Piratas à Abordagem

  • 169 Respostas
  • 35179 Visualizações
*

LM

  • Perito
  • **
  • 465
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • Enviou: 232 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #75 em: Novembro 20, 2008, 11:43:46 am »
Citação de: "Feinwerkbau"
uma 0.50 nas asas da ponte pode fazer milagres numa traineira  :D

(...)
Citar
Once they had located and approached it, though, Newton says, the Sirius Star would have been considered "pretty much a risk-free operation" by the pirates. First, he says, the crew would not have put up a fight. "Maybe a European professional crew might have tried, but the pirates know full well that a civilian crew from the Philippines, from Russia or Croatia will not really resist. They'd be the first to admit that they are only there because they can earn more money at sea than they can at home; they'll have little or no appetite for a struggle."

Nor, even if the crew of a supertanker was attempting to guard against a pirate attack, could it actually do so. The Sirius Star, with its crew of 25, would have probably six deckhands, Newton points out. "Assuming one guy can be expected to survey maybe a 100-metre stretch of deck, on a carrier the size of this your entire deck crew would be permanently engaged in looking out for a possible attack," he says. "That's plainly impractical."

The suggestion, floated in the wake of the latest hijacking, that crews might in future be armed is equally unworkable, Newton argues. "Carrying weapons is very, very problematic. If I'm on board ship I'm bound by exactly the same rules and laws as you are in an office in London. We can't carry knives or any other kind of weapon. The problem is, if you're an armed security guard on land you're not going to find yourself in a different country in a few weeks' time. Can you imagine a merchant ship arriving in a foreign port with half its crew armed to the teeth? It's just not going to happen."


All at Sea
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

LM

  • Perito
  • **
  • 465
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • Enviou: 232 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #76 em: Novembro 20, 2008, 12:27:09 pm »
guardian.co.uk November 20 2008

British warship to lead EU armada into Gulf of Aden

Britain is to lead an armada of EU warships to the Gulf of Aden next month to tackle the escalating problem of piracy, in a mission expected to last 12 months.

The naval fleet, under UK command, would "disrupt and tackle the scourge of piracy", foreign secretary David Miliband said yesterday on a visit to Beirut. Piracy threatened trade and prosperity, he added.

EU military planners this week drew up a mandate, including rules of engagement for the use of force, for the mission at a meeting at Northwood, Britain's joint operations centre in north-west London. Plans for the EU fleet, led by HMS Northumberland and known as Operation Atalanta, are due to be formally agreed early next month, European defence officials said yesterday.

The EU fleet, originally proposed to escort boats carrying food aid to Somalia, should include ships from 10 countries.

Nato military chiefs, meeting in Brussels yesterday, indicated that a coordinated worldwide response was required to deal with piracy amid a plethora of proposals about how to deal with the problem.

Russia yesterday came up with its own proposal - land operations against the bases of Somali pirates.

Dmitry Rogozin, Russia's ambassador to Nato, said the view of Russian experts was that naval action alone, even involving the large fleet of a powerful nation, would not be enough to defeat the pirates, given Somalia's geo-strategic position.

"So it is up to Nato, the EU and other major stakeholders to conduct not a sea operation, but in fact a land coastal operation to eradicate the bases of pirates on the ground," he said. "Because we all know ... they have their bases on the ground and of course those actions should be coordinated with Russia," Rogozin said, without making clear whether he envisaged Russian involvement in any operation.

Allied chiefs of staff, meeting in Nato's military committee which devoted most of its time to the conflict in Pakistan, said piracy must be tackled as a long-term problem involving other international organisations, including the UN, a Nato military spokesman said.

Most European countries take the view that piracy is intrinsically linked to the economic and political crisis in Somalia, a failed state. They do not, however, believe that al-Qaida is involved in any of the piracy incidents.

Nato has four ships patrolling the waters off Somalia, with two protecting UN food aid convoys. That mission, Nato's first against pirates, ends next month when the EU operation, called Atalanta, starts.

