Economia nacional

  • 7 Respostas
  • 419 Visualizações
*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 854
  • Recebeu: 198 vez(es)
  • Enviou: 122 vez(es)
  • +22/-5
Economia nacional
« em: Novembro 30, 2017, 04:00:38 pm »
Morreu Belmiro de Azevedo, empresário e líder histórico da Sonae

O empresário português Belmiro de Azevedo morreu esta quarta-feira. Tinha 79 anos. O líder histórico da Sonae estava internado desde segunda-feira.



http://observador.pt/2017/11/29/morreu-belmiro-de-azevedo/

Morreu um grande empresário, que não deixava ninguém indiferente, com certeza com aspectos positivos e negativos, mas que criou riqueza no país e foi visionário em muitos aspectos. E também uma coisa de que se orgulhava era de dizer aos nossos políticos, fossem eles Presidentes da República, Primeiro-Ministros, Ministros ou deputados, o que ele (Belmiro) achava do político!

A sucessão do império SONAE fica nas mãos do filho do meio, Paulo Azevedo. E mesmo este para chegar a lider da SONAE, teve de começar a "aprender" e a trabalhar em quase todas as empresas do grupo. O pai só o colocou como Administrador de uma das empresas, quando já trabalhava à mais de 20 anos no grupo. A filha mais nova idem. Mas o caso mais caricato, é o filho mais velho que já quase à 20 anos que nem sequer trabalha para o grupo!!!!!! É apenas accionista!
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 854
  • Recebeu: 198 vez(es)
  • Enviou: 122 vez(es)
  • +22/-5
Re: Economia nacional
« Responder #1 em: Dezembro 12, 2017, 11:01:41 am »
Por que razão o PCP parece querer fechar a Autoeuropa?



Numa coisa, o PCP está certo: o PCP ou a Autoeuropa, um deles tem de morrer. Se o governo também percebe isso, que está a fazer ao lado dos comunistas?

A Autoeuropa, antes de ser uma fábrica, é o resto de um sonho. Na segunda metade dos anos 80, depois do ajustamento de 1983 e da cerimónia de adesão à CEE nos Jerónimos, em 1985, esperou-se em Portugal retomar a história dos anos 60: a industrialização do país, por via da deslocalização das indústrias do norte da Europa. Na década de 60, tinham sido os têxteis e o vestuário. Agora, depois da década perdida com a revolução, seria a indústria automóvel alemã e francesa. Não chegou, porém, a acontecer. Em 1989, a derrocada das ditaduras comunistas reabriu a Europa central às empresas alemãs. Nesse ano do “fim da história”, a classe política em Lisboa, muito à pressa mas sempre com as hesitações de quem não lia livros desde 1967, ainda tentou limpar a economia dos revolucionarismos de 1975. Demasiado tarde. Portugal na CEE não ia ser o país da indústria, mas dos centros comerciais e das urbanizações financiadas pelo crédito barato da moeda única. Das esperanças de um momento, restou a fábrica da Volkswagen em Palmela, a Autoeuropa.

Já nos disseram muitas vezes o que representa: mais de 3000 portugueses empregados, muitos negócios para outras empresas, 10% das exportações, um ponto percentual do PIB. Porque é que então o Partido Comunista decidiu fechá-la? Para começar, porque a Autoeuropa, resultado da integração europeia, violenta a ideia comunista de autarcia económica. Depois, porque a Autoeuropa significa “flexibilidade” e “negociação” nas relações de trabalho, isto é, a negação da intransigência e do confronto em que acredita o PCP. A Autoeuropa, como notam com manifesto desprazer os comunistas, insiste em que tem “colaboradores”, em vez de “trabalhadores”. Ora, o “colaborador” apresenta, para o PCP, este grande defeito: sente, enquanto tal, interesse em fazer prosperar a empresa, quando, como “trabalhador”, deveria ter como único objectivo a destruição do “regime capitalista” e a ruína da “sociedade burguesa”.

