que nesse vídeo não são referidas, dos 5 aviões VIMAR, 2 podem levar o sistema de reconhecimento fotográfico, que é a 3ª versão do nosso C-295 (PG03).
Neste artigo da Mais Alto tem em pormenor os equipamentos e capacidades do C295 e P-3, relativamente à vigilância e reconhecimento.
http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/cont ... a_2186.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/galeria/revista400/a_2186.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Maio 27, 2013, 12:38:01 am
:G-beer2:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Junho 10, 2013, 01:19:47 pm
A ver se permitem à FAP, que tão bom uso tem dado ao C-295M a ponto do fabricante continuadamente apontar para nós como exemplo, também optar num futuro próximo por modernizar os aparelhos na linha do C-295W com "winglets", motores mais potentes e consequentemente melhor performance, mais capacidade de carga, etc.  :arrow: http://www.airbusmilitary.com/PressCent ... mance.aspx (http://www.airbusmilitary.com/PressCenter/LatestNews/tabid/176/ArticleID/264/ArtMID/681/Airbus-Military-launches-C295W-aircraft-with-enhanced-performance.aspx)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 08, 2013, 07:23:51 pm
De acordo com a revista Air Forces Monthly, finalmente o SLAR (Side-Looking Airborne Radar) encontra-se a ser instalado nos C-295M PG02, ou VIMAR, nas instalações da EADS-CASA, em Sevilha.  :wink:


Retirado da revista Air Forces Monthly - Julho 2013
(http://img203.imageshack.us/img203/3321/ce1q.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 03, 2013, 06:18:50 pm
Um C-295M PG02 da FAP, já com o SLAR instalado, esteve recentemente no RIAT onde a Airbus Military aproveitou para o mostrar à RAF que continua à procura de uma aeronave de patrulha marítima depois do cancelamento do Nimrod MR.4.

 :arrow: http://www.flightglobal.com/news/articl ... uk-388594/ (http://www.flightglobal.com/news/articles/riat-airbus-military-steps-up-c295-mpa-offer-to-uk-388594/)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 04, 2013, 06:59:57 pm
Uma imagem do C-295M PG02 VIMAR "16710" à chegada ao RIAT no passado dia 22 de Julho.  :)


(http://img4.imageshack.us/img4/3931/4i6l.jpg)



Já agora, o SLAR (Side-Looking Airborne Radar) adicionado às aeronaves VIMAR, e que é possível ver melhor na foto abaixo, faz parte do sistema integrado MSS 6000 (Maritime Surveillance System) da SSC (Swedish Space Corporation) que integra como já vimos um SLAR, mas também um scanner Infravermelho/Ultravioleta (IR/UV), câmaras de vídeo, comunicações, entre outros dispositivos.

(http://img18.imageshack.us/img18/4761/81wd.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: zawevo em Agosto 23, 2013, 03:31:30 pm
Bombeiros contam com nova ajuda. Avião militar dá apoio no combate aos fogos

A Protecção Civil pediu a ajuda de um avião militar devido às dificuldades que os bombeiros estão a ter no combate aos incêndios. O C-295 estava em prontidão máxima e foi chamado para dar apoio aéreo.

Esta aeronave descolou do Montijo e está equipada com um sistema de vigilância que permite controlar vários fogos por todo o país.

O objectivo é usar a vantagem da visão aérea, sensores e outro equipamento para recolher informação sobre os fogos e informar o elemento da protecção civil que vai a bordo. É ele quem decide o que fazer e transmite os dados para o terreno.

Sentado junto ao equipamento, o controlador vai registando os locais do fogo, mas também pontos de água para abastecer as viaturas dos bombeiros. Como a velocidade é uma das vantagens, rapidamente se acompanham vários incêndios em todo o país, garantiu à Renascença o tenente coronel Pedro Bernardino.

Consegue atingir uma velocidade de 500 quilómetros hora e estar 10 horas no ar.

O C-295 é uma aeronave com tecnologia altamente avançada e preparada para actuar em missões de busca e salvamento, combate à poluição, tráfico de droga, controlo de fronteiras e agora combate aos incêndios.

Vai apoiar os bombeiros de dia, mas também de noite, graças ao sistema de visão nocturna que tem equipado.

Estão seis fogos activos no território, segundo o site da Protecção Civil: um em Castelo Branco; dois em Vila Real e três em Viseu, o que lavra em Nogueira de Alcofra/Alcofra é o que mobiliza mais meios.

Fonte: http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.as ... did=119313 (http://rr.sapo.pt/informacao_detalhe.aspx?fid=25&did=119313)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Agosto 23, 2013, 03:47:34 pm
Notícia interessante! Claro que 90% dos paspalhos vão é perguntar onde é que este avião este guardado até agora ou se houver algum azar porque é que o avião xpto não detectou a tempo o problema  :roll:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Agosto 23, 2013, 09:02:15 pm
O que mais gostei nesse artigo da RR foi o facto de não usarem o acordo ortográfico.

Deixo uma dica aos colegas aqui do fórum, que aliás devia ser uma regra: Não leiam os comentários nos jornais online. É só disparates, gente mal informada e cheia de raiva. Juro que por cada comentário desses que não lerem é mais uma hora de vida que ganham.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Agosto 24, 2013, 12:01:23 pm
Citação de: "Get_It"
O que mais gostei nesse artigo da RR foi o facto de não usarem o acordo ortográfico.

Deixo uma dica aos colegas aqui do fórum, que aliás devia ser uma regra: Não leiam os comentários nos jornais online. É só disparates, gente mal informada e cheia de raiva. Juro que por cada comentário desses que não lerem é mais uma hora de vida que ganham.

Cumprimentos,

Também há muito que já desisti de os ler. Para além da fel e má-língua constante nesses comentários, pouco há lá que se aproveite. Deve ser algo terapêutico para essas pessoas que só lá vão exclusivamente para falar mal.

Em relação à utilização de um C-295M PG03 na vigilância e controlo dos incêndios, estou mesmo à espera que comecem a perguntar um dia destes porque é que esta aeronave não pode também lançar água e combater directamente os fogos.  :roll:

 Entretanto os bombeiros vão morrendo, o titular da pasta que os tutela aparece a dizer palavras de circunstância nos funerais (aliás, o que é feito do PM e do PR?), reafirmando que os meios são suficientes e que para o ano há-que racionalizar ainda mais porque o OE 2014 será de contenção, e tivemos uma vez mais de estender a mão e pedir auxílio a Espanha e França para nos cederem alguns Canadair, caso contrário o cenário seria ainda mais preocupante por esta altura. Enfim...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: armando30 em Agosto 25, 2013, 01:09:31 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
há-que racionalizar ainda mais porque o OE 2014 será de contenção, e tivemos uma vez mais de estender a mão e pedir auxílio a Espanha e França para nos cederem alguns Canadair, caso contrário o cenário seria ainda mais preocupante por esta altura. Enfim...

o que é de tão extraordinário de Portugal pedir alguns meios aéreos emprestados para combater os incêndios? quando é óbvio que não há dinheiro para os adquirir nós mesmos

mesmo quando os governos do nosso país não eram "obrigados" (limitavam-se a esconder que a situação do país era grave e continuavam a gastar tudo o que lhes apetecia tal como o Sócrates, que depois causou que o seu próprio ministro das finanças tenha admitido que o país estava à beira da falência) a fazer os cortes que este governo está a fazer ainda era necessário pedir ajuda a outros países

ainda houve um ano em que o governo alugou um número recorde de meios aéreos de combate a incêndios e mesmo assim tiveram que vir canadair de espanha e Itália para ajudar a apagar incêndios no nosso país
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Agosto 29, 2013, 12:29:40 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
Citação de: "Get_It"
O que mais gostei nesse artigo da RR foi o facto de não usarem o acordo ortográfico.

Deixo uma dica aos colegas aqui do fórum, que aliás devia ser uma regra: Não leiam os comentários nos jornais online. É só disparates, gente mal informada e cheia de raiva. Juro que por cada comentário desses que não lerem é mais uma hora de vida que ganham.

Cumprimentos,

Também há muito que já desisti de os ler. Para além da fel e má-língua constante nesses comentários, pouco há lá que se aproveite. Deve ser algo terapêutico para essas pessoas que só lá vão exclusivamente para falar mal.

Em relação à utilização de um C-295M PG03 na vigilância e controlo dos incêndios, estou mesmo à espera que comecem a perguntar um dia destes porque é que esta aeronave não pode também lançar água e combater directamente os fogos.  :roll:

 Entretanto os bombeiros vão morrendo, o titular da pasta que os tutela aparece a dizer palavras de circunstância nos funerais (aliás, o que é feito do PM e do PR?), reafirmando que os meios são suficientes e que para o ano há-que racionalizar ainda mais porque o OE 2014 será de contenção, e tivemos uma vez mais de estender a mão e pedir auxílio a Espanha e França para nos cederem alguns Canadair, caso contrário o cenário seria ainda mais preocupante por esta altura. Enfim...


LOLOL, ano passado o comentador Gomes Ferreira ( aquele que percebe muito de economia)..Estava em directo no fogo de Ourém, e questionava-se em directo, dizendo o seguinte

"ANDOU POR AQUI TODA A TARDE UM AVIÃO MILITAR, A SOBREVOAR A ZONA, E NEM UMA DECARGA DE ÁGUA FEZ !!!! "



o que mais dizer ?


quanto aos meios aéreos, não venham com tretas, está claro que são insuficientes ( os de ataque ampliado), somente 4 FIRE-BOSS ???

No dispositivo DECIF 2007, havia 2 CL-215, 12 DROMADAIR e 8 AIR-TRACTOR 802, para ataque ampliado.


Continuo a dizer que o Canadair por cá não serve, os pontos de scooping são poucos e distantes, o que nos é útil são os AIR-TRACTOR complementados com alguns FIRE-BOSS, há que aproveitar a rede de aérodromos existente no país, que é bem mais vasta e numerosa que os pontos de scooping.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Agosto 29, 2013, 01:44:18 am
Por favor considerem utilizar antes o tópico Combate a fogos pela F.A.P. (http://http) para esta discussão. Não só para evitar que este dedicado ao C-295 fique inundado de mensagens sobre política e o combate aos incêndios pela FAP em geral, mas também para ajudar o outro tópico a permanecer relevante visto que tem bastante informação interesse que algumas pessoas poderão ainda não ter visto.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 30, 2013, 12:22:04 am
Citar
Conferência de Operadores C-295M

A Força Aérea Portuguesa (FAP) participou, entre 22 e 25 de outubro, na 2ª Conferência de Operadores de C-295M, nas instalações da Airbus Military, em Sevilha.

Na qualidade de 3º maior operador de C-295M, a FAP teve uma forte participação no evento, incluindo uma aeronave em exposição estática.

A aeronave esteve equipada com diversos sistemas desenvolvidos pela FAP, nomeadamente o SIFNAV – Sistema de Formação de Navegadores, o Suporte para iPAD, o Suporte de Barcos Salva-Vidas, que constituem novas parcerias com a Airbus Military ,através de protocolos técnicos de interesse mútuo.

A participação da FAP incluiu ainda uma missão de interesse nacional com a apresentação e demonstração das capacidades que podem ser proporcionadas pela aeronave C-295M, assim como da potencialidade técnica e de engenharia de desenvolvimento da FAP.

http://www.emfa.pt/www/noticia-421-conf ... res-c-295m (http://www.emfa.pt/www/noticia-421-conferencia-de-operadores-c-295m)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PedroI em Outubro 30, 2013, 12:33:11 pm
C-295 da FAP em destaque na vigilancia à imigração ilegal e salvamento.

'Sea of death': On patrol with Europe's border agency in the Mediterranean
By Frederik Pleitgen, CNN
October 30, 2013 -- Updated 1057 GMT (1857 HKT)
Source: CNN
STORY HIGHLIGHTS
    CNN goes on patrol with EU border agency surveiling Mediterranean for migrant boats
    Thousands of migrants attempt to enter Europe illegally through Mediterranean each year
    More than 300 migrants died in shipwreck near Italian island of Lampedusa in early October
    Italian Coast Guard says there has been no let-up in number of migrant boats in 2013

Sicily, Italy (CNN) -- The Portuguese CASA 295 military plane lifts off from an airstrip in Sicily and roars into the skies above the Mediterranean, scouring the blue seas below for signs of life.

The state-of-the-art surveillance aircraft is flying for Frontex, the European Union's border patrol agency. Its mission isn't only to stop people from being smuggling onto the continent's southern shores -- it's to save lives.
The plane patrols the Mediterranean Sea south of Sicily, including the area around Lampedusa, an Italian island near the African coast that migrants have been trying to reach in often unseaworthy boats. In October more than 300 migrants died when their boat capsized near these shores, and Frontex is hoping to prevent that from happening again.
The Frontex crew took CNN along on a surveillance flight. Human trafficking in the region is big business, and we were not allowed to identify any of the mission's crew member for fear they could be targeted by gangs of smugglers.

"On the missions, every week we find three or four targets of interest," the aircraft's captain told CNN. "The main goal is to detect targets of interest that Frontex [give us the coordinates for] ... we go there and we check it out and then we transmit everything to Frontex."
Fishing boats are often targets of interest because they are sometimes used to smuggle people from Africa to Europe. Often those vessels will be old, rusty and overloaded with migrants as the traffickers try to maximize their profit per journey. In some cases, sailing ships have been used for people smuggling as well. On our flight the crew also spotted an abandoned rubber boat, which might have been left there by people who made it to shore in Europe.
The plane is outfitted with infrared sensors and a belly camera that can identify and track targets at great distances. The crew will look for vessels that have an unusually high number of people on board, but they're also checking to see whether a ship move strangely in the water -- a possible sign that it is overloaded with migrants under deck.
...........

http://edition.cnn.com/2013/10/30/world/europe/frontex-patrol-pleitgen/index.html
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Novembro 01, 2013, 11:02:41 am
Xiii, tanta malta conhecida.  :G-beer2:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Novembro 09, 2013, 11:14:10 am
Portugal prolongou a participação da Força Aérea na missão internacional de patrulhamento da costa do Mediterrâneo.

 :arrow: http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=61 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=694388&tm=7&layout=122&visual=61)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Novembro 09, 2013, 12:04:01 pm
Citação de: "Charlie Jaguar"
Portugal prolongou a participação da Força Aérea na missão internacional de patrulhamento da costa do Mediterrâneo.

 :arrow: http://www.rtp.pt/noticias/index.php?ar ... &visual=61 (http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=694388&tm=7&layout=122&visual=61)

A reportagem da RTP está muito completa mas, será que foi preciso esta missão aparecer na CNN para eles se lembrarem dos militares portugueses? Ou foi por acaso que as reportagens apareceram por esta ordem?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Novembro 09, 2013, 12:22:07 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "Charlie Jaguar"
Portugal prolongou a participação da Força Aérea na missão internacional de patrulhamento da costa do Mediterrâneo.

