ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Futuro => Tópico iniciado por: Miguel em Abril 01, 2005, 09:11:47 pm

Título: Guerra entre Portugal e Espanha?
Enviado por: Miguel em Abril 01, 2005, 09:11:47 pm
Caros amigos:

Ao ler um artigo do Rui Elias, no site do Papatango, fiquei escandalizado!!!
esse compatriota julga que em 24 horas os espanhois acabavam conosco :idea:
Título:
Enviado por: Miguel em Abril 01, 2005, 09:18:10 pm
:snip:  depois temos o CIOE,

e as 3 Brigadas territoriais etc...
Título: Re: Guerra entre Portugal e Espanha?
Enviado por: dremanu em Abril 02, 2005, 07:16:19 pm
Citação de: "Miguel"
Caros amigos:

Ao ler um artigo do Rui Elias, no site do Papatango, fiquei escandalizado!!!
esse compatriota julga que em 24 horas os espanhois acabavam conosco :idea:


Ó Miguel!!! Que carago!!! Não te preocupes com isto homem! Vive a vida tranquilo que os Espanhoís não nos hão de vir bater à porta tão cedo.. e se vierem vão amargurar a decisão porque o povo nesta terra apesar de hoje em dia ser mais cheio de mariquices ainda continua a ser um osso "duro de roer".... :D
Título: Re: Guerra entre Portugal e Espanha?
Enviado por: Yosy em Abril 02, 2005, 09:55:40 pm
Citação de: "Miguel"
Caros amigos:

Ao ler um artigo do Rui Elias, no site do Papatango, fiquei escandalizado!!!
esse compatriota julga que em 24 horas os espanhois acabavam conosco :idea:


Em relação aos pilotos, eu não sei se são os melhores - e duvido que alguém possa dizer com toda a certeza quem são os melhores.

Dúvido que em 24 horas Espanha conquistasse Portugal, mas Portugal é considerado indefensável exceptuando as ilhas, Lisboa e, talvez, o Porto.
Título:
Enviado por: Miguel em Abril 03, 2005, 09:09:31 am
Yosy

O norte de Portugal e defensável nas suas montanhas :wink:
Título: Re: Guerra entre Portugal e Espanha?
Enviado por: TOMKAT em Abril 03, 2005, 10:53:48 am
Citação de: "Miguel"
Caros amigos:

Ao ler um artigo do Rui Elias, no site do Papatango, fiquei escandalizado!!!
esse compatriota julga que em 24 horas os espanhois acabavam conosco :idea:


Miguel em 24 horas só se viesse o Fernando Alonso ou o Carlos Sainz a conduzir a divisão blindada que nos invadisse. E depois a nossa efeciente inteligência militar já teria descoberto à muito os planos invasores e estes não passariam as fronteiras com a eficácia das nossas defesas. :(
Quanto ás defesas terrestres (BMI) e com o dominio dos ares que entretanto teriam adquirido não durariam muito, até pela diferença de potencial que os meios blindados dos dois países têm. Os nossos vetustos M60 pouco fariam contra vagas de LEOs espanhóis. :(
Por tudo isto acabarem conosco em 24 horas não! Mas 1 semana no máximo, sim, dependendo dos estragos provocados nos primeiros ataques.
Mas os Espanhóis são nossos aliados, felizmente, e essa hipótese é meramente académica (viva a briosa  :cry:
Fica uma pergunta para alguém melhor informado: Quais os meios de defesa aérea e a sua eficácia das nossa bases mais importantes?
Título:
Enviado por: papatango em Abril 03, 2005, 04:07:27 pm
Por curiosidade, foi ler o artigo do Rui Elias, e também o acho um bocado alarmista, embora ele tenha pensado e analisado as questões relacionadas com a cooperação militar com os países de língua portuguesa, nomeadamente o Brasil.

De facto, tomar Portugal em 24 horas é possível. Já escrevi há uns tempos sobre o assunto. Mas também, Portugal poderia, nessas circunstâncias tomar Espanha, logo que estejam operacionais os carros PANDUR, que pela sua velocidade, poderiam desde a fronteira chegar a pontos estratégicos em Espanha e destruir no chão os aviões espanhóis. Portanto, isto são apenas questões académicas.

1 .
Defesa aérea
Evidentemente estamos, como qualquer país, quase indefesos contra um ataque surpresa. Mas estão os espanhóis menos indefesos?

2.
Marinha.
Noto a interessante questão dos Tomahawk, como se tal arma tivesse qualquer importância do ponto de vista táctico no campo de batalha. Um Tomahawk lança-se sobre instalações de comando e controlo. Ora, conhecendo a capacidade de desenrascanço dos portugueses, não sei se não seria desperdiçar Tomahawks. Além de tudo isso, era preciso que a Espanha sequer tivesse os tais Tomahawk. A verdade, é que não os tem, e há razões para crer que nunca os terá.

3.
Exército
Outra comparação interessante, é entre os nossos M-60A3-tts, e os Leopard-II-A4.
Acho que o Rui Elias se esqueceu de que os Leopard-II espanhóis são alugados. Nem sequer são de propriedade espanhola.

É sempre boa ideia analisar as questões com cuidado.

Tácticas:

Qualquer ataque a Portugal, tem, em principio,  como objectivo Lisboa.
Lisboa está na margem norte do rio Tejo, embora existam várias pontes.
Por causa da posição de Lisboa na margem norte do rio, é que várias invasões a Portugal foram feitas pela Beira e não pelo Alentejo. A razão é simples: Não é necessário cruzar o Tejo.

Se os espanhóis optam, por atacar a norte do Tejo, para tomar Lisboa, aí, entram por Segura, e têm que confrontar-se com a mais poderosa unidade militar Portuguesa, a BMI, que não está onde está por obra e graça do Divino Espirito Santo.

Se entram em força pelo Alentejo, têm pouca coisa pela frente. Algumas unidades que com alguma facilidade se podem evadir, ou desviar do golpe principal.
Mas claro, podem chegar a Lisboa (margem sul), onde, um ataque a pontes tão compridas é algo de muito complicado. É relativamente fácil, defender pontes compridas, e os espanhóis não têm toda a parafernália de satélites que facilita a vida aos americanos, para detectar unidades anti-tanque, escondidas em áreas urbanas.

Mas se os espanhóis, atacam pelo Alentejo, oferecem o flanco direito outra vês à principal unidade (ou grupo de unidades) Portuguesa.

A BMI, tem capacidade para, descer o Tejo, e cortar qualquer linha de abastecimento espanhola, que entretanto se prolongaria por 200 quilómetros (Lembro que nem os americanos conseguem de forma eficaz apoiar as tropas a 200 Km).

Claro que já está toda a gente a pensar, que os espanhóis podem atacar dos dois lados.

Isso é evidentemente verdade. No entanto, como os espanhóis também teriam que tomar o norte, a divisão das suas forças em pelo menos três grupos, tornaria cada um deles menos poderoso. O que atacasse directamente a BMI, não seria constituído por tudo, os que atacassem Lisboa teriam menos forças, e o mesmo ocorreria no norte. Ao contrário, os Portugueses poderiam determinar como utilizar as suas forças, e onde as colocar para maximizar os meios disponíveis, embora, claro, em situações complicadas.

Com um ataque surpresa, Portugal está tão desarmado quanto a Espanha, e a situação é tão credível no actual momento como uma guerra entre o Canadá e os Estados Unidos. Sem um ataque surpresa, é absolutamente impossível aos espanhóis tomarem Portugal em 24 horas.

Por isso, no caso de alguma evolução desfavorável em Espanha(***) Portugal poderia declarar um Estado de Alerta, que implicasse a tomada de precauções iniciais. Ao mesmo tempo, isso implicaria um reforço na capacidade anti-tanque e anti-aérea das nossas forças, que acabariam ou condicionariam muito a superioridade dos espanhóis.

Neste momento, de qualquer forma, como já aqui discutimos, a nossa debilidade no que respeita à defesa anti-aérea é grave. A nossa melhor arma anti-aérea são os poucos F-16, que provavelmente, com algum aviso seriam colocados em Porto Santo.

Em termos navais, a Espanha tem um clara superioridade neste momento. Superioridade que lhe advém das fragatas de concepção Norte Americana (F-100) que transportam radares americanos e sistemas de combate americanos, além de armas americanas, desde mísseis a canhões.

A nossa debilidade, no entanto, será grandemente atenuada, quando entrarem ao serviço os futuros submarinos U-214. Os espanhóis teriam que os caçar, para permitir livre acesso das F-100 às aguas portuguesas, nos Açores e na Madeira. Para o fazer teriam que utilizar helicópteros ou aviões P-3. Para o fazer, teriam que ter a certeza que Portugal já não tinha F-16AM/BM.

Tomar Portugal seria sempre uma dor de cabeça, exactamente porque, mesmo com poucos meios, eles ainda têm alguma capacidade. Depois, há a questão psicológica. Os espanhóis já interiorizaram que é difícil e perigoso lutar contra os portugueses. A  sua (deles) enorme superioridade nunca lhes serviu de nada. Nós acabámos sempre por vencer. A Espanha, como Portugal, também tem a sua memória histórica. As derrotas do passado, foram tão cruéis, que os Espanhóis erradicaram Portugal da sua história, para tentar esquecer as derrotas, criando a ideia de que sempre foram os (demoníacos) Ingleses que lutaram.

Nós temos esta mania de achar que somos uns coitadinhos. Se calhar até somos, não sei. Mas o que sei, é que estes coitadinhos, ainda por cá andam, contra ventos e marés. Pode-se dizer o que se quiser, criticar quem se quiser, mas a verdade mais evidente continua cá. Continuamos cá, há quase 1000 anos. Nenhuma nação da Europa pode dizer a mesma coisa.

Cumprimentos

(***)Como por exemplo um golpe de estado por parte dos extremistas, no caso de, (mais uma vez, por exemplo), alguma das autonomías declarar a independência, e as forças armadas, acharem que devem actuar – como aconteceu com o golpe de Tejero Molina em 1981
Título:
Enviado por: Spectral em Abril 03, 2005, 04:31:24 pm
Citar
Fica uma pergunta para alguém melhor informado: Quais os meios de defesa aérea e a sua eficácia das nossa bases mais importantes?

Nulos, e este é uma das maiores lacunas das nossas forças armadas. Tirando uns punhados de Stingers, os únicos mísseis anti-aéreos em Portugal são os Sea Sparrow das Vasco da Gama. Na NATO talvez apenas o Luxemburgo esteja nesta situação  :roll:

 
Citar
Noto a interessante questão dos Tomahawk, como se tal arma tivesse qualquer importância do ponto de vista táctico no campo de batalha. Um Tomahawk lança-se sobre instalações de comando e controlo. Ora, conhecendo a capacidade de desenrascanço dos portugueses, não sei se não seria desperdiçar Tomahawks. Além de tudo isso, era preciso que a Espanha sequer tivesse os tais Tomahawk. A verdade, é que não os tem, e há razões para crer que nunca os terá.

Por outro lado, a Espanha já assinou o contrato  para adquirir mísseis de cruzeiro Taurus KEPD 350 para os F-18, que são bastante equivalentes aos Tomahawk ( excepto no alcance).

Citar
Acho que o Rui Elias se esqueceu de que os Leopard-II espanhóis são alugados. Nem sequer são de propriedade espanhola.

Acho que entretanto esses Leos 2A4 já passaram para o controlo definitivo espanhol. Aliás quando a Alemanha os "emprestou" nunca tinha a intenção de os fazer devolver à origem: serviram como um bónus para vender os Leo 2A6 à Espanha ( que também já existe um número ao serviço).

Citar
Em termos navais, a Espanha tem um clara superioridade neste momento. Superioridade que lhe advém das fragatas de concepção Norte Americana (F-100) que transportam radares americanos e sistemas de combate americanos, além de armas americanas, desde mísseis a canhões.


Só uma correção: as F-100 são de concepção espanhola-europeia, derivando do projecto comum NFR-90, como as Sachsen ou as LCF. "Apenas" o armamento e o sistema AEGIS são americanos.

Quanto a um hipotéticos planos espanhóis, eu apostava num avanço em força por Segura, esmagando a BMI com uma combinação de números superiores e equipamento superior, atingido assim Lisboa que é claramente o ponto-chave. Tudo o resto, antes da tomada de Lisboa, são manobras diversionárias e sem importância.

E quanto ao resto, já tínhamos chegado às mesmas conclusões das outras vezes que isto tinha sido debatido.
Título:
Enviado por: Miguel em Abril 03, 2005, 04:49:20 pm
Caros amigos:

Que pessimismo :lol:

1° para defesa aérea temos 35 Lançadores Chaparral, 15 Lançadores Stinger, 90 Peças artilharia AA 20mm e 40mm Bofors.

A FAP tem claro seus F16 e sempre algumas parelhas espalhadas em Ovar,Lajes etc...

A Armada tem para defesa AA as suas VdG e em breve OHP.

 :evil:

2° sobre um ataque terrestre.

Eu sei como travar uma unidade superior numéricamente, por isso tenho confiança na gente da BMI para travar em "cabetas" a unica divisão mecanizada "brunete"

Mesmo com superioridade aérea total é sempre possivél para uma unidade terrestre combater, ver exemplos na Sérbia.
O caso do Iraque que muita gente olha, é falso porque eles não tinham já logistica para ter suas unidades operacionais, caso contrario os US teriam tido mais dificuldades para entrar em Bagdade....

Para travar uma unidade tipo "brunete" não se lança os 3 grupos da BMI em linha como nos tempos antigos, utiliza-se camuflagem, emboscadas e ataques relampagos seguidos de retiradas rapidas etc...
Título:
Enviado por: papatango em Abril 03, 2005, 09:34:33 pm
Citar
Por outro lado, a Espanha já assinou o contrato para adquirir mísseis de cruzeiro Taurus KEPD 350 para os F-18, que são bastante equivalentes aos Tomahawk ( excepto no alcance).
Já li sobre este assunto. No entanto, a questão mantém-se. O problema não são os mísseis Tomahwk. A questão é a sua utilidade do ponto de vista táctico.
Esses mísseis são uma espécie de arma táctica, que pode ser utilizada contra Marrocos, mas na realidade para uma invasão de Portugal, seriam pouco úteis.

A única vantagem, sería talvez para atacar os Açores. Mas mesmo assim, a sua utilidade sería sempre pouca.

Citar
Só uma correcção: as F-100 são de concepção espanhola-europeia, derivando do projecto comum NFR-90, como as Sachsen ou as LCF. "Apenas" o armamento e o sistema AEGIS são americanos.
.
Não discuto a intervenção europeia. No entanto, a verdade objectiva, é cruel:
Se retiramos os equipamentos americanos, as F-100, viram uma excelente barcaça de aço.

Quanto aos tanques, tanto quanto sei, são de facto alemães, e o que aconteceu recentemente, foi uma extensão do prazo de aluguer. A realidade, no entanto, é que os equipamentos só podem ser utilizados em caso de alguém atacar a Espanha.

Relativamente ao ataque por segura (margem norte do Tejo), com todas as forças, a verdade é que também não é a melhor das opções, exactamente porque o avanço pelo vale do Tejo, pode-se fazer ao longo de um único eixo. A região tem florestas, e zonas onde é possível alguma resistência. O problema dos espanhois, como o problema dos franceses, é sempre o mesmo. A possibilidade de atacar as linhas de abastecimento.

Depois há o problema do Zêzere e de Castelo de Bode. A passagem do Zêzere é complicada, quando nas margens do rio podem haver tropas emboscadas. Os M-109A5, podem apoiar tropas, até Abrantes (embora não sirvam de nada contra tanques).

De facto, o principal problema não seriam os Leopard, mas sim veículos ligeiros, que pudessem utilizar as estradas, e penetrar em profundidade. No entanto, o problema mantém-se. Penetrar em profundidade, sem aniquilar a resistência nos flancos, pode ser mortal. Os nossos M-60A3 não são necessariamente para atacar os Leopard, em batalhas tipo Kursk. As margens do Zêzere e do Tejo, não são as planícies da Rússia.
Eu nunca atacaria os tanques espanhóis com os nossos tanques. Sería uma estupidez.

A questão dos tanques leva-nos a mais um problema:
Normalmente considera-se como necessária a proporção de 3:1 para que o exército atacante tenha possibilidade de vitória. A Espanha, teria muita dificuldade em juntar na fronteira tal quantidade de forças, que conseguissem concentrar-se para atacar as unidades da BMI.
Eu conheci um número de pessoas de uma unidade de infantaria mecanizada da BMI e, embora as unidades possam ter dificuldades de abastecimento, que impedem a brigada, no seu conjunto de actuar de forma coordenada, na região centro, não acredito que fosse assim tão fácil ultrapassar esse obstáculo.

Depois de estudar, a situação, se eu fosse espanhol, optava por atacar pelo Alentejo, e enviar forças para norte, com o objectivo de impedir a acção da BMI.

Portanto, como aqui também já referimos, colocar as F.Armadas num ponto de operacionalidade que lhes permitisse impedir com sucesso qualquer ataque espanhol, é possível, e nem sequer é caro.

Acho que neste momento, não o devemos fazer, porque neste momento, não faría sentido. No entanto, como todos sabemos, com os espanhóis, nunca se sabe de que lado está o vento.

Mas dizer que o país seria tomado em 24 horas, não faz nenhum sentido. Só se estivéssemos na mão de velhos generais como na guerra das laranjas, onde de qualquer forma até se cumpriram os planos de resistência.

Não devemos nunca, esquecer as nossas enormes debilidades, os nossos inúmeros pontos fracos. Saber a nossa posição, é da maior importância. Mas conhecer o potencial inimigo, dá-nos a possibilidade de ver que também tem muitas debilidades, que, se aproveitadas em nosso favor, seriam vantagens tremendas.

De facto, como já discutimos anteriormente, temos o problema da debilidade anti-aérea. Sem esse problema, com bases aéreas protegidas, F-16 com capacidade de ataque com bombas JDAM (por exemplo), nem em 24 horas, nem em 24 anos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Yosy em Abril 04, 2005, 12:21:53 am
Grande post papatango. :Palmas:

Se Portugal entrasse em guerra com Espanha os M60s deviam ser usados com arma anti-tanque - nem pensar em envia-los contra Leopards em combate aberto.

O pessoal das Operações Especiais não deverá ser empregue pois são eles os mais indicados para começar a resistência e fornecer know-how ás populações (como fazer cocktails molotov, sabotar veículos, etc...não é preciso - nem possível - andar por aí a distribuir G3 a toda a gente).

As unidades no Sul do país devem ocupar certas localidades e atraír os espanhóis para combate urbano. Não se devem ocupar as cidades, para evitar a sua destruição.

No Norte, como o Miguel bem disse, o Exército pode aproveitar o terreno montanhoso para resistir.

A Marinha deve retirar do Alfeite e destruir as pontes sobre o Tejo. Deve depois seguir para os Açores. A Madeira não deverá tardar a caír após a derrota (inevitável) no continente.

A Força Aérea deve apoiar as operações e retirar em seguida (isto se sobreviver ao combate com a Força Aérea espanhola).
Título:
Enviado por: manuel liste em Abril 04, 2005, 04:22:07 pm
Consideren el siguiente comentario un ejercicio teórico: ninguno de nosotros verá una guerra entre mi país y Portugal.

El ejército español hoy no está capacitado para invadir Portugal (obviamente, no se prepara para eso). Para ponerse en disposición de ataque necesitaría aumentar grandemente sus efectivos humanos y materiales.

En un ataque así y utilizando siempre superioridad numérica de hombres, tanques y aviones, lo adecuado sería el empleo del territorio más apto para el uso de los tanques y medios acorazados, supuestamente el Alemtejo con una ofensiva secundaria en Beira para retener allí las fuerzas portuguesas. Por supuesto, la fuerza aérea debería barrer del cielo a su adversario.

El problema del paso del Tejo debería resolverse mediante la toma de un puente con una operación aerotransportada o helitransportada. Asimismo sería conveniente que el caudal del río fuese el menor posible.

Si ninguno de los paises tuviese aliados (cosa poco creíble) es poco probable que Portugal pudiese aguantar mucho tiempo en gran inferioridad numérica.

Pero cuando se va a conquistar un país hay que saber de antemano el propósito de la invasión. Si haciendo un gran esfuerzo mental, supusiera que España tuviese el propósito de invadir Portugal y anexionárselo, sería una barbaridad inadmisible desde el punto de vista político y humano e irrealizable desde el mero aspecto militar.

Ahora bien, si el propósito fuese el derrocamiento de un dictador o algo similar, una operación militar de entrada y salida sin voluntad de anexión, entonces sí que sería posible, en teoría.
Título:
Enviado por: TOMKAT em Abril 04, 2005, 07:33:10 pm
Vivo junto ao mar, poucos kilómetros da base aérea de Monte Real.
Vi hoje 4 F16 a evoluirem no ar em treinos de dog fight.
Algum tempo depois passaram em formação a baixa altitude em direcção à base. 2 a 3 minutos depois passaram mais 2.
É frequente ver 2 caças em treinos mas nunca 6. :lol:
Título:
Enviado por: Luso em Abril 04, 2005, 11:36:14 pm
Agrada-me este último post do Manuel Liste.
Com posturas assim torna-se mercedor do nosso respeito.
Título:
Enviado por: alfsapt em Abril 05, 2005, 09:49:10 am
Citação de: "Luso"
Agrada-me este último post do Manuel Liste.
Com posturas assim torna-se mercedor do nosso respeito.


  :!: Perfeitamente!
Título:
Enviado por: smaerd em Abril 06, 2005, 04:09:50 pm
Un saludo a todos, yo creo que en caso de hipotetico conflicto armado, cada pais deberia de saber los riesgos que corre. Me explico:
 
España se enfrentaria a soportar unas cuantiosas bajas y Portugal a la
destruccion de su ejercito.
Supongo que en cualquier conflicto armado primaria en primer lugar el dominio del espacio aereo enemigo


¿cuantos F18, MirageF1, Typhoon (creo que hay 12 activos aprox) y Harriers se perderian para dejar  inutilizable su Fuerza aerea?

¿Con que defensas antiaereas se toparian los pilotos españoles?

-Misiles Chaparral, Stinger y piezas de artilleria antiaerea (si tienen algun medio mas, corrijanme)

¿con que defensas antiaereas se toparian nuestros amigos portugueses?

-Hawck, Patriot , Nasam, artilleria antiaerea y desde el Atlantico las F100 tambien cerrarian el paso los f16 .

Parece en este sentido que los Portugueses lo tendrian  mas dificil, perderian su dominio del espacio aereo muy a su pesar, la incognita es saber cuanto le costaria
eso a España ¿alguien se atreve a poner una cifra? :roll:

Por tierra los M60 no pueden plantar cara a los Leo2A4 (que si son españoles) y mucho menos a los Leopard 2A6 que estan comenzando a ser entregados
Respecto a la guerra naval, poco que debatir, tal vez el mayor problema seria encontrarse los puertoso bocanas de entrada minados.

Todo esto teniendo en cuenta que una invasion como tal no se produciria (para ello España deberia de invertir al menos el mismo porcentaje de su PIB para defensa que Portugal) mas bien seria una neutralizacion de sus fuerzas armadas.

Un saludo
Título:
Enviado por: ferrol em Abril 06, 2005, 06:27:03 pm
Hola smaerd:
Como es la primera vez que te respondo en persona, permíteme que te salude, te de las gracias por participar, y te de la razón en lo que dices, que España no quiere una guerra y Portugal no puede empezarla.

Estoy de acuerdo contigo en que nuestras respectivas FA´s no se pueden comparar entre sí. Cada una tiene lo que tiene y ya está. Editado polo usuario para non ofender ás lectoras

En lo de las bajas, no sé que decirte. Pienso en los Taurus o en los tommies si llegan, y que con ellos no hace falta ni estar en Badajoz para que lleguen a casi todo el país vecino, luego no tendríamos bajas propias hasta su reacción... que podría ser pequeña si los anteriores llegan a sitios estratégicos, tipo bases aéreas o cuarteles...

Fíjate, de todos modos, que la defensa a la que se abocan es a la de guerrillas, en montes, bosques... y esa si puede causar bajas.

Tambien depende un poco de la situación por la que se interviene. Una invasión tipo medieval para conquistar un país, pues ya no se da hoy en día, pero como se dijo más arriba, para echar un dictador u obligar a que paguen sus deudas con Europa, pues sería otra cosa, claro. Entrar y salir en poco tiempo.

Y siento no poder ayudarte con lo de los tifones, que yo tampoco sé cuantos hay en activo, porque entre que llegan nuevos y se les añade los nuevos tranches a los que ya están, es que no me entero de cuantos hay... en esto los yanquis lo hacen mejor, cada avión es una inauguración con políticos y todo... otro mundo, vamos.

Venga, un saludo smaerd, y para todos en el foro.
Título:
Enviado por: Yosy em Abril 08, 2005, 12:01:49 pm
Citação de: "ferrol"
Estoy de acuerdo contigo en que nuestras respectivas FA´s no se pueden comparar entre sí. Cada una tiene lo que tiene y ya está. A todos nos gustaría tener más, pero eso son los políticos los que deciden, y siempre dicen que no, como las novias el sábado por la noche, jeje.


 :lol:
Título:
Enviado por: TOMKAT em Abril 08, 2005, 10:49:20 pm
Citação de: "smaerd"
Un saludo a todos, yo creo que en caso de hipotetico conflicto armado, cada pais deberia de saber los riesgos que corre. Me explico:
 
España se enfrentaria a soportar unas cuantiosas bajas y Portugal a la
destruccion de su ejercito.


smaerd, Espanha não precisava de se esforçar muito.
Antes que Espanha nos invadisse as nossas chefias militares se encarregariam disso, vide a noticia recente do desvio de verbas no exército (por este andar o GALE vai continnuar a marcar passo por muito tempo).
Hombre como escreveu um dia um poeta português: "se o Dantas é português, eu quero ser espanhol"
O Dantas na actualidade personifica todos os políticos e todas as chefias militares caducas que temos. :?
Título:
Enviado por: Luso em Abril 08, 2005, 11:06:38 pm
Citação de: "ferrol"
A todos nos gustaría tener más, pero eso son los políticos los que deciden, y siempre dicen que no, como las novias el sábado por la noche, jeje.
.


 :mrgreen:  :mrgreen:
Título:
Enviado por: ferrol em Abril 11, 2005, 04:24:02 pm
Citação de: "Luso"
:mrgreen:  :mrgreen:
Hummm! Sospeito que si este comentario lle fai gracia ó Luso, debo deducir que é sexista, polo que pido perdon ás posibles lectoras do texto e o edito inmediatamente, porque eu sí fago caso ás normas do forum.
Título:
Enviado por: NotePad em Abril 12, 2005, 02:29:11 am
ja agora estão a esquecer-se de um pequeno grande pormenor que pode fazer a diferença para Portugal nessa situaçao, que é as instalações da nato em oeiras, que são da nato, mas nessa situaçao portugal tiraria enorme proveito de ter o seu controle pois teria acesso a satelites e a toda a estrutura da nato pelo menos a nivel de logistica que como sabem e tao importante.
Título:
Enviado por: ferrol em Abril 12, 2005, 07:27:27 am
É certo, notepad, non caera nesa posibilidade. Pero pense que, tal e como discutimos máis arriba, se o que empeza é España e o ataque sae ben, a reacción portuguesa podería ser moi feble, segundo como resulte  o ataque inicial, ¿non cre?

Saúdos.
Título:
Enviado por: smaerd em Abril 12, 2005, 12:48:56 pm
Citar
Y siento no poder ayudarte con lo de los tifones, que yo tampoco sé cuantos hay en activo, porque entre que llegan nuevos y se les añade los nuevos tranches a los que ya están, es que no me entero de cuantos hay... en esto los yanquis lo hacen mejor, cada avión es una inauguración con políticos y todo... otro mundo, vamos.

Venga, un saludo smaerd, y para todos en el foro
.

En referencia a lo de los Ef en servicio, creo que hay 7 ahora mismo disponibles.

Un saludo para ti y para todos los vecinos del foro, lamento no poder escribir en su idioma, espero que no les moleste de todas formas se entienden bastante bien el castellano y portugues  :wink:
Título:
Enviado por: Yosy em Abril 12, 2005, 03:48:56 pm
^^^^ não se preocupe - eu pelo menos percebo bem espanhol.

Em relação à NATO em Oeiras - isso será provavelmente um dos primeiros alvos da Força Aérea Espanhola e talvez isso arrastasse a NATO para a guerra - o que seria estranho uma vez que a Espanha faz parte da NATO. Se no caso de uma guerra ambos os países ainda fizessem parte da NATO provavelmente a Espanha seria expulsa e a NATO viria em auxilio portugues.
Título:
Enviado por: nestor em Abril 13, 2005, 10:00:48 am
Pues ya que tenemos en cuenta todos los detalles, OTAN incluida, tambien habria que tener en cuenta que en España hay bases de utilización conjunta hispano-norteamericana.

Dudo mucho que a los americanos les gustase un ataque portugues a las bases de Moron y Rota  :crit:

Saludos.

P.D. Que conste que solamente lo menciono para añadir un elemento mas a tener en cuenta en un posible conflicto.
Título:
Enviado por: smaerd em Abril 14, 2005, 05:31:57 pm
Citação de: "nestor"
Pues ya que tenemos en cuenta todos los detalles, OTAN incluida, tambien habria que tener en cuenta que en España hay bases de utilización conjunta hispano-norteamericana.

Dudo mucho que a los americanos les gustase un ataque portugues a las bases de Moron y Rota  :crit:

Saludos.

P.D. Que conste que solamente lo menciono para añadir un elemento mas a tener en cuenta en un posible conflicto.


Dudo que en caso de crisis quedaran al porta-aviones amarrado a ningun puerto, mas bien andaria por algun lugar del atlantico con su escolta dando paseos
Título:
Enviado por: nestor em Abril 15, 2005, 01:46:24 am
Citação de: "smaerd"
Citação de: "nestor"
Pues ya que tenemos en cuenta todos los detalles, OTAN incluida, tambien habria que tener en cuenta que en España hay bases de utilización conjunta hispano-norteamericana.

Dudo mucho que a los americanos les gustase un ataque portugues a las bases de Moron y Rota  :crit:

Saludos.

P.D. Que conste que solamente lo menciono para añadir un elemento mas a tener en cuenta en un posible conflicto.




Dudo que en caso de crisis quedaran al porta-aviones amarrado a ningun puerto, mas bien andaria por algun lugar del atlantico con su escolta dando paseos



Bueno, es que en otros lados de este foro alguien estaba planificando un ataque sorpresa a España y uno de esos ataques iba dirigido al PdA amarrado en puerto. Solamente hago publico que la base del portaaviones está en Rota que es una base conjunta hispano-norteamericana.

Esta es mi aportación a los juegos imaginativos que tanto abundan en este foro.

Saludos.
Título: Re: Guerra entre Portugal e Espanha?
Enviado por: Pantera em Abril 16, 2005, 10:30:23 am
Citação de: "Miguel"
Caros amigos:

Ao ler um artigo do Rui Elias, no site do Papatango, fiquei escandalizado!!!
esse compatriota julga que em 24 horas os espanhois acabavam conosco :idea:


Deves estar a brincar com certeza,os espanhois limpavam-nos o sebo em pouco tempo.A frota deles é muito maior que a nossa,seja por terra,ar ou mar!!!
Título:
Enviado por: komet em Abril 16, 2005, 12:54:05 pm
Citar
Deves estar a brincar com certeza,os espanhois limpavam-nos o sebo em pouco tempo.A frota deles é muito maior que a nossa,seja por terra,ar ou mar!!!


Sem dúvida, mas convém lembrar que quem está à defesa não precisa tanto de quantidade nem qualidade, já para não falar que no caso dessa hipotética guerra, medidas já teriam sido tomadas antes do ataque, ou seja, frentes de batalha intencionalmente temporárias, em que as tropas retirariam para zonas mais interiores depois de um tempo, e tácticas de guerrilha. Obviamente que o próprio povo não se conformaria, o que também não ia facilitar o trabalho das tropas ocupantes.
Título:
Enviado por: Luso em Abril 16, 2005, 11:35:06 pm
Façam o favor de estarem mais atentos ao que se passa aqui em casa e de serem bons cidadãos, atentos, cumpridores e exigentes. Sou eu que vos peço.
Deixem os espanhóis, que eles (pobres coitados) já têm problemas de sobra para terem que nos gramar.
Título:
Enviado por: komet em Abril 16, 2005, 11:46:23 pm
Citar
Deixem os espanhóis, que eles (pobres coitados) já têm problemas de sobra para terem que nos gramar.


Dejá vu
... tenho a sensação que eu próprio já disse essa frase num passado não muito distante  :o
Título:
Enviado por: psychocandy em Abril 17, 2005, 01:07:40 pm
Citação de: "Luso"
Façam o favor de estarem mais atentos ao que se passa aqui em casa e de serem bons cidadãos, atentos, cumpridores e exigentes. Sou eu que vos peço.
Deixem os espanhóis, que eles (pobres coitados) já têm problemas de sobra para terem que nos gramar.


Completamente Luso, isto ate me doi de lêr.
Como podem voces falar de um possivel ataque de um dos paises que mais coopera militarmente com Portugal? Cheio de raizes historicas culturais e sociais profundas com o nosso país? Isso eh a mesma coisa que supor que o nosso irmão nos vai violar a qualquer instante.
Título:
Enviado por: papatango em Abril 17, 2005, 04:47:51 pm
Estamos a falar em termos teóricos, como aliás é obvio.
Basta ler os escritos anteriores.
O que se discute é apenas em termos académicos.
Discute-se a possibilidade de resistir a uma investida de forças espanholas, considerando a necessidade de reunir forças, pelo menos três vezes superiores às forças portuguesas, que é a única forma de garantir a viabilidade do ataque e o seu sucesso.

Se passamos a incluir a NATO, por exemplo, todo o exercício perde a sua lógica, porque o que todos sabemos é que os americanos chamavam-nos e aos espanhóis e diziam: Portem-se como gente crescida, e estava o caso arrumado.

A questão é académica, no entanto, tem razões para se discutir. Qualquer país tem planos de contingência, para qualquer eventualidade. Não devemos criticar este tipo de discussões, porque em certos círculos militares este tipo de raciocinio faz-se sim senhor.

Os Alemães, teriam planos de contingência para ataques franceses, os franceses têm planos de contingência contra ataques alemães.
A Europa já estava “lançada” e não foi por isso que os franceses deixaram de desenvolver armas atómicas. A França, quis apenas garantir, que em qualquer circunstancia, não seria ocupada e vencida outra vez.
Quem é que pode atacar a França?

A tese de Franco, para se tornar general, foi "Como tomar Portugal em 24 horas"

= = =
Citação de: "Psychocandy"
Como podem voces falar de um possivel ataque de um dos paises que mais coopera militarmente com Portugal? Cheio de raizes historicas culturais e sociais profundas com o nosso país? Isso eh a mesma coisa que supor que o nosso irmão nos vai violar a qualquer instante.


:arrow: Aquando dos conflitos Liberais/absolutistas na península ibérica, os “Liberais” espanhois, prometeram ajuda aos liberais portugueses, mas primeiro os portugueses tinham que aceitar fazer parte da Espanha.

:arrow: Em 1939/1940, embora recebendo claro apoio por parte de Salazar, Franco, quando se entrevistou com Hitler, foi claro quanto ás suas pretensões. Portugal deveria ficar sob a “protecção” Espanhola, ou então seria invadido por espanhóis e por alemães.
Franco não deixou sempre de agradecer o apoio português, e de elogiar os portugueses, no entanto, pelas costas não teve o mais pequeno pudor em preparar o nosso desaparecimento como nação independente.

:arrow: Depois de 25 de Abril, e enquanto Franco ainda era vivo, a imprensa oficial Espanhola perguntava-se nas suas páginas: “Y que será del pequeño Portugal?”. Perguntando se o paíse sería viavel sem o seu império, e esquecendo que Portugal existia desde 1143. (Lembre-se que para a maioria dos historiadores espanhois, tenta  vender subliminarmente a ideia de que Portugal é independente apenas desde 1640)

A Espanha, Psychocandy, convive mal com a nossa existência. Nunca, REPITO, NUNCA será capaz de viver com a ideia de que o plano do Estado Castelhano falhou.

Psychocandy, os Espanhois, não foram não são e nunca serão nossos irmãos. Um irmão talvez não nos traísse. Um vizinho, que a história demonstrou ser absolutamente falso e traiçoeiro, nunca será de confiança.

Ter um relacionamento são, escorreito e moderno com a Espanha, é para nós de toda a vantagem. Mas não entender a história, pode-nos ser absolutamente fatal. A Espanha, já sabe, que tem que nos adormecer, com cantigas de boa vizinhança e de amizade. Se não tivermos o discernimento suficiente para o entender, garanto-lhe que começaremos a dormir. Quando acordarmos, pode ser demasiado tarde.

A unica coisa que eu tenho pedido às pessoas é que entendam os espanhóis, que os aceitem como são, mas que nunca, nunca deixem de pensar que por detrás de cada movimento, pode estar uma segunda intenção, porque esse é o comportamento típico que têm demonstrado ao longo de séculos.

Cumprimentos

(Vide escritos de, J.H. Saraiva a António José Telo. O espectro político é muito grande)
Título:
Enviado por: Nautilus em Abril 17, 2005, 06:32:54 pm
Citar
Ter um relacionamento são, escorreito e moderno com a Espanha, é para nós de toda a vantagem. Mas não entender a história, pode-nos ser absolutamente fatal. A Espanha, já sabe, que tem que nos adormecer, com cantigas de boa vizinhança e de amizade. Se não tivermos o discernimento suficiente para o entender, garanto-lhe que começaremos a dormir. Quando acordarmos, pode ser demasiado tarde.

PT dixie
Bravo Pt   :Palmas: estou plenamente de acordo consigo .
Não nos podemos esquecer que de Espanha não vêm nem bons ventos nem bom casamentos.
Título:
Enviado por: Yosy em Abril 18, 2005, 12:53:15 pm
Isto é apenas uma questão académica, mas devemos estar sempre preparados para qualquer eventualidade.

Citar
A Espanha, Psychocandy, convive mal com a nossa existência. Nunca, REPITO, NUNCA será capaz de viver com a ideia de que o plano do Estado Castelhano falhou.

Psychocandy, os Espanhois, não foram não são e nunca serão nossos irmãos. Um irmão talvez não nos traísse. Um vizinho, que a história demonstrou ser absolutamente falso e traiçoeiro, nunca será de confiança.


Que exagero! Actualmente ambos os países fazem parte da UE e acho que a velha rivalidade se estar a esbater (se é que ainda existe). Mas já agora vejam isto (http://http)   :lol:

Em relação á 2ª Guerra vão aqui (http://http).
Título:
Enviado por: papatango em Abril 18, 2005, 02:11:38 pm
Citação de: "Yosi"
Que exagero! Actualmente ambos os países fazem parte da UE e acho que a velha rivalidade se estar a esbater (se é que ainda existe)


Yosi, leia os escritos do professor Agostinho da Silva, e depois falamos.

A rivalidade, não pode deixar de existir.
Quando deixar de existir, o país desaparece.
O perigo, não é nós termos uma relação normal com os espanhóis, o perigo é não entendermos a História, porque agarrar num livro dá trabalho.
A Espanha, não é, nem nunca foi um país nosso aliado. Devemos estabelecer com os espanhois todas as relações que possam ser frutuosas, mas nunca podemos esquecer que, nenhuma nação foi mais traiçoeira e falsa para Portugal, quanto Castela e depois a sua "segunda edição" a que chamamos Espanha, ao longo de muitos e muitos séculos.

Yosi, como é que um comportamento velho de muitos e muitos séculos, pode mudar em 30 anos?

Resposta: Não pode!

Fora isso, não há problemas em comprar caramelos. No entanto, não devemos esquecer que demasiados caramelos, podem produzir problemas de nível intestinal. Gato escaldado, tem medo de água fria.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: psychocandy em Abril 18, 2005, 02:49:47 pm
(por exemplo)
Eu trabalho com um militar espanhol, ao contrario do que se possa pensar.. ele fala portugues.. E nem e' de seu direito. E' amistoso, nao tece qualquer comentario aos portugueses, nao atira a pedra, nem lança a suspeita. Se eu lhe alguma vez lhe mencionasse estas teorias da conspiraçao, nem sei qual seria a sua reacção, o mesmo diria de um qualquer cidadão espanhol. Talvez largasse uma gargalhada.
Eu so vejo eh Espanha a oferecer-se para dar aquele curso, treinar aquele piloto.. coisas que muitos outros "amigos" nao fazem ;)
Isto falando trivialmente e no geral.
Estamos sim, a ser invadidos por espanhois no campo economico. Mas isso nao eh culpa deles nem inimizade a Portugal. Sao apenas frutos de um país que nada quer produzir, so quer importar, que nao aceita as suas cores e os seus produtos, que se desculpa com conflitos do passado para justificar os presentes. O presente eh que em Espanha tem-se orgulho em ser espanhol, produz-se, vende-se, trabalha-se para um fim que sirva um país, em Portugal vive-se a dizer isto e aquilo, abstraindo-se e confundido realidade dos factos. O primeiro a dar a facada nao e' um espanhol, e' mesmo o portugues no outro portugues!! Olhem a vossa volta e vejam quem destroi todos os dias o nosso país, serão mesmo os espanhois ?
Título:
Enviado por: papatango em Abril 18, 2005, 03:58:52 pm
============================================
Continua em
http://www.forumdefesa.com/forum/viewto ... 9952#19952 (http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?p=19952#19952)
============================================
Naturalmente, as questões de táctica e estratégia, podem continuar a ser discutidas aqui.

Recordo que, as questões de táctica e estratégia, não têm necessáriamente que ser acompanhadas por considerações politicas.

Analisamos as questões de guerras com Espanha, como analisamos guerras com Marrocos, com a Argelia, ou com outro país qualquer.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: ferrol em Julho 25, 2005, 12:30:31 pm
Citação de: "papatango"
Além de tudo isso, era preciso que a Espanha sequer tivesse os tais Tomahawk. A verdade, é que não os tem, e há razões para crer que nunca os terá.
Premonitorio... :rir:
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 25, 2005, 12:37:27 pm
PT ES O MAIOR!!!!!!!!!!!!!! :wink:  :wink:
Título:
Enviado por: Tiger22 em Julho 25, 2005, 01:50:22 pm
Péssima compra a dos espanhóis.

Os Tomahawks virão com tantas limitações na sua utilização que nem sequer contra Marrocos a Espanha os poderá utilizar. Não sei se sabem que Marrocos passou a ser “aliado preferencial”dos norte-americanos. Os mísseis vão servir para fazer feitio, gastar dinheiro e pouco mais. Só com ordem expressa de Washinton é que a Espanha os poderá utilizar.
Título:
Enviado por: Yosy em Julho 25, 2005, 04:14:05 pm
Citação de: "Tiger22"
Péssima compra a dos espanhóis.

Os Tomahawks virão com tantas limitações na sua utilização que nem sequer contra Marrocos a Espanha os poderá utilizar. Não sei se sabem que Marrocos passou a ser “aliado preferencial”dos norte-americanos. Os mísseis vão servir para fazer feitio, gastar dinheiro e pouco mais. Só com ordem expressa de Washinton é que a Espanha os poderá utilizar.


 :?

Espanha tem que pedir autorização aos EUA para usar os Tomahawks?
Título:
Enviado por: Luso em Julho 25, 2005, 05:36:45 pm
Não me admirava nada. Creio que o Chile também deve obedecer a políticas semelhantes em relação aos AMRAAM, que ficam à guarda dos EUA (mesmo pagos pelo Chile)...
Ele há coisas...
Título:
Enviado por: ferrol em Julho 25, 2005, 06:23:26 pm
Citação de: "Yosy"
Espanha tem que pedir autorização aos EUA para usar os Tomahawks?
Depende. ¿Portugal ten que pedir permiso para usa-los F-16?¿pideu permiso G.B para usalos en Irak?Pois o mesmo pasará cos tommies.
Título:
Enviado por: Churruca em Julho 25, 2005, 08:28:03 pm
Citação de: "Tiger22"
Péssima compra a dos espanhóis.

Os Tomahawks virão com tantas limitações na sua utilização que nem sequer contra Marrocos a Espanha os poderá utilizar. Não sei se sabem que Marrocos passou a ser “aliado preferencial”dos norte-americanos. Os mísseis vão servir para fazer feitio, gastar dinheiro e pouco mais. Só com ordem expressa de Washinton é que a Espanha os poderá utilizar.



 Si, Marruecos aliado preferencial...pero se te olvida que España es miembro de pleno derecho de la OTAN (NATO en inglés)...en caso de conflicto, ¿quien crees que prevalecerá? ¿Un pais con un régimen dictatorial, como Marruecos? ¿o un pais como España, miembro de la OTAN, que tiene en su geografía bases aeronavales y aereas de uso conjunto con USA?...  mmmm... :wink:
Título:
Enviado por: Miguel em Julho 25, 2005, 08:46:25 pm
Com tomahawks e taurus a Espanha pode abafar em 24 horas as nossas Forças Principais :oops:

não é com tratados que se preserve a paz

lembro-me de Daladier e Chamberlain com aquele papel que ia proteger a Europa dos Nazis...
Título:
Enviado por: Churruca em Julho 25, 2005, 09:38:59 pm
Citação de: "Miguel"
com tomahawks e taurus a Espanha pode abafar em 24 horas as nossas Forças Principais :oops:

não é com tratados que se preserve a paz

lembro-me de Daladier e Chamberlain com aquele papel que ia proteger a Europa dos Nazis...


 Pues yo no veo ese desequilibreo escandaloso...como tampoco veo a los holandeses o belgas preocupados por tener como vecino a Alemania...para que hablar de Luxemburgo!!

 Señores, los siglos XVI, XVII o XVIII ya pasaron....España y Portugal son aliados, y participan de forma conjunta en la integración europea. ¿Alguien puede creer que la población española o portuguesa apoyará un conflicto entre nosotros? ¡¡¡¡Pero si en este pais, al apoyar Aznar la guerra de Irak, un pais gobernado por un dictador de la peor calaña, se produjeron las manifestaciones más numerosas para exigir la no intervención!!!!!**

¿Que tipo de apoyo podría tener un conflicto armado, no a miles de Km, si no con nuestro vecino, un pais democrático con el que compartimos montones de cosas?

  Saludos

** Poco después, desgraciadamante, estas manifestaciones serían superadas por las convocadas tras el 11-M... :cry:  :cry:
Título:
Enviado por: Tiger22 em Julho 25, 2005, 10:02:45 pm
ferrol e Churruca:

É claro que os mísseis virão com limitações. Nunca poderão ser usados contra Marrocos (o incidente de perejil assim o confirmou) e claro que o Iraque era uma situação diferente para os Estados unidos concederem essa autorização aos ingleses (se é que ela existiu)

Citação de: "El País"
Los pasos siguientes tienen que ver con los detalles: "Qué es lo que se compra, en qué condiciones, qué lleva anexo, qué plazos de entrega hay, y cuáles son las condiciones. Son armas sensibles sujetas a controles muy estrictos respecto a lo que se puede y lo que no se puede hacer con ellas. EE UU controla siempre el nivel de repuestos, los mantenimientos y la configuración de cada equipo. En la práctica, los estadounidenses tienen un control muy alto de todo lo relacionado con este tipo de armas y de lo que se puede hacer con ellas", señala la primera fuente, que concluye: "Lo que se ha dado ahora es la luz verde política, y a partir de este momento se empieza a negociar el contrato.


Miguel:

Os EUA nunca permitirião que a Espanha sequer provocasse Portugal. As nossa relações com eles são em todo melhor.
Título:
Enviado por: Churruca em Julho 25, 2005, 10:11:59 pm
Citação de: "Tiger22"
ferrol e Churruca:

É claro que os mísseis virão com limitações. Nunca poderão ser usados contra Marrocos (o incidente de perejil assim o confirmou) e claro que o Iraque era uma situação diferente para os Estados unidos concederem essa autorização aos ingleses (se é que ela existiu)

Citação de: "El País"
Los pasos siguientes tienen que ver con los detalles: "Qué es lo que se compra, en qué condiciones, qué lleva anexo, qué plazos de entrega hay, y cuáles son las condiciones. Son armas sensibles sujetas a controles muy estrictos respecto a lo que se puede y lo que no se puede hacer con ellas. EE UU controla siempre el nivel de repuestos, los mantenimientos y la configuración de cada equipo. En la práctica, los estadounidenses tienen un control muy alto de todo lo relacionado con este tipo de armas y de lo que se puede hacer con ellas", señala la primera fuente, que concluye: "Lo que se ha dado ahora es la luz verde política, y a partir de este momento se empieza a negociar el contrato.

Miguel:

O EUA nunca permitirião que a Espanha seque provocasse Portugal. As nossa relações com eles são em todo melhor.


  Muchas gracias por adelantarnos en que consisten esas limitaciones...aunque no tengo muy claro donde pone que, en caso de conflicto con Marruecos, no podamos usarlos...eso ya debe ser dedución tuya....

Por cierto, resulta cuanto menos curioso que utilizes como fuente un periódico del grupo PRISA...¿te parece una fuente fiable?....no te molestes en contestar, ya conocemos tu opinión al respecto...

Citação de: "Tiger22"
Vai ao encontro do mais asqueroso e “pró comuna” jornal espanhol, o “El País”
Título:
Enviado por: Churruca em Julho 25, 2005, 10:19:50 pm
Citação de: "Tiger22"
ferrol e Churruca:

É claro que os mísseis virão com limitações. Nunca poderão ser usados contra Marrocos (o incidente de perejil assim o confirmou) e claro que o Iraque era uma situação diferente para os Estados unidos concederem essa autorização aos ingleses (se é que ela existiu)



  En verdad que no veo la relación entre Perejil y los Tomahawk....pero te voy a dar un par de datos para que pienses en ellos, con respecto a ese hipotético veto y el conflicto de Perejil...

1) Durante esos días de tensión, fueron movilizadas y enviadas a la zona numerosas fragatas de la clase Santa María, una adaptación de la clase OHP americana....dotadas con armamento americano, por supuesto....y no te quepa duda que, de estar ya disponible alguna fragata de la clase f-100, habría sido enviada (si, esa fragata con el sistema americano AEGIS...)

2) Durante la recuperación del islote, y ante la posibilidad de una respuesta marroquí, se encontraban en CAP aviones F-18, aviones norteamericanos con armamento procedente del mismo sitio...

  ¿Escuchaste, leiste, o viste algun tipo de reacción negativa por parte de USA?

  De ser así, se ruega se aporte fuente o enlace que lo confirme

  Saludos cordiales
Título:
Enviado por: Luso em Julho 25, 2005, 10:37:20 pm
Se nuestros amigos castellanos necessitaren de coordenadas de alvios (!) yo las daré con todo gusto.
Ja tengo unas ideas... :wink:
Título:
Enviado por: soultrain em Julho 25, 2005, 11:31:20 pm
Boas,

Essa conversa de Marrocos ser apontado como inimigo é ridícula!

Quem é que vendeu a Marrocos M60 (quase novos, que eram de uma senhora de idade que só usava para ouvir musica 0Kms), quem foi?

Cump.
Título:
Enviado por: komet em Julho 25, 2005, 11:41:55 pm
Se os nossos amigos  castelhanos querem acabar com o cérebro de comando deste nosso pequeno país, ouvi dizer (não digam a ninguém) que existe uma base secreta algures na Amadora, camuflada de bairro social...visto de satélite é um pontinho negro. Mas não digam a ninguém que eu vos disse isto.  :lol:
Título:
Enviado por: Luso em Julho 25, 2005, 11:58:33 pm
- Calma que não há Tomaueques que cheguem!
Título:
Enviado por: Tiger22 em Julho 26, 2005, 01:47:44 am
Churruca:

Não me expliquei bem.

Após a derrota de Aznar nas eleições espanholas e a vitória do Zapatero, os EUA deram o estatuto de aliado preferencial ao reino de Marrocos. Alguns analistas militares espanhóis referiram na altura que se o incidente de perejil ocorresse neste momento, toda a panóplia de equipamento “made in USA” que menciona, não poderia ser utilizado por imposição americana.
Título: Que carago....
Enviado por: CC em Julho 31, 2005, 11:51:40 am
É devido a este complexo "castelhano" que este país não tem objectivos e anda sem rumo...

Mas por acaso passa pela cabeça de alguém alguma vez, nem que seja daqui a mil anos, haver uma guerra entre Portugal e Espanha??

Acaba por fazer mais sentido com Marrocos... não o actual Marrocos, mas sim um que se torne fundamentalista ou que seja absorvido por uma outra qualquer potência emergente muçulmana... ainda assim uma hipótese mto reduzida....

O conflito que houver no futuro e que nos afecte directamente e fisicamente será um conflito global e será causado pelo esgotamento das reservas de petróleo...
Título:
Enviado por: typhonman em Julho 31, 2005, 01:34:10 pm
Ou pela falta de água na peninsula..
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 03, 2005, 09:51:35 pm
Nunca habra una guerra entre España y Portugal,son dos paises q se respetan mucho,diga lo q digan los radicales de este foro.

Pero si hubiese esa guerra,Portugal no aguantaria mucho.Portugal no tiene ningun tipo de medios para detener a España.Ni por mar,ni por tierra ni por aire.
Título:
Enviado por: Manu em Setembro 03, 2005, 10:49:41 pm
Citação de: "Cody"
Nunca habra una guerra entre España y Portugal,son dos paises q se respetan mucho,diga lo q digan los radicales de este foro.

Pero si hubiese esa guerra,Portugal no aguantaria mucho.Portugal no tiene ningun tipo de medios para detener a España.Ni por mar,ni por tierra ni por aire.


Lo único que podemos discutir aquí es si vamos a tardar algunos dias más o algunos dias menos en ganarles  :lol:

¿Cuantas BEACs harían falta para arrasar Portugal? No recuerdo el radio de acción pero se que tienen una capacidad destructiva bastante elevada.

Saludos
Título:
Enviado por: dremanu em Setembro 03, 2005, 11:35:34 pm
Citação de: "Manu"
Citação de: "Cody"
Nunca habra una guerra entre España y Portugal,son dos paises q se respetan mucho,diga lo q digan los radicales de este foro.

Pero si hubiese esa guerra,Portugal no aguantaria mucho.Portugal no tiene ningun tipo de medios para detener a España.Ni por mar,ni por tierra ni por aire.

Lo único que podemos discutir aquí es si vamos a tardar algunos dias más o algunos dias menos en ganarles  :lol:

¿Cuantas BEACs harían falta para arrasar Portugal? No recuerdo el radio de acción pero se que tienen una capacidad destructiva bastante elevada.

Saludos


LOLLLLLL.......

Oh Manu "valentão das duzias", estou a morrer de medo!!!! Tu nem conheces a história da tua terra...O teu país sempre teve mais homens, mais armas, mais recursos, mais tudo, e sempre saiu derrotado de Portugal com o "rabo entre as pernas". Tu e os teus compatriotas nem imaginam o que este povo é capaz de fazer e aguentar quando o encostam contra a parede.
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 04, 2005, 01:02:14 am
Dremanu, ora nem mais, nem sabem aonde se metiam. :wink:
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 04, 2005, 01:51:13 am
Citar
O teu país sempre teve mais homens, mais armas, mais recursos, mais tudo, e sempre saiu derrotado de Portugal com o "rabo entre as pernas"


Eso no es para nada cierto.Y aunque asi fuera es estupido pensar q hoy en dia Portugal ganaria la guerra a España,eso no tiene credibilidad ninguna.

España(45 mill,de hab;pib el 7 del mundo,6 armada del mundo)

Portugal(9 mill de hab,economia pobre,poca extension territorial)

Hay mucha desproporcion,hay q ser realistas.
Título:
Enviado por: NVF em Setembro 04, 2005, 02:20:22 am
Porventura ja' ouviram falar de Aljubarrota? Eram 'so' 30.000 castelhanos (e umas centenas de franceses, com a melhor cavalaria da altura) contra 6.000 portugueses (e umas centenas de ingleses, com os melhores archeiros da altura) e qual foi o resultado? Derrota completa de Castela.

Isso dos numeros tem muito que se diga. Vao dizer isso aos arabes, das inumeras vezes que enfretaram Israel, ou aos sovieticos no Afeganistao, ou aos americanos no Vietname. Como esta' 'a vista no Iraque, nao basta ter mais soldados e tecnologia; ha' muitas formas de guerra.

Mas, como ja' disse muitas vezes, nao faz sentido falar de uma invasao espanhola no actual contexto internacional. No entanto, nunca se sabe o futuro e ha' que estar preparado para tudo — como a Espanha alias faz e muito bem.
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 04, 2005, 03:03:35 am
Precisamente es alo unico q podriais recurir,a la guerra de guerrillas.Pero muchas de vuestras ciudades quedarian invadidas.

Hoy en dia la capacidad de invadir un pais al completo no lo puede hacer casi nadie.

Pero en una guerra total,no se yo que pasaria.No se si España podria anexinarse Portugal.Pero el pais quedaria muy destruido.
Título:
Enviado por: komet em Setembro 04, 2005, 07:41:11 am
Cody, Portugal já por si pouco poderia oferecer à Espanha como país derrotado, muito menos teria a oferecer completamente destruído, ainda para mais com a possibilidade de ter civis armados a cada esquina prontos a morrer por Portugal... Uma invasão de Espanha, no sentido lato, não faria sentido porque nem Portugal nem Espanha teriam nada a ganhar com isso. Daí a Espanha estar a invadir de outras formas... muito mais subtis para os menos atentos, conseguindo até fazer os "atentos" passar por estúpidos e paranóicos, por isso... bom trabalho!
Título:
Enviado por: Doctor Z em Setembro 04, 2005, 12:19:23 pm
Citação de: "Cody"
Citar
O teu país sempre teve mais homens, mais armas, mais recursos, mais tudo, e sempre saiu derrotado de Portugal com o "rabo entre as pernas"

Eso no es para nada cierto.Y aunque asi fuera es estupido pensar q hoy en dia Portugal ganaria la guerra a España,eso no tiene credibilidad ninguna.

España(45 mill,de hab;pib el 7 del mundo,6 armada del mundo)

Portugal(9 mill de hab,economia pobre,poca extension territorial)

Hay mucha desproporcion,hay q ser realistas.


O Cody, também te estas a esticar. A Espanha não é a 7° economia do mundo, mas a 15° (consulta esta (http://http) página para te convenceres

É verdade que uma diferença de 5000 $ per capita faz da Espanha um país muito rico e de Portugal um país pobre (23 300$/h contra 17 900$/h)

Quanto a extensão territorial, temos que chega, sabendo que as nossas aguas territoriais derivadas aos Açores e Madeira são grandes.

Portugal não têm 9 milhões de habitantes, mas 10,5 milhões, mais 4 a 5 milhões de residentes no estrangeiro (aqui (http://http)).

Os teus dados estão totalemente obsoletos, sabendo que a Espanha têm apenas 40 milhões de habitantes. Portanto, a próxima vez, verifica os teus dados, ou melhor não deías dados errados, OK ?

As proporções não importa, olha o que os tchetchenos fizeram com os russos e depois falas, OK ?
Título:
Enviado por: Doctor Z em Setembro 04, 2005, 12:22:55 pm
Citação de: "komet"
Cody, Portugal já por si pouco poderia oferecer à Espanha como país derrotado, muito menos teria a oferecer completamente destruído, ainda para mais com a possibilidade de ter civis armados a cada esquina prontos a morrer por Portugal...


Apesar das dificuldades, apesar dos problemas, para mim é uma certeza e é certeza também que muitos imigrantes ajudariam-nos, sem dúvida nenhuma.
Título:
Enviado por: Dinivan em Setembro 04, 2005, 12:55:41 pm
Citar
O Cody, também te estas a esticar. A Espanha não é a 7° economia do mundo, mas a 15° (consulta esta página para te convenceres

No entremos en el debate de que tipo de medida usar para calcular el PIB. Si se hace con el purchasing power parity España es la 15ª, sino, es la 7ª. ¿Cuál es la correcta? pues depende, para un país muy cerrado al exterior donde la mayoría de lo que se consume se produce en su interior, es más útil el PPP. Pero un dólar es igual en todos los países, así que si dependes mucho del comercio internacional al resto les da igual que tus precios sean más bajos, el dólar que tienes que pagar por un producto extranjero es el mismo dólar residas donde residas.


Citar
Portugal não têm 9 milhões de habitantes, mas 10,5 milhões, mais 4 a 5 milhões de residentes no estrangeiro

¿Estás orgulloso de que el equivalente a 1/2 de población portuguesa ha tenido que emigrar?

Citar
Os teus dados estão totalemente obsoletos, sabendo que a Espanha têm apenas 40 milhões de habitantes. Portanto, a próxima vez, verifica os teus dados, ou melhor não deías dados errados, OK ?

Por favor, verifica los tuyos. No uses mucho el CIA world factbook, para obtener un dato rápidamente funciona bien, pero te encontrarás que muchos de los datos son incorrectos. Por ejemplo, España sí tiene 45 (o casi) millones de habitantes, debido a la increíble prosperidad de la que hemos disfrutado en los últimos años, han llegado aquí millones de emigrantes de todo el mundo.
No tienes que ir muy lejos para creerme. Podrías simplemente haber leído este foro. Por ejemplo Aquí (http://http) "Os principais aumentos populacionais na EU em 2003 ocorreram em Chipre (+21,5%), Espanha (+15,5%) e Irlanda (15,3%), segundo os dados do Eurostat." "Segundo o comunicado, a Espanha contabilizou um crescimento natural de 53.000 habitantes no ano passado e recebeu 594.300 imigrantes."
O Aquí (http://http) "Así, el avance de los datos del padrón de enero de 2005 ha situado en 44 millones el número de habitantes en España, un 4,3% más de lo estimado y, de los cuales 3,5 millones son inmigrantes, lo que supone el 8% de la población."


Aprovecho para responder aquí a este post, pues el tema es bastante parecido.
Citar
A Espanha não desenvolve, nem influencia pensamento político, económico, ou social, ou técnologia de ponta
Mira que curioso, justamente acabo de ver una notícia relacionada con la innovación, como aunque partiendo desde una posición inferior, nuestro gobierno intenta arreglar este aspecto (y lo está consiguiendo, las empresas españolas no dejan de aumentar su presupuesto en I+D+i):
Citar
El gasto en Investigación, Desarrollo e innovación (I+D+i) ascenderá el año que viene a 4.734 millones de euros, lo que supone un aumento del 28,4% con relación a lo presupuestado para 2005, según avanzó la vicepresidenta primera del Gobierno, María Teresa Fernández de la Vega.
El Mundo (http://http)
Título:
Enviado por: Yosy em Setembro 04, 2005, 01:10:08 pm
Facto: Portugal capitularia perante uma invasão espanhola.

Facto: a Espanha não poderia suportar durante muito tempo os custos de uma ocupação de Portugal, especialmente tendo em conta que este canto á beira-mar plantado tem poucos atractivos para um invasor.
Título:
Enviado por: komet em Setembro 04, 2005, 01:11:00 pm
Sinceramente toda esta conversa já me agonia.  :!:
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 04, 2005, 03:59:36 pm
Espanha nao teve numa unica guerra a serio na segunda metade do seculo XX, Portugal teve 13 anos numa que nao foi assim a tanto tempo, a experiencia militar tb conta especialment kuanto a tacticas de guerrilha estão na moda. e nisso damos lição a kk exercito.
Título:
Enviado por: dremanu em Setembro 04, 2005, 04:20:17 pm
Citação de: "komet"
Daí a Espanha estar a invadir de outras formas... muito mais subtis para os menos atentos, conseguindo até fazer os "atentos" passar por estúpidos e paranóicos, por isso... bom trabalho!


Sem dúvida...a necessidade dos Portuguêses serem vigilantes em relação à Espanha tem tudo a ver com a duplicidade das intenções dos Espanhoís em relação ao nosso país.

Os Americanos e os Canadianos, e os Belgas e os Francêses, e os Alemães e os Austríacos, todos têm ecónomias altamente integradas e participatórias umas nas outras, mas não existe um esforço deliberado da parte de um para com o outra para utilizar a penetração económica para gerir na população local, a ideia que é melhor abandonar a independência nacional a favor da anexação por um vizinho mais poderoso, e é isto que gradualmente tem vindo a acontecer no nosso país.

A culpa de tudo isto é principalmente nossa, as mentalidades que imperam neste país hoje em dia só podiam levar ao nosso enfraquecimento como nação e povo. A minha esperança é que isto não pode durar para sempre.
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 04, 2005, 05:20:28 pm
Citar
O Cody, também te estas a esticar. A Espanha não é a 7° economia do mundo, mas a 15° (consulta esta página para te convenceres

te equivocas amigo.Hace ya varios años q España desbanco a Canada economicamente convitiendose en la 7 economia mundial.Te aconsejo q seas tu el q se informe.

Citar
Os teus dados estão totalemente obsoletos, sabendo que a Espanha têm apenas 40 milhões de habitantes. Portanto, a próxima vez, verifica os teus dados, ou melhor não deías dados errados, OK ?


Una vez mas estas muy equivocado,quien mejor q un español para saber cuantos hab tiene mi pais?te digo q en los ultimos años gracias a la inmigracion la poblacion española ha alcanzado los 45 mill d hab.
Título:
Enviado por: manuel liste em Setembro 04, 2005, 08:13:44 pm
Citação de: "Manu"
Citação de: "Cody"
Nunca habra una guerra entre España y Portugal,son dos paises q se respetan mucho,diga lo q digan los radicales de este foro.

Pero si hubiese esa guerra,Portugal no aguantaria mucho.Portugal no tiene ningun tipo de medios para detener a España.Ni por mar,ni por tierra ni por aire.

Lo único que podemos discutir aquí es si vamos a tardar algunos dias más o algunos dias menos en ganarles  :lol:

¿Cuantas BEACs harían falta para arrasar Portugal? No recuerdo el radio de acción pero se que tienen una capacidad destructiva bastante elevada.

Saludos


El término "arrasar" es un poco fuerte, sobre todo teniendo en cuenta que sólo se comenta un escenario hipotético.

En ningún caso sería del interés de España ver un Portugal arrasado, ni por una guerra ni por otro desastre. Algo así repercutiría en nuestro país antes o después.
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 04, 2005, 08:59:40 pm
:lol:  :twisted:
por via terrestre a BMI derrotava em defensiva a Brunete.

Não vejo nenhuma indicação que possa levar a acreditar ke a Espanha consiga derrotar Portugal numa campanha rapida...

Certo que apenas o dominio aéreo seria espanhol, apenas isso...
Título:
Enviado por: Doctor Z em Setembro 04, 2005, 10:06:51 pm
Citação de: "Cody"
Citar
O Cody, também te estas a esticar. A Espanha não é a 7° economia do mundo, mas a 15° (consulta esta página para te convenceres

te equivocas amigo.Hace ya varios años q España desbanco a Canada economicamente convitiendose en la 7 economia mundial.Te aconsejo q seas tu el q se informe.

Citar
Os teus dados estão totalemente obsoletos, sabendo que a Espanha têm apenas 40 milhões de habitantes. Portanto, a próxima vez, verifica os teus dados, ou melhor não deías dados errados, OK ?

Una vez mas estas muy equivocado,quien mejor q un español para saber cuantos hab tiene mi pais?te digo q en los ultimos años gracias a la inmigracion la poblacion española ha alcanzado los 45 mill d hab.


Se tens dados mais recentes, OK, na boa, mas dá uma ligação para que todos os membros possam disfrutar desses dados.
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 04, 2005, 10:47:00 pm
Citar
ora por via maritima é impossivél porque temos Submarinos  
por via terrestre a BMI derrotava em defensiva a Brunete


 :lol:  :lol: por favor señores un poco de seriedad.....Que iban a hacer unos pocos de submarinos contra la armada española?6 F80,5 F100,4 F70,4 S70 ect ect......

Que iban a hacer los BMI contra nuestros Leopard 2E....un poco de sentido comun.
Título:
Enviado por: komet em Setembro 04, 2005, 11:52:54 pm
Cody, sabe porque é que uma frota pequena de submarinos é tão eficaz? Devido a essa maneira de pensar  :D
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 05, 2005, 01:00:01 am
Komet é o meu idolo. :wink:
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 05, 2005, 01:43:06 am
jeje,si vosotros pensais q con 3 submarinos podeis hacer algo,haya vosotros.

De todas formas es hablar por hablar.España se lleva bien con Portugal y nunca entraremos en guerra,eso no conviene a ninguno de los dos.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 05, 2005, 10:49:32 am
Historicamente Espanha "tentou" invadir Portugal de +- 200 em 200 anos...

Apanhou sempre nos cor***...  ;) um deles foi um puto de 13 anos k o destruiu  :twisted:  e mais umas coisitas, refugiados em terreno propício a emboscadas.
Formar-se-iam no mínimo 3 bolsas de resistência:

Norte - Forças regulares + CIOE
Centro - Fuzileiros + Comandos + Regulares
Sul - Regulares

No mínimo essa "Força Resistente" seria de 500 homens.
Isto fora os civis que claro se juntariam de bom grado.

Agora deêm largas à imaginação e imaginem como ficariam os espanhóis a apanhar com isto no toutiço ;)
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 05, 2005, 10:56:10 am
O exército espanhol vai ser feito de pessoal das honduras,argentina,guiné equatorial.. etc.. Com os tempos vai ser um exército de mercenários.. coitados que coça levavam.
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 05, 2005, 02:01:34 pm
Me estas insinuando que España no tiene experiencia en la guerra de guerrillas?Por Dios....pero que dices????

Preguntale a los franceses q tal lo pasaron.Preguntale a los romanos cuantas legiones perdieron durante 200 años para invadir la peninsula.
Y respecto a Viriato se mas reservado,pues aunque fuera Luso,su tribu tb ocupaba gran parte de extremadura y castilla leon.Viriato nacio en tierras españolas,pero no quiero polemizar de esto puesto q no hay datos suficientes como para coraborarlo,asi q no afirmes nada de lo q no saben ni los mismos expertos.

Aun asi,hablar del poder guerrillero de cada pueblo es una tonteria,puesto q de todo esto que hablamos hace ya cientos de siglos,y la poblacion de hoy en dia no tiene nada q ver con la del pasado.
Título:
Enviado por: Luso em Setembro 05, 2005, 05:13:09 pm
Que "bela" discussão...
Qual é a mais valia desta troca de galhardetes?

Para pancadaria verbal utilizem a "Área Livre".
Abram um tópico "Portugal X Espanha Combate do Milénio".
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 06, 2005, 03:10:59 am
Citação de: "Cody"
Aun asi,hablar del poder guerrillero de cada pueblo es una tonteria,puesto q de todo esto que hablamos hace ya cientos de siglos,y la poblacion de hoy en dia no tiene nada q ver con la del pasado.


Bem, agora off-topic...

Isso de que o povo nada tem a ver com o passado é mentira.
Senão repare no caso dos incêndios que alastram no nosso País... o povo em situações de crise, quando esteve entre a espada e a parede, aliou-se e formou um só.
Não foi só graças aos bombeiros, chuva e meios aéreos que a guerra dos incêndios foi ganha. Foi também porque o nosso povo, mostrou que se se determinar, consegue feitos inacreditáveis.
Uniram-se e venceram, claro que com perdas, mas minimizadas...

E quanto à guerra de guerrilha, diga-me uma guerra que depois da II Guerra Mundial não tenha existido tácticas de guerrilha?
Vietnam, Guerra Colonial, na Argélia, Iraque, Palestina, Afeganistão... a resistência das forças "à defesa" sempre foi a guerrilha :roll:  (2 directas seguidas já começam a pesar)

Se os espanhóis vierem cá o Minho encarrega-se de lhes oferecer uma boa recepção...  :twisted:

NBR Out!
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 06, 2005, 02:05:33 pm
Equação ->

  A=C*I

  A=Ameaça

  C=Capacidade

  I=Intenção

  As capacidades levam anos a constituirem-se, as intenções mudam em 24 horas.

 Neste momento a capacidade de espanha situa-se nos 9 valores, quanto a intenção.. Deve rondar os 2.

 A=18 Numa escala de 100.
Título:
Enviado por: smaerd em Setembro 06, 2005, 06:49:39 pm
Citação de: "Miguel"
:lol:  :lol:

Espanha quantas Divisões???

Nunca Repito Nunca, Espanha teria capacidade para invadir Portugal!!

Eu até duvido da capacidade da Espanha Defender os seus enclaves de Ceuta e Mellilla.

Para Portugal capitular devia Lisboa capitular:

ora por via maritima é impossivél porque temos Submarinos  :shock:
Nunca pasara, pero por favor...
NI por tierra mar o aire tienen un solo elemento disuasorio
2 Submarinos? Ni que solo los tuvieran ustedes..

¿100 M60? son carnaza para los Leopard2E...por favor---

Llegarian columnas de Leos2E a Lisboa en 48/72H.

en fin como juegos imaginativos estan muy bien.
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 06, 2005, 07:04:15 pm
Talvez com uns misseis Javelin/Spike a vossa "gola" em relação aos Leo não fosse tao grande.
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 06, 2005, 08:12:19 pm
Citar
Ahy Dios santo lo que hay que leer.  
Nunca pasara, pero por favor...
NI por tierra mar o aire tienen un solo elemento disuasorio
2 Submarinos? Ni que solo los tuvieran ustedes..

¿100 M60? son carnaza para los Leopard2E...por favor---

Llegarian columnas de Leos2E a Lisboa en 48/72H.

en fin como juegos imaginativos estan muy bien.


Muy bueno eso Smaerd.Yo tb digo lo mismo,lo q hay q leer......

Dicen q tienen submarinos.....claro 3 submarinos pueden acabar con toda la flota española.

Los M60 tb acaban con los Leopard 2E,es q ellos tienen unas FAS de miedo.Nosotros estamos indefensos.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 06, 2005, 08:15:02 pm
Digo e repito... o Leopard2 não é invencível...
Não se fiem muito nos tanques!  :roll:

Mas como um sargento amigo meu dizia:

Citar
"A guerra não se discute, não se imagina, não se controla. Vive-se e trava-se. É para isso que devemos estar preparados."


NBR Out!
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 06, 2005, 08:28:21 pm
Citar
Digo e repito... o Leopard2 não é invencível...
Não se fiem muito nos tanques!  

Se os M1A1 são destruídos por crianças no Iraque... imaginem o que bons soldados como os nossos podem fazer  


Claro claro.....pues ya que sois tan fuertes dejaros de palabreria y quitadnos Olivienza  :lol:
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 06, 2005, 08:30:44 pm
A esse post só respondo:

LOL

NBR Out!

PS: não fomos nós que tentamos invadir um país mais pequeno de quase 200 em 200 anos e falhámos...
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 06, 2005, 08:39:42 pm
NBR  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: smaerd em Setembro 07, 2005, 08:42:59 am
Citar
Talvez com uns misseis Javelin/Spike a vossa "gola"
 em relação aos Leo não fosse tao grande.

¿cuantos Javelin o Spike tienen? ..... ¿Cuantos recursos pueden movilizar?

Citar
Digo e repito... o Leopard2 não é invencível...
Não se fiem muito nos tanques!  

Se os M1A1 são destruídos por crianças no Iraque... imaginem o que bons soldados como os nossos podem fazer

Claro que el Leopard 2E ni el 2A4 son invencibles pero por favor..
si no se trata de ser arrogante, simplemente se trata de ver la realidad.

No hay nada que hacer con 100M60 y ¿cuantos? Pandur contra una fuerza de 219 Leo2E(probablemente el mejor carro del mundo junto con las ultimas versiones del M1 Abrahamns)
 +108 Leo 2A4+300 M60 A3TTS+ 300 y pico Pizarro+ 150 Centauros.

Seria una locura sacar su anticuado parque acorazado a combatir, lo mismo que su aviacion o marina.

Todos tenemos orgullo patrio pero las objetividades no queda mas remedio que reconocerlas.
Seria como si ahora yo les dijera que el ejercito de Espanha podria parar 5 Task Forces americanas direccion a la peninsula...Pues no nos quedaria ni un barco a flote..eso es obvio.

Citar
A esse post só respondo:

LOL

NBR Out!


No entiendo que quiere decir :?
de todas formas un saludo a todos
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 07, 2005, 09:37:08 am
Portugal pretende aquirir SPIKE-ER pelo menos para os fuzos.

É :wink:  natural que o exército se associe a compra.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 07, 2005, 10:37:25 am
Citação de: "smaerd"
Citar
A esse post só respondo:

LOL

NBR Out!

No entiendo que quiere decir :lol:
Olhando bem para trás não sei o motivo da piada mas...

NBR Out!
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 07, 2005, 12:10:41 pm
Citação de: "Cody"
Citar
Ahy Dios santo lo que hay que leer.  
Nunca pasara, pero por favor...
NI por tierra mar o aire tienen un solo elemento disuasorio
2 Submarinos? Ni que solo los tuvieran ustedes..

¿100 M60? son carnaza para los Leopard2E...por favor---

Llegarian columnas de Leos2E a Lisboa en 48/72H.

en fin como juegos imaginativos estan muy bien.

Muy bueno eso Smaerd.Yo tb digo lo mismo,lo q hay q leer......

Dicen q tienen submarinos.....claro 3 submarinos pueden acabar con toda la flota española.

Los M60 tb acaban con los Leopard 2E,es q ellos tienen unas FAS de miedo.Nosotros estamos indefensos.


Lembro-me de num exercicio militar apenas um submarino portugues dos anos 60 'afundou' um porta-aviões americano com todas as modernices  e toda a sua frota de escolta... porque pensa que nao conseguirão os novos U-209PN fazer o mesmo contra a PODEROSISSIMA Armada Espanhola? já nao vos xegou levar nas trombas kd tinham a armada invencivel? com barcos portugas ke depois basicamente ficaram a ver uns corsarios ingleses arrearem-vos no rabo e sem vaselina?
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 07, 2005, 12:16:48 pm
Citação de: "smaerd"
Leo2E(probablemente el mejor carro del mundo junto con las ultimas versiones del M1 Abrahamns)



 :rir:  :toto:  :toto:  :toto:

LOLOLOL
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 07, 2005, 12:22:32 pm
NotePAD aquela da vaselina.. LLLLLLLLLLLLLLLLLOOOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLL :banana:  :rir:
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 07, 2005, 01:58:44 pm
Citar
Lembro-me de num exercicio militar apenas um submarino portugues dos anos 60 'afundou' um porta-aviões americano com todas as modernices e toda a sua frota de escolta... porque pensa quee nao conseguirão os novos U-209PN fazer o mesmo contra a PODEROSISSIMA Armada Espanhola?


Querido amigo,los ejerciceos son una cosa y la realidad es otra.

Pero macho,si tu piensas q con 3 submarinos teneis alguna posibilidad contra nuestra armada alucinas un poco.

Y la armada española no solo es el PdA:

6 F100
6F80
4F70
4 Submarinos

Son muchos barcos para hundir por solo 3 submarinos,no?
Te recomiendo que seas mas realista  y no te hagas mas pajas mentales.
Título: GUERRA
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 07, 2005, 02:23:35 pm
Meus amigos que venha a guerra que vocês tanto querem, só quero saber é onde vocês iam buscar o dinheiro para isso!
Título:
Enviado por: dremanu em Setembro 07, 2005, 03:06:16 pm
Citação de: "NotePad"
.... basicamente ficaram a ver uns corsarios ingleses arrearem-vos no rabo e sem vaselina?


LOLLLLLLLL  :lol:


Nem precisamos de submarinos para acabar com uma invasão Espanhola...

Eis a nossa arma secreta!

(http://alentejanando.weblog.com.pt/arquivo/padeira.jpg)

Venham logo Espanhoís, que ela aqui vos espera!!!!
Título:
Enviado por: smaerd em Setembro 07, 2005, 03:22:40 pm
Citar
Lembro-me de num exercicio militar apenas um
submarino portugues dos anos 60 'afundou' um porta-aviões
 americano com todas as modernices e toda a sua frota de escolta...
 porque pensa que nao conseguirão os novos U-209PN fazer o mesmo contra  a PODEROSISSIMA Armada Espanhola? já nao vos xegou levar nas trombas kd  tinham a armada invencivel? com barcos portugas ke depois basicamente ficaram
 a ver uns corsarios ingleses arrearem-vos no rabo e sem vaselina?


¿de verdad de verdad que un Submarino portugues hizo eso :roll: ?
 Lo repiten hasta la saciedad... Tambien unos Harrier Av8B++ de nuestro PA hundieron una task force americana entre en enjambre de F14s F15s F18setc etc etc
¿y que? Los ejercicos  se planean para precisamente eso. Para otorgar ventaja a uno de las partes y la otra se esfuerze en anularla. Una ventaja que en la  vida real naturamente no contaria.
Y sus U209 cuando lleguen
 (mira que comprar unos submarinos que ni Chile quiso;) ) Probablemente no sirvan de mucho no siendo que les cale el sonar de algun SEA HAWK y les envie un torpedo de regalo a sus
futuros U209. Son bueno submarinos pero para nada decisivos, ademas solo tendran dos..


Por cierto Notepad, creo que se le van a quitar las ganas de reir.
Le adjunto un extracto con datos del proceso de seleccion para dotar a las Fas de Suecia de
un moderno (le suena esa palabra) carro de Combate,

Lea y luego discuta.
(extraido del foro militar general)



Proceso de selección del Leopard 2 en Suecia[Mayo 2003]

En la década de 1980, el gobierno sueco comienza a pensar en cambiar sus medios acorazados, estableciéndose nuevos requerimientos para el siglo que se acercaba. Luego de descartarse la idea de un ejército provisto solamente de helicópteros antitanque y vehículos ligeros, se evaluaron tres opciones:

Modernizar un tanque ya existente
Desarrollar en Suecia un nuevo modelo
Adquirir en el mercado internacional un modelo ya desarrollado
En mayo de 1988, se decidió seguir la tercera propuesta, estableciéndose que las pruebas serían llevadas a cabo en el país.

Luego se seleccionaron a los candidatos preliminares: el M1A2 estadounidense y el Leopard 2 alemán. Se llevaron a cabo numerosas pruebas, para establecer los requerimientos finales, de manera de no pedir imposibles a los modelos. Se evaluaron potencia de fuego, movilidad, protección y disponibilidad (en inglés, availability, es la capacidad de permanecer libre de averías y listo para el combate, incluso después de sufrir castigo como largas marchas). Se hicieron estas pruebas en todo tipo de climas y terrenos, y se ajustaron algunos parámetros.

Se desechó en ese punto, de manera definitiva, la elaboración de un tanque nacional, poniéndose como fecha tope 1995 para incorporar los nuevos tanques.

Se eligieron entonces los candidatos definitivos, siendo estos el M1A2, el Leopard 2, el Leclerc francés y también el Challenger 2 británico. Sin embargo, este último modelo fue retirado de la competencia por la empresa Vickers, quedando solamente los tres primeros. También hay que tener en cuenta que la empresa francesa GIAT había incluido al Leclerc a pesar de que este modelo todavía era un prototipo, tal vez para ganar experiencia en su uso y para probar más efectivamente sus fallas, y no pensando seriamente en ganar el concurso. Así, el M1A2 y el Leopard 2 quedaron casi solos en la competencia.

En definitiva, los resultados obtenidos fueron los siguientes:

Pruebas de caracter operativo
M1A2 Leopard 2 Leclerc
Consumo total de combustible 56.488 litros 26.874 litros 41.400 litros
Distancia recorrida 3.820 km 3.730 km 3.000 km
Consumo por km 14,8 litros/km 7,2 litros/km 13,8 litros/km
Disparos efectuados 289 281 235
Disponibilidad alcanzada 87% 90% 75%



Pruebas realizadas
Concepto Número de pruebas
Movilidad 38
Observación y tiro 40
Supervivencia 18
Mando y control 6
Disponibilidad y mantenimiento 15
Ergonomía 4
Instrucción 6
Otros 24



Puntuación final
Leclerc Leopard 2 M1A2
Movilidad 2º 1º 3º
Potencia de fuego 3º 1º 2º
Protección/supervivencia 3º 1º 2º
Mando y control 3º 2º 1º
Mantenimiento 3º 2º 1º
Posición final 3º 1º 2º


Algunas observaciones finales:
La movilidad en cuanto a la aceleración es prácticamente igual en los tres modelos, salvo en la del Leclerc, ya que este vehículo tiene un motor de la misma potencia que los otros dos, pero pesa 7 toneladas menos.
El Leopard 2 fue el mejor en los disparos de entrenamiento y tuvo el menor tiempo de reacción para el disparo, aunque el Abrams fue mejor en los disparos con proyectiles reales.
El Leopard 2 tiene mejor protección que el M1A2.
En lo referente a Mando y Control, ninguno de los tres vehículos satisfizo los requerimientos suecos, de manera que hubo que pensar en mejorar las instalaciones de radio y otras relacionadas.
El Leopard 2 tuvo mejores resultados en disponibilidad, además menores tiempos en tareas de mantenimiento.
Como se esperaba, el Leclerc tuvo numerosos "enfermedades infantiles", es decir, problemas menores de diseño, detalles que pueden ser solucionados más o menos fácilmente pero que solamente se ven en acción.
Finalmente, el gobierno sueco decidió adquirir el Leopard 2 alemán, firmándose acuerdos para la compra al gobierno alemán de 160 a 200 ejemplares usados de las existencias de Ejército Alemán (llamándolos Strv 121), además de firmar con la empresa Krauss Maffei por la fabricación de 120 ejemplares nuevos (denominándolos Strv 122). Las entregas comenzaron en enero de 1995, terminando a finales de 2001.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Setembro 07, 2005, 09:19:19 pm
Citação de: "Cody"
Citar
Lembro-me de num exercicio militar apenas um submarino portugues dos anos 60 'afundou' um porta-aviões americano com todas as modernices e toda a sua frota de escolta... porque pensa quee nao conseguirão os novos U-209PN fazer o mesmo contra a PODEROSISSIMA Armada Espanhola?

Querido amigo,los ejerciceos son una cosa y la realidad es otra.

Pero macho,si tu piensas q con 3 submarinos teneis alguna posibilidad contra nuestra armada alucinas un poco.

Y la armada española no solo es el PdA:

6 F100
6F80
4F70
4 Submarinos

Son muchos barcos para hundir por solo 3 submarinos,no?
Te recomiendo que seas mas realista  y no te hagas mas pajas mentales.


Que tenhais mais equipamento tudo bem, mas apesar disso, pode ajudar, mas não pode determinar um conflito ... Basta ver no Iraque e nos restantes países ocupados ...
Título:
Enviado por: Tiger22 em Setembro 07, 2005, 09:56:13 pm
Citação de: "smaerd"
(mira que comprar unos submarinos que ni Chile quiso;) ) Probablemente no sirvan de mucho no siendo que les cale el sonar de algun SEA HAWK y les envie un torpedo de regalo a sus
futuros U209. Son bueno submarinos pero para nada decisivos, ademas solo tendran dos..


 :shock:  :shock:

Os submarinos U-209PN serão os submarinos mais avançados do mundo aquando da sua entrega a Portugal. Não terão nada a ver com os Scorpene, estando o sistema AIP dos U-209PN a anos-luz do dos Scorpene. A opção para o 3º submarino será accionada, segundo informações que me forneceram, 2 anos antes do lançamento ao mar do 2º submarino.
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 07, 2005, 10:28:27 pm
Citação de: "Cody"
Citar
Lembro-me de num exercicio militar apenas um submarino portugues dos anos 60 'afundou' um porta-aviões americano com todas as modernices e toda a sua frota de escolta... porque pensa quee nao conseguirão os novos U-209PN fazer o mesmo contra a PODEROSISSIMA Armada Espanhola?

Querido amigo,los ejerciceos son una cosa y la realidad es otra.

Pero macho,si tu piensas q con 3 submarinos teneis alguna posibilidad contra nuestra armada alucinas un poco.

Y la armada española no solo es el PdA:

6 F100
6F80
4F70
4 Submarinos

Son muchos barcos para hundir por solo 3 submarinos,no?
Te recomiendo que seas mas realista  y no te hagas mas pajas mentales.


6+6+4+4= 20

portanto so precisamos de 20 torpedos para dizimar a frota oceanica espanhola. alguém sabe quantos comprámos???
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 08, 2005, 12:24:13 am
Penso que são 12 DM4 por cada submarino, ainda sobram 4. :wink:
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 08, 2005, 12:35:47 am
Citar
portanto so precisamos de 20 torpedos para dizimar a frota oceanica espanhola. alguém sabe quantos comprámos???


Esto es ya triste,no se si hay alguien por aqui con un poco de coherencia  :lol:
Título:
Enviado por: smaerd em Setembro 08, 2005, 09:47:54 am
Citação de: "Cody"
Citar
portanto so precisamos de 20 torpedos para dizimar a frota oceanica espanhola. alguém sabe quantos comprámos???

Esto es ya triste,no se si hay alguien por aqui con un poco de coherencia  :lol:


es increible, pues nada oigan. Ya saben si alguna vez les viene la flota americana al completo compren algun torpedo mas y no se preocupen que tambien la envian al fondo del mar. :roll:

Eso de sonoboyas, LAMPSIII , sonares de arrastre, SeaHakw no va con los submarinos portugueses, ellos solo a lanzar torpedos jaja.

¿por cierto que elementos de deteccion de subamrinos tienen ustedes?
Porque a lo mejor se les cuela un Agosta o un S80 y les mina los puertos...
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 08, 2005, 10:31:33 pm
Espanha tem :lol:  1 Submarino chega :P
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 08, 2005, 11:39:16 pm
jajaja q caxondo  :lol:
Título:
Enviado por: komet em Setembro 08, 2005, 11:41:48 pm
Nah, metemos os fuzileiros equipados com cargas explosivas num submarino, desembarcamo-los ao cobro da escuridao num porto inimigo e nem temos que gastar torpedos...
Título:
Enviado por: NVF em Setembro 09, 2005, 02:29:35 am
Citação de: "Miguel"
Espanha tem :lol:  1 Submarino chega :twisted:
Título:
Enviado por: Manu em Setembro 09, 2005, 09:43:58 am
Na, unos cuantos torpedos más y os cargais a la US Navy...

Estáis todos chalados  :lol:

Saludos
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 11:54:51 am
Citação de: "Manu"
Na, unos cuantos torpedos más y os cargais a la US Navy...

Estáis todos chalados  :lol:
Título:
Enviado por: alfsapt em Setembro 09, 2005, 02:22:36 pm
Torpedos? Foi preciso muito menos para Espanha abandonar o Iraque.
Título:
Enviado por: Dinivan em Setembro 09, 2005, 03:21:36 pm
Te aseguro que habría preferido que se hubieran hundido todos los barcos de la armada española antes que la muerte de 200 inocentes en Madrid. Si algún día hay un grave atentado en Lisboa yo también haré un chistecito, a ver lo que nos reímos todos.
Título:
Enviado por: NVF em Setembro 09, 2005, 04:02:42 pm
Citação de: "alfsapt"
Torpedos? Foi preciso muito menos para Espanha abandonar o Iraque.


De facto, mesmo que nao tenha sido intencional, esta frase nao foi muito feliz.
Título:
Enviado por: alfsapt em Setembro 09, 2005, 04:06:17 pm
Não percebo patavina de espanhol mas asseguro, para dissipar alguma dúvida que possa existir, que escrevi o que escrevi sem qualquer sorriso ou propósito do género.

Referi uma Verdade Factual que serve para lembrar que os conflitos de hoje nada devem à guerra convencional e em consequência colocam a importância da dimensão de forças convencionais numa perspectiva relativamente secundária.

Qualquer análise tem que ser imparcial e desprovida de emoções quando pretende-se credibilidade e seriedade.
Título:
Enviado por: smaerd em Setembro 09, 2005, 06:32:38 pm
Citação de: "alfsapt"
Torpedos? Foi preciso muito menos para Espanha abandonar o Iraque.


¿Pero que dice esta payaso?

deberian de expulsarte del foro
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 09, 2005, 06:47:06 pm
smaerd o unico palhaço aqui es tu.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 09, 2005, 06:57:18 pm
People... toca a acalmar os ânimos sim?
Isto é um fórum de gente crescida e responsável.
Somos todos civilizados sim? Então comportemo-nos como tal!  :Amigos:

Senão vêem aí os moderadores e...  :G-Kill:

Cumprimentos

NBR Out!

