ForumDefesa.com

Conflitos => Conflitos do Presente => Tópico iniciado por: Jorge Pereira em Setembro 01, 2013, 01:26:38 am

Título: Guerra na Síria
Enviado por: Jorge Pereira em Setembro 01, 2013, 01:26:38 am
Dados os últimos acontecimentos, este conflito merece um tópico específico.

Citar
EUA abrem guerra com a Síria
Barack Obama anunciou intervenção dos EUA na Síria, mas diz que quer aprovação do Congresso norte-americano.


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/eua-abrem-guerr ... z2db1U29rk (http://expresso.sapo.pt/eua-abrem-guerra-com-a-siria=f828391#ixzz2db1U29rk)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 01, 2013, 01:56:00 am
http://www.reuters.com/article/2013/08/ ... WW20130829 (http://www.reuters.com/article/2013/08/29/us-syria-crisis-russia-arms-insight-idUSBRE97S0WW20130829)

Insight: Syria pays for Russian weapons to boost ties with Moscow

(http://s1.reutersmedia.net/resources/r/?m=02&d=20130829&t=2&i=779037402&w=460&fh=&fw=&ll=&pl=&r=CBRE97S1AJX00)

By Thomas Grove
MOSCOW | Thu Aug 29, 2013 12:45pm EDT
(Reuters) - More than two years into Syria's civil war, President Bashar al-Assad is settling his bills for Russian arms orders through the Russian banking system to try to shore up ties with his most powerful ally, according to a Russian arms industry source.

The payments, which have increased in recent months, show how Assad has sustained his ties with his main diplomatic defender, a relationship that has come under the spotlight this week as Western countries plan military action to punish him for suspected chemical weapons attacks on civilians.

A Reuters investigation shows that the relationship has deepened in recent months.

Although it was not possible to say for certain if they are bringing weapons, the number of ships travelling to Syria from a Ukrainian port used by Russia's arms export monopoly has increased sharply since April.

The Russian defense industry source, speaking on the condition of anonymity, said Assad had started in recent months paying off a nearly $1-billion contract for four S-300 anti-aircraft missile systems and another $550-million order for 36 Yak-130 trainer fighter planes.

"They've already made the first payment for the Yak-130, likely 10 percent of it. Regarding the S-300, they've definitely made a first downpayment of 20 percent, but we are probably at half of the payment at this point," said the source.

Another Russian source who has links with businesses dealing with Syria, and two Moscow-based members of the Syrian opposition, said the Assad family's financial affairs in Russia have been personally looked after by Assad's maternal uncle Mohammad Makhlouf, from a room in a Soviet-era skyscraper hotel, overlooking the Moskva river.

"That's where all the operations have taken place. That's where Makhlouf meets with those bringing money in. He is looking after all the operations, making sure everything goes according to plan," said one of the Syrian opposition members living in Moscow, who is in touch with the central bank in Damascus.

Fyodor Lukyanov, editor of the magazine Russia in Global Affairs, said the payments for arms were an important way for Syria to prove to Moscow that it deserves its continued support.

"Syria needs Russia to lend it some international credence and any payments would be a way of ensuring Moscow that it can be taken seriously as a partner," he said

Repeated attempts to reach Makhlouf and other Syrian officials for comment on this story were unsuccessful.

TURNING THE RADAR OFF

Russian weapons accounted for 50 percent of Syria's arms imports before the uprising against Assad began in 2011, according to a Syrian defense ministry defector. Payments for those arms were usually deposited in the state bank accounts of Rosoboronexport, Russia's state arms dealer.

In 2011, when protests against Assad began, Russia sent almost $1 billion in arms to Syria's troops. Russia has often repeated that the weapons it sends cannot be used in the conflict and that it will continue selling arms while no international arms embargo exists on Syria.

Nevertheless, through much of last year and the start of this year as Russia was working with the West to find a diplomatic solution to the crisis, no new arms deals were signed with Assad. Rosoboronexport said Damascus had fallen to be Moscow's 13th or 14th biggest client last year.

That appears to have changed in the past few months as diplomacy between Washington and Moscow reached a dead end over a proposed peace conference in Switzerland. President Vladimir Putin approved more weapons sales, the Russian arms industry source said.

"About a year ago they put (some small arms deliveries) on hold. But after Putin got angry in the lead-up to talks about Geneva 2, the green light was given for limited small arms deliveries," the source said.

The source said shipments of weapons, large and small, may be on the rise again. Reuters analysis of international shipping satellite data appears to support that conclusion.

The data from Reuters parent company Thomson Reuters, which tracks ship movements based on satellite imaging of their radar signals, shows that at least 14 ships travelled from the Ukrainian Black Sea port of Oktyabrsk to Syria's port of Tartous over the past 18 months.

Nine of those trips were made since April, showing a dramatic increase in traffic on the route.

While it is not possible to say definitively what was in those ships, Russian defense experts say they suspect they could have been carrying arms. Oktyabrsk is one of the main ports used by Rosoboronexport to ship Russian weapons.

Moscow-based think tank CAST said the route is a common one for arms deliveries.

Apparently underscoring the secrecy of the shipments, most vessels making the trip switched off their radar while at Oktyabrsk only to turn it on again after setting sail for Syria.

The defense industry source said he was not aware of what small arms were being delivered to Syria, but said shipments most likely included continued deliveries of anti-tank Kornet missiles, which Syria has bought since around 1998. Moscow and Damascus have concluded around six or seven contracts for the system.

Israeli defense think tank the International Institute for Strategic Studies said in 2010 that Syria had concluded contracts for 1,500 Kornet missiles and 50 launchers, and that further contracts were under discussion.

Small arms such as machine guns are nearly impossible to trace because of the amount of counterfeit weapons and the number of arms traders who sell weapons without the blessing of the Kremlin.

In January, Russian news agencies reported that two ships were carrying munitions to Syria, but did not clarify whether they were delivering the munitions to Assad or to the small repair and maintenance base Russia's navy keeps at Tartous.

Ruslan Pukhov, director of CAST, said large numbers of Russian military ships were also travelling to Tartous over the past year, and speculated that they could be carrying arms.

"I wouldn't be surprised, given their frequency, if these ships were carrying some kind of weapons we haven't been told about," said Pukhov.

SECOND TIER BANKS
The United States and European Union have both imposed sanctions on Syria's financial system which, though not applying in Russia, could apply to large Russian banks that do business in the West.

Earlier this year a U.S. Treasury official, speaking to Reuters on the condition of anonymity, said Washington could take action against any Russian banks found dealing with Syria's central bank and the state-owned Commercial Bank of Syria.

A Syrian newspaper reported that Syria's central bank said two years ago it had rouble and foreign currency bank accounts in Russian banks VTB VEB and Gazprombank.

VTB denied doing business with the Syrian central bank. VEB chairman Vladimir Dmitriyev said he had no knowledge of links to any Syrian companies. Gazprombank did not reply to an e-mail seeking comment.

The defense industry source said Assad's government has routed its payments through at least one smaller Russian bank, making the money harder to trace.

"The big Russian banks are not eager to work with Assad. There were some problems with payments because big Russian banks were scared of dealing with Assad."

"But there were bank transfers. There may be VTB, VEB and Gazprombank, but there are also small banks and banks that are not based in Moscow."

A second defense industry source confirmed the transactions were being made through smaller banks.

(Reporting by Thomas Grove; Editing by Peter Graff)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 01, 2013, 03:04:33 am
Citação de: "Jorge Pereira"
Dados os últimos acontecimentos, este conflito merece um tópico específico.

Citar
EUA abrem guerra com a Síria
Barack Obama anunciou intervenção dos EUA na Síria, mas diz que quer aprovação do Congresso norte-americano.


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/eua-abrem-guerr ... z2db1U29rk (http://expresso.sapo.pt/eua-abrem-guerra-com-a-siria=f828391#ixzz2db1U29rk)

Uma decisão sensata do Obama, mas também pode ser interpretada como um lavar de mãos.

Se a comunidade de inteligência americana,inglesa,israelita têm tanta confiança na culpabilidade do regime sírio no ataque quimico sobre a população devem a bem da transparência dar prova às Nações Unidas, como no caso do Iraque, mas desta vez sem mentiras  :evil:

Andamos todos aos papéis. O mais certo é ambos os lados terem recorrido ao uso de armas quimicas ao longo do conflito.

Certo é este episódio favorecer as pretensões das forças da oposição, ou seja, a necessidade de intervenção ocidental numa altura em que as forças de Assad estão por cima.

Eu não tenho qualquer simpatia pelo regime sírio, mas não gosto de ver guerras começarem baseadas em mentiras!!!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 01, 2013, 10:06:53 pm
http://www.informationclearinghouse.inf ... e36050.htm (http://www.informationclearinghouse.info/article36050.htm)

Israeli Firsters Urge President Obama to Respond to Assad's Chemical Attack

By James Kirchick, Christopher J. Griffin, Dan Senor, Robert Zarate, Robert Kagan, William Kristol

August 31, 2013 "Information Clearing House - "Foreign Policy Initiative" - WASHINGTON, D.C. – Seventy-four former U.S. government officials and foreign policy experts have now signed a bipartisan open letter to President Barack Obama, urging a decisive response to Syrian dictator Bashar al-Assad's recent large-scale use of chemical weapons. The group recommends direct military strikes against the pillars of the Assad regime, along with accelerated efforts to vet, train, and arm moderate elements of Syria's internal opposition.

"Left unanswered, the Assad regime’s mounting attacks with chemical weapons will show the world that America’s red lines are only empty threats," the group warned in the letter. "It is therefore time for the United States to take meaningful and decisive actions to stem the Assad regime’s relentless aggression, and help shape and influence the foundations for the post-Assad Syria that you have said is inevitable."

The full text of the letter follows. The letter was organized by the Foreign Policy Initiative (FPI), a non-profit and non-partisan 501(c)3 organization that promotes U.S. diplomatic, economic, and military engagement in the world.
 

August 27, 2013

The Honorable Barack Obama                                              
President of the United States of America
The White House
1600 Pennsylvania Avenue, NW
Washington, D.C. 20500

Dear Mr. President:
 
Syrian dictator Bashar al-Assad has once again violated your red line, using chemical weapons to kill as many as 1,400 people in the suburbs of Damascus.  You have said that large-scale use of chemical weapons in Syria would implicate “core national interests,” including “making sure that weapons of mass destruction are not proliferating, as well as needing to protect our allies [and] our bases in the region.”  The world—including Iran, North Korea, and other potential aggressors who seek or possess weapons of mass of destruction—is now watching to see how you respond.
 
We urge you to respond decisively by imposing meaningful consequences on the Assad regime.  At a minimum, the United States, along with willing allies and partners, should use standoff weapons and airpower to target the Syrian dictatorship’s military units that were involved in the recent large-scale use of chemical weapons.  It should also provide vetted moderate elements of Syria’s armed opposition with the military support required to identify and strike regime units armed with chemical weapons.
 
Moreover, the United States and other willing nations should consider direct military strikes against the pillars of the Assad regime.  The objectives should be not only to ensure that Assad’s chemical weapons no longer threaten America, our allies in the region or the Syrian people, but also to deter or destroy the Assad regime’s airpower and other conventional military means of committing atrocities against civilian non-combatants.  At the same time, the United States should accelerate efforts to vet, train, and arm moderate elements of Syria’s armed opposition, with the goal of empowering them to prevail against both the Assad regime and the growing presence of Al Qaeda-affiliated and other extremist rebel factions in the country.
 
Left unanswered, the Assad regime’s mounting attacks with chemical weapons will show the world that America’s red lines are only empty threats.  It is a dangerous and destabilizing message that will surely come to haunt us—one that will certainly embolden Iran’s efforts to develop nuclear weapons capability despite your repeated warnings that doing so is unacceptable.  It is therefore time for the United States to take meaningful and decisive actions to stem the Assad regime’s relentless aggression, and help shape and influence the foundations for the post-Assad Syria that you have said is inevitable.
 
Sincerely,

     Ammar Abdulhamid
Ambassador Robert G. Joseph

     Elliott Abrams
    Dr. Robert Kagan
     Dr. Fouad Ajami
    Lawrence F. Kaplan
     Michael Allen
    James Kirchick
     Dr. Michael Auslin
    Irina Krasovskaya
     Gary Bauer
    Dr. William Kristol
     Paul Berman
    Bernard-Henri Levy
     Max Boot
    Dr. Robert J. Lieber
     Ellen Bork
    Senator Joseph I. Lieberman
     Ambassador L. Paul Bremer
    Tod Lindberg
     Matthew R. J. Brodsky
   Mary Beth Long
     Dr. Eliot A. Cohen
   Dr. Thomas G. Mahnken
     Senator Norm Coleman
    Dr. Michael Makovsky
     Ambassador William Courtney
    Ann Marlowe
     Seth Cropsey
   Clifford D. May
     James S. Denton
    Dr. Alan Mendoza
     Paula A. DeSutter
   David A. Merkel
     Dr. Larry Diamond
    Dr. Joshua Muravchik
     Dr. Paula J. Dobriansky
    Ambassador Andrew Natsios
     Thomas Donnelly
   Governor Tim Pawlenty
     Dr. Michael Doran
    Martin Peretz
     Mark Dubowitz
    Danielle Pletka
     Dr. Colin Dueck
    Dr. David Pollock
     Dr. Nicholas Eberstadt
    Arch Puddington
     Ambassador Eric S. Edelman
    Karl Rove
     Douglas J. Feith
    Randy Scheunemann
     Reuel Marc Gerecht
    Dan Senor
     Abe Greenwald
    Ambassador John Shattuck
     Christopher J. Griffin
    Lee Smith
     John P. Hannah
    Henry D. Sokolski
     Dr. Jeffrey Herf
    James Traub
     Peter R. Huessy
    Ambassador Mark D. Wallace
     Dr. William Inboden
    Michael Weiss
     Bruce Pitcairn Jackson
    Leon Wieseltier
     Ash Jain
    Khawla Yusuf
     Dr. Kenneth Jensen
    Robert Zarate
     Allison Johnson
    Dr. Radwan Ziadeh
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 02, 2013, 01:05:12 pm
Liga Árabe favorável a uma intervenção na Síria com aval da ONU


O secretário-geral da Liga Árabe, Nabil al Araby, mostrou-se hoje favorável a uma intervenção na Síria com aval da ONU e descartou que existam divisões entre os países árabes em relação à última resolução sobre o conflito sírio. «O que pedimos é que a intervenção seja com aval das Nações Unidas», assegurou Araby em conferência de imprensa.

Araby também destacou que a resolução emitida ontem após a cimeira de ministros dos Negócios Estrangeiros dos países da Liga Árabe só contou com a rejeição do Líbano.

Os chefes da diplomacia dos países árabes não fizeram domingo alusão à intervenção militar reivindicada pelos Estados Unidos, apesar de pedirem à ONU e à comunidade internacional que assumam as suas responsabilidades para «tomar as medidas dissuasoras necessárias» contra os autores do suposto ataque químico de 21 de Agosto perto de Damasco.

«Qualquer acto para enfrentar ou castigar o regime sírio deve ocorrer no quadro dos acordos da ONU, sobretudo porque os tratados de Genebra e das Nações Unidas criminalizam o uso de armas químicas nos conflitos armados», disse Araby.

Em alusão à possibilidade de que os Estados Unidos ataquem a Síria, o secretário-geral afirmou que «a ONU dá legitimidade a qualquer acto e, se alguém utilizar a força militar fora da legitimidade, fa-lo-á de maneira unilateral».

Araby classificou as reações ao conflito sírio como próprias de «um novo tipo de Guerra Fria a nível internacional».

O secretário-geral frisou que a sua organização sempre insistiu na importância de uma solução política para a Síria, mas considerou que agora a comunidade internacional deve resolver a questão do uso de armas químicas.

A oposição síria denunciou a 21 de Agosto a morte de mais de mil pessoas num suposto ataque químico do regime na periferia de Damasco, apesar do governo ter negado essas acusações e culpado os rebeldes pelo acto.

Na resolução de domingo, os países árabes «responsabilizam totalmente o regime sírio por este crime horrível e pede que todos os envolvidos sejam julgados perante tribunais internacionais como criminosos de guerra».

Araby disse que o regime do presidente sírio, Bashar al Assad, tem a responsabilidade sobre o uso de armas químicas no seu território, mas rejeitou que a Liga Árabe tenha acusado directamente Damasco de ter cometido aquele ataque.

A cimeira da Liga Árabe no Cairo, antecipada dois dias para dar uma resposta à intenção dos Estados Unidos de atacar a Síria, revelou domingo o apoio da Arábia Saudita a uma intervenção estrangeira e a rejeição de potências regionais como o Egipto a uma açcão com aquelas características.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 03, 2013, 12:17:52 pm
tirem as vossas conclusoes

http://www.gouvernement.fr/sites/defaul ... 9_2013.pdf (http://www.gouvernement.fr/sites/default/files/fichiers_joints/syrie_synthese_nationale_de_renseignement_declassifie_02_09_2013.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 03, 2013, 12:28:34 pm
Jihadistas sírios temem ser alvo de ataque dos EUA


A possibilidade de ataque fez soar o alarme e causou confusão na Síria entre outros grupos islâmicos, e muitos dizem estar convencidos de que os alvos reais dos ataques norte-americanos serão as numerosas milícias islâmicas anti-ocidentais que proliferaram nos dois anos e meio da guerra civil na qual mais de 100.000 pessoas foram mortas. «Um ataque iminente dos Estados Unidos terá como alvo posições da al-Nusra, do Estado Islâmico do Iraque e do Levante (ISIL)», lê-se numa mensagem no Twitter de dia 25 de agosto publicada numa conta que apoia um dos dois mais efectivos grupos jihadistas que lutam na Síria.

A mensagem descreveu a visão do grupo sobre os objectivos primários dos mísseis: sistemas sírios de radar e defesas aéreas, depósitos de mísseis Scud e veículos envolvidos com armas químicas.

O grupo afirmou ainda que o segundo ataque de mísseis seria contra forças da al-Nusra, campos de treino do ISIL, líderes de facções jihadistas e tribunais da Sharia (lei islâmica).

A administração norte-americana tem se esforçado para salientar que qualquer acção militar será uma resposta estrita para o que dizem ser um uso significativo de armas químicas pelo regime de Assad nos subúrbios de Damasco a 21 de Agosto.  O governo dos EUA também nega que vá entrar na guerra civil síria ao lado de alguma das partes.

Até à data, o receio por parte dos norte-americanos sobre o crescimento do efetivo e do poder de fogo dos rebeldes jihadistas impediu que os opositores de Assad recebessem o apoio dos Estados Unidos.

Na segunda-feira, o vice ministro dos Negócios Estrangeiros da Síria, Faisal Mekdad, disse à BBC que qualquer ação norte-americana contra o seu governo na verdade ajudaria os jihadistas anti-ocidente.

«Qualquer ataque contra a Síria é apoio à al-Qaeda e seus filiados, como a Frante al-Nusra ou o Estado do Islão na Síria ou o Iraque», afirmou.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 03, 2013, 02:00:41 pm
a CIA ... uma turma de bons rapazes

http://www.lefigaro.fr/international/20 ... mmence.php (http://www.lefigaro.fr/international/2013/08/22/01003-20130822ARTFIG00438-syrie-l-operation-anti-assad-a-commence.php)

Syrie : l'opération anti-Assad a commencé

Isabelle Lasserre
Mis à jour le 22/08/2013 à 22:10
Publié le 22/08/2013 à 19:46

INFO LE FIGARO - Selon nos informations, des opposants au régime, encadrés par des commandos jordaniens, israéliens et américains, progressent vers Damas depuis mi-août. Cette offensive pourrait expliquer le possible recours du président syrien à des armes chimiques.


S'il est encore trop tôt pour pouvoir écarter catégoriquement la thèse défendue par Damas et Moscou, qui rejettent la responsabilité du massacre sur l'opposition syrienne, il est d'ores et déjà possible d'apporter des réponses à une troublante question. Quel intérêt aurait eu Bachar el-Assad à lancer une attaque non conventionnelle au moment précis où il venait d'autoriser des inspecteurs de l'ONU - après les avoir bloqués pendant plusieurs mois - à enquêter sur l'utilisation d'armes chimiques?

Une logique opérationnelle d'abord. Selon les informations recueillies par Le Figaro, les premiers contingents syriens formés à la guérilla par les Américains en Jordanie seraient entrés en action depuis la mi-août dans le sud de la Syrie, dans la région de Deraa. Un premier groupe de 300 hommes, sans doute épaulés par des commandos israéliens et jordaniens, ainsi que par des hommes de la CIA, aurait franchi la frontière le 17 août. Un second les aurait rejoints le 19. Selon des sources militaires, les Américains, qui ne veulent ni mettre de soldats sur le sol syrien, ni armer des rebelles en partie contrôlés par les islamistes radicaux, forment discrètement depuis plusieurs mois, dans un camp d'entraînement installé à la frontière jordano-syrienne, des combattants de l'ASL, l'Armée syrienne libre, triés sur le volet.
Sentiment d'impunité

À la faveur de l'été, leurs protégés auraient commencé à bousculer des bataillons syriens dans le sud du pays, en approchant de la capitale. «Leur poussée se ferait désormais sentir jusque dans la Ghouta, où les formations de l'ASL étaient déjà à l'œuvre, mais sans réellement pouvoir faire la différence aux abords de la forteresse damascène», explique David Rigoulet-Roze, chercheur à l'Institut français d'analyse stratégique (Ifas).

Selon ce spécialiste de la région, l'idée envisagée par Washington serait la création éventuelle d'une zone tampon à partir du sud de la Syrie, voire d'une zone d'exclusion aérienne, qui permettrait d'entraîner les opposants en toute sécurité, jusqu'à ce que le rapport de forces change. C'est la raison pour laquelle les États-Unis ont déployé des batteries Patriot et des F16, fin juin, en Jordanie.

La pression militaire récemment exercée contre al-Ghouta menace la capitale Damas, le cœur du pouvoir syrien. En juillet dernier, le porte-parole du président el-Assad avait publiquement affirmé que le régime n'utiliserait pas d'armes chimiques en Syrie «sauf en cas d'agression extérieure». L'intrusion d'agents étrangers dans le sud du pays, par exemple…

L'autre raison, si l'armée a réellement commis un massacre chimique à Damas, est davantage diplomatique. Depuis le mois d'août 2012, date à laquelle Barack Obama a prévenu que l'utilisation d'armes chimiques constituait une «ligne rouge» qui, une fois franchie, pourrait déclencher une intervention militaire, treize attaques chimiques de moindre envergure ont été recensées, sans provoquer de réaction américaine. Certes, les preuves sont difficiles à obtenir, puisque Damas bloque systématiquement le travail des enquêteurs de l'ONU. Le sentiment d'impunité ressenti par le régime syrien est renforcé par la protection russe apportée au Conseil de sécurité de l'ONU. Barack Obama qui, lorsqu'il est arrivé à la Maison-Blanche, avait proposé au Kremlin un «redémarrage» des relations, ne veut pas briser le lien avec Moscou. Le chef d'état-major américain, Martin Dempsey, son principal conseiller militaire, justifie son opposition à une intervention, même limitée, par l'atomisation de l'opposition syrienne et le poids exercé par les groupes extrémistes.

Quelles options?

Si le régime syrien est réellement derrière le bombardement chimique de Damas, il aura fait franchir un degré supplémentaire à un conflit qui a déjà fait plus de 100.000 morts. «Il ne s'agit plus d'un test à petite échelle comme avant. Les armes chimiques font désormais partie de la guerre, où elles jouent un rôle de dissuasion. C'est un message aux Américains. C'est aussi un défi lancé à Barack Obama, qui risque de perdre sa légitimité auprès de ses alliés dans le monde», analyse un spécialiste du dossier.

Parallèlement aux opérations clandestines menées depuis le sol jordanien, la communauté internationale, comme chaque fois que la crise franchit un pic, reconsidère les différentes options militaires. Armer les rebelles? «Si on le fait un jour on ne le dira pas», commente une source diplomatique. Des frappes aériennes chirurgicales? Possible, mais la solution comporte des risques de régionalisation du conflit. Des forces spéciales pour sécuriser et neutraliser les sites d'armes chimiques? Israël a frappé son voisin syrien à plusieurs reprises. Mais les services occidentaux ne veulent pas prendre le risque que les stocks d'armes chimiques se retrouvent aux mains des groupes djihadistes. Dernière option, l'inaction. C'est celle sur laquelle semble avoir parié Bachar el-Assad à Damas.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 03, 2013, 10:58:43 pm
http://www.brujitafr.fr/article-syrie-m ... 91693.html (http://www.brujitafr.fr/article-syrie-massacre-chimique-d-al-ghouta-la-russie-fournit-les-preuves-satellites-que-les-auteurs-sont-119691693.html)

SYRIE Massacre Chimique d’Al Ghouta : La Russie fournit les preuves satellites que les auteurs sont des rebelles

Les preuves sont là !

Une faction rebelle a bel et bien tiré 2 missiles à tête chimique et massacré des centaines d'enfants à des fins de propagande.

Black out complet de la presse occidentale sur ce revirement, la honte !


La Russie qui fournit aux Nations Unies les images satellites, irréfutables, des 2 missiles chargés de produits chimiques qui se sont abattus sur Al Ghouta faisant des centaines de morts, dont la plupart des enfants, ont été lancés depuis la région de Douma en Syrie, sous contrôle des rebelles !

Information relayée par plusieurs autres médias.

Que dit la Presse occidentale ? Blackout total ! La France, mise en difficulté fait allusion, et pour la première fois depuis le début de cette insurrection, Le Figaro, très connu pour le soutien qu’il apporte à Fabius et aux rebelles, se pose pour la première fois des questions jamais vues auparavant, même si le titre est 100% sioniste, ce passage en dit long :


« Quel intérêt aurait eu Bachar el-Assad à lancer une attaque non conventionnelle au moment précis où il venait d’autoriser des inspecteurs de l’ONU ? » – Le Figaro 22/08/2013 CQFD !

Source Journal Al Khabar le martyre de centaines de Syriens, à Al-Ghouta près de Damas, dont la plupart étaient des enfants, a soulevé l’opinion publique mondiale, ce mercredi dernier (21/08/2013), et notamment avec la propagation des images d’enfants et de civils martyrs, qui ont péri dans ce massacre. Les médias de l’opposition Syrienne ont accouru accusant le régime d’avoir commis ce massacre, dans une pression sur le Conseil de sécurité, qui s’est rapidement réuni, avant que la surprise survienne.

Est Gouta 22.08.2013 enfants non identifiés ont été retrouvés victimes de produits chimiques

Not a valid youtube URL
(http://3.bp.blogspot.com/-XvjSFLdRwKI/Uhh_wVZ9ZiI/AAAAAAAAS9k/CU26Zrq6Ol0/s1600/attaque-chimique-syrienne.jpg)

Le Conseil de sécurité réuni vient de rendre son rapport avec la mention «fragile», et la déclaration claire «Nous voulons découvrir la vérité sur l’accusation du régime syrien qu’il aurait utilisé les armes chimiques sur la campagne de Damas, et nous accueillons la décision de l’Organisation des Nations Unies pour enquêter sur cette affaire », une déclaration qui vient s’ajouter à celle de la délégation Italienne qui rapporte «la délégation syrienne a présenté une vision qui mérite que l’on s’attarde dessus ! ». Et pour la première fois de son genre, la déclaration également de la délégation française, connue pourtant pour être la plus radicale et enclin en faveur de l’opposition.

La délégation française avait fournit tout ce qu’elle possédait en informations sur le massacre qui a coûté la vie, selon les dernières statistiques neutres, à environ 800 syriens, dont la plupart étaient des enfants. Mais c’est la première fois que la délégation attribue ces informations à la coalition de l’opposition et à son Président « Awinnen Jarba, » dans une tentative française de se soustraire à ces renseignements et d’en porter la responsabilité à » Awinnen Jarba ».

A quoi est du ce revirement ?

Une source diplomatique syrienne de haut niveau, a révélé à la Tlévision d’Al Khabar, que la délégation Russe a rendu la version sur les faits qui se sont produits, en fournissant des documents irréfutables, extraits des images satellites qui viennent appuyer de ce fait la version officielle syrienne. Qu’effectivement des militants armés ont bien bien lancé les deux rockettes remplies de produits chimiques, depuis la zone rurale de Douma, toujours sous contrôle des rebelles, ce qui a laissé toute l’assemblée (du Conseil de Sécurité) sans voix et les a obligés à revoir leurs positions.

La source, qui a préféré garder l’anonymat, a déclaré à la Télévision d’AlKhabar, que la version officielle syrienne sur le massacre (présentée au Conseil de Sécurité), a confirmé que les militants ont effectivement tiré deux roquettes chargés de produits chimiques depuis la zone rurale de Damas, encore sous contrôle des Rebelles, et cela en fournissant les images des satellites russes, qui confirment les faits.

Le diplomate a souligné, à cet égard, que la position russe était, ce jour-là, exceptionnellement la seule position la plus radicale de toutes, que se soit celle des pays européens ou des Etats Unis, à exiger de faire procéder à une enquête sur ce massacre. Il a ensuite expliqué par ces mots que «La position de la Russie est basée sur des images satellites illustrant de manière incontestable que les militants sont effectivement ceux qui ont utilisé le chimique. »

Sur la raison pourquoi les militants de l’opposition ont commis ce massacre, la source diplomatique a précisé qu’«une faction des militants, ont tiré ces roquettes pour exploiter la présence de la Commission d’enquête et accroître les documents (en leur faveur), et cela en collaboration avec l’un des pays arabes, mais sans avoir cette fois-ci, préalablement informé les pays occidentaux sur une telle étape à franchir. »

La source a également rapporté la précision donnée dans la version de la délégation syrienne, que les États membres n’ont pas demandé les images aux satellites américains, comme à leur habitude dans les cas précédents, se contentant des images russes, qui se sont révélées identiques aux images des Etats Unis, établissant ainsi une preuve définitivement irréfutable » .

Le diplomate a ajouté que ce massacre aura désormais des effets politiques majeures sur la position des pays qui soutiennent l’insurrection, à commencer par la France, qui devra réévaluer sa position, d’autant plus que ce crime a été commis sans que ses renseignements généraux en aient été préalablement informés, ce qui la place aujourd’hui dans une position critique ».

Le diplomate a ajouté que la faction armée, des rebelles qui ont lancé ces deux roquettes, est une faction radicale qui œuvre sous les ordres d’un État arabe du Golfe, sans indiquer son nom, sachant que l’Arabie saoudite est le plus grand partisan des militants de l’opposition et des factions militantes en particulier.

Ce massacre a touché plusieurs villages d’Al-Ghouta Est, et a causé, sur estimation des recensement des organismes neutres, le martyre d’environ 800 syriens, dont la plupart des enfants, et plusieurs milliers de blessés.
Source Journal Al Khabar

INHFR Un autre mensonge est la publication sur youtube, la veille de l’attaque chimique qui a coûté la vie à des centaines d’innocents syriens, d’une vidéo d’un enfant entre la vie et la mort, avec un titre sur le massacre qui allait se produire le lendemain !

La video a été publiée par le site des rebelles, et titrée du massacre de l’attaque chimique sur AL Ghouta le 21/08/2013, le lien vidéo sur Youtube atteste encore de sa publication réelle, en date du 20/08/2013, soit la veille !

Al Ghouta a réellement été attaquée, et des centaines de syriens ont succombé à une mort chimique,

Comment un enfant montré sur cette vidéo peut-il mourir le lendemain ? Et comment les rebelles peuvent-ils savoir la veille qu’une attaque chimique allait se produire le lendemain sur Al Ghouta, pour titrer à l’avance leur vidéo de la date du massacre, c’est à dire du 21/08/2013, alors que Youtube atteste automatiquement de la date réelle de la publication, qui est clairement indiquée au 20/08/2013 ?

La vidéo en question a donc été publiée sur youtube, la veille de ce massacre, elle ne peut pas correspondre à un évènement du lendemain, ce qui indique qu’une ancienne vidéo a été attribuée au massacre du lendemain, dans un loupé de timing entre youtube et le site qui publie cette vidéo ! Une véritable fabrication de l’information avant qu’elle ne se produise ! C’est la seule explication à ce loupé qui a manifestement échappé à la vigilance du site de l’opposition qui a publié cette vidéo !

Titre de la vidéo : Ghouta Est le 21/08 – Dernier soupir d’un enfant sans que personne puisse le sauver

(http://2.bp.blogspot.com/-PamD_2XJeQI/UhiAvEUKylI/AAAAAAAAS9s/n1GI7WezPQs/s1600/attack-chimique-sur-damas.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 04, 2013, 03:05:30 pm
Isto é muito grave, muito mais grave do que um civil pode alguma vez pensar!

 :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 04, 2013, 06:17:19 pm
(http://i.imgbox.com/aceLjUR6.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 05, 2013, 12:30:27 am
Alemães dizem que ataque químico resultou de "um erro"


O ataque com armas químicas perpetrado no dia 21 de agosto perto de Damasco terá sido lançado pelo regime sírio, mas o elevado número de mortes será fruto de "um erro" de dosagem, segundo os serviços secretos alemães, citados pelo semanário Der Spiegel.

A edição online do semanário cita uma apresentação confidencial do diretor do BND, os serviços de espionagem alemães, Gerhard Schindler, aos deputados, no qual a autoria do ataque é atribuída às forças governamentais sírias, ainda que sem se ter certeza absoluta.

Para o BND, apenas os especialistas do regime de Assad dispõem de substâncias como o gás sarin, são capazes de o misturar e de o utilizar graças aos pequenos mísseis de calibre 107 mm que possuem em abundância.

Já os rebeldes não têm capacidade para levar a cabo tais ataques, disse Schindler aos deputados, segundo o Der Spiegel.

O BND sublinha ainda que ataques semelhantes já tinham sido realizados antes de 21 de agosto, mas utilizando uma versão muito diluída do gás, o que resulta num número mais reduzido de baixas.

Gerhard Schindler considerou ser assim possível que um erro de dosagem esteja na origem do pesado número de mortos registado no último ataque.

Durante a apresentação, que durou cerca de meia hora, Schindler também se referiu a uma conversa telefónica intercetada, entre um alto dirigente do movimento xiita libanês Hezbollah, tradicional aliado do regime sírio, e um diplomata iraniano.

Este responsável do Hezbollah atribuiu a responsabilidade do ataque a Assad e considerou que o presidente sírio "perdeu o controlo" e cometeu "um grave erro" ao dar a ordem para a utilização de armas químicas, escreve ainda o Der Spiegel.

Este novo elemento poderá pesar no debate sobre uma eventual intervenção no país, reforçando a tese da responsabilidade do regime de Assad no ataque que, segundo o Observatório Sírio dos Direitos do Homem, matou 502 pessoas, das quais 80 crianças e 137 mulheres.

DN
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 01:27:58 pm
FEVEREIRO 2012 !!!

http://counterpsyops.com/2012/02/15/end ... ddle-east/ (http://counterpsyops.com/2012/02/15/end-of-game-in-the-middle-east/)

End of game in the Middle East
By Thierry Meyssan
Source: Voltaire Network

Although the armed clashes are not completely over in the beleaguered district of Homs and that the Syrian and Lebanese authorities have yet to inform public opinion of their recent actions, Thierry Meyssan appeared Monday night on the leading Russian television channel to make an initial assessment of the operations, providing first-hand information which he is sharing with the readers of Voltaire Network.
 
For eleven months, the Western powers and the Gulf States have lead a campaign to destabilize Syria. Several thousand mercenaries infiltrated the country. Recruited by agencies in Saudi Arabia and Qatar within the Sunni extremist community, they came to overthrow the “usurper Alawite” Bashar al-Assad and impose a Wahhabi-inspired dictatorship. They have at their disposal the most sophisticated military equipment, including night vision systems, communication centers, and robots for urban warfare. Supported secretly by the NATO powers, they also have access to vital military information, including satellite images of Syrian troop movements, and telephone interceptions.
This has been falsely portrayed to the Western public as a political revolution crushed in blood by a ruthless dictatorship. Of course, this lie has not been universally accepted. Russia, China and the Latin American and Caribbean member states of ALBA repudiate it. They each have a historical background that allows them to readily grasp what is at stake. The Russians are thinking of Chechnya, the Chinese of Xinjiang, and the Latin Americans of Cuba and Nicaragua. In all these cases, beyond ideological or religious appearances, the methods of destabilization by the CIA were the same.

(http://www.voltairenet.org/local/cache-vignettes/L400xH266/FSA-85a06-48509-85f77.jpg)
Group of Syrian government opponents, belonging to the hotchpotch commonly known as “Free Syrian Army.”

The strangest thing about this situation is to observe the Western media deluding themselves that the Salafists, Wahhabis and Al-Qaeda fighters are motivated by democratic principles, while they continue to demand on Saudi and Qatari satellite airwaves the head of the Alawi heretics and the Arab League observers. It matters little if Abdel Hakim Belhaj (number 2 of Al-Qaeda and current military governor of Tripoli, Libya) came personally to install his men in northern Syria, and Ayman Al-Zawahiri (current leader of Al-Qaeda since the official death of Osama bin Laden) has called for a jihad against Syria: the Western press pursues its romantic dream of a liberal revolution.

Even more ridiculous is to hear the Western media slavishly disseminating the daily dispatches put out by the Syrian branch of the Muslim Brotherhood ranting about the crimes of the regime and its victims, under the signature of the Syrian Observatory of Human Rights. Besides, since when has this Brotherhood of putchists been interested in human rights?

(http://www.voltairenet.org/IMG/jpg/eee-ade01-2.jpg)
Ayman Al-Zawahiri, Al-Qaeda’s number one following the official death of Osama Bin Laden, reiterated his call for hijad to overthrow the Baasist regime in Syria.

All it took to turn “terrorists” into “democrats” was for Western secret services to arrange for the puppet “Syrian National Council” to enter the scene, with a Sorbonne professor as President and as spokesperson the mistress of the former head of the DGSE. In a sleight of hand, the lie has become a media reality. Those abducted, mutilated and murdered by the Wahhabi Legion are transformed by the press into victims of the tyrant. Conscripts of all faiths who are defending their country against aggression are painted as sectarian Alawite soldiers oppressing their people. The destabilization of Syria by foreigners is treated as one more episode of the “Arab Spring.” The emir of Qatar and the Saudi king, two absolute monarchs who have never held national elections in their countries and incarcerate protesters, have become the champions of revolution and democracy. France, the United Kingdom and the United States, who just killed 160,000 Libyans in breach of the mandate they received from the Security Council, have turned into philanthropists responsible for the protection of civilian populations. Etc..

However, the low intensity war that the Western press and the Gulf have hidden behind this masquerade came to an end with the double veto by Russia and China on 4 February 2012. NATO and its allies were ordered to cease fire and withdraw, at the risk of sparking a war on a regional, or even global, scale.

(http://www.voltairenet.org/local/cache-vignettes/L400xH267/Lavrov-d8e96-b08b2-cbe39.jpg)
Syrian President Bashar al-Assad with Russian Foreign Minister Serguei Lavrov on 7 February in Damascus.

On 7 February, a large Russian delegation, including the highest ranking foreign intelligence officials, arrived in Damascus where it was greeted by cheering crowds, aware that Russia’s return to the international scene marked the end of their nightmare. The capital, but also Aleppo, the second largest city, were decked out in white, blue, red, and people marched behind banners written in Cyrillic. At the presidential palace, the Russian delegation joined those of other states, including Turkey, Iran and Lebanon. A series of agreements were reached to re-establish peace. Syria has returned 49 military instructors captured by the Syrian army. Turkey intervened to obtain the release of the abducted Iranian engineers and pilgrims, including those held by the French (incidentally, Lieutenant Tlass who sequestered them on behalf of the DGSE was liquidated). Turkey has ceased all support for the “Free Syrian Army,” closed down its facilities (except the one on the NATO base at Incirlik), and turned over its commander, Colonel Riad el-Assad. Russia, which is the guarantor of the agreements, has been allowed to reactivate the former Soviet listening base on Mount Qassioum.

The next day, the US State Department informed the Syrian opposition in exile that it could no longer count on its military aid. Realizing that they have betrayed their country to no avail, the Syrian National Council members went in search of new sponsors. One of them even went so far as to write to Benjamin Netanyahu asking him to invade Syria.

(http://www.voltairenet.org/IMG/jpg/lebanese_Army_deployed_between_Jabal_Mohsen_and_Bab_al-Tabbaneh_Photo_by_Antoine_Amrieh-184ba.jpg)
Deployment of the Lebanese army during its operation in the north of the country.



After a period of two days required for the implementation of the agreements, not only the national armies of Syria, but also Lebanon, stormed the bases of the Wahhabi Legion. In northern Lebanon, a massive arsenal was seized in the town of Tripoli and four officers were taken prisoner in Akkar, in a school abandoned by UNRWA and transformed into a military HQ. In Syria, General Assef Shawkat in person commanded the operations. At least 1,500 fighters were captured, including a French colonel of the DGSE technical communication services, and more than a thousand people were killed. At this stage it is not possible to determine how many among the victims are foreign mercenaries, how many are Syrians cooperating with foreign forces, and how many are civilians trapped in the beleaguered city.

Lebanon and Syria have restored their sovereignty over their entire territory.

Intellectuals are debating whether Vladimir Putin might have made a mistake in protecting Syria at the risk of a diplomatic crisis with the United States. The question is wrongly put. Having reconstituted its forces for years and asserted itself today on the international stage, Moscow has put an end to two decades of a unipolar world order, permitting Washington to expand its hegemony to achieve global domination. The choice was not between siding with tiny Syria or with the mighty United States, but between allowing the first world power to destroy yet another government or upsetting the balance of power to create a more just international order in which Russia has a say.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 01:57:31 pm
A BATER NA MESMA TECLA

http://counterpsyops.com/2013/09/05/sau ... l-attacks/ (http://counterpsyops.com/2013/09/05/saudi-arabias-chemical-bandar-behind-the-syrian-chemical-attacks/)

Saudi Arabia’s ‘Chemical Bandar’ behind the Syrian chemical attacks?

(http://counterpsy.files.wordpress.com/2013/09/20130905-073033.jpg?w=593)
U.N. chemical weapons experts visit a hospital where wounded people affected by an apparent gas attack are being treated, in the southwestern Damascus suburb of Mouadamiya, August 26, 2013 (Reuters / Abo Alnour Alhaji)

By Mahdi Darius Nazemroaya, OP Ed for RT

Nothing the US claims about what happened in Syria adds up. We are being asked to believe an illogical story, when it is much more likely that it was Israel and Saudi Arabia who enabled the Obama Administration to threaten Syria with war.

The Obama Administration’s intelligence report on Syria was a rehash of Iraq. “There are lots of things that aren’t spelled out” in the four-page document, according to Richard Guthrie, the former project head of the Chemical and Biological Warfare Project of the Stockholm International Peace Research Institute. One piece of evidence is the alleged interception of Syrian government communications, but no transcripts were provided.

Just as with the Obama Administration’s speeches which all fall short of conclusively confirming what happened, nothing was categorically confirmed in the intelligence report. Actually it comes across more as a superficial college or university student’s paper put together by wordsmiths instead of genuine experts on the subject.

Going in a circle, the report even depends on “unnamed” social media and accounts as sources of evidence or data. Lacking transparency, it states that “there are accounts from international and Syrian medical personnel, videos, witness accounts, thousands of social media reports from at least 12 different locations in the Damascus area, journalist accounts and reports from highly credible non-governmental organizations.”

Chances are that these unnamed sources are actually foreign-funded insurgents, Israeli media, Saudi media, the Syrian Observatory for Human Rights – which includes fighters in the ranks of the insurgency and salutes Saudi Arabia as a model democracy – or the NGO Doctors Without Borders. These are the same sources that have been supporting the insurgency and pushing for regime change and military intervention in Syria.

Moreover, one of the main sources of the intelligence and communication interceptions that are supposed to be a smoking gun is none other than Israel, which is notorious for doctoring and falsifying evidence.

The US intelligence report also claims to have advanced knowledge about the plans to launch a chemical weapons attack several days before it happened. A leading expert on chemical weapons, Jean Pascal Zanders, who until recently was a senior research fellow at the European Union’s Institute for Security Studies, asks why the US government did not tell the world about it and issue warnings about a chemical attack at that time.

An Israeli-Saudi-US conspiracy?

The US-supported anti-government forces fighting inside Syria are the ones that have a track record of using chemical weapons. Yet, Obama and company have said nothing.

(http://counterpsy.files.wordpress.com/2013/09/20130905-073049.jpg?w=593)
Reuters / Loubna Mrie


Despite the anti-government forces accusations that the Syrian military launched a chemical weapon attack on Homs at Christmas in December 2012, CNN reported that the US military was training anti-government fighters with the securing and handling of chemical weapons. Under the name of the Destructive Wind Chemical Battalion, the insurgents themselves even threatened to use nerve gas and released a video where they killed rabbits as a demonstration of what they planned on doing in Syria.

According to the French newspaper Le Figaro, two brigades of anti-government fighters that were trained by the CIA, Israelis, Saudis, and Jordanians crossed from the Hashemite Kingdom of Jordon into Syria to launch an assault, respectively on August 17 and 19, 2013. The US must have invested quite a lot in training both anti-government brigades. If true, some may argue that their defeat prompted the chemical weapons attack in Damascus as a contingency plan to fall back on.

However, how they came by chemical weapons is another issue, but many trails lead to Saudi Arabia. According to the British Independent, it was Saudi Prince Bandar “that first alerted Western allies to the alleged use of sarin gas by the Syrian regime in February 2013.” Turkey would apprehend Syrian militants in its territory with sarin gas, which these terrorists planned on using inside Syria. On July 22 the insurgents would also overrun Al-Assal and kill all the witnesses as part of a cover-up.

A a report by Yahya Ababneh, which was contributed to by Dale Gavlak, has collected the testimonies of witnesses who say that “certain rebels received chemical weapons via the Saudi intelligence chief, Prince Bandar bin Sultan, and were responsible for carrying out the gas attack.”

The Mint Press News report adds an important dimension to the story, totally contradicting the claims of the US government. It quotes a female insurgent fighter who says things that make a link to Saudi Arabia clear. She says that those who provided them with weapons ‘didn’t tell them what these arms were or how to use them” and that they “didn’t know they were chemical weapons.” “When Saudi Prince Bandar gives such weapons to people, he must give them to those who know how to handle and use them,” she is quoted.

There is also another Saudi link in the report: “Abdel-Moneim said his son and 12 other rebels were killed inside a tunnel used to store weapons provided by a Saudi militant, known as Abu Ayesha, who was leading a fighting battalion. The father described the weapons as having a ‘tube-like structure’ while others were like a ‘huge gas bottle.’”

So it seems that the Saudis enabled the chemical attack while the Israelis provided them cover to ignite a full-scale war, or at the very least enable a bombing campaign against Damascus. Israel and Saudi Arabia have empowered the Obama Administration to threaten war on Syria.

Obama wants to change the balance of power in Syria

The moralistic language coming out of Washington is despicable posturing. The hypocrisy of the US government knows no bounds. It condemns the Syrian military for using cluster bombs while the United States sells them en mass to Saudi Arabia.

(http://counterpsy.files.wordpress.com/2013/09/20130905-073105.jpg?w=593)
US President Barack Obama (AFP Photo / Scanpix Sweden / Jessica Gow)

The UN inspectors entered Syria in the first place on the invitation of the government in Damascus. The Syrian government warned the UN for weeks that the anti-government militias were trying to use chemical weapons after they gained control of a chlorine factory east of Aleppo. As a precaution, the Syrian military consolidated all its chemical weapons into a handful of heavily guarded compounds to prevent anti-government forces reaching them.

Yet, the insurgents launched a chemical weapon attack against the Syrian government’s forces in Khan Al-Assal on March 19, 2013. Turning the truth on its head, the insurgents and their foreign backers, including the US government, would try to blame the Syrian government for the chemical attack, but the UN’s investigator Carla Del Ponte would refute their claims as false in May after extensive work.

Concerning the alleged August attack the Obama Administration has been lying and contradicting itself for days. They say that traces of chemical weapons cannot be eliminated, but that the Syrian government destroyed that same evidence that cannot be eradicated. They want an investigation, but say they already have all the answers.

The claims that the Syrian government used chemical weapons in the suburb of Ghouta defy logic. Why would the Syrian government unnecessarily use chemical weapons in an area that it controls and shoot itself in the foot by presenting the US and its allies with a pretext to intervene? And of all the days it could unnecessarily use chemical weapons, the Obama administration wants us to believe that the Syrian government picked the day when United Nation inspectors arrived in Damascus.

Even the biased and misleading state-run British Broadcasting Corporation admitted that there was something strange about the event. The BBC’s own “Middle East Editor Jeremy Bowenl says many will ask why the [Syrian] government would want to use such weapons at a time when [United Nations] inspectors are in the country and the military has been doing well militarily in the area around Damascus.”

The US is deliberately pointing the finger for the use of chemical weapons at the Syrian government.

American officials have a track record of lying to start wars against other countries. This has been the consistent modus operandi of the US from Vietnam to Yugoslavia, and from Iraq to Libya.

It is not Syria that is going against the international community, but the warmongers in Washington, which include the Obama Administration.

Washington is threatening to attack Syria as a means of prolonging the fighting inside Syria. The US government also wants to have a stronger hand in the country’s future negotiations by restoring the balance of power between the Syrian government and America’s anti-government insurgent allies, thus weakening the Syrian military and ending its winning momentum against the insurgency. If not softening Damascus up for the insurgents, America wants to level the equation and undermine the Syrian government before a final negotiation takes place.

Now is the time for the “responsibility to prevent war”—the real R2P—to come into play.

Mahdi Darius Nazemroaya is a sociologist, award-winning author and geopolitical analyst.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 02:07:05 pm
http://www.voltairenet.org/article180098.html (http://www.voltairenet.org/article180098.html)

Letter of Pope Francis to Vladimir Putin dealing with Syria

(http://www.voltairenet.org/local/cache-vignettes/L400xH300/1-3966-c5197.jpg)


To His Excellency
Mr Vladimir Putin
President of the Russian Federation

In the course of this year, you have the honour and the responsibility of presiding over the Group of the twenty largest economies in the world. I am aware that the Russian Federation has participated in this group from the moment of its inception and has always had a positive role to play in the promotion of good governance of the world’s finances, which have been deeply affected by the crisis of 2008.

In today’s highly interdependent context, a global financial framework with its own just and clear rules is required in order to achieve a more equitable and fraternal world, in which it is possible to overcome hunger, ensure decent employment and housing for all, as well as essential healthcare. Your presidency of the G20 this year has committed itself to consolidating the reform of the international financial organizations and to achieving a consensus on financial standards suited to today’s circumstances. However, the world economy will only develop if it allows a dignified way of life for all human beings, from the eldest to the unborn child, not just for citizens of the G20 member states but for every inhabitant of the earth, even those in extreme social situations or in the remotest places.

From this standpoint, it is clear that, for the world’s peoples, armed conflicts are always a deliberate negation of international harmony, and create profound divisions and deep wounds which require many years to heal. Wars are a concrete refusal to pursue the great economic and social goals that the international community has set itself, as seen, for example, in the Millennium Development Goals. Unfortunately, the many armed conflicts which continue to afflict the world today present us daily with dramatic images of misery, hunger, illness and death. Without peace, there can be no form of economic development. Violence never begets peace, the necessary condition for development.

The meeting of the Heads of State and Government of the twenty most powerful economies, with two-thirds of the world’s population and ninety per cent of global GDP, does not have international security as its principal purpose. Nevertheless, the meeting will surely not forget the situation in the Middle East and particularly in Syria. It is regrettable that, from the very beginning of the conflict in Syria, one-sided interests have prevailed and in fact hindered the search for a solution that would have avoided the senseless massacre now unfolding. The leaders of the G20 cannot remain indifferent to the dramatic situation of the beloved Syrian people which has lasted far too long, and even risks bringing greater suffering to a region bitterly tested by strife and needful of peace. To the leaders present, to each and every one, I make a heartfelt appeal for them to help find ways to overcome the conflicting positions and to lay aside the futile pursuit of a military solution. Rather, let there be a renewed commitment to seek, with courage and determination, a peaceful solution through dialogue and negotiation of the parties, unanimously supported by the international community. Moreover, all governments have the moral duty to do everything possible to ensure humanitarian assistance to those suffering because of the conflict, both within and beyond the country’s borders.

Mr President, in the hope that these thoughts may be a valid spiritual contribution to your meeting, I pray for the successful outcome of the G20’s work on this occasion. I invoke an abundance of blessings upon the Summit in Saint Petersburg, upon the participants and the citizens of the member states, and upon the work and efforts of the 2013 Russian Presidency of the G20.

While requesting your prayers, I take this opportunity to assure you, Mr President, of my highest consideration.

Pope Francis
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 06:38:43 pm
a guerra da informacao

http://www.thetruthseeker.co.uk/?p=78296 (http://www.thetruthseeker.co.uk/?p=78296)

http://hackersnewsbulletin.com/2013/09/ ... acked.html (http://hackersnewsbulletin.com/2013/09/exclusive-pentagon-may-involved-chemical-attack-syria-us-intelligence-colonel-mail-hacked.html)

EXCLUSIVE: Pentagon may be involved in chemical attack in Syria, US intelligence colonel hacked mail reflect

(http://i.imgur.com/8WdemGa.jpg)

The situation in Syria is still in the focus of world media. Experts predict another U.S. aggression for “human rights”. Washington regularly declares its readiness to attack Syria. The official version – to punish al-Assad and Syrian army for the use of chemical weapons against the civilian population.

Meanwhile, the media has spread new proofs of the U.S. intelligence involvement to chemical attack near Damascus. Hacker got access to U.S. intelligence correspondence and published U.S. Army Col. ANTHONY J. MACDONALD’s mail. Macdonald is General Staff Director, Operations and Plans Office of the Deputy Chief of Staff for Intelligence the Army Staff. It’s about chemical attack in Syria.

In the message August 22 Eugene Furst congratulates Col. on successful operation and refers him to Wasington Post publication about chemical attack in Syria. From the Anthony’s wife dialog with her friend it’s clear the video with the children killed in the chemical attack near Damascus was staged by U.S. Intelligence.

Published data indicate Washington is willing to do anything to achieve its goals in the Middle East. Support for the Syrian opposition with political means and weapons hasn’t brought the expected results.

Under the circumstances the U.S. is ready once again to violate international law and attack Syria without UN Security Council approval. The world’s still the same – if policy doesn’t work, the aircraft carriers start acting!


Screenshots taken by Hacker of the COl. Mail:
(http://i.imgur.com/tCpnsOa.jpg)
(http://i.imgur.com/rTIrPSn.jpg)
(http://i.imgur.com/pMTd3SA.jpg)

Hacker also claimed to hack into various other Pentagon officers’ mail boxes:

    Evans, Anthony O COL USARMY HQDA ASA ALT  (US)
    Sims, John D COL USARMY HQDA OCPA (US)
    Griffith, David M COL USARMY (US)
    Bell, Craig A COL USARMY (US)
    Parramore, David J (Dave) COL USARMY  MEDCOM HQ (US)
    Morris, Daniel L COL USARMY (US)
    Ellison, Brenda K COL USARMY (US)
    Jennings, Wesley J COL USARMY HQDA DCS G-8  (US)
    Eberle, Brian K COL  USARMY HQDA DCS G-3-5-7 (US)
    Bradsher, John M COL USARMY (US)
    Fish, Charles A COL USARMY JS J8 (US)
    Roquemore, Darlene M COL USAF (US)
    Mott, Robert L Jr COL USARMY HQDA  OTSG (US)
    Parramore, David J (Dave) COL USARMY  MEDCOM HQ (US)
    Weeks, Colin A LTC USARMY (US)
    Reynolds, M Bridget LTC USARMY HQDA DCS G-2 (US)
    Grahek, Christopher J LTC USARMY HQDA  OTSG (US)
    Henderson, Valerie D LTC USARMY HQDA OCPA (US)

Hacker released a statement on Pastebin in which he also stated that he had no time to look through all their mails, might be more information he get and at last he said “I will upload their correspondence later.”

UPDATE: Well we are being asked by some of the media websites about the source that’s why we want to inform you that this news was also published in Telegraph and till now we also don’t have any info of hacker.

Submitted by: Said Al-Khalaki (Freelance journalist)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 05, 2013, 06:55:21 pm
Syria War Propagandists Debunked | Weapons of Mass Distraction
Not a valid youtube URLhttps://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=7BdQa3rDse0




As tretas do costume...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 07:19:27 pm
quando mafiosos se desmascaram uns aos outros atraves da inocencia temos comedia de primeira qualidade


http://www.usatoday.com/story/theoval/2 ... 0/2769683/ (http://www.usatoday.com/story/theoval/2013/09/05/obama-kerry-putin-syria-russia-g-20/2769683/)

Putin calls Kerry a liar on Syria

David Jackson, USA TODAY 12:03 p.m. EDT September 5, 2013

Things aren't exactly warming up between the Obama administration and Vladimir Putin, even as President Obama arrives in St. Petersburg for the G-20 summit.

Putin called Obama Secretary of State John Kerry a liar over Kerry's testimony this week before Congress.

The question may be al-Qaeda's influence on the Syrian rebels, an issue Kerry has downplayed.

Speaking to his human rights council Wednesday, Putin said, "This was very unpleasant and surprising for me. We talk to them (the Americans), and we assume they are decent people, but he is lying and he knows that he is lying. This is sad."

Putin has criticized Obama administration claims that Bashar Assad's government attacked the rebels with chemical weapons.

Last month, Obama canceled a summit meeting with Putin after a series of U.S.-Russian disputes, including Russia's decision to grant asylum to National Security Agency leaker Edward Snowden.

As for the new flap over Kerry's testimony, the Associated Press reported:

"It was unclear exactly what Putin was referencing, but Kerry was asked Tuesday while testifying before the Senate Foreign Relations Committee if the Syrian opposition had become more infiltrated by al-Qaeda.

"Kerry responded that that was 'basically incorrect' and that the opposition has 'increasingly become more defined by its moderation.' ...

"In testimony Wednesday, Kerry said he didn't agree that 'a majority (of the opposition) are al-Qaeda and the bad guys.' Extremists amount to 15 to 25% of the opposition, he said, including al-Nusra and many other groups that are 'fighting each other, even now.'"

Asked about Putin's comments, National Security Council spokesman Ben Rhodes said, "Well, we certainly would side with Secretary Kerry in that back-and-forth."
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 05, 2013, 09:01:23 pm
http://counterpsyops.com/2012/02/15/the ... -damascus/ (http://counterpsyops.com/2012/02/15/the-road-to-tehran-goes-through-damascus/)

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 05, 2013, 09:57:43 pm
Chefe da NATO lamenta divisão da comunidade internacional


O secretário-geral da NATO, Anders Fogh Rasmussen, disse hoje que lamentava "profundamente" as "divisões no seio da comunidade internacional" a propósito da reação a ter relativamente à utilização de armas químicas na Síria. "Lamento profundamente as divisões no seio da comunidade internacional", disse Rasmussen, em declarações à agência noticiosa AFP, feitas à margem de uma reunião de ministros da Defesa da União Europeia, para a qual foi convidado.

"Penso que é tempo de ultrapassar estas divisões, porque enviam uma mensagem muito perigosa aos ditadores, que podem pensar poder utilizar as armas químicas, e talvez outras armas de destruição massiva, sem qualquer reacção da comunidade internacional", acrescentou.

As declarações de Rasmussen coincidem com a realização de uma cimeira dos dirigentes das 20 principais economias desenvolvidas e emergentes, que começou hoje na cidade russa de são Petersburgo, onde a guerra na Síria é um tema central.

"É necessária uma resposta internacional firme", acrescentou o chefe da NATO, que entende que "não há qualquer dúvida" quanto ao facto de "o regime sírio ser o responsável pelo ataque químico" de 21 de Agosto passado.

Mas repetiu que não via outro "papel complementar para a NATO", para além da colocação de mísseis antimíssil "Patriot" na Turquia, que integra a Aliança Atlântica, para a defender de eventuais ataques.

Presente em Vilnius, o ministro da Defesa alemão, Thomas de Maizière, qualificou de "muito grave" a situação na Síria, onde disse ser "evidente que, no fim, tem de ser encontrada uma solução política".

A procura de uma posição comum entre países europeus vai dominar os trabalhos na sexta-feira, aos quais se vai juntar no sábado o secretário de estado dos EUA, John Kerry.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 06, 2013, 01:17:51 pm
Grande carga de gás nos mísseis de ataque, só regime podia fazê-lo


Uma nova análise de imagens que aparentemente exibem o ataque ocorrido na Síria no mês passado concluiu que os mísseis que despejaram o tóxico gás sarin sobre os bairros dos arredores de Damasco continham até 50 vezes mais desse agente químico do que o estimado anteriormente, noticia hoje o The New York Times. A conclusão poderá esclarecer o mistério de por que foram registadas muito mais vítimas nesse bombardeamento do que em ataques químicos anteriores.

A análise, realizada por especialistas em armamento, também aponta para fortes evidências de que a massa de material tóxico pode ter vindo exclusivamente de um único e grande stock.

Autoridades norte-americanas, britânicas e francesas afirmaram que apenas o governo sírio, e não os rebeldes, estaria em posição de produzir essas grandes quantidades de toxinas mortais.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, disse ao congresso norte-americano durante audiências realizadas na terça e quarta-feira desta semana que os EUA acreditam que o exército sírio foi o responsável pelo ataque. Em comunicados secretos, as autoridades têm apontado a Unidade 450, que controla as armas químicas da Síria, como responsável pelo ataque.

A nova análise foi conduzida por Richard M. Lloyd, especialista no design de ogivas, e por Theodore A. Postol, físico do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

Segundo o jornal, os especialistas basearam a sua investigação em dezenas de vídeos e fotografias postados na Internet desde o ataque de 21 de Agosto, que centenas de mortos e doentes graves nos subúrbios de Damasco.

Em entrevistas e relatórios, os dois especialistas em armas disseram que a sua análise das imagens das peças e dos destroços dos mísseis exibidos na Internet sugere que as ogivas carregavam cargas tóxicas de cerca de 50 litros, e não apenas um ou dois litros do agente químico que ataca o sistema nervoso, volume que alguns especialistas em armas tinham estimado anteriormente.

Pouco depois do ataque, alguns analistas disseram que duvidavam que os mísseis identificados pudessem ter transportado um volume de gás tóxico suficiente para ter causado as mortes em massa. Lloyd e Postol disseram que a sua análise explica como um erro de identificação de uma parte central do míssil resultou nas estimativas excessivamente reduzidas em relação à carga tóxica.

Numa entrevista, Lloyd disse que a fabricação dos mísseis, mas talvez não do mortal agente químico que ataca o sistema nervoso, parece estar de acordo com as capacidades tanto do governo sírio e quanto dos rebeldes.

No entanto, Stephen Johnson, ex-especialista em armas químicas do exército britânico que actualmente actua como especialista forense na Cranfield University, em Shrivenham, disse que, se a estimativa relacionada com a carga de 50 litros estiver correcta, apenas o governo sírio poderia ter chegado a esse grande volume de produção. «É uma quantidade bastante substancial para produzir sozinho, e está além dos sonhos mais loucos da oposição», disse Johnson.

O especialista acrescentou que, as insinuações de que os rebeldes sírios teriam apreendido ou obtido secretamente esses volumes de compostos químicos não têm credibilidade. «O cenário aponta mais para o argumento de que foi o governo», disse.

O governo de Barack Obama acusa o governo sírio de ter disparado os mísseis com ogivas cheias de gás sarin, um agente químico líquido que ataca o sistema nervoso e se vaporiza, transformando-se numa névoa mortal que é absorvida rapidamente pela pele humana. A toxina faz com que nervos e músculos de todo o corpo se contraiam até à exaustão, resultando em paralisia pulmonar e na morte. As pupilas das vítimas muitas vezes ficam minúsculas porque a íris, que é um músculo, se contrai muito quando exposta ao gás.

A guerra na Síria já dura mais de dois anos e deixou mais de 100 mil mortos, segundo a ONU.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 06, 2013, 01:59:07 pm
Mas quando já varias fontes afirmam que provavelmente os rebeldes foram fornecidos pelos sauditas eles de facto não precisam de ter capacidade de produção.

Os sauditas (ou EUA, ou Israel) produziram e eles simplesmente usaram.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 06, 2013, 02:37:30 pm
Sobre a temática, muito interessante este site.  :wink:

http://rogueadventurer.com/
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 06, 2013, 04:40:48 pm
O problema é que as «várias fontes» são invariavelmente as fontes dos teoricos da conspiração, que quando vamos ver com um pouco (chega mesmo só um pouquinho) de atenção verificamos serem fabricações e invenções.

Alguns dos sites dos conspirativos ainda estão a tocar na tecla da fabricação de Hollywood, quando até já os Aiatolahs em Teerão e o próprio Putin já deixaram de lado essa tese.
As crianças que são mostradas nas fotografias são mesmo crianças e estão mesmo mortas.

Depois, quando a tese caiu redonda no chão, tentam limpar a cara dizendo que são crianças iraquianas e não sírias.


Enfim.



O que sabemos é que os socialistas desde a queda de Al Qusayr com o apoio dos terroristas do Hezbollah, foram ganhando terreno e isso foi claro nos comentários internacionais.
Dizia-se que o regime ía ganhar o conflito e que os rebeldes seriam derrotados.
O problema é que não foram.
Desde meados de Agosto que a ofensiva de Bashar tinha parado. O Hezbollah vivia do apoio da Síria e não pode ajudar eternamente Bashar.
Bashar está a ficar sem tempo e pior que tudo isso, o bairro que foi atacado fica a 7km de distância do complexo presidencial de Damasco.

Bashar não só não conseguiu derrotar os opositores com um golpe final, como ainda por cima, durante uma visita de pessoal das Nações Unidas, tinha que andar fugido, porque o palácio pode ser bombardeado.

Para a população de Damasco o bombardeamento do palácio de Bashar é uma prova de que ele continua a ser desafiado.
É o espinho que dói mais nas costas de Bashar.

O que aconteceu em 21 de Agosto, foi o bombardeamento da única área na região de Damasco, de onde ainda era possível bombardear o gigantesco complexo de palácios fortificados onde está o presidente da Siria. O mais importante símbolo do poder de Bashar Al Assad, numa colina que se eleva a 200m sobre a cidade.

É por isso que são tão importantes as transmissões captadas pelos vários serviços secretos, onde se dá nota de uma grande frustração por parte de Bashar e da sua corte.
Mesmo com o suposto ataque final, o maior simbolo do poder do clã socialista e dos alauitas, continuava debaixo de fogo. Bashar terá dado ordem para acabarem com aquilo de uma vez por todas.

EM 21 DE AGOSTO, BASHAR ATACOU QUEM O DESAFIAVA.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 06, 2013, 09:04:58 pm
:arrow: http://www.infowars.com/military-revolt ... -on-syria/ (http://www.infowars.com/military-revolt-against-obamas-attack-on-syria/)

Eu não os culpo de nada, estão à anos a lutar contra a Al Qaeda e agora vão lutar em nome dela?! :shock:[/quote]
Estes sim têm toda a razão.

(http://static.prisonplanet.com/p/images/september2013/020913join7.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 06, 2013, 09:59:26 pm
Também à as fotos. Rapaziada jeitosa! Achavam que era só o Assad...:shock:

(http://www.parrotsafedriving.com/wp-content/uploads/2013/08/WarcrimesbySyrianrebelsmustbecondemnedtooPeterBeaumont.jpg)
Sobre Policias.

(http://www.islamicinvitationturkey.com/wp-content/uploads/2013/01/Syrian-terrorist-factions-fight-each-other.jpg)
Sobre facções rivais.

(http://rt.com/files/news/1f/0f/d0/00/screen_shot_2013-05-14_at_8.27.52_am.jpg)
(http://edgecast.metatube-files.buscafs.com/uploads/videos/image/image_184249_6.jpg)
A comerem as tropas governamentais mortas.

(http://www.notowar.com/wp-content/uploads/2013/07/terrroist.jpg)
A executarem militares capturados.

(http://i.huffpost.com/gen/1059777/thumbs/o-AHMED-SON-OF-SYRIAN-REBEL-FIGHTER-570.jpg?2)
Até já temos as crianças soldados.

P.S - Entretanto ando entretido com este blog. Doutrinas à parte é interessante... :wink:
http://brown-moses.blogspot.co.uk/search?updated-min=2013-01-01T00:00:00-08:00&updated-max=2014-01-01T00:00:00-08:00&max-results=50
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 06, 2013, 10:21:19 pm
"Uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade" Goebbels


Esqueçam as teorias da conspiração. Afinal havia armas de destruição maciça no Iraque. Há gente com memória curta.


Esqueçam as teorias da conspiração. Já passou mais de uma década. Desta vez a Síria.

Têm provas ou dados altamente fiáveis do ataque químico por parte do regime sírio e não as mostram? Digam lá se isto não é manhoso.

Não querem discutir as provas ou os indícios ? Querem fazer uma guerra às escuras?


O tempo dirá quem disse a verdade.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 07, 2013, 02:56:16 am
Os velhos às vezes costumam dar bons conselhos


Citar
MEMORANDUM FOR: The President

FROM: Veteran Intelligence Professionals for Sanity (VIPS)

SUBJECT: Is Syria a Trap?

Precedence: IMMEDIATE

We regret to inform you that some of our former co-workers are telling us, categorically, that contrary to the claims of your administration, the most reliable intelligence shows that Bashar al-Assad was NOT responsible for the chemical incident that killed and injured Syrian civilians on August 21, and that British intelligence officials also know this. In writing this brief report, we choose to assume that you have not been fully informed because your advisers decided to afford you the opportunity for what is commonly known as “plausible denial.”

We have been down this road before – with President George W. Bush, to whom we addressed our first VIPS memorandumimmediately after Colin Powell’s Feb. 5, 2003 U.N. speech, in which he peddled fraudulent “intelligence” to support attacking Iraq. Then, also, we chose to give President Bush the benefit of the doubt, thinking he was being misled – or, at the least, very poorly advised.

The fraudulent nature of Powell’s speech was a no-brainer. And so, that very afternoon we strongly urged your predecessor to “widen the discussion beyond …  the circle of those advisers clearly bent on a war for which we see no compelling reason and from which we believe the unintended consequences are likely to be catastrophic.” We offer you the same advice today.

Our sources confirm that a chemical incident of some sort did cause fatalities and injuries on August 21 in a suburb of Damascus. They insist, however, that the incident was not the result of an attack by the Syrian Army using military-grade chemical weapons from its arsenal. That is the most salient fact, according to CIA officers working on the Syria issue. They tell us that CIA Director John Brennan is perpetrating a pre-Iraq-War-type fraud on members of Congress, the media, the public – and perhaps even you.

We have observed John Brennan closely over recent years and, sadly, we find what our former colleagues are now telling us easy to believe. Sadder still, this goes in spades for those of us who have worked with him personally; we give him zero credence. And that goes, as well, for his titular boss, Director of National Intelligence James Clapper, who has admitted he gave “clearly erroneous” sworn testimony to Congress denying NSA eavesdropping on Americans.

Intelligence Summary or Political Ploy?

That Secretary of State John Kerry would invoke Clapper’s name this week in Congressional testimony, in an apparent attempt to enhance the credibility of the four-page “Government Assessment” strikes us as odd. The more so, since it was, for some unexplained reason, not Clapper but the White House that released the “assessment.”

This is not a fine point. We know how these things are done. Although the “Government Assessment” is being sold to the media as an “intelligence summary,” it is a political, not an intelligence document. The drafters, massagers, and fixers avoided presenting essential detail. Moreover, they conceded upfront that, though they pinned “high confidence” on the assessment, it still fell “short of confirmation.”

Déjà Fraud: This brings a flashback to the famous Downing Street Minutes of July 23, 2002, on Iraq, The minutes record the Richard Dearlove, then head of British intelligence, reporting to Prime Minister Tony Blair and other senior officials that President Bush had decided to remove Saddam Hussein through military action that would be “justified by the conjunction of terrorism and WMD.” Dearlove had gotten the word from then-CIA Director George Tenet whom he visited at CIA headquarters on July 20.

The discussion that followed centered on the ephemeral nature of the evidence, prompting Dearlove to explain: “But the intelligence and facts were being fixed around the policy.” We are concerned that this is precisely what has happened with the “intelligence” on Syria.

The Intelligence

There is a growing body of evidence from numerous sources in the Middle East — mostly affiliated with the Syrian opposition and its supporters — providing a strong circumstantial case that the August 21 chemical incident was a pre-planned provocation by the Syrian opposition and its Saudi and Turkish supporters. The aim is reported to have been to create the kind of incident that would bring the United States into the war.

According to some reports, canisters containing chemical agent were brought into a suburb of Damascus, where they were then opened. Some people in the immediate vicinity died; others were injured.

We are unaware of any reliable evidence that a Syrian military rocket capable of carrying a chemical agent was fired into the area. In fact, we are aware of no reliable physical evidence to support the claim that this was a result of a strike by a Syrian military unit with expertise in chemical weapons.

In addition, we have learned that on August 13-14, 2013, Western-sponsored opposition forces in Turkey started advance preparations for a major, irregular military surge. Initial meetings between senior opposition military commanders and Qatari, Turkish and U.S. intelligence officials took place at the converted Turkish military garrison in Antakya, Hatay Province, now used as the command center and headquarters of the Free Syrian Army (FSA) and their foreign sponsors.

Senior opposition commanders who came from Istanbul pre-briefed the regional commanders on an imminent escalation in the fighting due to “a war-changing development,” which, in turn, would lead to a U.S.-led bombing of Syria.

At operations coordinating meetings at Antakya, attended by senior Turkish, Qatari and U.S. intelligence officials as well as senior commanders of the Syrian opposition, the Syrians were told that the bombing would start in a few days. Opposition leaders were ordered to prepare their forces quickly to exploit the U.S. bombing, march into Damascus, and remove the Bashar al-Assad government

The Qatari and Turkish intelligence officials assured the Syrian regional commanders that they would be provided with plenty of weapons for the coming offensive. And they were. A weapons distribution operation unprecedented in scope began in all opposition camps on August 21-23. The weapons were distributed from storehouses controlled by Qatari and Turkish intelligence under the tight supervision of U.S. intelligence officers.

Cui bono?

That the various groups trying to overthrow Syrian President Bashar al-Assad have ample incentive to get the U.S. more deeply involved in support of that effort is clear. Until now, it has not been quite as clear that the Netanyahu government in Israel has equally powerful incentive to get Washington more deeply engaged in yet another war in the area. But with outspoken urging coming from Israel and those Americans who lobby for Israeli interests, this priority Israeli objective is becoming crystal clear.

Reporter Judi Rudoren, writing from Jerusalem in an important article in Friday’s New York Times addresses Israeli motivation in an uncommonly candid way. Her article, titled “Israel Backs Limited Strike Against Syria,” notes that the Israelis have argued, quietly, that the best outcome for Syria’s two-and-a-half-year-old civil war, at least for the moment, is no outcome. Rudoren continues:

“For Jerusalem, the status quo, horrific as it may be from a humanitarian perspective, seems preferable to either a victory by Mr. Assad’s government and his Iranian backers or a strengthening of rebel groups, increasingly dominated by Sunni jihadis.

“‘This is a playoff situation in which you need both teams to lose, but at least you don’t want one to win — we’ll settle for a tie,’ said Alon Pinkas, a former Israeli consul general in New York. ‘Let them both bleed, hemorrhage to death: that’s the strategic thinking here. As long as this lingers, there’s no real threat from Syria.’”

We think this is the way Israel’s current leaders look at the situation in Syria, and that deeper U.S. involvement – albeit, initially, by “limited” military strikes – is likely to ensure that there is no early resolution of the conflict in Syria. The longer Sunni and Shia are at each other’s throats in Syria and in the wider region, the safer Israel calculates that it is.

That Syria’s main ally is Iran, with whom it has a mutual defense treaty, also plays a role in Israeli calculations. Iran’s leaders are not likely to be able to have much military impact in Syria, and Israel can highlight that as an embarrassment for Tehran.

Iran’s Role

Iran can readily be blamed by association and charged with all manner of provocation, real and imagined. Some have seen Israel’s hand in the provenance of the most damaging charges against Assad regarding chemical weapons and our experience suggests to us that such is supremely possible.

Possible also is a false-flag attack by an interested party resulting in the sinking or damaging, say, of one of the five U.S. destroyers now on patrol just west of Syria. Our mainstream media could be counted on to milk that for all it’s worth, and you would find yourself under still more pressure to widen U.S. military involvement in Syria – and perhaps beyond, against Iran.

Iran has joined those who blame the Syrian rebels for the August 21 chemical incident, and has been quick to warn the U.S. not to get more deeply involved. According to the Iranian English-channel Press TV, Iranian Foreign Minister Mohammad Javid Zarif has claimed: “The Syria crisis is a trap set by Zionist pressure groups for [the United States].”

Actually, he may be not far off the mark. But we think your advisers may be chary of entertaining this notion. Thus, we see as our continuing responsibility to try to get word to you so as to ensure that you and other decision makers are given the full picture.

Inevitable Retaliation

We hope your advisers have warned you that retaliation for attacks on Syrian are not a matter of IF, but rather WHERE and WHEN. Retaliation is inevitable. For example, terrorist strikes on U.S. embassies and other installations are likely to make what happened to the U.S. “Mission” in Benghazi on Sept. 11, 2012, look like a minor dust-up by comparison. One of us addressed this key consideration directly a week ago in an article titled “Possible Consequences of a U.S. Military Attack on Syria – Remembering the U.S. Marine Barracks Destruction in Beirut, 1983.”

For the Steering Group, Veteran Intelligence Professionals for Sanity

Thomas Drake, Senior Executive, NSA (former)

Philip Giraldi, CIA, Operations Officer (ret.)

Matthew Hoh, former Capt., USMC, Iraq & Foreign Service Officer, Afghanistan

Larry Johnson, CIA & State Department (ret.)

W. Patrick Lang, Senior Executive and Defense Intelligence Officer, DIA (ret.)

David MacMichael, National Intelligence Council (ret.)

Ray McGovern, former US Army infantry/intelligence officer & CIA analyst (ret.)

Elizabeth Murray, Deputy National Intelligence Officer for Middle East (ret.)

Todd Pierce, US Army Judge Advocate General (ret.)

Sam Provance, former Sgt., US Army, Iraq

Coleen Rowley, Division Council & Special Agent, FBI (ret.)

Ann Wright, Col., US Army (ret); Foreign Service Officer (ret.)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 07, 2013, 11:28:23 am
Os teoricos da conspiração, são o que são. Sites mantidos por poderes obscuros ou por pessoas com problemas de vária ordem.

Já aqui discutimos os métodos e os meios utilizados, o sistema de meias verdades, as tentativas de atrair credibilidade para uma tese e acima de tudo, a facilidade com que qualquer pessoa que pensa duas vezes pode deitar por terra as teses conspirativas.


Há coisas que é preciso lembrar :

Ao contrário do Iraque, ninguém coloca em causa ou em dúvida que a Síria tem armas de destruição maciça, armas químicas de vários tipos.

O governo dos alauitas sírios tem os meios técnicos para efectuar um ataque massivo com armas químicas, desde peças de artilharia a tubo e as suas munições de carga separada até aos foguetes de artilharia.

A partir de meados de Agosto, a ofensiva alauita, com o apoio do Hezbollah começou a perder o gás e Assad continuava a ser desafiado na própria capital do país, com os rebeldes a controlaram áreas a 7 km do palácio presidencial.

As escutas do palácio presidencial dão conta da irritação por parte de Bashar pelo facto de as coisas não estarem a correr bem, e por causa de mesmo com uma ofensiva em toda a linha, ele continuar a ver os rebeldes da janela do quarto.

Bashar estava convencido de que não poderia já avançar sobre os rebeldes com meios convencionais, porque a partir de 15 de Agosto as coisas começam a aparentar demonstrar incapacidade para avançar mais com meios convencionais. Os problemas em Aleppo, onde as tropas alauitas voltaram a ser cercadas pelos rebeldes são exemplo disso.

A dimensão do ataque quimico levado a cabo pelos alauitas sobre os rebeldes, é pura e simplesmente demasiado pesada e de uma dimensão demasiado grande para poder ter sido realizada por grupos de rebeldes que têm armamento muito, muito inferior.

Se os rebeldes quisessem atrair um ataque americano sobre a Síria, porque razão não o fariam contra as regiões do norte próximo da fronteira com a Turquia ?

Seria 1000 vezes mais facil, seria mais facil de atrair a ira dos turcos e garantir desde logo uma reação por parte dos países da NATO.

Se o objetivo fosse esse, porque não teria atacado as áreas próximo às cidades costeiras ?


Bashar tinha as armas
Bashar tinha razões para utiliza-las
Bashar referiu a sua irritação com a ineficiência do exército
Bashar traiu-se quando referiu que as imagens das crianças em agonia eram de Hollywood

A profusão de teorias conspirativas é igualmente uma prova. Uns dizem que foi Israel, outros dizem que foram os sauditas, outros dizem que os rebeldes roubaram armas químicas dos arsenais do regime.
Outros em desespero de causa perguntam onde estão os militares atingidos pelos ataques do governo, esquecendo que os rebeldes não têm uniforme e que quando são transportados feridos, a arma obviamente não é transportada.
Os rebeldes são civis com uma arma na mão. Na guerra civil de Espanha acontecia a mesma coisa.

As teorias conspirativas destinam-se unica e exclusivamente a tentar desviar as atenções da lógica que aponta apenas num só sentido.

Quem utilizou as armas químicas foi quem tinha capacidade militar para as utilizar, para quem as tinha e para quem tinha motivos para efetuar o massacre.

Estamos perante mais uma Guernica, em que os nazis acusaram os «vermelhos» de arrasar a cidade apenas para deitar as culpas nos fascistas.
Matar para depois reverter o ónus da prova, é um truque velho.
Bashar e o Partido Socialista sabem disso.


Para além de tudo isso, o número de 1400 mortos é terrível, mas é relativamente pequeno quando comparado com os mais de 100.000 mortos que a guerra civil na Síria já provocou. Bashar é um assassino, mas o seu maior crime não foi ter gaseado civis inocentes.
Dois milhões de pessoas fugiram já do país e o número de deslocados (pessoas que saíram da sua casa e estão a viver noutros locais) soma já quatro milhões. No total, seis milhões de sirios estão a ser gravemente afetados.
Há entre 500.000 a 750.000 crianças em campos de refugiados.

Segundo os numeros das Naçoes Unidas, a guerra civil da Síria é já a maior catástrofe do século XXI.
Lembrem o Iraque e o Afeganistão MAS NÃO ESQUEÇAM QUE O maior morticinio do século XXI não está a ser provocado pelos americanos ou pelos países da NATO, está a ser provocada pelo apoio iraniano russo a um ditador socialista criminoso.

Alguém acredita que uma só criança vai voltar a casa antes de Bashar ser removido do poder ?

A ditadura síria mostrou já que não quer sair do poder. Recusa fazer o que fizeram os egipcios, yemnitas, tunisinos e como os líbios quer lutar até ao fim, independentemente do número de pessoas que vão morrer.

O ataque com armas químicas aconteceu



O que é que os que são contra um ataque à Síria têm como opção ?
Alguém pretende realojar os 6.000.000 de deslocados de entre os quais 2.000.000 estão em campos fora da Síria ?
Pretendem esperar até os alauitas matarem o resto da população e fiquem com o país para eles ?

Qual é a opção ?

Afinal o que querem aqueles que não querem fazer nada ?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Setembro 07, 2013, 11:50:49 am
Tens que te esforçar mais, PT. Estás a dar demasiado nas vistas - como os teus patrões, aliás. Agora só enganam os velhinhos e alguns parolitos, como as estatísticas o demonstram.
Diz-me, como está a Lurditas?

(http://cdn.controlinveste.pt/storage/DN/2012/big/ng1781350.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 07, 2013, 02:46:15 pm
http://www.mcclatchydc.com/2013/09/05/2 ... isomJH9W_Q (http://www.mcclatchydc.com/2013/09/05/201268/russia-releases-100-page-report.html#.UisomJH9W_Q)

Russia gave UN 100-page report in July blaming Syrian rebels for Aleppo sarin attack
By Matthew Schofield | McClatchy Foreign Staff

(http://media.mcclatchydc.com/smedia/2013/09/05/08/17/CEXar.WiPh2.91.jpg)
This image provided by Shaam News Network, which has been authenticated based on its contents and other AP reporting, purports to show dead bodies after an attack on Ghouta, Syria on Wednesday, Aug. 21, 2013. | Uncredited/AP


(http://media.mcclatchydc.com/smedia/2013/09/05/18/36/2HLsX.Sm.91.jpg)

BERLIN — Russia says a deadly March sarin attack in an Aleppo suburb was carried out by Syrian rebels, not forces loyal to President Bashar Assad, and it has delivered a 100-page report laying out its evidence to the United Nations.

A statement posted on the Russian Foreign Ministry website late Wednesday said the report included detailed scientific analysis of samples that Russian technicians collected at the site of the alleged attack, Khan al Asal in northern Syria. The attack killed 26 people.

A U.N. spokesman, Farhan Haq, confirmed that Russia delivered the report in July.

The report itself was not released. But the statement drew a pointed comparison between what it said was the scientific detail of the report and the far shorter intelligence summaries that the United States, Britain and France have released to justify their assertion that the Syrian government launched chemical weapons against Damascus suburbs on Aug. 21. The longest of those summaries, by the French, ran nine pages. Each relies primarily on circumstantial evidence to make its case, and they disagree with one another on some details, including the number of people who died in the attack.

The Russian statement warned the United States and its allies not to conduct a military strike against Syria until the United Nations had completed a similarly detailed scientific study into the Aug. 21 attack. It charged that what it called the current “hysteria” about a possible military strike in the West was similar to the false claims and poor intelligence that preceded the U.S. invasion of Iraq in 2003.

Russia said its investigation of the March 19 incident was conducted under strict protocols established by the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons, the international agency that governs adherence to treaties prohibiting the use of chemical weapons. It said samples that Russian technicians had collected had been sent to OPCW-certified laboratories in Russia.

“The Russian report is specific,” the ministry statement said. “It is a scientific and technical document.”

The Russian statement said Russian officials had broken the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons’ code of silence on such probes only because Western nations appear to be “preparing the ground for military action” in retaliation for the Aug. 21 incident.

A U.N. team spent four days late last month investigating the Aug. 21 incident. The samples it collected from the site and alleged victims of the attack are currently being examined at the chemical weapons organization’s labs in Europe. U.N. Secretary-General Ban Ki-moon has urged the United States to delay any strike until after the results of that investigation are known. But U.S. officials have dismissed the U.N. probe, saying it won’t tell them anything they don’t already know.

White House spokeswoman Caitlin Hayden said U.S. officials were unmoved by the Russian report and held the Assad government responsible for both the Khan al Asal attack in March and the Aug. 21 attack outside Damascus.

“We have studied the Russian report but have found no reason to change our assessment,” she said.

Independent chemical weapons experts contacted by McClatchy said they were not familiar with the report and had not read the Russian statement, which was posted as Secretary of State John Kerry was appearing before the House Foreign Affairs Committee to make the Obama administration’s case for a retaliatory strike on Syria as punishment for the August attack. But they were cautious about the details made public in the Russian statement.

Richard Guthrie, formerly project leader of the Chemical and Biological Warfare Project of the Stockholm International Peace Research Institute, said the Russian statement on the makeup of the sarin found at Khan al Asal, which the Russians indicated was not military grade, might reflect only that “there are a lot of different ways to make sarin.”

He added: “The messy mix described by the Russians might also be the result of an old sarin stock being used. Sarin degrades (the molecules break up) over time and this would explain a dirty mix.”

He also said there could be doubts about the Russian conclusion that the rockets that delivered the sarin in the March 19 incident were not likely to have come from Syrian military stocks because of their use of RDX, an explosive that is also known as hexogen and T4.

“Militaries don’t tend to use it because it’s too expensive,” Guthrie said. He added in a later email, however, that it’s not inconceivable that the Syrian military would use RDX “if the government side was developing a semi-improvised short-range rocket” and “if there happened to be a stock available.”

“While I would agree that it would be unlikely for a traditional, well-planned short-range rocket development program to use RDX in that role, it is not beyond the realms of possibility that, as the Syrian government did not seem to have an earlier short-range rocket program, it may have been developing rockets with some haste and so using materials that are at hand,” he wrote.

Jean Pascal Zanders, a leading expert on chemical weapons who until recently was a senior research fellow at the European Union’s Institute for Security Studies, questioned a Russian assertion that the sarin mix appeared to be a Western World War II vintage.

“The Western Allies were not aware of the nerve agents until after the occupation of Germany,” he wrote in an email. “The USA, for example, struggled with the sarin (despite having some of the German scientists) until the 1950s, when the CW program expanded considerably.”

The Russian Foreign Ministry posted the statement shortly after Russian President Vladimir Putin had asked a Russian interviewer what the American reaction would be if evidence showed that Syrian rebels, not the Assad regime, had been behind a chemical weapons attack.

The report dealt with an incident that occurred March 19 in Khan al Asal, outside Aleppo, in which 26 people died and 86 were sickened. It was that incident that the U.N. team now probing the Aug. 21 attack was originally assigned to investigate, and the Russian statement noted that the investigation had been sidetracked by the sudden focus on the later incident.

Haq, the U.N. spokesman, acknowledged that the most recent attack “has pushed the investigation of the Aleppo incident to the back burner for now.” But he said that “the inspectors will get back to it as soon as is possible.”

The statement’s summary of the report said that neither the munitions nor the poison gas in the Khan al Asal attack appeared to fit what is possessed by the Syrian government. The statement said Russian investigators studied the site, sent the materials they found to study to the Russian laboratories of the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons, and followed agreed-upon United Nations investigation standards.

According to the statement, the report said the shell “was not regular Syrian army ammunition but was an artisan-type similar to unguided rocket projectiles produced in the north of Syria by the so-called gang ‘Bashair An-Nasr.’”

The Russian analysis found soil and shell samples contained a sarin gas “not synthesized in an industrial environment,” the statement said. The report said the chemical mix did not appear to be a modern version of the deadly agent but was closer to those “used by Western states for producing chemical weapons during World War II.”

The statement said the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons team had examined Syrian soldiers injured in the March attack and said that no reaction to the more recent alleged chemical account should be considered without also considering that the rebels, too, have used chemical weapons.

“It is obvious that any objective investigation of the incident on Aug. 21 in East Ghouta is impossible without considering the circumstances of the March attack,” the statement said. Ghouta is the area near Damascus where the Aug. 21 attack took place.

(Lesley Clark contributed to this report from St. Petersburg, Russia.)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 07, 2013, 07:06:01 pm
(http://acdis.illinois.edu/assets/images/acdisgallery/142.jpg)
(http://americanforeignpolicy.pbworks.com/f/1174330361/chemlarge.gif)

http://en.wikipedia.org/wiki/File:CWC_Participation.svg

http://en.wikipedia.org/wiki/Chemical_Weapons_Convention

Desde a ultima convenção da CWC (não me venham dizer que também fazem parte dos conspiradores contra os EUA e UN... :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 07, 2013, 08:47:48 pm
John Kerry diz que não atuar é um risco maior do que a intervenção militar


O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou hoje que não intervir em resposta ao ataque com armas químicas na Síria atribuído ao regime de Bashar al-Assad seria "um risco maior" do que a própria ação militar.

Kerry, que se reuniu hoje com o seu homólogo francês, Laurent Fabius, insistiu que esta crise afeta a segurança dos norte-americanos, em particular pelo risco de disseminação de armas químicas entre grupos terroristas e que o ataque que os Estados Unidos estão a planear será curto, seletivo, sem tropas no terreno, mas com "uma mensagem clara".

O chefe da diplomacia norte-americana precisou que o Presidente Barack Obama ainda não decidiu se vai esperar pela apresentação do relatório por parte dos peritos das Nações Unidas que estiveram no terreno a recolher provas do ataque com armas químicas de 21 de agosto que provocou centenas de mortos.

O Presidente francês, François Hollande, já manifestou disponibilidade para apoiar o ataque norte-americano, mas referiu que vai esperar pelo relatório dos peritos.

"A ausência de ação supõe um risco mais grave que a própria ação", afirmou Kerry, reafirmando que o que pretende não é uma guerra e que "a única forma de acabar com o conflito sírio passa por uma solução política e não militar".

Trata-se de "reduzir a capacidade de Al-Assad de utilizar armas químicas" e garantir que não volta a usá-las. "Não podemos deixar que um ditador use as armas mais horríveis. Há que dar uma resposta seletiva e limitada, embora clara", disse.

Kerry disse ainda que um certo número de países -- um número de dois dígitos -- está preparado para integrar uma ação militar. Temos mais países preparados para uma ação militar do que aqueles a que é preciso recorrer numa intervenção deste tipo.

Por seu lado, Laurent Fabius congratulou-se pelo "largo e crescente apoio" a uma "resposta forte" ao uso de armas químicas na Síria, destacando o apoio da União Europeia e do Conselho de Cooperação do Golfo.

O conflito na Síria já provocou mais de 110 mil mortos desde março de 2011, de acordo com as Nações Unidas.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 08, 2013, 12:20:58 am
Os teoricos da conspiração nem sequer percebem que na maioria dos casos umas afirmações acabam por confirmar exactamente o contrário do que pretendem afirmar.

Segundo o pretenso relatório, que alegadamente os russos teriam entregue e que é referido por um site na internet, afirma que os rebeldes utilizaram armas quimicas (gás Sarin) em Aleppo.

Curiosamente, o ataque com armas químicas provocou 26 vítimas, segundo os russos.

Mas quando alguém vem lembrar que é necessária uma enorme estrutura para realizar um ataque químico que mata 1400 pessoas e que os rebeldes não conseguiriam montar tal ofensiva ...



A questão mantém-se

O que querem aqueles que não querem fazer nada ?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 08, 2013, 12:43:29 am
Citação de: "papatango"
Os teoricos da conspiração nem sequer percebem que na maioria dos casos umas afirmações acabam por confirmar exactamente o contrário do que pretendem afirmar.

Segundo o pretenso relatório, que alegadamente os russos teriam entregue e que é referido por um site na internet, afirma que os rebeldes utilizaram armas quimicas (gás Sarin) em Aleppo.

Curiosamente, o ataque com armas químicas provocou 26 vítimas, segundo os russos.

Mas quando alguém vem lembrar que é necessária uma enorme estrutura para realizar um ataque químico que mata 1400 pessoas e que os rebeldes não conseguiriam montar tal ofensiva ...
Citar

Julgava que quanto a isso estava tudo dito. Se os sistemas lançadores e os foguetes são extensas modificações de equipamento Iraniano. Agora isso não implica que em aleppo tenham sido os rebeldes a usar gás sarin, o qual pode ser carregado  em qualquer projectil de artilharia... :mrgreen:) que o indicia enquanto alerta para os 10 principais perigos de uma intervenção americana correr mal na Siria.  

http://www.washingtonpost.com/blogs/wonkblog/wp/2013/09/05/10-things-that-could-go-very-wrong-if-we-attack-syria/
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 12:45:29 am
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 12:47:58 am
Congress Members Who Have Seen Classified Evidence About Syria Say It Fails to Prove Anything

Posted on September 7, 2013 by WashingtonsBlog   



Classified Syria Intelligence Fails to Prove Assad Used Chemical Weapons

The administration’s public case for chemical weapons use by the Syrian government is extremely weak, and former high-level intelligence officers say that publicly-available information proves that the Syrian government likely did not carry out the chemical weapons attacks.

The Obama administration claims that classified intelligence proves that it was the Assad government which carried out the attacks.

But numerous congressional members who have seen the classified intelligence information says that it is no better than the public war brief … and doesn’t prove anything.

Congressman Justin Amash  said last week:

    What I heard in Obama admn briefing actually makes me more skeptical of certain significant aspects of Pres’s case for attacking

He noted yesterday, after attending another classified briefing and reviewing more classified materials:

    Attended another classified briefing on #Syria & reviewed add’l materials. Now more skeptical than ever. Can’t believe Pres is pushing war.

Congressman Tom Harkin said:

    I have just attended a classified Congressional briefing on Syria that quite frankly raised more questions than it answered. I found the evidence presented by Administration officials to be circumstantial.

Congressman Michael Burgess said:

    Yes, I saw the classified documents. They were pretty thin.

Yahoo News reports:

    New Hampshire Democratic Rep. Carol Shea-Porter, for instance, left Thursday’s classified hearing and said she was opposed to the effort “now so more than ever.”

    “I think there’s a long way to go for the president to make the case,” she said after the briefing. “It does seem there is a high degree of concern and leaning no.”

Senator Joe Manchin announced he was voting “no” for a Syria strike right after hearing a classified intelligence brieifng.

Congressman Alan Grayson points out in the New York Times:

    The documentary record regarding an attack on Syria consists of just two papers: a four-page unclassified summary and a 12-page classified summary. The first enumerates only the evidence in favor of an attack. I’m not allowed to tell you what’s in the classified summary, but you can draw your own conclusion. [I.e. it was no more impressive than the 4-page public version.]

    On Thursday I asked the House Intelligence Committee staff whether there was any other documentation available, classified or unclassified. Their answer was “no.”

    The Syria chemical weapons summaries are based on several hundred underlying elements of intelligence information. The unclassified summary cites intercepted telephone calls, “social media” postings and the like, but not one of these is actually quoted or attached — not even clips from YouTube. (As to whether the classified summary is the same, I couldn’t possibly comment, but again, draw your own conclusion.)

    ***

    And yet we members are supposed to accept, without question, that the proponents of a strike on Syria have accurately depicted the underlying evidence, even though the proponents refuse to show any of it to us or to the American public.