:roll:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Novembro 10, 2013, 02:17:59 am
Citação de: "Charlie Jaguar"
E ainda é preciso perguntares?  :N-icon-Axe:

Infelizmente, mais uma vez, só somos dignos de valor aos olhos dos estrangeiros. :|
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 23, 2014, 11:44:19 am
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Fevereiro 12, 2014, 04:57:01 pm
Citar
With an eye on additional regional sales opportunities for the C295, Airbus also reveals that the Portuguese air force example which visited the show will fly on to New Zealand, where it will be used to perform a maritime patrol demonstration for the nation's military.
Fonte: SINGAPORE: Airbus defence unit targets new sales, then airlift rival (http://http)

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Fevereiro 12, 2014, 05:01:17 pm
(http://3.bp.blogspot.com/-5D-Lg48fgIg/Uvs-_DHvs1I/AAAAAAAAK0Y/UX2EnO3PmOY/s1600/z.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 12, 2014, 07:52:45 pm
http://www.emfa.pt/www/pagina-034-singapura
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Fevereiro 13, 2014, 05:24:41 pm
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/paginas/singapura-airshow/c295-world-tour-map2_94.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 13, 2014, 07:09:21 pm
Citação de: "Lightning"
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/paginas/singapura-airshow/c295-world-tour-map2_94.jpg)

Ainda vão dizer, que já não vamos precisar de modernizar ou substituir os C130. :twisted:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Fevereiro 13, 2014, 11:56:07 pm
Citação de: "nelson38899"
Ainda vão dizer, que já não vamos precisar de modernizar ou substituir os C130. :wink: .

(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/noticias/2013/outubro/c-130-um-milh-o-de-passageiros/a-144705_656.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 14, 2014, 04:15:24 pm
Visitas Internacionais

Brasil
(http://farm4.staticflickr.com/3666/12517620854_2966006718_z.jpg)

Papua-Nova Guiné
(http://farm6.staticflickr.com/5473/12481290845_d997a4ca92_z.jpg)

Nova Zelândia
(http://farm6.staticflickr.com/5490/12481433763_e9e68536b2_z.jpg)

Canadá
(http://farm4.staticflickr.com/3711/12481771134_ac6c8df8b7_z.jpg)

Citar
http://www.flickr.com/photos/forcaaereaportuguesa/with/12504053995/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 17, 2014, 05:52:06 pm
(http://farm6.staticflickr.com/5508/12584908775_d1e7324a46_z.jpg)

Já chegou a Timor

Citar
Aeronave C-295M da Força Aérea em Díli

Uma aeronave C-295M da Força Aérea portuguesa esteve em Díli, Timor-Leste, para uma missão de demonstração das capacidades da aeronave, feita a pedido das autoridades timorenses.

O objetivo desta paragem foi demonstrar as valências e as capacidades que a Força Aérea tem e que de algum modo possam contribuir também para desenvolver a cooperação com Timor.

O C-295 pertence à Esquadra 502 - "Elefantes" da Força Aérea Portuguesa e realiza missões de transporte tático e geral, apoio logístico, vigilância marítima, busca e salvamento, evacuações médicas, bem como lançamento de tropas aerotransportadas, carga aérea e transporte de altas entidades.

A demonstração da capacidade da aeronave em termos de vigilância e reconhecimento, busca e salvamento e controlo de pescas incluiu um voo por Timor-Leste, levando a bordo o primeiro-ministro timorense, Xanana Gusmão, e alguns elementos do Governo, forças de defesa e segurança, bem como o embaixador de Portugal, Manuel Gonçalves de Jesus. No final do voo, Xanana Gusmão afirmou que esta aeronave responde às necessidades dos timorenses.

A visita do C-295 a Díli ocorre depois de uma demonstração das capacidades da aeronave em Singapura, no âmbito de um protocolo celebrado entre a Força Aérea Portuguesa e a Airbus Militar.

http://www.emfa.pt/www/noticia-492-aeronave-c-295m-da-forca-aerea-em-dili
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 17, 2014, 06:12:25 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Fevereiro 18, 2014, 07:49:51 pm
(http://imageshack.com/a/img812/5660/rd5h.jpg)
(http://imageshack.com/a/img577/5809/5xcp.jpg)
(http://imageshack.com/a/img835/6918/1my7.jpg)
(http://imageshack.com/a/img46/2613/byuk.jpg)

Mais algumas.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Julho 22, 2014, 10:40:53 pm
(http://3.bp.blogspot.com/-E3H-y4Zm21o/U84bUI9gFNI/AAAAAAAAY8E/8j1X8m8D-ac/s1600/z.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Julho 29, 2014, 10:02:45 pm
É impressão minha ou os pássaros levaram umas pinceladas!! :lol:

(http://alojaimagens.com/images/ujmbhil31o0feo0vn1c.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Setembro 15, 2014, 08:55:52 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Dezembro 22, 2014, 11:53:19 am
http://www.dn.pt/politica/interior.aspx ... id=4308598 (http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=4308598)


Se tivessemos C-27J.... :roll:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Dezembro 22, 2014, 04:18:09 pm
Essas fontes... Então se fosse para enviar C-212 há uns anos sem ser o C-295 então é que eles iam mesmo queixar-se das limitações. Também não estou a ver qual é o problema de reabastecer em Marrocos ou no Senegal, os outros também o fazem e não deixam de fazer as missões em África por causa disso. Se essas fontes da FAP estão assim tão preocupadas com as limitações operacionais e com o facto dos nossos C-295 não terem dado provas nessas condições então que comprem C-17. E o DN a criar drama com a «apreensão na Força Aérea». Enfim. Alguém sabe qual foi a experiência que os espanhóis tiveram a utilizar o CN-235 e o C-295 no Afeganistão? Lembro-me de na altura ter lido alguns problemas relativos a substituição de partes, mas não é nada que não tenha ficado resolvido desde 2007-2008.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Dezembro 22, 2014, 07:48:17 pm
Penso que o artigo não esteja correcto. A "noticia" muito provavelmente terá surgido numa conversa de café entre o autor e algum daqueles oficiais da FAP que julgam que um "Alpha Jet é um F-16 com dois motores"... Os C-295/CN-235 já têm largos milhares de aterragens em cima em locais como os que vão encontrar no Mali (que até nem são dos piores, se comparados com o Afeganistão, por exemplo). E considerar o facto de a aeronave, nesta situação, ter que fazer escalas até chegar ao destino como um problema só pode ser estupidez ou má-fé...

Pistas à parte, não quer dizer que não possa haver discussão e dúvidas em torno da utilização do C-295 da FAP neste tipo de cenários, apesar de (também) ter sido com base neles que adquirimos este modelo de aeronave.

Talvez...
será que os sistemas de auto-protecção do aparelho foram adquiridos?
Estão todos certificados e integrados? Até há uns anos não estavam.
Estarão operacionais? As tripulações estão treinadas para os operar? As esquadras SAR têm actualmente poucas horas disponiveis para o "táctico"...
Há registos de aeronaves deste modelo com este tipo de sistemas instalados, como vemos no C-130, EH, F-16 e P-3? Eu não me recordo de ter visto

Em relação às pistas... não se podem comparar aeronaves com 40 anos de diferença nalguns aspectos. Como meter um UMM velhinho e um jeep destes novos todos xpto no mato umas semanas e depois ver qual sobrevive mais tempo... Penso que o mesmo é válido para a grande maioria dos modelos recentes de aeronaves e outros equipamentos no geral.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Dezembro 23, 2014, 08:47:19 pm
Citação de: "night_runner"
Pistas à parte, não quer dizer que não possa haver discussão e dúvidas em torno da utilização do C-295 da FAP neste tipo de cenários, apesar de (também) ter sido com base neles que adquirimos este modelo de aeronave.

Talvez...
será que os sistemas de auto-protecção do aparelho foram adquiridos?
Estão todos certificados e integrados? Até há uns anos não estavam.
Estarão operacionais? As tripulações estão treinadas para os operar? As esquadras SAR têm actualmente poucas horas disponiveis para o "táctico"...
Há registos de aeronaves deste modelo com este tipo de sistemas instalados, como vemos no C-130, EH, F-16 e P-3? Eu não me recordo de ter visto
Ainda esta passada quarta-feira o Nelson colocou aqui no fórum (http://http) uma notícia do website do Exército sobre um exercício envolvendo a Bateria de Artilharia Anti-aérea (BtrAAA) da Brigada Mecanizada e a Esquadra 502. Também já chegamos a ver aqui no fórum e no 9 Gs fotografias dos C-295 equipados com os pods e com as antenas de contra-medidas electrónicas. Portanto os sistemas foram adquiridos estão integrados e a esquadra deve estar agora a treinar as tripulações.

Citação de: "Exército Português"
Em 10 de Dezembro de 2014 decorreu um treino conjunto entre a Esquadra 502 da Força Aérea Portuguesa (FAP) e a Bateria de Artilharia Anti-aérea (BtrAAA) da Brigada Mecanizada. Visando o treino de Guerra Electrónica por parte da Esquadra 502 com meios de defesa anti-aérea do Exército, bem como a adopção de medidas de reacção à detecção e empenhamento por sistemas de Anti-aérea. Para tal a Esquadra 502 participou com uma aeronave C-295 e a BtrAAA com dois sistemas míssil ligeiro M-48 A3 Chaparral, um Radar de aviso local AN/MPQ 49B Forward Area Alerting Radar (FAAR) e 20 militares dos Pelotões de  Chaparral e Radar. É de Das diversas acções, merecem especial destaque as que simularam o ataque com misseis terra-ar às aeronaves, a fim de treinar as tripulações na  adoção dos perfis de fuga. Este actividade de treino conjunto foi reputada de fundamental para ambas as partes, porquanto, foi proporcionado aos pilotos a observação, in-loco do processo de deteção, aquisição e empenhamento por parte do sistema míssil Chaparral, e às guarnições dos Sistema Míssil a percepção do momento em que a aeronave identifica que está a ser adquirida e realizarem os procedimentos de conduta de tiro com uma aeronave real e visualizarem os procedimentos de fuga que a aeronave adopta nessa situação.

Cumprimentos e até daqui a 24 horas,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Dezembro 23, 2014, 11:21:46 pm
Citação de: "Get_It"
Ainda esta passada quarta-feira o Nelson colocou aqui no fórum (http://http) uma notícia do website do Exército sobre um exercício envolvendo a Bateria de Artilharia Anti-aérea (BtrAAA) da Brigada Mecanizada e a Esquadra 502. Também já chegamos a ver aqui no fórum e no 9 Gs fotografias dos C-295 equipados com os pods e com as antenas de contra-medidas electrónicas. Portanto os sistemas foram adquiridos estão integrados e a esquadra deve estar agora a treinar as tripulações.
Citação de: "Exército Português"
Em 10 de Dezembro de 2014 decorreu um treino conjunto entre a Esquadra 502 da Força Aérea Portuguesa (FAP) e a Bateria de Artilharia Anti-aérea (BtrAAA) da Brigada Mecanizada. Visando o treino de Guerra Electrónica por parte da Esquadra 502 com meios de defesa anti-aérea do Exército, bem como a adopção de medidas de reacção à detecção e empenhamento por sistemas de Anti-aérea. Para tal a Esquadra 502 participou com uma aeronave C-295 e a BtrAAA com dois sistemas míssil ligeiro M-48 A3 Chaparral, um Radar de aviso local AN/MPQ 49B Forward Area Alerting Radar (FAAR) e 20 militares dos Pelotões de  Chaparral e Radar. É de Das diversas acções, merecem especial destaque as que simularam o ataque com misseis terra-ar às aeronaves, a fim de treinar as tripulações na  adoção dos perfis de fuga. Este actividade de treino conjunto foi reputada de fundamental para ambas as partes, porquanto, foi proporcionado aos pilotos a observação, in-loco do processo de deteção, aquisição e empenhamento por parte do sistema míssil Chaparral, e às guarnições dos Sistema Míssil a percepção do momento em que a aeronave identifica que está a ser adquirida e realizarem os procedimentos de conduta de tiro com uma aeronave real e visualizarem os procedimentos de fuga que a aeronave adopta nessa situação.
Cumprimentos e até daqui a 24 horas,

Get_it, os ALQ-131 (pods) já ca estavam e foram integrados há alguns anos já. A que outras "antenas de contra-medidas electrónicas" se refere?
De qualquer forma, eu mencionava sistemas do próprio aparelho como RWR, MWS, chaff/flares, software, etc. Volto a referir também que, ao contrário de F-16, EHs, P-3 e até C-130, não me recordo de ver alguma imagem dos C-295 com os ditos sistemas instalados. Há uns anos os checos (ou polacos?) tiveram um desaguisado com a EADS-CASA devidamente por isso, que ainda não haveria certificação para alguns sistemas que, sem os quais, pôe em risco a sobrevivência da aeronave num teatro de operações. Acho que a questão deles foi posteriormente resolvida.
Provavelmente até se terá passado o mesmo com os nossos C-295 e a FAP, talvez por não ter tanta "urgência" na utilização da aeronave em cenários de algum risco (já os checos precisavam deles no Afeganistão), não tenha feito o mesmo tipo de exigências e tenha preferido aguardar que a integração completa dos nossos sistemas fosse assegurada pelo construtor...
Confesso que há uns dias depois de ter visto essa notícia, nomeadamente esta parte:
Citar
e às guarnições dos Sistema Míssil a percepção do momento em que a aeronave identifica que está a ser adquirida
foi isso mesmo que pensei, que as aeronaves já estavam devidamente equipadas e que por isso começaram, finalmente, a treinar a sua operação com base nos novos sistemas.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: pchunter em Janeiro 17, 2015, 04:46:34 pm
C295 MPA test flight at Farnborough Airshow

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Janeiro 17, 2015, 05:14:39 pm
DEsculpem a dúvida, mas o MPA não é sobreposição dos C3 Cup +? Não têm os dois sistemas o mesmo tipo de valências?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 17, 2015, 11:04:57 pm
O que é que o C-295 M utiliza em termos de armamento?...Pois! Absolutamente nada! Já...
«O P-3C CUP+ tem a capacidade de lançar o seguinte armamento: AGM-84 HARPOON, AGM-65F/G MAVERICK, Torpedo MK-46 A(s), Bombas MK-82/83/84 e Minas MK 36.»

http://www.emfa.pt/www/aeronave-15 (http://www.emfa.pt/www/aeronave-15)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Janeiro 18, 2015, 10:44:46 am
Eu lembro-me de ver um vídeo, onde um C-295 a lança um torpedo .
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Janeiro 18, 2015, 11:26:54 am
Citação de: "Pereira Marques"
O que é que o C-295 M utiliza em termos de armamento?...Pois! Absolutamente nada! Já...

Citação de: "Alvalade"
Eu lembro-me de ver um vídeo, onde um C-295 a lança um torpedo .

(http://1.bp.blogspot.com/_esUBlqKjDzk/S-pueohGnQI/AAAAAAAAO14/78Z6wMMTXCE/s1600/c295+chile+2.png)

(http://www.flightglobal.com/assets/getasset.aspx?itemid=45934)

Con misil Marte:

(http://www.aerotendencias.com/wp-content/uploads/2012/07/c295_marte.jpg)

(http://modocharlie.com/wp-content/uploads/2013/04/C295-Marte-missile.jpg)

Luego está la versión cañonero:

(http://fly-news.es/wp-content/uploads/C295_armed1-450x248.jpg)

(http://ptisidiastima.files.wordpress.com/2012/05/airbus-m1.jpg)

(http://www.defensasur.com.ar/imagenes/noticias/2014/MAY/200514_C-295%20Jordania.jpg)

(http://lh4.ggpht.com/_MhJ6xwwFnes/TDjpMveVZtI/AAAAAAAAAEk/mToFDCxh4qw/DSCN0906.JPG)

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Janeiro 18, 2015, 11:48:39 pm
Até podia largar armas nucleares! A nossa versão não faz nada disso.

A MPA sim.

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 18, 2015, 11:50:00 pm
Fotos porreiras...não têm é a Cruz de Cristo na fuselagem... :roll: ...Portanto, os C295 M da FAP não utilizam armamento e suponho que nem sequer estejam preparados para isso...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 19, 2015, 01:16:30 am
O nosso C295M não tem nada de capacidades ASW, nem sono-boias, nem antena MAD, nem anda armado com torpedos, por outro lado tem outros equipamentos mais dedicados a "missões de guarda costeira" como o controlo de poluição no mar.

