Mensagens recentes

Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10
1
Portugal / Re: Tecnologia Portuguesa
« Última mensagem por Lusitano89 em Hoje às 01:03:17 am »
Cientistas do Porto inventam máquina que lava loiça em seis minutos com ultrassons


A Silampos, empresa que criou a primeira panela de pressão em Portugal, desafiou cientistas do Politécnico do Porto a inventar uma máquina especial que lava a loiça em meia dúzia de minutos, recorrendo à tecnologia de ultrassons e eletrónica.

Depois de produzir na década de 60 do século XX a primeira panela de pressão em Portugal, a Pequena e Média Empresa (PME) portuguesa Silampos, fundada em 1951, em Cesar, no concelho de Oliveira de Azeméis, prepara-se agora para voltar a "revolucionar a forma de cozinhar" e de "viver a cozinha", com uma máquina para lavar a loiça com recurso a inovação disruptiva, avançou hoje à Lusa Rui Coutinho, coordenador da Porto Design Factory, um evento que arranca no Porto na próxima quinta-feira, dia 29, para revelar projetos inovadores que devem entrar no mercado na próxima década.

Segundo Rui Coutinho, uma equipa multidisciplinar composta por estudantes do Politécnico do Porto, que trabalhou durante dez meses num contexto de pós-graduação em inovação de produtos e serviços, em parceria com uma universidade da Califórnia (EUA), conseguiu desenvolver uma "solução de lavagem de loiça a partir de técnicas relacionadas com ultrassons e com eletrónica" que permite reduzir "substancialmente o tempo de lavagem da loiça, melhorar esse processo, torná-lo mais ecológico, poupando água e retirar todo e qualquer detergente químico".

"Se imaginarmos uma família de duas pessoas, que tipicamente demorará uma semana a conseguir encher a máquina de lavar (...), ela passa a ter uma solução que permite lavar entre três a seis minutos toda a loiça de um jantar de forma ecológica, mais sustentável, mais rápida e mais económica", explica.

Simultaneamente, a recente criação tecnológica, denominada de Piavo, vai permitir que a tecnologia seja "acoplada a qualquer banca de qualquer cozinha" ou que as bancas das cozinhas sejam desenvolvidas "em função da dimensão do agregado familiar", acrescentou Rui Coutinho.

O Piavo, novo sistema de limpeza, "rápido, eficaz e preciso que limpa os utensílios de cozinha entre três a 12 minutos, baseia-se em "inovação disruptiva", ou seja, a inovação utiliza tecnologias que já existem em indústrias adjacentes, como a técnica de ultrassons que existe em laboratórios e hospitais, transpondo essa inovação para contextos menos "habituais" ou "menos previsíveis", concluiu aquele especialista do Politécnico do Porto.

A Porto Design Factory, uma plataforma experimental do Instituto Politécnico do Porto que iniciou trabalhos em 2013, arranca esta quinta-feira no Porto, e até sexta-feira vai mostrar vários projetos desenvolvidos pelos alunos do Politécnico do Porto, em parceria com universidades internacionais, designadamente projetos para empresas como a Sonae MC, Ikea Industry ou Sport Zone.

O conceito de 'Factory' (fábrica, em português) no Porto, surge depois de se ter começado na Finlândia, e ter chegado a Shangai (China), Melbourne (Austrália) e Santiago (Chile).

Para sexta-feira, pelas 16:00 está prevista a visita do ministro da Ciência e do Ensino Superior, Manuel Heitor, informou hoje o Politécnico do Porto.


>>>>>>  http://www.dn.pt/sociedade/interior/cientistas-do-porto-inventam-maquina-que-lava-loica-em-seis-minutos-com-ultrassons-8595335.html
2
Exércitos/Sistemas de Armas / Re: Armas de Fogo Ligeiras e seus Acessórios
« Última mensagem por Cabeça de Martelo em Junho 27, 2017, 11:34:22 pm »
3
Força Aérea Portuguesa no ForumDefesa.com / Re: Substituiçao dos F-16's
« Última mensagem por typhonman em Junho 27, 2017, 11:33:26 pm »
Parece que notícia da recomendação pelo F-16V pelas várias razões adiantadas na altura não foi tida em conta neste artigo, ou não é do conhecimento dos autores, logo cita-se o óbvio no nosso caso concreto.

