Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas

  • 19 Respostas
  • 3723 Visualizações
*

Lusitano89

  • Investigador
  • *****
  • 7499
  • Recebeu: 220 vez(es)
  • Enviou: 142 vez(es)
  • +12/-3
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #15 em: Dezembro 02, 2016, 12:23:56 pm »
Bosch assina protocolo com Universidade de Aveiro e cria 150 empregos


A Bosch assina hoje um protocolo com a Universidade de Aveiro para o desenvolvimento de soluções para casas inteligentes, num investimento de 19 milhões de euros, estando prevista a criação de cerca de 150 postos de trabalho.


"Vamos assinar um protocolo, um projeto consórcio com a Universidade de Aveiro para constituir uma equipa Bosch/Universidade de Aveiro dedicada ao desenvolvimento de soluções de software e conectividade para a casa inteligente", explicou à Lusa o vice-presidente sénior de engenharia de produto da Bosch Termotecnologia em Aveiro, Sérgio Salústio.

"O investimento é cerca de 19 milhões de euros, mais ou menos repartidos em 10 milhões de euros na Bosch e quase nove milhões na universidade, que visa essencialmente a criação de equipas de competências, investigadores altamente qualificados, e a criação de algumas infraestruturas da área de negócio de produtos inteligentes para casas inteligentes", acrescentou.

Este protocolo vai permitir criar cerca de 150 postos de trabalho, dos quais 70 novos empregos na Bosch, 40 já foram contratados em meados deste ano, e do lado da universidade está prevista a contratação de 72 novos investigadores, disse.

"Num universo de 300 investigadores que vão estar envolvidos [no projeto], metade são novos", sublinhou Sérgio Salústio.

Também hoje, a Bosch vai inaugurar formalmente o novo centro de competências para o desenvolvimento de software e soluções de conetividade mundial, um investimento de cinco milhões de euros que corresponde ao novo edifício e equipamento de laboratório.

"O que estamos aqui a investigar vai ser aplicado no mundo inteiro, não só em Portugal", salientou.

Relativamente ao protocolo, o responsável adiantou que este é feito no âmbito do Portugal 2020 e "pressupõe a instalação de equipas mistas" da Bosch e da Universidade de Aveiro e a criação de algumas infraestruturas.

Com duração de quatro anos, já que a Bosch pretende "estabelecer uma parceria de longo prazo" com a Universidade de Aveiro, este protocolo permite à multinacional alemã considerar a "formação de novos recursos humanos", sendo que alguns deles deverão transitar para a empresa "numa fase posterior" ao projeto e "estabelecer bases para uma cooperação que se pretende que vá mais longe".

Para Sérgio Salústio, é importante envolver a comunidade académica e científica neste tipo de projetos.

"É o grande foco: aproximar as universidades das empresas de modo mais efetivo por um tempo que permite cimentar essas relações", sublinhou.

No fundo, este projeto pretende desenvolver e construir dispositivos eletrónicos que sejam integrados em esquentadores ou caldeiras de climatização e que permitam aos consumidores interagir com os mesmos, permitindo controlá-los de uma forma mais eficiente.

Com esta relação com a universidade, a Bosch espera que antes do fim do projeto já seja possível ver os primeiros benefícios das soluções em desenvolvimento.

O ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, vai estar presente na assinatura do contrato de investimento do projeto de inovação Smart Green Homes.


>>>>  http://24.sapo.pt/economia/artigos/bosch-assina-protocolo-com-universidade-de-aveiro-e-cria-150-empregos#_swa_cname=bloco24&_swa_csource=sapo.pt&_swa_cmedium=web
 

*

Menacho

  • Investigador
  • *****
  • 2709
  • Recebeu: 269 vez(es)
  • Enviou: 52 vez(es)
  • +3/-0
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #16 em: Setembro 12, 2017, 06:49:54 pm »
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados

Yupido, una sociedad con 29.000 millones de capital social que no hace nada pero anuncia servicios para miles de millones de personas

Citar
De no ser por un ratón de biblioteca de la universidad del Miño nada se sabría de Yupido. En realidad solo se sabe que es una empresa radicada en Lisboa y que tiene un capital social de 29.000 millones de euros, el 15% del PIB de Portugal; la empresa más capitalizada del país.