A história é conhecida. Durante duas décadas, os comunistas não conseguiram entrar na Autoeuropa, onde os “colaboradores” conseguiram sempre chegar a acordos como a administração. Infelizmente, como se tem visto, nada disso dependia de uma “cultura de empresa”, mas apenas do bom senso de um homem, António Chora, o presidente da Comissão de Trabalhadores, durante algum tempo deputado do BE. A oportunidade para os comunistas surgiu com a reforma de Chora e com a necessidade de criar condições para a produção de um novo modelo. O PCP pôde finalmente sujeitar a Autoeuropa ao conhecido regime da inflexibilidade e do conflito sem saída, que em 2006 já liquidou a fábrica da Opel na Azambuja, então a segunda maior unidade de montagem de automóveis do país.

O ministro Vieira da Silva aparece agora muito incomodado: “o tempo corre contra” o futuro de uma empresa sob “grande pressão externa”. Há rumores sobre “alternativas“, como no caso da Opel em 2006. Mas os comunistas não se deixam comover. Arménio Carlos, muito despreocupado, garante: aconteça o que acontecer, “eles não vão nada embora, vão cá ficar”, como se a Autoeuropa fosse uma fábrica de tijolo em 1943.

Entre 2012 e 2015, os sindicatos comunistas perderam 64 mil filiados, mais de 10% do total. Já este ano, o PCP passou por uma catástrofe municipal, com menos 10 câmaras e a pior votação desde 1976. Mas o comunismo português acredita que ainda se pode salvar, se conseguir recriar em Portugal o mundo de 1943. O cálculo é simples: quando mais empobrecido e ensimesmado, mais o país estará maduro para se render a um qualquer populismo nacionalista, que o PCP, que pouco aprende com a história, acha que pode ser o seu. Nisso talvez esteja errado, porque, se o país tiver de chegar a esse ponto, haverá certamente outras versões mais tentadoras de populismo nacionalista. Mas numa coisa, porém, o PCP está certo: o PCP ou a Autoeuropa, um deles tem de morrer. Se o governo também percebe isso, que está a fazer ao lado dos comunistas?

http://observador.pt/opiniao/por-que-razao-quer-o-pcp-fechar-a-autoeuropa/#comment-post-2403684-1764506
 

*

Lusitan

  • Membro
  • *
  • 65
  • Recebeu: 17 vez(es)
  • Enviou: 13 vez(es)
  • +6/-0
  • Hic et Ubique
Re: Economia nacional
« Responder #2 em: Dezembro 12, 2017, 12:56:54 pm »
Por que razão o PCP parece querer fechar a Autoeuropa?



Numa coisa, o PCP está certo: o PCP ou a Autoeuropa, um deles tem de morrer. Se o governo também percebe isso, que está a fazer ao lado dos comunistas?

A Autoeuropa, antes de ser uma fábrica, é o resto de um sonho. Na segunda metade dos anos 80, depois do ajustamento de 1983 e da cerimónia de adesão à CEE nos Jerónimos, em 1985, esperou-se em Portugal retomar a história dos anos 60: a industrialização do país, por via da deslocalização das indústrias do norte da Europa. Na década de 60, tinham sido os têxteis e o vestuário. Agora, depois da década perdida com a revolução, seria a indústria automóvel alemã e francesa. Não chegou, porém, a acontecer. Em 1989, a derrocada das ditaduras comunistas reabriu a Europa central às empresas alemãs. Nesse ano do “fim da história”, a classe política em Lisboa, muito à pressa mas sempre com as hesitações de quem não lia livros desde 1967, ainda tentou limpar a economia dos revolucionarismos de 1975. Demasiado tarde. Portugal na CEE não ia ser o país da indústria, mas dos centros comerciais e das urbanizações financiadas pelo crédito barato da moeda única. Das esperanças de um momento, restou a fábrica da Volkswagen em Palmela, a Autoeuropa.