PS: smaerd ofensas dessas pelo menos mantenha-as por PM... não precisamos de saber sempre que tem diarreia mental e decide atacar alguém pois não?
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 09, 2005, 06:57:25 pm
Citação de: "Typhonman"
smaerd o unico palhaço aqui es tu.


 :Palmas:  :toto:  :toto:  :Amigos:  :Bajular:  :Obrigado:  :banana:  :banana:  :headb:  :G-Ok:  :G-Ok:
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 07:00:28 pm
O que é certo e absoluto, é que a Espanha pode ter toda a panoplia completa de armamentos mas nunca podia anexar Portugal....

Em 1989 um jornalista frances esteve em Lamego no CIOE e fez uma grande reportagem sobre o nosso Exército e concluiu:

Qual pode ser a Dissuasão duma Nação que não tem Armas Nucleares???
resposta:
 :wink:

Lembrar que os RPG7 e AK47 estavam em serviço em Africa contra os Portugueses e AINDA os SAM7
imaginem se no Iraque houvesse disso? coitados dos GI :roll:

Por isso a todos digo, podem dormir tranquilos porque pode a Espanha ter 500 EF2000 e 1000 LEOPARDS isso é apenas IRVILHAS...

cumptos
Título:
Enviado por: Manu em Setembro 09, 2005, 07:44:43 pm
Citação de: "Typhonman"
smaerd o unico palhaço aqui es tu.



Mira, como he sido avisado por mensaje privado, me abstendre de decir lo que pienso de ti y sobre algun familiar tuyo, pero como vuelvas a insultar a un compatriota mio, espero que no se te ocurra pisar suelo español en tu vida, y por supuesto, ni asomarte por Olivenza, porque como entres a mi país te buscaré, te cojeré, y te disfrazaré de payaso, para que se rian todos de ti, te pondremos de bufon de feria, y luego te meteremos una patada en el culo y te enviaremos otra vez a Portugal.

Estas avisado, con nosotros no se juega.

Y si tuviera voz y voto en el ejército decidiria machacar Portugal enviando todo lo que tenemos, hasta enviaria gente en triciclo si hiciera falta, aunque solo sea para borrarte del mapa.

Ojala, dios no quiera, que en Portugal hubiera un atentado, donde murieran también 200 personas, para que podamos brindar nuestros compatriotas y reirnos en tu puta cara.

Ya estoy hasta los cojones de ti, y de otros muchos de este foro.
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 07:49:27 pm
Estes espanhois estão a passar dos limites...

Nunca nenhum portugués podia dizer o que eles dizem aqui no forum deles, eu sei porque eu fui EXPULSO por ter falado sobre Olivença etc...
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 07:50:47 pm
Citação de: "Miguel"
estes espanhois estão a passar dos limites...

Nunca nenhum portugués podia dizer o que eles dizem aqui no forum deles, eu sei porque eu fui EXPULSO por ter falado sobre Olivença etc...


Queria também dizer coitado do Papatango que também "leva" quando ele defende Portugal no forum espanhol.

Isto está mesmo a passar dos limites.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 09, 2005, 07:56:38 pm
Manu...

Eu não percebi grande coisa do teu post... mas pelo que percebi insultaste um Português!!!!  :evil:)

Em vez de esperares que ele vá aí ter... anda tu cá ter e passa por Braga.
Tenho aqui uma G3A3 que precisa de ser usada senão enferruja.
E garanto-te que nunca mais fala de papo alto... deves pensar que mandas na capoeira??

Que é esta m****?
Primeiro: Ele apenas se defendeu de insulto anterior... aprende a ler f***-se!
Segundo: Eu avisei que se isto continuasse assim ia acabar assim!! Porque é que ninguém me deu ouvidos? Agora deu m****!!!
Terceiro: Este tópico neste momento tem de levar uma "mãozinha" de um moderador!!  

E já agora, que Espanha venha... mas daqui a 3 anos... que eu de Lamego dou-lhes uma boa recepção!!!
Vocês passaram das marcas pá!!!

NBR Out!
Título:
Enviado por: komet em Setembro 09, 2005, 08:03:24 pm
Este forum já deu o que tinha a dar
Título:
Enviado por: 3520 em Setembro 09, 2005, 08:05:45 pm
Acho que isto esta a passar todos os limites!  

MANU, tu devias te moderar uma vez que ele so se defendeu do insulto anterior!

1ª NOS PORTUGUESES NUNCA TIVEMOS MEDO DE VOCES ESPANHOIS.

2ª DEVIAS TER VERGONHA DAS COISAS QUE TU DISSESTE.

3ª VOCES ESPANHOIS SÃO GRANDES, MAS NÃO SÃO GRANDE COISA.
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 08:10:34 pm
Citação de: "komet"
Este forum já deu o que tinha a dar


Porque dizes isto? este fórum é o melhor que temos.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 09, 2005, 08:15:26 pm
Citação de: "Miguel"
Citação de: "komet"
Este forum já deu o que tinha a dar

porque dizes isto? este forum é o melhor que temos


Verdade Miguel... este fórum é muito bom ;)

NBR Out!
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 09, 2005, 08:39:06 pm
Esto se ha calentado bastante.

Yo no insultare a nadie.Pero el comentario que hizo vuestro compatriota sobre la retirada de las tropas españolas en Irak,fue un poco de mal gusto.Y nada tiene eso que ver con la valentía de nuestros hombres ni con la capacidad de nuestras FAS.
Eso fue solo una decision politica como cumplimiento de la promesa que se hizo si el PSOE ganaba las elecciones.

Y respecto a si España por mucho EF2000 que tenga,leopard,fragatas etc jamas se anexionara a Portugal,estoy de acuerdo.

Pero no porq no pueda,si no porq no somos enemigos.Porq por poder ya podemos en estos momentos,porq os superamos infinitamente en todos los aspectos.Solo os podeis abocar a la guerra de guerrillas.Pero a diferencia de los americanos en Vietnan es que,nosotros estamos en el mismo suelo,no tenemos que trasladar nuestras tropas a miles de km.Por eso nos seria mas facil.

Se que direis lo contrario  :) ,y me pondreis ejemplos del año de matusalen.Pero os engañais a vosotros mismo.Hoy por hoy Portugal no tiene capacidad militar para detener una invasion española.Los numeros cantan,que no me lo invento yo.

Aun asi.....si por lo que fuera España no tiene esa capacidad de anexión,como minimo en una guerra total,Portugal quedaria literalmente destruida.
Título:
Enviado por: NBSVieiraPT em Setembro 09, 2005, 08:46:09 pm
De que é que adianta os xxx tanques, os xxx aviões??

O Cody tem que considerar 2 factores:

1- Seria extremamente dificil e expendioso para Espanha mobilizar TODO o exército para o nosso território.
Principalmente pelo Norte...pelo Sul ainda teriam hipóteses pois é mais plano.

2- Cody não substime as nossas FAP!!! Nós combatemos a mais de 3000km de casa, contra um inimigo muito maior que nós, numa área de quase Espanha e França juntas!!
E mesmo assim nós ganhámos militarmente a guerra. Mas devido a certos factores tivemos de retirar...

Fora isso... Espanha tem hipóteses claríssimas de nos atacar e provocar um golpe profundo... mas dificilmente nos venceriam.
Além do mais ainda temos Inglaterra que tem de honrar a nossa velha aliança ;)

NBR Out!
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 09, 2005, 08:47:23 pm
:lol:  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: typhonman em Setembro 09, 2005, 08:50:45 pm
Manu, tu dizes que convosco não se brinca,"no se juega" mas das ultimas vezes que nos invadiram levaram porrada de meia noite e fugiram a sete pés. Para pessoas tão fortes como os espanhois.. Está isso mal.

Já agora podias ser mais bem educado, penso que os demais utilizadores do fórum merecem respeito.

Caro amigo quando quizer venha ate Verin, provincia de Orense, podemos falar, nessa terra galega não aguentam os espanhois, estes são apelidados de "estranxeiros".

Eu ensino-lhe uma arte chamada Kravmaga.
Título:
Enviado por: Lince em Setembro 09, 2005, 09:24:21 pm
:!:
Título:
Enviado por: Doctor Z em Setembro 24, 2005, 11:52:34 am
Estou contente que este tópico esteja novamente disponivél.

Vamos ver se a gente nos podemos entender uns com os outros (portugueses e espanhoís) ...
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 24, 2005, 01:45:44 pm
uuuuuuuuuuuu morte aos bastardos!!!!! abixo os espanhois!!! venha  a padeira!!! :twisted:  :wink:  tou a brincar mas sim e bom que finalmente o topico esteja de novo disponivel assim ja podemos discutir se invadimos espanha pelo norte ou pelo sul. :D
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 24, 2005, 02:24:47 pm
Cá por mim, devemos colaborar com os americanos para o desenvolvimento da bomba Gai.  :shock:

Depois disso, as espanholas vão pedir assistência urgente e pedir a intervenção de tropas portuguesas.
Título:
Enviado por: Coby em Setembro 24, 2005, 09:20:40 pm
¿Alguien me explica por que querria España invadir Portugal?
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 24, 2005, 09:30:48 pm
Coby: Estamos a discutir situações académicas.

Na verdade,
porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1801 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1912 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1939 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1975 ?

A possibilidade de invasão espanhola, é a mais comum das análises académicas que podemos fazer.

A maioria dos espanhóis nunca teve nenhum interesse nas invasões. Mas neste tipo de coisas, muitas vezes não é o povo quem decide.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Coby em Setembro 24, 2005, 10:46:46 pm
Citação de: "papatango"
Coby: Estamos a discutir situações académicas.

Na verdade,
porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1801 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1912 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1939 ?
Porque pensava a Espanha invadir Portugal em 1975 ?

A possibilidade de invasão espanhola, é a mais comum das análises académicas que podemos fazer.

A maioria dos espanhóis nunca teve nenhum interesse nas invasões. Mas neste tipo de coisas, muitas vezes não é o povo quem decide.

Cumprimentos

En 1801 por presiones francesas.
En 1975 america nos presionó para invadiros y no quisimos hacerlo.

 :?:
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 24, 2005, 11:46:55 pm
Coby:

Um país, é um país.
É-o nos "Miercoles" nos "Viernes"*** e nos Domingos"

A Espanha, não pode dizer que atacou porque "foi pressionada" como se isso lhe retirasse alguma responsabilidade.
Um país, é um conjunto de pessoas, e todas são responsáveis pelo que o país faz.

Aos portugueses pouco importa se os espanhois foram forçados, pressionados ou se invadiram porque lhes deu na gana. O que os portugueses sabem, é que esses planos existiram.

Relativamente a 1912/1913, houve conversações entre Afonso XIII e a Grã Bretanha, quando começou em Portugal o periodo repúblicano. Portugal era com a França a única república na Europa Ocidental e os britânicos não viam a República Portuguesa (de inspiração francesa) com bons olhos.
Vendo que os ingleses não estavam contentes com os portugueses, Afonso XIII aproveitou a possibilidade e discutiu com os ingleses a questão.
Depois começou a guerra, e é por causa disso (e das colónias) que Portugal participa na guerra. Os ingleses não iam ter como explicar à opinião pública que depois de terem morrido milhares de portugueses nas trincheiras da Flandres, a Inglaterra nos "entregase" aos espanhóis.

Em 1939, com o fim da guerra civil, houve planos para invadir Portugal. Nas ruas de Madrid chegou a ouvir-se a frase "Y Ahora a Portugal" principalmente pelos elementos mais exaltados da Falange, com Serrano Suñer à cabeça. Ao que consta, a  falange queria invadir Portugal com o apoio das tropas italianas que combateram em Espanha na guerra civil.
Sim, as tropas italianas, não é anedota  :shock:
Título:
Enviado por: Aponez em Setembro 26, 2005, 10:15:16 pm
Citação de: "NVF"
Porventura ja' ouviram falar de Aljubarrota? Eram 'so' 30.000 castelhanos (e umas centenas de franceses, com a melhor cavalaria da altura) contra 6.000 portugueses (e umas centenas de ingleses, com os melhores archeiros da altura) e qual foi o resultado? Derrota completa de Castela.

Isso dos numeros tem muito que se diga. Vao dizer isso aos arabes, das inumeras vezes que enfretaram Israel, ou aos sovieticos no Afeganistao, ou aos americanos no Vietname. Como esta' 'a vista no Iraque, nao basta ter mais soldados e tecnologia; ha' muitas formas de guerra.

Mas, como ja' disse muitas vezes, nao faz sentido falar de uma invasao espanhola no actual contexto internacional. No entanto, nunca se sabe o futuro e ha' que estar preparado para tudo — como a Espanha alias faz e muito bem.


Nunca falla, siempre "recordando Aljubarrota", y que pasó en Terceiras (1582) o en Alcantara (1580) o en Olivenza (1801), sobre todo en esta última, que se rindió ante los españoles sin lucha, en cambio nuestro ejército resistiría en esa misma ciudad en 1808 ante los ejércitos de Napoleón durante 20 días :roll:
Título:
Enviado por: Aponez em Setembro 26, 2005, 10:18:31 pm
Citação de: "papatango"
Em 1939, com o fim da guerra civil, houve planos para invadir Portugal. Nas ruas de Madrid chegou a ouvir-se a frase "Y Ahora a Portugal" principalmente pelos elementos mais exaltados da Falange, com Serrano Suñer à cabeça. Ao que consta, a  falange queria invadir Portugal com o apoio das tropas italianas que combateram em Espanha na guerra civil.
Sim, as tropas italianas, não é anedota  :shock:


Si quisiesemos invadir Portugal el momento propicio habría sido 1940 pero no se hizo, ¿por que? por que no se quiso, no había nada que ganar del mismo modo que no lo hay ahora. Para acabar con Portugal todo lo que tendríamos que hacer es cortar el Tajo, Duero y Guadalquivir (que nacen en España).
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 26, 2005, 10:34:20 pm
Se, se, se, se....

O que interessa é que Portugal, contra as lógicas mais simplistas, é a única nação da espanha/hispânia/iberia independente. Podem vir os catalães com o seu poder económico, os bascos dizerem que nem sequer são latinos, mas o que interessa é que Portugal é a única nação da peninsula que não vive, ainda, sobre esse jogo hegemônico comandado a partir de Madrid.

Em relação à "guerra Portugal-Espanha" e à superioridade tecnológica e númerica das forças armadas espanholas, não se esqueçam que a guerra, tal como os jogos de futebol, não se ganham antes de começar a jogar...

Napoleão e Hitler a certa altura tiveram os melhores exércitos da sua época e no fim não ganharam a guerra...Na guerra 2+2 não quer dizer que sejam sempre 4.

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: NVF em Setembro 27, 2005, 01:49:09 am
Citação de: "Aponez"
Citação de: "NVF"
Porventura ja' ouviram falar de Aljubarrota? Eram 'so' 30.000 castelhanos (e umas centenas de franceses, com a melhor cavalaria da altura) contra 6.000 portugueses (e umas centenas de ingleses, com os melhores archeiros da altura) e qual foi o resultado? Derrota completa de Castela.

Isso dos numeros tem muito que se diga. Vao dizer isso aos arabes, das inumeras vezes que enfretaram Israel, ou aos sovieticos no Afeganistao, ou aos americanos no Vietname. Como esta' 'a vista no Iraque, nao basta ter mais soldados e tecnologia; ha' muitas formas de guerra.

Mas, como ja' disse muitas vezes, nao faz sentido falar de uma invasao espanhola no actual contexto internacional. No entanto, nunca se sabe o futuro e ha' que estar preparado para tudo — como a Espanha alias faz e muito bem.

Nunca falla, siempre "recordando Aljubarrota", y que pasó en Terceiras (1582) o en Alcantara (1580) o en Olivenza (1801), sobre todo en esta última, que se rindió ante los españoles sin lucha, en cambio nuestro ejército resistiría en esa misma ciudad en 1808 ante los ejércitos de Napoleón durante 20 días :roll:


Tem razao, nunca falha: quando a discussao esta' adormecida, aparece mais um cidadao espanhol fazendo uma citacao descontextualizada e dando mais uns bitaites que nao trazem nada de novo 'a discussao.

De qualquer modo, seja bem-vindo/bienvenido.
Título:
Enviado por: NotePad em Setembro 27, 2005, 02:33:11 pm
Os espanhois querem invadir-nos? Força nisso hermanos! até ando a precisar de praticar tiro ao alvo, mas sai caro todos os meses muniçoes, licença, cartao de socio, alvos etc. assim tenho muniçoes a borla alvos reais e que mexem! e tudo sem pagar!  :twisted:
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 27, 2005, 03:08:09 pm
O engraçado, são também os argumentos apresentados como contraposição a Aljubarrota.

Assim.

Caro APO:

COMBATES NAVAIS DOS AÇORES
======================
Em 1581 e 1582, o Rei de Portugal, Dom Filipe I, pela Graça de Deus Rei de Portugal e dos Algarves d'aquém e d'além mar, em Africa senhor de Guine e da conquista navegação comercio da Ethiopia, Arábia e India, etc... Mandou que as partes do Reino de Portugal, que eram legitimamente de sua posse e do seu Reino, fossem retomadas, para a Coroa de Portugal.

Havendo em Portugal um Rei legítimo (agrade ou não agrade a algum patrioterismo) é absolutamente natural que o rei mandasse recuperar os Açores, onde alguns patriotas ainda defendiam a ideia de uma dinastia portuguesa, mas onde havia o risco de os Açores se transformarem numa possessão francesa.

Até o navio almirante da esquadra, capitaneada por Alvar Bazan, O "São Martinho de Portugal" era um navio português, com tripulação constituida por portugueses.

É aliás este o navio, que comanda a esquadra portuguesa que participa na acção de 1588 contra os ingleses e que ficou conhecida como a "Armada Invencível".

Como é evidente, na historiografia espanhola/castelhana, a proveniencia do maior navio da esquadra é normalmente deturpada. Chamam ao navio "San Martín". Ou seja: Uma vergonha para a Espanha e para o seu sistema educativo, que resulta na triste quantidade de patetices que escutamos os espanhóis dizer, e que são normalmente rebativeis com algumas linhas.

Fariam melhor os espanhóis em ler um pouco de história sem preconceitos, e evitavam fazer figuras tristes.

BATALHA DE ALCANTARA
================
Apo,

Em 1578, Portugal sofreu a maior derrota militar da sua história (Alcacer Quibir). É evidente que ocorreu uma derrota de forças portuguesas, mas a verdade é esta:

Quando as tropas do Duque de Alba entraram em Portugal, Filipe, já tinha sido reconhecido como "Rei de Portugal e Algarves D'aquém e Além mar etc..."

Além disso, desculpe-me, mas a maioria das tropas do Duque D'alba nem sequer eram castelhanas. Mesmo no periodo mais fraco da História de Portugal, e mesmo em nome do legítimo rei, os castelhanos tiveram que mandar tropas de toda a Europa para Portugal
porque será  :twisted:

GUERRA DAS LARANJAS
================
APO:

Na guerra das Laranjas, o principal problema português não eram as tropas espanholas.

Uma parte considerável das tropas de Portugal estavam na região da beira, e outra no Minho.
O que Portugal tinha medo era dos franceses que eram considerados o inimigo perigoso. As tropas espanholas foram de facto subestimadas, e isso teve consequências.

Mas há algo que é inegável: Sem os franceses nas nossas fronteiras ou próximo delas, teria ocorrido o que sempre ocorreu. As forças portuguesas acabariam ganhando.

= = = = =

Para finalizar APO.

A Espanha, poderia sempre atacar Portugal, em qualquer altura.
A Espanha/Estado Espanhol-Castelhano sempre teve mais tropas (ou capacidade para contratar tropas estrangeiras) que Portugal.

A Espanha pode sempre atacar Portugal, quando quiser, e quando escolher fazê-lo. Franco também o poderia ter feito. Mas nas relações conflituosas entre Portugal e Espanha, têm sido sempre os portugueses a ter a última palavra.

O problema, é que a Espanha sabe que pode começar qualquer guerra com Portugal (por mais académica que seja), mas não sabe se será capaz de a acabar.
Título:
Enviado por: Aponez em Setembro 27, 2005, 06:55:42 pm
Papatango, no estamos hablando de castellanos, catalanes o gallegos, estamos hablando de españoles, las tropas que tenía el duque de Alba eran mercenarias algunas y españolas otras (no es culpa mía que en ese momento Flandes, media Italia y parte de Francia fuesen españolas :wink: )

Sabemos que podemos empezar una guerra, cierto y sabemos que podemos acabarla, lo que no sabemos y pasamos de comprobar es si vale la pena.
Título:
Enviado por: Aponez em Setembro 27, 2005, 07:00:01 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Se, se, se, se....

O que interessa é que Portugal, contra as lógicas mais simplistas, é a única nação da espanha/hispânia/iberia independente. Podem vir os catalães com o seu poder económico, os bascos dizerem que nem sequer são latinos, mas o que interessa é que Portugal é a única nação da peninsula que não vive, ainda, sobre esse jogo hegemônico comandado a partir de Madrid.

Em relação à "guerra Portugal-Espanha" e à superioridade tecnológica e númerica das forças armadas espanholas, não se esqueçam que a guerra, tal como os jogos de futebol, não se ganham antes de começar a jogar...

Napoleão e Hitler a certa altura tiveram os melhores exércitos da sua época e no fim não ganharam a guerra...Na guerra 2+2 não quer dizer que sejam sempre 4.

Cumprimentos
B. Pereira Marques


Pereira no fuimos nosotros los que empezamos poniendo a la altura del betún a los ejércitos del vecino, tenemos ciertamente superioridad numerica y tecnológica y en un 1 contra 1 tenemos muchas posibilidades de ganar, el problema no es ocupar el territorio sino mantenerlo, y ahí depende de muchas cosas ya no solo de los ejércitos.
Título:
Enviado por: NVF em Setembro 27, 2005, 07:09:12 pm
Citação de: "Aponez"
Sabemos que podemos empezar una guerra, cierto y sabemos que podemos acabarla, lo que no sabemos y pasamos de comprobar es si vale la pena.


Ha' um senhor que mora a cerca de 700 km de mim, no numero 1600 da Pennsylvania Ave, Washington DC, que tem o mesmo tipo de raciocionio.
Título:
Enviado por: Aponez em Setembro 27, 2005, 07:10:10 pm
Los euros son un modo tan bueno como cualquier otro para controlar las cosas :twisted:
Título:
Enviado por: Miguel em Setembro 27, 2005, 08:14:00 pm
Citação de: "Aponez"
Los euros son un modo tan bueno como cualquier otro para controlar las cosas :lol:  mas chegava um dia que o povo queria ainda mais....
e depois era uma nova insurrecção :lol:

mesmo que EuroDollares é impossivél controlar um povo determinado, poderas sempre ter colaboradores e nada mais..
Título:
Enviado por: garrulo em Setembro 27, 2005, 09:19:34 pm
Estamos hablando de armas ,estrategia,guerrilla, y no .os dais cuenta que el enemigo ya esta dentro. EL Corte Ingles os sojuzgara. Saludos a todos losforista ,conozco a papatango y rui
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 27, 2005, 10:09:08 pm
Citação de: "Apo"
Papatango, no estamos hablando de castellanos, catalanes o gallegos, estamos hablando de españoles, las tropas que tenía el duque de Alba eran mercenarias algunas y españolas otras (no es culpa mía que en ese momento Flandes, media Italia y parte de Francia fuesen españolas )

Veja alguns dos tópicos deste fórum e entenderá a questão "Espanhola"

O "conflito" ocorrido em 1580 / 1582 foi com o Reino de Portugal.

Portugal só fazia parte da Espanha, porque Espanha significava uma peninsula do sudoeste europeu, da mesma forma que a Noruega faz parte da peninsula escandinava.

Os portugueses não suportavam os castelhanos, mas consideravam-se "mais" espanhois que eles.

H´aum problema com o entendimento do significado da palavra Espanha antes da criação do Estado Espanhol, porque a maioria dos espanhóis não entende o que é uma "União na pessoa do Soberano"

Do ponto de vista formal, Portugal foi um reino da Coroa dos Habsburgos

A Coroa dos Habsburgos tinha muitos reinos. E Portugal, Castela, a Flandres, Napoles ou a Coroa de Aragão, eram reinos desee Rei.

Mas isto não implica que pertencessem a Espanha, no sentido de Estado, porque esse conceito pura e simplesmente não existia.

Portugal continuou sempre a existir durante o periodo de União Dinástica.
Se você der uma olhada pela História da India, para dar um exemplo, a Espanha pura e simplesmente não existe, porque o Filipe I, foi apenas o rei português que sucedeu a Sebastião.

Aliás, se alguém mandava nessa "Espanha" era a familia dos Habsburgos, que instalou a capital em Madrid, com o objectivo de controlar de mais perto as riquezas que vinham da América.

Deste ponto de vista, só quem pode dizer que Portugal lhe pertencia, é a família real Austriaca.

= = =

Apo, o principal problema dos espanhóis sempre foi o "pecado de la soberbia" e infelizmente continuamos na mesma.

Você tem todo o direito de achar coisas como "claro que os tomavamos e acabavamos a guerra se quisessemos". Mas é uma opinião, mais levada por um cero desprezo pela história e tentativa de polemizar que outra coisa qualquer.
Os espanhois também achavam que iam ganhar a guerra de Cuba. Os jornais de Madrid, afirmavam que a Espanha provavelmente teria mesmo que invadir os Estados Unidos. O resultado foi o que se viu. Úma humilhação.

Faria melhor em olhar para os exemplos da história, para evitar dizer coisas pouco lógicas e acima de tudo, para evitar que todos nós o olhemos de uma forma um pouco humoristica.

É que Apo, nos sempre gostámos de espanhóis absolutamente confiantes, e seguros que nos vão ganhar alguma coisa.
Nós temos mais medo dos espanhóis que aceitam que os portugueses são um osso duro de roer. Porque esses demonstram que nos conhecem. É desses que precisamos ter medo.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 27, 2005, 10:30:21 pm
Que les gusta a estos portugueses desmembrar a España en pedazos,es que les encanta  :twisted: .

Por mar quedarian bloqueados,el aire lo perderian por goleada,y en tierra se tendrian que limitar a esconderse en la guerra de guerrillas,puesto que no tendrian material para parar a nuestros leopard,centauros,pizarros ect,y no he mencionado los misiles de crucero y los helicopteros tigre que tendremos en brebe,S80 con los tomi,nuevo BPE como porta auxiliar,tifon ect  :twisted: .

Discutir esto es como discutir Francia vs Belgica,no tiene ni pies ni cabeza.
Título:
Enviado por: 3520 em Setembro 27, 2005, 10:42:45 pm
Cody, acha mesmo que a guerra de gurrilha não vence tudo? olhe o maior exemplo esta no iraque, e no entanto a america tem as melhores forças armads do mundo,....
To a dar o exemplo do irque para não dar outros exemplos mais flagrantes,..  :roll:  

E depois das forças armadas se extinguirem, era uma questão de semanas ou meses ate as forças espanholas desocuparem portugal, por causa da guerrilha, so se os espanhois arranja-sem uns "Gurkhas", ai é que eram capazes de terem alguma hipotese.  :roll:

Comprimentos
Título:
Enviado por: papatango em Setembro 27, 2005, 11:57:17 pm
Citação de: "Cody"
Que les gusta a estos portugueses desmembrar a España en pedazos,es que les enca

Ninguém desmembra ninguém. Apenas nos limitamos a ter respeito pela história, em vez de criar mitos e mentiras apenas para justificar mais mitos e mais mentiras.

Todas as referências aqui colocadas, são documentadas nos livros de História que aprofundam a questão.

Tente encontrar um livro castelhano em que o nome do galeão "S. Martinho" esteja referido com o seu verdadeiro nome, e não com o nome castelhano "San Martin" ?

Você já viu a facilidade que os participantes espanhois têm de acusar os portugueses disto e daquilo, dividir a espanha, criar divisões, etc. sem não apresentar contra-argumentos válidos???

===

Citar
España supera militarmente a Portugal en todos los aspectos,en que se basan para discutir esto,el la guerra de guerrillas?me parece poco serio.Y que no me vengan como siempre contando lo que ocurrio hace siglos


E como sabemos a gloriosa castela consegue mesmo invadir e tomar os Estados Unidos  :roll:  :twisted:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cody em Setembro 28, 2005, 12:19:19 am
Citar
Aliás, as discussões são académicas e os cenários só fazem sentido em situação de conflito em Espanha, resultante por exemplo, da declaração de independência por algum, ou vários países espanhois, e de um Golpe de Estado em Madrid, por parte dos ultras (oficiais castelhanos), em nome da unidade de Espanha.


Bueno si nos ponemos asi,España pierde la guerra hasta con Andorra  :lol:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Setembro 28, 2005, 12:33:44 am
Exacto Papatango, o que nos interessa é que somos portugueses, independentes, e o resto é conversa...quanto à realidade militar, apesar de a história nunca se repetir, ela acabou sempre por nos dar razão...

Na perspectiva de uma Espanha hegemónica, liderada neste caso por Castela, a existência de um país independente na Peninsula, Portugal, é encarado como uma "aberração".

Na perspectiva de Portugal, a existência de um único Estado na Península (ou a sua pretensão) pode ser considerado uma "aberração".

E essas duas visões completamente antagónicas, como é óbvio, se forem levadas até as últimas consequências resultam sempre em conflito. O que não tem ocorrido nos últimos 100 anos, mas aconteceu muitas vezes antes.

Com isto tudo, não quero dizer que Espanha e os espanhóis não mereçam o meu respeito e não tenham "direito a existir" (e eu não sou ninguém para atribuir ou não esse "direito"). A minha perspectiva e, sem querer ser pretencioso, a de muitos portugueses é de que nós somos portugueses e os "outros", os do "outro lado da fronteira", se quiserem ser "espanhóis", ou "bascos", ou "catalães", ou "galegos", ou chineses 8) , etc., ou várias destas "nacionalidades" ao mesmo tempo, o problema é deles...

Cumprimentos
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: Miguel Roque em Outubro 01, 2005, 01:00:31 am
Espanha não precisa invadir Portugal porque os governantes portugueses duma forma pouco honrosa tem deixado que nossa economia fique cada vez mais na mão dos espanhois... É bancos, é imprensa e logo,  logo a Tv... :(

Citação de: "manuel liste"
Consideren el siguiente comentario un ejercicio teórico: ninguno de nosotros verá una guerra entre mi país y Portugal.

El ejército español hoy no está capacitado para invadir Portugal (obviamente, no se prepara para eso). Para ponerse en disposición de ataque necesitaría aumentar grandemente sus efectivos humanos y materiales.

En un ataque así y utilizando siempre superioridad numérica de hombres, tanques y aviones, lo adecuado sería el empleo del territorio más apto para el uso de los tanques y medios acorazados, supuestamente el Alemtejo con una ofensiva secundaria en Beira para retener allí las fuerzas portuguesas. Por supuesto, la fuerza aérea debería barrer del cielo a su adversario.

El problema del paso del Tejo debería resolverse mediante la toma de un puente con una operación aerotransportada o helitransportada. Asimismo sería conveniente que el caudal del río fuese el menor posible.

Si ninguno de los paises tuviese aliados (cosa poco creíble) es poco probable que Portugal pudiese aguantar mucho tiempo en gran inferioridad numérica.

Pero cuando se va a conquistar un país hay que saber de antemano el propósito de la invasión. Si haciendo un gran esfuerzo mental, supusiera que España tuviese el propósito de invadir Portugal y anexionárselo, sería una barbaridad inadmisible desde el punto de vista político y humano e irrealizable desde el mero aspecto militar.

Ahora bien, si el propósito fuese el derrocamiento de un dictador o algo similar, una operación militar de entrada y salida sin voluntad de anexión, entonces sí que sería posible, en teoría.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 01, 2005, 09:37:47 pm
Citação de: "Miguel Roque"

Citação de: "manuel liste"
Consideren el siguiente comentario un ejercicio teórico: ninguno de nosotros verá una guerra entre mi país y Portugal.


Ahora bien, si el propósito fuese el derrocamiento de un dictador o algo similar, una operación militar de entrada y salida sin voluntad de anexión, entonces sí que sería posible, en teoría.

 :shock:  :evil:  :evil:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 01, 2005, 09:59:23 pm
joder que duros de mollera sois,solo fue un ejemplo  :D
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 02, 2005, 12:30:33 am
Citação de: "Miguel"
Citação de: "Miguel Roque"

Citação de: "manuel liste"
Consideren el siguiente comentario un ejercicio teórico: ninguno de nosotros verá una guerra entre mi país y Portugal.


Ahora bien, si el propósito fuese el derrocamiento de un dictador o algo similar, una operación militar de entrada y salida sin voluntad de anexión, entonces sí que sería posible, en teoría.
:shock:  :evil:  :evil:


Fue usted quien propuso el escenario. No debería molestarse si los demás foristas aceptamos su invitación.

España no tiene derecho a entrar en la política interna portuguesa, yo no he dicho lo contrario. Se supone que el escenario es hipotético, ¿no?. Pues para que se inicie una guerra, hace falta una razón, una causa.

Ya empiezo a cansarme de leer comentarios típicos de orgullo herido, se repiten una y otra vez...  :roll:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 02, 2005, 01:59:43 pm
manuel liste,si es que este foro tiene muy poco de profesional,dicen muchas barbaridades sin sentido alguno.

Lo mas gracioso fue lo de con nuestros torpedos,hundimos a toda la flota española  :lol: ,pues como eso todo.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 02, 2005, 02:57:49 pm
Citação de: "3520"
Cody, acha mesmo que a guerra de gurrilha não vence tudo? olhe o maior exemplo esta no iraque, e no entanto a america tem as melhores forças armads do mundo,....
To a dar o exemplo do irque para não dar outros exemplos mais flagrantes,..  :roll:  

E depois das forças armadas se extinguirem, era uma questão de semanas ou meses ate as forças espanholas desocuparem portugal, por causa da guerrilha, so se os espanhois arranja-sem uns "Gurkhas", ai é que eram capazes de terem alguma hipotese.  :lol:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 02, 2005, 03:33:05 pm
Citar
Portanto, chega de disparates, se o exército espanhol vencesse o português (o que levaria um certo tempo, se alguma vez acontecesse), teria que enfrentar centenas de milhares de rebeldes, seja em Portugal ou Espanha ...


Disparate decir que el ejercito español puede vencer al portugues?perdona,pero a dia de hoy portugal no dispones de medios para detener una ataque por parte de España.No tiene medios materiales para ello.

No digo que España pueda invadir Portugal,no,eso son palabras mayores.Pero chamuscaros un poco si que podemos  :twisted:
Título:
Enviado por: 3520 em Outubro 02, 2005, 04:37:51 pm
O que me interessa é que portugal é um pais livre e não esta nas mãos de castela, o resto é tudo conversa  :headb:
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 02, 2005, 04:43:33 pm
Também digo, Portugal é livre vive PORTUGAL, mas temos que nos manter sempre atentos ...
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 02, 2005, 05:22:16 pm
Exacto

porque qualquer dia, podiamos acabar por ser uma provincia autonoma de Iberia

este ultimo post do amigo Manuel Liste e o retrato exacto do governo central de Madrid.

Nunca aceitaria uma mudança politica ou estrategica de Portugal sem seu consentimento......
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 02, 2005, 05:26:43 pm
Citação de: "Cody"
manuel liste,si es que este foro tiene muy poco de profesional,dicen muchas barbaridades sin sentido alguno.

Lo mas gracioso fue lo de con nuestros torpedos,hundimos a toda la flota española  :roll:  :roll:  :roll:  :roll:
Eu gostava de saber o que é que os fórums espanhóis têm de profissional, com neo-nazis a dizer que sonham com a reconstituição do império espanhol, ou com idiotas a dizer que para invadir Portugal, é só necessário enviar a "Brunette" e assunto encerrado.

Antes de tirar conclusões precipitadas caro Cody, lembre-se que você nem consegue dominar correctamente o código linguistico utilizado neste forum, o que o pode levar em muitos casos a nem sequer entender o que se está a dizer.

Recorde-se de uma coisa que afecta os espanhóis recem chegados e a que eu chamo o "sindroma da largura"

Há palavras em português que se escrevem exactamente como em castelhano, mas que podem ter significados distintos. Assim:

Em castelhano, Largura = Comprimento em português.
Em português, Largura = Anchura em castelhano.

Uma vez andei a discutir com um espanhol, por causa de um "mouro" que tinha sido morto de rodilhas, o que era uma indignidade.

Eu entendi aquilo, como normal, numa guerra, mataram o mouro que estava vestido de trapos (traje típico), e não entendi qual era o problema.

Mais tarde entendi que "de rodilhas" em castelhano, quer dizer "de joelhos". Logo, o mouro foi morto de joelhos, e era por isso que tinha sido pouco digno.

Estes casos repetem-se, e muitas vezes um utente da lingua castelhana, achando que a lingua é a mesma, esquece-se desta realidade.

Portanto Cody, primeiro entenda a lingua, depois venha-me falar de profissionalismo. A verdade, é que comparando com os forums em lingua castelhana que conheço e que acabam sempre com discussões entre espanhóis e sul americanos, este fórum está muito acima disso.

Quanto mais não fosse, poderiamos demonstrar a nossa diferença dos castelhanos. quer neste, quer no Forum Defesa Brasil (para dar um exemplo), onde ninguém se "pegou" à porrada verbal. Coisa que nos fórums espanhois que conheço, ocorre todos os dias.

Provavelmente para os espanhóis, profissionalismo é violência verbal e insulto pessoal.

Cody, mais uma vez você vem confirmar o que todos nós dizemos. Mesmo que estivessem neste fórum os mais insignes estrategas da terra, porque o fórum é português, você nunca poderia reconhecer a sua qualidade e dos seus participantes.

Palavras para quê...  :roll:  :roll:
Título:
Enviado por: Nautilus em Outubro 02, 2005, 10:52:12 pm
Quem e a Brunette?  :D
Título:
Enviado por: 3520 em Outubro 02, 2005, 10:57:39 pm
:mrgreen:
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 03, 2005, 11:50:28 am
Citação de: "Miguel"
Exacto

porque qualquer dia, podiamos acabar por ser uma provincia autonoma de Iberia

este ultimo post do amigo Manuel Liste e o retrato exacto do governo central de Madrid.

Nunca aceitaria uma mudança politica ou estrategica de Portugal sem seu consentimento......


O repito pela última vez, agora em português: o conflito Portugal-Espanha é um cenário hipotético, um jogo de guerra. Vocês podem escrever sobre política portuguesa, ibérica ou como a queiram chamar  até o cansaço, mas sem mim. Não me interessan os discursos e acredito que não é este o lugar apropriado para eles.

Tema findo pela minha parte.
Título:
Enviado por: 3520 em Outubro 03, 2005, 01:46:18 pm
concordo consigo manuel liste, mas desde que não venham mais provocações e respostas mal intencionadas por parte de outras pessoas.
Título:
Enviado por: Churruca em Outubro 03, 2005, 01:59:43 pm
:D  :D
 
  Como puede hablar de provocaciones alguien que firma sus mensajes con lo siguiente??

 "a tradição xenofoba de Espanha não está morta"

"a Espanha ainda não honrou até ao presente os compromissos que assumiu, colocando em dúvida a sua própria nobreza e a honestidade da sua diplomacia."
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 02:20:57 pm
Citar
com idiotas a dizer que para invadir Portugal, é só necessário enviar a "Brunette" e assunto encerrado.



Exactamente  :D
Solo la Brunete podria tomar Lisboa.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 03, 2005, 07:50:24 pm
E nós mandamos um guarda da GNR invadir Madrid ... :Soldado2:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 08:07:15 pm
Con los F18 la GNR no pasaria de Badajoz  :lol: ,no solo tenemos la Brunete,tenemos mucho mas,como la FAR.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 03, 2005, 08:10:15 pm
Era apenas humor, mas pareces que por vezes tens dificuldades em entender ...  :roll:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 08:19:42 pm
ok Doctor Z

Es que me cuesta entender el portugues,no sabes el esfuerzo que hago  :roll: .
Título:
Enviado por: NVF em Outubro 03, 2005, 08:23:57 pm
Ta-se mesmo a ver que desconhecem as capacidades da GNR, mal os F-18 saissem das bases ja' a BT os tinha multado  :D
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 08:27:35 pm
:lol:  :lol:
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 08:29:49 pm
Ahora fuera bromas os dejo un poco de la composicion de la Brunete:

<<En la División de Infantería Mecanizada Brunete se encuentran destinados cerca de 18.000 hombres y mujeres. Sus unidades de maniobra están dotadas con 200 carros de combate Leopard 2A4 y M-60A3 y 1.200 vehículos transportes oruga acorazados (TOA) M-113 y de combate de Infantería y Caballería (VCI/C) Pizarro, estos últimos incluidos ya en plantilla a la espera de su próxima incorporación a la División. El material sobre cadenas se completa con 100 vehículos de combate de zapadores (VCZ) y carros de zapadores (CZ) y 100 piezas de artillería de campaña autopropulsadas M-109A5E y M-110A2, además de 50 vehículos de exploración de caballería (VEC), de ruedas. Las unidades de defensa contra carros están equipadas con 100 lanzadores de misiles MILAN y TOW y las de artillería antiaérea con 50 sistemas de misiles portátiles Mistral. La División dispone también de 2.800 vehículos pesados y ligeros de ruedas y 400 especiales.>>

Aun quedan 3 Brigadas mas,pero la que he puesto es la mas fuerte.

Eso en cuanto a la Brunete,luego esta otra Division,la FAR.
En total contamos con unas 10 Brigadas.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 03, 2005, 08:35:56 pm
Cody

qual é a composição da FAR? e da outra Divisão com as Brigadas de cavalaria e infantaria?
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 09:05:28 pm
Hola Miguel,aqui lo tienes:

FAR :

Rcl 8: 20 Centauro



BRC II: 39 M-60A3 (a sustituir por igual número de Leopard 2A4 provenientes de la DIMZ), 62 Centauro (para finales de 2005).

Rcac 3: 26 M-60 A3 (a sustituir por igual número de Leopard 2A4 provenientes de la DIMZ).

Rcac 10: 26 M-60 A3 (a sustituir por igual número de Leopard 2A4 provenientes de la DIMZ).

BRIL IV: 44 M-60 A3

BRIL V: 44 M-60 A3

Se me olvido decir que en la Brunete los Leopard A4 estan siendo sustituidos por los 2E,igual que en la FAR.
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 03, 2005, 10:13:31 pm
Citar
En total hay:

219 Carros leopard 2a6

108 Carros Leopard 2a4 (deberian ser actualizados a la version 2a6 en un periodo de 5 años)

84 Carros centauro (se rumorea la adquisicion de una 3º fase hasta un total de 152 Centauros)

No he contado los M60,de todas formas el numero me parece un poco insuficiente.
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 03, 2005, 11:26:12 pm
Bom, a uma média de 3 spikes para cada carro dos orientais...
É só fazer as contas.  :twisted:

Cumprimentos

PS: 219 Leopar-IIA6
De certeza que HÁ?
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 04, 2005, 12:56:46 am
Citar
PS: 219 Leopar-IIA6
De certeza que HÁ?


como?no entendi?
Título:
Enviado por: Olivença_é_Portugal em Outubro 04, 2005, 10:27:57 am
Citação de: "Cody"
Con los F18 la GNR no pasaria de Badajoz  :lol: ,no solo tenemos la Brunete,tenemos mucho mas,como la FAR.


Pois sim, tambem eu me ri quando um navio da marinha Portuguesa mandou abrir o fogo sobre uns barcos de pesca Espanhois que estavam nas aguas portuguesas no Algarve...

E ainda por cima eles tinham sido avisados que não tinham direito de pescar nas aguas Portuguesas. Mesmo assim fizeram como se eles não tinham houvido nada...
Título:
Enviado por: smaerd em Outubro 04, 2005, 05:33:38 pm
Vaya a alguien se le a olvidado poner por ahi arriba que los Orientales
tienen 485  de estos....

(http://www.ejercito.mde.es/ingles/armamento/pizarro.jpg)


Primer lote se contruyeron 123 VCI/C y 21 VCPC (1998/2002).
144 Pizarros
 
Segundo lote se contruiran 170 VCI/C ;5 VCPC;28 VCOAV;8 VCREC y 1 VCZ (2006/2012).
212 Pizarros

 Tercer lote se construiran 39 VCI/C, 2 VCPC ,12 VCOAV, 19 VCREC y 57 VCZ (2012/......). 129 Pizarros
Total: 485 Pizarros

Para acompañar a los Leo y centauro ;)

Un saludo compañeros ibericos
Título:
Enviado por: emarques em Outubro 04, 2005, 06:02:54 pm
Citação de: "smaerd"
Vaya a alguien se le a olvidado poner por ahi arriba que los Orientales
tienen 485  de estos....

(http://www.ejercito.mde.es/ingles/armamento/pizarro.jpg)

Têm... ou vão ter? Existe um provérbio que diz que "não se deve contar com o ovo no cú da galinha". :P
Título:
Enviado por: Olivença_é_Portugal em Outubro 04, 2005, 06:03:38 pm
E nos temos isso... 8)

(http://faq.bigip.mine.nu:8008/armees/portugal/photos/titre.jpg)

(http://www.modely.cz/airshow/soubory2/prerov12.jpg)
Título:
Enviado por: 3520 em Outubro 04, 2005, 07:14:05 pm
Churruca,  :lol: , acha que isso são provocações?  :roll:  


 8)  8)  8)  :lol:
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 04, 2005, 09:16:33 pm
bem

qual seria a posição da UE e NATO em caso de conflito entre Portugal e Espanha? :shock:
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 04, 2005, 11:10:02 pm
Aconselhavam os dois países a se entenderem.
Faziam discursos em favor da Unidade Europeia.
A NATO não pode fazer nada num conflito entre dois estados membros (como no caso Turqui versus Grécia).

Além disso, a Espanha poderia paralizar qualquer decisão da UE ou da NATO.

Os americanos só protestaríam se os Açores pudessem ser afectados.

Os espanhóis imediatamente garantiríam aos americanos a total disponibilidade para partilharem a base das Lajes com o Ejercito del Aire, e dizendo mesmo, que ao contrário dos portugueses, se os americanos quiserem utilizar as bases, a partir de agora não têm que pagar pela sua utilização.

Ou seja, a repetição do que aconteceu nos anos 50, quando Salazar se recusou a deixar entrar americanos na peninsula, e o Franco, contactou os americanos e abriu completamente as pernas deixando entrar tudo o que os americanos quisessem meter.

Salazar, que considerava que a peninsula não podia permitir-se ter tropas estrangeiras, sentiu-se traido.
Desde aí, o Pacto Ibérico, passou a ser apenas um papel. A Espanha, tinha cumprido a tradição e traido o espirito do pacto.


Portanto, não podemos esperar nada de ninguém.

Ninguém vai levantar um dedo para nos ajudar. Não temos um império, não temos petróleo, não temos gás natural, que justifique o auxilio. No passado, comprámos apoio vendendo bocados de ex-colonias. A única coisa que resta, com valor estratégico são os Açores.

Entre terem os Açores controlados por um país que discute se deve comprar submarinos e outro que lhes compra sistemas AEGIS, os Estados Unidos ficarão do lado que lhes for mais conveniente, em termos estratégicos e em termos económicos.

A nossa única defesa, consiste no numero de espanhóis, que num conflito conseguissemos mandar para o outro mundo.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: fgomes em Outubro 04, 2005, 11:43:19 pm
Optariam pelo mais forte, ou seja pela Espanha. Como se costuma dizer os países têm interesses, não têm amigos...
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 05, 2005, 04:41:13 pm
Citação de: "Miguel"
bem

qual seria a posição da UE e NATO em caso de conflito entre Portugal e Espanha? :shock:


Bem em primeira lugar a guerra é quase impossivel e nada desejável.Em caso de conflito não teriam uma posição favorável a nenhum lado,a não ser que um dos países tivesses tido posições anteriores à guerra que não serias permitidas numa democracia.Se Portugal simplesmente invadisse olivência sem mais nem menos,apesar daquilo ser nosso,o mundo condenaria tal agressão,e estariam do lado de Espanha,o mesmo se o Espanhois fissessem isso em Gibraltar,tal como os Argentinos fizeram à uns anos nas "Malvinas".Dependeria muito da postura que cada país teria antes da guerra,mas desde que fossemos duas democracias não vejo a NATO a tomar qualquer lado.

cmpts
Título:
Enviado por: NotePad em Outubro 05, 2005, 04:51:21 pm
Se os espanhois invadissem gibraltar os ingleses pegavam no tratado militar que têm com Portugal, invadiamos espanha e eles ficavam outra vez com gibraltar e nos recuperavamos olivença.
Título:
Enviado por: komet em Outubro 05, 2005, 04:59:16 pm
Citar
Se os espanhois invadissem gibraltar os ingleses pegavam no tratado militar que têm com Portugal, invadiamos espanha e eles ficavam outra vez com gibraltar e nos recuperavamos olivença.

Sois pouco visionários... num cenário desses invadiríamos toda a península e fundariamos a Portugália, toda a população teria de falar português, e quem o não fizesse seria prontamente executado!  :twisted:
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 05, 2005, 05:12:15 pm
Citação de: "komet"
Sois pouco visionários... num cenário desses invadiríamos toda a península e fundariamos a Portugália, toda a população teria de falar português, e quem o não fizesse seria prontamente executado!  :twisted:


Hoje em dia já nem as pessoas que moram no nosso país falam português quanto mais o povo espanhol...preocupemo-nos com o nosso país.Espanha acima de tudo é amiga,embora haja pequenas disputas que teremos com eles quer a nível economico quer a nível político,mas penso que numa guerra nunca teriamos qualquer hipotese,são de longe superiores e gastam apenas 1% do PIB deles em forças armadas,enquanto nós passamos os 2%. Se eles tivessem o mesmo orçamento em termos percentuais o fosso ainda aumentava mais,a economia deles é 4 vezes e meia(+/-),maior que a nossa,portanto não vejo grandes saidas numa guerra com eles.Penso que num mês o caso estava mais que arrumado.

cmpts
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 05, 2005, 06:07:08 pm
Citação de: "NotePad"
Se os espanhois invadissem gibraltar os ingleses pegavam no tratado militar que têm com Portugal, invadiamos espanha e eles ficavam outra vez com gibraltar e nos recuperavamos olivença.


Alguém acredita que caso contrario, se Portugal é invadido pelos Orientais, os Ingleses respeitavam esse tratado.....

eu não acredito....

Os Ingleses sempre invocaram esse tratado quando fui do interesse deles, quando fui ao contrario nunca eles nos apoiaram....

Alguém se esquece que em 1940 o Estado Novo tinha invocado esse tratado para defender Portugal?? qual foi a resposta deles???( há outras prioridades)

Entre 1961 e 1974 Portugal travou combates contra o comunismo em varias frentes, pedimos auxilio a NATO , qual fui a resposta?
NAO , e por isso que nunca houve F86,Tanques,Fragatas Dealey etc... no Ultramar porque não podiamos utilizar aquilo que era destinado para a NATO.

A NATO e um sistema de apoio para os EUA e Reino Unido
A UE e um sistema de apoio para a França e Alemanha(para evitar guerras)

Devemos nos mentalizar que temos que aprender a defendernos sozinhos como sempre no passado.

Agora desde que existe planos, e sempre possivel defender mesmo em inferioridade numerica, durante a Guerra Fria Todos sabiam que a proporção NORMAL entre NATO e PACTO de VARSOVIA era 1 contra 3, e portanto existia planos...
so para lembrar havia 50 000 Tanques no Leste e 12 000 no Oeste....
etc.....
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 05, 2005, 06:43:08 pm
Citação de: "Pantera"
a economia deles é 4 vezes e meia(+/-),maior que a nossa,portanto não vejo grandes saidas numa guerra com eles.Penso que num mês o caso estava mais que arrumado.


Devo deduzir que você não fazia nada se os orientais nos invadissem, não  :domador:
E eu que não fazia a mais pequena ideia de que sabia falar chinês  :roll:

Enfim, há ideias e pontos de vista para tudo...
Título:
Enviado por: Yosy em Outubro 05, 2005, 08:21:58 pm
Citação de: "Pantera"
Citação de: "komet"
Sois pouco visionários... num cenário desses invadiríamos toda a península e fundariamos a Portugália, toda a população teria de falar português, e quem o não fizesse seria prontamente executado!  :twisted:

Deixo uma pergunta no ar: deveria o governo declarar Lisboa "cidade aberta" para evitar a sua destruição?
Título:
Enviado por: JLRC em Outubro 05, 2005, 08:33:54 pm
Citação de: "komet"
 
Sois pouco visionários... num cenário desses invadiríamos toda a península e fundariamos a Portugália, toda a população teria de falar português, e quem o não fizesse seria prontamente executado!  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 05, 2005, 08:33:56 pm
bem conhecemos as possíveis fontes de conflitos,
conhecemos as possívéis forças IN
conhecemos as actuais forças que temos

 :?: o que podiamos mudar para ser mais eficazes??
Título:
Enviado por: NotePad em Outubro 05, 2005, 08:35:30 pm
:?:
Título:
Enviado por: komet em Outubro 05, 2005, 08:38:41 pm
Citar
A Portugália já existe. Situa-se na Av. Almirante Reis, em Lisboa e além das imperiais loirinhas tem um óptimo bife, tão bom ou melhor que o da Trindade
 

Cervejaria/Restaurante de topo!! Na Almirante Reis, Belém e Colombo, esse bife com molho à Portugália é simplesmente de chorar por mais, recomendo também a espetada de camarão!
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 05, 2005, 08:46:36 pm
Citação de: "Yosy"
Parece que se esquece que Portugal Continental não é tudo. Já no Continente a resistência seria renhida, mesmo da parte da população, especialmente no Norte do país, já que o Alentejo e Algarve é terreno de tanques. E ainda existe os Açores e a Madeira - básicamente forças navais inafundáveis. Veja a situação verdadeiramente épica de Malta na 2ª Guerra Mundial.

Tomar as grandes cidades também não seria fácil, com a possível excepção de Faro. Imagine como seria em Lisboa e Porto - uma horrível batalha urbana de infantaria, pois seria impossível a carros operarem em grande parte das cidades. O tunél do Marquês em Lisboa foi pensado para atrasar o avanço de tanques  :arrow:

Por que supõe que uma guerra entre Portugal e Espanha teria que ser uma invasão do Portugal continental?. Se eu fosse um comandante espanhol disposto à guerra, escolheria para começar um objetivo limitado: As Selvagens, Madeira ou o eixo Algarve-Sines.

Qualquer compreende que o controle militar do Portugal continental suporia muitos meios humanos e materiais. No entanto, a conquista de um objetivo importante mas não vital seria bem mais fácil e igual de contundente.

Que opina?
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 05, 2005, 08:50:20 pm
Verdade amigo Manuel

caso Espanha ataque a Madeira ou Açores numa 1°fase qual seria a nossa capacidade de defesa :lol:

 :arrow: resposta NADA

e ainda por cima ficavamos CERCADOS
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 05, 2005, 08:54:09 pm
Manuel e por isso que eu sempre defendi que deviamos ter UMA Esquadra com F16 nos Açores

Não apenas por causa dum conflito com nuestros amigos, mas até para proteger todo o trafego aéreo do Atlantico Norte

Imagimen um 11 Setembro no Atlantico qual seria os Aviões que podiamos colocar ,quando sabemos que está tudo no ninho de monte real BA5

 :cry:  :cry:
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 05, 2005, 09:07:42 pm
Citação de: "Miguel"
Manuel e por isso que eu sempre defendi que deviamos ter UMA Esquadra com F16 nos Açores

Não apenas por causa dum conflito com nuestros amigos, mas até para proteger todo o trafego aéreo do Atlantico Norte

Imagimen um 11 Setembro no Atlantico qual seria os Aviões que podiamos colocar ,quando sabemos que está tudo no ninho de monte real BA5

 :cry:  :cry:


Seria muito sensato que Portugal mantivesse aviões caça em Madeira e Açores, estou de acordo com você. Mas quiçá seriam mais adequados aparelhos de dois motores, por razões de segurança.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 05, 2005, 09:31:02 pm
e tudo uma questão de $$$$$

considerando que temos os F16 , acho absurdo adquirir F18,

os F16 tem mostrado ser uma aeronave exelente e muito fiável, não há existencia de avarias como nos A7 :roll:

ou se não querem ter essa 3° Esquadra então que comprem Reabastecedores KC10 ou outro tipo .....de multiplicadores de forças!!

de qualquer maneira parece-me que os actuais e passados governos, abdicarem da nossa capacidade de defesa dos Açores para entregar isso aos Americanos :evil:  que em pouco tempo podem la colocar uma esquadra de F15 de langley AFB
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 05, 2005, 09:49:03 pm
Citar
de qualquer maneira parece-me que os actuais e passados governos, abdicarem da nossa capacidade de defesa dos Açores para entregar isso aos Americanos  que em pouco tempo podem la colocar uma esquadra de F15 de langley AFB


Y contra quien se supone que seria esa defensa?
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 05, 2005, 10:04:40 pm
Citação de: "Manuel Liste"
Por que supõe que uma guerra entre Portugal e Espanha teria que ser uma invasão do Portugal continental?. Se eu fosse um comandante espanhol disposto à guerra, escolheria para começar um objetivo limitado: As Selvagens, Madeira ou o eixo Algarve-Sines.


Manuel Liste:
Há um problema de raiz nesse seu raciocínio.

Já desde o tempo de Napoleão Bonaparte, este disse às suas tropas uma coisa muito simples:

"Não deixem que os portugueses se organizem"

Como se sabe, os franceses deixaram os portugueses organizar tudo, e quando chegaram a Lisboa, já os portugueses tinham armado a tenda e fugido para o Brasil. :shock:  )

Ou traz vara comprida para dar bastantes porradas, ou a Onça com o tempo vai acabar ganhando.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 06, 2005, 08:52:39 am
Citação de: "Miguel"
os F16 tem mostrado ser uma aeronave exelente e muito fiável, não há existencia de avarias como nos A7 :cry:

Então está bem. Disse-o porque é comum adquirir aviões de dois motores quando seu uso é preferencialmente naval. Se Espanha adquiriu em seu dia F18 e não F16 foi devido principalmente a que o estado maior demandava um avião muito fiável nesse aspecto.

Não faria sentido nenhum que agora comprassem F18 para Açores. Se o F16 é fiável, parece-me uma opção excelente

Citação de: "Miguel"
de qualquer maneira parece-me que os actuais e passados governos, abdicarem da nossa capacidade de defesa dos Açores para entregar isso aos Americanos  que em pouco tempo podem la colocar uma esquadra de F15 de langley AFB

Lamentável.

Citação de: "Papatango"
Manuel Liste:
Há um problema de raiz nesse seu raciocínio.

Já desde o tempo de Napoleão Bonaparte, este disse às suas tropas uma coisa muito simples:

"Não deixem que os portugueses se organizem"

Como se sabe, os franceses deixaram os portugueses organizar tudo, e quando chegaram a Lisboa, já os portugueses tinham armado a tenda e fugido para o Brasil.  


Eu não pensava num ataque em duas fases, uma primeira limitada e uma segunda para tomar Lisboa e Porto. Para que quereria Espanha ou outro país anexar-se um território com população hostil?

Me é difícil imaginar a razão pela que Espanha quereria atacar militarmente a Portugal, e conhecer o objetivo final da luta é condição indispensável antes de começar uma guerra.

Eu admito duas hipótese:

A primeira seria uma intervenção rápida dirigida contra o governo de Lisboa. Se supomos que há um golpe de estado e a OTAN ordena intervir em apoio dos democratas portugueses, em teoria seria possível um avanço direto de forças coraçadas contra a capital com apoio aéreo. Uma vez atingido o objetivo, a retirada seria imediata.

A segunda seria a oposta. Que em Espanha chegasse ao poder um governo dictadorial expansionista. Em lugar de atacar Lisboa e Porto, um ditador pronto atingiria seu objetivo anulando a Portugal no aspecto político e militar. Uma guerra com objetivos limitados poderia servir para esse propósito.

Não sê quais são as forças militares no arquipélago de Madeira, mas em teoria é um objetivo alcançável para a infantaria de marinha espanhola com apoio dos F-18 de Grande Canária e da frota.

 Ainda mais potente seria um avanço direto de forças coraçadas em direções Sines e Algarve, com proteção de todos os efetivos aéreos disponíveis. Do Talho para o norte a posição seria defensiva.

Neste último cenário estaríamos falando de uma guerra a grande escala, com chamada aos reservistas.

A posição final das forças espanholas seria o leito do Talho, sem cruzá-lo. Lisboa se manteria a uma distância respeitável. Posteriormente, se negociaria uma paz com condições vantajosas. Seria como uma "guerra das laranjas II".

Claro, que igual o estou vendo demasiado fácil. É um cenário discutível, de resultado duvidoso.

Por suposto, teórico. Um exercício para que Portugal esteja preparado, assim o vejo eu.
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 06, 2005, 11:53:22 am
Citação de: "papatango"
Devo deduzir que você não fazia nada se os orientais nos invadissem, não  :domador:
E eu que não fazia a mais pequena ideia de que sabia falar chinês  :roll:


Pensei,pensei e acho que conseguimos vencer os EUA numa batalha a sério.....Nada de derrotismos.

cmpts.
Título:
Enviado por: emarques em Outubro 06, 2005, 01:57:27 pm
manuel liste, Tajo = Tejo. ;)
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 06, 2005, 02:06:04 pm
Citação de: "emarques"
manuel liste, Tajo = Tejo. :wink:

Não posso crer que seja essa a falha ortográfica ou gramatical mais grave. Suponho que terá mais.
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 06, 2005, 02:06:36 pm
Citação de: "Pantera"
portanto não vejo grandes saidas numa guerra com eles
Quer sinal mais claro de derrotismo?

Citação de: "Pantera"
Isto não é o tempo das espadas e dos cavalos,a tecnologia e a quantidade de equipamento militar fala mais forte.

Caro Pantera, conforme disse antes, seria bom analisar a história da tecnologia militar com algum cuidado, antes de dizer este tipo de coisas.

Durante toda a História, foi quase sempre a tecnología que ditou os vencedores, mas nem sempre.

Hoje, você olha para os tanques dos espanhóis e conlcui que os deles são melhores, analisa algumas diferenças tecnológicas e tira conclusões (precipitadas em meu ver).

O caso mais conhecido nos anáis militares que é o  de Aljubarrota (Batalha que constitui um marco na História militar da Europa), também coloca frente a frente tecnologias e tácticas militares diferentes.

Perante uma cavalaria pesada (os tanques da idade média) fortissima, também os "Pantera" de 1385 concluiriam que não havia nada a fazer e qua a superioridade francesa / castelhana era impossível de vencer.

Perante uma desproporção gigantesca (muito maior que a que existe hoje), qualquer um concluiría a mesma coisa.
Mas no entanto, vencemos em Aljubarrota. Mas não foi só em Aljubarrota. Vencemos, contra todas as possibilidades em recontros menores, como Atoleiros e Trancoso, e derrotámos novamente os castelhanos em Valverde (Batalha posterior a Aljubarrota e normalmente esquecida, porque esmagámos os castelhanos e nessa altura não havia inglêses, para eles se desculparem).
Estas vitórias ocorreram sempre com total inferioridade numérica e tecnológica.

No entanto, há situações, em que a superioridade tecnológica acaba não servindo para nada. Aliás, se não fosse assim, os americanos já tinham tomado completamente conta do Iraque, e teríam vencido no Vietname. Os Russos, claro, também teriam vencido no Afeganistão.

E se olhar um pouco para a história reparará que também tivemos muitas batalhas com os nossos vizinhos, já no tempo da polvora e dos mosquetes. E eles sempre tiveram mais pólvora e mais mosquetes, além de mais soldados.

A vitórias portuguesas ocorreram porque os cidadãos ou seja, o Zé Povinho, não queriam ser castelhanos.

As suas palavras, levam-me a crer que apenas está a pensar na capacidade de resistência do exército, mas não está a pensar na capacidade de resistência activa e passiva do povo.

Logo, considero que você não está a pensar fazer nada.

Citação de: "Pantera"
Pensei,pensei e acho que conseguimos vencer os EUA numa batalha a sério.....Nada de derrotismos.

Pensou mal.
Não sei se entendeu ainda, mas a Espanha não é a América.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pantera em Outubro 06, 2005, 03:23:28 pm
Citação de: "papatango"
Quer sinal mais claro de derrotismo?

Estava a penas a ser realista...

Citação de: "papatango"

Caro Pantera, conforme disse antes, seria bom analisar a história da tecnologia militar com algum cuidado, antes de dizer este tipo de coisas.

Durante toda a História, foi quase sempre a tecnología que ditou os vencedores, mas nem sempre.

Hoje, você olha para os tanques dos espanhóis e conlcui que os deles são melhores, analisa algumas diferenças tecnológicas e tira conclusões (precipitadas em meu ver).

O caso mais conhecido nos anáis militares que é o  de Aljubarrota (Batalha que constitui um marco na História militar da Europa), também coloca frente a frente tecnologias e tácticas militares diferentes.

Perante uma cavalaria pesada (os tanques da idade média) fortissima, também os "Pantera" de 1385 concluiriam que não havia nada a fazer e qua a superioridade francesa / castelhana era impossível de vencer.


Não tem nada a ver.A tecnologia de hoje nada tem a ver com os anos passados,é tão simples como isso.40 aviões contra 20,é provável que ganhem os 40,se a tecnologia for mesma,o contrário seria um milagre.

Citação de: "papatango"
Estas vitórias ocorreram sempre com total inferioridade numérica e tecnológica.

Tecnologia naqueles tempos?Dá lá um exemplo... :roll:


Citação de: "papatango"
No entanto, há situações, em que a superioridade tecnológica acaba não servindo para nada. Aliás, se não fosse assim, os americanos já tinham tomado completamente conta do Iraque, e teríam vencido no Vietname. Os Russos, claro, também teriam vencido no Afeganistão.

Nada a ver.Mesmo nada.Eles fazem guerra de guerrilha e atacam sobre inocentes.Quantos portugueses rebentariam com bombas na cintura?São guerras diferentes.Mal os espanhóis conquistassem as grande cidades,ou houvesse uma rendição do estado português,a guerra acabava.Não confudas guerrilha e actos de terrorismo,com guerra convencional.Não estás a ver decapitamentos e sequestros da nossa parte e ataques a edificios da ONU


Citação de: "papatango"
E se olhar um pouco para a história reparará que também tivemos muitas batalhas com os nossos vizinhos, já no tempo da polvora e dos mosquetes. E eles sempre tiveram mais pólvora e mais mosquetes, além de mais soldados.

E...?Hoje as coisas dependem mais da tecnologia,pelo menos nas guerras convencionais.Eles têm mais capacidade aerea,terrestre e naval.Os EUA quando invadiram o Iraque(na 1 guerra e na 2),os tanques deles não deram hipotese aos iraquianos,tal como a força aérea.A nível convencional provou-se a superioridade,tal como aconteceu no Kosovo.


Citação de: "papatango"
As suas palavras, levam-me a crer que apenas está a pensar na capacidade de resistência do exército, mas não está a pensar na capacidade de resistência activa e passiva do povo.
Resistência do Povo?Hummmm......
Se o exército se rendesse,não me parece que o povo continuasse a lutar,ou você acha que as pessoas continuariam a lutar?Se o estado português capitulasse a guerra acabava,tal como aconteceu na alemanha nazi ou no japão.

Citação de: "papatango"
Logo, considero que você não está a pensar fazer nada.


O que eu poderia fazer se as forças armadas fossem derrotadas?Resistir com paus e pedras?

Cmpts
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 06, 2005, 04:47:03 pm
Citação de: "Pantera"
Não tem nada a ver.A tecnologia de hoje nada tem a ver com os anos passados,é tão simples como isso.40 aviões contra 20,é provável que ganhem os 40,se a tecnologia for mesma,o contrário seria um milagre.

Citação de: "Pantera"
Tecnologia naqueles tempos?Dá lá um exemplo...


Pantera, dentro de alguns anos, se você guardar a frase acima, vai-se rir do que disse.
O que eu digo não é que se pode comparar um tanque com uma espada. O que digo (e acho que até fui explicito) é que no passado também havia diferenças tecnológicas. No dias de hoje, em que temos uma ideia longínqua desses tempos, (porque isto de estudar história é uma chatice, especialmente se há a Playstation ) é que perdemos a capacidade de analisar essas diferenças.

Em Aljubarrota, que é um exemplo clássico, isso é mais que óbvio. As tropas castelhanas e francesas tinham um grande numero (cerca de 7.000) de unidades blindadas (cavalaria pesada, com armadura) enquanto que Portugal, não reunia nem sequer 1500 cavaleiros com armadura. Ou seja, a desproporção era de quase 5 para 1 em cavalaria pesada.

Havia uns 8.000 (oito mil) besteiros do lado castelhano e do nosso havia entre besteiros e arqueiros, aproximadamente 1.000 (mil).

Tecnologicamente, a besta, é o equivalente ao RPG-7. Ou seja, se você tem uma Besta, pode disparar contra um cavaleiro, porque a Besta, é lançada por via de um equipamento desmultiplicador, que aumenta em muito a energia cinética que é impressa ao projéctil (seta).

O Arco Longo, que alguns referem como Arco Inglês, por seu lado, é uma arma completamente diferente. Só conta com a força do braço do atirador. Não consegue por isso (segundo os estudos mais recentes) perfurar a armadura da cavalaria pesada.

A vantagem do Arco Longo, porém, é o (Rate of Fire) ou seja a cadência de tiro.
Enquanto que a Besta, pode disparar uma vez por minuto, e muitas vezes medeia mais de um minuto entre cada disparo, no caso do Arco Longo, um atirador experiente, dispara até 12 (doze) setas por minuto.

O Arco longo é uma arma anti-infantaria, ligeira e de tiro rápido, a Besta é uma arma anti-blindagem de tiro lento e espaçado.

Nós não podiamos nunca atacar os castelhanos, porque com a quantidade de Besteiros que eles tinham qualquer ataque nosso, mesmo que a cavalaria francesa/castelhana não actuasse, resultaria na nossa derrota completa.

Pergunta
Ora se em Aljubarrota, as nossas forças tinham poucos Besteiros, e pouca cavalaria pesada, o que é que se fez para evitar o ataque da cavalaria pesada dos franceses e dos castelhanos? Dado que como você diz, naquela altura (basta ler Fernão Lopes) muita gente dizia que era impossível vencer a cavalaria pesada com tão poucas forças?

Resposta (e espante-se Pantera) :
A solução portuguesa FOI EXACTAMENTE A MESMA QUE FOI ENCONTRADA PELOS ALEMÃES EM 1917, QUANDO PELA PRIMEIRA VEZ SE VIRAM ATACADOS PELOS TANQUES INGLESES.

Os portugueses escavaram valas, onde os cavaleiros cairam, obrigando-os a lutar a pé, onde, por causa da armadura, tinham muito mais dificuldade em defender-se.

A solução alemã, foi a mesma: Von Bullow, mandou escavar valas, nas quais os tanques ingleses cairam.

Há alguma comparação entre um cavaleiro francês armado com uma armadura de aço temperado e um tanque Mk VI romboide inglês?
Claro que não. No entanto, as tácticas em campo de batalha, séculos depois, acabaram sendo as mesmas.

Há desde tempos imemoriais uma luta entre a armadura, e a arma que a prefura. E a História da Guerra, é em grande medida a descrição dessa evolução. As técnologias têm vindo a evoluir, mas a guerra entre estes dois elementos continua ainda hoje.

Não seja tão apressado a tirar conclusões, e a afirmar que “é impossível, não tem nada a ver,  nada mesmo nada” e a colocar smileys engraçados do estilo :roll:


Citação de: "Pantera"
Nada a ver.Mesmo nada.Eles fazem guerra de guerrilha e atacam sobre inocentes.Quantos portugueses rebentariam com bombas na cintura?São guerras diferentes.Mal os espanhóis conquistassem as grande cidades,ou houvesse uma rendição do estado português,a guerra acabava.Não confudas guerrilha e actos de terrorismo,com guerra convencional.Não estás a ver decapitamentos e sequestros da nossa parte e ataques a edificios da ONU


Não vou responder a esta questão. Antes, estude a guerra do Vietname, a ofensiva do Tet por exemplo e a guerra no Afeganistão. Você está limitado ao que vê hoje na TV, ao fundamentalismo islâmico, ao Bin Laden, e à guerra ao terrorismo, que nos vende o tonto da Casa Branca. Quando estudar estas questões, concluirá que o que disse acima não faz sentido.

Enquanto houver governo, o Estado Português continuará a existir.
Leia a História Pantera. O Estado Português, não costuma render-se.

Cumprimentos

PS:
Só para lembrar, o gráfico das forças em Aljubarrota:
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/Alubarrota_forcas.jpg)
Título:
Enviado por: komet em Outubro 06, 2005, 05:23:22 pm
Mais uma achega... a famosa 7ª cavalaria americana... não utiliza cavalos... mas sim helicópteros  :)  E as tácticas estão lá!
Título:
Enviado por: alfsapt em Outubro 06, 2005, 06:42:54 pm
Citação de: "papatango"
PS:
Só para lembrar, o gráfico das forças em Aljubarrota:


Faltam as padeiras!!!!!
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 07:56:29 pm
Citação de: "Olivença_é_Portugal"
E nos temos isso... 8)

(http://faq.bigip.mine.nu:8008/armees/portugal/photos/titre.jpg)

(http://www.modely.cz/airshow/soubory2/prerov12.jpg)



E nos temos isto  :lol:

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/55A007EF2C13E4F6C1256C3F004FCE76/$File/04G.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/7995E3B8F2BAB5A0C1256DFF0044BE7A/$File/EF2000_3GaleriaGR.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/BB97B12B6C399604C1256C40003278E1/$File/04.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/D2B3B95285A50496C1256C3F0049DF6E/$File/17.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/0DD29A409CD50EA1C1256C690035666C/$File/F5A_1GR.jpg)

Por certo, ¿cantos tendes de cada?
Título:
Enviado por: NotePad em Outubro 06, 2005, 07:59:26 pm
Citação de: "Pantera"
Nada a ver.Mesmo nada.Eles fazem guerra de guerrilha e atacam sobre inocentes.Quantos portugueses rebentariam com bombas na cintura?São guerras diferentes.Mal os espanhóis conquistassem as grande cidades,ou houvesse uma rendição do estado português,a guerra acabava.Não confudas guerrilha e actos de terrorismo,com guerra convencional.Não estás a ver decapitamentos e sequestros da nossa parte e ataques a edificios da ONU

1º Nós temos pontos muito fortes, experiencia de 13 anos de guerra colonial, uma guerra de guerrilha e contra guerrilha essas experiencias não se perdem.

Citação de: "Pantera"
E...?Hoje as coisas dependem mais da tecnologia,pelo menos nas guerras convencionais.Eles têm mais capacidade aerea,terrestre e naval.Os EUA quando invadiram o Iraque(na 1 guerra e na 2),os tanques deles não deram hipotese aos iraquianos,tal como a força aérea.A nível convencional provou-se a superioridade,tal como aconteceu no Kosovo.
Quanto a 1ª guerra do golfo. Os EUA so conseguram supremacia aerea no iraque depois de nos primeiros minutos de guerra os iraquianos terem gasto qualquer coisa como 900 misseis terra-ar em Uavs americanos. Ao final do 1º dia ja os iraquianos tinham gasto todo o seu stock de misseis terra-ar, foi so graças a isso que os americanos conseguiram a supremacia aerea. Depois face aos F-16, F-18, F-14, Harriers, tornados etc em numero bastante superior os migs iraquianos nao tiveram hipotesse a começar no trino dos pilotos, de notar que grande parte dos avioes foram destruidos em terra. Quanto aos tanques os eua usaram uma tactica de fazer parecer que os seus blindados eram muito mais dos que realmente eram obrigando os iraquianos a bater em retirada e destruindo-os enquanto estes fugiam por pensar que os americanos eram muitos mais do que realmente eram, se os tanques iraquianos e americanos se tivessem batido frente-a-frente garanto que as baixas americanas teriam sido muito mais pois a superioridade do abraams e relativamente anulada nas curtas distancias, e num combate frente a frente os americanos so teriam essa vantagem por alguns minutos senao segundos.

Citação de: "Pantera"
Resistência do Povo?Hummmm......
Se o exército se rendesse,não me parece que o povo continuasse a lutar,ou você acha que as pessoas continuariam a lutar?Se o estado português capitulasse a guerra acabava,tal como aconteceu na alemanha nazi ou no japão.


Alemanha nazi capitulou quando a ultima cidade capitulou eles continuaram a lutar ate ao fim, ja nao restva niguem nem nada para lutar...

O argumento pedras e paus nao e assim tao descabido, numa guerra qualquer arma serve. quando o importante é neutralizar o inimigo, o meio justifica o fim, seja com pedras, cocktails molov, granada etc.,

Uma forma de garantir isso é manter stocks novos de armas e muniçoes, tal como penso que o Yosy disse armazenados em pontos estrategicos que em caso de necessidade possam ser distribuidos pela populaçao, para isto a G-3 é sem duvida a melhor é a arma que mais pessoas sabem manusear em Portugal, resistente e bastante mortifera. Alias a alemanha vai agora destruir as suas G-3 não era mal pensado adquirir umas quantas em bom estado e a boins preços para essa funçao.
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 08:03:56 pm
Citação de: "Miguel"
e tudo uma questão de $$$$$

considerando que temos os F16 , acho absurdo adquirir F18,

os F16 tem mostrado ser uma aeronave exelente e muito fiável, não há existencia de avarias como nos A7 :roll:

ou se não querem ter essa 3° Esquadra então que comprem Reabastecedores KC10 ou outro tipo .....de multiplicadores de forças!!

de qualquer maneira parece-me que os actuais e passados governos, abdicarem da nossa capacidade de defesa dos Açores para entregar isso aos Americanos :evil:  que em pouco tempo podem la colocar uma esquadra de F15 de langley AFB


Isso si que nao se entende, os nosos F-18 a proteger Madeira, pero, polo que se dí aqui os españoles (castelans se o prefires) ¿non somos cobardes, traicioneros e mentirans?, enton ¿como confian nos nosos f-18?
Título:
Enviado por: NotePad em Outubro 06, 2005, 08:06:26 pm
Citação de: "Aponez"
Citação de: "Olivença_é_Portugal"
E nos temos isso... 8)

(http://faq.bigip.mine.nu:8008/armees/portugal/photos/titre.jpg)

(http://www.modely.cz/airshow/soubory2/prerov12.jpg)


E nos temos isto  :lol:

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/55A007EF2C13E4F6C1256C3F004FCE76/$File/04G.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/7995E3B8F2BAB5A0C1256DFF0044BE7A/$File/EF2000_3GaleriaGR.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/BB97B12B6C399604C1256C40003278E1/$File/04.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/D2B3B95285A50496C1256C3F0049DF6E/$File/17.jpg)

(http://www.ejercitodelaire.mde.es/(G)Publicaciones/Paginas_WEB_Internet/ImgWeb.nsf/38761672CD5FE538C1256BC9004FE557/0DD29A409CD50EA1C1256C690035666C/$File/F5A_1GR.jpg)

Por certo, ¿cantos tendes de cada?


E nós temos isto:

(http://www.raaa1.pt/bem_vindo_files/Materiais/chaparral/chaparral/img/chaparral09.jpg)
(http://www.raaa1.pt/bem_vindo_files/Materiais/stinger/stinger/img/stinger04.jpg)
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 08:08:58 pm
Por partes Notepad

1.- Eses 13 anos de guerra colonial e antiguerrilla remataron fai 30 anos, recorda que España tambem librou unha guerra antiguerrilla no Sahara occidental ate o 75 e na propia España ate mediados dos 50.

2.- Os iraquianos non fugiam por pensar que os aliados eran muitos, fugiam por que os bombardaban cada día os avións aliados.

3.- No momento en que a Alemania Nazi se rende aínda conserva parte de Baviera, Hamburgo, Bremen, e a zona de Schleswig Holstein, entre outras zonas.
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 08:14:24 pm
Se é por isso non te preocupes Notepad, nos temos esto  :wink:

(http://www.ejercito.mde.es/materiales/mistral.jpg)

(http://www.ejercito.mde.es/materiales/roland.jpg)

(http://www.ejercito.mde.es/materiales/hawk.jpg)

(http://www.ejercito.mde.es/materiales/aspide.jpg)

(http://www.army-technology.com/projects/patriot/images/pat6.jpg)

Nos tambem temos como podes comprobar 8)
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 06, 2005, 08:16:04 pm
Citação de: "Aponez"
Citação de: "Miguel"
e tudo uma questão de $$$$$

considerando que temos os F16 , acho absurdo adquirir F18,

os F16 tem mostrado ser uma aeronave exelente e muito fiável, não há existencia de avarias como nos A7 :roll:

ou se não querem ter essa 3° Esquadra então que comprem Reabastecedores KC10 ou outro tipo .....de multiplicadores de forças!!

de qualquer maneira parece-me que os actuais e passados governos, abdicarem da nossa capacidade de defesa dos Açores para entregar isso aos Americanos :evil:  que em pouco tempo podem la colocar uma esquadra de F15 de langley AFB

Isso si que nao se entende, os nosos F-18 a proteger Madeira, pero, polo que se dí aqui os españoles (castelans se o prefires) ¿non somos cobardes, traicioneros e mentirans?, enton ¿como confian nos nosos f-18?


Aponez------===

Portugal e Espanha são Alliados, portanto não vejo nehum problema actualmente

Estamos aqui a falar de Futurologia ??? percebe

E como entre um Homen e uma Mulher , hole está tudo bom , mas dentro de algum pode sempre existir um Divorcio!! percebe??

E mesmo que essa hipotese de divorcio seja de uma probalidade de 0,1 Porcento, deve ser estudada e avaliada, e apenas isto

A gente deste Forum não está aqui para se insultar, estamos aqui para trocar visões diferentes, nada mais....

Agora se você quer "Pancadarias e Palhaçarias" deve de existir outros forums para isso, aqui sem duvida não há espaço para esse tipo de conversas.

Cumprimentos e Saludos
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 08:19:39 pm
Citar
Se você conhecesse história saberia que Portugal era aliado de Espanha e ela nos traiu se unindo a França e nos declarando GUERRA Vocês espanhois foram são e sempre serão traidores esta-vos no sangue, para lidar com vocês só alguem como D.Afonso Henriques


Esto foi escrito por Miguel Roque no foro de Olivenza, se esto non é insultar Miguel, eu non son español, son Checo :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 06, 2005, 08:28:29 pm
Bom, seja em castelhano, seja em português seja em chinês, o comportamento da Espanha foi vergonhoso. Quanto a isso não há qualquer dúvida.

E a culpa não é seguramente nossa. Que nos limitámos (como várias vezes na história) a ajudar os espanhois.

Como é evidente, quando ajudamos alguém e esse alguém depois de ser ajudado, nos ataca, o que é que havemos de achar? que os espanhóis são uns santos?
Claro que não! O termo traidor e cobarde é aplicável.

Como é que em Espanha se chama a alguém que deixa um aliado no campo de batalha ao qual se pediu ajuda e de repente retira, rende-se e deixa esse ex-aliado sozinho frente ao inimigo?


Já pensou que os portugueses foram os últimos a lutar pelo Rossilhão, mesmo quando os espanhóis se renderam?


TROQUE DE POSIÇÕES
 e depois diga-me o que você acharia dos portugueses se tivessem feito a mesma coisa.

Cumprimentos


PS: Não se importam de deixar os links em ves da imagem directa?
É que já há tanto link para essas imagens, que é um bocado repetitivo.
Título:
Enviado por: Aponez em Outubro 06, 2005, 08:34:30 pm
1.- España como país independente que é pode firmar os tratados que considere oportunos Papatango.

2.- En 1795 o Rosellón non era territorio español, era francés, tivemos que cedelo en 1659 pola Paz dos Pirineos, cando outros aliados ós que lles pedimos axuda responderon cunha guerra :roll: .

3.- Coa firma do tratado de paz entre España e Francia (o mismo que xa fixeran antes Austria e Prusia, a pesar de estar tambem aliadas) España comprometese, obviamente os franceses non aceptarian algo distinto, a retirar do territorio español ás forzas coas que Francia esta en guerra.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 06, 2005, 08:41:53 pm
Aponez

os Palhaços e noutros foruns

Espanha Republicana foi derrotada por um grupo de mercenarios fascitas, juntamente com mouros.....

Nos felizmente sabemos sempre barrer a casa, o que você devia aprender :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 06, 2005, 08:45:19 pm
===
Citação de: "Aponez"
1.- España como país independente que é pode firmar os tratados que considere oportunos Papatango.

Um país tem o direito de fazer os tratados que quer fazer, mas não tem o direito de trair os seus aliados. Se a Espanha queria ter o respeito nomeadamente de quem a apoiou na guerra contra a França, não podia ter retirado à pressa como fez no Rossilhão.
Os países são livres de fazer tratados, mas estão moralmente obrigados a respeitar os compromissos internacionais que assumem.

Quando a Espanha pediu ajuda aos portugueses para lutarem no Rossilhão, assumiu com Portugal um contrato, que quebrou da pior forma. Uma vergonha, sob qualquer ponto de vista.


Citar
2.- En 1795 o Rosellón non era territorio español, era francés, tivemos que cedelo en 1659 pola Paz dos Pirineos, cando outros aliados ós que lles pedimos axuda responderon cunha guerra :roll: .

O Rossilhão era território espanhol, e aqui nunca entenderemos os espanhóis. A terra de um país não muda por tratados sem mais nem menos. A terra pertence a uma Nação e a um Povo. Não há tratado que altere isso, do ponto de vista moral.

Citar
3.- Coa firma do tratado de paz entre España e Francia (o mismo que xa fixeran antes Austria e Prusia, a pesar de estar tambem aliadas) España comprometese, obviamente os franceses non aceptarian algo distinto, a retirar do territorio español ás forzas coas que Francia esta en guerra.

Quando se vai para uma guerra com um aliado, deve-se respeitar esse aliado, e não se pode trair esse aliado, conforme o interesse do momento.
Os países são como as pessoas. Ou têm honra, ou não têm.

Não há desculpa. Não pode haver desculpa para um comportamento daquela indole.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 07, 2005, 02:29:52 pm
Papatango confia mucho en la Historia.

1-El mundo de hoy nada tiene que ver con el de la Edad Media.

2-España en la Edad Media no se preocupo mucho de conquistar Portugal.Solo eran batallas para golpear y retirarse,no con la pretensión de conquistar territorio.

3-El que los americanos perdieran en Viernan no dice nada.

4-Eso de que el soldao portugues es mas aguerrido será en tus sueños.

Y contestanto a otro forista que dijo que actualmente Portugal tiene mas experiencia en combate.Bueno eso no se de donde lo sacaste.

España no hace mucho que salió de una guerra civil,de una guerra en Africa con Marruecos.Hace un poco mas salio de otra en Cuba,donde también hubo muchos muertos.Asi que no se de donde sacas la mejor experiencia de Portugal.


Desde el uno de julio y hasta el 31 de diciembre, más de 8.000 militares españoles estarán en alerta. En caso de un conflicto internacional en el que tengan que intervenir los países de la OTAN, ellos serían los primeros en salir.

Forman la Fuerza de Respuesta de la OTAN y hasta que acabe el año pueden ser enviados a cualquier lugar del mundo como primera unidad de intervención. Entre sus posibles misiones destacarían la lucha antiterrorista, el mantenimiento de la paz, la estabilización de zonas en conflicto y la ayuda en crisis humanitarias.

En sólo cinco días, estos militares, la mayoría de la Brigada Aerotransportable, están completamente preparados para ser enviados hasta 5.000 kilómetros de distancia. Allí, pueden estar un mes sin recibir refuerzos. Después, un ejército multinacional de 45.000 efectivos ocuparía su puesto.

Hasta hace poco, el mando de estas acciones lo llevaban los norteamericanos o los grandes ejércitos europeos. Ahora, España ha pasado de ser uno más de la OTAN a impartir doctrina militar.
Título:
Enviado por: emarques em Outubro 07, 2005, 05:13:40 pm
Citação de: "NotePad"
Quanto a 1ª guerra do golfo. Os EUA so conseguram supremacia aerea no iraque depois de nos primeiros minutos de guerra os iraquianos terem gasto qualquer coisa como 900 misseis terra-ar em Uavs americanos. Ao final do 1º dia ja os iraquianos tinham gasto todo o seu stock de misseis terra-ar, foi so graças a isso que os americanos conseguiram a supremacia aerea. Depois face aos F-16, F-18, F-14, Harriers, tornados etc em numero bastante superior os migs iraquianos nao tiveram hipotesse a começar no trino dos pilotos, de notar que grande parte dos avioes foram destruidos em terra. Quanto aos tanques os eua usaram uma tactica de fazer parecer que os seus blindados eram muito mais dos que realmente eram obrigando os iraquianos a bater em retirada e destruindo-os enquanto estes fugiam por pensar que os americanos eram muitos mais do que realmente eram, se os tanques iraquianos e americanos se tivessem batido frente-a-frente garanto que as baixas americanas teriam sido muito mais pois a superioridade do abraams e relativamente anulada nas curtas distancias, e num combate frente a frente os americanos so teriam essa vantagem por alguns minutos senao segundos.

O problema dos duelos de tanques para os iraquianos era que os americanos podiam ataca-los e destruí-los a uns 4000 metros, enquanto que os iraquianos tinham muita dificuldade em atacar (mesmo sem grande possibilidade de destruir) os americanos a 1500m. Provavelmente teriam sido incapazes de destruir tanques americanos a mais de 1000m. É uma diferença muito grande, que seria difícil resolver com boas tácticas... E as dos iraquianos eram más.
Título:
Enviado por: NVF em Outubro 07, 2005, 06:03:24 pm
Comparar experiencias de guerra que aconteceram ha' 60 e ha' 100 anos atras (e que nao foram de guerrilha) com a experiencia portuguesa (1961 a 1974), nao faz muito sentido.
Quanto 'a guerra com Marrocos, presumo que se esteja a referir a esta: http://en.wikipedia.org/wiki/1957_Invas ... ish_Sahara (http://en.wikipedia.org/wiki/1957_Invasion_of_Spanish_Sahara) Pela descricao e numero de baixas, parece nao ter passado de escaramucas.

E depois e' o PT que confia demasiado na Historia.
Título:
Enviado por: dremanu em Outubro 07, 2005, 06:37:54 pm
A mentalidade Espanhola ao longo dos séculos é sempre a mesma, já ganharam, gloriosamente, a guerra, antes mesmo de a combaterem.

Isto é uma desvantagem psicológica enorme porque uma vez que entram em ação e as coisas começam a dar errado e a realidade não corresponde ao imaginário, ficam decepcionados, e mais rapidamente ficam desmoralizados para continuar a combater.

Em contraste, em Portugal, e devido à nossa realidade, os Portuguêses já vão para qualquer guerra sem ilusões de pensarem que é só chegar e ganhar. Qualquer que seja uma futura vitória ela terá que ser ganha com sacrifício, trabalho, esperteza, e sorte, porque à partida já começamos em desvantagem em relação ao nosso inimigo.(Até temos um dito popular que nos lembra desta realidade,"- Quem vai à guerra dá e leva!")

Temos sempre menos recursos, somos sempre mais pequenos, e precisamos de nos "desenrascar" com aquilo que temos à mão para alcançar os nossos objectivos.

Estas circustâncias na mente da maioria de pessoas que vêm de países grandes já cria uns obstáculos insuperaveís, e em geral conduzivos ao sindroma de "coçar a cabeça sem saber como proceder". Mas para o Português, isso é o "pão nosso de cada dia", então não é uma barreira psicológica, é a norma.

E em termos de liderança militar acho que os Portuguêses têm mais capacidade de produzir bons a excelentes comandantes militares do que Espanha. Pelo menos assim me parece ser a realidade ao longo dos séculos. Em Portugal, o que não falta são exemplos de capacidade de liderança de homens em batalha, a começar logo pelo nosso 1o rei até aos tempos modernos na figura do General Kaúlza de Arriaga.

Os grandes chefes militares da história de Espanha resumem-se em grande parte aos feitos dos conquistadores do México e do Peru, Pizarro, Cortéz, e outros. E esses eram na realidade Castelhanos, não Espanhoís.