El ratón de biblioteca es un profesor universitario que prefiere no dar su nombre. Realizaba una investigación sobre la productividad de las empresas con la base de datos de Amadeus cuando una destacó sobre todas, Yupido, una sociedad con 243 millones y ningún empleado, eso sí que era extraordinario. El profesor siguió buscando en bancos de datos públicos y en redes sociales y lo que descubrió, aún fue más espectacular. Yupido acababa de ampliar capital de los originales 243 millones a 29.000 millones de euros. Pero el ratón de biblioteca aún no ha conseguido saber qué hace esta empresa, aunque parece que, de momento, no hace nada.

MÁS INFORMACIÓN
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Amnistía australiana de armas ilegales: cada día se entregan 500
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Republicana e inteligente, blanca y tradicional
Yupido existe desde hace dos años. Tiene la sede en una torre de oficinas de la capital portuguesa donde nadie responde; también tiene una página web donde se expone toda la cháchara común a las empresas dedicadas a las tecnologías de la información: “La misión de Yupido es dar a nuestro clientes la infraestructura y apoyo que necesitan para operar con menos costes y mayor eficiencia”.


Hay dos socios principales, Cláudia Sofía Pereira (69% del capital) y Torcato Caridade da Silva (30%) más Filipe Besugo (1%) y un comité ejecutivo de diez personas presidido por un consejero delegado y un director de ventas aunque, de momento, no ha vendido nada. También anuncia la contratación de personas "alegres y motivadas" para crear grandes servicios “que serán usados por miles de millones de personas de todo el mundo”.

Todo, salvo lo que hacen, está claro en los registros oficiales. Hay un balance anual público, donde dice que se perdieron 21.000 euros el pasado año, dos auditores y el informe de un reputado revisor externo de cuentas, clave para valorar esa ampliación de capital, pues no se movió dinero sino que fue en bienes en especies. Ese revisor rubricó que lo que le enseñaron valía 29.000 millones aunque, aclara en el escrito, “el valor real puede ser mayor”. El revisor no explica cómo llegó a la conclusión del valor económico de esos bienes en especies.

En declaraciones al Observador, el revisor de cuentas señala que los socios le enseñaron un televisor y que se quedó maravillado con lo que vio. Aunque reconoce que no sabe nada de tecnologías dice que le vino a la cabeza Steve Jobs, el genio fundador de Apple. Según el portavoz de la empresa, el próximo año el mundo ya empezará a disfrutar de sus milagrosos servicios, pero mientras, la Fiscalía del Estado, la Comisión del Mercado de Valores y el Colegio de Contables han abierto investigaciones.

https://elpais.com/internacional/2017/09/11/mundo_global/1505128281_305251.html


29.000 millones de euros y ni un empleado???????... :o :o :o :o :o :o :o :o
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 678
  • Recebeu: 150 vez(es)
  • Enviou: 103 vez(es)
  • +13/-4
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #17 em: Setembro 12, 2017, 11:18:34 pm »
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados

Yupido, una sociedad con 29.000 millones de capital social que no hace nada pero anuncia servicios para miles de millones de personas

Citar
De no ser por un ratón de biblioteca de la universidad del Miño nada se sabría de Yupido. En realidad solo se sabe que es una empresa radicada en Lisboa y que tiene un capital social de 29.000 millones de euros, el 15% del PIB de Portugal; la empresa más capitalizada del país.



El ratón de biblioteca es un profesor universitario que prefiere no dar su nombre. Realizaba una investigación sobre la productividad de las empresas con la base de datos de Amadeus cuando una destacó sobre todas, Yupido, una sociedad con 243 millones y ningún empleado, eso sí que era extraordinario. El profesor siguió buscando en bancos de datos públicos y en redes sociales y lo que descubrió, aún fue más espectacular. Yupido acababa de ampliar capital de los originales 243 millones a 29.000 millones de euros. Pero el ratón de biblioteca aún no ha conseguido saber qué hace esta empresa, aunque parece que, de momento, no hace nada.

