Guerra contra o terrorismo

  • 761 Respostas
  • 133292 Visualizações
*

JLRC

  • Investigador
  • *****
  • 2536
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +1/-1
Guerra contra o terrorismo
« em: Setembro 29, 2004, 12:15:20 am »
Maritime Force Protection Command to Activate Oct. 1
 
 
(Source: US Navy; issued Sept. 27, 2004)
 
 
 NORFOLK, Va. --- The Navy will consolidate the forces it deploys for anti-terrorism and force protection under a single command at Naval Amphibious Base Little Creek Oct. 1.  
 
The Maritime Force Protection Command (MARFPCOM), with an annual budget of about $50 million, will be activated to oversee the administration and training of the expeditionary units the Navy deploys overseas to protect ships, aircraft and bases from terrorist attack.  
 
“This is the first time that the Navy has stood up a single entity to focus solely on the Navy’s Expeditionary Anti-Terrorism/Force Protection (AT/FP) Force,” said MARFPCOM Commanding Officer, Capt. Mark Kosnik.  
 
MARFPCOM will align four existing components: the Mobile Security Forces, Naval Coastal Warfare, Explosive Ordnance Disposal (EOD), and Expeditionary Mobile Diving and Salvage Forces.  
 
Naval Costal Warfare units conduct surveillance patrols and protect harbor areas. The force is comprised of units including Naval Coastal Warfare Squadron Staffs, Mobile Inshore Undersea Warfare Units and Inshore Boat Units that can be deployed individually or together depending on the scope of the operational mission.  
 
Mobile Security Squadrons are active-duty units that will eventually include 12 Mobile Security Force detachments. A detachment comprises 83 Sailors, equipped with three air-transportable, 25-foot boats.  
 
A mix of active-duty and Reserve sailors, EOD teams are tasked with eliminating hazards from ordnance that jeopardize operations conducted in support of the national military strategy.  
 
Mobile Diving and Salvage Unit units often work closely with EOD units to remove underwater ordnance. They are tasked with combat harbor clearance and salvaging aircraft that are lost in the water. These units report to the EOD commander.  
 
Since the terrorist attack on USS Cole (DDG 67) and the Sept. 11, 2001, attacks, all military forces have analyzed how they are going to operate in the new environment where terrorism is a real and viable threat.  
 
“The Navy, like the other branches of the armed forces, has looked at the impact of the increasing terrorist threats on operational forces, and because of that increased threat, we have put more focus on force protection,” he said.  
 
Sixty military personnel and 10 civilians will staff MARFPCOM. Kosnik will report to the Commander, Fleet Forces Command in Norfolk. MARFPCOM will be responsible for the more than 7,000 Sailors and officers that comprise the Navy’s Expeditionary AT/FP Force.  
 
-ends-
 

*

Tiger22

  • Perito
  • **
  • 569
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #1 em: Outubro 19, 2004, 12:13:38 am »
El Mundo 2004/10/18

Citar
OPERACIÓN EN ALMERÍA, MADRID Y MÁLAGA
La Policía detiene a siete presuntos integristas islámicos que preparaban un gran atentado.

MADRID.- Agentes de la Comisaría General de Información, bajo la dirección del titular del Juzgado de Instrucción nº 5 de la Audiencia Nacional, Baltasar Garzón, han detenido a siete personas en una operación contra una red de activistas islámicos radicales, que permanece abierta aún.

Los policías encargados de la investigación detectaron conversaciones entre los arrestados en las que se hacía referencia al intento de preparación de un gran atentado con explosivos, según informaron fuentes de la lucha antiterrorista.

Estas conversaciones no se produjeron con eventuales vendedores de explosivos, ni en ellas se especificaba que estos hubiesen sido ya adquiridos, precisaron las mismas fuentes.

Al parecer, la célula terrorista se encontraba en un nivel "primario" de formación. En los registros practicados no se han hallado explosivos.

Las investigaciones que han permitido las detecciones se remontan al pasado verano. La operación continúa abierta y no se descartan más arrestos y registros. Algunos de los detenidos se conocieron en prisión españolas y mantenían contacto con encarcelados en otros centros penitenciarios y personas en libertad.