Citar
ANALYSIS: Why Europe's combat aircraft market is worth fighting for
27 June, 2017| SOURCE: Flightglobal.com| BY: Craig Hoyle| London

(...) Meanwhile, Lockheed appears to be well-placed in Belgium, although it may well face competition. A current F-16 user, Brussels has signalled a desire to cooperate more closely with the Netherlands, including by jointly providing quick reaction alert cover. One way of ensuring shared capability would be for Belgium to follow its neighbour in acquiring the Lightning II.

Fellow F-16 operator Portugal also could emerge as a potential future customer for the conventional take-off and landing F-35A, while any call from the Spanish navy to replace its Boeing AV-8B carrier-based fighters would attract a bid based on the short take-off and vertical landing F-35B. With such prospects on offer, the European combat aircraft market remains well worth fighting for.

https://www.flightglobal.com/news/articles/analysis-why-europes-combat-aircraft-market-is-wor-438188/
 

Nada que a FAP não queira, desde pelo menos 1999 ( Ver Revistas Mais Alto desse ano, nas comemorações dos 47 anos da FAP), tudo o que seja menos de F-35A, só se for por estrita opção orçamental ou política, ou então como eu defendo, dar-se um mix de F-35A e F-16V.
4
Forças de Segurança / Re: Concurso para o SEF
« Última mensagem por marlothbrok em Junho 27, 2017, 10:58:36 pm »
Alguém me consegue arranjar um modelo da prova de conhecimentos?

Também ando à procura para que me possa "guiar" nos estudos, se alguém tiver alguma coisa, ou se entretanto conseguires algo, entrem em contacto sff, seria uma grande ajuda... Cumprimentos
5
Área Livre-Outras Temáticas de Defesa / Re: Detectar Notícias Falsas
« Última mensagem por Viajante em Junho 27, 2017, 10:11:15 pm »
Atenção: Sites de notícias falsas contaminam as redes sociais

As redes sociais permitem-nos ter, de forma rápida, simples e gratuita, acesso a muita informação, sobretudo notícias de última hora de forma a estarmos actualizados, em tempo real, acerca de diversos acontecimentos.

Porém, sabemos que nem tudo o que está na Internet é verdade e deixamos hoje o alerta para os sites que se dedicam à criação de notícias falsas!



É muito comum o utilizador ver uma notícia, sobretudo cujo tema tenha algum impacto, e partilhá-la de imediato na sua rede social, muitas vezes sem ter o cuidado de verificar a fonte, data da notícia, corroborar com outras fontes, etc., e esta situação promove a partilha de notícias falsas e/ou desatualizadas.





Num dos sites tem a seguinte descrição:
O Website 24hnoticias.com permite-lhe criar notícias falsas. Isto tem criado um significante numero de notícias falsas por diversas pessoas que ao verem uma notícia interessante, apelativa, espantosa, ou chocante nas redes sociais com origem neste website sentem-se na obrigação de a partilhar.

Mas… estes sites acabam por ser perigosos pois, para além de incentivarem à criação de conteúdos falsos, não existe propriamente um filtro que limite o tipo de notícias a serem criadas nem a gravidade das mesmas.



Como consequência, vemos diariamente a serem partilhadas notícias falsas com temas de interesse geral, notícias graves, novas leis, acidentes, etc., que são depois partilhadas massivamente, criando uma desinformação viral que acaba até por transcender a Internet e ser motivo de comentários no dia a dia, da ‘vida real’, sem que as pessoas se apercebam de que, no fundo, estão a falar de algo irreal.