    In fact, even gaining access to just the classified summary involves a series of unreasonably high hurdles.

    We have to descend into the bowels of the Capitol Visitors Center, to a room four levels underground. Per the instructions of the chairman of the House Intelligence Committee, note-taking is not allowed.

    Once we leave, we are not permitted to discuss the classified summary with the public, the media, our constituents or even other members. Nor are we allowed to do anything to verify the validity of the information that has been provided.

    And this is just the classified summary. It is my understanding that the House Intelligence Committee made a formal request for the underlying intelligence reports several days ago. I haven’t heard an answer yet. And frankly, I don’t expect one.

    ***

    By refusing to disclose the underlying data even to members of Congress, the administration is making it impossible for anyone to judge, independently, whether that statement is correct.

The rush to war based upon skewed intelligence is very similar to Iraq.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 02:15:54 am
Citar
A questão mantém-se

O que querem aqueles que não querem fazer nada ?


O clã putin quer defender/preservar os seus interesses. Acham que também têm direito a uma fatia do bolo.

Mas contra quem é que o regime sírio luta hoje? A síria tornou-se um antro de extremistas islâmicos. Os E.U.A. não estão a enfrentar o verdadeiro inimigo, vão apoiá-lo  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 08, 2013, 03:21:46 am
Citação de: "mafarrico"
O clã putin quer defender/preservar os seus interesses. Acham que também têm direito a uma fatia do bolo.

E um deles é a base naval no mediterrâneo. Sem ela ficam novamente trancados no Mar Negro.

Citar
Já compraram a máscara?  :twisted:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 08, 2013, 11:41:37 am
Um dos problemas com que nos deparamos é a profusão de informação não verificada e as conclusões apressadas, que inevitavelmente levam a resultados distorcidos.



Em primeiro lugar
Os americanos controlam o mediterrâneo onde e quando quiserem. A marinha americana é mais poderosa que as cinco ou seis marinhas seguintes todas juntas.

Em segundo lugar
Não existem bases russas na Síria, pelo menos da maneira que estamos habituados a pensar em bases americanas.
Os russos têm facilidades portuárias em dois portos e um aeroporto.
Não é nada que eles não possam conseguir em Chipre, para dar um exemplo

Em terceiro lugar
A Russia está encerrada no Mar Negro. Depende em absoluto da autorização da Turquia para atravessar o Bósforo. Isso não muda se os russos tiverem facilidades na Síria nem mesmo se eles tivessem ali uma base naval, que não têm.

Em quarto lugar
Os americanos têm sido acusados de cobardia por uns e de vontade de atacar cega por outros, esquecendo-nos todos de que a Síria não tem suficiente petroleo para que valha a pena gastar um Tomahawk que seja.

Em quinto lugar
Esquecemos que embora sem estar pacificada a Líbia não está em guerra civil. Tentamos comparar o Iraque com a Síria, mas convenientemente não comparamos com a Líbia.
Esquecemos todos que se não fosse a intervenção estrangeira, Kadafi tinha arrasado Benghazi, conforme ele mesmo afirmou.

Em sexto lugar
Estamos sempre a esquecer o principal problema na região, que é religioso e étnico. Há tensões entre os otomanos, os persas e os árabes e essas tensões não são de agora são de há milénios.
A Pérsia sempre teve a intenção de atingir o mediterrâneo, os árabes do golfo continuam a achar que quem manda em Meca deve mandar no mundo Árabe ou no mundo muçulmano nomeadamente sunita e os turcos continuam a sonhar com a reconstituição de uma esfera de influência triangular, cujos vértices são a Belgrado, Meca e Tripoli.

Nos países ocidentais, considera-se que a democracia é um valor universal, pelo que passados todos estes anos desde as independências árabes, faz sentido apoiar os povos que mostrem pretender libertar-se de regimes genocidas.
O problema com o regime sírio, não é ser socialista e anti-democrático. O problema é que se transformou num regime genocida. O governo é odiado por 80% da população (sunitas), tolerado por 10% (cristãos e outras religiões) e apoiado por outros 10% (alauitas).

Bashar Al Assad, como Kadafi, chegou ao fim da linha e é necessário entender isso.
A questão das armas químicas é importante, mas do meu ponto de vista é secundária. O Assad matou 1400 pessoas quando ordenou o bombardeamento das áreas a oeste do seu complexo de palácios, mas por causa da guerra já morreram mais de 100.000 e 6 milhões encontram-se deslocados.

Esta é a maior catástrofe humanitária do século XXI. Não e uma possibilidade, não é algo que pode acontecer, é algo que aconteceu e está a acontecer quando lemos estas palavras.

O que virá depois de Assad não sabemos. Pode até haver problemas com os terroristas islâmicos, mas é mais facil lidar com grupos terroristas que com um ditador enfurecido, raivoso e rancoroso.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 12:10:49 pm
no meio está a virtude
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 12:14:26 pm
http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... warns.html (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/syria/10293538/Rebels-too-disorganised-to-take-over-after-attack-on-Syria-report-warns.html)

Rebels 'too disorganised' to take over after attack on Syria, report warns

American air strikes against the Syrian government would not allow rebels to topple Bashar al-Assad because opposition fighters are too fragmented and disorganised, an intelligence analysis warns.


(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02664/B2-Bomber_2664431b.jpg)
Planners are considering bombing strikes from B52s or B2 stealth jets (pictured) based in the US Photo: AFP/GETTY

By Ben Farmer
7:15AM BST 08 Sep 2013


The two-year-old uprising against the Damascus regime has broken down into countless battlefields fought over by a “vast array” of different rebel groups.

Rebel fighters may be able to make local gains behind a barrage of missile strikes, but are unlikely to overthrow Assad’s government.

The analysis from IHS Jane’s, a defence consultancy, comes as American military planners have been told to widen a list of potential targets for a more ambitious campaign of strikes.

President Barack Obama is now considering using long-range bombers to hit Assad’s forces harder and ensure they are unable to launch more chemical weapons attacks like the one that killed up to 1,400 people in an east Damascus suburb.

Charles Lister, author of the analysis, said: “The Syrian conflict has seen a vast array of armed groups emerge across the country.

“While it is perfectly feasible that localised insurgent groupings could take advantage of strikes that target government air assets and key artillery positions, it is unlikely that this will lead to a nationwide surge in opposition victories and any perceivable imminent overthrow of the government.”

The US has five guided-missile destroyers and at least one submarine in the eastern Mediterranean, each loaded with cruise missiles.

Planners are also considering bombing strikes from B52s or B2 stealth jets based in the US, which would be able to jam or evade Syria’s air defences.

A hit list being drawn up in Washington is reported to exceed more than 50 possible targets in Syria.

Top of the list are branches of the government’s secretive research centre where the regime is believed to develop chemical and biological weapons. There are laboratories in Damascus, Homs, Latika and Hama. Missiles will also hit the units thought to have fired chemical weapons.

Stockpiles of the weapons, which include mustard gas and sarin, will be avoided because of the risk of deadly leaks into civilian areas or of jihadist rebels stealing shells from shattered bunkers.

Other targets include command centres of the Syrian army, defence ministry, and intelligence agencies in Damascus.

Mr Obama may also add airfields to the list, said Jeremy Binnie, also of IHS Jane’s. He said: “Some US politicians appear to want the strike to be aimed at more conclusively degrading the capabilities of the Syrian military, thereby swinging the balance of power in favour of the insurgents. In these circumstances, airbases would be a likely target.” Smashing runways at key airbases including Tiyas, Dumayr and Mezzeh would ground Syria’s fast jets and stop planes bringing supplies from Iran.

More effective could be destroying the Russian-made helicopter gunships used to attack rebels, or the transport helicopters supplying bases.

(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02664/Russian-Scud-launc_2664436c.jpg)
One of Syria’s Russian-built Scud launchers

America is also likely to target mobile artillery, including Syria’s fleet of around 50 Russian-built Scud missile launchers (above). Dozens were reported to have been seen on the move last week from Qalamoun, near Damascus, to unknown locations. The missiles they carry, mostly manufactured in Syria, have a maximum range of 200 miles. Rebels also want attacks on the government’s elite forces, commanded by Assad’s younger brother, Maher.

Maher has been accused of authorising the August 21 gas attack on the Ghouta suburb of Damascus and his 4th Armoured Division and Republican Guard form the core of the security forces. The division of up to 25,000 soldiers is well trained and equipped, and is responsible for security around the capital. It is fanatically loyal to the Assad family.

US commanders have said the delay as Congress debates attacks has given them more time to find targets.

It may have given them time to track the mobile launchers used to fire Scud missiles. Destroying these would help prevent an attack on Turkey, Jordan, Israel or even Cyprus.

But the pause has also given Assad time to prepare for any onslaught by hiding troops and equipment.

Opposition groups warn he has moved equipment to civilian neighbourhoods and placed prisoners in military sites as human shields.

Michael Stephens, a research analyst at the Royal United Services Institute in Doha, said: “Assad has been moving a lot of things around recently. We have seen a lot of troop movements in central Damascus, particularly into civilian areas.”

If the strikes are successful, they could bring Assad to the negotiating table, US officials believe. Samantha Power, US ambassador to the United Nations, said: “This operation combined with ongoing efforts to upgrade the military capabilities of the moderate opposition should reduce the regime’s faith that they can kill their way to victory.”

Dr Alan George, of St Antony’s College, Oxford, said the Assad regime was not interested in a peace deal.

He said: “Assuming they really are narrowly focused, the strikes will not alter the fundamental balance of power between the regime and its opponents.”
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 01:47:39 pm
Syria’s Chemical Weapons:
Issues for Congress

http://www.fas.org/sgp/crs/nuke/R42848.pdf (http://www.fas.org/sgp/crs/nuke/R42848.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 08, 2013, 04:14:40 pm
Citação de: "papatango"
Um dos problemas com que nos deparamos é a profusão de informação não verificada e as conclusões apressadas, que inevitavelmente levam a resultados distorcidos.

É um problema para todos, inclusive quem apoia a intervenção norte-americana. Ou serão as informações dos EUA 100% seguras? Enganaram-se bem quanto à Líbia (ora vamos lá deixar o Iraque... :shock:

http://en.wikipedia.org/wiki/Rwandan_Civil_War

http://en.wikipedia.org/wiki/War_in_Darfur

Citação de: "papatango"
O que virá depois de Assad não sabemos. Pode até haver problemas com os terroristas islâmicos, mas é mais facil lidar com grupos terroristas que com um ditador enfurecido, raivoso e rancoroso.

Notou-se no 11 de Setembro. E até o Bin Laden era considerado um individuo amistoso (tanto que foi apoiado pelos EUA no Afeganistão). O problema foi quando os EUA pisaram solo saudita.
(http://www.novinite.com/media/images/2009-03/photo_verybig_102003.jpg)

E o que veio depois foram "apenas" 66 000 mortos americanos e qualquer coisa como 1 022 000 iraquianos e entre 10,960 e 49,600 no Afeganistão. Portanto foi e ainda é tudo um mar de facilidades... :shock:

http://costsofwar.org/

http://en.wikipedia.org/wiki/War_on_Terror
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 08, 2013, 08:34:37 pm
Citação de: "mafets"
Também à as fotos. Rapaziada jeitosa! Achavam que era só o Assad...:shock:

(http://www.parrotsafedriving.com/wp-content/uploads/2013/08/WarcrimesbySyrianrebelsmustbecondemnedtooPeterBeaumont.jpg)
Sobre Policias.

(http://www.islamicinvitationturkey.com/wp-content/uploads/2013/01/Syrian-terrorist-factions-fight-each-other.jpg)
Sobre facções rivais.

(http://rt.com/files/news/1f/0f/d0/00/screen_shot_2013-05-14_at_8.27.52_am.jpg)
(http://edgecast.metatube-files.buscafs.com/uploads/videos/image/image_184249_6.jpg)
A comerem as tropas governamentais mortas.

(http://www.notowar.com/wp-content/uploads/2013/07/terrroist.jpg)
A executarem militares capturados.

(http://i.huffpost.com/gen/1059777/thumbs/o-AHMED-SON-OF-SYRIAN-REBEL-FIGHTER-570.jpg?2)
Até já temos as crianças soldados.

P.S - Entretanto ando entretido com este blog. Doutrinas à parte é interessante... :wink:
http://brown-moses.blogspot.co.uk/search?updated-min=2013-01-01T00:00:00-08:00&updated-max=2014-01-01T00:00:00-08:00&max-results=50


Absolutamente chocante e revoltante como governantes eleitos democráticamente um dos quais recipiente do Prémio Nobél da Paz podem sequer por um segundo pensar em apoiar animais destes. Já é mau o suficiente matar por necessidade, agora estes animais fazem-no por prazer.

Por muito mau que o Assad seja nunca se pode apoiar animais destes como os EUA têm vindo a fazer. Imaginem um país no mediterraneo, quase à nossa beira, governado por estes animais? Quais as consequências?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 08, 2013, 10:42:40 pm
quem os viu e quem os vê

jantando em 2009


(http://www.theblaze.com/wp-content/uploads/2013/08/kerry-assad-dinner.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 09, 2013, 12:34:26 am
Em primeiro lugar, não gosto de jogar com imagens de mortos.
O Assad assassinou 1400 pessoas entre as quais 400 crianças com ataques químicos, os outros massacres não são justificativa para coisa nenhuma.
Poderiamos ficar aqui a discutir quem é mais assassino, se os regimes comunistas, fascistas, nazistas, ou as democracias.

Malucos é o que não falta por aí e ainda hoje há quem diga que Churchill é que foi o responsável pela II guerra mundial e que Hitler e Estaline eram meninos de coro, que foram forçados a fazer maldades por causa das malditas democracias ocidentais controladas pela judiaria e pelo grande capital.

Volto a lembrar que ninguém até agora respondeu à questão que importa:

MAIS DE 100.000 PESSOAS FORAM JÁ MORTAS durante a guerra civil na Síria.
O ditador socialista Bashar foi, como outros ditadores, tolerado pelas democracias em nome da estabilidade regional.
Essa estabilidade regional está condicionada pelo fim da paciência das opiniões públicas.

Só os regimes autocráticos monarquicos do golfo têm capacidade para impedir que a população se revolte, porque podem deitar milhares de milhões em cima dos descontentes.
As repúblicas árabes que não podem fazer isso, têm duas hipóteses:
Ou aceitam a introdução de liberdades democraticas (mesmo com a possibilidade de chegarem ao poder extremistas que não aceitam a democracia) ou então começam a matar a população.

Na Tunisia, no Yemen e no Egipto, a opção foi a remoção do ditador para despoletar a situação e evitar males maiores.

Na Líbia e na Síria, os ditadores não estão/estiveram dispostos a saír, pelo que não resta outra alternativa que não seja matar a população (para os ditadores) e matar o ditador (para a população).


Na Líbia como sabemos, a intervenção estrangeira ocorreu na sequência de uma intervenção estrangeira, que foi despoletada pela ameaça por parte de Kadafi de atacar a cidade rebelde de Benghazi. Kadafi lançou sobre Benghazi a sua artilharia auto-propulsada, com sistemas Palmaria, juntamente com grande número de peças de artilharia rebocada, morteiros e sistemas de foguetes múltiplos BM-21.
Kadafi começa a perder a guerra quando as forças aéreas europeias arrasam em algumas horas a concentração de tropas fiéis a Kadafi, a 20km de Benghazi.

A situação na Líbia virou uma guerra civil declarada, até que se conseguiu negociar com varias tribos a tomada de Tripoli, levando ao isolamento total do ditador, e ao seu abate, como se fosse um qualquer animal raivoso.

A verdade, é que na Líbia poderia também ter havido 100.000 ou 200.000 mortos, mas não houve.
Os dados das Nações Unidas apontam para números entre 4.3 e 5.9 mil mortos civis, entre 5.9 e 6.6 mil rebeldes e entre 3.3 e 4.2 mil apoiantes de KAdafi.
Portanto o número de mortos na Libia estará entre 13.5 e 16.7 milhares de vidas.

Naturalmente que temos que ser honestos nas contas, porque a Líbia tem 6 milhões de habitantes e a Síria tem 21. Logo, temos que multiplicar por 3.5 o número de vítimas na Líbia para podermos comparar.

Assim:  Teriamos entre 47.000 e 58.000 mortos no conflito Líbio.
Mesmo considerando que a Líbia tem uma população muito menor que a Síria, o número de vitimas mortais, que já se aproxima das 110.000, é quase o dobro e obviamente não vai ficar por aqui.

A questão que se coloca, é o que fazer para remover Assad ?
Quem vai remover Assad e como ?
Como é que se pretende que um líder que representa apenas 10% da população e que é odiado por 80% se mantenha no poder ?

A questão que continuo a colocar não foi respondida por ninguém ...

O QUE QUEREM AQUELES QUE NÃO QUEREM FAZER NADA ?

A questão não é se os americanos fazem, ou os franceses, ou os dinamarqueses.
A questão é como é que se resolve o problema, sem ser apoiando os 80% da população que quer ver o Assad pelas costas ?

O atraso e a recusa em apoiar grupos moderados na Síria, só resultou no aumento dos grupos extremistas.
Milhares de soldados desertaram do exército de Bashar, mas esses milhares não receberam apoio de ninguém e apenas os mais extremistas receberam apoio através das redes do extremismo islâmico.

E o engraçado, é que quem agora critica os americanos por quererem fazer alguma coisa, criticava os americanos há um ano atrás por não apoiar os rebeldes sírios, acusando os americanos de dualidade de critérios ?
«Tias sovieticas» rasgavam em público as vestes e em prantos, perguntavam porque os cães capitalistas tinham agido na Líbia cheia de petroleo, mas agora não faziam nada numa Síria que não tem petroleo suficiente para pagar um Tomahawk.

Os ataques químicos, são uma reação raivosa de um assassino que percebeu em meados de Agosto, que nem com o apoio maciço recebido dos russos e dos terroristas do Hezbollah, conseguiu remover os rebeldes de um bairro a 7km do seu palácio dourado.

Mas os ataques químicos são uma diversão.
Um ataque contra este criminoso genocida é um imperativo moral, não por causa do ataque químico, mas por causa da mortandade que está a provocar, porque está agarrado ao poder, mesmo contra a vontade da esmagadora maioria do povo da Síria.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 09, 2013, 09:45:30 am
Citação de: "papatango"
Em primeiro lugar, não gosto de jogar com imagens de mortos.
O Assad assassinou 1400 pessoas entre as quais 400 crianças com ataques químicos, os outros massacres não são justificativa para coisa nenhuma.
Poderiamos ficar aqui a discutir quem é mais assassino, se os regimes comunistas, fascistas, nazistas, ou as democracias.

Malucos é o que não falta por aí e ainda hoje há quem diga que Churchill é que foi o responsável pela II guerra mundial e que Hitler e Estaline eram meninos de coro, que foram forçados a fazer maldades por causa das malditas democracias ocidentais controladas pela judiaria e pelo grande capital.

Volto a lembrar que ninguém até agora respondeu à questão que importa:

MAIS DE 100.000 PESSOAS FORAM JÁ MORTAS durante a guerra civil na Síria.
O ditador socialista Bashar foi, como outros ditadores, tolerado pelas democracias em nome da estabilidade regional.
Essa estabilidade regional está condicionada pelo fim da paciência das opiniões públicas.


Ainda ninguém conseguiu provar que foi o Assad a lançar os ataques quimicos, de facto existem muitas provas do contrário (a começar pelo facto do Assad não ganhar nada em usar ataques quimicos, já os rebeldes têm muito a ganhar). No entanto relativamente às imagens dos rebeldes a usar crianças-soldados e a decapitarem e mutilarem os prisioneiros não levantam qualquer duvida.

Quando fala nas 100.000 pessoas mortas, uma grande parte das pessoas mortas foram mortas pelos rebeldes.

Mas claro, dá mais jeito manipular as palavras para parecer que o Assad tem culpa de tudo. Se calhar é ele que aparece em imagens a cortar a cabeça e comer a carne dos seus próprios soldados.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 09, 2013, 05:53:11 pm
Rússia apela a Damasco que entregue armas químicas


A Rússia apelou hoje à Síria para que coloque sob controlo internacional o seu arsenal químico para evitar ataques ocidentais, e aguarda uma resposta rápida de Damasco, declarou hoje o chefe da diplomacia russa, Serguei Lavrov.

"Apelamos aos dirigentes sírios para que não só aceitem colocar sob controlo internacional o seu 'stock' de armas químicas e, a seguir, destruí-lo, mas também para que adiram plenamente à Organização para a Proibição de Armas Químicas", declarou Lavrov numa breve alocução, algumas horas depois de se ter reunido com o chefe da diplomacia síria, Walid Mouallem, em Moscovo.

"Já transmitimos esta proposta ao ministro dos Negócios Estrangeiros sírio, o senhor Mouallem, que se encontra em Moscovo, e esperamos uma resposta rápida e positiva", acrescentou.

"Não sabemos se os sírios estão de acordo com isto, mas se a colocação sob controlo internacional das armas químicas do país permitir evitar ataques, rapidamente nos meteremos ao trabalho com Damasco", assegurou Lavrov.

O MNE russo falava depois de o seu homólogo norte-americano, o secretário de Estado John Kerry, ter declarado pouco antes em Londres que o Presidente sírio, Bachar al-Assad, poderia evitar ataques colocando sob controlo o seu arsenal químico.

"É claro que ele [Bachar al-Assad] poderá restituir na íntegra o seu arsenal químico à comunidade internacional, na próxima semana; entregar tudo, tudo sem demora (...) Mas ele não está disposto a fazê-lo, e não pode fazê-lo", disse Kerry.

Jen Psaki, porta-voz do departamento de Estado, insistiu todavia no caráter "retórico" do comentário de John Kerry, sublinhando que este não deveria ser interpretado como um ultimato ou uma oferta de negociação dirigida a "um ditador brutal", indigno de confiança.

"O secretário de Estado entregou-se a uma especulação retórica sobre a impossibilidade e a improbabilidade de ver Assad entregar armas químicas que desmentiu ter utilizado. Se ele respeitasse as normas internacionais em vigor nos últimos 100 anos, não teria começado por recorrer a armas químicas para matar mais de 1000 homens, mulheres e crianças", comentou a porta-voz.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: P44 em Setembro 09, 2013, 08:41:53 pm
Citar

09 de Setembro de 2013•12h46 • atualizado às 13h09
Italiano sequestrado na Síria ouviu que ataque com gás foi de rebeldes


O jornalista italiano Domenico Quirico, que permaneceu sequestrado por cinco meses na Síria, declarou nesta segunda-feira que chegou a escutar uma conversa de seus sequestradores na qual diziam que "a operação com gás em dois bairros de Damasco" foi perpetrada pelos rebeldes para provocar a intervenção militar do Ocidente.

Quirico ofereceu seu testemunho ao jornal italiano La Stampa, do qual é correspondente, em resposta às declarações realizadas por seu companheiro de cativeiro, o professor universitário belga Pierre Piccinin da Prata, que em uma entrevista a uma rádio de seu país, recolhida pelos meios de comunicação italianos, assegurou que o governo de Bashar al-Assad não utilizou gás sarin na periferia de Damasco.

"É uma loucura dizer que eu sei que não foi Assad o que utilizou o gás", afirmou Quirico, que ontem à noite voltou à Itália após ser libertado após cinco meses de cativeiro. Quirico assinalou que desconheciam tudo o que estava acontecendo na Síria durante seu sequestro e, "portanto, também o ataque com gás em Damasco".

No entanto, o italiano explicou que em uma ocasião escutou, desde o quarto no qual permaneciam retidos e através de uma porta entreaberta, uma conversa em inglês por Skype (chamadas pela internet) entre três pessoas.

Quirico ressaltou que desconhece os nomes dos participantes da conversa, mas que um deles se apresentou como um general do Exército Livre Sírio, enquanto nunca tinha visto o homem que lhe acompanhava, e que também não sabe nada do terceiro interlocutor com o qual falavam através de internet. "Nessa conversa - precisou Quirico - diziam que a operação com gás nos dois bairros de Damasco tinha sido perpetrada pelos rebeldes como provocação, para induzir o Ocidente a intervir militarmente e que, na sua opinião, o número de mortos era exagerado".

Quirico reiterou que desconhece se o dito nessa conversa "é certo", insistiu que desconhece a identidade dos três participantes da mesma e em que não dispõe de elementos para assegurar que as afirmações estivessem baseadas em fatos reais ou se eram boatos. "É importante saber as condições nas quais nos encontrávamos e não se pode esquecer que éramos prisioneiros que escutavam coisas através das portas. Não tenho elementos para julgar (...) É uma loucura dizer que eu sei que não foi Assad que utilizou o gás", concluiu o jornalista.

Em 29 de abril, o jornal La Stampa denunciou o desaparecimento de Quirico, após não ter notícias do jornalista em 20 dias e explicou que a última vez que haviam falado com ele foi depois que conseguiu entrar na Síria para realizar uma série de reportagens na zona de Homs. Ontem à noite, o jornal anunciou que o jornalista tinha sido liderado e que ia viajar de volta à Itália de forma imediata.

http://noticias.terra.com.br/mundo/dist ... aRCRD.html (http://noticias.terra.com.br/mundo/disturbios-no-mundo-arabe/,2d8f71ea15ef0410VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Setembro 09, 2013, 09:50:18 pm
"O ditador socialista Bashar foi, como outros ditadores, tolerado pelas democracias em nome da estabilidade regional.
Essa estabilidade regional está condicionada pelo fim da paciência das opiniões públicas."

"Fim da paciência das opiniões públicas"... :mrgreen:
Pois. E as sondagens (que valem o que valem) feitas em todo o lado estão a mostrar isso mesmo.

Com argumentos desses, PT, anda-me "acaçar"!
Com ódios postiços e comprados, PT; anda-me "acaçar"!

Olha, porque não te perguntas porque que tanto Democratas como Republicanos, Trabalhistas e "Conservadores" querem alinhar em guerras da treta?
Porque é que ambos se calam - como ratos que são - perante a perseguição às comunidades cristãs que ocorrem após as "libertações"?
Porque é que os americanos/ingleses/franceses estão dispostos a apoiar a "Al Qaeda"?
Ou será que a "Alcaiêda" não passa de mais uma ferramenta "anglo-saxónica"?
Porque é que tu te calas também nisto?
Porque não fazes estas perguntas à Lurditas? Ela sempre pode perguntar aos teus patrões estrangeiros, PT, que são tão bons como os de Moscovo...

PT, anda-me "acaçar"!
PT, tu és um farsante!
PT, o teu asco pelo castelhano é postiço!
PT, tu não és português!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 09, 2013, 11:41:23 pm
:shock:  :shock:

O fim da paciência das opiniões públicas, refere-se ao fim da paciência nos países controlados pelos ditadores.
Na Síria, o clã Assad já controla o país há duas gerações.
Chega a um ponto, em que um povo se cansa de quem governa e passa a odiar quem governa.

Isso não é assim apenas na Síria, é assim em todo o lado.
Nenhum regime autocrático consegue manter-se eternamente no poder, a não ser que tenha um suporte religioso (a religião é intemporal) ou que despeje dinheiro para comprar com luxos o silêncio dos descontentes.

Que diabo de relevância tem a opinião pública do Texas, de Paris ou de Ponta Delgada para a questão da Síria ?
Quem está farto do clã assassino são os sírios não o resto do mundo.

É unanimemente aceite que o apoio de Bashar vem dos alauitas, que representam um décimo da população. Há na síria um décimo da população que não é muçulmana (cristãos de vários credos, ateus, agnósticos etc.) e depois há 80% de sunitas.
Estes 80% da população estão completamente foram do poder ou da capacidade de influênciar os destinos da síria desde que o Partido Socialista Bahas, formado essencialmente por alauitas tomou o controlo do país.

E é dessas pessoas que falamos. Os tais, dos quais 6.000.000 já fugiram de casa, 2.000.000 estão refugiados nas fronteiras dos países vizinhos.

Repito, as armas quimicas não são o problema. É irrelevante se Assad deu diretamente a ordem, se Assad deu a entender que queria o ataque, ou que os militares de Assad o tivessem forçado a atacar com armas químicas.

O problema é que a crise na Síria está num beco sem saída e neste momento, o problema passa pela remoção de Bashar. Saia ele pela porta do aeroporto de Damasco, ou pelo esgoto fedorento do complexo de luxuosos palácios presidenciais.
Tem é que sair.
E se para sair for necessário ataca-lo, então não há outra possibilidade.


PS: O problema continua. O que querem os que não querem fazer nada ?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 09, 2013, 11:47:46 pm
http://edition.cnn.com/2013/09/09/polit ... ?hpt=hp_c1 (http://edition.cnn.com/2013/09/09/politics/obama-syria-interview/index.html?hpt=hp_c1)

Obama: 'Breakthrough' is possible on Syria
By Ashley Killough, CNN
September 9, 2013 -- Updated 2226 GMT (0626 HKT)


Washington (CNN) -- Russia's proposal for Syria to surrender its chemical weapons to international control was a "potentially positive development," but could be a stall tactic, President Barack Obama told CNN on Monday.

"We're going to run this to ground," Obama said in an interview with CNN's Wolf Blitzer, adding that the United States will work with Syrian ally Russia and the international community "to see if we can arrive at something that is enforceable and serious."

A 'breakthrough' on the horizon?

Obama said the new proposal that emerged Monday from Russia resulted from his threat to attack Syria for violating an international ban on using chemical weapons, as his administration contends occurred on August 21 in suburban Damascus.

He and Russian President Vladimir Putin spoke about the Syrian chemical weapons and the U.S. push for a military response at last week's use in Syria last month at the G20 summit in St. Petersburg, Obama told Blitzer.

http://www.cnn.com/2013/09/09/world/meast/syria-developments/index.html


"We have not seen these kinds of gestures up until now," the president said. "The fact that the U.S. administration and I have said we are serious about this, I think has prompted some interesting conversations."

The Russian proposal could lead to a "breakthrough," but would require follow-up while maintaining pressure on Syria and Russia by continuing his push for Congress to authorize a military attack, Obama said.

http://www.cnn.com/2013/09/09/politics/syria-poll-main/index.html

n an apparent response to some lawmakers who have questioned U.S. interests in a potential military strike, Obama said Syria's chemical weapons "pose a significant threat to all nations and to the United States, in particular."

"That's why 98 percent of humanity have said we don't use these. That protects our troops, and it protects children like the ones that we saw in those videos inside of Syria," the president said, referring to video footage that showed people writhing near death.

The U.S. government says more than 1,400 people died in the attack.

Obama to keep beating the drum on Syria

Obama will make a televised address from the White House on Tuesday night as part of the administration's offensive to build support for military action in Syria. His interview with CNN was one of six television interviews on Monday in his effort to reach the public directly.

"If we can accomplish this limited goal without taking military action, that would be my preference," Obama said. "On the other hand, if we don't maintain and move forward without a credible threat of military pressure, I don't think we'll actually get the kind of agreement I'd like to see."

http://www.cnn.com/2013/09/09/politics/syria-clinton/index.html

Syria welcomed Russia's proposal Monday, paving the way for a possible diplomatic solution to the crisis that comes amid Syria's two-year civil war that has killed more than 100,000 people, according to U.N. estimates.

Obama acknowledged that an agreement on the Russian proposal may not solve Syria's underlying civil war, "but it does solve the problem that I'm trying to focus on right now, which is making sure that you don't have over 400 children gassed indiscriminately by these chemical weapons."

Al-Assad's lacks capability, Obama said

Obama also sought to tamp down the specter of a threat from Syrian President Bashar al-Assad for the United States to "expect every action" in retaliation for potential military strikes in Syria.

"Mr. Assad doesn't have a lot of capability. He has capability relative to children, he has capability relative to an opposition that is still getting itself organized and are not professional trained fighters," Obama said. "He doesn't have a credible means to threaten the United States."

However, Obama said it was possible for Iran and Hezbollah to launch "asymmetrical strikes," but dismissed them as nothing more than "the kinds of threats that we are dealing with around the world."

In light of the upcoming anniversary of the 9/11 terror attacks, Obama said the date brings heightened security, but he cautioned that "we're not going to be able to protect ourselves 100 percent of the time against every threat" and the key was to be prepared without over-reacting.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 09, 2013, 11:52:27 pm
Citação de: "papatango"
Em primeiro lugar, não gosto de jogar com imagens de mortos.
O Assad assassinou 1400 pessoas entre as quais 400 crianças com ataques químicos, os outros massacres não são justificativa para coisa nenhuma.
Poderiamos ficar aqui a discutir quem é mais assassino, se os regimes comunistas, fascistas, nazistas, ou as democracias.

A guerra não é nenhum jogo. Todas as imagens que envolve morte tem origem em conflitos sendo essa mesma morte resultado das acções militares de qualquer um dos lados. Uma intervenção é feita com Tomawhaks, JDAM, Paveway, Shrike, que causam mortes e onde é discutível se vão parar (ou pelo menos diminuir) outras mortes. Aliás, a maior parte dos decisores políticos não sabe o que é morte e muito menos o que é guerra, atestam inclusive que esta distancia ficcional e sentimental sobre a realidade da guerra os ajuda a decidir. Pura ficção, quando se joga com os mortos de uma intervenção como "danos colaterais" ou se decide com base em palavras e mais palavras expressas no documento que defende uma intervenção por parte do congresso dos EUA mas não deve provocar náuseas nos senhores congressistas. Isso sim, é um jogo que eu pelo menos me recuso a jogar.

Citação de: "papatango"
Malucos é o que não falta por aí e ainda hoje há quem diga que Churchill é que foi o responsável pela II guerra mundial e que Hitler e Estaline eram meninos de coro, que foram forçados a fazer maldades por causa das malditas democracias ocidentais controladas pela judiaria e pelo grande capital.

John Kerry, foi activista contra a guerra no Vietnam (onde combateu e foi condecorado), apoiou a primeira invasão do Iraque e opôs-se ferozmente à segunda (apesar de ter votado a favor da intervenção no Congresso... :shock: ) evita uma intervenção (isto depois dos EUA enviarem 5 destroiers, 1 navio de desembarque anfibio e 3 submarinos, acção a que responderam os russos enviando uma força "equivalente"). Ora aqui está o modelo de uma pessoa perfeitamente sâ e coerente (apesar de democráticamente eleito) (http://en.wikipedia.org/wiki/John_Kerry (http://en.wikipedia.org/wiki/John_Kerry)). E Menino de Coro só se  na sociedade secreta "apenas para brancos" Skull and Bones (http://pt.wikipedia.org/wiki/Skull_and_Bones) a que pertence desde 1966, existir essa modalidade. Mas (e para não dizerem que sou anti-americano... :mrgreen:

Citação de: "papatango"
MAIS DE 100.000 PESSOAS FORAM JÁ MORTAS durante a guerra civil na Síria.
O ditador socialista Bashar foi, como outros ditadores, tolerado pelas democracias em nome da estabilidade regional.
Essa estabilidade regional está condicionada pelo fim da paciência das opiniões públicas.
(http://sullydish.files.wordpress.com/2013/08/syria-intervention.png)
(http://images.dailyexpress.co.uk/img/dynamic/1/590x/secondary/70719.jpg)

Quais? A americana tem 49,4% que não quer a intervenção (o resto divide-se em 25% a favor e 25% que não sabe), Portugal tem 80% contra a intervenção, os britânicos também, os franceses idem, só se forem as monarquias do golfo. E mesmo que estejamos a falar da população Síria de certeza que como em todas a revoluções existiram alguns "espertos" à procura de destronar Assad apenas para se colocar no lugar dele, ou acreditamos que as revoluções começam todas no povo (como  aconteceu em África contra os territórios portugueses... :shock: ).
(http://newsimg.bbc.co.uk/media/images/42699000/gif/_42699639_q20_23_416x419.gif)
(http://runningnumbersdotorg.files.wordpress.com/2013/03/figure11.jpg)  

Citação de: "papatango"
Só os regimes autocráticos monarquicos do golfo têm capacidade para impedir que a população se revolte, porque podem deitar milhares de milhões em cima dos descontentes.

É verdade sim senhor. O problema é que atrás disso as respectivas polícias secretas metem os opositores na prisão e normalmente ficam por lá, maltratados, a ser torturados até se "converterem" ou morrerem (http://en.wikipedia.org/wiki/Human_rights_in_Saudi_Arabia). Aliás prisioneiros politicos na Arábia Saudita são "só" 30 000.

Citação de: "papatango"
As repúblicas árabes que não podem fazer isso, têm duas hipóteses:
Ou aceitam a introdução de liberdades democraticas (mesmo com a possibilidade de chegarem ao poder extremistas que não aceitam a democracia) ou então começam a matar a população.

E somos nós ocidentais, peritos em irradiar a pobreza, miséria, influência das elites nas questões económicas, politicas e sociais, que impomos essa nossa "democracia" ainda mais numa região que inclui multi-facções religiosas e étnicas? Com que base legal? Ou mesmo Social? É lógico que num Irão em que tudo é controlado, os candidatos presidenciais são aprovados pelos Molares,  só uma forte convulsão interna pode gerar uma revolução, mas quando existiram milhares na rua após a vitória de Ahmadinejad  o ocidente fechou os olhos às atrocidades, detenções, mortes e nada fez( http://pt.wikipedia.org/wiki/Mahmoud_Ahmadinejad). Exactamente como tinhamos visto em Tianamen  quando o inimigo é forte e tem outro peso económico, "nicles" no que diz respeito a apoiarmos a revolução(http://en.wikipedia.org/wiki/Tiananmen_Square_protests_of_1989).

Citação de: "papatango"
Na Tunisia, no Yemen e no Egipto, a opção foi a remoção do ditador para despoletar a situação e evitar males maiores.

Apesar de na Tunísia(https://www.gov.uk/foreign-travel-advice/tunisia) e no Yemen(https://www.gov.uk/foreign-travel-advice/yemen) a situação estar longe de ser calma, no Egipto a situação está caótica e apenas não evolui para uma guerra civil porque os militares estão no poder actualmente. Cá está a prova que o modelo ocidental democrático no médio oriente não funciona (http://middleeast.about.com/od/egypt/tp/Current-Situation-In-Egypt.htm).

Citação de: "papatango"
Na Líbia e na Síria, os ditadores não estão/estiveram dispostos a saír, pelo que não resta outra alternativa que não seja matar a população (para os ditadores) e matar o ditador (para a população).

OU seja cria-se um clima de guerra civil e nós ocidentais temos o dever "moral" de apoiar o lado menos mau do conflito porque este "supostamente" luta pela democracia. O problema é que esta tese é variável já que muitas revoluções legitimas são deixadas a "esvair-se em sangue" quando a intervenção não é fácil. Depois de 147 000 mortos (Líbia e Síria) e da guerra civil interminável que se avizinha da Síria  essas teses são totalmente desaconselhadas. Até o próprio Kerry já afirma que "não existe solução militar para o conflito Sírio". Infelizmente ninguém ainda se lembrou foi de perguntar "então porque quer uma intervenção militar? :shock:

Citação de: "papatango"
A questão que se coloca, é o que fazer para remover Assad ?
Quem vai remover Assad e como ?
Como é que se pretende que um líder que representa apenas 10% da população e que é odiado por 80% se mantenha no poder ?

A questão que se coloca é quem apoiar no conflito contra Assad se no mínimo qualquer uma das partes é igual em termos de potencial genocida ao ditador sírio? (http://en.wikipedia.org/wiki/Syrian_civil_war (http://en.wikipedia.org/wiki/Syrian_civil_war))
(http://www.joshualandis.com/blog/wp-content/uploads/Levant-Ethnicity.jpg)

Citação de: "papatango"
A questão que continuo a colocar não foi respondida por ninguém ...

Também me farto de perguntar porque é que os EUA agora tão preocupados coma armas químicas na Síria não fizeram como no Sudão (ou como os Israelitas relativamente aos programas nucleares sírio e Iraquiano) e até agora nenhum defensor da intervenção Franco-Americana me respondeu... :shock:  :shock:  :mrgreen:

Citação de: "papatango"
«Tias sovieticas» rasgavam em público as vestes e em prantos, perguntavam porque os cães capitalistas tinham agido na Líbia cheia de petroleo, mas agora não faziam nada numa Síria que não tem petroleo suficiente para pagar um Tomahawk.

As mesmas tias soviéticas que chamam Kzar ao Putin e Kzarina ao Medvedev? É que se forem as da Máfia ou do Ex-KGB não contam... :mrgreen:

Citação de: "papatango"
Os ataques químicos, são uma reação raivosa de um assassino que percebeu em meados de Agosto, que nem com o apoio maciço recebido dos russos e dos terroristas do Hezbollah, conseguiu remover os rebeldes de um bairro a 7km do seu palácio dourado.

Mas os ataques químicos são uma diversão.
Um ataque contra este criminoso genocida é um imperativo moral, não por causa do ataque químico, mas por causa da mortandade que está a provocar, porque está agarrado ao poder, mesmo contra a vontade da esmagadora maioria do povo da Síria.

Já em Halabja a milhares de quilómetros do Palacio do Ditador não podem ser comparados com os de Assad, poque a Siria é diferente do Iraque. E a seguir devemos atacar quem? Castro, Kim Jong- Un, Rouhani ou Mugabe? Como todos matam aos milhares e condenam outros milhões a viver na miséria, na pobreza e no medo de expressar o seu real ódio por regimes totalitários que não podem deixar de apoiar, temos o dever moral de os atacar porque estão agarrados ao poder e devido à mortandade que causam (Ou não devemos porque controlam a região, os arsenais químicos e matam na sombra?)  O resto das consequências são secundárias pois o dever moral é que interessa, mesmo que a "emenda seja pior que o soneto".
(http://www.danielbrittphoto.com/data/photos/662_1gas_attack.jpg)
Citar
Halabja Monument to the Victims


Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 10, 2013, 12:00:46 am
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 10, 2013, 12:15:19 am
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 10, 2013, 01:15:11 am
http://landdestroyer.blogspot.co.uk/201 ... =BP_recent (http://landdestroyer.blogspot.co.uk/2013/09/us-there-is-no-evidence-syrian.html?utm_source=BP_recent)

US: There is no Evidence Syrian Government Carried Out Attacks

September 9, 2013 (Tony Cartalucci) - US White House Chief of Staff Dennis McDonough made the unbelievable admission this week that Western interests have concluded Syria carried out an alleged chemical attack in eastern Damascus based on "common sense" rather than "irrefutable evidence." Slate's "White House: “Common-Sense Test” And Not “Irrefutable” Evidence Hold Assad Responsible," states [emphasis added]:

    White House Chief of Staff Dennis McDonough went on the Sunday talk shows to drum up support for what he called a “targeted, limited effort” that will change “the momentum on the battle field” in Syria. Yet he also acknowledged on CNN that the evidence that ties Syrian President Bashar al-Assad to the Aug. 21 attack outside Damascus that allegedly killed 1,429 people has more to do with a “common-sense test” rather than “irrefutable, beyond-a-reasonable-doubt evidence.”

And while McDonogh, and his collaborators both in Washington and abroad, claim their planned assault on Syria is not a repeat of Iraq in terms of scale, it is clear that in terms of deception it is.

Slate would continue by stating [emphasis added]:

    Now do we have a picture or do we have irrefutable beyond-a-reasonable-doubt evidence? This is not a court of law and intelligence does not work that way.” Meanwhile, McDonough also emphasized on NBC that “nobody is rebutting the intelligence; nobody doubts the intelligence.”

    The answer highlights how the White House still has not shown the public a concrete piece of intelligence that directly connect Assad’s regime to the alleged chemical weapons attack, as the Associated Press points out in a detailed story.

The AP story Slate referred to is titled, "DOUBTS LINGER OVER SYRIA GAS ATTACK RESPONSIBILITY," and states:

    The U.S. government insists it has the intelligence to prove it, but the public has yet to see a single piece of concrete evidence produced by U.S. intelligence - no satellite imagery, no transcripts of Syrian military communications - connecting the government of President Bashar Assad to the alleged chemical weapons attack last month that killed hundreds of people.

    In its absence, Damascus and its ally Russia have aggressively pushed another scenario: that rebels carried out the Aug. 21 chemical attack. Neither has produced evidence for that case, either. That's left more questions than answers as the U.S. threatens a possible military strike.

While evidence of who actually carried out the attack remains elusive, what is clear is that the Western interests have made an intentionally baseless claim, echoing the verified lies told during the lead up to the military invasion and decade-long occupation of Iraq, and similar fabrications used to justify the 2011 assault on Libya.

(http://3.bp.blogspot.com/-2pDn-8uNmw0/UXlSyF4IW3I/AAAAAAAAHMg/OLUHsugjm3M/s640/Iraq_WMD_Lies.jpg)
Image: From Independent's "Man whose WMD lies led to 100,000 deaths confesses all: Defector tells how US officials 'sexed up' his fictions to make the case for 2003 invasion." In retrospect, the corporate-media has no problem admitting the insidious lies that were told to justify the invasion and occupation of Iraq - the lead up to the war was another story. A verbatim repeat of these admitted lies are being directed at Syria amidst the West's failure to overthrow the government with terrorist proxies.

What is also clear is the documented conspiracy to overthrow the Syrian government and destabilize neighboring Iran and Lebanon with a sectarian bloodbath by directly funding, arming, and otherwise providing material support for sectarian extremist groups aligned with Saudi Arabia, Qatar, and who hold allegiance to Al Qaeda. This conspiracy began under the Bush administration as early as 2007 and has continued onward throughout the Obama administration.


Pulitzer Prize-winning journalist Seymour Hersh in his 2007 New Yorker article, "The Redirection," stated (emphasis added):

    "To undermine Iran, which is predominantly Shiite, the Bush Administration has decided, in effect, to reconfigure its priorities in the Middle East. In Lebanon, the Administration has coöperated with Saudi Arabia’s government, which is Sunni, in clandestine operations that are intended to weaken Hezbollah, the Shiite organization that is backed by Iran. The U.S. has also taken part in clandestine operations aimed at Iran and its ally Syria. A by-product of these activities has been the bolstering of Sunni extremist groups that espouse a militant vision of Islam and are hostile to America and sympathetic to Al Qaeda."

More recently, it would be revealed that the United States, the United Kingdom, and its regional axis including Turkey, Saudi Arabia, and Qatar have sent millions of dollars and thousands of tons of weaponry to a predominantly Al Qaeda led terrorist force operating inside and along Syria's borders.

For instance, in the Telegraph's article titled, "US and Europe in 'major airlift of arms to Syrian rebels through Zagreb'," it is reported:

    It claimed 3,000 tons of weapons dating back to the former Yugoslavia have been sent in 75 planeloads from Zagreb airport to the rebels, largely via Jordan since November.

    The story confirmed the origins of ex-Yugoslav weapons seen in growing numbers in rebel hands in online videos, as described last month by The Daily Telegraph and other newspapers, but suggests far bigger quantities than previously suspected.

    The shipments were allegedly paid for by Saudi Arabia at the bidding of the United States, with assistance on supplying the weapons organised through Turkey and Jordan, Syria's neighbours. But the report added that as well as from Croatia, weapons came "from several other European countries including Britain", without specifying if they were British-supplied or British-procured arms.

    British military advisers however are known to be operating in countries bordering Syria alongside French and Americans, offering training to rebel leaders and former Syrian army officers. The Americans are also believed to be providing training on securing chemical weapons sites inside Syria.

"Common sense" would then dictate that with such substantial aid flowing to terrorists operating within Syria, it would be inconceivable for sectarian extremists to overrun Western-backed "moderate fighters" unless of course the summation of Western support was in fact flowing directly and purposefully into the hands of sectarian extremists from the beginning.

These are the same extremists drawn from Al Qaeda, the United States has warned for well over a decade might obtain chemical weapons and use them against a civilian population to achieve their goals. This points the finger directly toward Western-backed terrorists regarding the recent alleged chemical attack in Damascus, not the Syrian government. The attack would enable the United States and its military axis to take a more active and direct role in supporting these terrorist forces who have this past year suffered tremendous irreversible loses against a prevailing Syrian Arab Army.

"Common sense" points the finger in the opposite direction White House Chief of Staff Dennis McDonough has suggested. Without any actual evidence coming from a nation who has waged war habitually on fabricated justification, and who is clearly involved in a long-standing conspiracy to overthrow the Syrian government, and who is responsible for the humanitarian catastrophe it feigns interest in now ending, the world has understandably and universally opposed this latest act of unprovoked military aggression.

Unfortunately, the decision on whether or not the US goes ahead anyway with another act of unprovoked war and 21st century conquest, does not hinge on real common sense or the will of the American people who categorically oppose any military operation, but rather on the compromised, corporate-financier purchased US Congress. In Congress, astoundingly, the lack of evidence is not at the center of debate, but rather what the consequences of America's proposed military assault might be, and whether the assault should be, in fact, expanded.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 10, 2013, 09:37:32 am
Infelizmente, os fórums de discussão acabam por transformar-se em jogos sim.

As pessoas têm tendência em transformar discussões numa espécie de jogo em que cada um coloca links para tentar provar uma tese, mesmo que os links incluam textos que pouco ou nada têm a ver com o assunto inicial.



Se reparar no que tenho escrito, há tentativas de encontrar falhas no raciocinio, mas essas tentativas são parcelares. Ou seja:

Tenta-se argumentar ponto a ponto, mas sem ter o cuidado de os ligar.
Esse é o problema das teorias da conspiração e é a técnica utilizada pelos teoricos conspirativos.


Eu limito-me a expor um ponto de vista muito simples e faço a mais simples das perguntas.

Qual é a solução para a Siria e como se vai remover o ditador ?

Eu falo de opinião pública árabe, falo de 90% da população sunita contra 10% da população xiita/alauita e em resposta recebo sondagens de opinião sobre o que os britânicos querem, ficando mesmo a saber qual é a percentagem de apoiantes de um ataque na Cornualha ou no País de Gales.

Entretanto, há uma sondagem a sério, que diz que 10% da população da Síria votou com os pés, saindo do país, que 30% da população da Síria fugiu da sua casa, que há dias atrás 1400 pessoas foram gaseadas.

Em resposta dizem-me que uma sondagem na Alemanha diz não sei o quê e que outra no nordeste da Escócia diz outra coisa.



A democracia não são os ocidentais que a têm que impor, são as pessoas no mundo árabe que a têm que escolher, e têm que ter o direito de o fazer.
Bashar Al Assad não dá a ninguém essa possibilidade.
Eu recuso-me a acreditar que os árabes sejam todos um bando de terroristas da Alqaeda, que não entendem principios básicos como o da representação proporcional ou o direito da maioria escolher o caminho que acha mais conveniente.

Nâo aceito que demos de barato que os árabes estão condenados a viver sob a pata de regimes de terror, governados por genocidas. E não podemos esquecer que estamos perante uma gigantesca catástrofe.

Por essa ordem de razões, também podemos concluir que a Revolução Francesa foi um fracasso porque resultou dela o regime do Terror e a subida ao poder de um Déspota chamado Napoleão.
Foi a subida ao poder de Napoleão a demonstração de que a França não poderia ter um regime onde os valores da Liberdade, Igualdade e Fraternidade fossem a base para a legislação do futuro ?
O que seria das democracias se todos tivéssemos considerado que a revolução francesa foi um fracasso e que a subida ao poder de um déspota assassino era uma prova de que da revolução francesa nunca poderia sair nada de positivo ? ? ? ?

A implantação de um governo do povo é sempre dificil.
Quem diria que se implantaria uma democracia no Japão ?
Quantos diriam que a Indonesia seria uma democracia ?
Aqueles que desistirem na primeira etapa realmente nunca a vão ultrapassar.
Para se chegar a algum lado, há que dar um primeiro passo. Para chegar a algum lado é preciso abrir a porta de casa.

Assad não quer deixar que isso aconteça. Joga com o facto de a situação se radicalizar para atirar as culpas em cima da oposição, como aconteceu com o caso das armas químicas, onde evidentemente era óbvio que a oposição seria logo acusada pelo regime (verdade se diga que primeiro acusaram Hollywood).

A questão continua a mesma:

O que querem fazer os que são contra uma intervenção militar na Síria ?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 10, 2013, 01:34:13 pm
entrevista de Charlie Rose a Assad no passado domingo

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 10, 2013, 03:35:09 pm
Leiam isto:
http://www.forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=14&t=9810&start=30#p205719

de onde se tiram pérolas de sapiência como esta, entre outras:

Citação de: "papatango"
O objectivo é conseguir que quando a Democracia falhar - E A DEMOCRACIA FALHARÁ porque a actual mentalidade árabe é incompatível com a democracia - a população veja a Irmandade Muçulmana e os fanáticos islâmicos como parte do problema e não como parte da solução.

Agora comparem com esta jorda escroque:

Citação de: "papatango"
Eu recuso-me a acreditar que os árabes sejam todos um bando de terroristas da Alqaeda, que não entendem principios básicos como o da representação proporcional ou o direito da maioria escolher o caminho que acha mais conveniente.


Bipolaridade? Ou simplesmente falta de carácter e espinha dorsal, além de memória?

És um triste, um desprezível abjecto debitador de esterqueira ideológica, que tenta manipular e manipula os ignorantes e esquecidos mas cujos argumentos ranhosos batem na parede da integridade de qualquer um que raciocine por si. Argumentos ranhosos como o de declamares a plena força da improbabilidade de 2000 mortos no criminoso bombardeamento à capital da Ossétia do Sul e agora quereres vender aqui 1400 mortos num único bairro periférico, num ataque de artilharia com químicos, completamente impossível de acontecer com essa magnitude pelo simples facto de as condições meteorológicas desse dia ditarem que um tal ataque desse tamanho significar que boa parte da cidade seria exterminada junto, como qualquer um aqui, com formação militar em NBQ também te poderá explicar. Um ataque de gás, gás esse bastante selectivo que, numa zona de combates intensos, matou apenas civis, com especial ênfase em crianças.

Desprezo e asco, desprezo e asco. Uma vez acusaste um forista de ser pago por russos em notas de 500€. Os americanos e seus esbirros pagam-te em notas de quantos €, ou será que é em USD? Triste cromo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 10, 2013, 04:56:51 pm
Citação de: "papatango"
Infelizmente, os fórums de discussão acabam por transformar-se em jogos sim.

As pessoas têm tendência em transformar discussões numa espécie de jogo em que cada um coloca links para tentar provar uma tese, mesmo que os links incluam textos que pouco ou nada têm a ver com o assunto inicial.

Se reparar no que tenho escrito, há tentativas de encontrar falhas no raciocinio, mas essas tentativas são parcelares. Ou seja:

Tenta-se argumentar ponto a ponto, mas sem ter o cuidado de os ligar.
Esse é o problema das teorias da conspiração e é a técnica utilizada pelos teoricos conspirativos.

Descobriram-me a careca. Boris Kamov, agente ex-KGB agora ao serviço da FSB e da SVR e conspirador de serviço contra o poder capitalista dos porcos imperialistas Ocidentais... :mrgreen: )    

Citação de: "papatango"
Por essa ordem de razões, também podemos concluir que a Revolução Francesa foi um fracasso porque resultou dela o regime do Terror e a subida ao poder de um Déspota chamado Napoleão.
Foi a subida ao poder de Napoleão a demonstração de que a França não poderia ter um regime onde os valores da Liberdade, Igualdade e Fraternidade fossem a base para a legislação do futuro ?
O que seria das democracias se todos tivéssemos considerado que a revolução francesa foi um fracasso e que a subida ao poder de um déspota assassino era uma prova de que da revolução francesa nunca poderia sair nada de positivo ? ? ? ?

Por muito que a revolução francesa tenha sido a génese da democracia ocidental, hoje discute-se quantos dos seus valores num mundo marcado por crises gananciosas, corrupção e capitalismo agressivo, foram realmente enraizados nos países democráticos. Quando se coloca em causa quanta igualdade, fraternidade e liberdade foi adulterada em prol de interesses próprios é demais evidente que o que de positivo saiu da revolução francesa, hoje face ao mundo actual, precisam de no mínimo ser reciclados.

Citação de: "papatango"
A implantação de um governo do povo é sempre dificil.
Quem diria que se implantaria uma democracia no Japão ?
Quantos diriam que a Indonesia seria uma democracia ?
Aqueles que desistirem na primeira etapa realmente nunca a vão ultrapassar.
Para se chegar a algum lado, há que dar um primeiro passo. Para chegar a algum lado é preciso abrir a porta de casa.

Muito bom exemplo o do Japão. Revela que a democracia é possível quando se usa a cabeça e se abre a porta da casa correctamente sem a arrombar. A manutenção do Imperador (que os japoneses não abdicaram e os americanos aceitaram) e o facto de NÃO ter sido julgado por crimes de guerra explica a maior parte do sucesso da implementação da democracia no Japão (nação que  não sabia o que isso era). Mas repare que relativamente aos ditadores logo no inicio dos conflitos sirio, libio, egipcio, se estava a pedir a unisson a cabeça do ditador em vez de negociar a sua saída (mesmo com a injustiça de um asilo "el dorado" politico). Ao contrário do kadafi o Hiroito não foi morto nem foi julgado (http://pt.wikipedia.org/wiki/Hirohito). Não podemos ter tudo. E costuma-se dizer quem tudo quer tudo perde.

Citação de: "papatango"
Assad não quer deixar que isso aconteça. Joga com o facto de a situação se radicalizar para atirar as culpas em cima da oposição, como aconteceu com o caso das armas químicas, onde evidentemente era óbvio que a oposição seria logo acusada pelo regime (verdade se diga que primeiro acusaram Hollywood).

Assad é um ditador que vai usar todos as estratagemas para se manter no poder. Era um ditador mesmo quando era tolerado pelas potencias ocidentais e será sempre um ditador porque foi educado assim. O problema é que os grupos que o se lhe opõem usam os mesmos meios, as armas químicas que têm à disposição e não dão qualquer tipo de garantia que caso sejam apoiados não impõem uma ditadura igual ou pior que a de Assad. Aliás, a população foge aos milhões porque já se apercebeu que ninguém ( dos que dizem lutar por eles na guerra civil) quer realmente saber da população civil.

Citação de: "papatango"
A questão continua a mesma:

O que querem fazer os que são contra uma intervenção militar na Síria ?

No máximo aquilo que o John Kerry tem defendido nos ultimos dias. Até os Russos tradicionalmente  "do contra" apoiam.

http://articles.economictimes.indiatimes.com/2013-09-09/news/41903650_1_state-john-kerry-chemical-weapons-assad

http://www.theguardian.com/world/2013/sep/09/us-syria-chemical-weapons-attack-john-kerry

Saudações
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: nelson38899 em Setembro 11, 2013, 01:18:41 am
Citar
A Chinese landing craft with 1,000 marines for Syria – reports DEBKAfile September 6, 2013, 12:31 PM (GMT+02:00)
Western naval sources reported Friday that a Chinese landing craft, the Jinggangshan, with a 1,000-strong marine battalion had reached the Red Sea en route for the Mediterranean off Syria.  According to DEBKAfile, Beijing has already deployed a number of warships opposite Syria in secret. If the latest report is confirmed, this will be the largest Chinese deployment in the Middle East in its naval history.

http://snafu-solomon.blogspot.ch/

parece que as coisas vão aquecer!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 11, 2013, 03:23:13 am
http://www.informationclearinghouse.inf ... e36173.htm (http://www.informationclearinghouse.info/article36173.htm)

Why The US, UK, EU & Israel Want To Destroy Syria

8 reasons the New World Order hates Syria

By Adrian Salbuchi

September 09, 2013 "Information Clearing House - "RT" -  A young, soft-spoken girl living the Syrian tragedy spells it out with far more common sense, truth and honesty than powerful Western governments and their money-controlled mass media puppets.

Identifying herself only as “Syrian, Patriot, anti-Neocon, anti-NWO, anti-Zionist”, early last year she set up her own YouTube Channel (YouTube/User/SyrianGirlpartisan).

In a short (nine-minute) video she explains “eight reasons why the NWO (New World Order) hates Syria.”  We would all do well to listen in…

Her ‘Top Eight Reasons Why They Hate Us’ is an excellent wrap-up, applicable to just about every self-respecting country in the world: no Rothschild-controlled Central Bank, no IMF debt, no genetically modified foods, oil and pipelines, anti-secret societies, anti-Zionism, secularism and nationalism.

Her brief message unravels as a sort of common sense manual which explains why the United States of America, the United Kingdom, the European Union (especially France) and Israel are so keen on destroying Syria, a country whose leadership just won’t bow down to the New World Order elites embedded deep inside the Western powers’ own public (government) and private (corporate/banking) power structures.

1) Syria’s Central Bank is state-owned & controlled – In other words, it manages its national currency so that it serves the Syrian people and not the Rothschild-controlled global bankers operating from their New York, London, Frankfurt, Tel Aviv, Basel and Paris hideouts.

This means that the volume of currency it issues is in proper sync with the true needs of real economy of work, labor, production and all that is useful to Syria’s people, instead of being in sync with parasitic, usurious, speculative foreign financiers. The latter seek to control local central banks so they can artificially limit the volume of currency available for genuine economic needs, especially the no-interest credit needed to finance useful things in the real economy: power plants, roads, gas works, housing, private enterprise and initiatives. This forces productive players – public and private - to have to resort to deadly interest and usury-based private banking loans whereupon the eternal debt chain starts to grow and grow as the so-called ‘sovereign debt crises’ that hit country after country throughout decades of time eloquently show.

By artificially distorting the volume of ‘public currency’ issued by sovereign central banks that generates no interest, countries are thus forced to resort to high interest bearing ‘private currency’ (loans) handled by the monopolistic private bankster cabal in the hands of Rothschild, Rockefeller, Warburg, Goldman Sachs, HSBC, CitiCorp, JP Morgan Chase interests.

Clearly, a very good reason for these parasitic banksters to want to take out Syria.

2) Syria has no IMF (International Monetary Fund) debt. This means that Syria’s leadership understands that the IMF – a public multilateral agency of member governments - is controlled by the global mega-bankers, and acts as their auditor and debt collection police whenever one of its weaker member states runs into sovereign debt trouble, which is another way of saying when those countries reach a point where they cannot siphon enough money out of their real economies - the work, toil and labor of its people - to hand it over to the parasitic private global bankers.

In a sense, the IMF’s real job is to act as the global power elite’s tax office – its ‘IRS’ so to speak – only that it does not tax people directly, but rather through proxy government and nation-states’ tax offices. Are we starting to understand the real roots of the ‘debt crises’ hitting Greece, Cyprus, Ireland, Argentina, Spain, Italy, UK, US, Portugal, France?

Global slavery couldn’t have been better thought out and planned!

Actually, true Islamic nations rightly reject banking fractional lending and interest practices as being immoral.  That’s what Libya’s Gaddafi did, and what Syria and Iran presently do.

Clearly, a very good reason for parasitic banksters to want to take out Syria, just as they took out Libya and now target Iran.

3) Syria has banned genetically modified (GMO) seeds – Bashar Assad banned GMO’s in order “to preserve human health,” knowing full well that the Monsantos of this world are out to control the world’s entire food supply, because coming global crises will not only be about oil, but about how much food countries will be able to put on their people’s tables.

That’s why after invading Iraq, the US ordered that only Monsanto seeds should to be used.  That’s why submissive client states like Argentina are poisoning their own soil and people by bowing down really low to Monsanto’s demands.

Clearly, a very good reason for Monsanto to want to take out Syria.

4) Syria’s population is well informed about the New World Order - Its media and universities openly debate the global power elite’s influence in things. This means that they fully grasp the fact that real power in the West lies not in the White House, 10 Downing Street, Congress or Parliament, but rather with the complex and powerful grid of elite think-tanks led by New York’s Council on Foreign Relations, the Bilderberg Conference, Trilateral Commission, Americas Society, World Economic forum and London’s Royal Institute of International Affairs, which interact with mega-bankers, media, universities, the military, multinationals and the corporate over-world.

As our young friend aptly explains, Syrians dare to talk about secret societies like Freemasonry or Yale University’s Skull & Bone Lodge whose members include top cats like former President George W Bush and current Secretary of State John Kerry.

Clearly, a very good reason for those top cats to order their errand boy Obama to take out Syria.

5) Syria has massive oil and gas reserves – here we go again!  Every time the West goes to war to protect “freedom, human rights and democracy,” there’s always the nauseous stench of oil; whether in Iraq, Libya, Kuwait, the Falklands, Afghanistan… Syria has offshore and onshore oil and gas reserves, and is helping to build a massive pipeline together with Iran, but without Western oil giants’ control. Clearly, the full militarization of all oil production and reserve zones, and the militarization of transportation routes to ‘bring oil home’ from everywhere in the world, is a key on-going joint US/UK strategy.

Clearly, a very good reason for BP, Exxon, Royal Dutch Shell, Texaco, Total, Repsol and Chevron to want to take out Syria.

6) Syria clearly and unequivocally opposes Zionism and Israel - Israel practices criminal racist apartheid against the occupied Palestinians. Syria’s leadership has no qualms in accusing Israel of being what it is: a racist, imperialist, genocidal entity, as the Wall of Hate Israel erected around Palestine clearly shows. Israel manages what can only be described as an Auschwitz-like mega-concentration camp in Palestine with millions of ill-treated, often-assassinated and humiliated prisoners.

Such geopolitical clarity of mind was shared by Gadhafi’s Libya and Saddam’s Iraq, and today also by Iran, China, Russia and India.

Clearly a very good reason for political juggernauts like AIPAC (American-Israeli Public Affairs Committee), the World Jewish Congress, the ADL (Anti-Defamation League), Likud, Kadima and Netanyahu/Lieberman to want to take out Syria.

7) Syria is one of the last secular Muslim states in the Middle East, whilst Zionist Jewish supremacists - in line with born-again-Israel-First-Bushite ‘Christian’ kooks in the West - need for everybody to align to the will of their dark demiurge god which has its own ‘chosen people’.

The Global Power Elite’s implicit order is clear: everybody must believe in Israeli superiority, whilst our young Syrian friend aptly points out that Syria, like Saddam’s Iraq, Gaddafi’s Libya and Iran just could not be convinced of that.

She adds that in Syria, “asking about religion is not polite,” because Syria has bred many of mankind’s prime religions for thousands of years, and those millennia have taught Syrians to be sensitive, tolerant and respectful of all creeds. Something we clearly do not see in the pro-West Arabian sheikdoms, nor in the US, UK and EU with its anti-Islamic paranoia, and where laws are passed imposing the most blatant cultural, political and historical lies demanded by religious bigots who insist that their god will only accept their own holocaust offerings.

Clearly, another very good reason for neocon fanatics and their Orwellian Thought Police to want to take out Syria.

8) Syria proudly maintains and protects its political and cultural national identity – she stresses how Syria “holds on to its uniqueness,” whilst respecting the uniqueness of others. The standardized coming world government simply abhors anybody standing up to its imposed standardization of thought, behavior and ‘values’, where the West’s global megabrands, shopping malls, and fashion & style dictatorships “makes every place look pretty much the same, which leads to a very boring world.”

Today, revolutionary thought in the West even amongst the young, boils down to choosing between Coke and Pepsi.

Clearly, a very good reason for Coke, Pepsi, McDonalds, Levis, Lauder, Planet Hollywood and Burger King to want to take out Syria.

Our young Syrian friend ends her message by reminding us that “if Syria falls, it could be the tipping point the ends in victory for the New World Order,” adding that today “Syria is the frontline against the New World Order.”

Wise words from a young lady who understands the catastrophic failure of the Western powers’ political class, who have now completely turned our world upside down; where the very worst and most malignant criminals have infected governments and private power structures, be it in Washington, New York, London, and Paris, or in Berlin, Rome, Bogota, Madrid, Tokyo, Seoul, Amsterdam, Buenos Aires or Riyadh.

If sometimes Hollywood serves as a showcase that reveals the darkest recesses of the Western power elite’s sick group psyche, we might even say that they are playing our the ‘Planet of the Apes’ saga, where a weird and hellish genetic inversion places horrendously destructive animals in places of world power, whilst noble vanquished humans are enslaved and thrown into cages.

Is this today’s metaphor best describing the US against Syria drama?

The eight points mentioned above are as good a guide to get all our countries back on course as we can muster in today’s troubled, out-of-control world.

Whether American, European, Arab, Muslim, Christian, Jewish, Buddhist, Hindu or Shinto, the time has come for ‘We the People’ to make our voices heard on the streets, with neighbors, family and friends, work and school colleagues, through social networks, demanding that Western so-called ‘democratically-elected’ governments – all of which are the direct result of the will of money-sloshing elites that financed their climb to top government posts through their favorite lie they call ‘democracy’ - stop doing what they are doing, and start doing what we demand they do.  Now; immediately: we must take our countries back.

Our young Syrian friend has certainly set an example for all of us to follow.

 Adrian Salbuchi is a political analyst, author, speaker and radio/TV commentator in Argentina.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 11, 2013, 08:59:12 am
Citação de: "nelson38899"
Citar
A Chinese landing craft with 1,000 marines for Syria – reports DEBKAfile September 6, 2013, 12:31 PM (GMT+02:00)
Western naval sources reported Friday that a Chinese landing craft, the Jinggangshan, with a 1,000-strong marine battalion had reached the Red Sea en route for the Mediterranean off Syria.  According to DEBKAfile, Beijing has already deployed a number of warships opposite Syria in secret. If the latest report is confirmed, this will be the largest Chinese deployment in the Middle East in its naval history.

http://snafu-solomon.blogspot.ch/

parece que as coisas vão aquecer!
A ser verdade, e estes soldados vão mesmo apoiar o Assad, ele já nem tem de se preocupar em deitar fora as armas quimicas porque nestas condições nem os EUA se atrevem lá a meter.

Os corta cabeças é que devem começar a ver a vida andar para trás.

Ainda mais se estes forem dos chineses treinados pelo Marco  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 11, 2013, 10:47:26 am
Citação de: "mafets"
Descobriram-me a careca. Boris Kamov, agente ex-KGB agora ao serviço da FSB e da SVR e conspirador de serviço contra o poder capitalista dos porcos imperialistas Ocidentais...

A questão do jogo começa exactamente quando começamos a achar que as respostas nos são dirigidas.
Na esmagadora maioria dos casos, eu tenho feito comentários que nada têm a ver com os comentários de ninguém, mas essencialmente com os factos conhecidos.

Depois há a questão da auto-evidência.
Há coisas que são auto-evidentes.

Além disso, as teorias da conspiração também têm o direito de existir, mas os que as desmascaram também têm o direito de as referir.

Todos nós conhecemos os sites de onde uma torrente de autêntica JOSTA alimenta as pessoas que gosta das realidades alternativas.
A natureza humana é assim e por natureza gostamos de teorias conspirativas. Gostamos de acreditar que há algo que aconteceu, que não aconteceu por acaso, mas sim porque uma força qualquer está em movimento contra nós.

Entre os casos mais conhecido é o da bomba terramótica do Hugo Chavez, a bomba cancerigena do mesmo autor, as teorias criminosas sobre a não existência de nenhum holocausto, o míssil chinês disparado nas praias da Califórnia, que afinal era um avião (e o próprio maniaco Alex Jones colocou no ar as provas disso sem perceber).

Quando olho para notícias sobre a Síria e vejo as origens dessas notícias, ficou com ainda mais certeza de que as teorias apresentadas são falsas e baseadas em meias verdades.
Quem se dá como eu ao trabalho de ir à procura de provas para as teorias conspirativas e normalmente não as encontra, vai a pouco e pouco perdendo toda a confiança nas fontes.

Portanto, se amanhã o Alex Jones ou os mafiosos do Russia Today vierem dizer que Jesus Cristo voltou ao mundo e que a CIA o prendeu em Langley, eu não voi acreditar. Porque esse é o tipo de notícia que eles normalmente dão. E isto mesmo que O Cristo tenha realmente voltado à terra.



Depois disso temos as distorções e as meias verdades, como a questão das armas químicas que não foram encontradas.
As armas estiveram lá. Os técnicos das Nações Unidas destruiram milhares delas. O que aconteceu foi que elas já não podiam ser utilizadas como argumento.
Se você for verificar, os teoricos conspirativos afirmam hoje que o Iraque nunca teve armas de destruição maciça.

Os mesmos conspirativos que afirmavam que a Gloriosa Síria nunca teve armas químicas e que estava a repetir-se o Iraque. Sabemos agora que o governo sírio está disposto a mostrar as armas químicas que não tinha e que afinal tinha.
Ou seja: Os malvados americanos, europeus, as democracias, ou seja NÓS, tinhamos razão e falávamos a verdade.

Depois temos a incrivel tradição de retirar coisas do contexto. Se reparar, um individuo acima, ao qual não me vou referir por execrável (sendo que acho que num fórum normal já deveria ter sido chamado à atenção), coloca fora do contexto afirmações que eu produzi há dois anos e meio.

Ou seja, numa altura em que os regimes começam a vacilar e em que a Primavera árabe começa, há alguém que afirma que a irmandade muçulmana não será capaz de governar em democracia. Em Fevereiro de 2011 na Tunisia ainda está quente o assento do Ben Ali. Na Líbia a contestação a Kadafi não começou. Na Síria o criminoso continua incontestado, no Yemen, Saleh continua na presidência.
Agora, dois anos e meio depois, com uma situação no terreno completamente diferente, temos democracias titubeantes, mas que ainda não cairam, há países árabes onde parece haver alguma possibilidade de um regime democrático funcionar.

E alguém como eu, que com dois anos e meio de experiência acha que existem razões para acreditar que talvez haja pernas para andar na implantação de regimes democráticos nos países árabes do mediterrâneo, é acusado de uma quantidade de coisas, porque ao longo de dois anos adaptou a sua opinião à realidade que mudou.

Ou seja:
Acabam por se criar «quistos» provocados por pessoas que estão nos fórums de discussão não para discutir, mas para jogar. E quando não gostam do jogo do adversário, fazem batota e fazem jogo sujo.



Citação de: "mafets"
Acha que é percetivel ? Fala de democracias ocidentais as quais de facto toleraram o ditador em nome da estabillidade regional mas que agora estão maoritariamente contra (entre 60% e 80%) a uma intervenção militar, algo que lhe foi dito e que acha que nada tem a ver. E a qual opinião pública árabe se refere ? A Síria, do Egipto, Arábia Saudita?
Óbviamente estou a falar da opinião pública da Síria. Aquela que está a votar com os pés abandonando o país.
É evidente que as democracias ocidentais são democracias e as democracias estão sempre contra as guerras. Durante a II guerra mundial, houve guerra porque os conservadores ingleses tinham assumido compromissos que não quiseram desonrar. Grande parte da população britânica não queria guerra, para já não falar da população francesa.
Os ingleses declararam no parlamento que os aviões ingleses deveriam ser proibidos de bombardear a alemanha porque as empresas alemãs eram empresas privadas e não tinham nada a ver com Hitler.

O que mudou na Síria foram os 100.000 mortos.
Para mim isso é mais que suficiente para que se faça qualquer coisa.

Eu nunca disse que as pessoas nas democracias ocidentais são favoráveis a uma intervenção. Eu disse que eu, como cidadão, acho que um ataque à Síria é justificável por causa do ditador ter ultrapassado as marcas e em dois anos ter morto 100.000 pessoas, tendo agora ainda por cima utilizado armas químicas.

Citar
No Egipto removeu-se o ditador porque estava a matar o povo. Segui-se um período controlado pelos militares em que as torturas, a violência, a morte esteve sempre presente. Realizaram-se eleições livres tendo ganho a Irmandade Muçulmana que governou um período até ser deposta pelos militares. Voltou a ditadura militar
Como já tive ocasião de dizer, não sou favorável a ditaduras militares. Já o exprimi várias vezes.
No entanto tenho o hábito de tentar explicar as coisas e tentar explicar a argumentação do outro lado, mesmo quando não estou de acordo com ela.

Admito, ou melhor, SEI que isso não é muitas vezes entendido, assumindo-se que estou a defender um ponto de vista, quando estou apenas a tentar explicar o que está na cabeça de quem faz algo.

É como eu chegar aqui, e explicar que os militares consideraram que havia muita gente que não aceitava que a irmandade muçulmana tivesse mudado a constituição e tentado subverter um regime que se queria democrático, num regime teocrático ou tendencialmente teocrático. A irmandade muçulmana, que possuia meios para-militares para desencadear ações de agitação, teve todos os meios para estar na origem dos problemas que se seguiram.
Não foi a irmandade muçulmana que veio para a rua dizer que morreriam por Mohamed Mursi ?
Pois foi o que aconteceu...

O texto acima, não implica que eu acho que os militares agiram bem. Significa apenas que é por causa disso que eu acho que eles deram o golpe.
Dá para entender ?


Citar
Por muito que a revolução francesa tenha sido a génese da democracia ocidental, hoje discute-se quantos dos seus valores num mundo marcado por crises gananciosas, corrupção e capitalismo agressivo, foram realmente enraizados nos países democráticos. Quando se coloca em causa quanta igualdade, fraternidade e liberdade foi adulterada em prol de interesses próprios é demais evidente que o que de positivo saiu da revolução francesa, hoje face ao mundo actual, precisam de no mínimo ser reciclados.
Isso dava outra discussão de 50 páginas.
A revolução francesa é o que é e foi o que foi e o mundo que hoje conhecemos, que nos dá a liberdade de estar aqui a falar, existe por causa de um grupo de homens que achou que a liberdade era um valor absoluto.
Como sabe, também se discute se o que realmente foi importante não foi a revolução americana e a constituição americana, que antecedeu a revolução francesa.


Citar
Muito bom exemplo o do Japão. Revela que a democracia é possível quando se usa a cabeça e se abre a porta da casa correctamente sem a arrombar. A manutenção do Imperador (que os japoneses não abdicaram e os americanos aceitaram) e o facto de NÃO ter sido julgado por crimes de guerra explica a maior parte do sucesso da implementação da democracia no Japão
No caso do Japão a argumentação não procede, porque comparativamente o imperador do Japão era o equivalente ao rei de Inglaterra.
O problema era o governo (o equivalente a Churchill).
Se as coisas tivesse sido ao contrário, seria o equivalente a terem enforcado o Churchill e forçado os ingleses a manter o rei de Inglaterra.

A manutenção da democracia em Inglaterra não teria nada a ver com o rei ou com a instituição monarquica. Quando acabou a guerra os ingleses dirigiram-se todos para o palácio de Buckingham, mas o rei não dirigiu a guerra, era apenas um simbolo que também falava e botava discurso, mas não era o responsável executivo, embora a sua opinião fosse considerada (como ainda hoje é considerada em privado a opinião da rainha Isabel II). O mesmo acontecia no Japão.

Citar
Assad é um ditador que vai usar todos as estratagemas para se manter no poder. Era um ditador mesmo quando era tolerado pelas potencias ocidentais
Como Kadafi ou todos os outros.
A questão é que um governo que já de si não tem um poder que emana da vontade popular, perde ainda mais legitimidade quando começa a matar as pessoas que supostamente deveria proteger.
Tem que haver uma fronteira. Um ponto de não retorno e uma linha que não pode ser atravessada, porque senão o mundo estará a dar carta branca aos ditadores para fazerem o que querem.

Todos sabemos o que eles fazem quando têm carta branca e quando são inimputáveis. Estaline, Hitler e Mao Tse Tung são os exemplos mais criminosos disso.


Citação de: "mafets"
No máximo aquilo que o John Kerry tem defendido nos ultimos dias. Até os Russos tradicionalmente "do contra" apoiam.

Esse é o problema. Não querem fazer nada.
Estamos a abrir a caixa de Pandora e a garantir o direito futuro de os ditadores matarem a seu bel prazer a população do país que governam.
Estamos a abrir mão de um principio segundo o qual um governo perde a legitimidade, quando o governante passa a ser um tirano, dando o direito à comunidade internacional, para intervir em defesa dos direitos de quem está a ser massacrado.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 11, 2013, 12:50:49 pm
Epá, oh "amanda tangas", se a tua verborreia fosse sobre as opções geo-politicas de encapsulamento da Rússia e controlo de fluxos energéticos para a China e Índia, ou sobre a razão de ser e vantagens e desvantagens de uma "aliança" assente nos dois vértices Riade - Telavive em vez de Ancara - Teerão, poderia estar aqui a discutir muita coisa contigo e a compartilharmos pontos de vista e ideias. Poderíamos estar a discutir sobre a real ameaça que é a Casa de Saud e como impedir a chegada desses tipos a armas nucleares após o hipotético fim do contra-peso xiita, ou sobre como os controlar caso cheguem a deitar a mão ao tão almejado arsenal paquistanês.  

Agora vires com a mais porca e falsa das preocupações com civis mortos por seus ditadores, quando defendeste neste mesmo fórum que o Exercito Egípcio deveria carregar sobre os manifestantes ou quando afirmaste aqui mesmo que o soberano do Bahrein, ao mandar matar os manifestantes e, não o conseguindo por completo, ainda ter os sauditas a entrar pelo país adentro para terminar o trabalho sujo, classificares isso com um "pai que dá tabefes a um filho mal comportado", dá-me náuseas porque a tua falsidade e o deboche intelectual a que te expões não pode passar sem mamares na mesma moeda de "asqueroso", "jorda", "corja" e "pedófilo debochado" com que qualificas tudo o que não é da cor de quem te paga para desceres tão baixa na escala da hombridade intelectual.
Porque isto é um fórum onde se está exposto ao contraditório e como vi e vejo uma sucessão de situações de total falta de respeito de tua parte perante muitos foristas, eu incluído, levas exactamente na mesma linguagem, meu querido "spin doctor".

Já agora, ficaste a saber a 1ª razão pela qual ninguém minimamente informado acreditou nesse tal ataque massivo de artilharia química por parte de Assad. Meteorologia, pá.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 11, 2013, 01:55:21 pm
Papatango

Começo a ficar preocupado com a sua obsessão com os teóricos da conspiração. O que é que eles lhe fizeram? Apenas têm dito algumas verdades inconvenientes.

Os poderes obscuros existem e são do mais perigoso que pode haver. Se quer ser advogado deles que o seja.

Se alguém está verdadeiramente interessado no povo sírio o que há a fazer neste momento é livrarem-se dos extremistas islâmicos
e chegar a uma solução pela diplomacia.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 11, 2013, 03:40:34 pm
http://www.presstv.ir/detail/2013/09/11 ... a-analyst/ (http://www.presstv.ir/detail/2013/09/11/323221/us-syria-evidence-fake-excia-analyst/)

US’s evidence on Syria, fabricated: Retired CIA analyst

(http://previous.presstv.ir/photo/20130911/s.alambaigi20130911045357387.jpg)
The administration of US President Barack Obama (shown) has been intensively campaigning for strikes on Syria since August 21, but has been facing weak support.

Wed Sep 11, 2013 5:53AM GMT


Elements within the US Central Intelligence Agency (CIA) have fabricated intelligence to implicate the Syrian government in the recent chemical attack in Syria and cater for Washington’s case for launching strikes on the Middle Eastern country, says a retired CIA analyst.


Ray McGovern made the remark in an interview with Russia Today (RT) channel on Monday amid the US rhetoric of war against Syria.

The US has been intensively campaigning for strikes on Syria since August 21, when the militants operating inside the Arab country and its foreign-backed opposition claimed that over a thousand people had been killed in a government chemical attack on suburban Damascus.

The Syrian government categorically rejected the accusation.

The US has all along the way been insisting that it has strong “evidence” against the Syrian government while refusing repeated calls to release it publicly.

“The media is drumbeating for the war (on Syria) just as before Iraq,” McGovern said. “And they don’t want to hear that the evidence is very very flimsy. They don’t want to hear that people within the CIA - senior people, with great access to this information - assure us, the veterans, that there’s no conclusive evidence that Assad ordered those chemical incidents on August 21.”

McGovern was among the veteran intelligence professionals who recently signed a letter to US President Barack Obama, warning that Damascus was not behind the August 21 chemical attack in the Arab country and that CIA Director John Brennan “is perpetrating a pre-Iraq-War-type fraud on members of Congress, the media, [and] the public.”

The former CIA analyst stressed that only the Israeli regime would benefit from the crisis in Syria, as the unrest would make the Tel Aviv regime feel that “the Sunni and the Shia aren’t going to be turning their swords and their guns on Israel. It’s that simple.”

“So, what we have here is a situation where Israel and the tough guys - and tough gals now - in the White House, advising Obama, say, ‘you’ve got to do something’,” he added, in an apparent reference to US National Security Advisor Susan Rice and US envoy to the UN Samantha Power, who have been heavily involved in the US campaign for strikes on Syria.

    Obama “is being given cooked-up intelligence because John Brennan, the head of the CIA, and James Clapper, the confessed perjurer, have thought it in their best interests to cater to the wishes of the White House, which have been very clear: ‘this time, we want to strike Syria,’” McGovern concluded.


The US president, who has faced very weak support for his war plans, said on August 31 that his administration would first seek authorization from an already skeptical Congress.

Reports indicate a majority of Congress members are either against the planned strikes on Syria or are yet undecided. The mood in the Congress seems to mirror that of the general American public, which, polls show, is largely opposed to any US strikes on Syria.

Meanwhile, Syrian Foreign Minister Walid Al-Muallem said on Monday, September 9, that his country “welcomes” a Russian proposal to put its chemical weapons under international control. The Russian proposal was prompted by an apparently off-the-cuff comment by US Secretary of State John Kerry.

Following the new twist in the events, Obama suggested that the planned US strikes on Syria could be averted if the Syrian “gesture” is “real.” In televised comments, parts of a round of TV interviews meant to garner support for his war plans, Obama said it takes time “to tell whether this offer will succeed.” The US president has, therefore, asked the Congress to postpone a vote on his administration’s plan for strikes on Syria.

Obama, however, has said that the threat of American force would remain.

The UN, Iran, Russia, and China have been voicing strong opposition to the US plan for war.

SAB/HJL
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 11, 2013, 03:56:46 pm
http://www.presstv.ir/detail/2013/09/11 ... terranean/ (http://www.presstv.ir/detail/2013/09/11/323305/russia-sends-3-warships-to-mediterranean/)

Russia deploys 3 more warships to Mediterranean

(http://previous.presstv.ir/photo/20130911/rahimi20130911124027417.jpg)
Russia’s landing ship Nikolai Filchenkov (file photo)

Wed Sep 11, 2013 1:32PM GMT

Russia’s Defense Ministry says three more warships will join the permanent junction of the Russian navy in the Mediterranean.


The ministry’s press service and information department said on Wednesday that the guard missile cruiser, Moskva, has passed through the Strait of Gibraltar and is expected to reach the region on September 17.

    “The big landing ship Nikolai Filchenkov and the guard ship Smetlivy will pass through the Bosporus and Dardanelles on September 12-14 and will head to the Eastern Mediterranean, where the permanent operative junction is located,” Russia’s Interfax news agency quoted the department as saying.


On September 6, a source from the Saint Petersburg-based Central Naval Command told Interfax that Moscow deployed four more ships, including the SSV-201 Priazovye reconnaissance ship, to the eastern Mediterranean, near the Syrian coast.

Russia’s anti-submarine ship Admiral Panteleyev, the Neustrashimyy-class frigate and three landing ships, the Alexander Shabalin, the Admiral Nevelsky, and the Peresvet, are already in the eastern Mediterranean, the report revealed.

The development comes amid reports of the United States’ possible military intervention in Syria on the unsubstantiated accusation that the Syrian government was behind a recent chemical attack in Damascus.

Moscow has strongly opposed any military strike on the Arab nation and warned against any such action.

The war rhetoric against Syria first gained momentum on August 21, when the militants operating inside the Middle Eastern country and its foreign-backed opposition claimed that over a thousand people had been killed in a government chemical attack on suburban Damascus.

The Syrian government categorically rejected the accusation.

MR/KA
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 11, 2013, 05:07:20 pm
Citação de: "mafarrico"
Papatango
Começo a ficar preocupado com a sua obsessão com os teóricos da conspiração. O que é que eles lhe fizeram? Apenas têm dito algumas verdades inconvenientes.
Os poderes obscuros existem e são do mais perigoso que pode haver. Se quer ser advogado deles que o seja.
Mas então você vem falar-nos dos poderes obscuros e depois eu é que estou obcecado ?  :roll:

Uma pessoa não pode ficar obcecada com os teoricos da conspiração, quando muito pode ficar obcecada com a facilidade com que as mentiras e os disparates mais cretinos são postos a correr.

Você veja o seu caso.

Verifique todas as coisas que já colocou nos fórums com base nos sites do costume e veja quantos se provou serem verdadeiros.

A Russia, vai atacar a Arábia Saudita.
A China enviou tropas para a Síria
Os russos estão continuamente a enviar navios para a Síria, mais que os que realmente têm disponíveis (só contam os que passam numa direção)

O camarada Alex Jones, já falou ao telefone com pessoas que garantiram que o glorioso porta-aviões russo Kuznetsov estava na Síria a entregar mísseis S300, quando EXACTAMENTE no mesmo dia os ingleses filmaram o navio a ser rebocado de volta para a base por causa de uma avaria.

Além disso, os americanos atacaram a Síria na quinta-feira passada, sabia ?
Pelo menos a acreditar nas fontes que nos tem dado.


A Internet permite e facilita este tipo de comercio de mentiras e uma grande parte das pessoas gosta das teorias da conspiração.
Os psicologos explicam melhor o fenómeno que leva as pessoas a acreditar nessas coisas, nos poderes ocultos, nos marcianos da Área 56 e nos poderes ocultos da Trilateral, ou do controlo do mundo pelos judiaria internacional,  ou pelo grupo Bilderberg ou então pelos cavaleiros templários.

Eu quando falo, costumo ter em consideração o que se sabe e costumo utilizar uma coisa muito simples que se chama SENSO COMUM.

Havendo duas explicações para uma coisa, a mais simples é normalmente a correta. Isto é uma verdade de La Palice, mas é assim.

E eu limito-me a fazer isso.
O Assad tinha todas as razões para matar opositores
O Assad tinha as armas químicas (embora até ontem negasse)
O Assad demonstrou várias vezes a sua irritação com a não existência de progressos em Damasco
O Assad (como qualquer ditador) não gosta de ser desafiado e de ter bombas a rebentar debaixo do próprio bigode
A isto juntam-se comunicações captadas tanto por americanos como por israelitar como até por alemães.
Estes últimos afirmam que o Assad não autorizou o uso de armas químicas várias vezes, mas que os generais se fartaram de pedir que as utilizasse.

Há mais provas que permitem concluir que Assad é responsável pelos ataques químicos, que provas de que Hitler mandou gasear os judeus, sabia ?
Todas as provas do holocausto e da solução final, são provas resultado da análise das circunstâncias e dos resultados finais.

Mas garanto que o camarada acima, que deve adorar os aiatolas iranianos, vai recordar-lhe que o aiatolas de Qom, o Ahmadinejd e o Imã não sei das quantas, já provaram que o holocausto dos judeus é uma invenção da judiaria internacional e na realidade nunca existiu.

Não podemos chegar a lugar nenhum, se tivermos por referência as mesmas fontes que sabemos serem mentirosas, que sabemos defenderem as ditaduras e que sabemos serem suportadas pelo dinheiro porco da máfia russa, ou pela obsessão com os poderes ocultos, a trilateral, os templarios ou os extra-terrestres, que como sabemos já tomaram o corpo do Obama, que é apenas uma casca. Lá dentro está um marciano .  :mrgreen:  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 12:14:07 am
http://www.ohchr.org/EN/HRBodies/HRC/II ... ssion.aspx (http://www.ohchr.org/EN/HRBodies/HRC/IICISyria/Pages/IndependentInternationalCommission.aspx)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 12, 2013, 01:01:27 am
Citação de: "papatango"
A questão do jogo começa exactamente quando começamos a achar que as respostas nos são dirigidas.
Na esmagadora maioria dos casos, eu tenho feito comentários que nada têm a ver com os comentários de ninguém, mas essencialmente com os factos conhecidos.

Depois há a questão da auto-evidência.
Há coisas que são auto-evidentes.

Estamos num forum (não num jogo) a debater apenas (pelo menos no meu caso) o conflito sírio. Estando apenas aqui uma pessoa (salvo erro) que  expressa uma opinião a favor de uma intervenção militar as respostas de quem é contra obviamente são dirigidas a essa pessoa. Parece-me elementar  num debate,  onde se for usado correcção e respeito não vejo onde está o problema e muito menos porque haveria de ficar alguém melindrado por debater, por e contrapor as suas opiniões.
No que diz respeito a factos discordo. Como em todo o lado existem meios de comunicação social discutíveis, com pontos de vista que espelham o regime vigente, etc, mas neste debate temos também uma série de dados e factos de conhecidos jornais, revistas e televisões credíveis (até americanas mas não só) e reconhecidas pela veracidade do que afirmam e não apenas fontes discutíveis de opositores americanos, de russos ou chineses. A diferença está entre os factos que aceitamos e aqueles que duvidamos, chamando-lhes "conspirativos".
Uma das evidências que aqui é inegável é o facto de ninguém afirmar que "este é um problema sírio, os sírios que resolvam". O debate centra-se sim à volta de como uma intervenção militar vai ajudar realmente os 6,25 milhões de refugiados (dados do DN de ontem) que nada tem a ver com a brutalidade do ditador Assad e da esmagadora maioria dos rebeldes assassinos que só estão interessados no poder. Li e rê-li os factos que tem apresentado e continuo sem ver onde a intervenção militar franco-americana pautada por um conjunto de ataques aéreos vai resolver o conflito sírio e muito menos se se trata de atacar os meios aéreos, terrestres, químicos ou simplesmente impor uma zona de exclusão aérea impedindo que a aviação síria seja utilizada.
Ainda por cima, quando Israel já pelo menos atacou alvos sírios 2 vezes, menos percebo que se crie todo este "filme sírio" dificultando inclusive a continuidade das operações do estado hebraico (já para não falar novamente da incompreensão de não ter existido um conjunto de acções preventivas por parte dos EUA e ou Israel, com vista a minimizar o efeito do arsenal químico e convencional de Assad numa futura guerra civil).

 
Citação de: "papatango"
Além disso, as teorias da conspiração também têm o direito de existir, mas os que as desmascaram também têm o direito de as referir.

Todos nós conhecemos os sites de onde uma torrente de autêntica JOSTA alimenta as pessoas que gosta das realidades alternativas.
A natureza humana é assim e por natureza gostamos de teorias conspirativas. Gostamos de acreditar que há algo que aconteceu, que não aconteceu por acaso, mas sim porque uma força qualquer está em movimento contra nós.
Entre os casos mais conhecido é o da bomba terramótica do Hugo Chavez, a bomba cancerigena do mesmo autor, as teorias criminosas sobre a não existência de nenhum holocausto, o míssil chinês disparado nas praias da Califórnia, que afinal era um avião (e o próprio maniaco Alex Jones colocou no ar as provas disso sem perceber).

No IOWA (EUA) a lei permite o porte de armas a cegos (http://www.tvi24.iol.pt/internacional/armas-posse-de-arma-eua-permissao-cegos-tvi24/1487863-4073.html). Doidos, maníacos, conspiradores, e a simples estupidez coexistem em todo o lado, desde as democracias Às ditaduras passando pelas Monaquias. Cabe às pessoas serem capazes de distinguir o que é realidade de ficção e de modo algum concordo com determinadas visões politicas de que as pessoas nada sabem (como formas simples de "injustificar" a democracia). Agora também existe o outro lado da questão em que muitas verdades incomodativos também são catalogadas como conspirativas para esconderem a veracidade dos factos. Pessoalmente não sou um fâ de Michal Moore mas não deixo de reconhecer que por exemplo as criticas dirigidas por políticos como McCain tem origem em algumas claras verdades (nem todas) que são extremamente incomodativas (por exemplo a fuga ao serviço militar de politicos e seus filhos face aos milhares que combatem no Iraque e Afeganistão) para o poder politico vigente nos EUA e portanto conotadas como conspirativas e até anti-americanas (http://en.wikipedia.org/wiki/Michael_Moore).

Citação de: "papatango"
Quando olho para notícias sobre a Síria e vejo as origens dessas notícias, ficou com ainda mais certeza de que as teorias apresentadas são falsas e baseadas em meias verdades.
Quem se dá como eu ao trabalho de ir à procura de provas para as teorias conspirativas e normalmente não as encontra, vai a pouco e pouco perdendo toda a confiança nas fontes.
Portanto, se amanhã o Alex Jones ou os mafiosos do Russia Today vierem dizer que Jesus Cristo voltou ao mundo e que a CIA o prendeu em Langley, eu não voi acreditar. Porque esse é o tipo de notícia que eles normalmente dão. E isto mesmo que O Cristo tenha realmente voltado à terra.

Como sou agnóstico para mim é indiferente que o Cristo tenha vindo, esteja preso ou ainda esteja para vir à terra, seja a noticia dada pela Igreja, Alex Jones, Russia Today ou um qualquer outro média. E tendo uma opinião formada de que 99,9% das "teorias da conspiração" não passam de apenas teorias nem me dou ao trabalho de ver se existem provas que atestem a falsidade dos factos seja sobre o 11 de Setembro,  o assassinato do Kennedy e muito menos sobre o holocausto. Portanto se não acredito não as tento desmascarar já que não existe qualquer lógica na  bomba terramótica do Hugo Chaves como também não tem qualquer lógica a estupidez que aos cegos do IOWA possam andar armados (independentemente de ser verdade) porque o legislador foi incompetente (ou simplesmente estúpido).
Agora voltamos à veracidade dos factos relatados pelos média ou por indivíduos que tem "poder de antena". Recuso que num estado democrático existam listas dos média que são credíveis ou que não são. Realidade  e ficção é perfeitamente distinguível por qualquer individuo desde esteja de mente sã e despido das verborreias politicas e ideológicas que fazem autenticas lavagens cerebrais visíveis em muitos discursos que por aí andam.  Sobre a Síria existe ficção e realidade, focando-nos só na realidade um ataque americano teria os as possibilidades e os riscos exactamente iguais aos que por exemplo  o NY Times enuncia quase diáriamente (http://www.washingtonpost.com/blogs/wonkblog/wp/2013/09/10/the-five-best-arguments-for-striking-syria-and-the-best-rebuttals/). Sempre vi este jornal como credível e muito sinceramente analisando as suas noticiais não vejo grande diferença (à excepção do contraditório muito menos visível em outras publicações ) relativamente ao de outros jornais supostamente menos credíveis. Mas isso é facilmente visível por que lê, ouve e vê noticias de todas as fontes e de quem aprecia uma boa história de ficção.