En estas conversaciones, se hacía referencia a la necesidad de organizarse y en ellas se utilizaban las habituales expresiones de odio a occidente utilizadas en el ámbito de 'yihad'.

Los contactos de la célula se extendían a integristas residentes en otros países como Australia o Estados Unidos y a otros más próximos geográficamente en el continente europeo, explicaron las citadas fuentes de la lucha antiterrorista.

Hasta el momento se ha producido la detención de las siguientes personas: Smail Latrech, detenido en El Ejido (Almería), Djamel Merabet, en Málaga, Mourad Yala 'Abu Anas', en Cabañuelas (Almería), un indocumentado conocido como 'Medhí', en Cabañuelas (Almería), Alí Omar 'Jelloul', en Gandia (Valencia), Magid Mchmacha, en Almería y Ahmed Mohamed Ahmed, en Madrid.

Los tres primeros son ciudadanos argelinos, Mohamed Ahmed nació en Ceuta, Mchmacha es marroquí, mientras que la nacionalidad de 'Medhí' y 'Jelloul' es desconocida.

Según informa el Ministerio del Interior, la operación sigue abierta y en las próximas horas se esperan más detenciones y registros.


Como se pode ver não adiantou nada claudicar perante o terrorismo ao retirarem as tropas do Iraque entre outras medidas. Continuam a ser alvos.
"you're either with us, or you're with the terrorists."
 
-George W. Bush-
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 341
  • +0/-0
Conversações entre EUA e Regime Taliban
« Responder #2 em: Agosto 20, 2005, 04:25:20 am »
U.S., Taliban bargained over bin Laden, documents show
Declassified State Department papers detail 1998 meetings

Friday, August 19, 2005; Posted: 10:21 p.m. EDT (02:21 GMT)

WASHINGTON (CNN) - During secret meetings with U.S. officials in 1998, top Taliban officials discussed assassinating or expelling Osama bin Laden in response to al Qaeda's deadly bombings of U.S. embassies in Africa, according to State Department documents.

The newly declassified documents, posted Thursday on the National Archives Web site, provide a fascinating glimpse into U.S. diplomacy exerted on Afghanistan's ruling Taliban - a regime officially unrecognized by Washington - nearly three years before the September 11, 2001, al Qaeda attacks on the United States.

According to the documents, the deputy chief of mission at the U.S. Embassy in Pakistan, Alan Eastham Jr., met with Wakil Ahmed, a close aide to Taliban leader Mullah Omar, in November and December 1998. That was just months after the August al Qaeda attacks that killed more than 200 people at the U.S. embassies in Kenya and Tanzania.

"It is unbelievable that this small man did this to you," Ahmed said during their meeting on December 19, 1998, according to the documents.

Ahmed told Eastham that he spoke with Omar about bin Laden and that the Taliban still considered the Saudi exile "innocent."

Talk of assassination
During a meeting between Ahmed and Eastham on November 28, 1998, just days after the Taliban's supreme court cleared bin Laden of terrorist activities, Ahmed said one possibility "would be for the U.S. to kill him or arrange for bin Laden to be assassinated."

Ahmed "said that the U.S., if it chose to do so, could arrange to have bin Laden killed by cruise missiles or other means, and there would be little the Taliban could do to prevent it," according to the documents.

Another alternative, Ahmed said, would be for the United States to provide the Taliban with cruise missiles to have "the situation resolved in this way." Ahmed also noted that expelling bin Laden likely would result in the Taliban regime being overthrown, according to the documents.

And while Ahmed suggested a possible assassination of bin Laden, he also "urged the U.S. not to bomb Afghanistan again" as Washington did in the weeks following the embassy bombings. Ahmed "asked instead for a new U.S. proposal aimed at resolving the matter," the documents said.

'I consider you as murderers'
Ahmed expressed anger about the cruise missile attacks ordered by President Clinton on al Qaeda training camps in Khost, Afghanistan, targeting bin Laden after the embassy bombings. Twenty-two Afghans, including members of al Qaeda, were killed in the attacks.

"If Kandahar could have retaliated with similar strikes against Washington, it would have," Ahmed said, according to the documents.

"I consider you as murderers of Afghans," Ahmed told Eastham. "The U.S. said bin Laden had killed innocent people, but had not the U.S. killed innocent Afghans in Khost too? Was this not a crime?"