Creio que os Espanhois também tiveram alguns bons generaís no exército que lutou com os Alemães na 2a guerra mundial. Note-se no entanto que eram comandantes operacionaís ao serviço dos Alemães, o que suponho implica a ideia que não tinham participação no processo de decisão estratégia e táctica a nível superior.

Em contraste toda a estratégia da guerra colonial Portuguesa foi desenvolvida por oficiaís Portuguêses. E todas as decisões relacionadas com a implementação e ajuste dessa estratégia e tácticas ao longo dos anos que durou a guerra sempre foram feitas por oficiaís Portuguêses, e transmitidas de uma geração para a outra. É o tipo de experiência que no mundo ocidental só a Grã-Bretanha, a França, e os Americanos têm.

Também penso que devido a homogenidade cultural dos Portuguêses, existe maior coesão e unidade entre os nossos soldados, do que em relação aos Espanhoís que vêm de regiões onde se fala línguas diferentes, e onde muitos nem aceitam a ideia de serem Espanhoís. Isso é algo que não existe em Portugal.

Hoje em dia, na minha opinião, o elo fraco na relação Portugal-Espanha não se encontra, na geralidade, na diferença numérica, mas sim na falta de maior qualidade em certo equipamentos cruciaís à nossa defesa, tendo em conta a realidade moderna de lutar uma guerra. Por exemplo, ter melhores meios anti-aéreos para não permitir que Espanha consiga ganhar dominio do espaço aéreo nacional, e ter misseís que permitam bombardear Espanha a longa-distância. Acho que também uma outra lacuna, e talvéz a mais séria, será a provavél não existência de um plano de ação que estipule como se deve fazer a rápida mobilização e equipamento de homens para lutar uma invasão do exército Espanhol.

De qualquer forma, com quantidade e qualidade suficiente de meios técnicos adequados a uma guerra defensiva, com certeza Portugal consegue eliminar a vantagem numérica que Espanha têm em relação a nós, e no fim sair vitorioso.
Título:
Enviado por: typhonman em Outubro 07, 2005, 07:02:21 pm
A base da resistência está nos submarinos equipados com misseis de cruzeiro e anti-navio, e em terra grande quatidade e qualidade de misseis anti-carro.

"excerto do site world armed forces"

The US has accused Russia of selling Iraq modern anti-tank guided missiles. This would be the Kornet E, a laser guided missile with a range of 5,000 meters. The launcher has a thermal sight for use at night or in fog. The missile's warhead can penetrate 1200 mm of armor, which means that the front and side armor of the U.S. M-1 Abrams tank would be vulnerable. The missile weighs 18 pounds and the launcher 42 pounds. The system was introduced in 1994 and has been sold to India and Syria (who may have slipped a few to Iraq). The missile also has a thermobaric (fuel air explosive) warhead available. This would be used to attack targets inside bunkers, buildings or caves. When a thermobaric warhead explodes, the mist of flammable gas creates a huge explosion that spreads to adjacent areas (rooms, caves) and kills with shock, fire and by sucking out all the oxygen. It's doubtful that Iraq has any of these warheads, as they would not have any use for them. The Russians have been slow to develop "top attack" warheads, which have been available in the west for two decades. Such warheads detonate when the missile is over the target and punch through the thin top armor. Such missiles would be deadly against U.S. M-1 tanks.
Título:
Enviado por: Yosy em Outubro 07, 2005, 07:06:04 pm
Grande post dremanu  :Palmas:  :twisted:

Deixo uma pergunta no ar: deveria o governo declarar Lisboa "cidade aberta" para evitar a sua destruição?[/quote]

Segue o exercício teórico  :arrow:

Por que supõe que uma guerra entre Portugal e Espanha teria que ser uma invasão do Portugal continental?. Se eu fosse um comandante espanhol disposto à guerra, escolheria para começar um objetivo limitado: As Selvagens, Madeira ou o eixo Algarve-Sines.

Qualquer compreende que o controle militar do Portugal continental suporia muitos meios humanos e materiais. No entanto, a conquista de um objetivo importante mas não vital seria bem mais fácil e igual de contundente.

Que opina?[/quote]

Realmente nunca tinha pensado nesse cenário, mas acho que a divisão de forças (que teria que ser grande para ocupar a Madeira) ou o cerco á ilha (uma grande operação logística para ser eficaz) seria complicar o que é fácil. Não invadindo Portugal Continental (ou invadir a parte sul) resultaria numa muito cara guerra de atrito, o que seria inutil para um país como a Espanha. Para a Espanha vencer a guerra teria necessáriamente que invadir Portugal Continental.
Título:
Enviado por: NotePad em Outubro 07, 2005, 07:13:15 pm
Invadir a madeira?! hahaha com o Alberto João Jardim la? atrevam-se!
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 07, 2005, 07:24:55 pm
Citar
Papatango confia mucho en la Historia.

1-El mundo de hoy nada tiene que ver con el de la Edad Media.

2-España en la Edad Media no se preocupo mucho de conquistar Portugal.Solo eran batallas para golpear y retirarse,no con la pretensión de conquistar territorio.

Bom, você tem razão, quando afirma que a Espanha não se preocupou muito...
De facto, a Espanha nem sequer existia como tal, por isso, é natural que não se preocupasse com esses problemas.

Já aqui ficou provado e comprovado que a Espanha não existia antes de 1715, portanto solicito-lhe que não insista com a sua deturpação histórica, que pode vir a ser considerada insultuosa e desrespeitosa!!!

Creio no entanto, que no seu erro, e decorrente do seu total desconhecimento de história, você queria dizer "Castela" e não Espanha.

Mesmo assim, naturalmente está (como é normal) absolutamente errado.

Bastaria ver os documentos sobre a chamada Guerra dos "Joões" (Guerra de los Juanes). João I de Castela, tinha claramente como objectivo reclamar a coroa de Portugal, pelos seus direitos dinásticos decorrentes do seu casamento com uma criança de 13 anos (D. Catarina).

Houve intenções claras de Castela em dominar Portugal, como houve intenções portuguesas de dominar o Reino de Castela, embora aqui por via da diplomacia e dos casamentos

É patético, absolutamente patético, mesmo absolutamente ridiculo achar que um Rei movimenta uma das maiores forças armadas da guerra dos 100 anos, para "golpear" e retirar.

Solicito-lhe um pouco de respeito pela história, pelos documentos históricos, e pela inteligência dos presentes.

Aqui, não são aceites de bom tom as mistificações e as mentiras da historia do estado castelhano. São mistificações e provocações Neo-Nazis, Franquistas, contra as quais, será necessário agir.

Você tem todo o direito de contestar o que quer que seja, mas antes TEM QUE ARGUMENTAR COM ALGUM TIPO DE PROVA, OU ARGUMENTO HISTÓRICO (nem precisa de enlace).

Caso contrário, não tendo apresentado qualquer tipo de argumento, as suas declarações são apenas produzidas com o intuito de confundir e criar tensões entre os participantes.

Tudo o que você tem relatado, é absolutamente falso e mentiroso, e pode ser (e já foi) desmentido MESMO COM LIVROS DE HISTÓRIA DA ESPANHA.

= = = = =

Para terminar, peço mais uma vez a leitura dos textos.

As minhas referências históricas no contexto em que foram produzidas têm em vista demonstrar que mesmo na idade média havia diferênças tecnológicas entre os exércitos e nada mais. Todas as restantes extrapolações são absurdas e fora do contexto.

= = =
Se o soldado português não fosse mais aguerrido que o castelhano, nós não estaríamos aqui a falar!
Portugal não existiria.
= = =  :roll:  :roll:

<castelhano>
Intente entender: Usted está en un foro portugués. No puede llegar aquí y presentar sus puntos de vistas, sin más ningún tipo de argumentación. En este foro, sus puntos de vista, desde que sin argumentación ó explicación, no pasan de chistes y nada mas que eso.
En un foro español, probablemente usted puede decir algo como lo escrito arriba, que nadie lo va a dudar. En un foro portugués, esa afirmación es considerada una mentira tonta hecha por un descerebrado.

Se quiere discutir, y tener alguna credibilidad no puede hacerlo imponiendo sus puntos de vista sin los explicar. Los otros foristas no lo van a entender, y se limitarán a ponerle una tarjeta de “castellano arrogante” ó cabeza dura.

Además le ruego más una vez que intente entender lo que se escribe, y el contexto en que se escribe para evitar equivocos.
[/color]
</castelhano>
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 07, 2005, 08:02:45 pm
Neste momento o preocupante e o actual desequilibrio das forças entre Portugal e Espanha:

por exemplo:

Forças Aéreas:

Portugal: 24 F16 e 20 Alphajets
Espanha: 90 F18 e 60 Mirages 30 F5 e 20 Harrier ( alem do EF2000 subsituir gradualmente os Mirages neste momento existe 10 Typhoons)

proporção 1 Portugal contra 4 Espanha :shock:

Armadas

Portugal: 5 Fragatas e 2 Submarinos
Espanha: 1 Porta Avioes, 10 Fragatas, 4 Submarinos,2 LPD

proporção 1 contra 2 e portugal sem PA e LPD's

Exercito:

Portugal: 100 Tanques M60
Espanha: perto de 800 Tanques(200 LeopardsII, M60TTS etc,Centauros,)

sem comentarios

Estamos pior que no tempo de Aljubarrota
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 07, 2005, 08:04:35 pm
Citação de: "dremanu"
Os grandes chefes militares da história de Espanha resumem-se em grande parte aos feitos dos conquistadores do México e do Peru, Pizarro, Cortéz, e outros. E esses eram na realidade Castelhanos, não Espanhoís.


O Pizzaro e o Cortéz, são extremenhos ...

Pizzaro, antes de começar a massacrar os incas, era guardador de porco e analfabeto na Extremadura, sendo ele natural de Trujillo.

Cortéz, destrui as civilizações Olmecas, Toltecas, Astecas e Maia. Também estremenho e tendo nascido em Medellin, voltou depois, exilado por Carlos V (horrorizado pelo os massacres feitos), em Castileja de la Cuesta.

Mas há outros, todos eles estremenhos :

- Nuñez de Balboa (1475-1517), natural de Jerez de los Caballeros e perante a tanta crueldade, o rei mandou executá-lo em 1517

- Pedro Valdivia (1500-1553) : conhecido pelos os saques e destruições provocada na América Latína ; foi morto pelo os proprios compatriotas

- Hernando de Soto : este deve ser se calhar o pior de todos, dava de comer carne de indios aos cães dele ...

- Francisco de Orellana (1511-1546) : natural de Trujillo, ficou conhecido pela destruição das populações do Péru, traíu Pizarro. Felizmente morreu duma grande enfermidade que o impediu de continuar a massacrar

- Manuel de Godoy (1767-1851) : natural de Castuera (Badajoz), anexou o concelho de Olivença e traíu a Espanha

Se os espanhoís tiverem apenas estes exemplos, então estão bem guiados ...  :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 07, 2005, 08:15:17 pm
Citação de: "Doctor Z"
Cortéz, destrui as civilizações Olmecas, Toltecas, Astecas e Maia. Também estremenho e tendo nascido em Medellin, voltou depois, exilado por Carlos V (horrorizado pelo os massacres feitos), em Castileja de la Cuesta.


 :shock:  :shock:  :shock:  :mrgreen: :mrgreen: :twisted:

Os Maias foram extintos no tempo dos Visigodos. Os Olmecq, desapareceram antes disso, e ainda hoje não se entende porquê. O Toltecas eu não sei.

Os Aztecas, é verdade, que são de responsabilidade castelhana.
Por outro lado esqueceu-se dos Incas (Atahualpa, diz-lhe alguma coisa :mrgreen: ).

E mesmo aí, muita coisa se pode dizer. O desaparecimento dessas civilizações pode ter sido causado por causas exogenas. Os conquistadores apenas potenciaram essas causas.

Cumprimentos


PS: Podemos discutir esta questão noutro tópico. Eu gostaria de continuar com a tese do Manuel Liste, mas agora não posso.
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 07, 2005, 08:51:18 pm
Existe um grande soldado Espanhol valoroso , conhecido por EL CID

quando estive em Burgos vi sua estatua :D
Título:
Enviado por: garrulo em Outubro 07, 2005, 09:10:37 pm
Sois pateticos,seguir asi, que alcanzareis el respeto de toda la galaxia.
Título:
Enviado por: Luso em Outubro 07, 2005, 09:21:07 pm
"Deus gosta do povo luso"

Sempre achei que Deus tem um sentido de humor estragado.
Aposto que gosta da SIC e dos "Malucos do Riso".

- E deixem os pobres espanhóis em paz!

Pues que nosotros tenemos Sócrates!
Já tenemos probliemas de suebra!
Título:
Enviado por: papatango em Outubro 07, 2005, 09:32:52 pm
Citação de: "Miguel"
Existe um grande soldado Espanhol valoroso , conhecido por EL CID

quando estive em Burgos vi sua estatua :D


A título de curiosidade:

Segundo historiadores como Richard Fletcher ou Roger Collins, que se dedicaram ao estudo das sociedades da peninsula, o El Cid, foi um dos muitos Senhores-da-Guerra, que de facto tanto trabalhavam para os reis cristãos como para os mouros. Aliás o El Cid, fez vários servicinhos para os Mouros, e acabou  por ficar com a cidade de Valência, que foi retomada pelos mouros depois da sua morte.

Portugal também tem destes "Cid's" e o que conhecemos melhor é o Geraldo-sem-pavor. As historiografias de Portugal e da Espanha apoderaram-se desta imagem de cavaleiros medievais, e deram-lhe uma aura que não corresponde à verdade.

A estatua do El Cid, também tem a sua correspondência em Évora, onde a mais importante praça da cidade é a praça do Geraldo.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: manuel liste em Outubro 07, 2005, 09:44:43 pm
Citação de: "Luso"
"Deus gosta do povo luso"

Sempre achei que Deus tem um sentido de humor estragado.
Aposto que gosta da SIC e dos "Malucos do Riso".

- E deixem os pobres espanhóis em paz!

Pues que nosotros tenemos Sócrates!
Já tenemos probliemas de suebra!

Realmente, participar en este foro con espíritu constructivo y amistoso es difícil.

Citação de: "Yosy"
Realmente nunca tinha pensado nesse cenário, mas acho que a divisão de forças (que teria que ser grande para ocupar a Madeira) ou o cerco á ilha (uma grande operação logística para ser eficaz) seria complicar o que é fácil. Não invadindo Portugal Continental (ou invadir a parte sul) resultaria numa muito cara guerra de atrito, o que seria inutil para um país como a Espanha. Para a Espanha vencer a guerra teria necessáriamente que invadir Portugal Continental.


Yosy: si mi escenario le sirvió para algo, ya sirve. Como todo escenario, es discutible.
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 07, 2005, 11:04:41 pm
Citar
Existe um grande soldado Espanhol valoroso , conhecido por EL CID


Coincido contigo.El Cid fue el mejor caballero que tuvo España.
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 08, 2005, 12:37:40 am
Citar
neste momento o preocupante e o actual desequilibrio das forças entre Portugal e Espanha:


No problem,No sois enemigos nuestro.Nuestro enemigo lo es Marruecos.
Título:
Enviado por: NVF em Outubro 08, 2005, 12:54:53 am
Nao e' nada, ainda ha' pouco tempo venderam M60 ao Marrocos  :wink:

Quanto ao cenario do Manuel Liste, eu ate' adiantava mais. Em caso de conflito Peninsular, a Espanha nao necessita de nos invadir; com os meios que tem, pode facilmente bloquear Portugal por completo.

Com um ataque inical ao Alfeite e a Montereal destroem os nossos principais meios navais e aereos. Depois, com um bloqueio aeronaval podem isolar completamente Portugal, inclusive das ilhas. E os meios portugueses que restarem nao estarao 'a altura de se lhes opor.

Por terra, podem igualmente isolar-nos do resto da Europa. O maximo que Portugal podia fazer seriam uns golpes de mao contra algumas unidades militares espanholas junto 'a fronteira.

Ao fim de 3 ou 4 meses o que e' que nos iriamos fazer, sem combustivel, ou alimentos?
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 08, 2005, 01:08:53 am
Conquistar el pais al 100% no creo que se pueda,ya que nuestro ejercito no esta hecho para tal cosa.Pero conquistar alguna ciudad importante si es mas factible y probable,tb golpear en puntos claves y estrategicos,tanto con bombardeos como ataques por tierra,pero nunca con el proposito de conquistar.Tambien lo que mencionas del bloqueo.
Título:
Enviado por: Yosy em Outubro 08, 2005, 08:56:31 pm
De certa forma concordo com o Cody. Conquistar tudo seria complicado porém não impossível. A Espanha teria que se tornar numa nação em armas, com serviço militar obrigatório - não esqueçamos que Espanha tem 40 milhões de habitantes e Portugal apenas 10.

A ideia do cerco não é ideal - é possível furar e daria tempo a Portugal de mobilizar apoio internacional para a sua causa, algo bem mais difícil de fazer se nos víssemos perante um facto consumado como com as tropas espanholas a marchar em Lisboa.

A ideia de ocupar pontos estratégicos no país é a que, na minha opinião de "armchair general", é a mais indicada para a Espanha. Lisboa e Porto são objectivos fundamentais. Quem domina estes dois pontos, domina Portugal Continental.
Título:
Enviado por: Doctor Z em Outubro 09, 2005, 01:19:08 am
Citação de: "Yosy"
De certa forma concordo com o Cody. Conquistar tudo seria complicado porém não impossível. A Espanha teria que se tornar numa nação em armas, com serviço militar obrigatório - não esqueçamos que Espanha tem 40 milhões de habitantes e Portugal apenas 10.


Sem falar de 4 a 5 milhões de portugueses no estrangeiro ...
Título:
Enviado por: Cody em Outubro 10, 2005, 01:39:06 am
España tb tiene españoles en el extranjero
Título:
Enviado por: komet em Outubro 10, 2005, 01:46:51 am
Mas um português chega para dez espanhóis, por isso é uma questão de fazerem as contas  :wink:
Título:
Enviado por: dremanu em Outubro 12, 2005, 04:39:30 pm
Citação de: "Luso"
"Deus gosta do povo luso"

Sempre achei que Deus tem um sentido de humor estragado.
Aposto que gosta da SIC e dos "Malucos do Riso".

- E deixem os pobres espanhóis em paz!

Pues que nosotros tenemos Sócrates!
Já tenemos probliemas de suebra!



 :lol:  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: Jorge de Burgos em Fevereiro 21, 2007, 01:51:28 am
Un saludo a todos.

En primer lugar es imposible que España atacase a Portugal un país aliado miembro de la OTAN y de la Unión Europea. Además es imposible que el pueblo español apoyase una guerra de agresión injustificada. Sería una guerra impopular. Nadie en España odia a los portugueses.

Por si todo esto no fuera suficiente España no puede invadir a nadie, ni tan siquiera a Andorra porque la comunidad internacional condenaría esa agresión y nos impondrían un embargo o incluso puede que EEUU apoyase militarmente al país agredido.

Además con esa guerra España no ganaría absolutamente nada, en Portugal no hay petroleo. Por el contrario perdería muchisimo, una guerra de entrada arruinaría la economia de España. Las fuerzas armadas españolas poco numerosas quedarían rápidamente diezmadas y ¿de donde se sacarían nuevos soldados para una guerra injusta e impopular?
 
España no puede atacar a Portugal además porque hacerlo seria un suicidio. España es un país con graves problemas internos, con movimientos secesionistas en su interior y con un enemigo exterior, Marruecos, que esta dispuesto a invadir Ceuta, Melilla y las Canarias. Si España iniciase una guerra contra Portugal, al día siguiente la ONU condena a España y Marruecos le declara la guerra a los "malvados" hispanos. España no podría luchar en dos frentes a la vez contra Portugal y Marruecos, estando totalmente aislada por ser la agresora. España empezaría a perder batallas y territorios. En ese contexto los nacionalistas vascos y catalanes se autoproclamarán independientes en sus respectivos parlamentos abriendo dos nuevos frentes contra España. Alemania reconocerá a los dos nuevos estados Vasco y Catalán enseguida y les venderá armas, como hizo con Eslovenia y Croacia.

En resumen, España perdería la guerra, Ceuta, Melilla y Canarias pasarían a ser marroquis, Cataluña y Vascongadas repúblicas independientes y tendriamos que ceder tal vez Galicia y Olivenza a los victoriosos portugueses.

En el caso hipotetico de que el ejercito español pillase desprevenido al portugués e invadiese temporalmente algún territorio luso esto duraría poco. Ya que evidentemente España no está preparada ni mentalmente ni materialmente para ocupar un país, con el desgaste que eso supone (ejemplo Irak). Dudo mucho que un ejercito europeo actual como el portugués se desmoronase ante el ejercito español, lo más probable es que pese a la inferioridad númerica resistan y paren el avance español. E incluso si el ejercito luso se desintegrase el pueblo portugués con guerra de guerrillas desmoralizaría a los españoles y estos se acabarían retirando humillados.  

Ahora bien esto sólo podría ocurrir si en España gobernase una especie de loco imitador de Hitler con sueños imperiales que quisiera invadir a nuestros vecinos. Pero ¿que sucedería si fuera al revés? Por ejemplo, imaginemos que un general portugués hace un golpe de estado e instaura un régimen neo-salazarista. La nueva dictadura portuguesa decide para obtener apoyo popular buscar un enemigo exterior y se acuerda entonces de Olivenza. Portugal ataca a España. ¿Que pasaría entonces? ¿Invadirían España los portugueses? ¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos? ¿Marruecos aprovecharía la ocasión para declarar la guerra a una España acorralada?

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.

Un saludo desde el decadente Reino, antes llamado España. Y repito que a los españoles nos caen bien los portugueses y no tenemos nada contra ellos. Nosotros a los que no tragamos es a los marroquís. :lol:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 21, 2007, 12:44:57 pm
Amigo, para ser tu primer post, no se pueden decir mas tonterias en tan poco espacio. Para hablar de politica , cualquier indocumentado vale. Para hacerlo de defensa , hay que saber.
Saludos cordiales y a la escuela.
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 21, 2007, 02:13:01 pm
Citação de: "Jorge de Burgos"
Un saludo a todos.

En primer lugar es imposible que España atacase a Portugal un país aliado miembro de la OTAN y de la Unión Europea. Además es imposible que el pueblo español apoyase una guerra de agresión injustificada. Sería una guerra impopular. Nadie en España odia a los portugueses.

Por si todo esto no fuera suficiente España no puede invadir a nadie, ni tan siquiera a Andorra porque la comunidad internacional condenaría esa agresión y nos impondrían un embargo o incluso puede que EEUU apoyase militarmente al país agredido.

Además con esa guerra España no ganaría absolutamente nada, en Portugal no hay petroleo. Por el contrario perdería muchisimo, una guerra de entrada arruinaría la economia de España. Las fuerzas armadas españolas poco numerosas quedarían rápidamente diezmadas y ¿de donde se sacarían nuevos soldados para una guerra injusta e impopular?
 
España no puede atacar a Portugal además porque hacerlo seria un suicidio. España es un país con graves problemas internos, con movimientos secesionistas en su interior y con un enemigo exterior, Marruecos, que esta dispuesto a invadir Ceuta, Melilla y las Canarias. Si España iniciase una guerra contra Portugal, al día siguiente la ONU condena a España y Marruecos le declara la guerra a los "malvados" hispanos. España no podría luchar en dos frentes a la vez contra Portugal y Marruecos, estando totalmente aislada por ser la agresora. España empezaría a perder batallas y territorios. En ese contexto los nacionalistas vascos y catalanes se autoproclamarán independientes en sus respectivos parlamentos abriendo dos nuevos frentes contra España. Alemania reconocerá a los dos nuevos estados Vasco y Catalán enseguida y les venderá armas, como hizo con Eslovenia y Croacia.

En resumen, España perdería la guerra, Ceuta, Melilla y Canarias pasarían a ser marroquis, Cataluña y Vascongadas repúblicas independientes y tendriamos que ceder tal vez Galicia y Olivenza a los victoriosos portugueses.

En el caso hipotetico de que el ejercito español pillase desprevenido al portugués e invadiese temporalmente algún territorio luso esto duraría poco. Ya que evidentemente España no está preparada ni mentalmente ni materialmente para ocupar un país, con el desgaste que eso supone (ejemplo Irak). Dudo mucho que un ejercito europeo actual como el portugués se desmoronase ante el ejercito español, lo más probable es que pese a la inferioridad númerica resistan y paren el avance español. E incluso si el ejercito luso se desintegrase el pueblo portugués con guerra de guerrillas desmoralizaría a los españoles y estos se acabarían retirando humillados.  

Ahora bien esto sólo podría ocurrir si en España gobernase una especie de loco imitador de Hitler con sueños imperiales que quisiera invadir a nuestros vecinos. Pero ¿que sucedería si fuera al revés? Por ejemplo, imaginemos que un general portugués hace un golpe de estado e instaura un régimen neo-salazarista. La nueva dictadura portuguesa decide para obtener apoyo popular buscar un enemigo exterior y se acuerda entonces de Olivenza. Portugal ataca a España. ¿Que pasaría entonces? ¿Invadirían España los portugueses? ¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos? ¿Marruecos aprovecharía la ocasión para declarar la guerra a una España acorralada?

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.

Un saludo desde el decadente Reino, antes llamado España. Y repito que a los españoles nos caen bien los portugueses y no tenemos nada contra ellos. Nosotros a los que no tragamos es a los marroquís. :Palmas:
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 21, 2007, 07:15:18 pm
Citação de: "Jorge de Burgos"
Un saludo a todos.

En primer lugar es imposible que España atacase a Portugal un país aliado miembro de la OTAN y de la Unión Europea. Además es imposible que el pueblo español apoyase una guerra de agresión injustificada. Sería una guerra impopular. Nadie en España odia a los portugueses.

Por si todo esto no fuera suficiente España no puede invadir a nadie, ni tan siquiera a Andorra porque la comunidad internacional condenaría esa agresión y nos impondrían un embargo o incluso puede que EEUU apoyase militarmente al país agredido.

Además con esa guerra España no ganaría absolutamente nada, en Portugal no hay petroleo. Por el contrario perdería muchisimo, una guerra de entrada arruinaría la economia de España. Las fuerzas armadas españolas poco numerosas quedarían rápidamente diezmadas y ¿de donde se sacarían nuevos soldados para una guerra injusta e impopular?
 
España no puede atacar a Portugal además porque hacerlo seria un suicidio. España es un país con graves problemas internos, con movimientos secesionistas en su interior y con un enemigo exterior, Marruecos, que esta dispuesto a invadir Ceuta, Melilla y las Canarias. Si España iniciase una guerra contra Portugal, al día siguiente la ONU condena a España y Marruecos le declara la guerra a los "malvados" hispanos. España no podría luchar en dos frentes a la vez contra Portugal y Marruecos, estando totalmente aislada por ser la agresora. España empezaría a perder batallas y territorios. En ese contexto los nacionalistas vascos y catalanes se autoproclamarán independientes en sus respectivos parlamentos abriendo dos nuevos frentes contra España. Alemania reconocerá a los dos nuevos estados Vasco y Catalán enseguida y les venderá armas, como hizo con Eslovenia y Croacia.

En resumen, España perdería la guerra, Ceuta, Melilla y Canarias pasarían a ser marroquis, Cataluña y Vascongadas repúblicas independientes y tendriamos que ceder tal vez Galicia y Olivenza a los victoriosos portugueses.

En el caso hipotetico de que el ejercito español pillase desprevenido al portugués e invadiese temporalmente algún territorio luso esto duraría poco. Ya que evidentemente España no está preparada ni mentalmente ni materialmente para ocupar un país, con el desgaste que eso supone (ejemplo Irak). Dudo mucho que un ejercito europeo actual como el portugués se desmoronase ante el ejercito español, lo más probable es que pese a la inferioridad númerica resistan y paren el avance español. E incluso si el ejercito luso se desintegrase el pueblo portugués con guerra de guerrillas desmoralizaría a los españoles y estos se acabarían retirando humillados.  

Ahora bien esto sólo podría ocurrir si en España gobernase una especie de loco imitador de Hitler con sueños imperiales que quisiera invadir a nuestros vecinos. Pero ¿que sucedería si fuera al revés? Por ejemplo, imaginemos que un general portugués hace un golpe de estado e instaura un régimen neo-salazarista. La nueva dictadura portuguesa decide para obtener apoyo popular buscar un enemigo exterior y se acuerda entonces de Olivenza. Portugal ataca a España. ¿Que pasaría entonces? ¿Invadirían España los portugueses? ¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos? ¿Marruecos aprovecharía la ocasión para declarar la guerra a una España acorralada?

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.

Un saludo desde el decadente Reino, antes llamado España. Y repito que a los españoles nos caen bien los portugueses y no tenemos nada contra ellos. Nosotros a los que no tragamos es a los marroquís. :lol:


Espanha não poderia escolher maior inimigo no mundo que não Portugal.
Excelente visão do que poderia acontecer se Espanha invadisse Portugal, inicialmente Espanha obteria algumas vitórias importantes devido á superioridade aérea, tanques e numero de homens, mas o problema seria manterem-se no terreno, os portugueses depressa partiriam para uma luta de guerrilha(sendo Portugal um dos melhores do mundo neste tipo de guerra) tipo Iraque, mas ao contrário do Iraque que é um país dividido em diversa etnias, Portugal é uno, portanto seria imposta uma luta de guerrilhas muitissimo mais violenta, o exército espanhol seria atacado com armas antitanque, coktails molotov, atiradores furtivos, uso generalizado de bombas com comando á distância, emboscadas, lutas corpo a corpo, enfim Portugal seria um autentico inferno para os espanhois, devido á rivalidade ancestral que existe, muitos comandante portugueses não se contentariam somente com a derrota do exército castelhano, mas sim com o seu total aniquilamento, depois de mais uma aventura do exército espanhol em Portugal, muito poucos soldados regressariam  com vida a Espanha.
Título:
Enviado por: hellraiser em Fevereiro 21, 2007, 07:31:01 pm
Citação de: "Jorge de Burgos"
Un saludo a todos.

En primer lugar es imposible que España atacase a Portugal un país aliado miembro de la OTAN y de la Unión Europea. Además es imposible que el pueblo español apoyase una guerra de agresión injustificada. Sería una guerra impopular. Nadie en España odia a los portugueses.

Por si todo esto no fuera suficiente España no puede invadir a nadie, ni tan siquiera a Andorra porque la comunidad internacional condenaría esa agresión y nos impondrían un embargo o incluso puede que EEUU apoyase militarmente al país agredido.

Además con esa guerra España no ganaría absolutamente nada, en Portugal no hay petroleo. Por el contrario perdería muchisimo, una guerra de entrada arruinaría la economia de España. Las fuerzas armadas españolas poco numerosas quedarían rápidamente diezmadas y ¿de donde se sacarían nuevos soldados para una guerra injusta e impopular?
 
España no puede atacar a Portugal además porque hacerlo seria un suicidio. España es un país con graves problemas internos, con movimientos secesionistas en su interior y con un enemigo exterior, Marruecos, que esta dispuesto a invadir Ceuta, Melilla y las Canarias. Si España iniciase una guerra contra Portugal, al día siguiente la ONU condena a España y Marruecos le declara la guerra a los "malvados" hispanos. España no podría luchar en dos frentes a la vez contra Portugal y Marruecos, estando totalmente aislada por ser la agresora. España empezaría a perder batallas y territorios. En ese contexto los nacionalistas vascos y catalanes se autoproclamarán independientes en sus respectivos parlamentos abriendo dos nuevos frentes contra España. Alemania reconocerá a los dos nuevos estados Vasco y Catalán enseguida y les venderá armas, como hizo con Eslovenia y Croacia.

En resumen, España perdería la guerra, Ceuta, Melilla y Canarias pasarían a ser marroquis, Cataluña y Vascongadas repúblicas independientesy tendriamos que ceder tal vez Galicia y Olivenza a los victoriosos portugueses.

En el caso hipotetico de que el ejercito español pillase desprevenido al portugués e invadiese temporalmente algún territorio luso esto duraría poco. Ya que evidentemente España no está preparada ni mentalmente ni materialmente para ocupar un país, con el desgaste que eso supone (ejemplo Irak). Dudo mucho que un ejercito europeo actual como el portugués se desmoronase ante el ejercito español, lo más probable es que pese a la inferioridad númerica resistan y paren el avance español. E incluso si el ejercito luso se desintegrase el pueblo portugués con guerra de guerrillas desmoralizaría a los españoles y estos se acabarían retirando humillados.  

Ahora bien esto sólo podría ocurrir si en España gobernase una especie de loco imitador de Hitler con sueños imperiales que quisiera invadir a nuestros vecinos. Pero ¿que sucedería si fuera al revés? Por ejemplo, imaginemos que un general portugués hace un golpe de estado e instaura un régimen neo-salazarista. La nueva dictadura portuguesa decide para obtener apoyo popular buscar un enemigo exterior y se acuerda entonces de Olivenza. Portugal ataca a España. ¿Que pasaría entonces? ¿Invadirían España los portugueses? ¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos? ¿Marruecos aprovecharía la ocasión para declarar la guerra a una España acorralada?

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.

Un saludo desde el decadente Reino, antes llamado España. Y repito que a los españoles nos caen bien los portugueses y no tenemos nada contra ellos. Nosotros a los que no tragamos es a los marroquís. :D  :D  :lol:  :lol:  :roll:
Título:
Enviado por: Yosy em Fevereiro 21, 2007, 08:25:59 pm
Citação de: "Jorge de Burgos"
Un saludo a todos.

En primer lugar es imposible que España atacase a Portugal un país aliado miembro de la OTAN y de la Unión Europea. Además es imposible que el pueblo español apoyase una guerra de agresión injustificada. Sería una guerra impopular. Nadie en España odia a los portugueses.

Por si todo esto no fuera suficiente España no puede invadir a nadie, ni tan siquiera a Andorra porque la comunidad internacional condenaría esa agresión y nos impondrían un embargo o incluso puede que EEUU apoyase militarmente al país agredido.

Además con esa guerra España no ganaría absolutamente nada, en Portugal no hay petroleo. Por el contrario perdería muchisimo, una guerra de entrada arruinaría la economia de España. Las fuerzas armadas españolas poco numerosas quedarían rápidamente diezmadas y ¿de donde se sacarían nuevos soldados para una guerra injusta e impopular?
 
España no puede atacar a Portugal además porque hacerlo seria un suicidio. España es un país con graves problemas internos, con movimientos secesionistas en su interior y con un enemigo exterior, Marruecos, que esta dispuesto a invadir Ceuta, Melilla y las Canarias. Si España iniciase una guerra contra Portugal, al día siguiente la ONU condena a España y Marruecos le declara la guerra a los "malvados" hispanos. España no podría luchar en dos frentes a la vez contra Portugal y Marruecos, estando totalmente aislada por ser la agresora. España empezaría a perder batallas y territorios. En ese contexto los nacionalistas vascos y catalanes se autoproclamarán independientes en sus respectivos parlamentos abriendo dos nuevos frentes contra España. Alemania reconocerá a los dos nuevos estados Vasco y Catalán enseguida y les venderá armas, como hizo con Eslovenia y Croacia.

En resumen, España perdería la guerra, Ceuta, Melilla y Canarias pasarían a ser marroquis, Cataluña y Vascongadas repúblicas independientes y tendriamos que ceder tal vez Galicia y Olivenza a los victoriosos portugueses.

En el caso hipotetico de que el ejercito español pillase desprevenido al portugués e invadiese temporalmente algún territorio luso esto duraría poco. Ya que evidentemente España no está preparada ni mentalmente ni materialmente para ocupar un país, con el desgaste que eso supone (ejemplo Irak). Dudo mucho que un ejercito europeo actual como el portugués se desmoronase ante el ejercito español, lo más probable es que pese a la inferioridad númerica resistan y paren el avance español. E incluso si el ejercito luso se desintegrase el pueblo portugués con guerra de guerrillas desmoralizaría a los españoles y estos se acabarían retirando humillados.  

Ahora bien esto sólo podría ocurrir si en España gobernase una especie de loco imitador de Hitler con sueños imperiales que quisiera invadir a nuestros vecinos. Pero ¿que sucedería si fuera al revés? Por ejemplo, imaginemos que un general portugués hace un golpe de estado e instaura un régimen neo-salazarista. La nueva dictadura portuguesa decide para obtener apoyo popular buscar un enemigo exterior y se acuerda entonces de Olivenza. Portugal ataca a España. ¿Que pasaría entonces? ¿Invadirían España los portugueses? ¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos? ¿Marruecos aprovecharía la ocasión para declarar la guerra a una España acorralada?

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.

Un saludo desde el decadente Reino, antes llamado España. Y repito que a los españoles nos caen bien los portugueses y no tenemos nada contra ellos. Nosotros a los que no tragamos es a los marroquís. :Palmas:

O cenário inverso acho que resultaria na derrota de Portugal. Com tão poucos recursos, o país ficaria de rastos com os embargos, e a invasão uniria os espanhóis em redor de um inimigo comum (tal como os iranianos se uniram - e antes havia grandes divisões quando o Iraque os invadiu em 1980).
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 21, 2007, 09:24:58 pm
Efectivamente macho, eres idiota.(lo digo por mi ¿compatriota?)
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 21, 2007, 09:27:01 pm
Citação de: "garrulo"
Amigo, para ser tu primer post, no se pueden decir mas tonterias en tan poco espacio. Para hablar de politica , cualquier indocumentado vale. Para hacerlo de defensa , hay que saber.
Saludos cordiales y a la escuela.


Garrulo, tu deves ir para a escola :wink:

Deves andar muito na playstation
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 21, 2007, 09:30:42 pm
Yo se de defensa, sin copiar y pegar y sin google, con papeles, aun no te he visto aportar un dato. Eres tan indocumentado como el fulano del post.
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 21, 2007, 11:02:21 pm
Citação de: "Yosy"


O cenário inverso acho que resultaria na derrota de Portugal. Com tão poucos recursos, o país ficaria de rastos com os embargos, e a invasão uniria os espanhóis em redor de um inimigo comum (tal como os iranianos se uniram - e antes havia grandes divisões quando o Iraque os invadiu em 1980).


Na guerra têm de se fazer sacrificios,  claro que a guerra seria mau para a economia de Espanha e Portugal, a economia ficaria arrasada, quando Hitler invadiu a U.R.S.S. os sovieticos recuaram, destuiram fábricas, barragens, pontes, hospitais, destriram colheitas, a pátria está primeiro, Portugal no passado quando derrotou Espanha, a economia do país também saiu afectada, só para dar um exemplo, entre muitos,  na guerra da restauração durou 28 anos (1640 a 1668), a economia dos dois ficou arrasada, mas Portugal logo recuperou, e a Espanha iniciou um periodo de decadência que culminou com guerra com os U.S.A em 1898, ou seja os efeitos da  derrota e perda de Portugal prologaram-se em Espanha por centenas de anos.
Espanha faria um embargo aos navios que quisessem entrar nos portos portugueses? Impediria a navegação em água internacionais e Portuguesas?  
Faria isso a navios Americanos? Ingleses? franceses? Brasileiros?Alemães? etc, etc...
Se Espanha fizesse isso estaria a hostilizar esses países, não me parece que Espanha fizesse isso, o que faria era impedir a navegação de barcos portugueses, agora de países neutrais, era outra história. Espanha só poderia fazer um embargo internacional por terra. Seriamos abastecidos por mar, quer alimentos, quer armas. Portugal na segunda guerra era um país neutral, os barcos portugueses nevegava em portos Aliados e do Eixo sem qualquer problema, há convenções internacionais a respeitar, a não ser que Espanha se quisesse envolver em guerra com outros países.


É minha convicção que combatendo em guerrilha Espanha seria derrotada.
Título:
Enviado por: Yosy em Fevereiro 21, 2007, 11:44:26 pm
^^^^ não era isso que queria dizer. Se no conflito que o Jorge de Burgos propõe (em que Portugal é o agressor) presumo que a comunidade internacional faria um embargo a Portugal (e mesmo que isso não acontecesse a Espanha - com mais população e mais recursos - sairia vencedora).
Título:
Enviado por: Jorge de Burgos em Fevereiro 21, 2007, 11:52:14 pm
Garrulo tus mensajes son propios de un troll y bastante ofensivos. Hay gente que no conoce la diferencia entre debatir civilizadamente e insultar. A algunos les ciega el nacionalismo y no les deja ver más allá de sus narices.

Yosy escribió:

Citar
O cenário inverso acho que resultaria na derrota de Portugal. Com tão poucos recursos, o país ficaria de rastos com os embargos, e a invasão uniria os espanhóis em redor de um inimigo comum (tal como os iranianos se uniram - e antes havia grandes divisões quando o Iraque os invadiu em 1980).


Creo que tienes razón. Puede que las divisiones internas se dejasen de lado en caso de invasión extranjera. Es decir que ni España podría invadir a Portugal, ni Portugal a España. Es mejor que tengamos buenas relaciones, como aliados que somos en la OTAN y en la UE.  :wink:

Un saludo.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 22, 2007, 01:55:20 am
O facto de um país fazer parte do mesmo conjunto de alianças, não é infelizmente razão que determine a impossibilidade de um conflito.

Veja-se o caso da Grécia e da Turquia.

As possibilidades de conflitos dentro da peninsula ibérica, são remotas, como evidentemente já todos concluímos à muito tempo (embora pareça que alguns espanhóis gostam de afirmar que estamos paranoicos  :shock:  ).

As análises que fazemos são na sua maioria apenas análises sobre possiblidades tácticas e não sobre politica e estratégias envolventes.
Os problemas políticos e as "instabilidades" numa sociedade podem sempre resultar em conflitos armados ou mais ou menos armados.

Quando começou a República Espanhola, também havia "boas relações" entre Portugal e a Espanha Repúblicana, pesando embora o facto de a Espanha ser uma democracia e Portugal uma ditadura.

Mas isso não impediu nunca, que os Estados Maiores planeassem as suas respectivas actuações em caso de conflito.

Portugal, partiu muito cedo do principio de que a caminhada da Espanha Repúblicana, acabaria em conflito armado, e que se isso não acontecesse, o apoio da República à oposição portuguesa, acabaria por gerar conflitos, ou uma acção armada da Espanha contra Portugal para "apoiar" os democratas no exílio.

===

No futuro, as possibilidades de conflito, passam também por uma análise sobre o que é que a Espanha vai ser, como vai ser e o que pretende ser.

Essas análises, determinam e condicionam as opções dos estrategas, as quais deveriam influenciar as decisões do poder político.

O que acontece nos dias de hoje em Espanha, é parecido com o que ocorreu em 1931, mas a presença da Espanha na NATO e na União Europeia, o facto de o país ter atingido um nivel mais elevado de desenvolvimento, acaba por jogar a favor da estabilidade.

Mas independentemente disso, os problemas existem.

A possibilidade de um golpe de estado em Portugal, por algum general maluco não é muito credível, a não ser que a situação se degradasse muito, como aconteceu durante a 1ª República 1910-1926.

Mas na realidade, comparados com os governos da Primeira República, os actuais governos são quase eternos. No Portugal dos anos 20, considerava-se que um governo que durasse dois anos, se estava a transformar numa ditadura. Ora, o Cavaco esteve 8 anos no poder, o Guterres, 6 anos e o actual vai lá estar pelo menos 4 anos.

A democracia portuguesa atingiu um nivel de maioridade, que provavelmente seria considerada impossivel nos anos 20.
Portanto, as nossas razões para instabilidade, estão muito reduzidas.

=====

Ao contrário, em Espanha o problema das autonomias, dos nacionalismos etc... continua a crescer e não há sinais de melhoras.
Aos que estão de fora não interessa nada o que pensaram as pessoas na Andaluzia ou na Catalunha, o que conta, é que de facto essas separações e divisões são factos com os quais é preciso contar.

Tendo essas realidades em consideração, é perfeitamente natural desenhar cenários tendentes a estudar os problemas decorrentes das tensões "nacionalistas" e regionalistas em Espanha.

Essas tensões entre partes da Espanha, foram SEMPRE razões de conflito em que inevitavelmente Portugal acabou envolvido.

Enquanto os espanhóis não deixarem de produzir razões de preocupação, não há razão nenhuma porque não se devam estudar possibilidades de conflito.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 22, 2007, 11:09:30 am
La accion de un troll se manifiesta tambien por escribir tonterias, no hace falta  utilizar palabras duras para serlo. Soy muy  mayor para oir idioteces disfrazadas de debate.
Nacionalista serás tú,no insultes.
Título:
Enviado por: Jorge de Burgos em Fevereiro 22, 2007, 04:07:55 pm
Garrulo aqui el único que dice idioteces eres tú. Solo insultas y no das ningún argumento. Mereces que te expulsen del foro por grosero.

Lo que quería indicar con mi primer post es que aunque España tenga mejor armamento que Portugal eso no significa que pueda invadirlo, hay muchos otros factores políticos y económicos que influyen en una guerra de verdad. En todas las guerras influyen terceros países, sobre todo Estados Unidos. No podemos hablar solo de quién tiene más submarinos o más blindados, en tiempos de paz.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 22, 2007, 04:33:19 pm
La verdad que este tópico no me gusta, pero viendo como están las cosas voy a expresar mi opinión.

La posibilidad de una guerra entre Portugal y España solo es factible en el caso de que una de las dos naciones sufra una dictadura, de otro modo, los dos gobiernos se enfrentarían a una oposición muy dura por parte de sus respectivos ciudadanos.  Y en este caso, los ciudadanos del país dictatorial verían a las tropas del otro país como salvadores, no como enemigos.

En democracia, una guerra entre ambos países sería una derrota para ambos que nos podría hacer retroceder varias décadas en nuestro desarrollo económico (a Portugal y España).

En dictaduras, evidentemente el país democrático (sea cual fuere de los dos) recibiría un apoyo más claro de la comunidad internacional, lo que le daría una "victoria".

De todos modos, creo que es claro que España tiene un Ejército suficiente para derrotar en el frente de batalla al ejército portugués.

También creo que el ejército portugués tiene potencial sobrado para penetrar en territorio español y organizar una guerra de guerrillas que amargue la vida a los españoles.

Ambas cosas se suman y hacen que el resultado sea negativo para ambos bandos.

Si encima contamos con la población civil... la fiesta puede ser muy entretenida
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 22, 2007, 05:13:34 pm
Citação de: "Jose M."
La verdad que este tópico no me gusta, pero viendo como están las cosas voy a expresar mi opinión.

La posibilidad de una guerra entre Portugal y España solo es factible en el caso de que una de las dos naciones sufra una dictadura, de otro modo, los dos gobiernos se enfrentarían a una oposición muy dura por parte de sus respectivos ciudadanos.  Y en este caso, los ciudadanos del país dictatorial verían a las tropas del otro país como salvadores, no como enemigos.

En democracia, una guerra entre ambos países sería una derrota para ambos que nos podría hacer retroceder varias décadas en nuestro desarrollo económico (a Portugal y España).

En dictaduras, evidentemente el país democrático (sea cual fuere de los dos) recibiría un apoyo más claro de la comunidad internacional, lo que le daría una "victoria".

De todos modos, creo que es claro que España tiene un Ejército suficiente para derrotar en el frente de batalla al ejército portugués.

También creo que el ejército portugués tiene potencial sobrado para penetrar en territorio español y organizar una guerra de guerrillas que amargue la vida a los españoles.

Ambas cosas se suman y hacen que el resultado sea negativo para ambos bandos.

Si encima contamos con la población civil... la fiesta puede ser muy entretenida


X2  :?
Título:
Enviado por: Aponez em Fevereiro 22, 2007, 07:17:59 pm
Con respecto a tu primer post Jorge, se ve que no sabes muy bien como "funciona" la ONU, lo que sucedería a nivel OTAN ya se vió con Grecia y Turquia en 1974, esta miraría para otro lado y dejaría que nos matasemos. la UE intentaría que la cosa no se desmadrase demasiado actuando de mediadora para que no llegase a mayores y la ONU haría una de estas 2 cosas:

1.- Si Portugal esta completamente invadido exigiría a España la inmediata retirada o si no España se enfrentaría a sanciones, y llegado el momento al uso de la fuerza por parte de la "comunidad internacional" siempre y cuando claro esta así lo decidan los USA que tienen derecho de veto igual que Rusia, China, Francia y UK.

2.- Si aun se esta combatiendo la ONU exigiría un cese el fuego, que para evitarse lios sería inmediatamente aceptado por las 2 partes, el problema del cese el fuego es que no implica una retirada inmediata con lo que el agresor mantendría durante un tiempo el territorio conquistado (en el caso de Turquia ya van 33 años :shock:  de su ejército desplegado en el Sahara.

La cuestión alemana Alemania podría reconocer a los nuevos estados vasco y catalán pero Francia NO lo haría ya que ello implicaría problemas en Francia que podría encontrarse 2 días despues con sus nacionalistas Bretones, Vascos, Occitanos y Corsos exigiendo sus propios estados.

Con respecto a tu "resumen" Ceuta y Melilla tal vez podrían conseguirlas los marroquies pero para Canarias necesitan una flota y de eso como que mucho no tienen, Cataluña y Vascongadas independientes pero con graves problemas internos no olvides que los nacionalistas (incluyendo al PNV en el cual hay independentistas, autonomistas y foralistas) solo suponen un 52% (aprox) de la población en el país vasco y cerca del 55-60% en Cataluña, el resto no estaría muy por la labor de la independencia con lo que te encontrarias con 2 nuevas Bosnias, ¿ceder Olivenza y Galicia a los portugueses? ni de broma, al ver que las cosas van mal España solo debería aceptar el cese el fuego que exigiría la ONU y si España lo acepta pero los otros siguen pasan a ser ellos los que se ponen en contra de la "comunidad internacional" o sea pasan a ser ellos los "malos" :twisted:

Por ultimo en cuanto a lo de que no se odia a los portugueses es en lo único que estoy de acuerdo con usted, aqui simplemente a Portugal se le ignora
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 22, 2007, 07:19:46 pm
Citação de: "José M"
La posibilidad de una guerra entre Portugal y España solo es factible en el caso de que una de las dos naciones sufra una dictadura, de otro modo, los dos gobiernos se enfrentarían a una oposición muy dura por parte de sus respectivos ciudadanos.


Evidentemente, é o que a maioria das pessoas aqui neste fórum sabe e não duvida.

Pese embora o facto de, a possiblidade de tal conflito não poder deixar de ser discutida, apenas porque é desagradavel não fazer sentido.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 23, 2007, 06:00:25 am
Citação de: "papatango"
Citação de: "José M"
La posibilidad de una guerra entre Portugal y España solo es factible en el caso de que una de las dos naciones sufra una dictadura, de otro modo, los dos gobiernos se enfrentarían a una oposición muy dura por parte de sus respectivos ciudadanos.

Evidentemente, é o que a maioria das pessoas aqui neste fórum sabe e não duvida.

Pese embora o facto de, a possiblidade de tal conflito não poder deixar de ser discutida, apenas porque é desagradavel não fazer sentido.


Cumprimentos



 ????????????????

Cumprimentos
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 23, 2007, 01:17:16 pm
Citação de: "Aponez"
Por ultimo en cuanto a lo de que no se odia a los portugueses es en lo único que estoy de acuerdo con usted, aqui simplemente a Portugal se le ignora


Nós Portugueses não nos importamos que nos ignorem, sabemos que fazem isso por frustação e inveja e medo de dar relevancia a Portugal, o que seria um mau exemplo para as vossas regiões nacionalistas.

Continuem assim a mostrar a vossa frustação, que nós vamos rindo.
Título:
Enviado por: Aponez em Fevereiro 23, 2007, 07:54:32 pm
Citação de: "comanche"
Citação de: "Aponez"
Por ultimo en cuanto a lo de que no se odia a los portugueses es en lo único que estoy de acuerdo con usted, aqui simplemente a Portugal se le ignora

Nós Portugueses não nos importamos que nos ignorem, sabemos que fazem isso por frustação e inveja e medo de dar relevancia a Portugal, o que seria um mau exemplo para as vossas regiões nacionalistas.

Continuem assim a mostrar a vossa frustação, que nós vamos rindo.


Pois non comanche, envidia temos por ejemplo de Francia, en portugues non sei que quer dizer "ignorar" pero en España quer dizer indiferencia, máis fácil para que vocé o entenda se amanha ó despertar onde agora esta Portugal aparece o oceano só o notarian andaluces, galegos, extremeños e castelan-leoneses os 2 primeiros por ter máis costa e os segundos por ter por fin praia  :P
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 24, 2007, 09:28:49 am
A mí, lo que me resulta curioso, es que los mismos que se quejan de que España les ignora se quejan de que les incluyen en el mapa del tiempo. O una cosa o la otra, las dos a la vez...

 Que Portugal siga donde está y creciendo, que nos irá mejor a todos.
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 24, 2007, 02:18:40 pm
Citação de: "Jose M."
A mí, lo que me resulta curioso, es que los mismos que se quejan de que España les ignora se quejan de que les incluyen en el mapa del tiempo. O una cosa o la otra, las dos a la vez...


Portugal aparece no mapa Metereológico que supostamente é para dar a previsão do tempo em Espanha, ou seja Portugal está a ser ignorado como nação distinta.

Isto só mostra a ganancia e frustação castelhana.

Recortem o mapa, mostrem só o vosso país!
fica feio o mapa de Espanha sem Portugal, não fica?
 mas isso é problema vosso, não nosso.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 24, 2007, 08:39:12 pm
Citação de: "comanche"
Citação de: "Jose M."
A mí, lo que me resulta curioso, es que los mismos que se quejan de que España les ignora se quejan de que les incluyen en el mapa del tiempo. O una cosa o la otra, las dos a la vez...

Portugal aparece no mapa Metereológico que supostamente é para dar a previsão do tempo em Espanha, ou seja Portugal está a ser ignorado como nação distinta.

Isto só mostra a ganancia e frustação castelhana.

Recortem o mapa, mostrem só o vosso país!
fica feio o mapa de Espanha sem Portugal, não fica?
 mas isso é problema vosso, não nosso.


Tambien aparece el sur de Francia y el norte de Africa.

Si ponemos solo lo que es la superficie de España nos acusarás de ser egocentristas.

El presentador del tiempo tiene que ser hombre o mujer?

Si es hombre nos acusarás de machistas porque ignoramos a las mujeres. Si es mujer nos acusarás de machistas porque no nos fijamos en la predicción metereológica sino en la moza.

El caso es criticar a los españoles.

Ya que te vas a entretener en estropear el foro insultando a España hazlo con argumentos sólidos. Estudia un poco, que los españoles tenemos muchos puntos débiles.

Te recomiendo Torquemada, Pizarro y demás. Pero los partes del tiempo dan poco juego.

Besitos.
Título:
Enviado por: Yosy em Fevereiro 24, 2007, 09:07:45 pm
Citação de: "comanche"
Citação de: "Jose M."
A mí, lo que me resulta curioso, es que los mismos que se quejan de que España les ignora se quejan de que les incluyen en el mapa del tiempo. O una cosa o la otra, las dos a la vez...

Portugal aparece no mapa Metereológico que supostamente é para dar a previsão do tempo em Espanha, ou seja Portugal está a ser ignorado como nação distinta.

Isto só mostra a ganancia e frustação castelhana.

Recortem o mapa, mostrem só o vosso país!
fica feio o mapa de Espanha sem Portugal, não fica?
 mas isso é problema vosso, não nosso.


 :?


Óbvio, não? O que interessa aos espanhóis é o tempo que faz em Espanha. E também já vi telejornais espanhóis onde só aparece a Espanha recortada.

No entanto é verdade que os castelhanos são arrogantes...para todos. Pelo que vi, os outros espanhois (sim, porque ser galego, andaluz, catalão, etc - não é a mesm acoisa que ser castelhano) támbem não gostam muito deles.
Título:
Enviado por: lurker em Fevereiro 24, 2007, 09:14:16 pm
Perdão, mas estão a discutir a forma como Portugal aparece ou não nos mapas da meterologia?
Fazem-me lembrar pessoas que se põem a discutir a ordem em que os endereços aparecem num e-mail.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 24, 2007, 09:21:46 pm
Yosy, que es Castilla y cuantos castellanos hay?
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 24, 2007, 10:02:12 pm
Pero quien puede ser mas español que un andaluz? los unicos españoles distintos por asi decirlo son los catalanes, gallegos y vascos..

Sobre la guerra entre Portugal y España para anexionar el ultimo trozo que nos queda lo veo improbable mediante el uso de las armas, pero quien sabe dentro de unos años cuando seamos mas ricos y fuertes y ustedes igual de pobres y con la misma poblacion.., Con una España federal alomejor os podemos meter... :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 24, 2007, 10:17:43 pm
Brrrr......  :bang:
Já há um tópico para tratar de questões da meteorologia...

 :roll:


----------------------------------
Talvez ajude.
As percentagens estão desactualizadas, mas dá para ter uma ideia
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Naturalmente, Castela está a verde
É no entanto discutivel a questão de Aragão, onde parte da população já é maioritariamente cstelhana, da mesma maneira que em Valência nas zonas mais longe da costa, também há maioría étnica castelhana.

Também já aqui falámos da questão de Leão e das Asturias, que embora castelhanizadas, são étnicamente mais próximas da Galiza e de Portugal que de Castela.

Mas os movimentos migratórios internos, às vezes forçados outras vezes promovidos, também conduzem a uma castelhanização das regiões que os castelhanos chamam "periféricas".
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 24, 2007, 10:44:21 pm
Papatango ese mapa lo hiciste tu? :shock:, es una burrada tremenda..
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 24, 2007, 10:45:04 pm
Ya veo que me has apagado dos post, preguntale a Nadie por ese 30% de separatismo en Canarias.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 24, 2007, 10:46:29 pm
PAPATANGO,PREMIO NOVEL DIJO

Mas os movimentos migratórios internos, às vezes forçados outras vezes promovidos, também conduzem a uma castelhanização das regiões que os castelhanos chamam "periféricas".
jajajajaj :oops:  :oops:  :oops:  :oops:  :oops:
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 24, 2007, 10:50:11 pm
Há também o mapa já mostrado antes, sobre as divisões da Ibéria.
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/Iberia_Soares.jpg)


= = =

PS:
Sr. Garrulo. Poderão ser liminarmente apagadas as mensagens que contiverem expressões destinadas a insultar pessoalmente os participantes do fórum.

Tento apenas evitar a sua expulsão ao apagar os disparates com que nos presenteia.

Cumprimentos


PPS:
O mapa tem alguns anos. Trata-se de responder à pergunta sobre o que é Castela.

De qualquer forma, o mapa fala das pessoas favoráveis à independência ou à autonomia alargada.

Creio que está por isso ultrapassado, porque neste momento, a Catalunha já tem uma autonomia alargada e até a Andaluzia a tem.
As percentagens do mapa, são portanto muito conservadoras.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 24, 2007, 10:59:23 pm
El rencor te ciega la razón
Y no digo nada mas en este hilo.Bueno,si, no tienes puta idea de lo que es España
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 24, 2007, 10:59:33 pm
Citação de: "papatango"
Brrrr......  :bang:
Já há um tópico para tratar de questões da meteorologia...

 :roll:


----------------------------------
Talvez ajude.
As percentagens estão desactualizadas, mas dá para ter uma ideia
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Naturalmente, Castela está a verde
É no entanto discutivel a questão de Aragão, onde parte da população já é maioritariamente cstelhana, da mesma maneira que em Valência nas zonas mais longe da costa, também há maioría étnica castelhana.

Também já aqui falámos da questão de Leão e das Asturias, que embora castelhanizadas, são étnicamente mais próximas da Galiza e de Portugal que de Castela.

Mas os movimentos migratórios internos, às vezes forçados outras vezes promovidos, também conduzem a uma castelhanização das regiões que os castelhanos chamam "periféricas".



Es muy distinto la independencia que una mayor autonomía. Puede clarificar el mapa? Y hacer mejor las estadísticas. Y señalar los territorios que faltan, claro y tambien tienen sus pretensiones.

Vamos, en pocas palabras, que haga menos ciencia ficción y más ciencia.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 24, 2007, 11:06:51 pm
Según ese mapa:

El 80 % de los gallegos se siente español
Más del 50 % de los vascos se sienten españoles
Aproximadamente el 90 % de los navarros se sienten españoles
Más del 80% de los aragoneses se sienten españoles
Más del 50% de los catalanes se sienten españoles
Más del 90% de los valencianos se sienten españoles
Más del 90 % de los baleares se sienten españoles
Más del 70% de los canarios se sienten españoles ( muchos más, se lo garantizo)

Y el 100% de los riojanos, murcianos, andaluces, extremeños, leoneses, asturianos, castellanos

SOMOS ESPAÑOLES.

Papatango, gracias por demostrar que somos una Nación y nos sentimos orgullosos de serlo.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 24, 2007, 11:08:48 pm
.EDITADO POR GARRULO
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 24, 2007, 11:09:38 pm
EDITADO, SI LOS HABIAS PUESTO.
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 24, 2007, 11:10:33 pm
En canarias la mayoria son peninsulares o descendientes de peninsulares, no hay nadie que no tenga un familiar de la peninsula, es imposible, el sentimiento español es 100%, los demas son turistas, todos hablamos español, dependemos de la peninsula y del turismo, sin ellos no somos nadie y lo sabemos muy bien, solo nos espera la invasion del moro y pasar hambre en caso de independecia que por supuesto nadie la desea, es mas, llegado el caso no creo que quede mucha gente en canarias, emigracion masiva de vuelta a la peninsula jajaja, si Canarias no es España nos morimos, asi de simple, los independentistas se puede decir que son el 1%.., ni eso diria yo pero bueno, banderas de España las hay por metro cuadrado, es exagerado. VIVA ESPAÑA :P
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 24, 2007, 11:21:07 pm
Por cierto cuando juega España el mundial no ves a nadie en la calle, todo el mundo viendo el partido en casa o en bares, gritando GOLLLLLLLLLLLLLLLLLLL DEEEEEEEEEEEEEEE ESPAÑAAAAAAAAAAA
Título:
Enviado por: Asceta em Fevereiro 25, 2007, 05:06:25 pm
Citação de: "Jorge de Burgos"
¿Los españoles lucharían unidos contra el invasor o por el contrario catalanes y vascos se aliarían con los lusos?  

A mi este segundo supuesto me parece más interesante, porque no esta claro que harían los socialistas zapateriles y aún menos lo que harían vascos y catalanes. Por no hablar del impredecible Mohamed VI.


Si eso es lo que piensas de vascos y catalanes es que no tienes ni puta idea chaval. Con opiniones asi no me extrañaria que quisiesen independizarse, sobretodo de ti.
Título:
Enviado por: Sintra em Fevereiro 25, 2007, 10:46:42 pm
Afinal o nosso colega Asceta não nasceu nas ilhas Britânicas  :twisted:
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 25, 2007, 10:52:53 pm
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.
Título:
Enviado por: Lightning em Fevereiro 26, 2007, 12:08:21 am
Citação de: "comanche"
Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.


Devem ser emigrantes e as setas é as rotas. :lol:
Título:
Enviado por: nestor em Fevereiro 26, 2007, 12:35:42 am
Citação de: "comanche"
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.



¿Y que pensais hacer con ese cerca del 30% de portugueses que quieren ser españoles?

Ese 30% supera en mucho a los datos puestos en ese mapa con respecto a los independentistas de las diferentes regiones de España. Superaria a los gallegos, baleares, canarios, navarros, aragoneses... y estarian cerca de catalanes y vascos.

A ver quien me pone el mapa de Portugal con un 30% de independentistas castellanos.

Porque a la hora de decir tonterias, todos podemos hacerlo.

Saludos.
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 26, 2007, 02:57:52 pm
Citação de: "nestor"
Citação de: "comanche"
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.


¿Y que pensais hacer con ese cerca del 30% de portugueses que quieren ser españoles?

Ese 30% supera en mucho a los datos puestos en ese mapa con respecto a los independentistas de las diferentes regiones de España. Superaria a los gallegos, baleares, canarios, navarros, aragoneses... y estarian cerca de catalanes y vascos.

A ver quien me pone el mapa de Portugal con un 30% de independentistas castellanos.

Porque a la hora de decir tonterias, todos podemos hacerlo.

Saludos.


Não queiras comparar, os resultados obtidos em Portugal foram através de uma sondagem manipulada e com uma pequena amostra, as pessoas que responderam sim á união ibérica, disseram-no por melhores condições de vida, ou seja por dinheiro e não por gostarem de Espanha,  essas pessoas que só pensam em dinheiro podiam ser um pouco mais inteligentes, podiam escolher países bem mais ricos e já agora de Lingua Inglesa (assim poderiam falar com todo o mundo e fazerem-se entender) como Canadá, Estados unidos, Grã- Bretanha, Austrália, há muitos outros países ricos, sem ser de lingua Inglesa, mas nenhum seria de certeza a Espanha, que é um país de terceira categoria.
Em Espanha existem partidos nacionalistas, que dão suporte ás sondagens.
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 26, 2007, 03:00:26 pm
Citação de: "nestor"
Citação de: "comanche"
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.


¿Y que pensais hacer con ese cerca del 30% de portugueses que quieren ser españoles?

Ese 30% supera en mucho a los datos puestos en ese mapa con respecto a los independentistas de las diferentes regiones de España. Superaria a los gallegos, baleares, canarios, navarros, aragoneses... y estarian cerca de catalanes y vascos.

A ver quien me pone el mapa de Portugal con un 30% de independentistas castellanos.

Porque a la hora de decir tonterias, todos podemos hacerlo.

Saludos.


Não queiras comparar, os resultados obtidos em Portugal foram através de uma sondagem manipulada e com uma pequena amostra, as pessoas que responderam sim á união ibérica, disseram-no por melhores condições de vida, ou seja por dinheiro e não por gostarem de Espanha,  essas pessoas que só pensam em dinheiro podiam ser um pouco mais inteligentes, podiam escolher países bem mais ricos e já agora de Lingua Inglesa (assim poderiam falar com todo o mundo e fazerem-se entender) como Canadá, Estados unidos, Grã- Bretanha, Austrália, há muitos outros países ricos, sem ser de lingua Inglesa, mas nenhum seria de certeza a Espanha, que é um país de terceira categoria.
Em Espanha existem partidos nacionalistas, que dão suporte ás sondagens.
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 26, 2007, 03:01:15 pm
Citação de: "nestor"
Citação de: "comanche"
(http://img.photobucket.com/albums/v39/papatango/ESP_percent_ind.jpg)

Já vi em foruns, andaluzes independentistas, só não sei a que % correspondem da população.


¿Y que pensais hacer con ese cerca del 30% de portugueses que quieren ser españoles?

Ese 30% supera en mucho a los datos puestos en ese mapa con respecto a los independentistas de las diferentes regiones de España. Superaria a los gallegos, baleares, canarios, navarros, aragoneses... y estarian cerca de catalanes y vascos.

A ver quien me pone el mapa de Portugal con un 30% de independentistas castellanos.

Porque a la hora de decir tonterias, todos podemos hacerlo.

Saludos.


Não queiras comparar, os resultados obtidos em Portugal foram através de uma sondagem manipulada e com uma pequena amostra, as pessoas que responderam sim á união ibérica, disseram-no por melhores condições de vida, ou seja por dinheiro e não por gostarem de Espanha,  essas pessoas que só pensam em dinheiro podiam ser um pouco mais inteligentes, podiam escolher países bem mais ricos e já agora de Lingua Inglesa (assim poderiam falar com todo o mundo e fazerem-se entender) como Canadá, Estados unidos, Grã- Bretanha, Austrália, há muitos outros países ricos, sem ser de lingua Inglesa, mas nenhum seria de certeza a Espanha, que é um país de terceira categoria.
Em Espanha existem partidos nacionalistas, que dão suporte ás sondagens.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 26, 2007, 07:19:13 pm
Citação de: "Treki"
Por cierto cuando juega España el mundial no ves a nadie en la calle, todo el mundo viendo el partido en casa o en bares, gritando GOLLLLLLLLLLLLLLLLLLL DEEEEEEEEEEEEEEE ESPAÑAAAAAAAAAAA


Só é pena ficarem tão cedo pelo caminho  :mrgreen:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 26, 2007, 09:11:35 pm
Dijo no se quien  ¨:que é um país de terceira categoria.
Pues si siendo la octava potencia economica mundial , somos de tercera categoria..........¿Que sois vosotros?
Título: Sr. comanche
Enviado por: mllom em Fevereiro 26, 2007, 09:22:29 pm
¿España un país de tercera categoría? :lol:  :lol:  :lol: . Vaya objetividad, ahí se ve lo creíble que es usted y sus comentarios. Solo  le mueve el odio y el desprecio. Patético. Y Portugal ¿de que categoría la considera entonces usted?, de 8ª regional. Además se cree las ridículos porcentajes de independentistas del mapa ese que expone  :shock:  y no le da validez a la encuesta del diario lisboeta (creo recordar "sol" que habla del 30% de portugueses favorables a la unión con España). Eso es MANIPULAR. Y se mete en forums nacionalistas andaluces. YO SOY ANDALUZ. Aquí los independentistas se pueden contar con los dedos de una mano. Andalucía se siente española por los 4 costados y estamos muy orgullosos de lo que somos. Ahora si usted se dedica a hablar con grupúsculos de radicales pues no me extraña las ideas ridículas que tiene.
Odie menos y trabaje por hacer mejor Portugal que falta le hace.
Un saludo
Título:
Enviado por: comanche em Fevereiro 27, 2007, 12:39:43 am
Espanha é um país artificial, é formado por várias nações, nas quais habitam muitos habitantes que não se sentem de maneira nenhuma espanhois, só não se separaram ainda algumas regiões ( no caso Bascos e Catalães) porque houve para essas regiões intenso movimento migratório das regiões de castela, Andaluzia e Extremadura, habitando por isso uma parte importante de população espanholista nessas regiões.
Espanha, só reconhece 3 linguas com estatuto de oficialidade, catalão, basco, galego, não reconhece o leonês (Leão foi absorvida por castela), nem outras línguas existentes, o estado castelhano tenta por por todos os meios impor o genocidio cultural de todas as línguas que não o castelhano.
Um país europeu que tem este tipo de comportamento, e que se diz democrata só pode ser um país de terceira categoria.

Espanha  tem um hino mas não tem letra, penso que isto também mostra a falta de unidade e artificialidade de Espanha.

P.S.  Um país que nos roubou Olivença, que assinou por sua libre vontade um tratado em  que concordava em devolver o território, mas que utilizando artimanhas nunca cumpriu o que prometeu até ao dia de hoje.
Alguma vez se pode confiar nestes castelhanos ?  que a tudo são capazes para tentar satisfazer as suas ambições megalonomas.
Depois vêm dizer que pertence-mos ao mesmo espaço europeu, somos amigos, não há divergências, que está tudo bem.

DEVOLVAM OLIVENÇA E DEIXEM-SE DE FALINHAS MANSAS
FARTOS DE CONVERSAS CASTELHANAS ESTAMOS NÓS
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 27, 2007, 03:07:42 am
Citação de: "comanche"
Espanha é um país artificial, é formado por várias nações, nas quais habitam muitos habitantes que não se sentem de maneira nenhuma espanhois, só não se separaram ainda algumas regiões ( no caso Bascos e Catalães) porque houve para essas regiões intenso movimento migratório das regiões de castela, Andaluzia e Extremadura, habitando por isso uma parte importante de população espanholista nessas regiões.
Espanha, só reconhece 3 linguas com estatuto de oficialidade, catalão, basco, galego, não reconhece o leonês (Leão foi absorvida por castela), nem outras línguas existentes, o estado castelhano tenta por por todos os meios impor o genocidio cultural de todas as línguas que não o castelhano.
Um país europeu que tem este tipo de comportamento, e que se diz democrata só pode ser um país de terceira categoria.

Espanha  tem um hino mas não tem letra, penso que isto também mostra a falta de unidade e artificialidade de Espanha.

P.S.  Um país que nos roubou Olivença, que assinou por sua libre vontade um tratado em  que concordava em devolver o território, mas que utilizando artimanhas nunca cumpriu o que prometeu até ao dia de hoje.
Alguma vez se pode confiar nestes castelhanos ?  que a tudo são capazes para tentar satisfazer as suas ambições megalonomas.
Depois vêm dizer que pertence-mos ao mesmo espaço europeu, somos amigos, não há divergências, que está tudo bem.

DEVOLVAM OLIVENÇA E DEIXEM-SE DE FALINHAS MANSAS
FARTOS DE CONVERSAS CASTELHANAS ESTAMOS NÓS


- Te falta una lengua oficial más. (Per a ofrenar noves glories a Espanya...)

- La Marcha Real es considerada el Himno de España desde 1770 (quitando el período de la Segunda República), A Portuguesa es el Himno de Portugal desde 1911 (todavía no tiene 100 años)

- Usted ya ha demostrado que España no existe. Así que no culpe a España de la ocupación de Olivenza. Quien no existe no puede hacer esas cosas.  :twisted:

  Vaya manera de argumentar más patética.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 27, 2007, 06:47:19 am
Citação de: "comanche"
Espanha é um país artificial, é formado por várias nações, nas quais habitam muitos habitantes que não se sentem de maneira nenhuma espanhois, só não se separaram ainda algumas regiões ( no caso Bascos e Catalães) porque houve para essas regiões intenso movimento migratório das regiões de castela, Andaluzia e Extremadura, habitando por isso uma parte importante de população espanholista nessas regiões.
Espanha, só reconhece 3 linguas com estatuto de oficialidade, catalão, basco, galego, não reconhece o leonês (Leão foi absorvida por castela), nem outras línguas existentes, o estado castelhano tenta por por todos os meios impor o genocidio cultural de todas as línguas que não o castelhano.
Um país europeu que tem este tipo de comportamento, e que se diz democrata só pode ser um país de terceira categoria.
Espanha  tem um hino mas não tem letra, penso que isto também mostra a falta de unidade e artificialidade de Espanha.

P.S.  Um país que nos roubou Olivença, que assinou por sua libre vontade um tratado em  que concordava em devolver o território, mas que utilizando artimanhas nunca cumpriu o que prometeu até ao dia de hoje.
Alguma vez se pode confiar nestes castelhanos ?  que a tudo são capazes para tentar satisfazer as suas ambições megalonomas.
Depois vêm dizer que pertence-mos ao mesmo espaço europeu, somos amigos, não há divergências, que está tudo bem.

DEVOLVAM OLIVENÇA E DEIXEM-SE DE FALINHAS MANSAS
FARTOS DE CONVERSAS CASTELHANAS ESTAMOS NÓS


Otros países de tercera categoría que están en una situación similar son: Reino Unido, Francia, Italia, Bélgica, Suiza,Suecia, Alemania, China... y Estados Unidos.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 27, 2007, 11:22:43 am
Mais uma vez lembro:

O mapa acima destina-se a mostrar (a verde) a área de Castela.
Também não concordo que Navarra seja parte de Castela, mas foi o mapa que estava à mão.

O mapa já existia e evidentemente estará desactualiado.

Mas além de estar desactualizado, o mapa fala claramente em INDEPENDENCIA OU AUTONOMIA ALARGADA.

Logo, uma vez que o mapa é muito anterior ao recente estatuto da Catalunha, é legitimo deduzir que as pessoas favoráveis à autonomia alargada aumentaram (caso contrário o Estatut não tinha sido aprovado).


Dado o esclarecimento, LEMBRO que este tópico serve para discutir questões bélicas sobre possiveis conflitos entre Portugal e Espanha, e não para discutir separatismos (Já á um tópico para isso).

Também há um tópico para discutir a questão e Olivença.

A possibilidade de conflito entre Portugal e a Espanha, nos anos 30/40 (por exemplo) também tinha como pano de fundo a separação de partes da Espanha.

As análises de conflitos dentro da peninsula ibérica, podem passar pela análise das consequências da separação de algum país dentro da Espanha.

É um cenário a estudar.

Não queremos saber se os espanhóis acham se é possível ou não. Cenários são cenários.

Aceitamos a opinião, mas ela não deixa de ser irrelevante para a discussão do cenário.

Temos que nos restringir ao tema dentro da medida do possível

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 27, 2007, 06:09:55 pm
Citação de: "papatango"
Mais uma vez lembro:

O mapa acima destina-se a mostrar (a verde) a área de Castela.
Também não concordo que Navarra seja parte de Castela, mas foi o mapa que estava à mão.

O mapa já existia e evidentemente estará desactualiado.

Mas além de estar desactualizado, o mapa fala claramente em INDEPENDENCIA OU AUTONOMIA ALARGADA.

Logo, uma vez que o mapa é muito anterior ao recente estatuto da Catalunha, é legitimo deduzir que as pessoas favoráveis à autonomia alargada aumentaram (caso contrário o Estatut não tinha sido aprovado).


Dado o esclarecimento, LEMBRO que este tópico serve para discutir questões bélicas sobre possiveis conflitos entre Portugal e Espanha, e não para discutir separatismos (Já á um tópico para isso).

Também há um tópico para discutir a questão e Olivença.

A possibilidade de conflito entre Portugal e a Espanha, nos anos 30/40 (por exemplo) também tinha como pano de fundo a separação de partes da Espanha.

As análises de conflitos dentro da peninsula ibérica, podem passar pela análise das consequências da separação de algum país dentro da Espanha.

É um cenário a estudar.

Não queremos saber se os espanhóis acham se é possível ou não. Cenários são cenários.

Aceitamos a opinião, mas ela não deixa de ser irrelevante para a discussão do cenário.

Temos que nos restringir ao tema dentro da medida do possível

Cumprimentos


Caro Papatango, mais uma vez voçe fica em um erro.

O Estatuto de Cataluña do 1979 foi aprovado por o 88,15% com um 59,7% de participaçao, no 2006 os "sim" foram um 76,9% com un 49,4% de participaçao (apenas o 36% dos catalaes, a mesmo numero de portugueses que  "desejam" ser espanhois).

A Historia e a verdade nao se "deduzen" mas se provam.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 27, 2007, 06:45:27 pm
A sondagem do Sol já começa a 'cheirar mal' como arma de arremesso em qualquer discussão que envolva Portugal e Espanha. Os propósitos e metodologia da mesma já foram desmontados há muitos meses, pelo que se pede aos colegas foristas espanhóis (castelhanos ou não  :wink: ) que passem a usar outra 'boca' mais original e correcta. Até porque não vêem os portugueses a usar a sondagem da Tiempo (45,7 por cento dos espanhóis a querer a união entre Portugal e Espanha, em Outubro).
Título:
Enviado por: Asceta em Fevereiro 27, 2007, 07:24:09 pm
Citação de: "Jose M."
O Estatuto de Cataluña do 1979 foi aprovado por o 88,15% com um 59,7% de participaçao, no 2006 os "sim" foram um 76,9% com un 49,4% de participaçao (apenas o 36% dos catalaes, a mesmo numero de portugueses que  "desejam" ser espanhois).

A Historia e a verdade nao se "deduzen" mas se provam.

Cumprimentos.


The thing people that point at those numbers that way tend to forget is that you can not assume people not voting would vote any different than people that vote.

What matters is the votes that were cast, and those show an overwhelming majority of support for the new Estatut.

People also fail to take into account that, as with the "untouchable" Constitution, when the Estatut was first voted the options were: "This Estatut or ZERO". It is much objective to consider the last Estatut referendum reflects the will of the people because they had the option to stay with the current one yet an overwhelming majority of voters went for the new one. Certainly not the same "balls to the wall" situation as in the 1979 one.

Not the same situation at all.

PS: In the 2000 spanish legislative where the PP got their majority, they were voted by 44,52% of 68,71% of voters (using your formula it would mean a meager 30% of support) yet nobody claims they had an insufficient amount of support to rule during the following 4 years. Years full of important decisions that affected us all. Why are those calculations meaningful for the Estatut but not for a legislative election?
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 27, 2007, 07:26:32 pm
Citação de: "Lancero"
A sondagem do Sol já começa a 'cheirar mal' como arma de arremesso em qualquer discussão que envolva Portugal e Espanha. Os propósitos e metodologia da mesma já foram desmontados há muitos meses, pelo que se pede aos colegas foristas espanhóis (castelhanos ou não  :wink: ) que passem a usar outra 'boca' mais original e correcta. Até porque não vêem os portugueses a usar a sondagem da Tiempo (45,7 por cento dos espanhóis a querer a união entre Portugal e Espanha, em Outubro).


O mesmo e o que eu penso com a "destrucçao" de Espanha e a opresao de Castelha.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 27, 2007, 07:36:19 pm
Citação de: "Asceta"
Citação de: "Jose M."
O Estatuto de Cataluña do 1979 foi aprovado por o 88,15% com um 59,7% de participaçao, no 2006 os "sim" foram um 76,9% com un 49,4% de participaçao (apenas o 36% dos catalaes, a mesmo numero de portugueses que  "desejam" ser espanhois).

A Historia e a verdade nao se "deduzen" mas se provam.

Cumprimentos.

The thing people that point at those numbers that way tend to forget is that you can not assume people not voting would vote any different than people that vote.

What matters is the votes that were cast, and those show an overwhelming majority of support for the new Estatut.

People also fail to take into account that, as with the "untouchable" Constitution, when the Estatut was first voted the options were: "This Estatut or ZERO". It is much objective to consider the last Estatut referendum reflects the will of the people because they had the option to stay with the current one yet an overwhelming majority of voters went for the new one. Certainly not the same "balls to the wall" situation as in the 1979 one.

Not the same situation at all.

PS: In the 2000 spanish legislative where the PP got their majority, they were voted by 44,52% of 68,71% of voters (using your formula it would mean a meager 30% of support) yet nobody claims they had an insufficient amount of support to rule during the following 4 years. Years full of important decisions that affected us all. Why are those calculations meaningful for the Estatut but not for a legislative election?



Lo que es evidente es que la mayoría de la población NO está de acuerdo con este Estatuto.

Creo que un 68 % de participación legitima bastante un resultado electoral,  mucho más que uno que no llega al 50%.

El PP (que no es mi partido) obtuvo en el 2000 más de 10.000.000 de votos, creo que es una cifra a tener en cuenta.


Por ejemplo, el referendum que hupo en Portugal hace poco sobre el aborto tuvo un 44% de participación, por lo que no ha sido vinculante su resultado. Medida que me parece razonable y que demuestra la madurez democrática de Portugal.

Saludos.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 27, 2007, 10:22:37 pm
Tema:  :Combate:
Guerra entre Portugal e Espanha
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 27, 2007, 10:38:11 pm
Eu plantexo a seguinte pregunta. Se España ten mais armas e mais modernas, mais homes, unha industria mais avanzada e poderosa, muita mas capacidade economica e mais peso internacional ¿Como vai poder Portugal -sobre o papel- facernos frente?
E por favor non recurrades a batalliñas historicas QUE ESTAMOS NO 2007
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 27, 2007, 10:50:00 pm
Como é que você quer analizar possibilidades e cenários sem considerar a História?

Há algum caso em que isso seja possível?

O que é que você acha que os espanhois fizeram quando invadiram Portugal em 1801?
Já leu o que o Godoy dizia dos portugueses?

O que é que você acha que os militares espanhóis que analizavam a necessidade de invadir Portugal nos anos 30 pensavm?

Acha que alguém que faça uma análise militar séria, alguma vez na vida pode passar sem fazer considerações históricas?

= = =

Segundo alguns, o que levou Hitler a não invadir a Peninsula Ibérica, foi o seu estudo da História.

Hitler, temia que se voltasse a repetir o cenário da Guerra Peninsular, com uma Espanha completamente desmembrada, e um Portugal apoiado pelos ingleses.

Quando se faz previsões, é impossível não analisar a História e as batalhas do passado.

É por isso que a "Guerra" é para muitos uma arte e uma ciência.

= = = =

Posto isto, dê-me um exemplo de uma vez em que o exército espanhol no papel, não fosse esmagadoramente superior ao português ?

O exército espanhol sempre foi superior.
Mas normalmente foi derrotado.
As vitórias espanholas sobre forças portuguesas, contam-se com os dedos de uma mão, e não são precisos todos.
Título: Castilla o España
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 01:13:58 am
Caro PapaTango, supongo que cuando se refiere a  victorias portuguesas hablará por lo general de Castilla no?  :twisted: Por lo visto cuando le interesa sí que existía España, hay que aclararse y decir siempre lo mismo si no lo que ocurre es que pierde credibilidad y da la impresión de que manipula la Historia.
Lo que les ocurre es, que a día de hoy, saben que son NETAMENTE INFERIORES en capacidades y armamento al ejército español y lo único que les queda es remontarse a Aljubarrota porque le faltan argumentos.
Mire usted a lo largo de la Historia España se ha enfrentado a Portugal en numerosas ocasiones, unas con victorias y otras con derrotas, lo mismo que con Francia o Inglaterra, porque nuestras 2 naciones si de algo pueden vanagloriarse es de tener Historia y ser respetadas durante siglos.
En la actual situación no creo que en un conflicto convencional tuvieran mucho que hacer ante el ejército español. Sin duda después podrían mantener una guerra de guerrillas pero eso es otro tema donde intervendrían muchos factores, pero en una lucha de tú a tú Portugal no tiene medios para plantar cara durante mucho tiempo. No es cuestión de valor ni Historia, es que cuentan con unas fuerzas armadas  muy limitadas y de eso culpen a su gobierno, no a España.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 02:06:09 pm
"No es cuestión de valor ni Historia, es que cuentan con unas fuerzas armadas muy limitadas y de eso culpen a su gobierno, no a España."
Eí é onde quería chegar eu. Dame igual se os portugueses sodes moi valentes e as  grandes victorias que tivésedes no pasado. Cando se estudia a historia militar dun país é para coñecer a súa sociedade e como reaccionarían ante unha guerra, estos datos poden ser moi interesantes unha vez terminado o conflicto e cando Portugal estivese tomada. Pero o que estamos a debatir é ¿quen gañaría nunha ipotetica guerra entre Portugal e España sen aliados?
Seamos coherentes, España tiene mas  recursos materias  economicos e humanos ¿Como fariades para defendervos?
Apelar a historia é moi bonito; pero na vida real o que conta ém o presente.

Citar
Mas normalmente foi derrotado.
As vitórias espanholas sobre forças portuguesas, contam-se com os dedos de uma mão, e não são precisos todos.

De acuerdo. Unha cousa é o que poda pasar no combate real, o climatoloxía, a suerte a hora de tomar decisions, a vontade dos politicos, hasta que punto se esta disposto a asumir baixas... pero eso non podemos telo en conta neste momento xa que non son parametro predecibles.
O que está claro é que o exercito español (ESpaña que non é o mesmo que castela), é mellor que o portugues; isto é unha verdado absoluta. Asi que en caso de guerra é pensar que o que ten máis capacidade
económica-militar será o gañador ¿non si?
Recoñecedeo, no é ningunha verguenza para vos, quizas algun dia volvades a ser un gran imperio e todo iso...
Pero hoxe por hoxe; en condicions normais non podedes gañar.
Título:
Enviado por: Asceta em Fevereiro 28, 2007, 03:55:45 pm
Citação de: "papatango"
Segundo alguns, o que levou Hitler a não invadir a Peninsula Ibérica, foi o seu estudo da História.

Hitler, temia que se voltasse a repetir o cenário da Guerra Peninsular, com uma Espanha completamente desmembrada, e um Portugal apoiado pelos ingleses.

De hecho, esto es lo que Adolf Hitler pensaba de esa posibilidad (segun cita de Gerion de FMG):

Citação de: "Gerion de FMG"
"Ni hablar. Los españoles son el único pueblo mediterráneo verdaderamente valiente e immediatamente organizarían guerillas en nuestra retaguardia. No se puede entrar en España sin permiso de los españoles."

Frase pronunciada por Hitler, luego de invadir Francia, cuando algunos generales le propusieron también invadir España.


No es exactamente lo mismo eh...
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Fevereiro 28, 2007, 04:35:52 pm
Pois...mas não te esqueças que pouco tempo antes as suas tropas tinham andado em Espanha a matar Espanhóis. Não te esqueças que para Hitler o que interessava era ter um aliado, já tinha Itália, Roménia, Japão e queria mais um. Sabia perfeitamente que havia vozes dentro do regime Franquista que viam com bons olhos a anexação de Portugal. É apenas uma questão política, mais nada.
Título: Re: Castilla o España
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 05:27:54 pm
Citação de: "mllom"
Caro PapaTango, supongo que cuando se refiere a  victorias portuguesas hablará por lo general de Castilla no?  :twisted: No me diga que va a resultar que España existía antes del 1710 no?...


Não confunda as coisas.
Como é evidente, todos nós, por facilidade de expressão utilizamos indistintamente o termo Espanha ou Castela. Depois de 1715, são uma e a mesma coisa.
Antes de 1715, os exércitos castelhanos, são castelhanos, mas não deixam de ser «Hespanhóis».

Eu tenho que andar a citar toda a história da peninsula quando escrevo. Toda a gente entende muito bem o que quero dizer...

Citar
Lo que les ocurre es, que a día de hoy, saben que son NETAMENTE INFERIORES en capacidades y armamento al ejército español y lo único que les queda es remontarse a Aljubarrota porque le faltan argumentos.

Caro Mllom.
As forças portuguesas e as forças espanholas/castelhanas enfrentaram-se imensas vezes. Naturalmente que os espanhois/castelhanos, sempre tiveram a vantagem do numero. isso decorre da realidade demográfica e não é nenhuma novidade.

Porém, se a única vitória portuguesa que conhece, é a de Aljubarrota, então peço-lhe que antes de escrever sobre questões históricas, estude um pouco.
Estude a guerra da restauração, a guerra fantástica, ou a guerra da sucessão.
Estude por exemplo a ocupação de Madrid pelo exército português...

= = = =

Nos dias de hoje, a situação é a que é, e neste fórum, lerá muitas criticas a parte da organização do exército e das forças armadas portuguesas, exactamente porque parecem estar a perder a capacidade de defender as fronteiras do país.

Essa situação ocorre não por fraqueza de Portugal, mas porque o país acha que tem que gastar dinheiro noutras coisas que não seja em armamento.

Pode-se estar de acordo ou não, mas é a realidade. Portugal gasta grande parte do dinheiro em salários e despesas correntes e praticamente não gasta nada em equipamentos novos.

No entanto, isto não muda nada. Os problemas que a Espanha tem para invadir (não importa a razão) são os mesmos de sempre.

Tem que invadir e chegar a Lisboa!

Para isto tem dois caminhos principais:

Ou ataca pelo Alentejo direito à peninsula de Setubal, (sul do Tejo) ou ataca na Beira Baixa em direcção a Castelo Branco (Norte do Tejo)

Se ataca a sul, nõa consegue com facilidade passar o rio Tejo, porque a norte estão as principais unidades portuguesas, que pode não ser muito eficientes, mas como força defensiva ainda contam.

Se ataca com carros pesados a norte, comete um erro crasso: Não se deve atacar a mais poderosa força do inimigo de frente, e atacando a norte do Tejo, tem que destruir a Brigada Mecanizada, próximo às suas bases e no terreno que ela escolher, e onde ela está habituada a treinar.

Para piorar as coisas, os tanques espanhois têm a vantagem táctica dos seus canhões, mas a norte do Tejo, o relevo e a vegetação tornam essa vantagem inutil. Os tanques espanhóis têm vantagem no Alentejo (sem dúvida), mas nenhum plano português prevê defender-se dos espanhóis no Alentejo.

Os espanhóis devem avançar até próximo das alturas de Vendas Novas. É aí que começa a oposição.

Aí, vão estar a 150Km da fronteira, e com um flanco norte que pode ser atacado, cortando abastecimentos.

Mllom: Uma guerra defensiva é mais fácil que uma guerra ofensiva.
A realidade, é que mesmo hoje, com as forças que temo, meio depauperadas, estamos melhor que o que estávamos por exemplo em 1930.

Naquele tempo, Portugal tinha três contra-torpedeiros com mais de 20 anos na marinha, enquanto a Espanha tinha três couraçados, vários cruzadores e muito mais contra-torpedeiros.

Pode parecer estranho a muitos, mas mesmo hoje, ainda estamos longe dos periodos mais complicados em que estavamos quase desarmados.

O que não temos (evidentemente) é a capacidade de efectuar uma operação de «gancho», que implica atacar o inimigo, quando ele nos ataca.

Para isso necessitamos de um grupo blindado poderoso, meios de defesa anti-aérea e meios anti-tanque adequados.

Esses meios, em unidades no norte do país, transformam a superioridade blindada dos espanhois. Nas montanhas dos norte, nas florestas do centro, os tanques podem ser emboscados com falcilidade e a tropa pode fugir para a floresta.