Citação de: "papatango"
Depois disso temos as distorções e as meias verdades, como a questão das armas químicas que não foram encontradas.
As armas estiveram lá. Os técnicos das Nações Unidas destruiram milhares delas. O que aconteceu foi que elas já não podiam ser utilizadas como argumento.
Se você for verificar, os teoricos conspirativos afirmam hoje que o Iraque nunca teve armas de destruição maciça.
Os mesmos conspirativos que afirmavam que a Gloriosa Síria nunca teve armas químicas e que estava a repetir-se o Iraque. Sabemos agora que o governo sírio está disposto a mostrar as armas químicas que não tinha e que afinal tinha.
Ou seja: Os malvados americanos, europeus, as democracias, ou seja NÓS, tinhamos razão e falávamos a verdade.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/0/07/Worldmap_List_of_countries_with_nuclear_weapons.png)
(http://carnegieendowment.org/images/npp/bio.jpg)
Estão perfeitamente catalogados os países que no mundo tem armas químicas, nucleares e biológicas á décadas, com mapas e milhares de paginas de documentos (alguns dos quais já aqui publiquei). O  Iraque tinha os 3 programas (só o nuclear ficou pelo caminho devido ao ataque israelita a Osirak que até estreou o F-16 em combate) e isso ficou comprovado tanto pelo trabalho documentado dos inspectores da ONU (apesar das constantes intromissões americanas e dos avanços e recuos de Saddam) e pelo facto de quando os EUA invadiu o Iraque em 2003 já não encontrou qualquer arsenal químico.  É isto é tão inequívoco como a ida do homem à lua (que ainda é posta em causa por apenas meia dúzia de indivíduos isolados  defensores da tese de que foi uma criação hollywoodesca ).
Citação de: "papatango"
Depois temos a incrivel tradição de retirar coisas do contexto. Se reparar, um individuo acima, ao qual não me vou referir por execrável (sendo que acho que num fórum normal já deveria ter sido chamado à atenção), coloca fora do contexto afirmações que eu produzi há dois anos e meio.

Ou seja, numa altura em que os regimes começam a vacilar e em que a Primavera árabe começa, há alguém que afirma que a irmandade muçulmana não será capaz de governar em democracia. Em Fevereiro de 2011 na Tunisia ainda está quente o assento do Ben Ali. Na Líbia a contestação a Kadafi não começou. Na Síria o criminoso continua incontestado, no Yemen, Saleh continua na presidência.
Agora, dois anos e meio depois, com uma situação no terreno completamente diferente, temos democracias titubeantes, mas que ainda não cairam, há países árabes onde parece haver alguma possibilidade de um regime democrático funcionar.

E alguém como eu, que com dois anos e meio de experiência acha que existem razões para acreditar que talvez haja pernas para andar na implantação de regimes democráticos nos países árabes do mediterrâneo, é acusado de uma quantidade de coisas, porque ao longo de dois anos adaptou a sua opinião à realidade que mudou.
Ou seja:
Acabam por se criar «quistos» provocados por pessoas que estão nos fórums de discussão não para discutir, mas para jogar. E quando não gostam do jogo do adversário, fazem batota e fazem jogo sujo. .

Apesar de achar que qualquer pessoa tem o direito de mudar de opinião (e sem o citar), confesso que sobre a temática em questão não foi isso que percebi.
Concordo com o que escreveu no passado e sinceramente não vejo grande futuro nas democracias árabes por um conjunto de pressupostos que já os expus. Tenho direito a minha opinião da mesma forma que apesar de discordar respeito a sua opinião actual.

Jogo Sujo é uma palavra forte. Os debates sobre geopolítica e geoestratégia normalmente  são acalorados e existe com frequência recursos a citações sem que daí venha mal ao mundo mas reconheço que é raro o forum onde o debate não gere discussão etc. Agora, relativamente ao resto eu preocupo-me com o que eu digo e faço (pois tenho noção da dificuldade de Às vezes interpretar correctamente as palavras dos outros). Não tenho sequer dados para catalogar ninguém pois tenho pouco mais de centena e meia de mensagens no fórum (que comparativamente com outros até é comedido no que diz respeito à troca de “piropos”) .  

Citação de: "papatango"
Citação de: "mafets"
Acha que é percetivel ? Fala de democracias ocidentais as quais de facto toleraram o ditador em nome da estabillidade regional mas que agora estão maoritariamente contra (entre 60% e 80%) a uma intervenção militar, algo que lhe foi dito e que acha que nada tem a ver. E a qual opinião pública árabe se refere ? A Síria, do Egipto, Arábia Saudita?
Óbviamente estou a falar da opinião pública da Síria. Aquela que está a votar com os pés abandonando o país.

Esclarecido. E é a melhor coisa que de momento podem fazer pois não se vão livrar da guerra civil tão cedo. Mas vale vivos num campo de refugiados atolado e com condições mínimas do que mortos em qualquer sitio na síria.

Citação de: "papatango"
É evidente que as democracias ocidentais são democracias e as democracias estão sempre contra as guerras. Durante a II guerra mundial, houve guerra porque os conservadores ingleses tinham assumido compromissos que não quiseram desonrar. Grande parte da população britânica não queria guerra, para já não falar da população francesa.
Os ingleses declararam no parlamento que os aviões ingleses deveriam ser proibidos de bombardear a alemanha porque as empresas alemãs eram empresas privadas e não tinham nada a ver com Hitler.
O que mudou na Síria foram os 100.000 mortos.
Para mim isso é mais que suficiente para que se faça qualquer coisa.

As democracias ocidentais não estavam contra a primeira guerra do Iraque e no caso dos Estados Unidos até maioritariamente apoiavam a invasão (dados que já aqui publiquei). Também estavam maioritariamente a favor de intervir na Líbia e não havia um terço das mortes.
(http://www.people-press.org/files/2011/03/715-2.png)
(http://gmfus.wpengine.netdna-cdn.com/wp-content/uploads/2012/05/SupportLibya.jpg)
Trata-se aqui de uma posição contraria à intervenção e a propósito de nenhuma das facções bem como do próprio  Assad não oferecerem garantias de absolutamente nada.  Alem de que fazer alguma coisa já se faz pois os rebeldes não lutam apenas com equipamento militar de origem russo (existem desde material Checo a Croata passando pelo Americano).
(http://2.bp.blogspot.com/-p6kRDuBEXnE/UW_Ar7LS7qI/AAAAAAAABOg/47Q0OOPlh9k/s1600/RPG-75+Large+-+Copy.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-oFTJH_B9nRM/US0WwNnKfOI/AAAAAAAABEw/KOQ8N_X0NAo/s1600/M47+Dragon+markings.jpg)

Citação de: "papatango"
Eu nunca disse que as pessoas nas democracias ocidentais são favoráveis a uma intervenção. Eu disse que eu, como cidadão, acho que um ataque à Síria é justificável por causa do ditador ter ultrapassado as marcas e em dois anos ter morto 100.000 pessoas, tendo agora ainda por cima utilizado armas químicas.

A publicação de dados sobre o facto de a opinião pública ocidental estar contra uma intervenção militar na Síria advêm da necessidade de deixar bem claro que quando entre 60 e 80% das pessoas são contra algo é extremamente complicado que qualquer poder politico de uma nação democrática vá contra os seus conterrâneos. Mesmo o Obama em segundo mandato sabe que uma intervenção militar sem apoio mínimo (pelo menos do congresso) poderia ter efeitos nocivos dentro do seu próprio partido e colocar em risco futuras eleições. Só e apenas isso.
(http://content.gallup.com/origin/gallupinc/GallupSpaces/Production/Cms/POLL/rb0wohpujuu_owmtdskipq.png)

Citação de: "mafets"
No Egipto removeu-se o ditador porque estava a matar o povo. Segui-se um período controlado pelos militares em que as torturas, a violência, a morte esteve sempre presente. Realizaram-se eleições livres tendo ganho a Irmandade Muçulmana que governou um período até ser deposta pelos militares. Voltou a ditadura militar

Citação de: "papatango"
Como já tive ocasião de dizer, não sou favorável a ditaduras militares. Já o exprimi várias vezes.
No entanto tenho o hábito de tentar explicar as coisas e tentar explicar a argumentação do outro lado, mesmo quando não estou de acordo com ela.

Admito, ou melhor, SEI que isso não é muitas vezes entendido, assumindo-se que estou a defender um ponto de vista, quando estou apenas a tentar explicar o que está na cabeça de quem faz algo.

É como eu chegar aqui, e explicar que os militares consideraram que havia muita gente que não aceitava que a irmandade muçulmana tivesse mudado a constituição e tentado subverter um regime que se queria democrático, num regime teocrático ou tendencialmente teocrático. A irmandade muçulmana, que possuia meios para-militares para desencadear ações de agitação, teve todos os meios para estar na origem dos problemas que se seguiram.
Não foi a irmandade muçulmana que veio para a rua dizer que morreriam por Mohamed Mursi ?
Pois foi o que aconteceu...

O texto acima, não implica que eu acho que os militares agiram bem. Significa apenas que é por causa disso que eu acho que eles deram o golpe.
Dá para entender ?

Concentro-me no meu entendimento da situação Egípcia. Os militares (embora também não concorde com ditaduras militares) face à Irmandade Muçulmana (se não são na maioria fanáticos islâmicos imitam-os muito bem) são um mal menor e não tenho duvidas que se a guerra na Síria terminasse hoje qualquer dos movimentos iria simplesmente lutar com os outros e impor um regime ditatorial possivelmente com o islamismo a servir de base de apoio. E atenção que se o conflito Sírio acabar sem forças armadas regulares não haverá militares para se oporem a quem quer que seja.

Citação de: "mafets"
Por muito que a revolução francesa tenha sido a génese da democracia ocidental, hoje discute-se quantos dos seus valores num mundo marcado por crises gananciosas, corrupção e capitalismo agressivo, foram realmente enraizados nos países democráticos. Quando se coloca em causa quanta igualdade, fraternidade e liberdade foi adulterada em prol de interesses próprios é demais evidente que o que de positivo saiu da revolução francesa, hoje face ao mundo actual, precisam de no mínimo ser reciclados.

Citação de: "papatango"
Isso dava outra discussão de 50 páginas.
A revolução francesa é o que é e foi o que foi e o mundo que hoje conhecemos, que nos dá a liberdade de estar aqui a falar, existe por causa de um grupo de homens que achou que a liberdade era um valor absoluto.
Como sabe, também se discute se o que realmente foi importante não foi a revolução americana e a constituição americana, que antecedeu a revolução francesa.

O facto de existir liberdade suficiente para se debater estes factos (e sem duvida que o devemos até a Atenas anterior a Cristo) não implica que todos os valores que advém das referidas revoluções se tenha materializado na prática (nem mesmo a liberdade). Por exemplo politicamente falando não é o facto de se poder votar que elimina os contínuos debates que questionam o que realmente o povo decide versos o poder do decisor politico.
Aliás, muitos consideram que os valores liberais estão estagnados (ou mesmo que existiu um retrocesso iniciado a partir da segunda metade do século XX) sufocados por uma desmesurada e globalizante liberdade económica. As sucessivas crises que condenam mesmo países organizados (não estou a falar de Portugal) a uma necessidade de austeridade que levaram inclusive no passado lideres mundiais e da UE a prometerem reformas nesse campo. E até agora continuamos à espera delas enquanto pelo menos ainda podemos sonhamos com a liberdade e a igualdade pós ultima década do século XVIII.

Citação de: "mafets"
Muito bom exemplo o do Japão. Revela que a democracia é possível quando se usa a cabeça e se abre a porta da casa correctamente sem a arrombar. A manutenção do Imperador (que os japoneses não abdicaram e os americanos aceitaram) e o facto de NÃO ter sido julgado por crimes de guerra explica a maior parte do sucesso da implementação da democracia no Japão

Citação de: "papatango"
No caso do Japão a argumentação não procede, porque comparativamente o imperador do Japão era o equivalente ao rei de Inglaterra.
O problema era o governo (o equivalente a Churchill).
Se as coisas tivesse sido ao contrário, seria o equivalente a terem enforcado o Churchill e forçado os ingleses a manter o rei de Inglaterra.
A manutenção da democracia em Inglaterra não teria nada a ver com o rei ou com a instituição monarquica. Quando acabou a guerra os ingleses dirigiram-se todos para o palácio de Buckingham, mas o rei não dirigiu a guerra, era apenas um simbolo que também falava e botava discurso, mas não era o responsável executivo, embora a sua opinião fosse considerada (como ainda hoje é considerada em privado a opinião da rainha Isabel II). O mesmo acontecia no Japão.

No Japão Hiroito não era visto como um símbolo mas sim como um Deus, mesmo em 1945 e depois de uma guerra mundial que destruiu o pais. Na Inglaterra ou em qualquer Monarquia Parlamentar o estatuto de Deus à muito tempo que tinha  sido reduzido no máximo a símbolo da nação.
Portanto o que os aliados analisaram e bem foi a repercussão de levarem e eventualmente condenarem  um “Deus” por crimes de guerra e se isso não levaria a uma revolta como os japoneses chegaram a ameaçar. A responsabilidade de rectificação pessoal de Hiroito sobre questões como os ataques químicos japoneses na China ou a suspensão da Convenção de Genebra são claramente provadas por historiadores como Ajira Fujiwara que embora culpe maioritariamente o governo do General Tojo (e defenda o Imperador quanto aos esforços que fez para evitar a guerra) não o iliba de um vasto conjunto de crimes de guerra (http://pt.wikipedia.org/wiki/Hirohito).
A responsabilidade de um Imperador ou rei mesmo que mínima existe e é evidente no exemplo de que mesmo sendo um símbolo Vítor Emanuel III abdicou na tentativa de salvar a monarquia italiana mas mesmo isso (a juntar à sua participação na distituição de Mussolini e à capitulação italiana livrando-se assim ao julgamento por crimes de guerra) nunca viu perdoada pela população (que quis a Republica) o seu apoio ao Fascismo. No Japão o Imperador viveu até aos 87 anos e Tojo foi enforcado. Actualmente ainda se continua a condenar ex oficiais das SS como Siert Bruins e Lazlo Csatari (entretanto falecido)  e procura-se o paradeiro de outros como Alois Brunner ,Aribert Hein (ou qualquer outro guarda de um campo de concentração) pelo que é algo caricato que a responsabilidade de mais altos dignitários (mesmo que simbólicos) seja secundarizada por força de viverem isolados e não sujarem directamente as mãs no sangue. As tantas e por esta forma de pensamento ainda acabamos a debater se ditadores como Assad ou Kim Jong-Un são realmente responsáveis nos seus  respectivos países ou se são as elites e os clãs familiares (que sobreviveram à morte de Hafez Al Assad e Kin Jong - Il) que realmente mandam na Síria e na Coreia do Norte (http://en.wikipedia.org/wiki/Bashar_al-Assad).

Citação de: "mafets
Assad é um ditador que vai usar todos as estratagemas para se manter no poder. Era um ditador mesmo quando era tolerado pelas potencias ocidentais[/quote]

[quote="papatango"]Como Kadafi ou todos os outros.
A questão é que um governo que já de si não tem um poder que emana da vontade popular, perde ainda mais legitimidade quando começa a matar as pessoas que supostamente deveria proteger.
Tem que haver uma fronteira. Um ponto de não retorno e uma linha que não pode ser atravessada, porque senão o mundo estará a dar carta branca aos ditadores para fazerem o que querem.
Todos sabemos o que eles fazem quando têm carta branca e quando são inimputáveis. Estaline, Hitler e Mao Tse Tung são os exemplos mais criminosos disso.

Vamos por partes. Perfeitamente de acordo quanto à falta de legitimidade de Assad e ao ponto de não retorno. Agora, tenho a noção do que seria uma intervenção Americana em resposta à Revolução Cultural Chinesa ou as Deportações Estalinistas pós II Guerra Mundial (Hitler não tinha armas atómicas) da mesma forma que tenho ideia do que poderá ser uma intervenção na Síria (com o seu arsenal químico e os múltiplos grupos rebeldes).
No máximo o que se poderia (e deveria) ter pensado era na antecipação dos acontecimentos (removendo Estaline ou Mao do poder antes da atomização dos respectivos países), da mesma forma que defendo que o arsenal químico de Assad à muito que deveria ter sido destruído preventivamente em vez de agora se “fazer contas à vida”.
Mas voltemos ao “ponto de não retorno”, algo que defendo (relativamente a TODOS os ditadores e a TODOS os países que passem das marcas,  bem como à uniformização das respostas face a milhares de mortos, desalojados e refugiados) mas que sei que é será sempre  um MITO, jamais atingido porque:
1-A ONU não funciona. Quem tem o poder de veto impõe a sua vontade e expõe quem decide agir à ilegalidade.
2- Cada pais defende os seus interesses Económicos, Militares e Políticos quando intervêm militarmente (as vezes lá se lembram dos milhares/milhões de mortos). E esses interesses são diferentes no Darfur, Somália ou Ruanda  relativamente ao Kosovo, Líbia ou Síria exemplos de onde a vontade de intervir existiu/existe são totalmente diferentes dos casos primeiramente citados (apesar da mortandade elevada que por lá se registou/regista).
3- O peso militar do adversário é um claro condicionante. Quantos mortos existiram no Irão após a vitória de Ahmadinejad ? Qual a reacção da comunidade internacional? Quis intervir militarmente? Foi um embargo ( 90% devido ao Programa Nuclear Iraniano)e por aqui se ficou.  
4- O peso político e económico é importantíssimo numa intervenção militar. Na China o que qualquer Presidente estrangeiro se limita a fazer é abordar a questão dos direitos humanos. Na Arábia Saudita (apesar  dos 30 000 presos políticos) nem isso acontece.

Citação de: "papatango"
Citação de: "mafets"
No máximo aquilo que o John Kerry tem defendido nos ultimos dias. Até os Russos tradicionalmente "do contra" apoiam.

Citação de: "papatango"
Esse é o problema. Não querem fazer nada.
Estamos a abrir a caixa de Pandora e a garantir o direito futuro de os ditadores matarem a seu bel prazer a população do país que governam.
Estamos a abrir mão de um principio segundo o qual um governo perde a legitimidade, quando o governante passa a ser um tirano, dando o direito à comunidade internacional, para intervir em defesa dos direitos de quem está a ser massacrado.

Esse é um principio que já abrimos mão à muito tempo. Não vale a pena debater se foram americanos, russos, chineses ou se foi na África, Ásia ou América Central. A quantidade de situações são tantas e os milhões de mortos impossíveis de ser contabilizados.
As  Ditaduras e as Monarquias Absolutas não tem qualquer legitimidade para governar pois não são eleitas e é completamente errado pensarmos que pelo povo não se revoltar está tudo bem.  A comunidade internacional não é regida pela igualdade, considera cada caso um caso, e esconde-se em maneirismos legais, jogos de palavras, razões e provas, ora para aprovar uma acção militar ora para justificar a sua passividade.

Repito, não existe solução militar para a Síria na actual sociedade Mundial. Arrasar o espolio químico de Assad não o Iria remover do poder, destruir a sua força aérea não bastaria e mesmo que se considerasse uma intervenção militar como na Líbia (sobre a qual já dei a minha opinião) a questão que muita gente lança é qual o movimento rebelde que teria capacidade para aproveitar e ganhar a guerra (e já nem sequer vou considerar as incógnitas do pós guerra civil)?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 12:37:39 pm
http://edition.cnn.com/2013/09/12/polit ... ?hpt=hp_t1 (http://edition.cnn.com/2013/09/12/politics/syria-arming-rebels/index.html?hpt=hp_t1)

Official says CIA-funded weapons have begun to reach Syrian rebels; rebels deny receipt

By Barbara Starr, CNN Pentagon Correspondent, and Leslie Bentz, CNN
September 12, 2013 -- Updated 1021 GMT (1821 HKT)


Washington (CNN) -- CIA-funded weapons have begun flowing to Syrian rebels, a U.S. official told CNN. But opposition groups say they have yet to receive any.

The official confirmed details first reported by the Washington Post but would not speak publicly.

"That is something we are not going to dispute, but we are not going to publicly speak to it," the official said.

The weapons are not American-made, but are funded and organized by the CIA. They started to reach rebels about two weeks ago, the official said.

The artillery was described as light weapons, some anti-tank weapons and ammunition.

The Syrian National Coalition and the Free Syrian Army deny they have received weapons from the United States.

"We have some promises from the U.S. administration of shipment of weapons in a short period of time, but until now we have not received any," said Free Syrian Army Political and Media Coordinator Louay al-Mokdad.

"We have logistical help, but we didn't get weapons until now. We hope that in the next short period of time we will start receiving weapons, because we have promises from EU countries and the U.S. that they will help us and support us."

The supply is in addition to the non-lethal aid that the United States has been providing the rebels since April, when the Obama administration first altered the nature of the aid to include items such as body armor, night vision goggles and other military equipment.

The official insisted the effort has been in the works for some time, and did not start as an effort to appease those calling for more rebel aid during the new diplomatic initiative with Russia.

Kerry hints at transfer

Secretary of State John Kerry said Tuesday during a Google+ Hangout discussion that "many of the items that people complained were not getting to them are now getting to them." He did not elaborate on specifics.

A spokeswoman for the National Security Council declined comment.

"We aren't able to inventory or provide timelines for every type of assistance we provide to the Syrian opposition," spokeswoman Bernadette Meehan said.

CNN could not reach members of the rebel forces early Thursday morning.

Congress approved supply

The supply of weapons was approved by Congress after the Obama administration asserted the regime of Syrian President Bashar al-Assad had used chemical weapons on a small scale. But no progress toward physically supplying the rebels had been reported since then.

"Some things have not been getting to the opposition as rapidly as one would have hoped," Kerry said Tuesday.

CNN first reported on the plan to arm Syrian rebels with small arms and ammunition in June, but officials refused to lay out a time line on delivery.

Obama's national security team and members of Congress have repeatedly urged the president to increase direct aid for the rebels.

They argue such a step would strengthen the hand of moderate members of the Syrian opposition, and make them less reliant on well-armed extremist elements within their ranks.

Other developments

The latest developments come on the eve of new diplomatic negotiations between the United States and Russia, which begin Thursday in Geneva, Switzerland.

Secretary Kerry will meet with Russian Foreign Minister Sergey Lavrov for two days to discuss a Moscow proposal to avert a U.S.-led strike in Syria by having the Syrian government put its chemical weapons stockpile under international control.

But as Russia continues to supply Bashar Al-Assad's regime with weapons while the U.S. supplies the rebels, and Putin writes a piece in the New York Times questioning the authority of Obama's call for military strikes, the baggage being brought to the negotiation table continues to pile up before talks have even begun.

CNN's Elise Labott, Jamie Crawford, Samira Said and Jim Acosta contributed to this report.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 12, 2013, 03:10:48 pm
http://www.destakes.com/redir/2540d146296bd67de45962ebd52ba4b1
Citar
Atesta o que venho dizendo. Ambos os lados do conflito sírio tem cometido crimes graves em violação do direito internacional

http://sicnoticias.sapo.pt/mundo/2013/09/12/rebeldes-sirios-rejeitam-proposta-russa
Citar
Pelo andar da carruagem, entre rebeldes e partidários do Assad não vão existir celas que cheguem no TPI

http://pt.euronews.com/2013/09/10/siria-franca-vai-submeter-solucao-russa-ao-conselho-de-seguranca-da-onu/
Citar
Terão duvidas que não vai ser aprovado?

http://pt.euronews.com/2013/09/10/irao-quer-arsenal-dos-rebeldes-sirios-sob-controlo-internacional/
Citar
Vamos ver se querer é poder...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 03:22:06 pm
http://www.nytimes.com/2013/09/12/opini ... .html?_r=0 (http://www.nytimes.com/2013/09/12/opinion/putin-plea-for-caution-from-russia-on-syria.html?_r=0)

A Plea for Caution From Russia

What Putin Has to Say to Americans About Syria

By VLADIMIR V. PUTIN

Published: September 11, 2013

MOSCOW — RECENT events surrounding Syria have prompted me to speak directly to the American people and their political leaders. It is important to do so at a time of insufficient communication between our societies.

 Relations between us have passed through different stages. We stood against each other during the cold war. But we were also allies once, and defeated the Nazis together. The universal international organization — the United Nations — was then established to prevent such devastation from ever happening again.

The United Nations’ founders understood that decisions affecting war and peace should happen only by consensus, and with America’s consent the veto by Security Council permanent members was enshrined in the United Nations Charter. The profound wisdom of this has underpinned the stability of international relations for decades.

No one wants the United Nations to suffer the fate of the League of Nations, which collapsed because it lacked real leverage. This is possible if influential countries bypass the United Nations and take military action without Security Council authorization.

The potential strike by the United States against Syria, despite strong opposition from many countries and major political and religious leaders, including the pope, will result in more innocent victims and escalation, potentially spreading the conflict far beyond Syria’s borders. A strike would increase violence and unleash a new wave of terrorism. It could undermine multilateral efforts to resolve the Iranian nuclear problem and the Israeli-Palestinian conflict and further destabilize the Middle East and North Africa. It could throw the entire system of international law and order out of balance.

Syria is not witnessing a battle for democracy, but an armed conflict between government and opposition in a multireligious country. There are few champions of democracy in Syria. But there are more than enough Qaeda fighters and extremists of all stripes battling the government. The United States State Department has designated Al Nusra Front and the Islamic State of Iraq and the Levant, fighting with the opposition, as terrorist organizations. This internal conflict, fueled by foreign weapons supplied to the opposition, is one of the bloodiest in the world.

Mercenaries from Arab countries fighting there, and hundreds of militants from Western countries and even Russia, are an issue of our deep concern. Might they not return to our countries with experience acquired in Syria? After all, after fighting in Libya, extremists moved on to Mali. This threatens us all.

From the outset, Russia has advocated peaceful dialogue enabling Syrians to develop a compromise plan for their own future. We are not protecting the Syrian government, but international law. We need to use the United Nations Security Council and believe that preserving law and order in today’s complex and turbulent world is one of the few ways to keep international relations from sliding into chaos. The law is still the law, and we must follow it whether we like it or not. Under current international law, force is permitted only in self-defense or by the decision of the Security Council. Anything else is unacceptable under the United Nations Charter and would constitute an act of aggression.

No one doubts that poison gas was used in Syria. But there is every reason to believe it was used not by the Syrian Army, but by opposition forces, to provoke intervention by their powerful foreign patrons, who would be siding with the fundamentalists. Reports that militants are preparing another attack — this time against Israel — cannot be ignored.

It is alarming that military intervention in internal conflicts in foreign countries has become commonplace for the United States. Is it in America’s long-term interest? I doubt it. Millions around the world increasingly see America not as a model of democracy but as relying solely on brute force, cobbling coalitions together under the slogan “you’re either with us or against us.”

But force has proved ineffective and pointless. Afghanistan is reeling, and no one can say what will happen after international forces withdraw. Libya is divided into tribes and clans. In Iraq the civil war continues, with dozens killed each day. In the United States, many draw an analogy between Iraq and Syria, and ask why their government would want to repeat recent mistakes.

No matter how targeted the strikes or how sophisticated the weapons, civilian casualties are inevitable, including the elderly and children, whom the strikes are meant to protect.

The world reacts by asking: if you cannot count on international law, then you must find other ways to ensure your security. Thus a growing number of countries seek to acquire weapons of mass destruction. This is logical: if you have the bomb, no one will touch you. We are left with talk of the need to strengthen nonproliferation, when in reality this is being eroded.

We must stop using the language of force and return to the path of civilized diplomatic and political settlement.

A new opportunity to avoid military action has emerged in the past few days. The United States, Russia and all members of the international community must take advantage of the Syrian government’s willingness to place its chemical arsenal under international control for subsequent destruction. Judging by the statements of President Obama, the United States sees this as an alternative to military action.

I welcome the president’s interest in continuing the dialogue with Russia on Syria. We must work together to keep this hope alive, as we agreed to at the Group of 8 meeting in Lough Erne in Northern Ireland in June, and steer the discussion back toward negotiations.

If we can avoid force against Syria, this will improve the atmosphere in international affairs and strengthen mutual trust. It will be our shared success and open the door to cooperation on other critical issues.

My working and personal relationship with President Obama is marked by growing trust. I appreciate this. I carefully studied his address to the nation on Tuesday. And I would rather disagree with a case he made on American exceptionalism, stating that the United States’ policy is “what makes America different. It’s what makes us exceptional.” It is extremely dangerous to encourage people to see themselves as exceptional, whatever the motivation. There are big countries and small countries, rich and poor, those with long democratic traditions and those still finding their way to democracy. Their policies differ, too. We are all different, but when we ask for the Lord’s blessings, we must not forget that God created us equal.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Setembro 12, 2013, 05:36:22 pm
Síria: mulheres de armas

Um batalhão só de mulheres
A Unidade de Defesa Feminina, ligada à Unidade de Defesa das Pessoas, braço armado do partido sírio Unidade Democrática, anunciou a formação do seu quarto batalhão, composto exclusivamente por mulheres.

Na luta pela democracia
Este braço armado feminino apelou às mulheres da região para que se unissem em defesa do território. Na base deste apelo está o receio do escalar da guerra na Síria. O objetivo deste batalhão é lutar por uma Síria democrática

Mulheres tomam a pulso a defesa do país
Este é o quarto batalhão feminino criado na Síria, composto essencialmente por mulheres curdas. As mulheres que agora treinam na vila de Qamishlo seguem as pisadas daquelas que ingressaram no primeiro batalhão, em março deste ano, e lutaram lado a lado com as forças da oposição em Alepo.

A guerra civil dentro da guerra civil
Além do conflito entre as forças da oposição e o regime sírio, as milícias curdas combatem também grupos da al-Qaeda que atuam no norte da Síria. Os curdos estão entre as maiores etnias sem Estado do mundo e representam atualmente 10% da população na Síria.

Lealdades divididas
O reclamado território curdo está dividido entre a Turquia, o Iraque, o Irão, Síria, Armênia e Azerbeijão. Com cerca de 500.000 km², o território curdo foi marcado pelas rebeliões em prol da criação de um Estado próprio, violentamente reprimidas pelos Governos dos vários países da região. Agora, as forças curdas da Síria juntam-se à oposição na luta contra Bashar al-Assad, e em prol da democracia na Síria

 :arrow: http://noticias.sapo.pt/fotos/siria-mul ... 7/#verfoto (http://noticias.sapo.pt/fotos/siria-mulheres-de-armas_431726/5220872958bd8da021000417/#verfoto)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 12, 2013, 07:29:07 pm
EUA já começaram a enviar armas e munições aos rebeldes sírios
PÚBLICO   12/09/2013 - 12:35

Citar
Ajuda norte-americana também inclui veículos militares, mas também ambulâncias e carros de bombeiros.

Os Estados Unidos começaram a fornecer armas e equipamentos técnicos aos rebeldes sírios, revela a edição desta quinta-feira do Washington Post.

Citando fontes americanas e sírias, o diário americano escreve que, nos últimos 15 dias, a CIA tem vindo a entregar carregamentos de ajuda material letal – armas ligeiras e munições - a partir de bases secretas na Turquia e na Jordânia. O jornal também escreve que o Departamento de Estado enviou veículos, equipamentos de comunicação sofisticados e kits médicos de combate.

Esta ajuda chega meses depois do Presidente Barack Obama ter anunciado que os EUA iriam aumentar a ajuda aos rebeldes sírios e num momento crucial no terreno de batalha, em que as forças de Bashar al-Assad tem vindo a somar importantes reconquistas de território.

O Washington Post cita responsáveis americanos que explicam que o objectivo deste importante reforço de assistência material é ajudar a reforçar a coesão entre os grupos armados da oposição síria.

Khaled Saleh, porta-voz da Coligação da Oposição Síria, disse que a ajuda de Washington é bem-vinda mas insuficiente para mudar a relação de forças no terreno. “Se compararmos aquilo que estamos a receber com o que Assad recebe do Irão e da Rússia, a verdade é que temos uma longa batalha pela frente.”

“É melhor que nada”, disse ao Washington Post um oficial da oposição síria sob anonimato, sublinhando que Washington continua relutante em entregar aos rebeldes aquilo de que eles mais precisam: baterias antiáereas e antitanque.

Para além do apoio militar que está a chegar essencialmente aos rebeldes que lutam sob o comando do general Salim Idriss – um militar de carreira que fala inglês fluentemente e que desertou do exército de Assad no ano passado –, oficiais americanos que operam a partir da Turquia também estão a trabalhar na promoção de líderes moderados nas cidades e vilas  nas áreas controladas por rebeldes.

Para contrariar a crescente influência de lideranças mais extremistas, a assistência norte-americana às comunidades civis traduz-se em formação em gestão municipal, mas também em camiões do lixo, ambulâncias e carros de bombeiros, entre outras coisas.

“Se virem carros de bombeiros ou ambulâncias novinhas em folha em sítios onde os homens da Jabhat al-Nusra [radicais extremistas ligados à Al-Qaeda que combatem as forças de Assad] estão a conquistar a confiança e o apoio das populações, acreditem que isso pode não ser uma coincidência”, disse ao jornal um oficial americano sob anonimato.

Isto é que devia ser verdadeiramente alvo de sanções internacionais.

Estão muito preocupado com os mortos dizem eles. Então que fazer: mandar mais armas.

Nada como enviar armas que matam pessoas para evitar que pessoas sejam mortas...

Já agora que refiram também já aqui as armas quimicas que os EUA tinham mandado anteriormente aos rebeldes.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 07:45:13 pm
Tenha cuidado Edu. Agora está na lista dos teóricos da conspiração.

 :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 12, 2013, 08:30:16 pm
Citação de: "mafarrico"
Tenha cuidado Edu. Agora está na lista dos teóricos da conspiração.

 :lol:  :G-beer2:

Os Russos deram a Obama & associados, uma oportunidade única de salvarem a face perante a gigantesca burrada que fizeram. Contudo quem manda são os "negócios" e a coisa está simplesmente em "pause".
Não deixa de ser estranho toda uma série de situações mas o "petas&tangas" afirma que há mais provas de que Assad ordenou o ataque de que o Holocausto aconteceu  :roll:  :roll:  e se ele disse é porque a FLAD disse e, se a FLAD disse é porque veio na Fox e, se veio na Fox, é porque é a mais pura e cristalina das verdades, apesar de se limitar a 4 paginas de "we strongly believe that"   :roll:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 08:42:29 pm
FoxTroop

Eu sabia que podia contar consigo. Aquela dissertação do Papatango sobre as fontes foi ...não tenho palavras. Para a CIA o youtube serve como fonte.Tudo bem. Mas no youtube há videos que dizem que o mundo vai acabar em 2012 (teorias da conspiração). Devo confiar nesta fonte?
O que é que a gente há-de fazer? Ás vezes temos que aturar os papatangas que andam por ai.

força
 :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 12, 2013, 10:02:40 pm
A coisa não está a acalmar. Os russos continuam a mandar navios para a costa da Síria e em breve estarão 14 unidades navais da Armada Russa ao largo da Síria  :roll:  :)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 12, 2013, 10:49:28 pm
Citação de: "FoxTroop"
Contudo quem manda são os "negócios" e a coisa está simplesmente em "pause".

Ninguém gosta de ser roubado e o Putin tem para "alimentar" muita gente influente que o mantem no poder. Ceder na Siria é o principio do fim.

Citação de: "FoxTroop"
estupidez cega dos seus actores politicos.

Completamente loucos. Vale tudo, não respeitam ninguém. Eles pensavam que o Putin ia ceder mais facilmente. Esta guerra não vai resolver nada. A América é a América. O que é que a Russia vai fazer na hora da verdade?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Setembro 13, 2013, 12:38:17 am
Então o Obama veio dizer ontem que ia adiar a acção militar na Siria para explorar a via diplomática.

http://www.publico.pt/mundo/noticia/obama-adia-accao-militar-na-siria-para-explorar-via-diplomatica-1605471

No entanto hoje vem se a saber que anda a enviar armamento para os rebeldes, realmente não há melhor maneira de por água na fervura do que meter armas nas mãos das pessoas.

Já parece aquela história do homem que matou o cunhado, que a determinada altura diz que manda dois tiros num portão do café só para alcamar os animos:



http://youtu.be/oUVSaO1iYpg?t=6m50s

Isto realmente eles lembram-se com cada uma.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 13, 2013, 09:40:21 pm
França, Arábia Saudita, Emirados e Jordânia vão aumentar apoio aos rebeldes sírios


França, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos e Jordânia decidiram hoje aumentar o apoio aos rebeldes sírios, durante uma reunião em Paris. O Presidente francês, François Hollande, e os ministros dos Negócios Estrangeiros daqueles três Estados árabes argumentaram que se justifica manter a pressão sobre o Presidente sírio, Bashar al-Assad.

Esta pressão foi justificada com a necessidade de o “dissuadir a recorrer de novo a armas químicas e conseguir que inicie negociações para uma solução política”.

Através de um comunicado da Presidência francesa, os participantes divulgaram que “acordaram na necessidade de reforçar o apoio internacional à oposição democrática que lhe permita enfrentar os ataques do regime”.

Criticaram ainda as autoridades de Damasco por, devido ao que disseram ser a sua obstinação, estarem a favorecer os movimentos extremistas e a ameaçar “a segurança regional e internacional”. O Presidente francês e os ministros árabes asseguraram ainda que o seu objetivo é “uma Síria unida e livre, em que se respeitem a segurança e os direitos de todas as comunidades”.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 13, 2013, 10:28:11 pm
Citação de: "FoxTroop"
Não deixa de ser estranho toda uma série de situações mas o "petas&tangas" afirma que há mais provas de que Assad ordenou o ataque de que o Holocausto aconteceu :roll: :roll: e se ele disse é porque a FLAD disse e, se a FLAD disse é porque veio na Fox e, se veio na Fox, é porque é a mais pura e cristalina das verdades, apesar de se limitar a 4 paginas de "we strongly believe that" :roll:

Basta usar o senso comum. Quais são as provas que os americanos têm para culpar o Assad? Acho que eles têm duas intercepções passadas por Israel. Também as tinham no Iraque e foi o que foi. Numa delas é um tipo do Hezbolah a dizer que o Assad não devia ter feito o ataque.Isto não prova nada.Outra é a de um general do regime em pânico logo após o ataque. Dizem os americanos que isto é sinal que não é claro donde vem as ordens. A meu ver isto só prova que o regime não sabia mesmo o que se estava a passar. Depois há os videos e a recolha de amostras. Mas a pergunta mantem-se. Who did it? Eles dizem que só o regime é que tem armas químicas. Isso é outra tanga.Querem fazer passar a imagem que os rebeldes são uns desgraçados. Toda a gente sabe quem é que os anda a armar e não é desde ontem. Já houve no conflito outros episódios de ataques quimicos. Os indicios apontam para o uso dos rebeldes. http://www.policymic.com/articles/61295/media-tells-us-that-syria-used-chemical-weapons-but-look-what-the-un-says
Quanto ao motivo para o do dia 21 de Agosto, os rebeldes esses sim tinham o motivo. Estão a perder a guerra e precisam de intervenção militar ocidental. E depois temos a media alternativa. E os relatos que vêm dai, alguns in loco dão conta do contrário, os rebeldes é que foram os responsáveis. Porque é que eles se recusam a mostrar o material que têm? Porque não querem ficar expostos ao ridiculo. Não têm material suficiente. É simples.Quem disse que eles não tinham aprendido com o Iraque?

Entretanto está para sair o relatóro da ONU. O Putin na sua inocência :evil:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 13, 2013, 10:57:55 pm
http://www.mcclatchydc.com/2013/09/09/2 ... jOJlpH9W_R (http://www.mcclatchydc.com/2013/09/09/201515/intercepts-caught-assad-rejecting.html#.UjOJlpH9W_R)

Intercepts caught Assad rejecting requests to use chemical weapons, German paper says
By Matthew Schofield | McClatchy Foreign Staff

Posted on Monday, September 9, 2013

BERLIN — Syrian President Bashar Assad has repeatedly rejected requests from his field commanders for approval to use chemical weapons, according to a report this weekend in a German newspaper.

The report in Bild am Sonntag, which is a widely read and influential national Sunday newspaper, reported that the head of the German Foreign Intelligence agency, Gerhard Schindler, last week told a select group of German lawmakers that intercepted communications had convinced German intelligence officials that Assad did not order or approve what is believed to be a sarin gas attack on Aug. 21 that killed hundreds of people in Damascus’ eastern suburbs.

The Obama administration has blamed the attack on Assad. The evidence against Assad was described over the weekend as common sense by White House Chief of Staff Denis McDonough on CNN’s "State of the Union."

“The material was used in the eastern suburbs of Damascus that have been controlled by the opposition for some time,” he said. “It was delivered by rockets, rockets that we know the Assad regime has, and we have no indication that the opposition has.”

Russia has questioned that logic, announcing last week that in July it filed a 100-page long “technical and scientific” report on an alleged March 19 chemical weapons attack on a suburb of Aleppo that it says implicates rebel fighters.

A U.N. team dispatched to Syria to investigate the March 19 attack was sent to the scene of the Aug. 21 incident. The samples it collected are currently being analyzed in Europe at labs certified by the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons, the international agency that monitors compliance with chemical weapons bans.

The German intelligence briefing to lawmakers described by Bild am Sonntag fits neither narrative precisely. The newspaper’s article said that on numerous occasions in recent months, the German intelligence ship named Oker, which is off the Syrian coast, has intercepted communications indicating that field officers have contacted the Syrian presidential palace seeking permission to use chemical weapons and have been turned down.

The article added that German intelligence does not believe Assad sanctioned the alleged attack on August 21.

Last week, the German newsmagazine Der Spiegel, also citing a briefing for German legislators, said that the Oker had intercepted a phone call between a commander from the Lebanese militant group Hezbollah and an official at an unidentified Iranian embassy saying that Assad had ordered the Aug. 21 chemical attack out of anger. The Hezbollah commander called the attack a “huge mistake,” Der Spiegel said. It was not clear if the two news accounts were based on the same or different briefings.

Assad told American journalist Charlie Rose in an interview to be broadcast in its entirety Monday night on PBS that “there has been no evidence that I used chemical weapons against my own people.”

Even if Assad didn’t approve the use of chemical weapons, he’d likely be held responsible for its use by a rogue unit within Syria’s security forces.

David Butter, a Syria expert with the British think tank Chatham House, called the German intelligence “an interesting distraction, but nothing more right now.”

“To build a case that Assad had no role in the use of chemical weapons, we’d need a lot more evidence,” he said. “And, of course, as head of state, if a war crime has been committed by his regime, he is ultimately responsible.”

The German intelligence report would seem to fit the European mood of the moment, however, that U.S. military action must wait for the results of the U.N. investigation. “What happened is all very murky,” Butler said. “Let’s wait for the United Nations investigation before talking about the next step.”

European foreign ministers on Saturday issued a statement calling the Aug. 21 attack a “war crime,” but said nothing should be done without U.N. approval. New opinion polls over the weekend in France, Germany and Great Britain showed strong disapproval of military action in Syria. The British poll, done for The Sunday Telegraph, indicated only 19 percent of the population backs the idea of military action with the United States, while 63 percent oppose it. The polls in France and Germany showed similar margins of opposition.

Meanwhile, a new tabulation of the dead from the Aug. 21 incident raised more questions about Obama administration officials’ account of what took place.

The Damascus Center for Human Rights Studies, an anti-Assad group, said that it had been able to document 678 dead from the attacks, including 106 children and 157 women. The report said 51 of the dead, or 7 percent, were fighters from the Free Syrian Army, the designation used to describe rebels that are affiliated with the Supreme Military Council, which the U.S. backs.

The report said that the organization was certain that more than 1,600 died in the attack, but that it had not been able to confirm the higher number.

U.S. Secretary of State John Kerry has said 1,429 people died Aug. 21, included 426 children, but has not said how the United States obtained the figures. Other estimates have ranged from a low of “at least 281” by the French government to 502, including “tens” of rebel fighters and about 100 children, by the Syrian Observatory for Human Rights, a London-based group that tracks violence in Syria.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 13, 2013, 11:16:11 pm
Parede de texto é que não!  :?
Pelo menos salientem as partes mais importantes!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 13, 2013, 11:32:49 pm
vale a pena perder uns minutos e lê-lo na integra. une vários pontos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 13, 2013, 11:52:03 pm
Derrubar o Assad fazia o quê?!
Não é preciso. Já se começaram a matar uns aos outros.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 14, 2013, 05:00:31 pm
Rebeldes rejeitam acordo entre EUA e Rússia


O chefe dos rebeldes do Exército Livre Sírio rejeitou hoje o acordo entre os EUA e a Rússia para a eliminação das armas químicas na Síria até meados de 2014.

"Não podemos aceitar qualquer parte desta iniciativa. Nós, Exército Livre Sírio, estamos despreocupados com a implementação de qualquer parte deste acordo. Eu e os meus camaradas de armas vamos continuar a lutar até que o regime cair", disse o general Selim Idriss aos jornalistas em Istambul.

Idriss falava logo após o anúncio do acordo alcançado entre os EUA e a Rússia quanto a um plano de eliminação das armas químicas sírias que dá uma semana a Damasco para apresentar a lista destas armas e prevê a adoção de uma resolução da ONU.

"Devemos nós sírios esperar até meados de 2014, continuando a sermos assassinados diariamente, e a aceitar [o acordo], só porque as armas químicas serão destruídas em 2014", questionou Idriss.

O general frisou respeitar "os amigos" [na comunidade internacional] e esperar que esta entenda a posição do seu exército.

"Não podemos aceitar esta iniciativa, porque ela ignora os massacres do nosso povo", sustentou.

O acordo russo-norte-americano surge depois da ameaça de ataque ao regime do presidente sírio Bashar al-Assad pelos EUA e França por aquele ter alegadamente usado armas químicas no massacre perto de Damasco que matou centenas de pessoas a 21 de agosto.

Já Damasco responsabilizou os rebeldes pelo ataque.

Os planos de ataque foram adiados depois de a Rússia ter proposto a sujeição das armas químicas da Síria a supervisão internacional, com a qual Assad concordou.

Idriss também acusou a Rússia de conspirar com Damasco para encontrar uma saída segura para Assad.

"Ao concordar entregar as armas, o regime reconheceu o seu crime. Então devem as armas serem entregues, sem se entregar o criminoso? Apelo que Bashar al-Assad seja levado hoje ao Tribunal Penal Internacional, porque ele é um criminoso", sublinhou.

Os EUA e a Rússia chegaram hoje a acordo sobre um plano de eliminação das armas químicas sírias que dá uma semana a Damasco para apresentar a lista destas armas e prevê a adoção de uma resolução da ONU.

Os Estados Unidos e a Rússia "estão de acordo que a resolução da ONU se refira ao capítulo 07 sobre o recurso à força", anunciou hoje em Genebra o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, ao fim de três dias de discussões com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, em Genebra.

Segundo o acordo agora alcançado, inspetores deverão estar no terreno, na Síria, até novembro, com o objetivo de eliminar as armas químicas do país até meados de 2014, acrescentou Kerry.

Numa conferência conjunta com Lavrov, Kerry afirmou que, se o plano for implementado na totalidade pode "acabar com a ameaça que as armas químicas colocam, não só ao povo sírio, mas também aos seus vizinhos".

Na mesma ocasião, Lavrov disse que o encontro que hoje terminou alcançou o objetivo definido pelos presidentes dos dois países na cimeira do G20.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 14, 2013, 07:32:29 pm
http://rt.com/news/turkey-syria-chemical-weapons-850/ (http://rt.com/news/turkey-syria-chemical-weapons-850/)

Turkish prosecutors indict Syrian rebels for seeking chemical weapons

Published time: September 14, 2013 04:01

A court indictment by the Turkish prosecutors into the alleged use of chemical weapons by the Syrian rebels has once again highlighted fears this week that sarin toxic gas was used by the opposition and not the Assad government.

The prosecutor in the Turkish city of Adana has issued a 132-page indictment, alleging that six men of the al-Qaeda-linked al-Nusra Front and Ahrar ash-Sham tried to seek out chemicals with the intent to produce the nerve agent, sarin gas, a number of Turkish publications reported.

The main suspect in the case, 35-year-old Syrian-national Hytham Qassap has been charged with “being a member of a terrorist organization” and “attempting to acquire weapons for a terrorist organization.” The other 5, all Turkish nationals are being charged with “attempting to acquire weapons for a terrorist organization.”

The indictment alleges that Qassap tried to setup a network in Turkey in order to obtain chemical materials for the al-Nusra Front and Ahrar al-Sham Brigades. Citing telephone calls made by the cell, the prosecution believes that the group ordered at least ten tons of chemicals, Al-Alam News Network reports.  

The prosecution also dismissed claims that the suspects were unaware of their wrong doing. “The claim that the suspects didn’t know about the possibility of producing sarin nerve gas from the chemicals they tried to buy is not true which was established when they were testifying,” the document reads.

Meanwhile all six suspects have pleaded not guilty. “The suspects have pleaded not guilty saying that they had not been aware the materials they had tried to obtain could have been used to make sarin gas. Suspects have been consistently providing conflicting and incoherent facts on this matter,” the indictment said.

If convicted, Qassab faces a 25 year prison sentence, while his accomplices face 15 years prison terms.

The six men were a part of a group of 11 people arrested in their safe house in Adana on May 23, 2013. Their apprehension came about after surveillance by Turkish police who’d received a tip that Syrian jihadists were trying to acquire two government-regulated military-grade chemical substances. Five of the detained were released from custody after questioning, background checks and after lab tests proved that chemicals seized during the arrest were not sarin gas.

The international community has long been ignoring worrying reports that the rebel fighters in Syria might be capable of carrying out a chemical attack. Russian President, Vladimir Putin also reiterated this week that while no one doubts that poison gas was indeed used in Syria, there is “every reason to believe it was used not by the Syrian Army, but by opposition forces, to provoke intervention by their powerful foreign patrons.”

Evidence that chemical weapons were used by the opposition was also highlighted by the two European hostages that were freed from Syrian rebel captivity last Sunday. In a phone conversation overheard by hostage Pierre Piccinin da Prata, he said it was clear the rebels used gas on civilians in an August 21 attack near Damascus.

“I don’t think that Bashar Al-Assad and the Syrian government are to blame for the chemical attack in Al-Ghouta,” Piccinin told RT. “It would have been absurd for the Syrian government to use chemical weapons.”

The Syrian government has always rejected any accusations of using chemical weapons. After one of the first alleged incidents in Aleppo in March, it was the government that called on UN to send in chemical experts. Another alleged chemical weapons use was reported in Homs in December 2012.

Russian experts flew out to the site of the attack in March to collect samples from the incident. On 9 July 2013, Moscow submitted the results of its inquiry into the use of chemical weapons at Aleppo to the United Nations. Russian scientists analyzing the 19 March 2013 attack found that it was most likely launched by opposition forces, and not the Syrian government.

“It was determined that on March 19 the rebels fired an unguided missile Bashair-3 at the town of Khan al-Assal, which has been under government control. The results of the analysis clearly show that the shell used in Khan al-Assal was not factory made and that it contained sarin,” UN envoy Vitaly Churkin has said.

The United Nations independent commission of inquiry on Syria into the attack in March concluded that no evidence of the use of sarin by Syria’s government troops has so far been uncovered. The lead investigator, Carla Del Ponte, did hint that it was the rebels that most likely used the chemical weapons.

“The Independent International Commission of Inquiry on the Syrian Arab Republic wishes to clarify that it has not reached conclusive findings as to the use of chemical weapons in Syria by any parties to the conflict.  As a result, the Commission is not in a position to further comment on the allegations at this time,” the statement read.

Meanwhile, the UN chemical weapons inspection team has completed the report on the latest chemical attack in Syria on August 21 and will deliver it to UN Secretary General Ban Ki-Moon over the weekend.

"I believe that the report will be an overwhelming report that chemical weapons (were) used, even though I cannot publicly say at this time before I receive this report," Moon said.

Although the team was not authorized to draw any conclusions on who was the perpetrator of the attack, a number of US officials speaking to the media on condition of anonymity over the last couple of days indicated that the report would hint the Assad government was responsible.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 14, 2013, 09:52:26 pm
http://english.almanar.com.lb/adetails. ... eid=110043 (http://english.almanar.com.lb/adetails.php?fromval=1&cid=31&frid=31&eid=110043)

Daoud Rammal – As-Safir

Aggression was over the Moment those Two Missiles were Fired

A well informed diplomatic source told As-Safir newspaper that “the US war on Syria had started and ended the moment those two ballistic missiles were fired, leaving inconsistent information, as Israel denied and Russia confirmed, until an Israeli statement was issued indicating they were fired in the context of an Israeli-US joint drill and fell in the sea, and that they were not related to the Syrian crisis.”

The source further told the Lebanese daily that “the US forces fired these two rockets from a NATO base in Spain, and were instantly detected by the Russian radars and confronted by the Russian defense systems, so one of them exploded in the airspace and the second one diverted towards the sea.”

In this context, the source pointed out that “the statement issued by the Russian Defense Ministry, which stated the detection of two ballistic missiles fired towards the Middle East, intended to neglect two points: the first was the location from which the two rockets were fired, and the second was their downing. Why? Because the moment the full military operation was launched, Head of the Russian Intelligence Service contacted the US intelligence and informed it that “hitting Damascus means hitting Moscow, and we have removed the term “downed the two missiles” from the statement to preserve the bilateral relations and to avoid escalation. Therefore, you must immediately reconsider your policies, approaches and intentions on the Syrian crisis, as you must be certain that you cannot eliminate our presence in the Mediterranean.”

“This unannounced direct confrontation between Moscow and Washington increased the Obama Administration’s confusion and certainty that the Russian side was ready to move until the end with the Syrian cause, and that the US did not have a way out of its impasse except through a Russian initiative which would save America’s face…” he added.

From this point, the diplomatic source clarified that “in order to avoid further US confusion, and after Israel denied knowing anything about the rocket firing in its first statement, which is the truth, Washington demanded Tel Aviv to adopt the rocket firing to save its face in front of the International Community, especially since these two rockets were the beginning of the US aggression on Syria and the announcement of the beginning of military operations, after which US President Barack Obama was supposed to go to the G20 Summit in Russia to negotiate the destiny of Syrian President Bashr Al-Assad. However, he went to find a way out of the impasse he’s in.”

The source further indicated that “after the US-Russia rocket confrontation, Moscow intended to increase its number of military experts in Russia, and added to its military units and destroyers to enhance its military presence in the Mediterranean. It also set a time for announcing about its initiative on stopping the aggression on Syria after the G20 Summit, after drawing a side scene on the sidelines of the summit which was followed by two successive visits for Iranian Foreign Minister, Hussein Amir Abdul Lahyan, and Syrian Foreign Minister, Walid Al-Moallem, in which a way out was agreed on with the Russian side, and it included a Syrian announcement on approving the Russian initiative regarding putting Syrian chemical weapons under international supervision and preparing Syria for joining the non-proliferation treaty.

Finally, the source pointed out that “One of the first results of the US-Russian military confrontation was the British House of Commons’ rejection to participate in a war on Syria. This was followed by European stances, most significantly, the German stance announced by Chancellor Angela Merkel."

 Translated by Sara Taha Moughnieh
12-09-2013 - 16:04 Last updated 12-09-2013 - 16:04
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 14, 2013, 10:42:28 pm
Citação de: "mafarrico"
Aggression was over the Moment those Two Missiles were Fired

A well informed diplomatic source told As-Safir newspaper that “the US war on Syria had started and ended the moment those two ballistic missiles were fired, leaving inconsistent information, as Israel denied and Russia confirmed, until an Israeli statement was issued indicating they were fired in the context of an Israeli-US joint drill and fell in the sea, and that they were not related to the Syrian crisis.”.............

Caro mafarrico, uma das melhores maneiras de contar um acontecimento verdadeiro mas humilhante para nós, é enfiar o mesmo como facto numa mentira. Cabe a nós, simples "zezinhos" que não passam de massa de manobra, tentar discernir o que é do que não é, cruzando informação, indagando, estruturando e sempre, e acima de tudo, perguntado-nos a quem é que isto convém.

Um abraço.

 :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 15, 2013, 02:08:54 pm
Oposição síria quer estender proibição a mísseis e aviação


A oposição síria exigiu hoje que, além de controlar as armas químicas, a comunidade internacional proíba o regime de Damasco de usar mísseis balísticos e a aviação contra civis.

"A Coligação Nacional Síria insiste que a proibição das armas químicas, cuja utilização deixou mais de 1400 civis mortos, seja estendida ao uso de mísseis balísticos e aviões contra áreas urbanas", disse a organização em comunicado.

A oposição não comentou diretamente o acordo alcançado no sábado entre a Rússia e os EUA para eliminar o arsenal químico sírio, mas justificou o facto de Damasco aceitar a destruição das suas armas químicas com "o medo de um ataque militar".

A coligação reconheceu a necessidade de "aproveitar esta oportunidade de parar a campanha do regime contra zonas residenciais e de pôr fim ao sofrimento do povo sírio".

A juntar à proibição da ameaça aérea por parte do regime, a oposição pediu a recuperação de um plano para afastar o armamento pesado das áreas habitadas e para proibir o seu uso contra cidades, vilas e aldeias.

"Não devemos deixar que o regime sírio use a aceitação da Convenção de Armas Químicas como desculpa para continuar a matar sírios e escapar impune", acrescentou o comunicado.

"O controlo das armas químicas do regime deve ser acompanhado de uma busca de justiça para os autores dos ataques químicos, que devem ser levados ao Tribunal Penal Internacional".

A coligação pede também aos seus apoiantes árabes e internacional para que reforcem a capacidade militar da oposição, o que lhe permitiria neutralizar o poder aéreo do regime e forçar o presidente, Bashar al-Assad, a acabar com a campanha militar e aceitar uma solução política que garanta uma transição democrática.

Os EUA e a Rússia chegaram no sábado a acordo sobre um plano de eliminação das armas químicas sírias que dá uma semana a Damasco para apresentar a lista destas armas e prevê a adoção de uma resolução da ONU.

Os Estados Unidos e a Rússia "estão de acordo que a resolução da ONU se refira ao capítulo 07 sobre o recurso à força", anunciou hoje em Genebra o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, ao fim de três dias de discussões com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov, em Genebra.

O acordo entre Washington e Moscovo prevê para o regime de Damasco prazos muito mais curtos do que aqueles que estão estabelecidos na Convenção para a Proibição de Armas Químicas para a eliminação de arsenais químicos.

Segundo o acordo agora alcançado, inspetores deverão estar no terreno, na Síria, até novembro, com o objetivo de eliminar as armas químicas do país até meados de 2014.

De acordo com as Nações Unidas, o conflito na Síria - em que a contestação popular ao regime degenerou em guerra civil - fez mais de 100 mil mortos desde 2011 e perto de dois milhões de refugiados, que têm sido acolhidos sobretudo na Jordânia, Turquia e Líbano.

Os EUA estimam que a Síria possua mil toneladas de vários agentes químicos, incluindo gás mostarda e gás sarin.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 15, 2013, 04:08:07 pm
A evolução dos combates na Siria:

Fevereiro 2012
(http://p3.img.cctvpic.com/program/africalive/20120215/images/1329266609160_1329266609160_r.jpg)

Março
(http://www.afp.com/sites/default/files/styles/large/public/photo_1346490308265-1-0_0.jpg)

Julho
(https://lh3.ggpht.com/-iKBNgj-K7no/UARFBZXgyMI/AAAAAAAAAow/sySlYiPLb0c/s1600/syria_uprising_2012-7-12.png)

Outubro
(https://lh3.ggpht.com/-DLeI_hLFewo/UIbOtVO3cwI/AAAAAAAAA2Q/9MCR3BQVeNw/s1600/syria_uprising_2012-10-23.png)

Novembro
(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/64531000/gif/_64531431_syria_insurg464x595_nov.gif)

Janeiro de 2013
(http://s9.postimage.org/rmh71vuov/Syrian_Civil_War.png)

Março
(https://lh3.ggpht.com/-aXmm5TVPE2E/UTo6P5dLHRI/AAAAAAAABOs/rFY3Yp48H14/s1600/syria_uprising_2013-03-08.png)

Maio
(http://si.wsj.net/public/resources/images/P1-BL601A_SYRIA_G_20130520192707.jpg)

Junho
(https://lh3.ggpht.com/-ElvWFfMbMJQ/UcnPSLFzU7I/AAAAAAAABdU/F6mLta2_luw/s1600/syria_uprising_2013-06-25.png)

Julho
(http://static1.businessinsider.com/image/51e812e1eab8eaeb2b000015-1002-746/screen%20shot%202013-07-18%20at%2010.43.04%20am.png)

Agosto
(https://lh3.ggpht.com/-S4tlSGkjRbA/UhZNVGf7mgI/AAAAAAAABjQ/_9hZzdly8KQ/s1600/syria_civil_war_rebel_control_map_2013-08-22.png)

 :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 15, 2013, 04:28:00 pm
Obama, como comandante-em-chefe, na crise síria
Alexandre Reis Rodrigues


Para vários especialistas e comentadores internacionais, quase todos “pesos pesados” nos jornais e revistas de maior circulação mundial, a Síria constitui hoje um “case study” de como a política externa americana não deve ser conduzida. De facto, o que é conhecido da forma como a administração americana tem lidado com o conflito sírio, incluindo a possibilidade de uma intervenção militar, revela um processo demasiado inconsistente para ser verdade, estando a falar da maior potência mundial.

O assunto é importante porque, no final, é a imagem dos EUA e do seu atual Presidente que sai fragilizada. Falta ver, no entanto, como o político brilhante que é Obama vai conseguir sair do imbróglio em que se deixou envolver e alterar a perceção de líder indeciso e pouco afirmativo, que tem hoje, principalmente aos olhos árabes. Para já conseguiu tornear com sucesso os problemas que tinha para o curto prazo, evitando, pelo menos nos tempos mais próximos, uma intervenção militar que, contra os seus desejos, se estava a tornar inevitável e suspendendo uma votação do Congresso que tinha alta probabilidade de lhe não ser favorável (segundo uma sondagem, na Câmara dos Representantes não se esperavam mais de 203 “sins”, quando o mínimo necessário para a resolução passar seriam 217. No Senado, Obama ficaria mais longe do seu objetivo; conseguiria 22 votos a favor quando precisaria de 50).~

Vamos ter que esperar para ver como vai funcionar na prática o acordo conseguido em Genebra entre Kerry e Lavrov, segundo o qual um grupo de inspetores internacionais procederá, durante o mês de novembro, a uma inventariação de todo o arsenal de armas químicas, a partir de uma listagem inicial a ser facultada pelo regime sírio até 21 de setembro. A destruição de todo o material relacionado, ainda segundo o acordo, deverá estar concluída até meados de 2014. Como será possível concluir esta tarefa num cenário de guerra civil que obrigará garantir a segurança dos inspetores e será, muito provavelmente, interferida pela oposição que esperava
uma intervenção militar dos EUA para enfraquecer o regime? Conseguirá a ONU obter colaboração para reunir o número necessário de inspetores?

São cerca de 1000 toneladas de material espalhadas por mais de 50 locais, alguns dos quais situados em zonas de guerra. Será possível reunir as condições necessárias para que o processo decorra de forma rápida, verdadeira e verificável como Kerry exigia, em declarações iniciais? («It has to be swift, it has to be real, and it has to be verifiable») ou estará os EUA sob o risco de ver mais uma vez as suas exigências ignoradas? Até que ponto estará o regime sírio disposto a encarar as suas obrigações com seriedade? Segundo o general Selim Idriss, líder do Free Syrian Army, as forças governamentais terão começado a mover parte das armas em questão para o Líbano e Iraque, numa tentativa de evitar o seu controlo pelos inspetores das Nações Unidas. Se esta acusação é verdadeira ou apenas uma forma de a oposição síria alimentar o ceticismo que grassa entre os ocidentais quanto à vontade de Assad fazer “jogo limpo” é algo que falta ver.

Para já, o Presidente Putin conseguiu oferecer ao Presidente Obama uma alternativa que evitou a intervenção militar americana. Se vai resultar ou não é assunto que não preocupa Moscovo. Não faltarão bodes expiatórios para apontar como responsáveis pelo falhanço. Se está ou não a contribuir para o prolongamento do conflito também não é assunto relevante. Putin não tem como objetivo principal proteger Assad, muito embora com a sua iniciativa, esteja a ajudá-lo a reforçar a
sua posição e a proporcionar-lhe um sopro de vida na sua capacidade de resistir. O que move Moscovo são interesses estratégicos: regressar ao grande jogo
geopolítico com um estatuto semelhante ao dos EUA, tornar-se indispensável na procura de soluções para o conflito sírio, disputar áreas de influência dos EUA e
dividir os seus aliados, etc.

O mais extraordinário aspeto deste processo é o facto de a ideia de eliminação das armas químicas sírias pertencer a Obama, quando, há um ano atrás na Cimeira do G-20 no México, apresentou uma proposta que Moscovo rejeitou. Não se compreende como os EUA não voltaram ao assunto, na sequência dos ataques empreendidos por Assad em março e agosto, para exigir a colaboração de Putin. Caso Moscovo continuasse a recusar, os EUA teriam uma base mais sólida para intervir militarmente, podendo assim alegar ter esgotado todas as possíveis iniciativas diplomáticas. Acabaram por conseguir a saída por que Obama ansiava mas com o custo elevado de perda de iniciativa a favor de Moscovo, às mãos de quem ficam nos tempos mais próximos no que respeita à Síria. Curiosamente, no dia nove de setembro, em resposta a um jornalista que o interrogava sobre se haveria alguma coisa que Assad pudesse fazer para evitar a intervenção, Kerry respondia do seguinte modo: «Sure. He could turn over every bit of his chemical weapons to the international community in the next week». Mas como esclareceu o Departamento de Estado logo a seguir, Kerry não estava a fazer qualquer proposta. Quem fez a proposta foi Moscovo no dia seguinte! Não se compreende a inépcia dos EUA, a menos que existam factos de bastidores que expliquem este desenlace.

O presidente Obama é quase o oposto do seu antecessor. A imagem de Bush era a de um Presidente que depois de tomar uma decisão nunca voltava atrás e esforçava-se sempre por mostrar não ter dúvidas, mesmo quanto decidiu recorrer ao uso da força, sem consenso internacional nem autorização do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Obama conduziu as suas campanhas eleitorais e tem orientado a sua presidência sob uma clara preocupação de se demarcar da postura de Bush. Os seguintes extratos de declarações suas, no passado recente sobre a crise síria, retratam muito claramente o seu pensamento:

«I was elected to end wars, not to start them. I’ve spent the last four and a half years doing everything I can to reduce our reliance on military power as a means of meeting our international obligations and protecting American people».


«My goal is maintain the international norm on banning chemical weapons. I want that enforcement to be real».


«I am not itching for military action … and if there are good ideas that worth pursuing, then I’m going to be open to them».


«I fervently hope that this can be resolved in a nonmilitary way».

Aparentemente, o caminho que traçou é o que a opinião pública americana esperava, em especial no que respeita ao emprego de tropas no terreno em conflitos prolongados e de desfecho incerto. Ao contrário de Bush, Obama mostrasse extremamente relutante em intervir neste tipo de conflitos mas não hesita, de novo em oposição ao que fazia Bush, em envolver-se nas chamadas “guerras secretas” com intervenções em territórios estrangeiros, através do emprego de “drones” armados, que tem conduzido à revelia de vários tipos de escrutínios internos a que se devia ter sujeitado mas que, afinal, tem ignorado.

Esta situação mostra que, ao contrário das acusações que lhe fazem alguns opositores, nomeadamente o senador republicano Bob Corker - um insistente defensor da intervenção militar - Obama não é um comandante-em-chefe que se sente desconfortável no seu papel. Apenas não quer envolver-se em operações de contra-insurreição exigindo prolongados e dispendiosos empenhamentos militares no terreno. Rege-se, sobretudo, por princípios de pragmatismo que também têm pouco ou mesmo nada a ver com preocupações com questões de Direito Internacional ou de obtenção de concordância do Congresso para intervir militarmente. Usou estes expedientes no caso da Síria apenas porque lhe convinha ganhar tempo para a procura de uma saída não-militar. Escudou-se em declarações do general Dempsey, Chefe da Junta de Chefes de Estado Maior, que considerou que a operação não era «time sensitive», isto é, que não precisaria de ser executada imediatamente e tentou passar o ónus da decisão de intervir para o Congresso.

Lamentavelmente, também não foi consistente ao impor “linhas vermelhas” quando não tinha qualquer intenção de intervir. Errou desastradamente na gestão do “bluff” que fez com a questão do emprego de armas químicas pelo regime sírio ao partir do princípio de que era muito baixa a probabilidade de Assad tomar qualquer iniciativa que pudesse desencadear uma intervenção externa. Pôs em causa a credibilidade dos EUA e não conseguiu evitar que entre os seus mais diretos colaboradores, em especial, os Secretários de Estado e da Defesa, deixassem transparecer para o exterior flagrantes diferenças de discurso. Pode, em teoria, argumentar que foi graças à pressão militar que fez que acabou por conseguir uma saída diplomática. Mas o que fica é uma imagem negativa de uma postura apenas reativa e levada ao extremo de se deixar “empurrar” por Moscovo para uma solução que deveria ter explorado.


Extrato de algumas opiniões de especialistas e comentadores


Fareed Zakaria, num comentário para a CNN antes do ponto de viragem que levou à suspensão da ideia de uma intervenção em função da proposta russa, considerava que o Presidente Obama tinha acabado por perder-se numa retórica que o deixou sem qualquer saída senão intervir, malgrado a sua evidente relutância em recorrer ao uso da força. A questão da “linha vermelha” que estabeleceu para a hipótese de virem a ser usadas armas químicas, logo que se começou a aventar essa possibilidade, transformou-se numa espécie de “armadilha” criada por si próprio. Deixou-o sem qualquer saída senão intervir se o limite imposto fosse violado, o que acabou por acontecer. Há dois anos, Obama tinha declarado que Assad deveria abandonar o poder mas nada fez diretamente dirigido a esse objetivo. Na verdade, nunca mostrou ter uma estratégia desenhada para esse fim. (Comentário do autor: A credibilidade da sua postura começou a ser posta em causa ainda antes do 21 de agosto, a data dos ataques que alegadamente mataram mais de 1400 pessoas, quando em março houve um primeiro ataque de menor dimensão. Por essa altura, torneou o problema com a promessa de apoio em armamento à oposição, mas essa promessa só começou a concretizar-se há apenas duas semanas.)

Richard N. Hass, também muito crítico do caminho seguido por Obama, realça, em especial, dois aspetos: 1. O facto de o Presidente não estar a garantir que o que anuncia em público é para ser acreditado por todos, amigos e inimigos; 2. A falta de uma estratégia clara, tendo em conta que não fazer nada é uma opção política com sérias implicações. Hass considera que a estratégia a seguir não pode limitar-se à questão da intervenção militar mas que esta, a verificar-se tem que ser mais do que simbólica; tem que ter em custo para Assad que o desencoraje a repetir.

Kenneth Pollack, tem uma posição em parte semelhante quanto à necessidade de uma intervenção minimamente robusta. Se for para fazer algo muito limitado, como anunciou o Presidente, então será preferível não fazer nada («Go big or stay home»). Pollack chamava também a atenção para o facto de o Presidente estar a querer tudo ao mesmo tempo mas sem passar de meias medidas que afinal o estavam a envolver cada vez mais no conflito sem lhe permitirem avançar o que quer que seja. (Comentário do autor: Algumas declarações do Secretário da Defesa e outras notícias vindas a público por essa mesma altura, referindo que o Pentágono estaria a rever os seus planos para garantir que a intervenção não será apenas simbólica, foram associadas à necessidade de desfazer a perceção que entretanto se tinha instalado sobre a natureza limitada e pontual da intervenção.)

Elliott Abrams abordava, em especial, a decisão de submeter ao Congresso um projeto de resolução a autorizar formalmente uma intervenção militar. Chamava a atenção para a inconsistência de o Presidente não ter dado esse passo por ocasião da intervenção na Líbia, em Março de 2011, caso em que estiveram empenhados doze navios de guerra, 75 aviões, incluindo bombardeiros B-2, possivelmente mais do que então se calculava irem ser empregue na Síria. Abrams considera que não pode tratar-se de uma questão de princípio, à luz do processo de decisão seguido no caso da Líbia. (Comentário do autor: É preciso reconhecer que há uma diferença importante que Abrams não referiu. A intervenção na Líbia foi coberta por uma Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, o que não acontecerá no caso da Síria, mesmo que houvesse um consenso relativamente amplo sobre a responsabilidade do regime).

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 15, 2013, 05:37:25 pm
Iranianos na Síria.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 15, 2013, 11:50:47 pm
http://www.telegraph.co.uk/news/worldne ... eport.html (http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/syria/10311007/Syria-nearly-half-rebel-fighters-are-jihadists-or-hardline-Islamists-says-IHS-Janes-report.html)

Syria: nearly half rebel fighters are jihadists or hardline Islamists, says IHS Jane's report

Nearly half the rebel fighters in Syria are now aligned to jihadist or hardline Islamist groups according to a new analysis of factions in the country's civil war.

(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02672/FSA-syria_2672433b.jpg)
Opposition forces have fragmented into as many as 1,000 bands Photo: Rex Features

By Ben Farmer, Defence Correspondent, and Ruth Sherlock in Beirut
7:17PM BST 15 Sep 2013

Opposition forces battling Bashar al-Assad's regime in Syria now number around 100,000 fighters, but after more than two years of fighting they are fragmented into as many as 1,000 bands.

The new study by IHS Jane's, a defence consultancy, estimates there are around 10,000 jihadists - who would include foreign fighters - fighting for powerful factions linked to al-Qaeda..

Another 30,000 to 35,000 are hardline Islamists who share much of the outlook of the jihadists, but are focused purely on the Syrian war rather than a wider international struggle.

There are also at least a further 30,000 moderates belonging to groups that have an Islamic character, meaning only a small minority of the rebels are linked to secular or purely nationalist groups.

The stark assessment, to be published later this week, accords with the view of Western diplomats estimate that less than one third of the opposition forces are "palatable" to Britain, while American envoys put the figure even lower.

Fears that the rebellion against the Assad regime is being increasingly dominated by extremists has fuelled concerns in the West over supplying weaponry that will fall into hostile hands. These fears contributed to unease in the US and elsewhere over military intervention in Syria.

Charles Lister, author of the analysis, said: "The insurgency is now dominated by groups which have at least an Islamist viewpoint on the conflict. The idea that it is mostly secular groups leading the opposition is just not borne out."

The study is based on intelligence estimates and interviews with activists and militants. The lengthy fighting has seen the emergence of hundreds of separate rebel bands, each operating in small pockets of the country, which are usually loyal to larger factions.

(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02672/Jabhat-al-Nusra-_2672440c.jpg)
Rebels from Jabhat al-Nusra at Taftanaz air base, Idlib, in 2011 (AP)

Two factions linked to al-Qaeda, Jabhat al-Nusra and the Islamic State in Iraq and the Levant (ISIL) - also know as the Islamic State of Iraq and al-Shams (ISIS) - have come to dominate among the more extremist fighters, Mr Lister said. Their influence has risen significantly in the past year.

"Because of the Islamist make up of such a large proportion of the opposition, the fear is that if the West doesn't play its cards right, it will end up pushing these people away from the people we are backing," he said. "If the West looks as though it is not interested in removing Assad, moderate Islamists are also likely to be pushed further towards extremists."

Though still a minority in number, ISIL has become more prominent in rebel-held parts of Syria in recent months. Members in northern Syria have sought to assert their dominance over the local population and over the more moderate rebel Free Syrian Army (FSA).

The aim of moderate rebel fighters is the overthrow of their country's authoritarian dictator, but jihadist groups want to transform Syria into a hard-line Islamic state within a regional Islamic "caliphate".

These competing visions have caused rancour which last week erupted into fighting between ISIL and two of the larger moderate rebel factions.

A statement posted online by Islamists announced the launch of an ISIL military offensive in the eastern district of Aleppo which it called "Cleansing Evil". "We will target regime collaborators, shabiha [pro-Assad militias], and those who blatantly attacked the Islamic state," it added, naming the Farouq and Nasr factions.

Al-Qaeda has assassinated several FSA rebel commanders in northern Latakia province in recent weeks, and locals say they fear this is part of a jihadist campaign to gain complete control of the territory.

As well as being better armed and tougher fighters, ISIL and Jabhat al-Nusra have taken control of much of the income-generating resources in the north of the country, including oil, gas and grain.

This has given them significant economic clout, allowing them to "win hearts and minds" by providing food for the local population in a way that other rebel groups cannot.

ISIS has also begun a programme of "indoctrination" of civilians in rebel-held areas, trying to educate Syria's traditionally moderate Sunni Muslims into a more hard-line interpretation of Islam.

In early September, the group distributed black backpacks with the words "Islamic State of Iraq" stamped on them. They also now control schools in Aleppo where young boys are reportedly taught to sing jihadist anthems.

"It seems it is some sort of a long-term plan to brainwash the children and recruit potential fighters," said Elie Wehbe, a Lebanese journalists who is conducting research into these activities.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 16, 2013, 12:57:49 am
Raras imagens da marinha Síria.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Nuno Bento em Setembro 16, 2013, 12:09:39 pm
Citação de: "HSMW"
Raras imagens da marinha Síria.

Uma anedota de Marinha, até parece material de museu.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 16, 2013, 04:34:13 pm
Citação de: "HSMW"
:arrow: http://www.youtube.com/watch?v=YnZXrrj9YnU (http://www.youtube.com/watch?v=YnZXrrj9YnU)
E em resposta ao vídeo anterior.

Se estiverem a comer é melhor parar...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 16, 2013, 06:13:22 pm
(http://4.bp.blogspot.com/-Rbgc61vkTdQ/Ujc37K_TWjI/AAAAAAAAM-A/FjF4QXQdws8/s1600/helicopter.jpg)

http://www.passarodeferro.com/2013/09/f-16-turcos-abatem-helicoptero-sirio.html
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 16, 2013, 06:40:23 pm
Estou espantado  :shock:

Ninguém ainda aqui veio criticar as Nações Unidas, por terem promovido um relatório fascista.



PS: Fui eu que disse ao Ban Ki-moon que era óbvio que tinha sido o Assad.
Portanto as Nações Unidas estão compradas.

Continuem com os sites das teorias da conspiração, eles é que têm razão.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 16, 2013, 07:27:20 pm
Citação de: "papatango"
Portanto as Nações Unidas estão compradas.
Really?!
http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional ... t_id=33447 (http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=33447)
  :shock: Só para relembrar.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 16, 2013, 07:48:14 pm
Pois é.... Eu, assim como milhares de milhões de pessoas, tenho de tornar a fazer o ECL.. :roll:  :roll:

Citar
The inspectors cautioned that the five sites they investigated had been "well traveled by other individuals prior to the arrival of the mission."

"During the time spent at these locations, individuals arrived carrying other suspected munitions indicating that such potential evidence is being moved and possibly manipulated," the report said. The areas were under rebel control, but the report did not elaborate on who the individuals were.

http://news.yahoo.com/un-convincing-evidence-syria-chemical-attack-131653691.html
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 16, 2013, 09:16:15 pm
Impressionante !

O relatório afirma que foram utilizados todos os procedimentos de forma a garantir que as amostras foram recolhidas segundo os métodos a que estão obrigados. OS técnicos não pertenciam a nenhum país do conselho de segurança das nações unidas, para não levantar problemas.
A origem dos disparos foi referenciada a noroeste do local, ou seja na direção de onde se sabia terem sido feitos os disparos, porque foi ali que foram referenciados os flashes dos foguetes detetados pelos satélites americanos.

É claro que os malucos conspirativos são conhecidos pela sua feroz capacidade para inventar factos e distorcer a realidade, como no texto acima, que aparenta indicar que as provas foram trazidas pelos opositores, quando o que indica é exactamente o contrário. Os cuidados para elaborar o relatório vão ao ponto de identificar mesmo quais poderão ser os problemas por ele levantados.

Mas tudo serve, quando o problema é pretendermos à força que a realidade seja outra.
Felizmente, a propaganda dos mesmos, pode cair por terra quando se utiliza o cérebro.

Mas as teorias da conspiração apresentam sempre uma vantagem:
Mesmo depois de provadas falsas, há sempre quem esqueça que já foram desmentidas, para as por novamente a circular. E uma mentira repetida muitas vezes acaba por se transformar em verdade, como dizia Goebels, o homem que dirigiu os serviços de propaganda do III reich.

O III reich. Para alguns aqui, um modelo de virtudes, conforme afirmam aqueles que dizem que nem sequer existiram campos de concentração e que são os mesmos que culpam os rebeldes sírios de se terem atacado a eles próprios, lançando dezenas de mísseis a partir de terreno que não controlavam, utilizando meios técnicos que não tinham, foguetes que não possuiam e por aí fora...

Afinal a putina russa ordenou que pensassem de uma determinada forma, e portanto tudo serve para justificar o que o mafioso disse.



A VERDADE, É QUE AS TEORIAS CONSPIRATIVAS CAIRAM POR TERRA, COMO DEJETOS REPUGNANTES QUE TODOS SABIAMOS QUE ERAM.
Agora, é necessário até descredibilizar o relatório das Nações Unidas, porque o que disse não foi conveniente.

Só me ocorre um adjectivo:

ABJECTO.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 17, 2013, 12:22:56 am
o relatório em questão

http://www.un.org/disarmament/content/slideshow/Secretary_General_Report_of_CW_Investigation.pdf
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 17, 2013, 01:17:50 am
Tentando perceber os inspectores da UN

Sistema de lançamento e diagrama dos rockets com ogiva quimica.
(http://rogueadventurer.files.wordpress.com/2013/08/falaq-2_syria.jpg)

https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=y6CZtF6pGvQ

(http://4.bp.blogspot.com/-PTjOIODg1gY/Ui8eswxHe3I/AAAAAAAAFac/J1S_5l8mObI/s1600/330mm_chemrocket_diagram_2+(1).jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-dHtlTOBMkNo/UjWkZX_okNI/AAAAAAAAFvA/Aj8CRT9EdOQ/s1600/UMLACA+-+UK+tail+assembly.jpg)

(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/69784000/jpg/_69784565_chemical_weapon_624_v4.jpg)

Munição M-14 e respectivo Lançador
(http://img.youtube.com/vi/76h5T1PlnX0/0.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-YOJnt5pruzM/UhzAsjnD87I/AAAAAAAAFHo/hCSD8te27L0/s1600/1235990_4603830592386_2050791626_n.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e5/16-tube_multiple_launch_rocket.JPG)

Citar
Two munitions have been linked to the attack, the M14 140mm artillery rocket, and a munition I've previously referred to as the UMLACA (Unidentified Munition Linked to Alleged Chemical Attacks).

Citar
The UN inspectors have now confirmed both munitions carried a chemical payload, so the question is, who used them?  In the 18 months I've been studying the arms and munitions in the conflict I have never seen either type of munition used by the opposition. The opposition has rocket artillery, for example the 107mm Type-63 multiple rocket launcher and the Croatian 128mm RAK-12, but I've never seen any sign of the 140mm systems (such as the BM-14) that would be used to launch the M14 artillery rocket.
Não precisam de lançador. Podem ser usados e lançados de forma improvisada é so preciso captura-los.
(http://counterjihadnews.files.wordpress.com/2012/10/iraq_rockets.jpg)

E os rebeldes capturam muitas armas:
(http://4.bp.blogspot.com/-YU59tHsGcuw/ULKLZq5htbI/AAAAAAAAAkI/yQp2I8EoqkE/s1600/Type+63+artillery.jpg)

E contrabandeiam outras tantas.
(http://syrianfreepress.files.wordpress.com/2013/03/weapons_smugling_libya_syria-354.jpg)

Armas provenientes da líbia no conflito Sirio (desde belgas a austriacas).
(http://31.media.tumblr.com/9c708037359bbbbc664c14a5687fbb8a/tumblr_mos0nrOTdp1qddb3no1_1280.jpg)
(http://31.media.tumblr.com/0dc7a6693eae7e55a4f63a9e8206a01e/tumblr_morx1amq141qddb3no1_1280.jpg)
(http://25.media.tumblr.com/ec257a7029143fffeb9777a589166c42/tumblr_mnq8nzAZdX1qddb3no1_r1_1280.jpg)
(http://25.media.tumblr.com/a0f25a7fdcfd9c613e39b5a9d0f80ae4/tumblr_mjtndheXgH1qjv73co1_400.jpg)

 (http://25.media.tumblr.com/7d4ce66b5b5e1d314bb511c9802a9a85/tumblr_mjtmadplrT1qjv73co1_1280.jpg)

http://damspleet.com/

E improvisam.
(http://rt.com/files/opinionpost/20/38/60/00/syria-1.jpg)
(http://www.wnd.com/files/2013/09/syria-rebels-chemical.jpg)
(http://www.globalpost.com/sites/default/files/imagecache/gp3_slideshow_large/photos/2013-April/syria_aleppo_rebel_rocket.jpg)

Citar
One thing that must be stressed, is that the UMLACA is a munition that's never been seen in any other conflict, and it's origins are somewhat of a mystery.
Não é um mistério. Aliás a fonte é bem conhecida. O M-130 Slufae 345 mm norte-americano.
(http://www.foreignpolicy.com/files/fp_uploaded_images/130828_SLUFAEhome2.jpg)
(https://encrypted-tbn1.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTMYQU7sU8L9ryMJ9Y69WhiS0BsZGn7Lz_izN1pIGEMQUQcQw8YLg)

http://www.designation-systems.net/dusrm/app4/slufae.html

O mesmo se passa com o lançador
(http://rogueadventurer.files.wordpress.com/2013/08/falaq-2-falagh-2-iran-333mm-rocket-launcher.jpg)

Assim, e face a todo este embrolio (já para não referir o manuseamento dos projecteis por pessoas estranhas ao processo) não restava aos inspectores da UN senão esta conclusão. Deixando em aberto a proveniência das armas bem como a possibilidade de uso de ambas as partes no conflito mas sem o referir abertamente de modo a não melindrar qualquer um dos intervenientes e consequentemente a possibilidade de uma maior escalada da violência.

http://www.designation-systems.net/dusrm/app4/slufae.html

http://counterjihadreport.com/tag/syrian-weapons-flow/

http://brown-moses.blogspot.pt/

http://rogueadventurer.com/2013/08/29/alleged-cw-munitions-in-syria-fired-from-iranian-falaq-2-type-launchers/

Saudações
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 17, 2013, 03:51:19 am
Perdoem-me ser honestos convosco. Ainda não li o relatório. Do apanhado que fiz lendo um par de noticias consta que o relatório não aponta responsáveis, mas dá a entender que foi o regime. Como disseram os russos agora é preciso estudar o relatório  :mrgreen: . A credibilidade das palavras do Papatango quando toca a assuntos norte-americanos para mim valem zero. Ele tem vindo a revelar-se. O FoxTroop tirou-lhe bem a pinta há uns dias. Infelizmente o Papatango continua numa retórica estúpida a falar de holocaustos e a manipular palavras. Eu não confio no Papatango e sinceramente cada vez que ele escreve por aqui fico ainda mais preocupado pois supostamente ele é uma pessoa bem informada. Alguém neste forum parece ser mais sensato e honesto, escreveu isto:

Citação de: "Nuno Miguel"
Um tema delicado, e que gere emoções.

Uma guerra, é sempre uma guerra, onde há vítimas inocentes. E nota-se que a guerra na Síria, já acontece ao tempo, com a participação internacional, não directamente como quer o Governo Americano, mas indirectamente, especialmente com o envio de material de guerra.

De um lado, o Governo Americano e os seus normais aliados ( Inglaterra e Israel), de outro lado, os grandes "rivais", para não dizer outra palavra dos Americanos, ou seja, a China, Rússia, o Irão, a Venezuela e a Coreia do Norte.

Quem ganhará este braço de ferro, o poderia do Ocidente, ou os dispersos inimigos da América?

Não refiro à ONU, porque como toda a opinião pública saberá, o maior financiamento da ONU vem dos Estados Unidos, logo, a opinião do Conselho de Segurança da ONU, para quem o financia é irrelevante.

Veremos, o que acontecerá nos próximos dias, especialmente ao nível da diplomacia.

O sublinhado foi da minha responsabilidade.

O Papatango tão bem como eu saberá do que se trata nesta guerra . Os E.U.A. continuam na sua avalanche pelo Médio-Oriente. A Rússia por sua vez defendendo os seus interesses achou que devia ter uma palavra a dizer, quer voltar a ser uma potência, quer voltar ao Jogo. Trata-se de contestar a perigosa hegemonia americana.

Eis o que alguém esclarecido escreveu num comentário da CNN:

"Russia is protecting the Assad regime because Assad is blocking the flow of natural gas out of the Persian Gulf into Europe, thus ensuring higher profits for Gazprom, a Russian government-owned natural gas company providing Europe with lots of energy.

If the US is successful in removing Assad, the Saudis and Qatar benefit since the Syrian obstacle for their pipeline would be eliminated; it will be really bad for Russia and Gazprom.

This is a strategic geopolitical conflict about natural resources, religion and money, and it really has nothing to do with chemical weapons at all, now you know."

Quanto ao ataque químico de 21 de Agosto que foi o que despoletou a reacção americana com a informação que disponho e que venho a divulgar por aqui acredito que os rebeldes foram os responsáveis.

Só Deus sabe a verdade ou quem esteve lá para ver.

Entretanto vou ler o relatório.Sim eu estou interessado na verdade.

Contra os manipuladores (individuos altamente perigosos) nada como os irritar um bocadinho com este belo exemplo de propaganda. Qualquer dia as Nações Unidas lembram-se e começam a investigar estas coisas.  
http://www.policymic.com/articles/62023/10-chemical-weapons-attacks-washington-doesn-t-want-you-to-talk-about

E já agora divulguem o relatório que os russos entregaram sobre o ataque quimico que ocorreu em Março em Aleppo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 17, 2013, 10:05:18 am
Mafarrico : Não entendo onde é que você foi buscar a ideia de que o puto imberbe a que se refere "marcou pontos no jogo". O tontito há muito que para mim se afundou no esterco que vomitou.


Quanto ao relatório ele não aponta culpados, o que aliás já se sabia. Um relatório deste tipo não pode apontar nada especificamente.

O que o relatório fez foi mostrar que muitas das mentiras que foram postas a circular pelos sites dos teoricos da conspiração, eram afinal aquilo que todos nós tinhamos a obrigação de saber: MENTIRAS.

Ao explicar, através da posição dos foguetes e da destruição que provocaram (por exemplo perfurando uma parede antes de chegar ao chão) que onde foi possível identificar a origem dos disparos, eles apontam para uma determinada área de lançamento, o relatório deitou por terra a tese de que os rebeldes tinham disparado sobre eles próprios, porque os disparos vieram de uma zona que sempre foi controlada pelo governo e onde se encontram instalações químicas.

Ao mostrar o tipo de sistema entrega, demonstrou que era virtualmente impossível à oposição colocar no terreno os sistemas de armas e de lançamento necessários para permitir o disparo de uma sequência de foguetes de consideráveis dimensões, ainda mais quando se sabe quais são e de onde vêm as armas utilizadas pelos rebeldes.

Ao dar conta da questão das condições atmosféricas ( que o triste tonto que você refere pôs a circular ), explica-se porque o ataque ocorreu naquela altura e não noutra.

Ao explicar as condições atmosféricas que se viviam, o relatório explica porque houve tantas crianças mortas (elas estavam nas áreas mais protegidas, caves etc) onde o gás Sarin se concentrou.

Ao mostrar que os foguetes lançados eram de produção russa, mostrou-se a origem do material, que não era artesanal como as fontes que você mesmo providenciou tentaram provar.

Ao determinar a quantidade de gás utilizado (350 l), comprovou-se que o ataque ocorreu com grande número de foguetes, num ataque combinado, o que exclui os rebeldes, porque mesmo que eles tivessem dois ou três foguetes roubados, não poderiam ter montado um ataque daquela dimensão, porque se pudessem eles já teriam derrubado Assad.

Ao determinar que o gás era de uma qualidade refinada e mais potente que o gás que foi utilizado por Saddam para atacar a população de Halabja prova-se que não se tratou de material roubado no Iraque (o que de qualquer maneira acabava por ser a prova de que afinal havia armas químicas no Iraque, o que não deixa de ser patético) e demonstra-se acima de tudo, que não poderia ter sido produzido pelos rebeldes, como os conspirativos também tentaram afirmar.


Acima de tudo o relatório apresentado pelas Nações Unidas, elaborado por pessoas que propositadamente não são nacionais de nenhum dos países do Conselho de Segurança, não vem dizer nada que já não tivesse sido dito.
O relatório apenas confirma o que todas as provas circunstânciais já afirmavam de forma clara e sem espinhas.

Quem quisesse ser honesto, sabia que  Assad tinha lançado o ataque, estando apenas neste momento em dúvida, se poderá ter havido um ataque ordenado pelos militares sírios, contra a vontade do ditador (o que dadas as características brutais e crueis de Assad, é dificil de conceber).


O problema, é que os teoricos da conspiração nunca se convencem.
Pura e simplesmente não vale a pena.
Argumentos para eles de nada valem

Mas para alguns conspirativos isto é um jogo de computador, em que ganhamos pontos conforme  os disparates que publicamos, porque sabemos que a maioria das pessoas não se dá ao trabalho de verificar as fontes.

A culpa é minha, que deveria saber que não se deve perder tempo com malucos

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 17, 2013, 10:18:01 am
Num registo aparte, embora seja óbvio para quem queira utilizar a cabeça, que foi o regime do Partido Socialista Bahas, o mesmo Partido Socialista do líder iraquiano que bombardeou Halabja que atacou a sua própria população em Damasco, eu continuo a achar que é justificada uma ação internacional contra a fação do Partido Socialista Bahas.

Não por causa do ataque químico, mas por causa do genocidio que continua na Síria. Ainda ninguém fez contas a quantos sírios morreram desde o ataque de 21 de Agosto, mas considerando a média, já morreram quase 2500 pessoas desde esse dia.

Quando Obama cancelou um ataque, as ratazanas socialistas correram aos esconderijos e foram buscar a artilharia pesada que estava escondida, para continuar a massacrar a população.

O incrivel, é que eles não lêm livros de história militar e não percebem que quanto mais se bombardeia uma cidade, mais cresce a raiva da população e mais abrigos se criam com os destroços.
Numa cidade destroçada os tanques são inuteis e chega a um ponto em que a artilharia já não tem alvos.
No entanto as pessoas conseguem viver nesses lugares, escavam tuneis e passagens entre as caves das casas.
Reforçam blocos caídos e escavam ninhos para metralhadoras e atiradores especiais.

Foi assim em Estalinegrado.

Mas nem os alemães utilizaram armas químicas para resolver o problema.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 18, 2013, 03:58:59 pm
Citação de: "papatango"
Quanto ao relatório ele não aponta culpados, o que aliás já se sabia. Um relatório deste tipo não pode apontar nada especificamente

Não?!!!  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:

Citação de: "papatango"
Ao explicar, através da posição dos foguetes e da destruição que provocaram (por exemplo perfurando uma parede antes de chegar ao chão) que onde foi possível identificar a origem dos disparos, eles apontam para uma determinada área de lançamento, o relatório deitou por terra a tese de que os rebeldes tinham disparado sobre eles próprios, porque os disparos vieram de uma zona que sempre foi controlada pelo governo e onde se encontram instalações químicas.

Ao mostrar o tipo de sistema entrega, demonstrou que era virtualmente impossível à oposição colocar no terreno os sistemas de armas e de lançamento necessários para permitir o disparo de uma sequência de foguetes de consideráveis dimensões, ainda mais quando se sabe quais são e de onde vêm as armas utilizadas pelos rebeldes.

Ao dar conta da questão das condições atmosféricas ( que o triste tonto que você refere pôs a circular ), explica-se porque o ataque ocorreu naquela altura e não noutra.

Justamente ao explicar a posição dos foguetes, identificando a origem em dois pontos de impacto dos 5 estudados e mostrando que numa zona veio de uma direcção e na outra zona veio de outra direcção, (nos outros três locais não foi possível calcular as trajectórias) e justamente ao explicar as condições atmosféricas (meteorologia, sabes?) é que cai por terra qualquer lógica de ataque por parte de Assad.
Afinal o objectivo de um ataque não era matar os "rebeldes" e ocupar o terreno. O objectivo do ataque era matar as crianças e mulheres, deixando que os rebeldes se suicidassem porque, sem mulheres com quem "flirtar" e criancinhas com quem jogar ao berlinde, quando não estão ocupados a decapitar quem não é da cor deles, a solidão fariam com que os "rebeldes" colocassem fim à própria vida, podendo de caminho, aproveitar o facto dos inspectores da ONU terem acabado de chegar a Damasco para fomentar uns bombardeamentos desses camaradas americanos para alegrar os dias, que isto de bater só em "rebeldes" começa a ser aborrecido.


Citação de: "papatango"
Ao determinar a quantidade de gás utilizado (350 l), comprovou-se que o ataque ocorreu com grande número de foguetes, num ataque combinado, o que exclui os rebeldes, porque mesmo que eles tivessem dois ou três foguetes roubados, não poderiam ter montado um ataque daquela dimensão, porque se pudessem eles já teriam derrubado Assad.