A nível de equipamentos também há várias diferenças entre eles que se pode ler aqui
http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/cont ... a_2186.pdf (http://www.emfa.pt/www/po/maisalto/conteudos/galeria/revista400/a_2186.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Janeiro 19, 2015, 01:19:44 am
Há também no C-295, por um lado, a ausência de alguns sistemas presentes no P-3C/CUP+, e por outro, alguns sistemas de menor capacidade (logo menor custo) quando comparado ao Orion. Precisamente porque são aeronaves para fins diferentes. Embora, claro, haja alguma sobreposição de valências nalguns cenários, mas isso também é um pouco o que a FAP pretende.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Janeiro 19, 2015, 01:37:00 pm
Citação de: "HSMW"
Até podia largar armas nucleares! A nossa versão não faz nada disso.

A MPA sim.



Desculpa lá, mas segundo o vídeo que eu comentei a nossa versão é a MPA...

Agora que não estejam preparadas pra isso é outra história, mas que têm capacidade, isso têm.

A minha questão era se até que ponto p.e. Não valia o investimento mais aprofundado nos c295M em vez dos milhões gastos nos C3!

Atencao! Não sou de longe contra os c3cup, pretendia apenas com isso lançar essa possibilidade à discussão entre os membros muito mais experts que eu nesta matéria...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Janeiro 19, 2015, 04:20:43 pm
Existem duas sub-versões do Persuader, a simples MPA que é a utilizada por nós e a ASW que apenas (até ver) é utilizada pela Marinha do Chile.

Será que a sub-versão ASW consegue equiparar-se minimamente a qualquer P3? Nos equipamentos? No raio de alcance? Na autonomia? Porque é que outros países, Espanha e Brasil, operam igualmente P3 e C295 (ainda que estes países apenas operam os 'M" de transporte táctico)? O próprio país fabricante, Espanha, tem interesse em operar Persuader, quer MPA ou ASW?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: raphael em Janeiro 19, 2015, 04:54:20 pm
O C-295 é uma boa plataforma mas não é um faz tudo.
Para começar a autonomia, até na ida para o Mali tiveram de parar para reabastecer. O nosso emprego para o C-295 é mais transporte fins gerais, SIFFICAP, evacuações aeromédicas, apoio SAR, plataforma para treino de navegadores, mas tem as suas limitações...não aguenta as 13h de vôo sem reabastecimento do P-3C, além de que os sensores de longo alcance do P-3C têm valências mais vastas que o âmbito de aplicação do C-295.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Janeiro 19, 2015, 06:07:16 pm
O PereiraMarques e o raphael já mencionaram o mais importante (alcance e autonomia) mas aproveito para deixar a minha posta de bacalhau. Visto até que não tenho de pagar nada. Tendo em consideração que os P-3 já são aeronaves antigas que foram desenvolvidas há vários anos com sistemas de armamento de raiz (cablagem, asas "reforçadas"/pylons, testes, certificações) e portanto acho que consegue ser mais barato (custo-benefício) modernizar os sistemas e sensores destas aeronaves do que estar a encomendar um C-295 novo com estes sistemas adicionais todos. O P-3 também vem com sistemas de detecção, monitorização e armamento norte-americano (minas, torpedos, mísseis) o que aumento em muito a sua capacidade de combate.

Sem falar que se for para mandar o P-3 andar à bulha o mais provável é que seja numa missão NATO onde irá estar a trabalhar ao lado de outros operadores de P-3, com acesso à logística norte-americana e armamento norte-americano.

Mas o mais importante é o alcance e a autonomia do P-3 comparado ao C-295. Dá-nos um maior aumento de capacidade de combate estar a instalar capacidade de armamento e ASW numa plataforma como o P-3 do que como o C-295. Especialmente com a extensa área marítima que temos.

night_runner: Esqueci-me completamente de responder nessa conversa que estávamos a ter! Tenho de procurar umas fotos (que acho que vi no 9G's) em que vi a tal antena de contra-medidas que vi não era um pod "gordo" mas sim algo bastante fino colocado na asa. Dá-me a impressão que também já vi nos C-130. Pelo aspecto acho que era um RWR.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Janeiro 19, 2015, 10:29:43 pm
Citação de: "Get_It"
night_runner: Esqueci-me completamente de responder nessa conversa que estávamos a ter! Tenho de procurar umas fotos (que acho que vi no 9G's) em que vi a tal antena de contra-medidas que vi não era um pod "gordo" mas sim algo bastante fino colocado na asa. Dá-me a impressão que também já vi nos C-130. Pelo aspecto acho que era um RWR.
Não faz mal camarada, também há alguns dias que tenho algo para acrescentar ao tema e que já ficava esquecido.

Mas primeiro, é a esta antena na ponta da asa do C-130 que refere?
(http://img503.imageshack.us/img503/5951/mg6771800x533tt6.jpg)
Confesso que não me recordo de alguma vez ter visto algo do género em qualquer C-295.

No entanto o que eu mencionava no meu post era a ausência de alguns sistemas. Por ex, na frente e traseira da aeronave:
(http://i252.photobucket.com/albums/hh10/report-air/Apresentacao%20C-295/walkaround-ext_12.jpg)
(http://www.emfa.pt/www/conteudos/galeria/noticias/2013/abril/c295-demonstra-capacidades-a-frontex/02_421.jpg)

No entanto, a recente partida do C-295 para o Mali revela que, pelo menos, o MWS está operacional pelo que, provavelmente, o assunto estará resolvido e todos(?) os sistemas finalmente instalados:
(https://farm8.staticflickr.com/7511/16076943059_dcaa96c9ed_b.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Janeiro 22, 2015, 07:36:40 pm
Citação de: "night_runner"
Mas primeiro, é a esta antena na ponta da asa do C-130 que refere?
(http://img503.imageshack.us/img503/5951/mg6771800x533tt6.jpg)
Confesso que não me recordo de alguma vez ter visto algo do género em qualquer C-295.
Foi a essa mesma antena ao qual eu me referia.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Janeiro 22, 2015, 10:17:46 pm
Voltei a fazer uma pesquisa e não encontro nem imagem nem menção a tal antena.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Fevereiro 09, 2015, 10:01:50 pm
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/3/2/avc_00382432.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Fevereiro 09, 2015, 10:05:43 pm
Citação de: "Menacho"
(http://www.aviationcorner.net/public/photos/3/2/avc_00382432.jpg)

Afinal o avião que não aguentava as pistas de África ainda voa!
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: night_runner em Fevereiro 09, 2015, 10:15:59 pm
(https://farm9.staticflickr.com/8572/16249909957_d9a86b8d48_o.jpg)
Bamako, 13-01-15
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Fevereiro 10, 2015, 12:35:28 am
Citação de: "night_runner"
Voltei a fazer uma pesquisa e não encontro nem imagem nem menção a tal antena.

O C-295 pode ter essa antena, mas ser de uma forma diferente. São aviões de épocas diferentes, as tecnologias evoluem. Pode ser uma daquelas antenas mais pequenitas que se vê na foto.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Fevereiro 10, 2015, 01:02:32 am
Devo confessar que aquelas pods brancos nas pontas das asas dos nossos C-130 são deveras intrigantes. Estou farto de googlar e nada. A única coisa que descobri foi que os C-130 holandeses também os usam (e às vezes, tal como os nossos Hercules, também usam os AN/ALQ-131 em adição àqueles pods brancos).

Ainda pensei que fossem uma espécie de extensão para os AN/ALQ-131, mas se fosse esse o caso deveria haver mais fotos na net. Há um jamming pod israelita que é semelhante, o EL/L-8212, que mais não é do que uma versão light do mais conhecido EL/L-8222. No entanto, este tipo de dispositivo usado em conjugação com o AN/ALQ-131 é redundante, e logo não faz muito sentido.

Pode ser um jammer específico para sinais rádio de telemóvel, por exemplo. Ou então um pod de ESM? Deve haver por aí alguém mais sabido nestas andanças que talvez possa acrescentar algo mais.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Fevereiro 10, 2015, 12:31:54 pm
Não é um igual nos C-130 Holandeses?
(http://airheadsfly.com/wp-content/uploads/2014/07/C-130_Hercules_Netherlands.jpg)
(http://www.upinthesky.nl/wp-content/uploads/2014/07/C-130_Hercules_Luchtmacht-700x325.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 11, 2015, 02:52:23 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Fevereiro 12, 2015, 03:52:10 am
Citação de: "mafets"
Não é um igual nos C-130 Holandeses?

Companheiro mafets, se a pergunta me era destinada, pode encontrar a minha resposta no post anterior ao seu. Já agora como nota de curiosidade, na página 9 deste PDF encontra-se uma lista do equipamento de defesa eletrónica/anti-míssil utilizado pelos C-130 portugueses e de outros operadores europeus, em 2007: http://www.terma.com/media/92802/terma_ ... e_2007.pdf (http://www.terma.com/media/92802/terma_update_june_2007.pdf)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Março 20, 2015, 09:18:25 pm
ELEFANTES - 60 ANOS - Pintura comemorativa

1ª parte
http://www.passarodeferro.com/2015/03/e ... ativa.html (http://www.passarodeferro.com/2015/03/elefantes-60-anos-pintura-comemorativa.html)

2ª parte
http://www.passarodeferro.com/2015/03/e ... va_20.html (http://www.passarodeferro.com/2015/03/elefantes-60-anos-pintura-comemorativa_20.html)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Março 20, 2015, 09:45:15 pm
(https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfp1/v/t1.0-9/10420140_10205370741121420_8398080370433453007_n.jpg?oh=a76abde6b8d56e7ab972ee4238d60f8f&oe=55ACC5C9&__gda__=1437299116_232cee41acbf5c4a9e64c0d1200402c1)

https://www.facebook.com/groups/portugalspotters/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Março 20, 2015, 11:36:28 pm
uh? Pintura alusiva a quê?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: dc em Março 20, 2015, 11:42:54 pm
Penso que dos 60 anos da esquadra Elefantes...
Já agora, pintura muito bem conseguida!  :G-beer2:
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Março 20, 2015, 11:52:34 pm
Exato! Confirmar a "reportagem" do SMOR Serrano Rosa.


https://www.facebook.com/serrano.rosa.7 ... 996&type=1 (https://www.facebook.com/serrano.rosa.73/media_set?set=a.10205268497146470.1073742305.1668254996&type=1)
Título: Re: Pandur II
Enviado por: Lightning em Março 23, 2015, 12:52:21 am
Citação de: "nelson38899"
:arrow: viewtopic.php?f=39&t=2812&start=1770#p253743 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=39&t=2812&start=1770#p253743)

Citação de: "NVF"
- o radar dos C295 MPA é supostamente do mesmo modelo dos P-3C pelo que estão a faltar cinco;

Penso que os 12 C-295M tem todos o mesmo tipo de radar, as diferenças da versão MPA para a de Transporte serão noutro tipo de sensores.
Título: Re: Pandur II
Enviado por: night_runner em Março 23, 2015, 03:36:30 am
O camarada NVF refere-se aos radares presentes unicamente na versões PG-2 e PG-3 do C-295 (3 radares adquiridos). Comum a todas as versões é o radar APN-241 no nariz do avião, que distingue os C-295 portugueses dos restantes.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Março 23, 2015, 11:38:54 am
Já agora sobre esse radar:
 :arrow: http://www.lockheedmartin.co.uk/content ... rumman.pdf (http://www.lockheedmartin.co.uk/content/dam/lockheed/data/aero/documents/global-sustainment/product-support/2011HOC-Presentations/Mon_1530-Northrop_Grumman.pdf)
Título: Re: Pandur II
Enviado por: Lightning em Março 23, 2015, 12:18:42 pm
Citação de: "night_runner"
O camarada NVF refere-se aos radares presentes unicamente na versões PG-2 e PG-3 do C-295 (3 radares adquiridos). Comum a todas as versões é o radar APN-241 no nariz do avião, que distingue os C-295 portugueses dos restantes.

Sim eu estava a pensar no radar do nariz do avião :G-beer2: .
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Março 24, 2015, 12:07:36 am
Pode ser, mas a minha observação era referente ao post do camarada nelson38899, em que era mencionado o radar de vigilância marítima EL/M2022 da IAI, que e' comum aos P-3C CUP+ e C-295M Vimar da FAP.  O radar que o camarada night_runner muito bem referiu, e' o radar de navegação/meteorológico AN/APN-241, presente em todos os C-295M portugueses e que, por sinal, é um excelente radar, mas não era referido no post original do nelson38899.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Março 24, 2015, 08:23:48 pm
Artigo da NewsAvia sobre os 60 anos da Esquadra 502

http://newsavia.com/elefantes-no-ar-seg ... garantida/ (http://newsavia.com/elefantes-no-ar-seguranca-garantida/)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Março 29, 2015, 09:05:43 pm
Muito bonito.. :G-beer2:

(http://newsavia.com/wp-content/uploads/2015/03/60AnosEsquadra502_006_AndreGarcez.jpg)

(https://fbcdn-sphotos-e-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xpa1/v/t1.0-9/12781_814877718547939_2707207355792044013_n.jpg?oh=6d18d9b2ba2502c95797cd4cc0578da0&oe=55733961&__gda__=1433788444_06c8744bfdc2c2d8e257aa4b93bc7751)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Abril 04, 2015, 12:47:04 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: HSMW em Abril 04, 2015, 08:16:12 pm
(https://fbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xap1/v/t1.0-9/11070823_563341113805717_364328902736813328_n.jpg?oh=880de6811368c622aa74371d6cd1f040&oe=55BC3904&__gda__=1436207949_fb2f18454e632be57de552c2518e4901)
(https://scontent-mad.xx.fbcdn.net/hphotos-xfp1/v/t1.0-9/11012755_563341110472384_3897086747218717115_n.jpg?oh=ceba56aff5ac1b1f8da2a66e76382c84&oe=55BB16E5)
(https://scontent-mad.xx.fbcdn.net/hphotos-xpa1/v/t1.0-9/17292_563341137139048_359417872143043088_n.jpg?oh=047b5e85f7b4a23f0468c38452dc2bf4&oe=55A7C7C8)
(https://fbcdn-sphotos-d-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xap1/v/t1.0-9/11062131_563341123805716_3735699604460749275_n.jpg?oh=0799ee7bde0d51a8f4cf231dff0e6bb6&oe=55A92434&__gda__=1436185064_a074c1e8465028a60c5255994ff5ed3f)
(https://fbcdn-sphotos-b-a.akamaihd.net/hphotos-ak-xfp1/v/t1.0-9/21030_563341117139050_6888474610337732432_n.jpg?oh=95d3febd23d85940390c9c85b9fc4014&oe=55ADE431&__gda__=1437246002_f4c6d0925a41981edd5cc4f75fe46294)
(https://scontent-mad.xx.fbcdn.net/hphotos-xpf1/v/t1.0-9/10987713_563341130472382_2042736656944785604_n.jpg?oh=29284332a1728e195305ce9ce93d242d&oe=55BE6D93)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Johnnie em Abril 04, 2015, 09:04:52 pm
Muito bem conseguida esta pintura.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Abril 28, 2015, 11:45:58 am
Citar
Uma empresa do Grupo Salvador Caetano saiu a maior beneficiada de um contrato de contrapartidas com a Airbus, embora ainda nem existisse quando o contrato foi assinado.
Um contrato entre o Estado e o Grupo Salvador Caetano está a ser investigado pelo Ministério Público por falta de transparência. Uma investigação do jornal Público revelou esta segunda-feira que o ex-conselheiro de imagem de Pedro Passos Coelho e o adjunto do então ministro da Economia Álvaro Santos Pereira terão facilitado o contacto entre o Grupo Salvador Caetano, o Governo e a Airbus, fazendo com que a Salvador Caetano tenha saído a maior beneficiada num contrato de contrapartidas.
Em 2006, o Estado comprara à Airbus 12 aviões militares para operações de busca e salvamento, sendo que a Airbus se submetia a contrapartidas que se traduziam em investimentos diretos e compra de material que fomentassem a economia portuguesa. Mas em 2012, a Airbus queria renegociar o contrato para ter uma garantia bancária mais baixa, enquanto o Governo temia que as contrapartidas não fossem cumpridas.