Saudi influence
The declassified State Department documents were cables recapping the meetings and outlining the U.S. position on bin Laden. They were originally sent to U.S. officials in Washington; Riyadh, Saudi Arabia; Peshawar, Pakistan; Cairo, Egypt; Abu Dhabi, UAE; Lahore, Pakistan; and the United Nations.

A State Department cable sent on October 19, 1998, said the best course of action in getting bin Laden handed over would be through Saudi Arabia, which "maintains significant prestige in Pakistan and Afghanistan."

It said a then-upcoming trip by Saudi Crown Prince Abdullah to Pakistan provided a "ready-made opportunity for the Saudis to press the Pakistani government to exert pressure on the Taliban concerning bin Laden."

It also said the United States should continue to pursue talks amid "indications that other Taliban leaders are getting nervous on the issue."

"The U.S. should appeal to the natural trading mentality of many Afghans -- and perhaps some Taliban - by setting out what the Taliban stand to gain by expelling bin Laden as well as what they stand to lose," the cable said.

Taliban cooperation
At the same time, U.S. officials were under no illusions about the prospects of Taliban cooperation: "The fact is that the leader of the Taliban appears to be strongly committed to bin Laden. It is questionable whether U.S. or Saudi efforts can influence Omar's decisions."

By the end of the November 28 meeting, pressed on why the Taliban refused to turn over bin Laden, Ahmed said that the Afghan people "would not understand why the Taliban had expelled a man who was regarded as a 'great mujahid,' or Islamic fighter, during the war against the Soviets. They would reject the Taliban if the Taliban took this action."

Eastham responded by telling Ahmed the Taliban had to recognize for itself "that the role of political leadership is to shape public opinion, not to decline to act because they think opinion is otherwise."

The cable concluded that Ahmed "wanted very strongly to convey the message that the Taliban did not consider the bin Laden matter resolved in the wake of the recent supreme court decision."

But within a month, it was clear the Taliban had hardened its position. "We have little indication that anything we said got through to" Ahmed, a cable said about the December 19 meeting.

Bin Laden 'most important'
The documents indicate that bin Laden was clearly Washington's priority with the Taliban in 1998 - rather than reported human rights violations by their Afghan government.

"The continued presence in Afghanistan of bin Laden and his network is by far the most important," said a State Department cable sent on October 19, 1998.

The State Department has issued a $25 million reward for bin Laden and $10 million for Mullah Omar.

In October of 2001 a U.S.-led invasion of Afghanistan toppled the Taliban regime.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 341
  • +0/-0
Director da CIA não desmente existência de prisões secretas
« Responder #3 em: Novembro 29, 2005, 08:52:15 pm »
Director da CIA nega uso de tortura mas não desmente existência de prisões secretas

Público on-line:

Citar
O director da CIA, Porter Goss, não desmente a existência de prisões secretas em várias partes do mundo, mas nega que os serviços secretos norte-americanos usem técnicas de tortura nos interrogatórios aos suspeitos de envolvimento em actividades terroristas.

Numa rara entrevista televisiva, à cadeia ABC, Porter é questionado sobre estes presídios, cuja existência foi denunciada, no início deste mês, pelo “The Washington Post”. Sem confirmar directamente a existência das prisões, o director da agência lembra que os EUA estão, desde 2001, envolvidos “numa guerra contra o terrorismo” que está a ser “bastante bem sucedida”.

“Inevitavelmente capturamos alguns terroristas, que inevitavelmente são submetidos a um certo procedimento e isso terá de ser feito de acordo com a lei, respeitando todas as garantias previstas nesse processo”, declarou, recusando-se a entrar em detalhes.

Segundo o “Washington Post”, os EUA terão transferido prisioneiros detidos no presídio militar de Guantánamo (Cuba) para centros de detenção secretos numa dezena de Estados, incluindo em alguns países da Europa de leste, para serem interrogados fora da jurisdição norte-americana.

Mais tarde, a organização de defesa dos direitos humanos Human Rights Watch disse ter dados que apontam para a existência de centros deste género na Polónia e na Roménia – informações negadas pelos dois governos europeus –, tendo listado dezenas de voos secretos alegadamente usados pela CIA para transferir os detidos.