Ao determinar que o gás era de uma qualidade refinada e mais potente que o gás que foi utilizado por Saddam para atacar a população de Halabja prova-se que não se tratou de material roubado no Iraque (o que de qualquer maneira acabava por ser a prova de que afinal havia armas químicas no Iraque, o que não deixa de ser patético) e demonstra-se acima de tudo, que não poderia ter sido produzido pelos rebeldes, como os conspirativos também tentaram afirmar.


Acima de tudo o relatório apresentado pelas Nações Unidas, elaborado por pessoas que propositadamente não são nacionais de nenhum dos países do Conselho de Segurança, não vem dizer nada que já não tivesse sido dito.
O relatório apenas confirma o que todas as provas circunstânciais já afirmavam de forma clara e sem espinhas.

Quem quisesse ser honesto, sabia que Assad tinha lançado o ataque, estando apenas neste momento em dúvida, se poderá ter havido um ataque ordenado pelos militares sírios, contra a vontade do ditador (o que dadas as características brutais e crueis de Assad, é dificil de conceber).


O problema, é que os teoricos da conspiração nunca se convencem.
Pura e simplesmente não vale a pena.
Argumentos para eles de nada valem

Mas para alguns conspirativos isto é um jogo de computador, em que ganhamos pontos conforme os disparates que publicamos, porque sabemos que a maioria das pessoas não se dá ao trabalho de verificar as fontes.

A culpa é minha, que deveria saber que não se deve perder tempo com malucos


Grande numero de foguetes?!!! 350 litros?!!! Gás refinado?!!! Tu leste o relatório ou está a amandar mais uma "petas&tangas"?!!!! Material do Iraque, pois claro que não era, quanto muito apontaria mais para a Líbia e queres fotos ou vídeos dos tais armamentos que os "rebeldes" não têm? E sim, os inspectores não vêm dizer nada que não se soubesse, aliás disseram muita coisa lá, tanta coisa que dificilmente voltarão à Síria, isto apesar de deixarem bem claro as limitações e pressões a que foram sujeitos e mostrarem a intenção de voltar  ao local.

Tens razão numa coisa, não se deve perder tempo, não com malucos, mas com fanáticos, para mais quando são pagos para o ser. (espero bem que sejas pago, porque senão não és apenas fanático, és também um toninho imberbe que vomita esterco sem saber porque, e a quem, está a servir.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 19, 2013, 12:08:22 am
O relatório aos meus olhos é bastante inconclusivo quanto à autoria do ataque.
Destaco estas duas passagens:

sobre os achados em Moadamiyah, página 18

Limitations:The time necessary to conduct a detailed survey of both locations as well as take samples was very limited. The sites have been well travelled by other individuals both before and during the investigation. Fragments and other possible evidence have clearly been handled/moved prior to the arrival of the investigation team.

Grave e revelador

sobre os achados em Zamalka/Ein Tarma, página 22

Limitations: As with other sites, the locations have been well travelled by other individuals prior to the arrival of the Mission. Time spent on the sites was well used but limited. During the time spent at these locations, individuals arrived carrying other suspected munitions indicating that such potential evidence is being moved and possibly manipulated.

Grave e revelador


Citação de: "papatango"
Mafarrico : Não entendo onde é que você foi buscar a ideia de que o puto imberbe a que se refere "marcou pontos no jogo".

É apenas um palpite à boa maneira americana. :lol:  :shock:  :lol: :lol: :lol: [/quote]

Sim. As imagens de satélite existem. Os russos também as têm e provam o contrário. Mas só as vão mostrar na altura certa.  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:  :lol:


Politiquices à parte gostava de fazer ao Papatango duas perguntas (que mais uma vez na avaliação que fez do relatório voltou a manipular informação)

Sabe se os rebeldes envolvidos no conflito sírio têm ou tiveram à sua disposição gás Sarin?
Como é que os americanos chegaram aquele número de fatalidades? 1429


Diga-me: Como estão os seus amigos americanos? Qual é o plano deles para a Síria? Conte-nos tudo está entre portugueses.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 19, 2013, 01:08:23 am
Citar
Claro, os americanos bonzinhos não queriam entalar os russos malvadões e deixaram passar a oportunidade única de enxovalhar a posição russa aos olhos do mundo, deixando-os sem capital diplomático para nada
Este trecho de palha quer dizer o quê ?

O governo da máfia moscovita, apresentou hoje novas provas que demonstram que o glorioso regime do santo vivo Bashar, nada tem a ver com as armas químicas russas que mataram 1400 rebeldes criminosos, entre as quais 300 crianças terroristas.

Alguém entende porque razão os russos, (se tinham provas e achavam que o relatório seria mal feito), não apresentaram essas provas ?

Lavrov saiu à pressa, profundamente incomodado de uma reunião com o ministro francês, e a única coisa que conseguiu balbuciar foi que faltava entrevistar uma freira que disse que tinha visto quem disse que viu um terrorista com uma bomba...
Toda a imprensa internacional referiu que os russos estava pura e simplesmente a recorrer às teorias da conspiração para tentar comprometer o relatório.

Em 2003 durante o governo Bush, as Nações Unidas disseram que não viram nada e desse ponto de vista enfrentaram o governo americano.
Hoje, com Obama, fizeram o que a América queria que fizessem.

Mas alguém compra esta tontice ?
A América de Obama conseguiu manipular as Nações Unidas depois de ter desistido de um ataque, quando a América de Bush, que precisava de um relatório favorável para justificar um ataque não o conseguiu ?

Citar
Justamente ao explicar a posição dos foguetes, identificando a origem em dois pontos de impacto dos 5 estudados e mostrando que numa zona veio de uma direcção e na outra zona veio de outra direcção, (nos outros três locais não foi possível calcular as trajectórias)
E nos dois casos que foi possível determinar, em ambos os casos a rota leva a áreas onde se encontravam as forças de Bashar Al Assad (coincidência naturalmente)


Citar
Grande numero de foguetes?!!! 350 litros?!!! Gás refinado?!!! Tu leste o relatório ou está a amandar mais uma
Obviamente não lhe vou responder na mesma moeda.

Mas posso responder com factos.
O ataque com gás Sarin em Tokio, foi feito com cerca de 10 litros (dez) litros de gás Sarin.
Os dez litros de gas Sarin, lançados num ambiente fechado (metropolitano) mataram 13 pessoas.

O seu camarada Assad, lançou 350 litros e conseguiu matar 1400 pessoas e não foi no metro.

O Sarin dos seus camaradas matou 4 pessoas por litro em ceu aberto
O Sarin dos japoneses matou 1.3 pessoas por litro, num ambiente fechado.
Desde logo e não considerando o facto de em ceu aberto o gás ser até 10 vezes menos eficiente, temos que o glorioso Sarin socialista matou três vezes mais.
Mas se considerarmos que a eficiência em ambiente fechado é de cinco vezes a dez vezes  maior, então temos que o Sarin de Bashar Al Assad é pelo menos 15 a 30 vezes vezes mais mortífero que o Sarin artesanal dos japoneses.

Portanto, neste último caso temos que o Sarin socialista foi numa quantidade 35 vezes maior (350/10), o que multiplicando pelo fator 15 obtido acima, considerando o patamar inferior (Gás em ambiente fechado 5 vezes mais eficiente), temos que  o ataque de Sarin de Assad, que os camaradas dizem que foi feito por terroristas com meios artesanais, teve uma potência relativa pelo menos 525 (quinhentas e vinte e cinco) vezes maior que o Sarin dos japoneses.

É a diferença entre um produto artesanal e um produto militar e é a resposta a quem pergunta se foi assim tanto.

Mas poderiamos fazer outras contas:
Em Halabja, o outro ataque feito pelo mesmo partido Socialista Bahas, decorreu de 14 bombardeamentos efectuados por helicoptero. Se cada helicóptero Mi-8 lançar um dispositivo de cada um dos seus dois suportes laterais (45 litros cada um) então teriamos 14 x 2 x 45 = 1260 litros
Em Halabja Saddam matou 5.000 pessoas. A média seria de 3.97 pessoas por litro de gás.
A mesma do ataque com gas realizado em 14 de Agosto, por um regime idêntico e com o mesmo fornecedor.

É claro que não havia vento (o que é comum nesta altura do ano e pode ser verificado pelas explosões e pelo fumo, que normalmente sobe na vertical) e que os russos dão formação sobre como maximizar os danos. A alta pressão atmosférica, levou o gás para baixo numa área onde as caves são o último refugio.
Os rebeldes, por razões táticas não se escondem nas caves. Quando a morte de Assad veio, matou as crianças fascistas e imperialistas que se refugiavam nas caves.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 19, 2013, 01:59:33 am
Citar
Isto, é óbvio, porque as provas que têm do envolvimento do Assad, como as tais imagens de satélite com os disparos dos foguetes, são tão secretas, mas tão secretas que ninguém, a começar no membros do Congresso, passando pelo Senado e etc, as viu. Mas existem...

A ignorância é atrevida, porque desconhece o que ignora.

As provas e os dados fazem sentido quando conhecemos quais são os sistemas que estão no terreno.

Em Setembro de 2008, para aplacar Israel, os Estados Unidos começaram a instalar radares AN/TPY-2 no país.
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=650 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=650)

O sistema era na altura tão moderno, que nem sequer os militares de Israel tiveram acesso a ele.
Aliás, os israelitas demonstraram irritação porque ao contrário do que pensavam, o sistema ficou sob controlo dos americanos.
Poucos dias depois isso tornava-se público:
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?nrnot=658 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?nrnot=658)

Dos oito radares já entregues, apenas sete estão em operação. Destes sete, um está em Israel, outro está na Turquia e outro está no Qatar.

Os radares AN/TPY-2, estão por sua vez ligados ao sistema de vigilância por satélite da USMDA. Os americanos chamam-lhe SBIS (Space BAsed Infrared System).

O sistema é basicamente um sensor de calor extremamente sensivel, que deteta variações na superficie terrestre. O lançamento de mísseis e foguetes naturalmente produz uma assinatura facilmente identificável.

Os dados dos satélites são enviados automaticamente para os radares AESA AN/TPY-2, que em frações de segundo dirigem os seus emissores para a área onde foi detetado o aumento de calor.

Quem tem conhecimento de que desde 2008 estes sistemas estão em volta da Síria e quem sabe para que servem e quem sabe como funcionam, percebe que facilmente os americanos sabiam de onde vieram os mísseis/foguetes.

O engraçado, é que um sistema que é tão secreto que nem Israel teve acesso a ele, agora deveria ser revelado e mostrado ...

Como somos todos tontos, isto deve ser normalíssimo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 19, 2013, 02:18:11 pm
Com as tuas duas prosas acima acabaste de reforçar ainda mais o que eu disse e, assim sendo, só te posso agradecer. Como prova de agradecimento, enquanto torras mais uns neurónizitos a pensar como é que reforçaste ainda mais a minha argumentação, reforço eu a uma frase tua do meio da "palha"

Citação de: "papatango"
A ignorância é atrevida, porque desconhece o que ignora.

"Tudo que o homem não conhece não existe para ele. Por isso o mundo tem, para cada um, o tamanho que abrange o seu conhecimento."

Bolas pá, não sofres de claustrofobia nesse teu mundo  :lol:  :lol:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 19, 2013, 03:58:11 pm
Papatango

a sua fé move montanhas

 :lol:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 19, 2013, 04:07:37 pm
http://rt.com/news/putin-syria-rebels-provocation-080/ (http://rt.com/news/putin-syria-rebels-provocation-080/)

Grounds to believe Syria chemical attack was smart provocation – Putin
Published time: September 19, 2013 14:00
Edited time: September 19, 2013 15:00

Russia has every reason to believe that the use of chemical weapons in a Damascus suburb in August was an adroit and smart provocation, President Vladimir Putin has said.

 “We have every grounds to believe that it was a provocation. Of course, it was adroit and smart, but, at the same time, primitive in terms of technical performance. They took an old Soviet-made missile, which was taken out of service in the Syrian army long ago. It was most important to have ‘made in the USSR’ written [on the missile],” Putin said at the Valdai discussion forum on Thursday.

The Russian president pointed out that the August 21st attack in Damascus was not the first time chemical weapons had been used in Syria.

“But why haven’t other cases been investigated?” he asked.

 The chemical weapon attack must be thoroughly investigated and those behind it must be identified, Putin told the Valdai Club meeting in Russia’s Novgorod Region.

“No matter how difficult it might be, but if in the end we manage to answer the question… as to who committed that crime – and that was certainly a crime – the next step will follow. Then, together with our colleagues from the United Nations Security Council we will have to define the level of responsibility of those who committed the crime,” Putin said.

He stressed that measures like military strikes cannot solve every international issue, while should also be brought to the UNSC rather than discussed in the US Congress.

“This would be a strike on the world order, not Syria,” the Russian leader said.
‘No 100% guarantees, but Syria makes practical steps’

Putin also said that he cannot be 100 percent certain that the Syrian government will completely fulfill earlier reached agreements on dismantling the republic’s chemical weapons. However, the latest developments have given signs for hope.

“Will it be possible to accomplish it all? I cannot be 100 percent sure about it. But everything we have seen so far gives us confidence that this will be done,” he told journalists and experts.

Earlier this month, Russia and the United States reached a deal on a framework that will see the destruction or removal of Syria’s chemical weapons by mid- 2014. That came after Moscow suggested that Damascus should put its chemical weapons arsenal under international control and the Syrian government accepted the proposal. The republic also agreed to join the Chemical Weapons Convention which bans the production and the use of such arms.

Speaking at the Valdai gathering, Putin noted that Syria not only agreed to sign the international convention, but announced it already considers itself a party to the treaty.

“These are practical steps that the Syrian government has already made,” Putin said.

The United Nations confirmed last Saturday that it had received all the necessary documents from Syria for joining the chemical weapons convention and that Syria would become a member from October 14.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 19, 2013, 04:22:33 pm
Duas questões técnicas sobre o debate:

1-  O sistema AN/TPY-2, tendo em conta a própria informação fornecida pela Raytheon, detecta misseis balísticos tanto no lançamento, como em voo e fase terminal. Fala de capacidade de detecção e rastreio inclusive de misseis de curto alcance (como o scud) mas não revela se o sistema tem capacidade para detectar e seguir foguetes, mais pequenos e com uma assinatura totalmente diferente. Aliás neste aspecto é Israel, que com o sistema Iron Dome, possui meios mais efectivos contra pequenos foguetes e projecteis de artilharia. (http://www.raytheon.com/ourcompany/rtnwcm/groups/public/documents/datasheet/rtn_bus_ids_an_tpy2_pdf.pdf)

http://www.defesanet.com.br/laad2013/noticia/10177/RAFAEL---Iron-Dome/

2- Segundo consta, parte das informações a propósito dos ataques químicos vêm do navio espião alemão da classe Oste(http://en.wikipedia.org/wiki/Oste-class_fleet_service_ship) que tem sido uma presença habitual desde 2012. Visto em Malta no dia 07/08/2103 é claro que já estaria na área o A-53 Oker (possivelmente a render um dos 3 navios da classe). Teriam sido as comunicações militares interceptadas (embora estes navios também tenham capacidade para detectar lançamento de misseis) a fornecer dados vitais para perceber o que se passou, quer no ataque de dia 21 de Agosto, mas também possivelmente em outras utilizações de armas químicas (que praticamente têm surgido em várias áreas desde o inicio de 2013). Refira-se que os Russos desde no mínimo Junho de 2013 possuem um navio com características similares ao largo da Síria (http://en.wikipedia.org/wiki/Vishnya-class_intelligence_ship).    
(http://www.dw.de/image/0,,16177735_303,00.jpg)
(http://www.jeffhead.com/med-forces/Priazovye%20SSV201.jpg)

Cumprimentos

P.S. Relativamente à morte de crianças não deixa de ser uma tragédia e um atentado aos direitos do homem, seja em que circunstância for. Agora e infelizmente, não nos podemos esquecer dos milhares de crianças soldado que pelo mundo fora estão na linha da frente dos combates, bem como do uso indiscriminado de civis como escudo humano, por parte sobretudo dos movimentos radicais islâmicos (que inclusive usam escolas e hospitais como base de operação e paióis). E a Síria não é excepção.
(http://sicnoticias.sapo.pt/incoming/2013/02/11/criancas_siria.jpg/ALTERNATES/w960/criancas_siria.jpg)
(http://online.jornaldamadeira.pt/sites/default/files/imagecache/400xY/siria_criancas_soldado.jpg)
(http://veja2.abrilm.com.br/assets/images/2012/10/105403/siria-materia-tariq-20121024-18-size-598.jpg)
(http://zerohora.rbsdirect.com.br/imagesrc/15429901.jpg?w=620)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 20, 2013, 12:07:52 am
Citar
Com as tuas duas prosas acima acabaste de reforçar ainda mais o que eu disse e, assim sendo, só te posso agradecer. Como prova de agradecimento, enquanto torras mais uns neurónizitos a pensar como é que reforçaste ainda mais a minha argumentação, reforço eu a uma frase tua do meio da "palha"
Muito obrigado pelo seu texto, que é como todos os outros elucidativo do ponto de vista técnico. Creio que já todos percebemos quais são as suas fundamentações, e qual o teor da sua argumentação, quando as teorias conspirativas são desmascaradas.



Prosseguindo para assuntos sérios...


mafets -> O radar AN/TPY-2 está instalado em Israel desde 2008. Eu referi o radar, apenas por causa do sistema de alerta antecipado que lhe está associado.
O que foi decisivo para determinar a fonte dos ataques não foram os radares AN/TPY-2 mas sim os sensores de infravermelhos dos sistemas de alerta antecipado por satélite.

A única coisa que os americanos têm, é a certeza de onde a determinadas horas, foram lançados projéteis, porque «viram» a assinatura calorifera. Neste caso os radares não são importantes, o que é importante mesmo é o registo das fontes de calor, a que se sucederam poucos minutos depois os primeiros relatos de pessoas com nauseas e mortes por asfixia.

Como é evidente, o AN/TPY-2 não se destina a seguir o voo de mísseis ou foguetes de curto alcance.
O que é importante aqui, é o sistema de aviso antecipado.

Ou seja: Os americanos não fazem a minima ideia do que vai dentro dos mísseis ou foguetes lançados, o que eles sabem é que alguma coisa provocou um foco elevado de calor. Depois é tudo uma questão de cruzamento de dados. Como é evidente, esse cruzamento de dados é normal em termos militares, mas não é uma prova de tribunal.

Além disso há o problema da divulgação de informações sobre esse sistema, pois permitiria mostrar aos potênciais adversários qual é a qualidade da informação que os americanos obtêm dos seus sistemas de infravermelhos instalados nos satélites. Como é evidente, se nem os Israelitas tinham acesso ao sistema em 2008 (hoje aparentemente têm) não poderiamos esperar que os russos fossem autorizados a tal.
O sistema de defesa anti-míssil, do qual o sistema de satélites de vigilância por infra-vermelhos é um elemento chave, é das coisas mais bem guardadas.
Para lá disso, o AN/TPY-2 que já chegou a ser chamado de Radar THAAD, serve como componente de um sistema anti-míssil de médio alcance.
Os radares dão um aviso de alguns minutos perante a possibilidade de um ataque iraniano contra Israel.

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 20, 2013, 12:31:41 pm
Os malvadões do russos não vos deram informações sobre os Tsarnaev? O que é que  os americanos fizeram? Boston Marathon Bombings, remember?

Bem, falando da Siria. Como  não foram respondidas as perguntas mantem-se.

Citação de: "mafarrico"
Politiquices à parte gostava de fazer ao Papatango duas perguntas (que mais uma vez na avaliação que fez do relatório voltou a manipular informação)

Sabe se os rebeldes envolvidos no conflito sírio têm ou tiveram à sua disposição gás Sarin?
Como é que os americanos chegaram aquele número de fatalidades? 1429
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 20, 2013, 12:54:34 pm
Citação de: "papatango"
Prosseguindo para assuntos sérios...


mafets -> O radar AN/TPY-2 está instalado em Israel desde 2008. Eu referi o radar, apenas por causa do sistema de alerta antecipado que lhe está associado.
O que foi decisivo para determinar a fonte dos ataques não foram os radares AN/TPY-2 mas sim os sensores de infravermelhos dos sistemas de alerta antecipado por satélite.

A única coisa que os americanos têm, é a certeza de onde a determinadas horas, foram lançados projéteis, porque «viram» a assinatura calorifera. Neste caso os radares não são importantes, o que é importante mesmo é o registo das fontes de calor, a que se sucederam poucos minutos depois os primeiros relatos de pessoas com nauseas e mortes por asfixia.

Como é evidente, o AN/TPY-2 não se destina a seguir o voo de mísseis ou foguetes de curto alcance.
O que é importante aqui, é o sistema de aviso antecipado.

Ou seja: Os americanos não fazem a minima ideia do que vai dentro dos mísseis ou foguetes lançados, o que eles sabem é que alguma coisa provocou um foco elevado de calor. Depois é tudo uma questão de cruzamento de dados. Como é evidente, esse cruzamento de dados é normal em termos militares, mas não é uma prova de tribunal.

Além disso há o problema da divulgação de informações sobre esse sistema, pois permitiria mostrar aos potênciais adversários qual é a qualidade da informação que os americanos obtêm dos seus sistemas de infravermelhos instalados nos satélites. Como é evidente, se nem os Israelitas tinham acesso ao sistema em 2008 (hoje aparentemente têm) não poderiamos esperar que os russos fossem autorizados a tal.
O sistema de defesa anti-míssil, do qual o sistema de satélites de vigilância por infra-vermelhos é um elemento chave, é das coisas mais bem guardadas.
Para lá disso, o AN/TPY-2 que já chegou a ser chamado de Radar THAAD, serve como componente de um sistema anti-míssil de médio alcance.
Os radares dão um aviso de alguns minutos perante a possibilidade de um ataque iraniano contra Israel.

Cumprimentos

Certo. Referi esta situação porque por exemplo o Elta ELM2084 do IronDome (israel, se ainda não o fez, tem planificado extender os actuais 70 km até 250km) detecta o lançamento e faz o rastreio, não usando infravermelho (o sistema passará assim a poder abater misseis de curto alcance não se prevendo mudanças no "modus operantis").
(http://blog.thomsonreuters.com/wp-content/uploads/2012/11/iron-dome.jpg)

O SBIRS (http://www.space.com/11585-sbirs-geo1-missile-defense-satellite.html) tem de facto capacidade para detectar o lançamento de rockets e fornecer a informação ao An/TPY 2 / Thaad que faz o seguimento e posteriormente a intercepção, agora tecnicamente coloca-se 2 questões que não ficam claro nas informações do conhecimento publico:
(http://www.defense.gov/specials/missiledefense/images/architecture.jpg)
Estando a falar de um sistema que opera a 32 000 km de altitude tem capacidade para detectar e seguir o infravermelho de foguetes de artilharia (como o frog russo) ou simples foguetes como o M-14?
(http://palma.no.sapo.pt/frog7.jpg)
(http://www.aerospaceweb.org/question/weapons/palestine/qassam-launch.jpg)
A utilidade de um sistema integrado que tanto permita interceptar misseis como simples e pequenos foguetes no campo de batalha é inegável. Mas até que ponto é praticável com os actuais sensores térmicos distinguir o calor produzido por um foguete de uma simples fogueira ou mesmo omissão falsa de calor (por exemplo, o sistema IronDome desenvolvido em parceria com os EUA não usa detecção por calor no que diz respeito aos misseis Kassam nem aos projecteis de artilharia. Também  é difícil de acreditar que o sistema SBIRS tal como dizem os teóricos da conspiração tenha detecção de baixa altitude tão sensível que até detecta o calor humano. Afinal, trata-se de um sistema para seguir primariamente misseis balísticos)?
(http://warshipsfromrussia.devhub.com/img/upload/ghyghhyjjyh.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/57/Oker_A_53_Hamburg_2261.jpg)
Assim, e independentemente das capacidades de detecção e rastreio propagadas pelos Norte-Americanos (e que não digo que não sejam verdade mas também todos nos recordamos do que era verdade na famosa Guerra das Estrelas do presidente Reagan), bem como dos necessários cruzamento de dados, novamente aparece como primordial  e mais viável a detecção radio/radar das comunicações inter-forças, de lançamento e inclusive das conversas telefónicas feito por navios Russos e Alemães (outros sistemas como a detecção infravermelho foram anteriormente apresentadas como extremamente precisas no passado mas em situação de combate as percentagens baixaram drasticamente na ordem em média dos 20 a 30%). Aliás, não deixa de ser verdade que o A-53 Oker apareceu imediatamente ao largo da Síria assim que alguns média fizeram referência às informações que detectou, (pois até aí só tinha sido visto em malta no inicio de Agosto), mas por norma as capacidades gerais destes sistemas são conhecidas e o raio de acção dos seus sensores também. Quanto ao seu congénere Russo desde Junho que se sabia no mediterrâneo mas tem sido "comedido" nas informações espiadas.
(http://www.zerohedge.com/sites/default/files/images/user5/imageroot/2013/08-2/Navy%20Map%20Update_0.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 20, 2013, 03:13:18 pm
Citar
Assim, e independentemente das capacidades de detecção e rastreio propagadas pelos Norte-Americanos (e que não digo que não sejam verdade mas também todos nos recordamos do que era verdade na famosa Guerra das Estrelas do presidente Reagan)
Na verdade os americanos não fizeram grande publicidade ao sistema, principalmente porque o que eles detetaram foram as fontes de calor. A assinatura IR desaparece ou tende a sumir gradualmente após o lançamento.
Por essa razão o sistema só funciona com o aviso antecipado, e depois quem toma conta são os radares.

Os sensores de satélite, limitam-se apenas a apontar um ponto no mapa onde ocorreu uma alteração muito significativa na temperatura.
Por isso, se houvesse um tribunal, o simples facto de haver uma fonte de calor não é prova de que ocorreu um lançamento de armas químicas que matou 1400 pessoas.

É como se houvesse uma leitura IR das chaminés de Auschwitz. Mesmo assim, em tribunal isso não seria suficiente para provar que ocorreram ali crimes contra a humanidade e muito menos que os alemães tinham sido responsáveis.

Já para quem está habituado a relacionar causa-efeito, o resultado é óbvio. Na sequência do que foi identificado como lançamento de foguetes, ocorreram centenas de mortes e milhares de casos de intoxicação, que acabaram por levar aos 1400 mortos.

É como a questão dos combóios de judeus que saiam da Hungria e depois não se sabe onde foram parar.
Nós sabemos que os judeus foram colocados nos vagões para animais, porque os alemães mantiveram a contabilidade dos judeus que foram colocados nos combóios, mas não temos documentos que provem onde eles sairam.

Sabemos que os comboios se dirigiam a regiões da Polónia, onde sabemos que existiam instalações que aparentemente foram utilizadas com gás.

Sabemos que os judeus que seguiam nesses comboios desapareceram.

Juntamos dois com dois, e concluimos que foram mortos nas câmaras de gás.

O que os iranianos fazem, para dar o exemplo, é exactamente o que os russos agora estão a tentar fazer.
É como se na questão da Síria os russos estivessem a tentar demonstrar que embora os judeus tenham sido colocados no comboio, nós nem sequer sabemos se os comboios foram para a Polónia, porque eles podiam ter voltado para trás. Os judeus podiam ter sido enviados para outro lugar qualquer, os registos podiam ter sido falsificados pelos alemães para mostrar serviço e dizer que estavam a juntar muitos judeus.
MAS NADA PROVA QUE OS MATARAM.
SÓ SE SABE QUE DESAPARECERAM.

Na Síria temos uma situação idêntica. 1400 cadáveres, uma causa, um efeito, mas ao mesmo tempo um regime que mente tentando encontrar falhas técnicas num processo judicial, para tentar salvar o cliente.

As deteções por rádio são muito menos conclusivas, porque a deteção IR dos pontos de lançamento, aponta exactamente (com uma precisão de poucos metros) para o ponto de lançamento. A deteção de comunicações rádio tem também o problema da relação causa-feito.

Aparentemente, e extrapolando dos dados conhecidos, as conversas não aparentam ter sido especificamente sobre a ação de lançamento, mas sim sobre questões indiretamente relacionadas.
Mais uma vez, existe prova circunstâncial. Ou seja, tudo indica que foi assim, mas a prova não se aguentaria num tribunal porque não é definitiva.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 20, 2013, 03:22:05 pm
uma curiosidade:

O SDI foi apresentado em Março de 1983 e foi essencialmente um golpe publicitário para a campanha eleitoral que haveria de eleger Reagan para um segundo mandato em 1984.
No entanto, quando trinta anos depois olhamos para o que existe, concluímos que nem o Reagan tinha pensado em sistemas anti-míssil como o Iron Dome, feito para responder a foguetes de artilharia, e muito menos em sistemas a laser capazes de responder mesmo a disparos de artilharia convencional.

Há casos hoje, em que a realidade ultrapassa já a ficção de 1983.

Na guerra do golfo, nenhum SCUD foi abatido pelos Patriot, mas hoje sabemos que o Iron Dome funciona.
Durante muitos anos muita gente pôs em causa o funcionamento de um sistema desses, no entanto, hoje esses comentários viravam fonte de risada se alguém os voltasse a produzir.

Muitos dos sistemas pensados para o SDI tinham tudo para funcionar. A rede de vigilância IR a partir do espaço, é aparentemente uma das que funciona, já que recentemente até recebeu dinheiro para mais satélites do tipo.
O OBAMA cancelou e ameaça cancelar uma quantidade de programas ligados ao sistema de defesa estratégico, mas continua a haver dinheiro para a vigilância por infravermelhos.
Eu pessoalmente considero que isso deve ser sinal de alguma coisa: Aquilo funciona.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 20, 2013, 06:10:19 pm
Amigo Papatango

O diabo esta nos detalhes.

Nao seria mais honesto quando se elabora um relatorio que se quer honesto ter escrito algo como- Numero indeterminado de vitimas, segundo a nossa avaliacao ronda as 1400. Os amigos franceses por exemplo no seu relatorio apontaram para um numero de vitimas bastante inferior entre as 300 e 400, estou a dizer de memoria.E uma diferenca significativa. O relatorio da ONU sobre o dia 21 de que voce gosta tanto nao se atreveu a lancar um numero.

Sobre o seu silencio a pergunta que lhe fiz,
Sabe se os rebeldes envolvidos no conflito sírio têm ou tiveram à sua disposição gás Sarin?

so vem mostrar que os camaradas americanos nao sao parte inocente no processo, mas isso ja todos sabiamos desde o inicio.

Os irmaos israelitas tambem tem estado bastante calados,mas eu acho que eles devem estar a bater palmas. A siria esta a caminho do desarmamento quimico enquanto que eles continuam impenetraveis.
http://rt.com/news/israel-nuclear-arabs-iaea-129/

Sobre o holocausto dos judeus e as analogias a que voce gosta tanto de recorrer quando trata da questao siria, va-se la saber porque, tenho-lhe a dizer que abomino o que aconteceu aos judeus.O respeito pelas outras culturas/etnias e um dos meus valores. Eu sou pela Paz sempre que possivel.

Quem tambem e pela paz e a mafia putina e chinoca que estao bastante cansadas de aturar as investidas americanas no medio-oriente. As vezes e preciso dar um murro na mesa e dizer BASTA!!!

bom fim-de-semana
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Setembro 20, 2013, 08:32:34 pm
Citação de: "papatango"
Muito obrigado pelo seu texto, que é como todos os outros elucidativo do ponto de vista técnico. Creio que já todos percebemos quais são as suas fundamentações, e qual o teor da sua argumentação, quando as teorias conspirativas são desmascaradas.

Exacto, por isso é que perante as questões que não interessa segues à volta, como no caso dos turcos caçarem "rebeldes" com gás sarin ou nos vídeos e fotos de "rebeldes" a operarem as armas que dizes que eles não têm, ou falas de assuntos que nem tu conheces, a não ser que sejas alguém de um patamar tão acima que tem acesso a informações tão secretas que não puderam ser mostradas. Tão secretas que os USA decidiram que valiam mais que ser completamente humilhados na cena politica mundial, porque é extremamente natural no xadrez geopolítico, estar em posição de força e aceitar os termos do adversário.  :lol:  :twisted:  :twisted:

E depois a estupra mentira de que houve 1400 mortos. Quase todos os relatos colocam a fasquia num máximo de ~350 mortos. Fica interessante verificar que de todas as imagens, filmes e relatos, não haja nada referencia aos enterros dessa gente toda nem à localização das campas/valas, o que é extremamente difícil no meio de uma zona urbana.

E poderia continuar por aí fora.

Torno a deixar o repto; se for para discutir as opções geo-estratégicas e geopolíticas da intervenção na Síria, o peso da opção russa de confrontar ali os USA, do qual a presença naval é demonstrador inegável, os atritos cada vez mais claros entre duas pontas do triângulo estando Washington a fazer o jogo do equilíbrio para não desagradar a ambos e porque não se altera a posição para um eixo Ancara-Teerão em vez de Telavive-Riade, porreiro.

Se for para aturar o teu cinismo sobre Direitos Humanos, que para ti só são válidos para um lado e existe neste fórum e em outros, mais que suficientes escritos sobre as tuas "aprendizagens e mudanças de opinião", só te enterras. Demasiado primário para não ser pago.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 20, 2013, 08:56:09 pm
http://www.presstv.ir/detail/2013/09/20/325092/envoy/ (http://www.presstv.ir/detail/2013/09/20/325092/envoy/)

Britain’s ex-envoy explains how Israel fabricated Syria intelligence

(http://previous.presstv.ir/photo/20130920/lotfi_morteza20130920182745570.jpg)
Craig John Murray, former British ambassador to Uzbekistan

Fri Sep 20, 2013 6:36PM GMT


A former British ambassador to Uzbekistan says the U.S. government has been deceived by the Israeli regime through fabricated evidence into believing that the Syrian government forces used chemical weapons in an attack on the suburbs of Damascus on August 21.


Craig John Murray, now a political activist, has written in his official website that U.S. Secretary of State John Kerry’s claims about having access to communication intercepts of Syrian military and officials organizing chemical weapons attacks are sheer lies.

Murray says the British intelligence has no idea of such radio and communication intercepts between the Syrians despite having the most modern and advanced electronic tapping post on the Mountainous Troodos region of Cyprus. The tapping post monitors all radio, satellite and microwave traffic across the Middle East, he says.

According to Murray, “The GCHQ listening post on Mount Troodos in Cyprus is arguably the most valued asset which the UK contributes to UK/US intelligence cooperation. The communications intercept agencies, GCHQ in the UK and NSA in the US, share all their intelligence reports (as do the CIA and MI6). Troodos is valued enormously by the NSA. It monitors all radio, satellite and microwave traffic across the Middle East, ranging from Egypt and Eastern Libya right through to the Caucasus. Even almost all landline telephone communication in this region is routed through microwave links at some stage, picked up on Troodos”.

This is while that, as Murray states, the U.S. does not have its own comparable facility for the Middle East.

“Troodos is highly effective - the jewel in the crown of British intelligence. Its capacity and efficiency, as well as its reach, is staggering. I should state that I have actually been inside all of this facility and been fully briefed on its operations and capabilities, while I was head of the FCO Cyprus Section in the early 1990s. This is fact, not speculation”, wrote Murray in a web post.

Murray disputes John Kerry’s allegations saying that “It is therefore very strange, to say the least, that John Kerry claims to have access to communications intercepts of Syrian military and officials organising chemical weapons attacks, which intercepts were not available to the British Joint Intelligence Committee”.

The intercept evidence provided to the U.S. government has been prepared by the Israeli regime’s spying apparatus Mossad, Murray explains, adding that Mossad have nothing comparable to the UK’s Troodos facility in Cyprus.

Now the question is: “How can Troodos have missed this (communication intercepts between the Syrians) if Mossad got it?”

The Israeli regime has been responsible for several illegal bombings and missile strikes in Syria, which have killed hundreds if not thousands of civilians, including women and children. The regime’s direct involvement in the Syrian civil war has not received just one case of condemnation from the West. Subsequent to its involvement, it has also fabricated “intelligence” and provided the U.S. with the fabrications to spark the U.S. military’s invasion of the Arab country.

“The answer to the Troodos Conundrum is simple. Troodos did not pick up the intercepts because they do not exist. Mossad fabricated them. John Kerry’s “evidence” is the shabbiest of tricks”, Murray concludes.

Meanwhile, the Nobel Peace Prize laureate Mairead Maguire in a video interview posted on the web spoke of her personal visit to Syria, where she says people organized and supported by Washington are violent groups, which have no mercy for the innocents and are not after peace in Syria.

Mairead Maguire believes that Syria is being used as a proxy war by Britain, the U.S. and their regional allies both totalitarian dictatorships of Saudi Arabia and Qatar.

“Both Arab regimes in Qatar and Saudi Arabia will pay for a possible US-led military invasion of Syria with their petrodollars. The two do not only meddle in the internal affairs of Syria and in the conflict in the Arab country, but they are also responsible for a lot of violence and bloodshed that has taken place and is still happening in Syria since [more than] two years”, Mairead states.

MOL/HE
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 20, 2013, 10:30:52 pm
França preocupada com regresso de muçulmanos franceses da Síria


O ministro do Interior de França, Manuel Valls, admitiu hoje estar "preocupado" com o regresso dos cidadãos franceses que são islamitas e que foram para a Síria lutar na guerra civil que o país atravessa.

Numa entrevista à rádio Inter, Valls afirmou que mais de 300 cidadãos franceses de origem islâmica e que são militantes da religião estão a alistar-se para lutar na Síria e que vão colocar um problema de segurança quando regressarem a França.

Atualmente, há mais de 130 cidadãos franceses ou residentes a lutar na Síria, mais 50 que já regressaram, uns 40 que estão em trânsito e cerca de 100 que é provável que rumem para aquele país, acrescentou o governante, citando relatórios secretos.

"Isto é um fenómeno que me preocupa porque eles representam um perigo potencial quando regressam ao nosso solo", declarou, acrescentando que será preciso que as autoridades estejam "extremamente atentas".

A França, que tem a maior população muçulmana na Europa ocidental, tem aumentado a monitorização dos radicais islâmicos desde que Mohamed Merah, pertencente a uma organização inspirada na Al-Qaeda, disparou e matou sete pessoas perto de Toulouse, em 2012.

Depois do acontecimento, ficou a saber-se que Merah tinha estado no Paquistão e no Afeganistão, e que a secreta francesa estava ao corrente dos contactos com militantes radicais nesses dois países.

De acordo com uma consultora britânica especializada em assuntos de defesa, IHS Jane's, há mais de 10 mil fundamentalistas em todo o mundo que foram para a Síria ajudar os rebeldes a tentar destituir o Presidente, Bashar al-Assad, pretendendo substituir o regime por um Estado islâmico.

Os peritos em contraterrorismo temem que o ataque com armas químicas tenha desencadeado uma onda de apoio aos rebeldes por parte dos muçulmanos fora da Síria, que, se não conseguirem destronar Assad, voltarão a casa frustrados e já com experiência de combate, sendo, por isso, mais provável que causem distúrbios nos países para onde regressarão.

"Se não conseguirem instalar um Estado islâmico na Síria, virão para casa desapontados", disse o juiz especializado em questões do terrorismo, Marc Trevidic.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 21, 2013, 12:31:08 am
Citação de: "papatango"
Na verdade os americanos não fizeram grande publicidade ao sistema, principalmente porque o que eles detetaram foram as fontes de calor. A assinatura IR desaparece ou tende a sumir gradualmente após o lançamento.
Por essa razão o sistema só funciona com o aviso antecipado, e depois quem toma conta são os radares.

Os sensores de satélite, limitam-se apenas a apontar um ponto no mapa onde ocorreu uma alteração muito significativa na temperatura.
As deteções por rádio são muito menos conclusivas, porque a deteção IR dos pontos de lançamento, aponta exactamente (com uma precisão de poucos metros) para o ponto de lançamento. A deteção de comunicações rádio tem também o problema da relação causa-feito.

Aparentemente, e extrapolando dos dados conhecidos, as conversas não aparentam ter sido especificamente sobre a ação de lançamento, mas sim sobre questões indiretamente relacionadas.
Mais uma vez, existe prova circunstâncial. Ou seja, tudo indica que foi assim, mas a prova não se aguentaria num tribunal porque não é definitiva.

Se a detecção IR fosse melhor que a detecção por radar do lançamento de foguetes e projecteis de artilharia a primeira coisa que os Israelitas e os Americanos
teriam feito era acoplar um sistema IR aéreo ou terrestre ao Iron Dome. Se não o fizeram é porque não oferece vantagens sobre  o "detecting e tracking sistem" da ELTA  e está previsto apenas sensores IR para o Arrow III (que já e um sistema anti-míssil) mas não para o David´s Sling (o qual prevê não apenas fazer a intercepção de foguetes mas também misseis de cruzeiro) (http://www.jewishvirtuallibrary.org/jsource/talking/88_missiledefense.html).
(http://origin-ars.els-cdn.com/content/image/1-s2.0-S1350449510001040-gr1.jpg)
(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/sbirs-brochure/fig-5-1.jpg)
No caso de ICBM a situação é diferente. O lançamento e mesmo o voo produz uma assinatura IR inconfundível e portanto de mais fácil detenção e seguimento (só desta forma parece ser possível o seguimento pelo SBIRS de inclusive misseis em voo http://www.space.com/11585-sbirs-geo1-missile-defense-satellite.html).
(http://www.defencetalk.com/pictures/data/12/medium/Dhanush02.jpg)
(http://europeangeostrategy.ideasoneurope.eu/files/2009/10/Anti-ballistic-missile-rocket-300x296.jpg)
O IR de um foguete no lançamento mas principalmente em voo é comparativamente mais baixo (mesmos misseis de cruzeiro que produzem uma maior assinatura de Infravermelho serão seguidos e detectados via radar pelo Arrow III). O típico foguete de artilharia ainda possui uma chama que se veja mas por exemplo um rocket artesanal tipo qassam praticamente tem um terço dessa assinatura devido ao curto alcance e à fabricação artesanal.
(http://img329.imageshack.us/img329/3375/hawk01io4.jpg)
(http://img3.allvoices.com/thumbs/image/609/480/81925146-breakingqassam-rocket.jpg)
Funcionando o sistema IR com um conjunto de parâmetros que vão desde o n.º de pixels até à massa e ao volume, passando pelo NRTD e MRTD, os sensores dos satélites terão de ser potentes e acoplados a um computador igualmente poderoso para eliminar ruído e sobretudo a distorção atmosférica que um sensor de grande altitude tem de suportar. Que os EUA tem um sistema montado em satélites capaz de detectar e seguir pelo calor misseis balísticos não tenho dúvidas, agora que consegue detectar mais que isso é questionável.
(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/smts_t03.gif)
(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/sbirs_a1.gif)
(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/sbirs-brochure/fig-06.jpg)
A detecção radio usada pelos navios espiões possui pelo menos 2 sistemas: Escuta e descodificação de comunicações e detecção de lançamentos de misseis (um sistema que funciona exactamente como os radiotelescópios, ou seja detectando as ondas rádio), sendo que qualquer um dos sistemas funciona num raio de acção de no máximo 600km e não a 22 000 milhas de altitude. A precisão não tem comparação e o que grava facilmente pode ser catalogado e apresentado, agora sem dúvida que o secretismo da utilização e capacidade desses equipamentos é real mas não é nenhum Tabu pois toda a gente os usa(http://en.wikipedia.org/wiki/Spy_ship).

Citação de: "papatango"
O SDI foi apresentado em Março de 1983 e foi essencialmente um golpe publicitário para a campanha eleitoral que haveria de eleger Reagan para um segundo mandato em 1984.
No entanto, quando trinta anos depois olhamos para o que existe, concluímos que nem o Reagan tinha pensado em sistemas anti-míssil como o Iron Dome, feito para responder a foguetes de artilharia, e muito menos em sistemas a laser capazes de responder mesmo a disparos de artilharia convencional.

Há casos hoje, em que a realidade ultrapassa já a ficção de 1983.

Na guerra do golfo, nenhum SCUD foi abatido pelos Patriot, mas hoje sabemos que o Iron Dome funciona.
Durante muitos anos muita gente pôs em causa o funcionamento de um sistema desses, no entanto, hoje esses comentários viravam fonte de risada se alguém os voltasse a produzir.

Muitos dos sistemas pensados para o SDI tinham tudo para funcionar. A rede de vigilância IR a partir do espaço, é aparentemente uma das que funciona, já que recentemente até recebeu dinheiro para mais satélites do tipo.
O OBAMA cancelou e ameaça cancelar uma quantidade de programas ligados ao sistema de defesa estratégico, mas continua a haver dinheiro para a vigilância por infravermelhos.
Eu pessoalmente considero que isso deve ser sinal de alguma coisa: Aquilo funciona.

Desculpe, uma coisa é o que funciona para os EUA outra completamente diferente é o que REALMENTE funciona.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/d4/SDIO_KEW_Lexan_projectile.jpg)
(http://wileywitch.com/wp-content/uploads/2013/04/sdi-image01.jpg)
Na altura Reagan soube usar o que tinha realmente a funcionar (um laser de baixa potencia) com apresentações de pura ficção cientifica (algo que nem sequer os Russos possuíam 1983).
(http://a57.foxnews.com/global.fncstatic.com/static/managed/img/Scitech/660/371/Boeing%20Airborne%20Laser%20Test%20Bed.jpg?ve=1)
(http://www.boeing.com/Features/2010/04/img/700_bds01.jpg)
Actualmente temos por exemplo o famoso Boeing Airborne Laser que de facto funciona mas tem um ligeiro problema: Após meia dúzia de disparos o avião tem de aterrar porque a fonte de alimentação do laser fica sem carga. Seriam precisos muitos aviões deste tipo para face às limitações do sistema produzir resultados eficazes, mas face ao preço a USAF não os possui.
(http://chivethebrigade.files.wordpress.com/2013/04/laser-laws-part1-500-5.jpg?w=500&h=335)
Depois temos o laser naval. Não possui as limitações de energia mas não é um sistema propriamente compacto. Fala-se que talvez seja usado numa classe posterior ou mesmo avançada do destroyer Zunwalt (junto ou complementando um futuro railway gun), mas mesmo que o sistema de facto venha a funcionar de forma melhor e com reduzido tamanho navios a 9,6 Biliões de dólares a unidade dificilmente serão produzidos em série.
(http://thesinosaudiblog.files.wordpress.com/2009/11/zumwalt-one.jpg)
(http://images.dailytech.com/nimage/6205_architecture.jpg)
O que actualmente funciona da Reagan Star Wars é o que é mostrado na figura acima. Porem o Thaad tem em ambiente controlado 27 lançamentos e 16 interceptações de sucesso contra 11 falhanços, ou seja continua a ter uma taxa de sucesso na ordem dos 60% (em testes, não em combate) apesar dos seus 800 milhões por unidade (http://en.wikipedia.org/wiki/Terminal_High_Altitude_Area_Defense), pelo que se conclui que ainda passarão muitos anos até que o sistema tenha uma alta taxa de sucesso.
(http://static1.businessinsider.com/image/4fe4dec26bb3f7267800000a-480/iron-dome.jpg)
Das poucas excepções à regra o Iron Dome é de facto "a cereja no topo do bolo". Com 90% de sucesso pode-se dizer que Israelitas e Americanos alcançaram um sucesso inimaginável e a razão é simples: DA mesma forma que os processadores usados nos sistemas nevrálgico dos Patriot (AN/MPQ-53 ) da guerra do golfo eram pouco capazes e portanto foram substituídos (o Pac 1 aumentou a velocidade de processamento e o ângulo de funcionamento do radar)tendo então o sistema ganhado capacidade efectiva anti-míssil (depois melhorada pelos sucessivos upgrade e pela introdução do MPQ-65), Israel limitou-se a usar no Iron Dome um sistema de "detection e tracking" que funcionou e funciona, com um radar e computador de ultima geração. Com um custo relativamente mais baixo (80 milhões a unidade) e sem sistemas IR, satélites e outros afins foi o suficiente para que para aquela missão específica se construísse um sistema com apenas 10% de insucesso e isto comprovado militarmente.

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 21, 2013, 02:23:22 pm
http://www.jpost.com/Syria-Crisis/Oren- ... war-326328 (http://www.jpost.com/Syria-Crisis/Oren-Jerusalem-has-wanted-Assad-ousted-since-the-outbreak-of-the-Syrian-civil-war-326328)

'Israel wanted Assad gone since start of Syria civil war'

By HERB KEINON
09/17/2013 05:05


"Tehran-Damascus-Beirut arc is the greatest danger," says outgoing Israeli envoy to US Michael Oren.

(http://www.jpost.com/HttpHandlers/ShowImage.ashx?id=200823&h=236&w=370)
Ambassador to US Michael Oren Photo: Hyungwon Kang / Reuters


“Bad guys” backed by Iran are worse for Israel than “bad guys” who are not supported by the Islamic Republic, Israel’s outgoing ambassador to the US Michael Oren told The Jerusalem Post in a parting interview.

Oren, in the interview that is to be published in full on Friday, traced the evolution of Israel’s message on Syria during the three weeks of the chemical weapons crisis.

“The initial message about the Syrian issue was that we always wanted [President] Bashar Assad to go, we always preferred the bad guys who weren’t backed by Iran to the bad guys who were backed by Iran,” he said.

This was the case, he said, even if the other “bad guys” were affiliated to al-Qaida.

“We understand that they are pretty bad guys,” he said, adding that this designation did not apply to everyone in the Syrian opposition. “Still, the greatest danger to Israel is by the strategic arc that extends from Tehran, to Damascus to Beirut. And we saw the Assad regime as the keystone in that arc. That is a position we had well before the outbreak of hostilities in Syria. With the outbreak of hostilities we continued to want Assad to go.”

Amid reports that Assad may be moving some of his chemical weapons arsenal out of the country, Oren reiterated Israel’s position that it will not tolerate attempts to transfer these arms – or game changing weapons – to Hezbollah.

“The chemical weapons were an American red line, it wasn’t an Israel red line,” Oren said. “Our red line was that if Iran and Syria try to convey chemical weapons or game changing weaponry to Hezbollah or other terrorist organizations, that Israel would not remain passive. We were prepared to stand by the red line, and still are.”

Oren, who said he could not verify reports Assad was already moving his arsenal, stressed that “he is not moving them out to Hezbollah.”

On other issues, Oren – who has contact in Washington with some ambassadors from Persian Gulf countries – said that that “in the last 64 years there has probably never been a greater confluence of interest between us and several Gulf States. With these Gulf States we have agreements on Syria, on Egypt, on the Palestinian issue. We certainly have agreements on Iran. This is one of those opportunities presented by the Arab Spring.”

Also, calling “overblown” reports that young American Jews were becoming distant from Israel, Oren sounded an upbeat and optimistic note about the future of American Jewry.

“Certain physicists say that the universe is expanding and contracting at the same time, the same thing is true of the American-Jewish community,” he said. “This means that it is contracting through assimilation, but there is a core of the American-Jewish community coming out of day schools, Orthodox environments, Jewishly educated and deeply connected to Israel and the Jewish people. And that core is expanding.”

“I am actually optimistic about the future of American Jewry,” he said. “I don’t know whether American Jewry will be the same size as it is now in some 30 years, but it will be more Jewishly educated, committed and attached to Israel.”
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 22, 2013, 12:34:23 pm
http://rt.com/news/us-russia-syria-reso ... ssure-202/ (http://rt.com/news/us-russia-syria-resolution-pressure-202/)

Lavrov: US pressuring Russia into passing UN resolution on Syria under Chapter 7

Published time: September 22, 2013 09:48
Edited time: September 22, 2013 11:21

(http://rt.com/files/news/20/85/20/00/screen_shot_2013-09-22_at_2.52.46_pm.si.jpg)
Russian Foreign Minister Sergey Lavrov. (Screenshot from Channel 1 Sunday Time programme)

The US is pushing Russia into approving a UN resolution that would allow for military intervention in Syria, Russian Foreign Minister Sergey Lavrov has said, in exchange for American support of Syria’s accession to OPCW.

“Our American partners are starting to blackmail us: ‘If Russia does not support a resolution under Chapter 7, then we will withdraw our support for Syria’s entry into the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons (OPCW). This is a complete departure from what I agreed with Secretary of State John Kerry',” Russian Foreign Minister Sergey Lavrov told Channel 1's Sunday Time programme.

Chapter 7 of the UN charter would allow for potential military intervention in Syria.

Western countries blinded by 'Assad must go' attitude

The head of Russia’s Foreign Ministry went on to say he was surprised by the West’s“negligent” approach to the conflict.

“Our partners are blinded an ideological mission for regime change,” said Lavrov. “They cannot admit they have made another mistake.”

Slamming the West’s intervention in Libya and Iraq, the foreign minister stated that military intervention could only lead to a catastrophe in the region. Moreover, he stressed that if the West really was interested in a peaceful solution to the conflict that has raged for over two years, they would now be pushing for Syria’s entry into the OPCW in the first place, not for the ouster of President Bashar Assad.

“I am convinced that the West is doing this to demonstrate that they call the shots in the Middle East. This is a totally politicized approach,” said Lavrov.

‘Both sides must hand over chemical weapons’

Sergey Lavrov has also insisted that opposition forces take part in the decommissioning of Syria’s chemical weapons stockpiles.

“The solutions currently being worked out at the OPCW suggest that all stocks of Syrian chemical weapons must be brought under control and ultimately destroyed.”

Lavrov further charged that the West was “not telling the whole story” by asserting that chemical weapons are only possessed by the regime, and not the opposition.

He added that the available information provided by the Israelis confirmed that on at least two occasions, the rebels had seized areas in which chemical weapons were stored and those arms might have fallen into their hands.

"According to our estimates, there is a strong probability that in addition to home-grown labs in which militants are trying to cook up harmful and deadly concoctions, the data provided by the Israelis is true,” the Russian FM said.

“Preparatory work for OPCW inspectors to assume control of chemical weapons storage sites requires that those who fund and sponsor opposition groups –  including extremists –  demand that they hand over the [arms] which have been seized so that they can be destroyed, pursuant to the Convention on the Prohibition of Chemical Weapons.”

Lavrov added that the Russia was not a guarantor for the disarmament for Syria’s chemical weapons, as Syria’s commitments fell under the auspices of the Chemical Weapons Convention, which is internationally administered by the OPCW.

Lavrov said Russia and the US were working out a draft resolution to be submitted to the OPCW, although several points were yet to be agreed upon.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 22, 2013, 03:33:55 pm
Citação de: "mafets"
Se a detecção IR fosse melhor que a detecção por radar do lançamento de foguetes e projecteis de artilharia a primeira coisa que os Israelitas e os Americanos
teriam feito era acoplar um sistema IR aéreo ou terrestre ao Iron Dome.

Deteção antecipada por infravermelhos, é infinitamente superior a qualquer outro sistema de deteção antecipada, o problema é que não funciona para um sistema anti-míssil de curto alcance, ou contra foguetes de artilharia.

O sistema americano, vigia as fontes de calor, mas não pode determinar nada a partir daí. O objetivo é dar aos sistemas anti-míssil um aviso prévio de alguns minutos, quando são detetados lançamentos de mísseis balísticos.
É preciso ver que os americanos desenvolveram o sistema para a defesa anti-míssil e não para um sistema de curto alcance como o Iron Dome.
Para foguetes de artilharia, a eventual resposta não serviria de nada. Pura e simplesmente não haveria tempo.

Mas como o sistema está a funcionar, destinando-se a precaver contra o lançamento de mísseis de médio e eventualmente longo alcance, ele pode detetar outras fontes de calor. No caso do disparo dos mísseis de Bashar al Assad contra os rebeldes, o sistema provavelmente nem ligou ao lançamento, porque não podia ter sido detetado nenhum objeto numa rota potêncialmente ameaçadora.
Mas independentemente disso, os lançamentos foram registados.

Restaram as assinaturas do lançamento e depois os 1400 mortos que o ataque provocou (e que os russos dizem que o Bashar al Assad diz que não existiram) uma ligação entre causa e efeito.
Ainda que não exista uma ligação direta e comprovável em Tribunal, de que um levou ao outro.
Mas aí voltamos à história dos nazistas e dos comboios de judeus, que ninguém pode provar que foram para Auschwitz.




Nota:
O ABL foi cancelado pelo Obama em Novembro de 2011.
Demasiados falhanços:
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=939 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=939)

Se poderá ser reativado isso só o tempo e um futuro presidente poderão dizer.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 22, 2013, 05:48:07 pm
Citação de: "papatango"
Deteção antecipada por infravermelhos, é infinitamente superior a qualquer outro sistema de deteção antecipada, o problema é que não funciona para um sistema anti-míssil de curto alcance, ou contra foguetes de artilharia.

O sistema americano, vigia as fontes de calor, mas não pode determinar nada a partir daí. O objetivo é dar aos sistemas anti-míssil um aviso prévio de alguns minutos, quando são detetados lançamentos de mísseis balísticos.
É preciso ver que os americanos desenvolveram o sistema para a defesa anti-míssil e não para um sistema de curto alcance como o Iron Dome.
Para foguetes de artilharia, a eventual resposta não serviria de nada. Pura e simplesmente não haveria tempo.

100% de acordo (mas atenção que se o sistema de detecção de infravermelhos fosse superior em todas as circunstâncias tinha já tornado obsoleto o radar e a detecção rádio, algo que está longe de acontecer pois por exemplo não existe em serviço aviões de alerta aéreo antecipado por infravermelho porque o alcance dos primeiros é sensivelmente maior apesar das superiores vantagens do Flir http://en.wikipedia.org/wiki/Infra-red_search_and_track). E como não serve de nada para o sistema IRON DOME qual seria a lógica de os EUA colocarem um sistema a 22 mil milhas de altitude que detecta o lançamento de projecteis de artilharia e foguetes (que não têm capacidade de destruir pois o sistema não esta ligado ao Iron Dome ou David's Sling) quando o objectivo é servir a intercepção de misseis estratégicos? Não teremos mais um mito (como os Patriot anti-míssil da guerra do golfo que afinal não abateram um único missil) onde existe a capacidade de detecção mas processadores inadequados para processarem a informação e traçarem os algoritmos necessários a uma intercepção de sucesso? Ou será que os teóricos da conspiração tem razão e o Sbirs é tão potente que até detecta o calor humano?  :mrgreen:
(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/64392000/gif/_64392461_iron_dome_map624_v2.gif)
Citação de: "papatango"
Mas como o sistema está a funcionar, destinando-se a precaver contra o lançamento de mísseis de médio e eventualmente longo alcance, ele pode detetar outras fontes de calor. No caso do disparo dos mísseis de Bashar al Assad contra os rebeldes, o sistema provavelmente nem ligou ao lançamento, porque não podia ter sido detetado nenhum objeto numa rota potêncialmente ameaçadora.
Mas independentemente disso, os lançamentos foram registados.

Restaram as assinaturas do lançamento e depois os 1400 mortos que o ataque provocou (e que os russos dizem que o Bashar al Assad diz que não existiram) uma ligação entre causa e efeito.
(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/sbirs-brochure/fig-06.jpg)
A imagem acima refere um Míssil Balístico detectado pelo Sbir(http://www.fas.org/spp/military/program/warning/sbirs-brochure/fig-06.jpg). Depois das filtragens computorizadas o que se vê é um simples ponto, pelo que ficamos a saber que o sistema pelo menos funciona com missies. Agora ficamos À espera de uma imagem da detecção de um foguete, respectivas filtragens e aquisição do alvo de algo bem mais pequeno.

Citação de: "papatango"
Ainda que não exista uma ligação direta e comprovável em Tribunal, de que um levou ao outro.

Depende do que se gravou, detectou e do que se quer revelar. Se existiu relativamente aos ataques químicos (quer o de 21 de Agosto mas também os anteriores) a detecção do lançamento (infravermelho ou rádio), as respectivas comunicações entre o Regime e os militares, parece-me possível duas simples hipóteses; Ou os EUA tem informação que não querem revelar (por questões de secretismo da capacidade do equipamento, fontes, etc) ou simplesmente não tem toda a informação que dizem ter e especulam uma boa parte das suas suposições.  Qualquer uma das teorias é plausível pelo que tanto aqueles que acreditam como os que acham tudo isto uma simples patranha têm as suas razões e da inexistência de provas conclusivas há que admitir que estes últimos não podem ser condenados por isso.  

Citação de: "papatango"
Nota:
O ABL foi cancelado pelo Obama em Novembro de 2011.
Demasiados falhanços:
http://www.areamilitar.net/noticias/not ... ?NrNot=939 (http://www.areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=939)

Se poderá ser reativado isso só o tempo e um futuro presidente poderão dizer.

http://endthelie.com/2012/02/21/airborne-laser-program-dumped-after-16-years-and-billions-spent-in-development/#axzz2fdhITdcP

A noticia é clara. O avião esta armazenado mas o desenvolvimento do laser e respectiva fonte de alimentação prosseguem (embora com orçamento bem mais reduzido).
Faz-me lembrar o programa do B1. Carter tinha o colocado na "prateleira" mas assim que a cor politica mudou Reagan activou de imediato o projecto e foi buscar os protótipos que estavam em armazem. E independentemente dos seus problemas ai está ele a voar.
(http://www.worldwide-military.com/Military%20Aircraft/US%20Bombers%20plaatjes/Groot/B-1_6.jpg)

http://pt.wikipedia.org/wiki/B-1_Lancer
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 24, 2013, 11:04:17 pm
Para quê acreditar em tecnologia secreta e muito boa que até agora a única coisa que provou é que não tem nada para provar?
Mas parabéns pelo investimento. Agora têm carta branca para lançar as sementes da guerra naquelas bandas.

Não podem mostrar ao menos as transcrições telefónicas?

Como eu sou chato deixo-vos este link ainda sobre a questão do ataque químico.
http://www.globalresearch.ca/questions-plague-un-syria-report-who-was-behind-the-east-ghouta-chemical-weapons-attack/5351337

Dizem os rumores que os manipuladores não gostam deste site. Leiam e tirem as vossas conclusões.

Mafets esta pergunta é para si. Com base na sua análise quem pensa que esteve por detrás do ataque químico?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 25, 2013, 10:04:48 pm
http://aoav.org.uk/infographic/syrias-dirty-dozen/ (http://aoav.org.uk/infographic/syrias-dirty-dozen/)

Infographics: Syria’s ‘Dirty Dozen’

By Sarah Leo on 23 Sep 2013

Syria’s ‘Dirty Dozen‘ is AOAV’s profile of twelve of the worst explosive weapons in use in Syria.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGp-DD-Overview.jpg)

The Grad
Grad means ‘Hail’ in Russian. It is a multiple rocket launcher system that fires 40 unguided, high-explosive fragmentation rockets. It is described as the most widespread artillery rocket system in the world.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-Grad.jpg)

The Sakr
Rockets used in Syria which are designed like the Grad rockets but with cluster munition warheads containing as many as 98 DPICM sub-munitions (based on the assumption that this is the Type 36 Sakr).

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-Sakr.jpg)

The Type-63
A multiple rocket launcher that fires up to twelve rockets from 3×4 rows of barrels. It is towed or mounted on a truck.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-Type-63.jpg)

The Luna-M/Frog-7
FROG means Free Rocket Over Ground. It is a ballistic rocket often confused with similar Scud-like missiles.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-Frog1.jpg)

The M-240
The world’s heaviest mortar, the 53-F-864 240mm bomb is fired by only two systems, both Russian-made. In Syria, the system seen in Homs is the M-240.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-M-240.jpg)

The M-1943/M43
The 120mm is a heavy mortar that is common in state arsenals. Many countries have replaced the M1943 with the similar 2B11 Sani but Syria is still believed to have the original model.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-M19431.jpg)

The D-30
The standard ammunition fired by this gun is the OF-56. It has a high-fragmentation steel shell which has a much greater impact than the other main shell used by the D-30.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-D-30.jpg)

The T-72 Tank
The T-72M is the export version of the Russian-made main battle tank. It fires the 125mm OF-26, which is a high-explosive fragmentation shell.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-T-721.jpg)

The 2S3 Akatsiya
The 2S3 is a self-propelled artillery system, introduced in 1974. It normally fires the OF-540 high explosive shell which is the most commonly-fired 152 mm projectile in the world.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-2S3.jpg)

The S-25 OFM
The S-25 is the largest air-launched rocket in Syria. The OFM warhead is designed to attack hardened targets. It can be fired from several aircraft including two fighter jets that are known to be part of Syria’s air force.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-S-251.jpg)

The OFAB 100-120
These are part of a family of unguided bombs owned by Syria that can be dropped from several of its fighter jets.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-OFAB-100.jpg)

The ODAB-500 PM
Fuel-air explosive bomb, also known as a vacuum bomb, which can be dropped from several aircraft known to be in Syria’s arsenal.

(http://aoav.org.uk/wp-content/uploads/2013/09/IGw-DD-ODAB-5001.jpg)


Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 25, 2013, 11:19:14 pm
Citação de: "mafarrico"
Como eu sou chato deixo-vos este link ainda sobre a questão do ataque químico.

Você por acaso estudou e procurou saber quem é o Michel Chossudovsky ?
Procurou saber a que é que ele dedicou a vida ?

Você não tem feito outra coisa que não seja produzir links para sites de ativistas.
Talvez fosse melhor procurar alguma coisa em que pudéssemos pelo menos considerar que havia um pouco de equilibrio.

O autor do site que você dá como referência, dedica-se às teorias da conspiração...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: P44 em Setembro 26, 2013, 11:20:09 am
Citação de: "FoxTroop"
Citação de: "papatango"
Muito obrigado pelo seu texto, que é como todos os outros elucidativo do ponto de vista técnico. Creio que já todos percebemos quais são as suas fundamentações, e qual o teor da sua argumentação, quando as teorias conspirativas são desmascaradas.

Exacto, por isso é que perante as questões que não interessa segues à volta, como no caso dos turcos caçarem "rebeldes" com gás sarin ou nos vídeos e fotos de "rebeldes" a operarem as armas que dizes que eles não têm, ou falas de assuntos que nem tu conheces, a não ser que sejas alguém de um patamar tão acima que tem acesso a informações tão secretas que não puderam ser mostradas. Tão secretas que os USA decidiram que valiam mais que ser completamente humilhados na cena politica mundial, porque é extremamente natural no xadrez geopolítico, estar em posição de força e aceitar os termos do adversário.  :lol:  :twisted:  :twisted:

E depois a estupra mentira de que houve 1400 mortos. Quase todos os relatos colocam a fasquia num máximo de ~350 mortos. Fica interessante verificar que de todas as imagens, filmes e relatos, não haja nada referencia aos enterros dessa gente toda nem à localização das campas/valas, o que é extremamente difícil no meio de uma zona urbana.

E poderia continuar por aí fora.

Torno a deixar o repto; se for para discutir as opções geo-estratégicas e geopolíticas da intervenção na Síria, o peso da opção russa de confrontar ali os USA, do qual a presença naval é demonstrador inegável, os atritos cada vez mais claros entre duas pontas do triângulo estando Washington a fazer o jogo do equilíbrio para não desagradar a ambos e porque não se altera a posição para um eixo Ancara-Teerão em vez de Telavive-Riade, porreiro.

Se for para aturar o teu cinismo sobre Direitos Humanos, que para ti só são válidos para um lado e existe neste fórum e em outros, mais que suficientes escritos sobre as tuas "aprendizagens e mudanças de opinião", só te enterras. Demasiado primário para não ser pago.


Não há maneira de pôr "Likes" em posts? É que este merecia um gigante!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 26, 2013, 12:00:54 pm
Citação de: "mafarrico"
Mafets esta pergunta é para si. Com base na sua análise quem pensa que esteve por detrás do ataque químico?

Com base na informação disponível a probabilidade de ter sido o Governo onde existem os tais foguetes misteriosos é grande. Da mesma forma que em ataques mais pequenos onde se verifica a utilização exclusiva  do rocket m-14 (que já foi visto a ser lançado de rampas improvisadas pelos rebeldes, descartando portanto o lançador BM-14 normalmente usado pelas forças de Assad) ou meros projecteis de artilharia, ( face ao armamento capturado em quartéis e bases aéreas) a possibilidade de serem ataques químicos por parte dos rebeldes é também forte hipótese.

(http://www.emptywheel.net/wp-content/uploads/2013/09/Intact-rocket-schematic.jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-sQH3FWOqtF8/Uh5InXsoPYI/AAAAAAAAFJo/cyWRIrn1Qao/s1600/3.jpg)
(http://3.bp.blogspot.com/-r30muA1ll_k/Uhr4zd5cGqI/AAAAAAAAFE8/e6HUIyLkZLY/s1600/197.jpg)
Citar
Este foguete de 330mm é demasiado complexo para ser feito numa qualquer oficina artesanal. Trata-se de combinar componentes de pelo menos 3 foguetes diferentes com um lançador Iraniano. O próprio sistema de lançamento é complicado pois utiliza camiões civis de médio porte e tubos de lançamento (apenas 2) do shalab 2 e o foguete é lançado num ângulo quase de 90º. No máximo alguma destas armas poderia ser usada por rebeldes caso capturada mas seria sempre em pequeno número. A existência do numero de lote indica fabricação em série pelo que a proveniência será sempre de lotes governamentais (o que não quer dizer que no caos sírio tenham sido apenas as Forças armadas Sírias a usar, apenas aumenta essa probabilidade)
(http://3.bp.blogspot.com/-Z0YmAr5nFeA/UiRdmkQFIRI/AAAAAAAAFTI/HzelHbr27HQ/s1600/M14+140mm.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-YOJnt5pruzM/UhzAsjnD87I/AAAAAAAAFHo/hCSD8te27L0/s320/1235990_4603830592386_2050791626_n.jpg)
(http://www.zianet.com/tmorris/vn09.jpg)
(http://hamodia.com/hamod-uploads/2013/06/FP-Syria-France.jpg)
(http://i1.ytimg.com/vi/mNS5WoiodQ0/hqdefault.jpg?feature=og)
(http://www.jpost.com/HttpHandlers/ShowImage.ashx?id=217648&h=236&w=370)
(http://www.topsecretwriters.com/wp-content/uploads/2013/09/syria-chemical-weapon-infographic.jpg)
Citar
O M-14 é um foguete banal, o qual terá sido fornecido de várias proveniências e capturado (já foi visto na posse de rebeldes varias vezes). A única modificação é no sistema de ignição pelo que é passível de ser feita no mesmo sitio onde se fabricam os foguetes artesanais. Não precisa obrigatoriamente de lançador podendo o mesmo ser construído.A própria simplicidade do sistema onde praticante apenas à que trocar a ogiva HE por uma química torna este tipo de arma possível de ser facilmente usada por qualquer das partes no conflito Sirio. Da mesma forma que outro equipamento como mascaras de gás foi capturado ou fornecido aos rebeldes é credivel que este tipo de foguete também o foi. Mas atenção que ataques quimicos podem ser feitos até com projecteis de artilharia e canhões é algo que não falta nesta guerra civil a todos os intervenientes

Cumprimentos

P.S. Existem fotografias de imagens do tal foguete misterioso bem como de equipamento rebelde artesanal como o "Hell Canon" usado supostamente pelos rebeldes em ataques químicos. Como a analise mais cuidadosa não confirma essas utilizações optei por as deixar fora desta análise embora aqui as coloque.
(http://1.bp.blogspot.com/-pfj9faSbzjQ/Uhj-RKClN-I/AAAAAAAA8w8/99GaQESZ6Dg/s320/free-syrian-army-2.jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-wvKt6PzKAZw/URgV52idytI/AAAAAAAABBk/EjPBKJryf8M/s1600/Grad.png)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 26, 2013, 09:17:59 pm
Guterres descreve cenário de «crise gigantesca» na Síria


O alto comissário para os refugiados, António Guterres, disse hoje que é necessário tudo para apoiar os afectados pela crise na Síria, que em declarações à Rádio ONU descreveu de «gigantesca» e que está a ter sérias consequências no Líbano e noutros países vizinhos. «É preciso compreender que não basta apenas ajuda humanitária. É preciso perceber que há um impacto estrutural deste enorme número de refugiados no sistema educativo e de saúde», afirmou.

«Hoje, há mais estudantes sírios do que libaneses no ensino público no Líbano. No outro dia, visitei um hospital e, em 16 incubadoras, 12 estavam com crianças sírias na Jordânia. Portanto, sem um apoio maciço do ponto de vista do desenvolvimento, do reforço das infraestruturas nos países vizinhos, será impossível estes resistirem a esta pressão tão gigantesca», referiu ainda.

Guterres participou, em Nova Iorque, numa conferência para mobilizar apoios para refugiados e comunidades vulneráveis afectadas pela crise, além de dar «assistência estrutural e financeira para ao Governo libanês».

O impacto do conflito sírio no Médio Oriente levou à criação, pelas Nações Unidas, do Grupo Internacional de Apoio ao Líbano. O país acolhe 720 mil dos 2 milhões de refugiados do conflito, que desalojou outros 5 milhões de pessoas.

A ONU estima que mais de um terço da população síria já deixou o país nos mais de dois anos dos confrontos entre forças governamentais e grupos da oposição, que se saldaram em cerca de 100 mil mortos.

«É preciso tudo, é preciso receber refugiados, ter fronteiras abertas em todo o mundo, receber refugiados em reinstalação, é preciso dar apoio financeiro a organizações humanitárias e é preciso apoiar os Estados que estão a receber os refugiados, e dar-lhes não apenas apoio financeiro mas apoio técnico. Tudo é necessário no presente momento porque esta crise tem uma dimensão à qual o mundo não estava habituado. É uma crise que ultrapassa tudo quanto se podia prever aqui há dois anos», explicou.

No encontro, que decorreu à margem da Assembleia Geral, participaram líderes dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, da Liga Árabe e da União Europeia.

Em discussão esteve também o apoio à soberania do Líbano e às instituições da nação mais afectada pela crise síria.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 27, 2013, 12:00:37 am
Citação de: "papatango"
Citação de: "mafarrico"
Como eu sou chato deixo-vos este link ainda sobre a questão do ataque químico.

Você por acaso estudou e procurou saber quem é o Michel Chossudovsky ?
Procurou saber a que é que ele dedicou a vida ?

Você não tem feito outra coisa que não seja produzir links para sites de ativistas.
Talvez fosse melhor procurar alguma coisa em que pudéssemos pelo menos considerar que havia um pouco de equilibrio.

O autor do site que você dá como referência, dedica-se às teorias da conspiração...

Esteja descansado. Não conheco nem estou interessado em conhecer o senhor Chossudovsky. O seu pior pesadelo não se vai concretizar. Essa aflição crónica com as teorias da conspiração é um problema seu, terá que o resolver com a sua consciência. A verdade incomoda apenas os que têm carácter fraco. Felizmente há pessoas que pensam pela sua própria cabeça colhendo informações dum lado e do outro e têm uma visão do mundo diferente da sua. Quanto ao artigo que era o mais importante do post ,este não mereceu da sua parte uma única palavra. O artigo foi repescado pelo site Global Research tendo sido publicado originalmente em Al-Akhbar (jornal libanês). Acho de bom tom trazer para a narrativa deste conflito uma peça de jornal árabe. Quem escreveu o artigo foi Sharmine Narwani, uma senior associate em St. Antony's College, Oxford University. Uma das melhores universidades do mundo, é uma referência . Outro autor foi Radwan Mortada, um jornalista libanês que já acompanhou o conflito em solo sírio.
 Quando questões e análises pertinentes são levantadas no link que deixei http://www.globalresearch.ca/questions-plague-un-syria-report-who-was-behind-the-east-ghouta-chemical-weapons-attack/5351337 o Papatango lança fumo e contorna os problemas. As lengalengas do costume. Entre outras manipulações com que já nos habituou nas suas análises dou este exemplo:

(publicado por Papatango a 17/09/2013)
Ao determinar que o gás era de uma qualidade refinada e mais potente que o gás que foi utilizado por Saddam para atacar a população de Halabja prova-se que não se tratou de material roubado no Iraque (o que de qualquer maneira acabava por ser a prova de que afinal havia armas químicas no Iraque, o que não deixa de ser patético) e demonstra-se acima de tudo, que não poderia ter sido produzido pelos rebeldes, como os conspirativos também tentaram afirmar.

Donde é que tirou esta conclusão? O relatório da ONU não especifica a qualidade do gás sarin utilizado pois não? Qual foi a informação do relatório que lhe fez escrever isto ? Mas você como eu sabe que se foi gás refinado, então quase de certeza que foi o regime, pelo contrário se foi gás "artesanal" então quase de certeza que foram os rebeldes.
Aqui no forum já o conhecemos, pela causa americana é capaz de vender a alma ao diabo. Deixe-me que lhe diga que ser tão ingenuozinho não lhe fica nada bem.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 27, 2013, 12:03:26 am
Mafets

Obrigado pela sua análise.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Setembro 27, 2013, 08:56:34 pm
One shot two kills.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 28, 2013, 12:07:47 am
Síria – um conflito interno ou mais um desafio para a comunidade internacional?
Jorge Paulo S. M. Prazeres



Introdução


O actual conflito que decorre na Síria desde 2011, para além de se apresentar como um flagelo, quer para os habitantes daquele território, qualquer que seja a sua etnia ou credo, nas suas mais variadas vertentes, quer para o sistema de equilíbrios estratégicos internacionais. O nó do debate encontra-se agora no Conselho de
Segurança das Nações Unidas, o qual ainda não encontrou uma modalidade rápida e eficaz para por fim à carnificina. A comunidade internacional ocidental clama pelo fim do regime de Assad, mas a Rússia e a China, como membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas têm inviabilizado uma Resolução que legitimize uma intervenção internacional militar na região a fim de enfraquecer o poder do governo.

Há várias formas de abordar conceptualmente a situação de guerra que está instalada na Síria. Para uns, o problema central está na segurança humana e na defesa dos direitos humanos de todas as pessoas que são cilindradas pelas consequências dos conflito, quer como baixas fruto da violência dos combates, quer como desalojados e refugiados, afastados das suas propriedades e dos seus meios de subsistência. Para outros, a questão reside na saída do poder por parte de Bashar al-Assad e na ultrapassagem da "red line" em virtude do emprego de armas químicas. Pela sua complexidade e pela envolvência de importante actores regionais, considerando também as fortes posições tomadas pelos Estados membros permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, este tema reveste-se de uma relevância acrescida para todos os Estados que acompanham os acontecimentos na Síria e que, de alguma forma, estão a ser afectados ou poderão vir a sê-lo no decurso do conflito.

Baseado nos comentários, declarações políticas e documentos oficiais postos em circulação pelos Estados e por actores internacionais, bem como pelas notícias e informações veiculadas pela comunicação social internacional, foi possível desenvolver uma colecção de dados passíveis de trazer alguma luz, não a uma adivinhação prospectiva acerca do desfecho provável para o conflito, mas sim para a descrição do cenário actual, de modo a que, a partir dele, se possam construir cenários prospectivos que determinem outras acções político-estratégicas convenientes para uma adequada gestão do conflito.

A crise do emprego das armas químicas na Síria veio recentrar a opinião pública e a atenção política-estratégica internacional no arsenal químico sírio e já não no conflito bélico que decorre. O problema dos refugiados agudiza-se e as alternativas a al-Assad não são claras.

As notícias difundidas pelas agências governamentais e por outros actores da cena internacional levaram a crer que o que se desconhece terá mais impacto do que a informação factual conhecida. Quais as acções espectaculares para captar a atenção da comunidade internacional que ainda estarão para vir são uma incógnita. Enquanto isso o cenário de guerra na Síria configura-se de uma forma ambivalente entre um conflito doméstico e um dramático quebra-cabeças político-estratégico para os principais actores da cena internacional.

O que sabemos ao nível do conhecimento público?


É opinião geral internacional de que na Síria foram empregues agentes químicos letais contra cidadãos civis durante o conflito que coloca o regime de Assad contra
as facções opositoras.

Os EUA afirmaram que o uso de armas químicas ultrapassavam a "red line" admitida internacionalmente, apesar da Síria não ter assinado qualquer convenção nesse sentido. Barack Obama, necessita tomar uma atitude pública de alcance global para explicar ao mundo que as "red lines" (Roduren e Sanger, 2013), definidas pelos EUA, são para levar a sério. Porém, a atitude a tomar por Obama foi afirmada como não considerando "boots on the ground", ou seja, tropas no terreno da área
de operações. Desta forma, as cautelas americanas quanto a uma intervenção na Síria levaram Barack Obama a considerar imprescindível obter uma autorização
política prévia emanada pelo Congresso americano.

Numa atitude cautelosa e eventualmente impregnada de lições aprendidas no Iraque e no Afeganistão, os militares americanos deixaram transparecer para a comunicação social que uma intervenção militar americana na Síria poderia trazer repercussões não calculadas e incontroláveis para a comunidade internacional.

Até agora ao fim da primeira semana de Setembro de 2013, o Conselho de Segurança das Nações Unidas foi incapaz de emanar uma resolução mandatando uma intervenção militar internacional na Síria, ficando-se pelo envio de monitores e observadores das Nações Unidas para determinar a veracidade do uso de agentes químicos contra populações civis.

Na discussão do conflito sírio fala-se bastante no uso de armas químicas e nos aspectos humanitários de tal emprego sobre as populações civis, mas ainda não foi apresentada uma abordagem consistente no que respeita aos problemas do regime sírio ou ao que se espera depois de uma intervenção militar na região. Algumas das consequências apontadas seriam uma escalada sectária, um aumento do fluxo de refugiados para os países vizinhos, um aumento da instabilidade securitária no
Líbano e no Iraque, bem como uma radicalização diplomática com o Irão (Dworkin et al, 2013), não obstante uma posição aparentemente moderada do novo Presidente do Irão, Hassan Rouhani.

Qual parece ser o objectivo da comunidade internacional ?


Pelas perguntas que os senadores americanos Levin e McCain colocaram ao General Dempsey, "chairman" do "Joint Chiefs of Staff" americano, parece que o objectivo pretendido é o afastamento de Assad do governo sírio e a construção de uma alternativa política negociada (Levin e McCain, 2013).

O conflito na Síria, depois de ter surgido no contexto da Primavera Árabe de 2010, agudizou-se a partir de 2011 e espelha uma profunda divisão político-estratégica naregião do Médio Oriente, colocando, por um lado, o Irão, o Iraque e o Hezbollah em apoio do regime de Bashar al-Assad, e por outro lado, a Arábia Saudita, o Qatar e a Turquia em apoio da oposição rebelde. Poderão ainda manifestar-se outros interesses no conflito, nomeadamente por parte dos Curdos, da Jordânia e de Israel (Barnes-Dacey e Levy, 2013). Al-Sabat (2013), com algum humor, fazia um esboço caricaturado da rede de relações estratégicas existentes no Médio Oriente, levando a crer que a máxima de que "o inimigo do meu inimigo é meu amigo" pode não ser completamente verificável na região.

Os países do Golfo temendo que a onda de contestação popular pudesse por em causa os seus próximos regimes teriam preferido que Assad conduzisse algumas reformas a fim de apaziguar os ânimos. Em vez disso, o poder Sírio, apoiado pelo Irão, optou por uma política de repressão violenta, levando a que países como a Arábia Saudita e o Qatar tenham manifestado um apoio à mudança de regime na Síria. Os sunitas têm apoiado a oposição ao governo sírio e o Irão aparenta temer mais o uma afirmação sunita na região do que propriamente as qualidades do regime de Bashar al-Assad (Barnes-Dacey e Levy, 2013).

Existe conjunto de países que se poderão assumir como influenciadores neste processo. A Turquia e a França apresentam laços históricos com a Síria, bem como os seus vizinhos que podem desenvolver acções políticas e estratégicas que não deixarão de condicionar o decurso de todo o processo. O Presidente da República do Líbano General Michel Sleiman, Sua Majestade o Sultão de Omã, Qaboos Bin Said Al-Said , ou até o Presidente da Republica do Senegal, Mack Sall, bem como o ex Primeiro Ministro de Singapura, Lee Kuan Yew, são exemplos de entidades que poderão ser vistas como influenciadores do processo diplomática para a procura de uma solução política com vista à gestão da crise vivida na Síria.

Problemático, também, é o facto de a atenção internacional se distanciar um pouco do cerne do conflito sírio entre o regime de Bashar al-Assad e os seus opositores,
para se centrar fundamentalmente no caso circunscrito ao uso de armas químicas.

Qual o papel dos actores internacionais?

França


A França foi um dos primeiros países europeus a tomar uma atitude com alguma visibilidade na condenação do uso de armas químicas na Síria, clamando por uma intervenção militar a conduzir por uma coligação liderada pelos EUA (Le Figaro, 2013). Porém, ficou-se pelas declarações e pela gestão interna da atitude devido a
três aspectos fundamentais:

Os EUA não iniciaram qualquer campanha militar antes de uma aprovação pelo seu Congresso e a França não apresenta capacidade para tomar iniciativas operacionais de forma autónoma e individualizada num teatro de operações como o da Síria, como o fez, por exemplo, no Mali.
A União Europeia mostrou-se pouco propensa a uma actuação militar em bloco, preferindo afirmar publicamente a condenação da utilização de armas químicas e declarando a sua disponibilidade para apoiar soluções de cariz político e diplomático.

A comunicação social referia que o Presidente Holland não teria o apoio na Assembleia Nacional francesa, nem da maioria dos cidadãos para desencadear uma acção militar ofensiva contra o governo sírio.

A França, numa atitude de afirmação política e estratégica dentro da Europa e na comunidade transatlântica, foi ultrapassada pela sua própria incapacidade operacional para conduzir uma atitude militar incisiva. Contudo, não deixou de dar mostras de uma solidariedade inusitada para com os EUA, assumindo a tradicional postura inglesa.

Estados Unidos da América


O Presidente da Administração americana, Barack Obama encontra-se num dilema crítico: atacar militarmente a Síria, sob o argumento principal de que este Estado ultrapassou de forma inadmissível um linha vermelha ao utilizar armas químicas, as quais se enquadram dentro das armas de destruição massiva. Para tal necessita de se legitimar sob o ponto de vista interno ao pedir autorização ao Congresso americano para o fazer, bem como sob o ponto de vista externo, uma vez que o Conselho de Segurança das Nações Unidas não tinha prescrito qualquer mandato para tal acção.

Firmado em 14 de Setembro de 2013, o acordo entre os EUA e a Rússia não foi mais do uma declaração de princípio de que estes dois Estados não iriam vetar uma Resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas que tipificasse os procedimentos, de acordo com a Convenção para as Armas Químicas (CWC), com vista ao controlo e posterior destruição do arsenal químico sírio.

É importante também referir que neste acordo entre os EUA e a Federação Russa o prazo estipulado de uma semana para que o governo sírio forneça uma lista de
todo o inventário e localização do armamento químico de que dispõe (US Department of State, 2013). Alguns analistas internacionais consideram que o prazo apresentado não é exequível e que poderá vir a ser um dos primeiros aspectos de incumprimento. O próprio acordo antevê que os prazos para a destruição do armamento são ambiciosos, sendo tal adjectivo uma espécie de eufemismo para a palavra "curtos".

Ao governo sírio foi-lhe atribuído o estatuto de entidade primariamente responsável pelo sucesso deste projecto, não considerando qualquer posição tomada ou a tomar por parte da oposição ao regime de al-Assad.

Israel


Desde Abril de 2013 que a comunicação social internacional vinha repostando que países como Israel, a França ou o Reino Unido já teriam alertado os EUA e a NATO de que na Síria estavam a ser usados agentes químicos, alegadamente pelas forças governamentais. Isto ultrapassava claramente a "red line" anunciada por Obama, o que justificaria uma resposta militar dura e incisiva, se bem que sem tropas no terreno, por parte da comunidade internacional (Roduren e Sanger, 2013). A inércia para a intervenção clamada foi sempre justificada por falta de provas conclusivas em relação a tais acusações.

Aparentemente, Israel encontra-se entre duas perspectivas distintas. Se por um lado poderá beneficiar do enfraquecimento estratégico dos seus adversários locais
tradicionais (Barnes-Dacey e Levy, 2013) por estarem prioritariamente envolvidos no conflito sírio, por outro lado, poderá temer um alastramento da instabilidade e
da insegurança por via do fluxo de refugiados, das influências jihadistas nos territórios sob seu controlo, bem como por via da transferência de armamentos para o Hezbollah e dada a proximidade geográfica com a área de conflito.

NATO


A NATO fez eco da posição internacional ao condenar o uso de armas químicas e tomou uma posição cautelosa apoiando-se na legitimidade das Nações Unidas para esclarecer a verdade. Todavia, já em 21 de Agosto de 2013, não deixava de denotar alguma convicção afirmativa, atribuindo ao regime sírio a autoria do emprego de tais armas (Rasmussen, 2013), muito antes da apresentação de conclusões dos relatórios elaborados pelos inspectores da ONU que se deslocaram ao terreno afectado.

A Aliança Atlântica apoiava declarativamente o acordo entre os EUA e a Rússia para o processo de controlo e destruição do arsenal químico sírio, contudo, dava também a entender que acreditava que a solução política para a crise na Síria passaria pelo fim da carnificina com que a comunidade internacional se tem deparado (Rasmussen, 2013).

Tomando como referência as declarações de Ban-Ki-Moon de 16 de Setembro de 2013 quanto à evidência do emprego de armas químicas na Síria, o Conselho NATO-Rússia sublinhou o facto deste uso ter sido declarado como uma grave violação das regras do Direito Internacional, pelo que a comunidade internacional terá que pedir responsabilidades aos prevaricadores (NATO, 2013). Aludindo ao Capítulo VII da Carta das Nações Unidas3, a NATO, com a anuência tácita da Rússia, não parece descartar a possibilidade da condução posterior de uma ação punitiva na Síria, sendo porém muito pouco provável uma campanha com tropas no terreno, considerando os dados iniciais do problema.

Reino Unido

A comunicação social inglesa dava nota da não autorização parlamentar para uma intervenção militar do Reino Unido na Síria e classificava a derrota de David Cameron na Câmara dos Comuns como humilhante para este Primeiro Ministro (Gant, 2013). Tal facto deixou o Reino Unido isolado aos olhos daqueles que defendiam uma acção ofensiva, mesmo que sem tropas no terreno, com David Cameron à mercê da gestão de questões internas de liderança política.

Este "volte face" na política externa britânica levantou algumas questões nomeadamente em relação ao alinhamento tradicional do Reino Unido com os EUA e no que concerne ao seu peso e papel no xadrez estratégico internacional (BBC, 2013). Alegadamente, a experiência da intervenção no Iraque sem um claro mandato das Nações Unidas ainda seria uma referência muita viva em termos de consequências e lições aprendidas. Assim, os britânicos pareceram preferir, não uma corrida para a guerra, mas sim um trabalho coordenado com a comunidade internacional e legitimado pelas Nações Unidas.

Depois da negativa parlamentar em relação à participação militar do Reino Unido na crise da Síria ficou a ideia de que tudo seria uma questão de tempo oportuno e que, face à prova de evidência de uso de agentes químicos e à perspectiva de um claro mandato por parte das Nações Unidas, a posição britânica poderia ser repensada (BBC, 2013).

Apesar do reconhecido valor da proposta apresentada pelo Secretário de Estado americano John Kerry e pelo Ministro dos Negócios Estrangeiros russo Serguei Lavrov, no Reino Unido o cepticismo de algum forma mantém-se, receando-se que a proposta se transforme numa manobra para se ganhar tempo. Por outro lado, se o plano de controlo e destruição do arsenal químico sírio vier a ser posto em execução será sempre necessário responder às perguntas de "o quê", "onde", "quando", "quem" e "como". O mesmo será perguntar que armas deverão ser retiradas da Síria, para onde, respeitando que calendário e sob a supervisão de quem. Considerando-se o estado de guerra civil no território sírio, faltará também esclarecer em que condições e como tudo se fará (BBC; 2013).

Por último, a comunicação social não deixa de alimentar um ambiente cínico ao levantar a questão acerca da exportação do Reino Unido para a Síria de compostos químicos reconhecidamente utilizáveis no fabrico de agentes químicos letais, tais como o Fluoreto de Sódio e o Fluoreto de Potássio (BBC; 2013).

Rússia

A Rússia tem apoiado o regime de Assad e tem vetado no Conselho de Segurança das Nações Unidas qualquer intervenção armada externa. Tem também considerado que uma intervenção militar americana na Síria é uma agressão e um atentado contra a segurança internacional.

O ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavov, tomou um passo importante para arrefecer a situação conflitual ao propor uma nova modalidade de controlo das armas químicas sírias. Porém, a situação ganhou outros contornos e não foi por isso que se tornou menos complexa (Perkovich, 2013). Os comentadores políticos têm especulado acerca do facto de a Rússia parecer pretender afirmar-se como um actor internacional, igual em poder aos EUA e superior em diplomacia (Stratfor, 2013).

Uma outra visão internacionalmente propalada é que a proposta russa para controlo e destruição do armamento químico sírio constitui-se como uma mais valia para uma solução política e diplomática para o conflito sírio, em que todos os intervenientes ganhariam, numa relação "win-win" (Akulov, 2013). Contudo, o artigo de Akulov não deixa de recordar outras facetas de cariz menos optimista. De entre todos os aspectos a considerar fica no ar a recordação de que o mundo já não está centrado o espaço transatlântico e que existem outro actores individuais e colectivos, como é o caso da Organização de Cooperação de Xangai (SCO). Estes actores permanecem atentos ao processo e que têm uma palavra a dizer, ostentando um peso político local e regional considerável, se comparado com a União Europeia.

Apesar de uma procura concertada de soluções para a crise Síria, Sergei Lavrov continua a manter alguma pressão sobre a comunidade internacional insinuando suspeições sobre a origem dos ataques químicos e sugerindo que não foram consideradas todas as fontes de notícias.

Síria


A Síria admite sujeitar o seu arsenal químico ao controlo internacional, mais propriamente ao da Rússia, e considerar uma possível destruição posterior desse armamento, se isso contribuir para a solução do conflito internacional em que os EUA são protagonistas (Dyer, Clover, Blitz, 2013).

Esta modalidade aparece, para os analistas políticos como uma manobra de bastidores, uma vez que esta passagem de responsabilidade no controlo será muito difícil de realizar face ao processo violento de guerra civil que a Síria vive (Gernstein, 2013). Como factor positivo realça-se o facto de o governo sírio ter aceitado aderir à CWC e aceitar as orientações emanadas pela Organization for Prohibition of Chemical Weapons (OPCW).

Em todo este processo, o conflito que opõe o regime sírio aos seus opositores parece ter sido arredado para segundo plano, ganhando as armas químicas foros de protagonista. Se tal situação colocou o regime de Bashar al-Assad sob o escrutínio mais apertado da comunidade internacional, fortalecendo a posição das milícias
opositoras. Por outro lado, retirou à oposição alguma visibilidade, deixando margem de dúvida acerca dos autores das atrocidades cometidas envolvendo armas químicas.

Turquia


A Turquia mostrou-se desiludida com a NATO e com a política americana. Reconheceu que tem um problema político e estratégico junto às suas fronteiras, pois o conflito e a crescente afluência de refugiados já fez espirrar consequências para dentro do seu território (Dombey, Spiegel, 2013). Apelou a uma intervenção americana militar firme e afirmou descontentamento com a forma como a administração americana demonstrou fraqueza na tomada de iniciativa e como procurou legitimar internamente a sua relação no que concerne ao uso de agentes químicos na Síria (Dombey, Spiegel, 2013).

A Turquia, por seu lado, constatou que dificilmente poderá tomar qualquer iniciativa autónoma e que dificilmente poderia integrar forças colocadas no Mediterrâneo
para bombardear a Síria (Dombey, Spiegel, 2013).

União Europeia


A União Europeia têm-se mostrado incapaz de tomar qualquer iniciativa credível na gestão da crise Síria, estando à mercê das políticas externas individualizadas dos seus Estados membros. As posições divergentes do Reino Unido e da França neste projecto são a materialização desta incapacidade para a assumpção de uma política comum e forte. Por outro lado, a União Europeia assume-se como doador potente para a reconstrução do país e para o processo de desmantelamento do arsenal químico sírio (Ashton, 2013).

Nações Unidas


Dos comentários de Ban-Ki-Moon (2013), apoiados na informação vertida no relatório dos inspectores da ONU sobre o uso de armas químicas ocorrido em Damasco, na área de Ghouta, em 21 de Agosto de 2013, retira-se que foi oficialmente confirmado o uso de gás de nervos Sarin, o qual terá sido disseminado através de foguetes superfície-superfície (UN Secretary General, 2013).

O Secretário Geral da ONU classificou este acto como uma grave violação do Protocolo 1925 e de outras regras comuns do Direito Internacional, pelo que os seus autores deverão ser acusados de crimes contra a humanidade, conduzidos à presença da justiça e julgados (Ban-Ki-Moon, 2013). Por último, ficou implícito que no conflito da Síria tão maus são uns como outros, dadas as atrocidades e a aniquilação indiscriminada de cidadãos através de acções conduzidas quer pelas forças governamentais, quer pelas milícias opositoras.

A comunicação social reportou que o Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu para análise do relatório produzido pelos inspectores que se deslocaram ao terreno sírio. Enquanto o grupo constituído pelo Reino Unido, França e EUA parecem favoráveis à consideração do Artigo VII da Carta das Nações Unidas no caso da Síria não cumprir os acordos propostos para o desmantelamento do arsenal químico, a Rússia aparenta defender soluções longe de uma intervenção militar, preferindo que a alusão ao Capítulo VII seja retirado de uma próxima resolução da ONU sobre este conflito (Parsifalseven, 2013).