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4534692&page=-1
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Junho 09, 2015, 09:51:53 pm
Con dois AN/ALQ-131:

(http://2.bp.blogspot.com/-Et3Kx-AsgY4/VXcArPb9dEI/AAAAAAAAsko/b4cCeSCbyZM/s1600/z.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Julho 06, 2015, 06:01:17 pm
(http://4.bp.blogspot.com/-_Mf6SlDSkk8/VZpRKxwRlDI/AAAAAAAAvtE/l4QrKi_SVyk/s640/v.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Agosto 31, 2015, 08:07:09 pm
Para os aspirantes a piloto de C295 em busca em salvamento, tem aqui um jogo para ir treinando :mrgreen: .

http://militaryaircraft-airbusds.com/Mu ... ssion.aspx (http://militaryaircraft-airbusds.com/Multimedia/C295GameSARMission.aspx)

PS: O A400M também tem um jogo para os interessados.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Menacho em Outubro 16, 2015, 05:01:16 pm
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Novembro 02, 2015, 04:24:43 pm
Duas hipóteses para os C295 da FAP  ;)
http://www.janes.com/article/55680/airbus-reveals-further-c295-enhancements (http://www.janes.com/article/55680/airbus-reveals-further-c295-enhancements)
Citar
Airbus Defence and Space (DS) is developing a number of new capabilities for its C295 medium-lift transport aircraft that are designed to enhance its support and special forces functionalities, it was disclosed on 2 November.

Speaking at the company's Seville facility during the annual Trade Media Briefing (TMB), head of engineering Miguel Angel Morell said that new air-to-air refuelling (AAR) and 'extreme' short take-off and landing (XTOL) capabilities are planned for the twin-turboprop airlifter in the coming months.

"The AAR Refuelling Kit is an incremental upgrade to the C295 [and CN235] that is designed to provide aerial refuelling for helicopters and other slow-movers, [while] XTOL involves being more aggressive with the STOL capabilities of the aircraft for use by special forces in war," he said.

For the AAR Refuelling Kit, Airbus DS has refined the hose-and-drogue tanking system with a Hose Sensor Computer to make the operation of connecting with receiver aircraft much simpler. As Morell noted; "Hose-and-drogue is a simple concept, but there is currently no control in the hose for the tanker aircraft. This Hose Sensor Computer system will measure the tension in the hose during the contact, which is important as it allows the torque in the [hose] drum to be managed to avoid tension in the hose which can cause damage."
(http://www.janes.com/images/assets/680/55680/1332879_-_main.jpg)
Citar
Airbus DS has revealed two new performance enhancements for its C295 that include an extreme short take-off and landing ability for special forces operations. The other is an aerial refuelling kit for helicopters and other slow movers. (Airbus DS)

Cumprimentos
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 11, 2016, 12:07:07 pm
Citar
Farnborough 2016: C295 makes static appearance, showcases new capabilities
Gareth Jennings, Farnborough - IHS Jane's Defence Weekly

11 July 2016

Airbus Defence and Space (DS) is displaying its C295 tactical transport aircraft at this year's Farnborough International Airshow, as it looks to promote a series of enhancements for the twin turboprop. A Portuguese Air Force aircraft is on the static display at the event, with Airbus DS showcasing a new air-to-air refuelling (AAR) kit that has been developed mainly for the in-flight refuelling of helicopters, turboprops, and even unmanned aerial vehicles (UAVs). It will also enable the C295 to serve as a forward refuelling platform for ground vehicles.

According to Airbus DS, the modification uses AAR kit fitted to standard pallets and involved only minimal modifications to the aircraft. These modifications are primarily in a new control systems for hose-and-drogue operations. While the AAR refuelling kit does not currently include auxiliary tanks fitted in the aircraft (fuel for offloading being drawn from the main tanks), these could be added at the customer's request.

Ground trials of the AAR kit have already been completed, and the hose has been successfully deployed in flight between 95 to 140 kt (and shown to be stable). Helicopter proximity flights have also been successfully concluded, with dry contact flights scheduled for the end of the year. The AAR kit is one of a number of enhancements that Airbus DS is either developing for the C295, or has recently rolled out. Another modification currently being developed is the automation of the cockpit procedures.

The objective of this particular effort is to enhance modern cockpit operation taking into account human factors, so as to improve situational awareness and reduce pilot workload. The new function aims to simplify the way in how the flight crew interacts in the cockpit during normal operation or after a system failure, to reach the objective of automated flight. It provides for increased automation in many of the aircraft's functions, such as the setting of flaps, landing gear, speed brakes, lights, general systems, etc.

http://www.janes.com/article/62134/farnborough-2016-c295-makes-static-appearance-showcases-new-capabilities
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: nelson38899 em Agosto 11, 2016, 11:12:03 pm
Citar
he Portuguese Air Force will be flying a C295 transport aircraft to Air Force Base Waterkloof for the Africa Aerospace and Defence (AAD) exhibition next month.

Airbus officials confirmed that the aircraft would be attending AAD between 14 and 18 September but could not provide much more information as the aircraft is being operated by the Portuguese Air Force.

The intention is to allow the South African Air Force to talk shop with the Portuguese pilots and technicians so they can get an understanding of the aircraft in operational service.

Airbus in 2012 flew one of its own C295s to South Africa, where it was demonstrated to the South African Air Force. Airbus believes the aircraft will make a good replacement for the C-47TP maritime patrol aircraft and C212 light transports currently in service. Airbus was pursuing Project Saucepan for new maritime patrol aircraft but this was subsequently divided into Projects Metsie and Kiepie, for maritime surveillance and light transport. Two years ago the Department of Defence (DoD) said the Air Force would acquire these types of aircraft, but in its latest annual report the DoD makes no mention of these acquisitions and the budget for the next several years shows no extra funding.

Nevertheless, Airbus continues to promote the C295 to the South African Air Force as well as other African countries. The European manufacturer has had better luck elsewhere on the continent, with Ghana, Egypt and Mali being some of the type’s customers – this year Mali will receive a single example while Egypt will receive the last of the 24 it has on order.

http://www.defenceweb.co.za/index.php?option=com_content&view=article&id=44573:portuguese-air-force-bringing-c295-to-aad&catid=35:Aerospace&Itemid=107 (http://www.defenceweb.co.za/index.php?option=com_content&view=article&id=44573:portuguese-air-force-bringing-c295-to-aad&catid=35:Aerospace&Itemid=107)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Outubro 01, 2016, 07:52:58 pm
Veio um artigo sobre a esquadra 502 Elefantes na Air International de Agosto de 2016 (vol91 nº2). Uma parte do artigo mencionava os sensores e o sistema VIMARS de Vigilância Marítima utilizados.

Segundo o artigo o sistema utilizado pela FAP tem duas consolas de operadores e a informação também aparece num dos ecrans LCD do cockpit.

Sensores do avião:
1-radar Elta ELM-2022 na redoma por baixo da fuselagem (banda X alcance até 370km para grandes objectos)
2-SLAR(side-looking airborne radar) com antenas nas laterais da fuselagem e com capacidade de pesquisa de 45km de cada lado avião.
3-Electro optica Wescam MX-15 EO/IR instalado um pouco atrás do "nariz" do avião e à frente do trem de aterragem.
4-weather radar Northrop Grumman AN/APN-241 montado na redoma no "nariz" do avião.

É possível fazer transmitir os  dados imagens e vídeo recolhidos pelo sensor Wescan para um navio ou uma estação em terra.

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Outubro 07, 2016, 05:48:30 pm
No site da Airbus vem um press release sobre o teste realizado com o kit de reabastecimento instalado no C295.

https://airbusdefenceandspace.com/newsroom/news-and-features/airbus-c295w-demonstrates-air-to-air-refuelling-capability/?bO=1&aC=1

Citar
Airbus Defence and Space has successfully demonstrated the Airbus C295W medium transport as an airborne tanker. The C295W, equipped with a palletized air-to-air refuelling unit and associated computer control system, conducted multiple contacts with a standard Spanish Air Force C295 in a test flight on 29 September. Both crews reported extremely smooth operation at various speeds as low as 110kt. The system is intended for refuelling turboprop aircraft, helicopters, and eventually unmanned aerial vehicles. Possible applications include special operations and extending the range of search and rescue aircraft. Further trials with a helicopter receiver are planned before the end of the year. Video of the trials can be downloaded at:
http://bcr.airbusdefenceandspace.com/bcr/BroadcastPlayer.php?id=1_8a21kew3
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Outubro 12, 2016, 03:42:51 am
 Uma situação interessante para a FAP poder reabastecer e prolongar o raio de acção dos EH-101/CSAR. Isto no plano teórico, repito teórico.
 A hipotética aquisição de um módulo destes teria um custo estratosférico para a força aérea que equivaleria para aí a 40% do seu actual orçamento anual. A não ser que pedissem um subsidio a Bruxelas como fizeram para mudar os radios e as comunicações dos teco-teco  SOCATA Epsilon (só adquirido por grandes potências como o Togo, Bolivia e Senegal).
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Outubro 12, 2016, 07:25:43 am
Uma situação interessante para a FAP poder reabastecer e prolongar o raio de acção dos EH-101/CSAR. Isto no plano teórico, repito teórico.
 A hipotética aquisição de um módulo destes teria um custo estratosférico para a força aérea que equivaleria para aí a 40% do seu actual orçamento anual. A não ser que pedissem um subsidio a Bruxelas como fizeram para mudar os radios e as comunicações dos teco-teco  SOCATA Epsilon (só adquirido por grandes potências como o Togo, Bolivia e Senegal).

Mas usado pela França que para o caso é o que interessa.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Outubro 12, 2016, 01:58:22 pm
Uma situação interessante para a FAP poder reabastecer e prolongar o raio de acção dos EH-101/CSAR. Isto no plano teórico, repito teórico.
 A hipotética aquisição de um módulo destes teria um custo estratosférico para a força aérea que equivaleria para aí a 40% do seu actual orçamento anual. A não ser que pedissem um subsidio a Bruxelas como fizeram para mudar os radios e as comunicações dos teco-teco  SOCATA Epsilon (só adquirido por grandes potências como o Togo, Bolivia e Senegal).

Mas usado pela França que para o caso é o que interessa.

Mal seria se o país fabricante não o adquirisse. Agora a realidade é que nenhum país credível o comprou, o que é um facto.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Outubro 12, 2016, 06:16:04 pm
A AIRBUS tem inclusive andado a fazer testes com o C-295W e um kit de combate a incêndios florestais e fez um acordo com a Coulson Group do Canadá, para instalação e testes dum sistema  roll-on-roll-of  com a capacidade de 7000l. Neste momento também concorrem contra a Alenia e o C-27 no concurso para substituição dos Canadair Bufalo utilizados pelo governo canadiano em missões SAR, pelo que é melhor ninguém ter muita pressa de ver um C-295 a apagar incêndios.

Se juntarmos a versão de patrulha maritima/ASW e a  demo de uma versão AEW, verifica-se que a empresa tenta criar modelos mais económicos que os aviões apresentados pela concorrência.

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Janeiro 18, 2017, 12:45:44 am
Finalmente o vídeo dos testes de reabastecimento em voo de um C-295 com o kit AAR e um EC725/H225M Caracal.


Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Janeiro 18, 2017, 12:26:24 pm
Em termos nacionais até que ponto isso ficaria economicamente interessante?

Qual o custo do deploy de um C-295 preparado para o abastecimento VS a substituição da parelha de F-16 por uma fresquinha com gasóleo??

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Janeiro 18, 2017, 12:30:10 pm
Em termos nacionais até que ponto isso ficaria economicamente interessante?

Qual o custo do deploy de um C-295 preparado para o abastecimento VS a substituição da parelha de F-16 por uma fresquinha com gasóleo??

Os F-16 não usam Probe and Drogue, portanto é uma questão questão se coloca.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 18, 2017, 03:17:33 pm
Em termos nacionais até que ponto isso ficaria economicamente interessante?

Qual o custo do deploy de um C-295 preparado para o abastecimento VS a substituição da parelha de F-16 por uma fresquinha com gasóleo??

Os F-16 não usam Probe and Drogue, portanto é uma questão questão se coloca.

Só se colocaria a questão da utilidade deste sistema caso se adquirissem, ou adquiram, as sondas de reabastecimento para os 4 EH-101 Merlin Mk.516 especialmente vocacionados para busca e salvamento em combate, vulgo CSAR.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 18, 2017, 04:18:12 pm
Penso que vi algures uma engenhoca qualquer que permitia aos F-16 reabastecerem em voo dessa forma. Será israelita?... :o
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Janeiro 18, 2017, 04:21:39 pm
Que não seja por isso... Havendo dinheiro e vontade tudo se arranja. No entanto, haverá, com certeza, melhores alternativas para  reabastecer os F-16 do que o C-295. Para reabastecimento de helis, ou da outros aviões a hélice, seria catita, mas não me parece que a FAP veja tal capacidade como prioritário face às enormes lacunas que existem noutras áreas mais prioritárias (substituição dos AL III e Alpha Jet, por exemplo)

(http://66.media.tumblr.com/5cb05f1c6496863eaeea05d3c904b856/tumblr_n9xzhzHDxo1txx6x7o3_1280.jpg)

PS: Martelo, esta engenhoca foi desenvolvida pela LM, pois P&D é um requisito para a Força Aérea Indiana.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 18, 2017, 08:02:21 pm
Os nossos F-16 também não tem capacidade de usar CFTs, por isso esse sistema não pode ser usado nos nossos aviões.

E comprar um KC-135 usado aos EUA? ;D
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Janeiro 18, 2017, 09:55:34 pm
Tens razão Lighting, só a partir do bloco 50/52 é que os Viper vieram configurados de fábrica para utilizar CFT, mas isso, mais uma vez, não impede que versões anteriores não possam ser reforçadas estruturalmente de modo a poderem instalar CFT's.

Mas, a meu ver, esse seria uma upgrade sem grande sentido. O único upgrade significativo que faria sentido para os nossos Viper seria a instalação de radar AESA e, claro, continuar os upgrades das tapes MLU e, mais importante ainda, adquirir mísseis e munições em quantidades que não deixem os paióis vazios ao primeiro tiro.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Janeiro 18, 2017, 11:07:33 pm
Até entendo querermos reabastecer helicópteros, pois os EH101 não chegam a todo o lado na nossa área SAR, mas os F-16 chegam a todo o lado da área portuguesa, não vejo que isso seja uma necessidade de Portugal.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Alvalade em Janeiro 18, 2017, 11:11:44 pm
Tens razão Lighting, só a partir do bloco 50/52 é que os Viper vieram configurados de fábrica para utilizar CFT, mas isso, mais uma vez, não impede que versões anteriores não possam ser reforçadas estruturalmente de modo a poderem instalar CFT's.

Mas, a meu ver, esse seria uma upgrade sem grande sentido. O único upgrade significativo que faria sentido para os nossos Viper seria a instalação de radar AESA e, claro, continuar os upgrades das tapes MLU e, mais importante ainda, adquirir mísseis e munições em quantidades que não deixem os paióis vazios ao primeiro tiro.