"The EU presence will be bigger and more designed for the mission," James Appathurai, the chief Nato spokesman, was reported as saying yesterday.

The recent increase in pirate attacks is not only a reflection of Somalia's chronic instability, it is symptomatic of an unstable region, a report for Chatham House, the foreign affairs thinktank, says today.

The report, Yemen: Fear of Failure, says future instability in Somalia had the potential to expand a lawless zone stretching from northern Kenya, through Somalia and the Gulf of Aden, to Saudi Arabia.
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

*

Upham

  • Perito
  • **
  • 516
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #77 em: Novembro 20, 2008, 12:40:28 pm »
Citação de: "Feinwerkbau"
com tanta peça de artilharia naval disponivel pra que raio se ia montar um peça terrestre num navio??  :shock:

falei na 0.50 porque é uma metralhadora fácil de montar e desmontar, barata e com grande poder destrutivo.....


Boa tarde!

Não houve qualquer intenção de ironia no meu post, Feinwerkbau.

Apenas me ocorreu que, com o nivel de organização que os piratas já demonstram, com um navio (traineira) de apoio, com ataques a várias centenas de milhas da costa e com o atrevimento frente a navios de combate, algum pirata mais "engenhoso" pense que uma 0.50 é pouco e que com uma peça de 122 mm (por exemplo) ou qualquer outra de calibre menor teria mais hipoteses, apesar das óbvias complicações  e limitações da instalação de um equipamento desse tipo.

Cordiais saudações
"Nos confins da Ibéria, vive um povo que não se governa, nem se deixa governar."

Frase atribuida a Caio Julio César.
 

*

AC

  • Perito
  • **
  • 402
  • Recebeu: 1 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #78 em: Novembro 20, 2008, 03:39:50 pm »
Perdoem-me o off-topic:
1. A Alemanha em tempos experimentou instalar uma torre do PzH 2000 (155) mm numa corveta. Contudo, tiveram o problema clássico: o Sal é tramado.

2. Estabilização e direcção de tiro são importantes.
 

*

Feinwerkbau

  • Membro
  • *
  • 283
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #79 em: Novembro 21, 2008, 01:19:18 pm »
falava da 0.50 num navio de guerra, tipo os nossos NPO que dizem que estão mal armados...

nunca me passou pela cabeça armar um tripulação civil...
 

*

Upham

  • Perito
  • **
  • 516
  • +0/-0
(sem assunto)
« Responder #80 em: Novembro 21, 2008, 02:44:14 pm »
Citação de: "Feinwerkbau"
falava da 0.50 num navio de guerra, tipo os nossos NPO que dizem que estão mal armados...

nunca me passou pela cabeça armar um tripulação civil...


Boa tarde! :)

Tratou-se de um mal entendido. Aquilo a que me referi mesmo era que a piratagem aumentasse o nivel de armamento nos navios de que dispõe. E já mostraram que são bons a "adquirir" novos navios, ainda há poucos dias "adquiriram" um de 300.000 toneladas, mas o mais preocupante mesmo é o destino da carga (armamento variado) de um navio ucraniano desviado há umas semanas.

Quanto a "armar" uma tripulação civil, lembro-me de há uns dias ter visto de relance no DN (no metro não tive tempo de ler muito mais) uma notícia relativa a armadores contratarem uma "empresa de segurança" presente no Iraque defender navios civis. Tenho que ler com mais atenção.

Cumprimentos
"Nos confins da Ibéria, vive um povo que não se governa, nem se deixa governar."

Frase atribuida a Caio Julio César.
 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #81 em: Novembro 28, 2008, 11:55:55 pm »
Canal do Panamá preocupado com a pirataria nas costas da Somália

O aumento da pirataria nas costas da Somália preocupa as autoridades do Canal do Panamá pelas suas consequências no comércio marítimo internacional, afirmou hoje a administração da via inter-oceânica panamiana.