= = =

Noto um certo "triunfalismo".
Na realidade, esse triunfalismo "Hispano" a que nós chamamos triunfalismo de "Gabarola" sempre jogou a nosso favor.

Esse sentimento de que "somos mejores y punto" que os espanhóis têm, sempre foi o nosso mais fiel aliado.

Pelo que vejo, continuamos a contar com esse aliado...

O Orgulho "Hispano" é o maior problema das tropas espanholas, porque gera nelas a ideia de "invencibilidade".
As tropas, quando enfrentam as primeiras adversidades, mal preparadas para enfrentar o que pensam ser um inimigo fácil, normalmente vacilam, e começam a fraquejar.

mllom:
O exército espanhol, tem o mesmo problema do exército português. Se pensa que vai ganhar, e as coisas começam a correr mal, está condenado.

É preferível ser realista, e pensar como os portugueses.

Ao longo da história, muitos povos invadiram outros, muitos povos na europa migraram de umas regiões para as outras atacados, pressionados ou perseguidos.

Mas nós, os portugueses, estamos aqui.
Não temos para onde fugir.
Resistir, é a nossa única opção.

E quase 900 anos depois, cá continuamos.

Por alguma coisa será

Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 06:17:37 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Pois...mas não te esqueças que pouco tempo antes as suas tropas tinham andado em Espanha a matar Espanhóis. Não te esqueças que para Hitler o que interessava era ter um aliado, já tinha Itália, Roménia, Japão e queria mais um. Sabia perfeitamente que havia vozes dentro do regime Franquista que viam com bons olhos a anexação de Portugal. É apenas uma questão política, mais nada.


Muy interesante este punto de vista. Hubiera sido muy peligroso ese intento de invasión.

España tenía armamento muy moderno y tropas muy experimentadas durante tres años de guerra.

También es cierto que la guerra en España aún seguía viva con los maquis y guerrilleros, que no pudieron seguir mucho más en la lucha porque tanto el gobierno portugués como el francés no permitían utilizar sus fronteras por motivos políticos obvios. Pero...

Si Franco se hubiera alineado con Alemania, Inglaterra habría reaccionado al igual que Portugal en un acto de legítima defensa. Una de las primeras medidas podría haber sido apoyar y rearmar a las guerrilas antifranquistas, con lo que se volverían a repetir los años de la Guerra Civil.

Con Portugal en el bando aliado y media España mirando a Portugal con esperanzas para la liberación las cosas podrían haber sido muy distintas.

Los aliados podrían haber utilizado Portugal como cabeza de puente para el asalto de la Europa continental sin los riesgos de Normandía. El obstáculo sería el paso de los Pirineos, pero siempre habría sido menos complicado que el Canal de la Mancha.

Una ayuda tan valiosa por parte de Portugal, que se habría visto forzada y legitimada a entrar en la guerra, habría obtenido grandes recompensas por parte de la comunidad internacional. Olivenza seguramente sería poco y España no habría estado en condiciones de negarse.

Por suerte, no pasó nada.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 06:27:51 pm
"O Orgulho "Hispano" é o maior problema das tropas espanholas, porque gera nelas a ideia de "invencibilidade". "

Vexo que non tes nin idea de como estan as cousas en España, non somos nada orgullosos co noso exercito, é mais, somos moi pesimistes; desastre de Cuba, guerra civil, 23-F... todos estos acontecimientos minaron o prestixio do noso exercito. Por sorte agora parace que a opinion publica estase a volver mais flexible, espero que continuemos así. O que si  che podo asegurar e que non somos nada orgullosos, se vas a un foro español veras que reina o pensimismo. Sempre nos poñemos no peor, que si o enimigo conta con ventaxas climatoloxicas, que se os nosos dirixentes son un desastre, que se se averian a mitade das armas...

En cvanto as posibilidades de invadir Portugal como xa dixen nalgun lado todo depende de cantas baixas podamos asumir, se queremos invadir portugal a calquer prezo estou CASE seguro de que o faremos (non seguro  o 100% xa que temos que contar con inxerencias meteroloxicas e demais que podrian complicar as cousas, pero esto é bastante improbable. Ademas o exercito español esta mellor equipado para as situacions estremas).
No ultimo caso sempre queda a via maritima (pero non creo que fixese moita falla). Simplemente temos que colar un par de barquiños e tedes toda  a noisa infanteria de mariña as portas de Lisboa, e canto o espacio aereo todo deberia de estar controlado.
¿Estades preparados para un frente maritimo outro por terra e co ceo dominado polos españois?.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 28, 2007, 06:48:27 pm
É no minimo curioso o último post do pablinho. Diz que não são nada orgulhosos, no entanto faz um parágrafo inteiro logo de seguida onde mais não acrescenta à discussão teórica de um conflito possível do que mais orgulho.

Quer falar de orgulho? E será o orgulho saudável? A História já o provou que não.

Citar
Estudo: Portugueses são dos povos mais nacionalistas

Muito orgulhosos do passado mas pessimistas no presente, os portugueses aparecem como um dos povos, de um conjunto de 40 países, que mais nacionalista é e mais valoriza os seus antepassados.
«Os portugueses orgulham-se imenso do seu passado, da sua história e do facto de terem antepassados portugueses», no entanto «não têm nenhum orgulho de uma boa parte daquilo que é a sua situação presente», afirmou um dos coordenadores de um estudo sobre Identidade Nacional, realizado no âmbito da rede de pesquisa Internacional Social Survey Programme (ISSP).

A situação económica, o funcionamento do Estado, o estado da Segurança Social e da justiça social são as dimensões que mais contribuem para o «pessimismo e descontentamento» dos portugueses no presente, explicou José Manuel Sobral.

Apenas o estado de desenvolvimento científico e tecnológico assim como as Forças Armadas são motivos de orgulho para os portugueses.

Sendo a identidade nacional uma fonte de identificação considerada importante por todos os países, os portugueses surgem no cimo da tabela a par com os Estados Unidos da América e a Venezuela como os mais nacionalistas.

«Os portugueses identificam-se fortemente com a sua nação ao ponto de acharem que se deve apoiar o Estado português mesmo quando ele leva a cabo uma política errónea», sublinhou o investigador do Instituto de Ciências Sociais (ICS) da Universidade de Lisboa.

Outro dos coordenadores do estudo considerou que o passado histórico acaba por ser possivelmente «um refúgio para a situação presente».

«Não sei se vivemos em constante nostalgia, o que sei é que provavelmente a história constituiu um refúgio para a situação presente», afirmou Jorge Vala.

O investigador coordenador do ICS sublinhou como «interessante» o facto de o povo português ser «pouco crítico e muito concordante com a nação quando estão em causa objectivos nacionais».

Jorge Vala apelidou esta postura de «nacionalismo acrítico» e defendeu a necessidade de um maior debate e de uma visão participativa e crítica no seio da nação.

A rede de pesquisa Internacional Social Survey Programme (ISSP) integra 40 países e consiste numa infraestrutura de conhecimento destinada a apoiar a pesquisa dos investigadores em ciências sociais.

Diário Digital / Lusa

28-02-2007 14:53:48
Título: En caso de conflicto
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 07:06:28 pm
Caro Papatango, en caso de guerra entre nuestras 2 naciones le puedo asegurar que ninguna de las opciones que usted señala serían llevadas a cabo en un principio. Hoy en día la guerra la gana quien domina los cielos y en ese campo deberá reconocer que son muy inferiores, sus escasos F16 no durarían mucho ante los F18 y Eurofighter españoles, le repito, no dudo de la valentía y pericia de sus pilotos, pero sabe que en un conflicto de alta intensidad sus fuerzas aéreas raramente aguantarían más de una semana.
Después de eso sólo quedaría "despejar el terreno" con contínuos bombardeos sobre centros de comunicaciones, centros de mando y objetivos militares varios, "jugar al tiro al blanco", que es lo que hizo EEUU con las fuerzas mecanizadas iraquíes sin prácticamente riesgo alguno.
Acompañando a estas medidas un bloqueo naval con un papel preponderante de las F100 acompañadas del excelente poder antisubmarino de las F80 y los propios submarinos para asfixiar la economía portuguesa.
Una vez tomadas estas medidas y diezmado el ejército portugués entonces entrarían en acción las fuerzas terrestres para terminar con la resistencia allí donde hiciera falta.
Hablamos de una guerra sin apoyo exterior evidentemente, Portugal y España de tú a tú y en el presente, no hace 400 años porque también podría recordarle al señor papatango  la guerra de las naranjas por ejemplo.
Hay que estar muy ciego para negar lo que ocurriría  a día de hoy y ni que decir tiene si llegan como parece para el 2010 los tomahawk junto a los nuevos submarinos S80 y el BPE.
Aun así insisto, hablamos de supuestos y espero que nunca nuestras naciones vuelvan a enfrentarse. A pesar de lo que se transmite en este foro, las relaciones entre nuestros países y nuestros pueblos me parecen excelentes.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 07:07:36 pm
¿Queres decir que non é bo estar orgulloso das tuas FAS?
Unha cousa é estar orgulloso  e outra ser un orgulloso.
¿Que queres que faga, decir que as nosas FAS perderían unha guerra contra Portugal contradecindo todo sentido comun?

Citar
Aun así insisto, hablamos de supuestos y espero que nunca nuestras naciones vuelvan a enfrentarse. A pesar de lo que se transmite en este foro, las relaciones entre nuestros países y nuestros pueblos me parecen excelentes.

Tes razon, suscribo a tua opinión
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 07:28:56 pm
Citar
Muy interesante este punto de vista. Hubiera sido muy peligroso ese intento de invasión.

España tenía armamento muy moderno y tropas muy experimentadas durante tres años de guerra.

También es cierto que la guerra en España aún seguía viva con los maquis y guerrilleros, que no pudieron seguir mucho más en la lucha porque tanto el gobierno portugués como el francés no permitían utilizar sus fronteras por motivos políticos obvios. Pero...

Si Franco se hubiera alineado con Alemania, Inglaterra habría reaccionado al igual que Portugal en un acto de legítima defensa. Una de las primeras medidas podría haber sido apoyar y rearmar a las guerrilas antifranquistas, con lo que se volverían a repetir los años de la Guerra Civil.

A questão a guerra na peninsula, foi levantada durante o periodo entre a conferencia de Hendaya, e a invasão da URSS.
Não há muita certeza sobre a questão, porque embora o líder da Falange, Serrano Sunher tenha escrito que alertou Hitler para o problema de uma acção alemã contra Gibraltar sem a a autorização do governo de Franco, a verdade é que Serrano Sunher, estava directamente interessado na entrada na guerra, pelo que provavelmente se trata de uma invenção posterior, do próprio Sunher.

No entanto, o que sabemos, é que de facto Hitler era um estudioso dos movimentos militares na Europa. E na sua mais famosa visita ao estrangeiro (A Paris, depois da queda da França) um dos monumentos que visitou foi o túmulo de Napoleão.

É dificil de acreditar que quem estudou a História do periodo napoleonico como Hitler estudou, não tenha passado pelas famosas referências de Napoleão, em que refere que a França não foi derrotada pela Russia, mas sim pela "Úlcera Espanhola". Onde evidentemente se referia ao exército luso britânico, e às milicias espanholas que enfraqueciam os franceses até que eles chegassem ao combate com os portugueses e os ingleses.

= = =
Mas isto é tema para o tópico da Guerra Peninsular
= = =

José M.
O que o leva a concluir que a Espanha estava armada com armamento muito moderno em 1940 ?

= = = =

Citação de: "mllom"
Caro Papatango, en caso de guerra entre nuestras 2 naciones le puedo asegurar que ninguna de las opciones que usted señala serían llevadas a cabo en un principio. Hoy en día la guerra la gana quien domina los cielos y en ese campo deberá reconocer que son muy inferiores, sus escasos F16 no durarían mucho ante los F18 y Eurofighter españoles

O seu problema mllom, é que como espanhol, você não consegue entender  o que queremos dizer com orgulho.

O orgulho cega.

O Hezbollah, não tem um único F-16, um único tanque, um único submarino, uma única fragata, mas conseguiu manter na fronteira o mais poderoso exército blindado do mundo ocidental depois do americano.

E isto, numa região quase desertica, com erva rasteira, onde os tanques podem disparar a distâncias consideráveis.

A norte do Tejo, há florestas enormes mllom, as ravinas igualmente.
A Sérvia, foi atacada pela aviação americana, e no fim, quando saiu do Kosovo, verificou-se que todo o potêncial bélico estava intacto.

Você já reparou nos M-60 portugueses em exercicios?
Já reparou que partem do principio que que estarão sem cobertura aérea?
Já pensou que em Portugal, fora o Alentejo interior, é muito fácil esconder forças nas matas, e em zonas rurais ?
Já pensou que a Espanha não tem nem de perto nem de longe os meios de reconhecimento e observação que têm os americanos ?
Já pensou que a Espanha não tem satélites para seguir movimentos das tropas?

Claro que não pensou!
E como não pensou, olhou para os numeros, marimbou-se para a história, para a geografia, e para as tácticas que se podem utilizar contra os pobres e desarmados portugueses, e concluiu sábia e filosoficamente que:

"Pué está ganado" :mrgreen:

Em Portugal pode-se entrar muitas vezes, e a qualquer hora. Mas no fim, fomom sempre nós que decidimos quando é a hora da sair.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 07:37:19 pm
Citar
Hablamos de una guerra sin apoyo exterior evidentemente, Portugal y España de tú a tú y en el presente, no hace 400 años porque también podría recordarle al señor papatango la guerra de las naranjas por ejemplo.

mllom:

Já falámos da Guerra das Laranjas.

Foi uma guerra entre Portugal por um lado e a França e a Espanha por outro.

As forças espanholas avançaram contra Portugal, e as forças que se encontravam na beira baixa, não reforçaram o exército do Alentejo, por causa das tropas FRANCESAS que se encontravam próximo da fronteira.

Sem as tropas francesas. que eram as que os portugueses realmente temian, as tropas das beiras teriam avançado sobre os espanhois, atacado o seu flanco direito, cortado a sua comunicação com Espanha.

E o resultado seria inevitável.

A verdade, é que é dificil encontrar uma batalha em que as tropas espanholas se tenham debatido contra as portuguesas sem apoio estrangeiro. Em 1580, por exemplo as tropas do Rei eram constituidas por castelhanos, italianos e tudescos (alemães).

Em Aljubarrota, a parte mais poderosa da cavalaria pesada do rei de Castela era francesa.

Creio que só durante a guerra da restauração, entre 1640 e 1658, é que de facto os espanhóis nos enfrentaram sem apoios estrangeiros.
O resultado é conhecido: Foram sempre derrotados.

E isto numa altura em que Portugal estava em guerra com a Holanda, em várias frentes, expulsava os holandeses do Brasil e de Angola e quase chegou ao estado de guerra com a Inglaterra de Cromwell.

Mas claro, calculo que na história da Espanha estas coisas nem sequer estejam escritas...

Pode lá ser ... :mrgreen:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 07:52:31 pm
Mira papatango, durariais tres dias, elEA machacando instalaciones estrategicas ,bases asentamientos radar , industrias nudos de comunicacion centros politicos. Sentenciados
La Armada con tres F100 para tentar vuestra aviacion y deshacerla en minutos ,Nuestros submarinos en el estuario del Tajo, este quiero...este no quiero.
Y el Tear junto con el grupo de combate ocupando las Madeira y repitiendo lo de la Terceira
Y por tierra ni un paso hacia portugal, no hay alli nada que valga la vida de 10 españoles, pero todo como un solar.
Título: Re: En caso de conflicto
Enviado por: comanche em Fevereiro 28, 2007, 08:00:12 pm
Citação de: "mllom"
Después de eso sólo quedaría "despejar el terreno" con contínuos bombardeos sobre centros de comunicaciones, centros de mando y objetivos militares varios, "jugar al tiro al blanco", que es lo que hizo EEUU con las fuerzas mecanizadas iraquíes sin prácticamente riesgo alguno.
Acompañando a estas medidas un bloqueo naval con un papel preponderante de las F100 acompañadas del excelente poder antisubmarino de las F80 y los propios submarinos para asfixiar la economía portuguesa.
Una vez tomadas estas medidas y diezmado el ejército portugués entonces entrarían en acción las fuerzas terrestres para terminar con la resistencia allí donde hiciera falta.


No fim de uns bombardeamentos e bloqueio naval (não sei se era só a navios portugueses ou também a nações neutrais) o exército português estava "diezmado" (para confirmar o que queria dizer esta palavra fui ao dicionário), parece que este amigo acredita que o exército português estava dizimado, e as forças terrestes avançavam Portugal dentro para fazer a ocupação efectiva quase sem oposição, podendo fazer piqueniques, dançando e cantado e os portugueses esperando-os de braços abertos e saudando-os e aclamando-os como nossos salvadores. c34x  :D
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 08:10:12 pm
O problema, é que se o espanhol tivesse consultado um simples livrito (em castelhano deve dizer-se librito, mas duvido que saiba o que é :mrgreen: que desde o Iraque, têm um especial amor pelos espanhóis... :roll:
Este fórum está aberto a todos...
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 08:16:22 pm
Si son todos esos los argumentos defensivos que se te ocurren papatango, estas ya muerto.
Tu patetica fuerza aerea exterminada
Tu patetica armada chupando agua
Tu patetico ET chafado en el suelo
Lajes se lo dejariamos a los yankis sin problemas, no le tengo amor a la tierra que no es mia
La mencion anterior de M60 es asi mismo patetica , tenemos 260 y los vamos a achatarrar.
Pobretón.
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 28, 2007, 08:20:46 pm
Es imposible que sus fuerzas aereas aguanten mas de 1 semana, Las F-100 controlarian todo el espacio aereo portugues, no quedaria pajaro vivo, si a eso le sumamos unas cuantas vueltitas de ida y vuelta de nuestros Efa y F-18 adios su aviacion, como mucho durarian 3 dias..

Por tierra los invadimos con leopardos, pizarros, centauros etc etc.., jeje que divertido seria meter cañonazos a los portugueses, es broma :twisted:
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 28, 2007, 08:29:06 pm
Si la guerra fuera mas alla de 2010 veriamos los tomahawk iluminado la noche :twisted:
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 08:35:53 pm
Os fijasteis en que papatango no da un solo argumento con sentido? Se limita a criticar a los españoles y apelar al glorioso pasado.
papatango ¿Te has dado cuenta deq que estamos en el subforo de conflictos del FUTURO?

Factores a favor de los españoles:
economia
industria
peso internacional
posicion (Estan rodeados por nosotros)
Mejores en el cielo
Mejores en la tierra
mejores en el mar
Mas recursos humanos
mejores jugando al futbol :wink:

Factores a favor de Portugal:
¿Historicos?
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 08:41:57 pm
Citar
or tierra los invadimos con leopardos, pizarros, centauros etc etc.., jeje que divertido seria meter cañonazos a los portugueses, es broma

Mas será que a argumentação séria deixou de fazer sentido ?
Em vez de Pizarros e de Leopard, eu aconselho a utilização de Merkavas e de Achzarits, Nakpadon e Nagmachon, que são tão ou mais eficientes.

A minha menção a M-60, tem a ver com a possibilidade de utilizar tanques em áreas especificas a norte do Tejo.

Basta estudar por exemplo a batalha de Berlim. Mesmo forças em grande deproporção, equipadas com carros inferiores podem resistir, se utilizarem as vantagens do terreno. Estude o que fizeram os alemães com os pequenos Hetzer, contra hordas de T-34 e IS-2.

A superioridade aérea, em florestas vale de pouco ou nada.
Como é que o exército espanhol consegue manter uma linha de abastecimentos de 150 ou 200Km sem ter capacidade para controlar completamente o território, contra um inimigo que defende a sua própria terra, que conhece o terreno, que se pode esconder e atacar?

Provavelmente até conseguiria, mas os numero de militares que teria que dispender seria enorme. Tinham que recrutar a Guardia Civil e mesmo assim provavelmente não chegaria.


Para discutir este tipo de temas, é necessário perder um pouco de tempo. É necessário saber o que custa manter uma unidade militar em andamento durante dias seguidos, saber as suas necessidades logísticas, quanto consome um homem por dia em alimentos sólidos e água.

Se quer saber, os espanhóis poderiam chegar à margem sul do Tejo em 48 horas. Muito menos de uma semana.

Mas nada do que se disse anteriormente perde a validade.

Além de que, evidentemente, não podemos deixar de contar com o conhecimento da situação.

É importante, antes de determinar as movimentações, estudar quais são os cenários credíveis em que a operação pode ocorrer.

Sem isso, não é possível discutir.

Agradeço aos participantes espanhóis que não tenham nenhuma ideia concreta e sólida, que se abstenham de participar no debate...

Cumprimentos
Título: A qué viene insultar?
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 08:44:07 pm
Amigos, no hay mayor ciego que el que no quiere ver y evidentemente el señor papatango y comanche no ven a un palmo de sus narices, me recuerdan a la actitud de Sadam que con el ejército americano a las puertas de Bagdad afirmaba que el invencible pueblo iraquí vencería a los infieles.
Además se permiten el lujo de insultar (señor papatango como moderador moderese usted que tiene la mano muy rápida para expulsar del foro a cualquier español que no le ría sus tonterías). Siempre he pretendido ser moderado en mis opiniones pero después de su insulto no creo necesario serlo más a no ser que se disculpe (cosa que dudo mucho que haga porque no creo que tenga la educación suficiente).
Podría además informarse mejor antes de decir estupideces, España SI tiene satelites de Observación y seguimiento de tropas: SATÉLITES HELIOS (programa conjunto con Francia) y desarrolla el SATÉLITE DE OBSERVACIÓN PLEIADES además de poseer satélites militares de comunicaciones. Además de eso España ha adquirido varios aviones no tripulados para recogida de información sobre el terreno pero es que también está desarrollando un prototipo propio.
Sus fuerzas navales y aéreas serían destrozadas, repito y coincido con garrulo y treki, en no más de una semana. No podrían lanzar al aire un simple globo porque antes de levantarse del suelo sería destruido (F-100, F-18, Eurofighter.....) y como esperen a 2010 les caería sobre sus cabezas un buen puñado de Tomahawks para bajarles un poquito más los humos y no se permitieran esos insultos gratuitos que nos ha brindado.
Una vez decidiera el Estado Mayor entrar por tierra pueden esconder entre matorrales todo lo que quieran que en cuanto entraran en contacto con nuestros medios se solicitaría apoyo aéreo para dejar lo que haga falta como un auténtico solar y así hasta llegar a Lisboa.
Si son tan chulos dejen de dar el coñazo y vayan por Olivenza y se puede pasar a la práctica en vez de ser tan bocazas.
Termino pidiendo disculpas al resto de foristas portugueses porque no pretendo despreciar su país pero sí desprecio a los que me faltan el respeto a mí o a mi nación.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 08:45:16 pm
Citar
Papatango, creo que una fuerza equipada en 1939 con Bf-109, He-111, Savoias SM-81, Katiuskas, He-112 (con el que se derribó algún P-38 de Estados Unidos), a los que se les unían los I-16 tipo 10, I-15, Chirris, G-23, y en tierra con los T-26, además de toda la fusilería y artillería, y por supuesto fuerza naval con la que terminó la guerra España, creo, repito, que para la época era una fuerza moderna.

  Aunque imagino que el Bf-109 era un caza desastroso y el He-111 un bombardero que no servía para nada.

  Cumprimentos.

  (Por cierto, las llamadas Guerras Peninsulares fueron en el siglo XIX y no había Bf-109s)


José M.

O exército espanhol não estava especialmente bem armado. Ou melhor, estava bem armado para os padrões de 1936, mas em 1940/1941 já não estava (aliás também o português não estava).

O Bf-109 já era obsoleto em 1941, (rapidamente foi substituido pelo Me.109)  o He.111 e o Savoia idem. Na batalha de Inglaterra, foram varridos dos ceus pelos ingleses.

Quanto aos Katiushas, você deve estar a fazer confusão, porque são uma arma russa, experimentada pela primeira vez na batalha de Smolensk em 1941 durante a operação Barbarrosa.

Os tanques T-26 e BT-7, eram os únicos tanques dignos desse nome, mas eram armamentos russos, de uma Rússia que era aliada da República mas inimiga da Espanha franquista. A operacionalidade desses tanques no exército franquista, mesmo depois do fim da guerra, não era (e nunca foi) boa.

Para lhe dar apenas um exemplo, em 1943, quando Portugal recebeu os primeiros tanques Valentine, eles eram, com um canhão de 40mm de alta velocidade, os mais poderosos tanques na peninsula ibérica.
Posteriormente a Espanha recebeu vários PzKpfw-IV (versão G, se não me engano, porque estou a falar de memória) e foram o núcleo das forças blindadas espanholas, voltando a ocupar esse lugar.

Em 1944, quando foram feitas análises sobre a comparação de forças entre Portugal e a Espanha (temia-se uma reação espanhola ao quase oficial apoio aos ingleses), o exército português tinha mais capacidade em termos de tanques, e a força aérea portuguesa, com Spitfire Mk.V e Hurricane-II para ataque ao solo era totalmente superior à espanhola.
Portugal superava a espanha em 4:1 em meios de transporte, o que levou os ingleses a hironizar que os portugueses não deveriam ter medo de um ataque espanhol, porque seria mais facil os portugueses invadirem a Espanha que o contrário.

Portanto, a guerra em Espanha (e muitos autores espanhóis apoiam esta tese) foi uma guerra em que apareceram protótipos que rapidamente se tornaram obsoletos.
Em 1941, os T-26 e BT-5 dos russos (o mais poderoso tanque espanhol) eram considerados pelos russos como "tanques para caçar pardais" tal era a sua inferioridade relativamente aos tanques alemães.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 08:45:46 pm
Citar
Os fijasteis en que papatango no da un solo argumento con sentido? Se limita a criticar a los españoles y apelar al glorioso pasado.
papatango ¿Te has dado cuenta deq que estamos en el subforo de conflictos del FUTURO?


Senhor pablinho.

As razões que nos apontou são razões estratégicas. Eu fiz referências tácticas.

Já lhe expliquei que a Espanha nunca ganhou uma guerra a Portugal sozinha,  e que por isso, não entendo como é que se pode considerar que agora o poderia fazer.

Presentemente, por incrível que pareça, Portugal continua a estar proporcionalmente melhor armado que o que estava há 100 anos atrás, por exemplo.
Isto é um argumento histórico?
Isto é uma evidência!

Lembro que, ou se apresentam argumentos válidos e lógicos, ou teremos que considerar que as participações espanholas estão fora do contexto.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 08:52:43 pm
No des el brazo a torcer papatango. Tu ejercito tiene armas delos 70 frente a uno que lo multiplica por cuatro y con armas del 2000.
Montatelo como quieras, alega la ayuda de la Virgen de Fatima, pero no digas sandeces.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 08:53:38 pm
"necessário saber o que custa manter uma unidade militar em andamento durante dias seguidos, saber as suas necessidades logísticas, quanto consome um homem por dia em alimentos sólidos e água. "
Si, esto es una de las cosas buenas que tiene ser la 8º potencia economica mundial...

En cuanto a satelites busca en google "proyecto serviola españa" visor optico e infrarrojos formado por dos unidades y 100% español, informate un poco mas ¿quieres?

Citar
Já lhe expliquei que a Espanha nunca ganhou uma guerra a Portugal sozinha, e que por isso, não entendo como é que se pode considerar que agora o poderia fazer.
Que agora estamos no 20007 e os numeros cantan, dame igual o que pasou no pasado, se vos superamos en todo o normal sérá pensar que gañaremos, eso é indiscutible.



Citar
Lembro que, ou se apresentam argumentos válidos e lógicos, ou teremos que considerar que as participações espanholas estão fora do contexto

Claro, e ti es quen de xuzgar cales son validoss e loxicos, cales serian; vou porche un exemplo:
"España a pesar de que ten mais potencia economica, militar, diplomatica e mais recursos humanos vai perder a guerra contra portugal porque fai 100 anos unhas persoas que representaban a España a perderon"
¿É eso o que queres oir non? Sepa que os españois non temos por norma ceder o xantage e as ameazas caciquis como a que acabas de facer.
¿No es asi compatriotas?
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 08:53:45 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Os fijasteis en que papatango no da un solo argumento con sentido? Se limita a criticar a los españoles y apelar al glorioso pasado.
papatango ¿Te has dado cuenta deq que estamos en el subforo de conflictos del FUTURO?

Senhor pablinho.

As razões que nos apontou são razões estratégicas. Eu fiz refer~encias tácticas.

Já lhe expliquei que a Espanha nunca ganhou uma guerra a Portugal sozinha,  e que por isso, não entendo como é que se pode considerar que agora o poderia fazer.
Presentemente, por incrível que pareça, Portugal continua a estar proporcionalmente melhor armado que o que estava há 100 anos atrás, por exemplo.
Isto é um argumento histórico?
Isto é uma evidência!

Lembro que, ou se apresentam argumentos válidos e lógicos, ou teremos que considerar que as participações espanholas estão fora do contexto.


Errado, a Guerra das Laranjas foi só entre Portugal e Espanha, e ainda ficam os resultados.
Título:
Enviado por: Treki em Fevereiro 28, 2007, 08:58:29 pm
Gracias a los satelites tenemos controlados todos los movimientos del moro :D
Título: Re: En caso de conflicto
Enviado por: Yosy em Fevereiro 28, 2007, 09:03:28 pm
Citação de: "mllom"
Caro Papatango, en caso de guerra entre nuestras 2 naciones le puedo asegurar que ninguna de las opciones que usted señala serían llevadas a cabo en un principio.


Não se guie pela Guerra do Golfo, mas pela da Bósnia, onde o poder aéreo ficou muito aquém do esperado, graças à boa camuflagem da forças sérvias.

E pior que tudo - a guerrilha portuguesa. Seria um Iraque espanhol.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:05:33 pm
Citar
Papatango, creo que una fuerza equipada en 1939 con Bf-109, He-111, Savoias SM-81, Katiuskas, He-112 (con el que se derribó algún P-38 de Estados Unidos), a los que se les unían los I-16 tipo 10, I-15, Chirris, G-23, y en tierra con los T-26, además de toda la fusilería y artillería, y por supuesto fuerza naval con la que terminó la guerra España, creo, repito, que para la época era una fuerza moderna.

  Aunque imagino que el Bf-109 era un caza desastroso y el He-111 un bombardero que no servía para nada.

  Cumprimentos.

  (Por cierto, las llamadas Guerras Peninsulares fueron en el siglo XIX y no había Bf-109s)


José M.

O exército espanhol não estava especialmente bem armado. Ou melhor, estava bem armado para os padrões de 1936, mas em 1940/1941 já não estava (aliás também o português não estava).

O Bf-109 já era obsoleto em 1941, (rapidamente foi substituido pelo Me.109)  o He.111 e o Savoia idem. Na batalha de Inglaterra, foram varridos dos ceus pelos ingleses.

Quanto aos Katiushas, você deve estar a fazer confusão, porque são uma arma russa, experimentada pela primeira vez na batalha de Smolensk em 1941 durante a operação Barbarrosa.

Os tanques T-26 e BT-7, eram os únicos tanques dignos desse nome, mas eram armamentos russos, de uma Rússia que era aliada da República mas inimiga da Espanha franquista. A operacionalidade desses tanques no exército franquista, mesmo depois do fim da guerra, não era (e nunca foi) boa.

Para lhe dar apenas um exemplo, em 1943, quando Portugal recebeu os primeiros tanques Valentine, eles eram, com um canhão de 40mm de alta velocidade, os mais poderosos tanques na peninsula ibérica.
Posteriormente a Espanha recebeu vários PzKpfw-IV (versão G, se não me engano, porque estou a falar de memória) e foram o núcleo das forças blindadas espanholas, voltando a ocupar esse lugar.

Em 1944, quando foram feitas análises sobre a comparação de forças entre Portugal e a Espanha (temia-se uma reação espanhola ao quase oficial apoio aos ingleses), o exército português tinha mais capacidade em termos de tanques, e a força aérea portuguesa, com Spitfire Mk.V e Hurricane-II para ataque ao solo era totalmente superior à espanhola.
Portugal superava a espanha em 4:1 em meios de transporte, o que levou os ingleses a hironizar que os portugueses não deveriam ter medo de um ataque espanhol, porque seria mais facil os portugueses invadirem a Espanha que o contrário.

Portanto, a guerra em Espanha (e muitos autores espanhóis apoiam esta tese) foi uma guerra em que apareceram protótipos que rapidamente se tornaram obsoletos.
Em 1941, os T-26 e BT-5 dos russos (o mais poderoso tanque espanhol) eram considerados pelos russos como "tanques para caçar pardais" tal era a sua inferioridade relativamente aos tanques alemães.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:08:57 pm
Citação de: "Jose M"
Errado, a Guerra das Laranjas foi só entre Portugal e Espanha, e ainda ficam os resultados.

A guerra das laranjas, foi entre Portugal e a Espanha, mas as tropas portuguesas que estavam na Beira baixa e na Beira alta, foram imobilizadas pelo facto de os franceses estarem do outro lado da fronteira.

Portanto, os franceses não apareceram, mas a sua presença foi determinante para a conclusão do conflito. Sem eles, as tropas portuguesas teriam podido deslocar-se para sul, para exterminar os castelhanos.

Mas isto é tema para a guerra das laranjas ou para o tópico de Olivença...
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:15:03 pm
Citar
Claro, e ti es quen de xuzgar cales son validoss e loxicos, cales serian; vou porche un exemplo:
"España a pesar de que ten mais potencia economica, militar, diplomatica e mais recursos humanos vai perder a guerra contra portugal porque fai 100 anos unhas persoas que representaban a España a perderon"
¿É eso o que queres oir non? Sepa que os españois non temos por norma ceder o xantage e as ameazas caciquis como a que acabas de facer.
¿No es asi compatriotas?


Senhores, não são as guerras de há 100 anos que contam, são as de agora.

Até há 10 anos atrás ninguém acreditava que fosse possível um movimento como o Hezbollah derrotar Israel, no entanto Israel perdeu a guerra.
E isso não aconteceu há 100 anos, aconteceu 7 ou 8 MESES atrás.

Mas você afirma que os tanques espanhóis, tripulados por orgulhosos e Hispanos soldados marroquinos e equatorianos teriam toda a facilidade em conquistar Portugal, quando é obvio que um pequeno grupo de gente determinada mandou com vários MARKAVA para os patios de veículos avariados.

E isto, sabendo-se que em Portugal, a geografia é muito mais favorável para quem defende, porque se podem esconder veículos e unidades inteiras nas florestas e matas.

Eu não entendo como é que argumentos tácticos tão simples não são compreensíveis.

Os numeros espanhóis, não são suficientes, mesmo nas actuais circunstâncias para garantir uma vitória numa operação contra Portugal.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 09:17:37 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Jose M"
Errado, a Guerra das Laranjas foi só entre Portugal e Espanha, e ainda ficam os resultados.
A guerra das laranjas, foi entre Portugal e a Espanha, mas as tropas portuguesas que estavam na Beira baixa e na Beira alta, foram imobilizadas pelo facto de os franceses estarem do outro lado da fronteira.

Portanto, os franceses não apareceram, mas a sua presença foi determinante para a conclusão do conflito. Sem eles, as tropas portuguesas teriam podido deslocar-se para sul, para exterminar os castelhanos.

Mas isto é tema para a guerra das laranjas ou para o tópico de Olivença...


Entonces porqué no echaron a los españoles cuando contaban con el apoyo inglés y Francia estaba derrotada?

Cuando no le interesan las respuestas es que corresponden a otro tema.

Yo me limitaba a responder sus afirmaciones.
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 28, 2007, 09:19:47 pm
Exacto Papatango

E devemos lembrar que temos mais de 100 lançadores de Milan e TOW com quase 700 muniçoes.

Temos perto de 200 canhoes sem recuo Carl gustav.

Milhares de LAWs.

E preciso meia hora para conhecer os minimos de utilizaçao de um systema Milan.

Para Defesa aéréa temos num excelente estado 30 lançadores M48 Chaparral(120 muniçoes) e 15 Lançadores STINGER e (45 muniçoes)
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:23:46 pm
Citar
Entonces porqué no echaron a los españoles cuando contaban con el apoyo inglés y Francia estaba derrotada?

Cuando no le interesan las respuestas es que corresponden a otro tema.

José M.  ->
Estamos fartos de falar no mesmo, que começa a ser cansativo.

Os ingleses (e os portugueses também) precisavam do apoio dos espanhóis para continuar a lutar contra os franceses.

Os espanhois detestavam os ingleses, e se Portugal recuperasse as perdas da guerra das laranjas, isso poderia ser catastrófico para o esforço de guerra contra a França.
Portugal é um país pacifico, e tentou internacionalmente recsolver o problema por meios pacificos. Ganhou a causa e continua à espera que a Espanha cumpra o que prometeu.

(Mas não nos desviemos do tema, esta questão diz respeito ao tópico de Olivença).
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 09:26:08 pm
Estoy harto que este papatango me apague los posts. Déjate de historias y no desvies el tema cuando has perdido el debate. Hablamos de hoy y hoy el Ejercito Español esta a distancias siderales del Luso, en consecuencia , podeis contra nosotros lo que una mesnada medieval contra una unidad acorazada de hoy.
Si quieres seguir con el debate hablemos de HOY.Si no, retirate......
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:28:11 pm
Miguel -> Embora estejamos relativamenteo bem armados com meios anti-tanque, os nossos actuais meios podem não ser suficientes para a blindagem de um Leopard-2A6.
Contra essa blindagem, creio que ou tiros de sorte, ou os canhões de outro tanque, mesmo que de 105mm.

A referência ao M-60 tem a ver com isso: A curta distância, o canhão do tipo L-7 (versão americana) dos M-60 pode perfurar a blindagem, mas para isso não pode ser utilizado em campo aberto, porque um Leo-2A6 pode disparar a uma distância maior.

Neste caso, os tanques portugueses funcionam como caça-tanques, em apoio à infantaria, e não como força blindada de arremesso.

Para termos uma força com essa capacidade precisamos de Leo-2A6.

Mas mesmo com Leo-2A6, eu creio que eles devem ser utilizados para outra função, que não o ataque aos tanques invasores.

Por isso é importante a aquisição de mais e mais eficientes meios antitanque, dispostos em unidades muito móveis.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 09:29:23 pm
A comparacion con Hesbola non ten sentido. O caso que estamos a tratar é contra unha nacion e un exercito non contra unha guerrilla que se enmascaraentre  a poboacion.

Dacordo escondede brigadaas enteiras entre matorrais, xa nos encargaremos de vos cando saiades.
Pola regla de tres calquer pais tropical ou montañoso e literalmente invencible (sempre e cando non sexa a todopoderosa USA) ¿non?
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:30:20 pm
Senhor garrulo, os seus posts serão apagados sempre que forem total e completamente inuteis para a discussão.
Outras pessoas neste tópico apresentaram argumentos.
Eu não estou de acordo com eles, mas pelo menos apresentaram argumentos.

Você apenas soube chamar as pessoas de idiotas.

Como as suas contribuições se tornaram inuteis, deixei de ter o mais pequeno prurido em apagar as suas mensagens, coisa que evidentemente não farei com outras pessoas que cumprem as regras e apresentam argumentos.
Título:
Enviado por: Miguel em Fevereiro 28, 2007, 09:30:31 pm
Citação de: "garrulo"
Estoy harto que este papatango me apague los posts. Déjate de historias y no desvies el tema cuando has perdido el debate. Hablamos de hoy y hoy el Ejercito Español esta a distancias siderales del Luso, en consecuencia , podeis contra nosotros lo que una mesnada medieval contra una unidad acorazada de hoy.
Si quieres seguir con el debate hablemos de HOY.Si no, retirate......


 :rir:

Qual Exército Espanhol ?? aquele que é constituido por marroquinos e soldados sul americanos?

Com uns 200 LeopardII que seriam abertos por os nossos TOW e Milan..

E os Pizarros que seriam um caixao mortal para os seus tripulantes, debaixo do fogo dos Laws...
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 09:32:54 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Entonces porqué no echaron a los españoles cuando contaban con el apoyo inglés y Francia estaba derrotada?

Cuando no le interesan las respuestas es que corresponden a otro tema.
José M.  ->
Estamos fartos de falar no mesmo, que começa a ser cansativo.

Os ingleses (e os portugueses também) precisavam do apoio dos espanhóis para continuar a lutar contra os franceses.

Os espanhois detestavam os ingleses, e se Portugal recuperasse as perdas da guerra das laranjas, isso poderia ser catastrófico para o esforço de guerra contra a França.
Portugal é um país pacifico, e tentou internacionalmente recsolver o problema por meios pacificos. Ganhou a causa e continua à espera que a Espanha cumpra o que prometeu.

(Mas não nos desviemos do tema, esta questão diz respeito ao tópico de Olivença).


Entonces por qué trata el tema fuera de tópico? No sea troll y use los sitios adecuados.

Le recuerdo que este tópico trata de un posible conflicto entre España y Portugal y que Olivenza no es motivo de conflicto entre nuestras dos naciones.

 :P
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:34:45 pm
Citação de: "pablinho"
A comparacion con Hesbola non ten sentido. O caso que estamos a tratar é contra unha nacion e un exercito non contra unha guerrilla que se enmascaraentre  a poboacion.

Dacordo escondede brigadaas enteiras entre matorrais, xa nos encargaremos de vos cando saiades.
Pola regla de tres calquer pais tropical ou montañoso e literalmente invencible (sempre e cando non sexa a todopoderosa USA) ¿non?


A comparação com o Hezbollah, faz todo o sentido, porque demonstra o que uma força ligeira e relativamente mal armada pode fazer contra uma força blindade com muitos milhares de tanques.

O Hezbovllah, não tinha mais de 4.000 homens no terreno. Os Israelitas podiam mover até 2.000 carros de combate, entre Merkava, Akzarit, Nakpadon e outros mais leves.

A desproporção era absurda, e mesmo assim Israel saiu a lamber as feridas.

O exército português, evidentemente, que tem 26.000 homens, tem treino tipo NATO, que em caso de guerra conta com parte dos 24.000 homens da Guarda Republicana, seria derrotado numa semana.

Não acha que é um pouco tonto fazer este tipo de afirmações ???  :shock:

Como se diz no Brasil,

Ocê nun s'inxerga não ?
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:37:43 pm
Citar
Entonces por qué trata el tema fuera de tópico? No sea troll y use los sitios adecuados.

Le recuerdo que este tópico trata de un posible conflicto entre España y Portugal y que Olivenza no es motivo de conflicto entre nuestras dos naciones.
Faço-o para evitar ser mal educado, tendo que pedir-lhe que passe as mensagens para o tópico de Olivença.
Se quiser remover as mensagens que colocou, e coloca-las no tópico de Olivença, faça o favor...
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 09:41:21 pm
Miguel, no son 200 Leopard son 327.
Pero no quiero darles el gusto de matar a 10 españoles durante toda la guerra, no me da la gana de que mis unidades acorazadas y mecanizadas entren en portugal. Con la aviacion española y con la Armada sobra para hacer de su patria un solar. YA le he comentado que solo ocupariamos las islas , que es el unico portugal util.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 09:42:29 pm
Sinceramente no sé como se puede pasar de uno a otro tópico. Si me enseña no tengo inconveniente.

(Me sorprende que usted acepte que entre Portugal y España no hay conflictos por Olivenza)

Saludos.
Título: soldados extranjeros
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 09:50:33 pm
caro Miguel, poco me importa que haya soldados sudamericanos o musulmanes en nuestro ejército si a la hora del combate son efectivos. Le recuerdo que las tropas nacionales en la guerra civil contaban con un apreciable número de soldados musulmanes que eran bien conocidos por su fiereza e incluso, a veces, brutalidad. Le recuerdo que tanto la legión española como la francesa cuentan desde tiempos inmemoriales con extranjeros en sus filas y son 2 cuerpos de élite de los que no se duda su valor. Le recuerdo que los gurkas nepalíes son la unidad más temida del ejército británico así que no entiendo porqué desprecia a sudamericanos o musulmanes.
No sé si entenderán que antes de que cualquier elemento mecanizado de su ejército se pudiera aproximar a menos de 2 Kms. de nuestras posiciones sería volatilizado desde el aire (ya sea por la aviación o por helicópteros Tigre). No le digo que algún Leopard no vayan a destruir, es lo mínimo que se le pide a un ejército defensor pero viven en las nubes, viven de recuerdos y esa es su enfermedad, llevan olvidándose de sus fuerzas armadas desde hace decenios y se creen que con historias de la abuela pueden vencer una guerra hoy en día
Lo bueno de tener a Marruecos y sus contínuas reivindicaciones territoriales cerca es que nos obliga a adquirir material militar y rearmarnos continuamente y hace 200 años que España no tiene un ejército del nivel del actual (además que por fin es profesional) mientras que ustedes no tienen un enemigo que les motive a armarse adecuadamente para estar preparados en caso de conflicto y saben perfectamente que España ni los españoles somos sus enemigos (a excepción de algunos radicales ultranacionalistas que habitan en este foro y que incluso moderan).
Un saludo a todos los foristas.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 09:53:59 pm
Citar
O Hezbovllah, não tinha mais de 4.000 homens no terreno


4000 homes que se escudaban na poboacion; ademais o Libano foi ocupado que é do que  trata o tema ¿non?
Quedamos en que non teriamos en conta as posibles guerrillas que surxirian despois ¿ou xa non te acordas?

Garrulo tienes mi apoyo, sigue manifestando tus opiniones, no podra acernos callar a todos.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 09:57:38 pm
Citação de: "garrulo"
Miguel, no son 200 Leopard son 327.
Pero no quiero darles el gusto de matar a 10 españoles durante toda la guerra, no me da la gana de que mis unidades acorazadas y mecanizadas entren en portugal. Con la aviacion española y con la Armada sobra para hacer de su patria un solar. YA le he comentado que solo ocupariamos las islas , que es el unico portugal util.


Esse argumento não parece fazer muito sentido, porque o que discutimos é um conflito entre Portugal e a Espanha, e não uma operação espanhola para ocupar os Açores.

Nesse caso, teria que desenhar um cenário internacional onde isso fizesse sentido.

Além do mais, os Açores têm 250.000 habitantes. Acha que os Açoreanos são assim tão simples de vencer?  :shock:

Um conflito na peninsula é possível, porque se trata de dois países que têm fronteiras, os Açores são outra coisa, implicariam alterações estratégicas muito complicadas. Esse tipo de operação não se engloba num conflito aberto entre Portugal e a Espanha, e sim num conflito localizado.


= = =

Jose M.  - >

Para mudar a mansagem só tem que copia-la e criar uma nova mensagem no tópico adequado.

É por isso que as pequenas notas são permitidas (mesmo que fora do contexto) para evitar o trabalho de mudar as mensagens.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 10:00:52 pm
Citar
aro Miguel, poco me importa que haya soldados sudamericanos o musulmanes en nuestro ejército si a la hora del combate son efectivos. Le recuerdo que las tropas nacionales en la guerra civil contaban con un apreciable número de soldados musulmanes que eran bien conocidos por su fiereza e incluso, a veces, brutalidad. Le recuerdo que tanto la legión española como la francesa cuentan desde tiempos inmemoriales con extranjeros en sus filas y son 2 cuerpos de élite de los que no se duda su valor. Le recuerdo que los gurkas nepalíes son la unidad más temida del ejército británico así que no entiendo porqué desprecia a sudamericanos o musulmanes.


mllom : Eu pensava que este tópico era para discutir a guerra entre Portugal e a Espanha sem a intervenção de outros povos e outros países.

Nós sabemos que a Espanha sempre recorreu a tropas mercenarias e que tem uma grande tracição moura, que lhe vem das suas raizes árabes. Isso não é novidade.

No entanto não deixa de ser engraçado e curioso, o recurso (mesmo agora ) às tropas mouras.


Além disso mllom, agora é  você que está a falar do passado... :mrgreen:

Como dizemos em Portugal: Pela boca morre o peixe.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 10:03:35 pm
Estamos hablando de guerra entre España y Portugal, le vas a decir tú a mi estado mayor lo que puede o no hacer para sojuzgaros?. Tontos no somos y hablamos de guerra.
Esas dos provincias piensa desde ya que son españolas.
Título:
Enviado por: pablinho em Fevereiro 28, 2007, 10:06:05 pm
Citar
Um conflito na peninsula é possível, porque se trata de dois países que têm fronteiras, os Açores são outra coisa, implicariam alterações estratégicas muito complicadas.

Recordoche que a armada Española co BPE os dous galicias e a sua  sempre gloriosa infanteria de marina pasara a ser unha das armadas con mais proyeccion do mundo. ACtualmente temos capcidade para proyectar forzas por todo o hemisferio Sur segun os analistas, non deberia supor un grandísimo problema conquistar as azores contando coa nosa manifesta superioridade naval

Citar
Além disso mllom, agora é você que está a falar do passado...  

O factor historico é un factor de relativa importancia, non cho nego; pero non podes basar todos os teus argumentos nel, porque o teu discurso perde credibilidade.

¿Os españois entendedesmme ben cando escribo en galego? non vaia ser que queira facilitarllelas cousas os amigos portugueses e o final non me entendadn nin un nin outros  :mrgreen:
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 10:13:33 pm
Pablinho, se te entiende perfectamente  :D
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 10:17:36 pm
OK

Muito bem.

Então partimos do principio de que mesmo nos dias de hoje, a Espanha numa guerra contra Portugal a única coisa que conseguia fazer seria tomar os Açores?

Acho que estou esclarecido

Evidentemente, que nesse caso, não temos neste momento meios para defender os Açores.

É por isso que temos um acordo com os americanos, que são co-responsáveis pela defesa das ilhas.

Um cenário, em que a Espanha, o país que abandonou ingloriamente o Iraque tome os Açores, quando os americanos têm acordos com Portugal para a utilização das ilhas e a sua defesa, é no minimo mirabolante.

Uma ataque terrestre, não implicaria meter ninguém ao barulho, mas atacar os Açores  :shock:

É exactamente o último lugar que alguma vez algum espanhol pensaria atacar.

Seria um disparate total.

= = = = = = =

Como em 1930, os problemas entre os dois estados ibéricos só podem ser provocados pela instabilidade nas fronteiras, e em acções de um contra o outro, eventualmente com intervenção directa ou indirecta.

Portugal intreveio na guerra civil em 1936, e a Espanha pensou na possibilidade de invasão em 1940.

Só uma convulsão de nacionalismos espanhóis pode provocar um conflito ibérico. Neste momento, é o único cenário minimamente realista que pode provocar a medio/longo prazo um conflito.

Um ataque aos Açores seria suicidio e os espanhóis evidentemente sabem-no perfeitamente.

É por isso que o cenário não faz sentido, mais nada.

Eu analiso tácticas, possibilidades, terrenos, velocidades de progressão, blindagens, e vantagens tácticas.
Não de há 70 ou 200 anos mas de hoje.

E AFIRMO, que sendo embora possível tomar Portugal, a Espanha não tem a massa critica necessária para organizar e colocar em prática tal operação. Não a tem hoje, com a actual situação politica, e muito menos a terá, no caso de ocorrer qualquer separação que de alguma forma envolva Portugal.
Título:
Enviado por: Migas em Fevereiro 28, 2007, 10:25:31 pm
Citação de: "pablinho"
¿Os españois entendedesmme ben cando escribo en galego? non vaia ser que queira facilitarllelas cousas os amigos portugueses e o final non me entendadn nin un nin outros  :wink:
Título:
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 10:28:49 pm
Señor Papatango ¿usted ha leído bien lo que he escrito? Le pongo ejemplos de tropas extranjeras que en combate tienen fama acreditada. ¿en qué momento hablo de otro país en un conflicto entre los nuestros si no es para explicar porqué España necesita estar bien armada? ¿Ni siquiera es capaz de leer? ¿su sectarismo le nubla la vista? :shock:   :twisted: El resto pues no nos interesa demasiado.
También me solidarizo con garrulo, ánimo picha que si ladran es porque cabalgas y pablinho, no solo entendemos sino que además admiramos una de las lenguas más bellas de nuestro país.
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 28, 2007, 10:31:30 pm
Si me dieran el cargo de atacar a Portugal (cosa de la que soy contrario) no atacaría las Azores. Haría un ataque limitado por el sur y avanzaría la frontera hasta el Guadiana.

 Es una posición fácilmente defendible y no exigiría demasiados recursos. Luego sería hostigar sin arriesgar demasiado y esperar unos cuantos años para avanzar otro tanto por otra zona.

Sin prisas pero sin pausa.

Las Azores son demasiado gastos para poco provecho.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 10:35:10 pm
Jose M , Portugal no vale el movimiento de una unidad acorazada, pero si los archipiélagos y ahí, estan indefensos (como son tan bravos me dan miedo).
Título:
Enviado por: Tiger22 em Fevereiro 28, 2007, 10:35:37 pm
Gostava de ver um bloqueio naval a Portugal com F-100, BPE e etc. e tal quando isto estiver operacional!!!

Ia ser lindo…

(http://greekmilitary.net/Greek%20Navy/214-2.jpg)

 :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 10:37:33 pm
Cuando ustedes tengan esos dos operativos, nosotros tendremos 4 o seis S80., que miedo....
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 10:38:58 pm
Ademas, se olvidan ustedes que para el2026 les pienso cortar el Tajo y esos sub estaran anclados en el barro.
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 10:44:31 pm
Citar
No sé si entenderán que antes de que cualquier elemento mecanizado de su ejército se pudiera aproximar a menos de 2 Kms. de nuestras posiciones sería volatilizado desde el aire (ya sea por la aviación o por helicópteros Tigre). No le digo que algún Leopard no vayan a destruir, es lo mínimo que se le pide a un ejército defensor pero viven en las nubes, viven de recuerdos y esa es su enfermedad, llevan olvidándose de sus fuerzas armadas desde hace decenios y se creen que con


Li perfeitamente o que escreveu, mas parece que o espanholismo lhe tolda a vista.

Toda a superioridade de Espanha, é patética, repito PATÉTICA quando comparada com a superioridade de Israel, contra um bando de mal vestidos armados de mísseis anti-tanque.

Quantas vezes tenho que falar na mesma coisa ?

Os exércitos e as forças militares têm que estudar os conflitos à medida que eles vão ocorrendo, para os terem como referência.

Neste momento, o comportamento do exército de Israel no Líbano, fez escola nas análises tácticas e mesmo estratégias, relacionadas com o avanço de grandes unidades blindadas.

E esse estudo, demonstrado pela prática demonstra que:

A grande superioridade de meios blindados, pode de facto ser reduzida de forma dramática se forem convenientemente utilizados meios anti-tanque.
Isto é uma conclusão da análise de um conflito que ainda não passou há um ano atrás.

O que também ficou provado no Kosovo, é que a actuação de meios aéreos, com uma total superioridade aérea, não afectam forças militares blindadas e mecanizadas escondidas nas florestas.

Ou seja, Portugal tem meios e condições (dinheiro) para em caso de necessidade adquirir quantidades consideráveis de meios anti-tanque, e as características de parte do país, permitem às forças armadas portuguesas dissimular-se em parte do território.

Esqueça as guerras do passado se quiser.
Fiquemo-nos pelas de hoje em dia, mesmo considerando que a Espanha não consegue lutar sem o apoio de mouros e imigrantes equatorianos.

Esta é a realidade.

Um conflito generalizado entre Portugal e a Espanha, não poderia nunca ser um ataque ao único lugar do território português onde existem tropas da mais poderosa nação da terra.

O ataque se os espanhóis quiserem, vão ter que o fazer por terra.
E aí as opções que têm não são muitas, e em todos os casos nós temos vantagens defensivas.

Além disso, como no periodo anterior à guerra civil, Portugal previu o que ía acontecer com cinco anos de antecedência. Portanto, mesmo que não tivessemos cinco anos de antecedência, e ficassemos por três anos, acha que não seria tempo suficiente para comprar meios de defesa para permitir ao país defender-se de um ataque ?

Tais afirmações são pura e simplesmente patéticas, e só as entendo como decorrentes de mentes de jovens imberbes e pouco dados ao estudo deste tipo de coisas, que gostam de medir forças aéreas e o numero de canhões e mísseis dos navios, mas que não têm qualquer ideia sobre a utilização dos meios, e a doutrina a que obedece a sua utilização.

É uma pena, porque o debate seria mais interessante.

Mas se a única argumentação é do tipo apresentado

Acho que estamos conversados  :roll:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Fevereiro 28, 2007, 10:45:43 pm
Citação de: "garrulo"
pero si los archipiélagos y ahí, estan indefensos (como son tan bravos me dan miedo).


(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d5/Azr.png/498px-Azr.png)

A divisa Antes morrer livres que em paz sujeitos é retirada de uma carta escrita a 13 de Fevereiro de 1582 por Ciprião de Figueiredo, então corregedor dos Açores e grande apoiante de D. António I, Prior do Crato, ao rei Filipe II de Castela recusando-lhe a sujeição da ilha Terceira em troca de mercês várias. Em resposta à proposta de Filipe II, Ciprião de Figueiredo diz: "... As couzas que padecem os moradores desse afligido reyno, bastarão para vos desenganar que os que estão fora desse pezado jugo, quererião antes morrer livres, que em paz sujeitos. Nem eu darei aos moradores desta ilha outro conselho ... porque um morrer bem é viver perpetuamente ...
Título:
Enviado por: Tiger22 em Fevereiro 28, 2007, 10:46:42 pm
Citação de: "garrulo"
Cuando ustedes tengan esos dos operativos, nosotros tendremos 4 o seis S80., que miedo....


Vou-lhe dar uma novidade garrulo. Sabe por que motivo a armada espanhola decidiu modernizar os S-70?

Pela simples razão de que já começaram a interiorizar que os S-80 não verão a luz. Sabe porquê?

Isso vai ficar para vocês. Será uma agradável surpresa. :P  :wink:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 10:51:55 pm
No hablo de temas navales con indocumentados.
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 28, 2007, 10:53:53 pm
Demora muito, a guerra? :roll:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Fevereiro 28, 2007, 10:57:17 pm
«Pois contra o Castelhano tão temido,
Sempre alcançou favor do Céu sereno.
Assim que sempre, enfim, com fama e glória,
Teve os troféus pendentes da vitória.»
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Fevereiro 28, 2007, 11:08:13 pm
Citação de: "garrulo"
Le repito el chiste del portugues?

Estaba un portugues metido en un pozo ahogandose y le decia al castelahno que estava fuera....Si me sacas del pozo te perdono la vida.


E o castelhano o que fez ?
Tirou-o do poço ? Já merecia uma Ordem da Liberdade  :lol:


Citar
pero si los archipiélagos y ahí, estan indefensos (como son tan bravos me dan miedo).


Elá.......como bom ilhéu vou buscar a enxada do avó e agarrar nuns calhaus para correr com os "estranjas" mal comportados. Se for só o Garrullo, ainda acabamos antes das 19h e vamos comer uma espetada e ver a bola.......

Menos, senhores, menos........
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 11:10:18 pm
Citar
Demora muito, a guerra?

Parece que sim.

Primeiro invadiam em três semanas.
Depois era só os Açores.
O José M, agora só quer invadir a Amareleja (margem oriental do Guadiana).

No fim, ainda ficam é com Olivença  :roll:

= = =

Trata-se de esgrimir argumentos...

No entanto, conhecendo as debilidades de que todos nós temos conhecimento, há que considerar as questões tácticas, a movimentação no terreno, e a determinação das forças em lutar.

A verdade, é que não é muito dificil preparar uma força com uma grande capacidade dissuasora.

Mas provavelmente, haverá formas de resolver os problemas que o terreno provoca.

Uma das opções seria um ataque desde o norte, mas isso tornava as linhas de abastecimento demasiado longas.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 28, 2007, 11:14:32 pm
Ó Luso, você tem aí o CD com o programa que desliga o Sistema Integrado de Controlo de Comunicações (SICC) - integralmente construído em Portugal por portugueses com knowledge português?
É que de uma assentada desligava-se o AOR Patino, o LPD Galicia, o Principe de Asturias, todos os caça minas Segura, o LPD Castilla, as fragatas Álvaro de Bazan e o BPE.
Ainda os íamos ver a disparar uns contra os outros  c34x
Título:
Enviado por: mllom em Fevereiro 28, 2007, 11:15:48 pm
vuelve a subestimar las opiniones de los foristas y a faltar el respeto, eso tiene un nombre: soberbia. Vuelve a devaluar a musulmanes y sudamericanos; eso tiene un nombre: racista. Ninguna de las 2 cosas me sorprende de usted; define muy bien un tipo de personalidad: ultranacionalista.
Vuelve al ejemplo más ridículo que he escuchado para intentar explicar lo inexplicable: Hezbollah e Israel; señor Papatango si a Israel le hubiera dado la real gana se hubiera colado en Beirut en 72 horas, lo que no podía era echarse a toda la comunidad internacional encima y le bastó con limpiar la frontera con Líbano y reducir a escombros buena parte de la capital. DEJE DE DECIR TONTERÍAS.
Y sigue con los medios antitanque, no se entera que si a España le da la gana, le basta con hacer un bloqueo por mar y aire y bombardearles hasta hacer que su economía se derrumbara y su nivel de vida volviera a los años 40 para que terminaran firmando la rendición? Oh, se me olvidaba que son ustedes la nación más poderosa de la tierra formada por androides indestructibles a los que todo el mundo debe temer. Anda ya!! Puede usted escupir bilis, puede faltar el respeto, puede echar del foro uno por uno a todos los españoles que escribimos en el (como ya ha hecho con multitud de compatriotas míos ) que la realidad es que a día de hoy nuestras fuerzas armadas y capacidades están a años luz de las suyas.
Demuestra no tener ni idea de lo que es la guerra en la actualidad, no hace falta siquiera invadirles, sólo asfixiarles, destruir cualquier cosa que tenga valor y hundirles en la más absoluta miseria. Caerían, tardarían más o menos pero caerían, tienen la mala suerte de estar rodeados por el norte y este por España y por Oeste y Sur por mar.
Su soberbia y arrogancia le pierden que son exactamente los mismos defectos que achaca a los castellanos.  :oops: Como usted dijo: por la boca muere el pez.
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 11:16:16 pm
Papatango no te quieres enterar que no necesitamos poner los pies en Portugal con excepcion de las islas?
El resto de portugal continental solo hay que machacarlo con F18 y C16.

Portugal no vale una sola vida española.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Fevereiro 28, 2007, 11:22:23 pm
Citação de: "garrulo"
Papatango no te quieres enterar que no necesitamos poner los pies en Portugal con excepcion de las islas?
El resto de portugal continental solo hay que machacarlo con F18 y C16.

Portugal no vale una sola vida española.



Atenção !!!!!!
Por falta de comparência do adversário, a guerra está adiada......
O nosso moderador já pode largar o arco, mas conserve as "minis" e o "Bom Petisco" , não vá dar uma rueza. :lol:


E ainda chamam-nos arrogantes..........
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Fevereiro 28, 2007, 11:22:27 pm
«Eis se ajunta o soberbo Castelhano,
Para vingar a injúria de Teresa,
Contra o tão raro em gente Lusitano,
A quem nenhum trabalho agrava ou pesa.
Em batalha cruel o peito humano,
Ajudado da angélica defesa,
Não só contra tal fúria se sustenta,
Mas o inimigo aspérrimo afugenta.»
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 28, 2007, 11:26:28 pm
Citação de: "garrulo"
El pozo, el pozo.


"The horror, the horror..."
Título:
Enviado por: Migas em Fevereiro 28, 2007, 11:26:53 pm
Citação de: "Bravo Two Zero"
Atenção !!!!!!
Por falta de comparência do adversário, a guerra está adiada......


Isso é que não! Ainda quero dar uso à minha velhinha G3.  :twisted:
Título:
Enviado por: garrulo em Fevereiro 28, 2007, 11:30:00 pm
Podian haberle dicho al forista Miguel que no abriera semejante idiotez de post, es como si se empeñaran contra la Estrella de La  Muerte. El resultado  es claro, unas fuerzas de hace 40 años no pueden cotra lo ultimo en todos los ordenes, y paso ya de tonterias.
Título:
Enviado por: Lancero em Fevereiro 28, 2007, 11:31:31 pm
A Acção Psicológica já está em marcha nas colinas de Alfama  ;) )
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Fevereiro 28, 2007, 11:33:21 pm
«Com tal milagre os ânimos da gente
Portuguesa inflamados, levantavam
Por seu Rei natural este excelente
Príncipe, que do peito tanto amavam;
E diante do exército potente
Dos imigos, gritando o céu tocavam,
Dizendo em alta voz: — "Real, real,
Por Afonso alto Rei de Portugal.»



«Olha que dezessete Lusitanos,
Neste outeiro subidos se defendem,
Fortes, de quatrocentos Castelhanos,
Que em derredor, pelos tomar, se estendem;
Porém logo sentiram, com seus danos,
Que não só se defendem, mas ofendem:
Digno feito de ser no mundo eterno,
Grande no tempo antigo e no moderno.»
Título:
Enviado por: Luso em Fevereiro 28, 2007, 11:37:53 pm
Ah, Pereira!
Ainda há esperança para ti, rapaz!
Título:
Enviado por: papatango em Fevereiro 28, 2007, 11:46:09 pm
Citar
vuelve a subestimar las opiniones de los foristas y a faltar el respeto, eso tiene un nombre: soberbia. Vuelve a devaluar a musulmanes y sudamericanos; eso tiene un nombre: racista. Ninguna de las 2 cosas me sorprende de usted; define muy bien un tipo de personalidad: ultranacionalista.

Bom, os únicos ultranacionalistas que por aqui apareceram são os ultranacionalistas espanholistas.

Eu não afirmei nada relativamente às tropas equatorianas e aos contingentes mouros do exército espanhol.
A Espanha tem tradição de ter nas suas fileiras estrangeiros, provavelmente Porque não tem confiança nos seus proprios militares e porque sempre teve dificuldades no recrutamento.

Logo, evidentemente os mouros devem ser melhores combatentes, porque senão não os convidavam.
Isto não é demérito nenhum para os muçulmanos espanhóis, quando muito seria demérito para os outros...

Citação de: "mllom"
o que no podía era echarse a toda la comunidad internacional encima y le bastó con limpiar la frontera con Líbano y reducir a escombros buena parte de la capital.
E no entanto, a Espanha, não terá nenhum problema com a comunidade internacional, e por isso, tendo 10 (DEZ) vezes menos tanques e carros de combate, contra um exército que tem 10 (DEZ) vezes mais militares que os que o Hezbollah tinha, avança triunfadora sobre Lisboa, para cravar o estandarte Hispano de la Gran y Inmortal Castilla Imperial.

Não acha que se há alguem a dizer disparates de todo o tamanho não sou eu?

O exército espanhol, não tem veíiculos suficientes para montar tal operação. Mesmo que os tivesse não tem pessoal suficiente para efectuar a operação.
Mesmo que o tivesse, não tem uma opinião pública que aceitasse a operação.
Se não se tivesse que preocupar com a opinião pública, é porque os militares tinham tomado o poder.
Se os militares tomarem o poder, a Espanha estará isolada internacionalmente.
Nesse caso. atacar Portugal seria a última coisa que tal regime poderia fazer.

Só o faria numa fuga para a frente, como estavam a planear os Argentinos contra o Chile, e que depois concluiram noutras circunstâncias contra a Grã Bretanha.

Atacar os Açores, serviria para cortar as relações com Portugal, e geraria internacionalmente uma torrente de criticas contra a Espanha.
Além de que teria que atacar bases americanas, o que seria colocar Madrid  na rota de mais Tomahawk.
Ora se discutimos a questão de um conflito exclusivamente ibérico, não podemos incluir intervenção estrangeira. Atacar os Açores seria internacionalizar o conflito.


Citar
Y sigue con los medios antitanque, no se entera que si a España le da la gana, le basta con hacer un bloqueo por mar y aire y bombardearles hasta hacer que su economía se derrumbara y su nivel de vida volviera a los años 40

O bloqueio por mar, não é possível, porque isso implica internacionalizar o conflito. Você pode atacar Portugal, mas não pode impedir os outros países de mover os seus navios.

Para bloquear Portugal, você tem que declarar zona de guerra a zona marítima mais movimentada do planeta terra.
E acha que consegue impedir o trafego marítimo durante o tempo que quiser?

Desculpe-me, mas eu não tenho tempo para discutir com crianças...
A argumentação é pura e simplesmente estúpida.

Isto não é um insulto. É uma constatação resultante da análise dos cenários apresentados, que apresentam resultados favoráveis numa análise estratégica, sem fazer qualquer análise táctica da situação.

===

já escrevi demasiado, para quem não entende...  :shock:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 01, 2007, 12:02:51 am
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "garrulo"
pero si los archipiélagos y ahí, estan indefensos (como son tan bravos me dan miedo).

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/d/d5/Azr.png/498px-Azr.png)

A divisa Antes morrer livres que em paz sujeitos é retirada de uma carta escrita a 13 de Fevereiro de 1582 por Ciprião de Figueiredo, então corregedor dos Açores e grande apoiante de D. António I, Prior do Crato, ao rei Filipe II de Castela recusando-lhe a sujeição da ilha Terceira em troca de mercês várias. Em resposta à proposta de Filipe II, Ciprião de Figueiredo diz: "... As couzas que padecem os moradores desse afligido reyno, bastarão para vos desenganar que os que estão fora desse pezado jugo, quererião antes morrer livres, que em paz sujeitos. Nem eu darei aos moradores desta ilha outro conselho ... porque um morrer bem é viver perpetuamente ...


Em primeiro lugar o meu sincero obrigado Pereira Marques, o meu pai ficou muito sensibilizado com esta imagem! Ele é da Ilha Terceira e sempre fez questão de dizer que os Açorianos com meia dúzia de bois e muita garra venceram toda uma armada Espanhola! Não há dúvida que quando se está a defender a sua própria terra as pessoas lutam como leões!

Ok, agora vou dizer a minha opinião. Como todos sabem eu fui voluntário nas nossas Forças Armadas e há uma coisa que me choca profundamente em Espanha, que é a utilização de estrangeiros nas suas Forças Armadas. Tive a falar com um “Paraca” pela net e ele queixa-se que entre os drogados e os estrangeiros, o nível da sua Brigada está muito em baixo. A maior parte dos estrangeiros mal consegue a nacionalidade, sai das Forças Armadas. Criou-se grupos dentro das unidades, ou seja, Equatorianos para um lado, Bolivianos para outro, etc. Eu não preciso dizer que isso tem efeitos muito negativos em unidades militares. Eu como antigo militar, sabendo da importância do Espírito de Corpo, acho que é muito perigosa esta situação. O mais engraçado é que em relação aos Muçulmanos eu até não tenho tido relatórios muito negativos, na verdade até tenho tido uma boa percepção deles. Talvez porque vivem em Espanha (seja ela continental ou nas cidades do Norte de África), eles tenham mais sentido de patriotismo do que um Boliviano que só está lá para conseguir facilidade de ficar a residir em Espanha.

Em relação a uma possível invasão de Espanha a Portugal…também podíamos falar de uma possível invasão dos Marcianos, a possibilidade de isso acontecer a curto/médio prazo é basicamente a mesma! Sim, não há dúvida que as Forças Armadas Espanholas levaram um grande impulso na qualidade do equipamento nos últimos 10 anos, mas ao mesmo tempo acho que houve uma degradação na qualidade dos militares, mas isso é apenas a minha opinião e cada pessoa tem a sua. A verdade é que a diferença na qualidade e quantidade de material entre as duas Forças Armadas é esmagadora e não adianta os Portugueses tentarem disfarçar esta diferença. É verdade que numa guerra de guerrilha, a Espanha teria muito a perder, mas Portugal também! Eu talvez porque fui criado por pessoas que acreditam que a nossa casa é sagrada, nem quero ouvir falar de Espanhóis a invadir Portugal e se houvesse guerra eu preferia avançar no terreno do que ficar à espera! Espanha é grande, Portugal é curto…entre lutar na casa dos outros a ver a minha terra a ser demolida, prefiro a segunda hipótese.

Eu sou acima de tudo um patriota, mas um patriota de verdade, alguém que não quer guerra no seu país e nem quer pensar nisso. Talvez seja apenas eu, mas eu acredito que numa guerra todos perdem, uns perdem a sua casa, outros a sua vida, outros a sua juventude, etc. NÃO QUERO VER GUERRAS NA PENINSULA IBÉRICA!!!!!!!!!!!

Make love, not War!!!


Deixem-se deste tipo de tópicos que só servem para atear guerras aqui no fórum! Estou francamente farto desta situação!!! Cresçam!!!

Eu vou este fim-de-semana a Espanha para um Campeonato de artes marciais, vou andar à pancada com os Espanhóis, mas no fim, somos todos amigos. Cada um vai para sua casa ter com as suas famílias e com óptimas recordações. É um processo de descoberta interior, porque quem passou por um treino militar rigoroso sabe, só em casos extremos, fora do conforto do nosso lar é que sabemos de que fibra somos feitos.

Estou com saudades dos meus amigos de L'ametlla de mar.
Título:
Enviado por: mllom em Março 01, 2007, 12:06:20 am
Caro Papatango, si no tiene tiempo para discutir con crianças no discuta con sus hijos, si es que los tiene. Si pretendía faltarme el respeto  :roll: sea más imaginativo, es demasiado simple, aunque quizás eso sea mucho pedir a alguien como usted. Pero ánimo, con esfuerzo puede cambiar y a lo mejor lo tomamos en serio.
Es tan torpe que no se entera que hablamos de no implicar a otros países. Guerra de tú a tú, es decir que si forzamos un bloqueo naval, no implica que entre en guerra otro país o que nadie tome medidas contra nosotros porque usted sabe perfectamente que esto es un supuesto y es la única forma de hacerlo realidad porque hoy por hoy una guerra entre 2 países europeos es una quimera por lo que implicaría internacionalmente.
¿SERÁ POSIBLE QUE NO SE ENTERE? Bueno, con usted ES POSIBLE.
Ah y no entiendo, es cierto, porque no puedo entender las tonterías que dice.
Si nos hace el favor a todos los foristas y nos deja de hablar de Hezbollah nos podría decir como piensan parar o neutralizar los F18 y los EFAs. Cómo piensan enfrentarse a una F100 protegida por F80s, cómo en el campo de combate se enfrentarían a bombardeos dirigidos desde tierra o qué harían si tomamos las azores para recuperarlas. Porque a lo mejor simplemente se toman las azores y punto. Se conformarían con eso o intentarían algo para volver a recuperarlas?. Y por Dios, no vuelva con internacionalizar el conflicto o con bases americanas. De tú a tú que no es tan difícil entender el concepto.
Título: Señor cabezademartelo
Enviado por: mllom em Março 01, 2007, 12:10:25 am
Me agrada ver que como siempre pensé la gran mayoría de portugueses son gente de bien e inteligente. Suscribo sus deseos y le felicito por el último post. Ojalá algunos aprendiesen de como defender sus posiciones con educación y racionalidad. Un cordial saludo
Título:
Enviado por: comanche em Março 01, 2007, 12:18:20 am
Citação de: "garrulo"
Mira papatango, durariais tres dias, elEA machacando instalaciones estrategicas ,bases asentamientos radar , industrias nudos de comunicacion centros politicos. Sentenciados
La Armada con tres F100 para tentar vuestra aviacion y deshacerla en minutos ,Nuestros submarinos en el estuario del Tajo, este quiero...este no quiero.
Y el Tear junto con el grupo de combate ocupando las Madeira y repitiendo lo de la Terceira
Y por tierra ni un paso hacia portugal, no hay alli nada que valga la vida de 10 españoles, pero todo como un solar.



Este castelhanistas são uns tontos :D
Gostas dos arquipelagos é? gostavas de ter a maior ZEE da Europa e a décima do mundo com mais de 1.600.000 km2 ?

Eu compreendo a tua frustação......


Mais uma vez seriam derrotados, tal como no passado, o soldado português tem maior capacidade de improvisação, de se adaptar ao terreno, Portugal escolheria o terreno aonde se iriam dar os combates, seria imposta um luta de desgaste a Espanha, o soldado português é superior ao espanhol.

A guerra seria prolongada, e Espanha seria derrotada mais uma vez.
Título:
Enviado por: comanche em Março 01, 2007, 12:43:58 am
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Em primeiro lugar o meu sincero obrigado Pereira Marques, o meu pai ficou muito sensibilizado com esta imagem! Ele é da Ilha Terceira e sempre fez questão de dizer que os Açorianos com meia dúzia de bois e muita garra venceram toda uma armada Espanhola!  Não há dúvida que quando se está a defender a sua própria terra as pessoas lutam como leões!


Sim é verdade, eles já foram derrotados na Ilha Terceira.
Essa batalha ficou conhecida como a batalha da Salga

http://pt.wikipedia.org/wiki/Batalha_da_salga
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 01, 2007, 06:05:14 am
Citação de: "papatango"
Citar
Demora muito, a guerra?
Parece que sim.

Primeiro invadiam em três semanas.
Depois era só os Açores.
O José M, agora só quer invadir a Amareleja (margem oriental do Guadiana).

No fim, ainda ficam é com Olivença  :roll:

.


Es que es buena tierra de encinas y bellotas. Se crían buenos cerdos ibéricos y encima nos quedábamos con Alqueva.

Yo soy contrario a una guerra con Portugal, pero por un plato de jamón lo mismo merece la pena.

Además, como la zona queda cerca de mi casa, puedo ir a la guerra de nueve a cinco y volver a la hora de cenar a casa. En cambio si tengo que ir a las Azores solo podría volver los fines de semana.

Además en las islas no conozco a nadie, por aquí tengo amigos. Ya que me van a disparar que sea alguien de confianza.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 01, 2007, 10:51:38 am
Dizias-me alguma coisa que eu dava-te a indicação dos meus familiares Açoreanos, de certeza que serias bem recebido.  :lol:  :wink:
Título:
Enviado por: Miguel em Março 01, 2007, 12:01:09 pm
Um simples coktail molotov pode destruir um LeopardII

Podem destruir igualmente utilzando uma granada fumigena para cegar os gajos, e depois com um simples explosivo ou uma granada nas largatas ou na parte detraz do Tanque que é sempre a parte mais fraca.

Num combate anticarro devemos privilegiar os ataques laterais e traseiros, a parte frontal é sempre a mais reforçada.

Mesmo um sniper pode fazer muitos estragos ao atirar nos sitios sensiveis do Tanque, como o laser etc...

O nosso pessoal esta muito bem treinado em combate antitanque, posso garantir, e sobretudo os nossos paras :wink:

A nossa BRRapida pode "a vontade" destruir a "brunete" em combate defensivo. Guardando a BriMec em reserva de apoio.

A Brigada Intervençao, pode proteger todo o norte do pais.

Saudaçoes
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 02:07:23 pm
Citar
Toda a superioridade de Espanha, é patética, repito PATÉTICA quando comparada com a superioridade de Israel, contra um bando de mal vestidos armados de mísseis anti-tanque.
O caso non ten NADA que ver, Hesbola é unha guerrila, os soldados non levan uniforme e poden escudarse na poboacion pero non é o caso de Portugal, por sorte para vos. Ademais, non é que Israel peredese a guerra senón que non lle compensou, pero conseguiu invadir o libano sen demasiados problemas que ao final é o que estamos a debatir

Citar
Quantas vezes tenho que falar na mesma coisa ?
Tantan coma veces que non queras entender os nosos argumentos.




Citar
O que também ficou provado no Kosovo, é que a actuação de meios aéreos, com uma total superioridade aérea, não afectam forças militares blindadas e mecanizadas escondidas nas florestas.
Deacoro ¿e que?¿acaso o cosovo non foi derratado?

Citar
Ou seja, Portugal tem meios e condições (dinheiro) para em caso de necessidade adquirir quantidades consideráveis de meios anti-tanque, e as características de parte do país, permitem às forças armadas portuguesas dissimular-se em parte do território.
Xa que é tan facil, enton ningun pais pode ser invadido non. Se os USA intentan invadir España so temo que facernos con antitanques e antiaereo e xa esta ganada. ¿non? Bembido o mundo real, sabes o que farian os nosos avions cando os bosos antitanques kforan detectados.
Fai unhasdecadas o terreo influia moitisimo sa que con poucos soldados unha montaña e un bosque era impenetrable. Pero españa ten avion espia, UAV's e satelites non podedes facer desaparecer unha brigada entiera, sintoo por vos
 

Citar
Esqueça as guerras do passado se quiser.
Fiquemo-nos pelas de hoje em dia, mesmo considerando que a Espanha não consegue lutar sem o apoio de mouros e imigrantes equatorianos.

Esta é a realidade.

Um conflito generalizado entre Portugal e a Espanha, não poderia nunca ser um ataque ao único lugar do território português onde existem tropas da mais poderosa nação da terra.
Xa veredes que fai estados unidos se as cousas se poñen feas. Segun tu un pais con bases norteamiricanas tamen é invencible ¿non? sigamos


Citar
O ataque se os espanhóis quiserem, vão ter que o fazer por terra.
E aí as opções que têm não são muitas, e em todos os casos nós temos vantagens defensivas.
Tenemos unha importate opcion, bombardearos hasta no dejar un cm cadado de portugal que non estea reducido a cinzas.

Citar
Além disso, como no periodo anterior à guerra civil, Portugal previu o que ía acontecer com cinco anos de antecedência. Portanto, mesmo que não tivessemos cinco anos de antecedência, e ficassemos por três anos, acha que não seria tempo suficiente para comprar meios de defesa para permitir ao país defender-se de um ataque ?

¿Tres anos? jajaja. Hoxe en dia en tres anoso teu mayor aliado poder convertirse no teu pior enemigo ¿que pasou cos talibans?
Segues anclado no pasado, que che fai pensar que vades ter a misma sorte que antano, todos os mandos e axentes secretos de enton xa estan retirados e España destina unha importante suma a contraespionaxe; vosoutros fiadevos de correr a mesma sort e seguide sen rearmaros porque calquer dia as cousas se poñen feas e a ver que facedes... (non me refero con España pois coma xa dixen ningun de nos vera unha guerra entre estas nacions)

Citar
Tais afirmações são pura e simplesmente patéticas, e só as entendo como decorrentes de mentes de jovens imberbes e pouco dados ao estudo deste tipo de coisas, que gostam de medir forças aéreas e o numero de canhões e mísseis dos navios, mas que não têm qualquer ideia sobre a utilização dos meios, e a doutrina a que obedece a sua utilização.

O que ten mellor -sobre o papel- exercito é o que ten as de gañar; esa é unha maxima indiscutible.

Veña ahora respondeme ou toma o camiño facil, xa sabes borrame a mensaxe
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 02:18:15 pm
Citar
Vou-lhe dar uma novidade garrulo. Sabe por que motivo a armada espanhola decidiu modernizar os S-70?

Pela simples razão de que já começaram a interiorizar que os S-80 não verão a luz. Sabe porquê?

Isso vai ficar para vocês. Será uma agradável surpresa.  

Lembre-se do que lhes estou a dizer. O melhor que terão provavelmente será um Scorpene com as letras ES a frente. Mesmo assim… tenho as minhas dúvidas. Já ouviram falar do Scorpene chileno e por onde ele anda? Andem lá, pesquisem…  

Tiger por que falas se non teis nin idea?
Os S-80 xa estan en construccion, modernizaronse os S-70 por os 80 van a tardar varios anos en sair. Os planos xa estan feitos e o contrato firmado por 4 S-80 e moi pero que moi poblablemente 2 adicionales, sintoo pero non vamos a deixar o proxectoa medias, os astilleiros e sindicatos non nos deixarian. No podemos permitirnos retrasos e gastos adicionais,ppropios dun producto innovador 100% español, pode permitirse eso Portugal?
Título:
Enviado por: Lancero em Março 01, 2007, 02:30:41 pm
(http://aka.fotovista.com/dev/0/0/00002200/t_00002200.jpg)

Pipocas, alguém?


(http://www.improvresourcecenter.com/mb/images/smilies/popcorn.gif)
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 02:31:25 pm
Citar
Mais uma vez seriam derrotados, tal como no passado, o soldado português tem maior capacidade de improvisação, de se adaptar ao terreno, Portugal escolheria o terreno aonde se iriam dar os combates, seria imposta um luta de desgaste a Espanha, o soldado português é superior ao espanhol.

A guerra seria prolongada, e Espanha seria derrotada mais uma vez.


Vexo que non tes nin idea. Sen superioridae nava é aerea como defendeas un arquipelago. Vexo que tampouco entendes que a guerra do desaste a fariamos nosoutros, que podemos cortar as vosas comunicacions non o reves.

En canto o de "o soldado portugues e mellor que o español" Podes demostrarme eso con datos obxetivos sen remontarte 500 anos atras, NON NON PODES, porque esa cualidade non pode ser medida, ese argumento so responde a teses ultranacionalistas. E como se eu digo que os nosos xenerais son mellorers porque si, pois non, nonpodo sabelo nn demostralo, e ti estas no mesmo caso.
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 02:36:56 pm
Citar
simples coktail molotov pode destruir um LeopardII

Podem destruir igualmente utilzando uma granada fumigena para cegar os gajos, e depois com um simples explosivo ou uma granada nas largatas ou na parte detraz do Tanque que é sempre a parte mais fraca.

Num combate anticarro devemos privilegiar os ataques laterais e traseiros, a parte frontal é sempre a mais reforçada.

Mesmo um sniper pode fazer muitos estragos ao atirar nos sitios sensiveis do Tanque, como o laser etc...

O nosso pessoal esta muito bem treinado em combate antitanque, posso garantir, e sobretudo os nossos paras  


O que eu decia, a vos non vos vence nin os USA. Claro con cocteles molotov destruides o exercito de terra, cos submarinos-chatarra toda a nosa armada e con uns antiaereos que non sei de onde os sacades destruides o exercito do aire, diga usted que si hombre¡

Veña, cando volva a realidade falamos ¿OK?

Weno creo que ya acabe por ahora de despacharme agusto  :wink:

Veña papaganto, a que esparas para borrarme todo o esforzo, veña home, que como tardes mais inda vas conseguir que alguen lea o que escribin
Título:
Enviado por: papatango em Março 01, 2007, 02:50:18 pm
Cabeça de Martelo ->

Note bem.

Como é evidente, neste tópico, o objectivo é discutir as possibilidades de conflito e as formas e possibilidades de resistência.

Todos nós neste fórum, já sabemos perfeitamente quais são as diferenças entre um F-16MLU e um Typhoon, entre um M-60 e um Leo-2A6 etc...

O objectivo não é fazer guerrinhas tipicas de outros fórums, onde o debate se restringe à comparação dos equipamentos entre jovens defensores deste ou daquele modelo de tanque...

Se fossemos comparar os equipamentos, então as guerras estavam todas decididas à partida.

Bastava-nos comparar a característica X com a característica Y, para concluir como vai ser o resultado.

= = = = = = =

O comportamento português, em termos de conflito na peninsula, sempre foi o de optar por operações irregulares (ou "semi-irregulares", no sentido de pouco convencionais) que permitissem conseguir vantagens tácticas.

O objectivo da discussão, é portanto o de analisar essas vantagens e desvantagens.

Não precisamos que nos lembrem que a situação não é boa, porque ela já é conhecida. O que estamos a analisar são os meios necessários e as tácticas possíveis para resistir a uma avançada convencional sobre o território português.

Analisando entre outras coisas, se continua a ser impossível a resistência a uma avançada pesadamente apoiada por carros de combate pesado, e que meios serão necessários para o fazer.

Não vamos entrar pelas comparações equipamento-equipamento, porque as fragatas F-100 não conseguem actuar no vale do Tejo ou no Vale do Zezere.
Os Leopard-2A6, são muito eficazes e têm um canhão muito poderoso, mas em terreno acidentado ou no meio de uma floresta eles são «sitting ducks» e em terreno fechado, a superioridade dos meios dos espanhóis, é muito reduzida e o poder aéreo, é quase inutil em zonas florestadas.

Estas são realidades, e problemas tácticos que se levantam a qualquer exército moderno, e a parte que está em desvantagem, tem que aproveitar estes problemas, para transformar o que são fraquezas em forças.

Quando a Espanha (e a França) atacou Portugal em 1801, Manuel Godoy, comandante das forças espanholas, escreveu uma mensagem às tropas, acusando os portugueses de serem falsos.
Avisou os espanhóis, que nas guerras anteriores, os portugueses fingiam-se de mortos no campo de batalha, e que quando os espanhóis saíam do campo de batalha, aproveitavam para se levantar de entre os mortos para os atacarem pelas costas.

Ou seja: A guerra irregular, é um comportamento que os portugueses sempre tiveram ao longo da História.

É por isso, que tendo em consideração que este tipo de aproximação ao problema da defesa do território é tradicional entre as forças portuguesas, que a menção ao conflito entre o Hezbollah e Israel faz sentido.

Com a agravante de que o exército português não tem 4.000 homens (como o Hezbollah), e o exército Espanhol não tem a mais pequena comparação com a capacidade do Tsahal.

Não adianta dizer quando falamos das nossas opções tácticas, que um Leopard-2A4 ou A6, é superior a um M-60A3. IUsso é óbvio.

O que também me parece óbvio, é que os militares portugueses estariam perfeitamente ao corrente da situação, e jamais enfrentariam unidades blindadas pesadas com tanques M-60A3, que provavelmente até teriam dificuldades de locomoção.

Em operações defensivas, os tanques não são utilizados para atacar outros tanques quando estão em desvantagem. A única hipotese que têm é operarem em emboscada. Foi assim nas retiradas alemãs no fim da guerra, como foi assim que em Israel fizeram, perante as primeiras investidas sirias. As forças anti-tanque aproveitam a vantagem do terreno.

Portanto o tópico serve para discutir tácticas, as suas vantagens e desvantagens, e não para discutir que tanque é que é melhor que o outro.

Para isso há outros tópicos.

Também há outros tópicos para discutir o fervor Hispano, ou o apego ao seu próprio país que os portugueses têm e a capacidade que teriam para defender a sua própria casa.

Analisemos questões tácticas, como a defesa contra unidades pesadas. O que é suposto um eventual inimigo fazer para proteger os seu próprios tanques, e para que é que Portugal precisará de uma unidade pesada de tanques, e em que condições a poderia utilizar.

A nossa já conhecida «histeria castelhana» não é para aqui chamada.
Nós já sabemos que Castela é o melhor do «mundo mundial», e que até Marcianos e Venusianos  cairão sob o peso dos tanques Leopard.

O tópico é destinado aos portugueses.


Cumprimentos
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 05:27:10 pm
papatango ¿daste conta que o Libano foi invadido?
Se Israel seguese coa sua presion habria acabado con Hezbola.
Israel non o fixo todo o ben que se podia esperar del, mais ganou a "guera".
E volvo a repetirche que por sorte para vos, os vosos soldados levan uniforme e non se enmascarran entre a poboacion.
Nonn é para nada o mesmo caso, para iso Portugal teria que organizar unha guerra de guerrillas, pero este tipo de paraexercito utilizan o desgaste, non poderian impedir a ocupacion de Portugal, a larga e posible que consigueran algo, pero de primeiras Portugal seria invadida, como pasou co Libano.
Que eu sepa estamos a comparar o potencial militar de cada nacion, e  España gaña por goleada.
O titulo do post é  ESPAÑA vs PORTUGAL e no: ¿Poderia Portugal repeler unha inasion Española?
Título:
Enviado por: Miguel em Março 01, 2007, 05:49:28 pm
Vamos falar a sério??

Com quantas Brigadas pode Espanha atacar???

No maximo podem utilizar as 3 Brigadas da Brunete apoiadas por 3 brigadas da FAR

As 3 outras Brigadas deviam ficar para guardar a casa.
Assim como as guarniçoes de Ceuta e Mellila.

Portanto no maximo teriamos um embate de 6 Brigadas durante um curto espaço de tempo.
3 das 6 Brigadas teriam como missao proteger as retaguardas da Brunete.

Ora bem contra essas 3 Brigadas mecanizadas, podemos num primeiro tempo travar e constituir um cemiterio de tanques com as unidades da Brigada Reacçao Rapida em combate anti tanque.

Numa segunda fase a nossa Brigada Mecanizada seria utilizada para o embate final.