Por acaso acho que existe mesmo um impedimento estrutural para a instalação do CFT, existe (ou existia) a alternativa desenvolvida antes do CFT que era a instalação de Probes nos tanques externos, mas aí é mais o custo em tempo e dinheiro que o proveito.

(https://airrefuelingarchive.files.wordpress.com/2009/05/vista_arts.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Janeiro 19, 2017, 09:36:34 am
Em termos nacionais até que ponto isso ficaria economicamente interessante?

Qual o custo do deploy de um C-295 preparado para o abastecimento VS a substituição da parelha de F-16 por uma fresquinha com gasóleo??

Os F-16 não usam Probe and Drogue, portanto é uma questão questão se coloca.

Só se colocaria a questão da utilidade deste sistema caso se adquirissem, ou adquiram, as sondas de reabastecimento para os 4 EH-101 Merlin Mk.516 especialmente vocacionados para busca e salvamento em combate, vulgo CSAR.
Só os SAR é que têm?
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2010/10/detalhe-eh-101-lanca.jpg)
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2010/10/eh-101-frente.jpg)
Citar
http://www.operacional.pt/helitech-portugal-2010/ (http://www.operacional.pt/helitech-portugal-2010/)

Saudações
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Janeiro 19, 2017, 04:51:44 pm
Tens razão Lighting, só a partir do bloco 50/52 é que os Viper vieram configurados de fábrica para utilizar CFT, mas isso, mais uma vez, não impede que versões anteriores não possam ser reforçadas estruturalmente de modo a poderem instalar CFT's.

Mas, a meu ver, esse seria uma upgrade sem grande sentido. O único upgrade significativo que faria sentido para os nossos Viper seria a instalação de radar AESA e, claro, continuar os upgrades das tapes MLU e, mais importante ainda, adquirir mísseis e munições em quantidades que não deixem os paióis vazios ao primeiro tiro.

Por acaso acho que existe mesmo um impedimento estrutural para a instalação do CFT, existe (ou existia) a alternativa desenvolvida antes do CFT que era a instalação de Probes nos tanques externos, mas aí é mais o custo em tempo e dinheiro que o proveito.

(https://airrefuelingarchive.files.wordpress.com/2009/05/vista_arts.jpg)

Impedimentos estruturais são problemas de engenharia e, como tal, passíveis de serem resolvidos. É tudo uma questão de dinheiro. Mas, como disse anteriormente, não faz qualquer sentido no caso da FAP. Não conhecia esse sistema, obrigado pela foto, camarada Alvalade.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Janeiro 19, 2017, 05:17:36 pm
Em termos nacionais até que ponto isso ficaria economicamente interessante?

Qual o custo do deploy de um C-295 preparado para o abastecimento VS a substituição da parelha de F-16 por uma fresquinha com gasóleo??

Os F-16 não usam Probe and Drogue, portanto é uma questão questão se coloca.

Só se colocaria a questão da utilidade deste sistema caso se adquirissem, ou adquiram, as sondas de reabastecimento para os 4 EH-101 Merlin Mk.516 especialmente vocacionados para busca e salvamento em combate, vulgo CSAR.
Só os SAR é que têm?
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2010/10/detalhe-eh-101-lanca.jpg)
(http://www.operacional.pt/wp-content/uploads/2010/10/eh-101-frente.jpg)
Citar
http://www.operacional.pt/helitech-portugal-2010/ (http://www.operacional.pt/helitech-portugal-2010/)

Saudações

do Site da FAP ::


O EH-101 MERLIN é um helicóptero de transporte médio, trimotor, com trem de aterragem triciclo, semi-retrátil, com rodas duplas em cada unidade e rotor principal de 5 pás. A FAP adquiriu 12 EH-101 em três variantes distintas para três tipos de missões diferentes. A frota consiste em 6 de variante SAR (Busca e Salvamento), 2 de variante SIFICAP (Sistema de Fiscalização das Pescas) e por 4 de variante CSAR (Busca e Salvamento em Combate).

Possui flutuadores de emergência, 2 barcos internos de 20 pessoas, 1 guincho primário e um guincho secundário, NITESUN e FLIR. É equipado com um RADAR de busca da GALILEO com capacidade de identificar e monitorizar 32 alvos de superfície em simultâneo. Todas as aeronaves têm a capacidade para operarem em ambiente NVG.

A variante CSAR está equipada com “Defensive Aids Suite” (DAS), que consiste num sistema integrado de autoproteção eletrónica, formado pelos seguintes subsistemas: um “Radar Warning Receiver” (RWR), um “Missile Warning System” (MWS) e um “Counter Measures Dispensing System” (CMDS). Tem a capacidade para reabastecimento “Hovering In Flight Refueling” (HIRF) e “Air to Air Refueling” (AAR).


Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 09, 2017, 09:12:09 pm
Pequeno incidente esta tarde com um C-295M VIMAR que obrigou a efectuar uma aterragem de emergência, por precaução, em Faro.

http://www.dn.pt/sociedade/interior/aviao-da-forca-aerea-aterra-de-emergencia-em-faro-5658640.html
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Fevereiro 10, 2017, 10:15:12 am
Os acidentes já têm cobertura mediática. Já o resto das actividades das FA...
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: raphael em Fevereiro 10, 2017, 12:57:46 pm
Os acidentes já têm cobertura mediática. Já o resto das actividades das FA...

Vão tendo uma outra reportagem sobre os meios aéreos (um dos programas Volante).
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: ARIES em Junho 10, 2017, 10:44:12 am
Cost versus Credibility
https://armadainternational.com/2017/06/maritime-patrol-aircraft-cost-versus-credibility/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Julho 05, 2017, 11:55:33 pm
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/airbus_vai_investir_600_milhoes_em_portugal_ate_2018


Mais C-295 ?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Julho 06, 2017, 08:41:33 am
http://www.jornaldenegocios.pt/empresas/detalhe/airbus_vai_investir_600_milhoes_em_portugal_ate_2018


Mais C-295 ?

Ou terá que ver com, a possível aquisição de C-295 por Timor Leste ????

https://newsavia.com/aviao-de-transporte-c-295-da-fap-aterrou-em-dili-depois-de-demonstracao-para-as-autoridades-de-timor-leste/

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 06, 2017, 12:15:45 pm
Citar
O responsável considerou que "Portugal tem necessidade de aumentar a frota de C-295", tendo em conta o actual nível de actividade, mas garantiu que não há conversações nesse sentido.

Nada que eu não tenha vindo aqui a dizer, ou seja, que se devia apostar na aquisição de mais 3 aeronaves na versão de transporte táctico, e modernizar todas elas para o padrão C-295W. Agora intenção política nesse sentido e verbas para tal são outros quinhentos.  ::)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Julho 06, 2017, 12:27:05 pm
Citar
O responsável considerou que "Portugal tem necessidade de aumentar a frota de C-295", tendo em conta o actual nível de actividade, mas garantiu que não há conversações nesse sentido.

Nada que eu não tenha vindo aqui a dizer, ou seja, que se devia apostar na aquisição de mais 3 aeronaves na versão de transporte táctico, e modernizar todas elas para o padrão C-295W. Agora intenção política nesse sentido e verbas para tal são outros quinhentos.  ::)

Andamos sempre a bater nas mesmas teclas é o que é, SÓ AS MOSCAS É QUE MUDAM !
O aumento da frota dos 295 devia ser uma realidade bem como o aumento da futura frota"  de 20 milhões  " dos substitutos dos " ALIII, como, também pelo menos mais dois 101 deveriam ser adquiridos,:
Se os nossos politicozecos, andam aos quatro ventos a dizer que a FAP vai efectuar também o combate aos FF, então hajam de acordo com a atribuição de mais essa missão e reforcem os meios já demasiados escassos da FAP, e façam algo que se veja, deixem-se de " CONVERSAS DA TRETA " !!

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Julho 06, 2017, 03:51:44 pm
Também existe muita actividade desnecessária e uma gestão pouco racional de recursos. Tal como a estupidez de andar a transportar doentes entre o Porto Santo e Funchal nos C-295 quando deveria ser feita em helicópteros adequados com as inerentes vantagens operacionais, poupança de custos e mais eficiência. Em que o heli aterraria directamente no hospital ou nas suas imediações em vez de aterrar no aeroporto (distante do hospital) e ter ainda de transferir os pacientes para as ambulâncias.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Julho 06, 2017, 05:14:12 pm
Em relação a adquirir mais aviões, nada contra, mas contratem também pessoal que aquilo ainda não voa sozinho.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Get_It em Julho 06, 2017, 06:23:22 pm
Também não sou nada contra o reforço da frota C-295 e já mencionei isso aqui. No entanto, essa notícia do Jornal de Negócios é de 2015 e está relacionada com o "arranque" da Caetano Aeronautic.

Citação de: Maria João Babo / Jornal de Negócios
A Airbus Defense & Space tem projectos industriais em Portugal com a Salvador Caetano, que fabrica peças para o A400M e aviões civis, e com as OGMA, onde foi desenvolvida a capacitação para a realização de tarefas de manutenção dos aviões C295 da Força Aérea Portuguesa.
Aproveito é essa notícia para relembrar que em Portugal desenvolvemos e fabricamos componentes para os três principais possíveis substitutos do C-130. Por isso depois nos outros tópicos não venham com a lenga-lenga que temos de escolher a aeronave X porque estamos envolvidos na produção de componentes.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 07, 2017, 11:04:04 am
Em relação a adquirir mais aviões, nada contra, mas contratem também pessoal que aquilo ainda não voa sozinho.

Exactamente. No passado fim de semana em Castelo Branco tive oportunidade de falar com pessoal dos Bisontes e, por exemplo, neste momento dos quatro C-130 3 estão operacionais, contudo só há tripulações completas para dois. Continue-se com as cativações que isto ainda vai ficar melhor.  ::)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Julho 07, 2017, 11:32:45 am
Em relação a adquirir mais aviões, nada contra, mas contratem também pessoal que aquilo ainda não voa sozinho.

Exactamente. No passado fim de semana em Castelo Branco tive oportunidade de falar com pessoal dos Bisontes e, por exemplo, neste momento dos quatro C-130 3 estão operacionais, contudo só há tripulações completas para dois. Continue-se com as cativações que isto ainda vai ficar melhor.  ::)
Versão Drone?  ;D :P
(http://i37.photobucket.com/albums/e68/GTwiner/More%20Creations/35db35fb.jpg?t=1238262068)
Citar
http://beyondthesprues.com/Forum/index.php?topic=1136.0 (http://beyondthesprues.com/Forum/index.php?topic=1136.0)

Saudações
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Julho 07, 2017, 02:31:30 pm
Fazendo de conta que se vive num país normal e pirateando as ideias de terceiros...
Citar
O aumento da frota dos 295 devia ser uma realidade bem como o aumento da futura frota"  de 20 milhões  " dos substitutos dos " ALIII, como, também pelo menos mais dois 101 deveriam ser adquiridos,:

Adquiria-se antes  4 AW-169 cujo contracto de manutenção deverá ser  inferior à adenda que se teria que fazer para os dois novos helicópteros. Tem a vantagem adicional de ser mais económico para a conversão dos pilotos para um helicóptero biturbina e aposto que se consegue mais de 60% de operacionalidade dos aparelhos.
https://www.bjtonline.com/aircraft/leonardo-helicopters-aw169 (https://www.bjtonline.com/aircraft/leonardo-helicopters-aw169)
https://www.bjtonline.com/aircraft/leonardo-helicopters-aw101 (https://www.bjtonline.com/aircraft/leonardo-helicopters-aw101)
http://www.leonardocompany.com/documents/63265270/69072454/body_BROCHURE_AW169EMS_Mk517.pdf (http://www.leonardocompany.com/documents/63265270/69072454/body_BROCHURE_AW169EMS_Mk517.pdf)

E uma vantagem na racionalização de meios como falado aqui:
Citar
ambém existe muita actividade desnecessária e uma gestão pouco racional de recursos. Tal como a estupidez de andar a transportar doentes entre o Porto Santo e Funchal nos C-295 quando deveria ser feita em helicópteros adequados com as inerentes vantagens operacionais, poupança de custos e mais eficiência. Em que o heli aterraria directamente no hospital ou nas suas imediações em vez de aterrar no aeroporto (distante do hospital) e ter ainda de transferir os pacientes para as ambulâncias.
.
É que usar EH-101 para servir de ambulância entre ilhas ou passear presidentes, ministros e papas não é uma boa gestão de recursos.

No caso dos C-295 deveriam ser adquiridos dois aparelhos pelos responsáveis da defesa civil (leia-se Ministério da Administração Interna) seja em por compra ou por leasing (daqueles a sério não a farsa que foi no caso dos E-101 e dos C-295). É responsabilidade do Ministério o(s) contractos de manutenção (pode ser em parceria com a FAP) o pagamento dos custos de operação ao serviço do Ministério, aquisição de kits contra incêndio florestal etc... Por protocolo é responsabilidade da FAP fornecer as tripulações pelo número de horas por ano acordado com a defesa civil. Também por protocolo poderão os aviões ser utilizados pela FAP para as suas missões de transporte em espaços aéreos não contestados ( é para fazer o voo bissemanal às ilhas, não é para ir ao MALI). Que as entidades envolvidas por uma vez na vida cooperem de boa-fé e não passem o tempo a ver quem ganha a bola como é comum na administração pública nacional.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Julho 07, 2017, 03:09:51 pm
 Eu não falei em EH101's para transportar doentes entre ilhas. Neste caso entre Porto Santo e Funchal. Mas em helicópteros adequados.

 Devido à irresponsabilidade e negligência do regime a força aérea não tem há muito quaisquer helicópteros multimissões para transportarem tropas, para fazer evacuações médicas, SAR costeiro e para auxilio de combate aos fogos em que qualquer país europeu da NATO ou não os possui.

 
 
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Julho 07, 2017, 03:19:33 pm
Tomara existir dinheiro para o "gasoil"...  ::) :o http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/forca-aerea-com-combustivel-no-limite-consegue-verba-para-necessidades-urgentes#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share (http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/forca-aerea-com-combustivel-no-limite-consegue-verba-para-necessidades-urgentes#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share)
Citar
Fontes parlamentares disseram à Lusa terem recebido a informação, no âmbito dos contactos que mantêm regularmente com os ramos das Forças Armadas, que a FAP só tinha combustível para a aviação até agosto, devido a cativações orçamentais.

Questionado pela Lusa, fonte do gabinete do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, respondeu que o ministério “tem conhecimento da necessidade de combustível para a Força Aérea e que o suprimento da necessidade é essencial à execução das várias missões que lhe estão atribuídas”.

De acordo com o gabinete de Azeredo Lopes, no início de junho, o ministério das Finanças aprovou “uma antecipação dos fundos disponíveis para a Força Aérea no montante de seis milhões de euros, de modo a poder fazer face a necessidades urgentes neste domínio”.

“Estão também a ser adotadas medidas de gestão flexível no âmbito do programa orçamental da Defesa que permitirão manter os níveis de operacionalidade do ramo”, acrescentou a mesma fonte oficial.

O ministério da Defesa salientou ainda que o planeamento da Força Aérea “tem permitido assegurar as reservas mínimas combustíveis de forma a assegurar o cumprimento das várias missões que lhe são atribuídas”.

Questionado pela Lusa, o porta-voz da FAP, tenente-coronel Manuel Costa, disse apenas que “o fornecimento de combustível de aviação está a ser tratado pela Força Aérea com muito cuidado e rigor em conjunto com o ministério da Defesa Nacional”.