Na lei da imprensa, n.º 2/99, artigo 3º, podemos ler que:

    Limites

    A liberdade de imprensa tem como únicos limites os que decorrem da Constituição e da lei, de forma a salvaguardar o rigor e a objectividade da informação, a garantir os direitos ao bom nome, à reserva da intimidade da vida privada, à imagem e à palavra dos cidadãos e a defender o interesse público e a ordem democrática.

Por sua vez, no Decreto-lei 85-C/75, de 26 de Fevereiro, no Artigo 28º:

    Difamação, injúria e prova da verdade dos factos

    10. É punida com a pena correspondente ao crime de difamação a publicação intencional de notícias falsas ou boatos infundamentados, sendo circunstância agravante o facto de estes visarem pôr em causa o interesse público ou a ordem democrática. Em tais casos admite-se sempre a prova da verdade dos factos.

Podemos encontrar mais informações importantes na legislação do Código Penal.



Como podemos ver pelas imagens, estas ‘notícias’ referem-se sobretudo a temas pelos quais as pessoas sentem curiosidade, facilitando e promovendo a partilha das mesmas. Vemos ainda que as ‘notícias’ são massivamente partilhadas, comentadas ou têm alguma reação das pessoas.

https://pplware.sapo.pt/internet/atencao-sites-de-noticias-falsas-contaminam-as-redes-sociais/

Deixo um bom trabalho sobre vários sites populares nas redes sociais, que permite a qualquer um criar uma notícia falsa em muito pouco tempo! Se há endereços que são bloqueados, porque é que há sites de criação de notícias falsas que passam impunemente!?
6
Portugal / Re: TAP: Notícias
« Última mensagem por Lusitano89 em Junho 27, 2017, 06:27:22 pm »
A PSP no 72.º aniversário da TAP PORTUGAL


7
Conflitos do Passado e História Militar / Re: Bósnia e Herzegovina
« Última mensagem por Lusitano89 em Junho 27, 2017, 06:23:59 pm »
Holanda condenada pelo "massacre de Srebrenica"


8
Força Aérea Portuguesa no ForumDefesa.com / Re: Substituição dos Allouette III
« Última mensagem por Charlie Jaguar em Junho 27, 2017, 05:08:54 pm »
Citar
Os últimos voos da bolha
Portugal 27.06.2017 às 11h35 Pedro Miguel Costa, da SIC

O Governo autorizou a compra de cinco helicópteros ligeiros para, em 2018, substituir a frota de Alouette III da Força Aérea Portuguesa, que opera há mais de 50 anos. Conheça melhor este helicóptero, a que os operacionais chamam a "máquina", o "zingarelho", a "bolha"

Pedro Miguel Costa, da SIC
 
Carlos Fanado acabou ferido nos anos 60 na Guiné Bissau. Lembra-se ter sido a última grande emboscada que o PAIGC fez às tropas portuguesas, algures entre Piche e Nova Lamego. Olhando para trás, garante dever a vida a quem do ar chegou para o salvar. Pilotos e enfermeiros assumiam riscos elevados para voar onde o inimigo era certo. Para os homens que estavam no chão, o som do helicóptero é ainda hoje inesquecível. Já lá vão 54 anos desde que o primeiro chegou às mãos do país.

Portugal recebeu, diretamente de França, o primeiro Alouette III a 25 de Abril de 1963, na Base Aérea n.º 9, em Luanda, 4 anos depois do voo do primeiro protótipo. Foram produzidos cerca de 2000 Alouette III, sendo utilizados por mais de 200 operadores militares e civis colocando Portugal no terceiro lugar da lista. A aquisição deste helicóptero pelo estado português estava profundamente ligada ao momento histórico que o país atravessava, com o projeto ultramarino que Portugal ambicionava defender. Na Guerra de África, o Alouette III tornou-se essencial nas operações de contraguerrilha, nomeadamente, na infiltração e na extração vertical dos combatentes do exército diretamente na área do objetivo, no transporte tático de tropas, como helicóptero de ataque ao solo ou nas evacuações sanitárias.