Ainda a este propósito, Porter Goss foi questionado sobre as denúncias relativas ao uso de tortura nos interrogatórios conduzidos por agentes da CIA. “Aquilo que fazemos não se aproxima sequer da tortura em termos de provocar dor ou causar incapacidade”, garantiu.

Fazemos interrogatórios porque o objectivo da nossa actividade é obter informação. Mas queremos obter informações correctas e queremos ter profissionais a fazer o trabalho de forma correcta, sem usar tortura, porque ela é contraproducente”.

Contudo, quando confrontado com as várias práticas denunciadas por antigos prisioneiros – como sufocação, privação do sono, exposição a baixas temperaturas ou obrigatoriedade de permanecer em pé durante horasescusou-se a comentar, afirmando que o sigilo que envolve os interrogatórios é essencial para garantir a sua eficácia.

Da mesma forma, quando questionado sobre se a sufocação pode ser entendida como tortura, Goss disse “não saber” se esta prática pode ser qualificada dessa forma. “Não vou comentar técnicas individuais que alguém alegou ou sonhou terem sido usadas. Aquilo que fazemos é profissional, legal, apresenta bons resultados e não é tortura”, insistiu.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

TOMKAT

  • Investigador
  • *****
  • 1217
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #4 em: Dezembro 23, 2005, 02:43:33 pm »
Tribunal italiano emite mandato de captura europeu contra 22 agentes da CIA, suspeitos do rapto de um ex-imâ de uma mesquita italiana, ele próprio também suspeito de ligações a grupos terroristas islâmicos.

O ex-imã, Osama Mustafa Hassan, foi rapatado em 17 de Fevereiro de 2003 em Milão.
Interrogado em Itália, foi levedo posteriormente para o Egipto onde, ao que parece, ainda se encontra preso.
Os agentes da CIA são ainda acusados de terem ludibriado as autoridades italianas neste caso.

Berlusconni já veio a público manifestar o seu desconhecimento deste caso, rejeitando qualquer conluio das autoridades italianas com este caso.
IMPROVISAR, LUSITANA PAIXÃO.....
ALEA JACTA EST.....
«O meu ideal político é a democracia, para que cada homem seja respeitado como indivíduo e nenhum venerado»... Albert Einstein
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 341
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #5 em: Janeiro 20, 2006, 10:02:24 am »
No passado fim-de-semana, a CIA terá bombardeado (com recurso a mísseis lançados de aeronaves não tripuladas) uma aldeia paquistanesa próxima da fonteira com o Afeganistão. O alvo seriam alegados terroristas, inclusive o nº 2 da Al-Qaeda, que se iriam reunir para conversações.Ora, o ataque matou perto de 20 civis e admite-se que tenha liquidado também 4 ou 5 terroristas. O presidente paquistanês reclamou, mas sem grande convicção. Mas assim, a meu ver, não se contribui para uma vitória na "guerra contra o terrorismo". Ninguém se pode conformar com a morte de aldeãos inocentes para aniquilar 1, 2 ou 5 presumíveis cabecilhas de grupos terroristas. Será que o tipo que ordenou o ataque, o que o aconselhou e o que passou a informação àcerca da alegada reunião tinham noção que iriam matar também pessoas inocentes? E teriam a certeza de que os alvos lá estariam? Como se pode tomar decisões deste género de ânimo leve? Como é que esses engravatados conseguem dormir à noite? Matam 4 ou 5 terroristas, mas face ao massacre de inocentes logo 40 ou 50 se entregam à Jihad. È contraproducente e chocante.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

Normando

  • Perito
  • **
  • 341
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #6 em: Janeiro 20, 2006, 10:12:54 am »
Citar
França admite usar armas nucleares contra ataques terroristas

Publico
19.01.2006 - 11h38  
 
O Presidente francês, Jacques Chirac, declarou hoje que a França reserva-se o direito de responder de forma "não convencional", nomeadamente nuclear, aos "dirigentes de Estados que usem meios terroristas" contra o seu país.

A declaração de Jacques Chirac - que representa uma reviravolta na linha estratégica adoptada por Paris - foi proferida hoje durante uma visita à central nuclear de Ile Longue, ao largo de Brest.