MÁS INFORMACIÓN
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Amnistía australiana de armas ilegales: cada día se entregan 500
El misterio de la mayor empresa de Portugal que no tiene empleados Republicana e inteligente, blanca y tradicional
Yupido existe desde hace dos años. Tiene la sede en una torre de oficinas de la capital portuguesa donde nadie responde; también tiene una página web donde se expone toda la cháchara común a las empresas dedicadas a las tecnologías de la información: “La misión de Yupido es dar a nuestro clientes la infraestructura y apoyo que necesitan para operar con menos costes y mayor eficiencia”.


Hay dos socios principales, Cláudia Sofía Pereira (69% del capital) y Torcato Caridade da Silva (30%) más Filipe Besugo (1%) y un comité ejecutivo de diez personas presidido por un consejero delegado y un director de ventas aunque, de momento, no ha vendido nada. También anuncia la contratación de personas "alegres y motivadas" para crear grandes servicios “que serán usados por miles de millones de personas de todo el mundo”.

Todo, salvo lo que hacen, está claro en los registros oficiales. Hay un balance anual público, donde dice que se perdieron 21.000 euros el pasado año, dos auditores y el informe de un reputado revisor externo de cuentas, clave para valorar esa ampliación de capital, pues no se movió dinero sino que fue en bienes en especies. Ese revisor rubricó que lo que le enseñaron valía 29.000 millones aunque, aclara en el escrito, “el valor real puede ser mayor”. El revisor no explica cómo llegó a la conclusión del valor económico de esos bienes en especies.

En declaraciones al Observador, el revisor de cuentas señala que los socios le enseñaron un televisor y que se quedó maravillado con lo que vio. Aunque reconoce que no sabe nada de tecnologías dice que le vino a la cabeza Steve Jobs, el genio fundador de Apple. Según el portavoz de la empresa, el próximo año el mundo ya empezará a disfrutar de sus milagrosos servicios, pero mientras, la Fiscalía del Estado, la Comisión del Mercado de Valores y el Colegio de Contables han abierto investigaciones.

https://elpais.com/internacional/2017/09/11/mundo_global/1505128281_305251.html


29.000 millones de euros y ni un empleado???????... :o :o :o :o :o :o :o :o

Eu já tinha referido isso mesmo aqui: http://www.forumdefesa.com/forum/index.php?topic=5593.600

A anormalidade não é uma empresa com um capital enorme e não ter empregados, quase todas as offshores estão nestas situações, mesmo as empresas espanholas, que nós chamamos SGPS ou empresas mãe.

A anormalidade surge porque a empresa tem um capital gigantesco atribuído a activos intangíveis (que não existem fisicamente e normalmente correspondem a direitos de autor, valor de uma marca, valor de uma patente, etc) e ainda por cima esses valores anormais, que são o somatório das maiores empresas portuguesas até aí (Galp + EDP), foram validados por um Revisor Oficial de Contas (em Portugal e na generalidade dos países, para haver um aumento de capital em espécie, que é o caso, tem de ser validade por um ROC)!!!!!!! Só vejo que seja possível pela proveta idade do ROC, com 87 anos...........
 

*

Get_It

  • Investigador
  • *****
  • 1615
  • Recebeu: 138 vez(es)
  • Enviou: 381 vez(es)
  • +5/-0
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #18 em: Setembro 17, 2017, 12:55:55 pm »
Viajante, esta novela ainda tem muito a dar. ;D

Accionistas da Yupido obrigados a declarar os 29 mil milhões no IRS
(16 de Setembro de 2017)
Citação de: Ana Pimentel / Observador
Os fundadores da Yupido entregaram um software e uma plataforma digital à empresa que constituíram, em troca de acções sobre o capital social. Quando o fizeram, transmitiram à sociedade um bem que é tributável em sede de IRS. Ou seja, eram obrigados a incluir estes rendimentos na declaração de impostos que entregaram em 2016 (depois de em 2015 terem entregue um «software de gestão avaliado em 243 milhões) e na que entregaram em 2017 (depois do aumento de capital de cerca de 28,5 mil milhões de euros).

Os fiscalistas contactados pelo Observador explicam que os rendimentos que estes accionistas obtiveram são tributados quer a tecnologia tenha sido desenvolvida por eles, quer tenha sido adquirida a outras pessoas. O código do IRS é claro, só mudam as percentagens:
- Quando alguém contribui com um bem para a realização do capital social de uma empresa existe uma transmissão jurídica. Se este bem se insere na categoria de propriedade intelectual ou industrial — como é o caso do software e da plataforma digital — pode ser taxado até 56% da avaliação que foi feita ao bem, caso os accionistas sejam os criadores da tecnologia. Se a tiverem adquirido a outras pessoas, são tributados em 28%.