Espera-se um trabalho árduo ao nível das Nações Unidas para se preparar um texto de Resolução, tão livre de ambiguidades semânticas quanto possível para evitar que surjam interpretações diferentes que conduzam a incumprimentos e à perspectiva de sanções não aceites por todos os actores envolvidos.

O que não sabemos ?

De toda a análise efectuada, digerindo as notícias e as informações credíveis de que se dispõe acerca do conflito na Síria, constata-se que o que sabemos é incomensuravelmente inferior ao que se desconhece. Como referia Nassim Taleb (2011), explorando os conceitos de "Cisne Negro" e de "altamente improvável", o desconhecido será aquilo que marcará o rumo dos próximos acontecimentos, quer por parte da comunidade internacional, quer por parte das entidades em confronto
no terreno.

Não sabemos, com a apresentação de uma proposta para o controlo do arsenal químico sírio, com origem na diplomacia russa e americana, se existe uma real intenção e capacidade de operacionalizar todos os aspectos propostos. Não sabemos também se Washington renunciou a um ataque militar à Síria por uma questão de fraqueza política e necessidade de reforçar a sua legitimidade, se por uma questão operacional de procura de melhor janela de oportunidade.

Desconhece-se qual seria a posição da China num conflito internacional aberto centrado no teatro de operações da Síria.

Outras questões se poderiam colocar, tais como:
Qual a capacidade de resposta militar, estratégica e política da Síria face a um ataque ao seu território?
Que resultados práticos poderá ter uma intervenção militar internacional?
Como se poderia aplicar neste caso particular as teorias de gestão civil de crises defendida pela União Europeia? Será que se começaria pelo
estabelecimento de eleições democráticas no país?

Até que ponto é possível cumprir no tempo os acordos estabelecidos entre a Rússia e os EUA na resolução diplomática para a crise Síria? Não obstante os aspectos positivos, há questões incontornáveis que se colocam, considerando que para haver controlo do armamento em causa terá que haver pessoal especializado no terreno, num ambiente de permanente conflito e de hostilidade entre as partes em confronto. Para além do mais, coloca-se o problema ao nível das infra-estruturas e tecnologia disponível para a consecução do projecto de desmantelamento do arsenal químico, já sem contar com a segurança do pessoal envolvido neste processo.

Que tipo de regime será possível perspectivar para uma Síria pós-Bashar al-Assad?

Qual o desfecho, em termos da construção do texto de uma possível resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que reflicta um real comprometimento das partes envolvidas para uma solução efectiva quanto ao controlo e destruição do arsenal químico sírio. Quais são, ao certo, as vantagens de uma intervenção internacional
militar na Síria, tendo em conta a perspectiva desejada de uma mudança de regime político naquele país, sobretudo pelo facto de nenhum dos interlocutores no terreno ser suficientemente credível para vir a assumir o poder numa hipotética fase pós Bashr al-Assad.

Que acção espectacular as partes em conflito poderão desencadear para recentrar a atenção e os apoios materiais proporcionados pela comunidade internacional no conflito bélico no terreno, e não na discussão política acerca do uso de agentes de nervos como armas de destruição massiva.

Alguns analistas, tais como Ralf Zielenka (2013), levantam dúvidas acerca do papel das agências internacionais de informação política e estratégica. Segundo o autor, ou as agências sabiam, e quem de direito deveria estar informado acerca dos ataques químicos e dos seus contornos, ou então trata-se de incompetência pura que se materializou num elevado número de mortos. Será que os Estados envolvidos na procura de soluções não fazem, ou não fizeram, parte integrante do problema?

Conclusões


Como conclusões aponta-se o facto de, em relação ao grave conflito aberto que se vive na Síria, o que se desconhece apresenta uma importância relevante sobre
aquilo que se sabe. Poder-se-á apenas construir e desenvolver alguns cenários plausíveis e, como base neles, prospectivar algumas modalidades de acção para se chegar a um final desejado.

Enquanto a comunidade internacional e as suas entidades representantes se reúnem nos fora específicos, e enquanto o público vai consumindo o produto mediático, o número de refugiados e desalojados vai aumentando e no terreno continuam a esgrimir-se avanços e recuos tácticos.

A complexidade do actual cenário na Síria é de tal forma relevante que uma intervenção militar para apoiar o derrube do governo de Bashar al-Assad, mesmo que sem tropas no terreno, não será tomada de ânimo leve. A força dos apoiantes desta modalidade equilibra-se com a daqueles que apenas aceitam o que for legitimado pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

O que não se sabe poderá assumir contornos de relevante importância para o desenrolar do conflito na Síria, criando dificuldades ao estabelecimento de cenários prospectivos e à preparação de modalidades de acção oportunas, por parte da comunidade internacional, para mitigar as consequências devastadoras dos confrontos no terreno e das lutas regionais pelo poder.

Se para uns o conflito se pode resumir a uma guerra civil interna, com repercussões locais, abrangendo os pólos de poder mais próximos, para outros cada vez se trata de um quebra-cabeças humanitário e estratégico com dimensões para além das meramente regionais.


Jornal  Defesa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 28, 2013, 05:28:31 am
http://www.globalresearch.ca/STUDY_THE_ ... ERSION.pdf (http://www.globalresearch.ca/STUDY_THE_VIDEOS_THAT_SPEAKS_ABOUT_CHEMICALS_BETA_VERSION.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Setembro 28, 2013, 08:00:40 pm
Alemanha pronta para ajudar na destruição das armas químicas sírias


A Alemanha "está pronta para fornecer uma ajuda financeira e técnica" para destruir as armas químicas sírias, declarou hoje em Nova Iorque, o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Guido Westerwelle. "Estas armas devem ser totalmente destruídas segundo um calendário rigoroso", afirmou o chefe da diplomacia alemã, a partir da tribuna da Assembleia-geral da ONU, sem especificar a natureza, nem o montante, da ajuda disponibilizada pelas autoridades de Berlim.

"O uso de armas químicas é um crime contra a civilização (...) e deve ser punido", reforçou Guido Westerwelle.

Congratulando-se com a resolução aprovada na sexta-feira pelo Conselho de Segurança da ONU, que força o regime de Damasco a destruir cerca de 1.000 toneladas de armas químicas em menos de um ano, o ministro alemão frisou que os sírios "vão continuar a ser mortos diariamente por armas convencionais".

Westerwelle apelou para uma "solução política" e saudou o anúncio das Nações Unidas sobre a possível convocação, em novembro, de uma conferência de paz "cujos pormenores ainda precisam de ser clarificados".

"Esta semana em Nova Iorque tem sido encorajadora", resumiu Westerwelle, que considerou que um "novo começo" foi igualmente alcançado na relação entre o Irão e o Ocidente.

 As negociações em Nova Iorque com o novo Presidente iraniano, Hassan Rohani, e o ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Mohammad Javad Zarif, "foram encorajadoras", adiantou o ministro alemão, salientando no entanto ser necessário "reconstruir a confiança".

"O Irão deve tirar todas as dúvidas da comunidade internacional sobre a natureza exclusivamente pacífica do seu programa nuclear", afirmou.

A Alemanha faz parte do grupo "5+1" (que integra também os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança das Nações Unidas: Estados Unidos, Rússia, China, França e Reino Unido), participando nas negociações regulares com Teerão sobre o dossiê nuclear.

"A Alemanha está disponível para conduzir as negociações de forma construtiva, mas a nova retórica proveniente de Teerão deve ser posta em prática (...) a partir de agora ", sublinhou.

A comunidade ocidental suspeita da natureza do programa nuclear iraniano, afirmando que Teerão tem ambições bélicas e pretende adquirir armas atómicas. O regime iraniano sempre recusou tais acusações.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 28, 2013, 08:31:48 pm
http://www.voltairenet.org/article180296.html (http://www.voltairenet.org/article180296.html)

La guerre en Syrie : une guerre pour l’énergie ?

par Alexandre Latsa


Même si les très importantes ressources gazières syriennes n’ont plus la même importance aujourd’hui qu’il y a douze ans, lorsque la guerre a été planifiée, elles restent un enjeu invisible du conflit. La Commission économique de la Coalition nationale a consacré ses principaux travaux à la répartition du gaz entre les alliés le « jour d’après » la chute programmée de l’État syrien. Cependant, celle-ci ne venant pas, les grandes puissances doivent revoir leur copie.

Réseau Voltaire | Moscou (Russie) | 18 septembre 2013


Alors que la guerre en Syrie continue, le mainstream médiatique, qui s’acharne contre l’État syrien, oublie de façon récurrente de rappeler l’un des aspects les plus essentiels de ce conflit : l’aspect énergétique et notamment gazier [1]. Cet aspect explique principalement le soutien actif de la Russie à non pas la personnalité de Bachar El-Assad mais avant tout contre l’effondrement du régime syrien car celui-ci, voulu de l’extérieur, serait un élément géopolitique d’un dispositif bien plus large et assez directement dirigé contre elle.

Lorsque la Russie commence à relever la tète à compter des années 2000, elle devient en effet le principal obstacle au plan de prise de contrôle des voies énergétiques liant l’Europe et l’Eurasie via les Balkans que les stratèges états-uniens ont programmé et entamé via notamment la guerre en Serbie en 1999.

Les États-Unis et l’Union européenne vont alors chercher par tous les moyens à diversifier l’approvisionnement des pays européens pour réduire leur potentielle dépendance envers Moscou. C’est le début du projet de gazoduc Nabucco, aujourd’hui quasiment abandonné, qui consistait à permettre l’alimentation de l’Europe en gaz produit en Azerbaïdjan et au Turkménistan, via un itinéraire qui aurait traversé la Turquie et évité la Russie tout en contournant la Grèce. Autour de ce projet, il y avait un plan géopolitique états-unien très ambitieux : transformer l’allié turc en pivot central d’un « Moyen-Orient élargi » à remodeler et aussi en un centre régional de transit énergétique entre les Balkans et le Moyen-Orient.

On comprend dès lors mieux les velléités US pour que la Turquie intègre l’Union Européenne et aussi pour garder cet État dans leur giron, ce qui leur permettrait de contrôler indirectement mais fermement l’approvisionnement énergétique de l’Europe et surtout d’empêcher une alliance continentale énergétique euro-russe jugée contraire aux intérêts états-uniens en Eurasie.

Ce projet Nabucco a cependant échoué puisque le Turkménistan s’est tourné vers la Chine [2] et que l’Azerbaïdjan s’est lui rapproché du projet russe South Stream [3]. Développé en 2007, South Stream, a pour objectif de permettre à la Russie de garder le contrôle sur l’approvisionnement de l’Europe via notamment la Caspienne et le Kazakhstan (membre de l’Union douanière), tout en y incorporant la Serbie dont l’importance énergétique pour l’Union européenne sera, dans l’avenir, aussi grande que celle de l’Ukraine aujourd’hui. Une Ukraine définitivement contournée pour que ne se reproduise plus les incidents de 2006 et les coupures d’approvisionnement en Europe.

Après la faillite de la Grèce suite à la crise financière, la Russie s’était engagée sur la voie du rachat du consortium gazier grec par Gazprom. Ces négociations se sont arrêtées lorsque le département d’État US a tout simplement mis en garde Athènes contre une coopération énergétique avec Moscou et déconseillé une cession à Gazprom qui « permettrait à Moscou de renforcer sa domination sur le marché énergétique de la région ». South Stream prévoit malgré tout un embranchement vers la Grèce, achevant de transformer le projet en une sorte de pont énergétique orthodoxe en direction de l’Europe.

La position d’Ankara est à ce jour assez ambiguë. Fortement liée à la Russie sur le domaine énergétique par Blue Stream, Ankara a également accepté qu’un raccord soit opéré entre Blue Stream et South Stream. En outre le pays, seconde puissance de l’Otan, s’est également déclaré candidat à rejoindre l’Organisation de coopération de Shanghai (l’alliance politique sous direction sino-russe), avec laquelle le pays a signé en début d’année 2013 un partenariat de dialogue préalable à l’adhésion. Est-ce le signe d’un profond et crucial retournement d’alliance ?

La Syrie, aux prises avec une guerre civile et interconfessionnelle qui oppose chiites et sunnites, est directement concernée par deux projets de gazoducs liés aux projets Nabucco et South Stream mentionnés plus haut.

En 2009, un projet appelé Friendship Pipeline a été lancé par l’Iran, l’Irak et la Syrie, trois pays à gouvernance musulmane chiite ou laïque [4]. Le tube amènerait du gaz iranien à la Méditerranée, en vue d’alimenter l’Europe, mais en évitant le territoire turc. Ce projet, destiné à permettre à l’Iran d’écouler son stock en Europe, comprend également une extension vers le Liban et selon Roland Lombardi devrait être à terme raccordé au projet russe South Stream. Il faut rappeler que l’Iran était initialement pressenti comme fournisseur essentiel de Nabucco mais sera rapidement exclu du projet pour des raisons politiques et aussi sans doute après que le renversement du régime soit apparu comme de plus en plus improbable, tant par la force que par des procédés moins violents comme l’embryon de révolution de couleur qui a frappé le pays en 2009

En 2009 aussi, un autre projet a été lancé, un projet de pays sunnites et qui aurait reçu l’aval du Pentagone. Du gaz qatari serait livré en Europe, par un gazoduc qui partirait du Qatar, traverserait l’Arabie Saoudite puis la Syrie et enfin la Turquie. Au passage ce projet ressusciterait Nabucco, soutenu par les Turcs et les États-uniens, mais abandonné pour l’instant faute de fournisseurs de gaz fiables. Bien entendu, ce projet du Qatar est irréalisable si l’administration de Bachar el-Assad n’est pas anéantie et remplacée par un gouvernement docile. On comprend mieux ce qui peut pousser un certain nombre de pays à s’engager activement dans le soutien à l’opposition syrienne [5].

On voit que le point focal de cette concurrence entre les producteurs de gaz est l’Union européenne, cet énorme marché solvable dont la consommation de gaz ne devrait qu’augmenter malgré la crise.

Plus que jamais, les choses se passeront en Méditerranée car de nouveaux acteurs vont bientôt apparaitre sur le marché [6]. Israël et Chypre ont découvert de très grandes réserves de gaz off shore dans leurs zones économiques exclusives, ces deux pays deviendront à moyen terme des pays exportateurs importants. Dans ce bassin de la Méditerranée orientale, il est probable que les découvertes de gaz off shore ne font que commencer. Le Liban et la Syrie pourraient aussi disposer de réserves exploitables de gaz.

Pour l’exportation de ces nouvelles ressources deux solutions qui mélangent commerce et géopolitique s’affrontent déjà. Les USA sont partisans d’un réseau de gazoducs qui alimenteraient l’Europe en traversant la Turquie et les pressions sur Israël ont déjà commencé. Les Russes, pour leur part, préfèreraient que ce gaz soit liquéfié et exporté par méthaniers vers l’Asie industrielle.

Le grand jeu énergétique semble s’accélérer, opposant plusieurs projets énergético-civilisationnels qui traduisent clairement les ambitions politiques et stratégiques de blocs politiques entre lesquels la guerre énergétique est visiblement en train de s’intensifier.

Alexandre Latsa

Source
RIA Novosti (Fédération de Russie)

[1] Lire l’article de référence : « La Syrie, centre de la guerre du gaz au Proche-Orient », par Imad Fawzi Shueibi, Réseau Voltaire, 8 mai 2012.

[2] « La géopolitique des pipelines à un tournant capital », par Melkulangara K. Bhadrakumar , Traduction Nathalie Krieg, Asia Times Online (Chine), Réseau Voltaire, 1er février 2010.

[3] « L’Azerbaïdjan se retire du projet Nabucco », Réseau Voltaire, 28 juin 2013.

[4] « Relance du chantier de gazoduc Iran-Irak-Syrie », Réseau Voltaire, 20 novembre 2012.

[5] « Syrie : l’Otan vise le gazoduc » et « Syrie : la course à l’or noir », par Manlio Dinucci, Traduction Marie-Ange Patrizio, Il Manifesto (Italie), Réseau Voltaire, 10 octobre 2012 et 2 avril 2013.

[6] « Le bassin du Levant et Israël - une nouvelle donne géopolitique ? » et « Tensions croissantes pour l’énergie en Mer Égée », par F. William Engdahl, Réseau Voltaire, 29 mai et 22 juin 2012.
Alexandre Latsa

Alexandre Latsa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 30, 2013, 01:13:59 am
Esqueçam o vendedor de banha de cobra Papatangas.

Se quiserem saber coisas sobre o ataque quimico do dia 21 de Agosto este é o blog que devem ler:

http://whoghouta.blogspot.co.uk/ (http://whoghouta.blogspot.co.uk/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Setembro 30, 2013, 02:52:05 pm
O seu discurso parece-se cada vez mais com o de outro participante...  :mrgreen:

E sim.

Não dêm atenção a quem tenta juntar dois com dois e perceber o que se passa. É melhor ver o que diz um qualquer obscuro blog.
Eu acho mesmo que a melhor forma de perceber tudo sobre o ataque sírio, é consultar a página do facebook, desse grande democrata e defensor dos direitos humanos, Bashar Al Assad.

Para quê fazer perguntas, que gente como Putin ou Bashar, já pensaram por nós ...



Todos os factos apresentados se mantêm.
A gigantesca tentativa de manipulação da opinião pública, iniciada pelas centrais de propaganda da máfia russa, que alimentam os sites das «malucas» conspirativas continuam como sempre.

As meias verdades, são meio caminho para gerar a confusão. Divulgar mentiras para a seguir dizer que todos são mentirosos.
Esse é o modus operandi dos criminosos.

Todos os criminosos.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Setembro 30, 2013, 10:00:18 pm
http://nationalinterest.org/commentary/ ... again-9104 (http://nationalinterest.org/commentary/turkeys-syria-calculus-must-change-again-9104)

Turkey's Syria Calculus Must Change Again

Kemal Kirisci September 23, 2013

(http://nationalinterest.org/files/imagecache/resize-340/images/asia_minor_old_pd_91913.jpg)

The Russian-U.S. agreement that saw Syria’s hurried accession to the Chemical Weapons Convention left Turkey’s Syria calculus in considerable disarray. In a span of less than a few weeks, the Turkish prime minister, Recep Tayyip Erdoğan, and his minister of foreign affairs, Ahmet Davutoğlu, witnessed the prospects of their aspiration to see the end of the Assad regime rise and then simply disappear, at least for the foreseeable future.

The events of August 21 in the outskirts of Damascus which, according to a U.S. intelligence assessment, caused the death of more than 1,400 people, including young children, sparked the prospects of a military intervention by the United States. Erdoğan was quick in expressing his support for such an eventuality without clarifying the form of Turkey’s involvement. In an effort to galvanize support, he loudly accused the international community and particularly the West of being insensitive to the sufferings of civilians. He fired accusations at the U.S. and the West, ranging from alleging an absence of basic ethics to accusing them of outright Islamophobia for failing to respond to the sufferings of the Muslims in Syria. He called for nothing less than an intervention “like [the 1999 NATO intervention] in Kosovo” to bring an end to Assad’s regime and hence to the suffering of the Syrian people. His and his foreign minister’s calls fell on deaf ears, leaving Turkey out of step with the rest of international community—with the exception of Saudi Arabia and Qatar. How did Turkey become so isolated, and where does this leave Turkey’s Syria calculus?

Turkey’s calculus has passed through a number of distinct stages. When peaceful protests first broke out in March 2011, Syrian-Turkish relations were still at their best. In fact, relations began warming after the Justice and Development Party (AKP) came to power in November 2002. Soon after the elections, Turkey became a major trading and diplomatic partner of Syria’s, accompanied by the development of a close relationship between Erdoğan and Bashar al-Assad. This closeness led Erdoğan to press Assad for reforms on a number of occasions—with considerable goodwill.

As the situation deteriorated, especially during Ramadan in the summer of 2011, he dispatched Davutoğlu to Damascus. The mission to persuade Assad to halt repression failed, however, and Turkey took a complete U-turn in its policy towards Syria. In September 2011, Erdoğan unequivocally called for Assad to recognize the Syrian National Council as the official representative of the Syrian opposition. Not only did both countries withdraw their diplomatic representatives, but the free-trade agreement between the two sides was also put on hold. The Turkish government, like much of the rest of the international community, predicted the downfall of the Assad regime within a few months, if not weeks—explaining Davutoğlu’s objection to any form of military intervention, at the time, except for the one sanctioned by the UN.

The regime’s brutality towards its own people, Assad’s resilience, the constant flow of refugees into Turkey, and the downing of a Turkish fighter plane in June 2012 contributed to producing yet another revision of Turkey’s Syria calculus. The Turkish government began to raise the need for a military intervention in the international community to ensure the protection of civilians and also bring about regime change. Erdoğan’s perspective was straightforward and pretty much black and white. The deeds of the Syrian regime were clearly those of a brutal and vicious oppressor who was in violation of all international norms. Hence, Ankara argued, it was the international community’s duty to stand by the victims and intervene on their behalf. By August 2012, Davutoğlu raised the idea of an internationally imposed safe zone at the UN Security Council. However, he was met with silence and even some disapproval. Turkey’s failure to mobilize the United States and the international community in support of such an intervention coincided with the determined and effective involvement of Iran and Russia in Syria in support of the regime.

This situation was further aggravated by the increasing appearance of al-Qaeda affiliated groups in Syria with their own radical agendas. This brought the Turkish objective of achieving a transition to a more democratic order with the regular Syrian opposition into question. Such an image led continuing criticisms of the government’s Syria policy at home and the public’s reluctance to see Turkey involved in Syria. A poll conducted by Kadir Has University in Istanbul between December 2012 and January 2013 found out that only 33 percent of those polled supported the government’s policy. In addition, 46 percent of the population found Turkey’s Syria policy generally unsuccessful and, in a separate question, 43.5 percent stated that Turkey should stay neutral in the Syrian civil war. It is against such a background that in May 2013 Erdoğan travelled to Washington, D.C. to seek support directly from Obama for a no-fly zone as the flows of refugees once more began to rise. UNHCR issued a prediction that the numbers of refugees in Turkey was likely to increase from just under half a million to one million by the end of the year. He failed to persuade Obama, who instead counseled the Turkish prime minister to support a negotiated departure of Assad through Geneva II.

Consequently, Erdoğan’s new adjustment to his Syria calculus faded away during the course of this past summer. When Obama defined the brutal use of chemical weapons in Damascus as the unacceptable crossing of his infamous “red line,” Erdoğan’s and Davutoglu’s hopes that a military intervention might take place were revived. However, these hopes were dashed rather quickly. Instead, Turkish foreign policy now faces the prospect of Assad remaining in power. Yet the absence of a military intervention seems in line with Turkish public opinion. Many protests have occurred in Turkey against military intervention, and a Transatlantic Trends survey found that 72 percent of Turks polled were against such interventions—10 points higher than the average level of support amongst Americans. Therefore, the notion of a military intervention against Syria to overthrow Assad, at least for the time being, is not an option. Additionally, Obama seems to have readjusted his earlier position away from an unequivocal commitment to regime change in Syria.

Instead, Turkey’s Syria calculus ought to become more realistic and focus on addressing the ever-growing refugee and humanitarian crisis while ensuring that radical Islamists groups and Assad’s infamous Mukhabarat do not threaten Turkey’s security and do not aggravate the humanitarian crisis in Syria. Extending quality protection of and humanitarian assistance for Syrian refugees and internally displaced persons appears to be much more within Turkey’s reach than ensuring the downfall of Assad’s regime. Given the current circumstances, attending to the needs of Syrian refugees and Turkey’s security interests is far more practical and realistic, as well as a wiser and a worthier cause to pursue.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Setembro 30, 2013, 10:41:54 pm
Citação de: "mafarrico"
Se quiserem saber coisas sobre o ataque quimico do dia 21 de Agosto este é o blog que devem ler:

http://whoghouta.blogspot.co.uk/ (http://whoghouta.blogspot.co.uk/)

Li com bastante atenção este blog, (o qual tem um conjunto de algumas ideias técnicas que aqui tenho defendido) e parece-me bastante interessante principalmente por dois aspectos:

1 - Aborda a questão dos foguetes M-14;
(http://2.bp.blogspot.com/-YHb0J4H-MlI/UkG7xdmw8DI/AAAAAAAAGCA/hpVJV9oI5Gk/s1600/UMLACA.jpg)
(http://www.lib.umb.edu/archives/digital/index.php?p=digitallibrary/getfile&id=2381&preview=long)
É certo que é um sistema obsoleto mas principalmente é fácil de encontrar e tem uma ogiva química. Desde a Argélia ao Sudão. passando pelo Egipto, todos usaram este foguete e deverão existir quantidades apreciáveis em Stock (inclusive na Síria http://en.wikipedia.org/wiki/BM-14). Desde Paióis, Bases, Quartéis, tudo já foi tomado pelo rebeldes e rê-tomado por forças governamentais.
(http://www.dailystar.com.lb/dailystar/Pictures/2013/01/12/134414_mainimg.jpg)
(http://www.yalibnan.com/wp-content/uploads/2013/08/syria-rebels-seize-anti-tank-missiles.jpeg)
(http://s1.reutersmedia.net/resources/r/?m=02&d=20130829&t=2&i=779139509&w=460&fh=&fw=&ll=&pl=&r=CDEE97S1GBB00)
(http://www.hurriyetdailynews.com/images/news/201211/n_35151_4.jpg)
Mas a maioria das explicações que faltavam, estão nesta obra )basta lê-la e juntar 2 mais 2): http://rapporter.ffi.no/rapporter/2009/00179.pdf

2-  Colocou-me "a pulga atrás da orelha" em questão aos tais foguetes químicos (designados UMLACA) e ao seu real  alcance.
(http://img.youtube.com/vi/ThtLIc0iEzc/0.jpg)
Da pesquisa que anteriormente já tinha efectuado o tipo de arma mais parecido que encontrei foi o foguete de 345mm M-130 Norte Americano, que no minimo tera servido de inspiração para o UMLACA. Se repararem as semelhanças existem:
(http://warincontext.org/wp-content/uploads/2013/09/cw-rocket.jpg)
(http://patentimages.storage.googleapis.com/pages/US4273048-3.png)
Conspirações à parte, havia porem aqui a tal questão do alcance. Um foguete como o UMLACA que é lançado quase num angulo de 90ª e segundo os dados disponibilizados  apenas tem um raio de acção máximo de 3 a 4 km quando um foguete normal de artilharia teria sempre alcance na ordem de 1 a 2 dezenas de KM. Sem armas a que comparar (verifiquei foguetes russos e iranianos mas o formato e as distancias máximas não tinham correspondência) voltei ao M-130 e verifiquei que afinal tratava-se de um sistema anti-minas para a engenharia com um alcance a rondar os 150 metros (http://www.military-today.com/engineering/slufae.htm).
Citar
The XM130 rocket fired by SLUFAE consists of a barrel-shaped fuel-air explosive warhead, propelled by a 5-inch Zuni rocket motor, and is stabilized by a circular tailfin. These munitions are 345 mm wide, 2.38 m long, and weighed 45 kg. At a set altitude after launch, a proximity fuse airbursts the warhead, dispersing a highly volatile vapor, which immediately combusts on contact with air. The resulting explosion creates a massive, crushing overpressure, which is sufficient to detonate many types of landmines. An XM130 with an inert warhead for training purposes was also developed.
Apesar de não ter sido colocado em serviço os resultados foram positivos nos testes. O próprio conceito de ter "uma espoleta de proximidade que activa a ogiva dispersando um vapor volátil que entra em combustão quando em contacto com o ar" parece também ser perfeitamente plausível de adaptar para uma arma química (já que apenas à que substituir o tal vapor por gás sarin ou qualquer outro elemento nocivo).
(http://4.bp.blogspot.com/-hBjTMowJ_Mo/Uh5I-OterSI/AAAAAAAAFJw/kMVwEXbisr4/s1600/4.jpg)
(https://encrypted-tbn0.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcTFn__upYZjbJ2g8GgELh3nCJI534mrc11BFrKys7dWGD1CpbRo)
Por ultimo e voltanto ao primeiro link que postei (http://rapporter.ffi.no/rapporter/2009/00179.pdf), neste compêndio de foguetes de artilharia é perfeitamente explicado as trajectórias dos projecteis com vista a maximizar o efeito sobre as tropas ou o equipamento inimigo, a trajectória versus o alcance, entre outros, deixando claro mais duas questões:
 
1- Este Blog (http://whoghouta.blogspot.co.uk/) é sobre alguém que tecnicamente percebe o suficiente para falar sobre o assunto.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/1/11/MRSI-trajectories.svg/433px-MRSI-trajectories.svg.png)
2- A UCLAVA tem origem e componentes de artilharia Russos, Iranianos e possivelmente até iraquianos pré 1991(https://www.cia.gov/library/reports/general-reports-1/gulfwar/cwagents/figure7.gif/image.gif). A sua inspiração parece ser o M-130 norte-americano  e pelas trajectórias de impacto o efeito do foguete é maximizar os danos (neste caso a dispersão do componente químico). POrem, nem sempre as imagnes correspondem ao foguete e ao impacto deste numa descendência vertical, pelo que é fácil perceber porque.
(http://www.motherjones.com/files/blog_un_report_syria_umlaca.jpg)
(http://3.bp.blogspot.com/-eLpEQWzK96k/UiCiQPvP90I/AAAAAAAAFP0/J0SQZenUArg/s1600/542194_571524046242023_1795514330_n.jpg)

Cumprimentos

P.S. Embora seja abordado novamente a questão das supostas imagens de um ataque químico por parte dos rebeldes da Al- Islam, continuo a achar que não são  conclusivas. Ao contrário de outras... :mrgreen:
(http://videos.videopress.com/qZXBQhDj/rebeldes-sirios-confirman-a-una-periodista-su-implicacic3b3n-en-el-ataque-con-armas-quc3admicas-1_dvd.original.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 01, 2013, 12:04:16 am
À falta de "likes" ou pontuação para com a qualidade e substância dos textos colocados pelos nosso caros foristas mafets e mafarrico;

Pois é, meus caros, congratulo-os pelo esforço e tempo que despenderam a questionar, pesquisar e encaixar as peças. Dá gosto ler os posts e a forma como lidam com arrobos de "idiologice", desmontando as meias verdades lançadas com propósitos que só quem as lança poderá, quem sabe um dia, explicar. Eu, infelizmente, já perdi essa capacidade por cansaço de lidar com a baixeza de quem, não tendo argumentação, rotula de criminoso, comunista, corja, etc, etc, a quem lhe descobre a careca. Então, deixa andar e, de vez em quando, uma farpas no mesmo calibre  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 01, 2013, 11:41:36 am
Citação de: "FoxTroop"
Caso não saibam fazem agora parte da Grande Ordem da Corja no grau criminoso-socialista-comuno-bêbado   :twisted:

(http://www.enemigosdelestado.com/wp-content/uploads/2013/04/anarquismo-socialista.jpg)

PS: eu tomo banho todos os dias, ok?! :lol:

PS2: aposto que nem metade vai perceber o que acabei de escrever.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: P44 em Outubro 01, 2013, 07:08:51 pm
Citação de: "FoxTroop"
À falta de "likes" ou pontuação para com a qualidade e substância dos textos colocados pelos nosso caros foristas mafets e mafarrico;

Pois é, meus caros, congratulo-os pelo esforço e tempo que despenderam a questionar, pesquisar e encaixar as peças. Dá gosto ler os posts e a forma como lidam com arrobos de "idiologice", desmontando as meias verdades lançadas com propósitos que só quem as lança poderá, quem sabe um dia, explicar. Eu, infelizmente, já perdi essa capacidade por cansaço de lidar com a baixeza de quem, não tendo argumentação, rotula de criminoso, comunista, corja, etc, etc, a quem lhe descobre a careca. Então, deixa andar e, de vez em quando, uma farpas no mesmo calibre  :mrgreen:

Eu na verdade tenho pena desses coitados (embora não faça a minima ideia de quem estás a falar  :Amigos:

NAZ DROVIE TOVARICH!!!!!!  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: P44 em Outubro 01, 2013, 07:11:49 pm
Citação de: "Cabeça de Martelo"
Citação de: "FoxTroop"
Caso não saibam fazem agora parte da Grande Ordem da Corja no grau criminoso-socialista-comuno-bêbado   :twisted:

(http://www.enemigosdelestado.com/wp-content/uploads/2013/04/anarquismo-socialista.jpg)

PS: eu tomo banho todos os dias, ok?! :lol:

PS2: aposto que nem metade vai perceber o que acabei de escrever.

pois pois agora disfarça seu BREMEILHU!!!!  :twisted:  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Outubro 02, 2013, 11:12:59 am
Eu não falo a comunas... :twisted:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 02, 2013, 01:16:26 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 02, 2013, 03:40:18 pm
ONU: Dezassete países vão receber refugiados sírios


Dezassete países, incluindo os Estados Unidos, França e Austrália, concordaram receber um determinado contingente de refugiados sírios, anunciou hoje a ONU. «Até agora, o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) tem 17 países a participar no programa de admissão humanitária para os refugiados sírios», disse o porta-voz regional do ACNUR, Peter Kessler, à agência noticiosa francesa AFP.

«Eles oferecem cerca de 10 mil lugares (ao todo), alguns dos quais já para 2014», acrescentou. A decisão surge depois de algumas críticas a países ocidentais por não participarem no esforço de acolhimento de cerca de dois milhões de sírios, em fuga da guerra civil.

Até agora, os vizinhos da Síria - Líbano, Turquia, Jordânia e Iraque - absorveram a maioria dos refugiados, mas o fluxo constante esgotou os recursos disponíveis e causou algumas tensões.

O problema é particularmente grave no Líbano, que regista atualmente pelo menos 760 mil refugiados.

O número real de sírios no Líbano, que tem uma população de quatro milhões de habitantes, deve rondar um milhão de pessoas.

Ao abrigo dos programas de admissão humanitária, o ACNUR vai avaliar a situação dos refugiados para serem enviados para os 17 países de acolhimento, dando prioridade aos mais vulneráveis, disse Kessler.

"A vulnerabilidade é definida com vários critérios", afirmou e inclui deficientes, famílias monoparentais, vítimas de agressões sexuais e outros abusos.

O número de refugiados que cada um dos 17 países vai receber ainda não foi decidido. França poderá receber até 1.200 pessoas e a Suécia anunciou já que vai conceder vistos de residência aos refugiados síros já no país, mas não aceitará pedidos nas embaixadas suecas.

Desde o início do ano passado, a Suécia recebeu perto de 14.700 pedidos de estatuto de refugiado de cidadãos sírios.

Mais de 115.000 pessoas morreram na guerra civil síria, desde março de 2011, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Dois milhões de sírios vivem atualmente como refugiados em diferentes países, e milhões são deslocados internos.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 02, 2013, 04:37:19 pm
Citar
P.S. Embora seja abordado novamente a questão das supostas imagens de um ataque químico por parte dos rebeldes da Al- Islam, continuo a achar que não são conclusivas. Ao contrário de outras...

Fiquei sem perceber se devemos acreditar no Russia Today, de 17 de Julho, quando estamos a falar do que aconteceu a 21 de Agosto. ?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 02, 2013, 09:22:56 pm
ONU exige ao regime sírio melhor acesso humanitário


O Conselho de Segurança da ONU chegou hoje a acordo para exigir ao regime de Bashar al-Assad um melhor acesso humanitário à Síria, segundo diplomatas citados pela agência France Press. Uma declaração unânime sobre esta questão deve ser formalmente aprovada hoje.

O texto pede às autoridades sírias que «tomem medidas imediatas» para levantar os obstáculos à entrega de ajuda humanitária «através dos meios mais eficazes, incluindo a passagem das linhas da frente, e, quando se justificar, das fronteiras com os países vizinhos».

As organizações não-governamentais usam esses itinerários, mas a ONU não. A Rússia, aliada de Damasco, tem manifestado reservas à passagem pelas fronteiras, porque ela implicaria que a ajuda chegasse diretamente às zonas fronteiriças sob controlo dos rebeldes, no norte e no leste do país.

Segundo os diplomatas citados pela agência, Moscovo não se opôs à adoção desta declaração, que exige unanimidade, porque ela, ao contrário de uma resolução, não é obrigatória.

«É um êxito para o acesso humanitário», considerou uma das fontes. A declaração vai «reforçar a capacidade de Valerie Amos (a responsável pelas operações humanitárias da ONU) para ultrapassar os obstáculos burocráticos» que o governo sírio coloca à entrada da ajuda humanitária, segundo outro diplomata.

«Isto não vai fazer uma enorme diferença, mas vai haver mais ajuda a chegar», disse.

A declaração pressiona Damasco «a tomar medidas imediatas para facilitar a extensão das operações de socorro humanitário e levantar as dificuldades burocráticas ou outros obstáculos» colocados à entrega da ajuda.

O conflito na Síria fez em dois anos e meio cinco milhões de refugiados e deslocados mas, segundo a ONU, o governo sírio reduziu o número de vistos para as agências e as ONG que querem distribuir ajuda e colocou condições restritivas à entrega de ajuda nas zonas controladas pela oposição.

A declaração foi proposta pela Austrália e pelo Luxemburgo, aproveitando o impulso diplomático criado com a adoção, na sexta-feira, da primeira resolução sobre a Síria desde o início do conflito, em março de 2011, um texto que autoriza a destruição das armas químicas sírias.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Outubro 03, 2013, 12:33:51 am
Citação de: "papatango"
Citar
P.S. Embora seja abordado novamente a questão das supostas imagens de um ataque químico por parte dos rebeldes da Al- Islam, continuo a achar que não são conclusivas. Ao contrário de outras...

Fiquei sem perceber se devemos acreditar no Russia Today, de 17 de Julho, quando estamos a falar do que aconteceu a 21 de Agosto. ?

Só existiram ataques químicos a 21 de Agosto? Os anteriores não interessam? Interessam-me a mim e tenho esse direito da mesma forma que você tem em falar e interpretar apenas informação dos ataques de 21 de Agosto, ignorando os restantes.
(http://www.independent.co.uk/incoming/article8778685.ece/ALTERNATES/w460/SyriaChemicalArmsFORWEB.jpg)

Se esse foi um de vários ataques químicos qual a lógica de existir apenas incidência sobre os acontecimentos de  21 de Agosto? Não há, nem tem qualquer lógica que assim o seja.
(http://vid.alarabiya.net/images/2013/08/30/2150666e-60d6-49ff-b140-e89d5f75728a/2150666e-60d6-49ff-b140-e89d5f75728a_16x9_600x338.jpg)

Mais confissões dos rebeldes a propósito do uso de armas químicas no conflito Sírio, (sem ser os da Russia Today) resta saber se os sites são do grupo conspirativo ou não, mas eu deixo a informação e cada um que pense isso por si... :twisted:

1-  Continuo a acha-los irmãos gémeos. O UMLACA é praticante igual ao M-130 o que atesta que ou o KGB trabalha muito bem ou existem camaradas americanos traidores à pátria que terão fornecido o sistema a Soviéticos ou Sírios a partir do final dos anos 70. O mesmo sistema que agora é a génese dos ataques químicos e onde é utilizada uma cauda circular algo que até agora não existia em foguetes de proveniência, russa, síria ou mesmo Iraniana.
(http://warincontext.org/wp-content/uploads/2013/09/cw-rocket.jpg)
(http://patentimages.storage.googleapis.com/pages/US4273048-3.png)

2- Quais as explicações para que existam UMLACA parcialmente destruídos, outros quase intactos, uns fotografados no solo em ângulo de praticamente 90º enquanto que outros estão na horizontal. Parece-me óbvio que a resposta tecnica está no lançamento e na trajectória dos foguetes, mas porque será quando conhecemos perfeitamente os lançadores? Resta a resposta não técnica dada pela ONU.
(http://3.bp.blogspot.com/-eLpEQWzK96k/UiCiQPvP90I/AAAAAAAAFP0/J0SQZenUArg/s1600/542194_571524046242023_1795514330_n.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-9ioQELZ-QLI/UjRUZd9DrTI/AAAAAAAAFtA/lawQsNkcZ2Y/s1600/1184769_512817145465573_185473020_n.jpg)
(http://maherblog.files.wordpress.com/2013/09/bsy-rescmaajunm.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-YwbX7QQFh5I/Ui8r3y1oc9I/AAAAAAAAFcI/zcS_foiC8MQ/s1600/New+Base+Plate.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-ykj8hCFKJdY/UjMeMFTxAyI/AAAAAAAAFqU/z93wHmgc4nc/s1600/972321_176408515872639_1701466725_n.jpg)

3-  Os foguetes M-14 encontram-se presentes em todos os ataques. Porque não existem vídeos do seu lançamento quando dos Umlaca existem dezenas? Será que é porque não se usa lançador? Ou porque serão usados pelos rebeldes que postam os vídeos dos UMLACA?
(http://3.bp.blogspot.com/-Z0YmAr5nFeA/UiRdmkQFIRI/AAAAAAAAFTI/HzelHbr27HQ/s1600/M14+140mm.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-lIUMGU2XHJs/UiRrB0p7fMI/AAAAAAAAFUQ/Z7eNnO7j0os/s1600/Numbered.jpg)
(http://1.bp.blogspot.com/-tgb4EMZXuuI/UiJD1Z1AyCI/AAAAAAAAAzk/7a3UhRC8yGg/s1600/launch.png)

4- Os camaradas Russos e Sírios são uns mafiosos muito para o fraquinho, conspiram tão mal que ao contrario dos UMLACA, deixam os números de serie expostos em alfabeto Cirílico.
(http://legalinsurrection.com/wp-content/uploads/2013/09/UN-Syria-Chemical-Weapons-Report-Image-of-Munition.jpg)

5- Os ataques de dias 21 foram efectuados não apenas em zonas de controlo rebelde mas também em áreas onde existiam combates entre forças governamentais e guerrilha. Do "Maciço" ataque químico em que alegadamente morrem 1400 pessoas são encontrados 2 foguetes de 140 mm e um de 330mm, sendo que a ONU não determina quem atacou porque existem todo um conjunto de foguetes manipulados e retirados. Só é referido pelos mesmos técnicos que existe inscrições em russo nos foguetes M-14 (O mapa é do Departamento de Estado Americano).
(http://www.snappingturtle.net/flit/images/State_Department_map_of_Gouta_chemical_attack_w_arrows.jpg)  

6- Umlaca com numero de lote a tinta preta. Tinha-se acabado a tinta vermelha dos camaradas Russos e Sírios, o lote seria diferente ou trata-se de uma prova falsa?.
(http://d3j5vwomefv46c.cloudfront.net/photos/thumb/802731440.jpg?1377294370)


7-  Porque não pode "rebelde" o hell canon ter uma ogiva quimica? A ogiva não parece ser muito diferente.
(http://i1.ytimg.com/vi/uDiyRZzZSyM/hqdefault.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-VqRsu4ExVm4/UjWrFjez6XI/AAAAAAAAFv8/E41F8DoP8_Q/s1600/UMLACA+-+UK+possible+burster+arrangement.jpg)

8 - Interessante a questão levantada sobre o alcance versus o impacto das ogivas químicas dos UMLACA. Ainda não vi ninguém contesta-las tecnicamente.
(http://1.bp.blogspot.com/-PyEkwJppcx4/UkI6yKXqtZI/AAAAAAAAACg/F27OAmsApO0/s1600/estimated+source.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-0Mbcal31nlM/UkhCLx6B3_I/AAAAAAAAADk/0Ec7VYTCKqg/s1600/liwa+source+area.png)

9 - Ainda não percebi que provas o departamento de estado americano supostamente tinha e o porque de tanto secretismo. Em outros casos foi fornecido a ONU e aos Média provas "conclusivas" rapidamente http://www.washingtontimes.com/news/2013/sep/11/us-cant-prove-bashar-assad-approved-chemical-attac/?page=all). Parece que acham-se os unicos a ter um navio espião na área e satelites, quando segundo se conta até ouve informações radio captadas pela NATO na Turquia.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/57/Oker_A_53_Hamburg_2261.jpg)
(http://www.freepatentsonline.com/6527222-0-large.jpg)
(http://www.uasvision.com/wp-content/uploads/2012/11/Japan.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/b/b7/SBIRS-Architecture.png/400px-SBIRS-Architecture.png)

10 - No meio de um caos de guerra civil como se determina quem é totalmente culpado ou inocente? Com base em que e no que?
(http://www.bbc.co.uk/news/special/panels/13/sep/syria_control/img/graphic_1378382738.jpg)
(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02488/burnt-out-cars_2488200b.jpg)
(http://graphics8.nytimes.com/images/2012/06/13/world/13syria-cnd/13syria-cnd-articleLarge-v2.jpg)
(http://blogs.reuters.com/ian-bremmer/files/2012/07/RTR354QJ.jpg)
(http://www.nationalturk.com/en/wp-content/uploads/2013/05/Syrian-Rebels-Violence-Syria-Civil-War.jpg)
(http://www.nextgenjournal.com/wp-content/uploads/2012/03/syria.jpg)
(http://www.globalpost.com/sites/default/files/imagecache/gp3_small_article/photos/2013-March/160769949.jpg)
(http://www.globalpost.com/sites/default/files/imagecache/gp3_slideshow_large/syria_civil_war_escalates.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 03, 2013, 12:14:55 pm
Citar
Só existiram ataques químicos a 21 de Agosto? Os anteriores não interessam? Interessam-me a mim e tenho esse direito da mesma forma que você tem em falar e interpretar apenas informação dos ataques de 21 de Agosto, ignorando os restantes.

mafets, você tem o direito de dizer o que quiser. Mas ao mesmo tempo também faria sentido explicar de forma mais coerente, porque há pessoas que estão a utilizar o que você diz para distorcer o sentido do que diz.

De reparar, eu nunca coloquei em causa que não pudesse ter havido utilização de armas químicas por outras entidades antes de 21 de Agosto.
O que afirmo, é que são devastadoras as provas de que em 21 de Agosto, ocorreu um ataque por parte das forças do Partido Socialista sírio. Que esse ataque foi efectuado por quem anteriormente dizia nem sequer ter armas químicas.

Esse ataque foi feito a partir de áreas controladas pelas tropas socialistas/alauitas e desse ataque resultaram 1400 mortos.
O regime socialista tinha a capacidade para efectuar o ataque e os meios e as armas e os componentes.
O regime tinha todas as razões para o fazer, tendo concluído desde 15 de Agosto que a situação tinha atingido um impasse.

Mesmo os russos, que defendem Assad e não aceitam intervenções por razões politicas internas disseram que era preciso esperar pelo relatório imparcial das Nações Unidas. Quando o relatório veio, o ministro russo FICOU EM PÂNICO e passou a utilizar teorias da conspiração como o caso patético da freira que diz que viu quem transportava uma arma.

Além das afirmações dos americanos, que dispunham dos meios já aqui discutidos para identificar os lançamentos, dois dos cinco projeteis no terreno, encontrados pelos técnicos das Nações Unidas confirmam o que tinha sido dito pelos americanos.

Diz a lógica e o senso comum, que perante duas possibilidades que se excluem uma à outra, aquela que se explica da forma mais simples é a que está correta.

A ideia de que os rebeldes dispararam as armas que não tinham de um lugar onde não estavam, para se atingirem a eles próprios de propósito, é uma ideia absurda, ainda que em tribunal não seja possível provar o contrário.
As provas circunstânciais têm que ser utilizadas nestes casos, caso contrário, como todos sabemos, também colocamos em causa os campos de concentração e as câmaras de gás.

As nações Unidas pelo menos conseguiram encontrar misseis russos e determinar de onde alguns deles tinham sido lançados.

Como sabe, nunca foi encontrada uma câmara de gás. O que existe foi reconstruido a partir de descrições de prisioneiros que serviam nos campos, alguns alemães e alguns documentos dos projetos.
Também não podemos sequer provar que um único judeu foi morto com gás porque não há uma única prova.
Mas isso não é suficiente, para isentar de culpas os alemães.


Além disso, há a questão dos mortos. As pessoas continuam a morrer na Síria e o ataque dos socialistas contra os civis sírios serviu apenas para discutirmos os caractéres cirilicos nos mísseis russos, esquecendo que o numero de 100.000 mortos já foi ultrapassado.

Não há solução para a questão síria sem a remoção dos criminosos socialistas do poder que ocupam.
E esse é o problema. As teorias conspirativas tão do agrado de alguns dos participantes, servem apenas para desviar as atenções.

A unica forma de remover o ditador Assad e o Partido Socialista do poder, é bombardeando a capacidade do regime para matar a população.

Um povo, não tem como se libertar de uma ditadura.
NÃO PODEMOS OLHAR PARA O LADO E ACHAR QUE CADA POVO DEVE RESOLVER OS SEUS PROBLEMAS SOZINHO.
Isso pura e simplesmente não funciona.

E quando o ditador, para se manter no poder mata a sua própria população, deixa de ter qualquer legitimidade.
E se ninguém dentro do país defende a população, alguém tem que o fazer.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 03, 2013, 02:13:34 pm
E siga o spin.  :roll:

(http://i131.photobucket.com/albums/p285/poiisi/spinner.gif)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Outubro 03, 2013, 04:53:21 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 03, 2013, 05:41:44 pm
(http://videos.videopress.com/qZXBQhDj/rebeldes-sirios-confirman-a-una-periodista-su-implicacic3b3n-en-el-ataque-con-armas-quc3admicas-1_dvd.original.jpg)

Citação de: "papatango"
Citar
P.S. Embora seja abordado novamente a questão das supostas imagens de um ataque químico por parte dos rebeldes da Al- Islam, continuo a achar que não são conclusivas. Ao contrário de outras...

Fiquei sem perceber se devemos acreditar no Russia Today, de 17 de Julho, quando estamos a falar do que aconteceu a 21 de Agosto. ?

Triste haver gente que confunde as horas (canto inferior esquerdo da imagem) com a data de uma noticia.

Noto que há gente bastante mal informada sobre este conflito.

Democracias de opinião dá nisto . Todos podem dizer asneiras e mentiras.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 04, 2013, 06:23:24 pm
A democracia também dá nisto.

Alguém que chama mentiroso a quem faz uma pergunta ...









Relativamente à questão do ataque químico levado a cabo pelos socialistas de Bashar Al Assad em 21 de Agosto, eu também estou de acordo, como já disse anteriormente, que as provas que existem não seriam aceites em Tribunal, porque se trata de provas circunstânciais e só é possível concluir que foi Bashar que deu a ordem para o ataque químico, quando se somam as circunstâncias e se interpretam os factos conhecidos em conjunção com as circunstâncias.

Ou seja:

Se estivessemos num tribunal, haveria 1% de probabilidades de não ter sido Bashar Al Assad o responsável.
E eu admito que há provavelmente 1% de dúvidas.

Considerando o principio do «In dubio pro reo» teriamos que absolver o Assad, porque não temos uma certeza absolutamente segura de que foi ele e o seu regime que foram responsáveis.

Dito isto, quem soma dois com dois, há muito tempo que já percebeu que Assad mandou matar todas aquelas pessoas, pelas miriades de razões já apontadas, desde o desespero por se ter concluido que tinha acabado a fase de «recuperação» e o palácio continuar ao alcance dos rebeldes, até à identificação de lançamentos por infra-vermelhos, à presença de agentes químicos nas áreas controladas pelos opositores de Assad, até à análise no terreno dos trajetos descritos pelos projeteis.

Sem argumentação, e com um relatório das Nações Unidas que os próprios russos pediram que fosse aguardado, e respeitado, mas que dexou poucas dúvidas sobre a autoria do ataque, a imprensa conspirativa e russa (uma não existe sem a outra) passou a depender unica e exclusivamente das teorias conspirativas e das alegações não provadas sobre a utilização de armas químicas por algum rebelde.

Agora, a questão, já não é que Bashar Al Assad de facto foi o responsável, mas sim o facto alegado de que ocorreram outros ataques anteriormente.

A verdade é que um relatório internacional que os próprios russos afirmavam seria imparcial (antes de o lerem) foi muito claro ao apontar caminhos.
As alegações sobre a utilização de armas quimicas por algum grupo de rebeldes, não foi provada e a única fonte que temos, são os russos, que naturalmente apresentaram provas fornecidas por nada mais nada menos que Bashar Al Assad.

Toda esta história, é demonstrativa do miserável comportamento da máfia russa e dos socialistas sírios neste processo.

Mesmo que fosse verdade (e eu nem sequer digo que não seja, apenas que a probabilidade de ter ocorrido é proporcionalmente inversa à certeza que existe sobre Assad) que ocorreram ataques por parte dos islamitas, a diferença em termos do número de vítimas seria sempre terrível.
Seria sempre maior a responsabilidade de um grupo que controla o aparelho do estado, e que embora de forma ilegitima, se arroga o direito de se chamar governo sírio.

E pessoalmente também acho que deveria haver retaliações sobre os grupos islamitas que tivessem utilizado armas químicas.
Mas quando quando a imprensa russa diz uma coisa, é sempre dificil deixar de considerar que os jornalistas que veiculam as notícias são ameaçados de morte pelos mafiosos e não têm qualquer liberdade para noticiar algo. Ainda mais dificil de dar crédito a meios de comunicação controlados pela Máfia russa, que por sua vez têm como fonte o ditador ao qual estão aliados.

É como pedir às SS qu fizessem um relatório imparcial sobre o que se passou nos campos de concentração.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Outubro 05, 2013, 11:58:35 am
Citação de: "papatango"
Relativamente à questão do ataque químico levado a cabo pelos socialistas de Bashar Al Assad em 21 de Agosto, eu também estou de acordo, como já disse anteriormente, que as provas que existem não seriam aceites em Tribunal, porque se trata de provas circunstânciais e só é possível concluir que foi Bashar que deu a ordem para o ataque químico, quando se somam as circunstâncias e se interpretam os factos conhecidos em conjunção com as circunstâncias.

Ou seja:

Se estivessemos num tribunal, haveria 1% de probabilidades de não ter sido Bashar Al Assad o responsável.
E eu admito que há provavelmente 1% de dúvidas.

Considerando o principio do «In dubio pro reo» teriamos que absolver o Assad, porque não temos uma certeza absolutamente segura de que foi ele e o seu regime que foram responsáveis.

Dito isto, quem soma dois com dois, há muito tempo que já percebeu que Assad mandou matar todas aquelas pessoas, pelas miriades de razões já apontadas, desde o desespero por se ter concluido que tinha acabado a fase de «recuperação» e o palácio continuar ao alcance dos rebeldes, até à identificação de lançamentos por infra-vermelhos, à presença de agentes químicos nas áreas controladas pelos opositores de Assad, até à análise no terreno dos trajetos descritos pelos projeteis.

Sem argumentação, e com um relatório das Nações Unidas que os próprios russos pediram que fosse aguardado, e respeitado, mas que dexou poucas dúvidas sobre a autoria do ataque, a imprensa conspirativa e russa (uma não existe sem a outra) passou a depender unica e exclusivamente das teorias conspirativas e das alegações não provadas sobre a utilização de armas químicas por algum rebelde.

Agora, a questão, já não é que Bashar Al Assad de facto foi o responsável, mas sim o facto alegado de que ocorreram outros ataques anteriormente.

A verdade é que um relatório internacional que os próprios russos afirmavam seria imparcial (antes de o lerem) foi muito claro ao apontar caminhos.
As alegações sobre a utilização de armas quimicas por algum grupo de rebeldes, não foi provada e a única fonte que temos, são os russos, que naturalmente apresentaram provas fornecidas por nada mais nada menos que Bashar Al Assad.

Toda esta história, é demonstrativa do miserável comportamento da máfia russa e dos socialistas sírios neste processo.

Mesmo que fosse verdade (e eu nem sequer digo que não seja, apenas que a probabilidade de ter ocorrido é proporcionalmente inversa à certeza que existe sobre Assad) que ocorreram ataques por parte dos islamitas, a diferença em termos do número de vítimas seria sempre terrível.
Seria sempre maior a responsabilidade de um grupo que controla o aparelho do estado, e que embora de forma ilegitima, se arroga o direito de se chamar governo sírio.

E pessoalmente também acho que deveria haver retaliações sobre os grupos islamitas que tivessem utilizado armas químicas.
Mas quando quando a imprensa russa diz uma coisa, é sempre dificil deixar de considerar que os jornalistas que veiculam as notícias são ameaçados de morte pelos mafiosos e não têm qualquer liberdade para noticiar algo. Ainda mais dificil de dar crédito a meios de comunicação controlados pela Máfia russa, que por sua vez têm como fonte o ditador ao qual estão aliados.

É como pedir às SS qu fizessem um relatório imparcial sobre o que se passou nos campos de concentração.

Discordo totalmente. Por 2 simples razões:

Existem navios espiões (http://en.wikipedia.org/wiki/Spy_ship) na área que monitorizam todas as comunicações civis e militares, bem como as posições das forças em guerra, o armamento que usam e o lançamento de misseis e foguetes (quer a assinatura radar como os próprios sinais rádio).
(http://warshipsfromrussia.devhub.com/img/upload/ghyghhyjjyh.jpg)
(http://warshipsfromrussia.devhub.com/img/upload/gfhtgfhthtth.jpg)
(http://www.dw.de/image/0,,16177735_303,00.jpg)
Além dos navios existem estações de restreio da NATO (http://users.telenet.be/d.rijmenants/en/coldwarsignals.htm) que terão captado esses mesmos sinais (http://en.wikipedia.org/wiki/Signals_intelligence). O mesmo se passando com estação Israelita nos montes Golan (mostrada logo abaixo) e estações móveis.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e3/Har_Avital.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-48BAqtnVSCs/TfDaOohPjLI/AAAAAAAABDY/erRWuUK1nNc/s400/p14tall-king.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/b/b6/Trafikdata-en.png)
Depois temos os aviões especificos para a missão ou que o podem fazer.
(http://www.airplane-pictures.net/images/uploaded-images/2009-7/14/53566.jpg)
Por ultimo restam ainda os satélites Elint/Sigint.
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/e/e5/Sigint_Satellite.jpg)

POrtanto:
A única forma de os EUA, Russos e companhia não terem dados suficientes sobre os ataques químicos com toda esta panóplia de equipamento seria os Sírios apresentarem um completo silencio de comunicações (radio e telefone), além de fazerem todas as movimentações militares, lançamentos de misseis e rastreio do inimigo a coberto dos sistemas que os espiam ( usando por exemplo interferências, empastelando os radares inimigos, etc), algo que não é possível face ao equipamento militar sírio (de ELINT/SIGINT e de contramedias electrónicas) e muito menos com a situação militar como está (as comunicações militares e politicas teriam todas de ser feitas por mensageiro). Assim, ou os Sirios são muito espertos ou praticante toda a gente está a mentir.
(https://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/thumb/2/2f/JSC-Databases-and-Flow.GIF/300px-JSC-Databases-and-Flow.GIF)
(http://i.imgur.com/sMi9IHE.jpg)

Relativamente às provas substanciais que recolheram no terreno, as partes envolvidas têm os foguetes (alguns com inscrições em russo), as análises de sangue Às vitimas e suposições quanto à localização dos disparos e ao alcance dos foguetes. Mais nada. O resto são suposições que ainda estão por provar e que apontam para maiores probabilidades de cada sistema ter sido usado por uma força específica.
(http://1.bp.blogspot.com/-HY2eY09CRZ0/UiRpto4q25I/AAAAAAAAFT4/LMl7_PD9BLc/s1600/1172714_512817155465572_1440350101_o.jpg)  
(http://4.bp.blogspot.com/-m9Txcd0p36c/UjRURbnbRMI/AAAAAAAAFs4/oow1VJVaSGQ/s1600/140mm.jpg)
NO caso dos foguetes M-14 ainda é possível saber o alcance mínimo ou máximo, agora o UMLACA sendo um sistema só agora visto, apenas se pode especular.
(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/69911000/gif/_69911186_damascus_chemical_area_624_.gif)
O gás sarin assim como os UMLACA proveniente quase de certeza de lotes governamentais. Mas face À captura e conquista de posições militares de ASSAD não é de todo possível determinar com 100% de certeza que tenham sido as suas forças militares exclusivamente a usar o agente químico.
(http://wpmedia.news.nationalpost.com/2013/09/fo0907_sarin_c_rj_web940.jpg)

Assim e resumidamente na minha opinião:

Face ao dados SIGINT/ELINT certamente recolhidos sobre a situação Síria (deixo de fora os dados dos satélites detectores infravermelhos pois tenho dúvidas no eficaz funcionamento dos mesmos), todas as partes tem tido um comportamento miserável sobre tanto os ataques químicos como sobre toda a guerra civil (não são apenas os teóricos da conspiração ou a máfia russa). Poderá no máximo existir uma pequena percentagem de incapacidade de se ter recolhido por esta via próvas suficintes do envolvimento das partes nos ataques químicos, algo que sinceramente não creio.
Assim e mais uma vez são os "Top Secret" e as formas de recolher este tipo de informação (casos Snowden(http://pt.wikipedia.org/wiki/Edward_Snowden) e Wikileks (http://pt.wikipedia.org/wiki/WikiLeaks) a ditar o suposto secretismo e assim a esconder realmente o que se passa no conflito Sírio. Mas na verdade porem trata-se de politica, estratégia e hipocrisia, pois como venho dizendo toda a gente espia, os países usam praticamente o mesmo tipo de equipamento e as informações que conseguem apenas vêm confirmar ou deitar por terras suspeitas que À muito se tem. O caso Sírio é apenas e só um de muitos outros.
(http://www.optionpit.com/sites/optionpit.com/files/images/spy_2.PNG)
(http://www.ynetnews.com/PicServer3/2013/03/07/4500981/20130307-125044_wa.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 05, 2013, 04:17:56 pm
Bashar al-Assad candidato em 2014 se povo o «quiser»


O presidente sírio, Bashar al-Assad, anunciou que vai concorrer à presidência em 2014 se o povo «quiser», enquanto o seu país está mergulhado numa guerra civil e o regime que lidera é acusado de matar civis com armas químicas.O conflito na Síria começou há dois anos e meio depois de uma revolta pacífica reprimida de forma violenta que se transformou numa revolta com o objetivo de derrubar o regime de Assad.

A recusa de Bashar al-Assad em abandonar o poder é o principal obstáculo nas negociações diplomáticas para uma solução política para o conflito que já custou mais de 115 mil mortes e forçou seis milhões de sírios a abandonarem as suas casas.

A oposição apoiada pelos países árabes e ocidentais considera que eventuais negociações de paz devem necessariamente conduzir à saída de Assad, enquanto o regime e os seus aliados, especialmente a Rússia, recusam qualquer condição prévia.

«Se eu sentir que o povo sírio quer que eu seja presidente numa próxima etapa, eu serei candidato», disse Assad numa entrevista ao canal Halk-TV, divulgada na sexta-feira pela agência de notícias oficial Sana.

«Se a resposta for não, eu não o farei», afirmou também, acrescentando que a sua resposta será «mais clara em quatro ou cinco meses». O mandato atual temina em 2014.

Na mesma entrevista, Assad acusou os rebeldes, que ele descreve como «terroristas», de aspirar a criar um «Estado islâmico» na Síria.

Estas declarações acontecem no momento em que o importante grupo jihadista ligado à Al-Qaida, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante (EIIL), está a progredir na zona fronteiriça da Turquia, no norte da Síria.

Assad, que raramente discute questões relacionadas com a sua família, negou ainda os rumores sobre a morte de seu irmão Maher, o todo-poderoso líder da Guarda Republicana e da 4 ª Divisão do Exército encarregada da segurança em Damasco.

No terreno, pelo menos 28 pessoas - 20 das milícias pró-regime e oito civis - foram mortas em ataques e combates entre rebeldes e forças do regime nos arredores de al-Metrass, uma aldeia predominantemente sunita na região costeira de Tartous, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

Os bombardeamentos pararam depois de «dezenas de jovens», incluindo desertores, se se terem rendido ao exército.

As tropas do regime também bombardearam o bastião rebelde de Moadamiyat al-Cham perto de Damasco, uma das zonas afetadas pelo ataque químico de 21 de agosto.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 06, 2013, 12:15:03 am
Citar
Existem navios espiões na área que monitorizam todas as comunicações civis e militares, bem como as posições das forças em guerra, o armamento que usam e o lançamento de misseis e foguetes (quer a assinatura radar como os próprios sinais rádio)
.
Existem com certeza navios espiões, e eles podem até monitorizar tudo e mais alguma coisa.

Mas você parece partir do principio de que os sírios estão na idade da pedra em termos de comunicações encriptadas.
A maior parte das coisas que se conseguem obter neste campo, são quase sempre comunicações não encriptadas, transmitidas em sinal aberto, ou comunicações telefónicas estabelecidas através de sistemas não seguros.

As coisas no campo da espionagem do espectro radioelectrico não são tão simples quanto possamos pensar. Não é só mandar um navio espião, para saber o que o Assad está a fazer.
Não se esqueça por exemplo, de que os navios espiões estão entre 100 a 200km de Damasco e que entre os navios e a cidade há montanhas que em média têm entre os 1200 e os 1700m de altura, que em alguns casos ultrapassam mesmo os 2000m.

E é por tudo isso que não se podem apresentar provas conclusivas de grande coisa, porque a única coisa que os meios de recolha de informação têm é muitas vezes uma manta de retalhos de dados desconexos que depois têm que ser trabalhados com tempo.

É por isso que demorou muito mais tempo aos alemães para dizerem que havia razões para acreditar que tinha sido o Assad.

Os americanos foram mais rápidos, porque além dos dados que conseguem recolher pelas vias mais convencionais, juntamente com os israelitas, eles têm capacidade para vigiar utilizando os satélites geoestacionários do sistema  SBIRS.
O mais recente satélite do tipo foi lançado em Março deste ano e já está operacional. Os novos satélites conseguem ser ainda mais precisos que os anteriores.

http://www.space.com/20275-missile-defe ... esday.html (http://www.space.com/20275-missile-defense-satellite-launching-tuesday.html)

Alerto por exemplo para as seguintes passagens:

Citar
Devised in the Cold War to provide warning of intercontinental ballistic missiles launched at the U.S., this national security space project has broadened to cover short-range missiles and threats facing troops on the modern day battlefield.
Citar
Once the system detects a target, it determines the flight trajectory and where a hostile missile will hit, giving warfighters the necessary alert to intercept the weapon as part of the OODA loop (Observe, Orient, Decide and Act). The satellite launching Tuesday will work to expedite that time-critical sequence by identifying faint missiles faster and allowing forces to engage sooner.
In 2011, early-warning surveillance was used "to alert our forces and those of our global partners to nearly 200 missile launches and to report an additional 7,100 special infrared events. And I believe with some of the activity we're seeing around the world even this year, we're seeing an increase in the number of global missile launches," Planeaux said.

Portanto, os americanos tinham a informação disponível segundos após o lançamento e foram os primeiros a tirar conclusões.

Como é mais que evidente, a capacidade que a nova geração de satélites do sistema SBIRS tem é provavelmente um dos segredos mais bem guardados da América. E evidentemente que os adversários dos americanos fariam tudo, mesmo tudo para conseguir informação sobre o sistema.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Outubro 06, 2013, 12:23:23 pm
Citação de: "papatango"
Citar
Existem navios espiões na área que monitorizam todas as comunicações civis e militares, bem como as posições das forças em guerra, o armamento que usam e o lançamento de misseis e foguetes (quer a assinatura radar como os próprios sinais rádio)
.
Existem com certeza navios espiões, e eles podem até monitorizar tudo e mais alguma coisa.

Mas você parece partir do principio de que os sírios estão na idade da pedra em termos de comunicações encriptadas.
A maior parte das coisas que se conseguem obter neste campo, são quase sempre comunicações não encriptadas, transmitidas em sinal aberto, ou comunicações telefónicas estabelecidas através de sistemas não seguros.

As coisas no campo da espionagem do espectro radioelectrico não são tão simples quanto possamos pensar. Não é só mandar um navio espião, para saber o que o Assad está a fazer.
Não se esqueça por exemplo, de que os navios espiões estão entre 100 a 200km de Damasco e que entre os navios e a cidade há montanhas que em média têm entre os 1200 e os 1700m de altura, que em alguns casos ultrapassam mesmo os 2000m.

E é por tudo isso que não se podem apresentar provas conclusivas de grande coisa, porque a única coisa que os meios de recolha de informação têm é muitas vezes uma manta de retalhos de dados desconexos que depois têm que ser trabalhados com tempo.

É por isso que demorou muito mais tempo aos alemães para dizerem que havia razões para acreditar que tinha sido o Assad.

Os americanos foram mais rápidos, porque além dos dados que conseguem recolher pelas vias mais convencionais, juntamente com os israelitas, eles têm capacidade para vigiar utilizando os satélites geoestacionários do sistema  SBIRS.
O mais recente satélite do tipo foi lançado em Março deste ano e já está operacional. Os novos satélites conseguem ser ainda mais precisos que os anteriores.

http://www.space.com/20275-missile-defe ... esday.html (http://www.space.com/20275-missile-defense-satellite-launching-tuesday.html)

Alerto por exemplo para as seguintes passagens:

Citar
Devised in the Cold War to provide warning of intercontinental ballistic missiles launched at the U.S., this national security space project has broadened to cover short-range missiles and threats facing troops on the modern day battlefield.
Citar
Once the system detects a target, it determines the flight trajectory and where a hostile missile will hit, giving warfighters the necessary alert to intercept the weapon as part of the OODA loop (Observe, Orient, Decide and Act). The satellite launching Tuesday will work to expedite that time-critical sequence by identifying faint missiles faster and allowing forces to engage sooner.
In 2011, early-warning surveillance was used "to alert our forces and those of our global partners to nearly 200 missile launches and to report an additional 7,100 special infrared events. And I believe with some of the activity we're seeing around the world even this year, we're seeing an increase in the number of global missile launches," Planeaux said.

Portanto, os americanos tinham a informação disponível segundos após o lançamento e foram os primeiros a tirar conclusões.

Como é mais que evidente, a capacidade que a nova geração de satélites do sistema SBIRS tem é provavelmente um dos segredos mais bem guardados da América. E evidentemente que os adversários dos americanos fariam tudo, mesmo tudo para conseguir informação sobre o sistema.

Por alguma razão falei em navios espiões, ESTAÇÕES TERRESTRES, SATELITES e AVIÕES elint/sigint. Com certeza que uma estação no cimo dos Montes Golan não tem essas limitações, o mesmo se passando com satélites e aviões (Atenção porem que uma coisa é Damasco outra completamente diferente são outras áreas onde houve ataques químicos). O sistema de recolha de informações propriamente dito não tem nenhum segredo em termos de explicação teórica mas sim na sua vertente prática pois a maioria dos sistemas de detecção, rastreio e descodificação são ultra secretos.
(http://www.counterpunch.org/wp-content/dropzone/2013/02/spy-surveilence-base-on-the-hill-overlooking-Syria.jpg)
(http://www.flightglobal.com/blogs/wp-content/uploads/mt/flightglobalweb/blogs//aircraft-pictures/2008/06/17/737small.jpg)
(http://www.globalsecurity.org/intell/systems/images/sigintnsadishconcepts.jpg)
(http://www.sinan-gmbh.de/content/Folie16.GIF)
(https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcRS8WQo4lqA5FOOHt4hh6hlAMjCv705PSqY19hQEhL3kQpVEVB9BQ)

Independentemente das problemáticas no que concerne à geografia terá sido o navio alemão a detectar comunicações entre o palácio presidêncial e as forças no terreno a propósito do ataque de 21 de Agosto. Terão sido em seguida os franceses a detectar um ataque maciço de aviação síria logo após o ataque químico. Relativamente ao que os americanos detectaram não tenho provas nem qualquer confirmação que o sistema SBIRS detecte o que os americanos dizem (até agora as imagens disponíveis apenas revelam a detecção e seguimento de misseis balísticos) portanto não me pronuncio (até porque os EUA não revelam o que foi).Aliás, a próprio informação que citou não separa misseis de curto alcance de foguetes de artilharia ou artesanais e muito menos define que  7 100 eventos infravermelhos serão estes (não digo que não seja verdade mas apresento-me céptico pois existem informações que até dizem que o Sbirs detecta calor corporal). Continuo também a achar muito estranho que os EUA não possuíam algum meio de Elint/Sigint na área e se estejam  basear completamente no Sbirs e na suas capacidades (que não confirmam a ninguém).  
(http://i.imgur.com/cUiFR3w.jpg)
(http://turkishnavy.files.wordpress.com/2011/06/atl2.jpg)
(http://users.erols.com/hifront/sbirs.jpg)
(http://www.armscontrolwonk.com/images/1233.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/4/44/EP-3E_DN-SD-07-09322.JPEG)
Acredito que os Russos dessem tudo para saber o sistema SBIRS da mesma forma que no passado mandaram os Norte- Coreanos capturar o USS Pueblo. Já relativamente ao ataque ao USS Liberty feito por Israel apenas prova que o valor destes navios está muito alem das comunicações não encriptadas. Actualmente então com 50 a 100 operadores a bordo munidos de processadores de ultima geração que fazem parte do trabalho em automático o que se fazia em dias passa a ser feito em horas (por exemplo o avanço da ultima década em detecção infravermelho é sobretudo graças aos computadores extremamente potentes que filtram as interferências nas imagens quase totalmente colocando um sistema que desde os anos 50 nunca funcionou bem como imprescindível http://en.wikipedia.org/wiki/Infra-red_search_and_track)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/dc/USS_Pueblo_(AGER-2)_02.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/d/db/USS_Pueblo_(AGER-2)_07.jpg)
(http://mycatbirdseat.com/wp-content/uploads/2011/08/uss_liberty2.jpg)
(http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/3/30/USS_Liberty_(AGTR-5)_with_USS_Little_Rock_(CLG-4)_1967.jpg)

http://pt.wikipedia.org/wiki/SIGINT

http://en.wikipedia.org/wiki/Signals_intelligence_operational_platforms_by_nation

A espionagem ELINT/SIGINT  não é apenas valiosa pelo que consegue capatar  a nível de comunicações mas também por tudo o resto. É por essa razão que os navios espiões russos normalmente acompanham os grupos de porta-aviões americanos e sobretudo os seus testes de misseis, esperando identificar a faixa de operação, modo de transmissão de informações, assinatura radar, entre outras coisas. No caso Sírio (tendo em conta o que Israel faz) apenas os sistemas anti-aéreos de ultima geração russos (que segundo consta ainda não foram entregues totalmente) constituirão um problema. Tudo o resto desde comunicações a faixa de orientação, passando pela assinatura de misseis e foguetes do arsenal Sírio, estará mais que identificado à anos (daí os ataques Israelitas terem alto sucesso e sem baixas). Aliás, actualmente é pouco credível que com os sistemas de recolha existentes e com os microprocessadores de ultima geração, Israelitas, Americanos e Alemães não saibam praticamente na hora até se Assad ressona (então se as capacidade do Sbirs que se encontram nos sites dos teóricos da conspiração forem verdade até sabem quando o homem está na "brincadeira" com a esposa... :mrgreen: )
(http://milinme.files.wordpress.com/2012/11/syr-p-19-04.jpg?w=620)
(http://english.al-akhbar.com/sites/default/files/imagecache/5cols/leading_images/Free_Syrian_Army_Main_pic_2.jpg)
É também pouco credivel que umas forças armadas que improvisam até sistemas de lançamento de bombas convencionais em helicópteros Mi-8 Hip de repente tenham dado o salto tecnológico e apareçam com sistemas de comunicação ultramoderno, encriptação de dados e guerra electrónica de ultima geração. O mesmo com certeza se passa com os rebeldes.
(http://www.csmonitor.com/var/ezflow_site/storage/images/media/content/2012/1129/1129-syria-rebels-damascus-airport/14410445-2-eng-US/1129-syria-rebels-Damascus-airport_full_600.jpg)
(http://www.syrianews.cc/wp-content/uploads/blogger/-h9HojWwvMOI/URyHBc0XnSI/AAAAAAAAM-Y/odsSDA7ivvk/s1600/army%2Bhelicopter%2Bwith%2Bsyrian%2Bflag-769458.jpg)
(http://hromedia.com/wp-content/uploads/2013/05/human-rights-observers-Syrian-rebels-shoot-down-military-helicopter-killing-8-troops-arab-up-1.jpg)
(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/62510000/jpg/_62510347_jex_1500166_de33-1.jpg)

Por isso continuo a achar que os sistemas Elint/Sigint tanto de russos como ocidentais tem a informação toda (poderá também o Sbirs acrescentar mais informação valiosa, não o nego, embora desconfio do que o sistema pode realmente fazer). Se não o revelam por secretismo ou para não dar certezas à opinião publica sobre o que realmente os Serviços Secretos de cada pais espiam, isso são outros 500. Agora quem se apresenta pronto para ir para a guerra tem de fazer compromissos e não esperar que o publico concorde com uma intervenção militar (com os consequentes custos financeiros e possíveis baixas) com base em suposições e jogos de palavras alicerçados em sistemas que supostamente fazem milagres mas que não se pode revelar pois são "top secret".
(http://flashtrafficblog.files.wordpress.com/2013/08/syria-attackmap.jpg)
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2013/08/28/article-2404972-1B820E7D000005DC-151_634x654.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 06, 2013, 09:40:27 pm
Presidente sírio admite erros no início da revolta, em março de 2011


O presidente da Síria, Bashar al-Assad, admitiu, em entrevista publicada hoje no semanário alemão Spiegel, ter cometido «erros» na rebelião iniciada em março de 2011, conflito que provocou mais de 115.000 mortos e milhões de refugiados. «Sempre que haja decisões políticas, os erros acontecem. Em todo o mundo. Nós somos humanos», disse Assad, em resposta à questão se não teria sido errado responder com força aos protestos pacíficos nos primeiros dias da revolta contra a sua família, no poder há 40 anos.

Assad sublinhou que «acontecem erros pessoais», reiterou que «todos cometem erros» e acentuou que «até um presidente os comete».

Porém, ressalvou que, "mesmo que os erros tenham existido, as decisões fundamentais estavam certas".

Interrogado se a oposição armada é o único responsável pelos massacres e se as forças sírias foram inteiramente inocentes, Assad respondeu que "não se pode dizer em absoluto que os rebeldes tiveram 100 por cento de culpa e que os militares tiveram zero".

"A realidade não é preto ou branco, há também zonas de cinzento, mas, basicamente, é correto dizer que nós defendemo-nos", disse, acrescentando que "todos os países têm de enfrentar crimes, que podem estar em qualquer lado, incluindo no exército".

O presidente da Síria voltou a negar ter usado armas químicas contra o seu povo e salientou que o seu Governo está a colaborar com os inspetores da Organização das Nações Unidas (ONU) e com os observadores internacionais no desarmamento.

"Somos muito transparentes. Os observadores podem ir a qualquer sítio. Terão todos os detalhes da parte do Governo", assinalou.

Assad contrariou as afirmações do presidente norte-americano, Barak Obama, de que as forças afetas ao Governo sírio utilizaram armas químicas para matar centenas de pessoas nos subúrbios de Damasco, em agosto.

"É um erro. Não usamos armas químicas", afirmou, indignado com "a imagem que fazem" dele próprio, acusando-o "de matar o próprio povo".

Dizendo que "Obama não apresentou nada além de mentiras", o presidente da Síria acentuou que "não foram apresentadas quaisquer provas".

Os inspetores da ONU que investigaram o ataque de 21 de agosto mencionaram no relatório que foi utilizado gás sarin, mas não apuraram a responsabilidade do uso da arma química.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 07, 2013, 01:17:26 pm
Kerry elogia colaboração da Síria na destruição de armas químicas


O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, elogiou hoje o consentimento da Síria que permitiu iniciar em tempo recorde a destruição das armas químicas do país. «O processo começou em prazo recorde e estamos agradecidos à Rússia pela sua cooperação e certamente à Síria pelo seu consentimento» declarou Kerry em conferência de imprensa conjunta com o ministro dos Negóciso Estrangeiros russo, Serguei Lavrov, ao fim de uma reunião na ilha indonésia de Bali.

«Penso que é extremamente significativo que ontem, domingo, uma semana depois da adopção da resolução (na ONU), tenham sido destruídas armas químicas. Penso que isto honra o regime de Damasco, com toda a franqueza. É um bom começo e nós recebemo-lo favoravelmente», acrescentou.

Os especialistas em desarmamento químico iniciaram no domingo a destruição do arsenal sírio, em aplicação de uma resolução da ONU aprovada depois do ataque químico letal de 21 de Agosto perto de Damasco.

Lavrov afirmou que a Rússia e os Estados Unidos desejam organizar em meados de Novembro uma conferência internacional de paz sobre a Síria, conhecida como Genebra 2, para encontrar uma solução política para o conflito.

A iniciativa da reunião, com representantes do governo sírio e da oposição, tem por meta retomar as bases de um acordo internacional sobre uma transição política na Síria assinado a 30 de Junho de 2012 na cidade suíça, mas nunca aplicado.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 09, 2013, 07:02:33 pm
Fico admirado como gente crescida ainda acredita no pai natal. Fontes militates americanas ja admitiram que a unica coisa solida que tem Contra o Assad e a existencia do arsenal quimico da parte do regime. Querer a forca viva culpar o homem pelo ataque do dia 21 e sintoma de agenda politica e falta de honestidade intellectual.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: nelson38899 em Outubro 10, 2013, 12:38:07 am
Citação de: "listadecompras"
Fico admirado como gente crescida ainda acredita no pai natal. Fontes militates americanas ja admitiram que a unica coisa solida que tem Contra o Assad e a existencia do arsenal quimico da parte do regime. Querer a forca viva culpar o homem pelo ataque do dia 21 e sintoma de agenda politica e falta de honestidade intellectual.

Claro que não, eu também acho que os nazis nunca mataram os 6 milhões de judeus, e Estaline foi um santo na terra e Saddam Hussein nunca atacou nenhuma aldeia curda com o mesmo tipo de armas.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 11, 2013, 12:22:10 am
Citação de: "listadecompras"
Fico admirado como gente crescida ainda acredita no pai natal. Fontes militates americanas ja admitiram que a unica coisa solida que tem Contra o Assad e a existencia do arsenal quimico da parte do regime. Querer a forca viva culpar o homem pelo ataque do dia 21 e sintoma de agenda politica e falta de honestidade intellectual.

Não vale a pena. O meu caro não sabe que o "petas&tangas" tem info especial, que nem em sessões fechadas do Congresso e do Senado são passadas?
Não sabe que são segredos tão bem guardados que, para os manter, os USA decidiram voluntariamente sofrer uma das mais pesadas derrotas diplomáticas da sua história e que esse acontecimento precipitou um rearranjo estratégico na zona?
Não sabe que os Congressitas e Senadores americanos que vieram para a CNN falar que não existiam, ou não foram apresentadas, absolutamente nenhumas provas que ligassem o regime aos ataques e toda a argumentação se baseava no "we strongly believe that"?

Ah, meu caro, o poder da idiologice, o poder da idiologice.........
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 12, 2013, 09:20:01 am
Carissimo foxtroop

Para mim isto nao e uma questao de ser pro/anti Americano ou pro/anti Russo. E uma questao de integridade moral, de principios.ha limites que nao podemos tolerar. Pelos vistos os corruptos dos russos conseguiram chamar a razao os mentirosos dos americanos.

Por enquanto...

Saudo-o pelos alertas que deixou a navegacao.

Enquanto a corja andar a resmungar loucamente com todo o veneno e um dever nosso repor os factos.

Um abraco
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Outubro 12, 2013, 04:21:28 pm
Citar
Armed opposition groups in Syria killed at least 190 civilians and seized over 200 as hostages during a military offensive that began in rural Latakia governorate on August 4, 2013.Two opposition groups that took part in the offensive, the Islamic State of Iraq and Sham and Jaish al-Muhajireen wal-Ansar, are still holding the hostages, the vast majority women and children.

The findings strongly suggest that the killings, hostage taking, and other abuses rise to the level of war crimes and crimes against humanity

 :arrow: http://www.liveleak.com/view?i=b56_1381495514 (http://www.liveleak.com/view?i=b56_1381495514)
Continuam os massacres.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Outubro 12, 2013, 08:47:43 pm
(http://media4.s-nbcnews.com/j/MSNBC/Components/Slideshows/_production/ss-120719-syria-uprising/ss-131003-syria-03.ss_full.jpg)
Citar
From left, Abboud, 12, and his brother Deeb, 14, walk with their weapons in Aleppo's Sheikh Saeed neighborhood on Sept. 28. The brothers, both school-going children before the civil war, joined the Free Syrian Army after the deaths of two of their brothers and an uncle in the conflict. Muzaffar Salman / *******
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 15, 2013, 09:35:57 pm
Rebeldes sírios negam possuir depósitos de armas químicas


A Coligação Nacional síria, que aglutina diversas forças da oposição, assegurou hoje que nenhum dos depósitos com armas químicas na Síria está sob o seu controlo, desmentindo informações divulgadas pela Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAC).   Na segunda-feira a OPAC indicou que um depósito com armas químicas abandonado se encontrava em zona controlada pelos rebeldes sírios e disse aguardar que os peritos possam deslocar-se ao local.

Em comunicado, a Coligação assegurou de novo o seu apoio à missão OPAC-ONU na missão de supervisão do desmantelamento do arsenal químico sírio, mas rejeitou controlar qualquer local com este tipo de armamento.

"Existem depósitos químicos sob controlo do regime que estão cercados pelo Exército Sírio Livre (forças rebeldes), mas não existe qualquer local que permaneça sob controlo das brigadas rebeles", refere o comunicado.

A Coligação e os rebeldes defendem "uma cooperação total com todas as missões internacionais para facilitar o seu trabalho e garantir a sua total proteção", acrescenta a liderança rebelde.

Na segunda-feira o diretor-geral da OPAC, Ahmet Uzumcu, afirmou que os peritos internacionais enviados para a Síria em 01 de outubro já visitaram cinco dos 20 locais suscetíveis de produzirem armas químicas.

Para visitar os 15 restantes os peritos devem atravessar zonas disputadas em combate, e um desses locais, ao abandono, está sob controlo dos rebeldes, acrescentou Uzumcu.

Os inspetores a OPAC e da ONU estão mandatados para a aplicação do acordo sobre a destruição do arsenal químico sírio, na sequência de uma iniciativa diplomática de Moscovo que obteve o apoio unânime do Conselho de Segurança da ONU.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 18, 2013, 07:41:24 pm
sim, eu sei que e um documentario dum canal russo. um pouco de propaganda, mas muita verdade

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Outubro 18, 2013, 09:49:27 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 18, 2013, 11:33:30 pm
Regime admite negociações, rebeldes matam oficial da secreta


O regime sírio admitiu hoje que as negociações de paz podem começar em novembro, num dia em que os inspetores das armas químicas fizeram metade do trabalho e os rebeldes mataram um oficial sénior dos serviços de informações. A televisão estatal anunciou que o major-general Jamaa Jamma «foi martirizado quando estava no cumprimento das suas obrigações de defesa da Síria e do seu povo, a perseguir terroristas em Deir Ezzor».

Jamma estava a dirigir os serviços de informações militares nesta província na parte leste da Síria, onde os fóruns dos combatentes islamitas na internet disseram que foi morto num confronto na cidade homónima.

Em Moscovo, o vice-primeiro-ministro sírio, Qadri Jamil, disse à imprensa que as propostas negociações de paz em Genebra podiam começar em 23 e 24 de novembro".

Tanto o ministro dos Negócios Estrangeiros russo como a Organização das Nações Unidas (ONU) adiantaram que a data da conferência seria decidida pelo secretário-geral desta, Ban Ki-moon.

«Quando for a altura para um anúncio, o secretário-geral fá-lo-á», disse o porta-voz da ONU, Martin Nesirky, a jornalistas, em Nova Iorque.

«E recordo a vocês e a toda a gente que é o secretário-geral que vai convocar a conferência e que é o secretário-geral que vai convidar as diferentes partes a estarem presentes», salientou.

A Federação Russa e vários estados ocidentais têm estado a pressionar desde maio para novas conversações entre o regime sírio e os rebeldes, com vista a uma solução negociada para o conflito, que já causou a morte a mais de 115 mil pessoas desde março de 2011.

A oposição síria está dividida quanto a comparecer na conferência e o regime do Presidente Bashar al-Assad garante que a saída deste do poder não vai estar presente em qualquer negociação.

O Conselho Nacional, um grupo que federa várias tendências dos rebeldes, já fez saber que vai discutir na próxima semana a sua ida às conversações, o que vai culminar com uma votação.

Mas Jamil disse que «não havia alternativa» à conferência de paz e que a ausência de partes da oposição síria não iria afetar o seu calendário ou formato.

A comunidade internacional renovou a sua pressão para a conferência de Genebra no seguimento de um acordo mediante o qual a Síria vai entregar o seu arsenal químico para ser destruído.

O acordo, consagrado numa resolução do Conselho de Segurança, afastou uma ação militar dos EUA contra o regime de Al-Assad, depois de um ataque com gás sarin, em 21 de agosto, ter causado a morte a centenas de pessoas nos arredores de Damasco.

Este texto estipulou a deslocação para a Síria de técnicos da ONU e da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) para dirigir a destruição do armamento químico.

Hoje, a OPAQ, que recebeu o Prémio Nobel da paz na última semana, adiantou que já fez cerca de metade das inspeções previstas ao arsenal.

«Já fizemos cerca de 50% do trabalho de verificação das instalações que nos foram declaradas», afirmou um conselheiro político da OPAQ, Malik Ellahi, aos jornalistas, em Haia.

Os inspetores têm até 30 de junho de 2014 para terminar a destruição do arsenal químico sírio.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 20, 2013, 12:35:00 pm
Citar
sim, eu sei que e um documentario dum canal russo. um pouco de propaganda, mas muita verdade

Toda a propaganda tem que parecer dizer a verdade, senão não seria propaganda.
Os canais russos são controlados pelo KGB (agora FSB) e os jornalistas não têm qualquer liberdade para dizer o que quer que seja que não tenha sido determinado pela policia do regime de Putin. Desafiar o ditador significa a morte numa prisão do regime.

É claro que agora não se morre das torturas dos comunistas, agora morres-se de doença. Os camaradas não têm culpa que os prisioneiros tivessem apanhado gripe.

Na Russia não se pode apanhar gripe na prisão. Nas prisões russas, até uma constipação mata, principalmente se se tratar de alguém que protesta contra o Putin.


Colocar links para notícias vindas da Russia, é por isso apenas propaganda. Não há qualquer verdade nelas, porque as meias verdades se destinam a tentar convencer quem já está convencido e não pode aceder à imprensa livre.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 20, 2013, 06:27:22 pm
ah mestre papatango, papatango

em boa hora me registei neste forum para me rir do que tem vindo a escrever sobre a siria e para aprender os truques dos hipocritas

o seu lugar e no forum areamilitar, essa plataforma de desinformacao americana

ah mestre papatango, papatango

voce mais se parece como uma mula de palas que so sabe uma direccao

tanto desconhecimento, tanta ignorancia, e porque?

quando e que nos vai dizer quantas vezes vai a embaixada por semana? quantos envelopes lhe passam? quantas viagens ja fez a zurich?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 20, 2013, 06:40:03 pm
a guerra da siria explicada as criancas

Citar
Russia's Middle Eastern Frontier
Nikolai MALISHEVSKI | 17.10.2013

 The U.S., overloaded with colossal internal problems, is once again planning to get out of trouble by beating Russia in the global competition on the oil and gas fronts. On the oil front with the help of Saudi Arabia, and on the gas front (and to some extent on the potassium front) with the help of Qatar. In this economic war, Syria is one of Russia’s most significant frontiers.

Saudi Arabia is America's tool for controlling oil supplies and putting pressure on Iran and Russia by threatening to displace their oil in all the biggest importers on the planet. This is done using a scheme worked out back in the 1980s, when by agreement with Washington the Saudis dropped the price of oil to 10 dollars a barrel, reducing the main revenue item of the USSR's budget to nothing and hastening the end of the Soviet superpower. While Washington lacks such a mechanism with regard to natural gas, it realizes quite well that Russia, which possesses approximately one third of world gas reserves, can become a world leader in this sphere. And these days the stability of a country's geopolitical positions is more dependent on control of gas fields and transport routes than oil fields and transport routes.

Since the beginning of the Arab spring and the aggression against Syria, Qatar has begun to play a key role in America's anti-Russian plans, as it has: a) colossal gas reserves, in which respect this small country has already surpassed Gazprom, b) a huge fleet of 54 special Q-max and Q-flex ships for transporting liquefied gas, and c) the largest gas field in the world, the Northern field, for which the moratorium on development ends in 2014. Most likely, that is when the deciding battle for Syria will take place and the all-out «gas» attack on Russia will begin…

The monarchies of the Persian Gulf, which along with the United States support «democratic changes» in several Middle Eastern countries, themselves remain dictatorial regimes. Thus the «Arab spring» boomerang they have thrown will inevitably return to them. The only way for them to divert the energy of the revolutionary explosion away from themselves is to try to redirect this energy outward. The Saudis' and Qataris' efforts are directed to the northeast, and their targets are Syria and Iran, and in the later stage, the Caucasus and the Volga region.

Qatar is not only a tool for controlling gas supplies and squeezing Russia out of the European market. It is expected that the loss of the gas market in the European Union would be catastrophic for Russia's budget. Strictly speaking, Qatar as a political entity is a British creation, buttressed by the U.S. army. At the same time it is a branch of Western transnational corporations. Like Saudi Arabia, Qatar has long been a center of international terrorism, sending fighters to Libya, Syria, Egypt, Algeria and the Caucasus. At one time the Qataris, who have an army of 12,000, sent 5,000 special operations troops into the deciding battle for the Libyan capital, Tripoli.

Ideological support for Qatar's policy is provided by the television channel Al Jazeera and several influential Islamist figures like Yusuf al-Qaradawi, the chairman of the World Council of Islamic Theologians, who took an active anti-Russian position back in the years of the first Chechen campaign. The Qataris openly welcome Chechen terrorist leaders like Zelmikhan Yandarbiev and finance Syrian «rebels», to whom Qatari aviation sends a huge amount of weapons via Turkey and Jordan. However, the main direction of attack for Qatar and its Western patrons is connected not with military actions, but with economic ones.

Qatar is already waging a price war against Russia. The Qataris are working in Belarus under Gazprom's nose, regasification terminals are under construction in the south and north of Europe, and the possibility of building terminals in England, the Netherlands, Turkey, Greece, etc. is being probed. The Qataris would think nothing of openly beating up a Russian diplomat at the ambassadorial level. The Emir of Qatar, sheikh Hamad bin Khalifa Al Thani, whose main office is located in London, has already eliminated or neutralized all Russian oil and gas projects in Qatar: 5 large billion-dollar projects like Yamal-LNG and 18 projects estimated at hundreds of millions of dollars. The same thing was done with gold mining projects.

Qatar owns 30% of the Rockefellers' Exxon Mobil Corporation, an energy monster which has become the main beneficiary of the occupation of Iraq and is one of the main lobbyists for the war against Syria. It is to this corporation that the puppet regime in Baghdad gave a 50-year monopoly on the development of Iraq's oil reserves after the overthrow of Saddam Hussein. As the main consumer of Russian gas is Europe, Exxon is trying to implement an alternative Qatar - Europe gas pipeline project. The White House also has an interest in this project.

If the American-Qatari alliance is able to shut out Gazprom, it would lead to a drop in hydrocarbon prices with all the ensuing consequences. It only remains to destroy Syria and all Middle Eastern infrastructure related to Russian energy projects, first of all pipeline infrastructure, as was done after post-Nasser Egypt was swung about from Moscow toward Washington in the 1970s; this was accompanied by the destruction of infrastructure the Egyptians had built on Moscow's money and the transformation of Egypt from a leader of the Arab world to a third-class state.

They want to destroy Syria in order to:

1) Take control not only of the recently discovered Syrian gas fields between Damascus and Homs, but of the entire territory of the country, which is seen as an important Middle Eastern geoeconomic crossroads and an alternative to the sea route for transporting hydrocarbons. The oil and gas monarchies of the Gulf are critically dependent on the transport route through the Strait of Hormuz. If that route were to be blocked for several months, an economic crisis would be inevitable for the Saudis, the Qataris and the Europeans.

2) Replace gas supplies to Europe from the north (from Russia) with supplies from the south (from U.S. vassals on the Gulf), as after the fall of Asad, even if Iran blocks the Strait of Hormuz, it will be possible to lay a gas pipeline through the territory of occupied Syria, allowing Qatar to displace Gazprom.

For now the Americans and Saudis are hastening to deprive Syria of chemical weapons and develop Libyan oil. The Qataris, who have already quietly drawn away 6% of the European Union market (as a result of which Gazprom's share has decreased by 2%), are moving in on Libya's gas sphere and setting their sights on yet another gas state, Algeria, which for now retains its sovereignty in the gas extraction field (Qatar is already sending weapons and jihadist thugs to Algeria at full tilt).

The approaching year 2014 will be decisive in the fate of Syria as Russia's Middle Eastern frontier. It is next year that a) it will become impossible to further postpone the resolution of internal problems in the U.S., b) chemical weapons in Syria will be destroyed, c) the moratorium on the development of the largest gas field in the world, the Northern field on the border between Qatar and Iran, will end, and d) Qatar will finish building its fleet, create infrastructure for delivering LNG (a port on the coast, a series of super gas tankers, and regasification terminals in the EU), and gain a stake in European gas transport systems.

The main task for Russia's foreign policy in the Middle East in 2014 will be not to allow the destruction of Syria or the «democratization» of Algeria in a similar scenario.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 21, 2013, 10:49:26 pm
Citação de: "listadecompras"
ah mestre papatango, papatango

voce mais se parece como uma mula de palas que so sabe uma direccao

tanto desconhecimento, tanta ignorancia, e porque?

quando e que nos vai dizer quantas vezes vai a embaixada por semana? quantos envelopes lhe passam? quantas viagens ja fez a zurich?