(http://thumbs.web.sapo.io/?epic=YmI5KfwogBPNAKhIHQgOx6FUpflhmKHAXsV/uKKffL4yYzyVjxWvSsKa3FOX/PXWZkQ2F+M/DSiLO/Vymb4FpAt96yHFB3cZbEVb2XL1k4zsaKI=&W=800&H=0&delay_optim=1)

Saudações
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: typhonman em Julho 08, 2017, 12:15:47 am
Caro Charlie, sabes se a opção vai ser mesmo pelos KC 390 ?? :-[
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Julho 08, 2017, 06:34:20 am
Tomara existir dinheiro para o "gasoil"...  ::) :o http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/forca-aerea-com-combustivel-no-limite-consegue-verba-para-necessidades-urgentes#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share (http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/forca-aerea-com-combustivel-no-limite-consegue-verba-para-necessidades-urgentes#_swa_cname=sapo24_share&_swa_cmedium=web&_swa_csource=facebook&utm_source=facebook&utm_medium=web&utm_campaign=sapo24_share)
Citar
Fontes parlamentares disseram à Lusa terem recebido a informação, no âmbito dos contactos que mantêm regularmente com os ramos das Forças Armadas, que a FAP só tinha combustível para a aviação até agosto, devido a cativações orçamentais.

Questionado pela Lusa, fonte do gabinete do ministro da Defesa, Azeredo Lopes, respondeu que o ministério “tem conhecimento da necessidade de combustível para a Força Aérea e que o suprimento da necessidade é essencial à execução das várias missões que lhe estão atribuídas”.

De acordo com o gabinete de Azeredo Lopes, no início de junho, o ministério das Finanças aprovou “uma antecipação dos fundos disponíveis para a Força Aérea no montante de seis milhões de euros, de modo a poder fazer face a necessidades urgentes neste domínio”.

“Estão também a ser adotadas medidas de gestão flexível no âmbito do programa orçamental da Defesa que permitirão manter os níveis de operacionalidade do ramo”, acrescentou a mesma fonte oficial.

O ministério da Defesa salientou ainda que o planeamento da Força Aérea “tem permitido assegurar as reservas mínimas combustíveis de forma a assegurar o cumprimento das várias missões que lhe são atribuídas”.

Questionado pela Lusa, o porta-voz da FAP, tenente-coronel Manuel Costa, disse apenas que “o fornecimento de combustível de aviação está a ser tratado pela Força Aérea com muito cuidado e rigor em conjunto com o ministério da Defesa Nacional”.

(http://thumbs.web.sapo.io/?epic=YmI5KfwogBPNAKhIHQgOx6FUpflhmKHAXsV/uKKffL4yYzyVjxWvSsKa3FOX/PXWZkQ2F+M/DSiLO/Vymb4FpAt96yHFB3cZbEVb2XL1k4zsaKI=&W=800&H=0&delay_optim=1)

Saudações

Impressionante se em Agosto, a meio do Ano, um dos Ramos das FFAA está assim, estamos mesmo bem, e não aprendemos nada com os erros/falhas, quero ver se não houver meios, fuel, para uma ou mais evacuações e se mais alguém vai ter de morrer por incúria, desleixo chamam-lhe o que quiserem, andam mesmo a  brincar com o FOGO, estes (IR)responsáveis !!!!!

Então como vão os acfts da FAP voar para combater os incêndios se agora nem para as missões existentes há chop/chop para os acft's ????

Mas que grandes politicos nós temos tido são mesmo do melhor, não se arranjem um militar para MDN, e mais um oficial General ou equivalente, das FFSS, para MAI, que não vale a pena

Abraços e fogo á peça !!!!!
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 03, 2017, 11:58:10 pm
Seleção faz ‘batismo de voo’ num C-295 da Força Aérea até Andorra


A viagem para Andorra será a primeira que a seleção nacional de futebol vai realizar num avião da Força Aérea Portuguesa (FAP), que sofrerá “alterações mínimas” para transportar a comitiva campeã europeia.

“Os aviões modernos são modulares e por isso é possível alterar a sua configuração. Faremos alterações mínimas, a mais significativa das quais passará pela substituição de bancos corridos por cadeiras normais”, explicou à Lusa o tenente-coronel Manuel Costa, porta-voz da FAP.

A seleção portuguesa, que vai defrontar no sábado a congénere de Andorra, em jogo de qualificação para o Mundial 2018, viajará num C-295, avião com capacidade para 70 passageiros e autonomia para 10 horas de voo, que é, por vezes, utilizado em deslocações do Presidente da República.

As razões para a utilização de um avião da FAP relacionam-se com as limitações do aeródromo de Andorra, designadamente, “o reduzido comprimento da pista e a impossibilidade de fazer uma aterragem por instrumentos”, conforme explicou o seu porta-voz.

Como o aeródromo local não tem capacidade para receber voos comerciais, habitualmente, as equipas que vão jogar a Andorra aterram no aeroporto de Lérida e são depois obrigadas a realizar uma viagem de autocarro, que tem a duração aproximada de mais de três horas.

A opção pelo C-295 permite a Portugal ganhar tempo não só na ida, mas também no regresso, já que a 10 de outubro defronta a Suíça, no Estádio do Luz, num encontro que poderá ser decisivo para garantir o acesso direto à fase final do próximo Campeonato do Mundo.

Fonte da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) assinalou que todos os custos da operação serão suportados pelo organismo federativo e que a aterragem em Andorra ficará sempre dependente das condições climatéricas.

A seleção nacional ocupa o segundo posto do Grupo B, com 21 pontos, menos três do que a Suíça, que lidera só com vitórias. As duas equipas já têm pelo menos assegurado um lugar no ‘play-off', caso falhem o primeiro lugar.


>>>>  http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/selecao-faz-batismo-de-voo-num-c-295-da-forca-aerea-ate-andorra
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Outubro 04, 2017, 12:57:48 am
"A seleção portuguesa, que vai defrontar no sábado a congénere de Andorra, em jogo de qualificação para o Mundial 2018, viajará num C-295, avião com capacidade para 70 passageiros e autonomia para 10 horas de voo, que é, por vezes, utilizado em deslocações do Presidente da República."

A notícia refere que o C-295 é utilizado em deslocações do PR - Que remédio tem ele?!
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 04, 2017, 08:56:11 pm
A notícia refere que o C-295 é utilizado em deslocações do PR - Que remédio tem ele?!

O PR também tem os Falcon 50, mas para o caso da selecção de futebol esse avião não tem capacidade.

O Presidente da Republica por vezes voa no C-295M quando voa dentro de Portugal Continental, como uma vez que foi a Coimbra ou quando andou a visitar várias ilhas dos Açores (a maioria tem pistas pequenas) em que voou num C-295 destacado na base das Lajes.
http://sicnoticias.sapo.pt/pais/2017-06-02-Marcelo-visitou-Miradouro-do-Portal-na-ilha-das-Flores

As viagens de Falcon 50 costumam ser para distâncias mais longas como para outros países da europa ou para as ilhas.
https://www.tsf.pt/sociedade/interior/marcelo-prepara-falcon-para-ir-a-madeira-8707185.html
http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/marcelo_paga_do_seu_bolso_a_ida_a_lyon_no_falcon_da_forca_aerea
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 04, 2017, 09:14:17 pm
Só quero referir o pormenor que o C-295M pode ser equipado com bancos mais confortáveis, do tipo avião comerciais.

Fotos da visita do PR ao destacamento C-295M no sul de Espanha ao serviço FRONTEX.
https://www.flickr.com/photos/forcaaereaportuguesa/sets/72157685323020142/
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Outubro 04, 2017, 09:56:14 pm
Obrigado Lightning.

Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Outubro 05, 2017, 12:19:08 pm
Só quero referir o pormenor que o C-295M pode ser equipado com bancos mais confortáveis, do tipo avião comerciais.

Fotos da visita do PR ao destacamento C-295M no sul de Espanha ao serviço FRONTEX.
https://www.flickr.com/photos/forcaaereaportuguesa/sets/72157685323020142/

E num Persuader, ainda por cima. O sistema roll-on/roll-of de paletes configuráveis do C-295M bem à vista.  ;)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Outubro 05, 2017, 01:05:26 pm
Só quero referir o pormenor que o C-295M pode ser equipado com bancos mais confortáveis, do tipo avião comerciais.

Fotos da visita do PR ao destacamento C-295M no sul de Espanha ao serviço FRONTEX.
https://www.flickr.com/photos/forcaaereaportuguesa/sets/72157685323020142/

E num Persuader, ainda por cima. O sistema roll-on/roll-of de paletes configuráveis do C-295M bem à vista.  ;)

na aviação comercial os acft's com essa capacidade, de serem convertido de Cargueiros => pax, ou vice versa designam-se por QC.
Ex : B734 QC em que QC significa Quick Change !!

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 05, 2017, 02:23:22 pm
Federação gasta 20 mil euros em avião



O avião da Força Aérea Portuguesa em que a seleção nacional se vai deslocar para Andorra (ida e volta) custa à Federação Portuguesa de Futebol cerca de 20 mil euros.

 A equipa das quinas parte amanhã às 13h30 do aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa. Portugal viaja pela primeira vez num avião militar (EADS C-295M), que será adaptado para a ocasião, com a finalidade de melhorar o conforto dos craques portugueses na viagem para o principado, onde a equipa das quinas defronta a seleção local no sábado, em jogo do Grupo B de apuramento para o Mundial de 2018 (19h45).

As contas são simples: 2500 euros por hora pelo uso do avião (cerca de 3 horas de ida e outras tantas de volta), perfazendo um total de 15 mil euros. Os restantes 5 mil prendem-se com taxas de aeroporto e o parqueamento do aparelho no pequeno aeródromo em Andorra, que não tem capacidade para receber aviões comerciais. Incluído no valor estão também as horas em terra dos militares a preparar a aeronave, disse ao CM fonte militar. O plano inicial era voar até Barcelona (cerca de 1h45) e depois viajar até Andorra de autocarro (perto de 3 horas), um percurso aproximado de 5 horas. O trajeto lançou o alerta. Não pela ida, mas pelo regresso a Lisboa. Isto porque a seleção nacional tem apenas três dias de descanso entre o jogo deste sábado e o da próxima terça-feira contra a Suíça, no Estádio da Luz, que vai decidir o acesso direto para o Mundial de 2018: lusos ou helvéticos.



Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/desporto/detalhe/federacao-gasta-20-mil-em-aviao?ref=HP_Grupo1
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Crypter em Outubro 05, 2017, 02:51:17 pm
Toca a fazer uma vaquinha para ajudar-mos a Federação a pagar isso..  ::) ::) ::)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 05, 2017, 03:21:22 pm
Peçam ao CR7 que isso ganha ele entre as 4 e 4 e meia da manhã enquanto está a dormir.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Outubro 05, 2017, 05:31:55 pm
Federação gasta 20 mil euros em avião



O avião da Força Aérea Portuguesa em que a seleção nacional se vai deslocar para Andorra (ida e volta) custa à Federação Portuguesa de Futebol cerca de 20 mil euros.

 A equipa das quinas parte amanhã às 13h30 do aeroporto de Figo Maduro, em Lisboa. Portugal viaja pela primeira vez num avião militar (EADS C-295M), que será adaptado para a ocasião, com a finalidade de melhorar o conforto dos craques portugueses na viagem para o principado, onde a equipa das quinas defronta a seleção local no sábado, em jogo do Grupo B de apuramento para o Mundial de 2018 (19h45).

As contas são simples: 2500 euros por hora pelo uso do avião (cerca de 3 horas de ida e outras tantas de volta), perfazendo um total de 15 mil euros. Os restantes 5 mil prendem-se com taxas de aeroporto e o parqueamento do aparelho no pequeno aeródromo em Andorra, que não tem capacidade para receber aviões comerciais. Incluído no valor estão também as horas em terra dos militares a preparar a aeronave, disse ao CM fonte militar. O plano inicial era voar até Barcelona (cerca de 1h45) e depois viajar até Andorra de autocarro (perto de 3 horas), um percurso aproximado de 5 horas. O trajeto lançou o alerta. Não pela ida, mas pelo regresso a Lisboa. Isto porque a seleção nacional tem apenas três dias de descanso entre o jogo deste sábado e o da próxima terça-feira contra a Suíça, no Estádio da Luz, que vai decidir o acesso direto para o Mundial de 2018: lusos ou helvéticos.



Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/desporto/detalhe/federacao-gasta-20-mil-em-aviao?ref=HP_Grupo1

Tanta paneleirice com os custos da selecção !!!!
Quantos elementos vão neste voo ida e volta ??
façam contas e deixem-se de merdas !!!!!
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 05, 2017, 08:26:30 pm
(https://scontent.fotp1-2.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/22279624_1641896865849867_8163655137080347552_n.jpg?oh=af4d0ae91f7034c5481d5d2c69c86698&oe=5A3C41AF)

A foto seguinte não é da selecção, mas também mostra uma imagem de um C-295M com cadeiras.
(https://cdn.airplane-pictures.net/images/uploaded-images/2011/5/7/134431.jpg)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Outubro 06, 2017, 01:00:06 am
Só um detalhe sobre o aeroporto. fica em Seu d'Urgell na Catalunha e a (+/-)20/25km de Andorra indo por uma estrada de montanha. E em tempos já lá aterraram os ATR 72-500, mesmo sem aproximação por instrumentos.

Site do aeroporto:http://aeroportandorralaseu.cat/fr/ (http://aeroportandorralaseu.cat/fr/)

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Major Alvega em Outubro 06, 2017, 03:31:19 am
Só um detalhe sobre o aeroporto. fica em Seu d'Urgell na Catalunha e a (+/-)20/25km de Andorra indo por uma estrada de montanha. E em tempos já lá aterraram os ATR 72-500, mesmo sem aproximação por instrumentos.

Site do aeroporto:http://aeroportandorralaseu.cat/fr/ (http://aeroportandorralaseu.cat/fr/)

Cumprimentos,

 Ainda hoje estava lá na placa um ATR.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Outubro 06, 2017, 10:11:46 am
Só um detalhe sobre o aeroporto. fica em Seu d'Urgell na Catalunha e a (+/-)20/25km de Andorra indo por uma estrada de montanha. E em tempos já lá aterraram os ATR 72-500, mesmo sem aproximação por instrumentos.

Site do aeroporto:http://aeroportandorralaseu.cat/fr/ (http://aeroportandorralaseu.cat/fr/)

Cumprimentos,

Perdadetempo não vás atrás das baboseiras dos jornaleiros/ardinas.
O que é que tem a ver as aterragens por instrumentos com o comprimento das pistas ?????
Valha-nos a santa ignorância dos ditos " Ardinas " que escrevem sobre o que não sabem !!!

https://www.eurocontrol.int/sites/default/files/field_tabs/content/documents/nm/airspace/airspace-atmprocedures-afis-manual-1.0.pdf

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: oi661114 em Outubro 06, 2017, 10:56:24 am
Só um detalhe sobre o aeroporto. fica em Seu d'Urgell na Catalunha e a (+/-)20/25km de Andorra indo por uma estrada de montanha. E em tempos já lá aterraram os ATR 72-500, mesmo sem aproximação por instrumentos.

Site do aeroporto:http://aeroportandorralaseu.cat/fr/ (http://aeroportandorralaseu.cat/fr/)

Cumprimentos,

 Ainda hoje estava lá na placa um ATR.

Não seria o fretado pela Federação para o Presidente e comitiva?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Outubro 06, 2017, 09:14:19 pm
Só um detalhe sobre o aeroporto. fica em Seu d'Urgell na Catalunha e a (+/-)20/25km de Andorra indo por uma estrada de montanha. E em tempos já lá aterraram os ATR 72-500, mesmo sem aproximação por instrumentos.