Já nos disseram muitas vezes o que representa: mais de 3000 portugueses empregados, muitos negócios para outras empresas, 10% das exportações, um ponto percentual do PIB. Porque é que então o Partido Comunista decidiu fechá-la? Para começar, porque a Autoeuropa, resultado da integração europeia, violenta a ideia comunista de autarcia económica. Depois, porque a Autoeuropa significa “flexibilidade” e “negociação” nas relações de trabalho, isto é, a negação da intransigência e do confronto em que acredita o PCP. A Autoeuropa, como notam com manifesto desprazer os comunistas, insiste em que tem “colaboradores”, em vez de “trabalhadores”. Ora, o “colaborador” apresenta, para o PCP, este grande defeito: sente, enquanto tal, interesse em fazer prosperar a empresa, quando, como “trabalhador”, deveria ter como único objectivo a destruição do “regime capitalista” e a ruína da “sociedade burguesa”.

A história é conhecida. Durante duas décadas, os comunistas não conseguiram entrar na Autoeuropa, onde os “colaboradores” conseguiram sempre chegar a acordos como a administração. Infelizmente, como se tem visto, nada disso dependia de uma “cultura de empresa”, mas apenas do bom senso de um homem, António Chora, o presidente da Comissão de Trabalhadores, durante algum tempo deputado do BE. A oportunidade para os comunistas surgiu com a reforma de Chora e com a necessidade de criar condições para a produção de um novo modelo. O PCP pôde finalmente sujeitar a Autoeuropa ao conhecido regime da inflexibilidade e do conflito sem saída, que em 2006 já liquidou a fábrica da Opel na Azambuja, então a segunda maior unidade de montagem de automóveis do país.

O ministro Vieira da Silva aparece agora muito incomodado: “o tempo corre contra” o futuro de uma empresa sob “grande pressão externa”. Há rumores sobre “alternativas“, como no caso da Opel em 2006. Mas os comunistas não se deixam comover. Arménio Carlos, muito despreocupado, garante: aconteça o que acontecer, “eles não vão nada embora, vão cá ficar”, como se a Autoeuropa fosse uma fábrica de tijolo em 1943.

Entre 2012 e 2015, os sindicatos comunistas perderam 64 mil filiados, mais de 10% do total. Já este ano, o PCP passou por uma catástrofe municipal, com menos 10 câmaras e a pior votação desde 1976. Mas o comunismo português acredita que ainda se pode salvar, se conseguir recriar em Portugal o mundo de 1943. O cálculo é simples: quando mais empobrecido e ensimesmado, mais o país estará maduro para se render a um qualquer populismo nacionalista, que o PCP, que pouco aprende com a história, acha que pode ser o seu. Nisso talvez esteja errado, porque, se o país tiver de chegar a esse ponto, haverá certamente outras versões mais tentadoras de populismo nacionalista. Mas numa coisa, porém, o PCP está certo: o PCP ou a Autoeuropa, um deles tem de morrer. Se o governo também percebe isso, que está a fazer ao lado dos comunistas?

http://observador.pt/opiniao/por-que-razao-quer-o-pcp-fechar-a-autoeuropa/#comment-post-2403684-1764506

O exemplo da maneira de negociar dos comunistas quando estão no poder:

https://en.wikipedia.org/wiki/Novocherkassk_massacre
 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 854
  • Recebeu: 198 vez(es)
  • Enviou: 122 vez(es)
  • +22/-5
Re: Economia nacional
« Responder #3 em: Dezembro 12, 2017, 03:25:14 pm »
O exemplo da maneira de negociar dos comunistas quando estão no poder:

https://en.wikipedia.org/wiki/Novocherkassk_massacre

Eu não consigo perceber é como ainda há tantas aves raras comunistas em Portugal e como são protegidos principalmente pela comunicação social!