Hóstia que é canela até ao pescoço e logo a pés juntos  :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 22, 2013, 06:43:18 pm
foxtroop

ja conheces a anedota do analista americano que confundiu as horas a que recebeu um relatorio duma ONG (1400; duas da tarde portanto) com o numero de mortos num ataque quimico?

eu depois conto-te...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Outubro 27, 2013, 09:15:48 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 29, 2013, 07:29:15 pm
obvio que quando os americanos se sentaram a mesa com os russos, tiveram que dar o braco a torcer

Citar
Iran Warned the USA on Chemical Weapons, TCSM Claims
Posted by Emine Dilek on Wednesday, September 11, 2013

In a letter obtained by The Christian Science Monitor (TCSM) that was sent to the USA officials, Iran has been warning Washington since July 2012 that Sunni rebel fighters have acquired chemical weapons, and called on the US to send “an immediate and serious warning” to rebel groups not to use them.
Iran claims that it warned the United States directly, in mid- and late- 2012, and at least once after that, about the risks of chemical weapons among the rebels. The letter references messages from July 18 and December 1, 2012.
Tehran Times also reports on the letter, claiming the letter is undated and was produced by the previous government under former president Mahmoud Ahmadinejad, according to informed sources in Iran who provided a copy to the Monitor on the condition that they not be further identified.
A U.S. State Department official would not verify the authenticity of the letter as a matter of policy, stating, “We don’t comment on diplomatic correspondence.”
Neither the Persian and English versions of the letter seen by the Monitor have any official letterhead or other identifying marks.
Iran has argued against US airstrikes, as one of the backers of the Syrian government. The country warned that sectarian “fire” will spread, and that jihadist rebels may have been behind the Aug. 21 chemical weapons attack that US officials say killed more than 1,400 people near Damascus.
On September 8th during a visit to Iraq, Iran’s Foreign Minister Mohammad Javad Zarif said “There is ample intelligence that takfiri  [extremist] groups are in possession of chemical. Extremists and takfiris are a threat to the whole region.” Semi-official Fars News Agency the Press TV headlined the story as “Iranian FM refutes US claims on Syria’s use of chemical weapons.”
The letter adds that Iran “will not spare any effort” to find a “peaceful solution.” Iran “would like to urge the US government to prevent any undermining [of] the non-proliferation of WMDs” and avoid “a potential human tragedy” by “sending an immediate and serious warning to the insurgent forces in Syria about any resort to chemical weapons/elements.”
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 29, 2013, 07:33:23 pm
Citar
Rebels conduct new chemical weapons attack in Syria near Turkish border - report
Published time: October 29, 2013 18:42
Edited time: October 29, 2013 19:12

The rebels used chemical weapons in north-eastern Syria near the border with Turkey on Tuesday, a Lebanese TV channel Al-Mayadeen reported.

The toxic shell exploded near a Kurdish defense forces’ checkpoint close to the border with Turkey in the city of Ras al-Ayn al-Hasakah.

The attack was reported by Kurdish defense forces who are conducting military operations against the rebels in the region.

They are quoted as saying they saw toxic yellow smoke that followed the shell explosion, while some of them had symptoms of severe chemical intoxication accompanied by nausea.

The reported chemical attack comes amid the second day of fierce fighting in the town.

The Kurdish forces have successfully repelled several attacks by armed groups of extremists of the Nusra Front ( Jabhat al-Nusra), and the Islamic State of Iraq and the Levant, killing 28 militants.

This comes as the joint mission of UN international experts and the Organization for the Prohibition of Chemical Weapons (OPCW) is in Syria inspecting the sites of the toxic attacks and destroying chemical weaponry.

The joint mission was launched after the US and its allies threatened to apply military action on Syria following the August 21 attack in Damascus’ eastern Ghouta suburb, which killed between dozens and 1,300 people, according to varying reports.

Syria officially became an OPCW member at the beginning of October, in an attempt to resolve the chemical weapons issue in the war-torn country.

Damascus also began destroying the first chemical weapons at that time, which, according to the deal brokered by the US and Russia in September, must be fully eliminated by June 30, 2014.

Syrian authorities have declared 23 chemical weapons sites. The joint mission have verified 21 sites, the organization said in a report acquired by AP on Monday.

“The two remaining sites have not been visited due to security reasons,” the report added, suggesting that are in rebel-held areas.

Syria has also declared 41 facilities -  18 chemical weapons production facilities, 12 chemical weapons storage facilities, eight mobile units to fill chemical weapons, and three chemical weapons-related facilities -  at the chemical sites where it stored approximately 1,300 tons of precursors and agents, and over 1,200 unfilled munitions to deliver them.

"In addition, the Syrian authorities have reported finding two cylinders not belonging to them, which are believed to contain chemical weapons," said Ahmet Uzumcu, chief of the global chemical weapons watchdog, in the OPCW report.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 29, 2013, 07:41:59 pm
Friends of Syria, assim se intitulam

Com amigos destes quem precisa de inimigos?

(http://rt.com/files/news/20/d9/c0/00/friends-syria-hague-assad.si.jpg)

From (L-R front row) Foreign Ministers of France Laurent Fabius, Saudi Prince Saud al-Faisal, Britain William Hague, US John Kerry and Turkey Ahmet Davutoglu, (Back L-R) Egyptian deputy foreign minister Egypt Hamdi Sanad Loza, German State Secretary of the Federal Foreign Office Emily Haber, Jordan's Foreign Minister Nasser Judeh, UAE Foreign Minister Sheikh Abdullah Bin Zayed al-Nahyan, Qatar's Foreign Minister Khalid bin Mohamed al-Attiyah and Italy's deputy foreign minister Lapo Pistelli pose for a group photograph before holding the "London 11" meeting from the Friends of Syria Core Group


O ditador assad la se vai desfazendo das armas quimicas.
Quando e que os mentirosos dos americanos capturam as armas quimicas dos rebeldes e se juntam ao Assad para limpar a Siria dos radicais islamicos?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 29, 2013, 10:16:14 pm
Citação de: "listadecompras"
foxtroop

ja conheces a anedota do analista americano que confundiu as horas a que recebeu um relatorio duma ONG (1400; duas da tarde portanto) com o numero de mortos num ataque quimico?

eu depois conto-te...

 :shock:   :lol:  :lol:  :lol:

Entretanto, parce que os terr....... errr.... quer dizer, "freedom fighters", têm somado uns quantos desaires. Começa a haver falta de voluntários para o TO.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 30, 2013, 04:29:37 pm
Foxtroop :

Você deveria entender antes de mais, que não é por criar muitos nicks que passa a ter razão.

A credibilidade que lhe poderia restar (que obviamente não é nenhuma pois você já mostrou ao que veio) desapareceu quando os seus multi nomes começaram a dizer a mesma coisa.


A estação de televisão Russia Today, segue o mesmo estilo jornalístico do canal americano Fox News, onde a verdade é absolutamente secundária quando se tem que vender uma ideologia. Algumas das pérolas que você e os seus logins puseram a circular:

Estava garantido que os americanos iam atacar a Síria e que os gloriosos russos preparavam a sua esquadra para entrar em guerra.
Como sabemos os americanos bombardearam o seu camarada socialista.

Era garantido por um site 100% fiável que os russos se preparavam para atacar a Arábia Saudita.
Estranhamente, os russos parecem mais interessados em criar a ideia de que são uma sociedade funcional, para garantir os jogos de inverno.

Era mais que certo que os americanos tinham estado por detrás do golpe no Egito.
Afinal, neste momento os egipcios aparentam aproximar-se mais dos russos, por causa das pressões americanas depois do golpe de estado.


Ainda hoje, foram divulgadas imagens sobre a participação macissa dos criminosos nazistas iranianos ao lado do debochado porco socialista Bashar.
Era tudo mentira até hoje, e os gloriosos sites russos garantiam que era mentira.


A verdade é que os socialistas não estão a ganhar a guerra.
Os seus camaradas iranianos, estão lá porque acham que se trava na Síria uma guerra do bem (os 11% de alauitas apoiados pelos xiitas) contra o mal (o resto da população).
E isto são palavras do principal chefe da força de elite dos guardas revolucionários iranianos, que foi morto pelos rebeldes há poucos dias.

Entretanto, o único material americano que aparece na Síria são armamentos antigos da década de 70, que são provavelmente desencantados nos cemitérios de sucata da Arábia Saudita.

Os sauditas estão irritados com os americanos, ao ponto de terem sido eleitos para o Conselho de Segurança e depois saírem em protesto.

Tudo o que o nosso glorioso camarada Raposa da tropa (que de raposa tem pouco, porque já se descobriu o rabo e é rabo de ratazana) disse, provou-se ser apenas um grupo de mentiras e desinformação ao melhor estilo comunista, que a ratazanazita tenta afirmar, criando multiplos logins para tentar provar que tem razão ...

Filho, vai-te mas é curar...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Outubro 30, 2013, 10:22:47 pm
Citação de: "papatango"
Você deveria entender antes de mais, que não é por criar muitos nicks que passa a ter razão.

A credibilidade que lhe poderia restar (que obviamente não é nenhuma pois você já mostrou ao que veio) desapareceu quando os seus multi nomes começaram a dizer a mesma coisa.

Infelizmente, para as contas públicas, mas felizmente para si, a falta de inteligencia não paga imposto. O "nick"  que tenho neste fórum é o mesmo que tenho em outros espaços dedicados à Defesa e Geopolitica e as ideias e posições que defendo neste fórum são exactamente as mesmas que defendo nos outros espaços, ao contrário de sua excelsa nulidade, a quem já apanhei em diversos contorcionismos ideológicos e que, por mais estupido que pareça, já me fizeram sentir vergonha por o meu caro ser português (letra pequena intencional) perante o achicalhamento em que caiu, cai e continuará a cair.
Não necessito de criar outros perfis/nicks/whatsoever-whatsoever, para reforçar qualquer ideia ou posição minha pois, ao contrário do meu caro, não ando aqui para ganhar nada mais que seja conhecimento e não tenho falta de espinha que chegue para me prostituir na defesa de posições ideologicas que não compartilho, seja por dinheiro, seja de borla, até porque a única coisa que um Homem realmente possui é o seu caracter.

Quanto ao resto do texto, se é que se pode chamar isso a verborreia que lá está plasmada, apenas volta a mostrar, mais uma vez e sem exemplo, a sua total alienação e profunda ignorância sobre o que lá se passou e está a passar.

Se em vez da estupida "idiotologice" que vomita, tivesse aberto a mente à discussão sobre a discussão da estratégia americana para a região, apoiada num eixo Telavive - Riade;

Se tivesse tempo ou abertura para compreender e estudar as declarações de muita gente importante dentro das cupulas militares americanas ou de muitos dos seus relatórios e estudos sobre a região, que defendiam e defendem uma mudança gradual no foco dessa politica, passando a um novo eixo Teerão - Ancara;

Se o teu neurónio semifuncional saisse da letargia pré-paleolitica e compreendesse a razão por detrás das recentes movimentações de Riade e Telavive, o tal desagrado que falas em relação aos americanos.

A recusa silenciosa em entrar em qualquer debate dessa natureza, que obrigue a sair do pensamento formatado, da idiotologice pura, deve-se a?........ Cada um que pense por sim, que a resposta não deve vir dificil.

A estreiteza de vistas, a falta de capacidade de raciocinio. Tal comportamento simplesmente não se coaduna e só resta pensar que é simplesmente má-fé e trabalho pago, recuso-me a pensar que possa ser mesmo tal ignorância.

Por isso sim, curar, segue o conselho que tão paternalmente dás, vai curar-te.

PS: A proposito do meu "nick", o mesmo se deve ao facto de eu simplemente não estar inspirado no dia em que me registei aqui e, ao olhar para a parede, vi um dos louvores dados por um esquadrão de cavalaria americano, o esquadrão (troop) Fox (FoxTroop) e foi o que ficou. (olha, já viste, aprendeste mais uma coisa hoje oh "petas&tangas")

Quanto à acusação de multiplos nicks, nem vale a pena pedir à Moderação que actue no sentido de que se faça prova disso, pois apesar de parecer-me que tal é contra as regras do Fórum e passivel de expulsão e, portanto, uma acusação grave, vindo de quem vem não passa da manobra de desespero. Incomodo-te não é? Lixado quando se apanha quem,  embora não sendo muito inteligente ou mesmo esperto, se dá ao trabalho de pensar por si e de dizer não aos debitadores de mer....errr......., quer dizer, Rebelos de Sousa de plantão.  :lol:  :lol:   totó, aiutame  :lol:  :lol:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Outubro 31, 2013, 01:40:48 am
Tenho acompanhado esta excelente discussão mas POR FAVOR acabem com os ataques pessoais.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Outubro 31, 2013, 04:12:22 pm
Desculpe, mas considerando os ataques pessoais deste senhor, que continuam desde há semanas, e considerando que até agora nada foi feito, permito-me achar que realmente não devem ter andado com muita atenção.


Além disso, repito, o sr. foxtroop começou a recorrer a um truque muito utilizado pelos especialistas no insulto.
Criar multi logins, utilizando métodos simples para encapotar os IP (coisa simples) para depois haver muita gente a criticar a mesma pessoa, curiosamente utilizando o mesmo estilo.

É claro e evidente e só não vê quem não quer ver.

Este tipo de gente, é o mesmo que vive nas caixas de comentários dos jornais. Não tem argumentação, nem ideias, nem qualquer conhecimento de causa e limita-se a criticar porque não sabe fazer mais nada.
E depois, quando desencanta alguém que lhe desagrada ou tem a infeliz ideia de lhe responder, começa com os ataques pessoais e os insultos.

há meses que este canalha, REPITO (PORQUE A INAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS) ME DÁ ESSE DIREITO, este canalha me insulta direta e indiretamente, sem que nada seja feito.

Lembro, que já fui moderador deste fórum e retirei-me porque obviamente eu não podia ser juiz em causa própria e não me podia defender e responder na mesma moeda.

Creio que todos  já percebemos qual é o objetivo deste tonto.
Mas se entendemos e não fazemos nada, então estamos a colaborar com ele.

Se é essa a linha do fórum defesa quanto à gestão deste tipo de problema, é então é melhor que nos informem.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Outubro 31, 2013, 07:42:10 pm
Citação de: "HSMW"
Tenho acompanhado esta excelente discussão mas POR FAVOR acabem com os ataques pessoais.

quem vendo lendo a discussao sobre a guerra na siria que comecou noutro topico ha muito que ja entendeu quem diz a verdade ou a mentira.


Citação de: "FoxTroop"
 Faz lembrar o forista que confundiu as horas com a data, embora aí a confusão sejam numa magnitude inferior    

Olha que nao Foxtroop, olha que nao. O forista a que te referes (comeca por P acaba em O) a julgar pelos 2 ultimos posts esta em avancado estado de delirio. Temo que alguem deixou os portoes abertos duma casa de saude mental ou o sujeito esta em casa com pulseira electronica e direito a internets.  Agora ja nao e caso para rir, da pena.

Os leitores deste forum tem que saber que o Papatango e um membro destacado do site areamilitar.net , onde tambem se discute e publica noticias sobre a guerra na siria.

Neste artigo http://areamilitar.net/noticias/noticia ... NrNot=1334 (http://areamilitar.net/noticias/noticias.aspx?NrNot=1334) a paragrafos tantos le-se

Citar
1400 mortos

O relatório também vem deitar luz sobre a questão do número de mortos, que também tinha sido nos últimos dias alvo de críticas e dúvidas quanto ao número de vítimas provocado pelos ataques. Assim, segundo as Nações Unidas, o número de vítimas mortais foi de aproximadamente 1400.

Acho que nao e preciso ir mais longe para saber quem diz a verdade ou mentira do que se passa na siria. Alguem afirmar que "Assim, segundo as Nações Unidas, o número de vítimas mortais foi de aproximadamente 1400." revela uma enorme falha de caracter. O relatorio das nacoes unidas nao indica em lado nenhum o numero de mortos. O diabinho esta no meio de nos.

Este artigo nao esta assinado, mas nao e preciso ser um genio para perceber quem o escreveu. Perdendo mais uns minutos a ler artigos desse site que sao quase copy-paste do que o membro Papatango tendo vindo a escrever aqui chega-se a conclusao que a criatura da pelo nome de Paulo Mendonca.

A seguir fui ao google e escrevi paulo mendonca areamilitar. Ironia das ironias a primeira referencia que aparece e um link "russo" http://port.pravda.ru/news/cplp/21-05-2 ... militar-0/ (http://port.pravda.ru/news/cplp/21-05-2010/29635-areamilitar-0/)

e a primeira vez que chego a esse site. ironia das ironias pravda significa verdade em russo. Reconhecem a criaturazinha que e descrita na carta? a tendencia inata para os insultos,o odio de estimacao pelos russos ou as fontes russas? Em bom portugues esta la escrito umas boas verdades sobre o Papatango/Paulo Mendonca.


Tive o prazer de ler no forumdefesa neste topico sobre a siria o contributo que foi dado por pessoas com cabeca,tronco e membros: foxtroop, edu,mafets,mafarrico,hsmw.

Do membro Papatango o que li foi lixo e mentiras. Lamento, mas e a verdade.


Esquece foxtroop, o melhor que temos a fazer e dar desprezo de alto a baixo. Os ataques pessoais dele vao continuar porque foi desmascarado.

Nao percas mais tempo da tua sapiencia e precioso latim com um ressabiado como o Papatango/Paulo Mendonca, um loser, como dizem os americanos.

Limitemo-nos a colocar noticias, a informar. Isso basta para nos e para quem tem integridade e um pouquinho de inteligencia.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Outubro 31, 2013, 10:12:52 pm
Conflito na Síria matou 120 mil pessoas em 31 meses


A guerra civil na Síria matou mais de 120 mil pessoas em 31 meses, segundo um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

"Documentámos a morte de 120.296 pessoas desde o início da revolução, em março de 2011", anunciou a organização, com sede em Londres, que se baseia em informações de uma vasta rede de ativistas e pessoal médico no terreno.

Daquele total, 42.945 mortos eram civis, entre os quais 6.365 crianças e 4.269 mulheres.

Entre os rebeldes mortos, 18.122 eram civis que pegaram em armas contra o regime, 2.202 soldados que desertaram do exército e 5.375 jihadistas estrangeiros que foram para a Síria para combater o exército sírio.

Entre os partidários do regime, 29.954 eram membros do exército e os restantes 18.678 pertenciam a comités populares pró regime ou à unidade paramilitar Força de Defesa Nacional, 187 membros da milícia libanesa Hezbollah e 61 estrangeiros.

O Observatório documentou ainda a morte de 2.772 pessoas não identificadas.

A organização advertiu, no entanto, que o verdadeiro balanço do conflito deve ser superior e que há milhares de pessoas sem paradeiro conhecido.

Entre os desaparecidos, há "mais de 10.000 detidos que desapareceram das cadeias do regime e mais de 3.000 soldados mantidos como prisioneiros pelos grupos rebeldes".

O conflito na Síria começou como um levantamento exigindo o afastamento de Bashar al-Assad que, depois de duramente reprimido pelas autoridades, evoluiu para uma guerra civil.

De acordo com as Nações Unidas, o último balanço de mortos provocados pela guerra ascende a 110 mil mortos.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Novembro 01, 2013, 10:37:51 am
Citação de: "papatango"
Entretanto, o único material americano que aparece na Síria são armamentos antigos da década de 70, que são provavelmente desencantados nos cemitérios de sucata da Arábia Saudita.
Não sei de que sucatas vêm todo o armamento belga, americano, etc, (a juntar ao maioritário equipamento russo e chinês nesta guerra civil), mas que existem diversas fotos deste e de outro material (do Vietname ao Afeganistão, passando pela guerra do Golfo as referências eram em menor escala), é uma realidade facilmente constatável.
(http://weaselzippers.us/wp-content/uploads/1373477973000-Marines-3-1307101652_4_3_rx404_c534x401.jpg)
(http://america20xy.com/blog6/wp-content/uploads/2012/11/syrian-rebels-guns.png)
(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02419/SYRIA-CRISIS_2419012b.jpg)
(http://www.washingtonpost.com/rf/image_606w/2010-2019/WashingtonPost/2013/04/03/Foreign/Images/Mideast_Syria_Arming_Rebels_04eb8-1.jpg)
(http://static.guim.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2013/7/23/1374596978232/A-Free-Syrian-Army-fighte-010.jpg)
(http://resources0.news.com.au/images/2012/03/19/1226303/685884-syria-politics-unrest-rebels.jpg)
(http://media.philly.com/images/600*450/20120210_inq_syria10-b.JPG)
(http://media.tumblr.com/tumblr_m8y9d4kNTm1qi5k53.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-oFTJH_B9nRM/US0WwNnKfOI/AAAAAAAABEw/KOQ8N_X0NAo/s1600/M47+Dragon+markings.jpg)
Armas como a Fn FAl, Ar-15 ou o míssil Dragon não podem ser directamente ligados ao pais fabricante ou de origem devido à proveniência dos lotes ou ao actual mercado livre da patente (face aos anos que esta tem), mas não deixa de levantar duas hipóteses pertinentes: Ou é propositado (os serviços secretos e mercado negro trabalha bem) ou o controle destes países no que diz respeito a armas é uma autentica anedota.
Citação de: "Lusitano89"
A guerra civil na Síria matou mais de 120 mil pessoas em 31 meses, segundo um novo balanço do Observatório Sírio dos Direitos Humanos.
A tendência à medida que o conflito vai saindo das primeiras páginas dos Jornais e após o termino do trabalho de desmantelamento das armas químicas é para aumentar a violência e numero de mortes. Com o continuo fornecimento de armas e homens a juntar as acções Israelitas aproveitando o numero menor de navios russos e americanos ao largo da Síria o panorama não é nada animador.
(http://static.guim.co.uk/sys-images/Guardian/Pix/pictures/2013/7/25/1374766177849/37f0659a-2568-4426-a724-014e0bfd8b80-460x378.png)
(http://filipspagnoli.files.wordpress.com/2008/08/deaths-in-syria-civil-war.png?w=696)

Saudações
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Novembro 01, 2013, 11:10:09 am
Realmente a unica aparente consequência do desmantelamento das armas quimicas é o à vontade com que agora Israel ataca alvo em território Sirio.

Porque a violência não decresce, e provavelmente vai aumentar. E assim se tem mais um estado falhado à beirinha da Europa.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Novembro 01, 2013, 12:55:18 pm
A questão é o material americano.

Não há apoio americano a rebeldes nenhuns. O material que os rebeldes possuem é conseguido no mercado negro, ou então nos depósitos de material de guerra dos países do golfo.

Ao contrário a fação de Bashar, é apoiada no terreno por tropas iranianas e pelos terroristas do Hezbolah.
Não se trata já de apoio técnico ou de instrutores.
Os iranianos já enviaram tropas para defender o ditador Bashar.

A principal intervenção estrangeira neste momento, é a intervenção da ditadura teocratica iranana e dos extremistas xiitas do Hezbollah.

Estas são as verdades que aparentemente estamos a esquecer completamente.

Mesmo do lado dos rebeldes a maior parte do material é russo e chinês e em alguns casos europeu.

E entretanto os sírios vão morrendo, apenas para que uma familia de genocidas possa ficar no poder, no alter putiniano da vã tentativa de mostrar que a gloriosa russia imperial conta para alguma coisa, especialmente quando se aproximam uns jogos olimpicos.

Mais de 100.000 cadáveres no altar dos russos, e ao mesmo tempo temos que ouvir disparates acusando os americanos ou os europeus por serem responsáveis por um confito que todos sabemos que só acabará quando o cadáver de Bashar for arrastado pelas ruas.

É cruel, mas creio que ninguém já acredita noutro caminho.
Quanto mais não fosse por questões demográficas. Bashar, apoiado pelos criminosos do Hezbollah e pelos fanáticos iranianos, representa 10% da população.
O continuar do conflito vai apenas potenciar o aumento dos ódios e criar condições para um morticinio ainda maior.

Há dois anos eu afirmei que se Bashar não se fosse embora, seria um banho de sangue. Hoje, confirma-se tudo.
E agora digo mais:
Se a situação continuar, morrerá muito mais gente.

Também morrerá gente se matarem o animal xiita, mas o número de vítimas será sem dúvida menor.
Da mesma forma que se tivessem morto Bashar há dois anos atrás, também teriam morrido sírios. Talvez 10 mil, quem sabe até 20 mil, mas nunca os números teriam chegado a este ponto.

Estamos, ou melhor, continuamos neste fórum a contar os mortos como se fossem pontos num jogo de computador, esquecendo que os pontos significam pessoas mortas.

E perante uma catástrofe, temos que optar pelo mal menor.
O ideal era que não houvesse mortos, mas tendo que haver, é preferivel que morram 20, a morrerem 100, sem que se saiba quantos ainda vão morrer.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Novembro 01, 2013, 01:04:33 pm
-> listadecompras / foxtroop

Filho, finalmente percebemos ao que viestes ...  :mrgreen:

A irritação das comunistas e esquerdistas com o referido site na interner é conhecida.

Eu acho que você deveria ter inquirido primeiro sobre quem é o editor do PRAVDA em língua portuguesa.
esse jornaleco da internet, que se dedica a escandalos sexuais e teorias da conspiração.
A questão foi discutida aqui:
http://forumdefesa.com/forum/viewtopic.php?f=21&t=9275

Os insultos do patético prostituto Bancroft-Hinchey receberam uma resposta aqui:
http://www.areamilitar.net/opiniao/opiniao.aspx?nrnot=143

É pena que a única coisa que você e os seus multi-logins, continuem a discutir um com o outro, em vez de procurar a verdade.

Este é um tópico sobre a Siria. O desconforto dos comunistas, que aumentou recentemente com mensagens privadas após a publicação do último artigo humoristico sobre o glorioso cana, ops camarada Alvaro Barreirinhas Cunhal, deve ter doido a alguém...

Creio que seria melhor voltar à questão da Síria...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Novembro 01, 2013, 04:55:48 pm
Citação de: "papatango"
A questão é o material americano.

Não há apoio americano a rebeldes nenhuns. O material que os rebeldes possuem é conseguido no mercado negro, ou então nos depósitos de material de guerra dos países do golfo.

Ao contrário a fação de Bashar, é apoiada no terreno por tropas iranianas e pelos terroristas do Hezbolah.
Não se trata já de apoio técnico ou de instrutores.
Os iranianos já enviaram tropas para defender o ditador Bashar.

A principal intervenção estrangeira neste momento, é a intervenção da ditadura teocratica iranana e dos extremistas xiitas do Hezbollah.

Estas são as verdades que aparentemente estamos a esquecer completamente.

Mesmo do lado dos rebeldes a maior parte do material é russo e chinês e em alguns casos europeu.

E entretanto os sírios vão morrendo, apenas para que uma familia de genocidas possa ficar no poder, no alter putiniano da vã tentativa de mostrar que a gloriosa russia imperial conta para alguma coisa, especialmente quando se aproximam uns jogos olimpicos.

Mais de 100.000 cadáveres no altar dos russos, e ao mesmo tempo temos que ouvir disparates acusando os americanos ou os europeus por serem responsáveis por um confito que todos sabemos que só acabará quando o cadáver de Bashar for arrastado pelas ruas.

É cruel, mas creio que ninguém já acredita noutro caminho.
Quanto mais não fosse por questões demográficas. Bashar, apoiado pelos criminosos do Hezbollah e pelos fanáticos iranianos, representa 10% da população.
O continuar do conflito vai apenas potenciar o aumento dos ódios e criar condições para um morticinio ainda maior.

Há dois anos eu afirmei que se Bashar não se fosse embora, seria um banho de sangue. Hoje, confirma-se tudo.
E agora digo mais:
Se a situação continuar, morrerá muito mais gente.

Também morrerá gente se matarem o animal xiita, mas o número de vítimas será sem dúvida menor.
Da mesma forma que se tivessem morto Bashar há dois anos atrás, também teriam morrido sírios. Talvez 10 mil, quem sabe até 20 mil, mas nunca os números teriam chegado a este ponto.

Estamos, ou melhor, continuamos neste fórum a contar os mortos como se fossem pontos num jogo de computador, esquecendo que os pontos significam pessoas mortas.

E perante uma catástrofe, temos que optar pelo mal menor.
O ideal era que não houvesse mortos, mas tendo que haver, é preferivel que morram 20, a morrerem 100, sem que se saiba quantos ainda vão morrer.

A questão como acabei de dizer é a quantidade de armas Chinesas, Russas, Americanas e Belgas na mão dos rebeldes (nem falo nas forças de Assad), o que claramente indicia que não apenas existe um mercado negro e secretas a trabalhar bem como são complementadas por financiamentos vindos de mais uma carrada de países. Nenhum mercado negro financia lotes avultados de  Fn Fal, aliás, sabe-se perfeitamente que vieram a maior parte da Líbia e atravessaram um conjunto de países até entrarem na Síria. Ninguem se preocupou (ou foi de propósito), alguém ajudou e estão caixas e caixas na Siria
(http://cache.daylife.com/imageserve/080O3VpgnM8AF/610x.jpg)
(http://25.media.tumblr.com/tumblr_lxll990C0q1qjv73co1_1280.jpg)
(http://cmsimg.militarytimes.com/apps/pbcsi.dll/bilde?Site=M6&Date=20131003&Category=NEWS08&ArtNo=310030002&Ref=AR&MaxW=640&Border=0&Syrian-rebels-urge-rival-groups-end-infighting)
(http://rt.com/files/news/1e/ab/40/00/libya-arms.si.jpg)
Os lotes dos misseis Dragon corresponde não aos fabricados em inícios da década de setenta mas sim aos Upgrade dos anos 80 e 90 enquanto que as Armalite de velhas nada tem e apresentam todas miras telescópicas.
(http://3.bp.blogspot.com/-3nXKAYg5L7I/US0V2CXch2I/AAAAAAAABEg/Irv0AfNkl6s/s1600/M47+Whole.jpg)
(http://www.palestine-solidarite.org/dragon_m47_antitank_missile_1.jpg)
(http://graphics8.nytimes.com/images/2012/07/17/world/middleeast/17atwar-syria-chivers-5/17atwar-syria-chivers-5-blog480.jpg)
(http://i.imgur.com/QWUF3.png)
A quantidades de Ak-47 sem um único arranhão mais uma vez indicam fornecimentos constantes, organizados e recentes de armamento russo e não um qualquer assalto a um deposito de armas. A quantidade então de armas chinesas, inclusive lança-foguetes e fuzis de precisão é avassaladora para qualquer fabricante de armas artesanal ou mercado negro serem responsáveis em detrimento de serviços secretos e redes bem organizadas de tráfico de armas (muitas vezes do próprio pais de origem).
(http://i.dailymail.co.uk/i/pix/2013/08/26/article-2402378-1B796DB6000005DC-210_634x436.jpg)
(http://www.washingtonpost.com/rw/2010-2019/WashingtonPost/2013/09/12/OnBackground/Images/Rebels_arms.jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-gOpJsEYVeEM/UjJsZxGg_KI/AAAAAAAAdw4/JMqBN0pcqB0/s1600/Syrian+Rebels+Using+Chinese+Long+Range+M99+Anti-Materiel+Sniper%C2%A0Rifle+export+pakistan+iran+china+pla+army+m-99+(6).jpg)
(http://4.bp.blogspot.com/-pWi6UN002qw/Ua4FG_HnmEI/AAAAAAAAAa4/L_ljDTt76OU/s1600/m99.png)

O conflito terminará no dia que um conjunto de países deixar de financiar, fornecer e armar ambos os lados da guerra civil síria. Portanto antes de se pedirem intervenções e corpos arrastados deveria-se sim pedir um embargo total de armas para o médio oriente. Isso é que era numa guerra em que já não basta a luta pelo poder como todo um conjunto de países que fazem desta guerra um negocio,enriquecendo à conta de 120 000 mortes e dos milhares de deslocados.

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 01, 2013, 05:07:42 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 01, 2013, 07:22:13 pm
nao foi so a casa saud que espumou raiva da boca pelos estados unidos nao terem atacado a siria depois deles terem dado a polvora aos rebeldes.do poder turco veio esta expressao- infelizmente nao vamos ter guerra. friso a palavra infelizmente. e ha uns anos atras eram amigos do assad, quem diria. a turquia entrar na guerra entre outras coisas ia causar um genocidio dos curdos sirios.

a saida do assad esta na agenda faz tempo. era o ideal. conveniente para eles de certa forma e a destabilizacao provocada pelos radicais islamicos. controlo da populacao,trafico de armas, e instabilidade proxima da russia.

o meia-leca do putin tem mesmo que se por a pau.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Novembro 01, 2013, 09:30:33 pm
Não só os USA têm fornecido armas aos rebeldes como os têm treinado.

Uma simples pesquisa e o que não falta são referencias a isso, embora seja de sitios infestados de comunas, conspirativos e teóricos da obstipação, como a Janes, o Guardian, o Haaretz, a CBS, a Reuters, etc, etc.

Enquanto isso, Safira voltou ao controlo governamental e os Takfiri em Aleepo comença a ficar sem rotas de suprimento pois Abu Jarin a sul e Khanaser a norte já tinham caído no inicio de Outubro.

Quanto aos israelitas, após o aproximar descarado a Riade na sequencia do comportamento americano no dossier iraniano (já existia uma estreita cooperação mas por debaixo dos panos), têm dois objectivos claros. Garantir que o Hezbollah não ganha acesso a "game changing weapons" via Síria, nomeadamente sistemas antiaéreos e agradar aos "novos" amiguinhos sauditas, fazendo uns "recados".
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Edu em Novembro 01, 2013, 10:09:41 pm
Não consigo compreender é toda a impunidade dada a Israel pela comunidade internacional para atacar quem calha calhou sem que seja efectivamente punida.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: PereiraMarques em Novembro 01, 2013, 10:22:49 pm
Citação de: "mafets"
enquanto que as Armalite de velhas nada tem e apresentam todas miras telescópicas.

(http://graphics8.nytimes.com/images/2012/07/17/world/middleeast/17atwar-syria-chivers-5/17atwar-syria-chivers-5-blog480.jpg)

Por acaso esta pelo cano nota-se bem que é uma "velha" M16A1 (http://https)...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Novembro 01, 2013, 11:10:11 pm
Citação de: "PereiraMarques"
Citação de: "mafets"
enquanto que as Armalite de velhas nada tem e apresentam todas miras telescópicas.

(http://graphics8.nytimes.com/images/2012/07/17/world/middleeast/17atwar-syria-chivers-5/17atwar-syria-chivers-5-blog480.jpg)

Por acaso esta pelo cano nota-se bem que é uma "velha" M16A1 (http://https)...

Já o tinha referido no inicio mas agora completo.

Citar
...fabricar armas copiadas da AR15 já não
necessita de pagamento de quaisquer licenças de produção. Esta é hoje uma arma muito
económica, fabricada em todos os cantos do planeta pelas mais variadas marcas, tal
como foi acima referido.

http://warriors.pt/wp-content/uploads/2013/09/RevistaWarrior_n2_ArmaAssPortuguesa_-RegistoERC.pdf

Citar
Os fuzis da família AR-15 são fabricados nos EUA por, pelo menos, dezenas de grandes empresas como Armalite, Bushmaster, Colt, FN Manufacturing, Hesse, Les Baer, Olympic, Wilson Combat, e por um número ainda maior de pequenas empresas, que montam seus M16 a partir de peças fabricadas por outras empresas, a família AR-15 também é fabricada fora dos EUA, mais notavelmente no Canadá, pela Diemaco Co. A China também produz um modelo de AR-15.

http://pt.wikipedia.org/wiki/M16_(fuzil)

Portanto pelo facto der ser o modelo M-16A1 não tem de obrigatoriamente ter 40 anos (estaria muito bem conservada... :mrgreen: ) e vir obrigatoriamente da sucata saudita ou de lotes iranianos, quando é fabricado por meio mundo (inclusive a China  http://nitro-armasdefuego.blogspot.pt/2010/07/norinco-la-china-north-industries.html).

E acrescento sobre o contrabando de Ak e M-16 para a Síria:

http://news.nationalpost.com/2011/11/25/gun-smuggling-business-is-booming-thanks-to-syrian-uprising/

cumprimentos

P.S.
(http://www.guns-accessories.com/image/cache/data/adler%20m16%20style-700x500.jpg)
Citar
Adler.22LR M16 Style
(http://i168.photobucket.com/albums/u170/bswygert/M16A1.jpg)
Citar
My A1 build on a Colt upper kit with Nodak Spud A1 lower and LMT M16 bolt carrier group.
(http://img.photobucket.com/albums/v112/Ban_Mido/AR/DSC01051.gif)
Citar
My retro builds. Air Force style. Early M16 type skinny barrel, 3 prong, slick side, with M16 furniture (see my post in EE). Carbine is GAU style, carried as a K9 handler, slick side upper, shortened barrel with permanently mounted Bushmaster FH (modified to exactly copy original).
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 02, 2013, 03:15:49 pm
:arrow: http://www.dailymail.co.uk/news/article ... S-men.html (http://www.dailymail.co.uk/news/article-178728/Syria-captured-SAS-men.html)

 :arrow: http://www.defensenews.com/article/2013 ... 310080009/ (http://www.defensenews.com/article/20131008/DEFREG01/310080009/)

...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 02, 2013, 10:16:56 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 03, 2013, 05:34:20 pm
Citação de: "Edu"
Não consigo compreender é toda a impunidade dada a Israel pela comunidade internacional para atacar quem calha calhou sem que seja efectivamente punida.

o direito internacional pouco ou nenhum valor tem quando vai contra quem decide


o que estamos a assistir na siria e o rescaldo da eleicao comprada pela administracao bush em 2000. essa mesma administracao foi cumplice do 11 de setembro, dai tao importante para eles ganharem em 2000. (desafio alguem do forum a provar que um aviao se despenhou no pentagono). com o false flag attack 9/11 conseguiram o controlo do opio no afeganistao,petroleo do iraque e libia (esta ultima serve agora de plataforma para o do trafico de armas que alimenta a revolta siria) . siria tambem interessa porque tem gas e seria uma forma de dar uma machadada na oligarquia financeira que sustem putin, o seu poder passa pelo escoamento financeiro atraves da siria, por isso e que o meia-leca do putin nao vai entregar a siria de mao beijada, sobretudo depois de consentir iraque e libia aos americanos.do poder russo veio esta expressao-nao podemos perder a siria. temos muito a perder em termos economicos e politicos. ou esta - atacar damasco e atacar moscovo. contra factos nao ha argumentos.ainda que o presidente americano tenha que vir a publico fazer de porta-voz dos lobbys obama teve que reconhecer a porta fechada que assad nao foi responsavel pelo ataque quimico do dia 21. o falhanco americano em gerir o conflito sirio (incluindo suas vertentes humanitarias) e a prova de que o imperio americano esta nao so falido economicamente mas tambem moralmente. os lideres do mundo agora vem do oriente.

qualquer nacao tem o direito de defender-se, incluindo israel. se eles tem intelligence que os seus inimigos se movimentam perigosamente, e melhor prevenir que remediar. este ultimo ataque ultrapassou a redline dos sirios que disseram que iriam retaliar, se israel voltasse a aventurar-se. nao fazem porque sabem que eles tem razao.

resumindo um complemento geo-estrategico-politico
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 03, 2013, 07:42:29 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 03, 2013, 11:26:59 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 04, 2013, 07:39:53 pm
sim eu sei que e um documentario anti-assad. um pouco de propaganda, mas muita verdade



para la da brutalidade de assad, segundo este artigo chegou-se a conclusao que os rebeldes foram os autores do famoso ataque do dia 21 que tanta discussao teve aqui no forum. este site e de gente independente, que investigou a fundo e sem preconceitos.

http://whoghouta.blogspot.co.uk/2013_11_01_archive.html (http://whoghouta.blogspot.co.uk/2013_11_01_archive.html)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 04, 2013, 08:27:09 pm
leitura obrigatoria

Citar
The Cape of Good Hope
(A talk at Rhodes Forum, October 5, 2013)
Israel Shamir
 
First, the good news. American hegemony is over. The bully has been subdued. We cleared the Cape of Good Hope, symbolically speaking, in September 2013. With the Syrian crisis, the world has passed a key forking of modern history. It was touch and go, just as risky as the Cuban missile crisis of 1962. The chances for total war were high, as the steely wills of America and Eurasia had crossed in the Eastern Mediterranean. It will take some time until the realisation of what we’ve gone through seeps in: it is normal for events of such magnitude. The turmoil in the US, from the mad car chase in the DC to the shutdown of federal government and possible debt default, are the direct consequences of this event.



Remember the Berlin Wall? When it went down, I was in Moscow, writing for Haaretz. I went to a press-conference with Politburo members in the President Hotel, and asked them whether they concurred that the end of the USSR and world socialist system was nigh. I was laughed at; it was an embarrassing occasion. Oh no, they said. Socialism will blossom, as the result of the Wall’s fall. The USSR went down two years later. Now our memory has compacted those years into a brief sequence, but in reality, it took some time.
 
The most dramatic event of September 2013 was the high-noon stand-off near the Levantine shore, with five US destroyers pointing their Tomahawks towards Damascus and facing them - the Russian flotilla of eleven ships led by the carrier-killer Missile Cruiser Moskva and supported by Chinese warships. Apparently, two missiles were launched towards the Syrian coast, and both failed to reach their destination.
 
It was claimed by a Lebanese newspaper quoting diplomatic sources that the missiles were launched from a NATO air base in Spain and they were shot down by the Russian ship-based sea-to-air defence system. Another explanation proposed by the Asia Times says the Russians employed their cheap and powerful GPS jammers to render the expensive Tomahawks helpless, by disorienting them and causing them to fail. Yet another version attributed the launch to the Israelis, whether they were trying to jump-start the shoot-out or just observed the clouds, as they claim.
 
Whatever the reason, after this strange incident, the pending shoot-out did not commence, as President Obama stood down and holstered his guns. This was preceded by an unexpected vote in the British Parliament. This venerable body declined the honour of joining the attack proposed by the US. This was the first time in two hundred years that the British parliament voted down a sensible proposition to start a war; usually the Brits can’t resist the temptation.
 
After that, President Obama decided to pass the hot potato to the Congress. He was unwilling to unleash Armageddon on his own. Thus the name of action was lost. Congress did not want to go to war with unpredictable consequences. Obama tried to browbeat Putin at the 20G meeting in St Petersburg, and failed. The Russian proposal to remove Syrian chemical weaponry allowed President Obama to save face. This misadventure put paid to American hegemony , supremacy and exceptionalism. Manifest Destiny was over. We all learned that from Hollywood flics: the hero never stands down; he draws and shoots! If he holsters his guns, he is not a hero: he’s chickened out.
 
Afterwards, things began to unravel fast. The US President had a chat with the new president of Iran, to the chagrin of Tel Aviv. The Free Syrian Army rebels decided to talk to Assad after two years of fighting him, and their delegation arrived in Damascus, leaving the Islamic extremists high and dry. Their supporter Qatar is collapsing overextended. The shutdown of their government and possible debt default gave the Americans something real to worry about. With the end of US hegemony, the days of the dollar as the world reserve currency are numbered.
 
World War III almost occurred as the banksters wished it. They have too many debts, including the unsustainable foreign debt of the US. If those Tomahawks had flown, the banksters could have claimed Force Majeure and disavow the debt. Millions of people would die, but billions of dollars would be safe in the vaults of JP Morgan and Goldman Sachs. In September, the world crossed this bifurcation point safely, as President Obama refused to take the fall for the banksters. Perhaps he deserved his Nobel peace prize, after all.
 
The near future is full of troubles but none are fatal. The US will lose its emission rights as a source of income. The US dollar will cease to serve as the world reserve currency though it will remain the North American currency. Other parts of the world will resort to their euro, yuan, rouble, bolivar, or dinar. The US military expenditure will have to be slashed to normal, and this elimination of overseas bases and weaponry will allow the US population to make the transition rather painlessly. Nobody wants to go after America; the world just got tired of them riding shotgun all over the place. The US will have to find new employment for so many bankers, jailers, soldiers, even politicians.
 
As I stayed in Moscow during the crisis, I observed these developments as they were seen by Russians. Putin and Russia have been relentlessly hard-pressed for quite a while.
 
* The US supported and subsidised Russia’s liberal and nationalist opposition; the national elections in Russia were presented as one big fraud. The Russian government was delegitimised to some extent.
 
* The Magnitsky Act of the US Congress authorised the US authorities to arrest and seize the assets of any Russian they deem is up to no good, without a recourse to a court.
 
* Some Russian state assets were seized in Cyprus where the banks were in trouble.
 
* The US encouraged Pussy Riot, gay parades etc. in Moscow, in order to promote an image of Putin the dictator, enemy of freedom and gay-hater in the Western and Russian oligarch-owned media.
* Russian support for Syria was criticised, ridiculed and presented as a brutal act devoid of humanity. At the same time, Western media pundits expressed certainty that Russia would give up on Syria.
 
As I wrote previously, Russia had no intention to surrender Syria, for a number of good reasons: it was an ally; the Syrian Orthodox Christians trusted Russia; geopolitically the war was getting too close to Russian borders. But the main reason was Russia’s annoyance with American high-handedness. The Russians felt that such important decisions should be taken by the international community, meaning the UN Security Council. They did not appreciate the US assuming the role of world arbiter.
 
In the 1990s, Russia was very weak, and could not effectively object, but  they felt bitter when Yugoslavia was bombed and NATO troops moved eastwards breaking the US promise to Gorbachev. The Libyan tragedy was another crucial point. That unhappy country was bombed by NATO, and eventually disintegrated. From the most prosperous African state it was converted into most miserable. Russian presence in Libya was rather limited, but still, Russia lost some investment there. Russia abstained in the vote on Libya as this was the position of the then Russian president Dmitry Medvedev who believed in playing ball with the West. In no way was Putin ready to abandon Syria to the same fate.
 
The Russian rebellion against the US hegemony began in June, when the Aeroflot flight from Beijing carrying Ed Snowden landed in Moscow. Americans pushed every button they could think of to get him back. They activated the full spectre of their agents in Russia. Only a few voices, including that of your truly, called on Russia to provide Snowden with safe refuge, but our voices prevailed. Despite the US pressure, Snowden was granted asylum.
 
The next step was the Syrian escalation. I do not want to go into the details of the alleged chemical attack. In the Russian view, there was not and could not be any reason for the US to act unilaterally in Syria or anywhere else. In a way, the Russians have restored the Law of Nations to its old revered place. The world has become a better and safer place.
 
None of this could’ve been achieved without the support of China. The Asian giant considers Russia its “elder sister” and relies upon her ability to deal with the round-eyes. The Chinese, in their quiet and unassuming way, played along with Putin. They passed Snowden to Moscow. They vetoed anti-Syrian drafts in the UNSC, and sent their warships to the Med. That is why Putin stood the ground not only for Russia, but for the whole mass of Eurasia.
 
The Church was supportive of Putin’s efforts; not only the Russian Church, but both Catholics and Orthodox were united in their opposition to the pending US campaign for the US-supported rebels massacred Christians. The Pope appealed to Putin as to defender of the Church; so did the churches of Jerusalem and Antioch. The Pope almost threatened to excommunicate Hollande, and the veiled threat impressed the French president. So Putin enjoyed support and blessing of the Orthodox Patriarchs and of the Pope: such double blessing is an extremely rare occassion.
 
There were many exciting and thrilling moments in the Syrian saga, enough to fill volumes. An early attempt to subdue Putin at G8 meeting in Ireland was one of them. Putin was about to meet with the united front of the West, but he managed to turn some of them to his side, and he sowed the seeds of doubt in others’ hearts by reminding them of the Syrian rebel manflesh-eating chieftains.  
 
The proposal to eliminate Syrian chemical weapons was deftly introduced; the UNSC resolution blocked the possibility of attacking Syria under cover of Chapter Seven. Miraculously, the Russians won in this mighty tug-of-war. The alternative was dire: Syria would be destroyed as Libya was; a subsequent Israeli-American attack on Iran was unavoidable; Oriental Christianity would lose its cradle; Europe would be flooded by millions of refugees; Russia would be proven irrelevant, all talk and no action, as important as Bolivia, whose President’s plane can be grounded and searched at will. Unable to defend its allies, unable to stand its ground, Russia would’ve been left with a ‘moral victory’, a euphemism for defeat. Everything Putin has worked for in 13 years at the helm would’ve been lost; Russia would be back to where it was in 1999, when Clinton bombed Belgrade.
 
The acme of this confrontation was reached in the Obama-Putin exchange on exceptionalism. The two men were not buddies to start with. Putin was annoyed by what he perceived as Obama’s insincerity and hypocrisy. A man who climbed from the gutter to the very top, Putin cherishes his ability to talk frankly with people of all walks of life. His frank talk can be shockingly brutal. When he was heckled by a French journalist regarding treatment of Chechen separatists, he replied:
 
“the Muslim extremists (takfiris) are enemies of Christians, of atheists, and even of Muslims because they believe that traditional Islam is hostile to the goals that they set themselves. And if you want to become an Islamic radical and are ready to be circumcised, I invite you to Moscow. We are a multi-faith country and we have experts who can do it. And I would advise them to carry out that operation in such a way that nothing would grow in that place again”.
 
Another example of his shockingly candid talk was given at Valdai as he replied to BBC’s Bridget Kendall. She asked: did the threat of US military strikes actually play a rather useful role in Syria’s agreeing to have its weapons placed under control?
Putin replied: Syria got itself chemical weapons as an alternative to Israel’s nuclear arsenal. He called for the disarmament of Israel and invoked the name of Mordecai Vanunu as an example of an Israeli scientist who opposes nuclear weapons. (My interview with Vanunu had been recently published in the largest Russian daily paper, and it gained some notice).
 
Putin tried to talk frankly to Obama. We know of their exchange from a leaked record of the Putin-Netanyahu confidential conversation. Putin called the American and asked him: what’s your point in Syria? Obama replied: I am worried that Assad’s regime does not observe human rights. Putin almost puked from the sheer hypocrisy of this answer. He understood it as Obama’s refusal to talk with him “on eye level”.
 
In the aftermath of the Syrian stand-off, Obama appealed to the people of the world in the name of American exceptionalism. The United States’ policy is “what makes America different. It’s what makes us exceptional”, he said. Putin responded: “It is extremely dangerous to encourage people to see themselves as exceptional. We are all different, but when we ask for the Lord’s blessings, we must not forget that God created us equal.” This was not only an ideological, but theological contradistinction.
 
As I expounded at length elsewhere, the US is built on the Judaic theology of exceptionalism, of being Chosen. It is the country of Old Testament. This is the deeper reason for the US and Israel’s special relationship. Europe is going through a stage of apostasy and rejection of Christ, while Russia remains deeply Christian. Its churches are full, they bless one other with Christmas and Easter blessings, instead of neutral “seasons”. Russia is a New Testament country. And rejection of exceptionalism, of chosenness is the underlying tenet of Christianity.
 
For this reason, while organised US Jewry supported the war, condemned Assad and called for US intervention, the Jewish community of Russia, quite numerous, wealthy and influential one, did not support the Syrian rebels but rather stood by Putin’s effort to preserve peace in Syria. Ditto Iran, where the wealthy Jewish community supported the legitimate government in Syria. It appears that countries guided by a strong established church are immune from disruptive influence of lobbies; while countries without such a church – the US and/or France – give in to such influences and adopt illegal interventionism as a norm.
 
As US hegemony declines, we look to an uncertain future. The behemoth might of the US military can still wreck havoc; a wounded beast is the most dangerous one. Americans may listen to Senator Ron Paul who called to give up overseas bases and cut military expenditure. Norms of international law and sovereignty of all states should be observed. People of the world will like America again when it will cease snooping and bullying. It isn’t easy, but we’ve already negotiated the Cape and gained Good Hope.
 
(Language edited by Ken Freeland)

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 05, 2013, 06:42:43 pm
Citar
December 2012 - January 2013 |
An anarchist among jihadists

A view from the grassroots of the Syrian revolution.

As an anarchist it wasn't easy for me to be among Jihadists, but for some reason, it wasn't the same treating them as a doctor.

From the first moment I entered the hospital where I was working I was clear that I would treat anyone who needed my help, be they civilians, or fighters from any group, religion or sect. I was determined that no one would be mistreated inside that hospital, even if they were from Assad's army.

It is true that not all the free army militants are devoted jihadists, although most of them think — or say — that what they are practising is 'Jihad'. But the truth is that there are a lot of ordinary people among them, as in any armed struggle.

Yes, I helped some jihadists to survive and others to go back to fight. But my real intention was to help the masses I belong to, firstly as a physician, and secondly as an anarchist.

My real problem, and that of the oppressed in general I think, is not with god himself, but with human beings who act as gods and are so sick with authority that they think and act like gods, be they secular dictators like Assad or Islamic imams.

God himself is never as deadly dangerous as those who 'speak' for him.

My first and lasting impression about the current situation in Syria is that there is no longer a popular revolution going on there. What is taking place is an armed revolution that could now simply degenerate into a civil conflict.

The Syrian people — who showed unprecedented courage and determination in the first few months of the revolution, defying Assad's regime despite its brutality — are now exhausted. Nineteen long months of fierce repression, hunger, widespread scarcity and continuous bombardment by the regime's army have weakened their spirit. And the beneficiary of all this hasn't been the regime, but the opposition, especially the Islamists.

Drawing on its international relationships — especially those with the rich Gulf despotisms — the latter can now feed and support the hungry population in the areas controlled by its forces. Without such support, a grave humanitarian situation would be taking place.

But this support is not provided for free, either by the Gulf rulers or the opposition leaders. They, like any other authoritarian force, are asking the masses for submission and obedience, and this can only mean the real death of the Syrian revolution as a courageous popular act of the Syrian masses.

The problem with what is happening now in Syria is not only the difficult and bloody process of changing a ruthless dictatorship, but that we may be substituting it with another dictatorship, which could be worse and bloodier.

Early in the revolution, a small number of people — mainly devoted Islamists — claimed to represent the revolting masses and appointed themselves the true representative of the revolution. This went unchallenged by the mainstream of the revolutionary masses and intellectuals. We [anarchists] opposed these claims, but we were — and still are — too few to make any real difference.

These people claimed that what was taking place was a religious war, not just a revolution of oppressed masses against their oppressor, and they aggressively used the fact that the oppressor [Assad] was from a different sect of Islam than the majority of the people he was exploiting — a sect that Sunni scholars have judged to be against the teachings of true Islam.

We were shocked by the fact that the majority of Alawis (the sect of the current dictator), who are poorer and more marginalised than the Sunni majority, supported the regime; and participated in his brutal suppression of the revolution. And this was used as 'evidence' of the 'actual religious war' taking place between Sunnis and Alawis.

Then came the material support from the Gulf rulers.

Now the potential for any real popular struggle is decreasing rapidly. Syria today is governed by weapons, and only those who have them can have a say about its present and future.

And this is not just true for Assad's regime and its Islamic opposition. Everywhere in the Middle East the great hopes are disappearing rapidly. The Islamists seem to be getting all of the benefits of the people's courageous struggles and could easily initiate the process of establishing their fanatical rule without strong opposition from the masses.

The other issue that I think is important for us — Arab anarchists and the Arab masses — is how to build the libertarian alternative. That is, how to initiate effective anarchist or libertarian propaganda and build libertarian organisations.

To tell the truth, I have never tried to convince anyone to be an anarchist and have always thought that trying to affect others is another way of practicing authority upon them.

But now I see this issue from another perspective. It is all about making anarchism 'available' or known to those who want to fight any oppressing authority, be they workers, the unemployed, students, feminists, the youth, or ethnic and religious minorities.

It is about trying to build an example — or sample — of the new free life, not only as a living manifestation of its potential presence, but also as a means to achieve that society.

Our Stalin or Bonaparte is not yet in power, and the Syrian masses still have the opportunity to get a better outcome than that of the Russian revolution. It is true that this is difficult and is becoming more so every minute, but the revolution itself was a miracle, and on this earth the oppressed can create their miracles from time to time.

We, Syrian anarchists, are putting all our cards and all our efforts with the masses. It could be no other way, or we would not deserve our libertarian name
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Cabeça de Martelo em Novembro 06, 2013, 06:00:25 pm
GREECE/SYRIA: The Greek Nationalist Socialists that are fighting alongside Asaad’s regime are far more dangerous than Golden Dawn

 :arrow: http://tahriricn.wordpress.com/2013/09/ ... lden-dawn/ (http://tahriricn.wordpress.com/2013/09/29/greecesyria-the-greek-nationalist-socialists-that-are-fighting-alongside-asaads-regime-are-far-more-dangerous-than-golden-dawn/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 07, 2013, 05:34:58 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 08, 2013, 09:50:13 am
EUA pedem que Albânia destrua arsenal químico sírio no seu território


Os EUA pediram que a Albânia organize no seu território a destruição do arsenal químico sírio, confirmou na noite de quinta-feira o presidente do parlamento albanês, Ilir Meta, afirmando que, até ao momento, nenhuma decisão foi tomada. «Os Estados Unidos contactaram-nos, mas até ao momento nenhuma decisão foi tomada», declarou Meta durante uma entrevista à cadeia de televisão Top Chanel.

Meta afirmou que «qualquer decisão será transparente e levará em conta os interesses do país».

«Não acredito que a Albânia tenha as mesmas capacidades que outros países maiores e mais desenvolvidos», acrescentou Meta, líder do Movimento Socialista de Integração.

Várias dezenas de pessoas reuniram-se na quinta-feira junto ao Parlamento da Albânia para protestar contra uma eventual destruição do arsenal químico sírio em solo albanês.

«As autoridades não devem permitir que o arsenal químico sírio seja destruído em solo albanês, a Albânia deve opor-se firmemente a este pedido», declarou à multidão Sazan Guri, responsável pela Aliança contra a Importação de Resíduos (AKIP).

Os manifestantes gritaram «Não, não às armas químicas».

A AKIP, uma ONG local, convocou outra manifestação para sábado diante da sede do governo da Albânia e convidou os albaneses a assinarem uma petição.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 08, 2013, 07:01:51 pm
Citar
Israeli strike on Syrian defense base an attempt to derail peace talks
 Published time: November 01, 2013 03:41


An alleged Israeli strike on a Syrian air defense base near the port city of Latakia late Thursday had multiple purposes - not least of which was to undermine Syrian peace negotiations, former US Senate foreign policy analyst James Petras told RT.

An Obama administration official told AP that the attack happened overnight on Thursday, but provided no further details. Another security official told the news agency that it took place in the Syrian port city of Latakia, and that the targets were Russian-made SA-125 missiles.

“The Israelis’ efforts to undermine [peace talks] by supporting the opposition have failed,” Petras said. “I think this is clearly an effort to sabotage the negotiations that may take place shortly.”

Petras also sees Israel’s aggressive stance against Syria as part of a “policy...to destroy any adversary of its land grabs in Palestine, and Syria is certainly an ally of the Palestinians.”

RT: Do these reports surprise you?

James Petras: I think they’re quite reliable. I think there’s no question that Israel is deeply involved in trying to undermine the peace process in Syria. The international community is looking very favorably on Syria’s destruction of the chemical weapons. There’s an effort clearly underway to organize peace negotiations between the opposition and the government in Geneva. The Israelis’ efforts to undermine that by supporting the opposition have failed. I think this is clearly an effort to sabotage the negotiations that may take place shortly.

RT: Why do you think Israel would resort to such actions and undermine peace talks when an unstable Syria would be more of a threat?

JP: I think the reason is that Israel’s policy is to destroy any adversary of its land grabs in Palestine, and Syria is certainly an ally of the Palestinians. They support Palestinian self-determination. And Syria is also an ally of Iran. So the Israeli policy is rule or ruin. And they are now supporting the opposition, not because they expect the opposition to be any better but because the continuing support for the opposition will perpetuate and destroy the economy of Syria and undermine civil society and any modus vivendi. I also think this is a precedent for a possible attack on Iran. I think the Israelis have been pushing here in the US Congress, going whole-hog to push legislation that would strangle the Iranian economy just as the peace negotiations between the 5+1 is underway. So I think this attack on Syria has multiple purposes. One, as a distraction from its building 1,500 new apartments in East Jerusalem. I think it’s a way of signaling its superiority in the region, and I think it’s a way of undermining Syria’s resistance to the opposition.

RT: But if these strikes are targeting Hezbollah - which Israel considers a terrorist organization - isn't that a justification?

JP: I think this is ridiculous. Hezbollah did not invade Israel, Israel invaded southern Lebanon. Israel violates the skies over Lebanon. They violate the borders of Lebanon, and not vice versa. Everything points to an aggressive Israel. Normally, these kinds of acts of war by Israel would receive sanctions and strong criticism.

RT: If it is proven that Israel has attacked another sovereign state without provocation, would that constitute a war crime?

JP: Exactly right, and the only way Israel can act with impunity is because in the United States, the Israeli Fifth Column is so influential on Capitol Hill and, in particular, it is influential within the Obama regime. There is hardly an appointment that goes on in the Obama regime which doesn’t result in a pro-Israeli official. Look at Commerce, look at Treasury, look at Trade. All the appointments - [US Trade Representative Michael] Froman, [Dept. of Treasury Secretary Jack] Lew, [Dept. of Commerce Secretary Penny] Pritzker - are all pro-Israel zealots. I think this is one of the problems. The US does not act in accordance with international law when it comes to Israeli war crimes.


Citar
Israeli planes strike Syrian military base to destroy Russia-made missiles - reports
Published time: October 31, 2013 19:37
Edited time: November 03, 2013 22:34

Israeli warplanes struck a Syrian air defense base near the port city of Latakia on Thursday, US official have confirmed to media.

An Obama administration official told AP that the attack happened overnight on Thursday, but provided no details. Another security official told the news agency that it took place in the Syrian port city of Latakia, and that the targets were Russian-made SA-125 missiles.

Another US official told CNN that the Israelis believed the base near Snobar Jableh, south of Latakia, had sensitive and sophisticated missile equipment that may have been transferred to the Lebanese Shiite militant group Hezbollah.

Earlier, Dubai-based broadcaster al-Arabiya reported two attacks carried out by the Israeli Air Forces – one in Latakia and the other one in Damascus.

Neither the Syrian nor Israeli governments have commented on the alleged attacks. No casualties have been reported.

A spokesman for the Israeli Defense Ministry declined to speak on the matter. "We're not commenting on these reports," he told Reuters.

However, an Israeli official speaking anonymously to the news agency said he was inclined to believe that Israel had carried out a strike, although he was not entirely certain.

The Lebanese military said it observed six Israeli jets flying over Lebanese territory on Wednesday, Reuters reported. Israeli jets frequently fly over Lebanon, but such high numbers have in the past been an indication of a military strike against Syria.

Earlier in the day, the Syrian Observatory for Human Rights (SOHR) said there was a series of explosions at a Syrian air defense base in the Mediterranean coastal province of Latakia.

"Several explosions were heard in an air defense base in the Snubar Jableh area," SOHR director Rami Abdel Rahman said, adding that the reason for the blasts remains “unclear.”

Meanwhile, a Syrian security source said that "a rocket fell near the base, causing a fire to break out," AFP reported.

However, RT Arabic’s source within the Syrian security forces has denied the media reports.

Ammar al-Asad, head of the foreign affairs committee within the Syrian National Council, said in an interview with RT that "In Latakia, we did not hear any sounds, incidents, or anything that can prove the attack happened."

There have been five previous incidents in which Israel is believed to have struck inside Syria. The first of those took place in January. In all of the alleged attacks, the reason given was that Israel feared that weapons were making their way into the hands of Hezbollah. But many critics said that it was just an excuse for a blatant direct attack inside Syria, RT’s Paula Slier explained.

In the past, Damascus has threatened to strongly retaliate against such attacks.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 08, 2013, 07:07:50 pm
Citar
CNN Exclusive: Inside Syrian town living under al Qaeda reign of fear
By Nick Paton Walsh, Raja Razek and Gul Tuysuz, CNN
November 6, 2013 -- Updated 1340 GMT (2140 HKT)

Gaziantep, Turkey (CNN) -- Raqqa was, a matter of months ago, one of Syria's most liberal cities. Now locals call it Tora Bora. They say it's as if the Taliban of Afghanistan have taken over.
After months of bombardment by the regime and a chaotic lack of control by weak and divided moderate rebels, al Qaeda have found a broken society, made it their home, and imposed on it hardline Islamist law.
Each morning, activists told us, they seem to awake to a more conservative city. The "Bayanaat" or rulings sometimes appear on town walls. Many limit women's rights -- to walk alone, to style or show their hair. Other edicts come by word of mouth -- no smoking, no cameras. Behind them are often foreign jihadists from the al Qaeda linked militant group the Islamic State of Iraq and Syria, or ISIS.
The fear that now grips the city can be felt in the shocking bruises on Adnan's body. Adnan, whose name has been changed out of fears for his safety, was behind some graffiti in Raqqa that told ISIS to get out. They caught him filming too, and dragged him into the burned-out ruins of a church they had torched and labeled as a new ISIS base.
Adnan was then taken to a nearby basement where the torture started. "Every 15 minutes, someone poured water on me, electrocuted me, kicked me, then walked out," he said. But his own pain, he said, he could handle, as his body eventually went numb. It was hearing the pain and the screams of other prisoners he knew that was the hardest. "When a person is tortured in front of you, you feel responsible. That's the hardest. One guy still inside used to call me Dad as I taught him about democracy," he said.
One ISIS video -- part of a high-definition, heavily produced social media channel that displays their ideals and exploits -- shows their militants driving through Raqqa at night. They pass a poster, put up by ISIS, encouraging women to wear the Islamic hijab or partial veil, to "cover their beauty".
The militants' goal, though, is reaching a cafe where they tell patrons smoking will be banned. Another video shows them burning not only marijuana, but also large numbers of cigarette cartons. Another shows an ISIS teacher -- his face blurred -- with a group of schoolchildren, all wearing ISIS's distinctive black headbands.
It is extraordinarily dangerous to film inside Raqqa. Activists have been beaten and jailed by ISIS for doing so. But CNN has gathered rare video from some activists and from ISIS's own websites that paint a chilling picture of the rapid lurch towards radical Islamist ideology in a city now under ISIS control.
Dozens of interviews with activists and Syrians have also detailed the story of a city where women -- along with the previously liberal lifestyle of an entire town -- are being rapidly suppressed by militants bent on establishing an Islamic caliphate across northern Syria.
One female activist said: "They are closing hair salons, women can't go out at certain times. They spat on one girl for disobedience. It's like Afghanistan. Now people call Raqqa Tora Bora." The speed of change has overwhelmed many who notice that the city is becoming quieter and more conservative each week.
ISIS first came into town on May 15, and swiftly executed men they accused of working for the regime. At first, they seemed an Islamist but better-organized alternative to the rebels who had failed to bring governance or peace to the city for months. But slowly a broader agenda emerged and began to gather pace each week, activists told CNN.
Rebels who opposed ISIS were at first jailed, sparking protests. Yet ISIS became increasingly uncompromising in their grip on the town. Rules for social conduct in Raqqa, some written and some not, have emerged in the past few weeks. They have yet to reach the extent of those seen in the nearby town of Jarablus -- where one poster recently warned thieves would have their hand chopped off -- but locals fear that could come soon.
Anti-ISIS dissent has been silenced in Raqqa, and many activists and locals we spoke to have fled the town. Some stay and spray-paint graffiti declaring that ISIS and Syrian President Bashar al-Assad are the same, or telling ISIS to get out.
Locals note the irony in the fact that ISIS beats them for this graffiti, just in the same way that the Assad regime was accused of torturing young people for anti-government graffiti in the southern town of Daraa -- an incident that began the revolution in March 2011. For many, ISIS is now something worse than the regime.

Citar
Al Qaeda-linked group strengthens hold in northern Syria
By Gul Tuysuz, Raja Razek, and Nick Paton Walsh
November 6, 2013 -- Updated 1612 GMT (0012 HKT)

Gaziantep, Turkey (CNN) -- Al Qaeda has swept to power with the aim of imposing a strict Islamist ideology on Syrians across large swathes of Syria's rebel-held north, according to a CNN survey of towns, activists and analysts that reveals an alarming increase in al Qaeda-linked control in just the past month.
Al Qaeda-backed militants known as the Islamic State of Iraq and Syria (ISIS) are the predominant military force in northern Syria, according to activists and seasoned observers, and have a powerful influence over the majority of population centers in the rebel-held north.

Al Qaeda's growing influence in Syria
Rami Abdul Rahman, from the Syrian Observatory for Human Rights, said: "ISIS is the strongest group in Northern Syria -- 100% -- and anyone who tells you anything else is lying."
 Chemical weapons doubts in Syria Syria's foreign fighters Turkey's secret jihadi smuggling route
CNN conducted dozens of interviews with activists, local and international observers and residents of the towns affected by ISIS in preparing this study. Many of the Syrians CNN spoke to talked anonymously for fear of angering ISIS, saying ISIS has in some areas made it a crime punishable by flogging to even say their name.
The swift al Qaeda expansion poses a severe policy dilemma for the United States and its European allies who have long delayed their promised armed assistance to rebel groups as they struggled with fears that the weapons could end up in the hands of al Qaeda-backed extremists.
Observers say the delay has provided a vacuum in the often chaotic rebel ranks that the organized and fearless Islamists have moved to fill.
Many observers explain that the extent of ISIS's discipline and resources -- they are said to have considerable cash at their disposal -- means that the other rebel groups operating in the north do not seek to confront them.
Read more: Al Qaeda-linked group gains strength on NATO border
Charles Lister, analyst at IHS Jane's Terrorism and Insurgency Centre, said: "Although not a numerically dominant force, ISIS is playing an increasingly pre-eminent role in the northern Syrian insurgency.
"Much of this is a result of its capability to exploit superior levels of financing and resources -- essentially, to spread itself thinly enough to exert influence and/or control, but not too thin as to be overpowered by rivals."
Most activists point to a clear strategy by ISIS -- which aims to dominate a large swathe of the north from the north-western town of Idlib to the north-eastern city of Raqqa and beyond -- of focusing on population centers on the edges of rebel-held territory and slowly choking off central areas. Some ISIS figures have described a broader aim of trying to link the Sunni province of Anbar in Iraq to the Mediterranean coast, near the Syrian town of Latakia.
There are a number of smaller towns in northern Syria which -- activists and residents have told us -- are controlled entirely by ISIS: Keftin, Tal Rifat, Azaz, Ad Dana, Dar Ta Izzah, Binnish, Raqqa, Ma'arrat Misrin, Jarablus and Al-Bab.
The survey has established that ISIS also has a presence -- which is often hard for other rebel groups to challenge -- in the following towns: Sarmin, Salqin, Hraytan, Tabqa Dam, Hayyan, Al Eyramoon, Karm Al Meeyasir, Karm Al Qatarji, Al Atarib, Sarmada, Tal Halef, Menbij, Athimah, Maarat an-Numan, Saraqib and Ariha.
Watch video: Secret jihadi smuggling route through Turkey
While the main city of Aleppo remains in the control of a series of different rebel groups, ISIS has begun exerting control on key entry points into the city, and has recently gained control of the al-Sakhour neighborhood. The group is also gaining ground in controlling the northern access points to the city and territory in the rebel-held east.
ISIS' control around Idlib, another key city, is complicated by the regime's continued presence there, but the group has established a foothold to the north east in Sarmin, is present in the town of Saraqib, and is in full control of Binnish, a key town to Idlib's north.
Their grip over the rebel town of Raqqa is considerably tighter than elsewhere, despite the continued presence of rival and even aligned rebel groups who do not seek to challenge them. The Washington Institute think-tank says ISIS' grip on Raqqa makes it "the largest city al Qaeda has ever controlled in the Islamic world."
CNN al Qaeda expert Peter Bergen said the Washington Institute assessment could be correct, given the nature of ISIS's dominance in Raqqa, but pointed out that the U.S. Marine Corps admitted al Qaeda was in control of the Iraqi province of Anbar in 2006, which contained, at the time, around a couple of million people, and so could technically be considered larger.
In these ISIS-held areas, signs of the kind of Islamist society that the al Qaeda-backed militants seek to create have been swift to emerge; one woman activist drew comparisons with the Taliban's rule over Afghanistan. Rulings have been posted in some towns forbidding women to travel without a male relative and at certain times of the day, ordering them to cover up their hair with the traditional Islamic headscarf and not to wear trousers in public, and banning them from wearing make-up and seeking treatment from male doctors. Smoking and cameras have also been banned.
Watch video: Al Qaeda's growing influence in Syria
On Sunday one northern town, Jarablus, saw a poster erected by ISIS threatening thieves with having their hand cut off -- an extreme form of punishment mandated by radical readings of Islamist, or Sharia, law.
While many Syrians have described the initial approach of ISIS towards towns they seek to control as friendly and peaceful, often offering generous cash incentives to cooperate, they are increasingly brutal in dealing with their critics.
One activist described how he was taken by ISIS militants from the town of Azaz and held in a blanket factory in Aleppo's northern suburb of Hyratan.
"I was tortured, beaten. They hung me from the ceiling and used electricity on me. They kept trying to make me confess being a British spy," he said, adding that the factory held 20 other prisoners, mostly from rival rebel brigades, and that the site was also used by ISIS to make bombs.
ISIS have released a series of slickly-produced videos about their growing control, and some skeptics say they are promoting stories of their dominance to increase their power over local populations.
Yet in recent weeks, many activists accept that ISIS' genuine hold on the rebel north has escalated to the point where rival groups are unable to challenge them.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 08, 2013, 07:18:47 pm
o regime de assad pode nao ser uma flor de estufa, mas os seus inimigos sao 10 vezes pior. os russos tem razao ao defender siria

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 08, 2013, 11:03:57 pm
Citar
russian mudzahedins fighting against syrian Shuhada Badr rebels somewhere in Aleppo outskirts

Sapadores do Exército Sírio
Splitting Jobar and Zamalka
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 10, 2013, 07:34:43 pm
http://cgascenarios.files.wordpress.com ... -final.pdf (http://cgascenarios.files.wordpress.com/2013/08/syria-scenarios-final.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 10, 2013, 11:29:32 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 13, 2013, 10:33:37 am
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 13, 2013, 05:45:36 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Novembro 14, 2013, 09:12:05 pm
http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/syria/

(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/69783000/jpg/_69783043_69783038.jpg)
(http://sin.stb.s-msn.com/i/1D/5D9824CEBB034E6A123729F6C9B87.jpg)
(http://timeglobalspin.files.wordpress.com/2013/05/int-syria-qusayr-130523.jpg?w=480&h=320&crop=1)
(http://www.anunews.net/blog/wp-content/uploads/2013/09/aa-Syria-bombed-by-israel.jpg)
(http://www.nationalturk.com/en/wp-content/uploads/2012/12/homs-destruction.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 15, 2013, 11:32:06 am
Citar
15 November 2013 Last updated at 08:26 GMT

Syrian Kurds play down autonomy plans

The leader of the Kurdish Democrats Saleh Muslim has played down proposals for Kurdish self-governance in northern Syria. Muslim claims that plans for a Kurdish administration are a temporary measure which will remain in place while Syria’s civil war continues.

Saleh Muslim, leader of Kurdish Democrats:

"It's not autonomists. What we have done is just the first step of the civil, what we can say the civil administration for the area for Rojava. And what happened yesterday is just the founding; the founding consults which contains 82 people."

Insurgents linked to the Kurdish Democrats have killed around 3,000 hardline Islamist militants in northern Syria. Saleh Muslim says the violence arose because the al-Qaeda linked fighters are interested in oil reserves based on Kurdish territory.

Saleh Muslim, leader of Kurdish Democrats:

"Because in the end, they are fighting for money, as I mentioned also. There are about 3000 people killed from them. At the beginning, they were strong but now, they are not strong enough because in a war somebody should lose, and they are losing."

Despite fighting against the Sunni Muslim militants in northern Syria, the Kurds deny claims they are working with the Shia Muslim forces loyal to Syrian President Bashar al-Assad which have been battling Islamists elsewhere since the start of Syria’s 32-month long conflict.

Saleh Muslim, leader of Kurdish Democrats:

"We have no contact with them at all and also they are far away because we have those groups between, so we have no relations with them."

Syria’s main opposition to Assad – the Syrian National Coalition, a group backed by many western governments, has also voiced its opposition to Kurdish autonomy. The Coalition said in a statement that the Kurds were "separatists" "hostile to the Syrian revolution".

However, the Syrian Kurdish Democrats are cooperating with groups based in historical Kurdistan – specifically in parts of Iraq, Turkey and Iran. Two Iraqi Kurdish parties and Turkey’s Kurdistan Workers Party have already provided aid, weapons and money to the cause.

The region’s 25 million Kurds are said to be the world’s largest ethnic group without a state. Turkey’s Kurdish party waged a violent insurgency for three decades, until recent peace talks with the government began. In Iraq and Iran, meanwhile Kurdish resistance efforts continue.

Despite the Syrian Kurds seeking to play down their desire for autonomy, there are increasing concerns of a "Balkanization" of the region which could spread violence and disrupt the fragile balance of power.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 15, 2013, 06:17:29 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 15, 2013, 09:45:40 pm
Militantes ligados à Al Qaeda decapitam rebelde por engano


Um grupo de combatentes rebeldes ligados à Al Qaeda decapitou um soldado rebelde sírio por pensar que pertencia às forças do presidente Bashar al-Assad. A entidade assumiu o erro, que apareceu num vídeo publicado na Internet. Nas imagens, cuja autenticidade não pode ser comprovada, os membros do Estado Islâmico do Iraque e do Levante mostravam a cabeça de um homem que, segundo eles, era um soldado das forças de Assad que tinha sido morto horas antes.

Dias depois, foi determinado que o nome da vítima era Mohammed Fares, um combatente que ficara ferido horas antes em combates contra o Exército sírio, segundo o Observatório Sírio de Direitos Humanos, grupo opositor sediado em Londres.

Perante o erro, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante emitiu um comunicado pedindo perdão pela morte e «calma e piedade» aos opositores do regime.

«Nós oramos a Alá para que aceite Mohammed Fares no seu reino e perdoe a esses irmãos que só buscavam eliminar os inimigos de Alá e os nossos inimigos», disse o porta-voz da entidade, Omar al-Qahatani.

A entidade vinculada à Al Qaeda disse que o combatente rebelde chegou a um hospital improvisado na frente de batalha gritando os nomes de duas figuras reverenciadas pelos xiitas, considerados blasfemos pelo Estado Islâmico, que é sunita.

Noutro vídeo, um jovem prepara uma faca para decapitar a cabeça de Fares, dizendo: «Ele é um voluntário xiita iraquiano do Exército de Bashar al-Assad».

O incidente acontece num momento em que aumenta a tensão entre os grupos combatentes rebeldes e da chegada de militantes de grupos radicais islâmicos para combater na crise síria. Tal pode agravar a guerra civil que, em dois anos e oito meses, deixou mais de 110 mil mortos, segundo a ONU.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 15, 2013, 10:21:23 pm
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/2f/61041533e367377ff0787077f5d5722f.jpg)
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/c3/7fd15b6bedcd1acdb7e883f92d7be5c3.jpg)
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/d7/28a52027b38bb1a61868455a306f7ad7.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-tT3chfphKaQ/UoVJvDaRx4I/AAAAAAAAZwE/8voJz88yLbs/s1600/3.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-M0-yHK4-r20/UoVJvY0qglI/AAAAAAAAZwI/50VqC4tR_v8/s1600/4.jpg)
Mercenários russos na Síria a lutar do lado governamental.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 17, 2013, 02:42:49 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 19, 2013, 06:46:02 pm
Citar
Saudi-Pakistani new alliance to topple Syrian government

Pakistan could be given the responsibility for training two militant brigades in Syria, with about 5,000-10,000 militants.

Saudi Arabia, one of the biggest spenders of the foreign-sponsored war in Syria is turning to Pakistan to train militants, repeating a partnership that once failed in Afghanistan, a new report says.

The Foreign Policy Magazine wrote in an article on Thursday that Saudi Arabia is embarking on a major new effort to train Syrian rebel forces.

The article cites three sources with knowledge of the program that say Riyadh has enlisted the help of Pakistani instructors to do it.

According to the sources Pakistan could be given the responsibility for training about 5,000-10,000 militants from two brigades.

The report says the main goal of the Saudi project is to unite the mainstream armed opposition in Syria, many of whom are extremist forces, under the banner of a unified army.

The decision came after signs of rift in relations between Washington and Riyadh became evident.

Saudi Arabia’s decision to move forward with training the Syria militants independent of the United States is the latest sign of a split between the two longtime allies.

In Syria, Saudi officials were aggrieved by Washington’s decision to cancel a strike on the Syrian government in reprisal for a chemical attack on the Damascus suburbs this summer.

A top Saudi official told the Washington Post that Saudi intelligence chief Prince Bandar bin Sultan was unaware of the cancelation of the strike. “We found about it from CNN,” he said.

As a result, Saudi Arabia has decided to follow its own plans which rely on a network of Saudi allies in addition to Pakistan, such as Jordan, the United Arab Emirates, and France.

“As the Saudis expand their effort to topple Assad, analysts say the central challenge is not to inflict tactical losses on the Syrian army, but to organize a coherent force that can coordinate its actions across the country. In other words, if Riyadh hopes to succeed where others have failed, it needs to get the politics right — convincing the fragmented rebel groups, and their squabbling foreign patrons, to work together in pursuit of a shared goal,” the article writes.

“The biggest problem facing the Saudis now is the same one facing the US, France, and anyone else interested in helping the rebels: the fragmentation of the rebels into groups fighting each other for local and regional dominance rather than cooperating to overthrow Assad,” said David Ottaway, a scholar at the Wilson Center who wrote a biography of Prince Bandar.

Syria militants are facing with deep divisions and rivalries with every now and then several of them pledging alliance together to form independent armies.

On Thursday, al-Qaeda leader Aymen Zawahiri who has the strongest militant groups on the ground in Syria fighting alongside the US-backed opposition urged all armed groups to be united and overthrow the Syrian government and set up their own ruling system.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 21, 2013, 09:28:28 am
deve ser este o progresso que a hillary clinton em tempos disse que russia e china estavam a bloquear. perseguicoes e massacres a comunidades cristas!!!

dum lado russos a proteger um ditador secular, doutro americanos a apoiar terroristas FSA,ISIS,Nusra. ainda ha duvidas quem e o lobo mau?

Citar
Syria’s Christians Flee Kidnappings, Rape, Executions
Jamie Dettmer
By Jamie Dettmer
November 19th 20135:45 am

Running from assault, abduction, and assassination at the hands of jihadists and FSA rebels, Syria’s ancient Christian community fears a religious pogrom is set to erupt.

Traumatized by what they have endured inside Syria and fearful for their future, Christians fleeing the 32-month-long civil war say the persecution of Christians is worsening in rebel-held territories in the country’s north—and that the kidnapping, rape and executions of Christians aren’t just being carried out by jihadist groups, but also by other Sunni Muslim rebels, including those affiliated with the Western-backed Free Syrian Army (FSA).

Christian refugees who have recently arrived in southeast Turkey—many of whom are retreading the steps of their forebears, who fled persecution in southern Turkey during the last century—say Christians are being seen as fair game by an assortment of  jihadists and Islamist rebels, including FSA-affiliated fighters and others with the Army of Islam. Most of the targeting of Syrian Christians has been blamed on al Qaeda affiliates Jabhat al-Nusra and the Islamic State of Syria and Sham (ISIS), but refugees like 45-year-old school director Rahel say the picture inside is more confused.

She says jihadists weren’t in her predominantly Christian hamlet of al-Yakubiye in Syria’s northwest province of Idlib. FSA fighters from neighboring Sunni Muslim villages were the problem.

Back in February, the news agency AFP wrote about al-Yakubiye, noting that although one of the three churches had been looted, relations between Syrian Sunni Muslims and local Christians were cordial. But in the intervening months, nearly all Christians have fled after half a dozen were executed with their heads chopped off and about 20 more were kidnapped. The evacuation of al-Yakubiye has added to a Christian exodus which is prompting fears that the civil war could spell the doom of Syrian Christianity.

“Al Nusra didn’t come to our village; the people who came were from villages close by, and they were Free Syrian Army,” Rahel says.  Christians were targeted because they were seen as being pro-Assad, although she added some of the persecution was motivated also by greed, with the better-off being picked off first and their property divided by powerful local Sunni Muslim families.

Sitting on the terrace of a restored stone house in the small Turkish town of Midyat, where she lives for free along with her husband and four children thanks to a local Christian charity, Rahel says she can see no future for Christians in Syria. She says that the last few months have taught her one thing: “It is not possible for Christians to live there anymore.”

Her 53-year-old husband remained silent during the interview. According to Rahel he is suffering from shock. “He hardly sleeps and when he does he’s plagued by nightmares. Last week we heard about a relative being kidnapped.”

From the earliest days of Christianity, Christians have lived and worshipped in Syria. But the civil war has seen half-a-million flee—nearly a quarter of Syria’s Christians—with more arriving in Turkey and Lebanon each day.

Nearly 300 have sought sanctuary in the small town of Midyat and surrounding villages in the Tur Abdin region, less than 30 miles from the border. Tur Abdin is the historic heartland of the Syriac Orthodox church and the area is dotted with ancient churches and monasteries; one was founded in 397 AD.

The Christians’ biggest concern when it comes to Syria is an eventual rebel victory. They point to what happened in neighboring Iraq after the fall of Saddam Hussein, where sectarian killings, persecution of Christians and an increasingly Islamist political culture more than half of the Iraqi Christian population to flee.

Before the civil war, Syria had an estimated Christian population of 2.5 million. The largest denomination is the Greek Orthodox Church, but there are also Catholics and Syriac Christians as well as Protestants and adherents of the Assyrian Church of the East. The Western-backed political opposition group, the Syrian National Coalition, has sought to allay Christian fears, although to little avail as more Christian villages and towns are affected and massacres are reported.

Many of the Christian refugees arriving in Lebanon are traumatized, says Najla Chahda of Caritas, the Catholic relief agency. “A lot of them are sharing with us some really horrible stories that some fundamentalists approached them, forced them to pay some rent, or amount of money that they don’t have,” Chahda said. “So they are just afraid and left.”

Stories have included forced conversion to Islam and churches being desecrated in this vicious sectarian conflict. Several clergy have been abducted, including two bishops, and in villages in Homs province, large numbers of Christians have been forced from their homes and farms. One of the worst atrocities was reported earlier this month with the Syriac Orthodox Archbishop of Homs, Selwanos Boutros Alnemeh, accusing al Qaeda-backed jihadists of killing more than 40 Christians during their occupation of the town of Sadad, north of Damascus.

“All the houses of Sadad were robbed and property looted,” Archbishop Alnemeh said in a statement. “The churches are damaged and desecrated, deprived of old books and precious furniture. Schools, government buildings, municipal buildings have been destroyed.”

Some Christian leaders in the West and in neighboring Lebanon have criticized the Middle East’s Christian patriarchs for appearing to side with Assad in the civil war, saying they are partly responsible for what is befalling their adherents.

“Unfortunately, the Christians have tied their fate not only to the regime but to Bashar al-Assad—and what I am afraid of is like what happened in Iraq,” says Basem Shabb, a Lebanese lawmaker and the only Protestant in Lebanon’s Parliament. He argues, “The Christians in Iraq were persecuted not because they were Christians but because they supported the regime.”

Heyfa, a 50-year-old mother of three girls and a boy, from a small village south of the Kurdish-controlled town of Al-Qamishli, doesn’t accept that criticism. She says that most of her neighbors weren’t Assad supporters; some were pro-rebellion, while others stayed neutral.  Even so, that didn’t stop jihadists harassing Christians and preying on the women. “We left because I was afraid for the girls—I didn’t want any bad things to happen to them. I was worried the girls would be raped. I kept them inside.”

Her eldest daughter, Dima, aged 22, stayed for much of the war in Aleppo, where she tried to continue with her English studies at the university. But she says it got more dangerous there and not just because of the battles between Assad forces and the rebels over Syria’s onetime commercial hub. She left Aleppo a year ago to join her family at home after one of her friends was kidnapped, gang-raped and then killed. “We don’t know who did this or why,” says Dima. Some rapes and killings of Christians are opportunistic, she says, while others are clearly targeted by jihadist and Islamists. (She  adds that Muslim girls are also at risk.)

A pretty girl with brunette hair, Dima sits curled up in an apartment in Midyat with her mother and her 16-year-old sister, Marie. Her father and two siblings are in a camp in Germany after the family got separated. The apartment is unheated and Dima seems to have the weight of the world on her shoulders—she’s the only one working as her mother is sick and her sister doesn’t understand either Kurdish or Turkish and can’t find work.

“It is hard. I am the one who works and the money I receive isn’t enough. I get 400 Turkish lira ($198) a month and 300 of that goes on rent.  We can’t afford to use the heat. Many times we don’t have things to eat.”

Dima’s isn’t the only all-female household of Christian refugees in Midyat. Oarda Saliba, aged 40, has with her five daughters ranging from five years old to 20. A son and husband are also in Germany. “For Christians it is very difficult to stay in Syria and there are many bad things happening to women,” she says.“ For jihadists Christian women are seen as their right. I didn’t want to take the risk with my daughters. In the streets they would touch and harass them. I don’t know if they were al-Nusra or not, although some were Libyans and Tunisian. But either way, they were terrorists.”
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Novembro 21, 2013, 10:26:26 pm
Isso para ver os HIPÓCRITAS dos "conservadores" americanos que querem a guerra na Síria. Pudera: o patrocínio saudita compra muita coisa. Muito militar americano deve estar alugado e sem o saber.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 24, 2013, 12:02:45 pm
Jornalistas da ANNA atacados por sniper.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 24, 2013, 02:13:17 pm
Citação de: "HSMW"
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/2f/61041533e367377ff0787077f5d5722f.jpg)
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/c3/7fd15b6bedcd1acdb7e883f92d7be5c3.jpg)
(http://i58.fastpic.ru/big/2013/1112/d7/28a52027b38bb1a61868455a306f7ad7.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-tT3chfphKaQ/UoVJvDaRx4I/AAAAAAAAZwE/8voJz88yLbs/s1600/3.jpg)
(http://2.bp.blogspot.com/-M0-yHK4-r20/UoVJvY0qglI/AAAAAAAAZwI/50VqC4tR_v8/s1600/4.jpg)
Mercenários russos na Síria a lutar do lado governamental.

De acordo com este blog, pertencem à Slavonic Corps
http://spioenkop.blogspot.gr/2013/11/ru ... ia_16.html (http://spioenkop.blogspot.gr/2013/11/russian-contractors-in-syria_16.html)

http://slavcorps.org/en/about (http://slavcorps.org/en/about)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Novembro 25, 2013, 10:07:30 pm
Violação usada como arma contra as mulheres na Síria


As mulheres na Síria são violadas quando estão detidas ou durante operações militares, usadas como escudos humanos e raptadas, abusos que constituem uma tática deliberada, segundo um relatório divulgado hoje. «Os abusos contra as mulheres (têm sido usados como) uma tática deliberada para derrotar a outra parte, numa perspetiva simbólica e psicológica, o que faz das mulheres alvos preferenciais», lê-se no relatório da Rede Euro-Mediterrânea de Direitos Humanos.

Divulgado hoje para coincidir com o Dia Internacional para a Eliminação da Violência Contra as Mulheres, o documento conclui que a violenta guerra na Síria «criou um contexto propício à violência contra as mulheres, incluindo a violência sexual».

Casos de violações de de mulheres, sobretudo «durante ataques governamentais, em postos de controlo e dentro de instalações de detenção», foram documentados em sete províncias, incluindo a de Damasco.

O relatório cita o caso de uma jovem de 19 anos, natural da cidade costeira de Tartus, cuja família é apoiante da Irmandade Muçulmana. Aida esteve detida entre outubro de 2012 e janeiro de 2013 e, durante esse tempo, violada duas vezes, a última das quais por três soldados na véspera de uma audiência em tribunal.

«O interrogador deixou-me na sala e voltou com três guardas que me violaram à vez. Resisti ferozmente ao primeiro, mas quando o segundo começou, fiquei mais assustada e não consegui resistir mais», relatou.

«Quando o terceiro começou, fui-me completamente abaixo, estava a sangrar continuamente. Quando acabou, caí no chão. Dez minutos depois, o médico da prisão apareceu e levou-me para a casa de banho, onde me deu uma injeção para eu poder estar de pé frente ao juiz», prosseguiu.

O relatório cita um outro caso, ilustrativo de como as forças do regime recorrem a violações durante operações militares, de uma rapariga de nove anos violada em frente da família por soldados das forças governamentais, em março de 2012, em Homs (centro).

O documento sublinha por outro lado a dificuldade em documentar casos de violação devido ao estigma associado à violência sexual.

«Muitas vítimas de violência sexual - se não a maior parte - escolheram ou foram obrigadas a deixar a sua terra natal, levando com elas para os países de asilo essas marcas físicas e psicológicas», segundo a organização.

O relatório conclui por outro lado haver um «fenómeno crescente» da utilização de mulheres como escudos humanos, tanto pelas forças do regime como da oposição.

As mulheres sírias são também frequentemente raptadas para serem trocadas por prisioneiros ou para «pressionar homens das suas famílias a entregar-se», segundo o documento, que cita números da Rede Síria de Direitos Humanos segundo os quais 125 mulheres e duas crianças foram sequestradas com estes fins entre dezembro de 2011 e maio de 2012.

O conflito na Síria, iniciado há 32 meses, já matou mais de 120.000 pessoas e fez milhões de refugiados. Segundo as Nações Unidas, três quartos dos refugiados sírios são mulheres e crianças.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 29, 2013, 07:39:31 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Novembro 29, 2013, 08:07:57 pm

Citar
(Reuters) - Al Qaeda-linked militants have executed the commander of a rival rebel faction and six of his men, an amateur video of the public execution showed, part of their campaign to marginalize other groups.

The Islamic State in Iraq and the Levant, or ISIL, fighting to overthrow President Bashar al-Assad, have taken advantage of a power vacuum in rebel-held areas to assert its authority over more moderate elements of the armed opposition.

The video, posted online by the anti-Assad Syrian Observatory for Human Rights monitoring group on Wednesday, shows armed men in black standing below an ISIL banner.

The Observatory said the video was taken in the northern Syrian town of Atarib in Idlib province. Its authenticity could not be independently confirmed.

A masked man on the video identifies seven men kneeling as members of the Ghurabaa al-Sham brigade, a moderate Islamist group that was one of the first to fight Assad. A man who appeared to be Commander Hassan Jazera was among them.

"Hassan Jazera is the most corrupt and the biggest thief," said the man. He spoke into a microphone to a crowd of men, some of whom used their mobile phones to film the killing.

The man, reading from a piece of paper, said Jazera's men were also charged with kidnapping and had been tried in a religious court run by ISIL. They were then shot in the head.

In May, an alliance of Islamist groups moved against Ghurabaa al-Sham following a disagreement over territory and complaints of looting. Jazera's unit of around 100 fighters was all that was left of Ghurabaa al-Sham's roughly 2,000 men, fighters from that group told Reuters this summer.

Jazera and his men were arrested by ISIL a month ago, the UK-based Observatory said.

The rise of al Qaeda in Syria has forced some in the West to temper calls for Assad's removal from power.

In August, ISIL took control of the northern border town of Azaz, expelling western-backed Free Syrian Army units. On Friday, ISIL captured a second border town, ousting a moderate Islamist rebel unit and detaining its leader.

The Syrian uprising against four decades of Assad family rule started in 2011 and erupted into a civil war after Assad's forces shot demonstrators and deployed tanks to crush the protest movement. More than 100,000 people have been killed and millions have been displaced.

(Reporting by Oliver Holmes and Reuters TV, editing by Elizabeth Piper)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Novembro 30, 2013, 04:04:49 pm
Ainda se lembram? O resultado foi este.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 01, 2013, 06:15:46 pm
Citar
First Published: 2013-11-28

Assad army takes upper hand in bid to crush rebels north of Damascus
Takeover of strategic town of Deir Attiyeh is important to regime for its proximity to capital Damascus.
Middle East Online


Confidence boost from recent victories


DAMASCUS - The Syrian army recaptured the strategic town of Deir Attiyeh Thursday, less than a week after losing it, taking the advantage in its bid to crush rebels just north of Damascus.

The takeover of Deir Attiyeh, on the Damascus-Homs highway, comes two weeks into an army offensive in the Qalamoun region, important to the regime for its proximity to the capital and the rebels as it serves as their rear base near the border with Lebanon.

It also comes amid intense international efforts to hold a Geneva peace conference aimed at ending the 32-month conflict.

The opposition demands any talks should lead to a transitional period during which President Bashar al-Assad's regime plays no role.

But forces loyal to Assad appear to be pushing for as many battleground victories as possible for leverage at the Geneva talks to be staged on January 22.

"Our heroic army has taken total control of the town of Deir Attiyeh in Damascus province after it crushed the terrorists' last enclaves there," said state television, citing a military source.

A high-ranking security official in Damascus confirmed the report, adding that "operations to expel the terrorists from nearby areas are ongoing".

On Friday last week, hundreds of jihadists from the Islamic State of Iraq and the Levant (ISIL) and Al-Nusra Front, as well as other rebels, took control of Deir Attiyeh, according to a monitoring group.

Most of the rebels who had taken up positions in Deir Attiyeh were "crushed" and the town had been "cleansed," the security official said on condition of anonymity.

The Syrian Observatory for Human Rights said the army was now in "near-total control" of Deir Attiyeh, though gunfire could still be heard.

A security source said regime loyalists also entered the nearby town of Nabuk.

"If this town is captured, all we'll have left is Yabroud and some other villages to completely block off the border with Lebanon and to stop any entrance or exit of rebels into Lebanon," said the source.

"The next phase will be to retake the south (of Syria). The north and the east are for later," he added.

Different areas of northern and eastern Syria are under control of the rebels, jihadists and Kurds.