Muitos militares devem-lhe a vida. A sua chegada significava a possibilidade de chegar a tempo ao hospital. Era ainda o que transportava as noticias da familia. Pela versatilidade das suas configurações foi ainda utilizado nas missões de ligação e como posto de comando, para o reconhecimento e o apoio de fogo. Em África, Portugal chegou a ter 142 Alouette III disponíveis para qualquer missão decidida pelas chefias. Ao longo da guerra, Portugal acabou por contribuir bastante para o desenvolvimento e evolução do helicóptero, um desenvolvimento reconhecido por parte da fábrica e dos outros países utilizadores.

Com o fim da guerra foi rapidamente reconvertido ao Teatro de Operações do espaço europeu: transporte tático, apoio aéreo ofensivo, busca e salvamento, evacuação médica e combate a incêndios. Todos os helicópteros regressam das ex-colónias. São divididos entre Tancos e o Montijo. No inverno, com as cheias, retiraram muita população isolada e em dificuldades e nos meses de verão estavam espalhados por todo o País para socorrer náufragos e banhistas e missões de apoio ao combate a incêndios. Ficarão ainda conhecidos para sempre pela sua Patrulha Acrobática, Rotores de Portugal, primeiro com quatro helicópteros e depois com três. Marcaram ainda presença na missão humanitária em Timor-Leste.

Quem o operou, diz que é extraordinário, extremamente manobrável e fiável. O Governo autorizou a compra de cinco helicópteros ligeiros para substituir a frota de Alouette III da Força Aérea Portuguesa, que opera há mais de 50 anos. A partir de 2018, a vida operacional do Alouette chega ao fim, ficando para sempre na história do país. Quando deixar de operar, terá sido até ao fim decisivo na formação de novos pilotos. Chamam-lhe a máquina, o zingarelho, a bolha. Promete deixar saudades entre pilotos, equipas de manutenção e antigos combatentes.

A Força Aérea Portuguesa celebra este ano o seu 65.º aniversário em várias localidades do distrito de Castelo Branco, com um festival aéreo, concertos, exposições e parada militar. Os pontos altos vão ser a cerimónia militar a 1 de julho, no Campo da Feira, e um festival aéreo no dia seguinte no aeródromo municipal, onde vão estar várias aeronaves em exposição incluído o Alouette III.

http://visao.sapo.pt/actualidade/portugal/2017-06-27-Os-ultimos-voos-da-bolha
9
Mundo / Re: Brexit
« Última mensagem por Lusitano89 em Junho 27, 2017, 01:27:51 pm »
Barnier exige a May maior nível de proteção dos cidadãos


10
Força Aérea Portuguesa no ForumDefesa.com / Re: Substituiçao dos F-16's
« Última mensagem por Charlie Jaguar em Junho 27, 2017, 12:31:59 pm »
Parece que notícia da recomendação pelo F-16V pelas várias razões adiantadas na altura não foi tida em conta neste artigo, ou não é do conhecimento dos autores, logo cita-se o óbvio no nosso caso concreto.

Citar
ANALYSIS: Why Europe's combat aircraft market is worth fighting for
27 June, 2017| SOURCE: Flightglobal.com| BY: Craig Hoyle| London

(...) Meanwhile, Lockheed appears to be well-placed in Belgium, although it may well face competition. A current F-16 user, Brussels has signalled a desire to cooperate more closely with the Netherlands, including by jointly providing quick reaction alert cover. One way of ensuring shared capability would be for Belgium to follow its neighbour in acquiring the Lightning II.

Fellow F-16 operator Portugal also could emerge as a potential future customer for the conventional take-off and landing F-35A, while any call from the Spanish navy to replace its Boeing AV-8B carrier-based fighters would attract a bid based on the short take-off and vertical landing F-35B. With such prospects on offer, the European combat aircraft market remains well worth fighting for.

https://www.flightglobal.com/news/articles/analysis-why-europes-combat-aircraft-market-is-wor-438188/
 
Páginas: [1] 2 3 4 5 6 ... 10