Sem nomear qualquer nação, Chirac referiu que "os dirigentes de Estados que usem meios terroristas contra a França devem compreender que ficarão expostos a uma resposta firme e adequada". O Presidente francês acrescentou depois que "essa resposta pode ser convencional", mas que "pode ser também de outra natureza".

Os abastecimentos estratégicos passam a ser, em caso de ataque, considerados "interesses vitais" que justificam o recurso à dissuasão nuclear, afirmou o Presidente francês, que discursava perante as tripulações dos submarinos nucleares franceses de Ile Longue.

Até hoje, a França apenas considerava como interesses vitais - dignos de recurso à arma nuclear, em caso de ameaça - a integridade do seu território, a protecção das populações e o livre exercício da sua soberania.

Numa altura em que a decisão de o Irão em retomar as suas actividades nucleares preocupa a comunidade internacional, Chirac condenou “a tentação de certos Estados em dotar-se de poder nuclear, em contravenção dos tratados”.


 :shock:

Tou pasmado...

Tá a falar grosso, o Chirac.
"If you don't have losses, you're not doing enough" - Rear Admiral Richard K. Turner
 

*

Nuno Bento

  • Perito
  • **
  • 359
  • Recebeu: 7 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #7 em: Janeiro 20, 2006, 01:57:28 pm »
Um presidente em fim de 2º mandato pode dar se a certos luxos de retorica, no entanto das palavras aos actos ainda vai muita coisa.
No entanto a Europa tem de estar preparada para o espansionismo fundamentalista do Islão, o presidente Iraniano é o rosto visivel desta nova politica que não vai tardar a alastrar aos outros paises islamicos (marrocos incluido)
 

*

Nuno Bento

  • Perito
  • **
  • 359
  • Recebeu: 7 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #8 em: Janeiro 20, 2006, 02:03:33 pm »
Em meu entander a solução para o problema Nuclear Iraniano passa por Israel , já que são os maires visados pelo irã e não tens os condicionalismo de acção dos paises europeus, assim um ataque de israel contra acentral nuclear iraniana seria a melhor opção para o problemas, alias Israel já teve identico acto a uns anos atras contra uma central iraquiana.

O problema agora é a incerteza politica em Israel
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1498
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #9 em: Janeiro 21, 2006, 12:30:10 am »
o chirac falou bem grosso.
cumprimentos
 

*

Pantera

  • Perito
  • **
  • 399
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #10 em: Janeiro 22, 2006, 06:50:11 pm »
Citação de: "pedro"
o chirac falou bem grosso.
cumprimentos


Se os terroristas cometerem atentados de elevada mortandade,deveremos sim recorrer as armas nucleares.Já imaginaram uma cidade ocidental ser pulverizada por armas quimicas ou biologicas?
Deus nos ajude se tal acontecesse.Também fiquei supreendido com as palavras de Chirac,no entanto consigo compreende-las

*

Nuno Bento

  • Perito
  • **
  • 359
  • Recebeu: 7 vez(es)
  • Enviou: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #11 em: Janeiro 23, 2006, 01:48:17 am »
Não é só o Chirac que fala grosso este fim de semana o ministro da defesa de Israel tambem falou grosso ameaçando o Irão pela sua escalada nuclear dizendo que não o ia tolerar e dando insinuações sobre expansionismos arabes não tolerados por israel no passado.
Ataque em perspectiva ??
 

*

pedro

  • Investigador
  • *****
  • 1498
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #12 em: Janeiro 23, 2006, 10:11:59 am »
Caro pantera eu ate entendo o chirac.
o que eu acho que seria uma boa ideia era a criacao de um arsenal nuclear europeu.
cumprimentos
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 14182
  • Recebeu: 689 vez(es)
  • Enviou: 697 vez(es)
  • +50/-29
Irão
« Responder #13 em: Janeiro 23, 2006, 02:35:39 pm »
Citação de: "nuno bento"
Não é só o Chirac que fala grosso este fim de semana o ministro da defesa de Israel tambem falou grosso ameaçando o Irão pela sua escalada nuclear dizendo que não o ia tolerar e dando insinuações sobre expansionismos arabes não tolerados por israel no passado.
Ataque em perspectiva ??