Also engaged in the fighting in Qalamoun is the Lebanese Shiite movement Hezbollah, which backs Assad and has sent thousands of fighters into Syria.

On Thursday, a source close to the movement said a nephew of Lebanon's agriculture minister was killed along with three other Hezbollah fighters in Qalamoun.

"Ali Rida Fuad Hajj Hassan, aged 22, was killed along with three other Hezbollah fighters in Qalamoun" north of Damascus on Wednesday, the source said.

"He was the nephew of Hussein Hajj Hassan," Lebanon's agriculture minister and a leading Hezbollah member, he added.

Fighting raged elsewhere on Thursday, a day after Iran said it and Turkey, which support opposing sides in the conflict, would press for a ceasefire ahead of the Geneva 2 peace conference.

Nine rebels were killed around Marj in the Eastern Ghouta region near Damascus, said the Observatory, which also reported fierce clashes around Douma, another rebel bastion nearby.

In the northern city of Raqa, a surface-to-surface missile launched overnight from Damascus province killed at least six people and wounded at least 30 others, including two women, the monitor said.

Raqa is the only provincial capital in Syria to have fallen out of regime hands since the conflict broke out in March 2011.

It is now under jihadist control, but activists have frequently accused the army of targeting only civilian areas of Raqa, rather than parts of the city where the feared Islamic State of Iraq and the Levant is positioned.

In Aleppo province's Atareb, ISIL executed Hassan Jazra and six members of his Ghuraba al-Sham battalion, after it had accused them of theft and looting.

In areas where it is powerful, ISIL has sought to establish itself as the sole power-broker, first by eliminating small rival groups over charges of corruption, then by opening fronts with bigger battalions.

The Syrian conflict has killed more than 120,000 people and forced millions more to flee their homes.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 04, 2013, 07:27:15 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 05, 2013, 05:03:55 pm
Al-Qaeda recrutou cerca de 2 mil jovens europeus para combaterem na Síria


Milhares de jovens europeus estão a ser recrutados para combaterem na Síria integrados em organizações próximas da Al-Qaeda, um «perigo potencial» para os países da UE e aliados, referiram hoje em Bruxelas os ministros do Interior francês e belga. Entre 1.500 e 2.000 jovens europeus já partiram para a Síria, de acordo com as estimativas anunciadas em conferência de imprensa pelo ministro francês, Manuel Valls, e da sua homóloga belga Joelle Milquet. Em junho, o número de jovens enviados para a Síria rondava os 600.

«Os belgas são entre 100 e 150», precisou Milquet. «Existem um pouco mais de 400 franceses envolvidos, dos quais 184 estão atualmente na Síria», indicou por sua vez o responsável francês. «14 franceses foram mortos na Síria, 80 regressaram e uma centena pretende partir», acrescentou Valls.

«Quando se iniciou o conflito na Síria, era difícil agir porque se tratava de ir combater um regime condenado por todos, o que tornava difícil as incriminações», recordou o ministro francês.

Hoje, a situação alterou-se. «A maioria dos indivíduos manifestaram o desejo de combater em organizações próximas da Al-Qaeda», explicou.

«O fenómeno é particularmente preocupante», insistiram os dois ministros.

No entanto, «não se registam regressos em massa» destes combatentes estrangeiros, indicou Joelle Milquet. «Hoje, não verificamos a existência de uma ameaça direta ou confirmada contra os nossos países, os nossos interesses ou os nossos cidadãos», reconheceu Valls.

«Mas não devemos baixar os braços, porque os grupos jihadistas reforçaram-se e os nossos cidadãos que partiram tornaram-se perigosos», advertiu.

França e Bélgica coordenam as ações dos países europeus mais preocupados com este problema e já decorreram três reuniões ministeriais com os seus homólogos britânico, alemão, holandês, espanhol, italiano, sueco e dinamarquês.

A última reunião decorreu na noite de quarta-feira em Bruxelas, antes do conselho dos ministros do Interior da União Europeia (UE) e na presença do secretário de Estado do Interior norte-americano, Rand Beers, e de representantes do Canadá e Austrália, precisaram os dois ministros.

A UE está a procurar combater o recrutamento, designadamente através da internet, e pretende desmantelar as redes que encaminham os novos recrutas. «Devemos neutralizar o ciberespaço e neste aspeto os americanos colocam um problema devido à sua primeira emenda que defende a liberdade de expressão», assegurou Valls.

O ministro francês sublinhou ainda a necessidade de mobilização dos europeus contra as redes que encaminham os recrutas desde diversos países da Europa, incluindo a região dos Balcãs, da Turquia e de Marrocos. Valls revelou que em Marrocos foi desmantelada uma rede que encaminhava uma dezena de jovens por semana em direção à Síria.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 05, 2013, 07:34:08 pm
Citar
Assad: Our Battle With Saudi Is Open-Ended

Published Saturday, November 30, 2013
Ten days ago, Syrian President Bashar al-Assad met with a delegation of party leaders and politicians from Arab countries. He said unequivocally: The battle will continue as long as Saudi Arabia continues to “back terrorism,” and the flow of extremist fighters, money, and arms into Syria continues.

Tunisia – Syrian President Bashar al-Assad has proclaimed that Saudi and other countries’ support for terrorist groups will delay any solution to the crisis. He also said that the Syrian government was advancing on more than one front against terror and the war against Syria, stressing that the government would not go to Geneva if it is expected to hand over power.
Assad’s remarks on the situation in Syria came during a meeting on the sidelines of the Arab Parties Conference held in Syria 10 days ago. Al-Akhbar interviewed a party leader from the Maghreb who took part in the meeting.

In response to a question on what is happening in Syria, Assad said, “We have been subjected to a major war. In the first phase, we had to focus on standing our ground, which is what we did in the first year. Then we moved into the stage of triumphing over the enemies. There are experiences in recent history, including what happened with the Resistance in Lebanon, which stood its ground for many long years, and then achieved major victories in 2000 and 2006. We have known from the outset that the battle targeted our independent decision, but this independent decision was a major factor in our steadfastness and our victory, although we appreciate the support Syria has received from its allies, and some allies have had a pivotal role, such as Russia, which stands on our side because its interests, too, are threatened. I heard directly from the Russian leadership that they stand alongside Syria to defend Moscow and not just Damascus.”

Assad continued, “The time required to end the crisis in Syria depends to a large extent on the ongoing support and funding to armed groups provided by the actors in the region.”

He added, “Saudi Arabia and other countries are strong backers of terrorism. They have dispatched tens of thousands of takfiris to the country, and Saudi Arabia is paying up to $2,000 as a monthly salary to all those who take up arms on their side.”

Assad said, “There is another problem, related to al-Qaeda’s infiltration through the border with Iraq. This is something that the authorities in Baghdad are cracking down on but not entirely with success. Consequently, stopping Saudi support would have a decisive impact, especially since the militants and those behind them have been caught by surprise by our army’s capacity to confront them. Now, we know, and the whole world knows that al-Qaeda does not pose a threat to Syria alone. We hope for rational solutions in the coming months, but the issue is also contingent upon our ability to confront those, and we are determined to fight them until the end.”

The Syrian president then told his audience, “In light of the situation on the ground, we do not believe that it is possible to reach a settlement soon. As long as fighters, weapons, and funds continue to be sent across the border into Syria, we will not stop pursuing them. No one in the world can stop us exercising our right to defend our country. Moreover, today, we find little that can be agreed upon in Geneva, especially since some wrongly believe that we are going there to hand over power to them.”
“If this is what they want, then let them come to Syria so we can hand over power to them,” Assad sarcastically added. “If they decide to appoint [leader of the opposition National Coalition Ahmad] al-Jarba as president, do they think he would be able to come to Syria?”

Assad explained that Saudi Arabia “is leading the most extensive operation of direct sabotage against all the Arab world,” adding, “Saudi Arabia led the countries of the Gulf Cooperation Council in the battle against all nations and parties that stand in the face of Israel. The [Saudis] gave cover to the Camp David agreement, supported the war on Lebanon in 1982, and today, they are engaged in an open-ended war against Syria. We are now openly saying that we are at war with them. True, we accommodated them previously, but they want everything to be according to their vision and interests.”

Regarding the position of the Western countries that back the armed Syrian opposition, Assad said, “The colonial West still acts in a vain mentality. They act like the past 20 years did not happen. They ignore the US defeat in Iraq, and they act as though the Soviet Union collapsed only yesterday.”

Concerning the current state of the Arab world and the Arab League, Assad said, “If the league shall remain under the influence and tutelage of backwards regimes like those of the Arab Gulf countries, it will have no role and no value. However, not all the Arab countries have had their independence taken from them.” He then added, “Today, there is a brave man making a stand in Iraq who is Prime Minister Nouri al-Maliki. He has important stances, even though his country is torn and many seek to destroy it. Even Algeria, one could consider its stance ahead of others. But most importantly, we must take heed of what is taking place in Egypt today. We see as the rest of the Arabs do that there is in Cairo today someone telling America frankly and sharply, ‘You have no business in Egypt’s internal affairs,’ and this is an important position that must be supported.”

The Syrian leader then spoke about the state of political parties in Syria and the Arab world, and said, “Vacuum is one of the reasons why extremist groups have spread. But another reason has to do with the fact that these parties did not rejuvenate themselves, and they are still weak. We as a state are keen on boosting their work, not as a party. We have also been observing the reflection of Syria’s steadfastness on Arab reality in general, and especially in the Maghreb, which we fear could be subjected to the rule of NATO.”

Assad then warned against the spread of Wahhabi ideology in the Arab world, and said, “This requires a new approach to religious institutions, but first and foremost, it requires supporting a civil state based on co-citizenship.”

Assad added, “Today’s generation has been subjected to a large-scale process of spreading ignorance. The generation that preceded us had more awareness, and this process of spreading ignorance is aimed at keeping the Arab world in a state of backwardness. I want to remind you that the West does not want us to ever evolve. I remember when the US Secretary of State Colin Powell visited us in 2003 and conveyed his country’s demands from Syria after the occupation of Iraq, he especially wanted us not to host any Iraqi scientists. We rejected his demand, so the US and Israeli intelligence liquidated quite a few of those scientists. Today, they want to eliminate scientists in Iran.”

But Assad noted that, by contrast, awareness among Arab peoples is reemerging, saying that raising the picture of the late Egyptian President Gamal Abdul-Nasser in many Arab demonstrations is a sign of this.

He said, “We are not against religion, but we are against invoking religion in all aspects of people’s daily lives. Even us, who are secular, gave religion a role in our constitution, which states explicitly that Sharia is a source of legislation. However, we refuse any politicization of religion in the sense that leads to negative results. As an example that our stance is not against religion, consider Hezbollah’s case in Lebanon. This is an ideological party that derives its ideas from religion. But we do not disagree with Hezbollah politically. This is proof that we don’t have an absolute stance against religions, but we refuse any religious force that operates in accordance with takfiri or Wahhabi ideology.

“For this reason, we say that we do not deal with the Muslim Brotherhood in this way. I believe that Syria cannot tolerate this faction. They did not give us a positive model in all stages. They operate on the basis of a sectarian position; otherwise, how can one explain their stance opposed to Hezbollah? They accept politicization in all issues, and use sectarian discourse to inflame Sunni-Shia strife.”

He then said, “Syria, like Iran and Hezbollah, tolerate many things to prevent sedition. Even the approach in dealing with the situation in Bahrain is very cautious for this reason.”

(Al-Akhbar)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 08, 2013, 04:59:50 pm
um pouco de historia

http://www.lesclesdumoyenorient.com/Syrie.html (http://www.lesclesdumoyenorient.com/Syrie.html)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 08, 2013, 05:03:34 pm
(http://www.lesclesdumoyenorient.com/IMG/arton1268.jpg?1367591689)

Citar
LA SITUATION EN SYRIE. QUATRIÈME PARTIE : LA PROBLÉMATIQUE DU GAZ INTERFÈRE-T-ELLE DANS LA SITUATION SYRIENNE ?
ARTICLE PUBLIÉ LE 03/05/2013
Par David Rigoulet-Roze

Si elle n’en constitue pas nécessairement le facteur nécessaire et suffisant pour expliquer l’évolution, sinon l’origine, de la crise syrienne, elle n’en demeure pas moins une variable importante qui ne saurait être sous-estimée dans le « nouveau Grand jeu énergétique » du début du XXIème siècle.

On peut d’abord relever que la Syrie de Bachar al-Assad n’a pas toujours été vouée aux gémonies, y compris par ceux-là mêmes - comme la Turquie, le Qatar et l’Arabie saoudite - qui semblent aujourd’hui les plus empressés à hâter sa chute. Elle fut même un partenaire économique courtisé par le fait que le pays constitue, à bien des égards, une sorte de hub entre le Machrek et l’Europe, en termes énergétiques notamment. Le fait est que le Qatar, qui partage avec l’Iran l’un des plus grands champs du monde - appelé North Dome du côté qatari et South Pars du côté iranien - n’était pas satisfait de se trouver a priori plus ou moins contraint, pour exporter son gaz [1], de passer par le détroit ultra-sensible d’Ormuz largement sous la surveillance de l’Iran. Doha avait donc éprouvé la tentation de trouver une autre voie moins soumise aux aléas géopolitiques induits par la crise sur le nucléaire iranien. Sans parler des tensions existant entre les deux pays relatives au partage parfois inéquitable de cette manne gazière, le Qatar pompant le champ commun au détriment de l’Iran qui se trouve pénalisé par les sanctions internationales pour exploiter ce qui lui revient [2]. En 2009, le Qatar avait, de fait, envisagé le tracé d’un gazoduc « sunnite » terrestre courant du Golfe Persique jusqu’à la Turquie et susceptible de se raccorder in fine au projet du Nabucco afin d’exporter ce gaz vers l’Europe [3], un tracé transitant d’abord par l’Arabie saoudite, puis par la Jordanie, enfin par la Syrie. C’est sans doute d’ailleurs une des raisons qui avaient conduit Doha à se rapprocher du régime de Damas avec lequel les relations n’avaient pas toujours été aisées [4]. Rappelons qu’en février 2010, le Qatar avait même été jusqu’à signer un éphémère pacte de défense avec la Syrie.

Or, Bachar al-Assad avait finalement refusé de signer ce projet, privilégiant un accord avec son allié régional iranien, et aussi pour ménager les intérêts, entre autres énergétiques, de son vieil allié russe, premier fournisseur gazier de l’Europe qui se trouve, de fait, en situation de dépendance prononcée en cas de crise comme en janvier 2009 avec l’interruption des livraisons de gaz à l’Ukraine, qui sert depuis l’époque soviétique de hub continental de redistribution pour le compte de Gazprom à destination de nombreux pays européens [5]. Toujours est-il qu’en juillet 2011, était formalisé un contrat entre l’Iran perse chiite, l’Irak post-Saddam et la Syrie alaouite en vue d’établir un gazoduc « chiite » ou IGS (Islamic Gas Pipeline) à horizon de 2016 [6].

Cela ne saurait faire les affaires du Qatar. Et ce, d’autant moins que les Saoudiens n’ont pas validé le projet qatari de transit via l’Arabie saoudite pour rejoindre le Nabucco qui avait pourtant été mis à l’étude. Riyad en effet, irritée par son turbulent voisin, a finalement fait obstruction à tout développement terrestre du pipeline envisagé [7].

Le Qatar a donc sans doute son propre agenda qui converge peut-être avec celui de la Turquie sur cette question. On comprend alors peut-être mieux les soutiens affirmés à l’option « frériste » sur l’échiquier syrien dans la perspective de l’après-Bachar. Et aussi peut-être le positionnement de certains acteurs européens, dont la France, d’autant plus en pointe sur le dossier syrien que les relations avec le Qatar sont relativement étroites depuis l’« affaire libyenne ».

[1] L’actuel émir du Qatar a compris très tôt que le Gaz naturel liquéfié (GNL) était un produit d’avenir. Le Qatar est ainsi devenu le 1er exportateur de GNL (Gaz naturel liquéfié). Extrait du gisement off-shore de North Dome, le plus vaste du monde, situé à quelque 80 kilomètres au large des côtes qatariennes, l’émirat produit 77 millions de tonnes de GNL par an via 14 trains de production.

[2] Comme le soulignent Christophe Ayad et Benjamin Barthe dans leur périple autour des frontières iraniennes : « Il est notoire que, du fait de ses capacités d’extraction et de transformation largement supérieures, le Qatar empiète plus ou moins volontairement sur les réserves de son voisin. ‘C’est comme si deux hommes se partageaient un verre de Coca-Cola, chacun avec sa paille, et que l’un d’eux rigolait en son fort intérieur parce qu’il s’est aperçu que la paille de l’autre est percée’ sourit un diplomate en poste à Doha. Mais ‘comme l’homme avec la bonne paille n’est pas le plus fort des deux, poursuit-il, il doit faire gaffe à ne pas aspirer trop vite’. La métaphore résume bien la nature des relations qataro-iraniennes, tout en calculs et en contorsions », « Autour du pays mystérieux. 3. Riches et rusés face à l’Iran », Le Monde, 26 juillet 2012, p. 14. En 2004, des forces spéciales iraniennes avaient déjà détruit une plate-forme de forage qatari parce que l’Emirat puisait de manière excessive dans le champ gazier. Cf. Mehdi Lazar, « Axe sunnite et gazoduc : quand les Qataris interviennent en Syrie pour le plus grand bonheur des Occidentaux », Atlantico.fr, 26 août 2012 (http://www.atlantico.fr/decryptage/axe- ... l?page=0,1 (http://www.atlantico.fr/decryptage/axe-sunnite-et-gazoduc-quand-qataris-interviennent-en-syrie-pour-plus-grand-bonheur-occidentaux-mehdi-lazar-460320.html?page=0,1)).

[3] Le projet Nabucco est censé concurrencer les projets russes de South Stream via la Mer Noire. Initialement prévu pour 2014, il a dû être repoussé à 2017 du fait de « difficultés techniques ». Le consortium Nabucco est constitué de plusieurs sociétés : la RWE allemande (Rheinisch-Westfälisches Elektrizitätswerk AG), l’OML autrichienne, la Botas Petroleum Pipeline Corporation turque, l’Energy Company Holding, la Transgaz roumaine. Les coûts initiaux du projet étaient estimés à 11,2 milliards de dollars, mais ces coûts ont été réévalués à hauteur de 21,4 milliards de dollars d’ici 2017. Ce projet Nabucco a été conçu pour transporter 31 milliards de m3 de gaz par an sur 3 900 kilomètres à partir du Moyen-Orient et la Caspienne vers les marchés européens via la Turquie. Cf. Imad Fawzi Shueibi, « Gas Ranks First in Middle East Struggles », on dissidentvoice.org, 30 avril 2012 (http://dissidentvoice.org/2012/04/gas-r ... struggles/ (http://dissidentvoice.org/2012/04/gas-ranks-first-in-middle-east-struggles/)). Trad. par Mouna Alno-Nakhal, « Syrie : la guerre du gaz », Mondialisation.ca, 30 avril 2012 (http://www.mondialisation.ca/syrie-la-g ... -gaz/30652 (http://www.mondialisation.ca/syrie-la-guerre-pour-le-gaz/30652)).

[4] Il faut préciser que les relations entre Damas et Doha ont souvent été chaotiques. On peut rappeler à cet égard l’altercation violente entre Walid al-Mouallem, l’inamovible ministre des Affaires étrangères syrien et Cheikh Hamad bin Khalifa Al-Thani lors d’une audience à Washington en juin 1997. Cf. « Menaces syriennes contre le Qatar », Le Monde du Renseignement, n°314, 26 juin 1997.

[5] Cf. Roland Lombardi, « Guerre en Syrie et géopolitique du gaz », blog de la Chaire de Mangement des Risques Energétiques de l’ESG Management School, 5 mars 2013 (http://www.riskenergy.fr/2013/03/guerre ... u-gaz.html (http://www.riskenergy.fr/2013/03/guerre-en-syrie-et-geopolitique-du-gaz.html)).

[6] Ce gazoduc « chiite », d’un coût prévu de quelque 10 milliards de dollars, a l’ambition de fournir l’Europe en gaz liquéfié via les ports méditerranéens de Syrie (Lattaquié et Tartous). Long de 5 600 kilomètres, il devrait transporter 35 milliards de m3 de gaz par an une fois sa mise en service effective.

[7] On peut souligner que le marché du gaz risque d’arriver peu ou prou à saturation avec la mise en service de huit nouvelles infrastructures australiennes entre 2014 et 2020 dont la production est surtout destinée au marché asiatique. Avec un marché américain lui-même déjà saturé - du fait de l’explosion de la production de gaz de schiste - le Qatar n’a plus réellement que l’Europe comme débouché. La découverte de nouveaux champs d’hydrocarbures off-shore en Méditerranée ouvre de nouvelles perspectives pour contourner l’Arabie saoudite et ouvrir de nouvelles opportunités commerciales. Les tronçons des gazoducs sont déjà dessinés. Le dernier obstacle à leur réalisation demeure le régime de Bachar al-Assad. Cf. Felix Imonti, « Qatar : Rich and Dangerous », Oilprice.com, 17 septembre 2012 (http://oilprice.com/Energy/Energy-Gener ... erous.html (http://oilprice.com/Energy/Energy-General/Qatar-Rich-and-Dangerous.html)). Cf. pour la traduction « Pour quelques centaines de milliards », Le Courrier international, n° 1172, 18-24 avril 2013, p. 28.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 08, 2013, 05:07:44 pm
(http://www.lesclesdumoyenorient.com/local/cache-vignettes/L225xH182/arton975-fe9d2.jpg)
Le président Bachar al-Assad et le président Vladimir Poutine le 19 décembre 2006
KLIMENTYEV MIKHAIL, AFP


Citar
SYRIE ET RUSSIE : HISTORIQUE DES RELATIONS DE 1946 À 2012
ARTICLE PUBLIÉ LE 16/02/2012
Par Lisa Romeo

Le 4 février dernier, la Russie et la Chine opposaient leur véto au Conseil de sécurité de l’ONU à un projet de résolution dénonçant la violence de la répression du régime de Bachar al-Assad, président de la République arabe syrienne depuis 2000, à sa population [1]. C’est la deuxième fois que la Russie bloque la mise en place de sanction contre le régime dans le cadre de l’ONU. Cette fidélité affichée, envers et contre tous, dans le plus grand mépris des droits de l’homme, ne manque pas d’attiser la colère des Occidentaux et des pays arabes et laisse perplexe de nombreux observateurs. Les intérêts russes en Syrie sont multiples : accords commerciaux et militaires (les investissements russes en Syrie seraient de 19 milliards de dollars en 2009) ; accès à la Méditerranée ; port de Tartous, seule base navale russe en Méditerranée. Il s’agit alors de revenir sur la nature des liens qui unissent ces deux pays en s’intéressant à leur relation depuis l’indépendance de la Syrie en 1946.

Le rapprochement entre Syrie et Russie dans les années 1950

Depuis la Première Guerre mondiale, l’URSS connaît une grande popularité auprès des nationalistes arabes et peut largement compter sur le soutien des populations chrétiennes orthodoxes qui représentent 6 % de la population syrienne. Les relations entre la Syrie nouvellement indépendante et l’Union soviétique ne sont cependant pas immédiates. L’approbation par l’URSS du plan de partage de la Palestine de 1947 à l’ONU puis la reconnaissance quasi-immédiate de l’Etat d’Israël en mai 1948 engendrent rapidement la méfiance des pays arabes. L’URSS permet même au jeune Etat hébreu de s’imposer sur ses voisins arabes en lui fournissant d’importants armements durant la guerre de 1948-1949. Le rapprochement d’Israël et des Etats-Unis et la dégradation des rapports entre soviétiques et Israéliens poussent finalement Moscou, quelques années plus tard, à repenser profondément sa politique moyen-orientale en établissant des liens avec les régimes nationalistes arabes. Dans les années 1950, la Syrie est marquée par un fort sentiment anti-colonialiste et vit des heures de grande instabilité politique. Elle affiche par ailleurs une ambition neutraliste lors de la conférence de Bandung d’avril 1955 face aux deux blocs de l’Ouest et de l’Est qui s’affrontent en pleine Guerre Froide et de nombreux dirigeants syriens nourrissent une certaine méfiance envers l’idéologie communiste. Toutefois, l’attitude des Etats-Unis et les refus multipliés de l’Occident d’aider militairement et financièrement les projets arabes, poussent le gouvernement syrien dominé alors par la gauche à se tourner vers l’URSS. Un premier contrat d’armement est signé avec la puissance russe en 1956. Un an plus tard, les liens entre Damas et Moscou sont réaffirmés par une coopération économique destinée à développer l’industrie, les infrastructures (L’URSS finance notamment la construction d’un chemin de fer reliant Alep à Lattaquié) et l’irrigation de la Syrie. La formation de la République arabe unie (1958-1961) réunissant l’Egypte et la Syrie renforce toujours plus les relations avec l’URSS.

L’assistance économique de l’URSS se poursuit d’autant plus avec l’arrivée du parti Baath au pouvoir en 1963. Le nouveau régime instaure alors le « socialisme arabe » et se lance dans une importante réforme agraire et une lourde politique de nationalisation. Le nouveau refus des puissances occidentales de participer aux nombreux projets du régime fait de l’URSS le partenaire privilégié de la Syrie. Le coup d’Etat du 23 février 1966 porte au pouvoir une fraction plus radicale du Baath qui se réclame d’un socialisme pur. Un mois plus tard, une délégation soviétique arrive à Damas. Le nouveau régime signe alors un accord d’assistance technique et se voit octroyer un prêt de 450 millions de dollars, remboursable sur 12 ans. D’importants travaux sont alors réalisés dans le pays : aménagement des ports de Tartous et de Lattaquié, développement des réseaux ferroviaires, construction du barrage de Tabqa sur l’Euphrate (inauguré en 1973)… Le soutien soviétique permet ainsi à la Syrie d’augmenter sa croissance économique et de consolider son régime.

L’arrivée au pouvoir de Hafez al-Assad et les relations avec l’URSS

Le 13 novembre 1970, Hafez al-Assad (1930-2000) prend le pouvoir en Syrie. Le nouvel homme fort du pays s’appuie également sur l’URSS pour asseoir son pouvoir et contrôler les fractions socialistes et communistes syriennes mais refuse toute forme d’ingérence dans les affaires internes du pays. Il ne souhaite pas non plus, dans un premier temps, signer le « traité de fraternité et de coopération » que lui réclame Moscou. Il démontre l’indépendance de son régime en engageant son armée dans la guerre israélo-arabe de 1973 puis au Liban en 1976 sans tenir compte du point de vue russe qui s’oppose à la poursuite par la Syrie d’une guerre d’usure dans le Golan.

Malgré ces divergences, l’alliance entre les deux Etats n’est pas remise en cause et les fournitures militaires se multiplient. La Syrie reçoit des Mig-23 et obtient même un report de sa dette. L’URSS soutient ainsi la politique d’équilibre des forces avec Israël prônée par Hafez al Assad et obtient, en contre partie, un accès maritime et aérien facilité, s’assurant une place importante dans la région et dans le processus de paix israélo-arabe. Le traité de paix signé par l’Egypte de Sadate (1970-1981) avec Israël en 1979 accélère alors les liens entre Damas et Moscou qui cherchent à rééquilibrer les rapports de forces dans la région. Hafez al-Assad se rend alors en URSS et signe finalement le traité d’amitié et de coopération pour vingt ans, le 8 octobre 1980.

Le nombre des conseillers militaires soviétiques augmente alors de 1 000 à 1 500 en 1980 et à 6 000 en 1983, et des bases de missiles SAM-5 très modernes sont implantées à Homs et à Dmeir. La Syrie cherche alors à défier Israël, qui a envahi le Sud Liban en 1982 (opération paix en Galilée), les Etats-Unis ainsi que l’OLP avec qui les tensions sont vives. L’alliance entre l’URSS et la Syrie ne doit cependant pas être exagérée et les liens entre les deux pays restent essentiellement guidés par les intérêts de chacun : Moscou n’a, par exemple, aucune intention d’intervenir directement au Liban ou en Israël et critique fortement la politique de Hafez al-Assad vis-à-vis de l’OLP qu’ils soutiennent. Le raïs voit quant à lui d’un mauvais œil le soutien soviétique à son ennemi irakien et a une vision très réaliste des capacités de l’URSS dans la région. L’arrivée au pouvoir de Mikhaïl Gorbatchev en 1986 et sa volonté de normaliser les relations avec l’Etat hébreu s’accompagnent alors d’une certaine prise de distance de Damas envers son allié traditionnel.

Vers l’effondrement de l’URSS et ses conséquences sur la Syrie

Mikhaïl Gorbatchev fait rapidement comprendre au Raïs, en visite à Moscou en 1985, 1987 et 1990, que son pays n’a plus les moyens de mener une politique aussi active dans la région et contre Israël. Il ne remet pas en cause les contrats d’armement et la coopération économique mais les fait dorénavant dépendre de la capacité de la Syrie à rembourser sa dette. Gorbatchev choisit par ailleurs d’autoriser l’immigration juive vers Israël, permettant à plus cent mille personnes de s’y installer en 1990. Devant de telles mesures, Hafez al-Assad décide de se tourner vers les Etats-Unis qui se montrent prêts à réintégrer la Syrie sur la scène internationale. La Syrie participe même à la coalition dirigée par les Etats-Unis contre l’Irak, qui vient d’envahir le Koweït, en 1990. Le pays va également chercher à diversifier ses fournisseurs d’armement en se tournant vers l’Europe centrale, la Chine et la Corée du Nord. Les dépenses militaires vont cependant considérablement diminuer, passant de près de 20% du PNB au début des années 1980 à 10% en 1990. En 1999, à la suite d’une visite en Russie, le raïs revient malgré tout avec un contrat d’achat du système anti-missile S-300.

La reprise des relations syro-russes

Après la période d’incertitude qui suit l’éclatement de l’Union soviétique, le président russe Vladimir Poutine ambitionne à partir de 2003 de réaffirmer la présence de son pays au Moyen-Orient. Il cherche alors à renouer avec la Syrie et à s’assurer l’accès à ses ports. Bachar al-Assad, qui succède à son père en 2000, essaye pour sa part de rompre avec l’isolement de la nation. Poutine parvient à réintégrer la Syrie dans les négociations de paix israélo-arabe du Quartet (composé des Etats-Unis, de l’ONU, de la Russie et de l’Union européenne) et invite le président syrien à Moscou en 2005 et 2006. Des contrats d’armement sont une nouvelle fois signés et la Russie s’engage à effacer la majeure partie de la dette syrienne.

En 2010, la Russie aurait vendu à la Syrie l’équivalent de 529 millions d’euros d’armement. Avec la visite de Dimitri Medvedev, président de la Russie depuis 2008, à Damas en mai 2010, la coopération économique s’élargit aux domaines de la communication, de l’aérien, du tourisme, des technologies, de l’énergie et de l’écologie. Plus récemment, fin janvier 2012, un accord d’armement est signé, qui s’élèverait à 550 millions de dollars, portant sur la livraison de 36 avions Iak-130.

Les révoltes populaires de 2011 qui ont mis fin au régime de Hosni Moubarak, en Egypte, et de Mouammar Kadhafi, en Libye, bouleversent les rapports régionaux de la Russie et font de la Syrie son dernier allié et principal client dans la région. Les liens qu’entretiennent par ailleurs la Syrie avec l’Iran, le Hamas et le Hezbollah, rendent d’autant plus nécessaire aux yeux de Moscou la protection de son allié syrien, même dans les heures les plus sombres de son histoire.

Bibliographie
- Hélène Carrère d’Encausse, La Russie entre deux mondes, Paris, Fayard, 2010.
- Jean Chaudouet, La Syrie, Paris, Editions Karthala, 1997.
- Caroline Donati, L’exception syrienne, entre modernisation et résistance, Paris, Editions La Découverte, 2009.
- Pierre Guingamp, Hafez el Assad et le parti Baath en Syrie, Paris, L’Harmattan, 1996.
- Richard Labévière, Talal el-Atrache, Quand la Syrie s’éveillera…, Paris, Perrin, 2011
- Zaki Laïdi (dir.), L’URSS vue du Tiers Monde, Paris, Editions Karthala, 1984.
- Daniel Le Gac, La Syrie du général Assad, Bruxelles, Editions Complexe, 1991.

[1] Selon l’ONU, depuis le début de la contestation en mars 2011, près de 6 000 personnes auraient été tuées.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 08, 2013, 10:00:55 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 10, 2013, 06:35:03 pm
http://www.lrb.co.uk/2013/12/08/seymour ... hose-sarin (http://www.lrb.co.uk/2013/12/08/seymour-m-hersh/whose-sarin)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 13, 2013, 03:06:15 pm
Citar
The West's Alliance with «Jihad Warriors» in Syria: Sinister Fruits
Dmitry MININ | 13.12.2013 | 00:00
 

After suffering one military defeat after another, the Syrian radical opposition, backed by the support of the West and the monarchies of the Persian Gulf, are increasingly retaliating cruelly against the civilian population. The jihadists seize towns and cultural and religious sites which up to that point had remained outside the combat zone, loudly proclaiming their victories.

For example, in response to the advance of the government army into the Qalamoun mountains between Damascus and Homs, where a powerful group of rebels had gathered for a sudden advance on the capital from the north (this group grew from 5,000 men a year ago to 20,000 in November of this year), the jihadists once again rushed into the nearby Christian town of Maaloula. After vandalizing and desecrating the ancient churches, on December 2 they took 12 nuns from the Orthodox convent of St. Thecla hostage, hiding them in the city of Yabrud, which is held by the rebels. The rebels stated that they would burn the convent and kill the hostages, including the abbess, Mother Pelagia Sayyaf, after which the army retreated. The Free Qalamoun Brigades, which are part of the Army of Islam (Jeysh al-Islam), took responsibility for these barbarous acts.  News agencies reported only an offer to exchange the kidnapped sisters for a thousand female prisoners accused of aiding terrorists, but in fact the rebels demanded that the government forces stop their attack on Yabrud and lift the siege against the rebels in East Ghouta in exchange for the lives of the unfortunate nuns, in other words, encourage their barbarism by handing them the victory. The Qatari television channel Al-Jazeera broadcast video meant to show that the sisters «are being treated well in captivity» (as if they can be considered prisoners of war!). However, it is clear from the broadcast that the nuns were forced to remove their crosses, which is an insult to the symbol of their faith.  At the same time, hundreds of rebels from the groups Jabhat al-Nusra and Ahrar ash-Sham Al Islami were redeployed from Yabrud to Rankous in an attempt to occupy the nearby Christian city of Saidnaya. During the attack on the city they used grenade launchers, from which they shelled the local churches and convent. In eastern Syria, in the city of Ar-Raqqah, the group called the Islamic State of Iraq and Syria (ISIS) destroyed all Christian symbols in one of the city's churches and established its headquarters there.

In a conversation with the Antiochian patriarch John X, Syrian Prime Minister Najib Mika promised to do everything possible to free the kidnapped nuns, as well as two metropolitans of the Orthodox and Syrian Jacobite churches who have been abducted by rebels. He emphasized the government's dedication to keeping sacred sites of all religions out of combat zones. The widespread desecration of Christian churches by the rebels is only one side of the coin; the other is their sacrileges against Shiite shrines, including those connected with the veneration of the direct descendants of the founder of Islam, as well as turning mosques into fortified posts and military supply depots.  

The British Independent reports that the terrorist threat to Europe and the United States from the «jihad warriors» in Syria is growing rapidly. MI5 and Scotland Yard have detected the first case of rebels sent from Syria to London for the purpose of carrying out terrorist attacks there «when needed». In June of this year the number of jihadists from Europe who were «broken in» in Syria was estimated at 600; since then this figure has almost tripled. «With regards to the European figures, we estimate it’s between 1500 and 2000», says Belgian Interior Minister Joelle Milquet. «It’s a phenomenon which is very generalized».

Intelligence analysts in the West are already making recommendations to preserve the Syrian government army after the «overthrow of Assad's regime» for the fight against the Islamic radicals in order not to repeat the mistakes made in Iraq and Libya. Salim Idris, the commander of the pro-Western Free Syrian Army (FSA), has supposedly already agreed to this. But will the Syrian army itself agree? Idris is seen more often in Paris and London than on the battlefield, and his intention to lead a united «opposition-government» army against al-Qaeda evokes nothing but sarcasm.

Currently the Islamists have total control over the FSA. According to the Independent, there are 22,500 fighters in ISIS alone. This organization is especially active in taking hostages. For example, they have abducted and detained 35 foreign journalists, as well as 60 various political and public figures. According to U.S. intelligence, over half of the 17,000 foreign insurgents fighting in Syria against the government are part of the Islamic State of Iran and Syria group.  The Russian-speaking wing of this group, which numbers several hundred fighters, is led by a Chechen from the Pankisi Gorge in Georgia, Tarkhan Batirashvili, also known as Sheikh Omar al-Shishani... As the Wall Street Journal reports, Batirashvili received his military training in the American-backed Georgian army. His troops include not only emigrants from former Soviet republics, but Europeans who are notable for their «unusual violence...even by the gruesome standards of the war in Syria». Although those close to Batirashvili say that he is trying to strike a blow against one of the Kremlin's allies, he also does not hide his hatred for America, writes the Wall Street Journal. In 2008 he fought against Russia in a Georgian military intelligence unit. It is worth noting that in September 2010 the restless Batirashvili was arrested in Georgia for illegally harboring weapons and sentenced to three years in prison. However, in early 2012 he was released from prison and immediately left for Syria. One could assume that this turn of fate took place with the participation of then-president of Georgia M. Saakashvili. Threats from Syrian jihadists toward the Sochi Olympic Games are also linked with Batirashvili's name.

In late November the majority of organizations on which the FSA has been counting declared their commitment to «Islamic values and sharia». They united to form the Islamic Front (IF), announcing their closeness to the «brethren from Jabhat al-Nusra». The total number of fighters in the newly-created front is estimated at 45,000-60,000 men. Western governments, which are rapidly losing control over events in Syria, have already hastened to declare the IF «a force with which it is possible to have a dialog», and even started preliminary negotiations with them. In fact, the IF is a cover and a means of political legalization for the same uncompromising «jihad warriors». Suffice it to say that those who abducted the 12 Orthodox nuns in Maaloula belong to the Islamic Front.

At the same time that ancient Christian Maaloula was being vandalized, representatives of Western countries, including the U.S. and Great Britain, were meeting with the leaders of the IF in Ankara through the efforts of mediators from Qatar. The fate of the nun martyrs was not discussed at this meeting. According to information in the press, during the negotiations in Ankara the Western allies tried to convince the Islamists to moderate their criticism of the Supreme Military Council of the Free Syrian Army and its leader Salim Idris. For their part, those who were uncompromising before the meeting demanded that the Military Council show them more active support, particularly with regard to weapons. And apparently they received this support. One of the British participants in the negotiations admitted to The Daily Telegraph that there are «sinister» elements in the Front.

In making contact with the Islamic Front, Western diplomats are hoping to prevent it from joining the even more radical groups Jabhat al-Nusra and ISIS, which unlike the IF openly declare their ties with al-Qaeda. However, these hopes are not likely to be justified. Just a few days after the meeting in Ankara, the IF began pushing the Free Syrian Army out of Syria. Fighters from the Islamic Front  have begun seizing bases and weapons depots from the FSA along the Turkish border in the Idlib Governorate. They have already occupied the largest weapons storage facilities in Bab al-Hawa.

In late November at hearings in the U.S. Congress, leading expert Andrew J. Tabler from the Washington Institute acknowledged that the processes taking place in Syria are not going to stay there, but will inevitably spill out into the entire region. And the abrupt increase in extremist elements among the Syrian opposition makes the possibility of helping its pro-Western parts while bypassing the jihadists unlikely.

«We need to start talking to the Assad regime again about counterterrorism and other issues of shared concern,» stated Ryan Crocker, an experienced diplomat who has served in Syria, Iraq and Afghanistan, to The New York Times. «It will have to be done very, very quietly. But bad as Assad is, he is not as bad as the jihadis who would take over in his absence». Even Z. Brzezinski, not known for his sympathies toward Russia, states that the threat of an explosion in the Middle East, and in Syria in particular, means that the U.S. needs to work closely with Russia and China «to some extent more than...[with] Britain or France». And cold war paladin Brzezinski knows what he's talking about here.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 13, 2013, 06:07:07 pm
Vitória de Al-Assad seria o melhor de 3 "horríveis cenários" diz ex-diretor da CIA


O ex-diretor da CIA Michael Hayden considerou que Uma vitória do Presidente sírio no conflito no país poderia ser "o melhor de três muito, muito horríveis cenários", em que a vitória dos rebeldes não é contemplado em nenhum.

Michael Hayden, que dirigiu a agência de informação norte-americana entre 2006 e 2009, e a tão falada agora NSA, entre 1999 e 2005, fez a declaração ao intervir na sétima conferência anual sobre o terrorismo, organizada pelo grupo de reflexão Jamestown Foundation.

Depois de considerar os três cenários "incrivelmente horríveis", Hayden detalhou-os, começando com o da vitória de Bashar Al-Assad: "Devo dizer-vos que, neste momento, por muito horrível que pareça, estou inclinado a admitir que esta opção seria a melhor destas três muito, muito horríveis saídas eventuais do conflito. A situação torna-se cada minuto mais atroz."

Mas acrescentou que a saída que vê agora como mais provável é a dissolução do país entre fações rivais. "Isto significa também o fim [das fronteiras desenhadas em 1916 nos acordos franco-britânicos] de Sykes-Picot e conduziria à dissolução dos estados artificialmente criados na região depois da Primeira Guerra Mundial."

Acentuando esta possibilidade, Hayden acrescentou: "Receio muito a dissolução do Estado sírio. Isso provocaria o nascimento de uma nova zona sem governação, na encruzilhada da civilização". Previu que todos os Estados da região, designadamente Líbano, Jordânia e Iraque, seriam afetados.

"A narrativa, a história dominante do que se passa na Síria, é a tomada de controlo pelos fundamentalistas sunitas de uma parte significativa do Médio Oriente", acrescentou.

Esta evolução "significa a explosão do Estado sírio e do Levante como o conhecemos", adiantou.

Um terceiro cenário apontado foi o da continuação indefinida dos combates, "com os fanáticos sunitas a combaterem os fanáticos xiitas e vice-versa", hipótese em que "o custo moral e humano seria absolutamente proibitivo".

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 13, 2013, 07:19:35 pm
Citação de: "Lusitano89"
Vitória de Al-Assad seria o melhor de 3 "horríveis cenários" diz ex-diretor da CIA


O ex-diretor da CIA Michael Hayden considerou que Uma vitória do Presidente sírio no conflito no país poderia ser "o melhor de três muito, muito horríveis cenários", em que a vitória dos rebeldes não é contemplado em nenhum.

Sim e já começou...

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 14, 2013, 02:42:11 pm
Offensive to the north. Part 4.4 Counterattack
Jaysh al-Islam
Mig-23
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 15, 2013, 04:45:47 pm
Citar
Qaeda rebels to meet US officials: Sources
December 15, 2013   


BEIRUT/ISTANBUL: Syrian rebel commanders from the Islamic Front which seized control of bases belonging to Western-backed rebels last week are due to hold talks with US officials in Turkey in coming days, rebel and opposition sources said on Saturday.

The expected contacts between Washington and the radical fighters reflect the extent to which the Islamic Front alliance has eclipsed the more moderate Free Syrian Army brigades — which Western and Arab powers tried in vain to build into a force able to topple President Bashar Al Assad. The talks could also decide the future direction of the Islamic Front, which is engaged in a standoff with yet more radical Sunni Muslim fighters from the Al Qaeda-linked Islamic State in Iraq and the Levant (ISIL).

A rebel fighter with the Islamic Front said he expected the talks in Turkey to discuss whether the United States would help arm the front and assign to it responsibility for maintaining order in the rebel-held areas of northern Syria.

He declined to be identified because of the sensitivity of the talks, and gave no further details. Diplomatic sources in Turkey said that US Syria envoy Robert Ford was expected in Istanbul soon but his schedule was not yet confirmed.

The Islamic Front rebel told reporters that rivalry with the ISIL had already led to a spate of hostage-taking between the two sides, and that the Front’s decision to talk to the Americans had further escalated tension. Although he described the two Islamist forces as ideologically close, he said ISIL appeared set on confrontation, perhaps encouraged by some of their backers in Saudi Arabia.

“The front has to talk to ISIL via messengers because of the tense situation,” he said.

“ISIL sees things in black and white. They are very stubborn.”

“So far the Islamic Front has been restraining itself, having some sort of dialogue with ISIL,” the rebel said.

But he said that unless the hostages were released soon “there will be more discussions and a different decision will be taken.”

Contacts with the United States will not be undertaken lightly by the Islamic Front, which includes Salafi groups such as Ahrar Al Sham brigades which are mainly hostile to the West and have rejected US-Russian backed UN peace talks for Syria, due to be held in Switzerland next month.

The Islamic Front, formed by the unification of six major Islamist groups last month, seized control a week ago of weapons stores nominally under the control of the Free Syrian Army’s Supreme Military Command (SMC).

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Dezembro 16, 2013, 10:00:50 pm
ONU pede 4,7 mil milhões de €€€ para ajudar refugiados sírios


Valerie Amos, responsável pela ajuda humanitária da ONU, e António Guterres, Alto Comissário para os Refugiados lançaram hoje um apelo conjunto a favor da população e refugiados sírios. Os dois responsáveis consideram ser necessários 4,7 mil milhões de euros para responder, em 2014, às necessidades dos sírios, agora ameaçados pela fome.

"Estamos a enfrentar uma situação aterradora, no fim de 2014, a maior parte da população da Síria pode estar deslocada ou a necessitar de ajuda humanitária", afirmou Guterres que adiantou: "Isto vai para além de tudo o que já vimos há muitos, muitos anos, e torna ainda maior a necessidade de uma solução política".

Por seu turno, Valerie Amos descreveu a situação síria como "uma das maiores crises dos tempos modernos" e sublinhou que os refugiados sírios "pensam que o mundo os esqueceu".

Este apelo coincide com a publicação de um estudo do Comité Internacional de Resgate que alerta para o facto da fome ser agora uma ameaça para a população síria. O preço do pão, por exemplo, aumentou em 500% em algumas áreas e quatro em cinco sírios afirmam que a sua maior preocupação é que deixe de haver comida.

E enquanto os responsáveis da ONU lançam apelos urgentes de ajuda à população síria, no terreno a violência continua a fazer vítimas. No domingo, a aviação síria realizou um dos seus ataques mais mortíferos desde que entrou em ação há 18 meses. Os bairros rebeldes da cidade de Alepo (norte) foram os alvos dos ataques que, segundo o repórter da Al Jazeera no local, fizeram 125 mortos e um número indeterminado de feridos.

Ontem, e enquanto residentes procuravam encontrar vítimas entre os escombros, o Observatório dos Direitos Humanos sírio dava conta de 76 mortos identificados, entre os quais 28 crianças. Tudo indica que os ataques fazem parte da estratégia para retomar Aleppo.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 17, 2013, 07:33:55 pm
Citar
Saudis' big deal for anti-tank missiles may be meant to help Syrian rebels
Analysts suggest Saudis' huge order for US anti-tank missiles may allow it to send its existing stockpile of such weapons to anti-Assad rebels
PUBLISHED : Sunday, 15 December, 2013, 6:05am
UPDATED : Sunday, 15 December, 2013, 6:05am

No one is expecting a tank invasion of Saudi Arabia anytime soon, but the kingdom just put in a huge order for US-made anti-tank missiles that has Saudi-watchers scratching their heads and wondering whether the deal is related to Riyadh's support for the Syrian rebels.

The proposed weapons deal, which the Pentagon notified Congress of in early December, would provide Riyadh with more than 15,000 Raytheon anti-tank missiles at a cost of over US$1 billion. According to the International Institute for Strategic Studies' Military Balance report, Saudi Arabia's total stockpile this year amounted to slightly more than 4,000 anti-tank missiles. In the past decade, the Pentagon has notified Congress of only one other sale of anti-tank missiles to Saudi Arabia - a 2009 deal that shipped roughly 5,000 missiles to the kingdom.

"It's a very large number of missiles, including the most advanced version of the TOWs [tube-launched, optically tracked, wire-guided missiles]," said Jeffrey White, a fellow at the Washington Institute for Near East Policy. "The problem is: what's the threat?"

A military engagement with Iran, the most immediate potential threat faced by Riyadh, would be largely a naval and air engagement over the Persian Gulf. Saudi Arabia has fought a series of deadly skirmishes with insurgents in northern Yemen over the years, but those groups have no more than a handful of military vehicles.

And Iraq, which posed a real threat during Saddam Hussein's day, is far too consumed by its internal demons and the fallout from the war in Syria to ponder such foreign adventurism.

But one Saudi ally could desperately use anti-tank weapons - the Syrian rebels. In the past, Riyadh has been happy to oblige: It previously purchased anti-tank weapons from Croatia and funnelled them to anti-Assad fighters, and it is now training and arming Syrian rebels in Jordan. Charles Lister, a London-based terrorism and insurgency analyst, said that rebels have also received as many as 100 Chinese HJ-8 anti-tank missiles from across the border with Jordan - and indeed, many videos show Syrian rebels using this weapon against Bashar al-Assad's tanks.

While most of the rebels' anti-tank weapons were seized from Assad's armouries, Lister also believes that several dozen 9M113 Konkurs missiles, an old Soviet weapon, were provided to Islamist rebels in northern Syria this summer.

The Saudis can't send US anti-tank missiles directly to the rebels - Washington has strict laws against that. Recipients of US arms are not allowed to transfer weapons to a third party without the explicit approval of the US government, which has not been granted.

But while the latest American anti-tank weapons might not be arriving in Aleppo anytime soon, that doesn't mean the deal is totally disconnected from Saudi efforts to arm the Syrian rebels. What may be happening, analysts say, is that the Saudis are sending their stockpiles of anti-tank weapons bought from elsewhere to Syria and are purchasing US missiles to replenish their own stockpiles.

"I would speculate that with an order of this size, the Saudis were flushing their current stocks in the direction of the opposition and replacing them with new munitions," said Charles Freeman, a former US ambassador to Saudi Arabia.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 19, 2013, 10:50:22 pm
Relatos de massacres por parte dos rebeldes.

17 de Dezembro.
Brace yourselves winter is coming.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 21, 2013, 02:11:54 pm
Camiâo bomba contra o hospital Kindi em Aleppo.  :shock:

(http://i.imgur.com/YcFFtmu.jpg)
BMP-1 com blindagem melhorada.  :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 21, 2013, 07:22:13 pm
http://www.amnesty.org/en/library/asset ... 2013en.pdf (http://www.amnesty.org/en/library/asset/MDE24/063/2013/en/32d380a3-cc47-4cb6-869f-2628ca44cb99/mde240632013en.pdf)

Citar
19 December 2013
Syria: Harrowing torture, summary killings in secret ISIS detention centres

Torture, flogging, and summary killings are rife in secret prisons run by the Islamic State in Iraq and al-Sham (ISIS), an armed group that controls large areas of northern Syria, said Amnesty International in a briefing published today.

ISIS, which claims to apply strict Shari’a (Islamic law) in areas it controls, has ruthlessly flouted the rights of local people. In the 18-page briefing, Rule of fear: ISIS abuses in detention in northern Syria, Amnesty International identifies seven detention facilities that ISIS uses in al-Raqqa governorate and Aleppo.

“Those abducted and detained by ISIS include children as young as eight who are held together with adults in the same cruel and inhuman conditions,” said Philip Luther, Amnesty International’s Director for the Middle East and North Africa.

Former detainees describe a shocking catalogue of abuses in which they or others were flogged with rubber generator belts or cables, tortured with electric shocks or forced to adopt a painful stress position known as aqrab (scorpion), in which a detainee’s wrists are secured together over one shoulder.

Some of those held by ISIS are suspected of theft or other crimes; others are accused of “crimes” against Islam, such as smoking cigarettes or zina, sex outside marriage. Others were seized for challenging ISIS’s rule or because they belonged to rival armed groups opposed to the Syrian government. ISIS is also suspected of abducting and detaining foreign nationals, including journalists covering the fighting in Syria.

Several children were among detainees who received severe floggings, according to testimonies obtained by Amnesty International. On one occasion, an anguished father had to endure screams of pain as ISIS captors tormented his son in a nearby room. Two detainees related how they witnessed a child of about 14 receive a flogging of more than 90 lashes during interrogation at Sadd al-Ba’ath, an ISIS prison in al-Raqqa governorate. Another child of about 14 who ISIS accused of stealing a motorbike was repeatedly flogged over several days.

“Flogging anyone, let alone children, is cruel and inhuman, and a gross abuse of human rights,” said Philip Luther. “ISIS should cease its use of flogging and other cruel punishments.”

Amnesty International is calling on ISIS to end its appalling treatment of detainees and for the group’s leaders to instruct their forces to respect human rights and abide by international humanitarian law.

Several former detainees told the organization that they were seized by masked gunmen who took them to undisclosed locations, where they were held for periods of up to 55 days. Some never learnt where they were but Amnesty International has identified ISIS prisons at seven locations: Mabna al-Mohafaza, Idarat al-Markabat and al-Mer’ab, all in al-Raqqa city; Sadd al Ba’ath and al-‘Akershi oil facility, both elsewhere in al-Raqqa governorate; and Mashfa al-Atfal and Maqar Ahmed Qaddour in Aleppo.
 
The Sadd al-Ba’ath prison is beside a dam on the Euphrates River at al-Mansura, where the local Shari’a court judge, who invariably appeared wearing an explosives belt, has instituted a reign of terror over its detainees.

Former detainees accuse him of presiding over grotesquely unfair “trials” lasting no more than a few minutes as other detainees look on, and handing down death penalties which are subsequently carried out. At his direction, detainees have been mercilessly flogged; on at least one occasion, he is said to have personally joined in the flogging.

At al-‘Akershi oil facility, which ISIS also appears to use as a military training ground, detainees were subjected to the aqrab as a means of torture, according to the testimonies of two men who were held there in recent months. One spent 40 days in solitary confinement, for part of which he was chained up in a tiny room full of electrical equipment with fuel on the floor.

“After years in which they were prey to the brutality of the al-Assad regime, the people of al-Raqqa and Aleppo are now suffering under a new form of tyranny imposed on them by ISIS, in which arbitrary detention, torture and executions have become the order of the day,” said Philip Luther.

Amnesty International is calling on the international community to take concrete steps to block the flow of arms and other support to ISIS and other armed groups implicated in committing war crimes and other serious human rights abuses.

“The Turkish government, in particular, should prevent its territory being used by ISIS to bring in arms and recruits to Syria,” said Philip Luther.

“As well, Gulf states that have voiced support for the armed groups fighting against the Syrian government should take action to prevent arms flows, equipment or other support reaching ISIS in view of its appalling human rights record.”

Amnesty International also renews its call to the Syrian government to allow unfettered access to Syria by the independent international Commission of Inquiry and by international humanitarian and human rights organizations, and to end its violations of human rights and international law, including the use of torture in its own detention centres.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 23, 2013, 01:29:29 pm
Poucos combates e muitos crimes de guerra.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 23, 2013, 07:37:23 pm
Citar
Syrian minister: Saudi Arabia is our top enemy

By Agence France-Presse
Friday, December 20, 2013 21:52 EST

Syria now views Saudi Arabia as its number one enemy and accuses it of trying to destroy the country by arming jihadists and other rebels fighting to oust President Bashar al-Assad.

The oil-rich Gulf monarchies have sided with the opposition from the start of Syria’s conflict in March 2011, with Riyadh leading calls for the fall of Assad.

Syrian Deputy Foreign Minister Faisal Muqdad told AFP this week that Saudi Arabia was providing unfettered support for “terrorist groups” in Syria, while other nations had reviewed their positions.

“I think that all those who supported these terrorist groups have the feeling now that they have made big mistakes,” Muqdad said in an interview on Thursday, referring to the rebels seeking to topple Assad.

“The only party who is declaring the full support to the terrorist groups, to Al-Qaeda, is Saudi Arabia,” he said.

Muqdad urged the world to press Saudi Arabia to halt its support for the rebels, to prevent what he said was “another 11 September incident”.

“I think that if the world wants to avoid another 11 September incident, they must start telling Saudi Arabia ‘enough is enough,’” he said, referring to Al-Qaeda’s 2001 attacks on the US.

Earlier this month, Assad’s government urged the United Nations to take a stand against Saudi support for Islamist groups whose influence has grown on the battlefield.

“We call on the UN Security Council to take the necessary measures to put an end to the unprecedented actions of the Saudi regime, which is supporting takfiri (Sunni extremist) terrorism tied to Al-Qaeda,” the foreign ministry said in a message to UN chief Ban Ki-moon.

It was the first time the Syrian government has appealed to the international body to take action against Riyadh.

“Saudi Arabia is not content to merely send weapons and to finance but also mobilises extremist terrorists and sends them to kill the Syrian people,” the Syrian message said.

Saudi ‘not to stand idle’

Saudi-Syrian relations had been tense for years, long before the start of the brutal conflict that has now killed an estimated 126,000 people.

The Sunni-ruled kingdom severed diplomatic relations with Damascus following the February 2005 assassination in Beirut of Lebanese ex-premier Rafiq Hariri who had close ties with Riyadh.

Four years later, diplomatic ties resumed and Assad, who belongs to the Alawite Shiite sect, paid an official visit to Riyadh in March 2009.

Saudi King Abdullah, who rarely embarks on official visits abroad, reciprocated in October that year and made a landmark visit to Damascus to seal ties.

But relations deteriorated from the onset of the Syria war and were finally severed, with Riyadh repeatedly calling for the end of Assad’s regime.

Saudi officials have simultaneously chided the West for its reluctance to intervene militarily on the side of the armed opposition.

On Tuesday, the Saudi ambassador to Britain, Prince Mohammed bin Nawaf bin Abdul Aziz, published in The New York Times a bluntly worded assessment of the West’s policies on Syria and Iran.

“We believe that many of the West’s policies on both Iran and Syria risk the stability and security of the Middle East,” he wrote in the commentary.

The senior diplomat said Saudi Arabia has “global responsibilities”, both political and economic, and vowed it will continue to support the rebel Free Syrian Army and opposition fighters.

“We will act to fulfil these responsibilities, with or without the support of our Western partners,” wrote the ambassador.

He also acknowledged the threat of Al-Qaeda-linked groups in Syria, arguing however that the best way to counter the rise of extremists among the rebels was to support the “champions of moderation”.

Muqdad on Thursday told AFP that “Saudi Arabia should be put on the list of countries supporting terrorism.”

Outside regime circles, there is also growing animosity towards Saudi Arabia.

Earlier this month, a film which depicts the Saudi royal family in an unflattering light was screened at the Damascus opera house.

“It was important for me to show this movie,” said director Najdat Anzour of his “The King of Sands” movie, which opens with Al-Qaeda’s 9/11 attacks on the US.

“Al-Qaeda didn’t come from Mars but from Saudi Arabia, from the Wahhabi, extremist way of thinking,” Anzour told AFP.

Anzour said a Saudi cleric has issued a fatwa, Islamic decree, authorising his killing.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 23, 2013, 10:02:53 pm
Citar
Operation in Dzhobare. Part 1. Start

Citar
Battle for Eastern Ghouta
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 24, 2013, 05:23:42 pm
http://syriapolicy.com/ (http://syriapolicy.com/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 24, 2013, 05:28:50 pm
http://rt.com/news/lavrov-west-syria-jihadists-714/ (http://rt.com/news/lavrov-west-syria-jihadists-714/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 24, 2013, 05:32:32 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 24, 2013, 05:48:42 pm
http://www.washingtonpost.com/world/the ... l#photo=10 (http://www.washingtonpost.com/world/the-syrian-conflict-through-the-eyes-of-a-slain-photographer/2013/12/23/207afbd0-6bed-11e3-b405-7e360f7e9fd2_gallery.html#photo=10)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 25, 2013, 08:17:07 pm
Citar
Syria inks oil, gas exploration deal with Russian firm: AFP
December 25, 2013 02:30 PM (Last updated: December 25, 2013 06:00 PM)

DAMASCUS: Damascus signed a major oil and gas exploration deal with a Russian company in the Syrian capital Wednesday which will allow for exploration in a section of Syrian waters, an AFP journalist witnessed.

The agreement was signed by Syrian Oil Minister Suleiman Abbas, Syria's General Petroleum Company and the Russian Soyuzneftegaz company.

The deal permits the exploration of an area of 2,190 square kilometres (850 square miles) in the Mediterranean off the Syrian coast.

The contract "is the first ever for oil and gas exploration in Syria's waters," head of the General Petroleum Company Ali Abbas told AFP.

"It will be financed by Russia, and should oil and gas be discovered in commercial quantities, Moscow will recover the exploration costs," Abbas added.

Oil Minister Abbas meanwhile said during the signing ceremony that the contract covers "25 years, over several phases," adding that: "The cost of exploration and discovery is $100 million."

Russia is one of Syrian President Bashar al-Assad's main backers, as well as a key proponent along with the United States of peace talks slated for January in Switzerland.

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 25, 2013, 08:27:05 pm
Citar
To give you an overview of the latest news, we’ve organized the latest Syrian developments in a curated summary.

Opposition Talks Say No Geneva Talks Unless Aleppo Raids End

The Syrian opposition said it will not attend the Geneva peace talks in January unless Assad ends his escalated assault on Aleppo.

Reuters reports that “the opposition’s Syrian National Coalition said in a statement that it ‘cannot in good conscience participate in peace talks in Geneva as Assad regime forces continue to bombard the city of Aleppo and surrounding areas for the ninth consecutive day.’

“Syrian authorities say they are battling rebels in control of parts of the city, once Syria’s business hub. But rights groups have condemned the use of barrel bombs – oil drums or cylinders packed with explosives and metal fragments – in particular as an indiscriminate form of bombardment.”

Iraq Closes Border with Syria

Al-Arabiya reports that Iraq has closed its border with Syria in conjunction with Iraqi Prime Minister Nouri al-Maliki’s massive military hunt for al-Qaida hideouts in his country’s western desert.

“Iraq’s Prime Minister Maliki has been a strong supporter of Syrian President Bashar al-Assad and reports suggested that his government was facilitating the transfer of Iranian arms to Syria,” the network says.

“But as Iraq began to feel the spillover of the Syrian violence, with many Jihadists returning back from Syrian well-armed and trained and carrying out deadly attacks across Iraq, Maliki appeared obliged to revise his approach to the crisis in Syria. On Monday an al-Qaida-linked militant group claimed an attack on two Iraqi television stations that killed five journalists.”

Syria’s War, and Its Past, on a Street Called Straight

Rania Abouzeid has a haunting dispatch from Damascus in which she describes changes to the Syrian capital.

“The taxi pulled up to the curb near Bab Touma, and it was clear, even before it came to a halt, that this place, in the Christian quarter of Damascus and one of the oldest parts of the city, was not the same as it had been in the late summer of 2011, just a few months into the uprising, when I was last here. But then, why would it be?

That Syria is gone, replaced by a country of shards,” she writes at NewYorker.com.

“Damascus is still a city where the country’s multi-sectarian, multi-ethnic communal mosaic is on display, and, if anything, it has been accentuated by the influx of thousands of people displaced by violence elsewhere. It’s not like Baghdad, carved into cantons by a maze of concrete blast walls keeping its people apart based on sectarian affiliation, but it is a city of barricades.”

Syrian Electronic Army Strikes Again

The New York Times reports that the Syrian Electronic Army, a hacking group whose goal is “to offer a pro-government counter-narrative to media coverage of Syria,” has struck again, adding to its list of high-profile targets.

“On Tuesday, the Federal Bureau of Investigation dispatched warning notices that the S.E.A. was at it again, according to two people who received the notices, which included various digital clues to help companies block attempted cyberattacks,” reports Nicole Perlroth.

“On Tuesday, some members of the media, including at the New York Times, received emails containing malicious links purporting to be a CNN news article about the conflict in Syria. The emails, which appeared to come from colleagues in some cases, redirected recipients to fake Google log-in pages that requested their usernames and password credentials.”
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 25, 2013, 08:31:56 pm
Citar
Charles Lister  –  December 24, 2013
The Next Phase of the Syrian Conflict

U.S. Ambassador to Syria Robert Ford confirmed on Wednesday what many had predicted, that Syria’s Islamic Front (IF) had refused to hold meetings with representatives of the United States. Ford’s admission to Al Arabiya came amid a series of highly significant recent developments relating to the evolving dynamics within Syria’s armed opposition structures.

The fundamental balance of power on the ground within Syria’s insurgent opposition has changed considerably in the last month. This appears to have had a profound impact on how the various internal factions and their external backers are re-aligning their relationships and long-term military and political strategies. Most crucially in this respect, the long drawn out decline in power and influence of the Western-backed political Syrian National Coalition (SNC), led by Ahmad Jarba, and the armed structure, the Syrian Military Council (SMC), led by General Salim Idriss, appears to have reached its nadir. Most, if not all, newsworthy developments relating to the Syrian opposition over the last several months have been directly or indirectly related to this reality. A misguided diplomatic focus by some interested states and elements within the SNC for an all-encompassing multinational Geneva II peace conference in January has served only to emphasize the overwhelming lack of support for such talks within Syria’s opposition on the ground.

The conflict in Syria is now entering a new and dangerous phase in which the preservation of meaningful Western influence on the nature and direction of the opposition is under real and genuine threat. The role of jihadists continues to expand while the most powerful explicitly Syrian Salafist groups have consolidated their forces into a seemingly meaningful front (the IF). The simultaneous and in part resulting demise in power of the Western-backed military structures on the ground has generated tensions on the ground, which more than anything, have served to further undermine moderate influence. While U.S. and Western states have launched initiatives aimed at reaching out to Islamists — to both grasp back an element of control over evolving dynamics but also to isolate jihadists — these increasingly appear as too little too late.

Continued jihadist growth

Meanwhile, amid this changing environment, the two U.S.-designated terrorist organizations active in Syria, Jabhat al-Nusra (JAN) and the Islamic State in Iraq and al-Sham (ISIS), have grown numerically and expanded their influence geographically. Both groups have benefited from a number of independent and SMC-aligned insurgent units defecting and pledging bayah (or allegiance) to their leadership (such as four battalions of Alwia Ahfad al-Rasoul defecting to ISIS in Idlib on December 4). In most cases, these localized shifts appear not to have been ideological but rather the result of a pragmatic admission that it’s better to join the winning side rather than fight (and lose to) it.

ISIS has proven remarkably adept at dividing its forces — now numbering approximately 8,000 fighters — between carrying out duties of governance within “liberated” territory and fighting on the frontlines. The group now maintains total or partial control of at least 22 municipalities across the northern half of Syria and a military presence in 10 of Syria’s 14 governorates. Its effective and well-managed media output has managed to portray Syria as the focal battleground for any active or “wannabe” transnational jihadist, and as a result, the number of foreign fighters entering the Syrian theater continues to increase at an exponential rate, potentially having tripled in some areas of northern Syria since the August 21 chemical weapons attack outside Damascus.

The Islamic Front emerges

Although it has continued to claim to represent Syria’s opposition politically, the SNC has long suffered from a considerable lack of effective recognition by political activist and armed insurgent factions on the ground. Meanwhile, the SMC’s influence within Syria has been slowly declining for several months, with the nail in the coffin having come live on Al Jazeera on November 22 when Suqor al-Sham leader Abu Issa al-Sheikh announced the formation of Al-Jabha al-Islamiyya, or the IF.

Composed of seven of Syria’s most strategically important Islamist insurgent factions, the IF currently comprises at least 50,000 fighters with previously identified military presences in 13 of Syria’s 14 governorates (not Tartus). Crucially, three of the IF’s constituent groups — namely Jaish al-Islam, Liwa al-Tawhid, and Suqor al-Sham — had arguably been the SMC’s most powerful armed factions and in forming the IF alongside four groups — Harakat Ahrar al-Sham al-Islamiyya, Kataib Ansar al-Sham, Liwa al-Haq, and Jabhat al-Islamiyya al-Kurdiyya — who had consistently refused to align themselves with the SMC, Idriss effectively lost control of his key players. Compounding this loss is the reality that the three groups have over time built up some of the most militarily powerful arsenals in the entire opposition. Jaish al-Islam (whose principal military force remains centered around Damascus) alone mans a small fleet of T-72, T-62, and T-54 tanks; BMP-1 and BMP-2 infantry fighting vehicles; ZSU-23-4 Shilka self-propelled radar-guided anti-aircraft weapons systems (SPAAGs); and frequently employs 9M113 Konkurs and other Soviet-era anti-tank guided missiles (ATGMs). It’s even captured and claimed to have deployed a 9K33 Osa low-altitude short-range tactical surface-to-air missile (SAM) system and has been filmed taxiing two Aero L39 Albatros jet trainer aircraft along a runway.

Change breeds tensions

Despite the IF’s formation having been the subject of rumor since August (negotiations for its formation in fact began in April), its coming to fruition has shaken up the armed opposition considerably. In its formation announcement and political charter (published on November 26), the IF clearly framed itself as an alternative body to the previously existing SNC and SMC and as such, was perceived by many within pro-SMC circles as a distinct threat to their influence.

This purportedly perceived threat appeared to become reality to all concerned when late on December 6, IF forces took control of as many as a dozen SMC weapons storage warehouses and other facilities in Babisqa immediately south of the strategically valuable Bab al-Hawa border crossing with southern Turkey. In and of itself, the seizure was big news — the warehouses contained sizeable stocks of portable 90mm M79 Osa anti-tank weapons; unknown rocket-propelled grenade (RPG) projectile variants; heavy machine guns, including pickup truck-deployed ZU-23-2 23mm anti-aircraft guns; a large quantity of small-arms ammunition; and several dozen vehicles.

However, the context behind the IF’s assumption of control at Babisqa appears likely to have been more complex than simply a hostile takeover. While a variety of mutually exclusive accounts have since emerged, the most likely appears based on an appeal for assistance from Idriss to help secure the facilities from attack by an unspecified group, possibly ISIS. Nonetheless, whatever the explanation, both the United States and Britain quickly announced a cessation of non-lethal assistance into northern Syria — a major blow to the SMC.

Several days later on December 9, in apparent reaction to the IF’s emergence, 14 insurgent groups announced the formation of Jabhat Thowar Suriyya, or the Syrian Revolutionaries Front (SRF). Many of the SRF’s constituent groups retain their operational focus in northern Idlib governorate — the main base of IF leader Abu Issa al-Sheikh, of Suqor al-Sham — and are likely to have perceived the IF’s formation as an unsettling development in their home territory. SRF and IF forces subsequently clashed repeatedly in the following days until a December 12 statement saw the SRF pledge to release members of Ahrar al-Sham and Suqor al-Sham who they had taken prisoner. Four days later, SRF leader (and commander in chief of Kataib wa Alwiya Shuhada Suriyya) Jamal Maarouf met with Ahrar al-Sham leader and IF’s chief of political affairs Hassan Aboud (Abu Abdullah al-Hamawi) and agreed to cease hostilities and public recriminations.

Jihadists and factionalization

Crucially, Jabhat al-Nusra may have played a role in facilitating the cessation of hostilities between the SRF and the IF. Despite being an avowed al Qaeda organization whose leader, Abu Mohammed al-Jolani, has twice sworn bayah to Ayman al-Zawahiri — once as a member of the Islamic State in Iraq (ISI), a front of al Qaeda in Iraq (AQI) and the structure which preceded the formation of ISIS in mid-April; and again immediately following ISIS’s formation — JAN has long attempted to portray itself as a distinctly Syrian movement whose politico-religious objectives are limited to the Syrian theater. In this respect, it has by and large managed to qualitatively differentiate itself from the more transnational image of ISIS and has been accepted by the very large majority of insurgent actors across Syria spanning the moderate to extremist spectrum. During the final weeks of IF formation negotiations in late September and October, JN even appeared on the verge of being recognized on the ground as a mainstream insurgent actor — particularly having been the signatory of an increasing number of political statements along with both Islamist and more moderate units, some at least on paper linked to the SMC.

Despite its self-evident expansion, ISIS continues to be perceived as a foreign force and the group has in the last several months engaged in localized clashes and other violent incidents with SMC units, the IF, and likely also JAN on sporadic occasions. Despite many supporters’ best efforts to suggest otherwise on social media and elsewhere, JAN and ISIS are competitors in Syria. The issue of ISIS’s apparent ideological inclusion of takfirism (whereby one has a perceived right to excommunicate another Muslim based on his or her perceived unbelief) and JAN’s claim to insist on a more restricted use of the term when employed only by “specialists,” may prove a critical dividing point. JAN’s closer coordinative and certainly more stable relations with IF, as compared to ISIS, may also prove an issue of qualitative value for JAN.

The current context of shifting balances and inter-factional instability in Syria, most particularly in the north, is undoubtedly now resulting in the factionalization of the armed opposition into several distinct camps: from ISIS and its allied front groups; to JAN; to the IF; to the SRF and SMC loyalists; and finally to other localized and independent units. The core military strength and strategic potential is very much focused within the first three of these camps, with the IF representing the singly most powerful militarily and numerically by some degree.

U.S. efforts and posturing

Within this complex environment of realignment, the United States is unsurprisingly determined to grasp back some element of influence. But in being denied the opportunity to talk with the IF – some sources blame Turkey, with French and British pressure — this appears to be a considerable challenge to say the least.

Intriguingly, the day before Ford admitted the IF had refused his offers of dialogue, two unnamed U.S. intelligence officials claimed to confirm long suspected rumors that a Syrian national and allegedly well-trusted al Qaeda figure Mohamed Bahaiah (Abu Khaled al-Suri) — who Zawahiri had purportedly appointed earlier in 2013 as his “delegate” for managing relations between ISIS and JN — was in fact a senior member of Ahrar al-Sham. Although two senior Ahrar al-Sham officials I spoke with on December 18 and 19 denied Bahaiah’s al Qaeda links, the allegations have existed for many months and several well-known Syria and Iraq-focused jihadists and supporters on social media had discussed late on December 17 and early on December 18 the inevitability of his true identity being revealed, thereby suggesting it had been common knowledge.

Then, a matter of hours after Ford’s admission on Wednesday, the U.S. Treasury Department designated one Gulf-based alleged al Qaeda supporter with purported links to jihadists in Syria and named a Lebanon-based individual as the “recently … appointed head of [JN's] Palestinian wing in Lebanon.” Syria’s most powerful Salafist group — Ahrar al-Sham — and the more respected and accepted of the two designated jihadist groups in Syria — JAN — were very suddenly facing public pressure originating in the United States.

Although clearly recorded previously, in an example of highly coincidental timing, hours later on Wednesday evening Al Jazeera aired the first ever television interview with JAN leader Abu Mohammed al-Jolani, in which he insisted JAN intended a future post-Assad Syria to be one led by a council of religious leaders and not solely by JAN or any other single entity. Jolani also entered into the wider geopolitical aspects of the region by suggesting that Saudi Arabia (and arguably, by extension, other Sunni Gulf states) should view with concern the international community’s diplomatic turn toward its new “ally” Iran. This appeal to the Gulf, home to many private sources of financial income for Syria’s Salafist insurgent groups and likely also for JAN, should be read within the wider context of the perception that interested Gulf states may be assuming a more independent policy in Syria than previous ones that had been linked to some extent with the West. Jolani’s interview attracted considerable attention and perhaps tellingly, only several hours later, JAN’s official Twitter account (@JbhtAnNusrah) was banned and deleted from the Internet.

Perspective

As is usually the case in asymmetric conflicts, power and inter-relational dynamics are in a constant state of flux. However, the realignment of relative power balances in Syria and in the makeup of the armed opposition in recent months has definitively set the stage for the next phase of the war. With a twist of unfortunate irony, the heavy diplomatic pressure placed by Western states upon the SNC and SMC to invest in the Geneva II talks (now scheduled to take place in the Swiss town of Montreux on January 22) has directly resulted in the undermining of the opposition structures it explicitly wants to reinforce. The complete refusal by all key insurgent groups to recognize the legitimacy and authority of the SNC and the prospect of the talks means the West has effectively expected the SNC to maintain a policy that directly damages its own reputation.

A corresponding consequence of this insistence on negotiations with the Syrian government and its backers — most notably Russia and Iran — has, as Jolani and others before him have attempted to exploit, pushed the insurgency’s most prominent financial backers in the Gulf toward adopting non Western-centric strategies. This is already resulting in a considerable shift in the nature and policy direction of the opposition and what end point is pursued. What has consistently proven true throughout the conflict is the power of external backers to influence events on the ground, particularly the policies and strategies of insurgent groups. This explicit new focus on backing Islamist and Salafist opposition groups such as those within the Islamic Front, many of whom maintain largely cooperative relations with JN and in many cases ISIS, has at least partially been the result of Western action (or inaction) and is clearly detrimental to Western interests.

The U.S. attempt to reach out to the IF was a brave one and it may well have worked had similar offers of talks been aimed several months ago toward the IF’s main constituent groups. However, for now, the dynamics are pointed in the other direction. Those parties explicitly aspiring toward the establishment of an Islamic state and expressly willing to continue to entertain the growing presence of JAN and ISIS militants are now significant power players by some margin. Reports late on December 18 suggesting that the Idlib-based Liwa al-Dawoud and an unspecified number of Ahrar al-Sham fighters in Al-Raqqah had pledged bayah to ISIS served to highlight that group’s continued ability to co-opt more manpower toward its cause. And Al Jazeera’s extended interview on its English language channel with Aboud on December 22 served further to emphasize the frontline role being taken by Syria’s leading Islamist actors.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 25, 2013, 09:19:30 pm
Mais paredes de texto não! As partes importantes devem ser salientadas ou deve ser feito um resumo do assunto em questão.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 26, 2013, 02:06:37 pm
hsmw

nao percebo qual o problema com as paredes de texto. quem quer ler le, quer nao quer passa a frente.

isto e a mesma coisa do que por um video de mais de 1 hora ( eu vi na integra o video/doc que o hsmw colocou sobre eastern ghouta, excelente material btw) e vir dizer que e uma ganda seca e ve la se podem dizer quais os minutos em que me devo focar que nao tenho paciencia para perder tempo a ver coisas da siria.

nao da para entender que bicho vos morde as vezes (mandar vir com o tamanho de um post?)

tambem nao se apoquentem mais. vou deixar o forumdefesa em 2014

bom ano novo
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 26, 2013, 03:09:53 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Dezembro 27, 2013, 07:00:18 pm
Citação de: "listadecompras"
hsmw

nao percebo qual o problema com as paredes de texto. quem quer ler le, quer nao quer passa a frente.

isto e a mesma coisa do que por um video de mais de 1 hora ( eu vi na integra o video/doc que o hsmw colocou sobre eastern ghouta, excelente material btw) e vir dizer que e uma ganda seca e ve la se podem dizer quais os minutos em que me devo focar que nao tenho paciencia para perder tempo a ver coisas da siria.

Pois a ideia é mesmo essa! Que todo o material colocado neste tópico seja de qualidade independentemente da fonte ou lado do conflito que retrata.
Que uma parede de texto que à primeira vista pode não ter interesse, tenhas as partes fulcrais mais salientes para que surja vontade em saber mais.
É simples tal como a maior parte dos foristas faz noutros tópicos.
E de certeza que não é pedir muito tendo em conta a falta de censura em relação a conteúdos violentos neste fórum.
 :arrow: http://brown-moses.blogspot.co.uk/ (http://brown-moses.blogspot.co.uk/)
 :arrow: http://luftwaffeas.blogspot.nl/ (http://luftwaffeas.blogspot.nl/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 28, 2013, 09:21:44 pm
Citar
December 26, 2013 11:59 am
Activists: Syrian rebel-held town raises government flag in exchange for food in latest truce

By Diaa Hadid   The Associated Press

BEIRUT – Residents of a blockaded rebel-held town near Damascus raised the flag used by the government of President Bashar Assad in a deal that sees them accept symbolic humiliation in exchange for food, activists said on Thursday.

The deal accepted by the town of Moadamiyeh is one of a number of short-lived, local truces reached between opposition-held towns and government forces in recent months, although the terms – which also included the rebels handing over heavy weapons and expelling outsiders – are unusual.

Residents described it as a bitter pill to swallow. For nearly a year, the sprawling community west of Damascus was shelled and starved, surrounded by government checkpoints that refused to allow through food, clean water and fuel, pressuring residents to expel anti-Assad rebels among them. At least two women and four children died of hunger-related illnesses by September, said activists.

READ MORE: Pope on Christmas hopes for better world, peace for Syria and Africa

The agreement also demanded rebels hand over their heavy weapons and that only registered residents of Moadamiyeh may remain in the town, in a condition likely to thin rebel ranks.

“There’s sadness inside us, but we raised the flag because nobody helped us, nobody extended their hands to us,” said a Moadamiyeh resident who identified only as Ahmad, fearing retribution from Syrian security forces. “We are ready to save the lives of (hungry) children. There’s no bread in Moadamiyeh. For three months, there’s been not even a grain of rice,” he said.

The Syrian national flag of red, black and white stripes with two green stars could be seen from a distance flying over a water tanker, according to footage broadcast on a Lebanon-based news channel.

That flag is often associated with the ruling Baath party, and many rebels fighting Assad use a flag with green, white and black stripes and three red stars. Hard-line groups use a range of Islamic banners.

The rebels have seized a ring of neighbourhoods around the capital, a major front in the nearly 3-year-old civil war. Rebels often fire mortars at Damascus neighbourhoods from the opposition strongholds, in explosions that have killed Syrian civilians and made life within the crowded capital dangerous and miserable. All of Syria’s warring parties use blockades on civilians affiliated with enemy groups to punish their rivals.

READ MORE: 2013 one of the worst years for human rights in Saudi Arabia in Saudi Arabia: activists

Syrian government officials typically do not comment on truce deals. The timing may be to bolster Assad’s position ahead of internationally-brokered peace talks that are set for January.

Activists in Moadamiyeh had warned for months that malnutrition was rife among its estimated 8,000 civilians. They said children and the elderly have been badly affected and frequently fall sick with illnesses exacerbated by hunger.

The council spokesman, an opposition activist who goes by the nickname Qusai Zakarya, said the deal allowed for the daily, limited entry of food, ensuring that residents could be quickly blockaded again. But Zakarya and activist Ahmad said no food had entered the town so far.

Zakarya said it was likely because government officials wanted a military committee to sweep through Moadamiyeh to seize any heavy weapons.

In the fall, a similar series of truces allowed some 5,000 residents of Moadamiyeh to flee the town.

The Western-backed exiled opposition group, the Syrian Coalition, said the deal demonstrated how Assad’s government used “food as a tool of war.”

Also in the northern Syrian city of Aleppo on Thursday, rebel gunmen stormed the anti-Assad Shatha television channel, seizing seven activists and shooting another, seriously wounding him, said the British-based Syrian Observatory for Human Rights and another activist group, the Aleppo Media Center.

It was not immediately clear why the anti-Assad activists were seized. However, hard-liners have abducted and killed activists in the past, hoping to silence their criticism of rebel abuses.

The war has seen Syria’s rebel movement fragment into a wide range of groups. Hard-liners, some affiliated with the extremist al-Qaida group, have become increasingly prominent.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 28, 2013, 09:30:49 pm
Citar
Wed Dec 25, 2013 7:35
Around 500 Militants Killed in Fierce Clashes with Syrian Army in Adra Al-Amalieh

TEHRAN (FNA)- Around 500 Al-Qaeda terrorists have been killed in the clashes with the Syrian army in the town of Adra Al-Amalieh in Damascus countryside so far, informed military sources announced on Wednesday.
"A sum of 480 terrorists of the total 2,000 militants stationed in Adra Al-Amalieh have been killed in heavy clashes with the Syrian army so far," an informed Syrian military source told FNA.

The military source pointed to the determination of the Syrian army to continue its military operations in Adra until a complete mop-up of all terrorists, and said, “The Syrian army troops have managed to achieve considerable success in several fronts in Adra.”

On Wednesday, the army units regained control of several buildings in the Eastern side of the Electricity Post of Adra Al-Amalieh after fierce clashes with armed rebels.

Meantime, the engineering unit of the army defused several improvised explosive devices (IEDs) that the militants had planted inside the buildings.

Syria has been experiencing unrest and deadly battles since March 2011 with organized attacks by well-armed gangs and terrorists against both the army and the civilians.

Tens of thousands of people have been killed since terrorist and armed groups turned protest rallies into armed clashes.

The government blames outlaws, saboteurs, and armed terrorist groups for the deaths, stressing that the unrest is being orchestrated from abroad.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 28, 2013, 09:39:09 pm
pos-bombardeamentos em aleppo


Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: listadecompras em Dezembro 28, 2013, 10:36:16 pm
Citação de: "HSMW"
Citação de: "listadecompras"
hsmw

nao percebo qual o problema com as paredes de texto. quem quer ler le, quer nao quer passa a frente.

isto e a mesma coisa do que por um video de mais de 1 hora ( eu vi na integra o video/doc que o hsmw colocou sobre eastern ghouta, excelente material btw) e vir dizer que e uma ganda seca e ve la se podem dizer quais os minutos em que me devo focar que nao tenho paciencia para perder tempo a ver coisas da siria.

Pois a ideia é mesmo essa! Que todo o material colocado neste tópico seja de qualidade independentemente da fonte ou lado do conflito que retrata.
Que uma parede de texto que à primeira vista pode não ter interesse, tenhas as partes fulcrais mais salientes para que surja vontade em saber mais.
É simples tal como a maior parte dos foristas faz noutros tópicos.
E de certeza que não é pedir muito tendo em conta a falta de censura em relação a conteúdos violentos neste fórum.
 :arrow: http://brown-moses.blogspot.co.uk/ (http://brown-moses.blogspot.co.uk/)
 :Soldado2:

eu ate gosto muito de sumarios e resumos, mas recuso-me a aderir ao fast-food informativo. temo que salientar partes tenha precisamente o efeito contrario (pessoas deixam de ler o restante) por isso, depois de fazer a seleccao, gosto de deixar a informacao em bruto. as pessoas tem que fazer um esforco.

dificilmente poderia haver censura a conteudos violentos se foi o proprio hsmw que colocou videos dos cortadores de cabeca.faz parte do conflito e em boa hora o fez. talvez algumas pessoas tenham percebido dessa forma contra quem luta assad, algo em que o putin sempre insitiu. o assad e um mal menor, um anjo comparado com a horda terrorista que se instalou na siria.

um abraco tambem especial para o foxtroop (companheiro das geopoliticas, anotei a expressao: eixo ankara-riade-telavive  :Palmas: )

e ja agora porque nao espreitar este site,
http://friendsofsyria.co/ (http://friendsofsyria.co/)

fim da guerra e o que desejo para 2014
veremos o que nos traz geneva
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 01, 2014, 01:42:20 am
Muito trabalho para o BREM a partir dos 3 minutos.  :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 03, 2014, 10:59:26 pm
:arrow: http://www.liveleak.com/view?i=829_1388787069 (http://www.liveleak.com/view?i=829_1388787069)
Não fechaste a loja para ir rezar?! Então toma lá...
Bem vindos à idade média!


(http://oi41.tinypic.com/w6rxon.jpg)
De acordo com o SOHR - Syrian Observatory for Human Rights/Observatório para os direitos humanos na Síria.
Pois é como se diz. Cerca de 130000 mortos neste conflito.
Mas a maior parte estava do lado governo.

(http://i41.tinypic.com/2q9c7ky.jpg)
Refugiados

(http://ipic.su/img/img4/fs/syrianew.1388271342.jpg)
Zonas controladas.
Os Curdos estão a amarelo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 05, 2014, 01:44:50 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 10, 2014, 06:24:16 pm
Guerra entre insurrectos deixa mais de 500 mortos


A guerra interna da oposição armada da Síria deixou mais de 500 mortos numa semana, enquanto em Paris os países amigos da oposição tentarão pressioná-la no domingo para que aceite negociar com o regime.

Há uma semana que no norte do país, que escapa em grande parte há mais de um ano ao controlo do presidente Bashar al-Assad, são registrados combates entre rebeldes maioritariamente islamitas e os jihadistas do Estado Islâmico no Iraque e Levante (EIIL), que custaram a vida de mais de 500 pessoas, principalmente combatentes dos dois grupos.

Rami Abdel Rahman, director do Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH), com sede no Reino Unido, afirmou que «482 pessoas morreram devido aos combates: 240 membros das brigadas rebeldes, 157 combatentes do EIIl e 85 civis».

Entre os civis figuram 42 reféns executados pelo EIIL no seu quartel-general de Aleppo.

Os rebeldes mataram, por sua vez, 47 combatentes do EIIL na província de Idleb (noroste), disse Abdel Rahman.

«As outras vítimas morreram nos combates. Há certamente outras dezenas de mortos, mas não foi possível documentar com precisão», declarou.

O OSDH pediu que «todos os crimes cometidos na Síria sejam levados ao Tribunal Penal Internacional».

Os combates estão a registar-se há uma semana no norte da Síria, sobretudo nas províncias de Aleppo, Idleb e Raqa.

Hoje, os rebeldes continuavam a ganhar terreno nas províncias de Aleppo e Idleb, onde não há uma forte presença do EIIL, que avança na região de Raqa, sob controle dos jihadistas há vários meses.

Enquanto a guerra prossegue, 11 países que apoiam a oposição moderada síria vão aumentar a pressão para convencê-la a participar da conferência de paz sobre a Síria, que começará a 22 de Janeiro na Suíça.

O encontro de domingo dos «Amigos da Síria» reunirá o presidente da coligação, Ahmad Jarba, com os Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Alemanha, Itália, Turquia, Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Egipto e Jordânia.

Os Estados Unidos e a Rússia, que patrocinam a conferência de paz na Suíça, planeiam discutir a situação na Síria a partir do dia seguinte, também em Paris.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 10, 2014, 08:00:59 pm
Tão bem que se dão entre eles...  :roll:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Janeiro 12, 2014, 06:22:17 pm
http://www.forte.jor.br/2014/01/09/sem-ligar-para-risco-sauditas-apoiam-rebeldes-sirios/

(http://behance.vo.llnwd.net/profiles22/1061547/projects/4913287/2f241f3f3f7a1c2345eaea5c21370636.JPG)
(http://i.cbc.ca/1.1403325.1378974746!/httpImage/image.jpg_gen/derivatives/16x9_620/hi-female-fighter-aleppo-85-8col.jpg)

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 17, 2014, 07:07:10 pm
Guterres pede «solução política» para o conflito sírio


O responsável da ONU para os refugiados, António Guterres, considerou "vital" que as conversações de paz sobre a Síria, previstas para quarta-feira na Suíça, produzam uma "solução política" para o conflito.

Em paralelo, emitiu um novo apelo para uma ajuda internacional aos países que acolheram milhões de refugiados sírios, em particular na região do Médio Oriente e Turquia, desde o início do conflito interno em março de 2011.

"Sou suficientemente humilde para reconhecer que não existe solução humanitária para o problema. A solução é política", considerou o representante máximo do Alto Comissariado da ONU para os Refugiados (ACNUR) durante um encontro na Turquia sobre a situação dos países da região que recebem desde há quase três anos contínuas vagas de refugiados.

"É por isso que é muito importante enviar uma mensagem clara à comunidade internacional que se reúne em Genebra na próxima semana de que é absolutamente central terminar com este banho de sangue e encontrar uma solução política", referiu durante a reunião dos países de acolhimento (Iraque, Líbano, Egito, Jordânia e Turquia) organizada num campo de refugiados perto de Sanliurfa (sul da Turquia).

"Os sírios necessitam de paz e de poderem regressar ao seu país para o reconstruir", insistiu Guterres, que também apelou aos países do mundo para abrirem as suas fronteiras.

"Há apenas seis anos, a Síria era o segundo país do mundo a acolher refugiados, com mais de dois milhões de refugiados... Infelizmente, a Síria é hoje o país do mundo que origina mais refugiados", assinalou.

Guterres voltou a emitir um apelo à escala global para minimizar uma situação considerada dramática. "É um dever da comunidade internacional. É por isso que apelamos à abertura de todas as fronteiras, não apenas as dos países vizinhos", sublinhou. "Para mim é inaceitável que refugiados sírios morram afogados no Mediterrâneo ou sejam expulsos de outras fronteiras".

A conferência sobre a paz na Síria (designada Genebra II e que decorre dentro de cinco dias) deve tentar encontrar uma solução política suscetível de terminar com a guerra civil que já provocou mais de 130.000 mortos e milhões de refugiados e deslocados.

A ONU calcula em 4,7 milhões de euros o orçamento necessário para assistir os refugiados e deslocados. Na quarta-feira, uma conferência de doadores, reunida no Kuwait, anunciou ter reunido 1,7 mil milhões de euros de contribuições destinados às populações civis afetadas pelo conflito.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 19, 2014, 09:47:17 pm
Hezbollah
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Janeiro 21, 2014, 10:27:30 am
(http://www.forte.jor.br/wp-content/uploads/2014/01/syria_civil_war_rebel_control_map_2013-12-15.png)

http://www.forte.jor.br/2014/01/20/sem-paz-a-siria-pode-se-tornar-algo-parecido-a-somalia/
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 22, 2014, 07:10:09 pm
Oposição síria pede inquérito internacional a torturas


A oposição síria apelou hoje a um inquérito internacional após as alegações de torturas em massa e mortes indiscriminadas de pessoas detidas pelo regime. "Temos de terminar com esta espiral de violência. Apelamos ao envio de uma inspeção internacional aos locais de detenção e que observe os factos relacionados com a tortura que os nossos cidadãos enfrentam diariamente", disse o líder da oposição síria Ahmad Jarba no final do primeiro dia da conferência de paz "Genebra II", na Suíça. "Temos todos de trabalhar pela Síria, por um país pluralista que não exclua ninguém, que não exclua alauitas, drusos, cristãos, e outros", acrescentou Jarba perante diversos líderes mundiais reunidos na cidade suíça de Montreux.

O dirigente oposicionista interveio após a publicação de um relatório que alega tortura e execuções "em escala industrial" de 11.000 detidos pelo regime do Presidente Bachar al-Assad. Divulgado por uma firma de advogados britânica e patrocinado pelo Qatar, que apoia os rebeldes sírios, o relatório garante existirem "provas evidentes" de subnutrição, estrangulamento e espancamentos de detidos nas prisões sírias.

O documento é baseado em análises forenses de parte das 55.000 imagens digitais alegadamente recolhidas por um desertor que disse ter sido um fotógrafo da polícia, e que terá registado cerca de 50 corpos por dia. Em paralelo, e ao intervir na conferência, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, advertiu que não deve aguardar-se um avanço imediato nas negociações entre o governo sírio e a oposição.

"Não esperamos um avanço imediato", disse o responsável da ONU em conferência de imprensa no final da sessão inaugural da Conferência de paz para a Síria.
O mediador da ONU e da Liga Árabe para a Síria, Lakdar Brahimi, também anunciou hoje que vai tentar que no início das negociações entre oposição e governo sírios, previstas para sexta-feira em Genebra, as duas partes se sentem pela primeira vez "frente a frente e numa mesma sala". "O processo será extraordinariamente difícil. As declarações que escutámos esta manhã confirmam que existe uma profunda divisão entre as partes", disse o diplomata argelino em conferência de imprensa.

No entanto, Brahimi recordou que já foi garantido um primeiro passo fundamental, após Damasco e a oposição síria terem aceitado participar no processo, e na base de um documento onde se declara que o objetivo consiste na formação de um governo transitório.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 23, 2014, 08:53:18 pm
Há países preparados para criar força de paz na Síria


O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, declarou hoje, em Davos, na Suíça, que alguns países poderão estar preparados para enviar forças de manutenção da paz para a Síria.

"Se houver um acordo de paz, há vários países que se ofereceram como voluntários para uma força de manutenção da paz na Síria", declarou John Kerry numa entrevista ao canal de televisão Al-Arabiya, à margem do Fórum Económico de Davos. "Nós estamos todos preparados para fornecer uma proteção às minorias, quaisquer que elas sejam", acrescentou o secretário de Estado norte-americano numa altura em que a ONU está a fazer esforços para que se realize uma negociação entre os beligerantes.

No entanto, Kerry indicou que não serão enviados soldados norte-americanos para território sírio.

O mediador da ONU para o conflito, Lakhdar Brahimi, encontrou-se hoje com representantes do regime sírio e da oposição para convencê-los a começar negociações de paz na sexta-feira, em Genebra, depois de um diálogo já realizado também em Montreux, na Suíça.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Janeiro 26, 2014, 01:24:11 pm
Síria. A nova casa da Al-Qaeda.
Tudo o que presisamos de saber sobre um conflito que se arrasta desde 2011.

E uma operação de recuperação de uma BMP2 após ter partido o trilho por azelhice.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Janeiro 30, 2014, 09:32:38 am
Síria converteu-se num "íman gigante para o extremismo"


O chefe dos Serviços Secretos norte-americanos, James Clapper, afirmou-se "muito preocupado" porque a Síria se converteu num "íman gigante para o extremismo", sobretudo na Europa e no Médio Oriente, o que radicalizará ainda mais a guerra.

Numa audiência realizada quarta-feira na Comissão do Senado para os Assuntos Secretos, Clapper afirmou que se estima em mais de 7.000, os combatentes estrangeiros "que foram recrutadas em mais de 50 países, muitos deles na Europa e no Médio Oriente".

O mesmo responsável referiu que esta tendência é de "grande preocupação" para os Estados Unidos e "preocupa tremendamente" a Europa, já que esses radicais viajam para a Síria onde estão a ser treinados em combate e podem regressar aos seus países de origem "para realizar atos terroristas". As advertências de Clapper não são as primeiras sobre o intenso movimento de islamistas europeus que estão a participar na guerra civil síria, onde grupos ligados à Al-Qaeda estão envolvidos numa luta contra o Presidente Bashar al-Assad e também com outros grupos opositores, noticia a Efe.