Eu tenho um exemplo pessoal, no meu primeiro emprego, de ver na 1ª pessoa como é que os comunistas lidam com os trabalhadores. Eles que são tão "defensores dos trabalhadores".........
No meu caso os comunistas eram donos da empresa onde eu estagiei! Acarinhavam os trabalhadores tanto que ficaram com os descontos para a Segurança Social durante 4 anos! Dinheiro que o trabalhador descontava e que supostamente ía para o estado! Também senti na pele o que era não receber a tempo e horas..... 1 semana, 1 mês e cheguei a não receber 2 meses. Em contrapartida os bufos da Administração recebiam sempre a horas!!!!! Mas o cúmulo foi uma reunião de urgência marcada pelos Administradores/Donos (comunistas) a todos os funcionários que moravam no concelho da sede da empresa, para que os Administradores percebessem porque é que tendo eles concorrido à Presidência de uma autarquia, ainda tiveram menos votos do que o número de trabalhadores na fábrica e com domicílio nesse concelho. Queriam saber quem eram as ovelhas tresmalhadas! (se calhar era mais rápido pensarem pela cabecinha que os comunistas sempre foram odiados no norte e centro do país...... e descobrirem o porquê?)
Atenção que isto não aconteceu nos anos 70, aconteceu 20 e tal anos depois, nos anos 90!
Escusado será dizer que no espaço de 1 ou 2 anos, saíram todos os quadros superiores, todos!!!!!!! A empresa já faliu à poucos anos, entretanto.
Portanto, já estou vacinado contra os comunistas. Principalmente quando vêem com o discurso do capitalismo selvagem...... a vontade de arrancar pedras da calçada é muita!!!!!!!!
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Cabeça de Martelo

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 854
  • Recebeu: 198 vez(es)
  • Enviou: 122 vez(es)
  • +22/-5
Re: Economia nacional
« Responder #4 em: Dezembro 13, 2017, 11:41:10 am »
Autoeuropa a caminho do abismo







O novo horário de trabalho contínuo imposto pela administração da Autoeuropa foi recusado pela Comissão de Trabalhadores, que já convocou um plenário para o próximo dia 20. Ministro Vieira da Silva chama de urgência a administração da fábrica de Palmela e a Comissão de Trabalhadores para discutir o futuro da empresa. A reunião está marcada para sexta, mas os riscos de deslocalização de parte da produção para outras fábricas do grupo alarmam o executivo

Depois de dois pré-acordos chumbados sobre mudanças de horários a administração da Autoeuropa decidiu unilateralmente avançar com o horário aos sábados a implementar a partir de janeiro do próximo ano sem esperar pela luz verde por parte dos trabalhadores da fábrica de Palmela. No entanto, deixa em aberto as mudanças de horário a partir de agosto – altura em que entra em funcionamento a laboração contínua – assim como uma porta aberta para o diálogo com a comissão de trabalhadores (CT).

Uma decisão que é rejeitada pela CT ao alegar que “este modelo de horário e as suas condições são mais desfavoráveis e contrariam a vontade expressa pela maioria dos trabalhadores” e defende que seja retomado o processo negocial. Uma ideia que já tinha sido defendida pela estrutura liderada por Fernando Gonçalves quando o segundo pré-acordo foi chumbado e, como tal, convocou um plenário para o próximo dia 20 de dezembro. Discutir a situação da empresa e exigência de nova negociação, assim como a apresentação do caderno reivindicativo são os temas em cima da mesa.

Ao que i apurou esta decisão por parte da administração não causou surpresa, uma vez que, desde o verão que a empresa estava a dialogar com a CT para avançar com estas mudanças e na semana passada já tinha alertado os trabalhadores para a necessidade urgente de implementar a nova carga horária. “É indiscutível a necessidade de ter no início do novo ano um modelo de trabalho que responda às encomendas dos clientes para a primeira metade de 2018, sob risco de entrarmos em incumprimento com o programa de produção”, revelou.

https://ionline.sapo.pt/artigo/592151/autoeuropa-alerta-vermelho-no-governo-?seccao=Dinheiro_i
 

*

Cabeça de Martelo

  • Investigador
  • *****
  • 13838
  • Recebeu: 606 vez(es)
  • Enviou: 648 vez(es)
  • +42/-11
Re: Economia nacional
« Responder #5 em: Dezembro 13, 2017, 12:31:26 pm »
O exemplo da maneira de negociar dos comunistas quando estão no poder:

https://en.wikipedia.org/wiki/Novocherkassk_massacre

Eu não consigo perceber é como ainda há tantas aves raras comunistas em Portugal e como são protegidos principalmente pela comunicação social!