Portanto vitoria de Portugal :twisted:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 06:01:22 pm
¿6 brigadas mecanizadas como maximo? ¿non?
Aconsellolle que se informe un pouco mais.
Non sei porqque non se poden trasladar as de Ceuta  e Melilla, as cousas non estan tan mal coma para esperar un ataque portugues o minimo despiste, inda que nunca se sabe; espero que non cometan ese error; polo seu ben :twisted:
Título:
Enviado por: Miguel em Março 01, 2007, 06:09:03 pm
Citação de: "pablinho"
¿6 brigadas mecanizadas como maximo? ¿non?
Aconsellolle que se informe un pouco mais.
Non sei porqque non se poden trasladar as de Ceuta  e Melilla, as cousas non estan tan mal coma para esperar un ataque portugues o minimo despiste, inda que nunca se sabe; espero que non cometan ese error; polo seu ben :twisted:


Escuta Pablinho

Aqui neste forum falamos entre adultos

Agora se queres falar como os meninos que jogam na playstation, vai para outros lugares.

E eu disse no maximo 6 Brigadas das quais apenas 3 Mecanizadas e 3 ligeiras infantaria da FAR, para proteger a retaguarda do avanço da Brunete.

OK ?

Que eu saiba a guerra é assim!

E para ir mais longe ainda Espanha precisa no minimo de 3 Divisoes Blindadas para entrar em Lisboa.
Uma Divisao para proteger o Flanco norte de um ataque da nossa BLI e Uma de Reserva para apoia a força principal do eixo de penetraçao.
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 06:16:20 pm
Recorda que as  brigadas españolas non son iguais as  Portuguesas.
Un brigada española ten tantos efectivos como todas as de Portugal, e de mellor calidade.

Citar
Aqui neste forum falamos entre adultos

Agora se queres falar como os meninos que jogam na playstation, vai para outros lugares.


valla valla, tan pronto se te han acabado los argumentos que ya  recurres a la desacredicitacion. Defendete con argumento coma o home que es, non deberia de ser dificil gañarlle a un neno nunha disputa argumentada.

PD:mmm... esto traeme recordos do foro español... :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Março 01, 2007, 06:36:15 pm
Citação de: "pablinho"
Que eu sepa estamos a comparar o potencial militar de cada nacion, e España gaña por goleada.
O titulo do post é ESPAÑA vs PORTUGAL e no: ¿Poderia Portugal repeler unha inasion Española?


Sabe mal

Não estamos a contar espingardas. Estamos a discutir um conflito entre Portugal e Espanha, e naturalmente o que poderiamos fazer em caso de conflito.

A discussão, se quer entender melhor, é exactamente essa: Poderia Potugal repelir uma invasão espanhola.

Para nós, qualquer conflito com a Espanha, começa sempre com uma invasão espanhola, logo evidentemente é isso que discutimos.

Há forums mais adequados, para discutir as vantagens entre este e aquele tanque. Se quiser é livre de abrir um tópico na secção de exércitos, para discutir as vantagens do Leopard-2A6 sobre o M-60A3 (embora nós já tenhamos isso mais que discutido). Mas se não sabe como é que uma unidade progride no terreno, então abstenha-se de discutir um assunto que  não conhece e que não parece estar habilitado para discutir.

Peço desculpa se pareço rispido, mas a verdade é que compete às pessoas que moderam o Fórum, decidir como gerir cada um dos tópicos.

= = = = = = =

Miguel ->

Há uma nota relativamente a uma coisa que você escreveu ontem, que eu gostaria de deixar aqui.

O cabeça-de-martelo, falou no problema dos estrangeiros no exército da Espanha.
Eu tenho algumas informações sobre o assunto, e não tenho ideia de que essas tropas sejam inferiores.
Podem se-lo em termos técnicos (não são normalmente operadores de sistemas de armas, e são apenas infantaria).

Mas esses militares, são extremamente ciosos de demonstrar a sua "Hispanidad", e vistos por muitas chefias militares do exército espanhol como mais "Hispanos" e patriotas que os outros nascidos na peninsula.

A justificação é simples. Eles não são nem castelhanos, nem galegos nem catalães etc..., por isso para eles o país que defendem é a Espanha, logo são um tipo de tropa mais "patriota", embora evidentemente sejam movidos pelo interesse na nacionalidade.

Em Espanha, já vi várias vozes que se levantam contra este fenómeno, afirmando que o exército espanhol está novamente a transformar-se num exército no sentido "Imperial" (consituido por pessoas de vários lados, que estão na força por dinheiro) do que num exército Nacional.

Não tenho uma ideia formada, sobre que consequências este tipo de tendência terá numa força militar, no caso de a tendência ser para aumentar.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 01, 2007, 06:36:45 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Dizias-me alguma coisa que eu dava-te a indicação dos meus familiares Açoreanos, de certeza que serias bem recebido.  :lol:  :wink:


Boa comida, raparigas...

Eu precisso que voçe me faça um documento a dizer que sou prisioneiro de guerra. Ë para nao perder a guerra com a minha mulher.
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 07:27:09 pm
Ti dirixe como queras, eu so che digo que o título é ESPAÑA vs PORTUGAL polo tanto o duelo o gañara o que teña mais potencial militar.
Título:
Enviado por: Lancero em Março 01, 2007, 08:06:58 pm
Citação de: "pablinho"
Ti dirixe como queras, eu so che digo que o título é ESPAÑA vs PORTUGAL polo tanto o duelo o gañara o que teña mais potencial militar.


pablinho, é precisamente aqui que Espanha começaria a perder a guerra. Você obviamente não conhece as forças armadas portuguesas, para mais falar da vontade do povo português. Já se questionou como um país tão pequeno combateu durante 13 anos forças de guerrilha em três TO diferentes sem sair militarmente derrotado? E como as forças armadas portuguesas têm sido solicitadas a contribuir para todos os cenários da Nato/Onu da última década? Será porque somos incapazes?
O potencial militar é importante como primeiro impacto (veja-se o Iraque) mas muito pouco acrescenta à guerra.
Título:
Enviado por: garrulo em Março 01, 2007, 09:00:48 pm
Con lasgilipolladas que dicen algunos, parece mentira que esto sea un foro militar.
Título:
Enviado por: pablinho em Março 01, 2007, 09:13:47 pm
Citar
pablinho escreveu:
Ti dirixe como queras, eu so che digo que o título é ESPAÑA vs PORTUGAL polo tanto o duelo o gañara o que teña mais potencial militar.


pablinho, é precisamente aqui que Espanha começaria a perder a guerra
Se ti o dis... :twisted:  ¡tío eres mi ídolo¡ :Amigos:

Saludos
Título:
Enviado por: Lancero em Março 01, 2007, 09:43:59 pm
Citação de: "pablinho"
Se ti o dis... :twisted:  ¡tío eres mi ídolo¡ :Amigos:


O que explica muito.
Título:
Enviado por: comanche em Março 01, 2007, 09:54:54 pm
Espanhois pensam que Portugal eram derrotado por Espanha?
Estão loucos, seriam derrotados no interior de Portugal, sua linhas de abastecimento seriam cortadas, a guerrilha ia impor-vos pesadas baixas, não se aguentariam por muito tempo a combater dentro dentro de Portugal, teriam de retirar com pesadas baixas.
Más lá por saberem que iam ser derrotados não precisam de se sentir inferiorizados, afinal os vossos antepassados já o foram muitas vezes, é um facto, isto é normal.
Título:
Enviado por: mllom em Março 01, 2007, 11:36:16 pm
sí comanche sí, pregúntenle a sus antepasados que fueron derrotados en la guerra de las naranjas (se pongan como se pongan ni un francés pisó suelo portugués en esa batalla) o  los que en 1777 se vieron obligados a firmar el humillante para su país tratado de San Ildefonso después de ser despojada de varias posiciones en Sudamérica por parte de España. La Historia hay que aprendérsela entera hombre. Y denle gracias a Dios que siempre han estado bajo las faldas de Mamá Inglaterra. Sean serios, a lo largo de tantos siglos unas veces nos vencieron y otras les vencimos, es natural entre 2 países que fueron poderosos. También nos pasamos 3 siglos dándonos palos con Ingleses, franceses, holandeses.....unas ganamos y otras perdimos pero siempre dimos la cara porque hasta sabiendo que salía a morir el soldado español siempre tuvo los huevos suficientes para ir al combate (léase Rocroi con los tercios españoles de Villalba y Garcíes; Cervera en Santiago de Cuba o Churruca y Gravina en la batalla de Trafalgar)
Título:
Enviado por: Tiger22 em Março 02, 2007, 12:17:28 am
Citação de: "garrulo"
No hablo de temas navales con indocumentados.

Citação de: "pablinho"
Tiger por que falas se non teis nin idea?
Os S-80 xa estan en construccion, modernizaronse os S-70 por os 80 van a tardar varios anos en sair. Os planos xa estan feitos e o contrato firmado por 4 S-80 e moi pero que moi poblablemente 2 adicionales, sintoo pero non vamos a deixar o proxectoa medias, os astilleiros e sindicatos non nos deixarian. No podemos permitirnos retrasos e gastos adicionais,ppropios dun producto innovador 100% español, pode permitirse eso Portugal?


http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?p=69910#69910 c34x
Título:
Enviado por: comanche em Março 02, 2007, 01:21:28 am
Citação de: "mllom"
sí comanche sí, pregúntenle a sus antepasados que fueron derrotados en la guerra de las naranjas (se pongan como se pongan ni un francés pisó suelo portugués en esa batalla) o  los que en 1777 se vieron obligados a firmar el humillante para su país tratado de San Ildefonso después de ser despojada de varias posiciones en Sudamérica por parte de España.


Na guerra das laranjas Portugal tinha as forças em outra zona, de prevenção contra o ataque das forças francesas, conforme já foi explicado no fórum.

Vai ver o tratado de Madrid de 1750, que veio substituir o de Tordesilhas:
Portugal receberia os atuais estados de Santa Catarina e Rio Grande do Sul (território das missões jesuíticas espanholas), o atual Mato Grosso do Sul, a imensa zona compreendida entre o alto Paraguai, o Guaporé e o Madeira de um lado e o Tapajós e Tocantins do outro, regiões estas desabitadas e que não pertenceriam aos portugueses se não fossem as negociações do tratado.


Devido ao sucesso obtido por Gusmão no Tratado de Madrid, mais tarde o historiador paraguaio padre Bernardo Capdeville se referiria a este como "a vergonha da diplomacia espanhola".

Portugal recebeu milhões e milhões de quilometros quadrados c34x  :D  :lol:


FÍCA AQUI O DIREITO DE RESPOSTA

SIGA A GUERRA
Título:
Enviado por: mllom em Março 02, 2007, 06:28:18 am
Señor comanche no convierta la piedra en oro, la guerra está llena de condicionantes y la existencia de fuerzas francesas preparadas para el ataque no quita que ustedes fueron derrotados por España, igualmente varias de las veces en la que nos hemos enfrentado también teníamos que tener un ojo en Inglaterra.
En cuanto al Tratado de San Ildefonso ustedes perdieron la colonia del Sacramento, en disputa por nuestros 2 países desde hacía años, más las posesiones de Annobon y Fernando Poo en Guinea a cambio de que España se retirara de zonas tomadas a los portugueses al sur de Brasil. Esto fue un hecho histórico, después vendría el tratado de Madrir pero esto no dejó de ocurrir.
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 02, 2007, 07:07:39 am
Entonces, resumiendo.

La próxima guerra entre Portugal y España, no será ni por Alqueva, ni por las Azores... será por el Uruguay?????  :shock:


(¿y los uruguayos que dicen?)
Título:
Enviado por: pablinho em Março 02, 2007, 02:20:14 pm
Citar
Estão loucos, seriam derrotados no interior de Portugal
Antes de que movésedes un poelo Lisboa estaria reducida a escombros, cun goberno titere e nos ao outro lado de fronteira
Citar
, sua linhas de abastecimento seriam cortadas
¿por quen? sería o reves, alguen non se da conta de quen rodea a quen.

,
Citar
a guerrilha ia impor-vos pesadas baixas
Supoñendo que lle dera tempo a organizarse as guerrilas òdense conbater sobre todo cunha poboacion moi pequena. Se eles nos causan baixas nos a eles tamen, coa diferencia de quen pagaria os platos rotos serían os civis,
Ademais según esa afirmacion Portugal e literalmente invencible ¿non? seguide soñando, que é gratis.

Citar
não se aguentariam por muito tempo a combater dentro dentro de Portugal, teriam de retirar com pesadas baixas.

Envidio o voso optimismo... O que eu decia, as guerras vanse a acabar porque segun vos calquera pode organizas unha guerrilla e repeler unha invasion... xa podedes desfacervos do exercito profesional; porque segun vexo depositades toda a vosa confianza na inutilidades dos españois e nunha hipotética superguerrilla, coidados... dame que os vades a levar un bo batacazo.
Recordade que estamos discutindo unha hipotetica guerra, se depositades toda a confianza na guerrilla estades dando por feito que Portugal perderia a guerra e os vosos lideres serian depostos ¿non si?
Definitivamente creo que viviomos en universos paralelos.
Título:
Enviado por: papatango em Março 02, 2007, 04:50:59 pm
Meus senhores.
O tema deste tópico, é sobre conflitos futuros.
Ficção politico-militar e futurologia.

Não há nenhum problema em referir razões históricas, desde que isso não altera a linha do debate. Se pretendemos discutir questões do ponto de vista histórico, temos a possibilidade de continuar o debate num tópico adequado, e deixar uma mensagem com um Link.

A continuação de temas que nada têm a ver com um conflito FUTURO, acabará por levar à remoção das mensagens que estão fora do contexto, e à criação de um tópico na área livre, que acabará depois por ser apagado



Evitem-nos o trabalho.
Título:
Enviado por: comanche em Março 02, 2007, 05:42:58 pm
Citação de: "pablinho"
Antes de que movésedes un poelo Lisboa estaria reducida a escombros, cun goberno titere e nos ao outro lado de fronteira
sua linhas de abastecimento seriam cortadas,por quen? sería o reves, alguen non se da conta de quen rodea a quen.
Supoñendo que lle dera tempo a organizarse as guerrilas òdense conbater sobre todo cunha poboacion moi pequena. Se eles nos causan baixas nos a eles tamen, coa diferencia de quen pagaria os platos rotos serían os civis.


És tão inocente, Lisboa reduzida a escombros, falas tu e os teus colegas espanhóis com ameaças que destruíam cidades, vilas e povoaçãos, asassinando civis indiscriminadamente, desrespeitando todas as convenções internacionais, só isto mostra as vossas reais intenções.
No fim destes ataques ignominiosos contra o povo português, Portugal sentiria-se no direito de resposta e como represália de aplicar a lei de Talião (tal como aplica Israel) “olho por olho dente por dente” a guerra atingiria toda a península, alvos civis em toda a Espanha seriam também atacados e destruído por forças de infiltração portuguesas, nas cidades e vila na zona de fronteira as destruições seriam intensas, os soldados espanhóis em Portugal também seriam veemente repelidos.

Tal como na segunda guerra mundial quando Hitler bombardeou Londres, Churchill ordenou o bombardeamento de Berlim e de outros alvos civis como represália.

As destruições em Portugal só serviriam para unir mais os portugueses, és muito inocente se pensarias que os portugueses ficariam parados a assistir, depois de destruído, mais tarde volta-se a reerguer-se, PATRIA NÃO TEM PREÇO!
Título:
Enviado por: garrulo em Março 02, 2007, 07:48:20 pm
Comanche,  estamos hablando de una guerra, ¿piensas que solo vamos a hacer lo que a tí te venga bien?. No seas lelo, machacariamos todo lo que pudieramos .
Título:
Enviado por: papatango em Março 02, 2007, 08:47:13 pm
Citar
Comanche, estamos hablando de una guerra, ¿piensas que solo vamos a hacer lo que a tí te venga bien?. No seas lelo, machacariamos todo lo que pudieramos .
Com que objectivo ?
Título:
Enviado por: pablinho em Março 02, 2007, 08:52:45 pm
Citar
És tão inocente, Lisboa reduzida a escombros, falas tu e os teus colegas espanhóis com ameaças que destruíam cidades, vilas e povoaçãos, asassinando civis indiscriminadamente, desrespeitando todas as convenções internacionais, só isto mostra as vossas reais intenções.
Benvido a guerra, os soldados destruen e matan, ¿os portugueses que fan? A si... defender a liverdade e todo iso...

Citar
No fim destes ataques ignominiosos contra o povo português, Portugal sentiria-se no direito de resposta e como represália de aplicar a lei de Talião (tal como aplica Israel)
“olho por olho dente por dente”

Ese sentimento o teriades en calquer caso, as guerras sn así volvo a repetir.
Eu non dixen que os españois matasemos civvis indescriminadamente sino que si se forma una guerrilla los platos los paga la poblacion, ya que es con ellla con la que se escudan los rebeldes. = los portugueses no, = ellos salen a cara descubierta y nos dan otra paliza historica y de paso recuperan olivença....

Citar
a guerra atingiria toda a península, alvos civis em toda a Espanha seriam também atacados e destruído por forças de infiltração portuguesas
,
Oh no¡  la fuerzas de infiltracion portuguesas, huyamos, tirémonos al mediterraneo si no queremos morir

Citar
nas cidades e vila na zona de fronteira as destruições seriam intensas, os soldados espanhóis em Portugal também seriam veemente repelidos.
Home, e que se non inmtentades repelelos...


Citar
As destruições em Portugal só serviriam para unir mais os portugueses, és muito inocente se pensarias que os portugueses ficariam parados a assistir, depois de destruído, mais tarde volta-se a reerguer-se, PATRIA NÃO TEM PREÇO!
Corred, yo pensaba que los portgueses se ivan a quedar de brazos cruzados mientras los invadíamos, y que aclamarian a los españoles como legitimo gobierno.
Dazle olivença no valla a ser que se cabreen, escapad por vuestras vidas  :?

Citar
Citar
Citação:
Comanche, estamos hablando de una guerra, ¿piensas que solo vamos a hacer lo que a tí te venga bien?. No seas lelo, machacariamos todo lo que pudieramos .

Com que objectivo ?


Convatir la resistencia, no hay otro metodo.
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 02, 2007, 09:22:03 pm
Ja chega, nao?
Título:
Enviado por: papatango em Março 02, 2007, 09:27:03 pm
Bom.

com toda esta gana toda de parte a parte, acho que quer os portugueses quer os castelhanos íam disparar as armas uns contra os outros no primeiro dia e depois tinham que resolver o problema à pedrada por falta de munição... :shock:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 02, 2007, 10:52:07 pm
Citar
Bom.

com toda esta gana toda de parte a parte, acho que quer os portugueses quer os castelhanos íam disparar as armas uns contra os outros no primeiro dia e depois tinham que resolver o problema à pedrada por falta de munição...


¿Y que? ¿eso significa que nos va a volver a pasar?
Título:
Enviado por: Yosy em Março 03, 2007, 12:33:19 am
Outro tópico com participações extremamente interessantes arruinado por esta guerrazinha estúpida entre portugueses e espanhóis.

Não quero saber de quem foi a culpa ou quem começou. Apenas isto: CALEM-SE COM ESSAS ******!
Título:
Enviado por: pablinho em Março 03, 2007, 11:03:24 am
Me remito a lo que ya he dico:
Este post se titula ESPAÑA vs PORTUGAL luego quien tenga mayor potencial belico ganara el duelo.
Si España tiene capcidad  prara invadir y ocupar pr completo Portugal ya seria otro tema. Y creer que por que ganasteis hace unos cuantas decadas vais a volverlo a hacer demuestra mucha ingenuidad.
Con respecto a la participacion de Portugal en la OTN pues no lo niego, todos los paises con un minimo de tecnologia son llamados a participar, representantes de bush o el propio Bush  llamaron a  zapatero en 3 ocasiones para pedir refuerzos en afganistan, ¿cuantas veces pidieron ayuda individualmente a Portugal?
Los datos cantan y las matematicas  no  engañan, vosotros vivid en vuestro mundo de color y fantasia donde aun os ayuda el primo  UK y teneis  el aoyo de las colonias y peso  economico-internacional que sereis mas felices.
Por cierto Irak fue ocupado y derrotado, con mayor o menor eficacia, pero fue derrotado y ocupado ¿quien gano la guerra? Bush sigue en la casa blanca, ¿donde está Sadam?
Ademas en el tema que estamos a tratarambos paises harian uso de su potencial absoluto, USA n lo esta haciendo, porque sino Irak ya estaria fuera del mapa.
En resumen si un pais que os rodea y os supera belicamente en todo no puede invadiros ¿quien lo hara? en fin; al final portugal va a ser invencible,,,
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 03, 2007, 12:06:52 pm
Citação de: "pablinho"
Por cierto Irak fue ocupado y derrotado, con mayor o menor eficacia, pero fue derrotado y ocupado ¿quien gano la guerra? Bush sigue en la casa blanca, ¿donde está Sadam?


Si la victoria va a ser como la de Estados Unidos sobre Irak, prefiero no meterme en guerras.

Sadam está junto con unos cuantos millares de soldados norteamericanos. Seguramente las familias de estos soldados tienen una visión muy particular de lo que es una victoria.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Março 03, 2007, 12:16:30 pm
Citação de: "Jose M."
Citação de: "pablinho"
Por cierto Irak fue ocupado y derrotado, con mayor o menor eficacia, pero fue derrotado y ocupado ¿quien gano la guerra? Bush sigue en la casa blanca, ¿donde está Sadam?

Si la victoria va a ser como la de Estados Unidos sobre Irak, prefiero no meterme en guerras.

Sadam está junto con unos cuantos millares de soldados norteamericanos. Seguramente las familias de estos soldados tienen una visión muy particular de lo que es una victoria.


X2  :wink:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 03, 2007, 12:49:33 pm
Lo que tu quieras; pero Irak fue vencido y ocupado.
Quien no esta vencida es la resistencia, que es muy distinto.


Citar
Si la victoria va a ser como la de Estados Unidos sobre Irak, prefiero no meterme en guerras.


Bienvendo al mundo real, las guerras son duras y cuestan sudor y sangre, me parece que la gente las ve como juegos de occidente; que se divierte con los moros

Por cierto ¿quien ha dicho que yo quiero meterme en guerras, y mas con Portugal?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Março 03, 2007, 01:07:37 pm
Citação de: "pablinho"
Lo que tu quieres


Eu pessoalmente, quero que você se resuma á sua insignificância :wink:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 03, 2007, 04:55:37 pm
Citar
Eu pessoalmente, quero que você se resuma á sua insignificância

Pedon, no se que quieres decir con eso... ¿puedes volver a formularmelo?
Título:
Enviado por: ricardonunes em Março 03, 2007, 06:00:18 pm
Citação de: "pablinho"
Citar
Eu pessoalmente, quero que você se resuma á sua insignificância
Pedon, no se que quieres decir con eso... ¿puedes volver a formularmelo?

Resuma-se à sua  insignificância  :wink:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 03, 2007, 07:27:40 pm
"lo que tu quieras..." es una expresion, y creo que no la has entendido.
Título:
Enviado por: pablinho em Março 03, 2007, 07:28:50 pm
Ei miguel. Que prisa te has dado en cambiar el titulo para desacreditarme. No se puede caer mas bajo.
Título:
Enviado por: ricardo_m em Março 03, 2007, 08:59:52 pm
OFF TOPIC


Citação de: "Yosy"
Outro tópico com participações extremamente interessantes arruinado por esta guerrazinha estúpida entre portugueses e espanhóis.

Não quero saber de quem foi a culpa ou quem começou. Apenas isto: CALEM-SE COM ESSAS ******!


Muito bem Yosy!! APOIADO!!!

..eu diria mesmo mais,

proponho a abertura de um tópico subordinado ao tema:
A pilinha portuguesa é maior (e mais valente) que a espanhola! :P

_ _ _

Peço desculpa, mas a verdade é que às vezes a discussão chega a níveis ridículos, que não favorecem nenhuma das partes! Por favor comecem a ignorar provocações!

Um abraço a todos os participantes do forum.
Título:
Enviado por: old em Março 05, 2007, 04:17:43 pm
De un simpatico ejercicio comparativo a hablar de Bush  :lol:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 05, 2007, 05:28:10 pm
Citar
De un simpatico ejercicio comparativo a hablar de Bush  

Es que ese es el problema, se trataba de comparal el poder militar de cada pais, como vieron que no tenian nada que hacer empezaron a hablar de guerrillas, de  Irak, que  si la historia...
Título:
Enviado por: P44 em Março 06, 2007, 09:51:02 am
Citação de: "pablinho"
Lo que tu quieras; pero Irak fue vencido y ocupado.


tem-se visto, tem-se.... :roll:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 06, 2007, 02:26:22 pm
¿Igual alguien puede negarme que Irak fue ocupado y su gobierno derrocado?
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 06, 2007, 05:19:14 pm
Irak no solo ha sido vencido y ocupado, sino que además la población civil recibe como libertadores a los soldados americanos, y les saludan como héroes.

 La guerra terminó hace ya tres años, hoy en día toda aquello está olvidado y la población disfruta de democracia, seguridad y bienestar social.

 La operación militar de los Estados Unidos fué rápida, limpia, eficaz y con un pequeño número de bajas. De hecho no han podido retirar a las tropas de allí porque la población de Irak quedaría muy triste y apenada por perder a tan queridos amigos.

 Hasta hacían señales de humo para que los americanos supieran donde estaban los pozos de petroleo por si tenían que repostar los tanques.

 Saludos.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Março 06, 2007, 05:35:19 pm
José, se não soubesse que eras Espanhol eu diria que tens um humor muito Britânico... Muito engraçado e mordaz o teu texto!  :lol:  :wink:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 06, 2007, 06:22:42 pm
Citar
Irak no solo ha sido vencido y ocupado, sino que además la población civil recibe como libertadores a los soldados americanos, y les saludan como héroes.
¿Esperas que los portugueses nos reciban como heroes?


Citar
La guerra terminó hace ya tres años, hoy en día toda aquello está olvidado y la población disfruta de democracia, seguridad y bienestar social.
¿He dicho lo contrario?

Citar
La operación militar de los Estados Unidos fué rápida, limpia, eficaz y con un pequeño número de bajas
No veo la broma en ese parrafo.

Citar
De hecho no han podido retirar a las tropas de allí porque la población de Irak quedaría muy triste y apenada por perder a tan queridos amigos.

De hecho no pueden retirar las tropas de alli por que sino Irak se va a tomar por culo, ¿alguien lo ha negado?

Que yo sepa, nunca he dicho que lo de Irak saliera bien, pero repito mi pregunta:

¿Igual alguien puede negarme que Irak fue ocupado y su gobierno derrocado?
Mas que nada para ver si alguien puede negarme la evidencia.

¿Acaso no estabamos debatiendo si España podia invadir Portugal?
Bien pues Irak fue vencido..., Irak, no la resistencia.

Doi este off-topic por zanjado, volvamos al  tema que tratabamos ¿deacuerdo?

Saludos
Título:
Enviado por: Jose M. em Março 06, 2007, 08:57:37 pm
Caro Cabeça, as vezes é melhor ter humor para algumas coisas...   :wink:
Título:
Enviado por: Sintra em Março 06, 2007, 11:59:18 pm
Citação de: "Jose M."
Irak no solo ha sido vencido y ocupado, sino que además la población civil recibe como libertadores a los soldados americanos, y les saludan como héroes.

 La guerra terminó hace ya tres años, hoy en día toda aquello está olvidado y la población disfruta de democracia, seguridad y bienestar social.

 La operación militar de los Estados Unidos fué rápida, limpia, eficaz y con un pequeño número de bajas. De hecho no han podido retirar a las tropas de allí porque la población de Irak quedaría muy triste y apenada por perder a tan queridos amigos.

 Hasta hacían señales de humo para que los americanos supieran donde estaban los pozos de petroleo por si tenían que repostar los tanques.

 Saludos.



 :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:
 Excelente


 Alguém me consegue explicar como é que um tópico destes consegue fazer a assinalável proeza de ocupar TRINTA páginas?  :shock:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 07, 2007, 03:26:13 pm
Citar
Alguém me consegue explicar como é que um tópico destes consegue fazer a assinalável proeza de ocupar TRINTA páginas?

Pues no has visto el de Olivença  :lol:
Título:
Enviado por: papatango em Março 07, 2007, 11:10:27 pm
É assim Sintra ->

Este fórum é sobre temas militares.
Ou seja, tem a ver com guerras, armamentos, conflitos, enfim... porrada :roll:

Não sei se consegui explicar porque é que num fórum português sobre guerra, temos um tópico sobre guerra com o único país com que de facto podemos entrar directamente em conflito...  :mrgreen:

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Sintra em Março 09, 2007, 10:15:17 pm
Não é isso Papatango

 A quantidade de disparates ditos neste tópico atinge proporções fenomenais...
 E creio que tenho direito a pensar isso, não?

 Ele há coisas...  :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Março 12, 2007, 11:16:02 pm
É um facto que fica dificil discutir determinados temas, com alguma racionalidade, quando se é interrompido.
Mas ao mesmo tempo também não podemos andar a "apagar" as mensagens de toda a gente.

Há que aguardar que desistam do Trollismo militante, para depois voltar à discussão.

= = = =

Aliás, este tema entronca directamente no das vantagens da utilização de tanques no exército, nas vantagens da utilização profusa de meios anti-tanque e na possibilidade de uma operação tipo «gancho»

Cumprimentos
Título:
Enviado por: karli em Março 19, 2007, 07:55:39 pm
en el youtube he encotrado un video sobre el ejército español. Tenía ganas de ponerlo :lol:

http://www.youtube.com/watch?v=i3NKO3kvvqk (http://www.youtube.com/watch?v=i3NKO3kvvqk)

Un saludo!
Título:
Enviado por: Miguel em Março 19, 2007, 10:07:10 pm
Citação de: "karli"
en el youtube he encotrado un video sobre el ejército español. Tenía ganas de ponerlo :twisted:

Com os Stingers,Milan,Tows,Minas,Armadilhas

hehehe
Título:
Enviado por: pablinho em Março 20, 2007, 06:37:47 pm
Mirade o videdeo da infanteria de marina:
http://www.youtube.com/watch?v=Nyx-AKu0pvU (http://www.youtube.com/watch?v=Nyx-AKu0pvU)
Xa o colguei en varios sitios, pero é que esta moi wapo  :lol:
Título:
Enviado por: pablinho em Março 20, 2007, 06:44:18 pm
e xa de paso  :wink: :
http://www.youtube.com/watch?v=IX1Mpy-w ... ed&search= (http://www.youtube.com/watch?v=IX1Mpy-wUVM&mode=related&search=)
Título:
Enviado por: karli em Março 20, 2007, 10:22:39 pm
he puesto de moda los videos :lol:
Título:
Enviado por: Lancero em Março 29, 2007, 03:34:03 pm
Citar
Espanha: Portugal é o segundo país mais amigo para os espanhóis - Sondagem

Madrid, 29 Mar (Lusa) - Portugal é, depois da França, o país mais amigo de Espanha na opinião dos espanhóis, de acordo com uma sondagem divulgada hoje pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS) em Madrid.

   O estudo, intitulado Latinobarómetro e que analisa vários temas com base em quase 2.500 entrevistas, demonstra que para a maioria dos espanhóis os Estados Unidos é o país "menos amigo".

   Para 9,2 por cento, França é o país "mais amigo", seguindo-se Portugal (5,6 por cento).

   O inquérito hoje divulgado mostra ainda, entre outros temas, que 93,3 por cento dos sondados declaram não saber ler, escrever ou entender o português, a língua que, apesar de ser a mais próxima do castelhano, é considerada menos conhecida.

   Só um por cento diz falar e escrever português, 1,2 por cento falar e 1,6 por cento ler.

   A língua mais compreendia é o inglês (22,1 por cento diz que sabe falar e escrever), seguindo-se o francês (9,9 por cento), o italiano (1,8 por cento) e o alemão (1,2 por cento).
Título:
Enviado por: comanche em Março 29, 2007, 06:46:17 pm
Citação de: "Lancero"
Citar
Espanha: Portugal é o segundo país mais amigo para os espanhóis - Sondagem

Madrid, 29 Mar (Lusa) - Portugal é, depois da França, o país mais amigo de Espanha na opinião dos espanhóis, de acordo com uma sondagem divulgada hoje pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS) em Madrid.

   O estudo, intitulado Latinobarómetro e que analisa vários temas com base em quase 2.500 entrevistas, demonstra que para a maioria dos espanhóis os Estados Unidos é o país "menos amigo".

   Para 9,2 por cento, França é o país "mais amigo", seguindo-se Portugal (5,6 por cento).

   O inquérito hoje divulgado mostra ainda, entre outros temas, que 93,3 por cento dos sondados declaram não saber ler, escrever ou entender o português, a língua que, apesar de ser a mais próxima do castelhano, é considerada menos conhecida.

   Só um por cento diz falar e escrever português, 1,2 por cento falar e 1,6 por cento ler.

   A língua mais compreendia é o inglês (22,1 por cento diz que sabe falar e escrever), seguindo-se o francês (9,9 por cento), o italiano (1,8 por cento) e o alemão (1,2 por cento).


Só 1,2 %  diz compreender o português? tanto como o alemão? Não me lixem, estes castelhanos, são uns frustados, ainda dizem que gostam dos portugueses. Depois têm o descaramento (o Iberistas) de dizer que falamos a mesma língua, qual é essa língua?
      Estes tipos não gostam de mais nenhuma língua da peninsula Ibérica que não seja o castelhano.

   São uns frustados estes castelhanistas, eu já abri um tópico, sobre o ignorar Portugal, o resultado está aqui, uma língua parecida e não a compreendem!
Preferem ignorá-la, e eu "ralado", somos 200 milhões, esses é que são os nossos verdadeiros amigos, e também os nosso habituais aliados.
Título:
Enviado por: Migas em Março 29, 2007, 07:08:56 pm
Citação de: "comanche"
Preferem ignorá-la, e eu "ralado", somos 200 milhões, esses é que são os nossos verdadeiros amigos, e também os nosso habituais aliados.


Ora nem mais! E daqui a um mesito lá estarei eu com os nossos amigos em terras de Vera Cruz de papo para o ar e a beber umas águas de coco!  :headb:
Título:
Enviado por: ferrol em Março 29, 2007, 07:20:00 pm
Citação de: "Migas"
E daqui a um mesito lá estarei eu com os nossos amigos em terras de Vera Cruz de papo para o ar e a beber umas águas de coco!  :headb:
¿Veracruz, México?Leve conta coas augas, que hai que fervelas antes de consumilas, a non ser que estean embotelladas. E coidado na ducha e nos desaugues, que hai unha especie de pequeno gusano que se introduce entre as unllas dos pes dos hoteis pouco desinfectados e cría entre elas, dando moita dor nos dedos inflamados.

Eso sí, as mexicanas...
(http://www.am.com.mx/NotaNueva/Fotos/Reales/LEG3.280307.jpg)
Título:
Enviado por: Migas em Março 29, 2007, 07:48:09 pm
Citação de: "ferrol"
¿Veracruz, México?Leve conta coas augas, que hai que fervelas antes de consumilas, a non ser que estean embotelladas. E coidado na ducha e nos desaugues, que hai unha especie de pequeno gusano que se introduce entre as unllas dos pes dos hoteis pouco desinfectados e cría entre elas, dando moita dor nos dedos inflamados.


Estava a referir-me ao Brasil, em todo o caso obrigado pelos conselhos.  c34x
Título:
Enviado por: pablinho em Março 29, 2007, 09:26:45 pm
Citar
Preferem ignorá-la, e eu "ralado", somos 200 milhões, esses é que são os nossos verdadeiros amigos, e também os nosso habituais aliados.

Sepa vostede que España é o pais con máis influencia en Brasil despois de USA, aí yo deixo...
O de comanche é incrible, primeiro odioanos por que non lle facemos caso a Portugal, despois resulta que o consideramos o segundo pais mais amigo e agora odianos por non saber falar nin escrever unha lingua que nin lle vai nin lle ven a maioriá dos españois.
Por certo, paréceme mui pouco o porecentaxe de 1'6 eu na vida estudie portugues na escola (que é unha asignatura optativa en Galicia durante primaria, preguntome eu se os colexios publicos de Portugal ofertan clases de castelán gratuitas...) e sen embargo sei leelo bastante ben, claro que todos sabemos que o galego e o portugues son case identicos...
Saudos
Título:
Enviado por: papatango em Março 29, 2007, 10:31:54 pm
Comanche ->
Não é assim tão esquisito que os espanhóis tenham dificuldade em escrever português.
Quantos portugueses escrevem em castelhano ? 1%?

= = =

Quanto à influência espanhola no Brasil, eu gostaria de perceber onde é que ela realmente está.
Tenho visitado o Brasil com frequência e tenho família brasileira. Conheço vários estados brasileiros, e por muito que procure, não encontro essa referida influência espanhola.

A língua espanhola, é normalmente uma língua que se fala  lá longe num país  para onde os ladrões levam os carros quando os roubam (Bolivia) e no país onde se faz contrabando (Paraguai).

Esta é a relação que a maioria dos brasileiros têm com a lingua espanhola.

O tamanho do Brasil, faz com que a maioria da população nem se aperceba dos países vizinhos. Ouve-se falar na Argentina e na Bolivia nos jornais das estações de TV, mas de resto é só isso.
<sarcasm>
Isto, pese embora o facto de a imprensa espanhola (  :roll: ) afirmar que os brasileiros já falam espanhol e que até querem o Juan Carlos como imperador...
</sarcasm>
Título:
Enviado por: pablinho em Março 29, 2007, 10:50:13 pm
Supoño que a influencia cultural de Portugal será maior, eu referíame a termos politicos.
Fai uns días o presidente de Galicia reuniuse co presidente de Brasil, é decir  "dignificouse" manter unha entrevista co presindente dunha pequena comunidade autonoma, date conta que si o presidente dunha comunidade autnoma ocupa un lugar na axendade Lulo da Silva imaxinate o xefe do estado ou Zapatero...
Ademais España é o segundo inversor directo en Brasil e as relaccions comerciasis seguen a crecer, por outra parte España tamen é o pricipal imbersor de Hispanoamerica (despois de USA, claro) que a súa vez invirten en Brasil e reciben inversions de Brasil (xa sei que esto é algo lioso  :wink: )

Citar
Quantos portugueses escrevem em castelhano ? 1%?

Ben dito, asi como os portugueses non teñen ningunha obligacion de falar  castelán (faltaria mais), os españois non teñen que falar portugues, xa que esa non é a sua lingua.
Saudos
Título:
Enviado por: papatango em Março 29, 2007, 11:31:14 pm
Portugal tem pouca ou nenhuma influência cultural no Brasil.
A Espanha tem menos que Portugal.

Provavelmente o Brasil tem mais influência cultural, em Portugal que o contrário.

Eu apenas digo que nas ruas de São Paulo, não se vê nada da propalada influência espanhola.

Uma coisa são as empresas se comprarem umas às outras, outra coisa é o que se vê na rua.

Se eu falar castelhano numa rua de São Paulo, os brasileiros vão olhar para mim com curiosidade, e concluir que sou argentino...
Essa é a realidade, pelo menos a que eu conheço...
Título:
Enviado por: comanche em Março 29, 2007, 11:39:35 pm
Citação de: "papatango"
Comanche ->
Não é assim tão esquisito que os espanhóis tenham dificuldade em escrever português.
Quantos portugueses escrevem em castelhano ? 1%?



Eu disse 1,2% falar português, só falar, eu não estava a falar em escrever, contra 1,2% do alemão, aqui sim escrever e falar, uma língua germânica (alemão) tão diferente do espanhol, é tão ou mais entendida que o português, segundo essa sondagem.
Há pouco tempo vi uma reportagem na televisão, estavam a entrevistar umas turistas espanholas que já cá estavam há duas semanas a passar férias, no fim a jornalista perguntou ás turistas se sabiam alguma palavra em português, e elas disseram com orgulho, nada, nenhuma, responderam com um sorriso e com orgulho. No fim da entrevista a jornalista agradeceu, elas responderam "gracias"
Pensam que ainda estão em Espanha, até aqui vêm defender a sua língua castelhana e exibindo orgolhasamente a sua ignorância (coitadas).
Na catalunha passa-se o seguinte, um castelhanista está a usar a seguinte estratégia  para impor o castelhano, quando entra numa loja na Catalunha, no fim quando passa na caixa pergunta quanto é em castelhano se o caixa responder em catalão, por exemplo dizendo que tem a pagar 10 euros, o castelhanista entrega-lhe 5 euros, e vai-se embora, o caixa vendo que está a receber menos dinheiro, fala agora em castelhano para ele "compreender", então o castelhano volta atras, pede os 5 euros de volta deixa o que tinha comprado e vai-se embora.
Esta gente actua meticulosamente quando quer desprezar um língua, esta táctica é aconselhada a todos os castelhanistas na Catalunha, já várias vezes encontrei estes aconselhamentos quando passava por sites espanhois.
Título:
Enviado por: Get_It em Março 29, 2007, 11:40:19 pm
Aqui fica uma notícia para dar cabo da discussão:
Citação de: "SIC Online"
Portugal é o segundo país mais amigo para os espanhóis
(29-03-2007 22:05)
Portugal é, depois da França, o país mais amigo de Espanha na opinião dos espanhóis, de acordo com uma sondagem divulgada hoje pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS) em Madrid.

O estudo, intitulado Latinobarómetro e que analisa vários temas com base em quase 2.500 entrevistas, demonstra que para a maioria dos espanhóis os Estados Unidos é o país "menos amigo".

Para 9,2 por cento, França é o país "mais amigo", seguindo-se Portugal (5,6 por cento).

O inquérito hoje divulgado mostra ainda, entre outros temas, que 93,3 por cento dos sondados declaram não saber ler, escrever ou entender o português, a língua que, apesar de ser a mais próxima do castelhano, é considerada menos conhecida.

Só um por cento diz falar e escrever português, 1,2 por cento falar e 1,6 por cento ler.
A língua mais compreendia é o inglês (22,1 por cento diz que sabe falar e escrever), seguindo-se o francês (9,9 por cento), o italiano (1,8 por cento) e o alemão (1,2 por cento).

fonte: http://sic.sapo.pt/online/noticias/mundo/Portugal+e+o+segundo+mais+amigo+para+os+espanhois.htm


Cumprimentos,
Título:
Enviado por: Creoula em Março 30, 2007, 12:29:01 am
Citação de: "Get_It"
Aqui fica uma notícia para dar cabo da discussão:
Citação de: "SIC Online"
Portugal é o segundo país mais amigo para os espanhóis
(29-03-2007 22:05)
Portugal é, depois da França, o país mais amigo de Espanha na opinião dos espanhóis, de acordo com uma sondagem divulgada hoje pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS) em Madrid.

O estudo, intitulado Latinobarómetro e que analisa vários temas com base em quase 2.500 entrevistas, demonstra que para a maioria dos espanhóis os Estados Unidos é o país "menos amigo".

Para 9,2 por cento, França é o país "mais amigo", seguindo-se Portugal (5,6 por cento).

O inquérito hoje divulgado mostra ainda, entre outros temas, que 93,3 por cento dos sondados declaram não saber ler, escrever ou entender o português, a língua que, apesar de ser a mais próxima do castelhano, é considerada menos conhecida.

Só um por cento diz falar e escrever português, 1,2 por cento falar e 1,6 por cento ler.
A língua mais compreendia é o inglês (22,1 por cento diz que sabe falar e escrever), seguindo-se o francês (9,9 por cento), o italiano (1,8 por cento) e o alemão (1,2 por cento).

fonte: http://sic.sapo.pt/online/noticias/mundo/Portugal+e+o+segundo+mais+amigo+para+os+espanhois.htm

Cumprimentos,


Get_It, esta noticia deu inicio á discussão de hoje  :wink:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: ferrol em Março 30, 2007, 11:18:56 am
Citação de: "comanche"
estavam a entrevistar umas turistas espanholas que já cá estavam há duas semanas a passar férias, no fim a jornalista perguntou ás turistas se sabiam alguma palavra em português, e elas disseram com orgulho, nada, nenhuma, responderam com um sorriso e com orgulho. No fim da entrevista a jornalista agradeceu, elas responderam "gracias"
Pensam que ainda estão em Espanha, até aqui vêm defender a sua língua castelhana e exibindo orgolhasamente a sua ignorância (coitadas).
¿E desde cando é obligatorio saber portugués para ir a Portugal?¿Ou español a España?¿Ou italiano en Italia?

Citação de: "comanche"
Na catalunha passa-se o seguinte, um castelhanista está a usar a seguinte estratégia  para impor o castelhano,
¡¡¡Meeeeecc, error!!! En Cataluña non se impón o castelán, o castelán é o idioma oficial de Cataluña, xunto co Catalán e o Aranés no séu val...
A non ser, claro, que en Portugal se estea a impor o portugués, claro... :lol: entón, sí, coincido en que en España se estea impoñendo o español... :lol:  :lol:

kafkianos saúdos...
Título:
Enviado por: pablinho em Março 30, 2007, 02:02:51 pm
Citar
Eu disse 1,2% falar português, só falar, eu não estava a falar em escrever, contra 1,2% do alemão, aqui sim escrever e falar, uma língua germânica (alemão) tão diferente do espanhol, é tão ou mais entendida que o português, segundo essa sondagem.
A xentre aprende alemán porque o necesita para o mercado laboral, pra uqe quereaprender portugues ¿acvaso en algunha obligacion?

Citar
Há pouco tempo vi uma reportagem na televisão, estavam a entrevistar umas turistas espanholas que já cá estavam há duas semanas a passar férias, no fim a jornalista perguntou ás turistas se sabiam alguma palavra em português, e elas disseram com orgulho, nada, nenhuma, responderam com um sorriso e com orgulho. No fim da entrevista a jornalista agradeceu, elas responderam "gracias"
Digo eu que lle deberias estar agradecido e que foran a Portugaol a deixar o seu diñeiro, non sabia que pàra cruzar a fronteira necesitases saber portugues...


Citar
Pensam que ainda estão em Espanha, até aqui vêm defender a sua língua castelhana e exibindo orgolhasamente a sua ignorância (coitadas).
Acaso ti sabes falar castelan?

Citar
Na catalunha passa-se o seguinte, um castelhanista está a usar a seguinte estratégia para impor o castelhano, quando entra numa loja na Catalunha, no fim quando passa na caixa pergunta quanto é em castelhano se o caixa responder em catalão, por exemplo dizendo que tem a pagar 10 euros, o castelhanista entrega-lhe 5 euros, e vai-se embora, o caixa vendo que está a receber menos dinheiro, fala agora em castelhano para ele "compreender", então o castelhano volta atras, pede os 5 euros de volta deixa o que tinha comprado e vai-se embora.
Esta gente actua meticulosamente quando quer desprezar um língua, esta táctica é aconselhada a todos os castelhanistas na Catalunha, já várias vezes encontrei estes aconselhamentos quando passava por sites espanhois.


Montaste cada película... ves conspiracions por todolos lados...
Saudos.
Título:
Enviado por: comanche em Março 30, 2007, 05:49:22 pm
Citação de: "ferrol"
Meeeeecc, error!!! En Cataluña non se impón o castelán, o castelán é o idioma oficial de Cataluña, xunto co Catalán e o Aranés no séu val...
A non ser, claro, que en Portugal se estea a impor o portugués, claro... :lol: entón, sí, coincido en que en España se estea impoñendo o español... :lol:  :lol:

kafkianos saúdos...


Na Catalunha não se impõe o castelhano? Não me faças rir, a língua própria da catalunha é o catalão e o aranês.  O castelhano foi imposto, 100% da população fala castelhano, só 50% fala catalão (calculo que isto te deixe satisfeito), o mesmo se passa na Galiza e no País Basco.
Onde está o aragonês dantes falado em Aragão? onde está a língua leonesa dantes falada em leão? Neste momento encontra-se já extinta, só se fala praticamente em Portugal (Mirandês) etc, etc.

Se isto não é a imposição meticulosa do castelhano em regiões aonde ele não era própria, então não sei o que é, é o sonho dos castelhanos que se está a realizar para formar a grande castela dentro de Espanha.

a Castela já só lhe falta uma saída para o mar.

Qual será a próxima região a ser absorvida por castela, a seguir a Leão?
Título:
Enviado por: pablinho em Março 30, 2007, 05:58:29 pm
Citar
Não me faças rir, a língua própria da catalunha é o catalão e o aranês

Será a lingua propia, pero como unha comunidade mais de España o catalan e cooficial xunto co español, e como lingua oficial todos teñen o deber e o dereito de coñecela e empregala.
¿A min non me replicas? :wink:
Saudos
Título:
Enviado por: ferrol em Março 30, 2007, 06:32:14 pm
Citação de: "comanche"
Na Catalunha não se impõe o castelhano? Não me faças rir, a língua própria da catalunha é o catalão e o aranês.
¿E eso quen o dí, vostede?Porque nin a constitución española, nin o estatuto catalán o din...só vostede neste foro, así que, tómese a pírula azul e volte á realidade, Neo-comanche  :lol:
blue pill, red pill... :lol:  :lol:

PS: Estou relendo a súa mensaxe e estou empezando a pensar que estaba escrita en serio...non, non pode ser...
Título:
Enviado por: ferrol em Março 30, 2007, 06:35:27 pm
Citação de: "pablinho"
¿A min non me replicas? :wink:
Está tomando a pírula...por certo, non teño MP´s, pablinho...
Título:
Enviado por: oxidus em Maio 10, 2007, 02:33:19 pm
Eu penso que espanha mesmo tendo mais meios que nós n conseguia fazer uma invão a portugal, porque simplesmente esta dividida internamente, depois custear tal invasão esta fora do orçamento espanhol.Pelo que me deu a perceber pelos post de alguns espanhois, eles estão deverás confiantes no material que tem,isso numa guerra convencional até funcionava,mas nos n somos burrinhos e iamos lançar tudo que tinhamos contra eles, eles se quiserem que venham buscar, depois devido a indefensibilidade dos territorios do sul provavelmente as tropas portuguesas iam retiram pra norte, onde toda a mobilidade das forças espanholas desvania-se, quem conhece os norte sabe disso, perguntem o que aconteceu ao exercito frances que invadiu por norte que sem travar uma grande batalha  foi dizimado, a guerra é diferente mas os principios são iguais.
depois existe uma coisa que é o patriotismo, e pelo que conheço das gentes do norte elas têm que chegue e têm um "amor" muito grande aos espanhois e assim que soubessem que voces vinham ai certamente pegavam em armas...resumindo, o norte ia ser o cemiterio de muitos espanhois, acho que ninguem no seu prefeito juizo o nega...
ouve ai alguem que disse algo do genero "vou lutar com paus e pedras?!",
eu n posso criticar a vontade de cada um,eles podem ter centauros f-18 leopards ou caxiches,  mas posso dizer que eu como portugues tenho obrigação de lutar pela minha patria e pelas minhas gentes quanto mais não seja a dentada, e acredito que felizmente há muitos que pensam como eu...

cumprimentos
Título: Será que vivo noutro lugar?
Enviado por: zocuni em Julho 12, 2007, 03:33:19 pm
Tudo bem,

Ao ler algumas opiniões de alguns foristas,estou chegando à conclusão que vivo no Brasil há 17 anos,e tenho andado distraído.Será que estamos a falar do mesmo lugar onde vivo.
Influência espanhola aqui no Brasil,no quê?
Em termos linguisticos,foi a única colónia que Portugal conseguiu implantar a língua portuguesa em 100% de seu território.
Aqui os sobrenomes mais comuns são os Silvas,os Guimarães,os Oliveiras e outros.Claro que o Brasil teve colónias expressivas,como a espanhola mais da Galiza,da Itália mais da Sicilia,da Alemanha,do Linano,Siria,etc,atc.Mas a matriz é com certeza portuguesa.
Quanto ao espanhol,não é de perto nem de longe a segunda língua,mas sim como em todo mundo o inglês.
Na gastronomia,o Brasil é o maior consumidor de bacalhau,é o nosso maior comprador de castanha,azeite e penso que de cereja,e um dos maiores consumidores de vinho português,os gostos alimentares no Brasil são parecidissimos com os de Portugal,lógico que com adaptações locais por essa diversidade cultural.
Portugal,no tempo do Guterres,chegou a ser o terceiro maior investidor externo no Brasil,na banca,construção,serviços,engenharia etc.etc.
Hoje em dia tem empresas já muito consolidadas e em fase de expansão.
A influência de outros países hispânicos no Brasil,é muito modesta o facto é que o Brasil é a grande potência regional,e sózinho tem tanta ou mais população que todos juntos.No Brasil,e aí infelizmente só se noticia factos dos EUA,por vezes penso que o resto do mundo não existe.
Agora e ainda bem,a nossa colónia portuguesa no Brasil está envelhecida e como não houve reposição,tende à extinção mas essa estória que todo brasileiro tem um português na sua árvore genealógica,não é balela,não.
O presidente da Galiza aqui foi recebido pelo Lula,porque veio como na qualidade de uma região lusófona,querendo que a Galiza além de Portugal também seja uma porta aberta para investimentos brasileiros na Galiza,esse foi o conceito e posso provar o que escrevo.Não sei se por oportunismo ou convicção,foi nessa qualidade que vieram cá e foram ouvidos nas mais altas instâncias.

Abraços,
Título:
Enviado por: tentador em Julho 12, 2007, 11:03:06 pm
Citar
Influência espanhola aqui no Brasil,no quê?

¿Adiviña quen e a 2º potencia extranxeira que invirte en Brasil?
Título: Erro de leitura
Enviado por: zocuni em Julho 12, 2007, 11:18:51 pm
Tudo bem,

Mais uma vez não sabem interpretar um texto.Isto já está virando piada.
Não me referi a indices de natureza económica,mas linguisticas e culturais,a a influência dos vizinhos, e vossa presença por aqui ser nula nessa contexto.
Depois pelos que dados que tenho é apenas o país estrangeiro a investir,atrás de EUA e França.
Outra coisa meu amigo quanto ufanismo em denominar Espanha,como se fala por estas bandas,só se for para as suas negas.Que pretenciosismo,tipico dos novos ricos.

http://br.news.yahoo.com/s/070705/22/1lowg.html

Abraços,
Título:
Enviado por: tentador em Julho 12, 2007, 11:25:27 pm
Citar
Depois pelos que dados que tenho é apenas o país estrangeiro a investir...
Embajada de Brasil:
http://www.brasil.es/brasil_espana.htm (http://www.brasil.es/brasil_espana.htm)

Citar
Não me referi a indices de natureza económica

toda a influencia a acab exercendo o diñeiro neste mundo de hoxe.
Título: Dados desatualizados.
Enviado por: zocuni em Julho 12, 2007, 11:39:26 pm
Tudo bem,

Mais uma vez,demonstra toda sua despreparação e desatualização de dados.Estamos em 2007,e não em 2001.Será que até na língua não interpreta direito,os números são universais.
Pelo seu conceito dinheiro compra tudo,mais uma vez sua prepotência arrogante típica do novo riquismo,mentalidade dos ex.pés-de-chinelo que hoje vivem um pouquinho melhor.Já vi que tem problemas com Portugal,agora com o Brasil,o que pretende comprar o mundo,olhe que é caro,não têm dinheiro para isso.Que mentalidade provinciana.
Deplorável.

Abraços,
Título:
Enviado por: comanche em Julho 13, 2007, 12:12:25 am
Estes galegos aqui do fórum muito gostam de guerrilhas todos contentes a defenderem Espanha, sem ter atenção que neste momento estão jogar o jogo da aniquilação da cultura e língua galega pelo castelhano, um dia meus amigos vai vos acontecer o mesmo que aconteceu a Leão, que foi absorvida por castela e a sua identidade desapareceu, á Galiza vai acontecer o mesmo daqui a uns anos, e não há-de ser tão longe quanto isso, um dia ninguém vai se lembrar que existiu um povo que tinha cultura e identidade própria, todos os galegos serão esquecidos, e os que forem lembrados, serão lembrados como sendo castelhanos, com o nome em castelhano e é só.



Por isso não têm muitas razões para festejar muito, que o fim da Galiza enquanto povo com identidade própria, segue dentro de momentos......



Vocês galegos estão a ser apagados........


Decididamente o povo galego não terá uma história futura.
Título: Guerrilha.
Enviado por: zocuni em Julho 13, 2007, 12:49:51 am
Tudo bem,

Comanche.
Sinceramente o único ponto desfavorável que tenho deste fórum é o nível dos foristas "galegos".Conheço a Galiza,inúmeros galegos e desconhecia esta vertente,mas não esteja preocupado o objectivo desses foristas é querer arrumar confusões,espalhar o terror,mas não mudarão nosso conceito sobre a Galiza e os galegos,que tenho a felicidade de conhecer,felizmente.
É sabido que portugueses e galegos se dão extremante bem,diria até de uma forma cordial e muita amistosa,que bom,talvez estes senhores fiquem aterrorizados com isso,deve-lhes meter confusão na cabeça.
Aqui mesmo no Brasil,a maioria dos espanhóis que conheço são da galiza,e não existe confusão alguma.
Quanto ao galego,não vejo o cenário tão cinzento quanto colocou,tem alguns movimentos pela preservação da língua galega e agora ao que parece,finalmente pelo menos vai ser do curriculo escolar como segunda língua.
Não estou a promover a separação da galiza da Espanha,isso compete aos galegos,mas só de conservarem o direito de preservação de suas raízes,nada mais que isso.
Agora,tem gente que se sente ameaçada com isso,problema deles,é pura paranóia.
Os galegos que conheço de facto não são madrilistas,pela simples razão de se acharem espanhóis de segunda categoria,e é assim que os madrilistas os vêm.Se tem galego que não observa esses factos,só lamento.
Só ficarei preocupado,pela proximidade de Portugal,pois não é bom para nós,que a Espanha vire uns Balcans da peninsula,confesso que tenho algum receio disso.Mas felizmente,são suposições nada mais que isso.No fundo é um problema da Espanha.

Abraços,
Título:
Enviado por: tentador em Julho 13, 2007, 11:48:16 pm
Citar
.Já vi que tem problemas com Portugal,agora com o Brasil
Eu non teño ningun problema nin con Portugal nin con Brasil, de feito aprecio bastante a Portugal, inda que non o creas.

 
Citar
todos contentes a defenderem Espanha
Por suposto que defendemos a España PORQUE SOMOS ESPAÑOIS ¿É tan dificil de entender?

Citar
Decididamente o povo galego não terá uma história futura
¿Tes unha bola de cristal? O pobo galego pervivira durante moitos siglos, no se preocupe, sempre ao lado dos nosos compatrotas e irmas españois.


Citar
espalhar o terror
E verdade, somos axentes do CNI que vimos a desmoralizarlos e a espandir o terror entre o pobo portugues preparando a vosa futura anexión por parte do gran imperio castelá, veña, xa sabedes os nosos plans secretos ¿contentos?

Citar
isso compete aos galegos
O certo é que non, a independizacio de Galicia sería responsabilidade de todolos españois, pois Galicia non é dos galegos senón do conxunto dos españois, o mesmo se pode decir do País Vasco, de Madrid, ou de Cataluña.

Citar
Os galegos que conheço de facto não são madrilistas,
Iso é normal, casi todolos meus amigos despois do Celta ou do Depor son do Barça.  :D

Citar
e a Espanha vire uns Balcans da peninsula

 Iso nin o veras tu nin os teus tataranetos, podes durmir tranquilo.

E aclaro que eu son un firme defensor da nosa cultura,  que non significa que non me sinta plenamente español e defende a capa e espada a miña patria, ¿Que pasa? ¿Que vos gustaria que os galegos, os catalans e os vascos nos revelaramos para ver como España se destrue? Pois sintoo pero iso non o veredes,

Saludos, "mes amis"
Título:
Enviado por: Boina_Verde em Julho 14, 2007, 03:17:56 am
na minha opinião se nessa altura (da invasão) tivessemos helicópteros tiger ou apache e um numero consideravel de f-16 penso que podiamos actuar como os israelitas na guerra dos seis dias...em que podiamos numa tentativa ousada destruir ou danificar gravemente  a força aérea espanhola(aviões e helicópteros) de maneira a que esta não podesse interferir no conflito( mas seria dificilimo)e ai teriamos o controlo total dos ceus...relativamente aos tigers e apaches...deviam ser utilizados para destruir ou danificar gravemente a "brunette" de maneira a que se resolve-se o assunto...e tambem como apoio ás unidades de infantaria em combate( e não só)

Numa das primeiras páginas um espanhol referiu que podia ser lançada uma operação helitransportada sobre lisboa e ai eu penso que se tivesse uma unidade com armamento anti-aéreo(movel) no lado do tejo oposto a lisboa...podia-se destruir parte significativa dessa frota de helicópteros.
Título:
Enviado por: Get_It em Julho 14, 2007, 04:20:10 am
Citação de: "Boina_Verde"
na minha opinião se nessa altura (da invasão) tivessemos helicópteros tiger ou apache e um numero consideravel de f-16 penso que podiamos actuar como os israelitas na guerra dos seis dias...em que podiamos numa tentativa ousada destruir ou danificar gravemente  a força aérea espanhola(aviões e helicópteros) de maneira a que esta não podesse interferir no conflito( mas seria dificilimo)e ai teriamos o controlo total dos ceus...relativamente aos tigers e apaches...deviam ser utilizados para destruir ou danificar gravemente a "brunette" de maneira a que se resolve-se o assunto...e tambem como apoio ás unidades de infantaria em combate( e não só)

De 1967 para 2007 já vai uma grande diferença. Penso que Espanha não teria problemas em defender-se dum ataque igual ao dos israelitas lançado no início da guerra graças a estações de radar que tornariam possível aos seus caças interceptar quaisquer aeronaves portuguesas tal como os seus sistemas de mísseis anti-aéreos, se não estou em erro - visto que não conheço o inventário de artilharia anti-aérea espanhol -, em proteger as bases militares espanholas.

Cumprimentos,
Título:
Enviado por: nestor em Julho 14, 2007, 05:04:38 am
Citação de: "Get_It"
Citação de: "Boina_Verde"
na minha opinião se nessa altura (da invasão) tivessemos helicópteros tiger ou apache e um numero consideravel de f-16 penso que podiamos actuar como os israelitas na guerra dos seis dias...em que podiamos numa tentativa ousada destruir ou danificar gravemente  a força aérea espanhola(aviões e helicópteros) de maneira a que esta não podesse interferir no conflito( mas seria dificilimo)e ai teriamos o controlo total dos ceus...relativamente aos tigers e apaches...deviam ser utilizados para destruir ou danificar gravemente a "brunette" de maneira a que se resolve-se o assunto...e tambem como apoio ás unidades de infantaria em combate( e não só)
De 1967 para 2007 já vai uma grande diferença. Penso que Espanha não teria problemas em defender-se dum ataque igual ao dos israelitas lançado no início da guerra graças a estações de radar que tornariam possível aos seus caças interceptar quaisquer aeronaves portuguesas tal como os seus sistemas de mísseis anti-aéreos, se não estou em erro - visto que não conheço o inventário de artilharia anti-aérea espanhol -, em proteger as bases militares espanholas.

Cumprimentos,



Ejertico de Tierra

MISTRAL
HAWK
ROLAND
ASPIDE
NASAMS
PATRIOT

http://www.ejercito.mde.es/materiales/i ... riales.htm (http://www.ejercito.mde.es/materiales/index_materiales.htm)

Ejercito del Aire

SISTEMA SPADA 2000

http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA ... eria_texto (http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA/static/ServContenidos?id=E147FBD19907B6D9C12570E400473775&plantilla=galeria_texto)

Escuadrones de vigilancia aerea

Cuartel General del Mando Aéreo de Combate (CGMACOM)
Escuadrilla de Circulación Aérea Operativa de Barcelona (ECAO 4)
Escuadrilla de Circulación Aérea Operativa de Las Palmas (ECAO 7)
Escuadrilla de Circulación Aérea Operativa de Madrid (ECAO 1)
Escuadrilla de Circulación Aérea Operativa de Sevilla (ECAO 2)
Escuadrón de Apoyo al Despliegue Aéreo (EADA)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 1 (EVA 1)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 10 (EVA 10)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 11 (EVA 11)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 12 (EVA 12)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 13 (EVA 13)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 2 (EVA 2)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 21 (EVA 21)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 22 (EVA 22)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 3 (EVA 3)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 4 (EVA 4)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 5 (EVA 5)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 7 (EVA 7)
Escuadrón de Vigilancia Aérea nº 9 (EVA 9)


http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA ... a=generica (http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA/static/ServContenidos?id=D658B1C715DF59A5C12570E30059E7EB&plantilla=generica)

Galería fotográfica Grupo Central de Mando y Control (GRUCEMAC)

http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA ... foto&img=8 (http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA/static/ServContenidos?id=B72DC50577985962C12571080049F7D1&plantilla=galeria_foto&img=8)

Aviones de combate

http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA ... daconlista (http://www.ejercitodelaire.mde.es/WebEA/static/ServContenidos?id=394255C477025FB5C12572ED0032EDD4&plantilla=portadaconlista)

Saludos
Título:
Enviado por: old em Julho 14, 2007, 08:56:08 am
Ningun conflicto empieza sin una crisis previa, y en caso de crisis tanto Espanha como Portugal tomarian medidas y aumentarian su nivel de alerta. En ese sentido hacer un asalto helitransportado sobre Lisboa seria una locura, Seria un fracaso.

Lo mismo que lanzar un raid de F16s ou Amx sobre alguna base Espanhola porque desde el comienzo de la crisis diplomatica ya dispondrian de baterias AA y de refuerzos en los scramble



Siendo "vecinos" cualquier o casi cualquier movimiento seria rapidamente detectado anulando el factor sorpresa, aunque desconozco el numero de Satelites del que dispone Portugal la proximidad geografica es un factor muy importante.


Recuerdo algun que otro foro que planteaba una hipotetica guerra Espanha -França. Repliegue de las bases del norte, desplazamiento de Patriots Hawcks y Nasam al norte y preparacion de un contraataque con misiles de crucero. Pero nada de ataques sorpresa ;)
Título:
Enviado por: Miguel em Julho 14, 2007, 04:52:07 pm
Eu tenho um plano para invadir Espanha em 24 horas.

Boina Verde :wink:
Título:
Enviado por: manuel liste em Julho 14, 2007, 10:28:49 pm
A Brunete ja nao existe, mas a 'brunette' nao sei, nao sei..  :D
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Julho 14, 2007, 11:15:57 pm
Bem para um miudo de 14 anos pensa GRANDE!

Só te falta é um pouco mais de calma ;)
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Julho 15, 2007, 12:05:32 am
A capacidade de Portugal de invadir e conquistar Espanha é nula. Todos sabemos disso, portanto deixem-se de fantasias! :shock:

O inverso já é bem possível (militarmente falando), mas de todo impossível no actual contexto politico na Europa.
Título:
Enviado por: tentador em Julho 15, 2007, 12:19:15 am
Citar
Bem para um miudo de 14 anos pensa GRANDE!
¿por quen o dis?

Citar
A capacidade de Portugal de invadir e conquistar Espanha é nula. Todos sabemos disso, portanto deixem-se de fantasias!  

O inverso já é bem possível (militarmente falando), mas de todo impossível no actual contexto politico na Europa.

Por fin alguen realista, cabeça de martelo é un exemplo a seguir tanto pola cumunidade portuguesa como pola española.

Jorge xa estas tardando en facelo moderador  :wink:

Saudos¡¡
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Julho 15, 2007, 12:32:16 am
"Bem para um miudo de 14 anos pensa GRANDE!  

¿por quen o dis? "

Quando referí o pensa GRANDE estava a referir ao facto de se tratar de uma pessoa com 14 anos a pensar em algo do que jogar PSP, XBOX, etc. Se Portugal nunca teve intenções de invadir Espanha não era agora que o ia fazer, ao contrário de outros que já nos tentaram invadir.
Não sou apologista nem nunca fui da invasão de Espanha só da restituição de OLIVENÇA!

Digam-me vocês quantos "miudos" da idade dele sabem o que ele sabe em assuntos militares?
Título:
Enviado por: tentador em Julho 15, 2007, 12:33:42 pm
E que non sei de quen me falas  :roll:  ¿Quen dis que ten 14 anos?
Título:
Enviado por: tgcastilho em Julho 15, 2007, 04:13:57 pm
Citação de: "Cabecinhas"
"Bem para um miudo de 14 anos pensa GRANDE!  

¿por quen o dis? "

Quando referí o pensa GRANDE estava a referir ao facto de se tratar de uma pessoa com 14 anos a pensar em algo do que jogar PSP, XBOX, etc. Se Portugal nunca teve intenções de invadir Espanha não era agora que o ia fazer, ao contrário de outros que já nos tentaram invadir.
Não sou apologista nem nunca fui da invasão de Espanha só da restituição de OLIVENÇA!

Digam-me vocês quantos "miudos" da idade dele sabem o que ele sabe em assuntos militares?


Posso-lhe disser pelo que vejo na escola,tanto em Gaia,como no Porto,é raro tanto que alguns ate pensam que a FAP nem existe.
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Julho 16, 2007, 12:38:26 am
"Posso-lhe disser pelo que vejo na escola,tanto em Gaia,como no Porto,é raro tanto que alguns ate pensam que a FAP nem existe."

 :shock:
Título:
Enviado por: foxtrotvictor em Setembro 23, 2007, 07:01:10 pm
“(…)- Muito bem - atalhou o embaixador - um exército de sessenta mil homens entrará em Portugal e fará...
         - O quê? - perguntou o marquês, sorrindo-se, com a tremenda luneta assestada e no tom mais indiferente.
         - Fará entender a razão e a justiça de El-rei, meu amo, a Sua Majestade e a Vossa Excelência! - redarguiu meia oitava acima o espanhol, supondo o ministro fulminado.
         Sebastião José de Carvalho franziu as sobrancelhas, carregou a viseira, e cravando a vista e a luneta no diplomata, retorquiu-lhe:
         - Sessenta mil homens muita gente é para casa tão pequena; mas querendo Deus, El-rei, meu amo e senhor, sempre há de achar onde possa hospedá-la. Mais pequena era Aljubarrota e lá couberam os que D. João de Castela trouxe. Vossa Excelência pode responder isto ao seu governo.
         E, levantando-se para despedir o embaixador, acrescentou:
         - Bem sabe Vossa Excelência que pode tanto cada um em sua casa, que mesmo depois de morto são precisos quatro homens para o tirarem!
         O embaixador saiu jurando por Dios y la Virgen Santísima e o marquês preparou-se para a guerra.(…)”

Última Corrida de Touros
Rebelo da Silva
Título: Opa.
Enviado por: zocuni em Setembro 23, 2007, 08:40:27 pm
Citação de: "tgcastilho"
Citação de: "Cabecinhas"
"Bem para um miudo de 14 anos pensa GRANDE!  

¿por quen o dis? "

Quando referí o pensa GRANDE estava a referir ao facto de se tratar de uma pessoa com 14 anos a pensar em algo do que jogar PSP, XBOX, etc. Se Portugal nunca teve intenções de invadir Espanha não era agora que o ia fazer, ao contrário de outros que já nos tentaram invadir.
Não sou apologista nem nunca fui da invasão de Espanha só da restituição de OLIVENÇA!

Digam-me vocês quantos "miudos" da idade dele sabem o que ele sabe em assuntos militares?

Posso-lhe disser pelo que vejo na escola,tanto em Gaia,como no Porto,é raro tanto que alguns ate pensam que a FAP nem existe.


Opa.Sou dessa região tem 41 anos,quqse sempre soube da existência da FAP.Poderia fundamentar melhor sua opinião?

Abraços,
Título:
Enviado por: Lancero em Setembro 23, 2007, 09:13:49 pm
Citação de: "foxtrotvictor"
“(…)- Muito bem - atalhou o embaixador - um exército de sessenta mil homens entrará em Portugal e fará...
         - O quê? - perguntou o marquês, sorrindo-se, com a tremenda luneta assestada e no tom mais indiferente.
         - Fará entender a razão e a justiça de El-rei, meu amo, a Sua Majestade e a Vossa Excelência! - redarguiu meia oitava acima o espanhol, supondo o ministro fulminado.
         Sebastião José de Carvalho franziu as sobrancelhas, carregou a viseira, e cravando a vista e a luneta no diplomata, retorquiu-lhe:
         - Sessenta mil homens muita gente é para casa tão pequena; mas querendo Deus, El-rei, meu amo e senhor, sempre há de achar onde possa hospedá-la. Mais pequena era Aljubarrota e lá couberam os que D. João de Castela trouxe. Vossa Excelência pode responder isto ao seu governo.
         E, levantando-se para despedir o embaixador, acrescentou:
         - Bem sabe Vossa Excelência que pode tanto cada um em sua casa, que mesmo depois de morto são precisos quatro homens para o tirarem!
         O embaixador saiu jurando por Dios y la Virgen Santísima e o marquês preparou-se para a guerra.(…)”

Última Corrida de Touros
Rebelo da Silva


É um belo texto (http://http). Ainda é do tempo em que se dava na escola? ;)
Título:
Enviado por: foxtrotvictor em Setembro 23, 2007, 09:55:42 pm
Citação de: "Lancero"
É um belo texto (http://http). Ainda é do tempo em que se dava na escola? ;)


É um belo texto, é sim senhor. Infelizmente sou do tempo de outras prosas.
Título:
Enviado por: jmg em Dezembro 16, 2007, 03:08:17 pm
Os Espanhois invadirem Portugal?
Provávelmente os meios humanos e materiais são suficientes para permitir uma invasão.
Mas para quê arranjar outro país basco?
Eles nem conseguem arrumar a própria casa, quanto mais manter um território em que todos os militares do quadro permanente com formação em operações irregulares não teriam mais nada que fazer senão dedicarem-se à resistência.
Para um invasor seria insustentável....
Título:
Enviado por: Lisander em Dezembro 16, 2007, 11:33:23 pm
Concerteza que sim, por mais poderosos que possam ser, a logistica implicada teria um custo imenso mesmo para um pais como a Espanha.


Saudações
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 17, 2007, 11:12:26 pm
coff coff...

esta tosse  :oops:

A invasão de que se fala no texto é do tempo do  Marquês de Pombal...
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Dezembro 18, 2007, 09:10:45 pm
Meus caros amigos e companheiros venho prestar tambem a minha opinião, afirmar-se que portugal pode ser "dominado" em 24 horas é um disparate.
Em primeiro lugar A Brigada de Reacção Rápida conseguia travar e diminuir o avanço das primeiras forças espanholas causamdo-lhes elevadas baixas. Em segundo lugar a Brigada Mecanizada com a chegada dos PandurII e dos LeopardII A6 tornava-se num grande obstaculo para as forças espanholas que se preparassem para tomar lisboa tanto pela margem sul como pela margem norte do tejo. Em terceiro lugar o Exercito  Espanhol ia sofrendo baixas devido aos combates de guerrilha que iam sofrer ao passar por várias povoações. Em quarto lugar a Espanha ficava desarmada porque tinha que colocar a maioria do seu exercito em Portugal o que podia ser fatal no caso de existir alguma força que conseguisse atacar espanha destruindo-lhes vários pontos estrategicos.


P.S Não nos podemos esquecer que o exercito vai criar um grupo de aviação ligeira com a compra dos novos Nh-90 e que ainda os nossos paraquedistas sao dos melhores da Europa.
Título:
Enviado por: Luso em Dezembro 18, 2007, 09:31:22 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Meus caros amigos e companheiros venho prestar tambem a minha opinião, afirmar-se que portugal pode ser "dominado" em 24 horas é um disparate.
Em primeiro lugar A Brigada de Reacção Rápida conseguia travar e diminuir o avanço das primeiras forças espanholas causamdo-lhes elevadas baixas. Em segundo lugar a Brigada Mecanizada com a chegada dos PandurII e dos LeopardII A6 tornava-se num grande obstaculo para as forças espanholas que se preparassem para tomar lisboa tanto pela margem sul como pela margem norte do tejo. Em terceiro lugar o Exercito  Espanhol ia sofrendo baixas devido aos combates de guerrilha que iam sofrer ao passar por várias povoações. Em quarto lugar a Espanha ficava desarmada porque tinha que colocar a maioria do seu exercito em Portugal o que podia ser fatal no caso de existir alguma força que conseguisse atacar espanha destruindo-lhes vários pontos estrategicos.


P.S Não nos podemos esquecer que o exercito vai criar um grupo de aviação ligeira com a compra dos novos Nh-90 e que ainda os nossos paraquedistas sao dos melhores da Europa.


Ora toma e embrulha! :shock:
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 18, 2007, 09:57:32 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Meus caros amigos e companheiros venho prestar tambem a minha opinião, afirmar-se que portugal pode ser "dominado" em 24 horas é um disparate.
Em primeiro lugar A Brigada de Reacção Rápida conseguia travar e diminuir o avanço das primeiras forças espanholas causamdo-lhes elevadas baixas. Em segundo lugar a Brigada Mecanizada com a chegada dos PandurII e dos LeopardII A6 tornava-se num grande obstaculo para as forças espanholas que se preparassem para tomar lisboa tanto pela margem sul como pela margem norte do tejo. Em terceiro lugar o Exercito  Espanhol ia sofrendo baixas devido aos combates de guerrilha que iam sofrer ao passar por várias povoações. Em quarto lugar a Espanha ficava desarmada porque tinha que colocar a maioria do seu exercito em Portugal o que podia ser fatal no caso de existir alguma força que conseguisse atacar espanha destruindo-lhes vários pontos estrategicos.


P.S Não nos podemos esquecer que o exercito vai criar um grupo de aviação ligeira com a compra dos novos Nh-90 e que ainda os nossos paraquedistas sao dos melhores da Europa.


No creo que Estados Unidos tampoco pudiera conquistar el actual Portugal en 24 horas.

Tampoco creo que mandar a las tropas de élite portuguesas al interior de España fuera buena idea, simplemente sería un suicidio y se repetiría la historia del Japón y la Alemania de la Segunda Guerra Mundial, en la que las tropas de élite se desperdiciaron y luego no hubo repuestos.

Si yo fuera Portugal prepararía el terreno, dejaría que avanzaran hasta donde me viniera bien y me liaba a tortas. Pocas bajas portuguesas y mucha efectividad.

Cosas.
Título:
Enviado por: Aim em Dezembro 18, 2007, 11:37:16 pm
Bem vou deixar aqui a minha opinião também  :lol:
E apenas iriam andar pelo Sul porque as nossas forças militares estão concentradas entre Porto e Lisboa.
O exército Português responderia em tempo recorde, visto que de Tancos e de Santa Margarida a Lisboa é um tirinho. E pode-se dizer que os meios pelo menos em Santa Margarida não é meia dúzia de soldados nem meia dúzia de G3´s .
Como já foi dito aqui a BRR faria uns danos valentes. Somos mais pequenos mas somos bons eheh
O melhor mesmo é cada país ficar lá com o seu cantinho que como português já me chega o que temos.  c34x
Título:
Enviado por: André em Dezembro 19, 2007, 07:05:28 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Em terceiro lugar o Exercito  Espanhol ia sofrendo baixas devido aos combates de guerrilha que iam sofrer ao passar por várias povoações.


 :shock:

Combates de guerrilha, por populares portugueses... armados com que?
Só se for com fisgas e espingardas do tempo do Napoleão...  :?
Os mais habilitados a fazer isso é o pessoal de Lamego.
Título:
Enviado por: pedro em Dezembro 19, 2007, 09:36:23 pm
Nao eu acho que a ideia seria que os regimentos, companhias e batalhoes o fizessem.
Assim em estradas e zonas opurtunas lançar os ataques.
Eu ca estou meus amigos para organizar o exercito portugues :wink:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Dezembro 19, 2007, 09:51:19 pm
Eu quando referi que no caso de existir uma invasão espanhola a Portugal existiam combates de guerrilha entre as populações e o exercito Espanhol foi porque em regra geral  na maioria das povoações   principalmente aldeias e vilas  existe sempre uma grande numero de caçadores, pelo menos na região centro, e estes não estão armados com armas do tempo de napoleão  nem com fisgas, mas sim com espingardas e com carabinas(mas estas em menor numero), o que faz com que haja uma resistencia por parte da população, a menos que estas se ridicularizem e não lutem pela sua pátria o que para mim é estranho para um pais como Portugal.
Título:
Enviado por: ShadIntel em Dezembro 19, 2007, 10:51:22 pm
Citação de: "pedro"
Nao eu acho que a ideia seria que os regimentos, companhias e batalhoes o fizessem.
Assim em estradas e zonas opurtunas lançar os ataques.
Eu ca estou meus amigos para organizar o exercito portugues :wink:
Cumprimentos

Que grande confusão  :conf: .
O exército português não me parece estar neste momento tão mal organizado; agora se o Pedro o reestruturar, de certo que só o tempo que os espanhois passarem a entender a sua organização os há-de cansar tanto que nem lhes restam forças para tentar uma invasão...
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 20, 2007, 12:26:38 am
Citação de: "Jose M."
Si yo fuera Portugal prepararía el terreno, dejaría que avanzaran hasta donde me viniera bien y me liaba a tortas. Pocas bajas portuguesas y mucha efectividad.


Ui. Queres ver que XX anos e YY derrotas depois já aprenderam como peleamos?  :wink:
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Dezembro 20, 2007, 12:58:06 am
Vejam esta site para verem o  k   os   nossos hermanos     querem  para  portugal  http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=266 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=266)
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 20, 2007, 06:31:53 am
Citação de: "Lancero"
Citação de: "Jose M."
Si yo fuera Portugal prepararía el terreno, dejaría que avanzaran hasta donde me viniera bien y me liaba a tortas. Pocas bajas portuguesas y mucha efectividad.

Ui. Queres ver que XX anos e YY derrotas depois já aprenderam como peleamos?  :wink:


Jajajaja, sí, más de lo mismo. ¿Para qué cambiar de método si funciona?
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 20, 2007, 06:59:15 am
Citação de: "Pedro Fernandes"
Vejam esta site para verem o  k   os   nossos hermanos     querem  para  portugal  http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=266 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=266)


Pedro, ése sondeo es de hace tiempo, y la pregunta que se planteaba no era terminar con Portugal sino una unión entre España y Portugal. También se hizo uno parecido en Portugal por el diario Sol y creo que las personas que estaban de acuerdo rondaba el 30% (que me corrija algún miembro si me equivoco). Se habló en el foro sobre éste sondeo en su momento.

Lo llamativo es el tratamiento de la noticia, completamente manipulada y sin firma. Como si alguien le preguntara si usted desearía tener toda la casa a una temperatura de 25º todo el año y al contestar que sí le acusaran luego de terrorismo medioambiental por el excesivo consumo de energía que ello supondría.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Dezembro 20, 2007, 11:01:07 am
Já não vinha a este tópico à muito tempo.

Posso dizer-vos que quando andei em Tancos uma conversa frequente era "e se Espanha nos invadisse". O meu Alferes era um tipo com uma larga experiência e segundo ele as Forças Armadas Portuguesas não tinham muita hipótese. Segundo ele o Exército percebeu isso à muito, por isso é que há o Curso de Operações Irregulares no CTOE. Básicamente os militares QP aprendem a montar redes de resistência e a tornar a presença de um possivel invasor muito dificil. Já houve um colega do fórum que disse que tinha feito o curso e que lá disparou mais do que num ano num regimento "normal" do Exército, por isso a formação deve ser...interessante.

Posso dizer-vos que na minha passagem pela ETAT (actual ETP) os vários comandantes que tive, tinham todos este curso (desde o comandante de companhia a passar pelo comandante de batalhão.
Título:
Enviado por: pedro em Dezembro 20, 2007, 12:30:32 pm
Entao mas a ideia era essa.
 :lol: Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 20, 2007, 08:41:26 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Já não vinha a este tópico à muito tempo.

Posso dizer-vos que quando andei em Tancos uma conversa frequente era "e se Espanha nos invadisse". O meu Alferes era um tipo com uma larga experiência e segundo ele as Forças Armadas Portuguesas não tinham muita hipótese. Segundo ele o Exército percebeu isso à muito, por isso é que há o Curso de Operações Irregulares no CTOE. Básicamente os militares QP aprendem a montar redes de resistência e a tornar a presença de um possivel invasor muito dificil. Já houve um colega do fórum que disse que tinha feito o curso e que lá disparou mais do que num ano num regimento "normal" do Exército, por isso a formação deve ser...interessante.

Posso dizer-vos que na minha passagem pela ETAT (actual ETP) os vários comandantes que tive, tinham todos este curso (desde o comandante de companhia a passar pelo comandante de batalhão.


Imagino que en una superficie como la de Portugal con unos 20 o 30 grupos de unos 15 hombres (en total unos 500 hombres) bien entrenados, conocedores del terreno, con apoyo de todo tipo por parte de la población, una infraestructura consolidada y el mar para poder abastecerse de otros países puede poner en jaque a un ejército de miles de hombres.

Tiene que ser un curso muy interesante a todos esos niveles.
Título:
Enviado por: papatango em Dezembro 20, 2007, 10:28:21 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Vejam esta site para verem o  k   os   nossos hermanos     querem  para  portugal  http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=266 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=266)

Acho que é mais o que eles quiseram.

E é necessário entender o contexto histórico.
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 20, 2007, 11:33:56 pm
Caros amigos,

Mesmo que Portugal fosse dominado militarmente ou politicamente acho que os nossos amigos castelhanos iriam ter um problema muito sério ...

Se já não conseguem lidar com a ETA imaginem o que seria com a revolta continuada da mais antiga Nação Europeia !

MUEDA
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 21, 2007, 07:31:26 am
Mueda, el problema de ETA es un asunto judicial y policial que se trata respetando las normas de un estado democrático y de derecho. Si el tratamiento fuera militar le puedo garantizar que las cosas serían muy distintas.

En cuanto a "las ansias anexionistas de los imperialistas castellanos comedores de niños portugueses" simplemente residen en mentes enfermas que son incapaces de comprender la realidad.

Si se preguntara a los españoles cuanto estarían dispuestos a pagar (o perder) por una hipotética unión con Portugal la respuesta sería 0 €.

Amigo Pedro, duerma usted tranquilo que, a pesar de lo que publique algún esquizofrénico, ningún "ejército de ocupación castellano" va a robarle las cervezas del frigorífico por la noche.

Saludos cordiales.
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Dezembro 21, 2007, 06:48:31 pm
Alguem  me pode   traduzir o texto para portugues porque eu nao percebo Espanhol.
Título:
Enviado por: André em Dezembro 21, 2007, 07:05:47 pm
Citação de: "Jose M."
Mueda, el problema de ETA es un asunto judicial y policial que se trata respetando las normas de un estado democrático y de derecho. Si el tratamiento fuera militar le puedo garantizar que las cosas serían muy distintas.

En cuanto a "las ansias anexionistas de los imperialistas castellanos comedores de niños portugueses" simplemente residen en mentes enfermas que son incapaces de comprender la realidad.

Si se preguntara a los españoles cuanto estarían dispuestos a pagar (o perder) por una hipotética unión con Portugal la respuesta sería 0 €.

Amigo Pedro, duerma usted tranquilo que, a pesar de lo que publique algún esquizofrénico, ningún "ejército de ocupación castellano" va a robarle las cervezas del frigorífico por la noche.

Saludos cordiales.


Mueda, o problema da ETA é um assunto judicial e policial que se trata respeitando as normas de um estado democrático e de direito. Se o tratamento fosse militar, posso garantir que as coisas seriam muito diferentes.

E quanto "as ansias anexionistas dos imperialistas castelhanos comedores de crianças portuguesas" simplesmente residem em mentes doentes, que são incapazes de compreender a realidade.

Se perguntassem aos espanhois quanto estariam dispostos a pagar (ou perder) por uma hipotética união com Portugal a resposta seria 0 euros.

Amigo Pedro, durma você tranquilo que, apesar do que publique algum esquizofrénico nenhum "exército de ocupação castelhano" vai roubar-lhe as cervejas do frigorífico durante a noite.
 
 :wink:
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Dezembro 21, 2007, 08:14:47 pm
Não me levem a mal mas expliquem-me so uma coisa porque  consideram os espanhois que a Batalha de Aljubarrota foi ganha devido a participação dos ingleses se na verdade a Batalha de Aljubarrota foi ganha pelos Portugueses.
Título:
Enviado por: manuel liste em Dezembro 21, 2007, 09:02:36 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Não me levem a mal mas expliquem-me so uma coisa porque  consideram os espanhois que a Batalha de Aljubarrota foi ganha devido a participação dos ingleses se na verdade a Batalha de Aljubarrota foi ganha pelos Portugueses.


Isso não é certo, Pedro. A maior parte dos espanhóis nem sabem que teve uma batalha de Aljubarrota. Como se diz em Espanha: "a vitória tem mil pais, a derrota é órfã"  :lol:
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 22, 2007, 12:40:11 am
José M.

A ETA é um problema vosso muito, mas muito sério.
Tão grave que o vosso Estado não sabe o que há-de fazer e a vossa sociedade está completamente dividida a este respeito !
Convinha verem a Carta das Nações Unidas sobre a autodeterminação dos povos e a historia do povo Basco.
Enquanto Castela entender que Euskadi faz parte da Coroa Espanhola irão a continuar a ter uma guerra civil permanente.
Como sabes basta a ir a um café ou um bar em Bilbao ou em qualquer localidade basca e falarem castelhano ali.
Serão concerteza muito bem tratados :lol:  :lol:

Faz-me lembrar "las Verguenzas de España como el Sahaara Ocidental o Gibraltar !"
Pero siempre se puede hacer algo como una invasión de una roca (Isla del Perejil) que estay es/cerca/de Marruecos :lol:

Mueda
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 22, 2007, 06:52:15 am
Citação de: "Mueda"
José M.

A ETA é um problema vosso muito, mas muito sério.
Tão grave que o vosso Estado não sabe o que há-de fazer e a vossa sociedade está completamente dividida a este respeito !
Convinha verem a Carta das Nações Unidas sobre a autodeterminação dos povos e a historia do povo Basco.
Enquanto Castela entender que Euskadi faz parte da Coroa Espanhola irão a continuar a ter uma guerra civil permanente.
Como sabes basta a ir a um café ou um bar em Bilbao ou em qualquer localidade basca e falarem castelhano ali.
Serão concerteza muito bem tratados :lol:  :lol:

Faz-me lembrar "las Verguenzas de España como el Sahaara Ocidental o Gibraltar !"
Pero siempre se puede hacer algo como una invasión de una roca (Isla del Perejil) que estay es/cerca/de Marruecos :lol:

Mueda


El terrorismo y la delincuencia organizada siempre son problemas muy serios. Pero no hay que confundir la delincuencia con una "guerra civil permanente".

El 50% de la población vasca habla sólo castellano (pero no sé si toman café o té, vino o cerveza)

Hay un hilo que trata sobre Separatismos em Espanha. Es un buen sitio para que usted aporte sus conocimientos sobre la historia del pueblo vasco.

En cuanto al Sáhara... pues me parece que no le ha ido muy bien a los saharauis. De hecho acuden a la justicia española para que le resuelva sus problemas. http://www.saharalibre.es/modules.php?name=News&file=article&sid=1738
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 22, 2007, 09:57:07 am
Apelidar a ETA - Euskadi Ta Askatasuna de deliquente é no minimo hilariante. :lol:  :lol:  :lol:

MUEDA
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 22, 2007, 12:11:52 pm
Citação de: "Mueda"
E para quem não sabe dou-vos um pequeno exemplo do dia a dia nas terras da Cora Espanhola: um professor de Castelhano que tenha estudado Letras na Universidade de Madrid não pode dar aulas em Euskadi simplesmente porque não fala Basco, existe uma exigência legal a esse respeito! O mesmo sucede na Galicia e na Catalunha.
MUEDA


Toda la legislación española (y de las distintas Comunidades Autónomas) está en la red, te ruego que muestres las "exigencias legales a ese respecto" que tanto conoces.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 22, 2007, 02:00:06 pm
Meio off-topic,

A língua oficial na Universidade de Santiago de Compostela é o galego. Lembro-me de ter lido isto recentemente quando houve uma polémica porque os candidatos a medicina espanhóis estavam a ser relegados porque os portugueses tinham melhores notas de entrada. Os espanhóis (estudantes) exigiam uma prova de castelhano para acesso. O reitor mandou-os dar uma volta porque o castelhano não é lingua oficial na Universidade.



Um apontamento,
Estamos em casa pelo Natal - seja pelas férias escolares ou por uma ponte bem metida no emprego ou unidade em que se sirva -, todos (ou quase) temos mais tempo para nos dedicar-mos à Internet e aos Fóruns. Todos têm o direito de participar. Devem-no, no entanto, fazer de forma ponderada e sem comentários inflamatórios. Este recado não é somente para este tópico, muito menos dirigido especificamente a portugueses ou espanhóis.