A explicação vem de Ricardo da Palma Borges, advogado especialista em Direito Fiscal e sócio administrador da Ricardo da Palma Borges & Associados.
Citar
O IRS não tributa todos os rendimentos das pessoas. As mais-valias obtidas através da venda de património particular, como as coisas que vendemos no OLX, não são tributáveis. Mas aquelas pessoas tiveram de desenvolver um software que depois transmitiram à empresa. Esta venda de software é considerada um rendimento da propriedade intelectual», afirmou ao Observador.

A partir daqui, há duas hipóteses: quem vendeu a tecnologia foram os seus criadores ou foi adquirida a terceiros. Aqui, os 28% vão recair sobre a mais-valia que os accionistas obtiveram com a venda (diferença entre o valor que deram por ela e aquele que mais tarde venderam à Yupido). «Estas pessoas arriscam-se a ser tributadas em valores milionários pela contribuição que declararam efectuar a favor da sociedade», explicou Ricardo Borges.

O Observador questionou os fundadores da empresa, através do porta-voz Francisco Mendes, para apurar se tinham declarado estes valores ao Fisco, mas até à data a que este artigo foi publicado não obteve resposta.

Só há uma pessoa que pode não ter sido obrigada a incluir estes rendimentos na declaração entregue em maio de 2017 às Finanças: Cláudia Alves, a sócia marioritária da Yupido, que detém 69% do capital social. Ricardo Borges explica que nos casos em que um dos accionistas tem mais de 50% do capital social pode optar por diferir a tributação para o dia em que vender as suas acções. No caso de Torcato Jorge e de Filipe Besugo (os outros dois accionistas da empresa), esta excepção não se aplica.

Carla Matos, advogada especialista em Direito Fiscal da CCA Ontier, confirma: «No caso de haver um sócio com pelo menos 50% do capital social, é possível accionar um regime de suspensão da tributação, desde que cumpridas determinadas condições (como os elementos activos e passivos que foram objecto da transmissão estarem em conta com os valores a que foram registados na contabilidade ou nos livros de escrita da pessoa singular)».

Carla Matos concorda com o colega: a «plataforma digital inovadora de armazenamento, protecção, distribuição e divulgação de todo o tipo de conteúdo media» — que se destaca «pelos algoritmos que a constituem» — é um bem intangível que se insere na categoria da propriedade intelectual. E, assim sendo, nem sequer era preciso que este bem tivesse sido patenteado para ser tributável.

Em Julho de 2015, o revisor oficial de contas (ROC) Alves da Silva avaliou o bem intangível que Cláudia Alves e Torcato Jorge entregaram à empresa por 243 milhões de euros. Tratava-se de um »software de gestão para empresas, que funciona em multi-plataforma e é disponibilizado como um serviço SaaS», dos quais eram titulares. Ela ficou com 70,86% do capital accionista e ele com 29,13%.

Nesta altura, houve também dinheiro envolvido: Cláudia Alves entrou com 10 mil euros para a constituição da empresa, Torcato Jorge com outros 10 mil e Filipe Besugo com 15 mil euros.

Seis meses depois, o mesmo ROC avaliou a «plataforma digital inovadora», que os fundadores entregaram para efectuar um aumento de capital, por 28,8 mil milhões de euros. Aqui, já eram os três titulares do bem: Cláudia Alves manteve-se como sócia maioritária, com 69% do capital social, Torcato Jorge fica com 30% e Filipe Besugo com 1%.

Ao Eco, Francisco Mendes, disse que a tecnologia já tinha passado da fase de protótipo e que a plataforma já estava praticamente a funcionar, garantindo que não fazem parte das duas marcas que foram registadas pela mesma empresa (a Quaquado e a Kuaboca), porque estas serviriam para o lançamento de outros serviços. Francisco Mendes disse ainda que a empresa estava a trabalhar no desenvolvimento de 42 patentes.