O administrador da Autoridade do Canal de Panamá (ACP), Alberto Aleman Zubieta, depois de informar a Assembleia nacional sobre as obras de ampliação naquela via, disse à imprensa que a entidade do Canal segue com atenção a situação no Oceano Índico, onde se registam actualmente cerca de quatro assaltos por dia.

Embora os ataques a navios mercantes que navegam no Mar Vermelho e no Oceano Índico não afectem directamente o tráfego da carga por aquela via panamiana, Aleman salienta a preocupação que suscita no comércio marítimo mundial.

O administrador do Canal apoiou o apelo feito recentemente pelo embaixador panamiano na ONU, Ricardo Alberto Arias, que defendeu a adopção urgente de medidas que travem a pirataria, uma actividade anacrónica que se supunha ultrapassada.

Os mais de 8.000 navios de bandeira panamiana também estão debaixo dessa ameaça, advertiu.

Panamá encabeça o Registro Internacional de Navios e Tonelagem Bruta (TRB) a 31 de Outubro de 2008 com 8.159 embarcações e mais de 180 milhões de toneladas, respectivamente, segundo dados oficiais.

De acordo com Alemán, esta situação tem de ser abordada "com seriedade" no seio do Conselho de Segurança da ONU e na Organização Marítima Internacional (OMI).

Segundo a Agência Marítima Internacional, com sede em Kuala Lumpur, desde Janeiro de 2008 ocorreram 95 ataques piratas na zona e, em 39 casos, os assaltantes sequestraram o navio, números que apontam para um aumento deste delito.

A NATO concordou o mês passado em enviar navios de guerra para as águas próximas da Somália, em continua guerra civil, a fim de proteger os barcos que levam para esse país ajuda humanitária do Programa Alimentar Mundial (PAM) das Nações Unidas, numa operação coordenada com a União Europeia (UE).

Ainda hoje, piratas somalis apoderaram-se de um navio-cisterna que transporta químicos no Golfo de Aden e um canhoneira da NATO, que chegou demasiado atrasada para impedir o sequestro, resgatou três guardas da segurança, dois dos quais britânicos, que saltaram para o mar.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #82 em: Dezembro 21, 2008, 01:28:25 pm »
China envia três navios de guerra para águas da Somália

A China anunciou sábado o envio de três navios de guerra para o Golfo de Aden para combater a pirataria marítima ao largo da Somália, avançou a agência noticiosa chinesa Nova China.

Nos últimos meses, vários navios chineses foram atacados nas águas da Somália, em actos de pirataria que têm visado embarcações de várias nacionalidades e que, em muitos casos, culminaram com o sequestro das tripulações e pedidos de resgate.

O porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, Liu Jianchao, declarou que as embarcações, duas fragatas e um navio de abastecimento, partirão a 26 de Dezembro para se juntarem à frota internacional que patrulha as águas da Somália e o Golfo de Aden.

«A nossa principal missão consistirá em zelar pela segurança dos navios e das tripulações chinesas, bem como dos barcos que transportam ajuda humanitária para organizações internacionais como o Programa Alimentar Mundial, das Nações Unidas», adiantou Liu Jianchao.

Os navios chineses cumprirão estritamente as resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas e as leis internacionais, garantiu o mesmo responsável.

Na sexta-feira, o Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovou uma resolução a autorizar, pelo prazo de um ano, operações internacionais no território da Somália.

A resolução determina que os Estados associados na luta contra este flagelo «dispõem de todas as garantias necessárias na Somália para impedirem de agir aqueles que utilizam o seu território para preparar, facilitar ou organizar os actos pirataria de mar».

Na quarta-feira passada um navio chinês foi atacado ao amanhecer, mas a tripulação conseguiu aguentar os piratas até à chegada das forças da coligação, que conseguiram travar o ataque.

De acordo com o porta-voz, sete navios pertencentes a companhias chinesas, com tripulações chinesas, ou com cargas provenientes da China foram atacados pelos piratas no Golfo de Aden desde Janeiro deste ano.