Site do aeroporto:http://aeroportandorralaseu.cat/fr/ (http://aeroportandorralaseu.cat/fr/)

Cumprimentos,

Perdadetempo não vás atrás das baboseiras dos jornaleiros/ardinas.
O que é que tem a ver as aterragens por instrumentos com o comprimento das pistas ?????
Valha-nos a santa ignorância dos ditos " Ardinas " que escrevem sobre o que não sabem !!!

https://www.eurocontrol.int/sites/default/files/field_tabs/content/documents/nm/airspace/airspace-atmprocedures-afis-manual-1.0.pdf

Abraços

Neste caso não fui nas baboseiras de ninguém  ;D
Por isso é que pus o link para o aeroporto em questão pois em relação ao comprimento da pista existem algumas muito semelhantes nos Açores, embora bastante mais próximo do nível do mar,  e pelo menos o aeródromo de La Seul d' Urgell não fecha à hora do almoço. Aquilo não é nenhuma pista algures no Mali.

No site até dava a notícia que andaram em Abril  deste ano a fazer testes para um futuro uso da pista em condições de voo por instrumentos recorrendo a um ATR 72-500 e na teoria não haveria problemas. Só que passar da teoria à prática e respectiva certificação requer procedimentos, tempo e dinheiro que alguém terá que pagar.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Lightning em Outubro 09, 2017, 09:56:38 pm

Em relação à selecção ter que ir num avião militar, eu também acho que não era a única solução, o que dizem é que é um aeródromo para onde não há voos comerciais (muito provavelmente por não ser economicamente viável), em Portugal também há muitos aeródromos que não tem voos comerciais, e outros que tem como por exemplo nos Açores, há ilhas que tem pistas pequenas e a SATA possui aviões com características para aterrar lá, em Andorra isso não acontece.

A solução "normal", seria alugar um avião com as características correctas para fazer este voo (julgo que deve existir alguma empresa com esses aviões, mas não pesquisei), mas na própria notícia é dito que por causa de uma ligação próxima que se criou entre a FPF e a FAP durante os festejos da Taça de Portugal, contactou-se antes a FAP, por um lado a Força Aérea quer sempre "aparecer" a ajudar o país, os seus símbolos, as suas equipas, por outro lado faz horas de voo que são pagas pela Federação ;D, em custos sabe-se pelas notícias que são 20.000 euros, 15.000 o custo do voo e 5.000 para o aeródromo, se alugassem um avião privado quanto seria? Nem faço ideia.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Outubro 09, 2017, 10:09:41 pm

Em relação à selecção ter que ir num avião militar, eu também acho que não era a única solução, o que dizem é que é um aeródromo para onde não há voos comerciais (muito provavelmente por não ser economicamente viável), em Portugal também há muitos aeródromos que não tem voos comerciais, e outros que tem como por exemplo nos Açores, há ilhas que tem pistas pequenas e a SATA possui aviões com características para aterrar lá, em Andorra isso não acontece.

A solução "normal", seria alugar um avião com as características correctas para fazer este voo (julgo que deve existir alguma empresa com esses aviões, mas não pesquisei), mas na própria notícia é dito que por causa de uma ligação próxima que se criou entre a FPF e a FAP durante os festejos da Taça de Portugal, contactou-se antes a FAP, por um lado a Força Aérea quer sempre "aparecer" a ajudar o país, os seus símbolos, as suas equipas, por outro lado faz horas de voo que são pagas pela Federação ;D, em custos sabe-se pelas notícias que são 20.000 euros, 15.000 o custo do voo e 5.000 para o aeródromo, se alugassem um avião privado quanto seria? Nem faço ideia.

Um bocadinho, bem grande a mais podes ter a certeza !!!
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: asalves em Novembro 09, 2017, 11:18:46 am
Programa de contrapartidas pela compra dos C-295 arrisca incumprimento -TdC
Citar
O programa previa investimentos na economia portuguesa por parte da agora "Airbus Defense" no montante de 464.000.000 euros, estando por cumprir 320.554.682 euros, o que representa uma execução de 30,9%.
https://www.dn.pt/lusa/interior/programa-de-contrapartidas-pela-compra-dos-c-295-arrisca-incumprimento--tdc-8904974.html

Há uma coisa que nunca entendi nestes negócios, as contrapartidas.

Pelo que andei a ver os 12 c-295 custaram 460 milhões, e o contrato das contrapartidas é de 464 milhões.

Então isto na pratica significa que o estado paga 460 Milhões e a empresa que vende os aviões tem de gastar 464 milhões em portugal.

Isto faz sentido a alguém? Será que só eu vejo que há aquilo qualquer coisa que não está certa ou que tem tudo para correr mal?

link do sitio onde tirei o preço dos aviões
https://www.publico.pt/2009/04/06/politica/noticia/novos-avioes-c295-da-forca-aerea-comecam-a-operar-no-segundo-semestre-1372961
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Daniel em Novembro 10, 2017, 05:05:50 pm
Ministro da Defesa admite renegociação do contrato de contrapartidas pelos C-295
http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/ministro-da-defesa-admite-renegociacao-do-contrato-de-contrapartidas-pelos-c-295
(http://thumbs.web.sapo.io/?epic=YTVjrP/mpWkxeyY2UZel1OtLqFvLDSOhkclqOEy9PqR3sDsvaMeWDLwxNWq2MZVBxBUm9f3CA78qkLDN8b14kLeGQGfYX9nZDw3q7TYotN9k7EU=&W=800&H=0&delay_optim=1)
Citar
O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, considerou hoje "preocupante" o relatório do Tribunal de Contas (TdC) que refere uma baixa execução do programa de contrapartidas pela compra dos aviões militares C-295 e admitiu uma renegociação.Um relatório do Tribunal de Contas divulgado na quinta-feira revela que o programa de contrapartidas pela compra de aviões C-295 arrisca incumprimento, registando no final de 2016 uma taxa de execução de apenas 30,9%, com prazo limite em 2018.

O TdC refere que a perspetiva de incumprimento "poderá conduzir a uma eventual renegociação do contrato de contrapartidas e, nesse contexto, à fixação de penalidades e de uma nova garantia pelo incumprimento definitivo".Intervindo no debate do Orçamento do Estado para 2018 na especialidade, Azeredo Lopes referiu-se brevemente ao relatório, considerando-o "preocupante".

Questionado pelos jornalistas no final do debate, Azeredo Lopes admitiu a necessidade de uma renegociação do contrato, num processo que envolverá o ministério da Economia.
Segundo o relatório, a fraca taxa de execução deste contrato deve-se a "diversos constrangimentos verificados" pela Direção Geral das Atividades Económicas em outubro de 2016, na execução de cinco dos oito projetos que compõem o atual plano de operações.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: mafets em Novembro 13, 2017, 10:23:05 am
Isto é que era um upgrade quente...  ;D :P http://www.aereo.jor.br/2017/11/12/dubai-airshow-2017-airbus-mostra-versao-armada-do-c295-isr/ (http://www.aereo.jor.br/2017/11/12/dubai-airshow-2017-airbus-mostra-versao-armada-do-c295-isr/)

Citar
A Airbus Defense and Space apresenta a nova versão armada do C295 ISR (Intelligence Surveillance & Reconnaissance) no Dubai Airshow 2017 com uma ampla gama de armas selecionadas para esta plataforma.

O armamento em exposição estática foi especialmente selecionado para ser integrado nesta plataforma versátil.

(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2017/11/C295-ISR-2.jpg)
(http://www.aereo.jor.br/wp-content/uploads//2017/11/C295-ISR-3.jpg)

Saudações
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: perdadetempo em Novembro 13, 2017, 10:13:51 pm
Programa de contrapartidas pela compra dos C-295 arrisca incumprimento -TdC
Citar
O programa previa investimentos na economia portuguesa por parte da agora "Airbus Defense" no montante de 464.000.000 euros, estando por cumprir 320.554.682 euros, o que representa uma execução de 30,9%.
https://www.dn.pt/lusa/interior/programa-de-contrapartidas-pela-compra-dos-c-295-arrisca-incumprimento--tdc-8904974.html

Há uma coisa que nunca entendi nestes negócios, as contrapartidas.

Pelo que andei a ver os 12 c-295 custaram 460 milhões, e o contrato das contrapartidas é de 464 milhões.

Então isto na pratica significa que o estado paga 460 Milhões e a empresa que vende os aviões tem de gastar 464 milhões em portugal.

Isto faz sentido a alguém? Será que só eu vejo que há aquilo qualquer coisa que não está certa ou que tem tudo para correr mal?

link do sitio onde tirei o preço dos aviões
https://www.publico.pt/2009/04/06/politica/noticia/novos-avioes-c295-da-forca-aerea-comecam-a-operar-no-segundo-semestre-1372961

Em muitos negócios deste tipo existem contrapartidas, não é só em Portugal que isto acontece e acaba por fazer sentido. Suspeito que alguns dos negócios da EID se deveram a essas contrapartidas, e tenho a certeza no caso da OGMA.

Tentando dar um exemplo prático, se por exemplo Portugal adquirisse meia dúzia de Pilatus PC21, podia acontecer que a OGMA fornecesse um valor equivalente de componentes para a fuselagem do Pilatus PC12 (o que não é impossivel pois a PILATUS é cliente da OGMA). Até podia ser em alternativa umas toneladas de queijo da serra exportados durante 20 anos para a Suíça que o resultado seria o mesmo. Tudo depende dos contractos que se fazem. A Pilatus apenas se comprometeria a facilitar a exportação/comercialização/serviços de um valor equivalente.

Até pode ser um centro de estudos/projectos  de "excelência" não se sabe muito bem de quê em Portugal que apresente uma facturação com um valor equivalente :D (Isto para Portugal os outros países não custam cair nesse truque).

Os radares navais e material electrónico da Terma têm muita saída não só por serem bons mas também porque a Dinamarca tem um sistema de contrapartidas para os seus contratos de defesa.

Por outro lado esses valores que se fala têm coeficientes de valoração que deverão estar especificadas nesses contratos. Por exemplo uma garrafa de vinho que no supermercado fica a 5€, magicamente aparece a custar 10/15 € com a aplicação do coeficiente, logo os 464M € até podem  passar a ter uma valor real substancialmente inferior.

Espero não ter contribuído para aumentar ainda mais a  confusão, mas quem estiver dentro do assunto estará  sempre a tempo de fazer as correcções necessárias, o que não é o meu caso.

Cumprimentos,
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Abril 06, 2018, 12:46:27 pm
As indicações é que o sistema de combate a incêndios é para o C295W, sendo que já o protótipo era nesta versão :

http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=5208.1035 (http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=5208.1035)

A versão W
Citar
Now, with the new C295W version equipped with winglets, the aircraft is capable of transporting more payload over larger distances in the hot and high conditions typical of various countries included in this tour of the region, resulting in fuel savings of around 4% and increased safety margins in mountainous regions.

http://www.airbus.com/defence/c295.html (http://www.airbus.com/defence/c295.html)

Cumprimentos

Não tinha visto ainda a sua mensagem, caro rbp. Mas o mafets já fez o favor de lhe responder, irrepreensível como sempre.  ;)

O peso do equipamento de combate a incêndios, mais os 7 mil litros de água ou calda retardante dentro deste, ultrapassa os parâmetros de operação em segurança na versão C-295M. O W, com as winglets a proporcionar uma maior poupança de combustível, mais sustentação e por conseguinte um aumento da capacidade de carga, associada a motores modernizados, com mais potência e alguns reforços estruturais nas asas, tornam a versão C-295W como a única, para já, capaz de operar nesta missão.

Dados da Airbus
(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-2-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-3-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-4-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-5-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-6-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-7-638.jpg?cb=1369957372)

(https://image.slidesharecdn.com/barriofinal-130530233533-phpapp01/95/the-c295w-19-638.jpg?cb=1369957372)

 ;)

 http://www.airbus.com/content/dam/corporate-topics/publications/press-release/press-news-military-aircraft-10112015-eng.pdf
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Janeiro 03, 2019, 10:21:27 am
Na edição de ontem do DN,

Citar
Força Aérea. Novo prazo de três meses dado à Airbus para renegociar 300 milhões de contrapartidas
Único dos contratos de contrapartidas por concluir, relativo à compra das aeronaves militares C-295, cessou em agosto e nesta segunda-feira acabou o da sua manutenção.

Manuel Carlos Freire
02 Janeiro 2019 — 17:10

Apesar dos atrasos e das polémicas, Portugal conseguiu executar praticamente todos os contratos de contrapartidas pelas compras de material militar na última década e meia. Mas o único em atraso, relativo aos C-295, vale 301,35 milhões de euros e o governo deu novo prazo à Airbus para renegociar a sua conclusão."O prazo para renegociação do contrato foi prorrogado, terminando no final de fevereiro de 2019", disse o Ministério da Economia ao DN, sem adiantar quaisquer pormenores sobre a matéria - e quando o contrato de manutenção daquelas aeronaves militares de transporte terminou, nesta segunda-feira, sem alternativa à vista para a Força Aérea (a exemplo do dos helicópteros EH-101).

O governo já tinha dado à Airbus, no verão, um primeiro prazo de quatro meses para a revisão do contrato de contrapartidas no valor de 464 milhões de euros. O montante inicial era de 460 milhões, mas a "profunda reestruturação" feita em 2012 fez aumentar o total para os referidos 464 milhões. Esta alteração em 2012, que prolongou o contrato por seis anos (até 2018), suscitou polémica porque a Airbus obteve uma redução de 10% no conjunto das duas penalizações a que estava legalmente obrigada - pagando apenas uma multa de 10% por incumprimento e uma garantia bancária de outros 10% do montante em dívida (em vez dos 15% em cada uma das rubricas). A verdade é que esse prolongamento manteve quase tudo na mesma e o prazo adicional de quatro meses dado à Airbus para renegociar o contrato de contrapartidas até novembro também nada alterou - mas agora com uma agravante, segundo várias fontes ouvidas pelo DN: a Airbus está numa posição ainda mais forte perante o Estado, porque terminou o contrato de manutenção dos C-295.

Apesar dos alertas feitos ao longo do tempo para a Defaerloc - empresa pública criada para a compra dos 12 C-295 em leasing operacional - e o Ministério da Defesa encontrarem uma solução pós 2018, a Força Aérea não tem agora forma de realizar a manutenção dos C-295 se houver alguma avaria ou acidente que exija a intervenção da Airbus. O gabinete do ministro João Gomes Cravinho disse ao DN que "está a ser negociado" um novo contrato plurianual, "devendo entrar em vigor durante o ano de 2019". No caso das contrapartidas, o Ministério da Economia - desde outubro a cargo de Pedro Siza Vieira - também não encontrou uma solução com a Airbus. Daí o novo prazo de três meses, ficando por saber se houve propostas apresentadas, quais foram e por quem. Certo é que, a exemplo dos outros contratos, uma nova prorrogação implicará novas penalizações.

Oito contratos de contrapartidas

O relatório anual das contrapartidas relativo a 2017, publicado a meio deste ano, indica que Portugal recebeu mais de 2500 milhões de contrapartidas por oito programas de aquisição de material e sistemas de armas para as Forças Armadas, desde os submarinos às viaturas blindadas Pandur, passando pela modernização dos caças F-16 e das aeronaves de vigilância marítima P-3C. No total, a economia portuguesa beneficiou de contrapartidas no valor de 2526 milhões de euros, dos quais 216,9 milhões correspondem ao programa de modernização dos F-16 (contabilizado originalmente em 249,35 milhões de dólares). Desse total, faltam executar projetos no valor de 305,73 milhões de euros. Contudo, 4,38 milhões são relativos ao contrato de aquisição de targeting pods (equipamento de software para apoio à missão) destinados aos caças F-16 e a sua execução termina apenas em 2020. Os restantes 301,35 milhões dizem respeito ao contrato de contrapartidas pela compra dos C-295 à Airbus, o qual terminou em agosto de 2017 com apenas 35,1% do total executado - correspondentes a 162,65 milhões de euros.