Eu tenho um exemplo pessoal, no meu primeiro emprego, de ver na 1ª pessoa como é que os comunistas lidam com os trabalhadores. Eles que são tão "defensores dos trabalhadores".........
No meu caso os comunistas eram donos da empresa onde eu estagiei! Acarinhavam os trabalhadores tanto que ficaram com os descontos para a Segurança Social durante 4 anos! Dinheiro que o trabalhador descontava e que supostamente ía para o estado! Também senti na pele o que era não receber a tempo e horas..... 1 semana, 1 mês e cheguei a não receber 2 meses. Em contrapartida os bufos da Administração recebiam sempre a horas!!!!! Mas o cúmulo foi uma reunião de urgência marcada pelos Administradores/Donos (comunistas) a todos os funcionários que moravam no concelho da sede da empresa, para que os Administradores percebessem porque é que tendo eles concorrido à Presidência de uma autarquia, ainda tiveram menos votos do que o número de trabalhadores na fábrica e com domicílio nesse concelho. Queriam saber quem eram as ovelhas tresmalhadas! (se calhar era mais rápido pensarem pela cabecinha que os comunistas sempre foram odiados no norte e centro do país...... e descobrirem o porquê?)
Atenção que isto não aconteceu nos anos 70, aconteceu 20 e tal anos depois, nos anos 90!
Escusado será dizer que no espaço de 1 ou 2 anos, saíram todos os quadros superiores, todos!!!!!!! A empresa já faliu à poucos anos, entretanto.
Portanto, já estou vacinado contra os comunistas. Principalmente quando vêem com o discurso do capitalismo selvagem...... a vontade de arrancar pedras da calçada é muita!!!!!!!!

O meu pai nos anos 70 teve o "desplante" de perguntar numa reunião convicada pelo sindicato porque é que eles na empresa tinham que fazer greves por razões completamente alheias à dita empresa. Foi chamado até de FDP pelo sindicalista mor de plantão... resultado final, nunca mais fez greve ou foi mais a uma dessas reuniões. Ele é de esquerda mas nem penses em falar do PCP à frente dele! :crit:
7. Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais que os outros.

 

*

Viajante

  • Analista
  • ***
  • 854
  • Recebeu: 198 vez(es)
  • Enviou: 122 vez(es)
  • +22/-5
Re: Economia nacional
« Responder #6 em: Dezembro 13, 2017, 08:51:11 pm »
O meu pai nos anos 70 teve o "desplante" de perguntar numa reunião convicada pelo sindicato porque é que eles na empresa tinham que fazer greves por razões completamente alheias à dita empresa. Foi chamado até de FDP pelo sindicalista mor de plantão... resultado final, nunca mais fez greve ou foi mais a uma dessas reuniões. Ele é de esquerda mas nem penses em falar do PCP à frente dele! :crit:

No norte do país é igual, principalmente junto da população mais idosa do interior. No norte, já à séculos que os pais deixam as terras aos filhos. E chegamos aos dias de hoje com terrenos minúsculos, mas que são defendidos com a vida, qualquer metro quadrado. Um nortenho ouvir nos anos 70 falar da reforma agrária, que vem qualquer marialva tirar-lhe o terreno que já foi do pai (ou até o estado=Lisboa), avô..... ou então que comprou com imenso sacrifício (antigamente havia fome, e a única forma de garantirem que não passavam fome, era endividarem-se e comprarem terras que depois deixavam aos filhos).... só visto. No mínimo ouviam asneiras que nem sabiam que existiam e o mais certo seriam corridos a tiro! Se até em família nas heranças há guerras por causa de meia dúzia de metros quadrados, agora imaginamos um anormal querer apoderar-se da terra que é defendida com a vida!!!!

O meu falecido avô, que até aos últimos dias comprou terras para deixar pelo menos 1.000m2 a cada filho não podia ouvir o nome comunismo ou comunista que logo a seguir dizia asneiras.... e ele era extremamente calmo. Mas pior era o meu tio que tinha um cão chamado........ Cunhal LOL
 
Os seguintes utilizadores agradeceram esta mensagem: Lusitan

*

perdadetempo

  • Perito
  • **
  • 360
  • Recebeu: 121 vez(es)
  • Enviou: 221 vez(es)
  • +14/-1
Re: Economia nacional
« Responder #7 em: Dezembro 19, 2017, 10:49:33 am »
Citar
Estado pagou 1.800 milhões em juros pelos apoios que concedeu à banca

Citar
"O esforço financeiro resultante das intervenções públicas, destinadas a apoiar o sistema financeiro nacional no seguimento da crise financeira internacional, iniciada em 2007, constituiu um encargo elevado para o erário público num contexto de finanças públicas deficitárias", lê-se no parecer do Tribunal de Contas à Conta Geral do Estado 2016 (CGE 2016), divulgado hoje.