Pelo menos 108 navios foram atacados naquela zona por piratas desde o início do ano e 42 foram capturados, segundo dados da Agência Marítima Internacional.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #83 em: Janeiro 02, 2009, 11:32:04 pm »
Navio militar dinamarquês socorre cargueiro atacado

Um navio militar dinamarquês em missão contra a pirataria socorreu hoje um cargueiro holandês atacado por piratas no Golfo de Aden, anunciou a Marinha dinamarquesa.

O navio dinamarquês, o Absalon, recebeu durante a manhã um pedido de socorro do cargueiro registado nas Antilhas, atacado por cinco piratas que estavam a bordo de uma embarcação rápida.

«O Absalon enviou imediatamente um helicóptero armado para a zona e o helicóptero disparou tiros de aviso perto dos piratas para os obrigar a cessar o ataque», declarou a Marinha dinamarquesa, em comunicado.

«O navio de comércio holandês disparou projécteis de alarme sobre o barco dos piratas, que se incendiou. Os piratas saltaram para a água e foram socorridos por membros da tripulação do Absalon», acrescentou a Marinha.

O Absalon afundou depois o barco piratas em chamas, «para que ele deixasse de constituir uma ameaça para as actividades marítimas civis na região», indicou a Marinha.

Os piratas socorridos permanecerão a bordo do Absalon até a Marinha decidir o que fazer com eles, acrescenta o comunicado.

A Dinamarca assumiu em Setembro o comando da Task Force 150, uma força internacional que persegue os piratas e traficantes de armas somalis no Norte do Oceano Índico.

Em 2008, ocorreram mais de 100 ataques de piratas ao largo das costas da Somália.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #84 em: Janeiro 05, 2009, 12:51:08 am »
Navio de guerra francês impede novos ataques de piratas

Um navio de guerra francês impediu, este domingo, no Golfo de Aden dois novos ataques de piratas contra cargueiros, um croata e outro panamiano, e 19 piratas somalis foram detidos, anunciou o Eliseu.
«Três dias depois de um navio de guerra lançar um ataque contra um cargueiro panamiano, a fragata Jean de Vienne, da Marinha nacional (francesa)», efectuou uma «acção determinante» para se «opor a dois novos ataques», refere um comunicado da presidência francesa.

Um visava o cargueiro croata Donat, o outro o navio panamiano Vulturnus, que navegavam no Golfo de Aden, acrescenta o comunicado do Ministério da Defesa.

O documento refere ainda que os 19 piratas somalis detidos possuíam armas de guerra, munições e material de abordagem e vão ser entregues às autoridades somalis.

Segundo o ministério, foram também capturados duas carabinas, dois lança-rockets, dois "rockets" e mais de 1.000 litros de gasolina.

O presidente Nicolas Sarkozy já enviou felicitações à equipa da fragata Jean de Vienne, e congratulou-se com os primeiros sucessos tangíveis registados na luta contra a pirataria, ao mesmo tempo que desejou que a mobilização internacional se «alargue agora para erradicar este flagelo do Golfo de Aden e das costas somalis», acrescenta o comunicado.  

TSF

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #85 em: Janeiro 09, 2009, 02:00:13 pm »
Piratas somalis anunciam libertação do petroleiro saudita

O superpetroleiro saudita «Sirius Star», capturado a 15 de Novembro passado no Oceano Índico por piratas somalis com toda a sua tripulação e dois milhões de barris de petróleo, foi libertado esta sexta-feira, informou o chefe dos sequestradores.

«O Sirius Star está livre, a tripulação está livre», declarou Mohamed Said a partir do porto de Harardhere, a norte da capital somali Mogadíscio.