Feliz Natal
Título:
Enviado por: Iris-t em Dezembro 23, 2007, 12:40:08 am
Citação de: "Lancero"
Meio off-topic,

A língua oficial na Universidade de Santiago de Compostela é o galego. Lembro-me de ter lido isto recentemente quando houve uma polémica porque os candidatos a medicina espanhóis estavam a ser relegados porque os portugueses tinham melhores notas de entrada. Os espanhóis (estudantes) exigiam uma prova de castelhano para acesso. O reitor mandou-os dar uma volta porque o castelhano não é lingua oficial na Universidade.




Las lenguas oficiales de las universidades, y demás centros e instituciones de Galicia en particular, son el Español o castellano y el gallego, que no es otra cosa que lo que marca la Constitución española, además la libertad de cátedra permite a los docentes impartir la asignatura en la lengua cooficial que prefieran, salvo que el contenido de la asignatura haga necesario o recomendable hacerlo en una.

Además con el actual sistema de distrito abierto cualquier universitario  español puede obtar a tales plazas, el problema es que la mayoría prefieren estudiar en Madrid, Barcelona o Salamanca, cuyos títulos son más prestigiosos.
Título:
Enviado por: nestor em Dezembro 23, 2007, 04:24:02 am
Citação de: "Mueda"
Apelidar a ETA - Euskadi Ta Askatasuna de deliquente é no minimo hilariante. :lol:  :lol:



Se puede discrepar y debatir de mil asuntos de forma civilizada o incivilizada, pero decir eso es el colmo de lo inaceptable.

No vendria mal una llamada de atención de la Moderación por esas plabras.

Saludos y Feliz Navidad a todos.
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 23, 2007, 07:45:12 am
Citação de: "Lancero"
Meio off-topic,
A língua oficial na Universidade de Santiago de Compostela é o galego. Lembro-me de ter lido isto recentemente quando houve uma polémica porque os candidatos a medicina espanhóis estavam a ser relegados porque os portugueses tinham melhores notas de entrada. Os espanhóis (estudantes) exigiam uma prova de castelhano para acesso. O reitor mandou-os dar uma volta porque o castelhano não é lingua oficial na Universidade.

Feliz Natal


Las distintas Comunidades Autónomas pueden poner los requisitos que crean necesarios para cubrir sus puestos de trabajo (a veces se incluye el conocimiento del idioma autóctono). Eso no significa que un estudiante de Madrid no pueda ejercer luego su trabajo en Cataluña. Eso sería negativo sobre todo para las Comunidades con lengua propia porque sus estudiantes no podrían ejercer en el resto de España.

Como dato curioso decirte que viví durante 11 años en Valencia y en la primera escuela donde fueron mis hijas no se hablaba ni valenciano ni castellano: sólo se hablaba inglés. En el segundo se hablaba inglés y castellano y se impartían las clases reglamentarias de valenciano.

Otro dato es que uno de mis compañeros era valencianoparlante (nacido en el Camp de Morvedre) y había estudiado en la Universidad de Valencia, su mujer era de Cuenca y había estudiado fuera de Valencia. Su mujer partía con más puntuación para las oposiciones porque hizo un cursillo de valenciano y él no.

En cuanto a la tranquilidad y la paz durante las Navidades te puedo asegurar en estos días voy a pasar a Portugal y me voy a dedicar a arrancar cabezas... de langostinos.  :wink:

FELICES FIESTAS A TODOS.
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 23, 2007, 08:58:20 am
Caros "irmãos",

Uma professora nascida em Madrid e tendo estudado apenas essa lingua ibérica não conseguirá ensinar castelhano no solo de outras nações dentro do Estado Espanhol porque não é bilingue !

Esta situação não é nova, esta exigência é antiga e muito comum !

E existem exemplos bem mais marcantes da divisão grassante no Estado vizinho !

O que sucede é que os nossos vizinhos não gostam de ser confrontados com estas coisas, tal como não gostam de se lembrar que em Gibraltar brilha a Union Jack !

MUEDA
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 23, 2007, 09:51:36 am
Citação de: "Mueda"
Caros "irmãos",

Uma professora nascida em Madrid e tendo estudado apenas essa lingua ibérica não conseguirá ensinar castelhano no solo de outras nações dentro do Estado Espanhol porque não é bilingue !

Esta situação não é nova, esta exigência é antiga e muito comum !

E existem exemplos bem mais marcantes da divisão grassante no Estado vizinho !

O que sucede é que os nossos vizinhos não gostam de ser confrontados com estas coisas, tal como não gostam de se lembrar que em Gibraltar brilha a Union Jack !

MUEDA


Bla, bla, bla, bla, bla...  blx2x1

Mucho bla bla bla, pero dato ninguno.

Me fascinan estos "analistas" de la "realidad del Estado Español". Son como los que leen el prospecto de la aspirina y se creen doctores en medicina.
Título:
Enviado por: Lancero em Dezembro 23, 2007, 01:44:40 pm
Citar
Artigo 3º

1. A lingua galega é a lingua propia da Universidade de Santiago de Compostela.

ESTATUTOS DA UNIVERSIDADE DE SANTIAGO DE COMPOSTELA (http://http)

Citar
A USC e o galego
Os Estatutos da USC recoñecen no seu artigo 3 o galego como a lingua propia da Universidade, e recollen o compromiso da USC de promover, no marco das súas competencias, accións que contribúan á normalización e ao desenvolvemento da lingua galega. Tamén o castelán é lingua oficial.

Na USC o galego é vehículo de expresión habitual nos usos institucionais, informativos e administrativos: a meirande parte dos formularios, solicitudes, folletos e demais documentación que che fornezan estarán escritos na lingua propia da Universidade. Tamén os profesores, alumnos e persoal de administración e servizos (PAS) adoitan falar en galego... Na USC vas oír galego en ámbitos formais e informais.

O uso do galego na docencia rolda o 20%, aínda que varía moito duns centros a outros: nalgúns pode chegar a máis do 60%, como Ciencias da Información, e noutros non chegar ao 5%, como Dereito, Bioloxía... A lexislación establece que o alumnado e o profesorado teñen dereito a utilizaren calquera das dúas linguas oficiais, castelán ou galego. É posible que teñas profesores que  imparten as súas clases en galego, e a súa escolla debe ser respectada. E ti poderás falar nas clases, redactar traballos ou responder exames na lingua que prefiras, con independencia da do profesor.

É conveniente que te afagas ao galego, cando menos a comprendelo: non só porque existe a posibilidade de que recibas clases nesta lingua, senón porque é a lingua habitual de moitas outras institucións, de medios de comunicación (existen unha televisión e unha radio públicas que emiten só en galego, e outros medios emprégano en maior ou menor medida), etc. E sobre todo, porque é a lingua que falan moitos dos teus novos amigos, compañeiros, coñecidos, ou cidadáns e cidadás con que te relaciones.


http://www.usc.es/gl/info_xeral/galego/usc.jsp (http://www.usc.es/gl/info_xeral/galego/usc.jsp)
Título:
Enviado por: oultimoespiao em Dezembro 23, 2007, 01:58:18 pm
Ao ouvir esta conversa toda lembrei-me deste video que encontrei a tempo, mas o conteudo da conversa e praticamente o mesmo!

Enjoy

http://www.youtube.com/?v=ywfQjdn22_c (http://www.youtube.com/?v=ywfQjdn22_c)
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 24, 2007, 01:47:15 am
José M.

Devias falar com as professoras de Castelhano do Instituto Espanhol em Lisboa, elas terão o maior prazer em explicar-te a realidade do ensino do Castelhano no teu próprio pais. :)

Mueda
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 24, 2007, 06:05:30 am
Citação de: "Mueda"
José M.

Devias falar com as professoras de Castelhano do Instituto Espanhol em Lisboa, elas terão o maior prazer em explicar-te a realidade do ensino do Castelhano no teu próprio pais. :)

Mueda


Me conformo con que me digas cuáles son las disposiciones legales que decías conocer. Para hablar con profesores de castellano no me hace falta ir a Lisboa.

Lancero ha mostrado la parte del reglamento de la Universidad de Santiago que dice claramente que tanto el profesor como el alumno tienen libertad para elegir el idioma oficial en el que expresarse.

La diferencia entre una persona seria y un borinot es que la persona seria discute con argumentos sólidos, presenta datos y aporta documentación.

Como comprenderás, Mueda tú no has hecho nada de eso y más bien has adoptado una actitud de troll adulterando los distintos hilos con las mismas panfletadas sin sentido. Pero ese es un asunto de los moderadores en el que no me voy a meter.
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 24, 2007, 12:05:00 pm
José M.

Não tenho aqui a Legislação toda, mas se a obter certamente te envio de forma a ficares elucidado sobre uma das muitas questões que afectam de forma grave a unidade da Coroa Espanhola  :lol: :[/b]

Interinos sin oposiciones por no tener el euskera

El Departamento de Educación  tiene previsto convocar, entre 2007 y 2011, unas 3.000 plazas para aquellos docentes que deseen convertirse en funcionarios públicos, y algunos sindicatos con CCOO a la cabeza se han quejado de que el Gobierno priorice el euskera hasta el punto de ignorar la antigüedad del colectivo de interinos.
La Ley Orgánica de Educación (LOE) dispone que los interinos con más antigüedad tienen mayores probabilidades de convertirse en funcionarios. Sin embargo, en la primera convocatoria las 1.100 plazas que se ofertan tienen como requisito contar con el PL2, un nivel de euskera medio-alto, como mínimo exigible.
Pese a los privilegios por antigüedad que les corresponden por ley, los docentes que no han llegado a lograr la acreditación de euskera quedan descartados de esta convocatoria.
La LOE establece actualmente que los docentes con diez o más años de antigüedad tienen derecho al máximo de puntuación posible por los servicios prestados, es decir, un total de 60 puntos. Además, se ha reducido a 25 unidades el temario sobre el que tienen que examinarse y se ha sustituido la prueba más difícil (una exposición oral ante un tribunal de una unidad didáctica elegida al azar) por un informe realizado por la Inspección de Educación en el que se avale su labor.
Esta prerrogativa multiplicaría las opciones de sacar una nota alta en el examen de aquellos docentes con experiencia profesional demostrable. Las quejas vienen sobre todo del lado de los profesores con 15 o 20 años de experiencia en las aulas vascas, que advierten que mientras en el resto de España los interinos se benefician de la normativa, ellos se quedan sin opción de concurrir a las oposiciones.
Las plazas que se ofrecen para junio están destinadas a maestros de Primaria, Inglés, Educación Física, Música, Pedagogía Terapéutica y Audición y Lenguaje. Se calcula que serán unos 500 docentes los que no puedan acceder a ellas pese a antigüedad por no tener el nivel requerido de euskera.

Futuro incierto

El mismo problema tuvo lugar ya en 2005, cuando el Tribunal Superior de Justicia del País Vasco consideró ilegal un decreto de Educación que también exigía un nivel mínimo de 2, sentencia que el Gobierno vasco recurrió ante el Tribunal supremo.
Aún no se sabe si para las próximas convocatorias la Consejería de Educación sacará a concurso alguna plaza sin requisito de PL2. En caso de que finalmente salieran este tipo de plazas sin exigencia idiomática el porcentaje en comparación con el resto de vacantes sería mínimo.
Para resolver esta cuestión y pensando ya en las próximas plazas que se ofertarán, los sindicatos que defienden los intereses de los interinos con antigüedad y sin euskera lucharán porque al menos se reserven puestos de castellano en Formación Profesional (donde la matrícula de modelo D es baja), conservatorios y escuelas de idiomas.
Sin embargo, los responsables del Departamento y el resto de sindicatos apostarán por lo contrario, tratando de que todas las plazas que salgan a concurso a partir de ahora sean bilingües..."

Pode ser que assim fiques mais simpatico, humilde e bem educado :lol:

MUEDA
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 24, 2007, 12:33:50 pm
Mueda, lee bien lo que has puesto, que me parece que no lo has entendido.

Y léeme también de cuando en cuando, porque todo eso resumido ya te lo he explicado.

Por cierto, ¿sabes que en España además de educación pública también la hay privada y esas normas que pones se refieren sólo a la pública?

Otra cosa, en Valencia no se dan clases en catalán, sino en valenciano (te lo digo porque yo hacía las matrículas de mis hijas y firmaba las notas).

Aprovecha estos días y repasa matemáticas, lo mismo descubres que se da un tercio de clases en gallego significa que se dan dos tercios de clases en castellano.

Que te conste que aprecio grandemente tu interés por buscar algo de documentación aunque sea en un site de pseudonacionalistas gallegos que dan la información completamente tergiversada y que a pesar de eso avala lo que digo.

Espabila, mocito, que además de cortar y pegar hay que leerse lo que se corta y se pega.

 :lol:  :lol:  (perdona que te plagie la tontería)
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 25, 2007, 12:43:50 am
José M.

A informação é do sindicato espanhol ligado ao PSOE.

Mas tanto faz !!!

 :lol:  :lol:

Um grande abraço e bom NATAL !!!
MUEDA
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 25, 2007, 06:41:53 am
Citação de: "Mueda"
José M.

A informação é do sindicato espanhol ligado ao PSOE.

Mas tanto faz !!!

 :lol:  :wink:

Abraço e bom Natal.
Título:
Enviado por: Mueda em Dezembro 25, 2007, 10:33:10 am
José M.

A informação é oficial e vem MESMO de um sindicato ligado ao PSOE (a não ser que quem tenha enviado-me este texto tenha algum interesse em mentir-me, o que sinceramente é altamente improvável), e refere-se a disposições legais, a concursos e a decisões governamentais.

E podes continuar a deturpar o que digo e a dizeres algo que eu não disse !

Porque por muito que omitas, deturpes e te enerves o que de facto sucede na Coroa Espanhola (quer gostes ou não) é que:

"...um professor de Castelhano que tenha estudado Letras na Universidade de Madrid não pode dar aulas em Euskadi simplesmente porque não fala Basco..." (Lembraste que foi o que eu disse)

E apresentei a Prova que exigias :

"... Sin embargo, en la primera convocatoria las 1.100 plazas que se ofertan tienen como requisito contar con el PL2, un nivel de euskera medio-alto, como mínimo exigible.
Pese a los privilegios por antigüedad que les corresponden por ley, los docentes que no han llegado a lograr la acreditación de euskera quedan descartados de esta convocatoria... Las plazas que se ofrecen para junio están destinadas a maestros de Primaria, Inglés, Educación Física, Música, Pedagogía Terapéutica y Audición y Lenguaje. Se calcula que serán unos 500 docentes los que no puedan acceder a ellas pese a antigüedad por no tener el nivel requerido de euskera... "

E isto aplica-se a muitas e muitas outras situações e está alastrando-se de forma imparável !

Lembras-te do que dissseste de mim :

"...La diferencia entre una persona seria y un borinot es que la persona seria discute con argumentos sólidos, presenta datos y aporta documentación..."

Pois isto aplica-se que nem uma luva a ti ! :lol:

E PORQUE O PIOR CEGO É AQUELE QUE NÃO QUER VER !!!

Dou por FECHADO o assunto !

Mueda
Título:
Enviado por: Jose M. em Dezembro 25, 2007, 11:04:37 am
Mueda, insisto, Comisiones no está ligado al PSOE, es UGT. Comisiones viene de la esfera del PCE aunque con el tiempo tomó un camino distinto y más moderado, pero sigue cercano a Izquierda Unida. Lée un poco y no te fíes de lo que te digan los demás y habla de lo que sepas con certeza, por lo menos dale un repaso a la historia de los sindicatos españoles.

Citar
"...um professor de Castelhano que tenha estudado Letras na Universidade de Madrid não pode dar aulas em Euskadi simplesmente porque não fala Basco..." (Lembraste que foi o que eu disse)

Tu problema precisamente está en que no eres capaz de entender lo que escribes.

Te lo explico despacito:

- un profesor que haya estudiado en cualquier Universidad española puede dar clases en cualquier lugar de España y en aquellos países europeos que tengan homologados los títulos, al igual que ellos aquí.

- la convocatoria de oposiciones a las que se refiere Comisiones es sólo para la enseñanza pública, no impide en absoluto la docencia en instituciones privadas.

- la convocatoria pide como requisito el nivel 2 de vasco, que lo puede obtener alguien que haya estudiado en Vizcaya, Castellón, Guadalajara o Lisboa. No prohíbe la enseñanza a los demás. Además como puedes ver, la convocatoria está recurrida y los interinos que no tienen el nivel 2 siguen dando clases.

Citar
A informação é oficial e vem MESMO de um sindicato ligado ao PSOE


Por cierto, Comisiones es un sindicato muy importante en España (yo pertenezco a él desde 1.992) pero todavía no tiene la potestad de dar información oficial, esa sólo la tienen los distintos gobiernos de España y sus Comunidades Autónomas, y lo que aportas es un comunicado de un sindicato, no la convocatoria de las oposiciones junto con sus enlaces (que hubiera sido lo deseable).

Siento que des por cerrado el asunto, aunque te ha venido muy grande podrías haber aprendido algo (cuando menos a citar fuentes y documentos). A mí no me correspondía poner documentos, sino a tí que eres quien afirma una cosa equivocada.

Lamento que "fiques chateado".

Besos.  :wink:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 31, 2008, 11:33:50 am
Muito pelo contrário, se acaba-se a Monarquia, acabava-se com a Espanha, o Rei e a familia real é um factor de união em Espanha.

Se pesquisar, verá que as Multinacionais Portuguesas continuam a investir no Brasil, mas que há outros mercados ainda mais interessantes para essas empresas neste momento (inclusive no ramo da hotelaria).
Título:
Enviado por: Jose M. em Fevereiro 01, 2008, 08:19:53 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Muito pelo contrário, se acaba-se a Monarquia, acabava-se com a Espanha, o Rei e a familia real é um factor de união em Espanha.


Estoy de acuerdo contigo en que la actual monarquía es un factor de unión en España, pero no es el único ni el más importante, y por lo tanto, no estoy de acuerdo contigo en que se acabaría España. De hecho muchos de los argumentos de los separatistas es la actuación de antiguos monarcas españoles.

Una República Española no creo que fuera muy distinta a la actual, sobre todo teniendo en cuenta aquello que dijo Quevedo de que "poderoso caballero es Don Dinero". Los distintos políticos autonómicos lo saben y actúan en consecuencia intentando tirar de la cuerda lo justo para sacar el mejor beneficio sin llegar a romperla.

Italia, Estados Unidos o Alemania son ejemplos de repúblicas con diversidad territorial e incluso étnica que no precisan de un rey para funcionar.

Aunque respeto y aprecio mucho la labor de nuestro Rey, soy republicano. Esto no quiere decir que mañana vaya a agarrar un fusíl en defensa de la República Española, mis preocupaciones son más corrientes: pagar facturas, comer tres veces al día, que no me asalten en la calle, o que si me pongo enfermo no me muera en un rincón por falta de dinero. Y mientras eso funcione no tomaré el fusíl y me limitaré a votar al partido político que mejor defienda mis intereses. Y honradamente creo que esta es la actitud de la inmensa mayoría de los españoles.

Cabeça, en tu opinión ¿qué es lo que haría que España se rompiera en ausencia de un rey?

Recibe un cordial saludo.
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 18, 2008, 10:10:27 pm
1- Equipas de Operações Especiais atacam os radares espanhois.

(mapa das bases aéreas espanholas)
http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Span ... _bases.gif (http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Spanish_Air_bases.gif)

(ordem de batalha do Exército do Ar)
http://en.wikipedia.org/wiki/Spanish_Ai ... _of_Battle (http://en.wikipedia.org/wiki/Spanish_Air_Force_Order_of_Battle)

2- F-16 portugueses (uma das esquadras) atacam de supresa a Base Aérea Sevilha-Moron (onde se concentram todos os Eurofighters espanhois).

3- A outra esquadra de F-16 (usando a Madeira) ataca a Base Aérea de Las Palmas nas Canárias destruindo os F-18 que lá se encontram.

4- Os Alpha Jet atacam a Base Aérea de Talavera (perto de Badajoz) onde se encontram aviões F-5.

5- O Tridente e o Arpão fariam um raid à Marinha Espanhola para destruir o maximo de fragatas F-100, deste modo nem o Principe das Asturias nem o BPE se fariam ao mar pois não possuem escoltas, a marinha espanhola ficaria paralizada com a excepção dos submarinos.

6- Após a destruição das F-100 os P-3 Orion Portugueses teriam carta branca para caçar os submarinos espanhois.


Dependendo da gravidade dos problemas politicos que poderiam levar a um conflito Portugal-Espanha, a destruição dos Eurofighters, F-100 e submarinos,  a ameaça às Canárias, poderiam levar a Espanha à mesa de negociações.

Caso o problema fosse bem mais grave seria necessário uma maior destruição das forças armadas espanholas.


(2º Round)

Os F-18 da Base Aérea de Saragoza são a unica força de caças que defende Madrid e que protege a fronteira com a França, é questionável o seu envio para Bases Aéreas mais proximas de Portugal.

Sobra os Mirage F-1 que se situam na Base Aérea de Los Llanos, caso fossem enviados para perto de Portugal teriam que ser destruidos.

Os F-16 portugueses conseguem isolar a 11ª Brigada Mecanizada na Extremadura fora do apoio do resto da Divisão, a Brigada Mecanizada Portuguesa dá o golpe final (grande filme :( , teriam que retirar rapidamente para junto da Brigada de Intervenção.

A Brigada da Legião Espanhola encontra-se fixa no sul de Espanha pois está na mesma situação da Divisão Brunette.

A Brigada de Pára-quedistas Espanhola está no chão, pois qualquer C-130 é um alvo para os nossos F-16.

As unidades de Montanha Espanholas estão nos Pirineus e estão longe da zona de conflito.


Isto foi um "first Strike" português, claro que se fosse o oposto tavamos lixados :?: .

Que tal :D ...
Título:
Enviado por: SSK em Abril 19, 2008, 12:20:09 am
Citar
Isto foi um "first Strike" português, claro que se fosse o oposto tavamos lixados Laughing , o melhor seria a FAP e a Armada portuguesa retirar o mais rapido possivel para os Açores enquanto o Exército se "diluia" na população e efectuava uma guerra de guerrilha Question .


Eles são tantos que seria difícil passarem despercebidos no meio do povo...
Título:
Enviado por: tyr em Abril 19, 2008, 12:28:01 am
diluir 15.000 homens numa população de 10.000.000 é dificil?
não acho, muito pelo contrario, é só arranjarem empregos nas suas terras de origem, nem que seja como arrumadores de carros ou mendigos (no pior dos casos).
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Abril 19, 2008, 12:41:51 am
15.000?
Título:
Enviado por: tyr em Abril 19, 2008, 01:25:45 am
se houver uma invasão existirão alguns militares que terão que combater para dar tempo para o resto das forças armadas desmobilizarem (para alem dos que desertariam pois não são verdadeiros militares mas sim mercenarios que vêm o exercito como um emprego), 15.000 foi a minha estimativa de pessoal militarmente valido que possivelmente sobraria (a nivel do exercito e com o actual quadro organico).
Título:
Enviado por: SSK em Abril 19, 2008, 01:35:11 am
Citação de: "tyr"
se houver uma invasão existirão alguns militares que terão que combater para dar tempo para o resto das forças armadas desmobilizarem (para alem dos que desertariam pois não são verdadeiros militares mas sim mercenarios que vêm o exercito como um emprego), 15.000 foi a minha estimativa de pessoal militarmente valido que possivelmente sobraria (a nivel do exercito e com o actual quadro organico).


Não sei se percebeu, mas eu estava a ser ironico... São de mais para  a nossa realidade... 15000 está um mãos largas, existe assim tanta malta corajosa no exercito??? Na marinha não existe essa relação corajosos/militares decerto...
Título:
Enviado por: old em Abril 19, 2008, 09:49:50 am
Citação de: "Lightning"
1- Equipas de Operações Especiais atacam os radares espanhois.

(mapa das bases aéreas espanholas)
http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Span ... _bases.gif (http://en.wikipedia.org/wiki/Image:Spanish_Air_bases.gif)

(ordem de batalha do Exército do Ar)
http://en.wikipedia.org/wiki/Spanish_Ai ... _of_Battle (http://en.wikipedia.org/wiki/Spanish_Air_Force_Order_of_Battle)

2- F-16 portugueses (uma das esquadras) atacam de supresa a Base Aérea Sevilha-Moron (onde se concentram todos os Eurofighters espanhois).

3- A outra esquadra de F-16 (usando a Madeira) ataca a Base Aérea de Las Palmas nas Canárias destruindo os F-18 que lá se encontram.

4- Os Alpha Jet atacam a Base Aérea de Talavera (perto de Badajoz) onde se encontram aviões F-5.

5- O Tridente e o Arpão fariam um raid à Marinha Espanhola para destruir o maximo de fragatas F-100, deste modo nem o Principe das Asturias nem o BPE se fariam ao mar pois não possuem escoltas, a marinha espanhola ficaria paralizada com a excepção dos submarinos.

6- Após a destruição das F-100 os P-3 Orion Portugueses teriam carta branca para caçar os submarinos espanhois.


Dependendo da gravidade dos problemas politicos que poderiam levar a um conflito Portugal-Espanha, a destruição dos Eurofighters, F-100 e submarinos,  a ameaça às Canárias, poderiam levar a Espanha à mesa de negociações.

Caso o problema fosse bem mais grave seria necessário uma maior destruição das forças armadas espanholas.


(2º Round)

Os F-18 da Base Aérea de Saragoza são a unica força de caças que defende Madrid e que protege a fronteira com a França, é questionável o seu envio para Bases Aéreas mais proximas de Portugal.

Sobra os Mirage F-1 que se situam na Base Aérea de Los Llanos, caso fossem enviados para perto de Portugal teriam que ser destruidos.

Os F-16 portugueses conseguem isolar a 11ª Brigada Mecanizada na Extremadura fora do apoio do resto da Divisão, a Brigada Mecanizada Portuguesa dá o golpe final (grande filme :( , teriam que retirar rapidamente para junto da Brigada de Intervenção.

A Brigada da Legião Espanhola encontra-se fixa no sul de Espanha pois está na mesma situação da Divisão Brunette.

A Brigada de Pára-quedistas Espanhola está no chão, pois qualquer C-130 é um alvo para os nossos F-16.

As unidades de Montanha Espanholas estão nos Pirineus e estão longe da zona de conflito.


Isto foi um "first Strike" português, claro que se fosse o oposto tavamos lixados :?: .

Que tal :D ...




Que interesante! Pero aun suponiendo que atacaran sin crisis ni tensiones previas
ha cometido algunos errores.

2 La Base Aerea de Sevilla no es la unica que tendra Eurofighters. Se repartiran entre Sevilla (Moron) y Albacete (Los LLanos, importante base sede de una escuela europea de pilotos)

¿mataran a pilotos europeos y aviones extranjeros que esten alli?

Cerca de Sevilla esta un importante regimiento antiaereo con 8 lanzadores Patriot y varias baterias Hawck.. Supongo que tendran en cuenta que no esten haciendo ejercicios de tiro por si acaso jeje



La Base aerea de Gando en Gran Canaria es una de las seguras del mundo!! Tienen refugios acorazados antibombas,refugios subterraneos,  varios escuadrones de vigilancia y sobre todo 2 Baterias Nassam, los 22 F18A+ y son paso frecuente de numerosas aereonaves de ejercitos aliados y ejercicios conjuntos.


 Las Fragatas F100 Estan basadas en El Ferrol (norte) y normalmente estan haciendo ejercicios en la otra parte del planeta, o en Canarias,  o al mando de la flota permanente de la Otan. Navegan durante todo el año. No las pillarian a todas juntas, no encontrarian nada. Quiza 1 unidad haciendo tareas de mantenimiento como
mucho.

El PDA y el BPE estan basados en Rota (sur). Es una base que los Norteamericanos utilizan
bastante para su 6ª flota. Una base conjunta. Y ademas
cerca de la Base de Submarinos de Cartagena. ¿tambien atacarian algun Burke por error?

Sobre las brigadas acorazadas... ¿aun les quedan bombas a sus F16 para destruir todos los Tanques?

No existe guerra sin tensiones previas ni crisis, pero aun imaginando que asi fuera no es tan sencillo como usted dice, porque muchas unidades estan fuera de sus bases, hay personal civil y extrangero haciendo ejercicios etc etc etc

La respuesta Española despues de la sorpresa incinial seria en hacer volver todas las unidades al pais, contabilizar las perdidas y preparar el contraataque.

Un saludo
Título:
Enviado por: tyr em Abril 19, 2008, 10:47:57 am
ssk não te esquecas que quando um pais é invadido e as familas do pessoal nas fileiras é ameaçado, a coragem aparece, pois ganham muita motivação, mesmo que parte desses 15000 não queiram, quando virem as barbaridades cometidas por uma força de ocupação (pois mesmo que o comando dessa força não queira existem sempre soldados que terão comportamento totalmente inapropriados e brutais) mudarão de ideias e eventualmente irão se juntar à resistencia.

Portugal atacar Espanha, actualmente é impensavel, mas com bom planeamento é possivel deixar Espanha sem capacidades para retaliar (coisa que eles nunca perderão, pois se os espanhois abrirem as comportas de algumas barragens ou as destruirem intencionalmente simplesmente destruirão o vale do tejo e não sei se o do Douro tambem e este é só um exemplo de retaliação, eu consigo imaginar inumeros cenarios retaliatórios sem forças armadas espanholas a invadirem o pais), mas para fazer isso Portugal para alem de atacar os meios aereos, blindados e navais, teria em simultaneo  que fragilizar o complexo industrial e energetico espanhol, para alem de incentivar os separatismos que existem em Espanha (e possivelmente treinar e equipar alguns deles).
Título:
Enviado por: Lightning em Abril 19, 2008, 10:55:55 am
Este tópico é "guerra entre Portugal e Espanha", não é "piquenique entre Portugal e Espanha".

É claro que actualmente o que eu disse é impossivel, não temos F-16 MLU nem Pandur em número suficiente, ainda não temos nenhum Leopard 2A6 nem U209PN.
Não temos as Brigadas com o efectivo completo, já há muito que se comenta os Batalhões com 2 Companhias de Atiradores, etc.
Título:
Enviado por: SSK em Abril 19, 2008, 11:27:40 am
Citar
Este tópico é "guerra entre Portugal e Espanha", não é "piquenique entre Portugal e Espanha".


Tem toda a razão!!! É mais um tópico humorista... Táctica não é bem o forte da maioria do pessoal que a aqui escreve.
Título:
Enviado por: old em Abril 19, 2008, 11:42:08 am
Citação de: "tyr"
ssk não te esquecas que quando um pais é invadido e as familas do pessoal nas fileiras é ameaçado, a coragem aparece, pois ganham muita motivação, mesmo que parte desses 15000 não queiram, quando virem as barbaridades cometidas por uma força de ocupação (pois mesmo que o comando dessa força não queira existem sempre soldados que terão comportamento totalmente inapropriados e brutais) mudarão de ideias e eventualmente irão se juntar à resistencia.

Portugal atacar Espanha, actualmente é impensavel, mas com bom planeamento é possivel deixar Espanha sem capacidades para retaliar (coisa que eles nunca perderão, pois se os espanhois abrirem as comportas de algumas barragens ou as destruirem intencionalmente simplesmente destruirão o vale do tejo e não sei se o do Douro tambem e este é só um exemplo de retaliação, eu consigo imaginar inumeros cenarios retaliatórios sem forças armadas espanholas a invadirem o pais), mas para fazer isso Portugal para alem de atacar os meios aereos, blindados e navais, teria em simultaneo  que fragilizar o complexo industrial e energetico espanhol, para alem de incentivar os separatismos que existem em Espanha (e possivelmente treinar e equipar alguns deles).



Ni aun atacando por sorpresa con todos sus medios se asegurarian gran cosa.

Nada mas detectar una traza hostil en los radares se enviarian los Scrambles  ( unos 15 F18 en tiempos de paz listos para despegar en unos minutos) y a partir de ahi el resto..

Destruirian algunos aviones estacionados fuera de los hangares, quiza algunos barcos y algunos blindados, Nada mas.


Lo mas logico seria plantear un conflicto mas realista.

Escalada de tensiones y conflicto belico declarado. No atacar un domingo por la mañana cualquiera ;)








Durante la crisis de peregil +90% de la poblacion estuvo a favor de una respuesta armada. Una cosa son los regionalismos derivados de la organizacion territorial Española y la competitividad economica entre comunidades y otra separatismos inexistentes. Iban a entrenar a los
desgraciados de ETA? Esos no necesitan nada de Portugal..
Título:
Enviado por: SSK em Abril 21, 2008, 10:43:45 pm
Para além de tudo assinalado anteriormente, não nos podemos esquecer que existem países que têm serviços secretos!!! :?
Título:
Enviado por: bishop em Abril 26, 2008, 11:14:38 pm
Uma guerra entre Portugal e espanha...

Se algum dia isso viesse a acontecer por muita tristeza minha as nossas forças armadas seriam dizimadas em poucos meses...mas obviamente isso não quer dizer nada vejam o caso do Afeganistão quando foram invadidos pela união soviética...
Bem primeiro Portugal tem vários aliados e acho que não ficariam muito contentes com essa triste ideia países como a China encontrariam um motivo forte para participar nessa guerra...
Segundo Portugal é um pais com vários imigrantes e esses tenho a certeza absoluta que fariam tudo para defender a pátria e muitos desses fazem parte de exércitos profissionais desde que façam um bom trabalho podem ficar até a idade da reforma a defender outro território que não o deles...muitos deles fazem parte da legião estrangeira outros de exércitos da Europa e com treinos bastante modernos e com material superior (espanha que eu saiba não é o centro do mundo...)
Numa situação dessas iriam nascer vários grupos de nacionalistas de ex militares que numa primeira instância iriam fazer tudo para dar cabo de interesses espanhois económicos no nosso território e de vez em quando uma infiltração clandestina a boa moda militar em espanha para dar cabo de monumentos envenenamento de agua e alimentos  (estamos em guerra e tudo vale principalmente em operações não convencionais...)cada dia que passasse o moral espanhol ia baixar e as "pesetas" gastas na invasão de Portugal daria lugar a interrogações na opinião publica espanhola....e se para isso fosse preciso matar civis digo ja que não teria problema algum pois muito Português iria falecer numa guerra desse género...
A questão fica no ar seria que o espanhol comum iria suportar a fúria de um povo que a ETA ao lado desse são meninos de coro...não creio...
E para os espanhóis que gostam de falar de guerra aqui e que Portugal não teria hipóteses etcetc sim é verdade seriamos derrotados mas enquanto houvesse Português nenhum espanhol dormiria em paz porque os ataques seriam em qualquer lugar e melhor invisíveis vejam quantos americanos morreram depois do fim da guerra no Iraque...
Enfim viva PORTUGAL e ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque eu seria o maior filho _@!%)# do vale....AMEN essa seria a reza do Português caso espanha entrasse no nosso território e a vossa "livra-nos do Portuga AMEN...."
Título:
Enviado por: typhonman em Abril 27, 2008, 03:16:06 am
China?
Título:
Enviado por: alphaiate em Abril 27, 2008, 03:28:57 am
sinceramente... não vejo tal conflicto a vir a acontecer... e expero nunca vir a ver... mas sendo isto um grande "suponhamos"... alguem um dia disse que para tirar um português de casa... até morto são precisos quatro homens.... por isso ... :)
Título:
Enviado por: bishop em Abril 27, 2008, 09:02:57 am
Citar
China?


Era a melhor hipótese que eles tinham para puder entrar na Europa uma..."guerra"muita gente do mundo militar pensa que a próxima grande ameaça vira da Ásia a China por exemplo tem gasto bastante na sua maquina militar...o Japão por exemplo tem varias disputas territoriais com os seus vizinhos um dia o paragrafo da constituição deles que diz que as forças armadas só servem para defesa vai desaparecer...Enfim Portugal tem uma boa relação com a China e não só mas acredito que uma guerra na velha Europa seria desculpa para a entrada de países asiáticos...agora a realidade é outra não esquecer que fazemos parte da NATO desde 1949 e a espanha desde 1982 um dos dois países teria de quebrar o tratado para puder atacar o outro...

"The Parties of NATO agreed that an armed attack against one or more of them in Europe or North America shall be considered an attack against them all. Consequently they agree that, if such an armed attack occurs, each of them, in exercise of the right of individual or collective self-defense will assist the Party or Parties being attacked, individually and in concert with the other Parties, such action as it deems necessary, including the use of armed force, to restore and maintain the security of the North Atlantic area."

Não creio que a Espanha vá tentar sujar o chão "sagrado":) de Portugal de toda a maneira como já disse até o podem fazer mas não iam ficar muitos anos...
Título:
Enviado por: tyr em Abril 27, 2008, 02:04:25 pm
Eu mencionei o COIR (foi o curso mais divertido (ia diser interessante, mas ja tirei muitos cursos de muito interesse) que já tirei).

numa situação real de conflito o mais certo éra certa parte das forças armadas resistir para o resto se poder diluir e criar uma resistencia.
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 28, 2008, 02:01:34 am
Citação de: "bishop"
Numa situação dessas iriam nascer vários grupos de nacionalistas de ex militares que numa primeira instância iriam fazer tudo para dar cabo de interesses espanhois económicos no nosso território e de vez em quando uma infiltração clandestina a boa moda militar em espanha para dar cabo de monumentos envenenamento de agua e alimentos  (estamos em guerra e tudo vale principalmente em operações não convencionais...)cada dia que passasse o moral espanhol ia baixar e as "pesetas" gastas na invasão de Portugal daria lugar a interrogações na opinião publica espanhola....e se para isso fosse preciso matar civis digo ja que não teria problema algum pois muito Português iria falecer numa guerra desse género...
A questão fica no ar seria que o espanhol comum iria suportar a fúria de um povo que a ETA ao lado desse são meninos de coro...não creio...
E para os espanhóis que gostam de falar de guerra aqui e que Portugal não teria hipóteses etcetc sim é verdade seriamos derrotados mas enquanto houvesse Português nenhum espanhol dormiria em paz porque os ataques seriam em qualquer lugar e melhor invisíveis vejam quantos americanos morreram depois do fim da guerra no Iraque...
Enfim viva PORTUGAL e ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque eu seria o maior filho _@!%)# do vale....AMEN essa seria a reza do Português caso espanha entrasse no nosso território e a vossa "livra-nos do Portuga AMEN...."


En primer lugar en unha guerra non vale todo, ate as guerras tem as suas "leis", de fazer os portugueses o que vocé esta a dicir de asesinar civiles debe recordar que a resposta por parte de España pode ser a mesma, responder a ese "todo vale" co mesmo en Portugal, nos temos 45 millones de habitantes, Portugal 10 ¿quen pensa que se quedaría antes sen xente? :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 28, 2008, 02:33:57 am
Numa guerra não vale tudo?
discordo completamente, em tempo de paz fazem se acordos bonitos e teoricos, mas asim que começam as frontalidades é ver o pessoal a ignorar essas mesmas leis (é só olhar para o uso de substancias incendiarias pelos americanos, o caso de guantanamo etc...), pois durante um conflito o mais importante é sobreviver, se quando ele acabar eu for julgado, pelo menos quer dizer que estou vivo.
E mais, numa guerra subversiva os combatentes da guerrilha normalmente não são tratados como combatentes mas sim como terroristas ou criminosos,  e se a espanha retaliasse de uma forma igual o mais certo era o numero de guerrilheiros aumentar exponencialmente para alem de portugal ganhar apoio internassional, pois portugal como pais invadido tem todo o direito de se defender com os meios ao seu dispor.

Portugal invadido consegue transformar 20% da sua população em guerrilheiros (no caso da espanha atacar com brutalidade), agora se a espanha atacar com 2.000.000 de espanhois  (o que seria um para um, o que qualquer estratega diria estar errado pois a proporção de quem combate uma força subversiva deve ser no minimo 10 para 1, pois para alem de caçarem os insurectos, têm que defender as infraestruturas economicas, militares e politicas), como vai suportar economicamente esse esforço, pois o pessoal em idade de gerar dinheiro ao pais estara a dedicar se a matar ou mais provavelmente morrer (pois normalmente uma força de guerrilha tem a iniciativa).
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 28, 2008, 02:55:40 am
Enton estamos de acordo, non hay reglas e vale todo por tanto o método máis simple é masacrar ós civiles portugueses en cuanto se teñan a tiro, se non hai civiles que apoien ás guerrillas non hai guerrillas eso é o máis simple. :roll:
Título:
Enviado por: Boina_Verde em Abril 28, 2008, 03:24:29 am
o que eu acho...é que aqui o povo tuga ia resistir aos castelhanos(eu dáva uma ajuda na resistência é claro porque ficar a ver esses castelhanos a dominar o nosso país ia encher-me de raiva...eu ate dáva um bom elemento da resistência :Ups:

os espanhõis iam ter o vietmane deles  f2x2x
Título:
Enviado por: tyr em Abril 28, 2008, 03:54:58 am
Erradicar um povo, isso é impraticavel por varios motivos (a não ser que se utilizem armas nucleares, mas a partir dai essa zona ficaria inutilizavel durante decadas), e os espanhois iriam erradicar tambem os milhões de portugueses que se encontram noutros paises e que têm uma comunidade suficientemente forte para provocar a intervenção armada de certos paises se houver limpeza etnica, para alem do corte de relações comerciais a nivel mundial? basicamente a espanha erradicava os portugueses de portugal (o que é impossivel pois a partir do momento em que os portugueses se apercebessem disso todos eles pegariam em armas para defender nem que seja a sua vida) e depois morria à fome.
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 28, 2008, 04:11:05 am
Citação de: "tyr"
Erradicar um povo, isso é impraticavel por varios motivos (a não ser que se utilizem armas nucleares, mas a partir dai essa zona ficaria inutilizavel durante decadas), e os espanhois iriam erradicar tambem os milhões de portugueses que se encontram noutros paises e que têm uma comunidade suficientemente forte para provocar a intervenção armada de certos paises se houver limpeza etnica, para alem do corte de relações comerciais a nivel mundial? basicamente a espanha erradicava os portugueses de portugal (o que é impossivel pois a partir do momento em que os portugueses se apercebessem disso todos eles pegariam em armas para defender nem que seja a sua vida) e depois morria à fome.


Se voce anda a decir que na guerra todo vale, e algun dos seus compatriotas anda a dar por bom matar a civiles españoles ¿cree acaso que os españoles iban a quedar a mirar como os matan? non señor habería unha resposta adecuada, español morto = portugues morto, en cuanto os portugueses se deran conta de que se as guerrillas mataban españoles as suas vidas estaban en peligro a ver que decidian.
Título:
Enviado por: tyr em Abril 28, 2008, 04:41:06 am
Eu nunca falei em matar civis espanhois, falei em atacar as infraestruturas energeticas, economicas, militares e politicas (obviamente que alguns civis serão apanhados pelo meio, mas isso nunca é um objectivo, muito pelo contrario).
O objectivo de acções subversivas é fazer com que espanha pague um preço demasiado caro pela ocupação de portugal e que fique confrontada com duas opções, que são: ou sai de portugal ou então tornar se num pais cheio de pessoas esfomeadas, sem infraestruturas funcionas e com os sistemas de apoio civil sobrelotados, para alem de não ter capacidade financeira ou credibilidade para nada, (e se possivel incentivar grupos separatistas para o fazer, aproveitando o descontatnamento da população (pois quando faltat o pão todos refilam, ninguem tem razão)).
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 28, 2008, 05:59:59 am
Eu non falaba de voce co de matar civis se non de bishop, os ataques ás infraestructuras españolas non iban a ser faciles se non se permite sair aos portugueses de Portugal :roll:
Título:
Enviado por: pedro em Abril 28, 2008, 02:22:25 pm
Esta guerra é impossivel por agora.
E depois nao ha nenhum governo espanhol que o fizesse por que a opiniao publica espanhola ia os atacar a toda a força.
E depois era bascos,portugueses,catalanes, galegos etc...
Tudo contra Espanha acha que voce iram ganhar com em 1600???
Eu acho que nao e a Espanha acabava destruida.
Mas isto nao vai acontecer. :wink:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 28, 2008, 11:50:18 pm
Citação de: "pedro"
Esta guerra é impossivel por agora.
E depois nao ha nenhum governo espanhol que o fizesse por que a opiniao publica espanhola ia os atacar a toda a força.
E depois era bascos,portugueses,catalanes, galegos etc...
Tudo contra Espanha acha que voce iram ganhar com em 1600???
Eu acho que nao e a Espanha acabava destruida.
Mas isto nao vai acontecer. :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 12:20:44 am
Possivelmente não tão mal pois o risco referido é o de uma implosão cultural e respectivamento desmembramento da nação espanhola (que eu sempre achei um termo arrogante, pois portugal faz parte da hispania, os reis catolicos não tinham direito de nomear o imperio castelhano com o nome romano da peninsula iberica). portugal não pode implodir, pois é só um povo com uma cultura, a espanha não o é.
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 29, 2008, 12:50:21 am
Citação de: "tyr"
Possivelmente não tão mal pois o risco referido é o de uma implosão cultural e respectivamento desmembramento da nação espanhola (que eu sempre achei um termo arrogante, pois portugal faz parte da hispania, os reis catolicos não tinham direito de nomear o imperio castelhano com o nome romano da peninsula iberica). portugal não pode implodir, pois é só um povo com uma cultura, a espanha não o é.


España hace ya siglos que se usa para referirse a este terruño y no a toda la peninsula, le recuerdo que Felipe II ya usaba el título de rey de España ANTES de 1580. Tanto que se tiene oído eso de la "implosión" y mire usted que no pasa nunca, ni en las victorias ni en las derrotas :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 12:55:55 am
Portanto os catalães estão contentes em ser espanhois, os bascos não têm a eta e boa parte dos galegos não dizem que se sentem mais proximos de portugal do que de espanha.
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 29, 2008, 01:04:38 am
Citação de: "tyr"
Portanto os catalães estão contentes em ser espanhois, os bascos não têm a eta e boa parte dos galegos não dizem que se sentem mais proximos de portugal do que de espanha.


De era tan "boa parte" como vocé esta a dizer o BNG non sería o TERCER partido do parlamento galego, é o que MENOS votos ten dos 3 que están, así que algo debe fallar no seu cálculo.

ETA ten un apoio de 200.000 persoas máximo (os que votan a HB nas eleccións) e no Pais Vasco viven case 3 millóns.

¿Sabe quantos votos sacaron os partidos nacionalistas en Cataluña nas últimas eleccións?

Entre CiU en ERC (e CiU é máis autnomista que independentista) conseguiron  1.064.244 votos de 3.710.166 persoas que votaron, outros 1.578.570 abstiveronse ou votaron en blanco, en cambio o PSC-PSOE e o PP conseguiron 2.277.741 votos, é dizer MÁIS do doble, non está mal para que non gosten de ser españoles ¿verdade? :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 01:16:18 am
A questão é que esta lá a semente, se esses povos passarem por privações derivados de um conflito entre espanha e portugal, essas sementes podem floresher.
A eta até a relativamente pouco tempo (uma ou duas decadas) tinha um consideravel apoio popular no pais basco, agora o governo espanhol foi inteligente e utilizou taticas de guerra contra subversiva, sendo que a principal foi a de melhorar as condições de vida dos Bascos (sendo que em simultaneo a ETA fez uns ataques pouco oportunos que mataram quem não deviam e dessa forma tambem eles perderam apoio popular).
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 29, 2008, 01:25:18 am
Citação de: "tyr"
A questão é que esta lá a semente, se esses povos passarem por privações derivados de um conflito entre espanha e portugal, essas sementes podem floresher.
A eta até a relativamente pouco tempo (uma ou duas decadas) tinha um consideravel apoio popular no pais basco, agora o governo espanhol foi inteligente e utilizou taticas de guerra contra subversiva, sendo que a principal foi a de melhorar as condições de vida dos Bascos (sendo que em simultaneo a ETA fez uns ataques pouco oportunos que mataram quem não deviam e dessa forma tambem eles perderam apoio popular).


¿Melhorar o que? :roll: ¿ou acaso esta a pensar que el non ia facer o mesmo se a cousa se pon mala para ele? Lembre que Portugal só tem fronteira con España, pero España pode seguir a comerciar con o resto do mundo a través do Mediterraneo e de Francia.
Título:
Enviado por: NVF em Abril 29, 2008, 06:08:24 am
E fantástico que ao fim de tantos séculos, os nossos vizinhos de Leste ainda não se aperceberam que a principal fronteira de Portugal foi sempre o Atlântico.

A velha dicotomia das potencias continentais versus as potencias marítimas parece não ter sido digerida por alguns.  A leitura de Mahan e Mackinder aconselha-se.
Título:
Enviado por: ferrol em Abril 29, 2008, 08:01:55 am
Citação de: "NVF"
E fantástico que ao fim de tantos séculos, os nossos vizinhos de Leste ainda não se aperceberam que a principal fronteira de Portugal foi sempre o Atlântico.
Nembargantes, Portugal vive de costas a ela...nin a usa para transporta-las súas mercadorías, posto que a maioría delas saen por terra a Europa, nin a usa para atraer inversións, posto que as autopistas marítimas que pasan por diante de Portugal non son empregadas para que os buques recalen nos séus portos, nin sequera lle gusta mirar de vixialas, posto que non ten apenas con qué facelo... pero sí, físicamente, só físicamente, a fronteira máis grande de Portugal é o Atlántico.

Citação de: "NVF"
A velha dicotomia das potencias continentais versus as potencias marítimas parece não ter sido digerida por alguns.  A leitura de Mahan e Mackinder aconselha-se.
Só agardo que os militares portugueses non teñan por referencia os textos militares do século XIX de Mahan, ¿Volveremos ver deadnaughts na Iberia?  :shock:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 10:32:50 am
Actualmente a maior defesa de portugal é termos uma força de milhares de homens preparados para guerra subversiva (somos o unico pais no mundo onde os quadros das forças regulares têm formação subversiva), ou seja portugal esta pronto para destruir o fabrico economico de qualquer potencia que nos invada (de modo a tornar insustentavel a ocupação de territorio portugûes), e para isso não precisamos de exercito (pois se invadiram é sinal que o exercito não teve capacidade num confronto directo).
E por acaso grande parte do comercio portugês é por via maritima (só não é mais porque estamos na CE).

O pais basco comparo o à Bosnia e a catalunha à croacia (ambos com um nivel de vida muito bom antes da guerra nos balcâs), foi só espicaçar os sentimentos nacionalistas (que até essa data eram residuais, tal como em espanha) e temos uma guerra civil.
Título:
Enviado por: Roque em Abril 29, 2008, 01:22:21 pm
Citar
Portugal invadido consegue transformar 20% da sua população em guerrilheiros (no caso da espanha atacar com brutalidade)

Un 20% da poboación e moitísimo, cíteme un caso na historia da humanidade no que o 20% dun país se convertira en guerrilleira por moita brutalidade que lle bote. La Résistance francesa durante a invasión nazinon chegou a superar o 2% ou o 3%

Citar
agora se a espanha atacar com 2.000.000 de espanhois (o que seria um para um, o que qualquer estratega diria estar errado pois a proporção de quem combate uma força subversiva deve ser no minimo 10 para 1,

¿Non se cansa de inventar datos e cifras irreis? Segun os seus calculos se en Afganistan o 3% (7 veces menos do que propón vostede) da poboación é rebelde a forza da OTAN necesita "no mínimo" 8.000.000 de homes  :roll: (e os talibáns tamén saben un pouco de "forza subersiva")
Según os seus números (20% en proporcion 10 a 1) para invadir portugal necesitase no mínimo 20.000.000 de homes, ¿De verdade se cree a súas cifras?.
Pense un pouco antes de soltar numeros ao azar.

Un saudo.
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Abril 29, 2008, 01:30:31 pm
Citação de: "ferrol"
Citação de: "NVF"
E fantástico que ao fim de tantos séculos, os nossos vizinhos de Leste ainda não se aperceberam que a principal fronteira de Portugal foi sempre o Atlântico.
Nembargantes, Portugal vive de costas a ela...nin a usa para transporta-las súas mercadorías, posto que a maioría delas saen por terra a Europa, nin a usa para atraer inversións, posto que as autopistas marítimas que pasan por diante de Portugal non son empregadas para que os buques recalen nos séus portos, nin sequera lle gusta mirar de vixialas, posto que non ten apenas con qué facelo... pero sí, físicamente, só físicamente, a fronteira máis grande de Portugal é o Atlántico.

Citação de: "NVF"
A velha dicotomia das potencias continentais versus as potencias marítimas parece não ter sido digerida por alguns.  A leitura de Mahan e Mackinder aconselha-se.
Só agardo que os militares portugueses non teñan por referencia os textos militares do século XIX de Mahan, ¿Volveremos ver deadnaughts na Iberia?  :roll:

Citar
UN PASO ADELANTE

Portugal crea autopistas del mar para unir a sus cinco puertos principales

Portugal anuncia que abrirá estas vías de transporte en sus cinco principales puertos ·· Galicia sólo postula Vigo, que está en peligro de quedar fuera ·· El titular de Economía destaca que el plan estratégico potenciará la cooperación empresarial a ambas orillas del Miño


En Vigo se reflexionó anoche sobre el futuro de la eurorregión, citando a las comunicaciones marítimas como una de las claves para el crecimiento. Mientras se presentaba el último informe autonómico de Funcas, Galicia y Norte de Portugal, claves económicas de una eurorregión, se dio a conocer el órdago del país vecino, que vinculará sus cinco mayores puertos con las autopistas del mar. Lo anunciaba en Lisboa el ministro luso de Obras Públicas, Mário Lino, ante el mismísimo comisario europeo de Transportes, ­Jacques Barrot, que recordó que la UE dispone de 400 millones de euros para apoyar proyectos de esa naturaleza a través de dos programas específicos.
Portugal adelanta a España y Galicia en este ámbito, estableciendo vínculos directos entre sus muelles y los de Holanda, Reino Unido o Italia, de los que quedaría fuera Vigo. En este sentido, el director de Funcas, Victorio Valle, incidió en el Centro Social Caixanova, ante empresarios que han invertido en Portugal como Manuel Rodríguez, presidente del grupo Rodman Polyships, o José Luis Freire, que entre las “oportunidades” de futuro que no debe desperdiciar la eurorregión para acortar su distancia con el PIB comunitario se encuentra aprovechar la potencialidad de las autopistas del mar.
Tras remarcar que la eurorregión “es más que una idea”, animó a los poderes públicos y empresariales a buscar la complementariedad en la economía de Galicia y del Norte de Portugal. Valle cree trascendente potenciar la gestión compartida en áreas económicas como la gestión del I+D, el cuidado del medioambiente o la pesca, a lo que añade apostar por un mercado de trabajo realmente integrado y cohesionar las dos zonas en lo relativo a interacción comercial.
Finalmente, el titular de Economía, José Ramón Fernández Antonio, remarcó ante el alcalde de Vigo, Abel Caballero; el presidente de Caixanova, Julio Fernández Gayoso, y el director general de la caja, José Luis Pego, que el plan estratégico de la eurorregión, con 97 millones de euros, apuesta por potenciar la cooperación empresarial, afirmando que “esta alianza es ya un referente europeo”.

Fonte (http://http)

Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 02:49:29 pm
Numa guerra contrasubversiva as forças que executam essa guerra têm que proteger instalações vitais e em simultaneo caçar os subversivos, que com 100 homens conseguem atacar em qualquer lado (e como têm a iniciativa podem atacar com os 100 homens), se defendes com 1000 homens tudo (10 para 1), não consegues defender nadam (se tiverem que proteger, centrais electricas, fabricas, unidades militares, cabos electricos e condutas de agua, reservatórios de agua, reservatórios de petroleo, etc...), pois tens que dividir as tuas forças (e como têm muitos sitios para defender tendo somente uma proporção de 10 para 1 acabam por meter 10 homem nos sitios mais importantes e mesmo assim deixarem zonas criticas desprotegidas, agora 10 homem atacado por 100 não tem hipotesse (não estou a meter em conta as patrulhas e afins pois teria que fazer um testamento para descrever taticas basicas de uma força guerrilheira))
a proporção de 10 para 1 numa guerra contrasubversiva é normal, por exemplo a ETA é uma força subversiva que têm quantos elementos? poucos comparados com as forças ao dispor do estado espanhol e mesmo assim conseguem ter alguns sucessos taticos, apesar de estrategicamente só estarem a perder, pois estão a perder (se não o perderam já todo) o apoio que ainda tinham de certas camadas da sociedade.
o exemplo do 20% da população era se os espanhois fizessem o que estava descrito por um forista espanhol (que ninhum exercito invasor fez pois quem tem que optar entre lutar para viver e não o fazer e obrigatóriamente morrer, irá numa grande percentagem pegar em armas, sobretudo num pais que têm alguns milhares de pessoas treinadas em guerra subversiva e captção de pessoal para essa guerra).
O afeganistão não é dos melhores exemplos (os talibãs utilizam taticas subversivas mas com objectivos convencionais) pois quem luta lá não são só a NATO, temos o exercito afegão e numa escala de menor fiabilidade a policia afegã (demasiado corrupta para ser efectiva), um bom exemplo é o iraque em que os americas, tiveram que contratar empresas de mercenarios para fazer parte do trabalho e mesmo assim só conseguem garantir a Zona verde (mas não a 100%).
Título:
Enviado por: ricardonunes em Abril 29, 2008, 03:34:31 pm
Citação de: "tyr"
Actualmente a maior defesa de portugal é termos uma força de milhares de homens preparados para guerra subversiva (somos o unico pais no mundo onde os quadros das forças regulares têm formação subversiva), ou seja portugal esta pronto para destruir o fabrico economico de qualquer potencia que nos invada (de modo a tornar insustentavel a ocupação de territorio portugûes), e para isso não precisamos de exercito (pois se invadiram é sinal que o exercito não teve capacidade num confronto directo).
E por acaso grande parte do comercio portugês é por via maritima (só não é mais porque estamos na CE).

O pais basco comparo o à Bosnia e a catalunha à croacia (ambos com um nivel de vida muito bom antes da guerra nos balcâs), foi só espicaçar os sentimentos nacionalistas (que até essa data eram residuais, tal como em espanha) e temos uma guerra civil.


Até estava para "amandar" uma boca, não fosse o granel que o alfabeto fonético deu  :censurado:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 04:24:09 pm
A existencia do COIR não é secreta, agora o que é lá dado é.
Eu falei da existencia do COIR (curso de operações irregulares) que era divulgado pelas nossas chefias (nunca falei do que é lá dado, pois isso não é motivo de conversa de forum), pois é um desencorajador a qualquer pais que quisesse invadir portugal.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Abril 29, 2008, 05:17:28 pm
Citação de: "tyr"
A existencia do COIR não é secreta, agora o que é lá dado é.
Eu falei da existencia do COIR (curso de operações irregulares) que era divulgado pelas nossas chefias (nunca falei do que é lá dado, pois isso não é motivo de conversa de forum), pois é um desencorajador a qualquer pais que quisesse invadir portugal.


De secreto não tem nada, basta consultar a página do CTOE do site do Exército :roll:
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Abril 29, 2008, 05:25:36 pm
Citação de: "ricardonunes"
remeto-me ao silêncio, não vá um dia qualquer ter a visita da PJM à porta :mrgreen:  :wink:
Título:
Enviado por: ricardonunes em Abril 29, 2008, 05:35:17 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "ricardonunes"
remeto-me ao silêncio, não vá um dia qualquer ter a visita da PJM à porta :mrgreen:  c34x  e era mais ou menos ai que eu queria chegar com a conversa.................... não ter as armas em casa, mas .............. :idea:
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 06:02:32 pm
Sabendo que no COIR não existem as partes de endurecimento e formação militar (pois todos os que o frequentam têm formação mais que suficiente), ficarias surpreso na quantidade de coisas que se aprendem.
E armas são faceis de arranjar ou fabricar (pois um engenho explosivo ou uma caçadeira improvisada podem se fazer com coisas que existem no mercado) se o nosso desejo for esse (e em situação de conflito facilmente se arranjariam fornecedores.
Título:
Enviado por: papatango em Abril 29, 2008, 06:23:35 pm
Citar
Portugal invadido consegue transformar 20% da sua população em guerrilheiros (no caso da espanha atacar com brutalidade)
:mrgreen:

Ena tanto guerrilheiro...

E com o que é que se armam esses 20% da população, com paus e pedras :mrgreen:

Se Portugal fosse capaz de organizar 2% (dois por cento) da população para qualquer resistência, já teria formado uma força de mais de 200.000 pessoas.

Se tal fosse possível, nenhuma ocupação seria viável. Mas creio que nem 0.2% da população seria possivel organizar. Mas mesmo 0.2% da população numa organização subversiva, seria uma força que dificilmente poderia ser colocada fora de combate.

Existem muitas formas de organizar uma resistência eficaz, e outras para complicar a vida aos espanhóis.
É por isso que esta questão da guerra entre Portugal e Espanha é supérflua. Nenhum dos dois países pode ganhar uma guerra ao outro, e a superioridade numérica dos espanhóis não é suficiente (aliás não é, como nunca foi e temos aí a história para o provar).

O conflito, não pode ocorrer nas actuais circunstâncias. Ele não é no entanto impossível. Mas neste momento, considerando as «cartas» que estão em cima da mesa, ele só pode ocorrer entre Portugal e uma parte da Espanha e não toda a Espanha.

Aquando da guerra civil de Espanha, há quem afirme que o atestado de óbito da república foi passado no final de 1939, quando o presidente da República Espanhola disse que Portugal era a parte mais rebelde de Espanha, fazendo alusão à intervenção portuguesa ao lado de Franco.
As declarações de Manuel Azanha, deram a Portugal o álibi que precisava para cortar relações diplomáticas com a república e para mais tarde reconhecer os franquistas.

Não teremos problemas com a Espanha. Só poderemos ter problemas com alguma das Espanhas.
Neste momento, esse é o único desenvolvimento que pode tornar-se problemático para o nosso lado.

A posição portuguesa é e sempre foi complicada, mas a da Espanha não é menos.
Imaginem o que aconteceria, se depois de uma crise política, uma maioria da população da Catalunha elegesse um governo que declarasse a independência...
O que aconteceria se em Portugal estivesse um governo que reconhecesse essa independência ?
Como reagiria o governo de Madrid, mesmo sabendo-se que existem razões históricas para Portugal apoiar e reconhecer um eventual Estado Catalão ?

Fechavam as fronteiras ?
Ameaçavam-nos com boicotes ?

Há pura e simplesmente demasiadas incógnitas na equação, para fazer análises sobre o tema.

Cumprimentos


PS: Não há problema nenhum em falar sobre o alfabeto fonético.
Já questões sobre métodos, e tácticas que podem ser aplicadas, dispensam-se.
Título:
Enviado por: tyr em Abril 29, 2008, 07:12:36 pm
Porque é que toda a gente pega com os 20% :Combate:  , sim isto é um debate superfulo, mas é um exercicio superfulo interessante.
Título:
Enviado por: ferrol em Abril 29, 2008, 07:38:52 pm
Citação de: "Jorge Pereira"
Citação de: "ferrol"
Nembargantes, Portugal vive de costas a ela...nin a usa para transporta-las súas mercadorías, posto que a maioría delas saen por terra a Europa, nin a usa para atraer inversións, posto que as autopistas marítimas que pasan por diante de Portugal non son empregadas para que os buques recalen nos séus portos, nin sequera lle gusta mirar de vixialas, posto que non ten apenas con qué facelo... pero sí, físicamente, só físicamente, a fronteira máis grande de Portugal é o Atlántico.
:o

Por outra banda, tamén chama a a atención que a tan denostada neste foro eurorrexión Galicia-Norte de Portugal (outro intento de invasión castelá, decía o moderador...) sirva agora como razón de discusión para os que hai un minuto a denostaban... cousas da vida... :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Abril 29, 2008, 10:49:18 pm
Citação de: "tyr"
e obviamente concordo que sem haver uma mudança drastica na conjuntira internacional, um conflito entre portugal e Espanha é quase impossivel, mas como este topico é sobre Conflitos do Futuro, imagino que daqui a 100 ou 200 anos possa voltar a haver uma guerrita na peninsula iberica
Bom, as guerras na peninsula não são necessáriamente obrigatórias apenas por passarem anos.

A questão é que nós dificilmente entraremos em conflito com a Espanha, desde que nenhum dos países passe por crises internas.

Existem possibilidades de conflito, caso haja conflitos ou em Portugal ou em Espanha.

Se houver conflito interno em Portugal, causado por instabilidade política e desestabilização por incapacidade governativa, o tal caos social de que há algum tempo se falou, então haveria tendência a uma intervenção espanhola  disfarçada de intervenção europeia.

Os últimos governos portugueses reforçaram na Europa a ideia de que Portugal deve depender de Espanha, e que portanto somos uma espécie de região autónoma mais autónoma que as outras.

Se faltar quem mantenha e garanta a estabilidade do Estado e houver uma crise social, então teremos evidentemente cá os espanhóis. E teremos os espanhóis, porque eles serão os principais afectados pela situação. E neste caso quando chegasse, seriam provavelmente aclamados nas ruas por virem por ordem nisto em vez de serem recebidos por movimentos de resistência.

O outro caso é o oposto. Ou seja, instabilidade em Espanha e um conflito provocado pela rotura entre as autonomias.

Este tipo de probema é mais provável que a possibilidade de uma rotura em Portugal, por causa das características da Espanha como país, que nunca conseguiu realmente criar a sociedade que pretendia criar desde Olivares.

A Espanha é um país que tinha um plano que nunca conseguiu concretizar.
Mas uma parte do país, a que normalmente chamamos castelhana, não aceita que esse projecto nunca atingiu os seus objectivos políticos e portante pode reagir violentamente.

Muitas vezes esquecemos que a guerra civil de Espanha foi um conflito entre formas de ver a sociedade, mas também e acima de tudo um conflito cujo rastilho foi a autonomia da Catalunha, razão que levou Nazistas da falange e a direita conservadora católica (já aqui falámos do chamado carlismo) que também é castelhana se tivessem junto contra as autonomias.

Se a Espanha passar a fase autonomista, então não haverá problemas. Mas a questão das autonomias espanholas ainda tem que passar pela sua prova de fogo.

A prova de fogo, é saber se resiste a uma futura crise social grave. Normalmente, se olhármos para a história, em toda a península, sempre que ocorrem essas crises sociais graves, a tendência é a separação de cada um dos povos, pois cada um tem a sua própria visão.

Ora, nunca ocorreu uma destas convulsões sociais na peninsula, sem uma derivação violenta.

É neste último caso que entra Portugal, pois seremos sempre o fiel da Balança.

Como no tempo de Franco, nenhum dos lados nos quererá ter como inimigo, e como nesse tempo, ao afrontar Salazar a República levou a uma radicalização da posição do regime português que a partir de aí passou a considerar como absolutamente imprescindível apoiar Franco contra a República espanhola.

No final de 1936, Portugal já não tinha fronteira com a república, mas o que aconteceria se tivesse?

Portanto os problemas são sempre possíveis e não necessariamente dentro de 200 anos.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: Jorge Pereira em Abril 30, 2008, 04:25:38 am
Citação de: "ferrol"
Citação de: "Jorge Pereira"
Citação de: "ferrol"
Nembargantes, Portugal vive de costas a ela...nin a usa para transporta-las súas mercadorías, posto que a maioría delas saen por terra a Europa, nin a usa para atraer inversións, posto que as autopistas marítimas que pasan por diante de Portugal non son empregadas para que os buques recalen nos séus portos, nin sequera lle gusta mirar de vixialas, posto que non ten apenas con qué facelo... pero sí, físicamente, só físicamente, a fronteira máis grande de Portugal é o Atlántico.
:roll:
Citar
UN PASO ADELANTE

Portugal anuncia que abrirá estas vías de transporte en sus cinco principales puertos ·· Galicia sólo postula Vigo, que está en peligro de quedar fuera ·· El titular de Economía destaca que el plan estratégico potenciará la cooperación empresarial a ambas orillas del Miño

En Vigo se reflexionó anoche sobre el futuro de la eurorregión,
Resulta cando menos chocante o distinto uso dos tempos verbais en Portugal...
Así, se usa o presente para indicar pasado "Olivenza é terra portuguesa", e se usa o verbo futuro para referirse ó presente, "Abrirá estas vías de transporte"...

Así, aquí en España, cando se escribe que Portugal non usa as autopistas marítimas para mirar ó mar, se indica que hoxe en día esto non se fai...pero en Portugal se insiste en indicarnos que Portugal "abrirá" estas vías de transporte coma se fose un feito consumado.

Ogallá o faga, ogallá se abra ó mar, do que tan lonxe vive hoxe en día. Pero mentres non o faga, Portugal vive de costas ó mar.


Citar
El concepto de Autopistas del Mar surge en el Libro Blanco de Transportes de la Comisión Europea de septiembre de 2001

Citar
Hay que esperar hasta el año 2004 para que se dispusiese un marco legal de ayudas para fomentar el concepto de autopistas del mar. ((“TEN-T” – Diario Oficial L 167, 30/04/2004 P.0001 - 0038, COM(2004)0884) constituyéndose como un eje prioritario de desarrollo y que deben estar puestas en marcha para el año 2010.


Siga o tópico...
Título:
Enviado por: comanche em Abril 30, 2008, 12:21:33 pm
Imagens de ataques da guerrilha no Iraque ás forças Americanas, tal como no Iraque, isto seria apenas uma pequena amostra do que faria a guerrilha portuguesa a quem tivesse a ousadia de tentar invadir e ocupar Portugal.


Aviso: Imagens muito violentas


Ataques com bombas
http://es.youtube.com/watch?v=geu4AdVWSHA
http://uk.youtube.com/watch?v=D-hNe5HSUAU&feature=related
http://uk.youtube.com/watch?v=5NKzCmnULik&feature=related

Atiradores furtivos
http://es.youtube.com/watch?v=nBgoqZEyQ5Y&feature=related


Abate de Helicoptero com míssil
http://uk.youtube.com/watch?v=co3qSilsKko&feature=related
Título:
Enviado por: Cabecinhas em Abril 30, 2008, 02:18:13 pm
UODASSE!!!  :shock:  :shock:
Título:
Enviado por: HELLAS em Abril 30, 2008, 05:19:41 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "tyr"
e obviamente concordo que sem haver uma mudança drastica na conjuntira internacional, um conflito entre portugal e Espanha é quase impossivel, mas como este topico é sobre Conflitos do Futuro, imagino que daqui a 100 ou 200 anos possa voltar a haver uma guerrita na peninsula iberica
Bom, as guerras na peninsula não são necessáriamente obrigatórias apenas por passarem anos.

A questão é que nós dificilmente entraremos em conflito com a Espanha, desde que nenhum dos países passe por crises internas.

Existem possibilidades de conflito, caso haja conflitos ou em Portugal ou em Espanha.

Se houver conflito interno em Portugal, causado por instabilidade política e desestabilização por incapacidade governativa, o tal caos social de que há algum tempo se falou, então haveria tendência a uma intervenção espanhola  disfarçada de intervenção europeia.

Os últimos governos portugueses reforçaram na Europa a ideia de que Portugal deve depender de Espanha, e que portanto somos uma espécie de região autónoma mais autónoma que as outras.

Se faltar quem mantenha e garanta a estabilidade do Estado e houver uma crise social, então teremos evidentemente cá os espanhóis. E teremos os espanhóis, porque eles serão os principais afectados pela situação. E neste caso quando chegasse, seriam provavelmente aclamados nas ruas por virem por ordem nisto em vez de serem recebidos por movimentos de resistência.

O outro caso é o oposto. Ou seja, instabilidade em Espanha e um conflito provocado pela rotura entre as autonomias.

Este tipo de probema é mais provável que a possibilidade de uma rotura em Portugal, por causa das características da Espanha como país, que nunca conseguiu realmente criar a sociedade que pretendia criar desde Olivares.

A Espanha é um país que tinha um plano que nunca conseguiu concretizar.
Mas uma parte do país, a que normalmente chamamos castelhana, não aceita que esse projecto nunca atingiu os seus objectivos políticos e portante pode reagir violentamente.

Muitas vezes esquecemos que a guerra civil de Espanha foi um conflito entre formas de ver a sociedade, mas também e acima de tudo um conflito cujo rastilho foi a autonomia da Catalunha, razão que levou Nazistas da falange e a direita conservadora católica (já aqui falámos do chamado carlismo) que também é castelhana se tivessem junto contra as autonomias.

Se a Espanha passar a fase autonomista, então não haverá problemas. Mas a questão das autonomias espanholas ainda tem que passar pela sua prova de fogo.

A prova de fogo, é saber se resiste a uma futura crise social grave. Normalmente, se olhármos para a história, em toda a península, sempre que ocorrem essas crises sociais graves, a tendência é a separação de cada um dos povos, pois cada um tem a sua própria visão.

Ora, nunca ocorreu uma destas convulsões sociais na peninsula, sem uma derivação violenta.

É neste último caso que entra Portugal, pois seremos sempre o fiel da Balança.

Como no tempo de Franco, nenhum dos lados nos quererá ter como inimigo, e como nesse tempo, ao afrontar Salazar a República levou a uma radicalização da posição do regime português que a partir de aí passou a considerar como absolutamente imprescindível apoiar Franco contra a República espanhola.

No final de 1936, Portugal já não tinha fronteira com a república, mas o que aconteceria se tivesse?

Portanto os problemas são sempre possíveis e não necessariamente dentro de 200 anos.

Cumprimentos


Sr.Papatango, desculpe-me, mas tenho que rectificar varias das suas palabras.
Na guerra civil espanhola, o lugar onde iniciou-se a revolta foi em Asturias e a partir de ai expandiou-se a outras partes de Espanha, Castela incluido. Em Catalunha foi activa a resistença, mas depois de lutas pelas ruas entre anarquistas e comunistas e os chamados "paseos"(paseios) a pessoas religiosas e idelogias diferentes, depois chegou a guerra...na entrada das tropas franquistas em Catalunha e especialmente em Barcelona o sector burgues, o sector mais forte economicamente apoio ao Franco.
Emtao, sim, Catalunha luto contra o franquismo, mas tambem tive os seus apoiantes.
Do Carlismo, pois ja expliquei que ate a chegada da guerra civel o Carlismo era un movimento ultracatolico e tradicionalista principalmente, espaçado por tudas as capas sociais, principalmente o agrario, mas quando chegou a guerra partiou-se em dois, os mais de direita e os que nao apoiaban a causa franquista por causas extensas que agora e muito longo de explicar.
Emtao criaram-se dois linhas do Carlismo o Partido Carlista e a Comunion Tradicionalista Carlista.
Pelo que acho injusto dizer que o Carlismo apoio o franquismo, melhor dizer que um sector do Carlismo.
Á muitas coisas que voces nem sabem nem vai a saber, mas voces nao tem a culpa disso, apenas é dos que esconden issos datos para fazer a historia a sua convenença. Quero adelantar-me a algun "amigo"meu deste forum e dizer que o meu avo foi ametrallado mas nao morreu, o meu outro avo foi preso durante dois anos e o irmao da minha abo foi morto, assim que eu franquista pouco posso ser.
Título:
Enviado por: papatango em Abril 30, 2008, 10:15:55 pm
Hellas -> Os problemas específicos da guerra civil espanhola têm mil e uma interpretações, e são neste tópico de importância secundária.

O que é importante é entender que o conflito que discutimos, só pode acontecer como resultado de tensões sociais graves em qualquer dos países.

Não importa muito concluir quem é que apoiou quem. O que importa, é que a partir do outono de 1936, as declarações do presidente Espanhol sobre Portugal resultaram no corte de relações diplomáticas entre Portugal e a República Espanhola.
Ou seja. Quer se queira quer não, houve intervenção portuguesa na guerra e  sem as suas «costas» livres, a Espanha de Franco teria que colocar tropas na fronteira portuguesa, e sem essas tropas na frente, provavelmente a República tinha ganho a guerra.

Dos dois lados da fronteira se sabe, que em caso de haver uma convulsão em Espanha, o apoio português acabará sempre por ser importante.
É esse apoio (ou não apoio) de Portugal a um dos lados, que poderia ser razão de conflito.

Daí a minha questão, sobre o que aconteceria se a Catalunha declarasse a independência e Portugal, por razões históricas tivesse um governo que decidisse reconhecer a Catalunha como estado independente.
O que é que seria mais importante para Portugal?
Madrid, ou Barcelona?

Como sempre digo, as variáveis são demasiadas.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: HELLAS em Abril 30, 2008, 11:18:00 pm
Citação de: "papatango"
Hellas -> Os problemas específicos da guerra civil espanhola têm mil e uma interpretações, e são neste tópico de importância secundária.

O que é importante é entender que o conflito que discutimos, só pode acontecer como resultado de tensões sociais graves em qualquer dos países.

Não importa muito concluir quem é que apoiou quem. O que importa, é que a partir do outono de 1936, as declarações do presidente Espanhol sobre Portugal resultaram no corte de relações diplomáticas entre Portugal e a República Espanhola.
Ou seja. Quer se queira quer não, houve intervenção portuguesa na guerra e  sem as suas «costas» livres, a Espanha de Franco teria que colocar tropas na fronteira portuguesa, e sem essas tropas na frente, provavelmente a República tinha ganho a guerra.

Dos dois lados da fronteira se sabe, que em caso de haver uma convulsão em Espanha, o apoio português acabará sempre por ser importante.
É esse apoio (ou não apoio) de Portugal a um dos lados, que poderia ser razão de conflito.

Daí a minha questão, sobre o que aconteceria se a Catalunha declarasse a independência e Portugal, por razões históricas tivesse um governo que decidisse reconhecer a Catalunha como estado independente.
O que é que seria mais importante para Portugal?
Madrid, ou Barcelona?

Como sempre digo, as variáveis são demasiadas.

Cumprimentos


Apenas aclarei coisas que no seu texto nao eran concretas do tudo, do demais nao tenho nada mais que dizer.
Apenas dizer que este post é muito feio ainda seja una hipotesis, espero que nunca se pase esta guerra.
Título:
Enviado por: Kawa em Abril 30, 2008, 11:27:43 pm
Tecnicamente estamos a falar de 2 cousas diferentes Hellas, a Guerra Civil comeza, oficialmente, o 17 de Julio de 1936 no Protectorado de Marrocos, o que voce esta a relatar é a Revolución de Asturias de 1934 e eso non forma parte da Guerra Civil eso é un precedente pero non é parte da guerra.
Título:
Enviado por: bishop em Maio 01, 2008, 12:11:16 pm
Bem eu disse que não me importava de atacar civis no caso da espanha vir a ocupar Portugal...é óbvio que sim :? não suportava a ideia que o território nacional viesse a ser ocupado por vos...desde quando Portugal tem hipóteses de fazer uma guerra convencional contra vos?a resposta seria uma guerra de guerrilha...
 Não me venham também com palavras bonitas que numa guerra convencional os civis não morrem porque isso é treta basta ver erros da aviação americana no Iraque e mesmo da infantaria ou então as estatísticas de civis que faleceram na guerra...
 Uma guerra não é feita para ser bonita é feita para ganhar se possível com o menos de perdas civis mas há batalhas em que isso não é possível.
 Quando a liberdade de um povo democrático é ameaçada por uma potencia superior a meu ver o povo em questão tem o direito de se defender com todos os meios possíveis e imagináveis contra o invasor.
 Tudo o que estamos aqui a discutir não passam de hipóteses remotas o que eu acho é que no futuro a Europa vai passar a ser um único país (para meu desagrado...)em resposta a varias potencias que começam a emergir da sombra...
Título:
Enviado por: ferrol em Maio 02, 2008, 09:22:07 am
Citação de: "Jorge Pereira"
Citar
Hay que esperar hasta el año 2004 para que se dispusiese un marco legal de ayudas para fomentar el concepto de autopistas del mar. ((“TEN-T” – Diario Oficial L 167, 30/04/2004 P.0001 - 0038, COM(2004)0884) constituyéndose como un eje prioritario de desarrollo y que deben estar puestas en marcha para el año 2010.

Siga o tópico...

Perfectamente entón...hoxe Portugal vive de costas ó mar e os políticos din que no 2010 eso xa non sucederá...¿Podemos crer ós políticos?  :?
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 02, 2008, 11:52:22 pm
Bishop unha cousa son os accidentes, as armas non son infalibles outra o que vocé estaba a dizer de ataques deliverados contra os civis españois, eso non é a guerra eso é un crime de guerra e terían de fazer frente ás consecuencias. O que pregunto eu é ¿por que ten que ser España o que ataque a Portugal cuando o que ten, segundo se di por aqui, reclamacións sobre o outro é Portugal? ¿Que pasa que non gostan de se por de agresores? :roll:
Título:
Enviado por: bishop em Maio 03, 2008, 11:32:03 am
Citar
Bishop unha cousa son os accidentes, as armas non son infalibles outra o que vocé estaba a dizer de ataques deliverados contra os civis españois, eso non é a guerra eso é un crime de guerra e terían de fazer frente ás consecuencias. O que pregunto eu é ¿por que ten que ser España o que ataque a Portugal cuando o que ten, segundo se di por aqui, reclamacións sobre o outro é Portugal? ¿Que pasa que non gostan de se por de agresores? Rolling Eyes

Sim posso aceitar que sejam acidentes mas os acidentes só acontecem porque uma potencia decidiu atacar a outra...
Quanto a crimes de guerra diga me sinceramente se por hipótese remota Portugal fosse uma potencia bastante superior a espanha e o seu territorio fosse invadido por Portugal acha mesmo que as convenções de Genebra iriam ser respeitadas pelos espanhois...

 
Citar
O que pregunto eu é ¿por que ten que ser España o que ataque a Portugal cuando o que ten, segundo se di por aqui, reclamacións sobre o outro é Portugal? ¿Que pasa que non gostan de se por de agresores? Rolling Eyes


Desculpe me mas não percebo o que aqui esta escrito :oops:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 03, 2008, 12:17:42 pm
O que ele está a dizer é que se Portugal e os Portugueses têm as razões de queixa, porque é que não somos nós a fazermos a invasão.
Título:
Enviado por: bishop em Maio 03, 2008, 07:13:07 pm
Citar
O que ele está a dizer é que se Portugal e os Portugueses têm as razões de queixa, porque é que não somos nós a fazermos a invasão.


Obrigado :wink:
Bem vou te explicar então porque não somos nos os primeiros a invadir espanha simples ambos pertencem a União Europeia e a NATO o que faz dos dois aliados.
Alguém me corrija se estou errado alguma vez na historia uma potencia invadiu o território de outra(com intuito de se apoderar do pais em questão) sabendo que essa é muito mais poderosa militarmente...acho que nenhum general que se preze conhecendo a sua própria força e a superioridade do inimigo vai lançar uma ofensiva no intuito de ganhar umas simples batalhas e não manter uma guerra a longo prazo...(espanha é quantas vezes maior que Portugal em territorio??)
Em caso algum na realidade que vivemos seria Portugal a lançar uma ofensiva se é que isso algum dia venha a acontecer...
Enfim era o sonho de muitos espanhois como já ouvi dizerem que Portugal era uma provincia de espanha......sim podem ser mais fortes em poder militar podem ser mais fortes economicamente tudo o que quiserem mas temos orgulho no que somos fizemos uma revolução sem sangue derramado(coisa que vos não conheceis...)enfim se espanha atacasse Portugal muito espanhol iria chorar para que isso nunca tivesse acontecido...
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 03, 2008, 11:38:15 pm
Concordo plena mente mas em caso de guerra portugal segundo dados oficiais conseguia operar uma força de quase 1 milhao de homens o que  ia dar muita dor de cabeça aos espanhois e se nós nos organizasse-mos em guerrilhas passado um mês batiam logo em retirada.
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 03, 2008, 11:54:52 pm
Citar
simples ambos pertencem a União Europeia e a NATO o que faz dos dois aliados.

Obviamente se eso é razón para que Portugal non ataque a España ¿por que non é ó revés? :roll: .

Citar
Enfim era o sonho de muitos espanhois como já ouvi dizerem que Portugal era uma provincia de espanha......sim podem ser mais fortes em poder militar podem ser mais fortes economicamente tudo o que quiserem mas temos orgulho no que somos fizemos uma revolução sem sangue derramado(coisa que vos não conheceis...)

Eu tambem teño oido dizer a muitos portugueses que Galicia é sua e mira que como quen oe chover :roll:
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 04, 2008, 12:05:14 am
Portugal segundo o orçamento de estado tem uma despesa com a defesa de cerca de 6% secalhar em tempo de guerra o dinheiro passa a ser todo gasto na guerra é que esqueces te que Portugal já esteve em guerra durante 14 anos com Angola Moçambique e Guiné e que so para teres uma noção entre 1973 e 1975 estavam destacados so em Angola cerca de 300 mil militares.
Título:
Enviado por: bishop em Maio 04, 2008, 12:08:59 am
Citar
Citação:
Concordo plena mente mas em caso de guerra portugal segundo dados oficiais conseguia operar uma força de quase 1 milhao de homens o que ia dar muita dor de cabeça aos espanhois e se nós nos organizasse-mos em guerrilhas passado um mês batiam logo em retirada.


¿Movilizar unha forza de case 1.000.000 de homens? ¿armados con que? ¿con sartenes? Rolling Eyes


Nunca ouviu falar da historia de David e Golias foi com uma pedra que o Golias morreu :twisted: se ainda tiver idade participarei com certeza a vossa desgraça :lol:
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 04, 2008, 12:29:06 am
Citação de: "Pedro Fernandes"
Portugal segundo o orçamento de estado tem uma despesa com a defesa de cerca de 6% secalhar em tempo de guerra o dinheiro passa a ser todo gasto na guerra é que esqueces te que Portugal já esteve em guerra durante 14 anos com Angola Moçambique e Guiné e que so para teres uma noção entre 1973 e 1975 estavam destacados so em Angola cerca de 300 mil militares.


Nos en 1898 só en Cuba chegamos a ter 250.000 homes todos armados, en Filipinas casi 70.000 máis ¿que quer eso dizer? Se na Guerra Civil só o ejército de Franco tiña en 1938 unha forza de 48 divisións de infantería e 2 de caballería con 830.000 homes.

Como xa dixen Bishop os que tem algo que quer o outro somos nos así que van ter de se mover voces e se chega a suceder pode estar bem seguro de que os saberemos recibir como merecen :twisted:
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 04, 2008, 01:13:09 am
Citação de: "Pedro Fernandes"
so para teres uma noção entre 1973 e 1975 estavam destacados so em Angola cerca de 300 mil militares.


 :shock: não está a exagerar? Onde é que viu isso escrito? Pelo que eu sei esse era o valor do total das Forças Armadas, estando cerca de metade nas colónias (150.000).
Título:
Enviado por: ricardonunes em Maio 04, 2008, 11:01:41 am
(http://img122.imageshack.us/img122/482/ultramarbf2.jpg)
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 04, 2008, 11:34:10 am
Esse quadro esta mal e posso te dizer porque o meu pai esteve na guerra em Angola entre 1973 e 1975 e há livros escritos por ex combatentes onde falam do numero de militares que estavam colocados nas colónias e esse número não coincide nem de perto com a realidade o que se diz e escreve é uma coisa a verdade é outra. E já agora Espanha nunca vai invadir Portugal porque sabe que não tinham hipotese e um exemplo disso foi a guerra entre os americanos e os vietnamitas em que os Americanos levaram na "boca", os espanhois podem ser mais iam saber que nem ginjas nas mãos dos Portugueses até a padeira rescussitava para ver se de 7 passava para 14.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Maio 04, 2008, 12:04:24 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Esse quadro esta mal e posso te dizer porque o meu pai esteve na guerra em Angola entre 1973 e 1975 e há livros escritos por ex combatentes onde falam do numero de militares que estavam colocados nas colónias e esse número não coincide nem de perto com a realidade o que se diz e escreve é uma coisa a verdade é outra. E já agora Espanha nunca vai invadir Portugal porque sabe que não tinham hipotese e um exemplo disso foi a guerra entre os americanos e os vietnamitas em que os Americanos levaram na "boca", os espanhois podem ser mais iam saber que nem ginjas nas mãos dos Portugueses até a padeira rescussitava para ver se de 7 passava para 14.


Ok chefe  :idea:
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 04, 2008, 12:32:40 pm
Eu agora não tenho aqui o livro onde isso está escrito mas consigo arranjar... e a outra fonte foi o meu pai que de certo percebe alguma coisa do assunto visto que esteve em Angola e eu não tenho razão nenhuma para não acreditar nele, agora se você se quer fiar nesses dados isso já não é problema meu.
Título:
Enviado por: ricardonunes em Maio 04, 2008, 04:21:17 pm
Mais um livro para deitar para o lixo :G-deal:

(http://img225.imageshack.us/img225/6792/armasultramargc1.jpg)
Título:
Enviado por: tyr em Maio 04, 2008, 04:29:12 pm
quer dizer que num prazo de 10 anos passaram pelas fileiras cerca de 1.000.000 de homens, agora se portugal for invadido não serão só os rapazes de 20 anos a lutar, mas serão tambem os homens de 30 e 40 anos de idade, por isso é um numero plausivel de atingir (numa situação extrema, ou seja 10% da população (e isto é sem contar com as mulheres ou o pessoal que não cumpriu serviço militar por ter o pé chato ou outra coisa do genero ou ainda do pessoal que fugiu de portugal para não lutar numa guerra que não era a deles, mas se ameaçarem as suas familias passa a ser))
Título:
Enviado por: bishop em Maio 04, 2008, 05:16:51 pm
Citar
quer dizer que num prazo de 10 anos passaram pelas fileiras cerca de 1.000.000 de homens, agora se portugal for invadido não serão só os rapazes de 20 anos a lutar, mas serão tambem os homens de 30 e 40 anos de idade, por isso é um numero plausivel de atingir (numa situação extrema, ou seja 10% da população (e isto é sem contar com as mulheres ou o pessoal que não cumpriu serviço militar por ter o pé chato ou outra coisa do genero ou ainda do pessoal que fugiu de portugal para não lutar numa guerra que não era a deles, mas se ameaçarem as suas familias passa a ser)

 Se Portugal fosse invadido por espanha desconfio que até a minha avó ia combater :lol:(tomates não que eles gostam de levar com eles nas festas...)
Título:
Enviado por: Lightning em Maio 04, 2008, 08:24:10 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
e a outra fonte foi o meu pai que de certo percebe alguma coisa do assunto visto que esteve em Angola e eu não tenho razão nenhuma para não acreditar nele, agora se você se quer fiar nesses dados isso já não é problema meu.


A razão para questionarmos o que diz é porque é um valor muito elevado para tudo o que está documentado, e já se sabe que todas as pessoas tem a tendência de exagerar, o meu pai também esteve na Guiné em finais dos anos 60 e não levo à letra tudo o que ele diz, ele diz a sua versão, também temos que ter cabecinha e pensar por nós próprios para procurar informações "menos emocionais", coisas do género:

"A tropa macaca ao primeiro tiro enfiava-sa nos quarteis"
"O Spinola era um FDP porque não nos deixava caçar turras à vontade nem ir atrás deles e chateava-nos o juizo com o raio da PSICO e tinhamos que ser amigos dos pre***."

Foi o meu pai que disse por isso deve ser verdade :wink:
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 04, 2008, 08:34:23 pm
Eu continuo com a minha opinião e sei que muitos desses dados relativos a guerra do ultramar não são verdadeiros e sei até por pessoas que ainda estão no exercito coisas do genero depois do 25 de Abril foram desviadas milhares de armas que foram vendidas a outros paises e o dinheiro não foi para o estado e o estado nem teve conhecimento disso agora penso que já tem e por exemplo os massos de tabaco que eram levados para os militares eram desviados passavam guias por exemplo em que eram 2000 massos mas o total eram 5000 por exemplo e mais uma quantidade de coisas do género que eu não vou falar e em relação a conversa do numero de militares você tem as suas fontes eu tenho as minhas e como esta discução não vai levar a nenhuma conclusão é melhor passarmos só o que realmente interessa que é a guerra entre Portugal e Espanha. E deixo aqui esta pergunta para alguém que saiba responder se Portugal e Epanha entracem em que país é que os EUA apoiariam.
Título:
Enviado por: bishop em Maio 04, 2008, 09:41:51 pm
Citar
E deixo aqui esta pergunta para alguém que saiba responder se Portugal e Epanha entracem em que país é que os EUA apoiariam.