Contudo, ao Jornal Económico, Torcato Jorge afirmou que o primeiro serviço a ser comercializado está sob a marca Quaquado e que vai ser lançado a nível mundial em 2018, ficando disponível para qualquer pessoa, em qualquer parte do mundo. «O objectivo do serviço é dar apoio aos empreendedores a criar novas empresas e a gerir as suas empresas», afirmou. Depois, acrescentou que há outro serviço em preparação, que usará a marca Kuaboca, e que a base para estes serviços é a tal «plataforma digital inovadora».

O Observador tinha uma entrevista com os fundadores da Yupido, mas foi cancelada pelo porta-voz da empresa. A avaliação que permitiu à Yupido fazer o maior aumento de capital de que há memória em Portugal está a ser alvo de averiguações por parte do supervisor do mercado e da Ordem dos revisores de contas. Mas o porta-voz da empresa disse ao Eco que está tudo legal e que já se mostraram disponíveis para colaborar com a Polícia Judiciária, que está a analisar o caso, segundo o Expresso.
Fonte: http://observador.pt/2017/09/16/acionistas-da-yupido-obrigados-a-declarar-os-29-mil-milhoes-no-irs/

Cumprimentos,
:snip: :snip: :Tanque:
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 678
  • Recebeu: 150 vez(es)
  • Enviou: 103 vez(es)
  • +13/-4
Re: Indústrias Tecnologias da Informação e Electrónicas
« Responder #19 em: Setembro 20, 2017, 02:49:27 pm »
Boas Get_it

Não sei se é assim tão linear. Acho que está em piores lençóis o ROC que avaliou os 2 aumentos de capital, com base em intangíveis difíceis de quantificar e com valores astronómicos! Custa-me a crer que um ROC tenha engolido os aumentos (o que avaliou os aumentos) e depois o ROC da empresa só agora se coloca ao fresco!?

Imaginamos este caso, eu digo que a minha empresa tem uma ideia que vai valer 10 mil milhões de euros (normalmente um empresário é um sonhador, às vezes visionário, e normalmente optimista), mas a verdade é que um ROC avaliou um programa informático em 243 milhões de euros e posteriormente as ideias dos fundadores em 29 mil milhões de euros!!!! Em primeiro lugar é responsabilidade do ROC que chega a esse valor! Quando agora forem investigar a Yupido, em primeiro lugar não podem iniciar a investigação com a ideia adquirida de que de facto a empresa vale isso, têem de ir provar no terreno e desconfio que ninguém vai chegar a esse valor!!!!!

O nosso ROC aqui na instituição para aceitar qualquer receita, empréstimos, etc, exige documentos externos que comprovem todos os valores......... faz-me impressão que 1 ROC tenha aceite esses 2 aumentos assim sem mais nem menos......

Será que teve uns honorários chorudos para esse aumento. Há lavagem de dinheiro na empresa? Ou vamos acreditar na ideia mais cândida de que de facto os sócios da yupido são uns sonhadores incorrigíveis? (de facto conheço alguns empresários assim, mas estes exageram). Será que alguém enganou-se a colocar zeros no aumento de capital? :).......vamos aguardar os próximos episódios!
 

 

Requisitos Legais para Indústrias de Defesa

Iniciado por SanossQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 3
Visualizações: 1153
Última mensagem Maio 26, 2011, 02:12:32 pm
por ICE 1A+
Artigos/Historia de Empresas/industrias Portuguesas

Iniciado por MalaguetaQuadro Portugal

Respostas: 20
Visualizações: 5019
Última mensagem Janeiro 20, 2015, 04:23:38 pm
por Malagueta
Brasil vai incentivar indústrias de defesa

Iniciado por J.RicardoQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 2
Visualizações: 2138
Última mensagem Outubro 07, 2005, 12:23:59 pm
por J.Ricardo
Notícias (Indústrias de Defesa)

Iniciado por Get_ItQuadro Indústrias de Defesa

Respostas: 95
Visualizações: 17465
Última mensagem Setembro 19, 2017, 10:04:57 am
por mafets
Nova directora-geral dos Serviços de Informação e Segurança

Iniciado por Tiger22Quadro Serviços de Informações e Inteligência

Respostas: 21
Visualizações: 9825
Última mensagem Agosto 01, 2007, 08:13:23 pm
por SSK