Os piratas exigiam como resgate do superpetroleiro 25 milhões de dólares. Ainda não se sabe se essa quantia foi efectivamente paga aos sequestradores.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #86 em: Janeiro 12, 2009, 07:39:59 am »
:arrow:  Marinha portuguesa vai combater Pirataria

A aventura começa ainda este mês. Um navio e almirante portugueses ao comando de uma força da OTAN, numa longa e complexa missão - enfrentar piratas e fazer a Aliança Atlântica passar em mares nunca antes navegados.

Quando, no dia 17, a fragata "Álvares Cabral" zarpar da Base Naval do Alfeite, a OTAN inicia aquela que vai ser uma das suas mais importantes missões, a mais longa viagem operacional fora da sua área tradicional de responsabilidade, rumo ao Índico, um exibir de bandeira que vai chegar à Índia, Paquistão e Austrália, associado à necessidade de pacificar as águas que medeiam o Corno de África, assediadas pelos ataques dos piratas.

A força, designada por Standing NATO Maritim Group (SNMG) é constituída por oito navios de outros tantos Estados da Aliança, Portugal, Canadá, Espanha, Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Noruega e Dinamarca e sucede à antiga STANVFORLANT. Ao comando vai estar o contra-almirante Pereira da Cunha, que curiosamente embarcou nos anos 90 sob o comando do então contra-almirante Reis Rodrigues, o primeiro oficial português a comandar a STANAVFORANT.

E uma das principais missões passa pelo trazer da estabilidade às águas que medeiam o Corno de África, como aponta, em declarações ao JN, o contra-almirante Pereira da Cunha, ameaçadas pela pirataria. "Há vários grupos de piratas a actuar, mas há três principais identificados a actuar", aponta o oficial português.

Até à chegada à região, prevista em Março, a força vai ser sujeita a um conjunto de exercícios para enfrentar a ameaça dos piratas, uma novidade plena para fragatas e destroyeres da SNMG.

O alvo dos modernos piratas é a navegação comercial, com raptos de tripulações e sequestro de navios, para conseguir o resgate, e as últimas informações dão conta de 15 navios e guarnições sequestrados.

A missão da SNMG é manter os corredores de navegação abertos e garantir a segurança da navegação, mas não estão previstas acções em terra, se bem que a actividade dos piratas esteja identificada, assim como os pontos de origem, vilas piscatórias ao longo da costa da Somália. Há, pois, o risco de que logo que a força da OTAN deixe a zona ou a força da União Europeia na região termine o mandato - acaba no final do ano -, o problema volte a surgir em força. Os navios mercantes têm usado todos o meios legais - estão proibidos de usar armas - para combater as embarcações de piratas, desde o lançamento de objectos pesados, óleo de máquinas até ao disparo de pistolas de sinais luminosos.

Pereira da Cunha não acredita que os piratas, armados com armas ligeiras e roquetes, queiram fazer frente aos navios da OTAN. "Normalmente rendem-se ou fogem", mas estão preparados para tudo, inclusive para abordar as embarcações piratas.

JN

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #87 em: Fevereiro 05, 2009, 06:48:03 pm »
Piratas libertam navio carregado de tanques T-72

Piratas da Somália que tinham sequestrado no ano passado um navio ucraniano carregado com 33 tanques T-72, lança-foguetes e outras armas abandonaram hoje a embarcação.

Os donos do navio MV Faina terão supostamente pago aos piratas um resgate 3,2 milhões de dólares na quarta-feira, depois de meses de negociações.

A Presidência da Ucrânia disse em comunicado que os 20 tripulantes do navio estão seguros e de saúde, e o MV Faina agora está protegido pela Marinha americana.

Os piratas invadiram a embarcação a 25 de Setembro, quando o navio ucraniano seguia para o porto de Mombasa, no Quénia.

Desde então o MV Faina ficou ancorado na cidade somali de Harardhere, juntamente com outros navios que foram tomados pelos piratas.

O destino do carregamento ainda está a ser discutido.

O governo do Quénia reivindica ser o dono das armas, mas os documentos do navio sugerem que o destino final das armas era o sul do Sudão.