Boa pergunta...eu acho que eles estariam do lado do que fosse invadido devido a NATO mas uma coisa é certa eles fazem o que lhes apetece até poderia adoptar uma posição neutra devido as boas relações que tem com os dois mas la esta fazem parte da NATO e se um pais que faz parte do tratado for atacado considera-se que a ofensiva foi feita a todos os outros membros.(na teoria falta ver a pratica...)
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 04, 2008, 11:47:48 pm
Citação de: "bishop"
Citar
E deixo aqui esta pergunta para alguém que saiba responder se Portugal e Epanha entracem em que país é que os EUA apoiariam.

Boa pergunta...eu acho que eles estariam do lado do que fosse invadido devido a NATO mas uma coisa é certa eles fazem o que lhes apetece até poderia adoptar uma posição neutra devido as boas relações que tem com os dois mas la esta fazem parte da NATO e se um pais que faz parte do tratado for atacado considera-se que a ofensiva foi feita a todos os outros membros.(na teoria falta ver a pratica...)


Na practica esta o caso da guerra greco-turca de 1974, os EUA non farían nada, simplementes limitarse a vender armas ós 2 bandos e gañar cartos.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 06, 2008, 10:57:29 am
A pois é...
Título:
Enviado por: Pedro Fernandes em Maio 10, 2008, 11:28:23 pm
Mas nao nos podemos esquecer que em Portugal está umas das principais bases americanas e é um peso contra a espanha.
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Maio 10, 2008, 11:50:05 pm
Citação de: "Pedro Fernandes"
Mas nao nos podemos esquecer que em Portugal está umas das principais bases americanas e é um peso contra a espanha.


E em Espanha têm uma base aérea e uma naval, o que é esse factor tem de relevante...

Para mim as principais bases áereas são as que têm aviões de combate, as Lages não têm atribuido nenhuma ala/esquadra de combate...

Por outro lado, com o cada vez maior alcance das aeronaves e dos sistemas de navegação, muitas aeronaves podem fazer directamente, sem reabastecimento, a viagem da América do Norte para a Europa Ocidental, ou se tiverem de reabastecer, podem "substituir" as Lages por pistas na Islândia...
Título:
Enviado por: papatango em Maio 12, 2008, 04:49:58 pm
O facto de existir uma base americana nos Açores não é impedimento nenhum.

Se necessário os americanos reactivam os movimentos patrióticos de independência, que já existiam quando os invasores portugueses chegaram às ilhas.

Formam logo um exército de libertação de 5 ou 6.000 homens, para libertar as ilhas do jugo português.

Os Estados Unidos já tiveram planos para o fazer. Se for necessário voltarão a faze-lo.

= = = =

Quanto aos 300.000 militares só em Angola num mesmo momento, é uma impossíbilidade estatística.
Tal numero só seria possível se os que fugiram para França nao tivessem fugido, e mesmo assim só se fossem todos para Angola.

Já o numero de armas produzidas e as imensas alegações sobre o trafico de armamentos que muitos camaradas fizeram após 25 de Abril de 1974 é outra coisa.
Além das armas para utilização própria Portugal também vendeu G-3 para a própria Alemanha. Muitas armas pura e simplesmente desapareceram, e como sabemos, há quem afirma e explique que o assassinio de Amaro da Costa em 1980 (quando também morreu Sá Carneiro que seguia no avião), deveu-se ao facto de haver quem não quisesse que se descobrisse quais os capitães de Abril corruptos que tinham vendido armas e metido dinheiro ao bolso.

Também existem publicadas dúvidas sobre oficiais do exército que teriam traído o próprio país e vendido armamento português à Frelimo em Moçambique antes do 25 de Abril. Armas que teriam sido vendidas para matar soldados portugueses.
Com o 25 de Abril, todos os processos e investigações contra militares traidores e ladrões terminaram.

Mas estes dados, apenas confirmam o grande numero de armas que havia e não que houvesse um grande numero de homens em África.

Os dados conhecidos estão publicados e baseiam-se em dados credíveis, que além disso batem certo com as estatísticas demográficas.

Não podemos colocar em causa os dados que estão públicados apenas com achismos de um individuo entre centenas de milhares que esteve colocado num território 12 vezes maior que Portugal.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: PedroM em Maio 24, 2008, 01:23:07 am
Bom, num tópico destes o que me apetece dizer em primeiro lugar é que ele devia estar na secção "Conftitos do Passado".

Mas se o querem colocar no futuro insistindo em falar dele à luz das capacidades que cada um tem no presente, então é assim:

PIM, PAM, PUM, eles ganham a guerra, estão por cá uns meses ou uns (poucos) anos, são obrigados a retirar porque a unidade de Espanha se começa a desagregar sob o peso da resistência portuguesa, do esforço de guerra continuado, da decadência económica, da pressão internacional e do protesto dos espanhóis, sejam castelhanos, andaluzes, galegos catalães ou bascos.
No rescaldo da guerra estaria um Portugal arruínado económicamente, com muitas das suas infraestruturas destruídas e a precisar de auxílio internacional para se levantar do chão.
Do outro lado da fronteira não existiria mais uma Espanha unificada. Aproveitando o imenso erro que foi a guerra com Portugal, a crise económica, as perdas humanas, a crise económica e os protestos populares que motivaram, os catalães conseguirão finalmente a sua independência, contando para tal com o apoio de alguns países europeus exasperados com a situação peninsular. Outras autonomias, Galiza e País Basco tentarão a mesma solução mas com resultado incerto. O sonho espanhol de ser um grande da europa será desfeito, talvez para sempre. A geografia política peninsular regredirá vários séculos, ruindo também quaisquer prespectivas que Espanha (ou será Castela?) tenha de unificar politicamente a Península.

Pronto... já que estamos a falar do futuro, ou seja a ficcionar, aqui está o meu contributo para esta ficção.

Agora gostaria de dizer porque acho que Portugal e Espanha são dois países amigos e aliados no presente e assim deverão continuar "por muitos e bons anos".

Portugal não tem um conflito histórico com Espanha. Tem (teve) isso sim com Castela. Curiosamente é precisamente após a unificação de Espanha, tal como a conhecemos hoje, que as relações entre os Estados peninsulares se tornaram mais pacíficas. Com efeito desde 1715 para cá, já lá vão quase 300 anos, as relações entre Portugal e Espanha ou Castela, foram muito mais pacíficas que nos 300 anos anteriores ou nos 300 anos anteriores a esses.
Este facto surpreende. Poderiamos ser levados a pensar que uma Espanha unida e definitivamente mais forte que Portugal tentaria dar o passo que lhe faltava para unificar politicamente a oeninsula, ou seja, anexar Portugal. Pois é... mas não foi isso que aconteceu... devemos perguntar-nos: Porquê?

Parte da resposta já foi dada em posts anteriores (não escritos por mim), quando se afirma que Espanha é um projecto inacabado. De facto assim é. Apesar de Castela ter unido vários povos peninsulares sob a designação de Espanha, a "equação dos povos peninsulares" continua hoje praticamente igual à que era há era há 300, 500 ou 800 anos atrás. Hoje Castela não existe sózinha, não toma decisôes sózinha, o que existe é um país Espanha, que para permanecer unido tem de respeitar vários equilibrios, não podendo tomar decisões aventureiristas sob pena de colocar em questão a unidade do país. As decisões têm de ser mais consensuais e portanto moderadas, o que claramente trouxe vantagens para Portugal. Estas são razões de natureza histórica.

Outro tipo de razões prendem-se com a mutação que houve na política europeia e mundial nos último século.
Com efeito se na equação dos povos peninsulares, apesar da unificação de Espanha, pouca coisa mudou, já no panorama mundial se pode dizer que TUDO mudou.

Já não se trata mais de Portugal e Espanha dividirem o mundo, nem tão pouco da Europa assegurar a hegemonia a nível global. Hoje em dia a Europa luta por subsistir como grande actor na política mundial. As potências europeis, cada uma por si, mesmo as maiores, Alemanha, França, Reino Unido, são actores de 2ª classe no contexto global. A Europa procura unir-se para sobreviver. Hoje em dia a grande fractura da política internacional faz-se de acordo com grandes blocos civilizacionais, o Ocidente, o Islão, a China, a India, Rússia.
A aliança entre a Europa e os EUA é fundamental para perservar os valores e interesses da civilização ocidental ou seja, do nosso nível e modo de vida.
Hoje em dia é cada vez mais consensual que Europa e EUA devem estar do mesmo lado face aos desafios globais, como compreender pois que dois países como Portugal e Espanha se dêm ao luxo de "alimentar guerras", ainda para mais sem reais motivos para tal?

Os espanhóis de um modo geral e os castelhanos em particular não têm animosidade contra Portugal, alguma sobranceria talvez, mas não animosidade. Não nos vêm como inimigos. Podem dizer-me que há castelhanos que não pensam assim, que pensam que Portugal não tem razão de existir, que a nossa independência foi um acidente histórico, etc.
Pois bem, acredito perfeitamente que assim seja, acho escandaloso aquilo que alguns historiadores espanhois dizem sobre a independência de Portugal. Acredito que muito provavelmente  ficaria "com os cabelos em pé" se pudesse entrar numa Academia militar espanhola e pudesse ler e ouvir o que é transmitido aos cadetes sobre este assunto.
Tudo isso pode ser verdade mas o que também é verdade é que essas pessoas não representam a sociedade espanhola nem tão pouco a castelhana, as suas opiniões não são escutadas nem tidas em conta pelo cidadão da rua nem pelas elites.

São pessoas que ficaram presas nas páginas da história, não fiquemos nós também.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 24, 2008, 02:15:04 am
Citar
Portugal não tem um conflito histórico com Espanha. Tem (teve) isso sim com Castela. Curiosamente é precisamente após a unificação de Espanha, tal como a conhecemos hoje, que as relações entre os Estados peninsulares se tornaram mais pacíficas. Com efeito desde 1715 para cá, já lá vão quase 300 anos, as relações entre Portugal e Espanha ou Castela, foram muito mais pacíficas que nos 300 anos anteriores ou nos 300 anos anteriores a esses.
Este facto surpreende. Poderiamos ser levados a pensar que uma Espanha unida e definitivamente mais forte que Portugal tentaria dar o passo que lhe faltava para unificar politicamente a oeninsula, ou seja, anexar Portugal. Pois é... mas não foi isso que aconteceu... devemos perguntar-nos: Porquê?


Leia um pouco de história antes.

Depois da unificação forçada dos vários países espanhóis, tornou-se evidente que não os poderiamos defrontar.
É a partir de aí que se reforça a aliança com os ingleses e em que em alguns aspectos o império português se torna uma espécie de dependência do império britânico.

Os espanhóis não nos atacaram nem por falta de vontade, nem porque passaram a existir como Espanha.

Não nos atacaram por medo dos ingleses.
E quando puderam ter o apoio tutelar da França, atacaram-nos (vide guerras Napoleonicas)
Se você lesse a História, compreenderia que mesmo depois da república ser implantada, Afonso XIII sondou os ingleses para ver se haveria abertura por parte da inglaterra para uma invasão espanhola.

A Falange em 1939, marchava pelas ruas de Madrid gritando pela reconstituição do Império Espanhol, com Angola Moçambique, Guiné etc...

Em 1968 o ministro dos negócios estrangeiros português em conversas com um general espanhol ouviu aquele dizer que a Espanha continua a sonhar com a reconstituição da unidade hispânica perdida.

Não há Espanha. Há apenas um país inventado, e construido com cimento castelhano. E em vez de água, usaram o sangue dos povos que foram obrigados a forma-la.

O resto, a amizade eterna e a conversa da treta dos aliados, ouvimo-la há séculos. É como a cassete do Cunhal...
Nunca houve um único dirigente espanhol que tivesse atacado Portugal ou conspirado contra Portugal, que não tivesse afirmado que nos une a amizade eterna e que somos países irmãos.

Se você tiver um vizinho que lhe entra em casa, lhe rouba dinheiro, lhe risca o carro, lhe parte os vidros quando lhe dá na gana, e que pede sempre desculpa e afirma que é seu amigo, voltando depois a partir tudo, a roubar e a destruir, só se você for muito «Injinho» é que continuará a acreditar nele.

Os governantes espanhóis ao longo de séculos não fizeram outra coisa que não fosse mentir, enganar, roubar, e ter para com Portugal um comportamento hediondo e criminoso. O crime de Olivença ainda aí está para mostrar como são traiçoeiros e ladrões.

Depois dos seus crimes ou da sua traição (largamente documentada), sempre disseram que nos amavam como irmãos.

Há 900 anos que os espanhóis nos mentem, nos invadem, e se afirmam nossos aliados.
Nunca cumpriram a palavra.
Porque havemos de acreditar em quem sempre nos mentiu ?

Com amigos desses, não precisamos de inimigos.
Título:
Enviado por: zocuni em Maio 24, 2008, 04:24:46 am
Citação de: "PedroM"
Portugal não tem um conflito histórico com Espanha. Tem (teve) isso sim com Castela. Curiosamente é precisamente após a unificação de Espanha, tal como a conhecemos hoje, que as relações entre os Estados peninsulares se tornaram mais pacíficas. Com efeito desde 1715 para cá, já lá vão quase 300 anos, as relações entre Portugal e Espanha ou Castela, foram muito mais pacíficas que nos 300 anos anteriores ou nos 300 anos anteriores a esses.


Mas quem lhe disse isso informou-o muito mal.É cada uma que leio,que francamente,era melhor ser cego já sou caolha.

Abraços,
Título:
Enviado por: old em Maio 24, 2008, 11:03:27 am
Citação de: "papatango"
Citar

Leia um pouco de história antes.

Depois da unificação forçada dos vários países espanhóis, tornou-se evidente que não os poderiamos defrontar.
É a partir de aí que se reforça a aliança com os ingleses e em que em alguns aspectos o império português se torna uma espécie de dependência do império britânico.

Os espanhóis não nos atacaram nem por falta de vontade, nem porque passaram a existir como Espanha.

Não nos atacaram por medo dos ingleses.
E quando puderam ter o apoio tutelar da França, atacaram-nos (vide guerras Napoleonicas))
Se você lesse a História, compreenderia que mesmo depois da república ser implantada, Afonso XIII sondou os ingleses para ver se haveria abertura por parte da inglaterra para uma invasão espanhola.

A Falange em 1939, marchava pelas ruas de Madrid gritando pela reconstituição do Império Espanhol, com Angola Moçambique, Guiné etc...

Em 1968 o ministro dos negócios estrangeiros português em conversas com um general espanhol ouviu aquele dizer que a Espanha continua a sonhar com a reconstituição da unidade hispânica perdida.

Não há Espanha. Há apenas um país inventado, e construido com cimento castelhano. E em vez de água, usaram o sangue dos povos que foram obrigados a forma-la.

O resto, a amizade eterna e a conversa da treta dos aliados, ouvimo-la há séculos. É como a cassete do Cunhal...
Nunca houve um único dirigente espanhol que tivesse atacado Portugal ou conspirado contra Portugal, que não tivesse afirmado que nos une a amizade eterna e que somos países irmãos.

Se você tiver um vizinho que lhe entra em casa, lhe rouba dinheiro, lhe risca o carro, lhe parte os vidros quando lhe dá na gana, e que pede sempre desculpa e afirma que é seu amigo, voltando depois a partir tudo, a roubar e a destruir, só se você for muito «Injinho» é que continuará a acreditar nele.

Os governantes espanhóis ao longo de séculos não fizeram outra coisa que não fosse mentir, enganar, roubar, e ter para com Portugal um comportamento hediondo e criminoso. O crime de Olivença ainda aí está para mostrar como são traiçoeiros e ladrões.

Depois dos seus crimes ou da sua traição (largamente documentada), sempre disseram que nos amavam como irmãos.

Há 900 anos que os espanhóis nos mentem, nos invadem, e se afirmam nossos aliados.
Nunca cumpriram a palavra.
Porque havemos de acreditar em quem sempre nos mentiu ?

Com amigos desses, não precisamos de inimigos
.



Que enemigos ni que chorradas esta escribiendo cada poco

Dediquense mas a trabajar y menos a mirar al vecino de al lado.

Les ira mejor
Título:
Enviado por: tgcastilho em Maio 24, 2008, 12:05:06 pm
Citação de: "papatango"
O facto de existir uma base americana nos Açores não é impedimento nenhum.

Se necessário os americanos reactivam os movimentos patrióticos de independência, que já existiam quando os invasores portugueses chegaram às ilhas.

Formam logo um exército de libertação de 5 ou 6.000 homens, para libertar as ilhas do jugo português.

Os Estados Unidos já tiveram planos para o fazer. Se for necessário voltarão a faze-lo.

= = = =

Quanto aos 300.000 militares só em Angola num mesmo momento, é uma impossíbilidade
estatística.
Tal numero só seria possível se os que fugiram para França nao tivessem fugido, e mesmo assim só se fossem todos para Angola.

Já o numero de armas produzidas e as imensas alegações sobre o trafico de armamentos que muitos camaradas fizeram após 25 de Abril de 1974 é outra coisa.
Além das armas para utilização própria Portugal também vendeu G-3 para a própria Alemanha. Muitas armas pura e simplesmente desapareceram, e como sabemos, há quem afirma e explique que o assassinio de Amaro da Costa em 1980 (quando também morreu Sá Carneiro que seguia no avião), deveu-se ao facto de haver quem não quisesse que se descobrisse quais os capitães de Abril corruptos que tinham vendido armas e metido dinheiro ao bolso.

Também existem publicadas dúvidas sobre oficiais do exército que teriam traído o próprio país e vendido armamento português à Frelimo em Moçambique antes do 25 de Abril. Armas que teriam sido vendidas para matar soldados portugueses.
Com o 25 de Abril, todos os processos e investigações contra militares traidores e ladrões terminaram.

Mas estes dados, apenas confirmam o grande numero de armas que havia e não que houvesse um grande numero de homens em África.

Os dados conhecidos estão publicados e baseiam-se em dados credíveis, que além disso batem certo com as estatísticas demográficas.

Não podemos colocar em causa os dados que estão públicados apenas com achismos de um individuo entre centenas de milhares que esteve colocado num território 12 vezes maior que Portugal.

Cumprimentos

Esse nº penso que chegou a ser atingido,mas em todos os cenários de guerra,sendo que o maior contigente era em Angola.
Como é sabido houve varios esquemas fraudulentos durante a guerra do Ultramar.
Com os melhores cumprimentos
T.Castilho
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 24, 2008, 12:19:25 pm
papatango
Citar
A Falange em 1939, marchava pelas ruas de Madrid gritando pela reconstituição do Império Espanhol, com Angola Moçambique, Guiné etc...

Em 1968 o ministro dos negócios estrangeiros português em conversas com um general espanhol ouviu aquele dizer que a Espanha continua a sonhar com a reconstituição da unidade hispânica perdida.

Não há Espanha. Há apenas um país inventado, e construido com cimento castelhano. E em vez de água, usaram o sangue dos povos que foram obrigados a forma-la.

O resto, a amizade eterna e a conversa da treta dos aliados, ouvimo-la há séculos. É como a cassete do Cunhal...
Nunca houve um único dirigente espanhol que tivesse atacado Portugal ou conspirado contra Portugal, que não tivesse afirmado que nos une a amizade eterna e que somos países irmãos.

Se você tiver um vizinho que lhe entra em casa, lhe rouba dinheiro, lhe risca o carro, lhe parte os vidros quando lhe dá na gana, e que pede sempre desculpa e afirma que é seu amigo, voltando depois a partir tudo, a roubar e a destruir, só se você for muito «Injinho» é que continuará a acreditar nele.

Os governantes espanhóis ao longo de séculos não fizeram outra coisa que não fosse mentir, enganar, roubar, e ter para com Portugal um comportamento hediondo e criminoso. O crime de Olivença ainda aí está para mostrar como são traiçoeiros e ladrões.


 :Palmas:  :Palmas:

Queriam Angola, Moçambique, Guiné etc, sempre foram uns pobres coitados, que foi preciso Colombo navegar para eles, nunca conseguiram nada a não ser pelo engano ou  roubar os outros pobre coitados, por isso é que o mundo não gosta deles, basta lembrar o que falou o antigo presidente da França, não seriamos nós agora a gostar deles, mas o futuro não vai sorrir para esses lados. c34x
Título:
Enviado por: garrulo em Maio 24, 2008, 12:59:40 pm
Los insultos del emigrante Daniel no son de recibo, ruego a la administración que tome nota.


         "Queriam Angola, Moçambique, Guiné etc, sempre foram uns pobres coitados, que foi preciso Colombo navegar para eles, nunca conseguiram nada a não ser pelo engano ou roubar os outros pobre coitados, por isso é que o mundo não gosta deles, basta lembrar o que falou o antigo presidente da França, não seriamos nós agora a gostar deles, mas o futuro não vai sorrir para esses lados. Wink Cool."
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 24, 2008, 01:17:08 pm
garrulo
Citar
Los insultos del emigrante Daniel no son de recibo, ruego a la administración que tome nota.


Mais quais insultos meu caro, e depois o que tem que escrever emigrante doi-lhe alguma coisa, escreva antes o PORTUGUES Daniel, verdade é sempre verdade. c34x
Título:
Enviado por: old em Maio 24, 2008, 08:22:39 pm
Citar
:Palmas:  :Palmas:

Queriam Angola, Moçambique, Guiné etc, sempre foram uns pobres coitados, que foi preciso Colombo navegar para eles, nunca conseguiram nada a não ser pelo engano ou  roubar os outros pobre coitados, por isso é que o mundo não gosta deles, basta lembrar o que falou o antigo presidente da França, não seriamos nós agora a gostar deles, mas o futuro não vai sorrir para esses lados. c34x


No por favor!! Angola y Mozambique para ustedes.  :roll: Enhorabuena!!

Y es una lastima que America no la descubriera un Portugues, que pena. Es un resentimiento que nunca podran superar,segun parece. Le aconsejo asistencia psicologica para ello. Puede empezar a repetir 15 veces lo siguiente:

España descubrio America y EEUU llego a la luna
España descubrio America y EEUU llego a la luna

Su vision de la historia es bastante rebuscada.

Podriamos hablar del prestigio y de las hazañas de Francia y España pero seria un tema serio y por lo visto aqui nada es serio
Título:
Enviado por: André em Maio 24, 2008, 09:24:40 pm
Citação de: "old"

España descubrio America y EEUU llego a la luna
España descubrio America y EEUU llego a la luna


Está enganado caro Old quem descobriu a América foram os Vikings e o seu descobridor foi Leif Eriksson, apesar disso chegamos a América antes de voçês, basta ver as viagens dos Corte-Real as costas do actual Canadá ... :wink:
Título:
Enviado por: PedroM em Maio 24, 2008, 09:51:43 pm
Papatango disse:

Citar
Leia um pouco de história antes.

Depois da unificação forçada dos vários países espanhóis, tornou-se evidente que não os poderiamos defrontar.
É a partir de aí que se reforça a aliança com os ingleses e em que em alguns aspectos o império português se torna uma espécie de dependência do império britânico.

Os espanhóis não nos atacaram nem por falta de vontade, nem porque passaram a existir como Espanha.

Não nos atacaram por medo dos ingleses.
E quando puderam ter o apoio tutelar da França, atacaram-nos (vide guerras Napoleonicas))
Se você lesse a História, compreenderia que mesmo depois da república ser implantada, Afonso XIII sondou os ingleses para ver se haveria abertura por parte da inglaterra para uma invasão espanhola.

A Falange em 1939, marchava pelas ruas de Madrid gritando pela reconstituição do Império Espanhol, com Angola Moçambique, Guiné etc...

Em 1968 o ministro dos negócios estrangeiros português em conversas com um general espanhol ouviu aquele dizer que a Espanha continua a sonhar com a reconstituição da unidade hispânica perdida.


Confesso que depois de ler o seu comentário fiquei mais tranquilo quanto à possibilidade de Portugal e Espanha gozarem de um longo periodo de paz e poderem comportar-se hoje e no futuro como aliados e não como inimigos.
Pelos vistos nos últimos 300 anos, desde que Espanha existe como tal, as grandes ameaças para a independância nacional, com oruigem no país vizinho, consistiram essencialmente em:
- Na invasão Napoleonica.
- Afonso XIII alimentar a pretensão da anexação de Portugal.
- Na Falange que pretendia unificar a Península pela força.
- Num general espanhol que terá "dito o que lhe ía na alma" ao MNE português.

Bom, não sendo caso para ignorar estes factos ou voltar-lhes as costas, convenhamos que é bem pouco comparando com o que se passou nos 300 anos anteriores à unificação espanhola e nos 300 anos anteriores a esses. Daqui resulta que está correcta a minha observação quando disse que estes últimos 300 anos foram os mais pacíficos nas relações entre Portugal e Castela (primeiro) e Espanha depois, isto se quiesermos ver Espanha como um prolongamento de Castela.

- Quanto à invasão Napoleónica convém lembrar que os espanhóis terminaram a lutar contra ela e que os próprios ingleses também lutaram em Espanha contra os exércitos franceses tendo inclusivamento libertado algumas cidades do domínio francês (Badajoz, por exemplo, mas não só). Claro que este facto não apaga a realidade dos espanhois num primeiro momento se terem unido aos franceses para invadir Portugal. Mas se isso é importante também é importante reconhecer que eles vieram À BOLEIA dos franceses. Sózinhos é muito duvidoso que tivessem vindo.

- No que se refere a Afonso XIII há que dizer que o sonho da península unida e do império, acompanhou as elites castelhanas por muitos séculos. Durante muito tempo essas elites, políticas, militares, religiosas, representaram "o sentir" da sociedade castelhana e várias vezes passaram das palavras aos actos. Que Afonso XIII se ficásse pela pergunta é um sinal de que os tempos já então eram diferentes e que tanto externamente como internamente, as tais elites já não tinam poder para impor os seus pontos de vista.

-  No que respeita à Falange, pois é... a Falange representa o que de mais nacionalista tem Castela. Digo Castela e não Espanha. A Falange representa o sonho nacionalista e imperial de Castela, mas só de Castela, não de Espanha. Esse sonho ou objectivo, não era (nem é) compartilhado por catalães, bascos e galegos, pelo menos estes. Representavam um sector que embora estando no poder era socialmente minorirario e não tinha poder de mobilizaçâo para arrastar a sociedade espanhola para  concretizar aqueles objectivos e muito menos através de uma guerra.
Quanto ao facto de terem marchado a clamar "Agora a Portugal, e Angola, Moçambique, etc.", nós hoje também temos em Portugal quem pense que as ex-províncias ultramarinas hão-de voltar a ser nossas e que Portugal há-de voltar a reconstruír o Império.E certamente também seria possível reunir algumas centenas de pessoas no rossio e po-las a gritar por esse tipo de coisas! E agora pergunto: Que representatividade têm essas pessoas? O que representam elas no conjunto da sociedade portuguesa? O cidaddão comum identifica-se com isso? As elites, polítcas, económicas, militares, univertitárias, religiosas revêm-se nessas posições? NÃO!.

- Finalmente quanto ao general espanhol de 1968... aqui remeto para o que disse acima... e ainda bem que se progrediu alguma coisa... no ínicio do séc. XX era o rei de Espanha que falava em invadir Portugal, há 40 anos (em 1968) era já só um general, pode ser que daqui por mais quarenta anos seja apenas um tenente a falar assim e daqui por 80 um cabo... :wink:

Quanto ao facto aliança com os ingleses ter contruído para a independência nacional, mantendo os espanhóis à distância... claro que sim, tal como já tinha acontecido anteriormente com Castela. A referida aliança é muito anterior à unificação de Espanha. Mas não foi só a dita aliança.
Quanto a mim é um erro pensar que Castela e Espanha são a mesma coisa. Não é pelo facto de vários povos peninsulares terem ficado sob a bandeira espanhola que catalães, galegos, bascos e outros ficaram a pensar como castelhanos e a compartilhar os objectivos expansionistas e imperiais de algumas franjas da sociedade castelhana.
Aqueles povos continuam hoje, tal como no passado, a ser dificilmente "recrutáveis" para esse tipo de desígnios expancionistas.
Por isso digo e mantenho que a "equação dos povos peninsulares" se mantém hoje muito identica ao que foi ao longo dos séculos apesar da realidade de uma Espanha unida. E por isso é importante atender que as decisões hoje são tomadas por Espanha e não por Castela e que do ponto de vista espanhol é muito mais importante que essas decisões não ponham em causa a unidade do estado do que qualquer projecto expansionista, ainda para mais apoiado numa guerra peninsular, que, a ocorrer, quanto a mim rapidamente fragmentaria a unidade do estado espanhol.
É que os tempos de hoje não vão de feição para Afonsos XIII ou generais com sonhos de grandeza, veja-se o exemplo sérvio.

Por fim quanto ao seu conselho para que eu leia história... certamente que sim, poderei sempre ler MAIS, e certamente o farei quando para tal tiver tempo, até porque o saber não ocupa lugar e o tema é interessante.

Mas já gora também tomo a liberdade de lhe dar um conselho. Leia livros de história sim, mas também de história contemporanea. E já agora também livros actuais sobre geopolítica. Se saír um bocadinho deste quadradinho peninsular verá que afinal estamos em 2008.
Título:
Enviado por: old em Maio 24, 2008, 09:53:43 pm
Citação de: "André"
Citação de: "old"

España descubrio America y EEUU llego a la luna
España descubrio America y EEUU llego a la luna

Está enganado caro Old quem descobriu a América foram os Vikings e o seu descobridor foi Leif Eriksson, apesar disso chegamos a América antes de voçês, basta ver as viagens dos Corte-Real as costas do actual Canadá ... :lol:
Título:
Enviado por: Ataru em Maio 24, 2008, 10:13:51 pm
Old não seja sarcástico com coisas sérias, nós chegamos primeiro á américa do norte e já conheciamos o brasil, daí termos dito ao nosso colombo para ir pastar para outras pastagens, porque o que ele desconfiava já nós sabíamos á muito tempo.
Título:
Enviado por: ShadIntel em Maio 24, 2008, 10:15:46 pm
Citação de: "old"
Exactamente.

Los Vikingos descubrieron America, Portugal fue detras, Elvis sigue vivo
(http://www.shrapnelcommunity.com/threads/uploads/496484-elvis_alive.jpg)

Old, está apenas a ironizar de forma desajeitada, ou faz mesmo intenção de contestar o facto de os Vikings terem pisado o continente americano perto de 5 séculos antes de Colombo ?  :roll:
Título:
Enviado por: old em Maio 24, 2008, 10:44:28 pm
Los que estan ironizando son ustedes.

El rollo de siempre de los Vikingos bla bla bla bla. Por eso en America se habla Vikingo en vez de Ingles Español o Portugues..

Cuanto escuece que España descubriera America. Y como siempre que hay una gran hazaña siempre salen teorias conspiratorias y ridiculas para intentar desacreditarla.

En fin. Voy a ver Eurovision.

A algun perfido Castellano se le ocurrio enviar a un tal Chikilicuatre a hacer el ridiculo.

Por lo menos nos votaran los Portugueses no?

Un saludo
Título:
Enviado por: Ataru em Maio 24, 2008, 10:47:17 pm
Old isso cá tem uma expressão "dor de cotovelo" se fosse a si ia ver isso ao médico...
Título:
Enviado por: ShadIntel em Maio 24, 2008, 11:02:17 pm
Citação de: "old"
Los que estan ironizando son ustedes.

El rollo de siempre de los Vikingos bla bla bla bla. Por eso en America se habla Vikingo en vez de Ingles Español o Portugues..

Cuanto escuece que España descubriera America. Y como siempre que hay una gran hazaña siempre salen teorias conspiratorias y ridiculas para intentar desacreditarla.
Old, não está em causa o facto de os espanhois terem chegado à América, explorado e reinvidicado os seus direitos sobre parte do continente. É a realidade, tal como é verídico que os primeiros europeus que chegaram à América, se instalaram e exploraram uma pequena parte da América do Norte foram os vikings nos primeiros anos do século XI.

Citação de: "old"
En fin. Voy a ver Eurovision.

A algun perfido Castellano se le ocurrio enviar a un tal Chikilicuatre a hacer el ridiculo.

Por lo menos nos votaran los Portugueses no?

Un saludo

Não estive a ver a Eurovisão, mas ouvi falar do concorrente espanhol. De facto, se fosse eu a selecionar um representante com a intenção de ridiculizar os "perfidos castelhanos", não teria escolhido melhor.  :mrgreen:
Título:
Enviado por: old em Maio 24, 2008, 11:39:47 pm
Citação de: "ShadIntel"
Citação de: "old"
Los que estan ironizando son ustedes.

El rollo de siempre de los Vikingos bla bla bla bla. Por eso en America se habla Vikingo en vez de Ingles Español o Portugues..

Cuanto escuece que España descubriera America. Y como siempre que hay una gran hazaña siempre salen teorias conspiratorias y ridiculas para intentar desacreditarla.
Old, não está em causa o facto de os espanhois terem chegado à América, explorado e reinvidicado os seus direitos sobre parte do continente. É a realidade, tal como é verídico que os primeiros europeus que chegaram à América, se instalaram e exploraram uma pequena parte da América do Norte foram os vikings nos primeiros anos do século XI.

Citação de: "old"
En fin. Voy a ver Eurovision.

A algun perfido Castellano se le ocurrio enviar a un tal Chikilicuatre a hacer el ridiculo.

Por lo menos nos votaran los Portugueses no?

Un saludo
Não estive a ver a Eurovisão, mas ouvi falar do concorrente espanhol. De facto, se fosse eu a selecionar um representante com a intenção de ridiculizar os "perfidos castelhanos", não teria escolhido melhor.  ;) De ahi mis ironias..


Sobre Eurovision...pues tan mal no quedamos. Y eso que hibamos en plan humoristico.
Otros que se lo tomaron mas en serio no pueden decir lo mismo
Título:
Enviado por: Ataru em Maio 24, 2008, 11:43:52 pm
Old aconselho vivamente que estudes... eu que sou portugues nao tenho problema nenhum em admitir que os vikings chegaram lá primeiro que nós... Lá por vossesmeces terem um complexo com Portugal não tem de alterar factos históricos inabaláveis para provarem que foram os 1ºs a chegar a América, foram 3ºs também não é vergonha nenhuma, ainda que levados por um português...
Título:
Enviado por: André em Maio 24, 2008, 11:58:32 pm
(http://strangemaps.files.wordpress.com/2006/12/vinland_map.jpg)

Está aqui a prova ...  :wink:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 25, 2008, 12:03:28 am
Citar
Confesso que depois de ler o seu comentário fiquei mais tranquilo quanto à possibilidade de Portugal e Espanha gozarem de um longo periodo de paz e poderem comportar-se hoje e no futuro como aliados e não como inimigos.
Pelos vistos nos últimos 300 anos, desde que Espanha existe como tal, as grandes ameaças para a independância nacional, com oruigem no país vizinho, consistiram essencialmente em:
(...)
Bom, não sendo caso para ignorar estes factos ou voltar-lhes as costas, convenhamos que é bem pouco comparando com o que se passou nos 300 anos anteriores à unificação espanhola e nos 300 anos anteriores a esses. Daqui resulta que está correcta a minha observação
 


Fico contente por ter ficado descansado, mas quanto aos exemplos apontados são apenas os que me vieram à cabeça. Se ler uns livritos de História, concluirá que os objectivos imperiais do Império Castelhano sempre se manifestaram de uma forma ou de outra.
Desde a própria escolha do nome do país (Espanha era apenas o nome que se dava à peninsula) até ao movimento Hispanista do Franco, posterior à segunda guerra mundial.

Só durante as guerras napoleonicas, em que inicialmente a Espanha foi o invasor, morreu 10% da população portuguesa. As invasões espanholas e francesas (não só nesse periodo) foram bastante mais mortíferas que noutros periodos da História, onde houve muitos recontros mas proporcionalmente menos mortos.

Mais uma vez, você está enganado.

Isto são coisas para se ler nos livros de História actual e não nos antigos que você leu (pelo menos o índice acredito) ... Até adivinho aí umas leituras de Oliveira Martins... :mrgreen:

A realidade histórica é a que é! ! !

Voltando ao exemplo do vizinho, se o seu vizinho bandido aparecer no jornal na primeira página por ter praticado uma boa acção isso quer dizer que ele mudou de comportamento relativamente a si?

Como você tem memória, os países também têm. A memória dos países chama-se História e a nossa memória colectiva tem a Espanha como um vizinho ladrão, bandido, desrespeitador e muitas vezes assassino.

Não podemos mudar os factos históricos, porque eles são feitos de pedra, e de ossos dos mortos.

A Espanha é Castela, porque Castela se impôs aos outros países. Era obrigatório falar castelhano, os documentos eram todos em castelhano e quem falasse outra língua era chamado à atenção, com a famosa repreensão: «Habla cristiano».

A cultura castelhana impôs-se como cultura dominante à força.
Noutros lugares a isso chama-se etnocidio. Em Espanha deve chamar-se jugete.

Os espanhóis mataram-se uns aos outros ainda há 60 anos atrás, exactamente por causa desse mesmo problema étnico. Veja as escolhas de Franco para massacrar e matar tantos catalães quanto possível, não marchando contra a Catalunha quando podia ter tomado a região em 1938.

O que voicê não deve fazer, (e parece que é o seu objectivo) é confundir a realidade da História, com as necessidades do dia a dia e a necessidade de um relacionamento pacífico.

Não há razão para nós entrarmos em guerras com ninguém. Isso é só argumento na cabeça louca dos iberistas e utilizado como argumento para tentar descredibilizar quem apenas acha que quem tem c* tem medo, e nós temos razão para desconfiar de um vizinho que nunca foi de confiança.

Isto não quer dizer que devamos aguardar que o vizinho nos invada a casa a toda a hora.
Apenas quer dizer que não devemos ter confiança nele.
Não devemos deixar a porta aberta e se possível devemos ter um circuito de TV interno.

Podemos até convidar o vizinho para vir jantar a casa com a família e podemos dispensar-lhe um pouco de pimenta quando lhe falta na comida, mas não podemos em nenhuma circunstância, para mostrar que somos boas pessoas, deixar a porta aberta.

Se a porta estiver aberta, a ocasião faz o ladrão.
E com este tipo de vizinho, não podemos dar aos espanhóis o beneficio da dúvida.

Creio que expliquei o problema.

Não é uma questão de construir muros. É uma questão de explicar ao vizinho que pode vir quando for convidado, mas que em última instância, a nossa casa é a nossa casa, só nossa, e que ele não tem o direito de aqui estar se nós assim o decidirmos.
Título:
Enviado por: old em Maio 25, 2008, 01:48:11 pm
Cuanto atraso Patatango, parece un viejo politico ultraconservador

Si su forma de pensar la compartieran en Francia, vivirian siempre recelosos y resentidos  de Alemania. Siempre desconfiarian de Alemania y nunca avanzarian. Ni economica ni socialmente ni politicamente

Afortunadamente las cosas no son asi. Y Francia  (por ponerle un ejemplo) ha sabido evolucionar con los tiempos y dejar atras el pasado.

Quiza su atrasada forma de ver el mundo tenga algo que ver con la situacion de estancamiento de Portugal respecto a Espanha y respecto a Europa. Economica y politica sobre todo

Si tienen la suerte de tener un pais vecino dinamico y en constante progreso aprovechenla para unirse al tren y deje de pensar en puertas cerradas y recelos sin sentido. Le iria mucho mejor.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 25, 2008, 03:01:36 pm
Citação de: "old"
Cuanto atraso Patatango, parece un viejo politico ultraconservador

Si su forma de pensar la compartieran en Francia, vivirian siempre recelosos y resentidos  de Alemania. Siempre desconfiarian de Alemania y nunca avanzarian. Ni economica ni socialmente ni politicamente

Afortunadamente las cosas no son asi. Y Francia  (por ponerle un ejemplo) ha sabido evolucionar con los tiempos y dejar atras el pasado.

Quiza su atrasada forma de ver el mundo tenga algo que ver con la situacion de estancamiento de Portugal respecto a Espanha y respecto a Europa. Economica y politica sobre todo

Si tienen la suerte de tener un pais vecino dinamico y en constante progreso aprovechenla para unirse al tren y deje de pensar en puertas cerradas y recelos sin sentido. Le iria mucho mejor.
:G-Ok:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 25, 2008, 03:21:15 pm
Citação de: "old"
Afortunadamente las cosas no son asi. Y Francia (por ponerle un ejemplo) ha sabido evolucionar con los tiempos y dejar atras el pasado.
Patético, ainda que tipicamente espanhol.

O exemplo que deu é dos mais significativos que poderia dar.

Se você estudasse temas e questões militares e relacionadas com a defesa , saberia por exemplo, que as últimas fortificações da linha Maginot, que resistiram à II guerra, só deixaram de ser utilizadas, quando a França tornou operacional a sua força de dissuasão nuclear.

Os franceses continuam a ter a linha Maginot, a bordo da sua «force de frape». Foram aliás significativas as palavras de um militar francês creio que nos anos 70.
Basta apenas um míssil disparado de um submarino nuclear francês, para acabar com a Alemanha.

As ideias e as teorias sobre o amor e a paz entre os países europeus são apenas isso. E é porque isso é uma farsa, que a Europa não existe como força militar.

O problema, como referi anteriormente não é o do estabelecimento de relacionamentos económicos. O problema é o da afirmação nacional numa altura em que as fronteiras económicas se diluem.

E a Espanha é um país com problemas de identidade nacional, que digam o que disserem os eternos optimistas, inclui Portugal como parte do grande império que Castela começou a construir desde o século XVIII.

O resto é presunção e água benta.

E eu prefiro repetir o adágio popular: Gato escaldado tem medo de água fria.
Título:
Enviado por: old em Maio 25, 2008, 04:25:15 pm
Da bastante risa leerle. En serio. Y ademas se cree lo que dice. Castilla Castilla Castilla Siglo XVIII Siglo XVII  bla bla bla.

No se debe de enterar que hace muchos años existe el estado de las autonomias.
España no tiene problemas de indentidad, tenemos una riqueza cultural e identitaria unica y ademas económicamente funciona de maravilla. Se llama progreso. Se lo dice un Catalá como consejo.

Cosas del tipo de que con un misil nuclear Frances se acabaria con Alemania ajajajaja. Seria bonito ver como 600 misiles de crucero alemanes hacen blanco en las 59 centrales nucleares Francesas y todos nos vamos a la porra. Franceses Alemanes Españoles Portugueses Italianos etc etc etc

Es pesimo hasta como aficionado militar ;). En ambos casos un desastre




Le repito que su discurso se parece al de un viejo politico conservador que ha vivido muchos años aislado del mundo y que cree que el lobo va a irle a robar las gallinas, cuando ni hay lobo ni quedan gallinas.

Un saludooooooo
Título:
Enviado por: tyr em Maio 25, 2008, 05:22:37 pm
Old, relativamente aos Vikings terem sido os primeiros (de forma registada) chegarem à america, já foram encontradas ruinas de origem Viking na Terra Nova.
e a prova de que portugal sabia da existencia da america do norte antes de colombo foi o próprio tratado de tordesilhas (porque é que será que portugal puxou a linha de divisão do mundo mais para Oeste).
Título:
Enviado por: tyr em Maio 25, 2008, 05:26:05 pm
A alemanhã não tem misseis nucleares  :roll:
Título:
Enviado por: garrulo em Maio 25, 2008, 05:45:25 pm
Lo que te dice es que tienen 600 misiles Taurus que pueden dejar las 56 centrales nucleares francesas hechas un gruller.
Título:
Enviado por: legionario em Maio 25, 2008, 06:00:22 pm
e ainda por cima a França perde sempre,...os franceses sempre perderam as suas guerras ahahahahah

Eu nao tenho receio nenhum dos nossos amigos espanhois ...
e a eventualidade duma guerra com eles é meramente académica (nem isso...)

Mesmo que tivessem a vontade de nos anexar...nunca teriam os meios para isso !  Nos nao somos os marroquinos !

Quem é que me pode explicar o esquema dum ataque espanhol a Portugal ?  Digam la ! como é que eles fariam para nos atacar ?
Título:
Enviado por: ShadIntel em Maio 25, 2008, 06:05:56 pm
Citação de: "tyr"
A alemanhã não tem misseis nucleares  :roll:

Tyr, sem querer minimamente defender Old, parece-me que estava a referir-se aos mísseis de cruzeiro Taurus da Luftwaffe, e não a mísseis nucleares.

Quanto aos vikings, não imaginava que a má fé de certos espanhois ia até negar a realidade da sua chegada à América do Norte por volta do ano 1000. Bastaria um mínimo de pesquisa para descobrir as provas físicas irrefutáveis da presença viking na Terra Nova: ruinas de L'Anse aux Meadows, e inúmeros objectos em bronze, cobre, ferro, osso ou madeira tipicamente nórdicos.

Quanto a mim, vou acabar aqui com o off-topic, porque não tem nada a ver com o assunto do tópico (para além da pouca vergonha de certos castelhanos em reinventar a história).
Título:
Enviado por: tyr em Maio 25, 2008, 06:09:28 pm
A destruição de centrais nucleares não extermina a população de um pais, (a destruição de uma central nuclear não produz uma explosão nuclear, vai produzir é peiras radioactivas que se hão de dessiminar num padrão previsivel e que exepto ao pessoal que apanhe com grandes concentrações ( pouca dezenas de kilometros na direcção do vento) o resto da população irá sobreviver por muitos anos (mais tarde alguma parte dessa população ira desenvolver cancro e ter Bébés mal formados), ou seja não destroi a frança).
Agora um missil nuclear irá destruir tudo num raio de varios kilometros, as concentrações de radiação emitidas são imensamente superiores (o alcance das poeiras radioactivas é muito superior, para alem de emitir directamente radiação Alpha, Beta e Gama) e emite um pulso electromagnetico que destroi (quase) tudo o que tenha componentes electrónicos e o mais giro é que a frança não tem só um missil, tem uma catraifada deles.
ou seja a frança perde uns milhares de habitantes e parte das suas centrais electricas enquanto que a alemanha perde milhões de habitantes, fica sem electricidade, os meios de transporte deixam de funcionar para alem de cidades inteiras serem terraplanadas.
Título:
Enviado por: garrulo em Maio 25, 2008, 07:12:17 pm
No extermina a la población. ¿Quieres poner datos de Chernovil?
Título:
Enviado por: komet em Maio 25, 2008, 07:52:18 pm
¿¿¿

O grosso da população de Chernobyl sofreu praticamente todas as baixas durante os anos seguintes ao acidente. Os primeiros a morrer foram os funcionarios da estação, os bombeiros e todo o pessoal que ajudou a construir o sarcófago.
Título:
Enviado por: old em Maio 25, 2008, 09:54:12 pm
Que Francia tenga armamento atomico no le garantiza nada contra un rival moderno.

Mucho menos si ese "enemigo" lo tiene al alcance de sus sistemas de armas estrategicos (misiles de crucero) porque Francia tiene instalaciones muy sensibles y tremendamente valiosas. Desde centrales nucleares a silos de misiles, bases aereas, terrestres o submarinas.

Un enfrentamiento con Alemania y me temo que se repetiria la historia..

En fin.

Un saludo
Título:
Enviado por: papatango em Maio 25, 2008, 10:20:47 pm
old ->
Citação de: "papatango"
Os franceses continuam a ter a linha Maginot, a bordo da sua «force de frape». Foram aliás significativas as palavras de um militar francês creio que nos anos 70.
Basta apenas um míssil disparado de um submarino nuclear francês, para acabar com a Alemanha.


Quantos mísseis Taurus a alemanha tinha nos anos 70 ?
Você sabe o que quer dizer a sigla MIRV ?
A França continua atrás da sua linha Maginot.
Os franceses achavam que se os russos chegassem a território francês, os americanos não arriscariam a guerra nuclear contra os russos.

Mas embora tivessem os russos em mente, a desconfiança entre franceses e alemães não tinha terminado.

O presidente da França nos anos 60 era De Gaulle. O mesmo que tinha fugido para a Grã Bretanha por causa dos alemães.

= = = = =

Quanto às questões sobre Castela já dissemos o que havia para dizer várias vezes. Os países espanhóis têm séculos.
O sistema de autonomias inventado no final dos anos 70, faz agora três décadas e foi uma forma boa e inteligente de evitar uma nova guerra civil.

Mas o estado espanhol continua e continuará até ao dia em que deixar de existir, a ter um problema de identidade nacional, exactamente porque foi construido com um objectivo: Criar uma grande Castela.

O resto é propaganda nazionalista castelhana, daqueles que ainda sonham com a Espana una grande y libre do titio Adolfo.

Deveriam ter aprendido com a História...
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 25, 2008, 11:48:51 pm
Pois vaia Linha Maginot a que foron a buscar os franceses, un misil que caia no Ruhr afectará a Alsacia-Lorena, a Belgica e a Luxemburgo, así que a "victoria" francesa en caso de recorrer a ese armamento sería pírrica, e se tropas alemanas entrasen en territorio francés non digamos ¿ou pensan que quedarían quietos ante un ataque nuclear contra Alemania? :roll:
Título:
Enviado por: legionario em Maio 26, 2008, 12:41:10 am
Os submarinos lançadores de ogivas nucleares que a França tem, metem respeito...
Título:
Enviado por: papatango em Maio 26, 2008, 12:45:32 am
a "Force de frape" é um dissuasor. Não é para atacar ninguém.
Serve apenas para que quem atacar a França saiba que a arma existe.

Foi dado um exemplo, para que os adultos entendam, que mesmo entre a Alemanha e a França não existiu nenhuma comunhão especial imediata.
Nenhum país perdoa os abusos de outro facilmente.

Mas há outra coisa que os alemães fizeram: Eles pediram desculpa pelo que fizeram.
E para alguém perdoar, é preciso que alguém peça desculpa.

Há povos no entanto, que como não conseguem reconhecer os seus erros, são incapazes de pedir desculpa. Quem não tem capacidade para pedir desculpa e corrigir os erros do passado não pode ser perdoado.

E não se pode dar confiança a quem não se perdia.

O que podemos fazer, claro, é brincar de faz de conta e declararmos paz universal por decreto-lei. Fazer de conta que tudo acabou, é o que os espanhóis andam a fazer desde 1975, como se alguma vez na história da Humanidade, alguma vez alguém perdoasse sem ninguém pedir desculpa.
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 26, 2008, 12:52:26 am
Citação de: "papatango"
Há povos no entanto, que como não conseguem reconhecer os seus erros, são incapazes de pedir desculpa. Quem não tem capacidade para pedir desculpa e corrigir os erros do passado não pode ser perdoado.

E não se pode dar confiança a quem não se perdia.

O que podemos fazer, claro, é brincar de faz de conta e declararmos paz universal por decreto-lei. Fazer de conta que tudo acabou, é o que os espanhóis andam a fazer desde 1975, como se alguma vez na história da Humanidade, alguma vez alguém perdoasse sem ninguém pedir desculpa.


Pois xa sabem Papatango cuando queram pedir desculpas polas suas actuacións contra España xa sabe onde estamos, xa que se miran a nosa historia aqui ten Portugal tanto como España para pedir desculpas.
Título:
Enviado por: tyr em Maio 27, 2008, 01:57:30 pm
Portugal deve pedir desculpa por que????
Quantas vezes é que Portugal invadiu Espanha com intuito de roubar território ou soberania a Espanha (Olivença foi roubada por espanha com ajuda dos franceses)? ou quantas vezes é que Portugal exterminou uma boa percentagem da população espanhola?
Quantas vezes é que os espanhois tiveram que escorraçar uma força invasora portuguesa de espanha (ja em 1385 os espanhois eram corridos á padeirada de Portugal)?
Que pais é que durante a 2ª guerra mundial fez planos para invadir o outro????
e podia continuar, gostava era de saber porque de Portugal pedir desculpa a espanha (a não ser por existir e não permitir que a Espanha (império castelhano) ocupe toda a Hispania).
Título:
Enviado por: PedroM em Maio 27, 2008, 08:41:05 pm
Papatango disse:
Citar
...
Só durante as guerras napoleonicas, em que inicialmente a Espanha foi o invasor, morreu 10% da população portuguesa. As invasões espanholas e francesas (não só nesse periodo) foram bastante mais mortíferas que noutros periodos da História, onde houve muitos recontros mas proporcionalmente menos mortos.

Isto são coisas para se ler nos livros de História actual e não nos antigos que você leu (pelo menos o índice acredito) ... Até adivinho aí umas leituras de Oliveira Martins... :wink:
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 28, 2008, 11:11:26 pm
Citação de: "tyr"
Portugal deve pedir desculpa por que????
Quantas vezes é que Portugal invadiu Espanha com intuito de roubar território ou soberania a Espanha (Olivença foi roubada por espanha com ajuda dos franceses)? ou quantas vezes é que Portugal exterminou uma boa percentagem da população espanhola?
Quantas vezes é que os espanhois tiveram que escorraçar uma força invasora portuguesa de espanha (ja em 1385 os espanhois eram corridos á padeirada de Portugal)?
Que pais é que durante a 2ª guerra mundial fez planos para invadir o outro????
e podia continuar, gostava era de saber porque de Portugal pedir desculpa a espanha (a não ser por existir e não permitir que a Espanha (império castelhano) ocupe toda a Hispania).


Pois sen ir máis lonxe por:

1.- Agresión de 1297 contra Castela que remata no tratado de Alcañices no cal vocés consiguen Olivenza, ate ese momento castelá ¿ou os roubos só son roubos cando son vocés os que perden? :roll:

3.- Dende 1795 ate 1801 e dende 1805 ate 1807 Portugal permite o uso dos seus portos por navios británicos para que estos ataquen a España, como vocés non se atrevían ó fazer directamente deixaban que o traballo fose feito pelos seus amos.
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 28, 2008, 11:32:31 pm
^^
Ai a História... :roll:
Título:
Enviado por: ruben lopes em Maio 28, 2008, 11:34:41 pm
pedir desculpa a  Espanha? :rir:  :rir:  s:rir:  HÁ HÁ HÁ HÁ!
que graça que os "nuestros hermanos" têm. Vocês é que deviam nos pedir desculpas biliões de vezes pelo mal que vocês fizeram-nos no passado, OH NOSSOS HERMANOS. :twisted:  :toto:  Realmente nem eles sabem mentir.
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 28, 2008, 11:43:30 pm
De mentir entendes voces bastante máis señor Lopes, sempre foi algo que se lles deu bastante bem
Título:
Enviado por: old em Maio 29, 2008, 11:38:03 am
Citação de: "ruben lopes"
pedir desculpa a  Espanha? :rir:  :rir:  s:rir:  HÁ HÁ HÁ HÁ!
que graça que os "nuestros hermanos" têm. Vocês é que deviam nos pedir desculpas biliões de vezes pelo mal que vocês fizeram-nos no passado, OH NOSSOS HERMANOS. :twisted:  :toto:  Realmente nem eles sabem mentir.


Joder que paranoia con las invasiones jaja
Por cierto esa ZEE que ustedes se imaginan no existe ni de casualidad.

Hay mucho que distutir sobre las Islas Salvajes. Vaya cara mas dura que tienen. Ahora los F18 no van a poder volar sobre nuestra propia Zee y nuestras Islas. Lo llevan claro. Salgan a derribarlos.

De todas formas siempre podran vigilar la frontera con Extremadura y sobre todo en verano, no siendo que se cuele un helicoptero de los bomberos y tengan que salir sus F16  a interceptarlo
(http://st.forocoches.com/foro/images/smilies/meparto.gif)
Título:
Enviado por: Daniel em Maio 29, 2008, 11:47:59 am
old
Citar
Hay mucho que distutir sobre las Islas Salvajes.


 :rir:  :rir:

Sim muito mucho s1x2x, sobre Olivença tambem. :rir:
Título:
Enviado por: manuel liste em Maio 29, 2008, 01:13:03 pm
Citação de: "Kawa"
Pois sen ir máis lonxe por:

1.- Agresión de 1297 contra Castela que remata no tratado de Alcañices no cal vocés consiguen Olivenza, ate ese momento castelá ¿ou os roubos só son roubos cando son vocés os que perden? :roll:

3.- Dende 1795 ate 1801 e dende 1805 ate 1807 Portugal permite o uso dos seus portos por navios británicos para que estos ataquen a España, como vocés non se atrevían ó fazer directamente deixaban que o traballo fose feito pelos seus amos.


Ejem.. no olvides la invasión de Afonso V de Portugal en 1475, que sería derrotado en Toro por los Reyes Católicos  :wink:
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 29, 2008, 01:21:51 pm
Citar
Só digo a toda à gente, espanha vai invadir-nos entre os próximos 10 e 20 anos, não devido a temas históricos, mas sim sobre o controlo dos recursos naturais e da ZEE portuguesa,

Invadiros ¿para que?.¿Tu que crees que nos puede ofrecer Portugal,que nosotros no tengamos ya?XD..Lo que tienen que hacer es quitarse de una vez ese de complejo de inferioridad que tienen muchos de ustedes ,hacia España y todo lo que venga de ella,y mirarla, a lo mejor, como ejemplo de futuro,como ejemplo de modernidad,en definitiva,como ejemplo de desarrollo(Solo hace falta mirar a la España de hace 30 años y a la de hoy dia) y no como lo que fue o dejo de ser hace varios cientos de años.A lo mejor,teniendo esta vision de futuro,Portugal podria costearse su propio sistema de satelites,su propio sitema de control de su ZEE,ya que tendrian un nivel de desarrolo aceptable y no se quejarian tanto de si el vecino hace esto o lo otro.
Asi,que ya saben,a "ponerse la pilas",y a dejar de mirarse en el espejo de otros.
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: Kawa em Maio 29, 2008, 02:34:43 pm
Citação de: "manuel liste"
Ejem.. no olvides la invasión de Afonso V de Portugal en 1475, que sería derrotado en Toro por los Reyes Católicos  :roll:  :wink:

====
Nota de moderação
====
Lembra-se que não aceitamos no fórum a distorção e a mentira histórica.
Para isso, recomendam-se os fórums espanhóis.
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 29, 2008, 03:35:37 pm
Citação de: "manuel liste"
Ejem.. no olvides la invasión de Afonso V de Portugal en 1475, que sería derrotado en Toro por los Reyes Católicos  :wink:

Ora, ora. Isso foi culpa do Impotente, e da confusão que deixou na sucessão - com os partidários da união Castela/Aragão a ir contra o decretado pelo pobre homem. Nem preciso de lhe lembrar que até a Galiza tomou partido pela Beltraneja.

Citação de: "Kawa"
No lo puse por que eso no es una invasión Manuel, eso era una excursión campestre hombre ¿o no lo sabía?


Não sei. Lembro só que uma das alas do Exército português saiu invicta.
Tomara-lhe ter exemplos de bravura como o de Duarte de Almeida.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 03:37:34 pm
Citar
Já percebi que os argumentos estão apresentados e temos posições opostas quanto à gravidade da suposta ameaça espanhola.
Na verdade temos posições opostas mesmo relativamente à forma da suposta ameaça espanhola, que não é uma ameaça militar convencional mas sim uma ameaça estratégica à soberania do país.
O que os espanhóis ameaçam, é  transformar Portugal num apêndice administrativo sob tutela indirecta do governo de Madrid, não através da utilização da força militar, mas através da demonstração da sua superioridade militar, levando as principais potências europeias a aceitar que é a Espanha que deve ter sobre Portugal uma espécie de tutela militar e/ou estratégica.

Essa tutela, levará por exemplo ao estabelecimento de bases em território português, ou à admissão de que é a Espanha que o deve controlar e gerir os seus recursos.

=  = = = = =

Questões históricas

Citar
Quanto ao nº de mortos das guerras napoleonicas. As guerras napoleonicas na península, foram essencialmente um conflito anglo/português-francês. Os espanhóis invadiram-nos num dado momento, aliados aos franceses, mas depois terminaram também a lutar contra os franceses.
Não está em causa se os espanhóis traíram o seu anterior dono e senhor, o imperador Napoleão. A Espanha, muda de campo com muita facilidade.

O que está em causa, é que nos vimos metidos numa guerra, porque a Espanha se achava no direito de determinar como deveria aser a política externa portuguesa.
As invasões francesas começam por ser invasões espanholas, exactamente pela mesma razão que lhe aponto acima.

A afirmação espanhola de que Portugal deve ser um estado tutelado pelo governo de Madrid, garantindo assim o sonho final da Hispânia, que continua na cabeça de muitos espanhóis, especialmente os castelhanos, que são a etnia dominante.

= = = == = = = = =

Citar
Vocé diz e bem que os povos "têm memória". Pois por isso mesmo é que digo que Castela e Espanha NÃO são a mesma coisa. O facto de catalães, bascos e galegos fazerem parte de um país chamado Espanha, não apaga da sua ´MEMÓRIA, os objectivos nacionais de cada um, não ficaram a "pensar castelhano" só porque foram integrados em espanha. Neste sentido aqueles povos, pelo menos, não são facilmente mobilizáveis para um conflito com Portugal. Neste cenário seria a própria unidade de Espanha de ficaria em risco.

Mais um erro meu caro PedroM.

O exército espanhol, está a transformar-se numa espécie de exército imperial, porque um grande numero de tropas operacionais, é neste momento constituído por imigrantes da América do Sul.
Segundo afirmações dos oficiais espanhóis, os sul-americanos são “Los más hispanos”.
Ou seja, não pertencendo a nenhum país espanhol, e tendo da Hespanha uma visão distorcida pela historiografia e pela distância os sul americanos são pagos para morrer pela Espanha. A mesma Espanha Una Grande y Libré de Franco.
Cujos alicerces continuam vivos e têm raízes na vitória dos nazistas durante a guerra civil.

= = = = = = = = = = = = =

Citar
Mesmo em Castela, hoje por hoje a união ibérica não está na agenda e muito menos através de uma guerra.
Para um cidadão castelhano, a ideia de Espanha é indissociável da ideia de Castela.
Para um castelhano, uma coisa é a outra. Castela é a formadora de Espanha. Por isso um castelhano considera que a Espanha sem a Catalunha não é Espanha, enquanto que muitos catalães consideram a saída de Espanha como uma coisa normal.

Citar
Por fim quanto à questão dos livros que você diz eu devia ler ou ler mais do que o índice, etc..
Seria bom que não insistisse mais nessa tecla... primeiro porque você não sabe o que eu li ou deixei de ler e depois porque dá uns ares de superioridade que depois não justifica com os argumentos que apresenta.

Meu caro, eu não sei o que leu, mas sei o que disse. E os argumentos que você apresenta não são novos e são facilmente desmontáveis.

Eles partem de pressupostos que não se aplicam. Ninguém aqui afirmou com propriedade que esperava ataques de tanques espanhóis a entrar pelo Alentejo.

As alusões a esses ataques militares dos espanhóis são típicos daqueles que insistem em colocar a cabeça na areia e em ignorar os sinais que estão à vista de todos.
Para o fazer, tentam ridicularizar quem os avisa, inventando argumentos que nunca existiram.

Temos um problema de afirmação das nossas forças armadas, mas esse problema não se coloca no campo de batalha, coloca-se no campo da afirmação internacional das suas capacidades.


Creio que isto é perfeitamente óbvio.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: old em Maio 29, 2008, 03:41:45 pm
Citar
Mais um erro meu caro PedroM.

O exército espanhol, está a transformar-se numa espécie de exército imperial, porque um grande numero de tropas operacionais, é neste momento constituído por imigrantes da América do Sul.
Segundo afirmações dos oficiais espanhóis, os sul-americanos são “Los más hispanos”.
Ou seja, não pertencendo a nenhum país espanhol, e tendo da Hespanha uma visão distorcida pela historiografia e pela distância os sul americanos são pagos para morrer pela Espanha. A mesma Espanha Una Grande y Libré de Franco.
Cujos alicerces continuam vivos e têm raízes na vitória dos nazistas durante a guerra civil.


La mayoria de lo que se lee aqui son autenticas tonterias (y perdon por la expresion)

Ejercito Imperial? :roll:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 04:01:54 pm
Senhor old, dispensamos comentários desinformados.

As referências ao perigo de o exército espanhol se estar a transformar num exército imperial foram publicadas na imprensa espanhola.
Estude quais são as características de um exército imperial versus exército nacional.

Analise também a percentagem de estrangeiros «carne para canhão» que estão nas forças destacadas.

Os imigrantes podem ser 7% dos efectivos, mas das últimas vezes que verifiquei, nos casos dos BMR no Libano e no Afeganistão, o numero de MORTOS sul-americanos representaram até 50% das vítimas em casos ocorridos nos teatros operacionais.

Isto quer dizer que a tropa que avança para a frente, tem um componente imigrante cada vez maior. Eles são 7% do total, mas muito, muuuuuitos mais nos contingentes operacionais.

E para as análises que fazemos são os contingentes operacionais que contam, e não o facto de os padeiros e os engraxates serem 100% de origem castelhana ou afim.

Tudo isto já foi explicado anteriormente.  :roll:  :conf:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Maio 29, 2008, 04:23:19 pm
Pessoal, não foi há muito tempo que tive a trocar umas idéias com um Paraca Espanhol e ele próprio queixava-se da elevada presença de Sul-Americanos na Bripac.

Já cá antes tinha colocado uma noticia em que houve militares do Exército do Ar (Força Aérea Espanhola) a serem agredidos selvaticamente por membros de gangs sul-americanas. O problema principal é que esses membros também eram membros do Exército do Ar. :shock:

Eles podem ser poucos mas por norma estão nas principais unidades operacionais (Bripac, Brileg, etc).

Em relação a um possível confronto entre os dois países...espero bem que não aconteça.
Título:
Enviado por: old em Maio 29, 2008, 04:39:00 pm
Citação de: "papatango"
Senhor old, dispensamos comentários desinformados.

As referências ao perigo de o exército espanhol se estar a transformar num exército imperial foram publicadas na imprensa espanhola.
Estude quais são as características de um exército imperial versus exército nacional.

Analise também a percentagem de estrangeiros «carne para canhão» que estão nas forças destacadas.

Os imigrantes podem ser 7% dos efectivos, mas das últimas vezes que verifiquei, nos casos dos BMR no Libano e no Afeganistão, o numero de MORTOS sul-americanos representaram até 50% das vítimas em casos ocorridos nos teatros operacionais.

Isto quer dizer que a tropa que avança para a frente, tem um componente imigrante cada vez maior. Eles são 7% do total, mas muito, muuuuuitos mais nos contingentes operacionais.

E para as análises que fazemos são os contingentes operacionais que contam, e não o facto de os padeiros e os engraxates serem 100% de origem castelhana ou afim.

Tudo isto já foi explicado anteriormente.  :roll:  :conf:


Franco forma parte de la Historia. Mucho peor pudo haber sido si llegan a ganar los rojos. De lo peor, fue lo mejor. Acaso vamos a ir tirando las estatuas de los conquistadores tambien?n En fin...

En numeros totales existen unos 4.300 inmigrantes  en el ejercito Español.
Un 5, 3%
Por cierto en el ejercito del aire creo que no los admiten( o admiten a muy pocos) y el Ejercito del Aire tiene cubiera casi el 100% de su plantilla, llegando algunas unidades a tener exceso de efectivos. Y es una de las ramas que mas se esta potenciando, mas que la Armada o el Ejercito de Tierra



Es cierto que en la Bripac ese porcentaje llega al 20% porque son unidades que estan en misiones internacionales bastante bien pagadas.

Eso no quiere decir que sean las unidades mas operativas.. Son unidades dedicadas a misiones internacionales, pero no las mas operativas.

¿sabe usted cuantos tiene EEUU o Francia o UK? Pues eso, muchisimos mas.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 04:43:00 pm
Com efeito assim é.
Eles não são ainda a maioria, mas os numeros são assustadoramente elevados nas unidades operacionais. Isto ocorre especialmente no exército, mas pelos dados disponíveis não acontece nem na Força Aérea nem na Marinha.
Quanto aos espanhóis, nem vale a pena comentar...  :roll:  :roll:  são capazes de renegar a própria Mãe, para não admitir que estão errados.

A questão aliás foi já discutida em Espanha a vários níveis.
A questão não é importante no que nos toca.

É apenas importante, para explicar que um conflito com Portugal, não implicaria necessáriamente fracturas dos vários países espanhóis, porque uma parte importante do contingente operacional é constituida por equatorianos.

Logo, num caso (por disparatado que seja, evidentemente) de uma invasão espanhola, nós não teriamos castelhanos, galegos ou valencianos nas nossas ruas, mas sim equatorianos, peruanos e colombianos.

E para os espanhóis esses podem morrer à vontade, que não afectam a opinião pública, que aliás até lhes chama Sudacas.

Sudaca é um termo que nem sequer tem tradução para o português, a palavra não só não existe na nossa língua como nem temos qualquer tipo de palavra que seja utilizada para insultar os sul-americanos.

Não temos que entrar em histerías. Temos apenas a obrigação de conhecer as coisas conforme elas são.
Estes meus comentários são relativos às palavras do PedroM.
As quais eu até compreendo, mas que do meu ponto de vista, resultam de algum desconhecimento da realidade espanhola.
Não aquela que aparece nos jornais e nas revistas, mas aquela que está por detrás da fachada.

É com essa outra Espanha que nos temos que preocupar. Sem histerias e calmamente. Devemos cumprir com a velha máxima:
Esperar o melhor, mas estar preparado para o pior...

É com base neste pressuposto, que os meus comentários são colocados nos vários tópicos fórum.
Título:
Enviado por: tyr em Maio 29, 2008, 05:22:22 pm
Voltando ao topico.

se portugal fosse invadido por espanha e eu tivesse que criar uma celula, nunca iria operar em territorio portugues, é muito mais eficiente destruir infraestruturas energeticas e economicas na própria espanha (para alem de matar os politicos e empresarios responsaveis pela invasão (que saliento não acreditar que nunca aconteça, mas estou a falar no hipotetico)).
Pois matar militares, cria uma guerra de desgaste que ganha quem tem mais recursos (e neste caso é espanha, sobretudo se usar militares sul americanos), mas se atacarmos a grelha economica, conseguimos congelar uma maquina de guerra, pois um exercito invasor tem que ser abastecido (comida, agua potavel, munições, combustivel, etc...), uma força subversiva consegue se auto abastecer do que for necessario (nem que seja (em ultimo caso) roubando).
Título:
Enviado por: tyr em Maio 29, 2008, 05:27:45 pm
Portugal invadir espanha é impossivel, no maximo portugal consegue fazer o mesmo que os Israelitas fizeram na guerra dos 6 dias (destruir toda a capacidade ofensiva do adversario com um ataque surpresa em todas as frentes), mas atacando tambem a capacidade economica e energetica e posteriormente aliar se a uma força que queira a desintegração de Espanha (grupos separatistas Bascos e Catalãoes), mas nunca ocupar.
Mas o que poderia portugal ganhar com isso??? só se fosse para impedir um ataque a portugal, mas como não acredito que issso aconteça...
Título:
Enviado por: old em Maio 29, 2008, 05:53:07 pm
Citação de: "tyr"
Portugal invadir espanha é impossivel, no maximo portugal consegue fazer o mesmo que os Israelitas fizeram na guerra dos 6 dias (destruir toda a capacidade ofensiva do adversario com um ataque surpresa em todas as frentes), mas atacando tambem a capacidade economica e energetica e posteriormente aliar se a uma força que queira a desintegração de Espanha (grupos separatistas Bascos e Catalãoes), mas nunca ocupar.
Mas o que poderia portugal ganhar com isso??? só se fosse para impedir um ataque a portugal, mas como não acredito que issso aconteça...


Otro mas...

Eso no se sostiene.

La Força aerea Portuguesa seria eliminada en unas pocas horas
Su Marinha destruida
El ET pasaria como una apisonadora sobre el ejercito Portugues.

Eso desde el punto de vista militar.

Ocupar el pais.. imposible ¿para que?  Probablemente loq eu consiguiera España con eso es que quisieran ser otra Comunidad Autonoma mas. Y francamente eso no interesa.

Sobre los extranjeros en el ejercito... de 132.000 son 4.000 y basicamente en unidades destinadas a misiones internacionales.

insignificante
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 05:59:22 pm
Citar
se portugal fosse invadido por espanha e eu tivesse que criar uma celula, nunca iria operar em territorio portugues, é muito mais eficiente destruir infraestruturas energeticas e economicas na própria espanha (...) se atacarmos a grelha economica, conseguimos congelar uma maquina de guerra, pois um exercito invasor tem que ser abastecido (comida, agua potavel, munições, combustivel, etc...), uma força subversiva consegue se auto abastecer do que for necessario (nem que seja (em ultimo caso) roubando).


Nope. Não creio que isso fosse adequado para produzir efeitos no moral inimigo. Acho aliás que seria contraproducente, pois não temos meios para de forma eficiente levar uma guerra de desgaste dentro de território inimigo nos termos que apresenta.

As guerras de hoje, são muito mais parecidas com a Blitzkrieg.
Não tendo nós uma capacidade suficiente para dissuadir qualquer operação, então teriamos o conflito acabado em até 6 a 7 dias.

Em caso de crise, em que os espanhóis (vá-se lá saber porquê) atacariam pelos eixos do costume, com uma variante.

Continuariam a tomar o sul, tomando as pontes sobre o
Tejo, combinando esse ataque com um desembarque anfíbio de surpresa.

O melhor lugar para efectuar um desembarque de forças anfíbias é na faixa que vai do norte da Praia-Norte da Nazaré até à Praia da Vieira.
Desembarcando aí numa operação com inicio pelas 04:00, as forças espanholas tomam  a base aérea de Monte Real, nos primeiros 30 minutos do conflito. Às 05:00 a base aérea de Monte-Real já «habla cristiano».
As forças espanholas têm capacidade para desembarcar tanques, estes atravessam a serra, e cortam as duas auto-estradas e a estrada-nacional 1. até às 08:00 da manhã.
O único problema é Leiria. Qualquer tropa com um pouco de tento nao marcharia mais para sul.
A partir do momento em que o país está cortado, gera-se a confusão. As forças portuguesas não terão apenas que considerar os eixos tradicionais, como além disso têm que pensar que nas suas costas há uma força inimiga com alta capacidade de manobra.

A partir de aí o país está cortado e as forças que entrarão pelo eixo Aveiro-Vilar Formoso vão-se dirigir a Coimbra-Pombal, juntar-se com as forças de fuzileiros navais e inflectir para sul, atacando as forças portuguesas pelas costas.

Este é um cenário convencional simples, que qualquer general de cadeirão  poderá desenvolver.

Mas, ao contrário do que se pode pensar, e como determina o nosso tradicional péssimismo, a verdade é que há elementos que jogam a nosso favor.

= = = =

Quanto às acções de guerrilha, elas poderiam ser expontâneas. A verdade é que se os americanos são bons a ganhar guerras, mas um desastre a ganhar a paz, os espanhóis então, não são bons nem em ganhar guerras nem em ganhar a paz.
Dependem sempre de factores externos, como os soldados equatorianos e colombianos neste caso.

Alguém acha que a tropa de equatorianos e colombianos seria bem recebida ?  :roll:  :roll:
Título:
Enviado por: Miguel em Maio 29, 2008, 06:45:35 pm
Papatango

Um desembarque na Nazaré, ou em qualquer outro lugar é impossível.

Como general espanhol, o unico lugar aonde empregava as forças anfibias seria um desembarque em Porto Santo e depois na Madeira.

Porque tomar de imediato monte real??? os nossos F16 ou seriam destruidos a combater os caças espanhois ou destruidos no chao ou na melhor das hipoteses transferidos para os Açores.

Depois temos ainda 1 e no futuro 2 submarinos, e os mergulhadores da marinha que podem fazer danos a embarcaçoes que se aproximam da costa portuguesa.

Portanto isso permite nos evacuar a pequena armada e o governo para os Açores.

---------------------------
Parte terrestre:

Temos a BriMec a Sul do Tejo, com cerca 40 lançadores TOW, 60 M60TTS; etc... acreditam que em combate defensivo é o suficiente para travar uma divisao blindada.

Centro e Norte: a BLI e BRR, unidades ligeiras e versateis que podem defender em todos os azimutes. Numa primeira fase a BRR seria a primeira envolvida para permitir o aprontamento da BLI, depois ficando a BRR em reserva tactica para os pontos quentes.

---------------------------

Neste momento e por muitos anos ainda, é tecnicamente impossível qualquer ocupaçao militar rapida do nosso territorio nacional por parte de Espanha.
Sendo a unica potencia efetivamente capaz de o fazer os EUA.

Cumprimentos
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 29, 2008, 07:16:37 pm
Y que mania..con invadir a Portugal..que no os queremos para nada!! :mrgreen:  :domador:
Citar
Neste momento e por muitos anos ainda, é tecnicamente impossivél qualquer occupaçao militar rapida do nosso territorio nacional por parte de Espanha.
Sendo a unica potencia efetivamente capaz de o fazer os EUA.

Hombre,evidentemente a dia de hoy solo puede realizar una operacion "macromilitar"(invadir un pais) con garantias ee.uu,pero con todos mis respetos a los amigos portugueses,a dia de hoy Portugal tiene bastantes carencias militares(por la falta de cash),y dudo mucho que aguantase mucho ,por no decir nada,ante paises del entorno relativamente "cercano" como Francia o Gran Bretaña.En cuanto a España,lo cierto es que si comparamos el nivel de equipacion de uno y otro ejercito,parece que España gana por goleada en todos los aspectos,o por lo menos en la inmensa mayoria.(Cantidad de armamento y personal,en un conjunto global el ejercito español parece mas moderno que el portugues tecnologicamente hablando,poblacion reservista disponible y activable,etc).Asi que si no,una invasion completa,parece segura la victoria por parte del lado hispano,si se produjese un conflicto entre ambos paises.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 07:30:31 pm
Nota: as mensagens que não estiverem relacionadas com o tema serão futuramente removidas
(inclusivé as minhas, como é óbvio)

Miguel ->

A razão para efectuar um desembarque é do meu ponto de vista simples.
A zona de praias entre a Nazaré e a Praia da Vieira, é muito grande e em algumas áreas permite um desembarque bastante «limpo» é apenas uma questão de reconhecimento no terreno.

Aquela área é a que está mais longe da fronteira e além disso, permite não só criar uma acção de diversão que faria parte das nossas tropas sair de outras posições, permitindo rapidamente tomar a principal e quase única base aérea portuguesa (Beja ficaria isolada e é indefensável), aproveitando ao mesmo tempo para tomar as três principais vias de comunicação entre o norte e o centro do país A Auto-Estrada para a Figueira, a A-1 e a EN-1 Somando a isto, há o entroncamento, o que corta as ligações ferroviárias e o nó de Torres Novas, que também permite o acesso a Espanha por auto-estrada.

Há uma lei básica nas questões militares que é a lei do menor esforço.

Porque é que você há de gastar caças e mísseis caros, quando com um golpe de mão e um desembarque pode fazer a festa e ainda por cima cortar as auto-estradas ?

Os problemas dos espanhóis são:
Demora cerca de 13 horas para à velocidade de 19 a 20 nós sair de Ferrol e atingir a área de desembarque, pelo que seria necessário sair ao inicio da tarde, mas isso facilmente se resolve, saindo na noite anterior e aguardando, e aí o problema chama-se P-3 Orion ou outro tipo de aeronaves de vigilância marítima.

Este «cenário» é um dos cenários mais lógicos se (e friso o se),Portugal não tivesse submarinos na área.
Uma das razões que explicam neste tipo de cenários a compra dos  submarinos, é que eles podem servir de guarda costas. Eles são um dissuasor muito importante e as suas capacidades são importantes, nomeadamente pela possibilidade que têm de aguardar na área e afundar um alvo de maiores dimensões.

Agora que a possibilidade é interessante isso é.

Foi aliás assim que os alemães tomaram a Holanda em 1940. Os ataques pela retaguarda desorganizaram completamente as defesas holandesas. E o principal calcanhar de Aquiles dos holandeses, é o mesmo que temos hoje: Temos estradas demasiado boas!
Foi a boa rede de estradas que derrotou a Holanda.

O objectivo é desorganizar a retaguarda. A tomada de Monte-Real é apenas um objectivo secundário que estando à mão, se pode tomar com facilidade.

Eu estou a pensar numa operação mais ou menos convencional, daquelas que estava planeada em 1940 - 1941 e onde os espanhóis utilizariam a sua superioridade naval.

Num conflito, quando se tem uma vantagem. Não se pode estar à espera do que se segue. essa vantagem deve ser aproveitada. Havendo superioridade naval, então essa superioridade deve ser utilizada, e se houver vantagem nisso, melhor ainda.

Reconheço no entanto que seria uma operação arriscada. Só se justificaria, com o objectivo de tomar Portugal em 48 horas, pois com um avanço no eixo Vilar Formoso-Viseu-Coimbra, juntamente com um desembarque em Nazaré-Pombal, os espanhóis com um pouco de sorte ainda chegavam a Lisboa a tempo de jantar, se utilizassem forças para-quedistas.

É por este tipo de razões que não podemos por exemplo pensar nos tanques como formações blindadas maciças que se atiram contra as tropas inimigas.

O único senão nesta possibilidade dependeria de uma única força que poderia ser posta fora de combate com um ataque aéreo pesado contra o RA-4. Se essa força já estivesse incluída em algum preparativo defensivo prévio, então a coisa já seria diferente.

Isto, partindo sempre de uma situação académica em que existe um eventual alerta por causa de problemas políticos em Espanha, mas não se espera um ataque imediato.

Isto são sempre teorias de jogos de guerra de secretária.
Título:
Enviado por: old em Maio 29, 2008, 07:40:51 pm
No entiendo que necesidad de desembarcar nada tendria el hipotetico ejercito invasor con una extensa frontera terrestre.

No seria rentable organizar un desembarco.

Si yo fuera Portugal plantaria cara a las primeras fuerzas acorazadas con toda la potencia de fuego disponible para luego replegarme poco a poco segun fueran avanzado. Esto causaria sorpresa al enemigo que quiza no esperara una denfensa tan contundente al principio.

Para ello seria imprescindible contar con cobertura AA e incluir elementos que acompañaran a sus Leospards y Pandurs como Gepards Tunguska Roladn o similares.

Mas idoneo aun seria contar con baterias AA tipo S300 Patriot Nasam o Arrows para complicarle las cosas a los Thypoon y F18 y dejar margen de maniobra a los F16.

A partir de ahi a contabilizar las perdias de uno y otro bando

Saludos
Título:
Enviado por: Miguel em Maio 29, 2008, 07:43:40 pm
Papatango

As tropas anfibias espanhola,, o TEAR estao baseadas no sul de Espanha, portanto, para uma operaçao anfibia, o Grupo Naval baseado em Ferrol teem de ir até ao sul de Espanha, buscar a carga para depois desembarcar isso no centro de Portugal?

Arriscado demais. E nunca esqueça que os nossos mergulhadores sapadores da armada, podem afundar qualquer navio perto da nossa costa.

Claro em teoria nada é impossivel.
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 07:50:43 pm
Citação de: "Miguel"
Papatango

As tropas anfibias espanhola,, o TEAR estao baseadas no sul de Espanha, portanto, para uma operaçao anfibia, o Grupo Naval baseado em Ferrol teem de ir até ao sul de Espanha, buscar a carga para depois desembarcar isso no centro de Portugal?

Arriscado demais. E nunca esqueça que os nossos mergulhadores sapadores da armada, podem afundar qualquer navio perto da nossa costa.

Claro em teoria nada é impossivel.


Em teoria seria o ideal, pois tratando-se de uma unidade baseada no sul, o normal seria os portugueses esperarem movimentos navais a sul e não a norte ... :mrgreen:
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 29, 2008, 07:56:34 pm
A ver ,lo primero de todo Miguel,el trozo de texto que has puesto de mi mensaje ,no esta al completo en tu "citaçao".Leyendo tal y como lo has puesto tu,si parece que soy un arrogante,pero es que ese trozo de mensaje esta  dentro un contexto gramatical completo y que era el siguiente:

"Hombre,evidentemente a dia de hoy solo puede realizar una operacion "macromilitar"(invadir un pais) con garantias ee.uu,pero con todos mis respetos a los amigos portugueses,a dia de hoy Portugal tiene bastantes carencias militares(por la falta de cash),y dudo mucho que aguantase mucho ,por no decir nada,ante paises del entorno relativamente "cercano" como Francia o Gran Bretaña.En cuanto a España,lo cierto es que si comparamos el nivel de equipacion de uno y otro ejercito,pareceque España gana por goleada en todos los aspectos,o por lo menos en la inmensa mayoria.(Cantidad de armamento y personal,en un conjunto global el ejercito español parece mas moderno que el portugues tecnologicamente hablando,poblacion reservista disponible y activable,etc).Asi que si no,una invasion completa,parece segura la victoria por parte del lado hispano,si se produjese un conflicto entre ambos paises."

El problema,esta en que interpretamos los textos como queremos cada uno..

Citar
A Historia esta cheia de exercitos, que deviam ter vencido batalhas por goleada Wink certo?
Cierto,de ahi ,vienen la fama en muchos casos de los tercios españoles de los siglos XV y XVI(Imbatidos durante mas de 100 años),y si no que se lo digan a los ingleses. :twisted:

Citar
Mas como diz o nosso amigo PapaTango, voces espanhois nao sabem nada de historia e quando sabem distorçam as verdades??

A imbecilidade é uma doença incuravél.
Es una opinion personal,pero yo no utilizaria a este hombre como ejemplo a seguir.En cuanto a lo de la historia,a ver si los que no van a saber de historia son ustedes y los manipulados sois vosotros.. :wink:
Lo de la imbecilidad,pues si por este foro hay bastante.

Citar
Quando se teem pouca cultura a unica arma que vos resta é o "insulto". Verdade??

Puede revisar mi mensaje y vera que en ningun momento he insultado a nadie.En cuanto a lo de la cultura ,perdone,pero creo que no me conoce para emitir esos juicios de valor.AHORA SI NO LE IMPORTA VAMOS A TRATAR EL TEMA DE ESTE TOPIC.
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 29, 2008, 08:03:27 pm
Citação de: "papatango"
Citação de: "Miguel"
Papatango

As tropas anfibias espanhola,, o TEAR estao baseadas no sul de Espanha, portanto, para uma operaçao anfibia, o Grupo Naval baseado em Ferrol teem de ir até ao sul de Espanha, buscar a carga para depois desembarcar isso no centro de Portugal?

Arriscado demais. E nunca esqueça que os nossos mergulhadores sapadores da armada, podem afundar qualquer navio perto da nossa costa.

Claro em teoria nada é impossivel.

Em teoria seria o ideal, pois tratando-se de uma unidade baseada no sul, o normal seria os portugueses esperarem movimentos navais a sul e não a norte ... :mrgreen:

Lo que no habeis pensado,es que, aunque los medios navales estan en el norte,y los humamanos en el sur,facilmente estas tropas son trasladades por via terrestre desde el sur al norte de España,desde donde se realizaria la operacion propiamente dicha.
Título:
Enviado por: Lancero em Maio 29, 2008, 08:16:18 pm
Citação de: "AMRAAM"
Citação de: "papatango"
Citação de: "Miguel"
Papatango

As tropas anfibias espanhola,, o TEAR estao baseadas no sul de Espanha, portanto, para uma operaçao anfibia, o Grupo Naval baseado em Ferrol teem de ir até ao sul de Espanha, buscar a carga para depois desembarcar isso no centro de Portugal?

Arriscado demais. E nunca esqueça que os nossos mergulhadores sapadores da armada, podem afundar qualquer navio perto da nossa costa.

Claro em teoria nada é impossivel.

Em teoria seria o ideal, pois tratando-se de uma unidade baseada no sul, o normal seria os portugueses esperarem movimentos navais a sul e não a norte ... :mrgreen:
Lo que no habeis pensado,es que, aunque los medios navales estan en el norte,y los humamanos en el sur,facilmente estas tropas son trasladades por via terrestre desde el sur al norte de España,desde donde se realizaria la operacion propiamente dicha.


Teoricamente, e na minha opinião, o grande problema aí é que qualquer movimentação dificilmente não seria detectada. E logo aí já estava na CNN e Portugal, como Nação não-agressora, receberia os apoios dos aliados. Teoricamente.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Maio 29, 2008, 08:43:07 pm
Ya que estamos,y como a los españoles nos gusta tanto invadir a nuestros "vicinhos" :arrow: Lo primero,es que puesto que se ha mencionado en algunos mensajes anteriores,yo descartaria un desembarco anfibio.Ya que lo utilizaria como una unidad terrestre convencional.
 :Tanque:
Título:
Enviado por: papatango em Maio 29, 2008, 09:45:03 pm
==========================================
Este tópico encontra-se reaberto após limpeza
==========================================
Título:
Enviado por: papatango em Maio 31, 2008, 09:42:21 pm
Bom, a mim parece-me que...  :mrgreen:
Título:
Enviado por: HAVM em Junho 02, 2008, 09:37:44 am
Espanha têm um exercito muito melhor que o Português, mas...

Existiu uma organização [não me lembro qual] que realizou um estudo que analisou as políticas económicas e sociais de Portugal nos últimos 50 anos, desde 1950 até 2000 [se fosse até 2008 os resultados eram diferentes]. A conclusão foi de que nós não fizemos nada direito e tendo em conta os resultados que politicas semelhantes tiveram noutros países, nós deveríamos ter uma economia semelhante à de um país africano bem pobre e não, apesar de tudo, uma economia ao nível do "primeiro mundo". A explicação para este fenómeno era desconhecida para esta organização. Contudo um economista que cometeu o estudo, referiu a nossa capacidade de improvisação.

De facto Portugal é o país do improviso e isso é a nossa melhor arma.

Espanha podia mobilizar o exercito, marinha e força aérea em peso para atacar Portugal, mas nós não nos iríamos ter um comportamento padrão em resposta à agressão o que iria baralhar a estratégia previamente estabelecida pelas hierarquias militares espanholas, expondo  as suas tropas a uma resposta por parte dos portugueses.

Portugal poderia ficar sem tanques, aviões, fragatas ou armas, mas mesmo assim iria arranjar uma maneira de responder aos soldados agressores nem que fosse com fisgas ou à paulada  :moca:

E se repararem foi sempre assim que Portugal se safou, com uma dose de imaginação e pensamento lateral por parte dos chefes militares aliado a uma grande dose de improviso.

Cumps
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 02, 2008, 10:58:51 am
Meus amigos há que etender uma coisa, espanha nunca  terá a capacidade de nos invadir com todas as suas forças, isso seria um erro muito grave, que  iria pagar no futuro, nos invadir com todo o que tem não é possivel, isso queria dizer que espanha ficava sem retaguarda desprotegida, para os enimigos internos, como não vejo a espanha a nos invadir nem sequer com metade de suas forças a vitória sem muitos problemas é nossa, mesmo que fosse com mais de metade de suas forças, espanha não tem capacidade bélica nem humana para invadir portugal, está é a minha opinião. c34x
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 10, 2008, 01:38:03 am
pois claro que não, meu amigo daniel, o senhor AMRAAM é que pensa que sabe tudo. afinal ele é um espanhol, o lema deles é dizerem que são melhores de todos e gritarem aquele grito criado pelo fascista Fransisco Franco, o grito "Viva là España" que ainda continuam a gritar, apesar de viverem já numa democracia
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 10, 2008, 01:50:11 am
Ora é exactamente aqui que esse tipo de discussões deve ser feito...

Pel'A moderação
B. Pereira Marques
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 10, 2008, 02:06:17 am
Citação de: "ruben lopes"
pois claro que não, meu amigo daniel, o senhor AMRAM é que pensa que sabe tudo. afinal ele é um espanhol, o lema deles é dizerem que são melhores de todos e gritarem aquele grito criado pelo fascista Fransisco Franco, o grito "Viva là España" que ainda continuam a gritar, apesar de viverem já numa democracia


Es "Viva España" no "Viva là España", ¿acaso es fascista que en Portugal se diga "Viva Portugal"? No sabía yo eso :roll:
Título:
Enviado por: legionario em Junho 10, 2008, 08:39:42 am
ide jogar ao berlinde meninos !
Título:
Enviado por: tyr em Junho 10, 2008, 12:21:55 pm
o pessoal não pode confundir Nacionalismo (amar o seu pais e querer o melhor para ele e para o seu prestigio) com Nacionalismo de estrema direita (facistas nazis, que apesar de nuns pontos serem iguais aos nacionalistas, tambem são xenofobos, e espancionistas).
o "viva espanha", é um grito de amor ao pais, tanto feito por nacionalistas, como por facistas, como por espanhois que acompanham a seleção nacional.
o pessoal quando critica certas coisas cai no ridiculo.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 10, 2008, 12:23:36 pm
E eu como portugues defendo o meu pais com unhas e dentes e só não o faço quando não tenho defesa possivel, um espanhol fará exactamente o mesmo.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 10, 2008, 12:48:47 pm
Citação de: "ruben lopes"
pois claro que não, meu amigo daniel, o senhor AMRAM é que pensa que sabe tudo. afinal ele é um espanhol, o lema deles é dizerem que são melhores de todos e gritarem aquele grito criado pelo fascista Fransisco Franco, o grito "Viva là España" que ainda continuam a gritar, apesar de viverem já numa democracia
.
Sinceramente,Ruben ,me gustaria que no me nombrases en tus post ni hicieses ninguna alusion directa hacia mi persona,mucho menos sin conocerme,ya que aqui tenemos otra muestra mas de tu gran ignorancia :wink: .