Sem dúvida, apesar de eles provavelmente vão esperar mais um pouco, assim se a CE falhar eles já vão poder justificar (em parte) uma incursão aérea ao Irão. Há que recordar que Israel fez algo semelhante no Iraque nos anos 80 usando os F-16.
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Aces High2

  • 12
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #14 em: Janeiro 25, 2006, 01:57:18 am »
Citação de: "nuno bento"
No entanto a Europa tem de estar preparada para o espansionismo fundamentalista do Islão, o presidente Iraniano é o rosto visivel desta nova politica que não vai tardar a alastrar aos outros paises islamicos (marrocos incluido)


->Olá a todos.
A algum tempo acompanho o forum, onde geralmente fico apenas lendo as mensagens dos foristas. Moro no Brasil, e creio eu que estamos fora deste "conflito" entre "civilizações".
Com relação a este tema tenho uma visão um pouco diferente de vocês, europeus em sua maioria, onde peguei a citação acima do colega como um exemplo.
Diversas vezes vi neste ou em outros foruns diversas mensagens sobre a "expanção fundamentalista ou não do Islã", ou até mesmo citações de Jornais e revistas postadas nos mesmos. Geralmente falavam de como a Europa e o ocidente devem estar preparados para as ações de grupos fundamentalistas terroristas, onde muitas dessas citações falavam em ações mais "duras" contra países que as auxiliasem (exemplo a declaração do mandatário frances).

Ora, acredito eu, que estas ações de "endurecer" contra o extremismo por parte da UE, EUA, Japão e Austrália é o mesmo que querer apagar fogo com gasolina. Em minha opnião, o extremismo islamico, é uma reação ao extremismo europeu, seja na ganancia da europa (pelo petroleo atualmente ou por rotas comerciais no passado) ante o islã, seja na impossição de valores tidos como ocidentais em países islamicos (consumismo, democracia e igualdade entre sexos), ou até mesmo na intervenção ocidental em seus assuntos internos.

Alem disso não podemos esquecer o enclave israelence nas relações ocidente-islã.
Sejam justos: Durante anos (e até o presente momento) o ocidente armou e treinou Israel em suas guerras de expanção e intervenção (onde a guerra de 73 foi uma continuação da ocorrida em 67) onde milhares de arabes e palestinos foram mortos e/ou expulsos de suas terras. Agora, nessa situação qual é o pensamente desses povos? Será que apenas Israel é culpada para eles? Não, pois o Ocidente oferece a Israel dinheiro e armas que desequelibram a região e possibilitam Israel atacar seus países e humilha-los, assim isso já é um dos motivos que levam a esses povos a terem magoas e rancor com o ocidente.

Alem disso, tem a questão politica. Uma grande parcela dos países islamicos (notadamente os do Oriente Médio) tem uma grande rejeição de sua população. São dinastias corruptas, violentas e injustas, onde essas tenham vida de "deuses" as custas das riquezas naturais desses países, onde estas dinastias corruptas, são sustentadas com o auxilio do ocidente, uma vez que as mesmas permitem a exploração do petroleo, assim sendo essas populações tem neste motivo, mais um agravante para o "ódio" contra vocês.

Outro fator e a diferença das ações e reações do ocidente referente ao Oriente Médio. Ora, estamos vendo uma grande discução sobre o programa nuclear iraniano. Agora, por que nunca vemos a AEIA, a UE e os EUA fazerem pressão sobre Israel com relação a seu programa nuclear, pois por mais que Israel diga o contrário, o mundo todo sabe que Israel não só tem acesso a tecnologia atomica como tambem possui já um arsenal nuclear. Agora onde esta o senso de justiça nessa situação. Por que novamente Israel pode e os países do Oriente Médio não podem ter essa tecnologia? Isso não é preconceito? Como vc quer ser amigo de uma pessoa se ela é claramente antipatica a ti? Para piorar tudo isso, lembrem-se que foi Paris e Washington que auxiliaram Israel a ter tecnologia atomica....... Quando um país muculmano faz alguma ação para o Ocidente considerada ofensiva ou abusiva, geralmente leva "bomba" na certa. Foi assim com a Libia, Iraque e até mesmo o Irã na guerra do Golfo. Hora, vejo o caso da Libia, em 1986 um 747 explodiu nos ares em um atentado terrorista, onde membros do serviço secreto Libio estavam envolvidos, esse país, foi retaliado militarmente pelos EUA e sofreu sanções economicas e politicas pela ONU por esse ato. Entre 1945 e 1947, ocorreram diversos atentados a bomba na palestina britanica contra alvos britanicos (e cidadões britanicos) realizados por um grupo de libertação e independencia judaico, jamais os países europeus codenaram essas ações - onde em um desses atentados o atual premire israelence Ariel Sharonn participou dos ataques - sendo que até mesmo apertam a mão de um ex-terrorista. Como esse povo vê isso? Será que ele ve justiça no tratamento do Ocidente com eles? Dificilmente.