O Quénia ajudou a fechar o acordo que acabou com a guerra civil entre o sul do Sudão e o governo em 2005.

Lusa

 

*

André

  • Investigador
  • *****
  • 3570
  • Recebeu: 2 vez(es)
  • +4/-0
(sem assunto)
« Responder #88 em: Fevereiro 27, 2009, 07:50:50 pm »
Missão comandada por Portugal chega à Somália no fim de Março


A NATO alterou a missão da sua força naval permanente, comandada por Portugal, definindo uma intervenção no combate à pirataria na Somália a partir do final de Março, disse à Lusa o Estado-Maior General das Forças Armadas.

"O Conselho do Atlântico Norte, a parte política da NATO, aprovou uma alteração da missão, havia só um trânsito na zona da Somália e agora vai haver uma actuação [contra a pirataria] durante algum tempo", disse hoje à Lusa o porta-voz do chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA), o comandante Ramos de Oliveira.

Segundo o comandante, depois desta decisão há que proceder a uma fase de "enquadramento em termos legais da actuação" contra a pirataria, sendo também necessário "coordenar a actuação" com todos os intervenientes que estão actualmente naquele ponto do globo.

"Há que coordenar meios e aspectos legais para a actuação da força", disse.

No final de 2008, a União Europeia lançou uma missão naval de combate à pirataria na zona do Corno de África, que conta com a participação de um oficial português.

O DN adiantou hoje que a força naval permanente da NATO "já recebeu autorização formal para ficar cerca de quarenta dias no golfo de Adem a combater a pirataria". O jornal diz ainda que esta missão "recém-aprovada prolonga-se até meados de Maio".

A fragata "Álvares Cabral" da Marinha Portuguesa assumiu o comando da força naval permanente da Aliança Atlântica - o Standing NATO Maritime Group One (SNMG1) - no final de Janeiro, indo liderar a "Operação Pérola", inicialmente apenas de patrulhamento marítimo no sudoeste asiático, passando em países com a Índia, o Paquistão e a Austrália.

"Dentro de uma a duas semanas teremos mais dados", garantiu Ramos de Oliveira, dizendo que por enquanto não há qualquer previsão sobre o tempo que os oito navios comandados por Portugal poderão actuar.

"Sabemos que o período há-de ser maior do que aquele que estava previsto em termos de passagem, vai depender dos portos que ficarem definidos para esta missão", referiu o militar, acrescentando que esta intervenção na costa somali poderá dividir-se em duas que terão lugar em alturas diferentes.

A fragata portuguesa é constituída por mais de 150 militares e tem ainda um helicóptero "Lynx" integrado.

Lusa

 

*

LM

  • Perito
  • **
  • 465
  • Recebeu: 24 vez(es)
  • Enviou: 232 vez(es)
  • +2/-0
(sem assunto)
« Responder #89 em: Março 19, 2009, 10:54:17 pm »
The latest ONI Worldwide Threat to Shipping Report (to 18 March 09) can be found here. Highlights:

3.  GULF OF ADEN:  NATO ships in new anti-piracy mission off Somalia, 11 Mar 09. NATO warships will be in position next week to conduct a new anti-piracy operation in a majorworld shipping area off the coast of Somalia, the alliance's chief spokesman, James Appathuraisaid Wednesday. He said that seven ships -- one each from the United States, Canada, theNetherlands, Portugal, and Spain, with two vessels from Germany -- would exit the Suez Canalon March 19. "They will be there for about one month, and then they will go on and do portvisits, and come back and near the end of June conduct about two more weeks of counter-piracyoperations," Appathurai said. The operation has been dubbed "Allied Protector" (AFP).