Segundo o Tribunal de Contas, nesse período, o apoio direto do Estado ao setor financeiro representou 0,4% das necessidades de financiamento em 2016, sendo que esse peso no endividamento variou entre 0,1% em 2011 e um máximo de 6,3% em 2012.

"Além disso, as necessidades adicionais de financiamento têm implícitos custos com juros da dívida pública que se estimam em 1.823 milhões de euros [tendo em conta a taxa de juro implícita da dívida pública, calculada pelo IGCP], no período 2008-2016", lê-se no parecer do Tribunal de Contas.

Nestes oito anos, o apoio financeiro totalizou 14.606,4 milhões de euros, dos quais 258 milhões de euros em 2016, uma redução face aos 2.525 milhões de euros verificados em 2015 (na sua grande maioria relativos à capitalização do Banif).

Neste período, a maior 'fatia' do apoio à banca foi dirigida para o BES/Novo Banco (4.614,7 milhões de euros), seguido do BPN (3.702,3 milhões de euros) e da Caixa Geral de Depósitos (3.035,2 milhões de euros). O Banif custou 2.978 milhões de euros e o BPP 659,9 milhões de euros.

Ainda assim, o Tribunal de Contas admite que o valor dos apoios possa ser superior, uma vez que ao défice do BPN e das sociedades-veículo Parups e Parvalorem pode acrescer capitais próprios negativos destas entidades em 2.033 milhões de euros e existem ainda garantias de 2.714 milhões de euros a estas sociedades veículos e de 1.800 milhões de euros ao Novo Banco.

http://24.sapo.pt/economia/artigos/estado-pagou-1-800-milhoes-em-juros-pelos-apoios-que-concedeu-a-banca

A titulo de comparação o total de despesas para a administração central na proposta do orçamento para 2018 seria de 129.327 milhões de euros.

https://www.dgo.pt/politicaorcamental/Paginas/OEpagina.aspx?Ano=2018&TipoOE=Proposta%20de%20Or%c3%a7amento%20do%20Estado&TipoDocumentos=Lei%20/%20Mapas%20Lei%20/%20Relat%c3%b3rio

Na verdade o único organismo que no seu orçamento consegue ultrapassar o valor gasto nos bancos é o ministério das finanças e apenas por causa da rubrica "GESTAO DA DIVIDA E DA TESOURARIA PUBLICA" para a qual estes empréstimos bancários vieram contribuir.

Cumprimentos,
 

 

China pode tornar-se a 4ª maior economia mundial

Iniciado por PanteraQuadro Mundo

Respostas: 18
Visualizações: 5141
Última mensagem Abril 13, 2006, 10:31:08 pm
por Luso
Portugal tem a 31ª economia mais aberta do mundo

Iniciado por Tiger22Quadro Portugal

Respostas: 4
Visualizações: 1385
Última mensagem Junho 27, 2010, 02:22:35 pm
por Camuflage
Economia portuguesa com maior potencial de expansão

Iniciado por Tiger22Quadro Portugal

Respostas: 1
Visualizações: 1118
Última mensagem Abril 10, 2004, 03:20:52 am
por Tiger22
Economia brasileira cresce 6,1% no terceiro trimestre

Iniciado por J.RicardoQuadro Países Lusófonos

Respostas: 1
Visualizações: 1533
Última mensagem Dezembro 06, 2004, 11:33:03 am
por fredom
Economia portuguesa deve crescer 2% em 2005, diz PWC

Iniciado por dremanuQuadro Portugal

Respostas: 0
Visualizações: 822
Última mensagem Fevereiro 15, 2005, 02:44:14 pm
por dremanu