E a questão de valores. O Ocidente pressiona o Oriente Médio (principalmente países muculmanos) com a implantação de valores ocidentais como a democracia, liberalismo economico e intelectual, consumismo e igualdade de sexo e liberdade de ações. Para a cultura desses países, esses conceitos são tabus e até mesmo padrões ofencivos a sua cultura e esse é o pior ponto de ruptura, pois ao ocidente exigir essas reformas, ocorre uma influencia cultural, ou até mesmo uma tentativa de dominação cultural por parte do ocidente perantes esses países. Esses povos já tinham uma cultura muito desenvolvida, quando a europa ainda era nomade, e ao impor esses costumes ocidentais, estão retirando o unico bem que essa população ainda o tem que é sua rica e farta cultura. Será que o Ocidente gostaria que chegasse amanhã e tivessemos que proibir o consumo de carne suina e alcool, que mulheres não pudessem possar em revistas nuas, ou andar com trajes "curtos" ou até mesmo não pudessem trabalhar; se sua cidade fosse governada por um clerico, será que vc gostaria? Ou se amanhã fosse permitido vc se casar com quantas esposas fosse possivel, será que sua esposa, filha, ou namorada acharia correto?

Até mesmo o famigerado terrorismo, é algo que não pertence a cultura islamica. Durante a primeira metade do seculo passado não era visto com frequencia esses atos nessa região ou ações do tipo perpetradas por moradores dessa região do globo. Mas foi nessa ação, que os residentes dessa região descubriram um meio de levar aquilo que o ocidente faz a eles, para o proprio ocidente provar o gosto amargo que é a violencia, pois quando uma frota chega ao litoral destes países e bombardeia uma nação, tambem é terrorismo, quando o ocidente sustenta dinastias corruptas para favorece-lo isso tambem é terrorismo, quando o ocidente faz vista grossas ao crimes perpetrados por Israel, isso tambem não deixa de ser terrorismo, e quando impomos nossos costumes, acima dos deles acreditando que são "superiores" tambem o é uma forma violenta de terrorismo.

Agora se o Ocidente, não gostou nem um pouco do gosto do terrorismo, que ele tambem não o faça, pois se queres ser bem tratado e recebido pelos demais, trate-os da mesma maneira que você quer ser recebido por ele.

Senhores, um forte abraço e espero não ter ofendido vocês com meu ponto de vista.

Obrigado.
 

 

"A Guerra" - RTP1

Iniciado por LanceroQuadro Livros-Revistas-Filmes-Documentários

Respostas: 41
Visualizações: 16993
Última mensagem Abril 26, 2008, 01:23:32 pm
por lurker
A guerra com o Iraque foi um "erro estratégico"

Iniciado por Tiger22Quadro Conflitos do Presente

Respostas: 7
Visualizações: 3347
Última mensagem Maio 04, 2004, 03:16:28 pm
por Guilherme
"Memórias da Guerra - 1961-1974"

Iniciado por LanceroQuadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 11
Visualizações: 31338
Última mensagem Junho 15, 2007, 04:28:40 pm
por Lancero
Guerra Colonial: Fotos dos "gun trucks"

Iniciado por sprint1050Quadro Conflitos do Passado e História Militar

Respostas: 0
Visualizações: 2933
Última mensagem Agosto 17, 2008, 02:35:53 pm
por sprint1050
"Portugal em tempo de guerra" - CONTEX/PHIBEX

Iniciado por Ricardo NunesQuadro Armadas/Sistemas de Armas

Respostas: 4
Visualizações: 3670
Última mensagem Setembro 26, 2004, 12:00:40 am
por Fábio G.