Segundo o mapa inscrito no relatório de contrapartidas relativo a 2017, as empresas com quem Portugal celebrou aqueles oito grandes programas de modernização militar ficaram contratualmente obrigadas a executar contrapartidas no valor arredondado de 1532,5 milhões de euros.Desses oito programas, seis foram de compra de material novo e dois de modernização. No primeiro caso estão a aquisição dos helicópteros EH-101, de targeting pods para os F-16, dos C-295 e dos submarinos, de torpedos e das viaturas blindadas Pandur. O segundo caso diz respeito à modernização dos P-3C e dos F-16.

Uma solução na gaveta

Curiosamente, no âmbito da referida reestruturação feita em 2012 com a Airbus estava incluído um projeto diretamente relacionado com a manutenção daquelas aeronaves de transporte militar - mas que aparentemente nunca saiu do papel, pois foi executado 0,0% do montante previsto. A valorização do projeto como contrapartida era de 24,4 milhões de euros. Na prática e em termos reais valeria pelo menos o dobro, devido ao chamado valor acrescentado nacional (VAN) que lhe estaria associado, observaram algumas das fontes. Esse projeto destinava-se a criar um "Centro de Serviços C-295" na OGMA, empresa aeronáutica de Alverca detida maioritariamente pela brasileira Embraer onde o Estado tem uma participação de 35%. A privatização da OGMA deixou 65% do seu capital nas mãos de uma holding formada pela Embraer (70%) e pela Airbus (então sob a designação de EADS e fabricante dos C-295). Esse consórcio terminou em 2012, quando a Embraer comprou os 30% da Airbus - precisamente no ano em que a construtora europeia aceitou criar o referido centro de serviços C-295 na OGMA. Esse centro permitiria dotar a OGMA com "capacidade autónoma de manutenção" dos C-295 da Força Aérea.

Outros dossiês

Esta negociação dos contratos de manutenção e de contrapartidas entre o Estado e a Airbus tem, em pano de fundo, uma relação mais antiga e complexa que envolve a componente comercial. Como o jornal Público noticiou em agosto, a Airbus estava a tentar "associar este processo" de renegociação das contrapartidas "à necessidade de o país ter aeronaves aptas para o combate aos fogos" - algo que continua por concretizar. Acresce que a Airbus já tinha sido afastada no final de 2017, como noticiara o DN, do concurso para adquirir cinco novos helicópteros ligeiros (mais dois de opção) destinados à Força Aérea. Esse concurso viria a ser ganho pela italiana Leonardo (fabricante dos EH-101), com o modelo AW119Kx - também chamado Koala - para substituir os velhinhos Alouette III do tempo da Guerra Colonial.

Ainda no universo militar, e em meados dos anos 2000, a Airbus viu o então ministro da Defesa, Paulo Portas, desistir do programa de construção do A400M. Essa aeronave, em cuja construção iriam participar empresas portuguesas, destinava-se a substituir os Hércules C-130 - cujo sucessor será o brasileiro KC-390 da Embraer (parcialmente fabricado em Portugal). Por outro lado, embora sem aparente relação direta com os negócios da Airbus com Portugal, a Embraer está a concretizar uma joint venture com a Boeing, em que os brasileiros ficam apenas com um quinto do novo gigante aeronáutico e a empresa norte-americana com 80% - um negócio em que entram necessariamente a portuguesa OGMA e as fábricas da Embraer em Évora.

https://www.dn.pt/poder/interior/forca-aerea-novo-prazo-de-tres-meses-dado-a-airbus-para-renegociar-300-milhoes-de-contrapartidas-10384609.html
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Fevereiro 27, 2019, 09:31:49 am
Assinalaram-se ontem os 10 anos sobre a chegada dos 2 primeiros C-295M a Portugal.  :)

https://www.facebook.com/Walkarounds/posts/10157317249859905


Além disso, no início deste mês de Fevereiro, a Esquadra 502 atingiu as 30.000 horas de voo nesta aeronave.  ;)

(https://scontent.flis8-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/52377599_2071592496209782_6999830269003825152_n.jpg?_nc_cat=104&_nc_ht=scontent.flis8-1.fna&oh=2b4badc83527a30ab4a2c2b7cb7f74bc&oe=5CEE8D99)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Julho 21, 2019, 07:50:48 pm
Presença da FAP no desfile aéreo do 14 de Julho em Paris.  ;)

(http://www.wattisham.org.uk/images/bastille201912.jpg)

Pena não se tratar de um A400M também português.  ::)
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Julho 21, 2019, 08:42:02 pm
Presença da FAP no desfile aéreo do 14 de Julho em Paris.  ;)

(http://www.wattisham.org.uk/images/bastille201912.jpg)

Pena não se tratar de um A400M também português.  ::)

Pelo menos somos dois a pensar assim !!

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 18, 2019, 10:27:18 am
Despacho n.º 8252/2019 - Diário da República n.º 179/2019, Série II de 2019-09-18 124780729
Defesa Nacional - Gabinete do Ministro
Delegação de competências no Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Manuel Nunes Borrego - renegociação do contrato C-295M

https://dre.pt/web/guest/home/-/dre/124780729/details/maximized?serie=II&parte_filter=31&dreId=124780712
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Claust em Setembro 18, 2019, 06:17:05 pm
Despacho n.º 8252/2019 - Diário da República n.º 179/2019, Série II de 2019-09-18 124780729
Defesa Nacional - Gabinete do Ministro
Delegação de competências no Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Manuel Nunes Borrego - renegociação do contrato C-295M

https://dre.pt/web/guest/home/-/dre/124780729/details/maximized?serie=II&parte_filter=31&dreId=124780712

Isto preocupa-me… EH101 versão 2.0?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Setembro 18, 2019, 06:28:41 pm
Despacho n.º 8252/2019 - Diário da República n.º 179/2019, Série II de 2019-09-18 124780729
Defesa Nacional - Gabinete do Ministro
Delegação de competências no Chefe do Estado-Maior da Força Aérea, General Joaquim Manuel Nunes Borrego - renegociação do contrato C-295M

https://dre.pt/web/guest/home/-/dre/124780729/details/maximized?serie=II&parte_filter=31&dreId=124780712

Isto preocupa-me… EH101 versão 2.0?

Ou seja até 2030, vamos ter de suportar uma despesa superior 1.1 milhões/mês, só para os 295.

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Setembro 18, 2019, 07:00:28 pm
Vocês devem julgar que operar frotas de aeronaves modernas sai barato. Estes custos nunca são tidos em consideração quando se fazem aquisições em Portugal. Agora já percebem porque é que os custos de aquisição de outras nações parecem anormalmente elevados?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Red Baron em Setembro 18, 2019, 07:26:16 pm
Mais um contracto de manutenção que vai para a OGMA?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Setembro 18, 2019, 07:31:54 pm
Tenente, quando me referia a “estes custos” estava obviamente a referir-me a este contrato de manutenção em particular. Mas quando me referia ao custo exorbitante de programas de aquisição estrangeiros (como os da Austrália ou Canadá), estava a englobar tudo, que é o que eles fazem: consideram os custos de operação (incluindo pessoal), manutenção, MLUs, armamento, ao longo dos 30 anos de vida do equipamento.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Setembro 18, 2019, 07:37:01 pm
Tenente, quando me referia a “estes custos” estava obviamente a referir-me a este contrato de manutenção em particular. Mas quando me referia ao custo exorbitante de programas de aquisição estrangeiros (como os da Austrália ou Canadá), estava a englobar tudo, que é o que eles fazem: consideram os custos de operação (incluindo pessoal), manutenção, MLUs, armamento, ao longo dos 30 anos de vida do equipamento.

foi por isso mesmo que eu retirei o meu post pois não fazia sentido.

Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: NVF em Setembro 18, 2019, 07:45:34 pm
Estou no telefone e não vejo metade do que se passa. Além de que isto anda tudo de pernas para o ar e confuso graças ao Simões.  :mrgreen:

Mas vou deixar ficar este poste. Não para ti tenente, mas para os que acham que estas coisas de manutenção (e operação também) saem de borla e não têm importância. Não era o Sun Tzu que dizia que o que separa a ordem do caos é a logística?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Claust em Setembro 18, 2019, 08:39:32 pm
Quando eu referi EH101 versão 2.0 e me mostrei preocupado, não tem a haver com o custo da manutenção, é mais com o que foi alocado para tal responde as necessidades… por outras palavras se a airbus faz a manutenção pelo preço proposto…
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: asalves em Setembro 19, 2019, 09:36:08 am
Quando eu referi EH101 versão 2.0 e me mostrei preocupado, não tem a haver com o custo da manutenção, é mais com o que foi alocado para tal responde as necessidades… por outras palavras se a airbus faz a manutenção pelo preço proposto…

O problema do EH101 nem era o contrato ser barato demais para as devidas manutenções.

Simplesmente não havia/há organização nem planeamento das manutenções ou antevisão das mesmas, basicamente mandava-se os helis para reparar quando se detetava uma falha, como não são muitos basta estar 4 ou 5 avariados para começar a sentir-se falta, e estamos a falar de reparações/revisões que não levam 1 dia como os nossos carros.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Barlovento em Setembro 19, 2019, 11:27:43 am
Hace pocos años, la Armada de mi país (Uruguai) compró en Alemania 6 helicópteros Bolkov. No era lo que se necesitaba, pues eran aparatos antitanques, pero el argumento era lo "baratos" que eran. El resultado es que hoy no vuela ninguno. Cuando llegó la primera gran revisión, se dieron cuenta que sólo se podía hacer en Alemania o España. ¿Fue una buena compra? ¿Fueron realmente baratos?
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Outubro 16, 2019, 05:34:48 pm
Lá está mais uma vez a 502 a dizer "Presente!" c56x1

Citar
Força Aérea portuguesa em missão de vigilância no sul de Espanha
Objetivo é vigiar fronteiras marítimas para controlar fluxo de migrantes ilegais

2019-10-16 00:33   / BC

Uma aeronave da Força Aérea Portuguesa iniciou uma missão de vigilância das fronteiras marítimas do sul de Espanha, que vai decorrer até dezembro, anunciou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA)."Uma aeronave C-295 e respetiva tripulação da Esquadra 502 (Elefantes), da Força Aérea Portuguesa, já iniciou mais um destacamento em apoio da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex), para vigilância das fronteiras marítimas do sul de Espanha”, refere o EMGFA em comunicado.

O EMGFA adianta que a aeronave descolou da Base Aérea n.º 6, no Montijo, distrito de Setúbal, no domingo, sendo o destacamento constituído pela tripulação e equipa de terra, com um efetivo de 15 militares, que estão a operar a partir de Málaga. A missão vai decorrer até ao dia 12 de dezembro.“Em virtude do fluxo de migrantes ilegais com origem no norte de África, a agência Frontex, em conjunto com as autoridades espanholas, desenvolve esta operação conjunta, designada ‘Jo Indalo 2019’”, acrescenta o comunicado.

https://tvi24.iol.pt/internacional/migrantes/forca-aerea-portuguesa-em-missao-de-vigilancia-no-sul-de-espanha


P.S. A Esquadra 502 "Elefantes" possui uma grande tradição e historial, porém não é das mais mediáticas hoje em dia apesar de tudo. E se há louvor que se deva dar é aos militares desta Esquadra, quer os que operam em terra quer as tripulações de voo, porque como ainda hoje pude testemunhar mais uma vez é frequente de manhã a placa norte da BA6 ter 6 a 7 aeronaves (e uma ou outra dentro do hangar), e a meio da tarde só se encontrar apenas uma estacionada, pois de vigilância marítima a transporte, passando por treino com o Exército e SAR, ela faz de tudo um pouco. Peca por tardia a aquisição de pelo menos mais 3 aparelhos e a modernização de toda a frota para a versão Whiskey, digo eu.
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: tenente em Outubro 16, 2019, 05:45:40 pm
Lá está mais uma vez a 502 a dizer "Presente!" c56x1

Citar
Força Aérea portuguesa em missão de vigilância no sul de Espanha
Objetivo é vigiar fronteiras marítimas para controlar fluxo de migrantes ilegais

2019-10-16 00:33   / BC

Uma aeronave da Força Aérea Portuguesa iniciou uma missão de vigilância das fronteiras marítimas do sul de Espanha, que vai decorrer até dezembro, anunciou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA)."Uma aeronave C-295 e respetiva tripulação da Esquadra 502 (Elefantes), da Força Aérea Portuguesa, já iniciou mais um destacamento em apoio da Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira (Frontex), para vigilância das fronteiras marítimas do sul de Espanha”, refere o EMGFA em comunicado.

O EMGFA adianta que a aeronave descolou da Base Aérea n.º 6, no Montijo, distrito de Setúbal, no domingo, sendo o destacamento constituído pela tripulação e equipa de terra, com um efetivo de 15 militares, que estão a operar a partir de Málaga. A missão vai decorrer até ao dia 12 de dezembro.“Em virtude do fluxo de migrantes ilegais com origem no norte de África, a agência Frontex, em conjunto com as autoridades espanholas, desenvolve esta operação conjunta, designada ‘Jo Indalo 2019’”, acrescenta o comunicado.

https://tvi24.iol.pt/internacional/migrantes/forca-aerea-portuguesa-em-missao-de-vigilancia-no-sul-de-espanha


P.S. A Esquadra 502 "Elefantes" possui uma grande tradição e historial, porém não é das mais mediáticas hoje em dia apesar de tudo. E se há louvor que se deva dar é aos militares desta Esquadra, quer os que operam em terra quer as tripulações de voo, porque como ainda hoje pude testemunhar mais uma vez é frequente de manhã a placa norte da BA6 ter 6 a 7 aeronaves (e uma ou outra dentro do hangar), e a meio da tarde só se encontrar apenas uma estacionada, pois de vigilância marítima a transporte, passando por treino com o Exército e SAR, ela faz de tudo um pouco. Peca por tardia a aquisição de pelo menos mais 3 aparelhos e a modernização de toda a frota para a versão Whiskey, digo eu.

E dizes bem + 03 295W e juntamente com esses 03 Whiskies vinham 04 Atlas e aí sim ficavamos já com uma excelente frota transporte/patrulha com 24 aeronaves, P3 incluidos.
É por estas e outras situações em que os nossos Militares, desempenham excepcionalmente  bem as missões que lhes são atribuídas, que a tutela deveria pelo menos em sinal de respeito pelos seus, deles os Militares, esforços e dedicação, investir muito mais nos nossos sistemas de defesa/patrulha em tempo devido e não deixar que as missões sejam executadas com equipamentos/armamentos muitas vezes a roçar a obsolescência ou mesmo já obsoletos !
Se o nosso armamento/equipamento estivesse ao nível da qualidade dos nossos Militares, nem sei o que os nossos Rapazes e Raparigas eram capazes de executar, se com o que têm fazem o que fazem !!!


Abraços
Título: Re: C-295 M na FAP
Enviado por: Charlie Jaguar em Outubro 17, 2019, 12:44:18 pm
E cá estão eles em Málaga onde permanecerão até 12 de Dezembro no âmbito da Frontex.

(https://scontent.flis8-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/72714256_1621627394643745_3980345501160570880_o.jpg?_nc_cat=104&_nc_oc=AQkdP78yBtM53JdezPZWmOZ-mZpbTucrZjqxidEe-QmvmPkU0V9gjgBSi6V3a3K8R42XdIMINzHEafJ5b_ucUfR-&_nc_ht=scontent.flis8-1.fna&oh=9f1f1f876c0ee364a8594e0f30c0feee&oe=5E20453D)