***G.  WEST AFRICA:.     1.  NIGERIA:  Oil station attacked 16 Mar 09 at Nembe in Bayelsa State.  Suspected armedmilitants in five gunboats attacked an oil flow station, operated by Royal Dutch Shell, accordingto a military spokesman.  There was no damage to the oil station, and no injuries reported(Reuters)..     2.  NIGERIA:  Passenger boats attacked, women abducted 14 Mar 09 while underway fromBonny Island to Part Harcourt.  According to a Nigerian military spokesman, gunmen attackedtwo passenger boats, forcing the men to jump overboard.  They then abducted at least fivewomen and brutally raped and tortured them.  The women were later rescued by the Nigerianmilitary after receiving a distress call (BBC, LM: Afriquejet)..     3.  NIGERIA:  Tanker boarded 11 Mar 09 at 0252 UTC while anchored in position 06:19N –003:25E, Lagos anchorage.  Men armed with guns, knives, and iron rods boarded the vessel andassaulted the crew.  The captain and another crew member were seriously injured.  The captainreceived medical treatment onboard while the other injured crew member was sent ashore formedical treatment.  The vessel weighed anchor and proceeded away from port.  A full report andmore details are awaited from the owners (IMB)..     4.  NIGERIA:  Ferry hijacked, passengers kidnapped 4 Mar 09 midday local time whileunderway near the Bonny Island gas terminal at Dutch Island Creek.  While transiting from PortHarcourt to Bonny Island, the ferry was hijacked by gunmen, who then robbed all the passengersof their valuables.  The passengers were later released along a mangrove at a creek.  However,the vessel’s boat driver and conductor were still held onboard.  No injuries to the releasedpassengers were reported.  No group has claimed responsibility for the hijacking (AFP, Reuters)..     5.  NIGERIA:  Tanker fired upon 22 Feb 09 at 2340 UTC while underway in position 03:59N– 006:46E, 40NM southwest of Bonny Island Port Facility.  Five men armed with automaticguns in a high-speed boat and two men in a fishing boat approached the vessel underway.  Theyopened fire at the bridge and attempted to board.  The master raised the alarm, increased speedand took evasive maneuvers.  Due to the evasive maneuvering, the gunmen aborted the attack(IMB)..     6.  CAMEROON:  Vessel (SIL TIDE) attacked, crewmembers kidnapped 14 Mar 09 whileunderway approximately 8NM off the coast of Bakassi, on the Nigeria-Cameroon border. According to security officials, approximately 30 gunmen in speedboats attacked the vessel earlymorning.  Around five shots were fired and six men were taken as hostages.  All six hostageswere released two days later (AFP, LM: AfricaNews).

***H.  INDIAN OCEAN-EAST AFRICA:.     1.  BAB-EL-MANDEB:  Vessel reported suspicious approach 16 Mar 09 at 1505 UTC whileunderway in position 12:33N – 043:25E.  Five men in two speed boats armed with gunsapproached the vessel from the port bow.  The captain conducted evasive maneuvers whilereporting the incident on VHF Ch. 16, but received no reply.  The speed boats abandoned theirpursuit after 10 minutes (Operator, IMB)..     2.  GULF OF ADEN:  Cargo vessel (DIAMOND FALCON) fired upon 14 Mar 09 at 0629UTC while underway in position 13:42N – 049:19E, approximately 50NM southeast of AlMukalla, Yemen.  Two skiffs with men onboard armed with automatic weapons and RPGs firedupon the vessel.  The captain conducted evasive maneuvers and counter-piracy measures while aTurkish warship nearby dispatched two helicopters to provide assistance along with a Danishwarship.  The men in the two skiffs fled the scene after the warships’ arrival, but no arrests weremade. The vessel escaped but reported 40-45 shots around the bridge with minimal damage.  Noinjuries to the crew were reported (Operator, AFP).