En cuanto al contenido de tu mensaje,por alusiones,no me queda mas remedio que contestarte.Vamos por partes:
 :wink:.
La mayoria de personas(entre las que me incluyo) que gritan Viva España,lo hacemos en relacion a la España actual y democratica y no a la del regimen franquista.Ya que yo particularmente,pienso que la dictadura ha sido la etapa mas negra que ha vivido España en el siglo XX,la que ademas ha servido para que ahora,en la etapa democratica,sea un revulsivo para los diversos nacionalismos presentes hoy en España,debido a la gran represion que ejercio el regimen sobre ellos.

 :toto:
Pues no estoy de acuerdo con esta afirmacion,ya que habran españoles que sean asi,igual que los habra en Portugal,Inglaterra,Francia...pero no por ello se puede juzgar ,en este caso a 45 millones de personas,que se dice pronto...amigo :wink:
Ahora realizo yo una pregunta..¿Nos veran ingleses,franceses o italianos,por poner un ejemplo,con esta vision que tu afirmas?La experiencia propia me dice(ya que participo en diversos foros y visito unos cuantos, donde participan personas de otros paises como los mencionados),que todavia no he podido constatar  una afirmacion del estilo (como la de Ruben Lopes),por cualquiera de aquellos contertulios extranjeros.
A lo que me refiero con esto,es que posiblemente el problema lo tengan otros,y no es  que nosotros somos asi.Ya que he podido comprobar como en este mismo foro hay gente,que desea lo peor para España,se alegra de sus desgracias,disfruta de la adversidad del vecino,etc...por lo tanto cualquier cosa que venga de España se mira con malos ojos y con recelo.
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 10, 2008, 02:54:08 pm
pois eu também quero o melhor para Espanha, mas primeiro Espanha tem que dar a indepedecia e a liberdade ao país basco, para acabar com a ETA de vez.
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 02:58:55 pm
Si, claro hay que hacer todo eso por que lo dice Ruben Lopes........
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 10, 2008, 03:05:21 pm
Citação de: "ruben lopes"
pois eu também quero o melhor para Espanha, mas primeiro Espanha tem que dar a indepedecia e a liberdade ao país basco, para acabar com a ETA de vez.

Dejemos la politica para los politicos ,¿no crees?,y mas con temas tan trascendentales como este...
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 10, 2008, 03:07:08 pm
Citação de: "garrulo"
Si, claro hay que hacer todo eso por que lo dice Ruben Lopes........
:mrgreen:  :Bajular:
Título:
Enviado por: legionario em Junho 10, 2008, 03:14:35 pm
Citação de: "ruben lopes"
pois eu também quero o melhor para Espanha, mas primeiro Espanha tem que dar a indepedecia e a liberdade ao país basco, para acabar com a ETA de vez.


O pais Basco esta em Espanha e em França...a independencia dos bascos nao depende so de Espanha . E vendo a maneira como a França encara a questao da Corsega, nao estou a ver independencias por estes lados .

Retomando o topico, se a Espanha atacar Portugal , ja vi aqui escrito que essa invasao começaria pelo centro do Pais, mais exactamente por Leiria que é a minha terra. Posso assegurar a todos os foristas que a Policia Municipal de Leiria resolve sozinha essa invasao ! Que ninguem se preocupe ;)
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 06:05:42 pm
Ya que están poniendo esa cara de malos, les aguaré la fiesta.
España no tiene ninguna apetencia sobre Portugal, con una excepción(esto lo dice garrulo no los pérfidos castellanos),esa apetencia  es Madeira.
Ampliaria notablemente nuestra area marítima,permitiría un amplio mar territorial con posibles yacimientos de petróleo y permitiria a las islas un amplio desarrollo turístico empujado por nuestra potente industria .
El grupo de proyección de la Flota saldria de Rota tres dias antes del ataque, formado por el R11,2 F100 de Ferrol, el L61 ,L51 y L52 y3 F80 de Rota mas el A-11 , elA 14 y el L42,con la practica totalidad de la BRIMAR.
Al mismo tiempo los 22 F18 A+ de Gando con 1KC 137 Y 2KC .130 ,atacarán los objetivos militares de Madeira, para permitir al Grupo de Combate el desembarco de la Brimar EN CONDICIONES DE SEGURIDAD.
Los 16 AV8B+ del R11 listos para terminar la faena sobre el terreno.
Título:
Enviado por: Miguel em Junho 10, 2008, 07:05:17 pm
Citação de: "garrulo"
Ya que están poniendo esa cara de malos, les aguaré la fiesta.
España no tiene ninguna apetencia sobre Portugal, con una excepción(esto lo dice garrulo no los pérfidos castellanos),esa apetencia  es Madeira.
Ampliaria notablemente nuestra area marítima,permitiría un amplio mar territorial con posibles yacimientos de petróleo y permitiria a las islas un amplio desarrollo turístico empujado por nuestra potente industria .
El grupo de proyección de la Flota saldria de Rota tres dias antes del ataque, formado por el R11,2 F100 de Ferrol, el L61 ,L51 y L52 y3 F80 de Rota mas el A-11 , elA 14 y el L42,con la practica totalidad de la BRIMAR.
Al mismo tiempo los 22 F18 A+ de Gando con 1KC 137 Y 2KC .130 ,atacarán los objetivos militares de Madeira, para permitir al Grupo de Combate el desembarco de la Brimar EN CONDICIONES DE SEGURIDAD.
Los 16 AV8B+ del R11 listos para terminar la faena sobre el terreno.


Parabems garrulo

Finalmente um espanhol com um plano realista.

Fica apenas algumas coisas para resolver.

Qual seria a resistencia dos soldados do TEAR contra o Regimento Guarniçao 3.

Claro que com uma invasao assim, nao podiamos reabastecer a nossas tropas na Madeira.

CAMERONE ?
Título:
Enviado por: PereiraMarques em Junho 10, 2008, 07:14:15 pm
Citação de: "Miguel"

Qual seria a resistencia dos soldados do TEAR contra o Regimento Guarniçao 3.


Não tinham era hipóteses contra o Regimento do PSD-M, é que aquilo é todo pessoal treinado em operações (altamente) irregulares... c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 07:21:53 pm
garrulo
Citar
Ya que están poniendo esa cara de malos, les aguaré la fiesta.
España no tiene ninguna apetencia sobre Portugal, con una excepción(esto lo dice garrulo no los pérfidos castellanos),esa apetencia es Madeira.
Ampliaria notablemente nuestra area marítima,permitiría un amplio mar territorial con posibles yacimientos de petróleo y permitiria a las islas un amplio desarrollo turístico empujado por nuestra potente industria .
El grupo de proyección de la Flota saldria de Rota tres dias antes del ataque, formado por el R11,2 F100 de Ferrol, el L61 ,L51 y L52 y3 F80 de Rota mas el A-11 , elA 14 y el L42,con la practica totalidad de la BRIMAR.
Al mismo tiempo los 22 F18 A+ de Gando con 1KC 137 Y 2KC .130 ,atacarán los objetivos militares de Madeira, para permitir al Grupo de Combate el desembarco de la Brimar EN CONDICIONES DE SEGURIDAD.
Los 16 AV8B+ del R11 listos para terminar la faena sobre el terreno.
 
 


Bom, as vezes me da vontade de rir e muito :?:  ou seja vcs atacavam e nós ficamos simplemente a ver  :wink:  c34x
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 10, 2008, 07:46:40 pm
Citação de: "Daniel"
Bom, as vezes me da vontade de rir e muito :?:  ou seja vcs atacavam e nós ficamos simplemente a ver  :wink:  c34x


É precisamente isso que se pretende neste tópico. Teoria, como o garrulo fez.
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 07:47:18 pm
Daniel ya se que contais con la ayuda  e intercesion de la Virgen de Fátima,pero eso es lo ÚNICO que mis fuerzas armadas no pueden evitar.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 08:14:43 pm
garrulo
Citar
Daniel ya se que contais con la ayuda e intercesion de la Virgen de Fátima,pero eso es lo ÚNICO que mis fuerzas armadas no pueden evitar.


Primeiro meu caro, nunca, mas nunca na vida tu fuerzas armadas terão capacidade de algum dia tumar seja o que for que pertença a portugal, depois mais respeito não queira passar por engraçado, terçeiro não precisamos de nem da fatima nem da maria para vos dar umas lições, quarto, a unica coisa que tu querida fuerzas armadas no puede evitar é Portugal e a nação PORTUGUESA, as râs morrem por excesso de moscas bomm. c34x
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 08:18:06 pm
Lancero
Citar
É precisamente isso que se pretende neste tópico. Teoria, como o garrulo fez.


Caro lancero de teorias estamos nós fartos, da teoria a pratica, vai uma grande distancia, como da realidade a ficção. c34x
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 08:29:37 pm
Y si la realidad no te gusta llamas a la Virgen de Fátima.Y por su intercesión lo explicas todo.
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 08:37:10 pm
¿Cuando entenderas que nadie quiere terminar con la nacion portuguesa?
Estamos hablando de una guerra entre España y Portugal.
Y llevamos no se cuantas páginas diciendo que no pretendemos ocupar Portugal, solo lo que nos interese y eso si,para siempre las islas, con titulo de comunidad autónoma bajo la constitución del 78.Sigo diciendo que esto es cosa de Garrulo, no de España.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 08:46:40 pm
garrulo
Citar
Y si la realidad no te gusta llamas a la Virgen de Fátima.Y por su intercesión lo explicas todo.


Mas qual realidade :lol: o que é que tomas, não me digas que tu fuerzas armadas :!: eu gosto muito mas muito mesmo da realidade, e a minha realidade, é que não vivo no mundo de faz de conta, agora vcs espanhóis é que nem por isso mas já estamos acostumados, pedra no sapato, meu caro paciência, outra coisa haver se começas a te esforçar para escrever em portugues, pois já tens tempo suficiente que andas por aqui alguma coisa já devias ter aprendido não te gosta, mi Patri, haaa já me ia esquecendo, deixa a fatimasinha descasada, até porque eu não creio na fatima, não creio no barro, mas creio em Portugal. :wink:
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 08:53:51 pm
garrulo
Citar
Cuando entenderas que nadie quiere terminar con la nacion portuguesa?

Mas isso eu já sei, até porque nunca conseguiram, muito menos agora, mas na mesma obrigada pela informação, muito gentil, com essa sua informação vou dormir mas tranquilo. :wink:

Citar
Y llevamos no se cuantas páginas diciendo que no pretendemos ocupar Portugal, solo lo que nos interese y eso si,para siempre las islas, con titulo de comunidad autónoma bajo la constitución del 78.Sigo diciendo que esto es cosa de Garrulo, no de España.


 :rir:  :lol:  c34x
Título:
Enviado por: Miguel em Junho 10, 2008, 08:58:22 pm
:arrow: http://www.youtube.com/watch?v=GLg_3rMX ... re=related (http://www.youtube.com/watch?v=GLg_3rMXh0Y&feature=related)

Resistencia do heroico exercito portugues, como sempre, baixas terriveis para os espanhois como sempre.
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 10, 2008, 09:11:48 pm
Miguel eso son películas, déjame seguir con mi exposición.
A la vez que se efectúa el ataque sobre las Madeira, los 67 F18 MLU, los 18 EF2000 y los 40 F1 M sobrevivientes inician ataques a los centros de mando y control portugueses, a las zonas industriales con bombas tontas, a centros extratégicos con armamento guiado y al menos dos escuadrones de esa fuerza (18x2) a las principales bases aéreas para eliminar en primer lugar los F16 y despues los transportes de la aviación portuguesa.
Todo lo que valga dinero se destruye.Para crear mas malestar y desconcierto se bombardean todas las presas portuguesas del Duero y Tajo.
Mientras los 275 leo remanentes encuadrados en las brigadas X XI Y XII profundizan solo 50 KM destruyendo lo que el ejercito portugues pueda enfrentar y toda la infrastructura que encuentren.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 10, 2008, 09:44:07 pm
garrulo
Citar
Miguel eso son películas, déjame seguir con mi exposición.
A la vez que se efectúa el ataque sobre las Madeira, los 67 F18 MLU, los 18 EF2000 y los 40 F1 M sobrevivientes inician ataques a los centros de mando y control portugueses, a las zonas industriales con bombas tontas, a centros extratégicos con armamento guiado y al menos dos escuadrones de esa fuerza (18x2) a las principales bases aéreas para eliminar en primer lugar los F16 y despues los transportes de la aviación portuguesa.
Todo lo que valga dinero se destruye.Para crear mas malestar y desconcierto se bombardean todas las presas portuguesas del Duero y Tajo.
Mientras los 275 leo remanentes encuadrados en las brigadas X XI Y XII profundizan solo 50 KM destruyendo lo que el ejercito portugues pueda enfrentar y toda la infrastructura que encuentren.



Deixem-me terminar o filme, moral da história, os espanhóis levam uma surra, mas uma daqueles que não da para esquecer a moda antiga, vão para casa os que ficarem vivos, a espanha já nessa altura está dividida e em guerra interna, pelo que depois de portugal mandar os resto para casa, se chega ao acordo de não matar o que restou, e o resto do pais se divide ao gosto do povo. :wink:
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 10, 2008, 11:41:13 pm
Garrulo ha expuesto el ataque Daniel, ¿podría usted dejarse de hacer el patriotero infravalorando a su enemigo y exponer como se enfrentaría a ese ataque? ¿o es que no saben? :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 12:22:04 am
se espanha atacasse a madeira (e infelizmente a madeira não tem Vacas para escorraçar os invasores, como aconteceu na ilha 3ª durante as guerras napolenicas), provavelmente teria sucesso, o problema é que EU  (e outros como eu) iniciaria uma força subversiva com o intuito de destruir toda a infraestrutura de abastecimento electrico e de agua espanhol, destruição das fabricas, assassinar todos os que tivessem lucros com a invasão (e os herdeiros deles tambem a não ser que doassem o dinheiro a uma organização tipo Cruz Vermelha), destruir pontes, viadutos, introduzir nos portos espanhois portacontentores, em que enterrado no meio deles estivesse um contentor atafulhado com um explosivo não detectavel por cães ou detectores e detonalos no porto, etc...
até espanha abandonar o terreno luso.
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 11, 2008, 12:29:12 am
Só tem un problema Tyr, nos podemos abastecer ás nossas forzas por mar e aire, pero ¿a poboación das illas que comería e bebería? ademáis de que todos os homes serían enviados a campos de prisioneiros ate o fin da guerra.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 12:29:52 am
claro que portugal possivelmente poderia aguentar o ataque, tal como os valorosos 6000 tugas e 200 inglueses aguentaram 31000 castelhanos, franceses e mercenarios, ou como os 600 valorosos que defenderam durante varios meses Diu contra os 23.000 Turcos e 70 galés (parecia o filme que meteram acima, mas sem as metrelhadoras e com espingardas monotiro de ambos os lados).
na historia portuguesa quer nas vitorias (tanto as em que portugal ataca lembro me dos 400 tugas e 8 navios que desafiaram 50.000 indianos com 120 galés) quer nas derrotas (la lys ou alcacer quibir) portugal esteve quase sempre em desvantagem numerica.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 12:33:39 am
eu no meu cenario não estava a contar com os ilheus pois eles ja estariam perdidos, a minha força subversiva atacaria Espanha, para obrigar os espanhois a desistir da sua permanencia na madeira.
quero ver abastecerem Madrid com agua e electricidade, ou a controlar a confusão que se vai instaurar quando o pessoal começar a sair de madrid para ir para locais onde ainda existe agua potavel, sobretudo quando as reservas petroliferas espanholas tiverem sido atacadas por foguetes improvisados de medio alcance.
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 11, 2008, 12:40:35 am
Tyr de ter vencido tanto como dizem non sería España o que ocupase a maior parte da Peninsula  :roll:
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 11, 2008, 12:48:45 am
Citação de: "tyr"
eu no meu cenario não estava a contar com os ilheus pois eles ja estariam perdidos, a minha força subversiva atacaria Espanha, para obrigar os espanhois a desistir da sua permanencia na madeira.
quero ver abastecerem Madrid com agua e electricidade, ou a controlar a confusão que se vai instaurar quando o pessoal começar a sair de madrid para ir para locais onde ainda existe agua potavel, sobretudo quando as reservas petroliferas espanholas tiverem sido atacadas por foguetes improvisados de medio alcance.


Moi improvisados para alcanzar a costa de Levante dende Portugal :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 12:49:18 am
eu atacaria, mas nunca de forma directa (pois duvido que fosse possivel um recaptura da madeira por formas convencionais), atacaria onde doi mais, no bolso e na barriga do comum espanhol (por acaso leste o que escrevi nos posts anteriores).
se em espanha não existe Agua potavel, electricidade, combustivel, estradas e caminhos de ferro destruidos por equipas de sabotadores. Achas que as forças armadas se vão preocupar em manter a Madeira ou restabelecer a normalidade e bem estar dos seus proprios cidadãos e da cadeia logistica das forças armadas????
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 11, 2008, 12:52:22 am
Citação de: "tyr"
eu atacaria, mas nunca de forma directa (pois duvido que fosse possivel um recaptura da madeira por formas convencionais), atacaria onde doi mais, no bolso e na barriga do comum espanhol (por acaso leste o que escrevi nos posts anteriores).
se em espanha não existe Agua potavel, electricidade, combustivel, estradas e caminhos de ferro destruidos por equipas de sabotadores. Achas que as forças armadas se vão preocupar em manter a Madeira ou restabelecer a normalidade e bem estar dos seus proprios cidadãos e da cadeia logistica das forças armadas????


Eu entendo isso perfectamente, só espero que me explique como o vai fazer, ¿cree vocé que o común do portugues sen poder comer nin beber por causa dos ataques aéreos, con as presas na zona portuguesa destruidas por os nosos avións, e as presas en España cerradas impedindo que a agua chegue a Portugal, con os portos, aeroportos, estradas e vías ferreas destruidas ian querer seguir a guerra? :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 01:04:10 am
Tenho varios conhecimentos em Guerra Subversiva e ContraSubversiva (tal como a maioria dos militares (e Ex-militares) do QP do exercito portugues).
se a Espanha atacasse directamente portugal continental, facilitaria em muito  o recrutamento de elementos para as minhas celulas (a raiva e o desejo de vingança fazem milagres).
de notar que na minha tatica nunca irei atacar cidadãos espanhois (exepções feitas aos barões que ganharam dinheiro com a invasão, militares e forças policiais (e os azarados que estiverem no sitio errado na hora errada, mas isso é como tudo)).

Possivelmento o meu contra ataque só iria ocorrer um ou 2 mêses depois do ataque espanhol, mas quando ocorresse seria devastador.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 01:08:15 am
E a nivel psicologico é lindo, do lado portugues para recrutar pessoal é só deixar a raiva de termos sido atacados fluir.
do lado espanhol a psicologia não funcionaria do mesmo modo, pois são os agressores (neste cenario obviamente), no rescaldo do contrataque portugues, se o Governo espanhol não restaurar a normalidade rapidamente, habilita se a dar força a todos os grupo independentistas dentro da própria espanha (e pessoal que nunca os apoiaria, passam a olhar para eles como tabuas de salvação contra um governo incompetente).
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 11, 2008, 01:21:27 am
Despues de 2 meses de bombardeos y de guerra ¿como entrarían en España? :roll:
Título:
Enviado por: nestor em Junho 11, 2008, 02:25:26 am
Citação de: "Daniel"
garrulo
Citar
Ya que están poniendo esa cara de malos, les aguaré la fiesta.
España no tiene ninguna apetencia sobre Portugal, con una excepción(esto lo dice garrulo no los pérfidos castellanos),esa apetencia es Madeira.
Ampliaria notablemente nuestra area marítima,permitiría un amplio mar territorial con posibles yacimientos de petróleo y permitiria a las islas un amplio desarrollo turístico empujado por nuestra potente industria .
El grupo de proyección de la Flota saldria de Rota tres dias antes del ataque, formado por el R11,2 F100 de Ferrol, el L61 ,L51 y L52 y3 F80 de Rota mas el A-11 , elA 14 y el L42,con la practica totalidad de la BRIMAR.
Al mismo tiempo los 22 F18 A+ de Gando con 1KC 137 Y 2KC .130 ,atacarán los objetivos militares de Madeira, para permitir al Grupo de Combate el desembarco de la Brimar EN CONDICIONES DE SEGURIDAD.
Los 16 AV8B+ del R11 listos para terminar la faena sobre el terreno.
 
 

Bom, as vezes me da vontade de rir e muito :?:  ou seja vcs atacavam e nós ficamos simplemente a ver  :wink:  c34x



Como bien dice Lancero, de eso de trata.

Garrulo ha colocado sus piezas, ahora les toca a los portugueses poner las suyas sobre el tablero.

La destreza no se computa pues es dificil de medir, no es de nacimiento y habria que medirla en función de adiestramiento, como por ejemplo: que pilotos vuelan mas, que navios navegan mas y realizan mas ejercicios, etc.

Si es posible, no nos remitamos a varios siglos atras.

Ademas España tambien podia añadir mas piezas como la BRIPAC, EZAPAC para la toma del aeropuerto y distintas unidades de las FAMET.

Saludos.
Título:
Enviado por: manuel liste em Junho 11, 2008, 09:05:29 am
Citação de: "garrulo"
España no tiene ninguna apetencia sobre Portugal, con una excepción(esto lo dice garrulo no los pérfidos castellanos),esa apetencia  es Madeira.
Ampliaria notablemente nuestra area marítima,permitiría un amplio mar territorial con posibles yacimientos de petróleo y permitiria a las islas un amplio desarrollo turístico empujado por nuestra potente industria .
.


Creo que ese mar territorial y ese muy hipotético petróleo no valdrían ni de lejos una guerra. ¿Para qué queremos la ZEE de Madeira? ¿para que media docena de pescadores canarios capturen algunos pocos peces más?

Los pescadores de bajura están sufriendo mucho por las importaciones desde caladeros internacionales, que hunden los precios del producto. No son competitivos. Los caladeros de alrededor de la Península están ya muy exquilmados, tienen pocos peces y están pidiendo a gritos que se les permita regenerarse. Las aguas de Madeira no valen una guerra, y si se trata de invertir en la industria turística de Madeira, advierto que el turismo y las guerras no pegan mucho.. es un contrasentido conquistar manu militari un destino turístico, cuando los turistas huyen de los conflictos. Y para más inri, el último país que necesita conquistar destinos turísticos es España, cuyo atractivo turístico está reconocido a nivel mundial. Una guerra sería contraproducente en ese sentido.

Bombardear las infraestructuras continentales de Portugal podría ser fácil, pero me pregunto por qué habría que hacerse eso, qué se ganaría con ello aparte de la mera destrucción

Como ejercicio teórico puede ser, pero falla la exposición de motivos

Mi conclusión es que para realizar un ejercicio teórico de guerra entre Portugal y España debe haber un motivo consistente y claro de conflicto sobre el que poder especular. Porque lo cierto es que el mejor interés de España ha sido y es tener al lado a un Portugal próspero y pacífico con el que comerciar. Para que pasemos a considerar a Portugal como un país enemigo tendría que pasar algo muy grave, y no se me ocurre qué podría ser.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 11, 2008, 10:38:39 am
Kawa
Citar
Garrulo ha expuesto el ataque Daniel, ¿podría usted dejarse de hacer el patriotero infravalorando a su enemigo y exponer como se enfrentaría a ese ataque? ¿o es que no saben?


HO caro Kawa, eu nem quero perder tempo a falar de ficcção, até porque da maneira que vcs falam, quere-me parecer que só vcs espanhóis, é que tem meios, como se nós vosse-mos um pais que nem um barquito temos, quero vos lembrar do seguinte, se não atacarem agora la na frente vai ser bem pior, teremos 5 fragatas bem armadas 2 Submarinos que poderam fazer um bom estrago, quanto as vossas F100 não vejo denhum problema em as afundar,o R11 igual talvez o pior seria a força aeria mas ai tambem teriamos uma palavra a dizer com os nossos f 16 contado com a habelidade dos nossos pilotos, mas como falei a espanha não tem capacidade humana nem bélica para atacar portugal, pois não aguentaria muito tempo a espanha não é os USA, depois teria pressão internacional, enfim etc etc etc. c34x
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 01:20:05 pm
Kawa a não ser que espanha sele as suas fronteiras terrestres e maritimas, passar de portugal (e frança) para espanha é extremamente facil (tal como ja ficou provado varias vezes ao longo da história e é só olhar para paises como a america que tem as fronteiras o mais estanque possivel e mesmo assim passam ilegais, ou israel que apesar de ter fronteiras estanques, existem sempre operacionais que quando querem entram dentro do estado judaico).
e se atacar a madeira com tudo o que têm vos garante grandes probabilidades de sucesso, atacar portugal continental, é uma história completamente diferente (os bombardeios aereos sem forças no terreno é igual a desperdiçar uma imensidão de bombas em alvos ficticios, tal como aconteceu na 1ª guerra do golfo ou no Kosovo, pois uma enorme percentagem dos alvos destruidos eram engodos).
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 01:26:36 pm
e uma invasão terrestre de portugal custaria muito sangue espanhol (provavelmente morreriam muitos mais espanhois que portugueses, pois nós teriamos imensas vantagens (terreno, lutar pela sobrevivencia, estamos a defender, etc...) enquanto espanha só teria a vantagem numerica e tecnologica (tal como em aljubarrota), mas nunca conseguiriam uma massificassão de forças que esmagasse, a não ser que concentrassem tudo em 2 ou 3 pontos, mas ai portugal poderia aproveitar para retaliar militarmente (um batalhão bem entincheirado consegue parar um corpo de exercito durante meses) pois deixariamos umas forças a travar o avanço espanhol em pontos chave enquanto pequenas unidades atacariam pontos chave na retaguarda espanhola (pois para tal avanço espanha teria que empenhar praticamente todas as suas forças armadas).
Título:
Enviado por: manuel liste em Junho 11, 2008, 01:55:25 pm
Sin duda que las FAS españolas actuales no tienen la menor capacidad para invadir Portugal, porque como es obvio no se preparan para eso.

Si se preparasen para invadir Portugal y quedarse necesitarían mucha más fuerza, no hay que ser general para comprenderlo.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 11, 2008, 02:12:40 pm
não apenas a pressão internacional, muitos espanhois, (principalmente os  galegos, que nos acham como os seus irmãos mais próximos), achariam isso muito mau, pois daria um má imagem a Espanha.
Título:
Enviado por: Ataru em Junho 11, 2008, 02:16:09 pm
Para além disso Espanha não tem razão para nos atacar, e sem razão os soldados iriam revoltar-se em muitas fileiras, originando uma revolta interna e a queda do governo. Não é Espanha que é uma ameaça para nós, nós é que somos uma ameaça para Espanha.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 11, 2008, 02:25:35 pm
Citação de: "Ataru"
Para além disso Espanha não tem razão para nos atacar, e sem razão os soldados iriam revoltar-se em muitas fileiras, originando uma revolta interna e a queda do governo. Não é Espanha que é uma ameaça para nós, nós é que somos uma ameaça para Espanha.


Explica lá isso outra vez... :shock:
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Junho 11, 2008, 02:29:53 pm
Citação de: "ruben lopes"
não apenas a pressão internacional, muitos espanhois, (principalmente os  galegos, que nos acham como os seus irmãos mais próximos), achariam isso muito mau, pois daria um má imagem a Espanha.


Tu tens aqui vários Galegos em que a única coisa que dizem é que uma invasão Espanhola não vai acontecer e que os Espanhóis são amigos dos Portugueses. No entanto esses mesmos Galegos dão uma imagem de patriotismo, por isso acho que não veriamos desersões ou revoltas em massa como estás a implicar em unidades com muitos Galegos.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 05:21:04 pm
Se espanha atacar portugal, duvido que haja deserções e revolta nas fileiras (pelo menos no inicio e enquanto as coisas não dão terrivelmente para o torto), mas esse ataque deixa espanha vulneravel a acções subversivas no seu territorio (tipo é facil convencer as familias bascas, galegas ou catalãs que a morte do seu filho em portugal é culpa do governo espanhol, resultado os movimentos independentistas ganham mais força).
se for reforçardo esse sentimento com a demolição da piramide de Maslow, então isso implica a demolição dos actuais pilares da sociedade espanhola (pois como espanha é neste cenario que se esta a debater a agressora, o sentimento de vingança não tera primazia ao sentimento de revolta contra quem iniciou o conflito (a unica exepção a isto possivelmente seria Castela, pois o sentimento patriotico possivelmente ai conseguiria vencer a revolta)).
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 11, 2008, 06:02:06 pm
Uma pergunta:
Na Madeira, onde é que a BRIMAR desembarcava?
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 11, 2008, 06:20:09 pm
Yo no lo se, pero seguro que el Estado Mayor si lo sabe.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 11, 2008, 06:57:02 pm
Não podemos esquecer Marrocos, que numa possivel guerra entre Portugal e Espanha não iria ficar a ver. :wink:
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 11, 2008, 07:14:58 pm
Daniel me sorprendes. Hace un rato llamabas a los americanos en tu auxilio, ahora a los marroquies, ¿y el proverbial valor luso?.
No tenéis ninguna opción ,es solo cuestión de reconocerlo ( no es cosa de perfidos castellanos) es imaginación de garrulo.
Título:
Enviado por: Daniel em Junho 11, 2008, 07:34:34 pm
garrulo
Citar
Daniel me sorprendes. Hace un rato llamabas a los americanos en tu auxilio,

Onde é que chamei os amaricanos em meu auxilio  :wink:

Citar
el proverbial valor luso

Meu caro mais calminha andas muito nervoso aprende a ser um pouco mais realista, quanto ao valor luso saberas na hora da verdade. c34x

Citar
No tenéis ninguna opción ,es solo cuestión de reconocerlo ( no es cosa de perfidos castellanos) es imaginación de garrulo.
 
 


E ele a dar-lhe, opções é o que não falta, mas para tu tristeza não gosto de teórias vou mais para o lado da pratica, quanto a tua imaginación não está má, pena é que não veres isso acontecer.
Saludos c34x  :lol:
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 11, 2008, 07:39:05 pm
Citação de: "garrulo"
Yo no lo se, pero seguro que el Estado Mayor si lo sabe.


Tem aqui um mapa. Opine ;)
http://www.lib.utexas.edu/maps/islands_ ... ira_71.jpg (http://www.lib.utexas.edu/maps/islands_oceans_poles/madeira_71.jpg)
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 11, 2008, 07:51:05 pm
He mirado la isla despues de su pregunta, pero me parece que las playas de Funchal podrian servir, en cualquier caso despues del ataque de 36 aviones no creo que fuera ninguna impertinencia un desembarco administrativo en el mismo puerto de la capital.
Teniendo en cuenta que se  enfrenta un regimiento a una brigada, a la capacidad de ataque de la flota, al destrozo de 36 cazas y de 20 helos con la unidad de operaciones especiales de la brimar.....
De cualquier modo no pretendemos hacer ningún desastre en la isla ya que mi
 objetivo es quedárnosla.
Lo siguiente es hablar con el señor Jardin.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 08:13:31 pm
Por acaso não me tinha lembrado dos marroquinos que obviamente aproveitariam tal conflito para tomarem ceuta e melilha.

O pessoal superestima a capacidade da força aerea, esconder debaixo de terra é extremamente facil e rapido de fazer, e apesar de eu não ter duvidas que espanha consegue tomar a Madeira, se a nivel de forças terrestres somente usarem os seus fuzileiros então as probabilidades de sucesso espanholas baixam de forma astronomica.
nós os tugas ja enfrentamos 23.000 homens a atacarem uma fortaleza defendida por 600 e ganhamos, agora uma brigada efectuar um ataque anfibio num sitio defendido por 1 regimento e o povo portugues (o mesmo povo que fez fracassar a 2ª invasão Francesa, é quase suicida para quem ataca).

eu adoro o zé tuga, quixa se de tudo e todos e julga que não vale nada, mas quando as coisas correm para o torto, não existe povo com a capacidade de Desemerdanço (que é uma caraqueteristica cultaral portuguesa) e simultaneamente muito subestimado por quem nunca (os espanhois ja não se lembram da ultima vez que foram corridos do nosso territorio) enfrentou uma força de portugueses enraivecidos.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 08:16:40 pm
e o pessoal não se pode esquecer que em tal acção ofensiva os espanhois provavelmente perderiam um ou dois navios (portugal tem submarinos, e as tripulações ja afundaram em exercicios porta aviões americanos e parte da sua escolta)
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 11, 2008, 08:17:51 pm
Los argumentos prehistóricos son eso prehistoria......
Título:
Enviado por: garrulo em Junho 11, 2008, 08:19:43 pm
Los portugueses tienen submarinos dafne (2) esos mismos ya los dimos de baja y creo que solo uno esta operativo si lo está.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 09:13:06 pm
Garrulo, portugal esta em vias de substituir esses submarinos, e estas te a esquecer de uns promenores muito importantes, 1º portugal tem varias equipas de mergulhadores treinados para destruir navios em alto mar e em 2º lugar a madeira é basicamente uma cordilheira que sai do mar, ou seja forças mecanizadas e motorizadas só terão utilidade numa parcela infima da ilha, o resto tera que ser com infantaria pura e dura (ou seja a espanha para ganhar tem que empenhar uma ou duas dezenas de milhares de homens, com todo o apoio logistico que isso acarreta, a brimar só serviria para tomar uma ou duas cabeças de ponte, o resto teria que ser uma colecção de batalhões de infantaria (e uma ML guarnecida por 2 ou 3 homens e bem posicionada, consegue parar um desses batalhões enquanto tiver munições) e o apoio aereo de f18 vindos das canarias para destruir 2 homens de cada vez é no minimo overkill, e agora se tiveres um regimento que se mete na defensiva e em simultaneo fornece parte das suas armas para pessoas que estão defendendo o que é deles, da para perceber o banho de sangue que vai ser (sobretudo se conheceres o tereno madeirense que não é nada propenso para forças motorizadas, mecanizadas ou paraquedistas)).
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 11, 2008, 09:13:30 pm
Bueno aunque no estoy involucrado directamente en esta batalla dialectica,pues meto de lleno,y vengo a dar "Batalla"  :wink:
A ver tyr:
Citar
nós os tugas ja enfrentamos 23.000 homens a atacarem uma fortaleza defendida por 600 e ganhamos, agora uma brigada efectuar um ataque anfibio num sitio defendido por 1 regimento e o povo portugues (o mesmo povo que fez fracassar a 2ª invasão Francesa, é quase suicida para quem ataca).
Estamos en el siglo XXI,ya que parece que se te olvida compañero,de nada sirve el pasado :wink: .
De la misma forma,en todo este tiempo que ha pasado desde el escenario que tu mencionas hasta el dia de hoy ,los sistemas de armamento han avanzado una barbaridad.Ya que donde mencionas tu"lo de la fortaleca con 600 personas ",a dia de hoy no es ningun problema,ya que un solo misil Taurus o Tomahawk(poseen o poseeran en un futuro proximo las fuerzas armadas españolas),te permite practicamente aniquilar a esas personas apretando un solo boton,y sin que los sistemas de defensa enemigos puedan ponerte en peligro :twisted: .

Citar
e o pessoal não se pode esquecer que em tal acção ofensiva os espanhois provavelmente perderiam um ou dois navios (portugal tem submarinos, e as tripulações ja afundaram em exercicios porta aviões americanos e parte da sua escolta)

Pues si que subestimas tu,a la posible task force española..(Donde la cual actuaria bajo una total superioridad aerea y naval,ya que uno de los objetivos principales de nuestra aviacion y de nuestra armada,seria acabar lo mas pronto posible con la resistencia enemiga en estos campos) ademas de como dice garrulo,ahora mismo hasta la llegada de los u-209pn,Portugal esta un poco "coja"(con poca capicidad), en este campo,ademas para cuando esta capacidad submarina este al 100%,España tendra los submarinos s-70(algo viejos y desfasados eso si,a pesar de las modernizaciones que se les esta llevando a cabo),y los s-80 de camino,si no alguno ya en servicio.Por no hablar de de la guerra antisubmarina con medios como los helicopteros sh-60,que si no el el mejor en este campo es de los mejores.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 09:30:56 pm
Eu não estou a subestimar, estou a constatar um risco muito provavel que qualquer almirante não pode esquecer (sobretudo os mergulhadores, que conseguem aproximar-se de uma embarcação sem serem detectados e colocarem lhe uma bomba lapa).
E uma coisa que a historia tem de bom é que nela se espalha o espirito de um Povo, e o zá tuga sempre se queixou, sempre se sentiu inferior, mas tirando poucas exepções sempre conseguiu fazer milagres quando se tinha que defender, foi só isso que eu quis dizer.

e eu fui buscar exemplos antigos, pois a nossa queda na India contra a União indiana, não foi menos heroica (claro que meia duzia de tugas armados com mausers cada um com 10 tiros a enfrentar milhares de indianos armados com espingardas automaticas, carros de combate, aeronaves (e eles atacaram assim dessa forma exagerada por saber como nós resistimos))
ou a capacidade de portugal manter uma guerra em 3 frentes (uma das quais contra uma guerrilha equipada pelos russos, chinezes e cubanos com navios, armamento antiaereo e inclusive força aerea) contando sempre as munições, enquanto os americas no vietnam se viam à rasca, os franceses na argelia a mesma coisa (dos espanhois no sara ocidental não tenho informações, por isso não posso comparar, a não ser na diferenca de poderio).
Título:
Enviado por: comanche em Junho 11, 2008, 09:53:38 pm
Citar
Sin duda que las FAS españolas actuales no tienen la menor capacidad para invadir Portugal, porque como es obvio no se preparan para eso.

Si se preparasen para invadir Portugal y quedarse necesitarían mucha más fuerza, no hay que ser general para comprenderlo.


Como é obvio as forças armadas actuais de Portugal seriam também enormemente reforçadas em caso de guerra com Espanha, não há que ser General para compreender isso.
Título:
Enviado por: papatango em Junho 11, 2008, 11:33:58 pm
A possibilidade de invasão por parte de Espanha, só se poderia comreender numa situação de «fuga para a frente» em que um governo franquista espanhol (chamem-lhe franquista, do PP, extremista ou castelhanista isso agora não interessa).

Parte-se do principio de que um governo extremista espanhol toma o poder para garantir "La unidad Hispana".
"gentinha" do calibre doJoão Jardim, poderia perfeitamente pedir o apoio dos espanhóis e criar uma situação de instabilidade par ajustificar a intervenção em Portugal.

Por isso, a acreditar no que se vê nas notícias, bastaria subornar o João Jardim, ou os deputados do PSD-Madeira, que alegadamente são quase todos corruptos.
Nem era preciso invasão. O João Jardim mandaria colocar bandeirinha espanholas e a Madeira estaria tratada.

A ideia de atacar primeiro a Madeira é disparatada, porque ela teria como única função dividir forças, e ajudaria a fazer perder o factor surpresa.

A nossa principal desvantagem, é a rede de estradas, que permite chegar facimente a qualquer lado.
Dar tempo aos portugueses, é exactamente o que Napoleão aconselhou que não fosse feito em 1807.

Com um pouco de tempo, seria possivel preparar defesas em algumas áreas do país, nomeadamente cortando vias de comunicação.
Um governo extremista espanhol nunca teria o tempo a seu favor, por isso não faz grande sentido falar em grandes invasões convencionais.

A questão é:

Será possível tomar Portugal em apenas alguns dias, para evitar problemas com qualquer conflito interno ?
Para isso, a operação tem que ser rápida.
Não pode contar com muitas forças, por causa dos problemas étnicos.
Utilizam-se os militares imigrantes como força de choque, porque esses podem morrer à vontade e a sua morte não afecta a opinião pública.

Depois disso, imediatamente estabelece-se um governo provisório português, com o apoio de pessoas como António Vitorio como Presidente do governo e Pina Moura como Presidente da República Associada de Portugal.

Sem uma estrutura de comando, deixaria de haver exército e os espanhóis fariam o mesmo que os franceses fizeram em 1808.
Ou seja: O exército português seria dissolvido, e a ocupação teria um aspecto legal, aguardando-se uma nova constituição.
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 11:43:08 pm
A dissolução de forças seria muito perigosa, pois perderiam o controlo de muitos elementos (estou a falar de milhares de pessoal com cursos e em guerra subversiva e contrasubversiva) capazes cada um deles iniciar uma rede de Resistencia (se eles acham que a ETA é má, queria ver eles confrontados por pessoal treinado para esse fim (e a auxiliar todos os movimentos independentistas existentes em espanha), a não ser que fuzilassem todos os militares portugueses, quer os que estão no activo quer os que estão na reserva).
Título:
Enviado por: tyr em Junho 11, 2008, 11:48:29 pm
Atacar a madeira com o intuito de a controlar, e em simultaneo fechar fronteiras com portugal parece ser tambem um cenario viavel (a madeira seria relativamente facil de tomar, e um governo que tenha principios franquistas (desculpem me os espanhois, mas estou a seguir o raciocinio do PT) ira subestimar a vontade do povo portugues em querer recuperar o que é seu, não esperando um contrataque da parte de portugal, mas sim um reforçar das defesas nacionais).
Título:
Enviado por: Luso em Junho 11, 2008, 11:51:09 pm
Eu, que sou céptico por natureza (ou pelo menos um bocadinho) sempre desconfiei de certos "patriotismos". Mas por aquilo que tenho lido e - sobretudo - visto - seria tudo menos favas contadas. O português pode ser broeiro (eu também sou mas só um bocadinho) e bruto, mas não lhe mexam no quintal.

PS: o português que não é de Lisboa (esses almofadinhas).
Título:
Enviado por: Ataru em Junho 11, 2008, 11:55:56 pm
Tão e não querem mais nada? um cházinho uns bolinhos?

O tópico chama-se "guerra entre portugal e espanha", não se chama "vamos dizer á espanha como nos conquistar em 5 dias"
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 12:12:11 am
Despues de lo leído esta claro quien está subestimando aqui a quien, y no somos los españoles precisamente. Garrulo ha expuesto una guerra limitada, no necesitamos destruir Portugal si no limitarnos a ocupar la parte que NOS interesa en este caso Madeira y la zona circundante. ¿Que haría Portugal para recuperar lo perdido? Por que mucho hablar de que los portugueses no permiten que lo que consideran suyo se les quite y en cambio hace 207 años que mantenemos el control sobre Olivenza ¿están por fin reconociendo que no es suya? :twisted:
Título:
Enviado por: papatango em Junho 12, 2008, 12:21:36 am
Citação de: "tyr"
Atacar a madeira com o intuito de a controlar, e em simultaneo fechar fronteiras com portugal parece ser tambem um cenario viavel (a madeira seria relativamente facil de tomar, e um governo que tenha principios franquistas (desculpem me os espanhois, mas estou a seguir o raciocinio do PT) ira subestimar a vontade do povo portugues em querer recuperar o que é seu, não esperando um contrataque da parte de portugal, mas sim um reforçar das defesas nacionais).


A Madeira é fácil de tomar, mas é preciso ver que quando eu falo de franquistas falo essencialmente da parte da Espanha que não se reconciliou com a História. Infelizmente há muitos que ainda têm manias Hispanicas.

Eu não creio que eles substimem a maneira de ser dos portugueses e esse seria o principal problema deles.

Já as resistências organizadas, tudo depende das condições. O controlo da informação e a censura, que seriam estabelecidas durante algum tempo, levariam a que a opinião pública ficasse sem informação, embora com a Internet isso seja complicado. Mas os ISP's também se podem cortar durante algum tempo.

Ou seja, quanto tempo teríamos capacidade para impedir que os espanhóis nos impusessem um governo capitaneado por Pina Moura ?
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 12:27:19 am
Citação de: "papatango"
A Madeira é fácil de tomar, mas é preciso ver que quando eu falo de franquistas falo essencialmente da parte da Espanha que não se reconciliou com a História. Infelizmente há muitos que ainda têm manias Hispanicas.

Eu não creio que eles substimem a maneira de ser dos portugueses e esse seria o principal problema deles.


De momento los únicos que estan a subestimar aqui al otro son los portugueses las capacidades de España de ocupar Madeira (instauración de un gobierno al más puro estilo Kosovo) y para dañar gravemente las infraestructuras portuguesas reduciendo ampliamente su capacidad de respuesta, les recuerdo que es dificil mover equipo pesado con el cielo dominado por tu enemigo :roll:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 12, 2008, 12:37:20 am
Kawa não sei percebeste a minha teoria retaliatorai, pois para ela não estou a contar com as Forças armadas, e o corte de informação é uma faca de 2 gumes, se o pessoal não sabe o que se passa vai ouvir mais facilmente quem tem informação ou um plano com pés e cabeça (e formação em varias areas).
eu não estou a subestimar os espanhois, a tatica que delinei, não tem como principal objectivo vencer as forças armadas espanholas, pelo combate, mas sim pela logistica.
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 12:44:20 am
Si esta a subestimar cuando dice que será el propio pueblo español el que pida la retirada de nuestras tropas ¿quien cree que pedirá antes un tratado de paz los españoles por algunos ataques contra la logistica como usted dice de nuestras fuerzas armadas o los portugueses al ver que se quedan sin agua, luz, comida, etc? Cualquier barco portugues sería capturado o hundido, cualquier camión que se mueva es un objetivo para la Fuerza Aérea Española, puentes, vias de ferrocarril, carreteras, puertos o aeropuertos son objetivos militares, si sus F-16 no despegan no pueden impedir los ataques y si despegan (a pesar de utilizar 22 F/A-18 para atacar Madeira desde Canarias) quedan en la Peninsula 67 F/A-18, 18 EF-2000 y 40 Mirage F-1M para enfrentarse a sus F-16 con lo que estos se encuentran en situación de inferioridad por 3 a 1, con lo que nosotros podemos atacar al mismo tiempo 3 objetivos garantizandonos paridad en el aire y ustedes solo podrían como mucho interceptar a uno de ellos pero los otros 2 logran sus objetivos.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 12, 2008, 01:06:00 am
Citar
A Madeira é fácil de tomar, mas é preciso ver que quando eu falo de franquistas falo essencialmente da parte da Espanha que não se reconciliou com a História. Infelizmente há muitos que ainda têm manias Hispanicas.

Hay muchos menos de los que tu te piensas,por no decir,que yo personalmente,y recalco lo de personalmente,no he visto ni he hablado con ningun  español que tenga ideas hispanicas o imperialistas hacia Portugal.Es mas esta tarde sin ir mas lejos por ejemplo he sido el primero en alegrarme en la victoria de Portugal en la Euro 2008,e incluso tengo algun que otro amigo que celebraba los goles lusos,asi que tengo la sensacion,equivocada o no,que desde aquel lado de la frontera  se ve  la realidad española con respecto a Portugal un tanto atrofiada,o por lo menos que no refleja en su mayoria a la realidad actual. :wink:
Título:
Enviado por: manuel liste em Junho 12, 2008, 08:42:40 am
Desde luego que los españoles nos rebelaríamos ante una idea tan idiota como hacerle la guerra a Portugal. Si alguien propusiese una idea semejante merecería ser encerrado en un psiquiátrico

Los intereses españoles están perfectamente a salvo con un Portugal próspero y pacífico, tal y como está ahora.

La única posibilidad de que España entrase en guerra con Portugal sería que España sufriese una agresión militar por parte de Portugal, algo impensable en las actuales circunstacias.

Si quieren hacer ejercicios mentales me parece bien, pero no se tomen este asunto como si fuera una hipótesis realista porque sencillamente no lo es, y quien piense lo contrario también merecería unas sesiones con un psiquiatra
Título:
Enviado por: EB em Junho 12, 2008, 10:03:48 am
Uma grande potência regional, como é a Indonésia, com todo o seu poderio aéreo, naval e terrestre, não conseguiu dominar um pequeno território, Timor-Leste, defendido por uma centena de Homens armados praticamente com paus e pedras (e algum armamento e camuflados tirados a soldados indonésios  :twisted: ), que tinham como refúgio as montanhas.

A teoria não passa disso - teoria. A prática seria bem diferente. Mesmo falando em tentativa de ocupação das ilhas da Madeira (ou Açores...), só o facto de existir terreno montanhoso dificulta sobre-maneira a tarefa de um hipotético exército invasor.

Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Miguel em Junho 12, 2008, 11:53:51 am
Eu  :D  se fosse General Espanhol, responsavel pela conquista da Madeira, operava assim:

Operaçao Helitransportada sobre o pico do Areeiro, a Partir das Canarias e com o apoio do PdA.

Colocaçao de uma bataria de artilharia, em seguida nesse mesmo lugar.

Em simultaneo, operaçao amfibia no Porto Santo com um Batalhao do TEAR.Para impedir a utilizaçao da pista por partes dos portugueses.

No Continente colocava as 3 Brigadas Mecanizadas em defensiva, para impedir ataques de cavalaria dos portugueses, contra os centros nevraligicos espanhois.

Poupava os F18 e EF2000 para interdiçao aéréa, evitando ataques suicidas em Portugal continental.(E obvio que teria um embargo sobre o armamento depois...)

Depois passava na mesa de negociaçoes com os Portugueses.(havendo poucas baixas na populaçao civil no continente, seria possivél uma abdicaçao da Madeira do AJJ) No melhor dos casos podia ser a implantaçao de uma Republica autonoma da Madeira.
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 12, 2008, 12:33:57 pm
Citação de: "garrulo"
He mirado la isla despues de su pregunta, pero me parece que las playas de Funchal podrian servir, en cualquier caso despues del ataque de 36 aviones no creo que fuera ninguna impertinencia un desembarco administrativo en el mismo puerto de la capital.
Teniendo en cuenta que se  enfrenta un regimiento a una brigada, a la capacidad de ataque de la flota, al destrozo de 36 cazas y de 20 helos con la unidad de operaciones especiales de la brimar.....
De cualquier modo no pretendemos hacer ningún desastre en la isla ya que mi
 objetivo es quedárnosla.
Lo siguiente es hablar con el señor Jardin.



36 aviões não destroem grande coisa - principalmente porque seria impensável estarem todos no ar num ataque inicial.
O porto do Funchal seria imediatamente inviabilizado (bastaria afundar um dos muitos paquetes que lá estão à entrada)
No Funchal julgo não haver uma praia capaz de suportar o desembarque de uma brigada. Quanto muito o Machico (extremo Este da ilha), mas a geografia da praia (envolvida por montes rochosos) facilita a defesa.
Mas, admitindo que Espanha conseguia desembarcar uma força considerável que tomava o Funchal. A defesa passaria pela divisão da Ilha em dois, destruindo os túneis e isolando o Norte da ilha. Restava a Espanha três hipóteses: operações helitransportadas (os helis tornavam-se alvos fáceis); ou caminhar a pé pelas levadas para chegar a Norte (sem muita resistência demorariam uma semana a conseguir algum objectivo); e a que poderia ter mais sucesso a largada de paracas no planalto Norte.

Não digo que Espanha não conseguiria, mas jamais seria a pêra doce aqui escrita.
Título:
Enviado por: Miguel em Junho 12, 2008, 12:54:19 pm
Madeira=Guadalcanal

Os Bi-Tubos de 20mm, seriam  terriveis contra os hélis, e bem camuflados na vegetaçao.

A dispersao das forças portuguesas neste caso, é a chave da vitoria.

Depois existe a probabilidade de os submarinos Tridente e Arpao, afundar algums navios espanhois.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 12, 2008, 01:31:14 pm
Citação de: "Miguel"
Madeira=Guadalcanal

Os Bi-Tubos de 20mm, seriam  terriveis contra os hélis, e bem camuflados na vegetaçao.

A dispersao das forças portuguesas neste caso, é a chave da vitoria.

Depois existe a probabilidade de os submarinos Tridente e Arpao, afundar algums navios espanhois.

No estoy completamente de acuerdo contigo Miguel :arrow: Efectivamente los bitubos de 20mm serian una gran amenaza para los helicopteros,pero nada comparado con cualquier manpad por ejemplo.Tu dices que bien escondidos entre la vegetacion podrian ser muy utiles,yo te lo discuto,porque evidentemente has obviado un elemento muy importante en cualquier escenario moderno,y no es otro que  la existencia de Uav's,que para estas misiones son ideales,por no decir que ademas esta guerra se daria en un entorno insular,lo que permite que con  muy pocos uav's,se pueda cubrir una gran cantidad de terreno.

  :arrow: En cuanto a lo de los submarinos,evidentemente cualquier submarino ssk,hoy en dia, represantan un gran problema para cualquier fuerza enemiga.Ahora bien hay que tener en cuenta,algunos aspectos,por ejemplo,el que los submarinos portugueses no adolezcan de problemas como los que estan teniendo griegos y coreanos,hay que tener en cuenta a la propia fuerza submarina y antisubmarina  española,etc..
Título:
Enviado por: papatango em Junho 12, 2008, 03:09:29 pm
Taapalhada...  :twisted:  :twisted:
Título:
Enviado por: P44 em Junho 12, 2008, 03:28:28 pm
Citação de: "EB"
Uma grande potência regional, como é a Indonésia, com todo o seu poderio aéreo, naval e terrestre, não conseguiu dominar um pequeno território, Timor-Leste, defendido por uma centena de Homens armados praticamente com paus e pedras (e algum armamento e camuflados tirados a soldados indonésios  :mrgreen:
Título:
Enviado por: EB em Junho 12, 2008, 04:47:48 pm
Citação de: "P44"
Citação de: "EB"
Uma grande potência regional, como é a Indonésia, com todo o seu poderio aéreo, naval e terrestre, não conseguiu dominar um pequeno território, Timor-Leste, defendido por uma centena de Homens armados praticamente com paus e pedras (e algum armamento e camuflados tirados a soldados indonésios  :mrgreen:


 :mrgreen:
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 12, 2008, 05:47:18 pm
como já disse uma vez, nunca haverá invasão de espanha. se o fizessem, tenho a certeza que os povos de espanha achariam isso uma coisa muito má de se fazer, e quem acharia assim principalmente, eram os galegos, que nos vêm como grandes irmãos. :G-beer2:
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 06:15:36 pm
Citação de: "ruben lopes"
como já disse uma vez, nunca haverá invasão de espanha. se o fizessem, tenho a certeza que os povos de espanha achariam isso uma coisa muito má de se fazer, e quem acharia assim principalmente, eram os galegos, que nos vêm como grandes irmãos. :G-beer2:


Error Ruben, los gallegos no los vemos como "grandes irmaos", Ferrol, Manuel o yo por ejemplo somos gallegos y así muchos más, primero somos españoles y si hay guerra estamos con España no con otro país.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 12, 2008, 08:02:25 pm
pois, mas vocês não devem ser do partido nacional galego, devem ser do partido do Sapateiro, o partido dos trabalhadores.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 12, 2008, 08:20:25 pm
Citação de: "ruben lopes"
pois, mas vocês não devem ser do partido nacional galego, devem ser do partido do Sapateiro, o partido dos trabalhadores.

¿Y?...¿que nos quieres decir con eso?...Esta en su derecho democratico,tanto el,como los 45 millones de españoles restantes ,de pertenecer al partido politico que deseen ,sea este un partido nacionalista,de trabajadores,de extrema derecha... :wink:
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 09:01:45 pm
Citação de: "ruben lopes"
pois, mas vocês não devem ser do partido nacional galego, devem ser do partido do Sapateiro, o partido dos trabalhadores.


Kawa el Bloque Nacionalista Gallego (BNG no PNG) tiene 18 diputados en el parlamento gallego, de 75 ¿sabes sumar? :twisted:
Título:
Enviado por: manuel liste em Junho 12, 2008, 09:17:41 pm
No le quitéis la ilusión al chaval. Si quiere ser "gran hermano" nuestro, dejad que lo sea  :lol:
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 09:26:27 pm
Citação de: "manuel liste"
No le quitéis la ilusión al chaval. Si quiere ser "gran hermano" nuestro, dejad que lo sea  :wink:
Título:
Enviado por: tyr em Junho 12, 2008, 10:03:54 pm
18 em 75 equivale a 24%, ou seja um em cada 4 galegos (eleitores é pró partidos nacionalistas, quem vota nos outros não quer dizer que não seja nacionalista, simplesmente identifica se mais ou acha mais util o seu voto noutro lada (obviamente muitos galegos, e digo o quase com certeza a maioria dos galegos, actualmente são espanhois de corpo e alma)).

claro que 24% num ambiente subversivo rapidamente toma outras proporções, pois normalmente os movimentos radicais (tanto de direita como de esquerda) têm militantes muito mais leais (e dificeis de convencer a mudar de ideologia) que os apoiantes de movimentos moderados.

Tambem é obvio que tudo o que se passa aqui são jogos hipoteticos de quem não tem mais nada de util para fazer (eu inclusive :lol: ) e adora puxar pela caxola (e para portugal o unico pais que nos podera ameaçar (numa guerra de fronteiras) é espanha, num forum portugues justifica se este debate, num espanhol provavelmente tambem existiria o conflito com frança, inglaterra e marrocos)
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 12, 2008, 11:05:21 pm
Normalmente solo con Marruecos, ese 24% no subiría más de lo que subiría en Portugal por ejemplo el deseo del Norte de Portugal de hacerse independiente para no ver como se usa su dinero en otras partes del país y de paso abandonar una guerra en la que no ganará nada pero va perdiendo a cada día que pasa infraestructuras y riqueza :roll:
Título:
Enviado por: Lancero em Junho 12, 2008, 11:12:05 pm
Citação de: "papatango"
Taapalhada...  :twisted:  :twisted:


Reagi a um cenário onde isso não se colocava. Na vida real, obviamente que esse era o caminho a levar - o que no entanto não inviabiliza parte do que acima escrevi.
De facto, o Porto Santo é o calcanhar de Aquiles do arquipélago. Embora não seja uma ilha com rescursos, é facilmente abastecível por ar e mar.
Título:
Enviado por: Bravo Two Zero em Junho 13, 2008, 12:37:50 am
Citação de: "Lancero"
Citação de: "papatango"
Taapalhada...  :twisted:  :twisted:

Reagi a um cenário onde isso não se colocava. Na vida real, obviamente que esse era o caminho a levar - o que no entanto não inviabiliza parte do que acima escrevi.
De facto, o Porto Santo é o calcanhar de Aquiles do arquipélago. Embora não seja uma ilha com rescursos, é facilmente abastecível por ar e mar.


E tem uma praia de areia com 9 km.

Na Madeira, exceptuando a praia artificial da Calheta e algumas pequenas praias com areia vulcânica, o resto é "calhau".

Poderia ser um novo desastre como o raid de  Dieppe, 65 anos depois.......

E, uma operação heli no Pico do Areeiro ?
Só se for para provar a poncha......A orografia não ajuda, o tempo é péssimo, muitas vezes com baixa visibilidade devido ao nevoeiro. E sempre são +/- 20km de corta mato pela serra abaixo até ao Funchal.

A zona leste da ilha (Santa Cruz e Machico ) é mais vulnerável.
E os espanhóis seria corridos em Câmara de Lobos. Aquela gente não é para brincadeiras  :shock:
Título:
Enviado por: papatango em Junho 13, 2008, 01:07:13 am
err....

Os helicópteros eram para tomar o aeroporto do Funchal, se não fosse possível, eles permitiriam colocar tropas em inumeros outros locais.
A chave para tomar a Madeira está em Porto Santo.

Amanhã já o Adalberto João manda colocar lá postos de observação para se houver alguma invasão dos colonialistas... :mrgreen:

Por outro lado, as praias de calhaus são más para os turistas, mas os carros de combate não costumam ter problemas com isso. O problema são os acessos dessas praias e a facilidade (ou não) de avançar rapidamente para o  interior.
Título:
Enviado por: ruben lopes em Junho 13, 2008, 02:36:35 pm
tenho muito orgulho pelo manuel liste,  é pacífico ao contrário dos seus compatriotas.
Título:
Enviado por: AMRAAM em Junho 13, 2008, 08:00:11 pm
Citação de: "ruben lopes"
tenho muito orgulho pelo manuel liste,  é pacífico ao contrário dos seus compatriotas.

Y como siempre..¿para realizar esta afirmacion te basas en...?Ya te lo digo yo, en 0 argumentos compañero :wink:

PS: VIVA LA PAZ!!...pero como decia aquel proverbio..."SI VIS PACEM PARA BELLUM! :wink:
SALUDOS!!
Título:
Enviado por: PedroM em Junho 20, 2008, 11:07:43 pm
Boa noite a todos!

É só para assinalar uma efeméride...

Hoje é dia 20 e a mensagem anterior neste tópico data de dia 13 o que quer dizer que estamos há uma semana em paz com Espanha.  :wink:

Congratulo-me com o facto!
Título:
Enviado por: Ataru em Junho 20, 2008, 11:14:39 pm
É mais Espanha que está em paz connosco, porque nós não somos um país violento e somos um país livre onde a liberdade impera, até mesmo na imprensa...
http://en.wikipedia.org/wiki/Reporters_Without_Borders (http://en.wikipedia.org/wiki/Reporters_Without_Borders)
Título:
Enviado por: Kawa em Junho 20, 2008, 11:31:20 pm
Citação de: "Ataru"
É mais Espanha que está em paz connosco, porque nós não somos um país violento e somos um país livre onde a liberdade impera, até mesmo na imprensa...
http://en.wikipedia.org/wiki/Reporters_Without_Borders (http://en.wikipedia.org/wiki/Reporters_Without_Borders)


Una lista muy bonita ¿tendrá algo que ver los periodistas que reciben cartas bomba de ETA por no escribir lo que ellos quieren? ¿tal vez los que han debido abandonar Euskadi? Si hasta esta España por delante de USA en esa lista :twisted:
Título:
Enviado por: Lightning em Junho 20, 2008, 11:44:06 pm
Viram aquele 111 :lol: boa posição.
Título:
Enviado por: Ataru em Outubro 20, 2008, 02:57:04 pm
Este tópico precisa de vida lol
Tá em coma coitado  :?  

Acredito que caso houvesse guerra entre os 2 países haveria sempre apoios de outros paises, nações, ong's etc... para cada um dos lados...

Que tal fazermos uma lista de possiveis aliados de um e de outro lado?

Do lado de Portugal penso que estaria:
-Rebeldes Galegos
-Rebeldes Catalães
-Rebeldes Bascos
-Outros Rebeldes espalhados pelo país
-Marrocos
-Brasil
-Timor
-Palop's
-Reino Unido
-Voluntários de vários aliados de Portugal
Título:
Enviado por: TOMSK em Outubro 20, 2008, 03:26:48 pm
Num hipotético conflito:
Do lado espanhol, França, Itália e talvez Austrália( pelas questões de Timor)
Os EUA são uma incógnita...
Já agora, não me admirava se o nosso amigo Hugo Chavéz nos viesse ajudar  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: TOMSK em Outubro 20, 2008, 03:42:58 pm
Citação de: "TOMSK"
Já agora, não me admirava se o nosso amigo Hugo Chavéz nos viesse ajudar  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: cromwell em Outubro 20, 2008, 03:47:33 pm
Citação de: "Ataru"
Este tópico precisa de vida lol
Tá em coma coitado  :lol:  Do lado de Portugal? :lol:
Por causa da aliança?
Pois, já se viu a bela aliança a resultar muito bem, com o caso do Françis Drake e com o caso do mapa cor-de-rosa. (ironia)
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 20, 2008, 06:56:09 pm
:lol:
Título:
Enviado por: TOMSK em Outubro 20, 2008, 07:06:02 pm
Citação de: "Miguel"
:D  

Meus caramelos!! nao tendes fé em nos?

Nao precisavamos de nimguem para nos ajudar :lol:
Título:
Enviado por: Ataru em Outubro 20, 2008, 07:15:06 pm
Tenho pois, mas apesar de tudo a comunidade internacional não ia simplesmente ficar a ver, penso eu...
Título:
Enviado por: Xô Valente em Outubro 20, 2008, 07:47:25 pm
Citação de: "cromwell"
Citação de: "Ataru"
Este tópico precisa de vida lol
Tá em coma coitado  :lol:  Do lado de Portugal? :roll:
Título:
Enviado por: legionario em Outubro 20, 2008, 08:16:24 pm
Nao foi so a pirataria e o ultimatum que puseram em causa a aliança luso-britanica. Os ingleses tambem forneceram os 7 000 mercenarios com quem o Dom Pedro iniciou a guerra civil em Portugal. O dinheiro  que D.Pedro pagou aos ingleses, era proveniente do Brazil como compensaçao a Portgal e era propriedade do estado Portugues.
Ficaram os ingleses com o ouro, e nos com a guerra.
Título:
Enviado por: HSMW em Outubro 21, 2008, 03:10:43 pm
http://movv.org/2008/10/21/comentario-a ... mais-vier/ (http://movv.org/2008/10/21/comentario-a-do-imperio-e-da-perpetuidade-de-portugal-%e2%80%93-mais-seis-notas-para-o-klatuu-e-tambem-para-o-arnaldo-para-o-casimiro-e-o-clavis-e-para-quem-mais-vier/)

Deixo aqui este link para um artigo de um blog que visito frequentemente e com certeza alguns utilizadores deste forum também  c34x

Em www.movv.org (http://www.movv.org)
Título:
Enviado por: legionario em Outubro 21, 2008, 07:54:21 pm
interessante ! nunca tinha ouvido falar do MIL .
Título:
Enviado por: Miguel em Outubro 21, 2008, 09:21:14 pm
Citação de: "legionario"
interessante ! nunca tinha ouvido falar do MIL .


Ya talvez vou aderir :wink:
Título:
Enviado por: Lightning em Dezembro 05, 2008, 10:33:18 pm
Lembrei-me de mais uma guerra Ibérica :lol: ), o Reino Unido decide recuperar a sua praça.

Portugal alia-se aos britânicos, nós recuperamos Olivença e os Britânicos abrem uma frente terrestre a partir de Portugal (esta parte é tipo guerra peninsular) :wink: .
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 05, 2008, 10:36:36 pm
No meio da confusão Marrocos ocupa as praças de soberania, Ceuta e Melilhae bombardeia a costa espanhola...
Título:
Enviado por: HSMW em Dezembro 05, 2008, 11:01:02 pm
Citação de: "Ataru"
No meio da confusão Marrocos ocupa as praças de soberania, Ceuta e Melilhae bombardeia a costa espanhola...


E ocupa as ilhas atlânticas (Canárias e Madeira) e Baleares
Título:
Enviado por: André em Dezembro 05, 2008, 11:02:33 pm
Já tão a jogar jogos de estratégia a mais ...  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: Lightning em Dezembro 05, 2008, 11:03:35 pm
Citação de: "Ataru"
No meio da confusão Marrocos ocupa as praças de soberania, Ceuta e Melilhae bombardeia a costa espanhola...


...Incluindo Gibraltar, os Britânicos fazem ataques de retaliação a Marrocos e arma-se uma guerra Marrocos VS Espanha VS Reino Unido todos contra todos (grande confusão) e nós ficamos quietos a ver tudo na 1ª fila :lol:  :lol: .
Título:
Enviado por: Xô Valente em Dezembro 05, 2008, 11:07:16 pm
Pois é, não se ponham já com estratégias, senão ainda antes do acto acontecer, já está aqui o Cronista-mor D. TOMSK a fazer umas crónicas acerca da queda espanhola, e a retaliação da Tripla Aliança (Portugal, Marrocos e R.U.) :lol:
Título:
Enviado por: Lightning em Dezembro 05, 2008, 11:10:53 pm
Citação de: "André"
Já tão a jogar jogos de estratégia a mais ...  :lol:  :lol: .

Eu estava a pensar em conflitos género guerra das Falkland, mas é claro que a Espanha não é a Argentina e Gibraltar não é as Falkland (basta não ser ilha e existir uma muito maior facilidade aos Espanhois de defender a área), mas também com a utilização de Portugal para colocar as forças blindadas britânicas deveria dar para equilibrar a balança.

E em relação a uma invasão das Canárias (neste cenário de ficção) acredito mais na capacidade da (Royal Navy+3ª Brigada Commando) do que da Marinha Marroquina.
Título:
Enviado por: André em Dezembro 05, 2008, 11:15:44 pm
Citação de: "Lightning"
Citação de: "André"
Já tão a jogar jogos de estratégia a mais ...  :lol:  :lol: .


O problema é que eu vivo numa ilha e possivelmente ia levar na tola com essas cenas ...  :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 05, 2008, 11:28:19 pm
Não não não, Marrocos é aliado de Portugal e Reino Unido contra Espanha lol
Título:
Enviado por: pedro em Dezembro 05, 2008, 11:50:27 pm
Eu adoro este forum, nunca vi pessoas tao boas para arranjar guerras. :lol:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: HSMW em Dezembro 05, 2008, 11:56:22 pm
Não há mais nada...  c34x
Título:
Enviado por: TOMSK em Dezembro 06, 2008, 12:38:05 am
Citação de: "Xô Valente"
Pois é, não se ponham já com estratégias, senão ainda antes do acto acontecer, já está aqui o Cronista-mor D. TOMSK a fazer umas crónicas acerca da queda espanhola, e a retaliação da Tripla Aliança (Portugal, Marrocos e R.U.) :lol:


Olha que vai mesmo !  :G-deal:
Título:
Enviado por: nelson38899 em Dezembro 06, 2008, 01:28:42 am
Citação de: "Lightning"
Citação de: "André"
Já tão a jogar jogos de estratégia a mais ...  :lol:  :lol: .

Eu estava a pensar em conflitos género guerra das Falkland, mas é claro que a Espanha não é a Argentina e Gibraltar não é as Falkland (basta não ser ilha e existir uma muito maior facilidade aos Espanhois de defender a área), mas também com a utilização de Portugal para colocar as forças blindadas britânicas deveria dar para equilibrar a balança.

E em relação a uma invasão das Canárias (neste cenário de ficção) acredito mais na capacidade da (Royal Navy+3ª Brigada Commando) do que da Marinha Marroquina.


O problema nesse plano e a enorme capacidade militar espanhola, pois cada dia que passa eles tem mais força e no caso de uma invasão britânica penso que eles podiam responder à altura.
factores a ter em conta nesse plano:
Artilharia de costa que eles dispõe
sistema anti-missil
0s cerca de 240 leo2a5E sem contar com os pizarro e os caça tanques
os f18MLU e os eurofighters
as 5 fragatas f100 e num futuro próximo vão ser seis
o porta-aviões e o BPE
e os novos sub S80.

Se nós e os ingleses quisessem ter vantagem teriam que começar por destruir as f100 e os sub, quantos aos aviões nada como um ataque à moda Israelita feito pelos F16
Título:
Enviado por: legionario em Dezembro 06, 2008, 10:19:41 am
:lol:
Título:
Enviado por: TOMSK em Dezembro 06, 2008, 10:30:55 am
Citação de: "legionario"
:lol:  Qué que vc's andam a fumar ?   :lol:
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 06, 2008, 01:01:28 pm
Eu tou ansioso por fumar Empire: Total War xD
Título:
Enviado por: Xô Valente em Dezembro 06, 2008, 01:03:17 pm
Epá, por falar em Total War, eu ando a procura nos sites da Fnac, Worten e Vobis e não encontro o Medieval 2. Alguém sabe onde posso comprá-lo em Lisboa?
Cumprimentos.
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 06, 2008, 01:05:30 pm
Se fores ao colombo compras de certeza, lá o que não falta são lojas com jogos, fnac, worten, vobis, game, replayzone, dentinho, etc.......
Título:
Enviado por: Xô Valente em Dezembro 06, 2008, 01:06:59 pm
Ok. Obrigado. :wink:
Título:
Enviado por: TOMSK em Dezembro 12, 2008, 02:25:21 pm
Só uma acha para a fogueira:

Bandeira da Cidade de Granada, em Espanha. Faz-vos lembrar alguma coisa?

(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/9/9a/Bandera_de_Granada.gif)

 :bang:  :n.idea:
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 12, 2008, 02:31:33 pm
Vai ver a de Ceuta lol
Título:
Enviado por: TOMSK em Dezembro 12, 2008, 02:34:39 pm
Citação de: "Ataru"
Vai ver a de Ceuta lol


(http://www.typicallyspanish.com/spain/uploads/1/ceutaflagwiki.jpg)

 :Ups:
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 12, 2008, 02:40:47 pm
E já reparaste que no simbolo do Barcelona (clube futebol) tem a bandeira da catalunha e da inglaterra? lol
Título:
Enviado por: manuel liste em Dezembro 12, 2008, 02:45:05 pm
Citação de: "Ataru"
E já reparaste que no simbolo do Barcelona (clube futebol) tem a bandeira da catalunha e da inglaterra? lol


 :shock:  Es la bandera de Inglaterra y también la cruz de San Jorge, patrón de Cataluña
Título:
Enviado por: TOMSK em Dezembro 12, 2008, 02:50:46 pm
Citação de: "manuel liste"
Citação de: "Ataru"
E já reparaste que no simbolo do Barcelona (clube futebol) tem a bandeira da catalunha e da inglaterra? lol

 :wink: .
Título:
Enviado por: Ataru em Dezembro 12, 2008, 07:03:09 pm
Sim, estive a pesquisar e ambos têm razão, São Jorge era muito importante para as potências maritimas Ibéricas, Portugal e Aragão.
Título:
Enviado por: caprisone em Dezembro 13, 2008, 11:23:29 am
mas para que e que nos temos de preocuopar com um pais que nem compra os seus proprios tanques nos andamos lisos mas ainda nao chegamos a esse ponto
 nao tou a ver a alemanha a deixar que os espanhois lhe estragasem os seus tanques
eles andam a mil anos pa tomar a  lusitania e ate a data nada
Título:
Enviado por: Lightning em Dezembro 13, 2008, 07:42:58 pm
Citação de: "caprisone"
eles andam a mil anos pa tomar a  lusitania e ate a data nada


Nesses 1000 anos existem uns 60 que... (1580-1640).
Título:
Enviado por: tyr em Dezembro 14, 2008, 12:26:56 am
houveram 60 anos em que dois paises separados tiveram um rei comum, tal como a rainha de inglaterra é rainha de outros paises :P
Título:
Enviado por: Daniel em Dezembro 14, 2008, 08:48:08 am
tyr
Citar
houveram 60 anos em que dois paises separados tiveram um rei comum, tal como a rainha de inglaterra é rainha de outros paises


E o que pretende afirma, que devemos voltar ao mesmo :roll:
Título:
Enviado por: Lightning em Dezembro 14, 2008, 10:28:24 am
Citação de: "tyr"
houveram 60 anos em que dois paises separados tiveram um rei comum, tal como a rainha de inglaterra é rainha de outros paises :P


Se fosse "apenas" um Rei comum se calhar não tinha havido Restauração da Independência porque no inicio desses 60 anos com o Reinado de Filipe I de Portugal (II de Espanha) havia muitos portugueses que não estavam nada chateados porque Portugal tinha a sua autonomia, geria os seus territorios ultramarinos, etc, mas com o passar dos anos e com a vinda de novos Reis Espanhois esses acordos iniciais entre Lisboa e Madrid foram "esquecidos" e foi passar a virem Espanhois para governar Portugal, foi aumento de impostos, foi o recrutamento forçado de Portugueses para combater nas guerras espanholas em Itália, Holanda, Alemanha, França, etc.
Título:
Enviado por: tyr em Dezembro 14, 2008, 11:37:56 am
Daniel eu só me quis referir que portugal nunca se fundiu com a espanha.

quando os portugueses sentiram que estavam a ser gradualmente absorvidos por espanha, então restauraram a independencia governativa, pois as outras nunca haviam sido perdidas.
Título:
Enviado por: moroccan_soldier em Janeiro 16, 2009, 05:53:58 pm
cuando habra guerra entre portugal y españa los marroquies estaremos con vosotros portugueses  :twisted:
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 16, 2009, 05:56:49 pm
antevisão da guerra
http://www.youtube.com/watch?v=Zo80eV2JhFs (http://www.youtube.com/watch?v=Zo80eV2JhFs)
Título:
Enviado por: TOMSK em Janeiro 16, 2009, 07:12:24 pm
Citação de: "moroccan_soldier"
cuando habra guerra entre portugal y españa los marroquies estaremos con vosotros portugueses  :P
Título:
Enviado por: Ataru em Janeiro 16, 2009, 08:18:48 pm
Nós ao longo da história sempre tivemos melhores relações com o Islão do que Espanha. É Natural que eles gostem mais de nós.
Título:
Enviado por: Camuflage em Janeiro 16, 2009, 08:21:51 pm
Antes de mais eu não acredito que Espanha alguma vez nos atacasse, apesar de conhecer os revés que tivemos na historia recente, tanto com Franco como o traidor Spínola. De futuro só mesmo se um dos países permitir ter um governo controverso é que poderá por em risco as suas relações, sem falar no facto de ambos serem membros da NATO e UE e as implicações que teria para o resto dos países, pois uma guerra nunca é aceite ao de leve, especialmente se for tida ente países ocidentais. As guerras tidas ao de leve são sempre as que ocorrem em países de leste, África, América do sul ou Ásia.

Creio que se trate dum exagero a derrota portuguesa em 24h, mas a derrota é previsível, Espanha pelo pouco que conheço das suas forças armadas têm maior numero de homens, mais e melhor equipamento e tem vindo a investir cada vez mais nas mesmas e na sua profissionalização.

Em Portugal muitos até ficariam contentes com a derrota ao lado de Saramago e outros, afinal, nada melhor do ser pau mandado dum rico, do que dum pobre, iludidos com a melhor vida que possam vir a ter de forma rápida e fácil. pff

Apesar da preparação que possa existir nas nossas forças armadas, tenho tido muito a sensação que é mais fogo de vista do que outra coisa, especialmente pela falta de prática em combate (a derrota dum bando de lavradores em Timor não conta para nada e o ultramar foi uma guerra perdida desde inicio). Os treinos e falinhas mansas são sempre variáveis controladas, o problema é quando o impensável acontece e não há qualquer preparação para dar uma resposta rápida e firme.
Título:
Enviado por: Ataru em Janeiro 16, 2009, 08:25:48 pm
Por isso é que quando eu for eleito vou aumentar em muito o orçamento para a defesa, voltar a por o serviço militar obrigatorio, aumentar os salários e melhorar a progressão na carreira, aumentar as nossas fileiras comprar melhores equipamentos de forma a sermos o Israel de Europa Ocidental. Depois disso precisamos apenas de 2 trunfos para o caso de Guerra com Espanha, o apoio de Marrocos e dos muitos rebeldes espalhados pelo país garantindo-lhes a independencia da sua nação caso nos apoiem. Com ajuda interior e exterior a vitória será nossa!
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 16, 2009, 08:39:17 pm
Caro Camuflage, isso de derrota no ultramar pode dizer quando foi e quem ganhou?? :lol:
Em vez de pensar tanto no futuro pensem mas é em Portugal e o que fazer para: 1 acabar com a estupidez do povo 2 tirar esta clase politica do poder 3 ser um bom português e evoluir o país.
O resto é treta. :wink:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: TOMSK em Janeiro 16, 2009, 08:47:18 pm
Citar
Apesar da preparação que possa existir nas nossas forças armadas, tenho tido muito a sensação que é mais fogo de vista do que outra coisa, especialmente pela falta de prática em combate (a derrota dum bando de lavradores em Timor não conta para nada e o ultramar foi uma guerra perdida desde inicio). Os treinos e falinhas mansas são sempre variáveis controladas, o problema é quando o impensável acontece e não há qualquer preparação para dar uma resposta rápida e firme.

Infelizmente é verdade. Planos em cima da hora não dão resultado. Se existir de facto, como disse o Camuflage, hipotéticas oscilações perigosas em Espanha, ou problemas relacionados com a distribuição de água, é bom que Portugal começe a elaborar um real plano de defesa, o quanto antes. Fora isso a derrota em 24Horas pode não ser efectiva, mas estará muito perto disso.

Citar
Por isso é que quando eu for eleito vou aumentar em muito o orçamento para a defesa, voltar a por o serviço militar obrigatorio, aumentar os salários e melhorar a progressão na carreira, aumentar as nossas fileiras comprar melhores equipamentos de forma a sermos o Israel de Europa Ocidental. Depois disso precisamos apenas de 2 trunfos para o caso de Guerra com Espanha, o apoio de Marrocos e dos muitos rebeldes espalhados pelo país garantindo-lhes a independencia da sua nação caso nos apoiem. Com ajuda interior e exterior a vitória será nossa!


E o dinheiro para tudo isso? E a despesa, quem é que paga? Caso não saibas, a cada hora que passa, Portugal deve mais 2 Milhões de Euros ao estrangeiro. Não há margem para descida de impostos. Por muito boa vontade e sinal de solidariedade, se fosse eu a governar, desceria os salários do meus ministros, a começar pelo meu. O do Governador do Banco de Portugal também, já que alegadamente mostrou disponibilidade para que este fosse baixado. Durante o tempo necessário acaba-se com a renovação de frota automóvel dos ministérios e afins. Já chegam os BMW´S e os Mercedes que estão lá.  Apostar muito mais nas energias renováveis. Este e úm sector sub-aproveitado aqui em Portugal. Apostar na nossa indústria, agricultura- reduzir ao máximo a dependência externa.
Em princípio, não precisamos de Serviço Militar Obrigatório. Apostar na arma submarina é essencial, na minha opinião. É tanto dissuasor como poupa os custos de uma "super-marinha de superficíe"... E o resto deixo aos peritos militares.
Título:
Enviado por: Camuflage em Janeiro 16, 2009, 09:35:13 pm
Citação de: "pedro"
Caro Camuflage, isso de derrota no ultramar pode dizer quando foi e quem ganhou?? :roll:
Realmente acho que você não deve comprender o que é uma derrota.

Tiveram a independência não tiveram? Então ganharam eles, é tão simples quanto isto. O objectivo português era manter o império, não conseguiu, seja lá pelos problemas que forem apenas trouxe um aumento da despesa publica, doença e deficientes. Uma guerra que nunca seria possivel de vencer.

Citação de: "Ataru"
Por isso é que quando eu for eleito vou aumentar em muito o orçamento para a defesa, voltar a por o serviço militar obrigatorio, aumentar os salários e melhorar a progressão na carreira, aumentar as nossas fileiras comprar melhores equipamentos de forma a sermos o Israel de Europa Ocidental. Depois disso precisamos apenas de 2 trunfos para o caso de Guerra com Espanha, o apoio de Marrocos e dos muitos rebeldes espalhados pelo país garantindo-lhes a independencia da sua nação caso nos apoiem. Com ajuda interior e exterior a vitória será nossa!


LOl devias votar no Partido da liberdade, se leres o manifesto adequa-se muito a esta imagem que transmites.
Não temos motivos para efectuar um aumento orçamental tão grande nas forças armadas, temos mais é motivos para as reorganizar e combater o lobbie militar imposto pelas chefias de altas patentes.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2009, 10:38:55 am
Citação de: "Ataru"
Nós ao longo da história sempre tivemos melhores relações com o Islão do que Espanha. É Natural que eles gostem mais de nós.


Desde quando? :roll:

Eles até podem não gostar mais dos Espanhóis do que de nós, mas isso porque Ceuta é Espanhola e não Portuguesa. Se fosse o inverso queria ver se eles gostavam mais de nós.
Título:
Enviado por: P44 em Janeiro 17, 2009, 11:14:12 am
Citação de: "Ataru"
Por isso é que quando eu for eleito vou aumentar em muito o orçamento para a defesa, voltar a por o serviço militar obrigatorio, aumentar os salários e melhorar a progressão na carreira, aumentar as nossas fileiras comprar melhores equipamentos de forma a sermos o Israel de Europa Ocidental. Depois disso precisamos apenas de 2 trunfos para o caso de Guerra com Espanha, o apoio de Marrocos e dos muitos rebeldes espalhados pelo país garantindo-lhes a independencia da sua nação caso nos apoiem. Com ajuda interior e exterior a vitória será nossa!



acho que antes devias deixar de fumar o que quer que seja que andas a fumar :lol:  :lol:
Título:
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 17, 2009, 12:01:19 pm
A Espanha, apesar dos seus números em material tem graves deficiências a nível de efectivos. Tanto em guarnições como em capacidade e treino desses mesmos efectivos.

Em diversos exercicios e missões que efectuei com contingentes espanhóis a falta de capacidade humana (a nivel dos escalões mais baixos) foi evidente.

Em conversa aberta com sargentos e oficiais espanhóis o feddback foi sempre o mesmo "que muito pouca gente qualificada e capaz é que ingressava actualmente nas FA e que se eles dispusessem de uma qualidade humana como a nossa...."

É minha forte convicção que tirando algumas poucas unidades, a força espanhola não passa de nº inflacionados principalmente na armada onde os navios andam a meia guarnição. A sua real força tem sido sobrestimada (assim como a nossa).

Quanto à possibilidade de confronto ela é mais alta do que muitos de nós pensam. Para exemplo basta pensar no caso dos Prestige ou nas violaões continuadas do nosso espaço aéreo sobre os arquipélagos.
Título:
Enviado por: Camuflage em Janeiro 17, 2009, 12:43:37 pm
Citação de: "FoxTroop"
Quanto à possibilidade de confronto ela é mais alta do que muitos de nós pensam. Para exemplo basta pensar no caso dos Prestige ou nas violaões continuadas do nosso espaço aéreo sobre os arquipélagos.


E a resposta nacional a isso? :lol:
Título:
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 17, 2009, 12:50:49 pm
No caso do Prestige, quando se tornou claro que a intenção do governo espanhol era levar o navio para as nossas águas, foi enviado um aviso que se tal fosse tentado o navio seria afundado.

Para provar que o nosso governo não estava a brincar os F-16 entraram em prontidão armados e os navios de guerra presentes na zona entraram também em alerta.

As autoridades espanholas decidiram então inverter o rumo e tentaram levar o navio acidentado para alto mar (um erro enorme).

No caso das ilhas, foi enviada uma Vasco da Gama para cobrir a zona com meios anti-aéreos e uma pequena força de FZ's passou a ficar destacada nas ilhas, além de que o PR deslocou-se lá de proposito como confirmação da nossa soberenia.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2009, 12:59:00 pm
Citação de: "FoxTroop"
A Espanha, apesar dos seus números em material tem graves deficiências a nível de efectivos. Tanto em guarnições como em capacidade e treino desses mesmos efectivos.

Em diversos exercicios e missões que efectuei com contingentes espanhóis a falta de capacidade humana (a nivel dos escalões mais baixos) foi evidente.

Não dúvido, o mesmo se passa por norma nos vários países da UE (incluindo Portugal).

Citar
Em conversa aberta com sargentos e oficiais espanhóis o feddback foi sempre o mesmo "que muito pouca gente qualificada e capaz é que ingressava actualmente nas FA e que se eles dispusessem de uma qualidade humana como a nossa...."

Quer dizer que temos melhores recursos humanos do que os Espanhóis? É que segundo um camarada do meu tempo de tropa (que está na BM) os nossos militares são cada vez piores. :oops:

Citar
Quanto à possibilidade de confronto ela é mais alta do que muitos de nós pensam. Para exemplo basta pensar no caso dos Prestige ou nas violaões continuadas do nosso espaço aéreo sobre os arquipélagos.


Com Portugal? Com um governo Socialista em que a prioridade é Espanha, Espanha, Espanha?

Os dois países pertencem à UE e como tal não estou a ver Bruxelas deixar haver guerras no seu seio.
Título:
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 17, 2009, 01:03:07 pm
Citar
Quer dizer que temos melhores recursos humanos do que os Espanhóis? É que segundo um camarada do meu tempo de tropa (que está na BM) os nossos militares são cada vez piores. Sad

Sim o teu camarada tem razão, mas mesmo assim ainda vaos dando algumas cartas no capitulo humano.

Citar
Mas pelo menos dispoem de meios, nós...NPO. Embarassed

Mas os meios precisam de homens para ser operados. Eu vi navios a menos de metade da guarnição das vezes que lá estive e sem guanição não se operam meios.

Citar
Com Portugal? Com um governo Socialista em que a prioridade é Espanha, Espanha, Espanha?

Os dois países pertencem à UE e como tal não estou a ver Bruxelas deixar haver guerras no seu seio.

Guerras não, mas atritos e bastantes sim[/quote]
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2009, 01:14:04 pm
FoxTroop quem me dera a mim ter um governo em que eu confiasse a defesa de Portugal, até agora só vi os Espanhóis a violarem o nosso espaço aéreo e o governo...calar-se! :roll:
Título:
Enviado por: FoxTroop em Janeiro 17, 2009, 01:17:09 pm
Citar
FoxTroop quem me dera a mim ter um governo em que eu confiasse a defesa de Portugal, até agora só vi os Espanhóis a violarem o nosso espaço aéreo e o governo...calar-se! Evil or Very Mad

Eu não me importava mesmo nada que tivessemos menos meios no continente e mais na Madeira, mas a verdade é que este assunto está a ser tratado de uma forma vergonhosa pelo nosso governo. Rolling Eyes


Sem dúvida. Apenas queria dizer que estamos mal mas ainda levantamos os punhos de vez em quanto. Penso mesmo que a atitude do nosso governo durante a crise do Prestige foi a única coisa decente que o Barroso fez enquanto PM
Título:
Enviado por: Camuflage em Janeiro 17, 2009, 01:29:52 pm
Não creio nesta teoria de atritos entre os dois países, quando muito poderá haver uma comparação de quem tem as pilas maiores, entre alguns representantes dos quadros militares. A nível politico e social não se verifica isso, pelo contrário vemos Espanha sempre como uma nação a seguir de exemplo e não como inimigo.

Acredito no entanto que possam haver falhas de comunicação entre as fileiras militares e que por vezes o espaço aéreo, marítimo ou mesmo territorial não sejam respeitados, muito pelo facto de pertencermos à UE e existir uma ausência de barreiras.

Poderia ainda ver-se todo isto como uma operação propositada para promover o deslocamento de tropas e aumento do investimento na defesa, uma pequena habilidade de alguns oficias de alta patente que quiseram receber alguma atenção extra do poder politico.

Finalmente, é muito difícil captar atenção dos jovens para a área militar cujo o futuro que reserva é incerto, especialmente a quem quer começar debaixo e entra por regime de contrato/voluntariado. Cá fora mesmo com desemprego acaba por ser mais fácil singrar na vida, com algum conforto. Mas por mais que se sobrestime as forças armadas espanholas, serão sempre mais fortes do que nós, pois podem até nem ter o numero ideal de homens, mas há sempre reservistas prontos a serem chamados.
Título:
Enviado por: pedro em Janeiro 17, 2009, 01:57:43 pm
Desculpa não foi uma derrota militar.
Talvez politica, mas não militar é injusto dizer aqueles que lutaram pela patria que perderam, quando não foi assim.
Não se esqueça de que a culpa da ""derrota"" com você diz recai nos militares e politicos de esquerda.
E claro no povo que demonstrou uma estupidez incrivel. :roll:
Cumprimentos
Título:
Enviado por: Lightning em Janeiro 17, 2009, 02:17:49 pm
A Força Aérea tem em construção um radar de defesa aérea no arquipélago da Madeira, mas é lógico que essas coisas não se fazem de um dia para o outro, e então cá em Portugal ainda é mais devagar, mas penso que mais vale devagar que parado.
Título:
Enviado por: Cabeça de Martelo em Janeiro 17, 2009, 02:34:20 pm
Eu sei Lightning. :wink:

O problema é que depois eu não estou a ver a FAP a colocar na Madeira os F-16. Termos os meios de intersepção sem termos os meios de detecção, não vale apena. O inverso também é verdade.
Título:
Enviado por: nelson38899 em Janeiro 17, 2009,