Estes grupos, nomeadamente a Frente al-Nusra e o Estado Islâmico no Iraque e Levante (sunitas), estão a estender a luta sectaria entre sunitas e xiitas fora das fronteiras sirias.

Por seu turno, o diretor do Centro Nacional Anti-Terrorista, Matthew Olsen, alertou na mesma audiência para "os potenciais ataques terroristas que podem vir da Síria em direção ao Ocidente".

Olsen também se referiu ao medo que o radicalismo islamista efetue um ataque durante as Olimpíadas de inverno que se realizam em Sochi, no norte da Rússia, onde operam grupos extremistas.

O responsável disse que as autoridades russas estão conscientes dos riscos existentes, especialmente depois do atentado nos arrediores de Volgogrado, em finais do ano passado.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Veritas em Janeiro 30, 2014, 09:27:05 pm
Síria: O ataque com armas químicas do 21 de agosto de 2013 não veio de Bashar al Assad.

http://www.ilfattoquotidiano.it/2014/01 ... sa/848362/ (http://www.ilfattoquotidiano.it/2014/01/18/siria-lattacco-con-armi-chimiche-non-fu-opera-di-assad-chi-ha-mentito-chieda-scusa/848362/)
O MIT (Massachusetts Institute of Technology), o confirma. Vejam o estudo exaustivo do 16 de janeiro 2014.
http://s3.amazonaws.com/s3.documentclou ... igence.pdf (http://s3.amazonaws.com/s3.documentcloud.org/documents/1006045/possible-implications-of-bad-intelligence.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 01, 2014, 04:10:33 pm
Gelo sírio longe de quebrar


A primeira ronda de negociações entre o Governo e parte da oposição síria terminou ontem em Genebra sem “avanços substanciais”, segundo o mediador destacado pela ONU, Lakhdar Brahimi, que se diz “muito contente por ainda haver diálogo”.

O diplomata argelino ficou responsável pelas negociações bilaterais que se seguiram à cimeira internacional da semana passada. Mas com uma delegação governamental proibida pelo Presidente Bashar al-Assad de fazer qualquer tipo de concessão e um grupo opositor focado em não perder a pouca credibilidade que lhe resta junto dos que lutam no terreno, resta a Brahimi a consolação de ver que “o gelo está a quebrar, devagar mas a quebrar”.

Palavras que se seguiram ao primeiro sucesso negocial, na quinta ronda diária de conversas. Na quarta-feira, opositores e governantes aceitaram discutir “o comunicado de Genebra, parágrafo a parágrafo”, segundo informou em Damasco a porta-voz de Assad, Bouthaina Shaaban. O texto em questão, acordado na capital suíça em 2012, já fora o alvo da discórdia entre Estados Unidos e Rússia na cimeira internacional, devido ao ponto em que se refere à constituição de um órgão governativo transitório. Para os rebeldes e os seus aliados ocidentais, esse ponto implica a saída de Assad, para a comitiva do Governo e para a Rússia isso é uma “interpretação parcial” do comunicado.

A porta-voz do ditador sírio lembrou que “o primeiro ponto do comunicado refere-se ao fim da violência, que se transformou em terrorismo” e diz que a vontade do grupo dos opositores liderado pela Coligação Nacional Síria (CNS) em “saltar para a parte que fala do governo transitório” prova que estes “estão apenas interessados em chegar ao poder”.

Sem surpresas, a interpretação dos rebeldes é diferente: “Pela primeira vez poderemos falar do governo transitório, cuja responsabilidade principal é acabar com a ditadura e avançar para a democracia, para o fim da violência e da pobreza na Síria”, disse o porta-voz da CNS, Louay al-Safi.

A promessa de analisar o documento abre novas expectativas para a segunda ronda negocial que se inicia no dia 10 de Fevereiro, sendo que a aposta da ONU continua a centrar-se na abertura de corredores humanitários que permitam o acesso aos campos de refugiados e às cidades cercadas. No início da semana, o Governo de Assad propôs deixar sair as mulheres e crianças da cidade de Homs, bastião rebelde onde o exército impôs um isolamento que há quase dois anos impede a entrada de bens de primeira necessidade na cidade. A CNS rejeitou a proposta, com o seu líder Ahmed Jarba a revelar no Twitter a crença de que Assad pretendia “deixar sair as mulheres e as crianças e depois massacrar e deter os homens”.

Hoje, o secretário-geral das Nações Unidas pressionou os EUA e a Rússia para que estes países ajudem a garantir que as negociações se reiniciem no dia 10 de Fevereiro, de “acordo com o calendário estabelecido”. As declarações foram feitas depois do ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia ter afirmado, também este sábado, que é "muito difícil" levar o governo de Bashar Assad a fazer concessões.

SOL
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 04, 2014, 01:25:21 pm
Rússia diz que Síria entregará mais armas químicas e participará no diálogo


A Rússia ofereceu hoje garantias de que o governo sírio participará numa nova ronda de negociações de paz na próxima semana, e que em breve irá enviar mais agentes químicos para serem destruídos no exterior, nos termos de um acordo destinado a eliminar o arsenal químico do país.

As declarações parecem destinar-se a aplacar as preocupações ocidentais acerca do envolvimento do presidente sírio, Bashar al Assad, no processo de paz iniciado este mês e do seu compromisso com a eliminação das armas químicas de Damasco até meados deste ano, conforme o acordo mediado pela Rússia e os Estados Unidos.
Além disso, o governo russo recebeu o líder da Coligação Nacional Síria, principal grupo de oposição, algo inédito em três anos de um conflito que já matou mais de 100 mil pessoas.

A Síria planeia retirar do país este mês um grande carregamento de agentes tóxicos, concluindo o processo até 1 de Março, segundo o vice-ministro russo, Gennady Gatilov.

«Literalmente, ontem os sírios anunciaram que a remoção de um grande carregamento de substâncias químicas está planeada para Fevereiro. Eles estão prontos para completarem o processo até 1 de Março», disse Gatilov à agência de notícias RIA. A Rússia, principal apoio diplomático a Assad, está sob pressão para convencer Damasco a acelerar a retirada dos materiais químicos desde que a Reuters revelou, na semana passada, que apenas 5 por cento dessas substâncias tinham sido enviadas.

A operação está muito atrasada, e o prazo para que todos os agentes tóxicos sejam retirados da Síria, que termina nesta semana, não será cumprido. As autoridades dos EUA acusam Damasco de protelar o processo, e o secretário de Estado norte-americano, John Kerry, pediu na sexta-feira passada ao ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, para que pressione o governo de Assad para acelerar a operação. O ministro dos Negócios Estrangeiros francês, Laurent Fabius, também se queixou do atraso. «O governo de Bashar al Assad deve respeitar os compromissos que fez», disse hoje a uma estação de rádio.

A Rússia diz que as preocupações ocidentais são exageradas, e rejeitou as acusações de que a demora é deliberada, citando questões logísticas e de segurança. Na segunda-feira, o vice-ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergey Ryabkov, disse que a Rússia continua confiante em que o prazo final para o desmantelamento do arsenal químico, a 30 de Junho, poderá ser cumprido.

Apesar das profundas diferenças a respeito do conflito na Síria, a Rússia e os Estados Unidos uniram-se para lançar uma negociação de paz que começou no mês passado em Genebra, e em Setembro concordaram com um plano para eliminar o arsenal químico sírio, evitando assim uma reacção militar norte-americana a um ataque com gás ocorrido a 21 de Agosto nos arredores de Damasco.

Assad aceitou o plano, mas o Ocidente suspeita que queira usar o processo para alavancar as suas posições na negociação de Genebra II, que deve recomeçar na segunda-feira, embora a delegação do governo não se tenha comprometido a voltar.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Fevereiro 15, 2014, 04:56:22 pm
(http://i.imgur.com/FkxfASC.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 15, 2014, 07:00:23 pm
A tragédia síria
Alexandre Reis Rodrigues


Ninguém esperava qualquer resultado relevante das conversações em paz em Genebra (Geneve Peace Talks II), mas mesmo assim trinta países estiveram presentes, não se sabe bem com que expectativas. Talvez com alguma esperança de que se tornasse viável acertar uma forma segura de fazer chegar ajuda humanitária aos setores mais desesperados da população. Falava-se também num possível acordo de troca de prisioneiros. No entanto, nem estes objetivos limitados foram alcançados. A tragédia síria vai continuar sem qualquer solução à vista e, provavelmente, por muito tempo mais.

No final da semana de conversações, Lakhdar Brahimi, enviado especial das Nações Unidas e da Liga Árabe para o conflito sírio, destacava o facto de se ter conseguido reunir à mesma zona as partes em litígio, o que em si mesmo seria um avanço. No entanto, nem isso pode ser seriamente reclamado e Brahimi sabe-o melhor do que ninguém poque a guerra civil que grassa na Síria há quase três anos já há muito que deixou de ser um conflito apenas interno, se é que alguma vez o foi.

Para estarem representadas todas as partes de quem depende o desfecho teria que ter estado presente também o Irão, o que Brahimi tentou mas foi vencido pela recusa da oposição síria, Arábia Saudita e EUA. Foi ignorado mais uma vez que conflitos como o que existe na Síria podem tornar-se “eternos” enquanto houver potências externas a “alimentar” a luta, com fornecimento de armamento e motivando as fações que protegem. Sempre foi assim. Dito por outras palavras, o sucesso de uma iniciativa de paz, nestes casos, depende tanto, senão mais, de um entendimento externo do que do interno.

Obviamente, Teerão, talvez até mais do que Moscovo, tem a solução na mão. Seria, na prática, retirar o apoio que está a ser dado a Assad para permitir um governo de transição e a preparação de eleições em que todos possam confiar. Esse, aliás, era o objetivo para que valeria verdadeiramente fazer as conversações de paz. Mas Teerão precisa de Assad ou de um regime que controle a maioria sunita que Riade quer ver, finalmente, no poder, para acabar com a “anomalia” da ditadura da minoria alauita. O problema é que estes dois objetivos são inconciliáveis e os seus defensores, por um lado o Irão, por outro lado, a Arábia Saudita não se pouparão a esforços para fazer prevalecer o seu.

Nestes termos, a presença de uma representação iraniana em Genebra não iria mudar as perspetivas. Evitaria, no entanto, a afronta da sua exclusão depois de ter recebido um convite formal para estar presente, ou seja, mais um passo no sentido da sua marginalização em relação a um processo em que será sempre
indispensável.

De momento, as partes em confronto, quer as internas, quer as externas, não terão à vista qualquer incentivo para dar passos no sentido de um entendimento. Ali Haidar, que tem servido o Governo sírio do Presidente Assad como uma espécie de ministro da reconciliação nacional (!), deixou muito claro que Damasco não espera nada de conversações de paz. Só acredita numa vitória militar como a única saída possível, ou seja, o esmagamento da oposição. Assad não tem este desfecho garantido, mas o registo estatístico de situações semelhantes aponta, como regra geral, para uma vitória do Governo. Assad espera vencer, pelo menos, por cansaço de uma população desesperada.

Que esperanças podemos ter neste contexto tão complexo? Mesmo que se conclua com sucesso o acordo nuclear com Teerão não é realista esperar que se seguirá um realinhamento com os EUA e daí alguma convergência de esforços para a solução do problema sírio. Teerão não vai ceder mais do que o mínimo indispensável para se manter a salvo de um regresso às sanções que quase destruíram a sua economia. A Arábia Saudita não dá sinais de se conformar com a decisão americana de se aproximar do Irão e de não fazer o necessário para depor Assad.

No entanto, o Presidente Obama está limitado nas suas opções pela prioridade de resolver a questão iraniana e pela falta de uma alternativa credível para o afastamento de Assad. A verdade, talvez até já não esteja longe de ter que vir a arranjar alguma forma de entendimento com o atual regime sírio. Parece algo quase impossível de imaginar mas é o desfecho previsível se vier a ser reconhecido que a manter-se a situação o grande beneficiário da crise é a al Qaeda que, sem ter feito qualquer esforço, está a ver chegar-lhe às mãos um novo santuário para continuar a sua luta.

O território sírio que o Governo não controla já está a funcionar como uma plataforma que grupos afiliados à al Qaeda usam para lançar mais instabilidade no
martirizado Iraque. Se não forem detidos, não é difícil imaginar como essa situação se tornará o mais urgente problema regional e, certamente, o único que pode levar todos os outros intervenientes a fazer as cedências necessárias para encontrarem uma solução para a questão síria.

Jornal Defesa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Fevereiro 17, 2014, 08:55:40 pm
Hezbollah diz que deixa a Síria se árabes pararem de interferir


O líder do grupo xiita Hezbollah, xeque Hassan Nasrallah, pediu no domingo às forças políticas árabes que «parem a guerra na Síria», prometendo em troca retirar de lá os respectivos combatentes.

A guerra civil síria, que já se prolonga há três anos, alimenta a tensões entre sunitas e xiitas no vizinho Líbano - país de origem do Hezbollah - e no mundo árabe em geral. Muitos militantes de outros países estão na Síria a lutar para ambos os lados, e tanto o governo como a oposição recebem ajuda financeira externa.

«Se querem evitar que esta região mergulhe no caos que não acabará durante décadas, parem a guerra na Síria», disse Nasrallah, dirigindo-se às forças políticas árabes. «Retirem os combatentes da Síria, deixem que os sírios se reconciliem», afirmou o líder do movimento xiita libanês, que conta com apoio do Irão e é aliado do governo de Bashar al Assad. «É claro que, se tal acontecesse, tampouco permaneceríamos na Síria», disse.

O discurso de Nasrallah pareceu conter uma resposta ao político libanês Saad Hariri, que na sexta-feira prometeu conter a militância dentro do seu próprio lado sunita, mas disse que o Hezbollah também deveria suspender o seu envolvimento no conflito sírio, a fim de evitar um «holocausto sectário».

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Alvalade em Fevereiro 17, 2014, 09:38:51 pm
(http://www.newschoolfreepress.com/wp-content/uploads/2012/12/6861665259_55b341be24_z.jpeg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 03, 2014, 02:49:29 pm
MTF homie!
Gangs de LA na Síria...  :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 04, 2014, 12:21:51 am
O melhor tiro de morteiro de sempre. Um comandante Checheno morto por um estilhaço no final do assalto à prisão de Aleppo
Citar
Saifullah al-Chichani, whose real name is Rislan Mashalikashvili, fought in Chechnya, where he was injured. He left Chechnya for treatment but could not return. He thought of going to Iraq but didn't find a way to do that. So he went to Afghanistan in 2005, where he fought US forces and stayed in the Kabylie region for a while.
Resumo da operação.
E o assalto completo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Março 07, 2014, 03:05:26 pm
Guerra na Síria pode durar mais 10 anos


A guerra na Síria pode durar mais 10 anos, enquanto a Federação Russa e o Irão apoiarem o regime do Presidente Bashar al-Assad e os grupos de islamitas radicais alimentarem os campos de batalha, previram hoje analistas.

Al-Assad escolheu uma deliberada "estratégia maquiavélica" de resistir, enquanto grupos de islamitas como o Al-Nusra e o Estado Islâmico do Iraque e Levante florescem, deixando a oposição moderada e apoiada pelos EUA a combater em duas frentes, foi dito aos senadores dos EUA.

"Agora está claro que a queda de Al-Assad não é inevitável, como muitos previram há um ano", disse o analista Daveed Gartenstein-Ross, referindo-se a antigas previsões otimistas do Governo norte-americano sobre o fim dos dias do Presidente sírio no cargo. "O cenário mais provável é o que a comunidade de informações dos EUA prevê agora, que é o de a guerra continuar durante outa década, ou mais", afirmou, durante uma audição no comité senatorial dos Negócios Estrangeiros.

As negociações de paz em Genebra, promovidas pelos EUA e pela Federação Russa, colapsaram em fevereiro, apenas ao fim de duas rondas, sem data para o seu reinício. Entretanto, a posição do Presidente sírio tem sido reforçada, não apenas por armas e dinheiro de Terrão e Moscovo, mas também pela sua "vontade descarada" de não intervir contra os grupos extremistas.

"O principal papel desempenhado agora pelos militantes islamitas é o de impedir os países ocidentais e outros de darem apoios importantes à oposição", argumentou Gartenstein-Ross, um analista da Fundação para a Defesa das Democracias.

Este mês marca o terceiro aniversário do levantamento pacífico contra o regime de Al-Assad, iniciado em 15 de março de 2011, na sequência da designada Primavera Árabe. A resposta do regime foi brutal e estima-se que até hoje tenham sido mortas 140 mil pessoas, outras 2,5 milhões tenham procurado refúgio fora do país e mais 6,5 milhões estejam deslocadas dentro do país.

Gartenstein-Ross descreveu a política do governo dos EUA como "confusa" e sem "um objetivo final" e previu que "a guerra na Síria, uma grande tragédia, provavelmente deve ter um fim trágico".

O fluxo dos combatentes estrangeiros para o conflito também coloca riscos para outras partes do mundo, à medida que "a maioria dos combatentes radicalizados regressem a casa e ataquem os seus países na região, antes de irem atacar a Europa ou os EUA", disse Matthew Levitt, um analista do Instituto Washington para a Política do Médio Oriente.

A propósito, citou exemplos de bombistas suicidas enviados para a Tunísia e de grupos de líbios e marroquinos que estão a operar dentro da Síria. "Enquanto a guerra talvez possa ser a algum nível - talvez - negociável, o sectarismo não é, e é quase certo que vai criar condições para a instabilidade na próxima década", adiantou.

O subsecretário da Defesa, Bill Burns, negou que o governo norte-americano acreditasse que fosse melhor para os EUA que Al-Assad permanecesse no cargo, por os extremistas representarem uma ameaça maior à segurança dos EUA.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 08, 2014, 05:19:23 pm
Citar
A visit to Syria suggests that Syria precisely has begun such a ‘transition’, similar to, but not identical to that of Iran. The mood in Damascus is generally upbeat. Ordinary citizens are not speaking of the Geneva ‘process’ – indeed that is hardly mentioned, or given much attention internally; thoughts rather, are fixed on ‘the reconciliation process’, which is gathering pace around the country. It is the source of much optimism, though of course, it is still at an early stage – and vulnerable to the outright hostility of the rejectionists.

In various locations, in villages and towns, former opposition insurgents are negotiating local settlements with the Syrian army. Under the terms of the various agreements, the former insurgents keep their (light) weapons (and their pride and status as fighters) and formally become a part of the Syrian Army – in specifically designated local units (the National Defence Force). In short, they coalesce into the infrastructure of security – protecting their villages and the State from Takfiri attack – the takfiri jihadists, of course, being against any such reconciliation initiatives.

Of course, this process is not always smooth. Many of the local people who have lost friends or family deeply resent these “criminals” being reabsorbed into society, without penalty or some sort of making amends with those they have deeply injured. But this is the normal fare in all such reconciliation processes. And this reconciliation is not occurring in a vacuum; it is marching in step with a parallel and linked process of national dialogues, asking people at all levels about how the state needs be changed for the future. Just as there is with Syria’s allies – Russia and Iran – there is a strong sense inside Syria that things cannot and will not go back to how they were — inevitably after such a social and political conflict, there will be a significant transition.
- In the last Weekly Comment we noted how the formation of the new Lebanese government had produced a formula whereby the (Sunni) Future Movement and its allies now occupy the key posts of state security and communications (thereby removing any possible western reservations or hesitations about their working with agencies touched with Hizbullah links). This new Lebanese government line-up gives to the Sunni ‘establishment’ the responsibility for protecting Lebanon from Sunni extremism. It is, as it were, a case of ‘setting a poacher to catch a poacher’, given March 14th’s long opaque and ambiguous links to such groups.  We suggested our last Weekly Commeny that the formation of the government, in this way, represented a ‘pilot’ for the region as a whole – and for Syria in particular.

Hizbullah (and implicitly) Iran have in this Lebanese initiative effectively acknowledged Sunni (and Saudi) fears and sense of vulnerability – and, to this end, have offered a ‘pilot’ test concession.  The infrastructure of the region is being re-orientated to test out whether they, who may have used jihadists for their own ends, can and will confront them now. In a sense, it is test of whether a wider regional ‘settlement’ is possible. Syria has begun down this path too: by putting local security into the hands of armed former insurgents (indeed, national security in Syria has always had a large Sunni component).  If this trial works, we may see Iran, Syria and their allies willing to make accommodations to Sunni and Saudi anxieties, in return for evidence of their willingness to defeat the Sunni extremism that they initially fired-up, but which has now become a conflagration threatening to consume moderate Sunnis too.

Some may claim that this is not the ‘transition’ that is being demanded of the Syrian government. The West has framed its transition in the narrow terms of a change at the very top of the state — and demanding nothing from the insurgency, beyond greater unity. It has maintained this ‘demand’, irrespective of its consequences – oblivious to the risks that this might well deepen civil conflict to the point of anarchy. However, the point is that ‘transition’ in Syria is underway, and if we look to the Iranian example, transition did not occur through the removal and replacement of the top leadership — on the contrary, it was made by the existing leadership making the political system work. The impetus of a general shift in popular sentiment and mood underwrote a major Iranian transition grounded in consensus around a national apertura in place of pursuing a purely US focussed entente.

It may be that this form of ‘transition’ is what will emerge in Syria (and perhaps Iraq and Lebanon) too: a wider accommodation of Sunni anxieties (and sense of victimhood), will bring, in return, a real shift in Sunni attitudes towards the takfiri jihadists. This may not be what some in the West want, but it is what it may get – if the various tentative feelers in this direction prove positive. The question is, can the American foreign policy establishment and external spoilers tolerate such a regional self-made ‘transitions’?  Perhaps they can. It is in American interest to confront the takfiri jihadists, even if this means the emergence of Iran and Syria as stronger regional powers.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 09, 2014, 03:19:30 pm
https://www.washingtoninstitute.org/upl ... hedule.pdf (https://www.washingtoninstitute.org/uploads/Documents/testimony/LevittTestimony20140306-reschedule.pdf)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 09, 2014, 03:27:16 pm
Citar
Opposition sources said the CIA has been working with Jordan and Saudi Arabia to train and equip 10,000 Syrians to join the Sunni revolt against the regime of President Bashar Assad.
“These fighters were trained by specialists from the Central Intelligence Agency in camps inside Jordan territory,” Najib Al Ghadban, the U.S. representative of the Syrian National Coalition, said.In an interview with the Saudi-owned A-Sharq Al Awsat, Al Ghadban said Jordan agreed to host rebel training camps. He said the conflict in Syria pitted Iran and Russia against Washington and its Gulf Arab allies.
“The conflict is no longer Syrian-Syrian,” Al Ghadban said.“The CIA wants to build a force that will constantly harass the Syrian military and its proxies,” a source said.In February 2014, the CIA sent more than 500 rebels trained and equipped with anti-tank and anti-aircraft weapons into southern Syria. Within hours, the rebel force, linked to the Free Syrian Army, came under heavy attack from Islamist militias in the Dera province.The FSA has dismissed the prospect of a rebel offensive from Jordan to Damascus, a distance of 100 kilometers.“The Saudis want to save their people around Damascus, and that’s themain reason they’re helping finance this,” an FSA officer said. “There isno unity of purpose or even a coherent strategy.”
Commanders said neither the FSAnor other rebel militias were equipped with the heavy weapons that couldthreaten Syrian fighter-jets and attack helicopters.The sources said the U.S. aim, coordinated with Saudi Arabia, was tosend a battalion-sized rebel force that could reach the southern suburbs ofDamascus. They said Riyad demanded that the CIA-trained fighters helprelieve the daily air and artillery strikes on rebel-held strongholds.“Some of the operations are expected to fail, but there might be successes as well,” a source said.The sources said the CIA wants to maintain a flow of up to 1,000 rebel fighters from Jordan into Syria every two months.“The Jordanian Armed Forces will never allow insurgents into Jordanian territory or allow them to transit through Jordan to any destination,”Jordanian Interior Minister Hussein Al Majali said.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 09, 2014, 03:46:27 pm
http://www.jpost.com/Middle-East/Europe ... ria-342342 (http://www.jpost.com/Middle-East/European-Hezbollah-combat-recruits-depart-for-Syria-342342)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 09, 2014, 05:11:13 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Março 09, 2014, 08:32:21 pm
Fotógrafo luso-descendente morre em explosão em Alepo

(http://www.dn.pt/storage/DN/2014/big/ng3084179.JPG?type=big&pos=0)


Um fotógrafo freelancer canadiano e lusodescendente morreu hoje em Alepo, no norte da Síria, na sequência de uma explosão numa área daquela cidade controlada pelas forças rebeldes, segundo informaram ativistas e a irmã da vítima. De acordo com a comunicação social internacional, incluindo jornais canadianos e norte-americanos que citam a agência noticiosa Associated Press (AP), Ali Mustafa e mais sete pessoas, aparentemente bombeiros, morreram depois de aviões das forças sírias terem lançado dois barris com explosivos sobre Hadariyeh, uma zona de Alepo que é controlada pelos rebeldes, afirmou um activista identificado como Abu al-Hassan Marea.

Justina Rosa Botelho, irmã de Ali Mustafa, também confirmou a morte do fotógrafo de 29 anos, afirmando que ficou a saber da morte do irmão depois de activistas lhe terem enviado uma fotografia do corpo. Mustafa nasceu em Toronto e é filho de imigrantes portugueses e paquistaneses.

"Ele só queria que o mundo tivesse conhecimento sobre os direitos humanos e de todas as coisas horríveis que estão lá a acontecer ", afirmou Justina Rosa Botelho, de acordo com a imprensa internacional, que cita uma entrevista via telefone à norte-americana AP.

"Ele estava determinado para que o mundo soubesse", reforçou.

Justina Rosa Botelho explicou que a família não sabia que o fotógrafo freelancer estava na Síria, acrescentando que a última vez que o jovem contactou com os familiares foi há cerca de uma semana. Nessa altura, de acordo com Justina Rosa Botelho, o irmão disse que estava na Turquia.

"Queria dizer à mãe que estava tudo bem", relatou.

"Nunca me disse que estava na Síria. Acho que estava a tentar esconder esse facto", concluiu.

Justina Rosa Botelho e Ali Mustafa eram meios-irmãos por parte de mãe.

O conflito na Síria já provocou mais de 136.000 mortos desde Março de 2011, de acordo com o Observatório Sírio dos Direitos Humanos.

No sábado foi igualmente divulgada a morte de um repórter de imagem de uma estação de televisão árabe, de 27 anos, que cobria os combates na zona leste da Síria, em Deir Ezzor.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 11, 2014, 11:53:44 pm
Citar
NDF retakes Al Zara Homs different new video [12.03.2014]
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Março 15, 2014, 01:11:20 am
(http://latuffcartoons.files.wordpress.com/2012/08/all-sides-claim-victory-in-syria-except-the-refugees-2.gif)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 15, 2014, 04:45:41 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Março 20, 2014, 11:32:54 pm
http://libertoprometheo.blogspot.pt/2014/03/era-uma-vez.html

quinta-feira, 20 de Março de 2014

Era uma vez ...

Tentarei vos contar uma estorinha interessante. Há mais de uma década, a mais poderosa nação do planeta sofreu um ataque de terroristas sauditas. Pouco depois, o presidente da tal nação, o Sr. W, invadiu, ou melhor, libertou o Afeganistão e o Iraque.

O Sr. W, filho de um antigo presidente e chefe dos serviços de inteligência, muito bem conectado com os sauditas, tinha por “ideólogos” uma espécie de grupo de sábios conhecido por neo-cons, que, por coincidência, é majoritariamente composta por indivíduos do mesmo grupo étnico do qual sairam os últimos presidentes da Reserva Federal, criada em 1913 por pressão de um outro cavalheiro pertencente ao mesmo grupo étnico.

Para além de ordenar as tais invasões, ou melhor, libertações, é importante referir que o mesmo aprovou um pacote de leis que subverteram a ordem constitucional que ficou conhecido como Patriot Act, que o presidente anterior, muito amigo da família apesar de pertencer a um club de cavalheiros rival, havia tentado aprovar duas vezes, sob outros nomes, após um nebuloso episódio envolvendo uma seita qualquer que se preparava para o fim do mundo e depois de um atentado esquisito, oficialmente perpetrado por um ex-militar fã de um homem conhecido pelo bigode quadrado.

O resultado das suas acções pode ser resumido assim: começaram a desaparecer pessoas más ao mesmo tempo que vôos secretos - ou melhor, grátis - para Guantánamo, Marrocos e outros destinos paradisíacos aumentaram, o livre mercado foi imposto, ou melhor, oferecido ao Afeganistão, que agora vivencia um boom económico em meio ao caos, graças à produção de papoilas, provando que o livre-mercado é imbatível, e a democracia foi imposta, ou melhor, presenteada ao Iraque, fazendo com que centenas de milhares de cristãos, ou melhor, de nazis e fascistas fossem expulsos de uma terra por eles conspurcada há quase dois milénios. O povo local está contente e demonstra a sua gratidão, diariamente, com fogo real, afinal, fogos de artifício fazem pouco barulho e há que se comemorar a Aurora de um Novo Mundo em grande.

Terminada a sua obra, chega a hora de, democraticamente, o povo do tal Destino Manifesto escolher um presidente de outro club, elegando, pela primeira vez em sua história, um sujeito do qual ninguém havia ouvido falar até poucos meses antes das eleições, elemento que, por acaso, era financiado por sauditas e por gente daquela mesma etnia à qual pertenciam os tais neo-cons e o cavalheiro responsável pela fundação da Reserva Federal, que apesar do nome, não é federal.

Eleito o novo presidente, Mr. Droneman, cuja mais excelsa qualidade é ler textos em voz alta e possuir uma tez diversa dos presidentes que o precederam, numa eleição que mais pareceu a eleição do presidente do mundo do que outra coisa, eis que ele vence, ainda sem nada ter feito, um famoso prémio concebido por um bilionário, que fez fortuna graças à guerra, por tudo o que ele havia feito pela paz, apesar de nada ter feito. Para provar que era digno desse prémio, fez tal e qual quase todos os chefes de estado que o venceram e passou a fazer guerras pela paz. Nem o ursinho Teddy, um bonacheirão amigo da natureza, fez melhor.

Atacou a Líbia, castigou um tipo qualquer, que rapidamente jogaram ao mar, que de acordo com os meios oficiais, que nunca mentem, era o tal que organizou o atentado sofrido nos anos de presidência do Sr. W desde umas cavernas perdidas no meio do nada (por coincidência, todos os membros da equipa envolvida na operação morreram), promoveu revoltas nos estados menos alinhados do mundo árabe, conduzindo, num gesto magnânimo, os inimigos de ontem ao poder e abrindo as portas para o massacre, ou melhor, para a punição justa de comunidades cristãs, ou melhor, fascistas, e se juntou à “islamista” Turquia, à pérfida Albion, à amiga Arábia Saudita, à entidade criada na Terra Santa e à maçónica França, para além de outras nações sob o jugo de gente acima de qualquer suspeita, para atacar a maldita Síria, um campo de concentração a céu aberto comandado pelo implacável Assad, o Empalador, ajudando directamente os guerreiros pertencentes ao mesmo grupo que havia antes atacado os EUA e agora demonstra a sua gratidão eliminando os criminosos cristãos, ou melhor, os fascistas sírios, apoiados por outros bandidos como os terroristas do Hezbollah e os malucos de Teerão, que, como todos sabemos graças aos nossos queridos jornalistas, têm por intenção acabar com o mundo.

Mr. Droneman só não fez mais pela paz e pela democracia pois o bicho papão, ou seja, Putin, o Terrível, disse basta, ameaçando o paladino da paz com a guerra (que horror!), o que motivou Mr. Droneman, que no seu quintal quer obrigar umas freiras fascistas a financiar abortos de forma a torna o mundo um lugar mais respirável e mais sustentável, a pedir ajuda aos seus bons amigos para desestabilizar a Ucrânia recorrendo a uns tipos que, estranhamente, nutrem admiração pelo homenzinho do bigode que encarna todos os males do mundo, especialmente a perseguição ao povo da etnia que, apesar de constituir menos de 1% da população do planeta, dita a agenda de quase 100% dos governos ocidentais e de todos os seus satélites e acusa, com toda a razão, todos os que ousam falar desses factos de serem apoiantes do fascimos.

Moral da história: é tudo coincidência, a verdade vem estampada nos grandes jornais e a única infabilidade é a do tal povo que constitui menos de 1% da humanidade e manda em quase todas as nações do mundo.

P.S: Felizmente, os maus estão a ser eliminados. Vejam no link a seguir a justiça a ser feita contra os cristãos, ou melhor, contra os fascistas da Síria: http://www.liveleak.com/view?i=809_1395163651
Nota: GRÁFICO!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 20, 2014, 11:53:13 pm
Citação de: "Luso"
P.S: Felizmente, os maus estão a ser eliminados. Vejam no link a seguir a justiça a ser feita contra os cristãos, ou melhor, contra os fascistas da Síria: http://www.liveleak.com/view?i=809_1395163651
Nota: GRÁFICO!

Nojo destes animais!!
Ainda os continuam a defender?!
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 21, 2014, 06:51:01 pm
Citar
Islamic front (Ahrar al Sham ) show battle highlights for brigade 559 storage facility in Qalamoun
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Março 23, 2014, 10:18:11 pm
Síria acusa Turquia de «agressão flagrante»


O Governo sírio acusou hoje a Turquia de «agressão flagrante», depois de as tropas turcas terem abatido um avião militar sírio que bombardeava rebeldes no noroeste do país, onde se trava uma batalha pelo controlo de um posto fronteiriço.

Este é o incidente mais grave entre os dois países desde setembro de 2013, quando caças turcos abateram um helicóptero sírio na mesma região. «Numa agressão flagrante que demonstra a implicação de Ergodan [primeiro-ministro turco] no apoio a grupos terroristas, a defesa aérea turca derrubou um avião militar sírio que perseguia grupos terroristas em Kassab, dentro da Síria», denunciou uma fonte militar síria, citada pela agência de notícias francesa (AFP). Segundo a mesma fonte, o piloto do avião militar sírio conseguiu ejetar-se.

Kassab é um ponto de passagem na fronteira turco-síria, que tem sido teatro de combates entre os rebeldes e as forças governamentais sírias desde sexta-feira.
O primeiro-ministro turco felicitou o seu o seu exército por ter derrubado o avião sírio e ameaçou Damasco com uma resposta «forte» em caso de violação do seu espaço aéreo. A Síria afirma que o avião foi abatido no território sírio, mas Ankara assegura que a aeronave estava dentro do espaço aéreo turco.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 23, 2014, 11:45:20 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 24, 2014, 10:06:12 pm
Este ultimo para ouvir com o som bem alto.  :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 25, 2014, 06:12:55 pm
Vitaly Churkin, embaixador russo para a ONU, que tem estado mais na ribalta recentemente por causa da crise ucraniana. Mas oicam esta entrevista a canal americano no inicio do ano.

 ys7x9

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 25, 2014, 07:03:44 pm
que malandros a RT, falam a verdade quando lhes convem  :P


na crimeia se quiserem observar o que e propaganda tentem sacar o noticiario das 14h da BBC News do dia 16 de Marco de 2014 quando o Ben Brown entrevista em directo uma votante no referendo. QUE SHOW, O FEITICO VIROU-SE CONTRA O FEITICEIRO. FOI DOS MELHORES MOMENTOS QUE JA VI NA TELEVISAO. GANDA OLGA  yu23x1
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Março 25, 2014, 08:11:19 pm
Citação de: "mafarrico"
na crimeia se quiserem observar o que e propaganda tentem sacar o noticiario das 14h da BBC News do dia 16 de Marco de 2014 quando o Ben Brown entrevista em directo uma votante no referendo. QUE SHOW, O FEITICO VIROU-SE CONTRA O FEITICEIRO. FOI DOS MELHORES MOMENTOS QUE JA VI NA TELEVISAO. GANDA OLGA  :G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: papatango em Março 25, 2014, 08:34:44 pm
O Russia Today, é um canal de televisão financiado pelo governo da Máfia Russa.

Creio que qualquer pessoa inteligente, não precisa de mais de dez minutos para perceber qual o objetivo. Quem conhecer história sabe que é o mais parecido que existe com imprensa hitleriana na década de 1930.

E não deixa de ser engraçada a tentativa de dar a volta aos factos.
Os resultados são sempres os mesmos.

O Assad, que jurava a pés juntos que a Síria não tinha armas químicas, nunca as usou, matou civis do outro lado, mas a culpa foi dos próprios, não do Assad. Foram os civis que se mataram a eles próprios e que se envenenaram. O Assadezinho, é tão bonzinho coitadinho ...  :mrgreen:

Creio que a seguir, vão dizer-nos que nas câmaras de gás, eram os judeus que tratavam de tudo. Eles matavam-se a eles próprios para depois deitar as culpas nos pobrezinhos dos militares nazistas, que afinal não têm culpa nenhuma.  :mrgreen:  :mrgreen:  :mrgreen:  ? ? ? ?

Felizmente, ainda há muita gente que é capaz de utilizar o cérebro...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 25, 2014, 09:50:15 pm
Citação de: "papatango"
O Russia Today, é um canal de televisão financiado pelo governo da Máfia Russa.

a rt causa-lhe urticária,  :mrgreen:  :mrgreen: [/quote]

Já lhe foi feito o desafio noutro post de mostrar com fontes oficiais e fidedignas , ou seja o site areamilitar não conta, onde o Assad tenha jurado que não tinha armas quimicas. Até à data o papa tangas resume-se a responder com icones. Depois de mostrares as fontes que comprovem o que dizes eu mostro-te uma entrevista em que ele diz que nao iria abordar esse tema porque era um assunto de segurança interna. Será que para si preto e cinzento são a mesma cor?

O Assad não é bonzinho, não senhor, mas dai não vamos concluir automaticamente à la BBC que foi ele que deu ordens para o ataque quimico de Ghouta. Mais uma vez lanço-lhe o desafio de imputar ao Assad essa responsabilidade. Este assunto já foi bastante discutido no forum com alguma profundidade. Não me admiro que o não consiga provar, pois as principais agencias de inteligencia ocidental (mossad incluida), também falharam nessa missão. Já o contrário (autoria desses ataques quimicos terem sido dos rebeldes) fazendo uma pesquisa honesta,juntando os pontos, para gente que for capaz de utilizar o cérebro... (opá mas tu nem sequer les o que os outros membros escrevem no forum?)

Citar
Na Ucrânia os agentes da policia (que cumpriam ordens de Yanukovich, que fez o que Putin mandou) assassinaram quase uma centena de pessoas, mas a culpa é dos próprios, porque estavam a atirar sobre eles mesmos. O Yanukovich, coitadinho, não teve culpa nenhuma...  :mrgreen:

Não é isso que deixa transparecer a conversa que foi escutada entre o mne estonio e uma representante da ue. O cenário mais provável é que parte dessas mortes sejam da autoria de snipers contratados pelas forças da oposição para exactamente gerar na opinião publica a percepção de que foi o então presidente ucraniano e dai apressar a remoção do yanukovich do poder.  Desde quando policias matam policias com as mesmas balas que serviram para matar os manifestantes (com a mesma assinatura)? A sua lógica é a de que o presidente ucraniano mandou os policias matarem policias e assim mantinha o poder? O facto do actual governo não querer investigar esses incidentes fala por si...

é bom ser português papatango, temos coisas muito boas. e precisamos dos bons e dos portugueses para dar a volta a este periodo dificil que atravessamos. tenho uma pergunta para lhe fazer- camarate foi atentado da cia ou na sua opinião foi o vento? se calhar foi o putin, não?

podes responder com icones i dont care
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 25, 2014, 10:12:52 pm
Citação de: "Luso"
Citação de: "mafarrico"
na crimeia se quiserem observar o que e propaganda tentem sacar o noticiario das 14h da BBC News do dia 16 de Marco de 2014 quando o Ben Brown entrevista em directo uma votante no referendo. QUE SHOW, O FEITICO VIROU-SE CONTRA O FEITICEIRO. FOI DOS MELHORES MOMENTOS QUE JA VI NA TELEVISAO. GANDA OLGA  :G-beer2:

Se tivesse o link tinha-o posto à disposição. o iplayer da bbc não parece cobrir as noticias da bbc news e a breve pesquisa posterior que fiz tambem não me deu resultados. mas deves estar ai. o reporter chama-se ben brown, a mulher olga koziko, e aquilo foi no dia 16 de março no noticiario das 14h do canal bbc news.

Esse momento de televisão é notavel porque o reporter da BBC parecia convencido que ao entrevistar em directo uma habitante da crimeia que é professora de ingles ia encontrar um adepto para a sua causa, a causa anglo-saxonica de que tropas russas estavam a condicionar a votacao, que o referendo era ilegal... as lengalengas do costume. Eis senão quando a entrevistada fala e parecia uma cassete do pcp. e o reporter fazia mais uma daquelas perguntas preparadas do guião e ela dava-lhe troco de que a russia ia protege-los, que eles não queriam ter nada a ver com os nazistas de kiev e o camandro. Ela até disse que o marido era da parte ocidental da ucrania que era um homem internacional e que estavam do lado do putin  :lol:  :P  :P
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Março 25, 2014, 10:14:03 pm
Citar
Jaish al-Islam with a functional 9K33 Osa in East Ghouta, Rif Dimashq
:shock:

Ninjas?  :roll:
Muito equipamento capturado a partir dos 18:50.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 28, 2014, 12:03:08 am
http://www.strategic-culture.org/news/2 ... alley.html (http://www.strategic-culture.org/news/2014/03/28/decisive-turnaround-syrian-war-al-assad-victory-qalamoun-valley.html)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 29, 2014, 03:59:15 pm
Putin e Assad é que são os maus. Turquia, Arábia Saudita, Qatar e os outros Friends of Syria é que são os freedom fighters pois então.
Os media ocidentais é que dizem a verdade. Os media russos e sirios são os maiores mentirosos à face da terra. Tanto é assim que as paladinas da verdade e da isenção como BBC, CNN e derivados abriram os noticiarios da Siria com este conversação.


http://rt.com/news/turkey-syria-phone-leak-861/ (http://rt.com/news/turkey-syria-phone-leak-861/)

http://www.informationclearinghouse.inf ... e38092.htm (http://www.informationclearinghouse.info/article38092.htm)

http://www.twitlonger.com/show/n_1s15hj6 (http://www.twitlonger.com/show/n_1s15hj6)
 http://www.twitlonger.com/show/n_1s15rac (http://www.twitlonger.com/show/n_1s15rac)

http://www.bestshockers.com/leaked-recording/ (http://www.bestshockers.com/leaked-recording/)

A leaked conversation between Turkey’s intelligence chief and the war room reveals plot to create a casus belli for war with Syria by using ISIL, an alQaeda offshoot, to threaten a turkish shrine Suleiman Shah Tomb. Turkey has blocked youtube in order to cover up the leaks. Turkish Foreign Ministry confirmed the recording of planning for a military incursion into Syria adding that a ’network of treason’ was responsible for leak. Part two of the leaked conversation implicates John Kerry US secretary of state in the plot.

Citar
In the leaked tape:

Foreign Minister Ahmet Davudoğlu
Head of Turkish Intelligence MIT Hakan Fidan
Undersecretary of Foreign Ministry Feridun Sinirlioğlu
General Yaşar Güler

Ahmet Davutoğlu: I couldn’t entirely understand the other thing; what exactly does our foreign ministry supposed to do? No, I’m not talking about the thing. There are other things we’re supposed to do. If we decide on this, we are to notify the United Nations, the Istanbul Consulate of the Syrian regime, right?
Feridun Sinirlioğlu: But if we decide on an operation in there, it should create a shocking effect. I mean, if we are going to do so. I don’t know what we’re going to do, but regardless of what we decide, I don’t think it’d be appropriate to notify anyone beforehand.

Ahmet Davutoğlu: OK, but we’re gonna have to prepare somehow. To avoid any shorts on regarding international law. I just realized when I was talking to the president (Abdullah Gül), if the Turkish tanks go in there, it means we’re in there in any case, right?

Yaşar Güler: It means we’re in, yes.

Ahmet Davutoğlu: Yeah, but there’s a difference between going in with aircraft and going in with tanks…

Yaşar Güler: Maybe we can tell the Syrian consulate general that, ISIL is currently working alongside the regime, and that place is Turkish land. We should definitely…

Ahmet Davutoğlu: But we have already said that, sent them several diplomatic notes.

Yaşar Güler: To Syria…

Feridun Sinirlioğlu: That’s right.

Ahmet Davutoğlu: Yes, we’ve sent them countless times. Therefore, I’d like to know what our Chief of Staff’s expectations from our ministry.

Yaşar Güler: Maybe his intent was to say that, I don’t really know, he met with Mr. Fidan.

Hakan Fidan: Well, he did mention that part but we didn’t go into any further details.

Yaşar Güler: Maybe that was what he meant… A diplomatic note to Syria?

Hakan Fidan: Maybe the Foreign Ministry is assigned with coordination…

Ahmet Davutoğlu: I mean, I could coordinate the diplomacy but civil war, the military…

Feridun Sinirlioğlu: That’s what I told back there. For one thing, the situation is different. An operation on ISIL has solid ground on international law. We’re going to portray this is Al-Qaeda, there’s no distress there if it’s a matter regarding Al-Qaeda. And if it comes to defending Suleiman Shah Tomb, that’s a matter of protecting our land.

Yaşar Güler: We don’t have any problems with that.

Hakan Fidan: Second after it happens, it’ll cause a great internal commotion (several bombing events is bound to happen within). The border is not under control…

Feridun Sinirlioğlu: I mean, yes, the bombings are of course going to happen. But I remember our talk from 3 years ago…

Yaşar Güler: Mr. Fidan should urgently receive back-up and we need to help him supply guns and ammo to rebels. We need to speak with the minister. Our Interior Minister, our Defense Minister. We need to talk about this and reach a resolution sir.

Ahmet Davutoğlu: How did we get specials forces into action when there was a threat in Northern Iraq? We should have done so in there, too. We should have trained those men. We should have sent men. Anyway, we can’t do that, we can only do what diplomacy…

Feridun Sinirlioğlu: I told you back then, for God’s sake, general, you know how we managed to get those tanks in, you were there.

Yaşar Güler: What, you mean our stuff?

Feridun Sinirlioğlu: Yes, how do you think we’ve managed to rally our tanks into Iraq? How? How did manage to get special forces, the battalions in? I was involved in that. Let me be clear, there was no government decision on that, we have managed that just with a single order.

Yaşar Güler: Well, I agree with you. For one thing, we’re not even discussing that. But there are different things that Syria can do right now.

Ahmet Davutoğlu: General, the reason we’re saying no this operation is because we know about the capacity of those men.

Yaşar Güler: Look, sir, isn’t MKE (Mechanical and Chemical Industry Corporation) at minister’s bidding? Sir, I mean, Qatar is looking for ammo to buy in cash. Ready cash. So, why don’t they just get it done? It’s at Mr. Minister’s command.

Ahmet Davutoğlu: But there’s the spot we can’t act integratedly, we can’t coordinate.

Yaşar Güler: Then, our Prime Minister can summon both Mr. Defence Minister and Mr. Minister at the same time. Then he can directly talk to them.

Ahmet Davutoğlu: We, Mr. Siniroğlu and I, have literally begged Mr. Prime Minster for a private meeting, we said that things were not looking so bright.

Yaşar Güler: Also, it doesn’t have to be crowded meeting. Yourself, Mr. Defence Minister, Mr. Interior Minister and our Chief of Staff, the four of you are enough. There’s no need for a crowd. Because, sir, the main need there is guns and ammo. Not even guns, mainly ammo. We’ve just talked about this, sir. Let’s say we’re building an army down there, 1000 strong. If we get them into that war without previously storing a minimum of 6-months’ worth of ammo, these men will return to us after two months.

Ahmet Davutoğlu: They’re back already.

Yaşar Güler: They’ll return to us, sir.

Ahmet Davutoğlu: They’ve came back from… What was it? Çobanbey.

Yaşar Güler: Yes, indeed, sir. This matter can’t be just a burden on Mr. Fidan’s shoulders as it is now. It’s unacceptable. I mean, we can’t understand this. Why?

Ahmet Davutoğlu: That evening we’d reached a resolution. And I thought that things were taking a turn for the good. Our…

Feridun Sinirlioğlu: We issued the MGK (National Security Council) resolution the day after. Then we talked with the general…

Ahmet Davutoğlu: And the other forces really do a good follow up on this weakness of ours. You say that you’re going to capture this place, and that men being there constitutes a risk factor. You pull them back. You capture the place. You reinforce it and send in your troops again.

Yaşar Güler: Exactly, sir. You’re absolutely right.

Ahmet Davutoğlu: Right? That’s how I interpret it. But after the evacuation, this is not a military necessity. It’s a whole other thing.

Feridun Siniroğlu: There are some serious shifts in global and regional geopolitics. It now can spread to other places. You said it yourself today, and others agreed… We’re headed to a different game now. We should be able to see those. That ISIL and all that jazz, all those organizations are extremely open to manipulation. Having a region made up of organizations of similar nature will constitute a vital security risk for us. And when we first went into Northern Iraq, there was always the risk of PKK blowing up the place. If we thoroughly consider the risks and substantiate… As the general just said…

Yaşar Güler: Sir, when you were inside a moment ago, we were discussing just that. Openly. I mean, armed forces are a “tool” necessary for you in every turn.
Ahmet Davutoğlu: Of course. I always tell the Prime Minister, in your absence, the same thing in academic jargon, you can’t stay in those lands without hard power. Without hard power, there can be no soft power.

Yaşar Güler: Sir.

Feridun Sinirlioğlu: The national security has been politicized. I don’t remember anything like this in Turkish political history. It has become a matter of domestic policy. All talks we’ve done on defending our lands, our border security, our sovereign lands in there, they’ve all become a common, cheap domestic policy outfit.

Yaşar Güler: Exactly.

Feridun Siniroğlu: That has never happened before. Unfortunately but…

Yaşar Güler: I mean, do even one of the opposition parties support you in such a high point of national security? Sir, is this a justifiable sense of national security?

Feridun Sinirlioğlu: I don’t even remember such a period.

Yaşar Güler: In what matter can we be unified, if not a matter of national security of such importance? None.

Ahmet Davutoğlu: The year 2012, we didn’t do it 2011. If only we’d took serious action back then, even in the summer of 2012.

Feridun Sinirlioğlu: They were at their lowest back in 2012.

Ahmet Davutoğlu: Internally, they were just like Libya. Who comes in and goes from power is not of any importance to us. But some things…

Yaşar Güler: Sir, to avoid any confusion, our need in 2011 was guns and ammo. In 2012, 2013 and today also. We’re in the exact same point. We absolutely need to find this and secure that place.

Ahmet Davutoğlu: Guns and ammo are not a big need for that place. Because we couldn’t get the human factor in order…
Part 2 of audio (incomplete thus far)

Feridun Sinirlioglu: Let me tell you this, it is a small piece of land, by the international law it is Turkish soil, so we have all the right to do an operation and if we do this the whole world would back us, have no doubt about it.

Yasar Guler: We have no doubt

Yasar Guler: Those Turkish Special Forces are waiting over there for a year! It is not like we plan all this just yesterday, They have been waiting for a year.

Ahmet Davutoglu: Kerry told me exactly this: DID YOU MAKE UP YOUR MINDS?

Yasar Guler: Yes we made up our minds 100 times with USA

Feridun Sinirlioglu: 3 days ago Americans came to the military headquarters and they had a crisis coordination meeting. This is the first time I hear of this

Yasar Guler: No we do it all the time

Ahmet Davutoglu : Everyone must fulfill their duties. If the ambassador tells me “sir if i do this I will be locked in prison, they lock everyone in prison” then what should we do? We tell him to step down and we will find someone else to replace him who can do what he needs to do. This is the way things work in democracy.


Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Março 29, 2014, 10:07:04 pm
É tudo mentira, Mafarrico: isso é tudo desinformação da RT. Isso é tudo KGB...  :wink:
A verdade está na CNN, na FOX, na BBC, na SiC(K)...
Toda a gente sabe.
Mesmo que as notícias que nos levam à boquinha fossem verdadeiras, adiantaria alguma coisa? Ora isso é que é o facto a reter.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Março 29, 2014, 10:58:09 pm
Luso

toda a gente sabe que eu só vejo a RT por causa daqueles aviões russos (Polly Boiko, Maria Finoshina,Oksana Boyko,Katie Pilbeam)
 
também gostas das russonas não é?

já que falaste na BBC e FOX News aproveito para quem ainda não conhece estes videos para os ver.
os malandros do kgb da RT ainda tem muito que aprender

se Mark Walsh é ou não Mark Humphrey, não sei, mas não há duvidas que alguém tinha um guião para representar


se o video foi ou não censurado pelo google não sei, mas não há duvidas de que o WTC 7 Building estava de pé quando a BBC falava do seu colapso. Se foi uma previsão bem sucedida ou peça de má jornalismo ou o guião lido antes do tempo , fica ao critério de cada um. Investiguem o colapso do WTC 7 building.

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Abril 02, 2014, 12:35:48 am




Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Abril 02, 2014, 09:41:48 am
http://rt.com/news/syria-chemical-attack-militants-645/ (http://rt.com/news/syria-chemical-attack-militants-645/)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 07, 2014, 12:04:56 am
surgem os TOW .
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Alvalade em Abril 08, 2014, 06:18:07 pm

 :N-icon-Axe:

"Português" na jihad
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Abril 09, 2014, 01:31:45 am
o que tambem me magoa no meio disto é ver pessoas honestas irem na máquina da propaganda dos main stream media (claro que so podia ter sido o Assad, esse malvadao...)

http://rt.com/op-edge/syria-war-crime-sarin-345/ (http://rt.com/op-edge/syria-war-crime-sarin-345/)

http://www.lrb.co.uk/v36/n08/seymour-m- ... e-rat-line (http://www.lrb.co.uk/v36/n08/seymour-m-hersh/the-red-line-and-the-rat-line)

http://consortiumnews.com/2014/04/06/wa ... in-attack/ (http://consortiumnews.com/2014/04/06/was-turkey-behind-syrian-sarin-attack/)

http://consortiumnews.com/2014/04/07/th ... arin-case/ (http://consortiumnews.com/2014/04/07/the-collapsing-syria-sarin-case/)

Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Abril 10, 2014, 10:00:25 pm
Síria livre de armas químicas "em maio ou junho"


A Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ) poderá declarar a Síria como país livre de armas químicas "em maio ou junho", disse na quarta-feira o seu presidente, Ahmed Üzümcü.

Numa conferência no Ministério dos Negócios Estrangeiros uruguaio, o responsável por zelar pela destruição das armas químicas sírias no âmbito da convenção mundial sobre a Proibição de Desenvolvimento, Produção, Armazenamento e Uso de Armas Química, considerou que o trabalho da OPAQ no país do Médio Oriente pode ser considerado um "êxito" e um triunfo do "multilateralismo" no combate contra a guerra química".

"Penso que, assim que o último envio de armas químicas da Síria esteja completo, estaremos muito perto de declarar que a Síria está livre de armas químicas. Ainda ficam alguns assuntos para resolver, e algumas verificações e clarificações por fazer (...), mas acredito que possamos dizer que a Síria está livre de armas químicas em algum momento entre maio e junho", disse Üzümcü.

A OPAQ procura a eliminação total das armas químicas no mundo. Em outubro do ano passado, a organização recebeu o Prémio Nobel da Paz em reconhecimento pelos seus "grandes esforços" na destruição de arsenais químicos.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 11, 2014, 06:23:10 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 14, 2014, 01:19:13 pm
TOW que explodiu a meio do trajecto.  :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Abril 14, 2014, 08:39:15 pm
Citação de: "HSMW"
TOW que explodiu a meio do trajecto. :shock:

Aposto que proveniente dos lotes sauditas. Não me surpreende e a confirmar-se mais casos destes o significado é amplo.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 15, 2014, 02:19:17 pm
Mais um ataque com gás de cloro...
E o relato de Eric Harroun, um americano que foi combater para a Síria.
Diz tudo o que se deve saber.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 17, 2014, 11:50:29 am
Citar
Battle of Jouret al-Shayah, Homs
 :arrow: http://wikimapia.org/20736117/Jouret-al-Shayyah (http://wikimapia.org/20736117/Jouret-al-Shayyah)
Gostei especialmente de ver a Shilka a disparar a partir do minuto 1:48
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Abril 18, 2014, 07:47:36 pm
http://turkishnavy.net/2014/04/18/russian-warship-movements-through-turkish-straits-part-47/

Carregamento "fresquinho" de armas para Assad?   :roll:
(http://turkishnavy.files.wordpress.com/2013/01/ropucha.jpg)


Saudações
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Abril 18, 2014, 10:03:27 pm
Citação de: "HSMW"
Gostei especialmente de ver a Shilka a disparar a partir do minuto 1:48

Um dos melhores veiculos para este tipo de combate. Os russos descobriram isso da pior maneira na Tchetchénia, pois os rebeldes, sabendo do pouco angulo vertical que a peça dos CC russos têm, colocavam as armas AT rente ao solo e as MG e RPG nos andares mais altos, fora do campo de tiro dos CC. Isso levou a pesadas baixa entre os russos até que, quase por acidente, descobriram que os Shilkas, apesar de obsoletos na sua função primária, eram altamente eficientes no meio dos edificios, apesar da sua muito fraca blindagem. Além de  poderem bater qualquer alvo devido à alta mobilidade e agulo das armas, o enorme ritmo de fogo dos 4 canos e a capacidade destructiva dos projecteis tornam-no na plataforma idela para este tipo de combate (desde que não haja questões cm danos colaterais)


Citação de: "mafets"
http://turkishnavy.net/2014/04/18/russian-warship-movements-through-turkish-straits-part-47/

Carregamento "fresquinho" de armas para Assad? :roll:

Pois, parece que as coisas pela Ucrania estão suficientemente controladas ou favoráveis ao Kremiln para dispensarem de novo os navios para apoio ao Assad. Aliás, parece mesmo que o Assad tem mantido alta capacidade ofensiva apesar do interregno nos suprimentos de material entregando nos ultimos dias golpes durissimos nas forças rebeldes.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Abril 18, 2014, 10:20:55 pm
´


Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Abril 19, 2014, 06:50:15 pm
Líder da Al-Qaeda pede unidade aos jihadistas na Síria


O líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, desmentiu ter mudado de ideologia, como foi acusado por um grupo jihadista, e pediu a unidade dos grupos islamitas contra o regime sírio de Bashar al-Assad, numa entrevista hoje divulgada .

Vários grupos armados islamitas estão numa guerra fraticida que já causou milhares de mortes desde Janeiro na região norte da Síria. A entrevista, realizada entre Fevereiro e Abril, segundo o centro norte-americano de monitorização de páginas islamitas (SITE), foi divulgada depois de um influente grupo jihadista na Síria, o Estado Islâmico no Iraque e Levante (EIIL), acusar os dirigentes da Al-Qaeda de «afastamento do bom caminho». «Dividiram em todas as partes as fileiras dos mujahedines», acusou o porta-voz do EIIL, Abu Mohamed al-Adnani, num comunicado divulgado na sexta-feira por fóruns jihadistas.

Zawahiri rebateu a acusação e considerou que o regime sírio pode ter infiltrado os grupos jihadistas para dividir o movimento, segundo o SITE, que traduziu a entrevista concedida para o As Sahab, o órgão de comunicação da Al-Qaeda. «Se ordenar que lutem contra os vossos irmãos mujahedines não me obedeçam. Se ordenar uma explosão no meio dos vossos irmãos mujahedines, não me obedeçam», disse.

As divergências com o EIIL surgiram no ano passado, quando Zawahiri ordenou a este grupo que restringisse as actividades no Iraque. Também acusou o grupo de ter cometido actos violentos contra civis e rebeldes rivais.

O comando da Al-Qaeda declarou outro grupo, a Frente Al-Nosra, como braço oficial da Al-Qaeda na Síria. «O nosso método é concentração nos Estados Unidos, seus aliados cruzados e os sionistas e os seus agentes traidores e incitar a Uma (a comunidade muçulmana) a unir-se à jihad contra eles, deixando as diferenças de lado», disse Zawahiri na entrevista.

«O nosso método é evitar operações que poderiam potencialmente derramar o sangue de forma injusta de pessoas nos mercados, em áreas residenciais e inclusivamente entre grupos jihadistas», acrescentou.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Abril 21, 2014, 04:17:43 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Abril 23, 2014, 11:21:08 pm
Agências da ONU apelam a "medidas urgentes" na Síria


Os dirigentes das agências humanitárias da ONU apelaram hoje a todas as partes envolvidas no conflito da Síria para tomarem "medidas urgentes" para permitir "o acesso humanitário incondicional", levantar os cercos impostos aos civis e pôr fim aos bombardeamentos.

A vice-secretária-geral das Nações Unidas para os Assuntos Humanitários e Coordenadora da Ajuda de Emergência, Valerie Amos, o diretor executivo da UNICEF, Anthony Lake, o Alto-Comissário da ONU para os Refugiados, António Guterres, a diretora executiva do Programa Alimentar Mundial, Ertharin Cousin, e a diretora-geral da Organização Mundial de Saúde, Margaret Chan, consideram que após o seu primeiro apelo, há um ano, "até à data, os esforços diplomáticos para pôr fim a anos de sofrimento falharam".

Por essa razão, sublinham, "hoje, apelamos a todas as partes envolvidas neste conflito brutal para que tomem medidas urgentes a fim de permitir o acesso humanitário incondicional a todas as pessoas que dele precisam, utilizando todas as vias de comunicação disponíveis na Síria e através das fronteiras".

Exortam igualmente ao levantamento dos "cercos aos civis atualmente impostos por todas as partes envolvidas, tais como os que bloqueiam algumas zonas de Alepo, a Cidade Velha de Homs, Yarmuk, Ghoutha Leste, Moadhamieh, Nubl e Zahra" e ainda ao fim dos "bombardeamentos e tiroteios indiscriminados contra civis por parte do Governo e grupos da oposição" e de "todas as outras formas de violação da legislação humanitária internacional".

Para demonstrar como a situação no terreno se agravou, os responsáveis da ONU precisam que "devido à intensificação dos combates nas últimas semanas, pelo menos um milhão de pessoas, só em Alepo, precisa de assistência humanitária urgente" e que "a estrada entre Damasco e Alepo -- uma via de comunicação vital -- tem sido frequentemente cortada, ainda que 1,25 milhões de pessoas precisem de comida na cidade de Alepo e zonas rurais desta província". Também "outras estradas fundamentais estão bloqueadas por diferentes forças e grupos armados", acrescentam. Além disso, o acesso humanitário está a ser frequentemente negado aos que mais precisam "por todas as partes".

"Bombardeamentos aéreos, rockets, morteiros e outros ataques indiscriminados chacinam homens, mulheres e crianças inocentes", refere o documento. "Segundo informações disponíveis, em Alepo há agora apenas 40 médicos para uma população de 2,5 milhões de pessoas -- em tempos eram mais de 2.000 -- e os artigos médicos são escassos. A cidade está cercada por todos os lados", indicam os dirigentes das agências humanitárias da ONU.

Neste momento, na Síria, "a vida de mais de 9,3 milhões de pessoas está a ser afetada por este conflito, que já entrou no seu quarto ano consecutivo", frisam.
"Com um terço das estações de tratamento de água do país sem funcionar, 60 por cento dos centros de saúde destruídos e cerca de 3,5 milhões de pessoas a viver em zonas sem possibilidade de acesso por parte da assistência humanitária, os civis inocentes da Síria parecem sobreviver apenas de coragem", observam.

E terminam com duas perguntas: "Podem aqueles com a responsabilidade e o poder e a influência para acabar com esta terrível e trágica guerra ter a mesma coragem, a mesma força de vontade? Se os civis da Síria não desistiram, como pode a comunidade internacional desistir dos seus esforços para os salvar - e salvar a Síria?".

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 25, 2014, 02:07:54 pm
Com legendas em inglês.
Mais combates.
Citar
Syrian Army operation Jeb Al Jandali, old city Homs
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 26, 2014, 09:31:40 pm
A equipa do ANNA News agora passou a acompanhar unidades de infantaria e colocou as GoPro num T-55.  c34x

Citar
2013 was a bad year for the Syrian rebels. While the mainstream rebels struggled to defend their frontlines from the resurgent Assad regime, a renegade al Qaeda offshoot, the Islamic State of Iraq and Syria (ISIS), launched a series of assaults on the formerly-dominant FSA brigades from behind, capturing their strongholds in rebel-held northern Syria and executing their commanders. Now the rebels are fighting back.

A coalition of former FSA brigades, funded by Saudi Arabia and rebranded as the Syrian Revolutionaries Front (or SRF), launched a surprise offensive against ISIS in the spring of 2014, in a campaign supported by both the Saudi and US governments. VICE News was the first western TV crew into Northern Syria for 6 months, embedding with the SRF as they reimposed their rule over the country's northwestern Idlib province. What we witnessed was a brief window into a complex and morally ambiguous conflict with no end in sight.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Abril 26, 2014, 09:47:54 pm
Algo vai é muito mal nas fileiras do FSA e associados. Esta semana já estava a ser bastante má com exitos assinaláveis por parte do SAA mas desde ontem.... Hoje então tem sido um descalabro completo com os Exercito Sírio a desbaratar por completo toda uma serie de dispositivos e posições do rebeldes.   :?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Abril 27, 2014, 12:49:20 am
Zabadani foi retomada pelo SAA. Assad conseguiu assim segurar a fronteira com o Libano e libertar-se da pressão a Oeste de Damasco.

http://www.aljazeera.com/news/middleeast/2014/04/syria-rebels-surrender-border-town-2014426152724543924.html
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Abril 27, 2014, 03:00:54 pm

Citar
Islamist nerve gas attack on regimen 74 in #Deraa #Syria. Soldier had no time to put gas mask
very few traces of blood, perhaps a professional for this to judge by video, is it really true-a lot of casualties?
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 03, 2014, 06:30:34 am
http://www.ibtimes.co.uk/syria-isis-jih ... es-1446675 (http://www.ibtimes.co.uk/syria-isis-jihadists-hanging-victims-public-crucifixes-1446675)

Syria: Isis Jihadists Hanging Victims on Public Crucifixes

By Jack Moore
April 30, 2014 10:24 GMT

(http://d.ibtimes.co.uk/en/full/1376476/raqqa-cross-crucifix.jpg?w=660&h=371&l=50&t=40)
The shocking photos show victims hanging from crucifixes in front of crowds in a Raqqa square.Facebook / Raqqa Is Being Slaughtered Silently

The Islamic group which even al-Qaida has disowned for its brutality has been accused of hanging its executed victims from crosses in public squares in northern Syria.

The Islamic State of Iraq and al-Sham (Isis) has taken control of the northern Syrian town of Raqqa where photographs show onlookers watching the hanging of victims from the cross in a public area, with Arabic terminology draped across their bodies.

Abu Ibrahim Alrquaoui, a co-founder of the Raqqa is Being Slaughtered Silently group, told Fox News that the victims are themselves Muslim rebels who fought against the Assad regime.

"It's very dangerous. They threaten us directly and want to kill us," said Alrquaoui.

"They want to stay in control. Everything they do is to scare people. That's why they kill people publicly," he continued.

The photographs could not be immediately verified and the means of execution, if true, could not be confirmed.

(http://d.ibtimes.co.uk/en/full/1376497/syria-raqqa-cross.jpg?w=660&h=371&l=50&t=40)

Isis rebels are infamous for their brutality, beheading victims and parading the severed heads to both crowds and video cameras.

The group is made of mainly foreign jihadists and is fighting to create an Islamic caliphate in the old Mesopotamia region which includes both Iraq and Syria.

According to the Syrian Observatory for Human Rights, rebel-on-rebel violence has killed at least 2,300 people this year alone.

After disowning the group in February, al-Qaida's senior leadership said that Isis is "not an affiliate with the al-Qaida group and has no organisational relation with it."

Isis has defiantly disobeyed al-Qaida orders, following a path of greater brutality in the Syrian civil war, in conjunction with the group's draconian interpretation of Islamic law.

"I have to choose between the rule of God and the rule of [Ayman al] Zawahiri (leader of al-Qaida), and I choose the rule of God," said Isis leader Abu Bakr al-Baghdadi in a leaked audio recording.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 03, 2014, 06:34:48 am
http://dailystar.com.lb/News/Middle-Eas ... z30cvNrBCo (http://dailystar.com.lb/News/Middle-East/2014/May-01/255076-24-syrians-register-to-run-in-presidential-election.ashx#axzz30cvNrBCo)

24 Syrians register to run in presidential election

May 01, 2014 04:43 PM

(http://dailystar.com.lb/dailystar/Pictures/2014/05/01/258099_mainimg.jpg)
Syrian lawmakers gather during a session to vote for a new election law, at the Syrian parliament in Damascus, Syria, March 11, 2014. (AP Photo/SANA)

DAMASCUS: A total of 24 Syrians have registered to run in next month's presidential election, including incumbent President Bashar al-Assad, the Supreme Constitutional Court announced Thursday as the application deadline expired.

The vote, scheduled for June 3, is expected to return to power Assad, the embattled president who has faced a three-year-old armed revolt. But there has been no shortage of would-be challengers.

The court will now spend five days examining the 24 hopefuls to see if they meet electoral criteria to run for office in Syria's first multi-candidate presidential vote.

A maximum of three candidates are expected to figure on the final list.

"At 3:00 pm (1200 GMT) on Thursday May 1, 2014, the period for submitting presidential candidacy ended," court head Adnan Zureiq said, quoted on state television.

"Twenty-four requests for candidacy for the post of Syrian president" had been submitted and the court would begin work Friday to examine which candidates met electoral criteria.

The results, he said, would be announced within five days.

To add their name on the ballot, candidates must win approval from at least 35 of parliament's 250 lawmakers, as well as meet criteria including having lived in Syria for the past decade.

The rules effectively ruled out the participation of the country's leading opposition figures, who are in exile.

The Baath party headed by Assad has 161 deputies, all of whom are expected to give him their support, meaning no more than two other candidates are likely to make the cut.

Assad's would-be challengers are all largely unknown and include two women and one Christian man.

Syria's constitution requires that candidates for the presidency be Muslim, but a source in the court said this week that all applications would be received and then examined in line with the rules.

The constitution contains no explicit prohibition on female candidates, but its phrasing implies only male candidates are permitted.

The election will be the first since a constitutional amendment scrapped a system of presidential referendums.

Assad, who succeeded his father in office in 2000, after his death, is expected to sweep to victory despite the brutal civil war ravaging the country.

More than 150,000 people have been killed, and nearly half the population has been displaced by the fighting.

The conflict has left large swathes of Syria beyond the control of the government, which has not explained how it will organise voting nationwide.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Maio 09, 2014, 12:22:19 am


Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 10, 2014, 12:15:51 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 15, 2014, 04:18:42 pm
http://www.presstv.com/detail/2014/05/1 ... t-rallies/ (http://www.presstv.com/detail/2014/05/13/362509/syrians-stage-progovernment-rallies/)

People rally across Syria, voice support for govt.

Tue May 13, 2014 4:22PM GMT

People across Syria have held massive rallies to voice their support for the incumbent government and the country’s army, which has been battling foreign-backed militants over the past three years.

On Tuesday, thousands of people converged on al-Jalaa Sport City in the capital Damascus to express support for the upcoming presidential election and the Syrian army, SANA news agency reported.

Some of the participants delivered speeches in which they described participation in the June 3 presidential vote as an obligation.

Additionally, a rally was held in the town of Mhambel in Idlib province. Demonstrators carried Syrian flags and chanted slogans in support of the government. They also voiced support for President Assad in the next month’s presidential election.

Elsewhere, thousands of citizens flooded the streets in al-Shammas neighborhood of the western city of Homs, located 162 kilometers (100 miles) north of Damascus, to voice their support for the Syrian government and army.

A pro-government rally was also staged in the southwestern city of As-Suwayda, where the demonstrators called upon all Syrians to participate in the forthcoming presidential election.

President Assad’s popularity has been on the rise following recent military gains. Assad’s government has also introduced a series of constitutional reforms, including reforms regarding the upcoming presidential vote.

Campaigning for Syria’s June 3 presidential election has started despite the foreign-backed militancy. The vote will be held in the government-controlled parts of the crisis-hit country. Syrians living abroad are also set to vote on May 28.

Last month, Syria dismissed Western and opposition accusations regarding its presidential election, saying that it is planning to hold a free and transparent vote.

Syria has been gripped by deadly violence since March 2011. Over 150,000 people have reportedly been killed and millions displaced due to the violence fueled by the foreign-backed militants.

MP/AB

(http://blogs.ft.com/photo-diary/files/2014/05/SyriaPB3855247.jpg)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Maio 18, 2014, 06:47:29 pm
General sírio morto em combate perto de Damasco


O general Hussein Isaac, foi hoje morto em combate perto de Damasco, informou fonte oficial da segurança, citado pela AFP.

O general, que dirigia a defesa antiaérea nas forças armadas, morreu dos ferimentos sofridos em combates em Mleiha, um campo de batalha chave a sudeste da capital, e é um dos poucos altos comandantes cujas mortes foram anunciadas desde o início da guerra, que há dura há três anos.

Embora a defesa antiaérea não seja utilizada enquanto tal na atual guerra, uma vez que os rebeldes não têm aviação, o seu arsenal é colocado ao serviço do regime, assim como o de todas as divisões das forças armadas de Bashar al-Assad. Segundo Rami Abdel Rahmane, diretor do Observatório sírio dos direitos humanos (OSDH), uma organização não governamental sediada em Londres, o general ficou gravemente ferido em Mleiha e acabou por morrer hoje.

"Trata-se de um golpe duro para o moral das tropas lealistas e para os seus aliados", afirmou.

Mleiha é um bastião chave dos rebeldes no sudeste de Damasco que o exército e o seu poderoso aliado libanês, o Hezbollah, tentam controlar há semanas.
Apesar de um avanço do regime no início de maio, controlando metade da localidade, os rebeldes conseguiram retomar o controlo nas últimas 24 horas, segundo o OSDH.

A guerra na Síria, que dura desde 2011, já fez mais de 150.000 mortos e mais de nove milhões de refugiados e deslocados.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Maio 22, 2014, 08:07:45 pm
ONU: China e Rússia vetam proposta para julgar crimes de guerra na Síria


A China e a Rússia vetaram hoje uma proposta de resolução do Conselho de Segurança da ONU que visava a apresentação da Síria perante o Tribunal Penal Internacional (TPI), para ser julgada por crimes de guerra.

As potências ocidentais pressionaram para que a proposta de resolução fosse aprovada, com base em ataques que ocorreram na Síria com recurso a armas químicas, torturas e bombas feitas a partir de barris, bem como recusa a ajuda humanitária. A proposta visava apresentar perante o TPI as várias fações presentes no conflito, mas a Síria não é signatária do Tribunal Penal Internacional, pelo que apenas o Conselho de Segurança da ONU pode fazer com que crimes de guerra ou crimes humanitários sejam levados ao TPI.

Foi a quarta vez que a China e a Rússia bloquearam propostas vindas dos países ocidentais, o que tem paralisado esforços para terminar uma guerra que se estima tenha já causado mais de 160 mil mortos. Os restantes 13 membros do Conselho de Segurança das Nações Unidas votaram a favor, e as potências ocidentais culparam a China e a Rússia de não só protegerem o regime sírio de Bashar Al-Assad, mas também "grupos terroristas" da oposição.

A guerra civil na Síria arrasta-se desde o início da primavera árabe, em 2011, e opõe o regime de Bashar Al-Assad a vários grupos opositores, entre os quais alguns apoiados pela Al-Qaeda. A Rússia e a China têm sido os principais aliados internacionais do regime de Assad. "As vítimas da indústria de morte do regime de Assad, bem como as vítimas de ataques terroristas, merecem mais do que ter de contar mais mortos", disse a embaixadora dos Estados Unidos na ONU, Samantha Power. "É uma vergonha que tenham vetado novamente o esforço do Conselho de Segurança para tomar uma posição no que toca a direitos humanos na Síria", acrescentou o embaixador britânico Mark Lyall Grant.

Em resposta, a China e a Rússia argumentaram que levar os dois lados ao TPI complicaria os esforços para encontrar uma solução política para o conflito. O embaixador russo Vitaly Churkin criticou a França, redatora original do documento, e acusou o Reino Unido e os Estados Unidos de hipocrisia, por não quererem os crimes da guerra no Iraque julgados no TPI.

Por outro lado, na quarta-feira, o embaixador russo nas Nações Unidas, Vitaly Churkin, já tinha garantido que a Rússia ia votar contra a proposta. "Consideramos que o facto de esta resolução ser submetida a votação é um golpe publicitário", disse Churkin na quarta-feira. O embaixador chinês Liu Jieyi disse hoje que levar a situação síria ao TPI não contribuía "nem para a construção de confiança entre as partes nem para retomar as negociações em Genebra", referindo-se às tentativas de resolução do conflito, suspensas em fevereiro.

Também a Amnistia Internacional (AI) criticou a posição sino-russa. Citada pela France-Press, a AI diz que foi perdida uma "oportunidade crucial" para se fazer justiça, e que "a Rússia e a China abandonaram o povo sírio em prol de salvaguardar alianças políticas".

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 22, 2014, 08:46:14 pm
a sagrada aliança  sino-russa a fazer das suas.

que tal levarem o RU a uma sessão da ONU a esclarecer o comportamento dos seus soldados em palcos de guerra  . tortura de prisioneiros de guerra não é incomum para eles.

se a hipocrisia evitasse mortos na Siria, não havia guerra...
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 22, 2014, 09:23:59 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Maio 26, 2014, 10:31:41 pm
http://www.bbc.co.uk/news/uk-27573376 (http://www.bbc.co.uk/news/uk-27573376)

26 May 2014 Last updated at 10:38

Syria crisis: Britons accused of brutal killings

Britons make up most of the foreign members in Syria's most violent terror group, a senior rebel leader says.

In a letter to The Times, Brig-Gen Abdulellah al-Basheer of the Free Syrian Army asks for help in curbing the Islamic State of Iraq and the Levant.

He claims the group attacks opposition forces, not the Assad regime

UK fighters are involved in activities including beheadings, crucifixions and ill-treatment of women, he adds.

In his letter, General al-Basheer writes that ignoring the problem could lead to British extremists returning home to "continue on their pernicious path of destruction".

Last week father-of-two Mashudur Choudhury became the first person in the UK to be convicted of terrorist offences in connection with the conflict in Syria.

Using the example of Choudhury, General al-Basheer writes: "He is one of many. They are not freedom fighters. They are terrorists."

He says the majority of non-Syrian members of the "predominantly foreign" Islamic State of Iraq and the Levant, a Sunni Islamist group, are from Britain. But he claims it includes fighters from Germany and France.

'Increasingly brutal threat'

He says there are also members from a range of countries across the Middle East, Africa and the Gulf and they pose an "increasingly brutal threat".

He writes: "We the Syrian people now experience beheadings, crucifixions, beatings, murders, outdated methods of treating women, an obsolete approach to governing society."

"Many who participate in these activities are British.

"The UK and US governments must support us to defeat terrorism in Syria and prevent it from being exported to Europe and the US."

General al-Basheer also claims that the group (which he refers to as ISIL, though it is also known as ISIS) kidnaps Free Syrian Army fighters and targets civilian homes in the city of Raqqa, instead of a nearby regime-controlled air base.

Tens of thousands of people have been killed in the Syrian conflict and millions displaced.

An estimated 500 Europeans are now fighting in Syria, according to the EU's anti-terror chief.

A spokesman for the Foreign Office said: "The police and security services are actively working to detect and disrupt any terrorist threat from Syria and individuals who travel there.

"People who are thinking about travelling to Syria to engage in terrorist activity should be in no doubt that we will take the strongest possible action to protect our national security, including prosecuting those who break the law."
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Maio 27, 2014, 12:31:24 pm
:G-beer2:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Maio 28, 2014, 06:19:02 pm
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3939530&seccao=EUA+e+Am%E9ricas&utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook
Citar
O Presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu hoje aumentar o apoio dos Estados Unidos à oposição síria que luta contra o regime do líder Bachar al-Assad, mas também contra os extremistas islâmicos.
E como é que os distingue no meio daquela embrulhada?  :mrgreen:
(http://niqnaq.files.wordpress.com/2012/07/new-syria.jpg)
(http://news.bbcimg.co.uk/media/images/61818000/jpg/_61818159_61818158.jpg)
(http://www.geostrategicforecasting.com/wp-content/uploads/2012/06/Chaos-in-Syria.jpg)
(http://i.telegraph.co.uk/multimedia/archive/02157/sy_2157428b.jpg)


Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Maio 29, 2014, 02:15:49 pm
Sete passos para criar um exército de rebeldes.  :shock:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Maio 29, 2014, 04:00:25 pm
Síria falhará prazo para destruição do arsenal químico


O processo de destruição do arsenal de armas químicas da Síria não vai estar terminado antes da data limite de 30 de junho, afirmou o secretário-geral das Nações Unidas numa carta endereçada ao Conselho de Segurança. A missiva, datada de 23 de maio, acompanha o mais recente relatório da Organização para a Proibição das Armas Químicas (OPAQ), segundo o qual 92% do arsenal foi retirado da Síria.

As armas químicas que faltam "estão embaladas e prontas" a serem retiradas assim que as condições de segurança do país o permitam, refere o relatório da OPAQ, divulgado a 27 de abril, um dos vários prazos limite definidos para o termo da operação de retirada das armas químicas que a Síria falhou. Nestas circunstâncias, escreveu Ban Ki-moon na missiva a que a agência AFP teve acesso, "é imperativo que a Síria termine as operações de retirada das restantes [armas químicas] o mais rapidamente possível".

"É agora evidente que algumas ações relacionadas com o programa de destruição de armas químicas da Síria vão continuar para lá de 30 de junho", escreveu o secretário-geral da ONU, afirmando que o trabalho irá continuar, mas por um "período finito". "Isso também dará tempo suficiente para pôr em prática acordos subsequentes adequados para a OPAQ dar continuidade a residuais atividades de fiscalização no país depois dessa data", considerou.

Apoiados pela ONU, Rússia e os Estados Unidos alcançaram um acordo, em setembro do ano passado, depois de Washington ter ameaçado conduzir uma intervenção militar na Síria, ao abrigo do qual todas as armas químicas tinham de ser destruídas até 30 de junho. As armas químicas que faltam remover - os 8% do total declarado pela Síria ou cerca de 100 toneladas de metros cúbicos - encontram-se num único local, de acordo com as informações divulgadas pela OPAQ.

Ban Ki-moon também expressou preocupação relativamente ao alegado uso de gás cloro na Síria, instando governo e os grupos da oposição a cooperarem plenamente com a missão da OPAQ enviada ao país para investigar se o produto foi usado em ataques. A missão de investigação foi anunciada no final de abril, depois de a França e de os Estados Unidos terem acusado Damasco de ter utilizado um produto químico industrial em ataques lançados contra os rebeldes no centro do país.
A Síria não tem de declarar o seu 'stock' de cloro - um agente tóxico fraco - no quadro do programa de desarmamento químico, uma vez que é amplamente usado para fins comerciais e domésticos.

O conflito na Síria já fez mais de 150.000 mortos e milhões de deslocados e refugiados desde março de 2011.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 01, 2014, 03:29:00 pm
Syrian Rebels Describe U.S.-Backed Training in Qatar

May 26, 2014, 4:53 pm ET by Nancy A. Youssef McClatchy Washington Bureau

WASHINGTON — With reports indicating that forces loyal to Syrian President Bashar Assad are gaining ground in that country’s brutal civil war, moderate Syrian rebels have told a visiting journalist that the United States is arranging their training in Qatar.

In a documentary to be aired Tuesday night, the rebels describe their clandestine journey from the Syrian battlefield to meet with their American handlers in Turkey and then travel on to Qatar, where they say they received training in the use of sophisticated weapons and fighting techniques, including, one rebel said, “how to finish off soldiers still alive after an ambush.”

The interviews are the latest evidence that after more than three years of warfare, the United States has stepped up the provision of lethal aid to the rebels. In recent months, at least five rebel units have posted videos showing their members firing U.S.-made TOW anti-tank missiles at Syrian positions. The weapons are believed to have come from Saudi Arabia, but experts on international arms transfers have told McClatchy that they could not have been given to the rebels without the approval of the Obama administration.

The documentary, produced by FRONTLINE for airing on PBS stations, features journalist Muhammad Ali, who has been following the Syrian civil war for the program. It shows Ali meeting up with a seemingly moderate faction of the rebels, though the faction itself is not identified — apparently for fear of angering its American contacts.

Ali is shown riding with a rebel supply officer as he traveled to the Turkish border to reportedly pick up American-supplied Russian weapons and ammunition, but he is not allowed to accompany the fighters to the actual meeting. When the rebels return to pick him up, they display bullets and a mortar, which are shown in the film, and tell him they have received TOW missiles; the missiles are not shown, however.

The commander of the unit also told Ali that their American contacts had asked him to bring 80 to 90 members of his unit to Ankara for training. Once in Ankara, after a 14-hour drive from Syria, they were interrogated for days about their political leanings and their unit’s fighting history. The commander told Ali that their questioners identified themselves as belonging to “the military,” but that he believed they were from the CIA.

On the final day, they were told that they would be flown the next day to a training camp in Qatar, a monarchy in the Persian Gulf. Then they were transported to a training facility they believed was near the border with Saudi Arabia.

One of the fighters said they received three weeks of training in how to conduct ambushes, conduct raids and use their weapons. They also said they received new uniforms and boots.

“They trained us to ambush regime or enemy vehicles and cut off the road,” said the fighter, who is identified only as “Hussein.” “They also trained us on how to attack a vehicle, raid it, retrieve information or weapons and munitions, and how to finish off soldiers still alive after an ambush.”

But whether such aid from the United States helps bring the peace in the form of negotiation or extend the war by giving the rebels false hope remains unclear.

Indeed, the fighters told Ali that they cannot win without anti-aircraft missiles against Assad superior air war, which they have yet to receive.

“When I saw there was no training in anti-aircraft missiles, my morale was destroyed,” one fighter told Ali.

For the United States, its new effort means treading slowly into murky waters. In the last few months, the United States has signaled it is increasingly interested in finding an ally that can force Assad to the negotiation table and curtail the burgeoning al Qaida threat coming from extremist groups fighting Assad.

The United States has refused to confirm its growing efforts to help the fighters. Neither the Pentagon nor the CIA would comment on Frontline’s findings.

For the United States, publicly embracing such an effort presents many challenges, chief among them widespread opposition among U.S. voters for more direct U.S. involvement in the Syrian conflict. When the United States was considering a military strike on Syria last summer after a chemical weapons attack in the Damascus suburbs, polling showed overwhelming opposition to U.S. military intervention.

Moreover, many both inside and out of government fear U.S.-provided weapons could make their way into extremist hands, particularly in a place like Syria, where alliances and foes change with breakneck fluidity. Moderate rebel groups have worked closely with the al Qaida-aligned Nusra Front and the Islamic Front, one of whose factions, Ahrar al Sham, includes al Qaida members among its founders.

Perhaps because of those reasons, Congress has never publicly signed off on funding for a training and arming effort, and officially, the United States only provides non-lethal aid, like food rations, clothing and first aid supplies.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Junho 05, 2014, 04:50:33 pm
Morreram mais de 30 franceses que foram combater na Síria


O presidente francês, François Hollande, disse na quarta-feira à noite que já morreram na Síria «mais de 30 cidadãos franceses» que para lá foram combater. «Devemos cooperar mais», nomeadamente em matéria «de informações», defendeu Hollande, referindo-se à questão dos combatentes estrangeiros na Síria, durante uma conferência de imprensa no final do primeiro dia da cimeira do G7 em Bruxelas.

«Decidimos cooperar para prevenir, dissuadir e punir este tipo de movimento, que pode por em causa a nossa segurança», adiantou, evocando o ataque no dia 24 de maio no Museu Judaico de Bruxelas pelo qual foi detido um francês que passou pela Síria.

Segundo números divulgados no final de abril pelas autoridades francesas, perto de 300 jovens franceses teriam partido para a Síria e teriam participado em combates, uma centena estaria em trânsito tendo como destino regiões controladas pelos rebeldes e uma centena de outros já teriam regressado da Síria e seriam vigiados pelos serviços antiterroristas.

Numa declaração aprovada na quarta-feira, os dirigentes dos sete países mais industrializados (Estados Unidos, França, Reino Unido, Itália, Alemanha, Canadá e Japão) sublinham terem «decidido intensificar» os «esforços para responder à ameaça que constituem os combatentes estrangeiros que se deslocam para a Síria».

De acordo com o coordenador europeu para a luta contra o terrorismo, Gilles de Kerchove, «mais de 2.000 europeus partiram ou querem partir para combater na Síria». Na declaração, os dirigentes do G7 «denunciam o simulacro de eleição de 03 de junho», que resultou na reeleição sem surpresa do presidente Bashar al-Assad.
«Não há futuro para Assad na Síria», afirmam, reafirmando o seu apoio ao comunicado de Genebra, que defendia a criação de um governo de transição.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 05, 2014, 07:04:39 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Junho 15, 2014, 03:00:19 pm
Exército sírio reconquista cidade de Kassab aos rebeldes


Forças sírias conquistam cidade, de maioria arménia e um posto fronteiriço estratégico com a Turquia, à Frente al-Nosra e às brigadas islamitas.

O Exército sírio conquistou aos rebeldes a cidade de maioria arménia de Kassab, noroeste, perto de um posto fronteiriço estratégico com a Turquia, anunciou este domingo a televisão pública síria.

"As unidades do Exército restabeleceram a segurança e a estabilidade na cidade de Kassab na província de Lattaquie, depois de terem matado um grande número de terroristas e destruído as suas armas", indicou o canal, referindo-se aos rebeldes, que controlavam a cidade há mais de dois meses. A ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) tinha indicado no sábado à noite que "a maioria dos combatentes da Frente al-Nosra e das brigadas islamitas se tinha retirado de Kassab, deixando um número reduzido de combatentes".

Este domingo, o OSDH indicou que o Exército tinha entrado na cidade, nas mãos dos rebeldes desde 21 de março, mas que os combates prosseguiam.
"As tropas do regime entraram em Kassab, mas não retomaram a totalidade da cidade. Os combates entre soldados e os rebeldes que ficaram (na cidade) prosseguem", disse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahmane. A retirada da maioria dos rebeldes ocorreu depois de o "Exército, apoiado pelos combatentes do Hezbollah xiita libanês, ter conquistado as colinas que rodeiam Kassab", adiantou Rahmane.

"Os rebeldes não queriam ficar sequestrados em Kassab" pelo Exército, como foi o caso em numerosas localidades rebeldes postas de joelhos pelo Exército em três anos de guerra, referiu Rahmane. "Eles (rebeldes) preferiram retirar-se", concluiu.

Bombardeado permanentemente pelas forças do regime, o posto fronteiriço de Kassab era importante para os rebeldes, que através deste transportavam os feridos para a Turquia, aliada da oposição. O regime sírio acusou Ancara de ter ajudado os rebeldes a assumirem o controlo desta cidade, de onde os habitantes de maioria arménia fugiram desde março.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Junho 16, 2014, 01:11:26 am
Citar
Targeting Jihadist Post in Adra
[/b]
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Junho 18, 2014, 04:41:05 pm
(http://i.imgur.com/IfKW8Mm.jpg)
(http://i.imgur.com/oIJ2TqT.jpg)
(http://i.imgur.com/IJ2sMb3.jpg)
T-62

(http://i.imgur.com/aWdKTPy.jpg)
Invólucros como blindagem extra?!  :roll:
Cheios com pedras ou areia com certeza.
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 20, 2014, 08:13:41 pm
http://www.independent.co.uk/news/world ... 50016.html (http://www.independent.co.uk/news/world/middle-east/syria-conflict-president-assads-forces-accused-of-using-chlorine-gas-against-rebels-despite-pledges-to-give-up-chemical-weapons-9550016.html)

http://www.spiegel.de/international/wor ... 06197.html (http://www.spiegel.de/international/world/interview-with-saudi-prince-turki-bin-faisal-on-syria-and-hezbollah-a-906197.html)
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: HSMW em Junho 20, 2014, 08:14:59 pm
Citar
Destruction emplacements militants in Dzhobare left flank
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Luso em Junho 23, 2014, 09:23:58 am
As fotos têm um ano. São de John McCain com os rebeldes Sírios.
Alguns deles fazem hoje parte do (muito maçónico) ISIS.

(http://images.politico.com/global/2013/05/30/120530_mccain_syria7_ap_605_605.jpg)

(http://weaselzippers.us/wp-content/uploads/McCain_and_Syrian_rebels-550x251.jpg)

Citar
The man closest to John McCain is General Salmin Idris, who was the head of the Free Syria “moderates” at the time.

Depois ainda há bestas sabidolas que dizem que é tudo "coincidência".
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 23, 2014, 11:31:26 am
luso, o bom teorico das conspiracoes

as chefias americanas estao demasiado tranquilas para o meu gosto. sera que a aventura do isis no iraque e uma forma de recompensar a etnia intocavel ? :mrgreen:
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: Lusitano89 em Junho 23, 2014, 02:47:59 pm
Aviação israelita ataca posições sírias

A aviação israelita desencadeou diversos raides aéreos no sul da Síria na madrugada de hoje, em represálias por um disparo de obus que provocou um morto do lado israelita, referiram 'media' locais. "O exército israelita atacou posições do exército sírio nos [Montes] Golã. Os residentes do norte de Israel escutaram explosões do lado sírio da fronteira", indicou o 'site' informativo israelita Ynet.

Os porta-vozes militares recusaram confirmar esta informação, divulgada por diversos 'media' israelitas. Um adolescente árabe israelita de 13 anos foi morto domingo nos Golã, no mais grave incidente armado na parte do planalto, ocupado por Israel, desde o início da guerra civil na Síria em 2011.

O exército referiu-se a um "ataque intencional" vindo da Síria contra um veículo civil, com tanques israelitas a ripostarem contra posições do exército sírio, mas sem provocarem vítimas.

Fontes dos serviços de segurança citadas pela rádio pública garantiram que o projétil foi disparado no sábado pelo exército sírio, uma informação não comentada pelos responsáveis militares.

Em março, a força aérea israelita bombardeou posições do exército sírio algumas horas após a explosão de uma bomba que feriu quatros soldados israelitas nos Golã.

Lusa
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafets em Junho 23, 2014, 03:15:19 pm
http://www.dn.pt/inicio/globo/interior.aspx?content_id=3986816&seccao=M%E9dio+Oriente&utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook
Citar
O responsável pela Organização para a Proibição de Armas Químicas, Ahmet Uzumcu, disse que o último carregamento com este tipo de armamento declarado por Damasco deixou o país, mas o processo está vários meses atrasado.

Cumprimentos
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 23, 2014, 09:53:57 pm
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: mafarrico em Junho 23, 2014, 09:55:29 pm
Equipped with Humvees, ISIL clashes with rivals in Syria

(http://s4.reutersmedia.net/resources/r/?m=02&d=20140622&t=2&i=910622044&w=692&fh=&fw=&ll=&pl=&r=LYNXMPEA5L0IZ)



A Kurdish security forces convoy travels during clashes with Sunni militant group Islamic State of Iraq and the Levant (ISIL) on the outskirts of Diyala June 14, 2014. Credit: Reuters/ Yahya Ahmad

Beirut, June 22, 2014

The Islamic State of Iraq in the Levant (ISIL) battled with rival opposition fighters in northern Syria on Sunday, using U.S.-made military vehicles captured from neighboring Iraq for the first time, a monitoring group said.

ISIL, a splinter group of al Qaeda which wants to set up an Islamic caliphate encompassing both Iraq and Syria, has made rapid gains in Iraq in the past two weeks, taking control of the northern city of Mosul and major border crossings with Syria.

Its advances in Iraq appear to have spurred on the Syrian branch, which is fighting both the army of President Bashar al-Assad and also rival opposition groups such as the Western-backed Free Syrian Army, a more moderate force.

The Sunni Muslim ISIL fighters seized strategic Syrian towns near the Iraqi border from rivals last week.

For the first time, ISIL combatants have been using U.S-made Humvees - four-wheel drive military vehicles - in fighting in northern areas of Syria’s Aleppo province, the British-based Syrian Observatory for Human Rights said.

The vehicles, which appear to have been seized during ISIL’s recent Iraqi offensive, were used to gain control of villages outside the town of Azaz, close to the Turkish border, it said.

The Observatory, an anti-Assad group which tracks events on the ground through activists, said ISIL in Syria had been supplied with dozens of the vehicles from Iraq.

The United States has long supplied Humvees to the Iraqi army, which has been fighting an increasing violent insurgency since U.S. forces withdrew at the end of 2011.

ISIL fighters in Iraq have often seized abandoned military equipment from Iraqi forces, including armored vehicles.

The capture of border areas by ISIL on Sunday is likely to make it easier for the group to transfer equipment and fighters between the countries, where the conflicts have fed off each other.

As in Syria, ISIL has started to clash with other Sunni militias in Iraq. In the Iraqi town of Hawija, ISIL and members of the Naqshbandi Army, made up of former army officers as well as loyalists of Saddam Hussein’s former ruling Baath party, battled for a third consecutive day on Sunday.

The Observatory also said on Sunday that ISIL had kidnapped 20 Kurdish students on a road in northern Syria, just weeks after the group abducted 145 students in Aleppo.

Relatives and residents are scared that ISIL will use kidnapped students to carry out car bombs or suicide attacks, the Observatory said.

Source: reuters.com
Título: Re: Guerra na Síria
Enviado por: FoxTroop em Junho 23, 2014, 10:21:52 pm
E os milhares de milhões sacados do banco em Mossul? Porque toda a gente se