***     4.  GULF OF ADEN:  Vessel reported suspicious approach 11 Mar 09 at 0520 UTC whileunderway in position 13:16N – 049:44E.  A suspicious boat was sighted drifting at 5 milesdistance on the starboard beam.  The vessel continued its transit, and the distanced to thesuspicious boat was reduced to less than 2 miles.  The boat had a white hull with one woodenmast in the center, with five to six men onboard.  The boat then began moving towards thevessel, increasing speed.  The captain began conducting evasive maneuvers and called nearbywarships via VHF Ch. 16.  The general alarm was sounded and the crew mustered.  Atapproximately 1 mile away, the boat reversed course and then began drifting again.  Ten minuteslater, two coalition warships arrived.  The warships contacted the vessel and instructed them toproceed with full speed (Operator, IMB).

***.     14.  INDIAN OCEAN:  Iranian dhow reported hijacked on 16 Mar 09 while underway nearthe northern Puntland region of Somalia.  According to sources, Somali villagers seized thedhow for reportedly fishing illegally without the permission of the Puntland Administration. Further information is pending (PRESS TV)..     15.  INDIAN OCEAN:  Vessel reported suspicious approach 13 Mar 09 at 0713 UTC whileunderway in position 07:11N – 058:50E.  The vessel reported being chased by one speed boatwith six men onboard armed with AK-47s.  The master conducted evasive maneuvers and themen in the skiff eventually abandoned their pursuit (Operator, IMB)..     16.  INDIAN OCEAN:  Vessel fired upon 11 March 09 at 2240 UTC while underway inposition 04:02S - 046:33E, approximately 410 NM east of Mombasa, Kenya.  One white skiffwith an unknown number of assailants came within 100 meters of the vessel and fired machineguns and rocket propelled grenade.  A second larger boat was observed in the vicinity.  The alertmariners took appropriate anti-piracy measures and escaped but sustained minor damage to thevessel and one crewmember was injured (IMB)..     17.  INDIAN OCEAN:  Bulk carrier fired upon 10 Mar 09 at 0500 UTC while underway inposition 08:06N – 059:11E.  Four men in a light blue boat approached the vessel armed withautomatic rifles and began firing shots toward the starboard superstructure.  The vesselconducted evasive maneuvers and managed to escape. The captain sustained minor gunshotwounds.  The incident was reported to UKMTO (Operator, IMB)..     18.  INDIAN OCEAN:  Bulk carrier (SHANGHAI VENTURE) fired upon 9 Mar 09 at 1751UTC while underway in position 08:01N – 058:43E.  The duty officer onboard noticed one speedboat approaching from 1.5NM away at a speed of approximately 17kts.  The captain alerted thecrew who mustered at the bridge and engine room.  All watertight doors were closed from theinside.  Water pumps were used to refill the ballast tanks at the same time to cause the water tooverflow from both sides of the main deck.  The vessel increased to maximum speed.  The armedpirates started shooting from the port quarter and attempted to board.  All lights on the vesselwere turned off and evasive maneuvers were conducted.  The pirates then attempted to board asecond time by shooting at the bridge with machine guns.  The vessel conducted evasivemaneuvers again and were able to prevent the pirates from boarding.  The pirate skiff then stayedback in the stern wave and stopped chasing the vessel, but the crew remained alert during thistime.  Approximately one hour later, they were aware of the speed boat chasing them again, at3.5NM away with a speed of 17kts.  The pirates attempted to board the vessel for a third time,but the vessel conducted evasive maneuvers as before and managed to escape.  The speed boateventually stopped its pursuit.  The speed boat was identified as grey colored and 5-7 meters inlength.  No crewmembers were injured during the attack, but the bridge window was broken and91 bullet marks were found, with some bullets passing through the plate. ONI Comment: Attacks during the night are rare, but the moon phase was in a waxing gibbous at a near 100%illumination with minimal cloud cover, making night time operations more favorable (Operator,IMB, LL).

Fonte
Quidquid latine dictum sit, altum videtur
 

 

Os Piratas de Malaca (not the movie..)

Iniciado por MarauderQuadro Conflitos do Presente

Respostas: 0
Visualizações: 1240
Última mensagem Agosto 02, 2006, 10:17:53 am
por Marauder